Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: O senhor Dom Miguel I, e a senhora Dona Maria II - Comparações, reflexões, desengano
Author: Novaes Vieira, João Augusto
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O senhor Dom Miguel I, e a senhora Dona Maria II - Comparações, reflexões, desengano" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



of public domain material from Google Book Search)



                          O SENHOR DOM MIGUEL I,

                                    E

                          A SENHORA DOM MARIA II.


                   COMPARAÇÕES.--REFLEXÕES.--DESENGANO.



                                  PORTO:
                 _TYPOGRAPHIA DE SEBASTIÃO JOSÉ PEREIRA,_
                    Praça de Sancta Thereza, n.º 28.
                                  1852.



    Não soffre muito a gente generosa
    Andar-lhe os cães os dentes amostrando.

                      CAMÕES.--OS LUSIADAS.



PRIMEIRA PARTE.

COMPARAÇÕES.


N'um folheto de 16 paginas, impresso na typographia da rua das Hortas,
n.º 82 a 84, lêem-se umas comparações entre S. M. a Rainha e seu Augusto
Tio.

O folheto tem por titulo «_O Snr. Dom Miguel de Bragança e a Snr.ª Dona
Maria da Gloria--collecção dos artigos das comparações publicadas no_
«Portugal.»

A introducção foi escripta pelo _doutor_ Casimiro de Castro Neves,
natural de Louzada, e hoje residente em Lisboa.

As _comparações_ diz-se que as escrevera o snr. Francisco Candido de
Mendoça e Mello, bacharel da fornada de 1849, _natural de Bragança_ e
residente no Porto.

Francisco Pereira d'Azevedo é o editor e recebe os patacos do folheto.

As comparações ei-las ahi:

«O Snr. D. Miguel não póde admittir em sua companhia a Snr.ª D. Maria,
porque nada póde haver de commum entre ambos.

«O Snr. D. Miguel perseguiu os ladrões e assassinos; a Snr.ª D. Maria,
diz o _Ecco_, que se bandeou com elles.

«O Snr. D. Miguel não perseguiu os seus amigos; a Snr.ª D. Maria tem
perseguido a todos, e com muita especialidade o marechal Saldanha.

«O Snr. D. Miguel sahiu pobre do paiz, porque não roubava nem deixava
roubar; a Snr.ª D. Maria, diz o _Ecco_, que ha-de estar bem rica, e nós
tambem o dizemos.

«O Snr. D. Miguel sahiu rico das saudades e bençãos d'um povo que o
adorava; a Snr.ª D. Maria, se sahir, não leva poucas maldições e
insultos, como póde testemunhar quem tiver ouvidos para ouvir o que por
ahi se diz, e olhos para lêr os papeis que no paiz se publicam. Saudades
é que realmente, não é só a nós, que não deixa nenhumas!

«O Snr. D. Miguel demittiu magistrados por não serem limpos de mãos; a
Snr.ª D. Maria cobriu esses, e outros d'honras e dignidades.

«O Snr. D. Miguel protegia e promovia tudo quanto era portuguez; a Snr.ª
D. Maria fazia o mesmo a tudo quanto era estrangeiro.

«O Snr. D. Miguel conquistou Portugal com a sua pessoa _só_; a Snr.ª D.
Maria com os estrangeiros de todos os paizes.

«O Snr. D. Miguel viveu com a maior economia, e foi fiel aos seus
contractos; a Snr.ª D. Maria o contrario de tudo isto.

«O Snr. D. Miguel entregou intactas as joias da corôa; a Snr.ª D. Maria
_consentiu_ que não só se roubassem as de seu augusto Tio, se não ainda
que se lhe apoderassem dos bahus da sua roupa branca, que a Snr.ª Vadre
lhe conduzia, e que lhe usurpassem os seus bens proprios.

«O Snr. D. Miguel enviou o brigue de guerra _Téjo_, commandado pelo 1.º
tenente Caminha, ao Rio de Janeiro, levar aos seus parentes brasileiros
a herança de seus augustos parentes fallecidos; a Snr.ª D. Maria
consentiu que seu augusto Tio fosse defraudado não só da herança de seus
augustos paes, senão ainda de todo esbulhado da herança universal de sua
augusta irman fallecida em Santarem.

«O Snr. D. Miguel sustentou sempre os criados da casa real, ainda os de
opinião contraria; a snr.ª D. Maria pô-los todos na rua, substituindo
muitos por estrangeiros, e deixou morrer á fome as criadas da Snr.ª D.
Maria 1.ª escapando sómente as netas do famoso João Pinto Ribeiro, que
tanto concorreu para elevar a casa de Bragança ao throno; porque os
legitimistas tomaram a si o seu parco sustento.

«O Snr. D. Miguel tratou sempre bem as familias dos presos politicos,
como póde testemunhar entre outras a filha de Pedro de Mello Breyner; a
Snr.ª D. Maria tratou muitas como a esposa do conde de Villa Real, D.
Fernando, que regressou do paço moribunda.

«O Snr. D. Miguel não consentiu nunca que nos actos officiaes se
insultassem os seus parentes brasileiros; a Snr.ª D. Maria tem
_consentido_ que nesses mesmos se insulte constantemente seu augusto
Tio.

«O Snr. D. Miguel augmentou o patrimonio real; a Snr.ª D. Maria tem-no
dissipado, alienado e destruido.

«O Snr. D. Miguel nunca mandou festejar os dias em que portuguezes
derramaram o sangue de portuguezes; a Snr. D. Maria não só consentiu que
se festejassem esses dias, senão ainda aquelles em que estrangeiros
mataram portuguezes e tomaram navios portuguezes.

