Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: D. Joanna de Portugal (A Princesa Santa) - Esboço Biographico
Author: Gomes, Marques, 1853-
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "D. Joanna de Portugal (A Princesa Santa) - Esboço Biographico" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



disponibilizada pela bibRIA.



D. JOANNA DE PORTUGAL

(A PRINCEZA SANTA)

ESBOÇO BIOGRAPHICO

POR

MARQUES GOMES.

AVEIRO
Imprensa Commercial.
1879.

D. JOANNA DE PORTUGAL

(A PRINCEZA SANTA)

ESBOÇO BIOGRAPHICO

POR

MARQUES GOMES.

AVEIRO
Imprensa Commercial.
1879.

OBRAS DO MESMO AUCTOR

MEMORIAS DE AVEIRO (esgotada).

D. DUARTE DE MENEZES, esboço biographico.

O DISTRICTO DE AVEIRO, noticia geographica, estatistica, chorographica,
heraldica, archeologica, historica e biographica da cidade d'Aveiro e de
todas as villas e freguezias do seu districto.

A MULHER ATRAVEZ DOS SECULOS, estudo historico sobre a condição
politica, civil, moral e religiosa da mulher; 1.ª parte sociedades
primitivas. China, India, Persia, Assyria, Egypto e Israel.



A seis de Fevereiro de 1452 nasceu em Lisboa, no paço d'Alcaçoba,[1] D.
Joanna de Portugal. A nova do nascimento foi alegre e enthusiasticamente
celebrada, a ponto da recordação do tristissimo drama de Alfarrobeira
ser quasi que totalmente deslembrada. Os laços conjugaes entre Affonso V
e D. Izabel de Lencastre estreitaram-se de forma, que murcharam de todo
as esperanças alimentadas pelos inimigos do Infante D. Pedro, de verem
realisado o divorcio por elles tão aconselhado[2] e sempre tão
nobremente repellido pelo futuro vencedor d'Arzilla.

Affirmam os seus biographos que D. Joanna foi no berço jurada princeza
herdeira pelos _Tres estados do reino_. A falta de successores á corôa,
obrigou el-rei seu pae, diz Caetano de Sousa, a que no berço fosse
jurada em côrtes Princesa herdeira do reino, titulo com que sempre foi
conhecida, ainda depois de nascido o Principe D. João[3]. E foi logo
jurada por Princeza por todos os estados do reino, que acertaram
achar-se juntos na conjunctura do seu nascimento, refere fr. Luiz de
Souza.[4] As chronicas do tempo não sanccionam esta affirmativa. Ruy de
Pina e Dameão de Goes nem sequer noticiam tal juramento; aquelle diz
apenas que ella sempre se chamou Princeza até 1455, em que nasceu o
Principe D. João; este, que depois do nascimento do Principe ella teve o
titulo de Infante, por não lhe pertencer já o que primeiro usara.[5]

Talvez que fosse jurada Princeza pelos fidalgos e mais pessoas que
compunham a côrte, não obstante d'isso não restar memoria escripta; por
quem de certo não o foi e pelos _Tres estados_ porque estes nem estavam
reunidos, nem se reuniram n'esse anno, nem nos dois annos que se lhe
seguiram.[6] Nem mesmo pela delegação d'elles, ella foi jurada tambem,
porque esta deputação permanente, como lhe chama o sr. Oliveira Marreca,
não existia já.[7]

Amamentada por D. Mecia de Sequeira, D. Joanna ficou orphã de mãe aos
cinco annos de edade. A rainha D. Izabel, que, com o nascimento do
Principe D. João, havia alfim alcançado sepultura para seu pae sob as
abobadas da Batalha, cahiu fulminada em Evora pelo veneno ministrado
pelos partidarios do duque de Bragança, em 2 de dezembro de 1455.[8]

Poucos dias depois do falecimento de D. Izabel, D. Affonso V ordenou que
todos os officiaes, damas e donzeis que estavam ao serviço da finada
rainha, passassem para o de D. Joanna, a quem deu casa, como aquella a
trazia.[9] Pelo que se deprehende da narração de D. Bernarda
Pinheiro[10], D. Joanna, depois do fallecimento da rainha, sua mãe,
assistiu n'um palacio, separado do de seu pae e irmão, talvez o de S.
Bartholomeu, que anteriormente havia sido occupado por suas thias as
infantas D. Leonor, D. Catharina, e D. Joanna.[11]

Entre as damas mais intimas da rainha D. Izabel[12] conta-se D. Beatriz
de Menezes, senhora de nobre linhagem e elevados dotes do coração e do
espirito; foi a ella que D. Affonso confiou a educação moral da filha.
Para seu mordomo-mór nomeou-lhe Fernão Telles de Menezes, e para
governador de sua casa D. João de Lima, segundo visconde de Villa Nova
da Cerveira.[13] O lugar de camareira-mór foi dado a D. Izabel de
Menezes, a _Formosa_, que tambem havia sido dama da rainha D.
Izabel.[14]

Se outras provas não tivessemos para avaliarmos os talentos de D.
Joanna, o espirito esclarecido de seu pae era bastante para nos fazer
acreditar que ella recebeu uma educação esmeradissima, pouco vulgar
n'aquelles tempos. Não só cultivava com esmero a lingua materna, mas a
latina tambem, que então, alem de ser propriamente dita a lingua da
sciencia, era-o igualmente dos altos dignatarios da egreja e da côrte.

Refere D. Bernarda Pinheiro, que D. Joanna aos nove annos, sabendo já
grammatica, começou com grande cuidado a aprender letras, e a querer
entender latim; estando no convento de Jesus trabalhava por haver e
mandar copiar muitos livros, tanto em linguagem, como em latim, dando
preferencia a estes, porque ella muito bem o sabia.

D. Affonso V, que havia tido por mestre o celebre Matheus Pisano, e que
sustentava n'um documento publico que «as sciencias e a sabedoria a
nenhum outro dom podem ser comparadas» decerto não deixou de chamar para
junto da filha, afim de lhe cultivarem o espirito, as maiores
celebridades d'então. D. Filippa de Lencastre, filha do Infante D.
Pedro, havia tambem de necessariamente concorrer immenso para a educação
de D. Joanna, já com os seus prudentes conselhos de thia extremosíssima,
já com as luzes do seu elevado talento e do seu apurado gosto litterario
e artistico, pois esta senhora, alem de varias obras que traduziu do
latim, escreveu coplas e foi uma notavel illuminadora de
manuscriptos.[15] D. Joanna imitou-a. A sua maravilhosa formosura
prestava mais um encanto, diz Ferdinand Dinis, á predilecção que não
deixou de mostrar por tudo quanto se referia á cultura da
intelligencia.[16]

Fr. Luiz de Sousa diz que ella «lia e considerada as vidas e martyrios
das virgens, e tanto se agradava da licção que não queria fallar nem
ouvir fallar d'outra cousa, etc.» Ao historiador monastico decerto
pareceu profana outra qualquer leitura que não fosse a mystica narração
dos feitos das heroinas do christianismo, e por essa rasão limitou a
ellas os livros compulsados por D. Joanna; parece-nos, porem, que não
disse toda a verdade. A filha d'um monarcha tão illustrado como foi
Affonso V, a mulher que havia recebido uma tão apurada educação como
ella recebeu, decerto não se limitava só a lêr vidas de santas, que por
signal escaceavam na régia livraria.[17]

D. Joanna passou o abril da vida instruindo-se e soccorrendo os
indigentes. Onde houvesse lagrimas para enchugar, ou orphãos para
arrancar ás garras da miseria, a sua sombra protectora lá estava.
Milhares de infortunios foram suavisados por ella. Aos carceres e
hospitaes chegava tambem a sua beneficencia. Alli, pelos seus servidores
mais fieis levava o remedio do corpo e a esperança da alma, o pão para a
fome e a fé para lenitivo ás grandes dôres. A sua caridade era conhecida
de Lisboa e de Portugal inteiro; aquillo a que podia chamar propriamente
seu distribuia-o pelos necessitados; quanto tinha era dos pobres e para
os pobres. Mereciam-lhe sempre particular compaixão os desgraçados que,
havendo sido grandes outrora, cahiam em pobreza; e nos soccorros que a
estes ministrava é que o seu animo compassivo e bondoso melhor se
reflectia, pois protegia-os sem lhes ferir o pondunor, sem sequer lhes
fazer pensar d'onde lhe vinha o inesperado auxilio.

Do mesmo modo que seu pae, apparecia ao povo nos lugares publicos, e
escutava com semblante prasenteiro e bom as supplicas dos subditos
obscuros, afim de as depôr e advogar perante o regio throno. Honrava
sempre com todo o pessoal de sua casa as festas e solemnidades da côrte.
Nos seus paços orava e fazia orar Suas damas pela prosperidade do paiz.
Recolhida ao seu oratorio particular, ahi se demorava longas horas em
orações, e entregue á leitura dos livros sagrados, merecendo-lhe
particular estima o Evangelho de S. João. Os trances afflictivos da vida
do Redemptor eram para ella objecto de serias e profundas meditações, e
em memoria d'elles tomou por divisa uma corôa de espinhos. Estavam então
muito em uso as divisas, costume cavalleiresco com que os nobres
exprimiam as tendencias do seu espirito. A Princeza, segundo fr. Luiz de
Souza, «não se quiz desobrigar d'este uso commum; mas no costume do
mundo buscou empreza do céu, que foi uma corôa de espinhos. Esta mandou
pintar em todos os seus aposentos, esmaltar em suas joias, e gravar em
sua porta.[18]

No reinado de D. Affonso V era tal o esplendor das festas da côrte
portugueza, que embaixadores estrangeiros confessavam espontaneamente
que em paiz algum da Europa poderiam ser escedidas em magnificencia.[19]
Os saraus eram muito frequentes; começavam de ordinario por lautas
ceias, servidas em custosas baixellas de prata, e terminavam por danças
e momos de exquisita invenção. «Debaixo dos tectos e das abobadas
artezoadas, lavradas de oiro nos pendurões e bocetes, acotovelavam-se as
damas, diz Rebello da Silva, riam pagens, atravessavam figuras de momos,
pulavam anões ou corcovados, e teniam os cascaveis dos maninellos e
truões.[20] D. Joanna não permittia que no seu paço, diz D. Bernarda
Pinheiro, se fizessem jogos nem momos de vaidades; se queria ter sarau,
fazia-o quando seu pae e irmão lh'o vinham dar e ter com ella. E com
elles, duques, marquezes, condes e todos os outros senhores e fidalgos,
os quaes como a paço d'uma princeza, não tendo outra, vinham assim
desenfadar. E tomava muito prazer em seus saraus com el-rei n'estes dias
festivos, e com suas damas e donzellas, com as quaes a dita senhora
Infante e Princeza sahia a recebel-os, toda coberta de sua pompa e reaes
vestidos e toucado, por satisfazer sempre com a vontade e mandado de
el-rei seu pae.»

Parece que n'estas festas, em que sempre dançava com el-rei, ou com o
infante D. Fernando, seu thio, D. Joanna occultava com cuidado, sob as
sedas dos seus vestidos e os brilhantes dos seus colares, a camisa de
grosseira estamenha e os asperos celicios.

      *      *      *     *      *

A Africa é a terra promettida de D. Affonso V, diz Schoeffer, o objecto
de seus desejos, dos seus planos favoritos e de seus sonhos,[21] é
finalmente alli, refere Rebello da Silva, que elle corta uma palma, que
D. João I mesmo não julgaria impropria da sua corôa militar.[22] A
conquista d'Arzilla, uma das melhores possessões dos mouros, n'aquella
parte do globo. Em 1471 depois de haver mandado observar por Pedro de
Alcaçoba e Vicente Simões, o meio mais facil de levar a effeito a
desejada conquista, D. Affonso preparou a expedição, composta de
quatrocentos e setenta o sete navios e vinte e quatro mil homens de
desembarque. Contra o voto quasi unanime do seu conselho, o rei
commetteu uma d'aquellas leviandades em que tão facilmente se deixava
cahir. Consentiu que seu filho, o Principe D. João, o acompanhasse,
aventurando assim aos azares da guerra os destinos da corôa de Portugal.
Por governador do reino ficou o duque de Bragança, D. Fernando.[23]
Alguns escriptores, entre elles fr. Luiz de Souza, querem que D. Joanna
fosse a regente, opinião que alem de não ser seguida por Dameão de Goes,
Ruy de Pina e outro qualquer chronista, cahe pela base em presença da
carta patente de D. Affonso V, em que se incumbe a governança do reino
ao velho duque de Bragança. A propria D. Bernarda Pinheiro não diz
explicitamente que ella ficou regente, mas sim «que el-rei lhe deixou
seu reino e tudo ordenado e recommendado como convinha.»

