Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Memoria sobre a descoberta das ilhas de Porto Santo e Madeira 1418-1419 - (Fragmento de um livro inedito)
Author: Bettencourt, Emiliano Augusto de
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Memoria sobre a descoberta das ilhas de Porto Santo e Madeira 1418-1419 - (Fragmento de um livro inedito)" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



of public domain material from Google Book Search)



                                 MEMORIA

                            SOBRE A DESCOBERTA

                                    DAS

                       ILHAS DE PORTO SANTO E MADEIRA

                                 1418--1419

                       (FRAGMENTO DE UM LIVRO INEDITO)

                                     POR

                              E. A. Bettencourt



                                    PORTO
                      Typographia do Commercio do Porto
                        RUA DA FERRARIA N.os 102 A 112

                                     1875



MEMORIA SOBRE A DESCOBERTA

DAS

ILHAS DE PORTO SANTO E MADEIRA

1418--1419

(FRAGMENTO DE UM LIVRO INEDITO)

Quando o infante D. Henrique voltou de Africa foi residir em uma terra
do Algarve, situada na ponta mais desgarrada da Europa, e que parece ter
sido destinada pela natureza a servir de posto avançado á civilisação
europeia. N'esta terra, cujo senhorio el-rei havia dado a D. Henrique,
fundou elle uma villa, que se denominou do «Infante», e a qual devia
servir para tracto e refresco dos mareantes que fossem ou viessem do
levante.

Sagres, no cabo de S. Vicente, pois que foi este o lugar escolhido pelo
infante para estabelecer a sua villa, era pelo occidente o _terminus_
natural do mundo conhecido no comêço do seculo XV, em quanto que o cabo
Não, da Africa, marcava no mar do sul o limite até onde haviam podido
chegar os navegantes europeus.

O infante desejava ultrapassar estes limites, colhera em Ceuta algumas
informações, e com essas vagas noticias principiou a mandar os seus
criados a explorar os mares do sul.

D. Henrique era o quarto filho de el-rei D. João I e grão-mestre da
Ordem de Christo, dignidade que punha nas suas mãos a administração das
enormes rendas da Ordem; possuia um genio emprehendedor e era
perseverante e generoso: taes dotes juntos a tão grandes meios fizeram
do infante o maior homem do começo dos tempos modernos, heroe cujas
obras aproveitaram ao mundo inteiro.

Quando, pois, o infante dava principio á serie de viagens de exploração
que determinára fazer á costa d'Africa, mandando todos os annos duas ou
tres caravellas, commandadas por alguns dos seus mais zelosos criados,
com o encargo de passarem o cabo Bojador, e irem o mais longe que
podessem; succedeu que dous fidalgos de sua casa, João Gonçalves Zarco e
Tristão Vaz Teixeira, que com o infante tambem se haviam achado no
soccorro da praça de Ceuta, se lhe offereceram para irem passar o
mencionado cabo e descobrirem a terra da Guiné.

Sairam portanto mar fóra estes arrojados fidalgos, em uma pequena
embarcação, que o infante lhes fez aprestar e prover de todo o
necessario; mas decorridas que foram algumas milhas encontraram ventos
de travessia, que os arrojou para o alto mar onde correram por muito
tempo á mercê de uma forte tempestade, até que se acharam sobre as
costas de uma terra desconhecida.

Zarco e Tristão sairam em terra para se abrigarem da tormenta, dando,
por tal motivo, á ilha desconhecida a denominação de _Porto Santo_.

Tendo Zarco e Tristão reconhecido a ilha, voltaram apressados a dar
parte ao infante, que largamente os galardoou e lhes permittiu que
fossem povoar a nova terra com muitas pessoas que para isso logo se
offereceram; indo tambem n'essa occasião, por capitão donatario da ilha,
Bartholomeu Perestrello, fidalgo da casa do infante D. João.

Chegados que foram á ilha de Porto Santo construiram suas barracas e se
acommodaram o melhor que puderam. Tinha, porém, acontecido que, entre os
animaes que Perestrello levou para a ilha havia uma coelha prenhe, que
acertando de parir durante a viagem foi lançada em terra com a sua
prole. Estes coelhos, segundo asseveram quasi todos os escriptores que
escreveram d'aquellas ilhas, foram qual praga do Egypto, porque
multiplicaram muito e devastaram quasi todas as plantações que os
colonos haviam feito. Bartholomeu Perestrello desgostoso por este
successo, ou talvez por não poder habituar-se a viver isolado na ilha,
embarcou-se para o reino, emquanto que Zarco e Tristão foram em barcos
construidos em Porto Santo examinar se era alguma nova terra o traço
negro que um certo nevoeiro projectava constantemente no horisonte.

Singraram, portanto, na direcção d'aquella sombra informe e fumosa, e ao
passo que d'ella se approximavam, assim se lhes foram patenteando as
serras e os córtes abruptos de uma terra virgem, fragosa e coberta de
uma espessa matta.

Zarco e Tristão descobriram assim a ilha da Madeira, e, depois de a
reconhecerem, tendo desembarcado em diversas angras e penetrado no
interior, voltaram a dar parte ao infante, que os premiou com as
capitanias das duas partes em que determinou dividir a ilha.

