Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Epistola de Manoel Mendes Fogaça - Dirigida de lisboa a hum amigo da sua terra, em que lhe - refere como de repente se fez poeta, e lhe conta as proezas - de hum rafeiro.
Author: Macedo, José Agostinho de, 1761-1831
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Epistola de Manoel Mendes Fogaça - Dirigida de lisboa a hum amigo da sua terra, em que lhe - refere como de repente se fez poeta, e lhe conta as proezas - de hum rafeiro." ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



of public domain material from Google Book Search)



EPISTOLA

DE

MANOEL MENDES FOGAÇA.

DIRIGIDA DE LISBOA A HUM AMIGO
DA SUA TERRA,
EM QUE LHE REFERE COMO DE REPENTE
SE FEZ POETA, E LHE CONTA AS PROEZAS
DE HUM RAFEIRO.



LISBOA:

Na Impressão de João Nunes Esteves

Anno. 1822.



EPISTOLA.


    Por certo, Amigo, que benzer te deves
    De me observares subito Poeta!
    Em proza de lá vim, e escrevo em verso!
    De perfeita saude hum corpo goza,
    E he do contagio subito assaltado.
    Se entre doentes de malignas vive.
    Nunca grassou na Imperial Lisboa
    Maior contagião de infindos Vates:
    He tinha que se apega, e se propaga,
    Como se estende no Levante a peste.
    Entro em hum Botequim, são Vates todos;
    Eu bebo tãobem ponche, e fico Vate.
    Se vou para a Comedia, ouço Elogios,
    E quando volto pela rua grito:
    =Honra, Patria, Virtude, ó Tejo, ó Douro.
    Brilhai na escuridão; que azeite falta.=
    Vem n'hum Jornal o invento do Antimonio,
    E a maneira subtil de, cães, e burros
    Mortos, tornar em branco Espermacete;
    Lá vem versos tãobem, taes e quejandos:
    "O homem he fungo, e germen de monturo."
    Eu li co'os olhos meus esta sentença;
    Deos pague ao seu auctor, quem quer que seja,
    O completo elogio á raça humana!
      Onde todos são Vates sou Poeta:
    Tudo novo aqui he, tudo he prodigio:
    Eu jà cançado de lidar co'os homens,
    De observar sem proveito os seus costumes,
    Por hum capricho, que esquecêra a Jacques,
    Ando observando a Cafila infinita
    De matilhas de cães, que pejão tudo,
    A quem Lagarde fez sangrenta guerra:
    Pragmatica Sancção de Canicidio
    Aqui duplicou, fogirão todos
    Do terrivel Caligula pelado,
    Depois que as Aguias rapinantes forão
    Ás mãos dos fortes Luzos derrabadas,
    E a Falange infernal de trapo e fome
    Fatiota entrouxou, que não trouxera.
      Das ermas grutas dos alpestres montes
    Veio surdindo affouta a canzoada,
    Que fugira ligeira ao calvo Néro,
    Quasi toda esgalgada, e sem cabello,
    Consumida da putrida rabuje,
    Mas bem depressa em lamaçáes nojentos
    E ás nunca, e nunca solitarias portas
    D'altas casas de pasto, e consciencia,
    A pansa se lhe encheu cresceu-lhe o pelo,
    E airada vida se levou nas ruas.
    Uivão, retoição, saltão, ladrão, mordem,
    E vão correndo atraz, dos que chotêão,
    E co' sentido talvez no arenque esguio,
    Que em picado lá vai mettido em massa
    Dos que hum sò molho tem, guizados muitos;
    Progenie illustre d'onde vem meu sangue,
    Donde eu sahira involuntaria empada,
    De boa creação, gordura, e polpa;
    Farto como hum villão, rapaz travesso,
    A quem nunca falhou pedrada, e sôcco.
    Não me pejo da raça, e se escolhera,
    Antes de feito no materno alvergue,
    Fôra meu Pai hum rico toucinheiro
    De tez purpurea, e dorso acanastrado,
