Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Noticia de livreiros e impressores de Lisbôa na 2ª metade do seculo XVI
Author: Brito, Gomes de, 1843-1923
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Noticia de livreiros e impressores de Lisbôa na 2ª metade do seculo XVI" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



produced from images generously made available by National
Library of Portugal (Biblioteca Nacional de Portugal).)



     *Nota de editor:* Devido à quantidade de erros tipográficos
     existentes neste texto, foram tomadas várias decisões quanto à
     versão final. Em caso de dúvida, a grafia foi mantida de acordo com
     o original. No final deste livro encontrará a lista de erros
     corrigidos.

     Rita Farinha (Fev. 2008)



GOMES DE BRITO


NOTICIA

DE

Livreiros e Impressores em Lisbôa

NA

2.^a METADE DO SECULO XVI

COMPOSTA EM FACE DE UM CODICE DA CAMARA MUNICIPAL DESTA CIDADE

[Figura]


1911

Imprensa Libanio da Silva
_Travessa do Fala-Só, 24_
LISBOA



Livreiros e Impressores em Lisbôa na 2.^a metade do Seculo XVI



GOMES DE BRITO


NOTICIA

DE

Livreiros e Impressores em Lisbôa

NA

2.^a METADE DO SECULO XVI

COMPOSTA EM FACE DE UM CODICE DA CAMARA MUNICIPAL DESTA CIDADE

[Figura]


1911

Imprensa Libanio da Silva
_Travessa do Fala-Só, 24_
LISBOA



Do _Boletim da Sociedade de Bibliophilos Barbosa Machado_

Tiragem: 50 exemplares

N.^o 44



NOTICIA

DE

Livreiros e Impressores em Lisbôa

NA

2.^a METADE DO SECULO XVI


Até o tempo em que o Cardeal D. Henrique, depois rei, procedeu á nova
circumscripção das parochias de Lisbôa, erijindo mais cinco freguezias a
ajuntar ás vinte e cinco já existentes (1564 a 1569), demarcando-lhes o
territorio nos recortes feitos a quatro destas, a secular compartilha
que resultava deste regimen, estabelecido no intuito de accomodar o
serviço religioso ás necessidades dos fieis, e sua mais immediata
satisfação, soffrera tres remodelações. Ordenara a ultima, durante a
regencia do principe D. João, ausente em França seu pai, o rei D.
Affonso V, o celebre cardeal de Alpedrinha.

Por effeito daquelle regimen, grande numero de vias públicas lisbonenses
eram, como ainda hoje o são, compartilhadas por diversas freguezias
confinantes. O _Summario_ de Christovão Rodrigues de Oliveira, apezar de
imperfeito neste ponto, nos mostra, pela repetição das _denominações_,
que não dos _disticos_, porque tal providencia estava ainda por nascer,
quaes e quantas eram as vias públicas compartilhadas, por effeito da
remodelação parochial então vigente.

Comprehendia-se entre as deste numero a muito falada «Rua Nova»,
dividida em dois troços, um mais antigo que o outro; um, o primeiro,
fazendo parte do territorio da freguezia da Magdalena, o outro
pertencendo á freguezia de «S. Gião» (S. Julião).

Do mesmo modo, esta notavel rua da Lisbôa medieva, que principiando no
Pelourinho, ía entroncar na Calcetaria, era conhecida por duas
denominações, correspondentes á sua compartilha. Á parte oriental,
territorio da parochia da Magdalena, que terminava no Arco dos Barretes,
chama Christovão «Rua Nova dos Ferros»; a que desde o predito Arco ía
embeber-se na Calcetaria, um pouco adiante do Chafariz dos Cavallos, é
designada na relação do _Summario_, referida á freguezia de S. Gião,
pela denominação de «Rua Nova dos Mercadores».



I


É em toda a extensão da Rua Nova, de um e outro lado della, que, mercê
de um valioso codice pertencente á Camara Municipal de Lisbôa[1], nós
vamos encontrar, de porta aberta, nos annos intermedios dos já preditos
(1565 a 1567), não só alguns dos livreiros e editores já conhecidos dos
que conversam o passado literario de Portugal, mas outros tambem, ainda
até agora não mencionados.

Começando a juzante da formosa linha de agua com a qual a Rua Nova
andava, se pode dizer, parallela, o primeiro que se nos depara é
Bartholomeu Lopes, que não deixou de si, que saibamos, memoria
averiguada, mas que poderá ser, porventura, membro de uma notavel
geração de livreiros deste appelido;--os Lopes.[2]

Em 1563, isto é, dois annos, apenas, antes do primeiro dos dois a que o
codice de onde extractamos estes apontamentos se refere, havia um
Christovão Lopes estabelecido «á Porta da Sé», segundo se vê do titulo
seguinte, que abreviamos, mas se pode ler completo em Innocencio,
_Diccion. Bibliog._ II, 166:

«_Exposiçam da Regra do glorioso Padre Sancto Augustinho... por frey
Diogo de Sam Miguel, &--Vendense_ (sic) _á porta da See, em casa de
Christouam Lopes Liureyro a dous tostões em papel.--Foy impresso em
Lixboa em casa de Joannes Blavio de Agrippina Colonia--Anno de 1563_».

Vista a propinquidade dos annos, poderá acaso Bartholomeu Lopes ter sido
irmão, ou filho (?) de Christovão Lopes, e seu successor, passando o
estabelecimento da Porta da Sé para a Rua Nova, ou estabelecendo-se elle
ahi de novo.

É possivel tambem que este mesmo livreiro seja pae do livreiro-impressor
Simão Lopes, que deu em Lisbôa, em 1593, a primeira edição do
_Itinerario_, de Fr. Pantaleão d'Aveiro, as _Cartas do Japão_, etc., e
em 1596 reimprimiu a _Chronica de D. João II_, de Garcia de Rezende.

A seguir a Bartholomeu Lopes, seu visinho, estabelecido, até, nas mesmas
casas, tendo ambos por senhorio um tal Jeronymo Corrêa, tinha a sua
lojinha Sagramor Fernandes. Era livreiro de modestas posses, a julgar
pela avaliação que os «lançadores», para tal effeito deputados, deram á
sua fazenda, na proporção de cuja totalidade deveria, como todos, pagar
o respectivo escote. O nome baptismal do homem era novellesco, mas as
_cavallarias_, ao que parece, não eram grandes.

A influencia das novellas de cavallaria faz-se ainda sentir em toda a
sua pujança no codice que nos facilita esta noticia, imprimindo-lhe um
matiz pictoresco e variado.

O nome novellesco do obscuro livreiro não é unico entre os seus
congeneres de ambos os sexos, inscriptos neste curioso recenseamento. A
par dos Sagramor ha os Lançarote; de envolta com as Ginevras passam as
Briolanjas. A procedencia francesa e a italiana, dando-se as mãos.
Lançarote é o «Lancelot» francez; Lancelot du Lac, o heroe cavalheiresco
de Gauthier Mapp, o amigo de Henrique II de Inglaterra. Sagramor é o
«Sagromoro» milanez, que Jorge Ferreira aportuguesou, fazendo-o heroe do
seu _Memorial_; Sagramor Constantino, designado por el-rei Arthur para
seu successor, se a sorte das armas lhe fôsse adversa.

Por aproposito, lembraremos a dúvida que Barbosa Machado fez nascer,
ácerca da existencia dos _Triumfos de Sagramor_, novella que, segundo
elle, teria sido impressa em Coimbra, em 1554, por João Alvarez, mas de
que parece que nem o douto Abbade de Sever, nem, de certeza, o seu
successor, o diligente Innocencio, viram jámais exemplar algum. Será
esta hypotética novella o proprio _Memorial_, assim duplicado pelo
auctor da _Bibliotheca Lusitana_? Eis um curioso thema, digno, nos
parece, de attrahir a attenção da nossa Sociedade, e a que o artigo de
Innocencio (IV, n.^o 2095, pag. 170) prestaria a base.

Em compensação, porém, algumas lojas mais adiante do modesto Sagramor
achava-se estabelecido o opulento João de Borgonha. Livreiro-editor de
nomeada, fornecedor de artigos do seu ramo para a fazenda de S. A.,
proprietario nas visinhanças do seu estabelecimento, e em mais de um
sitio,[3] os seus teres, como negociante, foram avaliados em «um conto
de réis».

Na epoca em que o encontrámos, tinha elle por seu «obreiro», talvez o
que hoje chamariamos seu «director-technico», seu administrador ou seu
apoderado, a um certo Miguel de Arenas, um castelhano, porventura, como
da Borgonha seria, com effeito, o patrão; estranjeiros quasi todos,
estes negociantes das letras portuguezas do seculo XVI, que, vindo
concorrer com os nacionaes, faziam, ao que parece, mais fortuna que
elles.[4]

Certo é que Miguel de Arenas estabeleceu-se posteriormente, com o mesmo
ramo de commercio, de sociedade com João de Molina; tambem, e mais
vulgarmente conhecido por «João de Hespanha», outro abastado mercador de
livros, mas não tanto como o seu confrade borgonhez. O negocio de João
de Hespanha foi avaliado em «duzentos mil réis». Como «obreiro» de João
de Borgonha, Miguel de Arenas devia fazer bons interesses. Dos seus
ordenados--e foi por esta circumstancia que o suppuzemos _empregado
superior_ da casa de seu patrão--foram-lhe arbitrados «cinquo mill rs»,
para na razão delles pagar o respectivo escote.[5]

A João de Borgonha segue-se, nas tendas de Alvaro de Moraes, o livreiro
Manoel Carvalho, provavelmente o pae de Sebastião Carvalho, que em 1598
publicou, em 3.^a edição, a _Recopilaçam das cousas que conuem guardarse
no modo de preseruar a Cidade de Lisboa_, instrucções redigidas em 1569
pelos medicos Thomaz Alvarez e Garcia de Salzedo Coronel, e repetidas na
primeira das datas a que acima nos referimos, «por mandado da cidade de
Lisbôa», &.[6] Sebastião Carvalho conservaria assim na mesma Rua Nova o
estabelecimento paterno.

Apresentam-se, logo em seguida a Manoel Carvalho, Diogo Machado, João
Lopes e «Graviel» de Araujo, dos quaes não viramos ainda noticia, antes
que o codice que lhes revelou a existencia no'los désse a conhecer. Ao
ultimo destes segue Diogo Moniz, que por ter apresentado carta de
familiar do Santo Officio, foi escuso do escote. Porfim, e quasi no
extremo da parte da rua pertencente á freguezia da Magdalena, o
«Grafeo», isto é, o livreiro-editor Francisco Grapheo, em cujo
estabelecimento se vendia a novella _Menina e Moça_, de Bernardim
Ribeiro, impressa em Colonia, em 1559,[7] e uma das muitas edições da
_Diana_, do nosso Jorge de Montemor, ao qual ainda não chegara a hora de
ser incluído nos _Indices expurgatorios_ das duas Inquisições
peninsulares.



II


Continuando na mesma Rua Nova, agora já no territorio da freguezia de
«S. Giam»; isto é, para a direita do Arco dos Pregos, ainda ahi
encontramos um Francisco Mendes, que estará no caso de Sagramor
Fernandes, visto o diminuto do escote, bem como o «framengo» Giraldo de
Frisa, que pertence tambem, ou nos enganaremos, ao numero dos da sua
classe, de que não chegára noticia até nossos dias.

Emfim, na mesma Rua Nova, e territorio da sobredita freguezia de «S.
Giam» (S. Julião), mas da banda das Varandas, encontramos, fronteira ao
Arco dos Pregos, a «viuva de Salvador Martel», Leonor Nunes, a qual,
estabelecida, com seu filho, nas casas de Fernão d'Alvarez de Almeida,
teve pelos lançadores a avaliação de duzentos mil réis.

Salvador Martel foi livreiro conhecido. Deverá ter fallecido no decurso
das operações do _Lançamento_, de cujo livro tiramos estas singelas
notas, visto como Tito de Noronha ainda o refere ao anno de 1566.[8]

Algum tanto mais atrás, e tornando ao territorio da freguezia da
Magdalena, voltando da rua de D. Gil Eanes, pelo «Pelourinho», para a
rua da Ourivesaria da Prata, em cuja entrada tinham suas lojas os
«calciteiros», encontramos o livreiro Jeronymo de Aguiar, que tambem não
conheciamos, e, ali perto, no Poço da Fotéa, o já mencionado João de
Molina, appelidado no codice que vamos percorrendo «Johão de Espanha»,
livreiro-editor que rivalisava, sem comtudo o hombrear, como já notámos,
com o seu opulento confrade João de Borgonha.

Não era, porém, só na famosa Rua Nova, e suas immediações, que se
encontravam os mercadores de livros. Na rua direita da Porta do
Ferro,[9] numas casas que ahi possuia a camareira-mór, estava
estabelecido «Jorge Dagiar» (Aguiar ou Aguilar?) talvez antecessor de
Antonio de Aguilar, que nesse sitio teve a sua loja em 1576.

Pelas vizinhanças, na «travessa da porta travessa da Madalena», que se
ligava á «rua do fim do pé da Costa», tinham tambem suas lojas Francisco
Fernandes e «Bautista da Fonsequa».[10] Lá para a Porta do Mar, entre a
Mizericordia e a «Fonte da Pregiça»,[11] nas tendas da Cidade que jaziam
nas costas do Terreiro do Trigo, vendia livros um tal Manoel Francisco,
lojista de medianos teres, cuja fazenda foi avaliada em 10$000 réis.

Por pouco mais abastado sería tido um Antonio Dias, com estabelecimento
na rua da Gibetaria,--15$000 réis de fazenda.--E nos mesmos casos Pero
Castanho, lá para perto de Valverde, numa travessa que vinha de Paio de
Novaes para aquelle sitio, isto é, por perto do Rocio.



III


Estes são os livreiros que encontrámos arrolados em 1565-1567 no _Livro
do Lançamento_ que nos tem guiado.

São _vinte_, isto é, mais do dobro dos que Tito de Noronha contou em sua
já lembrada Memoria, referidos aos mesmos annos.

Não poderemos, todavia, affirmar que o João Lopes (1588), da lista
daquelle auctor, seja o mesmo que figura nestas singelas notas. A
identidade não se nos afigura improvavel.

Do Christovão Lopes (1563), daquella lista, já dissemos o que temos por
presumivel. Quanto ao livreiro Antonio Curvete (1565), mencionado tambem
por Tito, não se nos deparou no longo exame feito ao curioso codice, sob
este particular ponto de vista. Isto não quere dizer que elle se não
ache entre os 15:000 nomes contidos no volumoso recenso. Bem poderá,
porém, ter escapado, por isso que nem sempre as profissões dos fintados
lhes acompanham os nomes, ou achar-se-ha substituido por outro dos
arrolados.

Como quer que seja, um e outro do numero total dos livreiros, apontado
por Tito de Noronha e por nós, como estabelecidos em Lisbôa entre 1565 e
1567, está muito longe do que mencionou Christovão, onze annos
antes[12]--«54». Este numero, na verdade, inconcebivel por si só, e sem
mais explicações, é justificado pelo ignorado auctor da chamada
_Estatistica de Lisboa_, de 1552, que se guarda na Bibliotheca Nacional,
de modo assás plausivel, e que, demais, acerta muito satisfatoriamente a
nossa conta.

Diz, com effeito, o auctor da _Estatistica_:

«Tem XX tendas de livreiros, e [na] maior parte delas i i j, i i i j
criados e sserã as p^{as} que nellas trabalham huas per outras lx......
60 p^{as}».

Se em vez de Antonio Curvete, que nos falta, pode estar algum dos
diversos desconhecidos, de que damos os nomes, hypothese que não parece
improvavel, haveria nesta capital, de 1565 a 1567, o mesmo numero de
livreiros que foi contado pelo auctor da _Estatistica_, em 1552.

Adoptada, com effeito, a conta dos «criados» ou «obreyros de livreiros»
que os lojistas teriam a seu serviço, calculada pelo mesmo auctor, ahi
teremos o numero de Christovão assaz justificado.

Será a seguinte Noticia dedicada aos _Impressores_.



IV


Ao testemunho do curioso codice do Archivo Municipal, que temos seguido,
na famosa Lisbôa da segunda metade do XVI.^o seculo _seis_ individuos
exerciam a «arte impressoria», como a denominou Valentim de Moravia, em
sua traducção do livro de Nicolau Veneto.

O primeiro dos seis «imprimidores», segundo se lhes então chamava, e
elles a si proprios se designavam, encontrados no alludido codice, é o
velho João Blavio de Agripina Colonia[13], cujas impressões, conforme a
tabella organisada por Tito de Noronha, em sua tão curiosa quanto
instructiva monographia;--_A Imprensa Portugueza durante o seculo XVI_,
remontam a 1554.

É, porém, de notar que nesta tabella, ou lista chronologica dos
impressores deste seculo, assigna-se á actividade de João Blavio os onze
annos, apenas, que começam em 1554, e terminam em 1564.

Ora, o ról do _Livro do Lançamento_, onde apparece este impressor, foi
recebido pelos _sacadores_ (os encarregados da cobrança da
extraordinaria imposição) em 11 de março de 1566, e por elles entregue,
com o producto da cobrança, em 17 de agosto, do mesmo anno.

Vê-se pois que a actividade de João Blavio se prolongou algum tanto mais
do que o indica a citada lista. O que fica para saber, é que genero de
trabalhos produziria este typographo durante o lapso de tempo em que se
averigúa agora ter elle ainda conservado a sua typographia, e a data
precisa da sua desapparição.[14]

Era pouco importante nesta epoca, segundo parece, a actividade officinal
de João Blavio. A moderada avaliação de 3$000 réis, que teve, o está
inculcando.

Achava-se o velho impressor estabelecido no «Beco de Gaspar das Naus»,
freguezia de «Sam Giam», nas casas de um tal Bento Gonçalves. Aquella
minguada arteria de Lisbôa tinha sua entrada na Calcetaria, entre a rua
dos Fornos, a L. e o beco da Ferraria, a O. Rematando-se, ao N., por uma
especie de cotovello, sem sahida, bifurcava-se na ligação com a rua dos
Fornos, a que se chamava «beco do Loureiro». O plano Pombalino,
assentando sobre esta um tanto emmaranhada topographia, mostra-nos, como
pode ver-se na _Est. I_ da obra valedora do sr. Vieira da Silva, _As
Muralhas da Ribeira de Lisboa_, o Beco de Gaspar das Naus atravessado
transversalmente, de cima para baixo, na entrada da rua do Crucifixo,
tendo a sua abertura no quarteirão que fica entre a esquina P. da rua do
Crucifixo e a do N. da rua Nova do Almada, fronteira, por conseguinte, á
parede lateral esquerda da actual igreja da Conceição Nova.

