Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Relatorio de uma viagem ás terras dos Landins
Author: Paiva de Andrada, Joaquim Carlos, 1846-1928
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Relatorio de uma viagem ás terras dos Landins" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



    Notas de transcrição:

    O texto aqui transcrito, é uma cópia integral do livro impresso em
    1885. Foi mantida a grafia usada nessa edição, tendo sido corrigidos
    apenas pequenos erros tipográficos que não alteram a interpretação
    do texto, e que por isso não foram assinalados.

    No livro há algumas referências a um mapa, que acompanhava a edição
    original. Não foi possível localizar uma cópia desse mapa para
    acompanhar esta edição digital.



                                RELATORIO

                                 DE  UMA

                       VIAGEM ÁS TERRAS DOS LANDINS

                                   POR

                     JOAQUIM CARLOS  PAIVA DE ANDRADA

                           CAPITÃO DE ARTILHERIA



                                  LISBOA
                             IMPRENSA NACIONAL
                                   1885



                                RELATORIO

                                 DE  UMA

                       VIAGEM ÁS TERRAS DOS LANDINS

                                   POR

                     JOAQUIM CARLOS  PAIVA DE ANDRADA

                           CAPITÃO DE ARTILHERIA



                                  LISBOA
                             IMPRENSA NACIONAL
                                   1885



RELATORIO

DE UMA

VIAGEM ÁS TERRAS DOS LANDINS

FEITA NOS

MEZES DE DEZEMBRO DE 1884 E JANEIRO E FEVEREIRO DE 1885


Motivos da viagem

Pela portaria expedida pela secretaria d'estado dos negocios da marinha
e ultramar, com data de 30 de junho de 1884, incumbindo-me de auxiliar a
installação do governo de Manica, e por instrucções communicadas por s.
ex.ª o director geral do ultramar, relativas ao cumprimento da
mencionada portaria, fui tambem encarregado de visitar os regulos
vizinhos e de procurar estreitar com elles relações de commercio e amisade.

Ao chegar ao Zambeze com o pessoal do novo governo constou-me que se
achavam nas povoações que o sr. Manuel Antonio de Sousa, capitão mór de
Manica e Quiteve, tem formado na serra da Gorongosa, dois grupos de
landins; um d'elles com o fim de visitar o mencionado capitão mór e o
outro o capitão mór de Senna, o sr. Anselmo Ferrão, unicas pessoas que
para os landins representam a auctoridade, e os brancos ou mosungos de
Senna.

Logo que o pessoal vindo de Lisboa, com destino ao districto de Manica,
chegou commigo a Magagade, povoação ou logar na margem do Zambeze
pertencente ao prazo Gorongosa e portanto ao referido districto, parti
para o Chire, onde se achava nas operações da guerra do Matacanha o
capitão mór de Manica, para combinar com elle na maneira como, com a
menor demora possivel, se poderiam fazer seguir das margens do Zambeze
para a saluberrima serra da Gorongosa os europeus recemchegados; e,
referindo-me aos landins, lhe disse que, apesar do improprio da estação,
em que iria encontrar os rios em cheia, e muita palha no mato, me
parecia muito conveniente aproveitar a occasião de se acharem na
Gorongosa as duas embaixadas, para ir com ellas visitar o Musila e dar
cumprimento a uma parte da minha missão, o que, a não se dar esta
circumstancia, só mais tarde tencionava realisar.

Concordando Manuel Antonio de Sousa com a provavel importancia da minha
viagem n'esta occasião, obtive delle que sustasse a sua partida para
Moçambique, onde tencionava ir logo que terminasse a guerra do Chire, e
fosse com a sua presença e extraordinaria influencia sobre os indigenas
apressar a reunião dos machileiros e carregadores em Magagade, e me
acompanhasse até aqui para resolvermos com os landins ácerca da minha
desejada viagem. Os landins consentiram logo em voltar para traz e
acompanhar-me até junto do Musila. Antes, porém, de eu partir chegou á
Gorongosa a noticia de que o Musila, que os landins tinham deixado de
boa saude, morrêra quasi de repente. Esta circumstancia difficultava a
viagem, por causa das guerras e estado de agitação que quasi sempre
seguem á morte de um grande potentado africano; mas pensei tambem que
por causa d'ella poderia vir a tornar-se mais util e a proposito a
visita, e confirmei-me na primeira resolução. Poucos dias depois de
começada a viagem soube que Mudungase, um dos filhos do Musila que os
landins na Gorongosa indicavam como provavel successor, tinha
effectivamente como tal sido reconhecido, e que elle, receiando que seu
irmão Mafumana, o mais guerreiro e mais para temer dos filhos do Musila,
não se conformasse com a opinião geral e conspirasse para subir ao
poder, o mandára matar, com a mulher e todos os filhos machos, e que, no
mais, tudo e todos estavam e tinham estado no mais completo socego.


Paiz percorrido; suas condições geographicas, politicas, economicas
e militares

Junto a este relatorio está um esboço do paiz ao sul do Zambeze,
desenhado pelo secretario do governo do districto, o sr. tenente Moraes
Pinto, e coordenado com o fim de mostrar a area que me parece dever
desde já ser destinada á acção do novo governo de Manica. Indica elle a
direcção geral dos grandes rios que cortam o paiz, e os pontos a que
tenho que me referir n'este relatorio, dando algumas informações que
mais se approximam da verdade do que as que se encontram em mappas já
publicados. Com mais vagar tenciono coordenar um mappa em maior escala,
no qual introduzirei as informações que tenho dos pequenos rios
affluentes dos que vão marcados, montanhas, prazos e territorios de
differentes regulos e povoações.


Hydrographia

O referido esboço mostra que o Zambeze se acha em communicação fluvial,
talvez interrompida n'algum ponto, durante a estiagem, com a costa de
Sofalla. O rio Zangue, affluente do Zambeze e limite dos prazos Caia e
Inhamunho, vem de uma lagoa, que, por banhar o prazo Absinta, tem
este mesmo nome, e que communica por meio da serie de lagoas ou canal
chamado Mucua, com uma grande depressão de terreno, mais ou menos cheia
de agua, conforme a estação, chamada Tandora Zungue. N'esta grande lagoa
desembocam varios rios vindos da serra da Gorongosa, os quaes, durante
uma parte do anno, poderão ser empregados como meios de communicação por
pequenas embarcações até quasi á base da serra; d'esta lagoa nasce o rio
Urema, navegavel todo o anno, e que juntando-se ao rio Pungue, ou antes
ao seu novo braço Mudinquidinqui, causado por uma cheia, vae lançar as
suas aguas na costa de Sofalla. O rio Urema separa o prazo Gorongosa do
prazo Cheringoma, e por isso é hoje limite entre os districtos de
Quelimane e de Manica.

No itinerario seguido, a partir da serra Gorongosa para as terras dos
landins, o primeiro rio de importancia que se encontra é o Vunduse,
affluente do rio Pungue; este affluente, que tem um leito de uns 100
metros de largo, mas não é navegavel, é limite do prazo Gorongosa e do
reino do Barue. Depois do rio Vunduse encontra-se o rio Aruangua, que
desde aqui até á foz é mais conhecido com o nome de Pungue,
representando os dois nomes o mesmo rio.

Na altura em que o atravessei, na minha viagem a Manica em 1882, tem o
rio Pungue muita agua, mas corre sobre um leito irregular de grandes
rochas, que o torna inteiramente improprio para a navegação; no ponto
onde agora o atravessei por duas vezes, com uma vara de 14 pés, ou mais
de 4 metros, não encontrei fundo; mas ainda n'essa altura do rio ha
grandes rochas, e a agua, dizem-me, baixa na estiagem a ponto de
permittir a passagem a vau entre ellas. Um pouco, porém, mais abaixo,
logo a jusante da foz do Vunduse, as rochas desapparecem e o rio
continua até á foz sobre leito só de areia e com uma altura de agua, que
o torna em toda esta extensão navegavel por qualquer vapor fluvial ou
por vapores costeiros, como o _Soutiene_ e _Lion_, que ultimamente têem
frequentado alguns pontos da provincia. Todas as informações que tenho
colhido me fazem suppor que na foz do Pungue, e até em frente do logar
chamado Bangue, no prazo Cheringoma, ha um porto capaz de dar abrigo a
navios de grande tonelagem.

Passado o Pungue é o Revue o primeiro rio importante que se encontra. É
este affluente do rio Busi, o rio que passa junto á antiga villa de
Manica, a tiro de pistola da arruinada fortaleza. No ponto em que o
atravessei tem o leito do rio uns 100 metros de largura, e, na viagem de
ida, com uma vara de 12 pés, ou mais que 3m,5, não encontrei fundo;
ouvi, porém, pouco a jusante, o ruido de uma grande quéda de agua em
rocha, e sei que o rio não póde ser navegavel até esta altura; mas
disseram-me que o era em toda a epocha do anno, pelo menos por pequenas
embarcações, como as que se empregam no Zambeze, até junto de umas
rochas chamadas _Inharumirua_, que ficam a menos de duas horas de
caminho a jusante d'este ponto. Para baixo nem o Revue nem o Busi
apresentam embaraço algum á navegação, a partir da costa.

Ao Revue seguem-se, na direcção que eu percorria, successivamente o
Mussapa e o Mufomose. Atravessei os dois rios seguidamente na altura
da confluencia do primeiro no segundo. O Mussapa tem uns 30 metros de
largura de agua e o Mufomose uns 60 metros; quando os passei, na ida,
tinha o primeiro 5 pés de agua e o segundo 10 pés. Na viagem da volta a
agua tinha baixado, a ponto de poderem alguns dos carregadores
atravessar a vau, embora com difficuldade; mas disseram-me que conservam
os dois rios normalmente a altura de agua a que tinham chegado, sendo o
Mufomose sempre navegavel por almandias até um ponto a montante d'este,
onde me disseram se encontra a primeira obstrucção causada por umas
rochas chamadas Papuquenchofo.

O Mufomose é affluente do Lusite, rio que em seguida atravessei, com uns
50 metros de largura e 10 pés de profundidade, na viagem de ida,
reduzidos a 5 pés, na viagem de volta. Este rio Lusite é navegavel até
muito a montante do ponto em que eu o atravessei, e constitue, combinado
com o Busi, uma importante via de communicação até uma grande distancia
no interior. Infelizmente esta grande via fluvial Busi Lusite, está,
como a via Busi (Lusite) Mufomose, interrompida em um ponto. O arco
natural sobre o rio, marcado na carta do sr. marquez de Sá sobre o Busi,
e que tem o nome de Inhambimbe, está situado exactamente na confluencia
do Lusite com o Busi, atravez dos dois rios, cortando a continuidade das
communicações. Actualmente, na pouca navegação local entre as povoações
que estão a montante e a jusante d'este ponto, procede-se como se faz no
Quaqua, na altura de Mopeia, para todo o movimento do Zambeze; cargas e
embarcações são passadas por terra até vencer o obstaculo. So o arco
fosse isolado, visto como ha effectivamente um arco, debaixo do qual
corre a agua, mas que não dá passagem a embarcações, alguma dynamite
remediaria logo tudo; mas é provavel que haja mais algumas rochas no
proprio leito dos dois rios. Como porém, em todo o caso, é um phenomeno
isolado e pouco extenso no centro de uma planicie, sem pedras em que os
dois rios por ali correm, muito facil seria abrir um ou dois pequenos
canaes lateraes na altura d'esta obstrucção. Não se tratará de certo por
algum tempo de resolver esta questão.

