Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: A Lenda da Meia-Noite
Author: Chagas, Manuel Joaquim Pinheiro, 1842-1895
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "A Lenda da Meia-Noite" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



     *Nota de editor:* Devido à quantidade de erros tipográficos
     existentes neste texto, foram tomadas várias decisões quanto à
     versão final. Em caso de dúvida, a grafia foi mantida de acordo com
     o original. No final deste livro encontrará a lista de erros
     corrigidos.

     Rita Farinha (Nov. 2007)



COLLECÇÃO ANTONIO MARIA PEREIRA


M. PINHEIRO CHAGAS

A LENDA DA MEIA-NOITE


2.^a edição


LISBOA
Parceria A. M. PEREIRA--Livraria editora
_Rua Augusta, 50, 52 e 54_
1906



LISBOA
Officinas typographica e de encadernação
MOVIDAS A VAPOR
_Rua dos Correeiros, 70 e 72, 1.^o_
1906



A LENDA DA MEIA-NOITE


N'um dos sitios mais pittorescos da Beira-Baixa, n'essa montanha vestida
de verdura, onde se recosta Alpedrinha, e que domina o verdejante valle
do Fundão, ergue-se uma casa ampla e antiga, de cuja varanda, extensa
varanda de madeira, em cujos beiraes vem as andorinhas fazer os seus
ninhos, se descortina a extensa paisagem, onde alvejam Val de Prazeres e
outras villas e aldeias que matizam, com as suas casas brancas, o verde
do arvoredo, e que tem como panno de fundo a imponente massa da serra da
Estrella, coroada com as suas neves eternas.

A casa não tem formosuras architectonicas, nem aspecto de palacio; é
apenas um edificio vasto, cercado de dependencias rusticas, tendo
defronte do portão as cavallariças, casas de habitação dos criados,
etc., que, desenrolando se em semi circulo, fecham um terreiro que dá ao
edificio campestre uma especie de pateo de entrada. A parte mais
caracteristica da residencia é a extensa varanda de madeira, tão usada
na provincia, onde nas tardes de estio se respira a viração da serra,
onde nas manhãs de inverno se toma alegremente a restea do sol.

Fica isolada a habitação que a largos traços descrevemos. Pegada com a
fachada principal está o muro, onde se abre o portão da quinta. Esta é
assombreada pelo magnifico arvoredo, que viça, com incrivel vigor,
n'esse torrão privilegiado conhecido na provincia pelo nome de cova da
Beira. Para um lado a pouca distancia fica Alpedrinha, a pittoresca
villa com as suas casas penduradas entre verduras da encosta da
montanha, para outro lado a estrada desce até ao Fundão. Por toda a
parte verdura, arvores, aguas, o ar purissimo das serras, os rumores
mysteriosos das solidões. É encantadora a situação d'aquelle formoso
eremiterio.

No outono e no inverno a paisagem toma uns tons mais carregados e
lugubres. A montanha assume um certo ar de grandeza. Nos soutos espessos
dos castanheiros passa o furacão silvando com furia; a trovoada vae-se
repercutindo de echo em echo pelas concavidades dos valles, e os
relampagos illuminam, com a sua luz sinistra, o arvoredo que se estorce
nos braços doidos do vendaval. Nos amplos salões d'esses edificios
isolados ouvem-se rumores sinistros, e sons mysteriosos, e o vento,
fazendo ranger os pilares da varanda, entôa a musica triste das lendas
populares.

É exactamente no outono que nós conduzimos o leitor á casa da Fragosa,
como por lá se chama ao sitio em que ella fica. Os viscondes da Fragosa,
que alli moram, tinham convidado alguns amigos seus para irem caçar nas
suas terras, de fórma que estavam reunidas bastantes pessoas no grande
salão da residencia, junto da brazeira, no momento em que convidamos o
leitor para entrar tambem e aproveitar o calor benefico do lume.

É já noite; a tarde estivera sobre-maneira ventosa e fria, de fórma que
os convidados, reunidos na varanda, para assistirem a um d'esses
esplendidos occasos do sol, que são tão frequentes no outono, tiveram
que retirar e fechar-se em casa, deixando o vento gemer lá fóra,
estorcendo os ramos do arvoredo. Accendeu-se a brazeira, e,
esquecendo-se o frio e o vento, entrou-se n'uma palestra tão animada,
como se se estivesse n'uma sala de Lisboa, a dois passos do Theatro
Italiano, e sentindo-se, a rodarem nas ruas, as carruagens da cidade.

O salão era vasto e simples, mobilado á antiga. Nas paredes alguns
velhos quadros sombrios; pesadas cadeiras, de pés torneados, forradas de
coiro lavrado, dispostas em circulo, em torno de uma mesa de pau santo,
ornava apenas um canto da sala immensa. N'esse canto, onde se agrupavam
a familia e os convidados, havia uma profusa illuminação. O resto da
sala ficava perdido na sombra. De vez em quando surgiam d'esse fundo
escuro os criados que vinham fazer algum serviço. O toque da campainha
não parecia que os chamava, parecia que os evocava. Saíam de subito da
penumbra, como se surgissem do chão. O aspecto da casa era, portanto, o
mais legendario que podia imaginar-se.

A conversação prolongára-se ainda depois do chá! Um medico, que residia
em Alpedrinha, para onde viera, não exercer a clinica, mas tratar da sua
propria saude, arruinada, em proveito da saude dos outros, homem de
espirito fino e amavel, fôra quem sustentára principalmente a palestra,
ajudado por um sr. Lucio Valença, escriptor de certa aura, e caçador
intrepido, e por uma filha dos viscondes, gentil menina, sympathica,
alegre e desembaraçada, que, apesar de ter vivido sempre em
Castello-Branco, e de ter ido apenas uma ou duas vezes a Lisboa, não
tinha nenhum dos acanhamentos tradicionaes das provincianas de romance.

A pouco e pouco, porém, esmorecera a conversação: pausas cada vez mais
amiudadas cortavam a palestra, e o medico já tirára o relogio para vêr
se não íam sendo horas de retirada. Mas o visconde da Fragosa estava
agarrado, com o commendador Madureira, e alguns visinhos de campo, a um
impertinente _boston_, e em vista d'isso ninguem ousava ser o primeiro a
tocar a recolher.

N'estes silencios ouvia-se distinctamente o rugir do vento na serra, e
os seus gemidos e silvos nos corredores da casa.

--Meu Deus! que tristeza de noite! disse de subito uma joven senhora, de
notavel formosura, extraordinariamente pallida, mas com umas opulentas
tranças negras, e uns olhos negros tambem, grandes, rasgados, que lhe
illuminavam com estranho fulgor o rosto de alabastro. O vento geme com
uns sons tão lugubres, que nos parece ouvir as queixas dos phantasmas. É
uma noite de lenda allemã!

--Para isso, acudiu o doutor Macedo, falta a chuva, a trovoada, a neve e
muitos outros accessorios germanicos. O vento só não basta.

--V. ex.^a gosta de lendas, sr.^a D. Isaura? perguntou inclinando-se
para ella um elegante moço do Fundão, em quem pareciam ter produzido uma
impressão profunda os olhos negros e a romantica pallidez da filha do
commendador Madureira.

--Se gosto de lendas! respondeu a pallida menina. Ah! de certo,
adoro-as, mas gosto de as lêr em Lisboa, no meu gabinete e á luz do sol.

--Sem _mise-en-scene_ não prestam, observou com toda a gravidade o
doutor Macedo.

--A que chama _mise-en-scene_, doutor? perguntou Isaura.

--O Lucio que lh'o explique, minha senhora; não quero invadir os seus
dominios.

--Oh! meu Deus, acudiu o escriptor, não é difficil de adivinhar. O
doutor entende que as lendas devem ser lidas e apreciadas á noite, no
meio do silencio geral, quando se está sósinho, n'um velho castello de
Anna Radcliffe, cheio de alçapões e de subterraneos, quando o vento geme
lugubremente nos corredores, e faz oscillar a luz da vela que illumina a
nossa solitaria vigilia. Creio que o doutor, acudiu Lucio voltando-se
rindo para elle, dispensa que a vela esteja n'um craneo, em vez de estar
n'um castiçal, e que haja um cemiterio por baixo da janella.

--Dispenso... dispenso... acudiu o doutor com a mesma imperturbavel
gravidade, quero dizer... não julgo indispensaveis esses accessorios,
mas não posso negar que augmentavam de um modo notabilissimo o effeito
phantastico da narrativa legendaria.

--Meu Deus! exclamou a pallida Isaura. Fazem-me morrer de susto com
essas historias pavorosas. Hoje com toda a certeza não durmo. Que idéa!
É necessario que não tenham a minima dóse de sensibilidade para assim
estarem zombeteando a respeito de coisas, que me produziriam uma
impressão tamanha, que os meus nervos de certo não resistiriam. Estou já
toda tremula!

--Mas, minha senhora, exclamou o doutor Macedo, as lendas são como os
ananazes. Ha os nascidos ao ar livre, na sua terra propria, e ha-os
desabrochados artificialmente com o calor da estufa. N'um velho solar
provinciano, ao som lugubre do vento nos corredores, n'uma noite de
inverno sulcada de relampagos, nasce a lenda tão naturalmente como o
ananaz no Brazil. N'uma sala de Lisboa, forrada de espelhos, ornada de
macios sophás, entre os rumores meridianos da rua, a luz clara e alegre
do sol, a lenda não póde ter mais sabor do que um ananaz de estufa.

--Jesus, meu Deus, exclamou D. Isaura, percebo isso perfeitamente, e bem
sei que o phantastico só póde produzir toda a impressão de que é
susceptivel no scenario que o doutor descreve: mas é que levado a esse
ponto, o phantastico produziria no meu espirito um funesto effeito.
Matava-me ou enlouquecia-me! Ah! tornou ella, eu adoro o ideal, mas o
ideal póde tambem partir as cordas da minha alma.

--Tomo o partido de Isaura, disse não sem alguma ironia a filha dos
viscondes de Fragosa, linda menina de cabellos castanhos claros e olhos
azues, de um azul tão vivo que produziam ás vezes a sensação de olhos
negros, como se fossem aquelles reflexos azulados da aza negra do corvo;
tomo o partido de Isaura. Os senhores estão fallando ahi como creaturas
vulgares incapazes de sentirem profundamente as grandes commoções. Para
as almas privilegiadas os grandes prazeres da imaginação muitas vezes
são tambem o martyrio. São as Ophelias, as Marias de Noronha, as
creaturas ideaes cujos corpos são apenas, como o da irmã do bispo Myriel
nos _Misérables_, de Victor Hugo, pretextos para conservarem no mundo
almas de anjos.

--E cuidas que não ha na terra esses entes, cujas expressões mais
sublimes foram encontradas por tres grandes poetas que acabas de citar,
Garrett, Shakespeare e Victor Hugo? acudiu vivamente o enthusiasta de
Isaura, que sentira o leve epigramma, que o seu idolo não comprehendêra.

--Não cuido tal, Henrique. A prova de que os ha é que Isaura é um
d'esses entes.

--Por quem és, Leonor... acudiu Isaura com uns certos ares de modestia,
que ainda mais desesperaram o seu apaixonado.

--É assim, tornou Leonor. Tu, Isaura, sentes que se partiriam as cordas
da tua alma, se quizesses lêr á noite n'um quarto de uma velha casa
provinciana uma historia de phantasmas. Morrias se te achasses sósinha á
noite n'uma sala de lugubre aspecto. Porque? Porque tens a imaginação
exaltada, a sensibilidade nervosa das Ophelias e das Marias de Noronha!

--E não admirava, acudiu Henrique Osorio que assim se chamava o moço do
Fundão, não admirava, sr.^a D. Isaura, que v. ex.^a tivesse medo de
estar sósinha n'um castello de Anna Radcliffe. Nem todas podem ter a
imaginação calma, o prosaico bom senso, a fria intrepidez de Leonor. A
marqueza da Lusacia, de que falla Victor Hugo n'um dos seus poemas,
preferia perder a soberania do seu marquezado a ir passar a noite
sósinha, como o ordenava o costume tradicional, no castello de seus
avós...

--Logo encontrou quem a acompanhasse, interrompeu Leonor ironicamente.

--E não seria só ella.

--Isaura, ouviste? acudiu Leonor rindo com tal ou qual amargura, se
quizeres passar alguma noite n'um castello legendario, como a marqueza
da Lusacia, já tens trovador que te acompanhe, ao bater da meia-noite, e
que te cante:

    Si tu veux, faisons un rêve,
    Montons sur deux palefrois,
    Tu m'emmènes, je t'enlève.
    L'oiseau chante dans les bois.

Isaura sorriu-se sem comprehender bem a lucta que em torno d'ella se
travava; Henrique Osorio calou-se. Leonor, um pouco arrependida de ter
mostrado um tal ou qual azedume, voltou-se para sua mãe que resonava
recostada na sua poltrona, e, chamando-a, disse-lhe algumas palavras em
voz baixa, convidando-a a que lembrasse a seu pae que eram horas de pôr
um termo ao _boston_. O doutor levára a mão aos labios para cumprimir um
bocejo, e Lucio Valença, sorrindo-se, contemplava a esplendida formosura
de Isaura, e êsses olhos que Deus fizera tão formosos, e que não
reflectiam comtudo senão as preoccupações pueris da mulher da moda, e da
lisbonense frivola.

No meio d'este silencio ouviu-se o vento bramir com mais força, para
depois gemer com mais tristeza, parecendo que se estabelecia um dialogo
entre os espiritos atmosphericos, e que aos rugidos ameaçadores de um
demonio respondiam as queixas plangentes de um ente fraco e debil.

De subito ouviu-se ao longe, ao longe, vibrar uma badalada no sino de S.
Martinho de Alpedrinha.

O vento soprava d'aquelle lado, e trazia nas suas azas as lugubres
vibrações do bronze.

Ouviu-se em profundo silencio uma, duas, tres... doze badaladas.

--Meia-noite! disse naturalmente o doutor, quebrando o silencio em que
todos estavam, porque todos tinham estado contando as horas.

Mas a voz do doutor tambem tomára involuntariamente como que uma
sinistra entoação.

D. Isaura soltou um grito.

--Jesus! disse ella.

--Que tem, minha senhora? perguntou Henrique sollicito e afflicto.

--Meu Deus! exclamou Isaura, é que me aterraram com as suas loucas
historias, é que me puzeram n'um estado incrivel de sobre-excitação
nervosa. Meia-noite! vê? Meia-noite é a hora dos phantasmas, é a hora
das apparições! E esta sala é tão lugubre, e este silencio é tão
agoireiro!

--Minha senhora, exclamou o doutor Macedo alegremente, v. ex.^a suppõe
por acaso que nós sejamos phantasmas, e que estejamos quasi a
dissipar-nos em fumo como quaesquer entes mal-creados do mundo
sobrenatural? V. ex.^a está no meio d'um batalhão de gente viva capaz de
affrontar dois subterraneos de Anna Radcliffe, tres conventos de Lewis,
reforçados ainda pelos mil e um phantasmas de Alexandre Dumas.

--Oh! tornou Isaura toda tremula, mas é que a meia-noite soou de um modo
tão lugubre... E nós a esta hora ainda a pé...

--V. ex.^a deita-se mais cedo em Lisboa? perguntou o doutor.

--Não, mas...

--Mas é que a meia-noite só aterra os que lhe dão ímportancia. É uma
hora covarde e manhosa, que, se vê a alegria do baile, as salas
illuminadas, as danças caprichosas e revoluteadoras, entra pacatamente
como outra hora qualquer, até com mais risos e mais alegrias, accendendo
mais o fogo das walsas, cumprimentando para todos os lados amavelmente.
Se vê o estudioso debruçado sobre os livros, indifferente e sereno,
entra timidamente, nos bicos dos pés, e abafa até as suas proprias
vibrações; se encontra n'um serão de familia a conversação alegre, o
bule de chá em cima da mesa, as cartas do _boston_ para um lado, um
livro para outro, bate á porta discretamente, e annuncia que é tempo de
se recolher cada qual para o seu leito. Ora agora, se encontra gente que
espera com susto, que está prompta a desmaiar apenas ouvir a primeira
badalada que a annuncia, então eil-a que toma uns ares pavorosos,
engrossa a voz, faz entrada solemne, espalha em torno de si o terror e o
assombro. Fóra com semelhante fanfarrão! É necessario darmos-lhe uma
lição mestra! Peço a palavra para um requerimento.

--Hein? disse lá da mesa do jogo o visconde da Fragosa, que aspirava á
deputação.

--Está concedida, visconde? disse o doutor, rindo.

--Mas que diz você? tornou o visconde muito espantado dos risos com que
os interlocutores do Macedo acolhiam a sua idéa.

--Bem! Passo adiante. Requeiro que para todos os effeitos seja abolida a
meia-noite.

--Approvado por unanimidade e mais um que é o visconde, tornou, rindo,
Lucio Valença. Agora queira o sr. deputado apresentar uma proposta
indicando o modo pratico de se levar a effeito essa medida importante.

--Proponho, tornou o doutor com gravidade comica, que de ámanhã em
diante affrontemos a meia-noite rosto a rosto, e lhe torçamos o pescoço.

--Mas o meio? o meio? o meio pratico? bradaram Lucio e Leonor.

--O meio é o seguinte: O mau tempo ameaça prolongar-se, e nós ou não
podemos caçar, ou não podemos prolongar a caça por todo o dia, sob pena
de estoirarmos ahi de frio por essa serra. Portanto á noite estamos
frescos e descançados, e podemos protrahir o serão. Proponho que
organisemos um _Decameron_ para zombarmos da meia-noite, como os
narradores de Bocaccio zombaram da peste de Florença. Cada um de nós,
que se sentir para isso com forças, se compromette a compôr uma historia
phantastica, uma lenda, um conto maravilhoso que será lido aqui ao bater
da meia-noite. D'essa fórma affrontamos face a face a terrivel inimiga
do repouso da sr.^a D. Isaura, e, se ella ainda ousar fazer uso dos seus
sortilegios, comnosco se ha de haver!

--Apoiado! apoiado! bradaram todos menos D. Isaura, que soltou um grito,
exclamando:

--Isso é horrivel!

--Não, minha senhora, é uma receita, é um remedio heroico, é um banho
russo. Vou-lhe combater os seus nervos.

--Mate-me, doutor!

--Qual historia, minha senhora! Mato a meia-noite! Verá como depressa a
moda acceita a minha idéa. D'aqui a pouco tempo não se falla em Lisboa
n'outra coisa, e a _lenda da meia-noite_ será o anti-espasmodico mais
empregado.

A idéa de que effectivamente em Lisboa d'ahi a pouco tempo se não
fallaria n'outra coisa foi o que decidiu D. Isaura. Ao mesmo tempo
terminára a partida do voltarete, e um dos jogadores, homem já de
cabellos grisalhos, vivo, espirituoso, illustrado, que no tempo do
romantismo commettera alguns peccados litterarios, exclamou alegremente:

--Acceitam-me para companheiro! Eu ainda sirvo para uma montaria aos
lobos, vamos a vêr se tambem presto para uma montaria á meia-noite.

--É acceito com mil vontades, sr. Roberto Soares. Eu já o conheço como
robusto campeão, e assento-lhe praça com enthusiasmo. Agora cabe-me
designar o serviço. Henrique Osorio, você é quem rompe o fogo.

Henrique inclinou-se em silencio relanceando um ardente olhar á pallida
Isaura.

--Meia-noite e meia-hora! disse o doutor tirando o relogio. Saudemos,
meus senhores, a ultima meia-noite que passa, e vamo-nos deitar. Todos
se riram, e um borborinho alegre encheu d'ahi a pouco os corredores da
habitação. Ainda por algum tempo se sentiu o rumor de portas que se
abriam e fechavam, de passos que se perdiam ao longe, de vozes que se
despediam. Depois caiu tudo em silencio, e só se pôde ouvir o vento que
continuou toda a noite a gemer lugubremente as suas monotonas queixas.

       *       *       *       *       *

A previsão do doutor realisou-se. O tempo continuou mau, e aggravou-se
ainda com a chuva que principiava a cair em torrentes. A noite seguinte
passou-se alegremente. Quando, porém, um relogio de parede, que fôra
posto na sala, indicou onze e meia, Isaura fez-se ainda mais pallida do
que era, e houve no auditorio uns taes ou quaes signaes de commoção.

--A postos, meus senhores! exclamou o doutor alegremente. Firmeza,
companheiros! Do alto d'aquelle relogio trinta minutos vos contemplam.

Houve de novo _entrain_, risos e enthusiasmo. N'isto o sino de S.
Martinho deu a primeira badalada da meia-noite. Soava ainda mais
lugubremente do que na vespera. Solta no meio dos loucos rumores do
vendaval, a vibração do bronze parecia uma nota perdida de agonia e de
desespero.

--Henrique! disse o doutor. Vamos! Estás um pouco pallido? É a commoção
do auctor e não a da meia-noite, juro-o aos deuses immortaes. Vá!
inflexão lugubre, voz cavernosa, gesto sombrio!

Henrique desenrolou um manuscripto, e, no meio da attenção geral, leu o
seguinte:

       *       *       *       *       *



JULIETA

CONTO PHANTASTICO


I


Eram onze horas da noite, e estava-se tomando chá em casa do meu amigo
Frederico B * * *, em Bemfica. Havia uma roda d'intimos; a conversa
estava animada e o meu amigo, a quem a alegria e o _entrain_ dos
convidados deixavam mais liberdade no cumprimento dos seus deveres de
dono da casa, aproveitava-se d'isso para contemplar extasiado sua linda
mulher, com quem casára havia pouco tempo, e que do seu lado lhe sorria
tambem com a meiguice e ternura da mulher que ama devéras.

A conversa animára-se tanto, que se ia transformando em algazarra.

Discutia-se acaloradamente a questão da existencia das almas do outro
mundo, com grande desprazer d'um jornalista que por força queria
conduzir ao bom caminho aquelles discutidores extraviados, propondo que
se tratasse da bondade do ministerio, deixando de parte essas tolices,
que não serviam para nada. Mas ninguem lhe prestava attenção, o que fez
com que elle desesperado fosse lêr pela centesima vez um artigo seu
publicado n'um jornal que estava em cima de uma das mezas da sala. Essa
producção do seu engenho, que o jornalista relia com tanto enthusiasmo
merecia indubitavelmente tão paterna sollicitude, porque elle e o
revisor da imprensa tinham sido os seus unicos leitores. Mas o auctor
tantas vezes o tinha lido, e tal admiração professava pelo seu proprio
talento, que podéra dizer, sem receio de ser taxado de mentiroso--«_que
o seu artigo tinha feito tal impressão, que lhe constava ter havido uma
pessoa que o relia a miudo, e sempre com enthusiasmo crescente, honra de
que se podiam gabar poucos artigos politicos da imprensa portugueza_.»

--Concluamos, bradava entretanto um medico materialista por dever de
profissão, onde collocam os senhores esse agente mysterioso a que dão o
nome de espirito, teimando em appellidar assim pomposamente o mechanismo
material, que a morte paralysa? Quando esse relojoeiro sombrio, que se
chama tempo, quebra com mão despiedosa as rodas complicadas do nosso
systema vital, onde se refugia esse ente inutil, esse ser impalpavel a
que os senhores espiritualistas querem dar as redeas do governo d'este
barro quebradiço, que constitue o homem? E durante a vida quaes são os
laços invisiveis, que prendem o escravo ao senhor, o corpo material e
fragil á alma etherea e immortal? Tremendo absurdo, utopia talvez
respeitavel, sublime tolice pela qual se tem sacrificado innumeras
gerações! Ah! mas sobretudo, é doido devéras quem imagina que essa
invenção impossivel, resultado das aspirações da humanidade para a
existencia eterna, possa vir aos cemiterios animar os restos putrefactos
dos reis da creação; quem tal suppõe, não sentiu nunca debaixo do
escalpello anatomico o cadaver inerte e despresivel, nem póde avaliar
com a vista infallivel da sciencia o nada immenso das vaidades humanas!

--Fóra com o materialista, bradou um rapaz enthusiasta; sabes tu, meu
caro doutor, que a primeira vaidade humana cujo nada immenso tu devias
avaliar, é a vaidade da sciencia? Que sabes tu, presumpçoso Hippocrates,
que tens de recuar vencido perante o primeiro obstaculosinho, que a
natureza caprichosa queira oppôr á vista infallivel, como tu dizes, do
saber dos homens? E és tu que andas perdido no meio da confusão dos
systemas medicos a procurar no labyrintho scientifico o fio conductor
que te está sempre a escapar das mãos, és tu que pretendes entrar com
passo firme no insondavel labyrintho da eternidade?... Espera, continuou
elle vendo entrar um mancebo muito pallido, que foi apertar a mão de
Frederico, e comprimentar a dona da casa, queres-te convencer? Pois ahi
tens tu um homem vivo, que teve relações directas com um phantasma.

--Roberto, assenta-te ahi, e conta-nos immediatamente a historia do teu
espectro, se v. ex.^{as} não se oppõem a isso ainda assim, continuou
elle, voltando-se para as senhoras presentes, que tinham escutado a
discussão metaphysica, com ligeiros signaes de aborrecimento.

Propôr a senhoras uma historia de phantasmas é despertar-lhes a
attenção, é fazer-lhes passar nas veias o estremecimento do enthusiasmo.
Não sei porque, esses entes frageis, pallidos ou rosados, de olhos
negros ou azues, alegres ou melancolicos, esses entes femininos
encantadores e timidos adoram tudo o que os faz tremer, e recreiam-se
sobre tudo com essas historias terriveis, em que o leitor estupefacto
encontra um punhal ao voltar de cada pagina, um ladrão á esquina de cada
periodo, um phantasma pelo menos em cada capitulo.

Por isso a parte feminina da assembléa acolheu a proposta com
enthusiasmo: e a mim e aos outros homens, que estavam presentes, não
desagradou a idéa de ouvir uma historia terrivel, em _petit comité_, no
pino da meia noite, tendo de voltar depois para casa por aquelles
caminhos desertos dos arredores de Lisboa; a mim sobretudo, que tinha de
passar pelas casas arruinadas de Campolide, sorria a idéa de ir com a
imaginação povoada de phantasmas, que poderia distribuir á vontade pelos
recantos d'essa paisagem tão magestosa, quando a lua envolve os paredões
solitarios na branca mortalha da sua luz, em quanto ao longe se desenha
sobranceiro entre os campos verdejantes o perfil grandioso do aqueducto
sombrio.

Roberto, devemos dizel-o para honra sua, não se fez rogado, comprimentou
silenciosamente a assembléa, e começou pouco mais ou menos n'estes
termos:


II


«Cantava-se em Lisboa pela segunda ou terceira vez o _Baile de
mascaras_. Era uma noite de delirio no theatro de S. Carlos. Franschini,
o cantor sublime, fazia tremer de enthusiasmo a platéa inteira, e a voz
portentosa de madame Lotti despenhava sobre o publico palpitante
torrentes de melodia e de sentimento. O personagem de Amelia,
interpretado como então o foi, deixava de ser um typo creado pela
imaginação do poeta para se transformar, animado pelo Prometheo do
genio, n'um ente real, cujos sentimentos traduzidos em suspiros de
harmonia, iam arrancar os soluços dos peitos dos espectadores.

Era o poema da paixão, com todas as suas peripecias, mas da paixão
verdadeira, da paixão que geme e rasga os seios da alma, da paixão que
verte lagrimas, de cujas feridas brota o sangue, e não d'essa paixão
ficticia, cuja expressão convencional anima só a mascara, que a artista
desafivella apenas desce o panno.

Eu, perdido n'um canto da platéa, escutava, como escuto sempre quando
vou ao theatro lyrico. N'isso devo confessar-lhes que tenho idéas um
pouco originaes. O panno, que sóbe lentamente no principio da opera,
descerra para os outros espectadores meia duzia de taboas rodeadas por
bastidores de lona, onde uns poucos de artistas vão cantar umas poucas
de arias para divertimento do publico. Para mim é como que uma janella
encantada que se abre por onde eu me arrojo para os espaços azues do
ideal. Os outros analysam com toda a paciencia a instrumentação e o
canto, investigam se foram executadas as leis do contraponto, e depois
de satisfeitos applaudem compassadamente para não rasgarem as luvas,
voltam-se bocejando, e comprimentam a senhora condessa de * * *, ou a
senhora baroneza de * * *, cuja chronica escandalosa vão contar
immediatamente ao seu visinho da esquerda.

Mas eu não. A minha alma, que illumina o fogo do enthusiasmo, não póde
ficar na terra, quando sente passar no espaço o sopro da harmonia, da
casta filha do céo. Desapparece o theatro, desapparecem os espectadores,
desapparece a ficção. Arrastada no manto de fogo do ideal, a minha alma
sente, enleva-se, palpita, geme, pranteia, soluça com Macbeth o grito do
remorso, suspira com Desdémona a canção da saudade, gorgeia com Helena o
hymno da desposada, escuta com Rosina a meiga serenata, sólta com
Lucrecia o rugido da envenenadora, e volta depois á terra, deixando-me
ficar pallido, extasiado, porque entrevi em sonhos a deslumbrante
claridade de um mundo desconhecido.

Tinha começado o segundo acto, e eu seguia cheia de um vago terror a
scena lugubre do principio. As notas da aria de Amelia soavam-me aos
ouvidos como dobres de finados, e quando a Lotti soltou aquelle grito de
pavor, que vibrava sonoro e plangente pelo theatro, fazendo estremecer
os espectadores, eu levantei-me pallido, convulso, e senti correr-me
pela raiz dos cabellos o halito de fogo de uma mysteriosa commoção.

O meu visinho olhou para mim espantado; sentei-me, deixei cahir a cabeça
entre as mãos, e scismei.

--Ó ideal, dizia eu, quando poderei finalmente sorver a longos tragos o
teu nectar precioso na cinzelada taça da phantasia?

«Ó virgem dos meus sonhos, ó anjo das azas de ouro, quando poderá a
minha alma, abraçando-se comtigo nas regiões celestes, aspirar a plenos
pulmões a balsamica aragem da poesia?... O que és tu, ente mysterioso,
que assim bafejas o espirito dos grandes poetas, e lhes vaes murmurar,
em noites de inspiração, os segredos sublimes que o vulgo profano
admira, mas não comprehende?

«Oh! quaes serão as visões d'estes homens portentosos, e nas suas noites
de febre, de delirio e de insomnia, em que mysticos amores te enlaças tu
com elles, ó ideal sublime, ó ideal inspirador? E emtanto nós, os
desherdados, bebemos com um riso alvar a agua insipida e lodosa dos
prazeres do mundo, e caminhamos n'esta planicie monotona da vida,
olhando com terror para o Sinai chammejante, onde campeiam, cercados da
divina aureola, os harmoniosos prophetas, os validos da inspiração!

«Não posso; falta-me o ar no recinto estreito da vida social; a prosa
d'este mundo opprime-me o coração. A minha alma está sequiosa de amor, e
este apparece-me sempre escoltado pelas conveniencias, trazendo sobre o
rosto formoso a mascara ridicula dos interesses materiaes, ou a mascara
odiosa do capricho sensual. Amor! amor! mas um amor como o teu, ó casta
e pura Amelia, como o teu, ó Julieta, ó noiva gentil de Romeu e da
sepultura, quero um d'esses amores sublimes, e, se elle não se encontra
na terra, surge dos tumulos, ó pallida virgem por quem eu anhelo, e
mostra-me ao menos n'um relampago as mysteriosas alegrias da
eternidade!»

N'isto levantei a cabeça, e os meus olhos involuntariamente fixaram-se
n'um camarote, que ficava pouco distante do logar que eu occupava na
platéa. Uma senhora de belleza maravilhosa estava sósinha n'esse
camarote, e encarava-me com uma attenção extraordinaria. Não sei porque
gelou-se-me o sangue nas veias, e fiquei extatico a contemplar aquella
esplendida formosura.

Raras vezes tenho encontrado um rosto assim! A correcção das linhas, a
pureza dos contornos, a magestade do perfil deixavam na sombra os mais
perfeitos modelos da antiga estatuaria. Praxíteles quebraria desesperado
as estatuas e o cinzel, se lhe fosse dado contemplar as inflexões
suaves, a perfeição das fórmas d'aquella viva esculptura.

Se algum defeito se lhe poderia notar, era a rigidez marmorea da
physionomia. Via-se que nem tristezas nem alegrias seriam capazes de
alterar a regularidade do semblante, que só parecia ter vida nos olhos,
que eram lindos a mais não ser, e d'onde emanavam raios magneticos e
deslumbrantes, que enlouqueciam quem se atrevesse a encaral-os. Aquelle
rosto assemelhava-se a uma urna de marmore, em cima da qual se tivesse
collocado uma lampada de luz fascinadora. Era um fragmento de gêlo
dourado levemente pelos reflexos de um vulcão, mas essa physionomia
tinha um não sei que de mysterioso e sombrio, que me impressionou
profundamente.

Olhei para o relogio. Os ponteiros marcavam no mostrador meia-noite em
ponto.

No theatro os conjurados cantavam o côro das gargalhadas, e repetiam
rindo o estribilho:

    Ah! chè baccano-sul caso strano
    Andrà dimani per la città!


III


Sem poder explicar a mim mesmo a fascinação irresistivel, que me
impellia tão imperiosamente á contemplação d'aquelle formoso semblante,
nunca mais desviei a vista do camarote. E ella, oh! ella olhava-me com
uma meiguice de enlouquecer.

Estava toda vestida de negro, e isso ainda mais contribuia para fazer
realçar a alvura da sua tez. Trajava elegantissimamente, mas com uma
singeleza, que me encantou, a mim, que procuro quasi sempre o bom gosto
na simplicidade.

Só ella occupava o camarote! Sósinha! Quem poderia ser? Tão nova, tão
formosa, e só! Oh! meu Deus! seria ella uma d'essas mulheres sem pudor,
que arrastam por toda a parte o manto de seda da ignominia, que foram
apanhar da lama, onde deixaram em troca o candido véo da innocencia?
Impossivel! O seu porte modesto, a simplicidade do seu trajo eram um
protesto vivo contra o descaro, e orgulhoso cynismo d'essas Messalinas
venaes.

Mas só! Quem sabe? Talvez a pessoa que a acompanhava, estivesse
escondida na sombra do camarote; talvez tivesse saído. Tudo podia ser,
mas a suspeita é que não podia manchar nem por momentos a luz serena
d'aquelle rosto angelical.

E eu olhava-a deslumbrado; e uma transformação estranha se operava em
mim. Parecia-me que as luzes do theatro iam esmorecendo a pouco e pouco
até se reduzirem á claridade sinistra das lampadas sepulchraes, o palco
e a platéa confundiam-se n'um vasto cemiterio, onde o vento da noite
fazia ondular a copa dos cyprestes, por entre cujos ramos passavam os
raios da lua, da pallida scismadora, da solitaria amiga das sepulturas.

E ella, ella, a formosa desconhecida, vinha dizer-me com o seu olhar tão
triste:

--Queres o meu amor, ó pobre escravo d'um corpo material, ó doido, que
aspiras ao infinito sem pensares que tens os pés embaraçados na immunda
vasa d'esse oceano de desespero, que se chama a vida? Oh! não queiras
conhecer os segredos dos tumulos, porque tu, meu louro poeta, voltavas
ao mundo de cabellos brancos, se tocasses um só minuto com os labios na
taça inebriante dos amores da eternidade!

--Oh! que me importa a vida, respondia eu na allucinação febril, se em
troca d'esses dias de prosa me posso arrojar um instante só aos espaços
infinítos das sublimes commoções! A minha alma é como a aguia, que se
arroja ás regiões das nuvens, affrontando a tempestade, e cae depois na
terra fulminada pelo raio, que altiva foi provocar. Que me importa a mim
a morte, a condemnação eterna, se podér sorver nos teus labios
voluptuosidades desconhecidas, e lêr nos teus olhos o poema sublime do
amor, que eu phantasio?

A visão desapparecia; mas no palco a voz seductora d'Oscar, o elegante
pagem, vinha murmurar-me aos ouvidos:

    Pieno d'amor
    Mi balza il cor;
    Ma pur discreto
    Serba il segreto.

E no olhar da minha formosa desconhecida lia-se em letras de fogo a
mesma confissão inebriante:

    Pieno d'amor
    Mi balza il cor.


IV


Tinha acabado a opera. Levantei-me e saí.

Fiz um esforço sobre mim, não querendo olhar para o camarote fatal. A
pessoa que o occupára durante a noite produzira em mim uma impressão tal
que cheguei a ter medo... medo da influencia pasmosa que ella ía tomando
sobre o meu pobre coração.

Oh! fatalidade! Quando cheguei ao corredor, o primeiro vulto, que passou
por diante de mim, foi o vulto elegante e nobre da gentil desconhecida.
Ia só!

Tive como que uma vertigem, quando ella, ao passar, me lançou um d'esses
olhares que endoidecem o homem de rasão mais fria, que lançam no inferno
o mais virtuoso santo do paraizo.

Não tive forças para luctar contra a fascinação irresistivel d'esse
olhar. Se elle tinha sobre mim a influencia magnetica do olhar de José
Balsamo sobre a pobre Lorenza ideada por Alexandre Dumas! Debalde a
pobre italiana se torcia desesperada debaixo d'aquelle jugo oppressor,
debalde oppunha toda a força da sua vontade e do seu odio á tenacidade
diabolica do terrivel magnetisador, debalde resistia com todo o ardor da
sua devoção, com todo o vigor da sua alma virginal áquelle poder
incomprehensivel, mas horrendamente verdadeiro; tinha de recuar diante
d'esse olhar, como diante d'uma espada chammejante, até caír oppressa e
desesperada aos pés de José Balsamo. Então esse corpo quebrado pela
resistencia, reclinava-se nos braços da voluptuosidade, e a voz que ia
terrivel a bradar: «Odeio-te», terminava supplicante a balbuciar:
«Adoro-te».

Ao vêl-a, disse eu commigo mesmo: «Não quero, não quero ceder a esse
imperio inexplicavel.» E minutos depois, surprehendia-me a seguil-a
apressadamente pelas ruas de Lisboa.

Ha occasiões em que nos vêmos obrigados a acreditar em forças
sobrenaturaes que nos attrahem e nos repellem, é quando a nossa vontade
se aniquila, e quando as leis da nossa organisação são violentamente
revogadas por um despotismo estranho.

Submetto esta reflexão á consideração dos illustres materialistas que me
escutam!


V


A desculpa que eu dei a mim mesmo, quando apesar de todos os meus
protestos me surprehendi a seguir a senhora de negro, foi a desculpa da
curiosidade.

Com effeito, dizia eu commigo, tirando philosophicamente baforadas de
fumo do charuto que acabára de accender no momento em que passou por
diante de mim a formosa desconhecida; o que ha mais natural? Encontro
uma linda mulher em S. Carlos, linda como poucas, e original a mais não
poder ser. Vejo-a no camarote sósinha, e torno a vêl-a, saíndo a pé, e
ainda só. Não tenho nada que fazer, e por conseguinte sigo-a. É
naturalismo.

E a voz da consciencia murmurava-me ao ouvido:

--É o brilho da chamma tentadora, ó doida borboleta, é o olhar
fascinador da serpente, ó ave descuidosa.

--Ora adeus, respondia a voz da minha apparente philosophia, prejuizo,
superstição, fanatismo, como dizia o tenente Boutraix de um dos romances
de Carlos Nodier. Vou offerecer-lhe o meu braço.

A senhora que eu seguia caminhava lentamente a quinze passos adiante de
mim, quando muito. Passava ella então defronte da egreja dos Martyres.
Puz o chapéu ao lado com modos conquistadores, colloquei o charuto ao
canto da bocca, e accelerei o passo.

Apesar d'isso, e apesar da minha bella não alterar por fórma alguma o
seu andamento, não diminuia, pelo menos sensivelmente, a distancia que
nos separava. O vulto elegante da senhora de negro, ao passar por diante
dos candieiros de gaz, revelava-se em toda a sua riqueza de fórmas, em
toda a magestade do seu porte airoso. Havia uma suprema distincção no
seu modo de andar, mas apesar d'isso havia um não sei quê de mysterioso
n'aquelle mover de estatua, lento e inteiriçado, que fazia uma impressão
pouco agradavel.

Chegámos assim á rua Nova do Carmo; ella voltou para baixo; eu segui-a.

