Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: A viagem da Índia - poemeto em dois cantos
Author: Costa, José Fernandes, 1848-1920
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "A viagem da Índia - poemeto em dois cantos" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



produced from images generously made available by National
Library of Portugal (Biblioteca Nacional de Portugal).)



A VIAGEM DA INDIA


_Poemeto em dois cantos_

por

FERNANDES COSTA



A VIAGEM DA INDIA



JUSTIFICAÇÃO DA TIRAGEM


3 exemplares em papel de linho branco nacional 1:000 em papel de algodão
de 1.^a qualidade



   QUARTO CENTENARIO DO DESCOBRIMENTO DA INDIA


                  CONTRIBUIÇÕES

                       DA

         SOCIEDADE DE GEOGRAPHIA DE LISBOA



                A VIAGEM DA INDIA

             _Poemeto em dois cantos_


                      POR


                 FERNANDES COSTA



                     LISBOA

                IMPRENSA NACIONAL

                      1896



A

Luciano Cordeiro

O INICIADOR E INCANÇAVEL PROPUGNADOR DO MODERNO MOVIMENTO
GEOGRAPHICO PORTUGUEZ



              CANTO PRIMEIRO

                  A IDA



              CANTO PRIMEIRO

                  A IDA


                    I


    Onde vae, Tejo em fóra, a lusa armada?..
  Naus altivas, possantes caravelas!
  Vae em busca da India enfeitiçada,
  Sobre as ondas azues, pandas as vélas.


                    II


    E quem é, que essa gente assim conduz
  A cumprir o prodigio nunca visto?
  Accesa levam n'alma a viva luz
  Da fé, e nos pendões a cruz de Christo!


                    III


    Mas já vão longe as quatro embarcações...
  Parecem quatro pombas a voar,
  Em demanda de ignotas vastidões,
  Onde vão novo ninho edificar.


                    IV


    Romeiros da romagem longa e vaga,
  Que nova Terra Santa, ao longe, alveja?
  Deus vos leve, romeiros, Deus vos traga,
  E a vossa obra, eterna e benta seja!


                    V


    Mas nas ondas o sol vae descaíndo,
  E quando o manto placido e sidereo
  Da noite, o céu cobriu e o mar infindo...
  Perdeu-se a lusa armada no mysterio.


                    VI


    Nenhuns olhos humanos a seguiam;
  Espantadas, porém, da audaz empreza,
  No céu alto, as estrellas repetiam:
  «Vae ali a fortuna portugueza!»


                    VII


    E aquella, que apontando sempre o norte,
  Sobre a cupula movel, firme está,
  Dizia: «Raça ousada! raça forte!
  Dentro em pouco, outra irmã vos guiará!»


                    VIII


    E, dentro em pouco, respondendo ao voto
  Da irmã polar... lá vem surgindo a chamma,
  Sobre as ondas ignotas, astro ignoto,
  A divina _Akher-Nahr_, fanal do Gama!


                    IX


    Porém, agora, que mysterio summo!..
  Já sobre o _Carro_ se condensa um véu;
  O mar o engole, quando ao alto, a prumo,
  Anda o _Centauro_ percorrendo o céu!


                    X


    E, emquanto a _Hydra_ vem subindo, enorme,
  Não baixa já, mas demandando a altura,
  Longe o _Dragão_, retorso e desconforme,
  Busca do mar a fria sepultura.


                    XI


    Depois, na vaga, a _Cassiopêa_ tomba,
  E nascem estrellas, que ninguem conhece!
  Lá vem do Sul, a remontar, a _Pomba_,
  Quando ao norte, _Cepheu_ desapparece.


                    XII


    Da armada a gente, a vista leva immersa,
  Com pasmo natural, que não surprende,
  N'aquella nova cúpula diversa,
  Que sobre mar e terra a noite extende.


                    XIII


    Ergue-se, agora, da longinqua esphera,
  --Ó _Cruz_ maravilhosa e deslumbrante!--
  O symbolo christão, que n'alma impera,
  Não vista, mas cantada pelo Dante!


