Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Santarenaida: poema eroi-comico
Author: Figueiredo, Francisco de Paula de, 1768-1803
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Santarenaida: poema eroi-comico" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



visite http://pt-scriba.blogspot.com/ (This book was
produced from scanned images of public domain material


SANTARENAIDA

POEMA

EROI-COMICO

DE

FRANCISCO DE PAULA DE FIGUEIREDO.

     *     *     *     *     *

      _Dignum laude virum Musa vetut mori._

      Horat. l. 4. O. 7.

     *     *     *     *     *

COIMBRA.

Na Regia Officina Typografica.


ANNO M.DCC.LXXXXII.

_Com licença da Real Meza da Commissaõ Geral sobre o Exame e Censura dos
Livros._



ARGUMENTO.


Ouve em Coimbra um Taverneiro celebre, chamado Joze Rodrigues Santareno.
Este em uma funsão que costuma fazerse pela Pascoa do Espirito Santo em
Santo Antonio dos Olivais, estando muito suado pelo cansaso do caminho,
fartouse de agua, com quem andava divorciado, avia largos anos, e dahi a
poucos minutos caiu morto. Revestem-se estas circumstancias Poeticamente,
e cantase a sua morte.



SANTARENAIDA.



*CANTO I.*


      Pois me pedes, ó Muza, instantemente,
      Que emboque a Eroica tuba altisonante,
      Que a cego Marte impele os peitos fortes;
      Eu que sem forsas teu carater serio
      Em versos graves sustentar naõ poso,
      Revestido da lépida Talia
      C'o a máscara atrevida, para ensaio

      Cantarei o Varaõ famijerado,
      Que de Baco na guerra com Neptuno
      Arvorando do vinho os estandartes,
      Depois de ser trovaõ, ser raio acezo,
      Que espalhava terror no campo inteiro,
      Victima infausta foi por fims de contas
      Da vingansa cruel do Rei das aguas.

      Axavase em tremendo consistorio
      Com toda sua Corte o undozo Jove.
      Nas intimas entranhas asoprado
      Pela Raiva vorás o consumia
      Um fogo abrazador: eraõ com ele
      As furias de Acheronte, e os vastos mares
      Ao som de sua vós mudos tremiaõ.
      Quando depois de longos improperios
      Com que a insana paixaõ dezabafára,
      De sima do alto solio adamantino
      Que sustentaõ seis Doricas colunas
      De maculado marmore brilhante
      Com bazes de oiro, e capiteis de prata,
      Esta fala do peito amargurado
      Soltou com grave acento aos seus Magnates.

      Sempre eu, Vasalos nobres, de máo grado,
      Com justa indignasaõ olhei bramando,
      Que ouvese sobre a terra um petulante
      Que ouzase de meu povo impunemente
      Atacar os direitos mais antigos;
      Pois sendo desde muito autorizadas
      As nosas dôces aguas para entrarem
      As umanas guelas, e os arcanos
      Dos buxos penetrar dos omems grandes,
      Oje a termos as vêdes reduzidas
      De serem so de aprêso aos brutos rudes,
      E a despeito de minha autoridade
      Condenadas (oh dor!) das esterqueiras,
      Das imundas alfujas, das cloacas
      Á baixa vergonhoza lavadura.
      Conterme já naõ poso; este atrevido
      Provar do meu tridente as forsas deve.
      Este atrevido he Baco: eu pois pertendo
      Punir a sua audacia, guerrealo.
      Naõ ade este invazor protervo, e altivo
      Zombar ja mais de mim: torsese a verga
      Em quanto naõ he tronco: uma faisca
      Pasa a incendio vorás, se naõ se apaga.
      Mas vós aconselhaime, que eu naõ quero
      Que a paixaõ me alucine: o fim he este
      Porque oje vos xamei: dos boms conselhos
      Quazi sempre saõ filhos os acertos.

      Bem como de um enxame susurrante
      O inquieto zumbido, se ouve n'aula
      O confuzo rumor dos Optimátes.
      Escutaõse discursos encontrados,
      Diferentes razoins, pensar diverso.
      Nisto o Padre Oceano revestido
      De Regia Magestade se levanta,
      E abrazado em furôr desta arte rompe.

      Qual será de vós outros, que arrojado
      Se atreva a sustentar nesta asembleia,
      Á face do seu Rei, de toda a Corte,
      Que a meditada guerra naõ he justa?
      Se aqui algum está, se enfatuado
      Algum medir comigo as forsas tenta,
      A campo saia; os ultimos alentos
      C'os golpes da razaõ tirarlhe quero.

      Quais mudos troncos Oceano vendo
      Pasmados da asembleia os membros todos,
      Com mais vivo calor prosegue irado.

      Apague as negras axas acendidas
      A severa Nemézis: ja naõ devem
      Ser punidos os máos: ouzado tale
      O iniquo uzurpador o campo alheio:
      Perturbemse os direitos... Oh Justisa!
      Oh Deuzes imortais!... Eu penso, ó Padre,
      Que altercasaõ não sofre o teu projeto.
      Deve a guerra fazerse, a guerra he justa.
      Porem naõ será máo, reflexiono
      Eu agora taõbem, que tu primeiro
      Vejas se a boa pás quer antes Baco
      Estas coizas compor, largando a pose
      Dos direitos que audás nos uzurpára.
      Por tanto uma Embaixada mandar deves
      Expondolhe as razoins que te estimulão;
      E no cazo que a pás ele naõ queira
      A guerra se lhe intime em continente.

      Asim dise, e aprazendo ao consistorio
      Rezolvese Neptuno, e o Tritaõ xama.
      _Tritaõ que de ser filho se gloria
      Do Rei, e da Salacia veneranda:_
      Mansebo tal, e qual, nem mais nem menos
      Como o pinta Camoins no canto seisto.

      Vai tu da minha parte ao Rei dos vinhos
      Levar esta Embaixada, dis Neptuno;
      Que o dezaforo vil sendo notorio
      Com que da antiga pose as doces aguas
      Esbulhadas tem sido por seus vinhos:
      Que sendo esta irrupsaõ sobre dominios
      De mim das aguas Rei, que sempre hei sido
      Justo mantenedor de meus direitos;
      A recta observasaõ do jus das jentes
      Com vergonha infrinjida nesta parte,
      Exije que taõ barbaras afrontas,
      Por melhor se atalharem fims funestos,
      Sejaõ severamente castigadas.
      Mas que lembrado da clemencia inata
      Com que as minhas asoins adornei sempre,
      Perdoandolhe o mais, sómente quero,
      Que enfreando do vinho a audacia suma,
      De oje em diante perturbar naõ venha
      Tranquilidades publicas; que a escolha
      Em sua maõ está de pás, ou guerra.
      Se guerra pois quizer, logo em meu nome
      Entaõ a ferro, e sangue lha declara.

      Atento o feio Moso esteve á fala,
      E cortando lijeiro as altas ondas
      Da grande Niza em fim surjiu na praia.
      Aqui tres vezes a torcida conxa,
      Que os gigantes na guerra amedrentára
      Altamente tocou: do som terrivel
      Feridas as montanhas se abalárão:
      Tremeraõ da Cidade os abitantes;
      E dando agudos guinxos, para os colos
      Das mãis os filhos pavidos fujiraõ.
      O nobre Fundador de susto cheio
      C'o a estranheza do cazo, saber manda
      O que he. Eis a Palacio conduzido
      Por entre a multidão que concorria
      Atonita, e turbada o Tritaõ chega.
      A Embaixada repete, e carrancudo
      Pela resposta taciturno aguarda.
      O nobre Fundador da alegre Niza
      Turbado um pouco esteve; mas sem medo
      Ao Trombeta falou desta maneira.

      Ja mais no que o teu Rei oje me argúe
      Eu tenho consentido, sem que um uzo,
      Um costume geral das Nasoins cultas
      Com razaõ m'o abone: eu não pertendo
      Defraudar cada um de seus direitos.
      O costume fas lei: tenha Neptuno
      O mesmo a seu favor, será contente.
      Nem cuide ele talvês, que seus caprixos
      Me faraõ aterrar: naõ sei ser fraco.
      Amease, guerreie: eu inda o mesmo
      Sou, o conquistador das Indias vastas.
      He verdade que a pás em muito prézo;
      Porem se haõ de perderse os meus direitos,
      Ou a guerra aceitar, a guerra aceito.

      Com esta decizaõ partindo torna
      O filho de Neptuno aos Thetios campos.
      A seu Pai a repete; o Velho brama,
      E jura pela Stigie tenebroza
      Com toda sua Corte respeitavel
      Fazer perpetua guerra ao Rei soberbo.
      Tocar manda a rebate; a Oceano imcumbe
      O governo do exercito, tentando
      Os vinhos atacar em toda a parte.
      Com tudo porque sabe que entre os Luzos
      Do inimigo poder o centro existe,
      Aqui a mira poim, aqui rezolve
      Fazer primeiro arder da guerra o fogo.



*CANTO II.*


      Com um taõ importante rompimento
      Revolvendo mil coizas na lembransa
      Largos dias andou atrapalhado
      Da infelice Semele o imberbe filho.
      A pacifica inercia deleixada
      Que em descanso puzera este Rei forte
      O tinha desprovido. O sangue seco
      Nas pasadas batalhas derramado
      Se via inda nas lansas nas espadas
      Ja da negra ferruje carcomidas.
      Tinhaõ teias de aranha os peitos d'aso,
      Eraõ ninhos de rato os capasetes.
      Mas vendo dos aprestos a manobra
      De seus adversarios, ganha o fogo
      Que pela longa pás perdido avia.
      Prestes pasa depois a fazer gente;
      O imperio se revolve, e os vinheos povos
      Á vós de seu Senhor ás armas velaõ.
      Dobraõ-se sentinelas; os avizos
      Voando se despedem; e he precizo
      Ter de acordo na asaõ os mais famozos
      Insignes Generais em cada Reino.

      Daqui, bom Santareno, de teus dias
      Comesou a estreitarse a larga teia.
      Este o principio foi, estas as cauzas
      Da tua nunca asás xorada perda.

