Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Maldita Felicidade
Author: Costa, Alexandre da
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Maldita Felicidade" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



of public domain material from Google Book Search)



Alexandre da Costa

MALDITA FELICIDADE

COMEDIA ORIGINAL EM 1 ACTO

Representada pela 1.ª vez por distinctos amadores do Grupo Dramatico
GERVASIO LOBATO

PREÇO 120 RÉIS

LISBOA--1898

Arnaldo Bordalo-EDITOR

42--RUA DA VICTORIA--1.º



PERSONAGENS

    ENGRACIA, esposa de Pinto Gallo      40 annos

    O SR. PINTO GALLO                    42   »

    FERNANDO }                           21   »
             } seus filhos
    CARLOS   }                           18   »

    O SR. CARNEIRO REAL                  48   »

    D. ALEXANDRE NOBRE                   50   »

    DR. MANSO CORDEIRO, seu genro        22   »

    JOSÉ, creado de Pinto Gallo          30   »


LISBOA--ACTUALIDADE



DUAS PALAVRAS


Esta peça, que hoje a livraria Bordalo edita, tem, sob o ponto de vista
artistico, muitos deffeitos, que actualmente conheço, mas que me abstive
de corrigir, pelos motivos que a seguir exponho.

Foi escripta ha muito anno, e agora que o editor me convidou a revê-la,
prescindo de lhe fazer as minimas alterações para que no meu primeiro
trabalho de theatro, pensado e passado ao papel numa noite apenas, não
deixasse de transparecer a falta de pratica d'outr'ora, a precipitação e
pressa com que foi produzido, a inexperiencia dos meus bem verdes annos
d'então.

Incommoda-me sobremaneira tirar ás minhas despretenciosas producções o
cunho da espontaneidade, embora a arte ganhe com as revisões, que visam
a melhor conduzir a acção, a melhor caracterizar as personagens, a
aperfeiçoar a fórma. Repugnou-me, pois, modificar a _Maldita Felicidade_
que, para mim, tem o triplo valor de marcar o primeiro passo na
litteratura dramatica, de avivar alegres tempos que não voltam e de
recordar-me a primeira noite perdida...

                                                                O auctor.



ACTO UNICO

Vista: Saleta ricamente mobilada em casa de Pinto Gallo. Portas ao fundo
e lateraes. Mesa e cadeiras ao centro.


SCENA I

Pinto Gallo e depois José

PINTO GALLO (_passeando pela scena_)--Suspiro pela resposta de D.
Alexandre Nobre! Seis annos que andei pelos sertões d'Africa, hão-de
valer me a nomeação de ajudante de campo de Sua Magestade. Em terras
africanas fiz sempre respeitar a bandeira portuguesa, e o meu padrinho,
o sr. D. Alexandre Nobre, é politico palaciano, e não costuma faltar ao
que promette! Preciso d'honras, quero figurar, embora isto desagrade a
minha esposa.

JOSÉ (_entrando_)--Uma carta para o senhor.

PINTO GALLO (_alegre_)--É lettra de D. Alexandre (_a José_) Podes
retirar-te. (_José sae. Pinto Gallo abre a carta e lê_): «Amigo Pinto
Gallo. Ainda hontem te participei a nomeação de teus filhos, Fernando e
Carlos, para officiaes da secretaria dos negocios estrangeiros, e já
hoje venho felicitar-te porque acabo de saber a tua entrada na Real
Côrte. A Felicidade deu-te, pois, duas filhas:--a tua Victoria e a tua
Gloria!--Dispõe sempre do teu amigo Alexandre Nobre.» (_fallado_) Oh!
Querida felicidade! (_toca o timbre_) Até que emfim consegui o que tanto
ambicionava! Eis-me finalmente ajudante de campo de Sua Magestade!
(_José apparece_).

JOSÉ--O patrão deseja alguma cousa?

PINTO GALLO--Sabes qual é, e onde é o meu alfayate?

