Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Viamos e não veremos - alegoria moral, acompanhada de outras diversas maximas - relativas a nossa liberdade constitucional
Author: Anonymous
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Viamos e não veremos - alegoria moral, acompanhada de outras diversas maximas - relativas a nossa liberdade constitucional" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



produced from images generously made available by National
Library of Portugal (Biblioteca Nacional de Portugal).)



VIAMOS E NÃO VEREMOS.

ALEGORIA MORAL.

Acompanhada de outras diversas Maximas relativas á nossa Liberdade

CONSTITUCIONAL



LISBOA

NA IMPRESSÃO REGIA.


ANNO 1820.


_Com Licença da Commissão da Censura_.



_Sacro Febo, não cesses
D'espalhar teus luzeiros;
As verdades mais sãs desdobra aos homens;
Quartel não dando á Escuridão, aos Erros,
A Humanidade misera liberta
  Do Jugo insoportavel
Da Ignorancia, fatal, que he mãi dos males_.

De Fr. X. Monteiro de Barros.



VIAMOS E NÃO VEREMOS.


ALEGORIA MORAL.


     _Dedicada ao Excellentissimo ***[1] hum dos Dignissimos Deputados
     da Junta Provisoria do Supremo Governo do Reino_

       *       *       *       *       *

     _Mil Benções caião do Ceo sobre huma sabia Constituição Nacional_.

     Do Observador Constitucional.


_Viamos e não Veremos_: (verbi gratia) Sugeitar-se hum benemerito
Militar ao vergonhoso ludibrio de procurar hum Uzurario (de que abundava
Portugal) para lhe rebater os Soldos, e depois de lhe pedir a 25 por
cento, e concluir o negocio havendo differença em 600 réis, a favor do
dito Militar, dizer o Uzurario, sem pejo nem consciencia: Os 600 réis
não façamos caso d'elles; pois n'huma conta d'estas deve V.S. ceder-mos
(afirmando logo que lhos não dava, porque aliás lhe não podia rebater os
Soldos; pois tinha quem se sugeita-se a perder 30 em lugar de 25) para
eu beber huma garrafa de vinho (de veneno a precizava elle) á sua saude!

_Viamos e não Veremos_: Que o benemerito guerreiro possa formar as
justas queixas que tão justamente lhe attribuem e que tão injustamente
se lhes causavão o Sabio Escriptor João Baptista de Castro--"Desde
menino tive tal inclinação á Milicia, que sempre me agradou mais a lança
de Achyles, que a Lira de París, mas a experiencia me tem mostrado, que
mais vale saber manejar as Lyras que as Lanças. Já se accabárão aquelles
tempos, em que hum Mithridates, e hum D. João II. de Portugal, tinhão
Livros em que escrevião os nomes de seus Soldados para os honrar, e
premiar; agora fica encoberto o merecimento, e sepultadas as acções na
falta do premio. O titulo de heróe já não chega aos ouvidos do Soberano,
se não coberto com a capa da nobreza. Tenho-me achado em muitas
batalhas, e sempre sahi dellas feito mais espectaculo de compaixão, do
que assumpto de ludibrio; e com tudo sirvo de exemplo aos desgraçados.
Foi doutrina de hum Filosofo, que a alma se mistura com o sangue; se
assim he, quantas vezes tenho eu derramado a alma pelo sangue das
feridas por amor do meu Rei? Companheiros conheço eu, que nunca na
campanha souberão outro quartel, que o da saude, nem mais ataque que o
do somno; e hoje ostentão louros das batalhas no augmento dos postos; e
quando eu não descançava de dia e de noite em continuas vigilias, como
Jacob, achando-me em todas as occasiões na frente do meu Exercito, com
tanto risco da minha vida, sendo muitas vezes o primeiro que arvorei a
bandeira sobre a brexa das Praças; não sobi mais do que á de Soldado
razo no predicamento da fortuna humilde; nem estas cãs merecêrão ser
coroadas ao menos com a corôa da hera do Profeta Jonas, que se murchava
de quando em quando.

Eu bem sei, que se puzer em concurso os meus merecimentos, ninguem
poderá ajuntar melhores certidões; mas de que me serve alcançar hum
pedaço de pão, depois que o não possa comer, soffrendo de mais a mais o
insopportavel purgatorio de pretendente? Quando o despacho se comprava
só com o serviço, era mais barato o despacho: agora sahe mais caro,
porque se compra o despacho com o serviço, e com a pertenção; e assim
vem a custar mais o pretender do que o servir."

_Viamos e não Veremos_: As tres faltas essenciaes (e que diz hum
Politico que por modo nenhum se deve faltar aos Militares) isto he: A de
Soldo diario, a de Remuneração extraordinaria, e a Liberdade depois de
certo e limitado tempo de serviço.--O Exercito bem provido de
mantimentos, tarde ou nunca he vencido--a paga certa alenta, porque pela
boca se aquenta o forno, e não devemos crer que sejão os Soldados como
os fornos d'Arruda, que só huma vez na semana se aquentão, e isto lhes
basta para coserem pão de Domingo a Domingo! Tem-se isto por prodigio
grande, e por maior se deve ter que aturem os Militares mezes e mezes
sem receberem hum real de Soldo para se vestirem e manterem. A segunda
os faz constantes, por que o dezejo de aspirar, e crescer he natural, e
com a certeza de melhorar de posto, e alcançar bons despachos, fazem
pelos merecer, e não temem arriscar as vidas, porque o estimulo da honra
he o melhor alicate que ha para avançar ás grandes emprezas, e tambem o
do interesse. A terceira os faz leaes, por que se se imaginão captivos,
e que nunca poderão renunciar o trabalho da Milicia, vestem-se da
condição de escravos, e he o mesmo do odio a seus senhores, e em lugar
de se portarem como Guerreiros Esforçados, portão se como _Forçados_ das
Galés!! Hum Politico adiantou mais, e chegou a ponto de dizer, que pelo
antigo costume, ou pratica observada na Milicia até ao presente, muito
menos penozo era ser Forçado nas Galés! do que Soldado no Exercito; pois
que o primeiro era preciso que o seu crime fosse muito grande para se
prolongar o seu captiveiro por mais de dez annos, e o do segundo acabava
com a existencia!

