Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: A Morte de D. Ignez - Cantata por Manoel Maria Barbosa du Bucage; A Que Se Ajunta o Episódio, Ao Mesmo Assumpto, do Immortal Luiz de Camões
Author: Camões, Luís Vaz de, 1524-1580, Bocage, Manuel Maria Barbosa du, 1765-1805
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "A Morte de D. Ignez - Cantata por Manoel Maria Barbosa du Bucage; A Que Se Ajunta o Episódio, Ao Mesmo Assumpto, do Immortal Luiz de Camões" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



A MORTE DE

+D. IGNEZ DE CASTRO,+

CANTATA.

POR

MANOEL MARIA BARBOSA DU BUCAGE;


A QUE SE AJUNTA O EPISÓDIO,

AO MESMO ASSUMPTO, DO IMMORTAL

+LUIZ DE CAMÕES.+


LISBOA,
NA TYPOGRAPHIA ROLLANDIANA.

1824.


_Com a licença da Meza do Desembargo do Paço._



  As Filhas do Mondego a morte escura
  Longo tempo, chorando, memoráraõ.

          _Camões, Lusiad. Cant. 3._



A MORTE DE

+D. IGNEZ DE CASTRO,+

CANTATA.



+A ULINA,+

SONETO.


Da miseranda Ignez o caso triste,
  Nos tristes sons que a magoa desafina,
  Envia o terno Elmano á terna Ulina,
  Em cujos olhos seu prazer consiste.

Paixaõ que se a sentir naõ lhe resiste
  Nem nos brutos certões Alma ferina,
  Belleza funestou quasi divina,
  De que a memoria em lagrimas existe.

Lê, suspira, meu Bem, vendo hum composto
  De raras perfeições aniquilado
  Por maõs do Crime, á Natureza opposto.

Tu és cópia de Ignez, encanto amado,
  Tu tens seu coraçaõ, tu tens seu rosto...
  Ah! Defendaõ-te os Ceos de ter seu Fado.



