Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Eco da Voz Portugueza por Terras de Santa Cruz
Author: Castilho, António Feliciano de, 1800-1875
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Eco da Voz Portugueza por Terras de Santa Cruz" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



a partir da digitalização do original, disponibilizada
pela Biblioteca Nacional de Portugal - This file was
produced from images generously made available by National
Library of Portugal)



Eco da Voz Portugueza por Terras de Santa Cruz

15 de Julho



*I*

Portugal!...

Miseranda patria minha!...

A que horrivel abysmo te arroja ingrata a filha de teu Rei!...

A filha do teu libertador!...

Aquella por quem espargiste o sangue de tuas veias com tanta
generosidade!...

Em que abysmo tão profundo foste precipitada, patria minha miseranda!...

Nova Polonia, vendida a tres nações, que te veneraram já, que já provaram
tua força e tua coragem!...

Portugal!...

Estrangulado entre as garras do Leopardo.... dilacerado pelos dentes do
Leão.... e por escarneo picado com os esporões do gallo, que sobre o teu
cadaver canta os hymnos mortuarios que a finada Polonia ouvira quando posta
em almoeda era vendida a quem mais dava!...

Portugal!...

De tanta glória passada, de tanta capacidade e inexgutaveis recursos que
ainda tens, de tanto patriotismo, dedicação, grandeza de alma, que ficará?

Nem mesmo um nome que tenha alguma significação.

E aos vindouros nada quererá dizer esta palavra, n'outras eras tão
significativa--Portugal.--


*II*

Rainha dos Portuguezes!...

Rainha pelos Portuguezes!...

Que Has feito dessa herança de virtudes que Teu Pai Comprou com a vida para
Ti?

Que Has feito da felicidade de Teu Povo a Ti confiada?

Que lhes Déste pelas suas esperanças?

Esse malfadado Povo não tinha mais que a Deos e a Ti.

Tu lhe Faltas: e Deos punirá nelle os teus peccados.

Rainha pelos Portuguezes!...

Juraram eles Comtigo o pacto de suas venturas: e a Ti, pelo que de Ti
deviam esperar, Te deram inviolabilidade: e ainda, blasfemos em suas
palavras de amor por Ti, disseram que Eras--Sagrada.--

Elles obedeceram tanto; elles cumpriram tanto, e de mais, as condições
desse pacto firmado a sangue de suas honrosas feridas de batalha, que a
fome, sómente a fome lhes poude arrancar um brado supplicante, e
afflicto... e não muito alto dado... não muito pungente... para não magoar
Teu coração... porque Te julgavam sua Mãi!...

A fome, sómente a fome lhes inspirou uma queixa humilde.

E Tu, Rainha pelos Portuguezes!...

Tu Atiraste ao Povo, que tinha fome, uma pedra com que os dentes lhe
Quebraste, que elle esfaimado entre-abrira, julgando que lhe Atiravas algum
pedaço de pão, que sobejava de tua lauta mesa, que elle paga!

Rainha pelos Portuguezes!...

Como foi que Tu Cumpriste o pacto Assignado por Ti, com lagrimas de saudade
a teu Pai votadas, e por teu Povo com sangue derramado por Ti?...

Qual era a condição de Tua inviolabilidade? Cumpriste-a Tu?

Não És Tu mesma a confessar que Transgrediste a lei pela qual Foste feita
Rainha?

Tu mesma não Prometteste a esse Povo esfaimado Derogar leis que Fizeste
contrarias á lei que Te fez de misera proscrita uma Rainha?

Tu mesma, Submettendo-Te a condições aviltantes não Te Degradaste já de Tua
alta dignidade?

Tu mesma não És que Derrubaste essa muralha de corações devotos, que Te
amavam, que palpitavam por Ti, e inviolavel Te faziam e Te guardavam?

Tu mesma não Foste que Deixaste cair o Teu sceptro de ferro sobre essas
cabeças, que Te veneravam sagrada; e quasi que Te adoravam divina?

...........................................................................

E ás boccas esfaimadas Atiras Tu uma dura pedra!...

E sobre as linguas sequiosas Gottejas Tu, risonha de escarneo, o fel amargo
de Tuas ingratidões!...

E nas faces de fome pallidas, que enrubeceram pelo Teu desamor, Tu Mandaste
dar por Estrangeiros muita bofetada!...

...........................................................................


*III*

Em silencio temos por cá pranteado os males de nossa patria: temos devorado
as lagrimas: e sem nenhum murmurio elevado temos a Deos o nosso pensamento:
e sobre seus altares temos por holocausto offerecido as magoas de nosso
coração, por supplicar-lhe que affaste de nossa Patria o seu rigor, tão
justo, mas tão pungente.

Com resignação christã soffrido temos em nossos irmãos todo esse rigor da
justiça divina por mãos dos homens, irmãos nossos, infligido.

Com Fé de Portuguezes temos esperado que a misericordia divina transforme
os nossos males em venturas.

É com dor, mais que acerba, que bem vemos não se applacar a justa ira do
Senhor!

Tarde, bem tarde expiaremos as nossas culpas!