                    XIV


    E ao passo que ante os olhos vão surgindo
  Os segredos, que guarda a immensidão,
  Dir-se-ía, que da treva está saíndo,
  Á voz de Deus, segunda creação!


                    XV


    E por todo o estrellado firmamento,
  De cada estrella, esta pergunta cáe:
  «Quem viu tal aventura, tal portento?
  D'onde vem esta gente, e aonde vae?»


                    XVI


    No emtanto, os rudes peitos temerarios,
  Dentro das naves, perguntando vão:
  «Astros novos, propicios ou contrarios,
  Estes astros do céu, que estrellas são?»


                    XVII


    Onde vae, mar em fóra, a lusa armada?..
  Vae em busca do eterno vellocino.
  Olhos postos na cruz e a mão na espada,
  Leva em si Portugal e o seu destino.


                    XVIII


    O destino de um povo! Assim tranquillo,
  Sob a luz das estrellas scintillando,
  De Moisés o destino andou boiando,
  N'uma cesta de vime, sobre o Nilo!


                    XIX


    Na treva, ruge o mar sinistramente;
  Nas almas pésa a noite... Muito embora!..
  Avançam para o fulgido Nascente,
  Hão de ver, no seu throno, a rosea Aurora!


                    XX


    Vae ali cada um cumprir seu fado,
  E Deus fará, que seja bem cumprido;
  Em vão ha de rugir o mar irado,
  Em vão clamar o céu desconhecido.


                    XXI


    Por todos foi jurado,--e cada um,--
  Levar a cabo um feito, ao pé do qual,
  Não houvesse, em annaes de povo algum,
  Memoria d'outro feito assim igual.


                    XXII


    Hão de tudo tentar que for preciso...
  Descer á eterna sombra do profundo,
  Escalar os humbraes do paraiso,
  Transpôr os proprios términos do mundo!


                    XXIII


    Mal dá logar a crença, que os inflamma,
  Ás visões, que o pavor, na mente gera;
  Em frente, muito em frente, a India os chama...
  Atraz, já muito atraz, a patria espera!


                    XXIV


    Vozes mil o silencio perturbando,
  Da treva densa, em côro, vão subindo!
  Serão monstros do mar, que estão bramando?..
  Ou d'Africa os leões, que estão rugindo?..


                    XXV


    Mas nenhum peito, a vozes taes se atterra;
  A armada segue, pelo mar em fóra...
  É Portugal, que vae dizendo á terra:
  «É tempo já de despertar agora!»


                    XXVI


    As ondas rugem; noite e dia, atroam;
  Batem, com furia, nos bojudos cascos;
  D'azas abertas, para os seus penhascos,
  Corvos marinhos, crocitando voam.


                    XXVII


    Dir-se-íam bandos de crueis harpyas,
  No seu dominio temeroso e vasto,
  Aves d'agoiro, a reclamar, sombrias,
  Aquellas presas para o seu repasto.


                    XXVIII


    Depois a calma, a infinda quietação!
  Negro aviso de morte ingloria e lenta,
  N'um mar de chumbo, sepulchral mansão,
  Que obriga a ter saudades da tormenta!


                    XXIX


    N'isto, uma nuvem, caprichoso fumo,
  O azul remoto levemente empana;
  Ligeira avança, e traz do norte o rumo...
  É bom prenuncio... mas as naus engana!


                    XXX


    Que extranha nuvem, é, porém, aquella?..
  Corta a direito, consciente e viva!..
  Trará no bojo horrisona procella?
  Ou sôpro brando á calmaria estiva?


                    XXXI


    Pasmam de vel-a os arduos navegantes!
  Parece palpitar! que vida tem!..
  São hostes mil de pombos emigrantes,
  Que as terras vão buscar d'onde elles vêm!


                    XXXII


    E os pombos, a quem tarda o quente ninho,
  Vendo os mastros da armada festival,
  Julgam ser os pinhaes de Portugal
  Que foram recebel-os ao caminho!


                    XXXIII


    E n'elles pousam confiadamente...
  Pelas enxarcias, nos ovens, nas pontes,
  São cachos vivos, são tropeis, são montes...
  Que as naus adornam sob o peso ingente!


