Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Salve, Rei! - Poesia de Camillo Castello Branco
Author: Castelo Branco, Camilo Ferreira Botelho, 1825-1890
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Salve, Rei! - Poesia de Camillo Castello Branco" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



+SALVE, REI!+

POESIA DE

_Camillo Castello Branco_


LISBOA
Typographia A. J. Ferros & Ferros F.^os
Rua dos Retrozeiros, 41 e 43

MCMXV



SALVE, REI!



Publicações de Frazão de Vasconcellos


1--_No Centenario da Guerra Peninsular_--Dr. Jacintho
Luiz do Amaral Frazão e Vasconcellos. Folha solta,
1910.

2--_Auto-biographia de Herculano_--No 1.^o centenario do
seu nascimento--Com uma nota--Folheto, 1910.

3--_Diccionario nobiliarchico portuguez_--Incompleto.

4--_Cousas de Camillo_--Poesia _Salve, Rei!_, com uma
nótula. Folheto, 1911.

5--_Crês tu? Sim ou não?_--Poesia. Folheto, 1912.

6--_Elementos de heraldica_--Com gravuras, no «Jornal
da Mulher».

7--_Justiça do Marquez de Pombal_--Folheto, 1915.

8--_Ascendencia materna do Desembargador João de Barros,
auctor do «Espelho de Casados»_. Folheto, 1915.


EM PUBLICAÇÃO:

_Linhagistas e heraldistas portuguezes_.

_Um revolta no Rio de Janeiro em 1660_--Nota á
margem d'uma biographia de Salvador Corrêa
de Sá.


EM PREPARAÇÃO:

_Centúria de curiosidades historicas_.

_A heraldica nas vinhetas ornamentaes dos livros
portuguezes_.



_Tiragem deste opusculo: 50 exemplares_



ELUCIDAÇÃO


Em 1911, quando faziamos ainda parte da redacção
da _Nação_, reproduzimos naquelle periodico, n.^o 15.255,
de 13 de Outubro, a poesia +Salve, Rei!+, de Camillo Castello
Branco, de que mandámos tirar uma _separata_, de 32
exemplares numerados, sendo 3 em papel Whatman e os
restantes em papel de linho nacional.

Estando todos aquelles exemplares distribuidos, e sendo
muitos os camillianistas que desejam possuir a poesia
+Salve, Rei!+, resolvemos, sem nenhuns intuitos mercantís,
que tambem da primeira vez não tivemos, pois que a edição
foi destinada unicamente a offertas, fazer a presente
reedição daquella pouco conhecida producção do _Maior
de Todos_, como justificadamente os seus mais enthusiastas
admiradores cognominaram o auctor do _Amor de Perdição_
e de tantissimas obras que honram a litteratura portugueza.

Eis a razão desta nova _especie_ da extensissima bibliographia
camilliana.

Novembro de 1915.


Frazão de Vasconcellos



Nótula da nossa 1.^a edição


A poesia que se segue, dedicada a El-Rei Dom Miguel
I, por occasião do seu casamento, foi impressa originalmente,
em janeiro de 1852, em uma folha solta, e reproduzida
no diario legitimista _A Nação_, n.^o 1834, de
22 de novembro de 1853, em parallelo com uma outra
poesia do mesmo Camillo, transcripta do jornal _O Portuense_,
de 17 de novembro de 1853, em honra de Dona
Maria II, a quando do seu fallecimento.

Na sua preciosa _Bibliographia Camilliana_, refere-se
o nosso presado amigo Sr. Henrique Marques a esta pouco
conhecida producção do notabilissimo e fecundissimo espirito
que foi Camillo Castello Branco, dizendo que viu um
exemplar da folha solta, na Bibliotheca Publíca do Porto,
e informando mais que o _Jornal da Manhã_, daquella cidade,
a reproduziu no seu n.^o 137, de 19 de maio de 1890.


Frazão de Vasconcellos



SALVE, REI!


Cantor d'outr'ora, quando vi sem flores
Os magicos jardins da phantasia,
        Minha lyra depuz.
Não mais pedi inspirações terrenas.
Curvei-me ante o altar, sagrei meu estro
        Aos canticos da cruz.

E, sem magoa, quebrei prisões da terra,
Mas uma, se então quiz tambem quebral-a,
        Não pude... em vão tentei...
Eram saudades a viver d'esp'ranças,
Saudades, que nem Deus manda esquecel-as,
        Saudades do meu Rei!

