Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Bases da ortografia portuguesa
Author: Abreu, Guilherme Augusto de Vasconcelos, 1842-1907, Viana, Aniceto dos Reis Gonçalves, 1840-1914
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Bases da ortografia portuguesa" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



Team. The images for this file were generously made available by
Biblioteca Nacional Digital (hhtp://bnd.bn.pt).





BASES

DA

ORTOGRAFIA PORTUGUESA

POR

A. R. GONÇALVES VIANNA
Romanista

G. DE VASCONCELLOS ABREU
Orientalista


LISBOA
IMPRENSA NACIONAL
1885


_Impresso para circular gratuitamente_


_OFERTA DOS AUTORES_


 Ex.^mo Sr.

Para respondermos às perguntas que nos teem sido feitas acêrca da
ortografia adoptada pelos editores técnicos da «+Enciclopédia de
ciéncia, arte e literatura--Biblioteca de Portugal e Brasil[1]+» temos a
honra de dirijir a V. Ex.ª esta circular, e rogamos-lhe que faça tão
conhecidos, quanto em seu poder esteja, os fundamentos em que essa
ortografia assenta.

Os princípios que servem de base à reforma ortográfica iniciada por nós
ambos e usada ha dois anos pelo segundo signatário desta circular, em
escritos particulares e oficiais, e em artigos publicados em alguns
papéis periódicos, são resultado de estudo consciencioso e larga
discussão dos iniciadores. São princípios deduzidos ou antes expressão
dos factos glotolójicos examinados com rigor; são todos demonstráveis, e
de simplicidade tal que os poderá compreender a sã intelijéncia, aínda
que para ela sejam estranhos os estudos de glotolojia.

Vamos expô-los à apreciação pública desde já, e assim começará a
preparar-se a crítica de todos os indivíduos, que, por se prezarem de
Portugueses, não queiram que estranjeiros censurem não haver, para a
nossa formosíssima lingua, ortografia científica e uniforme a que deva
chamar-se +Ortografia Portuguesa+.

No futuro Congresso que temos a peito convocar breve, essa crítica será
o único juíz a que todos nós os Portugueses havemos de nos sujeitar para
adopção de ortografia portuguesa e rejeição absoluta de toda ortografia
individual, seja quem for seu autor.

  [1] Estão publicados: o 1.º vol. da Colecção científica «A Literatura
  e a Relijião dos Árias na Índia», por G. de Vasconcellos Abreu; e o
  1.º vol. da Colecção literária «Mágoas de Werther», romance traduzido
  do orijinal alemão, de J.W. von Goethe, por A. R. Gonçalves Vianna.

  O custo de cada volume é de 300 réis, brochura, 400 réis, cartonado.

  Estes volumes por serem os primeíros, e particularmente «Werther»,
  saíram com erros tipográficos que não devem ser levados à conta do
  sistema de ortografia.

  São editores técnicos A. R. Gonçalves Vianna, G. de Vasconcellos Abreu
  (a quem devem ser dirijidos os manuscritos e toda a correspondéncia),
  S. Consiglieri Pedroso, em Lisboa.

  São editores-impressores Guillard, Ailland & C.ª, em Paris.

Todos nós, os que lemos, e mais aínda os que escrevemos para o público,
sabemos quão diverjentes são as ortografias das várias Redacções e
estabelecimentos tipográficos. Teem escritores +suas ortografias+
próprias, como +as+ teem as imprensas particulares e as do Estado. E nas
do Estado são diferentes +as ortografias+ da Imprensa Nacional e +as+ da
Imprensa da Universidade--estes plurais são a expressão real de um
facto, sem censura pessoal.

Com a exposição que vamos fazer dos princípios mais jerais em que
assenta a reforma ortográfica, por nós iniciada, temos em vista mostrar,
a todo o país capaz de pensar e ler, que o nosso intuito é realizar uma
das verdadeiras condições da vida nacional--existéncia de ortografia
+uniforme e cientificamente sistemática+ a que deva chamar-se
+Ortografia Portuguesa+.

Sigamos dois bons exemplos a que largos anos deram ha muito já a sanção:
o exemplo da Hispanha e o mais antigo da Itália. V. Ex.ª a quem
dirijimos esta nossa exposição, honrar-nos ha dando-lhe a maior
publicidade que puder; e por certo se julgará honrado se entender que
com essa publicação presta bom serviço à pátria a quem devemos êste
respeito.

De V. Ex.ª

+atentos veneradores+

Lisboa, outubro de 1885.

