Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: O Infante D. Henrique e a arte de navegar dos portuguezes
Author: Eça, Vicente de Almeida de, 1852-1929
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O Infante D. Henrique e a arte de navegar dos portuguezes" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



produced from images generously made available by National
Library of Portugal (Biblioteca Nacional de Portugal).)



COMMEMORAÇÃO DO CENTENARIO HENRIQUINO


O INFANTE D. HENRIQUE

E

A ARTE DE NAVEGAR DOS PORTUGUEZES


CONFERENCIA FEITA EM 19 DE FEVEREIRO DE 1894

NO

CLUB MILITAR NAVAL

POR

VICENTE M. M. C. ALMEIDA D'EÇA

CAPITÃO-TENENTE DA ARMADA, LENTE DA ESCOLA NAVAL


SEGUNDA EDIÇÃO

REVISTA E AUGMENTADA COM ALGUMAS NOTAS



LISBOA

IMPRENSA NACIONAL

1894



O INFANTE D. HENRIQUE

E

A ARTE DE NAVEGAR DOS PORTUGUEZES



COMMEMORAÇÃO DO CENTENARIO HENRIQUINO


O INFANTE D. HENRIQUE

E

A ARTE DE NAVEGAR DOS PORTUGUEZES


CONFERENCIA FEITA EM 19 DE FEVEREIRO DE 1894

NO

CLUB MILITAR NAVAL

POR

VICENTE M. M. C. ALMEIDA D'EÇA

CAPITÃO-TENENTE DA ARMADA, LENTE DA ESCOLA NAVAL


SEGUNDA EDIÇÃO

REVISTA E AUGMENTADA COM ALGUMAS NOTAS



LISBOA

IMPRENSA NACIONAL

1894



[Figura]


  Vês aqui a grande machina do Mundo,
  Etherea, e elemental, que fabricada
  Assi foi do saber alto, e profundo,
  Que é sem principio e meta limitada.
  Quem cerca em derredor este rotundo
  Globo, e sua superficie tão limada,
  He Deos; mas o que he Deos ninguem o entende
  Que a tanto o engenho humano não se estende.

          Camões _Lusiadas_, _X_, LXXX.



_Á memoria gloriosa do Infante Dom Henrique_


«_Oo tu principe pouco menos que devinal! Eu rogo a as tuas sagradas
vertudes, que ellas soportem com toda paciencia o ffalecimento de minha
ousada pena, querendo tentar h[~u]a tam alta materya como é a declaraçom
de tuas vertuosas obras, dignas de tanta glorya, cuja eternal duraçom,
sob proveitosa fim, alevantará a tua fama com grande honra de tua
memorya_.»

Azurara, _Chronica do Descobrimento e Conquista de Guiné_, cap. II.



SENHORES E PRESADOS CONSOCIOS:


O Club Militar Naval, querendo solemnisar a celebração do quinto
centenario do nascimento do Infante D. Henrique, o inclito iniciador das
navegações e descobrimentos dos Portuguezes, entendeu que o melhor meio
de commemorar essa tão gloriosa data, era reunir em algumas noites os
seus associados para ouvirem uma serie de conferencias ou leituras sobre
os assumptos mais importantes referentes ao Infante, ou que com elle e a
sua obra tivessem relação; e para realisar essas conferencias dignou-se
convidar diversos dos seus socios.

Honrosa, mas difficil incumbencia! Honrosa, porque, se é um dever de
bons patriotas celebrar, sempre que a proposito venha, as glorias
nacionaes, é uma honra que não póde recusar-se, o ser escolhido para
porta-voz d'essa celebração; difficil, porque tendo de se fallar diante
de uma assembléa de technicos e de sabedores, quasi se torna impossivel
dizer-lhes cousas que não saibam, resumir-lhes estudos que não conheçam,
suscitar-lhes idéas que já não tenham.

Mas, senhores, a «disciplina militar prestante», de que falla o nosso
epico, e que na marinha portugueza é a tradição nunca desmentida da sua
obediencia, manda-nos embarcar n'esta viagem, e não ha que replicar.
Cada um de nós dirá o que sabe e como sabe, certo de que a tabella da
vossa cortezia _corrigirá os desvios_ da nossa insufficiencia. E nenhum
de certo carece de maior _correcção_ do que eu, a quem, sem que para
isso tivesse merecimento, coube determinar o _ponto de partida_ e fazer
o primeiro quarto, o _quarto de prima_, como se dizia na linguagem da
antiga marinharia portugueza.

Larguemos, pois.

       *       *       *       *       *

Os louvores do Infante D. Henrique e a apreciação dos actos que lhe
valeram o cognome de _Navegador_, occupam grandissimo espaço na
litteratura patria e estrangeira. Desde a _Chronica_ de Azurara até aos
_Filhos de D. João I_ do sr. Oliveira Martins, é longa a lista dos
escriptores que se têem occupado do Infante. Só modernamente, porém, é
que se póde dizer fixada a determinação do seu valor, resaltando da téla
da historia com tanta mais nitidez quanto é sabido que, nos ultimos
tempos, criticos de certa escola cuidaram ver no quadro sombras e
manchas, a que deram exagerado vulto; o que veiu a redundar em maior
esclarecimento dos serviços prestados á patria pelo glorioso Infante.

Sem nos deixarmos, pois, offuscar por este sentimento de solidariedade
que aos da nossa classe, melhor que a nenhuns outros, permitte apreciar
os trabalhos do mar, podemos certamente distinguir na vida do Infante D.
Henrique duas ordens principaes de factos: os que se referem ao membro
da familia reinante de Portugal, filho, irmão e tio de reis, e os que
dizem respeito ao promotor das navegações.

Serão os factos da primeira especie menos brilhantes do que se deveria
desejar? Haverá que apontar erros de entendimento ou de vontade, da
parte do Infante, no desastre de Tanger ou nas intrigas de Alfarrobeira?
Não cuido que isto não seja ainda materia para muita discussão. Mas o
que certamente o não é, aquillo sobre que me parece não restar duvida, é
a influencia do Infante nos destinos da nação navegadora, é a sua
iniciativa enorme e absolutamente pessoal no commettimento dos «mares
nunca d'antes navegados». Quer a escola critica, á qual ha pouco me
referi, que D. Henrique devesse a um irmão, o celebre infante D. Pedro,
notavel pelas suas viagens na Europa, a possibilidade de alcançar
conhecimentos cosmographicos e geographicos que de outra fórma não teria
obtido, e sem os quaes nada poderia ter feito. Não duvido, antes o dou
por provavel, se não como certo. Mas póde isto desfazer alguma cousa na
concepção que se tem formado do Infante D. Henrique, como espirito
coordenador d'essas informações e do tantas outras que por varios lados
colligiu, director perseverante de todos os emprehendimentos e indicador
seguro e consciente do caminho a seguir? Tambem o architecto não levanta
por si só o edificio,--antes precisa da coadjuvação de muitos homens
desde o humilde cabouqueiro ate ao estatuario insigne,--e comtudo é a
elle que cabe a honra e primazia da construcção.

Das duas faces que offerece a historia do Infante D. Henrique, a que diz
respeito ás navegações é, pois, a luminosa, e com tanta intensidade que
deixa bem no escuro a outra, e de todo a faz esquecer. É por ella que o
glorioso Infante é conhecido na historia, é essa que hoje celebrâmos com
enthusiasmo de Portuguezes e de marinheiros.

Vejamos as suas mais salientes feições.

       *       *       *       *       *

Quando, em 1415, o Infante D. Henrique regressou da conquista de Ceuta,
o theatro do mundo physico certamente apresentava ao seu espirito uma
scena de grande confusão: por um lado o que se suppunha ser a sciencia
positiva geographica do tempo; por outro as lendas que quasi tinham
fóros de verdades; por outro ainda os absurdos que a um espirito
esclarecido se patenteavam, resultantes do combate entre essas lendas e
as probabilidades de certeza.

Eram conhecidas ao tempo com mais ou menos exactidão, e com bastante
imperfeição desenhadas nos portulanos: todas as terras da Europa com as
ilhas proximas e os mares que as banham; a costa septentrional da África
a começar no Cabo Não sobre o Atlantico e d'ahi até ás bôcas do Nilo:
para o interior d'essa costa um tanto de terras até aos desertos; a
Palestina, a Syria, a Asia Menor, alguma cousa a um e outro lado do
Caucaso e pouco mais. No resto da Asia sabia-se da existencia de varias
terras, mas só vagamente se lhes marcavam as situações. Da Africa, para
o sul do Cabo Não, diziam-se cousas contradictorias. A America
sonhava-se porventura na lenda da Antilia. A Australia nem se sonhava.
Ainda havia vagas indicações, ligadas a lendas, ácerca de diversas ilhas
espalhadas pelo Atlantico. E tudo isto se figurava, para o vulgo pelo
menos, em uma terra plana, porque a esphericidade do planeta teria como
consequencia a existencia dos antipodas, o que se reputava absurdo.

E as lendas pullulavam, avultando entre ellas a do Mar Tenebroso, a do
Equador inhabitavel e a do Preste João. Dizia-se por um lado: não se
póde navegar muito para longe das costas que o Atlantico banha, porque a
breve trecho se encontra a região das trevas perpetuas, onde o sol se
apaga no occaso, povoada de ferozes monstros marinhos, agitada por
medonhos e constantes temporaes, promptos a desfazer o fragil baixel que
ousasse lá chegar; essa lenda vinha da antiguidade, e foi porventura
preconisada pelos Arabes, que assim se desculpariam de não terem
continuado nas suas navegações para o occidente. Por outro lado
affirmava-se: é certo haver gentes para alem da linha equinoxional; mas
n'esta e nas regiões que se lhe avizinham, os raios do sol incidem com
tal força que tornam impossivel ali a vida humana, e impossivel,
portanto, a communicação dos povos da Europa com os que habitam alem do
Equador. E, contava-se ainda, ha bem longe da Europa, e d'ella separado
por terras de infieis, o reino de um principe christão--o Preste João
das Indias;--e anceiava-se por travar relações com esse irmão em
crenças.

Tudo isto ouvia e sabia o Infante D. Henrique; de tudo isto se occupou
provavelmente nas conversas que teve com os mercadores de Ceuta; d'estes
e de outros problemas tratou naturalmente com seu irmão D. Pedro, o
grande viajante por terra; e tudo excitava a sua curiosidade.

O desejo de saber é o grande incentivo do progresso das sciencias. Mas
n'aquelle tempo o quadro da especulação scientifica estava ainda
imperfeitamente traçado, e mais do que esse desejo imperava de ordinario
o espirito pratico do proveito material. Haveria proveito em resolver
aquelles problemas geographicos? De certo. Se se descobrissem novas
terras, ellas seriam occupadas por gente portugueza, quando fossem
deshabitadas; seriam conquistadas, se pertencessem a infieis.
Vislumbravam-se já productos ricos d'essas regiões, e d'ahi fontes de
commercio remunerador. Por ultimo, mas não em derradeiro logar para as
idéas da epocha, haveria mouros a converter, pagãos a trazer ao gremio
da verdadeira religião, almas a conquistar para a fé christã.