JOSÉ--Sei, sim senhor. É o sr. Carneiro Real da rua de S. João dos
Bemcasados.

PINTO GALLO--Justamente. Dize-lhe que me traga amostras de fazendas para
escolher.

JOSÉ (_sahindo_)--Vou cumprir as suas ordens.

PINTO GALLO (_só_)--Não darei palavra a minha mulher a respeito da
nomeação que obtive para ajudante de campo de El-Rei. Ahi vem ella!...
Vou para o meu escriptorio. (_Sae_).


SCENA II

Engracia, só

ENGRACIA (_entra pensativa_)--Meu marido aborreceu-me, não ha duvida.
Evita fallar comigo. Quando d'elle me approximo, affasta-se logo de
mim... Amará outra mulher?! Tremo só em pensálo! (_vendo a carta que
Pinto Gallo deixára sobre a mesa_) Uma carta! (_lendo_) «...a tua
entrada na Real Côrte». (_fallado_) Não percebo! (_continuando a ler_)
«A Felicidade deu-te, pois, duas filhas: a tua Victoria e a tua Gloria.»
(_fallado_) Oh! Meu Deus! Não me enganara! Meu marido ama uma tal sr.ª
D. Felicidade e já tem duas filhas, a menina Victoria e a menina Gloria!
Oh! Raiva! Maldita Felicidade! (_entram Fernando e Carlos_).


SCENA III

A mesma, Fernando e Carlos

FERNANDO--Que tem, mamã? Está doente?

ENGRACIA--Felizmente não soffro.

CARLOS--O mesmo não dizemos nós. Amamos e padecemos.

ENGRACIA--Já?!...

FERNANDO--Sim, mamã.

CARLOS--E desejavamos que a mamã instasse com o papá para que elle, hoje
mesmo, fosse pedir em casamento as nossas amadas.

ENGRACIA--Pois sim; digam-me os nomes, filiação e moradas das damas dos
vossos pensamentos.

CARLOS--A minha chama-se Victoria Côrte Real, é filha de Felicidade
Côrte Real e de Carneiro Real, negociante e proprietario, e mora na rua
de S. João dos Bemcasados.

FERNANDO--E a minha chama-se: Gloria Côrte Real, é filha dos mesmos paes
e mora na mesma casa.

ENGRACIA--Oh! Que horror! Namoram as irmãs!

CARLOS--E o que tem isso? Dois irmãos podem casar com duas manas.

ENGRACIA--Então querem casar com as vossas irmãs?!

FERNANDO E CARLOS--Nossas?!

ENGRACIA--Sim! Nesta carta, D. Alexandre felicita o pae, por saber que
lhe cabe a paternidade da Victoria e da Gloria e tambem á Felicidade que
lhe deu entrada na Real Côrte. Isto está bem de perceber. Real Côrte e
Côrte Real são uma e a mesma familia!

CARLOS--Lá foram agua abaixo todos os nossos sonhos dourados!

FERNANDO--E ellas que a esta hora esperam ser pedidas em casamento!...

ENGRACIA, FERNANDO E CARLOS--Maldita Felicidade!

ENGRACIA (_escutando_)--Sinto os passos de Pinto Gallo! Não quero
pôr-lhe a vista em cima! Vou pensar na minha vinganga! E, meninos,
tenham coragem! Mulheres não faltam! Quem havia de dizer que meu marido
tinha peccados velhos!... (_sae_).


SCENA IV

Fernando, Carlos e Pinto Gallo

CARLOS--Pobre mãe! E, por causa do pae, já não póde ser minha a
Victoria!

FERNANDO--E, por causa d'elle, tambem não devo continuar a pensar na
Gloria!

PINTO GALLO (_entrando, prompto para sahir. A Fernando e Carlos_)--Não
se esqueçam d'ir á repartição. Vão almoçar e apresentem-se cedo ao
serviço.

CARLOS--Assignaremos o ponto. Apesar de novos... nunca faltâmos ás
nossas obrigações...

FERNANDO--Temos sido sempre o modelo dos filhos e a sociedade
respeita-nos.