A. R. Gonçalves Vianna. G. de Vasoncellos Abreu.



BASES

DA

ORTOGRAFIA PORTUGUESA



I


PRINCÍPIOS JERAIS DE TODA ORTOGRAFIA


1.º Uma língua é um facto social; não depende do capricho de ninguém
alterá-la fundamentalmente.

2.º Como facto social é produto complexo, variável por evolução própria
da sociedade cujas relações serve.

3.º A ortografia é o sistema de escrita pelo qual é representada a
língua dum povo ou duma nação num certo estado de evolução glotolójica.

4.º Esta representação deve ser exacta para todo o povo, para toda a
nação e portanto deve respeitar a filiação histórica.

5.º É evidente, pois, que a ortografia não pode ser especial dum modo de
falar, quer êste seja dum só indivíduo, quer duma província ou dialecto
da língua.

6.º Em virtude disto a ortografia não pode representar a pronunciação,
que por certo não será una; ha de representar a enunciação, a qual é
sempre comum ao povo, à nação que fala uma só língua como seu idioma
próprio e exclusivo.

7.º Na ortografia, por consecuéncia, não se pode fazer uso de sinais que
indiquem pronúncia de uma qualquer letra vogal, excepto quando essa
vogal careça de ser pronunciada com modulação especial para a distinção
conveniente do emprêgo sintáctico do vocábulo, ou aínda (e menos vezes
em português) para distinguir na grafia única modos diferentes de
silabização.

8.º Para se representar a enunciação carece-se de acentuar gráficamente
o vocábulo, e a ortografia deve ser tal que, subordinada às leis de
acentuação na língua falada, mostre para qualquer vocábulo a sua sílaba
tónica a quem desconheça o vocábulo que lê.

_Escólio_.--É evidente que a acentuação gráfica é inútil na língua
escrita cuja constituição glotolójica a determina invariávelmente: tal o
latim clássico e as línguas jermánicas.



II


PRINCÍPIOS PARTICULARES DA ORTOGRAFIA DA LÍNGUA PORTUGUESA


O ensino ortográfico da língua portuguesa reduz-se, portanto, na
prática, ao ensino de:

I. Leis da acentuação nos vocábulos símplices e nos compostos.

II. Valor histórico dos fonemas aínda proferidos e dos que já não se
proferem; influéncia dêstes sôbre a modulação da vogal precedente.

III. Conhecimento dos ditongos e sua dissolução.

IV. Silabização.

V. Homónimos e parónimos.

VI. Função dos sufixos.

VII. Composição dos vocábulos e formação da perífrase nos verbos, e uso
das enclíticas.

Diremos dêstes assuntos em outros tantos paragrafos, definindo, todavia,
primeiro, o que entendemos por ortografia portuguesa.

«ORTOGRAFIA PORTUGUESA» é o sistema de escrita ou grafia representante
comum de todos os dialectos do português falado; a sua base é a história
da linguajem portuguesa considerada como língua e como dialecto.

Considerada como língua, estuda-se a linguajem portuguesa no ponto de
vista de língua fundamental ou língua mãe, de que, por evolução própria,
se teem derivado outros modos de falar no tempo e no espaço, depois de
assentada a evolução glotolójica realizada em Portugal durante mais de
um século já desde D. Dinis, e principalmente durante os reinados de D.
Pedro I, D. Fernando I e D. João I.

Considerada como dialecto, estuda-se a linguajem portuguesa como
evolução glotolójica neo-latina ou románica.


I--DA ACENTUAÇÃO


1.º A acentuação marcada é tónica e não prosódica; não determina
modulação da letra vogal, determina a sílaba elevada na enunciação do
vocábulo.

Esta sílaba é uma só e a mesma sílaba para cada vocábulo na língua
portuguesa em todo o país, com excepções esporádicas mais ou menos
justificadas. Exemplos: _hótel, hotel; bénção, benção_.

_Escólio._--A acentuação gráfica é sempre a de vocábulo que faz
excepção à regra jeral.

2.º O sinal gráfico da acentuação tónica é por exceléncia o acento
agudo. Marca, porém, êste acento:--vogal tónica aberta em parónimos:
_fôsse, fósse; sêco, séco; reis_ (pl. de _rei_), _réis_ (pl. de
_real_);--_i, u_ tónicos depois de outra vogal: _país_ (cf. _pais_),
_reúne, moínho, ruím_;--a vogal _u_ tónica depois de _g_ em _gúe, gúi_
(cf. 4.º): _argúe, argúi_.

