Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: O trophéo
Author: Santos, C. Afonso dos
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O trophéo" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



+O trophéo+


Poesia offerecida aos seus collegas do 7.^o anno

POR

+C. Affonso dos Santos+
Alumno n.^o 202 do Real Collegio Militar


LISBOA
Typ. da Cooperativa Militar

1907



O TROPHÉO


Noite quente d'abril. Um golpho oriental
E o mar cantando aos pés tristezas sem egual.

Paz immensa, em que a noite etherea e constellada
Scismava na mudez da sombra avelludada...

Na baça pallidez d'um terraço sumptuoso,
Feito para um sultão se embriagar de gòso,

Da pallida Dinah, a pallida figura
Sorvia, n'um anceio, errando pela altura,

Um desejo sem fórma, ethereo, fluctuante,
Uma vaga chiméra, uma chiméra errante!

Sonho tão ideal, coisa tão indecisa
Que lembrava o fugir incerto d'uma brisa.

Emquanto o vasto mar, rolando de mansinho,
Dolente, meigo, azul cantava de baixinho

Balladas provençaes d'uma immensa ternura
E Dinah, desejando, errava pela altura,

Passa uma náu antiga, uma náu de cruzados,
Épicos, triumphaes nos elmos emplumados!

E o mais louro e gentil, o mais devaneador,
Um principe lorêno, heroe e trovador,

Vendo subitamente o seu corpo d'ondina,
Diz n'um deslumbramento: «Oh Deus! Como és divina!

«Dá-me um cabello teu, um só, oh feiticeira!
«Que eu dou-te a minha gloria immensa e carniceira.

«Vem vêr como lampeja a minha bronzea lança
«N'um campo de batalha, ao Sol d'uma esperança,

«E pede-me, depois, tudo o que quizeres,
«Da cabeça d'um rei, ao branco mal-me-queres!

«Não ouves! Ai de mim, feiticeira dos mares!
«Extingue-se-me a voz e tu sem me fallares...

«Manda-me um beijo só, manda-me um beijo apenas
«Atravez do azul, p'las tuas mãos pequenas,

«Que eu juro trazer-te, aureolado de gloria,
«O mais bello trophéo dos trophéos de victoria.»

A voz perdeu-se. Então n'uma embriaguez d'alma,
Atravez do azul da atmosphera calma,

Dinah mandou um beijo apaixonado e quente,
Beijo que se desfez na agua, a arder, fremente.

       *       *       *       *       *

Fôra-se o mez d'abril. N'uma tarde calmosa
E d'uma limpidez vibrante e luminosa,

Na poeirenta estrada, o cavalleiro andante
Passava como um rei, n'um sequito brilhante.

Cumprira o voto emfim! Na ultima batalha,
Com o enorme fragôr do abater da muralha,

Do exercito agareno o emir mais triumphante
Tombára-lhe a seus pés, a golpes de montante!

As palmeiras viris, n'um lento ramalhar,
Saudaram-n'o d'assombro, ao verem-n'o passar.

O curso d'um regato, as fontes do caminho,
Em doce acclamação cantaram-lhe baixinho.

Um colibri modulou-lhe em notas de crystal
D'um baobah gigante, um hymno triumphal.

E o proprio Sol, ao longe, antes de se esconder,
Enviou-lhe, eclipsado, um raio fulvo, a arder!

Porém ao cavalleiro, épico e sonhador,
Só sorria o prazer d'essa noite d'amor.

E entre a turba hostil de ferros e pendões
Lá ia, n'um galope, em loucos turbilhões,

Qual outro Lohengrim, olympico e risônho,
Correndo á embriaguez balsamica d'um sonho.

       *       *       *       *       *

Algum tempo depois, banhada de luar,
Fundindo-se em paixão fogosa a latejar,

A pallida Dinah ouvia, extasiada,
Na dôce languidez d'uma alma apaixonada,

O quente ciciar do branco cavalleiro:
«Oh lyrio do Oriente! Oh meu amôr primeiro!

«Tu foste a meiga luz, a meiga luz marmorea
«Que me illuminou sempre a estrada da victoria...

«Vou dar-te a prova, emfim, d'esta paixão immensa.
«Foi conquistada á espada ao Sol da minha crença,

«Ao rapido tinir do ferro lampejante,
«Á doce evocação do teu meigo semblante!»

E um escravo apresentou n'uma dourada salva,
A livida cabeça, ensanguentada e calva,

Do terrivel emir que de Chypre ao Khirmam
Triumphára da Cruz, decantando o Islam

A sua fama echoára, entre o Roxo e o Egêo,
E já, apenas, era um lugubre trophéo.

A pallida Dinah, tremula e offegante,
Beijando do heroe a fronte radiante,

Murmurou-lhe ao ouvido: «Oh principe christão!
«Se apenas me bastava o fogo da paixão...

E voltou-se para vêr a épica loucura
De quem faz do Amôr a 'scola da bravura!

E então, oh horror! oh numes infernaes!
Pela primeira vez os astros immortaes

Vieram alumiar com o seu vivo explendor,
Um beijo de paixão e um scena de horror!

Dinah, vendo de perto o craneo decepado
Mesto, lugubre, calvo, informe e mutilado,

De um salto para traz, livida e cadavérica,
Nas doidas convulsões d'uma loucura hysterica,

O olhar em febre, o peito em fogo, a grenha erguida,
Deu uma gargalhada, electrica, perdida...

E sempre a rir, a rir, desequilibrada, louca,
Envenenou na escuma livida da bocca

A phrase que fulmina e mata quando cae
«Não vês que era meu pae! não vês que era meu pae!»





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O trophéo" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home