Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Noções botanicas das especies de Nicociana mais usadas nas fabricas de tabaco, e da sua cultura
Author: Brotero, Félix de Avelar, 1744-1828 [Adapter]
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Noções botanicas das especies de Nicociana mais usadas nas fabricas de tabaco, e da sua cultura" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



    *Nota de editor:* Devido à existência de erros tipográficos neste
    texto, foram tomadas várias decisões quanto à versão final. Em caso
    de dúvida, a grafia foi mantida de acordo com o original. No final
    deste livro encontrará a lista de erros corrigidos.

                                             Rita Farinha (Março 2012)



NOÇÕES BOTANICAS

DAS ESPECIES

DE NICOCIANA

MAIS USADAS NAS FABRICAS DE TABACO,

E DA SUA CULTURA.

PELO Dr. FELIX DE AVELLAR BROTERO.

[Figura]

LISBOA:

NA IMPRESSÃO REGIA. ANNO 1826.

_Com Licença._



As plantas, cujas folhas se costumão usar na factura de diversas sortes de
Tabaco, são todas do genero _Nicotiana_, segundo a opinião de todos os
Botanicos modernos. Este genero pertence á Familia das Solaneas da
Classe oitava do Methodo natural do Dr. Jussieu, e á Classe Pentandria,
Ordem Monogynia do Systema artificial do Dr. Linnéo: as suas notas
caracteristicas são as seguintes.


_Caracter natural (ou extenso)._

O calys he monophyllo, ovado, fendido em cinco lacinias, e persistente.

A corolla he monopétala, e afunilada; tem o tubo mais comprido do que o
calys, e a orla hum pouco patente, dividida em cinco segmentos iguaes.

Os filetes dos estames são cinco remontantes, assovelados, e quasi tão
compridos como a corolla: as suas antheras são oblongas, e obtusas.

No pistillo o germen he sobre-posto ao receptaculo da fructificação,
ovado, e terminado por hum estylete filiforme do comprimento da corolla,
cujo estigma he hum tanto capitoso, e chanfrado.

O pericarpo he huma capsula ovada com hum pequeno rego de cada banda, de
duas cellulas, e duas valvulas; abre-se pelo cume, e tem no centro dous
corpos esponjosos apegados ao partimento, e assim formando hum grosso
pilar.

As sementes são numerosas, reniformes, rugosas, e denigridas, ou ruivas,
e oleosas.


_Caracter essencial (ou abbreviado)._

O calys fendido em cinco lacinias; corolla muito mais comprida do que
elle, afunilada, fendida em cinco segmentos iguaes, e regular; estames
inclinados para huma banda; estigma chanfrado; capsula bivalve, e de duas
cellulas.


Especie 1.^a

Nicociana Tabacoeira Vulgar, Herva Sancta, Herva do Tabaco ordinaria.
(_Nicotiana tabacum Lin._)


_Caracter especifico abbreviado._

As folhas são lanceoladas-ovadas, agudas, rentes, hum pouco decursivas
pelo caule; as lacinias da sua corolla são agudas.


_Descripção._

A raiz desta especie he composta de varios ramos subdivididos em muitas
radiculas, mais ou menos delgadas, alvadias, quasi inodoras, mas de
sabor acre, como o do caule, e folhas. He annual, ou vivaz, conforme os
climas.

O caule he roliço, hum tanto lanuginoso, viscoso, e dividido em varios
ramos alternos, e levantados; a sua altura, grossura, e duração varía
conforme os climas, e terrenos: nos paizes quentes, e em Portugal dura
vivo mais de hum anno; no Real Jardim Botanico da Ajuda ha hum pé de
quatro annos, cujo caule he maciço, e lenhoso, tem mais de quinze palmos
de alto, e quase duas pollegadas de grossura na base.

As folhas são dispostas alternadamente, e sujeitas a variar, segundo os
climas, e terrenos; em huma variedade são largamente lanceoladas,
participando hum pouco da forma ovada, agudas, na base rentes, e ahi
rematadas em dous lobulos obtusos, abarcantes, e mais, ou menos decursivos
pelo caule; em outra variedade são estreitamente lanceoladas, muito
pontudas, e para a banda da base de tal sorte estreitadas, que parecem
pecioladas, sem com tudo o serem, mas rentes, com dous lobulos obtusos,
muito pouco, ou nada decursivos; em algumas outras variedades acima
destes lobulos ha huma sinuosidade de cada lado, e depois a folha fica
estreitamente lanceolada; em todas estas variedades as duas faces da folha
são verdes, mais ou menos lanuginosas, e viscosas; o seu talo, e veios,
mais ou menos grossos, segundo a crassitude, e extensão do seu parenchyma;
a sua grandeza ordinaria nos terrenos pingues, e bem cultivados he de pé e
meio até dous pés de comprido, raramente mais, e de hum pé, ou pouco mais,
de largo; mas estas medidas diminuem muito nos terrenos mediocres, e pouco
ferteis; nos paizes quentes, e no estado da sua perfeita madureza tem
muito forte cheiro.

As flores são dispostas em panicula na extremidade do caule, e dos seus
ramos; são como expuz no caracter natural do genero; alem disso, o calyz
he lanuginoso, a corolla tem o tubo hum pouco felpudo por fora, e a orla
dividida em lacinias agudas, e mais, ou menos purpureas, ou côr de
carne.

Os orgao sexuaes, fructo, e sementes são como mencionei no caracter
natural do genero.

Esta especie he indigena do Brasil, Perú, Antilhas, e outros paizes
quentes da America; a mais antigamente usada para tabaco de fumo, e
as suas variedades, e subvariedades são hoje tambem as que mais se
empregão na fabricação dos diversos tabacos. A sua duração, e tempo de
florescencia varião conforme os climas; nos do norte da Europa he
ordinariamente annual, floresce commumente em Julho, e Agosto, e perece
inteiramente com os frios do outuno: nos paizes os mais meridionaes da
Europa vive ordinariamente mais de hum anno, e floresce aqui em todas as
estações, menos no inverno; na Africa, e Asia a sua duração, e
florecencia differe pouco das da America meridional: no Brasil chega a
viver dez, e doze annos, florece em todas as estações, e conserva muitos
annos as suas folhas vigorosas.


Especie 2.^a

Nicociana arbustiva, ou Tabacoeira arbustiva. (_Nicotiana fruticosa_ de
Linnéo, La Marck, e outros Botanicos.)


_Caracter especifico abbreviado, segundo os Botanicos modernos._

As folhas são estreitamente lanceoladas, muito attenuadas para a banda
da base, e parecendo assim quasi pecioladas, mas são rentes, com os seus
lobulos abarcantes, e pouco, ou nada decursivos; o caule he arbustivo.

Os distinctivos, que nas suas Descripções os Botanicos modernos dão
desta planta, e o caracter especifico, que lhe designão, são
insufficientes para a constituir especie diversa da precedente; o ser
arbustiva, ou subarbustiva he proprio tambem da primeira; as folhas, mais
ou menos estreitas com a forma lanceolada, só podem constituir variedade,
e o mesmo se deve julgar de ser a sua panicula hum pouco mais laxa, o
caule mais baixo, e as lacinias do calyz, e da corolla mais compridas, e o
seu tubo mais apertado. Nem me parece que esta planta seja indigena da
China, e do Cabo da Boa Esperança, como dizem, antes penso que he
Americana na sua origem, pelas razões, que depois indicarei, e tão somente
huma variedade da Nicociana Tabacoeira do Brasil, que nos ditos paizes se
acha naturalisada.


Especie 3.^a

Nicociana rustica, ou Tabacoeira menos ordinaria. (_Nicotiana rustica_
Lin. et La Marck.)


_Caracter especifico abbreviado._

As folhas são ovadas, obtusas, pecioladas; as corollas das suas flores
são amarelladas, de orla muito curta, com lacinias obtusas.


_Descripção._

A raiz desta planta he da grossura do dedo minimo no seu collo,
raramente simples, quasi fusiforme, porquanto ordinariamente he dividida
em varios ramos, de côr alvadia, mais ou menos obliquos, sem profundarem
muito a terra, e guarnecidos de muitas radiculas capillares. O seu caule
he roliço, felpudo, viscoso, rijo, e levantado até á altura de dous, ou
tres pés; divide-se em varios ramos, alternos, levantados. As suas
folhas são tambem alternas, ovadas, obtusas, viscosas, integerrimas, e
todas pecioladas com peciolos curtos; a sua superficie he rugosa em huma
variedade. As duas flores são dispostas em huma panicula apertada na
extremidade do caule, e ramos. A sua florecencia na Europa he em Junho,
e Julho. A corolla he amarellada, tem o tubo pouco mais comprido do que
o calys; a sua orla he pequena, patente, e dividida em cinco lacinias
obtusas, e redondeadas. As suas capsulas são obtusas, e quasi globosas.
Esta especie he indigena do Brasil, e de outros paizes da America
meridional; alguns pertendem que as suas sementes forão trazidas do
Mexico para a Europa, e antes que as da Nicociana Tabacoeira vulgar; seja
o que fôr, he certo que ha muitos annos os Inglezes, Francezes, e outras
Nações Europeas a cultivão para tabaco. Ella se acha aclimada, e
naturalisada hoje na Europa, e em alguns sitios, que são proprios para os
Meimendros; propaga-se pelas suas sementes tão espontaneamente como elles;
por tanto a sua cultura he muito facil, mas as suas folhas são pequenas, e
somente para tabaco de fumo se tem reputado proprias. Eu não sei se no
Brasil ella he hoje empregada neste uso, porque antigamente só era usada
como medicamento.