Em 15 de agosto levantou ferro a esquadra com direcção a Africa, e a 24
do mesmo mez dava-se o assalto, hasteando-se, passadas algumas horas de
sanguinolento combate em que D. Affonso V combateu com o seu
incontestavel valor, a bandeira da cruz nos miranetes das mesquitas e
eirados das torres d'Arzilla.

«Tanger, que resistira a tantos assaltos, e que vira do alto dos seus
muros, no reinado de D. Duarte, o desastre dos infantes, e o captiveiro
d'um d'elles, Tanger cortada de temor, despejou-se repentinamente, e D.
João, depois marquez de Montemór, recebia das mãos victoriosas do rei os
estandartes portuguezes, para os hastear n'aquellas ameias
desamparadas.[24]

A feliz nova de que Affonso V engastara na sua dupla corôa de rei e de
cavalleiro duas joias de tão pura agua como eram Tanger e Arzilla, foi
em Portugal alegremente recebida. D. Joanna que na capella dos seus
paços havia mandado fazer preces publicas pelo bom exito da expedição,
communicou logo á camara e cidade de Coimbra o resultado d'ella.[25]

Regulada a administração e defeza das praças conquistadas, o rei voltou
ao reino, onde o esperava a mais brilhante recepção que até então entre
nós se havia presenciado. Os vencedores, diz Dameão de Goes, foram
recebidos com procissões e grandes festas, que em louvor de Deus, e
lembrança de tão assignalada victoria por muitos dias se celebraram por
todo o reino.[26]

D. Joanna, vestindo um habito de rico veludo verde, e ostentando na
cabeça e no collo os melhores brilhantes do real thesouro, foi esperar
el-rei ao desembarque. Acompanhava-a sua thia D. Filippa e bem assim
todas as damas, donzellas e fidalgas de sua casa. Contava então desoito
annos, e a tradicção e a historia apresentam-nol-a formosissima. Vastos
cabellos loiros naturalmente annelados, presos em redor da cabeça por
uma fita de seda cravejada de rubis cahiam-lhe soltos pelas costas
abaixo segundo a moda d'então. O rosto era oval, alvo, ainda que um
pouco rosado; os olhos eram verdes e formosos; o nariz digno rival da
estatuaria grega e a bocca, pequena, entreabria-se n'uns labios
purpurinos. A estatura era um pouco alta, mas donairosa; o seu trajar
simples, mas sempre elegante.[27]

Alguns mezes depois eram taes as necessidades do estado que se pensou na
conveniencia de reduzir as despezas a que D. Joanna era obrigada a
fazer, tendo casa como se fosse rainha. Foram diversos os alvitres
apresentados, resolvendo-se afinal que ella entrasse num mosteiro em
habito secular, em quanto não casava,[28] indo-se assim de accordo não
só com as suas tendencias asceticas, mas tambem com os desejos que mais
uma vez havia manifestado, de trocar a purpura pela estamenha. Não era
novo o exemplo. As Infantas Thereza, Sancha, Mafalda, Branca e Maria,
aquellas filhas de D. Sancho I, e estas de D. Affonso III, haviam
trocado tambem a côrte pelo claustro. Alem d'isto é acto de abnegação
praticado por D. Izabel a _santa rainha_ de mistura com a repentina
resolução de algumas damas mais illustres, que n'esta época abandonaram
Lisboa a fim de professarem nos differentes mosteiros do paiz, fez com
que D. Joanna recebesse jubilosa a resolução do real conselho.

Escolhido o mosteiro de Odivellas, para residencia da Princeza, por ahi
viver sua thia D. Filippa, diz Dameão de Goes que el-rei a foi visitar
com o Principe, e lhe disse o que no conselho se ordenara ácerca da
ordem de sua casa e modo do estado da sua pessoa, pelo que ella lhe
beijou a mão, dizendo-lhe que n'isto lhe fazia grande mercê, porque sua
tenção e vontade fôra sempre de servir a Deus em religião.[29]

Resolvida a deixar para sempre a côrte, D. Joanna distribuiu entre as
damas de sua casa os seus vestidos e joias, e despachou com el-rei os
fidalgos e officiaes, com a maior vantagem e favor que poude, diz fr.
Luiz de Souza.[30]

Em 1472 entrou no mosteiro de Odivellas, onde foi recebida com todas as
honras inherentes ao seu alto nascimento. Foi porem curta aqui a sua
estada. Logo que sahiu do paço deu a conhecer que o mosteiro em que
queria viver era o de Jesus de Aveiro e não aquelle, porem por motivos
que nos são desconhecidos não poude logo realisar o que desejava. O
convento de Jesus havia então poucos annos que fôra fundado; podia-se
apresentar como exemplo de pobreza e austeridade e ao mesmo tempo como
asylo das damas mais illustres de Portugal, em cujo numero se contavam
D. Leonor de Menezes, filha do segundo conde de Vianna D. Duarte de
Menezes, que ahi professou e veio a ser mais tarde prioreza. Parece ser
esta senhora a causa principal de D. Joanna preferir Aveiro a Odivellas,
pelo menos é essa a opinião mais seguida.

Obtida a permissão para vir para o convento de Jesus, D. Joanna deu-se
pressa a communical-a á prioresa Dona Beatriz Leitão. Nos fins de julho
de 1472 chegou a Princeza a Aveiro; acompanhavam-a, alem da côrte, o rei
e o principe, D. Filippa de Lencastre, e soror Mecia d'Alvarenga,
religiosa de Odivellas, e D. Mecia de Sequeira, sua ama. No dia 4 de
agosto, teve lugar a entrada no mosteiro, que foi com a maior
solemnidade e lusimento. El-rei e o Principe foram os unicos que
entraram, acompanhando-a, precedidos da communidade, até aos aposentos
que lhe estavam destinados, que eram a casa denominada das finadas, por
então não haver outra devoluta, nem melhor, diz D. Bernarda Pinheiro.

«Era o mosteiro mui estreito, refere fr. Luiz de Sousa, para aposentar
uma Princeza, mas ella entrou tão humildemente, que tudo lhe parecia
grande; concertaram-lhe uma casa, que ficava junto á capella-mór; aqui
fez logo armar um oratorio, e na parede abriu uma pequena fresta que lhe
servia de tribuna para ouvir os officios Divinos.[31] Seu trajo era já
dominico, quando entrou, vasquinha branca e saio preto, de panno pouco
custoso; os cabellos ennastrados, recolhidos em coifa de lenço, e toalha
lançada; como tudo era tão honesto, não mudou nada. Nas festas descia
muitas vezes ao côro, e tomava assento no esquerdo, entre as noviças, e
nas ultimas cadeiras.[32]

Soror Mecia d'Alvarenga ficou vivendo no convento com D. Joanna; D.
Filippa de Lencastre e D. Mecia de Sequeira, essas ficaram tambem por
algum tempo em Aveiro, mas fóra da clausura. Algumas creadas que havia
trasido comsigo de Odivellas, mandou-as ficar na villa, mais por amor e
para lhes fazer bem e mercê, que por necessidade do seu serviço, diz fr.
Luiz de Sousa. D. Filippa visitava-a amiudadas vezes e parece que tambem
algumas vezes o fizera o Principe D. João antes della tomar o habito, o
que muito lhe recommendara que não fizesse.

Nos primeiros dias de 1475; D. Joanna mostrou immensos desejos de tomar
o habito. Discutido o assumpto pela communidade reunida em capitulo,
determinou ella que a solemnidade tivesse lugar em 25 de janeiro, por
n'esse dia a egreja resar da conversão de S. Paulo. «Chegou o dia, e bem
podemos dizer, diz fr. Luiz do Souza, que foi o mais formoso, e o mais
alegre, que nunca aquella casa teve. Viu-se n'elle uma Princeza jurada
de um reino, sendo encontrada de pae rei, e irmão Principe, thios
Infantes, e a despeito de toda uma provincia, buscar a pobreza e
humildade de Christo, lançar-se por terra, e aos pés de uma pobre
mulher, pedir-lhe por misericordia uma mortalha.

Começou a cerimonia depois do uma devota pratica da Prioreza, com se
chegar a ella a Princeza, e offerecer-lhe a cabeça para dar os cabellos
de ouro em penhor, e primicias do sacrificio, que se fazia a Deus.
Cortou-lh'os a Prioreza, mas com tantas lagrimas, que quasi que nem os
olhos viam, nem as mãos acertavam o que faziam. Não eram menos as de
toda a communidade, nem as da noviça; porem com esta differença, que as
da noviça eram de consolação e alegria, as da Prelada, subditas de
devoção, de espanto e de compunção. Com as mesmas lhe foi vestido o
habito. e no remate, abraçando e dando paz com humildade a todas, se foi
com ellas em procissão ao altar.»[33]

«Começou a Princeza desde este dia um mui austero, e esquivo genero de
vida, não só por qualidade tão alta e compleição tão delicada, como era
a sua, mas para quem no nascimento tivera humilde sorte, e nas forças
muita robustez, espelho em que se deviam vêr, e a elle compôr vidas e
costumes, todos os sugeitos que buscam a religião. Os que nasceram
grandes para se saberem humilhar, e os pequenos para se lembrarem sempre
da pobreza do seu pó, e não pretenderem elevar-se onde os maiores se
abatem...............................................................
.....................................................................

«Famoso exemplo nos deixou esta Princeza; do dia que vestiu o santo
habito, nunca mais se deixou visitar, nem tractar de nenhum senhor, nem
outro secular do reino; nunca mais trouxe peça de ouro, nem de prata, e
até o titulo de Infante quizera deixar, (porque o de Princeza muito
tempo havia que o tinha deixado) se a Prioreza lh'o não tolhera. No
habito, nas tunicas, na cama e em todo o trajo; no serviço de casa, e
communidade, nenhuma differença fazia da mais pequena e humilde noviça.
Habito curto, e sem fralda, tunicas de sarja, cama sem nenhum genero de
lenço, pantufos baixos de inverno, sapatas de sola no verão (quem crêra
isto hoje, ainda em uma mulher ordinaria). No côro fazia todos os
officios das mais noviças, assim como lhe cabia por seu turno: dizia
versos, (antiphonas), registrava as horas, cantava kalendas, accendia
vellas, levava os ceriaes, cruz e agua benta; no refeitorio servia
quando lhe tocava, ajudando a companheira quanto suas forças, quando não
eram mui fracas, abrangiam. Ao comer, tomava sua pitança como cada uma
das outras noviças; se lhe juntavam diante mais alguma cousa, como era
fazer differença em respeito da sua pessoa, ou a dava á freira mais
visinha, ou a deixava sem lhe tocar. Para não faltar em nenhuma
occupação da communidade, aprendeu a fiar, e a coser e lavrar. E como o
sangue nobre para tudo é mais habil se se applica, sahiu grande mestra;
e do seu fiado se faziam corporaes para os altares. Chegou a amassar o
pão, lavar a roupa, varrer as casas, para que corresse o trabalho
egualmente por todas; e se acontecia metter-se lenha em casa, ou trigo,
e ainda que fosse tijollo, telha e barro, que as religiosas, por não
entrarem dentro seculares, e por que não usavam ainda então servidoras,
nem de escravas, costumavam por suas mãos acarretar, accudia com alegre
rosto a ajudar, e levar sua parte, louvando umas, animando outras, e
dando exemplo de humildade a todas.»

«Veio-se a saber na villa, e logo por todo o reino, que estava noviça,
com cabellos cortados e habito vestido. Foi estrondo, e nunca visto o
sentimento, que por toda a parte causou. Entre os moradores da villa
houve pranto geral. Os criados, e criadas se encerraram, e vestiram de
pano de dó, como se a viram enterrar. A senhora D. Felippa não quiz mais
visital-a, ou de sentida do feito, ou de receiar ser havida por
consentidora d'elle; e poucos dias depois se foi da Villa; e deu ordem
com a Prelada de Odivellas, que lhe tirasse a amiga D. Mecia
d'Alvarenga.»[34]

Mal se divulgou nas provincias que D. Joanna havia tomado o habito,
muitas e importantes povoações mandaram a Aveiro representantes seus
afim de protestarem contra uma tal deliberação. Chegados que foram aqui,
dirigiram-se ao convento, onde foram recebidos na Casa da Roda pela
Prioreza D. Beatriz Leitão, a quem asperamente censuraram, chegando a
ameaçal-a com o lançarem o fogo ao convento se ella não fizesse com que
D. Joanna despisse o habito. D. Beatriz desculpou-se o melhor que poude,
dizendo que não tinha feito mais do que obedecer ás ordens da Princeza;
estas explicações satisfizeram em parte os representantes dos concelhos,
que se retiraram em seguida, depois de haverem feito lavrar instrumentos
publicos pelos tabeliães que comsigo haviam trazido, pelos quaes o
Convento se obrigou a não pôr estorvo algum nem demora á sahida da
Princeza em qualquer tempo que se tornasse necessario para bem do reino.

