Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Garatujas
Author: Freitas, Joaquim de Melo, 1852-1923
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Garatujas" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



disponibilizadas pela Biblioteca Digital da Ria-BibRia)



*GARATUJAS*

por

*Mello Freitas*


Bacharel formado em direito, Socio correspondente da Sociedade de
Geographia de Lisboa, Socio fundador da Associação dos Jornalistas e
Escriptores portugueses e mais nada.


      Tem versos naturaes, parecem prosa!
          Bocage (Sonetos).


AVEIRO

IMPRENSA COMMERCIAL
Rua de José Estevam.

1883

     *     *     *     *     *



*Voz no deserto.*


João de Deus é incontestavelmente o nosso primeiro lyrico.

Homem que acredita em Deus para não ser um João "Ninguem" que, nas
vesperas d'uma epedemia, caiou d'alto abaixo a povoação inteira de
Messines, e que no remanso d'alma inventou com affecto um methodo racional
de leitura para alegria e allivio das creanças, qual outro mais
apaixonado, de maior delicadeza e tão mavioso?

Atraz d'elle grasnou por largo espaço de tempo um rancho de patos n'uma
vozeria medonha imitando-lhe a belleza das rimas, e a estructura da
phrase.

A "Morte de D. João" de Guerra Junqueiro produziu de subito um cataclysmo
como se se rasgassem as entranhas da terra e uma cratera se abrisse
vomitando a lava em rolos de fumo. Todos se julgaram n'esse instante com
direito a molharem o pincel nas côres iriadas de tão esplendida palheta,
esboçaram por isso com as mesmas tintas os perniciosos fructos do lupanar,
cantaram o mercurio, a copahiba e a syphilis, esfalfaram as pluraes dos
adjectivos, evocaram a desditosa Ophelia, obrigaram Christo a marchar em
todas as linhas das suas estrophes, e finalmente prenderam a cotovia entre
alexandrinos caudalosos com os epithetos mais extravagantes bebidos na
leitura da opulenta prosa de Flaubert, Zola, e Daudet.

Na esteira phosphorescente do sublime trecho de Soares Passos--"O
firmamento"--muitos outros gonfaloneiros da poesia scientifica tem
actualmente interrogado o mysterio e a duvida, hasteando um labaro de
perguntas mais causticas do que um emplasto de mostarda, pimenta e
cantharidas.

O plagiato é o grande affluente, que assopra as vagas empoladas da
litteratura.

Vou por certo, estuando e redemoinhando, entre os cachões d'aquelles que
não inventam, mas imitam, e hoje que os maiores poetas do nosso paiz arfam
dentro de encadernações luxuosas, e gemem em papel velino, no bello typo
renascença as suas endechas mais subtis e trascendentes, para me affastar
d'elles, e lhes não manchar a chlamyde guerreira, se obedecesse aos
impulsos do meu merecimento devia gravar o escalracho dos meus sonetos,
carregados de lepra, na casca doente dos platanos ou imprimil-os, quando
muito, em papel pardo. Esta confidencia é talvez esteril, mas urgente.

      31 de dezembro de 1882.

      *Mello Freitas*



*No Passeio Publico*


      A charanga transuda uma _gavotte_:
      Dois caturras discutem acirrados,
      E com bengalas corneas d'estoque
      Vibram politica em medonhos brados;

      Um coronel solemne, um D. Quichotte
      Exige a continencia d'uns soldados,
      E trauteando a polka da Mascotte
      Giram damas a passos alquebrados;

      As _lorettes_ com artes de raposa
      Perseguem os alferes; conjecturo
      Que não seja talvez p'ra boa cousa.

      Finalmente um burguez, nedio, maduro
      Ri do estado inter'ssante de sua esposa
      Porque se julga o pae do nascituro.



*Forget me not.*

(não me esqueças)


      Não te esqueço, florinha humilde e bella
      Que tornas a campina um firmamento,
      Innocente, sublime bagatella,
      Joia viva, risonho monumento.

      Não sei que poesia encontro n'ella,
      Que instilla em roda ethereo, vago alento
      Tão breve, tão discreta, tão singela,
      Qual pyrilampo, o nitido portento.

      N'essa titilação fosforescente,
      Lagrima-esmalte da urze tão subtil,
      Abrandas as escarpas da torrente

      Mensageira do lascivo mez de abril
      Quem te não ama, o coração não sente
      Miniatura com petalas d'anil!



