Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Os Cataventos
Author: Peixoto, António Augusto da Rocha
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Os Cataventos" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



images generously made available by BDAlentejo (Biblioteca
Digital do Alentejo)



    *Nota de editor:* Devido à existência de inconsistências
    nomeadamente relativas à numeração das imagens, foram tomadas
    decisões quanto à versão final. As decisões encontram-se descritas
    no fim desta obra.

                                          Rita Farinha (Julho 2015)



PORTVGALIA

MATERIAES PARA O ESTUDO DO POVO PORTUGUEZ

SEPARATA DO TOMO II, FASCICULO 3


Rocha Peixoto


OS CATAVENTOS

COM QUARENTA E SEIS ILLUSTRAÇÕES NO TEXTO


PORTO
IMPRENSA PORTUGUESA
112--_Rua Formosa_--112

1907



PORTVGALIA

MATERIAES PARA O ESTUDO DO POVO PORTUGUEZ

SEPARATA DO TOMO II, FASCICULO 3


Rocha Peixoto


OS CATAVENTOS

COM QUARENTA E SEIS ILLUSTRAÇÕES NO TEXTO


PORTO
IMPRENSA PORTUGUESA
112--_Rua Formosa_--112

1907



OS CATAVENTOS


Na meteorologia popular prognostica-se ácerca dos doze mezes do anno
conforme os aspectos dos primeiros doze dias de janeiro; ou presume-se
pelo vento que soprar á meia noire no dia da Senhora das Candeias, 2
de fevereiro, o vento dominante durante o resto do anno; ou conclue-se
pela agitação atmospherica n'umas temporas d'onde prevalecerá o
meteoro até ás seguintes; ou ainda mais restrictamente se avalía pelo
vento do dia de S. Miguel, 29 de setembro, o estado do inverno que se
approxima; ou, por ultimo,se infere da direcção observada á uma hora
da tarde do dia da Senhora da Ascenção qual o vento estival de
predominio. A verdade, porém, é que isto se caticina e mal se admitte.
Alguns adagios contradictam logo os prenuncios, pois

Quando deus queria,
Do Norte chovia.

Quando Deus quer, com todos os ventos chove.

Vento e ventura,
Pouco dura.


[Figura: Figs. 1 a 3]


De mais firmesa é a illação diaria tirada dos aspectos celestes,
associados frequentemente a relações com a ondulação orographica
local. «Vem ahi o trovão», diz-se no planalto de Barroso ao
observarem-se as formas de certas nuvens e a orientação da sua marcha.
E a trovoada, ás vezes diaria no estio, em breve surge. No Soajo,
formando-se ellas na portella de Tibo, apenas se «esbarram» em vento;
mas levantando-se uns «penduricalhos» no rio, sitio do Cachão, e
quando o castello da Nobrega «tem carapuça» irrompe a chuva. O mesmo
succede em Castro Laboreiro quando as nuvens «fazem chapeu» lá para os
montes do Gerez; e em Rebordãos, nas abas da serra da Nogueira, se
«está o buraco tapado», ou sejam as nuvens ao nascente, a agoa é
certa. Entretanto, como se diz no Soajo:


Chuvas de verão,
É como amores em vão.


A «maré pica de cima» ou a «maré pica de baixo» são as formulas com
que ordinariamente se distinguem os ventos norte e sul que annunciam
bom ou mau tempo. Todavia, e em regra, quando o vento do sul é forte,
a chuva não se prolonga tanto como se é mais brando do mesmo quadrante
(Castro Laboreiro).

Outras previsões fundamentadas em varios aspectos de nuvens, do
orvalho e circumstancias, logares e horas em que se mostra, de
attitudes dos aninmaes e até da agoa das fontes, asseguram nevoeiro ou
chuvas proximas, os trovões ou as nevadas.


[Figura: Figs. 4 a 6]


E mais quando os trabalhadores seccam as mãos e não se agarram aos
cabos das enxadas é signal de chuva, como é de trovoada, pela tarde,
quando, na faina do centeio, a palha tem difficuldade em guardar o
grão e se resente da humidade (Castro Laboreiro).