O personagem que deu o nome a este beco, e provavelmente residiu nelle,
fôra, a julgar pelo que allega o «_Negro_», na _Pratica de oito
figuras_, do poeta Chiado, sujeito que empunhara no mercado a vara da
justiça... policial.

Diz com effeito, «Gama»:

/*
«Não vou por esse caminho!
Fallae ao que vos pergunto,
Dizei, negrinho sandeu:
saibamos que mal vos fiz,
porque não me daes perdiz,
pois que m'a compraes do meu?
*/

Responde o «Negro»:

/*
«Nunca elle mim acha...
Muito caro, nunca bem...
Mim dá-le treze vintem
pr'o dôzo; não querê dá.
A regatêra muito máo!
Mim dize quére vendê?
Elle logo saconde...
medo _Gasapar da náo
proqu'elle logo prende_.»[15]
*/

Gaspar das Naus não é o unico a quem tenha sido applicado o cognome.
Houve por esta epoca um outro individuo, chamado Manoel Lopes, tambem
cognominado «das Naus». Ainda não sabemos em que se occupasse.



V


Segue-se, na ordem da leitura, Marcos Borges, que nos apparece arrolado
como «imprimidor obreyro», residindo em uma de tres vias públicas,
enfeixadas pelos _lançadores_ da sobredita imposição num só
titulo:--«_Rua de quebra q... com travessa de calca_ (calça) _frades e
Rua de pino vay_»[16].

O rol onde figura Marcos Borges foi entregue aos _sacadores_ em 2 de
maio de 1566, sendo por elles restituido ao thesoureiro da imposição em
1 de agosto seguinte.

Ora, «ao primeyro de janeiro de 1566» appareceu a público, impresso por
este typographo, o «_Paradoxo_», de João Cointha, lendo-se no
frontispicio da obra, além da sobredita data, mais a seguinte
indicação:--«_Vede se na empressam detraz de nossa senhora da
Palma_».[17]

Se, pois, Marcos Borges já no 1.^o de janeiro de 1566 estava
estabelecido por sua conta, e nos dá testemunho irrecusavel do facto na
obra que lhe foi, porventura, estreia, como é que elle nos apparece
classificado como «imprimidor obreyro», em maio, deste mesmo anno? Não
deviam os individuos que o classificaram conhecer bem a sua posição?

Por outro lado, a indicação um tanto vaga: «detrás de nossa senhora da
Palma» poderia até agora fazer suppôr que Marcos Borges estava, com
effeito, estabelecido nalgumas casas situadas na parte posterior da
capella-mór da ermida daquella invocação, onde, de certeza, havia já
neste tempo casas para alugar, como as continuava havendo em 1755, e a
ellas se referiram os engenheiros encarregados das medições dos Bairros,
ordenadas no começo do anno seguinte pelo ministro do rei D. José.[18]

Desde, porém, que Marcos Borges nos apparece residindo num sitio
differente do indicado na obra, de que terá sido o proprio editor, como
tal indicação nos auctorisa a crêr, ainda que ambos os locaes fôssem
convizinhos, o que parece curial é entender-se que o impressor do
«_Paradoxo_», tendo, com effeito, a sua officina no sitio que a obra
indica, residiria no «_Pino Vay_», viela ingreme, quasi fronteira á
parte posterior da ermida, e que laborava a escarpa, no alto da qual
passava a «rua detraz de Santa Justa», correspondendo, salvo o actual
aspecto, á rua da Magdalena, na parte que vae da Betesga ao largo dos
Caldas. Vamos ver adiante que Antonio Gonçalves, confrade, já agora
celebre, de Marcos Borges, morava numas casas de certa rua, e tinha
nella, e perto, em outras, a sua officina.

Mas, encosta acima, enlaçava-se no «_Pino vay_» a «_travessa de quebra
q..._», que rasgando-se entre a «_rua dos torneiros_» e a «_Correaria_»,
um tanto mais abaixo da abertura inferior do «_Pino vay_», ía formar com
esta viella, a meio da encosta, o enlace que fica apontado.

São poucos os contribuintes arrolados no grupo das tres vias públicas em
questão, e tanto se pode suppôr que Marcos Borges, sempre na hypothese
de ter a sua officina «_atras de nossa senhora da Palma_», morasse no
«_Pino vay_» como na travessa predita, ou na _rua de calça frades_.

A circumstancia, porém, de não mencionarem os lançadores pessoa alguma a
fintar na parte posterior da ermida da Palma, justamente no anno em que
este impressor se declarara, na obra que citámos, estabelecido nesse
sitio desde o 1.^o de janeiro, tenta-nos a ver em tal indicação um
_alibi_, por elle empregado, para remediar um inconveniente a que o
decoro devia attender. O que se nos afigura por mais certo, é que os
_sacadores_ encontraram, com effeito, Marcos Borges residindo na mesma
casa onde teria a sua officina, o que era regra, a bem dizer, geral, não
«atrás da ermida de nossa senhora da Palma», mas na _travessa de quebra
costas_, uma das tres do grupo onde o seu nome apparece, entre outros, e
da qual se pode admitir, sem grande violencia, que ficasse fronteira,
mas do lado opposto da _Correaria_, á parte posterior daquella ermida.

Quanto á menos exacta qualificação que ao impressor foi attribuida pelos
_sacadores_, pode entender-se egualmente, ou que houve equivoco da parte
destes, ou que elles quizeram favorecer o recem-estabelecido
«imprimidor», conservando-lhe a qualificação de «obreyro», com o fim de
lhe minorar a importancia do escote. Marcos Borges, typographo
proprietario de officina, poderia, é verdade, ser avaliado em 3$000
réis, como o fôra o seu confrade João Blavio, e pagaria 21 rs. de
escote, mas passando, por favor dos _sacadores_, por méro «imprimidor
obreyro», alcançava o beneficio da «menor contia», que eram 2$500 rs.,
correspondendo-lhe a contribuição de 17 rs. Era uma differença
apreciavel. Valia a pena acceitar o favor. Marcos Borges,
_encolhendo-se_, ganhava 4 réis, isto é, defraudava S. Alteza em obra de
30 réis, de hoje.

Este impressor, ainda em 1567; isto é, no anno seguinte áquelle em que
se estabeleceu por sua conta, continuava a dar como séde da sua
typographia o mesmo sitio: «_detrás de nossa senhora da Palma_». Assim
se lê, com effeito, no fim da «_Chronica do valoroso principe e
invencivel capitão Jorge Castrioto_», de Francisco de Andrade. Era então
já «impressor delrey nosso senhor».

Não continuou, porém, ahi. Do facto ficou testemunho no depoimento de
Pero Alberto, flamengo, seu obreiro, que a 5 de novembro de 1571
declarava seu mestre estabelecido no «Arco dos Carangueijos», se não é
Arco do Caranguejo, simplesmente.[19]

A indicação é preciosa, porque nos mostra quem foi o successor da viuva
de Germão Galharde, da qual adiante nos occuparemos com tal qual
individuação.



VI


Ao «imprimidor» Marcos Borges seguem-se, no codice que estamos
examinando, os seus dois confrades Manoel João e Francisco Corrêa,
encontrados, este na freguezia de Santa Justa, aquelle, na de S.
Christovão.

É Manoel João o primeiro, e delle e da sua actividade industrial vamos
dar os breves respigos por nós colhidos nas duas interessantes e
eruditas monographias de Tito de Noronha--_A Imprensa Portugueza_, e
_Ordenações do Reino_, ambas referidas ao seculo XVI.[20]

Manoel João exerceu a sua arte entre os annos de 1565 e 1578. Destes
quatorze annos, porém, os dois primeiros occupou-os o impressor em
Lisbôa, transferindo-se após a Vizeu, onde trabalhou durante os
seguintes déz. Em 1576, provavelmente, Manoel João terá voltado a esta
capital, publicando nella, datados deste mesmo anno, os _Diesisiete
coloquios_, de Baltazar Collazos. De 1578 em diante, desapparece.

Deverá ter sido limitada, e pouco sortida, a actividade industrial deste
impressor, accrescendo que as obras sahidas do seu prélo não se
distinguem por perfeitas. Para o facto concorria tambem o cançado tipo
de que dispôs, e o papel em que imprimiu. A decadencia da Arte começava
a accentuar-se.

Dos dois primeiros annos do estabelecimento de Manoel João em Lisbôa
conhece-se, impressa no anno de 1565, a 4.^a ed. das _Ordenações do
Reino_, dada a lume, como as anteriores, por mandado régio[21]. Esta
edição foi feita á custa do livreiro Francisco Fernandes, e será o mesmo
que referimos no Cap. II ter encontrado estabelecido na «_Travessa da
porta travessa da Madalena_»; isto é, por perto da actual calçada do
Correio Velho.

No anno seguinte dava o nosso impressor a lume a segunda edição da
_Primeira Parte da Chronica dos Menores_, como lembrámos em uma das
notas do Cap. IV. A esta obra seguiu-se a _Oração na trasladação dos
ossos de Affonso de Albuquerque_, e depois os _Artigos das Cizas_,
edição geralmente desconhecida de nossos bibliographos, e de que Tito de
Noronha menciona tres exemplares; o da livraria de Lord Stuart, e os de
dois amadores do Porto[22].

Em Vizeu, onde Tito conjectura se estabelecera Manoel João, a convite do
bispo D. Jorge de Atayde, deu este impressor, em 1569, o _Compendio de
Confessores_, e no anno seguinte as _Regulae Cancellariae_, de Pio V.

Tal é a noticia abreviada da actividade officinal de Manoel João.
Cumpriria agora ver como se exprimiu Bastião de Lucena, o escrivão da
_voluntaria imposição_, graças á qual nos foi possivel ajuntar as poucas
noticias que constituem o assumpto de nossas singelas notas, ao lançar
no volumoso codice que estamos compulsando, o nome deste impressor entre
os fintados da freguezia de S. Christovão. Antes, porém, importa que o
benevolo leitor nos consinta um breve relance á topographia lisbonense,
da epoca a que pertence o interessante _Livro do Lançamento_ que temos
examinado. Ver-se-ha não ser sem motivo a digressão.



VII


Quem percorrer as tão bem ordenadas listas da viação pública parochial
lisbonense, impressas no _Summario_ de Christovão Rodrigues de Oliveira,
com as suas tres categorias de becos, ruas e travessas perfeitamente
distinctas, e os seus sessenta e dois «Postos que nam sam ruas», onde o
auctor, ou os que taes listas organisaram, accommodam os «sitios», os
adros das parochias, os arcos, as varandas, os terreiros, ficará de todo
illudido, se cuidar que tudo na vida administrativa de Lisbôa se passava
com regularidade tão exemplar, em pleno seculo XVI, que todos os
habitantes da famosa cidade lhe conheciam as vias públicas,
destrinçando-as umas das outras, como hoje o fazemos, por suas exactas
denominações e categorias, sem ser preciso designa-las por signaes, ou
auxiliar-se de referencias mais ou menos complicadas, para lhes
descreverem a marcha itineraria.

A prova de que tal regularidade não passou dos «roles» que os parochos
de Lisbôa ministraram ao guarda-roupa do Arcebispo, por ordem deste, e
Christovão fez imprimir após as noticias que ía dando das differentes
freguezias, está neste codice que temos manuseado, e de que vamos dando
noticia a nossos benignos leitores. No breve espaço dos quinze annos que
medeiam entre a data que é costume attribuir á curiosa obra do solícito
famulo do prelado lisbonense, é o _Livro do Lançamento_, do Archivo
Municipal (1551-1565), um grande numero de vias públicas de todas as
tres categorias se haviam aggregado ás _quinhentas e vinte e uma_, de
que o _Summario_ pretende dar a conta, não em somma total, mas em sommas
parciaes, referidas a cada qual das tres categorias[23].

Estava no seu auge o facto que a _Miscellanea_ de Garcia de Resende
commemora;

/*
«Lisboa vimos crescer
Em povos e em grandeza.
E muito se nobrecer
Em edificios, riqueza».
*/

Lisbôa desenvolvera-se a olhos vistos, e uma nova remodelação do
territorio parochial, divisão unica, de tal qual regularidade por então
em vigor, e essa mesma mais para o ecclesiastico, do que para o civil,
estava imminente. Ora, desde o 1.^o de janeiro de 1560 que a freguezia
de «Santa Catharina do Monte Sinay» encetava, pelo funccionamento da sua
parochia, a série de providencias, que o Cardeal Infante resolvera
promover, para instituir mais cinco freguezias na cidade, recortando-as
no territorio das vinte e quatro já existentes, segundo lembrámos no
começo destas singelas Notas.

Pois bem: cinco annos depois de ter começado a funccionar esta parochia,
ainda a grande maioria das vias públicas que lhe sulcavam o territorio
carecía de denominações, ou os _lançadores_, freguezes nella, e que
haviam formado os roes da _voluntaria_ derrama, lh'os não conheciam.

A calçada _do Congro_[24] ahi figura já, na verdade, substituindo se á
denominação bem mais pictoresca de que dispusera, de calçada da _Boa
Vista_, no tempo em que, seguindo os roes de Christovão, a vemos
mencionada na freguezia de Nossa Senhora do Loreto, cujo territorio, já
no começo da segunda metade do seculo XVI, alcançava até o «Valle das
Chagas». Nascera igualmente a «Rua do Conde», que em nossos dias
mandaram appelidar «Travessa do Caldeira»[25], a «Bica do Bello», de
1551, apparece já em 1565 com a denominação com que ficou, de «Rua da
Bica de Duarte Bello», Fernão Rodrigues de Almada dá o seu appelido á
rua que ainda agora conserva tal nome, proximo á antiga «Cruz de Pao»,
desde 1885, «Rua do Marechal Saldanha».

Em compensação, porém, os roes dos _sacadores_ falam-nos de 4 ruas que
«vão das Chagas para Santa Catharina», assim como de 2 outras que «vão
por detrás de Santa Catharina, uma para a Costa, outra para o Valle», e
destas seis não é em nenhuma maneira facil fixar a situação. Por outro
lado, se conjecturamos que a «rua dereita [~q] vai p'la calçada do
congro abaixo» seja a actual rua do Sol, a «rua da Cruz para Santa
Catharina» a actual rua do Marechal Saldanha, a «rua que vai da cruz da
esperança para as casas de Christovão de mello» a actual rua dos
Mastros, e assim como estas, outras ruas ou travessas, apenas indicadas
por informações, nem sempre estas, se se pretendesse fazer um estudo
comparativo local, seriam faceis de precisar.

Ora, consoante a taes exemplos, tirados, aliás, do territorio parochial
de uma freguezia incipiente, muitos outros se offerecem neste codice,
dispersos por diversas freguezias, e até por algumas das mais antigas.

Mas não é só isto. Palpita-nos que certas vias públicas das listas de
Christovão passaram a ser indicadas por differentes designações, o que
se explicaria pela decadencia da respectiva determinante. Exemplos deste
facto ha-os, até bem mais recentes. A calçada de Damião de Aguiar, do
seculo XVII, passou a ser denominada «calçada do Lavra» (aliás Lavre),
quando os Lopes de Lavre, do Concelho Ultramarino, vieram, pela
infallivel lei das renovações, e consequentes substituições, a entrar na
posse do palacio e ermida que haviam pertencido áquelle desembargador;
construcção que fórma a esquina esquerda da referida calçada, sobre a
rua de S. José. Outra calçada, a de Salvador Corrêa de Sá, trocou o nome
pelo de S. João Nepomuceno, quando os religiosos protegidos pela rainha
D. Maria Anna de Austria fundaram o seu hospicio, daquella invocação,
nas abas occidentaes do monte de Santa Catharina.

De outras vias públicas do codice em exame se pode inferir que se haja
obliterado a significação do nome que as distinguia, visto como é
evidente que Bastião de Lucena, o escrivão desta derrama, lhes
desfigurou as denominações, com a mesma inconsciencia com que deformou o
nome do velho João Blavio de Agripina Colonia. Uma viela, para exemplo;
uma viela que recordava o appelido de certo parente do arcebispo de
Genova, Agostinho Salvago, e que viera estabelecer-se em Lisbôa,
apparece-nos transformada por Lucena em "Beco da Salvaje», e assim
outras mais. Do mesmo modo que ha, em summa, no _Livro do Lançamento_
muitas vias públicas não mencionadas no _Summario_ do guarda-roupa, ha
neste livro noticia de grande numero de outras, de que aquelle codice
não conservou memoria.

Torna-se, pois, a conciliação entre os roes do _Summario_, e a
nomenclatura da viação daquelle repositorio difficil, e não se consegue
que sáia perfeita. A impossibilidade de identificação é manifesta.



VIII


Somos assim chegados ao ponto que nos levou á precedente digressão.
Onde, em que rua, travessa ou beco, apparece fintado, na freguezia de S.
Christovão, o «imprimidor» Manoel João?

O titulo desta freguezia lê-se no alto da fol. 406, v.^o, do volumoso
codice, redigido nos seguintes textuaes termos:

«_T.^o da freguezia De san Xpuão--Começa o primeiro rol No chan Dalcamin
pera a costa_»[26].

Vae seguindo o recenseamento, e a fls. 407 lê-se:

«_Duas ruas [~q] começão De san Xpuão pera san Lourenço_».