Ficava-me no mundo um nome grande,
Um symbolo d'amor, de luz radiante,
        Sob um manto real...
Imagem do que vi na minha infancia,
Sentado no docel, herança augusta
        Dos Reis de Portugal

Christão, pedi com fé--senti que a tinha
Prostrado ante o altar, quando eu pedi
        Recursos ao meu Deus...
Recursos, não pr'a mim que nasci servo,
Recursos para Vós, Rei desterrado
        Sob inhospitos céus!--

Pulsou-me o coração, senti no labio,
Em vez da oração, soltar-se o hymno
        D'um peito portuguez!
Ás lagrimas succede essa alegria
Dos extasis que á mente imprimem vôos
        D'energica altivez!

Rei! no dia em que descestes
Do Vosso throno real
Apagou-se a luz da gloria,
Cerrou-se o livro da historia
Do Reino de Portugal.
Surge o anjo do exterminio
Sobre as trevas infernaes!
Traz de fogo a fera espada,
E com mão ensanguentada
Rasgas as purpuras reaes.

Sobre o solio dos Affonsos
Ferreo sceptro esmaga a lei:
Ruge alli o despotismo
Se não verga ao servilismo
Quem lhe diz «Tu não és Rei!»
Não és Rei! és uma affronta
Feita ao povo portuguez!
Não és Rei que não herdaste
Este chão que escravisaste
A quem falso Rei te fez!

Vaga o anjo do exterminio
Como inspiração do algoz!
Corações com Vossa imagem,
Oh meu Rei! são a carnagem
Do punhal que fere atroz!
Foram dias de martyrio,
De terror e maldição!
Mas o martyr, expirando,
Esquecia-Vos só quando
Lhe morria o coração!

Vaga o anjo do exterminio
Do mosteiro sobre a cruz,
E roçando a negra aza
Pela cruz o templo arraza
E do altar extingue a luz.
Cospe injurias e sarcasmo
Sobre a face do ancião,
Porque orava, é réo, e expulso
Foge á morte, e cede ao impulso
De penuria, e pede pão.

Pede o pão que amassa em pranto
De saudades que crê vem
D'uma cella que comprára
Quando o mundo cá deixára
Com as pompas que elle tem!
Pede o pão que lhe usurparam
Com tamanho desamor...
Fraco, ao vêr que chega a morte,
Morre... e então mostra que é forte
Perdoando ao matador!

Lá, no campo da carnagem,
Mutilado um corpo jaz...
Ficaram-lhe alli seus ossos...
Pois que foi um d'entre os Vossos
Real Senhor! não terá paz.
Nem a paz dos que morreram
Sem a nodoa da traição
Nem a paz da sepultura
Ao fiel que honrado jura
Morrer sob o seu pendão

Lá se abraça ao corpo exangue
No abandono da viuvez
A que alli vive arrastada
Mendigando, envergonhada,
Improperios... talvez!
Pobre, e só, mãe de tres filhos
Quando a fome a constrangeu,
Inda assim, um pensamento,
Uma esperança, um grato alento
Foi por Vós que o concebeu...

Vaga o anjo do exterminio
Enverga o manto real;
D'um diadema a fronte cinge,
Mas o sangue que lh'o tinge
Brada vingança fatal!
N'essa fronte ensanguentada
Escreveu a mão de Deus!...
Mas tambem homens puzeram
Inscripções onde se leram
Infamias como tropheus!

Oh Rei de Portugal! Quando a amargura
D'este povo infeliz, é sem conforto,
        Valemo-nos do céu!
Pedimos-lhe por Vós, anjo proscripto,
Pedimos-lhe vigor á doce espr'ança
        Que em vós o céu nos deu!

Vireis, Senhor vireis, que Deus é justo!
Vireis enxugar lagrimas amargas
        Que se choram por Vós!
Sereis de todos Pae, não vingativo,
E nós todos irmãos, e Vós de todos...
        O Rei de todos nós!

Fatidica aureola circumda
Nas plagas do desterro dolorosas
        Vossa fronte real.
Sentado sobre as rochas da montanha
Lá mesmo na solidão d'amargo exilio
        Sois Rei de Portugal!

Deu-vos um anjo a Providencia augusta
Em galardão á dôr que amargurastes
        Com Santa intrepidez.
Um dia curvaremos o joelho
Perante Essa que o ceu fadou Rainha
        Do povo portuguez.


Camillo Castello Branco





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Salve, Rei! - Poesia de Camillo Castello Branco" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home