A distancia conservava-se a mesma. Mas, como ia diminuindo o numero das
pessoas que caminhavam para aquelles sitios, saindo, como nós, de S.
Carlos, eu tomei uma resolução definitiva, e comecei a dar grandes
passadas para apanhar finalmente aquella mulher que me fugia
incessantemente como esse caçador das lendas do norte, que foge sempre,
sem perder um palmo de terreno, mas sem poder tambem desapparecer, á sua
matilha infernal.

Nem assim pude diminuir a distancia que me separava d'esse vulto
extraordinario.

E o vulto parecia escorregar magestoso e sombrio, sem que a bulha dos
seus passos acordasse um só echo nas ruas solitarias.

Chegámos ao Rocio. Eu começava a estar suado. Despi, sem affrouxar o
passo, o paletot que me incommodava, e pul-o aos hombros.

Depois dei a andar com dobrada rapidez.

A senhora de negro caminhou pelo Rocio na direcção do Passeio.

Chegámos ao largo de Camões.

Nem uma pollegada diminuira a distancia que mediava entre nós.

E o vulto parecia escorregar magestoso e sombrio, sem que a bulha dos
seus passos acordasse um só echo nas ruas solitarias.

Eu apertava as mãos na cabeça, porque sentia uma torrente de fogo a
inundar-me o cerebro, e a rasão a abandonar-me.

A noite era sombria, e no estado em que estava pareceu-me sinistro
devéras o aspecto d'essa massa do Passeio Publico, envolto n'um manto de
trevas.

A quinze passos adiante de mim caminhava sempre elegante e distincto o
vulto negro da minha gentil desconhecida.

Perdi a cabeça e deitei a correr, litteralmente a correr, atraz d'ella.
A bulha da corrida produzia um som lugubre, e fazia-me estremecer de vez
em quando. O suor escorria-me em fio pela cara abaixo.

Saimos da rua Oriental do Passeio, entrámos na calçada do Salitre,
chegámos á esquina da travessa do Moreira, e eu não conquistára um palmo
de terreno.

E o vulto parecia escorregar magestoso e sombrio, sem que a bulha dos
seus passos acordasse um só echo nas ruas solitarias.

Quando ali chegámos, a desconhecida entrou resolutamente na travessa, e
eu parei. Sentia o coração palpitar-me com violencia, e... tive medo,
confesso o.

Era tão extraordinario o que me estava succedendo, que este sentimento,
devem confessal-o, era um pouco desculpavel.

Comtudo venci a timidez passageira, e entrei resolutamente n'essa rua
tão deserta.

Quando a minha desconhecida chegou ao pé de uma casa isolada no meio da
travessa, parou, voltou-se para mim, e bradou com uma voz
melodiosissima:

--Ámanhã á meia-noite, debaixo d'esta janella.

Eu estaquei attonito de surpreza.


VI


Descrever-lhes a lucta que se travou no meu espirito, quando voltando
para casa me fui sentar á mesa de trabalho, e comecei a reflectir fria e
pausadamente na aventura nocturna, seria contar-lhes a historia longa e
fastidiosa do combate da rasão com as minhas tendencias para o
sobrenatural.

Dir-lhes-hei, resumindo, que sem attender a outra coisa que não fosse a
seducção inexplicavel, que me attraía para esse ente incomprehensivel,
fui no dia seguinte á meia-noite ao _rendez-vous_ aprazado.

Soava não sei em que relogio a ultima badalada da meia-noite, quando se
abriu a janella, e appareceu ante os meus olhos deslumbrados o formoso
rosto da gentil desconhecida.

Balbuciei phrases sem sentido, mas a lingua pegou-se-me ao céo da bocca,
e não pude dizer uma palavra que se entendesse.

--Porque me seguiu hontem? perguntou ella com uma voz melodiosa e
triste, como o gemer da brisa nos cyprestes.

--Porque a amo.

--Sabe quem eu sou?

--Que me importa! Quem vae perguntar ao anjo que nos afaga em sonho o
nome com que o distinguem nas phalanges celestiaes?

--E ama-me?

--Mais do que a vida!

--Só?!

Que poder incrivel tinha aquella mulher sobre mim? Não sei; sei que lhe
respondi com o olhar inflammado:

--Mais do que Deus!

--Não estranha o mysterio em que me envolvo?

--Não sei. Este amor é uma paixão fatal. Virgem ou devassa, candida ou
profanada, anjo ou demonio, amo-a cegamente, sem me importar com o
passado nem com o futuro, desejando só ter o presente meu, só meu. Este
amor é para mim um vinho que embriaga, e se no fundo da taça encontrar
veneno, que importa? morrerei abençoando as horas da embriaguez. Isto é
uma loucura, bem sei, mas se podesse conhecer a atonia moral em que o
meu espirito tem existido! Se soubesse como eu anhelo por estas
commoções extraordinarias, que devoram n'um minuto a existencia de um
homem! Já vê quão pouco exigente eu sou; não me negue um raio d'essa
aureola d'amor que lhe circunda a fronte. Essa luz tenuissima
transformal-a-hei em chamma esplendida, que ha de illuminar as trevas do
meu viver prosaico.

--Acceito o seu amor, se essas palavras não o exagaram. Não queira
penetrar no mysterio que me envolve. Quando fôr necessario, eu mesma o
rasgarei, e confie em mim, ha de encontrar-me digna do seu amor.
Entretanto creia e espere. Adeus.

--Já?

--Não me posso demorar nem um minuto.

--Oh! mas diga-me uma palavra consoladora. Este amor immenso não
encontrou echo no seu coração?

--Amo-o.

--Mas com um amor semelhante ao meu, inebriante, immenso?

--Immenso... como a eternidade.

E fechou a janella, deixando-me ficar extatico e cada vez mais espantado
da estranheza dos seus modos.


VII


Assim continuou todas as noites aquelle amor excentrico. Todas as noites
eu tomava a firme resolução de não tornar lá, e sempre as badaladas da
meia-noite me surprehendiam na travessa do Moreira, por baixo da janella
fatal.

No tempo em que me succedeu esta aventura, tratavam meus paes do meu
casamento com uma menina rica, que não desgostava de mim, e por quem eu,
não sentindo amor, não sentia tambem antipathia.

Era ella uma menina capaz de inspirar uma affeição fraternal, mas nunca
uma paixão a um espirito arrebatado como este meu.

Era bonita, mas um typo vulgar, horrivelmente vulgar. A pobre menina não
tinha culpa d'isso. Demais a mais era o que se podia chamar um acerto:
dote soffrivel, excellentes qualidades de mulher e de dona de casa.

Creio que juntava a isso tudo o fazer marmelada perfeitamente. Não sendo
muito guloso, não era eu o mais proprio para poder apreciar dignamente
esta prenda, que a distinguia.

Nunca mais appareci em casa d'ella, desde a noite de S. Carlos. Um dia
passei occasionalmente por lá, e vi-a com os olhos vermelhos de chorar.
Comprimentei-a, ella correspondeu me tristemente, e retirou-se da
janella.

--Ora adeus, disse eu comigo mesmo, foi deitar assucar nos marmelos.
Talvez ali esteja um coração! accrescentei eu no monologo mental. Não
creio, continuei, o coração desarranja as cassarolas, e incommoda-a no
varrer da casa.

Foram estas idéas falsas que me perderam, meus senhores; idéas d'um
espirito extravagante que procurou sempre em regiões inaccessiveis a
felicidade, que nunca pude encontrar, e que talvez caminhasse ao meu
lado sem eu dar por isso.

O meu espirito talvez fosse como o Rouvière de uma comedia de Feuillet,
que, depois de ter percorrido o mundo em todos os sentidos, fica
espantado de encontrar a felicidade sentada ao canto da lareira de uma
familia burgueza n'uma aldeola do seu paiz natal.


VIII


Chamava-se Julieta a heroina do meu romance de amor. Até o nome era de
fazer enlouquecer um enthusiasta como eu.

Essa aureola de poesia e de encanto com que Shakespeare circumdou a
fronte da pallida italiana, parecia atravez das edades vir doirar com um
reflexo luminoso a fronte gentil da Julieta, que eu adorava.

Foi a unica informação a seu respeito que d'ella obtive. Tudo o mais
ficava para mim envolvido n'um mysterio que eu não tentava penetrar.

Uma noite a nossa conversação foi tomando a pouco e pouco um caracter
mais ardente e languido. Palavras de amor entrecortadas, suspiros
involuntarios vindo interromper o dialogo, longos silencios durante os
quaes eu sentia o palpitar apressado do meu coração, em quanto via a
imagem seductora de Julieta desenhar-se na janella illuminada
caprichosamente pelo fulgor da lua, tudo isto despertava em mim uma
voluptuosidade deliciosa, mas que me magoava.

Uma vez, em quanto ella ficava perdida n'essa vaga contemplação da lua e
da noite perfumada, eu involuntariamente approximei-me da parede da
casa, e ajudando-me com as grades da janella do pavimento das lojas,
pude trepar até ao parapeito da janella, e de repente, sem que ella
parecesse reparar na ousadia do meu procedimento, imprimi-lhe nos labios
um beijo de fogo.

Os labios d'ella estavam frios como os de uma estatua.

Olhou para mim com olhar meigo e recuou.

Entrei no quarto e cahi-lhe aos pés, balbuciando:

--Julieta, amo-te!

E cobri-lhe as mãos de beijos devoradores.

Ella olhava para mim com uma expressão indefinivel. Não podia dizer se
era ternura, se ardor, se frieza, o que esse olhar continha; sei sómente
que quanto mais ella me encarava, mais eu me sentia enlouquecer.

--Vem, meu amante, murmurou Julieta passando-me o braço á roda do
pescoço, e arrastando-me com meiguice para uma porta entre-aberta, vem!
sobre o lilaz florido do meu jardim embalsamado descanta o rouxinol as
suas trovas de amores! é tudo mysterio n'esta hora encantadora! Vem!

Abriu-se a porta e nós entramos n'um jardim esplendido.


IX


Era na hora mysteriosa em que das urnas das flôres se expandem na
atmosphera thesouros de aroma e de languidez, e em que o homem absorto
julga escutar vagamente na esplendida immensidade a longiqua harmonia
das espheras.

Na hora em que o rouxinol espalha sobre a terra as perolas do seu canto,
e em que a natureza escuta embevecida o hymno mavioso do seu interprete
sublime.

Porque n'essa hora dormem as paixões terrenas, e o mundo parece
envolver-se por momentos no manto da sua virgindade, afim que Deus possa
reconhecer a sua feitura, desfigurada pelo agitar convulso do verme
pretencioso que se chama o homem.

E o Omnipotente immovel no throno da sua grandeza, revê-se silencioso no
espelho da Creação.

Oh! como a lua desenrola graciosamente o seu manto luminoso sobre as
alamedas desertas do esplendido jardim! Como os seus raios se baloiçam
mollemente no berço fluctuante da folhagem! Como se miram descuidosos no
crystal das fontes!

E as estatuas primorosas dos deuses do paganismo, parecem espreitar
complacentes os mysterios da voluptuosidade que se vão abrigar nos
caramanchões floridos! E emtanto as acacias que lhes assombreiam os
vultos immoveis, inundam com a chuva perfumada das flôres vermelhas as
pregas ondeantes da sua roupagem marmorea!

E eu e Julieta caminhavamos silenciosos por entre os alegretes, e a voz
do rouxinol da balseira despertava no meu coração um rouxinol
desconhecido que me fallava de amor e de ternura.

Inclinei-me para ella e beijei-a! E parecia-me que sentia ao tocar-lhe
nos labios as azas brancas do anjo da pureza que davam áquella fronte
limpida um resplendor celestial.

Por um sentimento involuntario troquei o meu annel pelo annel de
Julieta.

Julguei que Deus santificava o nosso amor, e nos contemplava com
indulgencia!


X


Mas quando ergui os olhos, erriçaram-se-me os cabellos de terror, e
correu-me pelas veias um calafrio. Fugiu-me a luz dos olhos, e o sangue
refluiu ao coração.

Desappareceram os floridos canteiros, emmudeceu o rouxinol suave,
sumiram-se as estatuas, fugiram as acacias.

Estendem-se a perder de vista as ruas sombrias de um cemiterio, de um
lado e de outro avultam as pedras brancas das sepulturas.

O vento da noite faz ondear os cyprestes funerarios, e o pallido clarão
da lua vem beijar melancolico as cruzes tumulares.

O grito sinistro do mocho só de vez em quando perturba a paz dos mortos;
por entre a relva dos sepulchros fulgura a lugubre phosphorescencia dos
cemiterios.

É tudo silencio em roda, mas ao longe começa a sentir-se um vago rumor,
que parece o longiquo ruido de um exercito marchando.

E uma aragem de terror parece esvoaçar por entre os tumulos, dando vida
ás loisas e voz ao cyprestal.

Lugubres clarões abraçam as cruzes das campas, e as figuras de pedra que
guardam, sentinellas inanimadas, o somno dos finados, agitam-se
convulsamente ao sopro de fogo d'aquella procella desconhecida.

A sineta da ermida vibrou no meio do silencio; tres vezes echoou na
immensidade aquelle som terrivel.

E eu senti os cabellos erriçarem-se-me, e um suor gelado me inundava a
testa.

Então um côro de vozes cavas e profundas entoou lugubremente o _Dies
irae_, o hymno da colera de Deus.

E logo uma longa procissão de phantasmas brancos começou a desfilar por
diante de mim n'um silencio aterrador.

Depois deram-se as mãos e formaram em torno de mim uma dança de
espectros.

E eu sentia os cabellos erriçarem-se-me, e um suor gelado me inundava a
testa.

Depois um dos vultos brancos destacou-se do grupo e avançou para mim.

E eu quiz recuar, mas os pés estavam pregados no terreno, e uma força
invencivel me domava.

O passo do phantasma não produzia ruido algum, mas eu sentia-o vibrar no
fundo do coração.

Vinha envolto no longo manto sepulchral, e ornava-lhe a fronte a
grinalda virginal das rosas brancas.

Reconheci as pallidas feições de Julieta, da minha noiva de ha pouco.

--Vae consumar-se o lugubre noivado, disse-me ella sorrindo; vem, meu
pallido amante, vem inebriar-te com as mysticas voluptuosidades das
sepulturas.

O mocho cantará o nosso epithalamio, e no cruzeiro do cemiterio serão as
danças dos finados o nosso baile nupcial.

Olha para a mysteriosa alcova, como nos sorri de dentro da loisa
entreaberta a alva mortalha do nosso leito de noivado!

E eu olhei e vi abrir-se a garganta pavorosa de um sepulchro, e senti
que a mão de Julieta me arrastava invencivelmente.

Echoavam nas lugubres alamedas as gargalhadas dos finados, o mocho
soltava o seu grito funebre, e a lua entornava sobre as campas a sua luz
tão pallida.

E eu senti os cabellos erriçarem-se-me de terror, e um suor gelado me
inundava a testa.

Não pude resistir, passou-me uma nuvem de sangue por diante dos olhos e
cahi desmaiado!


XI


Roberto parou um momento como se se sentisse opprimir pela recordação
terrivel d'essa noite.

--Pouco mais lhes posso dizer, meus senhores, sei apenas que no dia
seguinte acordei no meu leito, e que estive sériamente doente. Apenas me
restabeleci corri á travessa do Moreira.

Da casa de Julieta nem signaes! Tudo desapparecera.

Julguei que fôra victima de uma allucinação, mas ainda hoje se me
representam tanto ao vivo as scenas, a que assisti, que não posso
admittir a possibilidade d'essa hypothese.

D'ahi por diante nunca mais tive felicidade! Em pouco tempo gosei e
padeci muito. As fibras da minha alma sujeitas a uma fortissima tensão
quebraram-se, e hoje vivo n'uma incrivel atonia.

A senhora, com quem minha familia me queria vêr casado, desposou um
homem menos imaginoso do que eu, que a estremece, e a quem ella estima.
Tem dois filhos, que são a alegria da casa e o enlevo dos paes.

A minha imaginação desregrada deixou-me isolado no mundo.

Roberto calou-se. Todos nós ficamos silenciosos, impressionados por essa
lugubre historia. Mas Frederico abraçando sua mulher, e dando-lhe um
beijo na testa, disse para Roberto:

--As aspirações da alma têm um limite, que não podem ultrapassar. No céo
da felicidade ha espheras inaccessiveis onde a natureza humana desmaia,
prostrada pela vertigem. Na familia, meu amigo, resume-se a suprema
ventura. É prosaica unicamente para os que a não comprehendem. N'esses
amores ideaes chega o homem a pontos, em que para me servir das phrases
do sceptico Musset:

    Où le vertige prend, où l'air devient le feu,
    Et l'homme doit mourir où commence le Dieu.

       *       *       *       *       *

Quando Henrique Osorio acabou de lêr o seu improvisado romance,
applaudiram-n'o fervorosamente os seus indulgentes ouvintes. Só Isaura
bocejava de um modo notavel.

Henrique mordeu os labios um pouco raivoso, e, inclinando-se para ella,
disse-lhe ironicamente:

--A nossa idéa foi soberba, minha senhora; se não cura dos terrores, que
sentem as pessoas nervosas, ao menos concilia-lhes o somno que affugenta
os phantasmas.

--Ah! não, sr. Henrique Osorio, respondeu Isaura; a sua idéa acho-a cada
vez peior. Vejam se é admissivel fallar-se aqui em cemiterios á uma hora
da noite. Eu, se estou assim mais tranquilla é porque a Leonor me
prometteu que dormia no meu quarto.

--É contra os regulamentos, bradou o doutor Macedo. A sr.^a D. Isaura
está illudindo a receita.

--Meu Deus, doutor! exclamou Leonor alegremente. Os regulamentos
cumprem-se assim de um modo feroz. Não vê que eu vou passar a noite com
uma mulher pallida? Depois de ouvir o romance de Henrique, deve
confessar que é necessario ser-se heroina!

--É verdade, exclamou Isaura, o sr. Osorio tratou bem as pallidas! No
seu entender mulher pallida só póde ser mulher desenterrada. Muito
agradecida.

--Mas, minha senhora... balbuciou Henrique.

--Aquillo são reminiscencias de Lisboa, Isaura, exclamou Leonor, rindo.
Quiz-se vingar de alguma pallida que o magoou.

--És maldosa, Leonor, murmurou Henrique ao ouvido da sua amiga de
infancia.

--É para te ensinar a fazer declarações mais habeis, disse-lhe Leonor
tambem ao ouvido. Isaura levantára-se para ir ter com seu pae.

--Então o meu romance é uma declaração? tornou Henrique.

--O teu romance é uma loucura. Estás engraçado com as tuas idealisações
constantes. Queres mulheres sobre-naturaes, entes phantasticos, damas
brancas de Avenel! Se achas que é lisongeiro para uma mulher perder a
sua realidade para agradar ao homem que diz amal-a, morrer primeiro para
ser depois desposada por elle em fórma espectral, como no _Noivado do
Sepulchro_, de Soares de Passos...

E a maliciosa rapariga recitou, zombeteando:

    E ao som dos pios do cantor funerio,
    E á luz da lua de sinistro alvor,
    Junto ao cruzeiro sepulchral mysterio
    Foi celebrado de infeliz amor!

--Então, menina! exclamou Isaura, lá de longe. Olha que eu não vou
sósinha para o quarto.

--Ahi vou, querida, ahi vou!

E Leonor, deitando a Henrique um olhar malicioso, foi ter com a sua
amiga.

--Então, sr. Roberto Soares, disse o doutor Macedo emquanto pegava no
castiçal para se dirigir para o seu quarto, porque, n'essa noite de
temporal, nem os visinhos tinham podido recolher a suas casas; então,
sr. Roberto Soares, a sua composição caminha? Olhe que é ámanhã a sua
vez.

--Que lhe hei de eu fazer? Cá me vou apressando, tanto quanto posso.
Metti-me em boa, não ha duvida. Já não estou para estas folias. O viver
da provincia enferruja. Ámanhã os rapazes vão rir-se de mim.

--Veremos isso! redarguiu Henrique Osorio, sorrindo amigavelmente. Eu
preparo uma pateada.

Roberto Soares affastou-se, rindo, e o doutor Macedo, accendendo um
charuto, disse para Henrique Osorio:

--Sabe o que lhe digo, Henrique? Você é uma creança. Anda todo enlevado
na pallidez e nos terrores nervosos de Isaura, que é uma tola com
bonitos olhos, e não repara que ha por estas serranias uma rapariga, uma
perola, que se fina por você.

--Por mim?! Quem me faz essa honra? exclamou Henrique, fazendo se
córado.

--Quem tem olhos para vêr, veja; quem tem ouvidos para ouvir, oiça; e
quem tem somno para dormir, durma; respondeu gravemente o doutor Macedo.
Boas noites.

E partiu, deixando ficar Henrique pasmado. Este demorou-se por alguns
instantes a ouvir o temporal que rugia com violencia, e a contemplar com
tristeza o sitio onde estivera sentada Isaura. Depois, soltando um
suspiro, saíu da sala.

       *       *       *       *       *

Devo dizer que no dia seguinte as impressões foram muito menos profundas
que na vespera. A noite estava mais socegada; caçára-se pela manhã.
Estivera bonito o dia, cortado apenas por alguns chuveiros. Comtudo,
quando deu a meia-noite, correu um frémito por todos os ouvintes.
Estabeleceu-se um profundo silencio, mas a figura amavel de Roberto
Soares não era para inspirar terrores legendarios, e foi no meio de uma
attenção tranquilla, até um pouco risonha, que o jornalista aposentado
começou a sua leitura.



A VISÃO DO PRECIPICIO


I


O meu romance annuncia-se de um modo terrivel. Começa por uma
tempestade. Estou obrigado moralmente a apresentar alçapões,
subterraneos, e donzellas perseguidas. Se não invento por ahi uns quatro
assassinios, estou perdido no conceito de certos leitores!

Tenham paciencia os amadores das _Nodoas de sangue_ e dos _Amantes
infelizes ou as victimas de uma paixão_, mas d'esta vez hão de
contentar-se com um romance bem morigerado, cujos heroes, todos elles
pessoas honestas, não hão de incommodar, em quanto durar o enredo, nem
as partes de policia, nem os regedores de parochia, nem os jovens
advogados, nem as columnas dos jornaes destinadas pelos noticiaristas
aos acontecimentos tragicos do paiz.

Feita esta declaração, vou introduzir os meus leitores... n'um lagar de
azeite, por uma noite tempestuosa de dezembro, quando o vendaval açoita
rijamente os pinheiraes frementes, e os relampagos illuminam com pallido
fulgor as campinas inundadas pelas chuvas copiosas de uma noite de
invernia.

Recresce o temporal. As levadas de agua, engrossadas com as chuvas,
resvalam pelos penedos, despenham se, espadanam, fazem scintillar á luz
do raio doidejantes borbotões de espuma, e arrastam na carreira
vertiginosa as arvores desarreigadas pela força irresistivel do furacão!
N'estas noites, o aspecto ridente dos campos, que a primavera orna com
todas as galas da vegetação, transforma-se completamente. Parece-nos
impossivel que o regato, que havia pouco se espreguiçava voluptuosamente
sobre as campinas esmaltadas, seja agora a torrente impetuosa que
arranca, n'um accesso de furor, as arvores que se miravam descuidosas na
sua limpida corrente.

A mim agrada-me o quadro medonho das furias da invernia! Contemplo com
delicias a physionomia terrivelmente phantastica das planicies e dos
bosques, onde paira, batendo as azas chammejantes, o sinistro archanjo
da tempestade!

São estes os episodios grandiosos do poema da natureza! São estas as
paginas sublimes do livro da creação!

Era uma quinta solitaria nos arredores de Santarem; a casa dos morgados
campeiava orgulhosa e insulada no meio dos campos cultivados, e lá mais
ao longe alvejavam as modestas casinhas do logarejo que se debruçava
curiosamente sobre as aguas do riacho, mirando n'esse espelho
crystallino o seu humilde aspecto, e contemplando depois, á socapa as
pompas quasi feudaes do solar dos descendentes d'algum valentão das
Indias.

Como os gloriosos representantes d'essa familia aristocratica, deixando
a quinta só, estão comendo em Lisboa os seus rendimentos, escusamos de
lhes bater á porta, e, se vos parece, vamos immediatamente ao lagar de
azeite, que não fica muito longe.

A entrada é franca, e a vista da fornalha, sobre a qual está collocada a
caldeira, e onde arde um mólho de lenha, produzindo um bom fogo, claro e
crepitante, tenta devéras o pobre homem, que, todo ensopado, contempla o
lume da fogueira, tão consolador e attrahente em noites de frio e chuva.

Entrámos em boa occasião; o lagar está em plena actividade. Os clarões
indecisos da lareira illuminam um quadro pittoresco e original. Aqui o
_engenho de agua_ gira produzindo um som monotono, que, no meio dos
rugidos da tempestade, similha o resmungar de velha feiticeira por entre
os córos dos archanjos rebeldes em noite de congresso infernal, e,
girando sem cessar, tritura conscienciosamente a azeitona submettida á
sua implacavel pressão. Além as _varas_, subindo e descendo com toda a
regularidade, obrigam a azeitona, já triturada e estendida nas _ceiras_,
a distillar o seu oleo precioso. Mas não se resumem n'estes os trabalhos
do lagar. Quem reconhecerá o azeite n'esse liquido negro que vae
acolher-se silenciosamente na enorme vasilha de barro, a que nos lagares
se dá o nome de _tarefa_? Trata-se de o purificar; vamos ás abluções. O
liquido negro é assaltado repentinamente por um diluvio de agua a
ferver, proveniente da caldeira, que opéra a decomposição com toda a
rapidez. Pelo _inferno_, communicação subterranea que conduz a um vallo
distante, escoa-se a agua negra, que vae terminar ao longe a sua
existencia ignorada, e o azeite, livre finalmente da macula original,
apparece em toda a sua limpidez, em todo o seu brilho, em todo o seu
esplendor.

No centro da casa terrea, o sr. Manuel dos Reis, mestre-lagareiro, chefe
das operações, e supremo dictador n'esta solemne occasião, vigia
attentamente as multiplicadas operações do lagar, em quanto o sr. João
Moedor (assim chamado por causa das importantes funcções que ali
exercia), contempla satisfeito o andamento do _engenho de agua_,
confiado aos seus cuidados.

Os adjunctos d'estes dois chefes, sentados á roda da fogueira, alguns
camponezes de fóra, que tinham vindo para o «cavaco», e que a tempestade
tinha accommettido, os quaes em pé encostados ao cajado ficavam no
segundo plano, e dois rapazes de Lisboa a quem a cortezia aldeã tinha
concedido o logar de honra, eram as restantes figuras d'este quadro.

Os dois lisbonenses merecem uma descripção especial.

Chamava-se o primeiro José Augusto de Albuquerque. Alto e elegante,
pallido, d'esta pallidez ardente, que é quasi sempre symptoma de uma
imaginação exaltada, revelava no fulgor desusado dos olhos,
scintillantes como dois diamantes negros, o ardor d'aquella organisação
sympathica, que devia ser ou a de um grande poeta, ou a de um grande
doido, se estas duas idéas não são synonymas, segundo a opinião de muita
gente. As olheiras fortemente accentuadas, e que pareciam crestadas pela
ardente irradiação das pupillas, acabavam de dar a esta physionomia um
cunho original, romantico emfim, _tranchons le mont_, porque devo
confessar que o meu heroe tem todas as apparencias de um typo de
romance, apesar de ser tão verdadeiro como... o orçamento portuguez.

O companheiro de José Augusto formava com elle um perfeito contraste. Se
as centelhas de intelligencia, que se escapavam dos olhos negros de José
Augusto, revelavam uma organisação em que o espirito predominava, em que
_l'âme_ dominava _la bête_, para me servir da classificação de Xavier de
Maistre, a luz fria e sem expressão, que brilhava nos olhos azues do seu
companheiro, dava a conhecer a beatifica indifferença do adorador da
materia. N'um a estatua delicada e quasi feminil denunciava a fina
constituição de uma natureza naturalmente aristocratica; no outro a
obesidade das fórmas dava idéa do Sancho Pança de Cervantes, ainda que a
alta estatura mostrasse que esta nova edição do governador da Barataria
era feita n'outro formato. N'aquelle os movimentos altivos da cabeça, o
modo enthusiastico com que atirava para traz as ondas lustrosas da sua
negra cabelleira, indicavam bem as aspirações elevadas de um coração a
trasbordar de poesia e de generosidade; n'este os gestos pacatos, e as
suissas loiras que flanqueavam serenamente uma cara de lua cheia,
mostravam o genio bonacheirão do homem que não pensa senão no modo de
conservar sempre, em bom estado, a sua economia animal, satisfazendo as
reclamações incessantes de um estomago insaciavel.

O primeiro era, como disse, José Augusto de Albuquerque, rapaz com
alguns vintens, que viajava para se divertir. O segundo era o sr. John
Williams, inglez ingenuo e bem morigerado, que aguentava uma boa dóse de
garrafas de vinho sem vacillar, que bebia exactamente o que ganhava n'um
escriptorio de negociante, e que, apaixonado por viagens, como todo o
bom inglez deve ser, tinha pedido licença de um mez para acompanhar o
seu amigo José Augusto n'uma excursão á Extremadura.

No momento em que entrámos, reinava um profundo silencio. Lá fóra os
rios, que a chuva fazia ferver em cachão, resaltavam sobre os rochedos
com um estampido formidavel; as rajadas da ventania, batendo com furor
de encontro á porta, faziam-n'a ranger, e abriam-n'a de vez em quando,
arrojando torrentes de chuva para dentro do lagar. A voz da procella ora
se assimilhava aos rugidos blasphemos do anjo das trevas, ora, plangente
e soturna, imitava os gemidos das almas penadas, que vagueiam na terra
pedindo aos vivos orações. O trovão, ribombando no espaço, dominava, de
vez em quando, com a sua voz magestosa, o pavoroso ruido da tempestade.

Havia harmonias sublimes n'aquella desharmonia apparente; era selvatica
mas grandiosa a immensa orchestra do temporal.

--Santa Barbara nos acuda, murmurou devotamente o sr. Manuel dos Reis,
tirando o seu barrete azul, já bastante azeitado, no momento em que um
trovão formidavel fazia benzer todos os circumstantes--S. Jeronymo te
afaste, ruim trovoada, de todo o povoado onde haja almas christãs.

--Amen, resmungou em côro a companha aldeã.

--E temos a chuva pegada, que não ha que esperar senão uma noite de
agua. O vento puxa por ella que é um regalo, tornou o mestre-lagareiro,
quando o terror produzido pelo trovão se dissipou um pouco mais. Ah! meu
fidalgo, v. s.^a querer metter-se a caminho por uma noite d'estas é
mesmo tentar a Deus!

--Deixal-o, tornou o interpellado, que era o nosso amigo José Augusto de
Albuquerque, sabe você, sr. Manuel dos Reis, que eu gósto de noites
assim? Que diabo! quando atravesso a galope a clareira de um bosque
inundado pela chuva, e que vejo, á luz do relampago, as arvores nuas de
folhas estenderem-me os braços descarnados, e formarem em torno de mim,
guiadas pelo furacão, danças phantasticas e extravagantes, imagino vêr
as danças da meia-noite, travadas pelos espectros nos cruzeiros dos
cemiterios, e, lembrando-me dos contos lindissimos que a minha ama me
contava quando eu era pequeno, chego a acreditar na sua realidade, e
acho prazer n'aquillo. Então que quer?

--Arreda!--bradou o João Moedor, coçando a cabeça e fazendo ao mesmo
tempo um gesto de susto, sempre v. ex.^a diz coisas que fazem arripiar
os cabellos á gente. Gostar v. s.^a de vêr dançar as aventesmas as suas
danças malditas, como o meu compadre viu com os seus proprios olhos na
noite de S. Bartholomeu, em que anda o diabo solto, como vocemecê ha de
saber. Safa! Era capaz de seguir o phantasma do Açude até ao seu
esconderijo infernal.

--O phantasma do Açude! O que é isso, o que é isso, ó sr.
João?--perguntou José Augusto com a maior curiosidade.

--Historias da vida, meu fidalgo, retrocou o sr. Manuel dos Reis, é este
diabo do João Moedor que não sabe fazer outra coisa senão contar contos
da carochinha. Bom estavas tu, meu rapaz, para mestre-lagareiro! Andas
com a cabeça a rasão de juros a pensar lá n'essas _maniversias_,
deixavas ir o azeite pelo _inferno_ abaixo, e nunca eras capaz de pôr o
_espicho_ a tempo e a horas. Sempre estás um massador!

--E é verdade, sôr Manuel dos Reis. Este João Moedor não faz senão moer
a paciencia á gente, tornou um camponez que estava ao pé da porta,
encostado com toda a denguice ao seu varapau.

Todos se riram do _calembourg_ aldeão, e o sr. João Moedor esteve algum
tempo sem poder fallar no meio dos motejos e das risadas da turba
campesina. Finalmente:

--Leva rumor!--bradou elle. Com que então, sô Zé do Moinho, acha você
que eu môo a paciencia á gente, hein! Você não acredita n'estas coisas,
apesar de eu ter visto muita vez sua tia andar por cima da folha, e
correr por cima das latadas para ir ter com seu compadre _Berzabum_! E
ainda não estou muito certo se não é você, sô cara de não sei que diga,
que anda a horas mortas a cumprir o seu fado, feito burro, por esse
mundo de Christo, como fazia seu avô que foi lobis-homem, segundo diz a
gente antiga cá da terra.

A victoria ficou d'esta vez ao novo campeador. Os motejos dirigiram-se
todos para o sr. Zé do Moinho, que quiz replicar enfurecido, mas que se
viu obrigado a metter a viola no sacco, e a ficar de cabeça baixa a um
canto. O triumphador havia pouco era agora humilhado. _Sic transit
gloria mundi_!

--Conte lá a historia, ó sr. João, que aqui tem você um ouvinte que não
é capaz de duvidar da veracidade das suas palavras--tornou José Augusto
com a curiosidade a revelar-se-lhe nas feições.

--Tem v. s.^a muita rasão, meu fidalgo, retrocou o João Moedor com modos
de triumpho, e com perdão de vocemecê, sôr Manuel dos Reis, sempre lhe
direi que a historia do phantasma do Açude não é conto da carochinha. Em
noites assim de temporal, quando o rio engrossado pela cheia, ceifa os
pinheiros mais taludos como eu ceifaria uma espiga de trigo no tempo da
monda, não é cá o rapaz que se atreve a passar ao pé do Açude, sem se
benzer quatro vezes, e sem fechar os olhos para não vêr a melancolica D.
Branca. E não é só a mim que isso acontece; o mais pimpão do sitio
tremia, como varas verdes, se se visse obrigado a passar a estas horas
por aquelle sitio amaldiçoado, a não ser o _Come-bichos_, que vendeu a
alma ao diabo. Deus me perdôe se minto; mas o maldito tem mesmo cara de
condemnado. E conheço eu alguns que se fazem muito valentes quando estão
bem acompanhados, e que não eram capazes de passar sósinhos por ao pé do
Açude, nem que lhes dessem todos os thesouros encantados do imperador da
Moirama.

Esta ultima allusão ia evidentemente com sobre-escripto para o Zé do
Moinho; a resposta d'este (se por acaso elle tencionava responder), foi
abafada pelas acclamações dos restantes, que applaudiram o orador,
bradando em côro:

--Tem rasão! É uma heresia duvidar d'estas coisas! O João fallou bem.
Tem uma linguinha de oiro, este moedor!

O distincto orador comprimentou modestamente os seus amigos politicos
pela ovação que fizeram ao seu estiradissimo discurso, e que impacientou
apenas o Zé do Moinho, que era da opposição, José Augusto de
Albuquerque, que estava desejoso de conhecer a lenda, e o leitor, que
talvez nem esteja para a ouvir.

--Vamos á historia, vamos á historia, bradou José Augusto, todos lhe
prestamos attenção, e acreditamos em tudo quanto você disser, como os
mahometanos na missão do seu propheta.

Ninguem comprehendeu a comparação: por conseguinte todos ficaram fazendo
uma elevadissima idéa da erudição de José Augusto. João Moedor piscou os
olhos, e bradou com enthusiasmo:

--Fallou que nem um livro. Pois então já que tanto aperta, lá vae a
historia.

Todos se chegaram uns para os outros, e João Moedor começou no meio de
um silencio solemne a sua narração.

Chegado a este ponto, Roberto Soares interrompeu-se, e, levantando os
oculos, disse para os seus ouvintes:

--Não me responsabiliso pela verdade do modo de dizer. José Augusto, que
tinha o desagradavel sestro de fazer estylo, quando me contou a
historia, transfigurou completamente a expressão do narrador da aldeia.
Comtudo asseverava-me elle que o estylo do camponez tinha uma certa
elevação.

--Siga, siga, acudiu o doutor Macedo. José Augusto é o seu Jedediah
Cleishbotham, já vêmos. Era moda no seu tempo, como as epigraphes.

Roberto Soares riu-se e continuou da seguinte maneira:

Ha de haver um par de annos, muito antes do terremoto, e talvez antes
que tivessem nascido os paes dos nossos bisavós, governavam os moiros a
maior parte da nossa terra abençoada. Segundo eu ouvi contar ao nosso
padre prior, que Deus haja, dava-se e recebia-se muita lançada antes que
a bandeira de Christo fluctuasse triumphante nas ameias das fortalezas.
Cada palmo de terra conquistado aos cães dos sarracenos era regado por
muito sangue, e muitos cadaveres dos nossos antepassados adubaram a
terra, antes que os seus descendentes podessem fazer em paz a semeadura
e a colheita. Era mau tempo aquelle. Mas Deus e Santiago eram por nós, e
os esquadrões cerrados dos cavalleiros de Christo levaram sempre de
vencida as hostes aguerridas dos perros amaldiçoados.

Como dizia o padre prior, os pergaminhos d'esses fidalgos, que por ahi
andam tão orgulhosos da sua inutilidade, foram sellados com o sangue de
seus antepassados nos campos de batalha, em que se comprou bem cara a
independencia portugueza. Deshonrado seria para todo o sempre o fidalgo
portuguez que não envergasse as armas ao sair da infancia, e não
luctasse incessante a favor dos opprimidos até cair no campo da batalha
amortalhado na sua armadura de ferro. Repousem em paz nas campas os
ossos d'esses valentes.

--O João Moedor sempre tem uma cachimonia de truz, resmungou á parte o
Manuel dos Reis; onde elle vae buscar tudo isto!

--O que elle é, é um papagaio, murmurou o Zé do Moinho, não faz mais do
que repetir tim tim por tim tim o que ouviu ao nosso antigo padre prior.

--N'esse tempo, continuou o João Moedor sem reparar na interrupção,
viviam aqui n'este sitio dois fidalgos velhos, que, depois de terem
ganho muitas cicatrizes, e creado muitos cabellos brancos no seu luctar
incessante contra o poder da Moirama, tinham vindo descançar na paz dos
seus castellos das lides gloriosas em que haviam dispendido a sua
existencia inteira. Não porque lhes faltassem valor e bons desejos; mas
a edade tudo gasta, e os corpos alquebrados dos bons cavalleiros já
vergavam ao peso da armadura, e a voz implacavel da velhice advertiu-os
que cedessem o logar a novos e mais vigorosos campeões. Penduraram na
sala de armas dos seus castellos as valentes espadas, e, sentados ao
canto da lareira, esqueciam o peso dos annos com as gratas recordações
das suas façanhas d'outr'ora.

Ao mais velho dos dois; Inigo Paes, concedêra o céo um filho; Raymundo
se chamava elle. Era a delicia do bom velho rever no esbelto mancebo a
risonha imagem da sua mocidade. Vendo-o crescer em annos, em vigor e em
destreza, consolava-se o valente cavalleiro, esperando que Raymundo não
deshonraria, nas fileiras portuguezas, o nome venerando que elle proprio
tinha conquistado. Esperava com anciedade que seu filho completasse os
dezoito annos para lhe cingir a espada, afivellar-lhe o arnez, e
dizer-lhe, apontando lhe o campo da batalha: «Vae, é esse o caminho da
gloria»

E tinha rasão em se gloriar de ter um filho assim. Ninguem meneava com
mais garbo e destreza um cavallo fogoso, ninguem manejava com mais vigor
o pesado montante, ninguem mostrava mais ardor guerreiro, quando o pae,
sentado no salão do castello, contava aos rapazes, anciosos de
aventuras, os feitos de armas dos velhos campeadores. E se Raymundo dava
esperanças de ser um rude lidador, nem por isso deixava de ser o mais
gentil mancebo d'estas cercanias. Alto e elegante, se os seus olhos
negros quizessem fallar de amor, não havia dama que se não rendesse, nem
coração feminino que escutasse insensivel os seus protestos enamorados.
Mais de uma altiva castellã apparecia na varanda do seu solar para vêr o
elegante Raymundo correr a cavallo por essas campinas. Mas que
importavam ao filho de Inigo Paes todas as castellãs do mundo se tinha o
coração já preso, e se Branca, a ingenua Branca, lhe conquistára o
affecto, e accendera nos seus olhos a chamma ardente do primeiro amor?