                    XXXIV


    Descancem ledos, nos humbraes sagrados!..
  Ninguem lhes toca, n'um respeito mudo.
  Destinos altos! vão assim trocados!
  É Deus que o manda, Deus assim fez tudo!


                    XXXV


    Mas quando, emfim, das naves se levanta
  Aquella nuvem, que escurece o dia,
  --Por que a levem á patria sacrosanta,--
  Cada um, sua prece lhe confia!


                    XXXVI


    Que traço argenteo, as ondas illumina?
  Uma estrada de luz!.. Talvez a esteira
  Deixada pela espuma crystallina,
  Da nau do Dias, que as cortou primeira.


                    XXXVII


    Sempre ao Sul, sempre ao Sul, a estrada avança!
  De cada lado d'ella, o eterno escuro!
  Extendeu-a no mar a mão da Esperança,
  Na direcção da Gloria e do Futuro!


                    XXXVIII


    Sempre ao Sul, sempre ao Sul, a estrada segue!
  Ao termo d'ella, encontra-se o Ideal!
  Em demanda do Sonho, que as persegue,
  Navegam quatro naves de crystal!..


                    XXXIX


    Partiram todas d'um paiz de fadas,
  As quatro envoltas em celeste alvor;
  Vão em busca das Ilhas Encantadas,
  Onde dorme o divino Encantador!


                    XL


    O caminho é de luz; porém, infindo;
  Tem o termo, talvez, na immensidade!
  Quem vae as quatro naves dirigindo?..
  Vae o genio immortal da humanidade!



                    XLI


    Anjo indómito, prompto a combater.
  Curvado sempre ao seu destino mudo!
  Vae a Fé, vae a Força, vae o Querer,
  A Vontade, que emfim consegue tudo.


                    XLII


    Inquebrantavel, vae da Historia a lei,
  Essa, que aos povos a missão traçou;
  O saber, o pensar de um grande rei,
  E a tradição, que um rei maior deixou.


                    XLIII


    De noite, recortando o vivo argento,
  De dia, sobre as vagas de turqueza,
  Lá vae, de Portugal o pensamento,
  Ao leme de uma esquadra portugueza!


                    XLIV


    Sempre ao Sul, sempre ao Sul! porém um dia
  Hão de as proas dobrar-se ao Oriente;
  Então perdida a esteira, que hoje os guia,
  Engano e trevas hão de ter sómente.


                    XLV


    Sempre ao Sul, sempre ao Sul! eia! valor!
  Na cerração, que ao longe se condensa,
  Mal sabem, que os aguarda a voz immensa
  Do assombrado gigante Adamastor!


                    XLVI


    Vão entrar nas paragens revoltosas,
  --Paragens que ainda hoje o homem teme,--
  Onde luctam as ondas alterosas,
  E o vento, em turbilhões, contínuo geme.


                    XLVII


    Onde, em furia, tres mares se combatem;
  Onde o encontro se faz de tres correntes;
  Portas de inferno, onde Cerbéros latem,
  De tripla fauce e triplicados dentes.


                    XLVIII


    Portas divinas, onde Archanjos luzem,
  Sente-o o Gama, no crente coração;
  Portas de luz, que ao exito conduzem;
  Portas do Sonho! portas da Visão!


                    XLIX


    Sempre ao Sul! sempre ao Sul! ao largo! em fóra!..
  Mas a armada parece que se perde
  Nas liquidas montanhas de um mar verde,
  Que as naus afunda, e soffrego as devora!


                    L


    E mais e mais ao Sul se aventuravam,
  As gastas equipagens consumidas,
  Em tal desesperar, que a Deus bradavam,
  As almas lhes guardasse, e não as vidas.


                    LI


    Mas em que mares vão agora entrando,
  Que o sol, tão pouco tempo ali dardeja?..
  É castigo de Deus, que os vae chamando
  Aos confins onde eterna a noite seja?..


                    LII


    Ali, a luz do sol se desvanece;
  É tres vezes menor que a noite, o dia;
  Em este despontando, logo desce
  Na treva immensa, cada vez mais fria!