O que me parece importante que fique bem sabido é que o primeiro
obstaculo á navegação no Busi só se encontra no arco Inhandimbe; que a
foz do Revue fica a jusante d'este ponto e que os dois rios são
navegaveis até ás rochas ou rapidos de Inharumirue, que se encontram no
segundo, e que distam apenas, como direi, um dia de viagem do territorio
e minas do Bandire, onde, pela via a que me estou referindo, poderá
chegar com facilidade todo o material pesado necessario para a sua lavra.

Passado o Lusite atravessei o proprio Busi, mas n'uma altura em que elle
nunca será empregado como via de communicação. Não tenho a mencionar
n'este trabalho os mais rios que atravessei, valiosissimos para
irrigação, mas inuteis como meios de communicação.



Condições geraes do paiz


Entre o Zambeze e o Aruangua ou Pungue

Esta região contém antigos prazos da corôa e o reino do Barue.

Durante muito tempo os prazos da corôa da margem direita do Zambeze, a
jusante da serra da Lupata, todos sujeitos á jurisdicção de Senna, eram
invadidos annualmente pelos landins. Estes levantavam pesados tributos,
não só nos prazos, mas na propria villa de Senna, onde ao principio, se
não havia coragem e meios sufficientes para resistir ao pagamento
d'estes tributos, havia a riqueza necessaria para a elles satisfazer. Os
landins, com que agora viajei, disseram-me que um antigo modo de os
tributar consistia em abrir um furo no alto da cobertura conica de
palhotas circulares, e obrigar a deitar por esta abertura fazendas até
que a palhota se recusasse a receber mais. Custa a comprehender como tal
exagero podia realisar-se. Por estes motivos os prazos invadidos foram
successivamente abandonados e a villa de Senna chegou ao miseravel
estado de que não mais se levantará.

Cabe ao sr. major Braga, actual governador do districto de Tete, o
merecido elogio de, entre muitos serviços que fez como commandante
militar de Senna, ter sido levado pelo seu caracter valente e decidido a
auxiliar quanto podia os intentos do cidadão Manuel Antonio de Sousa,
natural de Goa, negociante sertanejo, sobrinho de um antigo residente no
districto, que pretendia repellir pela força as correrias dos landins
aos prazos de Senna. Manuel Antonio de Sousa, chamado pelos cafres
_Gouveia_, foi nomeado capitão mór de Manica e Quiteve, e veiu assentar
a sua casa na serra da Gorongosa, em uma posição naturalmente
fortificada por tal modo, que um homem resolvido a defender-se não tinha
mais a temer n'esta base de operações os ataques dos landins. A serra da
Gorongosa estava absolutamente deserta quando Manuel Antonio aqui chegou
com os pretos que reuniu a si; nas mesmas condições quasi se achava todo
o prazo d'este nome. Foram duros os primeiros tempos em que toda esta
gente tinha que ir buscar, com os meios que Manuel Antonio tinha obtido
e ia obtendo com o seu commercio, mantimento aos prazos limitrophes,
todos muito afastados d'este ponto, ao reino do Barue e ainda á Maganja,
no outro lado do Zambeze, quando houve fome em toda a margem direita do
rio. Hoje muitos milhares de pessoas habitam em centenas de povoações a
serra e os territorios que a rodeiam, tanto na Gorongosa como no reino
do Barue. Desde que Manuel Antonio para aqui veiu como barreira, todos
os prazos cobertos pelo da Gorongosa começaram a gosar de não
interrompido socego e a verem desenvolver-se n'elles a cultura dos
generos de exportação, com proveito dos indigenas, até ao presente os
unicos agricultores, bem como dos que com elle negoceiam e em geral do
paiz.

Se a villa de Senna se não resentiu da mudança de circumstancias, a não
ser pelo descanso dos que n'ella continuam a vegetar, é porque se acha
em situação e condições taes, que a obrigam forçosamente a
desapparecer. De ha muito que pela variação do leito do rio deixou Senna
de ser um bom porto de abordagem para os que navegam no Zambeze,
qualidade que antigamente motivára a creação e grandeza d'esta villa,
apesar da bem merecida fama de insalubridade que sempre teve.

O actual talweg do rio correrá a mais do 2 kilometros da villa, e na
estiagem é necessario atravessar a descoberto um ardente areal d'esta
largura para chegar da margem acostavel ás primeiras casas. O areal
porém não é plano, e quando não está todo descoberto na estiagem ou
coberto pelas grandes cheias, periodo em que as aguas do rio voltam a
correr junto ás muralhas da velha praça de S. Marçal, formam-se n'esta
zona de 2 kilometros varios _mucurros_, cujas aguas deixam muitas vezes
de correr, e que não só augmentam a insalubridade da villa pelas suas
emanações, mas tornam na maior parte do anno a villa do Senna um dos
pontos da margem do Zambeze de mais difficil accesso.

N'este trabalho só desejo dizer que sou de opinião que a villa de Senna,
como tem sido proposto, deve sair da margem direita do rio, passando com
todo o commando militar d'este nome para a outra margem; pois não devo
demorar-me a mostrar as grandes vantagens que este commando militar,
pertencente ao districto de Quelimane, quando tiver a sua séde em ponto
escolhido, ou nas alturas em frente de Senna, onde as casas Regís e
Hollandeza têem já grandes edificios, ou um pouco mais sobre o Zioé
Zioé, ha de ter no desenvolvimento da nossa acção na valiosissima região
limitada pela margem direita do Chire, pelo Zioé Zioé e pela margem
esquerda do Zambeze até á Lupata no ponto onde vier a terminar o
districto de Tete.

Comquanto o prazo Gorongosa siga ao longo do Aruangua até avistar o mar,
não chega elle até á costa, porque a confluencia do Urema na bacia que
supponho ser um bom porto de mar, traz com a margem esquerda d'este rio
uma porção do grande prazo Cheringoma a interpôr-se entre a Gorongosa e
o Oceano. É nesta altura que os landins que se desacostumaram de pisar
como conquistadores o prazo Gorongosa, passam hoje para os terrenos ao
norte do Pungue atravessando o deserto prazo Cheringoma (onde julgo que
tambem deixam algum destacamento) para, graças ao terror que inspira o
seu nome e o apparecimento de _um só_ de entre elles entre os pontos da
foz do Zambeze, irem sugar alguns d'estes pretos e mesmo mosungos que
estejam nos prazos marginaes a jusante do Gorongosa, isto é, os prazos
Caia, Inhamunho, Chupanga, Luabo e Melambe.

Quando em 1881 vim pela segunda vez á Zambezia e fiz o conhecimento do
Manuel Antonio de Sousa, disse-me elle que se o governo do districto de
Quelimane lhe desse de arrendamento os prazos de Chupanga e Cheringoma,
pelo preço rasoavel que então quizesse marcar, mas com a condição de que
os não poria em praça durante nove annos, tempo por que andavam
arrendados os prazos do districto de Tete, a fim de evitar que passados
tres ou quatro annos de despezas, trabalhos e perigos, outros viessem
concorrer em igualdade de condições para o goso dos resultados obtidos,
elle, assim como tinha fechado aos landins a villa de Senna e os prazos
envolvidos pelo da Gorongosa, se compromettia a pôr no prazo
Cheringoma uma barreira que evitasse para sempre a passagem dos landins
para os prazos Caia, Inhamunho, Luabo e Melambe: disse-me mais que já
tinha proposto ao arrendatario do Cheringoma que se oppozesse aos
landins, mas que este apenas se contentava em aproveitar o prazo para
mandar caçar alguns elephantes ou apanhar borracha que n'elle abunda,
pagando successivamente ao Musila os tributos de fazenda que a este
fossem contentando. Não apreciei então devidamente o grande poder que a
rara intelligencia ou perspicácia especial, a actividade, a coragem, o
amor do trabalho, a generosidade e a acção absoluta que estas qualidades
exerciam sobre milhares de indigenas davam a Manuel Antonio, nem o
grande valor que para o paiz tinha a sua proposta, e não a communiquei a
pessoa alguma.

No meu diario, 20 de dezembro de 1884, encontro umas palavras que
escrevi ao chegar á margem do rio Pungue, quando me via em frente de um
poderoso obstaculo que exercitos munidos com bons trens de pontes não
deixariam de respeitar. Espero fazer bem transcrevendo-os: «O terreno na
ultima parte percorrida é _park-like_ como todo o que precede, mas ainda
tem melhores pastagens e melhores terras para agricultura,--terras
soltas que serviriam para mendobim--grés e muitos filões de quartzo, nas
margens granito. Póde-se considerar verdadeiramente sujeita á soberania
portugueza, ou a Manuel Antonio, com relação ao Barue, toda a vasta area
comprehendida entre o Zambeze e o Aruangua. Vejo que todos os que me
rodeiam assim o reconhecem; assim como consideram como terras de landins
as dos regulos da margem direita do rio. É necessario e urgente occupar
aqui um ponto na margem esquerda do Aruangua. Estou certo, agora, que as
nossas relações com os landins vão ser muito boas, e espero alcançar
alguma cousa para o sul do Aruangua; só um acto de hostilidade declarada
é que os poderia trazer em massa ao que elles consideram nossas terras,
apesar de costumados a fazer com meia duzia de homens o que n'ellas
fazem; mas a este acto _nas circumstancias em que estamos_ podiamos bem
resistir. Assim, por um modo ou por outro, Cheringoma, Luabo[1],
Melambe, Chupanga, Inhamunho e Caia ficarão de futuro abertos
com segurança aos nossos pretos e em breve se acharão habitados.»

Esta riquissima região proximo da costa, que por si só, quando
aproveitada, póde render bem mais do que toda a actual provincia de
Moçambique, acha-se deserta e de todo desaproveitada, só pelo terror que
causa o nome dos landins e a chegada annual de uns vinte ou trinta
pretos adornados com pelles e pennas, e armados com um escudo e duas
pequenas zagaias. Em dias, que é de esperar não estarão longe, custará a
acreditar que um tão aviltante estado de cousas se possa ter continuado
por tantos annos n'uma tal localidade.

Alem dos prazos da corôa de que tenho fallado, ha mais, entre o rio
Zambeze e o Quelimane para leste do Aruenha, uns muito pequenos prazos
juntos ao prazo Gorongosa ou mesmo n'elle encravados, arrendados por
Manuel Antonio; alguns pequenos prazos nas proximidades de Senna
arrendados por diversos, o muito povoado prazo Chemba, arrendado por
Manuel Antonio e d'onde elle tirou mais de dois mil cypaes que levou á
guerra do Matacanha (pois para esta guerra não teve que tocar na gente
da Gorongosa); o prazo Amoesa, o prazo Chiramba marginal, como o Chemba
o é, do Zambeze, tambem arrendado por Manuel Antonio, mas parte invadido
por gentes do Bonga, o grande prazo Tambára, de ha muito sertão
abandonado, e os prazos todos occupados pela gente do Bonga, incluindo o
prazo Masangano.