No v.^o desta folha, e no alto della, assentou Bastião de Lucena o 8.^o
lançamento deste titulo. Diz:

«It Manoel Johão Inprimidor em casas Do doutor João de bairos av.^{do}
[~e] seis mill rs. paguara rij rs»[27]

Portanto, tudo quanto se colhe de similhante informação, sem nada
adiantar ao nosso proposito, é que este sitio soffreu, em epoca não
facil de determinar, ainda que não estejâmos longe de fixa-la de 1756
para diante, consideravel alteração. Hoje, rua que comece de S.
Christovão para S. Lourenço, apenas conhecemos todos _uma_; a rua das
Farinhas, á qual o auctor do _Summario_, ou quem para elle escreveu esta
parte do livro, chama «Rua das Farinheiras». Poderia, porém, ter-se em
consideração que no terreno que fica entre a parochial de S. Christovão
e a garganta por onde se penetra na rua das Farinhas, e é denominado
«rua de S. Christovão», haveria modo de existir nas eras remotas que nos
occupam, qualquer viela que, embebendo-se em outra similhante, déssem
ambas as «duas ruas que começam de S. Christovão para S. Lourenço»,
segundo o abreviado modo de exprimir-se dos lançadores da imposição. É,
pelo menos, o que resulta das medições do Tombo do _Bairro do Rocio_,
(1756), a fls. 121, onde se lê: «Largo da Igreja de S. Christovão--Corre
o seu comprimento N. S. Tem de comprimento desde a rua do Regedor até _á
travessa que vai para a rua das Farinhas_, 214 p.; de largura pelo N. 35
p., e pelo S. 45».

Ora, a lista das vias públicas, do _Summario_, que laboravam o
territorio parochial de S. Christovão comporta 9 ruas, 3 travessas, 1
adro, 2 terreiros, 1 beco e 1 arco.

De toda esta estatistica de viação, apenas uma rua, a «do Crucifixo»,
uma travessa, e os dois terreiros se não podem identificar com a actual
topographia da parochia[28]. E como naquelle tratado, a disposição das
«Ruas», tal qual quem ordenou a lista das vias públicas della as foi
escrevendo, nos mostra que se começou do N. para o S. da freguezia, isto
é da «Rua das Fontainhas», compartilhada pelas parochias de S. Lourenço
e de Santa Justa, para a extrema opposta; para a «Rua do chão dalcamim»,
segue-se que a «Rua do Crucifixo», por maior que seja o nosso desejo de
precisar qual das «duas ruas que vão de S. Christovão para S. Lourenço»
era a que habitava, com a sua officina, o tipographo Manoel João, não
parece que possa ser a designada, visto como se apresenta na lista
parochial após a «Rua do Regedor», isto é, do lado diametralmente
opposto á provavel situação daquellas duas ruas.

Assim pois, se a tal «travessa que vai para a rua das Farinhas», do
Tombo Pombalino, não era, como, de facto, não parece ter sido, a «rua do
Crucifixo», do _Summario_ de Christovão, ainda existente, e conhecida
por esta denominação em 1712, como se mostra na _Corografia_ de Carvalho
da Costa, e se não era, portanto, nella que Manoel João estava arrolado,
tudo que se póde concluir, é que o nosso impressor teve a sua officina
no territorio da freguezia de S. Christovão, e numa via pública muito
proxima á séde da parochia, mas para o N. do territorio desta.

Em algum dos proximos capitulos veremos que a fórma imperfeita como os
_lançadores_ organisaram os roes da derrama dá motivo a iguaes
hesitações e perplexidades que nos não deixam satisfeito, quanto ao
sitio em que teve a sua operosa officina tipographica o celebre Germão
Galharde, e onde vamos ainda encontrar a sua viuva.



IX


Como o seu confrade Manoel João, tambem Francisco Corrêa, seguindo as
noticias que deste impressor nos dá Deslandes, em sua _Historia da
Typographia Portugueza_, exerceu a sua arte fóra de Lisbôa.

Provavel «obreiro de imprimidor» de Germão Galharde, acaso foi convidado
para ir dirigir em Coimbra a officina do Estudo Real, estabelecida na
rua da Sophia, como seu presumivel mestre o fôra igualmente, para ir
organisar a imprensa dos Cruzios, daquella cidade.

Em tal situação ali se demorou, com effeito, Francisco Corrêa desde o
anno de 1549, em que principia a apparecer, até 1555. Passando por este
tempo ao Porto, ali deu á estampa o compendio de arithmetica, de Bento
Fernandes[29]. Transferindo-se em seguida a Lisbôa, onde assentou prélos
até 1585, anno que parece ter sido o do seu fallecimento, ainda em 1580
imprimiu em Almeirim, de parceria com seu confrade Antonio Ribeiro,
segundo informações de Tito de Noronha, _in A Imprensa Portugueza_, as
_Allegações de direito_ por parte da Infanta D. Catharina, sobrinha do
Cardeal Infante.

Além destas noticias, publíca tambem Deslandes em sua predita obra o
Alv. de 12 de novembro de 1566, concedendo a Francisco Corrêa isenção de
direitos, até certa quantia, do papel que despachasse em cada anno, a
começar no de 1565. Pelo restante teor deste diploma se prova, outrosim,
que Francisco Corrêa foi arrendatario das officinas que, por morte de
João Blavio, ficaram em Lisboa e na India, em Gôa, muito mais que
provavelmente, sendo-lhe concedidos os 40$000 réis que os herdeiros
daquelle impressor haviam alcançado se descontassem nos direitos do
papel que despachassem para o expediente das preditas duas officinas.

Taes são em breve resumo, e salvo a supposição de que Francisco Corrêa
fôsse compositor na officina de Germão Galharde, que é nossa, as
noticias colhidas nas obras de Deslandes e de Tito de Noronha, acima
apontadas, ácerca deste notavel tipographo, cujos trabalhos, além de
numerosos, se avantajam, a testemunho do segundo daquelles dois
auctores, em sua tão curiosa monographia das _Ordenações do Reino_, em
nitidez e satisfactorio aspecto, aos do seu confrade Manoel João.


Ao percorrermos no _Livro do Lançamento_ o «3.^o rol da freguezia de
Santa Justa», ahi se nos deparou a «Rua de Valverde», e nella, como
16.^o contribuinte:

«Francisco corea [~e]presor [~e] casas de margaida de matos avaliado
[~e] seis mill rs paguara Rij rs.»

O rol a que nos referimos teve começo na rua que ía do mosteiro de S.
Domingos para a Porta de Santo Antão. Comprehendia a rua do Chafariz do
Rocio para a Mancebia, a que ía da estrebaria del-rei ao longo do muro
para a Porta de Santo Antão, a «rua do beco» do chafariz do Rocio, e
finalmente, a rua de Valverde, que laborou, provavelmente, parte da
actual Praça dos Restauradores, da banda do S., e vindo imbeber-se,
talvez, na rua de Mestre Gonçalo, isto é, no terreno da rua do Principe,
e por perto da actual calçada do Duque.

Para o seguinte estudo, a viuva de Germão Galharde, a que acima
alludimos, e o glorioso impressor da primeira edição dos Lusiadas,
Antonio Gonçalves.



X


Vamos folheando o volumoso recenseamento, onde colhemos as informações
que temos transmitido a nossos benignos leitores, e achamo-nos agora em
face do 7.^o e ultimo rol da freguezia da Magdalena[30].

Começam os sucintos apontamentos itinerarios dados neste rol aos
_sacadores_ encarregados da cobrança das _voluntarias_ fintas, pela:

«_Rua Dos torneyros [~q] travessa para as pedras negras pela rua de
Ilusuarte Peris[31] ate a rua drt.^a da Costa_».

Não ocorreu ao escrivão desta derrama, escrevendo para comparochianos,
conhecedores como aos seus dedos de todas as enredadas arterias da sua
freguezia, que alguns seculos depois, compatricios seus viriam que
tivessem interesse em perceber, mais do que as suas garatujas
pictorescas, as suas abreviadas, e até menos exactas indicações do
territorio parochial a que se referiam!

Se tal, com effeito, se houvera dado, não só Bastião de Lucena não
estabeleceria, contra a exacta nomenclatura local, que a _rua_ dos
Torneiros atravessava para as Pedras Negras, vertendo assim uma confusão
de desnortear na compartilha parochial, mas não sacrificaria á extrema
concisão que adoptou a precisa clareza, para sabermos agora a que via
pública, entre as comprehendidas na sua abreviada indicação, viria a
pertencer o 35.^o lançamento, dos 38 lançados sob o correspondente
enunciado, e que é o seguinte:

«_It A molher de germão galharde [~e]primidor em casas suas avaliada
[~e] settenta mill rs paguará i i i j c l v rs_»[32].

Com effeito, uma vez que se nos deparára aqui a viuva do celebre
impressor francês, que tanto realce deu á typographia lisbonense do
XVI.^o seculo, e tão util foi ás letras portuguesas destas afastadas
eras, bem natural fôra que desejassemos precisar o sitio, a rua, a
travessa ou beco onde a digna matrona residisse. O mesmo seria que
ficarmos sabendo precisamente onde seu defuncto marido terá tido a sua
operosa officina.

A difficuldade, porém, mostra-se insuperavel, ainda quando reponhamos,
até, em seu logar a desfigurada topographia local, e se, posteriormente,
nenhum outro indicio nos não fizer suspeitar onde possa ter estado
estabelecida esta tão interessante imprensa, teremos o desgosto de nos
contentarmos, á semelhança do que nos aconteceu, tratando de Manoel
João, com as vagas indicações que ficam expressas.

Procurando formar idéa da ordem que presidiu á elaboração dos roes desta
freguezia, concluímos que os lançadores adoptaram a orientação
topographico-descriptiva do sul para o norte, isto é, das muralhas
marginaes da cidade para cima; «Rua Nova dos Ferros», «Porta d'Erva» e
«Porta da Ribeira», «Carnaçarias Velhas», «Pelourinho», «Misericordia»,
«Rua do Principe», «Rua da Ferraria Velha, por detrás da Conceição»,
«Cristaleiras», «Rua dos Fanqueiros», «Rua dos Corrieiros de obra grossa
e delgada», &, &. Todos estes sitios, todas estas vias públicas entram
nos seis anteriores roes, com outras que, por abreviar, se não
mencionam. Este 7.^o rol comprehende, portanto, a zona alta da
freguezia, e dentro delle observa-se disposição igual á que se adoptou
para os anteriores.

Se bem entendemos, pois, o breve apontamento de Bastião de Lucena, havia
na freguezia da Magdalena uma via pública, uma viella, como tantas
outras deste tempo, que, partindo de qualquer ponto, por agora
indeterminado, atravessava, mas não directamente, para as Pedras Negras.
A travessia fazia-se com o auxilio da rua de Ilusuarte Peris. Portanto,
o que se queria indicar aos _sacadores_, é que, principiando _as suas
visitas_ pela tal via pública, erradamente classificada e denominada
«Rua dos Torneiros», e continuando-as pela rua de Ilusuarte Peris, que
se lhe seguia, fôssem indo até alcançar a rua direita da Costa, nesse
tempo, como agora e sob a denominação de calçada do Correio Velho,
limite léste da predita freguezia. Uma vez chegados áquella rua, os
_sacadores_, conforme se deprehende da continuação da leitura deste 7.^o
rol, descê-la-íam, entrariam na rua do Arco de Dona Tareja; isto é,
retrocederiam para Oeste, e desta rua continuariam o seu itinerario por
onde já nos não importa segui-los.

Está tudo muito bem, menos uma circumstancia importante. Não houve em
Lisbôa, em tempo algum, nenhuma «rua dos Torneiros», nem na freguezia da
Magdalena, nem em nenhuma outra freguezia da cidade. Existiu, sim, a
«rua da Tornoaria», mas essa pertencia á freguezia de S. Nicolau.
Passava pela parte posterior do edificio parochial deste orago, e era,
por conseguinte, o mais septemtrional dos successivos tramos em que se
fraccionava a longa, e em parte alcantilada via pública que ligava uma á
outra as duas sédes parochiaes.

Para se ir da Magdalena a S. Nicolau, haveria de percorrer-se a
Correaria, a Fancaria, a Tornoaria, e ainda quando se quizesse admittir
que os _lançadores_, e Bastião de Lucena com elles, haviam chamado «rua
dos Torneiros» á rua da Tornoaria, daqui se vê que tal rua não podia ser
compartilhavel entre a freguezia de S. Nicolau e a da Magdalena, como o
não eram as suas duas parceiras, a Correaria e a Fancaria.

Temos, pois, de recorrer ao Summario, de Christovão Rodrigues de
Oliveira, para destramar a meada.

Em boa hora o fazemos, porque a via pública que o solicito guarda-roupa
do arcebispo D. Fernando nos aponta como situada na freguezia da
Magdalena, em 1551, é a «_travessa dos Torneiros_». Ora, é evidentemente
tal «_travessa_» aquella a que se referem os lançadores, porque
partindo, cá em baixo, da Tornoaria, em sentido transversal para L.,
galgava a barreira que separava o valle da Baixa das cumiadas que iam
terminar na Alcaçova, e surdindo muito proximamente no local fronteiro á
actual Travessa das Pedras Negras, ía soldar-se á Rua de Ilusuarte
Peris. Cumpre, no emtanto, advertir que o sitio que no seculo XVI.^o deu
origem á denominação «Pedras Negras» não era precisamente onde se
rasgam, pela planta Pombalina, a rua e a travessa d'esta denominação, e
que a rua de Ilusuarte Peris, ou desapparecera nos provaveis aspectos
diversos que o sitio apresentou entre os seculos XVI.^o e XVIII.^o, ou
se conservava ainda, acaso, ás vesperas do terremoto de 1755, mas com
differente denominação; o que não seria de extranhar, como já
observámos. As «Pedras Negras», como era o sitio a que deram o nome,
anteriormente ainda ao seculo XVI.^o, póde vêr-se a configuração
provavel que tiveram em mais escuras eras, na planta que acompanha a
obra valedora do sr. Vieira da Silva:--As Muralhas da Ribeira de Lisboa.

A «rua de Ilusuarte Peris» é que na mencionada planta não apparece, e
mal se suppõe onde possa ter sido[33]. A travessa dos Torneiros é o
«Beco de Nossa Senhora da Conceição», da sobredita planta, muito mais
que provavelmente.



XI


Fixados como é, já agora, possivel fazê-lo, a muito perto de trezentos e
cincoenta annos de distancia, e com tão escassos elementos
topographicos, estes indispensaveis pormenores, digamos agora o que se
sabe do activo industrial de quem fôra «molher» a pessoa a quem se
referiu o lançamento que é assumpto ao nosso despretencioso estudo.


Germão Galharde, francês de nação, o que elle não deixou de recordar-nos
em algumas de suas assignaturas[34], foi, como anda sabido, o mais
operoso impressor que teve o XVI.^o seculo português. Estabelecido em
Lisbôa pelos primeiros annos delle, conhecem-se, executadas no espaço de
mais de quarenta annos, e até 1560, data da sua morte, «70 edições»
sahidas da sua officina, sem contar as leis avulsas, impressas, em
geral, numa folha apenas[35].

Quem poderá dizer quantas mais obras Germão Galharde terá executado, de
que o seculo ultimo e o acual não lograram já ter
conhecimento?--Interrogação é esta que terá de ficar sem resposta.
Sabe-se apenas que da sua officina começaram a apparecer edições datadas
de 1519, e que um lapso de revisão, importante, levou alguns
bibliophilos a retro-fixar o começo da operosa actividade do celebre
impressor no ultimo anno da primeira década do seculo que o viu
trabalhar; no de 1509.

Foi o caso que o _Missal_ da igreja de Evora, de que se guarda um bom
exemplar na Bibliotheca Nacional, apresenta como data de impressão este
predito anno. Notou-se o facto, e houve quem, não lhe occorrendo de
quantos lapsos anda tecida a historia da typographia, em geral, tirasse
delle irreflectido motivo para declarar Galharde estabelecido desde
aquelle supposto anno. O academico Silva Tullio, que tanto no caso
estava de desilludir os menos avisados, constituiu-se exactamente o
paladino d'elles, sustentando contra Tito de Noronha a hypothetica
possibilidade de ter o _Missal_ sahido das officinas de Galharde no anno
impugnado.

Rebateu Tito, a nosso ver humilde com raciocinios de pêso, as razões que
Tullio bem escusára de ter produzido, visto como, se a verdade historica
bem pouco poderia ganhar com semelhante improvavel accrescimo á
actividade officinal do impressor francês, assás mal parados ficaram, em
troca, os créditos do prestante conservador, insistindo em sustentar a
méra presumpção que tudo se conjurava para invalidar[36].

Tito, tendo feito notar o isolamento em que a data de 1509, attribuida
áquelle livro, ficava das obras por Galharde impressas em 1520, e quão
pouco provavel era que entre um e outro anno obra alguma, naquella
typographia impressa, viesse quebrar o largo periodo de onze annos de
inactividade officinal, lembrou que o _Missal Eborense_ poderá ter sido
impresso em _1529_, tendo faltado na subscripção latina o vocabulo
«_vigesimo_»[37]. Esta probabilidade nada tem, com effeito, contra si
que a invalide, e um facto, porque assim o digâmos hodierno, a vem
demonstrar plausivel:

Convidou o editor Fernandes Lopes a Innocencio Francisco da Silva para
dirigir a reimpressão do _Elucidario_, de Santa Rosa de Viterbo. Em 1865
sahiu, com effeito, a lume esta obra dividida em dois tomos, como a 1.^a
edição, imprimindo-se no 1.^o uma «Advertencia preliminar» do illustre
bibliographo, a qual elle datou do «1.^o de junho de 1865». Pois bem;...
na capa e no frontispicio de cada um dos dois tomos assignou-se a esta
reimpressão, por data, o anno de MCCCLXV! Este lapso, sendo tão patente,
salta para logo aos olhos de quem manuzear a obra[38].

Continuemos agora a examinar quanto se nos offereça, do pouco
aproveitavel que nos tem sido possivel ajuntar, que se relacione com a
vida deste grande trabalhador typographo, que tanto illustrou a sua
arte, e tantos testemunhos nos deixou, apesar das muito mais que certas
lacunas da lista das suas impressões, da perfeição com que sustentou os
créditos da sua officina.



XII


Dos antecedentes do operoso impressor nada se conhece. Que terra de
França lhe fôsse a terra natal; quando tenha vindo para Lisbôa, e se
para esta cidade veiu, acaso, contratado como «_obreiro de imprimidor_»
de algum de seus tres antecessores, Valentim de Moravia, João Pedro de
Cremona ou Hermann de Kempis, que entre nós ficou «Armão de Campos»,
hypotheses que nos não parecem descabidas, outras tantas interrogações
são que teem de ficar sem resposta.

