Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Noites de insomnia, offerecidas a quem não póde dormir. Nº6 (de 12)
Author: Castelo Branco, Camilo Ferreira Botelho, 1825-1890
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Noites de insomnia, offerecidas a quem não póde dormir. Nº6 (de 12)" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



of public domain material from Google Book Search)



BIBLIOTHECA DE ALGIBEIRA


NOITES DE INSOMNIA

OFFERECIDAS

A QUEM NÃO PÓDE DORMIR

POR

Camillo Castello Branco


PUBLICAÇÃO MENSAL


N.º 6--JUNHO

LIVRARIA INTERNACIONAL
DE
ERNESTO CHARDRON
_96, Largo dos Clerigos, 98_

PORTO   EUGENIO CHARDRON
_4, Largo de S. Francisco, 4_
BRAGA

1874


PORTO

TYPOGRAPHIA DE ANTONIO JOSÉ DA SILVA TEIXEIRA

62--Rua da Cancella Velha--62

1874


BIBLIOTHECA DE ALGIBEIRA


NOITES DE INSOMNIA


SUMMARIO

Subsidios para a historia da serenissima casa de Bragança--Os salões, pelo
exc.mo snr. visconde d'Ouguella--Manoelinho d'Evora--A morte de D.
João--Poetas e prosadores brasileiros--Ácerca de Joaquim 2.º--Estupido e
infame (Á «Actualidade»)--Carta ao snr. conselheiro Viale--Quinta essencia
de malandrim (Á «Actualidade»)



SUBSIDIOS PARA A HISTORIA

DA

SERENISSIMA CASA DE BRAGANÇA


I


PEDRO DE ALPOEM

(Veja a pag. 93 do n.º 3 das _Noites_)

CARTA DO DOUTOR PEDRO DE ALPOEM CONTADOR PARA O DUQUE DE BRAGANÇA

                                  «_Muito illustre snr. duque de Bragança._

«Obriga-me a escrever a v. exc.ª cá d'est'outro mundo de verdades e
desenganos, sobre este negocio de tanta monta, e materia tão importante
á honra, vida e estado vosso, e de todos estes reinos de Portugal, a
memoria de um avô que tivestes muito conhecido no mundo[1], a quem em
tempo tão necessitado de homens, qual elle foi na vida, por nossos e
vossos peccados, succedestes no casco da illustrissima casa, sómente,
que não na lealdade portugueza, no coração real, no zelo da conservação
do reino que houvereis de herdar afamado no mundo todo. Os oleiros,
sapateiros, alfaiates, e os mesteres do paço vos furtaram a benção, e o
lugar, mostrando-se tão inteiros, generosos e leaes n'este derradeiro
termo, que Portugal fez, e com que acabou por alguns annos, como se os
privilegios honrosos, ou os titulos illustres, e os morgados e reguengos
foram seus d'elles, e não vossos. E como se de rei natural (que podiam
ter e dar-vos) não fôra sempre o melhor quinhão o vosso, e dos mais
senhores fidalgos a quem favorecia, conversava, e sabia o nome, e com
quem distribuia a maior parte dos bens da sua corôa, ficando elle
sómente com o estado, e titulo real, com as obrigações, e trabalhos de
nos defender a todos, e governar. Porque quem vir com curiosidade as
rendas da corôa, e bens patrimoniaes dos reis nas alfandegas, nos
contos, e nas sizas da cidade de Lisboa, do Porto, e das mais, achará
esta verdade clara, a saber: que todo o bom, e grosso estava repartido,
e derramado em juros, tenças, morgados, reguengos, jurisdicções de
vassallas, e vassallos, tudo desmembrado da corôa real nos senhores, e
fidalgos do reino, de maneira que mais parecia o rei seu pai, ou
almoxarife d'elles, que rei, nem senhor. Oh! mal afortunados tempos!
Hora infeliz, e desaventurada, e lastima para sentir! Quem de todo não
perdeu o juizo com as razões castelhanas de portuguezes elches! É
possivel que chegaram estes mesmos senhores de bom sangue, de bom
entendimento, de sua livre vontade, e motu proprio, a escolher e a
negociar por todos os meios humanos e diabolicos extinguir-se com o
sceptro portuguez sua patria, nação, sua honra, fama, estados e suas
mesmas casas, vencidos de respeitos, odios e interesses! Mal me parece
que lhes lembrou aquella notavel resposta que o conde d'Ourem D. Nuno
Alvares Pereira deu a seus irmãos em outro caso semelhante a este. O
qual, tendo guerras com Castella o mestre de Aviz que depois foi rei D.
João o primeiro de gloriosa memoria, e andando os irmãos d'este valoroso
portuguez lançados da parte do rei de Castella, sendo commettido d'elles
por parte do rei castelhano com grandes promessas, e partidos que se
lançasse tambem com elles, respondeu: «Nunca Deus queira que por
dividas, nem haveres eu seja traidor, nem ingrato á terra que me creou,
e aonde eu nasci.» Os senhores fidalgos d'este nosso tempo por
interesses, e promessas falsas, assignadas em branco, não sómente
venderam sua patria, mas pregoavam, e persuadiam esta seita castelhana
com tanta vehemencia, elles, suas mulheres, filhos e criados; e com
tanto desejo de nos verem a todos convertidos a ella, que Martim
Luthero, e os outros heresiarcas que o seguiram não zelaram mais seus
erros, e falsa doutrina para a verem perpetuada na igreja de Deus.

«Ora, excellente senhor, quero-vos capitular brevemente os erros
gravissimos que n'este negocio commettestes, com os mais senhores
fidalgos d'esta conjuração, para que vendo-vos a vós, e a elles n'este
espelho claro não percaes alguma boa occasião, se a Deus der em algum
tempo, de cobrardes o nome portuguez que perdestes, tanto para cobiçar,
e perderes o que ganhastes, vós, e os mais por todas as nações, até com
o mesmo rei, e nação a quem n'isso servistes; pois chegaram a chamar á
rua onde moravam os governadores quando fugiram de Setubal _la calle de
los traidores_. E não cuido que n'isto vos faço pequeno serviço, e ao
bem commum.

«Primeiramente o senhor cardeal dos quatro coroados, jurado rei em
Lisboa, lembrando-lhe a obrigação que tinha, e perigo entre mãos de
conservar este pedaço de terra que seus antepassados tomaram aos mouros,
e defenderam aos castelhanos, ha perto de 500 annos, á custa de muito
sangue derramado d'elles, e de seus vassallos em continuas guerras com
uns, e com outros, em tomando o sceptro, e vendo os tempos que corriam,
logo se acautelou para assegurar o reino em sua liberdade, e rei
natural, com perseguir ao snr. D. Antonio seu sobrinho, e a se temer de
Bragança, mandando-os afastar de si o mais que pôde, e mettendo nos
braços os embaixadores de Castella, de quem se devia temer.

«Dous erros infames commetteu esta leal cidade[2] em nossos tempos que
eternamente nunca lhe sahirão do rosto, se houver chronistas
desapaixonados: o primeiro foi consentir, e permittir a desaventurada
jornada de el-rei D. Sebastião, que no seu porto se embarcou francamente
sem haver um vereador, ou mester que acudisse a isto com uma honrada e
portugueza doudice. O segundo erro foi aceitar esta cidade ao cardeal
por seu rei, e dar-lhe posse do reino sem mais côrtes, nem consulta das
outras cidades e povos tão nobres, e mais naturaes do reino do que é a
mór parte da gente de Lisboa, recebendo esta cidade por herdeiro
legitimo e forçado, sendo clerigo, e impotente, podendo (já que o
queria) elegel-o em nome de todo o reino por seu rei arbitrario, eleito
com protestação de por sua morte (que tão perto estava á vista) ser
outra vez a eleição dos povos. Foi este tão mau conselho, e tamanho erro
que bem parece faltar aqui um João das Regras que lembrasse e
requeresse.

«Era este principe, como v. exc.ª sabe, irmão ultimo, e inferior em tudo
a cinco que teve, e muito aborrecido d'elles todos e de seus proprios
paes, de que não faltam ainda testemunhas vivas; por ser homem de baixos
espiritos e condições, tençoeiro, vingativo, para pouco, tão inimigo da
nação portugueza, e de seu proprio sangue que por mostrar esta natureza
sua, perseguiu aos seus sobrinhos, affeiçoando-se aos castelhanos. Foi
este principe guardado com vida tantos annos, depois da morte de seus
irmãos, sobrinhos e herdeiros do reino, que foram vinte e tantos, para
nos herdar, e governar com tantas desventuras, e mofinas que até o caso
da ilha da Madeira tão affrontoso o vimos no seu governo e tempo. E para
ser deshonra de todos seus avós que com tanto animo, e esforço
offereceram sempre a vida e estados por nos não deixarem captivos de
castelhanos, lançando ainda muitos d'elles em seus testamentos e cartas
grandes maldições, e particularmente el-rei D. Manoel seu pai, a todos
seus successores, se em algum tempo pretendessem alliança d'este reino á
corôa de Castella, como se póde vêr nos cartorios da torre do tombo da
cidade de Lisboa, e de Evora.

«Algum pouco tempo depois, este velho cobarde e cruel, depois de ser
rei, dizem que esteve inclinado a declarar a snr.ª D. Catharina, mulher
de v. exc.ª por herdeira e direita successora do reino,--parece que
receoso d'estas maldições ou remordido na consciencia de algum bom
espirito com que Deus nos falta. Depois de encarniçado com as lagrimas
que via nos portuguezes por sua má e nativa inclinação, ajudado com as
pregações de D. Jorge de Athaide, o algoz da côrte, e de outros
discipulos occultos do duque de Ossuna, que pela unitiva desviava,
ajudando-se do padre D. Leão, do sobrinho dissoluto e da sobrinha, por
evitar guerras, se mudou este rei portuguez d'este santo proposito
assestando-se de maneira na devoção de Philippe, e odio dos mais
pretensores do reino que nem requerimentos dos mesteres, nem lagrimas
dos povos, nem desenganos de procuradores das cidades o demoveram nunca
d'este obstinado intento; antes vendo que o povo punha os olhos cheio de
esperança no snr. D. Antonio por sua rara humanidade, e por falta de não
verem outrem, todo o seu negocio n'este tempo foi proceder contra elle
com sentenças crueis, cartas, e editos infames, sendo sobrinho seu, e
filho do mais honrado irmão, e amigo que elle teve na vida, e a quem
tomava por terceiro quando queria que o rei D. Manoel seu pai o visse,
ou ouvisse. E para que v. exc.ª veja quão descoberto castelhano era com
os da conjuração que depois se descobriu e fez, um dia, estando em
pratica com alguns portuguezes elches, que trazia á ilharga, chegou a
dizer que lhe pesava de uma boa somma de mil cruzados de um alvitre que
applicava a obras pias, pelos não mandar gastar nos paços de Evora para
que quando entrasse o castelhano (a quem n'este caso chamou sobrinho)
tivesse logo na entrada bons aposentos onde se recrear.

«D'el-rei D. João o segundo se conta que dizia muitas vezes á mesa entre
pratica «quem me poderá fazer entre Portugal e Castella um muro de
bronze que chegasse até o céo, que nem os passarinhos de lá voassem para
cá, porque nenhum bem nos vem de lá, e males muitos.» Parece-vos,
excellente senhor, que se este santo rei lá onde está descançando, e
ainda inteiro está seu corpo, ouvira estas palavras de um seu sobrinho,
e herdeiro, que ficára contente, e as approvára por acertadas?

«Estes foram seus desenhos e intentos, nos quaes continuou sempre,
entretendo pouco e pouco com promessas falsas, que lhe daria principe
portuguez, e em paz até sua mortal doença, na qual fez um testamento tão
catholico, tão portuguez, tão pio, tão cheio de esmolas para mosteiros,
e viuvas pobres e com boa declaração do successor do reino que em quanto
o mundo durar será escandalo para quem d'elle souber: porque tão escasso
e cruel, tão descuidado nas cousas do reino se mostrou, deixando por sua
alma como um pobre escudeiro para que tudo ficasse _in solidum_ a
Philippe, que chegaram até cantar pelas ruas de Lisboa e Santarem
publicamente aquellas orações por sua alma que elle bem merecia, mas
porém nunca ouvidas da bocca dos christãos e innocentes meninos, os
quaes diziam assim:

    _Viva el-rei D. Henrique nos
    infernos muitos annos,
    pois deixou em testamento
    Portugal aos castelhanos._

«Ainda que por obra isto não foi verdade, de tal maneira deixou elle
estas cousas ordenadas, e sua tenção declarada aos que deixava
commettido o negocio, que tinha razão o povo de lhe cantar estes
louvores.

«Mas deixemos já de fallar nos escandalos que este Anti-Christo deu ao
reino: porque esperamos ainda em Deus, e na sua justiça divina, que se
forem vivos alguns portuguezes dos que agora andam escondidos, e
perseguidos, e presos, quando Portugal resuscitar, que a sua ossada que
Philippe trasladou para Belem, acompanhada das que estão em Elvas, no
espinheiro de Evora, e em outras partes, sejam publicamente queimadas.

«Os cinco traidores do governo, com titulo de defensores nossos, e
governadores do reino, herdando por morte d'este principe o odio que
elle tinha ao snr. D. Antonio, e á nação portugueza, de maneira
começaram logo, em tomando o governo, a guardar todos os respeitos a
Philippe, e a seus mexedores ou embaixadores, e nenhum aos pretensores
do reino, assim naturaes, como estrangeiros, que logo se viu, que
dominava n'elles o humor castelhano. Por onde com infame nome que então
cobraram para seus descendentes, terão sempre a culpa do nosso
affrontoso captiveiro, e de todos os males que á sombra de boa guerra se
fizeram, e ainda fazem n'este triste reino.

«Nem foi pequeno descuido, e pusillanimidade dos procuradores das
côrtes, temendo isto d'antes, darem-lhes pacifica obediencia,
reconhecendo n'elles a magestade real, porque além de n'isso abrirem mão
da occasião e posse que o tempo lhes offerecia de ser do povo a eleição
do rei, ou de quem os governasse até isto se determinar, mostraram
grande cobardia, vendo já n'elles o que d'antes temiam, e (tendo as
costas quentes em Santarem) não os mandarem todos após o cardeal a juizo
a darem conta de suas damnadas tenções: porque, á fé, se Santarem
desembainhava como o tempo pedia, a carniça começára em Almeirim por
estes traidores, e outros que á sua sombra estavam claramente já vistos
por falsos e castelhanos, e o reino despertára, e tornára sobre si para
que nunca viessemos a poder de castelhanos, nem ousariam entrar elles
cá, se viram estes começos sangrentos, porque são tambem ás vezes
sadios, e necessarios...