Em toda a valiosa região de que estou fallando, comprehendida entre o
Zambeze e o Aruangua encoutrâmos apenas dois obstaculos ao seguro
desenvolvimento dos seus grandes recursos naturaes. O primeiro, pouco
importante, é o Bonga; o segundo são os landins. Ha dois unicos homens,
dedicados ao paiz, que têem poder sobre os indigenas que habitam a maior
parte das terras da antiga capitania dos Rios de Senna. São os dois
homens que com toda a probabilidade salvaram ha poucos mezes a soberania
portugueza na Zambezia. São Manuel Antonio de Sousa e Anselmo Ferrão.
Este, comquanto capitão mór de Senna, habita hoje a margem esquerda do
Zambeze e tem d'este lado um vasto campo onde empregar utilmente a sua
acção. Fica Manuel Antonio de Sousa _e é só_ contando com o auxilio
d'este capitão mór que praticamente se poderão remover, _dentro da area_
de que trato, estes dois obstaculos. O centro de acção, a base de
operação de Manuel Antonio de Sousa, é a serra da Gorongosa, e é na
serra da Gorongosa que se acha provisoriamente a séde do governo de
Manica; por este motivo e pelo mais que fica dito parece natural e
conveniente que os territorios desde o ponto de resistencia á passagem
dos landins no prazo Cheringoma, até á aringa do Bonga na foz do Aruenha
façam parte do districto de Manica.

Assim, parece que o limite norte a recommendar para o districto seria
toda a margem esquerda do Zambeze desde a costa até á foz do rio Aruenha.

O conhecimento porém, que hoje temos da importancia do porto do
Inhamissengo, os resultados que se prevêem da fundação da villa
Mesquita, proposta pelo sr. capitão-tenente Augusto de Castilho, fazem
esperar um tal desenvolvimento á importação e exportação directas de
todo o commercio da Zambezia, a realisar de futuro por esta via e porto,
que dar toda a margem direita do Zambeze, dar a villa Mesquita e o porto
do Inhamissengo ao districto de Manica causaria um grande abalo no
systema financeiro de Quelimane. Evita-se de todo este inconveniente,
conservando no districto de Quelimane os dois prazos Luabo e Melambe,
que têem parte dos seus terrenos no delta do rio, passando agora para
Manica por inteiro os restantes prazos, ficando para mais tarde a
rectificação da fronteira dos dois districtos desde a margem do Zambeze
até á costa, se se encontrar uma linha de separação mais natural do que
o poderão ser as para nós desconhecidas confrontações dos prazos Luabo e
Melambe com os prazos Chupanga e Cheringoma.

D'aqui resulta que o commando militar já creado na Chupanga ficaria
pertencendo ao governo de Manica, o que teria a vantagem de fazer abrir
caminho da séde de commando, ou forte que se fez ou está fazendo no
antigo Luane do Prazo (a mais solida casa da Zambezia) para villa
Gouveia, devassando e rasgando um paiz compacto, cheio de recursos, hoje
deserto, e que não tardaria a ir sendo habitado ao longo da linha de
communicação.

O commandante militar de Chupanga, dependendo do governo de Manica,
havia de vir á séde do seu governo e atravessar a area do seu commando;
dependendo de Quelimane, fará geralmente, como geralmente fazem os
commandantes militares de Senna, que chegam ao seu commando vindo de
Quelimane, navegando pelo Zambeze acima, desembarcando proximo de casa,
e não saíndo mais da villa de Senna senão para voltar a Quelimane.

A adopção dos limites, que proponho, imporia a realisação previa ou
simultanea da, tantas vezes proposta, mudança do commando militar de
Senna, e da villa d'este nome para a margem fronteira; pois seria
absolutamente impossivel, a querer trabalhar-se para resultados
praticos, o introduzir desde já no nascente districto de Manica, a
aperfeiçoada legislação, mais perfeita que a de qualquer colonia de
qualquer outro paiz, que vigora nos restantes districtos da provincia, e
portanto na actual villa de Senna.

Provisoriamente a praça, e só a praça de S. Marçal, deveria ficar sob as
ordens do commandante militar de Senna, que n'ella poria um fiel e os
homens necessarios para a arrecadação do material que n'ella se quizesse
guardar.

Não é possivel, porém, conservar como occupadas enormes areas com um
numero de auctoridades como o que até ao presente temos tido na
provincia de Moçambique; e por isso o commando militar de Senna,
passando para a margem esquerda do rio para ficar no districto de
Quelimane, não deve deixar de ser substituido por um outro, com a séde
não longe da actual villa de Senna, mas em logar mais recommendavel pela
sua salubridade e facil acostamento. Parece-me que facilmente satisfará
a estas condições algum ponto escolhido no muito povoado prazo Chemba,
pouco a montante da foz do rio Musingase.

O terreno, que eu bem conheço, é elevado e saudavel. Ha n'elle
formosissimas arvores de grande sombra, nas quaes se deveria pensar ao
escolher o logar para as habitações e limitar os jardins que as rodeiem.

O novo commando militar poderia receber o nome de commando militar de
Chemba.

Chemba seria uma excellente testa de estrada para o centro do Barue e
para os importantissimos campos de oiro do Alto Aruenha e dos seus
affluentes, estrada que podia ser para nós muito util, quer nós mesmos
vamos occupar estes campos, quer deixemos tranquillamente os
estrangeiros d'elles se apoderarem, pois uma das soluções em breve terá
logar.

Os campos de oiro a que me refiro, e que ficam ao sul de Tete, estão
mais proximos desta villa que de Senna, mas o caminho para elles
partindo de Tete passa por serras muito cansosas de atravessar,
parte das quaes eu conheço desde que fui ao Rio Mazoe; e por isso quando
os _Campos de Oiro do Imperador Guilherme_ e outras minas vizinhas eram
trabalhadas pelos nossos antepassados, era de Senna que elles partiam
para ellas.

O caminho de Chemba torneará a serra da Lupata e todas as que rodeiam
Tete, seguindo como o de Senna por terrenos planos até ás origens dos
rios, e tem sobre este decidida vantagem por causa das condições
relativas em que se acham as duas testas de estrada, e que eu indiquei.


Reino do Barue

Com os prasos da corôa da antiga capitania de Rios de Senna, e ainda nos
terrenos ao norte do Aruangua, de que me estou occupando, confinam os
extensissimos territorios do reino do Barue, seguindo-se-lhes para
sudoeste e oeste, e ao sul do districto de Tete, territorios de outros
regulos, que se consideravam vassallos do Macombe, o fallecido rei do
Barue; territorios valiosissimos pelas incontestaveis riquezas em minas
de oiro, que em si contêem.

Não me é possivel indicar os contornos do reino do Barue; só direi que a
villa Gouveia está na margem direita do rio Inhandue, e que as colinas
fronteiras na margem esquerda pertencem ao Barue; que para vir de Senna
ou de Chemba pelo caminho mais curto para este ponto se atravessa o
Inhandue quasi em frente da villa, e portanto se passa pelo Barue; e que
nos dois itinerarios, que tenho seguido para ir ha tres annos a Manica e
agora ao Gunguneana, passei o rio Vunduse, que sei ser, até á sua
confluencia no Aruangua, limite do praso Gorongosa e do reino do Barue.

Os reis do Barue eram antigamente coroados por uma auctoridade
portugueza, mas nunca auctoridade portugueza exerceu jurisdicção sobre
este reino. Mesmo durante a grande prosperidade da nossa feira e villa
de Manica, os negociantes que transitavam entre esta villa e a de Senna,
e eram obrigados a atravessar o reino do Barue, soffriam vexames dos
baruistas, aos quaes tinham sempre que pagar algum tributo.

Nos tempos do fallecido Macombe, Senna recebeu muitas embaixadas
insolentes, foi muitas vezes obrigada vergonhosamente a responder a
ellas, mandando grandes tributos em fazenda, e, satisfazendo
favoravelmente á exigencia de que mandasse um certo numero de pretos,
com suas familias, para escravos do Macombe.

Manuel Antonio do Sousa, a quem a villa de Senna deve o ter cessado de
pagar tributo aos landins, depois de ter antigamente negociado no Barue
e trazido de lá uma das filhas do rei, com quem teve relações, das quaes
resultaram os dois rapazes, que por conta do governo estão sendo
educados em Lisboa na escola academica, tendo sido victima de varios
roubos e vexames, que a elle e a outros negociantes faziam os baruistas,
começou, como particular, só por si e com despeza unicamente sua, uma
lucta com o Macombe, que durou muitos annos, e terminou ha pouco mais de
um anno com o tomar elle posse do reino do Barue e ser reconhecido
como seu chefe ou rei, e seu filho, neto do Macombe, como seu successor.

      *      *      *      *      *

A região entre o Zambeze e o Aruangua, comprehendendo os antigos prasos
e o reino do Barue, constitue só por si uma importantissima colonia, com
todos os elementos necessarios para ter um rapido desenvolvimento.

Os prazos Cheringoma e Chupanga são riquissimos em madeira e borracha, e
tanto estes prasos como as terras marginaes do Zambeze se prestam a toda
a cultura tropical.

A serra da Gorongosa, onde a vinha brava rebenta por toda a parte, pede
o immediato ensaio da cultura da vinha. Se os resultados forem, como
parece deverem ser, ter-se-ha introduzido, só por este ramo, uma grande
fonte de conforto, de commercio e de riqueza na provincia.

No Barue e na Gorongosa, onde ha uma quantidade prodigiosa de excellente
agua, facilmente se encontram terrenos, onde o milho cresce e produz por
modo que na Europa não poderá facilmente acreditar-se, onde a cultura de
todos os cereaes deveria ser ensaiada e a do trigo provavelmente poderia
ser emprehendida em larga escala.

Finalmente é nas terras de um pequeno regulo, que sempre se considerou
vassallo do Barue, terras que, occupado este reino, viriam a constituir
novos commandos militares do oeste do districto de Manica, que se
encontram visiveis provas dos extensos trabalhos mineiros feitos pelos
antigos portuguezes nos campos de oiro, que Mauch visitou e achou tão
importantes, que os designou com o nome de Campos de Oiro do Imperador
Guilherme, chamando Bismarck e Moltke ás duas serras entre as quaes
elles se acham situados. Dahi para o norte e para o oeste até ao Zambeze
continua a extensa região aurifera, a que o proprio Mauch se refere, e
que os nossos trabalharam em varios pontos nas minas de Tete e do Zumbo.

Para sueste, diz Mauch, _a serra Moltke commanda o jazigo aurifero de
Manica, conhecido já de ha seculos, e certo é que os tres jazigos
auriferos_ (do Mogoe, dos Campos do Imperador Guilherme e da Manica)
_vão rivalisar_.

Os Campos de Oiro do Imperador Guilherme estão comprehendidos na area da
concessão, que me foi feita em 1878. Nunca os poude visitar.

Portugal está ainda hoje em condições de se apoderar de grandes centros
de riqueza, de prosperidade, de força, de prestigio, empregando
limitadissimos esforços; d'estes centros poderá depois expandir-se do
que é seu para o que não é seu, sem que estrangeiros tenham a intervir.

Deixar porém attingir esses centros de vida e pretender depois
fechar-lhe as communicações é cousa que hoje se tornou absolutamente
impossivel.