Por tudo isto foi o Infante D. Henrique estabelecer-se no Algarve e
designadamente em Sagres, ponta avançada sobre o Oceano, a quem parecia
espreitar os segredos, e d'ali começou a lançar a vasta rede dos seus
commettimentos, cujas ultimas malhas nem elle sabia ao certo onde iriam
ter. Rodeou-se de homens experientes nas varias partes da marinharia,
pilotos do Porto frequentadores da carreira de Flandres, marinheiros
algarvios habituados á pesca do alto, mestres da construcção de naus nas
tercenas de Lisboa, homens de Malhorca sabedores de astrologia e
desenhadores de portulanos, porventura até mouros de Ceuta e de outras
terras de Marrocos. De todos precisava, para de todos aproveitar o que
sabiam, e melhorar consoante fosse necessario. Tal foi a chamada escola
de Sagres, não um instituto de sciencias navaes, mas um convivio de
conhecimentos diversos, em que todos eram a um tempo mestres e alumnos.
Ahi se discutiram os problemas geographicos, e se traçaram os caminhos a
tentar; lá se melhorou o instrumento para dominar o mar, passando se da
_barca_ e do _barinel_, ainda hoje problematicos, á _caravella_
portugueza, o typo do navio dos descobrimentos no seculo XV; ali se
corrigiram os portulanos, e se aperfeiçoou o seu uso para a navegação,
quando mesmo não seja exacto que lá se inventassem as cartas planas[1].

Relativamente á propria essencia do problema geographico, dois seriam os
pontos principaes a resolver: quaes eram as terras para o sul do Cabo
Não; se havia terras para o occidente das costas da Europa.

Ainda hoje é lição quasi geral que o descobrimento de Porto Santo e o
das primeiras ilhas dos Açores foram devidos ao acaso. É sempre uma
tempestade que leva um navegador, de regresso da costa de Africa, a
encontrar-se fortuitamente com aquellas ilhas. Mas, pensando bem,
parece-me evidente que os descobridores de Porto Santo, das Formigas e
Santa Maria realisaram esses commettimentos porque a isso foram mandados
pelo Infante D. Henrique. Pois não havia já vislumbres da existencia
d'aquellas terras? E o Infante, conhecedor da lenda do Mar Tenebroso,
não teria a peito destruil-a, por não acreditar n'ella, como não
acreditava na do Equador inhabitavel?

Temos, pois, que o Infante D. Henrique procurou determinar a
configuração exacta da Africa para alem do ponto onde ella era
conhecida, e procurou ainda reconhecer as terras que existissem para o
occidente. Estes eram, a bem dizer, os meios. Os fins eram: a acquisição
de novos territorios para a Ordem de Christo, da qual o Infante era o
Mestre, e consequentemente para Portugal; o desenvolvimento do commercio
maritimo; a conquista de almas para a christandade.

Iria mais longe o ideal do Infante? Pensaria já na esphericidade da
terra, no caminho por mar para a India, no aniquilamento do poder de
Veneza, na espantosa grandeza do nome portuguez? É licito suppol-o. Em
todo o caso foi da sua obra que resultaram todas essas consequencias,
foi da sua iniciativa que saíu toda a vida externa de Portugal nos
seculos XV e XVI, foi por ella que a Europa veiu a saber como era feito
o mundo, e que o mundo veiu a conhecer-se todo. E quando, morto o
Infante em 1460, se tinha chegado na costa de Africa ás proximidades da
Serra Leoa, e no Atlantico se tinham descoberto os archipelagos dos
Açores, Madeira e Cabo Verde, os successores do Navegador não tiveram
mais do que persistir no systema por elle adoptado, para chegarem por um
lado Bartholomeu Dias ao Tormentoso e Vasco da Gama á India, pelo outro
Colombo á America e Magalhães ás ilhas do Pacifico.

Resumindo: o Infante D. Henrique iniciou e deu o grande impulso ao
extraordinario movimento geographico do seculo XV; graças aos seus
esforços tornou possivel o conhecimento do mundo, até então em grande
parte velado aos olhos dos homens da Europa; pessoal e directamente
dirigiu o descobrimento da extensa porção da costa africana e das ilhas
que povoam o Atlantico septentrional; por esta fórma desenvolveu a arte
de navegar e a construcção naval; abriu novos horisontes ao commercio
portuguez; deu logar á manifestação do espirito colonisador dos nossos
antepassados; augmentou o poder da Ordem de Christo; alargou o ambito da
religião do Crucificado; n'uma palavra poz a pedra fundamental no
edificio do Portugal maritimo.

Tal foi a obra portentosa que o Infante D. Henrique realisou.

       *       *       *       *       *

Vasta é hoje, senhores, e complicada a sciencia do homem do mar. Quem
sabe a serie de disciplinas que ao presente se exigem aos officiaes de
marinha, os longos e aturados estudos de mathematicas e sciencias
physicas que para ellas são preparatorios, mal poderá imaginar a
simplicidade e rudeza dos conhecimentos de que dispunham os primeiros
navegadores. Procurando cumprir o programma que deliniei, vou tentar
resumir o muito que a este respeito haveria a dizer.

A historia dos diversos passos dados pelos Portuguezes na _arte de
navegar_ durante o periodo em que elles primaram na carreira dos mares,
póde, parece-me, dividir-se em tres principaes capitulos, que marcam
outros tantos progressos.

O primeiro mostra a adopção das cartas planas, pondo-se de parte as
geographicas. O segundo apresenta a invenção do astrolabio ou o seu
aperfeiçoamento, e com elle a determinação da latitude pela altura do
sol. O terceiro inclue a descoberta da variação da agulha e as
tentativas para por meio da sua determinação achar a longitude. Se a
isto accrescentarmos a descoberta do phenomeno dos ventos regulares e
das monções, as primeiras investigações feitas sobre as correntes
maritimas ou _rilheiros_, como lhes chama D. João de Castro, e ainda
sobre outros assumptos, facil é de ver que todas as maravilhas da
physica do mar e todos os problemas da navegação foram primordialmente
tocados pelos mareantes portuguezes. Se lhes faltou a determinação das
longitudes pela comparação das horas, prova-se por muitas passagens dos
auctores que elles não ignoravam a theoria, mas apenas careciam do
instrumento que podesse medir o tempo com a necessaria exactidão; e de
todos é bem sabido que essa delicadeza de construcção só muito
modernamente foi attingida nos chronometros, que aliás são instrumentos
sujeitos á influencia de diversas circumstancias perturbadoras.

       *       *       *       *       *

Sem remontar aos tempos anteriores á era dos descobrimentos, direi
apenas qual era o estado dos conhecimentos nauticos na epocha do Infante
D. Henrique.

Azurara, citando as invectivas do Infante contra as hesitações dos
primeiros navegantes mandados a descobrir, falla nas opiniões de «quatro
mareantes, os quaes, como são tirados da carreira de Flandres ou de
outros alguns pontos para que commummente navegam, não sabem mais ter
_agulha nem carta de marear_»[2]. Com estas breves palavras fixou
Azurara o estado dos conhecimentos de navegação no começo dos
descobrimentos. E mais de um seculo depois João de Barros escrevia: «No
tempo em que o Infante D. Henrique começou o descobrimento da Guiné,
toda a navegação dos mareantes era ao longo da costa, _levando-a sempre
por rumo_; da qual tinham suas noticias por signaes de que faziam
_roteiros_, como ainda ao presente usam em alguma maneira, e para
aquelle modo de descobrir isto bastava»[3].

Vê-se, pois, que a navegação dispunha de dois instrumentos apenas--a
_agulha_ e a _carta de marear_.

Da primeira tem sido até hoje baldado esforço dos investigadores
determinar a verdadeira origem e data de invenção. Basta que saibamos
que ella era geralmente conhecida na Europa na segunda metade da idade
media e pelo menos desde o seculo XII. Quanto ás cartas, reproducção
graphica do contorno das terras e da situação dos logares, se a idéa
d'este artificio veiu, como é certo, desde a antiguidade classica, foi
tambem só na segunda metade da idade média que ella se desenvolveu,
quando os estados mareantes do Mediterraneo recomeçaram as navegações.
Foram principalmente os Catalães e os Malhorquinos que a esse, como a
muitos outros ramos das sciencias navaes, deram impulso; ácerca d'este
assumpto póde dizer-se que o nosso visconde de Santarem, nos seus
grandiosos trabalhos sobre a prioridade dos descobrimentos dos
Portuguezes, quasi esgotou a materia.

Mas os mappas e portulanos empregados ao tempo em que o Infante D.
Henrique começou a dedicar o seu espirito aos problemas que o occupavam,
eram mais propriamente o que hoje chamâmos cartas geographicas do que
cartas hydrographicas ou maritimas. É certo, que, mal definida ainda, e
por muitos negada, a verdadeira fórma da terra, eram tambem por ventura
desconhecidas da maioria dos cartographos quaesquer das theorias das
projecções, a que hoje obedecem os diversos methodos do construcção das
cartas geographicas. Estas reduziam-se, portanto, a um debuxo levemente
approximado da realidade; mas com isto se contentava a navegação do
tempo, visto que ella se fazia quasi absolutamente á vista das costas.
Que, a bem dizer, tudo nos leva a suppôr que n'esses primeiros arreboes
da navegação moderna, os mareantes apenas applicavam a pratica das
_conhecenças_ das terras, sem se auxiliarem de qualquer conhecimento de
caracter scientifico.

Mas, começados os descobrimentos do Infante D. Henrique, e conhecida a
necessidade de dirigir o rumo para logares situados no meio do Oceano,
como as ilhas da Madeira e os Açores, viu-se que aquella navegação por
successivas _marcações_ de terras conhecidas, como hoje diriamos, não
podia servir. D'ahi surgiu a necessidade de fazer cartas que, embora não
reproduzissem com rigor as dimensões relativas das terras, permittissem,
comtudo, determinar por linhas rectas os rumos a que se devia navegar
para demandar certas paragens; e aqui temos como o Infante D. Henrique
foi levado ao uso das _cartas planas_. Durante muito tempo se affirmou
ter sido elle o seu inventor; hoje presume-se que ellas já eram
conhecidas antes do tempo do Infante; mas foi certamente dos
descobrimentos portuguezes que derivou a necessidade do seu uso e por
conseguinte o seu aperfeiçoamento. Escusado é lembrar o nome de mestre
Jacome, Malhorquino, que foi, como quem diz, o cartographo do Infante D.
Henrique.

       *       *       *       *       *

Os mareantes portuguezes «depois que quizeram navegar o descoberto,
perdendo a vista de terra e engolfando-se no pego do mar, conheceram
quantos enganos recebiam na estimativa e juizo das singraduras, que
segundo seu modo em vinte e quatro horas davam de caminho ao navio,
assim por rasão das correntes como de outros segredos que o mar tem, da
qual verdade de caminho a altura é mui certo mostrador. Porém, como a
necessidade é mestra de todas as artes, em tempo d'el-rei D. João II,
foi por elle encommendado este negocio a mestre Rodrigo e a mestre
Joseph Judeu e um Martim de Bohemia, natural d'aquellas partes, o qual
se gloriava de ser discipulo de Joanne de Monte Regio, afamado astronomo
entre os professores d'esta sciencia. Os quaes acharam esta maneira de
navegar por altura do sol, de que fizeram suas taboadas para declinação
d'elle; como ora se usa entre os navegantes já mais apuradamente do que
se começou, em que serviam uns grandes astrolabios de pau... de tres
palmos de diametro, o qual armavam em tres paus, á maneira de cabrea,
por melhorar segurar a linha solar, e mais verificada e distinctamente
poderem saber a verdadeira altura d'aquelle logar; posto que levassem
outros de latão mais pequenos, tão rusticamente começou esta arte que
tanto fructo tem dado ao navegar»[4].

