Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Manifesto dos Estudantes da Universidade de Coimbra á opinião illustrada do paiz
Author: Quental, Antero Tarquínio de, 1842-1891
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Manifesto dos Estudantes da Universidade de Coimbra á opinião illustrada do paiz" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



of public domain material from Google Book Search)



                             ANTHERO DE QUENTAL



                             ANTHERO DE QUENTAL


                        MANIFESTO DOS ESTUDANTES DA
                          UNIVERSIDADE DE COIMBRA

                       Á OPINIÃO ILLUSTRADA DO PAIZ

                               *1862-1863*



                                BARCELLOS
                    Typographia da _Aurora do Cavado_
                              Editor--_R. V._
                                  1896



    Tiragem apenas de 100 exemplares:
    20 em papel de linho,
    80 em papel d'algodão.
    N.º___



O Visconde de S. Jeronimo, Bazilio Alberto de Sousa Pinto, por longos
annos lente da Faculdade de Direito na Universidade, era seu reitor, e
já desde tempos, no anno lectivo de 1862 a 1863. O antigo liberal de
1820, deputado ás Constituintes de 1821, esquecera, parece, nos fins de
sua vida, os principios com que a inaugurara na scena politica, e
tornára-se profundamente antipathico á Academia, sobre a qual fazia
pesar todo o rigor da obsoleta legislação universitaria, a mais
incongruente, tirannica e injustificavel de todas as legislações, cujos
artigos draconianos têm resistido a todas as evoluções da sciencia do
direito e a todas as conquistas da civilisação, recordação ominosa,
tetrica e funebre das edades inquisitoriaes.

E conhecendo bem o Visconde de S. Jeronimo a existencia d'essa
antipathia, e que de dia para dia se ia ella exarcerbando, rasgando cada
vez mais fundo abysmo insuperavel entre a Academia e elle, em lugar de
algo fazer para a diminuir, se não extinguir, punha todo o seu empenho
no contrario provocando em tudo e por tudo, sempre que para isso se lhe
deparava ensejo, o exaspero dos animos dos estudantes.

A tal ponto se foram, em essa maneira, apurando as cousas, que
deliberada a grande maioria da Academia a dar ao reitor um testemunho
bem solemne e frisante de sua incompatibilidade com este, para
realisação d'elle foi aprasado o dia 8 de Desembro de 1862, por occasião
da solemne distribuição dos premios aos estudantes laureados da
Universidade, para a qual, desde longuissima data, destinado e
consagrado o dia 8 de desembro em que a egreja commemora a Conceição de
Maria, decretada por D. João 4.º Padroeira do Reino, e Protectora da
Universidade.

Effectivamente n'esse dia inteiramente apinhada de estudantes a
vastissima sala dos Capellos, onde a solemnidade da distribuição dos
premios se soe realisar, apenas o Visconde de S. Jeronimo começou de
falar, na sua qualidade de reitor, inteiramente se evacuou o amplo
recinto de todos os estudantes, que o enchiam, voltando-lhe as costas a
immensa mole de batinas, que reunida no pateo da Universidade,
enthusiasticos vivas soltou á liberdade.

O echo immenso que d'este notabilissimo acontecimento então resoou em
toda a Coimbra e naturalmente se repercutiu por todo o reino, e as
apreciações diversas que d'elle foram feitas, motivaram o _Manifesto dos
estudantes de Coimbra á opinião illustrada do paiz_, impresso e
profusamente distribuido. Elaborou-o Anthero de Quental, e este o motivo
por que o trazemos a esta colleccão de seus trabalhos dispersos.

                                                        Rodrigo Velloso



MANIFESTO DOS ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA
Á OPINIÃO ILLUSTRADA DO PAIZ
1862-1863


Ao Governo, aos homens desinteressados e liberaes d'esta terra, vamos
dar razão do nosso procedimento. Oiçam-nos. Pedimos um quarto de hora de
attenção: não é muito que ao prazer e ao interesse se roubem alguns
minutos para attender á voz da mocidade de um paiz. Essa voz parte
d'alma: é a voz da eterna justiça.