Direi ainda que n'esta admiravel provincia, comprehendida entre o
Zambeze e o Aruangua, onde milhões de homens poderiam empregar-se em
trabalhos de agricultura, trabalhos de minas e em todos os ramos da
actividade humana, onde ha regiões tão sadias e proprias para o
desenvolvimento da raça branca, como as mais sadias da Europa, onde
temos a assegurar e desenvolver a nossa occupação, não haverá alem dos
empregados do governo umas seis pessoas brancas!

Tudo convida a colonisar, com portuguezes e portuguezas misturados com
hespanhoes, este paiz. Em parte alguma das nossas possessões poderão
colonos encontrar mais auxilio para a sua installação, maior numero de
braços indigenas promptos a empregar em seu serviço por uma modestissima
remuneração. Com segurança poder-se-ia mandar já da Europa uns dez ou
vinte colonos nas condições em que até ao presente o governo tem mandado
colonos para a Africa, porque com os poucos recursos disponiveis do
governo do districto e outros recursos locaes, estes homens poderão
receber o necessario amparo até que o producto do seu trabalho os possa
sustentar e lhe dê a independencia. Com não menos segurança de resultado
favoravel poderia o governo mandar em viagens successivas, e com
sufficiente aviso previo, alguns centenares de colonos, se, por meio de
uma combinação qualquer, lhes assegurasse, ou por intervenção de uma
empreza particular, por adiantamentos a serem mais tarde reembolsados
pelos colonos, meios efficazes de trabalho, em terrenos, ferramentas e
braços dos indigenas e sustentação durante pelo menos o espaço de dois
annos.

Não é porém nas margens do Zambeze que convem colonisar com gente
branca, e o trazer colonos de Quelimane até á serra da Gorongosa, pelo
Zambeze, emquanto não houver estradas e meios de transportes
convenientes tanto fluviaes como terrestres, é despendioso e não póde
deixar de offerecer perigo. Assim, se não houver a possibilidade, ou
empregando o pequeno vapor que a empreza de navegação é obrigada a ter
sempre em serviço na provincia, ou por qualquer outro meio, de fazer
desembarcar os colonos na margem do Aruangua ou do Urema, para onde
desde já o governo do districto trata de abrir bons caminhos, a partir
da villa Gouveia, será preferivel não mandar colono algum.


Entre o Aruangua e o Revue

Passando o Aruangua ou Pungue para a margem direita entra-se no Quiteve
ou Utévé, como se diz ahi. O paiz que do Aruangua ao Revue percorri é
encantador; não é plano, nem muito montanhoso; geralmente com arvores
nem muito grandes, nem muitos densas, tem de espaço a espaço pequenos
bosques muito fechados ao lado dos quaes se passa. Por toda a parte
campinas admiraveis para a creação de gado, e excellentes terrenos para
agricultura.

Está o Quiteve dividido por differentes regulos todos sujeitos aos
landins. Estes não habitam parmanentemente o paiz, não têem ahi
povoações suas, mas por um ou outro motivo percorrem-o constantemente,
sustentando-se á custa das povoações indigenas. Qualquer que seja o
numero de landins que chegue a uma povoação ou grupo de povoações, por
mais miseraveis e pequenas que ellas sejam, é necessario que appareça
farinha para fazer massa e cabritos ou gallinhas para _quissâo_ para
todos. Isto sempre e sempre. Mais ainda, se os landins têem cargas,
ao chegar ao Quiteve nunca mais pegam n'ellas, e são os habitantes que
as levam de uma para outra povoação.

Qualquer preto landim, por mais baixa que seja a sua categoria entre os
seus, procede assim com os povos de Quiteve. Se o indigena por troca ou
por presente possue um panno ou um lenço, o landim que passa junto a
elle não deixa de lh'o levar. Todas as raparigas de regular apparencia
são obrigadas a viajar para o sul para serem lá mães de landins nas suas
terras.

Comprehende-se assim como a degeneração da raça dos quitevistas progride
rapidamente e o estado de infelicidade e de miseria de todas as
povoações, apesar dos verdejantes campos e das extraordinariamente
bellas varzeas de milho e outros cereaes de que as vi rodeadas.

Alem d'estas rapinas individuaes feitas pelos landins que acontece
passarem, ha-as feitas por outros que vem, como os dos destacamentos que
tributam os nossos prazos da margem do Zambeze, encarregados de receber
dos regulos tributos de fazenda, que apesar de pequenos não sei como
ainda possam continuar a ser pagos.

Os regulos não se distinguem facilmente dos seus subditos. Em certas
terras é praxe antiga que o regulo seja mulher, que se diz não ser
casada. Muitos d'estes regulos só conservam o nome por tradição; não
penso que tenham a menor acção sobre as povoações que se acham
espalhadas nas vastas areas que dizem pertencer-lhes.

Assim o regulo mulher Mahongo, cujo nome se vê nas antigas cartas, e
deve ter tido grande prestigio, possue ainda nominalmente extensas
terras. Passei por muitas povoações relativamente consideraveis, de
grandes de Mahongo. A povoação da propria Mahongo ficava-me no caminho;
naturalmente suppunha encontrar centro mais importante do que as
povoações que tinha visto, e foi com grande estranheza que um dia,
chegando a uma meia duzia de miseraveis palhotas espalhadas n'um vasto
campo soube que a palhota isolada junto á qual, por acaso, eu me achava
era a do regulo, e que a velhinha quasi nua que estava sentada á porta
era a propria Mahongo.

O regulo mais importante do Quiteve, entre o Pungue e o Revue é a rainha
Gomani. Comquanto passasse por muitas povoações dos seus grandes e não
longe da sua propria povoação e lhe mandasse alguns presentes, não me
desviei do caminho que seguia para a ir ver, e não a posso comparar com
a Mahongo.

Os regulos do Quiteve que limitam com o Aruangua a partir da foz do rio,
são: o regulo Pica, nas terras do qual estão as minas de oiro que dizem
muito ricas, de Inhaoxo.

A região das minas está hoje abandonada e é de muito facil accesso,
podendo-se chegar ás minas com pequena marcha por terra, se se aproveita
o rio Pungue e o seu affluente rio Muda.

Todo o baixo Quiteve, ou região do Quiteve junto á costa é uma perfeita
planicie á excepção do logar onde se levanta a serra isolada da Chiruvo,
onde estão as minas de Inhaoxo e de onde sáe o rio Muda, que dizem
navegavel até quasi á base da serra.

Por informações mais recentes parece que Inhaoxo é uma pequena serra
contigua á de Chiruvo, mas d'ella separada justamente pelo rio Muda que
vem de mais longe no Quiteve.

N'estas condições comprehende-se quanto nos seria facil a occupação da
serra Chirua e o dar absoluta segurança a um sitio que dizem conter
riquezas importantes, que é elevado e deve ser sadio, e onde se estaria
tão proximo da costa, e com ella em tão facil communicação. A occupação
de Inhaoxo teria ainda uma grande importancia para a execução de
qualquer projecto tendente á reoccupação de algumas terras, ou antigos
prazos para o districto de Sofalla.

A montante do regulo Pica, seguo-se o regulo Guenjere, a montante de
Guenjere o regulo Chaurumba, a montante do Chaurumba o regulo Ganda. As
terras d'este confinam, junto ao Aruangua, com as do do reino de Manica.

Foi com grande surpreza que fui vendo que o extraordinario poder de
Manuel Antonio se estende ao Quiteve. O regulo Pica propõe-lhe fazer
entrega de todas as suas terras que vão do Aruangua até ao Busi, e, por
pouco que o governo podesse fazer, a occupação da Chiruvo e terras
vizinhas em breve estaria realisada.

O regulo Guenjere abandonou ha pouco as suas terras, e passou com a sua
gente para a Gorongosa.

O regulo Chaurumba, rapaz forte e de aspecto valente, parece ser um
homem inteiramente dedicado a Manuel Antonio, e ás escondidas dos
landins tem muitas armas por este fornecidas. O regulo Ganda actual é
que não está bem com Manuel Antonio. Ha não sei bem que desavenças de
familias n'estas terras; o que sei é que Manuel Antonio já o bateu e que
Ganda, cujas terras muito extensas se estendem até ao Revue, abandonou
as proximidades do Aruangua e acha-se no alto das grandes montanhas que
n'essa longitude já existem entre os dois rios. Dois filhos ou sobrinhos
de Ganda estão em Gorongosa, talvez sendo preparados para mais tarde
substituir o pae ou o tio.

Os landins servem-se da gente do Quiteve como de cousa sua, e é claro
que no caso, pouco provavel, de um ataque feito por elles ás terras da
margem esquerda do Aruangua, elles mandariam na sua frente com a zagaia
nos rins, como primeiras tropas landinas toda a gente que encontrassem
no Quiteve e não tivesse tido tempo de fugir como amiga para este lado.

Todas estas circumstancias, e as relações que em substituição de Manuel
Antonio, convem que as auctoridades do governo de Manica tenham com os
regulos do Quiteve, mostram a necessidade de fazer comprehender legal,
embora theoricamente, no districto de Manica todo o territorio
comprehendido entre o Pungue e o Revue.

Disse que o reino de Manica limita com as terras do regulo Ganda, junto
ás margens do Aruangua. Junto ao Aruangua o reino de Manica póde
considerar-se como deserto, e facil será chegar com o rei a um accordo
para nos ceder esta porção do seu territorio que elle não occupa.

O reino de Manica estende-se muito para o sul e é para o sul do Revue e
já na margem de um afluente do rio Save que está a aringa do Mutaça, rei
de Manica.

O antigo territorio portuguez de Manica está no valle do Revue, e a
velha villa, junto á margem esquerda d'este rio, e portanto
comprehendido entre elle e o Aruangua.

Na viagem que ha tres annos fiz a esta villa segui o itinerario marcado
no esboço junto, atravessando da bacia do Aruangua para a do Revue,
n'uma longitude onde o terreno é muito accidentado e a divisoria das
duas bacias hydrographicas de cota muito elevada.

Desde então a occupação da serra Humbe por Manuel Antonio fez d'este
ponto do Barue, ponto forçado do caminho entre a Gorongosa e Manica; e
comquanto menos directo, poderá ser preferivel ao que eu segui, se alem
do Aruangua houver a subir e a descer serras menos altas e menos asperas.

Não é porém pela Gorongosa o caminho natural entre Manica e a costa. A
viagem que acabo de fazer permittiu-me tomar conhecimento de um caminho
direito, que convenientemente limpo e rectificado permittirá chegar,
vindo da costa a Manica com uns quatro dias de facil viagem a pé. Com
melhor estrada, havendo cavallos, poderia vir a ser vencido em menos de
dois dias. O ponto de partida para a viagem de terra seria a margem
direita do rio Pungue na altura das terras de Guenjere, em ponto onde
sempre poderá chegar o vapor que fizer o serviço do rio.

Não inscrevo aqui o itinerario detalhado. No terceiro dia de viagem por
este caminho é cortado o que eu segui indo ás terras dos landins. No
quinto dia ficam os pretos na margem do rio Musa, affluente do rio
Chimesa, que é affluente do rio Revue.

