Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: O vinho do Porto: processo de uma bestialidade ingleza - exposição a Thomaz Ribeiro
Author: Castelo Branco, Camilo Ferreira Botelho, 1825-1890
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O vinho do Porto: processo de uma bestialidade ingleza - exposição a Thomaz Ribeiro" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



of public domain material from Google Book Search)



O vinho do Porto

Porto--Imprensa Moderna

CAMILLO CASTELLO BRANCO


O vinho do Porto

PROCESSO D'UMA BESTIALIDADE INGLEZA

EXPOSIÇÃO A

THOMAZ RIBEIRO

2.ª EDIÇÃO


PORTO

LIVRARIA CHARDRON

De Lello & Irmão, Editores

1903

Propriedade absoluta dos editores

Reproducção Interdicta



A THOMAZ RIBEIRO


     Como sei que o teu amor ás perfidas trêtas e manhas da Inglaterra
     não é dos mais acrizolados, venho offerecer ao teu sorriso um
     SPECIMEN de bestialidade ingleza.



Ha trinta e cinco annos que um bretão anonymo lavrou na _Westminster
Review_ a condemnação do vinho do Porto como deleterio e empeçonhado por
acetato de chumbo e outros toxicos anglicidas. O homem, pelas rábidas
violencias do estylo, parece ter redigido a calumnia depois de jantar,
n'uma exaltação capitosa do tannino do alvarilhão que elle confundiu com
as afflicções dos venenos metallicos. Relembra lamentosamente, com a
lagrima das bebedeiras ternas, o seculo dezoito, em que o genuino licor
do Porto era um repuxo de vida que irrigára a preciosa existencia de
grandes personagens da Gran-Bretanha. Recorda Pitt e Dundas, Sheridan e
Fox, famigerados absorventes do nosso vinho. Diz que Lord Eldon e Lord
Stowel, graças infinitas ao Porto, reverdejaram e floriram em velhos; e
Sir William Grant, já decrepito, bebia duas garrafas de _Porto_ a cada
repasto, para conservar crystallinamente a limpidez das suas faculdades
mentaes e a rija musculatura de todos os seus membros já locomotores, já
apprehensores, e o resto. Lamenta que Pitt, debil de compleição, com o
uso immoderado d'este tonico, e em resultado de plethoras frequentes
combatidas com ammoniaco e sulfato de magnezia, vivesse dez annos menos
do que viveria, se possuisse o incombustivel estomago curtido do
veneravel Lord Dundas.

Succedeu, porém, ao collaborador da _Westminster Review_ achar-se
dyspeptico, com azías, relaxes intestinaes, eructações cloacinas, e o
craneo sempre flammejante como suja poncheira, com o encephalo em
combustão de cognac e casquinha de limão--isto depois de saturações
copiosas dos vinhos adulterados do Porto--_uma mixordia negra_, diz elle
afflicto; mas não sabe decidir de prompto se a degeneração está na raça
saxonia, se no vinho portuguez. Pelo menos e provisoriamente
considera-se envenenado, o bruto.

Pois o veneno que lograr infiltrar-se nas mucosas inglezas deve ter a
potencia esphacelante da Agua Tufana dos Borgias. Em Inglaterra os
porcos engordam na ceva do arsenico. Que fibras de raça aquella! É que a
carne d'um bretão diverge muito da carnadura da restante Europa. O
anthropologo Topinard observou que a mortandade nos hospitaes inglezes,
em seguimento ás operações cirurgicas, era muito menor que a dos
hospitaes francezes. O sabio Velpeau, consultado pela Academia de
Medicina, respondeu que _la chair anglaise et la chair française
n'etaient la même_. E não dá a razão da differença, por que a não sabia
o grande biologo. Eu, na observancia do dictame do Espirito Santo, pela
bocca do _Ecclesiastico_--«não escondas a tua sabedoria» illucidarei o
snr. Velpeau. A razão, a scientifica é esta: emborcações de bebidas
acidas, e mórmente de cerveja, combatem, como coadjuvantes do acido
phenico, a gangrena; ora, o inglez, abeberado de cerveja, é refractario
á podridão dos hospitaes. Como se vê, d'esta causal tão obvia um
anthropologo é capaz de espremer assumpto para volumes recheados de
coisas abstrusas sobre ethnographia, climatologia, morphologia,
mezologia, o diabo.

Além da cerveja, a fibrina do porco, saturado de arsenico, entretecida
na fibrina do inglez seu compatriota, faz d'elle um Mithridates para os
saes de chumbo diluidos no vinho do Porto. O inglez não póde morrer por
ingestão alcoolica. Se quer suicidar-se com instrumento liquido, tem de
asfixiar-se, afogar-se no tunel como o lendario Lord. Elle é immortal,
absorvendo; e só póde morrer--absorvido. Estranho animal! E é senhor das
aguas e das melhores garrafeiras! O destino, pela tuba sonorosa de
Camões, disse ao inglez:

  _Entre no reino d'agua o rei do vinho._

                            (LUS. c. VI.)

Que litros de _Porto_ envenenado se calculam efficazes para degenerar um
bretão até á dyspepsia e ás agonias da morte?

      *      *      *      *      *

N'esta conjunctura, um possuidor de legitimo _Douro_ convidou o
intoxicado a beber o elixir fornecido por um commerciante britannico
estabelecido no Porto. O negociante fornecedor era o Forrester que
desappareceu d'este alfôbre de charlatães forasteiros, de um modo
tragico, ha vinte e trez annos. Logo te contarei essa catastrophe, meu
amigo.

A sensação intima que o hospede recebeu nas suas entranhas foi uma
novidade, uma deleitação de refrigerio em todas as membranas desde o céo
da bocca até ao cego e visinhança onde elle sentia os ardores da zona
torrida. Emborrachou-se como era de esperar, e seria iniquidade
censurar-lh'o; mas o seu cerebro de illuminado espelhava agora as
visualidades ethereas, irisadas, do americano Poë. Nem já o ventre lhe
rugia como se lá tivesse uma besta-fera embetesgada n'uma latrina, nem
elle nauseado recorria ás titilações na glote para golphar o acetato de
chumbo. O possuidor da garrafeira, para o convencer de que o salvára da
morte propinada pelo vinho homicida do Porto, mostrou-lhe dois opusculos
inglezes recentemente publicados. Um era de J. James Forrester, e
intitulava-se _A Word of truth Port wine_. O outro, por Whittaker, em
reforço ao de Forrester, chamava-se _Strictures on a «Word of truth on
Port wine»_. _London_, 1848.

Forrester, no seu folheto, desbaratava o valor do vinho do Porto,
increpando os lavradores de não differençarem, no fabrico, as
temperaturas humida, fria, secca e quente; que empregavam promiscuamente
toda a casta de uva, adulterando-a com ingredientes adequados ao paladar
inglez, mas corrosivos. Na operação do lagar, accusa o lavrador de
retardar a fermentação, vasando em cada pipa de môsto entre dose e vinte
e quatro gallões de agua-ardente. Que, passados dois mezes, a mixordia
era córada com baga, mediante uns saccos de linhagem que espremiam sobre
o vinho, e depois atiravam o residuo ao tunel. Em seguida, novo despejo
de agua-ardente, e dois mezes de descanço. Esta beberagem enviada para o
Porto era novamente «beneficiada» com o veneno alcoolico; e, nove mezes
depois, ao sahir para Inglaterra, como golpe de misericordia, nova
infusão. De modo que o vinho entrava no estomago inconsciente do
Reino-Unido á razão de vinte e seis gallões de agua-ardente por pipa.
Depois, descreve o que seja geropiga, e como ella entra n'estes
horrendos mysterios da Brinvilliers. Esta geropiga, como logo direi,
fermentou a bestialidade ingleza que passou victoriosamente na Europa em
1849.

Rematada a lista das falsificações, fraudes e ladroeiras dos lavradores
e negociantes portuguezes, Forrester exclama: «Quem assim deteriora o
vinho é, a meu vêr, mais criminoso que um ladrão vulgar»; e conclue o
seu opusculo n'estes termos: «Os consummidores inglezes devem dar a
Portugal uma lição prática, demonstrando que, se a esse paiz convém
desfazer-se da sua agua-ardente, que não é nos vinhos do Porto que nos
deve impingil-a; por que nós, em Inglaterra, podemos comprar baga e
melaço por preços muito mais em conta do que Portugal nos incampa o seu
licor de que esses ingredientes formam o principal.»

      *      *      *      *      *

Parecia natural e patriota coisa que os negociantes e agricultores de
vinho accusassem este detrahidor á animadversão publica, e que a
imprensa do baluarte da liberdade o cobrisse de injurias, e algum
viticultor mal humorado de bengaladas. Não, meu querido Thomaz Ribeiro.
A sua casa luxuosa na Ramada-Alta era o confluente dos próceres
portuenses e da provincia vinicola. Titulares,
desembargadores-conselheiros, ministros de estado honorarios, os maiores
proprietarios do Douro, e poetas arcadicos de pacotilha, que faziam
dithyrambos ao jantar:

  _Evohé._

  _Padre Lyêo!_

  _Sabohé,_

  _Grão Bassarêo!_

Ainda se usavam, na bonacheira dos velhos, estas rancidas semsaborias
remoçadas por uma copiosa tintura de bastardo.