                    LIII


    Não é esse, não é, nem por signaes,
  Aquelle grande sol, de intensos brilhos,
  Que prateia as madeixas de seus paes,
  E aquece as cabecinhas de seus filhos.


                    LIV


    Não é aquelle o sol, de vivos raios,
  Que pinta os verdes prados a matiz,
  Que faz abrir as rosas dos seus maios,
  E que doira os trigaes do seu paiz!


                    LV


    O de lá, illumina com doçura,
  Beija a terra, e aquece-a com amor;
  Este, aqui, é um sol de sepultura,
  Mortiça luz, sem brilho e sem calor.


                    LVI


    Não mais o sol verão da sua terra!..
  Com que saudade o dizem! que saudade!..
  Aperta-os ali dentro a immensidade!
  O espaço, como um tumulo, os encerra!..


                    LVII


    E sempre o Sul demanda a larga volta,
  Que nas azas do vento a armada leva,
  Para a morte, de certo, á véla solta,
  Para o silencio... a solidão... a treva!..


                    LVIII


    Cinco vezes, o Cabo, a armada affronta,
  Cinco vezes, a armada o Cabo investe!
  A costa retrocede, o céu remonta...
  É força as proas apontar a leste!..


                    LIX


    Foi Pero d'Alemquer, que o conseguiu,
  Largos dias de teima usando e manha;
  O piloto maior que o mundo viu,
  O que soube fazer maior façanha.


                    LX


    Mas se foi Alemquer, piloto astuto,
  O que a volta avisada ao Cabo deu,
  Foi o genio do Gama, resoluto,
  Quem dobrou as vontades e venceu.


                    LXI


    Assim o reconhece a armada inteira,
  Que em salvas, o saúda, de alegria!..
  E Adamastor escuta, a vez primeira,
  A grande voz da lusa artilheria!


                    LXII


    E quem desgraças taes prophetisou
  Áquellas gentes, mais que tudo ousadas,
  Ouviu, em plenas ondas subjugadas,
  A resposta, que a armada lhe enviou!


                    LXIII


    Ruge o colosso do que viu e ouviu!
  Corre a envolvel-o a cerração distante.
  _Mudo e quedo_, o phantastico gigante,
  Humilhado, de nuvens se cobriu!


                    LXIV


    Emquanto ao Sul desciam, mar em fóra,
  Tinha visto, de bordo a rude gente,
  Das costas africanas vir a aurora,
  Caír nas salsas ondas o poente.


                    LXV


    Pasmava a gente, agora, do que via,
  Suppondo a natureza ser mudada;
  Sobre a terra, á sinistra, o sol descia!
  Erguia-se do mar a madrugada!..


                    LXVI


    Vão colhidos na gávea, agora, os pannos;
  Baixos os mastros; mas as naus correndo!
  Segredos são, que ninguem sabe; enganos,
  Com que a mãe natureza os vae mantendo.


                    LXVII


    Vagas taes, ninguem viu, tão revolvidas!
  Agora, as nuvens tocam sempiternas!
  Depois, as naus inteiras engulidas,
  Precipitam-se em lôbregas cavernas.


                    LXVIII


    E as naves, por não serem dispersadas.
  Cada uma, na gávea se allumia.
  --Como um grupo de estrellas conjugadas,
  Umas ás outras são pharol e guia!--


                    LXIX


    Onde vae, mar ignoto, a lusa armada?..
  Nem enganos, nem trevas a detem!
  Vae á India levar a Cruz e a Espada;
  É ali, é ali, Jerusalem!


                    LXX


    Ha contornos da magica visão,
  Nos vagos horisontes da miragem!..
  Ninguem pense no termo da viagem,
  Sem que surja a fulgente apparição!


                    LXXI


    Antes de ao mar a armada se fazer,
  Havia o forte Capitão jurado,
  De nunca, em caso algum, retroceder
  Nem um só palmo do caminho andado!


                    LXXII


    E quando a desesperança algum vencia,
  Irado, o Gama, então lhe perguntava:
  «Quando elle a mortes cem desafiava,
  Quem é que uma só morte ali temia?»


                    LXXIII


    E o mór peso tomando do seu cargo,
  Em vendo levantar-se a maior guerra,
  Quando a gente dizia: A terra! a terra!..
  Gritava-lhes o Gama: Ao largo! ao largo!..