[Figura: Figs. 7 a 10]


Decerto que com alguns d'estes e outros prognosticos nem sempre condiz
a realidade ulterior dos factos. Mas em muitos a experiencia assegura
a certesa, tanta e precisa como a tem o aldeão, e o serrano
principalmente, quando se orienta. Assim, pelos cumes dos montes
descobertos se guiam, como pela altura do sol calculam a hora e ainda
pela direcção e extensão da sombra (Barroso). Depois do dia governa-os
o sete-estrello e por elle sabem se a noite vae alta (Nogueira,
Barroso, Laboreiro). Se pela tarde, emtanto, ha muito nevoeiro, é o
orvalho que os esclarece sobre a approximação da noite. «Já _lóze_ o
orvalho», isto é, já luz e portanto a noite chega (Castro Laboreiro).
Só quando o _camasso_ ou camada de neve é tal que tudo é branco
(Barroso) os mais sabidos se perdem nos caminhos; os homens
enterram-se até aos joelhos; os gados não podem marchar, sequer para
irem beber; e, na serra das Alturas, não é possivel mesmo sahir por um
e por dois mezes.


[Figura: Figs. 11 e 12]


Ainda outro impedimento de orientação, mas mais ephemero, vem com a
nevoa. Ha a esperar que se dissipe. E entretanto afugentam-a com
esconjuros, com formulas rimadas. Em Meirinhos, no concelho de
Mogadouro, os rapazes, quando pela manhã a olham, increpam-a e
mandam-a para a Villariça:


Névoínha peidorreira,
Vae para os cantos da ribeira,
Que está lá uma porca parida com leitões.
Come-lhe os leitões,
E manda a porca para os berrões.

[Figura: Figs. 13 e 14]

As grimpas, emtanto, sempre que as ha, são naturalmente observadas,
uma vez que este simples apparelho, limitado frequentemente a uma
bandeirola movendo-se em torno d'um eixo vertical, indica a direcção
do vento e, derivativamente, certos estados atmosphericos. Rara é a
torre que não remata em veleta. De dia, pois, e sem nevoa, a freguesia
tem na séde o instrumento que logo a elucida, mais ou menos
grosseiramente, sobre o tempo provavel.

[Figura: Figs. 15 e 16]

Este apparelho, a um tempo orientador e ornamental, procede da alta
edade-media tendo sido a principio um signal de nobresa[1] e portanto
um privilegio senhorial[2]. Além das edificações nobilitarias, só
tinham direito a exhibil-as as construções ecclesiasticas. De sorte
que figuravam muitas vezes as armas do mosteiro e do senhor em recorte
na chapa, pintadas ainda e douradas, ou outros symbolos da heraldica,
como corôas e leões rompantes. Nos seculos XIV e XV as grimpas
convertem-se em verdadeiros ornamentos. E como desde os fins do seculo
XI a torre, depois de ter sido uma fortificação que protegia a egreja,
comece a prestar-se ás funcções se multipliquem com uma liberdade
cheia de phantasia, tornando-se um poderoso instrumento de decoração e
de orgulho para cathedraes e mosteiros[3], as proprias ornamentações
dos remates mais se acuminam e alindam. Umas vezes a decoração exclue
a ventoínha e apenas consiste em combinações de folhas e flores, aves
e outra fauna de imaginação, figuras humanas e cupidos, de loiça,
ferro, chumbo ou zinco e do mesmo passo notaveis pela belleza de
execução e graça[4]. É a estes ornamentos em ponta que correspondem,
nos monumentos arabes, as terminações aceradas que um crescente
fecha[5]. As mais das vezes, porém a veleta apparece sob a forma de
monstros alados, dragões e animaes phantasticos[6], do archanjo S.
Miguel, anjos e navios[7], do gallo principalmente[8], tudo mais ou
menos historiado e até, da Renascença ao seculo XVII, com a assignatura
ou inspiração d'um artista emerito[9].