«D. Manoel de Portugal, e um Phebus Moniz requereram nas côrtes que
tirassem os governadores suspeitos no governo, ou lhes acrescentassem
outros cinco; mas nada aproveitou para animarem os espiritos cobardes.
Confiaram de suas palavras; e que, postos em tão alta dignidade com
titulo de nossos defensores, fariam como leaes o que eram obrigados á
patria e á justiça; mas foi claro e grosseiro engano: por onde os
traidores cobraram tanto animo de o não verem em ninguem para lhes ir á
mão, e de se verem reconhecidos por suprema e real dignidade, que sem
mais temerem, nem fazerem caso de côrtes, continuaram desembaraçadamente
com a venda e entrega do reino como lhes ficára encommendado do rei
cardeal.

«Mas para sua traição e maldade ser mais abonada e espantosa, n'este
mesmo tempo começaram a metter o insolente povo em pensamentos de
guerra, e defensão da patria para o desmaginarem dos temores, e
desconfianças que n'elles viam. Maldade foi esta nunca vista, nem lida
em historia antiga, nem moderna, porque, se nos metteram a todos nos
contractos, e partidos em que andavam com Castella, fôramos rendidos, ou
entregues com menos deshonras, e perdas. Porque não estava Philippe
desarrazoado nos partidos, e condições que nos commettia, ainda que
nunca as cumprira, como fez a elles; mas estes senhores, para melhor
fazerem seu proveito com este rei estrangeiro a quem pretendiam ganhar a
vontade, quizeram elles sómente com os seus parentes e amigos ser os que
negociassem esta contractação para que o povo (que d'estas meadas não
tinha mais suspeitas e receios) na resistencia, e defensão que fizessem
lhes acrescentasse a elles merecimentos e serviços para com sua
magestade. E, assim, que palliadamente se communicavam todos n'esta
conjuração com cartas, e correios muito tempo antes da morte do rei
cardeal. E depois d'ella (que é caso de grande espanto) correndo entre
elles esta linguagem de chamarem aos da conjuração _sisudos_, tendo por
nescios e doudos a todos os que, não sendo da sua liga, queriam antes
morrer valorosamente em defensão da patria que vêl-a entregue por
traições e manhas, sem ordem nem justiça, a seus inimigos com perpetua
infamia do nome portuguez, chamando aos taes por escarneo _os leaes_; de
maneira que n'este tempo em que o reino ardia em motins e confusões, em
temores e esperanças, suspenso e confuso do successo d'este negocio,
começaram suas senhorias a ratificar mais seus ardis, e traições com
mandarem cartas e provisões por todo o reino ao estado ecclesiastico em
que pediam e recommendavam aos prégadores e curas das igrejas que
claramente dissessem ao povo nos pulpitos, e suas estações que se
animassem á defensão do reino, apparelhassem armas e fortificações nos
muros, porque elles tinham já mandado prover os arraiaes, e ordenado
fronteiros-móres, para o que passaram provisões a fidalgos para isso
como foi a D. Diogo de Menezes na comarca do Alemtejo, D. Luiz de
Portugal na comarca de Thomar, etc. E assim, com estas falsas mostras de
leaes, alvoroçaram o povo a falsas esperanças de liberdade e defensão
para de todo ficar perdido, e abatido no futuro. Possivel é que algum
dos cinco governadores tivesse santo e leal intento n'este desenho;
porque se affirma que alguns lhe resistiram, e que o arcebispo de Lisboa
não quiz que dentro da cidade se publicasse, nem prégasse este
apercebimento; mas elles todos juntos não fizeram mais n'este negocio da
liberdade portugueza que o acima dito, sem metterem mais cabedal ou
fazerem mais despezas para este effeito que de papel e tinta. É certo
que cuidaram que assim como Philippe com estas armas conquistára a
elles, e aos mais fidalgos do reino, assim tambem com papel e tinta nos
defenderiamos dos tudescos e italianos que elle trazia enganados, havia
dous annos, para o metter em Portugal.

«Tinha entendido este cobiçoso rei por espias allemãs que cá mandou
reconhecer os fortes do reino em vida do cardeal-rei[3], que sómente
para bater os castellos da raia, se n'elles houvesse de entrar, havia
mister gastar toda a sua fazenda em polvora, porque se não tivesse por
si todas estas achegas, a saber: armas, polvora, chumbo, tirando-nos
tudo isto a nós n'este tempo, só Elvas com seu termo (aonde ha perto de
quatorze mil homens de pé, e de cavallo) bastava para nos Olivaes, antes
de chegarem os castelhanos a bater nos muros, lhes consumir todas as
suas forças com a arcabuzaria portugueza. Os traidores dos governadores
os seguraram d'este perigo.

..........................................................................

«Chegaram estes traidores a tanta cegueira e desavergonhamento, que,
tendo jurado todos não tomar voz por algum sem se dar primeiro sentença
pelos letrados deputados na causa, avocaram a si, e intentaram de que
vindo a Setubal ser juizes em caso tão grave, tão duvidoso, e dar
sentença por Philippe, para este fim se partiram de Almeirim para
Setubal, porto de mar, convocando a ella os mais fidalgos da conjuração
assim leigos, como ecclesiasticos, a saber: o meirinho-mór, D. Antonio
de Cascaes, D. Fernando de Linhares, D. Jorge de Athaide, o bispo
Pinheiro, e outros muitos que seriam perto de quarenta fidalgos
conhecidos[4]. Mandaram logo fechar todas as portas da villa de pedra e
cal da grossura do muro, deixando sómente duas abertas com guarnições de
soldados postas n'ellas para que não entrassem dentro senão os da
conjuração. N'este tempo o conde portuguez do Vimioso (herdando o
espirito do conde D. Nuno Alvares Pereira, seu bisavô) que em Almeirim
tinha já visto suas traições, os veio seguindo muito á pressa para vêr
se podia impedir tanto mal quanto se temia. O que entendido por elles,
antes do conde chegar, mandaram dar rebate ao traidor Diogo da Fonseca,
seu guarda-mór na mesma villa, que por nenhum modo o deixasse entrar
dentro. E assim o esperou ás portas com murrões accesos para lhe
defender a entrada; mas, antes d'elle chegar, vendo estes traidores que
o povo da villa sabia isto, e se começava a amotinar por parte do conde
portuguez, em que escorava grande parte de suas esperanças, tornaram a
mandar recado que deixassem entrar, em tempo que elle já vinha pelos
arrabaldes. Depois, entrado na villa, e vendo que este conde portuguez
com alguns procuradores das côrtes, que á sua sombra se foram tambem lá,
para lhes resistir a seus maliciosos intentos de quererem ser juizes, e
dar sentença, e que não podia isto ser pelas razões, e embargos que lhes
punham, usaram de outra invenção o ardil não menos desaforado que o
primeiro, querendo avocar a causa e litigio da successão do reino a
votos dos que então se achavam presentes; e porque os procuradores das
côrtes que ahi se achavam, á sombra do conde, eram leaes e muitos,
determinaram de reduzir n'este conselho e eleição os votos dos tres
estados--a saber: ecclesiasticos, fidalgos, e procuradores dos povos a
numero de tres votos sómente, dizendo que não era tempo para mais vagar
(por ser já Elvas entregue a Philippe) senão de votarem todos Portugal,
ou Castella, por favas brancas e negras, os tres estados cada um por si;
e, para onde prevalecessem os dous estados nos votos, assim se fizesse.
E porque tinham por si os votos dos fidalgos, ao conselho acrescentaram
alguns homens novos a saber: Bernardim Ribeiro, e outros por se
segurarem mais n'este voto. Tinham tambem pela segunda liga o segundo
voto que era o do estado ecclesiastico presente que era o arcebispo de
Lisboa e capellão-mór, D. Jorge de Athaide, o bispo Pinheiro; o terceiro
voto a que tinham reduzido todos os procuradores dos povos não lhe fazia
mau jogo, ainda que votasse, por Portugal. Esta panella assim mexida por
D. Christovão de Moura, e proposta no conselho pleno, não pareceu bem
aos leaes. E logo o conde portuguez acudiu, e resistiu a ella com os
procuradores de sua tenção, protestando que a tal eleição não seria
valiosa, e que em caso tão grave, e tão importante a todo o reino, já
que o não queriam deixar nos pareceres dos letrados, senão dos votos,
que mandassem primeiro chamar os mais procuradores, e senhores do reino
para que o que alli se accordasse e resolvesse fosse com consentimento e
contentamento das partes. Mas como estes traidores do governo, e
fidalgos da conjuração estavam de muito tempo penhorados por Castella, e
não sómente na villa, mas tambem nas mesmas casas do duque de Aveiro em
que se mostravam com muitos mosquetes, polvora e pellouros para fazerem
a sua mais a seu salvo, esperando d'hora em hora pelas galés de Philippe
que tinham mandado vir para este intento, a nenhuma cousa se demoveram
pelas protestações, e requerimentos que lhes foram feitos sobre este
caso, estando tão enfadados da tardança que as galés faziam em chegar,
que se ouviu um dia esta palavra ao turco D. João Mascarenhas indo pela
varanda que mandou tapar por se temer de algum pellouro bem merecido:
«Ah! Philippe, que assim és vagaroso!» E como Deus não queria que o
innocente e leal povo ficasse embaraçado na consciencia com a sentença e
abominavel eleição do rei, cursaram tantos nortes e tão rijos todo o
tempo que elles esperavam pela armada, que, depois de muitas consultas e
confusões de accordos, que houve um um dia o de apunhalarem quasi todos
os do conselho o conde portuguez.

«Deixada a traça da sentença seguiram a da eleição, determinando fazer
este auto solemne dia de S. Pedro e S. Paulo, que era d'alli a dous
dias, para que então se declarasse; e, sahindo os dous votos dos dous
estados por Castella, como tinham por sem duvida, acolheram-se todos a
uma galé e caravella da armada que tinham mandado vir de Lisboa a qual
tinham já apparelhada na bahia de Setubal. N'este mesmo dia mandou o
conde portuguez recado ao benigno rei D. Antonio que já era entrado e
recebido em Lisboa, que acudisse logo antes de se concluir a traição; o
qual sabido logo pelos mesmos da guarda dos paços, e pela gente leal que
havia na villa, começaram de se amotinar com gritos e ameaços publicos
no Sapal, defronte dos traidores, e tal que elles houveram por seu
accordo vêr se podiam pôr-se em salvo, e assim determinaram n'aquella
noite seguinte se embarcarem, deixando tudo em aberto para pôrem sello a
suas traições. Não pôde isto ser tão secreto que tambem se não
entendesse dos soldados que logo os começaram a vigiar; e recearam de
maneira que, em anoitecendo, com muito risco de suas vidas, e tanto que
um se deitou por uma corda, outro se vestiu em um chiote, e se acolheu
sobre um asno, os mais buscaram mil invenções baixas, como elles eram
dos espiritos, para se irem embarcar. Estes foram Francisco de Sá,
alcaide-mór do Porto, D. João Mascarenhas, capitão que foi do segundo
cerco de Diu, Diogo Lopes de Sousa, governador da casa do civel. Os da
villa vendo já com os olhos a traição, e engano em que os traziam,
bramiam como leões, desejando dar-lhes o pago de seu bom governo e
lealdade. A este motim acudiu o conde portuguez com animo de christão, e
leal como sempre o teve, o qual por muitos justos respeitos impediu não
se fazer carniça, entretendo com razões o impeto dos soldados por largo
espaço da noite até se porem em salvo, e se embarcarem; porque, se elle
não fôra, todos os da conjuração houveram de pagar aquella noite o que
deviam á patria, porque parece que de proposito os trazia alli seu
peccado juntos ao talho.

«Não faltou quem dissesse que o conde errava n'isto; mas a sua razão
convenceu a todos n'aquelle tempo, dizendo que mais fazia a nosso caso
fugirem elles que não matal-os em terra, o que soaria mal a quem
desapaixonadamente visse este negocio. Basta que os salvou, e deu
passaporte por terra a D. Christovão de Moura para se pôr em salvo.

«Bem visto fica n'este breve summario quaes foram os traidores em seu
officio e dignidades. Não fallo em D. João Tello porque, quando se foi
juntar com elles em Setubal, em uma galé que tomou em Lisboa, entrando
pela barra, sabendo os quatro do governo que elle era o quinto, o
mandaram servir de bombardas arrazoadamente da torre d'Outão, por não
ser da sua tenção a liga. Depois que o viram entrado pelas boccas dos
tiros, e isto visto e sabido pela villa, soffreram-no por dissimularem
até que seu peccado os levou de mar em fóra, onde andaram em calmaria
dous dias á vista da villa, desmaiados, olhando se iam os da terra
prendel-os. Este só governador se foi quietamente para sua casa por ser
portuguez, onde morreu, dizem que de paixão de vêr as injustiças dos
traidores.