Ali concorria o desembargador Fortunato Leite cheirando os vinhos que já
não podia deglutir e arrotando pelo nariz sobre os calices. Ao pé d'elle
estava o visconde de Veiros, o Mello das Aguas-ferreas, expondo a dois
morgados de Riba-Douro a sua erudição em genealogia, uma sciencia em que
se distinguem muitos parvos, se tem memoria. O ministro de estado
honorario, João Elias, alambasava-se em pudding que comia com a faca. O
Affonso Botelho, de Passos, d'uma _gentilhommerie_ transmontana,
paparrêta, rorejando as phrases e os circumstantes com uma salivação
caudal expedida d'entre os dentes illegitimos, como do crivo de um
borrifador. Elle chamára patife a Forrester em 1845, no _Periodico dos
Pobres_, e acclamava-o então nos brindes o anjo tutelar do Douro que lhe
comprava as colheitas a elle Affonso. Avultava o velho Manoel Browne,
dominando a vozeria com as suas gargalhadas estridentes e honradas. O
typico Gonçalo de Barros, a correcção no despejo, negociante de vinho,
de casamentos proprios e alheios, de tudo que é negociavel, com mais
farças e melodramas e tragedias na sua vida que o Archivo do extincto
theatro do Salitre; insinuando-se com incomparaveis negaças de artista
nos corações dos amigos e sahindo pelas algibeiras quando achava estas
avenidas aéreas de mais e metalisadas de menos. Elle foi, não obstante,
um tracista infausto, por haver nascido em um meio estreito de mais para
o largo bracejar das suas faculdades mercantis. Seria o mais sagaz
negociante encyclopedico da monarchia, se os seus parceiros em veniagas
não fossem tambem os negociantes mais sagazes da mesma monarchia, todos
conjurados em desabarem do seu legendario ponto d'alta honra a Praça do
Porto. E a Praça sempre impavida em meio do fracassar das ruinas, como o
homem justo de Horacio, metaphoricamente fallando--_Impavidum_, etc.
Via-se o Eduardo Moser, então visconde embrionario, a esperteza do alho
e a finura do coral feita homem; manancial de salvaterios commerciaes,
agricolas, industriaes, esterilisados pela inveja e pela ignorancia dos
seus auditorios; raro dom prelucido de profecia, mas condemnado, como
Cassandra, a não ser acreditado. Seria capaz de inventar a Methaphysica
commercial, levando á transcendencia o phenomeno do Cambio. Usa do
telescopio de Herschell para vêr o Porto nas dimensões da Philadelfia.
Ás vezes, cuida que vai scismando em emprezas arrojadas ao longo de
_Regent Street_, e encontra-se na rua dos Caldeireiros entre uma loja de
funis e uma tenda de tamancos. Vive miraculosamente no meio dos seus
collegas da rua dos Inglezes e Cima do Muro como Daniel no fôjo dos
leões. De resto, com uma estatura franzina, e menos de mediana, tem um
temperamento de dynamite. Quando lhe é forçoso cascar um sôco em um
homem alto (e eu já vi) cresce um covado pela medida velha. Tem a
elasticidade do Relatorio e do _boxing_. Produz uns Relatorios colossaes
que, se lhe puxassem tanto pelo corpo como pelo espirito, s. exc.ª seria
o visconde mais corpulento da sua freguezia. Não obstante, e fallando
por figura, elle hade ser sempre o gigante do Relatorio correcto, que
fará alguma vez impacientar o ouvinte futilmente leviano, mas nunca fará
gemer a Razão filha de Deus, nem a Grammatica filha do Lobato.

Confluia a todos os jantares assignalados o arcediago Cunha Reis, um
velho palaciano de Braga, adiposo, apesar de ressicado interiormente por
diversas ingratas materialistas que elle idolatrava com psycologismo
incomprehendido, mas consentaneo á sua idade séria. Sentindo-se fatigado
e algido da viagem por sobre o dezerto glacial da velhice, foi ao
convento da Falperra, onde morava um egresso, fez confissão geral e
deixou o coração penitente aos pés da Virgem. Depois, renunciando o
coração, nenhum esteio amparador do gôsto de viver lhe ficou. Fechou-se
no seu quarto, e, sósinho, morreu de uma congestão de saudade da sua
juventude que fôra um manso idyllio de Gessner com ligeiras
intermittencias febrís de Saint-Preux. Este adoravel cavalleiro-professo
chamava-me filho; e, se ouvia fallar de amores, chorava, dissimulando as
lagrimas com um sorriso ironico da sua fragilidade serôdia.

Era certo o João Nogueira Gandra que recitava sonetos de improviso com
quinze dias de lima e de contagem pelos dedos, sob a torrente da
inspiração. O visconde d'Azevedo lia poemas de sua lavra engenhosa em
fórma graphica de copos e garrafas, cheias de versos de varios metros e
de larachas honestas. O Lopes de Vasconcellos, um gordo, governador
civil, ouvindo os poemas bacchicos, dava na barriga palmadas sonoras,
intelligentes, rindo muito, e--que a poesia era aquillo, uma coisa com
pilheria, porque versos de choradeira não os podia tragar,--affirmava,
alludindo ao episodio da Ignez de Castro, do Camões, recitado por João
Thomaz Quillinan com uma sentimentalidade plangente e languida, toda
feita de moscatel de 1830. Em cavaqueira sábia e transcendente, o abbade
de Macieira, pregador régio, um Massillon á altura do paiz, concordando
com o theologista visconde de Azevedo, asseverava que Virgilio
prophetisára o advento do divino Messias; e os dois, com as pitadas
engatilhadas aos narizes rubros, recitavam alternadamente, com emphase:

  VISCONDE

  _Ultima Cummœi venit jam carminis setas_
  _Magnus ab integro sæclorum nascitur ordo._

  ABBADE

  _Jam nova progenies cœlo dimititur alto_
  _Tu modo nascenti puero..._

O Quillinan, um atheu esclarecido, escutava-os; e, sublinhando o sorriso
heretico, perguntava se o _nascenti puero_ virgiliano não seria o filho
de Asinio Pollião, herdeiro de Augusto, protector do poeta da Eneida. Os
theologos affirmavam que não, sibilando o seu meio-grosso, reserva do
mestre da fabrica.

Concorriam tambem os irmãos do D. Jeronymo bispo do Porto, dois velhos
casquilhos, vegetalisados em dois pimentões ao _toast_, sempre á cata
d'umas Suzanas pouco ariscas, Suzanas da barcaça do João Coelho a 8
vinténs por banho--e mordiscavam com as suas dentaduras de gutta-percha
varios pomos sorvados e nada prohibidos. Fallavam de amores
sardanapalescos com o medico Assis, um frascario de muita experiencia
que lhes recommendava bifes na grelha e parcimonia, sopas de vinho com
canella e alguma pudicicia. Eram a justificação de Lafontaine:

  _...dans les mouvements de leurs tendres ardeurs,_
  _Les bêtes ne sont pas si bêtes que l'on pense._

Era tambem infallivel nos lautos banquetes do Forrester o Custodio
Pinheiro, visconde de Villa Verde, a contar ao João Elias que a sua
esposa, cosinhava uns ricos _fósferinhos_ (fofinhos) para o chá; mas que
elle já não podia cear senão chá preto com _fateias_. Defronte, o
visconde de Alpendurada, presidente da camara, promettia a um
jornalista, se os eleitores o conservassem á testa do municipio, dotar o
Porto com o embellesamento das latrinas _theodoras_ (inodoras). Um
folhetinista d'aquelle tempo, o creador do espirito nas gazetas
portuenses, Evaristo Basto, dizia-lhe que seria melhor, em vez de dotar
o Porto com latrinas theodoras, o embellesasse antes com algumas
donzellas do mesmo nome. Estes dois viscondes, aliás bons homens e
creadores de linhagens de boa medrança, vão já tão longe que, quando me
lembram, chego a confundil-os com os primordios das castas nobres, tal
qual como se elles, senhores feudaes, tivessem ido á conquista do santo
sepulchro com os Godofredos e os Tancredos.

Elles, emfim, riam-se uns dos outros, e o José Borges, hoje visconde do
seu Castello, ria-se de todos com um sorriso solertemente cortezão.

O Forrester, muito fôfo e empantufado, com as suas fanfarronias
_poseuses_, marrafa frizada e gravata branca assás conhecida, e mais os
bofes anilados da camisa, nas illustrações da burguezia dos romances de
Dickens, batia no peito enchumassado e na testa com as pontas dos dedos;
e, com a cara açafroada em arreboes do Paraizo e das adegas do Pinhão,
apontava, soluçante, para uma primorosa tela de Roquemont--o retrato de
sua defunta esposa que o contemplava do céo em moldura de talha dourada;
e elle amava tanto aquella vera effigie, testemunha de suas lagrimas,
que a trocou, e mais outros bonecos de barro por vinhos de Antonio
Bernardo Ferreira. Bem bom negocio para o inglez--está claro.

Ora estes commensaes de Forrester, quasi todos vinhateiros, ignoravam,
excepto dous ou trez, a lingua ingleza e desconheciam portanto o
descredito com que o amphitrião mareára os seus vinhos no mercado de
Londres; mas o governo, que possuia idiomas como um Calepino, pegou de
uma corôa de barão e pôl-a na cabeça de J. James--_barão de Forrester_.
E, se não morre tão cedo, e faz nova edição das calumnias contra a mais
rica e ameaçada industria portugueza--uma segunda edição peorada e mais
incorrecta--o governo luso fazia-o visconde, não é verdade? A pergunta
não é feita ao ministro do reino de 1883: é ao Thomaz Ribeiro que em
1849 entrava na adolescencia.[1]

      *      *      *      *      *

Para corroborar o Forrester e açular as iras contra o vinho do Porto, o
outro pamphletista, Whittaker, invoca a opinião unanime dos medicos
inglezes que reputam o vinho procedente de Portugal uma peste para o
estomago e para o figado; por quanto o summo da uva é quasi uma idea
abstracta na moxinifada de aguardente, baga, melaço e _jeropiga_. Elle
não escreve sem desculpavel horror a palavra JEROPIGA.

Porquê? Vaes agora entrar no segredo da bestialidade ingleza, meu amigo.

Foi assim.