Veio depois o Principe D. João, trazendo em sua companhia alguns dos
principaes fidalgos e varios bispos, dos quaes um era o d'Evora, D.
Garcia de Menezes. Entrou iradissimo no convento, e sahindo-lhe ao
encontro a Prioreza, reprehendeu-a asperamente tambem, perguntando-lhe
como a tal se atrevera.

Ella toda cheia de humildade, mas humildade que não avilta, antes
enobrece, respondeu-lhe: «Senhor, a senhora Princeza, jurada herdeira do
throno, é por nós todas obedecida, como se fosse Rainha de Portugal: a
senhora Princeza mandou, senhor, e soror Beatriz cumpriu.»

D. João, surprehendido com esta tão respeitosa submissão, passou aos
aposentos de D. Joanna, que sahiu a recebel-o, «fazendo-se força, diz
Sousa, por mostrar alegria com sua vinda: porém elle, pondo os olhos
n'ella, e quando lhe viu o rosto secco, pallido e enfiado, effeitos do
rigor com que vivia, e notou a pobreza do vestido, a novidade do
toucado, não poude conter as lagrimas; e trocada a paixão pela ira, com
que vinha, em uma não cuidada brandura, fallou-lhe amorosamente,
pedindo-lhe que deixasse aquelle genero de vida e trajo, com que tinha
desgostado a seu Pae, e a elle, inquietado e alterado todos os Estados
do Reino: que lhe lembrasse a necessidade que havia da sua pessoa para
na falta d'elle Principe: caso em que estava obrigada, não só a cortar
por seu gosto, pelo dar a tantos, mas ainda a sacrificar-se. Que
folgasse de agradar a um Pae velho, que muito lhe queria; fazer a
vontade a um irmão enfermo, e sem filhos, e não desprezar os
requerimentos de um Reino inteiro. Respondeu a Princeza com poucas, e
humildes palavras, como a Principe, que reconhecia por Senhor, e como a
irmão, que muito amava; que bem sabiam El-Rei seu Pae, e elle, que era
tão antigo n'ella o amor da vida religiosa, como o uso da rasão; que a
esta conta de beneplacito de ambos, e com sua licença, de longo tempo
requerida, viera para aquella casa. E sendo assim, bem deviam entender,
que não podia estar bem a sua pessoa, entrando em companhia de professas
de estado austero, e rigoroso estar á vista de seus trabalhos, sem tomar
parte n'elles; e viver em casa de religião, isempta das obrigações
d'ella: que fazendo conta, que ambos d'isso eram contentes, começara
aquella vida, vida que buscara com vontade, e proseguia com gosto; e
ajudando-a Deus levaria ao cabo, com a firmeza, e constancia, que devia
a seu sangue: e assim pedia a sua alteza fosse servido parecer-lhe bem.
Estas rasões e as lagrimas piedosas, com que as acompanhava, atalharam o
principe de sorte, que não mais fez instancia. Mas tomando a Princeza
pela mão levou-a para uma varanda. Alli chamou o bispo de Evora Dom
Garcia de Menezes, que com outros senhores o viera acompanhando, e
queixou-se-lhe da dureza, que achara n'ella. Tomou então o bispo a mão,
e como era dotado de singular eloquencia, de que até nossa edade
chegaram vestigios (devia cuidar, que esperava o Principe elle désse fim
a esta empreza) começou a propor-lhe com elegantes, e bem pensadas
palavras toda a substancia das que o principe tinha dito, e ajuntando
outras rasões de vivo e esperto engenho: e emfim resolvendo com termo
demasiado livre, que se todavia insistisse em proseguir um genero de
vida, que tinha mais de apetite, e meninice, que de prudencia de
Princeza, e em querer passar os termos da obediencia, que devia a
el-rei, como filha a seu pae, e como qualquer vassallo a seu rei, e
senhor natural, que para isso estava alli o Principe para lhe não
soffrer, que tivesse mais habito, nem religião, nem mosteiro. Viu-se
n'este passo o que tanto de antemão avisou Christo a seus discipulos no
santo Evangelho; quando por causa sua se achassem diante dos reis, e
grandes do mundo, não se matassem por estudar respostas a seus ditos,
que elle se obrigava a dar-lh'as feitas, e postas nas linguas.

Revestiu-se a Princeza de um brio real e valor senhoril, que bem pareceu
communicado do céu, e respondeu-lhe assim: Bispo reverendo, tudo o que
me tendes dito, devo, e quero crer por obrigação de christã, que vol-o
faz dizer o zelo que tendes do serviço de el-rei meu senhor, e pae, e do
bem de seus povos, e por esta parte não mereceis reprehensão; mas que
conta haveis de dar a Deus, sendo successor de Christo Jesus seu filho
no habito de sacerdote, e profissão de prelado atreverdes-vos a
persuadir-me uma cousa tão encontrada com as obrigações, que
prometestes, que jurastes? Como havieis de desculpar com vossa
consciencia atissardes o fogo da ira do Principe meu senhor, e irmão,
com rasões mais apparentes, que verdadeiras, mais artificiosas, que bem
fundadas, só porque vos parece, que o agradaes n'isso? Vós, que tinheis
obrigação, como padre espiritual, de o mitigar, e trabalhar, que não
chegasse a colera a inficcionar-lhe a alma, e commetter culpa contra
Deus: vós, que como outro Ambrosio deverieis aconselhal-o, que temesse
entrar por estes claustros sagrados, se não fosse a honral-os, e
veneral-os; e fazei-o tanto ao revés, que em sua presença, e minha,
tendes bocca para fallar em tirar habito, e religião; e não tendes
consideração para vêr, que o haveis com um Deus, que vos pode castigar
(e temei-o muito) só pelo que dizeis; e a el-rei meu senhor só por me
conservar n'este estado, que com sua licença busquei, havieis de ter por
fé (se sentis bem d'ella) que dará vida e honra, e novas victorias: e ao
Principe muitos filhos, e nétos, e saude e vida para os vêr e lograr. Se
os ecclesiasticos não discursam, como ecclesiasticos, não fallam como
ecclesiasticos, que se ha de esperar do vulgo? Se a vossa theologia vos
ensina, que nem nas cousas humanas se move a folha d'uma arvore sem
vontade de Deus, como nas divinas, e no que foi inspiração do céu, e
quasi nascida comigo, haveis de pôr nome de apetite? Estando escripto,
que nem o nome de Jesus podemos pronunciar, nem vós, nem eu, sem
especial movimento do Espirito Santo. Se isto ignoraveis, não merecieis
de mim resposta; e se o sabieis, como sei que sabeis, mereceis nome de
adulador para com o Principe, e de enganador para comigo. E qualquer que
seja vossa tenção e entendimento, sabei de certo (e com isto concluo)
que a causa é de Deus, que se não sujeita a poderes humanos: e pela
mesma rasão não haverá nenhum na terra, que me tire o proseguil-a: e se
elle fôr servido, que me custe a vida tal demanda, isso terei por
ventura, por reino e por imperio. Assim concluiu a Princesa, e com a
ultima palavra fez signal de se querer recolher, porque enxergava no
gesto do irmão enfiado ondas de nova paixão. Parece que houve por dito
contra si tudo o que a Princeza respondeu ao Bispo; sentiu-se, e
desconfiou de vêr sua inteireza e liberdade; e vêr juntamente ficar o
Bispo corrido, e pouco airoso com o que ouvira.

Dizem que soltou contra ella muitas palavras pesadas, e foi uma, que em
pedaços lhe havia de tirar o habito, e assim a deixou.

«Desbaratam muito a saude corporal desgostos da alma, e se estes cahem
sobre vida acossada de trabalhos, como acham materia disposta, são os
effeitos maiores, e mais nocivos. Tinha esta Senhora passado alguns
mezes de noviça com tão rigoroso tractamento de sua pessoa, que toda a
communidade havia por impossivel chegarem ao cabo do anno membros tão
fracos, e compleição tão delicada. E com tudo a força do espirito, e
gosto, que tinha de se dar a Deus, fazia, que levasse alegremente tudo,
e se vencesse a si mesma. Mas como se juntou o sobresalto dos povos, e
desamparal-a sua thia, e a indignação do Principe, rendeu-se, e acurvou
a natureza, opprimida de tantos males juntos: como acontece sossobrar o
navio com demasiado pezo, e arrebentar a peça de bronze, se lhe lançam
mais carga daquella com que pode. Passados poucos dias depois de ido o
Principe, adoeceu gravemente.»

A noticia da doença chegou aos ouvidos de D. Affonso V. Differentes
prelados e physicos distinctos foram logo enviados a Aveiro, e, chegados
aqui, decidiram em conferencia que D. Joanna não podia continuar a vida
que até então levara, pois a sua existencia corria grave risco se
continuasse a insistir em querer professar.

D. Joanna, tendo conhecimento do que se havia deliberado a seu respeito,
consultou o então vigario geral da ordem, fr. Antão de Santa Maria,
homem de grande saber e ainda de maior virtude, se devia continuar o seu
anno de provação, se despir o habito. O sabio religioso, ouvidos os
padres mais qualificados, fez-lhe vêr que, visto estar tão debilitada
pela doença e ser de natureza tão franzina, como manifestamente se via,
não poderia cumprir com os encargos e austeridades da ordem, ficava em
consciencia obrigada a deixar a pretensão, que tinha de professar
n'ella. D. Joanna recebeu pesarosa a ordem do Geral; o seu espirito
estava já de todo absorto em sensações mysticas, para não lhe parecer
cruel uma tal determinação. Mas humilde como sempre obedeceu de prompto
ao que se lhe havia ordenado.

Reunida a communidade no seu oratorio particular, apresentou-se á
Prioreza, e de joelhos e banhada em lagrimas, declarou-lhe que por
obediencia e não por vontade desistia de professar; e tirando o habito
collocou-o sobre o altar, tudo com um respeito tão devoto, que revelava
bem quanto lhe custava deixal-o, diz fr. Luiz de Sousa. Passados que
foram alguns dias, tornou a vestir o habito, mostrando assim que o
trazia por devoção e não por obrigação.

Nos fins da primavera de 1479 a peste oriental que havia annos já
assolava Portugal, entrou em Aveiro com o seu funebre cortejo de
calamidades. Havendo-se desenvolvido em Esgueira, de uma maneira
verdadeiramente assustadora, principiou a fazer sentir aqui os seus
horrorosos effeitos, ainda que com menos intensidade. Infelizmente,
todas as condições hygienicas de Aveiro, eram de forma para fazer
receiar o desenvolvimento do fatal contagio. A villa, como a maioria das
povoações de então, com as suas altas muralhas e fossos profundos, com
as suas ruas e viellas estreitas e immundas, cerrada por todos os lados
de pantanos, estava adquada sobremaneira para a epidemia se desenvolver
espantosamente, como com effeito se desenvolveu.

D. Affonso V, vendo o risco eminente que corria sua filha, permanecendo
aqui, ordenou que sem demora abandonasse o convento e a villa e se
dirigisse ao Alemtejo, ainda não inficcionado, e aos Bispos, de Coimbra
e do Porto, bem como a varios fidalgos visinhos que se lhe apresentassem
para a acompanharem. «Tendo ella escrupulisado em dar cumprimento
áquella determinação, diz D. Bernarda Pinheiro, e chegando isto ao
conhecimento do Provincial, veio aqui com alguns religiosos mais
auctorisados, e lhe fizeram vêr, que devia cumprir o que lhe era
ordenado; pois mesmo que quizesse fazer sacrificio da sua vida, cuidando
que Deus lha aceitaria, tal sacrificio não era meritorio, por lhe faltar
a devida obediencia, a qual devia muito escrupulisar, de não satisfazer,
principalmente sendo o preceito tão justo, pois vinha de quem podia
mandal-a e tinha por fim prevenir o gravissimo prejuizo, que poderia
seguir-se ao reino se a sua pessoa fosse victima da peste; e podia levar
comsigo, as religiosas que quizesse, mesmo a Prioreza; e n'esta occasião
o dito Provincial as intimou por santa obediencia para que nenhuma se
recusasse.»

