Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Viagens na Minha Terra - (Volume I)
Author: Garrett, João Baptista da Silva Leitão de Almeida, 1799-1854
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Viagens na Minha Terra - (Volume I)" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



produced from images generously made available by National
Library of Portugal (Biblioteca Nacional de Portugal).)



     *Nota de editor:* Devido à quantidade de erros tipográficos
     existentes neste texto, foram tomadas várias decisões quanto à
     versão final. Em caso de dúvida, a grafia foi mantida de acordo com
     o original. No final deste livro encontrará a lista de erros
     corrigidos.

     Rita Farinha (Jan. 2008)



OBRAS

DE

J. B. DE A. GARRETT.

VIII.

(PRIMEIRO DAS VIAGENS)



VIAGENS NA MINHA TERRA


POR J. B. DE ALMEIDA-GARRETT.


I


LISBOA
NA TYPOGRAPHIA DA GAZETA DOS TRIBUNAIS.
1846.



Os editores d'esta obra, vendo a popularidade extraordinaria que ella
tinha publicada em fragmentos na _Revista_, intenderam fazer um serviço
ás lettras e á gloria do seu paiz, imprimindo-a agora reunida em um
livro, para melhor se podêr avaliar a variedade, a riqueza e a
originalidade de seu stylo inimitavel, da philosophia profunda que
incerra, e sôbre tudo o grande e transcendente pensamento moral a que
sempre tende, ja quando folga e ri com as mais graves coisas da vida, ja
quando seriamente discute por suas leviandades e pequenezas.

As _Viagens na minha terra_, são um d'aquelles livros raros que so
podiam ser escriptos por quem, como o auctor de _Camões_ e de _Catão_,
de _D. Branca_ e do _Portugal na Balança da Europa_, do _Auto de
Gil-Vicente_ e do _Tractado de Educação_, do _Alfageme_ e de _Fr. Luiz
de Souza_, do _Arco de Sanct'Anna_ e da _Historia Litteraria de
Portugal_, de _Adozinda_ e das _Leituras Historicas_ e de tantas
producções de tam variado genero, possue todos os stylos e, dominando
uma lingua de immenso podêr, a costumou a servir-lhe e
obedecer-lhe;--por quem com a mesma facilidade sobe a orar na tribuna,
entra no gabinete nas graves discussões e demonstrações da sciencia--voa
ás mais altas regiões da lyrica, da epopeia e da tragedia, lida com as
fortes paixões do drama, e baixa ás não menos difficeis trivialidades da
comedia;--por quem ao mesmo tempo, e como que mudando de natureza, póde
dar-se todo ás mais aridas e materiaes ponderações da administração e da
politica, e redigir com admiravel precisão, com uma exacção ideologica
que talvez ninguem mais tenha entre nós, uma lei administrativa ou de
instrucção pública, uma constituição politica, ou um tractado de
commercio.

Orador e poeta, historiador e philosopho, crítico e artista,
jurisconsulto e administrador, erudito e homem d'Estado, religioso
cultor da sua lingua e falando correctamente as extranhas--educado na
pureza classica da antiguidade, e versado depois em todas as outras
litteraturas--da meia-edade, da renascença e contemporanea--o auctor das
Viagens Na Minha Terra é egualmente familiar com Homero e com o Dante,
com Platão e com Rousseau, com Thucidides e com Thiers, com Guizot e com
Xenophonte, com Horacio e com Lamartine, com Machiavel e com
Chateaubriand, com Shakspeare e Euripedes, com Camões e Calderon, com
Goethe e Virgilio, Schiller e Sá-de-Miranda, Sterne e Cervantes, Fenelon
e Vieira, Rabelais e Gil-Vicente, Addison e Bayle, Kant e Voltaire,
Herder e Smith, Bentham e Cormenin, com os Encyclopedistas e com os
Sanctos-Padres, com a Biblia e com as tradicções sanscritas, com tudo o
que a arte e a sciencia antiga, com tudo o que a arte emfim e a sciencia
moderna teem produzido. Ve-se isto dos seus escriptos, e especialmente
se ve d'este que agora publicâmos apezar de composto bem claramente ao
correr da penna.

Mas ainda assim, e com isto somente, elle não faria o que faz se não
junctasse a tudo isso o profundo conhecimento dos homens e das coisas,
do coração humano e da razão humana; se não fosse, além de tudo o mais,
um verdadeiro homem do mundo, que tem vivido nas côrtes com os
principes, no campo com os homens de guerra, no gabinete com os
diplomaticos e homens d'Estado, no parlamento, nos tribunaes, nas
academias, com todas as notabilidades de muitos paizes--e nos salões
emfim com as mulheres e com os frivolos do mundo, com as elegancias e
com as falsidades do seculo.

De tantas obras de tam variado genero com que, em sua vida ainda tam
curta, este fecundo escriptor tem inriquecido a nossa lingua, é ésta
talvez, tornâmos a dizer, a que elle mais descuidadamente escreveu: mas
é tambem a que, em nossa opinião, mais mostra os seus immensos podêres
intellectuaes, a sua erudição vastíssima, a sua flexibilidade de stylo
espantosa, uma philosophia transcendente, e por fim de tudo, o natural
indulgente e bom de um coração recto, puro, amigo da justiça, adorador
da verdade, e inimigo declarado de todo o sophisma.

Tem sido accusado de sceptico: é a accusação mais absurda e que so
denuncia, em quem a faz, ou grande ignorancia ou grande má fe. Quando o
nosso auctor lança mão da cortante e destruidora arma do sarcasmo, que
elle maneja com tanta fôrça e dexteridade, e que talvez por isso mesmo,
conscio de seu podêr, elle rara vez toma nas mãos--veja-se que é sempre
contra a hypocrisia, contra os sophismas, e contra os hypocritas e
shopistas de _todas as côres_, que elle o faz. Crenças, opiniões,
sentimentos, respeita-os sempre. As mesmas suas ironias que tanto ferem,
não as dirige nunca sôbre individuos; ve-se que despreza a facil
vingança que, com tam poderosas armas, podia tomar de inimigos que o não
poupam, de invejosos que o calumniam, e a quem, por cada dicterio
insulso e ephemero com que o teem pretendido injuriar, elle podia
condemnar ao eterno oppróbrio de um pelourinho immortal como as suas
obras. Ainda bem que o não faz! mais immortaes são as suas obras, e
quanto a nós, mais punidas ficam os seus emulos com esse desprêzo do
homem superior que se não appercebe de sua malignidade insulsa e
insignificante.

Voltando á accusação de septicismo, ainda dizemos que não póde ser
septico o espirito que concebeu, e em si achou côres com que pintar tam
vivos, characteres de crenças tam fortes como o de Catão, de Camões, de
Fr. Luiz de Sousa,--e aqui n'esta nossa obra, os de Fr. Diniz, de
Joanninha, da Irman Francisca.

Não analysâmos agora as Viagens Na Minha Terra: a obra não está ainda
completa e não podia completar-se portanto o juizo; dizemos somente o
que todos dizem e o que todos podem julgar ja.

A nosso rôgo, e por fazer mais digna da sua reputação ésta segunda
publicação da obra, o auctor prestou-se a dirigi-la elle mesmo,
corrigiu-a, additou-a, alterou-a em muitas partes, e a illustrou com as
notas mais indispensaveis para a geral intelligencia do texto: de modo
que sahirá muito melhorada agora do que primeiro se imprimiu.



VIAGENS NA MINHA TERRA.


     Qu' il est glorieux d'ouvrir une nouvelle carrière, et de paraitre
     tout-à-coup dans le monde savant un livre de découvertes à la main,
     comme une cométe inattendue étincelle dans l'espace!

     X. DE MAISTRE.



CAPITULO I.


     De como o auctor d'este erudito livro se resolveu a viajar na sua
     terra, depois de ter viajado no seu quarto; e como resolveu
     immortalizar-se escrevendo éstas suas viagens. Parte para Santarem.
     Chega ao Terreiro-do-Paço, imbarca no vapor de Villa-Nova; e o que
     ahi lhe succede. A Deducção-Chronologica e a Baixa de Lisboa. Lord
     Byron e um bom charuto. Travam-se de razões os Ilhavos e os
     Bordas-d'agua: os da calça larga levam a melhor.


Que viage á roda do seu quarto quem está á beira dos Alpes, de hynverno,
em Turim, que é quasi tam frio como San'Petersburgo--intende-se. Mas com
este clima, com este ar que Deus nos deu, onde a laranjeira cresce na
horta, e o mato é de murta, o proprio _Xavier de Maistre_, que aqui
escrevesse, ao menos ia até o quintal.

Eu muitas vezes, n'estas suffocadas noites d'estio, viajo até á minha
janella para ver uma nesguita de Tejo que está no fim da rua, e me
inganar com uns verdes de árvores que alli vegetam sua laboriosa
infancia nos intulhos do Caes-do-Sodré. E nunca escrevi éstas minhas
viagens nem as suas impressões: pois tinham muito que ver! Foi sempre
ambiciosa a minha penna: pobre e suberba, quer assumpto mais largo. Pois
hei de dar-lh'o. Vou nada menos que a Santarem: e protesto que de quanto
vir e ouvir, de quanto eu pensar e sentir se hade fazer chronica.

Era uma idea vaga, mais desejo que tenção, que eu tinha ha muito de ir
conhecer as riccas varzeas d'esse Ribatejo, e saudar em seu alto cume a
mais historica e monumental das nossas villas. Aballam-me as instancias
de um amigo, decidem-se as tonterias de um jornal, que por mexeriquice
quiz incabeçar em designio politico determinado a minha visita.

Pois por isso mesmo vou:--_pronunciei-me_.

São 17 d'este mez de julho, anno de graça de 1843, uma segunda-feira,
dia sem nota e de boa estrea. Seis horas da manham a dar em San'Paulo, e
eu a caminhar para o Terreiro-do-Paço. Chego muito a horas, invergonhei
os meus madrugadores dos meus companheiros de viagem, que todos se
prezam de mais matutinos homens que eu. Ja vou quasi no fim da praça,
quando oiço o rodar grave mas pressuroso de uma carroça _d'ancien
règime_: é o nosso chefe e commandante, o capitão da impreza, o Sr. C.
da T. que chega em estado.

Tambem são chegados os outros companheiros: o sino dá o último rebate.
Partimos.

N'uma _regata_ de vapores o nosso barco não ganhava decerto o premio. E
se, no andar do progresso, se chegarem a instituir alguns isthmicos ou
olympicos para este genero de carreiras--e se para ellas houver algum
Pindaro ancioso de correr, em strophes e antistrophes, atraz do vencedor
que vai coroar de seus hymnos immortaes--não cabe nem um triste minguado
epodo a este cançado corredor de Villa-nova. É um barco serio e sizudo
que se não mette n'essas andanças.

Assim vamos de todo o nosso vagar contemplando este majestoso e
pittoresco amphitheatro de Lisboa oriental, que é, vista de fóra, a mais
bella e grandiosa parte da cidade, a mais characteristica, e onde, aqui
e alli, algumas raras feições se percebem, ou mais exactamente se
adivinham, da nossa velha e boa Lisboa das chronicas. Da Fundição para
baixo tudo é prosaico e burguez, chato, vulgar e semsabor como um
periodo da _Deducção Chronologica_, aqui e alli assoprado n'uma
tentativa ao grandioso do mau gôsto, como alguma oitava menos rasteira
do _Oriente_.

Assim o povo, que tem sempre melhor gôsto e mais puro do que essa escuma
descórada que anda ao decima das populações, e que se chama a si mesma
por excellencia a _Sociedade_, os seus passeios favoritos são a
Madre-de-Deus e o Beato e Xabregas e Marvilla e as hortas de Chellas. A
um lado a immensa majestade do Tejo em sua maior extensão e podêr, que
alli mais parece um pequeno mar mediterraneo; do outro a frescura das
hortas e a sombra das árvores, palacios, mosteiros, sitios consagrados
todos a recordações grandes ou queridas. Que outra sahida tem Lisboa que
se compare em belleza com ésta? Tirado Bellem, nenhuma. E ainda assim,
Bellem é mais arido.

Já saudámos Alhandra, a toireira; Villa-franca, a que foi de Xira, e
depois da Restauração, e depois outra vez de Xira, quando a tal
restauração cahiu, como a todas as restaurações sempre succede e hade
succeder, em odio e execração tal que nem uma pobre villa a quiz para
sobrenome.

--'A questão não era de restaurar nem de não restaurar, mas de se livrar
a gente de um govérno de patuscos, que é o mais odioso e ingulhoso dos
governos possiveis.'

É a reflexão com que um dos nossos companheiros de viajem accudiu ao
princípio de ponderação que eu ia involuntariamente fazendo a respeito
de Villa-franca.

Mas eu não tenho odio nenhum a Villa-franca, nem a esse famoso cirio que
lá foi fazer à velha monarchia. Era uma coisa que estava na ordem das
coisas, e que por fôrça havia de succeder. Este necessario e inevitavel
reviramento por que vai passando o mundo, hade levar muito tempo, hade
ser contrastado por muita reacção antes de completar-se...

No entretanto vamos accender os nossos charutos, e deixemos os precintos
aristocraticos da ré: á proa, que é paiz de cigarro livre!

Não me lembra que lord Byron celebrasse nunca o prazer de fummar a
bórdo. È notavel esquecimento no poeta mais imbarcadiço, mais marujo que
ainda houve, e que até cantou o injôo, a mais prosaica e nauseante das
miserias da vida! Pois n'um dia d'estes, sentir na face e nos cabellos a
brisa refrigerante que passou por cima da agua, em quanto se aspiram
mollemente as narcoticas exhalações de um bom cigarro da Havana, é uma
das poucas coisas sinceramente boas que ha n'este mundo.

Fummemos!

Aqui está um campino fummando gravemente o seu cigarro de papel, que me
vai imprestar lume.

'Dou-lh'o eu, senhor...' accode cortezmente outra figura mui diversa,
cujas feições, trajo e modos singularmente contrastam com os do
_musarabe_ ribatejano.

Accenderam-se os charutos, e attentámos mais de vagar na companhia em
que estavamos.

Era com effeito notavel e interessante o grupo a que nos tinhamos
chegado, e destacava pittorescamente do resto dos passageiros, mistura
hybrida de trajos e feições descharacterizadas e vulgares--que abunda
nos arredores de uma grande cidade maritima e commercial.--Não assim
este grupo mais separado com que fomos topar. Constava elle de uns dôze
homens; cinco eram d'esses famosos athletas da Alhandra que vão todos os
domingos colher o _pulverem olympicum_ da praça de Sanct'Anna, e que, á
voz soberana e irresistivel de: _á unha, á unha, á cernelha!_.... correm
a arcar com mais generosos, não mais possantes, animaes que elles, ao
som das immensas palmas, e a trôco dos raros pintos por que se manifesta
o sempre clamoroso e sempre vazio enthusiasmo das multidões. Voltavam á
sua terra os meus cinco luctadores ainda em trajo de praça, ainda
esmurrados e cheios de glória da contenda da vespera. Mas aopé d'estes
cinco e de altercação com elles--ja direi porquê--estavam seis ou sette
homens que em tudo pareciam os seus antipodas.

Emvez do calção amarello e da jaqueta de ramagem que caracterizam o
homem do forcado, estes vestiam o amplo saiote grego dos varinos, e o
tabardo arrequifado siciliano de panno de varas. O campino, assim como o
saloio, tem o cunho da raça africana; estes são da familia pelasga:
feições regulares e moveis, a fórma agil.

Ora os homens do norte estavam disputando com os homens do sul: a
questão fôra interrompida com a nossa chegada á proa do barco. Mas um
dos Ilhavos--bella e poetica figura de homem--voltando-se para nós,
disse n'aquelle seu tom accentuado:--'Ora aqui está quem hade decidir:
vejam-n'os senhores. Elles, por agarrar um toiro, cuidam que são mais
que ninguem, que não ha quem lhes chegue. E os senhores, a serem ca de
Lisboa, hãode dizer que sim. Mas nós...'

--Nenhum de nós é de Lisboa: so este senhor que aqui vem agora.

Era o C. da T. que chegava.

--'Este conheço eu; este é dos nossos (bradou um homem de forcado, assim
que o viu). Isto é um fidalgo como se quer. Nunca o vi n'uma ferra, isso
é verdade; mas aqui de Vallada a Almeirim ninguem corre mais do que elle
por sol e por chuva, e hade saber o que é um boi de lei, e o que é lidar
com gado.'

--'Pois oiçamos lá a questão.'

--'Não é questão'--tornou o Ilhavo: 'mas se este senhor fidalgo anda por
Almeirim, para Almeirim vamos nós, que era uma charneca o outro dia, e
hoje é um jardim, benza-o Deus!--mas não foram os campinos que o
fizeram, foi a nossa gente que o sachou e plantou, e o fez o que é, e
fez terra das areas da charneca.'

--'Lá isso é verdade'.

--'Não, não é! Que está forte habilidade fazer dar trigo aqui aos
nateiros do Tejo, que é como quem semeia em manteiga. É uma lavoira que
a faz Deus por sua mão, regar e adubar e tudo: e o que Deus não faz, não
fazem elles, que nem sabem ter mão n'esses monchões c'o plantio das
arvores: so lá por cima é que algumas teem mettido, e é bem pouco para o
rio que é, e as riccas terras que lhes levam as inchentes.--Mas nós, pe
no barco pe na terra, tam depressa estamos a sachar o milho na charneca,
como vimos por ahi abaixo com a vara no peito, e o saveiro a pegar
n'area por não haver agua... mas sempre labutando pela vida'.

--'A fôrça é que se falla'--tornou o campino para estabelecer a questão
em terreno que lhe convinha.--'A fôrça é que se falla: um homem do campo
que se deita alli á cernelha de um toiro que uma companha inteira de
varinos lhe não pegava, com perdão dos senhores pelo rabo!..'

E reforçou o argumento com uma gargalhada triumphante, que achou echo
nos interessados circumstantes que ja se tinham apinhado a ouvir os
debates.

Os Ilhavos ficaram um tanto abatidos; sem perderem a consciencia da sua
superioridade, mas acanhados pela algazarra.

Parecia a esquerda de um parlamento quando ve sumir-se, no borburinho
acintoso das turbas ministeriaes, as melhores phrases e as mais fortes
razões dos seus oradores.

Mas o orador ilhavo não era homem de se dar assim por derrotado. Olhou
para os seus, como quem os consultava e animava, com um gesto
expressivo, e voltando-se a nós, com a direita estendida aos seus
antagonistas:

--'Então agora como é de fôrça, quero eu saber, e estes senhores que
digam, qual é que tem mais fôrça, se é um toiro ou se é o mar'.

--'Essa agora!..'

--'Queriamos saber'.

--'É o mar'.

--'Pois nós que brigâmos com o mar, oito e dez dias a fio n'uma
tormenta, de Aveiro a Lisboa, e estes que brigam uma tarde com um toiro,
qual é que tem mais fôrça?'

Os campinos ficaram cabisbaixos; o publico imparcial applaudiu por ésta
vez a opposição, e o Vouga triumphou do Tejo.



CAPITULO II.


     Declaram-se typicas, symbolicas e mythicas éstas viagens. Faz o A.
     modestamente o seu proprio elogio. Da marcha da civilização; e
     mostra-se como ella é dirigida pelo cavalleiro da Mancha D.
     Quixote, e por seu escudeiro Sancho Pança.--Chegada a
     Villa-Nova-da-Rainha, Supplicio de Tantalo.--A virtude galardão de
     si mesma; e sophisma de Jeremias Bentham.--Azambuja.


Éstas minhas interessantes viagens hãode ser uma obra prima, erudita,
brilhante de pensamentos novos, uma coisa digna do seculo. Preciso de o
dizer ao leitor, paraque elle esteja previnido; não cuide que são
quaesquer d'essas rabiscaduras da moda que, com o titulo de _Impressões
de Viagem_, ou outro que tal, fatigam as imprensas da Europa sem nenhum
proveito da sciencia e do adiantamento da especie.

Primeiro que tudo, a minha obra é um symbolo... é um mytho, palavra
grega, e de moda germanica, que se mette hoje em tudo e com que se
explica tudo... quanto se não sabe explicar.

É um mytho porque--porque... Ja agora rasgo o veo, e declaro abertamente
ao benevolo leitor a profunda idea que está occulta debaixo d'esta
ligeira apparencia de uma viagemzita que parece feita a brincar, e no
fim de contas é uma coisa séria, grave, pensada com um livro novo da
feira de Leipsick, não das taes brochurinhas dos _boulevards_ de Paris.

Houve aqui ha annos um profundo e cavo philosopho d'alêm Rheno, que
escreveu uma obra sôbre a marcha da civilização, do intellecto--o que
diriamos, para nos intenderem todos melhor, _o Progresso_. Descobriu
elle que ha dois principios no mundo: o _espiritualista_, que marcha sem
attender á parte material e terrena d'esta vida, com os olhos fittos em
suas grandes e abstractas theorias, hirto, sêcco, duro, inflexivel, e
que póde bem personalizar-se, symbolizar-se pelo famoso mytho do
cavalleiro da Mancha, D. Quixote;--o _materialista_, que, sem fazer caso
nem cabedal d'essas theorias, em que não crè, e cujas impossiveis
applicações declara todas utopias, póde bem representar-se pela rotunda
e anafada presença do nosso amigo velho, Sancho Pança.

Mas, como na historia do malicioso Cervantes, estes dois principios tam
avessos, tam desincontrados, andam comtudo junctos sempre; ora um mais
atraz, ora outro mais adiante, impecendo-se muitas vezes, coadjuvando-se
poucas, mas _progredindo_ sempre.

E aqui está o que é possivel ao progresso humano.

E eisaqui a chronica do passado, a historia do presente, o programma do
futuro.

Hoje o mundo é uma vasta Barataria, em que domina elrei Sancho.

Depois hade vir D. Quixote.

O senso commum virá para o millenio: reinado dos filhos de Deus! Está
promettido nas divinas promessas... como elrei de Prussia prometteu uma
constituição; e não faltou ainda, porque--porque o contracto não tem
dia; prometteu mas não disse para quando.

Ora n'esta minha viagem Tejo-a-riba está symbolizada a marcha do nosso
progresso social: espero que o leitor intendesse agora. Tomarei cuidado
de lh'o lembrar de vez em quando, porque receio muito que se esqueça.

Somos chegados ao triste desimbarcadoiro de Villa-Nova-da-Rainha, que é
o mais feio pedaço de terra alluvial em que ainda poisei os meus pés. O
sol arde como ainda não ardeu este anno.

Um immenso arraial de caleças, de machinhos, de burros e arrieiros, nos
espera n'aquelle descampado africano. É forçoso optar entre os dois
martyrios da caleça ou do macho. Do mal o menos... seja este.

E acolá--oh supplício de Tantalo!--vejo duas possantes e nedeas mulas
castelhanas jungidas a um vehiculo que, n'estas paragens e ao pé
d'aquell'outros, me parece mais esplendido do que um landaw de
Hyde-Park, mais elegante que um caleche de Long-champs, mais commodo e
elastico do que o mais acrio briska da princeza Hellena. E com tudo--oh
magico podêr das situações!--elle não é senão, uma substancial e bem
apessoada traquitana de cortinas.

Togados manes dos antigos desimbargadores, venerandas cabelleiras de
anneis e castanhola, que direis, ó respeitadas sombras, se d'esse limbo
onde estais esperando pela resurreição do Pêgas... e do livro
quinto--vêdes este degenerado e espurio successor vosso, em calças
largas, frak verde, chapeu branco, gravata de côr, chicotinho de
caoutchouc na mão, prompto a cavalgar em mulinha de Palito-Metrico como
um garraio estudantinho do segundo anno, e deitando olhos invejosos para
esse natural, proprio e adscripticio modo de conducção desimbargatoria?
Oh que direis vós! Com que justo desprêzo não olhareis para tanta
degradação e derogação!

Eu commungava silenciosamente commigo n'estas graves meditações, e
revolvia incertamente no ânimo a ponderosa dúvida:--se o administrar
justiça direita aos povos valia a pena de andar um desimbargador a
pé!... Luctava no meu ser o Sancho Pança da carne com o D. Quixote do
espirito--quando a Providencia, que nos maiores apertos e tentações nos
não abandona nunca, me trouxe a generosa offerta de um amigo e
companheiro do vapor, o Sr. L. S.: era sua a invejada carroça, e n'ella
me deu logar até á Azambuja.

A virtude é o galardão de si mesma, disse um philosopho antigo; e eu não
creio no famoso ditto de Bentham, que sabedoria antiga seja um sophisma.
O mais moderno é o mais velho, não ha dúvida; mas o antigo que dura
ainda, é porque tem achado na experiencia a confirmação que o moderno
não tem. Jeremias Bentham tambem fazia o seu sophisma como qualquer
outro.

Vamos percorrendo lentamente aquelle mal-composto marachão que poucos
palmos se eleva do nivel baixo e salgadiço do solo: de hynverno não se
passará sem perigo; ainda agora se não anda sem incómmodo e receio.
Estamos em Villa-Nova e ás portas do nojento caravanseray, unico asylo
do viajante n'esta, hoje, a mais frequentada das estradas do reino.

Parece-me estar mais deserto e sujo, mais abandonado e em ruinas este
asqueroso logarejo, desde que alli aopé tem a estação dos vapôres, que
são a commodidade, a vida, a alma do Ribatéjo. Imagino que uma aldeia de
Alarves nas faldas do Atlas deve ser mais limpa e commoda.

Oh! Sancho, Sancho, nem siquer tu reinarás entre nós! Cahiu o carunchoso
throno de teu predecessor, antagonista e ás vezes amo; açoitaram-te
essas nadegas para desincantar a formosa _del Toboso_, proclamaram-te
depois rei em _Barataria_, e n'esta tua provincia lusitana nem o
paternal govêrno de teu estupido materialismo póde estabelecer-se para
commodo e salvação do corpo; ja que a alma... oh! a alma...

Fallemos n'outra coisa.

Fujamos depressa d'este monturo.--É monótona, arida e sem frescura de
árvores a estrada: apenas alguma rara oliveira mal-medrada, a longos e
desiguaes espaços, mostra o seu tronco rachitico e braços contorcidos,
ornados de ramusculos doentes, em que o natural verde-alvo das folhas é
mais alvacento e desbotado que o costume. O solo porêm, com raras
excepções, é optimo, e a trôco de pouco trabalho e insignificante
despeza, daria uma estrada tam boa como as melhores da Europa.

Dizia um secretario d'Estado meu amigo que para se repartir com
egualdade o melhoramento das ruas por toda Lisboa, deviam ser obrigados
os ministros a mudar de rua e bairro todos os tres mezes. Quando se
fizer a lei de responsabilidade ministerial, para as kalendas gregas, eu
heide propor que cada ministro seja obrigado a viajar por este seu reino
de Portugal ao menos uma vez cada anno, como a desobriga.

Ahi está a Azambuja, pequena mas não triste povoação, com visiveis
signaes de vida, aceadas e com ar de confôrto as suas casas. É a
primeira povoação que dá indicio de estarmos nas ferteis margens do Nilo
portuguez.

Corrémos a apear-nos no elegante estabelecimento que ao mesmo tempo
cumulla as tres distinctas funcções, de _hotel, de restaurant e de café_
da terra.

Sancto Deus! que bruxa que está á porta! que antro lá dentro!... Cai-me
a penna da mão.



CAPITULO III.


     Acha-se desappontado o leitor com a prosaica sinceridade do A.
     d'estas viagens. O que devia ser uma estalagem nas nossas eras de
     litteratura romantica?--Suspende-se o exame d'esta grave questão
     para tractar, em prosa e verso, um mui difficil ponto de
     economia-politica e de moral social.--Quantas almas é preciso dar
     ao diabo, e quantos corpos se teem de intregar no cemiterio para
     fazer um ricco n'este mundo.--Como se veio a descobrir que a
     sciencia d'este seculo era uma grandessissima tola.--Rei de facto,
     e rei de direito.--Belleza e mentira não cabem n'um sacco.--Põe-se
     o A. a caminho para o pinhal da Azambuja.


Vou _desappontar_ decerto o leitor benevolo; vou perder, pela minha
fatal sinceridade, quanto em seu conceito tinha adquirido nos dois
primeiros capitulos d'esta interessante viagem.

Pois que esperava elle de mim agora, de mim que ousei declarar-me
escriptor n'estas eras de romantismo, seculo das fortes sensações, das
descripções a traços largos e _incisivos_ que se intalham n'alma e
entram com sangue no coração?

No fim do capitulo precedente parámos á porta de uma estalagem: que
estalagem deve ser ésta, hoje no anno de 1843, ás barbas de Victor Hugo,
com o Doutor Fausto a trotar na cabeça da gente, com os _Mysterios de
Paris_ nas mãos de todo o mundo?

Ha paladar que supporte hoje a classica _posada_ do Cervantes com o seu
_mesonero_ gordo e grave, as pulhas dos seus arrieiros, e o mantear de
algum pobre lorpa de algum Sancho! Sancho, o invisivel rei do seculo,
aquelle _por quem hoje os reis reinam e os fazedores de leis decretam e
afferem o justo!_ Sancho manteado por vis muleteiros! Não é da epocha.

    Eu coroarei de trevo a minha espada,
    De cenoiras, luzerna e betarrava,
    Para cantar Harmódios e Aristógilons,
    Que do tyranno jugo vos livraram
    Da sciencia velha, inutil carunchosa,
    Que elevava da terra, erguia, alçava
    O que no homem ha de Ser divino,
    E para os grandes feitos e virtudes
    Lhe despegava o espirito da carne...

Não: plantae batatas, ó geração de vapor e de pó de pedra, macadamisae
estradas, fazei caminhos de ferro, construí passarolas de Icaro, para
andar a qual mais depressa, éstas horas contadas de uma vida toda
material, massuda e grossa como tendes feito ésta que Deus nos deu tam
differente do que a hoje vivemos. Andae, ganha-pães, andae; reduzi tudo
a cifras, todas as considerações d'este mundo a equações de interêsse
corporal, comprae, vendei, agiotae.--No fim de tudo isto, o que lucrou a
especie humana? Que ha mais umas poucas de duzias de homens riccos. E eu
pergunto aos economistas-politicos, aos moralistas, se ja calcularam o
número de individuos que é forçoso condemnar á miseria, ao trabalho
desproporcionado, á desmoralização, á infamia, á ignorancia crapulosa, á
desgraça invencivel, á penuria absoluta, para produzir um ricco?--Que
lh'o digam no Parlamento inglez, onde, depois de tantas commissões de
inquérito, ja deve de andar orçado o número de almas que é preciso
vender ao diabo, o número de corpos que se tem de intregar antes do
tempo ao cemiterio para fazer um tecelão ricco e fidalgo como Sir Robert
Peel, um mineiro, um banqueiro, um grangeeiro--seja o que for: cada
homem ricco, abastado, custa centos de infelizes, de miseraveis.

Logo a nação mais feliz não é a mais ricca. Logo o princípio utilitario
é a _mamona_ da injustiça e da reprovação. Logo...

    There are more things in heaven and earth, Horatio,
    Than are dreamt of in your philosophy.

A sciencia d'este seculo é uma grandessissima tola.

E como tal, presumpçosa e cheia do orgulho dos nescios.

...........................................................................
...........................................................................
...........................................................................

Vamos á descripção da estalagem. Não póde ser classica; assoviam-me
todos esses rapazes de pera, bigode e charuto, que fazem litteratura
cava e funda desde a porta do Marrare até ao café de Moscow...

Mas aqui é que me apparece uma incoherencia inexplicavel. A sociedade é
materialista; e a litteratura, que é a expressão da sociedade, é toda
excessivamente e absurdamente e despropositadamente espiritualista!
Sancho rei de facto, Quixote rei de direito!

Pois é assim; e explica-se.--É a litteratura que é uma hypocrita: tem
religião nos versos, charidade nos romances, fé nos artigos de
jornal--como os que dão esmolas para pôr no _Diario_, que amparam
orphans na _Gazeta_, e sustentam viuvas nos cartazes dos theatros.

E fallam no Evangelho! Deve ser por escarneo. Se o leem, hãode ver lá
que nem a esquerda deve saber o que faz a direita...

Vamos á descripção da estalagem; e acabemos com tanta digressão.