+CANTATA.+


Longe do caro Esposo Ignez formosa
     Na margem do Mondego,
As amorosas faces aljofrava
     De mavioso pranto.
Os melindrosos, candidos Penhores
     Do Thálamo furtivo,
Os Filhinhos gentís, imagem della,
No regaço da Mãi serenos gozaõ
     O somno da Innocencia.
Côro subtil de alígeros Favónios,
     Que os ares embrandece,
     Ora enlevado afaga
Com as plumas azues o Par mimoso,
     Ora, sôlto, inquieto
Em léda travessurá, em doce brinco,
     Pela Amante saudosa,
Pelos tenros Meninos se reparte,
E com ténue murmúrio vai prender-se
Das aureas tranças nos anneis brilhantes.
Primavera louçãa, Quadra macia
     Da ternuia, e das flores,
Que á bella Natureza o seio esmaltas,
Que no prazer de Amor ao Mundo apuras
     O prazer da existencia,
     Tu de Ignez lacrimosa
As mágoas naõ distrahes com teus encantos.
Debalde o Rouxinol, cantor de amores,
Nos versos naturaes os sons varía,
O límpido Mondego em vaõ serpêa
C'um benigno susurro, entre boninas
De lustroso matiz, almo perfume;
Em vaõ se doira o Sol de luz mais viva,
Os Ceos de mais pureza em vaõ se adornaõ
     Por divertir-te, ó Castro:
Objectos de alegria Amor enjoaõ
     Se Amor he desgraçado.
A meiga voz dos zephyros, do rio
     Naõ te convida o somno:
     Só de já fatigada
Na luta de amargosos pensamentos,
     Cerras, misera, os olhos;
Maõ naõ ha para ti, para os Amantes
     Somno plácido, e mudo;
Naõ dorme a fantasia, Amor naõ dorme:
Ou gratas illusões, ou negros sonhos
Assomando na idéa, espertaõ, rompem
     O silencio da Morte.
Ah! Que fausta Visaõ de Ignez se apossa!
Que scena, que espectaculo assombroso
A paixaõ lhe afigura aos olhos d'alma!
Em marmóreo salaõ de altas columnas
A Sólio magestoso, e rutilante
Junto ao regio Amador se crê subida;
Graças de neve a púrpura lhe envolve,
Pende augusto Docel do tecto de oiro;
Rico Diadema de radioso esmalte
Lhe cobre as tranças, mais formosas que elle;
Nos luzentes degráos do Throno excelso
Pompósos Cortezãos o orgulho acurvaõ;
A Lisonja sagaz lhe adoça os lábios,
O Monstro da Politica se aterra,
E se Ignez perseguia, Ignez adora.
     Ella escuta os extremos,
Os vivas populares, vê o Amante
Nos olhos estudar-lhe as leis que dicta;
O prazer a transporta, Amor a encanta;
Premios, dádivas mil ao Justo, ao Sábio
     Magnanima confere,
Rainha esquece o que soffreo Vassalla:
De sublimes acções orna a Grandeza,
Felicita os Mortaes, do Sceptro he digna,
Impera em corações... mas Ceos! Qu'estrondo
O sonho encantador lhe desvanece!
     Ignez sobresaltada
Desperta, e de repente aos olhos turvos
Da vistosa illusaõ lhe foge o quadro.
Ministros do Furor, tres vís Algozes,
De buidos punhaes a dextra armada,
Contra a bella Infeliz bramindo avançaõ.
Ella grita, ella treme, ella descóra,
Os Fructos da ternura ao seio aperta,
Invocando a piedade, os Ceos, o Amante;
Mas de marmore aos ais, de bronze ao pranto,
Á suave attracçaõ da formosura,
     Vós, bruto Assassinos,
No peito lhe enterrais os ímpios ferros.
     Cahe nas sombras da Morte
A Victima de Amor, lavada em sangue,
As rosas, os jasmins da face amena
     Para sempre desbotaõ.
Dos olhos se lhe sóme o doce lume,
     E no fatal momento
Balbucia, arquejando: "Esposo, Esposo."
     Os tristes Innocentes
     Á triste Mãi se abraçaõ,
E soltaõ de agonia inutil chôro.
     Ao suspiro exhalado,
Final suspiro da formosa Extincta,
     Os Amores acodem.
Mostra a Próle de Ignez, e a tua, ó Venus,
Igual consternaçaõ, e igual belleza:
Huns dos outros os candidos Meninos
     Só nas azas differem,
(Que jazem pelo campo em mil pedaços
Carcazes de marfim, virotes de oiro)
Súbito voaõ dois do Côro alado:
Este, raivoso, a demandar vingança
     No Tribunal de Jóve,
Aquelle a conduzir o infausto annuncio
     Ao descuidado Amante.
Nas cem tubas da Fama o graõ desastre
     Irá pelo Universo:
Haõ de chorar-te, Ignez, na Hircania os Tigres,
No torrado Certaõ da Libya féra
As Sérpes, os Leões haõ de chorar-te.
Do Mondego, que attonito recua,
Do sentido Mondego as alvas Filhas
     Em tropel doloroso
Das urnas de crystal eis vem surgindo,
Eis, attentas no horror do caso infando,
Terriveis maldições dos lábios vibraõ
Aos Monstros infernaes, que vaõ fugindo.
Já crôaõ de cipreste a Malfadada,
E, arrepejando as nítidas madeixas,
Lhe urdem saudosas, lúgubres endeixas.
     Tu, Eco, as decoraste,
E, cortadas dos ais, assim resoaõ
Nos côncavos penedos, que magoaõ:


  Toldaõ-se os ares,
Murchaõ-se as flores:
Morrei, Amores,
Que Ignez morreo.

  Misero Esposo,
Desata o pranto,
Que o teu encanto
Já naõ he teu.

  Sua alma pura
Nos Ceos se encerra:
Triste da Terra
Porque a perdeo!

  Contra a cruenta
Raiva ferina
Face divina
Naõ lhe valeo.

  Tem rôto o seio,
Thesouro occulto,
Bárbaro insulto
Se lhe atreveo.

  De dôr, e espanto
No carro de oiro
O Numen loiro
Desfaleceo.

  Aves sinistras
Aqui piáraõ,
Lobos uiváraõ,
O chaõ tremeo.

  Toldaõ-se os ares,
Murchaõ-se as flores:
Morrei, Amores,
Que Ignez morreo.


FIM DA CANTATA.



EPISÓDIO DO GRANDE

LUIZ DE CAMÕES.

Á MORTE DE

+D. IGNEZ DE CASTRO.+



+CXVIII.+ [1]


          . . . . . . . . . .
O caso triste, e digno de memoria,
Que do sepulchro os hom[~e]es desenterra,
Aconteceo da misera, e mesquinha,
Que despois de ser morta foi Rainha.