[Figura: Figs. 17 a 19]

[Figura: Figs. 20 a 23]

[Figura: Figs. 24 a 27]

[Figura: Figs. 28 e 29]

[Figura: Figs. 30 e 31]

[Figura: Fig. 32]

A serralheria portuguesa concorreu tambem, com a humildade
caracteristica da industria popular nacional, para a indigente
ornamentação dos acumes das torres e, mais restrictamente, de
castellos, de pharoes, de pelourinhos (Rates), de chafarizes
(Barcellos), de moínhos, de telhados, de chaminés (Alemtejo) e até
d'um mastro ou varo ao alto, em campos e quintaes. Dominam, todavia,
as de ferro nas egrejas. A flecha, designadamente adstricta a indicar
o rumo do vento, é simples, associada a folhagens, á cruz e á esphera
armillar, recortada outras vezes e até modificada na sua configuração
habitual, substituindo-se por um sol a massa posterior e mais pesada.
São exemplos as que se vêem em muitas habitações particulares (fig. 1),
a do convento dos dominicos de Amarante (fig. 2) e a do santuario da
Senhora da Abbadia (fig. 3). A combinação da bandeirola e da flecha é
patente na egreja de S. Victor, em Braga (fig. 4), pois a bandeira
apenas, como as de Santo Thyrso, de Moreira da Maia, de Santo Ildefonso,
no Porto, da Alcaçova, em Montemór-o-Velho, de Travanca (fig. 5) e da
capella do Bom Despacho, em Ancêde (fig. 6), são menos communs na
singelesa dos seus breves recortes. A regra é accusarem a suggestão da
flecha, como a do pelourinho de Rates (fig. 7), a do Carmo de Braga
(fig. 8), a da capella da Senhora da Graça de Villa Cahiz (fig. 9) e a
do mosteiro de Refojos do Lima (fig. 10). E a desfiguração d'esse
elemento sempre transparece, aliás, em exemplares como a da casa
particular do Trasladario, nos Arcos de Val de Vez (fig. 11),
ess'outra dos Arcos (fig. 12), a de Santo Antonio dos Frades, em Ponte
do Lima (fig. 13), a do Populo, em Braga (fig. 14), a da Misericordia
de Amarante (fig. 15) e a da matriz de Ancêde, em Baião (fig. 16). Com
os mesmos accessorios da cruz e da esphera armillar, mas mais
historiadas e accrescidas, são as da egreja do Espirito Santo, nos
Arcos de Val de Vez (fig. 17), e a da capella de S. João do Souto, em
Braga (fig. 18)[10]. A do Oratorio da Senhora da Saude das
Carvalheiras, n'esta ultima cidade (fig. 19), é apenas uma
interessante substituição pelos cravos e a corôa de espinhos.

[Figura: Fig. 33]

[Figura: Fig. 34]

Tam frequente é ainda o gallo, symbolo da vigilancia, vulgarissimo nas
torres das numerosas egrejas christãs[11], e já empregado de datas
longinquas[12]. Alguns mesmo assumiam proporções grandiosas: o da
torre da Ajuda, cuja veleta de bronze attingia 31 palmos de alto,
media 18 do bico á cauda[13]! Nas casas particulares ou seus annexos
(fig. 20), em Cedofeita e Carmo, no Porto, nas matrises da Trofa, de
Ponte do Lima, da Campeã (fig. 21) e de Castro Laboreiro (fig. 22), na
egreja da Senhora das Dôres, da Povoa de Varzim (fig. 23), na Lapa, em
Braga (fig. 24) e em outras e innumeraveis torres e campanarios, o
gallo apparece, ou associado simplesmente á cruz ou a folhagens e
emblemas ornamentaes. Outras aves raramente pretextarão o ornato
accessorio das grimpas, como o caso das duas geminadas no Seminario de
Braga (fig. 25), ou então o papel exclusivamente decorativo do
admiravel pelicano de bronze da Sé de Vizeu, inicialmente estante de
côro, e durante muito tempo adaptado, depois de mutilado, a uma torre
da cathedral, por cima do sino do relogio[14]!