Feitos os necessarios preparativos, D. Joanna deixou o convento de Jesus
em 27 de setembro, e dirigiu-se a Aviz. Alem dos Bispos do Porto e
Coimbra, e varios fidalgos e escudeiros, acompanharam-n'a D. Beatriz
Leitão e mais algumas religiosas, e bem assim sua ama D. Mecia de
Sequeira. Viajava sempre em andas[35] cerradas, cobertas de panno azul
escuro, pois então entre nós ainda se não havia introduzido o uso das
carruagens.

Depois de alguns mezes de residencia em Aviz, partiu para Abrantes,
aonde em 3 de agosto de 1480 falleceu a Prioreza D. Beatriz que comsigo
levara, e passados alguns dias depois de haver orvalhado com muitas
lagrimas a sepultura d'aquella virtuosa senhora, voltava ao convento de
Jesus, por haver noticia que a peste havia finalmente abandonado Aveiro.

No anno seguinte de 1481 perdia el-rei seu pae, fallecido a 28 de agosto
no paço de Cintra, na propria camara que em que havia nascido. Feitas
que foram na egreja do convento as exequias solemnes pelo eterno
descanço do que fôra seu pae e rei, mandou alli alguns frades do
convento de Nossa Senhora da Mizericordia e differentes fidalgos,
cumprimentar o novo monarcha, e prestarem-lhe em seu nome juramento de
fidelidade. D. João II recebeu prasenteiro e agradecido os emissarios de
sua irmã, e por elles mesmos lhe fez saber que procuraria ministrar-lhe,
tão depressa as circumstancias do real thesouro o permitissem, os meios
de que carecesse para poder sustentar, como era mister, o decoro
inherente á sua pessoa.

D. Affonso V havia declarado em seu testamento, que não instituia sua
filha herdeira em cousa alguma porque, segundo o costume do reino, tudo
o que possuia o rei passava a seu filho primogenito, o qual tinha o
encargo de manter e agasalhar todos os outros irmãos.[36] O novo rei
cumpriu cavalheirosamente as disposições testamentarias de seu pae, como
mostraremos, e se não o fez logo é porque lhe foi totalmente impossivel
fazel-o. A nobreza estava senhora absoluta de Portugal inteiro; quasi
que todos os rendimentos do estado eram absorvidos por ella; taes haviam
sido as doações, tenças e moradias concedidas por D. Affonso V. De seu
filho pode-se dizer com justificada rasão, que herdou de seu pae unica e
simplesmente, as estradas de Portugal.

Antes poucos dias de D. João subir ao throno, nasceu-lhe um filho
illegitimo, D. Jorge de Lencastre, de D. Anna de Mendonça, mulher muito
fidalga, e moça formosa de mui nobre geração, diz Garcia de Rezende.[37]
Os primeiros vagidos de D. Jorge despertaram logo no coração de D. João
II aquelle intenso amor que mais tarde o levaram a tentar legitimal-o,
para lhe poder succeder no throno, o que não se chegou a realisar pela
resistencia tenacissima que a isso oppoz a rainha D. Leonor.

Por escusar desgostos caseiros--escreveu fr. Luiz de Souza,--determinou
(el-rei) tirar diante dos olhos o Principe. Este meio de _tirar deante
dos olhos_ para _evitar desgostos caseiros_ é vulgar, diz o sr. Alberto
Pimentel, em reis e vassallos. O que não é vulgar é encontrarem os
bastardos de uns e outros, educadora tão carinhosa e meiga como a
Princeza Santa Joanna, que no mosteiro de Aveiro recebeu e educou o
sobrinho.[38]

O pedido de D. João II para que o futuro Mestre de S. Thiago fosse
educado no convento de Jesus, foi feito a D. Joanna por o então
Provincial dos Dominicos e que em tempo fôra tambem confessor de el-rei
seu pae. Obtidas as licenças necessarias, mandou D. Joanna preparar-lhe
aposentos por cima da _casa da roda_, para onde veio, não tendo ainda
trez mezes, diz D. Bernarda Pinheiro, não trazendo em sua companhia
ninguem mais do que a ama que lhe dava leite, mulher d'aqui natural.

Em 1485 desenvolveu-se de novo a peste em Aveiro, e D. Joanna viu-se
obrigada a deixar o seu convento. Todos os seus biographos, incluindo
mesmo D. Bernarda Pinheiro, affirmam que ella se retirou para o mosteiro
das religiosas dominicas da cidade do Porto. Parece-nos que não dizem
toda a verdade. Alli não havia nem nunca houve mosteiro algum de
religiosas dominicas; alem d'isto, no archivo da camara de Coimbra
existe uma carta autographa de D. Joanna, datada de 14 de janeiro
d'aquelle anno, em que agradece aos vereadores d'aquella cidade a boa
vontade que tinham ao seu serviço, e lhes offerece tambem a sua para com
a cidade, na villa de Monte-mór (velho) para onde el-rei a mandara
ir.[39] De Monte-mór dirigiu-se a Alcobaça onde el-rei então estava,
deixando comtudo alli seu sobrinho D. Jorge.

Diz-se geralmente que fôra o chamamento de D. João II que alli a levara,
e a causa d'isto as negociações d'um projectado casamento com Ricardo
III de Inglaterra. Todos os biographos de D. Joanna são concordes em que
ella fosse pedida em casamento por differentes Principes da Europa, e
bem assim nos successos milagrosos que foram a causa principal na sua
opinião, d'elles, de se não chegarem a realisar.[40]

A historia séria, debaixo do ponto de vista humano, a historia, como no
seculo XIX se escreve, e como diz o sr. Pinheiro Chagas, não acceita nem
regeita estes factos milagrosos, passa-lhe de largo; por isso
abster-nos-hemos de apreciar aquillo que em materia de tão alta
transcendencia se não basear em documentos sobre cuja autenticidade não
haja a maior duvida. Não existe documento algum, ou ainda mesmo qualquer
referencia nos chronistas contemporaneos, por onde se prove que D.
Joanna foi pedida em casamento.

Todos os escriptores que se occuparam de D. Joanna, e que foram muitos,
principalmente os que escreveram anteriormente ao seculo XVIII, affirmam
que Luiz XI e Carlos VIII, de França, Frederico VI, d'Allemanha, e
Henrique VIII, de Inglaterra, a pretenderam para esposa. Aquellas
affirmativas, em quanto a nós, baseam-se unica e simplesmente na
tradição, mas na tradição adulterada pelo espirito dos chronistas
monachaes, cujo fim principal era sempre referir só o bem, e admittir
facilmente prodigios, de forma que na mór parte das chronicas regulares,
como diz um dos mais brilhantes luminares que o episcopado portuguez tem
tido,[41] se destacam «tantos milagres absurdos em muitos casos para não
dizer ridiculos, recebidos sem exame, abraçados com pouco credito do
entendimento, propostos ou antes apregoados com mais boa fé e singeleza
do que discripção[42].»

Os biographos de D. Joanna sahidos com rarissimas excepções dos
claustros, não podiam talvez deixar de cercar de successos milagrosos o
vulto sympathico da filha de Affonso V, e é só assim que se explica a
sua convicção, aliás na apparencia sincera, com que relatam factos, que
de forma alguma podiam ter lugar, como são os do casamento com alguns
d'aquelles monarchas. Seria demasiado longo, e até mesmo fastidioso, o
rebater, n'esta parte, os biographos, cada um de per si, e mesmo porque
todas as suas affirmativas estão compendiadas na _Historia de S.
Domingos_, pelo classico e brilhante chronista d'esta ordem. Fr. Luiz de
Sousa, seguiu é verdade, pela vereda dos mais chronistas, mas fel-o tão
primorosamente, escreveu num estylo tão arrebatador, que a elle só
podemos e devemos pedir as narrações dos factos de que nos estamos
occupando e que temos de condemnar como absurdos.

Escreve fr. Luiz de Souza:

«Entraram n'esta conjuncção em Lisboa embaixadores de el-rei de França
Ludovico Undecimo. Era a missão da embaixada, que el-rei houvesse por
bem, que para mais firmeza de amor, e, paz, que entre as duas corôas
havia, interviesse novo vinculo de sangue, contrahindo-se matrimonio
entre a Princeza Dona Joanna, e o Delfim de França (tal é o titulo dos
Principes d'aquelle reino). Não havia quem duvidasse em estar bem o
negocio a el-rei D. Affonso seu pae, e ao reino, e á mesma Princesa; só
ella, quando seu pae lho communicou para saber sua vontade, ficou dentro
em sua alma com sobresalto, e desconsolação. Mas sem dar a entender o
que sentia, desviou o tracto com rasões tão sabias, que el-rei ficou
satisfeito d'ellas, e de sua tenção, não descontente. Disse, que o
Principe Dom João seu irmão era moço, e enfermo; e parecia temeridade,
em quanto não tinha edade para casar, nem disposição, e saude firme,
desterrarem-n'a a ella para tão longe, sendo, como era herdeira e
successora do reino; que se podia responder aos francezes com palavras
geraes de boa amizade, e gosto do parentesco; porem differindo a
resolução, e dando por causa os poucos annos do Delfim, que não eram
mais de quinze, e tambem os d'ella; que havia mister ser mais crescida,
e ter mais pratica do que lhe convinha saber para tal estado, e para em
terras estranhas. Instou el-rei todavia, e porfiou, porque não tinha por
acertado perder tal occasião. Mas emfim, considerando de vagar a
resposta da Princeza, foi julgada por mais conveniente, e seguida por
todos os do conselho.»

«Era rei dos romanos Miximiliano, filho do imperador Frederico, e da
infanta D. Leonor, irmã de el-rei D. Affonso, diz fr. Luiz de Souza;
como nascido de portugueza, e affeiçoado ao reino, desejou casar n'elle.
Houve da sua parte muitas instancias, que a Princeza rebateu com seu
valor, e emfim as desviou outro casamento, que se offereceu ao
pretensor, e teve effeito com herança do senhorio de Borgonha e
Flandres; porem, não tardaram outras que lhe deram maior cuidado. Estava
herdado el-rei Carlos VIII, de França, para quem fôra pedida em vida de
seu pae Luiz XI, como atraz escrevemos; pediu-a agora de novo. Pareceu a
el-rei que convinha muito a seu reino a alliança, com tão poderoso
principe para continuação da paz antiga, e segurança das navegações
portuguezas.[43]

.........................................................................

«Tinha-se feito rei, e senhor de Inglaterra, e conde Henrique de
Rixemont, vencendo em batalha ao duque de Clucestra, Ricardo, que,
contra elle injustamente se levantara. Presava-se de portuguez, porque
trazia sua descendencia da casa real de Portugal. Tanto que se viu rei
pacifico, desejou renovar o parentesco, e juntamente a paz e amizade,
que seus antecessores tinham com este reino. Despacha embaixadores,
offerece pazes com particularidades de importancia, e para firmeza pede
a Princeza D. Joanna por mulher.»[44]

Com relação a todos estes projectos de casamento, cumpre-nos dizer, que
não tiveram nem podiam ter lugar. A boa fé de fr. Luiz de Souza, foi
illudida mais uma vez, com as narrações dos chronistas que o
antecederam, e que por santa obediencia teve de seguir e imitar. D.
Joanna não podia casar com nenhum d'aquelles principes, não só porque a
polygamia não estava em pratica n'aquelles paizes, como tambem porque
não podia ter por maridos homens que nem sequer haviam ainda nascido.

Luiz XI não pediu, nem podia pedir, a mão de D. Joanna para o Delfim,
que depois foi Carlos VIII. Pelo que se deprehende da narração de fr.
Luiz de Souza, este pedido deveria ter lugar antes da conquista de
Arzilla (1471), época em que o Delfim ainda não era nascido, ou se o era
já, poucos mezes contava ainda, não podendo por forma alguma ter quinze
annos, como affirma o chronista, pois nasceu em 1470.[45]

Tambem não tem minimo fundamento a vinda a Lisboa n'aquella época de
embaixadores de Luiz XI, porque o unico embaixador enviado por este
monarcha a D. Affonso V, foi Ollivier Le Roux, e isto em 1485.[46] Diz
mais fr. Luiz de Souza, que Carlos VIII, já rei, pedira em casamento D.
Joanna; poderia ser que assim fosse, porém, de taes negociações não
resta memoria. Na _Carta Patente_ de 6 de setembro de 1483, em que
aquelle monarcha renova as antigas allianças e amisades que desde
antigos tempos existiam entre Portugal e a França não ha a mais leve
referencia com relação a este objecto.[47] O que se torna completamente
inadmissivel e chega até a tocar as raias do ridiculo, é a causa
assentada por Souza de se não chegar a realisar o casamento. Diz que D.
Joanna, respondeu a el-rei seu irmão, que consentia no matrimonio, se
n'aquelle dia e hora, que tal consentimento dava, estivesse el-rei
Carlos vivo; mas em caso, que fosse morto, houvesse sua alteza por bem
deixal-a livre para em nenhum tempo mais se lhes fallar em mudanças de
estado.