      Avia em Portugal um Xefe experto
      Na sordida Coimbra acastelado:
      Diziase Joze, mas poucas vezes,
      Que o brado de seu nome mais notorio
      Da terra lhe provinha aonde os lasos
      De Himineu ternamente o tinhaõ prezo.
      Contase que saindo n'outro tempo
      Este novo Quixote aventureiro
      Pelo mundo a ganhar glorioza fama
      No serviso do Rei dos bravos vinhos,
      E querendo a uma nova Dulcinea
      O governo entregar de seus morgados,
      Ja que a Parca cruel lhe avia feito
      A vês primeira o tálamo dezerto;
      Axára em Santarem uma Matrona
      So digna de um Eroi, so digna dele.
      Na linhaje do sangue descendia
      D'onrados Campioins, d'Erois de pinga.
      Inda nos altos porticos pendentes
      Conservavaõ-se os ramos de loireiro
      Sem ter interrupsaõ por brazoins d'armas,
      Era ela bem talhada, o seu costado
      Capás era da carga mais enorme.
      Eraõ as suas faces dois prezuntos,
      Seu garbo majestozo, o paso grave.
      Tinha o traje mais simples, mais modesto
      Das modestas matronas do seu tempo.
      De baeta um jibaõ de longas abas
      Lhe cobria a bojuda umanidade.
      Dos grosos cotovelos lhe pendiaõ
      Alarves punhos de groseira estopa.
      Cingialhe em tres voltas ensebado
      O carnudo caxaso um cordaõ d'oiro,
      D'onde so nos Domingos pendurado
      Se via um rocicler lonjevo, e vasto,
      Que pela antiguidade que inculcava,
      Nas ricas enxurradas do diluvio
      Se asenta ser axado _in illo tempore_.

      Namorouse o Varaõ, namorouse ela.
      Uniraõse c'o vinculo sagrado,
      E sendo sua Consorte Santarena
      Quis taõbem Santareno apelidarse.

      He pois precizo a este mandar ordems,
      Baco perante si fás vir Cilenio,
      E ufano asim lhe dis com rosto inteiro.

      Eu tenho neste mundo um vasto imperio:
      Meu nome em toda a parte, ou mais, ou menos
      He venerado; mas na Luzitania
      Tenho o pezo maior de minhas forsas.
      Em Coimbra he o centro; ahi rezide
      O Cabo principal de meus exercitos,
      O insigne Santareno. Nestes termos
      Desta guerra he forsozo darlhe parte.
      Tu pois asim lhe dize: Que abalados
      Do sopro da Discordia os Povos Áqueos
      Nos tem guerra jurado, e alta vingansa:
      Que cumpre rezistirlhes: boms soldados
      Prezentar em campanha; e dar conserva
      Ao uzo introduzido, á grata pose
      De ser somente o vinho quem nas mezas
      A sede satisfasa; porque he esta
      A cauza principal de seus rancores.
      Que eu dele a empreza fio; que entre os Luzos
      Eu quero que ele só sustente a guerra.
      Depois um giro faze, e aos meus Soldados
      De toda a Luzitania que em Coimbra
      Axarse devaõ logo intíma as ordems.

      Dise, e partiu voando o mensajeiro,
      Até que as pandas azas encolhendo,
      Das letras, e das lamas sobre a Terra
      Os talares pouzou bordados d'oiro.

      Era dia d'Entrudo, e nas baiúcas
      O sujo canjirão vazando as pipas
      Aos freguezes enxia os grandes copos.
      Avia um confuzisimo barulho:
      Ferviaõ da janela as laranjadas:
      Surriadas, apupos, algazarras,
      Os esguixos, os pós, o rabo-leva
      Tudo em dezordem poim. Vendo Cilenio
      Extravagancias tais pasmado fica.
      Pensa naõ de Coimbra ver os montes,
      Sim da fertil Beocia o graõ Citéron
      Retumbando medonho em noite d'Orgias.

      Entaõ do incomparavel Santareno
      Na surtida taverna entre a balburda
      Da fumoza vinhasa ardia o fogo.
      _Mais meia canadinha_ de uma parte
      Caído o beiso, e os carregados olhos
      A custo abrindo, c'uma vos fanhoza
      Pedia um dos da corja amotinada.
      D'outra parte fazendo uma carranca
      Sobre tres azeitonas apostava
      Outro que tal que xuparia um frasco.
      Qual aos murros andava; qual seis copos
      Tendo ja feito em cacos, com nos'ama
      Ateimava furiozo em naõ pagarlhos.
      Daqui aos encontroins ums vinhaõ vindo
      Afétando de serios; esbarravaõ
      Comsigo nas esquinas dali outros.

      Mas o Filho de Maia cautelozo
      Opurtuna monsaõ de entrar espreita.
      Em fim axa uma aberta, lestes rompe,
      Dá sinal, tem lisensa, á sala sobe,
      E d'ambos os Espozos poinse á face,
      Declaralhes quem he, de quem mandado,
      E da sua Embaixada o fim precizo.

      Sem saber o que fasaõ, largo espaso
      Ficárão um e outro embasbacados.
      Ele indo com as mãos logo á cabesa
      Cosávase, e na sordida poltrona
      Aflito _stare loco nesciebat_:
      Ela está feito, la melhor compunha
      O seu recado. Finalmente o tempo
      Ja fazia dar oras ás barrigas,
      E devia jantarse. A Liberdade
      Entaõ dezempesando as linguas rudes
      A terreiro os tirou, e mais ouzados
      Entrárão a seu modo a perguntarlhe
      Alegres sobre Baco muitas coizas,
      Muitas sobre Sileno. Dos guizados
      Da meza o xeiro ja neste comenos
      Consolava os narizes circumstantes.
      Pedida a taõ grande ospede lisensa
      Subito se arregasa o Santareno,
      E rogando o onráse, á cabeseira
      Da bem provida meza, instanciozo
      Para um pouco comer fes asentalo.

      Ja no vidro dos pratos retiniaõ
      Resaltadas da carne as trinxadelas.
      (Podiaõse na gula encarnisados
      Ver os gordos Consortes dando aos buxos
      Tasalhos de prezunto tremendisimos!)
      Mastigando apresados resmungavaõ,
      E do ospede em onra mil saudes
      Uma apos outra sem sesar faziaõ.

      Mercurio da franqueza naõ pensada
      O fausto aparatozo em tal albergue
      Naõ podia admirar quanto era justo,
      Porque alem das perguntas enfadonhas
      A que cortês com présa respondia,
      De um pouco reparar deixar naõ pôde
      Nos vetustos paineis enfarruscados
      Que adornavaõ em roda a estreita sala.

      Em um deles se via inda no berso
      Entregue a Ino o pequenino Baco
      Tendo as Nimfas em torno, e juntamente
      As Hiadas, e as Horas. Logo n'outro
      Ja crescido plantava o bom bacelo,
      Ja o campo baldio agricultava.
      Viase mais n'um majestozo quadro
      O severo rigor de seus castigos.
      Estava de Licurgo o cazo infando;
      Mas ja com negra côr, ja roto o pano.
      Com tudo ao natural se devizava
      Golpeando ele mesmo as pernas suas.
      Aqui o filho de Echion Tebano
      Pela sua familia enfurecida
      Se via cruelmente espedasado.
      Ali de Meduline o parricidio,
      Mais abaixo Penthêo ás Furias dado.
      Sobre tudo a fatal metamorfoze
      Se admirava em leaõ fulvi-comado
      Nos gigantes cevando ávida sanha.

      Mas ja baixando o Sol, surgia a Noite.
      Trata Mercurio de partirse prestes;
      Dos gordos Santarenos se despede,
      Que falando ambos juntos, em confuzo
      So deixaõ perseber, que descansado
      Seu Rei pode ficar, que em quanto aos brasos
      O valor asistir, naõ aõde as Aguas
      Como pensaõ, levar a sua avante.
      E como ja nos cascos lhes fervia
      Em violentos caxoins o ardente sumo
      A cabesa fazendolhes pezada
      Dar c'o a barba no peito, e sobre os olhos
      Carregar importuno o grave sono,
      Na mal mexida cama empanturrados
      Ambos foraõ jazer como dois odres.

      Dormirão toda a noite os boms Alarves
      Rezupinos roncando a sono solto.
      Eis lá sobre a manhan um se espreguisa,
      E fazendo tres cruzes sobre a boca
      Enormemente aberta o outro acorda.

      Saõ oras, dis o Eroi roufenhamente,
      Trazeime eses calsoins, daime ca a vestia.
      Fora c'o a noite! ha muitos tempos nunca
      Dormi noite pior! Tudo eraõ pulgas,
      Tudo sonhos, em fim tudo Diabos,
      Até, por mais sentir, a Mosazinha
      No quarto me deixou fexado o gato,
      Que toda a santa noite andou miando.
      Eu naõ persenti nada, dis Madama,
      Pois foi tal a quebreira, tal o sono,
      Que bem podiaõ arrombar as portas,
      E sem que eu dése fé. Bem, pois que queres,
      O marido replíca, se tais sonhos
      Eu tive, que por mais que quis pôr olho
      Logo eles me espertavaõ: eu te conto.
      Sonhei que estava eu na nosa quinta
      Debaixo da nogueira ao pé da fonte
      Sobre a relva dormindo a minha sésta:
      Eis senaõ quando d'uma vala surde
      Correndo em torcicolos uma cobra,
      E me entra pela boca: aqui um pulo
      Dei eu, naõ persebeste? Eu naõ, dis ela.
      Pois dei um grande pulo, e depois diso
      Um pouco despertando, em sonolencia
      Fui tornando a cair. E sonhei muitas
      Outras grandes desgrasas que me esquesem.
      Tornou ela a dizer: iso he verdade
      Ás vezes taõbem tenho tantos sonhos,
      Que me fazem doer bem a cabêsa.
      Porem vaite vestindo, anda deprésa
      Se queres almosar, que ja he tempo.

      Tais réplicas, e tréplicas pasadas
      Em fim a muito custo pos se fora,
      E na larga cadeira escarranxado
      Asim dezalojando, á Mulher dise.