PINTO GALLO--Não admira. Seguem o meu exemplo. Como pae e como esposo
ninguem me poderá beliscar.

CARLOS (_com malicia_)--A esse respeito...

FERNANDO (_atalhando, a Carlos_)--Vamos almoçar. (_Saem Fernando e
Carlos_).


SCENA V

Pinto Gallo e depois José

PINTO GALLO (_só_)--Estranho o tratamento de meus filhos. (_toca o
timbre. José apparece_).

JOSÉ--O sr. Gallo cantou?

PINTO GALLO--Cantei?! Eu não sou cantor.

JOSÉ--Eu queria perguntar se tinha tocado; e não diga o sr. Gallo que
não canta, porque ainda hontem á meia noite...

PINTO GALLO--É possivel. Tinha estado no gallinheiro do theatro de S.
Carlos a ouvir a _Favorita_...

JOSÉ (_admirado_)--Ah! O sr. Gallo esteve no galinheiro com a sua
favorita!..

PINTO GALLO--Vamos ao que importa. Déste o recado ao alfayate?

JOSÉ--Sim senhor.

PINTO GALLO--Se elle vier, que espere. Sáio mas não me demoro. Vou
procurar D. Alexandre Nobre para lhe agradecer o empenho que tomou em me
servir com a maior brevidade.

JOSÉ--Então o fidalgo vem brevemente servir o patrão?

PINTO GALLO--És tolo ou fazes-te?! Basta de perguntas e respostas. Não
te esqueças do que te recommendei. (_sae_).

JOSÉ--Não ha-de haver novidade.


SCENA VI

Engracia e José

ENGRACIA (_entrando, pensativa_)--A vingança... sim a vingança será
fallada e escandalosa... (_reparando em José que está limpando e
arrumando a mesa_) Ó José, teu amo sahiu?

JOSÉ--Sim, minha senhora. Disse que ia ter com o sr. fidalgo.

ENGRACIA--E sabes d'onde elle vinha hontem á noite?

JOSÉ--A esse respeito fallámos hoje...

ENGRACIA--Donde vinha então?

JOSÉ--Vinha do _triatro_ onde esteve com a sua favorita.

ENGRACIA (_aparte_)--O perfido foi com ella ao theatro! (_alto_)
Deixa-me sósinha.

JOSÉ (_sahindo_)--Seja feita a vossa vontade!


SCENA VII

Engracia e depois Fernando e Carlos

ENGRACIA (_só_)--Ah! Senhor meu marido, hei-de puni-lo com a pena de
Talião! Não se commettem impunemente infidelidades! A tal Felicidade,
não contente com o seu Carneiro, rouba-me o meu Gallo! Infeliz Carneiro!
E os meus filhos que não escutavam a voz do sangue! O que é a cegueira
do amor! (_Entram Fernando e Carlos. Vêm tristes e lacrimosos. Vão
sahir_).

FERNANDO (_suspirando_)--Gloria!

CARLOS (_idem_)--Victoria!

ENGRACIA (_abraçando-os_)--Victimas da Felicidade!

FERNANDO--Para que viria ao mundo a Felicidade?

CARLOS--Só para dar desgostos!

ENGRACIA--E teu pae para que procurou a Felicidade?


SCENA VIII

Os mesmos e Carneiro Real

CARNEIRO (_ao fundo_)--O sr. Pinto Gallo está?

FERNANDO--O sr. Carneiro Real!

CARLOS (_baixo_)--O pae de Victoria!

FERNANDO (_baixo_)--O pae de Gloria!

CARNEIRO (_áparte_)--Os meus futuros genros!

ENGRACIA (_áparte_)--O esposo infeliz! (_alto_) Que lhe deseja?

CARNEIRO--Trago amostras de fazenda!

ENGRACIA--É o alfayate de meu marido?

CARNEIRO--Sim, minha senhora.

FERNANDO E CARLOS (_despedindo-se_)--Até logo!

CARNEIRO--Meus senhores!