Todo o facto pede uma explicação. Se o acontecimento é grave, graves
devem ser os motivos que o produziram; e, mais que ninguem, homens
novos, quando deliberam, pódem sim enganar-se, mas a intenção é sempre
generosa e nobre.

Pergunta-se hoje em Coimbra, pergunta-se por todo o paiz:--Que querem os
Estudantes da Universidade de Coimbra? Que significa a evacuação da sala
dos Capêllos no dia 8 de dezembro de 1862? Que protesto é esse d'uma
corporação contra o seu chefe?

Os Estudantes não são meia duzia de crianças turbulentas que, n'uma hora
de galhofa, se combinem para pregar uma peça ingraçada; tantos homens
não só intendem, como um bando de rapazes de escola, só com o fim de se
divertirem á custa de uma coisa muito séria. Não foi, pois, o prurido da
infancia o motor d'aquelle acontecimento. Esta hypothese nem se discute.
O bom senso da nação regeita-a como uma offensa feita a si mesma na
pessoa dos seus melhores filhos.

Os Estudantes não são, tão pouco, instrumentos cegos de vinganças
pessoaes, trabalhando á luz do dia, mas movidos por um braço occulto na
sombra. São instrumentos sim, mas da propria causa. O braço que os
impelle não vem de cima, nem vem de baixo o impulso que os leva. Escutam
a voz da consciencia e obram.

Os estudantes não são _discolos_, _amotinadores_, _facciosos_ ou
_assassinos_. Pois o leite que se bebe no seio das mãis,
transformar-se-ia em veneno ao primeiro sorvo do ar de Coimbra? Pois
estará tão gangrenado este paiz que o seu coração--um coração de vinte
annos--só abrigue odios e trevas? orgulho e miseria? Pois será esta a
esperança do futuro? Ah! a nação também é mãi; não póde calumniar seus
filhos.

A evacuação da sala dos Capêllos no dia 8 de dezembro de 1862, o
protesto da Academia contra o Reitor da Universidade deve, como todo o
facto, ter um motivo e um fim. Partido de uma corporação onde o paiz
reconhece o melhor, o mais puro de seu sangue, deve, mais que nenhum,
ter um motivo justo, um fim grave e elevado.

Os que sobre nós lançam o estigma de amotinadores são esses os primeiros
a reconhecel-o. Pois se assim não fosse, se contra si não temessem a
justiça da nossa causa, com que motivo adulterar os factos para depois
os combater? Quem calumnia, quem cria um fantasma para ter a esteril
gloria de o derrubar ante os olhos do paiz, é que teme luctar com a
verdade, é que sabe que o venceria a verdade, se a confessasse.

Porque os factos foram adulterados. Debaixo da capa do anonymo fomos
calumniados por cobardes que á luz do dia não se atrevem a dar com o seu
nome garantia ás suas palavras. Julgou a boa fé dos nossos vinte annos
que em questão tão grave sobrenadaria a justiça e a verdade acima da
onda lamacenta do interesse pessoal, da calumnia, das miserias d'uma ou
d'outra facção.

Foi ainda um engano. A boa fé do jornalismo do paiz foi tambem
ludubriada. Quizeram desacredital-o, desacreditando-nos, fazendo-lhe
repetir o que a melevolencia d'alguem lhe segredou em hora d'estulta
inspiração.

Como homens, filhos d'esta época de liberdade, lamentamos que uma
instituição que amamos, porque é a educadora dos povos, a mãi das nações
livres, que a imprensa fosse enganada por falsos informadores e, ainda
sem o querer, mentisse uma vez á sua missão. Mas, como membros de uma
corporação, é do nosso dever, é da nossa honra aceitar a luva que nos
lançam, e esclarecer a opinião, salvando d'esta injustiça a imprensa
portugueza.

Os Estudantes sairam da sala dos Capêllos, mas não sairam amotinados.
Viraram sómente costas a um homem que não amam nem respeitam, porque se
não sabe fazer nem respeitado nem amado. Ficar é que seria crime, porque
fôra uma baixeza.