      Ora sabes mui bem, Consorte amada,
      O onrado avizo que tivemos ontem.
      O noso Imperador axase aflito
      C'o a guerra declarada por Neptuno.
      Eu sou um de seus xefes; e a minh'alma
      Aspira a coizas grandes. Desta sorte
      Na dansa estou metido: vou agora
      As ordems expedir que saõ precizas,
      Fazer gente com forsa: paciencia!
      Nós para trabalhar nascemos todos.
      Dáme cá qualquer coiza; um lombo bonda
      Bastaõ dois pains, duas canadas bastaõ.

      Fes-se bem como um Padre, e muito fresco
      Saiu a averiguar os seus negocios.



*CANTO III.*


      Neste tempo no imperio de Neptuno
      Ja com todo o calor fervia a obra.
      Os fortes Generais debaixo d'armas
      Ja tinhaõ toda a jente, e á Luzitania
      Os vastos esquadroins marxando vinhaõ.
      Aqui de remotisimos Paízes,
      De diversas Nasoins, diversas linguas
      Vinhaõ mandando Capitains diversos,
      Aqui vinhaõ Varoins destes pixozos
      A quem tudo lhe fede, e que somente,
      Por cauza das corrutas baforadas,
      C'o vinho em odio eterno andáraõ sempre,
      Aqui de mal Francês, e de almorreimas
      Um sem numero vinha de axacados:
      Naõ faltando dos cálidos a turba
      A quem fizera sempre o vinho empôlas.
      Era em tres batalhoins formada a Tropa,
      Guiava um batalhaõ Periclimeno[1]
      Arrogante, e temido: outro Achelóo,[2]
      E o terceiro puxava á retaguarda
      O velho Espozo da cerulea Doris.[3]
      Aqui vinha Protêo dos grandes Focas[4]
      Regendo a tremendisima caterva.
      Talhando as curvas ondas na vanguarda
      Iaõ nadando cem Tritoins desformes
      Fazendo rebombar os buzios grandes.
      E o Padre Oceano comandante
      Supremo deste exercito temivel
      Girava dando as ordems amontado
      N'uma negra baleia monstruoza.

      Xegáraõ do aureo Tejo em fim ás marjems,
      Mas antes que o exercito alojase,
      Desta nova xegada em tom de guerra
      Lhe foraõ dois Trombetas a dar parte.

      No centro d'uma gruta penhascoza,
      Cujas ricas paredes eraõ d'oiro,
      E branca madrepérola ondeante,
      Sentado sobre a urna, respeitavel
      C'o tridente na mão, e c'uma c'roa
      De verdes limos na rugoza fronte
      A embaixada resebe o Padre Tejo.
      Quando asim dos Trombetas um comesa.

      Ja, Padre venerando, aos teus ouvidos
      Xegaria talvês a novidade
      Da guerra que entre nós, e o Rei dos vinhos
      Pouco ha se declarou. Naõ me pertense
      Os motivos da asaõ esmiunsarte:
      Taõ somente a dizerte sou mandado,
      Que para dar principio á grande empreza
      Para esta Capital do imperio Luzo
      Das Tropas Oceano á testa marxa.
      Deves pois vir falarlhe; que eu asento
      Que tem primeiro aqui seu bico d'obra.

      Subia pelo rosto ao velho Tejo
      Ao tempo desta fala uma alegria,
      Que ja mais asomára ao seu semblante.
      Levantase, o Palacio se alvorósa,
      E para ir esperar taõ grande xefe
      As mais galhardas Nimfas a si xama.

      Duzentas niveas, engrasadas Naides
      De lindos olhos, que em prazer trasbordaõ,
      Solto o negro cabelo gotejante
      Presto ali se aprezentaõ caprixozas.
      Ao carro sóbe o Tejo, ao carro d'oiro
      Que guapos, e das muito-abertas ventas
      Brotando soberboins torrentes d'agua,
      Seis cavalos marinhos vaõ tirando.
      Em malhados golfinhos brincadores
      Asentadas as Naiades o cercaõ.
      O mar fas-se banzeiro, e longa esteira
      Mansamente deixando a turba marxa.

      Xegados que os dois Reis á fala foraõ
      O Tejo rompe asim: Princepe excelso,
      Se um pobre feudatario, bem que indigno,
      Qual eu sou, gozar pode a onra eximia
      De darte albergaria em seu palacio,
      As demoras desprende, e á minha gruta
      Dignase vir a descansar um pouco,
      Aonde a noso comodo sentados
      Da sorte dos Imperios trataremos.

      Oceano aseitou condescendente
      Do Padre Tejo a simples rogativa,
      E acolhendose á gruta majestoza,

      Indignado meu Pai, dise Oceano,
      Pela iniqua extorsão de seus direitos,
      Que dos vinhos o Rei dezaforado
      Das jentes com escândalo lhe ha feito,
      Intenta guerrealo. Ele em pesoa
      Viria á expedisaõ, se de seus anos
      O pezo desta glória o naõ priváse.
      Por tanto eu me incumbi das suas vezes:
      E como de sua Corte na asembleia
      Para isto convocada se asentase,
      Que o comêso em teu Reino ser devia,
      Visto que o General dos inimigos
      Em Coimbra rezide; pareseume,
      Por levarmos as coizas com mais ordem,
      Que nesta Capital sem perder tempo
      A primeira faxina se fizese:
      Depois, de meu poder com todo o pezo
      Em Coimbra caísemos. Aprouve
      Ao Tejo este discurso; e entaõ tratáraõ
      De mais ponderasaõ quantos negocios
      Para aquele respeito mais tendiaõ,
      Saõ xamados os Cabos a conselho,
      E com acordo unânime se adía
      A seguinte manhan para o combate.

      He contra um grande Cabo que se devem
      Tomar as armas: naõ he Jan Fernandes,
      Nem Manel das Atacas o inimigo:
      He contra o fasanhozo Talaveiras[5]
      Tortulho enorme de invejada fama,
      Do vinho na milicia experto, e vasto.

      Tanto que alvoreseu, logo no campo
      As trombetas orrísonas bramáraõ;
      Cujo som de mistura c'o alarido,
      E roucos atabales largo espaso
      Os muros fes tremer, e a gran Cidade
      Soberba fundasaõ do Grego errante.
      Ja promto o Talaveiras aguardava
      De Cilenio o preseito a pôr por obra.
      Na frente de seus bebados soldados
      Corajozo se avansa: róxa altiva
      Que as vagas sem pavor mujindo escuta.
      Marxando vaõ as filas a compaso,
      E d'uma, e d'outra parte embravecido
      O gradivo Mavorte asende os peitos.
      As caixas daõ final, travase a guerra;
      De poeira uma nuve os ares turba;
      Levantase um clamor mais tezamente;
      Redobraõse as pancadas, corre o sangue...
      Nada ha mais lamentavel que uma guerra!

      Foi renhida a peleja: longas oras
      Pendeu a decizaõ n'ambas as partes.
      Finalmente naõ sei que infausto cazo
      Pôs dos vinhos o exercito em dezordem,
      Que naõ pôde aguentar sobre seus brasos
      Dos aquozos dragoins o carregume.
      Perdem todos a côr, as armas largaõ.
      (Entradas de leaõ, saídas d'asno!)
      Cae aqui, cae ali, ums sobre os outros
      Vaõ indo aos trambolhoins. O Talaveiras
      Reunilos intenta, mas de balde.
      He de balde bradar: diques naõ sofre
      Torrente por pavor precipitada.

      No campo ficou so inteiro e forte.
      O golpe universal caíu sobre ele.
      Das setas, e das lansas acravado
      Parecia um pinhal o grande escudo.
      Nimguem ouzou xegarlhe, que da terra
      Naõ fizese vermelha a superfice.

      E que mais fês d'Olimpias o esforsado
      Filho, o devastador do mundo invicto,
      Junto ao tronco, dos seus destituido,
      Quando o muro saltou dos Oxidracas?

      Mas a Morte d'Erois sempre avarenta
      Metida n'uma bala fulminante
      As pernas lhe atravesa, e despedasa.
      Acurva a grosa máquina tremendo,
      E em terra baqueando he maxucada
      Do violento tropel dos inimigos.
      C'o este lanse _vitoria_ o Tejo brada:
      Vitoria, respondeu a xusma ovante,
      Vitoria pelas aguas, viva, viva.

[1] Periclimeno: Neto de Neptuno, de quem recebeu o poder de se
metamorfozear.

[2] Achelóo: filho de Oceano. Namorouse de Dejanira amante de Hercules.
Hercules combateu com ele metamorfozeado em toiro, arrancoulhe um corno, e
venseu-o.

[3] O Velho, &c. Nerêo, filho de Oceano, e pai das Nereides.

[4] Protêo: vej. Virg. Georg. I. 4. v. 429.

[5] Um dos Taverneiros de grande conta que Lisboa teve. Na dilatada teia
de seus louvores saõ estes meus versos um romendinho.



*CANTO IIII.*


      Foise em folias a seguinte noite.
      Mas asim que a lus alma avermelhando
      No orizonte as globozas nuvemzinhas
      Comesou a doirar o cume aos montes,
      A vensedora jente enfurecida
      Respirando outra ves carnajem, sangue,
      Vai de rota batida, e compasada
      Ao som dos belicozos instrumentos
      Demandar do Mondego as marjems frescas.

      A seu salvo xegando se alojárão.
      Fas-se conselho, e por comum acórdaõ
      Para a um tempo levar ao Porto, e Aveiro
      O terror, e a vitoria Nerêo parte.

      Em quanto isto asim pasa, ja Coimbra
      Bem como um formigueiro fervelhava
      Atonita bradando. Eis muito conxo
      Correndo á présa contra seu costume,
      Vem um cambaio tutelar das aguas,
      O gago Vitorino, e o Santareno[6]
      Fanfarrão desta sorte dezafia.

      Cá-cá fora me'amigo, cu na rua;
      Á de ir aqui tu-udo c'o a maleita.
      E ve-ve-ve veremos, e veremos
      Quem-quem leva a melhor: xê-xegá'gora
      Um nunca visto inzercito de jente;
      Saõ co-como mosquitos: se tem barbas,
      S'hé-s'hé-s'hé-s'hé capás ponhase em campo.

