Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: No Paiz dos Yankees
Author: Caminha, Adolfo Ferreira, 1867-1897
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "No Paiz dos Yankees" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



     *Nota de editor:* Devido à quantidade de erros tipográficos
     existentes neste texto, foram tomadas várias decisões quanto à
     versão final. Em caso de dúvida, a grafia foi mantida de acordo com
     o original. No final deste livro encontrará a lista de erros
     corrigidos.

     Rita Farinha (Jan. 2008)



ADOLPHO CAMINHA


NO PAIZ DOS YANKEES


DOMINGOS DE MAGALHÃES--EDITOR
54 RUA DO OUVIDOR 54
LIVRARIA MODERNA



RIO DE JANEIRO

*1894*



NO PAIZ DOS YANKEES



[Figura: CRUZADOR "ALMIRANTE BARROSO"]



ADOLPHO CAMINHA


NO PAIZ DOS YANKEES


RIO DE JANEIRO
Domingos de Magalhães--editor
54 Rua do Ouvidor 54
LIVRARIA MODERNA

*1894*



DO MESMO AUTOR:


*A NORMALISTA*

I vol. broc. 3$. cnc. 5000


EM PREPARAÇÃO:

BOM--CRIOULO



Typ. da Empreza Democratica Editora--Rua do Hospicio n. 11



Taine, o glorioso Taine, o querido philosopho, cuja obra admiravel tem
sido uma especie de bussola para os que se iniciam na complicada arte da
palavra; Taine, o mestre, aconselhava sabiamente, com aquella profundeza
de vista e com aquelle raro e superior criterio de artista e
pensador:--«Que chacun dise ce qu'il a vu, et seulement ce qu'il a vu;
les observations, pourvu qu'elles soient personnelles et faites de bonne
foi, sont toujours utiles.»

Devo a estas palavras a lembrança de escrever as multiplas impressões,
os successivos transportes de admiração, de jubilo e tristeza por que
passou meu espirito durante alguns mezes de viagem nos Estados-Unídos.

A principio afigurou-se-me obra de alevantado alcance e de extrema
coragem traçar, ainda que ligeiramente, o plano de um livro sobre a
grande nação americana, tão singular em seus costumes, em sua vida
agitada e tumultuosa, em seus variadissimos aspectos...

E de facto, esse trabalho, essa difficil tarefa demandaria,
incontestavelmente, muito mais que uma somma de notas mais ou menos
verdadeiras e algum estylo. Era preciso, antes de tudo, um elevado
criterio historico e scientifico, grande cópia de conhecimentos e
profundo espirito analytico.

Não se escreve a historia de um paiz,--a vida inteira de um povo--sem
demorar-se em largo e paciente estudo sobre as suas origens, seus
habitantes primitivos, sua evolução politica e social, suas luctas
intestinas e sobre os elementos que mais directamente influíram para sua
independencia.

A elles, os historiadores e analystas da sciencia, tão arriscada
empreza.

Os poucos mezes que passei nos Estados-Unidos apenas me proporcionaram
ensejo de admirar, atravéz de um prisma todo pessoal, o progresso
assombroso d'esse extraordinario paíz.

Comprehendem-se, pois, os meus intuitos: nada mais que reproduzir, com a
possível exactidão, _o que vi_, somente _o que vi_ nessa interessante
viagem ao paiz dos _yankees_.

Procurei ser espontaneo e simples, natural e logico, evitando exageros
de observação e o estylo rebuscado e palavroso dos que, á fina força,
pretendem transformar a litteratura n'uma simples arte mecanica de
construir phrases ôcas e coloridas.

Escriptas em 1890, as paginas que se vão ler podem não ter a importancia
de um estudo completo, mas de algum modo têm seu valor intrinseco.

Rio, 1^o de Agosto de 1893.

                                                   _Ad. Caminha_



NO PAIZ DOS YANKEES



I


...Tinha cessado a faina geral de suspender ancora. Os marinheiros
estavam todos em seus postos, alerta á primeira voz, silenciosos,
enfileirados a bombordo e á boréste, alguns convenientemente
distribuidos na pôpa, na prôa e nas cobertas do cruzador.

Noite escura e chuvosa, cheia de nevoeiro e tristeza, fria, sem
estrellas, cortada de clarões longinquos. Tão escura que se não
distinguia um palmo diante do nariz, tão feia que os bicos de gaz da
cidade, soturna e quieta, bruxoleavam pallidamente com a sua luz tremula
e vacillante...

E comtudo estavamos a 19 de Fevereiro, em plena estação calmosa, no
rigor do verão.

Chuvera todo o dia. O céo conservava-se coberto de nuvens bojudas e côr
de chumbo, velando uns restos de lua.

Um grande silencio de alto mar alastrava-se por toda a bahia do Rio de
Janeiro. Sómente ao longe, para os lados da cidade, badalava o sino
d'uma egreja, compassado e lugubre.

De vez em quando passava rente com a pôpa do _Barrozo_ o vulto sombrio e
largo de uma barca Ferry, com o seu pharól de côr, dezerta, indistincta,
e que desapparecia logo na escuridão.

Seria meia noite quando o navio começou a mover-se lentamente, caminho
da barra, cheio da silenciosa melancolia dos que partiam, e uma hora
depois a cidade, as praias, e as montanhas sumiam-se na distancia, como
si o mar as fosse engolindo com a voracidade de um monstro.

Restava apenas um ponto luminoso, uma visão microscopica da terra
fluminense; era o pharol da ilha Rasa tremeluzindo, como palpebra
somnolenta, atravéz da noite.

E todos a bordo, todos silenciosamente, egoistas na sua dôr concentrada
e incommunicavel, mandaram ainda um--adeus--profundamente saudoso á vida
alegre e ruidosa do Rio.

Dizem que o homem do mar é insensivel aquelles que nunca viram esta
realidade: a lagryma da saudade brilhar na face de um marinheiro.

Lá fomos mar afóra...

Pernambuco foi o primeiro porto da nossa escala.

Viagem monotona, sem accidentes notaveis, essa do Rio ao Recife. As
horas succediam-se n'uma uniformidade tediosa e imperturbavel. Sempre o
mar, sempre o céo, ora sombrios, ora azues...

Durante o dia 21 avistámos, e isso nos consolou, uma vela que bordejava,
muito branca, triste garça erradia no horisonte luminoso.

Para quem viaja no mar uma vela que se avista é sempre motivo de
innocente alegria O marinheiro com especialidade gosta de seguil-a com o
olhar nostalgico até perdel-a completamente. É como ao avistar-se terra
depois de longa travessia: sente-se a mesma impressão bôa e indefinivel.

Na manhã de 26--léste-oeste com o pharol de S. Agostinho, e ás onze
horas recebiamos o pratico.

Impossivel entrar nesse dia, por falta de maré: passámos a noite fóra,
no Lamarão, aos solavancos, vendo, por um oculo, a cidade do Recife,
illuminada e bella, hombro a hombro com a legendaria Olinda dos
hollandezes e dos banhos de mar.

Na falta de outro assumpto falou se de historia patria.

Pela manhã de 27 o _Barrozo_ sulcava as aguas do Lamarão, lento e
magestoso, crivado de olhares. O povo saudava-o do cáes da Lingueta.
Espalhou-se logo que o principe D. Augusto, neto do imperador, vinha a
bordo, e toda a gente correu a recebel-o com essa avidez instinctiva das
massas populares. O povo pernambucano, tradicionalmente inimigo dos
imperadores, lembrava-se do tempo em que o Sr. D. Pedro de Alcantara
dava-se ao luxo de visitar o norte.

Mais tarde, ao desembarcar a turma de guardas-marinha, de que fazia
parte o principe, subiu de ponto a curiosidade publica.

--Oh! o principe!--Que é d'elle?--É um ruivo?--É aquelle barbado?

O pobre moço viu-se em apuros, e mudava de côres, e fazia-se escarlate,
e vociferava contra a plebe, occultando-se entre os collegas,
desapontado. Um preto velho teve a lembrança de ajoelhar-se aos pés de
S. A. e supplicar-lhe uma esmola. Aconteceu, porém, que errou o alvo e
foi direito a um outro rapaz, louro e rubro, como o principe, que se
apressou em desfazer o engano.

O imperial senhor achava-se ridiculo no meio de toda aquella multidão
servil e anonyma que o acompanhava, «como si visse n'elle um animal
selvagem...»

É assim o povo--ingenuo, pueril.

Visitámos, em romaria, os principaes edificios publicos: a
Penitenciaria, a Assembléa Provincial, o Gymnasio, o Theatro.

A nova Penitenciaria do Recife é um bello edificio no genero.

Impressiona tristemente esse casarão sombrio com escadarias de ferro,
onde mal penetra a claridade meridiana.

Ha criminosos de toda a especie, em cujos semblantes retratam-se
delictos tenebrosos. Nada, porém, nos commoveu tanto como a historia do
preso Gustavo Adolpho, que, ha quasi vinte annos, cumpria a terrivel
sentença a que fôra condemnado. Era um d'esses sentenciados sympathicos
que inspiram compaixão a quem os observa de perto.

Um dos nossos companheiros desejou saber a historia do seu crime e pediu
ao infeliz que lh'a contasse elle proprio.

--Não queira, disse o condemnado, não queira obrigar-me a fazer minha
propria autopsia moral... Narral-a, essa historia, seria um supplicio
muito maior do que estar eu aqui, n'este carcere, ha vinte annos...

Gustavo Adolpho parecia-nos um regenedo, tal o aspecto humilde de sua
physionomia e o tom commovente de sua voz. O isolamento transformara-lhe
a alma. A dôr tem isto de bom--purifica o espirito, é como um crysol.
Esse infame, esse assassino, Gustavo Adolpho, era um martyr. Aquelle
semblante abatido pelas insomnias, aquelle rosto descarnado, aquelles
olhos cansados de chorar, aquelles labios lividos de defunto, cansados
de repetir a palavra--perdão, lembravam a figura resignada de um
moribundo que nada mais espera senão a eterna liberdade--a morte...

Vimol-o na casa dos condemnados, entre as quatro paredes de um miseravel
cubiculo, vestido de preto, barba crescida, macilento, arrependido e só.

Poucos iam incommodal-o ali, n'aquella pavorosa solidão, e no emtanto
elle não odiava ninguem e desejava falar a todos.

Tinha dezenove annos quando a fatalidade o arremessou a Fernando de
Noronha. A justiça humana o havia condemnado a esta pena
infamante--galés perpetuas.

Perdoar a um arrependido nas condições de Gustavo Adolpho, me parece a
mais nobre acção de um rei. Todavia elle continuava, mendigo de
liberdade, a pedir, a pedir...

Por diversas vezes a academia de direito, pelo orgão de seus
representantes, exorara a piedade imperial, mas o imperador nunca
estendeu o seu _magnanimo_ olhar até aos carceres senão em certos dias
de gala natalicia para indultar os escolhidos da politica dominante.

--Console-se, disse eu ao desventurado moço. E citei Lamartine:--_Vivre
c'est attendre..._

Retirámo-nos commentando aquella catastrophe desastrada.

A historia tragica d'esse preso foi-nos contada por um empregado do
estabelecimento. Eu podia resumil-a em duas palavras:--_cherchez la
femme_, si não fosse o prurido de registrar, ainda que brevemente, um
caso curioso de processo crime. Cada um tire as illações que lhe
aprouverem.

Gustavo Adolpho nasceu no Pará onde iniciou seus estudos como
seminarista.

Muito cedo seu espirito mostrou-se refractario á educação ecclesiastica,
e desviou-se dos livros sagrados para outro genero de leituras e estudos
mais concentaneos com as suas aspirações.

Os paes do nubil seminarista desgostaram-se com o procedimento do filho
revolucionario e ardente apologista de Martinho Luthero, que não
occultava-lhes suas tendencias anti-catholicas. Elle, porém, o apostata,
o hereje, sentia-se instinctivamente arrebatado pelas idéas do seculo e
tratou de trocar a sotaina de noviço pelo frak á ultima moda. Ninguem
põe peias á fatalidade. Não contente com ir de encontro á vontade de
seus paes e preceptores, o ex-seminarista tomou o primeiro vapor, e,
subito, vio-se na capital do Brazil, sem um amigo que o guiasse n'esse
labyrintho de ruas suspeitas onde o vicio assentou praça. A rua do
Ouvidor e os theatros sempre eram mais agradaveis que o claustro e as
impertinencias do reitor,--muito mais...

Pobre Gustavo Adolpho! Salvara-se de um abysmo para precipitar-se
imprudentemente, como creança inexperta, n'outro abysmo talvez mais
perigoso.

Sem amigos, sem protecção, longe de sua terra e de seus paes,--que podia
esperar o joven desconhecido n'aquelle turbilhão de vis interesses?

Imbert-Galloix, um italiano, tambem adolescente e cheio de esperanças,
intelligente e trabalhador, morreu de miseria n'uma rua de Pariz, por
ter trocado sua patria natal por um paiz que só conhecia de nome. Fôra
em busca de glorias e encontrou a miseria, o frio, a fome, e a morte por
fim.

Esses sonhadores como Imbert-Galloix são sempre victimas da propria
imaginação.

A sorte de Gustavo Adolpho foi mais cruel.

Custa a crêr que um insignificante par de brincos leve um homem á cadeia
e depois ao exilio perpetuo!

Uma vez sem meios de subsistencia, luctando com a má vontade de uns e a
indifferença de outros, Gustavo Adolpho, que tinha certa dóse de
espirito, d'esse espirito fino que caracterisa o homem de talento,
fez-se _bohemio_, isto é, indifferente á vida, nomade a quem tanto faz
dormir sobre flacido colxão, como ao relento e sobre a lage das
calçadas. Ora, os bohemios são umas creaturas sympathicas. Quando um
bohemio tem espirito acha sempre quem lhe estenda a mão. Gustavo Adolpho
preferiu a mão leve, alva e setinosa, de uma cortezã pela qual
apaixonou-se devéras.

A mulher, sempre essa creatura profundamente seductora e mysteriosa!

E, parece incrivel! quando na primeira noite, após as ineffaveis
caricias do amor, a misera Manon, adormecida ao lado do amante, sonhava,
talvez, n'algum banquete sumptuoso, á sombra d'alamos frondosos, talvez
n'alguma de suas passadas orgias, á luz de candelabros deslumbrantes,
elle, o malaventurado moço, cujo olhar fitava na meia sombra da alcova o
rosto sereno de sua amante, antepensava um crime e um crime excepcional,
monstruoso, inqualificavel.

--Estes brincos, estes brincos... pensava elle fitando as joias, duas
grandes lagrimas de diamante pendentes das orelhas da rapariga. Seu
espirito oscillava como um pendulo na duvida terrivel, aguçado por um
desejo louco.

Eil-o que se levanta de um impeto, pisando devagar, surrateiramente, tão
de leve que dir-se-ia uma sombra; eil-o que se encaminha para a porta da
rua, tacteando, encostando-se as paredes, pé ante pé, sem respirar,
olhando sempre para traz, para o leito da amante (lembra-me a scena da
«Cymbelina» de Shakspeare).

Meia noite... Eil-o ainda que volta e se approxima do leito onde ha
pouco boiara em mar de volupia. Traz na mão um objecto reluzente, uma
cousa disforme... uma machadinha.

Que irá elle fazer?!...

Approxima-se mais, rastejando quasi, mansamente, subtilmente.

De repente sôa uma pancada surda, e um grito estrangulado:--Soc...corro!
Sôa outra pancada surda, outra, outra, muitas pancadas, e sobre os
brancos lençóes d'aquelle malfadado leito palpitam as carnes sangrentas,
moribundas, de um corpo de mulher que ainda ha pouco sentia e pensava...

Obseccado pela idéa do roubo, o assassino arranca brutalmente as joias
do cadaver, e, á luz do combustor de crystal, reconhece que são falsas!

Foge rua fóra, como um possesso, enfia num becco, sae por outra rua, e
desapparece na escuridão da noite.

No dia seguinte seu nome lá estava estampado em letras garrafaes no
livro dos réos: «Gustavo Adolpho... preso pelo duplo crime de
assassinato e roubo.»

Mais tarde, annos depois, o joven criminoso tentou fugir de Fernando de
Noronha onde fôra recolhido. Prenderam-no em flagrante. E ha poucos
mezes, no anno passado, a princeza Isabel, então regente do Brazil,
abriu-lhe as portas da prisão.

Gustavo Adolpho publicou, no degredo, um livro de versos intitulado
_Risos e Lagrimas_, uma collecção de poesias sentimentaes e amorosos que
pouco valem pela fórma e onde se acham crystalisadas as dôres do infeliz
poeta, cuja imaginação cantava entre lagrimas.

Penalisou-nos a sorte d'esse rapaz sympathico e intelligente.

Havia, alem de Gustavo Adolpho, outro preso não menos interessante e que
nos excitou a curiosidade. Indigitado autor de não sei que roubo, fôra
condemnado igualmente a galés perpetuas.

Interrogado, disse-nos contar oitenta (!) annos de idade e possuir
familia numerosa:--mulher e 30 filhos!

--Qual foi o seu crime? perguntámos.

O velhinho todo tremulo, a cabeça muito branca; uma nevoa humida no
olhar, sem forças quasi para dar um passo, murmurou tristemente:

--Nenhum, meus caros senhores... Supponho que houve engano da justiça...

--E si lhe dessem liberdade agora?...

--De que me servia? Mal me tenho em pé e já não sei de minha mulher e de
meus filhos, Estou muito velho, preciso morrer descansado aqui mesmo na
prisão.

O edificio da Penitenciaria tem, logo á entrada, a seguinte inscripção
em marmore:

     No dia 23 de abril de 1885 sendo presidente da provincia o Illm.
     Sr. Conselheiro Dr. José Bento da C. Figueiredo foram removidos os
     presos para este edificio organisado sob a direcção do engenheiro
     José Mamede Alves Pereira.

Contava, portanto, trinta e cinco annos.

Foi a mais interessante de todas as nossas visitas em Pernambuco.



II


No dia 27 deixámos o Recife em direcção ás Antilhas.

Como até ahi, a viagem continuou a vapor,--uma verdadeira viagem de
recreio si não fosse a exiguidade dos commodos a bordo do cruzador.

O commandante levava ordem para chegar a Nova Orleans em tempo de
assistirmos a abertura da exposição internacional americana, onde o
_Almirante Barroso_ devia figurar como legitimo e admiravel producto da
industria naval brazileira tão pouco conhecida no extrangeiro.

Adoptavamos, sempre que o vento permittia, a navegação mixta, e deste
modo, á vela e a vapor, arrastados pelas correntes maritimas que puxam
para o norte, alcançámos, a 2 de Março, a linha equatorial, onde
apanhámos alguns chuviscos debaixo d'uma athmosphera ardentissima.

Reinava «calmaria pôdre». Ferraram-se as velas á mingua da mais leve
aragem, armaram-se os toldos para que podessemos supportar o calor na
tólda, e os banhos salgados de ducha foram recebidos com especialissimo
agrado. Suava-se a valer. Imagine-se: embaixo, no porão, as fornalhas
accesas, e em cima o sol ardente, o medonho sol do equador, cahindo como
um caustico sobre o navio.

Á tardinha incendiavam-se os horisontes de um colorido rubro,
ensanguentado, de magica, reflectindo-se no espelho do mar tranquillo
como num grande lago de crystal...

Demos graças a Deus quando nos vimos fóra de tão desagradaveis regiões.

No dia 11 avistámos terra de Barbados, uma das mais prosperas colonias
inglezas das Antilhas. Era o primeiro porto extrangeiro do intinerario.

O Capitão do Porto foi o primeiro personagem que pisou a bordo: um
inglez de aspecto duro como em geral o de todo inglez, olhando atravéz
de uns grandes oculos azues e ostentando fleugmaticamente um par de
soiças ruivas. Trajava _dolman_ branco, muito justo ao corpo, calças de
panno preto e chapéo de cortiça branco, de grandes abas, tombado para a
nuca.

Fez a visita sacramental e poz-se ao fresco em menos de dois minutos,
depois de um fortissimo _shake-hand_.