James Forrester, tão respeitador dos vinhos portuguezes como da nossa
orthographia, tinha escripto «Jeropiga» com J. Parece que d'esta
bagatella não devia surdir grande equivoco na percepção do pensamento;
porém, succede que a palavra com _G_ ou com J dá duas significações de
coisas e serventias, e entradas e sahidas muito diversas. Whittaker,
para saber radicalmente o que era _Jeropiga_, abriu o _Diccionario
portuguez_ de Constancio, e encontrou: JEROPIGA, _Ajuda_, _clyster_,
_bebida medicinal_.

Tremulo de indignação e livido de nôjo, brada o inglez: «Esta ultima
expressão (_bebida medicinal_) é o mesmo que _mézinha_; quanto ás duas
primeiras (_ajuda_, _clyster_) são a mesma coisa, tem o mesmo sentido, e
dispenso-me de as traduzir. Que _bellas_ coisas a gente bebe!»

Ó Thomaz Ribeiro, quem não sentiria vontade de mandar o inglez beber
outras?

Mas o peor da passagem foi que a droga do clyster diluida no vinho do
Porto fez abalo intestinal no mercado de Londres. Raro seria o
consummidor de vinhos portuguezes que não levasse as mãos convulsas á
região hypogastrica, com ptyalismo e vomitos. O artigo foi logo
trasladado a francez, em Bruxellas, na _Revue Britannique ou choix
d'articles traduits des meilleurs écrits périodiques de la
Grande-Bretagne_ (1849). Em Paris foi commentada desabridamente, com
chalaças, a porca e pelintra fraude lusitana em um artigo da _Revue
Œnologique_. Portugal, á conta do execravel _jota_ de Sir James
Forrester, foi considerado um paiz de immunda selvageria que,
ministrando clysteres pela bocca, tornava communs de duas entradas as
suas mézinhas. Triste!

A honra e a limpeza de Portugal seriam desaffrontadas, se Forrester,
Whittaker e os seus traductores ignaros procurassem _Geropiga_, com _G_,
no Constancio ou no Moraes, JEROPIGA (esclarece o segundo), _liquor
feito de mosto de vinho, sobrecarregado de aguardente, que se usa no
Douro para tempero de vinhos_. E accrescenta: JEROPIGA, _differe_.

      *      *      *      *      *

O aleivoso clyster que, provavelmente, ainda hoje traz impressionados e
receosos os espiritos e os baixos ventres dos nossos fieis alliados,
conspurca bastante a memoria do barão de Forrester. Foi este inglez
quem, empunhando a seringa da calumnia involuntaria por insufficiencia
de orthographia, deu essa antecipada ajuda ao sinistro destino que já
então vaticinava a catastrophe do paiz vinicola. Avoluma-se, porém, o
delicto do barão quando é notorio que elle deixou correr o aleive
bestial do seu patricio, e não acudiu a corrigir o erro e as sujas
consequencias e derivações que Sir Whittaker tirou do drastico _jota_.
Se elle fôsse um ignorante honesto, sahiria a protestar que a geropiga,
não sendo clyster alimentario, nem medicamentoso, nem narcotico, nem
laxante, nunca tentou usurpar as virtudes emolientes e diluentes das
malvas, nem do laudano de Sydenham, e muito menos da jalapa e da mamona.
Quanto ao mechanismo de ingerir a geropiga no corpo humano, deveria ter
explicado que funcciona por meio de taça, calice, copo, garrafa, pichel,
cabaça, cangirão, caneca, e tambem borracha, mas sem canudo recto ou
curvo; e, para destruir pela raiz a calumnia, deveria jurar pela sua
honra que nenhum portuguez, quando absorve geropiga, faz uso do
Clyso-bomba de Darbo, ou do irrigador Eguisier; sendo certo que, na
ingestão de tal liquido, se dá sempre a completa ausencia de canudos,
bombas, torneiras, embolos e engrenagens que desandam e esguicham. A
geropiga bebe-se, engole-se, escorrupicha-se; mas não se seringa jámais.
Que o saiba a Inglaterra. A não ser na perfida Albion, em parte alguma
do velho e novo mundo o vinho do Porto incutiu suspeitas de penetrar nas
entranhas humanas por um impulso ascensional, com intenções dissolventes
ou refrigerantes. Os nossos irmãos transatlanticos, afeiçoados
patrioticamente ao vinho do Porto, jámais o infiltraram na sua economia
intima sob a hypothese pharmaceutica de que elle contenha anda-açu,
cayapó, tayuyá ou a purga de João Paes.

Nicolau Tolentino, no soneto realista dedicado á conjugicida Isabel
Clesse,--soneto pouco digno de entrar no seio das familias, e quasi
indecente como obra de mestre de Rhetorica--deixou, em dois versos, bem
definido o methodo de matar clystermente:

  _Que novo invento é este de impiedade_
  _Que extirpar gente vem pela trazeira!_

Elle, como se vê, designa com rigor topographicamente anatomico a parte
vulneravel. Essa inversão do processo homicida, isto é, o clyster
bebido, apenas seria explicavel e até plausivel, se os catholicos
lavradores do Douro, quando punham no vinho a substancia irritante da
ajuda, tivessem d'ôlho acabar com os hereges inglezes, seguindo o
conselho do poeta no mesmo soneto:

  _Se tens desejos d'estas obras pias,_
  _Vae fazer aos hereges esta esmola,_
  _Serás a extirpação das heresias!_

Se Forrester, consultando este expositor, e mais o _Diccionario_ sobre
_Geropiga_, e as praticas desobstruentes dos esponjosos desembargadores
avinhados seus comensaes, houvesse atirado aos quatro ventos da Europa
estas leaes explicações, teria lubricado o ventre da sua alma perante a
justiça divina com esse mesmo clyster que lhe peorou as condições
excrementiciaes.

      *      *      *      *      *

A morte desastrosa do barão de Forrester, em 12 de maio de 1861, é uma
das mais notaveis vinganças que o rio Douro tem exercido sobre os
detractores dos seus vinhos. A familia Ferreirinha da Regoa, composta de
D. Antonia Adelaide, de seu marido Silva Torres, o millionario, digno de
o ser pela bizarria das suas generosidades, de sua filha e genro, condes
da Azambuja, tinham ido, rio acima, á sua celebrada quinta do Vesuvio, e
convidaram o barão de Forrester a passar uma semana em sua companhia. No
dia 12, um alegre domingo, sahiram todos do Vesuvio, na intenção de
jantarem na Regoa. O Douro tinha engrossado com a chuva de dois dias, e
a rapidez da corrente era caudalosa. Aproando ao ponto do _Cachão_,
formidavel sorvedouro em que a onda referve e redemoinha
vertiginosamente, o barco fez um corcovo, estalou, abriu de golpe e
mergulhou no declive da catadupa. O barão soffrêra a pancada do mastro
quando se lançava á corrente, nadando. Ainda fez algum esforço por
apégar á margem; mas, fatigado de bracejar no têzo da corrente ou
aturdido pelo golpe, estrebuchou alguns segundos de agonia e
desappareceu. Salvaram-se os outros, não todos, com a protecção de uns
barcos que ahi estavam para recolher o despojo de outro naufragio de um
transporte de cereaes. Livrou-se Torres, o futuro par do reino, agarrado
a um barril de azeite, até que o recolheram a um dos barcos. D. Antonia
e o conde de Azambuja aferraram-se ás dragas do barco. A condessa foi
salva por um marinheiro. Um juiz de direito, Aragão Mascarenhas,
agarrou-se á vára do barco rijamente, qual o temos sempre visto filado á
vara da Justiça, em naufragio de trapaças. Mas nem todos sahiram com
vida. Um creado de Torres foi logo tragado pela cachoeira; e, abraçada
com a vella, já quando se lhe estendia um braço redemptor, afogou-se uma
creatura a quem os noticiaristas não deram a minima importancia.

Pois foi uma pêrda insubstituivel. Era a Gertrudes, um thesouro de joias
culinarias que a voragem enguliu. Foi esta mulher uma alma transmigrada
das refinadas civilisações pagans, a metempsycose de algum genio do lar
que presidira ás ucharias da Roma dos Cezares. Foi a cozinheira
primacial do Porto, onde residia. Tinha sido chamada por D. Antonia
Ferreira para dirigir os jantares dados ao barão de Forrester, no
Vesuvio.

Ali acabou. O rôlo de uma onda regeitou-a morta contra um lapêdo
carcomido de cavernas sonoras a gottejar o lodo da babugem.

      *      *      *      *      *

Devo a esta creatura o gaudio ineffavel de me sentir viver nas
palpitações de uma felicidade edenica desde os vinte e tres annos de
idade até esta decrepitude verdejante de bucolicos musgos. Mal me lembra
que pequeno serviço eu fizera ao marido d'ella, um bravo e envelhecido
alferes de veteranos que se reformára em 1835 por impedido de servir,
crivado de ferimentos graves em algumas batalhas do cêrco. Agora me
recordo: o alferes estava servindo em um dos antigos telegrafos de
paineis, no pincaro de qualquer serra muito agreste, e gemia o seu
rheumatismo seis mezes e saudades da mulher o resto do anno. Consegui
que o deixassem viver com a sua Gertrudes, que o não acompanhára ás
solidões dos telegrafos de taboinhas por não prescindir do grande
estipendio como directora de cozinha nas lautas Lupercaes politicas, por
esse tempo, frequentes no Porto.