[1] N. B. Os números das Oitavas saõ relativos ao 3.^o Canto, de que
saõ extrahidas, &c.



+CXIX.+


  Tu só, tu puro Amor, com força crua,
Que os corações humanos tanto obriga,
Déste causa á molesta morte sua,
Como se fora perfida inimiga.
Se dizem, fero Amor, que a sede tua,
Nem com lagrimas tristes se mitiga,
He porque queres aspero, e tyrano,
Tuas aras banhar em sangue humano.



+CXX.+


  Estavas, linda Ignez, posta em socego,
De teus annos colhendo doce fruto,
Naquelle engano da alma, lédo, e cego,
Que a fortuna naõ deixa durar muito;
Nos saudosos campos do Mondego,
De teus formosos olhos nunca enxuto,
Aos montes ensinando, e ás hervinhas,
O nome que no peito escripto tinhas.



+CXXI.+


  Do teu Principe alli te respondiam
As lembranças que na alma lhe moravam;
Que sempre ante seus olhos te traziam,
Quando dos teus formosos se apartavam;
De noite em doces sonhos que mentiam,
De dia em pensamentos que voavam;
E quanto em fim cuidava, e quanto via,
Eram tudo memorias de alegria.



+CXXII.+


  De outras bellas Senhoras, e Princezas,
Os desejados thalamos engeita;
Que tudo em fim, tu puro Amor, desprezas,
Quando hum gesto suave te sujeita.
Vendo estas namoradas estranhezas
O velho pai sisudo, que respeita
O murmurar do povo, e a phantasia
Do filho, que casar-se naõ queria:



+CXXIII.+


  Tirar Ignez ao Mundo determina,
Por lhe tirar o filho que tem preso;
Crendo co'o sangue só da morte indina,
Matar do firme amor o fogo acceso.
Qual furor consentio, que a espada fina,
Que pôde sustentar o grande peso
Do Furor Mauro, fosse alevantada
Contra huma fraca dama delicada!



+CXXIIII.+


  Traziam-na os horrificos algozes
Ante o Rei, já movido a piedade,
Mas o povo com falsas e ferozes
Razões á morte crua o persuade.
Ella com tristes e piedosas vozes,
Sahidas só da mágoa, e saudade
Do seu Principe, e filhos, que deixava,
Que mais que a propria morte a magoava:



+CXXV.+


  Para o Ceo crystallino alevantado
Com lagrimas os olhos piedosos;
Os olhos, porque as mãos lhe estava atando
Hum dos duros ministros rigorosos:
E despois nos meninos attentando,
Que taõ queridos tinha, e taõ mimosos,
Cuja orphandade como mãi temia,
Para o avô cruel assi dizia:



+CXXVI.+


  Se já nas brutas feras, cuja mente
Natura fez cruel de nascimento;
E nas aves agrestes, que sómente
Nas rapinas aerias tem o intento;
Com pequenas crianças vio a gente,
Terem taõ piedoso sentimento,
Como co'a mãi de Nino já mostráram,
E co'os irmãos que Roma edificáram:



+CXXVII.+


  Ó tu, que t[~e]es de humano o gesto, e o peito,
(Se de humano he matar h[~u]a donzella
Fraca, e sem força, só por ter sujeito
O coraçaõ a quem soube vencella)
A estas criancinhas tem respeito,
Pois o naõ t[~e]es á morte escura della:
Mova-te a piedade sua, e minha,
Pois te naõ move a culpa que naõ tinha.



+CXXVIII.+


  E se vencendo a Maura resistencia
A morte sabes dar com fogo, e ferro;
Sabe tambem dar vida com clemencia
A quem para perdê-la naõ fez erro.
Mas se to assi merece esta innocencia,
Põe-me em perpétuo e misero desterro,
Na Scythia fria, ou lá na Libya ardente,
Onde em lagrimas viva eternamente.



+CXXIX.+


  Põe-me onde se use toda a feridade;
Entre leões, e tigres; e verei
Se nelles achar posso a piedade
Que entre peitos humaos naõ achei.
Alli co'o amor intrinseco, e vontade,
Naquelle por quem mouro, criarei
Estas reliquias suas que aqui viste,
Que refrigerio sejam da mãi triste.