A ilha de Barbados vista de bordo é de uma nudez quasi completa: nenhuma
vegetação cobre as vastas planicies que primeiro ferem a retina do
observador. Ao approximar-se-lhe, porém, novas paisagens de effeitos
cambiantes vão-se desenrolando á maneira de cosmorama. Moinhos rodam ao
sopro do vento que ordinariamente é fresco ahi, casas de campo
confortaveis, arvores, chaminés fumegantes, tudo isso vai apparecendo á
medida que nos approximamos, até que, com verdadeira surpresa, surge-nos
toda a cidade de Bridgetown e então basta um golpe de vista largo para
abrangel-a.

Á distancia Bridgetown semelha uma pobre cidade deshabitada, sem indicio
de civilisação. A surpreza que experimenta o viajante é completa depois.
Alguem que ahi esteve annos antes admirou-se da enorme quantidade de
embarcações inglezas surtas no porto. Entre estas contavam-se quatro
encouraçados, bonitos vasos que honram a Inglaterra affirmando o grande
poder maritimo desse paiz, cuja esquadra ainda hoje não tem rival no
mundo.

Um dia e meio--eis todo o tempo de nossa demora em Barbados, tempo
sufficiente para conhecermos a ilha a _vol d'oiseau_.

A população, na maior parte negra, é composta de gente de baixa classe e
geralmente intratavel.

Abundam os _ciceroni_, especie curiosissima de especuladores, que
perseguem os viajantes de uma maneira barbara. Querem, á fina força,
ensinar-lhes as ruas, os hoteis, e não os largam emquanto não satisfazem
a sua ambição, cobrando, no fim de contas, certo numero de _shillings_.

Falam um _patois_ detestavel; ninguem os entende com facilidade.
Imagine-se um pobre diabo acompanhado d'uma multidão que grita e fala
idioma desconhecido a repetir-lhe alto aos ouvidos:--_Came hear! came
hear!_ discutindo, altercando-se de cacete em punho. O misero julga-se
por um momento transportado, como por encanto, ás costas d'Africa, fecha
ouvidos á grita dos importunos _ciceroni_, brada mil vezes _no, no,
no_..., e não tem remedio senão deitar a correr como um possesso,
perseguido sempre pela turba multa de vadios, até que, depois de uma
lucta incrivel, esguedelhado, offegante, pallido, embarafusta pela porta
d'um hotel escorrendo suor, esfalfado, morto de cansaço!

E ainda por cima vociféra a legião faminta dos negros!

Nao exagéro. Parece realmente um paiz semi-barbaro aquelle, e ai! de nós
si não fossem os _policemen_, activos e energicos guardas da vigilancia
publica, que a um simples franzir de sobr'olhos fazem desapparecer a
medonha horda de capadocios, ou que melhor nome tenham esses turbulentos
demonios.

É espantosa a ambição do povo por dinheiro.

Ao tilintar do _money_ surgem de repente vinte, trinta cabeças negras,
cada qual mais negra, disputando a posse do precioso metal.

Basta dizer que ainda não tinhamos fundeado e já grande numero de
pequenas embarcações á vela e a remos,--_fly boats_,--approximavam-se do
navio, cortando-lhe a prôa com risco de serem espedaçadas. Ouvia-se,
então, de todos os lados vozes que gritavam:--_I am pilot! I am pilot!_

Embalde procuravamos persuadir áquelles esfaimados de dinheiro que não
precisavamos de pratico, pois a bahia de Bridgetown é bastante espaçosa
e offerece entrada franca.

Davamos com o lenço, mandando-os embóra--que não! mas os gritos
repetiam-se:--_I am pilot! I am pilot!_

Todos queriam, a troco de dinheiro, conduzir o navio extrangeiro ao
ancoradouro e para isso exigiam um preço fabuloso.

Formidaveis importunos os taes negros de Barbados!

A edificação de Bridgetown, puramente ingleza, é curiosa, pittoresca
mesmo, si bem que uniforme.

As casas, baixas quasi todas, geometricamente dispostas, alpendradas na
frente, simples e elegantes na sua architectura, são confortaveis e
convidam ao _far-niente_.

As ruas, porém, estreitas e mal calçadas, são, por assim dizer,
intransitaveis, em consequencia do poeiral que sobe, como fumaça, ao
rosto dos transeuntes.

No que respeita a estabelecimentos importantes, vimos a--_St. Leonard's
School_ e uma igreja-cemiterio.

A estatua de Nelson, o heroe de Trafalgar, ergue-se, em bronze massiço,
n'uma das melhores praças do logar--_Nelson's square_, si me não engano.

Os poucos hoteis que existem na ilha são vastos e offerecem o necessario
conforto ao viajante: boa mesa, bons petiscos, magnifico vinho,
deliciosos sorvetes--_ice-cream_--e, finalmente, boas camas e muito
aceio.

O brazileiro que viaja, com raras excepções, tem necessidade
imprescindivel de duas cousas que elle julga essenciaes ao seu bem
estar: café e cigarros.

_Spleen_ e charutos--são cousas inseparaveis de um inglez da Inglaterra;
café e cigarros--eis o que um brazileiro não dispensa.

Infelizmente para nós, o café, tal qual se prepara em Barbados, é um
licor detestavel composto de muito pó e pouca agua, que os naturaes
mixturam á guisa de chocolate, mas de um sabor desagradavel, repugnante.

Duas linhas de bonds percorrem a capital d'um extremo a outro.

A ilha é circumdada por uma via-ferrea.

De resto, é admiravel senão assombroso o progresso d'essa colonia,
relativamente pequena e tão longe da metropole.

E, note-se, de vez em quando atravessam aquellas regiões terriveis
cyclones produzindo estragos incalculaveis em toda a extensão da ilha.
Innumeras embarcações, algumas de grande porte, têm sido arrojadas á
costa por esses formidaveis meteóros. O ultimo cahiu em 1851 e figura
nos annaes da navegação como um dos grandes desastres maritimos do
Atlantico.



III


Na manhã do dia 13 suspendemos ancora em direcção á ilha da Jamaica,
fundeando no mesmo dia na bahia de Port-Royal.

Denso nevoeiro envolvia, como uma gaze alvissima, as altas montanhas que
orlam magestosamente a antiga colonia hespanhola.

Ao approximarmo-nos da pequena e elegante cidade de Port-Royal, pedimos
pratico o qual nos levou á Kingston.

O brazileiro que, depois de longa ausencia do Brazil, chega á Jamaica
sente logo um prazer especial, um fremito de patriotismo, ao contemplar
as soberbas montanhas da ilha, tanto ellas lembram a natureza do nosso
paiz. A bahia, salpicada de interessantes ilhotas de verduras,
verdadeiras ilhas fluctuantes, em cujas aguas immoveis bandos de aves
ribeirinhas ostentam sua plumagem garrída e multicolor, voando d'uma
margem á outra n'uma contradansa animada, offerece aspectos lindissimos.
Jamaica parece um pedaço do Brazil transplantado para as Antilhas, tal a
opulencia da sua natureza.

É a maior e a mais florescente das colonias inglezas da America depois
de Barbados. Mede approximadamente quarenta leguas de comprimento.

Kingston não é uma cidade como Bridgetown, onde a cada passo depara-se
com uma prova de adiantamento material. É, por assim dizer, uma capital
morta, quasi sem commercio, mas, em compensação, muito mais pittoresca
que a capital de Barbados. Os habitantes são morigerados, e uma paz
religiosa parece reinar no seio de cada familia.

Ha mais pobresa, é certo, mas incomparavelmente o povo é mais educado,
mais pronunciado o instincto de civilisação.

Muitas estatuas. Vimos as de Lewis Quier Bower Bonk, nascido em 1815,
Edward Jordon, um dos principaes fundadores da--_Jamaica Mutual Life
Assurance Society_, Sir Charles Theophilus Metcaf, governador em
1845--todas ao redor de um parque. Isso prova quanto respeito infunde ao
inglez o nome de um compatriota celebre.

Um brazileiro estabelecido em Kingston disse-nos ser o _Almirante
Barroso_ o primeiro navio brazileiro que ahi aportava desde 1871.

Nossa demora em Jamaica foi rapida como em Barbados. Telegrammas
officiaes do Rio apressavam-nos cada vez mais. Já se havia inaugurado a
Exposição de Nova Orleans; era-nos forçoso assistir ao menos o
encerramento. Estavamos convictos de que o cruzador brazileiro ia
figurar com brilho no importante certamen americano. Tanto em Bridgetown
como em Kingston não lhe faltaram elogios de pessoas competentes.

Todos anceavamos pela chegada ao paiz maravilhoso dos _yankees_, ao
berço da electricidade, todos queriamos conhecer _de visu_ o celebrado
paiz das descobertas engenhosas.

Desde logo entrámos, de combinação, em «serios» estudos do idioma inglez
praticando uns com os outros, compulsando manuaes de conversação,
decorando significados, preparando-nos, emfim, da melhor forma, para
retribuir gentilezas, captar amizades, responder a todas as perguntas
que nos fossem feitas á queima roupa. Sim, porque tudo quanto haviamos
aprendido theorica e praticamente na Escola, não era bastante.
Faltava-nos a facilidade, o traquejo da palavra extrangeira, que
haviamos de adquirir á força de vontade e applicação assidua.

Alguns officiaes, entre os quaes o commandante, riam-se do nosso apuro,
e, de vez em quando, atiravam-nos de surpreza uma pergunta em inglez.
Quanto disparate, quanta tolice a principio! O certo é que depois, com o
tempo, já nos entendiamos soffrivelmente. _Noblesse oblige_...



IV


A hospitaleira sociedade de Jamaica havia-nos conquistado a sympathia.
Todos sentimos deixar tão cedo aquella encantadora ilha, cujos
habitantes nos tinham prodigalisado tão generoso acolhimento. Lenços
ascenavam para bordo ao deixarmos o ancoradouro ás 5 horas da tarde de
21, despedindo-nos talvez para sempre d'essa boa gente.

Durante os dias 22 e 23, mar e vento rebellaram-se contra o navio.

Navegavamos á bolina, sempre á vela e a vapor, amurados por bombordo.

Grandes rajadas frias sopravam do norte, cantando nos cabos da
mastreação, sacudindo-os com violencia.

O thermometro baixara sensivelmente, e a columna barometrica punha-nos
calefrios...

O mar quebrava-se de encontro ás bochechas do cruzador desafiando-lhe a
resistencia colossal.

Sabiamos que a latitude em que navegavamos, nas Antilhas, era muito
frequentada pelos cyclones, esses terriveis inimigos dos navegantes, que
arrastam em sua cauda milhares de vidas. Receiavamos esses phenomenos
tanto mais porque os seus effeitos fazem-se sentir a grandes distancias.

Os symptomas visiveis, si não eram evidentes, approximavam-se das
descripções de navegantes experimentados. O céo estendia-se limpo, como
um largo pallio azul esbranquiçado; apenas no horisonte fluctuavam
pequenos _stratus_ em fórma de rabo de gallo e algumas estrias
avermelhadas, escarlates, despertavam-nos a attenção.

Ao meio-dia o sol tinha uma côr baça, com um disco azulado ao redor.

E crescia o mar em vagalhões medonhos e esfusiava o vento no cordame.

O navio caturrava e arfava morosamente; ouvia-se o barulho do helice
trabalhando fóra d'agua.

Pela madrugada de 24 lobrigámos por boréste o pharol da ilha de Cuba, de
luz muito branca, e no dia seguinte sulcavamos o golfo do Mexico.

Poucos dias restavam para alcançarmos Nova-Orleans.

E nada do supposto cyclone!

Por via de duvidas, como o tempo continuasse borrascoso, ferrámos a
maior parte do panno, conservando apenas as gaveas risadas nos
_terceiros_ e a mezena de capa.

Capeámos tres dias consecutivos, sem que apparecesse o medonho
visitante.

No quinto dia o vento amainou rondando para nordeste e o mar, por força
das circumstancias, tambem acalmou-se. Ferrámos o resto do panno,
navegando só a vapor.

A idéa da chegada preoccupava todos os espiritos. Os Estados-Unidos eram
o assumpto de todas as conversações.

Cedo tratou-se da limpeza do navio.

Cada qual tratou de si, de sua roupa, de seus objectos que o mar
sacudira de um lado a outro dos camarotes. Os alojamentos apresentavam o
curioso aspecto de um campo de batalha; malas confundiam-se umas sobre
outras formando empilhamentos, a roupa branca usada andava de mixtura
com os fatos novos de panno; livros, papeis--tudo quanto era de uso
quotidiano estava espalhado no convéz, como si andasse por ali alguma
creança traquinas.

Guerra ao môfo! Roupas ao sol! Ninguem se fez esperar. Começaram as
arrumações, uma faina açodada, durante a qual soaram boas gargalhadas
filhas de inalteravel bom humor.

Os guardas-marinha alojavam-se á pôpa n'um acanhadissimo compartimento
que mal os comportava. Ahi tinham suas camas, suas malas, seus livros.

Quantos prejuizos! Quantas decepções!

E todos acocorados, arrumando e desarrumando, n'uma confusão burlesca,
maldiziam o mar e apostrophavam o vento. Neptuno e Eolo nunca receberam
tantas manifestações desairosas. Pois não! Ninguem tem suas cousas para
vel-as de um dia para outro arruinadas, inutilisadas pelos caprichos
incoerciveis do mar e do vento.

Finalmente, como nada ha melhor que um dia depois de outro, veio o dia
29 de Março em que dos váos do joanete de prôa o gageiro
annunciou--terra!

Continuava, entretanto, incessantemente, a asáfama. A guarnição da
bateria occupava-se da limpeza das peças, collocando-as em posição,
abrindo e fechando culatras, lixando-as, lubrificando-as emquanto o fiel
ia distribuindo o cartuxame.

Havia uma alegria geral a bordo e sentia-se um vago odor de tintas, como
ao entrar-se n'uma casa nova, pintada de fresco.

Já era tempo de repousarmos das fadigas da viagem.



V


Ninguem póde imaginar o que é a chegada de um navio de guerra a porto
extrangeiro depois de uma tempestade ou mesmo depois d'uma ameaça de
temporal. A faina tor-na-se geral e o ruido inevitavel. É de ver-se a
promptidão, a rapidez com que se executam as ordens. Como que ha mais
vontade para o trabalho, desenvolve-se logo um contagioso bem estar,
ninguem foge ao serviço.

Tezar cabos de laborar, baldear o convez a ficar alvo e polido, como uma
sala de visitas, limpar, areiar os metaes amarellos até ficarem
relusentes como ouro de lei, ferrar o panno a capricho, cuidadosamente,
de modo a confundil-o com as vergas e os mastros, preparar os
escaleres--tudo isso é cousa d'um abrir e fechar d'olhos.

A guarnição do _Almirante Barroso_, disciplinada e obediente como todas
as que serviam sob as ordens do commandante Saldanha, primava pelo
aceio, pela ordem, pela destreza e pela actividade. Não se lhe póde
fazer maior elogio. Cada marinheiro era como uma machina prompta sempre
ao menor impulso.

A chibata era n'esse tempo, como ainda hoje o terror das guarnições da
armada.

Sempre manifestei-me contra esse barbaro castigo que avilta e corrompe
em vez de corrigir. Um castigo de chibata é a cousa mais revoltante que
já tenho visto, mormente quando é mandado applicar por authoridade
deshumana, sem noções do legitimo direito que a cada homem assiste, quem
quer que elle seja soldado ou pariá.

O meu primeiro passo ao deixar a Escola e envergar a farda de
guarda-marinha foi publicar um protesto contra essa pena infamante, e
fil-o desassombradamente, convicto mesmo de que sobre mim ia cahir a
odiosidade de meus superiores em geral apologistas da chibata.

A primeira vez que minha posição official obrigou-me a assistir um
desses castigos, tive impetos de bradar com toda a força dos pulmões
contra semelhante attentado á natureza humana.

Quem já assistiu uma d'essas pavorosas scenas do eito, magistralmente
descriptas por Julio Ribeiro na sua obra _A Carne_, póde fazer idéa do
que seja o castigo da chibata.

Despir-se a meio corpo um pobre homem, um servidor da patria, pés e mãos
algemados, muita vez depois de trez dias de _solitaria_ a pão e agua, e
descarregar-se-lhe sobre a espinha, sobre as espaduas, sobre o peito,
sobre o ventre, na cara mesmo, em todo o corpo cincoenta, cem, duzentas
chibatadas, em presença de todos os seus companheiros, me parece indigno
d'uma geração que se préza, de uma sociedade de homens civilisados, de
cidadãos, de cavalheiros que ostentam triumphalmente galões dourados na
farda--na farda, que significa a nobreza, a coragem, o patriotismo e a
honra d'uma nação.

Revoltei-me contra semelhante barbaridade inquisitorial, como quem tem
consciencia de que está praticando uma acção justa e honrosa. Doía-me
por um lado pertencer a uma classe nobre por tantos titulos, é certo,
mas em cujo seio era permittido a chibata e, o que é mais, o seu abuso.

A esse tempo a _Gazeta de Noticias_ do Rio de Janeiro publicava
semanalmente um boletim litterario no louvavel intuito de estimular os
incipientes das letras. Offerecia-se-me opportunidade para um conto
maritimo, cujo assumpto fosse a chibata.

Escusado é dizer que o meu artigo provocou o despeito dos culpados
indirectamente feridos no seu amor proprio. Embora! Fiquei satisfeito,
como si tivesse sacudido para longe um fardo pesadissimo; e, é preciso
dizer, não hesitei em declarar-me autor do conto que vinha firmado por
meu nome, então desconhecido na armada.

Alguns de meus companheiros taxaram-me de imprudente e «indiscreto».
Outros levaram seus conselhos até á minha _inexperiencia de adolescente
indisciplinado_.

Todo o mundo julgou-se com direito a censurar meu procedimento: «que
roupa suja deixa-se ficar em casa; que a chibata era um castigo
imprescindivel», e outros arrasoados soffrivelmente banaes.

Meu consolo é que d'entre aquelles que preconisavam os effeitos
prodigiosos da chibata n'outros tempos, muitos concorreram em demasia
para a sua extincção.

Dei parabens á patria e á humanidade.



VI


Como militar e disciplinador o commandante Saldanha da Gama
distinguia-se por sua inflexibilidade porventura exagerada,
especialmente para com as guarnições sob seu zeloso commando.
Temperamento atrabiliario, sanguineo-nervoso, sujeito a transições
bruscas, inesperadas, impetuosas e violentas, o illustre marinheiro,
espirito eminentemente illustrado, não sabia, entretanto, guardar a
necessaria calma quando devia applicar as penas do codigo. Essas penas,
como se sabe, acham-se perfeitamente explicitas, precisamente formuladas
de modo a não deixar duvida nos espiritos rectos e amigos da lei. Entre
os artigos que constituem o codigo penal militar existe um que limita o
numero de chibatadas, o qual não deve, em caso algum, exceder de vinte e
cinco por dia.

Pois bem, o commandante Saldanha pouquissimas vezes castigava conforme a
lei. Collocava acima d'ella seus caprichos inexplicaveis, sua natureza
rancorosa, sua vontade suprema. Nao trepidava, e isto é sabido, em
mandar açoitar com duzentas chibatadas uma praça qualquer, tal fosse o
delicto commettido. A um simples olhar seu as guarnições tremiam como
caniços. A qualidade caracteristica d'esse illustre official era ser
arbitrario e prepotente. Por isso a guarnição do _Almirante Barroso_
corria a seus postos, em occasião de manobra, com a velocidade d'uma
setta.

Estavamos quasi á entrada do Mississipe, a grande arteria fluvial da
America do Norte, que nós imaginavamos um colosso talvez superior em
volume d'agua ao Amazonas,--o Mississipe, decantado pelo autor dos
_Natchez_, e em cujas margens fica a cidade de Nova Orleans nosso ponto
de chegada.

Ninguem pensava mais no Rio de Janeiro para só se lembrar de Nova
Orleans, a _Cidade Crescente_, como a denominam os americanos.