Comia-se então muitissimo no Baluarte por excellencia. Ministro ou
general que chegasse a fazer ou desfazer revoltas, cabecilha eleitoral
que viesse arregimentar as suas hostes, enchendo-lhes a consciencia de
liberalismo e carneiro guisado com batatas, era contar com opiparas
comezanas em que os cabralistas levavam enorme vantagem na profusão. Os
homens de Setembro, os _patulêas_, em 1849, distinguiam-se na
frugalidade. Os irmãos Passos alimentavam rusticamente os seus
organismos plebeus, de Cincinnatos, endurecidos na educação do toicinho
e das feculas de Bouças. Os seus correligionarios andavam ainda na
aprendisagem de comer, e ameaçavam a magra meza do orçamento para
praticarem. Ainda não tinha surgido de vez o Apicio de todos os
paladares, o Rodrigo da Fonseca Magalhães, com as suas raposías, o qual,
entendendo com Aristoteles que o homem é um animal essencialmente
politico, inaugurou o elasterio membranoso de todos os esôphagos, sob o
especioso lemma de homogeneidade de principios, pela fusão de todos em
uma só consciencia que vinha a ser nenhuma propriamente dita, ou o
relaxamento de todas as consciencias n'um estomago commum de duas ou
trez politicas. E assim conseguiu que todos os candidatos á panella do
Estado esmoessem o corneo bôlo indigesto das suas _Bernardas_ no largo e
fundo estomago da alma, _mentis nostrae stomachum_, como disse S. Pedro
Damião, profetisando a physiologia do espirito politico do seculo XIX
(OPUSC. 12. c, 38. _mihi._)

Gertrudes não tinha mãos a medir, se vinha ao Porto um ministro de obras
publicas que deitasse passeio até á Foz e outro passeio até Leixões,
tracejando barras com a badine nos páramos do Azul. Então, a classe
argentea, uma casta que se investira no patriciado pelo jús da moeda
falsa, da escravatura, do contrabando, e talvez do clyster no vinho do
Porto, se esse escandalo coubesse no possivel--os philistinos, uma
fidalguia com a raiz da arvore de geração na Noruega, á americana--_the
codfich's aristocracy_--senhores de navios e balcões unctuosos de
substancias alimenticias adulteradas, andavam á compíta, a vêr qual
havia de espiritualisar mais os ventriculos encephalicos do ministro,
ingerindo-lhe altas dózes de phosphoro por intermedio dos rodovalhos
celebrados nos triclinios dos Cressus e Lucullos das Congostas,
Rebolleira e alfurjas circumjacentes. As barras da Foz e Leixões ahi se
ostentam uns primores d'arte hydrographica attestando que os ministros
segregaram perfeitamente o phosphoro, o rodovalho--comeram o peixe e
mais a isca. Os amphitriões, esses representam o anzol do anexim; mas,
norteando a outras regiões, revelaram uma phantazia oriental, malabar,
nos jogos de Bancos.


PARENTHESIS

O AUCTOR (_á parte_)

No Porto ha um grupo invulneravel de negociantes que preservam
incontaminadas as tradições da probidade antiga. São esses os mais
expostos ao azar de partirem os braços, se tentarem encravar as
engrenagens dissolventes. Não ha fortuna grangeada com honra que ouse
atravessar sem mêdo as maltas dos salteadores que sahem ás encruzilhadas
da politica, se não topam viandantes incautos nas incruzilhadas do
negocio.

Se a estocada dos melindres resvalou no arnez d'esta satisfação dada aos
homens de bem, fecha-se o parenthesis.

      *      *      *      *      *

--Que ha de novo, madame Brillat-Savarin?

Esqueceu-me prevenir-te, Thomaz Ribeiro, de que eu chamava _madame
Brillat-Savarin_ á Gertrudes. Custava muito aos melindres estheticos do
meu espirito caprichoso em onomastica chamar-lhe _Gertrudes_, um nome de
que resa o Agiologio, é certo, mas não sôa lyricamente a orelhas
classicas nem romanticas. Auctorisado com as minhas faculdades
poeticamente episcopaes de chrismar, chamára-lhe _Gertruria_. Ella,
porém, não comprehendendo a delicadeza do imperfeito anagramma, tomava-o
como galhofa. Depois, fiz-lhe entender, que os seus talentos a
nivellavam com um auctor de fama universal nas delicias do paladar, e
por isso me deixasse dar-lhe a ella, feminisando-o, esse nome glorioso e
novo no mais descurado ramo das artes uteis entre os portuguezes,
incultos hottentotes quanto á culinaria, nutrindo-se com um _menu fort
chiche_, pouco avantajado á cosinha dos epicos Affonsos que não
conheceram os alimentos nervosos, e devoravam, para acerar o musculo,
javalis inteiros na braza como os esquimós comem os ursos e os kangurus.
E Gertrudes consentiu que eu, maridando-a espiritualmente com o immortal
regalão da França, lhe chamasse _madame Brillat-Savarin_.

Contava-me ella então os jantares que dirigira, a pedido de quem e para
quem, com interessantes pormenores, miudezas, bisbilhotices,
ridicularias da vida intima. Dest'arte, estava eu em dia com o
evolucionismo politico, com a sociologia, com a ethnographia, com as
crizes catemeniaes da CARTA constitucional, com o fomento das obras
publicas, especialmente barras de Leixões e Foz. Emfim, eu sabia tudo,
sem resalva das abominações procedentes do fogão; e os deuses me são
testemunhas de que eu em cento e tantos volumes de analyse de ruins
costumes nunca fiz máo uso dos segredos de Gertruria, quanto a uns
pasteis de lagostins e mexilhões que ella cosinhava, a pedido de varias
familias, para entreterem sempre accêso o fogo da amisade--o fogo
sagrado das vestaes, segundo a lei Pápia.

      *      *      *      *      *

Agora te vou contar como ella me salvou aos vinte e tres annos.

Em 1849, a invasão subita de uma anemia vampirisou-me o pouco sangue
desoxigenado, desfibrinado, e me poz os ossos em decomposição
gelatinosa, a ponto de me deixar em uma ressicação óssea; e, se eu ia
durando, é porque já me não restava carne em que se aferrasse a garra
adunca da dura Parca de então, ou da «sinistra rameira» como ultimamente
lhe chamam os vates.

Gertruria, desde que eu fui á cama, visitava-me a miudo no
Hotel-Francez, na rua da Fabrica, um velho palacio que tinha ao rés da
rua a officina e escriptorio do _Nacional_, redigido pelo professor
egresso Antonio Alves Martins, Almeida e Brito, Damazio, Parada Leitão,
Nogueira Soares, Evaristo Basto, Lobo Gavião, Eu tinha a meu cargo a
secção das frioleiras. O meu chorado amigo bispo de Vizeu exterminára-me
do districto sério do jornal, quando descobriu que os meus
_artigos-de-fundo_ eram commentarios perpetuos e paraphrases miguelistas
ao _Rei-chegou_, escriptas _un peu à la diable_. E, na verdade, Thomaz
Ribeiro, eu, áquelle tempo, sentia pelos monarchas absolutos tamanho
affecto quanto é o odio que hoje professo á canalha absoluta. Um dos
meus collegas do andar-nobre d'aquelle edificio de papel ordinario da
Abelheira, Sebastião d'Almeida e Brito, dous annos antes, sendo ministro
da Junta Suprema do Porto, quando viu a relé armada, urrando morras aos
cabralistas proprietarios, enfardelou a sua bagagem para emigrar para
Tuy. Alguns dos outros meus collegas nada enfardelaram, porque pouco
mais tinham que estylo, um glossario de phrases redondas e polidas como
bolas de strychnina contra o conde de Thomar; alguns cabeçalhos de
proclamações ao Povo chamando-lhe rei coroado de espinhos; a tragedia de
Jesus, o calvario, a esponja, etc., a proposito de um patriota eximio a
quem os caceteiros chamôrros amolgaram duas costellas; varios threnos
gemebundos sobre a patria agonisante de Viriato, da Brites
d'Aljubarrota, de João Pinto Ribeiro e Fernandes Thomaz; e, afóra isto
que é de facil transporte para quem emigra, todos tinham palpitantes
anhelos na carta de conselho, nas dragonas de general, na escrivaninha
de direito, no baculo prelaticio, etc. Pois todos aproaram e abicaram á
terra da promissão: só eu fiquei um perpetuo cultor da secção das
frioleiras. Nem sequer já possuo uma e unica distincção que tinha, por
que ha muitos annos se dissolveu, sem ser dissoluta, a _Philarmonica_ da
Rua das Hortas de que fui socio; de maneira que hade ser muito difficil
provar-se perante a posteridadade perplexa, a minha identidade de
portuguez do seculo decimo nono por falta de um habito de Christo. Nem
um habito de Christo até á data d'esta! Que este suspiro te não chegue á
alma como um remorso, ó Thomaz Ribeiro, ex-ministro do reino,
ex-claviculario do cofre das Graças régias! Ah! não. Eu sei que me
consideras sobejamente afidalgado com as caricias das outras Graças
parnasianas, filhas de Jupiter e de Venus, tres tarascas incortiçadas,
flatulentas, com hysterismos senis, fistulas e dôres osteócopas,
repercussões de antigas lubricidades, em saturnaes de batuques
compassados por cithara e arrabil com os lascivos Aonios e Melybeus nos
outeiros monasticos, nas academias, e nos natalicios das Marcias e
Francelias. Sim: nós cá vamos vivendo, ellas e eu, n'um soccorro mutuo
de cataplasmas de linhaça, de rapé e chás de tilia.

Tudo mais acabou. O palacio ardeu; os meus mestres e camaradas do
_Nacional_ morreram todos; e este arcaboiço, que resta e conserva o nome
que eu tinha então, devem-o á Gertrudes a litteratura nacional e as
dezenas de boticas que eu tenho consummido, como um suicida recatado que
não quer escandalos.