Deu-se el-rei por satisfeito, contentou o embaixador com palavras de
matrimonio, como quem ignorava o que a sua irmã fôra manifestado. Mas
não passaram muitos dias, que lhe viesse nova de ser morto o que já
tinha por cunhado; e que acabara de morte subita, e antes do termo, em
que a Santa dera seu consentimento.»[48]

Fr. Luiz de Souza foi aqui o verdadeiro chronista monastico; julgou ser
ensejo de arranjar um milagre, e não recuou perante cousa alguma; cremos
mesmo que elle conhecia sufficientemente a historia de França e que
sabia muito bem que Carlos VIII sobrevivera a D. Joanna, pois, fallecera
só em 1498[49] mas narrou o facto d'aquella forma, não só porque se
tornava necessario povoar a historia de successos milagrosos, não talvez
por convicção propria, mas sim por lho haverem ordenado, porque elle,
como diz o douto prelado por nós já citado, «escreveu porque o mandaram
escrever, e escreveu o que lhe mandaram.[50]

Maximiliano tambem não podia pedir a mão de D. Joanna, pois havia já
casado em 1477 com Maria de Borgonha; Henrique VII esse podia pretender
desposal-a, pois só veio a casar em 1486 com Izabel York, o que não
podia era morrer a fim de impedir de se realisar o casamento, como quer
fr. Luiz de Souza, que faz dizer D. Joanna a D. João II «que era morto e
enterrado o mesmo para quem a buscava»[51] pois só conseguiu passar
d'esta para melhor vida em 22 de abril de 1509. Estes factos foram já
combatidos por Caetano de Souza que, dizendo que «elles padecem muito na
verdade da historia,» demonstra com dados irrecusaveis que não podiam
ter lugar.[52]

Fr. Antonio da Silveira,[53] tentou corrigir os erros de Souza e dos
escriptores que o precederam historiando a vida de D. Joanna, os quaes
elle proprio confessa que cahiram em não pequenos descuidos, mas fel-o
de forma, que não podem tambem as suas affirmativas merecer credito
algum, pois não nos apresenta um unico documento em que se baseie. Entre
os erros que tenta corrigir, conta-se o do casamento com o rei da
Inglaterra, que elle affirma ser Ricardo III e não Henrique VII. Com
Ricardo III não havia é verdade a inverosimilhança que se dava com
aquelle, por seu fallecimento ter lugar em 1485, mas ainda assim não
podemos acceitar a emenda, pois não ha nada que a auctorise. Na primeira
e unica collecção diplomatica que possuiamos[54], ha uma leve referencia
a este casamento, mas basea-se tambem apenas num só documento, se
documento se pode chamar a um manuscripto avulso, aliás contemporaneo
que pouco ou nenhum valor pode ter attendendo-se á sua ignota
procedencia. Parece-nos que se o visconde de Santarem reflectisse por um
momento no _elogio_ que a Ricardo III faz Dameão de Goes,[55] não faria
menção de tal casamento, pois é mais que provavel, dado o caso de haver
aquelle projecto, que este chronista não fallasse tão desabridamente de
um monarcha, que simplesmente por uma circumstancia inesperada, deixou
de desposar uma princeza portugueza.

Quanto a nós a causa do chamamento de D. Joanna a Alcobaça, não foi
nenhum projecto de casamento, mas sim o desejo que D. João II tinha de
dar cumprimento á promessa que havia feito por occasião da morte de seu
pae de lhe proporcionar meios condignos da sua alta posição. Por carta
datada d'alli, de 19 de agosto de 1485, concedeu-lhe a villa de Aveiro,
com todos os seus terrenos, e todas as rendas e direitos reaes, e as
dizimas do pescado nova e velha, com a cisa e imposição do sal da mesma
villa e dos lugares de Mortágua, Eixo, Requeixo, Paus, Ois, Quinta de
Villarinho e de Bellazaima, com todos os seus reguengos.[56] D. João II
fez só agora esta concessão por lhe ser impossivel fazel-a antes, pois
estas terras estavam em poder do conde de Faro a quem haviam sido
concedidas por D. Affonso V, por carta passada em Salvaterra em 20 de
maio de 1467. A conspiração do duque de Bragança, em que o conde era um
dos conjurados, é que as fez voltar novamente á corôa.

Não foi longa a demora de D. Joanna em Alcobaça; regressando a
Monte-mór, passou a Coimbra, indo-se aposentar conjuntamente com seu
sobrinho nos paços que D. Izabel edificara junto do mosteiro de Santa
Clara. Nos primeiros dias de fevereiro de 1486, informada de que a peste
havia novamente abandonado Aveiro regressou ao convento de Jesus, tendo
por essa occasião por parte dos habitantes da villa, que sairam a
esperal-a a grande distancia, uma recepção brilhantissima.

D. Joanna logo que se viu senhora de todas estas terras, tractou de
empregar o rendimento d'ellas, isto é, o que lhe sobrava dos soccorros
que prodigamente distribuia pelos necessitados, hospitaes e egrejas
pobres, em augmentar consideravelmente o mosteiro de Jesus. Diz D.
Bernarda Pinheiro que as idéas de D. Joanna, com relação a esta obra,
eram mandar construir com a maior grandeza, egreja, casa do capitulo,
dormitorio e mais officinas, para o lado do mar, por lhe assegurarem
que, collocado d'esta forma o convento, ficava muito mais ventilado e
sadio. Chegou mesmo a mandar abrir os alicerces para a nova egreja, para
o que obteve licença do bispo de Coimbra D. Jorge d'Almeida, porém, a
doença que a levou ao tumulo, não lhe permittiu levar a cabo tão
desejado commettimento.

Depois do seu regresso de Alcobaça, D. Joanna começou a soffrer
horrorosamente, até que em dezembro de 1489 cahiu prostrada pela doença
que a arrastou ao tumulo. É tradicção geralmente seguida, que a causa
principal e unica da molestia foi veneno que uma dona que ella expultura
da villa «que em poder de fazenda, era do melhor do lugar» pelo seu
devasso comportamento, lhe ministrou n'um copo d'agua, durante o
trajecto d'aquella viagem. Diz D. Bernarda Pinheiro que pelo motivo
d'ella desejar, por causa da salvação das almas, evitar erros e
peccados, em especial nos clerigos e mulheres de má vida, lhe foi
ordenada e dada a morte. Nada conseguiu debelar a doença, nem lagrimas
nem supplicas do povo, que n'ella via o seu mais desvelado protector,
nem tão pouco os esforços desesperados da sciencia e as preces do clero
de Portugal inteiro obtiveram uma melhora sequer; o mal recrudescia
sempre.

D. João II enviou-lhe o seu physico-mór mestre Rodrigo, e sua thia D.
Filippa, acompanhada de D. Mecia de Alvarenga, e mais duas religiosas
veio d'Odivellas, afim de velar junto d'ella. Accudiram tambem, diz fr.
Luiz de Souza, o arcebispo de Braga, D. Jorge da Costa, e o bispo de
Coimbra, D. Jorge de Almeida, e o do Porto, D. João d'Azevedo. Da visita
d'estes prelados, porque tinham licença para entrar na clausura, mostrou
agradar-se muito. Fallavam-lhe de Deus, e ella, como se sentia acabar,
não consentia que de outra cousa se tractasse em sua presença.[57]

Na noute de 19 de março, dictou á madre Catharina da Silva o seu
testamento, em que institue por seu herdeiro o mosteiro de Jesus e dá
liberdade a alguns escravos com que seu pae a presenteara quando
regressou da conquista d'Arzilla.[58] Escripta que foi a sua ultima e
derradeira vontade, assignou-o e rubricou-o por seu proprio punho, e
lacrando-o, sellou-o com um sêllo d'ouro que, segundo diz D. Bernarda
Pinheiro, fôra da rainha sua mãe, objecto com que ella costumava sempre
sellar as suas cartas e cousas de mais substancia.

Em 6 de maio pediu para que se celebrasse missa na sua propria camara, e
havendo em seguida recebido todos os sacramentos, mandou que levassem á
sua presença seu sobrinho D. Jorge, a quem, depois de haver abraçado com
effusão, disse:--«Filho, peço-vos muito que vos lembreis sempre, que
vieste para esta casa de tres mezes, e n'ella vos criei, chorando e
cantando, vestida de burel; tende sempre d'ella lembrança, porque ella é
a minha alma, e tambem o são estas madres, que vos ajudaram a criar,
como se cada uma fôra vossa mãe.»[59]

Resignada e feliz esperou a morte. Havendo-se despedido de todas as
religiosas, a quem pediu perdão de toda e qualquer offensa que d'ella
tivessem, pediu á Prioreza D. Maria de Athayde, que lhe mandasse dar
sepultura no côro de baixo, pois os seus maiores desejos era dormir o
eterno somno junto d'aquellas que em vida lhe fizeram tão agradavel
companhia. Na noute de 11 de maio, reunidas que foram em volta do seu
leito a communidade, os bispos do Porto e Coimbra, e o prior dos
dominicos fr. João Dias, pediu que a acompanhassem com as orações e
canticos com que a egreja se despede de seus filhos no momento final.
«Chegava-se a derradeira hora, diz fr. Luiz de Souza, e eram quasi duas
horas depois da meia noute. Disse então baixo, digam a ladainha: começou
o prior em voz alta, respondiam as madres, e seu companheiro; quando
chegaram a dizer: _Omnes sanctis Innocentes_, abriu os olhos e
levantando-os por um pequeno espaço ao céu, despediu a innocente alma em
companhia dos sanctos innocentes.»[60]

O dobre plangente dos sinos do mosteiro a que se seguiram os do convento
de Nossa Senhora da Mizericordia, e os da matriz, S.
Miguel,--annunciaram logo ao romper d'alva, que D. Joanna dormia já o
eterno somno. A noticia propalou-se rapida, a ponto de em poucos
momentos a egreja de Jesus estar apinhada de fieis; a povoação inteira,
despertada por tão cruel nova, correu presurosa ali, afim de se
certificar da veracidade do acontecimento, tão irremediavel e immensa
era a perda. «Na villa, diz um bispo do Porto, chegavam ao céu os
prantos, e procuravam chegar as lagrimas; como todo aquelle povo ficou
desamparado, todo ficou choroso; clamavam ao céu na sua saudade e na sua
perda, porque no céu estava o alivio da sua perda, e a causa da sua
saudade.»[61]

Amortalhado que foi o cadaver com o habito dominico, collocaram-o
algumas religiosas sobre um estrado levantado no meio da cella,
convertida em camara ardente, onde se conservou até ao dia seguinte.
Feitos os officios funebres na egreja do convento, pelas religiosas de
S. Domingos a que assistiu todo o clero da villa e lugares
circumvisinhos, bem como um grande concurso de fieis, entraram no
convento os bispos do Porto e Coimbra, trazendo vestidas, diz D.
Bernarda Pinheiro, grandes lobas e capelos de dó, e quatro religiosos
dominicos, dos mais antigos e qualificados, que foram os que levaram o
cadaver. Quando o prestito funebre se dirigia ao côro de baixo, diz a
tradicção que, na occasião de atravessar por entre os canteiros que D.
Joanna cultivava por suas proprias mãos, as flôres cahiram murchas sobre
a haste, exprimindo tambem assim a sua saudade. A sepultura, cujo lugar
havia sido por ella designado em vida, foi aberta junto dos degraus do
commungatorio.

Em 1577, a prioreza D. Jeronima de Castro, mandou abrir a sepultura e
trasladar os restos mortaes de D. Joanna, d'onde haviam sido sepultados,
para um caixão de ebano em forma de tumulo, marchetado de bronze
dourado. O caixão era resguardado por uma balaustrada do mesmo páu, e
coberto por uma rica tapeçaria, dadiva da duqueza de Caminha D. Anna
Manrique de Lara.

As religiosas de Jesus, e bem assim o povo de Aveiro que, desde a morte
de D. Joanna a appelidaram sempre de Princeza Santa, e, confiados na sua
intercessão, a ella recorriam nos trances afflictivos da vida, pediram
ao Papa em 1626 que d'ella se podesse resar, e que o seu nome fosse
inscripto no catalogo dos santos.