Especie 4.^a

Nicociana glutinosa, ou Tabacoeira racimosa. (_Nicotiana glutinosa_ Lin.
et La Marck.)


_Caracter especifico abbreviado._

As folhas são cordiformes, integerrimas, pecioladas; as flores dispostas
em racimos, e voltadas todas para hum mesmo lado; o calys tem o segmento
superior maior.


_Descripção._

Esta especie tem o caule roliço, felpudo, viscoso, e por fim ôco; a sua
altura he de dous até quatro pés, e ordinariamente ramoso. As suas
folhas são pequenas, alternas, em forma de coração, agudas, ondeadas,
hum pouco felpudas, muito viscosas, e pecioladas. As flores são
viscosas, e dispostas em cachos simples, e curtos; os seus pedunculos
são alternos, mas curtos do que as flores, e unilateraes; junto da sua
base tem huma, ou duas bracteas lineares, agudas, e de menor comprimento
do que elles. As lacinias do calys são agudas, mais ou menos desiguaes
entre si, e a superior he sempre mais comprida. A corolla tem o tubo
pallido, estreito, curto, e curvado, depois he tumida, e bipeda, as suas
lacinias são ovadas, agudas, de côr purpurea desmaiada, e hum tanto
desiguaes no comprimento, de modo que a orla parece quasi bilabiada. Os
estames estão inclinados para a banda de cima da corolla, e igualmente o
estylete do pistillo. A capsula he ovada, e aguda. Esta planta he
indigena do Perú, e annual; alguns a cultivão, e empregão as suas
pequenas folhas nos mesmos usos, que as da Nicociana rustica.


Especie 5.^a

Nicociana paniculada. (_Nicociana paniculata_ Lin.)


_Caracter especifico abrreviado._

As folhas são cordiformes, integerrimas, e pecioladas; as suas flores
dispostas em huma laxa panicula; o tubo da corolla he muito comprido, e
aclavado na parte superior; e as lacinias da sua orla curtas, e obtusas.


_Descripção._

O caule desta especie he roliço, estriado, e coberto de huma lanugem
alvadia; tem tres pés e meio até quatro de altura, os seus ramos são
alternos, e levantados. As suas folhas tambem são alternas, e em forma
de coração, integerrimas, agudas, e hum tanto alvadias, em razão de
serem cobertas de huma certa lanugem esbranquiçada; os seu peciolos são
compridos, canaliculados, e cotanilhosos. As flores são dispostas em
huma panicula terminal, solta, e pouco ramificada; os seus pedunculos
são felpudos, e viscosos. O calys he dividido em cinco dentes agudos, e
quasi lanceolados. O tubo da corolla he muito comprido, estreito, e em
forma de massa (_clava_) na sua extremidade; a sua orla he patente, e as
suas cinco lacinias são muito curtas, e obtusas. Tem a capsula aguda. He
annual, e indigena do Perú, aonde foi descoberta, e desenhada pelo Padre
Feuillée. Mostra ter grande affinidade, e semelhança com a _Nicociana
rustica_, mas differe della, principalmente pelas suas folhas, e
corolla; florece na Europa nos mesmos mezes, e lhe pode ser substituida,
posto que mais delicada.

Não sei que esta especie seja indigena do Brasil, nem que nelle seja
cultivada, e me admiro muito que Mr. Sarrazin no seu moderno Tractado
das Tabacoeiras, seguido por Mr. Bosc, e alguns outros Botanicos
Francezes, diga ser ella a Tabacoeira commum do Brasil, e da Asia, a
qual com grande probabilidade me não parece ser outra senão a
_Nicotiana tabacum_ de Linnéo.

Todos os Auctores Botanicos, que nos seus Tractados Systematicos fazem
menção deste genero de hervas destinadas para a facturação de diversos
Tabacos, começão pela especie, que Linnéo denomina _Nicotiana Tabacum_;
todos os Tractados sobre o Tabaco, ou pró ou contra o seu uso, indicão
esta mesma especie, e a dizem ser indigena de Yucatan, aonde os
Hespanhoes a achárão em 1520, e depois em Tabago, e outros paizes
quentes da America; os Portuguezes a descobrírão tambem depois no
Brasil, e lhe derão o nome de Herva Sancta por causa da sua virtude
vulneraria, e outras. Ella he pois a primeira, e a que mais antigamente
foi conhecida no seu genero: Hespanha, e Portugal forão tambem os paizes
da Europa, para onde primeiramente as suas sementes forão remettidas, e
aonde forão primeiramente obtidas, compradas, e para outros enviadas.
Mr. Nicot, sendo Embaixador de França na Côrte de Lisboa, ahi as
conseguio, e levou para París em 1560, anno em que data a introducção da
Herva do Tabaco em França; por cujo motivo muitos Francezes lhe ficárão
chamando Nicociana: depois Tournefort; e Linnéo, e alguns outros
Botanicos adoptárão este nome com preferencia a outros, e o constituírão
generico, applicando-lhe por especifico o de Tabacoeira, ou Tabaco, que
era o nome, que os Hespanhoes lhe havião dado, deduzido da Ilha de
Tabago, aonde a sua cultura, e commercio primitivamente se tinhão
estabelecido. O Cardeal de Sancta Cruz, Nuncio do Papa em Lisboa, no
mesmo tempo, em que nesta Capital Mr. Nicot havia estado por Embaixador
de França, tendo tambem ahi podido obter algumas das ditas sementes, as
mandou para Italia, aonde fez pela primeira vez conhecer aos Italianos a
Herva do Tabaco, e elles lhe derão então por isso o nome de Herva de
Sancta Cruz. Por meio destas, e outras sementes, que os Italianos
alcançárão de Portugal, Hespanha, e de outros paizes da Europa, aonde já
era cultivada esta especie, estendeo-se a sua cultura pela Calabria,
Sardenha, Ilhas do Archipélago, Syria, e Asia menor. Os Portuguezes, e
Hollandezes, que introduzírão pouco a pouco o uso de tomar Tabaco de
fumo em todas as costas meridionaes da Africa, e Asia, em alguns lugares
dellas tambem introduzírão as sementes, e cultura desta especie de
Nicociana; ella se tem ahi facilmente naturalisado por serem os climas
muito analogos ao do seu paiz natal Americano; e hoje de tal sorte ahi
se encontra vegetando espontaneamente, que parece tambem ser indigena da
Africa, e Asia, e por alguns assim erradamente tem sido reputada.

A cultura desta especie, em pequena quantidade tanto nas hortas de
Portugal, como nas das Ilhas dos Açores, he muito antiga; e provavelmente
começou a tentar-se logo que as suas folhas entrárão a ser lucrativas.
Nenhum paiz da Europa he mais favoravel á sua vegetação, e cultura do
que Portugal; algumas pessoas me tem assegurado tê-la visto espontanea
na visinhança de algumas hortas no Algarve; na Ilha das Flores tambem me
consta dar-se espontaneamente, e por isso os habitantes lhe chamão
_brava_; neste estado silvestre o seu caule, folhas, e outros productos
são mais pequenos do que os das cultivadas, a que chamão _mansas_, e
_xarafanas_; mas esta differença só constitue variedade de especie, e
não especie diversa, porque todas concordão essencialmente no mesmo
caracter especifico, e todas tem as mesmas qualidades, e prestimos.

Á proporção que o uso das folhas desta Tabacoeira primaria se foi
dilatando, e, sendo lucrativo, assim se forão estendendo as suas
culturas por toda a parte; nas que se estabelecêrão nos paizes do norte
da Europa, e America a especie passou ahi a ser annual, e a produzir
muitas variedades, com folhas mais ou menos estreitamente lanceoladas,
pontudas, e pouco ou nada decursivas. As folhas de todas as variedades,
ou estreitas ou largas, são sempre mais ou menos acres, e narcoticas,
conforme os climas, e terrenos, em que se cultivão; e em razão destas
qualidades, mais ou menos fortes, são usadas ou só per si, ou mistas com
outras para os differentes Tabacos.

As culturas das variedades desta especie não são uniformes por toda a
parte; e como ellas não deixão de contribuir mais ou menos para as
qualidades da sua folha propria para differentes Tabacos, eu passarei
agora a expôr as que em diversos climas diversas Nações praticão, por
desejar ser util a quaesquer colonos, que houverem de emprender este
genero de Agricultura nos Estados Ultramarinos Portuguezes.



CULTURA

DA

PLANTA DO TABACO.


Em diversos paizes, onde se cultiva esta Planta, seguem-se methodos
diversos, que exige a variedade dos sitios, e climas, e mesmo
ordinariamente a natureza dos terrenos. Estes methodos convem nos
essenciaes pontos, e só differem em algumas circumstancias particulares.
A maior parte da Folha de Tabaco, que consome a Europa, vem dos Estados
Unidos da America; será pois acertado fazer conhecer primeiro como elle
he cultivado, e preparado nesta parte do Globo terrestre; e como a
exportação maior he dos Estados da Virginia, e Maryland, por estes
principiaremos.