N'este ponto da margem do Musa disseram-me, que havia ainda hoje ruinas
de um antigo forte, muralhas de altura de homem e vestigios de
importantes trabalhos de minas. A antiga villa e feira de Manica fica a
poucas horas de caminho do rio Musa.


Entre o Revue e o rio Mussapa

Terreno muito elevado e accidentado, coberto de um a outro rio por
continua e densa floresta. Passei a garganta da divisoria, que fica
muito mais proxima do Mussapa que do Revue, n'uma altitude de 2:230 pés,
mas no seguimento do caminho, subindo e descendo sempre, attingi varias
vezes altitudes não muito inferiores a este maximo.

Em parte da floresta encontra-se uma grande quantidade das trepadeiras
de que tiram a borracha e que dão um fructo que, embora bastante acido;
é muito agradavel ao paladar. Cultivar n'uma grande area da floresta
esta trepadeira constituiria sem duvida uma industria consideravelmente
remuneradora. Cruzando o caminho, e sem necessidade de menor pesquiza
vêem-se duzias de grandes filões de quartzo, havendo probabilidades de
que muitos d'elles sejam auriferos. Toda esta região entre o Revue e o
Mussapa fazia parte do alto Quiteve. O paiz que fica junto á margem do
Revue no ponto onde atravessei este rio é o Zauve, e é n'elle, um pouco
a oeste do meu itinerario, que está encravado o antigo territorio
portuguez do Bandire, hoje abandonado, e que contém as valiosas minas
d'este nome.

O chefe do Zauve é o regulo Murinane, que foi antigamente de grande
importancia; apesar de se vestir como os outros pretos, de como elles se
sentar no chão, ainda se apresenta com uma certa grandeza comparado com
todos os mais chefes que eu vi. D'este regulo recebi muitas
informações ácerca das minas, que estão situadas nas montanhas do
Bandire, tanto na vertente do Revue como na do Mussapa.

Não me parece haver ahi um placer aurifero como incontestavelmente o ha
em Manica; o trabalho das minas é todo em rocha, e é por isso que penso
que dos numerosos filões que encontrei entre o Revue e o Mussapa alguns
pelo menos têem probabilidade de ser auriferos. Comquanto Murinane, que
é um preto de cincoenta annos, de bello aspecto, me dissesse tanto como
todos os outros regulos do Quiteve com quem primeiro estive, que muito
desejaria ver-se livre dos vexames dos landins, e escondesse d'aquelles
que me acompanhavam os presentes que lhe dei, notei grande differença
entre o que vi na grande povoação d'este regulo e a miseria das gentes
de áquem Revue.

Na povoação do Murinane nota-se maior independencia; já ahi todos têem
as orelhas rachadas, quasi caracteristicas dos landins; todos, a começar
pelo regulo, fallam bem o vatua, ou a outra lingua dos landins.

As rochas Inharumirua, que offerecem o primeiro obstaculo á navegação no
Revue, desde a costa pelo Busi, ficam a menos de duas horas a jusante da
povoação de Murinane; conversando pela manhã, pelas oito horas com o
regulo a respeito d'esta obstrucção e da distancia ao ponto onde
estavamos, mostrou elle entre os homens que estavam sentados no chão ao
redor do nós, um que me disse ser o chefe de uma povoação mesmo junto a
estas rochas e que n'aquella mesma manhã de lá tinha partido. Para irem
da povoação de Murinane ás minas do Bandire dormem um dia no caminho,
chegando no seguinte de manhã; vê-se portanto a que curta distancia
estas minas estão de uma via fluvial; quando mesmo ella não seja bem
navegavel em todo o tempo, para transporte de pesos muito consideraveis,
e que não ha a remover constantemente, póde-se bem escolher a estação
propria.

O elevado macisso de montanhas que ha entre o Revue e o Mussapa desce
rapidamente do lado d'este ultimo rio, cujo valle é uma larga planicie
verdejante, sem quasi arvore alguma, na qual serpenteia de um e outro
lado o leito do rio.

N'este valle muito cultivado ha já algumas povoações de landins com o
caracteristico _bode_ ou rodella de cêra preta na cabeça. O contraste é
bem notavel entre estas povoações landinas, onde cada um se sente seguro
em sua casa e gosa tranquillamente do que é seu, onde as mulheres e
creanças sabem que não podem ser levadas pelos primeiros que passem, e
as infelizes povoações do Quiteve principalmente as que se acham entre o
Aruangua e o Revue. As povoações landinas da margem esquerda do Mussapa
são muito poucas e só formam, como testas de ponte para as densas
povoações da outra margem; o territorio de Bandire é nosso, e o regulo
Murinane e outros da margem direita do Revue, apesar de obedecerem hoje
aos landins e de deverem marchar contra nós, se a isso forem forçados,
muito prefeririam estar sujeitos directamente e só á soberania
portuguesa. Não vi se, para jusante da foz do Mussapa, na pouca extensão
da margem esquerda do Mufomose e do Lusito que ainda segue até ao Busi,
e em toda a margem esquerda d'este rio, desde a foz do Lusite até á
costa, ha ou não muitas povoações de landins. Os limites do districto de
Manica, se bem que theoricos, não devem ser só fixados com as terras do
Gunguneana, mas, proximo da costa, tambem com o districto de Sofalla.
Pelo que tenho dito parece-me haver decidida vantagem em considerar a
margem esquerda do rio Mussapa e a continuação d'essa margem na altura
do Mufomose, Lusite e Busi até ao mar, como limite sul do districto de
Manica. O districto de Sofalla confinaria ao norte, de leste a oeste,
com o de Manica, e a oeste, de norte a sul, com as terras do rei de
Gasa, com limites a determinar e que restituissem a Sofalla todos os
seus antigos prasos ao sul do Busi, e mais terras hoje invadidas pelos
landins.

Ao sul do districto de Manica e a oeste do de Sofalla haveria um grande
potentado, vassallo portuguez, que teria toda a liberdade da dictar a
lei no governo das suas terras e do seu povo, afastaria a dominação
estrangeira e poderia, sendo bem aconselhado, e recebendo bem os
conselhos, desenvolver no seu paiz varias industrias agricolas, como a
da creação de gado, a que o terreno se presta admiravelmente, e
producção de lã e mohair, que dariam uma grande prosperidade ao porto de
Chiloane, ou a outro porto vizinho que parece existir em melhores
condições o dever vir a substitui-lo para o serviço dos paquetes.

Disse que o valle do Mussapa é uma planicie bastante larga; pareceu-me,
pelo exame que fui fazendo de varios pontos do meu itinerario, que em
parte seguindo este valle e ao sul do macisso de montanhas que separa o
Mussapa do Revue, ha uma facha de terreno plano que sobe gradualmente
para o interior, que passa não muito longe da povoação de Murinane, que
passará junto á base das montanhas do Bandire e continua na direcção de
Manica, cujas serras eu distinctamente via n'esta direcção.

Assim, haverá, a partir da costa, dois caminhos naturaes para a região
de Manica.

O primeiro, é o que indiquei, pelo rio Pungue, e depois da margem d'este
rio, seguindo obliquamente para a bacia do Revue. É o unico caminho da
costa que por muito tempo nos poderá interessar.

O segundo, que parece proprio para o assentamento de uma linha ferrea, e
que só agora indico como nota que possa vir a ser util para algum
trabalho futuro, seria o que partisse do fundo do que dizem ser o
excellente porto a que ha pouco me referia, formado por traz da ilha
Boene, ou da margem esquerda do rio ou braço de mar denominado Mutizane,
seguisse pelos terrenos planos do baixo Quiteve, atravessasse o Busi,
talvez nas proximidades do arco Inhambimbe, ou foz do Lusite, e seguisse
pelos valles e margens esquerdas dos rios Mufomose e Mussapa, passando
junto ao Bandire até Manica.


Terrenos ao sul do Mussapa

Pouco me resta a dizer a respeito de terrenos, que nos interessem
directamente, pois devemos considerar os territórios ao sul de
Mussapa, como pertencendo ao rei de Gasa; isto até que em epochas
futuras todas as terras dos landins venham a passar ao dominio directo
da nação.

Atravessei, como disse, o Mussapa na sua confluencia com o Mufomose;
depois de uma hora de caminho em planicie, e suppondo que estava sempre
no valle do Mufomose achei-me nas margens do Lusite, e passado este rio,
continuei, sempre em paiz plano, até á base da serra Citatonga contra a
qual me levaram, e sobre a qual tive que passar; á esquerda do meu
caminho a planicie continua até á costa; á direita as montanhas
elevadissimas de onde nascem o Mussapa, o Mufomose, o Lusite, o Busi, e
outros affluentes d'estes rios, montanhas que separam o systema
hydrographico do rio Busi do da bacia do rio Save. Este ultimo rio vem
muito mais do norte, tendo as suas origens proximo da divisoria das
aguas para o Zambeze, e origem do affluente do rio Aruenha, affluente do
Zambeze em Masangano; corre do norte ao sul recebendo do lado do oeste
as aguas de affluentes que vem das terras do Muzilicatze, do lado de
leste as que nascem nas vertentes de oeste das serras de que acabo de
fallar, e é junto á margem de um d'estes affluentes que está a aringa do
rei Mutaça; depois, em maior latitude, volta rapidamente para leste para
desaguar no oceano Indico por muitos braços formando um extenso delta a
que Chiloane pertence. Os rios Busi o Save junto á costa correm portanto
quasi como parallelos entre si. A villa de Sofalla fica approximadamente
a meia distancia entre a foz dos dois rios.

Como se vê no esboço junto e como eu vi do alto da serra Citatonga, o
rio Busi, depois de passada esta serra, corre para o norte a ir receber
não muito longe, e em terreno perfeitamente plano, as aguas do Lusite; o
que prova que desviando um pouco o itinerario para leste, poderia ter
contornado a serra Citatonga em logar de ter passado duas vezes pela sua
cumiada, o que, principalmente pela garganta por que passei na volta, é
bastante custoso.

Passada a serra Citatonga, o caminho segue em terreno plano, apenas com
ligeiras ondulações em alguns pontos, ficando proximo, á direita, as
montanhas onde nascem o Busi e um importante affluente d'este rio, pela
agua que leva, por entre rocha, o rio Muzirisi, junto á margem esquerda
do qual, na pequena povoação de Cuzova, terras do grande Mugomugomo,
terminou a minha viagem. Proximo da margem direita d'este rio, um pouco
a montante do logar onde eu estava, e a umas cinco ou seis horas de
caminho, é que está a povoação do Gunguneana.

Do valle do Muzirisi, diz o explorador inglez Mr. Erskine o seguinte: «O
valle do Muzirizi (que elle chama Umswelisi) está destinado a ser um dia
uma das mais productivas regiões d'este lado do continente. Assucar e
café dar-se-íam ahi admiravelmente; e por causa da sua elevação supponho
que será perfeitamente sadio».

Mais longe diz: «A agua transparente d'este rio é abundante e seria
sufficiente para irrigar este extenso e fertil valle, e ainda para mover
moinhos, para o que a sua rapida quéda o torna muito proprio».

Do Aruangua, do Revue e de todos os menores rios, affluentes d'estes, se
póde em geral dizer outro tanto.