Em setembro de 1626 requereu a camara da villa de Aveiro, representada
pelos vereadores Antonio da Cruz Botelho, Raphael de Figueiredo e Manuel
de Almeida, e as religiosas do convento de Jesus, representadas tambem
pela sua prioreza Soror Marianna de Belem, ao bispo de Coimbra D. João
Manuel, afim de se procederem ás justificações necessarias da «virtuosa
vida e santa morte da Princeza D. Joanna, filha de el-rei D. Affonso»
afim de se obter a sua beatificação e canonisação. D. João Manuel, por
despacho de 27 do mesmo mez e anno, ordenou ao provisor do bispado o dr.
Bernardo da Fonseca Saraiva, viesse pessoalmente a Aveiro e désse
andamento ao processo requerido; que levado a final, o mesmo prelado
mandou subir á presença do Papa Urbano VIII, por sentença de 8 de
outubro de 1627.

Por causas hoje desconhecidas, só passados sessenta e dois annos, é que
de novo se tractou de obter a beatificação de D. Joanna. Em 1676, sendo
prioresa do convento de Jesus D. Filippa de Menezes, fr. Manuel
Mascarenhas, prior do convento de S. Domingos, indo pessoalmente a Roma,
conseguiu que se expedissem as bulas para o bispo de Coimbra, então D.
João de Mello, vir a Aveiro examinar os restos mortaes da Santa
Princeza, e o que havia de verdadeiro nos milagres que se diziam obtidos
por intercessão sua. D. João de Mello, por provisão de 11 de março de
1689, delegou todos os seus poderes no promotor do bispado o dr. Manuel
Spinola de Vasconcellos, e notario apostolico Francisco Alvares da
Costa, os quaes vieram aqui, e depois de haverem inquerido algumas
testemunhas, e visto os cabellos que cortaram a D. Joanna quando lhe
lançaram o habito, e bem assim o escapulario e a camisa com que
falleceu, que então, e ainda hoje se guarda no convento com a maior
veneração, examinou tambem os seus restos mortaes.

Aberto o tumulo, em 29 de junho d'aquelle anno, onde se guardavam tão
venerandas reliquias, na presença de todas as religiosas, e dos
superiores dos tres conventos de frades d'aqui, fr. Manuel Mascarenhas,
fr. João das Chagas, e fr. Ignacio de Espozende, e dos priores das
collegiadas de Nossa Senhora da Oliveira, e de S. Miguel, D. Pedro de
Souza e fr. Thomé de Sequeira, foi verificado pelo dr. Manuel Spinola de
Vasconcellos, que envoltos em toalha de linho estavam os ossos
(completos) d'um corpo humano que pelo auto que se achava junto se
julgaram ser o de D. Joanna.

Enviados, finalmente, todos os processos a Roma, a instancias de el-rei
D. Pedro II, e alguns grandes de Portugal, o Papa Innocencio XII
beatificou solemnemente D. Joanna, por bulla de 4 de abril de 1693,
designando o dia 12 de maio para a sua festividade.[62]

Por decreto da congregação dos ritos, de 9 de julho de 1694, ordenou-se
que se rezasse da Beata Joanna em todo o reino de Portugal e suas
conquistas; debaixo do rito semi-duplex; e por outro decreto da mesma
congregação de 6 de abril de 1715 se concederam _lições e oração para o
seu officio_.

Poucos annos depois de ter lugar a beatificação, o prior do convento de
Nossa Senhora da Mizericordia (S. Domingos) fr. Pedro Monteiro, obteve
de el-rei D. Pedro II os meios necessarios para a construcção dum tumulo
mais sumptuoso do que aquelle em que se guardavam as santas reliquias.

Foi incumbido da obra o architecto da Casa Real João Antunes,[63] que
lhe deu principio em 1699. É obra digna de immortalisar um artista
distincto, e é esta a rasão porque se tem attribuido a estranhos,
chegando-se a affirmar com convicção que ella viera da Italia. O seu
custo foi de 4:800$000 réis. Fr. Lucas de Santa Catharina descreve-o
assim: «É o tumulo quadrado e alteroso, lavrado de jaspes finissimos com
variedade de embutidos primorosos, e em cada remate um anjo; sobre o
tumulo se vêem as Quinas Portuguezas, e na face a corôa de espinhos, que
a Santa escolheu para gloriosa empreza, e teve por estimavel troca. Toda
a obra respira magestade, e saudosas lembranças.» A descripção nada tem
de exagerado; é fiel, tanto quanto é possivel.

Em 28 de agosto de 1711 ordenou D. João V ao bispo de Coimbra, D.
Antonio de Vasconcellos e Sousa, que viesse trasladar as cinzas da Santa
Princeza, para o novo tumulo. Em 10 de outubro d'este anno entrou o
bispo no convento e abrindo o caixão onde se guardavam os restos da
Santa, verificou a sua identidade, do que lavrou o competente auto.[64]
Depois d'um solemne triduo, celebrado na egreja do convento, teve
finalmente lugar no dia 25 a trasladação. O cofre em que guardavam as
cinzas, foi levado procissionalmente pelas ruas da villa, pelos abbades
benedictinos, fr. Ignacio de Athayde, fr. Antonio de S. Bento, fr. Bento
de Mello, e fr. Bernardo Telles. Formavam o prestito os religiosos dos
tres conventos que aqui havia, todo o cabido da sé de Coimbra, e mais de
trezentos clerigos seculares. No couce ia o bispo D. Antonio de
Vasconcellos, o senado e um grande numero de nobres. Chegado que foi o
cofre ao convento, foi deposto pelos quatro abbades dentro do tumulo que
o bispo em seguida fechou e lacrou.

Em 1729 representou a D. João V a communidade do convento de Jesus para
que se obtivesse de Roma a canonisação. O monarcha acedeu de prompto, e
alem da representação que enviou á Santa Sé, mandou entregar ao
procurador do convento, fr. Ignacio do Amaral, 2:600$000 réis para
custeamento das despezas que se houvessem de fazer. N'esse mesmo anno
expediu a commissão dos ritos ordens para se proceder ao inquerito
rigoroso das virtudes da Santa.

Em 1 de junho de 1750 foi novamente aberto o tumulo pelo bispo de
Coimbra, que remetteu para Roma o auto do seu exame, bem como o processo
que por essa occasião instauraram por ordem do mesmo prelado os drs.
Antonio Vicente de Vasconcellos e Manuel Coimbra Soeiro d'Almeida.

A morte de D. João que n'este anno teve lugar, foi causa de que até hoje
se não alcançasse ainda a desejada e promettida canonisação, mas não
obstante isto o povo de Aveiro, que vê na Beata Joanna o seu maior
titulo de gloria, jámais deixou e decerto deixará de a appellidar a
PRINCEZA SANTA.


DOCUMENTO N.º1

Dom Affonso, por graça de Deus rei de Portugal, e do Algarve, senhor de
Cespta e de Alcazer em Africa, etc. A quantos esta carta virem, fazemos
saber que considerando nós como ora prasendo o nosso Senhor Deos himos
por seu serviço em as partes de Africa, e o Princepe meu sobre todos
muito amado, e presado filho comnosco, pelo que he necessario buscarmos
em estes nossos Regnos alguma pessoa que nosso logar em nossa obsencia
delles tenha, e faça ordens e mande em nosso nome por nosso serviço e
boa justiça, e bem do poboo, o que nós fariamos, ordenariamos, e
mandariamos ser presente fossemos, e confiando nós de muita bondade,
virtudes e lealdade, sizo e descripção do Duque de Bragança, Marquez de
Villa Viçosa, este meu muito amado e presado Primo, e do exprimentado
amor que a nós, e nosso serviço tem, o escolhemos de antre os outros de
nossos Regnos, pêra lhe este carrego leixar, e encommendar, e porém o
fazemos nosso logo teente geral em todolos ditos nossos Regnos, e lhe
damos poder, e auctoridade que elle por nos, e em nosso nome em quanto
nós, e o dito Principe meu filho delles formos absentes possa ordenar,
fazer, e mandar assy na justiça, como na fazenda, e em outra qualquer
cousa acerca da guarda, e defensom destes nossos Regnos todo o que a
elle bem, razom, e justiça parecer, assy como o nos poderiamos ordenar,
fazer, e mandar se presente fossemos, e possa punir os delinquentes, e
malfeitores, e darlhe, e mandarlhes dar aquellas penas que lhe razom, e
justiça parecer assi nos haveres, como nos corpos ataã morte
inclusivamente, sem delle outra alguma apellação, nem agravo; e isso
mesmo possa mandar despender de novos averes, e rendas todo o que por
nosso serviço, e bem do nosso poboo entender que compre de ser despeso;
e tambem possa entrar em quaesquer fortalezas das Cidades, e Villas de
nossos Regnos, e estar em ellas, e as ter de sua mão quanto lhe
aprouver, e entender que compre a nosso serviço. E porem mandamos a
todolos offiçiaes, que polo tempo forem das Cidades, Villas, e Lugares
de nossos Regnos, e a todolos moradores delle, e a todolos Juizes, e
Justiças, Regedores das Casas da Sopricação, e do Civel, e
Desembargadores dellas, Corregedores da Corte, e Comarcas, e aos que
carrego teverem de Veedores da nossa fazenda, e aos Contadores, e outros
offiçiaes della, e a outros quaesquer que outros officios alguns em
nossos Regnos tem, que fação, e cumprão tudo o o que lhes o dito Duque
em nosso nome mandar assi, e tão compridamente, como o farião se lho nos
per nossa pessoa mandassemos, e isso mesmo mandamos a todolos Alcaydes
das fortalesas de nossos Regnos que o acolhaõ, e reçebaõ em ellas seu
fato emparelhado, e o leixem hi estar como, e quanto lhe prouver, sem
alguma duvida, ou pejo que a ello ponhaõ, sendo certos todolos
sobreditos, e cada hum delles, que nom comprindo em todo o que lhe aqui
mandamos, ou em alguma cousa nom obedecendo ao dito Duque, ou
contrariando os seus mandados, que nos lho estranharemos muj gravemente,
e lhe mandaremos per ello dar asi graves penas, como se nossos proprios
mandados nom comprissem, ou a elles contradissessem; e hum, e outros al
nom façades. Dada em a nossa Cidade de Lixboa aos 2 d'Agosto. Christovaõ
de Bairros a fez anno de Nosso Senhor Jesu Christo de mil, e
quatrocentos, e settenta, e hum. E eu Joaõ Garçes Cavaleiro da Casa do
dito Snor, e seu Escrivão da fazenda do Cepta, de Alcaçer, e de sua
Camara, Contador, e Arrendador polo Principe nosso Snor em o mestrado de
Avis a fis escrever, e aqui sobescrevi.

                                                                _El-Rey._



DOCUMENTO N.º2

Juizes vereadores procurador fidalgos cavaleiros e escudeiros e poboo.
Eu a Ifante vos enujo muyto saudar, por conhecer as boas vontades e
lealdade que tendes ao seruiço delRey meu Sor e porque sey que nos
alegrarees com a vitorea que nosso Sor lhe deu vollo faço saber que ele
tomou a villa darzilla per força e tomou a cidade de tanger a quall lhe
os mouros leixarom liuremente e tem a pose della. E espera lhe vyr
fallar mulcaxequã porem nos daaee muytos louuores a nosso Sor
encomendandelhe em nosas boas oraçõees o sobre dito Sor e estaaee
prestes pera se o caso o rrequerer e noso seruiço lhe for necesario como
eu espero que farees continoando em nosas lealdades e boõ custume como
os naturaaees purtuguezes senpre custumarõ. E ele e o Sor principe meu
irmaaõ som saaõs e em boa desposiçã e asar alegres seg.^o o caso
rrequere louuores a ds. E este meu moço destrebeira uos contaria as
nouas mais per extenso como se pasarõ. Escripta em lixboa a vy de
setembro. E o dito Sor Rey me escrepueo todo per sua carta.

                                                              _Iffante_


    Por a Ifante

    Aos Juizes vereadores procuradores
    fidalgos caual.^os e
    escudeiros e poboo da muy
    nobre e leall cidade de Coynbra.