Tarde, bem tarde alcançaremos graça!

Porque a maldição de um Deos peza sobre o lusitano povo, como sobre o povo
escolhido!

Porque um perjurio, um sacrilegio tanto excitaram a colera celeste que
muito longa e tormentosa terá de ser a expiação!

Porèm diz-nos a consciencia, animada pela Fé robusta de nossos Pais, que
muito e muito haverá de soffrer este povo escolhido; mas soffrer não deverá
ser ignominia, aviltamento; porque elle é grande em sua pequenez, que
encerra um passado glorioso, um futuro providencial para a felicidade, para
a regeneração da caduca Europa!

A nossa voz rompe o silencio dos irmãos nossos, magoados, que choram pela
Patria, e se envergonham de que os vejam chorar em terra alheia; e abafam
seus gemidos para não parecerem ingratos, elles, que aqui não soffrem, na
terra mais hospitaleira e venturosa!

Egoista, que por viveres abrigado de tantas miserias não te importa a fome
e a guerra, que vão matando os teus irmãos n'outro hemispherio.

Devasso, que porque sobre a tua face não foi dada a bofetada, tua face fica
pallida, impassiva, indiferente á affronta que lá soffreram, a duas mil
legoas, os teus compatriotas.

Nenhum de vós se atreva a ler este papel.


*IV*

Rainha pelos Portuguezes!

O desamor de Teus subditos ao usurpador, Teu Tio, entorpeceo-lhes os braços
por tal fórma que deixaram entrar uma Esquadra Franceza pelo tejo.

E o pavilhão francez, o pavilhão tricolor, essa bandeira do Povo, essa
bandeira que a desgraçada Polonia julgava a cada instante esperançosa vêr
tremular ao longe em soccorro de seu ultimo baluarte; esse pavilhão
mentiroso tremulou por algumas horas n'algumas fortalezas de Portugal.

Mas assim foi ainda, porque os Portuguezes, opprimidos, esperavam protecção
nesses estrangeiros para sacudir o jugo de um tyranno, sem derramar tanto
sangue, quanto é o que a Tua Corôa lhes tem custado.

Illudidos foram nas suas esperanças; e nunca lhes hade passar a magoa de
não terem corrido todos, á voz de quem quer que fosse, para o combate, para
morrer abraçados á cruz de sua bandeira!

Triste necessidade, lhes nutrindo uma esperança, os fez covardes, e tal
desengano lhes ha de enrubecer de vergonha sempre as faces maceradas!...

E com que necessidade agora Tu Consentes que o pavilhão da soberbissima
Inglaterra se arvore em terra de Portuguezes?

E em que logar, em que torre elle se arvora, para conservar preso um troço
de Portuguezes, surpreendidos sem nenhuma declaração de guerra?

Conheces aquella torre?

A torre de S. Julião!....

...........................................................................

Naquella torre, cadafalso de Gomes Freire!...

Naquella torre, cujos alicerces estão ensopados de sangue portuguez,
derramado gota a gota para Ti, por mais de cinco annos....

Alli... alli se arvora a bandeira de Inglaterra, que tem prisioneiros os
Teus subditos.... e a Ti mesma.... a Ti mesma, qual outra Pomaré!...

...........................................................................

Que vergonha!....


*V*

...........................................................................

Rainha! Rainha!

Sabes tu que muito sangue espargido nos cadafalsos levou sobre ondas rubras
que formava a Tua pesada corôa atravez do Oceano para sobre um rochedo
inexpugnavel?

Sabes que essas ondas de sangue augmentaram lá com o furor dos combates? e
Sabes que refluindo até ás praias do Mindello trouxeram para Ti essa Corôa
que Deixas vacillar?

E Sabes Tu que para que ella fosse elevada até á altura de Tua cabeça foi
necessario que a levasse aos hombros Teu Pai moribundo; que ajudado por
seus amigos subio com muito custo e muita dor uma pyramide alta de
cadaveres, em cuja face reclinada Tu Dormias o somno da innocencia?...

E Sabes Tu que apenas chegado ao apice dessa pyramide, Teu Pai, dando sua
alma a Deos, dando seu coração aos seus Portuguezes, e collocando, já nos
ultimos suspiros, sobre a Tua cabeça essa Corôa de tanto preço, cahio
morto, Elle, entre os soldados rasos?!...


*VI*

Rainha! Rainha!

Esses soldados eram portuguezes!

Esses cadaveres eram de Portuguezes!

Esse tanto sangue, derramado por Ti, era sangue Portuguez!...

...........................................................................

Rainha! Rainha!

O Throno em que Te Assentas é feito de ossos Portuguezes....

O Teu manto de Rainha é vermelho por ser tincto com sangue Portuguez....

A Corôa que Tens na cabeça é a caveira de Teu Pai!....

...........................................................................

O sceptro...

Sómente o sceptro é Teu.... fabricado por Ti.... de ferro.... muito pesado
para Teu pulso debil....


*VII*

Rainha pelos Portuguezes!

Tu não Quizeste ficar inviolavel.