Branca era filha do companheiro de armas de Inigo Paes; grande
desconsolação tivera elle, vendo-se viuvo em edade avançada, sem ter um
filho a quem podesse transmittir a sua herança de gloria. Muitas vezes,
ao vêr a filha a doidejar na varzea, como gentil borboleta esvoaçando
por entre flôres, se lhe enrugava a fronte, e duas lagrimas de tristeza
deslisavam pelas faces crestadas do velho soldado. Mas a sombra ligeira,
que lhe annuviava o gesto, dissipava-se promptamente com as caricias
affaveis da gentil donzella. Quem poderia resistir á influencia
d'aquelle anjo de candura, loiro e rosado, como as imagens seductoras
dos cherubins que cercam a Virgem Nossa Senhora na pintura do altar-mór
da freguezia!

Branca e Raymundo conheciam-se e amavam-se desde creanças. Juntos tinham
crescido, juntos tinham doidejado n'estas campinas, e, sem que nunca a
palavra _amor_ fosse pronunciada, tinham apesar d'isso consagrado um ao
outro um affecto que a edade fôra desenvolvendo. E era um par galante a
mais não poder ser. Quando Branca, fatigada de correr atraz de uma
borboleta, vinha, com as faces vermelhas como duas rosas, os olhos a
brilharem de alegria infantil e as loiras tranças fluctuando em ondas
doiradas sobre os seus hombros de neve, refugiar-se nos braços de
Raymundo, e encostar o rosto encantador nas faces levemente morenas do
gentil fidalguinho, todos os que os viam paravam extasiados, e faziam
votos pela felicidade d'aquelles anjos de innocencia e de candura.

Chegou finalmente o dia em que Raymundo completava dezoito annos, e em
que, para não desmentir as gloriosas tradições da sua raça, devia cingir
a espada, e ir aos campos de batalha pagar á patria e á santa religião
dos nossos paes o tributo de sangue, que devia ser pago por todos os que
se prezavam de christãos fieis, e portuguezes leaes.

No dia fixado para a partida de Raymundo, encontraram-se os dois
namorados no sitio do Açude. É um sitio medonho, como v. s.^a ha de
saber; um pinhal sombrio, que vae terminar á beira de um precipicio, no
fundo do qual o rio faz mugir, espadanando nos rochedos as suas aguas
turvas e espumantes. Mas n'esse dia o sol estava brilhante, e dava a
esse quadro medonho o mais ridente aspecto. Os pinheiros, illuminados
pelos raios de um sol de agosto, pareciam frechas doiradas que mão
occulta arrojava ao céo limpido e azul de um bonito dia de verão. Cada
gotinha de agua parecia um espelho que reflectia a imagem brilhante do
sol de Portugal, e o rio scintillante e espumoso parecia arrastar na
corrente palhetas de oiro e prata. Gorgeiavam os passaros na floresta, e
tudo dizia contentamento, quando os corações de Branca e Raymundo
sómente sentiam tristeza e desesperação.

Branca vinha triste, triste como a rôla namorada que vê fugir para
longes terras o escolhido do seu coração, e pallida como a açucena
batida pelo vendaval. Mas que bem que lhe ficava aquella pallidez, e
como a alvura da face realçava a côr negra das roupas que vestira em
signal de luto e de saudade! O brilho dos olhos, empanado pelo pranto
que tinha derramado, parecia ainda mais suave e meigo, e os loiros
cabellos, caindo-lhe ao desdem sobre o pescoço deslumbrante de brancura,
faziam-n'a assimilhar á imagem da Virgem que está pendurada na sala do
presbyterio, e que o senhor padre prior dizia ser copiada de um quadro
pintado por um italiano chamado Raphael.

Chegou, e ajoelhou aos pés de um crucifixo, que então existia n'aquelle
sitio; porque n'esses tempos de fé viva, a imagem do Crucificado
apparecia em toda a parte para acolher em seu seio misericordioso as
orações dos fieis. O sol tinha surgido havia pouco do Oriente, e a
oração da candida virgem, pura como a rosa que abre o seio ao primeiro
alvor da madrugada, foi, perfume singelo, de fé e de innocencia,
conduzida pela brisa aos pés do throno do Senhor.

Quando se levantou viu Raymundo em pé diante d'ella, de cabeça
descoberta, pallido e mal podendo conter as lagrimas que lhe bailavam
nos olhos.

--Raymundo, disse ella desatando a chorar, e escondendo a cabeça no
peito do mancebo, não me deixes!

--Não posso, Branca, tornou elle, apertando-a ao peito com anciedade; o
que pensariam de mim o rei, os ricos homens e os villões, se preso nos
teus braços me esquecesse do que devo a mim, ao rei e a Deus? Era um
nome deshonrado o nome de teu esposo, Branca, e não m'o podias acceitar.
A espada de meu pae, que outr'ora brilhou ao sol das batalhas com
deslumbrante fulgor, não póde jazer inerte a um canto do meu solar, em
quanto as achas de armas dos meus compatriotas escrevem nas paginas de
pedra, das fortalezas moiriscas, a historia sanguinolenta da
ressurreição dos godos. Bem vês, Branca, é um penoso dever; mas devo
cumpril-o.

--E o nosso amor, Raymundo!--balbuciou a donzella, afogada em lagrimas.

--Oh! cala-te, Branca, não vês que me despedaças o coração? Queres que
eu perca o animo, queres que o puro azul dos teus olhos me faça esquecer
que existe outro céo, outra ventura que não seja o teu amor, outro dever
que não seja o adorar-te? Não, Branca, não ordenes a minha deshonra; a
tua imagem seductora será a estrella que me ha de guiar no caminho da
gloria. Quaes serão as façanhas para mim impossiveis, pensando que o teu
sorriso será a recompensa do meu valor, e que será a tua mãosinha branca
e mimosa que me ha de limpar na fronte o suor dos combates e das luctas
sanguinolentas?

--Mas quem sabe, Raymundo, tornou Branca, erguendo para elle os olhos
radiantes, ainda humedecidos das lagrimas que derramára; quem sabe se
n'esses paizes longiquos não encontrarás alguma formosa dama cujos
encantos te farão depressa olvidar a imagem da triste Branca, que dizes
ter gravada no coração? Oh! meu Deus, que horrivel idéa! Se tu me
esquecesses...

--Que fazias, Branca?

--Morria!--tornou ella com resolução.

Raymundo apertou-lhe a mão e levou-a ao pé do crucifixo. Alli, erguendo
os olhos para o rosto divino do Christo crucificado, bradou com voz
solemne e altiva:

--Juro diante de Deus que morreu pregado na cruz para remir os homens do
peccado original, juro guardar-te sempre fé inteira e immutavel, como te
juraria se um sacerdote nos abençoasse ao pé do altar. És minha esposa
diante de Christo. Cáia sobre mim a vingança do céo se atraiçoar o meu
juramento.

--Oh! obrigada, Raymundo, obrigada, clamou a donzella, lançando-se com
immenso ardor nos braços do mancebo e derramando copiosas lagrimas;
tambem eu juro amar-te sempre, meu Raymundo, amar-te com inalteravel
constancia, não viver senão com a tua imagem, não pensar senão em ti,
meu unico amor. E agora parte, accrescentou ella, erguendo-se com
inesperada resolução, vae conquistar um nome glorioso; a benção de Deus
vae comtigo, porque os nossos anjos da guarda, abraçados e de joelhos ao
pé do throno do Senhor, rogarão a Deus que proteja os esposos, cuja
união foi abençoada pelo Crucificado, saudada pelos canticos da
alvorada, perfumada pelos thuribulos das flôres, illuminada pelos raios
do sol nascente!

Raymundo apertou-a ao peito com enthusiasmo; deu-lhe na fronte, com
timidez, um beijo, e montando n'um cavallo que o esperava a pouca
distancia, seguro por um pagem, partiu, dizendo com ardor:

--Adeus, minha gentil esposa!

--Adeus, meu adorado esposo!

Estas palavras pronunciára-as ella, caindo ajoelhada aos pés da cruz. O
perfume das flôres, o canto dos passarinhos, o rumorejar das folhas, a
luz pura e serena do sol, tudo parecia abençoar o seu amor. Unicamente
no momento da despedida, uma nuvem ligeira passou por diante do astro do
dia e offuscou-lhe um pouco o brilho.

Ai! Branca, timida Branca, nos momentos de felicidade uma ligeira nuvem
é indicio temeroso de tempestade!


II


«Passaram-se mezes e mezes--continuou o João; veiu o outono desfolhar as
arvores, e estender sobre a terra o seu manto de tristezas; depois o
inverno gelado agrupou as familias ao canto da lareira; voltou a
primavera sacudindo sobre os campos o seu regaço cheio de flôres e
verduras, voltaram as longas tardes do estio, e o sol ardente de agosto
veiu de novo doirar os pinheiros que ensombravam a cruz do precipicio; e
nem a triste Branca recebia noticias do seu noivo, nem Inigo Paes a
podia consolar com outras novas, que não fossem as que, logo pouco
depois da partida de Raymundo, tinham sido trazidas por um fidalgo que
voltava das terras do Algarve.

Contava elle que vira n'uma renhida escaramuça o filho de Inigo Paes
estreiar-se no arduo mister do lidador d'aquellas eras. A estreia fôra
digna do nome honrado de seu pae. Contava o fidalgo que o tinha visto
arrojar-se aos moiros com valor sobrehumano, e abrir com a acha de armas
um largo e sanguinolento sulco nas fileiras mahometanas. Quando, no fim
da escaramuça, Raymundo Paes passou de viseira levantada junto dos
prisioneiros, estes, vendo o rosto delicado, o buço que lhe assombreava
levemente o labio superior, e a belleza quasi feminil do mancebo, não
queriam acreditar que fosse o mesmo que praticára prodigios de valor, e
ante o qual as cimitarras moiriscas voavam em lascas, decepadas pelo
montante que parecia manejado pelo braço de robusto montanhez.

Estas noticias encheram de orgulho o coração paternal do velho
guerreiro. A Branca não succedia o mesmo. As façanhas que enthusiasmavam
Inigo Paes, faziam receiar á gentil donzella que Raymundo, arrastado
pelo seu ardor juvenil, fosse encontrar a morte no gume afiado de um
alfange mahometano.

Assim correram os mezes, e as rosas do rosto de Branca desbotavam,
desbotavam até se trocarem nos lyrios que a desesperança ia fazendo
brotar nas faces da donzella.

E Raymundo? Valente cavalleiro, não ha proezas que absolvam um perjuro,
nem as indulgencias, concedidas pelo santo padre aos defensores da fé,
são sufficientes para arredar de cima da cabeça do sacrilego o raio
fulminado pela mão do Omnipotente.

Raymundo Paes, Raymundo Paes, que demonio fatal te arrojou aos pés da
cruz, e te dictou o terrivel juramento, que havias de esquecer tão cedo?
Ai! cavalleiro, ainda o vento do outono não desfolhou a verde grinalda
que enramava a cruz do precipicio, e já o vento da inconstancia fez
murchar o candido affecto que floria em teu peito, e que juráras
conservar tão puro e tão sem mancha, como era pura e immaculada a imagem
d'aquella que t'o inspirou.

Ai! Branca, timida rôla, que, escondida na espessura, a sós com as tuas
tristezas, pranteias a ausencia do ingrato que te esqueceu, mal sabes tu
que, em quanto fitas o olhar melancholico na lua pallida como o anjo da
saudade, e pareces perguntar-lhe mudamente se o teu olhar se cruza no
espaço com o olhar saudoso do teu gentil campeão, elle, o perfido, o
perjuro, o sacrilego, esquece nos braços de outra o teu amor de virgem,
o teu modesto encanto, as tuas graças infantís.

Durante os primeiros tempos, as meigas recordações do seu amor de
creança arderam dentro d'elle tão vivas e tão serenas, como arde viva e
serena a lampada do altar no recinto sagrado da egreja christã; se uma
tentação má lhe surgia no animo, e lhe mostrava á luz de um relampago
infernal mundos desconhecidos de prazer vertiginoso, era logo repellida
pelo saudoso mancebo, que conservava o coração perfumado de innocencia,
como sanctuario florido, onde o christão abriga devotamente a imagem da
Mãe do Salvador............................................................
...........................................................................
...........................................................................

Era por uma noite sombria, calada e mysteriosa, noite propria como
nenhuma outra para emboscadas e ardis de guerra. N'essa noite, n'um
alcaçar moirisco, situado em terras do Algarve, dormiam socegados os
perros descridos, confiados na vigilancia das atalaias, e certos que os
rudes batalhadores de Christo, vencidos do cansaço, concederiam
involuntariamente treguas aos filhos de Mafoma. Os almogavares, voltando
das suas excursões, não tinham trazido novas de movimento algum no
exercito christão. Dormiam as almenaras no cimo das montanhas, e a
atalaia, vigiando no alto da torre, não estremecêra vendo uma pluma de
fogo accender-se de repente, e, ondulando nos ares, dar signal da
apparição dos nazarenos. Quão enganados estavam, e essa serpente de
ferro, que se enrosca ás muralhas da fortaleza, vae acordal-os
inesperadamente do seu somno voluptuoso!

De repente o grito de S. Thiago é ávante! echôa nas barbacans do
alcaçar, e as sentinellas, caindo apunhaladas sem terem tempo de soltar
um grito, pagam com a vida a sua indolencia descuidosa.

Que scena de confusão no meio das trevas! Os gemidos dos moribundos, os
gritos das mulheres, as blasphemias dos guerreiros surprehendidos
cruzam-se com os gritos de victoria dos cavalleiros portuguezes. Apenas
de quando em quando um ou outro arabe mais destemido arranca da
cimitarra, e faz brotar centelhas instantaneas, cruzando-a com o pesado
montante christão. Não tem quartel os vencidos; os vencedores sequiosos
de sangue transformam n'aquelle momento o valor do guerreiro na
ferocidade do assassino. Eras de barbaridade! Já vão longe, felizmente.

Raymundo vae entre elles. Embriagado pela carnificina, descarregava ás
mãos ambas a acha de armas sobre os que pretendiam fugir á sorte de seus
irmãos. De repente um vulto feminino roja-se-lhe aos pés, suspende-lhe o
braço já levantado para descarregar o golpe, e com uma voz melodiosa
como o sussurrar da brisa nos ramos do salgueiro, murmura em portuguez:
Perdão!

A lua, que até ahi se conservára escondida entre nuvens, desembaraçou-se
afinal do seu manto sombrio, e veiu acariciar com os raios da luz serena
as faces tostadas da arabe gentil.

Nunca Raymundo vira um rosto tão diabolicamente tentador! Eram uns
labios onde se viam arfar promessas voluptuosas de beijos delirantes.
Eram uns olhos negros, onde brilhavam as chammas do desejo, as labaredas
infernaes da tentação! Eram as tranças negras fluctuando sobre o collo
nú, que a brisa beijava com delirio, roubando-lhes perfumes inebriantes,
que vinham enlouquecer o ingenuo amador da casta Branca. E elle sentiu a
febre do desejo a vir escaldar-lhe o sangue, sentiu uma ignota anciedade
vir opprimir-lhe o peito. Era o terrivel despertar dos sentidos n'um
rapaz de dezoito annos. Eram as tentações da voluptuosidade, eram as
commoções do prazer sensual, era um demonio desconhecido que lhe vinha
murmurar ao ouvido os vagos encantos de mysteriosos amores.

Raymundo sentiu o perigo, e quiz afastar-se d'elle. Repelliu-a, e,
invocando a imagem de Branca, quiz fugir da tentação fatal; mas a moira,
enroscando-se a elle, como a serpente se enrosca ao corpo do homem
fascinado pelo poder invencivel do seu olhar, murmurou:

--Não me deixes, nazareno. Os teus olhos são negros como noite sem
estrellas; mas são transparentes como o espelho das aguas. Porque havias
tu de ser cruel como a hyena do deserto, se és bello e magestoso como o
leão das selvas? Olha, sou tão nova! Ainda a amendoeira não floriu vinte
vezes, desde que minha mãe me apertou pela primeira vez ao seio
palpitante. Salva-me, salva-me e serei a tua escrava. Servir-te-hei de
joelhos como a meu senhor e amo, cingir-te-hei a armadura, adivinharei
os teus caprichos, e adorar-te-hei como adoro o propheta de Medina.
Ouves? Filho dos christãos, salva-me, salva-me!

--Deixa-me, tentação do demonio, bradava Raymundo com voz balbuciante;
deixa-me, anjo das trevas; deixa-me, enviada de Satanaz.

--Não, tornou a amaldiçoada, approximando os labios vermelhos como a
flôr de romanzeira dos labios de Raymundo. Sou bella, e amo-te! Sou tua,
e tu és todo meu, porque te vejo torcer desesperado nos braços de fogo
do prazer. Amas-me, e eu... sou tua.

--Amo-te, amo-te, bradou Raymundo, caindo oppresso aos pés da musulmana.

Ai! Branca, timida Branca, chora o teu amor profanado! N'esse momento
fatal o anjo da guarda do teu amante velou com as mãos o rosto
celestial, que as lagrimas inundavam, e foi, suspenso n'um raio da lua,
prostrar-se aos pés do throno do Omnipotente!

Entrado na senda da perdição, não havia poder humano que salvasse
Raymundo da condemnação eterna. Tinha vendido a sua alma por um beijo de
fogo, e trocára o paraizo pelo inferno da voluptuosidade. Profanado o
terrivel juramento, o que havia de sagrado para Raymundo? O que
importava a honra de cavalleiro a quem prostituira a santa crença de
seus paes? Apagára-se a candida estrella que o guiava nas trevas da
existencia, e a luz, que o fascinava, scintillava nos olhos negros de
Zoraida, a gentil amaldiçoada. Se tinha reflexos infernaes, tinha tambem
o esplendor prestigioso da tentação sensual.

Desde essa noite ninguem mais soube d'elle. Diziam que renegára, e que,
enlaçado nos braços da musulmana, fechára os olhos á luz do
christianismo, e se arrojára ao abysmo infernal, onde ha o fogo eterno e
o eterno ranger de dentes.

Foram estas as noticias que Branca recebêra, no dia em que fazia um anno
que Raymundo a deixára. Não disse palavra ao receber a nova fatal. Saiu
e caminhou pallida, hirta e vagarosa como estatua adormecida n'um
tumulo, que, obedecendo a feitiço desconhecido, se erguesse do seu leito
de pedra, e se dirigisse muda para o sitio aonde a chamava a attracção
mysteriosa.

Os aldeãos, que a encontravam, paravam para a saudar. Mas ella nem os
ouvia, nem parecia vêl-os. Costumados á amabilidade da fidalguinha,
ficavam os coitados boquiabertos, ao vêrem a desusada distracção. Mas,
se lhe reparavam nas feições demudadas, vendo a pallidez de marmore, os
labios brancos e entre-abertos, os olhos fixos e esgazeados, benziam-se
devotamente, e murmuravam que era mau olhado que tinham dado á menina do
castello.

Assim caminhou até chegar ao sitio do Açude. Ajoelhou junto da cruz, e
um aldeão, que a seguia de longe, viu-a rezar muito tempo, e abraçar os
pés do Crucificado. Depois, chegou á beira do precipicio, e sem
hesitação, sem fraqueza, despenhou-se no abysmo. O corpo gentil
ennovelou-se nos ares, e foi despedaçar-se nas pedras da cascata,
espirrando ondas de sangue que tingiram de purpura o manto de espuma que
envolvia as rochas. As aguas do rio abriram-se para tragar o cadaver, e
depois continuaram indolentes a correr, e a murmurar o seu eterno
cantico, como se não se tivesse escripto alli o epilogo de um drama
desventurado.

O aldeão, que vira de longe a scena fatal, sem poder obstar ao seu
inesperado desenlace, fugiu dando um grito de horror, e foi contar ao
castello o que presenceára. Quem perdeu alguma vez, de modo tão
terrivel, um ente estremecido, avalie a dôr do triste pae de Branca. Eu
não a sei narrar. Sente-a o coração, mas os labios recusam-se a
exprimil-a. Veiu depois gente do castello, e tiraram do fundo do
precipicio o cadaver horrivelmente desfigurado da gentil donzella.
Enterraram os restos d'aquella pobre martyr aos pés do Crucificado, que
ouvira a sua ultima prece, e a quem pedira talvez perdão do crime que ia
commetter. Plantaram ao pé da cruz roseiras e madresilvas, cujo perfume
suavissimo ia levar ao longe a ultima recordação da que tivera na terra
a corôa da innocencia, e tinha agora nos céos a palma do martyrio.»

--Pobre rapariguinha, interrompeu o mestre lagareiro com mostras de
penalisado, dar cabo de si por causa d'aquelle patife!

--Então que quer vossemecê, _sô_ Manoel dos Reis, coisas que acontecem,
tornou o narrador, ninguem póde fugir á boa ou má sina, que Deus lhe
deu. Era aquella a sorte de Branca, havia de cumpril-a.

--Vamos á historia, vamos á historia, bradou José Augusto, com
enthusiasmo! Que fez Raymundo? O que aconteceu a Zoraida? Quero saber
quem é por fim de contas o phantasma do Açude.

«Raymundo, meu fidalgo, não via senão Zoraida n'este mundo. Um capricho
d'ella valia mais do que um mandado de Deus.

Christão tripudiou com a infame sobre a cruz despedaçada do Redemptor;
cavalleiro, quebrou a espada de seu pae para que esse espelho de honra
não lhe reflectisse constantemente toda a hediondez do seu crime,
fidalgo e portuguez, salpicou de lama o brazão de seus maiores, e
abandonou a defeza da patria, quando ella reclamava o auxilio de todos
os seus filhos. Aqui está o que se póde chamar um amor de perdição!

Uma noite chovia agua se Deus a dava, o vento fazia tremer as casas, e
curvava até ao chão os pinheiros agigantados! A trovoada estalava com
medonho estampido, os relampagos cingiam a terra com o seu cinto de
chammas, e os raios vinham de vez em quando, lascando as rochas,
transformar as arvores em archotes colossaes. O temporal era como nunca
se tinha visto n'esta terra, nem nunca mais se tornou a vêr, porque
todos dizem que a procella d'aquella noite era obra de Satanaz. No Açude
principalmente era medonho o aspecto da tormenta. O rio furioso arrojava
borbotões de espuma, que se cruzavam com os raios, que vinham lamber as
rochas com as suas linguas de fogo. Deus me perdôe, mas o temporal de
hoje tem algumas parecenças com a tempestade d'essa noite infernal.
Quer-me parecer que tambem hoje anda fazendo das suas o inimigo do
genero humano.»

Um calafrio de horror correu pela assembléa. Todos se chegaram mais para
o pé do lume, e olharam uns para os outros benzendo-se silenciosamente
ao passo que lá fóra gemia o vento com voz soturna na porta carunchosa
do lagar.

«N'essa mesma noite Raymundo e Zoraida atravessavam a cavallo o
pinheiral que termina no Açude. A reprovada de Deus folgava com noites
tempestuosas, e nunca se sentia tão bem como quando os raios lhe
illuminavam a estrada, e o trovão respondia magestoso á sua voz
blasphema.

--Olha a cruz do nazareno, bradou Zoraida quando chegaram á cruz do
precipicio; não vês, Raymundo, como a chuva açoita irreverente o rosto
do martyr do Calvario! Porque não transforma elle os raios, que fulminam
a cruz abandonada, em cimitarras de fogo que façam rolar a seus pés a
cabeça da condemnada, da filha de Mahomet?

E ella ria,--ria com umas gargalhadas estridentes, que vibravam
sinistras dominando os ruidos da tempestade, e que, repercutidas pelos
echos do abysmo, tinham um não sei quê de infernal. Raymundo estremeceu.

--Não zombes d'esta cruz, respondeu elle com modo sombrio; quando eu era
innocente--e suspirou--vinha aqui ajoelhar muita vez. Não zombes d'esta
cruz, peço-t'o.

Zoraida fitou por muito tempo n'elle o seu olhar aveludado, fascinante,
diabolico e tentador. Era incomprehensivel a magia d'esse olhar, e mais
incomprehensivel ainda o dominio que exercia no moço cavalleiro.
Dir-se-ia que dois sentimentos oppostos combatiam no coração de
Raymundo: de um lado a repugnancia, a rebellião da vontade, do coração,
do espirito contra aquelle demonio oppressor; do outro lado uma
attracção irresistivel, fatal, que o arrastava a seu pesar, e o
prostrava aos pés da musulmana.

Venceu o anjo mau. Raymundo curvou-se sobre o pescoço do cavallo, ebrio
de amor ou de desejos fitou um olhar frenetico nos olhos de Zoraida, e
quando ella, com um sorriso de escarneo, se approximou da cruz, e cuspiu
no rosto do Crucificado!... elle, vencido pelo demonio, imitou-a, rindo
com um riso convulso e doloroso, que fazia horror.»

--Jesus!--bradaram os circumstantes.

O vento abriu a porta do lagar, e á luz de um relampago viu-se o campo
devastado pelo vendaval e inundado pela chuva; um trovão medonho fez
benzer todos, e emmudecer o narrador. Chegaram-se mais ao lume, e
olharam uns para os outros. Estavam todos pallidos e tremulos.

--Aconteceu exactamente o mesmo que aconteceu agora, continuou o João
Moedor com a voz a tremer-lhe um pouco; a luz de um relampago deixou vêr
uma loisa aos pés da cruz, e o nome de Branca inscripto sobre a pedra.
Um trovão formidavel ribombou sobre a cabeça dos dois amaldiçoados, e a
campa estalou como se fosse de vidro. O phantasma de Branca, involto em
candidas roupas, e com a fronte cingida de rosas virginaes, ergueu-se da
sepultura, fazendo recuar Raymundo horrorisado. Este quiz desviar a
vista, e o phantasma seguiu o movimento dos seus olhos; quiz tapar o
rosto com as mãos, e as mãos fizeram-se-lhe transparentes, deixando vêr
ainda a imagem da donzella serena como uma santa, triste como uma
martyr, impassivel como o destino. Quiz enterrar os acicates nos ilhaes
do cavallo, e o cavallo esvaiu-se como fumo, adelgaçando-se, e
escapando-lhe por entre os joelhos, como um pedaço de neve que o sol
derrete nas montanhas. Raymundo deu um grito de horror, e estacou
petrificado.

Então voltou os olhos para Zoraida, e ficou aterrado da transformação da
sua amante. O rosto, cuja belleza o fascinára, fizera-se negro, mais
negro do que o carvão. Scintillavam os olhos como duas brazas, e nos
labios volteava-lhe um sorriso de ironia. O braço assetinado que beijára
tanto, estendia-se para elle terrivel e ameaçador. Raymundo, por um
esforço supremo de vontade, recuou dois passos, mas o braço estendeu-se,
estendeu-se, tornou-se desmesurado e apertou-lhe o pescoço, queimando
como se fôra uma tenaz ardente.

--Não me foges, bradou ella com voz rouca, vendes-te-me a tua alma,
renegado. Segue-me, segue-me. Pertences-me. Vem, que o inferno celebra
hoje o nosso noivado. Os raios são os fachos do hymeneu, e Lucifer o
sacerdote. Vem, é este o leito nupcial.

E, arrastando-o com uma força irresistivel, precipitou-se com elle no
abysmo. Um clarão avermelhado illuminou as aguas da torrente, que
exhalaram um cheiro nauseabundo de enxofre.

Mas o phantasma de Branca ficára ajoelhado aos pés da cruz, implorando o
perdão do condemnado. No rosto de Christo, suavemente illuminado,
resplandecia um vago arraiar precursor da aurora da misericordia.

Apenas Zoraida desappareceu, desfez se o encanto. Serenou a tempestade,
e a brisa perfumada da noite veiu timida brincar nas rosas do tumulo de
Branca.

Mas ainda hoje, em dias de vendaval, se vêem duas sombras terriveis
correndo para o precipicio, uma horrorisada, tremula, arrastada, a outra
com uma alegria feroz no semblante. Aos pés da cruz vem então ajoelhar
uma sombra com o rosto inundado de lagrimas celestiaes.

É que Raymundo ainda está cumprindo as penas do purgatorio, e Branca, o
anjo do Senhor, sem deixar de implorar a misericordia divina para
aquelle que tanto a fez soffrer, mas a quem tanto amou!

       *       *       *       *       *

--Era inevitavel, disse, rindo, Lucio Valença depois de feitos os
cumprimentos do estylo, eu estava já prevendo que iamos descambar em
plena edade média. O nosso amigo Roberto Soares não póde dispensar-se de
consagrar um vivo affecto ás couraças da sua adolescencia, e ás achas
d'armas da sua creação. Fez-nos voltar para 1830 o nosso bom amigo.

--E não era epocha tão má como isso a tal de 1830, disse Roberto Soares.
Abusava-se do veneno e do punhal e dos solares e das chacaras e dos
cavalleiros que voltavam da cruzada, mas, como dizia Musset, um dos
romanticos do tempo:

    Hugo portait déjà, dans l'âme
      Notre-Dame,
    Et commençait à s'occuper
      D'y grimper.

--Não ha duvida, não ha duvida, acudiu o doutor Macedo, e Lucio é de
certo o primeiro a prestar homenagem a essa epocha da potente
efflorescencia litteraria; mas, por Deus, tornou elle interrompendo-se
com espanto, está já vencida a meia-noite; a sr.^a D. Isaura adormeceu!

Era verdade; Isaura, que não tinha de predilecções litterarias senão o
_quantum satis_ para ser senhora da moda, enfastiada já d'estas
repetições de historias phantasticas, resistira um momento ao somno que
a perseguia, mas, quando se entrára na historia dos amores de Raymundo e
Zoraida, fôra a pouco e pouco encostando a cabeça para traz, e
adormecera profundamente.

--Podéra, pensou de si para si o nosso Henrique Osorio, teimando em vêr
em Isaura uma menina toda idealisadora, e capaz de apreciar os mais
elevados prazeres do espirito, podéra! Eu mesmo me vi em ancias para
resistir ao somno. Quem atura hoje um d'estes soláos cançados e gastos
que deliciaram a velha geração, com os seus cavalleiros de armas negras,
e os seus diabos disfarçados em mulheres formosas, e os seus fidalgos
que venderam a alma a Satanaz como na _Dama Pé de Cabra_, de Alexandre
Herculano, ou na _Torre de Caim_, de Rebello da Silva? Isso foi bom no
seu tempo, hoje está longe do maravilhoso moderno, e Isaura, com a fina
intuição do seu juvenil espirito, não pôde commover-se com esses velhos
_trucs_ de magica, resuscitados ingenuamente pelo Roberto Soares para
nos entreter á meia-noite.

Emquanto Henrique Osorio fazia de si para si esse monologo, Leonor
acordava a sua amiga, que, abrindo sobresaltada os olhos, foi acolhida
por um riso jovial de todos os seus companheiros de noitada.

--Venceu-se ou não se venceu? dizia o doutor Macedo. Veja v. ex.^a se
hoje lhe produziu a mais leve impressão a meia-noite, e se lhe deram
muito cuidado os phantasmas.

--Ah! meu Deus, eu peço-lhes mil desculpas, disse Isaura um pouco
envergonhada. É que estou fatigada das noites passadas em claro, porque
o peior não é aqui, o peior é depois quando vou para o meu quarto.
Custa-me a conciliar o somno, e vem ás vezes pesadelos terriveis
perturbar o meu dormir inquieto.

--Minha senhora, exclamou, rindo, o doutor Macedo, nem tudo são rosas no
tratamento de uma enfermidade. Pois v. ex.^a não sabe que são muitas
vezes amargos os remedios salutares? Então julgava que, para ter uma
cura radical, bastava-lhe ouvir aqui lêr contos, n'uma sala confortavel,
cheia de luz, a dois passos do seu papá, e apertando a mão da sua amiga?
Nada! nós aqui doiramos-lhe a pilula. Se depois lhe sente no seu quarto
o amargor, paciencia! Mithridates é de crêr que tambem não achasse aos
venenos o gosto da ambrosia. Afinal bebia-os como quem bebe agua. V.
ex.^a hontem dormiu mal, hoje ha de dormir melhor, d'aqui a dois dias
chega a tornar-se-lhe necessaria uma historia de phantasmas para
adormecer profundamente.

--Ah! doutor, eu ao menos peço treguas. O sr. Henrique Osorio, hontem,
com a sua alameda transformada em cemiterio, e com essa mulher pallida
desenterrada, atacou-me os nervos de tal fórma que fiquei devéras
enferma. Cheguei a suppôr que eu mesma era uma defunta.

O proprio Henrique Osorio é que ficou devéras atordoado! Decidídamente
Isaura não lhe perdoava a creação do typo de Julieta que elle julgava
que tanto devia lisongeal-a. Persistia em acreditar que elle não tivera
outro intento senão o de lhe chamar desenterrada.

--Minha senhora, disse elle, eu sinto realmente profundissimos remorsos
por ter assim concorrido involuntariamente para a magoar. Creia v. ex.^a
que a minha intenção era boa, continuou elle em voz mais baixa; se depuz
a seus pés um ramalhete de goivos em vez de um ramalhete de rosas, foi
porque as flôres funereas eram as unicas que a nossa regra me permittia
que colhesse.

Isaura era _coquette_, e, sentindo n'esta phrase um aroma de galanteio,
vibrou a Henrique um olhar fascinador. N'este momento, porém, o doutor
Macedo levantou-se, e, depois de ter pedido licença para ir accender um
charuto, cantarolou, puxando uma baforada de fumo, com musica
desconhecida, esta quadra de Thomaz Ribeiro:

    Trazes agoirento goivo
    prezo em negros passadores!
    Disse-te acaso o teu noivo
    que tinhas novos amores?

--O dr. Macedo, murmurou Isaura, voltando-se para Henrique Osorio com
uma expressão no olhar muito diversa da que primeiro lh'o illuminára, o
dr. Macedo está-me explicando involuntariamente o sentido da sua offerta
do ramalhete de goivos. É um epigramma, sr. Osorio?

--Minha senhora, respondeu Henrique desesperado, estou por tal fórma
infeliz com v. ex.^a! V. ex.^a interpreta de um modo tão singular todas
as minhas palavras, e todas as minhas acções, que desisto de as explicar
de um modo satisfatorio.

Estava verdadeiramente mortificado. Levantou-se comprimentando
seccamente a sua interlocutora. Dirigiu-se a uma janella e abriu-a para
respirar mais á vontade. As reclamações dos circumstantes obrigaram-n'o
a fechal-a de novo. Isto ainda mais o desesperou. Estavam-se fazendo as
despedidas. Leonor, ao passar junto d'elle, disse-lhe com um riso
malicioso, e em voz baixa:

--É para que tu saibas o que valem os galanteios funebres.

--Olha, sabes que mais, Leonorsinha? tornou Henrique bruscamente,
occupa-te das tuas bonecas.

A pobre senhora sentiu a dôr profunda do golpe. Recuou um passo, levou a
mão ao coração, e marejaram-lhe nos olhos duas lagrimas.

--Perdão, menina, acudiu Henrique, caindo em si.

--Estás perdoado, respondeu Leonor com voz fraca, mas... mas como tu a
amas!

Saiu. Se se demora mais um instante, rebentavam-lhe os soluços mesmo
diante de Henrique.

O doutor Macedo, ao passar por diante de Osorio, parou, e disse
declamatoriamente:

    _Si je vous le disais pourtant que je vous aime,
    Qui sait, brune aux yeux bleus, ce que vous en diriez?_

--Está fallando por enigmas poeticos, doutor, exclamou Henrique
impaciente. Quer fazer concorrencia ao _Diario Illustrado_, ou ao
_Jornal da Noite_?

--Não, disse o doutor, quero apenas dizer, com palavras de Alfredo de
Musset, que passam muitas vezes duas pessoas ao lado uma da outra, sem
saberem os sentimentos que vivem nas suas duas almas, e que, se ousassem
exprimil-os, voariam a encontrar-se.

--A solução no proximo numero, não é verdade, doutor? tornou Henrique,
impaciente.

--Talvez, redarguiu o doutor.

E saiu, ao passo que Henrique Osorio encolhia os hombros com desdem.

       *       *       *       *       *

Na seguinte noite, antes de chegar a hora fatidica, o doutor Macedo
pediu a palavra.

--Minhas senhoras e meus senhores, disse elle, desenrolando um
manuscripto, se não espero o bater da meia-noite, é porque o romance que
vou lêr precisa de um prologo, e á meia-noite em ponto o que deve entrar
em scena é o elemento phantastico. Seja dito sem envolver nem a mais
leve censura aos illustres preopinantes que se afastaram d'esta regra.
Não é meu este romance, o seu auctor deseja conservar o incognito...

--São prohibidas as substituições, bradou Lucio, rindo, serviço
obrigatorio!

--Mau! Não me interrompam! O auctor é um dos nossos collegas, não direi
mesmo se está presente. Faz o seu serviço, mas provisoriamente quer
conservar a mascara. Ora diz Gennaro na _Lucrecia Borgia_, pouco mais ou
menos, o seguinte: A mascara de uma senhora é tão sagrada como a face de
um homem. É assim ou não é, Soares? É assim, romantico?

--Será, mas o que d'ahi deduzo é que o auctor é uma das nossas amaveis
companheiras de serão.

--As conjecturas são permittidas, mas vae dar a meia-noite, e eu,
conformando-me com os preceitos do regimento, passo a lêr a _Egreja
profanada_.

No meio do mais profundo silencio, em que se sentia a avida curiosidade
dos ouvintes excitada pelo mysterio em que se envolvia o conto, o
doutor, que lia admiravelmente, começou assim:



A EGREJA PROFANADA


I


Corre socegada a noite, mas não brilha a lua no céo a espargir
tristezas, escondendo um devaneio, um sonho de poeta em cada uma das
pregas da sua candida tunica; scintillam apenas as estrellas no véo
escuro do firmamento.

Formosas são as noites estrelladas, mas não teem a suave melancolia das
noites de luar; enleva-se-nos o espirito ao contemplar essas myriades
d'orbes luminosos; porém os raios da lua teem uma linguagem mysteriosa
que nos falla ao coração.

Quando no véo nocturno brilham sem rivaes as estrellas, como que
percebemos a magestosa melodia das espheras; mas, quando a lua illumina
a terra com a sua doce luz, ouvimos então no espaço vagos canticos de
saudade, suspiros de virgem enamorada, canto de pescador que se perde ao
longe nas ondas, toada de pegureiro, que vem desfallecida expirar no
nosso ouvido, intimas melodias, que nos dizem: «amor e tristeza.»

Porque as estrellas são desdenhosas rainhas d'outros céos, sóes de
outros mundos, que nos enviam, como que por descuido, um signal de sua
grandeza, um tenue raio da sua immensa luz, em quanto a lua é a
extremosa amante, que prendeu á nossa a sua existencia, a companheira
que nos segue incessantemente n'essa viagem sem fim, que emprehendemos
pelo espaço.

As estrellas tornam mais profunda a solidão, e mais espessas as trevas.
Os bosques, os valles, as montanhas conservam-se envoltos n'um véo
sombrio, por mais que os raios dos sóes da noite se esforcem por
penetrar na escuridade; as ondas baloiçam com indifferença os seus
reflexos, e não fazem caso das palhetas doiradas que avivam aqui e ali a
candidez da sua fimbria espumosa.

Mas, quando surge a lua, a natureza anima-se. Desperta a viração nos
antros perfumados das florestas, que exhalam vivissimos aromas. As fadas
vem pentear as suas loiras tranças no espelho das fontes, cuja
crystallina superficie palpita de prazer. Jorram torrentes de prata pela
falda dos montes, scintillam diamantes na folhagem das arvores. Erguem
se as ondas em vago enleio de voluptuosidade, como seio de virgem que
arfa pela vez primeira. Rescende o meigo perfume no thuribulo da
violeta. Rescende a saudade no thuribulo do coração.

As estrellas são os anjos de Deus, que entoam lá ao longe, nas
profundidades do Empyreo, o hymno ás glorias do Eterno; a lua é o
archanjo consolador que presta um ouvido compadecido aos lamentos da
humanidade.