      Qual grande Ferrabrás no xaõ deitado
      Desprezando do garrulo Oliveiros
      O louco dezafio, o Eroi prestante
      Do Rino desprezou o stultiloquio.
      Naõ se altera; em seu rubido semblante
      Naõ poim o Mêdo as cores da fraqueza.
      Lijeiro, quanto sofre a corpulencia,
      Á trapeira alta sobe onde vijia;
      E axando ser serta a guerra em caza,

      Maõs perdidas, dis ele, saõ: ja'gora
      Ou venser, ou morrer. Xamase ás armas,
      E toda a jente sua acode prestes.
      Acodem d'Alemtejo, e Estremadura
      Bizarros Campioins: da Vidigueira,
      Vila de Frades, Borba, de Vilalva,
      Setubal, e Palmela. De Lisboa
      Axaõ-se os Carcavélicos mansebos
      De furibundo senho. Estaõ do Algarve
      Mil Soldados d'embarque destemidos,
      Mil de sima do Doiro, e das Bairradas;
      E saõ mais de dés mil Coimbricenses.

      Toda esta Soldadesca, he bem verdade,
      Cavaleiros naõ saõ d'aureas esporas:
      Saõ rotos, bandalhoins, babozos, porcos;
      Mas qualquer deles um Eroi xapado
      De inaudito valor, corajem suma,
      Capás de se avansar ao mesmo Alcides.
      N'uma palavra bebados eternos.

      Entrase a rezenhar: cazo estupendo!
      Inda a mais d'um milhaõ monta a rezenha.
      Formarse vaõ da Feira ao grande largo.[7]
      A linda variedade em farda, e armas
      Os olhos encantava: grande parte
      Em cambudos capotes romendados
      A trouxe mouxe postos se rebusa:
      Parte em mangas, e pernas, sem sombreiro,
      Xeia de impavidês caminha aos tombos.
      Este trás um pixel, este trás quatro
      No alforje a tiracolo: um tres borraxas
      De admiravel grandeza, e tudo xeio.
      Armados todos vem muito á lijeira:
      Nada de arnezes, peito descuberto;
      Á excesaõ dos rompentes granadeiros
      Que feitos vaõ ali cabides d'armas.
      Com grevas, bacinetes, e lorigas
      Bem poucos se embarasaõ: a rodela,
      A talhante farrusca colubrina,
      A adaga, o varapáo, a masa, o xuso,
      Comforme cada um melhor se ajeita,
      He tudo quanto importa á mais da tropa.
      Nas pezadas carretas rexinantes
      Temivel ali vai das bocas negras
      A ignívoma tormenta: até naõ falta
      Quem leve junto a si seu caõ de fila.

      Entaõ sobre um jumento de atafona
      Ricamente ajaezado, o Santareno
      As odreas pernas escarranxa a custo.
      Veste de bode um tresdobrado coiro;
      Poim um elmo de vides enlasadas
      Na caveira d'um tigre tremebundo
      Que lhe a grande carranca asombra, e adorna,
      E empunhando na dextra uma tarasca
      De dilatada folha, vai bizarro
      Puxando os batalhoins para o combate.

      Tanto que do lugar alcanse ouveraõ,
      E os raivozos imigos avistaraõ,
      Fas alto o Santareno, expede as ordems,
      As fileiras divide, o campo asenta.
      Depois entre um salseiro procelozo
      De perdigotos que da boca xove,
      Da sua jente á testa asim troveja:

      Lembrar-vos, generozos Camaradas,
      O que ides a fazer, fôra esqueserme
      Até de quem vós fois: eu sei que o brio
      A cada um de vós outros alentados
      Na ponta do naris brilhando salta.
      Ou morrer, ou venser: a cauza he nosa.
      As Aguas de bazofia em vaõ naõ se enxaõ,
      Custelhes caro se venser quizerem.
      Corajem, meus amigos, oje a gloria
      Q'ate'qui se ganhou naõ vá perder-se.

      Nos animos calou vinhi-potentes
      De tal sorte a razaõ destas palavras,
      Que cada um deles se reputa um raio,
      E ja para envestir as trélas roem.

      Agora, ó Muzas, naõ falteis ao Vate,
      Asopraime no peito o extinto fogo,
      Que he precizo cantar melhor que nunca
      O combate maior que os evos viraõ.

      Deu sinal a trombeta Neptunina
      Aspero, forte, atrós, e formidavel:
      Nas cabesas as grenhas se arripiaõ,
      Bate mais forte o corasaõ nos peitos.
      Comesaõ-se a mover as longas alas;
      O medonho alarido se levanta;
      Daõ fogo os mosqueteiros; da descarga
      Sobe rapido aos Ceos enovelado
      O denso negro fumo; c'o estampido
      Os cavernozos montes retumbando
      Enxem tudo de orror. Dos grandes eixos
      Parecia que a máquina do mundo
      Sacodida, em pedasos se fazia.
      C'um asoite na maõ de duro ferro
      Os cruentos cavalos instigando
      Girava a impia Guerra o campo todo.
      Os Soldados que a viaõ se animavaõ.
      A Dezesperasaõ á redea solta
      Corria furibunda, e sem maneira.
      As incendidas balas estridentes,
      As mortíferas xusas enristadas,
      Gemidos arrancando aos mizeraveis,
      Um inferno faziaõ. Alastrado
      De sangue viu-se em breve, e corpos mortos
      Da orroroza batalha o sitio extenso.[8]

      Rocio, que em razaõ de vizinhansa
      O nome erdado tems de Santa Clara,
      Se gloria ganhas oje em ser teatro
      De taõ sanguinolenta brava guerra,
      O nome mudarás, e dos vindoiros
      Virás a ser xamado o campo Marcio.

      De forsa neste dia altos prodijios
      A gente Bacanal fes mais que nunca.
      Qual, semelhante ao gato entre podengos
      Que o lombo em arco tendo enxorisado
      Fas provar velosmente em pulos destro
      Aos audazes fucinhos circumstantes
      Das curvas fisgas os lembrados golpes,
      Para um, e outro lado dezenvolto
      Murros, e pontapés fervendo atira:
      Qual d'um talho c'o a espada aos dentes xega:
      Qual d'uma vês c'o a xusa quatro enfia.

      Mas ja um Foca enorme e gueludo,
      De dente anavalhado, unha rompente,
      Cujo coiro entezado e verde-negro
      Se ria das mais fortes cutiladas,
      Um vinheo Capitaõ tragando estava,
      Quando o intrepido Andrade irozo acode.[9]
      Aqui ainda viu do mizeravel
      Engolir os restantes calcanhares.
      Da vingansa o furor lhe sobe aos olhos,
      Avansa ao monstro, e sobre o craneo rijo
      Da inimiga cabesa vensedora
      Com um buxo roliso (arma cazeira)
      Mil golpes fulminando, o quebra, e esmaga.
      Tremeu convulso o monstro; e o bruto sprito
      Aos ares se soltou envolto em sangue.
      Acodem muitos Focas, o Eroi cercaõ.
      Os aquozos Soldados trepidantes
      De fila cem membrudos cains lhe asulaõ;
      E, quais sobre a bigorna os malhos batem,
      As dentadas sobre ele a miudo fervem.
      Andrade volta a um tempo a todas partes
      O braso vingador: destróe, derruba,
      Atropela, maxuca, abola, mata.
      Mas sendo ja sem conto os inimigos,
      Depois de longo espaso de conflito,
      Falto de forsas vai beijar a santa.
      Aqui (quem crerá tal?) a todo o trance
      Com mais de quatro mil inda combate.
      Grandemente bufando aflito espuma,
      Revolvese, braseja, e o xaõ mordendo
      Pasmozos coices enraivado atira.
      Forma mil carantonhas formidaveis,
      Qual trovaõ rujidor medonho berra.
      Das dentadas a orrivel tempestade
      Ja quazi o sosobrava; eis dando um pinxo
      Em pé se torna a pôr, e a brava xusma.
      Em fanicos desfás c'o a masa dura.

      Naõ te déraõ da fonte as alimarias,
      Valente Palmeirim, tanto trabalho;
      Bem que viste o broquel feito em pedasos
      C'o as leoninas unhas; bem que o tigre,
      Que a mal cortada perna inda arrojava,
      Te fes afucinhar c'o a garra ardente.

      N'outra banda com obra azafamado
      O ferós Damiaõ como um corisco[10]
      Cae sobre o inimigo: aqui o atacaõ,
      Aqui destro acomete, rompe, asola.
      Cada pedra que solta he uma granada
      Onde vai desfarsada a orrenda morte.
      Destrosa seis Delfims mesmo a pé quedo:
      Fas rosto a dés varoins dos tais pixozos,
      E do primeiro encontro os desbarata.
      Xovem nele os pelouros abrazados
      Dos áqueos Soldados impelidos,
      Como sobre os telhados em Janeiro
      A saltante saraiva que Euro impele.

      Ante os muros de Pérgamo mais bravo
      O filho naõ pugnou da branca Thétis.

      Nem eu te calarei, Caetano ilustre,[11]
      Asombro de valor, peito de Marte.
      Tu ali sobre a terra o pé batendo,
      Pancraciasta acérrimo, insofrivel
      Mais de mil desqueixaste a murro sêco.
      Mesmo o Duque Nemé famozo em murros
      De deitar-te agua ás maõs capás naõ era.

      Mas naõ soprava a pérfida Fortuna
      Com ventos de servir á gente aquatil;
      E sendo ja sensivel a derrota
      Tocar a recolher manda Oceano.


[6] Vitorino, ou Rino: Aguadeiro de mal semeadas barbas, de gambias
escanxadisimas, de gaguês inexplicavel, e de uma paxôrra inata na condusaõ
de seus carretos.

[7] Ao grande largo. Tudo vai das ipotezes.

[8] O sitio extenso. Repito o cavaco que dei respetivamente ao largo da
Feira.

[9] Andrade. Uma afetada doudice, ou uma continua bebedeira, um tezaõ
arrogante, uma catadura tôrva, e uma eterna bandalhise, saõ os caratéres
que fazem sempre formidavel este fasanhozo Sapateiro.

