Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: O Máo Rei e o Bom Subdito - Um Trecho da Historia Portugueza
Author: Unknown
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O Máo Rei e o Bom Subdito - Um Trecho da Historia Portugueza" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



of public domain material from Google Book Search)



                                 O MÁO REI,
                                     E
                               O BOM SUBDITO.



                                 O MÁO REI,
                                     E
                               O BOM SUBDITO.

                                 UM  TRECHO
                           DA HISTORIA PORTUGUEZA.


                                   LISBOA,
                           NA IMPRENSA NEVESIANA.
                          Rua do Loureiro, n.º 15.
                                    1851.



O MÁO REI,
E
O BOM SUBDITO.


ElRei D. Sancho 2.º, denominado o _Capello_, ou por causa da sua maneira
de vestir (mais monastica que militar), ou em razão de seu natural
timido e fraco, parecia antes mais proprio para viver retirado em um
mosteiro, que para governar um Estado. Quando seu pai morreu, tinha elle
26 annos, e como era descuidado dos negocios do reino, e completamente
inhabil para o cargo que herdára, cada um vivia em Portugal muito á sua
vontade, tanto por causa da brandura do monarcha, e da sua simplicidade,
como em razão da maldade de seus conselheiros, e validos; porque estes,
vendo-o tão bem disposto para lhes deixar executar os máos desejos, se
servião de suas faltas para satisfazer sua avidez.

Ora, havia n'este tempo em Castella uma viuva muito moça, bella, e de
grande ascendencia; era D. Mecia de Haro, filha de D. Lopo Dias de
Haro, senhor de Biscaya, e de D. Urraca Affonso, filha natural d'Affonso
9.º Rei de Leão. Esta dama tinha sido casada com D. Alvaro Perez de
Castro, filho de D. Pedro Fernandez de Castro, o Castelhano, e de D.
Ximena Gomez, sua mulher, com quem havia tido longos amores. E era este
o mesmo que se mostrava tão louco com a sua paixão, e tão contente de si
proprio, que um dia tendo o Rei de Castella vindo pôr o cerco diante de
uma de suas cidades, tinha mandado armar as muralhas de panno de sêda,
dizendo que não queria outra defeza entre elle e os que o vinhão atacar.
Emfim, tendo-se casado com D. Mecia, e tendo vivido alguns tempos com
ella, havia morrido sem deixar filhos.

Foi então que achando-se D. Mecia no mais subido auge de seus encantos,
os validos d'Elrei D. Sancho, que conhecião suas inclinações,
exaggerárão de tal modo a belleza d'esta dama, que o persuadírão a
toma-la por mulher. Sendo elles, pois, os authores da sua união, D.
Mecia reconheceo sempre a obrigação em que lhes estava; e foi para com
elles tão excessiva a sua gratidão, que por causa d'ella esteve o reino
a ponto de se destruir. D. Mecia, com seus validos e os conselheiros
d'ElRei D. Sancho, dispunha de tudo a seu bel-prazer, dando os empregos
e os beneficios, fazendo o bem e o mal conforme lhe agradava.

Então os nobres e os prelados fizerão advertencias a Elrei D. Sancho,
representando-lhe que D. Mecia era sua parenta por sua tia Berenguela: e
que, se, conforme a lei de Deus, elle a não podia desposar, segundo a
lei da honra, ainda menos o devia fazer, sendo D. Mecia estéril. N'uma
palavra, dizião que devia largar esta mulher; mas o Rei lhe estava
tão affeiçoado, que, ou fosse por arte de magía, ou por causa da sua
belleza, não podia separar-se d'ella. Hindo as cousas assim, e
continuando ella a favorecer os conselheiros do Rei, mil extorsões, e
mil rapinas se commettião, sem que nenhum cuidado dessem a ElRei, e sem
que elle escutasse as queixas de seus subditos.