Trez horas da tarde, mais ou menos. Embarcações á vela e vapores
bordejavam fóra da barra á espera de pratico, sem o qual era impossivel
a entrada. Mar calmo, com uma côr esbranquiçada, lembrando na sua
quietação dormente um vasto lago estagnado. Em frente, muito longe
ainda, mal distinguiamos com o binoculo o pharol, microscopica torre
branca, invisivel quasi.

Envolvidos em grossas capas de lã, abotoados até o pescoço ao abrigo do
frio que se tornava insupportavel para nós da zona torrida, de pé no
tombadilho, machina a um quarto de força, bandeira nacional desfraldada
na carangueja do mastro de ré, esperavamos tambem o _pilot_ que nos
devia conduzir á Nova Orleans, 110 milhas da foz do Mississipe.

O Mississipe! Dentro em pouco sulcavamos a grande corrente.

Não tardou muito o pratico, por cujo intermedio tivemos noticia da
estrondosa manifestação com que os habitantes da cidade americana
aguardavam a chegada do cruzador brazileiro.

Bella surpreza essa! Cresceu o enthusiasmo entre os noveis officiaes.

Entrámos. Durante o nosso trajecto pelo Mississipe a anciedade a bordo
tocou o seu auge. Queriamos, todos a um tempo, avistar as embarcações
que, dizia-se, vinham nos receber.

O autor d'estas simples notas de viagem, que admira os Estados-Unidos
como uma segunda patria, porque ali moram juntas todas as liberdades e
florescem prodigiosamente todas as nobres idéas civilisadas, de braços
cruzados estendia o olhar cheio de admiração, cheio de deslumbramento
por cima das extensas planicies das margens do grande rio.

O pôr do sol entre a neblina que cobria os horisontes fazia lembrar as
paginas de Chateaubriand na sua _Voyage en Amérique_, paginas
esculpturaes e cheias da commovida nostalgia dos que se vão da patria...

Quanta verdade nas sumptuosas descripções do poeta! Quanta poesia
n'aquellas paragens desertas da foz do Mississipe,--Sahara de neve
estendendo-se a perder de vista nos horisontes sem fim! Que de
maravilhas occultavam-se por traz d'aquellas planicies, lá onde o olhar
não attingia!

Eram Ave-Marias. Lembrei-me do Brazil, dos sertões de minha terra natal,
da torresinha branca do Senhor do Bomfim badalando o _terço_ das almas,
justamente aquella hora, quando as boiadas recolhiam mugindo, pesadas e
melancolicas...

Ave-Marias!... Mesmo quando não se é crente, áquella hora da tarde o
coração fica cheio de não sei que terna e piedosa uncção mystica...

Fundeámos no ponto em que o rio se divide em dois braços ou pequenos
confluentes, e ahi passámos a noite inteira, essa longa e tristissima
noite de inverno.

Frio de rachar. As aguas do rio, pardas e barrentas, estavam quasi
geladas.

As margens do Mississipe, em varios pontos, são, no inverno, verdadeiras
planicies, onde apenas medra a herva rasteira. Á distancia, pobre alma
perdida no descampado, ergue-se ás vezes uma arvore muito esguia, como
um phantasma de braços abertos para o céo. De quando em quando atravessa
a solidão uma ave desconhecida batendo as azas, como um agouro.

N'outros logares, porém, vêm-se rebanhos pastando silenciosamente,
plantações verdejantes, casas de campo, postes de correio, em cujas
portas destacam-se em caracteres maiusculos as palavras--_Post office_.

O povo parece viver satisfeito no meio de suas plantações e de seu gado,
entregue á cultura e á creação.

Nuvens de mosquitos atordoaram-nos toda a noite. «--Caramba! exclamava o
barbeiro de bordo, um estimavel hespanhol que traziamos do Rio de
Janeiro. Caramba! Mosquitos por mosquitos me gustam mas los del Brasil!»
E tinha razão o nosso companheiro. Os mosquitos do Mississipe são muito
capazes de dar cabo d'um pobre homem. E que medonha orchestração nos
ouvidos da gente?

Felizmente na manhã do dia seguinte levantámos ferro.

O navio estava completamente prompto a fazer sua entrada em Nova
Orleans. Durante quasi toda a noite a guarnição occupara-se em colher
cabos, esfregar a amurada e baldear o costado.

Como passatempo liamos os jornaes que o pratico trouxera, os quaes
noticiavam a recepção popular e official que se nos preparava.

Dois hiates a vapor--o _Cora_ e o _Pansy_--propriedade de Mr. Morris,
largariam de Nova Orleans a nosso encontro, embandeirados, com bandas de
musica, commissões de senhoras, representantes do commercio e d'outras
classes sociaes.

Ou fosse a natural affinidade que existe entre as duas nações
americanas, ou fosse o facto de ir a bordo do cruzador brazileiro um
representante da familia imperial do Brazil, o certo é que durante nossa
travessia da foz do Mississipe á cidade fomos constantemente saudados de
ambas as margens do rio a tiros de espingarda e a lenços que nos
acenavam de longe.

E o _Almirante_ seguia devagar, alvo de mil olhares curiosos.

Ao meio-dia ouvimos as notas de uma musica alegre que se approximava, e
em breve surgiram n'uma curva do rio os dois magnificos hiates--o _Cora_
e o _Pancy_--apinhados de gente, enfeitados de galhardetes de côres
variadas, em cujos mastros tremulavam as duas bandeiras amigas.

De ambos os lados, no cruzador e nos hiates, hurrahs confundiam-se no
ar.

Em viva effusão de inexprimivel jubilo patriotico estreitavam-se as duas
grandes potencias da America; a mesma brisa balouçava simultaneamente os
dois gloriosos pavilhões.

A gente do _Barroso_ subiu ás vergas accelerada, e, acenando com os
lenços e os bonés, saudava com vivas estrepitosos e delirantes
acclamações aos Estados-Unidos, ao mesmo tempo que das duas embarcações
partiam ruidosas manifestações ao Brazil.

Fardada em segundo uniforme, espada e dragonas, a officialidade do
cruzador brazileiro, em pé no tombadilho, vivamente commovida,
descobria-se a todo instante risonha e feliz.

Sentiamos a falta de uma banda de musica bem organisada, que n'aquelle
momento, verdadeiramente solemne, entoasse o hymno da republica a bordo.

Passado o primeiro momento de delirio, approximaram-se os dois hiates
que nos acompanhavam e o cruzador diminuiu a marcha. Ficámos borda á
borda. N'um instante toda aquella gente que vinha nos vaporesinhos,
passou para o _Barroso_.

Houve um silencio respeitoso de parte a parte e começaram os abraços.

O consul geral brazileiro, Sr. Dr. Salvador de Mendonça, tão conhecido
entre nós por seu talento e por sua illustração, como homem de letras e
diplomata, juntamente com Mr. Eustis, consul em Nova-Orleans, foram
recebidos no portaló pelo commandante e officiaes com todas as honras
que lhes eram devidas. Seguiram-se os representantes da imprensa, do
commercio, etc.

Conduzidos á camara, desde logo estabeleceu-se entre brazileiros e
americanos uma camaradagem franca, uma corrente communicativa de
affabilidades, como si já fossemos conhecidos velhos. As taças de
_champagne_ chocavam-se, vivas succediam-se, levantavam-se _toasts_ ás
duas nações, trocavam-se os mais espontaneos comprimentos.

A viagem continuou ao som da musica do _Cora_ e do _Pansy_.

Ás 4 horas da tarde largámos ferro defronte da antiga capital da
Luiziania.



VII


Nova-Orleans é, talvez, a cidade mais importante do sul dos
Estados-Unidos.

Nosso primeiro cuidado, como era natural foi desembarcar, «ir á terra»,
ceiar bem e dormir tranquillamente um somno bom e reparador. Nao nos
faltariam esplendidos hoteis e magnificos _rooms_ onde podessemos, á
vontade, descansar dos trabalhos da viagem.

Nossa demora devia prolongar-se ahi mais do que em qualquer outro porto,
por causa da Exposição e a instancias dos habitantes da cidade, que nos
preparavam deliciosas surprezas.

Tinhamos tempo bastante para ver Nova-Orleans, para observar os costumes
americanos e fazer um juizo mais ou menos approximado d'aquelle bello
povo.

O porto estava atulhado de barcas de commercio--vastas embarcações de
dois e trez pavimentos, duas e trez chaminés negras a deitar fumaça
n'uma actividade constante, rodas na pôpa, muito mais amplas que as
nossas barcas Ferry do Rio de Janeiro. Atopetadas de saccas de algodão e
outros generos do paiz, esperavam o momento preciso e regulamentar de se
fazerem ao largo.

Emquanto esperavamos, vivamente anciosos, o escaler que nos devia
conduzir ao caes, assestavamos o oculo para a cidade quasi silenciosa
áquella hora, e cujas ruas não tardariamos a conhecer. Accendiam-se os
primeiros bicos de gaz. Ao longe, n'alguma egreja remota, badalava um
sino triste. Já não se ouvia quasi o brouhaha quotidiano. Numerosas
embarcações cruzavam-se no rio. Ouviamos guinchos de locomotivas e o
surdo ruido de carros que ainda labutavam.

Alguns officiaes deixaram-se ficar aguardando o dia immediato para mais
commodamente satisfazerem sua curiosidade de viajantes em terra
extrangeira.

[Figura: ENTRADA DE NOVA-ORLÉANS]

Era fim de inverno. Ameaçava chover. O frio continuava bastante forte
ainda e os camarotes do _Barroso_ offereciam, nessas condições, agasalho
confortavel aos mais friorentos.

Na manhã seguinte, grupos de officiaes brazileiros, uns fardados, outros
á paisana, percorriam Nova-Orleans.

O _St. Charles Hotel_, um dos melhores estabelecimentos da cidade, e o
_Royal Hotel_--primeiro em luxo e ornamentação--eram procurados
avidamente.

Os jornaes davam noticias circumstanciadas de nossa chegada e
annunciavam festas em homenagem ao Brazil.

Uma vez installados nos hoteis, cada um de nós em seu vasto aposento,
onde nada faltava, tão differente dos estreitos camarotes de bordo,
dividimo-nos em grupos.

Quanto a mim, o meu primeiro cuidado foi munir-me de um guia da cidade,
especie de _pocket-book_ muito commodo, registrando indicações uteis de
estabelecimentos e logares principaes.

Meu quarto ficava no segundo andar do _St. Charles Hotel_ com frente
para a rua do mesmo nome--uma saleta mobiliada com a maxima sobriedade,
sem luxuosas decorações, contendo apenas os moveis indispensaveis a um
rapaz solteiro, e o fogão a um canto.

Depois de magnifico banho morno em bacia de marmore (perdôem-se-me estas
innocentes confidencias, aliás de bom gosto) seguido de um valente
almoço de ostras crúas, as melhores que eu tenho provado, regadas á
Sauterne, mastigando (é o termo, porque não sou lá muito admirador de
charutos) mastigando um charuto, que não sei bem si era de Havana, sahi
a fazer meu primeiro passeio, minha _promenade_ matinal, começando pela
Canal Street, a rua mais importante de Nova Orleans, que a divide em
dois grandes bairros--o francez e o hespanhol.

No cruzamento das ruas de St. Charles e Canal erguia-se a estatua de
Clay. É esse o ponto principal da cidade e o de maior movimento nos dias
uteis.

Parei defronte do monumento e consultei meu alcorão, quero dizer meu
guia manual.

«_Estatua de Clay_--Inaugurada solemnemente no dia 12 de Abril de 1860.
Joêl T. Harl, de Kentucky, o artista que deu forma e proporções á
estatua, assistiu ao acto. O orador official foi Wen H. Hemt.».

Maldito laconismo! Pouco adiantei com as explicações do livrinho.

A estatua é de bronze, sobre pedestal de marmore, e mede,
approximadamente, quinze pés inglezes de altura.

--Continuam as estatuas! exclamei recordando as que vira em Barbados e
Jamaica. Felizmente até agora não vira a de nenhum monarcha. Veio-me
então á memoria aquella colossal massa de bronze que se ergue no largo
do Rocio, no Rio de Janeiro, em fórma de um monarcha escanchado n'um
bello cavallo.

Tive pena de não ser aquelle bronze aproveitado para outra cousa mais
digna e util.

--Que diabo! Aquillo é uma pagina de historia patria, reflecti.--E
continuei o meu _tour_.

A Canal Street é o centro commercial de Nova-Orleans, é a rua do Ouvidor
d'aquella cidade, sem os grandes inconvenientes do nosso querido becco.

Larga, bastante espaçosa e comprida, offerece transitos especiaes para a
população, para trens, bondes e carruagens.

As ruas, na maior parte são mal calçadas, principalmente para o interior
da cidade.

É, sem duvida, admiravel semelhante incuria em se tratando de americanos
do norte, entretanto, é uma verdade que não deve ser esquecida, para
consolo de nossas municipalidades.

Na Canal se acham os melhores e mais solidos edificios, as mais fortes
casas commerciaes, os mais importantes armazens da cidade, cafés,
restaurantes, clubs, etc.

Convenci-me desde logo que os principaes productos industriaes de
exportação eram--assucar e algodão, como bem presumira ao desembarcar,
no caes, onde era enorme a accumulação de fardos desses dois generos.

De vitrine em vitrine, observando sempre, escrupulosamente,
curiosamente, á cata de novidades extrangeiras, posso affirmar que nada
vi, surprehendente... Ah! sim, vi umas graciosas caixeiras accudirem
pressurosas e desenvoltas, com o desembaraço proprio de sua raça, aos
compradores, cousa aliás muito simples, muitissimo natural, mas não no
Brazil, onde as senhoras estão eternamente prohibidas de competir com o
outro sexo na vida publica.

Parece-me que só n'este paiz ainda não se observa nem se permitte esse
costume tão natural, tão proprio, tão efficaz mesmo, das senhoras pobres
empregarem-se no commercio a retalho. Na Inglaterra, em Franca, na
Allemanha, na Italia e nos Estados-Unidos é habito velho, ao que me
consta, as senhoras servirem nos balcões, e é de notar que cumprem seus
deveres com assombrosa pericia. Ás nove horas da manhã, que digo eu! ás
seis horas, depois de ligeira refeição, encaminham-se para o trabalho
quotidiano, felizes, satisfeitas, envolvidas em grossas capas de lã no
inverno, a bolsa de um lado, sem siquer fazerem-se acompanhar. Vão
direitinhas de casa para a loja ou escriptorio, sem que ninguem lhes
dirija uma pilheria, sem que ninguem as desrespeite, e, á noite,
recolhem-se da mesma fórma, sempre alegres, transpirando saúde, a face
rubra.

Muitas vezes sahem das lojas, mudam a _toilette_, fazem seu penteado,
perfeitamente dispostas, e d'ahi a pouco estão nos bailes, nos
concertos, nos theatros.

Rara a casa de modas, o armarinho, a livraria onde se não encontra uma
senhora exercendo as funcções de simples caxeira, ou como guarda-livros,
silenciosa na sua carteira, escripturando cuidadosamente o Caixa.

Em alguns estabelecimentos publicos, no Correio, por exemplo, grande
parte do serviço é feito por senhoras. Esse edificio, digamol-o de
passagem, na rua Canal, é de apparencia extraordinariamente simples e
desgraciosa. O serviço, porém, como em toda estação americana é correcto
e sem demora.

Individuos de muitas nacionalidades acotovellam-se na grande rua.

Em Nova Orleans, como em quasi toda a a Luiziania, fala-se mais o
francez que outro idioma qualquer, não sendo raro ouvirem-se
negociantes, mesmo senhoras de elevada hierarchia falar, embora
mediocremente, o hespanhol.

Havia chegado o momento fatal, inevitavel, de nos exhibirmos tambem em
lingua alheia.

Pouco a pouco, nos iamos familiarisando com a população e com o ídioma
d'esse adoravel canto da terra que o Mississipe banha.

O dia seguinte ao de nossa chegada á Nova Orleans (31 de Março) estava
designado para o encerramento da Exposição das Trez Americas. Avisados
d'esta solemnidade, deviamos comparecer a ella em grande uniforme,
encorporados.

Foi um dia essencialmente brazileiro esse. Nos convites para a
festividade lia-se esta impagavel gentilesa: _Brasilian day_.

Todas as attenções convergiam para o _Almirante Barroso (brazilian man
of war)_.

O palacio da Exposição estava situado a alguns kilometros fóra da
cidade, n'um de seus pontos mais pittorescos, o Upper City Park, á
margem do Mississipe--largo edificio vistosamente adornado e do alto do
qual se avistava toda a cidade e immediações.

Na manhã d'esse dia, por signal chuvoso e coberto de nevoeiro,
embarcámos em trem especial, que nos fôra destinado pelo presidente da
Exposição, Mr. Ed. Richardson, um _yankee_ muito amavel, todo cortesia,
sempre com um bello e espontaneo sorriso a captivar a gente, correcto
sempre, irreprehensivelmente correcto.

Embarcámos na Canal street, defronte do _Pickwick Club_, em companhia de
muitos officiaes da Guarda Nacional, de Mr. Richardson e de officiaes da
corveta franceza _l'Étoile_, que se achava no porto de Nova Orleans, dos
consules e outras summidades do paiz.

O trem abalou como um raio, todo enfeitado de bandeirolas americanas,
brazileiras e d'outras nações, ao som de musicas e acclamações
delirantes, rasgando, na sua marcha vertiginosa, o nevoeiro que cahia
sem cessar penetrando os wagons escancarados ao ar frio da manhã,
soltando guinchos medonhos...

Durante o trajecto não me cansei de observar os sitios que o trem
atravessava.

De um lado e d'outro da linha estendiam-se vastas plantações de
algodoeiros desfolhados pelo rigor do inverno, amontoados de neve,
immoveis phantasmas brancos no silencio infinito dos descampados; casas
de campo deliciosas para se passar o verão, trancadas á neve, muito
brancas e desoladas, riam, como saudando a nossa passagem, e
desappareciam rapidamente no horisonte esfumado.

É de vêr a simplicidade reunida á graça que apresentam essas habitações:
vêr uma é vêr cem, tal a uniformidade de sua architectura. Em geral são
de madeira, pintadas de branco e cinzento, com seu terraço para as
calidas noites de verão, jardim e horta arranjados com admiravel cuidado
e bom gosto.

Absorvido completamente pelo aspecto variado da paisagem, sem prestar
attenção ao circulo ruidoso dos collegas, eu (lembro-me bem) formava
planos de vida socegada, n'algum eremiterio entre a eterna frescura das
plantas e o amor eterno d'uma creatura querida.

Invejava os simples, os sertanejos, os homens dos campo--esses para quem
a vida corre sempre calma, porque seu coração não conhece outro amor
senão o da esposa e o dos filhos, esses de quem Boileau dizia

    _Heureux est le mortel qui du mond ignoré
    Vit content de soi même en un coin retiré..._

E eu me transportava outra vez ao Brazil, outra vez eu tinha a nostalgia
da patria, a saudade vaga e inexplicavel de minha terra natal.

Parecerá uma phantasia de poeta adolescente isto que acabo de dizer, mas
é a verdade, a expressão sincera do que eu sentia ao atravessar a região
que ia ter lá, ao palacio da Exposição.

A tristeza da neve communicava-se ao meu espirito imprimindo n'elle não
sei que despretenciosas ambições de silencio e recolhimento. Alguem já
procurou explicar a influencia que exerce o estado hygrometrico da
atmosphera no estado psychologico do individuo.

Eu de mim só sei que o patriotismo, longe da patria, dupplica.

E fechemos esta especie de parenthesis.

Uma commissão de cavalheiros, competentemente encasacados, veio
receber-nos ao desembarque.

Entrámos. Nossa entrada foi verdadeiramente triumphal.

Dentro e fóra do edificio era grande a agitação. Ondas de povo entravam
e sahiam percorrendo o pittoresco _Upper City Park_.

Felizmente «levantou o tempo», como se costuma dizer.

