Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Octavia - Tragedia em 5 Actos
Author: Alfieri, Vittorio, 1749-1803
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Octavia - Tragedia em 5 Actos" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



visite http://pt-scriba.blogspot.com/ (This book was
produced from scanned images of public domain material


*OCTAVIA*


TRAGEDIA EM 5 ACTOS

DE

VITTORIO ALFIERI

representada no theatro Lyrico Fluminense na noute de 2 de Agosto de
1869

PELA SENHORA

ADELAIDE RISTORI

E SUA COMPANHIA

EM BENEFICIO DA

SOCIEDADE PORTUGUEZA DE BENEFICENCIA


RIO DE JANEIRO

TYPOGRAPHIA IMP. E CONST. DE J. VILLENEUVE & C.

RUA DO OUVIDOR N. 65.

1869.



NOTICIA HISTORICA


Octavia era filha do Imperador Claudio e da mais que famosa Messalina.
Apenas chegada á puberdade foi promettida em casamento a Lucio Silanno;
mas a ambição politica e os ardis de Agrippina, mãi de Néro, fizèrão
abortar este projecto, tornando-a a tão desgraçada esposa desse monstro,
que de tal mãi foi digno filho. Pouco tempo depois este repudiou-a
pretextando que era ella esteril, mas realmente por causa do amor que
consagrava a Poppéa, que effectivamente substituio-a no leito nupcial e
no throno de Néro. Poppéa, entretanto, não se julgava segura emquanto
Octavia vivia. Querendo descartar-se della, accusou-a, ou mandou que
alguem a accusasse de entreter relações criminosas com um de seus
escravos. As servas da accusada forão sujeitas a tormentos, porque
recusavão confirmar essas falsas imputações; mas entre as torturas
proclamarão a sua virtude e innocencia, a ponto tal que, não sendo
possivel condemna-la á morte, mandárão-a em degredo para a Campania. Tão
injusta condemnação provocou tal indignação e murmurio no povo, que
Néro, politico medroso, julgou dever chama-la a Roma. Com a volta de
Octavia, a quem o povo accolheu entre ruidosas manifestações,
renascerão, e mais vivamente os terrores de Poppéa. Atirou-se ella aos
pés do Imperador seu esposo, e alcançou delle, por fim, que, sob
diversos pretextos, Octavia fosse de novo affastada de Roma e em seguida
assassinada. Mandárão, pois, a infeliz princeza degradada para uma ilha,
onde viu-se obrigada, contando apenas vinte annos de idade, a deixar que
lhe abrissem as veias. Apenas a virão morta, cortarão-lhe a cabeça
innocente que foi enviada á sua indigna rival.



PERSONAGENS


      Octavia        Sra. A. Ristori.

      Poppéa         Sra. Matilde Pompili Trivelli.

      Néro           Sr. Jacomo Glech.

      Seneca         Sr. Alessandro Grisanti.

      Tigellino      Sr. Ludovico Mancini.

      Soldados e povo romano.


A acção passa-se no palacio de Néro em Roma.


*OCTAVIA*

     *     *    *     *     *



ACTO PRIMEIRO


     *     *    *     *     *



SCENA I.

NÉRO, SENECA.


SENECA.

Senhor do mundo inteiro, o que te falta?


NÉRO.

Tranquillidade.


SENECA.

Te-la-hias, se aos outros não a tirasses.


NÉRO.

Doce e calma seria a minha vida, se odiosos laços não me prendessem a
Octavia.


SENECA.

E terias por ventura de Julio Cesar sido successor, terias augmentado a
gloria e o poder herdado, se Octavia te não desse a mão de esposo? Ella
foi quem te abrio caminho para o throno; e entretanto hoje morre á
mingoa, em cruel e injusto degredo, essa mesma Octavia, que longe de ti,
sabendo que abres os braços á sua orgulhosa rival, misera, ainda te ama!


NÉRO.

A principio talvez fosse ella instrumento de minha grandeza; mais tarde,
porém, tornou-se a causa de todas as minhas desgraças, e ainda o é hoje,
posto que repudiada. E este povo, a quem desprezo, ousa murmurar!
atreve-se a queixar-se de seu senhor nos mesmos lugares onde reino e
domino? De hoje em diante não se dirá mais em voz alta o nome de
Octavia, nem se quer o murmuraráõ baixinho labios tremulos, que o não
quero eu, Néro!


SENECA.

Senhor, nem sempre julgaste indignos de ti os meus conselhos. Bem sabes
como, com a arma poderosa da razão, moderei o ardor de tua impetuosa
mocidade. Eu predisse que, repudiando Octavia e, mais que tudo,
condemnando-a a cruel desterro, chamarias sobre ti a censura, as
accusações e as injurias. O coração do povo, dizia, eu, inclina-se para
Octavia; Roma inteira manifestou sua dôr ao saber que havias marcado
para sua residencia os campos de Plauto e a habitação de Burrho, eu
dizia...


NÉRO.

Basta. Disseste tudo isso, é certo; e entretanto fizeste o que eu quiz!
Durante algum tempo, talvez, me ensinasses a governar, mas, a não errar,
jámais o fizeste; nem o pódes tu ensinar, nem póde o homem adquirir esta
sciencia. Já basta que Roma me tenha ensinado a ser prudente por algum
tempo. Enganei-me, julgando que devia desterrar esta mulher, que, pelo
contrario, eu não devera affastar de mim.


SENECA.

Estás por ventura, arrependido? É verdade o que acabo de ouvir? Volta á
Roma Octavia?


NÉRO.

Sim.


SENECA.

Finalmente tiveste della compaixão?...


NÉRO.

Compaixão?... É verdade, tive.


SENECA.

E virá ella de novo partilhar com vosco o leito e o throno?...


NÉRO.

Dentro em pouco voltará ella ao meu palacio; e então saberás para que
volta. Oh! Seneca, tu, sabio entre os sabios; tu, que já foste meu
ministro e meu guia em circumstancias mais criticas e mais melindrosas;
não te mostrarás hoje contrario ao que foste outr'ora.


SENECA.

Tens por costume pedir inutilmente conselhos quando já tomaste crueis
resoluções. Não conheço quaes sejão teus pensamentos; mas tremo por
Octavia ouvindo as tuas palavras.


NÉRO.

Dize-me: tremeste por ventura naquelle dia em que meu irmão cahia morto,
victima de um crime necessario? E no dia em que proferiste a sentença de
minha orgulhosa mãi, tua cruel inimiga, tremeste por ventura?


SENECA.

Que escuto?... Como ousas recordar estas scenas infames, e execrandas?
Não, eu não tingi minhas mãos nesse sangue que era tambem teu, tu, sim;
o bebeste! Calei-me, é certo; calei-me obrigado. Foi criminoso meu
silencio, nem poderei jámais expiar um tal crime. Louco! Acreditei que
Néro ficasse farto de sangue depois de ter derramado o de sua propria
mãi! Hoje conheço que alli apenas começavão as atrocidades. Quando
commettes um novo crime, não sei porque, cobres-me de dadivas odiosas,
de favores que me pezão na consciencia. Tu me obrigas a aceital-as e o
povo, que isto presencêa, diz que essas dadivas são o preço do sangue
derramado. Ah! Eu t'os entrego, toma-os e deixa-me que conserve a estima
de mim proprio.


NÉRO.

Eu t'a deixo; conserva-a, se é que ainda possues. Prégas moral e virtude
como homem de experiencia, mas bem sabes que não convem sempre seguir
seus dictames. Se querias conservar intacta a reputação, se querias
conservar o coração immaculado, porque trocaste o obscuro lar paterno
pelo esplendor da côrte? Bem o vês; eu, que não sou stoico, ensino te as
regras do stoicismo, e entretanto tudo quanto sei a ti o devo. Se, pois,
demorando-te por tua propria vontade nesta côrte, arriscaste a primitiva
candura, se perdeste o nome de homem honrado, nome este que nunca mais
se recupera, auxilia-me agora; sei que o pódes. Já desculpaste meus
erros passados, continua. Dá mais branda côr aos meus actos, louva-os. A
tua opinião é aqui respeitada, o povo te julga menos culpado do que os
outros; acredita que tens sobre mim grande influencia. Estás, emfim, tão
intimamente ligado á minha côrte, que partilhas das censuras que me são
dirigidas.


SENECA.

Agrada-te, bem o sei, que outrem pareça mais culpado do que tu; o crime
repartido pesa-te menos na consciencia. E eu innocente, como o sabes,
carrego com o castigo dos teus crimes; sobre mim recahem as
consequencias do modo porque reinas; sou, emfim, odiado por todos. Qual
será a nova infamia cuja execução me reservas, para augmentar ainda...


NÉRO.

Cumpre que destruas no coração do povo o amor que elle consagra a
Octavia.


SENECA.

Não se destróem facilmente as affeições de um povo, não são como as
tuas, senhor; o povo não sabe fingir.


NÉRO.

Quando é preciso, o sabio muda de parecer e de linguagem; e tu és sabio.
Vai, aproveitar-me-hei de teus conselhos no dia em que possa dizer que o
imperio é só meu. Por emquanto sou eu senhor; o teu dever é executar as
minhas ordens; agora sou eu o mestre e tu o discipulo; mostra-te, pois,
docil. Não te ameaço com a morte, bem sei que ella não te assusta; mas o
nome de que ainda gozas, a consideração que te rodêa, tudo isso depende
de mim. Posso destruir tudo. Cala-te, pois, e faze o que mando; vai.


SENECA.

Acabo de ouvir as tuas ordens tyrannicas, odiosas e sanguinarias; mas
esperarei os acontecimentos quaesquer que elles possão ser: Todo o
auxilio de minha parte seria inutil para os teus projectos, e eu ainda
mais criminoso. Pois que! Néro ja não basta para derramar sangue? Quem o
crêra?!



SCENA II.