Azurara, Barros, Damião de Goes e ainda outros mais[1] dizem
positivamente que Tristão e Teixeira se dirigiam á Guiné ou a passar o
cabo Bojador, e que foi uma tormenta que os levou á ilha de Porto Santo;
sem admittirem que taes navegantes fossem em busca de uma ilha, cuja
noticia viera de um captivo de Marrocos, como teem escripto alguns
auctores, que acreditam na lenda de Machico.

Falta, portanto, nos primeiros escriptores d'este acontecimento, base em
que se funde a ligação da descoberta da Madeira por Zarco e Tristão com
a lenda de Machico, que Antonio Galvão e Francisco Manoel de Mello
referem no «Tractado dos descobrimentos antigos e modernos» e nas
«Epanaphoras de varia historia».

Na obra «The life of Prince Henry of Portugal», defende o snr. Major a
veracidade da lenda de Machico, e tanto calor toma n'esta defeza que bem
mostra quanto se deixára convencer da existencia d'aquelle
acontecimento. É tal a sua convicção que chega a persuadir-se de ter
descortinado na romantica «Epanaphora amorosa» de Mello os principaes
traços de uma verdadeira noção historica; julgando-a comprovada com o
escripto de Valentim Fernandes, encontrado em Munich, aliás muito
divergente em pontos essenciaes da mesma lenda.

O snr. Major dá-nos pela seguinte fórma o extracto da lenda, que elle
diz ser conforme se acha narrada pelo possuidor da «Relação original
manuscripta»:

«No reinado de Duarte III, um mancebo de boa familia chamado Roberto
Machin, teve a infelicidade de se enamorar de uma joven dama cujos paes,
possuindo bens e jerarchia muito superiores aos d'elle, trataram com
desprezo as suas pretenções. Querendo evitar suas repetidas visitas,
alcançaram do rei ordem de prisão para Roberto, a fim de n'este meio
tempo unirem sua filha a um fidalgo cuja posição mais convinha para
manter a dignidade da sua familia.

«Como a dama, de nome Anna d'Arfet ou Dorset, correspondesse aos
affectos de Machin, o mesmo foi sair elle da prisão que determinar-se a
raptal-a. Com a ajuda de um amigo que procurou introduzir-se como
palafreneiro em casa de Anna, que era em Bristol, foi a final executado
este plano, e d'alli partiram em uma embarcação que Machin já para este
fim tinha preparado e equipado.

«A sua intenção era navegar para França; eis que sobrevindo-lhes um
vento nordeste os apartou d'aquella costa, e depois de andarem treze
dias á mercê de um temporal deram vista de uma ilha onde desembarcaram.
Acharam-na despovoada, mas bem provida de madeira e agua, e de
excellentes condições para se habitar.

«Gosaram tres dias de tranquilla segurança, e em quanto uns exploraram o
interior do paiz, os outros examinaram de bordo as suas margens; mas na
terceira noute levantando-se uma tempestade deu com elles na Costa
d'Africa. O susto e o soffrimento por que passára a infeliz dama haviam
n'este desastre attingido as maiores proporções, e passados tres dias de
completa prostração mental terminou seus dias. Foi sepultada ao pé do
altar que se erigiu em signal de reconhecimento pela sua chegada, e, no
quinto dia depois do seu fallecimento, Machin foi tambem encontrado
morto sobre a sepultura da sua amante. Os restantes companheiros lhe
abriram egual sepulchro e embarcaram-se depois no batel do navio, e, ao
chegarem á Costa d'Africa foram levados á presença do rei de Marrocos,
de quem ficaram captivos.

«Nas mesmas tristes circumstancias acharam seus companheiros que
perdidos foram no navio levados da ilha.

«Entre os seus companheiros de captiveiro havia um João de Morales,
natural de Sevilha, bom maritimo e experimentado piloto a quem fizeram a
descripção da terra que tinham descoberto. Por este tempo a 5 de março
de 1416 fallecera D. Sancho, filho mais velho do rei Fernando de Aragão,
e deixára em testamento um rico legado para que de Marrocos fossem
resgatados os christãos captivos, e entre elles havia este João de
Morales, mas o navio que o trazia foi capturado pelo navegante portuguez
João Gonçalves Zarco.

«Comtudo este, por clemencia, deu a liberdade aos infelizes captivos
reservando só para si a Morales, cuja experiencia em materia nautica
julgou poder ser util a seu amo o infante D. Henrique. Este Zarco tinha
ido, como já nos disse Barros, em companhia de Tristão Vaz Teixeira,
explorar a costa occidental d'Africa, e assaltados por uma tempestade
foram dar na ilha de Porto Santo. Isto parece ter succedido no fim de
1418 ou principio de 1419. Foi Morales que lhe communicou o
descobrimento de Machin, e partindo em um navio, com authorisação do
infante e sob a direcção de Morales, fez o importante descobrimento da
ilha da Madeira, á metade da qual deu o nome de Funchal e á outra de
Machico.»