ENGRACIA--Adeus, filhos. (_Saem Fernando e Carlos_).


SCENA IX

Engracia e Carneiro Real

ENGRACIA--Meu marido não está, mas...

CARNEIRO (_atalhando_)--Mas, nesse caso, dou meia _volta volto_ logo,
quando elle estiver de volta.

ENGRACIA--É melhor esperar, porque talvez elle não se demore.

CARNEIRO--Esperarei.

ENGRACIA--Ah! Sr. Carneiro, sou muito desgraçada.

CARNEIRO--Sinto muito a _desgraça_ da sr.ª _D. Engracia_! Eu, _graças_ a
Deus, fui _agraciado_ com a _graça_ de uma _Felicidade_ que me faz o
mais _feliz_ dos mortaes.

ENGRACIA--Tem a certeza?

CARNEIRO--Minha senhora. A minha _Felicidade_ nunca levou a
_infelicidade_ a parte alguma e muito menos ao lar conjugal.

ENGRACIA--Engana-se. A minha casa esta sentindo os terriveis effeitos da
existencia de sua esposa.

CARNEIRO--Dar-se-ha caso que a sr.ª _D. Engracia_ não _engrace_ com a
côrte que os filhos de v. ex.ª fazem ás minhas filhas!

ENGRACIA--Perdão, sr. Carneiro. O sr. não é pae de suas filhas!

CARNEIRO--Que me diz?

ENGRACIA--A verdade, infelizmente.

CARNEIRO--Já não estou em mim!

ENGRACIA--Resigne-se!

CARNEIRO--Mas _dado_ o caso que se _dê_ o que v. ex.ª diz que se _dá_,
não me é _dado_ saber quem é o pae das creanças que minha mulher _deu_ á
luz? Não sei se me _dei_ a entender?

ENGRACIA--Ora essa! O sr. conhece-o perfeitamente. É seu freguez!

CARNEIRO--Meu freguez?! Tenho tantos!...

ENGRACIA--Sim, aquelle para quem são as amostras que o sr. traz.

CARNEIRO--Seu marido! O sr. Pinto Gallo!

ENGRACIA--Elle mesmo!

CARNEIRO--Pois, minha senhora. Diga ao sr. Gallo que passa a ter um
Carneiro á perna. (_Pensando_) Por isso minha mulher não queria se não
ave de penna e chamava frangas ás filhas.

ENGRACIA--Maldita Felicidade!

CARNEIRO--Mas, em tal _caso_, _casar_ as filhas de minha mulher com os
filhos de seu marido, é um _caso_ repugnante.

ENGRACIA--Decerto!

CARNEIRO--E eu que não _sabia_ o que era _sabido_ por v. ex.ª e que
talvez muita gente já _saiba_ e esteja farta de _saber_. Ah! Que se eu
_soubesse_, outro gallo cantaria!

ENGRACIA--Quer o sr. ligar-se a mim!

CARNEIRO--Oh! Minha senhora! Não ha _ligadura_ possivel. A companheira
d'um Gallo difficilmente fará boa _liga_ com um Carneiro.

ENGRACIA.--Esta união é apparente e só para tirar uma desforra.

CARNEIRO--Eu só me _desforrava_, lançando-lhe fogo ao _fôrro_ do casaco,
e, quando o maldito Gallo estivesse bem assado, mandava-o de presente á
Felicidade! Mas deixe estar que hei-de assentar-lhe as costuras, hei-de
desazá-lo.

ENGRACIA--Sua esposa hontem sahio?

CARNEIRO--Foi passar a noite para casa de uma irmã.

ENGRACIA--Enganou-o redondamente. Meu marido foi hontem com ella ao
theatro.

CARNEIRO--Que falsa! (_Ouve-se tossir_) D. Engracia, não ouvio?!...

ENGRACIA--É provavel que seja meu marido. Para lhe fazermos pirraça,
finja que me faz declarações amorosas. Deite-se a meus pés e beije-me as
mãos, sr. Carneiro.