«O Snr. D. Miguel escolheu para ministros d'estado homem de inconcussa
probidade e limpeza de mãos; a Snr.ª D. Maria escolheu os caracteres
mais corrompidos e corruptores que havia no reino, e expoz-se a sete
revoluções para sustentar, a despeito da opinião publica nacional e
estrangeira, o homem mais detestavel que tem produzido a nossa terra--o
homem que roubou descaradamente--o maior dos concussionarios--o valido
mais torpe--o homem de _Queen's bench_--_o conde de Thomar_!

«O Snr. D. Miguel fez respeitar sempre o palacio de nossos reis; a Snr.ª
D. Maria fê-lo descer até onde não podia descer mais.

«O Snr. D. Miguel foi compadre de muitos bravos soldados de seu
exercito; a Snr.ª D. Maria foi comadre do villão mais cobarde que
havemos conhecido.

«O Snr. D. Miguel escolheu para diplomaticos os homens mais conspicuos e
probos do paiz; a Snr.ª D. Maria escolheu _muitos_ contrabandistas e
ladrões descarados.

«O Snr. D. Miguel não podia pôr pé fóra do paço que não o acompanhassem
ondas de portuguezes; a Snr.ª D. Maria tem atravessado Lisboa e as
provincias no meio d'um silencio sepulchral.

«O Snr. D. Miguel respeitou sempre os bispos, ainda os que eram
indigitados de contrarios á sua opinião; a Snr.ª D. Maria consentiu que
os perseguissem todos, e ainda ha alguns no exilio.

«O Snr. D. Miguel queria reformar as ordens religiosas, e de accôrdo com
a Sé romana nomeou reformadores; quem governava em nome da Snr.ª D.
Maria destruiu-as, e expulsou os seus membros, depois de esbulhados de
quanto possuiam.

«O Snr. D. Miguel era escravo da opinião publica; a Snr.ª D. Maria
sempre a tem despresado, tornando-se necessaria uma revolução para se
mudarem os ministros corruptos e corruptores.

«O Snr. D. Miguel foi chamado ao throno pelas antigas leis da monarchia,
applicadas por tribunaes que não creou; a Snr.ª D. Maria foi chamada ao
throno por uma carta de lei, feita expressamente para este fim pelo
imperador do Brazil, seu pae, e applicada por bayonetas estrangeiras.

«O Snr. D. Miguel estava em Vienna á morte de seu augusto pae, e foi
proclamado e sustentado pela maioria da nação com as armas na mão, sendo
necessario vir o exercito de Clinton para que lh'as podessem arrancar; a
Snr.ª D. Maria só teve por si, na maxima parte, os estrangeiros que
cobiçavam as preciosidades das egrejas e dos conventos.

«O Snr. D. Miguel vestiu e calçou os seus soldados com objectos
portuguezes; a Snr.ª D. Maria mandou vir para os seus fardamento e
calçado da Inglaterra, pesando-lhe por não poder mandar vir de lá tambem
a agua para se lavar.

«O Snr. D. Miguel apesar da amizade que o ligava a seu Tio Fernando 7.º,
recusou entregar-lhe os refugiados politicos hespanhoes, e pagou-lhes a
passagem para sahirem livremente do paiz; a Snr.ª D. Maria consentiu que
assassinassem no paiz alguns emigrados carlistas, conservou outros em
duros ferros, e entregou alguns para serem garrotados.

«O Snr. D. Miguel empregou muitos constitucionaes, sómente porque tinham
merecimento; a Snr.ª D. Maria não só demittiu todos os legitimistas,
senão ainda que tem demittido aquelles que por ella se teem sacrificado.

«O Snr. D. Miguel vestia e calçava objectos portuguezes; a Snr.ª D.
Maria até manda engommar a roupa a Inglaterra.

«O Snr. D. Miguel, do que produziam as quintas reaes, distribuia
gratuitamente aos seus criados, e ao povo; a Snr.ª D. Maria não só
destruiu a matta dos buxos de Queluz para ser vendida aos torneiros,
senão ainda mandava vender á praça até salsa e hortelan.

«O Snr. D. Miguel folgava de fazer cultivar as terras da corôa, e de ser
o primeiro lavrador de Portugal; a Snr.ª D. Maria alienou tudo na maxima
parte, e o que não alienou, arrendou ou deu ao seu valido.

«O Snr. D. Miguel tratava com esmero a formosa raça d'Alter; a Snr.ª D.
Maria mandou vender tudo, até mesmo os cavallos e muares da casa real,
conservando apenas alguns poucos rabões inglezes e hanoverianos.

«O Snr. D. Miguel respeitou o banco, apesar de lá estarem os fundos dos
seus contrarios, e de ser administrado pelos seus adversarios politicos;
a Snr.ª D. Maria fez-lhe crua guerra.

«O Snr. D. Miguel reconheceu os emprestimos feitos para debellar os
principios que o elevaram ao throno; a Snr.ª D. Maria não quiz
reconhecer nunca o emprestimo do Snr. D. Miguel contrahido para matar a
fome aos empregados publicos.

«O Snr. D. Miguel tinha captado de tal sorte o amor dos soldados, que
apesar de rotos, descalços, famintos, e quebrantados de uma lucta tão
prolongada, quebravam as armas que os estrangeiros vinham arrancar-lhes
das mãos; a Snr.ª D. Maria tem contrariado de tal modo os sentimentos do
paiz, e alienado as affeições dos seus mesmos, que em todas as contendas
vê rarear as suas fileiras de soldados que vão engrossar as dos
contrarios.