Não póde ser classica, está visto, a tal descripção.--Seja
romantica.--Tambem não póde ser. Porque não? É pôr-lhe lá um
_Chourineur_ a amolar um facão de palmo e meio para espatifar rez e
homem, quanto incontrar,--uma _Fleur-de-Marie_ para dizer e fazer
pieguices com uma rozeirinha pequenina, bonitinha, que morreu,
coitadinha!--e um principe allemão incoberto, forte no sôcco britannico,
immenso em libras sterlinas, profundo em gyria de cegos e ladrões... e
ahi fica a Azambuja com uma estalagem que não tem que invejar á mais
pintada e da moda n'este seculo elegante, delicado, verdadeiro, natural!

É como eu devia fazer a descripção: bem o sei. Mas ha um impedimento
fatal, invencivel--egual ao d'aquella famosa salva que se não deu... é
que nada d'isso lá havia.

E eu não quero calumniar a boa gente da Azambuja. Que me não leam os
taes, porque eu heide viver e morrer na fé de Boileau:

    Rien n'est beau que le vrai.

Ja se diz ha muito anno que honra e proveito não cabem n'um sacco; eu
digo que belleza e mentira tambem lá não cabem: e é a mais portugueza
traducção que creio que se possa fazer d'aquelle ímmortal e evangelico
hemystichio. A maior parte das bellezas da litteratura actual fazem-me
lembrar aquellas formosuras que tentavam os sanctos eremitas na
Thebaida. O pobre de Sancto Antão ou de S. Pacomio (Pacomio é melhor
aqui) ficavam imbasbacados ao princípio; mas dava-lhe o coração uma
pancada, olhavam-lhe para os pés...--Cruzes maldicto! Os pés não podia
elle incobrir. E ao primeiro _abrenuntio_ do sancto, dissipava-se a
belleza em muito fummo de inxofre, e ficava o diabo negro feio e cabrum
como quem é, e sempre foi o pae da mentira.

Nada, nada, verdade e mais verdade. Na estalagem da Azambuja o que havia
era uma pobre velha a quem eu chamei bruxa, porque emfim que havia de eu
chamar á velha suja e maltrapida que estava á porta d'aquella asquerosa
casa?

Havia lá ésta velha, com a sua môça mais môça mas não menos nojenta de
ver que ella, e um velho meio paralytico meio demente que alli estava
para um canto com todo o geito e traça de quem vem folgar agora na
taberna porque ja bebeu o que havia de beber n'ella.

Matava-nos a sêde; mas a agua alli é beber quartans. O vinho era atroz.
Limonada? Não ha limões nem assucar.--Mandou-se um proprio á tenda no
fim da villa. Vieram tres limões que me pareceram de uns que pendiam,
quando eu vinha a férias, á porta do famoso botequim de Leiria.

O assucar podia servir na última scena de M. de Pourceaugnac muito
melhor que n'uma limonada. Mas misturou-se tudo com a agua das sezões,
bebémos, pozemo-nos em marcha, e até agora não nos fez mal, com ser a
mais abominavel, antipathica e suja beberagem que se póde imaginar.

Caminhámos na mesma ordem até chegar ao famoso pinhal da Azambuja.



CAPITULO IV.


     De como o A. foi pensando e divagando, e em que pensava e divagava
     elle, no caminho da villa da Azambuja até o famoso pinhal do mesmo
     nome.--Do poeta grego e philosopho Démades, e do poeta e philosopho
     inglez Addison, da casaca de penneiros e do palio atheniense, e de
     outros importantes assumptos em que o A. quiz mostrar a sua
     profunda erudição.--Discute-se a materia gravissima se é necessario
     que um ministro d'estado seja ignorante e leigarraz.--Admiraveis
     reflexões de zigzag em que se tracta de _re politica_ e de _re
     amatoria_.--Descobre-se porfim que o A. estivera a sonhar em todo
     este capitulo, e pede-se ao leitor benevolo que volte a folha e
     passe ao seguinte.


Eu darei sempre o primeiro logar á modestia entre todas as bellas
qualidades.--Ainda sôbre a innocencia?--Ainda sim. A innocencia basta
uma falta para a perder, da modestia so culpas graves, so crimes
verdadeiros podem privar. Um accidente, um acaso podem destruir aquella,
a ésta so uma acção propria, determinada e voluntaria.

Bem me lembram ainda os dois versos do poeta Démades que são forte
argumento de auctoridade contra a minha theoria; cuidei que tinha mais
infeliz memoria. Heide pô-los aqui para que não falte a ésta grande obra
das minhas viagens o merito da erudição, e lhe não chamem livrinho da
moda: estou resolvido a fazer a minha reputação com este livro.

    Aid ôs te kalle ka aretês polis,
    Prôtoê sgathis hamartia deuteron de ais chunê.

    Da belleza e virtude é a cidadella
    A innocencia primeiro--e depois ella.

Mas a auctoridade responde-se com auctoridade, e a texto com texto. E eu
trago aqui na algibeira o meu Addison--um dos poucos livros que não
largo nunca--e atiro com o philosopho inglez ao philosopho grego e fico
triumphante: porque Addison não põe nada acima da modestia; e Addison,
apezar da sua casaca de penneiros, é muito maior philosopho do que foi
Démades com a sua tunica e o seu palio atheniense.

O erudito e amavel leitor escapará d'ésta vez a mais citações: compre um
_Spectator_, que é livro sem que se não póde estar, e veja _passim_.

Eu gósto, bem se ve, de ir ao incôntro das objecções que me podem fazer;
lembro-as eu mesmo paraque depois me não digam:--'Ah, ah! vinha a ver se
pegava!'--Não senhor, não é o meu genero esse.

Francamente pois... eis-ahi o que poderão dizer:--'Addison foi
secretario d'Estado, e então...'--Então o quê? Não concebem um
secretario d'Estado philosopho, um ministro poeta, escriptor elegante,
cheio de graça e de talento? Não, bem vejo que não: teem a idea fixa de
que um ministro d'Estado hade ser por fôrça algum semsaborão, malcriado
e petulante. Mas isto é nos paizes adiantados em que ja é indifferente
para a coisa-pública, em que povo nem principe lhes não importa ja, em
que mãos se intregam, a que cabeças se confiam. Em Inglaterra não é
assim, nem era assim no tempo de Addison. Fossem lá á rainha Anna que
deixasse entrar no seu gabinete quatro calças de coiro sem criação nem
instrucção, e não mais senão so porque este sabía jogar nos fundos,
aquelle tinha boas tretas para o _canvassing_ de umas eleições, o outro
era figura importante no _Freemasson's-hall_!

Ja se ve que em nada d'isto ha a minima allusão ao feliz systema que nos
rege: estou fallando de modestia, e nós vivemos em Portugal.

A modestia comtudo quando é excessiva e se aproxima do acanhamento, do
que no mundo se chama _falta de uso_--póde ser n'um homem quasi defeito
inteiro. Na mulher é sempre virtude, realce de belleza ás formosas,
disfarce de fealdade ás que o não são.

Por mim, não conheço objecto mais lindo em toda a natureza, mais
feiticeiro, mais capaz de arrebatar o espirito e inflammar o coração do
que é uma joven donzella quando a modestia lhe faz subir o rubor ás
faces, e o pejo lhe carrega brandamente nas palpebras... Pouco lume que
tenha nos olhos, pouco regular que seja o semblante, menos airosa que
seja a figura, parecer-vos-ha n'esse momento um anjo. E anjo é a virgem
modesta, que traz no rosto debuxado sempre um ceo de virtudes...--De
alguma belleza sei eu cujos olhos _côr da noite_ ou de _saphyra_
(_dialec. poet. vet._), cujas faces de _leite e rosas_, dentes de
_pérolas_, collo de _marfim_, transas de _ebano_ (a allusão é surtida,
ha onde escolher) davam larga materia a boas grozas de sonetos--no
antigo regimen dos sonetos, e hoje inspirariam myriadas de canções
descabelladas e vaporosas, choradas na harpa ou gemidas no alahude.
Comtanto que não seja lyra, que é classico, todo o instrumento,
inclusivamente a bandurra, é egual deante da lei romantica.

Ora pois, mas a tal belleza, por certo ar ala-moda, certo não-sei-quê de
atrevido nos olhos, de deslavado na cara, e de descomposto nos ademanes,
perde toda a graça e quasi a propria formosura de que a dotára a
natureza...

Vêde-me aquelles labios de carmim. Ha maio florido que tam lindo botão
de rosa apresente ao alvorecer da madrugada?... Mas olhae agora como o
riso da malicia lh'o desfolha tam feiamente n'uma desconcertada
risada...

Desvaneceu-se o prestigio.

Não havia moço nem velho, homem do mundo ou sabio de gabinete que não
désse metade dos seus prazeres, dos seus livros, da sua vida por um so
beijo d'aquella bôcca... Agora talvez nem repetidos _avances_ lhe façam
obter um namorante de profissão e officio... E hade pagá-lo adeantado, e
porque preço!...

...........................................................................
...........................................................................

Mas o que terá tudo isto com a jornada da Azambuja ao Cartaxo? A mais
íntima e verdadeira relação que é possivel. É que a pensar ou a sonhar
n'estas coisas fui eu todo o caminho, até me achar no meio do pinhal da
Azambuja.

Ahi parámos, e acordei eu.

Sou sujeito a éstas distracções, a este sonhar acordado. Que lhe heide
eu fazer? Andando, escrevendo, sonho e ando, sonho e fallo, sonho e
escrevo. Francamente me confesso de somnambulo, de somniloquo, de...
Não, fica melhor com seu ar de grego (tenho hoje a bossa hellenica n'um
estado de tumescencia pasmosa!); digamos somnilogo, somnigrapho...

A minha opinião sincera e _conscienciosa_ é que o leitor deve saltar
éstas folhas, e passar ao capitulo seguinte, que é outra casta de
capitulo.



CAPITULO V.


     Chega o A. ao pinhal da Azambuja, e não o acha. Trabalha-se por
     explicar este phenomeno pasmoso. Bello rasgo de stylo
     romantico.--Receita para fazer litteratura original com pouco
     trabalho.--Transição classica: Orpheu e o bosque do Ménalo.--Desce
     o A. d'estas grandes e sublimes considerações para as realidades
     materiaes da vida: é desamparado pela hospitaleira traquitana e tem
     de cavalgar na triste mula de arrieiro.--Admiravel choito do
     animal. Memorias do marquez do F. que adorava o choito.


Este é que é o pinhal da Azambuja?

Não póde ser.

Ésta, aquella antiga selva, temida quasi religiosamente como um bosque
druidico! E eu que, em pequeno, nunca ouvia contar historia de Pedro de
Mallas-artes, que logo, em imaginação, lhe não pozesse a scena aqui
perto!... Eu que esperava topar a cada passo com a cova do capitão
Roldão e da dama Leonarda!... Oh! que ainda me faltava perder mais ésta
illusão...

Por quantas maldicções e infernos adornam o stylo d'um verdadeiro
escriptor romantico, digam-me, digam-me: onde estão os arvoredos
fechados, os sitios medonhos d'esta espessura. Pois isto é possivel,
pois o pinhal da Azambuja é isto?... Eu que os trazia _promptos e
recortados_ para os collocar aqui todos os amaveis salteadores de
Schiller, e os elegantes facinorosos do _Auberge-des-Adrets_, eu heide
perder os meus chefes-d'obra! Que é perdê-los isto--não ter onde os
pôr!..

Sim, leitor benevolo, e por ésta occasião te vou explicar como nós hoje
em dia fazemos a nossa litteratura. Ja me não importa guardar segredo,
depois d'esta desgraça não me importa ja nada. Saberás pois, ó leitor,
como nós outros fazemos o que te fazemos ler.

Tracta-se de um romance, de um drama--cuidas que vamos estudar a
historia, a natureza, os monumentos, as pinturas, os sepulchros, os
edificios, as memorias da epocha? Não seja pateta, senhor leitor, nem
cuide que nós o somos. Desenhar characteres e situações do _vivo_ da
natureza, collori-los das côres verdadeiras da historia... isso é
trabalho difficil, longo, delicado, exige um estudo, um talento, e
sôbretudo um tacto!... Não senhor: a coisa faz-se muito mais facilmente.
Eu lhe explico.

Todo o drama e todo o romance precisa de:

Uma ou duas damas,

Um pae,

Dois ou tres filhos, de dezanove a trinta annos,

Um criado velho,

Um monstro, incarregado de fazer as maldades,

Varios tractantes, e algumas pessoas capazes para intermedios.

Ora bem; vai-se aos figurinos francezes de Dumas, de Eug. Sue, de
Victor-Hugo, e _recorta_ a gente, de cadaum d'elles, as figuras que
precisa, gruda-as sôbre uma folha de papel da côr da moda, verde, pardo,
azul--como fazem as raparigas inglezas aos seus albums e scrapbooks;
fórma com ellas os grupos e situações que lhe parece; não importa que
sejam mais ou menos disparatados. Depois vai-se ás chronicas, tiram-se
uns poucos de nomes e de palavrões velhos; com os nomes chrismam-se os
figurões, com os palavrões _illuminam-se_... (stylo de pintor
pinta-monos).--E aqui está como nós fazemos a nossa litteratura
original.

E aqui está o precioso trabalho que eu agora perdi!

Isto não póde ser! Uns poucos de pinheiros raros e infezados atravez dos
quaes se estão quasi vendo as vinhas e olivedos circumstantes!.. É o
desapontamento mais chapado e solemne que nunca tive na minha vida--uma
verdadeira logração em boa e antiga phrase portugueza.

E comtudo aqui é que devia ser, aqui é que é, geographica e
topographicamente fallando, o bem conhecido e confrontado sitio do
pinhal da Azambuja...

Passaria por aqui algum Orpheu que, pelos magicos podêres da sua lyra,
levasse atraz de si as árvores d'este antigo e classico Menalo dos
salteadores lusitanos?

Eu não sou muito difficil em admittir prodigios quando não sei explicar
os phenomenos por outro modo. O pinhal da Azambuja mudou-se. Qual, de
entre tantos Orpheus que a gente por ahi ve e ouve, foi o que obrou a
maravilha, isso é mais difficil de dizer. Elles são tantos, e cantam
todos tão bem! Quem sabe? Juntar-se-hiam, fariam uma companhia por
acções, e negociariam um emprestimo harmonico com que facilmente se
obraria então o milagre. É como hoje se faz tudo; é como se passou o
thesoiro para o banco, o banco para as companhias de confiança... porque
se não faria o mesmo com o pinhal da Azambuja?

Mas aonde está elle então? faz favor de me dizer...

Sim senhor, digo: _está consolidado_. E se não sabe o que isto quer
dizer, leia os orçamentos, veja a lista dos tributos, passe pelos olhos
os votos de confiança; e se depois d'isto, não souber aonde e como _se
consolidou_ o pinhal d'Azambuja, abandone a geographia que visivelmente
não é a sua especialidade, e deite-se a finança, que tem
_bossa_;--fazemo-lo eleger ahi por Arcozello ou pela cidade eterna--é o
mesmo--vai para a commissão de fazenda--depois lord do thesoiro,
ministro: é _escalla_, não offendia nem a rabujenta constituição de 38,
quanto mais a carta........................................................
...........................................................................

O peior é que no meio d'estes campos onde Troia fôra, no meio d'estas
areias onde se acoitavam d'antes os pallidos medos do pinhal da
Azambuja, a minha querida e bemfazeja traquitana abandonou-me; fiquei
como o bom _Xavier de Maistre_ quando, a meia jornada do seu quarto, lhe
perdeu a cadeira o equilibrio, e elle cahiu--ou ia caindo, ja me não
lembro bem--estatellado no chão.

Ao chão estive eu para me atirar, como criança amuada, quando vi voltar
para a Azambuja o nosso commodo vehiculo, e deante de mim a infezada
mulinha asneira que--ai triste!--tinha de ser o meu transporte d'alli
até Santarem.

Emfim o que hade ser, hade ser, e tem muita fôrça. Consolado com este
tam verdadeiro quanto _elegante_ proverbio, levantei o ânimo á altura da
situação e resolvi fazer próva de homem forte e supportador de
trabalhos. Bifurquei-me resignadamente sôbre o cilicio do esfarrapado
albardão, tomei na esquerda as impermeaveis redeas de coiro cru, e
lancei o animalejo ao seu mais largo trote, que era um confortavel e
amenissimo choito, digno de fazer as delicias do meu respeitavel e
excentrico amigo, o marquez do F.

Tinha a bossa, a paixão, a mania, a furia de choitar aquelle notavel
fidalgo--o último fidalgo homem de lettras que deu ésta terra. Mas
adorava o choito o nobre marquez. Conheci-o em París nos ultimos tempos
da sua vida, ja octogenario ou perto d'isso: deixava a sua carruagem
ingleza toda mollas e confortos para ir passear n'um certo cabriolet de
praça que elle tinha marcado pelo sêcco e duro movimento vertical com
que sacudia a gente. Obrigou-me um dia a experimenta-lo: era admiravel.
Communicava-se da velha horsa normanda aos varaes, e dos varaes á concha
do carro, tam inteiro e tam sem diminuição, o choito do execravel
Babiéca! Nunca vi coisa assim. O marquez achava-lhe propriedades
toni-purgativos, eu classifiquei-o de violentissimo drastico.

Foi um dos homens mais extraordinarios e o portuguez mais notavel que
tenho conhecido, aquelle fidalgo.

Era feio como o peccado, elegante como um bugio, e as mulheres
adoravam-n'o. Filho segundo, vivia de seus ordenados nas missões por que
sempre andou, tractava-se grandiosamente, e legou valores consideraveis
por sua morte. Imprimia uma obra sua, mandava tirar um unico exemplar,
guardava-o e desmanchava as fòrmas....--Não acabo se coméço a contar
historias do marquez do F.

Piquemos para o Cartaxo, que são horas.



CAPITULO VI.


     Próva-se como o velho Camões não teve outro remedio senão misturar
     o maravilhoso da mythologia com o do christianismo.--Da-se razão, e
     tira-se depois, ao padre José Agostinho.--No meio d'estas
     disceptações academico-litterarias vem o A. a descobrir que para
     tudo é preciso ter fé n'este mundo. Diz-se _n'este mundo_, porque,
     quanto ao outro ja era sabido.--Os Lusíadas, Fausto e a
     Divina-Comedia.--Desgraça do Camões em ter nascido antes do
     romantismo.--Mostra-se como a Styge e o Cocyto sempre são melhores
     sitios que o Inferno e o Purgatorio.--Vai o A. em procura do
     marquez de Pombal, e dá com elle nas ilhas Beatas do poeta
     Alceu.--Partida de Whist entre os illustres finados.--Compaixão do
     marquez pelos pobres homens de Ricardo Smith e J. B. Say.--Resposta
     d'elle e da sua luneta ás perguntas peralvilhas do A.--Chegada a
     este mundo e ao Cartaxo.


O mais notavel, e não sei se diga, se continuarei aomenos a dizer, o
mais indesculpavel defeito que até aqui esgravataram criticos e zoilos
na Iliada dos povos modernos, os immortaes _Lusiadas_, é sem-dúvida a
heterogenea e heterodoxa mistura da theologia com a mythologia, do
maravilhoso allegorico do paganismo, com os graves symbolos do
christianismo. A fallar a verdade, e por mais figas que a gente queira
fazer ao padre José Agustinho--ainda assim! ver o padre Baccho revestido
_in pontificalibus_ deante de um retabulo, não me lembra de que sancto,
dizendo o seu _dominus vobiscum_ provavelmente a algum acholyto
bacchante ou corybante, que lhe responde o _et cum spiritu tuo!_.. não
se póde; é uma que realmente... E então aquelle famoso conceito com que
elle acaba, digno da Phenix-Renascida:

    O falso deus adora o verdadeiro!

Desde que me intendo, que leio, que admiro os Lusiadas; interneço-me,
chóro, insuberbeço-me com a maior obra de ingenho que ainda appareceu no
mundo, desde a _Divina-Comedia_ até ao _Fausto_...

O italiano tinha fé em Deus, o allemão no scepticismo, o portuguez na
sua patria. É preciso crer em alguma coisa para ser grande--não so
poeta--grande seja no que for. Uma Brizida velha que eu tive, quando era
pequeno, era famosa chronista de historias da carochinha, porque
sinceramente cria em bruxas. Napoleão cria na sua estrella, Lafayette
creu na republica-rei de Luiz-Philippe; e, para que ousemos tambem
_celebrare domestica facta_, todos os nossos grandes homens ainda hoje
creem, um na juncta do crédito, outro nas classes inactivas, outro no
mestre Adonirão, outro finalmente na belleza e realidade do systema
constitucional que felizmente nos rege.

Mas essas crenças são para os que se fizeram grandes com ellas. A um
pobre homem o que lhe fica para crer? Eu, apezar dos criticos, ainda
creio no nosso Camões: sempre cri.

E comtudo, desde a edade da innocencia em que tanto me divertiam
aquellas batalhas, aquellas aventuras, aquellas historias d'amores,
aquellas scenas todas, tam naturaes, tam bem pintadas--até ésta fatal
edade da experiencia, edade prosaica em que as mais bellas creações do
espirito parecem macaquices deante das realidades do mundo, e os nobres
movimentos do coração chymeras de enthusiastas--até ésta edade de
saudades do passado e esperanças no futuro, mas sem gosos no
presente--em que o amor da patria (tambem isto será phantasmagoria?), e
o sentimento intimo do _bello_ me dão na leitura dos Lusiadas outro
deleite diverso, mas não inferior ao que n'outro tempo me deram--eu
senti sempre aquelle grande defeito do nosso grande poema: e nunca pude,
por mais que buscasse, achar-lhe, justificação não digo--nem siquer
desculpa.

Mas até morrer aprender, diz o adagio: e assim é. E tambem é aphorismo
de moral, applicavel outrosim a coisas litterarias: que para a gente
achar a desculpa aos defeitos alheios, é considerar--é pôr-se uma pessoa
nas mesmas circumstancias, ver-se involvido nas mesmas difficuldades.

Aqui estou eu agora dando toda a desculpa ao pobre Camões, com vontade
de o justificar, e prompto (assim são as charidades d'este mundo) a
sahir a campo de lança em reste e a quebrá-la com todo o antagonista que
por aquelle fraco o atacar.--E porque será isto? Porque chegou a minha
hora; e--_si parva licet componnere magnis_ (a bossa proeminente hoje é
a latina), aqui me acho eu com este meu capitulo nas mesmas
difficuldades em que o nosso bardo se viu com o seu poema.

Ja preveni as observações com o texto acima: bem sei quem era Camões, e
quem sou eu; mas tracta-se da _intalação_, que é a mesma apezar da
differença dos intalados. O auctor dos Lusiadas viu-se intalado entre a
crença do seu paiz e as brilhantes tradições da poesia classica que
tinha por mestra e modêlo.

Não havia ainda então romanticos nem romantismo, o seculo estava muito
atrazado. As odes de Victor-Hugo não tinham ainda desbancado as de
Horacio; achavam-se mais lyricos e mais poeticos os esconjurios de
Canidia, do que os pesadelos de um inforcado no oratorio; chorava-se com
os _Tristes_ de Ovidio, porque se não lagrimejava com as meditações de
Lamartine. Andromacha despedindo-se de Heitor ás portas de Troia, Priamo
supplicante aos pés do matador do seu filho, Helena luctando entre o
remorso do seu crime e o amor de Páris, não tinham ainda sido eclipsados
pelas declamações da mãe Eva ás grades do paraizo terreal. O combate de
Achilles e Heitor, das hostes argivas com as troianas, não tinha sido
mettido n'um chinello pelas batalhas campaes dos anjos bons e dos anjos
maus á metralhada por essas nuvens. Dido chorando por Eneas não tinha
sido reduzida a donzella choramigas d'Alfama carpindo pelo seu _Manel_
que vae para a India...

Realmente o seculo estava muito atrazado: Milton não se tinha ainda
sentado no logar de Homero, Shakspeare no de Euripedes, e lord Byron
acima de todos: emfim não estava ainda anglizado o mundo, portanto _a
marcha do intellecto_ no mesmo terreno, é tudo uma miseria.

Ora pois, o nosso Camões, creador da epopea, e--depois do Dante--da
poesia moderna, viu-se atrapalhado; misturou a sua crença religiosa com
o seu credo poetico e fez, _tranchons le mot_, uma semsaboria.

E aqui direi eu com o vate Elmano:

    Camões, grande Camões, quam similhante
    Acho teu fado ao meu quando os cotejo!

Vou fazer outra semsaboria eu, n'este bello capitulo da minha
obra-prima. Que remedio! Preciso fallar com um illustre finado, preciso
de evocar a sombra de um grande genio que hoje habita com os mortos. E
onde irei eu? Ao inferno? Espero que a divina justiça se apiedasse
d'elle na hora dos ultimos arrependimentos. Ao purgatorio, ao empyreo?
Apezar do exemplo da _Divina Comedia_, não me atrevo a fazer comedias
com taes logares de scena,--e não sei, não gósto de brincar com essas
coisas.

Não lhe vejo remedio senão recorrer ao bem parado dos Elysios, da Styge,
do Cocyto e seu termo: são terrenos neutros em que se póde parlamentar
com os mortos sem compromettimento serio, e....

Eis-me ahi no êrro de Camões--e nas unhas dos criticos; e as zagunchadas
a ferver em cima de mim, que fiz, que aconteci....

Mas, senhores, ponderem, venham ca: o que hade um homem fazer? O Dante
não sei que gyria teve que baptisou Publio Virgilio Marão para lhe
servir de cicerone nas regiões do inferno, do paraizo e do purgatorio
christão, e teve tam boa fortuna que nem o queimou a Inquisição nem o
descompoz a Crusca, nem siquer o mutilaram os censores, nem o
perseguiram delegados por abuso de liberdade de imprensa, nem o mandaram
para os dignos pares... Não se tinham ainda descoberto as mangações
liberaes que se usam hoje: e as cartas que o povo tinha era a liberdade
ganha e sustentada á ponta da espada, com muito coração e poucas
palavras, muito patriotismo, poucas leis... e menos relatorios. Não
havia em Florença nem gazeta para louvar as tolices dos ministros, nem
ministros para pagar as tolices da gazeta.

O Dante foi proscripto e exilado, mas não se ficou a escrever, deu
catanada que se regallou nos inimigos da liberdade da sua patria.

Quem dera ca um batalhão de poetas como aquelle!

Que fosse porêm um triste vate de hoje escrever no seculo das luzes o
que escrevia o Dante no seculo das trevas! Os proprios philosophos
gritavam: Que escandalo! Atheus professos clamavam contra a
irreverencia; gentes que não teem religião, nem a de Mafoma, bradavam
pela religião: entravam a pôr carapuças nas cabeças uns dos outros,
cahiam depois todos sôbre o poeta, e--se o não podessem inforcar, pelo
menos declaravam-n'o republicano, que dizem elles que é uma injúria
muito grande.

Nada! viva o nosso Camões e o seu maravilhoso mistiforio; é a mais
commoda invenção d'este mundo: vou-me com ella, e ralhe a crítica quanto
quizer.

Quero procurar no reino das sombras não menor pessoa que o marquez de
Pombal: tenho que lhe fazer uma pergunta séria antes de chegar ao
Cartaxo. E nós ja vamos por entre as riccas vinhas que o circundam com
uma zona de verdura e alegria. Depressa o ramo de oiro que me abra ao
pensamento as portas fataes--depressa a unctuosa sopetarra com que heide
atirar ás tres gargantas do canzarrão. Vamos...

Mas em que districto d'aquellas regiões acharei eu o primeiro ministro
d'elrei D. José? Por onde está Ixion e Tantalo, por onde demora Sysipho
e outros maganões que taes? Não; esse é um bairro muito triste, e
arrisca-se a ter por administrador algum escandecido que me atice as
orelhas.

Nos Elysios com o pae Anchises e outros barbaças classicos do mesmo
jaez? Eu sei? tambem isso não. Hade ser n'aquellas ilhas bemaventuradas
de que falla o poeta Alceu e onde elle poz a passear, por eternas
verduras, as almas tyrannicidas de Harmódio e Aristógiton...

Oh! ésta agora!... Sebastião José de Carvalho e Mello, conde de Oeiras,
marquez de Pombal, de companhia com os seus inimigos politicos!... Ahi é
que se ingánam; não ha amigos nem inimigos politicos em se largando o
mando e as pretenções a elle. Ora, passados os umbraes da eternidade, é
de fé que se não pensa mais n'isso. C. J. X., que morreu a assignar uma
portaria, ja tinha largado a penna quando chegou alli pelos _Prazeres_;
quanto mais!...

O homem hade estar nas ilhas _beatas_. Vamos lá...

E ei-lo alli: lá está o bom do marquez a jogar o whist com o barão de
Bidefeld, com o imperador Leopoldo e com o poeta Diniz. A partida deve
de ser interessante, talvez aposta essa gente toda--esses manes todos
que estão á roda. Que cara que fez o marquez a um finadinho que lhe foi
metter o nariz nas cartas! Quem havia de ser! O intromettido de M. de
Talleyrand. Estava-lhe cahindo. Mas não viu nada: o nobre marquez sempre
soube esconder o seu jôgo.

A mim é que elle ja me viu. 'Que diz? Ah!.. Sim senhor, sou portuguez; e
venho fazer uma pergunta a V. Exa., esclarecer-me sôbre um ponto
importante.'

Deitou-me a tremenda luneta.

--'Para que mandou V. Exa. arrancar as vinhas do Ribatejo?'

Apertou a luneta no sobrôlho e sorriu-se.

--'Ellas ahi estão centuplicadas, que até ja invadiram o pinhal de
Azambuja. Fez V. Exa. um despotismo inutil; e agora...'

'Agora quem bebe por lá todo esse vinho?'

Não sabía o que lhe havia de responder. Elle sacudiu a cabelleira de
anneis, virou-me as costas, deu o braço a Colbert, passou por-pé de
Ricardo Smith e de J. Baptista Say, que estavam a disputar, incolheu os
hombros em ar de compaixão, e foi-se por uma alameda muito viçosa que ia
por aquelles deliciosos jardins dentro, e sumiu-se da nossa vista.

Eu surdi ca n'este mundo, e achei-me emcima da azemola, aopé do grande
café do Cartaxo.



CAPITULO VII.


     Reflexões importantes sôbre o Bois-de-Boulogne, as carruagens de
     mollas, Tortoni, e o café do Cartaxo.--Dos cafés em geral, e de
     como são o characteristico da civilização de um paiz.--O
     Alfageme.--Hecatombe involuntaria immolada pelo A.--Historia do
     Cartaxo.--Demonstra-se como a Gran'-Bretanha deveu sempre toda a
     sua fôrça e toda a sua glória a Portugal.--Shakspeare e Laffitte,
     Milton e Chateaumargot, Nelson e o principe de Joinville.--Próva-se
     evidentemente que M. Guizot é a ruina de Albion e do Cartaxo.


Voltar á meia-noite do _Bois-de-Boulogne_--o bosque por excellencia,
descer, entre nuvens de poeira, o longo stadio dos Campos-Elysios,
entrever, na rapida carreira, o obelisco de Luxor, as árvores das
Tulherias, a columna da praça Vandomma, a magnificencia heteroclyta da
'Magdalena', e emfim sentir parar, de uma soffreada magistral, os dois
possantes inglezes que nos trouxeram quasi de um folego até ao
'boulevard de Gand'; ahi entreabrir mollemente os olhos, levantando meio
corpo dos regallados cochins de seda, e dizer: 'Ah! estamos em
Tortoni... que delicia um sorvete com este calor!'--é seguramente, é dos
prazeres maiores d'este mundo, sente-se a gente viver; é meia hora de
existencia que vale dez annos de ser rei em qualquer outra parte do
mundo.

Pois acredite-me o leitor amigo, que sei alguma coisa dos sabores e
dissabores d'este mundo, fie-se na minha palavra, que é de homem
experimentado: o prazer de chegar por aquelle modo a Tortoni, o apear da
elegante caleche balançada nas mais suaves mollas que fabricasse arte
ingleza do puro aço de Suecia, não alcança, não se compara ao prazer e
consolação de alma e corpo que eu senti ao apear-me de minha choiteira
mula á porta do grande café do Cartaxo.

Fazem idea do que é o café do Cartaxo? Não fazem. Se não viajam, se não
sahem, se não vêem mundo ésta gente de Lisboa! E passam a sua vida entre
o Chiado, a rua do Oiro e o theatro de San'Carlos, como hãode alargar a
esphera de seus conhecimentos, desinvolver o espirito, chegar á altura
do seculo?