As estrellas são os candelabros de oiro, que ardem constantemente diante
do throno do Altissimo; a lua é a urna argentea onde se transformam as
lagrimas dos que soffrem em perolas, que os anjos entornam no regaço do
Omnipotente.

As estrellas são o enlevo do philosopho, a lua é enlevo de poetas.

Porque as estrellas revelam o poder de Jehovah, a lua a caridade do
Redemptor.

Mas vae a noite socegada, e a luz dos fachos da abobada celeste
scintilla frouxamente na face adormecida do mar. As vagas erguem-se
vagarosamente, enroscam-se a pouco e pouco, caminham em longa fileira
para as praias, e alastram no areial o seu manto escuro.

Negra, bem negra está a superficie do Oceano; os raios das estrellas,
naufragos luminosos, debatem-se com as ondas, que mal conseguem doirar.
Do seio d'essas trevas sae um gemido cavernoso. É a voz eterna do
liquido leão, é o rugir tranquillo mas terrivel do monarcha da
immensidade.

Não param as vibrações nas espumosas cordas da harpa dos abysmos; ora
plangente, ora formidavel, o cantico incessante resôa no espaço.

E que diversidade de vozes não ha n'esse concerto immenso! o magestoso
ruido das ondas ao assoberbarem-se lá no mar alto, o grito que resulta
do embate de dois d'esses colossos que se encontram, o uivo de raiva que
soltam quando espadanam nos rochedos da praia, o suspiro amoroso que
desprendem ao beijarem o areial, o murmurio palreiro das gottinhas de
agua ao despedirem-se a custo das conchas das ribas, o lamento que
exhalam ao açoital-as o vento, tudo isto se resume n'um hymno sublime,
intraduzivel, como os poetas os sonham, mas não escrevem.

Ó mar! A opulenta imaginação da antiguidade grega povoou de sereias as
tuas ondas, poisou no cimo d'estas o velho Glaucus, com as suas barbas
limosas, com a sua voz aterradora, poisou no teu leito de espuma ora a
rosea concha Acidalia em cujo seio se abrigava a candida Aphrodite, ora
a seductora Lamia, ora as horriveis Gréas, e nem assim conseguiu
traduzir o indizivel encanto com que nos attraes, e o vago terror que
nos incutes, a suavidade da tua voz, e a selvagem energia dos teus
hymnos! Ó mar immenso, que lyra infeitiçada te deu o Senhor, de que
mysteriosa seducção impregnou as tuas solidões?

Assim perdido nas trevas como é magestoso o Oceano! Nem uma véla se
distingue na immensidade solitaria! Ainda n'aquelle isolamento, não
descontinúa o fadario das ondas! Vão, vem, atropellam-se, espraiam-se,
beijam se, desmaiam, agitam-se, revolvem-se, cantam, suspiram, e, lá ao
longe talvez, algum scismador, encostado ao peitoril da sua janella, ao
ouvir aquelle ruido ineffavel, pensa na eternidade, e em Deus!

Comtudo bem junto da praia, a pouca distancia de uma casa cuja fachada
branca mira silenciosa a eterna agitação do Oceano, que envia ás vezes,
de enamorado, uma das suas ondas a beijar-lhe os pés, baloiça-se
indolentemente uma barca, onde dorme um pescador, cujo somno é
acalentado por esse murmurio suave.

As ondas embalam tão docemente o bote, como carinhosa mãe póde embalar o
berço do recem-nascido.

A uma das janellas que se rasgam na fachada branca da casa da praia,
encosta-se um vulto de mulher. Em baixo está um outro vulto varonil e
elegante. Ouve-se, por entre o concerto das vagas, o mysterioso segredar
de duas vozes.

Leandro e Hero, Rosina e Almaviva, Julieta e Romeu!

O bramir do mar abafa o manso ruido das vozes. Mas o rugido do Oceano, e
o flebil sussurrar dos namorados chegam, em murmurio egual, ao throno do
Omnipotente: porque são duas notas do hymno immenso do Universo, que se
resume n'uma palavra «Amor.»


II


Tudo n'este mundo acaba, inclusivamente as doces palestras enamoradas.
Mais infeliz do que a desditosa heroina de Shakespeare, a donzella da
casa da praia não pôde esperar que o grito matinal da cotovia saudasse o
alvorecer. Ainda a noite não chegára ao meio do seu giro, e já era
forçosa a separação.

Trocaram-se suaves promessas, mil vezes se affastou o nosso Romeu da
fachada branca, mil vezes voltou a ella, como se as ondas, que lhe
vinham quasi banhar os pés, o arrastassem comsigo nas incessantes
ondulações do fluxo e do refluxo.

Afinal a palavra «Adeus» escoou-se, como um timido murmurio, pelos
labios dos dois namorados; o elegante moço affastou-se rapidamente, e,
dando um pulo bem calculado, foi cair em pé dentro do barco, que as
ondas baloiçavam.

Ao choque inesperado acordou em sobresalto o barqueiro. Ergueu-se á
pressa, e, depois de reconhecer seu amo, fitou os olhos com certa
inquietação no céo estrellado, chronometro infallivel dos homens do mar.

--Ah! senhor, disse elle com a voz entrecortada, que tanto se demorou! É
forçoso apressarmo-nos, e não sei ainda se chegaremos a tempo á praia.

--Que medo tens tu, homem? perguntou o que embarcára, sentando-se
commodamente na pôpa do bote. Está o mar de leite, e nem a mais ligeira
brisa lhe agita as ondas, nem uma nuvem ameaçadora assoma no horisonte!
As tempestades repousam, amigo!

--Não temo a procella, tornou o barqueiro, abanando a cabeça; eu e o
vendaval somos conhecidos velhos, e não me assusta a tormenta em noite
escura, nem receio ser engulido pelas ondas! Assim como assim um homem
ha de morrer uma vez, e vale mais adormecer livremente envolto n'esta
mortalha de espuma, do que ser cozido n'um lençol branco, e mettido em
uma cova, onde o nosso pobre corpo nem uma vez só se poderá regalar com
o cheiro da marezia! Mas ainda que a temesse, não é n'uma noite d'estas
que um velho marujo receia a tempestade. V. s.^a tem rasão: o mar está
de leite, e o barco ha de deslisar tão commodamente por sobre as suas
aguas como uma carruagem por cima da poeira da estrada real.

--Então o que te assusta, meu velho?

--Está quasi a dar meia-noite, senhor.

--Percebo! Receias que o fuso da tua companheira não corra tão
ligeiramente nas suas mãos enrugadas, de farta que esteja de te esperar.
Socega, homem! Irei eu mesmo acalmar as rabugices da Catharina, e
prometter-lhe uma estriga de linho para os serões do inverno. Verás que
a velhita ha de ficar tão contente, que nem pensará em ralhar comtigo
por causa da desusada demorada.

--Não esteja com cuidado na Catharina, senhor, que ella bem sabe que me
não demoro por culpa minha. Oh! se sabe. Antes de ser velha desdentada
já foi moça e louçã, e ha de se lembrar de como nós esqueciamos as
horas, que passavam, ella sentada á porta da choupana a concertar as
rêdes de seu pae, eu assentado no areial a fallar-lhe fallas de namoro,
que lhe punham o rosto mais vermelho do que uma rosa de maio. Ainda não
é isso, meu amo.

--Então o que é, finalmente? perguntou o seu interlocutor, já um tanto
enfadado.

--É que não resulta bem algum ás almas de dois christãos de estarem
assim no mar por estes sitios ao bater da meia-noite.

--Porque?

O barqueiro olhou com inquietação em torno de si, e depois murmurou em
voz baixa que mal se ouvia:

--É por causa da _egreja profanada_!

O esbelto moço olhou espantado para elle.

Durante a conversação, o pescador desamarrára o barco, e, lançando mão
dos remos, déra-lhe um impulso vigoroso. Jà estavam longe da praia, as
ondas vinham bater no costado do bote com um murmurio queixoso, que
acompanhava o som compassado do bater dos remos na agua.

O pescador tornou a fitar o céo com inquietação, e, sem responder a uma
nova pergunta do seu passageiro, curvando-se para diante, metteu os
remos nas ondas, e, entezando depois os musculos vigorosos, fez,
erguendo-os de novo, espadanar uma cascata de espuma de cada lado do
ligeiro bote.

Este, como um corsel generoso, que ao sentir enterrarem se-lhe nos
ilhaes as esporas do cavalleiro, se empina primeiro, depois, sacudindo
as crinas, desata em vertiginoso galope, e, saltando de um pulo uma
onda, que vinha orgulhosa para elle, deslisou por sobre as aguas com
incrivel rapidez.

Ainda o passageiro não tivera tempo de repetir a pergunta, quando vibrou
o espaço com as lentas pancadas da meia-noite, que soava lá muito ao
longe, no sino de uma egreja situada á beira mar.

Produzia um effeito sinistro aquelle som distante. Cada uma das
vibrações vinha, em intervallos eguaes, expirar no ouvido dos dois
navegantes, e casar-se melancolicamente ao rugir contínuo das vagas.

O barqueiro deixou cair os remos, e bradou: «Jesus, meu Deus!» O mesmo
seu amo não se pôde eximir a um inexplicavel receio.

Ambos silenciosos, o barqueiro com os cabellos em pé, o nosso enamorado
com vaga curiosidade, e um tal ou qual terror, contaram as lentas
pancadas do bronze sagrado.

Parece que aquellas vibrações não eram produzidas pelo simples sino de
uma egreja, mas que fôra o anjo das vinganças do Senhor quem fizera
vibrar o bronze, e quem lhe dera aquella voz sobrenatural e pavorosa.

Contaram uma... duas... tres... doze. A ultima vibração assemelhava-se a
um gemido terno, ao uivo lamentoso do genio da meia-noite, que, abrindo
as suas negras azas, annunciasse aos phantasmas o começo do seu imperio.

O barqueiro, que se levantára, caíu de novo no meio do barco e escondeu
o rosto entre as mãos; seu amo soltou uma exclamação de espanto.

Um clarão avermelhado tingira subitamente as ondas, como se um incendio
começasse a lavrar no fundo do Oceano. As vagas soltaram um gemido
plangente, como creanças açoitadas.

E um concerto horrivel, formado por muitas vozes, erguera-se do fundo
dos mares; e essas vozes cantavam os psalmos da penitencia.

Mas as palavras, cheias de uncção, e impregnadas de tristeza das
sublimes poesias do rei propheta, tomavam uma accentuação ironica, como
se passassem pelos labios requeimados dos anjos malditos.

No meio d'essas vozes roucas fez-se ouvir de repente uma voz suave e
argentina de mulher, doce como o gemer da brisa nas solidões do Oceano,
feiticeira como a voz das seductoras sereias.

Mas aquella mesma doçura tinha um não sei quê de medonho, e n'essas
melodias celestiaes reverberava-se o fogo do inferno.

No meio das notas mais ternas, vibrava subitamente uma outra aspera e
dissonante, que produzia o effeito que produziria no meio das harmonias
da harpa o som do estalar de uma corda.

E essa voz tinha ao mesmo tempo uma profunda tristeza, uma plangente
intonação, uma pungente ironia e um não sei quê d'attraente e seductor
que fazia pensar na fatalidade.

Os olhos do moço passageiro encheram-se involuntariamente de lagrimas, e
com os braços estendidos, perdido n'um vago extasi, parecia querer voar
nas azas da melodia para o antro sub-marinho, onde se aninhava a
infeitiçada sereia.

E a voz cantava:

    Co'a vossa santa colera,
    raio que fere e brilha,
    ao impio que se humilha
    não fulmineis, Senhor!

    N'este meu seio embebe-se
    a vossa frecha ardente,
    e a mão omnipotente
    me opprime em seu furor.

    Da vossa ira o halito
    seccou-me membro a membro,
    e ai! se então me lembro
    do meu longo peccar,
    de como olvidei, réprobo,
    santos dictames vossos,
    oh! sinto até meus ossos
    um frémito agitar!

    O fardo immenso e horrido
    da minha iniquidade,
    á voz da Divindade,
    a fronte me curvou.
    Da minha carne as ulceras
    corrompe-as a lembrança
    da impia atroz folgança,
    que a Deus me arrebatou.

Era triste, profundamente triste a voz, que assim cantava nos abysmos do
Oceano as primeiras palavras do primeiro psalmo da penitencia. Ia
enfraquecendo pouco a pouco até desfallecer quasi de todo no ultimo
verso, mas então a voz vibrava de novo com aspereza, e era quasi uma
gargalhada infernal, de desafio ao Eterno, o grito ironico com que
voltava a cantar os seguintes versos:

    Co'a vossa santa colera,
    raio que fere e brilha,
    ao impio que se humilha
    não fulmineis, Senhor!

N'este momento rasgaram-se as ondas, como se um novo Moysés lhes tocasse
com a varinha magica. Entremostraram-se aos olhos do espantado moço as
profundidades do mar. Foi isso rapido como um relampago, mas deu-lhe
tempo sufficiente para vêr o interior de uma egreja gothica
esplendidamente illuminada com uma immensa profusão de cirios. Uma longa
fileira de guerreiros da edade média cercava os altares, mas no meio da
nave campeiava, coisa estranha! a meza de uma orgia, e as taças de oiro,
cheias de vinho espumoso, ostentavam-se em cima da toalha. Uma mulher
formosa como os anjos, mas tendo na fronte pallida não sei que
inexprimivel sêllo da maldição divina, ergueu-se, como se fosse
sustentada por azas invisiveis, até á superficie dos mares. Cerrou-se de
novo o abysmo, e as ondas purpureadas pelo reflexo dos cirios estenderam
por cima d'essa mysteriosa egreja o seu liquido docel.

E o vulto feminino, com as vestes alvejantes ondeando por cima das
vagas, e roçando a fimbria na orla da espuma, que o clarão vermelho
fazia espuma de sangue, com a corôa da orgia ainda na fronte,
encaminhou-se lentamente para o sitio onde o barco parára, porque o
pescador ainda não ousára nem sequer levantar-se.

O phantasma deslisava por cima das ondas, como se invisivel mão o
impellisse; já estava proximo do bote, e os seus olhos negros, onde
scintillava uma chamma infernal, exerciam uma incrivel fascinação no
nosso heroe. Afinal parou, e os seus braços estenderam-se vagarosamente
para elle, a fronte pallida tombou-lhe para o hombro, como lyrio pendido
pelo tufão. Ignota languidez suavisou-lhe o fogo do olhar. As tranças
negras desprenderam-se-lhe e fluctuaram-lhe nas espaduas. Os labios
descerraram-se, e a sua voz doce e melodiosa suspirou, como um triste
queixume os versos:

    N'este meu seio embebe-se
    a vossa frecha ardente,
    e a mão omnipotente
    me opprime em seu furor.

Cego, louco, fascinado, o juvenil passageiro do bote nem forças teve
para resistir á seducção. Inclinou meio corpo para fóra do barco,
estendeu as mãos, e ia precipitar-se nas ondas.

--Jesus! bradou o barqueiro.

O phantasma soltou um bramido de desesperação, as ondas rasgaram-se de
novo, e quando o moço abriu os olhos, que fechára de deslumbrado pela
chamma que faiscára nas pupillas negras da gentil desconhecida, já o
vulto feminino desapparecêra.

Mas as ondas continuavam a conservar a sua côr escarlate, e o canto dos
psalmos vibrava ainda na immensidade.


III


O terror tirára as forças ao barqueiro, o terror lh'as deu de novo.
Lançou mão dos remos, e o bote afastou-se rapidamente d'aquelle terrivel
sitio.

--Sabes a historia do que estamos vendo? perguntou o companheiro do
pescador, com voz ainda agitada.

--Oh! se sei, senhor, é uma historia terrivel. Mas não é n'este sitio
nem a esta hora que eu a hei de contar.

--Conta, tornou o interrogador imperiosamente, já estamos longe do ponto
fatal, e a voz dos réprobos vae-se perdendo no horisonte.

O barqueiro hesitou um instante, depois principiou em voz tão baixa que
mal se percebia, e sem deixar de impellir vigorosamente o bote, a
seguinte narração:

«Havia aqui d'antes, ha um bom par de annos, e junto d'aquelle castello,
cujas ruinas ainda póde divisar penduradas como ninho de aguias em cima
das fragas, uma egreja que fôra mandada construir por um devoto fidalgo
d'aquelle solar, fidalgo que morreu em cheiro de santidade. A igreja era
tida em conta de milagrosa, e alli concorriam immensos fieis attrahidos
pela fama do templo, e pelas virtudes do capellão, homem de vida
austera, affectuoso para com os humildes e nada servil com os grandes, a
quem dizia as verdades por mais amargas que fossem, quando entendia que
assim o exigiam os deveres do seu ministerio.

«Vivia então no castello um fidalgo devasso, filho do fundador da
egreja, o qual, se lhe herdára as riquezas, não lhe herdára as virtudes,
porque os thesouros da terra na terra ficam, mas os thesouros do céo
esses voltam com o seu possuidor para o seio do Omnipotente.

«Tinha esse fidalgo uma irmã. Linda era ella. Gentil a mais não poder
ser. Dizem que o rosto é o espelho da alma, e se assim fosse, ninguem
possuia mais formosa indole nem mais candido espirito do que a irmã de
Guilherme, a filha do virtuoso Pelayo. Mas não era assim. A natureza
esmerára-se tanto em lhe aprimorar a belleza physica, que se esquecêra
de certo de cuidar com egual desvelo na formosura moral. É assim que
dizem que Satanaz tem uma belleza seductora, e que seria um guapo
archanjo, se o pé caprino não revelasse a quem se deixa fascinar pela
etherea gentileza do anjo maldito, que está a contas com o pae da
mentira. Infelizmente Ignez não tinha esse signal que a distinguisse dos
anjos de que parecia irmã, e, se algum cauteloso enamorado, para
tranquillidade de consciencia, lançasse uma vista de olhos para o
pésinho encantador da formosa filha de Pelayo, não fazia mais do que
completar a fascinação, e, em vez da agua benta, com que tencionava
aspergil-o, era natural que o cobrisse de beijos, tão airoso era elle e
tão pequenino, tão pequenino que parecia que a natureza, ao esquecer-se
de lhe formar a alma, se esquecêra tambem de lhe formar o pé.

«Quando ella passeava a cavallo por essas ferteis varzeas, montada
elegantemente n'um lindo cavallo preto, todos se ficavam enlevados a
contemplal-a, e não havia donzella nem rico homem que não sacrificasse
de boa vontade a vida para fazer brotar um raio d'amor na pupilla negra
da gentil Ignez. Mas ninguem o conseguia, e o marmore d'aquelle rosto
adorado nunca se purpureára com o rubor da paixão. Engano-me. Paixão
sentia ella, vehemente, incestuosa, horrenda, e que lhe devia incendiar
o rosto não no vivo escarlate do pejo de donzella enamorada, mas sim no
rubor da vergonha e do remorso. A réproba amava seu irmão!

«E não imagine que ella occultasse essa paixão criminosa. Pelo contrario
gloriava-se d'ella impudentemente. E o espectaculo, que davam aquelles
dois impios, era um escandalo contínuo para os bons christãos dos
arredores.

«Não se faz idéa das orgias freneticas e loucas, a que no castello se
entregavam aquelles dois abandonados de Deus. Quem passasse á meia-noite
pelo caminho que serpeia na montanha, e onde estava situado o solar
defrontando com a egreja, havia de parar cheio de religioso terror ao
vêr de um lado o immenso clarão das luzes incendiando as vidraças da
sala da orgia, ouvindo os cantares ebrios, os risos descompassados, as
blasphemias, as musicas voluptuosas, e dando com a vista do outro lado
na casa do Senhor, muda, deserta, sepultada em trevas, como um terrivel
archanjo que contemplasse com olhar sevéro os folgares dos malditos, e
que esperasse silencioso que soasse a hora da punição.

«O mar batia de continuo nos rochedos, e aquelle ruido incessante, se o
ouvissem nas salas, havia de lhes soar lugubremente como a voz
justamente irritada do Deus vingador.

«A egreja e o mar! Diante do templo erigido pela piedade dos homens,
diante do templo immenso em que mais se revela a imagem da Providencia,
como poderia haver quem esquecesse por tal fórma os preceitos da lei
divina?

«Pois havia! e á noite, quando na mysteriosa soledade da nave, se
erguiam os mortos do seu leito de pedra para se ajoelharem diante do
altar, quando o vasto Oceano desprendia dos seus labios de espuma o
hymno religioso com que celebra a omnipotencia de Deus, accendiam-se as
luzes no salão do castello, sentavam-se á meza da orgia Guilherme e
Ignez e alguns cortezãos das suas devassidões, porque os seus eguaes
todos se haviam desviado d'aquella Gomorrha amaldiçoada, sobre a qual
cedo ou tarde cairia o fogo do céo; e a irmã do castellão, no fim do
banquete, cingia a fronte com uma grinalda de rosas, empunhava a harpa,
e cantava canções bacchicas com essa voz melodiosa, pura e vibrante, que
os anjos lhe invejavam, para descantar os seus hymnos de louvor ao
Eterno.

«Um dia o velho capellão, que fôra o primeiro padre que dissera missa na
egreja cujo fundador fôra o pae dos dois devassos, dirigiu-se ao
castello, tencionando chamar para o redil da egreja aquellas duas
ovelhas desgarradas por atalhos de maldição.

«Nada conseguiu senão excitar o odio de Ignez, que ouviu furiosa as
reprehensões do padre, e que foi immediatamente queixar-se a Guilherme
da insolencia do sacerdote, e pedir-lhe, como premio de amor, a cabeça
do digno homem, como outr'ora Herodias pedia a Antipas a cabeça de S.
João Baptista.

«Não ousou conceder-lh'a Guilherme. Conservava ainda, no meio dos seus
vicios, um respeito supersticioso por seu pae, e não ousava tocar na
pessoa inviolavel d'aquelle a quem Pelayo confiára o templo que fundára.

«Não insistiu Ignez; mas projectos de vingança atroz calaram
immediatamente n'aquelle espirito pervertido.

«Uma noite, noite de Natal, a chuva caía em torrentes, açoitando
egualmente as vidraças do castello, illuminadas com o clarão do festim,
e os vidros de côr da egreja atravez dos quaes coava a religiosa luz dos
tocheiros accesos para se celebrar a tocante solemnidade da missa da
meia-noite.

«O mar rugia de encontro aos rochedos, e soltava ora gemidos pavorosos,
ora lamentosos queixumes.

«O vendaval corria infrene por sobre as ondas.

«De mais folias ainda do que de costume era testemunha o salão do
castello. Os gritos dos ebrios ouviam-se cá fóra distinctamente, e
faziam com que todos os que se dirigiam á missa se persignassem com
horror.

«Sentada n'uma cadeira de espaldar, junto de seu irmão, Ignez, com os
cabellos em desordem, soltos pelas espaduas núas, com a lascivia no
olhar e na attitude, desferia a harpa de oiro e descantava as mais
alegres canções.

«O vento e o mar soltavam cá fóra os seus tristes e lugubres lamentos.

«De repente soou meia-noite na torre da egreja. Os repiques da sineta
annunciaram immediatamente que ia principiar a missa.

«Cessaram os risos e os cantares no castello de Guilherme. Só Ignez com
o seu diabolico sorriso a pairar-lhe nos roseos labíos, exclamou:

«--De que vos temeis, nobres cavalleiros? Tão desgeitosa estou já no
dedilhar da harpa, que lhe prefiram o agudo cantar da sineta? Tão
enfraquecida está a minha voz, que cessem de a escutar para ouvirem o
bronze de um campanario?

«N'este mesmo instante um raio fuzilou no espaço, inundando a sala com a
sua luz phosphoríca, e o vendaval, redobrando de força, fez em estilhas
uma das vidraças.

«Todos sentiram um convulso tremor percorrer-lhes as veias, e o proprio
Guilherme limpou o suor frio que lhe escorria na testa. Ignez continuou:

«--Receiaes a tormenta? Quereis um conselho? Deixemos esta sala que o
vento vae tornar inhabitavel, e que a chuva vae inundar, e vamos
procurar um abrigo na egreja. Alli, sim, que é sala commoda.
Utilisemol-a. Um ultimo copo de vinho, meus senhores, e façamos a
transferencia.

«Todos obedeceram ás ordens da formosa Ignez. Beberam um copo de vinho,
e ergueram-se bradando resolutamente: «Para a egreja.»

«O ministro de Deus subira n'esse instante ao altar revestido dos seus
sagrados paramentos. Tornavam-n'o respeitavel o seu caracter augusto de
immaculado sacrificador, e ainda mais o seu diadema de cabellos brancos,
e a invisivel aureola de virtudes que lhe circumdavam a fronte.

«A multidão ajoelhada sentia como que o espirito de Deus baixar ao
templo, evocado pelo santo sacerdote. O orgão começava a gemer os seus
doces cantares. A tempestade parecia respeitar aquelle sacro asylo,
suspirando plangente nas frestas ogivaes, e não rugindo pavorosa, como
quando sacudia as suas negras azas em torno do castello.

«Tudo era socego e serenidade n'aquella divina estancia.

«Subito irrompeu pelo portal da egreja a turba dos ebrios, em
descompostos cantares. Ficou gelada de terror a devota multidão.
Perturbado quando erguia a Deus o immaculado espirito, o sacerdote
voltou-se e deu com os olhos na bella Ignez, que vinha na frente
encostando-se com insolente descaro ao braço de seu irmão.

«Inflammado em santa colera, o velho ministro do Senhor desceu os
degraus do altar, e, dirigindo-se aos recem-chegados, bradou com voz
sonora, em que vibrava o echo das iras de Deus:

«--Parae, não profaneis o templo, e não obrigueis a fulminar-vos o raio
de excommunhão, que vos está impendente.

«Era venerando o vulto apostolico do santo varão. O povo caíu de
joelhos, e a tempestade suspendeu os seus bramidos, como que respeitosa
e tremula.

«Ouviam os elementos desvairados a voz do ministro do Omnipotente. Só
ficavam cerrados os ouvidos dos impios.

«Era porque chegára a hora fatal, e a taça das iniquidades trasbordára
emfim.

«Ignez sorriu-se meigamente para seu irmão. Que doce, que angelico
sorriso! Quem diria que esse sorriso, que rescendia amores, era apenas
um incitamento ao assassino?

«Pois foi. Guilherme allucinado arrancou do punhal, e feriu o velho
sacerdote.

«O sangue espadanou da ferida, e salpicou, tingindo de escarlate o
candido vestido de Ignez.

«A multidão fugira horrorisada, os criados, impios como seus amos,
haviam trazido n'esse instante a meza da orgia.

«Mas assim que baqueou o sacerdote, a tempestade, suspensa por um
momento, soltou-se com novo furor. Rugiu o vento nas frestas da egreja,
fuzilaram os raios, bramiu, quebrando-se nos rochedos, o Oceano
enfurecido, e os tumulos de pedra da egreja estalaram como se fossem de
vidro.

«E do tumulo de mais primoroso lavor, surgiu, envolto na mortalha, o
espectro de Pelayo, o fundador da egreja. Ondeiavam-lhe ainda as barbas
nevadas sobre o funebre escapulario, e das orbitas cavadas, coisa
horrivel! brotavam lagrimas ardentes.

«Ergueu-se, ergueu-se; já não tocava com os pés no chão marmoreo da
egreja. O vento engolphando-se pelo portal do templo, agitava-lhe as
pregas da mortalha. Com as mãos unidas, em attitude de oração, o velho
finado, subindo lentamente nos ares, parecia um d'esses prophetas que o
Senhor Deus arrebatava para as alturas do Empyrio.

«Quando chegou ao tecto, o tecto abriu-se como por encanto e o venerando
finado continuou a sua magestosa ascensão na atmosphera que se
esclarecia em torno d'elle, como se aquelle cadaver irradiasse luz.

«Os impios haviam ficado immoveis e attonitos de terror. Mas, apenas o
velho Pelayo se sumiu ao longe na região das nuvens, resoou em toda a
egreja um terrivel estampido. O orgão vibrou, sem que mão humana o
tocasse, e o tremendo _Dies irae_ jorrou em torrentes de severa melodia
pela nave do templo. Vacillaram os columnelos, nos frisos e laçarias
gemeu o vento em canticos sinistros, e, como se o vendaval a tivesse
arrancado pela base, aquella mole immensa levantou-se do chão, oscillou
nos ares como impellida por invisivel fundibulario, e arrojou-se ao
Oceano, levando no seu seio os profanadores, que soltaram um ultimo
rugido de desespero.

«Abriu-se o mar para tragar a preza enorme que se lhe offerecia, depois
a liquida superficie uniu-se de novo, e essa mortalha immensa, cujas
pregas são as ondas, desenrolou-se para encobrir esse cadaver de pedra.

«Desde então todas as noites, ao bater da meia-noite, accendem-se os
cyrios na egreja sepultada, e, no fundo do mar, os réprobos entoam os
psalmos da penitencia.

«A voz de Ignez sobreleva a todas, e exerce ainda, do fundo do Oceano, a
sua irresistivel seducção.

«Ás vezes ergue-se o phantasma da formosa até ao cimo das ondas, e
arrasta para os abysmos os incautos que cedem ao magico poder dos seus
feitiços.

«Proteja-nos o Senhor contra estas tentações. Eis-nos chegados á praia.
...........................................................................
...........................................................................
...........................................................................
...........................................................................

O barqueiro amarrou o bote, e saltou em terra. O moço passageiro ficou
largo tempo a contemplar o Oceano.

As ondas conservavam ainda ao longe o seu reflexo escarlate, e a voz dos
precitos, enfraquecida pela distancia, vinha expirar na praia em
melancolica toada.

Aos primeiros clarões da aurora tudo se dissipou; apagou-se a pouco e
pouco a luz vermelha, ao passo que se ia aclarando mais o horisonte, e
que as ondas se iam branqueando com o tenue fulgor do alvorecer.

O canto dos malditos foi tambem esmorecendo a pouco e pouco, até que a
ultima nota vibrou solitaria no espaço; e esse silencio singular que
precede o romper do dia foi apenas quebrado pelo hymno eterno do
marulhar das ondas.[1]

       *       *       *       *       *

Houve um momento de silencio, quando o doutor Macedo acabou a leitura do
romance. N'aquelle grupo havia de certo n'esse instante um coração que
esse silencio fazia bater com desusada violencia. Afinal Lucio Valença
quebrou o encanto, dizendo:

--Decididamente, caro doutor, o nosso desconhecido collega deu um golpe
de mestre, escolhendo o para leitor de uma lenda. A sua voz deu-me
arripios, as suas inflexões resuscitaram a meia-noite. Co'a breca! houve
um momento, em que me não atrevi a olhar para a janella, com medo de vêr
encostado aos vidros o espectro fascinador de Ignez.

--Ah! de certo, disse ou antes balbuciou Leonor, nem assim se póde
avaliar o merito da lenda. O doutor é como um d'estes actores, que
transformam sempre em magnificos papeis as mais insignificantes
banalidades.

O doutor sorriu-se para ella maliciosamente, mas ao mesmo tempo um
concerto de elogios protestava contra a phrase dubia de Leonor. O mais
ardente no applauso era Henrique Osorio.

--Bem! chegou o momento solemne! disse Macedo, o publico chama pelo
auctor, e eu, como no theatro francez e hespanhol, depois dos tres
cumprimentos do estylo, vou arrojar o nome do poeta á platéa
enthusiasmada. Se me dispensam dos cumprimentos, substituo-os por uns
certos effeitos oratorios.

--Vá! vá! diga, doutor! bradaram todos em côro.

--Um! exclamou o doutor Macedo, batendo as palmas; o auctor é uma
senhora linda, elegante e espirituosa.

--Isso é abusar, doutor! bradaram os circumstantes indignados.

--Dois! tornou Macedo. Acha-se presente a referida senhora.

--Estrangulamol-o? propoz Lucio Valença.

--Um voto de censura na acta! bradou o visconde da Fragosa, sempre
parlamentar.

--Dependuramol-o da janella até elle dizer o nome! exclamou Henrique
Osorio.

--Já o tinha dito, se vocês me não interrompessem, exclamou placidamente
o doutor Macedo emquanto a viscondessa da Fragosa, Leonor e Isaura riam
a bom rir da alegre scena.

--Então falla, _ventre-saint-gris_! bradou Roberto Soares.

--_Ventre-saint-gris_ não é da edade média, sr. Roberto Soares, disse o
doutor Macedo que já erguera as mãos para bater as palmas pela terceira
vez, e que tirou tranquillamente um charuto da algibeira.

--Uma corda! bradou Henrique Osorio.

--E um algoz de boa vontade! exclamou Lucio Valença.

--Á ordem! acudiu logo o visconde da Fragosa.

Então, o doutor Macedo, com o charuto ainda não acceso nos dentes, bateu
as palmas, e disse:

--Tres!

Estabeleceu-se um profundo silencio.

--A lenda que tive a honra de submetter á apreciação de vv. ex.^{as},
concluiu o doutor, foi escripta pela ex.^{ma} sr.^a D. Leonor de Mattos
e Vasconcellos, filha do nosso excellente amigo, visconde da Fragosa.

--Tu, Leonor! exclamou Henrique Osorio estupefacto.

--Tu, filha! disse a viscondessa com os olhos rasos de agua.

--Eu logo vi que tinha sido ella, exclamava o pae todo ufano.

Confusa no meio de todos os comprimentos, com que em todas as familias
se festejam as mais insignificantes estreias litterarias do filho mimoso
da casa, Leonor nem ousava erguer os olhos para Henrique. Este
contemplava-a pasmado, depois mirava a furto Isaura, um pouco fria, um
pouco descontente com a ovação da sua _amiga_, e evidentemente de si
para si lamentava que não fosse a pallida menina a sonhadora das
phantasias da _Egreja profanada_.

Mas tambem, quando tornava a mirar Leonor, e a via modesta, perturbada,
evidentemente envergonhada de ser o alvo de todas as attenções, agora
mil vezes mais affavel com Isaura do que até ahi, como que pedindo-lhe
perdão do seu involuntario triumpho, Henrique não podia deixar de dizer
de si para si que havia um abysmo entre a pretenciosa frivolidade de
Isaura e a desaffectada simplicidade de Leonor, que bem se via que não
dava ao seu conto maior valor do que elle merecia, e que, escrevendo-o,
parecia ter querido mostrar apenas que não era estranha ás altas
preoccupações do espirito, e que a sua phantasia tambem tinha azas para
se arrojar ao mundo do ideal.

E, emquanto a conversação volteiava alegremente em torno do conto de
Leonor, emquanto uns narravam os calafrios que tinham sentido, e outros
felicitavam o leitor e a auctora, Osorio, encostando a fronte na mão,
ficou profundamente pensativo.

Instantes depois, dispersava-se a companhia, e Leonor, passando junto de
Henrique para se retirar para o seu quarto, sentia poisar na sua mão,
para a demorar, a mão tremente do seu companheiro de infancia.

Ella estremeceu toda, como se se tivesse posto em contacto com uma
garrafa de Leyde.

--Sabes, disse-lhe elle, que achei encantador o teu conto?

--Sabes que te não acredito? respondeu ella, rindo, e já senhora de si.

--Oh! eu não faço a critica litteraria do romance. É provavel que tenha
innumeros defeitos. Digo-te apenas que me impressionou. Quando o
escreveste?

--Hoje!

--Hoje? acudiu elle cravando em Leonor um olhar profundo.

--Sim, tornou ella com o coração a bater-lhe violentamente, córada até á
raíz dos cabellos, mas resoluta, quiz-te mostrar que já passou para mim
o tempo das bonecas, e que o que me preoccupa o coração e o espirito não
são já as puerilidades dos nossos brinquedos de outr'ora, mas os
affectos e as paixões da mulher.

Henrique apertou-lhe docemente a mão.

--Foi por minha causa, pois, que espertaste a phantasia, para escreveres
essa lenda? Tive eu a ventura suprema de preoccupar devéras o teu
espirito intelligente? de fazer pulsar com mais força o teu ingenuo e
nobre coração?

--Henrique! murmurou ella.

--És um anjo, Leonor! disse elle em voz baixa.

O doutor Macedo encaminhava-se para onde estavam os dois. Leonor
despediu se, e toda palpitante de commoção e... dil-o-hemos...
tambem!... de alegria, dirigiu-se para o seu quarto.
O doutor Macedo sorriu-se para Henrique, e murmurou maliciosamente:

    Si je vous le disais pourtant que je vous aime,
    Qui sait, brune aux yeux bleus, ce que vous en diriez?

--O que! era esta, doutor? exclamou Henrique.

--Pois quem, meu creançola? É necessario ter a myopia amorosa dos vinte
annos para o não perceber ha immenso tempo.

--Que quer você, Macedo! tornou Henrique, Leonor foi minha companheira
de infancia. Havia entre nós, em creanças, uma certa desproporção de
edades. Entre dois pequenitos uma differença de cinco annos abre um
abysmo! Na mocidade é um curtissimo intervallo. Costumei-me a vêr sempre
em Leonor uma creança. A mulher feita revelou-se me agora, ao ouvir lêr
o conto que ella escrevêra. Então contemplei-a, e li nos seus formosos
olhos a bondade da sua alma, e a virgindade do seu affecto. Só agora
percebi o tremor da sua voz nas palavras que me dirigia! E eu passava
junto d'ella quasi sem a conhecer!

--Meu amigo, tornou Macedo, isso é uma historia vulgar. Tem a gente ao
pé da porta um lago tranquillo, risonho, córado pelo esplendor do sol,
nunca se lembra de mergulhar n'essas aguas limpidas para colher a perola
que lá brilha no fundo, vae procural-a então ao mar das tempestades,
mergulha, e encontra ostras. Boa noite, meu amigo.

E dirigiu-se para o seu quarto. Henrique imitou-o, mas n'essa noite não
dormiu. A imagem que fluctuava diante dos seus olhos semi-cerrados, não
era, não, a pallida imagem de Isaura.

       *       *       *       *       *

Devemos dizer que na noite immediata, esqueceu completamente a hora
fatidica, e que tendo Lucio Valença pedido a palavra ás dez horas e meia
da noite, allegando que era longo o seu romance, que, sendo phantastico,
por isso que o personagem principal era um ente inanimado, tinha comtudo
uma pequena parte propriamente legendaria, e que portanto podia começar
a ser lido antes da meia noite; acolhe-se com applauso esta idéa, e
Lucio Valença começou logo depois do chá a leitura do seu volumoso
manuscripto. O doutor fizera uma careta ao avaliar o numero de paginas
que ia ter que ouvir; Henrique Osorio e Leonor, enlevados nas doçuras de
um amor nascente, não tendo olhos senão um para o outro, amaldiçoavam a
leitura que os ia privar de algumas horas de doce conversação; Isaura,
despeitada, furiosa por ter visto fugir-lhe um dos seus vassallos, e
mais furiosa ainda por lhe falharem todos os manejos que empregava para
reconquistar o inconstante, que tratára com tão soberbo desdem quando o
tivera nos seus ferros, dirigira de pura colera as suas baterias para
Lucio Valença, e preparára-se portanto para ouvir o conto com a mais
profunda attenção.

O visconde da Fragosa, o conselheiro Madureira e um honrado e silencioso
proprietario de Val de Prazeres, que vinha completar a partida do
visconde, não abandonaram sem um suspiro o _boston_. Resignaram-se,
porém, e Lucio Valença, presentindo vagamente a hostilidade do
auditorio, começou com voz não muito firme a leitura do manuscripto, que
se intitulava _Memorias de uma bolsa verde_.