    Material, mas honrado, e de palavra,
    A quem não regeitasse hum Senhorio
    Seguro Abonador d'agoas furtadas,
    E que á primeira voz de Patria, e Throno,
    Pagasse de contado o Quinto, ou Terço,
    Que a hum ladrão Francez não desse hum palmo
    De lingoiça, ou de chouriço moiro;
    E que prompto com a ripa, ou co' a espingarda
    No terreiro ao Domingo apparecesse.
      Perdoa, amigo, a digressão de hum Vate,
    Que julga que a virtude he só nobreza,
    Como o bom Juvenal disse aos Romanos.
    De meus versos assumpto, aos Cães eu torno;
    Quasi todos conheço pela pinta,
    Filosofo Canino, eu ter quizera
    O bom Cão de Diogenes profundo.
    Mas entre a ímmensa Canicada toda
    Hum Rafeiro conheço alambasado,
    Ao qual vi succeder grande aventura.
    Não he dos Cães vadios, e ociosos,
    Nem podengo atrelado, ou perdigueiro,
    Que leva c'hum chicote, e fica enchuto,
    E aos pés do dono humilde se alaparda.
    Entre os Cães he demócrata soberbo;
    Vive longe da Corte em arrabalde;
    Nunca teve Senhor, trabalha, e vive.
    De focinho he sombrio, e lombos largos;
    Nunca o rabo metêo por entre as pernas
    Encolhido de medo, ou dependencia;
    Encha-lhe a pança embora hum burro morto,
    Não fáz festa co' rabo á mesa alhêa;
    Pede á terra o sustento, e nunca aos homens;
    Que he mais brando hu[m] calháo q[ue] hum peito humano
    No conceito do Cão, vive comsigo.
    Se o monte caça tem trabalha e come,
    E nunca quiz colleira no pescoço
    Por motrecos de pão, e ossos pellados.
    Não sei porque capricho ou fantazia
    Estes tempos atraz deixou seu pouso;
    Deu-lhe em correr as ruas de Lísboa,
    Por onde andára despejado e livre;
    Que até ladrou nas barbas de Lagarde,
    Afrontando sem medo os ribeirinhos,
    As pás, os negros, e a canalha toda,
    Executora do fatal Decreto,
    Que mandára dar morte aos cães honrados,
    Que não querião ter donos estranhos.
      Veio pois a Lisboa o grão Rafeiro,
    De lés a lés encheo co' o corpo as ruas;
    Sempre de orelha fita, e rabo alçado,
    Tão senhor do terreno, e tão soberbo,
    Como hum Sultão dos Cães, por entre os Gôzos.
    Não sei, amigo, se damnado vinha;
    Veio ao menos de estomago damnado;
    Por aqui, por além, fareja e marcha.
    De vêz em quando lhe alvejava o dente
    Agudo, lizo, penetrante, e duro;
    Que vir parece a morte ali sentada.
    Olhando de travez rondava tudo,
    E d'olho vivo os Gôzos espreitava.
    Qual habil General que, antes que invista
    A falange inimiga, a reconhece,
    Mede o terreno, e posições escolhe,
    E onde acha fraco intrepido accomette;
    D'esta arte o Grão Rafeiro espreita, e gira
    As ruas todas, e a matilha observa,
    Antes que ao grande assalto estenda as unhas,
    E os formidaveis dentes arreganhe.
      Eu andei atraz delle, que a contados
    Passos as ruas passeava ufano:
    O intento penetrei, que era dar cabo
    De Cães vadios, raça ladradôra.
    Elle só na Campanha, elle era tudo,
    Era rezerva, exercito, e bagagem;
    Tanto fiáva o Cão nos proprios dentes!
    Eu lhe vi, e ainda tremo, à vez primeira
    Arrufar-se-lhe o rabo, arder-lhe os olhos,
    Arrefegar os prominentes beiços,
    E mostrar, que terror! toda a dentuça!
      Lançando estavão sobre a dura terra
    Hum pomposo Edificio alguns Pedreiros:
    Erão oras de almoço, e repousavão