Coroae-vos de alface, e ide jogar o bilhar, ou fazer sonetos á dama
nova, ide, que não prestais para mais nada, meus queridos Lisboetas; ou
discuti os deslavados horrores de algum mellodrama velho que fugiu
assoviado da 'Porte-Saint Martin' e veio esconder-se na Rua-dos-Condes.
Tambem podeis ir aos Toiros--estão imbolados, não ha perigo...

Viajar?.. qual viajar! até á Cova-da-Piedade, quando muito, em dia que
lá haja cavallinhos. Pois ficareis alfacinhas para sempre, cuidando que
todas as praças d'este mundo são como a do Terreiro-do-Paço, todas as
ruas como a rua Augusta, todos os cafés como o do Marrare.

Pois não são, não: e o do Cartaxo menos que nenhum.

O café é uma das feições mais characteristicas de uma terra. O viajante
experimentado e fino chega a qualquer parte, entra no café, observa-o,
examina-o, estuda-o, e tem conhecido o paiz em que está, o seu govêrno,
as suas leis, os seus costumes, a sua religião.

Levem-me de olhos tapados onde quizerem, não me desvendem senão no café;
e protesto-lhe que em menos de dez minutos lhe digo a terra em que estou
se for paiz sublunar.

Nós entrámos no café do Cartaxo, o grande café do Cartaxo; e nunca se
incruzou turco em divan de seda do mais splendido harem de
Constantinopla com tanto gôso de alma e satisfacção de corpo, como nós
nos sentámos nas duras e asperas tábuas das esguias banquetas mal
sarapintadas que ornam o magnífico estabelecimento bordalengo.

Em poucas linhas se descreve a sua simplicidade classica: será um
parallelogrammo pouco maior que a minha alcova; á esquerda duas mezas de
pinho, á direita o mostrador invidraçado onde campeam as garrafas
obrigadas de liquor de amendoa, de canella, de cravo. Pendem do tecto,
laboriosamente arrendados por não vulgar tesoira, os pingentes de papel,
convidando a lascivo repouso a inquieta raça das moscas. Reina uma
frescura admiravel n'aquelle recinto.

Sentámo-nos, respirámos largo, e entrámos em conversa com o dono da
casa, homem de trinta a quarenta annos, de physionomia experta e
sympathica, e sem nada do repugnante villão-ruim que é tam usual de
incontrar por similhantes logares da nossa terra.

--'Então que novidades ha por ca pelo Cartaxo, patrão?'

--'Novidades! Por aqui não temos senão o que vem de Lisboa.--Ahi está a
'Revolução' de hontem...'

--'Jornaes, meu caro amigo! Vimos fartos d'isso. Diga-nos alguma coisa
da terra. Que faz por ca o...'

--'O mestre J. P., o 'Alfageme?''

--'Como assim o Alfageme?'

--'Chamam-lhe o Alfageme ao mestre J. P.: pois então! Uns senhores de
Lisboa que ahi estiveram em casa do Sr. D. poseram-lhe esse nome, que a
gente bem sabe o que é; e ficou-lhe, que agora ja ninguem lhe chama
senão o Alfageme. Mas quanto a mim, ou elle não é Alfageme, ou não o
hade ser muito tempo. Não é aquelle, não. Eu bem me intendo.'

A conversação tornava-se interessante, especialmente para mim: quizemos
profundar o caso.

--'Muito me conta, Sr. patrão! Com que isto de ser Alfageme, parece-lhe
que é coisa de?..

--'Parece-me o que é, e o que hade parecer a todo o mundo. E alguma
coisa sabemos, ca no Cartaxo, do que vai por elle. O verdadeiro Alfageme
diz que era um espadeiro ou armeiro, cutileiro ou coisa que o valha, na
Ribeira de Santarem; e que foi um homem capaz, e que tinha pelo povo, e
que não queria saber de partidos, e que dizia elle: 'Rei que nos
inforque, e papa que nos excommungue, nunca hade faltar. Assim, deixar
os outros brigar, trabalhemos nós e ganhemos a nossa vida.' Mas que
extrangeiros que não queria, que ésta terra que era nossa e co'a nossa
gente se devia de governar. E mais coisas assim: e que porfim o deram
por traidor e lhe tiraram quanto tinha.--Mas que lhe valeu o Condestavel
e o não deixou arrazar, por que era homem de bem e fidalgo ás direitas.
Pois não é assim que foi?'

--'É, sim, meu amigo. Mas então d'ahi?'

--'Então d'ahi o que se tira, é que quando havia fidalgos como o sancto
Condestavel tambem havia Alfagemes como o de Santarem. E mais nada.'

--'Perfeitamente. Mas porque chamaram ao mestre P. o Alfageme do
Cartaxo?'

--'Eu lhe digo aos senhores: o homem nem era assim nem era assado.
Fallava bem, tinha sua labia com o povo. D'ahi fez-se juiz, pôs por ahi
suas coisas a direito--Deus sabe as que elle intortou tambem!.. ganhou
nome no povo, e agora faz d'elle o que quer. Se lhe der sempre para bem,
bom será.--Os senhores não tomam nada?'

O bom do homem visivelmente não queria fallar mais: e não deviamos
importuná-lo. Fizemos o sacrificio de bom número de limões que
expremémos em profundas taças--vulgo, copos de canada--e com agua e
assucar, offerecemos as devidas libações ao genio do logar.

Infelizmente o sacrificio não foi detodo incruento. Muitas hecatombes de
myrmidões cahiram no holocausto, e lhe deram um cheiro e sabor que não
sei se agradou á divindade, mas que injoou terrivelmente aos sacerdotes.

Sahimos a visitar o nosso bom amigo, o velho D., a honra e a alegria do
Ribatejo. Ja elle sabía da nossa chegada, e vinha no caminho para nos
abraçar.

Fomos dar, junctos, uma volta pela terra.

É das povoações mais bonitas de Portugal, o Cartaxo, aceada, alegre;
parece o bairro suburbano de uma cidade.

Não ha aqui monumentos, não ha historia antiga: a terra é nova, e a sua
prosperidade e crescimento datam de trinta ou quarenta annos, desde que
o seu vinho começou a ter fama. Ja descahida do que foi, pela estagnação
d'aquelle commercio, ainda é comtudo a melhor coisa da Borda-d'agua.

Não tem historia antiga, disse; mas tem-n'a moderna e importantissima.

Que memorias aqui não ficaram da guerra peninsular! Que espantosas
borracheiras aqui não tomaram os mais famosos generaes, os mais
distinctos militares da nossa _antiga e fiel_ alliada, que ainda então,
ao menos, nos bebia o vinho!

Hoje nem isso!.. hoje bebe a jacobina zurrapa de Bordeos, e as acerbas
limonadas de Borgonha. Quem tal diria da conservativa Albion! Como póde
uma leal goella britannica, rascada pelos acidos anarchicos d'aquellas
vinagretas francezas, intoar devidamente o God-save-the-King em um
_toast_ nacional! Como, sem Porto ou Madeira, sem Lisboa, sem Cartaxo,
ousa um subdito britannico erguer a voz, n'aquella harmoniosa
desafinação insular que lhe é propria e que faz parte de seu respeitavel
character nacional--faz; não se riam: o inglez não canta senão quando
bebe... alias quando está BEBIDO. _Nisi potus ad arma ruisse._ Inverta:
_Nisi potus in cantum prorumpisse_... E pois, como hade elle assim
_bebido_ erguer a voz n'aquelle sublime e tremendo hymno popular
Rulle-Britannia!

Bebei, bebei bem zurrapa franceza, meus amigos inglezes; bebei, bebei a
pêso de oiro, essas limonadas dos burgraves e margraves de Allemanha;
chamae-lhe, para vos illudir, chamae-lhe _hoc_, chamae-lhe _hic_,
chamae-lhe o _hic haec hoc_ todo, se vos dá gôsto... que em poucos annos
veremos o estado de _acetato_ a que hade ficar reduzido o vosso
character nacional.

Oh gente cega a quem Deus quer perder! pois não vêdes que não sois nada
sem nós, que sem o nosso alchool, d'onde vos vinha espirito, sciencia,
valor, ides cahir infallivelmente na antiga e priguiçosa rudeza saxonia!

D'essas traidoras praias da França donde vos vai hoje o veneno corrosivo
da vossa indole e da vossa fôrça, não tardará que tambem vos chegue
outro Guilherme bastardo que vos conquiste e vos castigue, que vos faça
arrepender, mas tarde, do criminoso êrro que hoje commetteis, ó
insulares sem fe, em abandonar a nossa alliança. A nossa alliança sim, a
nossa poderosa alliança, sem a qual não sois nada.

O que é um inglez sem Porto ou Madeira... sem Carcavellos ou Cartaxo?

Que se inspirasse Shakspeare com Lafitte, Milton com Chateaumargot--o
chanceller Bacon que se dilluisse no melhor Borgonha... e veriamos os
acidulos versinhos, os destemperados raciocininhos que faziam.

Com todas as suas dietas, Newton nunca se lembrou de beber Johannisberg;
Byron antes beberia _gin_, antes agua do Thamisa, ou do Pamiso, do que
essas escorreduras das areias de Bordeos.

Tirae-lhe o Porto aos vossos almirantes, e ninguem mais teme que torneis
a ter outro Nelson. Entra nos planos do principe de Joinville fazer-vos
beber da sua zurrapa: são tantos pontos de partido que lhe dais no seu
jôgo.

É M. Guizot quem perde a Inglaterra com a sua alliança; e tambem perde o
Cartaxo. Por isso eu ja não quero nada com os doutrinarios.

...........................................................................

Ha dôze annos tornou o Cartaxo a figurar conspicuamente na historia de
Portugal. Aqui, nas longas e terriveis luctas da última guerra de
_successão_, esteve muito tempo o quartel-general do marquez de
Saldanha.

Alguns dythirambos se fizeram; alguns echos das antigas canções
bacchicas do tempo da guerra peninsular ainda acordaram ao som dos
hymnos constitucionaes.

Mas o systema liberal, tirada a epocha das eleições, não é grande coisa
para a indústria vinhateira, dizem. Eu não o creio porém; e tenho minhas
boas razões, que ficam para outra vez.



CAPITULO VIII.


     Sahida do Cartaxo--A charneca. Perigo imminente em que o A. se acha
     de dar em poeta e fazer versos.--Ultima revista do imperador D.
     Pedro ao exército liberal.--Batalha de
     Almoster.--Waterloo.--Declara o A. solemnemente que não é
     philosopho e chega á ponte da Asseca.


Eram dadas cinco da tarde, a calma declinava; montámos a cavallo, e
cortámos por entre os viçosos pampanos que são a glória e a e tomado
ânimo; breve, nos achámos em plena charneca.

Bella e vasta planicie! Desafogada dos raios do sol, como ella se
desenha ahi no horisonte tam suavemente! que delicioso aroma selvagem
que exhalam éstas plantas, acres e tenazes de vida, que a cobrem, e que
resistem verdes e viçosas a um sol portugez de julho!

A doçura que mette n'alma a vista refrigerante de uma joven seara do
Ribatejo nos primeiros dias de abril, ondulando lascivamente com a brisa
temperada da primavera,--a amenidade bucolica de um campo minhoto de
milho, á hora da rega, por meados de agosto, a ver-se-lhe pullar os
caules com a agua que lhe anda por pé, e á roda as carvalheiras
classicamente desposadas com a vide cuberta de racimos pretos--são ambos
esses quadros de uma poesia tam graciosa e cheia de mimo, que nunca a
dei por bem traduzida nos melhores versos de Theocrito ou de Virgilio,
nas melhores prosas de Gesner ou de Rodrigues-Lobo.

A majestade sombria o solemne de um bosque antigo e copado, o silencio e
escuridão de suas moitas mais fechadas, o abrigo solitario de suas
clareiras, tudo é grandioso, sublime, inspirador de elevados
pensamentos. Medita-se alli por fôrça; isola-se a alma dos sentidos pelo
suave adormecimento em que elles cahem... e Deus, a eternidade--as
primitivas e innatas ideas do homem--ficam unicas no seu pensamento...

É assim. Mas um rochedo em que me eu sente ao pôr do sol na gandra erma
e selvagem, vestida apenas de pastio bravo, baixo, e tosqueado rente da
bôcca do gado--diz-me coisas da terra e do ceo que nenhum outro
espectaculo me diz na natureza. Ha um vago, um indeciso, um vaporoso
n'aquelle quadro que não tem nenhum outro.

Não é o sublime da montanha, nem o augusto do bosque, nem o ameno do
valle. Não ha ahi nada que se determine bem, que se possa definir
positivamente. Ha a solidão que é uma idea negativa...

Eu amo a charneca.

E não sou romanesco. Romantico, Deus me livre de o ser--ao menos, o que
na algaravia de hoje se intende por essa palavra.

Ora a charneca d'entre Cartaxo e Santarem, áquella hora que a passámos,
começava a ter esse tom, e a achar-lhe eu esse incanto indefinivel.

Sentia-me disposto a fazer versos... a quê? Não sei.

Felizmente que não estava so; e escapei de mais essa caturrice.

Mas foi como se os fizesse, os versos, como se os estivesse fazendo,
porque me deixei cahir n'um verdadeiro estado poetico de distracção, de
mudez--cessou-me a vida toda de _relação_, e não me sentia existir senão
por dentro.

Derepente acordou-me do lethargo uma voz que bradou:--'Foi aqui!... aqui
é que foi, não ha dúvida'.

--'Foi aqui o quê?'

--'A última revista do imperador'.

--'A última revista! Como assim a última revista! Quando? Pois?...'

Então cahi completamente em mim, e recordei-me, com amargura e
desconsolação, dos tremendos sacrificios a que foi condemnada ésta
geração, Deus sabe para quê--Deus sabe se para expiar as faltas de
nossos passados, se para comprar a felicidade de nossos vindouros...

O certo é que alli comeffeito passára o imperador D. Pedro a sua última
revista ao exército liberal. Foi depois da batalha d'Almoster, uma das
mais lidadas e das mais insanguentadas d'aquella triste guerra.

Toda a guerra civil é triste.

E é difficil dizer para quem mais triste, se para o vencedor ou para o
vencido.

Ponham de parte questões individuaes, e examinem de boa fé: verão que,
na totalidade de cada facção em que a nação se dividiu, os ganhos, se os
houve para quem venceu, não balançam os padecimentos, os sacrificios do
passado, e menos que tudo, a responsabilidade pelo futuro...

Eu não sou philosopho. Aos olhos do philosopho, a guerra civil e a
guerra extrangeira, tudo são guerras que elle condemna--e não mais uma
do que a outra... a não ser Hobbes o ditto philosopho, o que é coisa
muito differente.

Mas não sou philosopho, eu: estive no campo de Waterloo, sentei-me aopé
do Leão de bronze sôbre aquelle monte de terra amassado com o sangue de
tantos mil, vi--e eram passados vinte annos--vi luzir ainda pela campina
os ossos brancos das victimas que alli se immolaram a não sei quê... Os
povos disseram que á liberdade, os reis que á realeza... Nenhuma d'ellas
ganhou muito, nem para muito tempo com a tal victoria...

Mas deixemos isso. Estive alli, e senti bater-me o coração com essas
recordações, com essas memorias dos grandes feitos e gentilezas que alli
se obraram.

Porque será que aqui não sinto senão tristeza?

Porque luctas fratricidas não podem inspirar outro sentimento e
porque...

Eu moía comigo so éstas amargas reflexões, e toda a belleza da charneca
desappareceu deante de mim.

N'esta desagradavel disposição de ânimo chegámos á ponte d'Asseca.



CAPITULO IX.


     Prologomenos dramatico-litterarios, que muito naturalmente levam,
     apezar de alguns rodeios, ao retrospecto e reconsideração do
     capitulo antecedente.--Livros que não deviam ter titulo, e titulos
     que não deviam ter livro.--Dos poetas d'este seculo. Bonaparte,
     Rotchild e Silvio-Péllico.--Chega-se ao fim d'estas reflexões e á
     ponte da Asseca.--Traducção portugueza de um grande poeta.--Origem
     de um dictado.--Junot na ponte da Asseca.--De como o A. d'este
     livro foi jacobino desde pequeno.--Inguiço que lhe deram.--A
     duqueza de Abrantes.--Chega-se emfim ao val de Santarem.


Vivia aqui ha coisa de cinquenta para sessenta annos, n'esta boa terra
de Portugal, um figurão exquisitissimo que tinha inquestionavelmente o
instincto de descobrir assumptos dramaticos nacionaes--ainda, ás vezes,
a arte de desenhar bem o seu quadro, de lhe grupar, não sem mérito, as
figuras: mas ao pô-las em acção, ao collori-las, ao fazê-las fallar...
boas noites! era semsaboria irremediavel.

Deixou uma collecção immensa de peças de theatro que ninguem conhece, ou
quasi ninguem, e que nenhuma soffreria, talvez, representação; mas rara
é a que não poderia ser arranjada e appropriada á scena.

Que mina tam ricca e fertil para qualquer mediano talento dramatico! Que
bellas e portuguezas coisas se não podem extrahir dos treze volumes--são
treze volumes e grandes!--do theatro de Ennio-Manuel de Figueiredo!
Algumas d'essas peças, com bem pouco trabalho, com um dialogo mais vivo,
um stylo mais animado, fariam comedias excelentes.

Estão-me a lembrar éstas:

'O Casamento da Cadea'--ou talvez se chame outra coisa, mas o assumpto é
este; comedia cujos characteres são habilmente esboçados, funda-se
n'aquella nossa antiga lei que fazia casar da prisão os que assim se
suppunha podêrem reparar certos damnos de reputação feminina.

'O fidalgo de sua casa', satyra mui graciosa de um tam commum ridiculo
nosso.

'As duas educações', bello quadro de costumes: são dois rapazes, ambos
extrangeiramente educados, um francez, outro inglez, nenhum portuguez. É
eminentemente comico, frisante, ou, segundo agora se diz á moda,
'palpitante de actualidade.'

'O cioso', comedia ja remoçada da antiga comedia de Ferreira e que em si
tem os germens todos da mais ricca e original composição.

'O avaro dissipador', cujo so titulo mostra o ingenho e invenção de quem
tal assumpto concebeu: assumpto ainda não tractado por nenhum de tantos
escriptores dramaticos de nação alguma, e que é todavia um vulgar
ridiculo, todos os dias incontrado no mundo.

São muitas mais, não fica n'estas, as composições do fertilissimo
escriptor que, passadas pelo crivo de melhor gôsto, e animadas sôbretudo
no stylo, fariam um razoavel repertorio para acudir á mingua dos nossos
theatros.

Uma das mais semsabores porêm, a que vulgarmente se haverá talvez pela
mais semsabor, mas que a mim mais me diverte pela ingenuidade familiar e
sympathica de seu tom magoado e melancholicamento chocho, é a que tem
por titulo 'Poeta em annos de prosa'.

E foi por ésta, foi por amor d'esta que me eu deixei descahir na
digressão dramatico-litteraria do princípio d'este capitulo; pegou-se-me
á penna porque se me tinha pregado na cabeça; e ou o capitulo não sabia,
ou ella havia de sahir primeiro.

Poeta em annos de prosa! Oh Figueiredo, Figueiredo, que grande homem não
foste tu, pois imaginaste este titulo que so elle em si é um volume! Ha
livros, e conheço muitos, que não deviam ter titulo, nem o titulo é nada
n'elles.

Faz favor de me dizer o de que serve, o que significa o 'Judeu errante'
pôsto no frontispicio d'esse interminavel e mercatorio romance que ahi
anda pelo mundo, mais errante, mais sem fim, mais immorredoiro que o seu
prototypo?

E ha titulos tambem que não deviam ter livro, porque nenhum livro é
possivel escrever que os desimpenhe como elles merecem.

'Poeta em annos de prosa' é um d'esses.

Eu não leio nenhuma das raras coisas que hoje se escrevem
verdadeiramente bellas, isto é, simples, verdadeiras, e por consequencia
sublimes, que não exclame com sincero pesadume ca de dentro: 'Poeta em
annos de prosa!'

Pois este é seculo para poetas? ou temos nós poetas para este seculo?..

Temos sim, eu conheço tres: Bonaparte, Silvio-Péllico e o barão de
Rotchild.

O primeiro fez a sua Iliada com a espada, o segundo com a paciencia, o
último com o dinheiro.

São os tres agentes, as tres entidades, as tres divindades da epocha.

Ou cortar com Bonaparte, ou comprar com Rotchild, ou soffrer e ter
paciencia com Silvio-Péllico.

Todo o que fizer d'outra poesia--e d'outra prosa tambem--é tolo...

Vieram-me éstas mui judiciosas reflexões a proposito do capitulo
antecedente d'esta minha obra prima; e lancei-as aqui para instrucção e
edificação do leitor benevolo.

Acabei com ellas quando chegámos á ponte da Asseca.

Esquecia-me dizer que d'aquelles tres grandes poetas so um está
traduzido em portuguez--o Rotchild: não é litteral a traducção,
agallegou-se e ficou muito suja de erros de imprensa mas como não ha
outra...

Ora d'onde veio este nome da Asseca? Algures aqui perto deve de haver
sitio, logar ou coisa que o valha, com o nome de Meca; e d'ahi talvez o
admiravel rifão portuguez que ainda não foi bem examinado como devia
ser, e que decerto incerra algum grande dictame de moral primitiva:
'andou por Secca (Asseca?) e Meca e olivaes de Santarem.'--Os taes
olivaes ficam logo adiante. É uma ethymologia como qualquer outra.

A ponte da Asseca corta uma varzea immensa que hade ser um vasto pahul
de hynverno: ainda agora está a desangrar-se em agua por toda a parte.

É notavel na historia moderna este sítio. Aqui n'um recontro com os
nossos, foi Junot gravemente ferido, ferido na cara. _'Il ne sera plus
beau garçon'_ disse o parlamentario francez que veio, depois da acção,
tractar, creio eu, de troca de prisioneiros ou de coisa similhante. Mas
inganou-se o parlamentario; Junot ainda ficou muito guapo e gentil homem
depois d'isso.

Tenho pena de nunca ter visto o Junot nem o Maneta,[1] as duas primeiras
notabilidades que ouvi aclamar como taes e cujos nomes conhecí...
Ingano-me: conheci primeiro o nome de Bonaparte. E lembra-me muito bem
que nunca me persuadi que elle fossa o monstro disforme e horroroso que
nos pintavam frades e velhas n'aquelle tempo. Imaginei sempre que, para
excitar tantos odios e malquerenças, era necessario que fosse um bem
grande homem.

Desde pequeno que fui jacobino; ja se ve: e de pequeno me custou caro.
Levei bons puchões de orelhas de meu pae por comprar na feira de
San'Lazaro, no Porto, em vez das gaitinhas ou dos registos de sanctos,
ou das outras bogigangas que os mais rapazes compravam... não imaginam o
quê... um retrato de Bonaparte.

Foi 'inguiço'--diria uma senhora do meu conhecimento que accredita
n'elles: foi inguiço que aínda se não desfez e que toda a vida me tem
perseguido.

Quem me diria quando, por esse primeiro peccado politico da minha
infancia, por esse primeiro tractamento duro, e--perdoe-me a respeitada
memoria de meu sancto pae!--injustissimo, que me trouxe o mero instincto
das ideas liberaes, quem me diria que eu havia de ser perseguido por
ellas toda a vida! que apenas sahido da puberdade havia de ir a essa
mesma França, á patria d'esses homens e d'essas ideas com quem a minha
natureza sympathysava sem saber porquê, buscar asylo e guarida?

Não vi ja quasi nenhum d'aquelles que tanto desejára conhecer; as ruinas
do grande imperio estavam dispersas; os seus generaes mortos,
desterrados, ou trajavam interesseiros e covardes as librés do
vencedor...

De todas as grandes figuras d'essa epocha, a que melhor conheci e
tractei foi uma senhora, typo de graça, de amabilidade e de talento.
Pouco foi o nosso tracto, mas quanto bastou para me incantar, para me
formar no espirito um modêllo de valor e merecimento feminino que me
veio a fazer muito mal.

Custa depois a encher aquella altura que se marcou...

Eis aqui como eu fiz esse conhecimento.

Inda o estou vendo, coitado! o pobre C. do S., nobre, espirituoso,
cavalheiro, fazendo-se perdoar todos os seus prejuizos de casta, que
tinha como ninguem, por aquella polidez superior e affabilidade elegante
que distingue o verdadeiro fidalgo (stylo antigo); inda o estou vendo,
ja sexagenario, ja mais que 'ci-devant jeun'homme', o pescoço intallado
na inflexivel gravata, os pés pegando-se-lhe, como os de Ovidio, ao
limiar da porta--não que lh'os prendessem saudades, senão que lh'os
paralysava a cakexia incipiente--mas o espirito joven a reagir e a
teimar.

--'Vamos!' disse elle 'hoje estou bom, sinto-me outro: quero
apresentá-lo a madame de Abrantes. Está tam velha! Isto de mulheres não
são como nós, passam muito depressa.'

E o desgraçado tremiam-lhe as pernas, e suffocava-o a tosse.

Tomámos uma 'citadine', e fomos comeffeito á nova e elegante rua chamada
não impropriamente a rua de Londres, onde achámos rodeada de todo o
esplendor do seu occaso aquella formosa estrella do imperio.

Não quero dizer que era uma belleza; longe d'isso. Nem bella nem môça,
nem airosa de faser impressão era a duqueza d'Abrantes. Mas em meia hora
de conversação, de tracto, descubriam-se-lhe tantas graças, tanto
natural, tanta amabilidade, um complexo tam verdadeiro e perfeito da
mulher franceza, a mulher mais seductora do mundo, que involuntariamente
se dizia a gente no seu coração: 'Como se está bem aqui!'

Fallámos de Portugal, de Lisboa, do imperio--da restauração, da
revolução de julho (isto era em 1831), de M. de Lafayette, de
Luiz-Philippe, de Chateaubriand--o seu grande amigo d'ella--do
_Sacré-Coeur_ e das suas elegantes devotas--fallámos artes, poesia,
politica... e eu não tinha ânimo para acabar de conversar...

Benevolo e paciente leitor, o que eu tenho decerto ainda é consciencia,
um resto de consciencia: acabemos com éstas digressões e perennaes
divagações minhas. Bem vejo que te deixei parado á minha espera no meio
da ponte d'Asseca. Perdoa-me por quem es, dêmos d'espora ás mulinhas, e
vamos que são horas.

Ca estâmos n'um dos mais lindos e deliciosos sitios da terra: o valle de
Santarem, patria dos rouxinoes e das madresilvas, cincta de faias bellas
e de loureiros viçosos. D'isto é que não tem París, nem França nem terra
alguma do occidente senão a nossa terra, e vale bem por tantas, tantas
coisas que nos faltam.



CAPITULO X.


     Valle de Santarem--Namora-se o A. de uma janella que ve por entre
     umas árvores.--Conjecturas várias a respeito da ditta
     janella.--Similhança do poeta com a mulher namorada, e
     inquestionavel inferioridade do homem que não é poeta.--Os
     rouxinoes. Reminiscencia de Bernardim Ribeiro e das suas
     saudades.--De como o A. tinha quasi completo o seu romance, menos
     um vestido branco e uns olhos pretos.--Sahem verdes os olhos com
     grande admiração e pasmo seu.--Verificam-se as conjecturas sôbre a
     mysteriosa janella.--A menina dos rouxinoes.--Censura das damas
     muito para temer, crítica dos elegantes muito para rir.--Começa o
     primeiro episodio d'esta Odyssea.


O valle de Santarem é um d'estes logares privilegiados pela natureza,
sitios amenos e deleitosos em que as plantas, o ar, a situação, tudo
está n'uma harmonia suavissima e perfeita: não ha alli nada grandioso
nem sublime, mas ha uma como symetria de côres, de sons, de disposição
em tudo quanto se ve e se sente, que não parece senão que a paz, a
saude, o socêgo do espirito e o repouso do coração devem viver alli,
reinar alli um reinado de amor e benevolencia. As paixões más, os
pensamentos mesquinhos, os pezares e as villezas da vida não podem senão
fugir para longe. Imagina-se por aqui o Eden que o primeiro homem
habitou com a sua innocencia e com a virgindade do seu coração.

Á esquerda do valle, e abrigado do norte pela montanha que alli se corta
quasi a pique, está um masisso de verdura do mais bello viço e
variedade. A faia, o freixo, o alamo enterlaçam os ramos amigos; a
madresilva, a musqueta penduram de um a outro suas grinaldas e festões;
a congossa, os fettos, a malva-rosa do vallado vestem e alcatifam o
chão.

Para mais realçar a belleza do quadro, ve-se por entre um claro das
árvores a janella meia aberta de uma habitação antiga mas não
dilapidada--com certo ar de confôrto grosseiro, e carregada na côr pelo
tempo e pelos vendavais do sul a que está exposta. A janella é larga e
baixa; parece mais ornada e tambem mais antiga que o resto do edificio
que todavia mal se ve...

Interessou-me aquella janella.

Quem terá o bom gôsto e a fortuna de morar alli?

Parei e puz-me a namorar a janella.

Incantava-me, tinha-me alli como n'um feitiço.

Pareceu-me entrever uma cortina branca... e um vulto por de traz...
Imaginarão decerto! Se o vulto fosse feminino!.. era completo o romance.

Como hade ser bello ver pôr o sol d'aquella janella!..

E ouvir cantar os rouxinoes!..

E ver raiar uma alvorada de maio!..

Se haverá alli quem a aproveite, a deliciosa janella?.. quem apprecie e
saiba gosar todo o prazer tranquillo, todos os sanctos gosos de alma que
parece que lhe andam esvoaçando em tôrno?

Se fôr homem é poeta; se é mulher está namorada.

São os dois entes mais parecidos da natureza, o poeta e a mulher
namorada: vêem, sentem, pensam, fallam como a outra gente não ve, não
sente, não pensa nem falla.

Na maior paixão, no mais acrysolado affecto do homem que não é poeta,
entra sempre o seu tanto da vil prosa humana: é liga sem que se não
lavra o mais fino de seu oiro. A mulher não; a mulher apaixonada devéras
sublima-se, idealiza-se logo, toda ella é poesia; e não ha dor physica,
interêsse material, nem deleites sensuaes que a façam descer ao positivo
da existencia prosaica.

Estava eu n'estas meditações, começou um rouxinol a mais linda e
desgarrada cantiga que ha muito tempo me lembra de ouvir.

Era aope da ditta janella!

E respondeu-lhe logo outro do lado opposto; e travou-se entre ambos um
desafio tam regular, em strophes alternadas tam bem medidas, tam
accentuadas e perfeitas, que eu fiquei todo dentro do meu romance,
esqueci-me de tudo o mais.

Lembrou-me o rouxinol de Bernardim-Ribeiro, o que se deixou cahir n'agua
de cançado.

O arvoredo, a janella, os rouxinoes... áquella hora, o fim da tarde...
que faltava para completar o romance?

Um vulto feminino que viesse sentar-se áquele balcão--vestido de
branco--oh! branco por fôrça... a frente descahida sôbre a mão esquerda,
o braço direito pendente, os olhos alçados ao ceo... De que côr os
olhos? Não sei, que importa! é amiudar muito demais a pintura, que deve
ser a grandes e largos traços para ser romantica, vaporosa, desenhar-se
no vago da idealidade poetica...

--'Os olhos, os olhos...' disse eu pensando ja alto, e todo no meu
extasi, 'os olhos... pretos.'

--'Pois eram verdes!'

--'Verdes os olhos... d'ella, do vulto da janella?'

--'Verdes como duas esmeraldas orientaes, transparentes, brilhantes, sem
preço.'

--'Quê! pois realmente?.. É gracejo isso, ou realmente ha alli uma
mulher, bonita, e?..'

--'Alli não ha ninguem--ninguem que se nomeie hoje, mas houve... oh!
houve um anjo, um anjo, que deve de estar no ceo.'



--'Bem dizia eu que aquella janella...'

--'É a janella dos rouxinoes.'

--'Que lá estão a cantar.'

--'Estão, esses lá estão ainda como ha dez annos--os mesmos ou outros,
mas a _menina dos rouxinoes_ foi-se e não voltou.'

--'A menina dos rouxinoes! que historia é essa? Pois devéras tem uma
historia aquella janella?'

--'É um romance todo inteiro, _todo feito_ como dizem os francezes e
conta-se em duas palavras.'

--'Vamos a elle. A menina dos rouxinoes, menina com olhos verdes! Deve
ser interessantissimo. Vamos á historia ja.'