      *      *      *      *      *

Foi assim que ella me salvou ... Mas receio enfastiar-te, meu amigo, sem
chegar a sensibilisar-te. O exterminio da Rhetorica foi uma calamidade
para os que pretendem commover. A gente, dantes, conhecia umas figuras
de eloquencia que puxavam arithmeticamente um certo numero de lagrimas
das coisas, _lacrimae rerum_, aos olhos das pessoas. Se a glandula do
liquido sentimento não se abria ao toque da metaphora, era seguro
fender-se golpeada pela penetrante hyperbole. Hoje em dia já se não
chora senão com uma ophtalmia. De mais a mais, os artistas superiores no
officio de escrever, alveneis do templo da Memoria, Vitruvios e
Possidonios do eterno Pantheon, com pouca argamassa de phrases,
ageitavam uns rendilhados nichos de immortalidade para os seus amigos,
em quanto eu, cabouqueiro de obra grossa, terei de ser enfadonhamente
palavroso para esquadriar uma lousa, brunil-a, gravar-lhe um _vale_ de
saudade agradecida, e assentai-a sobre uma campa ... Uma campa! Não a
teve a pobre Gertrudes. Lá se desfez na leiva barrenta de qualquer adro
desconhecido d'aquellas desoladas charnecas do Douro.

      *      *      *      *      *

Assistira, um dia, Gertrudes ao meu jantar e viu que eu me confrangia
enjoado pelo espectaculo repulsivo de meia franga recozida e um caldo
branco em que boiavam uns olhos amarellos da enxundia do oveiro da ave.
Ella cheirou de longe o caldo fumegante, e disse com engulho:

--Captiva! isto nem com fome de cão se podia tragar!

Que o medico me não deixava comer outra coisa,--balbuciei tão extenuado
e offegante que me parecia despegar-se o ultimo colchete da existencia
n'um esvahir de desmaio.

--Sinto-me morrer ...--murmurei flebilmente.

--E morre decerto!--confirmou ella com sinistra solemnidade--morre, se
não mudar de comida. Quer que eu o ponha rijo? Diga á dona da hospedaria
que a sua enfermeira e cozinheira sou eu.

Não esperou resposta e sahiu. Pouco depois, voltou muito afreimada,
tirou a mantilha de sarja, mudou de calçado para não fazer bulha com os
tacões das botinhas, cingiu um lenço na fronte recolhendo os bandós,
atou um avental de riscadinho na cintura e foi para a cozinha. Quando
entrou com uma caçoula coberta, o perfume vaporado do rebordo da tampa
abriu subitamente no meu olfacto uma fonte de vida, uma sensação entre
espiritual e nazal, um quasi extasis, como a evidencia da immortalidade
do _eu_. Arranjou a meza de leito com o talher, afofou-me as
travesseirinhas nas costas angulosas, escadeadas como um pedaço de velho
cancêllo desengonçado, a cahir das dobradiças despregadas,--e passou
para uma travessa o acepipe fumegante. Eram duas mãos de boi guizadas,
loiras, de uma unctuosidade oleosa que punha caricias ferozes nos
dentes, e aguçava na abobada palatina as cobiças dantescas do faminto
Ugolino e de um professor portuguez de instrucção primaria. Devorei uma
das mãos, sopeteando no molho pedaços de pão que engulia inteiros,
soffregamente, n'uma intallação.

--Poderei comer a outra mão, snr.ª Gertrudinhas? perguntei esperando em
anciosa incerteza a resposta duvidosa.

--Se tem vontade, coma. Que sente lá por dentro?

--Fome, snr.ª Gertrudes, fome!

--Então coma; a natureza que lh'o pede, é por que não lhe faz mal.

E não fez. Fumei um charuto que até áquelle momento me nauzeára. Pedi
café e cana de Paraty. Estive quasi a pedir as calças para me levantar.

--Nada de boticadas! intimou ella; e, pegando em dous frascos de pilulas
de ferro de Blaud e de Vallet, e de meia garrafa de vinho quinado
despejou tudo na primeira vasilha concava que se offereceu á sua
indignação.--Fóra com a porcaria!--bradava gesticulando, com a cólera
scientifica e a justiça indefectivel de um medico homeopata.

No dia seguinte deu-me de jantar troixas de recheio, bifes de presunto
de Melgaço e meio melão. O medico assistente, o João Ferreira, grande
clinico, veio á tarde, e poz-se a farejar.--Que lhe cheirava a melão! se
eu praticára a loucura de comer melão?!--A Gertrudes acudiu á minha
perplexidade:--que fôra ella quem o comêra; que eu, coitadinho, estava a
caldos e aza de franga, uma desgraça!

O doutor tomou-me o pulso, e fez um gesto de satisfação
tranquillisadora:--que eu estava melhor quanto ao pulso, um pouco
rapido, mas regular; auscultou-me a região precordial; já mal percebeu o
_ruido de folle_; porém, continuava a fariscar o melão, desconfiado,
chegando o seu descompassado nariz absorvente ao meu perfido halito,
quando me auscultava as arterias carotidas.

Á noite, visitou-me outro medico, interessado na minha cura duvidosa,
como amigo. Era Camara Sinval, lente da Escóla Medico-Cirurgica, um que
prégava, não por hypocrisia, mas por paixão desvairada da Arte dos
Vieira e Bourdaloue, sermões ultramontanos empavezados de sapiencias
academicas com grandes empolas de latim pagão. Nunca me receitava. Para
as insomnias mandava-me lêr philosophos e poetas epicos. Disse-me que,
na sua clinica, empregava primeiro as epopeas desde a _Iliada_ até á
_Henriqueida_; e, em ultimo recurso, os systemas philosophicos desde
Platão até Victor Cousin. Que tivera--contava--um doente de insomnia
rebelde que resistira singularmente ao 1.º e parte do 2.º Canto dos
_Luziadas_; mas, perdidas as esperanças de anesthesia, lhe lêra duas
paginas de Kant, e o enfermo ficára sopitado n'um lethargo de
Epimenides. Aconselhou-me a Homeopathia, medicina inoffensiva e de
vantagem para fantasistas supersticiosos. Apenas lhe achava o defeito de
ter entre os seus medicamentos uma _Eufrazia_ e uma _Ignacia_; por que,
se tivesse tambem uma _Athanasia_, seriam as trez Parcas com pseudonymos
lethaes. Entretanto, achou-me espantosamente melhor. Não acreditava.
Queria saber o que eu tinha tomado. Referi-lhe a verdade--as mãos de
boi, os bifes de presunto, as troixas, o melão, a Providencia, sobre
tudo a Providencia na pessoa de Gertrudes.

--É uma grande clinica a Gertrudes, disse elle; mas, se ella ámanhã lhe
der lampreia, congro de caldeirada, timbal de camarões ou sallada de
pepino, aconselho-lhe que se abstenha. A morte pela fome e a morte pelo
enfartamento andam sempre de braço dado.

--Mas, se a natureza pede ...--atalhei plagiando Gertrudes.

--Nada de pantheismo. A natureza compõe-se de dois elementos em
proporções desiguaes: Deus como um, e Diabo como trez. Sou manicheu.
Apenas concedo ao Bem a quarta parte de acção na regedoria do universo.
O Diabo é quem faz os venenos dos vegetaes e dos mineraes, o frio que
gela o sangue e o calor que abraza o cerebro, e a hydrophobia, e o raio
e os terramotos, e a cholera asiatica, os miasmas homicidas dos pantanos
e cavernas, e, sobre todos os flagellos, o homem que, fornecendo uma
pequena parte de si, uma costella, produziu essa pessima coisa--a
mulher. Não se fie na natureza, e muito menos na humana, por que essa é
a mais corruptivel, e a mais fetida quando apodrece de todo. Por
emquanto vá comendo as mãos de vacca; mas fique por ahi que não vá
metter os pés pelas mãos.

Isto, com embrechados de latim de Horacio e da Biblia, abalou-me quanto
á dieta.

      *      *      *      *      *

Conversemos um pouco a respeito d'este medico, meu querido Thomaz
Ribeiro. Sinval era geometricamente materialista, uma razão emancipada
das intercadencias pathologicas da Fé. E fazia e prégava sermões nas
egrejas catholicas. Como n'esta farça da vida é ridiculo o papel dos
homens mais intelligentes! Era atheu; por que «se existisse Deus (dizia
o precíto) duas das suas muitissimas perfeições seriam a Bondade e a
Presciencia. Ora a _maldade_ da creatura contradiz a _bondade_ do
creador; e a _liberdade_ do homem, condemnado por causa d'ella, faz
repugnancia á _presciencia_ de Deus que teria creado o homem livre para
o condemnar como insubordinado. Cacologia!--exclamava elle.

Mas que falta de logica! Se eu, n'um impeto de erudição entupidora, lhe
citava o invicto argumento de Voltaire: «Se não existisse Deus, seria
preciso invental-o», Sinval respondia-me com Diderot: _C'est ce qu'on a
fait_. E quem ficava entupido, a final, era eu, por que as minhas
lettras theologicas eram uma lastima. Havia de ser hoje!... Quanto á
immortalidade da alma, dizia elle que havia de esclarecer-se depois da
morte. Eu não lhe replicava, por tambem me parecer esse expediente o
mais acertado.

--Mas desconfio que todas as minhas trez almas são mortaes--acrescentou
elle.

--Trez?!

--São trez as almas que o divino Platão me concede no _Timeu_. Dá-me uma
alma immortal na cabeça, e duas almas mortaes, uma no peito, e outra na
barriga, separadas pelo diaphragma.

E, com effeito, verifiquei depois que Platão, considerado por alguns SS.
PP. o precursor do christianismo, dava trez almas a cada pessoa; e, nas
minhas especulações physiologicas, encontrei sugeitos com as trez almas,
porém todas na barriga.

Lembram-me algumas definições d'este sensualista que sabia o seu
Lucrecio de cór. Definia elle a virtude _um producto artificial da
politica e da vaidade_. Aqui ha bastante sensatez; mas esta definição
estava dada por Mandeville e impugnada por Berkeley, seculo e meio antes
de Sinval nascer.