«O Snr. D. Miguel tinha e queria sómente os empregados necessarios; a
Snr.ª D. Maria consentiu que se arvorasse ametade do reino em empregados
para devorar outra ametade.

«O Snr. D. Miguel fez-se idolatrar a tal ponto do povo, e do exercito,
que até os seus mesmos adversarios o reconheciam a ponto de lhe
cantarem:

    _Quanto mais a fome aperta
    Mais se canta o rei chegou:_

e não tem bastado a longa ausencia de dezesete annos para destruir as
affeições e esperanças dos portuguezes; a Snr.ª D. Maria tem-se feito
detestar dos seus mesmos, e o que é maior desgraça ainda o seu nome está
sendo coberto de improperios.

«O que se tem dito do Snr. D. Miguel, diz-se de todos os monarchas
decahidos; porém o que se diz da Snr.ª D. Maria, diz-se de pouquissimas
rainhas no throno.

«O Snr. D. Miguel, quando viu que a lucta só concorria para derramar
sangue portuguez inutilmente, e acarretar desgraças inevitaveis ao paiz,
porque parte da Europa dormia á beira da abysmo, e a outra parte estava
colligada contra elle, convencionou em Evora-Monte, estipulando que se
respeitasse a vida e propriedade dos seus, e que se lhe désse a elle,
que de tudo era privado, uma parca subsistencia; quem governava pela
Snr.ª D. Maria, desconheceu logo a convenção que tambem fôra assignada
pela _leal_ Inglaterra--condemnou ao ostracismo e á fome o Principe
generoso e uma grande parte da nação portugueza--fez derramar ondas de
sangue portuguez, e com a nefanda lei das indemnisações esbulhou da
propriedade quem a tinha--a Snr.ª D. Maria acceitou a herança de todos
estes maleficios, e _consentiu_ que continuassem--applicou-os depois aos
seus mesmos, e pretende conservar-se no throno a risco de perder a
dynastia.

«O Snr. D. Miguel rejeitou as propostas de Christina Munhoz de fazer
entrar o exercito de Rodil em seu auxilio, e de o casar com uma sua
irman se mandasse sahir D. Carlos de Portugal; a Snr.ª D. Maria não só
tem acceitado todas as propostas para se firmar no throno, se não ainda
as tem deprecado, subindo até lá nos braços de Rodil e Parker, e sendo
sustentada por Concha e Maitland, executores, do famoso _protocollo_, e
se os estrangeiros se não oppozerem agora á sua sahida, e ella se
verificar, como dizem, são os portuguezes quem a poem fóra a contento do
clero, nobreza e povo!

«O Snr. D. Miguel não gastava ao thesouro annualmente acima de 20 contos
de reis; a Snr.ª D. Maria gasta ao _misero_ e _defecado_ Portugal 365
contos de reis por anno, e ainda 100 contos para seu marido, afóra as
dezenas e dezenas de contos para seus filhos.

«O Snr. D. Miguel conservou a Tapada real de Villa Viçosa, na mesma
grandeza com que seus augustos predecessores a tiveram; a Snr.ª D. Maria
manda vender as lenhas e as estevas, que todos os dias d'ahi sahem em
abundancia para Borba e Villa Viçosa, e n'esta ultima terra tem um
açougue publico de carne de veado e gamo, que os seus criados todos os
dias matam na tapada; negoceia-se com a bolota, com as pelles dos
veados, e até com os chifres!»

E então, não fallam bem destravadamente estes ridiculos fanfarrões?..
Elles, os selvagens, que ainda ha poucos annos _tinham mêdo d'apparecer
no Porto_, não estão agora, com as suas roncas, armando aos patacos
dos papalvos?... E cuidaes que é um acto de valor pessoal--que é,
ao menos, uma temeridade que praticam?... Nada d'isso.--Não será
verdade que elles mesmos andam por ahi a dar a explicação do seu arrojo,
assoalhando, com espantoso cynismo, os presentes que fazem ao snr.
_delgado_--vangloriando-se dos bellos córtes de panno da Belgica, que
lhe remettem, e dos bellos pintos, que elle lhes chucha?...

Diga-o... quem o souber--e no entanto passemos á



SEGUNDA PARTE.

REFLEXÕES.


_Quem diz o que quer, ouve o que não quer._ Assim reza um adagio, que,
pela sua antiguidade, merece, por certo, a approvação dos _escribleros_
do «_Portugal_.»

    «O Snr. D. Miguel--dizem elles--não póde admittir na sua companhia a
    Snr.ª D. Maria.»

E é verdade. Não póde--porque assim o quizeram meia duzia de
sanguinarios--meia duzia d'aristocratas estupidos--meia duzia de
fradalhões devassos--meia duzia d'ambiciosos e algumas duzias de
scelerados, que, entre o Tio e a Sobrinha, cavaram um abysmo insondavel,
precipitando n'esse abysmo o infeliz Portugal,--não o ridiculo e o
infame «_Portugal_» de que foi editor um sapateiro demente e
estuporado--de que é editor e especulador um negociante de
_algo_-DÃO--mas este Portugal de sete seculos, esta nação que se
envergonha de ter no seu seio um bando de selvagens e desavergonhados,
um bando de parasytas, um bando de zangões e empalmadores.

    «O Snr. D. Miguel perseguiu os ladrões e assassinos.»