                    LXXIV


    Hão de ver, o que o mundo nunca vira:
  Surgir do mar a India abençoada,
  Acenando, de longe, á lusa armada,
  Em torres de esmeralda e de saphyra!


                    LXXV


    Ou, então, enjeitados pela Gloria,
  Figurarem, terriveis e sombrios,
  Como espectros, no templo da memoria,
  Eternamente, os homens e os navios!


                    LXXVI


    Á nova Terra Santa! em frente! em frente!
  Romeiros da romagem longa e vaga!
  Ah! Deus vos mostre a India refulgente!
  Deus vos leve, romeiros, Deus vos traga!



                CANTO SEGUNDO

                   A VOLTA



                CANTO SEGUNDO

                   A VOLTA


                    I


    Porém que vejo agora?.. Empavezada,
  Sobre as ondas azues, e panda a véla,
  Do mar e das tormentas alquebrada,
  Vem subindo rasteira caravela!


                    II


    Avança a panno largo, e com vontade;
  Na praia, atroam vozes retumbantes;
  Tocam sinos nas torres da cidade;
  É louvado o Senhor dos Navegantes!


                    III


    Aos pontos altos, prestes e ligeira,
  Acode, a mais e mais, a multidão;
  Tremúla, á brisa, o regio pavilhão
  Sobre o Tejo, nos Paços da Ribeira.


                    IV


    Que gentil! que bem segue a caravela,
  Embalada nas aguas crystallinas!..
  Tem toda a gente os olhos postos n'ella!
  Vão salvando, na borda, as columbrinas!


                    V


    Das naus respondem salvas redobradas:
  No castello o canhão tambem resôa;
  Por boas vindas dar, alvoroçadas
  Ostenta quantas galas tem, Lisboa.


                    VI


    A barca é d'oiro!.. Que deslumbramento!
  Envolve-a toda, luminoso alvôr!..
  É a barca do eterno Encantamento;
  Vem das Ilhas do grande Encantador!


                    VII


    Em que espaço, em que ceus andou voando?
  Nunca d'antes, ninguem no Tejo a viu!
  Pomba perdida, não pertence ao bando,
  Que ha muito tempo do pombal saíu.


                    VIII


    Nave extranha, que o Tejo não conhece,
  Traz cruz em pendão branco, por signal;
  --Mas traz, tambem, o que a ninguem parece--
  Traz a gloria maior de Portugal!


                    IX


    Gloria, que a especie inteira nobilita,
  E não sómente o nome portuguez!
  Grande empreza, phantastica, inaudita,
  Que outra maior jamais alguem a fez!


                    X


    E a barca vae seguindo, rio em frente;
  Branca visão, que nada apagará!
  Sobre a esteira de espuma reluzente,
  O sulco aberto, aberto ainda está!


                    XI


    E a barca vae seguindo, rio acima;
  É seu condão a eterna mocidade!
  Traz o sopro vital que tudo anima,
  Traz o genio immortal da humanidade!


                    XII


    Traz aquelles, que os mares ignorados,
  Passaram, com assombro, e sem pavor;
  Os que foram ao longe ouvir os brados
  E as funestas visões do Adamastor.


                    XIII


    Que sulcaram do mar a immensidade,
  Nas azas intangiveis da chimera,
  Os sonhos transformando na verdade,
  De polo a polo completando a esphera!


                    XIV


    Os que viram as luzes do _Cruzeiro_,
  Dos tropicos na noite a scintillar,
  Depois de terem visto o céu primeiro,
  Com todo o norte, descaír no mar.


                    XV


    Esses, de quem os astros repetiam,
  Ao vel-os persistir na sua empreza,
  Quando já nenhuns olhos os seguiam:
  «Vae ali a fortuna portugueza!»


                    XVI


    Os que os astros ouviram perguntando,
  Na torrente de luz, que d'elles cáe:
  «Quem deu ser a taes homens? como e quando?
  D'onde vem esta gente, e aonde vae?»