--'Pois vamos. Apeemo'-nos e descancemos um bocado.'

Ja se ve que este dialogo passava entre mim e outro dos nossos
companheiros de viagem.

Apeámo'-nos comeffeito; sentamo'-nos; e eisaqui a historia da _menina
dos rouxinoes_ como ella se contou.

É o primeiro episodio da minha Odyssea: estou com medo de entrar n'elle
porque dizem as damas e os elegantes da nossa terra que o portuguez não
é bom para isto, que em francez que ha outro não-sei-quê...

Eu creio que as damas que estão mal informadas, e sei que os elegantes
que são uns tolos; mas sempre tenho meu receio, porque emfim, enfim,
d'elles me rio eu, mas poesia ou romance, musica ou drama de que as
mulheres não gostem, é porque não presta.

Ainda assim, bellas e amaveis leitoras, intendamo'nos: o que eu vou
contar não é um romance, não tem aventuras inredadas, peripecias,
situações e incidentes raros; é uma historia simples e singella,
sinceramente contada e sem pretenção.

Acabemos aqui o capitulo em fórma de prologo, e a materia do meu conto
para o seguinte.



CAPITULO XI.


     Tracta-se do unico privilegio dos poetas que tambem os philosophos
     quizeram tirar, mas não lhes foi concedido; aos romancistas
     sim.--Exemplo de Aristoteles e Anacreonte.--O A., tendo declarado
     no capitulo nono d'esta obra que não era philosopho, agora
     confessa, quasi solemnemente, que é poeta, e pretende manter-se,
     como tal, em seu direito.--De como S. M. elrei de Dinamarca tinha
     menos juizo do que Yorick, seu bobo.--Doutrina d'este. Funda n'ella
     o A. o seu admiravel systema de physiologia e pathologia
     transcendente do coração. Por uma deducção appertada e cerrada da
     mais constrangente logica vem a dar-se no motivo porque foi
     concedido aos poetas o direito indefinido de andarem sempre
     namorados.--Applicam-se todas éstas grandes theorias á posição
     actual do A. no momento de entrar no episodio promettido no
     capitulo antecedente.--Modestia e reserva delicada o obrigam a
     duvidar da sua qualificação para o desimpenho: pede votos ás
     amaveis leitoras. Decide-se que a votação não seja nominal, e
     porquê.--Dido e a mana Annica.--Entra-se emfim na prometida
     historia.--De como a velha estava á porta a dobar, e
     imbaraçando-se-lhe a meada, chamou por Joaninha, sua neta.


Este é o unico privilegio dos poetas: que até morrer podem estar
namorados. Tambem não lhes conheço outro. A mais gente tem as suas
epochas na vida, fóra das quaes lhes não é permittido apaixonarem-se.
Pretenderam accolher-se ao mesmo beneficio os philosophos, mas não lhes
foi consentido pela rainha Opinião, que é soberana absoluta e juiz
supremo de que se não appella nem aggrava ninguem.

Anacreonte cantou, de cabellos brancos, os seus amores, e não se
extranhou. Aristoteles mal teria a barba russa quando foi d'aquelle seu
último namôro porque ainda hoje lhe apouquentam a fama.

Ora eu philosopho, seguramente não sou, ja o disse; de poeta tenho o meu
pouco, padeci, a fallar a verdade, meus ataques assás agudos d'essa
molestia, e bem podéra desculpar-me com elles de certas fragilidades de
coração... Mas não senhor, não quero desculpar-me como quem tem culpa
senão defender-me como quem tem razão e justiça por si.

Estou, com o meu amigo Yorick, o ajuizadissimo bobo d'elrei de
Dinamarca, o que alguns annos depois ressuscitou em Sterne com tam
elegante penna, estou sim. 'Toda a minha vida' diz elle 'tenho andado
apaixonado ja por esta ja por aquella princeza, e assim heide ir,
espero, até morrer, firmemente persuadido que se algum dia fizer uma
acção baixa, mesquinha, nunca hade ser senão no intervallo de uma paixão
á outra: n'esses interregnos sinto fechar-se-me o coração, esfria-me o
sentimento, não acho dez reis que dar a um pobre... por isso fujo ás
carreiras de similhante estado; e mal me sinto acceso de novo, sou todo
generosidade e benevolencia outra vez.'

Yorick tem rasão, tinha muito mais razão e juizo que seu augusto amo,
elrei de Dinamarca. Por pouco mais que se generalize o principio, fica
indisputavel, inexcepcionavel para sempre e para tudo. O coração humano
é como o estomago humano, não pode estar vazio, preciza de alimento
sempre: são e generoso so as affeições lh'o podem dar; o odio, a inveja
e toda a outra paixão má é estímulo que so irrita mas não sustenta. Se a
razão e a moral nos mandam abster d'estas paixões, se as chymeras
philosophicas, ou outras, nos vedarem aquellas, que alimento dareis ao
coração, que hade elle fazer? Gastar-se sôbre si mesmo, consummir-se...
Altera-se a vida, appressa-se a dissolução moral da existencia, a saude
d'alma é impossivel.

O que póde viver assim, vive para fazer mal ou para não fazer nada.

Ora o que não ama, que não ama apaixonadamente, seu filho se o tem, sua
mãe se a conserva, ou a mulher que prefere a todas, esse homem é o tal,
e Deus me livre d'elle.

Sôbretudo que não escreva: hade ser um massador terrivel. Talvez seja
este o motivo da indefinida permissão que é dada aos poetas de andarem
namorados sempre.

O romancista gosa do mesmo fôro e tem as mesmas obrigações. É como o
privilegio de desimbargador que tiravam d'antes os fidalgos, quando ser
desimbargador valia alguma coisa... e tanta coisa!

Como heide eu então, eu que n'esta grave Odyssea das minhas viagens
tenho de inserir o mais interessante e mysterioso episodio d'amor que
ainda foi contado ou cantado, como heide eu fazê-lo, eu que ja não tenho
que amar n'este mundo senão uma saudade e uma esperança--um filho no
berço e uma mulher na cova?..

Será isto bastante? Dizei-o vós, ó benevolas leitoras, póde com isto so
alimentar-se a vida do coração?

--Póde sim.

--Não póde, não.

--Estão divididos os suffragios: peço votação.

--Nominal?

--Não, não.

--Porquê?

--Porque ha muita coisa que a gente pensa, e crê e diz assim a
conversar, mas que não ousa confessar publicamente, professar aberta e
nomeadamente no mundo...

Ah! sim... elle é isso? Bem as intendo, minhas senhoras: reservemos
sempre uma sahida para os casos difficeis, para as circumstancias
extraordinarias. Não é assim?

Pois o mesmo farei eu.

E pôsto que hoje, faz hoje um mez, em tal dia como hoje, dia para sempre
assignalado na minha vida, me apparecesse uma visão, uma visão celeste
que me surpreendeu a alma por um modo novo e extranho, e do qual não
podia dizer decerto como a rainha Dido á mana Annica:

    Reconheço o queimar da chamma antiga,
    Agnosco veteris vestigia flammae;

pôsto que a visão passou e desappareceu... mas deixou gravada n'alma a
certeza de que... Pôsto que seja assim tudo isto, a confidencia não
passará d'aqui, minhas senhoras: tanto basta para se saber que estou
sufficientemente habilitado para chronista da minha historia, e a minha
historia é ésta.

Era no anno de 1832, uma tarde de verão como hoje calmosa, sêcca, mas o
ceo puro e desabafado. Á porta d'essa casa entre o arvoredo, estaca
sentada uma velhinha bem passante dos settenta, mas que o não mostrava.
Vestia uma especie de tunica rosa que apertava na cintura com um largo
cinto de coiro preto, e que fazia resahir a alvura da cara e das mãos
longas, descarnadas, mas não ossudas como usam de ser mãos de velhas;
toucava-se com um lenço da mais escrupulosa brancura, e pôsto de um
geito particular a modo de toalha de freira; um mandil da mesma
brancura, que tinha no peito e que affectava, não menos, a fórma de um
escapulario de monja, completava o extranho vestuario da velha. Estava
sentada n'uma cadeira baixa do mais classico feitio: textualmente
parecia a que serviu de modêllo a Raphael para o seu bello quadro da
_Madonna della Sedia_.

Como nota historica e illustração artistica, seja-me permittido juntar
aqui em parenthesis que, não ha muito, vi em casa de um sapateiro
remendão, em Lisboa, no Bairro-alto, um cadeira tal e qual; torneados
pyramidaes, simples, sem nobreza, mas elegantes.

Tornemos á velhinha.

Estava ella alli sentada na ditta cadeira, e deante de si tinha uma
dobadoira, que se movia regularmente com o tirar do fio que lhe vinha
ter ás mãos a inrollar-se no ja crescido novello.

Era o unico signal de vida que havia em todo esse quadro. Sem isso,
velha, cadeira, dobadoira, tudo pareceria uma graciosa sculptura de
Antonio Ferreira ou um d'aquelles quadros tam verdadeiros do morgado de
Setubal.

O movimento bem visivel da dobadoira era regular, e respondía ao
movimento quasi imperceptivel das mãos da velha. Era regular o
movimento, mas durava um minuto e parava, depois ia seguido outros dous,
tres minutos, tornava a parar: e n'esta regularidade de intermitencias
se ia alternando como o pulso de um que treme sesões.

Mas o velha não tremia, antes se tinha muito direita e aprumada: o parar
do seu lavor era porque o trabalho interior do espirito dobrava, de vez
em quando, de intensidade, e lhe suspendia todo o movimento externo. Mas
a suspensão era curta e mesurada; reagia a vontade, e a dobadoira
tornava a andar.

Os olhos da velha é que tinham uma expressão singular: voltada para o
poente, não os tirou d'essa direcção nem os inclinava de modo algum para
a dobadoira que lhe ficava um pouco mais á esquerda. Não pestanejavam, e
o azul de suas pupillas, que devia de ter sido brilhante como o das
saphyras, parecia desbotado e sem lume.

O movimento da dobadoira estacou agora de repente, a velha poisou
tranquillamente as mãos e o novello no regaço, e chamou para dentro da
casa:

--'Joanninha?'

Uma voz doce, pura, mas vibrante, d'estas vozes que se ouvem rara vez,
que retinem dentro d'alma e que não esquecem nunca mais, respondeu de
dentro:

--'Senhora? Eu vou, minha avó, eu vou.'

--'Querida filha!.. Como ella me ouviu logo! Deixa, deixa: vem quando
podéres. É a meada que se me imbaraçou.'

A velha era cega, cega de gotta-serena, e paciente, resignada como a
providencia misericordiosa de Deus permitte quasi sempre que sejam os
que n'este mundo destinou á dura provança de tam desconsolado martyrio.



CAPITULO XII.


     De como Joanninha desimbaraçou a meada da avó, e do mais que
     aconteceu.--Que casta de rapariga era Joanninha.--Dá o A. insigne
     próva de ingenuidade e boa fe confessando um grave senão do seu
     Ideal. Insiste porém que é um adoravel deffeito.--Em que se parece
     uma mulher desannellada com um Sansão tosquiado.--Pasmosas
     monstruosidades da natureza que desmentem o credo velho dos
     peralvilhos.--Os olhos verdes de Joanninha.--Religião dos olhos
     pretos strenuamente professada pelo A. Perigo em que ella se acha á
     vista de uns olhos verdes.--De como estando a avó e a neta a
     conversar muito de mano a mano, chega Frei Diniz e se interrompe a
     conversação.--Quem era Frei Diniz.


--'Aqui estou, minha avó: é a sua meada?.. eu lh'a indireito:'--disse
Joanninha sahindo de dentro, e com os braços abertos para a velha.
Apertou-a n'elles com innefavel ternura, beijou-a muitas vezes, e
tomando-lhe o novello das mãos n'um instante desimbaraçou o fio e lh'o
tornou a intregar.

A velha surria com aquelle surriso satisfeito que exprime os tranquillos
gosos de alma, e que parecia dizer: 'Como eu sou feliz ainda, apezar de
velha e de cega! Bemdito sejais, meu Deus.'

Ésta última phrase, ésta bençam de um coração agradecido, que spira
suavemente para o ceo como sobe do altar o fummo do incenso consagrado,
ésta última phrase trasbordou-lhe e sahiu articulada dos labios:

--'Bemditto seja Deus' minha filha, minha Joanninha, minha querida neta!
E Elle te abençoe tambem, filha!'

--'Sabe que mais, minha avó? Basta de trabalhar hoje, são horas de
merendar'.

--'Pois merendemos'.

Joannninha foi dentro da casa, trouxe uma banquinha redonda, cubriu-a
com uma toalha alvissima, pôs em cima fructa, pão, queijo, vinho,
chegou-a para aopé da velha, tirou-lhe o novello da mão, e arredou a
dobadoira. A velha comeu alguns bagos de um cacho doirado que a neta lhe
escolheu e pôs nas mãos, bebeu um trago de vinho, e ficou callada e
quieta, mas ja sem a mesma expressão de felicidade e contentamento
socegado que ainda agora lhe luzia no rosto.

As animadas feições de Joanninha reflectiam sympathicamente a mesma
alteração.

Joanninha não era bella, talvez nem galante siquer no sentido popular e
expressivo que a palavra tem em portuguez, mas era o typo da gentileza,
o ideal da spiritualidade. N'aquelle rosto, n'aquelle corpo de dezeseis
annos, havia por dom natural e por uma admiravel symetria de proporções
toda a elegancia nobre, todo o desimbaraço modesto, toda a flexibilidade
graciosa que a arte, o uso e a conversação da côrte e da mais escolhida
companhia vêem a dar a algumas raras e privilegiadas creaturas no mundo.

Mas n'esta foi a natureza que fez tudo, ou quasi tudo, e a educação nada
ou quasi nada.

Poucas mulheres são muito mais baixas, e ella parecia alta: tam
delicada, tam _elancée_ era a fórma airosa de seu corpo.

E não era o garbo teso e aprumado da perpendicular _miss_ ingleza que
parece fundida de uma so peça; não, mas flexivel e ondulante como a
hástea joven da árvore que é direita mas dobradiça, forte da vida de
toda a seiva com que nasceu, e tenra que a estalla qualquer vento forte.

Era branca, mas não d'esse branco importuno das loiras, nem do branco
terso, duro, marmoreo das ruivas--sim d'aquella modesta alvura da cera
que se illumina de um pallido reflexo de rosa de Bengalla.

E d'outras rosas, d'estas rosas-rosas que denunciam toda a franqueza de
um sangue que passa livre pelo coração e corre á sua vontade por
artérias em que os nervos não dominam, d'essas não as havia n'aquelle
rosto: rosto sereno como é sereno o mar em dia de calma, porque dorme o
vento... Alli dormiam as paixões.

Que se levante a mais ligeira brisa, basta o seu macio bafejo para
increspar a superficie espelhada do mar.

Sussurre o mais ingenuo e suave movimento d'alma no primeiro acordar das
paixões, e verão como se sobresaltam os musculos agora tam quietos
d'aquella face tranquilla.

O nariz ligeiramente aquilino: a bôcca pequena e delgada não cortejava
nem desdenhava o surriso, mas a sua expressão natural e habitual era uma
gravidade singela que não tinha a menor aspereza nem doutorice.

Ha umas certas boquinhas gravesinhas e espremidinhas pela doutorice que
são a mais abhorrecidinha coisa e a mais pequinha que Deus permitte
fazer ás suas creaturas femeas.

Em perfeita harmonia de côr, de fórma e de tom com a fina gentileza
d'estas feições, os cabellos de um castanho tam escuro que tocava em
preto, cahiam de um lado e outro da face, em tres longos, deseguaes e
mal inrolados canudos, cuja ondada spiral se ia relaxando e diminuindo
para a extremidade, até lhe tocarem no collo quasi lisos.

Em stylo de arte--no stylo da primeira e da mais bella das bellas artes,
a _toilete_--este é um defeito; bem sei.

Que votos, que novenas se não fazem a San'Barometro nas vésperas de um
baile para lhe pedir uma atmosphera sêcca e benigna que deixe conservar,
até á quarta contradança ao menos, a preciosa obra de carrapito e ferro
quente, de macassar e mandolina que tanto trabalho e tanto tempo, tantos
sustos e cuidados custou!

Bem sei pois que é defeito, é, será... mas que adoravel defeito! Que
deliciosas imagens que excita de abandôno--passe o gallicismo--de
confiança, de absoluta e generosa renúncia a todo o caprixo, de perfeita
e completa abdicação de toda a vontade propria!

Em geral, as mulheres parecem ter no cabello a mesma fé que tinha
Sansão: o que n'elle se ia em lh'os cortando, cuidam ellas que se lhes
vai em lh'os desannellando? Talvez; e eu não estou longe de o crer:
canudo inflexivel, mulher inflexivel.

Os peralvilhos negam a existencia do tal canudo _in rerum natura_, dizem
que é como a ave phenix que nasceu de nossos avós não saberem grego. Eu
não digo tal, porque tenho visto descuidar-se a natureza em pasmosas
monstruosidades.

Emfim suspendâmos, sem o terminar, o exame d'esta profunda e
interessante questão. Fica addiada para um capitulo _ad hoc_, e voltemos
á minha Joanninha.

Cahiam d'um lado e de outro da sua face gentil aquelles graciosos
anneis; e o resto do cabello, que era muito, ia intrançar-se, e
inrolar-se com singela elegancia abaixo da coroa de uma cabeça pequena,
estreita e do mais perfeito modêlo.

As sobrancelhas, quasi pretas tambem, desenhavam-se n'uma curva de
extrema pureza; a as pestanas longas e assedadas faziam sombra na alvura
da face.

Os olhos porêm--singular capricho da naturesa, que no meio de toda esta
harmonia quiz lançar uma nota de admiravel discordancia! Como poderoso e
ousado _maestro_ que, no meio das pbrases mais classicas e deduzidas da
sua composição, atira derepente com um som agudo e stridulo que ninguem
espera e que parece lançar a anarchia no meio do rythmo musical... os
dillettantes arripiam-se, os professores benzem-se; mas aquelles cujos
ouvidos lhes levam ao coração a musica, e não á cabeça, esses estremecem
de admiração e enthusiasmo... Os olhos de Joanninha eram verdes... não
d'aquelle verde descorado e traidor da raça felina, não d'aquelle verde
mau e destingido que não é senão azul imperfeito, não; eram
verdes-verdes, puros e brilhantes como esmeraldas do mais subido
quilate.

São os mais raros e os mais fascinantes olhos que ha.

Eu, que professo a religião dos olhos pretos, que n'ella nasci e n'ella
espero morrer... que alguma rara vez que me deixei inclinar para a
heretica pravidade do ôlho azul, soffri o que é muito bem feito que
soffra todo o renegado... eu firme e inabalavel, hoje mais que nunca,
nos meus principios, sinceramente persuadido que fóra d'elles não ha
salvação, eu confesso todavia que uma vez, uma unica vez que vi dos taes
olhos verdes, fiquei halucinado, senti abalar-se pelos fundamentos o meu
catholicismo, fugi escandalizado de mim mesmo, e fui retemperar a minha
fé vacillante na contemplação das eternas verdades, que so e unicamente
se incontram aonde está toda a fé e toda a crença... n'uns olhos sincera
e lealmente pretos.

Joanninha porêm tinha os olhos verdes; e o effeito d'esta rara feição
n'aquella physionomia á primeira vista tam discordante--era em verdade
pasmosa. Primeiro fascinava, halucinava, depois fazia uma sensação
inexplicavel e indecisa que doía e dava prazer ao mesmo tempo: porfim
pouco o pouco, estabelecia-se a corrente magnetica tam poderosa, tam
carregada, tam incapaz de solução-de-continuidade, que toda a lembrança
de outra coisa desapparecia, e toda a intelligencia e toda a vontade
eram absorvidas.

Resta so accrescentar--e fica o retrato completo, um simples vestido
azul escuro, cinto e avental preto, e uns sapatinhos com as fitas
traçadas em cothurno. O pé breve e estreito; o que se adivinhava da
perna admiravel.

Tal era a ideal e espiritualissima figura que em pé, incostada á banca
onde acabava de comer a boa da velha, contemplava, n'aquelle rosto
macerado e apagado, a indicivel expressão de tristeza que elle pouco a
pouco ía tomando e que toda se reflectia, como disse, no semblante da
contempladora.

A velha suspirou profundamente, e fazendo como um esfôrço para se
distrahir de pensamentos que a affligiam, buscou incertamente com as
mãos o novêllo da sua meada:

--'O meu novêllo, filha: não posso estar sem fazer nada, faz-me mal.'

--'Conversemos, avó.'

--'Pois conversemos; mas dá-me o meu novêllo. Não sei o que é, mas
quando não trabalho eu, trabalha não sei o que em mim que me cansa ainda
mais. Bem dizem que a ociosidade é o peior lavor.'

Joanninha deu-lhe o novêllo e pôs-lhe a dobadoira a geito.

A velha sentiu o que quer que fosse na mão, levou-a á bôcca e pareceu
beija-la, depois disse:

--'Bem vi, Joanninha!'

--'O quê, minha avó? que viu?'

--'Vi, filha, vi.., sem ser com os olhos que Deus me cerrou para
sempre--louvado seja Elle por tudo!--vi, sentindo, ésta lagryma tua que
me cahiu na mão, e que ja ca está no peito por que a bebi, Joanna. Oh
filha, ja! é muito cedo para começar, deixa isso para mim que estou
costumada: mas tu, tu com deseseis annos e nenhum desgôsto!'

--'Nenhum, avó! E estamos sosinhas nós duas n'este mundo, minha avó
n'esse estado, eu n'esta edade, e...'

--'E Deus no ceu para tomar conta em nós... Mas que é? olha, Joanna: eu
sinto passos na estrada vê o que é.'

--'Não vejo ninguem.'

--'Mas oiço eu... Espera... é Fr. Diniz; conheço-lhe os passos.'

Mal a velha acabava de pronunciar este nome, surdiu, de traz de umas
oliveiras que ficam na volta da estrada, da banda de Santarem, a figura
sêcca, alta e um tanto curvada de um religioso franciscano que abordoado
em seu pau tosco, arrastando as suas sandalias amarellas e tremendo-lhe
na cabeça o seu chapeo alvadio, vinha em direcção para ellas.

Era Fr. Diniz comeffeito, o austero guardião de San'Francisco de
Santarem.



CAPITULO XIII.


     Dos frades em geral.--O frade moralmente considerado, socialmente e
     artisticamente.--Próva-se que é muito mais poetico o frade do que o
     barão.--Outra vez D. Quixote e Sancho-Pansa.--Do que seja o barão,
     sua classificação e descripção linneana.--Historia do castello do
     Chucherumello.--Erro palmar de Eugenio Sue: mostra-se que os
     jesuitas não são a cholera-morbus, e que é preciso refazer o 'Judeu
     errante'--De como o frade não intendeu o nosso seculo nem o nosso
     seculo ao frade.--De como o barão ficou em logar do frade, e do
     muito que n'isso perdémos.--Unica voz que se ouve no actual deserto
     da sociedade: os barões a gritar contos de reis.--Como se contam e
     como se pagam os taes contos.--Predilecção artistica do A. pelo
     frade: confessa-se e explica-se ésta predilecção.


Frades... frades... Eu não gósto de frades. Como nós os vimos ainda os
d'este seculo, como nós os intendêmos hoje, não gósto d'elles, não os
quero para nada, moral e socialmente fallando.

No ponto de vista artistico porêm o frade faz muita falta.

Nas cidades, aquellas figuras graves e sérias com os seus habitos
tallares, quasi todos picturescos e alguns elegantes, atravessando as
multidões de macacos e bonecas de casaquinha esguia e chapelinho de
alcatruz que distinguem a peralvilha raça europea--cortavam a monotonia
do ridiculo e davam physionomia á população.

Nos campos o effeito era ainda muito maior: elles characterizavam a
payzagem, poetisavam a situação mais prosaica de monte ou de valle; e
tam necessarias tam obrigadas figuras eram em muitos d'esses quadros,
que sem ellas o painel não é ja o mesmo.

Alêm d'isso o convento no povoado e o mosteiro no êrmo animavam,
amenizavam, davam alma e grandeza a tudo: elles protegiam as árvores,
sanctificavam as fontes, enchiam a terra de poesia e de solemnidade.

O que não sabem nem podem fazer os agiotas barões que os substituiram.

É muito mais poetico o frade que o barão.

O frade era, até certo ponto, o Dom Quixote da sociedade velha.

O barão é, em quasi todos os pontos, o Sancho-Pansa da sociedade nova.

Menos na graça...

Porque o barão é o mais desgracioso e estupido animal da creação.

Sem exceptuar a familia asinina que se illustra com individualidades tam
distinctas como o Ruço do nosso amigo Sancho, o asno da Poncella de
Orleans e outros.

O barão (_onagros-baronius_ de Linn., _l'ânne-baron_ de Buf.) é uma
variedade monstruosa ingendrada na burra de Balaham, pela parte
essencialmente judaica e usuraria de sua natureza, em coito damnado com
o urso Martinho do Jardim das Plantas[2], pela parte franchinotica e
sordidamente revolucionaria de seu character.

O barão é pois usurariamente revolucionario, e revolucionariamente
usurario.

Por isso é _zebrado_ de riscas monarchico-democraticas por todo o pêllo.

Este é o barão verdadeiro e puro-sangue: o que não tem estes characteres
é especie differente, de que aqui se não tracta.

Ora, sem sahir dos barões e tornando aos frades, eu digo: que nem elles
comprehenderam o nosso seculo nem nós os comprehendémos a elles..

Por isso brigámos muito tempo, a final vencêmos nós, e mandámos os
barões a expulsá-los da terra. No que fizemos uma sandice como nunca se
fez outra. O barão mordeu no frade, devorou-o... e escouceou-nos a nós
depois.

Com que havemos nós agora de matar o barão?

Porque este mundo e a sua historia é a historia do 'castello do
Chucherumello'. Aqui está o cão que mordeu no gato, que matou o rato,
que roeu a corda etc. etc.: vai sempre assim seguindo.

Mas o frade não nos comprehendeu a nós, por isso morreu, e nós não
comprehendemos o frade, por isso fizemos os barões de que havemos de
morrer.

São a molestia d'este seculo; são elles, não os jesuitas, a
cholera-morbus da sociedade actual, os barões. O nosso amigo Eugenio Sue
errou de meio a meio no 'Judeu errante' que precisa refeito.

Ora o frade foi quem errou primeiro em nos não comprehender, a nós, ao
nosso seculo, ás nossas inspirações e aspirações: com o que falsificou a
sua posição, isolou-se da vida social, fez da sua morte uma necessidade,
uma coisa infallivel e sem remedio. Assustou-se com a liberdade que era
sua amiga, mas que o havia de reformar, e uniu-se ao despotismo que o
não amava senão relaxado e vicioso, porque de outro modo lhe não servia
nem o servia.

Nós tambem errámos em não intender o desculpavel êrro do frade, em lhe
não dar outra direcção social; e evitar assim os barões, que é muito
mais damninho bicho e mais roedor.

Porque, desinganem-se, o mundo sempre assim foi e hade ser. Por mais
bellas theorias que se façam, por mais perfeitas constituições com que
se comece, o _status in statu_ forma-se logo: ou com frades ou com
barões ou com pedreiros livres se vai pouco a pouco organizando uma
influencia distincta, quando não contraria, ás influencias manifestas e
apparentes do grande corpo social. Esta é a opposição natural do
Progresso, o qual tem a sua opposição como todas as coisas sublunares e
superlunares; ésta corrige saudavelmente, ás vezes, e modera sua
velocidade, outras, a impece com demazia e abuso: mas emfim é uma
necessidade.

Ora eu, que sou ministerial do Progresso, antes queria a opposição dos
frades que a dos barões. O caso estava em a saber conter e approveitar.

O Progresso e a liberdade perdeu, não ganhou.

Quando me lembra tudo isto, quando vejo os conventos em ruinas, os
egressos a pedir esmola e os barões de berlinda, tenho saudades dos
frades--não dos frades que foram, mas dos frades que podiam ser.

E sei que me não inganam poesias; que eu reajo fortemente com uma logica
inflexivel contra as illusões poeticas em se tractando de coisas graves.

E sei que me não namóro de paradoxos, nem sou d'estes espiritos de
contradicção desinquieta que suspiram sempre pelo que foi, e nunca estão
contentes com o que é.

Não, senhor: o frade, que é patriota e liberal na Irlanda, na Polonia,
no Brazil, podia e devia sê-lo entre nós; e nós ficavamos muito melhor
do que estamos com meia duzia de clerigos de requiem para nos dizer
missa; e com duas grozas de barões, não para a tal opposição salutar,
mas para exercer toda a influencia moral e intellectual da
sociedade--porque não ha de outra ca.

E se não digam-me: onde estão as universidades, e o que faz essa que ha
senão dar o seu grausito de bacharel em leis e em medicina? O que
escreve ella, o que discute, que príncipios tem, que doutrinas professa,
quem sabe ou ouve d'ella senão algum echo timido e acanhado do que
n'outra parte se faz ou diz?

Onde estão as academias?

Que palavra poderosa retine nos pulpitos?

Onde está a fôrça da tribuna?

Que poeta canta tam alto que o oiçam as pedras brutas e os robres duros
d'esta selva materialista a que os utilitarios nos reduziram?

Se exceptuarmos o debil clamor da imprensa liberal ja meio-esganada da
policia, não se ouve no vasto silencio d'este ermo senão a voz dos
barões gritando contos de réis.

Dez contos de réis por um eleitor!

Mais duzentos contos pelo tabaco!

Três mil contos para a conversão de um amphigouri!

Cinco mil contos para as estradas dos areonautas!

Seis mil contos para isto, dez mil contos para aquillo!

Não tardam o contar por centenas de milhares.

Contar a elles não lhes custa nada.

A quem custa é a quem paga para todos esses balões de papel--a terra e a
indústria..................................................................
...........................................................................
...........................................................................

Este capítulo deve ser considerado como introducção ao capítulo
seguinte, em que entra em scena Fr. Diniz, o guardião do San' Francisco
de Santarem.

Ja me disseram que eu tinha o genio frade, que não podia fazer conto,
drama, romance sem lhe metter o meu fradinho.

O 'Camões' tem um frade, Frei José Indio;

A 'Dona Branca' tres, Frei Soeiro, Frei Lopo e San'-Frei Gil--faz
quatro;

A 'Adozinda' tem um ermitão, especie de frade--cinco;

'Gil-Vicente' tem outro--isto é, verdadeiramente não tem senão meio
frade, que é André de Rezende, demais a mais, pessoa muda--cinco e meio;

O 'Alfageme' tres quartos do frade, Froilão-Dias, chibato da ordem de
Malta--seis frades e um quarto;

Em 'Frei Luiz de Sousa' tudo são frades: vale bem n'esta computação, os
seus tres, quatro, meia duzia de frades--são já dôze e quarto:

Alguns, não eu, querem metter n'esta conta o 'Arco-de-Sanct'Anna', em
que ha bem dous frades e um leigo:

E aqui tenho eu ás costas nada menos de quinze frades e quarto.

Com este Frei Diniz é um convento inteiro.

Pois, senhores, não sei que lhes faça: a culpa não é minha. Desde mil
cento e tantos que começou Portugal, até mil oitocentos trinta e tantos
que uns dizem que elle se restaurou, outros que o levou a breca, não sei
que se passasse ou podesse passar n'esta terra coisa alguma pública ou
particular, em que frade não entrasse.

Para evitar isto não ha senão usar da receita que vem formulada no
capitulo V[3] d'esta obra.

Faça-o quem gostar; eu não, que não quero nem sei.



CAPITULO XIV.


     Emendado emfim de suas distracções e divagações, prosegue o A.
     direitamente com a historia promettida.--De como Fr. Diniz deu a
     manga a beijar á avó e á neta, e do mais que entre elles se
     passou.--Ralha o frade com a velha, e começa a descobrir-se onde a
     historia vai ter.


Este capitulo não tem divagações, nem reflexões, nem considerações de
nenhuma especie, vai direito e sem se distrahir, pela sua historia
adeante.

Fr. Diniz chegava aopé das duas mulheres e disse:

--'Louvado seja Nosso Senhor Jesus Christo!'

Joanna adeantou-se alguns passos a beijar-lhe a manga. Elle
accrescentou:

--'A benção de Deus te cubra, filha, e a de nosso padre San'Francisco!'

--'Benedicite, padre guardião:' disse a velha inclinando-se meia
levantada da cadeira.