«No principio d'esta conjuração já espigada, se foi v. exc.ª a Almeirim,
quando o rei-cardeal descobrira sua tenção por Castella. E logo depois a
snr.ª D. Catharina com grande estado, e capella de musicos, acompanhada
com alguns poucos de ceifões enfronhados em libré de soldados de guarda
de vossa pessoa. Já então as cousas eram taes, que para responderdes a
quem ereis, e ás obrigações do estado braganção, não sómente não vos
houvereis de temer, e ir medroso, mas ser tão temido, e entrar na côrte
com um brio portuguez, e com um coração tão grande, que assombrasse o
cardeal, e matasse por dentro a todos os traidores que lá andavam; e
entretivesseis vossos vassallos todos apparelhados a som de guerra, e
postos a piques para toda a desordem, e traição que visseis, ou no
rei-cardeal, ou nos pretensores de que vos receaveis. Porque, fallando
desapaixonadamente, vós só com vossos parentes, criados, e vassallos
tinheis bastantes forças para receber todo o poder, que Philippe tinha
apparelhado contra nós, e para obrigardes ao duque d'Alva a uma retirada
muito affrontosa. Mas faltou-vos o coração do conde D. Nuno Alvares
Pereira, vosso quarto avô. Não sómente nada d'isto fizestes, senão,
quando o snr. D. Antonio,--apesar de aborrecido, desnaturado e
perseguido não sómente do cardeal-rei seu tio, mas tambem dos traidores
do governo, depois de sua morte d'elle--com animo real que herdára do
infante D. Luiz, seu pai, se determinava defender-nos da ambição dos
estrangeiros, e traição dos naturaes, arriscar sua vida, e estado na
defensão do reino, antes que soffrer desordens na justiça da successão,
e que todos os partidos honrosos vos fazia á conta de lhe seres
companheiro n'este santo proposito, nunca jámais o pôde acabar comvosco
por mais que visseis os inimigos entrados pelo reino, e tomarem-vos os
vossos aposentos de Villa Viçosa, e armazem d'armas; antes para a vossa
culpa ser causa mais de proposito, depois de desenganado de vossas
esperanças reaes mais parvoas, dadas pelos traidores do governo, os
deixastes em Setubal, e vos fostes a Portel ter consulta com os doudos
de vossos parentes do que fazieis, estando já as cousas sem remedio: bem
se vos podéra dizer n'este tempo: «Asno morto, cevada ao...» Em vida do
cardeal-rei deverieis de cuidar em vós, e em nós. O estupido do conde
lavrador, e o arabe do arcebispo de Evora, e o raposa do commendador-mór
com os mais que se acharam presentes n'este vosso conselho, como havia
muito tempo que estavam feridos da peste castelhana, e peitados a seu
sabor com Philippe, accordaram em relação que vos lançasseis de fóra do
jogo, e visseis os touros de palanque. Pela primeira lei de Solon
atheniense, perdida tendes a casa, e estado só por esta culpa. Mandava
esta lei, que quem nas dissensões e nos motins da cidade se não lançasse
de algum dos bandos e parcialidades, esperando ser de viva voz quem
vença, pelo mesmo caso lhe fossem confiscados todos os seus bens. Nada
d'isto tivestes; antes, conforme ao conselho, que vos deram, e tomaram
para si estes senhores vossos parentes, vos deixastes ficar n'essa vossa
villa desviada, que era o que Philippe desejava e vos pedia. Com esta
invenção tomou o turco Asia, Africa, e muita parte da Europa, pondo-se
os reis christãos á mira quando este tyranno fazia guerra a algum
d'elles. Assim tomou Hungria, Bohemia, o imperio da Grecia, Rhodes, etc.

«N'este tempo que v. exc.ª se apartou do bem commum, olhando sómente
para si, o mesmo povo padecia a ultima desaventura de ferro e fogo, sem
ter armas, nem resistencia por todo o termo de Elvas, Olivença, Estremoz
e todos os outros lugares do Alemtejo. Não quero particularisar mais as
culpas de v. exc.ª por não affrontar mais os ossos de quem come a terra.

«Os fidalgos, morgados, e commendadores que em todas as idades foram os
nervos da republica, e por esta causa tão privilegiados, e venerados do
povo, d'elles (ainda que poucos) se foram para o snr. D. Antonio depois
de levantado em rei, para segurar o jogo de ambas as partes, fazendo
d'alli o seu negocio com elle, e com Philippe, cosendo a dous cabos
(como já fez Veneza muitas vezes em liga da christandade, escrevendo, e
dando avisos ao turco contra a liga, e a liga contra o turco). Assim o
faziam estes senhores, pendendo ainda mais n'isto para Castella; e
tanto, que era grande vergonha, e espanto vêr as cartas que se tomavam
cada hora, as espias dos fidalgos portuguezes que andavam á ilharga
d'este vencido rei, e entravam em seus conselhos de guerra; outros eram
capitães d'armada, que tambem foi vendida tantas vezes, que se cada dia
se tirava um capitão-mór, e se punha outro para não o arrematarem, o que
não aproveitou nada; tanto assim que o derradeiro capitão (Gaspar de
Brito d'Elvas) que era leal, o qual pela não querer vender, o venderam a
elle os capitães, ainda que escapou da morte.

«Os outros fidalgos em geral, tirando os criados, inda não todos, d'este
senhor rei eleito, parecendo-lhes ainda mau conselho de se arriscarem a
alguma desgraça da guerra, e terem comprimento com sua patria sequer nas
mostras de fóra, como todos estavam mettidos na conjuração castelhana, e
assegurada sua fazenda, e mercadoria, tomaram o conselho que v. exc.ª
tomou para si, escondendo-se pelos mattos em recintos, em bandos, como
zorzaes[5], esperando ouvir novas do mundo, como se conta de um
esforçado em uma galé, que escondendo-se na escotilha, ou coberta ao
tempo da briga, depois de acabada, perguntou de lá: «Levam-nos, ou
levamol-os?»

«Outros, depois de tomado Cascaes, batendo-se já a torre de S. Gião,
ouvindo-se os tiros em Lisboa, se esconderam dentro na cidade com tanto
segredo e resguardo para não serem chamados; e obrigados a acudir a tão
extrema necessidade, como padecia o reino, chegaram a mandar fechar as
portas de pedra e cal das casas onde se escondiam, mettidos com armas, e
cavallos dentro em casa, dando-lhes os seus de comer por janellas de
noite, parecendo-lhes que quando os reis, e republicas instituiram os
grandes, os fidalgos, e morgados, que foi para comerem, e vestirem
melhor, para jogarem mais grosso, e para terem muitos criados para
lograrem as delicias do mundo; e que, quando viesse o tempo da guerra e
do trabalho, não tivesse n'elles a republica braço e columna para se
defender e onde se encostar.

«As escusas que elles davam n'este caso são para aceitar. Diziam estes
senhores que não podiam em boa consciencia seguir ao snr. D. Antonio,
porque era um alevantado, e filho não legitimo. Não attentando, que
andando em prova a sua legitimidade, o alevantou em rei a leal villa de
Santarem em nome de todo o reino, tendo já Philippe tomado com a mão
armada Elvas, Olivença, Campo Maior, e Estremoz, não como alevantado
pelo povo, mas como tyranno, a quem elles seguiam sem nenhum escrupulo.
Tambem diziam, que o poder de Castella era tão grande, que tocava em
doudice querer-lhe resistir. A isto respondem os contemplativos que não
nascia d'aqui a tosse. E porque fallemos portuguez claro: saberá v.
exc.ª por que não queriam pelejar, nem defender o reino, e andaram com
estes contractos e traições? Foi fina cobardia, e puro medo, que os mais
d'elles trouxeram mettido nos tutanos, da destruição, e captiveiro
d'Africa, medo que damnificou o mui esforçado e invencivel rei D.
Sebastião de saudosa memoria; elles o desampararam, e entregaram aos
alarves com suas judiarias, chamando-lhe doudo, e temerario, pondo-lhe
todas as culpas que quizeram, por encobrirem as suas, que a verdade é
esta; elle os conhecia muito bem, e tinha na conta que elles mereciam;
mas não lhe lembrou, em tempo que lhe ia mais a vida e honra. Era este
um rei a quem se não póde negar muito esforço, e muita liberalidade,
muito boa conversação, ainda que os padres da companhia o crearam fóra
d'isto, e mancebo de muito raro entendimento; e, se os fidalgos que com
elle foram, o acompanharam ajudado com o animo e esforço que n'elle
viram, pelejára dobrado, ou a victoria fôra nossa, ou a desventura não
fôra tanta. Mas como estes senhores não sabiam mais que rasgar sêdas,
lograr perfumes da India, aguas estilladas, passear as damas, inquietar
donas virtuosas e honestas, andar com a barba no ar, soberbos mais do
que Lucifer, cuidando que n'isso estava o ponto e ser da fidalguia, indo
armados d'esta côr e tenção mais para bodas que para brigas: em vendo o
campo do Maluco, arraiaes calmosos, e armas pesadas e desacostumadas,
logo esmoreceram, cahindo-lhes o coração aos pés. Pelo que, ao primeiro
_S. Thiago_ que se deu, elles foram os primeiros que mostraram as costas
aos mouros, voltando á redea solta com tanta desordem e cobardia, que o
esquadrão dos aventureiros, ou desaventurados, de pé, á custa da vida
lhes deu lugar, e elles deram principio a todo o mal e destruição, que
logo se seguiu. Esta é a verdade pura e clara; o contrario é quererem
cobrir o céo com uma joeira, tapar a bocca aos soldados, e pôr a culpa
ao rei. Digam isto aonde se não sabe como elles se cruzaram diante dos
mouros, mettendo-se debaixo das carretas; sem algum esforço, e valentia
de leaes portuguezes, deixaram seu rei em Africa, sem saberem dar novas
d'elle, rendendo-se por captivos de negros desarmados. No captiveiro
houveram-se tão vãos, tão deshonestos, tão insensiveis de sua honra, e
fidalguia que muitos d'elles aceitaram resgate dos embaixadores de
Philippe com vergonhosos partidos sobre a successão do reino, que já
começavam a vender.

«Este mesmo ser e fidalguia tiveram na derrota de Alcantara, a saber:
escondendo-se, fugindo em tempo que seus avós se podiam desejar vivos
para lancearem castelhanos, e os lançar fóra do reino. Por onde digo a
v. exc.ª que podemos affirmar com muita verdade que se acabou já a
fidalguia de Portugal; e, se Deus der n'elle rei natural, poderá com
justiça, e com boa consciencia fazer o que fazia Lycurgo, e faz o
grão-turco hoje em dia, que é tirar-lhe os contos de renda, os morgados,
e privilegios, arrazourando-os com os mecanicos, e começar-se outra
enxertia de fidalgos, fundada em merecimentos pessoaes, sem opinião de
gerações, nem appellidos, porque os _Castros_, os _Menezes_, _Mellos_,
_Mascarenhas_, _Tavoras_, _Barretos_, etc.[6], já não dão fructo senão
de baixezas, cobardias, deshonestidades, e pouca christandade; e se
alguns ficaram bons, o nome e appellido se lhes houvera de tirar. Não
fallo nos portuguezes _Coutinhos_ e _Britos_, a quem pelos honrar dou
logar entre os negros, em quem se achou tanta lealdade e esforço, que
até a torre da polvora em que estava a nossa defensa se não fiou senão
d'elles, e acompanharam o snr. D. Antonio até de todo se perderem em
Vianna. O povo, cuja voz se chama _vox Dei_, ainda que nunca foi ouvido,
conservou a fé portugueza nas côrtes, e fóra d'ellas com pacto, esforço,
e desejo, pedindo, e buscando guerra: até as mulheres (que parece cousa
de espanto)! porque a ellas só vinha o mór mal d'ella.

..........................................................................

«Os inconvenientes que se seguiram dos nossos governadores e fidalguia
portugueza ser isto que v. exc.ª vê, e de el-rei de Castella ser tão
comedido, e sujeito á razão, são os seguintes. Primeiramente: se seguiu
entrar o turco lutherano duque d'Alba em Lisboa com tanta crueldade e
deshonra nossa, que, chegando a Alcantara, com menos de dezeseis mil
homens, todos irmãos, visinhos e companheiros, nos rompeu, e deshonrou a
todos para sempre, não por forças suas, mas por traições dos corruptos,
por promessas, dando o saco tres leguas de termo, com duas que tomaram
mais os soldados, estando por causa da peste a mais gente e fazenda
derramada pelas quintas fóra de Lisboa. Entrando as suas galés pelo rio,
e soldadesca pelas ruas com tanta crueldade, disparando no triste e
rendido povo toda a mosquetaria, e artilheria do mar: indo n'este tempo
muitos contentes, triumphando entre elles de sua patria, e nação nas
galés--a saber: Diogo Lopes de Sequeira, D. Antonio de Cascaes, Luiz
Cesar, e outros muitos arrenegados, de volta com os leaes, a quem o
traidor castelhano tinha passado provisões de marquezados, condados, e
contos de renda por este serviço, tão custoso não sómente ás pessoas,
mas tambem á honra d'estes senhores que lhe entregaram o reino. Mas,
assim como estas provisões foram assignadas em branco, tambem foram
despachadas em branco; porque lhes sahiu em despacho na mesa da
consciencia (qual Deus sabe) que não era Philippe obrigado a cumprir
estes assignados; mas a v. exc.ª como principal parte n'este negocio,
como verdadeiro, e legitimo herdeiro d'estes reinos, segundo dizem e
assignaram alguns juristas doutos, despachou este seu rei muito bem com
lhe fazer uma mesura muito bem feita em Elvas, quando lhe foi beijar a
mão, e renunciar todo o direito que tinha no reino, e com o acompanhar
até á porta da sala, e com lhe lançar depois o habito _del tuson_ em
Thomar, que é de mui grossa renda, e estados, mas pago em _panem nostrum
quotidianum_, e em uns poucos de maravidis para vinho, e faça-me mercê
que não mande cada dia recadar esta ração do paço com muita humildade
como cavalleiro _del tuson_, como lhe mandou dizer um dia em Abrantes o
mantieiro, ou vedor por um descuido que n'isto teve. Outra mercê fez a
v. exc.ª de condestavel do annel d'este reino que santa gloria haja;
outra lhe fez muito maior em o ter na reputação que v. exc.ª merecia
pelo seu fraco juizo.

«Os mais senhores, e fidalgos, de presumir é que tambem Philippe usou
com elles d'esta magnifica liberalidade castelhana. Porque a D. Antonio
de Cascaes fez o mesmo que a Tristão Vaz em satisfação de lhe entregar a
mór força do reino, e renunciar quatro mil reis de juro que el-rei D.
Antonio lhe tinha dado por provisão.

«Fim das razões: já v. exc.ª, e os mais da conjuração começam a vêr o
erro, e desconcerto seu, e dizem entre si pela bocca pequenina:
«Sofframol-o, pois o quizemos.» Quando isto virem, lembrem-se quanto
differentes na verdade e liberalidade eram os despachos e mercês dos
reis portuguezes, naturaes de Portugal; pois com terem tão poucos contos
de ouro, as viuvas dos seus criados, os orphãos, os fidalgos pobres, em
gemendo, eram ouvidos, e despachados como filhos; se agora, estando o
rei á porta, os despachos de tão grandes serviços pessoaes, são os que
vêmos, quaes serão depois que virar as costas? Que farão os tristes que
vieram da India, ou de Africa com serviços de paes, dos irmãos mortos, e
com vida gastada? irão caminho de Madrid, e Toledo rogar por terceiros
castelhanos que não sabem o que isto custa. Este é o primeiro
inconveniente que succedeu n'este caso.