Por igual, destinadas estão ao mesmo resultado as que se referem ao modo
como o activo «imprimidor» constituiu familia. Germão Galharde casou
aqui, e tarde, ou veiu já casado para Lisbôa, o que não parece? Sua
mulher era estrangeira, ou nascera em Portugal? Que o velho typographo
deixou um filho, por ventura continuador da sua prole, eis o de que não
resta dúvida. E que falleceu deixando-o ainda menor, tambem não é menos
certo. O livro que estamos examinando no-lo confirmará.

Suppondo que nascera em 1490, por exemplo, Germão Galharde poderia
contar vinte e tres annos, quando, ao que Tito de Noronha conjectura,
veiu a fallecer Valentim Fernandes[39]. E se tal data estivesse certa
pouco teriam sobrevivido ao Patriarcha da Imprensa em Portugal os seus
consocios João Pedro de Cremona e «Armão de Campos, bombardeiro de
el-rei», successivamente desapparecidos, em 1514, o primeiro, em 1518 o
segundo.

Valentim Fernandes, porém, segundo adiante vai ver-se, ainda n'este
último anno trabalhava, e se este, afinal, tem de ser considerado o
último da sua vida, bem poderá ter-se dado que Germão Galharde,
obreiro--quem sabe?--de qualquer d'estes seus tres antecessores, se
habilitasse com o material do celebre impressor da viuva de D. João II,
para começar a sua laboração de conta propria, logo no anno seguinte ao
do desapparecimento d'este. Em 1519, com effeito, parece ter-se Germão
Galharde estreiado com a primeira edição da _Arismetyca_, de Gaspar
Nicolas,[40] levando desde então a vida cheia de laboriosa occupação até
os provaveis setenta annos, se exceptuarmos os dois que passou em
Coimbra, em Lisboa, e, porventura, na mesma casa.

Aonde era ella situada?

Vêr-se-ha n'este estudo se é possivel responder, por presumpções, a tal
pergunta.



XIII


Chamou-se Anna Picaya a mulher do operoso impressor, e se não foi
portuguesa, que a não deixa parecer compatriota nossa o appelido,
arriscado será attribuir-se-lhe esta ou aquella nacionalidade.
Confessemos, emtanto, que se um desengano d'esta ordem pudesse
admittir-se _por palpite_, inclinados temos sempre estado a que Anna
Picaya haja sido biscainha.

Casou Germão Galharde moço ainda? Esperou, pelo contrario, a idade da
experiencia, para dar-se ao matrimonio? Não temos, como já ficou
observado, modo de responder desenganadamente a taes perguntas. Tudo que
pudémos conjecturar, é que o filho que deixou menor terá vindo ao mundo,
adiantado já seu pae em annos, se muito não erra a conta que lhe démos,
ao vir busca-lo a Morte.

Esta circumstancia, comtudo, não se oppõe a que já houvesse outros
filhos, e até poderia parecer que os houve, com effeito, se fôsse
possivel interpretar um tanto latitudinariamente certas expressões de um
documento que não tarda a vir transcripto a este estudo.

No emtanto, e posto que a typographia da _Viuva de Germão Galharde_ se
sustentasse ainda durante alguns annos, depois do fallecimento do seu
celebre fundador, o seu material veiu a passar a novo proprietario, e
nada nos indica terem-se filhos maiores, se os havia, ou ter-se o menor
que ficou ao tempo do obito paterno, occupado, homem feito, na arte, que
o progenitor tanto illustrou.

Este appelido, a partir d'então, mergulha no esquecimento, pelo menos
aqui, em Lisbôa; e apenas a meio do seculo XVII o nosso illustre
polygrapho D. Francisco Manoel se lembrára, escrevendo ao seu amigo
Azevedo, da lenda dos _Galhardos_ da Serra da Estrella, que aliás
nenhuma relação tem com os de que aqui tratamos, para comparação da
brevidade com que fizera um seu livrinho. Esta carta, porém, inédita
ficára, com a collecção a que pertence, até que um distincto cultor da
memoria de tão infeliz quão abalisado epistolographo a trouxe a lume em
nossos dias[41].

Assim continúa o esquecimento, sem interrupção, por esses tempos fóra. A
meiados porém do XVII.^o seculo apparece-nos, de repente, um typographo
«Galhardo». Diplomava-se com o titulo de «_Impressor do sr. Cardeal
Patriarcha_»; chamou-se Antonio Rodrigues Galhardo, e teve a sua casa,
com capella, horta e mais officinas, no Pateo a que a sua familia dava o
nome;--o _Pateo dos Galhardos_, a Santa Izabel[42]. Muito depois, (1837)
filhos seus, ligados sob a firma «_Galhardo & Irmãos_», imprimem na rua
da Procissão, n.^o 45, entre outros livros, a «_Chronica de El-Rei D.
Sebastião, por Fr. Bernardo da Cruz, publicada por A. Herculano e o Dr.
A. C. Payva._»

Antonio Rodrigues Galhardo é descendente do «imprimidor» francês Germão
Galharde? Quem, já agora, poderá affirma-lo, ou quem estará habilitado
para nega-lo?

Emtanto, a coincidencia é para notar, e para notar fica sendo, tambem,
que esta familia Galhardo veiu a apparentar-se com Alexandre Herculano,
pelo casamento de um amigo de juventude do Grande Escriptor, e depois
seu camarada na emigração, o fallecido general da arma de artilharia,
que foi, quando coronel, director da Escola do Exercito, Joaquim Antonio
Rodrigues Galhardo, com a irmã do Auctor da Historia de Portugal.



XIV


Quando Germão Galharde falleceu, andava-se imprimindo na sua officina a
_quarta_ edição do «_Reportorio dos Tempos em linguajem portugues_».

Este Repertorio, composto pelo saragoçano André de Ly, fôra vertido em
linguagem, com addições, por Valentim Fernandes, que dedicou a traducção
a Antonio Carneiro, secretario do rei D. Manoel.

Ora acontece--e n'este passo se patenteia quão arriscadas são
affirmativas peremptorias em especies tão dubitativas--; acontece, íamos
dizendo, que em _Documentos para a Historia da Typographia Portugueza_,
impressos em 1888, affirmou o tão sabedor Deslandes «não ser conhecido
exemplar algum da impressão d'este _Repertorio_ feita por Valentim
Fernandes, comquanto se deva ter por certo que a houvesse dado á estampa
em sua vida.»

--Que veiu a dar-se então?--Veiu a dar-se facto igual ao succedido com o
exemplar do _Testamento da Infanta D. Maria_, impresso em 1610, e que o
catalogo da Livraria Fernando Palha, ao descrever o exemplar que aquelle
bibliophilo possuía declara «_seul exemplaire connu d'une pièce non
citée par les bibliographes_».

Succede, porém, que em 1907, percorrendo nós um Inventario de Codices
adquiridos pela Bibliotheca Nacional, publicado no _Boletim das
Bibliothecas e Archivos_, N.^o 1--3.^o anno, 1904, depara-se-nos a
menção de certo Codice da Coll. Vimieiro, em cujo miôlo viémos a
encontrar um exemplar do predito _Testamento_, da mesma edição de 1610!

Tal achado annulou, por conseguinte, o privilegio de «_seul exemplaire
connu..._», attribuido pelo catalogo sobredito ao exemplar que
descreveu!

Ao diligente bio-bibliophilo Deslandes outro tanto acontecera. Não lhe
fôra dado conhecer a bibliotheca do curioso architecto José Maria
Nepomuceno, e eis que, fallecido este, divulga-se em 1897 o catalogo da
famosa livraria de que era possuidor intelligente. Ora, sob o N.^o 683,
ahi appareceu minuciosamente descripto um exemplar do _Reportorio dos
tempos_, que «posto não traga indicado o logar da impressão, nem o anno,
se póde quasi affirmar ter sido composto em Lisbôa, e no anno de 1518,
por isso que as taboas (astronomicas) indicam começarem «no presente
anno»,--o predito.

E já agora, observaremos que, sendo este _Reportorio_, como no rosto
indica, «trelladado e empremido por Val[~e]tym fernãdes alemam», está
n'estes termos implicito o testemunho formal de que o celebre impressor,
contra o que julga Tito de Noronha, _in_ Ordenações do Reino, ainda
cinco annos após o de 1513 era vivo, e exercia a arte.


Por voltar a Germão Galharde, sabe-se que por A. de 17 de março de 1539,
lhe foi outorgado privilegio de déz annos, para imprimir de novo o
_Reportorio_ de que se trata. Deslandes, porém, affirma, e d'esta vez
ainda não se apresentou facto que o contradiga, não conhecer, nem lhe
constar que outrem conhecesse, exemplar algum da impressão d'este livro,
tirada durante os déz annos do mencionado privilegio.

Declara, comtudo, em contraposição, _ter visto_ exemplares sahidos da
officina de Galharde em 1521 e 1528; edições estas que não andam notadas
por nossos bibliographos.

Por fórma que, havendo já _tres_ edições conhecidas do _Reportorio dos
tempos_, bem parece que sêja, por ora, capitulada _quarta_, como o
fizémos, a de que se está tratando. Isto, em obsequio ás que se dizem
datadas de 1519, bem como á de 1557, citada por Barbosa, das quaes, até
agora, não se achou porque se confirme a existencia.



XV


Foi Anna Picaya que terminou a impressão do _Reportorio_, objecto do
anterior capitulo.

Na Nota[43] _infra_ trasladâmos a competente subscripção.

A seguir a este livro, vem em 1561, editado pelo opulento João de
Borgonha, o tão fallado elogio da Sigéa, de Mestre André de Resende; em
1563, nova edição do precioso _Reportorio_, especie de _Diario
Ecclesiastico_, dos Oratorianos, sem o qual nossos avós do XVIII.^o
seculo não podiam passar. Finalmente, em 1564, dá ainda a Viuva de
Germão Galharde o _Exemplo pera bien bivir_, de Fernão Peres de Gusmão,
obra acabada a 21 de março do predito anno[44].

D'esta data em diante, até 5 de setembro de 1898, nada mais se soube que
se relacionasse com a officina typographica da viuva Galharde. Naquelle
dia, porém, publica o dr. Sousa Viterbo, como notámos no fêcho do Cap.
V. e correspondente nota, destes _Estudos_, resumido e commentado, o
depoimento, por denúncia feita na Inquisição em 5 de novembro de 1571,
do flamengo Pero Alberto, obreiro de Marcos Borges.[45] Resulta de tal
depoimento o ficarem desde então confirmados dois factos; mais proximo
um, mais remoto o outro. Pelo primeiro, corrobora-se a existencia da
typographia da viuva Galharde em 1563. Este não é essencial. Que a
celebre typographia funccionava ainda 1564 já nós sabiamos, e o leitor
comnosco. O que tem valôr é o outro facto; o que revela a transferencia
da imprensa de Marcos Borges de «_detrás de nossa Senhora da Palma_»
para o Arco do Carangueijo. A indicação considerámo-la preciosa, porque
nos indicava quem fôra o successor da viuva Galharde; isto é, porque
vinha concorrer, ainda que de modo indirecto, para nos fortalecer na
presumpção de que era no Arco do Carangueijo, com effeito, onde vamos
dentro em pouco encontrar Anna Picaya, com seu filho menor, que Germão
Galharde fundára a officina por elle mantida durante 41 annos.


Que terá, porém, succedido entre 21 de março de 1564, data do ultimo
livro, conhecido, impresso pela «Viuva Galharde», e 1571, anno em que
Marcos Borges nos apparece estabelecido, segundo todas as
probabilidades, na casa que ella occupara?

Tudo que é possivel responder, resume-se no seguinte:

Qualquer que haja sido o motivo, o velho estabelecimento typographico
pouco mais terá produzido, depois de 1564, sob a gerencia da viuva de
Germão Galharde, e se mais alguma obra veiu a lume, após a de Fernão
Peres de Gusmão, perdeu-se, como quasi de certeza outras se perderam,
impressas pelo fundador da casa.[46]

Certo é que a meiados de 1566, e contra o que estabeleceu Tito de
Noronha, já Antonio Gonçalves, o nomeado impressor da 1.^a ed. dos
Lusiadas, trabalhava por sua conta, muito distante do Arco do
Carangueijo, com material que pertencêra á officina de Galharde.

Com effeito, do exame comparativo de algumas das obras impressas em uma
e outra das duas officinas resulta absoluta certeza que Antonio
Gonçalves utilisou frontispicios e letras iniciaes de phantasia que
pertenceram áquelle. Já Tito de Noronha deixára notado o facto, em uma
de suas tão copiosas quanto instructivas monographias.

Por nossa parte, temos por bem possivel que o 4.^o de dez folhas n. n.,
onde se acha impresso o _Auto das Regateiras_, de Antonio Ribeiro, o
_Chiado_, e que não tendo segundo Innocencio narra, logar, data, nem
nome de impressor, apresenta, comtudo, na portada letras que parece
quererem designar _Germão Galharde_, haja saído da officina de Antonio
Gonçalves, applicando-lhe este alguma gravura de frontispicio que haja
feito parte do material daquelle impressor.

Não temos, nesta occasião, o vagar preciso para examinar este folheto,
que se acha na Bibliotheca Nacional, e pertenceu á livraria de D.
Francisco de Mello Manoel da Camara. Acaso do exame resultaria alguma
cousa de mais positivo. Seja, porém, como fôr, uma prova de decidir é a
propria composição do frontispicio dos Lusiadas, impressos por Antonio
Gonçalves em 1572. As peças que o compõem pertenceram ao material de
Germão Galharde. Esta asserção comprova-se, pondo em conspecto o
frontispicio da edição _princeps_ dos Lusiadas (a do pelicano com o
collo para a esquerda do leitor, bem entendido), e a do _Summario_, de
Christovão Rodrigues de Oliveira, sahido a lume procedente da officina
de Galharde, depois de 1551, com toda a certeza, e talvez em 1554.

Já em 1570 Antonio Gonçalves aproveitára este mesmo frontispicio no
_Reportorio dos tempos_, que lhe coube imprimir tambem, edição que a
Innocencio parece ter escapado, mas de que ha um exemplar nos Reservados
da Bibliotheca Nacional. Este sempre lembrado impressor terá começado
por ser «imprimidor-obreiro» do velho typographo francês, sendo bem
possivel que se haja conservado na casa, após a morte de seu mestre.
Resolvida Anna Picaya a fechar a officina, ou, porventura, fallecida,
terá o seu official, disposto a estabelecer-se, uma vez que a casa
acabava, comprado os aprestos desta. Tudo parece conciliar-se para
acreditar tal supposição.

Mais difficil é o precisar desde quando Marcos Borges terá passado a
occupar as casas da viuva, e o motivo que lhe facilitaria o
estabelecer-se nellas. Não parece, com effeito, que as duas
operações--venda do material a um, e cedencia da casa a outro, se
cedencia foi, hajam resúltado da mesma causa;--o desfazer da velha
officina. Lembremo-nos que em 1567, isto é, um anno após o
estabelecer-se Antonio Gonçalves, como provaremos, ainda Marcos Borges
imprimia a _Chronica de Jorge Castrioto_ no mesmo sitio onde começára a
sua laboração; «_atrás de nossa senhora da Palma_». Presumivel será,
pois, que Anna Picaya se haja conservado, com seu filho, nas suas casas,
após ter acabado com a officina, vindo, porventura, a fallecer depois de
1568, adquirindo--quem sabe?--Marcos Borges a propriedade, e
estabelecendo-se nella.

Como quere que sêja, vamos ver agora como se chegou a presumir que a
typographia de que temos tratado haja sido no Arco do Caranguejo.



XVI


Fallecido Germão Galharde, procedeu-se a inventario, sendo Anna Picaya
nomeada «titor» de seu filho Antonio. Concorriam mais filhos, já
maiores, á herança? Eis o de que não ha certeza. Das quatro obras unicas
de que nos restam exemplares, sahidas da officina do extincto, após a
morte deste, tres dizem-se impressas «_em casa da viuva molher que foi
de Germão Galharde_.» No titulo e subscripção da quarta, porém, segunda
na ordem chronologica da impressão, lê-se:

«_Lvdovicae Sigaeae_ | _Tvmvlvs_ | ¶ _L. Andrea Resendio_ | _Auctore_ |
¶ _Apvd haeredes Germani_ | _Galiardi. An._ | _MDLXI_ | ¶ _Olyssippone_
| ¶ _Venalis apud Iohannem de Borgo_ | _Regium Bibliopolam, in vico
nouo_.»[47]

Ora, esta excepção, «_haeredes_», que aliás não resolve a dúvida, por
isso que realisado o casamento de Galharde «á moda do reino»,
co-herdeira com o filho menor era a viuva, meieira na casa, parece-nos
ter sido muito de proposito empregada naquelle impresso por motivo que a
occasião tornava perfeitamente plausivel. Corria por esse tempo o
inventario seus termos, e habilitavam se á herança do chefe da familia a
sua viuva e o filho menor. A expressão _haeredes_, posta na subscripção
do _Elogio_, de Mestre André de Resende, em 1561, era, portanto, de todo
o ponto bem cabida; exprimia a situação de ambos, como inventariantes e
como industriaes. Por isso se empregou.

Quando os saccadores, em desempenho do seu cargo, _convidaram_ a viuva
impressora a entregar-lhes a importancia do escote que lhe coubera na
_voluntaria_ imposição, (entre 15 de fevereiro e 31 de outubro de 1566)
pagou ella, sem repugnar, os 455 rs. em que foi fintada. Especie de
contribuição extraordinaria de maneio, a que só escapavam os
privilegiados;--familiares do Santo Officio, servidores de S. A. e quem
quer que tivesse armas e cavallo, e «jogasse lança de dezoito palmos
para cima»[48],--era para todos os mais a commum sorte; não havia
fugir-lhe.