                    XVII


    Os que os astros ouvindo, responderam,
  Sem desalento algum no coração:
  «Ó astros, que jámais nos conheceram,
  Á India vamos; dae-nos vós a mão!»


                    XVIII


    Esses, de quem as ondas murmuravam,
  Sob as quilhas pesadas das galeras,
  Quando as proas altivas as rasgavam:
  «Vão as portas abrir de novas eras!»


                    XIX


    Os que viram, primeiro, o nunca visto,
  E o foram demandar, a tempo e azo,
  Na luz confusa de um saber previsto,
  Mas não levados pela mão do Acaso;


                    XX


    Do velho mundo, os immortaes pioneiros,
  Em mundos novos demandando ingresso;
  Missionarios do Bem e do Progresso;
  Missionarios... e não aventureiros.


                    XXI


    Os que foram, do caso conscientes,
  Quebrando sellos, descobrindo lousas,
  Perturbar em remotos continentes,
  A quietação dos homens e das cousas.


                    XXII


    Esses, de quem os povos assombrados,
  Viram a altiva gente cavalleira,
  _Por mares nunca d'antes navegados_,
  Desenhando os confins da terra inteira.


                    XXIII


    Esses, que em nova e pertinaz cruzada,
  --Povos inertes evocando á vida,--
  Foram, sempre, deixando a patria amada,
  _Pelo mundo em pedaços repartida_.


                    XXIV


    Esses, que foram longe, raça dura!
  Sondar o negro abysmo, sem receio,
  Desvendar os mysterios da natura,
  Meio mundo ensinando a outro meio.


                    XXV


    Esses, que abandonando os deuses lares,
  Na mais ousada empreza de gigante,
  Para o seu curso dirigir nos mares,
  Uma estrella do céu não foi bastante!


                    XXVI


    Os que a patria exaltaram portugueza,
  E quebraram, com brava galhardia,
  A maritima força de Veneza,
  E a fortuna da grande Alexandria.


                    XXVII


    Os que o globo da terra devassaram,
  E dando um mundo novo ao mundo velho,
  Das columnas herculeas ao Vermelho,
  O negro continente recortaram.



                    XXVIII


    Os que tendo arrancado ao fero Islam,
  Arzilla, Tanger, Ceuta e Azamor,
  Hão de agora affrontar-lhe a gloria van,
  E, em mar remoto, enchel-o de terror.


                    XXIX


    E assim terão cumprido, heroicamente,
  Duas vezes, a épica missão,
  Os pendões abatendo do Crescente,
  Ante as glorias do symbolo christão.


                    XXX


    Os que viram no céu diversos astros;
  Aquelles para quem o mar do Sul,
  Nos topes accendeu dos rijos mastros,
  Do Santelmo divino a chamma azul.


                    XXXI


    Os que viram mil cousas portentosas,
  O sobre-natural, o sobre-humano;
  Descer do céu as trombas sequiosas,
  Bebendo em sorvos largos o Oceano.


                    XXXII


    Os que investiram frias espessuras,
  Onde escuro docel a noite eleva,
  E demandando antarcticas alturas,
  Chegaram quasi ás regiões da treva.


                    XXXIII


    Os que affrontando a propria natureza
  Foram a prima gente que sulcou,
  Altos mares, de infinda profundeza,
  Onde sonda nenhuma o fundo achou.


                    XXXIV


    Os que tendo no peito a palpitar,
  De raça mais que humana o coração,
  Iam, á raça humana abrir o mar,
  Findando aquella eterna solidão.


                    XXXV


    Os que foram, nas azas da vontade,
  Á India, refulgente de oiro e luz,
  Ver o berço da nossa humanidade,
  Como os Magos o berço de Jesus.


                    XXXVI


    Os que foram do Tejo ao Malabar,
  Levando no regaço a paz e a guerra,
  Chamar á vida, despertar a terra,
  Do somno seu, profundo e secular.


                    XXXVII


    Os que viram surgir a India ardente.
  Acenando, de longe, á lusa armada,
  Huri, rainha e fada do Oriente,
  Das torres de saphyra debruçada.


                    XXXVIII


    Esses, que para erguer a patria historia,
  Foram tentar emprezas immortaes,
  D'onde se volta pela mão da Gloria,
  Ou d'onde nunca se voltou jamais.