«O segundo erro foi ficarmos captivos e escravos da mais soberba,
odiosa, e aborrecida nação que ha no mundo todo; não sómente aos
portuguezes a quem foram em tudo inimigos; e, não sem muita causa, tem
esta má nação tal fama, porque se tem isto claramente visto no caso de
Lisboa, e das mais terras por onde o arraial passou; a saber: fizeram
todos os roubos, estupros, e adulterios, homicidios, e tyrannias,
desaforamentos, commettidos por castelhanos de nação, sendo n'esta parte
mais comedidos, e humanos os tudescos, e allemães. Sómente os
castelhanos fizeram tantas affrontas, crueldades, sacrilegios a homens
nobres, a mulheres honestas, a religiosos desarmados, até nas igrejas, e
mosteiros de freiras, como se viu na igreja de Bellas, no mosteiro de
Monchique, e Vairão[7]. Muito melhor nos fôra morrer mil mortes, que
vêr, nem chegar a taes tempos. Basta que cumpriram seus desejos nossos
inimigos capitaes, e chegaram a nos dizer nas barbas com muito gosto, e
soberba quando nos viam tristes: «Teneis de tragar este bocado.» E de
tal maneira nos tem o pé no pescoço que nem para chorar nossas
desaventuras nos dão licença; e, se não fôra estarem ainda as cousas no
ar, sem assento, já os desterrados com titulo de despacho houveram de
ser tantos os occupados nas guarnições de Flandes, Napoles, e Italia,
que se não vira já mais portuguez de capa preta andar pelas ruas como se
costuma em Galliza.

«O terceiro inconveniente não menos para sentir que os outros, o qual
vai ainda em crescimento, é que as donas illustres, e as fidalgas
portuguezas tidas sempre em tanta veneração, e respeito dos
estrangeiros, acreditadas por todo o mundo por muito castas e honestas,
até nos vestidos, vencidas da cobiça dos _reales_, ou da desenvoltura
dos castelhanos, esquecidas de sua fama e honra, e do sentimento que
devem ter da desenvoltura de sua nação, maridos, e parentes, tão
desenvoltamente os namoram, e se lhes entregam, que disparam em mulheres
de mancebia, que em outros tempos se estranhava muito, e que n'estas
senhoras se vê agora publicamente. Já não podem vêr portuguezes, nem os
proprios maridos. São tantos os adulterios, e deshonestidades suas, que
os mesmos castelhanos e italianos andam espantados d'ellas, que chegaram
a dizer que se não podiam defender d'ellas, e que elles eram os
acommettidos. As visitações do arcebispo de Lisboa mofinas são taes que
já chegou um cura a nomear algumas fidalgas por publicamente amancebadas
com castelhanos. Na noite de S. João d'este desaventurado anno de 81, se
acharam algumas senhoras mão por mão com os castelhanos a vêr as
fogueiras. Tambem vão já tomando posse das carroças de Roma, e das
carretas de Sevilha como cortezãs de Castella. Os casamentos com
soldados picaros foram infinitos nas estações das igrejas de Lisboa.
Deus nos livre dos males, que estes nos vão ameaçando, para que antes
d'estes lançarem raizes, tenhamos rei natural e portuguez, e que nos
ponha com Castella no andar em que estão os chinas com os tartaros, dos
quaes affirmam que fizeram um muro por arraia de trezentas leguas quasi,
ou como estamos com os mouros nos lugares d'Africa fronteiros, e para
isto se effectuar suavemente, inspire Deus no peito de v. exc.ª, e dos
mais senhores fidalgos d'este reino animo, esforço e lealdade para que
se ao diante houver alguma occasião de se restaurar a liberdade
portugueza, ainda que seja com o soccorro de turcos e mouros, o aceitem,
e lancem mão d'elle; pois que, se o não fizerem assim, estou já vendo
que perderam todos seus estados, a patria, e muitos a vida. E sentirei
muito como portuguez leal saber lá na outra vida, para a qual estou já
de caminho, que defendem os meus naturaes com mór esforço seu captiveiro
(mandando-lhe Deus remedio), do que mostraram em defender sua liberdade.

«Muitas cousas das que n'esta carta vão, vi com meus olhos, antes de
condemnado a tratos, pelos quaes o lutherano de Paulo Coelho, meu
natural, e oppositor em Coimbra mandou pagar dinheiro aos que m'os
davam, e depois me sentenciaram que fosse degolado por final sentença,
que meus inimigos deram contra mim por amor de meu rei e patria; parte
d'estas cousas vi cá em revelação, e outros muitos males que aos
principaes d'este reino estão ameaçando, cujos nomes não digo, porque
cedo sahirá um rol geral dos portuguezes herejes, e arrenegados,
juntamente com os dos leaes na fé catholica de sua patria e nação: para
que, quando Portugal resuscitar, e Deus der n'elle rei natural, se saiba
na santa inquisição futura da lealdade portugueza a seita erronea que os
maus seguiram, e se faça justiça d'elles, e de suas fazendas conforme as
santas leis d'estes reinos, ao qual Deus tem promettido de conservar
eternamente. Dada no Seio de Abrahão a 20 de junho de 1581.

                                                           PEDRO D'ALPOEM.»

    [1] D. Constantino de Bragança.

    [2] Lisboa.

    [3] Em um dos seguintes numeros daremos traslado da conta que os
    espias deram a Philippe II do seu exame em Portugal.

    [4] Provavelmente os avós dos quarenta fidalgos da restauração.

    [5] Tordos ou estorninhos.

    [6] Todos os fidalgos d'estes appellidos arrebanharam as melhores
    commendas em tempo de D. João IV.

    [7] Em nenhum livro, ou ainda tradição oral se nos deparou esta
    novidade.



OS SALÕES


CAPITULO III

VOX POPULI

    A definição mais exacta da democracia é chamar-lhe o reinado da
    justiça.

                                . . .

    Il n'y a que deux choses qui puissent sauver la société: _la
    justice, et la lumière_.

                                                         BASTIAT.


O papel do veterano e operário dizia assim:


«O que é a democracia?

«É o governo do povo pelo povo--é a omnipotencia soberana de toda a
nação--é o predominio do poder popular em qualquer governo.

«Quanto mais um estado social se aproxima do ideal da justiça, tanto
mais se confundem os interesses particulares com os interesses publicos.

«A democracia é, entre todas as fórmas de governo, a que melhor
corresponde ás exigencias da verdadeira justiça social.

«Mas não nos illudamos. Estudemos-lhe os perigos, e evitemos-lhe os
inconvenientes. Para que um paiz verdadeiramente democratico possa
crescer, engrandecer-se e prosperar, carece de certas e determinadas
condições. A democracia nunca surgiu, nem se manifestou na infancia das
sociedades.

«Pelo contrario--a democracia exige uma civilisação largamente
desenvolvida, a completa ausencia das classes privilegiadas, a exclusão
absoluta da nobreza hereditaria, uma certa homogeneidade nas populações,
uma grande diffusão de luz--pela instrucção--, o desejo real da paz
interna, e externa, e a intelligencia, e o trabalho, como unicas fontes
da riqueza, da prosperidade, e da consideração publica. São os perigos,
e a morte inevitavel da democracia os privilegios das castas, o espirito
de conquista, a ignorancia, a ociosidade, e a falta de educação em todos
os ramos, e nas diversas aptidões de todos os homens, que compõe uma
nação.

«Os erros, e os vicios que sepultaram as republicas da antiguidade
servem-nos de luzeiro, e são o pharol, para nos indicarem as condições
em que a humanidade deve viver, nos rasgados horisontes do futuro.

«Não se illudam com a Roma pagã. Nunca conheceu a democracia--nem nas
preconisadas fórmas tribunicias da republica, nem nas grandezas, e no
fastigio do imperio.

«As republicas podem ser, e algumas d'ellas teem sido, excessivamente
aristocraticas.

«A democracia não pôde nunca eslabelecer-se em Roma, por diversas e
ponderosissimas causas.

«De passagem mencionaremos algumas d'ellas.

«Durante cinco seculos, foi o governo de Roma a guerra declarada ou
latente, entre dous corpos sociaes inimigos. Era o antagonismo das
classes, era o espirito de conquista, era a falta de homogeneidade nas
populações, era a variedade de crenças, era a hedionda e asquerosa
ociosidade das massas, era a escravidão, repugnante e execranda,
decretada na lei, era a ignorancia do povo, que o trazia submerso nas
trevas espessas da peor das servidões, e que lhe abria abysmos na
consciencia. Ora, a desigualdade de cultura intellectual é a agonia
lenta da democracia, e a arma mais poderosa da ignobil tyrannia do
poder.

«Alumiemos o tugurio do proletario, levemos a luz da instrucção até ao
antro mais recondito da desgraça.

«Que as ondas de luz se diffundam, emittidas pelas ultimas classes
sociaes. Todos os despotismos fugirão espavoridos, porque são elles, na
sua pueril tyrannia e oppressâo teimosa, os escravos das ridiculas e
insustentaveis tradições de épocas que passaram.

«Interroguemos o seculo.

«Perguntemos aos democratas: quem sois?

«Somos milhares de familias, menos algumas--a classe media, e a
nobreza--que queremos um regimen de igualdade, em que honradamente
possamos viver do fructo do nosso suor, sem olhar com inveja nem
despeito para o patrimonio de ninguem. Vós, as classes privilegiadas,
vós, que vos dizeis distinctos pela casta, pela raça, pelos nomes que
sabeis de vossos avós, tendes arvores genealogicas, e apresentaes-nos
pergaminhos carcomidos pelos seculos.

«Nascemos nós hontem por acaso?

«Vimos de tão longe como vós. Dizeis-vos catholicos por
excellencia--pois estudai, no genesis biblico da vossa crença, a origem
de todos nós. Os nossos brazões não datam de nenhum salteador afamado,
que responderia hoje, se existisse, em audiencia criminal, e soffreria,
pelos seus feitos e façanhas, a pena de prisão cellular ou de degredo
para os climas africanos. Os nossos titulos de nobreza não os devemos a
complacencias cortezãs, nem á officiosidade torpe e obscena de alguns
avoengos, derreados junto dos thronos, a levar da ante-camara para a
alcova as Messalinas, Pompadours e Dubarrys, que não sabiam, nem sabem
resistir á lascivia e impudicicia dos reis. Não foi nos prostibulos, nem
nas encruzilhadas, que calçaram os nossos avós as suas esporas de ouro.
Cingiram elles, com mais lustre e gloria, a espada de cavalleiros. Vem
de mais longe os nossos brazões, e estão gravados, por fórma indelevel,
na superficie do globo.

«Quereis vêl-os? Examinai-os. Os titulos nobiliarchicos, que possuimos,
datam do primeiro homem, que cavou o solo, que accendeu o fogo, que
descobriu e bateu o ferro, que sulcou a terra com a relha do arado, que
desenterrou e fundiu metaes, e que devassou, no primeiro fragil lenho,
as vastas solidões do oceano.

«Fomos nós que metamorphoseamos este globo, triste, arido e deserto,
n'um paraiso esplendido e animado. Creamol-o segunda vez, para cumprir a
palavra de Deus, que nol-o deu para este fim: _ut operaretur eum_.

«Se os céos celebram a gloria do Eterno, se, como clamava o psalmista, o
firmamento annuncia e proclama as obras do Senhor, a terra--que é a
nossa obra--narra a nossa propria gloria.

«Fomos nós que lhe fendemos a crusta, que a semeamos, cultivamos,
aformoseamos, cobrimos de monumentos, que, como perolas desenfiadas,
rolaram pela vastidão das campinas, e que lhe demos, como cinto da sua
propria formosura, essa rede infinda de estradas e canaes, que se
cruzam, e estendem por toda a amplidão da esphera terrestre. Fomos nós
que descemos ao centro das suas entranhas, para lhe extorquir os seus
inapreciaveis, e inexhauriveis thesouros. Não ha flôr, que desabroche
nos campos, não ha espiga, que se erga robusta, em toda a vastidão da
cultivada leziria, não ha fio de linho, nem de algodão, nem de sêda, não
ha lamina de ferro, de ouro, ou de platina, não ha pedaço de pedra,
prancha de madeira, capitel de columna ou mastro de navio, que não
conserve o cunho das nossas mãos, e o perfume do nosso amor. Sim, o
perfume do nosso amor--porque o trabalho é a oração--e o perfume do
nosso amor é o incenso e a myrrha, que acompanham as nossas offerendas
ao Eterno.

«Subi da galeria subterranea das minas até á cupula das sumptuosas
basilicas, e das calhedraes mais augustas e imponentes, sahi das
elegantes capitaes da civilisação moderna e devassai as praias selvagens
mais longinquas, encontrareis, em toda a parte, os passos dos filhos do
povo: _a democracia_.

«Somos o lavrador, que prende os bois ao arado, e que sulca a terra
laboriosamente--o nosso insaciavel e inesgotavel thesouro. Somos o
segador, que ceifa o trigo, nas ardentes, e afflictivas calmas do estio;
o robusto ceifeiro, que corta, nos prados, esmaltados de papoulas e
boninas, o alimento constante dos rebanhos; o vinhateiro, que poda,
empa, e cava a vinha; o navegante, que se afadiga em transportar os
artefactos da creação humana; e o commerciante, que leva e faz circular
em todas as zonas habitadas--como o sangue nas arterias--os succos da
terra, e os productos das mais variadas industrias.

«Nós somos o operario curvado sobre o tear, o mineiro, que vive
soterrado, e arranca das entranhas da terra o carvão, que alimenta a
machina, multiplicando os productos; o ferreiro, que forja e bate o
ferro; o carpinteiro, que aperfeiçoa e adelgaça a viga; o pedreiro, que
abre os caboucos, e levanta os muros do edificio; a fiandeira, que
estende na roca a estriga de linho; o tecelão, que faz o panno,
transformado em enxoval da familia; o soldado, que vela nos limites
sagrados do solo da patria; e o marinheiro, que atravessa os mares,
levando bem alto o pavilhão, que é o emblema d'um povo, e o estandarte
sacrosanto do seu paiz.

«Nós somos tudo. O nosso nome é _legião_.

«Somos nós, que nutrimos, vestimos, e abrigamos a humanidade, e que lhe
damos a paz, a abundancia, o repouso moral, e a tranquillidade publica.
As artes, que alindam, e encantam a vida, as letras, que robustecem,
desenvolvem, e fortificam a alma, as sciencias, que a illuminam, e
esclarecem, somos nós, que as cultivamos, que as honramos, e
desenvolvemos. Quaudo fallamos, quando reivindicamos os nossos direitos
é sempre pela voz dos nossos apostolos.

«Temos tido guerreiros para vencerem, poetas para cantarem as nossas
fadigas, e as alegrias modestas do nosso lar, e artistas para
commemorarem os nossos heroismos no trabalho, e esculpirem, no bronze,
as imagens dos grandes inventores.

«Temos tido operarios, para crearem machinas maravilhosas, e astronomos
para nos narrarem as maravilhas dos céos, devassando os esplendores e
magnificencias do universo. As lentes, preparadas por nós, teem-nos
feito conhecer, pelo telescopio, os globos luminosos que giram no
espaço, e teem descido comnosco, pelo microscopio, aos mundos
infinitamente pequenos.