_Cultura, e preparação da Planta do Tabaco na Virginia, e Maryland,
segundo Miller._

Na Virginia, e Maryland semêa-se a Tabacoeira em camas de estrume, e
debaixo de caxilhos; esta sementeira faz-se na primavera, mais cedo ou
mais tarde, segundo esta estação, he mais ou menos temporã, e em
_razão de ser mais ou menos favoravel a sua temperatura, e meteoros_.
Faz-se tambem a sua sementeira nas terras bem lavradas, estrumadas,
esterroadas, e tornadas soltas; mas então ha cuidado de cobrir a dita
sementeira, havendo a menor apparencia de frio. Esta planta gosta de huma
terra quente, branda, fertil, e mista de arêa; em hum terreno virgem, e
humido ella cresce com muita força.

A planta, criada ou nas camas de estrume, ou no meio das terras em
sementeira conveniente, acha-se em estado de ser transplantada para o
lugar, onde deve ficar, logo que tem quatro folhas, e que a quinta
começa a formar-se; para esta operação aproveita-se a primeira chuva. O
terreno destinado para nelle se transplantar a Tabacoeira está preparado
em monticulos, como para huma plantação de Lupulo; elle deve ter sido
lavrado á charrua, ou á enchada, o que he ainda mais util, e tornado tão
brando, e solto, quanto he possivel. Na exposição do Sul, em declivio
brando, ou em hum campo abrigado dos ventos Norte, e Nordeste, o bom
successo da plantação he mais seguro.

Hum mez depois que as tenras plantas tem sido transplantadas, ellas
adquirem hum pé, ou mais de altura. Se ellas crescem rapidamente, elevão
muito de pressa a sua guia, e lanção rebentões na parte superior; os
cultivadores cortão-lhos todos, e a guia, a fim de que o tronco forneça
mais succos ás folhas; arrancão tambem, ao mesmo tempo, e pelo mesmo
motivo, as folhas, que estão muito baixas, e perto da terra, deixando só
no tronco oito até doze. Elles tem cuidado de sachar muitas vezes o
terreno plantado, e de arrancar todos os renovos, que rebentão ao longo
do tronco, ou da sua base, e pé.

Tres mezes quasi, depois de se ter feito a transplantação, as plantas
tem adquirido todo o seu crescimento; ellas tem então quatro ou cinco
pés de alto, e ás vezes mais; são outra vez decotadas na guia, e
rebentões. Brevemente, depois disso, as folhas, que erão de huma côr verde
pállida, ou amarellada, se tornão de hum verde escuro misto de malhas
pequenas amarelladas nas suas nervuras; ellas se enrugão, e começão a
tornar-se mais asperas ao tacto; he por estes signaes que os Cultivadores
conhecem a madureza das tolhas.

Cortão então as plantas, algumas pollegadas acima da face da terra, á
proporção que vão amadurecendo as suas folhas; deixão-as deitadas no
chão todo o resto do dia, o que faz murchar as folhas. Junto á noite
ajuntão-as, e põem-as em montes para que transpirem, ou suem alguma
humidade durante a noite; e, se ellas abundão muito em succos, expõe-as
de novo ao Sol no dia seguinte para que melhor amadureção, e se
condensem os seus ditos succos; depois disso levão-as para debaixo de
telheiros, ou alpendradas, edificados de modo que o ar nelles possa
entrar por todas as partes, mas não a chuva. Pendurão-as ahi, cada huma
separadamente, e deixão-as seccar por espaço de quatro, ou cinco
semanas. Se a estação corre fria, usão do fogo para esta desseccação. O
tabaco de Maryland, destinado para fumar, he quasi inteiramente seccado
por meio do fogo; elle se torna amarellado, e he o mais caro de todos.

Depois da inteira deseccação, as plantas são tiradas dos telheiros em
hum tempo humido; porque, se as tirassem donde estavão penduradas em hum
tempo sêcco, as folhas se desfarião em migalhas. Depois estendem-as em
montes sobre esteirões feitos de verga, cobrem-as, deixão-as ainda suar
huma semana, ou duas, conforme a sua qualidade, e conforme corre a
estação, e tem cuidado de visitar os ditos montes repetidas vezes para
examinar o gráo do seu calor, para os abrir, revirar, e revolver, a fim de
impedir que nenhuma das suas partes aqueça demasiadamente, porque a
fermentação poderia passar até o gráo de inflammação; e demais disso huma
demasiada reacção fermentativa destruiria os principios, e qualidades dos
succos, e faria apodrecer as folhas: he esta pois a parte mais difficil
da sua preparação, e não admitte regra geral; ella depende unicamente da
experiencia, e habito; hum negro exercitado nesta manipulação, mettendo a
mão em hum monte de folhas, destinguirá cem vezes melhor o gráo
conveniente de calor, do que o faria hum physico com o seu thermometro.

Quando esta fermentação está completamente terminada, despojão os
troncos das suas folhas, separando-as da parte do cume do tronco
daquellas da banda da raiz, e esta separação em duas, ou tres classes.
Estas folhas deixão-se inteiramente seccar de novo, e depois são
reunidas dez a dez, ou doze a doze em molhos, e ligadas; estes molhos
são chamados _manócas_, e são postos em camadas regulares em barricas,
pondo-se repetidas vezes por cima dellas, á proporção que se vão
enchendo as barricas, huma forte tampa redonda, apertada nas ditas vezes
por meio de hum prélo, ou alavanca de 1.^a especie, que faz o effeito de
hum pezo de 2, 3, ou 4 mil arrateis. Este modo de embarricar, em razão
da compacidade, em que ficão as folhas, he hum dos pontos os mais
essenciaes para a boa conservação dellas. Ás vezes as folhas de melhor,
e mais fina qualidade são enviadas em forma de rôlos; então as folhas
são despojadas das suas fibras grossas, ou costilhas. Estas duas
operações, tanto de embarricar, corno de fazer os rôlos, são effeituadas
em hum tempo humido, quando as folhas sêccas são mais brandas, e
flexiveis.

As folhas da Tabacoeira assim preparadas são remettidas ao lugar do
mercado; mas antes de ser vendido está sujeito a ser examinado pelos
Officiaes públicos instruidos para isso, e chamados Inspectores do
Tabaco, os quaes determinão a sua qualidade. Toda a sorte de folha mal
preparada, que foi molhada no caminho, e que por isso, ou por qualquer
outras causas fermentou de novo nas barricas, he condemnada a ser
queimada, e perdida por conta de seu dono. Os Americanos tem leis para
regular todos estes objectos; e pela rigorosa observação dellas he que a
cultura da planta, e a preparação da folha se tem tanto aperfeiçoado, e
que o commercio, que com ella fazem, se tem estendido até o ponto, em
que se vê. Nos annos antes da sua ruptura com a Inglaterra, as duas
Provincias da Virginia, e Maryland remettião á Grã-Bretanha 768:000
libras esterlinas em folhas de tabaco: o seu preço medio era a oito
libras esterlinas por cada barrica de 1:200 até 1:400 arrateis cada
huma, o que faz 96:000 barricas de exportação. Desta quantidade quasi
13:500 barricas se gastavão nos Reinos Britannicos, e pagavão ao Estado
26 libras esterlinas e hum xelim de direitos por barrica, por tudo
351:675 libras esterlinas; as outras 82:500 barricas erão exportadas
para outros paizes da Europa pelos Negociantes Inglezes. Neste ramo de
commercio só per si erão empregados trezentos e trinta navios, e quatro
mil marinheiros.

Ao que dissemos sobre a cultura, e recolhimento das folhas da Tabacoeira
nos Estados Unidos dos Americanos, devem ajuntar-se as observações
seguintes.

1.^a A boa folha das Tabacoeiras completamente preparada, e embarricada
do modo acima declarado não súa, nem fermenta mais, excepto havendo
algum accidente extraordinario: se, pelo contrario, ella foi mal
preparada, não sufficientemente sêcca, nem bem comprimida nas barricas,
ella soffre huma nova fermentação, e depois apodrece.

2.^a A folha das Tabacoeiras de huma segunda colheita, isto he, os
renovos, que rebentão nos troncos, ou tocos, depois que a primeira
planta, ou tronco principal foi cortado, he sempre ruim, fora de estado
de se poder conservar por qualquer preparação que seja; por conseguinte
a sua exportação para o estrangeiro ou só per si, ou misturada com
outras he constantemente prohibida pelas leis do paiz.

3.^a Quanto mais pingue, e humido fôr o terreno empregado na cultura, e
plantação da planta do Tabaco, e quanto mais esta abundar em principios
aquosos, oleosos, e acres, tanto mais tambem se prolongará a sua
desseccação, e fermentação, e precisará de mais cuidado: huma preparação
sufficiente para a folha ordinaria he insufficiente para esta, porque
ella fermenta de novo, e se corrompe depois; ella fermenta, e apodrece
tambem, todas as vezes que he molhada na barrica, ainda mesmo que tenha
sido bem preparada. Nesta nova fermentação as folhas se enchem de bolôr,
perdem o seu cheiro, e gosto, fazem-se brancas, e de modo tal se
corrompem, que não servem para mais nada do que para estrume.

4.^a Em hum terreno muito pingue, e humido a planta do Tabaco eleva-se até
mais de seis pés, e as suas folhas por todos os lados adquirem huma
extensão enorme. Huma planta tão bem nutrida contem huma tal abundancia de
succos, e principios taes, que he difficil de preparar a sua folha de
modo, que se possa conservar muito tempo sem huma nova fermentação
perigosa.