3.º Pode ser sinal gráfico da acentuação tónica o acento circunflexo, e
o será especialmente nos casos em que no fonema tónico concorra
modulação necessária de _ê, ô_, como fica exemplificado em o número
precedente, e se vê mais dos seguintes exemplos: _fôrça_ (cf. _fórça_),
_modêlo_ (cf. _modélo_), _sossêgo_ (cf. _sosségo_), _côres_ (cf.
_córes_), _côr_ (cf. _cór_ em _de-cór_), _vêem_ (cf. _veem_, do verbo
_vir_), _dê_ (cf. _de_), _dêsse_ (cf. _désse_), e aínda nos vocábulos
sem parónimos, quando eles sejam esdrúxulos ou oxítonos terminados numa
dessas vogais seguida ou não de _s_, tais: _pêssego, português, fôlego,
mercê_.

4.º O acento grave é diferencial: indica sempre a pronunciação
alfabética própria da letra vogal alterável, isto é, susceptível de ter
mais de uma pronunciação (_a, e, o_). Emprega-se na ortografia
exclusivamente em tres circunstáncias:--na crase da preposição _a_ com o
artigo feminino _a, a_ + _a_ (ambos átonos) = à;--na sílaba átona cuja
vogal alterável haja de se proferir aberta e átona com a sua pronúncia
alfabética, para que se distinga o vocábulo de outro seu parónimo, ex.:
_crèdor_ (cf. _credor_), _prègar_ (cf. _pregar_);--no _u_ de prolacão
_gùe, gùi_ quando se proferir átono (cf. 2.º): _argùir, agùentar,
lingùística_.

_Escólio._--Escrevemos _cue_ por _que_ (_qùe_), _cui_ por _qui_ (_qùi_);
ex.: _consecuente, consecuéncia_.

5.º Os vocábulos terminados em _a, o, e, as, os, es_, são jeralmente
enunciados com acentuação na penúltima sílaba; logo não teem acentuação
gráfica marcada. Cf. 2.º e corolário de 7.º _bis_.

5.º _bis_. Todo vocábulo terminado em _a_ ou _as, o_ ou _os, e_ ou _es_,
proferido com acentuação noutra sílaba que não seja a penúltima, tem a
acentuação marcada na escrita. São innúmeros os exemplos; em toda esta
exposição doutrinal os terá notado o leitor, pois que saltam à vista,
sempre como excepção, as dições cuja grafia é acentuada.

6.º Os vocábulos terminados em outra qualquer vogal (_i, u_), ou em
vogal pura seguida de outra consoante que não seja _s_, e os plurais
respectivos, são jeralmente proferidos com acento na última sílaba. Logo
não teem acento gráfico.

6.º _bis_. Todo vocábulo terminado dêste modo mas cuja acentuação se faz
noutra sílaba tem o acento gráfico nessa sílaba. Ex.: _pedi, pedis;
funil, 'funis; matiz; pénsil, pénseis; cascavel, cascaveis; peru,
perus; Hindu, Hindus; Caramuru; tríbu, tríbus; Púru_.

7.º Os vocábulos cuja última sílaba for em vogal nasal, ou em ditongo
puro ou nasal, teem jeralmente a enunciação acentuada na sílaba final.
Logo não se lhes marca o acento na escrita. Ex.: _marfim; irmã, irmãs;
irmão, irmãos; marau, maraus; andai, andais; louvei, louveis; Simões;
Magalhães_. Cf. 2.º paj. 7 e 13.

7.º _bis_. Será, porém, marcada a acentuação dêsses vocábulos quando ela
se faça noutra qualquer sílaba. Ex.: _órgão, Estêvão_.

_Escólio_.--Para os contratos é absolutamente indispensável, como bem o
viu o grande Ministro, distinguir os futuros dos pretéritos na 3.ª
pessoa do plural, sem emprêgo do acento gráfico, fácil de esquecer ou de
ser pôsto depois do contrato escrito e assinado, distinguir-se hão,
pois: _jurarão, juraram (jurárão); venderão, venderam (vendêrão);
prescindirão, prescindiram (prescindírão)_; etc.

_Corolário_.--Por êste motivo o ditongo _ão_, final átono de verbos,
escrever-se ha idénticamente com _am_; e, por analojia, se escreverá a
sílaba final dos vocábulos terminados pelo ditongo átono _êe_ com a
grafia _em_. A acentuação gráfica de tais vocábulos obedece ao princípio
5.º Ex.: _honram, viajam, ordem, viajem, pôrem, alem_ (= _álem,_ v.
_alar_).