Mentis, senhores da _tripeça-gazetal_, e mentis como perros.--O Snr. D.
Miguel teve desejos de fazer punir os ladroes--mas os ladroes
cercavam-no por toda a parte, e como andavam _mascarados_, era difficil
conhecêl-os

    «O Snr. D. Miguel não perseguiu os seus amigos--a Snr.ª D. Maria tem
    perseguido a todos.»

Mentis, e mentis com o damnado fim de amargurar a existencia do infeliz
Principe, que chora no exilio os negros crimes de que vós e os
vossos o fizeram victima.--O Snr. D. Miguel não queria perseguir os seus
amigos mas perseguiu-os o estupido bando de scelerados, a que vós
pertenceis.--Lembrai-vos de que escreveis no Porto, senhores do
«_Portugal_» e que no Porto, no tempo em que vós dominaveis, foram
cacetados, indistinctamente, liberaes e realistas--ainda mais, no Porto
foram cacetadas as proprias auctoridades constituidas em nome do Snr. D.
Miguel.--É aqui bem publico e notorio que o corregedor do crime foi
cacetado, no largo do Carmo, pelos soldados do 12, e como lhes gritasse
«Senhores, eu sou o corregedor!»--«É por isso mesmo!»--lhes tornavam
elles--redobrando com nova furia as cacetadas.--É aqui bem sabido que
n'esse tempo bastavam tres testemunhas das de quartilho de vinho--para
se levar um homem á forca;--bastava alcunhar qualquer realista de
_malhado_, para o vêr martyrisar por essas ruas;--bastava calumniar
alguém, chamando-lhe _pedreiro-livre_, para o vêr gemer n'uma
cadêa.--Podiamos aqui escrever um longo capitulo d'historia--que vós
fingis ignorar--mas poupamo-nos a esse trabalho, porque fallamos no meio
d'uma cidade onde todos sabem quantos realistas gemeram nas cadêas por
vinganças particulares--quantos caloteiros se fingiam realistas para
perseguir os seus crédores--quantos ladrões se infeitavam com o tope
azul e vermelho, para atterrarem aquelles a quem tinham roubado.--Era
n'esse tempo que o vosso chefe d'então e vosso chefe d'agora--o
scelerado fradalhão Luiz................. levava a tiro de pistola as
mulheres que se não dobravam aos seus desenfreados appetites;--era
n'esse tempo que elle, o malvado _pedréca_, arranjava empregos para os
paes, a troco da deshonra das filhas;--era, finalmente n'esse tempo, que
muitos bandoleiros se acobertavam com o nome d'amigos do Snr. D. Miguel,
para o tornarem odioso, e para augmentarem, como augmentaram, o partido
liberal.--E ainda hoje continuaes a acobertar os vossos crimes com o
nome do infeliz Principe, trazendo-o para a discussão a todo o
proposito; e ainda hoje continuaes a perseguição aos seus melhores e
mais leaes amigos.--Aqui estamos nós--nós que fomos emballados na
affeição mais pura á pessoa do Snr. D. Miguel--nós, que, pensando
servil-o, temos constantemente sacrificado o nosso futuro e arriscado a
nossa vida,--e que hoje, desenganados, só pedimos a Deus que o Augusto
Exilado não caia de novo nas vossas mãos--porque seria um instrumento de
perseguição e de morte para metade dos filhos d'esta terra;--nós, em
fim, que podemos dar testemunho da vossa ferocidade. E porque nos
perseguistes vós?... Porque não pudémos deixar-nos roubar, sem que
gritassemos _aqui-d'el-rei_ sobre os ladrões, denunciando-os ao publico,
de viva-voz e pela imprensa.

Calai-vos, _honrada-gente_!... calai-vos, que é esse o maior serviço que
podeis fazer ao Snr. D. Miguel de Bragança.

Não nos daremos agora ao infadônho trabalho de reflectir sobre cada uma
das vossas _comparações_--talvez o façamos, se continuardes a
provocar-nos; no entanto, sempre vos repetiremos que é damnada a
intenção com que comparaes S. M. a Rainha com seu Augusto Tio,
attribuindo a este alguns actos, com que pretendeis acobertar os vossos
crimes, e áquella alguns erros, de que não póde nem deve ser
responsavel--porque reina e _não governa_, como acontece a todos os
Monarchas constitucionaes.--O que vós quereis--não nos cançamos de o
dizer--é fazer pesar sobre o Snr. D. Miguel a responsabilidade de todos
os assassinios, de todos os roubos, de todas as tropellias, de todas as
perseguições, que praticastes em seu nome.

As vossas comparações--se não fôsse bem conhecida a damnada intenção com
que são feitas--só serviriam para tornar odioso o nome do Augusto Tio da
Soberana.

Se a Senhora Dona Maria II deve ser responsavel--como Rainha
constitucional--pelos actos do seu governo, como vós quereis; é
assaz logico, é concludentissimo, que o Snr. D. Miguel--como Rei
absoluto--é o unico responsavel por todos os erros, por todos os crimes,
que em seu nome praticou esse bando de scelerados a que pertence o
«_Portugal_.»

Não illudaes o povo, _honrados homens_!... não especuleis com a
ignorancia das turbas...

O Snr. D. Miguel I foi Rei absoluto, e comtudo não deve ser responsavel
por muitos crimes, que se praticaram em seu nome, e que elle ainda hoje
ignora.

A Snr.ª D. Maria II é Rainha constitucional, e n'esta qualidade
irresponsavel pelos actos do seu governo.

Portanto, as _comparações_ do «_Portugal_» são filhas da mais refinada
hypocrisia e estupidez, e tendentes só a desacreditar o Augusto Exilado.