Habituados, como estamos, a respeitar a opinião do illustre sabio
britannico, não podiamos deixar de nos sentirmos profundamente magoados
por uma pungente contrariedade, quando se nos deparou a defeza de
Machico, tão habilmente desempenhada por aquelle escriptor.

Desejaramos partilhar sempre a sua opinião, seguil-a e cital-a até para
credito nosso; mas para isso era-nos mister tornarmo-nos adulador, e
nós, como portuguez, devemos ao snr. Major a consideração que deriva de
um sentimento bem mais digno que o da adulação.

Por amor, pois, da verdade e com o mais profundo respeito nós vamos,
segundo a nossa opinião, defender como primordial a descoberta das ilhas
de Porto Santo e Madeira por Zarco e Tristão, com prejuizo da pretendida
descoberta de Machico.

Principiando, pois, por mostrar a importancia que a «Epanaphora» de
Mello póde ter como documento historico, comparal-a-hemos com o escripto
da collecção de Fernandes, e com o de Antonio Galvão, citados pelo snr.
Major, concluindo por emittir a nossa humilde opinião sobre o pretendido
caso.

A lenda, contada pelo ameno auctor das «Epanaphoras», não nos consta que
tenha sido relatada por nenhum escriptor do seculo XV; Azurara nada diz
a tal respeito, e crêmos que se a tivesse por verdadeira teria feito
d'ella menção na sua «Chronica de Guiné», conforme fez das descobertas
de outros estrangeiros. O manuscripto de Francisco Alcafurado, que
serviu a Francisco Manuel de Mello para compor a sua terceira
«Epanaphora», e que diz ter vindo á sua mão por um extraordinario
caminho, não apparece hoje em parte alguma, nem sabemos que algum outro
escriptor tenha d'elle ou de seu auctor dado noticia. Em presença, pois,
da chronica de Azurara, ha toda a razão para duvidar da authenticidade
de um manuscripto que ninguem mais viu, pois que, tendo Azurara fallado
com quasi todos os descobridores, e consultado todos os escriptos para
compôr a sua «Chronica»[2], parece-nos pouco verosimil ter-lhe escapado
este escripto, e tambem o seu auctor, que se diz companheiro dos
descobridores da Madeira, e que, segundo diz o auctor das «Epanaphoras»,
devia viver no paço do infante D. Henrique, ao tempo em que lá se achava
tambem Azurara.[3]

É para notar que sendo a «Chronica de Guiné» escripta sob os auspicios
do infante D. Henrique, e tendo sido o manuscripto de Alcafurado,
segundo diz ainda o auctor das «Epanaphoras», offerecido ao mesmo
infante, elle não fizesse narrar na chronica um acontecimento que, a ter
sido verdadeiro, tambem deveria ser conhecido de todos os tripulantes
das embarcações de Zarco, e portanto impossivel de conservar-se em
segredo. O caracter probo e verdadeiro de Azurara não nos permitte
suppôr que elle calasse a mais vedadeira relação do acontecimento,
expondo-se aos retoques e emendas de tantas testemunhas oculares.

Estas circumstancias e o facto de se não achar, em nenhum auctor coévo,
noticia de Alcafurado concorrem poderosamente para augmentar, senão
confirmar, as suspeitas que de ha muito nutrimos sobre a não existencia
de tal escripto e de seu preconisado auctor.

Mas, ainda que ponhamos de parte esta ideia, a «Epanaphora» de Mello, já
pela sua natureza evidentemente romantica, já por ser perto de dous
seculos e meio posterior ao descobrimento da Madeira, e talvez tres á
epocha em que se pretende dar por succedido o caso de Machico, está
muilo longe de poder ter a honra de ser comparada com a chronica de
Azurara, ou com as Decadas de Barros; e muito menos de poder servir para
decidir o caso.

Quanto a Valentim Fernandes é preciso saber-se que o seu livro não passa
de um aggregado de varias noticias, escriptas por diversos individuos,
onde a par da lenda de Machico figura uma «Chronica», tambem
manuscripta, «da descoberta e conquista de Guiné» por Azurara, escriptos
estes que, quanto ao nosso ponto, se contradizem mutuamente.

Esta «Chronica da descoberta e conquista de Guiné» tem differente
divisão e numeração de capitulos d'aquella que foi publicada pelo
illustre visconde de Santarem, e crêmos que será a primeira chronica
d'aquelle descobrimento, que desappareceu do reino logo depois do seu
auctor a ter escripto.

D'esta reunião de noticias varias e contradictorias concluimos nós que
Fernandes, sem criterio, nem ideia de legar á posteridade a lenda de
Machico ou a chronica de Azurara, reuniu no seu livro tudo quanto
podesse avolumal-o ou augmentar-lhe o valor, quer fosse absurdo quer
não.

Este livro foi, portanto, colligido como objecto de mera especulação.

Ora, como não seja em um livro de especulação e de noticias
contradictorias que se devam procurar elementos para decidir uma questão
de facto, é bom que esta circumstancia não seja esquecida, tanto para
que a lenda não ganhe com a nomeada do collector, como para que a
chronica de Azurara não perca, por se julgar que ella fôra alli
collocada a proposito de contradictoria.