Ao assomar á porta do grande salão de honra o primeiro official
brazileiro, o commandante do _Barroso_, ao lado do consul e do
presidente da Exposição, a orchestra de professores, brilhantemente
organisada, rompeu lá dentro o hymno nacional americano (não conheciam o
nosso hymno aliás tão vulgarisado), os espectadores que enchiam o vasto
recinto ergueram-se, e uma salva estrepitosa de palmas acolheu o resto
da officialidade.

Houve um momento de verdadeiro delirio, em que todos batiam palmas sem
interrupção levantando vivas ao Brazil.

Serenado o enthusiasmo, um enthusiasmo indescriptivel, apopletico, tomou
a palavra Mr. Richardson, que proferio o discurso de encerramento,
saudando a armada brazileira.

Seguiu-se na tribuna o orador official, que, n'um improviso
eloquentissimo, patenteou a necessidade de uma união entre todas as
nações americanas, desenvolvendo largamente as vantagens que d'ahi
proveriam a todas elas.

Falou tambem o governador da Luiziania, e, finalmente, os Srs. Salvador
de Mendonça e Saldanha da Gama, cujas palavras foram cobertas dos mais
significativos applausos.

Terminada a ceremonia oratoria, foi-nos franqueado o edificio da
Exposição, que percorremos examinando com interesse os differentes
pavilhões industriaes.

O Brazil--é triste dizel-o--fizera-se representar de modo bem
insignificante.

Brilhariamos pela ausencia, si o Governo não tivesse a lembrança de
mandar o _Almirante Barroso_.

Amostras de madeiras, café em grão, fumo, artigos de borracha,
constituiam os principaes productos brazileiros expostos á curiosidade
dos visitantes de quasi todas as partes do mundo civilisado. O pavilhão
do Brazil deixava-se ficar em plano inferior aos das outras nações, como
si fossemos um pobre paiz, cujos productos não valessem a pena de ser
expostos n'um certamen internacional!

D'ahi, talvez, o assombro dos americanos ao verem o _Almirante Barroso_,
esse esplendido vaso de guerra de envergadura possante, capaz de
resistir aos mais fortes temporaes e que elles, os extrangeiros,
duvidavam fosse obra nossa.

--Como? Pois no Brazil tambem se fabricam navios de guerra? Está muito
adiantado o Brazil!

E repetiam com um ar de duvida e de ironia medindo d'alto a baixo e de
pôpa á prôa o magestoso cruzador, que balouçava de leve sobre o
Mississipe:

--Está muito adiantado o Brazil!

Entretanto o Mexico, a America Central e as republicas sul-americanas,
sem os recursos invejaveis da grande nação, sobresahiam admiravelmente.
O pavilhão do Mexico, sobretudo, desafiava a maior parte dos outros não
só em abundancia de artigos, mas, principalmente, em belleza e bom
gosto, em elegancia e riqueza.

Escusado, parece, falar do importante logar que coube aos
Estados-Unidos. Que profusão de machinas e instrumentos industriaes de
invenção puramente americana! Ali mesmo, á vista do observador,
fabricavam-se os mais curiosos objectos de fantasia e de uso domestico;
o linho, o algodão, a sêda--eram tecidos rapidamente aos olhos de todos.

Imagine-se agora o ruido, a algazarra, a movimentação que devia reinar
ali dentro d'aquelle immenso edificio, certamente muito longe de ser
comparado aos palacios de exposições universaes, mas ainda assim um dos
maiores que se tem levantado n'esse genero.

Para dar uma idéa de suas dimensões--não o chamaremos vaticano da
industria para não exagerar--basta dizer que o salão de musica--_music
hall_--accommodava 11.000 pessoas, inclusive uma vasta área para 600
figuras.

Impossivel descrever as amabilidades, as gentilezas que nos foram
prodigalisadas largamente pelas adoraveis americanas de Nova Orleans
nessa festa democratica de confraternisação internacional; recordar as
phrases deliciosas, os galanteios irresistiveis...

O que posso affirmar é que o _brazilian day_ ha de perdurar por muito
tempo no coração d'aquelles que tiveram a felicidade de assistir essa
bellissima festa.

Dias depois voltei ao palacio da Exposição, sosinho, como simples
curioso que não tivera tempo bastante para examinar tudo no pequeno
espaço de doze horas.

Nada mais restava senão o esqueleto nú do edificio em via de demolição.
Todos os objectos tinham sido retirados com assombrosa rapidez.
Operarios em mangas de camisa martellavam grandes caixões, assobiando
monotonamente, emquanto outros carregavam pesados volumes contendo os
ultimos especimens da industria americana.

Voltei immediatamente com um ar compungido de quem acaba de acompanhar
um enterro, lamentando o tempo perdido e exclamando de mim para mim:

--Ah! americanos d'uma figa, sois um povo excepcional!

Agora uma pergunta ingenua: Porque é que o Brazil, com os numerosos
recursos que tem á mão, timbra em occupar logar segundario em quasi
todas as Exposições a que concorre?

Indifferença, talvez, simples indifferença de nossos governos.

Na celebre Exposição de Philadelphia não sabiamos á ultima hora como e
onde accomodar os productos deste paiz, em consequencia de não ter o
governo mandado construir um pavilhão especial.

Contentamo-nos em enviar objectos bastante conhecidos, não fazemos
selecção na escolha d'elles, não nos importa o modo como devam ser
acondicionados.

Na Exposição de Vienna ainda o Brazil teve de occupar logar pouco
lisongeiro, e si alguns de seus productos principaes tiveram a
felicidade de ser premiados foi isso devido, não ao governo, mas tão
somente a esforços de muitos negociantes do Rio de Janeiro e do Pará.

Annuncia-se para o anno vindouro uma _Universal Great Exhibition_, nos
Estados-Unidos, cujo successo irá rivalisar, talvez, com o da Exposição
Universal realisada ha mezes em Pariz e notavel pela colossal e tão
celebre torre Eiffel. Nenhuma razão assiste para que a grande nação da
America do Sul, o Brazil, não se faça representar com todo o brilho de
sua incontestavel riqueza.

Agora que somos republica, torna-se dupplamente preciso que patenteemos
ao mundo inteiro a infinita variedade de nossas produções agricolas, a
opulencia invejavel da flora brazileira e da industria já bastante
adiantada d'este bellissimo paiz, cuja natureza extasiou Humboldt,
Agassiz e tantos outros sabios da Europa.

Si cada Estado souber cumprir seu dever não poupando esforços para esse
nobilissimo fim, certo d'esta vez não teremos que corar perante as
outras nações como nos tempos do anachronico imperio do Sr. D. Pedro II.



VIII


A grande Exposição Industrial de Nova Orleans prolongou-se até ao
_Almirante Barroso_. O bello cruzador brazileiro começou desde logo a
ser o alvo dos curiosos de todas as nações ali representadas.

Comprehende-se o vivo interesse do povo em assumptos d'esta ordem.

Não havia na cidade quem não soubesse que estava no porto um navio de
guerra do Brazil, e este facto por si só era bastante para que toda a
gente ardesse em desejo de vel-o de perto, de o percorrer d'um extremo a
outro.

--Quantos canhões traz? perguntava-se. A machina quantas milhas vence
por hora? Quantas rotações por minuto?

E quando affirmavamos que a machina do _Barroso_ era de ferro Ipanema e
d'outros metaes brazileiros, que todo o navio, da pôpa á prôa, era
construcção inteiramente nacional, subia de ponto a surpreza dos nossos
visinhos.

O quê! No Brazil já se constroem navios de guerra?--_It is
impossible!..._ E toda a população, tomada de um quasi espanto,
duvidando, talvez, da nossa habilidade, affluía ao caes.

Todo o cruzador, desde a camara do commandante até ao alojamento dos
marinheiros, desde o tombadilho até ao porão, foi exposto á curiosidade
publica.

O sexo gentil, com especialidade, repetia suas visitas.

Desde ás oito horas da manhã, ao içar-se a bandeira, começavam a atracar
lanchas a vapor e escaleres cheios de visitantes de ambos os sexos.

Grandes lanchas iam e vinham do caes para o cruzador e do cruzador para
o caes, continuamente, incessantemente, apinhadas de passageiros, que
pagavam 5 centimos de ida e volta. Cada uma trazia á prôa, em letras
esparramadas e vivas, a senha:--_Brazilian man of war_.

Á tarde, depois d'uma faina acabrunhadora de receber familias e
percorrer duas, tres e mais vezes o navio, dando explicações,
descrevendo apparelhos e machinismos com uma paciencia de pedagogos,
iamos á terra, distrahir nos cafés, nos theatros, nos bailes, tanto mais
quanto multiplicavam-se os convites para todas as diversões publicas e
familiares.

As familias com que iamos entretendo relações de amizade exigiam que
fossemos quotidianamente a suas casas, como si nos sobrasse tempo para
isso; e, força é confessar, dispensavam-nos um tratamento quasi
paternal.

A melhor de todas as recepções que tivemos, não obstante o caracter
official que a revestia, foi a do Governador da Luiziania, esplendido
baile no _Royal Hotel_, no dia 8 de Abril, ao qual compareceram todas as
autoridades civis e militares da cidade em uniforme de gala.

A casaca, o clak, a gravata de sêda branca, o vestido decotado até aonde
permitte a decencia, confundiam-se nos salões do hotel ricamente
adornados, cheios de luz, escancarados de par em par como um palacio em
festa.

A joven officialidade brazileira, eximia em _cotillons_, expandiu-se a
valer n'essa magnifica _soirée_ de inverno, fria e clara, constellada de
botões d'ouro e brilhante, longe da patria, longe de suas familias, mas
no seio d'um povo que nos amava devéras.

Saráo principesco esse de que ainda sinto o saibo exquisito ao traçar as
reminiscencias da minha primeira ausencia do Brazil.

Mesa abundantissima e franca, desde a deliciosa sôpa d'ostras com molho
inglez á mais fina champagne Clicot, com escala pela _mayonnaise_ de
lagosta, fresca e picante, pelo succulento _poisson à l'itallienne_,
rubro e apettitoso... e tantos, meu Deus, e tantissimos outros pratos
maravilhosos inventados pela gula epicurista de todas as gerações desde
Luculo até á nossa.

Volvemos para bordo seria madrugadinha, tropegos, cansados e
somnolentos, palpebras cahidas, supplicando a frescura d'um travesseiro,
dentro de nossas inviolaveis capas da Bretanha.

Uma noite brazileira com todos os excessos da nossa educação e do nosso
caracter; saudosa noite, a primeira de minha vida em que me enfronhei
n'uma casaca irreprehensivelmente bem feita...

O _Barroso_, diluído na escuridão da noite, aproado á correnteza que
descia rio abaixo cantando uma melopéa de lenda, o _Barroso_--pedaço da
patria longinqua--acenava-nos com a sua luzinha amarella palpitando ás
rajadas do vento frio.

... E os bailes repetiam-se e nós viviamos cercados da alegria
communicativa d'esse povo americano eternamente jovial!

Falemos ainda das mulheres de Nova Orleans.

Bellas quasi todas, amaveis e insinuantes, cheias d'uma inexcedivel
graça que arrebata e seduz voluptuosamente.

As _créoles_, ah! as _créoles_... ninguem as vê que não as fique
desejando.

Caracteres principaes: tez morena, com uns tons de rosa na face, olhos
muito negros, criminosos até ao homicidio flagrante, pequenas,
delicadas, flexiveis, aereas quasi, conjuncto meigo e melancolico, muito
sensiveis... A vaga expressão de seu olhar avelludado derrama não sei
que mysterioso fluido, cujos effeitos traduzem-se em voluptuosas
sensações, secretos desejos de posse absoluta...

Como differem as chamadas _créoles_ das verdadeiras americanas!

Estas--muito rubras, cabello côr de ouro, olhos azues--são frias, quasi
indifferentes ao amor, egoistas de sua belleza de estatua, vivendo para
o trabalho e para a familia; aquellas--adoraveis com as suas linhas
ideaes, com a vaga e communicativa melancolia de seu olhar
voluptuoso--fazem lembrar um povo mystico e cheio de bondade d'algum
paiz nebuloso e desconhecido...

É curiosa a origem da população _créole_ de Nova Orleans. Ella descende
na maior parte de aventureiros canadaenses e _courreurs des bois_--gente
ousada e valente, que emigrou do norte para o sul da America
septentrional, por terra, atravéz de inhospitos desertos povoados de
selvagens perigosissimos. Esses aventureiros chegaram a Luiziania sem
familias, depois de uma viagem cheia de trabalhos e fadigas,
descansando, por fim, ás margens do Mississipe. A Luiziania era então
colonia franceza, e o rei, apiedando-se da sorte dos infelizes
immigrantes, que viviam solteiros, longe de sua patria natal, sujeitos a
uma castidade quasi absoluta, quiz aproveital-os para a colonisação.
N'esse intuito mandou vir de Paris um _carregamento_ de mulheres,
prisioneiras da Salpetrière, que chegaram a Nova-Orleans em ferros, e
onde foram postas em liberdade e entregues á concupiscencia da população
masculina.

Isso, porem, não trazia vantagens á colonia, que precisava de gente. Os
canadaenses satisfaziam seus apetites carnaes sem que augmentasse o
numero de habitantes--facto este que não passou despercebido ao
directorio da Companhia da Luiziania, cujo principal interesse era a
multiplicação das almas.

N'estas condições foram dadas outras providencias, e, em 1728, chegou a
Nova-Orleans um grupo de raparigas, conhecidas na Luiziania historica
pelas _filles de la cassette_ ou _casket girls_, mandadas pelo rei para
o convento das Ursulinas afim de se casarem licitamente. A experiencia
foi coroada de successos. Em breve tempo começou a crescer a colonia e
os descendentes da _cassette_ tinham orgulho em o serem.

Tal foi a origem humilde dos primeiros filhos nativos da Luiziania.

Seu sangue é uma mixtura de sangue canadaense e sangue francez.

A mulher americana do norte é geralmente bem educada. Muitas vimos em
Nova-Orleans, que conheciam e falavam dois, tres idiomas, alem do
vernaculo.

Preoccupam-se pouco com bailes e modas, trajam com simplicidade e
elegancia, sem affectação, sem a natural _coquetterie_ da mulher
parisiense. Seu divertimento predilecto é a musica.

O proverbial desembaraço das americanas manifesta-se a todo instante.
Promptas sempre a repellir com dignidade um ataque á sua honestidade,
ellas se dirigem aos homens em qualquer parte, na rua ou nos salões, com
a mesma simplicidade com que o fazem ás amigas. O respeito entre os dois
sexos, nas classes superiores, é um dos principaes caracteres do povo
americano. Habituados, homens e mulheres, a uma educação livre, vivendo
uns e outros em commun desde creança, as americanas não se confundem
nunca diante dos homens.

Nos Estados-Unidos o bello sexo é respeitado como em parte alguma.

Os paes depositam confiança illimitada nas filhas. Deixam, sem
escrupulo, que ellas saiam a passeio, de carro ou a pé, só ou em
companhia de um amigo da casa, na certeza de que ellas saberão zelar a
sua castidade.

Os raptos e os defloramentos são raros, não sei si devido ao
temperamento da raça ou si á inflexibilidade da Lei. O que sei é que, si
um rapaz gosta de uma rapariga de familia reconhecidamente honesta, não
tem mais do que namoral-a escandalosamente ás barbas de quem quer que
seja, á vista do mundo inteiro, beijal-a sem ceremonia, como si fossem
irmãos, e, d'ahi a pouco, eil-os casadinhos de fresco, _bras dessus,
bras dessous_.

E ai! d'aquelle que violar os preceitos decretados pelo governo!
Immediatamente vê-se dentro d'este triangulo medonho: o casamento, o
dote, ou a cadeia. A Lei é inexoravel e a policia exerce uma vigilancia
sem igual.

Informados de taes particularidades do caracter americano, nós,
brazileiros, pusemos um dique ao nosso temperamento de meridionaes,
evitando o mais possivel os compromissos amorosos, as manifestações de
sympathia por essas adoraveis _ladies_, que, a falar verdade,
inflingiam-nos os maiores supplicios com o maravilhoso poder de suas
qualidades physicas.

Tantalos do coração, eramos obrigados a conter os impetos ferozes da
carne que nos aguilhoava implacavelmente no delicioso convivio das
louras _miss_ e das ternas _créoles_.

_Estão verdes, não prestam_--era a nossa divisa e d'est'arte escapavamos
sempre aos ataques de tão perigoso inimigo...



IX


O dia 14 de Abril (deixem passar a precisão chronologica) estava
destinado pelo commandante do _Barroso_ para uma excursão fluvial,
scientifica, á foz do Mississipe, onde iriamos observar _de visu_ os
importantes trabalhos hydraulicos, que ahi se procediam sob a
intelligente direcção do notavel engenheiro americano Mr. Jas. B. Eads,
um velho respeitavel, encanecido no serviço da engenharia, e cujo nome
está ligado a muitas obras notaveis de seu paiz.

Ás onze horas da noite a barca de passeio _Keokuk_ largou de Nova
Orleans, rio abaixo, conduzindo a turma de guardas-marinha, alguns
officiaes e o commandante, com destino ás _Jetties_.

Uma excellente embarcação a _Keokuk_, especie de pequena cidade
fluctuante, muito larga e espaçosa, avantajando-se em dimensões aos
vapores da Companhia Brazileira. Tres pavimentos: o superior, coberto
por um grande toldo, onde os passageiros podiam fumar á vontade; o do
meio formando um salão-refeitorio, ao lado do qual ficavam os camarotes
e o porão, para mercadorias; rodas á pôpa, systema de locomoção que não
conheciamos; duas chaminés, e machina possante. Em semelhantes condições
eramos capazes de fazer a _volta do mundo em oitenta dias_...

Passámos a noite sobre o rio, navegando á meia força, ao sabor da
correnteza.

Lá iamos outra vez para a região dos mosquitos! Preparámo-nos para dar
quixotesca batalha, apezar da falta impreenchivel do nosso querido
companheiro, o barbeiro de Sevilha, quero dizer o barbeiro de bordo, o
impagavel hespanhol que tanto nos divertira na caça aos mosquitos.

Pela manhã, cedinho, estavamos em Port-Eads, defronte do escriptorio
central do respeitavel engenheiro.

Café, biscoitos..., e desembarcámos.

O bom velho já nos esperava com o seu bello ar de urso domestico, barba
muito branca, de barrete e oculos, entre os seus mappas coloridos e os
seus prospectos representando _steamers_ e as _jetties_.

--Folgo bastante em lhes poder mostrar o plano da empreza ha tantos
annos iniciada sob minha direcção, disse elle com um amavel sorriso de
bonhomia patriarchal.

E começou a desenrolar diante de nossos olhos uma serie infindavel de
cartas hydrographicas, mappas, desenhos...

Vale a pena se admirar essa obra monumental.

Tratava-se de cavar o leito do rio, n'um dos braços de sua foz, por modo
a effectuar-se a navegação livremente, na linha da correnteza, e terem
entrada embarcações de grande calado, desenvolvendo-se assim o já
notavel commercio de Nova-Orleans. Com esses trabalhos o porto irá
melhorando consideravelmente, sendo para notar o grande movimento de
navios que entram e sahem durante o dia.

O rio tem pelo menos 16.000 milhas navegaveis que os americanos dia a
dia tratam de aproveitar dando sahida a innumeros productos do
fertilissimo valle do Mississipe, o qual abrange cerca de 768.000.000
geiras _das mais ricas terras do mundo_, como elles lá dizem. Sua
emboccadura é, portanto, a passagem natural de todos aquelles productos.

Desde 1726 têm sido empregados esforços inauditos a fim de se aprofundar
essa parte do famoso rio; mas, foi em 1875 que o governo dos Estados
Unidos contratou definitivamente esse serviço com Mr. Eads, e é bem
provavel que em futuro não muito remoto esteja o porto franqueado a
todos os navios do mundo, graças á perseverança e aos esforços de habeis
engenheiros.

A visita foi curta, mas proveitosa.

Tomámos novamente a barca, e ás cinco horas da tarde atracavamos no
forte Jackson, velha fortaleza abandonada, á margem direita do rio. Lá
estava ainda, immovel e muda, a descommunal artilharia que Farragut, o
velho almirante, commandara na guerra sanguinolenta dos separatistas,
que terminou com a tomada de Nova-Orleans.