_N.B._ Pelo princípio 5.º _bis_ devemos escrever e escrevemos: _porém,
ninguém, também, além_, etc.; deveríamos, todavia, usar da ortografia:
_porêe, ninguêe, tambêe_, etc. Deixámos êste ponto para o Congresso.

É aínda evidente que os plurais dêstes nomes seguem análogamente a regra
dada para os plurais dos nomes em _a, o, e_; assim: _ordens, viajens,
(_órdêes, viájêes_).

8º Os vocábulos compostos teem na escrita a acentuação dos seus
símplices respectivamente marcada em obediéncia aos princípios que ficam
expostos.


II--DOS FONEMAS E SUA REPRESENTAÇÃO POR LETRAS CONSOANTES


Dois princípios absolutos determinam a exclusão de consoante inútil; e
quatro ordens de outros factos decidem a adopção científica de
representação de fonemas articulados. São estes factos:

_a)_ valores dialectalmente confundidos: _ch_ (= _tch_), _ch_ (= _x_),
_x; s, ç; s, z_.

_b)_ valores próximos confundidos pela falta de observação da
articulação: _s, x; g_(_a_), _g_(_ue, ui_); _g_(_e, i_), _j_; _c_(_a, o,
u_), _qu_.

_c)_ valor exclusivamente de influência do fonema articulado sôbre o
fonema modulado precedente.

_d)_ valores diferentes de um só símbolo gráfico: _x_, entre vogais.



II _a_.--EXCLUSÃO DE LETRAS CONSOANTES


1.º São banidos da escrita os símbolos gráficos sem valor de fonema
próprio. São eles _th, ph, ch_, respectivamente por _t, f, q_(_u_),
_c_(_a, o, u_), _c_; bem assim _y_=_i_.

1.º _bis_. Póde manter-se _k=q_(_u_)=_c_(_a, o, u_) nas abreviaturas de
_quilómetro_=_klm._, etc. Devemos, porém, escrever por extenso:
_quilómetro_[1], _quilograma_, etc.

2.º São banidos da escrita os símbolos gráficos sem valor. São eles as
consoantes dobradas ou grupos de consoantes não proferidas e sem
influéncia na modulação antecedente, nem necessidade por derivação
manifesta de outro vocábulo existente em que haja de proferir-se cada
uma das consoantes, como é _Ejipto_ de que se deriva _ejípcio_.

Exemplos de símbolos sem valor próprio em português:

_th_ = _t_.--_thermometro_ = _termómetro_; _ether_ = _éter_; _thio_ =
_tio_.

_ph_ = _f_.--_ethnographia_ = _etnografia_; _philtro_ = _filtro_.

_ch_ = _q_(_u_).--_chimica_ = _química_; _machina_ = _máquina_;
_chimera_ = _quimera_.

_ch_ = _c_(_a, o_).--_chorographia_ = _corografia_; _mechanica_ =
_mecánica_.

_y_ = _i_.--_lyrio_ = _lírio_; _physica_ = _física_.

Consoantes dobradas:--_agglomerar_ = _aglomerar_; _prometter_ =
_prometer_; _commum_ = _comum_; _Philippe_ = _Filipe_.

Grupo de consoantes:--_Christo_ = _Cristo_; _Demosthenes_ =
_Demóstenes_; _Mattheus_ (que já se escreve, sem razão, Matheus) =
_Mateus_; _schola_ = _escola_; _sciencia_ = _ciéncia_; _phthisica_ =
_tísica_.

Influência da consoante na modulação precedente:--Vejam-se exemplos em
_c_, páj. 11.

1.º _Escólio_.--Conservamos _n_ dobrado, _m_ dobrado, nos vocábulos
derivados de outros, cuja inicial é _n_ ou _m_, por meio das
prepositivas _in, em_, toda vez que a prepositiva significa _dentro_; e
aínda nalguns poucos vocábulos em que _n_ ou _m_ influam na vogal _i_ ou
_e_. A nasal da prepositiva _com_ só a conservamos, por êste motivo, em
_connosco_. Escrevemos, pois: _immigrar, immerjir, emmalar, ennobrecer,
innato_, etc.; _comoção, comum, comutar, conexo_, etc.

2.º _Escólio_.--Mantemos as representações gráficas das palatais _ch,
lh, nh_, emquanto não houver símbolo único para cada uma delas.