+CXXX.+


  Queria perdoar-lhe o Rei benino,
Movido das palavras que o magôam;
Mas o pertinaz povo, e seu destino,
Que desta sorte o quiz, lhe naõ perdôam.
Arrancam das espadas de aço fino,
Os que por bom tal feito alli pregôam.
Contra h[~u]a dama, ó peitos carniceiros,
Ferozes vos mostrais, e Cavalleiros?



+CXXXI.+


  Qual contra a linda moça Policena,
Consolaçaõ extrema da mãi velha,
Porque á sombra de Achilles a condena,
Co'o ferro o duro Pyrrho se aparelha:
Mas ella os olhos, com que o ar serena,
(Bem como paciente e mansa ovelha)
Na misera mãi postos, que endoudece,
Ao duro sacrificio se offerece:



+CXXXII.+


  Taes contra Ignez os brutos matadores,
No colo de alabastro, que sostinha
As obras com que amor matou de amores
Áquelle que despois a fez Rainha,
As espadas banhando, e as brancas flores,
Que ella dos olhos seus regadas tinha,
Se encarniçavam férvidos, e irosos,
No futuro castigo naõ cuidosos.



+CXXXIII.+


  Bem puderas, ó Sol, da vista destes,
Teus raios apartar aquelle dia,
Como da seva mesa de Thyestes,
Quando os filhos por maõ de Atreo comia.
Vós, ó concavos valles, que pudestes
A voz extrema ouvir da boca fria,
O nome do seu Pedro que lhe ouvistes,
Por muito grande espaço repetistes.



+CXXXIIII.+


  Assi como a bonina, que cortada
Antes do tempo foi, candida, e bella,
Sendo das mãos lascivas maltratada,
Da menina que a trouxe na capella,
O cheiro traz perdido, e a côr murchada;
Tal está morta a pallida donzella,
Seccas do rosto as rosas, e perdida
A branca e viva côr, co'a doce vida.



+CXXXV.+


  As filhas do Mondego a morte escura
Longo tempo chorando memoráram;
E, por memoria eterna, em fonte pura
As lagrimas choradas transformáram:
O nome lhe pozeram, que ainda dura,
Dos amores de Ignez, que alli passáram.
Vede que fresca fonte rega as flores,
Que lagrimas saõ agua, e o nome amores.



+CXXXVI.+


  Naõ correo muito tempo que a vingança
Naõ visse Pedro das mortaes feridas;
Que em tomando de Reino a governança,
A tomou dos fugidos homicidas:
De outro Pedro cruissimo os alcança;
Que ambos imigos das humanas vidas,
O concerto fizeram duro, e injusto,
Que com Lepido, e Antonio fez Augusto.


FIM DO EPISÓDIO.



_Catalogo de alguns Livros que ha para vender nas lojas de Joaõ
Henriques, na Rua Augusta N.^o 1, e de Bertrand, aos Martyres._


Poesias Ternas, e Amorosas, offerecidas a huma Senhora, por seu Author
J. N. O. dous folhetos, em 8. 1824. br. 120

Carta enviada por Swift a huma Noiva sobre a maneira de se conduzir no
Estado de Cazada, em 8. 1824 br. 60

Saudades de D. Ignez de Castro: Poema em dous Cantos; por M. de A.,
em 8. 1824. br. 120

Quadras Glosadas; por Francisco Manoel de Oliveira, Professor Regio de
Filosofia, na Ilha da Madeira, em 8. 1824. br. 120

Pragmatica Sancçaõ, ou Lei estabelecida por Ordem da Razaõ contra as
Parvoices dos Homens. Dada á luz pelo Zelo do Bem Commum. Terceira
Ediçaõ, em 8. 1824. br. 80

Sonetos a D. Ignez de Castro, em 8. 1824. br. 80

Magoas Amorosas de Elmano, Idilio por Manoel Maria de Barboza du
Bucage, em 8. 1824. br. 60

Contos Filosoficos para Instrucçaõ, e Recreio da Mocidade Portugueza,
por Francisco Luiz Leal, Professor Regio de Filosofia, em 8. dous
Vol. 1818. br. 300

Despedida de Alcino á sua Anarda; offerecida a hum seu Amigo, por
Antonio Joaquim Coelho da Souza, em 8. 1824. br. 60