_Viamos e não Veremos_: Que hum benemerito Sargento que muitas vezes
posto que não tenha grandes Estudos huma pratica consumada o tem posto
capaz de responder por huma brigada quanto mais por huma companhia, ser
perterido... Em suma considerado indigno de pôr huma banda á cinta!

Destes benemeritos Sargentos dignos não só de serem Officiaes, como
acima dissemos, mas por huma consumada experiencia, honra, e pratica,
capazes de responderem por huma Brigada, se encontrão em o Regimento de
Artilharia N.^o I. e em outros muitos Regimentos.

_Viamos e não Veremos_: Capitães Móres com hum poder dispotico, e
absoluto para cinco Recrutas que se lhes pedião, meterem em huma cadeia
(que quasi sempre succedia proximo ao Natal em que os Lavradores matão
os porcos!) cem e mais filhos de Lavradores, Viuvas, e Infelizes Mãis; e
depois a troco de peitas soltarem noventa e cinco affim de remetterem as
cinco pedidas! Outro sim meter na mesma conta (e na mesma cadeia) homens
trabalhadores, que por serem d'outras terras longe de suas familias
desprovidos de dinheiro; (pois que regularmente quando chegão ao Sabbado
já tem comido parte do dinheiro que se ha de vencer na Semana seguinte)
alli se conservavão trinta, quarenta, e mais dias, quasi morrendo de
fome (o que chegaria a succeder senão fôra a caridade dos fieis) até que
o indigno Capitão Mór complete a redução dos que prendeo, e dos que ha
de mandar, e até das peitas que intentou receber!--Parece que pedia a
justiça, e a boa razão, (se em taes sugeitos se encontrassem!) que logo
que se prende (que nunca se devêra prender) hum homem para servir a
Patria, fosse sustentado pelas Camaras das mesmas Villas, assim como o
são os Soldados nos Calhaboiços.

_Viamos, e não veremos_, Chefes de Corpos (que em quasi todas as classes
os havia até de Ladrões!) capazes de contratarem entre Quarteis Mestres,
e Soldados abonados (de dinheiro seu!!--Não se procura aqui como ganho!)
a venda da Fardetas quando ainda existentes na Fundição, e depois o
mesmo Soldado em lugar de dadas que lhe erão em recompensa de seus
serviços, ter de comprar as mesmas a 1200 réis, os quaes lhe erão
descontados no diario pagamento, e quando succedia não poder continuar a
servir (por se achar só capaz de acabar a sua existencia pedindo
esmola!) se lhe punha na sua Baixa esta verba: Vai pago de Fardas, e
Fardetas (pelo contrario as tinha comprado com o seu dinheiro!) até ao
presente (segundo a Data da Baixa, &c.)

_Viamos e não Veremos_, horrorosos quadros, como aquelle que nos
apresenta o Jornal--O Patriota--sobre o pessimo e detestavel systema de
tratar, e escolher a Maruja em Portugal nos ultimos calamitosos
tempos:--"O pessimo tratamento dos Marujos, he outra causa da decadencia
da Armada. Hum Marujo vilmente amarrado com huma corda, ou com as mãos
algemadas, era conduzido para huma Cadeia d'alli passava a huma revista,
erão frivolos, erão sem razão quantos motivos apresentasse; da revista
para hum Deposito, aonde ociosos se davão a toda a qualidade de vicios,
e de destemperos; do Deposito para huma Embarcação, e na Embarcação pela
Barra fóra... He chegado o momento do trabalho... Poucos são capazes de
subir, poucos são capazes de trabalhar, porque a maior parte são homens
que se alguma vez embarcárão foi do Caes das Columnas para o de
Cassilhas, que julgo já lá existe; huns erão gallegos do barril, outros
padeiros, estes Officiaes de Carpinteiro, e Pedreiro, e quasi todos
peores do que eu, que Deos me livre de me achar em taes assados! Mas a
Embarcação por milagre do Altissimo lá vai... sim lá vai a Embarcação
exposta a perder-se, e tantas vidas... tantas vidas... faz-se a Viagem,
voltão, e entrão no Porto, donde sahirão, que esperarão estes homens?...
Que se lhes pague o seu trabalho, e tanto mais quanto forão obrigados a
trabalhar; mas que succede? Demora-los a bordo immenso tempo, até que
impacientados, nús, e miseraveis, e o que ainda he mais cruel, e duro,
se tem mulheres, irmãos, ou pai, lembrarem-se de que estarão morrendo á
fome, sem elles lhes poderem valler, tendo aliás com que, pois tem ganho
com tanto perigo huma soldada tão diminuta,... e esta mesma se lhe
nega... negava-se-lhe tudo... até a propria liberdade... Não tem outro
recurso senão fugir... fugio! Perdeo de huma vez os direitos a tudo
quanto sobre as aguas do mar debaixo de procellosos aguaceiros tinha
adquirido... (quando não perdia a vida como succedeo a hum infeliz de
outros muitos, mas menos do que elle, que hião fugindo ha coisa de dois
annos pouco mais ou menos, de bordo do Brigue--Tejo--que mandando o
Commandante hum Escaller sobre a Lanxa em que hião fugindo sobre a qual
atirárão alguns tiros, do que resultou quando chegárão á outra banda,
acharem e Lanxa encalhada, terem fugido os que ficárão vivos, e ficar
hum infeliz morto!) Oh Santa Razão! Quanto estavas degradada entre os
homens!... Mas graças mil, graças mil aos nossos Libertadores, ousamos
assegurar, que será hum dos primeiros objectos digno da sua alta
Consideração, da sua Justiça, Rectidão, e Amor da Patria!"