Mas, fechara-se, emfim, o inventario, julgara-se a partilha, e
liquidou-se o que vinha a tocar ao menor; a sua legitima. Importava em
«cincoenta e nove mil, quinhentos e vinte e dois réis». Havia mais
orphãos em semelhantes circumstancias. A provisão de S. A.
beneficiava-os, para os effeitos da _voluntaria_ derrama, com o desconto
do «terço» do valor total apurado, para que sobre o remanescente
recahisse o talho. Anna Picaya, tutora de seu filho, teria de pagar por
elle «duzentos e oitenta réis». Reclamou. Agora, não era a obrigação do
estabelecimento; era a legitima do orphão, despiedada,--provaria
até--illegalmente desfalcada. O menor Antonio Galharde era filho de um
homem que durante mais de quarenta annos tinha prestado assignalados
serviços ás letras do país que adoptara por patria. Os seus prélos não
tinham gemido só em serviço de quantos praticavam a nobre arte de
escrever, senão que tinham tambem trabalhado para a corôa. Antonio
Galharde era filho de um «official impressor da casa real»[49]; a
isenção de que seu pae, se vivo fôra, gosaria, porque não mandava S. A.
que aproveitasse ao filho menor?

Que S. A., pois, «inclinasse por um pouco a magestade.» Á triste viuva,
sobrecarregada com os encargos da tutella e ao filho orphão
devia-se-lhes contemplação. Ambos receberiam mercê no favoravel despacho
com que S. A. se servisse attende-los.

E se isto assim se passou, pode affirmar-se que a «titor» do menor
Antonio Galharde venceu! No traslado da certidão do orphanologico que
baixara aos encarregados da cobrança, e foi lançado a fl.^s 685 e segg.,
do _Livro do Lançamento_, riscou-se a designação do escote, escripta na
margem esquerda, averbando-se na direita a significativa cota, constante
do proprio documento remissor que segue:


«ORFFAÃOS»

«T^o Dos orfãos que Johão Do sal escrivão Delles Mandou a esta cassa do
lançam.^{to} per sua sua certidão»
...........................................................................
...........................................................................

«It Ant.^o filho de Jermão Galharde Imprimidor tem de ligitima cinquoèta
e noue mill e quinhètos e vinte e dous rs abatido o terco paguara
dozètos e oytenta rs e sua titor[50] Ana Picaya sua may m^{or} ao arquo
do cangreijo»

A margem direita do livro está escripto: «abatido p.^{la} provisão de S.
A. não vay a Rol»


Parece, pois, poder concluir-se do teor desta certidão que a casa que
Germão Galharde possuia, e onde residia e tinha a sua officina
typographica, era _ao Arco do Carangueijo_, isto é, no extremo N. da rua
deste nome, para além da actual rua das Pedras Negras, partindo em linha
obliqua do começo da travessa do Almada. O chanfro existente no cunhal
posterior do predio que faz face ao Largo da Magdalena, do lado de L., e
que todos podem notar, é quanto resta do Arco de Dona Thereza, de onde
ascendia para o N. a «Rua do Arco do Carangueijo.»

Passaremos agora a tratar de Antonio Gonçalves, e findaremos.



XVII


Affirmámos no cap. XV.^o d'estes _Estudos_ que a meiados de 1566 já
Antonio Gonçalves, o nomeado impressor da 1.^a ed. dos Lusiadas,
trabalhava por sua conta, muito distante do Arco do Caranguejo.

Vamos procurar dizer onde era.

Preliminarmente, porém, preciso se torna lembrar que na segunda metade
do seculo XVI, correspondente ao anno supra mencionado, Lisbôa, sob o
ponto de vista da sua divisão ecclesiastica, a unica por então
estabelecida, achava-se, de um modo geral, dividida em tres grandes
zonas; a oriental, a central e a septentrional. Confrangidas em torno
dos pendores da primitiva cidade, e descendo para a vertente sul que
lhes corresponde, todas as parochias de limitado territorio,
successivamente fundadas durante os quatro seculos anteriores. Na
extrema esquerda, imminente ao Tejo, a de Santo Estevão,
excepcionando-se do acanhado territorio de todas as mais, pela tira
enorme que a alongava até Enxobregas[51]. Ao centro, S. Nicolau e Santas
Justa e Rufina, soffregas de territorio, dominando tudo, abrangendo
tudo, reservando apenas cada uma d'ellas para si as eminencias
correspondentes á orientação das respectivas sédes. A primeira,
alastrando-se por boa parte do valle central da cidade, e trepando para
o «Bairro do Almirante», o Carmo e circumvisinhanças, bracejava, a
oeste, para os ferragiaes atinentes ás muralhas, dando a mão ás suas
duas convisinhas dos Martyres e do Loreto. A freguezia de Santa Justa,
mais extensa ainda do que a de S. Nicolau, dominando, ao septemtrião, o
resto da chãa que aquella lhe deixava, investia pelo povoado em fóra até
á Areia Gorda, por um lado, até Arroios, pelo outro, galgava o monte de
Sant'Anna, laborava as cumiadas que a aproximavam da Alcaçova, mal
permittindo, suzerana desdenhosa, como a sua possante companheira, que
algumas pequenas parochias circumstantes affirmassem a desvaliosa
existencia.

Eis porque se lê no «Livro do Lançamento» que temos manuseado, a fls.
539, v.^o, o seguinte titulo:

«_Começa o quatorzeno Rol Da freguezia De Santa Justa: Na Rua das Casas
de Manoel a.^o_ (Affonso) _até ao postiguo De Santo André_».

Estamos, pois, junto ao, de nossos dias, chamado Arco de Santo André,
que acaba de ser derribado, e que a Divisão Parochial do Patriarcha D.
Fernando de Sousa e Silva, de 1780, mandou considerar, por dentro e por
fóra, no territorio da freguezia daquella invocação constituindo em 1566
extremas de N. E. da parochia de Santa Justa.

Por escusado temos affirmar que nas listas da viação parochial,
estampadas no Summario de Christovão Rodrigues d'Oliveira, organisadas
em 1551, ou pouco depois,[52] não se encontra semelhante denominação de
rua, se tal modo de indicar uma via pública pode ser classificado
«denominação». É, com effeito, evidente que o redactor d'esta especie de
matriz, conteúda no «Livro do Lançamento» em exame, sabia bem quem era o
individuo a quem chamou «Manoel Affonso», seu contemporaneo ou não. Por
nossa parte estamos persuadidos que Bastião de Lucena grandemente se
equivocou, atribuindo o baptismal «Manoel» a um individuo que se chamou
Estevão, pois que esse é que teve casas na rua de que se trata, tendo
ambos o mesmo sobrenome. Manoel Affonso, que foi um dos sacadores deste
«Quatorzeno Rol», era proprietario, sim, mas no Beco do Poço do Ceitil.
Tinha ahi uma _atafana_[53] e n'ella residia. Da coincidencia de
sobrenomes terá, porventura, nascido o equivoco.

Como quer que seja, o designar semelhante indicação a rua onde deviam
começar as operações da cobrança, apresenta-se, tanto para o lançador
das fintas como para os sacadores d'ellas, facto natural, correntio. A
via pública de que se tracta poderia ter outra qualquer denominação, que
para uns e outros esta que lhe foi attribuida bastou.

E bastou tambem para nós.

De facto, se esta cobrança devia começar n'uma rua que ia até o postigo
de Santo André, que importa que lançador e sacadores lhe chamassem, ou
verdadeira ou equivocadamente, «Rua das casas de Manoel Affonso», se
dúvida não pode haver que tal via pública outra não é, senão o troço
mais ou menos modificado, no material e no aspecto topographico, da
actual Costa do Castello que vae do baluarte de S. Lourenço ao agora já
derribado Arco de Santo André?

Aquelle baluarte, entreposto nos lanços do norte da _cêrca velha_ da
primitiva Lisboa, foi aproveitado pelos constructores da cêrca de D.
Fernando, para lhe apoiarem no paramento o arco do postigo que tomou
aquella denominação, tambem conhecido por «Postigo da Rosa», depois da
fundação do mosteiro da rua das Farinhas.[54] Qualquer de nossos
benevolos leitores pode ver ainda agora os vestigios das nervuras do
arco embebidas no vetusto panno do baluarte, assim como, do lado
opposto, os restos desfigurados do cubello onde o mesmo arco ia
assentar. Tudo isto foi arrasado no ultimo anno do seculo XVIII.

Do postigo de S. Lourenço, a _cêrca nova_ descia a escarpa que vinha
confundir-se no labiryntho de vielas que demoravam, como ainda agora,
entre o vetusto edificio do chamado Colleginho e a Mouraria. Era-lhes
canal de communicação com a «rua de Manoel Affonso» a «Rua do Poço do
Ceitil», entalada entre a muralha nova e os muros da cêrca da Casa de
«Santo Antão», a que depois se chamou «o Velho» para o distinguir da
nova casa dos jesuitas, actual Hospital de S. José. Esta «Rua do Poço do
Ceitil», desde muito desapparecida, mas de que a carta topographica da
Commissão Geodesica, dada a lume em 1875, ainda nos quere parecer que
marca os vestigios, constituiu a cabeceira do «Trezeno rol» da freguezia
de Santa Justa.

Conclue-se daqui pois que os arroladores continuavam a adoptar a marcha
ascencional, como em nosso anterior estudo vimos, por isso que,
explorada a zona de que aquella rua era o começo, passaram a encabeçar o
14.^o Rol pela via publica immediata.



XVIII


Além destas razões de congruencia, confirmando ser, com effeito, a «Rua
das casas de Manoel Affonso» o troço da atual Costa do Castello que
ficou indicado, outros testemunhos positivos existem que nos asseguram a
identidade da rua do seculo XVI com a via publica do seculo XX.

Não podemos dispensar-nos de os apresentar, por muito que tal resolução
possa parecer extranha ao nosso objecto. Ver-se-ha que o não é.

Por Alv. datado de Evora, a 8 de junho de 1573, foi commettida ao
Licenceado Luiz Lourenço a organisação do tombo das propriedades
foreiras á Camara desta cidade. De tal diligencia se conservam os
respectivos Livros no Archivo Municipal. Examinando o segundo destes
Livros, que tem seu começo na «Rua do Arco do Rosio, da banda da praça
da palha», na freguezia de Santa Justa, averigua-se que de 1547 a 1565
havia a Cidade effectuado dez aforamentos na «rua que vai da porta de
Santo André para o postigo de Sam Lourenço, que por outro nome se chama
Villa Quente»[55].

Confrontado este titulo com o que Bastião de Lucena escreveu no Livro
que estamos estudando, acha-se que a situação da via pública do Tombo da
Cidade é de todo o ponto a mesma que se lê naquelle Livro, salvo a
orientação, que diametralmente diverge, visto que o juiz do Tombo partiu
do postigo de Santo André para o de S. Lourenço, e Bastião de Lucena fez
o contrario, para o que, segundo acabamos de ver, teve uma excellente
razão de ordem.

Ora, que tanto uma como outra das duas descripções se accomodam sem
obice algum á topographia actual, não resta dúvida, pois que o caminho
de nossos dias municipalmente chamado Costa do Castello, começando na
sua extrema oriental no fim da rua do Milagre de Santo Antonio, passa,
ao inflectir para o N., rente ao panno de muralha do baluarte de S.
Lourenço, e continúa até terminar junto do agora derruido Arco de Santo
André.

Se o leitor paciente o seguir comnosco, encontrará, á sua direita, antes
da rampa que termina a Costa e atinente a um lanço de muralha que
sustenta um pequeno quintal, uma porta, tendo o n.^o de policia 92 A,
dando accésso a extenso escadorio, que torneja, lá no alto, á direita, e
segue em varios e apertados lanços até encontrar, á esquerda, a
famigerada _Porta do Moniz_, aquella porta do Castello, origem da lenda
que Herculano pulverisou.[56] No Tombo do Licenceado Luiz Lourenço, as
escadas alludidas são a «Rua que vai da rua direyta para o Postigo do
Moniz». As casas que ladeavam a entrada de tal «Rua» foram levantadas em
chãos pertencentes á Cidade.

As da banda do Postigo de S. Lourenço, na frente do muro do quintal
acima alludido, e vinham a ser as «derradeiras casinhas quando querem
voltar da dita rua pelo caminho que vai ao Postigo do Moniz», possuia-as
um casal, Antonio Fernandes e sua mulher Barbara Gonçalves, «parda». As
da banda do Postigo de Santo André pertenciam a Estevão Affonso,
porteiro. E eis porque desta circumstancia nos veiu a tentação de achar
que Bastião de Lucena se equivocou, atribuindo a Manoel Affonso as casas
deste Estevão. Se o porteiro foi dos primeiros edificadores que teve
este troço da Costa do Castello (1547), é bem provavel que o seu nome
servisse de conhecença para a _sua_ rua, então quando era este individuo
o segundo de quantos foreiros a Cidade teve n'aquelle sitio, e aquelle o
modo de distinguir as vias publicas lisbonenses umas das outras.

Alem dos emphiteutas da Camara acima mencionados, outros havia que
figuram em ambos os documentos que temos citado. Assim, a Cidade tinha
aforado ao dr. Affonso Figueira, desembargador da Casa do Civel e
Ouvidor do crime, em dois annos diversos, 1555 e 1557, tres chãos, sobre
os quaes este magistrado levantara casas, e um quarto que elle reservara
para seu quintal, e que o era ao tempo do Tombo que vamos seguindo. A
loja de uma das casas estava em 1566 ocupada pelo tecelão «João
Francisquo», conservando-se senhorio, o magistrado sobredito. Este ahi
mesmo residiria, mas a toga excepcionou-o da obrigação do escote, e por
isso só naquella qualidade apparece no rol da derrama. Do mesmo modo
aforara a Cidade, em 1542 e 1547, dois outros chãos perto dos
antecedentes, a uma Guiomar Dias. Esta, precedendo a competente licença,
fez venda, em 1561, de uma das casas que n'elles edificara a Ambrosio
Luis, feitor da imposição dos vinhos.

Ora, tanto o magistrado Affonso Figueira como o funccionario fiscal
apparecem em sua devida altura no Rol de Bastião de Lucena, isto é, são
mencionados como proprietarios das respectivas casas, indo do Postigo de
Santo André para o baluarte de S. Lourenço, sendo a concordancia
perfeita entre os dois documentos, por isso que umas das casas do dr.
Affonso Figueira são no Tombo da Cidade, as primeiras, indo do Arco de
Santo André, partindo pelo N. E. com as de Ambrosio Luis e com outras de
outro aforamento, realisado por aquelle magistrado dois annos
depois.[57]

Absolutamente certos, pois, de que dizer «Rua das Casas de Manoel
Affonso até o Postigo de Santo André», e «Rua que vai da Porta de Santo
André para o Postigo de Sam Lourenço» é referir-se a uma mesma via
pública, e que tal referencia corresponde ao troço actual da Costa do
Castello, que vai do Baluarte de S. Lourenço até o desembocar da mesma
Costa no alto da calçada de Santo André, pedimos ao leitor benigno nos
perdoe a longa e porventura enfadonha digressão topographica, na
consideração de ser necessaria a nosso empenho:--o precisar, sem especie
nenhuma de dúvida, onde foi que teve a sua officina typographica o já
agora tão nomeado Antonio Gonçalves, «imprimidor» da notavel edição
_princeps_ do poema Os Lusiadas, do Grande Epico Luis de Camões, das
duas que trazem a data de 1572, a que apresenta o _Pelicano_
frontispicial com o collo voltado para a esquerda do leitor.



XIX


A 17 de setembro de 1566, Manoel Affonso, atafaneiro, morador ao Poço do
Ceitil e Jeronymo Gonçalves, serralheiro, morador na rua dos
Cavalleiros, escolhidos para _sacadores_ do «quatorzeno» rol da
freguezia de Santa Justa, receberam nos Paços do concelho desta «mui
nobre, sempre leal cidade de Lisboa», onde se tratava de dar execução ao
Regimento da cobrança do _voluntario_ imposto a que nos temos referido,
as competentes copias do predito Rol, e trataram de avial-as.

Deviam começar, como vimos, da extrema superior da «Rua do Poço do
Ceitil,» que desembocava, segundo dissemos, proximo do Baluarte de S.
Lourenço, pela parte posterior do Postigo da _Cerca nova_, sendo a
primeira do «trezeno» Rol.

Percorrendo toda a rua até o Postigo de Santo André, voltavam os dois
_sacadores_ para a calçada desta denominação, internavam-se na Rua da
Amendoeira, davam volta á travessa desta rua, que lá vimos ainda hoje, e
sahindo pela rua das Tendas, que parece não lográra ainda um qualquer
nome, vinham á dos Cavalleiros, findando-lhes a tarefa no «Beco de Thomé
Correa»; um beco sem sahida, de nossos dias chamado _Beco do Forno_,
primeiro á esquerda naquella rua, indo da Mouraria, e que tem lá, não
sabemos porque bullas, advertencia de ser «_logradouro particular_»(!).

Acompanhemos os honrados exactores na sua perigrinação pela rua que ía
do «Baluarte de Sam Lourenço ao Postigo de Santo André».
Despedir-mo-nos-hemos ahi d'elles. O que deste Postigo por diante
haveriam de fazer não nos interessa. Depois veremos, por simples
curiosidade, qual foi o importe da sua cobrança na area que lhes fôra
designada.

Por agora, attentemos um momento na feição da discutida via publica
lisbonense, como ella parece ter sido no 2.^o semestre do anno de 1566.

Devia apresentar, ao menos por partes, mais largura do que hoje vemos
ter, posto que não se avantajasse grandemente, neste particular, ás
convisinhas. Muito mais desafogada era ella, por certo, do que é hoje.

Ao longo da sua margem direita, indo para Santo André, e até
alcançar-lhe o Postigo, 21 propriedades, se a tal classificação poderiam
aspirar as modestas casinhas que se iam encostando á barbacã do
Castello, tendo na sua frente uma larga perspectiva panoramica, de
surprehendente effeito. Da esquerda, a ondulada ribanceira, por onde,
ainda 35 annos antes, se espreguiçava a miseranda Villa Quente, até ir
topar com a cêrca do Colleginho. Lá quasi ao começar o forte declive
que, tal qual hoje, terminava a rua, o postigo aberto na muralha por
onde se começava a subir para o do Moniz. Diante d'elle, atravessada no
caminho, a cruz de pao, demarcatoria nos titulos do Tombo municipal. Por
ahi perto, talvez, sempre da esquerda, algum pequeno grupo de casinhas,
restos da subvertida povoação. Após, os declives sobre os quaes se
levantou, no seculo seguinte, o palacete que assenta no espigão da
calçada de Santo André.

Isto, quanto á topographia local.