  [1] A ortografia _kilometro_ por _chilometro_ dá ocasião a traduzir-se
  «metro-de-burro» e não «mil-metros». Em grego _kíllos_ significa
  «burro», e _chílioi_ significa «mil». Porque razão, pois, havemos de
  escrever _cirurgia, chimera, kilo_, quando o _c_, o _ch_ e o _k_
  representam a mesma orijem _ch_, transcrição latina do χ,
  grego?


3.º _Escólio_.--Só ao Congresso compete tratar da exclusão ou
conservação da aspirante _h_.


II _b_.--ADOPÇÃO DE LETRAS CONSOANTES


_a)_--1.º Escrevem-se com _ch_ as sílabas que são proferidas com palatal
dura, segundo os dialectos, explosiva ou contínua: _chave, chapeu,
chuva_; etc. A etimolojia e as línguas conjéneres determinam que sigamos
o exemplo dos nossos clássicos e de vários monumentos escritos usando-se
da grafia _ch_.

2.º Escrevem-se com _x_ (melhor seria _ẋ_) as sílabas cuja inicial
palatal é dura contínua: _xacoco, xadrez, xarafim; enxárcia, enxada,
enxêrga, enxérga, enxertia, enxaimel, enxame, enxúndia; rixa, roixo;_
etc. Cf. _d)_.

3.º Escrevem-se com _s_ as sílabas cuja final é sibilante dura palatal
e, esporádicamente, sibilante dura dental: _mas; basta; foste; démos,
dêmos; bosques; português, portugueses_; etc. A etimolojia, o dialecto
transmontano e as línguas conjéneres determinam a grafia _s_.

4.º Escrevem-se com _s_ inicial, ou com _ss_ entre vogais, as sílabas em
que a sibilante dura é ou dental, ou supra-alveolar, conforme os
dialectos: _saber, classe, diverso, sessão, conselho, sossêgo, sosségo_,
etc. Determinação histórica e comparação.

5.º Escrevem-se com _ç_, ou com _c_(_e, i_), inicial as sílabas em que a
sibilante é dental dura, e só é supra-alveolar nas partes do país onde
não ha outra sibilante dura inicial: _peço, ciéncia, concelho, poço,
doçura, preço, çapato, çarça, cárcere_, etc. Determinação histórica e
comparação.

6.º Escrevem-se com _s_ entre duas vogais (uma final da sílaba a que
pertence a sibilante, outra final da sílaba precedente) as sílabas em
que a sibilante é branda dental ou, segundo o dialecto, supra-alveolar:
_posição, coser_ (consuere), _precioso, preso_ (prehensum, cf. _prezo_),
_preciso, pêso, péso_, etc. Determinação histórica e comparação.

7.º Escrevem-se com _z_ inicial as sílabas em que a sibilante é dental
branda em todo o país, à excepção daqueles pontos em que se não profere
sibilante inicial senão supra-alveolar: _azêdo, azédo, azebre, razão,
cozer, prezo_ (cf. _preso_), etc. Determinação histórica e comparação.

8.º Escrevem-se com _z_ final os vocábulos que nos seus derivados são
escritos com _c_ (_e, i_) correspondente à sibilante final deles. Assim
o determina a etimolojia, evidente na derivação, e a pronúncia
dialectal. Exemplos: _infeliz, infelicidade; símplez, símplices,
simplicidade; ourívez, ourivezaria_; etc.

_Corolário_.--Escrevem-se com _z_ infixo os diminutivos e aumentativos
_zito, -zinho, -zão_, etc., e os sufixos (derivados do latino _-itia_)
_-eza, -ez_; bem como os sufixos de verbos, _-izar_, e de nomes,
_-ização_.

_Escólio_.--Os plurais dos nomes diminutivos formam-se do tema do plural
do nome fundamental e do plural do sufixo. Dão testemunho os dialectos.
Assim, pois, escrevemos: _homemzinho, homemzinhos_, não _homensinhos;
acçãozinha, acçõezinhas_, não _acçõesinhas; pãozinho, pãezinhos_, não
_pãesinhos; mãozinha, mãozinhas; aneizinhos_; etc.

_b)_--1.º Adoptámos, pelo que fica dito em _a)_ 3.º, a representação
gráfica _s_ para a sibilante palatal dura final de sílaba, que muitas
pessoas julgam ser absolutamente igual a _x_ (_ẋ_).