_Viamos e não Veremos_, Leis que possão ter só o titulo de Leis
_Lisbonenses_! Qualquer individuo podia ter huma Loja de Livros na
Cidade do Porto (Cidade Illustre por onde principiou a dissipação destas
trevas) em Coimbra, Evora, Elvas, &c. ou em outra qualquer parte do
Reino. Apenas em Lisboa huma injusta representação (pois que as justas
não as deixavão chegar a seus ouvidos) feita a S. M. por hum ou mais
Encadernadores, que nunca vivêrão de vender Livros encadernados, mas sim
de encadernar, dois objectos tão differentes hum do outro, como he o de
hum Ferreiro fazer pregos (seja-nos permitida esta expressão) e huma
Loja de Ferragem vende-los; foi resolvida em Consulta no Rio de Janeiro,
que só aos ditos Encadernadores fosse permittido vender Livros, do que
resultou ao pobre e infeliz--Méchas--perfeito modello da actividade no
seu genero, ser citado por elles Encadernadores, então Juizes do
Officio, ou para se examinar, ou fechar a Loja, e desta forma vir a
perder hum estabelecimento, d'onde tirava subsistencia para si, e sua
desgraçada familia. Elle confessa, e até prova, que só huma ambição
desmedida lhe poderia negar que elle não fosse activo para si,
interessante para com seus Concidadãos, e de utilidade para os mesmos
Encadernadores que tinhão cavado a sua ruina: Em fim continúa elle:
Ser-me-ha preciso abandonar a minha Patria para me ir estabelecer a hum
Reino Estrangeiro? (o que tería feito senão fosse dar a entender a seus
Credores que tinha dinheiro mettido em si) quando em Portugal não
precisa ser Encadernador, mas basta ser Estrangeiro (ou que seu pai o
fosse) para ter Loja de Livros?... Ser-me-ha estranho, ou intoleravel o
andar eu, de dia e de noite, offerecendo Livros pelas Lojas de Bebidas,
e Bilhares do Caes do Sodré, ensinando por este modo aos meus Patricios,
que eu não me despreso de que com a mesma mão com que escrevo para o
Público (á falta de Escriptores) com essa mesma offereço os Livros, e
que ao homem nada está mal senão o mal proceder?... Não dou eu que fazer
aos mesmos Encadernadores? Não tenho eu feito trabalhar as Imprensas, e
obrigado a comprar, Livros com a minha industria a homens que apenas em
outro tempo talvez se lhes não achassem meia duzia de Livros em casa,
hoje em dia tem enchido as Estantes dos que a mim me tem comprado?
Desenganem-se que isto de Livros, ou Leitura he hum vicio (vicio assáz
louvavel, e interessante!) e que quanto mais ha quem venda Livros, mais
Livros se vendem! Ainda que assim não fosse, aonde ha damno de terceiro,
não póde haver contemplação com certos individuos; pois que o bem geral
deve prevalecer á utilidade de alguns. (Se he que não he huma utilidade
mal entendida!) Finalmente huma grande, evidente, e decisiva prova sobre
o serem prejudiciaes á industria popular as Corporações privilegiadas,
ou Companhias exclusivas, se póde vêr em hum dos jornaes de París de 12
de Septembro do presente anno, e na Gazeta de Lisboa em 9 de Outubro do
dito.--Hum sabio Ministro de Napoles, entre outras muitas importantes
maximas, trata em hum Capitulo separado a seguinte: "Fica offendida a
liberdade da industria (prossegue o Ministro) quando se estabelecem
Corporações de Artes, e Officios; quando o Governo tem faculdade de
fazer-se empresario; quando se fórmão Companhias exclusivas de
Commercio; quando se exclue algum ramo de industria, ou he opprimido com
impostos. Quanto á propriedade que se adquire com a industria, póde ser
prejudicada directa ou inderectamente pelas Leis da confiscação; pela
usurpação do poder administrativo nas cauzas civis; pelos emprestimos
que tomasse o Governo sem huma utilidade evidente para o Estado; pelas
pensões concedidas sobre a divida pública fóra dos casos prescriptos
pelas Leis; por impostos mal estabelecidos, ou que excedem as
necessidades públicas."