NÉRO


Vai, soberbo stoico, de uma vez porei termo á tua vida e a esta virtude
que alardêas. Até hoje tenho te punido cobrindo-te de dons, mas no dia
em que te houver rebaixado e reduzido á condição dos mais vis e
despreziveis d'entre os homens, então te darei a morte. Que vale este
meu poder soberano, immenso, absoluto, quando tantas difficuldades me
contrarião? Odeio Octavia, amo Poppéa mais do que posso dizê-lo; e terei
de occultar este amor e este odio? O que não prohibem as leis ao mais
vil de meus escravos, prohibir-me-hão a mim, Néro, as murmurações do
povo?



SCENA III.

NÉRO E POPPÉA.


POPPÉA.

Poderoso senhor, por cujo amor só vivo! Porque sempre pensativo foges
para longe de mim, e me deixas entregue a crueis angustias? Pois que,
não será possivel que esta minha affeição te dê alguns momentos de
alegria?


NÉRO.

É justamente o teu amor que me affasta de ti algumas vezes, Poppéa, nada
mais. Soffri longo tempo, venci muitas difficuldades antes de conquistar
teu coração; agora devo esforçar-me por conserva-lo; bem sabes que ate á
custa do proprio throno quero que sejas sempre minha.


POPPÉA.

E quem poderá tirar-me de teu poder se não tu mesmo? A tua vontade, um
gesto teu dão a lei em Roma. Em troca do meu amor deste-me o teu; podes
tirar-m'o, é certo, mas eu não sobrevivirei a tamanha perda.


NÉRO.

Quem poderá separar-me de ti? Nem o proprio céo! Entretanto appareceu
entre o povo criminosa agitação, ainda não acalmada: ousão censurar as
minhas affeições, e vejo-me obrigado a prevenir...


POPPÉA.

E que te importa a grita do povo?


NÉRO.

Espero mostrar em breve o caso que della faço; mas não quero deixar
erguida uma só cabeça dessa hydra furiosa; rolará, pelo chão a ultima em
que Roma basêa sua esperança, e ao mesmo tempo cahirá abatida, muda,
despedaçada, esta plebe orgulhosa. Roma ainda não me conhece,
arrancar-lhe-hei do coração seus antigos e loucos prejuizos de
liberdade. Octavia é a ultima descendente dos Claudios, seu nome está na
boca de todos, chorão a sua sorte porque me odeião, não porque a amem:
no coração do povo não ha lugar para o amor; mas a plebe insolente
recorda-se saudosa da fraqueza do reinado de Claudio, inepto, e suspira
pela licença de que hoje não póde gozar.


POPPÉA.

É certo; Roma não sabe conservar-se calada; mas o que poderão fazer hoje
os Romanos mais do que murmurar; porventura os temes?


NÉRO.

Escolhi mal o lugar para exilio de Octavia; é ameno de mais, e pouco
prudente seria conserva-la alli. Está nas vizinhanças da Campania o
exercito, onde ainda se conserva memoria de Aggripina. No coração dos
soldados agita-se ainda o espirito de revolta; perfidos, fingem-se
doidos pela sorte da filha de Claudio; criminosa esperança ainda está
enraizada em seus peitos. Fiz mal em escolher para seu degredo tal
lugar, e maior imprudencia seria conserva-la alli.


POPPÉA.

Porque motivo esta mulher merece tanta solicitude? Porque não a envias
para os confins do teu vasto imperio? Qual será o degredo mais seguro?
Qual a praia deserta e remota que mais longe de ti conservará esta
mulher que ousa gabar-se de te têr dado o throno?


NÉRO.

Para que eu possa tirar-lhe a força e o poder de ser-me nociva nenhum
lugar é mais proprio do que Roma, e em Roma o meu palacio.


POPPÉA.

Que ouço? Octavia volta para Roma?


NÉRO.

Deixa-me explicar-te o motivo...


POPPÉA.

O que será de mim?... Ella...


NÉRO.

Escuta-me!...


POPPÉA.

Entendo... adevinho tudo... serei em breve repellida, expulsa...


NÉRO.

Escuta-me!... Não é para teu mal que Octavia volta a Roma; será antes em
seu damno esse regresso.


POPPÉA.

Talvez o seja para o teu. No emtanto ouve: Octavia e eu não pudemos
viver juntas, nem um só momento, nem no mesmo palacio, nem na mesma
cidade. Volte pois, a Roma a mulher que elevou Néro ao throno do mundo;
volte para d'ahi expelli-lo. É por tua causa que me afflijo e não por
mim; eu estou prompta a voltar para junto do meu fiel Othon; amou-me
tanto!... deve amar-me ainda; e podesse eu recompensar tão constante
affeição! Mas, não, no coração de Poppéa não cabem dois amores, nem quer
ella um coração partido, não quer partilhar com uma odiada rival o teu
amor. Não me seduzio o esplendor do throno, mas tu sómente. Ah! ainda me
seduz; o amor que tanta ventura me dava, não era o do poderoso senhor do
mundo, mais sim o do meu querido Néro; se me tirares agora uma parte
dessa affeição, se eu não reinar como unica soberana, então nada
quererei, cederei tudo. Ah! misera, que não possa eu arrancar de meu
coração a tua imagem tão facilmente como o fazes commigo!


NÉRO.

Eu te amo, Poppéa, bem o sabes; prova-o tudo quanto por ti tenho feito e
o que ainda tenciono fazer; mas tu...


POPPÉA.

O que queres que eu faça? Poderei viver vendo a teu lado essa mulher que
odeio? Poderei deixar de pensar em ti? Oh! indigna! que não póde, não
sabe, não quer amar a Néro e ousa fingir que o ama!


NÉRO.

Tranquillisa-te, põe de parte os receios e os zelos; mas respeita por
algum tempo ainda a minha vontade. É necessario que Octavia volte agora
a Roma; já moveu os primeiros passos; amanhã aqui deve chegar. Assim o
exigem o teu socego e o meu; tal é a minha vontade e não estou habituado
a que se oponhão aos meos designios. Nem me satisfaz, senhora, esse amor
que me offereces, calmo e sem receios. Quem mais me teme e melhor me
obedece, sabe-o, é quem mais me ama.


POPPÉA.

O receio de perder-te tornou-me por demais ousada. Mas, que maior mal me
poderás fazer do que privar-me do teu amor? Ah! tira-me antes a vida;
menor será meu soffrimento.


NÉRO.

Basta, Poppéa, confia em meu amor, nem receies que se abale a minha
constancia; mas nunca te opponhas á minha vontade. Odeio, mais que tu
mesma, essa mulher a quem chamas de rival. Apenas eu conseguir separa-la
de seus turbulentos amigos, ve-la-has cercada pelos meus guardas; não
terás nella uma rival, mas antes uma vil escrava, e dentro em pouco, ou
eu nada sei da arte de reinar, ou ella propria te dará a corôa.



ACTO SEGUNDO


     *     *    *     *     *



SCENA I.

POPPÉA, TIGELLINO.


POPPÉA.

Corremos hoje o mesmo perigo, Tigellino; devemos pois procurar um mesmo
asylo.


TIGELLINO.

O que podes receiar da parte de Octavia?


POPPÉA.

Quanto á belleza nada temo; a rainha sempre prevalecerá aos olhos de
Néro; temo, sim, o seu fingido amor, a sua dissimulada meiguice; temo os
ardis e a eloquencia de Seneca, a grita da plebe e o remorso do proprio
Néro.


TIGELLINO.

Ama-te elle ha tanto tempo e ainda não o conheces? Elle só sente
remorsos de não ter feito maiores males. Fica certa de que, se chama
Octavia a Roma, é só com o fim de tirar della completa vingança.
Deixa-me despertar-lhe o odio innato e profundo que em seu coração se
une ao rancor que vota á esposa. É este o asylo que devemos buscar ante
o perigo que corremos.


POPPÉA.

Estás tranquillo, eu, porém, não me julgo segura, mas a franqueza com
que fallas convida-me á franqueza. Bem conheço Néro, bem sei que nelle o
remorso nada póde; mas o medo, dize, não tem grande influencia sobre seu
espirito? Quem não o vio tremulo junto da mãi que odiava? Amava-me elle
já então loucamente e no entanto ousou porventura dar-me a mão de esposo
emquanto ella foi viva? Não bastava a presença silenciosa de Burrho para
o fazer tremer! Enfim o proprio Seneca, sem poder e sem influencia, não
o intimida ás vezes com suas palavras vãs? São estes os unicos remorsos
de que o julgo capaz. Ajunta a isso as murmurações e as ameaças dos
romanos...


TIGELLINO.

Tudo isto só servirá para arrastar Octavia ao laço onde já cahirão,
Agrippina, Burrho e tantos outros. Se desejas a morte de tua rival,
deixa que novo terror augmente no corarão de Néro o medo antigo. Elle
ainda não manifestou todo o sou pensamento, mas eu sei que nada ha que
tanto o domine como a sua pusilanimidade. Roma, pedindo o regresso de
Octavia, pronunciou a sentença de morte da propria Octavia.


POPPÉA.

É certo; mas, se ella conseguir reconquistar por um momento só a antiga
influencia...


TIGELLINO.

Não, não o receies; Octavia não conhece o caminho que vai ter ao coração
de Néro; sua virtude austera irrita o espirito do esposo; sua
obediencia, seu amor, sua timidez desagradão-lhe igualmente; Néro
detesta em Octavia todos estes meios de seducção que a nós tanto
approveitão. Falla, o que deverei fazer?


POPPÉA.

Emprega toda a tua perspicacia em saber o que se passa e todo o zelo em
dizer-m'o; cumpre prever tudo; tornar Octavia ainda mais desprezivel;
descobrir mil meios de perdê-la e lembra-los a Néro; inventar crimes de
que ella nem sequer tenha idéa; desinvolver toda a astucia de que és
capaz; ir, vir, occupar o espirito do imperador, engana-lo, cega-lo e
estar sempre alerta. Eis aqui o que te cumpre fazer.


TIGELLINO.

Assim o farei, mas creio que os projectos de Néro já estão assentados.
Fica certa de que elle não precisa de lições para exercer vinganças e
bem sabes que lhe exacerba a colera quem quer mostrar que sabe tanto
como elle.


POPPÉA.

Tudo o irrita, bem o sei; ainda ha pouco o excesso de meu amor
excitou-lhe o furor; já não era o amante quem fallava, mas sim o feroz
senhor que ordenava do alto do throno.