Os prelados do reino se queixárão, emfim, ao Papa Gregorio 9.º. D.
Sancho fingio arrepender-se, mas depois voltou a seus primeiros excessos
de fraqueza, que permittião toda a qualidade de dilapidações e
violencias. A excommunhão foi lançada, mas só no pontificado do Papa
Innocencio 4.º. D. Sancho, perdido em seus amores, resistio ainda.
Comtudo, eis que um dia, estando em Coimbra com a Rainha, um certo
Raymundo Viegas de Porto Carreiro, acompanhado de outras pessoas das
fronteiras da Galliza, chegárão a esta cidade. Estes guerreiros se
apoderárão de D. Mecia, que transportárão ao castello de Ourem. Então
ElRei, seguido de muita gente, partio armado a requerer que se lhe
entregasse sua mulher. Nada conseguio; elles a conduzírão á Galliza, e
d'ali passou a Castella, d'onde não voltou mais a Portugal.

Mas como ElRei se não emendou de nenhum modo, nem os malfeitores
recebêrão castigo algum, os prelados tornárão a queixar-se ao Papa
Innocencio 4.º. D. Sancho foi advertido ainda outra vez, mas o seu fraco
triunfou; decidio-se que um regente sería escolhido para governar o
reino. Ora, os prelados escolhêrão, diante do Papa, que lhes pedira
fizessem eleição d'um Monarcha, o Infante D. Affonso, Conde de Bolonha,
irmão do Rei, a quem de direito tocava o poder.

ElRei estava em Coimbra, quando vio as cartas do Papa, e as do Conde
de Bolonha, seu irmão, que queria entrar no reino. As penas de
excommunhão de que elle usava, a força que impunha aos rebeldes, o
fazião obedecer. D. Sancho ficou perturbado, e muito mais o ficou ainda,
quando seus máos conselheiros lhe disserão que não devia esperar que
fizessem a menor resistencia ao Conde, e que lhe era mister partir para
Castella a pedir soccorro a ElRei D. Fernando.

Pondo em execução este projecto, ElRei foi a Toledo contar a causa da
sua hida ao Soberano de Castella, e dizer como o Conde de Bolonha
pertendia usurpar-lhe o reino.

Com effeito ElRei D. Fernando se offereceo de motu proprio a mandar-lhe
soccorro, e no mesmo instante ordenou que o Infante D. Alonso de Molina
se dirigisse para Portugal, e que D. Diogo Lopez de Haro, senhor de
Biscaya, o acompanhasse. Era este o proprio irmão de D. Mecia Lopez,
mulher d'ElRei D. Sancho. Muitos outros fidalgos partírão com elles, mas
já uma parte do reino pertencia ao Conde.

Todavia, quando o Conde de Bolonha soube da vinda d'ElRei D. Sancho,
reunio certos prelados, que escrevêrão aos frades de S. Francisco da
Covilhã, executores das penas fulminadas nas cartas do Santo Padre, afim
de cumprirem o seu officio. Estes fôrão immediatamente ter com ElRei e
com o Infante de Molina, e lhes advertírão, que, debaixo de pena de
excommunhão, houvessem de respeitar as ordens do Papa. D'esta sorte
elles não ousárão avançar além da villa d'Abiul; e, muito melhor ainda,
tornárão a tomar o caminho que primeiramente havião seguido.

Então o Infante, e os fidalgos que vinhão com elle, aconselhárão
ElRei que ficasse em seu reino como lhe fôra determinado, ou que fosse
com elles para Castella. ElRei escolheo não ficar em Portugal.

Depois d'esta vergonhosa fugida, quasi nenhuns fidalgos ficárão n'este
reino que não seguissem o partido do Conde de Bolonha; porque, emfim,
era Portuguez, filho de seu Rei natural, homem prudente e de bom
governo. Mas quanto ás praças fortes, os Alcaides estavão tão constantes
em sua lealdade que quasi não havia quem o recebesse de bom grado, por
causa do juramento. Só Fernando de Taíde, Alcaide mor de Leiria, foi
quem recebeo no seu castello o Conde de Bolonha, e por causa d'este
unico facto, ficou reputado por infame entre os homens d'aquelle tempo.
O author do _Nobiliario_ ou livro das linhagens de Portugal, o Conde de
Barcellos, o proprio neto do Conde de Bolonha, nota de traidores e
cobardes a Sueiro Bezerra e seus filhos, porque, esquecendo-se de sua
homenagem a ElRei D. Sancho, entregárão certas fortalezas que
commandavão na provincia da Beira, e isto sem serem cercados.