2.º Por falta mais grave na observação se tem confundido as articulações
_g_(_a_), _g_(_ue, ui_), _j_(_a_), _j_(_e, i_), e ainda _c_(_a_),
_q_(_ue, ui_). Os pontos articulatórios são diferentes. No congresso
trataremos estes assuntos. Carecemos de caracteres próprios para
distinguir na escrita as articulações _j_(_a_), _g_(_e, i_), _j_(_o,
u_), nas palavras _Jacob, Jeremias, José, Jesus, Jutlandia, Jerusalem,
geme, gemer, gentes, gymnasio, Gil_; etc.; e é certo que não podemos,
tão pouco, distinguir _Guilherme, guerra, garra, gume_, causando
estranheza invencível a grafia _Geremias, Gesus_, e ficando aínda infiel
_gemer, geral_, e sempre em contradição com uma pronúncia _Gèrusalém_ ou
_Jerusalém_; tendo nós, pois, de escrever _Jeremias, Jesus_, adoptámos o
símbolo _j_ para os fonemas articulados das sílabas _ja, jo, ju, ge,
gi_, e por êste sistema gráfico evitamos também regra especial para a
conjugação dos verbos em (_-ger, gir_) _-jer, -jir_.

_Escólio_.--É evidente (pelo que fica dito em _b)_ 2.º) a necessidade
aínda existente de mantermos o modo de escrever _gue, gui_, nas sílabas
terminadas na vogal palatal _i_ ou _e_, precedida do fonema gutural
brando, mostrando-se pelo acento grave sôbre o _u_ da prolação _gùe,
gùi_, as silabizacões _gu-e, gu-i_, como fica dito em 4.º de páj. 7.

_c)_ Conservamos todo sinal gráfico de fonema histórico, hoje nulo, cuja
influéncia na vogal precedente é persistente: _acção, actor,
predilecção, redacção, respectivo, trajectória, baptismo, concepção_; e
aínda quando é facultativa a pronunciação, como em _carácter._

_Escólio_.--Os fonemas _i, u_, não estão sujeitos a esta influéncia:
_edito_ = _edicto_ (cf. _édito_); _corruto_ = _corrupto_; _corrução_ =
_corrupção_.

_d)_ Conservamos a grafia _x_ para representar os diferentes fonemas que
de facto representa na língua portuguesa, porque não temos direito, nem
Congresso nenhum, de impor pronúncia pela ortografia. O Congresso poderá
assentar as bases para o dicionário ortoépico; e no tocante a pronúncia
nada mais pode fazer--estabelece o padrão, dá a norma--para que se
dilijenceie ler dum modo único o vocábulo escrito.

Ninguém pode contestar o direito de se pronunciar o vocábulo _exemplo_
de uma das seguintes maneiras: _izemplo, isemplo, eizemplo, eisemplo,
isjemplo_. Ninguém pode contestar o direito de se pronunciar _trouxe:
trouẋe, trouce; extravagante: eistravagante, istravagante,
'stravagante; fixo: fiẋo, ficso, ficço_.


III--DOS DITONGOS


Pelo que fica dito se vê qual a maneira por que indicamos a dissolução
do ditongo. Não usamos da _diérese_, também chamada _ápices_, e mais
jeralmente _trema_ ¨, que alguns gramáticos entre nós querem que se use
na vogal prepositiva ou conjuntiva, e no _u_ das prolações, para neste
caso mostrar que faz sinérese com a voz seguinte.

O trema é sinal que nos veiu de países estranhos. Tem na escrita de
línguas europeas significação insubstituível; que nas jermánicas é fórma
abreviada de um _e_, e nesta significação únicamente o empregamos.


IV--DA SILABIZAÇÃO


Em quanto à sibalizacão devemos mencionar aqui apenas os tres seguintes
princípios:

1.º Dividem-se as sílabas, considerando os vocábulos como portugueses
para êste efeito, sem que se atenda à derivação de língua estranha, nem
à derivação dentro da própria língua: _ma-nus-cri-to, cons-pí-cu-o,
obs-tá-cu-lo, ins-cre-ver, no-ro-es-te, nor-des-te, pla-nal-to,
a-lhei-o, mai-or, mai-o-res_.

2.º Conserva-se à sílaba a consoante que determina a modulação da sua
vogal (paj. 11, _c)_): _ac-ção, fac-tor, cor-rec-to, bap-tis-mal_.