TIGELLINO.

Não o provoques jámais. Tens grande influencia sobre seu coração; mas a
colera impetuosa, a embriaguez do poder e a sede feroz de vingança
dominão no mais facilmente do que o faz o amor. Afasta-te daqui, é esta
a hora em que elle tem por costume vir fallar-me; confia em mim.


POPPÉA.

Juro-te, que, se me servires agora, ninguem terá, mais do que tu, poder
e influencia junto de Néro.



SCENA II.

TIGELLINO


É verdade que se Octavia triumphasse, a nossa desgraça seria certa; mas
eu gozo da confiança de Néro. Seu odio é tão feroz e a innocencia de
Octavia tão completa, que ella não póde evitar sua triste sorte.
Cumpre-me, entretanto, mostrar-me habil; disfarçar seus terrores com o
nome de prudencia e dizer-lhe que a justiça é mais criminosa que a
vingança. Senhor do mundo, tens em mim teu senhor, unico, absoluto: eu
só posso despertar-te n'alma o terror ou dissipa-lo. Desgraçado de mim,
se o medo não tivesse influencia sobre a tua alma! É este o unico meio
que me resta para impellir-te ao mal; e quem poderia deter teus passos e
dirigir-te para o bem?



SCENA III.

NÉRO, TIGELLINO.


TIGELLINO.

Ah! senhor, porque não chegaste mais cedo? Ouvirias ainda os soluços de
uma mulher que te ama loucamente. A duvida, o receio, o amor trávão luta
medonha no coração sensivel e fiel de Poppéa. Porque assim affliges quem
te adora?


NÉRO.

Allucinada por injustos ciumes, Poppéa desconhece a verdade; a ella só
amo.


TIGELLINO.

Isto mesmo acabo de dizer-lhe; mas quem poderá melhor abrandar as
angustias de um coração repleto de zelos do que o amante adorado?
Occulta junto della a terrivel magestade que brilha em teu semblante. Um
gesto, um sorriso, um olhar teu podem acalmar a tormenta que agita
aquelle coração. Ousei jurar-lhe em teu nome que nunca tiveste tenção de
abandona-la; que fôra para altos fins, de mim desconhecidos, que
chamaste Octavia a Roma, mas que o seu regresso não seria um mal para
Poppéa.


NÉRO.

Fiel interprete de meus sentimentos, disseste-lhe a verdade. Já eu lhe
fizera igual juramento, mais ella foi surda a meus protestos. O dia, que
agora começa, não se acabará sem que o destino de Octavia esteja
decedido e desta vez para sempre.


TIGELLINO.

E eu espero que haverá tranquillidade, se quizeres patentear ao povo
quanto Octavia é criminosa.


NÉRO.

Incorreu ella no meu odio; queres maior crime? Mas, é porventura preciso
que eu motive a minha vontade?


TIGELLINO.

Demais! Ainda não podeste reduzir este povo impio á degradação que elle
tanto merece. Conservou-se silencioso, é certo, em face das fogueiras de
Agrippina e de Claudio; calou-se ainda ao ver a de Britannico;
entretanto hoje deplora a sorte de Octavia e atreve-se a murmurar.
Patentêa-lhe os crimes de Octavia e a plebe emmudecerá.


NÉRO.

Nunca amei esta mulher; pelo contrario, aborreci-a sempre; ella teve a
audacia de chorar por seu irmão; vi-a obedecer cegamente á cruel
Agrippina; mais de uma vez tem repetido o nome de seus antepassados que
empunhárão o sceptro; cada um destes actos é um crime e tanto me basta
para julga-la digna de castigo. Sua sentença está lavrada! Chegue ella,
e minha vontade será feita. Roma saberá que Octavia deixou de viver; são
estas as contas que de minhas acções devo aos Romanos.


TIGELLINO.

Senhor, tremo por ti. Não é prudente affrontar a plebe enfurecida. Se
podes inflingir a essa mulher justo castigo, porque queres que ella
pareça victima de tua vontade absoluta? Não fôra melhor desvendar os
seus maiores delictos, mostra-la ao povo criminosa como ella é, emquanto
a julgão innocente?


NÉRO.

Commetteu ella porventura outros crimes... e maiores?


TIGELLINO.

Ninguem ousou ainda revelar-t'os; mas deverei calar-me por mais tempo,
agora que, repudiada por ti, e com razão, ella não é mais tua esposa?
Essa mulher indigna estava ainda em teu palacio, partilhava comtigo o
leito e o throno, usurpava as homenagens devidas á imperatriz, e já se
rebaixára mais do que o faria a mulher mais víl e criminosa; já
resolvêra esquecer seu illustre sangue, sua honra, a dignidade propria e
a de seus avós, junto de um miseravel citharista, para quem voltava
olhares amorosos.


NÉRO.

Que infamia! que audacia!


TIGELLINO.

O escravo Eucéro tocára-lhe o coração; dahi a calma com que supportou o
repudio, o desterro, tudo! Eucéro compensava-lhe amplamente a perda de
Néro: companheiro inseparavel, fazia-lhe esquecer o desterro...
Desterro? digo mal. Ameno refugio os seus criminosos amores encontrárão
na tranquilla Campania. Alli, reclinada na relva, entre flôres, á margem
de um brando regato, ella escutava os sons suaves que a dextra imbelle
de seu amante tirava da cithara e aos quaes se casava o seu canto: alli
não invejava ella as perdidas honras nem a anterior posição.


NÉRO.

Filha de Messalina, ella não podia desmentir o sangue de que nasceu.
Mas, dize, será possivel provar o que acabas do contar-me?


TIGELLINO.

Muitas de suas creadas sabem os pormenores deste caso; e os contaráõ
quando forem interrogadas. Eu não te revelaria este segredo, se Octavia
tivesse em algum tempo possuido o teu amor. Mas que digo? louco! se elle
merecesse a tua affeição, ter-te-hia jámais ultrajado assim? nem se quer
lhe occorreria tal pensamento. Razões politicas, contra a tua vontade,
derão-te Octavia por esposa: ella conheceu que não era digna de ti e
rebaixou seu coração vil em vis amores.


NÉRO.

Receio expór a luz infamante tão obscuro crime!...


TIGELLINO.

A infamia é só de quem commetteu o delicto.


NÉRO.

É certo.


TIGELLINO.

Tenha cada um a paga merecida; ella a de ré, tu a de justiceiro, e o
podes ser sem perigo.


NÉRO.

Tens razão no que dizes; faze, pois, o que resolveste e sem demora.



SCENA IV.

NÉRO, TIGELLINO E SENECA.


SENECA.

Senhor, já Octavia transpôz os umbraes de teu palacio; se é infausta ou
grata a noticia que te trago, não sei. Ninguem quiz disputar-me a
preferencia em dar-te esta nova; o que me parece triste presagio.


NÉRO.

Vai, Tigellino, executa as minhas ordens, e tu volta pelo mesmo caminho
por onde vieste; vai ao encontro de Octavia e dize-lhe que aqui estou só
e que a espero tambem só.



SCENA V.


NÉRO.

É assaz culpada Octavia; posso duvidar de seus crimes? Lamento só que
não fosse eu o primeiro a quem occorresse a idéa de accusa-la. Será
possivel que Néro precise aprender com outrem os meios de derrubar seus
inimigos? Mas approxima-se o dia em que, para livrar-me de quantos
aborreço, bastar-me ha fazer um gesto do alto do meu throno.



SCENA VI.

NÉRO, OCTAVIA.


OCTAVIA.

Por entre os horrores de uma noite tenebrosa, rodeada de soldados
armados, sou arrastada a este mesmo palacio, de onde, ha dois mezes, fui
expellida á viva força. Ser-me-ha licito perguntar ao meu senhor a razão
desta mudança?


NÉRO.

Para altos fins nossos paes ligárão-nos pelo laço do casamento desde os
mais tenros annos. Sempre porém, tuas palavras e tuas acções
contrariárão a minha vontade; tolerei tudo isto por tempo longo de mais;
e ainda o supportaria, se ao menos me houvesses dado real descendencia,
numerosa e bella, que me servisse de consolo a tantos desgostos. Debalde
o esperei: eras planta esteril; o throno ficava sem herdeiros por culpa
tua, e o doce nome de pai me era negado; por isso te repudiei.


OCTAVIA.

Fizeste bem. Se é certo que encontraste outra esposa, que mais feliz do
que eu fui, póde dar-te numerosos filhos a quem ames e assim tornar-te
alegre a vida. Outra que te ame tanto como eu, bem sei que não
encontraste ainda, nem encontrarás jámais. Mas que fiz eu? Oppuz-me por
ventura á tua vontade? Vendo-te nos braços de outra, chorei, é certo, e
choro ainda; mas ouvio alguem de mim jámais palavras de censura, ou
apenas foi meu pranto silencioso, meus gemidos e suspiros abafados pelo
respeito?


NÉRO.

Tens muita doçura nos labios, mas não tanta no coração; adevinha-se em
tuas palavras o fél occulto; mal disfarças o odio que tens a Poppéa, bem
como a ambiciosa recordação de pretendidos direitos.


OCTAVIA.

Oh! podesses esquecer, como eu esqueço, esses meus direitos assaz
legitimos pois que soffro por elles tantas desgraças!... O odio e o
furor brilhão em teus olhares!... Misera! Bem conheço que me odeias mais
do que pudera um marido odiar consorte esteril. Infeliz, tanto mais te
offendi, tanto mais te amei! Mas o que te pedi eu? O que te peço hoje?
apenas uma vida obscura, solitaria e liberdade para chorar!...


NÉRO.

E eu, certo de que te contentarias com essa existencia obscura, t'a
havia concedido; mas depois...


OCTAVIA.

Mas depois te arrependeste e tiveste remorsos de não me haveres tornado
bastante infeliz. Quizeste que eu fosse testemunha de tuas novas
affeições; quizeste tornar-me escrava de tua nova esposa, quizeste que
eu fosse ludibrio do mundo e objecto de desprezo para tua côrte. Aqui
estou, obediente ao gesto do meu senhor; o que devo agora fazer? Ordena.
Mas na tua mesma côrte não me poderás tornar inteiramente infeliz, se a
minha desgraça te der alguma alegria. Responde-me, estás satisfeito?
Reina a tranquillidade em tua alma? Entre os braços da nova esposa gozas
do somno calmo que tiras aos outros? Esta Poppéa, a quem não privaste de
um irmão, torna-te por ventura mais feliz do que eu o fiz?