Vejamos agora quanto respeita ás construcções, e, porfim, aos que as
habitavam.

As 21 casas da margem direita, que a rua contava pertenciam a outros
tantos proprietarios. Destes, 12 habitavam nas proprias casas, ou sós,
ou tendo inquilinos. De todos os 21, o senhorio mais importante, era o
clerigo Francisco Dias. O seu predio--algumas barraquitas,
provavelmente--alojava 9 inquilinos, entre os quaes, 2 cegos. De
consideração, na ordem social, Joanne Fernandes, moço da camara da
Infanta D. Isabel, tendo na loja por inquilino um «sapateiro remendão».
Joanne Fernandes morava nas proprias casas de que era dono, e foram-lhe
avaliadas em 30$000 réis. Pegado ao postigo de Santo André, não esqueça
o nosso conhecido magistrado Affonso Figueira, e confrontando com elle,
o Ambrosio Luiz, que superintendia na imposição dos vinhos. Algures, ali
perto, um Joanes, cantor de el-rei, que nem por ser tal, se esquivou ao
escote. Fecham a lista três senhoras do appelido Viegas; Filippa,
Antonia e Anna.--Tres irmãas?--Que sabemos nós? Os predios das duas
primeiras, avaliados em 50$000 réis cada um, obrigaram-nas a 350 réis de
contribuição. As casas de Anna Viegas,--coisa parecida, é mais que
certo--com as barracas do Padre Dias, foram computadas no dobro; em
100$000 réis, e por isso teve de pagar 700 réis.

O predio devia valer a somma em que foi avaliado. Alem da senhoria,
habitavam n'elle mais 6 inquilinos; 3 varões e 3 femeas, como se diz em
estatistica de população. Entre as femeas, duas eram viuvas; dos varões,
um fallecera ao tempo de chegarem lá os _sacadores_, outro abalara para
parte incerta. O terceiro era typographo;--chamava-se Antonio Gonçalves,
e tinha aqui a sua officina. Elle e Maria Luiz, sua mulher, moravam mais
abaixo, para o lado de Santo André, no predio do pintor Garcia
Fernandes.



XX


Estava, pois, Antonio Gonçalves estabelecido já em setembro de 1566,
isto é, dois annos mais cedo, do que o que lhe suppôs Tito de Noronha,
na tabella com que enriqueceu a sua tão valiosa monographia _A Imprensa
Portugueza durante o seculo XVI_.

É evidente que o auctor se governou, para a inscripção da data «1568»,
pela data do primeiro livro que se conhece, sahido dos prélos deste
impressor;--as obras poeticas de Cadaval Gravio. (Pag. 82). O facto,
porém, corrobora o asserto já por nós enunciado nestas Notas; convem a
saber: que hemos de convencer-nos, todos os que perlustramos estas
materias, que, assim como a nenhum habitante da Terra será jámais
permittido ver a outra face do globo lunar, assim nos está vedado, e aos
que depois de nós vierem, o descortinar quantas obras, e quaes assumptos
vieram a lume, só no seculo XVI que seja, em Lisboa, que para sempre de
nós e dos porvindouros ficarão ignorados.

É provavel que Antonio Gonçalves continuasse a residir na Costa do
Castello, e ahi mantivesse egualmente a sua officina, até passar a
melhor vida. Nestas afastadas eras, o _inquilinato_ ainda tinha mui
fracas as azas. Voejava pouco, e com pouco se contentava. Ahi onde se
constituia familia, ahi onde se ganhava a vida, ahi se criavam affectos;
ahi se lançavam raizes. Na mesma parochia, onde marido e mulher uma vez
se desobrigavam, até o ultimo dia da vida se ficavam desobrigando.
N'ella recebiam a agua lustral do baptismo, n'ella se casavam, n'ella
continuavam a prole. Depois, no chão sagrado que todos os fieis pisavam,
vindo adorar a Deus, tinham todos, quantas vezes de geração em
geração!--o proprio e final encerro.

Pela nota com que fechamos, emfim, estes singellos apontamentos, que um
acaso nos permittiu redigir, se verá desde quando e até quando se
conhecem impressões sahidas da officina de Antonio Gonçalves, e quaes as
obras que se sabe terem sido objecto d'ellas.

Não esqueça referir que a officina de Antonio Gonçalves foi avaliada em
5$000 réis, pagando o futuro impressor dos Lusiadas o escote de 35 réis
para as necessidades da corôa.

A 26 de abril de 1567 deram os honrados _sacadores_ do «Quatorzeno Rol
da Freguezia de Santa Justa» por finda a sua tarefa, entregando, com a
nota de 239 addições cobradas, ao Thesoureiro da Cidade, André Luiz,
recebedor do dinheiro deste Lançamento, a quantia de 26$476 réis, em que
ellas importaram, jurando aos Santos Evangelhos terem procedido como
homens de bem.

Eis a Nota das impressões conhecidas, sahidas dos prélos de Antonio
Gonçalves, redigida por simples apontamentos, por se não ter prestado a
occasião a uma minuciosa e integra descripção bibliographica das que
será ainda possivel ver.

     1568--_Pythographia e Brachyologia_--Poemas publicados por Cadaval
     Gravio, segundo Tito de Noronha, in _A Primeira Edição dos
     Lusiadas_, pag. 82.

     1569--_Constituições Extravagantes do Arcebispado de Lisboa_ (3.^a
     ed.)--aos 7 dias do mes de Fevereiro. Mencionadas por Innocencio,
     _Diccion_, Tom. II, 105.

     » --_Leis extravagantes_ collegidas e relatadas por mandado do
     muito alto e muito poderoso rey D. Sebastiam, nosso senhor, por
     Duarte Nunes do Liam.--Innoc. II, 210.

     1570--_Repertorio dos Tempos_. Visto por nós na Sala dos
     _Reservados_ da Bibliotheca Nacional--B--11. Tem o frontispicio
     dois annos após empregado pelo mesmo impressor _in_ Lusiadas, de
     Luiz de Camões. Material que pertenceu a Germão Galharde.

     1571--_De Rebus Emmanuelis_, do Bispo D. Jeronymo Osorio. Cit. por
     Innocencio--Letra J. pag. 272.

     1572--Os Lusiadas--por Luiz de Camões. Frontispicio que pertenceu a
     Germão Galharde--(_Pelicano tendo o pescoço voltado para a esquerda
     do leitor_).

     1572--_Primeira Parte do Compendio da Chronica da Ordem... do Monte
     do Carmo_, por Fr. Simão Coelho. Deve cotejar-se a noticia de
     Innocencio com a descripção impressa no _Catalogo_ n.^o 7 da
     Livraria de José dos Santos & Irmão.

     1573--_Commentario do cêrco de Goa e Chaul_, &--Ha um exemplar na
     Livraria da Torre do Tombo.

     1574--_Successo do Segundo Cêrco de Diu_, de Jeronymo
     Côrte-Real.--Ha um exemplar entre os _Reservados_ da Bibliotheca
     Nacional, mas não chegámos a vê-lo, por falta de occasião.

     » --_Regras que ensinam a maneira de escrever a orthographia
     portuguesa_, por Pedro de Magalhães de Gandavo. Informações de
     Innocencio, pois se não conhece exemplar algum.

     1576--_Historia da provincia de Sancta Cruz_, &, pelo mesmo auctor
     supra-citado. É util ler a informação de Innocencio, ácerca deste
     rarissimo livro.

Por muito satisfeito nos daremos, que esta _Noticia_ logre alcançar o
agrado de nossos consocios, mais certos leitores que ella poderá ter.
Por sua especial bondade nos relevarão elles, de certo, as deficiencias
que se nella notarem, antes filhas da mingua de recursos, do que da
falta de boa vontade em alcançar o impossivel;--dá-las completas.


          Julho, 1913.

                                    Gomes de Brito.



ADDENDA


«Aos cinquo dias do mes de novembro de mil e qujnhentos setenta e hum
annos em Lisboa nos estaos na casa do despacho da Santa Inquisiçam
estando hi os senhores jnquisidores perante elles pareceo Pero Alberto,
flamengo de naçam, natural de Envres de jdade que dise ser de vimte e
dous pera vimte e tres annos e dise que hee jmpremidor e trabalha na
jmpresã de Marcos Borjes ao Arco de Cramgejo e pera em todo dizer
verdade lhe deu juramento dos Santos Evangelhos e prometeu de a dizer e
denunciando dise que elle vinha a este Santo Officio pera desencarregar
sua consciencia e dizer o que sabja o qual hee que avera oito annos que
elle partio desta cidade pera Arrochella com hum João de Leam, frances
lyurejro o qual lhe disseram em Castella que estava nesta cidade e que
fora ja preso pollo Santo Officio e jsto de preso lhe diseram aquj em
Lisboa e tambem ffoj com elles hum cornelio flamengo de naçam, naturall
de Olanda que tambem hee jmprimidor e trabalhava en casa da viuva de
Germam Galhardo e asj foj com elles hum frances por nome Pierres
d'Alltabel casado nesta cidade com hua criada ou paremta de Njcolao
Botardo que viuja na rua noua e vende papel e tambem era jmpresor ajnda
que o nam usaua muito os quaes todos quatro hiam determjnados pera
jmpremjr huas horas de Nosa Senhora em portugues e o João de Leam fazia
o gasto e o Pierres e elle confesante e outro hiam por obrejros e
chegando Arrochella por lhe nam quererem dar licença pera as jmprjmjr as
não jmprimjram e jmprimjram em lugar das oras ha gramatica de Joannes
Espauterio e dizendo elle denunciante ao Cornelio em hum domjnguo se
jriam ouvir mjssa e ouvindo jsto João de Leam perguntou ao Cornelio que
era o que elle denunciante dezja e o Cornelio lhe respondeo que elle
denunciante querja jr ouvjr mjssa ao que respondeo o dito João de Leam
dizendo que senam podia ouvir mjssa na Arrochella porem queriam a
pregaçam e dizendo jsto antes de jamtar ás oito ou noue horas o dito
Joam de Leam os leuou todos tres a hua casa grande onde estaua muita
gente e muitos banquuos e começarão a camtar por huns libros que tinham
nas mãos e dezião Joam de Leam e Cornelio que aquillo que cantavam eram
Salmos mas elle denunciante nam entendeo a linguoa e despois se pos hum
homem em hua cadejra alta a ler por hum liuro em frances espaço de hua
hora e o que leo elle denunciante nam entendeo e acabado de ler se
sajram todos da dita casa e se foram a jamtar e dahj a tres ou quatro
dias elle denunciante, dejxou a dita companhia na Arrochella e se foj
pera Leam de França, perguntado que gente era aquela que estaua na casa
da Arrochella onde elle denunciante foj com ho dito Joam de Leam e
Cornelio e Pierres ouvjr cantar os salmos, disse que eram lutheranos,
perguntado que doutrjna era a que se lia na dita casa ou se lho diseram,
dise que Joam de Leam lhe disera que aquela era doutrjna e lej de
Christo e toda aquela gente se chamavam ugunotes, perguntado se era
aquella doutrjna que aly se jnsinaua a gente a jgreja catholica Romana
disse que aquella doutrjna nam era da jgreja Romana porque nem a casa
onde se lia era jgreja se nam hua casa sem santos como cavalaryza,
perguntado se allgua pesoa o presuadio ou lhe dise que crese aquella
doutrjna que alj ensinavã, dise que nam, perguntado com quem entrara na
dita casa e onde estiveram sentados dise que com Joam de Leam e Cornelio
e o Pierres e todos quatro se sentaram juntos em hum banquo e estiueram
todos asj atee o cabo da predica que se sajram perguntado se sabe que
allgua pesoa aprouaua a dita doutrjna que se lia na dita casa disse que
soomente Joam de Leam lhe disse que aquella doutrjna era muito boa e lej
de Christo e que os papistas chamavam aquella gente ugunotes e o mesmo
lhe dise Pierres d'Alltabel perguntado quãntas vezes foram a dita casa
onde se lia a dita doutrjna dise que hua soo vez foj la com os que dito
tem, perguntado se vira jr allgua pesoa aos ditos ajuntamentos majs
vezes, dise que nam, que os companhejros nam sabe se tornaram laa majs
vezes porque elle se partio como dito tem pera Leam de França e dispois
destar seis ou sete meses em Leam de França se tornou a Espanha onde foj
preso pollo Santo Officio de Toledo e saio reconciliado com habito que
lhe tiraram loguo no cadafalso e lhe deram em pena que estivesse alj em
Toledo hun anno o qual esteue e despois pedio licença pera jr trabalhar
a Salamanqua e outras partes e lhe diserã que podia andar por toda
Espanha e porem que se nam embarcasse pera outro reyno sem sua licença e
que ho principall intento que o trouxe a esta casa ffoj por lhe parecer
que se podia saber nella que elle foj, estando na Arrochella aquela casa
com ho dito Joam de Leam e os companhejros ouvir a doutrjna dos
lutheranos por quãoto hum Alexandre Lopez christão novo e outros que a
ese tempo la estavam lhe diseram que elle denunciante fora ouvir a dita
doutrjna e que se vem dasemto pera trabalhar aquj em seu officio e que
ja isto confesou em Toledo com ho majs hall nam dise e do costume dise
estava bem com todos e lhe ffoj mandado ter segredo no caso e elle o
prometeo sob carguo do dito juramento e por o promottor fiscal requerer
a elles senhores inquisidores que por ser o dito denunciante estrangeiro
e se poder absentar pera lugar nam certo lhe reteficasemos em fforma
elles senhores mandaram chamar os muito reverendos padres frej Belchior
de Sam Mjguel e frej Estevam Caveira, ambos da ordem do bem aventurado
Sam Domingos e pregadores perante os quaes despois de tomarem juramento
de ter segredo em forma o dito denunciante disse que o dito contheudo em
esta sua denunciaçam que eu notario lhe li toda de verbo ad verbum e
lida e por elle entendida disse que asj o disera e estava escripto na
verdade e afirma e ratefica e de nouo torna a dizer e asjnou com os
ditos senhores inquisidores e os ditos padres que estiveram presentes
por honestas e religiosas pesoas e eu Joam Velho notario appostolico o
sprevi, diz no riscado Symam de Saa Pereira e declarou sendo perguntado
que na dita casa onde estava o dito ajuntamento de gente segundo seu
parecer, Pierres tinha hum liuro na mam e que todos os ditos seus
companhejros a saber Joam de Leam e Pierres e Cornelio cantavam com ha
majs gente os ditos Sallmos em frances que elle denunciante nam entendia
e asynou com elles Senhores padres e eu Joam Velho notario appostolico o
sprevi (aa.) _Jorge Gonsallvez Ribeiro_--_Pedro Alberto_--_Simão de Saa
Pereira_--_Frej Belchior de São Miguel_--_Frej Estevão Caveira_».

_Livro de Denuncias do Santo Officio_ (n.^o 106).



Notas:

[1] O _Livro do Lançamento e Serviço que a Cidade de Lisboa fez a El-Rei
Nosso Senhor_, de que démos abreviada noticia no jornal _Novidades_, de
9 de junho de 1897, tendo começado em 15 de abril de 1565, e terminado
em 6 de setembro de 1567 as operações da cobrança, de que o alludido
_Livro_ é muito curioso registo.

[2] «_T.^o da fr. Da Madalena--Rua Nova dos feros Danbas as bandas_»
f.^o 44, V.

[3] João de Borgonha era proprietario de umas casas na «rua da
Gibetaria», que tinham 5 inquilinos. Tinha outras casas na «rua do
Terreiro da Portagem», onde eram seus inquilinos um Pedro de Sousa,
ourives de ouro, e um João Fernandes, mercador, recem-chegado do Peru.

Os outros dois inquilinos, dos 4 que o predio tinha, não são de
importancia.

Finalmente, este abastado livreiro-editor ainda possuia umas «tendas»
nas costas do Terreiro do Trigo.

[4] Ás vezes, tambem não eram de todo bem succedidos em suas um tanto
arriscadas especulações; testemunha, Alonso de Leon, que, em 1575, foi
denunciado á Inquisição por um tal Raphael Perestrello, porque entre os
livros de que era mercador, em Lisbôa, vendia alguns, impressos em
Flandres ou em França, «_e falavam contra o officio divino e contra a
missa_».

_Arch. Histor. Portug._ fasc. n.^{os} 75 e 76, pag. 153.

[5] «It Migel darenas liureiro seu obreiro......... avaliado [~e] cinquo
mil rs...» (fol. 45 do cit. codice).

Ácerca deste Miguel de Arenas e de seu parceiro João de Molina, assim
como de João de Borgonha, e outros livreiros e impressores de que esta
Noticia se occupa, leem-se com fructo os artigos que lhes respeitem _in
Docum. para a Hist. da Typogr. Portug. &_, de Venancio Deslandes,
Lisboa, Imp. Nac., 1888.

[6] A _Recopilaçam_ tivera, segundo as primordiaes informações de
Barbosa Machado, posteriormente ampliadas por Innocencio, duas edições;
uma, de Coimbra, por Antonio de Maris, 1569, outra, de Lisbôa, por
Marcos Borges, 158O. Nem de uma, nem de outra apparece, desde muito,
exemplar algum.

De uma terceira edição,--aquella a que o texto se refere--apenas existia
um exemplar na copiosa livraria do convento de S. Francisco da Cidade.
Delle se serviu Alexandre das Neves Portugal, para ajuntar á 2.^a ed.
das _Advertencias dos meios que os particulares podem usar para
preservar-se da peste, &_, por aquelle naturalista redigidas, e mandadas
publicar pela Academia, em 1797 (?)

Exhausta, com effeito, esta 1.^a ed., voltou a douta corporação a fazer
reimprimir 2.^a, em 1801, ajuntando-lhe, porém, agora, mas com rosto e
paginação especial, o opusculo dos dois medicos sevilhanos, o qual na
1.^a apenas fôra objecto de simples referencia, impressa no Prologo. O
formato das duas edições das _Advertencias_ é de 12.^o

Ficou, pois, a _Recopilaçam_ em 4.^a ed., copiada da de 1598, conforme
se vê na folha do rosto.