3.º Na passajem de uma para outra linha empregamos em ambas as linhas o
_traço de união_, tanto o próprio de vocábulos compostos cujos símplices
se distingam na escrita entrepondo-se-lhes o _hífen_, como o próprio da
ligação das vozes enclíticas às suas subordinantes: _porta--bandeira,
guarda--fato, clara--boia; luso--brasileiro; deu--m'o, louva--lhe,
démo'--lo, louva--o, louvá--lo, arrepender--se, domá--lo--ia_.


V--DOS HOMÓNIMOS E PARÓNIMOS


1.º Os homónimos confundem-se umas vezes na escrita do português como na
sua pronúncia; exemplos: _cedo_ (verbo e advérbio); _conto_ (verbo e
nome): _são_ (verbo e adjectivo). Outras vezes distinguem-se com
exactidão na escrita, embora não se distingam em todas as pronúncias;
exemplos: _vez, vês; cem, sem; coser, cozer; sessão, cessão; -passo,
paço_,--parónimos no dialecto em que se faça diferença na articulação de
_s_ para a de _ç_ e para a de _z_. Podem aínda os homónimos
distinguir-se na escrita e não se distinguirem em pronúncia nenhuma:
_houve, ouve; dê-se, dêsse_.

_Escólio._--Distinguem-se na escrita, mas sem exactidão rigorosa: _hora,
ora; heis, eis_; e por êrro de analojia falsa, _pelo_ cuja orijem é
_per-lo_, que deu _pel lo_ e _pe'-lo_ homónimo, quando se pronuncie
enfáticamente, de _pello_, que etimolójicamente só tem um _l_ e devemos
escrever (como de facto se escreve nesta ortografia proposta) _pêlo_
(cf. _pélo, pelo_).

2.º Os parónimos são perfeitamente distintos na presente ortografia:
_pelo, pêlo, pélo; para, pára; crê, cré; cesto, sexto_ (homónimos em
Lisboa); _fôsse, fósse; fôrça, fórça; sessão, cessão, secção; coando,
quando; quanto, canto; credor, crèdor; incómodo, incomodo; colhêr,
colhér; contrato, contracto; alias, aliás; alem_ (verbo), _além; papeis_
(verbo), _papéis; reis_ (pl. de _rei_), _réis_ (pl. de _real_); _bateis_
(verbo), _batéis; caia, caía_; etc.


VI--DOS SUFIXOS


Conservamos toda a exactidão na ortografia dêstes elementos morfolójicos
cuja função anda tão ignorada. Pululam os galicismos, os
estranjeirismos, até na ortografia da nossa linguajem e na sua
morfolojia, que não só em se introduzirem vocábulos novos
desnecessários, e em se esquecer a sintaxe dela.

É êrro escrever-se _civilisação_ por _civilização, organisar_ por
_organizar; chapeleria_ por _chapelaria; cortez_ por _cortês_; etc.


VII--DA COMPOSIÇÃO, DA PERÍFRASE, E DAS ENCLÍTICAS


Dissemos o bastante acêrca do primeiro e terceiro dêstes pontos. Em
quanto à perífrase, diremos que as linguajens perifrásticas dos verbos
são diferenciadas em linguajens de perífrase consciente e perífrase
inconsciente.

É linguajem perifrástica consciente a formada com o presente do verbo
_haver_. Escrevemo-la, pois, sem hífen de ligação: _descrevê-lo hei,
louvá-la has, dar-lh'o ha, amar-nos hemos, unir-vos heis, receber-se
hão_.

É linguajem perifrástica inconsciente, com tmese evidente, a formada com
um resto do pretérito imperfeito do verbo _haver: -ia_ = (hav)_ia, -ias_
= (hav)_ias, -ia_ = (hav)_ia, -íamos_ = (hav)_íamos, -íeis_ =
(hav)_íeis, -iam_ = (hav)_iam_. Escrevemos estas linguajens sem o _h_,
perdido com os outros elementos de _hav-_, em todas as pessoas do
pretérito imperfeito do verbo _haver_, que entra na perífrase. Exemplos:
_descrevê-lo-ia, deixar-me-ias, aborrecê-la-ia, evitá-lo-íamos,
comportar-vos-ieis, obedecer-lhe-iam_.



III


O NOSSO INTUITO


Se quiséssemos entrar em minudéncias de linguajem e defender em todos os
pontos a ortografia que iniciámos, teríamos de escrever um livro de
grosso volume. Se o nosso intuito fôsse ensinar, publicaríamos um
tratado. Mas é diferente o fim dêste escrito, que oferecemos
gratuitamente aos nossos conterráneos, como testemunho de respeito pelas
cousas da nossa pátria: _Damos razão da reforma iniciada e sujeitamos ao
são critério as bases em que esta assenta_. Por êste motivo deixámos de
tratar pontos de que o Congresso terá de se ocupar.