Assim se exprime o Livio portuguez no logar de que ha pouco fiz outra
citação. Por estas palavras se vê que a determinação da latitude por
meio da altura do sol constitue o segundo facto importante na historia
da nossa arte de navegar. No trecho de Barros vemos indicados os nomes
dos tres mais notaveis mathematicos que D. João II consultava sobre os
assumptos de navegação; alem d'esses convem lembrar os do licenciado
Calçadilha, bispo de Vizeu, e de Diogo Ortiz, bispo de Ceuta, os quaes,
reunidos com os outros formavam a celebre _junta_ que dava parecer sobre
as mais importantes questões relativas aos descobrimentos.

Começou-se, pois, a usar o astrolabio para determinar a altura do sol. O
que fosse esse instrumento, de que tendes presente um exemplar, já muito
aperfeiçoado, do principio do seculo XVII[5], é de todos vós bem sabido;
a altura tomava-se fazendo enfiar os raios solares pelos orificios das
duas pinnulas collocadas nas extremidades da alidade (ou _declina_, como
então se dizia), e lendo depois no limbo o numero de graus; as fracções
de grau eram estimadas até um sexto, isto só pelos observadores mais
destros.

É lição corrente entre quasi todos os escriptores nacionaes, e até entre
muitos estrangeiros, a começar pelo celebre padre Fournier[6], que o
astrolabio fosse invenção portugueza da epocha de D. João II. N'estes
nossos tempos de critica rigorosa não me parece que seja licito fazer
com absoluta certeza tal asserção, pelo simples motivo de que se não
encontra a esse respeito documento positivo, e antes se sabe que já os
geographos da antiguidade dispunham de um instrumento para determinar a
altura dos astros. Mas, se o astrolabio não foi invenção portugueza,
foram com certeza Portuguezes que primeiro o applicaram no mar, e que
por isso mesmo o aperfeiçoaram para facilitar essa applicação.

Quando Vasco da Gama foi a descobrir o caminho por mar para a India,
parece que ainda levava um dos toscos e desconformes astrolabios de pau,
de que falla João de Barros, e tanto assim que, desconfiado das
indicações que elle poderia dar a bordo por causa do balanço do navio,
logo que aportou em terra africana, na bahia de Santa Helena, o seu
primeiro cuidado foi _pesar o sol_ para saber onde estava. E mais tarde,
já nos bons tempos do astrolabio de metal, todos os cosmográphos
recommendam muito que se procure o logar junto ao mastro grande, onde a
nau _dê menos balanço_.

Para provar que o astrolabio bem depressa se aperfeiçoou entre nós,
basta lembrar uma differença que no seculo XVI já era corrente entre os
astrolabios portuguezes e os estrangeiros; pois, ao passo que estes eram
graduados tendo 0° no horizonte e 90° no zenith, os nossos tinham a
graduação invertida, o que, como se vê, dava logo a distancia zenithal,
facilitando assim a _conta_, como então se dizia[7].

Alem do astrolabio, e como simplificação d'elle, havia tambem o
_quadrante nautico_, que parece ter sido invenção portugueza ou pelo
menos adaptada pelos Portuguezes ás observações no mar, visto que
escriptores estrangeiros lhe dão o qualificativo de _lusitano_.
Consistia o instrumento, como o seu nome indica, em um quarto de circulo
graduado no limbo em 90°, e tendo nas duas extremidades de um dos lados
do angulo recto duas pinnulas (_furos_), por onde se enfiava o astro; do
vertice do mesmo angulo saía um fio de prumo, o qual ía determinar na
graduação do limbo um arco igual á altura do astro. Como se vê, o
quadrante nautico fundava-se n'um theorema conhecido ácerca da igualdade
dos angulos; o seu uso era recommendado sobretudo para a observação da
lua e das estrellas, cuja luz, menos intensa que a do sol, permittia ser
affrontada directamente pela vista do observador.

Quanto á declinação do sol, era dada por tábuas, _taboadas_, como então
se dizia, das quaes as primeiras publicadas em Portugal parece terem
sido as de Abraham Zacuto, que foi chronista e astronomo, ou melhor
cosmographo, de D. Manuel, em um livro, hoje rarissimo, intitulado
_Almanach perpetuus celestius motûs_, impresso pela primeira vez em
Leiria em 1497, e do qual houve mais edições; no texto explicativo das
tábuas mostra-se o seu uso por modo mais simples do que anteriormente.
Este Zacuto era judeu portuguez, e parece que tambem tinha feito parte
da junta de mathematicos de D. João II; sendo assim, poderá dizer-se que
o seu _Almanach_ representava a sciencia astronomica da junta. Pouco
tempo depois, ao que se cuida, apparecia, já impressa em portuguez,
outra obra em que se tratava da determinação da latitude. É a traducção
do _Tratado da Spera do Mundo_ do celebre mathematico João de Holywood
em Inglaterra, de onde tomára o nome de Sacrobosco, e publicada, segundo
affirma um nosso investigador, por Alvaro da Torre, que ao mesmo tempo
publicou _O Regimento da declinação do sol_, traduzido de Zacuto por
Gaspar Nicolas, ao que parece, e o _Regimento da estrella polar_. A
edição d'esta obra attribue-se ao anno de 1519[8].

Sacrobosco e João Muller Regiomontano (outro nome alatinado, derivado de
Königsberg, patria de Muller) foram por assim dizer os Dubois e os
Norie[9] do seculo XV, se bem que com maior merecimento, se attendermos
á epocha em que viveram. Um escreveu sobre o que hoje se chama a
astronomia applicada á navegação; o outro foi o auctor dos primeiros
almanachs ou ephemerides astronomicas, de que n'esta occasião tendes
presente um exemplar de uma edição do começo do seculo XVII[10]. Ora,
assim como Gaspar Nicolas seria o primeiro traductor da obra de
Sacrobosco em portuguez, assim Abraham Zacuto, provavelmente instruido
por Martim de Behaim, seria o primeiro introductor em Portugal das
tábuas de Regiomontano.

Mas ambos aquelles estrangeiros escreviam mais para a theoria da
astronomia do que para a pratica da navegação, a qual nos seus
respectivos paizes era ainda pouca e rude. Foi, pois, em Portugal que
aquelles elementos indispensaveis da navegação astronomica começaram a
tornar-se praticos, despindo-se das concepções superiores que não
estavam ao alcance da singeleza dos pilotos da epocha.

Convem aqui dizer o que eram os _Reportorios dos tempos_, que tanto
emprego tiveram entre os mareantes do seculo XVI. Os _Reportorios_ eram
livros em que se compilavam as regras praticas da arte de navegar e se
davam as tábuas de declinação e outros elementos necessarios para a
navegação, referidos, em geral, a alguns annos a seguir ao da publicação
do livro; juntamente traziam outras indicações proprias dos actuaes
almanachs ou reportorios, e muitas que os preconceitos da astrologia,
cada vez mais desacreditada, ainda tornavam interessantes. Póde, pois,
dizer-se que, em relação á navegação, os _Reportorios dos tempos_ faziam
o serviço das actuaes _Ephemerides_ e _Almanachs nauticos_.

Uma das provas mais cabaes do muito que entre nós se trabalhou em
assumptos de navegação, é o grande numero de _Reportorios_ que se
publicaram. Disputam os bibliographos qual fosse o primeiro. Segundo as
mais recentes investigações parece que seria um, editado talvez em 1521
por Valentim Fernandes, e do qual houve diversas edições; cita-se,
porém, a lembrança de outro publicado em 1519. Estas compilações, ao
principio traduzidas do estrangeiro, foram depois ampliadas, vindo a ter
o caracter essencialmente portuguez; pela rapidez relativa com que se
succediam as edições, conclue-se o consumo que o livro tinha. D'elle
tendes presente um exemplar, de Manuel do Figueiredo, impresso em
1603[11].

Achado o meio de determinar a latitude pela altura dos astros, foi este
o modo quasi exclusivo de navegar durante o periodo das nossas gloriosas
viagens no seculo XVI. A _estima_, no sentido que hoje tem esta
expressão, não se fazia, não só por não ter chegado ainda ao campo da
pratica a resolução dos triangulos, pois que a algebra e a trigonometria
estavam na infancia, mas ainda por outra razão, qual era a falta de um
instrumento que désse com approximação a velocidade do navio. A
_barquinha_, que hoje nos parece o mais rudimentar instrumento da
navegação pratica, não estava ainda inventada, e só o foi, segundo Jal,
no começo ou talvez meado do seculo XVII, apesar de que, se me não
engano, nenhum dos nossos escriptores d'este seculo falla n'ella. Certo
é que Humboldt, citando um trecho do Pigafetta, attribue ao nosso Fernão
de Magalhães o invento de um instrumento, fundado no mesmo principio da
actual _barca patente_, para determinar o andamento do navio; mas, se
porventura o circumnavegador o empregou, o seu uso não foi generalisado.
Avaliava-se então o caminho andado só pela pratica, pelo ruido da agua
deslisando ao longo do costado do navio; e comtudo, conforme
recentemente se escreveu a respeito de Colombo, alguns mareantes tinham
tão bom habito d'essa observação, que em pouco se enganavam. Nas longas
singraduras, porém, e sobretudo se sobrevinham temporaes, os enganos
eram grandes; e das _differenças_ de estimativa entre diversos pilotos
da mesma armada estão cheias as narrativas das primeiras viagens.

Vêde, senhores, com que difficuldades luctavam então esses homens
destemidos que se chamavam Diogo Cam, Bartholomeu Dias, Vasco da Gama,
Alvares Cabral e os Corte-Reaes! As cartas faziam-n'as elles; a estima
era o que acabo de dizer; a approximação do _ponto_ determinado pelo
astrolabio podeis imaginar o que seria.

E assim se percorreu o Atlantico e se chegou ao Oriente!

       *       *       *       *       *

Foi com Pedro Nunes que a arte de navegar assumiu entre nós uma feição
verdadeiramente nacional. Até então os fundamentos scientificos das
praticas dos nossos mareantes podem dizer-se derivados de fontes
estrangeiras, se bem que já muito aperfeiçoados por Portuguezes,
sobretudo no que dizia respeito à observação dos phenomenos physicos do
Oceano, como manifestamente devia acontecer, visto que eram Portuguezes
quem mais longe n'elle navegavam. Mas com Pedro Nunes ha positiva
originalidade, e por isso o seu nome é por tal fórma notavel e
preeminente na nossa historia scientifica, que bem merece que n'elle nos
detenhamos um momento.

Nasceu o grande mathematico em Alcacer do Sal em data não averiguada ao
certo[12], sabendo-se apenas que tomou o grau de doutor em medicina na
Universidade, que então era em Lisboa, e n'ella era em 1530 lente de
_Artes_. Foi depois, em 1554, lente da nova cadeira de mathematica da
Universidade já estabelecida em Coimbra, e n'ella veiu a jubilar-se em
1562. Em 1547 fôra nomeado cosmographo-mór, sendo já anteriormente
cosmographo de D. João III. No exercicio d'essas funcções frequentou a
côrte, e assim teve occasião, como professor ou em conversas, de tratar
das questões de navegação com pessoas taes como o famoso infante D.
Luiz, irmão de D. João III, o infante D. Henrique, depois rei, o
principe D. Sebastião, o grande D. João de Castro, Martim Affonso de
Sousa e muitos outros que d'esse convivio com o mestre receberam ensino
ou augmento de conhecimentos.