                    XXXIX


    Esses, que emquanto andavam completando
  Não vistos feitos, épicas acções,
  Já o céu lhes estava destinando
  A lyra inimitavel de Camões!


                    XL


    Os homens grandes, cuja obra immensa,
  Deviam memorar, no tempo alem,
  --Refulgente prodigio de Arte e Crença,--
  As naves portentosas de Belem!


                    XLI


    Os que, salvos por Deus,--humilde gente,--
  Nos riscos tormentosos, que correram,
  Sepultaram no mar, piedosamente,
  Tantos, tantos irmãos que lhes morreram!


                    XLII


    Lá vae a caravela, rio acima!
  É ella a sombra da primeira armada!
  A nova que em si traz, é quem a anima:
  «Foi descoberta a India abençoada!»


                    XLIII


    É isto o que ella clama e vae dizendo;
  É isto, o que ella a todos annuncía;
  O sol da Meia Idade vae descendo,
  O alvor desponta, já, de um novo dia!


                    XLIV


    Mas, vendo-a, mal suppõe a multidão,
  Sobre a tolda contando a pouca gente,
  Que da gloria da humilde embarcação,
  Viverá Portugal, eternamente.


                    XLV


    Agora, a nave, as ancoras largou;
  Içou, no mastro grande, o vellocino!
  A patria em boas mãos depositou
  A espada, a cruz, e todo o seu destino.


                    XLVI


    Bemvindos sois ao berço hospitaleiro,
  Romeiros da romagem do Ideal!
  Pois fez, o esforço vosso, verdadeiro
  O sonho que tivera Portugal.


                    XLVII


    Cumpristes um gigante pensamento;
  No mundo, o vosso nome, eterno sôa;
  Trouxe-vos Deus _a porto e salvamento_,
  A vossa obra foi bemdita e boa!


                    XLVIII


    E, largo tempo,--esplendida visão!--
  Se ha de ver, Tejo acima, a caravela,
  Como um barco de lenda, panda a véla,
  Bordada a cruz de Christo em seu pendão!


                    XLIX


    E um dia chegará,--dia jocundo!--
  Em que, no Tejo, que hoje aos pés vos corre,
  Hão de armadas estar, de todo o mundo,
  Saudando a caravela, que não morre!


                    L


    Monarchas hão de vir de imperios novos,
  Em convivio fraterno, doce e amigo,
  Unindo n'um só laço, os reis e os povos,
  Saudar, em honra vossa, o reino antigo.


                    LI


    E só por vós, se a mente me não erra,
  Vós, que fostes do Gama os companheiros,
  Marinheiros virão de toda a terra,
  Á patria dos mais rudes marinheiros.


                    LII


    Sonhados impossiveis conseguistes,
  Vós, raça aventureira, omnipotente!
  Se muito foi, que a Portugal servistes,
  Mais servistes, ainda, a extranha gente.


                    LIII


    Pois da aguia, que os reis d'outr'ora viram,
  Na terra inteira, as azas extendendo,
  As aguias, d'hoje em dia, andam colhendo
  As pennas, que das azas lhe caíram!


                    LIV


    D'este povo, o passado causa espanto!
  O que teve! o que pôde dividir!..
  Cada um dos pedaços do seu manto
  Dá hoje a um povo inteiro, que vestir!


                    LV


    Quem havia de ver, o que se viu?
  Agora, é Prometheu acorrentado,
  Por famintos abutres devorado,
  Na montanha da Gloria, a que subiu!


                    LVI


    Venham, pois, ver a nave abençoada,
  Do Tejo sobre as vagas diamantinas!
  Nave eterna!.. Na pôpa leva as quinas,
  E a figura do Gama, na amurada.


                    LVII


    Que vejo?.. Quem tal quadro antecipou?
  Desusado fragor no grande rio!..
  Vinte esquadras, que o mundo aqui mandou,
  Abrem alas ao fulgido navio!


                    LVIII


    Em cada pôpa, um pavilhão ondula;
  Vistosas cores, alegrando os ares!
  Vêm ver, ainda, como audaz tremula
  O pavilhão que os precedeu nos mares!