Para que o leitor podesse fazer ideia das contradicções dos tres
principaes propagadores da lenda de Machico, Mello, Galvão e Fernandes,
era-lhe mister ter conhecimento integral da lenda escripta por Valentim
Fernandes; mas o snr. Major limita-se a indicar, no capitulo V do seu
livro, algumas divergencias que encontrou nos escriptos d'aquelles
auctores, deixando o leitor sem os meios de poder formar, sobre o caso,
uma opinião fundada.

Nós, porém, tendo pela experiencia conhecido quanto importa consultar um
escripto, em que se pretende basear a veracidade de uma allegação, vamos
pela primeira vez dar á estampa a integra da referida lenda, que nos foi
permittido tirar de uma cópia authentica do livro de Valentim Fernandes,
feita em 1848, e existente na bibliotheca particular de sua magestade
el-rei de Portugal.

Segue a cópia:

«Ylha de madeyra como foy prymeiramente achada e por quem E de que
maneyra foy povorada.

«Huum cavalleyro de ingraterra que avia nome machyn que foy degradado
por seu delicto de ingra terra. E determinou de se hir para espanha. E
comprou huma bartscha que he navio de 40 tonees com gavia E meteo toda
sua fazenda dentro do navio, com uma sua manceba e alguuns criados, e
assi meteo cabras paraseu comer, foy seu camynho. E em vyndo atraves das
berlengas deu tal tempo nelle que ho fez correr a balravento e foy dar
comsigo aa ilha do porto sancto. E se espantarom quando virom terra,
arribaram a ella e decerom em terra abuscar agoa e lenha que aviam
mester E assy as cabras e bodes que lhes ficavam por serem magros e
mortos de fame os lançaram a pacer. E esta terra era a ylha do porto
sancto agora assi chamada.

«E elles assy estando esclarecendo o tempo virom mais terra ao mar e
fizerom vela e foram ver que terra era, e arribarom a huum porto onde
agora chamam Matschiquo. E pos nome ao dito porto machyn E despois os
castellanos corromperom ho vocablo e chamaromno malchico.

«Ao dito cavalleyro yngres pareçeo bem o porto e a terra deçeo nella E
mandou levar huum triquete vela para huma tenda e machados e fouces e
barijs e todo o que avia mester para comer e repousar em terra, ho qual
mandou armar a sua tenda sobre a borda da rybeyra, a qual era muy
graciosa e desafogadiço de muytos peixes e muytas aves mansas atee as
tomarem com as mãos.

«Despois de repousados determinou em sy se avia algumas povorações na
terra. E tomando alguuns mantijmentos e dous homens comsigo se foy pella
ribeyra açima aos picos. E andou de pico a pico oulhando se viria alguma
povoraçam ou synal de gente. E andou la tres dias sem achar nada, mas
antes achou a terra cada vez mais aspera e fragosa d'arvoredos grandes
que pareciam chegar ao çeo emtam determinou de tornar para sua tenda e
gente.

«Em vijndo o dito cavalleyro com seos dous homens por huma ladeyra para
baixo aonde já pareceo ho porto. E os criados nom vendo o navio no porto
disserom ao Senhor que lhes parecia mal e que entendiam que eram fugidos
os marinheyros com o navio. E elle esforçandoos como bõo cavalleyro
dizendo que elles nom fariam tal ruyndade, mas antes stariam tras alguma
ponta, porque lhes poderia ventar alguun vento em quanto elles andariam
fora, ou cortar alguma marra e caçariam. E os criados confrangendose
muyto e agastandose enfraquecendo das pernas que nom podiam andar. E
elle os esforçou e disse, filhos porque pasmais, e tevestes coraçam por
tammanha tormenta que janda temos passados, e se nos perderemos por esse
mar buscaramos remedio para nos salvar como fazem os outros, quanto mais
que estamos em terra muyto boa e muyto graciosa e ayrosa de muyto peixe,
e muytos pombos mansos, rolas codornizes, agoas muyto especiaes em
maneyra que sempre nos poderiamos remediar. E que sabemos, se deos por
ventura nos quis escapar das tormentas para povorarmos esta terra e lhe
fazermos n'ella alguum serviço.

«Leixemos o cavalleyro de como se vinha esforçando seos criados e
digamos dos marinheyros e de seu navjo. Ho mestre e marinheyros, como
viram partir seu senhor para as serras, mostrando que aviam medo delle
que querria povorar aquella terra com elles e os ter alli. Mas a verdade
era que por cobijça das riquezas que tinham na nau determinaram a fugir.
E requererom a manceba que ficava em a tenda e assi huum moço pequeno
com ella se querriam hir com elles, que elles determinavam de fugir. E
ella disse que nom que nunca deos quisesse que ouvesse de leixar seu
senhor. Emtam partiram o mestre com seus marinheyros e fizeram vela.

«Aconteceu que hindo elles assi pello mar deu tempo nelles que foram ter
acosta de berbaria e perderomse em huuns baixos. E escaparem delles para
terra os quaes os mouros cativarom e os outros morrerom.

«Leixemos cativos o mestre com alguuns marinheyros e tornemos ao
cavalleyro que ficava na ilha.