MEMORIAS D'UMA BOLSA VERDE


I


Um dia fôra eu assistir, por curiosidade, a um leilão que se fizera em
casa de uma rica viuva que fallecêra. Os parentes, apressados em se
desfazerem de todos esses moveis, que para elles não tinham valor algum,
abriram o leilão apenas se fechou a campa que ia encerrar a pobre
finada. O que importavam aos herdeiros esses pobres livros, por exemplo,
sobre os quaes se debruçàra tantas vezes a fronte encanecida da viuva,
esses mysteriosos confidentes dos seus pezares e das suas saudades,
cujas paginas teriam sido regadas com tantas lagrimas, e que tantas
vezes teriam repousado sobre os seus joelhos tremulos, quando ella,
interrompendo a leitura nocturna, fitasse os olhos humedecidos no sitio
onde seu marido se costumava sentar, a lampada a cuja doce luz tinham
tantas vezes travado uma d'essas deliciosas conversações intimas,
tornadas mais suaves ainda pelo conchego do lar, e pelo prazer de sentir
a chuva bater nas vidraças, e o vento gemer de caixilhos das janellas?
Que significação tinham essas coisas para os corvos ávidos, que esperam
anciosamente que o corpo se transforme em cadaver, para descerem em
bandos a saciar a fome impaciente? E quem sabe se, reunidos em volta do
leito mortuario, não miravam com os olhos affectadamente compungidos,
onde brilhavam algumas lagrimas de convenção, os trastes do quarto, e os
proprios lençoes que agitava o estertor da moribunda? Quem sabe se elles
não estariam já calculando o valor approximado d'esses objectos? Ai!
todo o anjo, que baixa a este mundo, tem um demonio que lhe espia os
passos, que o segue cautelosamente sorrindo com um sorrir diabolico, que
esconde na sombra projectada pelas azas brancas do habitante do céo as
negras azas do habitante do inferno, e que, apenas aquelle acaba de
cumprir a sua missão divina, começa a cumprir a sua missão infame, e a
desfazer por todos os modos o effeito salutar produzido pela candida
apparição.

Após o anjo do amor vem o demonio do ciume, após o anjo da caridade o
demonio da ingratidão, após o anjo da morte o demonio da cubiça.

Morre uma creatura boa, pura, santa; vem um anjo de Deus cerrar-lhe os
olhos, e levar para os céos, no regaço da sua tunica transparente, o
espirito immaculado que se desprendeu do invólucro terreno. No rosto do
cadaver, sereno e tranquillo, fica como que um reflexo do clarão que
derramaram sobre elle as azas luminosas do Senhor. Nada mais proprio
para inspirar respeito do que essa morte socegada, tão socegada como a
de um passarinho que esconde sob a aza a gentil cabecinha. Uma suave
compuncção se apodera do animo de todos os circumstantes. Ninguem ousa
perturbar o magestoso silencio da camara funeraria; todos temem profanar
a augusta santidade d'aquella scena. Mas o demonio da cubiça lá estava
espreitando á porta com o seu olhar de tigre. Assim que o anjo bateu as
azas, entrou pé ante pé, debruçou-se sobre todas as frontes pendidas,
bafejou-as com o halito repugnante, e logo todos se ergueram
apressadamente, e trataram de fazer desapparecer o cadaver, de annunciar
o leilão, de preparar tudo para se reduzir a dinheiro, e para se fazerem
as partilhas. «É preciso tratar da vida», dizem elles. Regateiam-se as
despezas do enterro, e, para se resarcirem d'ellas, não conservam um
unico objecto, por mais desprezivel que seja o seu valor. Ahi tem pouco
mais ou menos a scena horrenda que precede um acto tão natural como é um
leilão.

Por isso eu sempre resinto uma impressão desagradavel, quando me vou
confundir com a multidão de compradores que penetram, com tão pouco
respeito, n'esses quartos outr'ora tão socegados, agora tão ruidosos.

No dia em que assisti ao leilão em que fallo, occorreram-me estas idéas
que acabo de expender.

Já se tinha vendido a maior parte da mobilia. Os sophás, as mezas, as
cadeiras, os livros, tudo se dispersára já. O pregoeiro continuava a
fazer apparecer os differentes lotes, e, com o ouvido á escuta, repetia
machinalmente os lanços dos circumstantes com uma rapidez, e com uma
segurança taes, voltando a cabeça ora para um lado, ora para outro, que
pareceria ser antes machina do que homem, se não fossem as chalaças com
que entremeiava o seu pregão monotonamente saltitante (se assim me posso
exprimir). Eu estava encostado a uma porta, e contemplava com certa
tristeza aquelle grupo, em que figuravam os rostos indifferentes dos
compradores, as physionomias ávidas dos herdeiros, e a cara
maliciosamente alvar do pregoeiro, pago para alegrar a assembléa com os
ditos joviaes que tinha fabricado, e que provavelmente já lhe teriam
servido para dezenas e dezenas de leilões d'aquella especie.

Finalmente appareceu um objecto, cuja _exhibição_ (perdôem o anglicismo)
foi acompanhada com um commentario burlesco do pregoeiro, e acolhida por
uma gargalhada da assembléa.

Era uma bolsa de seda verde com borlas de oiro. Mas que bolsa, senhores!
Era necessaria toda a cortezia do pregoeiro para conservar esse nome a
um objecto que já não tinha fórma! Era uma bolsa de cabellos brancos!
Rota, esburacada, sem côr definida e em cujas borlas o oiro brilhava...
pela sua ausencia! O pregoeiro passeiou-a triumphantemente por diante de
todos, e todos se riam, e todos zombavam, e todos faziam uma observação
que redobrava as gargalhadas.

Finalmente o pregoeiro passou por diante de mim, e mostrou-m'a. Foi
então que eu a pude vêr bem.

Se a podessem vêr como eu a vi, haviam de se compadecer d'ella. No meio
da alegria geral, que a rodeiava, ella só parecia chorar, e conservar
uma triste recordação d'aquella de quem todos se esqueciam! Se a
podessem vêr como eu a vi, baloiçando-se tristemente na mão grosseira
d'aquelle homem que a estortegava, apertando os seus frageis
membrosinhos de seda! E a pobre bolsa parecia olhar com uma tristeza
profunda para todos aquelles rostos crueis, em que a zombaria se
pintava, e de cada um dos rasgões que tinha aberto no seu corpinho,
d'antes tão gentil, a mão destruidora do tempo, parecia sair um gemido.

Que profunda impressão me causou o seu aspecto!

Talvez os meus leitores chegando a este ponto, se riam de mim. Pois não
tem rasão! Eu acredito que os objectos inanimados, que nos rodeiam,
recebem de nós como que um reflexo de sensibilidade. Quando morre uma
pessoa n'uma casa, não vêem como tudo toma um aspecto luctuoso? A sala,
em que tantas vezes estivemos sós em quanto essa pessoa vivia, tinha por
acaso o silencio lugubre que lhe notamos apenas ella deixa de existir?
Os livros, cuja leitura desperta em nós o enthusiasmo, serão
simplesmente mudos reproductores dos pensamentos do escriptor, e não
conservarão como que o vestigio do talento, que por intermedio d'elles
se manifestou? E qual será o motivo d'essa inexplicavel affeição que nós
consagramos a certos moveis queridos? do pesar que sentimos ao vêrmo-nos
obrigados a abandonal-os?

Quando alta noite acordam, e, sem poderem conciliar o somno, ficam
deitados de olhos abertos a contemplar as trevas, e a escutar o
silencio, não sentem de repente um indizivel murmurio, e umas
inexplicaveis luzes encherem o quarto e rasgarem a escuridão? Como
explicam isso? Eu creio firmemente que esse ruido, que se não ouve
quando não estamos n'essas circumstancias, é o que produzem as
mysteriosas conversações dos espiritos invisiveis que existem escondidos
em cada um d'esses moveis, e que alta noite se reunem, para segredarem
uns com os outros, e que esse tenue fulgor é resultado do scintillar das
pequeninas azas d'esses sylphos subtis.

Quer me acreditem, quer não, o que eu lhes posso assegurar é que a tal
pobre e velha bolsa verde, quando viu a minha physionomia séria no meio
de tantos rostos zombeteiros, lançou-me um olhar supplicante a pedir-me
que a livrasse d'aquella triste posição.

E o caso é que a comprei, com grande espanto de todos os circumstantes,
que principiaram por olhar para mim com uns olhos muito abertos, e que
concluiram por sorrirem uns para os outros, dando a entender que me
julgavam doido. O pregoeiro entregou-me a bolsa, e recebeu o dinheiro,
tendo cuidado de interpôr, como se fosse por acaso, uma cadeira entre
nós ambos, com receio que me d'ésse alguma furia.

Escuso de dizer que ninguem me disputou o lanço. Nem mesmo esses
agentes, que tem, em giria de leilão, o nome expressivo de _picadores_,
ou, por abuso de metaphora, de _toireiros_, ousaram erguer a voz para
m'a fazerem pagar mais caro.

A surpreza emprestára-lhes um bocadinho de consciencia.

Pois o que é certo é que eu comprei a bolsa, e saí com ella muito ancho,
sem me importar com as largas alas que me abriam as pessoas presentes,
imitando a prudencia do que m'a vendêra.

E, como eu passo a mostrar-lhes, não tive motivo de me arrepender.


II


Era uma noite de maio. Eu estava sentado á meza do trabalho. Um caderno
de papel, ainda virgem de letras, estendia-se diante de mim aterrador na
sua alvura, que me advertia mudamente da obrigação que eu tinha
contrahido de a fazer desapparecer debaixo de uma alluvião d'esses
monstrosinhos negros, que se chamam letras, que, amontoando-se umas em
cima das outras, formam as palavras, essas mysteriosas colmeias, dentro
das quaes se agita o candido enxame das idéas. O tinteiro, boquiaberto,
não cessava de me mostrar o oceanosinho sombrio que tumultuava dentro de
seus vitreos muros. A penna, debruçando se sobre esse mar tenebroso,
contemplava-o com indifferença, preparando-se para o sulcar
atrevidamente, quando eu julgasse opportuno começar a navegação.

Uma janella aberta oppunha aos meus designios um obstaculo insuperavel.

Uma janella aberta?--diz o leitor; porque a não fechava?

O leitor de certo se não recorda de eu lhe ter dito que estavamos em
maio.

Fechar uma janella quando a fada da primavera percorre as urnas das
flôres, colhe todos os aromas que encontra, e vae espalhal-os
prodigamente no regaço das brisas, que doidejam depois na atmosphera,
alegres como as creanças folgazãs que correm na campina com as suas
arregaçadas de flôres! Fechar uma janella! E porque não fecha o leitor
os ouvidos quando está escutando uma melodia de Bellini, e os olhos
quando está vendo um quadro de Raphael?

Eu, com um charuto na bocca, docemente recostado na minha cadeira,
aspirava os perfumes do ambiente, sem me importar com as provocações do
papel, com as agitações da tinta, e com as suggestões da penna. Devo até
dizer, para ser completamente veridico, que me deliciava em desprezar
tudo isso.

_Fi donc!_ Um escriptor!

Eu queria vêl-os no meu logar! Uma larangeira a enviar-me perfumes
perfidos, e, quando me via prestes a estender a mão para a penna, a
baloiçar-se sem piedade, e a remetter-me directamente nas azas da
viração uma taça inebriante, cheia a trasbordar dos seus effluvios! E um
rouxinol, um travesso rouxinol, muito escondido n'uma alcovasinha de
folhas, que o demonico da laranjeira lhe tinha arranjado de proposito
para acabar de me tentar, a desentranhar-se em melodias que era um
enlêvo escutal as! Sem fallar n'umas roseiras, que a pretexto de serem
_dilletanti_, e de serem impellidas pela aragem, prepassavam por diante
da minha janella para ouvirem mais de perto aquelle Tamberlik plumoso!
Não mettendo em linha de conta a lua, que se ria no céo a bandeiras
despregadas, escancarando com os frouxos de riso umas nuvens teimosas,
que por força queriam esconder-lhe as perolas que ella com as
gargalhadas mostrava á natureza, e que tinha a innocente vaidade de
contemplar espelhadas nas fontes! Vão lá, com tudo isto, debruçar-se
sobre um caderno de papel e escrever!

Escrever; mas escrever o quê? Um romance de amores?! Um poema?! Romances
e poemas tinha eu na imaginação, sublimes, portentososos, admiraveis,
como todos os tem, e como ainda ninguem os escreveu.

Se elles se desprendem, capitulo a capitulo, estrophe a estrophe, e vão
fluctuar na atmosphera de envolta com os perfumes da rosa, com os
canticos do rouxinol, e com os raios da lua!

E, apesar d'isso, não deixam que outros, que se possam entornar sobre o
papel, nos occupem ao mesmo tempo a imaginação.

Assim estava eu, torturando o espirito para obter uma idéa, e
encontrando n'elle mundos de poesia, não digo bem, um chaos de poesia,
cujo _fiat lux_ eu nunca poderia descobrir.

De vez em quando revestia-me de animo, e tentava levantar-me para ir
fechar a janella! Mas a larangeira baloiçava-se e deixava cair uma chuva
de perfumes, o rouxinol redobrava de gorgeios encantadores, os ramos da
roseira prendiam-se, ao perpassar, no parapeito da janella, e deixavam
ficar as suas rosas de cem folhas, purpureas e embalsamadas, a mirarem
curiosamente o meu quarto; a lua desprendia indolentemente dos hombros o
seu manto de luz, arrastava-o no firmamento, e eu caía desanimado na
cadeira.

De repente senti aos meus ouvidos uma voz ligeira como um murmurio, que
me fallava n'uma linguagem desconhecida, mas que eu, por uma intuição
inexplicavel, comprehendi immediatamente.

Voltei-me, e com grande pasmo, vi a bolsa verde em cima da meza.

Era ella quem me fallava.

--Amigo, dizia-me a velha bolsa, tu valeste-me n'uma grande afflicção, e
é justo que tenhas a recompensa. Queres escrever? A tua imaginação
preguiçosa, enervada pelos effluvios d'esta noite de primavera,
recusa-se a dictar-te o que deves lançar no papel? Eu substituirei a tua
imaginação. Pega na penna, e escreve o seguinte no alto d'essa pagina
branca: «_Memorias d'uma bolsa verde_.»

Eu, estupefacto, obedeci machinalmente, e ahi vão vêr os meus leitores o
que a pobre bolsa velha me dictou. Desculpem os erros do auctor. Não ha
nada que se pareça menos com um litterato do que uma bolsa. A rasão é
muito simples. A bolsa tem muitas vezes dinheiro, e um escriptor...
Vamos ao assumpto.


III


«Gira, gira, agulha ligeira, impellida por mão tão delicada. Cinge a
fragil seda em suave abraço, enlaça os tenues fios uns aos outros, e
prepara esse corpinho gentil, a quem ha de o amor dar vida.

«O amor, sim. Não vês a loira cabecinha do anjo de meigo sorriso,
debruçando-se por cima do hombro da tua formosa dona, a contemplar
curiosamente os teus rapidos movimentos?

«Gira, gira, os instantes são preciosos, e póde subitamente chegar quem
transtorne a surpreza tão cuidadosamente preparada! Gira, gira sem
cessar, agulha, agulha subtil.

«Que suave serenidade transparece no limpido olhar d'aquella cuja mão
febril te dirige! Quando um sorriso anima a graciosa physionomia,
contempla-se com enlêvo o céo azul que lhe ri nos olhos, e as perolas,
que os labios entre-mostram! A quem fôr perspicaz tambem esse sorriso
mostra a alma, que é mais celestial do que o olhar, mais candida do que
as perolas da boquinha.

«Mas a esse limpido firmamento doira-o agora o sol de um affecto suave,
cujo brilho não é offuscado por nenhuma nuvem. Os seus raios aquecem-lhe
o coração, e alegram-lhe ao mesmo tempo todos os horisontes da vida.

«Porque vem misturar-se, comtudo, uma inquietação febril com o
sentimento de felicidade que lhe anima as feições? Oh! não receieis
nada! Essa mesma inquietação é um prazer. Teme não ter completo o
presente que desejava offerecer a seu marido, que fazia annos n'esse
dia.

«E por isso a agulha girava, girava com impetuosidade, e os fios de seda
agrupavam-se com uma ligeireza inconcebivel!

«Está a concluir-se a tarefa. A agulha approxima-se do sitio marcado. Um
mate, um mate risonho lá surge no horisonte. Apressa-te, agulha, faze
prodigios de celeridade. Emfim!

«Dera-se o mate. As doiradas borlas pregaram-se instantaneamente. Eil-o,
o gentil producto de oito dias de trabalho! A formosa senhora
contempla-o com ternura. O amor sacode o regaço cheio de perolas, e em
cada ponto faz pullular mil pensamentos apaixonados.

«O ente, que nascera, era nem mais nem menos do que esta humilde bolsa
verde que lhe está dictando essas linhas, senhor mandrião.


IV


Quando cheguei a este ponto interrompi eu a bolsa.

--Minha senhora, observei com a respeitosa cortezia que um escriptor
consagra ao narrador officioso que lhe conta uma historia, v. ex.^a tem
fallado até agora n'uma linguagem que me tem penetrado de admiração,
porque me parece biblica, e o emprego d'esse estylo é muito para
apreciar n'uma bolsa que não foi contemporanea de Isaias. Mas se v.
ex.^a antes de nascer falla n'esse tom, receio muito que, se continuar
na ascensão, quando chegar á velhice, já os leitores, ainda que se
mettam no balão de Nadar, não serão capazes de a seguir com a vista
n'essas espheras inaccessiveis. Pedia, portanto, a v. ex.^a o favor de
baixar o vôo á terra, algumas vezes, afim de que os nossos leitores
percebam alguma coisa do que se fôr passando, sacrificando por
conseguinte o diploma de socia da academia... do amphiguri, que, segundo
me parece, está em caminho d'obter. Desculpe-me esta ligeira observação.

A bolsa olhou para mim com modos um tanto severos, e respondeu:

--Admiro-me bastante de tu te queixares. Sabe que nem cheguei a dar-te
uma ligeira amostra do estylo pomposo que eu deveria empregar, e que te
poupei o prologo obrigado que precede lá entre vós outros, os homens, a
magra biographia d'aquelles, a quem nomeaes grandes, com a mesma
convicção com que os antigos romanos faziam a apotheose dos Tiberios e
dos Caligulas. Já vês que a rajada vae começar, e que se me excitas
mais, bailam-te no meu discurso gregos, assyrios, indios e hebreus. Mas
voltemos ao que importa. Em logar de te queixares, devias-me agradecer o
eu não ter dito uma palavra só ácerca do estado da Europa na epocha do
meu nascimento, nem de ter fallado nos grandes homens que se agitavam no
mundo, em quanto a minha gentil creadora unia uns aos outros os fios que
me haviam de formar. Podia fazer-te gastar com estes preambulos dez
paginas, pelo menos. Não o fiz, e tu accusas-me! Para te castigar não
devia dizer nem mais uma palavra.

--Oh! por amor de Deus, continue v. ex.^a como quizer; estou prompto a
admirar tudo quanto eu não entender, nem v. ex.^a tambem. Estou
esperando.


V


«Nasci, continuou a bolsa, e a minha vista não encontrou nada que a
ferisse, nada que lhe repugnasse no quarto onde eu viera á luz. No movel
mais insignificante se denunciava a riqueza e bom gosto dos donos da
casa. Eu repousava mollemente no collo da minha dona, e os meus membros
recem-nascidos sentiram logo o suave contacto da seda. Um alegre raio de
sol entrava pela janella, acariciava o meu corpinho verde, e fazia
resplandecer as minhas borlas doiradas. As agulhas repousavam ao meu
lado, contemplando curiosamente a obra prima que tinham acabado de
produzir. A gentil habitante do quarto beijava-me carinhosamente e,
beijando-me, murmurava estas palavras que eu conservei de cór:

--«Vae, pobre bolsinha, repousar sobre o coração d'aquelle a quem tanto
amo. Conserva a impressão dos meus beijos, e, quando elle te approximar
do rosto, oh! anima-te, por um milagre de amor, e sê tu a mensageira
d'estes osculos que eu te confio. Dize-lhe, conta-lhe que em segredo
trabalhava em te fazer _coquette_, elegante, para seres digna d'elle.
Olha, lê bem no fundo do meu coração, para poderes narrar ao meu esposo
os thesouros de affecto que em mim se abrigam. Vae, e Deus queira que
elle te ache a seu gosto, e te faça um bom acolhimento.

«N'este momento um rapaz, cujo labio superior era levemente assombreado
por um bigodinho nascente, entrou, e, dirigindo-se á minha dona,
beijou-a com ternura.

--«Que deliciosa bolsinha tu tens no collo!--disse-lhe elle. Foi
presente ou compra?

--«Agrada-te?--tornou ella, contemplando-o meigamente.

--«Acho-a lindissima.

--«É tua.

--«Minha?

--«Tua, sim. Não te lembras que dia é hoje? Completas vinte e dois
annos. Trabalho ha oito dias a furto para te dar este presente.
Sorria-me sósinha, quando pensava na surpreza que te ia causar, quando
te désse a bolsa, e, saltando-te ao pescoço, te dissesse
alegremente:--Ahi tens um presente da tua querida mulher, é para vêres
que pensa sempre em ti.--E então agora não mereço um beijo em paga?

«E a galante senhora, unindo a acção á palavra, tinha-se pendurado no
pescoço de seu marido, e contemplava-o com olhos humidos de ternura.

«Elle estreitou-a meigamente, e disse-lhe ao ouvido baixinho, e
beijando-lhe os cabellos:

--«Amo te, meu anjo da guarda! Amo-te e sou feliz, feliz com o teu amor.

--«E isso é dito com sinceridade?--perguntou ella, sorrindo, travêssa.

--«Não sou eu quem falla, é o coração.

--«Sim? Sobre esse coração é que eu quero que esta bolsa ande sempre!
Advirto-te que tenho dentro d'ella um genio familiar que me obedece, que
ha de lêr atravez do teu peito, e que me ha de vir contar os segredos
que tu julgares mais reconditos. Acceitas?

--«Que remedio, meu anjo! Venha esse gentil espião, cuja côr me anima
já, porque é a côr da esperança. Hei de lhe dar o observatorio mais
commodo que o meu casaco lhe podér proporcionar; telescopios não devem
ser necessarios a quem possue a vista subtil dos espiritos. Mas por
cavilloso o declaro, se elle descobrir no meu coração outra estrella que
não seja a tua imagem.

--«Não gósto da comparação; as estrellas são sempre offuscadas umas
pelas outras.

--«Mesmo quando essa estrella se chama _Venus_?

--«Viva! O meu maridinho a fazer madrigaes! Queres que eu continue no
mesmo tom? Dir-te-hei n'esse caso que a Venus, mais do que a qualquer
outra, succede o que acabei de dizer. Á tarde vem a lua offuscal-a, pela
manhã o sol.

--«Não, minha querida, não succederá assim comtigo. Sempre viva, sempre
pura a tua imagem resplandecerá no meu peito. É isto o que a tua bolsa
te ha de dizer constantemente.

--«Querido Eduardo!

--«Querida Camilla!

--«Amo-te!

--«Adoro-te!

«E foi assim que eu passei das mãos da loira Camilla para as mãos do
moreno Eduardo.


VI


«Não tive rasão de queixa. O meu dono trazia-me nas palminhas. Quando
saía occupava sempre um logar de honra na algibeira do casaco, e alli ia
eu, sentindo pulsar o coração de Eduardo, regalando-me, porque estavamos
no inverno, de caminhar bem abafadinha e conchegada, em quanto muitas
das minhas irmãs estariam talvez tiritando de frio nas algibeiras rotas
dos seus possuidores. Que justo orgulho se apoderava de mim, quando
Eduardo, sacando-me negligentemente para fazer alguma compra, me
collocava em cima do balcão; como todos olhavam cubiçosamente para as
minhas fórmas arredondadas, e que bello effeito que eu produzia com as
libras que fulgiam atravez dos intersticios da seda.

«Nunca me ha de esquecer a cara de piedade que fez a bolsa de um
empregado publico, a quem o acaso collocára junto de mim. Era uma
bolsinha de lã, tão magra, tão magra, tão escorrida que mettia dó. Uns
pobres meios tostões escondiam-se envergonhados no fundo, e alvejavam
tristemente, aborrecidos da sua solidão. A pobre bolsa olhou para mim
com uma certa inveja, e não me dirigiu palavra. O dono da loja
cumprimentou-me respeitosamente, e desviou com desdem a minha visinha.
Ella não ousou protestar, e pôz-se de parte, esperando que eu me
dignasse voltar ao meu alojamento ambulante! E eu ria-me e pavoneava-me
toda ufana! Mal sabia que ainda havia de passar pelas mesmas
humilhações!

«E o caso é que eu suppunha que todos esses cumprimentos eram devidos á
minha gentileza, á formosura da minha côr! E Eduardo julgava egualmente
que era a influencia, que a sua pessoa exercia, a causadora das
humilhações, do servilismo que o rodeavam! Eduardo attribuia a si o que
a mim era devido. Eu attribuia a mim o que era devido ás libras que eu
abrigava, e as libras tambem attribuiram a si o que se devia
simplesmente á somma de gózos que ellas proporcionam. Todo o homem se
adora a si mesmo nos objectos perante os quaes se curva. O «eu» é o
idolo constante da humanidade. O egoismo é o seu unico motor.»

E n'este ponto a bolsa philosophica soltou um profundo suspiro.

«Á noite, continuou ella, repousava dentro da gaveta de uma linda
secretária de pau rosa, e alli ficava até pela manhã tagarellando com
umas cartas de amores, minhas visinhas, que me contavam os mil
deliciosos segredinhos que lhes tinham sido confiados; e n'esta doce
pratica voavam para mim as lentas horas da noite.

«Comtudo, eu começava a presentir o meu futuro destino. Eduardo era o
que vulgarmente se chama uma cabeça de vento. Frequentes vezes, e com as
melhores intenções d'este mundo, se esquecia de mim, e me deixava ficar
á noite em cima da meza, em vez de me conduzir á minha deliciosa alcova
da secretária.

«Uma vez, tendo acabado de fazer umas compras, deixou-me em cima do
balcão. Não posso explicar a impressão dolorosa que senti quando o vi
desviar-se distrahidamente, e quando reparei, olhando em torno de mim,
nos ávidos olhares dos caixeiros. Segui-os tristemente com a vista, e já
me ia a despedir d'elle para sempre, quando Eduardo, chegando á porta,
mostrou recordar-se de alguma coisa, e, voltando se precipitadamente,
correu ao balcão. Deu logo com a vista em mim, que estava toda tremula
de alegria, e, beijando-me fervorosamente, escondeu-me no seio.

«Infelizmente nem sempre lhe succederia isso.


VII


«Uma vez (sempre me hei de lembrar d'este dia nefasto) Eduardo, estando
a fazer umas contas, tirou me da algibeira e pôz-me em cima da
secretária. Depois, a pouco e pouco, foi amontoando os papeis em cima de
mim, de fórma que eu já parecia um pobre Encéladosinho de seda, debaixo
de um Etna de papelada.

«Quando acabou o que tinha que fazer, Eduardo levantou-se, e, como
estivesse tocando a sineta para o jantar, foi para a meza e não se
lembrou mais da pobre bolsa.

«Por infelicidade, na vespera, tinham os donos da casa recebido a visita
de uma joven viuva, muito galante, muito _coquette_, e que parecia
desejar jungir ao seu carro de triumpho o marido de Camilla, sobre quem
não se cansava de experimentar o effeito dos seus olhares cheios de fogo
e de estrategia. Eduardo, como podem imaginar, nem reparára em
semelhante coisa; porém sua esposa, com a perspicacia de mulher,
adivinhára tudo, e sentira o ciume, não digo bem, o despeito apoderar-se
d'ella. Não sei a que proposito, Eduardo me fôra buscar, e a joven viuva
mostrou desejo de me vêr. Eduardo entregou-me cortezmente nas mãos da
baroneza (a viuva era baroneza) e os dedos involuntariamente encontraram
os dedos da gentil _coquette_. Um raio de indignação fusilou nos olhos
de Camilla, a baroneza sorriu-se, Eduardo ficou impassivel, e eu previ
uma proxima tempestade.

«Por isso, e apesar da mão da baroneza ser tão delicada e macia como a
da minha creadora, apesar dos elogios que ella me prodigalisou, eu não
fiquei satisfeita senão quando me vi livre da sua analyse.

«Mas d'esta vez foi a mão de Camilla quem me recebeu. Rapidos como o
relampago, os dedos elegantes, que me tinham lançado ao mundo,
adivinharam, antes d'ella a executar, a tenção que a baroneza formára de
me entregar ao meu dono, e apressaram-se em preceder a mão solicita de
Eduardo.

«Devo confessar que, desde essa visita fatal, o bom humor de Camilla
alterára-se sensivelmente, alteração cujas consequencias Eduardo soffria
com grande pasmo seu. Não podia comprehender o azedume que sentia em
todas as palavras de Camilla, e, muitas vezes, espreitando pelo buraco
da fechadura da minha gaveta, o vi de pernas cruzadas, e em attitude
meditativa, perguntando a si mesmo quaes seriam os díabos azues que
atormentavam sua esposa, e a elle por conseguinte.

«Depois de jantar, os dois esposos vieram tomar café para o sitio onde
eu estava; a conversa que se travára entre elles affrouxava a cada
instante, porque os esforços que Eduardo fazia para a sustentar eram
completamente infructiferos, por causa da sequidão das respostas de
Camilla.

«Acabaram de tomar o café, e Camilla foi encostar-se á janella.

--«Está uma tarde tão bonita!--disse Eduardo, não queres aproveitar este
lindo dia de inverno para ires vêr os campos, que estão experimentando
já os mantos verdejantes com que hão de comparecer na festa annual da
primavera?

--Está estragando comigo a sua poesia, respondeu Camilla seccamente,
guarde-a para as pessoas que quizer deslumbrar. Isso era bom quando me
fazia a côrte.

--«E não sou eu sempre o mesmo, Camilla; deixaste tu um instante só de
ser a noiva gentil que eu adorei, que adoro, e que sempre hei de adorar?
Não sou eu sempre o namorado solicito dos primeiros tempos? Isso, a que
se deu, por convenção, o triste nome de prosa do casamento, teve nunca
entrada nos nossos corações?

--Ah! Ah! que differença! O que me dizia então: «Oh! nunca me hei de
separar de ti! Hei de estar sempre ao teu lado! Que valor tem o mundo
inteiro junto do teu olhar?» E agora sae quando lhe parece, anda por
fóra o tempo que quer, demora-se a conversar com os amigos; porque sua
mulher, essa não serve senão para estar n'um canto da casa, á espera que
o _senhor_ lhe faça a esmola da sua presença. Não é porque eu me importe
com isso! Eu, sim! É-me completamente indifferente! Nunca estou melhor
do que quando está longe de mim! Olhe, d'isso póde estar certo! Se
fallei, foi porque me enraiveceu a sua hypocrisia.

--«Quanto és injusta, Camilla! Pois eu não desdenho tudo, tudo n'este
mundo para estar junto de ti; não prefiro a todos os vãos divertimentos,
a todos os prazeres a nossa deliciosa intimidade? E, quando os meus
negocios me chamam fóra de casa, não me affasto de ti tão penalisado, e
não aproveito a primeira occasião de me desembaraçar d'elles para correr
alegre, satisfeito, risonho, a abraçar-te, a beijar-te, a testemunhar-te
o immenso e inalteravel affecto que te consagro?

--«Negocios! que grandes negocios que tem! Quaes são elles? Talvez ir
visitar a baroneza!

«Eduardo levantou-se, olhou fixamente para sua mulher, e disse:

--«A baroneza! A baroneza, porquê?

--«Foi a primeira pessoa que me lembrou, tornou Camilla, fazendo-se
ligeiramente córada.

--«Nada! Isso è um tanto inverosimil.

--«Inverosimil, porquê?--tornou Camilla, irritando-se e fazendo-se
vermelha de despeito. Talvez imagine que eu tenho ciumes do senhor. Que
vaidade tão louca! que presumpção! Que fatuidade! Ora esta! como logo
suppôz que eu era ciumenta!

--«Mas, filha...

--«Ciumenta e de quem? Ah! Ah! Ah! é de um ridiculo incrivel! Não querem
vêr o formoso Richelieu, que anda semeando paixões por toda a parte! E
julga talvez que eu me importo com semelhante coisa! Namore á sua
vontade! Faça o que quizer! Esteja certo que nunca me ha de dar cuidado!
convença-se... entendeu? Convença-se bem de que nunca tive ciumes do
senhor, porque eu nunca o amei. Foi uma predilecção passageira! Foi um
capricho de que me arrependo!

--«Parece-me comtudo, tornou Eduardo ferido no seu amor proprio, que a
união eterna de duas pessoas não é coisa tão ligeira que se possa
decidir levianamente, e, se não sentias por mim o amor immenso que eu te
consagrava, mais valia que me despedaçasses o coração, do que me
dirigisses agora essas palavras amargas.

--«Então chegou o momento! Sempre fica sabendo que se enganou; quando
suppôz que eu tinha ciumes da baroneza.

--«Mas foi coisa em que não fallei, filha, bradou Eduardo um pouco
impacientado.

--«Bem o deu a entender! Não o disse, mas pensou-o. E então escolheu bem
a pessoa que me poderia tornar zelosa! A baroneza, uma tola presumida,
uma _coquette_ insupportavel, que não tem nem belleza, nem espirito, nem
graça, nem elegancia, mas que possue em compensação uma vaidade immensa.

--«Pobre baroneza!

--«Defenda-a, ande! então porque a não defende? É o que lhe falta
unicamente! Ouse tomar, deante de sua esposa, o partido de uma mulher
como é a baroneza.

--«Ih! Jesus! Camilla! Eu não tomo a defeza de pessoa alguma. Mas tu
fallas da pobre senhora, como se lhe tivesses um odio mortal.

--«E tenho, bradou Camilla, erguendo-se com os dentes cerrados e os
olhos fusilantes, tenho odio a essas mulheres de maneiras affectadas, de
olhares languidos, de vistas fascinadoras, deslumbrantes na apparencia,
grosseiras na realidade, a quem os homens seguem tolamente, como as
borboletas seguem a luz, ainda que essa luz emane de uma candeia
afumada. Quando ella hontem quiz vêr a bolsa que eu fizera, tive
tentações de a rasgar, para lhe poupar uma profanação. E a proposito,
onde a tens tu?

«Eduardo, ao ouvir esta pergunta, que parecia dever servir de transição
para uma conversação mais serena, começou-me a procurar alegremente por
todas as algibeiras. O acaso fôra-me collocar muito mirrada na
extremidade da secretária. No remexer dos papeis eu tinha quasi caido ao
chão; felizmente ou infelizmente, um resalto da secretária tinha-me
retido, e eu alli ficára suspensa por uma das borlas, estando esta de
mais a mais completamente occulta por um fragmento microscopico de
papel. Da posição em que eu estava, podia vêr e ouvir tudo, sem que
ninguem me podésse divisar.

«Quando Eduardo começou a revolver as algibeiras não pude deixar de me
rir. Era tão comico o espanto d'elle, quando, depois de ter
esquadrinhado minuciosamente todos os cantos do seu fato, não encontrava
coisa alguma, que eu, ignorando ainda quaes seriam as consequencias
d'aquella scena, ria-me a fartar.

«Camilla contemplava-o com um sorriso ironico, e batendo o compasso com
o pé no sobrado da sala.

--«Talvez lhe esquecesse lá por fóra!--disse ella, accentuando muito as
palavras.

--«É impossivel; lembro-me perfeitamente de a ter n'esta algibeira. Já
depois de estar em casa eu a vi, e até lhe peguei.

--«Talvez a tivesse confiado a alguem!--tornou Camilla com o mesmo
sorriso estereotypado nos labios.

--«A quem?--perguntou Eduardo com a maior ingenuidade.

--«Eu sei! A alguem que a visse, que gostasse d'ella, e que a desejasse
conservar por algum tempo.

--«Ora essa! Não pódes suppôr que eu fizesse tal!

--«E porque não? Os homens julgam que tudo lhes é permittido.

«Mas Eduardo não a ouvia. Tinha-se recordado das contas que fizera, e
tinha corrido a revolver os papeis que estavam em cima da secretária.
Eu, que via a má figura que o negocio ia tomando, não desgostei de que
elle tomasse aquella resolução.

«Comtudo, debalde Eduardo deitou ao meio do chão toda a papelada com uma
impaciencia febril, debalde tentou, depois de os ter reunidos,
separal-os um a um. Eu não apparecia; preza na minha esquininha, sem
poder revelar por fórma alguma onde estava, assisti, espectadora muda
mas não indifferente, áquella caçada férvida, em que tanto interesse
tinham em se encontrar a caça como o caçador, mas que apesar d'isso
ficava sem resultado. Vi os papeis, impellidos pela mão de Eduardo,
revolutearem nos ares em torno de mim, senti a sua mão impaciente pousar
em cima das minhas borlas, sem saber que estava a meia pollegada de
distancia da extremidade dos seus dedos o objecto que tanto procurava. E
elle bafejava-me com o halito e não tinha um presentimento que o
advertisse, desviava com a mão tremula os papeis que me encobriam, e de
nenhum d'elles saia uma voz mysteriosa que lhe dissesse: «Para
conseguires esse thesouro, que tu pagarias agora com dez annos da tua
vida, basta-te abaixar a cabeça, e estender a mão.»

«Finalmente Eduardo, pallido, com a fronte inundada de suor, deixou-se
cair prostrado em cima de uma cadeira, e dirigindo-se a sua mulher,
disse com voz sumida:

--«Creio que a perdi.

«Camilla não se pôde conter. As lagrimas, tanto tempo retidas,
rebentaram finalmente, e inundaram-lhe as faces.

--«Era isso que eu esperava havia muito tempo, bradou ella com voz
entrecortada. Eis a resposta com que não só pagam a minha dedicação, mas
tambem com que pretendem illudir a minha boa fé. Anda! trabalha com
amor, com alegria, despende n'essa pobre bolsinha thesouros de affecto,
sorri só ao pensares que essa obra das tuas mãos vae ser a constante
companheira d'aquelle em que tu só pensas, por quem tu só vives, cuja
apparição te enche de prazer, cuja ausencia te faz ficar immensamente
triste. Ai! quanto te illudes, pobre louca, esse teu mimo ha de ser
desprezado, porque tu tens esse titulo malfadado de esposa, e o amor
conjugal é uma coisa altamente ridicula. Acceitam com desdem o teu
presente, e vão depressa offerecel-o á primeira namoradeira que prender,
nas suas rêdes vulgares, a ave fugida do ninho da familia, ninho cuja
prisão lhe é insupportavel. Devia ser esta a minha sorte. Ninguem se
exime a ella.

--«Ih! Jesus! Ih! Jesus!--dizia o pobre Eduardo com as mãos na cabeça;
mas, filha... eu sou um estouvado... a bolsa ha de estar por ahi... Da
nefanda traição de que me accusas é que sou completamente incapaz.

--«Traição!--tornava Camilla procurando, sem o conseguir, conter o
pranto; póde-me trahir á sua vontade que me é completamente
indifferente. Engana-se se julga que eu dê o menor apreço á sua
fidelidade.

--«Mas n'esse caso porquê?

--«Cale-se! Diga-me: zombaram bastante de mim? Riram-se das minhas
creancices? Quantas caricias lhe valeu esse sacrificio tão pouco
custoso?

--«Isto é demais! Juro-te...

--«Cale-se. Quanto mais jura mais mente. Tambem me jurou amor eterno,
e...

«E a pobre senhora desatou a soluçar, e caiu sentada n'uma cadeira.
Eduardo, com as lagrimas nos olhos, ajoelhou aos pés d'ella, e exclamou
com voz commovida:

--«Camilla, não chores que me despedaças o coração. Sou um grande
criminoso, mas não mereço castigo tão cruel. Bem sabes que o amor que te
consagro é immenso, é exclusivo, e que, desde que te conheço, nunca mais
ergui os olhos para outra mulher. Camilla...

«Mas esta levantou-se enxugando as lagrimas, e disse-lhe com modo
friamente desdenhoso:

--«Aproveite a inspiração para algum arrufo que tiver com a baroneza.

«E saiu da sala, deixando ficar o pobre Eduardo com um joelho no chão,
as mãos erguidas, a bocca aberta, espantado, aterrado, paralysado,
petrificado, estupefacto!

«Finalmente levantou-se, dirigiu-se de novo á secretária, e procurou
entre os papeis. Com o revolver caíram alguns, e eu caí d'envolta com
elles; o acaso fez-me ainda ficar tão mirrada entre duas folhas, que,
quando Eduardo veiu procurar ao chão, escapei com grande desespero meu
ás suas pesquizas. Um tal accesso de desespero se apoderou do meu dono,
que, pegando n'um grande mólho de papeis, no meio dos quaes ia eu, sem
elle o saber, amachucou-o, e depois enraivecido, atirou-o pela janella
fóra. O vento desfez o mólho, e n'este instante ouvi dois gritos, um de
Eduardo, outro de Camilla, que estava n'uma outra janella por traz dos
vidros.

«O vento forte que soprava, tinha-me separado dos papeis, meus
involuntarios carcereiros, eu caía magestosamente isolada, á vista dos
dois conjuges, sobre as pedras da rua.