[10] Damiaõ. Ha tres especes de embriaguês; de leaõ, de galo, e de porco.
A
1.ª pare os disturbios: a 2.ª as galhofas: a 3.ª o deleixamento. A deste
Pedreiro he da 1.ª espese; e conseguintemente funestos os seus efeitos.

[11] Caetano. He um _quidam_ sexagenario, bebado da 2.ª espese, cujas
dezencaixadas xocarrises nos fazem ver, que he um daqueles genios que
sempre estaõ de caninha n'agua.



*CANTO V.*


      Tanto que a Mãi das trevas taciturna
      Desdobrou sobre a terra o manto negro,
      C'o a palma da vitoria ufano e alegre
      Dar a seus Cabos um convite lauto
      Determina o Eroi pantafasudo.

      Quem contar as galhofas desta noite
      Ouzado poderá com versos dignos?
      Foi entaõ quando o lépido Caetano[12]
      Cambaleando em meio do congréso
      Fes com rizo estalar os circumstantes,
      Abrindo francamente de seus doutos
      Jocozos anexims o aureo tezoiro.
      Foi quando o Doutor Rito, sobre os ombros[13]
      Tendo ums calsoins de riso por capelo,
      _Ex cáthedra_ asentado, sobre pontos
      De guerra longas oras disertando,
      Escarrou discrisoins, mijou conselhos.
      Sobre os bicos dos pés alevantado
      Aqui foi que o tacaõ, gárrulo Xaves[14]
      Lodozo ganso que a Castalia turba,
      Batendo as sujas palmas na asembleia
      As Muzas invocou, e esta perlenga,
      No modo que lhe he proprio, d'improvizo
      Recitou com torrente entuziasmado:

      Nobilisimos Xefes respeitaveis,
      A quem, naõ sem razaõ, Lieu potente
      Fes de sua justisa defensores;
      Vós outros tendes oje ao mundo dado
      Um raro exemplo de virtude eroica.
      Nimguem de pôr na cara uma navalha
      He mais digno que vós. Oh se os meus labios
      Podesem proferir, se a minha lingua
      Podefe articular quanto alma sente!
      Vós tendes os xibantes destrosado
      Com o mesmo valor com que eu destróso
      Carangos nos calfoins, e na camiza.
      Sim, vós os filhos sois abensoados
      Do invicto Basareu que onrais a Patria.
      Naõ dezistais da empreza comesada:
      Depois do que pasou, ja'gora o resto
      Val tanto como escarro de tabaco.
      E tu, graõ Jeneral, que o orbe asombras;
      Tu, em cuja cabesa mioluda
      Minerva, e o loiro Apolo influxos largaõ,
      Es digno de rejer um grande Imperio.
      O noso amado Rei entre o seu povo
      Naõ póde igual ao teu axar um caco
      Aonde os seus dezignios se acomodem,
      Suas trasas se entend$õ. Os dezastres
      Naõ axaõ no teu buxo o estreito aperto,
      Que no de um bigorrilhas: o teu buxo
      Sem inda rebentar, tres mil dezastres
      Calado e sofredor alojar pode,
      Porque he muito mais vasto que uma adega.
      As tres velhas Irmans doirados dias
      Ainda te conservem: muitos anos
      Ainda, ainda sejas no teu mando
      Franco dispensador destes obzequios.

      Asim clamava o Vate, quando atende
      Que estava _vox clamantis in deserto_,
      Porque em sono os ouvintes sepultados
      Resonando a barraca atormentavaõ.
      Por tanto pauza fes; uma canéca
      Presto escorropixou; e c'os Anginhos
      Paresendolhe estar, fes sucia aos outros.

      Mas nas tendas a jente estropeada
      Ja cuidava em curarse, e refazerse,
      Quando um grande alarido ao lonje se ouve.
      Alegraõse os vencidos, novas forsas
      Nos animos cobrando, porque pensaõ
      Ser xegado o soccorro que esperavaõ.

      Asim era: Nerêo galhardo, e ovante
      Seguido de invenciveis combatentes
      Trazia de refresco o Doiro, e Vouga,
      Capitains, que a derrota fomentáraõ
      Dos dois vinheos Erois de seus destritos.
      Dadas as salvas d'uma, e d'outra parte,
      Entaõ ele contou como em Aveiro
      Antonio do Ministro, Cabo astuto,[15]
      Soldado veterano, omem temivel,
      Forte se lhe opuzera em campo aberto:
      Os manhozos ardis que escogitára,
      Os xoques que tivera, e seus encontros,
      Do noso Vouga, que prezente estava,
      Os inclitos servisos referindo.
      Depois pasa a contar quanto no Porto
      Lhe dera que fazer uma Matrona[16]
      Do que a Velha de Diu mais guerreira,
      Mais fera que as do antigo Thermodonte,
      Que deraõ tanto lustre á Capadocia.
      E não menos do Doiro ás nuvems alsa
      A parte que na asaõ tivera onroza.
      Em fim conclúe, dando a ver os modos
      Como d'ambos os dois desbaratados
      Os olhos entregára ao sono eterno.

      Oceano um pouco entaõ mais branda a pena
      Da perdida peleja, aos vensedores
      Amostrando um Real comprazimento,
      Comesou a tratar quanto era justo
      Porse por obra na manhan seguinte.

      Asentase em tentar novo combate
      Jeral, e decizivo. As transas loiras
      No vermelho orizonte ao vento dadas
      Mal que a Aurora amostrou madrugadora;
      Mal que os frajeis fugazes pasarinhos
      Com a lus matutina comesaraõ
      Nos verdes salgueirais a espenujarse,
      Um xirlando, outro em módulos gorjeios
      Enxendo de alegria a selva amena,
      Tudo se perturbou. Ergue do abismo
      A terrifica fronte angui-comada
      Outra ves a maldita a negra Guerra.
      Salpicadas de sangue as azas bate,
      E os longos arraiais tres vezes cérca.
      As buzinas, e os pifanos se tocaõ,
      Arrusaõ-se os tambores, treme a terra,
      E os marinhos pendoins dezenrolados
      Vaõ no imperio dos ventos tremulando.
      Aprestaõ-se os Soldados vensedores,
      E se vaõ encontrar c'os inimigos,
      Ums ainda arrotando a ovos xócos
      Vaõ enxendo as boxexas, e asoprando;
      Outros se queixaõ que a xixelo velho
      Muito a boca lhes sabe: em cuja arenga
      Entretidos em fim o imigo arróstaõ.

      Está'li Santareno altivo, e guapo
      Sopezando na dextra a espada injente;
      Qual atacada mina que promete
      Ruinas vomitar de imensa mole.
      De seus olhos pasmado está pendendo
      Seu exercito em pezo, aonde espreita,
      Como os ventos em grimpa, da batalha
      O escondido suseso. A bateria
      Entaõ comesa com fragor medonho
      Da parte dos Neptunios combatentes.
      Foi uma das descargas mais funestas.
      Muitos dos mais valentes bebedores
      Do saborozo xá das tortas parras
      O derradeiro A Deus aos copos deraõ.
      Encarnisa-se a jente, ferve a guerra,
      Reina a Desolasaõ, a Morte, as Furias.

      Apoucando no campo os inimigos
      Avia longo tempo que bradava
      Para um nobre duelo decizivo
      Pelo Padre Oceano, um Serralheiro.[17]
      Monstro injente, desforme, aspéto orrivel,
      A quem bravo, e colérico nas forsas
      A um toiro igualára a Natureza.
      Eis que ao lonje do Padre entre as falanjes
      O brilhante pavês de tartaruga
      Orlado c'uma pel' de crocodilo
      Os olhos anelantes lhe deslumbra.
      Na grande maõ sopeza firme, ufano
      Uma lansa fatal de largo ferro;
      E brandindo-a valente, rexinando
      Despedida a fes ir rompendo os ares.
      O golpe resaltou do rijo escudo,
      E a ástea espedasada em terra cae.
      O Padre embravecido o imigo busca;
      O imigo c'um montante se defende
      Briozo pelejando: mas o Padre
      Por tempo entaõ poupar, de romania
      Cerrou com ele, e o esmagou nos brasos.

      Do mesmo vensedor ultimos golpes
      Contra sua vontade onradamente
      Sofreraõ dezasete Sapateiros,
      E algums trinta Alfaiates neste dia.

      Unidos os d'Embarque denodados
      Aqui Górgones eraõ: nada em campo,
      Ante seus forsozisimos revézes,
      Que folgo respirase, em pé ficava.
      Nada menos fazia o Alemtejano,
      O Minhoto, e o Beiraõ. Naquele dia
      Com eterno desdoiro se encobriraõ
      Os feitos que nos Gregos cadafalsos
      Em torneio cruel outr'ora obráraõ
      Rozuel, Estrelante, e Belizarte.

      Ali Nereo andava incontrastavel,
      Ali Periclimeno em forsas grande,
      Ali o Padre Tejo, o Doiro, o Vouga
      As mais descomedidas tridentadas,
      Que o mundo ha visto dar, ao imigo dando.
      Destroncava Achelóo mais cabesas,
      Cerceava sanhudo mais orelhas,
      Do que o fertil Brazil macacos cria.
      Mas vendo que sua ira inda sedenta
      Mais estragos dezeja, o arrojo toma,
      O temerario arrojo de encontrar-se
      C'o grande Santareno. Este montado
      No asno, ao som de zurros espantozos,
      Com guerreiro valor tempesteando
      Entre seus inimigos, como um rio
      De caudaloza enxente, que insofrivel
      Na alagada campina arranca, e arraza
      Quanto lhe estorva á turbulenta marxa,
      Levava a toda a parte o orror, e a morte.
      Acomete Achelóo em manhas ábil,
      Fáslhe cara o Eroi; quebraõse as lansas,
      E dos brutos c'o a furia abalroados
      Pinxaõ das selas pelas ancas fóra.
      Postos a pé aqui he que saõ elas:
      Arrancaõ das espadas, talhaõ, cortaõ,
      Estoqueiaõ, desmalhaõ: nasce fogo
      Dos asos petiscado; ora se curvaõ,
      Ora em bicos de pés raivozos se erguem.
      Os golpes se amiudaõ, giraõ destras
      As talhantes catanas: um sobre outro
      Vantajem naõ conhese um'ora inteira.
      Transforma-se Achelóo d'improvizo
      N'um dragaõ feio de farpada lingua:
      Espanta-se o Eroi, mas destemido
      Sobre as azas um córte lhe aprezenta,
      Que o fas baquear em terra. Novamente
      Em majestozo toiro convertido
      Impetuozo avansa: entaõ por terra
      C'o a forsa do boléo o Eroi caindo
      Aos cornos se lhe agarra, e novo Alcides
      O faria em pedasos desta feita,
      Se em mosca transformado, n'um momento
      Lhe naõ foje futil, cobarde, e fraco.