A obra fundamental de Pedro Nunes em relação á arte de navegar consta de
um conjuncto de escriptos publicados em 1536, começando por uma tradução
do _Tratado da esphera_ de Sacrobosco, ampliado e corrigido, e
encerrando differentes outros trabalhos, traduções e originaes,
avultando entre estes o _Tratado em defeza da carta de marear com o
regimento da altura_[13]. Mas alem d'essas obras, Pedro Nunes escreveu e
publicou muitas outras, nas quaes tocou todas as altas questões das
mathematicas puras e applicadas á astronomia por fórma a bem merecer o
qualificativo que lhe dá Stockler de «o maior geometra que as Hespanhas
tem produzido, e incontestavelmente um dos maiores que no seculo XVI
floresceram na Europa».

Pedro Nunes foi principalmente um theorico, pois não consta que tivesse
navegado. Como, porém, era um espirito esclarecido, de uma esphera muito
elevada, as suas elucubrações nos diversos pontos da arte de navegar
produziram resultados valiosos, que depois poderam ser applicados por
homens praticos como D. João de Castro. D'esses estudos, os que mais
principalmente chamaram a sua attenção, foram o aperfeiçoamento dos
methodos para obter a latitude e a mais exacta determinação da variação
da agulha, não devendo tambem deixar-se de mencionar a sua theoria da
navegação pelo circulo maximo, que elle estabeleceu completa e perfeita.

Já sabemos que a latitude era determinada pela altura meridiana do sol
ou das estrellas e principalmente da Polar, tomada com o astrolabio ou
com o quadrante portuguez. Pedro Nunes, attendendo, porém, á
impossibilidade frequente de _apanhar o sol_ ao meio dia, e ainda á
difficuldade de determinar com exactidão a sua maxima altura por causa
da marcha vagarosa do astro quando d'ella se approxima, inventou um
apparelho denominado _instrumento de sombras_, o qual dava os elementos
para um processo destinado a obter a latitude pela observação das
alturas do sol antes e depois do meio dia. Não é aqui o logar apropriado
para explicar o processo, cuja pratica se póde ver nos _Roteiros_ de D.
João de Castro; apenas chamarei a vossa attenção para a importancia do
problema, cujo enunciado basta para dar idéa do valor scientifico de
Pedro Nunes. Lembrarei tambem que Pedro Nunes inventou o _annel
graduado_ instrumento de uso mais facil que o astrolabio, e destinado
aos mesmos fins, cujo emprego se generalisou rapidamente.

Quanto ás agulhas de marear alguma coisa mais julgo dever dizer.

Tem-se escripto e repetido que foi Christovam Colombo quem primeiro
descobriu o phenomeno da variação da agulha. Assim será, posto que no
meu espirito haja a tal respeito muita duvida. Que, se o facto fosse
verdadeiro, em nada diminuia a importancia das descobertas nauticas dos
Portuguezes, porque, senhores, a verdade é esta: Colombo foi um
navegador da escola nautica de Portugal; nem mais... nem menos.

Mas conhecida a variação, imaginou-se que ella era constante em cada
meridiano, e isto, que aliás não era exacto, deu logar a um artificio
essencialmente portuguez, que bem mostra quanto os nossos navegadores se
apressavam em aproveitar para a pratica as descobertas dos phenomenos
naturaes. Refiro-me á construcção das agulhas portuguezas no principio
do seculo XVI, as quaes tinham «os ferros aos dois terços da quarta de
nordestear»; quer dizer, que se corrigia ou compensava a variação
nordeste, que então o era, collocando a agulha em um angulo com a linha
norte-sul da rosa igual a essa variação. _Nordestear_ significava, como
vêdes, ser a variação oriental; _noroestear_ significava o contrario;
são expressões que reputo essencialmente portuguezas. E aqui temos como
o problema da compensação das agulhas, ainda hoje tão incompletamente
resolvido, foram Portuguezes os primeiros que o atacaram!

É claro que essas agulhas assim compensadas só podiam servir na
navegação ao longo da costa de Africa, onde então a variação era
nordeste e tinha approximadamente a grandeza que se julgava; póde bem
imaginar-se que fóra d'aquella navegação, feita quasi pelo mesmo
meridiano, as indicações das agulhas haviam de ser erroneas. Outra causa
concorria para esses erros, e era a propria rudeza da fabricação. As
primitivas agulhas portuguezas tinham verdadeiramente a fórma de uma
grande agulha de alfayate, e eram fabricadas de ferro e não de aço; em
cada extremidade havia duas pontas, e eram estas que se _cevavam_, isto
é, que se tocavam com a pedra iman. Por este processo rudimentar era de
pequena intensidade a força magnetica das agulhas; d'ahi a necessidade
de as _cevar_ frequentes vezes, operação considerada a mais mysteriosa e
sublime que os pilotos tinham de realisar durante a navegação.

Ora bem depressa foi reconhecido não só que a variação mudava com o
decorrer do tempo, mas ainda que ella variava para os differentes
logares da terra, e por isso Pedro Nunes, reprovando o uso das agulhas
que chamaremos compensadas, inventou novos methodos para determinar a
variação, os quaes D. João de Castro foi encarregado de experimentar nas
suas viagens. Foi d'essas experiencias, feitas por um homem altamente
apto para as realisar, que resultaram grandes progressos no conhecimento
das leis do magnetismo, e entre elles a descoberta do phenomeno do
desvio local, ácerca do qual não posso furtar-me ao prazer de citar o
respectivo trecho do Castro. «Este dia, mandando vir algumas agulhas
para as cotejar com o instrumento, achei-as tão desconcertadas que foi
cousa espantosa, porque onde uma fazia o leste, a outra mostrava o
norte. Isto me teve muito suspenso, até que entendi a causa, e foi um
berço (peça de artilheria) que estava no mesmo logar onde eu queria
fazer as operações, o ferro do qual berço chamava a si as agulhas e as
fazia desvairar d'esta maneira; do que tirei que uma operação que fiz a
30 de junho... a qual achei que me vinha muito desconcertada, e assim
algumas outras... onde achei notaveis differenças, que foi por as fazer
perto de onde estava alguma peça de artilheria, ancoras, ou qualquer
outro ferro, como me passava a todas as partes da nau, buscando logar
conveniente a esta obra[14]».

E aqui, senhores, permitti-me que interrompa o fio da narrativa para vos
repetir uma consideração já tantas vezes feita. Os Portuguezes foram
excellentes em muitos ramos das sciencias. Os nomes dos nossos sabios
que as honraram, foram por vezes conhecidos lá fóra. Mas quantas foram
elles desprezados, e os seus trabalhos ignorados ou postos acintemente
de parte! Assim aconteceu com Pedro Nunes, que tendo inventado o
conhecido _nonnio_, que de seu auctor tirou o nome, vemos por toda a
parte attribuido o invento a um estrangeiro. Assim com tantas outras
invenções ou descobertas, como esta do desvio local das agulhas, a qual
pertencendo, como acabaes de ver, ao nosso Castro, é por todos referida
a outro estrangeiro[15]!

       *       *       *       *       *

O phenomeno da variação da agulha deu muito que pensar aos nossos
mareantes, e originou uma idéa, que por muito tempo occupou o espirito
tanto dos theoricos como dos praticos.

Como já tive occasião de lembrar, a maior difficuldade da navegação
d'aquelles tempos era a determinação da longitude ou da _longura_, como
se dizia ainda no seculo XVI, por opposição a _ladeza_ ou _altura_,
synonimo de latitude. Um dos methodos scientificos mais rigorosos era
sem duvida a observação dos eclipses; conhecida a hora em que o
phenomeno se dave sob certo meridiano, e determinada a hora em que elle
fosse observado no meridiano do logar, a differença do tempo reduzida a
graus daria a longitude. Mas, alem de que o phenomeno, pela sua pouca
frequencia, não podia servir para as necessidades da navegação, a grande
difficuldade estava em determinar a hora do logar com uma approximação
que désse resultados praticos. O processo empregado consistia em
determinar bem o meio dia pela altura maxima do sol, e desde então em
diante ir virando _relogios_, isto é, ampulhetas d'areia, até ao momento
do eclipse. Basta dizer isto para mostrar a rudeza da operação;
succedendo alem d'isso que a imperfeição das ampulhetas, as quaes eram
de meia hora, dava logar ás mais extraordinarias differenças entre
ellas.

Por isso os navegadores serviam-se pela maior parte de indicações
tiradas da pratica, e entre estas, quando se achavam proximos de terra
(que era o momento mais para receiar) da observação das diversas
especies de sargassos e algas, peixes, e sobretudo de aves, que lhes
appareciam, taes como entenaes, feijões, mangas de veludo, gaivotões,
borrelhos, calcamares, rabi-forcados, garajaos e garajinhas, e outros de
que, nos falla o bom Pimentel, não esquecendo os cagalhos que pela
singularidade do nome não percam. Já se vê que os nossos mareantes
precisavam de ter um curso completo de ornithologia.

Ora, todas estas difficuldades pareceram desapparecer quando se começou
a attender no phenomeno da variação da agulha. Suppoz-se que esta em
determinados meridianos _feria directamente o polo do mundo_, e depois
ía nordesteando ou noroesteando até chegar a um ponto onde o augmento da
variação cessava, passando então a diminuir para depois chegar a outro
meridiano onde a variação era igual a zero. Sendo isto assim e havendo
constancia no phenomeno, se se podesse conhecer quaes os meridianos sem
variação, e qual a regra do seu augmento e diminuição de um a outro
d'esses meridianos, bastaria determinar a variação do logar para por
ella se conhecer a longitude, praticando assim a _arte de leste a
oeste_, como então se dizia.

Tal era a theoria. Segundo os pilotos portuguezes do seculo XVI, a
agulha era _fixa_, isto é, não tinha variação alguma, em quatro pontos:
no meridiano a oeste da ilha do Corvo, no Cabo das Agulhas (que d'esse
facto tirou o nome), na Pedra Branca junto a Malacca, e em Carthagena na
America.

Com estes dados trabalharam muito investigadores, entre elles um Filippe
de Guilhem, castelhano, a quem o nosso D. Manuel deu uma tença e o
habito de Christo, apesar de ser a sua doutrina refutada pelo portuguez
Simão Rodrigues, e um italiano domiciliado em Portugal, o jesuita
Christovam Bruno ou Borro, a quem a fatalidade do appellido fez que
escriptores estrangeiros transformassem em Burro, o que elle decerto não
merecia. Este trabalhou muito no assumpto, indo de proposito á India
para fazer observações durante a viagem; formou um mappa com as linhas
magneticas ou isogonicas, como hoje diriamos; e foi a Madrid solicitar
do Filippe, que então reinava, o premio de 50:000 cruzados proposto para
quem resolvesse o problema; não o obteve. Tão notaveis talvez como o
Bruno, ainda que menos conhecidos, tinham sido os portuguezes Luiz da
Fonseca Coutinho e Gaspar do Couto, que muito se dedicaram a este estudo
no principio do seculo XVII. Couto foi mandado á India em 1608 na
esquadra em que ía o conde da Feira, nomeado vice-rei, e levava
minuciosas instrucções, ou _regimento_, como então se dizia, para fazer
um roteiro, observações astronomicas e sobretudo as relativas á
agulha[16]. Citarei finalmente o nome do nosso Antonio de Mariz
Carneiro, que foi cosmographo-mór nos ultimos annos da dominação
castelhana, o qual tanto scismou no caso que mereceu aos seus
contemporaneos a alcunha de _O Agulha fixa_; e ainda os de Jeronymo
Osorio da Fonseca e José de Moura Lobo, que no tempo de D. João IV
trabalharam no problema.