_Viamos e não Veremos_, que se concedão Privilegios até aos Cegos (que
parece mesmo Privilegios de Cegos!) a hum ponto tal que os authorizasse
para nas terças feiras fazerem aprehenção em quantos Livros achassem á
venda, ou, fossem ou não de particulares, e que a menor pena imposta,
era, o perdimento d'elles, e 5$. de condemnação!... Acabamos de saber em
fim que elles se tem deixado (posto que a sua vontade fosse o contrario)
de obstar aos rapazes que ao presente se occupão (e que até he huma
providencia; pois que a maior parte d'elles se occupava em tirar lenços)
em vender folhetos, e Versos analogos á Liberdade Constitucional.

_Viamos e não Veremos_, que a huma pobre e honrada mulher lhe fosse
prohibido vender huma saia, ou huma camisa com o risco de a perder, e ir
parar ao Limoeiro.

_Viamos e não Veremos_, huma infame Proclamação que dê o nome
de--Rebeldes!!!--aos Heróes que no dia 24 de Agosto levantárão pela
primeira vez a voz da Razão, e do Heroismo sobre a Liberdade
Constitucional.

_Viamos e não Veremos_, hum infeliz criminoso estar prezo quatorze annos
ao fim dos quaes propor-se em Relação, e dar-se-lhe a escolher se queria
morrer, ou ser carrasco! Tão infeliz quanto generoso, e de alma grande
foi hum criminoso, que respondeo: Quero morrer, porque posto que eu com
constancia tenha supportado quatorze annos de prizão, não me acho com
forças bastantes para ficar o restante da vida com a obrigação de ser
algoz da Humanidade!

Em fim _Viamos_... _Viamos_... _Viamos_... e não Veremos... e não
Veremos... e não Veremos... coisas que tanto nos fazião a vista turva, e
que nos estavão quasi fazendo cahir em hum perfeito Cáhos de escuridade;
porém agora pelo contrario _Veremos_... _Veremos_... e _Veremos_...
coizas que nos fação, e farão a vista clara qual Linces, nossos gosos
felizes, e affortunados... Em conclusão:--Veremos, que assim como
Portugal he nomeado, ou tido por--Paraiso na terra--nós o seremos
por--Entes bemaventurados no Mundo.



_Pensamentos, e Maximas proprias, e adequadas ás Idéas Intellectuaes, e
Moraes do Homem_.

_Liberdade_.


I. Diogenes, perguntado, que cousa havia melhor na vida, respondeo: A
liberdade que perde o Avarento, em quanto se faz escravo de todos os
vicios.

II. Empenhou-se Pericles a ter em sua companhia a Timon, e lhe fazia tão
grande partido, que lhe prometteo com grandeza tudo quanto lhe fosse
necessario para passar a vida humana alegremente: Respondeo-lhe elle,
que não vendia a sua liberdade.

III. Nunca usamos melhor da nossa liberdade, do que quando a
sacrificamos á direcção de pessoas, que hão de responder necessariamente
da authoridade com que della usárão.

IV. Quem se lembrasse, que não foi dada a liberdade para della usar á
descrição das paixões, mas só pelas regras do bom sentido, da razão, e
das Leis, logo que se não sentisse com forças para a levar por estes
caminhos, a não querer despenhar-se, estimaria topar a quem quizesse
carregar-se do contrapezo de responder por si e pelos outros.

V. Persuadia huma Hippócrates, que se passas-se para Xerxes, dizendo-lhe
que era bom Senhor. Respondeo elle: Nem ainda de bom senhor tenho eu
necessidade.

VI. A liberdade politica, he a que tem cada individuo da sociedade, não
para executar quanto lhe fizer emprehender huma fantezia selvatica; não
foi para isto, que nas primeiras convenções se acordárão os homens entre
si de hum deposito commum de suas forças relativas; mas he para gozarem
toda a segurança de quanto lhes pertence, sem dever ser perturbado de
outro seu igual, e similhante Feliz Estado, em que só se depende da Lei.

VII. A hum que invejava a fortuna de Aristoteles, por comer á meza com
Alexandre, disse Diogenes: Melhor he a minha, pois Diogenes janta quando
Diogenes quer; e Aristoteles quando quer Alexandre.

VIII. _Non bene pro toto libertas venditur auro_, disse Horacio. E o
judicioso Falcão introduz a hum rato muito invejoso de ver a outro em
huma ratoeira rodeado de muito comer, e campo mui espaçoso para passear.
Assim he lhe respondeo elle, porque não me faltão iguarias, e este
palacio tão formoso para me divertir; mas amigo tomara-me eu daqui cem
legoas.

IX. Diogenes, perguntado, que cousa havia melhor na vida, respondeo, que
a liberdade: _libertas_.

       *       *       *       *       *

Se nós nos podêmos chamar felizes por observar-mos depois de hum Quadro
tão espantoso de passados males, hum tão brilhante de bens presentes, e
futuros bens; com melhor razão nos poderiamos chamar felicissimos se
podessemos recuperar a perda deploravel do objecto que tratão os dois
ultimos versos do maravilhoso Soneto de hum dos nossos sublimados
Engenhos, que abaixo transcrevemos, que póde servir de quadro ás
passadas, e presentes circunstancias em que se vio, e vê Portugal.


*SONETO.*


Com o tempo o prado secco reverdece,
  Com o tempo cahe a folha ao bosque umbroso,
  Com o tempo pára o rio caudaloso,
  Com o tempo o campo pobre se enriquece.

Com o tempo hum louro morre, outro florece,
  Com o tempo hum he sereno, outro invernoso,
  Com o tempo foge o mal duro e penoso,
  Com o tempo torna o bem já quando esquece.