      Entretanto a carnajem sanguinoza
      Voando devastava o campo todo,
      E d'ambos os exercitos provavaõ
      Os nobres Capitains dezasombrados
      De valor naõ comum, naõ vulgar fama.

      Mas a gente marinha desangrada
      Do ferro Bacanal ja naõ podia
      De brutos taõ indomitos a sanha
      Nas filas sustentar. Entra a dezordem,
      E toca a retirar. Ja de Anfitrite
      Aos palacios Reais se encaminhava
      O férvido Titán palido, e triste
      A darlhe a infausta nova da derrota,
      Que em sua gente a seu máo grado vira.
      Caindo as sombras vem dos altos montes,
      E d'uma, e d'outra banda sepultura
      Se entra a dar aos cadáveres que alastraõ
      O campo da batalha, e daõ aos olhos
      O orrorozo matís que a Guerra estende.

[12] Caetano. O mencionado no Canto antesedente.

[13] Doutor Rito. Um dos papeloins mais celebres que o ocio nutre. Ainda
que nunca lhe lembrou seguir os estudos, andou nos primeiros tempos de
batina; foi Doutorado por seus mesmos Pais, e na sua propria caza,
servindolhe ums calsoins de riso azul da insignia de capelo. Palra sempre
de autoridade; he sorumbatico de natureza, e quazi sempre anda com
tericia. A sua caza he de orates.

[14] Xaves. Bebado da 2.ª espece: he de um notavel dezembaraso, de uma
verbozidade pasmoza, e de uma mania de fazer trovas insofrivel.

[15] Antonio do Ministro. Foi em Aveiro um dos Taverneiros principais.

[16] Matrona. Uma _ejusdem furfuria_ bem conhecida no Porto pela
alcunha de Rainha.

[17] Serralheiro. Irmaõ do Gigante Dramuziando, filhos do Entuziasmo, e da
Fantazia.



*CANTO VI.*


      Geme o Padre Oceano inconsolavel
      No fundo de seu peito, e mais aguda
      Comesa a renovarse a dôr antiga.
      O malogrado fim de seus dezenhos
      He um dardo punjente, que as entranhas
      Lhe pica, e despedasa; e quem naõ soube
      Dos purpureos Erois ceder ás forsas,
      Em fim cede á mortal melancolia.
      Tanto póde a paixaõ n'uma alma grande!

      Fexase triste no tentorio Regio;
      Nimguem ouza falarlhe; solitario
      Só quer por companhia o pensamento.

      Pasadas oito oras em silencio
      Manda entrar os seus Cabos: pensativo
      Sobre a meza encostado o cotovelo
      Na maõ esquerda descansava o rosto,
      Gotejandolhe em lagrimas banhadas
      As venerandas cans da longa barba.

      Amados filhos (vagarozamente
      Tendo erguido o semblante macilento
      Asim lhes dis) Amados filhos, nunca
      Taõ fera atasalhou meu peito forte
      A tirana Paixaõ! Nunca minh'alma
      Tanto vi afracar!... Fatal derrota
      Foi esta que no livro do Destino
      Lavrada estava em caratéres negros
      Pela férrea maõ da atrós Desgrasa!
      Nosas forsas (as forsas invenciveis
      Que tem amedrentado o mundo inteiro!)
      Abatidas as vedes, destrosadas
      Por barbaros Salvajems, por ums brutos
      Que nada por si tem mais que fortuna.
      He pois tempo, surjâmos acordados
      Deste pelago vil de cobardia
      Onde a triste vergonha nos asoita.
      Para o imigo venser quem se embarasa
      Que aja esforso, e valor, ou que aja dolo?
      O que forsas naõ daõ, ardís alcansem.
      Todo aquele que vir que melhor póde
      Ao exito xegar do que intentamos
      Meta maõs ao trabalho, dêse présa
      E reduza a pedasos esta canga
      Que tanto no caxaso nos carrega.

      Levantase do asento entaõ pacato
      O Velho guardador dos grandes Focas,
      E no meio do cónclave luzido
      Dest'arte descarrega a consciencia.

      Até'gora eu naõ quis a colherada
      Nestas coizas meter; vós tendes feito,
      Tendes acontecido, sem quererdes
      Pedirme, nem ouvir os meus concelhos,
      Porem quando a tortura a tal extremo
      As coizas vai levando, oporme devo,
      E servir a meu Rei, qual poso, e valho.
      Os Deuzes, caro Pai, tem-me ensinado
      As coizas do por-vir caliginozo,
      Eu antevi estes dezastres feios,
      Mas eu sem ser forsado naõ predigo.
      Por castigo talvês dos Deuzes fose
      Ao voso dezacordo.... Porem basta,
      Ja tudo se pasou, agora eu mesmo
      Tomar á minha conta a empreza quero.
      Socega, amado Pai, o Eroi da pinga
      De meus tiros o alvo a ser comesa.

      Recobrou novos animos o Padre,
      E do filho nos ombros sempre firmes
      O pezo descansou da grande guerra.

      Proteo, que nos ardís exp'rimentado
      Fôra sempre instrumento a mil fasanhas;
      E cuja calva frente laureada
      De importantes facsoins sempre saíra,
      Um pouco sobre o cazo consid'rando,
      Este acordo felis contente abrasa.
      Vaise ter com a Astucia enganadora.
      He esta uma rolisa Mosatona,
      Que vestida de peles de rapoza,
      E empunhando na dextra um rico cetro
      Domina sobre os omems; manda, impera
      Os indomitos tigres, quais cordeiros.

      Em quanto pois bulindo dezenvolta
      Lhe xamejaõ os olhos inquietos
      Por ouvir o que quer dizerlhe o Velho,

      Eu quero, lhe dis ele, que te empenhes
      Agora em socorrerme quanto pódes.
      De Baco um General meu inimigo,
      Xamado por alcunha o Santareno,
      Do esforso ou da fortuna socorrido
      Tem triumfado das aguas. Oceano
      Ja derrotada a flor de sua jente
      Suspira inconsolavel. Mas dos livros
      Do tremendo Destino irrevogavel
      Eu sei que o Santareno ao ferro ao fogo
      Naõ tem de dar a vida nas batalhas;
      Pois uma pouca d'agua em ora infausta
      Bebida, ha de arrancarlhe ao corpo o sprito.
      O buzilis porem consiste agora
      Em fazerlha beber sem que ele o saiba,
      Por quanto este animal temlhe odio eterno.
      Todavia a este laso que lhe tramo
      Fugir naõ poderá. N'um arrabalde
      Naõ lonje da Cidade, brevemente
      Farsehá uma funsaõ que ele naõ perde.
      Aqui pela canseira do caminho
      Moído xegará, suado, e laso.
      Forsozo he pedir vinho, isto naõ falha.
      Tu pois, que és marralheira, ásde mui prestes
      Em sua mesma Môsa transformarte;
      E eu tornado em agua facilmente
      Na vazilha entrarei que tu lhe deves
      Lampeira ministrar. Ele sedento
      Nem se he vinho, ou se he agua reparando
      A enfuza vazará no grande buxo.
      Deste modo a meu salvo os intestinos
      Ávido devorando o darei morto,
      E terei concluido a grande empreza.
      Vamos pois sem demora vem comigo.

      Vamos onde quizeres; insofrida
      A Astucia respondeu. E logo promptos
      Metidos n'uma nuvem negrejante
      Tirada por seis Euros rujidores,
      Despejando coriscos sentelhantes
      Ao orrorozo som d'um trovaõ grande
      Sobre a airoza Coimbra em fim baixáraõ.
      Mas como do Deleite o Santareno
      Estava no país, ordena Próteo
      Que a Astucia dali sacar o fasa,
      E á Cidade o conduza aonde a trama
      Para o pobre cair armar pertende.

      Entre os longos Estados da Mentira
      Infame Imperatris da maior parte
      Da terráquea mole, junto ás fraldas
      D'uma verde colina alcantilada,
      Sobre um campo espasozo, plano, ameno
      A que regaõ d'um rio as mansas aguas,
      A galante Cidade encantadora
      Do vaidozo Deleite está plantada,
      A pálida Doensa, os Desprazeres,
      Os Remorsos crueis, a orrivel Morte
      O cume senhoreiaõ do alto monte.
      Mas o Engano traidor, c'um tolde espêso
      Tudo isto ávido encobre á gran Cidade.
      Nela tudo he prazer, tudo he descanso.
      O povo abitador ao ocio dado
      Só cuida em divertirse: o Baile, o Jogo,
      Os Cantos, a Luxuria, os Boms-bocados
      Aqui abítaõ ledos: pelas ruas
      Amplas Satisfasoins andaõ jirando
      Ministros de seu Rei: seu Rei parese,
      C'o as fraudolentas côres que a Mentira
      Arteira sobre modo o tem pintado,
      Um rapás mui lousaõ de afavel jesto.

      Aqui de toda a parte os povos correm
      De seus serios deveres deslembrados
      A pedir a este Rei, quais seus dezejos,
      Tais as Satisfasoins, que outorga facil.
      Aqui a avía vindo o Santareno,
      E a meiga sua Espoza a Santarena,
      A pasar algums dias satisfeito
      Do fim da grande asaõ com que ultimando
      A mais árdua vitoria felismente,
      Tinha a um nome de impávida memoria
      Por entre o ferro, e o fogo alcanse dado.