Os Estudantes, reunidos no terreiro da Universidade, deram vivas á
independencia, vivas á liberdade, mas não tumultuaram, não se
revolucionaram, não deram morras, não pediram a cabeça de ninguem; por
que os Estudantes sabem que a cabeça de qualquer homem é sagrada; por
que nossas mãis não nos insinaram a soletrar em seus olhos a religião do
amor, para nós virmos aqui transformarmo-nos em bandidos e homicidas, e
a essa religião transformal-a em lei de morte.

A nós córar-nos-iam as faces de vergonha por este povo, se em Portugal
um só homem ousasse tal acreditar.

Não se pediu a morte de ninguem, não se perturbou um acto solemne com
vozes nem tumultos. Evacuou-se uma sala com o socego que tal evacuação
comporta. Depois--fóra, no meio da praça-deram-se vivas á liberdade por
que não sabiamos ainda aqui que esta palavra tivesse sido riscada, por
ordem do Geral dos jesuitas, do diccionario politico d'esta nação.

Que infamia commetteram os Estudantes da Universidade, saindo d'uma sala
onde não podiam ficar, sob pena de ouvirem cousas desagradaveis para o
seu brio, da bôca de um homem que se compraz em os amesquinhar?

Que crime commetteram, n'um paiz liberal, os filhos dos homens do
Mindello, dando vivas á liberdade?

Sabemos manifestar-nos contra uma authoridade, nos limites da ordem e da
lei. Ordem e lei, em terra de livres, não são circulo tão estreito que
se não possa dar um passo sem lhes sahir logo da peripheria.

É esta a verdade. Para a restabelecer temos ainda voz que se erga, fale
e se escute em todos os Angulos d'esta terra. Falamos: que nos oiça a
nação: que a nação são nossos paes, são nossas mãis, é o coração de
nossas familias, e aos vinte annos não se apprendeu ainda a linguagem da
mentira para fallar a um pae e a uma mãi. A verdade é esta. Que se
levante alguem e, arrojando a mascara villan do anonymo, se atreva a
desmentir-nos!

Eis o facto. Agora os motivos d'elle.

Que tem o Reitor da Universidade que mereça tal desapprovação?

Respondam por nós os jornaes do paiz que, ha tres annos, não cessam de
registrar em suas columnas factos sobre factos, iniquidades e miserias.
Respondam as representações, os pedidos de justiça, que cada acto seu
tem promovido. Responda o corpo cathedratico, onde raras vozes amigas
incontra a apoial-o. Responda a rectidão de nossas intenções,--de nós,
que o accusamos, que somos moços, e não erguemos a voz contra um homem
sem razão, sem muita razão.

Póde suppor-se que o corpo docente da Universidade, que devemos julgar
prudente e illustrado; que a mocidade portugueza, que abriga no coração
tanta rectidão e justiça; que o jornalismo, echo da opinião publica; que
sciencia, nobreza d'intenções, prudencia e illustração: que tanta gente,
e da melhor, em tão diversos sitios, sem se passarem palavra, sem um fim
qualquer, se conspire e combine contra um homem, o accuse e guerreie...
e que esse homem não tenha dado motivo a esta declaração de guerra? Pode
suppor-se isto?

Se assim fosse, se a nação suppozesse tal do que tem melhor em si... que
idea formariamos então da opinião publica, da moral d'este paiz?

É uma hypothese que se não discute. Estranho caso, em verdade, é
incontrar na historia o fado de um homem grande, menosprezado, accusado
injustamente por tudo quanto tem em si de melhor uma nação. Será o
Reitor da Universidade o Colombo que nós todos desconheçamos?... Que lhe
responda a consciencia.

Mas não é só contra o Reitor, o sr. Doutor Basilio Alberto de Souza
Pinto, que nos manifestamos, contra a authoridade que não cumpre com o
dever da justiça, o primeiro e unico que lhe impõe o seu cargo. Ha aqui
mais alguma cousa, e alguma cousa peior. Gememos sob o jugo de uma
legislação iniqua, porque é velha; necessariamente injusta, porque é
confusa. Cumpre ao Reitor adoçar-lhe o rigor, e, no meio da liberdade
que tal confusão lhe dá, escolher sempre em harmonia com a idea do
seculo, que é a Justiça.

É isso que elle não comprehende, é isso que elle não quer; e é contra
isto que nós protestamos.