--'Em nome do Senhor! amen'.--respondeu o frade aproximando-se, e
chegando o braço a alcance de lh'o ella beijar:

--'Ora aqui estou, minha irman; que me quer? E como vai isto por cá?
Vamo-nos confortando, tendo paciencia, e soffrendo com os olhos no
Senhor?'

--'Ja os não tenho senão para elle, padre.'

--'Ah, ah! irman Francisca, sempre esse pensamento, sempre essa queixa!
Tenho-a reprehendido tanta vez e não se emenda.'

--'Eu não me queixei, meu padre. Deus sabe que me não queixo... ao menos
por mim.'

--'Pois por quem?'

--'Oh padre!'

--'Irman Francisca, tenho medo de a intender. Eu não conheço as
affeições da carne nem lido com os fracos pensamentos do mundo. Sou
frade, minha irman, sou um que ja não é do número dos vivos, que vestiu
ésta mortalha para não ser d'elles, que a vestiu n'um tempo em que a
mofa e o desprêzo são o unico patrimonio do frade, em que o escarneo, a
derisão, o insulto--o peior e o mais cruel de todos os martyrios--são a
nossa unica esperança. Eu quiz ser frade, fiz-me frade, sabendo e vendo
tudo isto, fiz-me frade no meio de tudo isto, já velho e experimentado
no mundo, farto de o conhecer, e certo do que me espera--a mim e á
profissão que abraçei. Que quer de um homem que assim se resolveu a
cortar por quanto prende a humanidade a ésta miseravel vida da terra,
para não viver senão das esperanças da outra? Eu vesti este hábito para
isso. O seu, irman, o seu para que o vestiu? É um divertimento, é um
capricho, é uma comedia com Deus? Rasgue-o depressa, vista-se das galas
do mundo, não apperte com a paciencia divina, trajando por fóra o sacco
da penitencia e trazendo o coração pordentro desappertado de todo o
cilicio e mortificação.'

A velha com as mãos postas, a face alevantada e os apagados olhos para o
ceo, offerecia a Deus todo o amargor d'aquella austeridade que não
cuidava merecer nem lhe parecia intender. Joanninha, que insensivelmente
se fôra approximando da avó, e a tinha como amparada portraz com um de
seus braços, firmava a outra mão nas costas da cadeira e cravava fita no
frade a vista penetrante e cheia de luz. A expressão do seu rosto era
indefinivel: irisava-lh'o, distincta mas promiscuamente, um mixto
inextricavel de enthusiasmo e desanimação, de fé e de incredulidade, de
sympathia e de aversão.

Disseras que n'aquelles olhos verdes e n'aquelle rosto mal córado estava
o typo e o symbolo das vascillações do seculo.

--'Padre!' tornou a velha com sincera humildade na voz e no gesto:--'se
o mereci, castigae-me. Deus, que me vê e me ouve, bem sabe que o digo em
toda a verdade do meu coração, e hade perdoar-me porque eu sou fraca e
mulher.'

--'Pois aos fracos não é que Elle disse: _Toma a tua cruz e segue-me_.
Quem a obrigou a fazer os votos que fez?'

--'É verdade, padre, é verdade: bem sei o que prometti, que me votei a
Deus d'alma e corpo, que me não pertenço, que nem das minhas affeições
posso dispor, mas...'

--'Mas o quê? Irman Francisca, a Deus não se ingana. Os seus votos não
foram feitos n'um mosteiro, nem proferidos n'um altar no meio das
solemnidades da egreja. Mas ja lh'o tenho ditto, no fôro da consciencia,
na presença de Deus, ligam-n'a tanto ou mais do que se o fossem.
Abjure-os se quizer; nenhuma lei, nenhuma fôrça humana a constrange.
Diga-m'o por uma vez, desingane-me, e eu não torno aqui.'

--'Oh, por compaixão, padre! pelas chagas de Christo! Mas uma pergunta
so, uma so, e eu prometto não pensar, não fallar mais em... Onde está
elle?'

--'Joanna, retire-se.'

Joanninha appertou a avó com ambos os braços; e sem dizer uma palavra,
sem fazer um so gesto, lentamente e silenciosamente se retirou para
dentro de casa.

--'E ésta, padre?' disse a velha sem esperar a resposta á primeira
pergunta que com tanta ancia fizera--'e ésta, tambem d'ella me heide
separar, tambem heide renunciar a ella?'

--'Esta é uma innocente, e emquanto o for'...

--'Em quanto o for! A minha Joanna é um anjo.'

--'Blasphemia, blasphemia! E o Senhor a não castigue por ella. Joanna é
boa e temente a Deus: esperemos que Elle a conserve da sua mão. O
outro...'

--'Que é feito d'elle padre? Oh! diga-m'o, e eu prometto...'

--'Não prometta senão o que póde cumprir. Seu neto está com esses
desgraçados que vieram das ilhas, é dos que desimbarcaram no Porto...'

--'Oh filho da minha alma! que não tórno a abraçar-te...'

--'Não decerto; vencedores ou vencidos, toda a communhão, toda a
possibilidade de união acabou entre nós e estes homens. Nós temos
obrigação de os destruir, elles o seu unico desejo é exterminar-nos.'

--'Meu Deus meu Deus! pois a isto somos chegados! Pois ja não ha
misericordia no ceo nem na terra!'

--'A misericordia de Deus cansou-se; a da terra não sei onde está nem
onde esteve nunca. Os fracos dão sacrilegamente esse nome á sua
relaxação.'

--'Pois é relaxação desejar a paz, querer a união, supplicar a
indulgencia? Não nos manda Deus perdoar as nossas dividas, amar os
nossos inimigos?'

--'Os nossos sim, os d'Elle não.'

--'Tende compaixão de mim, Senhor!'

--'Se as suas afflicções são as da carne e do sangue, se são pensamentos
da terra como desgraçadamente vejo que são, mulher fraca e de pouco
ânimo, console-se, que para mim é claro e seguro que estes homens hãode
vencer.'

--'Quaes homens?'

--'Esses inimigos do altar e da verdade, esses homens desvairados pelas
speciosas doutrinas do seculo. Esperam muito, promettem muito, estão em
todo o vigor das suas illusões. E nós, nós carregâmos com o desingano de
muitos seculos, com os peccados de trinta gerações que passaram, e com a
inaudita corrupção da presente... nós havemos de succumbir. Os templos
hãode ser destruidos, os seus ministros proscriptos, o nome de Deus
blasphemado á vontade n'esta terra malditta.'

--'Pois tam perdidos, tam abandonados da mão de Deus são elles todos...
todos?'

--'Todos. E que cuida, irman? que são melhores os nossos, esses que se
dizem nossos? que ha mais fé na sua crença, mais verdade em sua
religião? Oh sancto Deus!'

--'Faz-me tremer, padre!'

--'E para tremer é. A impiedade e a cubiça entraram em todos os
corações. _Duvidar_ é o unico princípio, _inriquecer_ o unico objecto de
toda essa gente. Liberaes e realistas, nenhum tem fé: os liberaes ainda
teem esperança; não lhe hade durar muito. Deixem-n'os vencer e verão.'

--'E hãode vencer elles?'

--'Decerto.'

--'Ninguem mais diz isso.'

--'Digo-o eu.'

--'Tantos mil soldados que o govêrno tem por si!'

--'E tantos milhões de peccados contra. Não póde ser, não póde ser: a
misericordia divina está exhausta, e o dia desejado dos impios vem a
chegar. A sua missão é facil e prompta; não sabem, não podem senão
destruir. Edificar não é para elles, não teem com quê, não creem em
nada. O symbolo christão não é so uma verdade religiosa é um princípio
eterno e universal. _Fe, esperança e charidade_. Sem crer, sem
esperar...'

--'E sem amar!'

--'Mulher, mulher! o amor é a última virtude...'

--'Mas por ella, por ella se chega ás outras.'

--'Não, mulher fraca, não. E de uma vez para sempre, irman Francisca,
desinganemo'-nos. Entre mim, entre o Deus que eu sirvo, não ha
transacção com os seus inimigos. Indulgencia n'esse ponto não sei o que
é. Vejo a sorte que me espera n'este mundo, e não tremo deante d'ella.
Quem teme, siga outro caminho; eu nunca.'

--'Padre eu não temo nem receio por mim. Sou fraca e mulher, e em toda a
tribulação e desgraça heide glorificar o meu Deus e dar testimunho da
minha fé. Mas... mas o meu neto é o meu sangue, a minha vida, é o filho
querido da minha unica e tam amada filha, elle não conheceu outra mãe
senão a mim, quero-lhe por elle e por ella. Abandoná-lo não posso, tirar
d'elle o pensamento não sei. A vontade de Deus...'

--'A vontade de Deus é que o justo se aparte do impio, é que os
cordeiros da benção vão para um lado, e os cabritos da maldicção para
outro. Esse rapaz... oh! minha irman, eu não sou de pedra, não, não sou,
e tambem o coração se me parte de o dizer... mas esse rapaz é malditto,
e entre nós e elle está o abysmo todo do inferno.'

--'Misericordia, meu Deus!'

Pallido, infiado, mais descorado e mais amarello do que era sempre
aquelle rosto, Fr. Diniz pronunciou, tremendo mas com fôrça, as suas
últimas e terriveis palavras. Os olhos, habitualmente sumidos e cavos,
recuaram-lhe ainda mais para dentro das orbitas descarnadas; o bordão
tremia-lhe na esquerda; e a direita suspensa no ar parecia intimar ao
culpado a terrivel imprecação que lhe sahia dos labios.

--'Malditto! malditto sejas tu!' proseguiu o frade, 'filho ingrato,
coração derrancado e perverso!'

--'Meu Deus, não o escuteis!' bradou a velha cahindo de joelhos no chão
e prostrando-se na terra dura 'Meu Deus, não confirmeis aquellas
palavras tremendas. Não o ouçais, Senhor, e valha o sangue precioso de
vosso filho, as dores bemdittas de sua mãe, oh meu Deus! para arredar da
cabeça do meu pobre filho as crueis palavras d'este homem sem piedade,
sem amor!..'

A velha queria dizer mais; as angústias que se tinham estado juntando
n'aquella alma, que porfim não podia mais e transbordava, queriam sahir
todas, queriam derramar-se alli em lagrymas e soluços na presença do seu
Deus que ella via sempre no throno das misericordias, que não podia
acabar comsigo que o visse o inflexivel, o terrivel Deus das vinganças
que lhe annunciava o frade. Mas a carne não pôde com o espirito, as
fôrças do corpo cederam: tomou-a um mortal deliquio, immudeceu, e...
suspendeu-se-lhe a vida.

Fr. Diniz contemplou-a alguns momentos n'esse estado e pareceu
commover-se; mas aquelles nervos eram fios de ferro temperado que não
vibravam a nenhuma suave percussão: deu dous passos para a porta da
casa, bateu com o bordão e disse com voz firme e segura:

--'Joanna, acuda a sua avó que não está boa.'

D'ahi tomou por onde viera, e, sem voltar uma vez a cabeça, caminhou
ápressado; breve se escondeu para lá das oliveiras da estrada.



CAPITULO XV.


     Retratto de um frade franciscano que não foi para o depósito da
     Terra-sancta, nem consta que esteja na Academia das
     Bellas-artes.--Ve-se que a logica de Fr. Diniz se não parecia nada
     com a de Condillac.--Suas opiniões sôbre o liberalismo e os
     liberaes.--Que o podêr vem de Deus, mas como e paraquê.--Que os
     liberaes não intendem o que é liberdade e egualdade; e o para que
     eram os frades, se fossem.--Próva-se, pelo texto, que o homem não
     vive so de pão, e pergunta-se o de que vivia então Fr. Diniz.


Quem era Frei Diniz?

Disse-o elle:--um homem que se fizera frade, ja velho e cançado do
mundo, que vestíra o hábito n'um tempo em que a mofa, o escarneo e o
desprêzo seguiam aquella profissão; que o sabía, que o conhecia e que
por isso mesmo o affrontára.

D'estes raros e fortes characteres apparecem sempre na agonia das
grandes instituições para que nenhuma pereça sem protesto, paraque de
nenhum pensamento duravel e consagrado pelo tempo se possa dizer que lhe
faltou quem o honrasse na hora derradeira por uma devoção nobre,
gloriosa e digna do alto espirito do homem:--que o homem é uma grande e
sublime creatura por mais que digam philosophos.

Tal era Fr. Diniz, homem de principios austeros, de crenças rigidas, e
de uma logica inflexivel e teimosa: logica porêm que regeitava toda a
anályse, e que forte nas grandes verdades intellectuaes e moraes em que
fixára o seu espirito, descia d'ellas com o tremendo pêso de uma
synthese asperrima e oppressora que esmagava todo o argumento, destruía
todo o raciocinio que se lhe punha de deante.

Condillac chamou á synthese methodo de trevas: Fr. Diniz ria-se de
Condillac... e eu parece-me que tenho vontade de fazer o mesmo.

O despotismo, detestava-o como nenhum liberal é capaz de o abhorrecer;
mas as theorias philosophicas dos liberaes, escarnecia-as como absurdas,
regeitava-as como perversoras de toda a idea san, de todo o sentimento
justo, de toda a bondade praticavel. Para o homem em qualquer estado,
para a sociedade em qualquer fórma não havia mais leis que as do
decalogo, nem se precisavam mais constituições que o Evangelho: dizia
elle. Reforçá-las é superfluo, melhorá-las impossivel, desviar d'ellas
monstruoso. Desde o mais alto da perfeição evangelica, que é o estado
monastico, ha regras para todos alli; e não falta senão observá-las.

Não sei se ésta doutrina não tem o quer que seja de um certo sabor
independente e livre, se não cheira o seu tanto á confiança heretica dos
reformistas evangelicos. O que sei é que Fr. Diniz a professava de
boafé, que era catholico sincero, e frade no coração.

Segundo os seus principios, podêr de homem sôbre homem, era usurpação
sempre e de qualquer modo que fosse constituido. Todo o podêr estava em
Deus--que o delegava ao pae sôbre o filho, d'ahi ao chefe da familia
sôbre a familia, d'ahi a um d'esses sôbre todo o Estado; mas para o
reger segundo o Evangelho e em toda a austeridade republicana dos
primitivos principios christãos.

Assim fôra ungido Saul, e n'elle todos os reis da terra--sem o quê, não
eram reis.

Tudo o mais, anarchia, usurpação, tyrannia, peccado--absurdo
insustentavel e impossivel.

E sôbre isto tambem não disputava, que não concebia como: era dogma.

Nas applicações sim questionava, ou antes, arguía, com sua logica de
ferro. As antigas leis, os antigos usos, os antigos homens, não os
poupava mais do que aos novos. A tyrannia dos reis, a cubiça e a suberba
dos grandes, a corrupção e a ignorancia dos sacerdotes, nunca houve
tribuno popular que as açoitasse mais sem dó nem caridade.

O princípio porêm da monarchia antiga, defendia-o, ja se ve, por
verdadeiro, embora fossem mentirosos e hypocritas os que o invocavam.

Quanto ás doutrinas constitucionaes, não as intendia, e protestava que
os seus mais zelosos apostolos as não intendiam tam pouco: não tinham
senso-commum, eram abstracções d'eschola.

Agora, do frade é que me eu queria rir... mas não sei como.

O chamado liberalismo, esse intendia elle. 'Reduz-se' dizia 'a duas
cousas, _duvidar e destruir_ por principio, _adquirir e inriquecer_ por
fim: é uma seita toda material em que a carne domina e o espirito serve;
tem muita fôrça para o mal; bem verdadeiro, real e perduravel, não o
póde fazer. Curar com uma revolução liberal um paiz estragado, como são
todos os da Europa, é sangrar um tysico: a falta de sangue diminue as
ancias do pulmão por algum tempo, mas as fôrças vão-se, e a morte é mais
certa.'

Dos grandes e eternos principios da Egualdade e da Liberdade dizia: 'Em
elles os practicando devéras, os liberaes, faço-me eu liberal tambem.
Mas não ha perigo: se os não intendem! Para intender a liberdade é
preciso crer em Deus, para acreditar na egualdade é preciso ter o
Evangelho no coração.'

As instituições monasticas eram, no seu intender e no seu systema,
condicção essencial de existencia para a sociedade civil--para uma
sociedade normal. Não paliava os abusos dos conventos, não cubria os
defeitos dos monges, accusava mais severamente que ninguem a sua
relaxação; mas sustentava que, removido aquelle typo da perfeição
evangelica, toda a vida christan ficava sem norma, toda a harmonia se
destruía, e a sociedade ia, mais depressa e mais sem remedio,
precipitar-se no golpham do materialismo estupido e brutal em que todos
os vinculos sociaes apodreciam e cahiam, e em que mais e mais se isolava
e estreitava o individualismo egoista--última phase da civilização
exaggerada que vai tocar no outro extrêmo da vida selvagem.

Taes eram os principios d'este homem extraordinario que junctava a uma
erudição immensa o profundo conhecimento dos homens e do mundo em que
tinha vivido até a edade de cinquenta annos.

Como e porque deixára elle o mundo? Como e porquê, um espirito tam
activo e superior se occupava apenas do obscuro incargo de guardião do
seu convento--cargo que acceitára por obediencia--e quasi que limitava
as suas relações fóra do claustro áquella casa do valle onde não havia
senão aquella velha e aquella criança?

Apezar de sua rigidez ascetica, prendia esse espirito por alguma coisa a
este mundo? Aquelle coração macerado do cilicio dos pensamentos austeros
e terriveis do eterno futuro, consummido na abstinencia de todo o gôso,
detodo o desejo no presente, teria acaso viva ainda bastante alguma
fibra que vibrasse com recordações, com saudades, com remorsos do
passado?

No seu convento elle não tinha senão uma cella nua com um cruxifixo por
todo adôrno, um breviario por unico livro. N'aquella so familia que
conversava, havia, ja o disse, a velha cega e decrepita, Joanninha com
quem apenas fallava, e um ausente, um rapaz de quem ha dous annos quasi
que se não sabia. Em intrigas politicas, em negocios ecclesiasticos, em
coisa mais nenhuma d'este mundo não tinha parte. De que vivia pois este
homem--homem que certo não era d'aquelles que vivem so de pão?

E este era dos poucos textos latinos que elle repettia, este o thema
predilecto dos raros sermões que prégava: _Non in solo pane vivit homo_,
Nem so de pão vive o homem.

Vivia então de alguma outra coisa este homem; e a meditação e a oração
não lhe bastavam, porque elle sahia do seu convento e não ia prégar nem
rezar... todas as sextas feiras era certo na casa do valle á mesma hora,
do mesmo modo...

Alli estava pois alguma parto da vida do frade que de todo se não
desprendêra da terra, e que, por mais que elle diga, lhe faltava
_castrar_ ainda por amor do ceo.

É que meio seculo de viver no mundo deixa muita raiz que não morre
assim. E talvez é uma so a raiz, mas funda, e rija de fevra e de seiva,
que as folhas morrem, os ramos seccam, o tronco apodrece, e ella teima a
viver.

Saibamos alguma coisa d'essa vida.



CAPITULO XVI.


     Saibâmos da vida do frade.--Era franciscano porquê?--Dos antigos e
     dos novos martyres.--Alguns particulares de Fr. Diniz antes e
     depois de ser frade.--Emigração.--Explicação incompleta.--De como a
     velha tinha perdido a vista e Joanninha o riso.--Sexta feira dia
     aziago.


Saibamos alguma coisa da vida do frade, da sua vida no seculo, porque a
do claustro era nua e nulla, monotona e singela como a temos visto.

Chamava-se elle no seculo Diniz de Atahide, e seguira a carreira das
armas primeiro, depois a das lettras. Com distincção, e quasi com
paixão, tomára parte na campanha da Peninsula e a fizera quasi toda; mas
desgostoso do serviço ou despreoccupado da glória militar, entrou na
magistratura para que estava habilitado, e em 1825, do logar de
corregedor do Ribatejo, em que ja fôra reconduzido, devia passar á casa
do Porto.

Foi a Lisboa receber o seu despacho, beijou a mão a elrei, e d'ahi tomou
um dia o caminho de Santarem, chegou áquella villa, deixou criados e
cavallos na estalagem, e foi tocar á campa da portaria de San'Francisco.

Os criados esperaram em vão muitos dias: elle não voltou.

Desappareceu do mundo Diniz de Atahide, e d'alli a dous annos appareceu
Fr. Diniz da Cruz, o frade mais austero e o prégador mais eloquente
d'aquelle tempo. Raro prégava, e so de doutrina; mas era uma torrente de
vehemencia, uma uncção, uma fôrça!..

Dos institutos monasticos, ja então bem decahidos todos de esplendor e
reputação, a ordem de San'Francisco era talvez a que mais descêra no
conceito público. Quanto mais austera é a regra, tanto mais se nota
qualquer relaxação nos que a professam: a dos franciscanos tinha-se
feito proverbial e popular. Elles eram tantos por toda a parte, e tam
conversantes com todas as classes; familiarizára-se por tal modo o povo
com o aspecto d'aquellas mortalhas negras--aspecto ja não severo, e
apenas deixou de o ser... ridículo--e ellas appareciam em taes logares,
a taes horas, por tal modo... que todo o respeito, toda a estima, toda a
consideração se lhe perdera. Escriptores, ja os não tinham, prégadores
poucos e sem reputação, era em todo o sentido a religião mais humilhada
na geral decadencia das ordens.

Fr. Diniz procurou-a por isso mesmo. Queria ser frade, o frade
desprezado e apupado do seculo dezenove.

Em certos animos é preciso muito mais valor e enthusiasmo para affrontar
este martyrio, do que fôra nos antigos tempos para ir ao incôntro das
nobres perseguições do sangue e do fogo.

Luctava-se com honra então, cahia-se com glória, vencia-se muitas vezos
morrendo...

Agora é soffrer so.

O mundo applaudia aquelles grandes sacrificios, e assistia com
interêsse, com admiração, com espanto áquelles combates gigantescos. E o
tyranno tremia diante da sua victima... quando lhe não cahia aos pés
vencido, convertido e penitente...

Hoje o povo passa e ri, os reis cuidam de outra coisa, e a mesma Egreja
não sabe que tem martyres.

'Pois tem-n'os' dizia Fr. Diniz 'e precisa mais d'elles para se
regenerar, do que ja precisou para fundar-se.'

Eis aqui porque Diniz d'Atahide não quiz ser bento, nem jeronymo, nem
cartucho, e se foi metter frade franciscano.

De todos os seus bens, que eram consideraveis, tirou apenas a modica
somma de dinheiro que era necessaria para pagar o dote e piso de sua
entrada no convento. Do resto fez doação inteira a D. Francisca
Joanna--a velha hoje cega e decrepita que no princípio d'esta historia
incontrámos dobando á sua porta na casa do valle.

A velha não tinha mais familia que um neto e uma neta.

A neta era Joanninha, filha unica de seu unico filho varão, e ja orphan
de pae e de mãe.

O neto, orpham tambem, nascêra posthumo, e custára a vida a sua mãe,
filha querida e predilecta da velha.

Antes da splendida doação de Fr. Diniz, a familia, que era de boa e
honrada descendencia, podia dizer-se pobre; depois viviam
remediadamente. Mas a velha não quiz nunca sahir do modesto estado em
que atélli vivêra. Tinham fartura de pão, azeite e vinho de suas lavras;
corria-lhe com ellas um criado velho de confiança; trajavam e
tractavam-se como gente mean, mas independente.

Em tempos mais antigos e em vida dos dous filhos de D. Francisca, Fr.
Diniz, então Diniz d'Atahide e corregedor da commarca, frequentára
bastante aquella casa. Desde a morte do filho e do genro, que ambos
pereceram desastradamente n'um dia cruzando o Tejo n'um saveiro em
occasião de grande cheia, elle nunca mais lá tornára.

Até que se metteu frade, e que passaram annos e que o fizeram guardião
do seu convento.

Ja a nora e a filha da velha tinham morrido tambem.

E foi notavel que na mesma hora em que Fr. Diniz professava em
San'Francisco de Santarem, vestia D. Francisca aquella tunica roxa que
nunca mais largou.

Mas um dia, chegou Fr. Diniz á porta da casa do valle e disse:

--'Deus seja n'esta casa!'

A velha estremeceu, mas tornou logo a si, fez sahir as crianças que
brincavam aopé d'ella, fechou-se com o frade, e fallaram baixo um dia
inteiro. Rezaram e choraram, que tudo se ouviu; mas o que disseram e
conversaram nunca se soube.

O frade foi-se ao anoitecer, a velha ficou rezando e chorando, e rezou e
chorou toda a noite.

Isto fôra n'uma sexta-feira; d'ahi por deante em todas as sexta-feiras
de cada semana, Fr. Diniz vinha passar algumas horas com a velha.

Não era seu confessor, mas dirigia-a como se o fosse, em tudo e por
tudo, menos no que respeitava a Joanninha.

Havia no frade uma affectação visivel, um systema premeditado e
inalteravel de se abster completamente de tudo o que podesse intervir,
por mais remotamente que fosse, com aquella interessante criança.

Joanninha não lhe tinha medo, mas o respeito que lhe elle inspirava era
misturado de uma aversão instinctiva, que, por contradicção inaudita e
inexplicavel, a deixava sympathizar com tudo quanto elle dizia e
professava: doutrinas, opiniões, sentimentos, tudo lhe agradava no
frade, menos a pessoa.

Não assim Carlos, o primo, o companheiro, o unico amigo da nossa
Joanninha, o outro neto da velha por sua filha. Andava elle ja no último
anno de Coimbra e ia formar-se em leis, quando Fr. Diniz da Cruz começou
de novo a frequentar a casa que Diniz de Atahide tinha abandonado.

Sôbre esse a inspecção do frade era minuciosa, vigilante, inquieta. Os
livros que elle lia, os amigos com quem vivia, as ideas que abraçava, as
inclinações para que pendia--de tudo se occupava Fr. Diniz, tudo lhe
dava cuidado. A elle directamente pouco lhe dizia, mas com a avó tinha
longas conferencias a esse respeito.

Ultimamente parecia satisfazer-se com o geito que o mancebo indicava
tomar.

--'É temente a Deus, não tem o ânimo cubiçoso nem servil, não é
hypocrita, o mania do liberalismo não o mordeu ainda... hade ser um
homem de prestimo:' dizia o frade a D. Francisca com verdadeira
satisfacção e interêsse.

Passára porêm de seu meio o memoraval anno de 1830, e Carlos, que se
formára no princípio d'aquelle verão, tinha ficado por Coimbra e por
Lisboa, e so por fins d'agosto voltára para a sua familia. E veio
triste, melancholico, pensativo, inteiramente outro do que sempre fôra,
porque era de genio alegre e naturalmente amigo de folgar, o mancebo.

O dia em que elle chegou era uma sexta-feira, dia de Fr. Diniz vir ao
valle.

Passaram as primeiras saudações e abraços, ficaram sos os dous, e:

--'Não gósto de te ver:' disse o frade.

--'Pois quê? que tenho eu?'

--'Tens que vens outro do que foste, Carlos.'

--'Outro venho, é verdade; mas não se infadem de me ver, que o infado
hade durar pouco.'

--'Que queres tu dizer?'

--'Que estou resolvido a emigrar.'

--'A emigrar, tu!... Porquê, paraquê? Que loucura é essa?'

--'Nunca estive tanto em meu juizo.'

--'Carlos, Carlos! nem mais uma palavra a similhante respeito. Em que
más companhias andaste tu, que maus livros lêste, tu que eras um
rapaz?.. Carlos, prohibo-te de pensar n'esses desvarios.'

--'Prohibe-me... a mim... de pensar!... Ora, senhor...'

--'Prohibo de pensar, sim. Le no teu Horacio se estás cançado das
pandectas. Vai para a eira com o teu Virgilio... ou passeia, caça, monta
a cavallo, faze o que quizeres, mas não penses. Ca estou eu para pensar
por ti.'

--'Porquê? eu heide ser sempre criança? a minha vida hade ser ésta?
Horacio! tenho bom ânimo para ler Horacio agora... e a bella occupação
para um homem de vinteeum annos, scandar jambos e trocheus.'

--'Pois le na tua biblia, que é poesia medida n'alma e que repasce o
espirito e o coração.'

--'Eu não quero ser frade: sabe?'

--'Nem te eu quero para frade.'

--'Graças a Deus! Cuidei que... Mas em fim no seculo em que estamos...'

--'O seculo em que estamos é o da presumpção e o da immoralidade: e eu
quero-te livrar de uma e de outra, Carlos. Tua avó sabe as minhas
tenções a teu respeito, approva-as...'

--'Minha avó... approva muita coisa que eu reprovo.'

--'Como assim, Carlos! que queres tu dizer?'

--'Isto mesmo, senhor;--e que ámanhan que vou para Lisboa, imbarcar para
Inglaterra.'

--'Carlos!'

--'É uma resolução meditada e inalteravel. Não quero nada com ésta terra
nem com ésta...'

--'Com ésta o quê, Carlos?..'

--'Pois quer ouvi-lo, digo-lh'o: com ésta casa.'

O frade suffocava, e balbuciou entre cholerico e aterrado:

--'Dir-me-has porquê?..'

--'Porque me abhorrece e me humilha este mando de um extranho aqui...
porque sempre desconfiei, porque sei emfim...'

--'Sabes o quê?'

--'Sei, padre Fr. Diniz, mas não me pergunte o que eu sei.'

Amarello, roxo, pallido, negro, o frade tremia; sumiram-se-lhe mais os
olhos e faiscavam lá de dentro como duas brazas; fez um esfôrço sôbre si
mesmo para fallar, e disse com uma voz cava e cavernosa como de
sepulchro:

--'Pois pergunto, sim; e permitta Deus!..'

--'Padre, não jure nem pragueje' interrompeu Carlos com firmeza e
serenidade 'as suas intenções serão boas talvez... creio que são boas,
filhas de um remorso salutar...'

--'Que dizes tu, Carlos... que disseste?.. Oh, meu Deus!'

As scenas tinham mudado: Fr. Diniz parecia o pupillo, a sua voz tinha o
som da súpplica, ja não tremia de íra mas de anciedade; Carlos, pelo
contrario, fallava no tom austero e grave de um homem que está forte na
sua razão e que é generoso com a sua offensa. As palavras do mancebo
eram agras, via-se que elle o sentia e que procurava adoçá-las na
inflexão, que lhes dava.

--'O que eu digo, padre Fr. Diniz, o que eu sou obrigado a dizer-lhe é
isto. Minha avó consentiu, por fraqueza de mulher, no que eu não posso
nem devo consentir. O que ha n'ésta casa não é... não é meu; o pão que
aqui se come... é comprado por um preço... Padre! ja ve que não podêmos
fallar mais n'este assumpto. Eu parto ámanhan para Lisboa.--Minha avó!'
acrescentou Carlos, mudando de voz e chamando para dentro 'minha avó!'

A velha acudiu, elle disse-lhe a sua tenção, motivou-a em opiniões
politicas, declamou contra D. Miguel, mostrou-se enthusiasta da causa
liberal, e protestou que, n'aquelle anno, de tal modo se tinha
pronunciado em Coimbra e ainda em Lisboa, que só uma prompta fuga o
podia salvar...'

A velha chorou, pediu, rogou... inutilmente, em vão.

Fr. Diniz assistiu a tudo isto sem dizer palavra.

E aquella tarde voltou mais cedo para o convento.

No outro dia de manhan muito cedo, abraçado com a avó e com a priminha
que se desfaziam em lagrymas, Carlos dizia o último adeus áquella
querida casa, áquelle amado valle em que fôra criado... N'essa noite
estava em Lisboa, d'ahi a poucos dias em Inglaterra, e d'ahi a alguns
meses na ilha Terceira.

Na sexta-feira depois da partida de Carlos, Fr. Diniz veio ao valle e
teve larga conferencia com a avó.

Os tres dias seguintes a velha levou fechada no seu quarto a chorar...
no fim do terceiro dia estava cega.

Joanninha era uma criança a esse tempo, parecia não intender nada do que
se passava. Mas quem a observasse com attenção, veria que ella dobrou de
carinho e de amor para com a avó, e que se não tornou a rir para o
frade...