Não hade ser unicamente o ranjer dos ossos que formam o Teu solio, o que te
avisará de que mal sentada Estás, quando não Fazes justiça inteira.

Não será unicamente a cor vermelha de tua purpura que hade manchar-Te a
mão, quando a Affastares de sobre a cabeça daquelle que vem pedir-Te
abrigo.

Não hade unicamente ser a caveira de Teu Pai, que apertando-Te as fontes
quando Te Esqueceres do que a Portugal Deves, Te poderá fazer insupportavel
o peso dessa Corôa, não sustentada por mão de amigo, mas encravada na Tua
cabeça pelas patas do Leopardo e do Leão, e pelos esporões do gallo.

E, como antes que S. Pedro negasse o Divino Mestre, o Gallo cantará tres
vezes.--

Rainha de Portugal, porque Te Degradaste abrindo Tu mesma as portas do teu
Reino para ser invadido?

Rainha dos Portuguezes, porque os não Governaste conforme os seus recursos
e as suas necessidades, para que a fome os não matasse, e a paz lhes desse
prosperidade?

Rainha pelos Portuguezes, porque não Quiseste firmar todo o Teu poder nesse
amor dos Portuguezes, que por Ti abriram suas veias e os seus cofres?

...........................................................................

Tu não Quiseste ficar inviolavel; mas os Teus subditos são Portuguezes,
leaes, e cavalheiros; e Tu para elles ainda És sagrada!

!...................................!.....................................!

Mata-os, mas não os aviltes.


*VIII*

Saiam já de nossa terra os Estrangeiros armados! E onde quer que elles
tenham arvorado o seu estandarte, erga-se para memoria dessa affronta uma
alta cruz, e diga-se:

Aqui jaz Portugal,
que a seus filhos,
não tendo já nome que deixar,
legou
--Vingança--
porêm vingança nobre:
a de haverem de amarem-se para engrandecer-se,
para se regenerar.


IX

Rainha!

Manda o Teu sceptro de ferro para os Teus arsenaes.

Ve-lo-Has transformado em espadas, ancoras, pelouros, e arados.

E os pulsos dos Teus Portuguezes, ainda magoados das algemas que lhes
Lançaste, Verás como ganham vigor para defender-Te, e para humildes
servir-Te.

Humildes por amor!

Para leval-os ao combate, e depois do combate a seu trabalho, Toma Tu uma
leve canna, como Teus Avós fizeram, e Vae, risonha, nobre e compassiva,
ante elles, que são Teus filhos.

Leval-os-Has onde Quizeres; porque, apesar do que Has feito, elles Te amam.

Leaes cavalheiros, só querem que não te esqueças de que És sua Mãi, e de
que nem mesmo entre as féras ha Mãi para consentir que seus filhos sejam
offendidos por estrangeiros.

Tu Crês que não És sua Mãi, elles se consideram Teus filhos, e hão de
amar-Te, em quanto Fores, ao menos madrasta sua e não Estrangeira, Tu, que
És filha de D. Pedro.

Se Queres ser cruel embora o Sejas.

Teus subditos são cavalheiros leaes, que nunca tingiram suas mãos no sangue
dos seus Reis, no cadafalso, como fizeram já aquelles a que recorres,
aquelles cuja bandeira se arvora a Teu reclamo, em terras de Portugal!

...........................................................................

Rainha pelos Portuguezes!

Teus subditos soffrerão tudo, tudo por Ti; menos a infamia de uma bofetada
por mão de Regicidas.

...........................................................................

Rainha pelo amor e pelas armas de Portugal!

Preferes ser tyranna?

Matta os Portuguezes Tu mesma: não os Aviltes.


X

...........................................................................
...........................................................................

E disse por derradeiro o procurador d'El-Rei Lourenço Viegas: "Quereis que
o Senhor Rei vá ás Côrtes d'El-Rei de Leão, ou lhe pague tributo, ou a
alguma outra pessoa, afóra o Senhor Papa; que o appellidou Rei?"--A esta
voz surgiram todos, e com as espadas nuas e alçadas, gritaram: "Livres
somos, nosso Rei é livre, só ás nossas mãos devemos a nossa Liberdade: e
qualquer Senhor Rei, que em tal consentir, morra por ello: e se ainda não
fôr Rei, nunca em nenhum tempo possa vir a reinar sobre nós."--Aqui El-Rei
coroado, se ergueo outra vez, e floreando na direita a espada nua, dísse
para todos; "Quanto hei lidado por vossas liberdades, assás o sabeis vós.
Por testemunhas vos tomo, e por testemunhas a este meu braço e espada; se
alguem em tal consentir, morra por ello; e a ser filho ou neto meu, não
reine."

--Todos disseram: boa palavra, morrerão: "Rei, que em alheio dominio
consentir, não será de nós soffrido uma só hora no throno."

--Ao que El-Rei poz remate, com dizer "Assim se faça."

(A. F. Castilho)

Rio de Janeiro

Typ. de M. A. da Silva Lima

_Rua de S. José N.º 8.--1847_





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Eco da Voz Portugueza por Terras de Santa Cruz" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home