NÉRO.

Nunca soubeste avaliar o coração do senhor do mundo; sabe-o Poppéa.


OCTAVIA.

A Poppéa agrada o esplendor do throno, para o qual ella não nasceu; a
mim agradas-me tu só. Não tentes comparar o meu amor ao della. Possue
ella o teu affecto, mas só eu o merecia.


NÉRO.

Não, não podes amar-me.


OCTAVIA.

Dize antes que o não devêra; mas pelo teu não julgueis do meu coração.
Bem sei que o meu nascimento me privará eternamente do teu amor; bem sei
que tua imagem manchada com o sangue de meus parentes não devêra ser
acolhida em meu coração, mas a força do destino obriga. E se eu me
esqueço de meu irmão e de meu pai, mortos por ti, como ousas accusar-me
em nome desse irmão desse pai?


NÉRO.

O crime de que te accuso é o que commetteste com Eucéro vil.


OCTAVIA.

Com Eucéro!... eu?...


NÉRO.

Sim, é elle o amante digno de ti.


OCTAVIA.

Ah! justo céo! tu o ouves?...


NÉRO.

Houve quem ousasse accusar-te de impudico amor com elle; por isto só de
novo te chamei a Roma. Prepara-te, pois, para desmentir tal accusação,
ou para receber o merecido castigo.


OCTAVIA.

Oh! quanta maldade! que horrendo trama! Onde está o meu iniquo
accusador?... Ai de mim! Louca, o que procuro? É Néro o accusador, o
juiz e o proprio algoz!


NÉRO.

É assim o teu amor! Dá expansão a todo o odio que tens no coração, se é
certo que elle ainda não transbordou todo, depois que descobri as tuas
secretas infamias.


OCTAVIA.

Ai de mim!... O que mais me resta?... Não me bastava ter sido expellida
do leito nupcial, do throno, do palacio, e até de minha patria?... Oh!
céo! só a minha reputação permanecia intacta; e isto me compensava todos
os bens de que fui privada... um dote tão precioso era-me debalde
invejado por aquella que já o não possue; agora esse mesmo querem
roubar-me antes que me privem da vida? O que te detem, oh! Néro? Não
poderás viver tranquillo, bem o sabes (se a tranquillidade cabe em tua
alma), emquanto eu existir... Faltar-te-hão porventura meios de
assassinar uma mulher fraca e desarmada? Ordena que eu seja encerrada
nas profundas masmorras deste palacio, funesto asylo da traição e da
morte, e alli manda que me tirem a vida. Ou antes, porque com a propria
mão não me assassinas?... Minha morte não só te dará prazer, sei que
ella é já necessaria! Só ella te satisfará. Já te perdoei o assassinio
de meus parentes, agora te perdôo de antemão o meu proprio: mata, reina,
mata ainda, sempre! Conheces os sangrentos caminhos do crime... Roma
está habituada a colorir os teus actos de vingança... O que pódes temer?
Commigo se extinguirá a raça dos Claudios, e acabará assim o amor e a
lembrança do povo por ella... Os deuses estão já acostumados ao fumo do
teu incenso sanguinario; pendem nos templos signaes evidentes, horríveis
offertas de cada um de teus crimes!... são estes os teus trophéos; são
teus triumphos occultos assassinatos!... Baste minha morte para
applacar-te o furor... Porque cobrir-me de nodoa infamante, quando eu
não fujo á morte?


NÉRO.

Para tua defesa concedo-te inteiro o dia de hoje; folgarei se não fores
culpada. Nada receies do meu odio, mas sim da enormidade do crime que
commetteste.



SCENA VII.


OCTAVIA.

Misera!... Néro cruel, sempre banhado em sangue, e sempre de sangue
sequioso!...



ACTO TERCEIRO


     *     *    *     *     *



SCENA I.

OCTAVIA, SENECA.


OCTAVIA.

Vem, ó Seneca, vem, seja-me licito ao menos chorar comtigo; já não me
resta outra pessoa com quem possa desafogar meus sentimentos.


SENECA.

Será possivel, senhora? Que uma falsa e infame accusação...


OCTAVIA.

Tudo eu esperava de Néro, mas nunca este derradeiro ultraje, que por si
só excede tudo quanto tenho soffrido até agora.


SENECA.

Mas, não passa de loucura accusar-te de crime tão infame; a ti, modelo
vivo de amor e de fidelidade, a ti tão boa, tão modesta, tão piedosa, a
ti que, não obstante, o laço que te prendia a Néro, te conservaste pura;
será possivel que manchem tua reputação? Não, assim, não acontecerá; eu
o espero. Ainda estou vivo, eu que fui testemunha de todas as tuas
virtudes...... Roma me ouvirá proclamar tua innocencia emquanto me
restar um sopro de vida. Qual será o coração empedernido que de ti não
terá compaixão? Ah! é inutil que contes teus soffrimentos, nem conta-los
saberias... Eu sinto e partilho tuas dôres.


OCTAVIA.

É em vão que esperas, Seneca; Néro não ficará satisfeito emquanto não
houver manchado o meu nome. Tudo aqui se curva á sua vontade: tu mesmo,
te perderias e de balde. Ah! é por ti que eu tremo. É certo que defendem
teu nome conhecidas virtudes. Ah! porque não acontece assim commigo! Mas
sou joven, sou mulher e cresci, fui educada no meio de uma côrte
corrompida... Oh! céo! E podem julgar-me ré do crime vil que me imputão!
Ninguem acredita, ninguem póde acreditar que eu tenha conservado no
coração o antigo amor que consagrava a Néro. E entretanto, sabe que o
meu coração espesinhado mil vezes e de mil maneiras, não sente maior dôr
de que a de vê-lo amar outra mulher.


SENECA.

Néro ainda me conserva a vida; porque o faz, não sei; ignoro porque se
afasta de mim sorte igual á de Burrho e de alguns outros poucos
virtuosos; mas, posto que demore o momento da vingança, sei que escreveu
meu nome no seu livro de morte. Eu com minhas proprias mãos já teria
posto fim a meus dias, se não me contivese uma esperança (esperança
illusoria!) de chama-lo novamente ao caminho do bem. Espero entretanto
que me seja dado, antes de morrer, arrancar de suas mãos um
innocente...... Se fosses tu, se eu pudesse ao menos poupar-te a
infamia...... oh! morreria feliz.


OCTAVIA.

Ao entrar de novo neste palacio, perdi a esperança de viver mais tempo.
Não penses que eu não receie a morte; debil mulher, como poderia eu ter
tal coragem? Temo-a, é certo, e no entanto chamo-a de todo o coração, e,
entre gemidos, volto os olhos para ti, meu mestre, que tão bem ensinas a
morrer!


SENECA.

Ah! cala-te; assim me despedaças o coração... Ai de mim!...


OCTAVIA.

Tu só podes salvar-me, pelo menos da infamia! E vê quem me accusa... É
ella, Poppéa, quem me exprobra semelhantes amores!


SENECA.

Ó digna esposa do feroz Néro!


OCTAVIA.

Não é a virtude de certo que mais agrada a Néro; o gesto desenvolto, a
audacia são o jugo que a domina; a ternura, a meiguice, parecem-lhe
fastidiosas... Oh! quanto não fiz por agradar-lhe! Seus menores desejos
erão leis para mim, sua vontade foi-me sempre sagrada. Chorei
occultamente a morte de meu irmão, se não felicitei Néro por este crime,
tambem não ousei lançar-lh'o em rosto. Chorei longe delle; em sua
presença calei-me. Fingi acreditar que não fôra elle quem derramára o
sangue dos meus: foi tudo em vão... O meu cruel destino quer que eu lhe
desagrade sempre!


SENECA.

Porventura Néro poderia jámais amar-te, a ti que não és impia nem cruel?
Mas deixemos isto de parte, tranquillisa o espirito. Já vem rompendo o
dia. O povo, apenas souber que estás de volta, quererá ver-te e dar-te
provas de sua affeição; espero muito delle. Suas murmurações erão já
violentas quando partiste, nem cessárão durante a tua curta ausencia.
Néro é iniquo, mas é ainda mais cobarde; não ousa realisar todos os seus
desejos porque sempre teme o povo. É cruel e orgulhoso, mas não se julga
ainda bem seguro no throno; virá um dia em que...


OCTAVIA.

Que tumulto é este? que escuto?


SENECA.

Parece ser o povo de Roma...


OCTAVIA.

Oh! céo, approxima-se deste palacio...


SENECA.

Ouço os gritos do povo em revolta.


OCTAVIA.

Ai de mim! o que terá acontecido!...


SENECA.

Nada receies; nós somos os unicos que estamos seguros neste palacio
indigno.


OCTAVIA.

Cresce o tumulto. Ah! infeliz! talvez que Néro esteja em perigo... Mas
que vejo?...


SENECA.

É Néro; ei-lo que para aqui se encaminha.


OCTAVIA.

Oh! quanta cólera brilha no seu olhar feroz! Eu tremo!...



SCENA II.

NÉRO, OCTAVIA E SENECA.


NÉRO.

Quem és tu, quem és tu mulher perfida, cuja volta provoca perturbações
no povo de Roma e cujo nome elle ousa acclamar?... O que fazias aqui? O
que planejavas com este réo, este traidor? Estás ambos em meu poder. Em
vão o povo insensato reclama a tua presença. Ah! se tiver de mostrar-te
á plebe, espero mostrar-te morta como mereces.


OCTAVIA.

Faze de mim, ó Néro, o que quizeres, mas, crê, sou innocente, não tive
parte na revolta popular. Ao povo, juro, nada peço, nada delle espero;
mas, já que contra minha vontade vos fiz mal, castiga meu crime
involuntario.


NÉRO.

Antes de punir-te, quero que todos saibão quanto és criminosa.


SENECA.