VIII


«Nunca vim a saber o que se passára na casa, d'onde fôra tão bruscamente
e tão involuntariamente expulsa! Apenas eu caíra no chão, um gaiato de
pé descalço, que passava por acaso, abaixou-se, apanhou-me, e largou a
correr, apertando-me nas mãos, com uma tal velocidade, que, por mais
ligeiro que fosse Eduardo em me vir apanhar, logo percebi que não havia
esperança alguma de que o conseguisse.

«A corrida era desenfreada. Apertada na mão callosa do garoto, eu,
habituada ao fino contacto das mãos aristocraticas, que até ahi me
tinham manuseado, sentia dôres atrozes, e uma profunda humilhação. Eu, a
favorita dos opulentos, tratada assim tão irreverenciosamente por um
rapaz pertencente á escoria da sociedade! Ao meu passado de gavetas de
secretárias, de sophás, de divans, de tapetes, ia succeder um futuro de
palheiro, de calças esfarrapadas, de degraus humidos de escadarias. As
feridas abertas na minha pelle, tão cuidadosamente curadas e
cicatrisadas pela minha senhora, iam agora ser abandonadas, e talvez
alargadas pelos dedos travêssos do rapaz da rua. Tudo isto ia eu
pensando, em quanto o meu roubador corria a bom correr, primeiramente
pelas ruas da cidade, e depois já pelo campo.

«Ninguem se tinha importado com elle. Um rapaz descalço á desfilada, não
é um caso tão grave, e tão raro, que os encarregados da policia
descessem da sua dignidade, para inquirirem o que motivára a carreira
despedida em que elle ia.

«Chegou ao pé de uma fonte, e, pensando provavelmente que já estava fóra
do alcance dos seus perseguidores, entendeu que podia descançar. Por
conseguinte estirou-se em cima da relva, e tirando da algibeira um lenço
muito esfarrapado, começou a limpar o suor que lhe escorria pelas faces.

«Estavamos já nos primeiros dias da primavera, e os campos revestiam-se
de um manto verdejante, que os malmequeres e as boninas esmaltavam. A
agua da fonte corria com um doce murmurio, e myriades de insectos com as
azinhas doiradas pelo sol, esvoaçavam zumbindo pelo prado. O sôpro,
mysteriosamente vivificador da primavera, percorria a creação.

«O meu novo possuidor deitara-se, como já disse, em cima da relva, e
collocára-me ao seu lado. Para mim tudo quanto me rodeava era
completamente novo. Eu nunca tinha saído da cidade, e o aspecto dos
campos enchia-me de prazer. Parecia-me que respirava um outro ambiente,
que via um céo mais largo, mais azul! Um enchame de novas sensações se
agitava dentro de mim.

«Assim estava eu boqui-aberta, olhando para tudo com uma alegre
curiosidade. As feveras da herva que se agitavam em torno, mettiam as
suas cabecinhas tambem curiosas pelos intersticios da seda, afim de
observarem que monstro desconhecido eu era. As boninas _coquettes_ como
todas as flôres, mostravam-me com desvanecimento a sua formosura, para
verem se d'ellas me enamorava. Era a tentação que todas as formosas
sentem, de fascinar os estrangeiros. Os dois proverbios: «Ninguem é
propheta na sua terra» «Santos de casa não fazem milagres», são, n'este
caso, da mais escrupulosa exactidão. As abelhas, que vem de fóra,
extrahem mais depressa a essencia das flôres, do que as que pertencem á
colmeia do jardim.

«Eu sentia correr um indizivel murmurio pelo prado. O vento, acamando a
relva e as florinhas, perguntava-lhes, no seu dialecto incomprehensivel,
que vós não entendeis, mas que para todas nós é clarissimo, quem era a
recem-chegada. E os bichinhos pequeninos que arfavam debaixo de mim,
respondiam que era o Hymalaia, e os insectos zumbidores respondiam que
era uma grande flôr verde com estames de oiro.

«O que é certo é que eu consubstanciava-me de todo com a relva que me
cercava. Egualmente verde, não transtornava em nada a unidade do tapete,
e as minhas borlas de oiro matizavam-n'o agradavelmente.

«Assim estava n'aquelle _dolce farniente_, e confesso que, apesar de me
lembrar de vez em quando dos donos que me eram tão affeiçoados, e de
quem me tinha separado, as saudades que sentia eram attenuadas pelo
prazer completamente novo que me embriagava.

«Mas aquelle ocio não podia durar sempre. O Tytiro, que me apanhára, não
estava muito disposto a repousar _sub tegmine fagi_, mais do que
convinha á sua indole vagabunda, e depois de ter saboreado, por espaço
de dez minutos, quando muito, as delicias da posição horisontal
succedendo á rapidez da corrida, levantou-se, dirigiu-se á fonte, encheu
de agua a palma da mão, disposta para esse fim, levou-a á bocca, bebeu,
repetiu duas ou tres vezes esta operação, e depois, dirigindo-se a mim,
levantou me do chão, e foi-me levando socegadamente pelos campos fóra.

«É tempo agora de descrever o meu novo dono. Era um rapazito dos seus
quatorze annos, de rosto alegre e queimado, com uns olhos negros muito
vivos e rasgados, uma bocca grande, que parecia estar sempre preparada
para as gargalhadas. Todo o seu fato consistia n'umas calças rotas,
n'uma camisa muito suja, e n'uma jaqueta tão arremendada, que era um
verdadeiro mosaico, porque creio que tinha todas as côres do espectro
solar, e todas as combinações que com ellas se podem fazer. Um bonet,
que estava rodeado por uma densa armadura de sebo, occupava o alto da
cabeça; porque julgo não haver exemplo de ter sido collocado na posição
habitual, e a testa do garoto, se lhe dissessem que este possuia um
bonet, estou que ficaria summamente espantada.

«E lá ia elle por ahi fóra, baloiçando o corpo a compasso de uma
cantiga, devida ao seu genio musical, distrahindo-se no caminho a
apanhar borboletas, a atirar pedras aos cães, fugindo depois a bom fugir
quando estes o perseguiam ladrando, trepando acima das arvores da
estrada a espreitar se já haveria ninhos entre os seus ramos, cobertos
de novas folhas, e saltando os muros dos pomares, para se ir empoleirar
nas larangeiras, trincando as laranjas verdes ou maduras, que se lhe
deparavam.

«Devo confessar que a minha situação durante estas excursões, motivadas
pelos entretenimentos do meu dono, não eram das mais invejaveis, e que
bastantes vezes amarguei o gosto que sentira, respirando o ar dos
campos. Com effeito o gaiato attendia mais aos seus prazeres do que ás
minhas commodidades, e nem posso descrever os sustos que curtí, quando
os cães corriam atraz de nós, e que eu via os seus dentes agudos, que
seriam capazes de me despedaçar n'um segundo; a triste impressão que eu
sentia, vendo as borboletas tão gentis, tão galantinhas, nas garras do
seu caçador cruel; as dôres que me faziam os esgalhos das arvores,
rasgando me sem piedade, em quanto elle subia descuidoso, indifferente,
affastando a ramaría, para vêr se, n'alguma verdejante alcôva, não teria
ido a carinhosa mãe dos passarinhos depôr o berço gentil, que as auras
embalariam.

«Sobre tudo o que me atormentava era o costume que elle tinha de saltar
os muros dos pomares para se ir sentar nas larangeiras, a fartar-se
d'esses pomos que a antiguidade chamou aureos por serem vermelhos, e que
o seu Camões asseverou terem

    _A côr que tinha Daphne nos cabellos_;

o que é pouco lisongeiro para a belleza d'essa nympha, que vinha a ser
hyper-ruiva, se acreditarmos as asserções do cantor dos _Lusiadas_.

N'este ponto tornei eu a interromper a bolsa tão prodiga em reflexões.

--O espanto, em que me colloca a sua erudição, impede-me de reprehender
energicamente o tom com que falla n'essa gloria nacional. Mas diga-me,
quem a fez tão instruida?

--Não antecipemos os acontecimentos, como diria o visconde d'Arlincourt,
respondeu-me a bolsa.

--O quê? Pois tambem leu ou ouviu os romances do visconde d'Arlincourt?

--Então! meu amigo, tornou-me a narradora, suspirando, nem tudo são
rosas na instrucção.

--Bem, continue.

«Como já disse, esse costume do meu dono incommodava-me sobremaneira;
porque a escalada tinha para mim todos os seus inconvenientes, e muitos
mais, sem ter nenhuma das suas vantagens. Em primeiro logar a subida
pelo muro era summamente incommoda; porque o bom do meu amigo, tendo
todas as algibeiras rotas, e, por conseguinte, não me podendo confiar a
nenhum d'esses toneis das Danaides, de que as suas calças e a sua
jaqueta estavam tão amplamente providas, levava-me na mão, apertava-me
sem cerimonia de encontro ao muro, e esmagava-me, torturando ao mesmo
tempo uma pobre meia corôa que eu tinha dentro de mim, e que eu sentia,
de afflicta, resmungar no meu seio.

«Depois, quando, á força de trabalhos e de arranhões, chegavamos ao cimo
do muro, novos desastres nos esperavam. Garrafas partidas formavam uma
especie de negra palissada, dispostas d'aquella maneira para enterrar os
seus dentes agudissimos nos aventureiros que intentassem a conquista.
Mas o meu dono, que era, segundo parece, já pratico n'aquelles assedios,
tinha tomado as suas precauções, e foi então que eu vi que não era só a
questão das algibeiras que o inhibia de me resguardar, mas sim tambem
uma questão de defeza propria. Eu, malfadada, servia-lhe de escudo! Eu
era, para assim dizer, o _césto_, á sombra do qual o garoto jogava o
murro com as paredes. N'uma das mãos ia eu, na outra o lenço de assoar
muito embrulhado. A mão que eu protegia, era ainda assim a que estava
resguardada melhor; porque o tal lenço, para fallarmos verdade, parecia
a moldura de um quadro ausente; um immenso rasgão formado por uma
multidão de rasgõesinhos que se tinham annexado, occupava o
centro-rodeado em toda a extensão por uma pobre tira. Creio que a
historia d'essa transformação se póde explicar geographicamente. Imagine
que o lenço ao principio se assimilhava com aquelle territorio da
America do Norte, onde existe o lago Ontario, cercado de muitos outros.
Supponha que um grande cataclysmo rasgava os terrenos que separam esses
lagos, e que as aguas trasbordando, e unindo-se, formavam um verdadeiro
mar no genero do mar Caspio. Ahi tem o que succedeu com os rasgões do
lenço do garoto.

--V. ex.^a permitte-me, interrompi eu, que a proponha para socia do
Instituto Geographico de Paris?

--Muito obrigada! Não estou agora decente para entrar n'uma academia.

--Pelo contrario, minha senhora, tornei eu, as bolsas vasias devem ser
da mesma fôrma que as cabeças, as que mais depressa sejam admittidas
n'essas sociedades sábias. Póde continuar.

«Não findavam aqui os meus soffrimentos. Experimentava alguns rasgões,
mas consolava-me com o pensamento de que o meu sacrificio era util ás
mãos do meu dono, por quem eu professava uma secreta e inexplicavel
sympathia. É verdade que o demonico do rapaz parecia não se affligir
muito com as arranhadellas que recebia. A mão esquerda, confiada á
protecção nominal do lenço de assoar, chegava toda em sangue, e isso, em
vez de lhe diminuir a alegria, parecia augmentar-lh'a e dar melhor sabor
ás laranjas com que se fartava.

«Ahi se empoleirava elle, por conseguinte, sentando-se no ponto de união
de dois ramos, toucado de folhas, baloiçando os pés no ar, e enviando as
mãos em toda a direcção, a fazerem uma atrevida _razzia_ aos taes pomos
de oiro do antigo jardim das Hesperides. E quer as laranjas estivessem
ainda verdes, e por conseguinte amarellas (n'esse caso tem rasão Camões
e a antiguidade), quer estivessem já em pleno sazonar, e por conseguinte
trajassem a purpura que merecem, como rainhas que são de todas as
fructas, o meu bom gaiato apanhava-as sempre com uma imparcialidade
digna de especial menção, e, ministro justiceiro dos negocios do seu
estomago, escolhia para funccionarios todos os fructos, sem distincção
de côres.

«Era um bello espectaculo o d'esse rapazito rôto, esfarrapado, mais
feliz no seu throno de cortiça do que os reis no seu throno de oiro,
comendo as laranjas do proximo com mais satisfação, de certo, do que a
que sente o czar da Russia ao devorar o producto dos roubos de que é
victima a infeliz Polonia.

«Mas por fim de contas vinha a ser eu quem soffria as más consequencias
dos prazeres do meu senhor. Para poder comer á sua vontade, o meu amigo
largava-me e pendurava-me no primeiro ramo que lhe ficava á mão. O vento
baloiçava o ramo; ás vezes um gatinho, que andava passeiando por cima
dos muros, vendo-me ondular na extremidade, saltava e principiava a
brincar comigo. A isto reunia-se o susto de me vêr n'uma altura para mim
desmesurada. Era necessario que os latidos de um cão de guarda viessem
inquietar o meu dono, para que elle se lembrasse de me tirar da minha
incommoda posição, afim de operar a sua retirada.

Já vê, por conseguinte, que a minha existencia aventurosa, se tinha as
suas vantagens, tinha tambem os seus inconvenientes.


IX


«O meu possuidor reconhecera, desde o primeiro momento, que eu não
estava vasia, mas ainda se não dera ao trabalho de verificar a quanto
montava a sua nova riqueza. Finalmente, depois de estar saciado de
laranjas, cançado de trepar ás arvores, entendeu que era já tempo de
attender aos negocios do thesouro. Sentou-se por conseguinte n'uma pedra
da estrada, abriu-me com toda a gravidade, e tirou de dentro
triumphalmente a moeda de cinco tostões.

--«Olá! um _caiado_!--bradou elle com alegria, e para demonstrar melhor
o seu regosijo entoou a aria da _Saloia_, e atirou comigo ao ar a uma
distancia immensa, com grande desespero meu, porque vim assustadissima,
aos trambolhões pelo espaço, cair na mão aberta do garoto.

«Este não ficou em contemplação diante do seu thesouro; metteu o outra
vez no sitio em que estava, levantou-se, e continuou o seu caminho,
cantando com uma voz de Stentor, atirando comigo ao ar, e tomando, para
me receber, attitudes de tambor-mór.

«A estrada, que se ia approximando da cidade, ia sendo tambem mais
frequentada. Os caminhantes multiplicavam-se, e as casas começavam a
apparecer. Nem por isso o gaiato deixou de cantar a _Saloia_ a plenos
pulmões, com grande escandalo das velhas sentadas nos degraus das
portas, que acompanhavam cada estrophe da aria popular com um
desafinadissimo côro de imprecações.

--«Valdevinos!--Bregeiro!--Gaiato sem emenda!--D'onde vens tu,
maroto?--Ah! boa sova!--Fosse eu tua mãe que te havia de moer o corpo
com pancadas!--Só se perdiam as que caissem no chão!--D'onde vens tu,
desavergonhado, vens de roubar laranjas?--Tu vaes direitinho para o
inferno!--_Berzabum_ te valha, démo pequeno!--O descarado vem a cantar
para quebrar a cabeça ás almas christãs!--Quem te puzesse uma farda ás
costas!

«E outras amabilidades de egual jaez, a que elle só respondia, grave e
serenamente, com esta invariavel apostrophe:

--«Eh! bruxas!

«Quiz o acaso que passasse ao nosso lado um sujeito gordo, com umas
barbas de phariseu, uns olhos esgazeados e orlados de vermelho, uma
d'estas physionomias baixamente orgulhosas, onde se lê ao mesmo tempo o
servilismo para com os poderosos, o desabrimento para com os humildes.
Desbarretava-se até ao chão quando passava alguma carruagem, onde ia
pessoa conhecida d'elle, e correspondia ligeiramente á saudação dos
pobres trabalhadores, que levantavam o chapéo, com aquelle ar gravemente
cortez dos homens do campo, para lhe dizerem:

--«Guarde-o Deus, senhor Domingos Gil.

«Para o meu gaiato, vel-o, e conceber a idéa de lhe fazer alguma, foi
acto simultaneo. Com um sorriso malicioso nos labios enrolou-me na mão
muito bem enrolada, de sorte que só ficasse de fóra o sitio onde estavam
os cinco tostões, e approximando-se, pé ante pé, do empavezado
passeiante, ergueu a mão, vibrou-me com toda a força, e fez-me desabar,
indo a meia corôa de esquina, na copa do chapéo do gorducho.

«A _gebada_ foi magistral; o chapéo enterrou-se até aos olhos; e em
quanto o dono d'elle, espumante de raiva, procurava desembaraçar a cara
d'aquelle inesperado invólucro, o rapaz pôz-se fóra do seu alcance, e,
já lá muito ao longe, ouviu as exclamações furiosas da sua victima, que
ameaçava prendel-o, matal-o, enforcal-o, esquartejal-o.

«O homem ficára desesperado. Pois não tinha rasão; o seu chapéo, como
sempre, tinha-se curvado ao dinheiro.


X


«Livre de perigo, o meu dono, reflectindo no caso, houve por bem rir-se
ás gargalhadas do que praticára. Com effeito merecia a pena. Eu, apesar
de ter padecido, não desgostei da correcção.

«Depois de se rir á vontade, entendeu o auctor da _gebada_ que não
poderia ser completa a sua satisfação se não visse a cara do paciente
depois do castigo. Reflectiu como poderia conseguir vêl-o sem ser visto,
e como afim de reflectir melhor, quando olhava para o céo a procurar
inspiração, deu com a vista n'uma arvore que se erguia mesmo ao seu
lado. Vêl-a, e trepar a ella, foi uma e a mesma coisa. O mirante era
optimo, bem arejado, completamente resguardado da curiosidade dos
profanos, proporcionando ao seu habitador provisorio um delicioso
panorama para se entreter emquanto não passasse aquelle a quem esperava.
Attendendo, pois, ao merecimento e mais partes que concorriam na pessoa
da dita arvore, estabelecemo nos n'ella sem cerimonia, eu n'uma caminha
de folhas, elle encostado a uma especie de janella verdejante, d'onde
via optimamente tudo quanto se passava na rua.

«Assim, todo escondido, de joelhos, com a sua physionomia curiosa e
maliciosa á espreita por entre os ramos, parecia um macaquinho agil, que
espera occasião propicia para apanhar um fructo que lhe fica distante.

«Por baixo de nós um pobre velho, pallido, magro, macilento, mostrando
no rosto a timidez envergonhada d'aquelles que um soffrer verdadeiro
obriga a pedir esmola, estendia o chapéo a quem passava. Lagrimas
silenciosas lhe deslisavam nas faces encovadas: o sêllo da desventura
estava gravado na sua fronte livida. Os cabellos brancos, que o vento
agitava, cingiam aquelle infortunio de uma aureola de magestade. Era
augusta aquella miseria!

«Comtudo, nenhum dos que passavam deixava cair uma pobre moeda de cobre
n'aquelle chapéo supplicante, que se lhes estendia. Uns seguiam
desdenhosos o seu caminho, sem responderem sequer com um gesto á muda
rogativa do mendigo! Outros, um pouco mais humanos, faziam
distrahidamente um gesto negativo, levando ao mesmo tempo a mão ao
chapéo. Outros, mais caritativos ainda, murmuravam «Tenha paciencia» ou
«Não levo troco», e todos diziam, lá de si para si, a phrase conhecida:
«Este maroto provavelmente tem mais dinheiro do que eu. Desavergonhado!
Abusarem assim da caridade publica! Os que mendigam não são os que
precisam; nas aguas-furtadas é que se aninha a verdadeira pobreza.»

«Ah! miseraveis! que fingís pensar que é um officio divertido o expôr-se
um velho, alquebrado de forças, ao sol, ao vento, á chuva, ás
humilhações, ao desprezo, para fazer uma pobre colheita de dez ou doze
moedas de cinco réis, e ás vezes de nenhuma! E a chuva a inundar os
membros mal resguardados do pobre pae de familias! E o sol a abrazal-o!
E a imagem dos seus filhinhos, lividos e esfomeados, a despertar-se-lhe
na imaginação, e a redobrar-lhe as amarguras!

«Porque vós não sabeis, ou antes fingís não saber, vós que julgaes que
esse homem vem pedir esmola para se ir embebedar na taverna proxima, não
sabeis que ha n'algum canto obscuro e doentio da cidade uma familia de
espectros, que espera anciosamente a volta d'aquelle a quem despedis com
as mãos vasias! Não sabeis, vós que accusaes de falta de resignação, de
falta de animo, o pedinte que vos exora com as lagrimas nos olhos, não
sabeis que lhe foi necessario mil vezes mais valor para se embrulhar na
pobre capinha, sair furtivamente do misero alojamento, e ir collocar-se,
espectro da miseria, ás portas da opulencia, do que lhe seria preciso
para se despenhar da janella da sua agua-furtada e despedaçar a cabeça
nas lages da rua!

«Continuemos.

«Todos passavam, como já disse, e ninguem dava sequer ao pobre velho a
esmola de um olhar de compaixão. O meu gaiato mirava-o de vez em quando.

«Passou finalmente o sr. Domingos Gil. O pobre velho estendeu-lhe o
chapéo, murmurando mansinho:

--«Uma esmola por amor de Deus. Meus filhos morrem de fome.

«O sr. Domingos Gil vinha, como facilmente imaginará, de muito mau
humor. Trazia a _gebada_, para assim dizer, atravessada na garganta. As
sobrancelhas franzidas, o olhar fusilante, a cara fula de raiva,
denunciavam o rancor que o consumia. O chapéo, ainda um pouco amolgado,
tambem mostrava resentir uma nobre indignação.

«A voz do mendigo como que abriu no sr. Gil uma valvula de segurança,
por onde póde sair uma porção de colera, que, mais tempo contida, o
faria rebentar. Evitou-se d'esta fórma uma grave perda para a
humanidade.

«O sr. Gil desabafou, bradando, ao passo que desviava bruscamente o
chapéo do pobre velho:

--«Sucia de mandriões! Estão estes marotos á esquina de todas as ruas,
para nos roubarem o dinheiro que nos custa a ganhar com o suor do nosso
rosto! Vossê não tem vergonha de pedir esmola? Vá trabalhar, ou metta-se
no hospital se está doente, ou vá para o asylo! Está o governo a pagar
um bom par de contos de réis alli em Santo Antonio dos Capuchos, e
pessoas ricas a deixarem quantias avultadas, que bem tolo é quem cae em
tal, não ha de ser nunca o meu dinheiro que elles hão de apanhar; mas
está alli aquelle estabelecimento prompto a receber todo o fiel patife
que não tem eira nem beira, para que? Para andarem estes velhacos a
incommodar-nos. Fosse eu da camara municipal! Rêde para os cães, rêde
para os mendigos. Vá para o demonio! Não lhe dou nem cinco réis!
Canalha!

«E o digno homem continuou magestosamente o seu caminho.

«Uma lagrima caíu das palpebras abrazadas do velho! Fez um gesto de
resignação, e deixou pender a cabeça sobre o peito.

«E a noite estendia já sobre a terra o seu manto negro. A noite com o
seu duplo cortejo de alegrias, de festas, de prazeres, de suspiros
enamorados, e de tristezas, de crimes, de horrores, de soluços da
miseria! A noite, fada mysteriosa, e negra feiticeira! A noite que se
deixa illuminar pelo lustre dos salões, e pela candeia das
aguas-furtadas, mas felizmente tambem e em toda a parte pelo fulgor das
estrellas, que é o olhar de Deus.

«E o velho scismava tristemente. Não tivera resultado o sacrificio! Nem
um pedaço de pão podia levar aos filhos esfaimados! Tristeza! A brisa
soprava asperamente, e elle não a sentia! As lanternas das carruagens
que passavam pareciam olhar para elle ironicamente, mas as estrellas,
essas miravam-no tristemente.

«E o velho scismava! A pobre agua-furtada, onde vivia,
representava-se-lhe na imaginação! Via a filha doente, ella que á força
de trabalho sustentava os irmãos, os pobres innocentes, que pediam de
comer! E elle, o triste velho, ia-lhes apparecer sombrio, para lhes
dizer: «Morrei, não tenho que vos dar!»

«Então pareceu-me vêr na fronte do garoto surgir uma estranha aurora!
Immovel na arvore, contemplava o pobre velho, e a sua physionomia
maliciosa tornava-se pensativa! Eu tinha-o ouvido durante o caminho
fazer mil projectos para o emprego dos cinco tostões, comprar bolos, ir
ao theatro, alugar um burro, mil extravancias que elle acariciava com o
amor de creança! N'aquelle momento não trocaria os cinco tostões por um
imperio!

«Depois de contemplar por um instante o velho, estendeu a mão para mim,
tirou-me do ramo, e deixou-me cair no chapéo do mendigo.

«E depois de ter gozado por um instante da estupefacção do pobre homem,
deixou-se escorregar da arvore, e escapou-se sorrateiramente.

«O garoto desapparecera; mas quem olhasse bem podia vêr alvejarem
vagamente, na escuridão nocturna, as azas luminosas do anjo da caridade.


XI


«Quando me achei no chapéo, e depois na mão do pobre velho, a primeira
sensação foi a da alegria, a do desvanecimento. Parecia-me que eu tambem
participára da boa acção do rapaz, e que me competia uma parte dos
agradecimentos que lhe eram devidos. O que estava longe de esperar, é
que seria eu quem os receberia a todos.

«Com effeito o pobre velho, depois de olhar muito tempo em torno de si,
depois de mirar bem a arvore, cujos ramos se estendiam sobre a sua
cabeça, concluiu por attribuir ingenuamente a um milagre da Providencia
o beneficio que recebêra; e, depois de ter reflectido bastante tempo,
convenceu-se devéras de que a bolsa lhe caira do céo, e tão arreigada
conservou esta convicção, que ninguem seria capaz de lh'a arrancar.
Veneravel candidez de crenças! Não se importou com e pensamento de que
não valia a pena fazer um milagro para dar cinco tostões, e que, ainda
que o céo estivesse inclinado a economias, não era natural que a
Providencia tomasse a precaução de collocar a sua esmola dentro de uma
bolsa de seda verde.

«A tudo isso responderia elle que a menos que a bolsa não se formasse no
ar, e caisse por si mesma, ou que existissem actualmente arvores com
esse fructo, esse dinheiro não podia vir senão do céo. E vinha com
effeito.

«Por conseguinte o bom do velho, passando do immenso desalento á immensa
alegria, ajoelhou, beijou-me fervorosamente, depois levantou-se, e
correu com uma lizeireza de rapaz a fazer as compras necessarias á sua
pobre familia.

«Foi então que eu me pude convencer de que não eram a mim que se
dirigiam, no tempo da minha prosperidade, os comprimentos que tanto me
enchiam de orgulho, mas sim e unicamente á opulencia que eu
representava. Foi essa uma desillusão fatal, e que me causou uma
tristeza pungente! Ah! meu amigo, bastará esse dia para eu conhecer o
egoismo dos homens. Desde o instante em que eu saíra da casa em que
nascêra, no curto espaço de duas ou tres horas, que de agargas lições,
que de tristes ensinamentos!

«Nas casas em que entrava com o meu pobre possuidor, ninguem olhava para
mim, assim como ninguem olhava para elle. N'uma loja de capellista onde
o velhinho foi comprar agulhas, o instrumento de trabalho de sua filha,
a fragil armasinha com que ella combatia intrepidamente o demonio da
miseria, estavam umas senhoras arrastando sedas, e resplendendo em
joias. Estavam comprando não sei o quê, mas fosse qual fosse a compra,
ellas demoravam-se immenso, porque desejavam escolher á vontade, e
obrigavam a dona da loja, que satisfazia as suas exigencias com toda a
complacencia, a revolver todas as caixas, a mexer em todas as gavetas, a
abrir todos os armarios.

«O bom do meu velhinho, impaciente como estava, para levar de comer á
sua pobre familia, depois de esperar um pedaço, não pôde deixar de
dizer, collocando-me timidamente em cima do balcão:

--«Se a sr.^a Ignacia me podesse aviar n'um instantinho...

«A capellista, interiormente enfurecida pelas maçadas que lhe estavam
dando as suas opulentas freguezas, voltou-se, e empurrando-me
bruscamente, tão bruscamente que caí no meio do chão, bradou com uma voz
desesperada:

--«Espere, não tenha pressa, guarde o seu dinheiro. Não vê que estou a
servir estas senhoras?

«O meu pobre dono calou-se, e apanhou-me sem murmurar sequer. O que
havia elle de fazer? A capellista fiava lhe os utensilios necessarios a
sua filha, em occasiões de apuro, e até ás vezes, porque no fundo a tia
Ignacia tinha um bom coração, lhe emprestava os seus vintens.

«Eu é que não admitti circumstancia attenuante possivel para o ultrage
que recebêra. N'essa manhã mesma eu fôra tratada tão amavelmente n'uma
loja de capellista com estanco, onde Eduardo entrára a comprar charutos,
que não percebia qual fosse o motivo da subita differença.

«Já vê que as lições ainda não tinham aproveitado.

«N'esse ponto foi que eu principiei a avaliar as amarguras da minha nova
posição. Felizmente, a scena que se lhe seguiu veiu adoçal-as um pouco.


XII


«Tremulo de alegria, subiu o velho os ingremes degraus de uma escada
tortuosa e escura, que conduzia á agua-furtada onde habitava. Quando
chegou ao ultimo patamar parou para respirar. O coração batia-lhe com
alegria. Pensára tanto em subir aquella escada lentamente, como um homem
que leva sobre os seus hombros o peso enorme do infortunio; pensára
tanto no soffrimento que o havia de dilacerar quando chegasse com o
desespero na alma ao mesmo sitio onde parára ebrio de alegria; pensára
tanto no triste espectaculo que se lhe havia de deparar, no desgosto
profundo que havia de sentir; pensára tanto em tudo isso, que chegára
quasi a costumar-se a essa idéa, e que a felicidade encontra-o armado
para a desgraça e desprevenido para a ventura.

«Finalmente entrou.

«Que espectaculo tão novo para mim foi esse que eu divisei! Das trevas,
que envolviam a casa, saiam gemidos abafados, soluços horrendos,
murmurio dilacerante, reflexo pavoroso do sussurro dos condemnados do
inferno accumulados na tenebrosa _géhenne_ que Dante visitou. O meu
dono, depois de abrir a porta, ficou um instante parado, e
involuntariamente as lagrimas inundaram-lhe as faces, parando nos
labios, que sorriam com um sorriso de consolação.

«Quando o meu olhar se costumou ás trevas, pude então vêr no fundo do
quarto, e deitadas em cima de uma pobre enxerga, duas creanças de nove
para dez annos, pallidas, magras, com os seus corpinhos quasi nús,
tremendo de frio n'aquelle recinto humido. Choravam, e choravam de fome!
Mais ao fundo, n'um pobre catre, que era ainda assim o unico traste da
casa, jazia a filha mais velha, rapariga dos seus vinte e tantos annos,
a quem o soffrimento arrancava gemidos. Uma pobre coberta esfarrapada
mal a resguardava. E comtudo, a pobre rapariga estava com uma febre
violentissima; o delirio apoderára-se d'ella. Murmurava phrases
incoherentes, gemia, soluçava. E as trevas, a escuridão atroz a
suffocal-a! E lá ao fundo, na sombra, a fulgirem sinistramente as garras
do demonio livido da fome!

«Uma toada de musicas alegres entrava pelo quarto. No primeiro andar
havia baile. A dois passos do risonho turbilhão das walsas o horrido
vendaval do infortunio!

«Ó destino!

«O velho, silencioso, accendeu uma véla. Depois pôz na chaminé a lenha
que trouxera, e accendeu o lume. Espalhou-se no quarto um doce calor.

«Os pequenos tinham-se levantado na cama, estupefactos!

«Depois, sempre silencioso, pegou n'um braçado de couves, migou-as,
tirou um pão, fel-o em sopas, deitou tudo dentro de um pobre tachinho de
barro, e pôl-o ao lume. Os pequenos tinham-se approximado d'elle.

«O velho voltou-se. A sua cabeça, coroada de cãs, inclinou-se meigamente
para as loiras cabecinhas que o rodeavam.

«E, vendo-os tremulos, mal se podendo suster em pé, abraçando-lhe os
joelhos, as lagrimas saltaram-lhe de novo dos olhos, a voz
embargou-se-lhe na garganta, e só pôde dizer:

--«Meus filhos!

--«Pão!--foi a resposta das creanças.

--«Sim, meus filhos, esperem, esperem um instante. Haveis de ceiar,
haveis de ceiar, meus pobres pequeninos, e haveis de dormir depois o
somno de innocentes, que a fome repelle ha tanto tempo de cima das
vossas gentis cabecinhas! Deixae-me, deixae-me ir tratar de vossa irmã,
da minha querida filha, que tanto soffre por nossa causa.

«E o velho approximou-se da pobre doente, que olhava para elle com uns
olhos desvairados, coou-lhe por entre os dentes um calmante, que
comprára n'uma botica, porque o pobre do homem gastára até aos ultimos
cinco réis, e comtudo quantas coisas de primeira necessidade tinham
ficado ainda por comprar!

«O calmante produziu um bom effeito. Ao delirio succedeu a prostração, e
a costureira adormeceu com um somno pacifico e reparador.

«Então o resto da familia agrupou-se em torno da enxerga, meza
improvisada, para onde foi trazido em triumpho o tacho das couves. Os
pequenos lançaram-se sofregamente á comida, e em poucos minutos
desappareceram as couves e as sopas, sem omissão de um talo, sem
esquecer uma migalha.

«O velho mal tinha bebido um golo de caldo. Embevecido na contemplação
de seus filhos satisfeitos, nem pensára na sua propria fome. De vez em
quando levantava ao céo os olhos arrazados de agua, e murmurava palavras
incomprehensiveis. É essa a oração que a Deus mais agrada; porque é a
effusão sincera, e livre de preceitos, de um coração que trasborda de
reconhecimento.

«Quando terminou a ceia frugal, o bom do velho chamou as creanças para
junto de si, e fazendo-as ajoelhar, e unindo-lhes as tenras mãosinhas,
disse-lhes com voz grave:

--«Meus filhos, agora que por uma esmola divina saciaram a fome, é justo
que se não esqueçam d'Aquelle que se amerceou de vós. Vinde, e repeti
comigo:

--«Pae do céo, Vós que, apesar da vossa omnipotencia, vos não esqueceis
dos vossos filhinhos, que déstes pão a quem tinha fome, e consolações a
quem estava afflicto! Vós que, por um milagre da vossa infinita bondade,
nos salvastes da morte, e a nosso pae do desespero! Vós que sois todo
misericordia, tende compaixão de nossa pobre irmã! E vós, nossa mãe
querida, que sois agora uma santa no céo, rogae tambem a Deus que dê
saúde a quem é o nosso amparo! Nós vos damos graças, Deus todo-poderoso,
e promettemos sempre ser dignos da vossa affeição, e conservarmo-nos no
caminho da virtude, para que a alma da nossa mãesinha se não afflija de
nos vêr peccadores.»

«E as creancinhas repetiam com a sua voz argentina aquellas singelas
palavras, pronunciadas pelo velho, commovido, que estendia as mãos
tremulas sobre essas cabeças innocentes, e erguia para o céo os olhos
humedecidos.

«Depois beijou-as na fronte com ternura, e mandou-as deitar. Elle apagou
a luz e o lume; sentou-se á borda da enxerga, e, encostando a cabeça nas
mãos, meditou.

«Porém o dia fôra agitadissimo; a natureza foi mais forte do que elle, e
d'ahi a pouco tempo o velho, cerrando a pouco e pouco as palpebras,
adormeceu.

«As trevas encheram de novo o quarto. Mas o horror fugira. Á porta, um
anjo do Senhor, com um dedo nos labios, velava meigamente sobre o somno
da innocencia.


XIII


«Cinco tostões não duram eternamente, e a prova d'isso é que já tinham
desapparecido. A miseria, que fugira um instante espavorida, voltava de
novo a bater á porta. Que remedio senão abrir-lh'a!

«Não era feliz no mendigar o meu pobre dono. Raras vezes obtinha o
dinheiro sufficiente para comprar o necessario. Sua pobre filha
melhorára sim, por um prodigio da natureza completamente desajudada da
sciencia; mas a sua convalescença, desprotegida d'aquelle conforto,
d'aquelles cuidados tão indispensaveis para o restabelecimento da saude,
prolongava-se, apesar de todos os esforços que a animosa rapariga fazia
para resumir, e que, como é facil de suppôr, só contribuiam para a
accrescentar. Queria pegar em trabalho, mas estava tão fraca, tão fraca,
que, apenas dava dois ou tres pontos, caía desmaiada sobre a costura, e
assim passava os dias em continuados desfallecimentos.

«Seu pae tambem estava completamente impossibilitado de trabalhar. Eu
chamei-o velho, porque com effeito os desgostos e as privações essa
apparencia lhe haviam dado; mas não o era effectivamente. Ainda não
contava cincoenta annos, e já não tinha na cabeça um só cabello preto.

«Despedido da fabrica de oleados em que trabalhava, porque a sua nimia
fraqueza o tornava completamente improprio para os rudes trabalhos
manuaes da fabrica, vira-se só com tres filhos, sem recursos, sem poder
obter, n'um outro emprego mais suave, o pão para si e para elles.

«A sua completa ignorancia tornava-o improprio para qualquer trabalho
que não fosse manual.

«Ó ignorancia, negra irmã da livida miseria!

«Como eu ia dizendo, eram poucos ou nenhuns os proventos que o pobre
homem tirava da mendicidade. As comidas iam sendo cada vez mais frugaes,
e a pobre rapariga, debilitada, enfraquecida, ia-se tornando cada vez
mais incapaz de trabalhar.

«Admira-se de certo de eu continuar a existir n'uma casa onde reinava
tão profunda miseria! Espanta-se de que me não tivessem vendido no dia
immediato áquelle em que tinham gasto os cinco tostões. Eu lhe explico
esse facto na apparencia incomprehensivel, eu lhe dou a chave d'esse
enigma.

«O meu dono considerava-me, para assim dizer, como uma enviada de Deus,
e não estava muito longe de imaginar que existisse no meu seio um anjo
occulto. Tocar-me era quasi uma irreverencia, vender-me seria de certo
uma profanação.

«Candidamente supersticioso, o bom velho tinha lá de si para si que eu,
como mensageira que fôra de uma esmola providencial, não podia deixar de
fazer a felicidade d'aquelles que me possuiam. Vender-me ser-lhe-hia tão
difficil, como aos romanos cederem, em troca dos mais enormes thesouros,
o palladio que fazia a republica invencivel. Eu era a égide da casa,
emfim.

«Mas um dia o pobre pae de familias voltou mais triste e amargurado do
que nunca. O dia correra-lhe como aquelle em que eu o tinha visto pela
primeira vez, com a differença que nenhum garoto compassivo, enviado
pela Providencia, se fôra esconder na ramaria de uma arvore protectora.
O velho entrava, pois, em casa, sombrio, triste, como entraria uns
poucos de dias antes, se não fosse eu apparecer-lhe inopinadamente.

«Entrou, sem dizer palavra. Dirigiu-se logo a um armario que havia na
parede, onde eu habitava, e, tirando-me para fóra, disse-me, depois de
me ter contemplado lugubremente alguns instantes:

--«Vae, pobre bolsinha, que me trouxeste momentos de allivio, e cuja côr
suave me aconselha a esperança. A esperança?! não a posso ter já! Ai! a
minha sina fatal é mais forte do que a tua benefica influencia! Ramo
verde que uma pomba do céo trouxe no bico a esta pobre arca, que vae sem
rumo nas aguas de um diluvio de infortunios, enganaste-me
involuntariamente! Não parou a tempestade! Nem ha de parar talvez! Vae,
não procures luctar mais contra a minha má estrella! Vae, e que a tua
mesma partida nos seja ainda bemfazeja! Os anjos de Deus, ou quando
descem ao mundo, ou quando voltam ao paraizo, sempre enviam adiante, ou
deixam após si, um rasto luminoso!

«E beijando-me com fervor, metteu-me no seio, e saiu.

«Foi triste a sua peregrinação á procura de um comprador que se
resolvesse a dar por mim um preço razoavel. Todos, vendo-o assim pobre,
mostrando no rosto livido a fome que o impellia a vender-me, offereciam,
depois de me terem mirado com desdem, um preço tão baixo, que, fosse
qual fosse a extrema necessidade que o meu dono tivesse de dinheiro,
entendeu que me não devia deixar ir assim.