A parte das terras do valle do Muzirisi que não está cultivada com
milho, mapira, feijão, etc., é destinada á pastagem das numerosas
cabeças de gado que o Muzila tinha, e o Gunguneana conserva e trata de
augmentar, e que se acham divididas por manadas entregues aos chefes das
differentes povoações. A manada na povoação de Cuzova tinha a
especialidade de ser exclusivamente composta de gado muito novo, ou
vitellos que iam sendo separados das mães nas manadas vizinhas.


Minha missão, seu resultado

Foi, como disse, a presença das duas embaixadas dos landins na
Gorongosa, que me aconselhou a escolher esta occasião para fazer a
primeira visita ao rei de Gasa. Tudo o mais nos era contrario: chuvas,
cheias dos rios, caminhos fechados com palha de altura de dois homens.
Não tinha tambem na Gorongosa quem soubesse portuguez e vatua, nem mesmo
pessoa que me podesse acompanhar e servisse de bom interprete; de
portuguez para as linguas da Gorongosa ou do Quiteve, muito similhantes,
e que muitos dos landins fallam.

Um dos meus moleques era o interprete com que mais poderia contar, mas
fui successivamente descobrindo a impossibilidade de lhe fazer
comprehender qual era a missão do interprete, e de lhe fazer traduzir
cousa que elle não pensasse entender, e sobre a qual elle depois
livremente discursasse na lingua para que traduzia.

O que não fosse de accordo com a sua opinião não traduzia, e não foi
possivel fazel-o referir a povos de que elle nunca tinha ouvido fallar.

Prevendo isso, logo que cheguei ao Quiteve escrevi ao capitão mór de
Sofalla, um mouro chamado Amade Sene Abdalá, filho de um Gricar Abdalá,
que vemos figurar como lingua do estado nos termos da reivindicação do
territorio do Bandire em 1835, e de uma princeza murinane, irmã da
actual rainha Gomoni e do actual regulo Murinane, preta ou princeza com
que elle Gricar travou relações, e que levou para Sofalla, onde ella
passou o resto da vida. Sabia eu portanto que o capitão mór de Sofalla
era sobrinho dos dois mais importantes regulos do Quiteve; sabia mais,
que elle, como antigo negociante, era conhecedor dos sertões, que
fallava a lingua do Quiteve e a lingua vatua e que era valente; e por
isso lhe escrevi, pedindo-lhe que me viesse servir de interpretre.

Da mesma povoação em que escrevi a Amade Sene, partiram rapidamente para
a frente tres landins com o fim de annunciarem a Gunguneana da minha
viagem. Encontrei-os de volta a uns tres dias da povoação do rei,
dizendo-me da parte d'elle que seguisse e que seria bem recebido.

Na manhã de 23 de janeiro, quando suppunha que nesse dia chegaria á
povoação do Gunguneana, pararam os meus conductores na povoação de
Cuzova, que já tenho citado, para que fossem alguns d'elles dar parte ao
rei de que eu me approximava. Só na manhã do dia 1 de fevereiro chegaram
quatro grandes, que, acompanhados de muita gente, me vinham comprimentar
da parte do Gunguneana, trazendo-me um boi, e pedindo-me que
expozesse o motivo da minha visita. Apenas consegui poder dizer-lhes que
vinha para confirmar e estreitar as relações de amisade com o novo
regulo portuguez, e para lhe dizer que o rei resolvêra mandar reoccupar
as suas terras de Manica e avisar d'isso o Gunguneana para que se alguns
landins fossem para aquelle lado recebessem do Gunguneana ordem para ter
bom trato com os mosungos. Fallei apenas de Manica, e é claro que não
podia pedir licença qualquer para irmos para lá, visto que as terras da
região da antiga feira de Manica são portuguezas e como taes
reconhecidas pelo rei de Manica e por todos os povos que habitam os
paizes vizinhos. Como porém os grandes das duas embaixadas me tinham
sempre acompanhado, e, depois da sua viagem e ausencia de muitos mezes
não tinham ainda estado em relação com os que cercam o Gunguneana
começaram em landim discursos que duraram horas, e em que notei que, de
certo com as melhores intenções, porque todos os landins com que estive
em contacto me deram sempre provas do sympathia, repetidas vezes
fallavam em Ferrão, Gouveia, Gorongosa, Manica, Bandire e Inhaoxo, e em
que provavelmente disseram que eu vinha para tomar conta de todo o
Quiteve, como varias vezes o haviam dito pelo caminho, sem que palavra
ou acto algum da minha parte motivasse tal asserção.

Partiram os grandes parecendo muito satisfeitos commigo e dando-o a
entender que no dia seguinte ou no dia depois d'este alguem me viria
buscar da parte do Gunguneana.

No dia 3 de fevereiro, quando eu já de ha muito suppunha que o capitão
mór de Sofalla não podia ou não queria vir até tão longe, appareceu-me
elle, motivando a sua demora pela do portador da minha carta, que fiou
muitos dias em uma das povoações do caminho, dando as chuvas como
pretexto da paragem.

Em outras communicações fallarei de Sofalla e do seu capitão mór, homem
que me parece muito util. Elle veiu com bastante gente de Sofalla, e
durante os dias que estivemos juntos, apesar da impaciencia da espera,
não podia deixar de ter muito prazer, vendo fraternisar e _amossossar_
juntos gente de Senna com a gente de Sofalla, reunião que ha muitas
dezenas de annos julgo não tinha tido logar.

Esperavamos de dia para dia o aviso de Gunguneana para marcharmos; quasi
todos os dias vinha de lá alguem que por varios motivos ia justificando
a demora passada, annunciando que breve seguiriamos.

Indicarei alguns d'esses motivos:

_a_) Entrega dos _Nhunhe muchopes_ (passaros brancos) aos seus
commandantes.

Com este nome acaba Gunguneana de crear um novo corpo do exercito,
recrutado em todas as suas terras e constituido com rapazes que deverão
servir por um determinado numero de annos n'este corpo, e que emquanto
não passarem para outro ficam prohibidos, sob pena de morte, de casar ou
ter relações com mulheres. O nome é devido a que os escudos são feitos
com pelles de bois brancos, e que todo o vestuario dos homens será da
mesma côr; pelles ou pennas brancas. Como muitos landins vão trabalhar
no Transvaal, na republica de Orange e nos Campos de Diamantes,
trazem d'esses paizes quantidades de pelles de carneiros de comprida lã
branca, de que cortam estreitas tiras, com que adornam o grosso dos
braços e as pernas, logo abaixo dos joelhos.

Quando cheguei á povoação de Cuzova tratava-se effectivamente de reunir
na do Rei todos os _Nhunhe muchopes_, e vi passar nos primeiros dias que
ali estive, muitos centos de rapazes, que de todos os lados convergiam
para o ponto de reunião.

_b_) Reunião de outra gente de guerra, que tambem vi passar em grande
quantidade, por causa de um importante acampamento, manifestado por uma
extensissima linha de fogos ao longo da margem direita do rio Save, e
constituido por gente do Muzilicatze, sem que ainda se soubesse se
vinham para cumprimentar o novo rei, se para lhe fazer guerra.

Mais tarde, quando regressava pelo Quiteve, disseram-me que dez brancos
a cavallo, vindos do lado do Muzilicatze, tinham com muita gente
atravessado o Save, para visitar o Gunguneana. Não sei se estes brancos
têem ou não relação com o acampamento a que me acabo de referir.

_c_) Reunião dos grandes, chegados de povoações muito afastadas para que
Gunguneana conversasse com elles a respeito da minha visita.

No dia 11 de fevereiro chegaram finalmente á povoação de Cuzova todos os
grandes que primeiro me tinham vindo ver, acompanhados de alguns outros;
depois de muitos comprimentos e de conversarem sobre assumptos estranhos
ao objecto da minha presença ali, o maior de entre elles, um bello e
sympathico homem, por nome Magumeana, chamou do grupo de pretos, que
estavam sentados atrás dos grandes, um que veiu pôr junto a mim uma
pequena ponta de marfim, sobre a qual Magumeana poz duas libras
sterlinas[2], dizendo que era a _bôca_ do Gunguneana, para
dizer que não podia consentir em que os brancos viessem trabalhar nas
minas, nem estabelecer-se nas suas terras, _porque se o fizessem, viriam
depois tantos, que em breve lhe tirariam o poder_; que elle Gunguneana
era portuguez, que elle, mas elle só, era mulher do rei de Portugal, que
assim o dizia a todos os estrangeiros, que desejava amisade com os
brancos; que tem dado d'isso muitas provas, e ainda muito recentemente,
quando na Chupanga lhe assassinaram traiçoeiramente, quando elles
dormiam, todos os landins que lá estavam, não tendo feito guerra por
esta causa; que os mosungos podem livremente vir negociar, com
segurança, a todas as suas terras, mas que não quer que n'ellas explorem
as minas; que os brancos nunca fizeram esse pedido a seu pae, e que
notava que se tinham reservado para o fazer quando elle acabava de subir
ao poder.

Fiz notar que eu já me achava em caminho quando se soube do fallecimento
do Musila, e que o rei de Portugal não tinha que receber licença de
pessoa alguma para mandar mosungos para as suas terras do Manica, que
todos na localidade reconhecem pertencer-lhe.

Era inutil qualquer discussão com estes homens isolados, visto que a
resposta do Gunguneana tinha sido dada em conselho de todos os grandes,
que já se achavam espalhados, e que evidentemente eu não podia ter por
agora modificação ás resoluções tomadas. Tratei, só, portanto, de
aproveitar a presença de um homem intelligente como é o capitão mór de
Sofalla, bom conhecedor do portuguez e do landim, para dizer o que
desejaria ter dito na minha primeira entrevista com os grandes, embora o
mau resultado da minha viagem tornasse impossivel o tratar de muitos
pontos, como o da construcção de um telegrapho com excellente directriz,
passando pela povoação de Gunguneana, o transporte maritimo por Chiloane
dos landis, que com viagens de mezes vão servir no Natal.

N'esse mesmo dia 11 de fevereiro comecei a viagem de volta para a
Gorongosa, onde cheguei no dia 1 do corrente. Não indico n'este
trabalho, destinado a fornecer infirmações a s. ex.ª o ministro da
marinha, os promenores da viagem, que só podem interessar e muito aos
que tiverem de percorrer o paiz.

Gunguneana disse aos grandes, quando elles vieram ver-me com a resposta,
que não me pedissem fazendas, para que eu não _podesse voltar dizendo
que tinha comprado as minas_; caso sem exemplo, com landins em frente de
_motores_ de fazendas, e que bem mostra que é receio o que elles todos
têem. Dei, porém, aos grandes, tanto na primeira como na segunda visita,
e mandei pelas duas occasiões ao Gunguneana alguns presentes; porque
achei conveniente deixar boa impressão e separar-me dos grandes com
agradaveis relações.

Os grandes nomearam tres landins para nos acompanharem, receiosos de que
o estranho facto, de voltarem do lado da casa do seu chefe mosungos com
motores de fazenda completos não fosse attribuido a alguma fuga ou
desavença, e nos causasse embaraços no caminho.

Junto a este relatorio vae um resumo da conta de todas as despezas da
viagem, incluindo as do transporte do capitão mór de Sofalla, e todos os
presentes dados ao Gunguneana, seus grandes, regulos do Quiteve, e todos
os chefes da povoação onde passámos, na importancia de 624$800 réis,
despezas pagas pelo governo do districto de Manica.