Elle, o frade, invelheceu de dez annos n'aquelle dia. Os olhos sumidos,
que era a feição dominante n'aquelle rosto ascetico, sumiram-se mais e
mais; a estatura alta e erecta curvou-se-lhe; o tremor nervoso, que o
tomava por accessos, tornou-se-lhe habitual; os tendões enrijaram-lhe,
os musculos da cara descarnaram-se, e a pelle ja sulcada de fundos
cuidados, arrugou-se e franziu-se toda em rugas cruzadas e confusas como
que se lh'a torrassem n'uma grelha.

Nunca mais houve um dia de alegria no valle. A sexta-feira porêm era o
dia fatal e aziago. Fr. Diniz ja não vinha senão no fim da tarde e
demorava-se pouco; mas tanto bastava. Suspirava-se por aquella hora e
tremia-se d'ella. As notícias que consolavam, e os terrores que matavam,
o frade é que os trazia. O resto da semana levava-se a chorar e a
esperar.

E assim se tinham passado dous annos até á sexta-feira em que primeiro
vimos junctas á porta da casa aquellas tres criaturas; assim se passou
até d'ahi a oito dias que a nossa historia volta a incontrá-los.



CAPITULO XVII.


     De como, chegando outra sexta-feira e estando a avó e a neta á
     espera do frade, este lhe appareceu, contra o seu costume, da banda
     de Lisboa.--Porque razão muitas vezes a mais animada conversação é
     a que mais facilmente pára e quebra derepente.--Nova demonstração
     de dous grandes axiomas dos nossos velhos, a saber: Que o hábito
     não faz o monge; e que ralhando as commadres, se descobrem as
     verdades.--No ralhar da velha com o frade, levanta-se uma ponta do
     veo que cobre os mysterios da nossa historia.


Passaram-se aquelles oito dias no valle, não ja como se tinham passado
tantas outras semanas em vagas tristezas, em desconsolação e
desconfôrto, mas em positiva anciedade e aguda afflicção pela certeza
que trouxera o frade de se achar Carlos no Porto fazendo parte do
pequeno exército do D. Pedro.

Incertos rumores, d'aquelles que percorrem um paiz em tempos similhantes
e que augmentam e exaggeram, confundem todos os successos tinham chegado
até ás pacificas solidões do valle com as notícias de combates
sanguinarios, de commoções violentas, de desacatos sacrilegos, de
vinganças e reprezalias atrozes tomadas pelos aggressores, retribuídas
pelos que se defendiam.

Chegou a sexta-feira; e as horas d'esse dia, sempre desejado e sempre
temido, foram contadas minuto a minuto--a qual mais longo, a qual mais
pezado e lento de volver, quanto mais se approximava o derradeiro.

O sol declinava ja... e Fr. Diniz sem apparecer!

No seu poiso ordinario aopé da porta da casa, Joanninha com os olhos
extendidos, a velha com os ouvidos álerta, devoravam o espaço na
direcção de nascente, esperando a cada momento, temendo a cada instante
ver apparecer o conhecido vulto, ouvir o som familiar dos passos do
frade.

E tam intentas, tam absortas estavam ainda n'este cuidado, que não deram
fe d'um religioso que pelo lado opposto, isto é, da banda de Lisboa,
para alli se incaminhava a passos arrastados mas presurosos.

Chegou rente d'ellas sem o sentirem; e uma voz conhecida, porêm mais
cava e funda do que nunca a ouviram, pronunciou a fórmula de saudação
costumada:

--'Deus seja n'esta casa!'

--'Amen!' responderam ambas machinalmente, com um estremeção
involuntario; e voltando derepente a cara para o lado d'onde vinha a
voz.

--'Jesus!' disse depois a velha tornando a si, 'Padre Fr. Diniz, de
d'onde vem tam tarde?'

--'Chego de Lisboa.'

--'De Lisboa? Deus lh'o pague!... Foi saber?..'

--'Fui, fui saber novas d'esta horrivel guerra, d'esta tremenda
visitação do Senhor á condemnada terra de Portugal...'

--'E então, diga'...

--'Boas novas, boas novas trago!'

--'Sente-se, padre, sente-se. Joanninha, chega uma cadeira: descanse.'

--'Não é tempo de descansar este, mas de vigiar e de orar.'

--'Pois que succedeu, padre? Não me tenha n'esta horrivel suspensão.
Diga: onde está elle? Alguma desgraça grande lhe aconteceu, oh meu
Deus!..

--'E que me importa a mim o que aconteceu ou podia acontecer a mais um
de tantos perdidos? Encherá a sua medida, irá após dos outros... caminha
nas trevas com elles, e como elles, so hade parar no abysmo.'

A éstas derradeiras palavras do frade asperamente pronunciadas e em tom
de indifferença e desprêzo, seguiu-se aquelle silencio comprimido,
aquella pausa de toda a conversação grave e íntima em que os pensamentos
são tantos que se atropellam e não acham sahida na voz.

Fr. Diniz mentia... na dureza d'aquellas expressões mentia ao seu
coração--não mentia ao seu espirito. Como o caustico se applica á
epiderme para deslocar a inflammação interior, elle roçava o peito com
as asperidões de sua doutrina e de seus principios rigidos para
amortecer dentro a viva dor d'alma que o consummia.

O frade estava por fóra, o homem por dentro.

O observador vulgar não via senão o burel e a corda que amortalhavam e
cadaver. O que attentasse bem n'aquelles olhos, o que reparasse bem nas
inflexões d'aquella voz, diria: 'Frade, tu mentes; mentes sem saberes
que mentes: es sincero na tua fe, na tua austeridade, na tua abnegação;
mas o teu sacrificio é como o de Abraham na montanha, e Deus sabe que tu
não tens fôrça para o cumprir.'

Não o percebeu assim a pobre velha aquem os rigores de Fr. Diniz faziam
tremer, e que para toda a affeição, para todo o sentimento humano
julgava morto o coração do cenobita.

Ella que no silencio de suas noites sempre veladas, na perpétua
escuridão de seus dias sempre tristes luctava ha tanto tempo, luctava
debalde para desprender das affeições do mundo, aquelle seu pobre
coração que queria immollar ao Senhor, ella via com sancta inveja e
admiração as sobrehumanas fôrças que imaginava no frade; e desanimada de
o podêr seguir n'essas alturas da perfeição evangelica, recahia, mais
desalentada e mais miseravel que nunca, em toda a sua fraqueza de mulher
e de mãe.

Oh! não sabe o que é tormento, o que é inferno n'este mundo, o que não
soffreu destas angústias!

Mas permitte Deus que as padeça quem não tem grandes culpas, grandes e
irreparaveis erros que expiar n'este mundo?

Eu creio firmemente que não.

...........................................................................
...........................................................................

Cansada e exhausta ja de tam porfiada lucta, a velha perdeu de todo a
razão com as derradeiras palavras do frade, e n'um paroxismo de chôro
exclamou:

--'Diniz!.. Fr. Diniz, por aquelle pinhor sagrado que eu tenho em meu
podêr, por aquella preciosa cruz sôbre a qual se derramaram as últimas
lagrymas da minha desgraçada filha, Diniz!...'

--'Silencio!' bradou o frade, arrancando um brado de dentro do peito que
fez gemer os echos todos do valle: 'Silencio, mulher! não conjure o
demonio que eu trago incarcerado n'este seio, que á fôrça de penitencias
mal pude domar ainda... que so a morte poderá talvez expellir. Mulher,
mulher! este cadaver que ja morreu que ja apodreceu em tudo o mais, que
ja o comem, sem o elle sentir, os bichos todos da destruição... este
cadaver tem um unico ponto vivo no coração... e o dedo do teu egoismo
ahi foi tocar, oh mulher!.. Peccado que estás sempre contra mim! Justiça
eterna de Deus quando serás satisfeita?'

Rompêra na maior violencia a voz do frade, mas descahiu n'um tom baixo e
medonho ao fazer ésta última imprecação mysteriosa. As derradeiras
syllabas quasi que lhe morreram nos beiços convulsos, e ao balbuciá-las
deixou-se cahir, exhausto e como quem mais não podia, na cadeira que
Joanninha lhe chegára.

A velha aterrada e confusa tremia do que fizera, como deante do espirito
immundo que seus maleficios evocaram, treme a maga assustada de seu
proprio podêr.

Passaram alguns segundos que nenhumas palavras podem descrever.

O frade levantou o rosto, olhou para ella, olhou para Joanninha... e,
como quem emerge, por grande esfôrço, de um pêso enorme d'aguas que o
submergiam, sacudiu a cabeça, sorveu um longo trago de ar, e disse na
sua voz ordinario, so mais debil:

--'Carlos, senhora... minha irman, Carlos está vivo; e exaqui, vinda
pelo consul de França, uma carta d'elle.'

Tirou uma carta da manga e a intregou a Joanninha.



CAPITULO XVIII.


     Descobre-se que ha grandes e espantosos segredos entre o frade e a
     velha.--Piedosa fraude de Joanninha.--Lucta entre o hábito e o
     monge.


O frade intregou a carta a Joanninha, que, lançando os olhos ao
sobrescripto, ficou indecisa e inquieta como quem receia e deseja e teme
de saber alguma coisa. Elle com voz trémula e sobresaltada accrescentou:

--'Adeus, que são horas!.. Leiam, e sexta-feira que vem... me dirão...'

--'Poisquê' disse timidamente a velha 'não quer ouvir o que elle nos
escreve?'

--'Sexta-feira que vem' continuou Fr. Diniz, sem ouvir ou sem attender a
pergunta 'sexta-feira que vem eu tomarei conta da resposta, e lh'a farei
chegar pela mesma via... So uma coisa! nem palavra a meu respeito: eu
para Carlos... morri.'

--'Diniz!' exclamou a velha fóra de si 'Diniz!..'

O frade tornou derepente ao seu tom austero, e respondeu gravemente: 'O
quê, minha irman?'

--'Era' disse ella timida e submissa outra vez 'era se, era que... Pois
não hade ouvir ler a carta d'elle?'

Fr. Diniz não respondeu, mas ficou sentado: descahiu-lhe a cabeça sôbre
o peito, e abraçando-se com o bordão, não deu mais signal de si.

A velha escutou em silencio alguns segundos, e com aquelle ouvido
agudissimo--penetrante vista dos cegos--percebeu sem dúvida o que se
passava, e com mais confôrto e serenidade na voz disse:

--'Abre, Joanna, lê, minha filha.'

Joanninha abriu a carta, e percorreu com avidez as poucas linhas que
ella incerrava.

--'Não les?' acudiu a avó com impaciencia: 'Lê, lê alto, Joanna.'

--'É para mim so a carta' disse ella friamente.

--'Para ti so, como?' tornou a outra.

--'É para mim so ésta carta... não diz nada que...'

--'Não diz nada!' replicou a avó 'Pois!... Lê, lê alto; seja como for,
lê, e oiçamos.'

Joanninha parecia hesitar ainda; lançou os olhos ao frade, achou-o na
mesma attitude impassivel; voltou-se para a avó, viu-a anciada e
anxiosa... leu.

A carta era com effeito para ella so, e carta bem singela, não continha
senão as ingenuas expressões de um amor fraterno nunca esquecido, longas
saudades do passado, poucas esperanças no futuro, quasi nenhumas de se
tornarem a ver tam cedo. Tudo isto porém era com a prima: para a
desconsolada avó, para ninguem mais... nem uma palavra.

Joanninha ia lendo, lendo... e a voz a descahir-lhe: no fim ajunctou uns
abraços, umas saudosas lembranças, e não sei que phrase incompleta e mal
articulada em que se pedia a bençam da avó.

A velha abanou a cabeça tristemente e disse: 'Ora pois... bemditto seja
Deus!'

Joanninha córou até o branco dos olhos... Inda bem que a não podia ver a
avó! Mas viu-a Fr. Diniz, e com a mão trémula e os olhos arrazados
d'agua lhe fez um mudo e expressivo signal de approvação e
agradecimento. Joanninha córou outra vez, e logo se fez pallida como a
morte: era a primeira vez que mentia... e Fr. Diniz, o austéro Fr. Diniz
apprová-la!

O frade levantou-se, e sem dizer palavra, tomou o caminho de Santarem.

Ouvia-se ao longe o arquejar de uns soluços suffocados... Seriam d'elle?

A avó e a neta abraçaram-se e choraram.

Nenhuma d'ellas disse palavra sôbre a carta: a velha tinha percebido a
piedosa fraude de Joanninha...

Oh! que existencias que eram aquellas quatro! Esse frade, essa velha e
essas duas crianças! E a maior parte da gente que é _gente_, vive
assim... E querem, querem-n'a assim mesmo, a vida, teem-lhe appêgo! Oh
que enigma é o homem!

Tornou a passar outra semana, e o frade tornou a vir no praso costumado,
e levou a resposta da carta--resposta que Joanninha so escreveu e so
viu--e dirigiu-a em Lisboa pela via segura que indicára.

Soube-se que fôra intregue; mas semanas e semanas decorreram, os meses
passaram de anno... e outra carta não veio.

No entretanto a guerra civil progredia; e depois de suas tremendas
peripecias, o grande drama da Restauração chegava rapidamente ao fim.
Eram meiados do anno de 33, a operação do Algarve succedêra
milagrosamente aos constitucionaes, a esquadra de D. Miguel fôra tomada,
Lisboa estava em podêr d'elles. Os tardios e inuteis esforços dos
realistas para retomar a capital tinham occupado o resto do verão. Ja
outubro se descoroava de seus ultimos fructos, e as folhas começavam a
impallidecer e a cahir, quando uma sexta-feira, ao pôr do sol, Fr. Diniz
apparecia no valle mais curvado e mais trémulo que nunca. Vinha do
exército realista que então cercava Lisboa.

Joanninha não era alli, a velha estava so.

--'Que nos traz, padre?' clamou ella mal que o sentiu: 'Soube d'elle?
Tem escapado a éstas desgraças, a esses combates mortaes?'

--'Não sei nada, minha irman: ha tres dias que de Lisboa se não póde
obter a menor informação. As linhas estão fechadas e guarnecidas como
nunca: tudo indíca havermos de ter cedo algum combate decisivo.'

--'Deus seja com!..'

--'Com quem, minha irman?'

--'Com quem tiver justiça.'

--'Nenhum a tem. De um lado e de outro está a ambição e a cubiça, de um
lado e de outro a immoralidade, a perdição e o desprêzo da palavra de
Deus. Por isso, vença quem vencer, nenhum hade triumphar.'

--'Ai, o meu pobre filho, o meu Carlos!'

--'Isso, irman Francisca, isso! Peça a Deus que dê a victoria a seu
neto, e á impiedade por que elle combate. Peça a Deus que vençam os
inimigos declarados do seu nome, os destruidores de seus altares, os
profanadores de seus templos... Oh! que dia bello e grande não hade ser
esse, quando Carlos... o seu Carlos, vier expulsar, ás baionetadas, do
pobre convento de San'Francisco, o velho guardião--que lhe não hade
fugir, minha irman!.. d'elle menos que de nenhum outro... que ajoelhado
deante do altar inclinará a cabeça como os antigos martyres para cahir
na presença do seu Deus ás mãos do seu...'

--'Diniz!.. Padre!.. Padre Frei Diniz, que horrorosas palavras sahem da
sua bôcca!.. Meu neto, o meu Carlos não é capaz... oh meu Deus!..'

--'Seu neto detesta-me... e tem... tem razão.'

--'Não sabe a verdade elle... Carlos está inganado, cuida... não sabe
senão meia verdade: e eu, eu heide--custe o que me custar--eu heide...'

--'Hade o quê?'

--'Heide desinganá-lo, heide-lhe dizer a verdade toda. Heide prostrar-me
na sua presença, heide humilhar-me deante do filho de minha filha, heide
arrastar na poeira de seus pés éstas cans e éstas rugas... morrerei de
vergonha e de remorsos deante do meu filho, mas elle hade saber a
verdade.'

Sahiam com tal impeto e com tam desacostumada energia éstas mysteriosas
e tremendas palavras da bôcca da velha, que Fr. Diniz não ousou
contê-la; ouviu até ao fim, deixou quebrar o impeto da torrente, e
erguendo então a sua voz austera mas pousada, disse n'aquelle tom
friamente decisivo que tanto impõe aos animos apaixonados:

--'Se tal fizesse, mulher, a minha maldicção, a maldicção eterna de Deus
sôbre a sua cabeça para sempre!... Oh mulher, pois não lhe basta que
elle me abhorreça--não lhe basta que seu neto lhe perdesse o amor...
quer... quer tambem que nos despreze?'

A velha gemeu profundamente, e, por um geito de antiga reminiscencia,
levou as mãos aos olhos como se os tapasse para não ver. Então disse com
desconsoladas lagrymas na voz:

--'A vontade de Deus seja feita!'



CAPITULO XIX.


     Guerra de postos avançados. Joanninha no bivac--De como os
     rouxinoes do valle se disciplinaram a ponto de tocar a alvorada e a
     retreta.--Quem era a 'menina dos rouxinoes,' e porque lhe poseram
     este nome.--A sentinella perdida e achada.


A velha disse aquellas últimas palavras com uma expressão de dor tam
resignada, mas tam desconsolada, que o frade olhou para ella commovido,
e sentiu as lagrymas escurecerem-lhe a vista.

N'este momento Joanninha, que passeiava a alguma distancia da casa na
direcção de Lisboa, acudiu sobresaltada bradando:

--'Avó, avó!.. tanta gente que ahi vem! soldados e povo... homens e
mulheres... tanta gente!'

Era a retirada de 11 de outubro.

--'Deus tenha compaixão de nós!' disse a velha: 'O que será padre?'

--'O que hade ser!' respondeu Fr. Diniz: 'o meu presentimento que se
verifica; o combate foi decisivo, os constitucionaes vencem.'

Comeffeito foram apparecendo as tropas que se retiravam, as gentes que
fugiam, e todo aquelle confuso e doloroso espectaculo de uma retirada em
guerra civil...

Alguns feridos, que não podiam mais, ficaram na casa do valle intregues
á piedosa guarda e cuidado de Joanninha; dos outros tomou conta Fr.
Diniz e os acompanhou a Santarem.

As tropas constitucionaes vinham em seguimento dos realistas, e d'alli a
poucos dias tinham o seu quartel-general no Cartaxo; D. Miguel
fortificava-se em Santarem, e a casa da velha era o último posto militar
occupado pelo seu exército.

Não tardou muito que a fôrça toda, todo o interêsse da guerra se não
concentrasse n'aquelle, ja tam pacífico e ameno, agora tam desolado e
turbulento valle.

Eram os derradeiros dias do outomno, a natureza parecia tomar dó pelo
homem--dar triste e lugubre decoração de scena ao sanguento drama de
destruição e de miseria que alli se ía concluir. As últimas folhas das
árvores cahiam, o ceo nublado e negro vertia sôbre a terra apaulada
torrentes grossas d'agua, a cheia alagava os baixos, e as terras altas
cobriam-se de hervas maninhas, os trabalhos da lavoira cessavam, o gado
e os pastores fugiam, e os soldados de um e de outro campo cortavam as
oliveiras seculares...

Tudo estava feio e torpe, tudo era ruina, desolação e morte emtôrno da
casa do valle, agora transformada em quartel e redutto militar.

E que era feito, no meio d'ésta desordem, que era feito da nossa pobre
velha, da nossa interessante Joanninha?

Apenas se estabeleceu a posição dos dous exercitos, Fr. Diniz queria
levá-las para Santarem; mas não foi possivel. Instancias, rogos, ordem
positiva, tudo foi em vão. Pela primeira vez na sua vida, aquella mulher
tímida, fraca e irresoluta, soube ter vontade firme e propria.

--'Aqui nasci,' dizia ella, 'aqui vivi, aqui heide morrer. Que importa
como?.. Aqui as curtas alegrias, aqui as longas dores da minha vida teem
passado: onde heide eu ir que possa viver ou morrer senão aqui? Ésta
casa sei-a de cór, éstas árvores conhecem-me, estes sitios são os
ultimos que vi, os unicos de que me lembra: como heide eu, velha e cega,
ir fazer conhecimento com outros para viver n'elles?..'

--'E Joanninha n'essa edade... no meio d'essa soldadesca!' suggeria o
frade.

--'Joanninha' tornava ella 'Joanninha é uma criança, e tem mais juizo,
mais energia d'alma, mais saude e mais fôrça do que--mulheres não
fallemos--do que a maior parte dos homens. Ficaremos aqui, padre,
ficaremos aqui melhor do que em Santarem podêmos estar. Deus nos
defenderá...'

Fr. Diniz cedeu: a mesma vaga e indeterminada esperança que animava a
velha, e que a prendia tam fortemente alli, não era extranha ao coração
do frade. Ella não ousava nem alludir de longe a essa esperança, mas
sentia-se que lá a tinha anninhada e escondida a um canto d'alma...
Aquelle neto, aquelle filho da filha querida havia de vir ter á casa em
que nascêra... por alli havia de passar, e mais dia menos dia... A
velha, repitto, nem alludia a tal esperança, mas sentia-se que a tinha:
percebeu-lh'a Fr. Diniz, e ou a partilhasse tambem ou não se atrevesse a
contrariar razões que lhe não davam, cedeu e callou-se.

O seu principal temor era a licenciosa soltura dos costumes militares;
mas estava Joanninha menos exposta por se accolher a uma praça de guerra
como Santarem era agora?

Brevemente se viu que a avó tinha accertado. A franca e ingenua
dignidade de Joanninha, o ar grave, a melancholia serena e bondosa da
velha impozeram tal respeito aos soldados, que--graças tambem á
cooperação efficaz do commandante do pôsto, um bom e honrado cavalheiro
transmontano--ellas viviam tam seguras e quietas na pequena porção da
casa que para si reservaram, quanto em taes circumstancias era possivel
viver. Fr. Diniz vinha regularmente ao valle todas as sexta-feiras, e
nenhum outro hábito de suas vidas se interrompeu.

E pouco a pouco, os combates, as escaramuças, o som e a vista do fogo, o
aspecto do sangue, os ais dos feridos, o semblante desfigurado dos
mortos--a guerra emfim em todas as suas fórmas, com todo o seu
palpitante interêsse, com todos os terrores, com todas as esperanças que
a accompanham, se lhes tornou uma coisa familiar, ordinaria...

A tudo se habitua o homem, a todo o estado se affaz; e não ha vida, por
mais extranha, que o tempo e a repettição dos actos lhe não faça
natural.

Todavia de Carlos nem mais uma linha... Pobre velha!

Assim passaram meses, assim correu o hynverno quasi todo, e ja as
amendoeiras se toucavam de suas alvissimas flores de esperança, ja uma
depois de outra, íam renascendo as plantas, íam abrolhando as árvores;
logo vieram as aves trinando seus amores pelos ramos... insensivelmente
era chegado o meio d'Abril, estavamos em plena e bella primavera.

A guerra parecia cançada, o furor dos combatentes quebrado; rumores de
intentadas transacções gyravam por toda a parte.

No nosso valle as sentinellas dos dous campos oppostos, costumadas ja a
ver-se todos os dias, começavam a ver-se sem odio: principiaram por se
dizer dos pesados gracejos de guerra, acabaram por conversar quasi
amigavelmente. Muíta vez foi curioso ouvi-los, os soldados, discorrer
sôbre as altas questões d'Estado que dividiam o reino e o traziam
revôlto ha tantos annos. Se as tractavam melhor os do conselho em seus
gabinetes!

Joanninha que, pouco a pouco, se habituára áquelle viver de perigos e
incertezas, de dia para dia lhe ia crescendo o ânimo, aguerrindo-se.
Tudo se affazia áquelle estado: até os rouxinoes tinham voltado aos
loureiros d'aopé da casa, e como que disciplinados obedeciam aos toques
d'alvorada e de retreta, accompanhando-os de seu cantar animado e
vibrante.

A essas horas Joanninha era certa em sua janella--n'aquella antiga e
elegante janella _renascença_ de que primeiro nos namorámos, leitor
amigo, ainda antes de a conhecer a ella. Alli a viam as vedetas de ambos
os exercitos, alli se acostumaram a vê-la com o nascer e o pôr do sol:
alli, muda e quêda horas esquecidas, escutava ella o vago cantar dos
seus rouxinoes, talvez absorta em mais vagos pensamentos ainda...

E d'alli lhe pozeram o nome da 'menina dos rouxinoes', pelo qual era
conhecida em ambos os campos: significante e poetico appellido com que a
saudavam os soldados de ambas as bandeiras!

E uns e outros respeitavam e adoravam a menina dos rouxinoes. Entre uns
e outros por tacita convenção parecia stipulado que aquella suave e
angelica figura podesse andar livremente no meio das armas inimigas,
como a pomba doméstica e valida a que nenhum caçador se lembra de mirar.

Os costumes de guerra são menos soltos do que se cuida; no ânimo do
soldado ha mais sentimentos delicados, nas suas fórmas ha menos rudeza
do que se pensa. A farda é sim vaidosa e presumida, crê muito nos seus
podêres de seducção, mas não é brutal senão no primeiro impeto.

Joanninha pençava os feridos, velava os infermos, tinha palavras de
consolação para todos, e em tudo quanto dizia e fazia era tam senhora,
tinha tam grave gentileza, um donaire tam nobre, que a amavam todos
muito, mas respeitavam-n'a ainda mais.

Fiada ja n'este respeito e estima geral, Joanninha fôra extendendo, de
dia a dia, as suas excursões pelo valle. Ultimamente costumava ir, pelo
fim da tarde, até um pequeno grupo de alamos e oliveiras que ficava mais
para o sul e perto do logar donde, á noite, se collocavam as derradeiras
vedetas dos constitucionaes.

Um dia, ja quasi pôsto o sol, a tarde quente e serena,--ou fosse que
adormeceu ou que suas meditações a distrahiram--o certo é que os
rouxinoes gorjeavam ha muito nos loureiros da janella, e Joanninha não
voltava.

Estabeleceram-se as vedetas de um lado e outro, deram-se todas as
disposições costumadas para a noite.

O official dos constitucionaes que andava collocando as suas
sentinellas, tinha vindo essa mesma tarde de Lisboa com um refôrço de
tropa. Pôs-se elle em marcha com a sua gente, foi-a dispondo nos logares
convenientes, e chegava emfim aopé d'aquelle grupo de árvores:

--'Silencio!' disse elle 'Alto! alli está um vulto.'

--'Não é ninguem,' respondeu um soldado que era dos antigos no pôsto:
'ninguem que importe; é a menina dos rouxinões. Estou vendo que
adormeceu no seu poiso costumado.'

--'A menina dos rouxinões! Que cantiga é essa que me cantas tu lá?'

O soldado deu a explicação popular do seu ditto, mostrou a casa do
valle, e continuava incarecendo sôbre os meritos e virtudes de
Joanninha...

O official não o deixou acabar:

--'Para a rettaguarda, e silencio!'

Foi rapidamente postar, a alguma distancia d'alli, as duas sentinellas
que lhe faltavam; e elle entrou so no pequeno grupo d'árvores.

Era Joanninha que estava alli, Joanninha que effectivamente dormia a
somno sôlto.



CAPITULO XX.


     Joanninha adormecida--O demi-jour da coquette.--Poesia do
     Flos-sanctorum.--De como os rouxinoes acompanhavam sempre a menina
     do seu nome; e do bem que um d'elles cantava no bivac.--Retratto
     esquissado á pressa para satisfazer ás amaveis
     leitoras.--Pondera-se o triste e pessimo gôsto dos nossos
     governantes em tirarem as honras militares ao mais elegante e mais
     nacional uniforme do exército portuguez.--Em que se parece o auctor
     da presente obra com um pintor da edade-média.--De como os abraços,
     por mais apertados que sejam, e os beijos, por mais interminaveis
     que pareçam, sempre teem de acabar porfim.


Sôbre uma especie de banco rustico de verdura, tapeçado de grammas e de
macella brava, Joanninha, meio recostada, meio deitada, dormia
profundamente.

A luz baça do crepusculo, coada ainda pelos ramos das árvores,
illuminava tibiamente as expressivas feições da donzella; e as fórmas
graciosas de seu corpo se desenhavam molle e voluptuosamente no fundo
vaporoso e vago das exhalações da terra, com uma incerteza e indecisão
de contornos que redobrava o incanto do quadro, e permittia á imaginação
exaltada percorrer toda a escalla d'harmonia das graças femininas.

Era um ideal do demi-jour da coquette parisiense: sem arte nem estudo,
lh'o preparára a natureza em seu boudoir de folhagem perfumado da brisa
recendente dos prados.

Como n'essas poeticas e populares legendas de um dos mais poeticos
livros que se tem escripto, o Flos-sanctorum, em que a ave querida e
fadada accompanha sempre a amavel sancta de sua affeição--Joanninha não
estava alli sem o seu mavioso companheiro. Do mais espêsso da ramagem,
que fazia sobreceo áquelle leito de verdura, sahia uma torrente de
melodias, vagas e ondulantes como a selva com o vento, fortes, bravas, e
admiraveis de irregularidade e invenção, como as barbaras endeixas de um
poeta selvagem das montanhas... Era um rouxinol, um dos queridos
rouxinoes do valle que alli ficára de vela e companhia á sua protectora,
á menina do seu nome.

Com o approximar dos soldados, e o cochichar do curto dialogo que no fim
do último capitulo se referiu, cessára por alguns momentos o delicioso
canto da avezinha; mas quando o official, postadas as sentinellas a
distancia, voltou pé ante pé e entrou cautellosamente para debaixo das
árvores, ja o rouxinol tinha tornado ao seu canto, e não o suspendeu
outra vez agora, antes redobrou de trillos e gorgeios, e do mais alto de
sua voz agudissima veio descahindo depois em uns suspiros tam magoados,
tam sentidos, que não disseras senão que preludiava á mais terna e
maviosa scena d'amor que esse valle tivesse visto.

O official...--Mas certo que as amaveis leitoras querem saber com quem
trattam, e exigem, pelo menos, uma esquissa rapida e a largos traços do
novo actor que lhes vou appresentar em scena.

Teem razão as amaveis leitoras, é um dever de romancista a que se não
póde faltar.

O official era môço, talvez não tinha trinta annos; pôsto que o tratto
das armas, o rigor das estações, e o sêllo visivel dos cuidados que
trazia estampado no rosto, accentuassem ja mais fortemente, em feições
de homem feito, as que ainda devia arredondar a juventude.

A sua estatura era mediana, o corpo delgado, mas o peito largo e forte
como precisa um coração de homem para pulsar livre; seu porte gentil e
decidido de homem de guerra desenhava-se perfeitamente sob o espesso e
largo sobretudo militar--especie de great-coat inglez que a imitação das
modas britannicas tinha tornado familiar nos nossos bivacs. Trazia-o
desabotoado e descahido para traz, porque a noite não era fria; e viu-se
por baixo elegantemente cingida ao corpo a fardeta parda dos caçadores,
realçada de seus characteristicos alamares pretos e avivada de
incarnado...

Uniforme tam militar, tam nacional, tam caro a nossas recordações--que
essas gentes, prostituidoras de quanto havia nobre, popular e respeitado
n'esta terra, proscreveram do exército... por muito portuguez demais
talvez! deram-lhe baixa para os beleguins da alfandega, reformaram-n'o
em uniforme da bicha!

Não pude resistir a esta reflexão: as amaveis leitoras me perdoem por
interromper com ella o meu retratto.

Mas quando pinto, quando vou riscando e collorindo as minhas figuras,
sou como aquelles pintores da edade-média que interlaçavam, nos seus
paineis, distichos de sentenças; fittas lavradas de moralidades e
conceitos... talvez porque não sabiam dar aos gestos e attitudes
expressão bastante para dizer por elles o que assim escreviam, e servia
a penna de supplemento e illustração ao pincel... Talvez: e talvez pelo
mesmo motivo caio eu no mesmo defeito...

Será; mas em mim é irremediavel, não sei pintar de outro modo.

Voltemos ao nosso retratto.

Os olhos pardos e não muito grandes, mas de uma luz e viveza ímmensa,
denunciavam o talento, a mobilidade do espirito--talvez a irreflexão...
mas tambem a nobre singeleza de um character franco, leal e generoso,
facil na íra, facil no perdão, incapaz de se offender de leve, mas
impossivel de esquecer uma injúria verdadeira.

A bôcca, pequena e desdenhosa, não indicava comtudo suberba, e muito
menos vaidade, mas surria na consciencia de uma superioridade
inquestionavel e não disputada.

O rosto, mais pallido que trigueiro, parecia comprido pela barba preta e
longa que trazia ao uso do tempo. Tambem o cabello era preto; a testa
alta e desaffogada.

