Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: O desastre de Lisboa em 1755: poesia
Author: Fonseca, Augusto de Oliveira Cardoso, 1842-1917
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O desastre de Lisboa em 1755: poesia" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



CENTENARIO DO MARQUEZ DE POMBAL

8 DE MAIO DE 1882


O DESASTRE DE LISBOA

EM 1755


POESIA


POR


_A. d'Oliveira Cardoso Fonseca_


LISBOA

TYPOGRAPHIA CASTRO IRMÃO

_31 Rua da Cruz de Pau 31_

1882



O DESASTRE DE LISBOA



TIRAGEM ESPECIAL

_30 exemplares numerados_

Em papel Japão, n.^os 1 a 12......... 1$200

Em papel Whatman, n.^os 13 a 30...... $600



CENTENARIO DO MARQUEZ DE POMBAL

8 DE MAIO DE 1882


O DESASTRE DE LISBOA

EM 1755


POESIA


POR


_A. d'Oliveira Cardoso Fonseca_


LISBOA

TYPOGRAPHIA CASTRO IRMÃO

_31 Rua da Cruz de Pau 31_

1882


    _..............contempléz ces ruines affreuses,_
    _Ces débris, ces lambeaux, ces cendres malheureuses,_
    _Ces femmes, ces enfants, l'un sur l'autre entassés_
    _Sous ses marbres rompus, ses membres dispersés._

            VOLTAIRE, _Poëme sur le desastre de Lisbonne._



O DESASTRE DE LISBOA


I

Tornou-se escuro o céu, sol não se via;
Medonha tempestade se formava;
O solo, se gretando, estremecia
E n'um abysmo grande se tornava!
Lisboa nunca viu tão triste dia;
Perdida toda a gente se julgava;
As casas, sacudidas, oscilavam
E pelo gran' tremor se esmoronavam!


II

O cataclismo nada respeitava;
Palacios, templos, casas destruia,
E nos tristes destroços abysmava
Os miseros que n'elles envolvia.
Uma desgraça tal ninguem poupava
Á grande mortandade, que fazia:
E sob as cantarias deslocadas
As gentes expiravam sepultadas.


III

Em mui breves momentos... a cidade
O mais lugubre quadro apresentava.
Os habitantes, cheios d'anciedade
Que tamanho terror lhes inspirava
E de Deus supplicando, em vão, piedade,
Fugiam para a rua, onde reinava
Na triste, apavorada multidão
A mais indiscriptivel confusão.


IV

Abandonando as casas procuravam
Immersos não ficarem nas ruinas:
Mas, aquelles que d'ellas escapavam,
Sob o ferro das gentes assassinas,
Que d'essa confusão se aproveitavam,
Nas ruas saqueando--almas ferinas!--,
Succumbiram;--que o ferro lhes tirava
Vida, que o terremoto respeitava.


V

E, qual mimosa flor desabrochada
Que cuidadoso trata o jardineiro
Por aspero tufão sendo açoutada
Barbaramente, perde a côr e o cheiro,
E sobre a tenra haste já quebrada
Vai definhando, e morre no canteiro;
Assim as creancinhas, que perdidas
Das mães estavam, eram consumidas.


VI

E, como se uma tal desolação
A flagello das gentes não bastasse,
Bandidos houve que com impia mão
E para que o terror se accrescentasse
N'esta já desditosa occasião,
Um incendio atearam que queimasse,
Nas devorantes chammas que nutriam,
As casas que aos abalos resistiam.


VII

Que perversos instinctos, vis, horriveis
Alimentavam peitos tão malvados!...
Esses torpes facinoras, temiveis,
Dos negros calabouços escapados;
Do infortunio ás vozes insensiveis,
Sem dó nem compaixão dos desgraçados,
Que attonitos nas ruas encontravam,
Os mais horrendos crimes practicavam.


VIII

Esses profugos, todos criminosos
E talvez nas masmorras pervertidos;
Homicidas, ladrões industriosos
Que não estão do vicio inda esquecidos;
D'entre ferros sahindo furiosos,
Por toda a parte correm atrevidos,
O terror augmentando na cidade
Que entregue fica á sua impiedade.


IX

Dos destroços que as ruas impediam,
E centos de cadaveres juncavam,
Dilacerantes gritos se partiam
Dos feridos que n'elles se encontravam,
E lugubres gemidos se sentiam
Dos que em terriveis ancias expiravam!
Outros emfim, correndo desesp'rados,
Ao Tejo se lançavam. Malfadados!...


X

Mas de repente um vulto grandioso,
De excessivo talento e arrojado,
Da patria pelo amor tão orgulhoso,
Por tantas vezes já por si mostrado;
Tantas victimas vendo, pressuroso
Tratou de castigar tanto malvado,
E com duras medidas que adoptou
O negro vandalismo terminou;


XI

E, com essa energia portentosa
De que dotado foi tão largamente,
O estadista de fama gloriosa
Que á patria lembrará eternamente,
A do Tejo rainha tão formosa
Reedificar consegue brevemente.
--E qual flor escapada ao vendaval
Altiva se ergue a linda capital!


XII

Salve, MARQUEZ, a quem Pombal foi berço,
Mais tarde exilio, tumulo na morte!
Do sepulchro em que ha tanto estás immerso
Julgo ver-te surgir altivo e forte:
E, Portugal mostrando ao universo,
Dizeres:--«Eil-a! A patria... foi meu norte;
Hoje, reliquia de passadas glorias,
Como outr'ora não conta já victorias!»


XIII

Após cem annos de teu somno infindo
Esquecido não é teu genio ingente.
Da historia nossa as paginas abrindo,
Aonde a gloria tua é tão patente,
Haverá portuguez que, amor sentindo
P'la patria cara, outr'ora tão fulgente,
Penhorado não lembre o que fizeste
A Portugal que tanto enobreceste?!


XIV

O que importa o dormir da sepultura
Após a vida á patria dedicada,
Se do tempo ou da morte a lima dura
Gastar não póde a gloria conquistada,
Que pela mesma morte já está pura
Se no exilio não foi purificada?!
Festejai portuguezes esse vulto
A quem devemos todos prestar culto!


XV

Eis que chega o momento em que a nação
Outr'ora tanto d'outras invejada,
E que esquecer não sabe a gratidão
Áquelle por quem foi tão levantada,
Tributa cordeal veneração,
De nobres sentimentos animada,
Ao estadista que a _nenhum respeito_
_O proprio reino qu'ria ver sujeito._


XVI

Exultemos de ver agradecida
A patria, n'um festejo nacional,
Da sua elevação não esquecida,
Que deve ao nobre filho de Pombal;
Por tão soberbo jubilo movida,
Celebrar centenario ao immortal
CONDE D'OEIRAS, DE POMBAL MARQUEZ,
No sangue e n'alma puro portuguez.


XVII

Oh! salve, minha patria idolatrada,
De eminentes varões inclyto berço;
Por heroes excelentes illustrada;
E engrandecida á face do Universo
Por esse vulto enorme, alma elevada
Por quem, no meu singelo e pobre verso
Este sincero voto aqui registro:--
«Gloria immortal ao immortal ministro!»

Lisboa, abril de 1882.



Preço 200 réis





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O desastre de Lisboa em 1755: poesia" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home