Se uma vez não applica a lei, se muitas vezes é o arbitrio o seu unico
codigo, é isto mau. Mas quando trata de a cumprir, quando é justo, como
executor da lei, porque se escuda com ella, incarnar em si todo o rigor
da velha instituição, tirar-lhe as ultimas consequencias, ter na sua mão
uma espada, e, podendo escolher entre o gume e as costas, preferir o
gume... isto é peior, por que isto é pessimo.

A manifestação contra o Reitor da Universidade é tambem protesto contra
a iniquidade d'uma legislação atrasada de tres seculos, porque este
Reitor symbolisa todo o rigor d'essa lei, porque consubstancia em si
tudo quanto ha de mau na instituição.

A lei pesa sobre nossas cabeças com o peso de muitos annos, mas o Reitor
carrega ainda, com todo o pêso da sua mão, sobre o já enorme da lei, e
quer-nos esmagar sob a pressão immensa dos annos e do rigor ainda.

Um e outro jugo nos é odioso; contra ambos protestamos.

O Reitor que deu lugar a vermos, em toda a sua fealdade, a injustiça da
instituição, abriu caminho a que, manifestando-nos contra elle, nos
manifestassemos contra ella tambem.

São esses os nossos motivos. É este o duplo sentido do nosso protesto.

Em quanto ao fim é claro, depois d'isto, qual elle seria.

Substituir a voz dos opprimidos, forte porque parte d'um coração
torturado, á voz da imprensa--essa defensora dos que soffrem, sim, mas
que não póde erguer-se tanto, porque não pede em causa propria. O jornal
fala, mas como quem discute; perde-se-lhe a voz no meio do tumultuar dos
muitos interesses que por aí se agitam. Nós falamos, com o brado dos
opprimidos, que todos escutam, que todos devem escutar, porque ninguem
negará aos filhos dos heroes do Mindello e do Porto, ainda pallidos pelo
sangue que seus paes perderam, regando a arvore da liberdade, ninguem
lhes negará, n'esta terra de Portugal, o direito de pedir que lhes
alliviem o jugo d'uma lei d'oppressão e espionagem, que corrompe porque
rebaixa e envilece; uma lei velha de seculos, que aqui se esconde
temendo a luz da nossa era, a luz do progresso; uma lei que viu e tratou
os jesuitas e o poder absoluto; uma lei contemporanea da Inquisição!

Que querem, pois, os Estudantes da Universidade de Coimbra?

Vamos responder a esta ultima pergunta.

Os Estudantes querem a reforma de um processo inquisitorial; garantias
de justiça; que se seja julgado e condemnado como homem, como cidadão
d'um estado livre, e não como relapso fugido aos carceres do
Santo-officio; que a igualdade perante a lei seja uma realidade aqui, e
não risivel fantasmagoria; que nos julguem homens desapaixonados, e não
os que mais estão no declive escorregadio das vinganças; que se distinga
entre _sciencia_ e _costumes_, e acabe por uma vez essa pena infamante
que, com um traço negro de tinta, mata a reputação, o futuro de uma vida
em começo, quando, muita vez tambem, não mata o coração de uma familia.

Que querem os Estudantes da Universidade?

Que se indague tudo da sciencia, que é patrimonio de todos, e nada da
vida particular, que é asylo individual e inviolavel; que por detraz da
cadeira do insino se não lobrigue o olho do esbirro; que se faça
progredir a sciencia, e se deixe a moral desinvolver-se por si.

Que querem os Estudantes da Universidade?

Justiça! Um olhar de pae d'esse Portugal, velho que por todos os lados
se remoça, e só teima em esquecer no frio esmirrador da meia-idade...
quem? os melhores de seus filhos!

Justiça! Um raio de sol tambem para nós, d'esse sol de liberdade e
progresso que luz para todo o seculo, e só a nós nos deixa nas trevas do
passado. Um logar no banquete das garantias-liberaes, que nos é devido,
porque essa liberdade custou o sangue de nossos paes, o nosso sangue!
Garantias para quem quer ser livre, digno e justo; auxilio a estes
escravos que querem, um dia, ser homens e cidadãos.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Manifesto dos Estudantes da Universidade de Coimbra á opinião illustrada do paiz" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home