A theoria era errada, como hoje sabemos, pois as linhas isogonicas nem
coincidem com os meridianos terrestres, nem são constantes no tempo. Mas
o pensar-se n'ella mostra cabalmente que os Portuguezes procuravam
resolver os problemas do mar do melhor modo possivel.

E comtudo, convem dizer, parece que Pedro Nunes não dava muito credito á
hypothese, o que mais uma vez prova a superioridade d'aquelle grande
espirito.

Nós que sabemos a quasi superstição com que os marinheiros ainda hoje
contemplam a agulha, o respeito com que a tratam, a afflicção que por
vezes se apossa d'elles quando a vêem endoidecer em occasião de grandes
balanços, bem podemos imaginar o que seria n'essas epochas de rudes
conhecimentos, em que da agulha tudo se esperava, e dos seus desvarios
tudo se temia. E, lançando um ultimo olhar de respeito a esses esforços
da intelligencia nautica dos nossos antecessores, nós para quem hoje a
navegação parece um brinco, tantas são as facilidades dos processos
modernos, tão exactas as approximações a que podemos chegar nos
calculos, lembremo-nos de que ainda ao presente a determinação da
variação e sobretudo do desvio é, porventura, o maior cuidado do
navegador.

       *       *       *       *       *

Muito mais poderia dizer-vos, senhores, ácerca da arte de navegar
portugueza, para vos mostrar á saciedade como se progrediu immensamente
desde os escassos conhecimentos dos mareantes do Infante até aos fins do
seculo XVI. Teria que fallar ainda do successivo aperfeiçoamento das
cartas, do _tronco das leguas_, destinado a corrigir o inconveniente da
equidistancia dos parallelos, como podereis ver na carta do Atlantico,
de Gaspar Viegas, que tendes presente[17], do uso da _balestilha_, que
parece remontar entre nós aos fins d'aquelle seculo, dos processos de
sondar, dos levantamentos das costas e barras, da determinação dos
ventos geraes e das correntes, das differentes derrotas para a India
_por dentro ou por fóra_ da ilha de S. Lourenço, da famosa questão de
Molucas que tanto agitou os theoricos e praticos do tempo de D. João
III, de muitos e variados pontos que todos concorreriam para confirmar a
minha these[18].

Mas baste o que já tenho dito. O tempo corre, e, tendo fallado tanto da
arte de navegar, é bem que diga alguma cousa a respeito dos que a
praticaram.

       *       *       *       *       *

Quando o Infante D. Henrique começou a mandar _a descobrir_, empregou
n'esse serviço homens que, á dedicação pelas novas idéas e aos desejos
de bem merecer, juntavam conhecimentos das diversas partes da marinharia
e por conseguinte da _arte de navegar_. Póde, pois, suppôr-se que
Gonçalves Zarco, Tristão Vaz, Gil Eannes, Baldaya, Nuno Tristão, Gonçalo
de Cintra, e tantos outros, eram ao mesmo tempo _commandantes_ dos
navios para os fins politicos dos descobrimentos e seus _pilotos_ para
fazerem a derrota e _arrumarem_ as novas terras.

Mais, tarde, porém, e sobretudo a datar da viagem de Bartholomeu Dias,
começa a historia a individualisar os nomes dos pilotos que d'aquelle
segundo serviço eram especialmente encarregados nas expedições
maritimas. Depois, quando a carreira da India passou a ser annualmente
frequentada pelas armadas, quando, attingido o objectivo no Oriente e no
Atlantico, se tratou mais da conquista que do descobrimento, os capitães
das naus e os capitães-móres das armadas eram por via de regra tirados
de entre os filhos da nobreza, a quem se queria adiantar em fortuna,
posto que quasi sempre depois de já terem dado provas de valor militar e
saber politico, ou nos serviços da metropole ou na defeza das praças de
Africa. Succedia então que aquelles chefes, por vezes, ignoravam os
rudimentos da manobra e da arte de navegar, e por isso estes serviços,
até certo ponto reputados inferiores em comparação com o nobre exercicio
das armas, eram das attribuições exclusivas dos mestres e pilotos.

D'estes embarcavam ordinariamente n'uma nau de carreira um piloto, um
sota-piloto, por vezes um piloto de sobresalente. Nas armadas havia
quasi sempre um piloto-mór, que embarcava na capitania. E, alem de todos
esses, havia frequentes vezes em cada navio um ou mais marinheiros que
_carteavam_, provavelmente homens que se preparavam para passar a
pilotos, _praticantes_, como hoje se diria; assim na nau _Grypho_, que
D. João de Castro commandava quando foi pela primeira vez á India,
havia, incluindo o capitão, nove pessoas capazes de tomar alturas.

Ora é facil de imaginar que nos navios, cujos chefes não soubessem de
navegação, se daria toda a importancia aos pilotos; estes, porém,
creados pela maior parte desde pagens na vida do mar (e era assim que
Diogo do Couto os reputava melhores), se tinham por isso toda a pratica
proveniente de tão continuadas viagens, eram quasi sempre baldos de
fundamentos scientificos, ainda mesmo dos tão simples da sua epocha. Com
as _regras do sol_ e as menções dos _Roteiros_ ou das _apostilhas_ que
passavam de mão em mão, iam e vinham elles da India, contando por nova
palma de triumpho cada viagem que faziam. É claro, pois, que a sua
sciencia era em geral muito limitada, e por isso pouco fundada a
jactancia com que se ufanavam, e que Pedro Nunes, D. João de Castro e
outros tanto censuram nos seus escriptos. Essa jactancia dava por vezes
origem a desagradaveis contendas entre elles e os capitães, e tanto que,
para as evitar, no reinado de D. Sebastião se estabeleceu a multa de
trezentos cruzados ao capitão que injuriasse piloto. E a este respeito
conta Diogo do Couto a anedocta de um capitão de nau, Pereira Pestana, o
qual, trazendo um dos taes pilotos fanfarrões e teimosos, já farto de o
aturar, um dia atou uma bolsa com os trezentos cruzados a uma meia
lança, e depois o foi convidando com a arma assim enfeitada[19].

Mas apesar de tudo, apesar dos erros e teimosias de alguns pilotos terem
sido a causa provada do lastimosos naufragios, não devemos esquecer
quantos serviços se devem a esses homens que em tão dilatadas navegações
não tinham para determinar o ponto os elementos de que hoje se dispõe.
Registemos, pois, os nomes de Pedro d'Alemquer, Alvaro Martins e João do
Santiago, pilotos da expedição de Bartholomeu Dias; os de João de
Coimbra e Pedro de Escobar, que com o mesmo Pedro d'Alemquer foram com
Vasco da Gama á India na primeira viagem, e que aliás não mostraram
muita coragem, se é verdadeira a narrativa de Gaspar Corrêa; o de Pedro
Vaz de Caminha que foi na viagem de Cabral; e sobretudo o do famoso
Vicente Rodrigues, piloto-mór da India, que fez um Roteiro e se applicou
muito ao problema da variação da agulha, e ainda o de Gaspar Reimão, que
tambem fez um Roteiro.

Nem sempre, porém, os commandantes estavam n'aquellas circumstancias que
acima indiquei. Frequentes vezes individuos que a bordo desempenhavam
cargos mais elevados que o de mestre ou piloto, tinham conhecimentos
completos de marinharia. Então, se uma nau ou uma armada acertava de ter
por commandante um d'esses homens, o papel do piloto tornava-se
secundario, e era o capitão que fazia a navegação. Homens taes, reunindo
ao poder militar e politico, exercido com saber superior, o conhecimento
da manobra e da nautica, eram verdadeiramente o que hoje se entende pela
denominação de--officiaes de marinha--. Assim o foram Vasco da Gama,
Duarte Pacheco, Fernão de Magalhães, D. João de Castro, Martim Affonso
de Sousa, Antonio Galvão, Diogo Botelho Pereira, Diogo do Sá, D. Manuel
de Menezes e tantos outros.

De D. João de Castro principalmente pouco é tudo quanto em seu louvor se
diga. Militar destemido, chefe generoso, administrador honradissimo,
erudito de primeira plana, foi sobretudo um verdadeiro homem do mar!
Tinha a sciencia e a consciencia, a perspicacia na observação, a pericia
na manobra, aquelle sexto sentido tão celebrado como a mais superior
qualidade do marinheiro. Os seus tres _Roteiros_ são tres maravilhas do
engenho humano; quanto mais se estudam, mais se encontram n'elles
motivos para admiração, tanta é a luz que irradia d'aquellas paginas,
onde não ha segredo do mar, portento da terra ou meteoro do céu, que não
seja descripto e para o qual se não procure cabal explicação. Se o
Infante D. Henrique é o nome prestigioso que preside a todos estes
trabalhos, se o dr. Pedro Nunes é o theorico eminente, mestre dilecto e
respeitoso que nos _Roteiros_ a cada momento se relembra, o nome de D.
João de Castro, do infatigavel capitão da nau _Grypho_ e do galeão
_Coulão Novo_, é decerto o do portuguez do seculo XVI que mais
nobremente praticou a arte de navegar.

       *       *       *       *       *

E já que mais de uma vez tenho fallado em _Roteiros_, convem dizer uma
distincção que deve ser feita no emprego d'esta palavra nos seculos
anteriores.

Ao principio o roteiro era o trabalho do navegador escripto dia a dia,
mencionando a _rota_, isto é, o caminho andado, e no qual se consignava
não só a parte nautica da viagem com o resumo das observações
astronomicas e dos calculos, as sondas e as outras indicações proprias
da navegação, como ainda e muito principalmente as peripecias da
expedição, os desembarques, a descripção das terras visitadas e dos
costumes dos seus habitantes, por vezes o debuxo da sua apparencia em
planta ou em perspectiva, e a narrativa dos combates ou dos negocios
realisados, n'uma palavra as _novidades_. Estes roteiros eram, pois,
propriamente a _derrota_ ou antes o _relatorio_ da viagem, segundo a
nomenclatura actual; e assim eram os famosos _Roteiros_ de D. João de
Castro e tantos outros que se têem publicado, alem de muitos que
provavelmente se perderam ou que se acham ineditos[20].

Só mais tarde é que se começou a escrever _Roteiros_ na outra accepção
do termo, unica que elle hoje tem. Esses então consistiam nas indicações
para se navegar em demanda de determinadas paragens, marcando as
melhores epochas, os accidentes physicos que em cada uma d'ellas se
encontravam, as precauções a tomar, o modo de buscar a terra, as
conhecenças d'ella; d'esta especie de roteiros, evidentemente derivada
da primeira, alguns haveria ao principio manuscriptos que servissem para
uso dos pilotos; depois imprimiram-se e passaram a ter mais frequente
emprego. Creio que o primeiro Roteiro impresso foi um de Manuel do
Figueiredo, publicado em 1609.