Definição do _homem_: «O homem é um organismo servido por bons e máos
instinctos, alguns mais ferozes que os das alimarias, e nenhum tão
intelligente como os do castor, das formigas e das abelhas; além d'isso,
tem o dom da palavra, se lh'a ensinam, e vai muito além do papagaio em
glotica. Ha uma só distincção que extrema o homem de todos os outros
animaes ...»

--A alma--interrompi eu perspicazmente.

--Não. A mentira. O homem é o unico animal que mente.

Definição da _vida_: «É uma alternativa de assimilação e desassimilação,
de secreção e excreção. _Pensamento_ é o resultado de combinações
chimicas.»

--Então, vida organica e vida da consciencia é tudo chimica? E o Amor
tambem?

--É, e da mais grosseira e trivial, por ser a unica exercitada na
retorta do boticario da aldeia. O amor do homem primitivo e selvagem era
uma paixão genesica, typica, servida em todo o reino animal por orgãos
identicos, histiologicamente e physiologicamente semelhantes, e a final
de contas uma funcção exosmosica de um lado e endosmosica do outro,
percebe você? O amor do homem actual e culto é a mesma exuberancia bruta
do organismo, modificado por alguns sonetos á fêmea; porém, no fundo da
Natureza, está o inalteravel _cliché_.

E eu, melancolicamente, com gestos desolados:

--Com que então, _endosmose_ o amor de Beatriz, de Laura e Leonor!...
oh! oh!

E elle sorridente:

--_Sensiblerie_ piegas, amigo meu, as suas interjeições theatraes. Se
Beatriz e as outras meninas, em vez de gerarem, por inspiração, sonetos
e poemas, tivessem occasião de gerar meninos robustos--com o quê a
litteratura de cabotagem teria perdido bastante--você mal poderia
explicar-me transcendentalmente o phenomeno psychico do amor do Dante e
dos outros e de Beatriz e das outras. Nas regiões selvaticas onde o
sensualismo se retoiça desenfreadamente em promiscuidade de homens e
mulheres, como classifica você esse estimulo bruto da carne? É talvez o
classico Cupido que desembesta do arco flechas de amor aos coiros fuscos
dos australezes, hein? Vá perguntar a um cafre kuza se elle sabe o que é
_amor_, e pergunte á cafrina se ella entende o que seja _pudor_ ...

--Perdão! o pudor é universal, particularmente nas mulheres sem excepção
das raças mais atrazadas. Haja vista ás tangas ...

--Ora muito obrigado pelas suas tangas ...--atalhou Sinval a impulsos de
riso.--O celebre viajante Cook, na sua _Primeira viagem_, conta que em
Taiti as mulheres, por um refinamento de educação esmerada, quando
cumprimentam alguem, exhibem aquella metade do corpo menos usual nas
exposições ao ar livre.

--Quão delicadas!

--E quão pudibundas!... Ha tribus selvagens, aliás muito castiças, em
cuja linguagem falta a palavra _amor_, nem mesmo conhecem o beijo, essa
mimosa delicia da epiderme que os homens aprenderam dos pombos e das
rolas, por que a bêsta humana era incapaz de inventar o beijo.

D'uma vez, resentido com aquella _litteratura de cabotagem_ em que elle
mentalmente me classificava, e, de mais a mais, ferido nas minhas
convicções metaphisicas, sahi á liça impavidamente, e discorri por
largo, e bem, com muita felicidade, provando a existencia de Deus pelo
facto da minha existencia, e a divina formação do mundo pelo facto da
materia bruta não se poder espontaneamente formar a si, aliás o homem,
materia menos bruta, faria alguma coisa com elementos novos.
Innegavelmente despenhei-o; mas elle, como o Lucifer de Milton e do Braz
Martins no _Santo Antonio_ ainda regougava lá do fundo do abysmo:

--Você conhece a philosophia de Xenophanes?

Fiz um gesto de cabeça affirmativamente patarata, e elle proseguiu com
um riso mordazmente suspeitoso de que eu não sabia nada de Xenophanes.

--Xenophanes--disse Sinval solemnisando o aspeito--aos noventa e dois
annos de idade lia os seus poemas didaticos de moral santa, e pedia
esmola aos ouvintes para sepultar os filhos. Morreu mais de centenario
estudando sempre; e, pouco antes de expirar, fez esta profecia: «Ninguem
soube, nem sabe, nem saberá nada respectivamente a Deus e á formação do
mundo; e aquelle que mais egregiamente fallar d'essas coisas, será tão
ignorante como os outros.» Ora você acaba de fallar egregiamente.

E retirou-se, provavelmente, confundido.

Nunca me esqueceu a opinião scientifica d'este medico a respeito do
adulterio. Dizia elle com aprumo cathedratico e um sorriso
rabelaiseano:--Esposa perfida e esposo trahido são effeitos necessarios
e fataes de influencias celestes--coisas do Zodiaco. Uns homens, os
seductores, nascem no Signo de Leão, e d'ahi vem chamarem-se _leões_;
outros homens, os minotaurisados, nascem no signo de Capricornio, e
d'ahi vem chamarem-se o que você sabe. É como eu penetro n'esta escura e
hedionda voragem do adulterio, com o facho mathematico da Astronomia.

--Em que Signo nasceria eu?--murmurei meditabundo, ingenuamente.

E elle, com solemnidade comica:

--No Signo de _Libra_ não seria por que o vejo bastante falho d'essa
especie. Persuado-me que seria no de _Caranguejo_, (_Cancer_) quando
leio na gazeta as suas theorias sociologicas; mas, á vista do candor
donzel da sua lyra amorosa, bem póde ser que você nascesse no Signo de
_Virgem_ (_Virgo_). Fôsse como fôsse, faço votos amigos e sinceros por
que não nascesse no de _Capricornio_, nem no de _Touro_ (_Taurus_), nem
no de _Carneiro_ (_Aries_), por que todos tres possuem excrecencias
symbolicas por onde se explica a profusão dos influenciados. Ha pontas
de mais no Zodiaco, não acha?

--Sim, acho bastante sortido o Zodiaco. Parece a capital de um reino
civilisado.

--Pois os legisladores não percebem d'isso nada. Estão ainda com o
direito canonico da idade-média, permittindo que o trahido mate a
adultera, e mandando em paz o marido adultero colhido em flagrante
delicto. E note você--exclamava Sinval n'uma irritação de consciencia
revoltada--note você que a legislação christianisada da idade-média,
muito cruel para as mulheres e indulgentissima para os homens, era feita
sob o influxo dos concilios! Realmente as mulheres devem grandes
obsequios ao christianismo, e pódem fiar-se nos prégadores e nos
moralistas _rococos_ dos Semanarios religiosos que, uns por ignorancia e
outros por obrigação do officio, a bigodeam com a sua emancipação! A
certos respeitos, não ha paiz como este nosso para ossificações de umas
certas ignorancias convencionaes. Conta-se que Jesus perdoára a uma
adultera, por que entre os seus proprios discipulos e o mulherigo que a
seguia escandalisado na piugada dos esbirros, não havia creatura limpa
do mesmo peccado que lhe atirasse a primeira pedrada. Bem boa corja,
_cela va sans dire!_ Pois, quer seja facto, quer seja parabola, temos
muito que deslindar entre a philosophia messianica de Christo e a
religião dos christãos. O ideal humanissimamente caridoso de Jesus,
quanto á fragilidade da mulher, não tem que vêr com o _Matrimonio do
jesuita_ Sanches e o _Livro V das Ordenações_. Logo que Jesus, immolado
inutilmente á arraia-miuda da Galilêa, fechou os olhos, as adulteras
judias e as conversas ao christianismo deturpado de Paulo, continuaram a
ser apedrejadas; e, rodados 1849 annos de civilisação desde a tragedia
do Golgotha até á comedia da Carta-Gaioso, certo artigo do Codigo Penal,
que nos rege, permitte que o esposo trahido estrangule a adultera, sem
lhe dar tempo a invocar o misericordioso perdão exemplificado por
Christo. Pobres mulheres! que rica emancipação![2]

Este trecho de discurso não era incontestavelmente um modêlo de
eloquencia do pulpito catholico; mas o caso é que eu não sabia então
destecer-lhe os fios do sophisma. Havia de ser hoje!... E este
homem--que tinha um talento anecdotico, relampejante de remoques de
Swift e de Voltaire, ironias feitas de potassa caustica, indultando com
risos sarcasticos os vicios sociaes que afogam em lagrimas as suas
victimas--Camara Sinval padecia no cerebro uma doença irrisoria, a
monomania de prégar sermões bombasticos ácêrca do S. Sacramento, que por
ahi andam em um grosso volume posthumo, com um prefacio meu, ha mais de
vinte annos. A prosa de Sinval tinha a sonoridade rythmica do verso
heroico. Possui impressa uma das suas orações proferidas na abertura das
aulas medico-cirurgicas. Começava assim: _Tem o sanhudo leão falcadas
garras, tem a timida lebre agudo ouvido, vista perspicaz a aguia
generosa ..._ São trez hendecassyllabos arcadicos bem feitos, pomposos.

      *      *      *      *      *

Voltando á minha enfermidade mortal, no dia seguinte restringi-me ao
bacalháo assado muito saturado do alho estomacal. O bacalháo conquistou
na moderna therapeutica das gastrodyneas, nas dyspepsias e gastrites
chronicas uma reputação tonica, restaurante; quanto ao alho, esse gosa
creditos de antidoto da raiva; porém, n'aquelle tempo, o reles pescado
da Terra Nova era considerado comestivel apenas assimilavel a estomagos
de patagões, com a potencia digestiva de ogres; e, a respeito do alho,
pessoa que cheirasse a elle tinha as inquirições tiradas desde malandro
até scelerado.