«Comtudo, percorriamos lojas e lojas, e nenhum dos donos d'ellas se
resolveu a comprar-me. Pois eu não valia tão pouco como isso, e estou
convencida que muitas das pessoas, a quem o velho mendigo me
apresentava, desejariam ficar comigo. Rebaixavam-me muito, mas, segundo
depois vim a saber, isso é trica de negociante para especular com a
miseria. Sabem que ainda que a sua primeira proposta repilla o vendedor,
este, por fim de contas, sempre volta ou a acceital-a ou a diminuir
muito o preço que estabelecera.

«Chamam elles a isso esperteza no negocio. E quem não quer não venha cá,
accrescentam, terminando com a phrase pittoresca: «Eu não lhe puz a faca
aos peitos.» É regra estabelecida que o vendedor peça um preço
exorbitante, e o comprador offereça um preço diminutissimo. Que venha á
discussão, mesmo por acaso, o valor real do objecto, isso é raro. Um
negocio de compra e venda é um jogo de azar em que dois jogadores
trapaceiam. Vêr qual dos dois ha de roubar o outro, _that is the
question_. Nunca um só vendedor se lembrou de calcular: «Este objecto
custou-me tanto, devo tirar o juro razoavel de tanto, logo vendo-o por
tanto, e nem um real de mais, nem um real de menos»; e o comprador de
pensar: «Posso gastar tanto, se o objecto valer mais, não compro.» Isso
nunca: sem uma discussão preliminar, é sensabor o negocio. Se a invenção
da moeda simplificou as relações mercantis, quanto as não simplificaria
a invenção d'esta moeda dos corações nobres, que se chama «boa fé!».

«A antiguidade, que fez Mercurio o deus dos ladrões e dos negociantes,
acertava devéras se accrescentasse--e dos consumidores.

«Desculpe estas reflexões um pouco prolixas; mas eu sou o Nestor das
bolsas, e desde o celebre ancião homerico, cujas palavras eram doces
como favos de mel, e que talvez por isso eram prodigalisadas por tal
fórma pelo rei de Pylos, que não sei como os gregos não tomaram uma
indigestão de melaço: desde esse vulto epico, todos os Nestores gostam
de pregar grandes massadas. Eu não me podia esquivar á regra geral.

«Agora vou continuar.

«O meu dono luctou muito tempo contra a avidez dos compradores, e
fez-lhes falhar os calculos. Saía das lojas com o desespero na alma, o
rubor da indignação na fronte, e não voltava.

«Assim se passaram duas horas.

«O preço, que lhe offereciam, ia sempre diminuindo: porquê? Porque de
cada vez a physionomia do mendigo se tornava mais livida. A anciedade
pintava-se-lhe nas feições. Cada ruga de mais, que se lhe cavava na
fronte angustiada, traduzia-se immediatamente em cinco réis de menos no
preço que lhe offereciam.

«Finalmente, exhausto, prostrado, desfallecido, entrou n'uma ultima
loja, e, quando entrou, deixou-se cair em cima de uma cadeira. As pernas
recusavam-se a sustental-o mais tempo.

«Na loja estavam o mercador, e um freguez escolhendo não sei o quê. Sei
apenas que era um rapaz de uma physionomia sympathica.

«Ambos olharam espantados para o pobre velho, mas o espanto do primeiro
era um espanto encolerisado, o do segundo um espanto compadecido.

«O dono da loja receiava para as suas cadeiras o contagio da miseria.
Que um cão se estirasse em cima d'ellas, passe; mas um mendigo!

«O meu dono estendeu-me com mão tremula para o logista, e disse com voz
que mal se ouviu:

--«Eu desejava vender esta bolsa. Quanto me dá o senhor por ella?

--«Que diz vossê?--tornou o dono da loja com modos irritados. Falle de
maneira que se entenda! Julga que tenho ouvidos de tisico? Graças a Deus
sempre gozei de boa saude.

--«Desculpe-me, senhor, respondeu o meu dono fazendo um esforço sobre si
mesmo para fallar com voz mais intelligivel, é porque estou muito fraco.
Desejava saber quanto o senhor me dá por esta bolsa.

--«Ah! até que emfim! Não seria mau que vossê se levantasse, porque este
senhor talvez se queira sentar.

--«Deixe estar o pobre homem,--interrompeu o freguez com vehemencia, não
vê que mal se póde ter em pé. Coitado!

--«Pois sim, sim!--resmungou o logista, se toda a gente que não póde
andar se me viesse pespegar nas cadeiras, estava eu arranjado. Mas vamos
lá a vêr a bolsa. Ah! está toda esfarrapada! que trapo! isto não vale
cinco réis. Quanto quer vossê por isto!

--«V. s.^a dirá quanto quer dar por ella!

--«Eu! olhe, já lhe digo que não lhe dou mais de quatro vintens. Nem um
real. Serve-lhe?

--«Quatro vintens por uma bolsa de seda, senhor!--tornou o meu dono com
uma profunda accentuação de amargura na voz.

--«Sim! que ella está muito bonita. E quem me assevera que vossê não
roubou isto? Nada, parece-me que nem os quatro vintens lhe dou.

--«Roubar! eu?--bradou o meu bom velho, erguendo-se indignado da
cadeira.

--«Sim! sim! Eu já conheço essas capas de santidade. O senhor não póde
imaginar, continuou elle, voltando-se para o freguez, quanto esses
malandros são finos! Olhe, um dia d'estes...

--«Este homem não tem cara de ladrão, interrompeu bruscamente o
desconhecido.

--«Muito obrigado, senhor, muito obrigado!--exclamou o meu dono.
Sirvam-me de consolação as suas palavras! Faz-me bem ouvil-as! Partem de
um coração nobre.

--«Emfim, tornou o logista um pouco despeitado, se me quer dar a bolsa
ahi tem os quatro vintens.

--«Que remedio, senhor! A necessidade é má conselheira! ahi tem a bolsa!
Sempre meus filhos não morrerão hoje de fome!

--«Não, interrompeu ainda o generoso rapaz, agarrando no braço do
mendigo, não consentirei que se pratique um roubo assím na minha
presença. Sou eu quem lhe compra a bolsa. Ahi tem dez tostões, é tudo
quanto tenho comigo. Creio que a bolsa não valerá muito mais.

«E, pondo na mão do mendigo duas meias corôas, saiu levando-me comsigo,
deixando o logista estupefacto, e sendo acompanhado pelas bençãos do
velho.


XIV


«Quando cheguei ao alojamento do meu novo dono, percebi que a minha
posição não melhorára consideravelmente. A mobilia da casa não era muito
mais numerosa, do que a da miseravel agua-furtada, d'onde eu saíra
n'esse mesmo dia. Uma estante de pinho, vergando ao peso dos livros, e
uma meza cuja superficie desapparecia debaixo de uma triplice camada de
papeis, ahi tem quaes eram os moveis principaes d'aquella casa.

«O resto da mobilia, se o meu amigo quizer absolutamente uma descripção
á Balzac, compunha-se de um leito de ferro, e de duas cadeiras de pinho,
uma das quaes se distinguia pela ausencia de um pé, o que lhe dava as
prerogativas de tripode, e a outra primava na singular docilidade com
que se domava a todo o corpo que se lhe pozesse em cima; porque se
prostrava immediatamente no chão em signal de obediencia. Confesso que,
quando o meu generoso possuidor atirou comigo para a tal cadeira
nimiamente flexivel, receei que apesar da minha leveza, obrigasse o
pobre movel a dar provas da sua habilidade gymnastica.

«O meu proprietario, assim que entrou, despiu o casaco e atirou com elle
irreflectidamente para cima da cadeira cortez, onde eu, por minha
desgraça, estava tambem collocada. Receber o casaco, fazer um _plié_ com
toda a habilidade de um mestre de dança, e ir parar ao chão
arrastando-me na quéda, foi uma e a mesma coisa para a cadeira. O meu
dono nem reparou em tal, e, dirigindo-se logo para a outra, sentou-se á
meza, pegou n'uma penna, molhou-a no tinteiro, e começou a escrever com
uma rapidez incrivel.

«Eu entretanto não estava lá muito á vontade. Litteralmente esmagada
debaixo do casaco, tinha, para cumulo de desventuras, mesmo encostado a
mim um grosso caderno de papel, que saía de uma das algibeiras, e que me
pregava no chão, comprimindo-me atrozmente. Eu ficára embirrando com
papeis, desde o momento em que, por causa d'elles, fôra expulsa
irrevogavelmente da casa dos meus primeiros donos, e ai! sem esperança
de para lá voltar.

«Mas, ainda que eu não tivesse essa justificadissima prevenção contra a
papelada, bastava a attitude aggressiva, que este caderno tomára para
comigo, para eu ficar odiando mortalmente a sua raça. Debalde eu
gritava, ralhava, resmungava, fazia esforços inauditos para me
desembaraçar do peso que me opprimia, tudo era inutil. O caderno era
inflexivel, e o casaco ainda mais. Não tive remedio senão resignar-me.

«Vendo-me socegada, o caderno de papel começou a entabolar umas taes ou
quaes relações comigo. Percebendo que, por fim de contas, a melhor
resolução, que eu podia tomar, era corresponder á amabilidade com que me
tratavam, troquei algumas palavras com elle, primeiro n'um tom bastante
sêcco, e a pouco e pouco mais agradavelmente. Emfim, d'ahi a cinco
minutos estavamos os melhores amigos d'este mundo.

«Foi então que elle me disse que o seu dono era litterato, como quem
diz, não tinha officio nem beneficio. Andava sempre abundantemente
provido de idéas e de dividas. As idéas eram sublimes, as dividas eram
pasmosas. Nem por umas nem por outras havia quem désse dez réis. Tinha
por costume confiar ao papel os seus pensamentos; mas por mais empenhos
que o papel almasso mettesse com o papel de imprensa, nunca tinha
conseguido que este se encarregasse de repartir com elle as honras da
confidencia. Não porque o litterato não tivesse talento; pelo contrario,
asseverava o papel que tinha muito; mas infelizmente, como ainda não se
descobrira o meio de se começar a escrever pela segunda obra, e os
editores queriam unicamente imprimir os seus escriptos se elle já fosse
conhecido, o homem estava sériamente ameaçado de nunca os vêr em lettra
redonda.

«Em compensação, um editor Mecenas, um protector das lettras com loja de
livros n'uma escada, offerecera-lhe o honroso logar de traductor dos
romances de Paulo de Kock, e de outros notaveis escriptores francezes,
com o pingue ordenado de tres mil réis por mez. Este homem era tido
pelos seus collegas como um perdulario.

«Outro editor, ainda mais estroina ou mais inexperiente, concebêra a
atrevida idéa de tentar fortuna imprimindo as obras do pobre diabo.
Pedira-as para as vêr, pedido que ia dando com o escriptor em doido...
de alegria, e mostrou-as a um entendedor seu amigo. Este folheou os
differentes cadernos por espaço de cinco minutos, e devolveu-os ao
livreiro, asseverando que o rapaz tinha uma lettra tão boa, que não
podia chegar a ser um grande escriptor, o que fez com que o bom do
emprezario de litteratura devolvesse os cadernos a quem os escrevêra,
offerecendo-lhe ao mesmo tempo um logar de caixeiro.

«O litterato atirára com os cadernos á cara do editor, depois com os
livros que achou á mão, e já baloiçava a cadeira gymnastica para lhe
fazer tomar o caminho que haviam tomado os livros e os papeis, quando o
bom do editor descia os ultimos degraus da escada, e sacudia o pó das
suas sandalias á porta de casa tão pouco hospitaleira.

O que o caderno meu visinho me affirmou (e devo dizer de passagem, que
fôra elle um dos projectís de que o seu dono se servira, um dos navios
encarregados de operarem um reconhecimento nas costas editoraes), o que
elle me affirmou foi que, se o nosso homem não sacudisse tão depressa o
pó das suas sandalias, o escriptor vinha-lhe a sacudir mas era o pó da
sobrecasaca.

«Aqui está em resumo o que me narrou o meu officioso visinho.

«Não tentarei descrever a vida que eu passei durante dois ou tres mezes
em casa d'esse seu collega. Póde imaginar qual era; repouso completo,
enercia absoluta. Collocada na estante, alli passei todo o tempo, sempre
socegada, sempre vasia, conversando muito com os lívros meus visinhos,
que me ensinaram tudo quanto eu sei, e me fizeram adquirir a erudição
que tanto o admirou, e vendo o meu dono passeiar no quarto, sempre
agitado, e sempre procurando alguma coisa, ou uma rima, ou um lenço de
assoar, ou um editor.

«Rimas encontrava elle quasi sempre, lenços de assoar algumas vezes,
editores nunca!

«A traça fôra o editor unico d'aquelles papeis.

«Um dia foi elle tambem procurado por uns sujeitos, que lhe apresentaram
um papel sellado, e que lhe disseram serem elles os encarregados pelo
sr. Bartholomeu Nunes, de proceder a uma penhora por causa de não sei
quantos mil réis que elle devia ao dito senhor.

«O meu dono não fez a minima objecção, pegou no chapeu e saiu, dizendo:

--«Escolham o que quizerem.

«Coisa que elles não o obrigaram a repetir. Percorreram minuciosamente
todos os cantos e recantos. Nada lhes escapou. Tudo inventariaram, tudo
levaram. Eu, já se vê, não escapei ao desastre; lá fui envolvida com os
livros, e sabe quem eu vi tambem no frete?

«A celebrada cadeira das mesuras. Até isso lhes servira!


XV


«O meu dono (quinto, segundo vê; eu se não fosse tão modesta dizia-lhe
que pozesse no titulo, em vez de _Memorias de uma bolsa verde_, a
_Odysseêa de uma bolsa verde_), o meu novo dono era um usurario amador.
Magro, com umas pernas que se cançavam antes de chegar aos pés, a tez
biliosa, o nariz adunco e cavalgado por uns oculos, era perfeitamente o
typo que Shakspeare (que foi meu visinho) attribue á sexta edade do
homem, na celebre comedia intitulada: _As you like it_, titulo que o
leitor póde traduzir _como quizer_. Observando rigorosamente as regras
da economia, não comprando senão o que lhe era restrictamente
necessario, e assim mesmo inventando para seu uso proprio um
_necessario_ especial, as riquezas que obtinha, moeda de cobre a moeda
de cobre, serviam-lhe unicamente para as ter enterradas n'uma burra
collocada no seu quarto.

«N'esse ponto tinha elle uma certa _coquetterie_. As libras doiradas, em
que transformava os patacos dos desgraçados, encerrava-as dentro de uma
infinidade de bolsas elegantes e ricas até, que estavam dispostas
symetricamente por fileiras, no fundo do seu _coffre fort_. Todas as
noites, antes de se ir deitar, abria-o, descerrava as bolsas, e fazia
cair sobre o solo uma chuva de oiro. Alli, Danae de si mesmo,
estirava-se elle, enchendo as mãos de punhados de libras, e fazendo-as
cair no monte a pouco e pouco, enterrando os dedos n'aquella eira
monetaria, revolvendo-a, fazendo-a rolar, apanhando-a espiga a espiga,
juntando-a, contando-a de novo, enchendo as bolsas, e tornando-as a
collocar dentro da burra. Tudo isto elle fazia com uma delicia, com uma
soffreguidão taes, que não trocaria de certo este prazer pelo melhor
divertimento do mundo.

«Quando eu cheguei á porta já elle estava á nossa espera. Ajudou a
descarregar o frete, procurou os livros, determinou que os vendessem
immediatamente, e deu um grito de surpreza quando eu appareci.

«Era uma bolsa que o acaso lhe dera para juntar á sua collecção. Bem sei
que eu estava um tanto rota, um pouco esfarrapada, e que os rasgões me
adornavam, apesar de eu ser ainda bem nova. Mas as cicatrizes, n'um
rosto imberbe, dão a esse rosto a magestade da velhice, e eu,
considerada debaixo d'esse ponto de vista, estava magestosa a mais não
ser. De mais a mais, nos emprestimos que o usurario fizera ao litterato,
os juros tinham absorvido o capital, havia já tanto tempo, que se podia
dizer que toda a mobilia do meu ex-possuidor vinha a sair de graça ao
honesto agiota. E n'esse caso que importava que eu estivesse rasgada? «A
bolsa dada não se olha á seda.»

«Por conseguinte o bom do velhote magrito, assim que me viu, fez-me mil
caricias, e, depois de ficar só, foi a uma gavetinha, não sem olhar
primeiro para todos os lados afim de se assegurar se alguem o
espreitava, tirou de dentro um cartucho de libras, despejou-o dentro de
mim, prestando um ouvido encantado ao som metallico do dinheiro, e,
levando-me com toda a cautela bem apertada na mão, dirigiu-se pé ante pé
para o seu quarto, abriu a burra que estava ao pé da cama, e depois de
contemplar por um instante as bolsas, amontoadas umas em cima das
outras, deixou-me caír com um suspiro de satisfação, e fechou o cofre.

«Eu ao principio fiquei completamente atordoada. Esta passagem repentina
da luz para as trevas, do ar livre para um carcere estreito, produziu em
mim uma impressão terrivel. Comtudo a pouco e pouco fui-me costumando e
resignando. Comecei a distinguir alguns objectos n'aquella escuridão. Os
perfis vagos de umas coisas informes, que eu percebia estarem junto de
mim, foram gradualmente fixando os seus contornos, e no fim de um quarto
de hora comprehendi que estava rodeada de uma chusma de minhas irmãs.

«Agora percebo eu que fui pouco habil na narração. Pois não o devia ser;
porque na estante do litterato conversára muitas vezes com uma collecção
da _Presse_ e do _Constitutionnel_; e os folhetins romances d'estes
jornaes tinham-me ensinado todos os estratagemas, com que se tem
suspensa a curiosidade do leitor, incitando, aguilhoando-o com a espora
do mysterio, de fórma que elle percorra a narração, como um cavallo
desenfreado percorre a planicie, sem se importar com as bellezas dos
accessorios, e desejando só chegar ao fim, que é para o cavallo o
precipicio em que se despenha, para o leitor a peripecia ultima, que se
póde compôr, á vontade do romancista, ou de trinta punhaladas, ou de
vinte casamentos.

«Apesar d'essas lições, vê se que eu ainda estou muito inexperiente, e
que se os meus companheiros de estante chegarem a conversar alguma vez
com esse papel, que o meu amigo transformou em confidente das minhas
tribulações, hão de envergonhar-se da má discipula que tiveram.

«Com effeito, para que fui eu dizer totalmente ao leitor que o usurario
se debruçára a contemplar as bolsas? Privei-me assim de umas poucas de
phrases interrogativas, que produziriam uma optima impressão!

«O que seriam esses objectos informes immoveis no fundo da caixa? Que
mysterio se occultaria n'aquellas tenebrosas profundezas?» Etc., etc.
Ora vejam o que eu perdi.

«Emfim o mal está feito, e não tenho remedio senão continuar a narração,
prescindindo d'esses auxiliares de que me lembrei tão tarde.

«Um murmurio confuso se elevou assim que eu cheguei. Na existencia
monotona dos prezos é sempre um acontecimento importante a chegada de um
estranho. A curiosidade irritada por uma longa abstinencia, procura
saciar-se com frenesi assim que se lhe offerece occasião para isso. Era
destino meu concorrer para matar a fome, umas vezes de pão, quando eram
humanos os que soffriam, outras vezes de curiosidade quando eram bolsas.

«Por isso, apenas trocámos os primeiros comprimentos, logo caíu sobre
mim a chuva de perguntas. Quem era eu? d'onde vinha? como fôra alli
parar? De todos os cantos do bahú saía uma interrogação; todas as bolsas
olhavam para mim, as mais distantes punham-se nos bicos dos pés, para me
verem melhor, depois cochichavam entre si; as novas faziam observações
zombeteiras ácerca das minhas feições, e, comparando-as com as suas,
concluiam que eu nunca lhes poderia disputar o pomo da belleza; as que
estavam intactas achavam-me horrenda por causa dos meus rasgões; as que
estavam mais rasgadas do que eu, achavam que me ficava pessimamente o
estar pouco dilacerada; as velhas só olhavam para mim com complacencia,
lembravam-se do seu tempo, suspiravam, e chamavam-me «filha.»

«Depois de satisfazer, o melhor que pude, a curiosidade geral, chegou a
minha vez. Não foi necessario que eu rogasse muito, para ser informada
da vida das minhas companheiras, não foi preciso até que eu dissesse uma
só palavra a esse respeito. Se de alguma coisa me pude queixar, foi da
pressa que ellas tinham de me contar a sua historia, o que fazia com que
fallassem todas ao mesmo tempo, havendo na caixa uma balburdia
incomprehensivel. Dir-se-ia que era alli a base da torre de Babel!

«Ai! meu amigo, que horrendas coisas eu vim a saber! Que de crimes
estavam alli escondidos, d'estes que escapam á justiça dos homens, mas
sobre os quaes estão abertos os olhos vigilantes da Providencia! Cada
moeda de oiro accumulada n'aquelle cofre, representava uma enorme somma
de soffrimentos. Aqui uma viuva, reduzida á miseria! mais adiante uma
donzella, pura como os anjos, lançada no abysmo da devassidão! Acolá um
orphão defraudado da herança paterna. Sommas consideraveis representavam
vidas e vidas de torturas incriveis, soffridas pelos vossos pobres
irmãos, cujo rosto o acaso do clima revestiu com um manto luctuoso! Que
horrores jaziam alli escondidos! Que de trevas entravam na composição do
fulgor d'aquelle oiro!

«Era já noite. Sentimos uma chave ranger na fechadura; tudo entrou no
silencio.

«Abriu-se o cofre, e appareceu-nos o rosto livido, e a extensa figura do
usurario. Estava de barrete de dormir e de roupão. Trazia um castiçal.

«Collocou-o em cima da meza da cabeceira, sentou-se no chão,
despejou-nos uma a uma, e começou a revolver a massa brilhante do oiro.

--«Saltem, saltem, minhas meninas, dizia elle em voz baixa e roufenha,
saltem que bem me custam a ganhar. Não as crimino por isso; pelo
contrario. Que prazer ha ahi que se compare com o que eu experimento
n'este instante? Como tudo isto deslumbra! Tenho aqui o sufficiente para
comprar Portugal todo, incluindo as consciencias dos seus habitantes.
Para quê! Puf! Que me importa a mim com essa canalha, que me chama
usurario, e que me vem lamber os pés. Prazer, ineffavel prazer é este
que vós me daes. Saltem, saltem, minhas meninas!

«E sorria-se com um sorriso de hyena, o miseravel!

«Finalmente cançou-se, tornou-nos a encher com toda a paciencia, fechou
o cofre, e foi-se deitar.

«Caíu tudo em silencio de novo.

«Deu meia noite!

«As pancadas do relogio resoaram lenta e lugubremente na solidão do
quarto.

«E eu senti um frio terror percorrer-me o corpo; porque um vago e
convulso estremecimento agitára no meu seio as libras silenciosas.

«E o cofre abriu-se como se mão invisivel o tocasse, e um vulto
melancolico e severo, com azas negras nos hombros, appareceu em pé junto
de nós.

«Era o anjo do remorso! Que magestade n'aquella fronte sombria, que
pungente contracção no seu labio severo!

«E elle estendeu a mão com um gesto imperioso, e eu, gelada de susto,
senti as peças de oiro moverem-se por si mesmas, e adquirirem como que
umas azas pequeninas.

«Um vago e sinistro suor lhes percorreu a fronte, e esse suor era um
suor de lagrimas!

«E todas se ergueram; o enxame de sinistras abelhas saíu em bando da
tenebrosa colmeia, e a bulha das suas azas metallicas produzia não sei
que lugubre som!

«E, ao mando do anjo do remorso, foram todas pairar sobre o leito do
avaro.

«Então vi um terrivel espectaculo; de cada uma d'essas peças de oiro
começaram a escorrer lagrimas e sangue, que iam caír gôta a gôta na
livida fronte do usurario.

«E elle agitava-se na cama, erguia as mãos supplicantes, procurava
limpar a fronte, debalde! porque a horrenda chuva cahia incessante,
incessante, e alastrava em nodoa immensa, que parecia o funebre sêllo da
reprovação de Deus.

«E das peças de oiro saía um concerto dilacerante! concerto composto de
gritos, de soluços, de blasphemias, e de imprecações!

«Depois, a um signal do anjo, as moedas desappareceram e
transformaram-se em espectros, que vieram doidejar em torno do leito do
meu dono.

«E a punição ainda era mais cruel!

«Uma tomára as fórmas de uma mulher, joven, bella, um anjo emfim, mas um
anjo caído!

«E approximou-se do usurario, e disse-lhe com voz rouca:

--«Era virgem, estava só! Protegia-me a dupla auréola da innocencia e da
orphandade! Tu vieste, especulador infame, arrojaste-me a um abysmo, e
manchaste de lodo a minha candida tunica.

«E outra mudava-se n'um pobre velho, de cabellos brancos, que arrastava
uma grilheta preza no pé:

--«Eu era o symbolo da honra; mas tinha filhos! Reduziste-me á miseria,
e eu roubei!

«E todos os espectros bradavam com voz pavorosa:

--«Sê maldito!

«Era horrivel, horrivel aquella scena!

«E durou até que os primeiros e tenues clarões da madrugada entrassem
timidamente pela janella do quarto.

«Com o primeiro raio da aurora, vi apparecer no quarto um anjo de
brancas azas, com a face luminosa banhada em pranto.

«Veiu e ajoelhou aos pés do seu terrivel irmão.

--«Ainda não está satisfeita a tua vingança?--bradou elle com uma voz
melodiosa, de que é apenas um frouxo echo o plangente suspiro da harpa
éolia.

«Era o anjo da guarda do usurario, que o tinha abandonado, chamado pelo
Senhor, mas que attrahido pelo invencivel amor, que nos consagram estes
celestes protectores, vinha na hora do supplicio invocar, para o seu
protegido, a misericordia!

«E o anjo do remorso, vencido pelas preces do seu candido companheiro,
fez um signal, e o tumultuoso enxame entrou no cofre, que se tornou a
fechar.

«Um vago bater de azas denunciou-me que os dois anjos tinham voltado ao
céo levados pelo primeiro raio do sol da manhã.


XVI


«Isto repetia-se todas as noites. O costume já me tornára indifferente.

«Passaram-se talvez seis annos, durante os quaes eu nunca saí da minha
prisão, e em que, pelo contrario, entraram muitas novas companheiras que
vinham augmentar o volumoso peculio, e, ao bater da meia-noite, tornar
tambem mais numeroso o funebre cortejo dos phantasmas.

«No fim de seis annos morreu o meu usurario! Morreu de repente! Não
tivera tempo de fazer testamento, e, segundo me disseram, iamos passar
para as mãos de uma herdeira, parenta muito afastada do finado.

«Com effeito, poucos dias depois da morte de Bartholomeu Nunes, vieram
uns quatro gallegos para levar a burra a pau e corda.

«Tivemos a consolação de os derrear!

«Quando chegámos á casa para onde iamos, os gallegos escorriam em suor,
e praguejavam como uns damnados.

«Uma voz argentina fez-se ouvir junto de nós. Esta voz não me era
desconhecida; mas onde a ouvira eu? Impossivel lembrar-me!

«Finalmente rangeu a chave na fechadura, e abriu-se o cofre. Que rosto
imagina que me appareceu? O de Camilla! o da minha creadora!

«Descrever-lhe a alegria que senti é-me completamente impossivel.

«Ella primeiro não me conheceu. Espantada de tanta opulencia, não fazia
senão repetir:

--«Como aquelle homem era rico!

«Depois tirou para fóra algumas bolsas. Entre ellas ia eu.

«Camilla mirou-me attentamente, e murmurou:

--«Que estranha similhança... É impossivel!... Seria extraordinario!

«Era-lhe facil sair d'aquella incerteza. A sua delicada mãosinha bordára
no meu corpo as iniciaes d'ella e de seu marido; por conseguinte, podia
procurar esse signal. Foi o que fez.

«As duas letras--_C E_--cá estavam enlaçadas amorosamente.

«Camilla deu um grito de alegria. Beijou-me freneticamente, exclamando:

--«Ó minha gentil bolsinha! Torno a encontrar-te. Como estás
desfigurada! Que te tem acontecido? Ainda conservas as nossas iniciaes
n'um estreito abraço! Symbolo de um amor que passou, que doce amargura
eu sinto em te vêr!

«Que se passára n'aquella casa? Que acontecimento motivára as tristes
palavras de Camilla?


XVII


«Juro-lhe que n'esse momento tive pena de não ser um ente possuidor da
faculdade do movimento, de vida, emfim, para poder corresponder aos
ternos beijos com que a minha boa dona me saudava. Infelizmente, tinha
de me contentar com os receber e não podia retribuil-os. Via-me obrigada
a ficar immovel, gelada, na apparencia indifferente.

«Para lhe poupar o trabalho, que eu tive, de saber a pouco e pouco o que
se passára, eu lh'o digo em poucas palavras.

«Camilla, como sabe, tinha genio ciumento. Eduardo era impaciente e
teimoso.

«Tinham-se repetido muitas vezes scenas similhantes áquella que me
obrigára a sair pela janella, como um amante surprehendido. Uma vez,
porém, a discussão fôra mais agitada, do que era habitual. Eduardo
irritára-se, Camilla teimára, e o rompimento seguira-se. Fôra uma
especie de divorcio _intra muros_, com consentimento de ambos. Não havia
nem sombra de escandalo. Muito amaveis um para com o outro na sociedade,
em casa viam-se apenas ás horas da comida, fallavam-se muito
cortezmente, e depois cada um partia para o seu lado.

«Esta intoleravel situação durava, ia para seis mezes. E não julgue que
o amor dos dois esposos tinha afrouxado; pelo contrario, amavam-se cada
vez mais; porém o seu genio orgulhoso impedia a cada um d'elles dar o
primeiro passo para a reconciliação. Soffriam, e soffriam em silencio.

«Ahi tem a explicação das phrases de Camilla.

«Estava-me ella ainda beijando, quando bateram á porta devagarinho.

--«Dá licença?--disse a voz de Eduardo.

«Camilla enxugou os olhos rapidamente, collocou-me em cima da meza, e
respondeu com voz ainda um pouco tremula:

--«Entre!

«Eduardo entrou. O tempo não alterára a belleza varonil do mancebo; só
um bonito bigode negro substituira o ligeiro buço do adolescente.

«Eduardo devia ter vinte e nove annos.

--«Desculpe-me incommodal-a, disse elle, sorrindo; mas nomeou-me
procurador n'este negocio da herança, e, por conseguinte, vejo-me
obrigado a estar sempre a importunal-a para lhe dar as minhas contas. O
ministro da fazenda deve ter entrada franca junto d'el-rei.

--«Póde vir sempre sem receio de me importunar.

--«Ah! diga isso á vontade. Eu nunca tomo as coisas ao pé da letra. Erro
grosseiro, que tanta gente commette, e d'onde resultam tantos
desenganos. É para mim axiomatico o seguinte principio: Todo o homem na
conversação deve ser um agiota feroz; não receber as palavras sem um
desconto de cincoenta por cento. Eu podia n'este ponto fazer um
_calembourg_ sobre as palavras e as letras... de cambio; mas sou
misericordioso. Ah! a proposito de agiota; estava dando balanço aos
fundos do seu parente? Já vejo que não podia chegar em melhor occasião.

--«Não! enganas-te; estava contemplando as bolsas em que elle mettia o
dinheiro. Tem algumas que não são feias.

--«Ia jurar que conhecia esta, atalhou Eduardo, erguendo-me com
vivacidade; parece-se tanto com uma...

«Interrompeu-se, passou a mão pela testa, e depois continuou:

--«Com uma que desappareceu, como tudo o que ella symbolisava.

--«Recordações?! tornou Camilla, sorrindo ironicamente.

--«Não, vento de inverno que sacudiu um instante as cinzas frias de um
amor que morreu! Se uma centelha fulgurou por acaso, desculpe-me.

--«Desculpal-o?!

--«Sim, desculpar-me! Nem todos teem força sufficiente para arrancar
pela raiz, do jardim do coração, as ridentes flôres da mocidade. Sobre o
tumulo, em que sepultámos o passado, brotam involuntariamente rosas.
Passa uma aragem ligeira, e lá nos vem um perfume acariciar de novo. Mas
deixe, que hei de decepar a roseira, ainda que da hastea cortada corra o
sangue em borbotões.

--«Quem foi o culpado d'isso?

--«Quem? Nem eu sei. Sei apenas que esse algoz desconhecido retalhou-me
bem fundo o coração. Bem fundo! Como vê, a cicatrização não foi
perfeita, e a ferida ainda sangra de vez em quando! Que
loucura!--continuou elle mudando de tom, e sentando-se n'uma cadeira com
modos affectadamente joviaes, se não foi melhor assim! Para fallarmos
verdade, Camilla, já nos iamos tornando ridiculos com o nosso eterno
arrulhar! Que absurdo! Dois pombinhos namorados, atravessando o mundo,
atados um ao outro com o laço côr de rosa do santissimo matrimonio! O
mundo ria-se e tinha rasão; porque o mundo tem sempre rasão. Agora é que
estamos bem. Somos uns esposos comedidos; encontramo-nos tres vezes por
dia; eu sou o seu procurador, v. ex.^a a minha intendente. Eu sou o
encarregado dos negocios estrangeiros, v. ex.^a dos do reino. Vejam se
ha n'este mundo viver melhor! A paz do Senhor habita comnosco!
Ah!--continuou Eduardo animando-se successivamente, morram as suaves
recordações! Arraze-se o jardim, para fazer brotar a ora das
conveniencias! Morra tudo quanto nos possa recordar as doces horas do
alvorecer do nosso amor, esses arrufos, chuvas de primavera, os beijos
da reconciliação, iris delicioso! Olhe, dê-me licença que afaste da
nossa vista tudo quanto possa despertar pensamentos perigosos,
prejudiciaes ao nosso repouso. Morra este ultimo objecto, que ainda se
atreveu a fallar-me em coisas para sempre esquecidas.

«E, dizendo isto, levantou-se n'um incrivel estado de agitação, e
agarrando em mim com vehemencia, ia a atirar-me pela segunda vez pela
janella fóra. Eu estava já desesperada pela incrivel tendencia que
Eduardo mostrava para me fazer saltar pela janella, e pensando na minha
triste sorte, que ia atirar comigo ao mar das aventuras, quando julgava
entrar no porto de salvação.

«Um grito de Camilla foi quem me livrou de travar de novo conhecimento
com o espaço.

--«Eduardo, Eduardo, bradou ella com as lagrimas nos olhos, vê bem essa
bolsa!

«Eduardo contemplou-me, viu as iniciaes, reconheceu-me, e, voltando-se
para Camilla, leu-lhe nos olhos uma tal expressão de amor, que, sem se
poder conter, caiu-lhe aos pés, banhado em lagrimas deliciosas, em
quanto ella, n'um extase ineffavel, lhe beijava os cabellos.

«Que momento aquelle!


XVIII


«Termina aqui a minha narração. Nas bolsas como nas nações, são felizes
as que não tem historia.

«Dir-lhe-hei unicamente que fui conservada em casa de Camilla e de
Eduardo, como uma reliquia preciosa, que se conservava tal qual eu tinha
reapparecido, para trazer a concordia áquelles dois estouvados.

«Quando Eduardo morreu, fui eu a confidente e a consoladora de Camilla.
Como esta nunca tinha tido filhos, era comigo que fallava em seu marido,
e muitas vezes me regou com as lagrimas que derramava. A pobre senhora
conservava sempre viva e ardente no coração a imagem do seu esposo.

«Morreu a opulentissima viuva. Os herdeiros, tambem já bastante ricos,
quizeram liquidar aquelles immensos haveres. Venderam tudo, eu fui com a
mobilia da casa, e alli, graças ao meu amigo, salvei-me de cair nas
garras de algum segundo Bartholomeu Nunes, que me tivesse seis annos
fechada em cofre.

«Ao menos com o senhor tenho podido tagarellar.

«Aqui ponho ponto.»


XIX


Assim fallou a bolsa, e eu, secretario fiel, fui escrevendo textualmente
o que ella me dictou.

Tiro de cima dos meus hombros toda e qualquer responsabilidade.

A aurora começava a apontar no horisonte. Ao passo que a deusa dos
roseos dedos abria as portas do Oriente, a bolsa a pouco e pouco ia
perdendo a animação ficticia, que um poder sobrenatural lhe emprestára,
e ia-se deixando cair em cima da meza.

Eu, ingrato, não me importei com isso. Em quanto ella ia voltando ao seu
estado normal, contemplava satisfeito o papel inundado de garatujas,
cuja perpetração principal não fôra commettida por mim, e escrevia no
fundo da ultima pagina, as seguintes palavras sacramentaes:

_Finis, laus Deo_.

       *       *       *       *       *

Quando Lucio Valença acabou a sua longa leitura, o visconde da Fragosa
resonava maravilhosamente, e o conselheiro Madureira formava com elle um
duetto mais ou menos parlamentar. Henrique e Leonor applaudiam
calorosamente; Roberto Soares fazia as suas reservas; Isaura lançava
olhares assassinos ao auctor, que na febre da vaidade litteraria nem
reparava n'essas amaveis provocações. O doutor Macedo indignou-se.

--O Lucio, bradou elle, saíu fóra do meu programma. Inpingiu-nos um
romance humoristico debaixo da bandeira de conto da meia-noite. Lavro um
protesto, e peço que se lance na acta.

--Apoiado! exclamou o visconde da Fragosa, acordando.

--Mas, doutor... acudiu Valença, rindo.

--Qual mas nem meio mas! Então isto é conto phantastico? Você nunca leu
Hoffman? Você nunca leu Carlos Dickens? Leu, sim senhor, mas tinha o
romance fechado na sua gaveta, apanhou auditorio benevolo, e impingiu-o.
Quer editor! Não é outra coisa, minhas senhoras, quer editor! Então onde
ha aqui espectro? onde ha visão? onde ha os terrores legendarios da
meia-noite?

--Peço a palavra, interrompeu Lucio, rindo.

--Sobre a ordem ou sobre a materia? perguntou gravemente o visconde da
Fragosa.

--Sobre o espirito, redarguiu Lucio.

--Não é parlamentar, tornou o visconde.

--Deixe-o fallar, visconde, deixe-o fallar que eu já o esmago.

--Veremos, tornou Lucio. Qual era o nosso fim, doutor? Matar a
meia-noite... Matou-se. Tres noites a fio se contaram coisas medonhas,
coisas de arripiar os cabellos, vieram aqui á praça defunctas que vão a
S. Carlos, phantasmas da meia edade, egrejas submarinas que se illuminam
mysteriosamente á meia-noite. Algum de nós trepidou? Não; pelo
contrario. A meia-noite hoje passou, e ninguem deu por tal. Queriam que
eu abusasse da victoria? A meia-noite morreu. _Parce sepultis?_

--Sophismas! sophismas vãos!

--Appéllo para o _claro auditorio meu_.

--Ó vaidoso! bradou o doutor Macedo, isso é de Bocage, sabes tu,
profano? ousas comparar-te ao gigante?

--Eu por mim gostei, exclamou Leonor.

--Eu tambem! tornou Henrique, trocando uma vista d'olhos com a gentil
filha dos viscondes da Fragosa, ainda que me parece que os arrufos de
Eduardo e de Camilla duraram mais do que seria de rasão.

--Tu cheiras-me a noivo, Henrique! disse o doutor. Exhalas um vago
perfume de flôr de larangeira.

--Eu, exclamou logo Isaura, requebrando-se toda, declaro que ainda aqui
não ouvi coisa de que mais gostasse.

--Oh! minha senhora, tornou Lucio, desfazendo-se em agradecimentos.

--Percam-n'o com as lisonjas, percam, acudiu o doutor Macedo. E agora
deixem-me pronunciar a dissolução da sociedade _Inimiga da meia-noite_.
Está a terminar o tempo da _villeggiatura_. Depois de ámanha é a ultima
caçada. Está dissolvida a associação.

--Doutor, antes d'isso tenho que lhe apresentar um requerimento, disse a
doce voz de Leonor.

--Mandar para a meza, emendou o visconde da Fragosa.

--Que requerimento é? perguntou Macedo.