                    LIX


    Monstros de ferro, enormes couraçados,
  Venham aqui, de toda a terra, ovantes,
  Pousar no Tejo, que sustinha d'antes
  Sobre o seu dorso, galeões sagrados!..


                    LX


    Naus d'alto bordo, carregadas d'oiro,
  A mór riqueza, que se viu outr'ora!
  Dizêl-o ouvimos,--não hajaes desdoiro:--
  «São bem mais leves estas naus de agora!»


                    LXI


    E o Tejo, aberta a sua larga foz,
  Com justo orgulho, vos recebe e chama!
  Almirantes! sabeis, que honrar o Gama,
  É honrar o maior de todos vós!


                    LXII


    Lá vae a caravela, altiva e calma
  No meio do bramir da artilheria!
  Não é sonho da nossa phantasia;
  É nitida visão que temos n'alma!


                    LXIII


    Da justiça reluz o dia, a hora;
  O premio do serviço, emfim, chegou!
  Mil bandeiras, que o mar conhece agora,
  Vêm saudar a primeira, que o passou!


                    LXIV


    Mas vós, povo indolente e descuidado,
  Que a patria tantas vezes esqueceis,
  Sêde digno, em memoria do passado,
  Das honras, que ao presente recebeis!


                    LXV


    Não tem direito, ninguem tal o diga,
  A abandonar-se n'um dormir profundo,
  Quem, tão grande passado, a tanto obriga,
  Quem tal papel desempenhou no mundo!


                    LXVI


    Um povo que se preza, não descança
  Nem á sombra dos loiros conquistados;
  A gloria é grande, mas pesada herança:
  Mantel-a pura, deve dar cuidados.


                    LXVII


    O preceito deixámos esquecido,
  Embalados em vagas illusões;
  Hoje vemos um céu de inquietações,
  Por sobre as nossas almas extendido.


                    LXVIII


    A gloria é armadura reluzente,
  Que veste os peitos e rebrilha ao sol;
  Não é fria mortalha, nem lençol,
  Que o corpo envolva d'um heroe jacente.


                    LXIX


    A gloria é um deposito sagrado;
  Quem o deixa fugir, por mal seguro,
  As maldições merece do futuro,
  Mostrando ser indigno do legado.


                    LXX


    Ainda o mesmo genio em nós palpita,
  O mesmo sangue, em nossas veias, corre;
  Somos o rijo povo, que não morre!
  Pois, se morto parece, resuscita!


                    LXXI


    E a raça, que ascendeu a tal grandeza,
  Não póde figurar entre as nações,
  De mãos ligadas, amarrada e presa,
  Á columna das proprias tradições.


                    LXXII


    Tem de viver no tempo indefinido,
  Em voz alta affirmando o seu direito
  De povo, que entre os povos escolhido,
  Aos povos, seus irmãos, impõe respeito.


                    LXXIII


    E tu, que és mãe bondosa, patria amiga,
  Sê madrasta cruel, altiva e dura,
  A todo o filho que de ti mal diga...
  Nem descanço lhe dês de sepultura!


                    LXXIV


    Pois não merece a luz que o allumia,
  E que o berço lhe veste de esplendor,
  Quem o nome de patria pronuncia,
  Sem, lá no fundo, estremecer de amor!


                    LXXV


    Lá vae a barca d'oiro, enfeitiçada!
  Lá vae a deslumbrante caravela!
  Leva o Gama, de pé, junto á amurada,
  E uma cruz escarlate em cada vela!


                    LXXVI


    Lá vae a Barca-Sonho, rio em frente!
  Pobre quem, dentro d'alma, não a vir!
  Se leva a gloria do passado ingente,
  Leva, tambem, a esperança no porvir!



            Acabou de imprimir-se

     Aos 24 dias do mez de agosto do anno

                M DCCC XCVI

               NOS PRELOS DA

         Imprensa Nacional de Lisboa

                  PARA A

            COMMISSÃO EXECUTIVA

                    DO

            CENTENARIO DA INDIA





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "A viagem da Índia - poemeto em dois cantos" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home