CARNEIRO--Executarei o que me ordena! Ah! sr. Gallo! Amor com amor se
paga! Quem com ferro mata com ferro morre. (_Entram D. Alexandre e dr.
Manso Cordeiro_).


SCENA X

Os mesmos, D. Alexandre e Dr. Manso Cordeiro

D. ALEXANDRE--Com sua licença! Estejam a sua vontade. (_áparte_)
Inconvenientes de portas abertas!...

DR. MANSO (_áparte_)--Viémos assistir ao beija-mão?!...

ENGRACIA (_áparte_)--Era D. Alexandre Nobre! (_alto_) Tem a bondade...

CARNEIRO (_áparte_)--Não era o marido! (_alto_) Se m'o permittem,
retiro-me. Voltarei mais tarde! (_áparte_) Que ridicula figura estou
fazendo.

ENGRACIA--Quando quizer. (_Dr. Manso tira um retrato da algibeira do
peito e beija-o quasi constantemente. Todos cumprimentam Carneiro que
sae_).

DR. MANSO. (_áparte_)--Como elle vae compromettido! (_beija a
photographia_).


SCENA XI

Os mesmos, menos Carneiro e depois José

D. ALEXANDRE (_reparando em Manso, áparte_)--Cupido beijando Venus!...

ENGRACIA (_áparte_)--Devo estar como um pimentão! (_alto_) Não esperava
tão agradavel visita! Como esta a sua filha, a D. Alice, tem-se dado bem
com o seu novo estado?

D. ALEXANDRE--Perfeitamente bem!

DR. MANSO (_áparte_)--Como ella esta córada! Farece um rabanete! (_beija
o retrato_).

D. ALEXANDRE (_a Engracia_)--E seu esposo como está?

ENGRACIA--Não ha mal que lhe chegue. Vinha procura-lo?

D. ALEXANDRE--Vinha apresentar-lhe o meu genro:--o sr. dr. Manso
Cordeiro, bacharel em direito, formado este anno pela Universidade de
Coimbra. Pensa, porém, mais em poesia, musas e parnaso... do que em
endireitar a nossa injusta legislação!

ENGRACIA (_A Manso_)--Muito folgo em conhecê-lo,

DR. MANSO--Minha senhora... (_beija o retrato de Alice_).

D. ALEXANDRE--Alice foi muito feliz. São muito amigos! Ainda estão na
lua de mel... Minha filha ama loucamenta o noivo. Meu genro, esse então,
ou passa o tempo a fazer-lhe versos, ou a beijar o retrato d'ella,
quando está distante do original! É um poeta muito inspirado.

DR. MANSO--Oh! Meu querido sogro!...

D. ALEXANDRE--Offendi-lhe a modestia?... Paciencia! (_a Engracia_) Tenho
pena de que o Gallo esteja ausente. Queria que elle ouvisse uma poesia
que meu genro compôs!

ENGRACIA--Como se intitula?

DR. MANSO (_beijando o retrato_)--A Felicidade!

ENGRACIA (_a Manso_)--Por quem é; não leia essa poesia a meu marido!

D. ALEXANDRE E DR. MANSO--Porquê?

D. ALEXANDRE--É uma composição que collocou meu genro ao lado dos poetas
mais notaveis do nosso país.

ENGRACIA--Razões fortes e particulares...

DR. MANSO (_áparte_)--Esta mulher sempre tem cada _ratice_!

D. ALEXANDRE--Ainda era outro o fim da minha visita. Trago uma novidade
agradavel e importante que ha-de surprehender Pinto Gallo!--Uma das boas
novas que envaidecem as esposas amantissimas.

DR. MANSO (_áparte_)--E que não dão beija mão a alfayates!... (_beija o
retrato_).

D. ALEXANDRE (_continuando_)--A Felicidade não deixa Pinto Gallo! Canta
sempre Victoria e pertence-lhe a Gloria.

ENGRACIA (_áparte_)--Maldita Felicidade!