*Vendetta*


      Juraste a minha perdição, ingrata,
      A quem adóro como adóro a vida
      Casta flôr, flôr de neve estremecida,
      Que sorris, quando o teu olhar me mata.

      Gravei no peito aquella rubra data
      Em que te vi, amor! qual na avenida
      Se entalha na fiel casca endurcida
      O nome da huri, que nos maltracta

      E, apesar de seres tão bella e mansa,
      Folgas que a desventura me persiga
      Dilacerado de cruel esp'rança.

      Seja assim! É atroz minha vingança,
      Pois que amôr e odio tanto me castiga,
      Cada vez te amo mais, dôce inimiga.



*Desditosa cecem!*


      Pobre flôr, que se estiola
      Na vertente da montanha,
      Ninguem aqui te consola
      Fria sombra te acompanha.

      Commoção que te desola!
      Uma peçonhenta aranha
      Sobre a nitida corolla
      A sua rede emmaranha!

      Quem te lançou no degredo
      D'este acerbo pavimento
      Para te olvidar tão cêdo?

      --A meus paes fugi mesquinha
      Fugi nas azas do vento
      Triste sorte foi a minha!...



*O Marquez de Pombal*


      _Le Roi Faineant_ cerrará os olhos
      E partira entre nuvens para o ceu
      Surge, depois, na côrte um escarceu
      Que brame da vingança nos escolhos

      D'altas vagas de bronze nos refolhos
      Poz a Intriga um galeão como trofeu
      A effigie de Pombal tinha em labeu
      Jaz na poeira, no olvido, e nos abrolhos.

      Então a Inveja alastra a baba escura
      Qual serpente, que as roscas ennovela
      E a empreza do ministro transfigura.

      Entretanto o Marquez com amargura
      Diz fitando a grosseira caravella:
      --_Lá te vaes Portugal agora á véla._--



*Abandonado!*


      Uma fita prendi côr de saphira
      No leve, tenue pé d'uma andorinha;
      Este anno regressou a pobresinha
      E junto ao ninho seu constante gira.

      Quando o sol no horisonte se retira
      Esvoaça em redor de mim sósinha;
      Tambem esta alma, soffrega, mesquinha
      Por ti enfeitiçada geme, expira.

      Ella na espuma branca, qual arminho
      Foge no mar á raiva dos açores
      Não perdendo a lembrança do seu ninho

      Só tu na primavera dos amores,
      Como vibora occulta em rosmaninho,
      De mim te olvidas na estação das flôres.



*Garibaldi*

(Fallecido a 1 de junho de 1882.)


      É morto o _condottiere_, o paladino
      Soldado da rasão e da justiça
      Forasteiro, que o sangue desperdiça
      Nas refregas do tragico destino.

      Genio do bem, suave e peregrino
      Estatua de luz e amor toda massiça
      A cujo aspecto a multidao submissa
      Se agrupa em alvoroço repentino,

      Guerrilheiro da America indomavel
      Espada de Dijon, e da Marsalla,
      De Napoles e Roma inconsolavel!

      O solitario de Caprera é morto,
      E, quando o heroe no tumulo resvala,
      Um calafrio gela o mundo absorto.



*Imprecação*


      Para que te amava eu? Corpo d'espuma
      Cruel enlevo de labios setinosos
      Onde bailam desejos luminosos
      Estrella, que de luz o ceu perfuma.

      Para que te amava eu? Que densa bruma
      Me offusca de saudade em tons nervosos
      Desfolhando com gritos lacrimosos
      As petalas d'amôr uma por uma?

      Para que te amava eu? oh! praza aos ceus
      Que em quanto o sol girar pelo universo
      Naufragues da paixão nos escarceus.

      E porque soffro na tristeza immerso,
      Pallido goivo ao pé dos mausoleus,
      Oxalá que o amôr te seja adverso!



*O terremoto*


      Com fragor açoitando a vaga escura,
      O temporal irado, espumacento
      Cavalga um perfido corcel--o vento--
      Que solta gargalhadas de bravura.

      Treme a terra, e com horrida figura,
      Como Athlante, sacóde o turvo argento;
      Nos gonzos oscillando o pavimento,
      Dançam torres no assomo da loucura.

      Vae o fogo alastrando o aureo manto,
      As ruinas trucidam fugitivos,
      Que sangrentos se abraçam convulsivos!