Comparações com a colonia ingleza do Natal; algumas apreciações dos
nossos vizinhos ácerca do paiz que visitei; da nossa administração e
modos de proceder

O cônsul O'Neill em um dos relatorios que, como consul de Sua Magestade
Britannica na provincia de Moçambique, é obrigado a fazer annualmente,
diz o seguinte: «Situada entre o territorio do sultão de Zanzibar e a
colonia do Natal, está a provincia de Moçambique, que em nada é inferior
a qualquer d'estes dois paizes e lhes é muito superior pelos seus
numerosos portos, pelas vias naturaes de communicação, que permittem
attingir facil e economicamente grandes distancias no interior; e
comquanto a colonia de Natal muito pequena, de recente creação veja
elevar os seus rendimentos a X (não cito cifra por não ter o documento
presente), comquanto Zanzibar com todos os contras da civilisação arabe
renda Y, a provincia de Moçambique rende apenas Z (uma pequena fracção
de Y, já muito inferior a X).

O motivo da differença, tão contraria nos resultados, quando as
condições naturaes são todas a favor da provincia de Moçambique, só póde
ser devido á differença dos processos empregados.

Os rendimentos da provincia do Natal foram em 1882 de £657:737, e o
valor das exportações feitas por cima da barra quasi inaccessivel do
porto de Durban foram de £731:309. Dados muitos recentes mostram que o
valor das exportações pelo mesmo porto subiu em 1884 á respeitavel somma
de £957:918 ou mais de 4.300:000$000 réis; sendo £523:377, ou mais de
2.300:000$000 réis, do valor de lã (a maior parte da qual, devo dizer,
vem de fóra da colonia, do Transvaal e da republica de Orange);
£185:131, ou 832:000$000 réis, de assucar, e mais de 360:000$000 de réis
de pelles de animaes. O seguinte artigo, cortado do jornal que mais
aversão nos tem, o _Natal Mercury_ de 18 de novembro de 1884 na
geralmente intrigante e invejosa colonia de que estou tratando, mostra
quaes foram os rendimentos do porto de Lourenço Marques quando
subitamente elevados por uma causa que então foi passageira, e as
observações que sobre esta circunstancia fazem.

A construcção do caminho de ferro que com felicidade consta vae
finalmente realisar-se por uma empreza portugueza, bem depressa mudará o
_présent régime_ n'este porto, e lhe affirmará a superioridade que este
mesmo jornal diz que elle terá logo que se verifique a expulsão dos
portuguezes pelos allemães em toda a costa oriental de Africa, como elle
tão inconsequentemente mostra desejar.

Junto dois pequenos artigos n'este sentido.

«Better far have one small German settlement near us than any number of
miserable and wretched Portuguese colonies which never have and never
can benefit either settlers or aborigines, but which are simply a curse
wherever they have taken root on African soil.»

«We colonists might well hail with delight the proclamation of German
rule over the territories stretching from shore to shore north of the
Limpopo and its parallel, and south of the Congo. A German empire in
those regions would form a magnificent background to an Anglo-African
Dominion on this side.»


The trade of Lourenço Marques

«Accustomed as we are to regard Delagoa Bay as a formidable competing
port in its relation towards the trade of the Transvaal, we are apt to
exaggerate the real proportions of the trade done there. Through the
courtesy of Mr. de Costa we are able to give the following summary of
the monthly returns of trade at Lourenço Marques for the present year:

                    Importation        Exportation
                    £                 £
    January         3:211   7   0       705   12   0
    February        2:482   3   0     2:826    1   0
    March           6:982   7   0     1:727   15   0
    April           7:521   8   0     2:147    5   0
    May            10:924   0   0     1:651   18   0
    June            1:434   2   0     3:759    9   0
    July            9:184   7   0     1:846    1   0
    August         10:051   1   0       133   11   0
    September       5:472   5   0     4:284   11   0

«These figures differ from those of preceding years in this
respect--that they cover the period of temporary inflation caused by
«Moodie's Rush» and the Lydenburg Gold Fields generally. Yet what are
the facts? For the nine months of this year all the imports through
Delagoa Bay only reached a value of £56:263, while the exports only
reached a total £19:082 being a monthly average of £6:251 in the one
case and of £2:120 in the other. Thus, carrying on the average, the
entire import trade of the rival port represents, so far, a yearly value
£75:014 only. There is not much in these figures to cause dismay. No
abnormal diversion of trade has yet taken place, and in the absence of a
line of railway we are not likely under existing circumstances to see
much improvement in these figures. Were any power other than Portugal to
establish itself at Delagoa Bay the case might be different; but so long
as the _present regime_ abides at the northern port we can afford to go
on our way steadily, seeking to conserve and to retain whatever trade we
at present command.»

E outro mais grave publicado em o numero de 20 de janeiro ultimo.


The powers in Africa, January, 16

«Should recent and pending negotiations lead to a definitive
understanding between England and Germany as to the future relations of
the two powers in Central and Southern Africa, the future of this
continent will all at once have passed into a phase which will be, when
compared with the past, as light is from darkness. The determination of
that future, under the altered circumstances of the moment, may be said
to depend upon three postulates. The one is that England is prepared and
resolved to hold her own throughout all the regions that have been
directly, or nominally or relatively, under her influence or sway. The
second is that England beyond certain lines has neither the desire nor
the intention to extend the limits of her dominion in Africa. The last
is that Germany means, without any reservation or vacillation, to
establish herself in Africa as a colonising power, wherever the way may
be open to her. As regards the first two of these premisses, it may, we
think, be taken for granted that England means to go thus far, but
no further. The power that has impelled the Imperial Ministry to make
the present demonstration of its authority in South Africa is the same
power that has prevented mr. Gladstone from going as far hitherto. It is
the power of public opinion in the mother country, and it is the power
of that democracy which practically shapes that opinion. The world has
suddenly discovered that the English democracy is not ready--as yet,
whatever may be its disposition in the future--to part with an inch of
its territory or a stone of its fortresses. This has been somewhat of a
revelation to English colonists, no less than to foreign nationalities;
but it is a fact. That fact is no doubt fully recognised by the German
Government, and it is a fact which will be respected. Had it been made
manifest a little earlier much misunderstanding, and possibly certain
vain aspirations and illusions might have been saved. It is simply
absurd to suppose that Germany has not cherished designs more or less
ambitious, based upon the apparent desire of England to get rid of its
responsibilities in South Africa. To deny, or even to doubt the
existence of these designs--contingent always upon a policy of
abdication and retirement on England's part--is simply to ignore the
abounding evidence of experience and of fact. Prince Bismarck's last
speech to the Reichstag puts all doubt on that point at rest. England,
however, having proclaimed her resolve, the course likely to be pursued
by Germany is the course of shrewdness and common sense, two qualities
that never fail to distinguish the Teutonic mind. Germany will elect to
confine her colonising policy within legitimate and accessible limits.
There is a field of action open to her in South Africa which only a
slight political barrier interposes to shut her out from. We refer, of
course, to the area of Portuguese rule. This, it is true, at present is
an undefinable area. Portugal has been a colonising power only in name.
To speak of Portuguese colonies in East Africa is to speak of a mere
fiction--a fiction colourably sustained by a few scattered seaboard
settlements, beyond whose narrow littoral and local limits colonisation
and government have no existence. Had Portuguese rule in East Africa
shown any sort of vitality or reality no one cherishing any regard for
international amity could have any fair plea to desire its displacement.
By the ordinary rules of conquest and occupation Portugal has a title to
possession sanctioned by three centuries of existence. But the very fact
that for 300 years the flag of Portugal has waved along the East Coast
involves the condemnation of Portuguese rule. For what is there to show
for it? What use has Portugal made of her acquisitions or opportunities?
What effect has she produced upon the destinies of the Continent? What
part has she played? What contribution has she made to the sum of the
world's progress, to the cause of civilisation to the well-being of
mankind? The answer to these questions is writ in characters of
miserable failure. In no other part of the world has the European left
so futile and so fruitless a trace of his presence as the Lusitanian has
left upon the eastern shores of this Continent. This is a fact that will
assuredly have ere long to be submitted to the judgment of Europe, and
to the guidance of fast developing events. It is not necessary just now
to consider how or when this question will come to be determined;
but the moment of settlement must come, and it will be strange should a
power like Portugal succeed in resisting whatever pressure may be
brought to bear by circumstances that may and that must arise. Should
Germany hereafter be found the active occupant of some part at least of
the lifeless heritage of Portugal we, in South Africa, shall have no
cause of repining. Were the southern half of the Continent represented
by England, Germany, and the internationalised region of Congonia
respectively, the hopes and prospects of civilisation, of commercial
progress, and of industrial activity, would be as bright and reassuring
as lately they have seemed gloomy, and depressing. These three Powers,
acting in concert and in good faith, would soon malte Africa an
efficient rival to South America. Saxon energy, and Saxon enterprise
would co-operate to rescue the Dark Continent from the sleep of ages,
and to open out an era of vigorous dovelopment and social advancement
that, but yesterday was a mere dream».

      *      *      *      *      *

Natal tem apenas uma area de 21:000 milhas quadradas, area menor que só
a dos prazos Gorongosa, Cheringoma o Chupanga. A provincia de Moçambique
é portugueza ha quasi quatro seculos; comquanto Natal tenha sido
recommendado ao governo inglez pelo Lieut. Farewell em 1823, como um
posto que devia ser occupado, póde-se dizer que é só desde 1843 que a
colonia de Natal foi formalmente declarada colonia ingleza.

Natal está dividida em quatorze condados e _divisions_ com varias
auctoridades distinctas para brancos e para pretos (porque em parte
alguma, a não ser nas nossas colonias, são os pretos julgados pelo mesmo
processo que são julgados os brancos, e punidos igualmente); até ha
pouco havia para toda a região ao sul do Zambeze, que é de esperar virá
a constituir o districto de Manica, e ainda para os prazos Luabo e
Melambe, só o commando militar de Senna.

Natal tem cerca de 40:000 brancos, em parte introduzidos pelos auxilios
que têem sido dados á emigração; na provincia de Moçambique, que contém
em quasi todos os seus districtos areas proprias para a colonisação
branca, mais extensas que a de toda a colonia do Natal, contando mesmo
com os empregados das tres grandes casas commerciaes estrangeiras, não
haverá de certo, alem dos empregados do governo, 200 pessoas brancas.

Portugal recebe os mais urgentes pedidos de todas as colonias, deseja,
quanto possivel, satisfazer a elles, sangra-se e arruina-se com esse
fim, e manda-lhes annualmente sommas, que repartidas por todas ellas
ficam por tal modo diluidas que só servem para as continuar a fazer
vegetar no estado que todos bem conhecem. Os grandes sacrificios da
metropole são perdidos, e continúa de anno para anno, por exemplo, a sua
mais populosa e mais importante cidade africana, debaixo de um sol
abrazador, a soffrer os horrores da sêde.

A Inglaterra não gasta um penny com o Natal. É a pequena colonia que tem
recorrido ao credito. Os typos dos seus emprestimos são sempre de divida
remissivel em praso fixo.