    Tasquinhando pães quentes com manteiga;
    Empadas de Pedreiro assim chamadas;
    Em roda delles meneando o rabo
    Gôzos, talvez que seus, co' a frente immovel
    Estavão muitos na migalha attentos.
    Parou não sei porque bravo Rafeiro:
    Qual o Brigue Britano quando avista
    Hum Corsario Francez que infesta os máres,
    Sem dizer =agoa-vai=, ergue as vermelhas
    Portinholas fataes, dispara, e vence;
    Tal o Rafeiro se arremessa e morde,
    E o grão tropel dos Gozos esfarracha.
    Huns vão ganindo, sem levar orelhas,
    Huns espirão de todo, outros perneião,
    De balde a turba dos Pedreiros todos
    Vem correndo co' a trolha, e camartello,
    Hum co' a regua acodio, e outro co' oprumo,
    Vem c' hum coche de cal o Mestre impando.
    Hum Servente acodio c' huma alavanca;
    Sobre montões de gôzos desmembrados
    O Grão Rafeiro está, e espera as Hostes.
    Deo hum latido horrissono, e n'hum ponto
    Trolhas, Pedreiros, Prumos, Camartellos,
    Regoas, Compassos, co' os Diabos forão.
    Viva (em torno lhe grita o rapazio)
    Viva o grão Cão, flagello dos Pedreiros.
    Que peiores que os Cães damnados mordem,
    Mamão grandes jornaes, trabalhão nada;
    E fazem cazarões sem alicerces
    Onde enterrada fica a pobre gente,
    Viva o grão Cão triunfador dos Gozos,
    Que làdrão sempre, e as gentes inquietão;
    Foi este ensaio da primeira guerra.
      Sem o passo apressar caminha altivo;
    Busca nova aventura, e logo a encontra;
    Não lhe louvei a acção, posto que justa.
    Deo c'o pobre de hum Cão já cocho, e cégo,
    Lazarento, mirrado, horrendo, e feio,
    Mas ladrador continuo, e se podia,
    Té pelo tacto os dentes empolgava:
    Poz-lhe em cima huma pata, e ficou morto,
    E á corja canical servio de exemplo.
      Qual da triste figura o Paladino
    Que da Mancha sahio, e imitão muitos,
    Que hia abatendo altissimos Gigantes,
    Ou moinhos de vento, ou carneiradas:
    Tal o grão Cão marchava em busca d'elles.
    Encontra o Cão de hum Grego (que a par delle,
    Com o lencínho amarrado na cabeça
    Volvia n'alma furtos e mentiras,
    Costumado encampar gato por lébre,
    E extracto de alfarroba em vez de vinho,)
    Co' Grego Cão de fila investe ouzado:
    Começa a produzir compridos dentes
    (Inutil producção) tortos e padres:
    Qual hum menino foi na mão das bruchas,
    De huma dentada só ficou deitado,
    Nem mais se levantou. Eis corre hum Galgo,
    Que o cachorro do Grego acompanhava,
    Esguio, magro, estitico, mirrado,
    Ponte-agudo o focinho, e longe-vibruo;
    Quinque-dentadas as gengives tinha:
    C'os olhos destendidos ao Rafeiro,
    O quiz accommetter; o grão Molosso
    Lhe submetteo a tromba, e adeos ó Galgo;
    Foi fazer companhia ao Cão de Pocris
    Que além de corno está da argentea Lua:
    Desgraçado Mastim, teu fado escuro
    Nas unhas te foi pôr do grão Rafeiro,
    E nunca mais de ti memoria houve!
    Debalde tinhas tão compridas pernas,
    Nunca mais te verei dar hum passeio!
      De nobre sangue de suor banhado,
    De ataque a passo entrou pelo Rocio,
    Onde grupos de Cães tem fixo assento.
    Vio no meio hum magote uivando sempre
    Com latidos agudos, que parecem
    Ou Poetas de outeiro, ou d'Elogio:
    Pois entre todos o toitiço erguião,
    Hum de côr amarella, outro sombria,
    E de focinho tanto esburacado,
    Que huma carga de chumbo, ou de metralha