Com o tempo faz mudança a sorte avara,
  Com o tempo se aniquilla hum grande Estado,
  Com o tempo torna a ser mais eminente.

Com o tempo tudo corre, tudo pára,
  Mas só aquelle tempo que he passado,
  Com o tempo se não faz tempo presente.

       *       *       *       *       *

Ainda que huma sabia Constituição Nacional não abrangesse (como abrange)
hum bem geral composto de diversos, e infinitos bens, bastava aquelle de
constituir hum sabio, e digno Codigo, que dê a Deos o que he de Deos, a
Cesar o que he de Cesar: Em suma:--Que já mais possão ter as Leis as
interpetrações que lhes derão (posto que com ironia) Solon, Anacharsis,
e o sabio P. M. Fr. José Suppico, como abaixo transcrevemos.

Solon, e Anacharsis, comparavão as Leis ás teas de aranha, porque assim
como estas só prendem algum mosquito, ou bichinho semelhante, e os
maiores as rompem, e zombão dellas, assim tambem as Leis só opprimem, e
castigão os humildes, e pobres; e os grandes as despresão, e fazem tão
pouco caso dellas, que nem ainda as tocão com o dedo!

O muito Reverendo P. M. Fr. José Suppico: Repara, ou pondera no empenho
que Herodes mostrou em querer tirar a vida a Christo, e não o esperar no
Templo, quando o levassem a apresentar a elle. Para que se cança Herodes
em matar innocentes, em perseguir justos, em dobrar sentinellas, e em
povoar estradas? Espere no Templo a Deos Menino. Mas oh que andou
Herodes como Principe; e tinha ouvido dizer aos Magos, que Christo
nascia Rei: E nesta supposição diz entre si: Não tenho que me cançar em
procurallo no Templo; he Rei? he Grande? Pois não ha de ir ao Templo,
porque se o ir ao Templo he observancia da Lei, estes não guardão as
Leis, quebrão as Leis.

Torno a repetir segunda vez: Quando huma sabia Constituição não nos
trouxesse outro bem, mas sómente aquelle de pôr o Ministro n'huma severa
restrincção de dar a Deos o que he de Deos, e a Cesar o que he de Cesar,
isto he: Virtude para o premio, Vicio para o castigo, serem em suma
estes os dois pontos fixos das suas deliberações sem aquella distincção
que todos nós sabemos, de que tanto se vangloriavão os Nobres (que
deixão de o ser huma vez que pretendem torcer a Vara da Justiça) e se
lastimavão os plebêos!

Não precisa ser grande Juris-Consulto para saber (quando se não queira
fechar os ouvidos á vos da razão, ou do interesse!!) que o premio he
dado--Á Virtude--e o castigo ao Crime--que o plebêo depois de praticar
huma virtude, he nobre, e que o nobre depois de praticar huma vileza he
plebêo. Esta verdade inegavel confessa mesmo o Rustico applaude, e
elogia o Sabio, e o Poeta canta:


*SONETO.*

Pobre, ou rico, Vassallo, ou Soberano,
  Iguaes são todos, todos são parentes,
  Todos nascêrão ramos descendentes
  Do tronco antigo do primeiro humano.

Saiba quem de seus titulos ufano
  Toma por qualidade os accidentes,
  Que duas gerações ha só differentes,
  Virtude, e Vicio tudo mais he engano.

Por mais que affecte a vã Genealogia
  Introduzir nas vêas a nobreza,
  De melhor sangue que Adão teria,

Não fará desmentindo a natureza
  Que seja sem virtude a Fidalguia
  Mas que hum triste fantasma da Grandeza.

Rimas de J. X. de Mattos.

_Tom. II. pag._ 47.



_Considerações sobre as Leis em geral, e em particular, de alguns
célebres, Filosofos, Sabios, e Oradores_.


I. Perguntando Plistonacto a Pausanias, a causa, porque entre os
Espartanos estavão as Leis, ainda as mais antigas, tanto em seu vigor,
respondeo: Porque entre os Lacedemonios as Leis sempre dominão, e nunca
forão dominadas.

II. Demósthenes chamava ás Leis, alma da Republica, porque assim como o
corpo sem alma logo acaba, assim a Republica faltando as Leis, logo se
arruina.

III. Sem Leis, sumptuarias, que dem o tom aos differentes ramos, que
podem despedir do throno geral do público interesse, de mui pouco virão
a servir a bondade do Sol, a fertilidade do chão, a actividade da
industria, e a inergia do homem.

IV. Para nos mostrar que não muitas mas sabias Leis, e á risca
observadas são o que formão a felicidade Pública, dizia o sabio
Arcesiláo, que assim como aonde ha mais abundancia de Medicos, ha mais
enfermidades, assim aonde ha muitas Leis ha mais vicios!

V. As enfadonhas formalidades (que até ao presente se tem observado,
porém graças á nossa Nova Constituição que as dissipará) de que se achão
carregadas as Leis na prática do Foro de huma grande parte das Nações,
que se dizem policiadas, póde ser, que fossem boas na sua instituição
primitiva: pelo menos hoje parece que servem sómente de eternisar as
materias dos litigios; de dar que fazer aos Advogados; de fazer viver os
Officiaes do Expediente; de obrigar a desistir hum pobre; que não tem
mais, que muita justiça; e de avizar a Eternidade a hum desvalido
desesperado litigante. O grande P. Antonio Vieira, diz com bem graça em
hum de seus Sermões, que se o Processo Criminal, que se fez a Jezu
Christo em Jerusalem, fosse formalisado pela prática actual do Foro,
ainda no seu tempo não estaria consumada a Redempção.