       *       *       *       *       *

N'esta desalinhavada serie de apontamentos ácerca da arte de navegar dos
Portuguezes teria de certo logar opportuno a indicação do ensino
official da pilotagem. Só este ponto fornecia materia para interessantes
observações; mas o tempo vae passando, tem-se já voltado alguns
_relogios_, como se dizia no seculo XVI, e por isso apenas fallarei
muito a correr na instituição do _cosmographo-mór_.

Vimos que Pedro Nunes, sendo já cosmographo de D. João III, foi em 1547
_accrescentado_ no officio de cosmographo-mór. Desde então até ao fim do
seculo passado houve sempre em Portugal um technico encarregado de
desempenhar esse logar. A elle pertencia a superintendencia em tudo o
que dissesse respeito á navegação, e mais tarde a regencia da aula de
nautica, bem como o exame dos pilotos e a concessão dos respectivos
diplomas. Era esta ultima parte das suas attribuições a que lhe dava
maiores proventos, derivados das respectivas propinas; mas alem d'isso o
cosmographo-mór tinha ordenado certo, que para o dr. Pedro Nunes foi
fixado em 50$000 réis annuaes, e que no meiado do seculo XVIII era de
400$000 réis. Para apreciar o valor d'estas quantias devemos lembrar-nos
que no fim d'sse mesmo seculo (1790) o soldo de um capitão de mar e
guerra era de 30$000 réis mensaes em terra e réis 45$000 embarcado.

Depois de Pedro Nunes exerceram successivamente o cargo de
cosmographo-mór: Thomaz da Orta, de 1582 a 1596; João Baptista Lavanha,
de 1596 a 1608, escreveu o _Regimento nautico_; Manuel de Figueiredo, já
citado, de 1608 a 1623; Valentim de Sá, nomeado em 1623 e que escreveu o
_Regimento de navegar_; Luiz Teixeira que navegou muito; o distincto
general de mar D. Manuel de Menezes, que alguns dizem ter succedido a
Figueiredo; Antonio de Mariz Carneiro, de 1631 a 1647; este escreveu o
_Regimento de Pilotos_ e o _Roteiro da India Oriental_, e foi
cognominado _O Agulha fixa_, pelo muito que trabalhou na determinação da
variação da agulha, como já disse.

A Antonio de Mariz segue-se a dynastia dos Pimenteis, nome bem conhecido
de todos nós. O primeiro foi Luiz Serrão Pimentel, que exerceu o cargo
de cosmographo-mór desde 1647 até 1687, e escreveu _Roteiros_ e a _Arte
pratica de navegar_, publicada por seu filho. Este foi Manuel Pimentel
que teve o officio desde 1687 até 1723, publicando em 1712 a sua _Arte
de navegar_, na qual já se ensina a carteação das milhas pelas tábuas
dos senos, tangentes e secantes, ou resolvida graphicamente pelo emprego
do quadrante ou _quarto de reducção_. Succedeu-lhe em 1723 seu filho
Luiz Francisco Pimentel; e finalmente foi o quarto Pimentel, e ultimo
cosmographo-mór, Francisco Serrão Pimentel da Silva Paes, que veiu a
morrer em 1832.

O que fosse a aula do cosmographo-mór nos ultimos tempos póde avaliar-se
por esta citação de Stockler: «Toda a sciencia que na aula se ensinava,
se reduzia ao conhecimento da esphera e dos diversos meios graphicos e
trigonometricos de determinar no mar a situação do navio pela derrota
estimada, isto é, pela medida da velocidade avaliada pela barquinha,
pelo angulo de rumo determinado pela agulha de marear, e pela mais
grosseira e arbitraria estima do abatimento. Esta imperfeitissima
derrota apenas se ensinava a corrigir pela latitude derivada da
observação da altura meridiana do sol... A variação da agulha magnetica
apenas se ensinava a determinar pela observação da amplitude ortiva ou
occidua do sol, reputando-se por sublimidade, a que nem todos podiam
chegar, o determinal-a pela observação do angulo azimuthal; segredo que
só se communicava a algum discipulo de grande esperança[21].»

Mas surgiu n'essa epocha o vulto eminente de Martinho de Mello, o
edificador da nossa marinha moderna, o fundador d'esse conjunto
magnifico de instituições que, quanto mais se estudam, mais se admiram.
Por isso Martinho de Mello em 1779, «determinando dar ao ensino da arte
de navegação uma nova fórma differente d'aquella que até agora se acha
estabecida,» _alliviou_ Serrão Pimentel do exercicio de cosmographo-mór,
conservando-lhe, porém, os vencimentos, e nomeou o professor Miguel
António Ciera para _lente da aula de pilotos_.

Estamos n'uma era nova, em epocha quasi contemporanea. No mesmo anno de
1779 é instituida a Academia Real de Marinha, a antecessora da Escola
Polytechnica; em 1796 organisa-se a Academia Real dos Guardas-Marinhas,
transformada depois na nossa Escola Naval; em 1798 funda-se o Real
Observatorio de Marinha. A instrucção naval entra então em moldes
modernos: a _arte de navegar_ passa a ser verdadeiramente uma sciencia;
os nossos officiaes collocam-se a par dos mais distinctos das nações
estrangeiras; é o apogeu da _marinha de guerra_ portugueza no sentido
actual da expressão[22].

       *       *       *       *       *

_Tocaram oito ampulhetas_, é chegado o momento, sempre ditoso, de
entregar o quarto.... e já ora tempo, senhores, de cessar de abusar da
vossa attenção. Vou, pois, terminar.

Em alguns escriptores, quiçá com mais curiosidade indiscreta do que com
verdadeira critica proveitosa, se encontra posto o problema do que teria
sido, se taes e taes factos historicos se não tivessem dado, ou
houvessem succedido por modo differente. Poderiamos nós tambem
perguntar: O que seria de Portugal, se o Infante D. Henrique não se
tivesse dedicado ao problema dos descobrimentos? O que seria da Europa
se, meiado o seculo XV, um principe do pequeno reino portuguez não
pensasse em alargar para o occidente e para o sul os ambitos da sua
nação?

A taes perguntas cada qual poderá responder a seu talante. Ninguem de
certo ousará affirmar que ainda hoje estivessemos limitados ao mundo
conhecido dos antigos. Mas por quanto tempo se demorariam ainda os
descobrimentos? Não viria a realisar-se o que, segundo vemos nos
_Commentarios de Affonso de Albuquerque_, por pouco esteve para
succeder, que, em vez de serem europeus que demandassem as plagas
orientaes, fossem homens da India que viessem ao longo da costa africana
a descobrir-nos?[23]

E se Portugal se não lançasse no caminho do desconhecido e não
conquistasse assim para si gloria e poder tão grandes que lhe deram jus
a uma vida independente, não estaria elle já de ha muito absorvido na
unidade peninsular, tantas vezes tentada e sempre repellida?

Gloria, pois, ao inclito D. Henrique, ao prestigioso Infante, que abriu
aos nossos antecessores o caminho dos mares, e nos permittiu a nós,
Portuguezes e marinheiros de hoje, vivermos livres á sombra da bandeira
das quinas, symbolo amado da nossa tão querida patria.

_Entreguei_.



BIBLIOGRAPHIA

LISTA DOS PRINCIPAES TRABALHOS IMPRESSOS, RELATIVOS Á «ARTE DE NAVEGAR
DOS PORTUGUEZES» DESDE OS PRIMEIROS TEMPOS ATÉ Á EXTINCÇÃO DA «AULA DO
COSMOGRAPHO-MÓR» EM 1779



TRATADISTAS


*Duarte Pacheco Pereira*, _Esmeraldo de situ orbis_. Começa por noções
geraes de cosmographia, esphera e navegação, e segue a descripção
geographica e roteiro dos descobrimentos. Escripto em 1505? Publicado em
1892, Lisboa.


*Gaspar Nicolas*? _Tratado da Spera do m[~u]do tirada de latim em
lingoagem portugues com h[~u]a carta... Seguese ho regimento da
declinaçom do sol... com ho regimento da estrella do norte_. (A carta é
traduzida por Alvaro da Torre.) Lisboa, impresso por Germão Galhard,
1519?


*Pedro Nunes*, _Tratado da Sphera_, etc. (Veja-se nota 1, pag. 23).
Lisboa, 1536.

----, _De arte atque ratione navigandi, libri duo_. 1.^a edição,
Coimbra, 1546; 2.^a edição, Coimbra, 1573; outra edição com o titulo de
_Opera quae complectuntur_, etc. Basilea, 1566. Houve mais edições.


A 1.^a edição mencionada, de Coimbra, é apontada por Barbosa, Ribeiro
dos Santos, Innocencio e outros; não consegui, porém, ver um exemplar
d'ella, ao passo que são frequentes os da 2.^a edição, 1573, em cujo
prologo o editor (Antonio de Mariz) censura os erros das anteriores
edições d'esta obra de Pedro Nunes, sem comtudo as designar
explicitamente. Parece, pois, que aquelles bibliographos fizeram alguma
confusão.


*Diogo de Sá*, _De navigatione_. París, 1549.


*João Baptista Lavanha*, _Regimento nautico_. 1.^a edição, Lisboa, 1595.


*Simão de Oliveira*, _Arte de navegar_. Lisboa. 1606.


*Manuel de Figueiredo*, _Chronographia_, etc. (Veja-se adiante.)

----, _Hydrographia, exame de pilotos, no qual se contem as regras que
todo o piloto deve guardar nas suas navegações_, etc. Lisboa, 1642. Traz
tambem um roteiro, adiante mencionado.


*Valentim de Sá*, _Regimento de navegação_, etc. Lisboa, 1624.


*Antonio de Najera*, _Navegacion especulativa e pratica_, etc. Lisboa,
1628.--Incluo este tratadista entre os auctores portuguezes, porque elle
se declara terminantemente _lusitano, natural de Lisboa_ (e isto no
tempo da dominação dos Filippes), diz que saíu da _sua patria_ para
percorrer a Hespanha, e desculpa-se de escrever o seu livro em
castelhano, por ser esta lingua conhecida em toda a monarchia. A obra de
Najera é a mais completa e clara das publicadas até ao seu tempo; cita
frequentes vezes Pedro Nunes e as praticas dos Portuguezes; e sempre que
vem a proposito, mostra os erros de Rodrigo Samorano e Garcia de
Cespedes, os dois tratadistas de navegação ao tempo mais conceituados em
Hespanha.


*Antonio de Mariz Carneiro*, _Arte pratica de navegar e roteiro das
navegações das Indias orientaes_. Lisboa, 1642. Teve mais edições.


*Luiz Serrão Pimentel*, _Arte pratica de navegar e regimento de
pilotos_, etc. Lisboa, 1681. É obra posthuma, publicada por seu filho
Manuel Pimentel.


*Antonio Carvalho da Costa*, _Via astronomica_. 1.^a parte, Lisboa,
1676; 2.^a parte, Lisboa, 1677. N'esta se contém: 1.^o tratado: _Da
navegação_.