Esperas illudir o povo com mentiras tão torpes?


NÉRO.

Tu tambem, cobarde instigador de revoltas, que aqui te escondes, chefe
ignorado do tumulto popular, sentirás um dia o peso da minha cólera e da
minha vingança.



SCENA III.

TIGELLINO, OCTAVIA, NÉRO E SENECA.


TIGELLINO.

Senhor...


NÉRO.

Que novas trazes, Tigellino, falla.


TIGELLINO.

A revolta cresce de minuto em minuto; o unico recurso agora é a tua
presença. O povo, apenas soube que por ordem inesperada Octavia voltára
a Roma, quiz immediatamente vê-la. Julga, ignorante, que mudaste de
opinião; ha quem affirme que Octavia partilha de novo o leito imperial.
Alguns correm ao Capitolio, e alli manifestão sua alegria e os votos que
por ella fazem; outros coroão de louro triumphal as estatuas de Octavia,
ha tanto tempo abandonadas; outros, ebrios de prazer, derribão as
estatuas de Poppéa; outros, emfim, mais que audazes, arrastão-as pelas
ruas, gritando, amaldiçoando-a. Por toda a parte ouvem-se contra Poppéa
accusações infames; cobrem-na de ridiculo; entoão louvores a Néro, mas
querem que, pelo menos, Poppéa seja expulsa de Roma; os mais temerarios
ousão em gritos pedir a sua morte. Ouves daqui os cantos de alegria,
depois as ameaças, depois as supplicas. Reina por toda a parte a
agitação; ninguem quer mais obedecer. Os soldados e os chefes debalde se
esforção por oppôr um dique á multidão furiosa, debalde; o povo rompe as
fileiras da tropa, espalha em torno a confusão; já houve mortes; cumpre
não perder um momento. O que deverei fazer? O que ordenas, Senhor?


NÉRO.

O que fazer?... Mostre-se Octavia ao povo, mostre-se já... e depois,
morra.


OCTAVIA.

Eis o meu peito inerme, fere, se o queres, comtanto que minha morte te
aproveite... Mostra-me moribunda ao povo revoltado; acalmar-se-ha logo
essa criminosa alegria. Só peço uma graça: sejão as minhas cinzas
guardadas na mesma urna que encerra as de Britannico. O nosso tumulo
servirá de base inabalavel ao throno de Néro. O que te detém? tira-me a
vida, e cesse o teu furor.


SENECA.

Se queres, ó Néro, porder ao mesmo tempo o throno e a vida, o meio é
certo: manda assassinar Octavia.


NÉRO.

Hei de vingar-me, quaesquer que sejão as consequencias do meu acto.


OCTAVIA.

Oh! quero antes soffrer mil mortes do que expôr Néro ao menor perigo.


TIGELLINO.

O tempo urge. Não ouves estes gritos furiosos? Nunca vi o povo possuido
de tanta cólera; tanto mais devemos temê-lo, quanto mais o arrebata a
alegria. Cumpre tomar já uma decisão.


OCTAVIA.

Porque hesitas, Néro? Para applacar o povo, deves escolher entre estes
dous extremos: matar-me, ou dar-me o teu amor. Nunca pudeste fingir que
me amavas; concede me ao menos a morte que desejo ardentemente. Illude
este povo credulo, cujo furor se acalmará em breve; o povo é sempre
inconstante. Permitte sómente que eu me apresente a elle com semblante
tranquillo, como se houvesse recuperado a tua affeição; saberei
dissimular. Deste modo os grupos se dispersarão, cessará o tumulto,
reinará de novo a ordem e terás então tempo para desembainhar a espada e
degolar a victima.


NÉRO.

Sim, mostrar-te-hei aos Romanos; mas antes quero saber se sou ou não
senhor em Roma. Vae, Tigellino, corre ao acampamento, reune em segredo
os pretorianos, cahe de sorpreza sobre os audaciosos rebeldes, e, por
onde passares, vae espalhando a morte.


TIGELLINO.

Farei como o ordenas; mas o resultado é incerto. Parecerá cruel punir
com a morte manifestações de alegria. E, se crescer o furor do povo?
Elle é inconstante, bem sabes, da alegria passa facilmente a cólera; é
difficil resistir a uma cidade inteira. Se fôrmos vencidos, eu e os meus
soldados, quem te defenderá?


NÉRO.

Tens razão... Mas, se eu ceder, poderão pensar que...


TIGELLINO.

Confia em mim, senhor; não transformes um perigo momentaneo em grave
mal; a tua presença bastará por si só para acalmar o povo.


NÉRO.

Eu... fico aqui para guardar Octavia. Vae tu, falla-lhe em meu nome,
mostra-te em meu lugar; bem sabes o que seja o povo, é perigoso
contemporisar com elle. Faze o que fôr conveniente: dissimula promette,
concede, illude-o, mata, se fôr preciso; lança mão do ouro, do terrôr,
do ferro, das palavras enganadoras, comtanto que triumphes. Vae, vôa, e
volta.



SCENA IV.

NÉRO, OCTAVIA E SENECA.


NÉRO.

Desgraçado de ti, Seneca, se tentares sahir deste palacio!... Mas
afasta-te de mim... Não quero vêr-te. Podes fazer votos por tua
felicidade; espera, deseja, mas o teu dia se approxima.


SENECA.

Eu o espero.



SCENA V.

NÉRO E OCTAVIA.


NÉRO.

Quanto a ti, fica certa de que é este o ultimo triumpho que alcanças;
gosa-o, pois em breve...


OCTAVIA.

Dia virá, mas já tarde, em que conhecerás melhor Octavia.



SCENA VI.

POPPÉA, NÉRO E OCTAVIA.


POPPÉA.

Dize-me, Néro, collocaste-me no throno a teu lado para que de mim
zombasse a plebe insolente?... Mas que vejo?... em quanto me acabrunhão
de ultrages, silencioso ahi ficas sem me vingares junto dessa que é a
causa de todas as desgraças! Será, pois, verdade que Néro é o senhor do
mundo, quando o povo lhe impõe uma esposa?


OCTAVIA.

Tu unica possues o coração de Néro: que temes pois? Eu, vil prisioneira,
sou apenas obstaculo á audacia do povo. Alegra-te, pois, põe de parte os
cuidados; tuas lagrimas preciosas seccaráõ em breve, quando vires correr
em ondas o meu sangue.


NÉRO.

Dentro em pouco Roma inteira saberá da tua infamia, e conhecerá quão
indigno era o idolo por ella escolhido. Os ultrajes, que te atirárão ás
mãos cheias, Poppéa, transformar-se-hão em louvores; ás homenagens, que
a ella prestárão, substituirá o opprobrio.


OCTAVIA.

Se alguem tentasse convencer-me do crime infame de que me accusão com
provas vãs, a ti só, Poppéa, quizera eu por meu juiz. Tu sabes o que
seja mudar a cada instante de amor, e sabes tambem qual a recompensa que
merece quem de tal crime se torna ré. Mas a vossos olhos bem sei que sou
innocente. Porque tu, que tens tanto orgulho da tua virtude, não ousas
encarar-me?


NÉRO.

Que te atreves dizer? Respeita a esposa de teu senhor, treme...


POPPÉA.

Deixa que ella falle; bem faz em escolher-me para juiz; onde acharia
outro mais indulgente? E que melhor castigo poderia eu inflingir áquella
que trahio o amor de Néro, do que a perda desse amor? Haverá por ventura
pena mais suave? Logo que eu houver provado a existencia da paixão
infame, que debalde buscas esconder, tornarei publico teu crime; amante
indigna de Eucéro, quero que sejas sua esposa.


OCTAVIA.

O escravo Eucéro é aqui o véo que cobre uma iniquidade mais vil do que
elle proprio. Mas recuso discutir comtigo, não nasci para descer tão
baixo, não sou, como tu, audaz...


NÉRO.

Com quem ousas comparar-te? A chamma adultera, em que ardes, põe-te
abaixo da mais vil escrava; cahiste da alta posição onde te collocára o
nascimento.


OCTAVIA.

Não me odiáras tanto, se com effeito eu tivesse decahido, ou se ao menos
pudesses crê-lo. Entregar-te-hei, se o quizeres, tudo quanto me
pertence, mas não a minha innocencia. Cruel Néro, embora sejas
criminoso, não posso deixar de amar-te, nem de envergonhar-me deste
amor. É opprobrio para mim, bem o sei, chamarem-me rival de Poppéa; mas,
não o sou, esta mulher nunca te amou, não te ama, e só ambiciona a tua
posição, o teu throno, o esplendor que o cerca.


NÉRO.

Perfida! Já...


OCTAVIA.

Quanto a ti, quando comecei a amar-te, não eras o que hoje és; tinhas
nascido talvez para o bem. Jámais na tua infancia déste prova de indole
perversa. Eis aqui a mulher que envenenou-te a alma e o coração; ella
foi quem perverteu a tua intelligencia; ella, sim ella, quem te ensinou
o sabor do sangue; eis aqui o genio máo de Roma. De mim não fallo, que
nada valem meus males, comparados com os da patria; mas tu tingiste de
sangue as aguas do Tibre; meu irmão, tua mãi...


NÉRO.

Cala-te! cala-te! ou eu...


POPPÉA.

Merece ella porventura a tua cólera, senhor? O ultraje é sempre meio de
defesa de que lança mão o réo. Se ella me houvesse offendido, se lhe
pudesses dar credito, então suas palavras terião peso para mim. Que
disse ella? Que não te amo? Bem sabes...


OCTAVIA.

Melhor que elle o sabes tu; Néro só o saberá no dia em que perder o
imperio; então te conhecerá qual és. Ah! porque no throno (causa unica
do odio que me vota Néro) porque no throno tive eu o berço! por que não
descendo de familia obscura? Seria então menos suspeita e menos odiosa.


NÉRO.

Manos odiosa? Sempre o foste, e de dia em dia mais te tornas; agora,
porém, sê-lo-has por pouco tempo.


POPPÉA.

Se não posso dizer-me descendente de familia real, nasci porventura de
sangue vil? E, quando o fosse, não me bastára não ser filha de
Messalina?


OCTAVIA.