    Parece que levou, cahido o beiço,
    E de rabo comprido, e rabo antigo,
    Tantas postas de lama o pello cobrem,
    Que só na tromba tem forma de Dogue,
    O mais he crusta de monturo e lodo,
    De noite attento à çuja caldeirada,
    Prestes corre onde cahe, fareja hum osso.
    Ambos tem presumpção de olfato agudo,
    Mas são entre outros Cães de instincto rombo.
      Apenas o Rafeiro avista a corja,
    Qual em ninhada dos implumes pintos
    Cahe carniceiro voador Milhafre,
    Que d'uma unhada a todos espatifa;
    Assim como dum damnado, o Cão tremendo
    Se foi lançar aos sordidos sabujos:
    Taes dentadas lhes dêo que os dois ficàrão
    Pernas ao ár por toda a sua vida.
    Hum delles quiz grunhir, levou nas ventas
    Tão profundo gilvaz, que alli n'hum charco
    Ficou, já sem alentos, patinhando.
    A grã turba dos Cães dezerta toda,
    Ficou limpo o Rocio, até ficàrão
    Limpos os Botequins de entulho eterno,
    A cuja porta os gozos almejando,
    Os restos da torrada esperão sempre.
      Não cança o Campião, pregou dois berros,
    E alguns Cães felpudinhos de Senhoras,
    Que atraz dellas vão sempre, ou ellas delles,
    E que dão dentadinha e mijão tudo,
    Tão cortados de medo ali ficarão,
    Tão cozidos no chão que o grão Rafeiro
    Não quiz ser hum Leão com taes ovelhas.
    Passou de louros e tropheos cercado,
    E ao monte foi de Santa Catharina,
    Seis matilhas de Cães, magros, sarnentos,
    Já comidos da fome e da velhice,
    Eternos ali vio n'um soalheiro:
    Huns sebentos papeis lambendo estavão,
    Enfeitiçados na fatal lambugem;
    Sustentão-se com ella e della vivem.
    Abrem de vez em quando enormes bôcas
    Para a boca da Barra, e sempre esperão
    Huma batata de encobertas Ilhas,
    Ou Cavallo marinho, em que se cevem.
    O que estes Cães aguardão, aguardàrão
    Os Avós destes Cães, nada apparece;
    Mas apparece o intrepido Rafeiro.
    Ora agora o vereis! todos n'um feixe,
    De huma dentada, esborrachados ficão.
    Não me parece hum Cão, parece hum Demo,
    Todo sanha, e furor, vingança, e morte.
    Derreados de lombo alguns fugirão
    Com a perna no ar; e uivando atroão
    Toda a Cidade immensa, o Reino inteiro.
    De toda a parte sordidas matilhas
    Acudirão de Cães: ladràrão todas.
    Das portarias dos Conventos rompem
    Cães como toiros, gordos como nabos,
    Cães de vida folgada, e dente agudo;
    Com disformes latidos atroàrão
    Desde as margens do Tejo às do Tamiza;
    Onde hum Feitiço, ou Talisman quizera
    Fazer ao grão Rafeiro o Cão trifauce.
      Ver a guerra dos Cães contra hum Rafeiro!
    Elle só no terreiro, e a crespa grenha
    Sacode hum pouco, e o navalhado dente
    No cachaço enterrou de hum Cão roliço,
    Era o Cão de hum Pastor, trombudo e feio;
    Nem sequer lhe ganio, perneia, e morre.
      Vem hum Cão furibundo, a quem chanfana
    Com seu dom gordurento, ali chamavão:
    Quatro assaltos lhe deo, quaes quatro Cartas
    Ou Carteis de duelo, e o chama à morte:
    A falange dos dentes arreganha
    Com tanta furia o intrepido Rafeiro
    Que entre as pernas metêo o Gôzo o rabo;
    E lá se foi metter nas Sallas onde
    Elle só, mais ninguem, tem franca entrada.
      Vai o disperso Exercito fogindo
    Sem voltar Caras á medonha tromba
    Do triunfante, ou vencedor Rafeiro:
    O cabello levava em sangue envolto,
    Sangue alheio, não seu; que esfarrachados