Da fauna ha ainda os peixes, principalmente nas povoações da beira-mar
(Mattosinhos, Santa Cruz do Bispo, Lavra, etc.), os leões mais ou
menos barbaros como o da egreja de Pico de Regalados (fig. 26) e os
dragos da fauna mythica, como o do mosteiro de Santa Maria de Bouro
(fig. 27), já de remota concepção e uso[15].

[Figura: Fig. 35]

A iconographia dos anjos é mais vasta e variada em pormenores. Vêem-se
com a mitra e o baculo no hospital de S. Marcos de Braga (fig. 28),
com o calice em Guimarães, com o sol na matriz de Fão e na egreja de S.
Francisco, em Ponte do Lima (fig. 29), com a tuba em S. Bento, no
Porto, e em S. Martinho de Gallegos, junto a Barcellos, com outros
emblemas em S. Paio, nos Arcos (fig. 30), com arco e setta na egreja
de S. Domingos, em Amarante (fig. 31), com a espada em Guimarães e no
santuario do Allivio, em Soutello, e com o gladio ondeante na matriz
de Monsão. Este motivo decoral, de execução mais difficil, é tambem
dos mais generalisados nos templos christãos; e occorre relembrar o
celebre _anjo de ouro_ do campanario de S. Marcos, em Veneza,
esculptura de madeira de 5 metros de alto, revestida de chapas de
bronze dourado e inaugurada solemnemente como catavento no primeiro
quartel do seculo XVI[16].

[Figura: Fig. 36]

[Figura: Fig. 37]

Veem por ultimo, e d'ordinario na habitação privada, outras figuras
alheias aos themas convencionaes, como o homem sobre um sol e que
consulta os astros, n'uma casa da Povoa de Varzim (fig. 32), o homem
que maneja um alfange, o miliciano que aponta uma espingarda, o
cavalleiro que galopa, o cavalleiro que peleja (Povoa de Lanhoso),
outras mais.

[Figura: Fig. 38]

De toda esta obra de serralheria só excepcionalmente se aparta uma
grimpa mas interessante de concepção e realisação, como as já
alludidas de S. João do Souto, de Monsão e de Bouro e ainda a
agradavel cruz ornamentada de Santa Eugenia de Rio Côvo, perto de
Barcellos. No norte, como no sul[17], as veletas e outra obra
artistica de ferro manifestam vivamente a subalternidade portuguesa
ante a sumptuosa variedade e merito artistico da obra similar
hespanhola.

Entretanto não se limitam ás grimpas os pequenos instrumentos de
engenho popular accionados pelas correntes aereas. Ha-os que são
exclusivamente decorativos; outros destinam-se a afugentar as aves que
assaltam os fructos; outros ainda são ventoínhas reguladoras, mais ou
menos. Um muito interessante pela simplicidade, graça e utilisação
d'um recurso commum e local é a especie de anemometro executado com
duas varas em cruz, rematando cada extremidade com a valva concava
d'um lamellibranchio do Gen. _Pecten_, o _P. maximus_, L. (fig. 33).
Usam-o em varias freguesias do concelho da Povos de Varzim, como
Amorim (Abremar), Beiriz e Terroso, dando assim ás conchas uma das
varias applicações, ou ornamentaes ou utilitarias, já conhecidas[18].

[Figura: Fig. 39 a 41]

Na mesma região até uma canna, com um velho retalho de sola figurando
de bandeira, serve de catavento. O modelo, porém, mais geral é o
denominado _ventiéla_ (fig. 34) commum não só em todo o concelho, mas
ainda n'outros e com ligeiras alterações constructivas, como em Bouças,
por exemplo (fig. 35).