Como quer que seja, eu, alternando o bacalháo com as tripas de boi--as
tripas, o heroico brazão do Porto--um complexo aphrodysiaco de chispe,
de paio, aves, hervanços e coloráo, recuperei, ao cabo de duas semanas,
forças extraordinarias e tamanhas que, n'um transporte de gratidão,
levantei Gertruria e passei-a triumphalmente nos meus braços. Quando as
chloroses e as anemias estão grassando nos grandes centros como doença
endemica da geração nova depauperada, eu faltaria ao sagrado dever
altruista, se não offerecesse este boletim sanitario aos que padecem.
Que elles principiem pela mão de vacca e concluam a sua cura com tripas
sortidas.

Entretanto, o doutor João Ferreira propalava a minha cura da perigosa
opilação como a mais rara e inesperada da sua clinica, mediante o ferro
e o vinho quinado. Tinha-me arrancado das prêzas da morte, dizia-se; e a
minha engomadeira, uma devota velhinha, asseverava que fôra o martyr S.
Torquato de Guimarães que a obsequiára mais uma vez, curando-me.

      *      *      *      *      *

Depois, no resvalar de doze annos, as vagas aparcelladas da minha
derrota em demanda do Prestes-João do Ideal, sendo piloto o marido assás
conhecido de Psyche, baldearam-me a regiões inhospitas onde não podia
encontrar Gertrudes. Nunca mais a vi; mas, como a saudade me estava
sempre negaceando para aquelle tempo, a imagem d'ella acompanhava as
minhas recordações de perdas irreparaveis, desde uns aureos sonhos de
trovador que eu sonhára, até outros «sonhos» de farinha e manteiga que a
Gertrudes fazia com o auxilio dos ovos. Eu sentia, a um tempo, o perfume
dos anhelitos de Marilia bella e o das murcellas incomparaveis de
Gertruria. A vergonhosa dualidade do coração do homem! Se não fossem as
falacias metrificadas, e o lyrico, depondo o alaude, se confessasse
ingenuamente em prosa, não haveria arrôbo de alma que não sahisse
apelintrado pela concumitancia ignobil das caçoulas.

      *      *      *      *      *

Quando li a noticia da morte de Gertrudes, e não pude duvidar que a
naufragada era a minha restauradora, meditei solver a minha divida de
gratidão com um artigo necrologico, por não ter sufficiente confiança na
utilidade de uma missa _de requiem_, a doze vintens, vinho por conta do
padre.

Eu tinha pertencido por algum tempo a uma sociedade de homens de
lettras, quasi exclusivamente dedicados á especialidade «necrologias de
defunctos illustres». Eramos os gatos-pingados do Baluarte. Choravamos
enormes artigos bem phraseados e estrangulados de interjeições
afflictas, com epigraphes em latim, sobre defunctos analphabetos que, á
mingua de instrucção primaria, não poderiam na celeste mansão tomar
conhecimento da nossa prosa. Andavamos tão assanhados n'esse fariscar de
chacaes o cêvo litterario de carne morta que seriamos capazes de
assassinar pessoas distinctas, se as indigestões, as tuberculoses, a
cachexia mercurial, o escrofulismo, os figados engorgitados e a
pharmacia nos não dispensassem de alimentar com sangue humano o
cannibalismo da Arte elegiaca. O presidente da sociedade era José
Barbosa e Silva, um moço de grande talento, diplomata em Berlim,
deputado por Vianna do Castello, sua patria. As necrologias que este
adoravel rapaz estampou são as de todos os mortos seus contemporaneos,
seus amigos, seus conhecidos, ou apenas amigos ou conhecidos de uns
sujeitos que elle podia vir a conhecer. No torvelinho dos prazeres, que
todos experimentou, José Barbosa parava de repente a olhar para o golpho
que lhe sorvia um companheiro; e, como presagiava morrer aos vinte e
oito annos, quando carpia os outros, ponderando a tristeza da morte,
parecia chorar sobre si mesmo.

Fallecido Barbosa e Silva, o maior numero de seus amigos escriptores
tomou a sério a desgraça da morte, e experimentou a impossibilidade de
escrever necrologias quando a dôr é sincera e inconsolavel. Os socios da
instituição carpideira já quasi todos naufragaram por essas restingas
dos cemiterios. Os raros que ainda restam, sentados á ourella do rio
negro, encolhidos, a tiritar na algidez de decrepitos, e de mãos
inclavinhadas nos joelhos, ainda ouvem as commemorações funebres da
actualidade, e por vezes rejubilam na sua jactancia senil quando se vêem
plagiados n'estas fórmas da necrologia moderna:

     Mais uma saudade para a terra, mais um anjo para o céo, etc.

     Mais uma vida ceifada em botão pela fouce, etc.

     A aza negra da impavida morte acaba de roçar as faces do nosso
     amigo, etc.

     A sangrenta Parca acaba de cortar, etc.

     A cega Atropos que tanto bate á porta do palacio como da choupana,
     etc.

E estes dizeres que já fôram formulas sérias, sacramentaes, e estimulo a
torrentes de lagrimas, são hoje em dia uns humorismos inconscientes que
despojam a morte de toda a sua respeitabilidade e circumspecção.

      *      *      *      *      *

Pois, Thomaz Ribeiro, não pude redigir a necrologia de Gertrudes!

Tu que és sensivel e conheces os arcanos da arte,--que possues illesas
do golpe dos desenganos as cellulas funccionaes das illusões queridas,
(isto é--a alma incolume, com as suas 3 potencias, numeração antiga); e
conservas a candura juvenil do coração, (_coração!_ o musculo nutriente
com auriculas e ventricolos!--releva o archaismo provençalêsco que me
faz coevo de Macias, o Enamorado), do musculo, digo, que não encaneceu
em breves annos de infortunio sem treguas; e, na idade da prosa de
ministro da corôa, ainda te commoves sob o impressionismo affectivo do
inolvidavel poeta do D. JAYME, imaginas, porventura, que eu não pude
escrever por que as dôres immensas são mudas, e os repellões da paixão
turbulenta impedem que a phrase se acepilhe e pula e arredonde. Agradeço
o teu conceito que ao mesmo tempo me lisongeia e adultéra; mas a razão é
outra--é deploravel. Queres saber por que não escrevi a necrologia da
humilde mulher que me salvou?--foi por que ella me salvou como
cozinheira. Por mais combinações que fiz com as grosas de allegorias de
que dispunha, por mais embrechados de figuras que os canones de
Quintiliano me liberalisassem, não atinei com uma evasiva consentanea
com a minha cathegoria de philaucioso casquilho em _redingotes_ do
Catarro e lettras amenas. Eu tinha escripto bastantes artigos funebres,
catadupas de pranto sobre os esquifes de matronas várias que haviam
nascido _gertrudes_, e do tamborête da cozinha avoenga se esvoaçaram nas
azas da bebada fortuna para os divans bysantinos e d'ahi para os jazigos
marmoreos. A penna corria-me de vontade, no fremito da inspiração, e as
perolas, crystalisações do muco lacrimal, saltavam-lhe dos bicos quando
a defunta levava atraz da sua podridão muitas carruagens, e era
suffragada na egreja refulgente de tochas, em uma neblina de incenso,
por uma berrata fanhosa e barbarêsca de levitas, com barrigas
basilicaes, que decerto, se os transportassem ás missões africanas,
ririam ás escancaras da algazarra que fazem os cafres á volta de um
morto.

Figurou-se-me, além d'isso, que a imprensa, moderadamente democratica e
cheia de conveniencias melindrosas, se constrangeria tolerando nas suas
columnas, por comprazer á minha ridicula magua, a necrologia da
cozinheira Gertrudes. De mais a mais, eu não sabia como alçar o estylo
prismatico, de adjectivos rutilos, de modo a deslumbrar a critica soez,
e a não desafiar o sorriso gaiato dos dandys pela importancia que eu
dava á minha sanidade physiologica restaurada pela mão de vacca.
Ser-me-hia talvez possivel equilibrar na gymnastica de locuções
explosivas, victorhuguescas, onomatopaicas o interesse da morta,
descrevendo o naufragio do barco rabêllo com os horrores do brigue
_Mondego_ ou da fragata _Medusa_. Eu conhecia umas esfusiadas
pyrothechnicas de metaphoras que punham enthusiasmos furiosos na
dramatologia epileptica do Theatro-Normal, volcanisando as familias
incendiarias da rua dos Bacalhoeiros; e ainda agora não passam de todo
despercebidas á minha pasmaceira de minhôto palerma.