    Ficarão para sempre os Cães, que esperão
    Os que analisão, examinão, ladrão.
      Dois podengos Filosofos ao longe
    Se lhe põem a latir com mar em meio;
    De lá veio huma pedra, e o Cão raivoso
    Tanta força mostrou no eburneo dente,
    Que a mesma pedra espedaçou de hum golpe;
    E por certo não sei se outro latido
    Delles se hade escutar = Eis que hum sabujo
    De lombo assalvajado, e catadura
    Medonha e má, de prominentes beiços,
    Cão de huma preta, que de fava rica,
    De dobrada, e tripas lhe enchia a pança,
    Diante do Rafeiro se atravessa;
    C'o vasto corpanzil enche huma rua,
    Ao duello tremendo acode a preta;
    Porém não foge ao desigual combate
    O já damnado, intrepido Rafeiro.
    Acode o Cão do Jardineiro Alfeno,
    Da Maga Adella o fraldiqueiro acode,
    Preta, Cães, Ortelão, tudo hum lambisco
    Nas garras foi do Campeão famoso,
    E huma Cadella, Saragoça dita,
    Brava qual Palafox, de huma dentada
    Ganindo a deixa, e patinhando em lama;
      Pasma de ve-lo extatica Lisboa,
    Tintos de sangue os olhos, e de espumas
    Os cantos cheios, da rasgada bôca.
    Não cançado, mas de bravo encosta
    As ancas á parede, e espera affouto,
    Que inimigo maior se mostre em campo;
    E tão sanhudo está, tão furibundo,
    Que cuida a gente ao ve-lo, que do Inferno
    A ver a luz sahira o Cão trifauce.
      Eis lhe surde de hum bèco enlameado;
    C'huma orelha rasgada o Cão do Grego
    Manquejando de hum pé, raivoso ainda;
    Como esquecido da passada coça
    O dente lhe arreganha, e alçando o rabo
    Fez signal de investir; e o grão Rafeiro
    Deu dois passos de ataque, e no cachaço
    Tão funda lhe enterrou toda a dentuça,
    Que o miserando Cão, de olhos, e rabo
    O sangue lhe esmichou; dêo dois arrancos,
    Na lama se estendeu; vinha com elle
    Pequeno e ruivo Cão, magro, e sarnento
    Qual d'Alciato o Cão que ladra á Lua,
    Assim ladrou de longe ao grão Rafeiro:
    Este os olhos lhe vira, e com desprezo
    Deixa ladrar o Gozo impertinente
    Cão de Cabras, e tarro, e coice, e nada.
      O Mollosso trombudo hum pouco ainda
    N'huma esquina parou, de rixa velha.
    Hum Cão gaguejador buscando andava,
    Mui sabido, prudente, e reservado;
    De Cães era Doutor, ladrava a tudo:
    Foi ventura no Cão não vir á Rua,
    Não achava quartel; que unhas e dentes
    No coiro lhe empolgava o grão Rafeiro;
    Se à Cidade tornar, dà cabo delle;
    Que tanta raiva à Canzoada tinha,
    Que até Cães enterrados esfalaxa;
    Co'as patas vai cavar nas sepulturas;
    Inda là róe nos descarnados ossos,
    E com todos os Cães tem guerra aberta.
      Jà quasi fóra da Cidade, chega
    A hum tezo sobranceiro às ruas todas,
    E d'ali revirou sanguineos olhos;
    Tres latidos pregou, nenhum lhe surde,
    Que os Cães sabendo do fatal destroço,
    Entre as pernas mettendo os rabos todos,
    Nos immundos covis se alapardarão.
    Por tres horas ficou no campo d'honra,
    A poupa então virou, e alçando a perna,
    Mijou na Cansoada; e ao pouso antigo,
    De orelha fita, e alçando o rabo foi-se.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Epistola de Manoel Mendes Fogaça - Dirigida de lisboa a hum amigo da sua terra, em que lhe - refere como de repente se fez poeta, e lhe conta as proezas - de hum rafeiro." ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home