Annexando á ventiéla uma velha vasilha de folha de ferro e duas
pedritas suspensas por fios do eixo movel, de sorte a percutirem
repetidamente a lata quando o apparelho está em movimento, temos o
catavento, _corta-vento_ ou _bate-bate_ que afugenta a passarda das
figueiras e das vinhas. É a _taraméla_ de Ponte do Lima (fig. 36), a
_tarabella_ de Lindoso e Miranda, a _cacaréla_ de Melgaço, o _ratatau_
e _catraméla_ de Santa Martha de Penaguião, a _ralhadeira_ do Soajo, o
_batedor_ de Barroso, o _rigibó_ ou _ruge-ruge_ de Cabeceiras e do
Arco de Baúlhe (fig. 37), um modelo geral, emfim, com estas
designações ou outras, empregado em quasi todo o paiz para semelhante
destino--como, para a defesa dos ervilhaes, o casaco, as calças e
chapeu velhos suspensos de dois paus em cruz e formando o geralmente
denominado _espantalho_.

[Figura: Fig. 42]

[Figura: Fig. 43]

A designação barrosã de _batedor_ applica-se, aliás, em Lindoso a
outro engenho com intuitos semelhantes, ou sejam de espantar a
_beadilha_--bichos bravos, como o texugo e a raposa--mas em que o
vento não interfere. É uma caixa de madeira disposta sob um veio de
agoa que vem d'alto. Ao fundo addiciona-se-lhe uma longa taboa que
remata por um mascôto e cujo peso, quando a caixa está vasia, inclina
esta para a frente. Enchendo-se de fluído, o recinto então pesa mais,
ergue-se veloz e logo verte e se esvasía. Volve, pois, á posição
inicial, isto é, inclinando-se para o lado do mascôto; e ao voltar
este bate rijamente n'uma taboa sobjacente. São estas pancadas
successivas e espaçadas que amedrontam e afastam a bicharia.

[Figura: Fig. 44]

[Figura: Fig. 45]

A intenção ornamental determina a adopção d'outros brinquedos em que
do vento apenas se deseja motricidade, sem nada inquirir do rumo em
que caminha. São as flammulas e bandeiras dos _coruchos_ ou cupulas
das moreias (Ponte da Barca, Barcelos, etc.), associadas
frequentemente a cruzes floreadas, a estrellas, a arcos de festas, e
ás vezes mesmo ao pucaro invertido que corôa as mêdas (Maia, Bouças,
Porto, etc.); são as reducções dos moínhos de vento (fig. 38) com os
mesmos pannos e varaes, em logares, como Laundos e Terroso, no
concelho da Povoa de Varzim, onde funccionam estas rudimentares
estancias de moagem; são os curiosos bonecos de madeira que se veem
nas hortas, jardins e campos desde Barcellos e Povoa de Varzim até á
Maia e parte do concelho de Bouças. O exame das figuras, todas
pintadas a côres vivas, logo indica como se effectua o andamento
(figs. 39 a 42). Outr'ora, em Azurara, raro era o quintal que não
possuía uma ventoínha figurada, em regra esculpida por marujos em
descanço. E em alguns casos, que hoje só por acaso se observam na area
dita, em vez d'uma figura havia muitas, peões e cavalleiros batalhando
sobre uma circumferencia com cerca d'um metro de diametro.

Ainda um barco, com a cordoalha de arame e as vélas de tecido de
algodão (fig. 43) estava organisado e orientado de sorte (Povoa de
Varzim) a realisar movimentos que imitavam a marcha d'uma nave. Mas já
outra esculptura immovel, do mesmo habilidoso, apenas manifestava, a
seu modo, um symbolismo: era um _saragoçano_ em face do tripé que
sustentava o oculo de alcance e inquirição; á frente o cão fiel; a um
lado um anjo inspirador, sustentando nas mãos os astros sobre cuja
influencia incidiam as observações do astrologo, atraz, e a uma meza,
o secretario que registava as observações e os algarismos (figs. 44 e
45).

[Figura: Fig. 46]

Como arte popular esta esulptura lembra os brutescos que os ceramistas
de Aveiro fabricavam para ornamento dos telhados. Apenas os esculpidos
e levantados para ventoínhas teem sobre aquelles o interesse do
movimento.