      Mas a doloza Astucia que naõ sabe
      Desvelada perder monsaõ de efeito,
      Por Próteo instigada, em continente
      As cambiantes azas solta aos ares,
      Dá nele d'improvizo, e asim o ataca:
      Dos remorsos se val acuzadores;
      E por uma maneira extravagante
      De seu alto saber somente propria,
      C'o as cores da razaõ na triste ideia
      Seu vil procedimento lhe debuxa.
      Faslhe ver com a mesma consciencia
      Como he mais justo que um Eroi constante,
      Que as desgrasas tratou de bagatela,
      Em as prosperidades naõ se infune.
      Que naõ dê que falar ao povo rude,
      Que murmurante na Cidade o acuza
      Pelo ver aos prazeres taõ sensivel.
      Que deve a sua caza retirarse,
      Tirar do vencimento util proveito,
      Naõ confiarse em si, porque inda as Aguas
      Estancado naõ tem as forsas vastas.
      Aqui do astuto Anibal traslhe á mente
      E do Magno Pompeo exemplos vivos,
      Que ja devem fazelo escarmentado.

      Em fim estas solicitas lembransas
      De tal sorte do Eroi fervelhaõ n'alma,
      Que em si caindo parte rezoluto.



*CANTO VII.*


      Entretanto em Coimbra amotinada
      Era inda o pasmatorio inexplicavel
      Por cauza do trovaõ medonho, e orrivel,
      Que desde os fundamentos abalára
      As altas cazas, e fizera aos sinos
      Por si mesmos tocar nos campanarios.
      Soava Saõ Jeronimo inda em partes,
      E em outras Santa Barbara bemdita
      Com espantozos berros; e a vizinha
      Á timida vizinha inda contava
      Das viboras de fogo côr de enxofre,
      Que tortuozas rápidas caíraõ.

      Os dois obézos vultos, que sozinhos
      Pelas sombras da noite caminhavaõ
      Vinhaõ asustadisimos: em bica
      Lhes corria o suor, e sem falarem
      Só vinhaõ nas camandolas sebentas
      Ave Marias mil, e Padre Nosos
      Ums apôs outros engolindo a medo.
      A caza em fim xegáraõ, e por terra
      Depois de averem dado aos Ceos as grasas
      Pelos ter dos perigos defendido,
      Entaõ uma Sobrinha por miudo
      As coizas lhes contou que se pasavaõ.
      Diselhes, que depois que eles se foraõ
      Ao seu divertimento, na Cidade
      Em nenhuma outra coiza se falava
      Senaõ no grande risco a que seu Tio
      Tinha ficado exposto; que entre dentes
      Naõ sei que se rosnava; pois que o Xefe
      Inimigo tentava armar ocultas,
      Fraudolentas traisoins; que era precizo
      Cautela, e mais cautela: acrescentando
      Que teve ums sonhos (de que Deos nos livre)
      Mesmo áquele respeito asás funestos.
      No que naõ creu o Eroi; porem Madama
      C'o a noticia em extremo intimidada,
      Asentando que ali avía agoiro,
      Fês que viese a caza no outro dia
      Uma ábil Franxinota a lerlhe a sina.

      Asim foi: uma veio asás jocoza
      De cabasa, e bordaõ, trincos nas repas
      Formados em torcidos papelotes,
      Pálidas maõs, agaloadas unhas,
      Altas as saias com franjoins de lama,
      Mursa nos ombros de ensebado coiro
      Com redondas conxinhas matizada,
      E um de languidas ábas xapeo ruso
      Com varios em redor Santiaguinhos
      No alto da cabesa côr de estriga.

      Era esta sagacisima, adestrada,
      Mestra no ultimo ponto em Chiromancias.
      Olhou, examinou, tomou medidas,
      Mas viu mil cruzes na polpuda palma
      Do magnanimo Eroi, mil entrelinhas
      Cortando inteiras linhas, mil figuras,
      Mil indicios em fim de agoiro aziago,

      De caza em todos toma pose o susto:
      Parese cada cara uma laranja.

      Porem o Santareno que prezume
      Ser em materias tais dezabuzado,
      Que nunca em Bruxas creu, ou Lobizomes,
      Deita estas coizas para trás das costas.
      Trata de divertirse, e em mais naõ pensa.

      Ai de quem da memoria o adagio varre
      _Quem inimigos tem dormir naõ deve!_

      Xegada estava entaõ uma romajem
      Dia de Pentecoste, onde Coimbra
      Em pezo aos Olivais sair costuma.
      He esta uma funsaõ das mais luzidas
      Daqueles arrabaldes; ali entra
      Tudo o bom, e bonito; ali se encontra
      Todo o recreio de qualquer espece.
      Veemse ali jocozisimas Comedias
      No amplo teatro do arraial vistozo.
      Veemse as Trajedias de orrorozo aspéto
      A sena ensanguentarem. D'uma parte
      Esgrimese com ansia a espada preta,
      D'outra em jogo de páo soa a lambada.
      Aqui n'umas mezinhas enfeitadas
      Mosas de arromba, que os tafuis arrastaõ,
      Vendem d'envolta c'o as xulises torpes
      Sédiso doce de mil castas feito.
      Ali nas asadeiras xia a carne:
      Esta freje a sardinha, aquela os ovos,
      Uma vende agua ardente, outra beijinhos.
      A fresca como neve limonada
      De resto ali se trata: ali triumfante,
      Como em brilhante trono, sobre um carro
      De cana, parra, e loiros enramado,
      Adoradores mil em torno tendo,
      Vêse a _sine-qua-non_ excelsa Pinga.

      E que peito de páo, que alma de palha
      Poderá insensivel n'um tal dia
      Ao recreio negar entrada franca?
      Um omem de bom senso, e que se préza
      Ser da onra, e do respeito alumno serio
      Ha neste dia de trancar insano
      Em masmorra domestica o seu gosto?

      Naõ era, o noso Eroi naõ era filho
      De pai que tal fizese. Espoza cara,
      Dis ele, he nesesario naõ perdermos
      Os uzos, e costumes: he xegada
      A minha romaria: resta veres
      O que eide merendar; pois tu bem sabes
      Que nisto da funsaõ consiste o todo.

      Mas a crédula Espoza, a quem agoiros
      Sempre grande impresaõ fizeraõ n'alma
      Aflita com exceso asim lhe argúe:

      Onde queres tu ir? Tu serás doido?
      Credo! Apelo eu! Lenho da Crus Santa!
      Naõ vês, alma de Deus, como danados
      Andaõ teus inimigos de alcateia
      A ver se te devoraõ? Tu naõ queres
      Inda acabar de crer? Eu bem te avizo.
      Se queres merendar, merenda em caza,
      Deixa lá ir quem vai á romaria.
      Bem viste a Franxinota o que te dise
      Quando lendo te esteve a _buena dicha_.

      Ai, temos conversado, a Deus Senhora;
      Quero ir á romaria, tenho dito
      (Replíca ele agastado) vá dar ordem
      A um fardel em termos: ca por ora
      As Aguas nunca me fizeraõ papo:
      Naõ temo de nimguem, só de Deus temo.

      Com efeito apromtouse uma merenda,
      Que para outro qualquer fôra um banquete.
      Era uma perna de vitela tenra
      Com Anjelico molho temperada
      Segundo os boms preseitos que arte ensina;
      (Ele a tinha aprendido com boms Mestres)
      De prezunto era um grande pratarrazio,
      De porco quatro pés, seis orelheiras,
      Uma lebre, um leitaõ, sete coelhos,
      Ou láparos talvês; afóra o lombo
      Que estivera ate'li de vinho d'alhos
      Iaõ sinco ou seis pains de imensa mole;
      Coroando por fim a obra toda
      Xeia de vinho a pel'd'um bode d'ampla
      Desmedida grandeza: odre admiravel,
      Qual nunca em seus opíparos banquetes
      Teve de Bromio o orelhudo Socio.

      Mas vem a cada porco um S. Martinho.
      Em fim he tempo, os duros Fados instaõ,
      E Lachesis da roca por momentos
      Vai tirar ao Eroi o ultimo fio.

      Da partida se trata: a carga opíma
      Da profuza merenda em dois alforjes
      Um burro fas vergar: na maõ c'o as contas,
      E c'o a borraxa á cinta, o Santareno
      A maguada Espoza prende, e abrasa;
      E entre doces coloquios até a noite
      Seguro se despede. Mizerando
      Que ignora que esta noite ao prazo dada
      He por ordem dos Ceos a noite eterna!
      Entaõ tres vezes que dirije os pasos
      Da porta ao lumiar, tres vezes dentro
      Se torna perturbado, inquieto, mudo.
      Preságo o corasaõ dentro no peito
      Agitado lhe bate: mil lembransas
      De montaõ o atacaõ: anda, pára,
      Nem sabe a decizaõ que tomar deva.
      Mas se o que tem de ser, tem muita forsa,
      Com eroico valor tanto imbecilho
      Rompendo finalmente a estrada avansa.



*CANTO VIII.*


      Vai a ultimarse a empreza. Numen terno,
      Que os influxos nos lúgubres cantares
      Da Heliconia montanha aos Vates mandas,
      Para oje acompanhar meu canto triste
      A minha lira d'évano tempéra,
      E nas cordas me ensaia os dedos broncos,
      Q'a impreterivel ordem dos susésos;
      Ja me fas o sinal de pôr aos olhos
      A lastimoza sena em que a Desgrasa
      Deixou que á vergonhoza cobardia
      Cedese o alto valor d'um peito nobre.
      O estro se me afraca, o pulso treme...
      Eu quizera esquivarme ao pezo enorme...
      Ó Muzas ajudaime. Ja sentado
      Sobre a relva do campo verdejante
      Onde da romaria a jente estava
      Noso Eroi dezabotoava impando
      Os graúdos botoins da imensa vestia.
      Ja mais em ano algum ele sentira
      Em funsaõ semelhante entre folgares
      Taõ grande desprazer dentro em si mesmo.