VI. Bias sentenciando á morte hum delinquente, lhe corrêrão as lagrimas;
e perguntado porque chorava, se como Juiz podia livrar o Réo, respondeo:
Porque não posso faltar ás Leis da Justiça, nem ás da natureza.

VII. A Augusto Cesar, dizia Ovidio: Se todas as vezes, Senhor, que os
homens peccão, cahisse sobre o delinquente hum raio, em breve tempo se
veria Jupiter sem armas. Mas não inferio bem, diz o Padre Vieira, antes
se todas as vezes que os homens peccão, cahisse logo o raio sobre o
delinquente, não se acabarião, mas sobejarião raios: porque tanto que o
castigo andasse junto com o delicto, nenhum homem se havia de arrojar a
delinquir.

VIII. A clareza, e a precizão, são dois attributos indispensaveis das
boas Leis. Desde o primeiro até ao ultimo dos homens he conveniente, a
meu vêr, que saibão todos, o que lhes he mandado prohibido, ou tolerado.
Parece que deveria ser a primeira _Cartilha do Mestre Ignacio_, que se
mandasse lêr aos rapazes na escolla; como acontece com a Biblia nas
escolas em _Inglaterra_.

       *       *       *       *       *

Este sentimento que nós chamamos Brio, quando elle tem por objecto o
amor da nossa Patria, he a primeira das virtudes Sociaes. Todo o homem
que possue, e cultiva este sentimento, será sempre o bem-feitor da sua
especie, assim como tambem será hum modello de Heroismo para os homens
que houverem nascido no mesmo terreno, e fallarem a mesma
Linguagem:--Pois: Ainda que seja hum dever o amar a todos os homens, a
preferencia que nós dermos aos nossos Compatriotas, ás producções da sua
Industria, aos fructos; e Cultura de seu terreno, será á medida de
graduarmos a nossa propria estimação; ¿Quem deu tanta superioridade á
Nação Ingleza (façamos-lhe justiça neste particular), e tantos respeitos
sobre os outros povos da Europa?... O seu Brio Nacional!--Portuguezes
lembremo-nos do Brio Nacional dos Heróes que honrárão (e hão-de honrar)
tanto a nossa Patria, que em todos os seculos forão, e serão, o espanto,
e admiração do mundo ¿Qual seria a Nação, que se não sentira ufana por
ter por Compatriota hum Albuquerque, que em immensa distancia da sua
Patria, ameaçado de todo o poder de hum Rei Persiano sem quasi algum
soccorro, respondeo aos Embaixadores deste ao pedirem-lhe Tributos?--Eis
a moeda (apontando-lhes para hum monte de ballas e granadas, e pondo a
mão no seu alfange) de Tributo com que costuma a pagar ElRei de
Portugal!



_He precizo que sejamos quem d'antes fomos_.


Quando huma nação tem grandes virtudes Públicas, nunca lhe falta aquella
elevação de caracter que a faz sobressahir entre as outras Nações
contemporaneas. A criação que El-Rei D. João 1.^o soube dár a seus
filhos, e á Côrte, produzio tamanhos effeitos sobre o caracter Nacional,
que por quasi dois seculos Portugal conservou a preponderancia do valor,
e da fortuna sobre o resto da Europa. Nestes famosos tempos, a Historia
Militar dos Portuguezes mostra illustres documentos de quanto se
conhecião, e se praticavão as virtudes heroicas que eternizárão o nome
dos Gregos, e dos Romanos, e quanto o amor da familia era generosamente
sacrificado ao Amor da Patria.--Entre outros grandes exemplos
Portuguezes, bastará sómente citar o de Antonio Moniz Barreto,
Governador da India.--Achava-se em estreito cerco a importante Fortaleza
de Malaca.--o poder dos Achens, e dos Jáos era tão forte, que a
prudencia mesma desconfiava do bom successo das nossas Armas. Entre
grandes precisões do estado, o Illustre Barreto querendo apromptar
acceleradamente os recursos que parecião impossiveis de se haverem diz
aos moradores de Goa.--"Portuguezes trata-se de salvar a Patria tanto
maior he o nosso perigo, tanto maiores sejão os nossos sacrificios.--Eu
tenho hum filho menino, eu o offereço gostosamente á minha Patria.--São
necessarios vinte mil _padráos_ (_quinze mil cruzados_) para conservar
Malaca; meu filho seja o penhor de que o emprestimo de que fazeis ao
Estado (_ainda com melhor razão do que se fizer ao corpo Politico de
huma Nação se deve esperar outro tanto_) vos será fielmente
satisfeito."--Duarte Moniz, menino de sete para oito annos, ficou em
penhor.--Malaca foi conservada, e o generoso Barreto, que se desempenhou
promptamente para com a Cidade de Goa, deixou a todas as Nações hum
eterno monumento do amor da Patria.