5.^a As plantas, que produzem a folha de mais fina, e delicada
qualidade, são as que se crião em hum terreno moderadamente pingue, e
solto na parte occidental da Virginia, e Maryland, perto das montanhas
de Allegany; mas o producto he muito menos do que nos prados humidos, e
nas margens dos rios, que ficão mais perto do mar. Se o terreno he muito
solto, e sabuloso, a planta soffre nimiamente da sêcca, e calor, e
produz muito pouco.

6.^a Em fim, he necessario hum muito grande gráo de calor tanto para a
cultura, como para a preparação da Folha das Tabacoeiras; o calor do mez
de Junho, Julho, e Agosto na Virginia he ordinariamente de quasi 30
gráos do thermometro de Reaumur; e esta Provincia está situada entre 36,
e 40 gr. de lat. septentrional.


_Da Cultura da Tabacoeira em Hollanda._

Ainda que a Hollanda esteja em hum clima bem diverso do da Virginia, o
povo industrioso, que o habita, não he menos dado á cultura da planta do
Tabaco, e delle tem feito hum dos ramos importantes do seu commercio, e
das suas riquezas.

Cultiva-se com effeito muito Tabaco na Hollanda; somente as Provincias
de Gueldres, e Utrecht produzem annualmente onze milhões de arrateis, de
que tres erão algum dia vendidos ao Contracto geral de França. Neste paiz,
principalmente nos redores de Armesfort, semêa-se a semente da planta do
Tabaco em grandes camas de estrume formadas com taboas; ellas tem tres pés
de altura, dez de largo, e hum comprimento indeterminado; são rodeadas por
fora até a altura das taboas com estrumes dos porcos, e carneiros, mistos
com a palha das camas, em que elles se deitão; e por dentro são recheadas
da mesma casta de estrume até a altura de dous pés, e por cima deste de
hum pé de terra fina solta, e bem mista com estrume podre, que forma huma
sorte de verdadeira terrugem.

Em quanto a semente germina, e a plantula seminal cresce, e se fortifica
nesta cama de estrume, preparão-se outras camas não longe della, mas de
hum genero differente, e são humas especies de canteiros. Para os fazer
abre-se no terreno huma cova de algumas pollegadas de profundidade; são
separados estes canteiros huns dos outros por huma vereda de hum palmo
de largo, ou pouco menos, são escarnados, a sua base he de dous pés e
meio, a sua altura he de dous pés, e a sua escarpa, ou jorro he de tres
pollegadas de cada hum dos dous lados, de sorte que na parte superior só
tem dous pés de largura, e o seu comprimento he indeterminado. A sua
direcção he do Norte para o Sul. Na altura de seis, ou oito pollegadas
acima do nivel da cova põe-se huma camada de estrume de carneiro bem
fino, e esmigalhado, a qual he de pollegada e meia de grossura, e por
cima della outra de seis pollegadas de terra bem estrumada, e se
continúa assim camada sobre camada até a altura indicada de dous pés. As
veredas tem duas utilidades: o dar expedição á corrente das aguas, e
commodidade para fazer as sachas. Ás vezes estes canteiros tem mais, ou
menos altura, conforme o terreno he mais, ou menos humido: mas a sua
largura na parte superior he sempre de dous até tres pés, quando muito.
He nestes canteiros assim preparados que se faz a transplantação das
novas plantas, com as cautelas ordinarias; e para tirar algum proveito
das camas de estrume das sementeiras, que ficão então vagas, semêão
nellas sementes de alface, aipo, e de outras hortaliças. As novas
plantas de Tabaco são encravadas na terra até ao nascimento das folhas,
e pé e meio distantes numas das outras; ellas são dispostas em
quincunce, e formão duas fileiras em cada canteiro.

Os campos das plantações das Tabacoeiras em Hollanda são rodeados de
seves muito altas, ou de plantações de arvores, sem dúvida para abrigar
as plantas dos ventos impetuosos. Dão-se a estas plantas, até ao periodo
da sua madureza, quasi os mesmos amanhos, que se costumão dar na America
septentrional, isto he, são sachadas, regadas, quando o precisão,
despontadas da guia, e despojadas dos seus renovos, etc.

Depois de se terem alimpado os seus renovos, começão-se a colher as
folhas da segunda, e terceira qualidade. A terceira qualidade consiste
nas mais pequenas, e peiores folhas, que se achão na parte infima do
tronco; as que se achão situadas immediatamente acima dellas, em numero
de cinco, ou seis, são as da segunda qualidade; colhem-se humas, e
outras ao mesmo tempo; mas escolhem-se depois na casa do seccadouro. Em
quanto ellas se secção, alimpão-se dos rebentões novamente as plantas, e
vigião-se, a fim de se poderem colher acertadamente as folhas, que restão,
e formão a primeira qualidade; porque, se acaso se deixão amarellar no
tronco as folhas, ellas perdem a sua força, e facilmente soffrem
degradação. Estas duas colheitas são feitas por mulheres, que arrancão as
folhas o mais perto do tronco, que podem, e mesmo com huma porção da
casca, e epiderme delle, para que ellas pezem mais.

Depois das preparações competentes, que são as ordinarias, as folhas são
postas em molhos, ou manócas, como os Francezes lhes chamão, e as
embarricão, ou entrouxão apertadamente em esteiras, e mesmo em grandes
cestas.

Segundo Mr. Jansen, as plantas do Tabaco, principalmente aquellas, que
se achão no meio dos campos, soffrem infinitamente por causa dos ventos
fortes, e chuvas, que os acompanhão, e pelo granizo principalmente, que
ás vezes dentro de poucos minutos rouba ao plantador todo o fructo do
seu trabalho. Para obviar esta desgraça do modo possivel os cultivadores
dividem hum campo em muitos canteiros quadrados, isto he, em trinta até
trinta e seis por _arpente_, ou courella de cem aguilhadas, cada huma de
vinte pés. Rodêão-se estes quadrados de ramalhos de carvalho, amieiro,
salgueiro, ou de faia; mas a primeira especie de ramos he sem dúvida a
melhor, porque pode aturar dous annos no cercado, e as outras devem
mudar-se todos os annos. Esta sorte de ripados he praticada, fazendo-se
primeiramente regos fundos á enchada, mettendo nelles os ramos, e
entulhando então os ditos regos. Estes abrigos, ou quebra-ventos guardão
as plantas dos máos effeitos dos ventos, e chuvas fortes: elles servem
tambem para os feijoeiros de trepa, que gostão de terra estrumada, funda,
e alteada, como a que he propria para a cultura da planta do Tabaco, são
proveitosos pelos seus fructos, e ajudão tambem a abrigar as plantas do
Tabaco. Passados dous annos estas seves de ramos de carvalho são
tiradas, e servem de lenha para o lume, e logo se estabelecem outras.

Alguns cultivadores arrancão os troncos, de que se tem tirado as folhas,
os quaes juntos com alguns rebentões, que tinhão guardado, lhes servem
para fazer estrumes, que espalhão nas terras lavradias; mas he melhor,
nas terras destinadas para a cultura do Tabaco, deixa-los apodrecer
nellas, espedaçando-os, e enterrando-os com a enchada, quando se revolve
o terreno na primavera.


_Da Cultura das Tabacoeiras na Alsacia._

Depois da Hollanda, a Alsacia he o paiz da Europa, onde a cultura da
planta do Tabaco tem sido seguida com mais cuidado. Por evitar
repetições indicarei somente, segundo Kauffman, e Mr. de Villa Nova, as
operações particulares adoptadas no dito paiz.

Alguns dias antes de fazer a sementeira os cultivadores mettem a semente
dentro de hum pedaço de panno de linho, tem cuidado de humedecer de
quando em quando este panno, põem-o em hum lugar quente, e mesmo sobre a
coberta dos seus fogões; quando a plantula seminal tem germinado, e
adquirido quasi meia pollegada de comprido, lanção na terra a semente.
As camas de estrume, em que fazem a sementeira, são feitas com menos
cuidado do que as ordinarias dos hortelões, e jardineiros. Nunca cobrem
as novas plantinhas, mas regão-as frequentemente, e até duas vezes no dia.
A transplantação faz-se no mez de Junho. Como em outros lugares, as
plantas ficão distantes humas das outras dous pés em todas as direcções;
são sachadas duas, ou tres vezes até o período da colheita. Junto do
meado de Agosto cortão-lhes as guias. As folhas pequenas do cimo do
tronco são arrancadas, logo que apparecem, e só se deixão as grandes,
ordinariamente treze, ou quatorze.

A colheita tem lugar antes do fim de Setembro, julgando os cultivadores
que, se fosse mais tempo demorada, os frios a destruirião, e que a menor
geada branca basta para matar as folhas. Arrancão as folhas, e ficão na
terra os troncos em pé; não os cortão senão quando lavrão o terreno da
plantação passada, e então são enterrados com o arado. As folhas são
levadas ao seccadouro, aonde ficão até ao mez de Março; então fazem com
ellas montes, ou rumas de 4 ou 5 pés de alto, em que não bolem senão no
tempo da sua venda. O comprador se encarrega de tudo o mais.