      Ui lá! q'inda este burro naõ xegase!
      Valhame Deus, forte tardansa he esta,
      (Dizia ele lá comsigo mesmo)
      Nem moso, nem dinheiro, nem garrafa;
      Máo está o negocio... E asim rosnando.
      Sentado cada vês mais se aflijia.
      Levantase, o capote aos ombros puxa,
      E gozando do fresco deleitozo,
      Que o zefiro das azas sacodia
      C'os olhos do concurso em torno gira.

      A precavida Astucia, que d'um alto
      Todos seus movimentos atalaia,
      Entaõ em Môsa feita, de tal sorte
      Que a sua em carne, e oso ser parese,
      Sae d'entre o barulho, e contra o Amo
      Os concertados pasos endireita.

      Ora grasas a Deus! Pois inda'gora
      He que tu la de vir oras axaste?
      (Lhe dis ele agastado) Morto á sede
      Ha mais de duas oras aqui posto
      Sem xegar inda o vinho! Irra c'o a festa!
      Por onde tems andado? Q'he do burro?

      Como quem d'um perigo ilezo escapa,
      Que fica longo tempo, em dezabafo
      Do aflito corasaõ que á présa bate,
      Cansado respirando, e da garganta
      A fala desprender livre naõ pode;
      Asim depois de um pouco estar ant'ele
      Descansando arquejante, e fadigada,
      D'est'arte entre ipotéticos enfados
      Zangada a Mosa apócrifa responde:

      Ah Senhor! que me dis? Sabe os trabalhos
      Q'ese burro nos deu? Olhe a empreitada
      Melhor naõ pôde ser. Mais de oito vezes
      Tem caído c'o a carga: eu e o Fernando
      Temo-nos visto Gregos: os alforjes
      Vem todos lameados; as casoilas,
      E frejideiras todas se quebráraõ:
      (Cada palavra destas piamente
      Creio que era no Eroi uma facada
      Segundo as cores mil que ao rosto dava)
      Os molhos se verteraõ; finalmente
      Caminhando adiante eu vim mais prestes
      Somente por pensar que esta tardansa
      Lhe daria cuidado. E naõ pequeno,
      (Torna ele) esa está boa! Esta somente
      A mim he que susede... Paciencia:
      Que lhe avemos fazer? Eide matarme?
      Naõ; matese o Diabo. Vai depresa,
      Que eu tenho muita sede, e estou suado,
      Buscar meia canada n'uma enfuza,
      Que eu naõ poso esperar que o odre xegue.
      E traze do melhor, anda deprésa.

      A Astucia mais naõ quis ouvir; e dentro
      Do barulho sumindose contente,
      O fatidico Vate que a aguardava
      No aprazado lugar buscando encontra,
      Mutuos parabems ambos se prestaõ,
      E sem que dois minutos se esperdisem
      Em agua o ávido Velho se transforma,
      E na enfuza se mete. Corre, voa
      A fatal Portadora. O Santareno
      Tanto que a enfuza enxérga, ja sem tino
      As guelas abriu voraginozas,
      E, sem fazer no gosto algum reparo,
      Alambazado, e sofrego d'um trago
      Em vês de vinho foi beber a morte.
      Dominante entra Próteo. D'improvizo
      As entranhas do Eroi rujindo estalaõ:
      Com orrorozas vascas treme o corpo:
      Os brasos se lhe estrixaõ; torce a boca;
      Revirados os olhos se lhe vidraõ,
      Os dedos fexa, estende as pernas, morre.

      Ah barbaro traidor! Que gloria, ou fama
      Defeito taõ atrós, de asaõ taõ crua
      Pertendes alcansar? Sempre em meus versos,
      Se versos os meus versos sempre forem,
      Notado tems de ser de vil, de infame.

      Morreu o Santareno. As longas azas
      Batendo logo a xocalheira Fama
      O boato espalhou por toda a parte.
      Alvorósase o Povo, corre, inquire,
      E cercaõlhe o cadaver. Escumava,
      Ainda quente o corpo; e a Morte pálida
      Ja lhe tinha das faces desbotado
      O vivo vermelhaõ. Ceos! que terrores,
      Que frios sustos, que orrorozos pasmos
      Esta morte naõ cauza á gente toda!
      Eis uma tumba a multidaõ rompendo
      Lá o condús em si levando fitos
      Os tristes olhos da pasmada jente,
      A funsão se desfás, tudo se abala;
      E o jeral sentimento nos semblantes
      Dos calados Romeiros vem pintado.
      Tal se tira lisaõ destes exemplos!

      A caza a tumba xega: o povo a porta
      Rodeia em turbilhoins: toda a familia
      Frenética rebenta em pranto amargo.
      Da caza que resoa sem maneira
      Fere as aureas estrelas o alarido.

      Ja mais aparesêra em nosos dias
      De dezordems taõ funebre um teatro!

      Mas na Espoza infeliz que alma ferida
      Ja tinha desde muito, entaõ se acaba
      De cravar o punhal sangui-sedento.
      A fala se lhe toma, as cores perde,
      Suspira, desfalese, em fim desmaia.

      So a linda Sobrinha, linda mesmo
      Como Deus a criou, largando as redeas
      Da violenta paixaõ que sofreava,
      Insana fere as boxexudas faces,
      Fórma gritos d'espanto, e as maõs fexando
      Uma n'outra, indizivel xoradeira
      Fas nestes termos pouco mais ou menos.

      Ai Tio da minh'alma! Bem dizía
      Bem diziamos nós que naõ saíse!
      Que negra romaria nos foi esta!
      E que áde ser de mim?... Oh Ceos, eu morro.
      Ai de mim! Ja (quem tanto me queria)
      Naõ me ouve aqui xorar mesmo ao pe dele!
      Ja naõ fala, morreu... Forte desgrasa,
      Senhor, forte desgrasa! Quem diria
      Que n'um pouco de vinho fose a morte?
      Mas ah! que a mim do sonho inda me lembra
      Que ele os tempos atrás de noite teve!
      Oh mal-aventurado, triste dia!
      Nunca tu... E asim continuava
      Abrindo, e com furor fexando as portas.

      Em tanto a si tornando a Espoza Eroica
      O amortalhado corpo apenas pôde
      Só ver, e abrasar, porque fexada
      Quis dar á sua magua o dezafogo
      Que a todos nos ensina a Natureza.

      Naõ ouve caõ nem gato a quem deixase
      De custar quatro lagrimas tal perda.
      Todos, bom Santareno, te xoráraõ:
      Nas mesmas sentidisimas adegas
      Ainda oje se veem lagrimejando
      Os bojudos toneis, as gordas cubas.

      Mas que ternura em mim!... Ah! vinde, vinde
      Minhas lagrimas ternas, que tributo
      Melhor naõ pagareis á sua memoria.
      Oh mal aja o primeiro, que das guerras
      A praga fes cair no pobre mundo:
      Nefanda praga dos mortais verdugo,
      Donde veio a dezordem, donde os roubos,
      Donde a desolasaõ, a mortandade.
      Ditoza Pás, dos Ceos abitadora,
      Serena filha da Ventura eterna,
      Que os mizeros umanos tanto alegras;
      Se fora mais privado o teu imperio,
      Se a execranda Discordia naõ ouzára
      Entrar com maõ armada os teus limites,
      Lansar neles o orror, destronizarte;
      Ainda o meu Eroi de glorias xeio
      Alegrára vivendo os nosos dias.
      Mas naõ susede asim: est'alma nobre
      Foi do sosego seu dezaposada
      No melhor de seus anos: os trabalhos
      Mais as consumisoins, que de rezerva
      Dispostos a atacalo andavaõ juntos,
      Fizeraõ nele o tiro; e o bem-fazejo,
      O braso liberal que no regaso
      Da esfaimada Pobreza amplos tezoiros
      Franquear costumava viu-se a ponto
      De pegar da espada. Mas que forsa
      Naõ era a de seu braso? Que grandeza
      A de seu corasaõ robusto, e forte?
      Ah! e que Átropos cega, e sem acordo
      Condene ao mesmo golpe o poltraõ baixo,
      E o magnanimo Eroi, que a Patria onra!

      Amigos deste Amigo, se inda o zelo
      Vos aquese as asoins, eia xoremos,
      Naõ sejamos ingratos, indolentes:
      O luto se conhesa, banhe as faces
      Um saudozo pranto. Quem mais facil
      Satisfês algum dia, que este Amigo
      As nosas precizoins? Quando caía
      Das nuvems gêlo aspérrimo que o sangue
      Nas veias encalhava, quando a negra
      Mortal Melancolia o peito inerme
      Cruel nos abafava, elle benigno
      Naõ nos dava o remedio, apenas via
      Junto á porta asomar nosos garotos?
      A quem mais beneficios, mais louvores
      Poderemos dever, telhas abaixo?
      Ai de mim, que naõ poso, ó grande Amigo,
      Xorar a tua perda incomparavel
      Com pranto de ti digno! Oh s'eu podera
      Gastar agora umor de Carpideira,
      Noite, e dia regára o teu sepulcro.
      Tu es digno de lagrimas eternas.
      Eroi sempre invensivel, que fizeste
      Notar teus aleivozos inimigos,
      Se venserte quizeraõ, c'o a infame,
      C'o a dezonroza marca de cobardes;
      Varaõ constante, que arrostaste os lanses,
      Qual aguia majestoza arrosta os ventos.

      Arrepele os cabelos sibilantes,
      Que a fronte negra esquálida lhe arreiaõ;
      Raivoza a lingua morda, dê bramidos
      Maiores que trovoins a magra Inveja;
      Tu cantado serás: teu nome egregio
      Na letárgica veia entre cardumes
      De populares deslembrados nomes
      Naufragio naõ fará: em pás descansa,
      Seja-te leve a terra que te cobre,
      De teus osos a pás nimguem perturbe.
      Deixese ao Tempo revolver a roda:
      Tems sempre de ser celebre no mundo,
      Sem que a fama de Heitor te fasa sombra,
      _Sem á dita de Achiles ter inveja._


FIM.

     *     *     *     *     *

      _Pascitur in vivis livor: post fata quiescit,
      Cum sùus ex merito quemque tuetur honos._

      Ovid. Am. l. I. E. 15.

     *     *     *     *     *





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Santarenaida: poema eroi-comico" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home