       *       *       *       *       *

O Amor da Patria sempre se interessa mais pelas acções Illustres que nos
precedem; porém a nossa curiosidade mais vivamente se inflama quando
vemos que o sexo das graças e beleza tem servido de engrandecer a nossa
Historia:--No tempo em que o nome Portuguez se fazia temido nas mais
remotas partes do mundo em que as nossas Bandeiras tinhão o respeito das
Nações da terra, em que a nossa Linguagem foi aprendida pelos mais
antigos Povos da Asia para receberem o nosso Mando: As nossas Emprezas
encontravão obstaculos, porém não os encontrava a nossa gloria, nem a
nossa Fortuna:--A Praça de Diu foi hum theatro de ambas! Apezar de todos
os perigos da guerra, sempre o nosso valor foi aquí brilhante coroado.
Era o tempo do segundo cerco, para que tinhão concorrido além da grande
fama e poder dos Turcos, todos os exforços d'ElRei de Cambaia; porém era
tambem ao mesmo tempo (por fortuna nossa, e gloria sua!) o Governador da
praça D. João de Mascaranhas. Todos os recursos parecião faltar-nos,
excepto o brio e o amor da gloria!--As mulheres quizerão seguir o
caminho da immortalidade que as circunstancias offerecião ao Nome
Portuguez!!... Sem reparo nem ao estado, nem á idade, todas correm á
defeza do commum interesse (geral da Nação) sem o menor indicio de
interesse particular mais do que aquelle que resulta a todos os
verdadeiros Cidadãos de verem exaltada a sua Patria.--Os trabalhos mais
defficeis são gostosamente supportados entre Canticos Patrioticos!--A
mãi tinha a vingar hum filho!--A esposa hum marido!--A amante hum
namorado. N'hum dia de conflicto geral a companhia, ou a lembrança de
tantos penhores queridos, e amados, servio sómente de estimular os
exforços communs, e reciprocos:--Isabel Madeira que parecia
destinguir-se nas proezas d'este dia tanto, ou mais, como já era
destincta pelas virtudes conjugaes:--Hum tiro de Bombarda despedaça, a
seu lado, o seu amante esposo, e a deixa na posse de quatro filhos.--As
Matronas, e as donzellas que a rodeião levantão hum grito de dor; porém
ella fica immovel e seus olhos enxutos!!! Estas unicas palavras
respondem á consternação geral das mais, e patenteião a grandeza do seu
coração:--"Ninguem haja de lastimar-me! Meu marido morreo pela Patria!
Possão meus filhos merecerem esta ventura!" Assim se exprimia em outro
tempo o Heroismo Femenil em Lacedemonia.



_Observação--Alegoria--Critica--Moral_.


Quando as discussões de hum Congresso são feitas por Cidadãos, Sabios, e
Prudentes, então lhes podêmos chamar Discussões inspiradas por Deos de
Moysés (Omnipotente Deos Creador do Universo), e bem podêmos estar
certos que a parte restante dos Cidadãos, que não entrão em tal
Congresso, será feliz igualmente, isto he: Serão conciderados
igualmente, ou sejão grandes, ou pequenos (Fidalgos, ou Plebêos) pois
que o direito das Gentes não conhece distincção mais do que a Virtude,
ou o Crime: outro sim apenas destingue quando se trata de premiar os
bons; e castigar os máos, que os homens todos são homens!

"Iguaes são todos todos são parentes,
Todos nascerão ramos descendentes
Do tronco antigo do primeiro humano."

Pelo contrario quando as Discussões são feitas por Ex-Cidadãos (homens
sò na figura!) ignorantes, e orgulhosos, então lhe podêmos chamar
Discussões inspiradas por Jove! Deos dos Poetas! (ou das quimeras que
val o mesmo!) e poderêmos ficar certos que os homens neste caso não
serão tratados conforme os seus merecimentos, mas sim conforme a sua
orgolhosa Representação, e exclamarmos com _La Fontaine_.

Jove duas mezas poz para os dois lotes
  Da gente d'este mundo:
O Destro, o Esperto, o Forte estão sentados
Á primeira;--os pequenos
Comem os seus sobejos á segunda.

       *       *       *       *       *



_Observações Criticas, e Alegoricas_.


I. No conceito de todos os Escriptores de boa nota (e até na realidade
existente) Portugal em longitude de terreno, e mesmo no circulo
circumferencial não he hum dos maiores Reinos!.. Porém quer pela sua
riqueza, posição geografica, brio de seus habitantes, em summa por ser
cheio como _hum ôvo_ (valho-me desta expressão por não ser eu o primeiro
que della uso) foi sempre olhado por todas as Nações Europeas com
admiração, ou emulação, conforme lhe quizerem chamar?... Não obstante
tal he a alternativa dos tempos, que ou por huma innação, ou por huma
politica (que impolitica lhe chamára eu!) mal considerada, este pequeno
circulo cheio como _hum ôvo_, que assim se podia considerar até á época
de 1807 que a ex-politica Franceza o _galou_, e outras circunstancias
(pelas causas acima que dissemos) o _regalárão_, a não ser huma
inesperada Providencia com a mira n'hum Heroismo Constitucional, estava
o sobredito _ôvo_ a ponto de se _chocar_ de todo!..

II. Dizem os Politicos, (e eu o creio) que por todas as razões o homem
deve aprender a Grammatica da sua propria lingua... Suppomos hum inteiro
e severo Magistrado: Que bella cousa não he saber conjugar o Verbo--Eu
perco (diz hum só que ás vezes he mui bem que perca por que se faz
merecedor de perder; pois que tem perdido outros para elle ganhar!): Nós
perdemos (ás vezes injustamente): E que a pluralidade do ultimo deve ser
preferida á singularidade do primeiro!