Reinavão meus pais, a isto deve-se o serem de todos conhecidos pequenos
erros que commettêrão. Mas, quem soube jámais o que fizerão vossos avós
obscuros e ignorados? Ainda, porém, que me ousem comparar a ti, haverá
quem possa accusar Octavia de ter sido de muitos esposa?... Fui
porventura rejeitada por um Rufo, por um Othon?


NÉRO.

Em breve pertencerás á morte! Só me resta fixar a especie de supplicio
que te reservo, não faças que eu escolha dentre elles o mais horrivel.
Retira-te, encerra-te em teus aposentos. Vai, não quero ouvir por mais
tempo a tua voz.



SCENA VII.

NÉRO E POPPÉA.


NÉRO.

Poppéa, conhece melhor a Néro e a ti mesma. Inda que seja preciso
incendiar Roma e afoga-la em sangue; inda que tenha de nella sepultar-me
com meu throno, não mais, t'o juro, serás ultrajada por causa de
Octavia, nem haverá força que a arranque do meu poder. Tranquillisa-te e
confia em mim.


POPPÉA.

Eu só receio morrer sem ser tua esposa.


NÉRO.

Oh! cala-te, o criminoso levantamento do povo se aplacará tão
rapidamente quão rapido se manifestou. Eu, do meu lado, vou preparar-me.
Fica tranquilla, dentro em pouco me verás voltar, vingado o ultrage que
ousárão fazer-te.



ACTO QUARTO


     *     *    *     *     *



SCENA I.

POPPÉA E SENECA.


POPPÉA.

Que me queres?


SENECA.

Desculpa-me se te vim importunar; mas é talvez para prestar-te um
serviço.


POPPÉA.

Donde te vem tão vehemente desejo de me ser util? Fostes alguma vez meu
amigo? És mesmo neste momento? Que outro motivo, senão o desejo de
molestar-me, te póde fazer proceder deste modo?


SENECA.

Certamente, eu não desejaria prestar-te um serviço, se a minha vinda
aqui não devesse ser util a Octavia. A compaixão, que essa mulher
innocente e illustre me inspira, o amor da justiça e o desgosto profundo
de uma vida importuna e vergonhosa obrigão-me a fallar. Teu proprio
interesse é o que unicamente te deve forçar a ouvir-me.


POPPÉA.

Eu te ouço. O que tens a dizer-me?


SENECA.

Que breve perderás a affeição de Néro, se o povo continuar a odiar-te.
Digo-te a verdade; bem sabes que conheço Néro, os Romanos, o seculo em
que vivemos e a ti mesma, Poppéa.


POPPÉA.

Conheces tudo, mas não te conheces a ti.


SENECA.

Quando me virem morrer, saberão que eu bem me conhecia. Ouve-me no
emtanto, ouve-me, eu te peço. Desejando com tanto ardor a morte de
Octavia, preparas a tua propria.

Os Romanos só a ti attribuem as desgraças de Octavia e seu desterro; se
uma nova infamia, se um castigo mais barbaro lhe fôr imposto, tu serás
ainda aos olhos do povo a unica culpada.

É por isto que cresce o odio já grande que lhe inspiras, e suas
murmurações tornão-se cada vez mais violentas. O povo amotinou-se, e
ainda não foi dispersado; demos porém que o seja; não poderá elle amanhã
reerguer-se mais terrivel? Poppéa, treme por ti mesma; Néro sacrificará
tudo á propria segurança. Pequenos obstaculos muitas vezes estimulão o
amor, mas um obstaculo invencivel bem depressa o faz calar em um coração
incapaz de nobres sentimentos. Não te illudas: Néro présa mais o seu
throno do que o teu amor, e desgraçada de ti se Roma o obrigar a
escolher entre os dous.


POPPÉA.

E eu préso mais Néro do que o seu throno. Se eu pensasse que a minha
presença, que a minha vida, erão para elle motivo de perigo... Mas, que
vans palavras dizes? Não é Néro senhor absoluto em Roma? E deve
porventura curvar-se ante a plebe vil, que sem murmurar obedecia a
Tiberio e a Caio?


SENECA.

Teme o furor dessa mesma plebe, se não conseguires destruir os terrores
de Néro. Ousa, porém, livra-o do unico freio que ainda o contém; serás a
primeira a experimentar os effeitos de tão imprudente passo. Inutil terá
sido todo o sangue derramado por occasião de vossas bodas fataes, se a
esse sangue ajuntares o de Octavia. Lembra-te de Agrippina; ella amava
seu barbaro filho, mas jámais quiz livra-lo do terror que lhe causava
seu irmão; no entanto a ardilosa crueldade de Néro prevaleceu; o
desgraçado irmão morreu envenenado; forão baldados os ardis da mãi,
igual sorte lhe coube em breve. Desde então temos visto Néro, de dia em
dia mais feroz, passar de um crime a outro crime. Octavia é a unica que
resta como freio desse monstro, Octavia, idolo de Roma, terror do
proprio Néro. Faze que ella desappareça, deixa que elle te gose
tranquillamente e em breve o verás saciado. Présa-te hoje, porque
conquistou-te á custa de muitos crimes, mas se a tua existencia fôr para
elle motivo de perigo, ainda que passageiro, verás como morre o amor que
te conságra. Então prepara-te para receber uma dessas recompensas de que
o monstro é prodigo; a morte mais cruel elle a reserva para aquelles que
mais o amão.


POPPÉA.

Néro se approxima; continúa.


SENECA.

Não penses que eu hesite em faze-lo.



SCENA II.

NÉRO, POPPÉA E SENECA.


NÉRO.

Perfido, ousaste infringir as minhas ordens?


POPPÉA.

Vem senhor, vem ouvi-lo.


NÉRO.

Ouvir, o que? Dentro em pouco será elle quem ouvirá a resposta que eu
vou dar ao povo. Oh raiva! O tumulto ainda não cessou, as supplicas não
abrandão o furor do povo, será preciso empregar o ferro e abrir caminho
por entre a massa popular. Tranquillisa-te, Poppéa, amanhã tuas estatuas
estaráõ de novo levantadas sobre seus pedestaes, mas as de outros,
manchadas de sangue, serão arrastadas pelo lodo das ruas.


POPPÉA.

Seja qual fôr o resultado de tudo isto, cumpre que Roma saiba por ti que
não fui eu quem pedio esse sangue, como satisfação das affrontas que me
forão feitas, posto que me magoassem profundamente. O povo arde em
desejos de poder imputar-me tal crueldade; o proprio Seneca atreve-se a
suppôr em mim essas intenções, bem que não esteja disso convencido. Bem
o sabes tu, minha unica divindade, bem sabes que só pedi o desterro de
Octavia. Eu não podia ver a meu lado aquella que, sem o merecer, gosára
antes de mim do amor de Néro. Mas, satisfeita por vê-la longe, pensei
que era castigo digno de seus crimes perder a tua affeição. Tal era a
pena que...


NÉRO.

Ah! deixa que falle Seneca e que murmure o povo. Roma conhecerá hoje
mesmo quem era o seu idolo.


SENECA.

Cautela, Néro! É mais fácil intimidar Roma do que illudi-la; mais de uma
vez o tem experimentado.


NÉRO.

É certo que mais de uma vez serviste-me de instrumento para illudi-la;
eras para isso mais habil do que eu.


SENECA.

Fui culpado, não o nego, mas pertencia á côrte de Néro.


NÉRO.

Vil escravo!


SENECA.

Fui, é certo, vil, emquanto me conservei em silencio; mas chegou o dia
em que devo erguer a voz livre e dizer-te o que ainda não ouviste. Será
isto pequena compensação para meus erros, mas a morte nestas
circumstancias justificar-me-ha, talvez, aos olhos da posteridade.


NÉRO.

Terás, prometto, na historia o nome que mereces.


SENECA.

Emquanto eu ouvir os clamores do povo, emquanto poder abrandar pelo
terror a tua crueldade, has de ouvir-me; apraz-me irritar-te, obrigar-te
a ouvir a verdade, antes que caia morto, victima tua: se não me deres
antes a morte, juro-te que não a darás a Octavia. Eu posso novamente
excitar o povo, despertar-lhe ainda o furor mal applacado e torna-lo
mais terrivel. Posso revelar-lhe nossos crimes communs e chamar sobre
tua cabeça perigos mais serios do que imaginas. Fui conselheiro de Néro,
e meu coração, como o delle, tornou-se empedernido. Rebaixei-me até
acreditar, ou antes, a fingir que acreditava que erão culpados
Britannico, por ter perdido o throno, Agrippina por o haver dado, Plauto
e Sylla por terem sido julgados dignos delle, e Burrho por t'o haver
conservado mais de uma vez. Eu sou, bem o sei, mais criminoso que elles
todos; e, quer me conserves a vida, quer m'a tires, di-lo-hei a quem
quizer ouvir-me. Sacia em mim o teu furor; podes fazê-lo impune; mas
treme, se assassinares Octavia; lembra-te que seu sangue cahirá sobre
tua cabeça. Eis quanto queria dizer-te; agora, se o queres, dá-me em
resposta a morte.



SCENA III.

NÉRO, POPPEA.


POPPÉA.

Senhor, abranda o teu furor...


NÉRO.

Vai, em breve expiarás as palavras que proferiste. Oh! que audacia!
Quando não me cercão os meus guardas, sou eu por ventura o mais fraco
dos homens? E por toda a parte me prendem motivos varios! Vejo-me
forçado a matar uns após outros, aquelles que quizera ver mortos, ao
mesmo tempo, no mesmo instante!...


POPPÉA.

Ah! quantos golpes me ferem o coração! Quanto me indigno contra mim
propria! Eu, só, sou a causa criminosa de todos os teus tormentos.


NÉRO.

Tanto mais cara ficas sendo para mim, quanto mais difficil se torna a
tua posse.


POPPÉA.

Chegou emfim o momento; é tempo, Néro, que eu lance mão de um meio
violento, e que só de mim depende. Não esperes que este povo audacioso
se tranquillise emquanto eu estiver junto de ti. Sim, Roma desprésa a
prole illustre que breve darei a Néro. Mais vale para ella que o poder
imperial pertença um dia á descendencia infame de um vil escravo. Posto
que eu não seja se não o pretexto de uma revolta popular, a que outra
causa deu nascimento, estou resolvida... Sim, devo, quero...