«Os raros talentos d'essas ociosas, e rachiticas aristocracias, d'essas
estereis, e inuteis classes privilegiadas, quando lhes estala a ultima
corda da lyra, nas tristes estrophes das suas sinistras e tenebrosas
lendas de familia, vem sentar-se na lareira do povo, e buscar ahi as
harmonias mais sonoras, mais suaves, e mais duradouras--as unicas que
hão de achar echo nos seculos do futuro--as lutas incessantes, pelo
progresso, em que lida a geração actual. A sua derradeira canção é para
o povo: o canto do cysne é o hymno da democracia.

«Nós somos a arvore gigante e immensa da humanidade, com as raizes
perdidas nos limbos do passado, com o tronco vigoroso, que resiste aos
embates dos tempos, com os festões de flôres que desabrocham, e
emmurchecem passando, e com os fructos sazonados do presente, na
esperança das odoríferas flôres, que, com o seu calix radiante de vida,
hão de perfumar o espaço no futuro.

«Eis-aqui a democracia.

«E quem são os seus adversários junto d'esta frondosa e copada arvore da
humanidade?

«São os cogumelos parasitas e venenosos, que vegetam á sombra d'este
cedro magestoso e secular.

«Os privilegios e as castas são o absurdo, são a torpeza dos costumes,
são o desconhecimento completo do seculo que atrevessamos, são as
tristes relíquias das épocas feudaes, são os distinctos das ridículas
nobiliarchias byzantinas, são a ignorancia e o odio ao trabalho, são,
finalmente, a protecção dada em premio, por feitos e acções, que, as
mais das vezes, tem sido um poderoso obstaculo ao progresso, e á
civilisação da humanidade.

«As recompensas, as glorificações, e as apotheoses, quando justas,
quando bem merecidas, quando conquistadas pela aptidão, pela sciencia,
pela arte, pela industria, pela propria virtude ou pelas grandes
dedicações, são vitalicias, e passam á posteridade com o nome que se
engrandeceu, e vem a historia esculpil-o nos marmores dos seus fastos.

«A democracia, como hereditario, só reconhece um direito, um dever, e
uma nobilitação para o homem: é o trabalho.

«É absolutamente necessario que se contem todos os partidarios sinceros
e leaes da justiça, e que pela palavra, pelo livro, e pelo exemplo,
arrastem os indecisos, e abandonem o restante--os poderosos do
dia--aquelles, que não aprendem, nem esquecem nada.

«Attendam a que chegou a hora, em que a menor hesitação, a menor duvida,
o menor passo irreflectido, ou a mais timida concessão, podem fazer
recuar, para muito longe, o reinado da justiça--o governo do povo pelo
povo.

«E povo somos nós todos, que vivemos debaixo do mesmo céo, sujeitos ás
mesmas leis, e que exercemos, na sociedade, funcções e misteres
diversos, mas igualmente uteis e necessarios.

«Hoje, ha uma só nobilitação: é o trabalho.

«Trabalhemos todos para a revolução nos espiritos--porque concorremos
para o advento da verdadeira liberdade, para o governo da justiça
social, e para a emancipação da humanidade.

«E assim realisaremos a democracia.»

      *      *      *      *      *

Terminava aqui o papel, escripto pelo ancião, condecorado em Souto-Redondo.


O MANUSCRIPTO DO DESEMBARGADOR


IV

CARTHAGO

    Cæturum, censeo Carthaginem esse delendam.

                          MARCUS PORTIUS CATO.

    L'histoire n'est pas seulement un drame, elle est une justice.

                                                        LAMARTINE.

    A philanthropia ingleza é puramente mercantil, assim como o são
    todas as suas virtudes, que deixam de o ser logo que se não
    conformam com os seus interesses.

                                                FREIRE DE CARVALHO.


Na deslumbrante e magnificente descripção da aurora biblica do nosso
globo, diz o Genesis, que o Espirito de Deus era levado sobre as aguas:
_Et Spiritus Dei ferebatur super aquas_.

Parece que a magestade divina escolhera este elemento, na sua esplendida
grandeza, para encetar a obra da creação.

Seja assim n'este modesto trabalho.

Busquemos os primeiros salões do nosso seculo nas solidões immensas do
oceano. E a Carthago moderna, a nobre e fiel alliada de Portugal, á luz
sinistra do execrando bombardeamento de Copenhague, em 1807, ao clarão
avermelhado dos primeiros foguetes do coronel Congréve, ensaiados no
acto da mais atroz e inaudita pirataria, mostrar-nos-ha o Bellérophon, o
Windsor Castle, e o Belfast, tres salões em que a fé punica da
Grã-Bretanha se expandiu, no seio das ondas, á sombra das suas
flammulas, que são a divisa dos bastardos da raça latina.

Ha duas infancias na vida: a juvenil, e a senil. Perdoem ao homem, que
já vê a sombra projectada na beira do fosso da sua ultima jazida, estes
echos longinquos, que vem ferir-lhe o tympano nas vesperas da sua
dissolução physica.

Convém que nos entendamos:

A Carthago na designação latina, a Karkhédôn no vocabulo grego, a
Kereth-hadeshot ou em pronunciação dialectica Karth-hadtha, segundo os
termos punicos e phenicios, finalmente a cidade nova pela traducção e
tradição da capital carthagineza significa, para mim, na actualidade, a
futura ruina da rainha dos mares, da soberba, orgulhosa e egoista
Albion. E nada mais.

Deixemos passar as correntes historicas.

A analyse verdadeira, justa e consciente d'uma sã e severa critica atira
ás faces dos romanos com esse ignominioso epitheto de _fé punica_, que
só a elles cabe na antiguidade das ambições latinas, e no ardiloso
espirito dos Machiaveis da Italia, transmittido até ao ultimo papa. E a
mais ninguem.

Desde Romulo até Antonelli são vastas as concepções de perfidia,
erguidas, a principio, no capitolio, para ficarem mais tarde, como
tradição e doutrina, nos salões do vaticano.

Havia um dia em Roma, em que, ao commemorar o supplicio e resurreição de
Christo, subia ás sumptuosas varandas da basilica de S. Pedro o
escolhido entre os bispos, arremessava o facho do incendio, o emblema do
inferno á praça publica, anathematisava os herejes, e invocava sobre
elles a colera do Eterno.

Era a fé punica, na singela e curta interpretação de Scipião o Africano.

A igreja catholica, na ingenuidade d'estas crenças ferozes, segue as
tradições latinas, e a innocencia virginal de Scyla, de Mario, de Nero,
de Constantino, de Alexandre VI, de S. Domingos, e de todos os Simões de
Monforte, e de todos os Torquemadas da religião do operario nazareno.

Olhemos para Carthago.

Vejamos o que era a fé punica.

A cidade phenicia assombrava Roma. Dobrava-se, porém, aquella diante do
orgulho da cidade de Romulo. Curvava-se submissa a raça semitica na
presença do povo indo-europeu. Carthago sujeitára-se á dura condição de
não defender os seus direitos, nem a sua propria independencia sem
authorisação de Roma. Aproveitou-se Massinissa, principe da Numidia,
d'este abjecto e humilissimo pacto, para avassallar o emporio das
riquezas d'Africa;--e quando a commissão, enviada pelo senado, voltava
ao Lacio, depois de ter fomentado e atiçado a discordia, Catão--no seu
odio implacavel, e cego pela torpe e abjecta cubiça, que o movia,
terminava constantemente os seus discursos com a celebre phrase, que
revelava toda a negrura d'aquella alma: «E de mais é preciso destruir
Carthago»--_Delenda quoque Carthago_.

E quando Carthago, confiando na lealdade romana, entregava e depunha
todas as suas armas e machinas de guerra, ficando indefesa, e
inerme--agradecia-lh'o com a mais hypocrita e pungente das ironias, o
consul Marcio Censorino, dizendo aos carthaginezes: «Louvo-vos pela
vossa prompta obediencia em cumprir as ordens do senado. Sabei agora a
sua ultima vontade: manda-vos sahir de Carthago porque resolveu
destruil-a.»

E mais tarde--ardia dezesete dias a cidade nova dos phenicios, por ordem
expressa do senado, e, na voragem e horror do incendio, saqueava a
soldadesca infrene as immensas riquezas, que sete seculos alli tinham
accumulado.

A fé punica é uma calumnia historica, inventada pelos romanos, cujo odio
e ciume, sem repouso nem tregoa, sobreviveram á carnificina mais cruel e
hedionda de que rezam as chronicas e lendas da antiguidade.

Aceitemos, pois, Carthago como a imagem do aniquilamento, e da
destruição.

Seja a fé punica, na inversão da phrase, o estigma e ferrete da lealdade
latina.

A Grã-Bretanha será a Carthago do futuro, como é, na sua machiavelica e
perfida politica, a Roma do passado, do presente e do porvir.

Alliança e alliados, na bocca de qualquer governo inglez, diz um
escriptor liberal, quando não são palavras enganadoras, são, pelo menos,
palavras sem sentido.

Sem sahirmos do seculo XIX, desde o porto da capital da Dinamarca até ás
muralhas de Metz e trincheiras de Sédan, são longas e monstruosas as
provas da fé britannica, e da lealdade ingleza. Hudson Lowe, o
carcereiro do Prometheo moderno--imagem do abutre roendo-lhe as
entranhas nos rochedos de Santa Helena, será a ignominia e affronta
eternas dos algozes da Irlanda.

Estamos nas amuradas de Bellérophon.

Entremos no convez.

Antes do desenlace final d'esta tragedia antiga, que parece modelada por
Sophocles ou Euripides--escrevia Napoleão ao principe regente de
Inglaterra a seguinte carta:

                                                              «Alteza Real.

«Alvo das facções, que dividem o meu paiz, e da inimizade das grandes
potencias da Europa, acabei a minha vida publica, e, á semelhança de
Temistocles, venho sentar-me no lar do povo britannico. Abrigo-me á
sombra das suas leis, e para isso invoco vossa alteza real, como o mais
poderoso, o mais constante, e o mais generoso dos meus inimigos.

                                                              «_Napoleão._»

Responder com um asylo magnanimo, e grandioso a esta invocação escripta,
teria sido para a Inglaterra a mais nobre das vinganças, e a pagina mais
magestosa da sua historia.

Irrisoria illusão! A orgulhosa Albion não vive de gloria: vive de
dinheiro. Quem deixou mutilar a Polonia, quem escravisou a India, quem
fomentou a guerra civil nos Estados-Unidos, quem viu impassivel as
desgraças da França, e quem subjuga, pisa, e tortura a Irlanda, escolheu
adrede os leopardos, para insignia e emblema heraldico dos seus armazens
da _city_. A Inglaterra é a feira da Ladra da Europa. Seja assim para
honra da raça latina, onde não ha filhos espurios dos chatins do
Oriente.

Napoleão vestiu aquella farda dos caçadores da velha guarda, como se
estivera em Marengo, Austerlitz ou Iena. Entrou com o general Becker, e
com os legionarios dedicados da sua heroica Iliada, n'um escaler--ultimo
refugio das suas glorias--e subiu para o brigue francez, que ia leval-o
á esquadra ingleza. Becker quiz acompanhal-o n'esta via dolorosa. «Não,
não, general, bradou-lhe o vencedor de Arcoli, cuidemos da França. Se
entrardes commigo no Bellérophon dirão que me entregastes aos inglezes.
Não quero que a França soffra a responsabilidade, a suspeita, e nem
sequer a apparencia d'uma traição tamanha.

A bordo do Bellérophon estava o commandante Maitlaud, os seus officiaes,
e toda a equipagem esperando o vencido de Waterloo. Dias depois entrava
na bahia de Plymooth o Bellérophon ás ordens do almirante Keith, que o
recebeu com o respeito obrigado com que o visitára a bordo d'um pontão
inglez o almirante Hotham.

A Inglaterra aceitou a affronta e o escarneo das potencias alliadas.
Disseram-lhe estas no artigo 2.º da sua famosa declaração: «A prisão de
Napoleão Bonaparte é confiada especialmente ao governo britannico.»

Foi a Inglaterra o carcere, foi o traidor, e foi o algoz.

Aceitou tres papeis infames.

Entregou á Europa o banido, que lhe vinha pedir refugio e hospitalidade,
investiu-se na missão execranda de carcereiro, e gizou, com a sua fertil
imaginação, o carcere da aguia da Corsega, o antro onde ia sepultar o
genio das batalhas.

Cuspam na memoria, em parte talvez calumniosa, de Judas de Kerioth, no
drama sanguento de Jerusalem, e respeitem e curvem-se reverentes diante
dos suffetas da Carthago britannica.

Arrancaram-lhe a espada epica das cem batalhas, quando elle, abandonado
e indefeso, meditava encostado á proa do seu carcere fluctuante--e foi
preciso, que o genro do imperador da Austria, o antigo tenente de
Toulon, os encarasse face a face, para que os almirantes da velha Albion
estremecessem de vergonha, e corassem de pejo, satisfazendo-se, no seu
vil orgulho, com as adagas de Bertrand, Savary, Lallemand, Gourgand, e
de todos os outros legionarios d'esta phalange homerica.

Napoleão não sabia chorar. Passou impassivel por sobre quatrocentos mil
homens, que juncavam os gelos da Russia. Viu immovel os desastres de
Leipsick. Escutou silencioso, em Fontainebleau, o ruido surdo da
catastrophe quando o imperio desabava. Afastou-se de Waterloo sereno,
implacavel e severo como o destino--e nem uma lagrima deslisava por
aquellas faces, assentes n'um busto grego, e que pareciam rasgadas pelo
scopo de Phidias, como ornamento do mais vasto craneo, que a Providencia
ousou modelar.

Mas rebentou em pranto desfeito, e corriam-lhe as lagrimas como em
torrente caudal, ao lêr os pormenores aviltantes da segunda occupação de
Paris.

Não era o imperador, não era o general, não era o tenente d'artilheria,
não era o corso: era o ultimo dos francezes, se assim querem--que
chorava de vergonha e de raiva ao vêr a nobre e formosa terra das
Gallias pisada vilmente pelos cossacos do Don, e pelos ignobeis escravos
do Czar de todas as Russias.

Virtude, tu não és mais do que um nome!--Estas palavras, attribuidas a
Bruto, e que são apenas a citação d'um verso da _Medéa_ de Euripides,
vieram reboar em Sédan, e feriram, ainda n'esta geração, as traições, as
insidias, e os ardis do segundo imperio, que cahiu a pedaços esphacelado
e podre sob as garras da aguia da Prussia.