Hum _arpente_ de 48:400 pés quadrados pode produzir cem quintaes (cem
arrateis por quintal) de folha fresca, que se reduzem a 14 quintaes de
folha sêcca.

As plantas são sujeitas a serem destruidas pelos caracóes, e por huma
especie de ferrugem. Em taes casos reformão, com a brevidade possivel,
com plantas novas as que se achão estragadas.


_Aviso aos Cultivadores da Planta do Tabaco em França publicado pela
Sociedade de Agricultura de París._

As sementes da Planta do Tabaco (_Nicotiana tabacum_) semêão-se em
viveiro, e transplantão-se as plantulas nelle germinadas, quando ellas
ahi tem adquirido huma certa força. O viveiro deve ser huma cama de
estrume nos paizes, onde a primavera he fria; e somente hum canteiro de
boa terra de horta nos paizes, onde o principio desta estação he brando.

Quanto ás camas de estrume, ellas são bem conhecidas dos hortolões, como
tambem os gráos de calor proprios para nellas se podêr semear a semente
da Planta do Tabaco. Usa-se commummente do estrume de cavallo, que não
esteja podre, e, na sua falta, do estrume de vaccas: a quantidade he
proporcionada ás sementes, que hão de ser semeadas. Para fazer a
plantação de hum _arpente_ de terra, que tenha novecentas toezas
quadradas (cada toeza consta de seis pés), serão sufficientes seis
oitavas de sementes, as quaes requerem huma cama de vinte e dous pés de
comprido, e quatro de largo. Dá-se á cama a grossura, ou altura de pé e
meio até dous pés do sobredicto estrume, ficando elle bem calcado com os
pés; este estrume depois será coberto com seis pollegadas de terra de
horta, ou, ainda melhor, de terra de horta misturada com terrugem, isto
he, com esterco bem podre. Esta cama será cercada com taboas para bem a
suster, e mesmo para sobre ella pôr caxilhos com papeis vernizados,
havendo necessidade delles, sendo a primavera fria.

A semente de dous annos pode germinar tão felizmente como a de hum anno;
nós não assegurâmos a bondade das sementes, que forem mais velhas. No
caso de dúvida pode fazer-se a experiencia com algumas semeadas em
canteiro, cama de estrume, ou debaixo de hum caixilho vidraçado, ou
manga de vidro, conforme fôr o clima.

Pode-se appressar a germinação das sementes, mettendo-as em hum panno de
linho, humedecendo este de tempos em tempos, e pondo-o em algum lugar
quente; e, quando a plantula seminal tiver quasi quatro linhas de
pollegada, deverão ser semeadas, porque então vegetarão de pressa, e
rebentarão logo as suas plumulas.

O tempo, em que se costuma semear a planta do Tabaco em França, he desde
o fim de Fevereiro até ao fim de Março. Esta planta, temendo muito as
geadas no seu estado tenrinho, e quando se avisinha ao período da
madureza das suas folhas, he necessario livra-la das dictas geadas na
primavera, e com tudo semea-la assáz temporã para que as suas folhas se
achem maduras antes das geadas do outono.

Escolher-se-ha hum dia, em que não chova, para fazer a sementeira: como
as sementes são muito miudinhas, para que ellas possão ser espargidas
com maior igualdade, algumas pessoas misturão-lhe arêa, ou terra. Depois
de semeadas, deve-se regar a sementeira com hum regador de buraquinhos
muito estreitos, cobrem-se com terra fina peneirada por hum crivo, mas
tão pouca, e tão levemente, que baste só para esconder as sementes. Huma
cautela, que não he indifferente, consiste em espalhar sobre a
sementeira alguma moinha, ou palhiço, que se pode tirar de cama estrumada
do anno antecedente, ou aliàs huma pouca de palha branda, que se
esmigalhará, esfregando-a bem com as mãos. e pondo-a em estado de moinha;
esta moinha, ou palhiço assim espalhado na sementeira quebra muito a força
do chuveiro do regador, batendo nelle primeiro que na terra; e a radicula
da semente não he arrancada, nem a planta posta fora do lugar, em que
estava; em fim, a sementeira he mais igual tanto na distancia, como na
germinação, e força das plantas.

No caso que se semêe cedo, e que o paiz seja frio, deve-se ter o cuidado
de cobrir o lugar da sementeira, durante as noites frias, ou com taboas
sustidas entre travessas por cima do dito lugar, ou com lônas, ramalhos,
ou com palha longa de centeio. Alguns cultivadores se servem mesmo de
caixilhos vidraçados, ou de papel oleado em lugar de vidros.

A fim de appressar a germinação das sementes algumas pessoas, durante
tres, ou quatro dias tem a sementeira bem tapada, e coberta com
caixilhos, cujas juntas são barradas com bosta de vacca; e depois deste
tempo deixão entrar o ar na sementeira, regão-a, e não a tapão tão
exacta e escrupulosamente. Nós não aconselhâmos este methodo, porque
exige muita vigilancia; e os que não souberem tê-la farão com que a
semente, e nova plantula sejão queimadas com o demasiado calôr, ou
tambem que a plantula seminal, crescendo rapidamente, fique esguia, e
muito fraca. Sabendo-se aproveitar o calôr das camas de estrume, não ha
necessidade de estar tapadas, e cobertas; demais disso ellas podem ser
aquecidas, applicando-se-lhes á roda novo estrume, se o frio da
atmosphera o exige.

Deverá haver cuidado de mondar a sementeira das hervas ruins, e de a
regar, quando fôr necessario.

Tudo o que dissemos a respeito da sementeira em cama de estrume deve
applicar-se igualmente á que fôr feita em canteiros, que supprem as
camas nos paizes, em que ellas são inuteis.

As plantas brotadas das sementes semeadas em Fevereiro estão boas para
serem transplantadas no mez de Maio; as da sementeira de Março devem ser
transplantadas mais tarde; tanto as muito novas, como as muito adultas
são igualmente custosas de pegar. Quando ellas tem duas pollegadas fora
da terra, e cinco, ou seis folhas, por pouco que o tempo seja favoravel,
a transplantação será segura, e feliz. Deve haver todo o cuidado de não
transplantar, em quanto se houver de temer as geadas, porque as plantas
tenras no meio dos campos não se podem preservar dellas, como nas
sementeiras se pode fazer. No clima de París he raro que hajão geadas
depois de dez de Maio.

A terra, em que se houver de fazer a plantação, deve ser preparada do
modo, que vamos expôr. Será bom que se experimente, mas em pequena
quantidade, huma plantação em toda a sorte de terrenos, a fim de se
observar qual he o que produzirá mais, e o que dará o de folha de melhor
qualidade. A planta dá-se melhor em huma terra _substanciosa_; por esta
palavra entendemos a terra composta de arêa, e de terra vegetal, ou a
composta de terra calcarea-humosa, e argilla bem misturadas. He
necessario que ella tenha muita profundidade, e fique bem solta, e
movel. Por isso hum lugar, aonde se cortou huma matta, esteve hum prado
arteficial muitos annos; e huma terra virgem de bastante fundo
arroteada convem muito a esta plantação, por terem muita terra humosa,
como costumão ter as terras novas. Não se pode duvidar tambem que as
terras, em que houve linhos ordinarios, e canamo, açafrão, lupulo, etc.
sejão tambem boas para ella; as terras, que são boas para trigo, tambem
são proprias para a plantação da Herva do Tabaco.

Á proporção de sua compacidade, ou segundo forem mais ou menos tenazes,
e duras, deve o número das lavouras ser mais ou menos. Sendo a lavoura
feita á charrua dever-se-ha fazer huma antes do inverno, a fim de que as
geadas possão dividir, e esboroar as leivas, e terrões; e duas lavouras
depois do inverno, a saber: huma no principio da primavera, e outra
pouco tempo antes da transplantação. Ha terrennos, que precisão de
quatro lavouras, huma antes do inverno, e tres depois delle, e ainda
assim he preciso gradar em cada huma dellas.

O amanho feito á enchada he melhor do que feito com o arado, ou charrua;
mas he mais custoso; sendo feito á enchada bastará fazer huma cava antes
do inverno, e outra na primavera, excepto se a terra se cobrir de
hervas, porque então será necessario fazer huma terceira cava.

Não se devem estrumar as terras virgens, ou arroteas, mas devem-se
estrumar aquellas, que andarem em cultura regulada, que tem produzido
trigo, e outras plantas, que as tem esgotado dos seus principios
fertilisantes. Como, em geral, as terras para a cultura das Tabacoeiras
são terras fortes, o estrume de cavallo deve ser preferido, como tambem
o dos carneiros, o das aves domesticas, e mesmo os excrementos humanos,
posto que passem por diminuir a qualidade das Folhas do Tabaco. He
inutil dizer aos cultivadores de grandes culturas que, se elles nellas
empregarem terrenos compactos, precisão de usar de estrumes não de todo
apodrecidos, alem das margas calcareas, ou das caliças dos edificios
velhos, feitos com argamaça de cal, ou gesso, que são muito proprias
para abrir as argillas; e tambem, no caso que os terrenos sejão muito
soltos, elles os farão mais fortes, estrumando-os com estrumes bem
podres, principalmente o de vaccas, e misturando nos ditos terrenos
margas argillosas; porque estas preparações não são menos uteis, e
necessarias para os terrenos destinados para a plantação das
Tabacoeiras, do que para as searas de milho, e trigo. A respeito da
quantidade dos estrumes necessaria ella depende da especie do estrume, e
do seu estado, como tambem da natureza do terreno; bastará dizer que as
terras para a plantação das Tabacoeiras devem ser estrumadas como
costumão ser as que se destinão para searas de trigo.