Julgo que presentemente tem as seguintes dividas, que vão designadas
segundo a ordem da sua emissão:

Um emprestimo de £ 165:000, realisado a 6 por cento de juro e 3 por
cento para amortisação em curto praso.

Um emprestimo de £ 100:000, a 6 por cento de juro e 2 por cento para
amortisação.

Um emprestimo de £ 350:000, a 5 por cento e 1 por cento de amortisação
em quarenta annos.

Um emprestimo de £ 200:000, a 4 1/2 de juro e 1 por cento para
amortisação em quarenta annos.

Um emprestimo de £ 50:000, a 4 1/2 de juro e 1 por cento para amortisação.

Um emprestimo de £ 50:000, a 4 1/2 de juro e 1 por cento para amortisação.

E, finalmente, o ultimo emprestimo para continuação dos caminhos de
ferro de £ 469:800, a 4 por cento de juro e 1 por cento para amortisação.

A pequena colonia do Natal recorreu ao emprestimo, pediu primeiro a 6
por cento e 3 por cento; progrediu com a divida que fez, e ha pouco
realisou um emprestimo a 4 por cento de juro e 1 por cento para
amortisação; e isto quando uma parte sensivel das sommas emprestadas tem
sido empregada nos improductivos trabalhos para melhorar uma barra sobre
a qual se passa muitas vezes em perigo (quando não está mesmo do todo
fechada) n'um vaporsinho que eu muito desejaria ver na carreira do rio
Pungue, e na qual nunca entrarão navios como os que podem entrar em mais
de vinte portos da provincia de Moçambique.

As grandes e poderosas nações da Europa recorreram largamente ao credito
para a realisação dos espantosos melhoramentos materiaes que se têem
effectuado no presente seculo; com mais forte rasão as colonias dos
differentes paizes recorrem ao credito com mais ou menos dependencia das
respectivas metropoles, conforme as leis que as regem, e o credito que
merece cada colonia. Só as colonias portuguezas fazem excepção.

Terminarei este artigo fazendo algumas citações de uma das communicações
apresentadas pelo sr. V. Erskine á Royal Geographic Society de Londres,
que se acha publicada no jornal da sociedade, vol. XLV, 1875, unico dos
volumes que tenho commigo. Uma das citações seria bem desnecessario
fazel-a, porque deverá ter ultimamente sido lida por todos os
portuguezes que se occupam de colonias, no livro de s. ex.ª o sr.
Andrade Corvo:

«O futuro de Lourenço Marques nas mãos dos portuguezes só póde ser ruina
e morte, mas debaixo de uma raça _teutonica_ será o mais glorioso. Que a
dominação por uma d'estas raças terá logar, por força ou por diplomacia,
não póde haver duvida alguma.» (É extraordinario que estas palavras
fossem escriptas ha mais de dez annos.)

«Os portuguezes parecem estar pegados atraz das suas muralhas nos fortes
da costa, e não fazem idéa alguma do paiz elevado que lhes fica para o
interior.

«Desde a invasão dos zulus os portuguezes nem são temidos, nem
respeitados. Tendo apenas soldados pretos, são absolutamente desprezados
pelas tribus que os rodeiam.

«Considero este grupo de montanhas onde nasce o Busi como um dos mais
interessantes problemas da geographia moderna; pela sua conveniente
exploração conhecer-se-iam vastas regiões de paizes sadios, proximos do
porto de Sofalla, e se fossem tomados em mão por Portugal e offerecidos
a emigrantes por algum modo liberal fazia elle cessar immediatamente
todas as difficuldades com os indigenas, e crearia uma origem de riqueza
e prosperidade como nunca viu desde o tempo d'aquelles heroes que lhe
fundaram o seu imperio colonial, do qual hoje apenas alguns fragmentos
lhe restam.»

É assim que pensam os estrangeiros que visitam o paiz; é provavelmente
assim que pensam o Gunguneana e os seus grandes; no dia em que
sufficiente numero de portuguezes pensar do mesmo modo, a não ser que
esse dia chegue demasiadamente tarde, ver-se-ha bem depressa por
experiencia como os primeiros que fallaram pensaram bem.

Tendo indicado a distancia de differentes cidades e portos da Africa
austral á capital do Musila, diz:

«Os portos mais proximos, Sofalla e Chiloane, são tambem testas das
estradas que offerecem menores difficuldades physicas para uma marcha. A
planicie que ellas seguem é sadia durante os mezes de julho, agosto,
setembro e outubro, de maneira que forças europêas facilmente as podem
atravessar n'essa epocha. Grandes rios podem ser seguidos até ás bases
das montanhas. De espaço a espaço ha densos bosques, mas podem elles ser
evitados, e o caminho seguir sempre como por um parque. Ha pastagens por
toda a parte, de maneira que não seria necessario levar sustento para gado.

«Na verdade difficilmente se poderia encontrar um paiz que melhores
condições offereça para ser conquistado por europeus; e note-se que,
quando se chega ao plateau elevado, tem-se attingido uma região cujo
clima é superior ao da Europa.»


Conclusões

Motivado no que tenho exposto, direi que é minha opinião o seguinte:

1.º Convem limitar a area de acção do governo do districto de Manica, do
seguinte modo: ao norte, pela margem direita do Zambeze desde a foz do
Aruenha até ao limite dos prazos Chupanga e Luabo; a leste, pelas
confrontações dos prazos Chupanga e Cheringoma com os prazos Luabo e
Melambe até a costa e de ahi pela linha da costa até á foz do rio Busi;
ao sul pela linha, seguida, dos thalwegs do rio Busi e dos affluentes
Lusite, Mufomose e Mussapa, continuando por modo que comprehenda todo o
reino de Manica; e a oeste, na parte mais do sul, prolongando-se quanto
possivel para o Zambeze e região em que este rio corre do sul para o
norte, e na parte mais do norte pelos thalwegs dos rios Mazoe e Aruenha,
em que confinaria com o districto de Tete.

2.º Convem passar o commando militar e villa de Senna para a margem
esquerda do Zambeze.

3.º Transferido o commando militar de Senna para a margem opposta, é
necessario crear desde já o commando militar de Chemba.

4.º É necessario e facil resolver a questão do Bonga.

5.º Logo que esteja resolvida a questão do Bonga, é necessario crear o
commando militar do Aruenha.

6.º É necessario resolver a questão do reino do Barue.

7.º Effectuada a transferencia do Barue, é necessario crear um commando
militar com a séde na aringa de Manuel Antonio, de Inhangona, proximo do
Caurese, ou um pouco mais a oeste e mais proximo dos Campos de Oiro do
Imperador Guilherme.

8.º É necessario crear desde já o importante commando militar de Massará
e nomear o seu commandante, que poderá fazer serviço como commandante
militar em Manica, emquanto convenha que a séde do governo do districto
fique em villa Gouveia.

9.º É necessario, como uma das bases mais essenciaes para o
desenvolvimento de um prospero districto de Manica, organisar por
qualquer modo um serviço de transportes a vapor, mensal, ou, para
começar, bi-mensal ou ainda trimestral, _mas regular_, entre os portos
do Quelimane ou Chiloane e o rio Pungue até ao ponto onde este rio for
navegavel pelo vapor empregado[3].

10.º É necessario, e facil de realisar com os recursos que já tem o
districto de Manica, logo que lhe for dada acção sobre todo o valle do
Aruangua até á costa, evitar que os landins continuem a passar este rio,
como actualmente fazem, para ir levantar tributos nos prasos Cheringoma,
Inhamunbo, Chupanga, Luabo e Melambe, e assegurar a tranquilidade na
região que fica ao norte do mesmo rio.

11.º É necessario ligar telegraphica ou telephonicamente a séde do
commando militar da Chupanga, com a do commando militar de Chemba, esta
com villa Gouveia e esta com a séde do commando militar do Aruangua[4].

12.º Se fosse exequivel, seria muito para recommendar, e teria de certo
o maior alcance, a immediata guarnição da região da antiga feira de
Manica com uma força de quinhentos homens de um regimento de infanteria
do exercito de Portugal.

13.º Como não é possivel fazer-se a proposta indicada em o numero
antecedente, o governo do districto de Manica fará de certo quanto
podér, lançando mão dos recursos de que aqui dispõe para occupar a
região de Manica, assegurar as communicações com o ponto occupado; e
occupar mais um ponto convenientemente situado entre os rios Pungue e
Busi, proximo da costa.

14.º É urgente e essencialmente necessario proceder por qualquer modo
para augmentar de uma maneira sensivel a actual população branca da
provincia de Moçambique; e muito para desejar que ainda na boa estação
que vae entrar comece a pôr-se em pratica algum programma de colonisação
do districto de Manica.

15.º Dentro de cada districto da provincia de Moçambique ha em grande
excesso o necessario para que a provincia possa garantir os encargos que
tenha a contrahir por causa de qualquer d'esses districtos.

O emprego dos meios necessarios para garantir a segurança, para realisar
a colonisação e as grandes obras publicas, exigem rapido desembolso de
capitaes que só podem ser obtidos por emprestimos. Estes emprestimos, no
caso da provincia de Moçambique, poderão ser de duas ordens; ou geraes
da provincia, com a garantia da provincia e garantia do governo, ou
especiaes para determinados fins, a executar por emprezas constructoras
de colonisação e outras, emprestimos que devem ser feitos por emissões
de obrigações d'essas emprezas de utilidade colonial com primeira
garantia da empreza da colonia para com o governo, e com a garantia do
governo para com o publico. Logo que a habilitem a dar os primeiros
passos, a provincia de Moçambique facilmente encontrará credito em todas
as praças do mundo pelos inexhauriveis recursos que em si contém.

Villa Gouveia, 16 de março de 1885. = _Joaquim Carlos Paiva de Andrada_,
capitão de artilheria em commissão.


    [1] Refiro-me sempre ao escrever este nome ás terras firmes do prazo
    Luabo, na margem direita do Zambeze, que se acham, salvo em raros
    pontos mesmo junto ao rio, desertas. É nas ilhas do delta que estão
    hoje condensados todos os colonos, almejando por voltar a occupar as
    terras que seus paes e elles proprios occuparam na terra firme.

    [2] A ponta de marfim foi entregue no governo do districto. Queria
    recusar as duas libras, mas como não comprehendiam o motivo da
    recusa e se melindravam, entreguei-as na presença dos grandes ao
    mouro capitão mór, que as acceitou

    [3] Saber-se desde já com certeza que um vapor viria ao Punque de
    hoje a quatro ou seis mezes, _mas em dia fixo_, faria um grande bem.
    Viagens sem sufficiente annuncio previo na Europa e aqui serão
    relativamente de pouco proveito.

    [4] Ligado mais tarde o commando de Chemba com o Aruenha ficará
    construida a maior parte da linha que porá Tete em communicação com
    a costa. Da Chupanga em breve mandaria o districto de Quelimane
    prolongar a linha para villa Mesquita e de certo que não deixaria
    este districto de empregar o material telegraphico, que de ha tantos
    annos dispõe, para ligar a linha da Zambezia com Quelimane. Ficariam
    assim logo ligados os tres pontos de Quelimane, Inhamissengo e
    Pungue.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Relatorio de uma viagem ás terras dos Landins" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home