Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: A velha disciplina - Versos
Author: Dumont, Júlio
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "A velha disciplina - Versos" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



J. Dumont
(Orlando)


+A VELHA DISCIPLINA+

VERSOS


(A proposito da injustificada condemnação
dos marinheiros
pelos Conselhos de Guerra)


LISBOA
IMPRENSA GOMES
Rua do Sol ao Rato, 74

1906



Aos benemeritos defensores
dos infelizes marinheiros:

Dr. Nobre de Mello
" José d'Abreu
" Lomelino de Freitas
" Sarmento Osorio
" Borges de Sousa
" Irnaldo Monteiro


OFFERECE E DEDICA
+O auctor+



+A disciplina+


Emquanto cá por fóra o povo em romaria
Ia buscar ao campo a rustica alegria,
Emquanto os beberrões de capa de cambraia
Passeavam andor's nos sitios d'Atalaya,
Na torre negregada, a bastilha do mar,
Uma tragedia triste estava-se a passar.

Quem as ondas domou, domou o furacão,
Da tempestade riu e zombou do trovão,
Quem viu o vasto oceano em vagas tormentosas
Tornar em vivo inferno um lindo mar de rosas,
Quem nunca vacillou em arriscar a vida
Sustendo do gentio a rude arremettida,
Estava ali curvado, a fronte bem submissa,
Com sede de razão á espera de justiça.

Nas suas almas sãs de bravos marinheiros
Todos uma familia, amigos e companheiros,
Onde só a excepção pôz vis denunciantes,
Trastes sem cotação, emeritos tratantes,
Havia côr de rosa a lisongeira esp'rança
De ver luzir no céo o arco da bonança.

E quem estava ali ouvindo o julgamento,
Vendo tudo cahir sem base ou fundamento,
Quem via sossobrar a velha accusação
De tetrica revolta ou negra sedição,
Quem via que um protesto unanime, geral,
Fôra do movimento a causa inicial,
Calculava que o fim de tanta crueldade
Seria um acto bom de generosidade.

Porém, surgiu ali a D. Disciplina,
Cabello em desalinho, a garra que é tigrina
Adunca e collossal; a hysterica madona,
A serodia vestal, a bellica matrona,
Tinha sido offendida em seu pudor immenso,
Um pudor que rescende a perfumes e incenso.
Oh! não! bradou convulsa; oh! não, não póde ser?
Não póde haver piedade, eu quero-os ver soffrer!
Que importa o coração? Enterre-se a bondade,
É preciso um exemplo a toda a humanidade!

Soffram os bofetões, as rudes chibatadas,
Os dias no porão, as algemas fechadas,
Tenham do pão e agua o ephemero alimento,
Tudo o que o meu poder impõe como tormento!
Nem um gesto sequer de simples desagrado,
Senão, se ouço gritar... verão o resultado!
Esta torre aqui 'stá, conhece muita magua,
Nas humidas prisões entra em cachões a agua;
Quem não me obedecer ha de rolar no abysmo,
Morrerá como um cão, de dor's e reumathismo.
Findou a inquisição, diz se p'r'ahi a esmo.
A torre 'inda cá está, e vem a dar no mesmo!
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
E com immensa dôr, os peitos palpitantes,
Lagrimas o brotar de mães pobres velhinhas,
Na branca lividez de esposas soluçantes,
Nos choros infantis de pobres creancinhas,
Levantando a cabeça em gargalhada f'rina,
'Inda mais uma vez venceu a Disciplina!

*

Ó velha Disciplina, ó serodia vestal
De palmito e capella, os cabellos pintados,
A virginal grinalda, á laia d'avental,
O rosto convulsivo a desfazer-se em brados.
Ó ginja delambida, ó velha sem razão,
Vamos fazer autopsia ao vosso coração.

Sabeis o que é amar, ter mãe e ter irmãs,
Velhas a sustentar, creanças a manter,
Noivas todas paixão em suas almas sãs
O futuro, uma vida, a aspiração d'um ser?
Não o sabeis decerto, ó bellica matrona
Austera Disciplina, ó velha solteirona.

Quem não se quiz curvar á vossa tyrannia
Tem de gemer alli em funebre masmorra,
Liberdade, Egualdade, isso é uma utopia
É vosso o mundo inteiro, e quem protestar: morra!
Ó como é triste e vil, o mundo, a humanidade
Quando não quer subir ao solio da bondade.
Onde tendes matrona, o coração sensivel
Proprio d'um peito bom, que tem ao rigor asco
Que dicta uma sentença ignobil e terrivel
Com toda a placidez d'um cynico carrasco.
Onde guardaes essa alma, escura, empedernida,
Que incensando o rigor dispõe de muita vida?...

Remirando os galões, bonitos reluzentes,
Onde a vaidade pôz scintilações a rôdos,
Julgae-vos superior a todos os mais entes
Nascidos como vós, mortaes como nós todos.
E senhora feudal, ó velha Disciplina
Cravaes a garra adunca, a tetrica assassina!

Lá vão tristes viver em lugubres prisões
Em climas de matar os pobres marinheiros,
Annos a soluçar na febre das paixões,
As saudades dos seus, o amor dos companheiros.
Condemnados, porquê? Por terem dignidade.
O espirito do bem, da solidariedade!

E vós, velha matrona a rir como perdida
Talvez inda acheis pouco o rude soffrimento;
Onde é que vos guardaes ó velha delambida
As mais simples noções do humano sentimento?
Não póde haver autopsia ao vosso coração...
Ó velha Disciplina, ó estupido chavão!

Emquanto o povo inteiro, os peitos soluçantes
Esperava de vós um acto de justiça,
De codigo na mão os olhos coruscantes
Eivada de rancor entraveis já da liça
E de bocca a espumar, terrivel colossal,
Dictaveis a sentença onde imperava o mal.

Ó velha Disciplina, ó tola potestade,
Ó funebre espantalho, ó velha rabujenta.
Deixae essa «imposant» de grande magestade
Que no seculo vinte é triste e não se aguenta.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
A cova está aberta, entrae ó Disciplina,
Cavou-a esse rigor: morrei ó assassina!





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "A velha disciplina - Versos" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home