Fazendo-se o amanho á enchada podem-se formar pequenos monticulos de
terra, cuja base tenha dous, ou tres pés de diametro: com o arado mesmo
na ultima lavoura se poderão fazer regos largos, e fundos, ficando a
terra em espigão alto, o que fará as vezes de monticulos; elles podem
ficar tambem dous, ou tres pés distantes, e fazendo margens.

A terra estando assim preparada, e a planta na sementeira tendo
adquirido a altura, e força convenientes, passa-se a fazer a plantação,
com tanto que seja depois de ter chovido, porque a chuva he necessaria
para facilitar o arranco das plantinhas com todas as suas raizes, e
mesmo com hum pequenno terrão, como tambem para a pôr em huma terra, que
logo não a seque. Pode com tudo succeder que não tenha havido chuva;
neste caso será preciso regar bastantemente a sementeira, e regar tambem
cada planta, logo que fôr transplantada; e não se deve lançar-lhe muita
agua de huma vez: será melhor regar com menos agua, e por duas vezes.

Para plantar faz-se hum buraco na terra com hum bordão aguçado em baixo,
e curvado no cimo para servir de punho (a que chamão plantador);
encrava-se neste buraco a planta até ao seu olho, isto he, até ao ponto
onde nascem as suas folhas, e com o plantador se lhe encosta a terra
pelos lados para a firmar. Quando o terreno está disposto em monticulos
põe-se a planta no meio de cada hum delles; e quando elle está preparado
em margens, ou tambem em regos aproximados em adorsamento, ou espigão,
põem-se as plantas dous pés, ao menos, distantes humas das outras, dando
á plantação a forma de quincunce; quanto menos bom para a qualidade da
Folha das Tabacoeiras fôr o terreno, tanto mais as plantas devem ficar
distantes humas das outras.

Succede ás vezes que as sêccas, ou geadas serôdeas destroem algumas
plantas, reservão por isso algumas na sementeira, e com ellas são
providos os lugares vagos.

Deve-se sempre ter a plantação limpa de hervas ruins, sachando-as tantas
vezes, quantas forem necessarias; ao menos tres sachas são precisas; o
tempo dellas he a necessidade, que o determina.

Quando as plantas tiverem hum pé, ou pé e meio de alto, o que
ordinariamente succede seis semanas depois de plantadas, são sachadas,
chegando-se-lhes a terra em roda do pé elevadamente, como se faz ao milho
grosso, e ás batatas; e esta operação he feita com a enchada, ou sacholas.

No periodo, em que se descobre em cada planta hum nó, ou botãosinho, que
he o principio da flor, he tambem occasião propria para lhe cortar a
ponta da guia, a que chamão descabeçar, ou despontar: com os dedos,
navalha, ou tisoura tira-se-lhe a ponta de modo, que não lhe fiquem mais
de doze até quatorze folhas. A planta então fica reduzida á altura de
dous pés. Esta operação obriga a seiva a fazer rebentar diversos renovos
nas axillas das folhas. Devem-se estes tambem arrancar todas as vezes
que brotarem, a fim de fazer derivar, e concentrar a seiva nas folhas,
que são o objecto principal da cultura.

Para ter sementes deixão-se no campo alguns pés, sem lhes cortar a guia.
Basta deixar poucos, se não ha intento de vender sementes; porque hum
bom pé pode dar sementes para semear hum _arpente_ de París. Os pés bons
para dar sementes são os mais vigorosos, os primeiros que se plantárão,
e não os que forão substituidos nos lugares vagos das plantas mortas. Na
Hollanda estes pés de plantas-mãis são desfolhados pouco a pouco, á
proporção que se vão elevando, para que toda a seiva se dirija ás
sementes, e só colhem estes pés, quando as capsulas, que contem as
sementes, se tornão negras; cortão-os então, pendurão-os nos tectos das
casas, aonde ficão até á primavera: as sementes assim dentro das suas
capsulas se fortificão cada vez mais, e se conservão melhor.

Quanto ás plantas, cuja guia foi cortada, conhece-se que as suas folhas
são maduras, e boas para serem colhidas, quando ellas começão a perder
aquelle verde vivo, que as caracterisava, e a tomar por degradação hum
fraco amarello; então ellas se inclinão para a terra, e espalhão o seu
cheiro particular até huma certa distancia; nas suas faces formão-se
algumas pequenas malhas, e a sua costilha, ou nervura media tem huma
certa facilidade de se podêr quebrar com os dedos.

Todas as folhas não amadurecem ao mesmo tempo, por conseguinte não devem
tambem ser colhidas todas no mesmo tempo; começa-se pelas debaixo, e
destas se vai continuando até as ultimas de cima. Por esta razão em
alguns paizes faz-se distincção das folhas em tres qualidades; as mais
estimadas são as mais altas do tronco. Nas boas culturas, e fabricas de
Tabaco cada huma destas tres qualidades he estremada.

Á proporção que se vão colhendo, põem-se humas sobre as outras, com o
maior aceio que he possivel, e levão-se para o seccadouro. São enfiadas
então em guita, ou fio de estopa grosso, para serem penduradas em varas;
ou aliàs furão-as, e passão-as a varinhas cylindricas de vime,
salgueiro, ou amieiro, que tem cinco, ou seis pés de comprido, e até
huma pollegada de grossura. Na enfiada ficão de sorte, que a nervura
media de huma não toque na da outra seguinte. As varinhas são penduradas
em varas, ou travessas de madeira postas humas por cima das outras em
hum telheiro, ou alpendre, ou em algumas aguas-furtadas, que tenhão
aberturas de todos os lados, a fim de que o vento possa seccar as
folhas. Mechem-se estas de quando em quando nas enfiadas, principalmente
quando não faz vento; quanto menos conchegadas estão as folhas, e quanto
mais desviadas estão as varinhas das enfiadas, com tanta mais facilidade
se faz a deseccação.

As folhas de cima do tronco, ou as da primeira qualidade são as que
precisão de mais tempo para se seccarem. Devem ser colhidas o mais
perto, que fòr possivel, do tronco para nada dellas se perder.

Quando o tempo está nublado, ou humido he forçoso fazer fogo no
seccadouro, para que as folhas se não alterem, e corrompão; mas estando
o tempo sêcco por nenhum modo se deve ahi entreter fogo.

Com ouso he que se aprende a conhecer com certeza o perfeito gráo da
deseccação das folhas. Se ellas ficassem muito sêccas perderião o seu
cheiro particular, e se desfarião em migalhas; e se ficassem humidas
apodrecerião. Poder-se-hia dizer que hum bom indicio do dicto gráo he
qunado, apertando-se na mão hum punhado de folhas, estas recobrão o seu
volume, sem se quebrarem, logo que se abre a mão.

Tanto que as folhas se achão sufficientemente sêccas tirão-se para baixo
as varinhas dependuradas, põem-se no pavimento, ficando as folhas nellas
ainda enfiadas. Arranjão-se então humas em cima das outras, e de modo,
que formem hum quadrado, no meio do qual se acha hum espaço vazio
necessario para que o vapor, que exhalão, e que ainda transpirão, possa
escapar, e sahir bem livremente; deixão-se ficar neste estado durante
oito, ou quinze dias, e depois disso cobrem-se até que com ellas se
queirão fazer os molhos chamados _manócas_, que ultimamente se mettem em
barricas apertadamente, ou se entrôxão bem em esteiras, aonde ficão até
se venderem.


_Cultura da Nicociana Tabacoeira na Guiana Franceza._

Esta Colonia fica pouco distante da linha equinoccial; ha nella grandes
calôres, e abundantes chuvas durante seis mezes do anno; os seus
terrenos em geral são soltos, e saibrentos, e por isso proprios para a
producção das Tabacoeiras. As que ahi se cultivão são as mesmas, que se
costumão cultivar no Brasil, e Verina, ás quaes alguns dão tambem o nome
de Tabacoeiras do Rio das Amazonas. As culturas são feitas humas em
matos, e bosques depois de queimados, outras em terras, que já se tem
rompido, e cultivado, as quaes ficão mais ou menos visinhas das
habitações. As queimadas são verdadeiras terras virgens, e o seu
_humus_, e cinzas supprem bem os estrumes; he nellas que se fazem as
plantações mais extensas: nas outras, por falta de estrumes, praticão-se
bardos, ou malhadas, com bois, e cavallos, e são as que produzem plantas
mais fortes; todas são cercadas de seves feitas ordinariamente com
Opuncias. Os trabalhos são todos feitos á enchada; as cavas, e
plantações fazem-se em todas as estações do anno; as terras baixas, e
humidas são preferidas ás ladeirentas.

Para se fazer a sementeira escolhe-se hum terreno fresco, e humido
dentro de algum cerrado; cava-se este, e estruma-se bem, ficando em fim
preparado da mesma sorte, que se costuma praticar com os destinados para
a sementeira de huma horta. A semente de hum, ou dous annos, tendo
primeiramente sido misturada com cinza, he então lançada no dicto
terreno por dispersão, como se semêa o trigo; cobre-se immediatamente, e
borrifa-se, o que raramente he preciso fazer por ser o clima
bastantemente chuvoso. A fim de proteger as plantinhas recem-nascidas
dos ardores do Sol, até que sejão assás fortes para os poderem
supportar, cerca-se a sementeira com ramadas, e esteirões.