Quando callado e serio, aquella physionomia podia-se dizer dura; a mais
piquena animação, o mais leve sorriso a fazia alegre e prazenteira,
porque a mobilidade e a gravidade eram os dous pollos d'esse character
pouco vulgar e difficilmente bem intendido.

D'aquelle busto classico e verdadeiramente moldado pelos typos da arte
antiga, podia o statuario fazer um philosopho, um poeta, um homem
d'estado ou um homem do mundo, segundo as leves inflexões d'expressão
que lhe désse.

N'este momento agora, e ao entrar na pequena espessura d'aquellas
árvores, animava-o uma viva e inquieta expressão de interêsse--quebrado
comtudo, sustido, e, para assim dizer, _soffreado_ de um temor occulto,
de um pensamento reservado e doloroso que lhe ia e vinha resumbrando na
face, como a antiga e desbotada côr de um estôfo que se tingiu de
novo--que é outro agora mas que não deixou de ser inteiramente o que
era...

Alegra-se assim um triste dia de novembro com o raio de sol transiente e
inesperado que lhe rompeu a cerração n'um canto do ceo...

Tal era, e tal estava deante de Joanninha adormecida, o que não direi
mancebo porque o não parecia--o homem singular a quem o nome, a historia
e as circumstancias da donzella pareciam ter feito tamanha impressão.

--'Joanninha!' murmurou elle apenas a viu á luz ainda bastante do
crepusculo. 'Joanninha!' disse outra vez, contendo a violencia da
exclamação: 'É ella sem dúvida. Mas que differente!... quem tal diria!
Que graça, que gentileza! Será possível que a criança que ha dois
annos?..'

Dizendo isto, por um movimento quasi involuntario lhe tomou a mão
adormecida e a levou aos labios.

Joanninha estremeceu e acordou.

--'Carlos, Carlos!'--balbuciou ella com os olhos ainda meio-fechados,
Carlos, meu primo... meu irmão! era falso, dize: era falso? Foi um
sonho, não foi, meu Carlos?..'

E progressivamente abria os olhos mais e mais até se lhe espantarem e os
cravar n'elle arregalados de pasmo e de alegria.

--'Foi, foi' continuou ella 'foi sonho, foi um sonho mau que eu tive. Tu
não morreste... Falla á tua irman, á tua Joanna; dize-lhe que estás
vivo, que não es a sombra d'elle... Não es, não, que eu sinto a tua mão
quente na minha que queima, sinto-a estremecer como a minha... Carlos,
meu Carlos! dize, falla-me: tu estás vivo e são? E es... es o meu
Carlos? Tu proprio, não é ja o sonho, es tu?...'

--'Pois tu sonhavas? tu, Joanna, tu sonhavas commigo?'

--'Sonhava como sonho sempre que durmo... e o mais do tempo que estou
acordada... sonhava com aquillo em que so penso... em ti.'

--'Joanna!... prima... minha irman!'

E cahiu nos braços d'ella; e abraçaram-se n'um longo, longo abraço--com
um longo, interminavel beijo..! longo, longo e interminavel como um
primeiro beijo d'amantes...

O abraço desfez-se; e o beijo terminou em fim, porque os reflexos do ceo
na terra são limitados e imperfeitos como as incompletas existencias que
a habitam.

Senão... invejariam os anjos a vida da terra.

Joanninha, tornada a si d'aquelle quasi paroximo, abria e fechava os
olhos para se affirmar se estava bem acordada, tocava com as mãos o
rosto, o peito, os braços do primo, palpava-se depois a si mesma como
quem duvidava de sua propria existencia, e dizia em palavras cortadas e
sem nexo:

--'É Carlos... Carlos: foi falso. É meu primo... Minha avó tambem sonhou
o mesmo sonho, mas foi falso. Fr. Diniz não é o que disse, nem ninguem:
eu e a avó é que o sonhámos. Mas elle aqui está, vivo... vivo! e nosso,
nosso todo outra vez!... Mas como vieste tu aqui, Carlos? Como estava eu
aqui comtigo?... E sos, sosinhos aqui a ésta hora! Não deve ser isto...
Valha-me Deus! E que dirão? E Jesus!--Lá isso não me importa; deixá-los
dizer: mas não deve ser. Vamos, Carlos, vamos ter com ella, vamos para a
avó!... Que n'isto não ha mal nenhum... Meu primo!.. um primo com quem
eu fui criada!.. Mas quem não souber, póde dizer... Vamos, Carlos.--Oh!
minha avó morre de alegria, coitada!.. É verdade: vou adeante
preveni-la, prepará-la... heide-lhe ir assim dizendo pouco a pouco...
Segue-me tu, Carlos, e vamos.--Mas, oh meu Deus! não é preciso: paraquê?
Ella é cega, coitadinha, não sabes?'

--'Cega, que dizes? minha avó está cega?'

--'Pois não sabías? Ai! é verdade, não sabías. Tantas coisas que tu não
sabes, meu Carlos! Mas eu te contarei tudo, tudo. Olha: cegou quando...
Mas não fallemos agora n'essas tristezas que ja la vão. Em ella te
sentindo aopé de si, é o mesmo que tornar-lhe a vista. Tem-m'o ella
ditto muitas vezes, e eu bem sei que é assim. Mas ouve: um dia havemos
de fallar--nós dois sos--á vontade: tenho tanto que te dizer... nem tu
sabes... Agora vamos, Carlos.'

E fallando assim, tomou-o pela mão e sahiu para o valle aberto,
froixamente acclarado ja de myríadas de estrellas scintillantes no ceo
azul.



CAPITULO XXI.


     Quem vem lá?--Como entre dous litigantes nem sempre gosa o
     terceiro.--Carlos e Joanninha n'uma especie de situação _ordeira_,
     a mais perigosa e falsa das situações.


As estrellas luziam no ceo azul e diaphano, a brisa temperada da
primavera suspirava brandamente; na larga solidão e no vasto silencio do
valle distinctamente se ouvia o doce murmúrio da voz de Joanninha,
claramente se via o vulto da sua figura e da do companheiro que ella
levava pelo mão e que machinalmente a seguia como sem vontade propria,
obedecendo ao podêr de um magnetismo superior e irresistivel.

Passavam, sem as ver e sem reflectir onde estavam, por entre as vedetas
de ambos os campos... e ao mesmo tempo de umas e outras lhes bradou o
voz breve e stridente das sentinellas: 'Quem vem lá?'

Estremeceram involuntariamente ambos com o som repentino de guerra e de
allarma que os chamava á esquecida realidade do sítio, da hora, das
circumstancias em que se achavam... D'aquelle sonho incantado que os
transportára ao Éden querido de sua infancia, accordaram
sobresaltados... viram-se na terra erma e bruta, viram a espada
flammejante da guerra civil que os perseguia, que os desunia, que os
expulsava para sempre do paraizo de delicias em que tinham nascido...

Oh! que imagem eram esses dous, no meio d'aquelle valle nu e aberto, á
luz das estrellas scintillantes, entre duas linhas de vultos negros,
aqui alli dispersos e luzindo acaso do tranziente reflexo que fazia
brilhar uma baioneta, um fuzil... que imagem não eram dos verdadeiros e
mais sanctos sentimentos da natureza expostos e sacrificados sempre no
meio das luctas barbaras e estupidas, no conflicto de falsos principios
em que se estorce continuamente o que os homens chamaram _sociedade_!

Joanninha abraçou-se com o primo; elle parou derepente e foi com a mão
ao punho da espada.

--'Quem vem lá?' tornaram a bradar as sentinellas.

--'Ouves, Joanna?' disse Carlos em voz baixa e sentida: 'Ouves estes
brados?' É o grito da guerra que nos manda separar; é o clamor cioso e
vigilante dos partidos que não tolera a nossa intimidade, que separa o
irmão da irman, o pae do filho!..'

--'Quem vem lá?' bradaram ainda mais forte as sentinellas; e ouviu-se
aquelle stridor baço e breve que tam froixo é e tam forte impressão faz
nos mais bravos animos... era o som dos gatilhos que se armavam nas
espingardas.

O momento era supremo, o perigo imminente e ja inevitavel... alli podiam
ficar ambos, traspassados das ballas oppostas dos dous campos
contendores.

Como esses que, fiados em sua innocencia e abnegação, cuidam podêr
passar por entre as discordias civis sem tomar parte n'ellas, e que são,
por isso mesmo, objecto de todas as desconfianças, alvo de todos os
tiros--assim estavam alli os dous primos na mais arriscada e falsa
posição que têem as revoluções.

Joanninha conheceu o perigo que os ameaçava; e com aquella rapidez de
resolução que a mulher tem mais prompta e segura nas grandes occasiões,
disse para Carlos:

--'Falla aos teus, faze-te conhecer e põe-te a salvo. Ámanhan nos
tornaremos a ver: eu te avisarei. Adeus!'

--'E tu, tu?.. E as sentinellas dos realistas?..'

--'Não tenhas cuidado em mim. D'esta banda todos me conhecem'.

Deu alguns passos para o lado da sua casa e levantou a voz:

--'Joanninha! Sou eu, camaradas, sou eu!'

Immediatamente se ouviu o som retinido das coronhas no chão, e o riso
contente dos soldados que reconheciam a bemquista e bem vinda voz de
Joanninha... da 'menina dos rouxinoes.'

--'Ves, Carlos?.. Adeus! até ámanhan.' disse ella baixo.

--'Até amanhan se...'

--'Se!.. Pois tu?..'

--'Ouve: não digas a tua avó que me viste, que estou aqui: é forçoso, é
indispensavel, exijo-o de ti...'

--'E ámanhan me dirás?..'

--'Sim.'

--'Prometto: não direi nada... Mas, oh! Carlos...'

--'Adeus!'

Carlos deu dous passos para a banda das suas vedetas, Joanna correu para
o lado opposto. Mas elle parou e não tirou os olhos d'aquella fórma
gentil que deslizava como uma sombra pelo horisonte do valle, até que
desappareceu de todo.

E elle immovel ainda!

Faíscaram derepente como relampagos um, dous, tres... e as detonações
que os seguiram, e o assovio das ballas que vinham depós ellas... Eram
as sentinellas constitucionaes que faziam fogo sôbre o seu commandante
que não conheciam, cujo silencio e immobilidade o fazia suspeito.

Uma das ballas ainda o feriu levemente no braço esquerdo.

--'Bem, camaradas!' bradou Carlos caminhando rapidamente para elles, e
erguendo a voz forte e cheia que tam conhecida era nas fileiras: 'Bem!
Fizeram a sua obrigação. Um de vocês que me aperte aqui o braço com este
lenço.'

--'Carlos!' gritou ao longe uma voz fina, aguda, vibrante de terror pelo
espaço 'Carlos! falla-me, responde: não te succedeu nada?'

--'Nada, nada! Socega.'

E tornou a cahir tudo no silencio. Carlos retirou-se ao seu quartel
n'uma choupana proxima. Os soldados olharam-se entre si e surriram.

Um mais doutor disse para os outros:

--'O nosso capitão não se descuida: ainda hoje chegou, e já nós lá
vamos, hem?'

--'O nosso capitão é d'aqui: não sabes?'

--'Hum! tenho percebido. E ainda lhe dura? O home' é capaz!'

--'Silencio! Eu te direi logo a historia toda: é uma prima.'

--'Ah! prima. Então não ha nada que dizer.'

--'É a que elles chamam aqui...'

--'A menina dos rouxinoes? Essa é maluca.'

--'Gosta d'ellas assim, que elle tambem o é.'

--'Pois a freira de San Gonsallo, na Terceira?'

--'Maluca.'

--'E a Lady ingleza que?..'

--'Maluquissima essa! Não me hade admirar se a vir cahir do ar um dia
por ahi como bomba. E não hade dar mau estallo!'

--'Podéra! E incontrando-se com a prima então!..'

--'Mas elle é prima ou é irman?'

--'É uma tal parentella inrevezada a d'essa gente da casa do valle!..
dizem coisas por ahi, que se eu as intendo!.. E ha um frade no caso, ja
se sabe...'

--'Oh! elle ha frade no caso?'

--'Ha, e que frade! Um apostolico ás direitas! Tam feio, tão magro!
apparece por ahi ás vezes. Eu já o lombriguei um dia: e que famoso tiro
que era! Quasi que me arrependo de não ter...'

--'Isso! hoje iamos matando o nosso capitão por instantes. Olha agora se
lhe matas o tio, ou pae, ou o que quer que é...'

--'Um frade!'

--'Um frade não é gente?'

--'Não senhor.'

--'Está bom: basta de conversar por hoje. O que me eu parece é que nós
temos cedo muita pancada rija.'

--'Venha ella, que isto ja abhorrece.'

Accenderam os cigarros e fumaram.

Com o mesmo socêgo d'espirito... sancto Deus! accendem os homens a
guerra civil, que altera e confunde por este modo todas as ideas, todos
os sentimentos da natureza.



CAPITULO XXII.


     Bilhete de manhan da prima ao primo. Inganam a pobre da
     velha.--Noite mal dormida.--Da conversa que teve Carlos com os seus
     botões.--A Joanninha que elle deixára e a Joanninha que
     achou.--Obrigações d'amor, triste palavra.--A mulher que elle
     amava, e se elle a amava ainda.--Quesitos do A. aos seus benevolos
     leitores. Declara que com os hypocritas não falla.--Quem hade
     levantar a primeira pedra?--Dous modos differentes de accudir uma
     coisa ao pensamento.


No dia seguinte, mal rompia a manhan, um paizano que dizia trazer
communicações importantes para o commandante do pôsto avançado, foi
conduzido á presença de Carlos e lhe intregou uma carta: era de
Joanninha.

Fiel á sua promessa, ella não tinha ditto nada do incôntro da véspera:
dizia a carta. E que a avó estava doente e afflicta; que para a animar e
consolar, lhe dera notícias do primo, como vindas por pessoa que o víra
e estivera com elle. Que ficava mais contente e socegada: mas que
aquelle estado de anciedade não podia prolongar-se. Que a saude da pobre
velha declinava de dia a dia; que se lhe ia a vida, que era matá-la não
lhe dizer a verdade... Joanninha concluia com mil affectos e saudades; e
aprazava por fim o mesmo sítio da véspera para se tornarem a ver, e para
concertarem o que havia de fazer. Todas as precauções estavam tomadas, e
o consentimento dado pelo commandante do pôsto contrário para haver toda
a segurança n'aquella entrevista.

Carlos tinha velado toda a noite; uma excitação extraordinaria lhe
amotinára o sangue, lhe desaffinára os nervos. Bem tinha desejado vir
para aquelle pôsto, bem contava, bem esperava elle, estando alli, saber
de mais perto da sua familia, vê-los talvez, mais dia menos dia,
incontrar-se com alguns d'elles... e de todos elles, a innocente e
graciosa criança com quem vivêra como irmão desde os seus primeiros
annos, era quem elle mais esperava, mais desejava ver decerto.

Mas uma criança era a que elle tinha deixado, uma criança a brincar, a
colhêr as boninas, a correr atraz das borboletas do valle... uma criança
que sim o amava ternamente, cuja suave imagem o não tinha deixado nunca
em sua longa peregrinação, cuja saudade o accompanhára sempre, de quem
se não esquecêra um momento, nem nos mais alegres nem nos mais
occupados, nem nos mais difficeis nem nos mais perigosos da sua vida...

Mas era uma criança!.. era a imagem d'uma criança.

É certo, sim: e nas batalhas, em presença da morte... no longo cêrco do
Porto entre os flagellos da cholera e da fome, nas horas de mais viva
esperança, no descoroçoamento dos mais tristes dias, a doce imagem de
Joanninha, d'aquella Joanninha com quem elle andava ao colo, que
levantava em seus hombros para ella chegar aos ninhos dos passaros no
verão, aos medronhos maduros no outomno, que elle suspendia nos braços
para passar no hynverno os alagadiços do valle,--essa querida imagem não
o abandonára nunca.

Nunca!.. nem quando as pennas d'amor, nem quando as suas glórias--mais
esquecidiças ainda!--pareciam absorver-lhe todos os sentidos, e todo o
sentimento de seu coração.

A saudade, a memoria de Joanninha, suavemente impressa no mais puro e no
mais sancto de sua alma, resplandecia no meio de todas as sombras que
lh'a obscurecessem, sobreluzia no meio de qualquer fogo que lh'a
allumiasse.

Uma luz quieta, limpida, serena como a tocha na mão do anjo que ajoelha
em innocencia e piedade deante do throno do Eterno!

Mas, no mesmo dia em que chegou ao valle, quasi na mesma hora, cheio
d'aquella luz, mais viva e animada agora pela proximidade do foco d'onde
sahia... n'essa mesma hora, ir incontrar alli, n'aquella solidão, entre
aquellas árvores, á tibia e seductora claridade do crepusculo... a quem,
sancto Deus! Não ja a mesma Joanninha de ha tres annos, não a mesma
imagem que elle trazia, como a levára, no coração; mas uma gentil e
airosa donzella, uma mulher feita e perfeita, e que nada perdêra,
comtudo, da graça, do incanto, do suave e delicioso perfume da
innocencia infantil em que a deixára!

Não esperava, não estava preparado para a impressão que recebeu, foi uma
surpreza, um choque, um reviramento confuso de todas as suas ideas e
sentimentos.

Qual fosse porêm a precisa e verdadeira impressão que recebeu, nem elle
a si proprio o podéra explicar: era de um genero novo, unico na historia
de suas sensações: não a conhecia, extranhava-a, e quasi que tinha medo
de a analysar.

Sería annúncio d'amor?

Mas elle tinha amado, amado muito e devéras... e cuidava amar ainda, e
devia amar; por quanto ha sagrado e sancto nos deveres do coração, era
obrigado a amar ainda.

Oh obrigações d'amor, obrigações d'amor! se vós não sois, se vós ja não
sois senão obrigações!..

Não o pensava Carlos, não o cria elle assim: leal e sincero tinha
intregue o seu coração á mulher que o amava, que tantas próvas lhe dera
d'amor e devoção; que descançava em sua fé, que não existia senão para
elle: mulher môça, bella, cheia de prendas e de incantos, mulher de um
espirito, de uma educação superior, que atravessára, desprezando-as,
turbas de adoradores nobres, riccos, poderosos, para descer até elle,
para se intregar ao foragido, pobre, extrangeiro, desprezado.

Quem era essa mulher?

Aonde, como obtivera elle a posse d'essa joia, d'esse talisman com o
qual se tinha por tam seguro para não ver na graciosa prima senão?..

Senão o quê?

A innocente criança que alli deixára?

Mas não é verdade isso: outra era a impressão que Joanninha lhe fizera,
fosse ella qual fosse.

O que era então?

E sôbre tudo, quem era ess'outra mulher que elle amava?

E amava-a elle ainda?

Amava.

E Joanninha?

Joanninha era... nem eu sei o que lhe era Joanninha... o que lhe estava
sendo n'aquelle momento.

O que lhe ella fôra, assas t'o tenho explicado, leitor amigo e benevolo:
o que lhe ella será... Pódes tu, leitor candido e sincero,--aos
hypocritas não fallo eu--pódes tu dizer-me o que hade ser ámanhan no teu
coração a mulher que hoje somente achas bella, ou gentil, ou
interessante?

Pódes responder-me da parte que tomará ámanhan na tua existencia a
imagem da donzella que hoje contemplas apenas com olhos de artista, e
lhe estás notando, como em quadro gracioso, os finos contornos; a pureza
das linhas, a expressão verdadeira e animada?

E quando vier, se vier, esse fatal dia de ámanhan, responder-me-has
tambem da parte que ficará tendo em tua alma ess'outra imagem que lá
estava d'antes e que, ao reflexo d'esta agora, d'aqui observo que vai
impallidecendo, descórando... ja lhe não vejo senão os lineamentos
vagos... ja é uma sombra do que foi... Ai! o que será ella ámanhan?

Leitor amigo e benevolo, caro leitor meu indulgente, não accuses, não
julgues á pressa o meu pobre Carlos; e lembra-te d'aquella pedra que o
Filho da Deus mandou levantar á primeira mão que se achasse innocente...
A adultera foi-se em paz, e ninguem a apedrejou.

Pois é verdade: Carlos tinha amado, amado muito, e amava ainda a mulher
a quem promettêra, a quem estava resolvido a guardar fé. E essa mulher
era bella, nobre, ricca, admirada, occupava uma alta posição no mundo...
e tudo lhe sacrificára a elle exilado, desconhecido.

E Carlos estava seguro que nenhuma mulher o havia de amar como ella; que
os longos e ondados anneis de loiro cendrado, que os languidos olhos de
gazella, que o ar majestoso e altivo, que a tez d'uma alvura celeste,
que o espirito, o talento, a delicadeza de Georgina... Chamava-se
Georgina; e é tudo quanto por agora póde dizer-vos, ó curiosas leitoras,
o discreto historiador d'este mui veridico successo: não lhe pergunteis
mais, por quem sois. Carlos estava seguro, dizia eu, que todas essas
perfeições, que o seu amor sem limites, que a sua confiança sem reserva,
não podiam ter rival, nem a haviam de ter.

Mas aquelle beijo, aquelle abraço de Joanninha... oh! que lhe tinha elle
feito? Como o sentíra elle? Como lhe guardára o seu talisman o coração e
a alma?..

Não, Carlos estava certo de si, certo do seu antigo amor, lembrado de
quanto lhe devia: e n'isso reflectiu toda aquella noite que se fôra em
claro.

A imagem de Joanninha lá apparecia, de vez em quando, como um raio de
luz transiente e magica, no meio d'ess'outras visões do passado que a
reflexão lhe acordava. Ai! essas era a reflexão que as acordava...
aquella vinha espontanea; era repellida, e tornava, e tornava...

Ha sua notavel differença n'estes dois modos de accudir ao pensamento.

A manhan veio em fim; Carlos respirou o ar puro e vivo da madrugada,
sentiu-se outro.

Quando chegou a carta de Joanninha, leu-a e reflectiu n'ella sem
sobresalto. Certo e seguro de si, resolveu ir ao prazo dado para a
tarde.



CAPITULO XXIII.


     Continúa a accudir muita coisa vaga e incontrada ao pensamento de
     Carlos.--Dança de fadas e duendes.--Fr. Diniz o fado-mau da
     familia.--Veremos, é a grande resolução nas grandes
     difficuldades.--Carlos poeta romantico.--Olhos verdes.--Desafio a
     todos os poetas moyen-ages do nosso tempo.


Não ha nada como tomar uma resolução.

Mas hade tomar-se e executar-se: aliás, se o caso é difficil e
complicado, pouco a pouco as dúvidas solvidas começam a inliar-se outra
vez, a inredar-se... a surgir outras novas, a appresentarem-se faces
ainda não vistas da questão... em fim, se o intervallo é largo, quando a
resolução tomada chega a executar-se, a maior parte das vezes ja não é
por fôrça de razão e convicção que se faz, mas por capricho, ponto
d'honra, teima.

Carlos tinha resolvido ir ao prazo dado, no fim do dia. Mas o dia era
longo, custou-lhe a passar. Todas as ponderações da noite lhe recorreram
ao pensamento, todas as imagens que lhe tinham fluctuado no espirito se
avivaram, se animaram, e lhe começaram a dançar n'alma aquella dança de
fadas e duendes que faz a delicia e os tormentos d'estes sonhadores
acordados que andam pelo mundo e a quem a douta faculdade chama
_nervosos_; em stylo de romance _sensiveis_, na phrase popular
_malucos_.

Carlos era tudo isso: para que o heide eu negar?

Entre aquellas imagens que assim lhe bailavam no pensamento, vinha uma
agora... talvez a que elle via mais distincta entre todas, a da avó que
tanto amára, em cujo maternal coração elle bem sabía que tinha a
primeira, a maior parte... da avó que tam carinhosa mãe lhe tinha sido!
Pobre velhinha, hoje decrepita e cega... Cega, coitada! Como e porque
cegaria ella?

Havia ahi mysterio que Joanninha indicára, mas que não explicou.

Atraz da paciente e humilhada figura d'aquella mulher de dores e
desgraças, se erguia um vulto austero e duro, um homem armado da cabeça
aos pés de ascetica insensibilidade, um homem que parecia o fado-mau
d'aquella velha, de toda a sua familia... o cumplice e o verdugo de um
grande crime... um ser de mysterio e de terror.

Era Fr. Diniz aquelle homem; homem que elle desejava, que elle cuidava
detestar, mas por quem, no fundo d'alma, lhe clamava uma voz mystica e
íntima, uma voz que lhe dizia: 'Assim será tudo, mas tu não pódes
abhorrecer esse homem.'

Sim, mas sôbre Fr. Diniz pesava uma accusação tremenda, que o fizera, a
elle Carlos, abandonar a casa de seus paes! Accusação horrivel que
tambem comprehendia a pobre velha, aquella avó que o adorava, e que
elle, ainda criminosa como a suppunha, não podia deixar de amar...

E d'estes medonhos segredos sabía Joanninha alguma coisa?

Esperava em Deus que não.

Desconfiaria alguma coisa?... O quê?

E iria elle polluir o pensamento, desflorar os ouvidos, corromper os
labios da innocente criança com o esclarecimento de taes horrores?

Havia de lhe fallar na infamia dos seus? Havia de lhe explicar o motivo
porque fugira da casa paterna?

Havia de?..

Não.--Se Joanninha tivesse suspeitas, havia de destrui-las antes; se
ella soubesse alguma coisa, negar-lh'a.

Mentiria, juraria falso se fosse preciso.

E não havia de ir ver a avó, não havia de entrar na casa dos seus a
consolar a infeliz que só vivia d'uma esperança, a de ver o filho de sua
filha?

Não, nunca... O limiar d'aquella porta, que elle julgava contaminado,
infame, manchado de sangue e cuspido de opprobrios e deshonras, tinha-o
passado sacudindo o po de seus sapatos, promettendo a Deus e á sua honra
de o não tornar a cruzar mais.

Mas que diria então elle a Joanninha? Como havia de explicar-lhe um
proceder tam extranho, e apparentemente tam cruel, tam ingrato?

Por emquanto as impossibilidades materiaes da guerra serviriam de
desculpa, depois o tempo daria conselho.

_Veremos_!--é a grande resolução que se toma nas grandes difficuldades
da vida, sempre que é possivel espaçá-las.

Carlos disse: '_Veremos!_'

Tomou todas as disposições para podêr estar seguro e socegado no sítio
onde ia incontrar a prima: e o resto do dia, ancioso mas contente,
occupou-se de seus deveres militares, fatigou o corpo para descançar o
espirito, e em parte e por bastantes horas o conseguiu.

Mas um dia de abril é immenso, interminavel. E as últimas horas pareciam
as mais compridas. Nunca houve horas tammanhas! Carlos ja não tinha que
inventar para fazer: pôz-se a pensar.

Que remedio!

Pensou n'isto, pensou n'aquillo... uma idea lhe vinha, outra se lhe ia.
A imaginação, tanto tempo comprimida, tomava o freio nos dentes e corria
á redea sôlta pelo espaço...

Anneis dourados, transas de ebano, faces de leite e rosas como de
cherubins, outras pallidas, transparentes, diaphanas como de princezas
incantadas, olhos pretos, azues, verdes... os de Joanninha em fim...
todas éstas feições, confusas e indistinctas mas de estremada belleza
todas, lhe passavam deante da vista, e todas o infeitiçavam. O
desgraçado...--Porque não heide eu dizer a verdade?--o desgraçado era
poeta.

Inda assim! não me esconjurem ja o rapaz... Poeta, intendamo'-nos; não é
que fizesse versos: n'essa não cahiu elle nunca, mas tinha aquelle fino
sentimento d'arte, aquelle sexto sentido do _bello_, do _ideal_ que so
teem certas organizações privilegiadas de que se fazem os poetas e os
artistas.

Eis aqui um fragmento de suas aspirações poeticas. Vejam as amaveis
leitoras que não teem metro, nem rhyma--nem razão... Mas emfim versos
não são.


'Olhos verdes!..

'Joanninha tem os olhos verdes...

'Não se reflecte n'elles a pura luz do ceo, como nos olhos azues.

'Nem o fogo--e o fummo das paixões, como nos pretos.

'Mas o viço do prado, a frescura e animação do bosque, a fluctuação e a
transparencia do mar...

'Tudo está n'aquelles olhos verdes.

'Joanninha, porque tens tu os olhos verdes?

'Nos olhos azues de Georgina arde, em sereno e modesto brilho, a luz
tranquilla de um amor provado, seguro, que deu quanto havia de dar,
quanto tinha que dar.

'Os olhos azues de Georgina não dizem senão uma so phrase d'amor, sempre
a mesma e sempre bella: _Amo-te, sou tua!_

'Nos olhos negros e inquietos de Soledade nunca li mais que éstas
palavras: _Ama-me, que es meu!_

'Os olhos de Joanninha são um livro immenso, escripto em characteres
moveis, cujas combinações infinitas excedem a minha comprehensão.

'Que querem dizer os teus olhos, Joanninha?

'Que lingua fallam eles?

'Oh! paraque tens tu os olhos verdes, Joanninha?

'A assucena e o jasmim são brancos, a rosa vermelha, o alecrim azul...

'Roxa é a violeta, e o junquilho côr de ouro.

'Mas todas as côres da natureza vêem de uma so, o verde.

'No verde está a origem e o primeiro typo de toda a belleza.

'As outras côres são parte d'ella; no verde está o todo, a unidade da
formosura creada.

'Os olhos do primeiro homem deviam de ser verdes.

'O ceo é azul...

'A noite é negra...

'A terra e o mar são verdes...

'A noite é negra mas bella: e os teus olhos, Soledade, eram negros e
bellos como a noite.

'Nas trevas da noite luzem as estrellas que são tam lindas... mas no fim
de uma longa noite quem não suspira pelo dia?

'E que se vão... oh! que se vão emfim as estrellas!..

'Vem o dia... o ceo é azul e formoso: mas a vista fatiga-se de olhar
para elle.

'Oh! o ceo é azul como os teus olhos, Georgina...

'Mas a terra é verde: e a vista repousa-se n'ella, e não se cança na
variedade infinita de seus matizes tam suaves.

'O mar é verde e fluctuante... Mas oh! esse é triste como a terra é
alegre.

'A vida compõe-se de alegrias e tristezas...

'O verde é triste e alegre como as felicidades da vida.

'Joanninha, Joanninha, porque tens tu os olhos verdes?..'


Ja se vê que o nosso doutor de bivac, o soldado que lhe chamou _maluco_
ao pensador de taes extravagancias, tinha razão e sabía o que dizia.

Infelizmente não se formulavam em palavras estes pensamentos poeticos
tam sublimes. Por um processo milagroso de photographia mental, apenas
se pôde obter o fragmento que deixo transcripto.

Que honra e glória para a eschola romantica se podessemos ter a
collecção completa!

Fazia-se-lhe um prefacio incisivo, palpitante, _britante_....

Punha-se-lhe um titulo vaporoso, phosphorescente... por exemplo:--Echos
surdos do coração--ou--Reflexos d'alma--ou--Hymnos
invisiveis--ou--Pesadellos poeticos--ou qualquer outro d'este genero,
que se não soubesse bem o que era nem tivesse senso commum.

E que viesse ca algum menestrel de frak e chapeu redondo, algum trovador
renascença de collete á Joinville, luctar com o meu Carlos em pontos de
romantismo vago, descabellado, vaporoso, e nebuloso!

Se algum d'elles era capaz de escrever com menos logica,--(com menos
grammatica, sim) e com mais triumphante desprêzo das absurdas e
escravizantes regras d'essa paleta d'essa eschola classica que não
produziu nunca senão Homero e Virgilio, Sophocles e Horacio, Camões e o
Tasso, Corneille e Racine, Pope e Moliere, e mais algumas duzias de
outros nomes tam obscuros como estes?



CAPITULO XXIV.


     Novo Génesis.--O Adam social muito differente do Adam
     natural.--Carlos sempre um por seus bons instinctos, sempre outro
     por suas más reflexões.--De como Joanninha recebeu o primo com os
     braços abertos, e do mais que entre elles se passou.--Dor meia dor,
     meia prazer.


Formou Deus o homem, e o pôs n'um paraizo de delicias; tornou a formá-lo
a sociedade, e o pôs n'um inferno de tolices.

O homem--não o homem que Deus fez, mas o homem que a sociedade tem
contrafeito, appertando e forçando em seus moldes de ferro aquella pasta
de limo que no paraizo terreal se affeiçoára a imagem da divindade--o
homem, assim aleijado como nós o conhecêmos, é o animal mais absurdo, o
mais disparatado e incongruente que habita na terra.