O almirante Keith recebeu o ultimo protesto de Napoleão. Era o seu
testamento de vingança arremessado á posteridade.

Terminava assim:

«Appello para a historia: dirá ella que um inimigo, que durante vinte
annos combateu o povo inglez, veio, em liberdade, no seio do seu
infortunio, buscar um abrigo á sombra das suas leis--que demonstração
mais brilhante podia elle dar da sua estima, e da sua confiança? Mas
como respondeu a tanta magnanimidade a Inglaterra? Simulou estender-lhe
mão hospitaleira, e quando o segurou nas garras, quando elle se lhe
entregou na grandeza da sua boa fé--trahiu-o, e immolou-o.»

O nome do heroe firmava este protesto. Foi com a mão habituada a
empunhar a espada da victoria, que o vencedor dos reis, escolhidos por
direito divino, escreveu: Napoleão.

Pouco depois, um vaso de guerra, o Northumberland arrostava as vagas do
oceano, levando a seu bordo o homem, que fôra o terror do commercio da
Inglaterra, e o missionario inconsciente da liberdade europêa.

E no meio d'uns rochedos de granito, na solidão dos mares, na insulação
completa de todas as aspirações d'aquella vasta e grandiosa
intelligencia, amarravam ao poste da mais tremenda perfidia o homem, que
o mundo inteiro acclamára imperador, e a quem a Inglaterra, mesquinha e
ridiculamente, nos seus odios e pavores vilissimos, regateava o _ave!
imperator!_ que duas gerações lhe votaram, mandando-o appellidar
seccamente: o general Bonaparte.

Detesto o heroe, mas choro ao lado do martyr. Curvo-me perante os altos
designios da Providencia, que levantou sobre os broqueis da victoria o
Attila moderno, o açoute de Deus--e vélo a fronte cheio de horror e de
indignação, quando considero este homem feito á imagem do Creador,
caminhando sobre cadaveres, na sua sêde insaciavel de conquistas; e por
um rasto de sangue humano subia ao throno das monarchias do occidente,
depois de perdidas as illusões com que sonhára o imperio da Asia.

Morreu em Santa Helena, no seio dos mares, para além das lutas
democraticas da Europa, o mais ambicioso dos conquistadores, e o maior
genio d'este seculo.

Alexandre lia Homero. Napoleão meditava os commentarios de Cesar. E
Alexandre, Annibal, Scipião, Cesar, Attila, Frederico II, e Carlos XII,
são pallidos meteoros, que fulgiram, e passaram diante d'este esplendido
luzeiro, d'esta magestade immensa, que, como o astro do dia, tingindo de
purpura o firmamento, vai immergir-se lentamente nas vastas solidões do
oceano.

Hudson Lowe foi a synthese dos odios selvagens, e das cubiças
inexcediveis da nação ingleza.

Por mais que a Inglaterra simule os enthusiasmos d'um povo livre, por
mais que apparente respeitos, e affirme sentimentos generosos, e
magnanimos--em quanto Santa Helena fôr uma ilha e Hudson Lowe uma
verdade historica, temos nós todos, nós--raça latina--o direito, e o
dever de lhe atirar ás faces, no soberano desprezo da nossa lealdade,
com um nome só:--o nome do Bellérophon.

Este vocabulo é o epitaphio sinistro, lugubre, e affrontoso da
generosidade britannica.

                                                       VISCONDE D'OUGUELLA.



MANOELINHO DE EVORA


É errada a presumpção historica de que o _Manoelinho_--pseudonymo
grutesco de uma assembléa de revolucionarios--figurasse tão sómente nos
decretos expedidos durante o levantamento do povo eborense, acaudilhado
por Sezinando Rodrigues e João Barradas, em 1638.

Consigne-se de passagem que eu ainda não vi algum d'esses decretos, nem
D. Francisco Manoel de Mello, o mais detençoso historiador dos tumultos
de Evora, nos transmittiu traslado de algum.

Representações a Filippe IV, e satyras aos portuguezes infamados de
hespanholismo, em fim a gazeta manuscripta, como ella podia
clandestinamente correr n'aquelle tempo, começou a circular, em 1635,
logo depois, que a duqueza de Mantua chegou a Lisboa.

Entre os manuscriptos relativos á ultima decada do nosso captiveiro,
possuo dous. É um assignado por _Manoelinho menino_, em Evora, aos 29 de
agosto de 1637, poucos mezes antes do motim: _Uma carta que os meninos
de Evora mandaram ao bispo do Porto_.

Este bispo era D. Gaspar do Rego, nomeado n'aquella prelazia n'esse
mesmo anno, anteriormente bispo de Targa, muito affecto a Filippe IV de
Castella, e um dos tenacissimos alvitristas dos impostos sobre a sua
patria. O seu biographo padre Agostinho Rebello da Costa (_Descripção da
cidade do Porto_, pag. 83) exalta-lhe as virtudes prelaticias, a termos
de o sentar no refeitorio comendo com a sua familia, virtude que todos
nós possuimos pouco mais ou menos.

Mas nem essa lhe concediam os detrahidores que se chamavam os _Meninos
de Evora_; e eu não sei o que lhe fariam em 1640, se elle não tivesse
morrido em 13 de julho de 1639, fóra da sua diocese em Lisboa, onde o
tinham chamado Miguel de Vasconcellos e os outros que se temiam do rugir
soturno do vulcão popular.

Vai vêr o leitor pela primeira vez, se me não engano, qual era a prosa
do _Manoelinho_. No proximo numero d'estas _Noites_, lhe darei amostra
das musas acamaradadas com os heroicos revolucionarios de Evora.

Eis a _carta_:

«Á noticia d'esta cidade chegou, reverendissimo bispo tyranno, ser v.
s.ª a origem de que este reino tão catholico padeça oppressões tão
insoffriveis, como elle testefica no miseravel estado em que se vê,
tomando-vos para executar a mais infame empresa que em nossos tempos
vimos, nem de nossos antepassados sabemos;--que até considerada
envergonha. Porque, quando a desventura chegasse a tanto, que, como por
prophecia, houvesse alguem de tyrannisar a patria, fosse o fidalgo
pobre, rico de filhos e falto de rendas; e ainda n'este, depois de
satisfeito, cessaria a ambição. Mas um prelado, a quem havia de faltar o
tempo para dar graças a Deus de o chegar a ser, e que aos pobres havia
de dizer: _tribuo vobis pro omnibus quæ retribuis mihi_--grão maldade! e
com razão podem dizer por vós o que Platão por Dionisio: _Vidimus
monstrum in natura honimis_.

«Que naus vistes entrar n'estes portos? Que frotas vistes vir lá das
Indias? Que riquezas n'este pobre reino? E que farturas n'este nosso
Alemtejo que, como filho tão mimoso de seus paes, sentiu como de
padrasto o pão de vosso alvitre? Mas a verdade, Aquelle que é a mesma
verdade, diz no _Deuteronomio_, cap. 4: _Colligite ex vobis viros
sapientes, et nobiles_. A sciencia em vós é em tudo um retrato natural
da de Nero, que aprendeu todas tendo por mestre ao grande Seneca, e foi
um dos mais torpes tyrannos do mundo, até chegar a matar sua propria
mãi, como vós agora quereis fazer á amada patria; porque em fim,
sciencia sem virtude, não vem a ser uma nem outra cousa; mas elle já
nenhuma professava, e vós professaes ambas, e não exercitaes alguma. A
nobreza conservam os que carecem d'ella, e o dar-lhe nascimento, na
benigna clemencia, é para que, convocando os animos, esqueçam a baixeza
dos seus progenitores. E vós, pelo contrario, querereis dar vida ás de
Antonio Fernandes, vosso pai, e de Anna Antonia, sua mulher... Os
extremos todos são maus. Temos rei catholico, não o façaes tyranno; é
principe benevolo, não o façaes cruel. Deixai Portugal ser pobre já que
vos deixou ser bispo. Não vêdes que por Targa ser de herejes, vos
fizeram do Porto? e que por o Porto não querer, vos faziam de Coimbra?
As cidades são como os parentes; corre-lhes a dôr pelas veias como o
sangue a ellas. Ao menos estai advertido no salto em claro que haveis de
fazer por este arcebispado, tomando o pé atraz como Sebastião de
Mattos[8], mas não seja d'estas partes. Não sei se vos poderão valer os
fóros das casas de Luiz de Miranda. O cavalleiro, se lhe chamam tardo,
madruga; se desbocado, cala-se; se demasiado, tempera-se; se adultero,
abstem-se; se peccador, emenda-se; mas, se é traidor á patria, não ha
emenda nem desculpa. Sabei que a propriedade d'este reino foi sempre não
desobedecer nunca ao seu rei, nem deixar-se mandar de tyrannos, e que
vale mais pobre, dando pouco, que desesperado.

«De muito atraz trazemos por criação a distribuição de tres cousas: a
alma para Deus, o melhor para nós, e a fazenda para el-rei; e quem se
viu n'isto, não duvída dar quartos, mas quintos para quintas; e por
vosso conselho não havendo n'este reino quintaes (digo de arvores, que
de canella já nem sabemos de que côr é) soffre-se mal. E se vós quereis
excessos para a patria, e permittir-se contra ella o favor que houve
Nuno Alvres para Pedralves traidor, a quem o céo subverteu, haverá
meninos em Evora para Gaspar do Rego se abrazar.

«Por Ithaca, nobre ilha de asperos penedos, passou Ulysses immensos
trabalhos. Disfarçado el-rei Codro para libertar a patria, se offerece á
morte; pela patria renunciou o imperio; e Mucio Scævola renunciou a
esperança da vida por a tirar á propria que como vós a perseguia[9]. E
os naturaes que a isto não se oppõe vem a acabar n'ella, como Annibal em
Carthago e Catilina em Roma. Attendei ao que diz o apostolo: _Anna
militiæ nostræ non sunt carnalia, sed spiritualia._ Sois christão, sois
sacerdote, sois prelado, sois natural do reino: dizei d'elle o que
n'elle vêdes, informai das Necessidades; e, se não sabeis d'ellas, ahi
amam a caridade, vereis de quantas sois secretario, quantos fidalgos
padecem, quantos senhores acabam, quantas donzellas perecem. Falta o
ouro, a prata; o contracto, por que vós não faltaes, que nem Deus o quer
dar superfluo, nem o necessario se promette dar-se. Perguntando-se a
Alexandre para que queria ser senhor de todo mundo, respondeu: Todas as
guerras que se levantam são por uma de tres causas: ou por haver muitos
deuses, ou por haver muitos reis, ou por haver muitos tributos: quero
ser senhor de todo o mundo e rei para que não haja n'elle mais que um
Deus, nem se conheça mais que um rei, nem se pague mais que um tributo.

«Elle era pagão, e vós christão; elle rei, e vós bispo; elle creado na
terra, e vós na igreja; nunca ouviu o nome de Christo, e vós jurastes
defender o Evangelho. Parece que muito differe uma cousa das outras. Se
o fazeis por fama, já é geral, pois nós vos sabemos o nome. O vosso nome
é _flagellum patriæ_. Se o fazeis por interesse, já basta o que tendes;
se mais quizerdes, já cá passamos signal; se nós podermos, com o mais
constará a pontualidade... Tende lastima de um reino que, sendo
antigamente um mar, se vai esgotando a Castella por um _Rêgo_. Nosso
Senhor vos converta, e vos traga a nossas mãos, para augmento d'este
reino, e vida e paz e quietação de seu rei. Evora 27 de agosto de 1637.
Por mandado do povo todo junto

                                                      _Manoelinho Menino_.»

    [8] Este Sebastião de Mattos é o arcebispo de Braga que depois
    conspirou contra D. João IV, e morreu no carcere.

    [9] Não nos parece clara a redacção, ou ha elisão de palavra no meu
    traslado.



A MORTE DE D. JOÃO

(POR GUERRA JUNQUEIRO)


É um livro de 330 paginas que eu li sem intermittencias.

A poesia é quasi sempre portugueza e dos mais altos quilates; mas a
substancia do livro é estrangeira.

Aquellas podridões, desenhadas do vivo com primorosa execução, não
fermentam n'este paiz mais atrazado e menos devasso que o restante da
Europa.

É verdade que ha creaturas um tanto putridas nos hospitaes, e lá se
dissolvem: peor seria, se não tivessem aquelle paradeiro onde a
misericordia humana lucta com a fatalidade da morte á beira do catre da
agonia.

O D. João portuguez, por via de regra, aos quarenta annos, tem a espinha
dorsal amollecida, cauterisa as frieiras e lima os callos. As Imperias,
entre nós, não acabam por tanger cornelim em companhia de ursos; mas tem
ursos e dromedarios, uns Tenorios farinaceos que lhes tornam a velhice
divertida e, ás vezes, serodiamente honesta.

Não obstante, eu, em Lisboa, conheci um D. João, que, tirante a chalaça
e o urso, era o D. João de Guerra Junqueiro.

Conheci-o gentil, capitão de lanceiros, com um appellido dos mais nobres
do reino, bizarro, petulante, fatuo, bandarreando com os seus cavallos
oriundos da Lybia alli pelo Chiado. Amavam-no as burguezas e as
princezas. Amavam-no tão doudamente que se perderiam, se não estivessem
perdidas quando elle as achava. Alli, em Lisboa, um D. João acha sempre
uma D. Joanna tão boa como elle.

Era isto em 1849.

Onze annos depois, estando eu na _casa-da-saude_, vi entrar, no quarto
de certo doente, um homem maltrapido, com o nariz rubido, a cara
esvurmando brotoeja, os dentes ferruginosos, os beiços esfoliados como
escama de sarda de barrica, os olhos broslados de malaguêta, e a pupilla
oleosa. Era o capitão de lanceiros, que vinha alli visitar um homem que
costumava dar-lhe um tostão para aguardente. E n'essa tarde levou o
tostão e roubou-lhe um relogio de prata, um caldeirão que valia um
quartinho!

--O meu relógio!--exclamava o pobre Sousa Netto--é o que me restava da
minha mocidade!

Sousa Netto orçava pelos sessenta e seis; tinha gota, intervallos de
demencia, havia sido tambem D. João, e usava constantemente habito de
Christo no peito, mouras vermelhas nos pés, e um capacete de lontra na
cabeça.

O outro, aquelle que encontrava Imperias no paço, esphacellou-se na
testada de uma taverna; os guzanos da cova de certo taparam os seus
narizes microscopicos quando o esquife o vasou nas entranhas da
natureza, mãi carinhosa do cão podre, do homem podre e de tudo que é
perfeito n'este mundo.