DOCUMENTO N.º 3

Dom Joham & A quantos esta nossa carta virem fazemos saber que
esguardando nos como a Infante D. Joana minha sobre todas muito preçada
e amada Irmãa nam está asy provida de fazenda pera que se posa governar
e manter como a sua homrra e estado e serviço noso e seu pertence e
deshy olhando nos a gramde obrigaçom em que lhe somos pera ello, e
querendo-lhe fazer graça e merce; nos de noso moto proprio, e
certaciemcia, poder absolluto sem ella nem outrem por ella nollo
requerer. Teemos por bem e lhe fazemos pura e Imrrevogavel doaçam antes
vivos valledoura pera em dias de sua vyda da nossa villa d aveiro com
seus termos e com todollas remdas e direitos Reãees da dita Villa e da
dizima nova e velha do pescado della, ficando pera nos somente a dizima
da Caza da alfandega da dita villa e asy as nossas sizas e Impossisam do
sal e Jurdiçam da dita villa. Outro sy lhe damos a nosa villa de
mortaguoa e os lugares d eixo e requeixo e paaos e hoees e a quinta de
vallarinho, e de ballazaima com todos seus reguengos, foros remdas, e
trebutos asy e per aquella guiza e maneira que ellas a nós e á coroa dos
nosos regnos de direito pertemcem, e pertemcer devem, e esto com toda a
Jurdicam civel e crime, mero mixto Imperio, e que posa poer em as ditas
villas e lugares seu Ouvidor ou Ouvidores e officiãees pera da dita
Jurdicam averem de conhecer hordenadamente e delles virem a nosa corte
ssuas appellações e bem asy possa dar os oficios dos direitos Reãees e
remdas que lhe aquy asy damos asy da dita minha villa daveiro como de
mortaguoa e dos outros sobredittos lugares. Outro sy lhe fazemos doaçam
asy em sua vida da aprezentacam de todollas Igrejas das ditas villas e
lugares sobredittos asy com a nos pertence pera ella mandar apresentar
quem lhe aprouver na vagua das ditas Igrejas. Outro sy lhe damos poder e
autoridade que ella ditta Infamte minha Irmãa possa aforar, aremdar e
emprazar as ditas rendas e maninhos das ditas villas e terras sobreditas
per sy e per quem lhe aprouver em vida e em pesoas e as marinhas pera
sempre todo per aquelles preços e coudicõees que ella quizer sem eses a
que os ditos beens e direitos mandar aforar ou emprazar serem obrigados
de averem dello cartas de nosas comfirmacõees, porque queremos que
somente abaste o que se fizer niso per seus oficiãees com sua
confirmacam della dita Infamte minha irmãa, e bem asy as Ilhas da dita
villa daveiro. E porem mandamos a todollos nosos comtadores das
comarquas das ditas villas e lugares sobredittos que logo metam a ditta
Infante minha Irmãa em posse das dittas villas e remdas e direitos
dellas ou ás pesoas que ella pera iso era seu nome mandar e lhe leixem
todo teer e aver e recadar pera sy e fazer d ellas e em ellas o que lhe
aprouver como de sua couza paopria e Real possisam asy o per a maneira
que as tinham e pesoyam aquellas pesoas que as ate ora tiveram de nós e
melhor se as ella com direito melhor poder teer e aver e a ajam d'aquy
em diamte per Senhora de todo como e na maneira que ditto he. E asy
mandamos aos nosos corregedores das dittas Comarquas, e a todollos
outros oficiãees e pesoas a que esta carta for mostrada e o conhecimento
della pertencer, que a guardem e cumpraõ como se nella contem, porque
asy he nosa vontade e merce sem outro embargo que uns e outros a ello
ponham, e os dittos nosos comtadores e cada um em sua comarqua fará
registar esta nosa carta em o Livro do Tombo della pera se por elle a
todo tenpo saber como e em que maneira esto asy temos dado á ditta
Infamte minha Irmaã. Dada em o Mosteiro d alcobaça a 19 dias do mez
d'agosto antonio carneiro a fez anno de nosso Senhor Jeshu Christo de
1485 annos.»


DOCUMENTO N.º 4

Esta he a minha deradeira vontade. Faço herdeira minha alma de tudo o
que me pertence e pode pertencer. Em esta maneira que deixo tudo no
Mosteiro de Jesus, e as devoçoens que com este se acharão escritas por
mim compriraõse e asim as dividas que for certo que devo e aos que tenha
dado Alvarais de cazamento denlhos e aos que forem tomado por mim des
que estou em Aveyro e mais deste tempo a João Lopes o Doutor e a minha
Ama Beatriz Alvares, e Jorge da Silya que am moradias de ElRey meu
Senhor a todos asim os que tomei como estes paguemse por cada anno o que
monta no terço de suas moradias e Escravos e Escravas seus filhos e
filhas e descendentes os Christaos, e Christaus deixo forros, e o Rubi
grande do anel ao Principe meu Senhor, e a meu Sobrinho o pendente das
tres pedras, e o pendente da esmeralda e a Senhora minha thia o bulto e
faço o meu testamento João Lopes e demlbe mais vinte mil reis==do corpo
façase o que mandar a Perlada, e pela Alma faça o a que agora for as que
virem o que lhe parecer rezão, e as suas charidades quizeres que em mim
no sinto mericimento e pesso a ElRey meu Senhor se falcar algua couza
pera se comprir esta derradeira minha vontade que me faça merce por onde
se tudo possa comprir e nosso Senhor lhe de a sua benção o asim lhe
pesso que ampare alguns moços que criei e no tem moradias, que todo o
dinheiro que recebeo João Lopes, e asim as outras cousas que avia de
pagar algumas pessoas de todo por mim tomei conta e a achei boa pera se
encaminhar; e a Margarida Agostinha, e Maria a cada huã della dez mil
reis e que aqui convenha por direito alguas sutilezas ei as eu por
supridas, e porque por mim nem por outrem não posso abranger a pedir a
todos perdão aqui geral e a cada hum especial pesso por amor de Deos a
que passo me julgue no segundo as ofensas, mas segundo a sua
misericordia feito a 19 de Março era de 1490 estando em todo a meu sizo
e sem couza que possa embargar a esto no ser valioso.

Achado foi em hua arquinha mandando que o entregasem a Fr. João Dias seu
Confessor.


DOCUMENTO N.º 5

Antonio das Vasconcellos e Souza, por merce de Deos, e da Santa Sé
Apostolica Bispo de Coimbra, Conde de Arganil, Senhor de Coja, do
Conselho de Sua Magestade, e seu Sumiler de Cortina, &c.

Aos que esta nossa Carta de attestação visem. Fazemos saber, que
sendonos encomendado por Sua Magestade, que Deus guarde, o Senhor Rey D.
João o V de gloriosa memoria fizessemos a trasladação das Reliquias do
Corpo da Princeza Santa Joanna, para o novo sepulchro, que a Real
grandeza de seu Pay o Senhor Rey D. Pedro II, que santa gloria haja, for
servido dar para deposito de tão Santas Reliquias, que para sabermos
eraõ as proprias, que o Illustrissimo Senhor D. João Mello, nosso
predecessor, vio, e examinou no tempo, em que informou á Sé Apostolica
para a Beatificação da dita Santa, entrámos no convento de Jesus, desta
villa de Aveiro, de Religiosas Dominicas, em 10. de Outubro de 1711. em
companhia do Reverendissimo Provincial da Ordem dos Prégadores, e mais
Religiosos, e Religiosas abaixo nomeadas, com quem fomos ã casa do
Antecoro do dito Convento, e ahi sobre um altar portatil estava um
caixão com toda a veneração, cuberto com um pano de tela branca, que
mandámos descobrir, e vimos ser o caixão de pao santo, quadrado, e a
tampa oitavada. Tinha de comprido quasi cinco palmos, e dous e uma mão
travessa de largo, com sua guarnição de bronze, e sobre a tampa uma
maçaneta do mesmo; e sendonos apresentada pela Madre Prioreza do dito
Convento, e mais Communidade a chave do dito caixão, o abrimos, vendo
ser forrado de tafetá azul com guarnição amarella.

Dentro do dito caixão estava outro mais antigo pelo mesmo feitio, que o
acima declarado, tendo na tampa umas pinturas brancas, a modo de
Estrellas; e em cima uma pera pequena de ferro, por onde se abrio, sem
ter fechadura, por ser de encaixe; e sendo por nós tambem aberto, o
achámos todo forrado de tafetá cramezim; e tirando de de dentro uma
caixa de castanho lizo, a modo de gaveta, do comprimento do segundo
caixão, e de altura de uma mão travessa, sem tapadoura alguma, donde
estavam depositadas as Santas Reliquias, cozidas em uma toalha de linho
com uma espeguilha por guarnição, e por fóra da dita gaveta tinha uma
rede, feita com fita de nastro branco, que impedia tirar-se a toalha, em
que estavam as ditas Santas Reliquias, que por nós foi mandada desatar,
e descozer a toalha. Vimos a caveira com queixo, e as canas dos braços,
e pernas, e as mais reliquias dos ossos insignes, e a mayor parte dos
pequenos. O que tudo por nós foy bem visto, e examinado; como tambem a
grande devoção nas Religiosas, a quem demos a beijar a Santa Reliquia da
cabeça: e para se haver de fazer a trasladação para o novo cofre, e
sepulchro, as mudámos para uma toalha de Cambray, com guarnição de
frocos, cingindo-a com dous listoens de fita de seda encarnada, e azul,
para segurança das ditas Santas Reliquias; e para que a todo o tempo
conste desta verdade, e saberem são estas Reliquias do corpo da Princeza
Santa Joanna, como tambem ficarem dentro deste cofre a cabeça, braços,
pernas, e costellas e mais Reliquias insignes do Santo Corpo, mandámos
passar esta attestação, para que se lhe dê inteiro credito, em que
interpomos nossa authoridade Apostolica, e jurisdicção Ordinaria, sendo
presentes testemunhas de vista o Reverendissimo Padre Mestre Fr. Manuel
da Encarnação, Provincial da Ordem dos Prégadores. O Reverendo Padre
Presentado Fr. José de Jesus Maria, Secretario da Provincia. O Reverendo
Conego Miguel de Sottomayor, Veador da nossa casa, e Recebedor da nossa
Mitra. O Reverendo Fr. Luiz de S. Bento, Prior do Convento de S.
Domingos d'esta Villa, e Vigario do Convento das Religiosas. O Padre
Prégador Fr. Pedro das Chagas. O Padre Prégador geral Fr. João do
Rosario. O Padre Prégador geral Fr. Antonio do Espirito Santo. O Padre
Prégador Fr. Manuel da Conceição, Confessor das Religiosas. O Padre
Prégador Fr. João Gomes, e o Padre Fr. Miguel de Santa Rosa, Procurador
das Religiosas. A Madre Izabel da Visitação, Prioreza. A Madre D.
Lourença. A Madre Soror Lourença Maria, Sub-Prioreza. A Madre D. Izabel
Bautista. A Madre D. Marianna da Coroa, e a Madre Catharina da Coroa, e
todas as mais Religiosas do Convento, que estavão presentes; em fé, do
que mandámos passar a presente, por nós assinada, e sellada com o séllo
das nossas Armas. Dada em Aveyro, aos 10. de Outubro de 1711. E eu
Antonio de Noronha e Andrada, Secretario do Illustrissimo Senhor Bispo
Conde, e Notario Apostolico por Sua Santidade, a fiz de seu especial
mandado.==Bispo Conde==Lucas Sigili==E esta he a verdadeira copia, que
eu Fr. José de Jesus Maria tirey do original, para ficar no deposito do
Mosteiro, e para constar a todo o tempo do contheudo nessa attestação.
S. Domingos de Aveyro, aos 47. de Outubro de 1711.

      _Fr. José de Jesus Maria_,

      Presentado, companheiro, e Secretario.