      --O que fazer?--inquire o rei em pranto,
      O ministro lhe diz com nobre espanto:
      --_Sepultar mortos, e cuidar dos vivos._--



*Entre palmeiras*


      Faiscam os jaezes dos Cavallos,
      Vibra o som dos clarins pela athmosphera;
      No dorso de elephantes reverbéra
      A seda e prata em crebros intervallos.

      Rodeado de innumeros vassallos
      Intrepido radjah de côr austera
      Busca o tigre e leão, onça e panthera
      Crusando as selvas, e galgando os vallos.

      No cerrado paul ondula a brenha
      E um leão de medonha, hirsuta juba
      Em furioso valor se desentranha.

      A raiva dos lebreus o estimula,
      Os dardos o trespassam, mas derruba
      O radjah, que nas vascas estrangula.



*Nostalgia*


      Nos estuarios alpestres do Brasil,
      Onde o sol inflammado resplandece,
      A cabilda dos negros desfallece
      Sob o látego torpe e mercantil.

      Nas areias matisa-se febril
      O ouro virgem, e no spatho permanece
      O diamante, que arisco se aborrece
      Entre o cascalho estupido, imbecil.

      O escravo, quando avista um diamante
      De dezesete _carats_ quebra fôrro
      As algemas sorrindo triumphante.

      Que me valeu porém o descobrir-te
      Diamante sem rival?--Suspiro e môrro
      A teus pés almejando possuir-te.



*No confissionario*


      D'um frade libidino e bronzeado
      Ortego desenhou o rosto bento,
      Grave ausculta no sexto mandamento
      Uma joven do seculo passado;

      Fascinada respira o ar mesclado
      Das lascivas perguntas de convento,
      Que se aproveitam do veloz momento
      Galopando na senda do peccado.

      A pobre flôr arqueja palpitante
      Sob esse olhar, que vae como despil-a
      Mystico, corrompido e triumphante.

      E na cruz soffredor, agonisante,
      Mudo Christo de velha e tosca argila
      Pasma da habilidade do farçante!



*Boletim militar*

_1814_


      Vae rir-se desdenhosa a sombra de _Pombal_!
      Era doida a rainha. O principe regente
      Ostentando gentil a bochêcha eloquente
      Tinha bom appetite e ventre clerical,

      Mas logo que Junot açaima Portugal
      Embarca a toda a pressa e deixa a nossa gente,
      Panda véla o conduz ao Brasil florescente,
      E rapido imagina um plano theatral.

      Veloz como no monte a trepida gazella,
      É certo resguardava a insipida pessoa
      Adiposa e feliz para cingir a c'rôa,

      E da nação em prol tão lorpa se revela,
      Que nomeia coronel do exercito á cautela
      O Santo Thaumaturgo Antonio de Lisboa.



*Taborda*


      Taborda, altivo heroe da gargalhada,
      Que dominas no palco com bravura,
      Quando vier sobre ti a morte escura,
      Hade sentir-se humilde, deslumbrada.

      E rindo a vez primeira enthusiasmada,
      Desfranzindo a medonha catadura,
      Ao vêr-te e ouvir-te em alegria pura,
      Despedaça a féra clava ensanguentada.

      Como subjugas cauto a morte ingrata,
      Vences tambem risonho a dúctil alma
      D'esta multidão gélida, pacata.

      E Satan abysmado diz em calma:
      --Sim?!... Mais almas do que eu elle arrebata?
      Já Diabo não sou!... Leva-me a palma.--



*Antonio Pedro*


      Antonio Pedro, astro fulgurante
      Que cruzas do tablado a vasta senda
      Como guerreiro impavido da lenda,
      Que, em busca de proesas, vaga errante.

      Eil o cingindo as armas de diamante!
      Sem que o cansaço, ou vil temor o prenda,
      Cada vez mais se engolfa na contenda,
      Em prol da esquiva fama alti-sonante.

      Quando o veu do futuro descortino
      No alcáçar da justiça, que rebrilha
      Sabeis o que descubro, e vaticino?

      (Isto me pasma! transporta! e maravilha!)
      Votado a berço humilde p'lo destino
      Filho do povo,--a _Gloria_--te perfilha!



*Mysterioso abysmo*


      Tepido sonho de luz
      corpo, que destila aroma
      sublime e claro axioma
      espargindo amor a flux!

      Uma vertigem produz
      teu olhar, o seio, a côma,
      voluptuoso symptoma
      que a phantasia traduz.

      Debil flôr, que o sol admira
      beijando com azedume
      as estrellas de saphira...

      mas ninguem sequer presume
      que o meu coração expira
      na mortalha do ciume.