[7] Parece ser esta a 3.^a edição, havendo entre esta e a de Ferrara,
1554, uma de Evora, 1557-58. Nas edições de Ferrara, e de Colonia
chama-se á novella: _Hystoria de Menina e Moça_. Veja-se no pref. de
_Menina e Moça_, ed. do Porto, 1891, a Nota ^1 de pag. LXXVIII, do punho
do nosso consocio, sr. D. José Pessanha. Innocencio não mencionou a ed.
de Ferrara, por onde entende ser 2.^a esta de Colonia.

[8] _A Imprensa Portugueza no Seculo XVI_, cap. 4.^o--Livreiros. No
Archivo da Camara desta capital ha uma carta de venda, em que interessa
a corporação dos livreiros da Irmandade de Santa Catharina, datada de 11
de maio de 1557, e na qual Salvador Martel assigna como testemunha de
certas diligencias. Vid. _Elem. para a Hist. do Mun. de Lisboa_, Tom.
II, 584, nota da pag. anter.

[9] «_T.^o da freguezia da See_», fol. 9.

[10] A «rua da Costa», da relação de Christovão, na freguezia da
Magdalena. Nesta freguezia dá a mesma relação «Duas travessas que não
tem nome». Uma destas poderá ser aquella onde estavam estabelecidos os
dois livreiros.

[11] Como se vê por este exemplo e o outro supra, Bastião de Lucena,
escrivão deste recenceamento, obrigava a syllaba «gi» a soar como «gui»,
o que não é peregrino entre a gente menos letrada deste seculo.

A Fonte da Preguiça ficava «além da Porta do Mar», para oeste das casas
de Affonso de Albuquerque «que tem as pontas de diamantes», e logo a
seguir a outras que pertenciam á Cidade, segundo o que se lê no _L.^o
1.^o do Tombo das propriedades foreiras á Camara_, codice do Archivo
Municipal.

Sobre a fonte erguiam-se umas casas, onde, na occasião deste arrolamento
(1565), morava um tal Francisco d'Arruda, de quem, infelizmente, Bastião
de Lucena não mencionou a occupação.

[12] Temos a opinião de que o _Summario_ não sahiu a lume antes de 1554,
embora se haja inferido das expressões de seu antes compilador, do que
auctor, a data de 1551.

[13] É forçoso confessar que Bastião de Lucena, o escrivão deste
recenseamento, teria feito, se de tal se lhe quizesse suppôr o
proposito, quanto houvera sido preciso para negar á posteridade a
existencia do velho Johanes Blavius, tão mal affirmada nas folhas
amarelladas do codice, onde lhe foi desfigurado o nome.

O respectivo lançamento diz, com effeito, e em verdade, o seguinte:

«It cladio colon Inprimidor em cassas de bento giz av^{do} [~e] tres
mill rs paguara xxj rs»

Ora, não só não houve nenhum impressor estabelecido, deste tempo, que se
chamasse Claudio, querendo ver a falta de um «u» no nome proprio escrito
por Lucena, nem o «imprimidor» arrolado era simples «obreyro»; isto é,
official typographo, para nós desconhecido, porque, nesse caso, o
escrivão do recenseamento o declararia tal, como o fizera a respeito de
Miguel de Arenas, e o fez, referindo-se a Marcos Borges, segundo adiante
veremos.

O presumivel, pois, será que Bastião de Lucena haja desfigurado o nome
de João Blavio, reunindo em dois inintelligiveis vocabulos o appelido do
impressor, e a indicação da sua terra natal.

[14] De certeza, temos que a «_Primeira Parte da Chronica dos Menores_»,
de Fr. Marcos de Lisboa, que João Blavio imprimira em 1557, editada por
João de Borgonha, foi reimpressa por Manoel João, em 1566. Pareceria
curial que o impressor da 1.^a edição, estando ainda vivo, e
estabelecido, como o vemos pelo texto, fosse o encarregado da
reimpressão, tanto mais que foi o mesmo João Blavio que em 1562
imprimiu, por conta daquelle opulento editor, a _Segunda Parte_ da
indicada _Chronica_.

Pelo numero de obras, de que ha noticia terem existido, sem que
chegassem até nós, se póde fazer idéa de quantas se terão perdido, em
edições que se não repetiram, e não conheceremos jamais.

Não anda liquido qual fôsse a 1.^a ed. do _Palmeirim_, em linguagem
portuguêsa, sendo certo que, se o conselheiro Macedo teve a que dizia
ser 3.^a ed., impressa em 1564, outras duas anteriores houvera já, que
assim como esta, se não conhecem.

Tampouco se conhece a 1.^a ed. da _Aulegraphia_, de Jorge Ferreira de
Vasconcellos, deduzindo-se apenas pelo titulo da de 1561 dever ser esta
a 2.^a, pelo menos.

Da _Comedia Ulysipo_, do mesmo Jorge Ferreira, tambem se não conhece a
1.^a ed., muito anterior, por certo, á que seu genro D. Antonio de
Noronha emprehendeu em 1619. Quanto aos _Triumphos de Sagramor_, do
mesmo Ferreira, resta saber se as conjecturas de Innocencio, ácerca da
existencia desta obra prevalecerão, ou não.

Enfim, uma prova, ainda que indirecta, de que se imprimiram no seculo
XVI^o. obras, de que nenhuma noticia resta, é que ha, applicados a
outras obras conhecidas, frontispicios que decerto não foram feitos para
ellas, senão para outras, em que pela primeira vez appareceriam, sem se
saber quaes fossem, e quem hajam sido seus autores.

[15] Obras do Poeta Chiado, colligidas, &, por Alberto Pimentel.

[16] «_T^o Da freguesia De San Nicoláo_», fol. 176.

«It Marcos Borjes Inprimidor obreyro em cassas da molher do doutor ant^o
medis/Bracal paguara x b j i rs»

[17] Eis o texto completo do rosto desta obra:

«_Paradoxo ou sentença philosophica contra a opinião do vulgo: Que a
natureza não fez o homem senão a industria. Dirigido ao muy alto &
inuictissimo Rey de Portugal dom Sebastião Primeyr_ (sic) _deste nome.
Por Jo Cointha Senhor des Boulez Fidalgo frances... Agora nouamente,
feyto & impresso nesta cidade de Lixboa em casa de Marcos Borges
empressor del Rey nosso senhor. Ao primeyr_ (sic) _de Janeyro de 1566.
Vede se na empressão detras de nossa senhora da Palma_».

Em 29 quartos de papel, sem numeração. Innocencio descreve o exemplar
deste raro opusculo pertencente a Figanière.

[18] «Arcos por traz da Ermida da Palma.» Lado de L. 4 propriedades;
lado do S. outras 4. _Tombo do Bairro do Rocio, fls. 156 e 156 v.^o_

Como simples esclarecimento, que facilite o ajuisar da situação desta
ermida, diremos que ficava por muito proximo do pequeno largo ainda
agora conhecido por largo dos Torneiros, rasgando-se na rua dos
Fanqueiros, na extrema L. da rua de S. Nicolau.

[19] «_A Imprensa em Portugal no seculo XVI_», artigo de Sousa Viterbo
_in Diario de Noticias_, de 5 de setembro de 1898.

[20] O segundo destes valiosos estudos foi dado a lume na _Archeologia
Artistica_, 1.^o anno, vol. I, fasc. II, publicada pelo sr. Joaquim de
Vasconcellos--Porto, 1873.

[21] Manoel João rubricou os fêchos do 1.^o e do 2.^o Livros desta
compilação, imprimindo «Manoel», empregando, comtudo, o «u» nos tres
ultimos. Notemos que Tito de Noronha é tambem um de nossos diversos
auctores modernos que seguem o exemplo dos que, nomeadamente no seculo
XVII.^o, adoptaram o «o» na graphia do nome proprio «Manoel»,
distinguindo-o assim, e crêmos que bem, do seu igual castelhano.

Francisco Manoel, Bocage, que adoptou para distinctivo academico o
anagrama do seu baptismal: _Elmano_, e já bem proximo a nós o estadista
Manoel da Silva Passos, ortographaram com «o» o seu nome proprio. A
mesma pratica se observa entre as familias nobres que usam deste nome
proprio, por appellido ou sobre-nome.

[22] Uma anterior edição deste _Regimento_, datada de 1542, sahira dos
prélos de Germão Galharde. Innocencio cita-a na letra A (Artigos), e
Tito igualmente se lhe refere na monographia _Ordenações do Reino_, pag.
82.

[23] O pobre do guarda-roupa, improvisado pregoeiro das grandezas de
Lisbôa, não attendendo a mais nada, sommou os «roles» das vias públicas
das 23 freguezias que os tiveram (porque S. Martinho não teve «role»), e
achou o total das 521, das tres categorias, que pormenorisou quasi no
final do livro, sem contar as 2 calçadas e alguns «adros» que elle, ou
outrem, fez entrar na especial dos «62 Postos», a que no texto se fez
referencia.

Não attentou, porém, o diligente chronista lisbonense na _compartilha
parochial_, e sommando, sem mais exame, as 23 relações de vias públicas
que os priores e curas da cidade lhe facilitaram, por ordem do
Arcebispo, não deu porque 38 destas, obedecendo áquelle sistema, se
apresentam _80 vezes_ repetidas por 2 e 3 freguezias, o que reduziu, por
conseguinte, a 479 o numero verdadeiro das vias públicas constantes do
_Summario_.

Deve porém advertir-se que na Lisbôa do tempo deste livro havia já muito
antigas vias públicas que, por qualquer circumstancia, nelle não
figuram. Daremos para exemplo, por ter adquirido a particular
notoriedade que lhe vem de figurar no _Monge de Cister_, a celebre «rua
de D. Mafalda», que os lançadores de 1565 arrolaram, «com suas travessas
e hospital» (o dos Palmeiros), na freguezia da «Madanela».

[24] Já deixámos explicado como o vocabulo «congro» traduz, neste caso,
um acentuado barbarismo. Ao vulgo, é mais que certo, escapou
naturalmente o termo letrado «combro», de que poucos estariam, neste
tempo; como ainda agora, no caso de alcançar o significado. A ignorancia
dos letreireiros que, ao alvorejar o seculo transcurso, foram
encarregados pela Administração Geral dos Correios de appôr os disticos
nas vias públicas da nossa capital, foi origem a muitos desconcertos
desta ordem. Assim, o Pateo do «Porcili», appelido italiano, foi
convertido em Pateo do «Pocildes», o beco dos «Beguinos» ficou-se
chamando beco dos «Biguinhos»; outro beco, o da «Calheta»,
transformou-se em beco da «Galheta», a Praça dos «Remolares» foi muito
tempo conhecida por Praça dos «Romulares», &. Infelizmente, não occorreu
verificar se a graphia dos _artistas_ saíra triumphante da prova, e por
isso, ainda agora se andam remediando estas aberrações ortographicas
municipaes.

[25] Este _Conde_ era um Domingos Fernandes, que tinha por alcunha «_o
conde_». Era «porteiro do concelho», e morava na rua a que déra a
alcunha, em casas suas.

Pela coincidencia, notaremos que, ha quarenta e tantos annos,
estacionava na então denominada Rua de S. Francisco, um moço de fretes,
chamado tambem Domingos Fernandes, e que tendo sido criado de Almeida
Garrett, era conhecido pela alcunha: _o visconde_, do titulo daquelle
que fôra seu patrão.

[26] Não se nos afigura fóra de proposito esclarecer que o Chão
d'Alcamim («Alcamim, hortaliça sêcca», segundo Fr. João de Sousa, _in
Vestigios da Lingua Arabica_), antigo cemiterio mourisco, e
posteriormente provavel cemiterio da freguezia de S. Mamede, formava a
divisoria territorial das duas freguezias, esta, e a de S. Christovão,
uma das suas convisinhas. Ficava sobranceiro ao modesto mas antiquissimo
edificio parochial daquella invocação; isto é, occupava o terreno por
onde agora discorre a calçada do conde de Penafiel, e ligava-se á Costa
do Castello, tal qual esta calçada se liga á juncção da extrema da rua
do Milagre de Santo Antonio com o principio da sobredita Costa. A igreja
parochial de S. Mamede assentava no sitio da meia laranja, denominada
Largo do Correio-Mor.

Ainda em principios da segunda metade do seculo passado, o terreno
montuoso onde fôra o Chão d'Alcamim era vulgarmente conhecido pela
denominação de _Entulhos da rua de S. Mamede_. No alto da rampa que se
rasga sobre a Costa, e no rez-do-chão do predio que para ella faz
esquina, á esquerda de quem sobe, estava estabelecida, na face de leste,
sob o n.^o 5, a tipographia de Luis Correia da Cunha, onde se imprimia,
em 1860, a edição em 16.^o dos Lusiadas, de Luis de Camões, adoptada
para texto poetico nos Institutos de ensino livre, daquella época. Esta
edição foi repetida pelo mesmo tipographo, em 1864, em formato igual, e
igual numero de paginas.

[27] Como estamos no terreno resvaladio das supposições e das
probabilidades, seja-nos permittido aventurar a supposição de que este
dr. João de Barros possa ser o proprio homonymo do auctor das _Decadas_,
com quem alguma vez foi confundido, e que em 1540 deu a lume na cidade
do Porto o _Espelho de Casados_, impresso por Vasco Dias Tanco de
Frexenal. Dr. João de Barros ou nasceu no Porto ou em Braga, e vivia
ainda em 1553, mas, se como informa Barbosa Machado, elle foi do
Desembargo do rei D. João III, e seu escrivão da camara, não sería
impossivel que, fixando residencia, por tal facto, era Lisbôa,
adquirisse para sua habitação a casa onde Manoel João estabeleceu a sua
officina.

[28] É patente que todo aquelle plaino, aquella _achada_ de que ahi
perto se perpetúa a secular recordação (largo e rua assim denominados)
passou, e por mais de uma vez, por grande transformação, depois do
terremoto de 1755. Os antigos paços de S. Christovão, que occupavam na
parte posterior muito maior area, do que a do actual palacio que foi dos
Vagos, ficaram circumscriptos ao que ahi vemos. O lado esquerdo das ruas
do Regedor e de S. Christovão foi refeito. O proprio adro da parochia,
onde havia _dois_ cruzeiros, foi modificado. A medieval «travessa do
monturo do benete» converteu-se, se não no todo, em parte ao menos, nas
Escadinhas de S. Christovão; o «arco de João Corrêa», que se encostava á
esquina dos velhos paços, donde a gentil princeza, irmã de Affonso V,
sahiu desposada para Allemanha, refeito com o palacio novo, desappareceu
posteriormente, deixando por testemunha da sua existencia ali o grande
chanfro que modificou o cunhal do palacio, tal qual o lá vemos.

[29] Esta noticia, transcripta como no texto advertimos, do livro
opportunissimo de Venancio Deslandes, e se lê a pag. 42, nota 1,
conjugada com os largos esclarecimentos da pag. 63 e seg. nota 1, da
mesma obra, ácerca do rarissimo _Tratado_ de Bento Fernandes, vem
esclarecer o intrincado caso a que Innocencio se refere, ao registar
este auctor, no vol. II do seu _Diccionario_.

Após ter inscripto a obra, sob o n.^o 1858, seguindo a indicação de
Antonio Ribeiro dos Santos, que em suas _Memorias_, a pag. 108, déra
noticia della, como impressa no Porto, em 1541, por Vasco Dias Tanco de
Frexenal, parecendo, todavia, não a ter visto, nota, com effeito, o
experiente bibliographo que Barbosa já se referira a esta mesma obra,
como impressa em 1555. Innocencio fecha a sua noticia, confessando que
tambem nunca vira o _Tratado_, nem sabia onde existisse.

Agora se concilia, pois, tudo. Bento Fernandes terá, com effeito, dada
uma 1.^a edição em 1541, tirada dos prélos de Vasco Dias Tanco,
repetindo 2.^a no proprio anno em que parece ter fallecido, a julgar
pelo que escreveu o auctor da _Descripção Topographica do Porto_; isto
é, em 1555, utilisando agora os serviços de Francisco Corrêa.

Accrescente se que Noronha, no final das _Tabellas_ da _Imprensa
Portugueza no Seculo XVI_, pag. 29, assigna a Vasco Dias Tanco os annos
de 1540 1541, como os da sua permanencia no Porto, onde teria impresso 3
obras. Do mesmo modo, na Introdução do _Espelho de Casados_, do dr. João
de Barros, fol. 7, v.^o, regista a presença de Francisco Corrêa naquella
cidade em 1555.

Vê-se, pois, que os dois auctores estão perfeitamente concordes, no
tocante a cada uma das phases da vida dos dois tipographos, supra
alludidas.

[30] «T.^o da fr. da Magdalena», f.^o 82 v.^o

[31] Aliás _Lisarte_, de que, definitivamente, veíu a formar-se
_Lisardo_, por ex. «_Silvya de Lysardo_» (1597), passando assim o que
parece ter sido nome proprio a appelido, como o seu consimilhante
_Jusarte_, que de ambos os modos foi, de frequencia, empregado.

A Jusarte Pacheco, morto no accomettimento de Calecut, filho do grande
Duarte Pacheco, chama Gaspar Corrêa «Lisuarte Pacheco», segundo se lê na
_Lenda de Affonso de Albuquerque_, pag. 19. Na descendencia do genovês
«Salvago», naturalisado pelo rei D. Manoel, anda um Jusarte Salvago, a
quem D. João III nomeou Almoxarife dos Armazens de Lisboa.

De Jusarte, appellido, se deriva Zuzarte, e assim o nota o sr. Anselmo
Braamcamp Freire, descrevendo o Brasão dos Jusartes na _Armaria
Portuguesa_, pag. 284, da folha appensa ao Arch. Hist. Port., vol. VIII,
fasc. 87 e 88.

Ao passo, porém, que Jusarte alterna com Lisuarte ou Lisarte, como nomes
proprios, vêmos Jusarte empregado n'este mesmo seculo, e muito proximo
aos tempos dos Pachecos, na India, como appelido.

Assim, o proprio Gaspar Corrêa, além de outros de menos nomeada, se
occupa extensamente na _Lenda_ do 5.^o Governador D. Duarte de Meneses,
de Martim Affonso de Mello Jusarte, capitão de Ormuz, cujos trabalhos em
Malaca e outras partes narra com individuação.