JOSÉ (_entrando_)--O sr. Pinto Gallo está-se apeando d'um trem.

D. ALEXANDRE--Será conveniente retirarem-se. Desejo dar-lhe a sós a
novidade... e depois apresentar-lhe-hei meu genro.

ENGRACIA--Como entender melhor. (_sae_)

D. ALEXANDRE (_a Manso_)--Dê cá o retrato e occulte-se.

DR. MANSO--Deixe-me levar o retrato.

D. ALEXANDRE--Não, senhor. Não quero que o Pinto Gallo ouça o som dos
beijos. E você não sabe dar chôchos! (_Empurra-o para um quarto e
fecha-o_) Apre que é teimoso! (_Entra Pinto Gallo_)


SCENA XII

D. Alexandre, Pinto Gallo e depois José

PINTO GALLO--Por esta sua casa, meu bom amigo e protector. Andava á sua
procura para lhe agradecer o interesse que por mim tem tomado.

D. ALEXANDRE--Pois olha, eu não vim cá para receber agradecimentos.

PINTO GALLO--Bem sei. Mas...

D. ALEXANDRE (_continuando_)--Não é esse o objecto da minha estada aqui.
Queria fazer-te uma surpresa, mas confesso que, desejando surprehender,
fiquei devéras surprehendido com o quadro que a meus olhos se
apresentou.

PINTO GALLO (_admirado_)--Um quadro!... Qual quadro?!...

D. ALEXANDRE--Pinto Gallo, sou teu amigo. Não gosto, portanto, de que
alguem se ufane de entrar aqui para fins indignos.

PINTO GALLO--Não sei onde quer chegar!

D. ALEXANDRE--Quero chegar a tua mulher!

PINTO GALLO--Mas que fez ella para o D. Alexandre lhe querer chegar?

D. ALEXANDRE--Pretendia trahir-te no momento em que eu, encontrando
aquella porta aberta, pedia licença para entrar.

PINTO GALLO--E elle?

D. ALEXANDRE--Logo que entrei, sahio... Não sei se para a rua, ou se foi
occultar-se nalgum esconderijo, esperando a minha retirada.

PINTO GALLO--Perfida! Vou mandá-la chamar. Ha de apresentar-se aqui
immediatamente, e então lhe contarei um conto.

D. ALEXANDRE--Não desejo assistir a essa scena! Como ainda tenho que te
dizer, vou para a tua sala de bilhar entreter-me com as bolas e o taco.
Concedes-me licença?

PINTO GALLO--Ora essa!...

D. ALEXANDRE--Vá la! Sê prudente! O sexo fraco merece do forte a maxima
clemencia.

PINTO GALLO--Conter-me-hei.

D. ALEXANDRE--A mim resta-me a satisfagão intima de ter prevenido um
amigo d'um perigo imminente que consegui evitar! (_sahindo_) Cá vou para
as bolas!

PINTO GALLO (_toca o timbre e José apparece. Encolerisado_)--Chama a
senhora. Desejo-lhe fallar.

JOSÉ (_áparte, sahindo_)--Parece que fizeram _engallinhar_ o sr. Gallo!


SCENA XIII

Pinto Gallo e Engracia

PINTO GALLO--Talvez que o proceder de Engracia seja motivado pela frieza
com que a trato. Mas não ha motivos que justifiquem o adulterio!

ENGRACIA (_entrando_)--Que me deseja?

PINTO GALLO--Então a senhora acceita a côrte de outro homem e recebe-o
nesta casa?!...

ENGRACIA (_no mesmo tom_)--Então o sr. faz a côrte a outra mulher da
qual ja tem duas filhas?!...

PINTO GALLO--Eu?

ENGRACIA--Faça-se de novas, ande!

PINTO GALLO--E mesmo se assim fosse, acha digno o seu procedimento?!

ENGRACIA--Ha uma differença! É que o sr. tem filhas d'essa mulher, e
eu... só hoje consenti que o meu amado me osculasse as mãos.