Mas nem todos os Alcaides fizerão o mesmo e eis-aqui como se portárão
com o Conde de Bolonha os que commandávão em Celorico, e se conservavão
pelo antigo Rei na cidade de Coimbra.

Fernando Roíz Pacheco era Alcaide commandante da primeira d'estas
fortalezas na Beira, mas tinha-se sempre recusado a entregar as chaves
d'ella ao Regente, de sorte que o Conde, nada podendo concluir, nem com
affabilidade, nem com promessas, lhe veio pôr cerco diante do castello.
Muitos ataques fôrão renovados, mas, graças á fortaleza do logar, e á
bravura da gente que Pacheco tinha comsigo, as forças do Conde
estacárão, e o cerco durou tanto tempo, que os víveres vierão a faltar
aos de dentro. Virão-se então estes bem depressa reduzidos a uma tal
extremidade pela fome, que, para não morrerem de uma morte desesperada,
se achavão promptos a entregar a fortaleza.

Estando a ponto de soffrer esta vergonha, conta-se que Fernando Roiz se
levantára um dia muito de madrugada, e que entrára a andar pelas
trincheiras. Submergido em diversos pensamentos, não sabendo já, n'uma
tal situação, a que se resolvesse, pedíra a Deus, que, por sua
misericordia, o soccorresse n'um tal trabalho, e que sobre tudo lhe
poupasse a vergonha, impedindo-o de entregar o castello a quem o não
devia fazer.

Em quanto elle estava n'estas imaginações, vio levantar-se das praias do
Mondego, que corre mui perto d'ali, uma aguia que levava nas garras uma
truta mui grande. Como o passaro tomasse o vôo por cima do castello, eis
que a truta cahio sobre as trincheiras. Fernando Roiz ficou um pouco
alegre com este acontecimento. Depois uma idéa lhe occorreo de repente:
vendo aquella truta tão bella, e tão fresca, mandou-a preparar, e meter
n'uma empada, e depois enviou-a de presente ao Conde de Bolonha;
mandando-lhe dizer que bem podia sustentar o cerco, quanto tempo fosse
da sua vontade; mas que se era por fome que esperava que elle se
rendesse, houvesse de considerar o que devião fazer pessoas d'aquella
maneira providas, e com taes iguarias, accrescentando que era pouco
provavel que o vissem entregar o castello contra a sua honra. O Conde, e
os que estavão presentes, ficárão extremamente maravilhados, não sabendo
como isto tinha podido acontecer. Vendo, pois, que de prolongar o cerco
nada de bom lhe resultaria, o Regente se retirou com o seu exercito.

Eis-aqui o feito do bom subdito.

Não restava em Portugal, da parte de D. Sancho, senão o castello de
Coimbra: mas era a fortaleza mais honrosa do reino, porque esta cidade
tinha o titulo de capital, e servia de residencia aos Reis. Quem ali
governava era D. Martim de Freitas, Cavalleiro muito famoso, e de
illustre ascendencia. Tendo o Conde feito todas as diligencias possiveis
com elle para que lhe entregasse a praça, antes de recorrer ás armas,
Freitas o desenganou de taes esperanças, e lhe disse: que em quanto
vivesse ElRei D. Sancho, nada lhe seria entregue sem sua ordem; e que
para elle, D. Martim, a morte ou os máos tratamentos erão cousa menos de
temer que a deslealdade. Que portanto podia dispensar-se de lhe meter
medo com a morte, ou com outros perigos, porque estava decidido a
soffrer tudo; e que, finalmente, elle não estava no mundo para fazer
estado da vida, mas sim para ganhar honra, e para a conservar. O Conde
pôz o cerco, e fez atacar muitas vezes o castello.