Tres semanas, ou hum mez depois de feita a sementeira, tendo então as
novas plantas cinco, ou seis pollegadas de altura, quatro, ou cinco
folhas, e mostrado hum vigoroso estado (porque as muito altas, esguias,
e com poucas folhas são desprezadas) faz-se a transplantação.
Arrancão-se da sementeira as novas plantas, arranjão-se com todo o
cuidado em cestas com as raizes para baixo, para que as folhas as
preservem do Sol, e ar quente, e immediatamente são levadas para os
terrenos, que se achão de fresco cavados; plantão-se ahi com huma
enchadada, regão-se depois, e todas as vezes que o precisão: nos
terrenos de matos, e bosques queimados põem-se pé e meio distantes humas
das outras, e sem alinhamento algum; a cultura nestes terrenos he
misturada mais ou menos com a do arroz, milho grosso, e miudo, algodão,
mandioca, e alguns outros vegetaes; nos cerrados dispõem-se as plantas
em tres pés de distancia humas das outras, e ahi são alinhadas, e
cultivadas sem mistura de outras differentes especies. O crescimento do
caule em altura varía de cinco até sete pés, e quando se julga estar já
bem vigoroso he despontado, a fim de derivar a seiva para as folhas.
Como os terrenos são muito ferteis deixão-se no caule todas as folhas,
que são numerosas, de vinte até quarenta.

A colheita das folhas faz-se ordinariamente no fim de tres mezes depois
da transplantação, e em qualquer hora do dia. Conhece-se que as folhas
estão maduras pela sua côr amarellada, varias especies de manchas, e por
quebrarem na base facilmente; alguns as esmagão, ou triturão com as mãos,
seccão-as depois junto ao fogo, e com ellas ultimamente cigarrando sabem
reconhecer o seu estado proprio para o apanho. São colhidas huma e huma,
e na primeira colheita só se apanhão as inferiores, que estão maduras, sem
com tudo estarem sêceas, e deixão-se as outras para a seguinte. Nas
plantações em queimadas os cultivadores costumão deixar na terra os caules
depois da colheita das folhas, e nelles colhem os tenros renovos, que
sabem aproveitar. As folhas, que se vão apanhando, lanção-se em cestas,
nas quaes são immediatamente levadas para os telheiros, e ahi alastradas
sobre esteiras, caniços, e vergas enlaçadas, em que ficão hum dia expostas
ao ar para se murcharem, e amollecerem. Depois disto são bem estendidas, e
dispostas em camadas dentro de caixotes, pias, e celhas; sobre estas
põe-se então huma tampa de taboas bem carregada com pedras; ficão assim
tres, ou quatro dias a fermentar, passados os quaes tirão-se dos dictos
vasos, ligão-se duas a duas, tres, ou quatro a quatro com atilhos, para
que servem as varinhas de varias plantas, a que chamão _Liane_, e os
Portuguezes _Sipó_; estes molhos de folhas pendurão-se depois á sombra
nos telheiros, e alpendradas até adquirirem a sua sufficiente seccura.
Neste estado, e em dias frescos, e humidos são salpicadas com agua do
mar; tirão-lhes o fasciculo fibroso do talo, e passão a fazer com ellas
o tabaco de corda, e tambem charutos, enrolando-as em hum fio de arame.
Alguns cultivadores costumão cortar pela base os caules ainda
succulentos das plantas, e dependura-los nos telheiros, aonde, tendo
brotado alguns renovos, arrancão-lhos, dão-lhes os mesmos preparos que
ás folhas, e lhes servem para rechear o âmago das cordas de tabaco.

A sementeira das Tabacoeiras, a transplantação, amanhos, colheita das
folhas, a sua preparação, e venda fazem-se dentro do espaço de seis
mezes completamente.


_Cultura da mesma planta em algumas partes do Brasil._

As Tabacoeiras, que ordinariamente se cultivão para a fabricação do
tabaco, sendo todas indigenas dos climas quentes da America meridional,
e de terrenos mais ou menos soltos, e humosos, circumstancias proprias
do Brasil, não se pode duvidar que este vastissimo paiz seja
naturalmente do número dos mais proprios para a producção, e boas
qualidades de taes plantas. A sua respectiva cultura, segundo as
informações, que tenho podido obter, he com pouca differença em muitas
Comarcas do modo, que passo a expôr.

As primeiras, e abundantes aguas de Março, e Abril, tendo humedecido
sufficienternente as terras, preparão-se alguns canteiros em hum terreno
d'antes bem estrumado, e nelles he semeada por dispersão a quantidade de
semente, que se julga ser necessaria, e proporcionada á plantação.
Correndo o tempo favoravel, no fim de quatro dias brota a semente, e
dahi a hum mez, pouco mais ou menos, as plantulas tem chegado á altura
de hum palmo, crescimento, em que costumão ordinariamente ser
transplantadas. Durante este espaço de vegetação a sementeira he bem
mondada das hervas ruins, e se faz toda a diligencia de dia, e mesmo de
noite com luzes, por afugentar, apanhar, e matar os insectos destruidores
das tenras plantas, os quaes ás vezes são tantos, que as estragão todas,
ou quasi todas, e obrigão o cultivador a renovar a sementeira huma, duas,
e tres vezes: igual damno lhes causão tambem algumas vezes os excessivos
ardores do Sol, e as demasiadas chuvas continuadas.

A extensão de terra destinada para a transplantação fica em descanço no
anno precedente, e he ordinariamente proporcionada ao gado, de que o
cultivador pode dispôr para nella fazer bardos, ou malhadas, especies de
curraes mudaveis de oito em oito dias. A terra, que fica em descanço, e
aonde se fazem os bardos, commumente não he limpa do mato, que tem; este
trabalho he só feito no tempo visinho á transplantação; mas alguns
cultivadores mais intelligentes costumão hoje não só alimpar-lhe todo o
mato, mas tambem cava-la, ficando sendo hum alqueive; e o mato com
algumas hervas servindo de cama ao gado dos bardos. Chegado o tempo
conveniente para a transplantação, que ordinariamente se julga ser
Junho, e Julho, o terreno das malhadas, se não tem sido alqueivado, he
limpo do mato á fouce, e á enchada, com a qual se costumão fazer todos
os trabalhos de revolver a terra, porque o interessante uso do arado he
muito pouco praticado no Brasil. Limpa a terra, começa-se por abrir em
alguma das suas extremidades huma cova da largura, e profundidade de
pouco mais de dous palmos, e puxa-se para dentro della toda a herva, ou
capim, que se acha tres palmos á roda, operação que vulgarmente se chama
_capinar_; depois disto abre-se outra igual, tres palmos distante da
primeira, puxa-se a herva para ella da mesma maneira, e com a terra,
que della se tira, acaba-se de encher a primeira, e sobre esta se faz
hum monticulo, ou camalhão, de hum palmo de alto; em outra igual
distancia, e em linha recta, abre-se huma terceira cova, capina-se á
roda, entupe-se igualmente a segunda, e sobre esta se forma hum segundo
camalhão: vai-se continuando uniformemente este trabalho por toda a
terra das malhadas até ella ficar cheia de camalhões dispostos em
fileiras, e todos distantes entre si o espaço de tres pés. Faz-se então
a transplantação, se antes o tempo não tem para ella corrido favoravel,
aliàs faz-se á proporção que se vão formando os camalhões. Consiste esta
em arrancar brandamente do canteiro da sementeira as plantulas, que
nelle tem crescido até a altura de hum palmo, pouco mais ou menos;
mettem-se depois em cestos, e nelles são conduzidas immediatamente ao
lugar da plantação, aonde se dispõem no alto dos camalhões, e ahi se
regão sem demora, no caso que não se esperem chuvas. Antigamente não se
usava esta sorte de amanho, e ainda hoje, segundo me dizem, em algumas
pequenas culturas feitas em lugares baixos, ferteis, e humidos, he
omittida; nestes lugares hum negro com hum páo agudo vai abrindo buracos
pouco a pouco em certas distancias, deita nelles algumas sementes,
cobre-as, e depois de germinadas desbasta-as, e deixa somente ficar
huma, ou duas em cada buraco, as quaes sem mais amanho que huma, ou duas
sachas não deixão de produzir bem.