«Quando este cavalleyro yngres chegou onde tinha sua tenda armada que
achou a manceba e o paje, e de como eram fugidos os marinheyros pesoulhe
muyto nomno dando entender aa sua companhia, mas amtes os esforçava e
fazia que não dava nada por ysso dando-lhes muytas razões e esforços e
assy das bondades da terra como mantijmentos que nella tinham. E lhes
dezia que bem podia nosso Senhor por alli trazer outros navjos por
acertamento que os levassem aa terra dos christãos. E quando nom, que
elle sperava com ajuda de nosso senhor ordenar e engenhar huum navjo ou
batel que os levasse por esse mar onde fosse mais seu serviço. Sem
embargo de todollos esforços nom prestou aamora da mançeba porque de
pasmo morreo. A qual foy a primeyra que enterrarom nesta terra em huma
jrmida que elle tinha feito aa qual posnomem sancta cruz.

«A mançeba enterrada entremeteose com seos criados a cortar huum pao
grosso e grande de que fizerom huum batel com algumas ajudas de paos
cavados com tornos de pao. E assi calafetavam com limas de pedras. E
estiverom nysso seys meses em aquella terra. Entam matarom muyto peixe e
secaramno, e muytas aves que escalarom e secarom. E assi tomarom corchos
e dragoeyros e encheromnos dagoa E com aquelle peixe seco e aves, e assi
com os barijs que ajnda tinham, e com o traquete da tenda fizerom vela e
partirom por esse mar e forom dar comsigo em barbaria em aquella terra
onde se perdera seu navio com outros seus criados, e alli sayrom em
terra, e logo os cativarom os mouros. E elles andando assi vio os outros
do seu navio que eram cativos e arremeteo a elles para os matar. Quando
os mouros aquello virom apartaromnos e perguntaromlhe a causa da sua
peleja, pello qual estavom espantados por elles serem todos christãos,
ho qual lhes foy todo contado. E logo o alcayde dy ho escreveo a elrey
de fez seu senhor todo ho passado, assi das ilhas que acharom como da
causa acontecida deste cavalleyro yngres. E logo por elrey de fez foy
mandado de o levar amte sy. E elle ho contou todo por seu trusymam do
que lhe fora acontecido.

«E elrey de fez veendo que se nom podia aproveitar de taes ylhas e
terras mandou o cavalleyro a elrei dom Ioham de castella, com o qual
elle entam tinha bõas pazes e amizades, ho qual despois de sabido de
todo acontecido. Assy por ocupações como por guerra que tinha naquelle
tempo com elrey de portugal, em maneyra que passouho feyto assy em
delonga, que morreo o cavalleyro yngres e nom ouve que mais sobre ysso
acudisse. E nom embargante o gaado que ficou na ilha de porto sancto
como já dissemos multipricou em tanta quantidade que a ilha era toda
chea.

«Os castellanos em conquistando as canarias vierom ter a esta ylha do
porto sancto com tempo e acharom nella as cabras de que fezerom carnaje
e assi tomarom agoa e sangue de dragam que tyram das arvores dragoeyras.
E dy avante quando hyam sobre os canareos sempre vinham aa dita ilha
fazer carnajem.

«Dalli poucos annos andando Ioham gonclz zarco darmada em huma barcha
contra os castellanos veo ter ao cabo de sam vicente sem aver tomado
algumas dias nenhuma preza nem sabendo por onde hyriom fazer preza.
Emtam disse huum castellão que com elle andava. Senhor se quizeres tomar
boa preza vamos onde vos eu disser que he a ylha de Porto Sancto, onde
os conquistadores de Canaria vão fazer sua carnajem e tomar sua agoa,
por quanto como elles alli som saemse todos em terra e tomalloemos os
navios e despois cativaremos a elles em terra.

«E posto que ouvesse grande differença nelles no navjo todavia forom la.
E quando chegarom o porto sancto, avia ja tres dias que os castellanos
eram partidos, e acharom as fogueyras feitas em terra e assi as tripas
da carnajem e alguum gado morto. E fizeram tambem sua carnajem e tomarom
agoa e lenha e folgarom alguuns dias e olharom a terra muy bem. E
determinou logo o capitam de viir povorar a dita terra querendo ho
Iffante dom anrrique seu senhor. E logo ho foy a buscar ao cabo de sam
vicente onde estava o Iffante em sagres e lhe contou tudo que vira e os
desejos que tinha de povorar aquella terra com sua ajuda, com ho qual o
Iffante foy muyto ledo e contente. E escreveu logo a elrey seu padre que
estava em santarem pedindolhe de merçee as ditas ilhas para as povorar E
elrey lhes outorgou.»

Da comparação, pois, d'esta narrativa com as de Mello e Galvão resultam
divergencias essenciaes, das quaes vamos notar as mais flagrantes.

A narração de Fernandes differe logo ao principio da dos outros
auctores, declarando que Machico saira de Inglaterra degredado por seu
delicto e não fugido com uma dama nobre.

A dama que em Mello e Galvão é parte importante, no escripto de
Fernandes é objecto tão secundario que, em vez de uma senhora nobre, e
muito principalmente mais nobre que Machico, poderia ser uma _manceba_
trivial, que, como diz a lenda, por cousa alguma deixaria seu _senhor_.