Os velhos canhões dormiam seu somno de bronze, lá dentro, nos corredores
escuros como os de uma Bastilha, e a nós, estudantes de historia naval,
inspiravam não sei que respeito sagrado. Perante elles falavamos baixo,
como para não os acordar...

A fortaleza é grande, mas só tem a importancia archeologica que a
historia lhe empresta; não resistiria, talvez, ás modernas baterias.
Opulenta vegetação rasteira cresce-lhe em derredor. O seu aspecto é
sombrio como o de um cemiterio: as grossas paredes denegridas e o
silencio que a cerca dão-lhe um cunho mysterioso de crypta subterranea e
produzem no visitante uma incommoda sensação de abandono e tristeza. Em
cada canto parece surgir a sombra de um confederado clamando vingança.

Retirámo-nos em marcha funebre, calados e supersticiosos...

Dormimos ainda essa noite sobre o rio para amanhecermos em Nova-Orleans.
Já estavamos com saudade do _Barroso_.

Continuaram as manifestações de amisade ao Brazil.

O neto do imperador, jovem e irrequieto, embalde procurava fugir ás
insistencias da aristocracia local e por diversas vezes desejou ter
nascido simples burguezinho, como qualquer de seus collegas.

E digamos aqui, muito a discreção, Sua Alteza podia ser um bello moço,
um digno cavalheiro, um excellente amigo e camarada, mas... Sua Alteza
era um pessimo principe. A sua grande aspiração era a vida livre, sem
peias, essa vida alegre e bohemia que se exgota depressa nos
_cafés-concertos_ e nos _restaurants_.

Não gostava de continencias e despresava o juizo imbecil dos que lhe
apodavam de estroina. O certo é que esse juizo em nada o compromettia
perante o _high-life_ americano que o estimava sufficientemente. Elle
era o representante immediato da familia imperial, era o alvo predilecto
de todas as manifestações ao Brazil na grande festa internacional.

Seria ocioso, senão monotono e fatigante, descrever, uma por uma, em
todos os seus detalhes, com todas as suas côres mirabolantes, essas
manifestações, profundamente fraternaes e democraticas, com que nos
recebeu a distincta sociedade de Nova-Orleans. Bailes, regatas, passeios
improvisados, concertos, brindes,--e não raro a tolda do nosso bello
cruzador converteu-se em esplendido salão de baile, acordando a sons de
orchestra e gritos de alegria o silencio agreste das margens do
Mississipe.

É este o unico consolo d'aquelles que andam no mar em serviço da
patria--o repousar em terra amiga. Vão-se as saudades para dar logar á
franca expansão dos corações: a alma do marinheiro transforma-se, como
por encanto, n'um hostiario de alegrias de uma ingenuidade incomparavel,
e elle ri com os outros, canta e sente-se tão bem como si estivesse em
seu proprio paiz, no meio de seus amigos e de seus parentes. Encantadora
illusão, que só dura emquanto elle não abre as velas mar em fóra nessa
interminavel derrota de argonautas que vão atraz do bezerro de ouro da
felicidade...

Não direi, não, o que nos divertimos, as multiplas sensações por que
passou o nosso espirito n'essa Luiziania que o Mississipe embala com o
rithmo nostalgico de suas aguas côr de barro. Seria desdobrar a natureza
humana tão complexa e mysteriosa.

Vamos adiante, consultemos o caderno de notas.

_25 de Abril_...--Estavamos na Paschoa, a festa risonha e popular da
ressurreição do Christo. Até então nenhum desgosto, nenhuma tristeza,
nenhuma magoa toldara o céo purissimo de nossas alegrias. Vagavamos em
mar de rosa, egoistas de felicidade, sereno o espirito, aberto o coração
a todos os influxos bons. Boa vida, por um lado, essa de quem viaja sem
grandes preoccupações, no bojo de um navio patricio.

Eis que, de repente, uma nota dissonante e sombria chamou-nos á
realidade pungente da vida humana: morrera um nosso companheiro de
bordo, o Leocadio..., que digo eu? um d'esses heróes anonymos que usam
gola ao pescoço, um pobre marinheiro que a fatalidade arrebatou de sua
terra natal para morrer tysico em paiz estranho.

Ninguem imagina a dolorosa impressão que produz a morte de um
companheiro de viagem longe da patria, n'um hospital desconhecido.

Fez-se o enterro com todas as honras devidas ao obscuro soldado e velho
marinheiro, nascido, por assim dizer, sobre o mar e educado na escola
das tempestades. Tinha sessenta annos. Era o «cosinheiro da prôa». Sobre
o seu corpo foi estendido a bandeira nacional brazileira como symbolo da
patria reconhecida.

N'esse dia, conforme já estava assentado, toda a guarnição do _Barroso_
desembarcou a fim de assistir á missa solemne da Paschoa na cathedral de
S. Luiz, o mais importante dos templos catholicos da cidade, situado na
rua Chartres.

Bem que antiga, essa egreja parece resistir ainda por muito tempo. Foi o
primeiro edificio catholico erigido em Nova-Orleans pelos capuchinhos,
em 1718, ao tempo da fundação da cidade. Tomou o nome de S. Luiz em
homenagem ao rei da França.

Mais tarde, em Setembro de 1723, desabou sobre a nascente cidade, cuja
população elevava-se a 200 almas, formidavel cyclone, que arrasou todos
os edificios, causando uma mortandade incalculavel. Narram os chronistas
que foram arrojados á costa trez navios que se achavam fundeados no
porto. Em breve, porem, a cidade foi reedificada, sendo em 1724
reconstruida a egreja, essa mesma que ainda hoje ergue seus torreões
vetustos na rua Chartres.

Naquelle anno o territorio de Nova-Orleans foi dividido em tres grandes
districtos sob a administração dos capuchinhos, dos carmelítas e dos
jesuitas. De então em diante multiplicaram-se os edificios religiosos,
egrejas palacios episcopaes, conventos, etc.

O convento das Ursulinas data egualmente da fundação da cidade e é um
estabelecimento catholico á maneira do de Ruão conhecido por esse mesmo
nome.

É um dos ultimos conventos que ainda existem nos Estados-Unidos. Consta
de trez andares e ergue-se á margem do rio, para onde abre suas
janellinhas atravéz das quaes se vê passar a sombra phantastica das
religiosas.



X


Um bello povo, o de Nova-Orleans--jovial, communicativo, hospitaleiro e
sincero. A elle devemos os melhores dias dessa longa viagem ao paiz
suggestivo e excepcional dos _yankees_, universalmente querido e
respeitado por sua grandeza industrial e por suas bellas tradições de
energia e patriotismo.

E emtanto approximava-se o dia da partida: iamos embora rumo de norte,
levando comnosco a immorredoura lembrança do Meschasebé, «le roi des
fleuves», e das legendarias terras que Chateaubriand poetisara nas suas
inimitaveis _viagens_. Restava-nos, porem, o consolo de que ainda
iriamos á sonhada Nova-York dos trens aereos e das emprezas colossaes.

Corações á larga, rapazes! Um homem é um homem!...

A saudade, porem, não é uma simples figura de rethorica, pelo amor de
Deus! É um estado d'alma como a nostalgia, como o amor, como a tristeza,
como a dôr...

A saudade existe, é um phenomeno perfeitamente real e determinado na
ordem dos factos psychologicos. Não nos venham dizer outra cousa os
senhores neologistas _fin de siècle_. Por ter sido cantada em prosa e
verso, nem por isso a saudade deixa de ser o que é na verdade--uma
commoção nervosa interessando o mais delicado e sensivel do coração
humano, uma dolencia vaga, fluctuante n'alma, intraduzivel como um sonho
nebuloso, tocada de doçura e ungida de tristeza...

Por que uma pessoa tem barba no rosto e já passou dos vinte annos,
segue-se que não deve ter mais saudade, que deve ser um insensivel, uma
massa inabalavel?

Absolutamente não. A lagrima, expliquem-na como quizerem os doutores da
sciencia, hade existir emquanto palpitar em nós esse musculo que se
chama coração, emquanto a humanidade soffrer e houver um motivo
sentimental para commover os seres dotados de intelligencia. É talvez
uma questão de mais ou menos intensidade nervosa. Por que tudo é egoismo
neste seculo essencialmente palavroso e mercantil, deve-se concluir que,
em futuro não muito longe, a raça humana se transforme n'uma como
esphynge, sem affectividade possivel, ou que o systema nervoso passe a
exercer funcções negativas na physiologia do porvir? Não o
acreditamos...

A lagrima hade existir _per omnia secula_, e a saudade terá sempre a sua
lagrima, como sentimento superior ás nossas forças.

Chorar sobre o tumulo de um amigo é tão natural, tão humano como chorar
porque nos separamos de um ente querido. Não desejo agora, por um
velleidade de rabiscador sentimentalista, fazer a psychologia da
lagrima. O que eu quero é confessar, embora d'isso me advenha o
qualificativo de _piégas_, que não podiamos--eu e a maior parte dos meus
collegas--pensar em deixar Nova-Orleans sem um demorado fremito de
palpebras e uma nevoa humida no olhar triste...

E, dizendo isto, está dito o que nos merecia a hospitaleira população
d'aquella cidade.

Entretanto, ainda não estavam satisfeitos os luizianenses. Como ultima
prova de verdadeira estima o _Luiziania Jockey-Club_ deu-nos um
magnifico baile na vespera da partida.

Tenho ainda na memoria essa derradeira impressão que me ficou de
Nova-Orleans. Fazia um luar soberbo, um luar tropical, um luar de
legenda, tão limpido e tão claro que se não viam as estrellas... O
_Jockey-Club_, em baixo, fazia um effeito surprehendente com a sua
illuminação de mil côres rodeando a grande raia das corridas, com o seu
aspecto phantastico de kermesse nocturna, salpicado de pontos luminosos
e galhardetes em miniatura, immoveis na calmaria da noite.

Em derredor a mudez solemne da floresta acordada de instante a instante
pelo echo da musica cortando o ar calmo.

Perto do _Club_ tinha-se armado um grande estrado para a dansa ao ar
livre, sem tecto, sem toldo, sob o luar.

Cruzavam-se os pares, n'um turbilhão impetuoso, ao som das walsas
americanas e dos galopes á brazileira.

N'essa noite, e pela primeira vez, conversei longamente com uma
_créole_, Mlle... já me não lembra o nome, um typo ideal de Walkyria de
olhos negros com um extraordinario brilho nas pupillas,--microscopica,
delgada, flexivel, cintura extremamente fina, certo geito adoravel de
pender a cabeça para os lados, n'um abandono irresistivel... Toda de
preto.

Dansámos uma quadrilha e ella convidou-me a passeiar no Prado.

Lá fomos, braço dado, eu muito circumspecto, teso dentro da minha farda
de guarda-marinha, levado quasi que machinalmente por essa formosa dama
d'olhos negos e seductores, arranjando a custo umas phrases de effeito,
que eu não teria coragem de reproduzir; ella, desenvolta e pequenina,
muito leve na sua _toilette_ escura, conduzindo-me n'aquella esplendida
_promenade au clair de la lune_, para onde... não sei eu...

Perguntou-me si as brazileiras eram bonitas e ricas, si no Brazil
dansava-se muito, e que tal nós tinhamos achado as americanas.
Explicou-me então a differença entre _créoles_ e americanas propriamente
ditas.

Respondi-lhe como pude, exaltando as nossas patricias, «bellas e ricas,
como não ha eguaes no mundo...»

Parámos. Tinhamos andado seguramente dois kilometros e não viamos agora
senão a parte superior do _Club_, por traz do arvoredo, toda illuminada
ao longe, como uma cousa phantastica.

Á proporção que nos afastavamos dos nossos companheiros a conversa
tornava-se menos animada, e, por fim, já seguiamos calados, como dois
somnanbulos, no silencio da noite enluarada...

Depois é que vimos a distancia que nos separava do centro da festa.

Na volta encontrámos outros pares em doce confabulação, como nós, longe
do ruido.

Despedi-me para tomar o trem, e ella, a dama dos olhos negros, disse-me
um _Good bye_ tão sentido e tão suggestivo que eu não tive geito senão
perder o trem.

_Good bye!_ Nada mais doce e expressivo que estas simples palavras em
bocca de americana. Uma ingleza talvez que as não pronuncie com tanta
suavidade, com tão sonora flexão, com tanto sentimento. _Good bye_... Ha
qualquer cousa de avelludado no timbre cantante com que ellas, as _miss_
da Nova-Inglaterra dizem a sua phrase sacramental de despedida. O nosso
_adeus_, aliás tão laconico e singelo não exprime tanto, não caracterisa
tão bem esse estado d'alma que se denomina--saudade.

E, a proposito de--_Good bye_, vem-me a memoria um episodio de uma
simplicidade primitiva e commovente que a minha indiscrição de
observador tagarella não deixa calar.

Esqueçamos a rapariga d'olhos negros e narremol-o em toda a sua verdade.

Entre os nossos companheiros de viagem havia um, cuja vida estava cheia
das mais interessantes aventuras amorosas. Chamava-se Manoel..., o
apellido de familia não nos interessa. O joven official de marinha, moço
de bella apparencia e excellente coração, apaixonara-se por uma Eva
Smith muito conhecida nos cafés-concertos de Nova-Orleans. Até aqui nada
mais natural. Ella vira-o uma vez diante de um _bock_, seus olhos se
encontraram, e, desde logo, Manoel ficou sendo a menina dos olhos de
Eva. Amaram-se por muitos dias, gosaram todas as delicias imaginaveis,
elle prohibiu-a de andar nos cafés, ella prohibiu-o de olhar para outras
raparigas, e assim corresponderam-se de commum accordo, sem que nunca
houvesse entre elles a menor desavença.

--Leva-me para o Brazil, Manoel... (ella só o tratava por Manoel).

--Sim, filha, depois havemos de ver isso...

--I love you very much...

--Oh! yess... I think so...

Viviam felizes como um casal de noivos, longe da cidade, n'um quarto
d'hotel, onde havia do melhor vinho e da melhor sôpa.

Um bello dia:

_Elle_--Olha, sabes? O _Barroso_ suspende ferro amanhã.?.

_Ella_ (surprehendida)--What do you say?!

_Elle_ (trincando um rabanete)--É o que estou lhe dizendo. Amanhã, por
estas horas, o Manoel vai sulcando o golfo do Mexico.

_Ella_ (cruzando o talher)--Impossivel! Por que já não me disseste?

--Para te poupar o desgosto...

--Oh! não, meu querido Manoel, é historia, tu não vás amanhã...

--Assim é preciso. São cousas da vida...

--Não, não, meu amor (_my love_) tu não vás, porque eu não quero, do
contrario faço escandalo, estás ouvindo?

E, ao dizer estas palavras, a pobre Eva deixou cahir uma lagrima...

Silencio. Manoel continuou a jantar sem interrupção, muito calmo, com
uma fleugma verdadeiramente britannica. Eva, coitada, abriu a soluçar
baixinho, fungando a mais não poder, sem se aperceber de que estava
fazendo de um guardanapo um lenço.

...........................................................................

Ultimo acto, e aqui é que está o aproposito.

Scenario: O Mississipe pardo e murmurejante sob a luz moribunda do
crepusculo.

O _Almirante Barroso_, immovel sobre o rio, com a sua mastreação muito
alta, fuméga. Ouve-se barulho de cabrestante e de amarras cahindo no
convéz. Tremúla a bandeira brazileira na carangueija da mezena...
Ultimos preparos.

No cáes agita-se uma multidão compacta.

De repente surge á tona d'agua o cepo da ancora enlameada, pingando um
lodo cinzento, e o navio começa a andar vagarosamente.

A guarnição sóbe ás vergas, alastrando-se de um bordo e d'outro, e acena
para terra ao som de--vivas!

Agitam-se lenços na praia, correspondendo ás saudações de bordo. Um
fremito percorre os que estão no cruzador...

É o momento decisivo.

Um grande rebocador, _Theo Warriar_, vistoso e arquejante, acompanha as
manobras do _Barroso_, á distancia de uma amarra, solitario e sombrio,
envolto n'uma nuvem de fumaça, e em cuja tolda assoma a figura
desgrenhada de uma mulher.

O cruzador segue á vante, magestoso e lento, descrevendo uma bella curva
no espelho da agua, e torna a passar defronte da cidade, apressando a
marcha.

As religiosas das Ursulinas lá cima, nas janellinhas do convento, acenam
tambem com os seus lenços brancos.

E, no silencio da tarde que a nevoa melancolisa, repercutem estas
palavras tocadas de saudade:

--_Good bye!_

--_Good bye!_ repete a mesma voz avelludada como um carinho...

Olhámos uns para os outros commovidos.

Quem seria que se lembrara de levar tão perto sua despedida aos
brazileiros?

A voz era de mulher, não restava duvida...

Com effeito, reconhecemos na figura desgrenhada que viamos a bordo do
rebocador Eva Smith, a amante de Manoel..., a apaixonada rapariga muito
conhecida nos cafés cantantes de Nova-Orleans, cujo enthusiasmo pelo
nosso companheiro tinha chegado a seu auge.

E quando o _Barroso_ desappareceu na primeira curva do rio, ainda
ouviamos, tomados de uma tristeza infinita, a mesma voz cheia de
desespero, agora abafada pela distancia, soluçada e plangente:

--_Good bye_, Manoel! _Good bye!_...

E dizer que a _Dama das Camelias_ é uma excepção na vida sentimental das
filhas de Eva!...

O nosso Armando, que aliás nunca pretendeu regenerar ninguem, deixou se
cahir n'uma saudade profunda, n'um longo adormecimento d'alma, de que só
accordou no alto mar, quando já não se avistava um ponto siquer da costa
americana.



XI


Abençoada ilha de Cuba, direi muito pouco de teus aspectos, de teus
costumes, de tua gente, de tua civilisação, mesmo porque a nossa demora
em tua bizarra capital, foi curta como um sonho bom. Um epicurista diria
que apenas tivemos tempo de mastigar um _havana_, d'esses que fabrícas
aos milheiros e que fazem a delicia dos consumidores do bom tabaco.

Bellas cubanas d'olhos rasgados e sensuaes, acreditamos piamente nas
coloridas descripções em que viajantes de todas as nacionalidades gabam
as vossas preciosas qualidades physicas, os vossos olhos ardentes, os
vossos cabellos negros, a vossa graça incomparavel e seductora... Nos
oito curtos dias que passámos em vossa patria não tivemos a felicidade,
a gostosa satisfação de vos contemplar senão de relance, por um acaso
verdadeiramente providencial.

Dizem outros que sois bellas e irresistiveis, que dansais divinamente o
_salero_, que possuís todos os encantos possiveis, e isto é quanto basta
para que dispenseis o desmaiado elogio dos que não tiveram a fortuna de
confabular comvosco.

E o leitor, por sua vez, contente-se em saber que Havana, com suas
_calles_ irregulares, estreitas e pacatas, é uma pequena capital sem
_capitaes_, sobriissima de diversões populares, quasi monotona, mas
relativamente adiantada.

Não se lhe póde negar certo progresso material e mesmo uma ponta de
civilisação européa.

Encontram-se nella importantes estabelecimentos commerciaes, grandes
tabacarias que fornecem fumo e seus preparados a quasi todos os mercados
do globo; excellentes botequins, poucos hoteis.

O celebre professor Agassiz, no roteiro de uma de suas excursões á
America, disse que toda a architectura brazileira é _pesada e sombria_;
eu accrescentarei que no mesmo genero são as edificações de Havana, o
que não é para surprehender n'uma cidade antiga, onde se observa ainda o
cunho tradicional da velha metropole hespanhola.

Entre os monumentos archeologicos notámos a secular cathedral onde
(refere a chronica) estão sepultados os ossos de Christovão Colombo.

Vimos uma estatua--a de Izabel a Catholica, n'um grande largo que tem o
nome da santa rainha.