Andam infelizmente esquecidas por alguns escritores regras de gramática,
que, a serem lembradas, os não deixariam cometer erros imperdoáveis.
Temos visto ortografar (e até pronunciar!!), _passeiando, passeiata,
ideiou, receiará, feichara_, etc., em vez de _passeando, passeata,
ideou, receará, fechara_, etc. É certo que a maioria dos leitores sabe
que, por motivo de a acentuação tónica se fazer nas tres pessoas do
singular e terceira do plural de todos os presentes dos verbos, como
_idear, recear, passear_, etc., únicamente nessas fórmas pessoais
aparece o ditongo _ei_ no radical: _passeio, passeias, passeia,
passeamos, passeais, passeiam_;--passeava, passeavas_, etc.;--_passeei,
passeaste_, etc.;--_passearei, passearás_, etc.;--_passearia_,
etc.;--_passeia tu, passeie ele, passeemos nós, passeai vós, passeiem
eles;--que eu passeie, que tu passeies, que ele passeie, que nós
passeemos, que vós passeeis, que eles passeiem;--passear, passeando,
passeado_. O radical português é _passe-_.

É claro que tratar de assuntos como êste não é objecto de uma símplez
circular. E se o leitor houver notado que usámos nela de modos de
ortografar para que não encontra explicação nos princípos que ficam
estabelecidos, atribua o facto a não caber a explicação suficiente nos
princípios jerais. Cremos que as bases, como ficam postas, constituem
método sem contradições:--se o Congresso fôr até suprimir (como julgamos
que deve suprimir) as letras consoantes inúteis nos nomes próprios e nos
de família, assinaremos sem dobrar as consoantes _nn, ll_ dos nossos
nomes.

Não nos preocupa uma idea preconcebida. Não nos domina um subjectivismo
apaixonado. Desejamos que no país todo se una para discutir de boa fé
quem tiver estudado o problema, e que êste se resolva estabelecendo-se
ORTOGRAFIA PORTUGUESA.


+ALGUNS OUTROS TRABALHOS PUBLICADOS PELOS MESMOS AUTORES+

POR A. R. GONÇALVES VIANNA

Estudos Glottologicos: Graphica e Phonetica. O livro da Escripta do
Professor Faulmann.--Porto, 1881.

Essai de Phonétique et de Phonologie de la Langue Portugaise d'après le
dialecte de Lisbonne.--Paris, 1883.

Études de Grammaire Portugaise.--Louvain, 1884.

Mágoas de Werther (romance de J. W. von Goethe trasladado a
português).--Paris, 1885.


POR G. DE VASCONCELLOS ABREU


Questions Védiques.--Paris, 1877.

Sobre a Séde originaria da Gente Árica.--Coimbra, 1878.

Investigação sobre o caracter da Civilisacão Árya-hindu.--Lisboa, 1878.

Importância capital do sãoskrito como base da Glottologia árica e da
Glottologia árica no ensino superior das lettras e da historia.--Lisboa,
1878.

Contribuições mythologicas.

Grammatica da língua sãoskrita: Phonologia.--Lisboa, 1879.

Fragmentos de uma tentativa de Estudo Scoliastico da Epopea Portugueza
(publicados pelo 3.º Centenário de Camões; a 2.ª parte dêste trabalho
foi traduzida em inglês pelo sr. Donald Fergusson, com o título
«Buddhist Legends from Fragmentos ... by G. de Vasconcellos Abreu.
Translated with additional notes. Ceylon).--1880.--1884.

O Reconhecimento de Chakuntalá (texto devanágrico e tradução portuguesa
do Acto I do célebre drama de Xacuntalá do poeta Calidaça, segundo a
recensão Bengali).--Lisboa, 1878.

Manual para o Estudo do Sãoskrito clássico. Tomo I, Resumo
Grammatical.--Lisboa, 1881-1882.

De l'Origine probable des Toukhâres et leurs migrations à travers
l'Asie.--Louvain. Lisbonne. (Memória acerca da orijem dos Teucros,
apresentada ao Congresso antropolójico de Lisboa em 1880).

A literatura e a relijião dos Árias na índia. Primeira Parte.--Paris,
1885.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Bases da ortografia portuguesa" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home