NÉRO.

Ah! Cala-te! Posso ainda ganhar tempo, como já o fiz. Que receias?
Havemos de triumphar, espera...


POPPÉA.

Ah! Permitte que, se eu não expirar agora a teus pés, diga-te um eterno
adeus...


NÉRO.

Oh! que dizes? Ergue-te! eu deixar-te!... nunca.


POPPÉA.

De que te serve dissimular? Desde que Octavia chegou, as vociferações do
povo encherão-te de susto; sua audacia tem ido em constante augmento, e
o terror que sentes...


NÉRO.

Aterrado?... eu?


POPPÉA.

Bem sei que o teu coração inabalavel persiste em seus projectos de
vingança; os meios, porém, são duvidosos, e no emtanto continuas exposto
a multiplicadas affrontas. Ouviste as palavras insensatas e injuriosas
de Seneca; bem vês que...


NÉRO.

Aterrado?... eu?


POPPÉA.

Sim, por minha causa. Deixa que suba ao throno aquella a quem o povo
quer ver no throno, já que é o povo o arbitro de teu coração. Empunhe
embora Octavia o sceptro, que importa? mas que partilhe de novo o teu
leito, que possua de novo o teu amor! oh! quanto sou desgraçada!... Só
assim poderás ter paz e segurança.


NÉRO.

Cede ás supplicas do esposo, ou respeita as ordens de teu senhor. Para a
immensa cólera que ferve em meu coração, para a grande vingança que
quero tomar, os meios, bem o sei, são por demais lentos, mas a lentidão
não prejudica a vingança.


POPPÉA.

Crê-me, para que te salves, para que ganhes tempo cumpre que eu parta;
só a minha ausencia póde ser util neste momento. Queres que me forcem a
partir, emquanto que agora o posso fazer voluntariamente? O povo ameaça
obrigar-me a isso, e é esta a menos terrivel de suas ameaças; pretende
dar a Octavia novo esposo e que este com ella reine.


NÉRO.

Não prosigas, que mais provocas a minha cólera.


POPPÉA.

Ainda quando por algum tempo fiques vencedor de Octavia e do povo
romano, crescerá o odio que inspiras e então, quem sabe se tu proprio
não accusarás a desgraçada Poppéa? Quem sabe se, levado pelo
arrependimento não trocarás por odio a afeição que hoje me consagras? Oh
céo! Só este pensamento gela-me o sangue. Ah! deixa que eu morra longe
de li; ao menos baixarei ao tumulo possuindo todo o teu amor...


NÉRO.

Basta!... Basta!... Já a minha raiva transborda; não penses mais em
deixar-me... Roma, o mundo inteiro, o proprio céo debalde se opporão a
que sejas minha. Néro o jura.



SCENA IV.

TIGELLINO, NÉRO E POPPEA.


TIGELLINO.

Viva Néro!


NÉRO.

Dispersaste o povo? Esmagaste-o? Sou senhor em Roma? Pois que! voltas
sem que venha tinta de sangue a tua espada?


TIGELLINO.

Ainda não chegou a hora em que convem derramar sangue, mas está proxima.
Entretanto cumpre usar de astucia; mandei espalhar por entre o povo
falsos boatos; ora dizia-se que estavas disposto a chamar para junto de
ti Octavia, se ella pudesse justificar-se dos crimes de que é accusada;
ora que as affrontas insensatas de que tem sido victima Poppéa,
indignárão o nobre coração da propria Octavia, que volta a Roma para
restabelecer a ordem e a tranquilidade, e não para dar causa a tumultos
populares.


POPPÉA.

E a plebe ignara julga que eu preciso da compaixão de Octavia?


NÉRO.

Sempre a astucia, sempre, e o ferro nunca?


TIGELLINO.

O povo aceita como verdade ainda mesmo o que é inverosimil. Ou fatigado,
ou convencido por esses boatos, abrandou a criminosa alegria que o
transportava. Mas já vai cahindo o dia, e a noite verá bem diversos
acontecimentos. Já em segredo se reunem os pretorianos; já muitas
cabeças illustres estão designadas para o desterro. O sol de amanhã
allumiará scenas de sangue, e, quando descambar, reinará o silencio. Mas
se queres que amanhã cesse o tumulto, que á falsa alegria passageira
succedão longas e verdadeiras dôres, torna evidentes os graves crimes
que se attribuem a Octavia; se assim não fizeres, jámais tocarás o
almejado fim. Não pódes assassina-los a todos...


NÉRO.

Ah! Não posso!...


TIGELLINO.

Mas pódes a todos illudir. Será esta a ultima vez em que á matança
preceda a astucia.


NÉRO.

Vai, pois, e torna mais graves as accusações contra Octavia; della
tiraremos, Poppéa, completa vingança. Oh! breve, eu espero, raiará o dia
em que para saciar meus odios eu não precise de soccorro estranho.



ACTO QUINTO

     *     *    *     *     *



SCENA I.


OCTAVIA.

Calou-se emfim o povo: cessou o tumulto; chega a noite e com ella
renasce silencio de morte. Aqui devo esperar o meu destino; assim o
manda o meu senhor. Mas, emquanto neste lugar solitario choro, Néro o
que fará? Começa a noute por vergonhosas orgias. Julga-se, pois, em
segurança? Já? Tão cedo? Assim é entretanto! Tão depressa se assusta,
quão depressa se tranquillisa, e nunca o preoccupa o perigo remoto. Ah!
que não seja tão grande erro a causa de sua perda! É pois, em meio de
prazeres impuros, da lascivia, da embriaguez, junto da mesa do banquete,
que elle me prepara (não posso mais illudir-me!) horrivel morte! Foi
tambem em meio de um festim nocturno que vi cahir morto meu irmão; foi
tambem á mesa do banquete que se traçou em letras de sangue a sentença
de morte de Agrippina. As primeiras iguarias, que devem ser servidas nas
cêas alegres de Néro, são os membros ainda palpitantes de seus parentes.
Mas, vai correndo o tempo e ninguem chega... de nada sei... O proprio
Seneca abandonar-me-hia? Ah! talvez tenha já deixado de existir... Oh!
céo! o unico que de mim se compadecia... Néro, sem duvida, já nelle
saciou o seu furor... Mas... que vejo? oh! alegria! ei-lo, para aqui se
encaminha.



SCENA II.

OCTAVIA, SENECA.


OCTAVIA.

Seneca, ainda vives? Vem, tu que és para mim mais do que um pai!... Mas,
que tens? ha menos tristeza em teu semblante... que novas me trazes?


SENECA.

Folga, Octavia, não puderão manchar a tua innocencia! Tuas virtudes, com
seus celestes raios, inflammárão os corações mais baixos e servis. Entre
martyrios, soffrendo os mais barbaros tormentos, tuas servas, unanimes,
negárão teus suppostos crimes.

Marcia, mais que todas, tornou-se digna de admiração! com firme
semblante, em attitude viril, livre (envergonhando-nos a todos nós,
cobardes escravos) ella, intrepida, encarava Néro; e, fitando óra em
Tigellino, óra em Néro, seu olhar altivo, chamava-os vis calumniadores;
e arrebatada por generosa cólera, insensivel ás torturas, entoava um
hymno solemne glorificando a tua virtude; por fim cahio exhalando o
ultimo suspiro!


OCTAVIA.

Infeliz! era digna de melhor destino! Mas, para que serve tudo isto?
Haverá sangue que baste para resgatar minha vida?


SENECA.

Agora, mais do que nunca, Néro hesitará em derramar teu sangue! Sahiste
coberta de gloria e de honra, da cilada em que o monstro julgára que
encontrarias a infamia e a morte! Agora, Néro, soltando imprecações
horrendas, vota a cabeça aos numes infernaes; ora pronuncia palavras
ferozes, mas sinceras, que attestão a tua innocencia; óra jura que mais
vale lançar mão das torturas, do supplicio, do ferro que de calumnias
compradas a peso de ouro. Conta a todos as promessas infames que lhe
fizera Tigellino; os proprios algozes barbaros, que o rodeão, tomados de
desusado horror, ouvem-o assombrados e immoveis. Vim correndo trazer-te
estas gratas noticias.


OCTAVIA.

Ah! vê quem para aqui se encaminha, vê e espera ainda!...


SENECA.

Oh! céo!



SCENA III.

TIGELLINO, OCTAVIA E SENECA.


TIGELLINO.

O teu senhor a ti me envia.


OCTAVIA.

Ah! porque ao menos não me trazes a morte? Agora que a minha innocencia
está por todos reconhecida, grato me seria morrer.


TIGELLINO.

Teu senhor não crê ainda nesta innocencia; para te justificares não te
bastava mandar envenenar Eucéro e todas as criadas, tuas cumplices, para
que não pudessem ellas resistir ás torturas; poupaste-lhes o supplicio,
mas ao mesmo tempo te privaste dos meios de defesa.


OCTAVIA.

Oh! céo! que nova calumnia...


TIGELLINO.

D'ora ávante Néro não quer que te accusem senão de crimes patentes. Nova
e mais grave accusação se dirige contra ti, e não foi no meio das
torturas, não constrangido, mas sim em plena liberdade, que o teu
cumplice te denunciou.


OCTAVIA.

Que cumplice? falla.


TIGELLINO.

Aniceto.


SENECA.

O algoz de Agrippina!


OCTAVIA.

Que ouço!


TIGELLINO.

Aquelle mesmo que salvou outr'ora Néro de um grande perigo, então era
elle fiel a seu senhor; tu o arrastaste á traição; agora, arrependido,
foi elle o primeiro a denunciar-te; revelou todo o plano, mas nem por
isto será menor o castigo que o espera.


OCTAVIA.

Oh! que miseravel mentira!...


TIGELLINO.

Não te prometteu elle que a um signal teu se levantaria com o exercito
que commanda em Micena? E preciso dizer quaes forão as condições?


OCTAVIA.

Ah! deixa-me. Oh! nação scelerata! Oh! seculo de horror!