DOCUMENTO N.º 6

CLEMENTE PAPA XII

_Ad futurum rei memoriam._

O cuidado do apostolado sacrosanto que a inscrutavel alteza da Divina
Sabedoria e Bondade teve por fim chegar á nossa humildade, ainda que
muito desigual nas forças e merecimentos, nos obriga a que de boa
vontade demos accenso aos pios votos dos Reis Catholicos que na Egreja
de Deus brilham com grande resplendor de merecimentos para augmentar na
terra a louvavel veneração das Sagradas Virgens que reinam com o Divino
Esposo na perpetua bemaventurança, principalmente d'aquellas que nos
dias da sua peregrinação, posto que fossem collocadas na sublimidade das
cousas humanas, não pozeram sua esperança no caduco das riquezas, mas
seguiram o conselho apostolico com o auxilio do Divino Espirito para
serem santas, não só no corpo, mas na alma. Finalmente, como aos dez
dias de julho de mil seis centos e oitenta e oito a Congregação dos
Veneraveis Irmãos Nossos Cardeaes da Santa Romana Egreja, examinou os
processos, acabados e feitos com auctoridade ordinaria, e virtudes da
Beata Joanna, em quanto viveu, nascida do illustre Rei de Portugal e dos
Algarves Dom Affonso V, e religiosa da Ordem de S. Domingos, cognominada
a Santa Princeza, fallecida no dia doze de maio de mil quatro centos e
noventa, e admittida a commissão da introducção da causa da Beatificação
ou canonisação da mesma Beata Joanna, e essa mesma depois designada por
Innocencio, de feliz memoria, Papa XII, nosso predecessor, com o vigor
das letras remissorias, outros processos se fabricaram em Coimbra,
Evora, e Lisboa, a respeito do culto immemoravel dado á mesma Beata
Joanna, e o caso exceptuado nos decretos de Urbano VIII, nosso
predecessor, declarados com auctoridade apostolica na Congregação da
Santa Inquisição; e o Veneravel Bispo de Coimbra, Juiz Delegado da dita
Congregação dos Cardeaes, deu sentença sobre o culto immemoravel dado á
mesma Beata Joanna, com sciencia e tolerancia dos Ordinarios:
finalmente, aos continuos rogos do nosso Carissimo Filho em Christo,
Pedro, Rei de Portugal e dos Algarves, e bem assim ás supplicas dos
veneraveis Irmãos Bispos, e tambem dos amados Filhos Religiosos, dos
Senados, Collegios e Universidades do Reino de Portugal, e ás repetidas
instancias do amado Filho Paulino Bernardino, Irmão Professo da Ordem
dos Prégadores, mestre em santa Theologia, que pede a mesma Beatificação
e Canonisação; na mesma Congregação dos Cardeaes, proposta e admittida a
sentença sobre a dita sentença, confirmada no caso e para o effeito do
que se tratava; verificadas todas as cousas contheudas no dito processo,
e com toda a diligencia discutidas e examinadas, a dita Congregação dos
Cardeaes, ouvido por escripto o nosso amado Filho Promotor da Fé, julgou
que constava do culto immemoravel, que devia ser confirmada a dita
sentença. Com que, desejando nós satisfazer aos pios e devotos rogos do
dito Illustre Rei, com tanta humildade proferidos; com a Authoridade
Apostolica confirmamos e approvamos o decreto declarado da Congregação
dos Cardeaes, como se profere que consta do culto immemoravel da dita
Beata Joanna, e lhe damos toda a força da inviolavel firmeza Apostolica,
da sua sempre nas premissas, a authoridade da dita Congregação dos
Cardeaes; determinando que as mesmas presentes letras, que são firmes,
validas e officiaes, e que o hãode ser, e que devem sortir os seus
plenarios e integros effeitos, egualem plenissimamente áquelles, a quem
pertence, e ao futuro pertencer, e que inviolavelmente as devem
observar, e assim nas premissas devem ser julgadas e definidas por
quaesquer juizes ordinarios, e delegados, ainda Ouvidores das causas do
Palacio Apostolico, e temos por nullo, e irrito se d'outra maneira
acontecer acommetter-se sobre e-las por qualquer authoridade, ou por
ignorancia, ou com sciencia: Não obstando as Constituições, e Ordenações
Apostolicas, e outras quaesquer cousas contrarias. Queremos que se tenha
a mesma fé no Juizo e fóra d'elle nos traslados das presentes letras,
ainda impressas, escriptas pela mão de algum notario publico, e munidas
com o sêllo de pessoa ou dignidade ecclesiastica constituida, a qual fé
se teria, ellas presentes, se fossem exhibidas. Dado em Roma, _apud
Sanctam Mariam Majorem sub annulo Piscatoris_, aos 4 de abril de 1693,
no anno de nosso Pontificado.

Por Cantarellio, Secretario da Congregação

_J. P. Card Albano._



PREÇO 200 REIS

O producto d'esta obra reverte em beneficio da Real irmandade da SANTA
PRINCEZA.

    [1] Foi esta a residencia habitual de nossos monarchas, em Lisboa,
    desde D. Diniz até D. Manuel. Arch. Pit. vol. 4º, pag. 167.

    [2] Chronica de D. Affonso V, por Ruy de Pina, capitulo 114.

    [3] Historia Genealogica da Casa Real, tom. 3.º, paginas 80.

    [4] Historia de S. Domingos, part. 2.ª, liv. 5.º cap. 1.º

    [5] Chronica de D. Affonso V, cap. 134.--Idem do Principe D. João,
    cap. 3.º

    [6] Memorias de Litteratura Portugueza, nas d'Academia R. das
    Sciencias, t. 3.º

    [7] Panorama vol. 3.º da 2.ª série.:--Memoria para a historia e
    theoria das côrtes geraes etc. pelo V. de Santarem, part. 1.ª pag. 5

    [8] Chronica de D. Affonso V, por Ruy de Pina, capitulo 137.

    [9] Chronica do Principe D. João, cap. 33.

    [10] Breve memorial da mui excellente Princeza a mui virtuosa
    senhora Infanta D. Joanna, nossa senhora, filha do mui catholico e
    christianissimo rei D. Affonso V e da rainha D. Izabel, sua
    mulher.--«Manuscripto do convento de Jesus» contemporaneo de D.
    Joanna e existente no archivo do extincto mosteiro de Jesus sob o
    n.º 872.

    [11] Estudos historicos e archeologicos por o sr. I. de Vilhena
    Barbosa, t. 2º, pag. 79.

    [12] D'ella faz mensão no seu testamento.--H. Geneologica, t. 3.º
    das Provas, pag 59.

    [13] Hist. Geneal., t. 3.º, pag. 80.

    [14] Poetas Palacianos, pelo sr. Teophilo Braga, pagina 211.

    [15] Historia de Portugal, do sr. Pinheiro Chagas, vol. 2.º, pag.
    339.--Poetas Palacianos, por Teophilo Braga, pag. 176, e Portugal,
    por F. Diniz, pag.102.

    [16] Portugal, pag. 72.

    [17] Os catalogos das livrarias de D. Duarte e D. Affonso V vem
    transcriptos na introducção á Historia da Litteratura Portuguesa do
    sr. T. Braga, a pag. 214, 252, 258 e 260.

    [18] Historia de S. Domingos, part. 2.ª, liv. 5.º, capitulo 1.º

    [19] Estudos Historicos e archeologicos, por o sr. I. de Vilhena
    Barbosa, vol. 2.º, pag. 61 a 97.

    [20] Historia de Portugal, t. 5.º. pag. 54.

    [21] Hist. de Port. tr. fr. pag. 509.

    [22] Rebello da Silva--D. João II e a Constituição da Nobreza, no
    Diario de Lisboa de 24 de setembro de 1860.

    [23] Documento n.º 1.

    [24] D. João II e a Conspiração da Nobreza, no Diario de Lisboa de
    22 de setembro de 1860.

    [25] Documento n.º 2.

    [26] Chronica do Principe D. João, cap. 31.

    [27] Descrevendo as feições e trajar de D. Joanna, não fizemos mais
    que reproduzir o que sobre tal assumpto escreveu o nosso guia
    inseparavel D. Bernarda Pinheiro.

    [28] Dameão de Goes--Chronica do Principe D. João cap. 33.

    [29] Chronica do Principe D. João, cap. 33.

    [30] Historia de S. Domingos, liv. 5.º, part. 2.ª, capitulo 2.º

    [31] Esta casa é hoje a sacristia do convento.

    [32] Historia de S. Domingos, liv. 5.º, part. 2.ª; capitulo 3.º

    [33] Diz D. Bernarda Pinheiro, que D. Joanna quando lhe foi lançado
    o habito, tirou uma cruz de ouro que trazia ao pescoço, e o anel de
    esmeralda, e lançou no açafate, mostrando que não queria mais usar
    de taes objectos. Diz tambem n'outro lugar que ella desde que entrou
    no convento não usou mais luvas, nem trouxe outros anneis a não ser
    aquelle.

    [34] Historia de S. Domingos, part. 2.ª, liv. 5.º, capitulo 5.º

    [35] Dava-se o nome de «andas» a um taboleiro ou leito, sem caixa
    nem cobertura de qualidade alguma; e com varaes para ser conduzido
    por homens ou cavalgaduras.--I. de Vilhena Barbosa, «Estudos
    historicos e archeologicos» tom. 2.º, pag. 45, nota 1.ª

    [36] Hist. Geneol. da Casa Real, tom. 2.º das Provas--«prova» n.º 4.

    [37] Chronica de D. João II, cap. 113.

    [38] «O Cenaculo, revista contemporanea de litteratura portugueza»,
    pag. 219.

    [39] «Indice e summario dos livros e mais documentos mais antigos e
    importantes do archivo da camara municipal de Coimbra».--Segunda
    parte do inventario do mesmo archivo, fasciculo 1.º, pag. 37.

    [40] São muitos os escriptos em que se narra a vida de D. Joanna,
    tanto em portuguez como em outras linguas. Em hespanhol citam-se fr.
    Jeronymo de Santo Agostinho (1595), fr. João Lopes (1613); em
    italiano S. Pio V (1620), padre Pedro Francisco Tresileo, da
    Companhia de Jesus, (1664) e Marchesi, bispo de Pozuelo (1670); em
    francez, fr. Thomaz Sovegio (1686); em latim o padre Antonio de
    Vasconcellos (1621); fr. Abraham Brovio (1624), Mons. Carumel
    (1639), o padre Daniel Papebrochio (1688), fr. Diogo do Rosario
    (1641), e fr. Antonio de Senna (1585). Em portuguez temos, entre
    outras publicações, a «Vida da serenissima Princeza D. Joanna, filha
    de el-rei Dom Affonso o quinto de Portugal etc.» por fr. Nicolau
    Dias, Lisboa,--1594. «Virtuosa vida e santa morte da Princeza D.
    Joanna etc.» por D. Fernando Corrêa de Lacerda, Lisboa,
    1674.--«Estrella dominicana, novamente descoberta no céu da Egreja,
    historia panegyrica etc.» por fr. Lucas de Santa Catharina, Lisboa,
    1703.

    [41] D. Francisco Alexandre Lobo, bispo de Viseu.

    [42] Obras de D. Francisco Alexandre Lobo, tom. 2.º, pag. 153.

    [43] Hist. de S. Domingos, parte 2.ª, liv. 5.º, cap. 7.º

    [44] Hist. de S. Domingos, parte 2.ª liv. 5.º, cap. 8.º

    [45] Bouillet--«Dictionnaire universel d'histoire et de
    geographie».--Charles.

    [46] Quadro elementar das relações politicas e diplomaticas de
    Portugal etc., pelo V. de Santarem, tomo 3.º, pag. 115.

    [47] «Quadro Elementar etc.» pelo V. de Santarem, tomo 3.º, pag.
    157.

    [48] Hist. de S. Domingos, parte 2.ª, liv. 5.º, cap. 7.º

    [49] Bouillet.--Obr. cit.--Charles.

    [50] D. Francisco A. Lobo.--«Obras» t 3.º, pag. 151. nota 1.ª

    [51] Hist. de S. Domingos, parte 2.ª, liv. 5.º, cap. 8.º

    [52] H. Geneologica, tomo 3.º, pag. 89.

    [53] «Epitome da vida de Santa Joanna etc.», traduzida do italiano
    em portuguez, e accrescentada por um seu devoto.--Lisboa, 1755.

    [54] «Quadro Elementar das relações politicas e diplomaticas de
    Portugal etc.», por o Visconde de Santarem.--Tom. 14.

    [55] Chronica do Principe D. João, cap. 20.º

    [56] Documento n.º 3.

    [57] Fr. Luiz de Souza. H. de S. Domingos, parte 2.ª, liv. 5.º, cap.
    9.º

    [58] Documento n.º 4.

    [59] Hist. de S. Domingos.

    [60] Hist. de S. Domingos, parte 2.ª, liv. 5.º, cap. 10.

    [61] D. Fernando Corrêa de Lacerda--«Virtuosa vida e santa morte da
    Princeza D. Joanna etc.»,--Lisboa, 1674. pag. 259.

    [62] Documento n.º 5.

    [63] João Antunes foi nomeado architecto da Casa Real, por
    fallecimento de Francisco da Silva Tinoco, em 18 de julho de
    1669.--«Dictionnaire historique e artistique de Portugal» par le
    conde de Raczynchi.

    [64] Documento n.º 6.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "D. Joanna de Portugal (A Princesa Santa) - Esboço Biographico" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home