Pois uma dama ingleza nobre, chamaria nunca _seu senhor_ a um individuo
de estirpe menos elevada?

Mello e Galvão dizem que Machico fôra directamente á Madeira, em quanto
que Fernandes o conduz primeiro a Porto Santo; e, quanto aos carneiros
que Fernandes diz terem ficado n'esta ilha a pascer, se elles não fossem
tambem legendarios teriam multiplicado tanto, que a sua natural
voracidade não deixaria em que os coelhos, levados mais tarde á mesma
ilha por Perestrello, podessem exercer a devastação que referem quasi
todos os historiadores d'aquellas ilhas, até ao proprio snr. Major.

Fernandes não deu cabo do seu Machico na ilha da Madeira. N'este ponto
Galvão e Fernandes estão de accordo, mas em contraposição com Mello que,
para crear a entidade Morales, fez morrer Machico na Madeira, 5 dias
depois da morte de Anna de Arfet. Ainda assim Fernandes diz «e com o
traquete da tenda fizeram vela e partiram»; e Galvão diz «foi dar á
Costa d'Africa sem velas nem remos.»

E é com taes escriptos que se pretende destruir as concordes asserções
de Azurara e de Barros, o primeiro escriptor coevo do descobrimento da
Madeira e ambos de uma seriedade e authoridade reconhecida pelos
principaes escriptores modernos; e com relação ao primeiro dos quaes, o
visconde de Santarem, por mais de uma vez, dá publico e honroso
testemunho na introducção e notas da «Chronica da Descoberta e Conquista
de Guiné».

Como poderá restabelecer-se a verdade de tal noção historica sobre
documentos tão controversos?

Quanto a nós, parece-nos que bem devêra ficar, a parte mais notavel da
lenda, como diz o snr. Major no seu capitulo V, considerada como _mytho_
e o addicionamento como _invenção_, se o mesmo senhor nos não tivesse
dado como, sendo um e o mesmo documento, aquelle que Mello diz ter-lhe
vindo á mão por um _extraordinario_ caminho, e o escripto da familia de
Zarco, a que Barros tinha alludido um seculo antes. Mas quem pôde
assegurar ao snr. Major que estes dous documentos fossem um e o mesmo
escripto, se ninguem até hoje os comparou por não terem sido encontrados
em parte alguma?

O snr. Major notando, no capitulo V da sua já mencionada obra, ter
predominado em perto de tres seculos, a opinião de haverem sido as ilhas
da Madeira e Porto Santo descobertas em 1418 e 1420; attribue a Barros o
erro d'essa supposição, dizendo que este escriptor excedera a
authoridade do chronista Azurara, de quem confessa ter tirado o processo
do descobrimento.

Mas isto não é assim, perdoe-nos o snr. Major: ha aqui um equivoco. O
processo do descobrimento que Barros diz ter tirado de Azurara é o da
Guiné e não o da Madeira; mas além d'isto, tanto para uma como para
outra relação, do que Barros se serviu foi dos manuscriptos de Azurara e
de Affonso de Cerveira[4], e não da chronica propriamente dita, porque
essa ao tempo já tinha desapparecido do reino[5]. É, portanto, infundada
a accusação de que Barros excedera a authoridade de Azurara.

Não sabemos como é que o snr. Major, dizendo ter em seu poder os meios
de restabelecer a verdade da noção historica de Machico, e julgando-a
comprovada pela relação de Valentim Fernandes, nos diz no seu livro uma
quarta e nova versão da mesma lenda, á qual chama extracto da que foi
narrada pelo possuidor da _relação original manuscripta_. O snr. Major
dando-nos esta quarta versão, não nos diz de quem ella seja, quem a viu,
nem onde existe. Seja, porém, de quem fôr, nós entendemos que as
notaveis divergencias de todas ellas são por si só o bastante argumento
contra o objecto da lenda.

Seguindo a narração do snr. Major encontramos que, entre os christãos
resgatados do captiveiro de Marrocos, com o legado que o infante D.
Sancho de Aragão deixou em 1416, viera um hespanhol João de Morales que,
sendo capturado pelo navegante portuguez João Gonçalves Zarco,
communicára a este a descoberta de Machico.

N'esta parte a relação de Fernandes, como o leitor já deve ter
observado, é muito differente, mas não menos inverosimil.

Foi preciso, ao auctor da _relação original manuscripta_, forjar esta
captura para justificar o facto de ter sido o descobrimento da Madeira
feito por portuguezes, porque, aliás, elle deveria ter sido emprehendido
pelos compatriotas de Morales. Comtudo esqueceu ao auctor a falta de
motivo plausivel para que os portuguezes podessem n'aquella epocha, sem
quebra de tractados, capturar um navio hespanhol, de Castella ou Aragão,
e fazer presa da sua tripulação; pois que com Aragão estava Portugal em
paz, e comquanto não houvesse um tractado devidamente assentado com
Castella, havia comtudo treguas juradas desde 1411, que duraram até
depois da descoberta da Madeira (1420), e as quaes foram convertidas em
tractado de amisade logo que el-rei de Castella completou 14 annos.