--A Juliasita e o Alvaro tem sabido que se contam aqui, depois d'elles
se deitarem, historias pavorosas, e as criadas vêem-se gregas com elles
para os despirem quando chega a hora de os deitarem, porque não é senão
dizerem que querem ficar a pé para ouvirem as historias. Prometti-lhes
que uma noite d'estas assistiriam á entrevista. Como decididamente já
ninguem pensa na meia-noite, como hoje se abriu o exemplo de não se
esperar a hora fatidica, não podiamos ámanhã, ao anoitecer, abrir a
sessão para os pequenitos assistirem?

--Ora... para quê, Leonor? acudiu a viscondessa, os teus irmãos caem de
somno ás primeiras palavras.

--De certo, se se lhes não escolher coisa de que elles gostem. A
_Julieta_ de certo a não perceberiam, acudiu Leonor, sorrindo
maliciosamente para Henrique.

--Não eram só elles, resmungou Henrique Osorio.

Isaura não ouviu; estava toda embebida n'uma larga conversação com Lucio
Valença.

--Ah! eu me encarrego d'elles; pago ámanhã a minha quota, aproveito o
precedente de Lucio.

--O quê? o quê? acudiu Lucio, que ouvira pronunciar o seu nome.

--Falla se por aqui no teu precedente, ou no teu predecessor, que é a
mesma coisa. Julgavas que o não tinhas?

Leonor desatou a rir, Henrique fez-se ligeiramente córado, Isaura não
comprehendeu.

--Invocando, pois, o precedente de Lucio, continuou o doutor,
apresentarei ámanhã, em obsequio ao Alvaro e a Julia, uma _lenda da
meia-noite_, que não será lenda e que não será á meia-noite, o que dará
a Roberto Soares assumpto para um estudo intitulado: _De como degeneram
as lendas_.

Dispersou-se a companhia, porque era já tarde, mas Henrique e Leonor
tinham aberto uma janella e conversavam animadamente.

Ao passar junto d'elles, Isaura, a quem Lucio dava o braço, não pôde
eximir-se a dizer-lhe:

--Veja se se transforma em espectro essa nova Julieta.

--Minha senhora, acudiu Henrique, transformam-se em espectros ou em
nada, que é a mesma coisa, as loucas visões que sonha a phantasia
enferma. Esses sonhos, quando se desperta, deixam apenas uma impressão
pesada e morbida. E quando se acorda é que se percebe que as Julietas
nunca foram amadas com o coração, foram sempre um pretexto para as
divagações de uma imaginação desnorteada.

--E encontrou a bussola, Henrique? acudiu Lucio, motejador.

--Encontrei, sim, meu amigo.

--Procurou-a por muito tempo?

--Estava ao meu lado. Somos tão loucos que nunca pensamos em reparar se
nas pedras do nosso jardim habitualmente não se encontrará alguma que
tenha as qualidades maravilhosas do magnete, e deixamo nos attrahir
tolamente por umas pedras que brilham, que julgamos diamantes e que são
apenas...

--O quê?

--Pedaços de vidro que brilham ao sol; o fulgor era do sol e não
d'elles.

Os dois companheiros de serão trocavam já olhares inflammados, e nas
suas vozes havia um tom ameaçador. Isaura assistia olympicamente
desdenhosa a esse torneio de espirito. Leonor, inquieta e magoada,
sentia os olhos marejarem-se-lhe de lagrimas.

--Se não se vão deitar, apago eu mesmo as luzes, exclamou o doutor
Macedo intervindo de subito e separando bruscamente os quatro
personagens da scena. Olhem que massadores!

E, emquanto o grupo se dispersava, trocando despedidas um pouco frias, o
doutor Macedo fechava a janella murmurando:

--_Cherchez la femme_.

       *       *       *       *       *

Na noite seguinte assistiam dois novos ouvintes á leitura. Eram Alvaro e
Julia, os dois filhos mais novos dos viscondes da Fragosa. As creanças
estavam radiantes de alegria; emquanto Alvaro, loira creança de seis
annos, cravava os grandes olhos azues, com infantil curiosidade, no
doutor Macedo, Julia, uma menina de nove annos, toda elegante, e que era
o retrato de sua irmã mais velha, ouvia, rindo ás gargalhadas, as
historietas de Henrique Osorio que a tinha no collo, e que,
prodigalisando-lhe as caricias, esperava assim reconquistar as boas
graças de Leonor, que ficára um pouco ferida pela scena da vespera, em
que lhe parecêra vêr um resentimento que mostrava que Isaura não fóra de
todo esquecida.

--Meus meninos, disse o doutor Macedo desenrolando o seu manuscripto, é
só cá para nós este conto. A mana, o Henrique e os outros que riam ou
durmam, se quizerem. Nós cá é que nos vamos entreter. Este conto é só
para nós, e intitula-se...

Lucio Valencia, que estava collocado defronte de uma janella aberta,
interrompeu com um espirro o discurso de Macedo.

--_Dominus tecum_, concluiu o doutor.

--Obrigado, disse Lucio.

--Não é obrigado, é o titulo do conto. Mas vejam o que é ser-se
litterato. Espirramos, diz-nos alguem _Dominus tecum_; é o que basta,
saiu um conto!

Todos desataram a rir, e o doutor, com a sua voz admiravel, com a rara
sciencia de recitação que possuia, começou a lêr, no meio de profunda
attenção das duas creanças, o seu _Dominus tecum_.



DOMINUS TECUM...

(CONTO PARA CREANÇAS)


I


Agora que a noite começa a desenrolar o seu manto azul, onde essas fadas
luminosas, que se chamam estrellas, dançam em torno da sua branca
rainha, que percorre o firmamento no seu argenteo carro, umas solitarias
e pensativas, como a scismadora Venus, outras formando immensa e jovial
choréa como as brancas estrellinhas da via lactea; agora que principia a
ouvir-se ao longe o grave som das Trindades, perfume de harmonia que
parece exhalar-se das urnas gigantes dos campanarios, vinde, meus
meninos, vinde agrupar-vos em torno de mim, e ouvir as historias
maravilhosas que eu tenho para vos contar.

Arredae da fronte os loiros anneis dos vossos cabellos, doirados fios
que enreda, teimosa, a brisa folgazã, como que para vos desafiar para
novos brinquedos, e fitae-me bem com esses olhos azues, transparentes
como o lago limpido, puros como o céo ridente, que vos quero povoar os
sonhos de imagens luminosas d'esse mundo loução de fadas e duendes!

Ó sonhos infantis! Quem poderá jámais saber quanto esvoaçar de azas
brancas, quanto rescender de ignotos perfumes, quanto desabrochar de
lindas flôres, quanto lampejar de suavissimos clarões nos revela aquelle
innocente sorriso que volteia nos labios da creança adormecida!

Que deliciosos colloquios não haverá entre essa almazinha gentil, que
aspira ao céo, e os anjos, que se debruçam meigamente do azulado
Empyreo, que a tomam nos braços, que a embalam e lhe sorriem!

E eis o motivo porque sempre despertaes chorando: é porque os anjos vos
poisam no berço, vos beijam na fronte; porque vêdes as suas azas
candidas transporem n'um vôo o espaço, e cerrarem-se com fragor as
doiradas portas do Empyreo.

E só vos aplaca o choro o meigo sorrir das mães; porque, se ha anjos na
terra, onde se abrigariam elles se não fosse no brando seio maternal?

Onde encontrariam imagem mais perfeita do seu Paraizo?

Mas entre o céo e a terra ha outro mundo de encantos, onde esvoaçam as
fadas travessas, os maliciosos duendes, que são tambem amigos das
creancinhas e as vão poisar, ás vezes, no purpureo regaço das rosas, ou
nas rendas prateadas do immenso véo do luar.

De dia dormem escondidas no calice das flôres, ou no seio dos lagos, ou
nas folhas das arvores; mas, quando soam Trindades, eil-as a esvoaçar no
ambiente, e é o bater das suas azas, o chilrear das suas vozes, que
produzem esses ineffaveis murmurios que vos encantam e que vos fazem até
cair, sem saberdes por quê, n'uma doce melancolia.

São ellas quem ensinam aos rouxinoes esses maviosos gorgeios, esses
deliciosos trinados, que toda a natureza escuta embevecida n'um vago
extase.

São ellas quem accendem nos pyrilampos, esse phantastico fulgor que
vagueia nos prados, e matiza de oiro o fundo verdejante da relva.

São ellas quem desentranham do seio das flôres as nuvens de perfumes,
que espalham depois, rindo, na atmosphera.

É o seu bafo a brisa voluptuosa e leve, que faz correr um vago
estremecimento pelas corollas gentis das rosas e dos lirios.

Por isso a noite é mais formosa do que o dia; porque o dia pertence aos
homens, e durante a noite imperam os espiritos subtis.

A natureza vê passar com indifferença, e até com odio, o homem que se
diz seu rei, e cuja realeza é uma verdadeira tyrannia.

Porque o homem decepa as arvores frondosas; colhe as flôres que viçavam
alegres, e que vão finar-se em ramalhetes; acorda os echos doridos com o
estrondear das suas espingardas; e a toda a parte, onde estabelece o seu
dominio, leva comsigo a destruição e a morte.

Nunca viram, meus meninos, arder uma floresta? É horrivel! As arvores
contorcem-se na agonia, erguem ao céo os ramos esbrazeados, soltam
gritos de desesperação. Não é a vegetação inerte que se reduz ao nada, é
a vida que fenece em convulsões.

E quem incendiou a floresta? Quem brandiu o facho assolador entre a
folhagem lustrosa? Foi o rei da natureza! Foi o monarcha da creação!

As fadas e os duendes não destroem assim esses mysteriosos sanctuarios,
onde se abrigam tantos amores, tantas vidas, tão incessante trabalho de
renovação! Tem, pelo contrario, com elles mil desvelos; são ellas quem
descerram a pouco e pouco os verdes botões das rosas do matto; são ellas
que penetram nos troncos, e fazem girar a vivificante seiva em todos os
pontos da arvore caduca; são quem a ajudam depois a desabrolhar em
pimpolhos, em flôres e em fructos.

Por isso, quando á noite dançam e folgam nos ares, toda a natureza se
compraz em lhes adornar os festejos; as brisas volteiam com as suas
urnas cheias de aromas; os rouxinoes descantam as suas arias; a
orchestra immensa dos pinhaes, das carvalheiras e dos salgueiraes
entrega aos arcos invisiveis do vento as frementes cordas das suas
franças, ou deixam que mão ignota doideje vagamente nas teclas das suas
frondes! E tudo canta, ri e folga, porque são as fadas que dançam, as
fadas aéreas, os travêssos duendes.

E o homem entretanto, encerrado nas suas mesquinhas moradas, respira uma
atmosphera corrompida, sente o suor a borbulhar-lhe na fronte depois de
dar um giro na sala abafadiça, e cerra cuidadosamente as janellas, para
que lhes não chegue nem um murmurio, nem um effluvio, nem um raio de
luz.

E a natureza aproveita a ausencia do rei da creação, e canta, e folga, e
ri, porque são as fadas que dançam, as fadas risonhas, os duendes
maliciosos.


II


Em toda a parte ha fadas, meus meninos; mas, como podem suppôr, não tem
o mesmo genio, a mesma indole nos differentes sitios. N'uns pontos
persegue-as o infortunio, n'outros sorri-lhes a ventura.

Na nossa terra abençoada, em que temos o céo de veludo, aguas de
crystal, sol de oiro vivo; onde nos ares limpidos parecem brotar por
encanto musicas suavissimas; onde viçam flôres com profusão; onde as
brumas são véo ligeiro que touca as cumiadas dos montes, e não gélido
manto que envolve as planicies, folgam as fadas de viver. É este o paiz
dos seus sonhos, este e a Hespanha, e a Italia e a Grecia, onde viveram
por tanto tempo as nymphas, as naiades e as dryades, que eram as fadas
dos pagãos.

Livres no ar, alimentando-se de perfumes que nunca lhes faltam,
abastecendo-se nas madre-silvas e nas magnolias, aquentando-se nos
ninhos das avesitas, viajando n'um raio da lua, não tendo mais em que
cuidar senão em pentear os seus lindos cabellos, em mirar-se e em
banhar-se nas aguas transparentes, apenas uma vez por anno, na bemdita
noite de S. João, tem de ser oraculos das donzellinhas, que lhes vem
perguntar qual o porvir dos seus amores.

Donosa occupação! Sair do asylo da folhagem e entrar na alma ingenua da
donzella, é apenas mudar de ninho, e não sei qual será mais suave, mais
macio, mais delicioso e mais immaculado.

Estava com passarinhos, com passarinhos vae estar! Pois o que são os
amores? E se escutavam deliciosos -----File:
195.png---\rita_marreiros\ArturPires\ichigochi\Manela\luisa\----gorgeios,
finas trovas, podiam nunca ser tão mimosos esses cantares como o poema
seductor, cujas estrophes resoam n'um coração de vinte annos?

Mas ai! nem sempre é assim. Nos frios paizes do norte, na nevoenta
Inglaterra, na verde mas tristonha Irlanda, não encontram as fadas e os
duendes as doçuras d'estes ares, os esplendores d'estes céos, a
suavidade d'estas brisas. Mal que chega o inverno, gelam-se as aguas,
morrem de frio os passarinhos implumes nos pobres ninhos devastados pela
procella, a neve mata as flôres, embacia-se o clarão da lua, desmaia a
luz e affrouxa o almo calor do sol, não ha perfumes nem galas, e ai de
quem intentasse dançar nos ares quando o graniso cae!

Coitados dos pobres duendes! Coitadas das gentís fadas! Elles, que
adoram a liberdade, vêem-se obrigados a refugiar-se nos quentes curraes,
na cinza do lar, e até na chaminé! Ah! como os seus irmãos dos paizes do
sul teriam dó d'elles se os vissem com as azas brancas maculadas de
fuligem, a não ser que estejam expostos ao frio e á neve á porta de casa
pouco hospedeira, onde não lhes abram sequer uma fisga por onde possam
metter os corpinhos enregelados.

Mas os homens são crueis e egoistas, e não concedem um favor sem mirarem
a galardão; estão promptos a acolher os pobresinhos dos espiritos, com a
condição que estes os hão de servir. E aqui temos os nossos duendes e as
nossas fadas, fieis á sua palavra, a ordenhar as vaccas, a guardar as
ovelhas, a tratal-as nas doenças, a evitar-lhes o mau-olhado, a proteger
os donos da casa, emfim, a fazer o que dez criados não fariam.

Mas, meus meninos, os homens, não contentes com isso, traçam muitas
vezes fazer-lhes mal, livrar-se d'elles, descumprir a sua palavra, e
isso tudo exacerba-os, e fal-os tambem, ás vezes, maus e vingativos.

Ah! meus meninos, a miseria é a mãe terrivel do mal, tanto nos homens
como nos duendes. A miseria, e a escravidão, e a ausencia da luz! Ah!
quando virdes um criminoso, não o anathematiseis, mas vêde primeiro em
que atmosphera viveu, quaes foram as primeiras idéas que teve, qual o
estado da sua intelligencia. E vereis sempre a miseria, o embrutecimento
e as trevas.

Por isso, quando fôrdes homens, dedicae-vos á grande obra da regeneração
dos vossos similhantes, ao seu esclarecimento e á sua educação moral.

E assim tereis cumprido a vossa missão na terra, assim tereis cumprido o
grande preceito da nossa religião «a caridade», preceito que encerra em
si todos os outros, raio de luz que, em se espraiando pelo mundo, basta
para dissipar as sombras mais cerradas.

Mas voltemos aos nossos duendes, de que já nos iamos afastando tanto.


III


Oiçam pois, meus meninos, esta historia, em que vereis como os duendes
se transformam com a miseria e com o mau exemplo dos homens.

Aqui tem eterna juventude, lá chegam a envelhecer e tem uma velhice
repugnante; aqui não pensam senão nas suas fadas, lá ousam querer raptar
as filhas dos homens.

Ora pois, havia na Irlanda um camponez chamado Patricio, que pedira um
favor a um duende, offerecendo-se a recompensal-o; mas, apenas se viu
servido, fiado no caracter bom d'esses genios benevolos, não pensou mais
em similhante galardão.

O duende, que já era velho e rabugento, e moido de trabalho, enfadou-se
com esta falta de palavra, e condemnou o camponez a servil-o sete annos
e um dia.

Sentença dada por duende irritado inscreve-se no livro do destino, e lá
não é possivel arrancarem-se as folhas, como se fez em Portugal, nem
queimar a casa onde o livro está, como se fez em França.

O pobre Patricio, que não quizera dar uma pequena recompensa, viu-se
obrigado a servir seu amo sete annos, sem ao menos ter a esperança que
teve Jacob, que se viu mettido em eguaes danças, como os meus amiguinhos
sabem, mas a quem fôra promettida em premio a formosa Rachel.

E, ainda assim, Jacob não tinha senão que pastorear os rebanhos de
Labão, o que, por fim de contas, não é uma occupação desagradavel.

Mas o pobre Patricio, esse estava em peiores circumstancias. Além dos
trabalhos habituaes, fazia tambem de escudeiro de seu amo, e tinha de o
acompanhar nas suas excursões nocturnas, excursões que eram sempre
feitas a cavallo.

Mas a cavallo em quê? Imaginam que iam montados em guapos corceis, como
esses em que os seus papás montam, ou em pacatos burrinhos, como esses
em que os meus meninos vão tambem dar os seus passeios?

Pois não; as coudelarias do nosso duende tinham outra casta de
cavalgaduras; eram immensas porque abrangiam toda a natureza, e porque,
a fallarmos verdade, os cavallos não occupavam muito espaço. Chegavam,
por exemplo, ao meio de um campo, viam duas feveras de palha, o duende
pegava n'uma, dava outra a Patricio, e dizia-lhe: «Monta».

Montar era facil de dizer, mas de fazer? Parece-me, realmente, que o
mais perito mestre de equitação se havia de vêr seriamente embaraçado.

Patricio arrancava os cabellos, amaldiçoava a sua avareza, que o levára
áquelle misero estado; mas como arrancando os cabellos ficava calvo, e
não transformava a palhinha nem em burro nem em corcel, não tinha
remedio senão montar, e lá ia elle por esses ares fóra atraz de seu amo,
que cavalgava tão ufano como se montasse no celebre Bucefalo de
Alexandre, em que os meus meninos talvez já ouvissem fallar.

De que elle tinha medo principalmente era que os seus visinhos o vissem
n'aquella figura, mas d'isso não havia perigo; o duende, sendo invisivel
para olhos profanos, tornava-o invisivel tambem a elle.

Outras vezes não eram feveras de palha, mas juncos e cannas os corceis
escolhidos; o bom do Patricio quiz vêr se conseguia que seu amo
acceitasse dois paus de vassoura, que sempre seriam, emfim, cavalgaduras
mais commodas; mas, apenas elle abriu a bocca, o duende respondeu-lhe
com tanta dignidade que isso era bom para as bruxas, que o pobre
irlandez não ousou insistir, e tratou de vêr se aprendia as regras da
picaria aeria, e de escolher a posição mais commoda que podesse na tal
fevera de palha que o transportava pelos ares.

Ora um dia, ou antes uma noite, o duende chamou Patricio e disse-lhe com
modo benevolo:

--Meu amigo, determinei casar. Estou a fazer mil annos, e parece-me que
é tempo de tomar estado e familia. Escolhi para minha noiva a formosa
Jenny, e vamos esta noite buscal-a.

Patricio bem desejaria responder que os olhos azues, as tranças loiras,
a rosea bocca e as faces nevadas da formosa Jenny não deviam ser para um
velhote como elle, e que um noivo de mil annos, a querer tomar estado,
devia escolher uma centenaria, e não uma rapariga na flôr dos seus vinte
annos, e que, além d'isso, rasão de todas a mais forte, Jenny casára
n'esse mesmo dia, e n'esse instante devia-se estar celebrando a boda em
casa do noivo. Mas Patricio bem sabía que o duende não gostava de
reflexões, e portanto, sem tugir nem mugir, montou a cavallo n'uma folha
de couve, que era o corcel de gala, e seguiu seu amo pelos ares fóra.


IV


Tudo era festa e riso em casa de Jenny. Brindes sem conta soavam a cada
instante, as violas desprendiam os seus alegres epithalamios, e a meza,
servida á farta, ostentava-se com a alvissima toalha no meio da casa.

A noiva era realmente galante a mais não poder ser. Nos olhos tão azues
e tão meigos parecia que se refugiára a côr do céo, expellida do
firmamento pelas nuvens, e com a côr do céo a doçura dos anjos.

Os cabellos tinham o colorido das espigas de trigo; na bocca pequenina
esvoaçava um sorriso de amor, como borboleta em rosa. As faces eram tão
brancas, tão brancas, que desmaiaria junto d'ellas a neve das montanhas
de Erin; mas n'esse momento incendia-as o prazer e tingiam-se de
reflexos roseos, como a nivea toalha dos pincaros, quando o sol a
illumina ao descair no occaso.

O noivo era um rapaz esbelto e varonilmente formoso. O olhar ardente com
que, para assim dizermos, enlaçava Jenny, mostrava o immenso amor que
lhe tinha; a meiguice dos raios de luz, que emanavam dos olhos da gentil
irlandeza, revelava que a voz d'esse amor encontrára um echo no coração
da formosa que o duende cubiçava para noiva.

Os convivas agrupavam-se em torno da meza, e no logar de honra, campeava
o gordo padre prior, que fazia frente a um magnifico prato de cabeça de
porco, flanqueada de feijões, que lhe levava os olhos, como a formosa
physionomia de Jenny enlevava o enamorado esposo.

O duende e o seu criado entraram sem ninguem dar por elles, e foram
sentar-se commodamente n'uma das traves do tecto. Os cavallos haviam
ficado no telhado fóra do alcance das outras cavalgaduras, que seriam
muito capazes de as devorar, sem respeitarem por fórma alguma a
confraternidade que as pobres folhas de couve allegariam.

Empoleirado alli assim, Patricio estava talvez um tanto incommodado,
principalmente porque lhe chegava o cheiro dos bons manjares que ufanos
campeavam em cima da meza, e o seu estomago segredava-lhe que seria
muito melhor fartal-o a elle do que fartar os olhos com as saborosas
iguarias.

Mas o bom irlandez bem sabia que o seu duende nunca lhe consentiria
mostrar-se, e, portanto, consolava-se pensando que talvez a ceia das
bodas do seu amo fosse ainda melhor do que essa que o estava namorando.

Depois relanceou os olhos para a noiva, e em seguida para o seu
companheiro da trave, e pensou que era realmente uma barbaridade ligar
assim tão donosa primavera a tão encarquilhado inverno.

N'isto a noiva espirrou.

Um espirro não é coisa que envergonhe ninguem, mas o espirro de Jenny
fez tanta bulha, que a pobre menina corou muito, sentindo que todas as
vistas se haviam voltado para ella.

Excepto, ainda assim, as do padre prior; o anafado sacerdote empunhava o
garfo e a faca, e com os olhos cravados na cabeça de porco, a nada mais
dava attenção.

Era natural, meus meninos, que dissessem á formosa Jenny o consagrado
_Dominus tecum_; ninguem, effectivamente, queria faltar a esse dever;
mas a cortezia ordenava que se deixasse o padre prior tomar a
iniciativa, e, por conseguinte, todos esperaram.

O padre prior tomava n'esse instante a iniciativa, mas era de se deitar
á cabeça de porco; cravou o garfo destramente, vibrou com certeza rara a
faca a um bom tassalho, e transportou-o do prato geral para o seu prato
particular.

Terminada essa difficil operação, o padre prior poisou as armas
triumphantes ao lado do prato, travou gravemente da colhér, e, em tres
ou quatro viagens, fez mudar de gasalhado, e erigiu, em enorme acervo,
uma respeitavel quantidade de feijões.

Ninguem ousou advertil-o do seu esquecimento, e, depois d'esse pequeno
incidente, a festa continuou com o mesmo estrondo e enthusiasmo.

A bulha dos queixos do padre prior superava o tumultuoso acompanhamento.

Mas o duende é que dava pulos de contente na trave, e dizia a Patricio:

--Se ella dá mais dois espirros e ninguem lhe diz _Dominus tecum_, é
minha; foi isso o que Satanaz me prometteu.

O pobre Patricio enfiou; decididamente, o nosso irlandez tinha boa alma:
se não fosse a tal avareza...

Emfim, ninguem póde ser perfeito.

D'ahi a instantes Jenny espirrou de novo, mas a pobre menina ficára tão
envergonhada da primeira vez, que o segundo espirro comprimiu-o por tal
fórma, que ninguem o ouviu, nem mesmo o seu noivo, que se via obrigado
n'esse instante a escutar uma enorme dissertação de seu sogro sobre o
cultivo da batata.

O padre prior comia.

Por conseguinte, ainda d'essa vez passou o espirro sem o competente
_Dominus tecum_.

O duende pulava, dava cabriolas, fazia bulha tal, em fim, que por mais
de uma vez um ou outro conviva olhou para o tecto, mas, não vendo coisa
alguma, julgou que seriam ratos e continuou a divertir-se.

Patricio scismava; era realmente uma dôr d'alma vêr tão gentil menina
cair em poder d'aquelle espirito malicioso; pensava que talvez a podesse
salvar, mas lembrava-se das iras de seu amo, que podiam cair sobre elle,
e abanava a cabeça deixando-se ficar mudo e quêdo.

Finalmente, soou o terceiro espirro da menina, ainda mais comprimido que
os dois primeiros.

Mas ao mesmo tempo retumbou no tecto um formidavel _Dominus tecum_, que
fez tintinar os vidros e tremer os convidados.

E logo um corpo humano veiu, aos rebolões pelo espaço, baquear em cima
da meza, entornando o prato do padre prior, que soltou um grito de
desespero, e apanhou na batina o naco de cabeça de porco, antes que um
mastim faminto, que andava rondando os pés das cadeiras, désse com tão
boa fatia.

Era Patricio que, vencendo as suas indecisões, reunira todas as suas
forças e coragem, e salvára d'essa fórma a formosa Jenny.

Ao mesmo tempo ouviu-se uma voz que dizia:

--Despeço-te do meu serviço, mas ahi tens o ordenado.

Não era mau, effectivamente; o irlandez esteve tres mezes em lençoes de
vinho, e ficou toda a vida com uma dôr nas costellas.

Mas os dois noivos, a quem elle contára o que estivera para lhes
succeder, foram-lhe eternamente gratos, ajudaram-n'o muito na sua vida,
e, quando envelheceu, levaram-n'o para casa, onde teve sempre uma boa
cadeira, onde se sentava a apanhar a sua restea de sol, e onde
entretinha os filhos de seus hospedes, contando-lhe as suas viagens
aérias, e a historia dos tres espiritos.


V


Cerrou-se a noite de todo, meus meninos, e o sereno esplendor da lua
branqueia-vos as rosadas faces; desperta a natureza quando adormece o
homem; as flôres entreabrem os seus thuribulos; a fonte desdobra o
transparente crystal das suas aguas, e as naiades chorosas entoam os
seus lamentos.

Já o somno começa a fazer-vos pender a fronte; brincastes, correstes
durante o dia á luz do sol, chega a hora do repouso, depois, quando
fôrdes crescidos, gostareis de ficar, como eu fico, a contemplar o
estrellado docel do firmamento, e a perguntar ás vozes mysteriosas da
natureza qual é o segredo que faz palpitar tantos mundos na abobada
estrellada; gostareis de vêr os campos onde o luar se espraia, as
infindas maravilhas da creação! mas oh! nunca vereis panoramas como os
que vos sorriem agora nos meigos sonhos da infancia.

Ide, pois; esperam-vos os anjos escondidos detraz das cortinas alvas do
vosso leitosinho, e, se algum espirito aéreo se vos entre-mostrar
tambem, não tenhaes medo, porque os habitantes d'estes ares luminosos
são fadas meigas e risonhas, e não duendes malignos.

       *       *       *       *       *

No dia seguinte áquelle em que o doutor Macedo contára, com grande
gaudio das creanças, a lenda do _Dominus tecum_, uma carruagem parava á
porta do visconde da Fragosa, e apeiava-se d'ella uma senhora edosa de
nobre aspecto e veneranda physionomia, que pedia para fallar ao visconde
e á viscondessa da Fragosa.

Era a mãe de Henrique Osorio, que vinha pedir para seu filho a mão de
Leonor.

Fez algum reboliço em casa dos viscondes este subito pedido feito para
pessoa que sempre vivera em intimas relações com Leonor, e que nunca até
ahi mostrára desejos de a requestar.

Fallando-se n'isso no grupo dos hospedes, o doutor Macedo disse:

--É para que saibam que, quando se semeia sempre se colhe alguma coisa,
ainda que não seja aquillo que se previu. Das nossas lendas da
meia-noite saíu este casamento, o que prova mais uma vez que o casamento
e a mortalha no céo se talha.

--Tanto mais que para Henrique Osorio o casamento e a mortalha devem
estar intimamente ligados... O homem que ama espectros... O auctor de
Julieta!

N'este momento vieram dizer ao conselheiro Madureira que a sua carruagem
o esperava. Despediram-se elle e a filha dos viscondes da Fragosa,
Isaura deu um beijo frio em Leonor, e cumprimentou seccamente Henrique
Osorio.

--Espero tornal-o a vêr no Espinho, disse ella com requintes de
amabilidade a Lucio Valença.

--Ah! de certo, minha senhora, respondeu o escriptor.

Quando partiram, Henrique approximou-se de Lucio e disse-lhe:

--Hontem iamo-nos irritando por frivolidades sem nome. Sabe comtudo,
Lucio, que sou seu amigo, e que não tenho no que vou dizer-lhe o minimo
pensamento reservado. Não se deixe prender nos laços d'aquella formosa
mulher, que é uma _coquette_ sem intelligencia e sem alma.

--Meu amigo, tornou Lucio, rindo, eu estou-a vendo hoje pelo prisma que
você me legou. Hei de dizer mal d'elle talvez d'aqui a algum tempo.
Agora não ha remedio; tenho-o encaixado nos olhos.

Henrique encolheu os hombros.

--Pois meus amigos, disse o doutor Macedo, que vira Leonor entrar a
dirigir-se para o seu noivo, tem a _lenda da meia-noite_ uma conclusão
inesperada; mas isso foi bom para que tivesse alguma.

--Effectivamente, disse Lucio Valença, o nosso fim, confessamol-o, não
se conseguiu. As pessoas nervosas, quando estiverem sósinhas á
meia-noite n'um quarto de lugubre aspecto, hão de continuar a tremer de
espectros. Affrontal-os em boa companhia não torna aguerrido ninguem.

--Eu não posso dizer coisa alguma; na _lenda da meia-noite_ encontrei
eu, disse Henrique, a ventura da minha vida.

--E ainda que outra coisa não se alcançasse, logrou-se passarem-se
algumas noites agradavelmente.

--Assim seja! concluiu o doutor Macedo.

Possam dizer o mesmo os leitores d'este despretencioso livro.

FIM



Collecção ANTONIO MARIA PEREIRA


VULGARISAÇÃO DOS MELHORES LIVROS
DAS
LITTERATURAS PORTUGUEZA E ESTRANGEIRAS


Romances, Contos, Viagens, Historia, etc., etc.


Volumes publicados


1--Tristezas á beira-mar, por Pinheiro Chagas.

2--Contos ao luar, por Julio Cesar Machado.

3--Carmen, trad. de M. Level.

4--A Feira de Paris, por Iriel.

5--O direito dos filhos, por George Ohnet.

6--John Bull e a sua ilha, trad. de P. Chagas.

7--Esgotado.

8--A lenda da meia noite, por M. Pinheiro Chagas.

9--A joia do vice-rei, por P. Chagas.

10--Vinte annos de vida litteraria, por A. Pimentel.

11--Honra d'artista, trad. de P. Chagas.

12--Esgotado.

13 e 14--A aventura d'um polaco, trad. de Maria A. Vaz de Carvalho.

15--Os contos do Tio Joaquim, por R. Paganino.

16--Esgotado.

17--Noites de Cintra, por Alberto Pimentel.

18 e 19--Esgotado.

20 e 21--A irmã da caridade, por Emilio Castellar, trad. de L. Q.
Chaves.

22--Migalhas de historia portugueza, por P. Chagas.

23--Esgotado.

24--Contos, por Affonso Botelho.

25--Esgotado.

26--Esgotado.

27--O naufragio de Vicente Sodré, por Pinheiro Chagas.

28--Vida airada, por Alfredo Mesquita.

29--O bacharel Ramires, por Candido de Figueiredo.

30 e 31--Esgotado.

32--As netas do Padre Eterno, por A. Pimentel.

33--Contos, por Pedro Ivo.

34--O correio de Lyão, por Pierre Zaccone.

35--Vida de Lisboa, por Alberto Pimentel.

36--Historias de frades, por Lino d'Assumpção.

37--Obras primas, por Chateaubriand.

38--O exilado, por Mauricia C. de Figueiredo.

39--Poema da Mocidade, por Pinheiro Chagas.

40 e 41--A vida em Lisboa, por Julio Cesar Machado.

42 e 43--Espelho de portuguêses, por Alberto Pimentel.

44--A fada d'Auteuil, trad. de Pinheiro Chagas.

45--A volta do Chiado, por E. de Barros Lobo.

46--Séca e Méca, por Lino d'Assumpção.

47--Ninho de guincho, por Alberto Pimentel.

48--Vasco, por A. Lobo d'Avila.

49--Leituras ao serão, por A. X. Rodrigues Cordeiro.

50--Luz coada por ferros, por D. Anna A. Placido.

51--Esgotado.

52--Relampagos, por Armando Ribeiro.

53--Historias rusticas, por Virgilio Varzea.

54--Figuras humanas, por Alberto Pimentel.

55--Dolorosa, por Francisco Acebal, trad. de Caïel.

56--Memorias de um fura-vidas, por A. de Mesquita.

57--Dramas da côrte, por Alberto de Castro.

58--Os mosqueteiros d'Africa, por Mendes Leal.

59--A divorciada, por José Augusto Vieira.

60--Phototypias do Minho, por J. Augusto Vieira.

61--Insulares, por Moniz de Bettencourt.

62 e 63--Historia da civilisação na Europa, trad. do Marquez de Sousa
Holstein.

64--Triplice alliança, de Raul de Azevedo.

65--Retalhos de verdade, por Caïel.

66--A pasta d'um jornalista, pelo Visconde de S. Boaventura.

67--Os argonautas, por Virgilio Varzea.

68--Fitas de animatographo, por Alberto Pimentel.

69 e 70--Poesias do Abbade de Jazente, annotadas por Julio de Castilho.

71--Aspectos e sensações, de Raul d'Azevedo.

72--Contos e narrativas, por P. W. de Brito Aranha.

73--Quadros e letras, historias e romancetes, por Sanches de Frias.

74--Individualidades, por Henrique das Neves.

75--Alfacinhas, por Alfredo de Mesquita.

76--Patria amada, pelo Visconde de S. Boaventura.

77--Historias e romancêtes, por Sanches de Frias.

78--Esbocetos individuaes, por Henrique das Neves.

79--Recordações da mocidade, por Adolpho Loureiro.

80--Sorrisos, novellas e chronicas, por A. Campos.

81--Lucta de sentimentos, por Maria O'Neill.

82--Do Rocio ao Chiado, por P. de Vasconcellos.

83--A dança do destino, por Luthgarda de Caires.

84--Um drama de ciume, por Maria O'Neill.

85 e 86--Resumo da origem de todos os cultos, por C. F. Dupuís.

87--Vencido, romance por F. A. M. de Faria e Maia.

88--Elogio da loucura, critica de costumes, por Erasmo.



OUTRAS OBRAS


*Azevedo (Domingos de)*


Diccionario (Grande) contemporaneo francez-portuguez e v. v. 2.^a
edição, muito correcta e extremamente augmentada.

Grammatica da lingua franceza.

Grammatica Nacional, para aprender portuguez sem mestre.

Lições praticas de conversação franceza.

Ollendorff aperfeiçoado para aprender francez sem mestre, (2 vol.).


*Carvalho (D. Maria Amalia Vaz de)*


Ao correr do tempo.

Arte de viver na sociedade.

Aventura de um polaco, (2 volumes).

Cerebros e corações.

Chronicas de Valentina.

Coisas d'agora.

Contos e phantasias.

Em Portugal e no estrangeiro.

Figuras de hoje e de hontem.

Heroismo do clero.

Impressões de historia.

No meu cantinho.

Nossas filhas.

Pelo mundo fóra.

Raphael, trad. de Lamartine, (ed. de luxo).


*Pinto (Silva)*

(Collecção d'algibeira)


A queimar cartuchos.

A torto e a direito.

Ao correr do pello.

Entre nós.

Frente a frente.

Moral de João Braz.

Mundo (O) furta-côres.

Na Procella.

Na travessia.

N'este valle de lagrimas.

No colyseu.

No mar morto.

Para o fim.

Philosophia de João Braz.

Por este mundo.

Riso amarello.

Rompendo o fogo.

Velha historia.


*Queiroz (Dr. Teixeira de)*


Amores... amores...

Arvoredos.

Cantadeira (A).

Caridade (A) em Lisboa (2 vols.).

Cartas d'amor.

D. Agostinho.

Morte de D. Agostinho.

Noivos (Os) (2 vol.).

Nossa (A) gente.

Sallustio Nogueira (2 vol.).

Amor Divino.

Famoso Galrão.

Ao sol e á chuva.

Grande (A) Chimera.



Notas:

[1] Não é da auctora a idéa inicial d'esta lenda. Encontrou-a de certo
n'um magnifico livro do conde de Résie, intitulado «_Historia e tratado
das sciencias occultas_.»

O livro em que fallo é um optimo archivo de todas as tradições européas.
Ha alli thesouros de poesia! Traduzo litteralmente o periodo, que me
suggeriu a idéa d'este conto. É o seguinte:

«Nas costas do Baltico estava outr'ora situada uma egreja, que alguns
impios profanaram um dia, e que com elles se sepultou no mar. Quando
está socegada a noite, ouvem-se ainda esses desgraçados cantar soluçando
os psalmos da penitencia; e vêem-se brilhar atravez das ondas
tranquillas os cyrios que accendem no altar, junto do qual estão
condemnados a chorar até ao fim do mundo.»

E nada mais.

Como vêem, estava tudo por fazer. Mas a idéa era extremamente poetica e
prestava-se a um grande desenvolvimento. Pena foi que a não deparassem
escriptores como o auctor das _Lendas e Narrativas_, ou como esse poeta
da prosa portugueza, que soube dar tão esplendido colorido á _Lenda do
castello de Santa-Olaia_. Emfim o conto ahi está, bom ou mau; e com esta
nota fica em repouso a minha consciencia litteraria.



Lista de erros corrigidos


Aqui encontram-se listados todos os erros encontrados e corrigidos:


  +---------+--------------------+--------------------+
  |         |     Original       |     Correcção      |
  +---------+--------------------+--------------------+
  |#pág.   8| principalmenie     | principalmente     |
  |#pág.  25| espirto            | espirito           |
  |#pág.  35| exagaram           | exageram           |
  |#pág.  47| vermolhos          | vermelhos          |
  |#pág.  61| escodendo          | escondendo         |
  |#pág.  62| dos lagrimas       | das lagrimas       |
  |#pág.  96| uma visto de olhos | uma vista de olhos |
  |#pág. 105| janalla            | janella            |
  |#pág. 114| parececia          | pareceria          |
  |#pág. 129| mudo               | mundo              |
  |#pág. 131| irritando-sé       | irritando-se       |
  |#pág. 136| desdonhoso         | desdenhoso         |
  |#pág. 140| quandos            | quando             |
  |#pág. 141| dascuidoso         | descuidoso         |
  |#pág. 153| e pensamento       | o pensamento       |
  |#pág. 154| collocanme-me      | collocando-me      |
  |#pág. 167| prevencão          | prevenção          |
  |#pág. 169| diffrentes         | differentes        |
  |#pág. 181| bellezaa           | belleza            |
  |#pág. 184| mobiiia            | mobilia            |
  |#pág. 187| associacão         | associação         |
  |#pág. 188| á rir              | a rir              |
  |#pág. 190| intulula-se        | intitula-se        |
  |#pág. 191| attencão           | attenção           |
  |#pág. 197| Iaglaterra         | Inglaterra         |
  |#pág. 203| continou           | continuou          |
  +---------+--------------------+--------------------+


A indicação da primeira secção da lenda "_Memorias d'uma bolsa verde_"
foi adicionada, uma vez que existia referência a uma segunda secção.

Todos os _n_ e _u_ trocados, encontrados no texto, foram rectificados.

Os hífens "supostamente" em falta não foram adicionados.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "A Lenda da Meia-Noite" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home