*Na floresta*


      Conversa nos abetos a bafagem,
      Nas franças range o vento compassado
      E á matilha esquivando-se um veado
      Pasma de vêr no bréjo a sua imagem.

      Que rumor tão subtil, que doce agrado,
      Poesia terna e perfida, selvagem,
      Em que os echos se arrastam na folhagem
      Entre doceis de musgo avelludado.

      Irrompem as gazellas nos aceiros
      E as cobras apparecem na giesta
      Quando as gralhas alagam os olmeiros.

      Triste como o silencio da floresta,
      Oiço dentro de mim uivos d'horror.
      Combatem dois leões--_Ciume e Amor!_



*O cão de bordo*


      A cerração é densa. O pobre hiate
      Sem leme desarvóra na refrega;
      Penetra na escotilha a onda céga,
      Alquebra-se o baixel no duro embate.

      A trovoada estala, a prôa abate;
      No escaler a maruja ao ceu se apéga,
      Este a vida infeliz surdo lhe nega,
      Que as lagrimas não bastam p'ra resgate!...

      Um cão hirsuto, magro, avermelhado,
      Com os olhos chorosos, flamejantes,
      Que brilham como negros diamantes

      Late com desespero, busca a nado,
      Mergulha entre os cadaveres boiantes,
      O dono encontra, e morre extenuado.



*No harem*


      No matiz do tapete auri-felpudo
      Haydé reclina as fórmas langorosas,
      Scismam d'inveja purpurina as rosas
      Admirando-lhe as faces de velludo.

      Modelo, que convida a obsceno estudo
      N'um desmaio entre gazes vaporosas
      P'las cassoulas de prata sumptuosas
      O ambar, o beijoim arde a miudo.

      Quando rompe nos ceus a madrugada
      Sentem-se beijos em lascivo espasmo
      Que illuminam a alcôva perfumada

      E um eunucho--decrepito sarcasmo!--
      Que a barbacã vigia na esplanada,
      Crê-se na terra um mero pleonasmo.



*Esculptura*


      Que bella estatua! Collo d'alabastro,
      Um riso de crystal, faces ardentes,
      Um adreço de perolas os dentes
      E os olhos chispam o fulgor d'um astro!

      De maus intentos o porvir alastro
      Porque passando desdenhosa sentes,
      Que intimidas com lividas correntes
      Quem doido beija o sulco do teu rastro.

      Paradoxo cruel! treva d'arminho,
      Idolo deslumbrante, ruim creança
      Que da ternura forjas sevo espinho!

      Quando te vejo occorre-me a lembrança,
      Flôr de gelo, sinistro rosmaninho,
      D'enforcar-me a sorrir na tua trança.



*Cavatina*

(Palavras ditas entre bastidores a uma corista)


      Tenho ideias com-_fusas_ e geladas
      Sobre a _escala_ do amor onde resplende
      _Lá_ n'esse vivo _sol_, que mais se accende
      _Rallentando_ as promessas calculadas.

      A _gamma_ dos suspiros não attende,
      É de mau _tom_ possuir lindas manadas
      D'amantes, que se _afinam_ nas ciladas
      Das _pausas_, que o desejo não entende.

      Algumas joias quiz com ar guapo
      E a _compasso_ dos negros agiotas
      Outras requer n'um prodigo--_dá capo_.

      Morre-se--diz o _adagio_--d'alegria
      Portanto se eu pagasse em boas _notas_
      Expiravamos ambos d' ... _harmonia_.



*No theatro anatomico*


      Sobre a meza de marmore luxuosa
      Descança scintillante formosura
      D'uma creança esbelta, uma pintura,
      Que parece dormir silenciosa.

      As alvas rômas, que a virtude espósa
      São como alegre ninho de candura;
      Tão fresca, tão sentida e melindrosa,
      Causa pena entregal-a á sepultura.

      Os estudantes em prodiga algarvia
      Retalhando o cadaver delicado
      Jogam chufas de sordida alegria.

      Mais tarde o esqueleto dissecado
      Assiste ás prelecções d'anatomia
      Á escuta com ar petrificado.



*Epitaphio*


      Meu coração aqui jaz, erma ruina
      Onde habita a ironia, o vil phantasma
      Golphão anachoreta entre o miasma
      Perseguido p'la brisa crystallina.

      O lyrio, o trevo ri junto á bonina,
      Só de raiva a minha alma abdica, pasma
      Porque a tristeza famulenta traz-m'a
      Nas duras garras d'ave de rapina.