Particularidade interessante: a população dá a vida por gelados, em
consequencia do calor excessivo e constante a que vive sujeita.

Visitámos tambem (ia-me esquecendo) os aqueductos que fornecem agua á
população da cidade. Todos elles vão despejar n'um immenso reservatorio
de pedra inteiriça (como os nossos diques da ilha das Cobras), cavado no
sólo, formando uma especie de tanque de grande capacidade para comportar
muitos e muitos metros cubicos d'agua crystalina. O sitio onde se acha
essa importante obra de engenharia, lembra, de relance, a Tijuca com as
suas cascatas despejadas do alto de rochedos inaccessiveis, com a
extrema frescura de suas montanhas verde-escuras, debaixo de um céo
límpido e azul. É um dos melhores passeios de Havana. A viagem até ahi
se faz em diligencias puxadas á mulas, arriscando-se o _touriste_ a
chegar sem bofes ao fim da jornada longa e sem o attractivo das bellas
paisagens claras do Brazil.

O sol é ardentissimo em Cuba, e, entretanto, as diligencias partem da
cidade pela manhã e chegam ás onze horas ao reservatorio, onde não se
encontram hoteis nem botequins. Sua-se por todos os póros e, no fim de
contas, volta-se fatigado, com a curiosidade satisfeita, mas o corpo
moido.

O Passeio Publico... Oh! não falemos de cousas tristes. Quem já viu o
Passeio Publico da Bahia pode imaginar o de Havana: o mesmissimo
cemiterio dezerto e sombrio, o mesmissimo abandono criminoso; arvores
colossaes, meia duzia de castanheiros decrepitos, e um silencio, um
silencio absoluto de arripiar cabellos. Aos domingos costuma ir chorar
p'r'ali uma banda militar. Só então é que a gente se lembra que existe
um Passeio Publico em Havana.

_La Havana_, de resto, é o que se póde chamar uma cidade pacifica,
socegada e sem attractivos. A impressão que ella deixa no espirito de
quem a viu exteriormente é de uma velha capital decadente, muito cheia
de sol e poeira.

Mas, para que não fosse de todo ociosa e inutil a nossa visita á Cuba,
aproveitámos o ensejo de ver uma de suas mais pittorescas e curiosas
cidades--Matanzas, onde chegámos depois de algumas horas de viagem
costeira. Ahi nos esperava o vice-consul do Brazil, excellente
cavalheiro, cujo primeiro cuidado foi pôr á nossa disposição vinte e
tantos carros de praça a fim de que não perdessemos opportunidade de
contemplar o magestoso panorama do valle de Yumiri, um dos mais bellos
do mundo, cerca de uma legua distante da cidade.

--Os senhores vão vêr um bellissimo trecho da natureza americana, como
talvez não haja igual no Brazil, preveniu-nos o consul. É uma maravilha!

E lá fomos, subindo e descendo morros, completamente alheios á
topographia do paiz, cheia d'altibaixos, lá fomos caminho de Monserrate,
n'uma disparada unica por montes e valles, aos solavancos.

Era quasi noite quando parou o ultimo carro, e corremos logo á tal
«maravilha» que o diplomata recommendara.

Aqui têm os aguarellistas _motivo sensacional_ para uma téla
rembrannesca:

Crepusculo... Céo pardo com uns tons de azinhavre muito vagos, aqui,
ali, bordando nuvens... Embaixo a longa extensão concava do valle
afundando-se como o leito de um grande mar, que tivesse desapparecido,
verde escuro, indistincto quasi a essa hora do dia.

Defronte, no segundo plano, a sombra opaca de uma cordilheira,--larga
faixa de velludo cinzento--limita o scenario, confundindo-se com as
tintas indecisas da planura sideral. E, sobre tudo isso, uma tristeza
religiosa, um vago silencio de abysmo...

Vê-se muito ao longe, de um lado da paísagem, rasgando o fundo nebuloso
do quadro, uma nodoa escarlate, ao comprido, muito desenhada, muito
escandalosa mesmo em meio de toda essa harmonia de côres esmaecidas...

Ha muito que o sol tombou na sua eterna circumvolução diurna. A sombra
que se alastra, a pleiada phosphorecente dos pyrilampos, o silencio
absoluto que nos cerca--tudo inspira respeito: e a gente esquece
preconceitos e doutrinas para, instinctamente, levantar uma prece á
mysteriosa Força que rege o Universo...

Existe no alto da montanha a modesta capella de N. S. de Monserrate,
sempre aberta aos crentes, muito branca na sua despretenção de nicho
d'aldeia, com a sua torresinha triangular onde vão fazer ninho, no
inverno, as andorinhas do valle.

Cahio de todo a noite, e, no silencio da estrada que descia em broncas
sinuosidades, regressámos para o hotel, cujo salão príncipal tinha agora
o aspecto sumptuoso (dados os devidos descontos...) d'um refeitorio de
convento em dia de festa paschoal: meza lauta, vinte variedades de vinho
excellentes e tudo mais que se faz mister n'um banquete finamente
organisado á moderna.

O resto é facil de imaginar: brindes, hurrahs, charutos finissimos... e
um somno reparador obrigado a pezadelos...

Na manhã seguinte acordámos para outro passeio não menos agradavel. Era
preciso aproveitar o tempo do melhor modo possivel. Cometteriamos
indisculpavel falta si não fossemos ver as _Cuevas de Bella-mar_, essas
caprichosas grutas subterraneas, verdadeiros palacios de crystal
puríssimo, que se abrem terra dentro em toda a opulencia de suas
maravilhosas stalagmites e stalactites. Era mais uma deliciosa surpreza
que nos estava reservada. Ir á Matanzas e não ver as _Cuevas_ equivale a
ir a Roma e não ver o Papa. Cumprimos o nosso dever de viajantes, que
não se contentam com a vaidade infantil de pisar solo extrangeiro.

_Cuevas de Bella-mar_... Entre os numerosos phenomenos que a geologia
registra muitos ha que ainda estão por ser lucidamente explicados, por
sua propria natureza complexa e profundamente scientifica.

No terreno da geologia subterranea, com especialidade, innumeros são os
problemas a destrinçar, e um dos mais curiosos e interessantes é, sem
duvida, a formação das cavernas, as excavações produzidas por agentes
externos, pela infiltração natural da agua no solo calcareo, formando
essas caprichosas pyramides de crystal, que a sciencia denomina
_stalagmites_ e _statactites_.

As _Cuevas de Bella-mar_ formam um dos mais bellos panoramas que se
podem imaginar.

Figure-se um grande tunel aberto no subsolo e de cuja abobada pendem
crystaes multiformes, cada qual o mais surprehendente, alguns de tamanho
admiravel, emquanto do chão constantemente humido sobem outros de egual
estructura, ponteagudos quasi sempre, formando, ás vezes, columnatas
brilhantes, esplendidos capiteis, tão caprichosamente dispostos que
dir-se-iam architectados por mãos humanas. A caverna prolonga-se a
perder de vista, deslumbrante como um palacio encantado, á luz dos
archotes, porque é impossivel percorrel-a sem luz, e a cada passo uma
nova exclamação de surpreza irrompe da bocca do observador, espontanea e
enthusiastica.

É, com effeito, encantador o aspecto das _Cuevas_.

A athmosphera é quasi insupportavel, apezar da humidade que se reflecte
das paredes da gruta: um calor medonho de fornalha acceza!

É expressamente prohibido tocar nos crystaes. Um guarda, empunhando um
archote, acompanha o visitante, recommendando-lhe de espaço a espaço,
todo cuidado, toda cautela para que não dê alguma cabeçada...

Desta vez tinhamos sabido preencher o tempo utilmente, compensando as
horas perdidas em Havana.

N'esse mesmo dia o _Barroso_ fez-se de marcha para o _paiz dos yankees_,
para Nova-York, a bella e maravilhosa cidade que o consenso universal
alcunhou de Londres americana.

E... foi um dia a ilha de Cuba...



XII


...Manhã de inverno, fria e nebulosa, sem uma restea de luz confortavel.
Estava interdicta a nossa curiosidade, pois que amanhecemos defronte da
bahia de Hampton Road, a essa hora coberta de cerração, cheia de
nevoeiro, impenetravel. Não podiamos, que pena! ver Nova-York de fóra,
do mar, abrangel-a toda com um golpe de vista, stereotypal-a na
imaginação para todo o resto da nossa vida. A grande cidade cosmopolita
dos trens elevados e das pontes colossaes dormia o somno beatifico da
madrugada, envolvida n'um largo capuz de neve atravéz do qual apenas se
podia ouvir a sineta de invisiveis embarcações que bordejavam demandando
o porto. Adivinhavamos que muitos vapores transatlanticos aguardavam,
como nós, o momento azado para fazerem sua entrada.

Felizmente não durou muito esse estado quasi afflictivo. Por traz do
nevoeiro compacto e lugubre os primeiros clarões da manhã surgiram como
uma apparição bemdita, rompendo a monotonia branca da atmosphera, e
pouco a pouco, á proporção que a neve ia se rarefazendo, o _Barroso_
tomava chegada muito lento, e Nova-York destoucava-se n'um fundo
luminoso, batida pelas primeiras irradiações do sol, ruidosa e
alviçareira, toda cheia de brilhos, como um quadro de malacacheta.

Onze horas. Céo limpo e mar chão--como se diz nos diarios nauticos. Nem
mais um floco de neve, tudo luz agora, e já podemos ver cheios da mais
intima satisfação, com uma surpreza ingenua no olhar, o aspecto risonho
da bahia cortada de embarcações á vela e á vapor, com os seus longes de
verdura matizando perfis de montanhas indistinctas, muito descoberta,
sem o sombrio magestoso das paisagens americanas do sul, bella na sua
simplicidade natural, e, sobretudo, muito clara áquella hora.

Á direita destacava, á bocca do Hudson, a grande, a enorme, a colossal
ponte que liga Brooklin á Nova-York lembrando-nos que realmente tinhamos
chegado outra vez á terra feliz dos _yankees_, e d'outro lado erguia-se,
_illuminando o mundo_, a estatua da liberdade, bello symbolo de bronze,
cujo pedestal occupa toda a ilha de Bedloe.

Era um dia de domingo, um desses dias de expansão popular, em que, no
mar como em terra, ha quasi sempre uma alegria nova entre os que
passaram a semana a trabalhar, a lutar pela vida incansavelmente com a
consciencia tranquilla de quem vive honestamente á custa do proprio
esforço. A bahia de Nova-York tinha o festivo aspecto de um dia de
regatas. Esquadrilhas de hiates, com suas velas quadrangulares, muito
elegantes e asseiados, cruzavam na barra, aproveitando a fresca do mar.
Passavam barcas de recreio, embandeiradas, conduzindo bandas de musica,
que tocavam alegremente o _Yankee doodle_. Á cerração matinal succedera
um sol frio d'inverno, que dava vontade a gente improvisar pic-nics á
beira-mar, fóra da cidade, longe dos botequins e das _brasseries_,
nalgum verde recanto onde houvesse bastante quietação e muita agua, n'um
logarejo calmo de suburbio d'onde se podesse ver ao longe, mas muito ao
longe, a miniatura da cidade soturna e cansada...

O _Barroso_ tinha fundeado em frente á Battery Square e com pouco
recebia a visita official do Consul brazileiro e d'outras autoridades do
paiz, sendo para notar que uma das primeiras pessoas que pizaram a bordo
foi o reporter do _New-York Herald_, a importante folha americana
tradicionalmente conhecida no mundo jornalistico. Um cavalheiro
_irreprochable_, de cartola e sobrecasaca de panno, bem apessoado,
bigode louro e olhos azues, verdadeiro typo de _yankee_, amavel e
expansivo. É escusado dizer, n'um parenthesis, que no dia seguinte a
kilometrica folha descrevia, com uma precisão photographica, o cruzador
brazileiro, sem esquecer mesmo um carneiro de estima que traziamos e que
o espirituoso noticiarista incluia na lotação do navio, emprestando-lhe
qualidades invejaveis. Creio até que o pobre lanigero figurou na folha
_yankee_ entre os heróes de Humaytá!

Satisfeitas as formalidades officiaes da chegada, trocadas as salvas do
estylo, nada mais nos restava senão ver de perto a bella cidade.

Nova-York estava quieta, muitissimo quieta, com as suas praças dezertas,
com os seus parques silenciosos, fechado o commercio a ponto de não se
encontrar aberta uma só tabacaria, siquer um botequim. Isso, porém, não
nos causou estranheza. Sabiamos que o domingo nos Estados-Unidos é um
dia completamente inutil, um dia triste para os centros populosos. Toda
a gente dezerta para os arrabaldes em seus trajes domingueiros. As ruas,
muito largas e compridas, permanecem ermas e cheias de silencio,
entregues á vigilancia dos _policimen_. Todas as casas commerciaes,
todos os armazens, todas as fabricas, todos os estabelecimentos publicos
conservam-se fechados e taciturnos, como n'uma cidade abandonada.

Nova-York, a opulenta e alegre cidade cosmopolíta, tinha esguichado para
New-Jersey, para Brooklin e para Conney-Island. Toda aquella multidão
laboriosa e ourisedenta, que nos dias de trabalho se atropella na
Broadway, bebia e cantava nos arrabaldes, expandia-se largamente nos
hoteis ambulantes e nas cervejarias suburbanas, folgava e ria com
desespero, sem pensar na segunda-feira, sem se inquietar com o futuro.

Por isso é que não se deparava ninguem nas ruas, por isso não se ouvia o
barulho infernal das carroças e das carruagens.

O domingo no paiz dos _yankees_ é para se divertir, para se descansar,
para se jogar o _criket_, para se passeiar a cavallo, para se apostar
regatas, de modo que o protestantismo americano nada tem de commum com o
protestantismo britannico.

Emquanto nos domingos (a dar credito na chronica) o inglez reza a Biblia
no interior de seu _home_, em companhia de sua mulher e de seus filhos,
o americano, ou melhor o _yankee_ exercita os musculos e bebe cerveja
fóra da cidade.

Não admira semelhante discordancia, quando é sabido que a religião
protestante subdivide-se em milhares de seitas. A este respeito leiam-se
os bellos capitulos em que Mr. Laboulaye (Ed. Lefèvre), estuda, com uma
graça especial e encantadora, cheia de humorismo e de senso critico, as
instituições religiosas na America do Norte. _Paris en Amérique_ é um
dos livros mais curiosos e originaes que eu tenho lido sobre os
Estados-Unidos.

Em taes condições, extrangeiros no meio de uma cidade dezerta,
imagine-se o nosso embaraço, a triste situação em que nos collocava a
curiosidade.

Os rarissimos transeuntes que porventura encontravamos, marinheiros ou
vagabundos que desciam para o caes da Battery, olhavam-nos com um ar de
surpreza, embasbacados, medindo-nos d'alto a baixo, com si fossemos uns
verdadeiros botocudos de tanga e cocar.

Entretanto, não perdemos a precisa calma, e, sem mais tirte nem guarte,
saltámos dentro do primeiro vehiculo que passava, uma velha carruagem de
aluguel, cujo boleeiro custou devéras a comprehender que desejavamos
fazer um passeio ao redor da cidade.

--Oh! yess! Yess!...

E disparou a trote largo por aquellas ruas fóra.

De modo que n'esse dia vimos Nova-York _à vol d'oiseau_ e por um prisma
de tristeza e monotonia.

Em compensação a nossa demora n'aquella cidade ia ser mais longa que em
qualquer dos outros portos do intinerario.

No dia immediato, uma segunda-feira, recomeçámos, sem perda de tempo, a
nossa tarefa de extrangeiros em paiz desconhecido.

Eu, por mim, confesso que Nova-York produzia-me vertigens. O desejo
immoderado de tudo vêr, de tudo observar, de tudo saber, trazia-me n'uma
inquietação continua, tirava-me o somno, arrebatava-me á todas as
commodidades, torturava-me o espirito de analyse. Uma cousa, porem, devo
dizer: raro é o official de marinha, mormente da marinha brazileira, que
sabe aproveitar o tempo n'essas viagens ao extrangeiro. Aproveitar o
tempo, entendamo-nos, as horas de folga. Preferiamos a convivencia dos
cafés-cantantes aos passeios uteis e ao mesmo tempo agradaveis. Um
extrangeiro já teve a coragem de dizer que os officiaes de marinha
brazíleiros levavam o tempo, na Europa, a frequentar os _conventilhos_ e
os cafés-cantantes. Até certo ponto isso é verdade.

Em geral elles pouco conhecem dos paizes que têm visitado, a não ser em
assumptos de sua profissão, e as suas narrativas entre amigos limitam-se
quasi sempre a recordações de aventuras amorosas.

Tambem são tão curtas e tão raras essas viagens...

Quando se tem a felicidade relativa de viajar sob o commando de um
official illustrado e curioso como o Sr. Saldanha da Gama, cujos
conhecimentos não se restringem á navegação e á artilharia, o
aproveitamento é certo. Elle não é sómente um superior
hierarchico--faz-se mestre e sabe proporcionar aos seus subalternos a
maior somma possivel de excursões uteis e proveitosas.

Uma das nossas primeiras visitas foi á estatua da Liberdade, na ilha de
Bedloe.

O importante monumento ainda não estava completamente prompto, mas já se
podia fazer uma idéa do que seria elle depois de concluido. O pedestal,
de granito, occupa quasi toda a ilhota e mede, approximadamente, 15 a 20
metros de altura, 154 pés, desde o nivel do mar, formando uma especie de
casamata cuja utilidade não souberam nos dizer. Sobre o pedestal
ergue-se a estatua, em bronze, armada por meio de vigamentos de ferro,
pois que não é inteiriça.

Conta-se que dentro d'ella realisara-se, em Pariz, um magnifico banquete
de 12 talheres, presidido por V. Hugo.

Como se sabe, a estatua foi offerecida aos Estados-Unidos pela França em
agradecimento dos serviços prestados por esta nação á sua amiga na
guerra franco-prussiana.

O pedestal foi mandado construir á custa de subscripções populares, que
em pouco tempo attingiram a uma somma elevadissima.

Não ha por ahi quem não tenha ouvido falar na famosa ponte de Brooklin
(_Brooklin Bridge_), uma das maravilhas da engenharia moderna, que liga
a ilha de Brooklin á Nova York.

Esta cidade, incontestavelmente o primeiro emporio commercial da America
e uma das mais populosas do mundo, fica situada n'uma grande ilha
formada por dois braços do rio Hudson. De um lado, á direita de quem
olha para o mar, um dos deltas, o North River, separa-a de New-Jersey, e
á esquerda o East River separa-a de Brooklin. A travessia para qualquer
desses pontos faz-se rapidamente, em barcas que a todo instante largam
de Nova-York, e por preço assaz diminuto.

A principio, quando se projectou levantar a grande ponte, surgiram mil
difficuldades.

Parecia impossivel que se podesse levar a effeito obra tão arriscada e
dispendiosa. Como assentar as bases do colosso n'uma profundidade de mil
e seiscentos pés, que é esta a altura do rio na sua parte mais estreita?

Demais era preciso não prejudicar a navegação, construindo a ponte muito
acima do nivel do mar de modo a dar passagem livre ás embarcações de
commercio.

Com tudo isso os americanos metteram mãos á obra e dentro de alguns
annos de trabalho assiduo os Estados-Unidos contavam mais uma gloria.

O comprimento total d'essa magnifica ponte é de uma milha pouco mais ou
menos. As torres onde ella está suspensa erguem-se a 268 pés acima da
prêa-mar, de forma que as maiores embarcações de commercio têm passagem
facil por baixo.

O _Barroso_, cuja guinda era uma das mais altas que se tem visto em
navio de guerra, apenas foi obrigado a «acachapar» os mastaréos de
joanetes.

Atravessa-se a ponte em vagons movidos á electricidade, em carros de
praça ou mesmo a pé. Paga-se um centimo para atravessal-a a pé!

O movimento é espantoso. Cruzam-se diariamente as duas populações de
Nova-York e de Brooklin, em carros em wagons e a pé, sem risco de se
atropellar, por que a cada especie de vehiculos corresponde uma passagem
independente e adequada. Os que transitam á pé têm tambem o seu caminho
livre e, por consequencia, não correm o perigo de ser pisados pelos
carros.