O homem espoliado do caldeirão ensandeceu a final, abrazado em
concupiscencias que resfolegavam em colcheias, em decimas, em sonetos,
que me recitava a mim e a Matheus de Magalhães com uns olhos tamanhos e
tão accesos que parecia o diabo de Santa Thereza de Jesus.

Estes dous typos teem moldura no poema de Guerra Junqueiro.

      *      *      *      *      *

As mais nervosas e engraçadas paginas de versos que eu tenho lido de
lavra portugueza são a parte d'este poema intitulado _Romanticismo_, e a
outra chamada _Os saltimbancos_. São trovoadas de talento. Paradoxos
assombrosos que vos tiram do diaphragma epilepsias de riso.

Ás vezes, magôa uma especie de motejo que parece rebellar-se contra tudo
que grande parte da sociedade respeita. Vem alli de camaradagem com a
ironia implacavel do snr. Junqueiro o estylete sarcastico de lord Byron
e de Alfred de Musset; mas o nosso poeta avantaja-se na crueza das
invectivas contra o dogma, afistulando soberbos versos de um atheismo
que de certo lhe não está no coração, nem na educação nem nos
irreprehensiveis costumes. Tirante isto, ahi é tudo alegria; e até,
quando a musa philosopheia por transcendentes contemplações, lá surde a
palavra comica, o simile galhofeiro, esta cousa moderna que não tem
nome,--uma bella extravagancia que nos regosija. E assim é como se
querem os livros, porque lá diz Aristoteles no 2.º da _Ethica_, cap. 12,
que _a melancolia corrompe a natureza e faz pasmar o coração_.

      *      *      *      *      *

Este modo de poetar será o _Ideal_ moderno? É, com toda a certeza.
Quando eu era rapaz, o poeta ideal era o ethereo, o metaphysico, o
espiritualissimo. Por tanto, o ideal, segundo Taine, não tem que vêr com
o ideal, segundo Lamartine. No livro do snr. Junqueiro, bem que os
carnalissimos assumptos alli poetisados não pareçam ideaes, abona-os o
indeclinavel legislador n'esta materia. A obra d'arte--diz Taine--põe o
fito em manifestar algum caracter essencial ou relevante, mais perfeita
e lucidamente do que os objectos reaes nol-o mostram. O artista, por
tanto, concebeu a idéa d'esse caracter, e, a sabor da sua idéa,
transformou o objecto real. Este objecto assim transformado, sahe
conforme á idéa, ou, para melhor o dizer--é o ideal. Assim, pois, passam
as cousas do real ao ideal, quando o artista, ao reproduzil-as, as
altera a bel-prazer da sua idéa, etc. (_L'Ideal dans l'Art_).

Quer dizer, ao que parece, que o ideal é uma modificação do real a
talante do artista; por maneira que o sobrepor miserias imaginarias ás
miserias positivas--exulcerar desgraças inevitaveis com a imprecação de
desgraças ficticias--é o _Ideal_.

Em fim, são seitas, e o impugnal-as quando ellas ainda verdejam é
perigoso: o melhor é deixal-as apodrecer.

O que ha de ficar e sobreviver ás escolas (porque o snr. Guerra
Junqueiro de certo não crê em Taine, e é _realista_ na maxima latitude
da palavra) são estas paginas da _Morte de D. João_, alumiadas pelos
relampagos do genio. Este livro será lido por aquelles mesmos que o
malsinarem de propagador de peçonha em calices de ouro. É a obra
prodigiosa de uns annos muito em flôr. Quando a mão do tempo, a desgraça
dos annos, e algumas noites de meditação dolorosa, levarem á consciencia
do admiravel poeta a imagem da Justiça, enquadrada na moldura fatal em
que ha seis mil annos a conhecemos na historia, então os poemas do snr.
Guerra Junqueiro serão por igual bem versejados, mas muitissimo mais
consolativos para os infelizes que elle deplora com generoso coração.



POETAS E PROSADORES BRAZILEIROS


Seis livros de variada leitura me vieram aligeirar as horas da aldeia,
n'este inverno de junho; que no decantado Minho já não ha primavera nem
estio, nem melros nem rouxinoes. D'esta familia de cantores tão gabados
nas eglogas de Sá de Miranda e Diogo Bernardes abalou-se a especie,
desde que o Minho, policiando-se do agro primitivo da sua natureza
alpestre, estrondêa com o caboucar das vias-ferreas e o estridor das
diligencias. De rouxinoes restam-nos apenas aquillo que os francezes
chamam _Roussignol à gland_, e _Roussignol d'Arcadie_. Estou a vêr se me
desmente o meu presado amigo D. Antonio da Costa no seu promettido livro
das delicias do Minho.

Eu por mim, se quero convencer-me que estou na sazão do calor e das
flôres, mando abrazar o fogão, accendo a machina do café, espalho uma
abada de rosas no estrado, cubro-me com um cobertor, imagino que estou
no junho de Fernão d'Alvares do Oriente, e, com o nariz de fóra, e
espirrando, exclamo, em nome do poeta:

    _...................... Pomona e Flora
    Seus dons vem pelos campos espalhando,
    Cantando espalha Fauno a voz sonóra.

    Fazem doce harmonia os arvoredos
    Que o vento bole, e as aguas derivadas
    Das asperas entranhas dos penedos.

    As aves umas d'outras namoradas
    Enchem de saudosa queixa o monte
    N'um desconcerto alegre concertadas.

    Boninas varias vai regando a fonte
    Que convida, correndo manso e manso,
    O rouxinol, que suas maguas conte.

    A qualquer parte, pois, que os olhos lanço
    Materia me offerece de alegria
    Tudo quanto co'a vista alegre alcanço._

_Etc., etc._

E, ao mesmo tempo, vou aconchegando os pés do varandim do fogão, e
fazendo-me um estio interior de café de Moka.

N'esta situação, deixa-se a natureza aos naturalistas; e a gente, que
vem ao campo em cata de brisas olorosas, não sahe de casa, e lê sempre,
a fim de desviar a tentação ao suicidio inglez, que é a congestão
fulminante do _tædium vitæ_.

Tenho, pois, seis livros de escriptores brazileiros, a quem devo a
fineza de m'os enviarem a esta região de getas.

Os IDYLLIOS do snr. doutor Caetano Felgueiras. As TETÈYAS, em prosa do
mesmo poeta. Os APONTAMENTOS DE VIAGEM do snr. J. C. da Gama e Abreu
(1.º tomo). O PANTHEON MARANHENSE (1.º tomo). SCIENCIAS E LETRAS.
APONTAMENTOS PARA A HISTORIA DOS JESUITAS NO BRAZIL (1.º tomo). As tres
ultimas obras são do mesmo author, o snr. dr. Antonio Henriques Leal.

Ha annos que o snr. Felgueiras me enviou a sua EPISTOLA _a Machado de
Assis_. Era a revelação de um espirito antigo no affecto ás maviosas
cousas do campo. Versos que recendem o tomilho e a madre-silva. Desenhos
correctos da corporatura gigante das arvores americanas. Rumorejos dos
meandros que serpejam na tige das boninas. O estridor das cascatas que
ruem estrepitosas. A suavidade dos jardins. O verde das arvores, e os
pomos a lourejal-as. E, depois, o espirito da alegria no sorriso da paz
a colher as bençãos que Deus cruza por sobre as almas modestas que se
alam até Elle, desde o estrado de seus pés, desde as magnificencias da
terra até aos estrellados silencios do céo. Esta formosa poesia vem
entre os IDYLLIOS, que se lhes irmanam na alteza do pensamento e no
primor da phrase.

Não me agradam por igual as suas prosas (TETÈYAS). Sobram ahi arabescos
de linguagem: muito rendilhado, muita filagrana, que enreda a idéa, e
accusa o escopo muito moroso de Cellini. Sei que o snr. J. de Alencar
tem dado o exemplo d'este esmerilhar da phrase, que, a meia volta, se
desaira no amaneirado. Isto não é pobreza da lingua: é um luxo vicioso
da abundancia. Augmentemos, porém, quanto ser possa o concurso dos que
nos percebam, e imaginemos sempre que até os mais cultos nos agradecem a
simplicidade de Luiz de Sousa, o nitido puritanismo dos Castilhos, e a
correcção chã, sem plebeismo, de Teixeira de Vasconcellos.

Os APONTAMENTOS DE VIAGEM do snr. Gama e Abreu é um livro muito bem
escripto, com resaltos de humorismo discreto, graça anecdotica a
interpôr-se nos usuaes fastios das descripções de viagens; apreciações
de Portugal na maior parte benevolas, e, por excepção, reparaveis; a
França e as suas recentes desventuras atiladamente compendiadas em
poucas paginas, que se revalidam com bem cabidas noticias historicas. É
um livro de cunho moderno, com o superior quilate da despretenção, sem
desvanecimento, por onde se nos antolha optima lição, bom discernimento,
critica despreoccupada, lhaneza de apreciação, e excellentes
predicamentos de espirito. Os subsequentes volumes hão de corresponder
ao titulo que amplia as viagens desde o _Amazonas ao Sena_, _Nilo_,
_Bosphoro_ e _Danubio_.

O PANTHEON MARANHENSE, do snr. dr. Henriques Leal, como do titulo se
transluz, é um selecto feixe de biographias de homens, que se
illustraram no Maranhão, por prendas da intelligencia. Este livro é
tanto mais de estimar entre portuguezes quanto nós andamos arredados da
convivencia de escriptores brasileiros. O snr. Leal, que reside em
Lisboa, ha annos, é o escriptor a quem os seus conterraneos mais devem
no pregão incessante das eminencias intellectuaes do Brazil. É vêr o
esplendido, e, ainda mal, que incompleto, vestibulo que elle erigiu como
entrada para as obras completas de Gonçalves Dias, o portentoso poeta, o
prosador inviolavel na pureza da dicção.

Larga resenha da litteratura brazileira nos dá o snr. Leal no seu livro
intitulado LOCUBRAÇÕES. Ahi se queixa judiciosamente das graves
iniquidades com que alguns syndicos, sem legitima alçada na critica,
desdenham dos escriptores brazileiros, não lhes sabendo sequer o nome de
baptismo. Que quer o illustre escriptor? A necedade impa de petulancia.
A barateza dos prelos, a profusão dos periodicos e a mingua de
escriptores escorreitos abriram praça a todo o adventicio, tanto monta
que elle proceda das covas de Salamanca como do café da Aurea. Gonçalves
Dias, apoucado pela ignara bitola de um zoilo vêsgo, tem dous
monumentos: um de marmore na sua patria, outro nos livros que são
d'ella, que são nossos, que os temos na memoria do coração desde a
mocidade. Mas a nossa mocidade era tão amoravel com os seus
contemporaneos, quanto respeitosa com os antepassados. Nós não
ousariamos descrêr dos mestres, e desacatar-lhes as cãs aureoladas sem
que o longo estudo, sem que a consciencia nos désse a intima certeza de
que não eramos tão nescios e tão ignorantes quanto hoje se faz mister
para abrir barraca de mordacidades, mascaradas em critica.

Derivemos d'este mau trilho para as placidas e serenas regiões do livro
chamado APONTAMENTOS para a historia dos jesuitas no Brazil.

N'este complexo de rapidas biographias, narrativas, e, esclarecida
analyse das chronicas da companhia de Jesus, e onde a fórma, a execução
e o castiço da linguagem se aprimoram mais, de envolta com a riqueza das
noticias históricas. É trabalho de mão experimentada, de consulta
detençosa, e juizo muito attento. Quando o tomo 2.º me vier satisfazer o
desejo de o lêr, formarei mais dilatado e completo conceito d'esta
importante publicação do abalizado escriptor.



ÁCERCA DE JOAQUIM 2.º

(RESPOSTA A UMA CARTA)


A carta, a que respondo, veio do Porto. E o periodo respondido reza
assim:


_.....Asseveram-me que o teu Plutarco, annunciado na ACTUALIDADE, é o
Joaquim de Vasconcellos, que tem batido á porta dos teus antigos
inimigos, pedindo factos e calumnias para urdir a tua biographia. Se
isto é tão verdade como é verdadeira a pessoa que m'o afiançou,
prepara-te para desprezar a affronta, e veste arnez de aço que rebata o
ferro do couce. Alguem lhe perguntou que motivo teve para te provocar;
respondeu que apenas te conhecia de vista; eu, porém, se a memoria me
não falha já te ouvi dizer que este Joaquim de Vasconcellos foi teu
hospede em S. Miguel de Seide, etc._


RESPOSTA

Tens boa memoria. Joaquim de Vasconcellos foi meu hospede em S. Miguel
de Seide; mas procedeu honradamente, e logo te direi a razão que tenho
para te affirmar que se houve briosamente na hospedagem que lhe dei.

Foi assim o grão caso. Um dia, no anno do 1870, me escreveu de Guimarães
o maestro Francisco de Sá Noronha, prevenindo-me que viria a S. Miguel
de Seide apresentar-me um seu amigo de grande talento, notavel theorista
musical, educado em Allemanha, e litterato de muitas esperanças.
Alvoroçou-me a noticia, tanto pela visita do celebre violinista, como
pela apresentação de um moço prendado das bellas cousas do coração e do
espirito, que todas brotam de seu onde o amor das amenidades litterarias
e das deleitações da harmonia lhes aquece os germens.

Em uma alegre manhã de julho chegaram os snrs. Noronha, e Vasconcellos a
esta casinha, á volta da qual os sylphos da poesia borboleteam, desde
que o visconde de Castilho e Thomaz Ribeiro por aqui estiveram.

Recebi o snr. Joaquim de Vasconcellos com quanta cordealidade e lhaneza
cabia nas minhas posses de aldeão. Dei-lhe o lugar de honra na minha
mesa. Ouvi-lhe attenciosamente por espaço de dez horas as suas idéas
republicanas, sem lh'as impugnar, e as suas theorias sobre musica sem
lh'as perceber, e os seus dislates em litteratura sem lh'os contrariar.

Ao cahir da tarde, o snr. Vasconcellos, que não podia demorar-se, fez-me
o obsequio de aceitar o meu cavallo, que teve a honra de o levar á
estrada do Porto. Ao despedir-se de mim, o meu affavel hospede
abraçou-me com effusão de vehementissimo jubilo por me haver conhecido e
devido alegres horas tão rapidamente passadas.

Devolveu-se um anno, sem que eu tornasse a vêr o snr. Vasconcellos; não
obstante, a imagem d'este cavalheiro, uma vez por outra, acudia ás
minhas reminiscencias d'aquelle dia tão litterario, tão cheio de
palavras, de systemas, em fim, de mutuas promessas, que me faziam
esperar d'aquelle moço alguma cousa menos cruel que um inimigo.