Ainda cheguei a ensaiar o genero ... _Os relampagos afuzilavam ... O céo
phosphoreava as suas lampadas sinistras para vêr a lucta do abysmo. Eram
os albatrozes, n'um arquejar estridente, a pairarem na treva superior
com as suas azas de fogo. As aguias do Marão, acossadas pelos bulcões
das cumiadas, acolhiam-se ás concavidades da serra, e passavam grasnando
o threno da desolação por sobre o paroxismo dos naufragos. Zuniam
furacões assobiando pelas espaldas angulosas dos penhascaes ... A
tripulação, n'um clamor de agonias, a bradar «misericordia!» ... O baixel
arfava no dorso do vagalhão, ou, cuspido ás nuvens, resvalava na voragem
onde as pranchas descosidas ringiam asperrrrrrimamente._
(Onomatopeia) ... _Castellos de nuvens atras desabavam_ _n'um estrallejar
de ribombos; o escarceu verde-bronze, topetando com o ether zebrado de
coriscos, baqueava-se depois n'um marulhar de espumas rugidoras ... O
cahos de cima a descer, a descer com a mortalha de treva sobre o abysmo
que subia, subia n'uma ressonancia de maldições ao FIAT, creador das
sevas angustias ineluctaveis do homem. E o naufrago cravava olhos
piedosos no céo; e via listrarem-se as centelhas dos raios, como se os
Titans revolucionados arrojassem á cara de Jupiter as escumalhas igneas
das suas forjas. E o barão de Forrester, ao portaló, hirto, impavido
como Nelson no Trafalgar.., etc._ Tudo isto e o resto me sahiu ao
pintar, e exacto como uma photographia, na descripção de um desastre de
barco de pipas ido a pique entre dois calháos do Douro; mas, a final, o
que eu não sabia era diluir em synonimias e paraphrases coherentes com a
tremenda catastrophe o qualificativo «cozinheira». Ainda se Gertrudes,
filha de um desembargador miguelista ou d'um brigadeiro capitulado em
Evora-Monte, com alguns appellidos historicos, houvesse descido as
escaleiras da necessidade, sem deslise da honra, até á baixeza do seu
officio, talvez que eu ousasse arcar com a necrologia, apostrophando o
flagello da guerra civil que acorrentou á grilheta do fogão e da bateria
de panellas aquella mulher nascida para rastolhar, sobre tapetes,
_moires_ crepitosas, laminadas de brilhos metalicos ondulantes, e para
saltar com tregeitos desenvoltos, n'um derrengue arregaçado e
esquadrilhado de _écuyère_, da estribeira do _landeau_, armorejado de
paquifes arrogantes e escudos e timbres com passaros prehistoricos e
hydras assanhadas, á porta das modistas;--para reinar, emfim, nos
theatros, no turbilhão dos bailes, nos balcões dos bazares
philantropicos, na Caridade-_Flirtation_, e talvez no _sport_ e no
_turf_. Mas Gertrudes não tinha appellidos: era miseravelmente
_Gertrudes Engracia_, d'um plebeismo razo, filha da Engracia, já celebre
cozinheira dos fidalgos Mellos, casada com o Bento, cozinheiro famoso
dos fidalgos Cyrnes, o qual cazára com uma cozinheira não menos
distincta dos fidalgos Pamplonas. Esta genealogia, entre duas receitas
de pudins de batata, encontrei-a escripta pelo pae de Gertrudes nas
costas do frontispicio de um velho livro que ella me deu chamado _Alivio
de tristes e consolação de queixosos_. E da mesma arvore de geração
constava que seu terceiro avô materno fôra abbade de Miragaya e sua
quinta avó paterna era filha de um frade loio. Estes dois clerigos
propagadores, como elementos genealogicos, não me pareceram
imperiosamente exuberantes de moralidade e justiça para que eu,
apostrophando a execravel guerra civil, a responsabilisasse pela
decahida posição servil da neta do frade e do abbade.

      *      *      *      *      *

Aqui tens, Thomaz Ribeiro, um coração aberto pelo remorso que se
offerece á dissecção do teu bisturí. Santo Agostinho, imbecilitado pela
piedade, e J. J. Rousseau, desbragado pela sua dissimulada philosophia
cynica, deram-me o exemplo de vir á praça com a confissão tardia de uma
pusillanimidade que dá a medida da miseria humana, e particularmente dos
artistas de necrologias. N'este escripto, vim justiçar duas
bestialidades protervas: a minha ingratidão e o clyster inglez. Agora,
sinto-me bem, muito desabafado. Talvez lhe deva a elle, á _jeropiga_
desobstruente do Forrester, este desempacho da consciencia. Ha exemplos
confirmados por aforismos de Hippocrates.

Se chegaste aqui sem fastio, és um anjo de paciencia e de problematico
bom-gosto. Decerto uzurpei á patria uma hora das tuas contemplações
sanitarias sobre a revisão da CARTA, que anda agora mui frequente na
revista--o que me parece rasoavel, se ella, não obstante a _bigoterie_
do Artigo 6.º, se tornou suspeita de virginismo insufficiente para reger
um paiz pudibundo.

Seja como fôr, n'este opusculo esfervilham episodios desvairados que
desatremam do assumpto e do titulo. São exuberancias que extravasam de
uma grande medida cogulada de annos e de reminiscencias. O criticismo
unhará o abuso do subjectivismo indisciplinado, a desorientação do
abjectivo impessoal, da Arte Pura com maiusculas, finalmente--o
romanêsco. Affoito-me, todavia, a esperar que os criticos práticos,
tendo em vista os episodios extravagantes, afóra os gallicismos de que é
capaz o seu aristocrata Tokay, usarão com o meu modesto «vinho do Porto»
a sua costumada indulgencia generosa. E permitta a minha benigna
estrella que os almotacés d'este folheto, quando hajam de aquecer o seu
criterio no calorifico de alguma beberagem nervosa e suggestiva,
prefiram o Johannisberg palaciano ao garoto Cartaxo do _José dos
Caracoes_; por que, a final de contas, nem todos os criticos espiritados
por vinhos canalhas tem o _humour_ faiscante de Poe, de Hoffmann, de
Marlowe, de Zacharias Werner e de Bocage--uma constellação de bebados
immortalmente classicos.

      *      *      *      *      *

Ainda se não disse tudo.

N'este pedaço de litteratura da decadencia, ou decahida de todo, observe
a critica escorreita que ha dois projectos: um é patente, o outro é
clandestino. O primeiro é--arrazar Inglaterra; e, com effeito,
arraza-se. O projecto clandestino, um tanto arteiro, é obter pelo
sophisma tortuoso da lettra redonda, typo-Elzevir, o que o mercieiro
alcança com o correcto syllogismo dos azeites e dos farinhaceos. O
Espiritual ousa correr o pário com o Comestivel: a meta é o habito de
Christo. Que o mercieiro, melindrado na sua prosapia de anthropoide, não
se agaste, se eu o lanço n'estas correrias de hippodromo. Não lhe
conheço outros dons que o habilitem a entrar no _sport_.

Emfim, quando voltares a ministrar os negocios do reino, Thomaz Ribeiro,
não me percas d'ôlho o meu habito de Christo, merecido pela façanha
heroica e pouco trivial de arrazar Inglaterra. Bem vês que estas
ambições aliás temerarias, confesso, não ultrapassam desmedidamente as
balisas do meu merecimento. A almejada venera é a infima, penso eu, a
mais piranga caracteristica ethnica da raça que domina esta nesga
rasgada da Espanha, (que m'o releve D. JAYME)--umas noventa leguas,
metade incultas; e, assim mesmo, na povoação d'essa metade, inçam e
pompeiam, segundo conta o _Almanach Commercial para 1884_, cento e vinte
dois condes, trezentos e quatro viscondes, e cento e noventa barões.
Quanto a commendadores, quem contou as gotas do mediterraneo, as areias
do Saharah e as estrellas da Via-Lactea? Ora, a respeito do habito de
Christo, isso já agora, bem sabes, é uma coisa que se exporta para o
estrangeiro como amostra da nossa unica industria; mas envia-se
gratuitamente como os _Grands Magasins du Printemps_ nos remettem de
graça, francos de porte, os retalhinhos das suas fazendas.

Ah! que eu não morra nú d'esse habito! Concedam-me, na morte ao menos,
essa insignia de christão em terra de moiros.

  _S. Miguel de Seide, abril, 20, 1884._

    [1] Quando o barão de Forrester pereceu por desastre, um dos mais
    authorisados jornaes do paiz, escreveu sentimentalmente o seguinte:
    «... A morte desgraçada do snr. barão de Forrester a todos
    penalisava, pois o muito que aquelle illustrado cavalheiro se
    interessára sempre pela sorte do Douro, os bons serviços que lhe
    prestou com os seus escriptos ... o tornaram geralmente estimado ...
    Mostrou-se sempre muito dedicado a este paiz, e por muitas vezes
    associou o seu nome aos dos que mais trabalharam para os seus
    melhoramentos e progresso.»--_O Commercio do Porto_, de 14 de maio
    de 1861.

    Um correspondente da Regoa para o mesmo jornal e no numero seguinte,
    escreveu: «É sincero o sentimento geral que produziu a noticia da
    morte do snr. Forrester, e são bem justas as lagrimas que se
    derramam por tão desastroso acontecimento. É uma divida sagrada que
    se paga á memoria do distincto cavalheiro que tanto se sacrificou
    por este paiz. Portugal e especialmente o Douro muito lhe devem ...
    Apesar de estrangeiro era portuguez do coração por que poucos filhos
    d'esta patria mais fizeram por ella nem mais a amaram ...»

    Parece, pois, que os exemplares da diffamação do vinho do Porto eram
    desconhecidos em Portugal. Que fé nos hade merecer a historia e a
    biographia escripta por contemporaneos, quando o facto social
    erradamente julgado, ou a vida de um individuo favorecida pela
    adulação, ou deturpada pelo odio, não tiverem contradictores, tambem
    coevos, a contrastal-a!

    [2] _Nota illustrativa._--Joseph Gregorio Lopes da Camara Sinval era
    esturrado patulêa da Junta rebelde do Porto, e commandára com honras
    de coronel o batalhão academico. Além d'este predicado faccioso,
    Sinval tinha o exemplo do austero historiador A. Herculano, que
    escrevêra: _A historia do liberalismo é uma comedia de máo gosto._
    E, resalvando as duas nobres personagens, D. Pedro IV e Mousinho da
    Silveira, accrescentára: _O resto não vale a penna da menção. São
    financeiros e barões, viscondes, condes e marquezes de fresca data e
    mesmo de velha data, commendadores, grão-cruzes e conselheiros: uma
    turba que grunhe, borborinha, fura, atropellando-se e
    acotovellando-se, na obra de roer um magro osso, chamado orçamento,
    e que grita aqui-d'el-rey! quando não póde tomar parte no regabofe._
    Quanto á «Carta-Gaioso» a gente velha ainda conheceu no Porto a
    corista d'aquelle appellido que cantou o hymno da Carta Restaurada
    no theatro de S. João, e desde ahi ficou identificada, a Gaioso, com
    o codigo das liberdades pátrias.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O vinho do Porto: processo de uma bestialidade ingleza - exposição a Thomaz Ribeiro" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home