Estaes ahi a fingir-vos victimas da perseguição dos agentes do governo,
e se houvesse _um delegado_, que soubesse cumprir com o seu dever, como
vos attreverieis vós a asseverar pela imprensa, que a Soberana manda
vender salsa e hortelã!!! e que negoceia com bolota, com pelles e até
com chifres???!!!!...

Senhores do «_Portugal_» não falleis em _chifres_, que se ri o povo....
não falleis em _salsa_ e _hortelã_, que deitaes por terra, por vossas
proprias mãos, essas _salsadas_ que escreveis no vosso despresivel
papel.

Silencio!... e deixai-nos respirar um pouco, antes de passarmos á



TERCEIRA PARTE.

DESENGANO.


Quem ouvir desprevenido as _roncas_ do «_Portugal_»--quem lêr as suas
_lamentações_--ha-de julgar que alli ha convicções profundas--um valor a
toda a prova--uma resignação para o martyrio.

Pois se ha quem tal pense, está completamente enganado.

O «_Portugal_» é uma especulação mercantil de Francisco Pereira
d'Azevedo--mais vulgarmente conhecido pelas alcunhas de Ignez das Hortas
e de Francisco da Velha.

O snr. Francisco é ao mesmo tempo editor, proprietario da imprensa e da
gazeta, e negociante de _algo_-DÃO.

A gazeta intitula-se realista, e não é mais do que _farcista_. É a mesma
gazeta de que foi editor o sapateiro José Ferreira da Silva.

Sabemos que nas provincias ha muita gente que não quer acreditar, que um
miseravel sapateiro, estuporado e tonto, fosse o editor da gazeta dos
_fidalgos velhos_, do periodico da aristocracia de _sangue azul_! Pois,
para que se desenganem, aqui lhes vamos dar alguns apontamentos para
uma byographia do sapateiro, primeiro editor do «_Portugal_.»

José Ferreira da Silva, filho de paes pobrissimos, e natural d'esta
cidade, foi, ainda creança, para casa d'um sapateiro, onde começou por
engraixar botins, remendar sapatos de gallegos e chinellos velhos, até
que, por meio das suas _habilidades_ e com a ajuda d'alguns patacos, que
os freguezes do mestre lhe davam de _molhadura_, quando lhes hia levar
as botas, pôde estabelecer-se e casar. Tendo já loja sua, fez-se
_carola_ por especulação, e tal era a _habilidade_ e a _ligeiresa de
mãos_ de que a natureza o dotára, que, dentro de poucos annos, achava-se
possuidor d'alguns contos de reis, arranjados ou empalmados nas
confrarias e irmandades, em que se mettia, como piolho por costura. Por
occasião da invasão franceza, uniu-se aos anarchistas, cujas _proezas_
são bem sabidas n'esta cidade, e dentro em breve tempo montavam os seus
haveres a trinta mil cruzados, chegando a ser capitão dos bandoleiros do
_chuço_. Desde então, começou a trabalhar menos pelo officio,
mettendo-se a onzeneiro, e dando dinheiro a juros, com enormissimas
usuras; porém, o que n'este mister ganhára, levou-lh'o o diabo para as
mãos de um negociante, que, pouco depois, se declarou em estado de
fallencia. Estonteado com este revéz, teve o primeiro attaque de
estupôr, e começou desde então a andar quotidianamente pelas igrejas.
Era tão enthusiasta pelas idéas liberaes, que, no tempo do cêrco, foi
denunciar os moveis, pratas e mais objectos de valor pertencentes ao
fallecido snr. José Antonio (empregado na policia do Porto), que era seu
inquilino, e tinha acompanhado o exercito realista, achando-se, por
isso, ausente. Tudo foi sequestrado, e foi tal a raiva do sapateiro,
quando o Snr. D. Pedro deu a amnistia, mandando levantar os sequestros,
que ficou mais estuporado do que estava. Era tal a sua avareza, que,
tendo ainda uma boa fortuna, andava vestido como um mendigo, e seus
filhos não morriam de fartos, como é notorio pela visinhança. Estando
completamente estuporado e tonto, houve um delegado, que, por empenhos,
_ou pelo quer que fôsse_, o acceitou para editor da infame gazeta,
intitulada «_Portugal_», e com quanto não recebesse por isso dinheiro
(por estar tonto de todo) recebia-o por elle um filho, que ainda hoje é
caixeiro da _tripeça-gazetal_ da rua das Hortas. Nos ultimos tempos da
sua vida, tinha uma loja d'adeleiro na rua Formosa, onde continuava a
emprestar dinheiro sobre ouro, prata e roupas, com enormissima usura,
levando de juros, de cada cruzado novo, trinta e quarenta reis por mez,
o que equivale a _cento por cento ao anno_!!!... Falleceu d'uma
queda no dia 29 d'Outubro de 1851, testando duas moradas de casas, a
roupa e moveis da adella e algum dinheiro.

_Deus se compadeça da sua alma._

Eis-aqui uns apontamentos para a byographia do miseravel sapateiro,
escriptos conscienciosamente, sem odio ou affeição.