Eis que o snr. Vasconcellos dá á luz um livro de critica á versão do
_Fausto_, pelo snr. visconde de Castilho; e, ainda antes de o lêr, já eu
sabia que o meu hospede tão graciosamente recebido, me insultava como
escriptor e como homem, enxovalhando-me com vilipendiosas aleivosias,
como se não bastasse ao seu injusto rancor malsinar-me de ignorante.

Aqui tens, meu caro amigo, repetido o assignalado successo do advento do
snr. Vasconcellos a esta quinta de Seide.

Como elle está escrevendo os escandalos da minha vida, que naturalmente
veio espionar quando cá entrou, bom seria que elle dissesse que ca tenho
grandes infamias na minha historia lendaria, e uma das mais graúdas foi
recebel-o em minha casa.

Falta-me explicar-te onde está o procedimento honroso do snr.
Vasconcellos na hospedagem que lhe dei. Está no seguinte: quando elle
sahiu da minha mesa, contaram-se as colheres de prata, e não faltava
nenhuma! Honra lhe seja!

                                                      Teu do coração,

                                                               _Etc._


_P. S._ Se o snr. Joaquim de Vasconcellos, depois da publicação d'esta
carta, entender que me deve pagar o aluguer da cavalgadura, o almoço e o
jantar, authoriso a thesoureira das Velhas do Camarão a receber a
importancia, e passar recibo.



ESTUPIDO E INFAME

(Á _ACTUALIDADE_)


Alguns rapazes sem habilidade, nem estudo que lhes supprisse a
incapacidade do engenho, appareceram ahi a pinchar na vaza das letras
como sapos de lameiro em tarde trovejada de julho. O mais sapo nas
_verdes podridões_, consoante o phrasear colorido do snr. Guerra
Junqueiro, é este marau da _Actualidade_.

Veio de Lisboa assoldadado para a imprensa do Porto, em serviço de um
ignobil aventureiro. Pôz o seu pulso á disposição do estomago, e aviltou
a probidade de homem no começo da vida publica, prestando-se a dar
vaias,--_piadas_ no calão fadista do birbante que o estipendía--a
pessoas que pareciam respeital-o com o seu desprezo silencioso.

Fui eu, desde muito, insultado em livros e folhetos por este gandaieiro
da vadiagem lisboeta. Perguntei um dia quem era o enxovêdo, e que razões
lhe teria eu dado para não perder lanço de me offender. Responderam-me
que era um dos Báthylos do Joaquim Theophilo; e que um dia, o sordido
Anachreonte, que poetára amores de Gomorrha na _Visão dos tempos_,
desembuçára-se da mascarrada chlamyde, e dera á luz este safado _pinto_
que sahiu grôlo do ovo.

Já sabem d'onde elle vem.

Disseram-me, outro sim, que um escriptor brioso, chamado Santos
Nazareth, jogára com elle a bilharda nas pontas das botas em pleno
café-Martinho; de modo que nenhuma pessoa medianamente briosa póde hoje
roçar-lhe na cara a palma de uma luva. A parte, portanto, que
porvindouramente me houvesse de caber em despiques de pundonor,
essa--aviso á _Actualidade_--pertence á alçada do meu gallego.

Não sei se o publico portuense tem reparado que os seus bons escriptores
ou morrem ou fogem. O visconde de Benalcanfor, Ricardo Guimarães,
aquelle florido talento que disputou a Lopes de Mendonça as galanterias
do folhetim;--Ramalho Ortigão, o prosador elegantissimo, o fidalgo da
graça senhoril, a revelação mais assignalada que ainda tivemos do
espirito francez;--Alberto Pimentel, a quem se estão desentranhando em
fino ouro os minerios mais copiosos da vernaculidade; Sousa Viterbo,
dulcissimo poeta e prosador correcto, estes, que seriam para o Porto
bastantes padrões de sua litteratura, passaram para Lisboa;--e Silva
Pinto, a escoria da cainçada litterateira de Lisboa, baldeou-se no
Porto.

É sorte funesta!

Entra o homem na fiscalisação de uma sentina jornalistica; e, apenas me
vê a sombra na pagina de um livro, insulta-me. Lanço mão do ferro,
carmeio-lhe parte da lã, almofaço-lhe a carepa, e deixo-o. O leitor das
_Noites_ bem viu. Mostrei ao insolente que não sabia portuguez nem
francez; que não estava na plana dos criticos; que a sua ignorancia, com
alguma modestia, poderia grangear a caridade publica; emfim, este
sentimento da compaixão ia manietar-me, quando elle, sacudindo o aziar,
volveu a espojar-se-me na testada da casa.

O desgraçado resvalou á ignominia. Como não teve que redarguir contra as
lagantadas litterarias que lhe verberei á ignorancia, ameaça-me com
devassar os actos da minha vida particular. São-lhe franqueados os
umbraes da minha vida. Póde entrar o infame.

Ahi está o homem que denigre e deshonra as pugnas litterarias.
Estrangulado pela critica severa, resfolegará ainda pela vilta da
calumnia.

Veja-se o n.º 94 da _Actualidade_.

Ao mesmo passo (leia _trote_) que me insulta, espolia-me o ratoneiro.
Cotejemos, e veja-se que até lhe escasseia o brio para se desforçar com
palavras de lavra sua. Em um folhetim meu, intitulado a _Corôa de ouro_,
publicado em 1872, escrevêra eu as seguintes linhas:... _Uns taes cujo
nome infame ha de sobreviver ás producções gafadas, e cuja probidade é
tão sómente a necessaria para não serem enforcados, como dizia
Molière... Os magarefes da carne putrida que lhes sobeja nas alcovas..._
E vai elle, o _escroc_ litterario, com pouca alteração, como o leitor
ahi viu, faz suas, assignalando-as em grypho para lhes imprimir energia,
essas mesmas phrases.

Este bargante, se um dia vier a ganhar a vida esfaqueando a gente, rouba
primeiro a navalha á victima. Lacénaire foi muito mais intelligente e
honrado: era melhor escriptor, e comprava as facas com que escrevia as
suas locaes no redenho do proximo. E Pasquino, quando injuriava, era com
palavras proprias.

Supponhamos, porém, que o traste é originalmente insultador. Que motivos
lhe dei para o insulto? Dissera-lhe eu que elle estupidamente chamára
_trilogia_ a tres comicos. E defendeu-se elle d'essa arguição, que era o
ponto da contenda?

Veja o leitor a defeza. Primeiramente attribue a erro do typographo a
bestidade. Que villão! Se o artista, que lhe compôz o artigo, tivesse
bastante dignidade ou independencia, devia desfazer-lhe o original na
cara. Eu de mim creio que na officina da _Actualidade_ não ha typographo
tão soez como o gamenho que a redige.

Depois (veja o leitor a meio da columna) nega que houvesse escripto a
noticia como eu a interpretára. E escreve que eu _alludira ao seguinte
periodo de uma local_ do seu n.º 28: _Estão em scena Robespierre, Marat
e Danton, a trilogia collossal_ (com tres _ll_.--Nem orthographia!)

E acrescenta:

_O chapado ignorante que só serve para fabricar descomposturas, não
percebeu o porquê da trilogia applicada aos tres nomes que representam
tres quadros distinctos da_ tragedia _da Revolução.»_

Nega, pois, que chamasse _trilogia_ aos tres artistas; e o leitor mais
ou menos desmemoriado, ou indeciso a respeito da lealdade da minha
critica, fica talvez imaginando que eu distendêra iniquamente as orelhas
elasticas da besta, calumniando-a.

Ah! não. Eu vou dar á respeitavel opinião publica o fiel traslado da
asneira em litigio.


«Actualidade» _n.º 51 de 7 de abril de 1874._


«BAQUET.--_Corre que estão escripturados, ou que vão sel-o, n'aquelle
theatro os actores Polla e Pinto de Campos, e actriz Maria das Dôres, de
Lisboa._

«_É uma esplendida acquisição para aquelle theatro a da TRILOGIA que
acima fica. Agouramos bellas noites ao publico e á empresa._»

Que faz o leitor depois que leu isto? Vai extrahir da propria noticia
uma palavra composta de duas syllabas. É um passatempo que tem seu tanto
ou quê de philologico. Procuremos as duas palavras com pachorra, visto
que a temos para as charadas novissimas. Eu ponho em versaletes as
syllabas quando fôr tempo. Vamos lá: «É uma esplendida acquisição (diz
elle) para aquelle theatro a trilogia que acima fiCA. AGOUramos _etc._»
O publico depois de compor a torpissima palavra, entendeu mentalmente, e
de si comsigo, que o escriptor previa o que o leitor lhe faria na
reputação.


Agora, canalha! levanta-te d'ahi, e senta-te n'uma tripeça! Antes que
faças da penna faca de sicario, converte-a em sovella.

E tu, divino Apollo, que uma vez escorchaste Marcyas, permitte que eu te
deponha nas aras este fétidissimo bode esfolado.



CARTA AO SNR. CONSELHEIRO VIALE


                                                    _Ill.mo e exc.mo snr._

Não sei se v. exc.ª é assignante d'estas NOITES DE INSOMNIA. A certeza
affirmativa ser-me-hia por tanta maneira estimulo de desvanecimento que
eu não ouso preluzir-me a hypothese de que v. exc.ª contribue com dous
tostões para a minha gloria. Quero antes, absorvendo as fumaças da
vaidade, prefigurar-me que v. exc.ª nunca se apoucou até ás futilidades
dos meus livros. Na modesta conjectura, pois, de que estes folhetos lhe
são menos conhecidos que as lyricas ineditas de Amphião, filho de
Jupiter e Antiope, afouto-me até á temeridade de enviar-lhe este n.º 6
das _Noites_, solicitando da sua cortezia a graça de m'o lêr desde
paginas 88 até paginas 94.

O bode que eu ahi offereço a Apollo, á imitação do _cultrarius_ dos
sacrificios antigos, chama-se fulano de Silva Pinto, e diz que foi
discipulo de v. exc.ª em historia antiga, depois de ter escripto que uma
actriz e dous actores eram uma _trilogia_.

Tenho a honra, exc.mo snr., de trasladar, para escarmento de tão erudito
professor, as textuaes palavras d'este seu discipulo, estampadas no n.º
94 da _Actualidade_: ..._Nós merecemos a honra de obter do professor
Viale officiaes informações em aula de litteratura antiga._

Realmente, snr. conselheiro, este sujeito foi discipulo de v. exc.ª em
historia antiga? No caso affirmativo, deu-lhe v. exc.ª a tal citada
honra de o informar officialmente?

É de esperar que v. exc.ª me não responda; todavia ouso pedir-lhe que ao
menos se digne indicar-me como devo interpretar o seu silencio; a não
querer v. exc.ª antes, em carta confidencial ao seu discipulo, dizer-lhe
em grego: χελευω πινειν ao mesmo tempo que eu cá lh'o digo a
elle em portuguez.

Ponho á disposição de v. exc.ª a minha ignorancia com as informações
officiaes de que sou digno, e a relevante bravura com que entro ao circo
qual outro _bestiarius_ (θηριομάχης), a arcar com esta besta-fera
que sahiu da escola que v. exc.ª tão vantajosamente rege.

                                                               De v. exc.ª

Ill.mo e exc.mo snr. conselheiro Antonio José Viale

devoto humilimo e derreado admirador

                       _Etc._



QUINTA-ESSENCIA DE MALANDRIM

(Á _ACTUALIDADE_)


Trata-se de Silva Pinto.

Este pifio e latrinario jornaleiro da _Actualidade_, escreveu, no dia
11, que eu pedira que me apresentassem a Castellar, no theatro.

No dia 16 e 17, publicaram o _Commercio do Porto_ e o _Primeiro de
Janeiro_ a seguinte correspondencia:


    DECLARAÇÃO

    Constando ao snr. Camillo Castello Branco que uma local inserta na
    _Actualidade_, de 11 do corrente, com a epigraphe--Elle--se refere á
    entrevista que o referido senhor teve com o snr. Emilio Castellar no
    theatro do Principe Real, d'esta cidade, na qual se inverte a
    verdade dos factos, apressamo-nos, como testemunhas presenciaes, a
    declarar com toda a imparcialidade como as cousas se passaram.

    Achando-nos n'um dos intervallos do espectaculo em companhia do snr.
    Camillo Castello Branco, junto á varanda que separa a orchestra da
    plateia, appareceu alli o snr. D. Marcos Arguelles a convidar o snr.
    Camillo para uma entrevista com o notavel orador, o snr. Castellar.
    O snr. Camillo, depois de agradecer as attenções do snr. D. Marcos,
    pediu-lhe escusa, apresentando para isso algumas razões muito dignas
    e a circumstancia de não estar n'aquelle momento com um vestuario
    proprio para uma tal apresentação. O snr. D. Marcos continuou,
    porém, a insistir e, como o snr. Camillo persistisse na sua recusa,
    disse-lhe por ultimo que, se era preciso, ia chamar o consul
    hespanhol para o convidar, e que o snr. Castellar já estava no salão
    á sua espera para o comprimentar. Foi então que o snr. Camillo se
    resolveu a aceitar o convite do snr. D. Marcos.

    Eis aqui a narração fiel de tudo quanto alli se passou, com relação
    a este facto e que está em completa contradicção com a local da
    _Actualidade_, se com effeito o que n'ella se affirma, se refere ao
    snr. Camillo Castello Branco.

    Porto, 15 de junho de 1874.

                                       _João Pereira d'Albuquerque._

                                       _Antonio Nicolau d'Almeida Junior._

Ahi fica o perfil do mariola, e a torpe vida que se vive n'aquella
gazeta.

No dia seguinte, a _Actualidade_ injuriava a probidade d'essas duas
assignaturas que me honraram com o seu testemunho.


Já ouvi dizer a certas pessoas incautas que este Silva era um bom
rapazinho, forçado pela fome a rabiscar diffamações.

Não póde ter bondade quem, de animo frio, divulga aleivosias: o mais que
póde ter é fome.

Desista o snr. Silva de trocar calumnias por meios-bifes, que eu lhe
prometto obter-lhe entrada no asylo dos _Garotos desamparados_; e, desde
já, escrevo ao snr. David, da rua de Santo Antonio, para que o vista de
novo; e, pois que a sua hyndiocrasia é o couce, recommendarei que lhe
deixe bem folgada a retranca.


FIM DO 6.º NUMERO





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Noites de insomnia, offerecidas a quem não póde dormir. Nº6 (de 12)" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home