      Meu coração aqui, sob esta alfombra
      Dos pallidos desdens, justos ciumes
      Adora morto e frio a tua sombra.

      Até que emfim--oh ceus!--os meus queixumes
      Te despertam o choro, que me assombra
      Envolvendo o cadaver em perfumes!



*Aquarella*


      Accorda a sombra tacita do lago,
      Do rouxinol a candida volata;
      A lua em chispas tremulas de prata
      Imprime ao lesto amor um tom presago.

      O vento raro e brando com afago
      O tredo esquife languido arrebata
      E o transporta subtil, como um pirata,
      Dando azas ao terror ignoto, vago.

      Suspira na floresta a morna aragem,
      As 'strellas trocam beijos delirantes,
      Que mais excitam castellã e pagem,

      Eis brilha uma coiraça junto á margem
      E a frecha sibilando alguns instantes
      Acaba n'um só golpe os dois amantes.



*Testamento*


      Lego uma trança do cabello d'ella
      Para atar um cavallo á mangedoura
      E as cartas da flacida impostora
      Para embrulhar assucar e canella.

      Ao credulo rival, deixo, leitora,
      A licença de entrar pela janella;
      Outrosim deixo as ligas e a fivela
      Que cingiram a perna encantadora:

      Os beijos que me deu ficam comigo
      E a memoria das noites palpitantes
      Hade caber tambem no meu jazigo.

      O seu retracto irá ao lupanar
      P'ra assistir á luxuria das bacchantes
      Já que a dona não vae em seu logar.



*Barcarola*


      «Corre, vôa, borboleta, vae graciosa
      Libar ondas de nectar delirante
      A anémona cingir, o lyrio, a rosa
      Com a aza fugitiva, coruscante.

      «Vae soffrega d'amor e sê ditosa.
      Dá-se no ceu um caso semelhante
      Quando estrellas em noite vaporosa
      Se abysmam n'uma queda extravagante.

      «Vae mariposa, a chamma te fascina
      Na aresta do ludibrio, como esphinge
      Em deserto d'areia crystallina.»

      Callam-se as vozes; picam-se as amarras;
      A gondola deslisa e o mar attinge
      Ao som dos bandolins e das guitarras.



*Bric-à-brac*


      O dono miseravel da locanda
      O _brocanteur_ terrivel, sanguinario
      Agonisa n'um catre solitario
      D'uma alcova minuscula, execranda.

      Affinca as mãos convulso n'um rosario,
      Ao ceu a vida, supplice, demanda,
      N'uma imagem de Christo veneranda
      Crava os olhos de abutre, de corsario.

      Pois apesar das lagrimas-remorsos
      Das victimas do seu medonho trama
      Ruins phantasmas de lividos escorços.

      Nos paroxismos vende, além da cama,
      O Christo a um judeu, e em vis esforços
      A alma entrega a Satan, que lh'a reclama.



*Paysagem*


      O sol adormecera no horisonte;
      As nuvens em retalhos somnolentos,
      Parecem nos bisarros tons cinzentos
      O grupo despenhado de Phaetonte.

      O riacho deslisa ao pé do monte
      Em frequentes e turgidos lamentos;
      A philomela ensina o canto aos ventos
      No chorão, que murmura junto á fonte.

      A varzea rescende á larangeira!
      Da cathedral nas frestas em ogiva
      Um rancho d'andorinhas s'enfileira;

      E nas trevas soluça a sombra esquiva
      Do coveiro, que planta uma roseira
      Onde jaz a venal filha adoptiva.



*Vae victis*

(_Struggle for life_)


      Rasga sacrilego a amplidão celeste
      Um milhafre com azas pardacentas
      E a cotovia harmoniosa investe
      Armando as garras torpes e cruentas.

      Negro como o lethargo do cypreste,
      Rosna o vento nas franças macillentas,
      O sol dardeja n'um pallor agreste
      Que enthusiasma as nuvens corpolentas.

      A luz crua p'lo espaço se derrama,
      Engrossam os trovões em alcateia,
      Rutila do corisco a alegre flamma.

      A presa que o milhafre saboreia
      É o emblema do fraco, o velho drama
      Que o systhema do mundo patenteia.



*Episodio balnear*


      N'uma _soirée_ heroica, ignea e linda
      Jurára o fulvo Arthur até á morte
      Ser da formosa e pudibunda Olinda
      Chumbando a ella p'ra sempre a sua sorte.