Ora nem só as creanças, com os seus _corrupios_ e _gregorios_ (fig.
46), se apropriam do vento como agente do brinquedo: tambem o homem,
independentemente da utilidade orientadora do engenho, edifica grimpas
e cataventos que o mesmo motor faz trabalhar para seu regalo
esthetico--bem limitado, em verdade!

Porto. Janeiro, 1907.



*Notas*:

[1] Viollet-le-Duc, _Dict. raisonné de l'architecture française du X
au XVI siècle_, VI, voc. _Girouette_, pags. 28-9. Bauce ed. Paris,
1863.

[2] Camille Enlart, _Manuel d'archéologie française depuis les temps
mérovingiens jusqu'à la Renaissance_, II, _Architecture civile et
militaire_, pag. 177. A. Picard ed. Paris. 1904.

[3] Louis Gonse, _L'art gothique_, pags. 110-1. Quantin ed. Paris, s.
d.--André Michel, _Histoire de l'Art_, capitulo de Camile Enlart,
_L'architecture romane_, I, 2.^a parte, pags. 450-2. A. Colin ed.
Paris, 1905.

[4] Henry Havard, _Dict. de l'ameublement et de la décoration depuis
le XIII^e siècle jusqu'à nos jours_, II, voc. _Épi_, pags. 503-4 e
figs. 339 a 342. Quantin ed. Paris, s. d.--Viollet-le-Duc, ob. cit.,
V, mesmo voc., pags. 271-87.

[5] Prisse d'Avennes, _L'art arabe d'après les monuments du Kaire_.
Morel & C.^{ie} eds. Paris, 1877.

[6] Havard, ob. cit., voc. _Girouette_, pag. 1099.--Viollet-le-Duc,
ob. cit., VI, voc. _Croix_, pag. 427.

[7] Enlart, _Manuel_ cit., pag. cit.

[8] Viollet-le-Duc, ob. cit., VI, voc. _Croix_, pag. cit., e voc.
_Coq_, pags. 305-6.

[9] Havard, ob. cit., voc. _Girouette_, pag. 1100.

[10] Pela distancia e situação do desenhista em relação ao objecto
esboçado, algumas das grimpas figuradas não apresentam o rigor de
perspectiva nem a minucia de pormenor que os embaraços accusados
explicam.

[11] Viollet-le-Duc, ob. cit., VI, voc. _Coq_, pag. 306.--Paul
Sébillot, _Les travaux publics et les mines dans les traditions et les
superstitons de tous de pays_, pag. 383. Rothschild ed. Paris, 1894.

[12] Viollet-le-Duc, ob. cit., VI, voc. _Croix_, pag. 432.

[13] Ribeiro Guimarães, _Summario de varia historia_, V, pag. 175.
Rolland & Semiond eds. Lisboa, 1875.

[14] Filippe Simões, _A Exposição retrospectiva de arte ornamental
portugueza e hespanhola em Lisboa_, pag. 78. Typ. Universal. Lisboa,
1882.

[15] Havard, ob. cit., II, voc. _Girouette_, pag. 1099.--Enlart,
_Manuel_ cit., II, pag. 177.

[16] Gabriel Pereira, _O Campanario de S. Marcos_, in _Bol. da R.
Assoc. dos architectos civis e archeologos portuguezes_, serie IV,
fasc. 5.^o, pag. 32. Lisboa, 1902.

[17] Gabriel Pereira, _Estudos eborenses_, fasc. VII, pag. 25. Minerva
eborense. Evora, 1886.

[18] Rocha Peixoto, _Notas sobre a malacologia popular_, in _Revista
de Sciencias Naturaes e Sociaes_, I, pags. 75-90. Porto, 1890.



Lista de decisões efectuadas

Aqui encontram-se listadas as decisões tomadas em momentos menos
claros da revisão desta obra:

A partir da fig. 29 existe um desfasamento na numeração das imagens.
Mantivemos essa discrepância devido às diversas referências às figuras
que se encontram ao longo do texto, podendo a sua renomeação alterar
a relação pretendida pelo autor.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Os Cataventos" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home