Passadas algumas semanas depois da transplantação, e tendo crescido as
plantas hum palmo, as hervas circumvisinhas dos camalhões roção-se com a
enchada, conchegão-se a elles, e juntamente se chega a terra aos pés das
plantas. Neste estado com tudo a plantação he sujeita aos mesmos
inconvenientes que a sementeira, já por causa dos insectos, já pelas
contrariedades do tempo; e os cultivadores necessitão por isso de fazer
segunda, e mesmo, terceira transplantação. Correndo porem o tempo
favoravel, e tendo as plantas vegetado bem quatro, ou cinco semanas
depois do precedente amanho, costumão então impedir-lhes o crescimento
dos seus caules, e cortar-lhes com as unhas a sua ponta, a que chamão
_capar_, deixando somente nelles sete, oito, ou mais folhas á proporção
do seu vigôr, e da fertilidade do terreno, as quaes depois augmentão
muito em grandeza, e chegão ás vezes a ter tres palmos de comprido, e
dous de largo. Esta operação de mais disso faz com que dentro de breve
tempo comecem nas axillas das folhas a apparecer olhos de renovos, os
quaes o cultivador, passados oito até dez dias, manda cortar todos, ao
que chamão _desolhar_: passado igual numero de dias, tendo segunda vez
brotado novos olhos, repete-se o mesmo córte; mas nesta segunda
desolhadura costumão deixar intacto hum bom olho junto da base do caule,
como fiel, a fim de servir de principio de huma nova producção, a que
chamão _soca_, ou segunda Folha; por quanto, cortado o caule da primeira
Folha, forma-se outro igual do renovo do dicto olho, ou fiel, o qual
muitas vezes produz mais, e melhor do que o primeiro. Pratica-se com
este segundo caule o mesmo despontamento, e desolhadura, como no
primeiro, e tambem inferiormente junto do nó, em que nascêo; do primeiro
se lhe deixa hum olho de renovo intacto para formar hum terceiro caule,
e terceira Folha. Neste caule, e em outros successivamente delle
originarios se pratica tudo o mesmo uniformemente, e em fim se deixão
alguns pés da ultima producção, nos quaes se não faz despontamento, nem
desolhadura alguma, por serem destinados a dar sementes para as futuras
plantações.

Alguns dias depois da segunda desolhadura observa-se terem as folhas
crescido mais, e a entrarem a mudar de côr mais ou menos, a amarellecer,
e dar signaes de maturação. Começa-se então a sua colheita, a qual se
faz ou apanhando á mão cada folha sobre si, ou cortando o caule em duas,
ou tres partes, deixando em cada huma destas algumas folhas; á proporção
que se vão apanhando as folhas, e cortando os caules, estes productos
são lançados em cestas, ou no chão por alguns menos intelligentes, para
ahi murcharem hum pouco, e dentro de poucas horas são conduzidos para as
casas de preparação, telheiros; e alpendradas. As apanhadas á mão são
ahi reunidas, cinco a cinco, ou seis a seis, em molhos, e nesta forma
dependuradas em cordas, ou varas de sipó, que se achão prezas aos
caibros dos telheiros; os pedaços dos caules cortados com folhas tambem
são dependurados em semelhantes varas, ou cordas. Ficão assim todas as
folhas á sombra, e em arêjo durante oito dias, pouco mais ou menos.
Tirão-se depois das varas, ajuntão-se em montes, extrahe-se-lhes o
fasciculo fibroso do talo, ou nervura dorsal, operação a que chamão
_espinicar_ a folha, e faz-se-lhes depois a preparação denominada folha
torcida, e separão-se as mais largas para servirem de capas de corda.
Aprestadas assim as folhas passa-se immediatamente a reduzi-las a corda,
a capear esta, a enrosca-la, e dispô-la era grossas maçarocas, a que
chamão bolas de tabaco de fumo. São estas enfiadas em hum páo, e a sua
corda he varias vezes desenroscada, e tornada a enroscar em outro igual
páo; passados alguns dias são conduzidas para hum tendal, aonde ficão
postas, encravados os seus páos a prumo em huma viga comprida, e côncava,
na qual escorre pouco a pouco o seu succo oleoso, que se aproveita; e por
longo tempo ainda, e em varios dias se continuão as vira-voltas da sua
corda até que esta se julga estar bem curada, e ter adquirido as
perfeitas qualidades para ser facturada em grossos rolos. He
ordinariamente em Janeiro que estes rolos se fazem com a corda das bolas;
as suas roscas são humedecidas com huma mistura de melaço, e succos
oleosos, que as bolas d'antes tinhão vertido, ficão, o mais que pode ser,
apertadas, as terminaes são cobertas com folhas sêccas de Gravatá, e
outras plantas, e se lhes põe por ultimo huma capa de couro de boi bem
conchegada. He neste estado que a folha das Tabacoeiras preparada pelo
cultivador se conduz para a casa da arrecadação competente, por onde
precisa ser approvada para se poder vender, e exportar.

Alguns cultivadores preparão tambem as folhas de outro modo: depois de
colhidas fazem com ellas molhos de tres até cinco folhas, dependurão
estas manócas á sombra nos telheiros (os menos intelligentes as põem ao
Sol), e tanto que estão quasi sêccas estendem-as em camadas dentro de
huma imprensa de figura parallelogramica, comprimem-as ahi, e continuão
este trabalho até que todo o vão da imprensa se ache cheio de folhas,
formando estas hum sólido volume; abrem então a imprensa, e tirão della
esta pezada maça, cingem-a com folhas sêccas de Gravatá, atadas com
vergas de sipó, cobrem-a ultimamente com couro de boi, e he na forma
deste fardo que se faz a sua venda, e exportação. Outros imprensão as
mesmas folhas, no seu estado quasi sêceo, dentro de barricas de vinhatico
cercadas de arcos de ferro, e sobrepostas em grossas taboas, que depois
de cheias tapão bem, e assim as vendem, e são exportadas. A preparação
das folhas em charutos tem sido, segundo me dizem, tambem adoptada
nestes ultimos tempos por alguns cultivadores.


_Cultura da mesma planta em Lataquia._

A melhor folha para o Tabaco de fumo, de que se usa no Levante, he,
segundo Mr. Olivier, a da Tabacoeira vulgar, cultivada nos contornos de
Lataquia, Cidade da Syria, trinta legoas distante de Alepo. Consiste a
cultura, que ahi se pratica, no seguinte.

No fim de Março faz-se a sementeira em hum canteiro de terra pingue,
humida, bem cavada, e bem revolvida; hum mez, ou quarenta dias depois
arrancão as plantinhas, e as levão para hum campo, o qual no inverno se
tem preparado com muitas lavouras, para esta plantação; fazem-lhe regos,
e nestes dispõem as plantulas, dous pés e meio, e ás vezes menos, em
distancia humas das outras, logo depois regão-as huma, ou duas vezes
para que peguem, e vigorem; mas não as regão mais vezes depois disto,
por se julgar que com isso a sua qualidade ficaria deteriorada;
sachão-as com tudo huma, ou duas vezes, e lhes mondão as hervas ruins
circumvisinhas. Tanto que as plantas tem florecido colhem-lhes todas as
suas maiores folhas, enfião estas, e põem-as a seccar dependuradas nos
tectos de telheiros, e mesmo das casas, que habitão, de modo que fiquem
bem expostas a ser arejadas. De quando em quando então, dentro dos
telheiros, e casas, em que se achão as folhas dependuradas, queimão
varias plantas aromaticas, a segurelha, tumilho, serpão, salva, e
alecrim, o que ajuda a secca-las mais de pressa, e a communicar-lhes
muitas particulas cheirosas. Estando quasi sêccas arranjão-as em molhos,
põem estes a fermentar accumulados em hum montão, e para que a
fermentação não seja excessivamente activa, e prejudicial revolvem
algumas vezes estes molhos, e os mudão de lugar. Em fim, tendo
reconhecido haver cessado inteiramente a fermentação, e nada que
damnifique a folha, passão a enfarda-la.

Continua-se a colheita das folhas durante a florecencia da planta, e
ainda depois, seccão-as, e preparão-as do mesmo modo; mas o tabaco, que
dellas se obtem, he inferior na qualidade ao das folhas da primeira
colheita, e quanto mais se demora a segunda, estando a planta em flor,
tanto mais o tabaco he forte, desagrada, e perde o seu valôr; porque
para os Turcos, e Asiaticos o melhor tabaco de fumo he o que tem menos
acrimonia, e he mais adoçado. Em Lataquia o tabaco de superior qualidade
he o da folha das Tabacoeiras cultivadas nos montes do seu contorno,
elle he mais estimado do que todo o que se obtem das mesmas plantas,
criadas em planicies, e este tambem muito mais do que o da folha, das
que se cultivão em hortas, aonde a terra he muito pingue, e as regas
muito continuadas.

Taes são as principaes noções sobre a cultura das Tabacoeiras praticada
por differentes Nações, e da qual me propuz tractar; não he do meu
objecto expôr aqui os trabalhos proprios da fabricação das folhas destas
plantas, depois que sahem das mãos dos seus respectivos cultivadores, e
são reduzidas a tabaco em pó, ou rapé; a este respeito pode consultar-se
o Diccionario das Artes, e Officios, da Encyclopedia Methodica[1]. Quanto
aos seus usos medicinaes, veja-se o Tractado Methodico dos Medicamentos
vegetaes, do Dr. Murray.[2]

FIM.


*Notas:*

[1] Arts et Metiers tom. 7 e 8 , art. Tabac, et tom. 4, des Planches,
Tabac.

[2] Murray Appar. Medicam, tom. I. pag. 383.



Lista de erros corrigidos


Aqui encontram-se listados todos os erros encontrados e corrigidos:


  +----------+-------------------------+---------------------------+
  |          |        Original         |         Correcção         |
  +----------+-------------------------+---------------------------+
  |#pág.  14 | _razão ds ser_          | _razão de ser_            |
  +----------+-------------------------+---------------------------+





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Noções botanicas das especies de Nicociana mais usadas nas fabricas de tabaco, e da sua cultura" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home