De todos os reis da peninsula hispanica, só o mouro de Granada deixou de
obter de el-rei D. João I resposta satisfactoria quando, constando-lhes
os grandes armamentos que antes de 1415 se fizeram em Portugal sem que
elles soubessem para que, vieram pedir ratificação dos tractados de paz.
Por essa occasião ficámos nós devendo a um honrado hespanhol que era
corregedor de Carçola, um elogio proferido por esta authoridade, no
conselho que a regente de Castella, a proposito, entendeu mandar reunir
em Palencia, elogio que La Clede relata pela seguinte fórma:

«Que razão ha para consternar-nos com as preparações dos portuguezes?
Porque quereis obrigar-nos a romper a paz só por meras suspeitas? Este
procedimento seria a maior vergonha para o nosso monarcha. Se este
principe verdadeiro, grande e magnanimo jurou solemnemente a paz
comnosco, se nos offereceu soccorro contra os mouros, se se offereceu a
vir em pessoa capitanear os nossos exercitos, que razão ha para irmos
hoje, sem maior fundamento, tomar armas contra elle? Não poderão os
portuguezes fazer movimento que não seja para nos offender? Estão
porventura obrigados a descobrir-nos seus segredos? E quem é que os
descobre, maiormente quando os segredos envolvem alguma empreza grande?
Sem razão, pois, nos consternamos, e maior injustiça é querer intentar
contra elles, só porque nos occultam seus designios. Quando os formassem
contra nós, bem podeis estar certos, eu os conheço muito bem, não
deixariam de nos advertir, como generosos e sinceros que são. O
condestavel D. Nuno Alvares Pereira, que trata com el-rei, seu senhor,
em apromptar o armamento que hoje é nosso terror, e objecto d'este
conselho, quando quiz entrar com a mão alçada em nossas terras, primeiro
mandou aviso aos nossos capitães, que estavam na fronteira. Se elle em
tempo de guerra declarada obrou com tanta generosidade, quando o odio e
o interesse requeriam, e até tornavam necessario darem de subito contra
nós, porque razão seria elle menos generoso hoje que as duas nações
vivem em paz entre si, e el-rei de Portugal dá todas as mostras de
querer mais do que nunca conservar comnosco estreita amisade?..»

Não é preciso mais!

Para que hoje possamos fazer ideia do conceito em que então era tido em
Hespanha o genio cavalleiroso dos portuguezes basta o que fica
transcripto sob a authoridade de La Clede.

Por muito pouco que então se respeitassem os tractados entre os reis da
peninsula, não é crivel que os christãos, resgatados ao captiveiro dos
infieis de uma nação inimiga, corressem o risco de virem a ficar
captivos dos christãos de uma nação amiga.

Em taes condições parece-nos, pois, evidente que a captura de Morales
era um impossivel.

O nome de Machico dado a uma localidade da ilha da Madeira tambem, a
nosso ver, não póde servir de argumento em favor da estada de inglezes
n'aquella ilha, antes de lá terem chegado os portugueses. Notaremos em
primeiro logar, sem comtudo querermos fazer d'esta a principal
impugnação, que o nome de Machico tanto póde ser corrupção de Machin
como diminutivo de macho. A indole vulgar do idioma portuguez não se
oppõe a esta supposição. Azurara auxilia-a quando na sua _chronica_ lhe
chama Machito[6], e o proprio Mello quando o nomeia Machino[7].

Pois assim como na Africa se ficou denominando «Angra de Cavallos», ao
ponto onde em 1435 os descobridores lançaram dois cavallos[8], para
n'elles irem explorar o interior do paiz; não poderia tambem o nome de
Machico, machito, ou machino ter sido dado áquella localidade da Madeira
por um igual motivo?

Concluindo, diremos que se alguma das lendas fosse de data anterior á da
descoberta por Zarco e Tristão, poderia então colher o argumento do snr.
Major, que diz terem estes (os portuguezes) reconhecido que Machico os
precedera, pondo o seu nome a uma das localidades da ilha; porém, sendo
a mais antiga de todas as lendas quasi um seculo posterior á descoberta
da Madeira por Zarco e Tristão, o que d'aqui clara e unicamente se póde
concluir é que a lenda fôra inventada _ad hoc_, depois de ter sido posto
áquella localidade o nome de Machico; e é por isso que todas ellas
concordam, mas unicamente, no nome e local de Machico.

O contrario d'isto é que será preciso provar, para se assentar que
tivessem sido inglezes e não portuguezes os primeiros descobridores da
ilha da Madeira.

Ha ainda um ponto que é preciso não deixar em vigor.

Como poderá entender-se que, se as ilhas de Porto Santo e Madeira
tivessem sido descobertas entre os annos de 1317 e 1351, como diz o snr.
Major, e sendo esse descobrimento tambem portuguez; como poderá
entender-se, dizemos, que de tal descobrimento nos não ficasse noção
alguma, escripta ou tradiccional; indo, pelo contrario, as indicações
d'essas ilhas parar só ás cartas estrangeiras?