Cartas de D. Ignez de Castro ao Principe D. Pedro, em 8. 1824. br. 60

Viola de Lereno: Collecçaõ das suas Cantigas, offerecidas aos seus
Amigos, outo Folhetos em 8. 1819. br. 480

O Perigo de Contrafazer as Vocações. Anecdota traduzida do Francez,
em 8. 1819. br. 60

O Sacrificio Frustrado, ou a Felicidade no ultimo lance. Historia
traduzida do Inglez em Lingua Portugueza. Segunda Ediçaõ, em 8. dous
Vol. 1818 br. 480

A Affliçaõ Confortada: Dirigida á Virtude da Paciencia, por Joaõ
Baptista de Castro. Quarta Ediçaõ, em 8. 1818. br. 240

Compendio de Arithmetica, para uso das Primeiras Escolas, composto
por *** Nova Ediçaõ, em 8. 1818. br. 240

Methodo Grammatical resumido da Lingua Portugueza, composto por Joaõ
Joaquim Casimiro, Professor de Grammatica. Nova Ediçaõ, em 8. 1818.
br. 240

Vestinia, e Astor, ou o Amor generoso. Conto Moral, traduzido do
Francez, e acompanhado de outro pequeno Conto, que tem por titulo: Amor
offendido, e vingado, em 8. 1818. br. 240

As Mulheres Célebres da Revoluçaõ Franceza, ou o Quadro Energico das
Almas Sensiveis, em 8. dous Vol. 1818. br. 360

Henrique, e Emma, Poema de Prior, imitação da Bella Brune de Chaucer.
Traduzido em Portuguez, em 8. 1818. br. 200

Elvira, Historia Instructiva, e Moral, em 8. 1817. br. 80

Arte de Conhecer os Homens, escrita em Francez pelo Abbade de
Bellegarde, e traduzida em Portuguez. Nova Ediçaõ, em 8. dous Vol.
1818. br. 480

Aforismos Moraes, e Intructivos, Sentenças, Pensamentos, Bons ditos,
&c. Obra util a todo o genero de pessoas, onde se achaõ documentos
necessarios para a boa instrucçaõ da vida civil, e recreio honesto
para toda a qualidade de pessoas. Compilados de differentes, e
excellentes Authores. Nova Ediçaõ, em 8. 1818. br. 300

Breve Tratado do Jogo do Whist, que contém as leis do Jogo, e algumas
regras, pelas quaes se póde conseguir o joga-lo bem, addicionado com
duas computações: huma sobre as apostas em qualquer ponto do Jogo; e
outra para dar a conhecer ao parceiro huma, e mais cartas. Traduzido
da Lingua Ingleza, sobre a oitava Ediçaõ de Londres, na Portugueza.
Segunda Ediçaõ, em 8. 1818. br. 240

Julia, Historia Instructiva, em 8. 1817. br. 100

Amor, e Probidade, Novella extrahida de hum Romance em Cartas, com o
mesmo titulo em Alemaõ. Dada á luz por A. M. da C. S., em 8. 1818.
br. 320

Sepultura de Lesbia, Poema em XII Prantos, por Thomaz Antonio dos
Santos e Silva. Segunda Ediçaõ, em 8. 1818. br. 240

O Escravo das Paixões, ou o Principe de Moravia, Anecdota Historica,
traduzida do Francez por Francisco de Paula e Oliveira, em 8. 1818.
br. 240

O Perigo das Paixões, Conto Allegorico, e Moral, para servir de Liçaõ
á Mocidade, com huma Analyse sobre as Paixões Humanas. Nova Ediçaõ,
em 8. 1818. br. 240

Prazeres da Imaginaçaõ, ou Quadro Recreativo, e Scientifico. Obra que
contém:--Anecdotas--Factos singulares, e caracteristicos--_Historietas_--
Lembranças felizes--Repentes Engenhosos--Moralidades--Usos, e Costumes
de Póvos--Sentenças--Antiguidades--Modelos de Eloquencia--Curiosidades
Scientificas--Contos para rir--Proezas Militares--Origem de muitos
Inventos, &c. &c. Tudo extrahido de diversos Authores tanto antigos
como modernos. 4 Vol. em 8. 1818. br. 1200





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "A Morte de D. Ignez - Cantata por Manoel Maria Barbosa du Bucage; A Que Se Ajunta o Episódio, Ao Mesmo Assumpto, do Immortal Luiz de Camões" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home