      Por ella ao inferno iria, o mar ainda
      Beberia d'um trago! Ella é seu norte,
      Meiga estrella de lucido transporte,
      Palpitante de rubra graça infinda.

      De manhã cêdo a nossa _Julieta_
      Desce nas crespas vagas a banhar-se
      Mascarada n'um fato de baeta

      E quando grita prestes a affogar-se,
      Chega _Romeu_, exhibe uma gorgeta,
      Mas não vae lá, que teme constipar-se.



*Reischoffen*

_6 de Agosto de 1870._


      Desfraldam-se estandartes e trombetas,
      Ouve-se o crepitar da espingarda;
      Quando o canhão rouqueja á retaguarda
      Scintilla a larga messe das baionetas.

      As coiraças protegem a vanguarda,
      Dos capacetes poisam nas facetas
      As crinas marciaes, vermelhas, pretas,
      Com expressão terrivel e galharda.

      Bonnemain determina a voz de carga:
      Os estribos telintam, fulge a espada,
      Debalde a morte os esquadrões embarga.

      N'esta lucta cyclopica, gigante,
      O exercito francez em retirada
      Teve assomos d'heroismo deslumbrante.



*Extra-muros*

NOTAS


No passeio publico

*Le roi fainéant*.--Allude-se a D. José. A contar de Clovis II até
Pepino o Baixo, os reis da dynastia merovingia são designados na historia
de França como reis _fainéants_, porque estiveram em permanente
tutela debaixo da auctoridade e poderio dos _Maires du Palais_.


No passeio publico

*Lá te vaes Portugal agora á véla.*--Ao amanhecer d'um dos primeiros
dias do mez do Abril de 1777, arrancaram do pedestal da estatua equestre o
retracto do Marquez de Pombal, e em seu logar collocaram as armas de
Lisboa--o navio com os dois corvos proverbiaes na lenda piedosa de S.
Vicente. É tradicção que o Marquez disséra então com acerado
sarcasmo--Agora é que Portugal vae á véla--

Vide Latino Coelho--Historia Politica e Militar de Portugal no seculo
XVIII, pag. 168.


O marquez de Pombal

*Enterrar os mortos e cuidar dos vivos.*--Alguns attribuem o dito ao
illustre general Pedro d'Almeida, marquez de Alorna--(Ferdinand
Denis--Histoire du Portugal, pag. 353.)


Garibaldi

*Nostalgia.*--Veja-se Oliveira Martins==_Brasil E colonias
portuguezas_, pag. 86 e 87, sobre os diamantes do Jequitinhonha,==e
Leon Gozlan, no seu romance _Histoire d'une diamant_, pag. 53, que
diz n'uma bonita phrase encarecendo a difficuldade da pesquisa dos
diamantes, que _os seus cofres estão sellados com spatho, jaspe e
ferro_; e acerca das minas de Visapur, (Bedjapour) vejam-se as paginas
134 e seguintes. O _carat_ era a unidade de peso usada antes do
systema decimal para pesar os diamantes, as perolas e as pedras preciosas,
e era avaliada em quatro grãos, cerca de 22 centigrammas.


O Terremoto

*Boletim militar.*--O Marquez de Pombal contractára generaes
estrangeiros para a honrosa defeza do paiz, fortificára a fronteira,
arcára com a curia romana, tecera uma bem urdida rede diplomatica,
reconstituira o reino, e tinha deixado os cofres do estado repletos. Sob o
governo da rainha mentecapta o dinheiro gastou-se e o civismo como que
desapparecera no alçapão d'uma magica. Foi então que Santo Antonio, que no
tempo de D. Pedro II sentára praça e subira a major (Oliveira
Martins--Historia do Portugal, tom. 2.º, pag. 179) ascendeu ao posto de
tenente coronel. Ha poucos annos correu na imprensa o celebre diploma, que
concedeu tão exotica patente ao thaumaturgo.



INDICE


Voz no deserto

No passeio publico

Forget me not

Vendetta

Desditosa cecem

O marquez de Pombal

Abandonado

Garibaldi

Imprecação

O terremoto

Entre palmeiras

Nostalgia

No confessionario

Boletim militar

Taborda

Antonio Pedro

Mysterioso abysmo

Na floresta

O cão de bordo

No harem

Esculptura

Cavatina

No theatro anatomico

Epitaphio

Aquarella

Testamento

Barcarola

Bric-à-brac

Paysagem

Vae victis

Episodio balnear

Reischoffen

Extramuros





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Garatujas" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home