PINTO GALLO (_zangado_)--Senhora!... Eu não tenho filhas!

ENGRACIA (_continuando_)--E demais, é troca por troca! A sua amada é a
mulher de meu amado! Trocaram-se os pares! Não acha o caso muito
original?!...

PINTO GALLO--A senhora zomba de mim!

ENGRACIA--O sr. é que foi infiel!...

PINTO GALLO--Quando?

ENGRACIA--Calcule!... Para ter já filhas casadouras!...

PINTO GALLO--A senhora não me faça perder a cabeça!

ENGRACIA--Não vale a pena por tão pouco... Procure a sua Felicidade!

PINTO GALLO--E bem preciso, porque tu roubas-te-m'a!

ENGRACIA--Ah! Já sabes que tens um Carneiro á perna!

PINTO GALLO--Não gosto de perna de carneiro!... Retire-se minha senhora.
Meus olhos já não a podem fitar!

ENGRACIA (_sahindo_)--Sr. Gallo...


SCENA XIV

Pinto Gallo, Dr. Manso Cordeiro e Carneiro Real

PINTO GALLO--D. Alexandre disse que não sabia bem se o tal sujeitinho
sahira, talvez que... (_O dr. Manso Cordeiro, farto de estar fechado,
pretende abrir a porta do quarto onde está_) Olá! Cá está elle! Fechado
por fóra! Que grande ideia! (_Abre a porta. O dr. Manso entra_)

DR. MANSO--Deixem-me ir ter com ella! Deem-me a photographia ao menos,
já que não póde ser o original.

PINTO GALLO (_agarrando o dr. Manso_)--Estás nas minhas mãos!

DR. MANSO--Ó meu caro senhor!... Não faça mal ao dr. Manso Cordeiro.

PINTO GALLO (_aos empurrões ao dr. Manso_)--O Manso Cordeiro, não
satisfeito com a sua quer tambem a alheia?...

DR. MANSO--Não me martyrise!

PINTO GALLO (_como acima_)--És Cordeiro... deves prestar-te ao
sacrificio! (_Entra Carneiro Real, Pinto Gallo larga o dr. Manso_)

CARNEIRO--O Gallo em correrias!...

PINTO GALLO--O meu alfayate! O sr. Carneiro Real!

DR. MANSO (_áparte_)--O homensinho do beija mão!

CARNEIRO--Venho ajustar contas com o meu amigo... (_áparte_) de Peniche!

DR. MANSO (_áparte_)--É bem feito! Abençoado credor!

PINTO GALLO--Não lhe devo nada! O sr. quer _depennar-me_?

CARNEIRO--Quero assentar-lhe as costuras...

DR. MANSO (_áparte_)--Bravo! Valente Carneiro!

PINTO GALLO--Mas o sr. ainda não me provou...

CARNEIRO--Não sou como minha mulher que gosta de ave de penna...

DR. MANSO--E meu sogro que não me apparece com o retrato de Alice...
Onde estará?

PINTO GALLO--Não sei a que deva a sua colera?!

CARNEIRO--O senhor é o pae de minhas filhas, o amado de minha mulher...

DR. MANSO (_áparte_)--Por isso a D. Engracia lhe paga na mesma moeda!

PINTO GALLO--Não conheço a sua mulher! (_recordando-se_) Ah! Sempre
tenho uma memoria de Gallo! Por isso Engracia me dizia que eu tinha um
carneiro a perna! Então o senhor é o amado de minha mulher?!..

DR. MANSO (_áparte_)--Contradansa conjugal!

CARNEIRO--Fui amado a fingir mas o senhor... foi a valer!

PINTO GALLO (_ao dr. Manso_)--Mas afinal quem vem a ser o senhor?!

DR. MANSO--Sou o genro de D. Alexandre.

PINTO GALLO--Ainda não o conhecia... desculpe-me! (_a Carneiro_) E o sr.
Carneiro, saia!...

CARNEIRO--Não saio sem explicações! Sou o offendido!