----, _Compendio geographico... construcção de mappas e fabrica das
cartas hydrographicas_, etc. Lisboa, 1686.


*Manuel Pimentel*, _Arte pratica de navegar e roteiro das viagens_, etc.
Lisboa, 1699. É 2.^a edição da obra de seu pae, Luiz Serrão Pimentel.

----, _Arte de navegar em que se ensinam as regras praticas e o modo de
cartear pela carta plana e reduzida_, etc. Lisboa, 1712.



ALMANACHS, REPORTORIOS, ETC.


*Abraham Zacuto*, _Almanach perpetuus celestius motûs astronomi Zacuti,
cujus radix est 1473_. Leiria, 1496. É a traducção do hebraico em latim,
feita por José Visinho, e impressa por mestre Ortas. Conhecem-se tres
exemplares: um na Bibliotheca Nacional de Lisboa, outro na bibliotheca
de Evora, e o terceiro na Colombiana de Sevilha.


*Valentim Fernandes*, _Reportorio dos t[~e]pos em lingoag[~e]
portugues... e a declinaçom do sol com seu regimento_, etc. 1.^a edição,
1521? Teve mais edições.


*André de Avellar*, _Reportorio dos tempos, o mais copioso que até agora
saíu á luz, conforme a nova reformação do Santo Padre Gregorio XIII_,
Lisboa, 1585. Teve, pelo menos, mais quatro edições: Lisboa, 1590;
Coimbra, 1590; Lisboa, 1594 com o titulo de _Chronographia ou Reportorio
dos tempos_, etc.; Lisboa, 1602, com o mesmo titulo.


*Manuel de Figueiredo*, _Chronographia, reportorio dos tempos, no qual
se contem seis partes_, etc. Lisboa, 1603.


*Boaventura Soares*, _Lunario de um siglo_. Lisboa, 1748.



ROTEIROS


*Alvaro Velho*? _Roteiro da viagem de Vasco da Gama em 1497_. Publicado
pela primeira vez por Diogo Kopke e Antonio da Costa Paiva, Porto, 1838;
2.^a edição, por Alexandre Herculano e o barão do Castello Paiva (o
mesmo Paiva da 1.^a), Lisboa, 1861.


_Livro de Duarte Barbosa, escrito em 1516_; _Navegação ás Indias
Orientaes, por Thomé Lopes_; _Navegação do capitão Pedro Alvares
Cabral_; _Navegação de Lisboa á ilha de S. Thomé, por um piloto
portuguez_. No tomo II da _Collecção de noticias para a historia e
geographia das nações ultramarinas que vivem nos dominios portuguezes_.
Lisboa, Ac. R. Sc. 1812.


_Carta de Pedro Vaz de Caminha a el-rei D. Manuel_; _Roteiro da viagem
de Fernão de Magalhães_. Ibid., tomo IV, Lisboa, 1826.


*Pedro Lopes de Sousa*, _Diario de navegação de Martim Affonso de
Sousa_, publicado pela primeira vez por Francisco Adolpho de Varnhagen,
Lisboa, 1839.


*D. João de Castro*, _Roteiro de Lisboa a Goa_, viagem realisada em
1538. Publicado em Lisboa, 1882, por Andrade Corvo, com numerosas
annotações e um appendice sobre as _Linhas isogonicas no seculo XVI_.

----, _Roteiro de Goa a Diu_, viagem realisada em 1538-1539. Publicado
no Porto, 1843, por Diogo Kopke.


*D. João de Castro*, _Roteiro da viagem... em 1541, partindo... de Goa
até Suez_, etc. Publicado pelo dr. Antonio Nunes de Carvalho, París,
1833.


*Manuel de Figueiredo*, _Roteiro e navegação das Indias Occidentaes,
ilhas Antilhas e mar Oceano occidental_, etc. Lisboa, 1609.


*Gaspar Ferreira Reimão*, _Roteiro da navegação e carreira da India
tirado de... Vicente Rodrigues e Affonso Dioguo_. Lisboa, 1612.


*Antonio de Mariz Carneiro*, _Roteiro_, etc, acima indicado.


*Luiz Serrão Pimentel*, _Roteiro do mar Mediterraneo_, etc. Lisboa,
1675.

----, _Roteiros das navegações das conquistas de Portugal e Castella_,
na _Arte pratica de navegar_, acima indicada.


*Manuel de Mesquita Perestrello*, _Roteiro dos portos, alturas, etc,
desde o Cabo da Boa Esperança até ao das Correntes_. Saíu na obra de
Serrão Pimentel, acima indicada.

Nos _Annaes maritimos e coloniaes_, Lisboa, 1840-1846, vem alguns
roteiros e indicações de navegações.

Na Collecção intitulada _Alguns documentos do Archivo Nacional da Torre
do Tombo ácerca das navegações e conquistas portuguezas_, Lisboa, 1892,
inserem-se diversas cartas, relações de viagens e outros escriptos
importantes para a historia da arte de navegar portugueza.



TRABALHOS HISTORICOS E CRITICOS


*Antonio Ribeiro dos Santos*, _Memoria da vida e escriptos de D.
Francisco de Mello_. Memorias de litteratura portugueza da Academia Real
das Sciencias, Lisboa, tomo VII, 1806.

----, _Memoria da vida e escriptos de Pedro Nunes_. Ibid., ibid.

----, _Memorias historicas sobre alguns mathematicos portuguezes e
estrangeiros domiciliarios em Portugal ou nas conquistas_. Ibid., tomo
VIII, 1812.

----, _Da antiguidade da observação dos astros_. Historia e memorias da
Academia Real das Sciencias. Lisboa, 1817, tomo V, parte I.


*Sebastião Francisco Mendo Trigoso*, _Memoria sobre Martim de Bohemia_.
Memorias de litteratura da Academia, tomo VIII.


*Francisco de Borja Garção Stockler*, _Ensaio historico sobre a origem e
progressos das mathematicas em Portugal_. París, 1819.

*Ignacio da Costa Quintella*, _Annaes da marinha portugueza_. Lisboa,
1839 e 1840.

*Visconde de Santarem*, _Memoria sobre a prioridade dos descobrimentos
dos Portuguezes_, etc. París, 1841. Foi depois traduzida em francez e
ampliada com o titulo de _Recherches_, etc. París, 1841.

----, _Essai sur l'histoire de la cosmographie et de la cartographie_,
com o magnifico atlas. París, 1849-1852.


*José Silvestre Ribeiro*, _Historia dos estabelecimentos scientificos...
de Portugal_. Lisboa, 1872, volume II e outros.


*Marquez de Sousa Holstein*, _A escola de Sagres e as tradições do
Infante D. Henrique_. Lisboa, 1877.


*Luciano Cordeiro*, _De como navegavam os Portuguezes no começo do
seculo XVI_. _No Boletim da Sociedade de Geographia de Lisboa_, 4.^a
serie, 1883.


*Sousa Viterbo*, _Trabalhos nauticos dos Portuguezes nos seculos XVI e
XVII_. Ibid., 9.^a serie, 1890.

----, _Trabalhos nauticos_, etc. 2.^a serie. No numero do _Instituto_,
de Coimbra, dedicado á commemoração do Centenario, 1894.


*Latino Coelho*, _Vasco da Gama_. Lisboa, 1882.


*Manuel Pinheiro Chagas*, _Os descobrimentos portuguezes e os de
Colombo_. Lisboa, 1892.


*Antonio Arthur Baldaque da Silva*, _O descobrimento do Brazil por Pedro
Alvares Cabral_, nas _Memorias da commissão portugueza para o centenario
do descobrimento da America_. Lisboa, 1892.


*Vicente M. M. C. Almeida d'Eça*, _Nota sobre os estabelecimentos de
instrucção naval em Portugal_, etc. Lisboa, 1892.



Notas:

[1] Em trabalhos, publicados já depois da celebração do Centenario,
volta-se a pôr em duvida a diuturnidade da permanencia do Infante em
Sagres. Parece-me que ainda haverá muito que investigar a este respeito;
creio, comtudo, poder-se affirmar que foi do Algarve, e principalmente
dos seus portos occidentaes, que derivou a grande corrente dos
descobrimentos nos primeiros tempos.

[2] _Chronica do descobrimento de Guiné_, pag. 57.

[3] _Decadas_, vol. I, pag. 281 (edição de 1778).

[4] Barros, _Decadas_, vol. I, pag. 281, 280 (ed. cit.)

[5] Era um astrolabio feito por Nicolau Patenal em 1616; pertence á
collecção de instrumentos nauticos da Escola Naval.

[6] _Hydrographie_, 2.^a ed., 1666, pag. 369.

[7] Antonio de Najera, mathematico lusitano, _Navegacion especulativa e
pratica_, Lisboa, 1628, fl. 25 V.

[8] Veja-se _Boletim da Sociedade de Geographia de Lisboa_, 4.^a serie,
pag. 163 e seg.: _De como navegavam os Portuguezes no começo do seculo
XVI_, pelo sr. Luciano Cordeiro.

[9] Nomes dos auctores do _Tratado_ e das _Tábuas de navegação_, pelos
quaes nos ultimos vinte e cinco annos se tem ensinado na nossa Escola
Naval.

[10] Era a edição de _Witebergae, anno 1606_, pertencente ao conferente.

[11] _Chronographia, reportorio dos tempos_, etc.; exemplar pertencente
á bibliotheca da Escola Naval.

[12] Assim o julgava quando escrevi a conferencia; mas depois tive
occasião de vir a saber que Pedro Nunes nasceu em 1502. Na pag. 135 da
_Arte atque ratione navigandi_ (ed. de Coimbra, 1573) lêem-se as
seguintes palavras: «Exempli gratiâ, sit anno Domini 1502, _quô ego
natus sum_.» No rosto de um dos tres exemplares d'esta edição,
existentes na Bibliotheca Nacional, encontra-se escripta por lettra do
seculo XVI a seguinte indicação: «Natus est hic Doctor año Dñi 1502.
Obiit verò tertio idus Augusti año Dñi 1578.»

[13] Em seguida copiamos o titulo completo e o fecho da obra fundamental
do doutor Pedro Nunes sobre navegação, bem como o Regimento da altura.


_Frontispicio_

«Tratado da Sphera com a theorica do Sol e da Lua. E ho primeiro livro
da Geographia de Claudio Ptolomeu Alexandrino. Tirados nouamente de
latim em lingoagem pello Doutor Pedro Nunes cosmographo del Rey dom João
ho terceyro deste nome nosso Senhor. E acrecentados de muytas annotações
e figuras por que mays facilmente se podem entender.

Item dous tratados que o mesmo Doutor fez sobre a carta de marear. En os
quaes se decrarão todas as principaes duvidas da navegação. Com as
tavoas do mouimento do sol e sua declinação. E o Regimento da altura
assi ao meyo dia como nos outros tempos.

Com previlegio real.»


_Fecho_

«Acabouse de emprimir a presente obra na muyto nobre e leal cidade de
Lixboa por Germão Galharde empremidor. Ao primeiro dia do mez de
Dezembro de 1537 annos.»


«Regimento da altura do polo ao meo dia.»

«§ Se o sol tem declinação pera o norte e as sombras vão pera o norte;
saberemos pello estrelabio ao meo dia que he na mayor altura quantos
graos ha de nós ao sol: e acrecentaremos a declinação d'aquelle dia: e o
que somar será o que estamos apartados da linha equinocial para o norte.