TIGELLINO.

Néro ordena que te defendas dos crimes de que te accusão, de teus
criminosos amôres, da rebellião a que arrastaste seus generaes, das
injurias audazes, de tantas ciladas indignas que em vão armaste a Poppéa
e do levantamento do povo; defende-te ou confessa a tua culpa; tens para
isto todo o dia que começa.


OCTAVIA.

É tempo de mais. Volta a ter com elle e pede lhe que venha aqui com
Poppéa. Só a elles quero revelar todos os meus crimes; nada mais peço;
vai, quero que Poppéa assista alegre á minha humilhação, eu os espero.



SCENA IV.

OCTAVIA E SENECA.


SENECA.

Que queres tu fazer?


OCTAVIA.

Morrer em sua presença.


SENECA.

Que dizes?... Ah! elle não o permittirá, se vir que o desejas com tanto
ardôr.


OCTAVIA.

É isto porventura uma graça que peço a Néro? Tenho outro favor a
supplicar-lhe e espero......


SENECA.

Pensava conhecer Néro, mas confesso que estou admirado de tanto horror;
mostra-se elle sempre mais cruel do que se imagina.


OCTAVIA.

Seneca, tu foste o escolhido por mim para auxiliar-me a effectuar a
resolução que tomei. Se me estimas, se me amas, se te compadeces de
minha sorte, poderás hoje provar-mo. Já me ensinaste a trilhar o caminho
da virtude e da honra; agora que minha morte tornou-se necessaria,
ensina-me a morrer.


SENECA.

Oh! Céo! Que escuto?... Deve por ventura a morte ser inspirada por
insano impeto d'alma?


OCTAVIA.

E julgas-me tu tão vil que não possa tomar inabalavel resolução? Não é a
morte agora para mim o menor dos males que me espera? Não é o meu unico
recurso? Responde! Ah! tu te calas...


SENECA.

Oh! dia horrivel!


OCTAVIA.

E-ia pois, responde; resta-me outra cousa a fazer?


SENECA.

Assim me partes o coração; mas posso ser cruel a ponto de...


OCTAVIA.

A tua sciencia é pois tão enganadora? Podes ser cruel a ponto de
deixar-me presa de uma rival feroz, para quem pouco valerá a minha
morte, se com a perda da vida não fôr tambem a da reputação? Podes ser
cruel a ponto de deixar-me exposta ás calumnias dos malvados, á ira
louca e insaciavel de um monstro como Néro?


SENECA.

Oh! dia infausto!... porque vivi até este momento?...


OCTAVIA.

Mas o que te detem?... O que temes?... Conservas ainda alguma esperança?


SENECA.

Quem sabe?...


OCTAVIA.

Menos do que qualquer outro o esperas, bem conheces a Néro; estás
resolvido (não m'o negas de certo), a evitar seu furor por meio de uma
morte voluntaria. Julgas acaso menos firme do que a tua a minha
resolução? E dizes que me amas! Devo tremer, de certo, emquanto este
misero corpo servir de abrigo a minha alma. A quantas affrontas não
poderei ficar exposta? E, se aterrada pelas ameaças eu succumbisse! Se
porventura no meio dos supplicios eu deixasse cahir dos labios a
mentirosa confissão de um crime que não commetti, de um pensamento que
nunca tive!... Habituado desde longo tempo a encarar a morte, tu confias
em ti mesmo; eu não, sou moça ainda, meu animo vacilla, meus membros são
delicados, e mal resistirei á ameaça de morte cruel e prematura. Posso
facilmente abandonar a vida, mas não tenho forças para esperar longo
tempo a morte.


SENECA.

Quanto sou infeliz! Esperava salvar-te dando em troca os poucos dias que
me restão. Queria revelar ao povo os ardis infames, horriveis do
criminoso Néro... Foi em vão que conservei a vida até hoje. O povo
conserva-se mudo, e apenas escuta a voz do medo. Nem posso mais sahir
deste horrivel palacio... Oh! Céo! quem poderá lutar contra um senhor
impio, se, como elle, impio não fôr?


OCTAVIA.

Choras?... Eia, pois, da infamia e do martyrio salva-me; dá-me a morte,
pois que, bem o vês, são illusorias todas as esperanças. Salva-me por
compaixão.


SENECA.

Ainda quando o quizesse... Em tão breve espaço... como o poderia fazer?
Não trago armas commigo, e Néro em breve aqui estará.


OCTAVIA.

Trazes sempre comtigo um veneno subtil; é o unico refugio dos homens
justos nesta côrte infame.


SENECA.

Eu!... veneno?...


OCTAVIA.

Sim, tu mesmo m'o disseste outr'ora, quando me confiavas os mais
secretos sentimentos do teu coração atribulado, como o faria um pae á
filha querida. Lembra-te que muitas vezes chorámos juntos. Ah!
recusas!... Elevar-me-hei acima de mim mesma; a necessidade torna
animosos os mais fracos. Néro em breve aqui estará; á cinta traz elle
sempre a espada; tirar-lh'a-hei e com ella traspassarei o coração.
Talvez meu braço debil sirva mal a minha coragem, mas farei o que digo.
Se o golpe não me matar, Néro me accusará de ter querido assasina-lo e
então serei condemnada a soffrer inauditos supplicios.


SENECA.

Ah! senhora, porque assim me dilaceras o coração!... Eu quizera... Mas
não... Estás illudida, não trago veneno.


OCTAVIA.

E não trazes sempre comtigo um annel? Ei-lo, é este, eu o quero.


SENECA.

Ah! deixa-me...


OCTAVIA.

Debalde te esforças... agora é meu! Sei como devo emprega-lo; sei que
elle me dará morte suave e rapida.


SENECA.

O céo é testemunha... Ah! restitue-me o annel... Se um outro meio
houvesse...


OCTAVIA.

Não, é este o unico... Vês, ei-lo aberto... já sorvi o pó mortal que
elle encerrava.


SENECA.

Ah! quanto sou desgraçado!


OCTAVIA.

Os deuses te recompensarão pela dadiva preciosa e necessaria que me
fizeste... Néro se approxima... Vem, oh morte, apressa-te, salva-me.



SCENA V.

NÉRO, POPPÉA, TIGELLINO, OCTAVIA E SENECA.


NÉRO.

Causa funesta de todos os meus males, quem poderá agora arrancar-te de
minhas mãos? Quem por ti clamará agora? Onde está o povo? Tiveste razão,
o unico partido que te restava era te mostrares tal qual és, revelar a
Roma e ao mundo inteiro todos os teus crimes, e assim justificar perante
o meu povo a morte que mereceste pelas tuas infamias.


SENECA.

Já não tenho remorsos; era opportuno!


OCTAVIA.

Estás, ó Néro, completamente justificado. Folga, pois; eu propria já
castiguei em mim o crime de ter sido tua esposa, de te haver amado.


NÉRO.

Tu propria?... Como?... Que fizeste.


OCTAVIA.

Cruel veneno circula já era minhas vêas.


NÉRO.

Quem t'o deu?


POPPÉA.

Oh! Néro, agora só a mim pertences!


NÉRO.

Quem te deu o veneno?... Mentes.


TIGELLINO.

Não a crêas, senhor, guardas severos...


SENECA.

Os guardas podem ser illudidos, e os teus o forão... Aos justos reservão
os deuses sempre um refugio.


OCTAVIA.

Em breve me verás cadaver... Foi este o homem compassivo que me forneceu
o veneno, ou antes, eu de suas mãos violentamente o tirei. Se por isso o
punires, apenas te anteciparás aos seus desejos; não te occulto, pois, o
que elle fez por mim... Olha, sob esta pedra estava occulto o veneno. No
dia do nosso infausto hymenêo devêras ter me dado annel semelhante a
este, em penhor de tua affeição.


NÉRO.

Bem conheço que este ultimo e horrivel trama foi urdido com o fim de
tornar-me odioso ao povo romano. Homem perverso, tu que o plano
concebeste, em breve...


POPPÉA.

Escapaste ao supplicio que te esperava, Octavia, mas debalde esperas
escapar á infamia!


OCTAVIA.

E tu esperas porventura que eu desça até responder-te? Escuta, Néro,
minhas ultimas palavras... Crê no que te digo.... Estou chegada ao
momento fatal em que desapparece todo o temôr, em que é inutil o
fingimento; e eu nunca te enganei... morro, e não é Seneca quem me dá a
morte, mas sim tu, Néro, tu só; posto que não m'o désses, é teu o veneno
que me consomme a vida. Não penses que te accuso, mas devêras ter-me
dado a morte quando comecei a aborrecer-te; fôra menos cruel matar-me
então do que preferir-me outra esposa, que, embora o quizesse, não
poderia amar-te... mas tudo te perdôo; perdôa-me tambem tu; meu crime
unico consiste em, adiantando de algumas horas o momento de minha morte,
tirar-te o prazer de uma vingança completa. Eu podia tudo sacrificar-te,
Néro, excepto minha honra, podia tudo supportar menos a infamia... de
minha morte, espero, não resultará para ti perigo. É teu o throno,
goza-o... possas nelle encontrar a paz; juro-te... que jámais minha
sombra.... virá á noute... junto de teu leito ensanguentado...
perturbar-te o somno... talvez um dia... conheças melhor... aquella
mulher...


NÉRO.

Quanto mais a conheço, mais a estimo, e juro ama-la sempre!


SENECA.

Com estas palavras, revolves-lhe o punhal na ferida... ella expira!...


POPPÉA.

Vem, abandonemos estes lugares funestos.


NÉRO.

Vamos, sim, e saiba Roma inteira e saiba o exercito que não fui eu quem
deu morte a Octavia. Saibão ao mesmo tempo o crime e a morte de Seneca.



SCENA VI.


SENECA.

Vai, eu prevenirei a tua vingança, mas os seculos vindouros,
inaccessiveis ao temôr e á lisonja saberão toda a verdade, saberão quem
foi o assassino de Octavia.


     *     *    *     *     *

Rio de Janeiro.--Typ. Imp. e Const. de J. Villeneuve e C.--1869.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Octavia - Tragedia em 5 Actos" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home