PINTO GALLO--O offendido e o dono da casa sou eu! Saia, senão enfio-lhe
uma cadeira pela cabeça abaixo! (_pega numa cadeira e corre sobre
Carneiro_).

DR. MANSO (_gritando entre os dois_)--Acudam! Venham ajudar o Cordeiro a
separar o Gallo do Carneiro! (_Entram D. Alexandre e Engracia_).


SCENA XV

Os mesmos, D. Alexandre e Engracia

D. ALEXANDRE (_de taco e retrato na mão_)--Então que scenas são estas,
Pinto Gallo?! Andas jogando as cristas ou temos toirinhas?!...

DR. MANSO (_tirando-lhe o retrato e beijando-o. Áparte_)--Meu anjo!

ENGRACIA--Que barulho é este?

PINTO GALLO (_a Engracia, apontando Carneiro_)--Conhece-o?!...
Explique-se!

ENGRACIA--O senhor é que tem de se explicar com o sr. Carneiro!

D. ALEXANDRE--Porquê?

ENGRACIA (_a Alexandre_)--O senhor sabe-o tão bem como eu!...

D. ALEXANDRE--Eu?!

DR. MANSO (_ao mesmo tempo que D. Alexandre_)--Meu sôgro?!...

ENGRACIA (_a D. Alexandre_)--Sim, o senhor. Não se recorda do que
escreveu? (_dando uma carta a Carneiro_) Leia!

CARNEIRO (_depois de ler_)--Esta claro como agua! Sou casado com
Felicidade Côrte Real e tenho duas filhas Victoria e Gloria, e logo...

D. ALEXANDRE--Ora batatas, sr. Carneiro! A Felicidade, a que me refiro
nessa carta, não é de carne e osso, nem tão pouco a Victoria nem a
Gloria.

PINTO GALLO--A Victoria foi a que cantei em Africa luctando com os
pretos, e a Gloria o resultado da palma, obtida com felicidade.

ENGRACIA--E a tua entrada na Real Côrte ou Côrte Real?

DR. MANSO--É a nomeação do valente militar, o sr. Pinto Gallo, para
ajudante de campo de Sua Magestade.

CARNEIRO E ENGRACIA--Sendo assim... (_Caem aos pes de Pinto Gallo. O dr.
Manso beija o retrato_).

PINTO GALLO--Levantem-se! Nunca mais deixo cartas na mesa...

ENGRACIA--Por que não me participaste?!...

PINTO GALLO--Aguardava bom ensejo...

CARNEIRO--Nesse caso, as minhas filhas podem casar com os filhos do sr.
Gallo...

PINTO GALLO--Amam-se, pelo que ouço! (_Pensando_) Por isso elles ainda
agora pareciam querer censurar-me! Effeitos da carta!...

ENGRACIA--Consentes o casamento?

PINTO GALLO--Com o maior prazer!

D. ALEXANDRE (_a Pinto Gallo_)--Ainda não te apresentei meu genro!

DR. MANSO--Já nos apresentámos um ao outro! (_batem á porta_).


SCENA XVI e ultima

Os mesmos, Carlos, Fernando e José

JOSÉ (_vindo abrir a porta_)--Os meninos! (_Entram Fernando e Carlos_).

ENGRACIA--Chegaram em boa occasião! Já podem casar com as meninas
Victoria e Gloria!

FERNANDO E CARLOS--Oh! Que felicidade!

D. ALEXANDRE--Falta ainda a novidade agradavel e importante que trazia.
Eu, acompanhado de Pinto Gallo, vou representar o governo português no
Brazil. Podemos levar as familias para a terra dos _capoeiras_. Querem
vir comnosco?

TODOS--Pois não!

JOSÉ (_áparte_)--Agora é que a familia Gallo dá cabo de _capoeiras_!...

ENGRACIA (_a Fernando e Carlos_)--E d'hoje em diante, meus filhos, não
tornaremos a dizer:--Maldita Felicidade!


(_Cae o panno_)





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Maldita Felicidade" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home