Agora, se querem desenganar-se da refinada hypocrisia e cynismo da
infame gazeta dos _farcistas_, comparem estes apontamentos com os que se
lêem no «_Portugal_» de 10 de Novembro de 1851:

    «O snr. José Ferreira da Silva, natural d'esta cidade, e filho de
    paes pobres, mas honrados[1], acaba de descer á sepultura, no
    cemiterio da ordem 3.ª de S. Francisco, com todas as honras funebres
    e com mais de 80 annos d'edade. Era laborioso e de boas contas[2], e
    tão amante de seus paes, que os teve em sua companhia até que
    falleceram. Agenciára elle pelas suas economias o melhor de 25,000
    crusados[3] que empregou muito bem em promover a educação de sua
    familia, e em obras pias[4]. Era tão apaixonado das confrarias[5]
    que pertenceu a quasi todas as d'esta cidade, sendo provedor da de
    S. Chrispim[6] definidor da 3.ª de S. Francisco, mesario e protector
    de diversas outras. Serviu de juiz d'Artes[7], e foi capitão
    d'ordenanças por occasião da invasão francesa[8]. Era muito estimado
    e acolhido das principaes familias d'esta cidade[9]. A sua nimia boa
    fé o fez ser victima d'uma quebra em que se fundiu a maior parte da
    sua fortuna que tinha em mãos do quebrado[10]. O seu animo religioso
    não se abateu com a adversidade, e hauriu perennes consolações no
    bom desempenho dos seus deveres domesticos e no exercicio dos actos
    religiosos, ouvindo missa quotidianamente, visitando o SS.mo
    Sacramento, e assistindo ás numerosas funcções religiosas que se
    celebram n'esta cidade. Era portuguez de velha tempera, e tão
    decidido legitimista[11], que se offereceu para editor _gratuito do
    Portugal_[12], e o foi com a melhor vontade até que Deus o chamou a
    si[13]. Não o arredou nunca do seu honroso posto a bateria
    d'insultos com que o mimosearam os nossos adversarios[14] que
    estranhavam que um honrado popular fosse editor d'um periodico
    legitimista, como se a legitimidade excluisse classes. No entanto á
    borda da sepultura todos os collegas adversarios se portaram
    cavalheirosamente com o nosso editor. Houve apenas uma excepção no
    _Pobres_. Nós lhe perdoamos o seu cynismo em nome do fallecido. Pelo
    que nos toca depositamos aqui um penhor eterno de gratidão e
    respeito ao veneravel[15] ancião que nos escudou perante a lei, e
    esperamos que na presença do Eterno advogará a nossa causa que é a
    da justiça e do direito[16]. O nosso bom amigo falleceu d'uma queda
    e testou com acerto[17], deixando uma viuva inconsolavel e uma filha
    e um filho herdeiros de sua honra e virtudes[18]. _Deus o tenha á
    sua vista_[19].

E que tal! Assim é que se engoda o povo, para lhe hir pilhando os
pataquinhos! É assim que o _Portugal-gazeta_ costuma dizer a verdade!

Que honrada gente! E não lhes coram as faces, quando apparecem em
publico!

Comparai estas amabilidades para com um miseravel sapateiro, estuporado
e tonto, com o grosseiro procedimento do snr. Francisco Candido para com
a «_Neta e Sobrinha de Reis_» procedimento que escandalisou muitos
realistas sensatos, que não comem nem querem comer a custa da illusão
dos povos.

D'um lado uma consciencia tão larga, que fez do sapateiro um homem
honrado, piedoso, realista, &c. &c. Do outro uma consciencia tão
estreita e mesquinha, que se despede da Assemblea, porque a quasi
totalidade dos socios resolvêra obsequiar S. M. a Rainha!!!

Parece-nos que não haverá ninguem que não suspeite qual é o fim d'estes
_fogachos facciosos_...

    Do direito fazem torto
    Estes astutos velhacos;
    Chamam gente a um asno morto...
    Tal é o poder dos patacos!!!

Uma das duas: ou o snr. Francisco Candido é o unico homem escrupuloso e
de convicções profundas, dos que escrevem no _Portugal_--ou pretende
enganar o povo.

Se agarra na primeira ponta do dylemma--deve largar já a redacção do
infame _Portugal-gazeta_, fazendo assim a vontade ao padre Luiz, ao F.
da Velha, e ao garoto do pião.... Se agarra na segunda--tambem não
podêmos deixar de lhe dizer, que procure um modo de vida mais decente.

Fóra d'ahi, snr. Francisco Candido! Um homem de probidade austéra não
póde, nem deve escrever na infame gazeta inaugurada sob a
responsabilidade do homem mais despresivel que existia no Porto. Fóra
d'ahi! Deixe o logar a esses scelerados que lh'o cobiçam. Fóra d'ahi,
que a questão, para elles, é só questão de dinheiro. Fóra d'ahi, se não
quer que o publico o tenha na mesma conta em que os tem a elles.

Ignora, snr. Francisco Candido, que ahi se levam moedas pelas
correspondencias que, em sua defesa e em defesa do seu partido, mandam
lançar os proprios homens, a quem o _Portugal-gazeta_ chama seus
correligionarios e amigos!! O snr. Cachapuz que o informe... elle, que
aggredido pelo _Ecco Popular_, como auctoridade realista, teve de dar
bons pintos pela defesa que fez inserir na gazeta dos _farcistas_.--«_Um
pataco por linha e nada menos._»

Não acontecia assim com a PATRIA, que nunca levou nem um real por
semelhantes correspondencias--porque o redactor da PATRIA[20]
não sabia ser gazeteiro, e o snr. Francisco Candido bem
conhece aquelles que o roubaram, abusando do seu demasiado cavalheirismo
e boa fé.

Veja se gosta d'esta comparação, snr. Francisco Candido, e saiba (se o
ignora) o que é uma gazeta na mão d'um _negociante_.

Agora, ouça mais duas palavras, e ouça-as tambem o povo, para ficar
completamente desenganado ácerca do _Portugal-gazeta_.