Tanto valor se mostrou de ambas as partes, que de ambas igualmente houve
ali grande numero de mortos e feridos; e ainda que os combates se
renovassem, o alentado esforço do Alcaide e de seus companheiros era
tal, que bem pouco servio o trabalho dos sitiantes. O Conde, indignado,
fez solemne juramento de não levantar o cerco em quanto não obtivesse o
castello por assalto ou por fome. Tanto elle perseverou, que as
provisões e a agua começárão a faltar aos de dentro; chegárão até a
comer as bestas de carga, os cães, e os gatos, e outras cousas
desusadas, a que repugna o natural do homem. O Conde, sabendo em que
miseria estavão, e sentindo-se pesaroso de que homens tão corajosos
soffressem tanto, lhes mandou pedir que se rendessem, dizendo-lhes, que,
sem causa, se não matassem a si proprios; que não tinhão razão de crer
que aquillo fosse proeza, que antes era loucura, porque nada poderião
conseguir. D. Martim de Freitas respondeo, que, pela sua honra, não
desistiria do designio em que estava.

Achando-se estes Cavalleiros, pois, em grande tristeza, eis que do alto
do castello virão passar um Cavalleiro que a váo atravessava o Mondego,
e cujo cavallo, saciado, de nenhuma maneira lhe importava beber.
Magoados de se verem em tal estado, que até inveja tinhão de uma besta,
começárão a lamentar-se, a dizer mal da sua sorte; e entre os que assim
fallavão, havia parentes e amigos do Alcaide. Considerando o trabalho
que soffrião, e a necessidade em que se achavão, sem esperança de ajuda
ou soccorro, e meditando, além d'isso em que D. Martim era o unico que
perseverava n'aquella obstinação, lhe disserão, que para terem vida,
elle e os seus, era preciso entregar o castello. D. Martim lhes
respondeo: "Deus não permitta que eu obedeça a um tal conselho, e que
haja uma similhante nodoa na minha honra!" Elle accrescentou que não
consentiria jámais n'uma traição igual á que lhe sería preciso
commetter, se entregasse o castello a outro que não fosse aquelle de
quem o recebêra em fé e homenagem; que um tal dever se não quebraria,
pelo menos em quanto elle vivesse; que bem via a tribulação em que
estavão com elle, e que a sua era maior, porque sentia o mal geral e o
seu; mas que, se querião lembrar-se dos males, ainda maiores, que alguns
cercados tinhão padecido para manter a sua lealdade, elles
soffrerião com mais paciencia. Deus queira, pela sua misericordia,
continuou elle, soccorrer-vos, e fazer-vos sahir promptamente d'este
trabalho. Algum dia vos alegrareis de ter para contar a vossos filhos os
males que tendes supportado, e isto não será para elles uma fraca honra,
nem uma fraca instrucção para a vossa descendencia. Hia-lhes tambem
recordando, que, se obtendo alguma cousa de beber e de comer, elles
salvavão sua vida, esta vida devia ser curta, mas que a infamia de não
ter acabado com gloria cousa tão bem começada, duraria sempre. Demais,
que tudo o que lhes pedia, era que, como homens que mais amavão o
espirito do que a carne, o ajudassem, e não o deixassem á revelia, ao
menos em quanto isto estivesse em seu poder. Finalisou com estas
palavras: "O trabalho e a paciencia tem sido communs, a gloria seja
tambem igual para todos." D. Martim de Freitas, para mais abonar a firme
resolução em que estava, disse ainda "que a honra de sua filha lhe era
mui chara, mas que mais depressa cederia de sua virgindade, que
entregaria a fortaleza de Coimbra." Depois que D. Martim proferira estas
palavras, ficárão como assombrados do seu zêlo, louvárão sua bondade,
tomárão elles mesmos novo animo, e prometterão-lhe de satisfazer o seu
desejo, tivesse ou não razão; accrescentando que em nenhuma
circumstancia o abandonarião, e que antes succumbirião todos que
faltarem a esta promessa.