Este appelido, revivescendo no seculo XVII na pessoa do escriptor Fr.
Pedro da Cruz Jusarte, vem até nossos dias ligado a uma das familias
mais consideradas do Alemtejo; a dos Condes de Avillez, cujos
antepassados e descendentes o empregam logo a seguir ao sobrenome--p.
ex.: «Jorge d'Avillez Jusarte de Sousa Tavares de Campos».

Quanto ao ramo dos Zuzartes, vemos, ainda no _Tombo Pombalino_ D.
Marianna da Silva Zuzarte, proprietaria em 1755 de casas no beco do
Bugio. Quando, posteriormente, se formou a rua da Saúdade, derrubada a
parte do beco onde taes casas eram, foi-lhes marcado terreno e
alinhamento na nova rua, para a reconstrucção, que veiu a receber o
numero de policia 8. Em nossos dias, era proprietario d'estas casas um
cavalheiro Araujo Zuzarte, antigo administrador de um dos Bairros d'esta
Cidade.

[32] Isto é: 455 réis.

[33] Este «Ilusuarte Peris», cujo nome e appelido parecem ter soffrido a
truculenta sorte de João Blavio de Agripina Colonia, sob a pena barbara
de Bastião de Lucena, era proprietario na rua que tinha o seu nome,
sendo elle que, provavelmente, a _fundou_, á semelhança de outros muitos
exemplos mais, quer por aforamentos feitos á corôa dos terrenos onde se
edificavam as primeiras casas, quer por qualquer outro modo que
attribuísse aos _fundadores_ um tal qual direito de propriedade no
denominar das vias públicas.

As casas de Ilusuarte Peris constam dos lançamentos 27 a 29 do grupo
comprehendido no titulo expresso no texto, e tinham por inquilinos:

«Margaida Ribeyra, Francisca Anriquez, molher cortezan e Eytor
Fernandes, Indio».

O mesmo Ilusuarte Peris tinha tambem outras casas na «rua das
Cristaleyras» e ahi eram seus inquilinos uma viuva e um tintureiro. Esta
rua apparece já nos roes de Christovão (1554?). A de «Ilusuarte Peris»
deve ter-se formado nos annos que separam a obra do guarda-roupa do
Arcebispo lisbonense do recenseamento que estamos examinando.

[34] Em qualquer das duas edições da _Pratica Darismetyca_ (1519 e
1530), impressas por Galharde, se declara este «_frãcez_», passando a
primeira por ter sido a sua estreia, como chefe de officina. Por igual
lhe declara a nacionalidade a subscripção do Livro 2.^o das
_Ordenações_, bem como a do 3.^o, e ainda a dos _Statutos da Ordem de
Santiago_, não sendo difficil que se registem mais exemplos.

Tambem no _Memorial de Pecados_, de Garcia de Resende, impresso em 1521,
apparece o appelido d'este impressor composto, em parte, á
francesa;--«_Gaillarde_», e nas _Ordenações_, «_Galhard_». Além d'estas,
ha outras variantes, taes como, a da _Cronica llamada el triunfo, &_,
onde parece que se lê «_Gallarde_», e a do _Cerimonial da missa_, que
imprime «_Gallardo_». Na _Cartilha que cont[~e] breuem[~e]te_ é que o
appelido do celebre impressor apparece como veiu a ficar:--«_Galhardo_».

Na diplomatica de D. João III chama se-lhe: «_Germão Galharte_».

[35] Affirma-o, como facto por elle proprio verificado, o conspicuo
bibliographo Tito de Noronha, _in_ Ordenações do Reino--Seculo XVI,
_apud_ Archeologia Artistica, _1.^o anno, vol. 1, fasc. II, cap. XI_,
pag. 76 (1873).

Repetiu a affirmativa _in_ A Primeira Edição dos Lusiadas, Porto, 1880,
a pag. 80, nota (68), _in fine_.

[36] _Jornal do Commercio_, de 2 de maio do 1871.

[37] Mais outra vez vem a lume o titulo d'este livro quasi quatro vezes
secular. É como segue:

«Missale secumdum consuetudinem Elborensis ecclesiae noviter impressum».

Na subscripção final lê-se:

«Impressum Ulixipone expensis magistri Antonii Lermet Elborensis
civitatis librarius per Germanus Galhardum. Anno salutis nostre
millessimo _quingentessimo nono_. Pridie Kalendas martii. Deo Gratias».

Assim, pelo plausivel alvitre de Tito de Noronha, entre
«_quingentessimo_» e «_nono_» devia ter-se composto _vigesimo_, falta
que só quem não sabe quanto é facil de escapar, ainda ao mais attento
revisor, o salto da composição de um vocabulo entalado entre outros, e
n'uma data, principalmente, não comprehenderá. No texto se exemplifica
um curioso similhante caso de nossos dias.

[38] Em sua Bibliographia Historica Portugueza consigna Figanière ter
visto em um exemplar da terceira Decada da *Asia*, de João de Barros,
impresso por João de Barreira em 1563, a omissão typographica M. D.
LIII.

[39] Isto é, em 1513-«Ordenações do Reino--Seculo XVI», pag. 31.

Adiante veremos que a conjectura não se confirma.

[40] Gaspar Nicolas, natural de Guimarães, foi escrivão da tabola de
Coimbra e das cizas da mesma cidade, como consta de varios diplomas de
nomeação e quitação, das chancellarias de D. Manoel e D. João III, no
Arch. Nac. da Torre do Tombo.

Era, pois, como hoje diriamos, um funccionario de fazenda, e, portanto,
no caso de se occupar da materia que foi assumpto ao seu, desde seculos,
rarissimo livro.

Tito de Noronha determinou, em 1874, o começo da actividade officinal de
Germão Galharde, pelo conhecimento que teve do exemplar e edição citados
no texto; exemplar, pertencente, ou que veiu a pertencer ao sr. visconde
de Azevedo. Innocencio, porém já em 1859 notava que no catalogo da
livraria de Joaquim Pereira da Costa andava descripto um exemplar da
_Pratica Darismetyca_, com a data de 1519. Ao diligente bibliographo,
parecia, comtudo, _erro_ semelhante data, e aqui vêmos como se enganou!

Germão Galharde, como está registado no começo da nota ^1, de pag. 44,
fez 2.^a edic. do Tratado sobredito em 1530.

[41] Eis as expressões do fecundissimo polygrapho:

«Duvido se tem V. m. já noticia de outro livrinho que estou imprimindo,
e o fiz mais depressa do que a _Calsada dos Galhardos_. Chamo-lhe
Pantheon, terá quatro até sinco folhas, com 2500 versos.»

Bibliot. Nacion. de Lisbôa--MM s.--Fundo antigo, 155. «Cartas de D.
Francisco Manuel de Mello a Antonio Luiz de Azevedo, com introd. e
notas, por Edgar Prestage--Imp. Nac. 1911». É a n.^o 24, e o passo lê-se
a pag. 70.

[42] Este pateo é o primeiro, á esquerda, na rua de Santo Ambrosio,
tendo o portão que lhe dá entrada o n.^o 17. Depois que os Galhardos o
largaram, habitaram ahi _as Patinhas_, isto é, as filhas de um Don José
Patiño que exerceu aqui, em Lisbôa, qualquer cargo official do seu
país.--Um appelido estrangeiro convertido em assumpto de galhofa.

Morreram _as Patinhas_, e succedeu na denominação do pateo um tal José
Alexandre, que ahi persistiu até ha pouco.

Hoje, o Pateo é _Villa_, porque os estrangeirismos, ainda que prestem a
riso, são-nos mais bem acceitos, do que o que sempre teve sabor
nacional. Já o dizia, ainda que por fórma muito mais conceituosa, no
seculo XVII, um dos nossos mais distinctos escriptores.

Emfim, a _Villa_ appellida-se «_Domingues_», e voltará a andar por ali
outra vez o dominio castelhano...

[43] Frontispicio:

«_Reportorio dos tempos em linguajem português.

Foy impresso em Lixboa em casa de Germão Galharde, Anno 1560._»

Fecho:

«_Acabou-se o Reportorio dos Tempos em linguagem português. Agora
nouamente emendado e impresso cõ muytas cousas acrescentadas de nouo_,
etc., _O qual foy impresso em a muy nobre e s[~e]pre leal cidade de
Lixboa, em casa da viuua, molher que foi de Germão Galharde [~q] sancta
gloria aja. Anno de 1560._»

[44] Reservados da Bibliotheca Nacional--A--443.

[45] Tendo nosso presado amigo, sr. dr. Antonio Baião, publicado no
Archivo Historico Portuguez, vol. VII, pag. 150 e seg., (1909) o
extracto desta denuncia, como fazendo parte de suas noticias ácerca da
_Inquisição em Portugal e Brazil_, appensaremos aos presentes _Estudos_
o seu teor, na integra, para que nossos benignos leitores possam ajuisar
plenamente do valor deste documento, não só quanto ao caso que nos
occupa, senão tambem quanto ao que elle revela, sob o ponto de vista do
triste estado dos espiritos em Portugal, na época tão bem retratada no
predito documento.

Ao nosso presado amigo muito agradecemos o grande obsequio que lhe
ficámos devendo, com a copia deste depoimento, que tão amavel quão
solicitamente se serviu communicar-nos.

[46] Entre as gravuras frontispiciaes conhecidas do seculo XVI algumas
ha que foram executadas para obras que não chegaram até nós. Lembra-nos,
por exemplo, a que se vê na Sala dos Reservados da Bibliotheca Nacional,
n.^o A--149, que deve ter sido expressamente aberta para obra differente
daquella em que ali se nos patenteia, e que todavia, se não conhece.

Porventura se terá presente o que, referindo-nos em uma das Notas do
Cap. IV, á _Primeira Parte da Chronica dos Menores_, de Fr. Marcos de
Lisboa, se nos offereceu ponderar, a respeito de obras que se sabe terem
sido impressas, mas que de todo desappareceram.

[47] Nosso venerado Patrono, Diogo Barbosa Machado, já déra noticia
desta obra, com a competente indicação, _ipsis verbis_, do respectivo
titulo.

A ella se referiu, repetindo-o, ainda que menos pontualmente, o
incançavel Innocencio, notando, com assás de razão, as imperfeições
infelismente commettidas pelo douto Antonio Ribeiro dos Santos, no
tocante a este particular motivo.

Ultimamente, o Sr. Anselmo Braamcamp Freire deu a descripção da obra, e
seu titulo, imprimindo este com toda a perfeição, _in_ Archivo Historico
Portuguez, vol. VIII, n.^{os} 8 a 11 (92 a 95--1911), fielmente
transcriptos uma e outro dos que lhe deu a Sr.^a D. Carolina Michaëlis
de Vasconcellos, por copia do exemplar que a S. Ex.^a pertence. É este
mesmo titulo que está presente na occasião, e se transcreve de
preferencia aos dois citados _supra_.

[48] Manda, todavia, a Ordenação, no Liv. II, Tit. 61, «que qualquer
pessoa que de nós tiver Privilegio, de qualquer sorte que seja, ou que o
tenha por respeito da pessoa com quem viver, em qualquer maneira que
pelo Privilegio da tal pessoa guardado fôr, tenha lança de _vinte
palmos_, ou dahi para cima, em sua casa».--Isto é, tenha lança de
4,^{m}40, ou superior a esta medida.

Vê-se, portanto, do confronto dos dois textos que a medida-padrão destas
armas diminuira, pelo discurso do tempo, muito perto de 0,50.

Na Europa do XIV.^o seculo, a medida mais commum das lanças com que se
armava a gente collecticia a soldo de qualquer procer, era, segundo
Cibrario, _in_ Economia Politica da Meia Edade, de _dezoito pés_, o que
corresponde a 5,^{m}94.

[49] Carta de 14 de fevereiro de 1530, _in_ Deslandes, Doc. para a Hist.
da Typ. Portug.

[50] Este vocabulo, e o seguinte em abreviatura, «morador», denunciam
uns restos de barbarismos de concordancia, que ainda nesta epoca já
adiantada do seculo, e até no seguinte, transparecem aqui, ali, no
commum falar e escrever.

Reinava uma como especie de preguiça em acommodar á fórma feminina os
vocabulos em _or_, e um que outro mais.

A materia foi superiormente versada pelo tão infeliz, quão abalisado
philologo Francisco Dias Gomes, que em sua «_Analyse sobre a elocução e
estylo de Sá de Miranda_», deu, entre varios exemplos, um, com o
primeiro dos dois apontados vocabulos, tirado de Ruy de Pina:--«E a
entregou aa Ifante Dona Briatriz como _titor_ que era do duque Dom Diogo
seu filho.»

Correlativamente, os determinativos não acompanhavam a fórma feminina
que designavam, como n'aquelle caso que nos occorre do informador de
Christovão Rodrigues de Oliveira: «_Os_ dignidades que ha na See.»

A Memoria de Francisco Dias lê-se entre as de Litteratura da Academia,
tom. IV, pag. 26 e segg.

[51] A freguezia de Santa Engracia só teve Breve de desannexação da de
Santo Estevão em 1568. Só depois de 1606 é que o edificio parochial foi
patente ao culto. O parocho de Santo Estevão pastoreou durante _trinta e
um annos_ ambas as freguezias cummulativamente; isto é, desde 1576, anno
em que começou, emfim, a vigorar a desannexação, até 1607, em que havia
já na nova parochia cartorio proprio, e independente da parochia
_mater_. Veja-se o que escrevemos no vol. VIII, pag. 5, do Archivo
Historico Portuguez--1910--Art. _As Tenças Testamentarias da Infanta D.
Maria_.

[52] Já temos advertido que o livro do guarda-roupa do Arcebispo de
Lisboa não pode ser da data que anda em costume attribuir-se-lhe;--1551.
O proprio livro contém em alguma de suas paginas, ao referir-se á
Misericordia, e ás esmolas que esta Instituição recebia, a confirmação
do que affirmamos.

Como, porém, o auctor conta ter sido no anno de 1551 que o Arcebispo lhe
commetteu o encargo de fazer o livro, nada se oppõe a que desde este
anno elle começasse a colligir os materiaes para elle, dirigindo-se aos
parochos, para alcançar os «roles» das vias publicas, feitos--é
evidente--á face das _desobrigas_. E como entre encommenda-los e o
conseguir have-los á mão sempre mediaria algum tempo, sendo 25 os
parochos collaboradores n'esta obra de louvores ás grandezas e
magnificencias lisbonenses, pareceu-nos que pelos termos que empregámos
alcançariamos exprimir com exacção o nosso pensamento.

[53] E portanto _atafaneiro_. É vóz arabica;--«_atahana_».

[54] O traçado descrito e os pormenores são os que resultam da leitura
do passo respectivo no Tom. VIII dos _Elementos para a Historia do
Municipio de Lisboa_, de nosso tão distinto colega, sr. Freire de
Oliveira, aliada á do muito elucidativo texto tecnico da valedora
monografia _A Cêrca Moura de Lisboa_, do nosso prestante amigo sr.
Vieira da Silva.

Nossa, é só a conjectura de que os edificadores da cêrca de D. Fernando
apoiariam o postigo de Santo André á torre que a _barbacã_ ou cinta
muralhada que circundava o monte do Castello ali poderia ter,
aproveitando os lanços d'esta para ligarem á velha a nova cêrca,
partindo, para a continuação da obra, do baluarte de S. Lourenço. Resta
uma pergunta:--Tinha _toda_ a muralha que abraçava o monte do Castello,
desde a Porta de D. Fradique até á porta da Alcaçova ou de S. Jorge ou
vice-versa, antiguidade egual á do baluarte de S. Lourenço? Por outra, é
tudo obra mourisca, ou anterior, se tal baluarte o é tambem?

[55] Villa Quente, que um desagregamento do solo pendurado do monte do
Castello subvertera em 1531, e passa, a nosso vêr, menos
justificadamente, por um _tremor de terra_ mais, a ajuntar á longa lista
dos que tem affligido Lisboa, no decorrer dos seculos, era um punhado de
humildes casas, semeadas entre o começo da actual calçada de Santo
André, e o «caminho que ía ao postigo do Monis», diante de cuja entrada
havia uma «cruz de pao». A rampa que o pequeno povoado occupava para o
N. da cinta muralhada que circumdava o monte do Castello, e o abrangia
como um annel, em toda a sua circumferencia, estendia-se pelo limitado
espaço que servia de recosto á cêrca de Santo Antão (Colleginho), vindo
confundir-se com os meandros de betesgas e encruzilhadas que o separavam
da Mouraria, constituindo o que alguma vez se chamou «o bairro da rua
suja».

[56] _Historia de Portugal_, vol. I, 3.^a ed. MDCCCLXIII; nota XXIII, a
pag. 531.

[57] Aforamento de um chão junto da Porta de Santo André, da banda de
fóra, no principio da rua que vai da dita Porta para o postigo de Sam
Lourenço, feito pela cidade ao dr. Affonso Figueira, onde este
magistrado edificara umas casas que partiam da banda do Poente _com muro
e torre da cidade, &_.

Esta _torre_ é a que suppomos existir já na barbacã do Castello, no
angulo formado pelo lanço que devia descer da Porta de D. Fradique a
entestar com a parte que se continuava na rua que ia ao baluarte de S.
Lourenço.

Deveria jazer pela parte posterior do actual _Passo_, e terá sido
aproveitada para guarda do Postigo de Santo André. Dominava assim a
aspera calçada que se lhe desenrolava em frente, e vinha ligar-se á
muito antiga «Rua dos Cavalleiros.»



Lista de erros corrigidos


Aqui encontram-se listados todos os erros encontrados e corrigidos:


  +----------+---------------------+----------------------+
  |          |      Original       |      Correcção       |
  +----------+---------------------+----------------------+
  |#pág.   11| Bernaldim           | Bernardim            |
  |#pág.   16| testemunh           | testemunho           |
  |#pág.   22| ondo                | onde                 |
  |#pág.   22| admtitir            | admitir              |
  |#pág.   46| typographfa         | typographia          |
  |#pág.   57| quo                 | que                  |
  |#pág.   66| persuadido          | persuadidos          |
  |          |                     |                      |
  |#nota   38| Portugteza          | Portugueza           |
  +----------+---------------------+----------------------+


Os símbolos de igual (da pág. 81) foram substituídos por traços longos
('--').





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Noticia de livreiros e impressores de Lisbôa na 2ª metade do seculo XVI" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home