Ha cousa d'um anno, appareceram no _Ecco Popular_ uns artigos infames
(cuja publicação foi provocada por uma polemica do infame
_Portugal-gazeta_) nos quaes se davam ao Tio da Rainha os nomes mais
injuriosos, e entre estes, o de _assassino_!!--O editor do _Ecco_ póde
dar testemunho dos esforços, que eu fiz, invocando a sua generosidade,
para que retirasse da discussão o augusto nome do infeliz exilado; mas,
apesar d'estes esforços, lá appareceram no infame _Portugal-gazeta_ umas
allusões torpes, involvendo a perfida insinuação de que era eu o auctor
de semelhantes artigos!--Um dia, ao cahir da noite, encontrei, na rua
dos Lavadouros, o snr. Francisco Candido de Mendoça e Mello, e
perguntei-lhe se já estava desenganado de que não eram meus os artigos.
Respondeu-me «que entre mim e elle (snr. Mendoça) não havia motivo algum
d'inimisade; que até algumas vezes havia dito que eu tinha razão de me
queixar do que acontecera com a PATRIA; e que elle (snr. Mendoça),
avisado do que se passára commigo, era redactor _independente_ do
«_Portugal_» e não recebia ordens de ninguem, nem mesmo quanto á
politica do jornal; que já se sabia que não eram meus os artigos em que
o Snr. D. Miguel era tão atrozmente calumniado; que as allusões, de que
eu me queixava, tinham nascido d'uma errada persuasão, e não de odio ou
vindicta.»--Fiquei _quasi_ satisfeito com a declaração do snr. Mendoça;
e para o ficar _completamente_, disse-lhe que era justo rectificar a
perfida insinuação que se fizera. Assim o julgou o snr. Mendoça, e assim
m'o prometteu; mas, até hoje, estou á espera do cumprimento da sua
promessa!--Quereria o snr. Mendoça cumpril-a, e serviriam d'obstaculo os
_negociantes de politica_, que já não é a primeira vez que negoceiam com
o meu credito, com o meu suor e com o meu sangue?... Fóra d'ahi, snr.
Mendoça! Um homem de probidade austera, não póde conservar essa
posição.--Olhe que não escrevo isto para augmentar os seus embaraços.
Sei que ha promessas solemnes de lhe apalpar as costas, e se os meus
pedidos valessem, eu pediria que ninguem fizesse caso da sua despedida
da Assemblea, das suas cartas, e do mais que se tem passado.

........................................................................

    Duas palavras ao snr. _Antonio Pinto Cardoso da Gama_, e peço tambem
    para ellas a mais séria attenção do publico.

    O snr. _Gama_ é delegado do procurador regio na 2.ª vara, e debaixo
    da sua alçada está a typographia do _Portugal-gazeta_. A mim não me
    importa que o snr. _Gama_ deva obrigações a ninguem; o que desejo é
    vêl-o applicar a lei igualmente a _amigos_ e adversarios.

    Snr. _Gama_: No dia 29 d'Outubro de 1851 falleceu o sapateiro José
    Ferreira da Silva, que foi editor do _Portugal-gazeta_. Este infame
    papel continuou a publicar-se _illegalmente_, até ao dia 10 de
    Novembro, _debaixo da responsabilidade do fallecido_, e o snr. Gama
    não procedeu, senão depois que eu requeri procedimento! Por fim, o
    «_Portugal_» foi absolvido; mas o seu proprio defensor teve a
    franqueza de me confessar que a sentença estava mal
    fundamentada--porque a lei é muito clara e a infracção era muito
    visivel! Eu sei tudo o que se passou com esse _decantado_ processo,
    e calo-me por ora, mas hei-de fallar, e _fallar muito claro_, quando
    fôr tempo para isso.... Agora, snr. Gama, vou mostrar-lhe quanto é
    nociva a impunidade, e quanto é prejudicial que se não observem as
    leis.

    O snr. Gama já sabe (porque o escripto se vende publicamente, e
    devia ser-lhe remettido, na conformidade da lei), que na imprensa
    dos _negociantes_ do _Portugal-gazeta_ se imprimiu um folheto
    intitulado==_Descripção da viagem de SS. MM. desde que sahiram de
    Lisboa até á sua entrada n'esta cidade._==Este folheto não traz o
    nome da officina, como a lei manda, e a lei pune severamente esta
    infracção, e a lei, snr. Gama, diz que qualquer pessoa do povo
    poderá accusar os delegados, quando estes não cumprirem com o seu
    dever.--Fico á espera, snr. Gama, e pouco me importa que o infame
    _Portugal-gazeta_ me chame _denunciante_. Deus me livre de que elle
    me chame homem honrado. As cousas tomam-se como da mão de quem veem.
    Uma injuria na bôcca do immundo papel dos _farcistas_ é o maior
    elogio que se me póde fazer.--Ao seu dispôr, snr. Gama.

    ...................................................................

    Já me vai faltando a paciencia, e creio que--para quem não for muito
    estupido, muito hypocrita, muito desavergonhado ou muito
    simplorio--já bastam os factos que deixo apontados para todos se
    desenganarem de que o _Portugal-gazeta_ é uma tôrpe especulação
    mercantil; que o editor, redactores e collaboradores só tractam
    d'illudir o povo, para lhe irem comendo os patacos; e, em fim, que
    publicam o papel mais infame que tem prostituido a imprensa;

    Porque o _Portugal-gazeta_

        «................... pirata inico
        Dos trabalhos alheios feito rico»

    --insulta a Rainha, e ao mesmo tempo imprime uma incomiastica
    descripção da viagem ao Porto, com a mira nos _pataqinnhos_.