O Cavalleiro e os seus continuavão a estar n'esta posição difficil,
havendo já comtudo perto de um anno que ElRei D. Sancho tinha hido para
Castella. Mas n'aquella epocha o Conde de Bolonha recebeo noticia certa
da morte de seu irmão, e sentindo-se magoado da perda de tantos homens
de bem, e admirado de tão grande lealdade, lhes enviou munições de
boca, assim como refrescos. Mandou tambem juntamente uma mensagem para o
Alcaide, em que lhe participava que ElRei era morto, e que se elle
queria pessoalmente informar-se d'isso, lhe permittia a elle, Martim de
Freitas, a hida a Castella, e a volta á fortaleza, sem que, durante a
jornada, tivesse receio de algum ataque da sua parte.

D. Martim foi a Toledo, e bem que soubesse de todos que ElRei D. Sancho
era morto, bem que lhe mostrassem onde estava enterrado, ainda isto o
não satisfez. Para adquirir mais certeza fez levantar a pedra que o
cobria, e quando conheceo bem que era elle, diz-se, que, diante de
numerosas testimunhas, quiz satisfazer todas as promessas d'homenagem:
pôz as proprias chaves da fortaleza no braço direito d'ElRei D. Sancho,
e authenticando esse facto com notarios publicos, de quem requerêra a
presença, fez fechar o tumulo.

De volta para Coimbra, entrou de noite, e em segredo, no castello: foi
d'ali que no dia seguinte, de manhã, enviou a dizer ao Conde, já
reconhecido Rei, que fosse tomar posse da praça, que elle D. Martim de
Freitas podia entregar-lhe. ElRei se dirigio á fortaleza, e foi o mesmo
Alcaide quem lh'a abrio. Então, pegando pela mão de sua mulher e filhos,
os pôz fora, dizendo-lhes:

--Deixemos este castello a quem pertence. Depois, pondo um joelho em
terra diante do Rei, e pegando nas chaves da praça, lh'as offertou,
pronunciando estas palavras:

--Senhor, pois que aprouve a Deus que D. Sancho, vosso irmão, morresse,
tomai as vossas chaves e o vosso castello. D'ora em diante vos terei por
meu Rei e Senhor; e ao mesmo tempo mostrou a Affonso as escripturas
que mandára fazer em Toledo, para sua honra e descargo.

Um Cavalleiro que estava presente o interrogou, dizendo: Porque não
pedia perdão a ElRei de todos os desgostos que lhe havia causado, e do
aggravo que lhe fizera, deixando matar e ferir tanta gente, e negando
por tanto tempo ao seu Soberano a entrada de uma praça que era sua.

Como D. Martim de Freitas quizesse desculpar-se, e mostrar que
similhante cousa se não devia esperar d'elle, ElRei acudio promptamente
em seu soccorro, dizendo que D. Martim não tinha de que pedir perdão;
que não commettêra falta alguma; que antes, bem ao contrario, a sua
acção valorosa era de louvar, digna de um bom Cavalleiro, e de um
fidalgo leal; e que em memoria d'este feito lhe entregava o castello,
para que elle e seus descendentes o guardassem, sem que elle nem seus
successores fossem obrigados ao juramento de fidelidade.

D. Martim respondeo a ElRei que olhava esta offerta como uma grande
mercê, mas que de nenhum modo a acceitava; e que amaldiçoava seus
filhos, seus netos, e todos os seus descendentes, se por um castello
chegassem a prestar homenagem ao Rei, ou a qualquer outro individuo.

Eis-aqui o que era a lealdade Portugueza.

FIM.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O Máo Rei e o Bom Subdito - Um Trecho da Historia Portugueza" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home