Á noite o aspecto da ponte é feerico. Logo ás seis horas da tarde começa
a illuminação em toda ella, de um lado e d'outro, destacando-se em
alguns pontos fócos de luz electrica, enormes botões de brilhante que
encandeiam a vista.

Vista do mar, então, o effeito é deslumbrante! Lembra as lendarias
pontes de Veneza cortando canaes, projectando n'agua seus reflexos
luminosos.

Um dos meus divertimentos predilectos era contemplar Nova-York do alto.
Muitas vezes punha-me lá de cima da ponte de Brooklin, braços cruzados,
n'um extase de fetiche, a olhar para um e outro lado, acompanhado com a
vista a vela das embarcações que singravam no rio, pequeninos,
microscopicas.

E punha-me, nessa embriaguez do grandioso a pensar no progresso dos
Estados-Unidos, d'esse paiz modelo, onde tudo move-se por meio de
electricidade e vapor, onde tudo é feito ás carreiras, n'um abrir e
fechar d'olhos, sem a menor perda de tempo; vinham-me a imaginação
escandecida as descobertas de Franklin, de Fulton e de Edison, as
maravilhosas experiencias sobre o telegrapho, sobre o telephone e sobre
o phonographo, e eu repetia com os meus botões, mergulhando o olhar na
distancia, abarcando a cidade inteira:--Grande paiz! Grande povo, gente
feliz, que sabe comprehender a vida e amar a patria!

Como era pequeno o meu paiz, com toda a grandeza de suas montanhas e de
seus rios, diante do colosso americano do norte!

Cahia-me n'alma uma tristeza de desterrado, uma profunda e
incomprehensivel melancolia, feita ao mesmo tempo de saudade e
descrença...

Incansaveis os americanos! Nenhum povo os excede em temeridade e
perseverança. Sequiosos de glorias para o seu paiz, ávidos de
emprehendimentos que causem assombro ao mundo, elles tem uma grande
qualidade--o amor á sua terra, o nativismo instinctivo, o _chauvinismo_
(deixem passar o termo) incondicional, absoluto, e é força confessar
que, sem essa qualidade, sem esse egoismo patriotico, as nações vivem,
mas não progridem.

Ainda ultimamente a camara do Estado de Nova-York approvou, por
unanimidade, o _bill_ que propoz a construcção de uma nova ponte de
ferro sobre o East River, passando sobre a ilha de Blackorel, que ligue
Nova-York á Long-Island, e que terá seis mil metros de comprimento e 46
de altura, com uma resistencia de 65 kilometros de velocidade para os
trens que a devem atravessar.

É o caso de dizer, parodiando o outro: si eu não fosse brazileiro,
desejaria ser americano do norte...



XIII


Nunca fui a Londres, apezar do grande e impaciente desejo que tenho de
visitar a sombria capital britannica, mas estou bem certo de que
Nova-York em muitos respeitos pode ser denominada a Londres americana.

Toda nova, toda alegre e pittoresca, sem os bairros immundos que o
Tamisa lambe com as suas aguas putridas, onde boiam cadaveres em
decomposição, illuminada por um sol que dá vida e confórta, a nova
Londres tem um cunho especial de cidade latina. Como em Londres, tudo
n'ella é grandioso e opulento, desde a edificação igual, solida e
elegante, até ás festividades publicas e ás instituições nacionaes.

As ruas, longas e direitas, cruzam-se geometricamente e distinguem-se
pela numeração (_Fourteen street_, _Fifteen street_ etc).

A Broadway é o centro commercial, a rua de maior movimento
quotidiano,--equivale á City de Londres.

Ahi é que os carros se atropellam, que os transeuntes se abalroam n'uma
confusão burlesca e indescriptivel de que a nossa rua do Ouvidor não dá
siquer a menor idéa. Negociantes, capitalistas, banqueiros, correctores,
operarios e vagabundos, acotovelam-se, empurram-se, pisam-se os callos e
vão seguindo adiante, sem olhar p'ra traz, carregados de embrulhos,
suando no verão, que costuma ser muito forte em Nova-York. A gente vê-se
abarbada para romper aquella multidão cerrada, compacta e egoista.

Um cosmopolitismo sem igual em parte alguma.

Americanos, inglezes, hespanhoes, francezes, italianos, allemães, gente
de todas as nacionalidades, até turcos com os seus costumes exquisitos,
confundem-se nas ruas de Nova York, enchendo-as em ondas successivas e
tumultuosas, como em dias de carnaval no Rio. Parece mesmo, á primeira
vista, que o elemento extrangeiro absorve o nacional, tão numeroso é
aquelle. Custa, porém, a encontrar-se um portuguez ou um brazileiro. Em
compensação a raça latina é abundantemente representada por hespanhoes
da Europa e da America. Os mexicanos, apezar da natural e occulta
ogerisa que têm aos americanos dos Estados-Unidos, encontram-se a cada
passo e distinguem-se logo pelo seu typo original: estatura média, rosto
anguloso e abolachado, moreno, cabello duro, olhos pequenos; amaveis.
Não perdem occasião de dizer mal dos americanos, que, entretanto,
dedicam-lhes uma affeição especial.

Uma das cousas mais curiosas de Nova-York são os trens elevados
(_elevated rail road_), a complicada rêde de linhas ferreas que rodeia a
cidade passando em muitos pontos por cima da casaria, atravessando ruas
inteiras sobre grandes columnas resistentes de ferro. Partem todas da
Battrey Square, ponto mais meridional da ilha de Manhattan (onde fica a
cidade) e vão terminar na sua extremidade septentrional, em Barlem
River. Segundo o relatorio apresentado pela _New-York Elevated_, o
numero de viajantes transportados em 1878 por essa linha foi de
107.079.625. (Sempre a estatistica como base fundamental do progresso
entre os americanos!). A linha inteira, que tem seguramente trinta
milhas, estava concluida até Harlem. Os moradores das margens d'essas
estradas de ferro aereas queixavam-se continuamente da visinhança.

Podéra! Ruido, fumo e fagulhas a toda hora sobre a cabeça, não são
cousas que agradem a ninguem. A pobre gente fica em risco de perder o
juizo, pois não!

Felizmente, o que aliás é muito admiravel, os desastres reproduzem-se
rarissimas vezes. É que o serviço faz-se com inexcedivel perfeição e as
posturas municipaes verificam-se enexoravelmente.

As estações são numeradas, como as ruas: _Primeira Estação_, _Segunda
Estação_, etc.

Os passageiros desembarcam em plataformas de ferro gradeadas, que
communicam com as estações.

O espirito inventivo dos americanos revela-se a cada passo nas grandes
cidades dos Estados-Unidos. Em todos os estabelecimentos, em todos os
ramos da actividade publica se encontra uma applicação nova de mecanica
industrial, um artificio de utilidade pratica, economico e curioso, uma
invenção engenhosa...

Aproveitar o tempo e economisar os _dollars_--tal é o principio
fundamental da sabedoria _yankee_.

Um domingo em Coney-Island: nada mais pittoresco e hilariante, nada mais
suggestivo...

Coney-Island aos domingos é para os americanos o que o Bois é para os
francezes e Hyde Park é para os inglezes--um interessantissimo
microcosmo de incrivel bizarraria, cheio do vago rumor de uma multidão
que passeia, que canta, que ri e que bebe ao ar livre, n'um _pêle-mêle_
vertiginoso, com as suas _toilettes_ claras, com o seu bello ar
despretencioso, com os seus gestos largos de quem respira uma atmosphera
leve e pura.

Essa pequena ilha constitue a principal diversão domingueira dos
habitantes de Nova York.

Familias inteiras, burguezes de todas as castas, _cocottes_, affluem
para ali n'esses dias. Pela manhã, cedo, largam da Fulton Station
grandes barcas embandeiradas conduzindo musicas, cheias de passageiros.
Muita gente prefere ir por terra, em trens que partem de Brooklin.

Não ha logar para todos nos hoteis. Improvisam-se _pic-nics_ defronte do
mar, na beira da praia, formam-se pagodeiras, e muitas pessoas ha que
não se lembram de comer--preferem a cerveja, o _bock_ a qualquer especie
de alimento solido.

Vimos dois grandes hoteis--o _Great Hotel_ e o _Gigantic Elephant_.

Aquelle é um magnifico estabelecimento, todo construido de madeira de
lei sobre enorme plataforma que se move em trilhos proprios. Novo genero
de hoteis até então desconhecido para nós. N'um dado momento podem ser
conduzidos, como qualquer _tramway_ d'um logar para outro.

O _Gigantic Elephant (the monarch of the architectural world_, como lá
dizem...) mede 175 pés inglezes de altura, é dividido em 31
compartimentos, ventilados por 63 janellas, e illuminado, á noite, por
25 fócos de luz electrica. Figura um elephante colossal, de madeira, em
pé, no meio de um jardim. Em cima, no dorso do monstro, existe um
terraço d'onde se descortina uma esplendida paisagem rasa e calma.

Quer n'um, quer n'outro, o _promeneur_ encontra abundante variedade de
petiscos e bebidas.

As creanças, com especialidade, fazem de Coney-Island um céo aberto.
Ellas, sim, não perdem os cavallinhos que andam á roda ao som de um
classico realejo seboso, os passeios aereos, na ponte russa, nas
barquinhas, nos trens elevados...

Por toda a parte musica, realejos, pregoeiros de _cousas maravilhosas_,
gritos, gargalhadas...

Tiram-se retratos instantaneos, apostam-se corridas, sobem-se elevadores
de duzentos metros acima do solo, pesca-se, alugam-se cavallos de
passeio... Emfim, Coney-Island é uma miniatura da vida tumultuosa das
grandes cidades.

O pobre diabo que não fôr esperto e economico arisca-se a voltar com as
algibeiras cheias de vento...

Á noite enchem-se novamente os trens e as barcas. Em uns e outros a
algazarra torna-se insupportavel. Canta-se a _Marselheza_ em vozes
detestaveis, grita-se, bate-se com a ponteira da bengala no chão,
assovia-se, imitam-se animaes de toda a especie... Uma loucura!

Entretanto, abençoado paiz! em todas essas pagoderias não se distingue
siquer um bonné policial. Não ha conflictos, nem desastres.

Tudo corre na maior harmonia, sem intervenção da guarda civica. Os
_policemen_ podem cochilar á vontade: a população americana é
naturalmente pacata e respeitadora da ordem.

Coney-Island é o complemento necessario e indispensavel de Nova-York.

Pelo verão reunem-se ali cerca de 5.000 pessoas, segundo o calculo
approximado do consul brasileiro.


Dias depois da nossa chegada, o _Barroso_ entrou para o dique de
Brooklin, a fim de soffrer alguns reparos no casco.

Emquanto isto se dava, emquanto a guarnição occupava-se da limpeza
externa do cruzador, com o cuidado, com o desvelo e com o carinho mesmo
de amigos dedicados, iamos visitando outras cidades americanas,
ligeiramente, de relance.

Não nos foi dado, porem, diga-se em parenthesis, ver o mais grandioso
espectaculo dos Estados-Unidos--a celebre cascata do Niagara, que
Chateaubriand pinta com as maravilhosas côres de sua palheta de artista
inimitavel.

Não tivemos mesmo a felicidade de ver Washington, a bonita capital
americana, e tão pouco o presidente Cleveland.

Esse previlegio coube quasi que exclusivamente ao ex-principe D.
Augusto, que aliás não revelou grande admiração pela Niagara, nem pelo
presidente Cleveland.

Sua Alteza não era para que digamos muito amigo da natureza, e menos
aínda de personagens illustres.

Quanto a mim continuei a ver a famosa cascata por um oculo, nos livros
do poeta, e o Sr. Cleveland, vi-o casualmente no _Daily News_, no acto
do seu casamento realisado a esse tempo. Pareceu-me um bello typo de
_yankee_: cheio de corpo, cabello penteado p'ra traz, olhar firme,
bigode grosso...

Assim, contentámo-nos com visitar algumas cidades de importancia e tão
depressa que era impossivel apanhar com precisão todos os caracteres por
meio dos quaes se pode apreciar a vida de uma população.

Vejamos:

BALTIMORE--Cídade aristocratica, pequena, mas extremamente bella na
simplicidade, no gosto sobrio de sua edificação, muito asseiada, muito
clara, semelhando toda ella, no seu conjuncto gracioso, uma confortavel
habitação de outomno, fresca e risonha, boa para se gozar o socego de
uma villegiatura sem preoccupaçães mercantis e utilitarias.

A gente de Baltimore parece viver uma vida tranquilla e descuidada no
calmo interior de seu _home_, longe da mentira social, longe de todo o
ruido, beatificamente, n'uma paz invejavel, respirando uma atmosphera
livre do microbio daminho das civilisações tumultuosas.

Baltimore é uma cidade por excellencia aristocratica e hygienica, onde
os temperamentos requintadamente pacificos encontrariam o desejado
repouso trespassado da incomparavel doçura de um clima raro.

Na melhor de suas praças e no mais elevado de seus pontos ergue-se a
estatua em marmore do grande Washington, geralmente considerada «um dos
mais interessantes monumentos da America» e inaugurada em 1809. Mede 60
pés quadrados na base e 15 de altura. Sobre o pedestal foi levantada uma
elegante columna dorica de 20 pés de diametro na base e 15 no cimo, onde
branqueja a estatua do primeiro presidente dos Estados-Unidos,
representando-o no momento de renunciar a sua commissão de general em
chefe dos exercitos de seu paiz.

Para subir até essa galeria fui obrigado a vencer duzentos degráos
(contados) de uma estreita escadaria de pedra, em espiral. De cima
vê-se, a olho nú, todo o panorama, realmente bello, da cidade, que
lembra uma d'essas paisagens hollandezas, muito claras e suggestivas,
taes como descreve Ramalho Ortigão, e onde destacam, n'um fundo de
aguarella, linhas de arvoredo e reverberos d'agua parada...

Ouvi dizer algures que as mulheres mais bonítas dos Estados-Unidos são
as de Baltimore. Durante as poucas horas que ahi nos demorámos vimos
alguns rostos femininos na verdade encantadores. É possivel que vissemos
com olhos protectores de hospedes em terra estranha...

Era nosso consul n'aquella cidade Fontoura Xavier, o conhecido autor das
_Opalas_, bom poeta e pessimo republicano, que se apressou em nos
proporcionar todas as commodidades possiveis, franqueando-nos os quartos
e os salões do melhor hotel do logar. Fez mais: offereceu gentilmente á
officialidade brazileira um delicadissimo almoço ao qual compareceram
diversos estudantes nossos patricios.

Guardamos bellas recordações de Baltimore.

PHILADELPHIA--Grande centro de industria e commercio. Altas chaminés
caracteristicas. Céo encoberto de fumaça, pesado e lugubre a certas
horas do dia. Aqueductos, casas colossaes, ruas largas e atulhadas de
barricas e caixotes. Continuo movimento de carros e tramways. Immensa e
grandiosa, a cidade vista de qualquer ponto elevado. A lembrança que
fica é a de um grande edificio em construcção, cheio de rumor de
machinas e de operarios em actividade permanente.--Jardim
Zoologico.--Universidade importantissima, onde vão estudar moços de
todas as nacionalidades.--City Hall, edificio monumental, vasto e muito
alto, onde funccionam as repartições publicas: dizem ser o maior dos
Estados-Unidos.

Não ha tempo a perder. Temos apenas trez horas a nossa disposição, pois
que o trem deve partir para Annapolis ás cinco da tarde e já são duas...

Leio na taboleta de um bond: _Zoological Garden_... Oh! sim, vamos ao
Jardim Zoologico, a mais completa collecção de animaes, que já se
conseguiu formar. O meu companheiro, que conhece o Jardim Zoologico de
Londres e o de Philadelphia, opta por este. Vejo, de passagem ruas
bellissimas, esplendidas filas de casas luxuosas, magnificos jardins
particulares, templos em estylo gothico; descampados...

Mas, a viagem é longa, o tempo escorre sem a gente perceber, e é preciso
contar com a volta, a fim de apanhar o trem.

Trabalho perdido! Voltámos no mesmo bonde, sem ter visto o appetecido
Jardim... Zoologico.

Mal tivemos tempo de chegar, embarafustar por entre os passageiros que
se accumulavam na _gare_, e saltar para dentro do vagon.

E eu fiz o resto da viagem pensando no assombroso progresso d'aquella
cidade enorme, que ainda em 1791 não era mais que uma simples colonia a
respeito da qual Chateaubriand exprimia-se d'este modo:--_L'aspect de
Philadelphie est froid et monotone_...

Não foi preciso mais de um seculo para que os americanos fizessem d'ella
uma das principaes cidades industriaes do mundo.

Em Philadelphia tive occasião de ver, pela primeira vez, bondes
electricos funccionando com a maxima regularidade.

O que será a grande cidade americana d'aqui a cem annos?



XIV


Abramos capitulo especial para Annapolis, não que esta cidade, a mais
antiga dos Estados-Unidos, mereça-nos mais que qualquer das outras,
absolutamente não, mas por uma deferencia bem entendida, por um
recolhido sentimento de gratidão para com a joven officialidade da
marinha norte-americana, que ali recebeu as primeiras lições de
disciplina militar e dever civico, e que soube nos acolher em seu seio
como verdadeiros irmãos de armas que eramos.

A nossa visita coincidía com a festa de formatura dos guardas-marinha,
uma das bellas solemnidades annuaes dos Estados-Unidos á qual concorrem
centenas de pessoas da mais elevada sociedade--a fina flor da
aristocracia d'aquelle paiz--movidas pelo nobre enthusiasmo de apertar a
mão á mocidade que se despede da escola para entregar-se ás duras lidas
do mar.

Antes, porem, de dizer o que foi essa festa descrevamos, rapidamente, a
cidade.

Annapolis é como uma nota dissonante na civilisação americana.
Imagine-se um quilombo africano, uma grande aldeia cortada de ruas
desiguaes, estreitas e desalinhadas, com um aspecto sombrio e detestavel
de velho burgo colonial, onde se move uma população na maior parte negra
e atrazadissima--e ter-se-ha essa antithese da cidade moderna.
Bridgetown, a capital de Barbados, avantaja-se-lhe mil vezes com toda
sua poeira, com toda a imprudencia e mizeria de sua baixa população.

Vê-se que os americanos têm-lhe certo respeito e conservam-na esquecida
e retrograda por uma especie de devoção archeologica, sacrificando por
esse modo o seu bom gosto caracteristico e o seu tradicional amor ao
progresso.

Insipida, monotona e triste como um cemiterio de pagãos--Annapolis é um
protesto, um anathema contra a evolução natural das cousas, uma nodoa
antipathica em pleno mappa da Confederação americana. Nada ha ali que
interesse e desperte a curiosidade senão a Escola Naval (_Naval
Academy_) situada n'uma das extremidades da cidade, á beira-mar.

De anno em anno enche-se de povo; seu unico hotel, um pardieiro,
extravasa, e então sente-se um fremito de vida nova percorrer aquellas
ruas habitualmente socegadas e tristes. Passeiam bandas de musica,
fluctuam bandeiras na frontaria das casas, por toda a parte ouve-se uma
vozeria estranha de gente que bebe e canta nos cafés (arremedo de cafés)
e todas as janellas abrem-se como para receber o desinfectante da
alegria, importado das grandes cidades circumvisinhas.

Annapolis accorda, então, de seu pesado somno tumbal para saudar os
estudantes que saem da academia para a vida publica.

O grande acto, a que assistimos, da distribuição de titulos, realisou-se
n'um dos vastos salões da Escola, presente numerosissimo auditorio:
familias em grandes trajos de luxo, altos funccionarios, estudantes...

Ao receberem seus diplomas os noveis officiaes de marinha foram
vivamente applaudidos pelos seus companheiros, cahindo sobre elles uma
chuva imprevista de flores, no meio de palmas e gritos de enthusiasmo.
E, começaram os abraços, as felicitações, os conselhos e as lagrimas de
commoção...