III. Quando reina o Despotismo, e o Rigor, o Genio Grande no centro de
hum Palacio, vive para si acanhado, aborrecido, e para os outros Entes
morto!... Quando a doce liberdade o pequeno Genio dentro de huma
choupana vive altivo, magestoso, e entre balbuciantes vozes de
ignorancia!! lhe escapão alguns pensamentos interessantes, e desta sorte
se torna mais util á Sociedade o Ignorante livre, do que o Sabio
captivo.

IV. Quando o Governo he Monarquico, succede, regularmente, que estando
hum homem no Throno, he governado o Reino por huma Mulher! e se está
huma Mulher, por hum homem! E desta maneira vem a ser Governados os
Póvos ora pelos caprichos de hum, ora de outro individuo!

V. Quando o Governo de hum Reino he representado por Cidadãos, todos os
Cidadãos desfrutão das graças que lhes competem por seus merecimentos; e
quando he representado por hum Governo monarquico apenas as desfructão
os Criados Particulares do Paço, e aquelles que tem particularidades com
elles!

       *       *       *       *       *

Que aproveita ao que he depravado nos costumes proceder de Illustre
Geração?

_Politica Predicavel, e Doutrina Moral do bom Governo do Mundo_.

_Pag_. 486. §. _II. N.^o_ 8.

       *       *       *       *       *

     _Aos Heróes Portuenses, que no dia memoravel 24 de Agosto de 1820
     erguêrão pela primeira vez a Voz da Razão, e do Heroismo a
     Liberdade Constitucional_.


Vivei felizes Pios, Vencedores,
Em ouro escriptos sejão vossos nomes,
Em cedro, em diamantes, em todo o mundo.
........................................
........................................
Em vossos peitos sãos, limpos ouvidos
Caião meus versos, quaes me Febo inspira,
Eu desta gloria só fico contente,
Que a minha terra amei, e a minha gente.

_Ferreira_.


Menos deloroso he (aos olhos do bom Observador) vêr a virtude sem premio
(pois já o leva no primeiro objecto) do que o vicio sem castigo:--O
Immortal Vate o expressa.--

_E pondo na cobiça freio duro,
E na ambição tambem que indignamente
Tomais mil vezes; e no torpe escuro
Vicio da tyrania infame, e urgente:
Porque essas honras vãs, e esse ouro puro,
Verdadeiro valor não dão á gente:
Melhor he merece-los sem os ter,
Que possui-los sem os merecer_.[2]

_Camões_.

       *       *       *       *       *

A Nobreza só he verdadeira onde ha Virtude, sem a qual he vaidade:--Os
Viciosos não são verdadeiramente Nobres, e infamão a sua Nobreza.--

_Rosto de formosura, e graça ornado,
Riqueza, geração, forças, e honra.
E todos os mais bens da vã fortuna,
Juntamente porás n'huma balança;
N'outra a Virtude subirá ás estrellas
A balança ligeira da fortuna:
Mas a grave e pezada da Virtude
Com o seu pezo aos abysmos decerá_.

_Diogo de Teive_.

       *       *       *       *       *

     Não he o Soberano, mas sim as Leis as que devem Reinar sobre os
     Póvos.

    _Massillon_.

       *       *       *       *       *

_Se o Costume he Lei, e o vicio he Engano,
A estrada vos mostro do Desengano_.

       *       *       *       *       *

_Eu a Virtude elevo, o Crime abato,
Exalto o Luzo, o Gollo vitupéro,
D'este as acções tyranicas relato;
Daquelle o Patriotismo, o peito féro:
Poeticas ficções não junto ao facto,
Natural singeleza seguir quero,
Rodeios não procuro á sã verdade
Assim fallar costuma á humanidade_.

O Porto Invadido, e Libertado.

Cant. 1.^o 1.^a Out.


     _D'hum Cáhos surjamos qual d'antes eramos_!

    (Do Observador Constitucional.)


Aquella antiga idade, que contemplo
Dos nossos afamados Portuguezes,
Das quaes erguidas vês hum e outro templo.
..........................................
..........................................
Tendo a mediocridade por riqueza,
Todo o sobejo fausto aborrecião;
Quão limpa, e formosa era a sua pobreza!

Ferreirra 2.^o Livro das Cartas:--Carta 3.^a

       *       *       *       *       *

_Quantos ha na nossa Aldea
Leões e Lobos fingidos,
Que hoverão de andar despidos,
Senão fôra a pelle alheia_.

Francisco Rodrigues Lobo.

*FIM*.



_Vende-se por 120 rs. nas lojas de João, Henriques, ao fundo da Rua
Augusta; de Antonio Manoel Polycarpo da Silva, de baixo da Arcada do
Senado, e Carvalho, defronte da Rua de S. Francisco ao Chiado_.



*Notas:*

[1] Posto que fosse nossa tenção publicarmos esta Alegoria com o Nome
por extenso que acima occultamos deste sabio Varão, fomos instados pelo
mesmo (a quem solicitamos o consentimento, e a quem a remettemos em
manuscripto antes de a publicarmos para que não fizessemos menção do seu
nome); pois que elle antes queria ser sepultado no esquecimento do que
incensado com Elogios! Assim o deviamos nós esperar; pois que he do
verdadeiro sabio eximir-se aos Elogios, e do Ignorante sollicitá-los!

[2] Os titulos.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Viamos e não veremos - alegoria moral, acompanhada de outras diversas maximas - relativas a nossa liberdade constitucional" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home