    Porque se finge victima d'uma perseguição acintosa, e encontra um
    delegado mais macio do que velludo.

    Porque calumnía por gôsto, para especular com a honra, com o credito
    e com o suor alheio.

    Porque se diz realista, e foi chuchando as moedas do snr. Cachapuz,
    para o defender como auctoridade realista.

    Porque anda todos os dias a atirar á praça publica o nome do Tio da
    Rainha, só pelo gôsto de o vêr desacatado pelas turbas, para depois
    ganhar patacos com as suas defesas e comparações.

    Porque, finalmente, os que no _Portugal-gazeta_ se declaram hoje
    defensores do Snr. D. Miguel--são os mesmos que hontem o cobriam
    d'injurias, e lhe chamavam tyranno e usurpador.

    Este desengano é para aquelles que ainda acreditavam na boa fé do
    _Portugal-gazeta_. Resta-me dar tambem um desengano aos _gazeteiros
    farcistas_.

    Escusaes de andar com investigações, prohibindo os vossos empregados
    de fallarem commigo--porque eu sei tudo o que se passa entre vós, e
    fui avisado, em tempo competente, d'aquella proposta, que se fez em
    certa reunião......................, de se darem algumas moedas a
    quem..................... e folguei muito de que alguns cavalheiros
    se portassem como verdadeiros fidalgos portuguezes, embora
    illudidos, repellindo uma proposta tão miseravel.

    Podeis continuar a perseguir-me, que com isso só conseguis augmentar
    a aversão que vos tenho.

    Este é o desforço que eu tiro das vossas provocações.--Tornai a
    provocar-me, que eu cá fico a colligir a _papellada velha_....

    Senhores do _Portugal-gazeta_, procurai bem entre os do vosso bando,
    a vêr se encontraes os fabricadores de _moeda falsa_, de que ha
    pouco vos queixastes... Já estaes calados?!.. Dar-vos-hiam para isso
    alguma _moeda verdadeira_?...

    Senhores do _Portugal-gazeta_--silencio!...

      *      *      *      *      *

Leitores, desculpai a duresa da phrase e a desigualdade do estylo. Este
folheto foi escripto ao correr da penna, e resente-se das alternativas
da minha vida.--Eu penso com Chateaubriand (sem possuir o seu talento)
que é uma loucura atirar com o meu nome ao meio da multidão;--comtudo
para que se não julgue que declino a responsabilidade, aqui pônho a
minha assignatura.


Porto 18 de Maio de 1852.

                                           _João Augusto Novaes Vieira._


    [1] Não podêmos deixar de fazer algumas annotações a este ridiculo
    _apontoado_ d'imposturas.--Acreditariamos piamente que os paes do
    sapateiro fossem muito probos, apesar de pobrissimos; mas, desde que
    os _farcistas_ lhes chamam _honrados_, ficamos com nossas duvidas...
    Deus nos livre de ser _honrado_ na bocca de semelhante _gentinha_...

    [2] Bastava que fôsse de tão boas contas como os que _tomaram á sua
    conta_ a empreza da PATRIA... Arreda!

    [3] E que tal? Um sapateiro que, em poucos annos, arranja 25 mil
    cruzados pelas _suas economias_, devia ser muito honrado...

    [4] Ninguem sabe que elle praticasse taes obras, senão os
    _farcistas_ do «_Portugal-gazeta_.»

    [5] E como não seria apaixonado, se d'ellas é que _economisou_ o
    dinheiro que tinha?...

    [6] Por ser a confraria dos sapateiros.

    [7] E era muito bom juiz, especialmente da arte do padre Antonio
    Vieira.

    [8] Capitão dos bandoleiros do _chuço_, que assassinavam e roubavam
    a torto e a direito, dando ás suas victimas o nome de _jacobinos_.

    [9] Pêta refinada.

    [10] Por _Diós_ veio, por _Diós_ foi.

    [11] Pois não! Todos os que forem ladrões, tractantes, calumniadores
    e desavergonhados--são decididos _legitimistas_, na bôcca do
    _Portugal-gazeta_.

    [12] Refinadissima pêta.

    [13] Foi uma occasião chamado á policia, _por impostura do
    delegado_, e perguntado se era o editor do «_Portugal_» respondeu
    primeiro que não sabia, e depois negativamente. Não obstante,
    continuou a figurar como editor, contra a expressa determinação da
    lei.--Quem quizer, que commente.

    [14] Se elle estava tonto de todo, que lhe havia de importar?

    [15] Miseravel e bem miseravel. O _Portugal-gazeta_ troca os nomes a
    tudo.

    [16] Fóra, _farcistas_!

    [17] Ou alguem testou por elle.... quem sabe?...

    [18] Podéra não!

    [19] E lhe perdoe. _Amen._

    [20] Falla-se do verdadeiro fundador e redactor do jornal, e não do
    _doutor_ Cazimiro de Castro Neves, _que ainda tem saudades do tempo
    em que jogava o seu pião_, como elle proprio disse em letra redonda,
    não obstante as nossas advertencias. Disse tambem que era «_uma
    pessoa physica_.» Veja-se, no diccionario de Moraes, a definição de
    pessoa, e conhecer-se-ha que o tal _menino dos olhos azues_ é um
    _doutorasso_.... no jogo do pião, que é jogo de garotos.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O senhor Dom Miguel I, e a senhora Dona Maria II - Comparações, reflexões, desengano" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home