Abrem-se de par em par as portas do estabelecimento e a multidão de
espectadores precipita-se por todos os lados, feliz, alegre, desafogada
como si acabasse de assistir a uma festa de amor e justiça.

Ainda não estava concluido o programma.

Em seguida á solemnidade official,--a festa intima, a festa de despedida
que os _naval cadets_ (aspirantes) offereciam aos seus companheiros.

Noite clara e constellada. O largo edificio da Escola de Marinha
regorgita de convidados que se cruzam em todos os sentidos no salão do
baile, nos corredores, nos _bouffets_, nas ante-salas...

Nota-se em todas as caras certo ar de intimidade, certo bem estar
flagrante, um quer que é communicativo e bom.

Uma ou outra casaca solitaria, destoando da linha geral das _toilettes_
largas e frescas. Observo curiosamente o apuro de um official japonez
que franze as sobrancelhas n'um gesto de enfado.--Por que será?... Julgo
de mim para mim que o pobre camarada não se sente á vontade dentro de
suas calças de panno com largos galões dourados. A casaca o incommóda
visivelmente. O chapéo armado, elle já não sabe como o tenha--si na mão,
si debaixo do braço ou mesmo si na cabeça...

Desabotoam-se risos gentis em boccas purpurinas. Derramam-se essencias
preciosas no ambiente luminoso. Conversa-se alto. Bellas _miss_ de face
escarlate abanam-se com os leques de ricas plumas de edredon. Os leques
e as joias são as unicas riquezas que conduzem n'um contraste frizante
com os vestidos leves e claros.

Em um dos lados do enorme quadrilatero, onde reluziam panoplias
arranjadas á capricho, estava levantado um pavilhão de aspecto risonho,
em cujo frontespicio destacavam em letras de luz


     1887 TO 1886

       FARWELL


Era o logar do director da escola.

Começou a dança...

...E á meia noite a musica fazia signal para a ultima valsa.

Ficamos sabendo que todas as festas nocturnas terminam invariavelmente á
meia noite, nos Estados-Unidos. É uma velha praxe que os americanos
poucas vezes transgridem.

Annapolis, _blak city_--como te chamam teus proprios patricios, tu não
poderás saber nunca a saudade que levámos de tí n'essa esplendida noite
clara e constellada!...



XV


O _Barroso_ continuava no dique, em Brooklin.

Logo ao regressarmos de nossa viagem á Annapolis tivemos aviso para uma
outra excursão não menos interessante e agradavel.

West Point era agora o principal objecto de nossa curiosidade,--West
Point, a bella povoação á margem do Hudson, onde funcciona a Escola
Militar. Estavamos convidados para assistir a outra festividade
academica--um combate simulado entre os alumnos do
estabelecimento,--manejos d'armas, exercicios de esgrima, assaltos.

Comprehende-se a grande utilidade que necessariamente nos adveria
d'essas visitas aos estabelecimentos militares no extrangeiro. Sem nos
aperceber, iamos conhecendo, _de visu_, os diversos processos de ensino
pratico, os methodos mais modernos de educação physica, e, quando mais
não fosse, lucravamos com a vista de objectos novos e de novas
paisagens.

O viajar é uma necessidade quasi imprescindivel para o espirito e para o
organismo. A alma como que se dilata em presença de estranhas
combinações de côr e de luz. A monotonia da vida urbana cansa o
espirito, fatiga-o, consome-o lentamente: é preciso o grande ar, o ar
livre e temperado dos campos, a natureza em toda sua belleza original,
para que não se morra de tédio e desanimo. O tempo é limitadissimo e
inapreciavel para quem viaja com desejo de ver e saber.

Muitos ha que preferem morar eternamente em Paris ou em Londres, no
centro da cidade, asphyxíado pela poeira dos _boulevards_, a gastar
economicamente o seu rico dinheirinho vendo a natureza de perto, gosando
as inaffaveis delicias do campo e das praias, saboreando o clima das
montanhas, deliciando a vista com o espectaculo das fontes mumurejantes,
dos frescos arvoredos trespassados de luz...

Eu preferirei sempre a paz absoluta e invejavel dos suburbios.

E é por isso que, a cada nova excursão fóra da cidade, eu sentia-me bem
commigo e bem com o resto da humanidade. Voltava sempre mais consolado e
mais leve, como si sahisse de um quarto muito escuro e abafado para a
claridade larga e bella do dia...

Foi assim que recebi a noticia do passeio a West-Point.

Como devia ser magnifico o Hudson lá para as bandas de sua nascente, a
qualquer hora do dia, iluminado pelo sol, calmo e radiante, ou coberto
de nevoa, pela manhãsinha, ou no silencio da noite, vago e sombrio como
um pantano dormente!...

Era o que iamos vêr.


Seis horas da manhã...

Cahia uma neve friissima, transparente, e aggressiva como alfinetadas.

O _Express_, pequeno e elegante cruzador americano, especie de
transporte de guerra, esperava-nos de «fogos accezas», deitando fumo
pela chaminé.

Remos n'agua e toca p'r'adiante! Pontualidade no caso.

Estamos á bordo.

O _Express_ offerece o bello aspecto de uma galeota imperial que vai
suspender ferro...

Fazia gosto ver a ordem e o asseio que apresentavam o convéz e a camara.

Tinha-se acabado de fazer a baldeação matinal. Marinheiros,
perfeitamente uniformisados, occupavam-se em limpar as chapas de metal;
outros colhiam cabos á prôa; outros lá cima, nas vergas, atavam ou
desatavam andarivelos, muíto rubros, com os seus bonnés de panno azul
marinho onde se lia o nome do navio, em letras cor de ouro:--_Express_.

A camara--uma sala espaçosa e clara, elegantemente adornada--occupava um
terço do pontal, a ré, na primeira coberta. Em baixo, na segunda
coberta, ficavam os camarotes e a praça de armas.

Servido o _fine cognac_, que os americanos de bom tratamento não
dispensam nos dias invernosos, o _captain_ subio ao passadiço e deu a
voz de suspender. A machina tocou adiante e o _Express_ começou a
singrar o Hudson.

Variadissimo o aspecto da paisagem. Ora o rio se estreita em curvas
caprichosas, ora vai-se alargando, sempre manso, banhando cidades e
aldeias, limpido ás vezes, outras vezes toldado e sombrio.

West Point fica á duzentas milhas de Brooklin.

Passámos o dia inteiro e a noite em viagem para amanhecermos em nosso
destino.

Novas manifestações de sympathia. Officiaes e alumnos da Escola Militar
esperavam-nos com aquelle sorriso affavel de gente hospitaleira, que
logo se traduz em franca e sincera camaradagem.

A Escola estava acampada perto do estabelecimento, em exercicios
praticos.

Innumeras barraquinhas de lona, alinhadas em symetria, alvejavam, como
um acampamento de beduinos, guardadas por sentinellas que rondavam de
arma ao hombro, perfilando-se de vez em quando em continencia a um
official que passava.

Cada barraca abrigava cinco a seis alumnos que se rendiam pontualmente
na sentinella.

Emquanto um rondava, grave e silencioso, de mochila ás costas e
espingarda ao hombro, os outros divertiam-se a trocar sôcos, a jogar o
dominó, a apostar corridas, até que o tambor ou a corneta os chamasse á
fórma. Então, com uma rapidez extraordinaria, lestos, vivos e fortes,
corriam todos a seus postos, e, em menos de um minuto, estava formada a
companhia.

Cada alumno era um verdadeiro soldado.

Alegres, o sangue a pular-lhes no rosto, cheios de saúde, tesos,
empinados, quadris largos, espaduas amplas, todos se pareciam em
robustez physica.

Uns rapagões sadios!

Notei mesmo certa propensão dos americanos para o militarismo. Parece
que a educação militar, a adapção de principios rigorosos na disciplina
do corpo, é o unico meio de obterem-se homens robustos e cumpridores do
dever. A Escola de West Point é, sem exagero, um exemplo raro de
estabelecimentos d'esse genero. E não era sem uma ponta de tristeza que
nós, brazileiros,--raça degenerada e lymphatica--viamos crear-se assim
uma raça forte e alegre com todos os caracteres de virilidade e
independencia.

Tive occasião de assistir a uma lucta corporal entre dois alumnos,
competentemente armados de luvas de camurça, rosto a descoberto.
Pegaram-se a sôcos, um defronte do outro, calmos e convictos, como si
estivessem commettendo uma nobre acção.

No fim de alguns minutos, o aggressor estava com o rosto inchado,
escorrendo sangue, os olhos vermelhos, injectados, e a lucta acabava com
um abraço entre os dois contendores. O mais forte foi acclamado pelos
companheiros, teve o prémio de sua robustez.

É talvez um duro systhema de educação esse, mas incontestavelmente o
mais acertado e efficaz.

Simples questão de raça...



XVI


Estava terminada a nossa estação de quasi dois mezes em Nova-York.

No dia 30 de Julho o _Barroso_ deixou aquelle porto em direcção a
New-Port, outra cidade dos Estados-Unidos, refugio da população
aristocratica nos quentes días de verão. Uma perfeita cidade balnearia,
muito fresca e saudavel, á beira-mar, olhando para o largo oceano e
recebendo-lhe as emanações salinas, com um Cassino e um Passeio Publico.

Os banqueiros e a gente rica de Nova-York costumam fazer ahi o seu ninho
de verão, e, de vez em vez, para amenisar a vida monotona que se leva
n'esse pequeno mundo de simplicidade e conforto, promovem regatas na
esplendida enseada que orla a cidade e que n'esses dias de festa
maritima toma uma feição ridente e caracteristica de aguarella ingleza,
com os seus _cutters_ á vela, com os seus hiates de recreio bordejando
ao largo como um bando de gaivotas pousadas n'agua...

Apostam-se milhões de libras. De França e de Inglaterra principes e
lords vêm assistir e tomar parte no jogo.

A regata é um dos divertimentos predilectos dos americanos. Todas as
cidades maritimas e fluviaes dos Estados-Unidos têm pelo menos um club
de regatas.

Nota curiosa: em New-Port não se bebe alcool. É prohibida a importação
de bebidas que contenham espirito, ou qualquer outra substancia nociva.
Não se encontra um só botequim na cidade. Para tomarmos um refrigerante,
uma simples limonada, fomos bater a uma pharmacia! Garantiram-nos que
esse preceito contra o alcool é escrupulosamente observado n'aquella
cidade. Custavamos a acreditar, mas, emfim, não havia geito senão ser
delicados...

De resto, uma cidadesinha elegante e socegada, New-Port. O commercio ahi
é quasi nullo.

No fim de oito dias o _Barroso_ deixava de uma vez o paiz dos _yankees_,
fazendo-se de vela para os Açores.

Já agora não nos doía muito a saudade desse bello e prodigioso paiz. O
regresso á patria, depois de uma ausencia de quasi um anno, enchia-nos o
coração de alegria.

Não fôra a perda de um companheiro em Nova-Orleans e voltariamos todos,
sem faltar ninguem, sadios e fortes, cheios de impressões novas e cheios
de esperança.

Voltavamos, sim, mas tinhamos deixado atraz, em terra extrangeira, n'um
cemiterio de Nova-Orleans, um dos nossos camaradas.

Traziamos uma convicção, e é que nenhum povo sabe comprehender tão bem o
problema da vida humana como os americanos dos Estados-Unidos. A idéa da
morte não os preoccupa: um _yankee_ triste é cousa rara e toma
proporções de phenomeno.

Elles, os americanos, são geralmente alegres, bem dispostos, amigos do
trabalho, compenetrados de seus deveres, e, acima de tudo, amam a sua
patria mais do que qualquer outro povo.

A patria e a familia são os seus principaes objectivos. Menos egoistas
que os inglezes, energicos e resolutos, sobra-lhes tempo e dinheiro para
se divertirem.

Esse povo verdadeiramente democratico não pede licções a paiz nenhum:
engrandeceu a custa de seus proprios esforços e dia a dia prospéra,
assombrando o mundo com as suas emprezas colossaes.

Si a Allemanha representa no seculo XIX a patria das sciencias moraes,
aos Estados-Unidos compete o primeiro logar na ordem dos paizes que tem
concorrido grandemente para o aperfeiçoamento e bem estar humanos.

Emquanto as nações da Europa degladiam-se n'uma lucta continua, perdendo
na guerra o que difficilmente accumularam em poucos annos de paz, a
grande nação americana deixa-se estar quieta e desarmada, sem exercito e
sem marinha, confiada no seu proprio valor, no patriotismo de seus
filhos, certa de que, n'um dado momento, cada cidadão, cada americano
saberá cumprir com heroismo o seu dever e honrar as suas tradições de
povo independente e forte.

_Go ahead! never mind; help yourself!_--eis a maxima de todo _yankee_.
Elles não a esquecem nunca e marcham desassombradamente na vida, como
quem tem absoluta confiança no proprio valor.

CEARÁ--1890.



EDIÇÕES DA LIVRARIA MODERNA


DOMINGOS DE MAGALHÃES--Editor



*Affonso Celso*


Vultos e Factos, 1 vol. broc. 3$000, enc.      5$000

Minha Filha, 1 vol. broc. 3$000, enc.      5$000

Minha Filha, ed. do luxo em 4^o com o retrato do autor, broc.      10$000

Imperador no Exilio, 1 vol. broc. com o retrato do Sr. D. Pedro II,
3$000, enc.      5$000

Imperador no Exilio, ed. deluxe broc.      5$000

Lupe, scenas da vida do Mexico, 1 vol. broc.      2$500

Rimas de Outr'ora, 1 vol. broc. 3$000, enc.      5$000

Notas e Ficções, 1 vol, broc. 3$000, enc.      5$000

Philosophia do Direito, 1 vol. (no prelo).


*Adolpho Caminha*


A Normalista, scenas do Ceará, 1 vol. broc. com capa ill., 3$000, enc.
5$000, ed. de luxo.      8$000

No Paiz dos Yankees, 1 vol. broc. 3$000, enc.      5$000


*Aluizio Azevedo*


Livro de uma Sogra, 1 vol. broc. 3$000, enc.      5$000

Casa de Pensão, 2 vols. [no prelo]


*Arthur Azevedo*


Contos fóra da Moda, 1 vol. broc. 3$000, enc.      5$000


*Cruz e Souza*


Missal, artistico livro de contos, 1 vol. broc. 3$000, enc.      4$000

Broqueis, mimoso livro de versos, 1 vol. broc. 3$000 enc.      4$000


*Delia*


Celeste, scenas da vida fluminense, 1 vol. broc. 3$000, enc.      5$000

Celeste, ed. de luxo enc.      8$000

Angelina, 1 vol. [no prelo].


*F. Fajardo (Dr.)*


Tratado de Hypnotismo, 2 vols. ill. por Manoel Gaspar, [no prelo].


*Heitor Malheiros*


O Encilhamento, scenas da Bolsa de 90 a 92, 1^o vol. à venda o 2^o para
Julho, 2 vols. broc.      6$000


*Isaias de Oliveira*


Blocos, phantasias, 1 vol. broc.      3$000


*Luiz Rosa*


Imagens e Visões, elegante livro de versos, 1 vol. broc.      3$000


*Anselmo Ribas*


Capital Federal, impressões de um sertanejo, 1 vol. broc. 3$000, enc.
      5$000

Bilhetes postaes, livro elegante e livre [no prelo, para Julho].


*Medeiros e Albuquerque*


Um Homem Pratico, 1 vol. broc. 3$000, enc.      5$000

Hypnotismo, Magnetismo e phenomenos analogos, 1 vol. (no prelo).


*V. Nogueira da Gama*


Minhas Memorias, 1 vol. broc. 3$000, enc.      5$000


*Sylvinio Junior*


A Dona de Casa, para as Sras. brazileiras, 1 vol. cartonado.      5$000


*Viveiros de Castro (Dr.)*


A Nova Escola Penal, 1 gr. vol. broc. 8$000 enc.      10$000


*Verediano de Carvalho*


Correspondencia Commercial, 1 vol. broc. 8$000, enc.      10$000


*Zola*


Doutor Pascal, versão brazileira de C. de Albuquerque, 2 vols. broc.
5$000, enc.      7$000

O Dinheiro, versão do mesmo, [no prelo].

Mysterios de Marselha, [no prelo].

A Derrocada, 2 vols. broc. 5$000, enc.      7$000


*Papus e Borja Reis*


A Buena-Dicha, arte de lêr o futuro nas linhas da mão, 1 vol. broc.
2$500, cart.      3$000


*Carlos de Moraes*


Amor Fatal, scenas fluminenses, 1 vol. broc. 2$500 enc.      4$000


*Coelho Netto*


Balladilhas, admiravel livro de contos para senhoras e meninos, 1 vol.
broc. 3$000, enc. 5$000, enc. de luxo.      8$000

Rhapsodia, 1 vol. broc. 3$000, enc.      5$000

Rei Phantasma, romance oriental 2 vols. [no prelo, para fins de
Setembro].

Contos do Natal, 1 bello vol. para festas [no prelo, para Dezembro].


*J. Guerra*


Humorismos, 2 vol. broc. 6$000, enc.      10$000


*Valentim de Magalhães*


Escriptores e Escriptos, 2^a edição 1 vol. broc. 3$000, enc.      5$000


*José de Alencar*


Encarnação. 2^a edição 1 vol. broc. 3$000, enc.      5$000

Como e porque sou romancista, 1 vol. broc.      1$500


*Virgilio Varzea*


Rose-Castle, mimoso romance, 1 vol. broc. capa ill.      2$500


*Eduardo de Borja Reis*


O Grito de Guerra, 1 vol. broc.      $500


*Eduardo Garrido*


Barbeirinho de Sevilha, edição de luxo, 1 vol. broc.      2$000

Joven Telemaco, edição de luxo, 1 vol. broc.      2$000


*Julia Lopes de Almeida*


A Familia Medeiros, 2^a edição 1 gr. vol. broc. 3$000, enc.      5$000

Memorias de Martha, 1 gr. vol. broc. 3$000, enc.      5$000


*Montépin*


A Hedionda, versão de Ferreira da Rosa, 3 vols. broc. 9$000, enc.    15$000


*Em preparo:*


Manual do Cartomante, por C. de Albuquerque, 1 vol. ill. com 130 grs.
cartonado.

Arte de fazer-se amar por seu marido por Pradel tr. de Braulio Cordeiro
Junior, 1 vol. broc.

Mestre Sala Moderno, [danças modernas] 1 gr. vol. ill. cartonado.

Satan nas salas [livro dos magicos] versao de Felix de Figueiredo, 1
vol. ill. cartonado.

Photographo Amador, por C. de Albuquerque 1 vol. ill. cartonado.



Lista de erros corrigidos


Aqui encontram-se listados todos os erros encontrados e corrigidos:


  +----------+---------------------+----------------------+
  |          |      Original       |      Correcção       |
  +----------+---------------------+----------------------+
  |#pág.   13| umas                | uma                  |
  |#pág.   79| Esposição           | Exposição            |
  |#pág.   84| para caes           | para o caes          |
  |#pág.   86| inventado           | inventados           |
  |#pág.   87| viviamos cercado    | viviamos cercados    |
  |#pág.   94| nom eestá           | nome está            |
  |#pág.  112| nossos companheiras | nossos companheiros  |
  |#pág.  124| mesmoem             | mesmo em             |
  |#pág.  126| esplendidoscapiteis | esplendidos capiteis |
  |#pág.  132| Satisfeitos as      | Satisfeitas as       |
  |#pág.  137| nive                | nivel                |
  |#pág.  150| Broeklin            | Brooklin             |
  |#pág.  156| podestal            | pedestal             |
  |#pág.  170| o seus              | os seus              |
  +----------+---------------------+----------------------+


Neste livro surgem variantes da mesma palavra: "Pancy" e "Pansy", ou
"Conney-Island" e "Coney-Island", ou "Battrey Square" e "Battery
Square".

As variantes foram preservadas de acordo com o original.

Registaram-se duas páginas identificadas como sendo a 96ª, uma das quais
foi corrigida para corresponder à 95ª.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "No Paiz dos Yankees" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home