«§ Mas se o sol tem declinação pera o norte e as sombras vão pera o sul:
saberemos pello estrelabio quanto ha de nós ao sol: e pelo regimento a
declinação: e se forem iguais estaremos na equinocial. E se forem
desiguais: tiraremos o menor numero do mayor, porque o que ficar, isso
estaremos apartados da equinocial: e será pera o norte se a declinação
era mayor: e será pera o sul se a declinação era menor.

«§ A mesma regra nos serve tendo ho sol declinação pera o sul, porque se
as sombras vão para o sul ajuntaremos o que ha de nós ao sol com a
declinação: e o que somar isso estaremos apartado da equinocial pera o
sul.

«§ Mas se o sol tem declinação pera o sul e as sombras vão ao norte: se
o que ha de nós ao sol for igual á declinação, estaremos na equinocial.
E se forem desiguais tiraremos o menor numero do mayor: e o que ficar
será o que ao tal tempo estaremos apartados da equinocial: e será pera o
sul se a declinação for mayor e será pera o norte se a declinação for
menor.

«§ E quando não houver declinação: ho que ouver de nós ao sol, isso
estaremos apartados da equinocial; e será pera onde forem as sombras.

Ǥ E em todo tempo que o sol pello estrelabio estiver em noventa graos:
o que elle tiver de declinação, isso mesmo estaremos apartados da
equinocial e pera a mesma parte.»

[14] D. João de Castro, _Roteiro de Lisboa a Goa_, pag. 308.

[15] Quando escolhi para assumpto d'esta conferencia «A arte de navegar
dos Portuguezes», não foi minha intenção embrenhar-me em explanações
scientificas ou controversias criticas, mas apenas fazer uma rapida
exposição historica; nem outra cousa consentiam tanto a indole de taes
palestras como a orientação dos meus estudos habituaes.

Succedeu, porém, quatro dias antes da conferencia, que, indo eu á
Bibliotheca Nacional para rever alguns livros, pelo sr. Gabriel Pereira,
sabio director d'aquelle estabelecimento, me foram mostrados os volumes
recentemente chegados da magnifica publicação feita a expensas do
governo italiano, por occasião do centenario de Colombo, intitulada
_Raccolta di documenti e studi publicati dalla R. Commissione Colombiana
pel quarto centenario della scoperta dell'America_.

O volume I da parte IV d'essa collecção consta de um estudo do sr.
Enrico Alberto d'Albertis, com o titulo _Le costruzione navali e l'arte
della navigazione al tempo de Cristoforo Colombo_; e no volume II vem um
trabalho do sr. Timoteo Bertelli denominado _La declinazione magnetica e
la sua variazione nello spazio scoperte da Cristoforo Colombo_.

Percorrendo este ultimo trabalho rapidamente, pois para mais não tive
tempo, vi que elle se propunha effectivamente demonstrar ter sido
Christovam Colombo o _primeiro que descobriu o phenomeno da variação da
agulha_, como aliás é lição quasi geral. Ora, entre a grande copia de
argumentos do sr. Bertelli, apparece o de que muitos auctores
contemporaneos e posteriores a Colombo ignoravam o phenomeno, e no
numero d'esses cita-se o nome do portuguez Pedro Nunes!!

Ao ler isto, ao ver citada a obra do nosso grande mathematico d'onde o
auctor tirava tal conclusão, confesso que pasmei. E o pasmo redobrou,
quando adiante, pag. 50, no cap. X, intitulado _Prospetto degli autori i
quali dal medio evo sino a tutto il secolo XVI suppozero l'ago diretto
al polo, cioé senza declinazione_, vi novamente incluido Pedro Nunes (_o
Nonnio_), citando-se d'elle _Opera omniae, Basilea, 1566_, com a
aggravante de se dizer em nota que a primeira edição portugueza é de
_1536_ (_sic_).

Pois não conhecia a declinação da agulha o Pedro Nunes que até inventou
um instrumento especial para a sua determinação, o qual elle descreve no
conhecido trecho que começa: «Acerca do nordestear e noroestear da
agulha _tenho por certo que ellas não demandam_ o polo, porque não vi
agulha que n'esta terra não nordesteasse»?

É extraordinario isto!

Mas afinal não deve talvez causar admiração, se nos lembrarmos que o
auctor da memoria não viu ou não entendeu a obra, que cita, de Pedro
Nunes. E não admiraremos tambem que a não visse, sendo ella rara, se não
viu nem ouviu fallar da maior parte dos numerosos trabalhos dos
Portuguezes sobre a arte de navegar. Basta dizer-se que lhe são
desconhecidos os _Roteiros_ de D. João de Castro, incluindo o ultimo
publicado, em 1882, com as annotações de Andrade Corvo, no qual tantas
vezes se trata da questão das agulhas, e se inclue em appendice um
excellente trabalho sobre as _Linhas isogonicas no seculo XVI_. Pois o
nome de D. João do Castro não é ignorado na Italia, pelo menos do estado
maior do seu exercito, que estudou o _Roteiro do Mar Roxo_, como outras
obras portuguezas, algumas das quaes traduziu, por causa da occupação de
territorios em Massuá e Dalaque.

Ora, sem entrar em polemica, direi apenas, ampliando as palavras que
proferi na conferencia:

1.^o Que antes de Colombo partir para a sua primeira viagem, já os
Portuguezes navegavam havia muitos annos entre a metropole e os Açores,
isto é, n'uma distancia de cerca de vinte gráos em longitude, e por isso
teriam tido occasião de observar a differença em variação;

2.^o Que as palavras _nordestear_ e _noroestear_ são de feição
essencialmente portugueza, e ainda usadas pelos nossos pilotos no seculo
actual, pelo menos até ha trinta annos;

3.^o Que Christovam Colombo, empregando-as no seu diario, não lhes
explica o sentido, o que seria natural que fizesse, se ellas, como o
phenomeno que significavam, fossem pela primeira vez communicadas;

4.^o Que nas famosas expressões de Colombo, relativas ao dia 13 de
setembro de 1492, não se encontra mostra alguma de espanto pelo facto da
variação da agulha, mas sim por ella mudar de signal;

5.^o Que, por conseguinte, o que Colombo viu, foi apenas que a variação
ou declinação, a qual até um certo meridiano era n'um quadrante, d'esse
meridiano em diante passava a ser n'outro.

E não era preciso saír da _Raccolta_ para chegar a este mesmo resultado,
porquanto o sr. Alberto de Albertis, no cap. V da outra memoria acima
citada, põe em rubrica: «Prima osservazione _del passagio della
declinazione_ dell'ago magnetico _da greco a maestro_», deitando assim
por terra, com estas palavras, todo o magestoso edificio do sr.
Bertelli.

E ainda depois de ter escripto a conferencia, chegou ás minhas mãos o
numero de fevereiro do corrente anno da excellente _Rivista marittima_
italiana, e n'ella encontrei um magnifico estudo do sr. Eugenio Gelcich,
intitulado _La scienza nautica da Nonnio alla fine dei secolo decimo
settimo_, no qual (pag. 187) se censura um escriptor inglez porque
«imputava a Nonnio la ignoranza della existenza della declinazione
magnetica», e aponta-se em seguida um capitulo de Pedro Nunes em que se
trata do assumpto.

Vê-se que o que escrevem o sr. Bertelli e outros, é resultado de uma
errada orientação, que mal se justifica pelo patriotismo. A Italia teve
excellentes mareantes nos seus Amalfitanos, Pisanos, Genovezes e
Venezianos, que verdadeiramente ensinaram as outras nações em muitas
partes da marinharia; a Hespanha não os teve menos excellentes nos seus
Catalães e Malhorquinos. Mas nem um nem outro d'esses povos se
abalançaram a devassar os segredos do Atlantico antes dos Portuguezes.
Vem depois Colombo que aprendeu em Portugal; e a Italia, envaidecida de
lhe ter dado o berço, e a Hespanha gloriosa de lhe ter aproveitado os
trabalhos, cada qual disputa a quem melhor lho exaltará os meritos,
louvando-o pelo que fez e pelo que não fez, e pondo no escuro a obra dos
navegadores portuguezes.

É isto que a critica scientifica não consente.

[16] Veja-se _Boletim da Sociedade de Geographia de Lisboa_, 9.^a serie,
pag. 315 e seguintes: _Trabalhos nauticos dos Portuguezes nos seculos
XVI e XVII_, pelo sr. Sousa Viterbo.

[17] Era o magnifico _fac-simile_ pertencente á Sociedade de Geographia
de Lisboa.

[18] Tambem não deveriam esquecer os nomes e as obras dos fabricantes de
cartas, globos e instrumentos nauticos, que os houve habilissimos nos
seculos XVI e XVII em Portugal. D'este assumpto se occupa o erudito
investigador, o sr. Sousa Viterbo, em um estudo que deve ser publicado
no numero do _Instituto_, de Coimbra, destinado a commemorar o
Centenario do Infante.

[19] Diogo de Couto, _Dialogo do soldado pratico portuguez_, pag. 9.

[20] Como exemplo do modo por que se redigiam entre nós os _diarios
nauticos_ nos seculos anteriores, copiaremos dois dias de navegação, em
que não houve _novidades_ extraordinarias, com o intervallo de dois
seculos.


«Caminho»

«Quinta feira 25 dabril (de 1538) todo o dia foi o vento norte;
gouernamos ao sul: ao meio dia tomei o sol, e na maior altura se
aleuantaua sobre o orizonte 84 graos; a declinação deste dia era 16
graos, 20 minutos, do que se segue estarmos em dez graos e 1/6; esta
mesma altura tomou o Piloto, mas o mestre tomou maes 1/3 de grao do sol
ao orizonte.

«De noite toda foi o vento norte bonança; o quarto da prima e modorra
gouernamos ao sul, e o dalua á mea partida do susueste.»

(D. João de Castro, _Roteiro de Lisboa a Goa_, pag. 115.)


«_Em 24 do dito_ (agosto de 1736)»

«Sexta feira; quatro dias de viagem; se apartou (a nao) adiante e foi
seguindo sua viagem. Ao meio dia se observou o sol, e achamo-nos em
Latitude de 38 gr. e 43 m., e de Longitude 6 gr. e 16 m.; fez a nao
curso pelo angulo 63 g., andou para o Norte 23 m. e para Oeste 37 m.,
com vento nordeste rijo. Deus nos dê boa viagem.»

(_Derrota de uma esquadra portugueza em 1736_, MS. da Bibliotheca
Nacional. Collecção Pombalina, n.^o 149.)

[21] Stockler, _Ensaio historico sobre a origem e progresso das
mathematicas em Portugal_, pag. 69.

[22] O primeiro nome notavel da nova sciencia de navegação é o de José
Militão da Marta, piloto da armada e professor de pilotagem, o qual
publicou diversas obras importantes, sendo a primeira logo em 1780, a
qual se intitula _Compendio das correcções que se devem fazer ás alturas
dos astros_, e a segunda, em 1781, intitulada _O destro observador ou
methodo facil de saber a latitude no mar_.

[23] _Commentarios_, edição de 1784, parte IV, pag. 122.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O Infante D. Henrique e a arte de navegar dos portuguezes" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home