O alvoroço que causou em Portugal a noticia da descoberta d'essas terras
em 1419, por Zarco e Tristão, e o afan com que muitas pessoas de todas
as classes correram logo a povoar as novas ilhas, protestam bem alto
contra a supposição de já terem sido estas mesmas terras descobertas por
portuguezes ou estrangeiros ao serviço de Portugal.

Nós entendemos que as indicações de terras e ilhas oceanicas, bem ou mal
lançadas em cartas de epochas anteriores ao descobrimento d'essas
terras, não passam de addicionamentos feitos posteriormente, sem
intenção de prejudicar a gloria de seus verdadeiros descobridores, e tão
sómente com o fim de augmentarem os conhecimentos geographicos, com a
indicação das terras que se descobriram depois da construcção das
referidas cartas.

Todas as pessoas que estiverem acostumadas a lidar com cartas
geographicas, sabem muito bem que estes addicionamentos são tão communs,
que ainda hoje se praticam, sem ideia de falsificação; que no XV seculo,
epocha das principaes descobertas, carta alguma poderia andar em dia com
o rapido progresso d'estes feitos, e que por consequencia estes
addicionamentos eram então uma necessidade tanto mais instante na
occasião, quanto mais prejudicial para a historia; porque, sendo todas
essas cartas manuscriptas, podiam n'ellas admittir-se muitas inserções
nos espaços claros, sem deixarem vestigios de terem sido retocadas ou
accrescentadas.

Os nomes, com que se designam na carta catalan de 1351, citada pelo snr.
Major, as differentes ilhas do grupo da Madeira, são a mais evidente
prova de não terem taes ilhas sido incluidas n'aquella carta antes de
1420, pois que, sendo opinião geral, tambem partilhada pelo snr. Major,
que as ilhas da Madeira foram povoadas depois da descoberta de Zarco
(1420), claro está que a denominação de _Deserta_, dada na referida
carta a uma das ilhas, só poderia ter sido posta depois das outras ilhas
se acharem povoadas, pois que antes, todas ellas eram desertas, e uma
tal designação não poderia aproveitar só áquella.



    [1] Azurara: C. da D. e C. de Guiné, cap. 83--Barros: D. 1.ª, l,
    1.º, cap. 2.º e 3.º--D. de Goes: C. do P. D. Joam, cap.
    VIII--Andrade: C. de el-rei D. João P. 1.ª e 3.ª, cap. XCVII--C.
    Lusitano: V. do infante D. Henrique, l. 2.º

    [2] «Azurara C. da D. e C. de Guiné. Capitulo XXX. Nota (1) do V. de
    Santarem. Recommendamos á attençâo do leitor esta importante
    passagem, pela qual se mostra quanto esta chronica é preciosa pela
    sua authenticidade, visto que a dita passagem nos revela que Azurara
    não só consultára os documentos escriptos, mas até os mesmos
    descobridores, testemunhas oculares d'estes factos, visto que elle
    confessa não poder fallar da particularidade de que tracta, por Nuno
    Tristão ser já finado.»

    [3] «Azurara C. da D. e C. de Guiné. Introducção do V. de Santarem
    pag. XI. A sua fidelidade como historiador é incontestavel. O seu
    escrupulo e amor da verdade era tal que preferia antes deixar a
    relação de alguns acontecimentos imperfeita, do que completal-a
    quando não podia obter já as noticias exactas dos que os tinham
    presenceado. A sua authoridade como escriptor contemporaneo é
    immensa, pois Azurara viveu com o principe immortal que elle
    idolatrava, conheceu pessoalmente os principaes e intrepidos
    descobridores, os quaes pela maior parte eram criados do infante, e
    educados scientificamente debaixo de seus auspicios.»

    [4] Barros: D. 1.ª, liv. 2.º, cap. 1.º: «E estas que elle escreveo
    (Azurara) d'este descobrimento do tempo do Infante dõ Henrique
    (segundo elle diz) já as recebeo de hum Affonso de Çerveira que foy o
    primeiro que as pos em ordem: do qual Affonso de Çerveira nós
    achamos alguas Cartas escriptas em Beni, estando elle ali
    feiturisando por parte del Rey dom Affonso. E posto que tudo, ou a
    maior parte do que te qui escrevemos seja tirado da escriptura de
    Gomezyanes, & assi deste Affonso de Çerveira: não foi pequeno o
    trabalho que tivemos em ajuntar cousas derramadas, & por papeis
    rotos, & fora da ordem que elle Gomezeanes leuou no processo deste
    descobrimento.»

    [5] Azurara: C. da D. e C. de Guiné, Introducção do V. de
    Santarem--Barros: Introducção ás D. da Asia.

    [6] Azurara, C. do D. e C. de Guiné. Cap, LXXXIII, pag. 388.

    [7] Francisco Manoel de Mello. «Epanaphora Amorosa», pag. 338.

    [8] Azurara. C. da D. e C. de Guiné. Cap. IX.

        D. de Goes. Ch. do P. D. João. Cap. VIII.

        Barros. D. 1.ª Liv. 1.º Cap. V.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Memoria sobre a descoberta das ilhas de Porto Santo e Madeira 1418-1419 - (Fragmento de um livro inedito)" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home