Rei nascido de todo o creado, perdeu a realeza; principe desherdado e
proscripto, hoje vaga foragido no meio de seus antigos estados; altivo
ainda e suberbo com as recordações do passado, baixo vil e miseravel
pela desgraça do presente.

D'estas duas tam oppostas actuações constantes, que ja per si sos o
tornariam ridiculo, formou a sociedade, em sua van sabedoria, um systema
chymerico, desarrazoado e impossivel, complicado de regras a qual mais
desvairada, incontrado de repugnancias a qual mais opposta. E vazado
este perfeito modêlo de sua arte pretenciosa, metteu dentro d'elle o
homem, desfigurou-o, contorceu-o, fê-lo o tal ente absurdo e
disparatado, doente, fraco, rachitico; collocou-o no meio do Eden
phantastico de sua creação,--verdadeiro inferno de tolices--e disse-lhe,
invertendo com blasphêmo arremêdo as palavras de Deus Creador:

'De nenhuma árvore da horta comendo comerás;

'Porêm da árvore da sciencia do bem e do mal, d'ella so comerás se
quizeres viver.'

Indigestão de sciencia que não commutou seu mau estomago, presumpção e
vaidade que d'ella se originaram--tal foi o resultado d'aquele preceito
a que o homem não desobedeceu como ao outro: tal é o seu estado
habitual.

E quando as memorias da primeira existencia lhe fazem nascer o desejo de
sahir d'esta outra, lhe influem alguma aspiração de voltar á natureza e
a Deus, a sociedade, armada de suas barras de ferro, vem sôbre elle, e o
prende, e o esmaga, e o contorce de novo, e o apperta no equuleo
doloroso de suas fôrmas.

Ou hade morrer ou ficar monstruoso e aleijão.

...........................................................................
...........................................................................

Poucos filhos do Adam social tinham tantas reminiscencias da outra
patria mais antiga, e tendiam tanto a aproximar-se do primitivo typo que
sahíra das mãos do Eterno, forcejavam tanto por sacudir de si o pesado
appêrto das constricções sociaes, e regenerar-se na sancta liberdade da
natureza, como era o nosso Carlos.

Mas o melhor e o mais generoso dos homens segundo a sociedade, é ainda
fraco, falso e acanhado.

Demais, cada tentativa nobre, cada aspiração elevada de sua alma lhe
tinha custado duros castigos, severas e injustas condemnações d'esse
grande juiz hypocrita, mentiroso e venal... o mundo.

Carlos estava quasi como os mais homens... ainda era bom e verdadeiro no
primeiro impulso de sua natureza excepcional; mas a reflexão descia-o á
vulgaridade da fraqueza, da hypocrisia, da mentira commum.

Dos melhores era, mas era homem.

Os seus pensamentos, as suas considerações em toda aquella noite, em
todo o dia que a seguíra, na hora mesma em que ia incontrar-se com o
objecto que mais lhe prendia agora o espírito, senão é que tambem o
coração, todas participavam d'aquella fluctuação inquieta e doentia de
seu ser d'homem social, em quem o tibio reflexo do homem natural apenas
relampejava por acaso.

Dúvida, incerteza, vaidade, mentira deslocavam e annullavam a bella
organização d'aquella alma.

Assim chegou aopé de Joanninha que o esperava de braços abertos, que o
appertou n'elles, que o beijou sem nenhum falso recato de maliciosa
modestia, e com o riso da alegria no coração e na bôcca lhe disse:

--'Ora pois, meu Carlos, sentemo-nos aqui bem junctos aopé um do outro e
conversemos, que temos muito que fallar. Dá ca a tua mão. Aqui na
minha... Está fria a tua mão hoje! E hontem tam quente estava!.. Oh!
agora vai aquecendo... tanto tanto... é demais! Terás tu febre?'

--'Não tenho.'

--'Não tens, não: a cara é de saude. E como tu estás forte, grande, um
homem como eu sempre imaginei que um homem devia ser, como sempre te via
nos meus sonhos!.. Que é extranho isto, Carlos: quando sonhava comtigo,
não te via como tu d'aqui foste, magro, triste e doente; via-te como
vens agora, forte, são, alegre. Mas tu não estás alegre hoje, como
hontem; não estás... Que tens tu?'

--'Nada, querida Joanninha, não tenho nada. Pensava...'

--'Em que pensas tu? dize-me.'

--'Pensava na differença dos nossos sonhos: que eu tambem sonhava
comtigo.'

--'Sonhavas, Carlos! E como sonhavas tu? como me vias nos teus sonhos?'

--'Tudo pelo contrario do que tu. Via-te aquella Joanninha piquena,
desinquieta, travêssa, correndo por essas terras, saltando essas vallas,
trepando a essas árvores... aquella Joanninha com quem eu andava ao
collo, que trazia ás cavalleiras, que me fazia ser tam doido e tam
criança como ella, apezar de eu ter quinze annos mais. Via-te alegre,
cantando...'

--'Sonhos de homem! Creiam n'elles! Eu que nunca mais ri nem brinquei
desde o dia que tu partiste... E oh que dia, Carlos!.. E os que vieram
depois! Não houve nunca mais um so dia de alegria n'ésta casa. Oh!..
deixa-me te dizer: Fr. Diniz... Sabes que não gósto d'elle?'

--'Não gostas?'

--'Nada: tenho-lhe aversão. E Deus me perdoe! parece-me que é injusta a
minha antipathia.'

--'Porquê?'

--'Porque elle é teu amigo devéras. Um pae, Carlos, um pae não tem maior
ternura e desvellos por seu filho, do que elle tem por ti.'

--'Deus lhe perdoe!'

--'Deus lhe perdoe a quem...e que lhe hade perdoar? O amor que te tem?'

--'Não, mas...'

--'Bem sei o que queres dizer: e tens razão.'

--'Tenho razão!'

--'Tens: o que elle bem precisa que Deus lhe perdoe é um grande
peccado.'

--'Que dizes tu, Joanna! E como sabes?'

--'Sei, sei tudo.'

--'Tu!'

--'Eu. Sei que foi elle quem fez cegar minha avó... a nossa boa, a nossa
sancta avó, Carlos!.. quem a cegou á fôrça de lagrymas que lhe fez
chorar áquelles pobres olhos que, de puro cançados, se apagaram para
sempre... Minha ricca avó!--E porquê, meus Deus, porquê!'

--'Porquê?'

--'Por amor de ti, por escrupulos que lhe metteu na cabeça de tu seres
mau christão, inimigo de Deus, que te não podias salvar... tu meu
Carlos! Vê que cegueira a do triste frade.'

--'Bem triste!'

--'Mas olha que o diz de boa-fé e pelo muito amor que te tem... que é um
amor que eu não intendo: e o mesmo é com minha avó, que treme deante
d'elle. E mais elle estima-a, estou certa que dava a vida por ella... e
por nós todos... por mim não tanto, mas por ti e por ella, dava decerto.
Mas o seu amor é dos que rallam, que, apoquentam... quasi que estou em
dizer que matam.'

--'Matam, matam!'

--'Nossa avó é elle que a mata decerto. Sempre a metter-lhe medos,
sempre escrupulos! O seu Deus d'elle é um Deus de terrores, de
vinganças, de castigos, e sem nenhuma misericordia. Oh! que homem! para
elle tudo é peccado, maldade... Não o posso ver.'

Carlos respirava como desopprimido de um grande pêso, ouvindo as
explicações da prima que bem claro lhe mostravam a sua perfeita
ignorancia dos fataes segredos da familia.

--'E comtigo' disse elle ja n'outra voz mais desaffogada 'comtigo,
Joanninha, como se avêm elle, como te tracta?'

--'Commigo não se mette, e rara vez me falla. Mas oh, se elle soubesse
que eu estava aqui comtigo, sancto Deus! o que ouviria a pobre da minha
avó! Inda bem que hoje não é sexta-feira, senão não vinha eu ca.'

--'Porquê? Ainda vem todas as sexta-feiras?'

--'Sempre o mesmo. Ámanhan ca o temos por peccado, que é sexta-feira.'

--'Não te vejo então ámanhan aqui?'

--'Não decerto, aqui. Mas vamos, que a isso é que eu venho ca hoje, para
te fallar n'isso... e para te ver, para fallar comtigo, para estar com o
meu Carlos... e ao mesmo tempo tambem para ajustarmos como isto hade
ser. Quando has-de tu ir ver a avó?.. a nossa mãe; que ella é nossa mãe,
Carlos, não conhecémos nunca outra, nem eu nem tu. Quando lhe heide eu
dizer que estás aqui? A pobre velhinha está tam doente! Ha quinze dias
que se não levanta da cama.'

--'Coitada da minha pobre mãe!.. Oh! se não fosse!.. Deixa estar,
Joanninha; um dia será. Por agora, não póde ser: bem vês. Como heide eu
atravessar as sentinellas dos realistas, ir a um pôsto inimigo?--A minha
vida... isso pouco importa, mas a minha honra ficava em perigo: por
todos os modos a perdia, e talvez...'

--'Não senhor, Sr. Carlos, essa desculpa não basta. Vai n'um anno que
aqui temos a guerra á porta de casa, e ja sabemos como isso é e como as
coisas se fazem. O commandante do nosso pôsto é um homem de bem, um
cavalheiro perfeito. Em lhe eu dizendo quem tu es e a que ca vens...
elle sabe o estado da minha avó, e tem-lhe muita amizade, da-nos decerto
licença para tu vires em toda a segurança. Pensas que elle não sabe que
estou comtigo aqui? Pois disse-lh'o eu; só lhe não expliquei quem tu
eras; disse-lhe que eras um parente nosso que nos trazia notícias de
outros, e que precisava fallar-te. Não pôs dificuldade alguma: é uma
pessoa excellente, bom, bom devéras.'

--'É môço o teu commandante?'

--'Môço elle? coitado! Tem bons cinquenta annos, e creio que outros
tantos filhos. Mas por que perguntas tu isso? E arqueaste as
sobrancelhas com aquelle teu ar de antes quando te zangavas! Porque foi
isso, Carlos?'

--'Nada, criança, foi uma pergunta á toa.'

--'Pois será; mas não me franzas nunca mais a testa assim, que te
pareces todo... é que nunca vi tal parecença...'

--'Com quem?'

--'Com Fr. Diniz.'

--'Eu com elle!'

--'Tal e qual quando fazes essa cara. Olha: ahi estás tu na mesma.
Vamos! ria-se e esteja contente se se quer parecer commigo, que todos
dizem que nos parecemos tanto.'

--'Querida innocente!'

E beijou-lhe a mão que tinha appertada na sua, beijou-lh'a uma e muitas
vezes com um sentimento de ternura misturado de não sei que vaga
compaixão, vindo de lá de dentro d'alma com não sei que dor, meia dor
meia prazer, que entre ambos se communicou e a ambos humedeceu os olhos.



CAPITULO XXV.


     O excesso da felicidade que aterra e confunde tambem.--Pasmosa
     contradicção da nossa natureza.--De como os olhos verdes de
     Joanninha se inturvaram e perderam todo o brilho.--Que o coração da
     mulher que ama, sempre adivinha certo.


Carlos tinha a mão de Joanninha appertada na sua; e os olhos humidos de
lagrymas cravados nos olhos d'ella, de cujo verde transparente e
diaphano sahiam raios de ineffavel ternura.

Dizer tudo o que elle sentia é impossivel: tam incontrados lhe andavam
os pensamentos, em tam confuso tumulto se lhe alvorotavam todos os
sentidos.

Por muito tempo não proferiram palavra, nem um nem outro; mas fallaram
assim longos discursos.

Emfim, Joanninha voltou á sua primeira insistencia e disse para o primo:

--'Olha, Carlos, ámanhan é sexta-feira, ja te disse, vem Fr. Diniz:
quando haja a menor difficuldade do commandante, a elle não lhe recusa
nada...'

--'Por quanto ha no ceo, Joanninha, pela tua vida, pela de nossa avó,
nem uma palavra ao frade da minha estada aqui! A elle, oh! a elle jurei
eu não tornar a ver. E se minha avó...'

--'Basta: não lhe direi nada. Mas á nossa avó quando lh'o heide dizer, e
quando hasde tu ir ve-la?'

--'Porora não: preciso licença de Lisboa, ou do quartel-general quando
menos, para fazer uma coisa que todas as leis da guerra prohibem, que
nas actuaes circumstancias e em similhante guerra ainda é mais defesa. E
sem isso--tu bem sabes que as minhas resoluções não se mudam--sem isso
não o faço. Em todo o caso, que Fr. Diniz nem sonhe!..'

--'E quanto tempo, quantos dias se hãode passar?'

--'Eu sei? oito, quinze dias talvez, talvez mais.'

--'E a minha pobre avó, coitadinha! a morrer de saudades...'

--'Consola-a tu, Joanninha: dize-lhe que tiveste novas minhas, que estou
bom, que me não falta nada, que tenho esperanças de vos ver muito cedo.'

--'E eu... eu posso, eu heide ver-te todos os dias: não, Carlos?'

--'Ámanhan é sexta-feira...'

--'Ámanhan é o dia negro... nem eu queria: ámanhan não póde ser, bem
sei. Mas, tirado ámanhan, meu Carlos, oh! todos os dias!'

--'Sim, querido anjo, sim.'

--'Promettes?'

--'Juro-t'o.'

--'Succeda o que succeder?'

--'Succeda o que... So ha uma coisa que... Mas essa não... não é
possivel.'

--'O que é, Carlos? que póde haver, que póde succeder que te impeça
de?..'

Carlos estremeceu... hesitou, corou, fez-se pallido... quiz dizer-lhe a
verdade e não ousou...

Porquê?.. E que verdade era essa? Não a direi eu, ja que elle a não
disse: fiel e discreto historiador, imitarei a discrição do meu heroe.

Pois era discrição a d'elle?

Não... em verdade, era outra coisa.

Era um pensamento reservado?

Não.

Era tenção má, ingano premeditado, era?..

Não, tambem não.

O que era pois?

Era a dúvida, era a fraqueza, era a vaidade, a mentira congenial e
obrigada, a necessaria falsidade do homem social.

Carlos mentiu e disse:

--'Só se m'o prohibirem expressamente... os meus chefes.'

Mas não era isso o que elle receiava; não era esse aquelle motivo unico
e superior que elle temia podesse vir um dia derepente cortar as doces
relações de convivencia a que tam prestes se habituára, que ja lhe
pareciam parte necessaria, indispensavel da sua vida. Não era, não; e
Carlos tinha mentido...

Joanninha olhou para elle fixa... Carlos corou de novo. Ella fez-se
pallida... d'ahi corou tambem.

--'Carlos, tu não es capaz de mentir...'

--'Joanninha!'

--'Tu es o meu Carlos... tu queres-me como me querias d'antes...'

--'Sou... oh! sou. E amo-te...'

--'Como d'antes?'

--'Mais.'

--'Pois olha, Carlos: eu nunca amei, nunca heide amar a nenhum homem
senão a ti.'

--'Joanna!'

--'Carlos!'

Iam a cahir nos braços um do outro... A singela confissão da innocencia
ia ser acceita por quem e como, sancto Deus! Aquella palavra de oiro,
aquella doce palavra que tanto custa a pronunciar á mulher menos
arteira; que adivinhada, sabida, ouvida ha muito pelo coração, ditta mil
vezes com os olhos, nenhum homem descança nem se tem por feliz, por
certo de sua felicidade, em quanto a não ouve proferir pelos
labios--essa palavra celeste que explica o passado, que responde do
futuro, que é a última e irrevocavel sentença de um longo pleito de
anciedades, de incertezas e de sustos--essa final e fatal palavra
_amo-te_, Joanninha a pronunciára tam naturalmente, tam sincera, tam sem
difficuldades nem hesitações, como se aquelle fosse--e era decerto--como
se aquelle tivesse sido sempre o pensamento unico, a idea constante e
habitual de sua vida.

O excesso da felicidade aterra e confunde tambem. Um momento antes,
Carlos dera a sua vida por ouvir aquella palavra... um momento
depois--oh pasmosa contradicção de nossa dupplice natureza! um momento
depois dera a vida pela não ter ouvido. No primeiro instante ia
lançar-se nos braços da innocente que lh'os abria n'um sancto extasi do
mais apaixonado amor; no segundo, tremeu e teve horror da sua
felicidade.

--'Joanna' exclamou elle 'Joanna, querida, sabes tu se eu mereço...
sabes tu se deves?..'

--'Sei. Desde que me intendo, não pensei n'outra coisa; desde que d'aqui
foste, comecei a intender o que pensava... disse-o a minha avó, e
ella...'

--'E ella?..'

--'Ella abençoou-me, chamou-me a sua querida filha, abraçou-me,
beijou-me, e disse-me que aquella era a primeira hora de felicidade e de
alegria que ha muitos annos tinha tido.'

Carlos não respondeu nada e olhou para Joanninha com uma indicivel
expressão de affecto e de tristeza. Os raios de alegria que
resplandeciam n'aquelle semblante--agora bello de toda a belleza com que
um verdadeiro amor illumina as mais desgraciosas feições--os raios
d'essa alegria começaram a amortecer, a apagar-se. A lucida
transparencia d'aquelles olhos verdes turvou-se: nem a clara luz da
agua-marinha, nem o brilho fundo da esmeralda resplandecia ja n'elles;
tinham o lustro baço e morto, o polido mate e silicioso de uma d'essas
pedras sem agua nem brilho que a arte antiga ingastava nos collares de
suas estátuas.

--'Adeus Joanna!' disse Carlos perturbado e confuso.

--'Adeus, Carlos!' respondeu ella machinalmente.

--'Até depois de ámanhan, Joanna.'

--'Pois sim.'

--'Depois de ámanhan te direi...'

--'Não digas.'

--'Porquê?'

--'Porque é excusado: ja sei tudo.'

--'Sabes!'

--'Sei.'

--'O quê?'

--'O que tu não tens ânimo para me dizer, Carlos; mas que o meu coração
adivinhou. Tu não me amas, Carlos.'

--'Não te amo! eu!.. Sancto Deus! eu não a amo...'

--'Não. Tu amas outra mulher.'

--'Eu! Joanna, oh! se tu soubesses...'

--'Sei tudo.'

--'Não sabes.'

--'Sei: amas outra mulher, outra mulher que te ama, que tu não pódes,
que tu não deves abandonar, e que eu...'

--'Tu?'

--'Eu sei que é bella, prendada, cheia de graças e de incantos,
porque... porque tu, meu Carlos, porque o teu amor não era para se dar
por menos.'

--'Joanna, Joanninha!'

--'Não digas nada, não me digas nada hoje... hoje sobretudo, não me
digas nada. Ámanhan...'

--'Ámanhan é sexta-feira.'

--'Inda bem! terei mais tempo para reflectir, para considerar antes de
tornar a ver-te. Adeus Carlos!'

--'Uma palavra so, Joanna. Cuidas que sou capaz de te inganar?'

--'Não; estou certa que não.'

--'Até ámanhan... até depois de ámanhan.'

--'Adeus!'

Abraçaram-se, e d'esta vez froixamente; beijaram-se de um osculo timido
e recatado... os beiços de ambos estavam frios, as mãos trémulas; e o
coração comprimido batia, batia-lhes forte que se ouvia.

Retirou-se cadaum por seu lado. A noite estava pura e serena como na
vespera, as estrellas luziam no ceo azul com o mesmo brilho; o silencio,
a majestade, a belleza toda da natureza era a mesma... so elles eram
outros... outros, tam outros e differentes do que foram!

Tinham-se dado cuidadosamente as providencias; ambos chegaram, sem
nenhum accidente, ao seu destino.



NOTAS



NOTAS

AO LIVRO PRIMEIRO.


*Nota A.*


     Que viage á roda do seu quarto, quem está a beira dos Alpes

                                                            pag. 1.


É visivel allusão ao popular e inimitavel opusculo de Xavier de Maistre,
_Voyage autour de ma chambre_, que decerto foi principiado a escrever em
Turim, e que muitos suppoem que fôsse concluido em San'Petersburgo.


*Nota B.*


     Designio politico determinado a minha visita (a Santarem)

                                                            pag. 2.


É puramente historico isto; e tambem é verdade que em grande parte
d'aqui se originou a persiguição brutal que soffreu o A. d'ahi a poucos
meses.


*Nota C.*


     N'uma _regata_ de vapores

                                                            pag. 3.


_Regata_ chamavam, e não sei se chamam ainda, em Veneza ás carreiras de
barcos appostados ao desafio. A palavra e a coisa introduziu-se em
Inglaterra, onde é moda e popularissima.


*Nota D.*


     Eu coroarei de trevo a minha espada

                                                            pag. 24.


Estes versos são uma especie de parodia dos famosos fragmentos de Alceu
de que so existe memoria nos scholios que nos conservou Eustathio. Nas
_Flores sem fructo_, pag. 56 a traducção d'aquelle bello fragmento.


*Nota E.*


     Depois de tantas commissões de inquerito, deve de andar orçado o
     número de almas

                                                            pag. 25.


Os protocollos das commissões de inquerito de ha oito para dez annos a
ésta parte, sôbre o estado das classes trabalhadoras e indigentes em
Inglaterra, é a próva real dos grandes calculos da economia politica,
sciencia que eu espero em Deus se hade desacreditar muito cedo.


*Nota F.*


     There are more things etc.

                                                            pag. 26.


A traducção chegada d'estes memoraveis versos de Shakspeare é:

    Ha mais coisas no ceo, ha mais na terra
    Do que sonha a tua van philosophia.


*Nota G.*


     Um _Chourineur_... uma _Fleur-de-Marie_

                                                            pag. 28.


Personagens, bem conhecidos geralmente, do romance tam popular de Eug.
Sue, _Os Mysterios de París_.


*Nota H.*


     Fossem lá á rainha Anna

                                                            pag. 34.


Addison, o poeta, foi ministro da rainha Anna de Inglaterra, e membro do
célebre gabinete chamado de _All-wits_.


*Nota J.*


     Quando chegou alli pelos Prazeres

                                                            pag. 56.


Um dos dois cemiterios de Lisboa--seja ditto para intelligencia do
leitor provinciano--chama-se _Dos Prazeres_, por uma ermida de N. S.^a
que alli existia com ésta invocação desde antes do terreno ter o
presente destino. É notavel a coincidencia do nome.


*Nota K.*


     O verdadeiro alfageme... tinha pelo povo e não queria saber de
     partidos

                                                            pag. 64.


É facil de ver que o interlocutor d'este dialogo conhecia esse curioso
personagem da historia do Condestavel, não pelas chronicas mas pelo
drama que tem o seu nome.


*Nota L.*


     Do _Sacré-Coeur_ e das suas elegantes devotas

                                                            pag. 89.


O convento que tem este nome em París, é casa de educação de meninas
nobres, e recolhimento de senhoras tambem.


*Nota M.*


     Graciosa sculptura de Antonio Ferreira

                                                            pag. 106.


Antonio Ferreira, que viveu no fim do seculo passado, princípio d'este,
modelava em barro com a mesma graça e naturalidade flamenga, com que
pintava o morgado de Setubal: as suas piquenas figurinhas são tam
estimadas pelos intendedores como os melhores biscoitos de Sevres e de
Saxonia antiga.


*Nota N.*


     Ave phenix que nasceu de nossos avós não saberem grego

                                                            pag. 115.


A fábula daquella ave immortal teve origem nas edades obscuras da Europa
quando o grego era ignorado. O que os antigos diziam da _phenix_,
palmeira em grego, tomaram nossos barbaros avós por ditto de uma
passarolla com que os outros nunca sonharam.



INDICE.


Prologo dos editores.      pag. v

Capitulo I.--De como o auctor d'este erudito livro se resolveu a viajar
na sua terra, depois de ter viajado no seu quarto; e como resolveu
immortalizar-se escrevendo éstas suas viagens. Parte para Santarem.
Chega ao Terreiro do Paço; imbarca no vapor de Villa-Nova; e o que ahi
lhe succede. A Deducção-Chronologica e a baixa de Lisboa. Lord Byron e
um bom charuto. Travam-se de razões os ilhavos e os bordas-d'agua, e os
da calça larga levam a melhor.      1

Capitulo II.--Declaram-se typicas, symbolicas e mythicas éstas viagens.
Faz o A. modestamente o seu proprio elogio. Da marcha da civilização; e
mostra-se como ella é dirigida pelo cavalleiro da Mancha, D. Quixote e
por seu escudeiro, Sancho Pança.--Chegada a Villa-Nova-da-Rainha.
Supplicio de Tantalo.--A virtude galardão de si mesma; e sophisma de
Jeremias-Bentham.--Azambuja.      13

Capitulo III.--Acha-se desappontado o leitor com a prosaica sinceridade
do A. d'estas viagens.--O que devia ser uma estalagem n'estas nossas
eras de litteratura romantica?--Suspende-se o exame d'esta grave questão
para tractar, em prosa e verso, um muito difficil ponto de
economia-politica e de moral social.--Quantas almas é preciso dar ao
diabo, e quantos corpos se teem de intregar no cemiterio para fazer um
ricco n'este mundo.--Como se veio a descobrir que a sciencia d'este
seculo era uma grandecissima tola.--Rei de facto, e rei de
direito.--Belleza e mentira não cabem n'um sacco.--Põe-se o A. a caminho
para o pinhal da Azambuja.      23

Capitulo IV.--De como o A. foi pensando e divagando; e em que pensava e
divagava elle, no caminho da villa da Azambuja até o famoso pinhal do
mesmo nome.--Do poeta grego e philosopho Démades e do poeta e philosopho
ingles Addison: da casaca de penneiros e do palio atheniense, e de
outros importantes assumptos em que o A. quiz mostrar sua profunda
erudição.--Discute-se a materia gravissima se é necessario que um
ministro d'estado seja ignorante e leigarraz.--Admiraveis reflexões de
zigzag em que se tracta de _re politica_ e de _re
amatoria_.--Descobre-se porfim que o A. estivera a sonhar em todo este
capitulo, e pede-se ao leitor benevolo que volte a folha e passe ao
seguinte.      31

Capitulo V.--Chega o A. ao pinhal da Azambuja, e não o acha. Trabalha-se
por explicar este phenomeno pasmoso. Bello rasgo de stylo
romantico.--Receita para fazer litteratura original com pouco
trabalho.--Transição classica;--Orpheu e o bosque do Ménalo. Desce o A.
d'estas grandes e sublimes considerações para as realidades materiaes da
vida: é desamparado pela hospitaleira traquitana e tem de cavalgar na
triste mula de arrieiro.--Admiravel choito do animal. Memorias do
marquez do F. que adorava o choito.      39

Capitulo VI.--Próva-se como o velho Camões não teve outro remedio senão
misturar o maravilhoso da mylhologia com o do christianismo.--Da-se
razão, e tira-se depois ao padre José Agostinho.--No meio d'estas
disceptações academico-litterarias vem o A. a descobrir que para tudo é
preciso ter fé n'este mundo. Diz-se _n'este mundo_, porque, quanto ao
outro ja era sabido.--Os Lusiadas, Fausto e a Divina-Comedia.--Desgraça
de Camões em ter nascido antes do romantismo.--Mostra-se como a Styge e
o Cocyto sempre são melhores sitios que o Inferno e o Purgatorio.--Vai o
A. em procura do marquez de Pombal, e dá com elle nas ilhas Beatas do
poeta Alceu.--Partida de Wist entre os illustres finados.--Compaixão do
marquez pelos pobres homens de Ricardo Smith e J. B. Say.--Resposta
d'elle e da sua luneta ás perguntas peralvilhas do A.--Chegada a este
mundo e ao Cartaxo.      47

Capitulo VII.--Reflexões importantes sôbre o Bois-de-Boulogne, as
carruagens de mollas, Tortoni, e o café do Cartaxo.--Dos cafés em geral,
e de como são o characteristico da civilização de um paiz.--O
Alfageme.--Hecatombe involuntaria immolada pelo A.--Historia do
Cartaxo.--Demonstra-se como a Gran' Bretanha deveu sempre toda a sua
fôrça e toda a sua glória a Portugal.--Shakspeare e Laffitte, Milton e
Chateaumargot.--Nelson e o principe de Joinville.--Próva-se
evidentemente que M. Guizot é a ruina de Albion e do Cartaxo.      59

Capitulo VIII.--Sahida do Cartaxo.--A charneca.--Perigo imminente em que
o A. se acha de dar em poeta e fazer versos.--Ultima revista do
imperador D. Pedro ao exército liberal. Batalha de
Almoster.--Waterloo.--Declara o A. solemnemente que não é philosopho e
chega á ponte de Asseca.      71

Capitulo IX.--Prologomenos dramatico-litterarios, que muito naturalmente
levam, apezar de alguns rodeios, ao retrospecto e reconsideração do
capitulo antecedente.--Livros que não deviam ter titulo, e titulos que
não deviam ter livro.--Dos poetas d'este seculo: Bonaparte, Rotchild e
Silvio-Péllico.--Chega-se ao fim d'estas reflexões e á Ponte da
Assecca.--Traducção portugueza de um grande poeta.--Origem de um
dictado.--Junot na ponte da Assecca.--De como o A. d'este livro foi
jacobino desde piqueno.--Inguiço que lhe deram.--A duqueza de
Abrantes.--Chega-se emfim ao val de Santarem.      79

Capitulo X.--Valle de Santarem--Namora-se o A. de uma janella que ve por
entre umas árvores.--Conjecturas várias a respeito da ditta
janella.--Similhança do poeta com a mulher namorada, e inquestionavel
inferioridade do homem que não é poeta.--Os rouxinoes. Reminiscencia de
Bernardim Ribeiro e das suas saudades.--De como o A. tinha quasi
completo o seu romance, menos um vestido branco e uns olhos
pretos.--Sahem verdes os olhos com grande admiração e pasmo
seu.--Verificam-se as conjecturas sôbre a mysteriosa janella.--A menina
dos rouxinoes.--Censura das damas muito para temer, crítica dos
elegantes muito para rir.--Começa o primeiro episodio d'esta Odyssea.      91

Capitulo XI.--Tracta-se do unico privilegio dos poeetas que tambem os
philosophos quizeram tirar, mas não lhes foi concedido; aos romancistas
sim.--Applicação d'estes principios a Aristoteles e Anacreonte.--O A.,
tendo declarado no capítulo nono d'esta obra que não era philosopho,
agora confessa, quasi solemnemente. que é poeta, e pretende manter-se
como tal, em seu direito.--De como S. M. elrei de Dinamarca tinha menos
juizo do que Yorick, seu bobo.--Doutrina d'este. Funda n'ella o A. o seo
admiravel systema de physiologia e pathologia transcendente do coração.
Por uma deducção appertada e cerrada da mais constrangente logica vem a
dar-se no motivo porque foi concedido aos poetas esse direito indefinido
de andarem sempre namorados.--Applicam-se todas éstas grandes theorias á
posição actual do A. no momento de entrar no episodio promettido no
capítulo antecedente.--Uma modestia e reserva delicada o obrigam a
duvidar da sua qualificação para o desimpenhar: pede votos ás amaveis
leitoras. Decide-se que a votação não seja nominal, e porquê.--Dido e a
mana Annica.--Entra-se emfim na promettida historia.--De como a velha
estava á porta a dobar, e imbaraçando-se-lhe a meada, chamou por
Joanninha, sua neta.      99

Capitulo XII.--De como Joanninha desimbaraçou a meada da avó, e do mais
que aconteceu.--Que casta de rapariga era Joanninha. Dá o A. insigne
prôva de ingenuidade e boa fé confessando um grave senão do seu Ideal.
Insiste porém que é um adoravel deffeito.--Em que se parece uma mulher
desannellada com um Sansão tosquiado.--Pasmosas monstruosidades da
natureza que desmentem o credo velho dos peralvilhos.--Os olhos verdes
de Joanninha.--Religião dos olhos pretos strenuamente professada pelo A.
Perigo em que ella se acha á vista de uns olhos verdes.--De como estando
a avó e a neta a conversar muito de mano a mano, chega Frei Diniz e se
interrompe a conversação.--Quem era Frei Diniz.      109

Capitulo XIII.--Dos frades em geral.--O frade moralmente considerado,
socialmente e artisticamente.--Próva-se que é muito mais poetico o frade
do que o barão.--Outra vez D. Quixote e Sancho Pansa.--Do que seja o
barão, sua clasificação e descripção linneana.--Historia do castello do
Chucherumello.--Erro palmar de Eugenio Sue: mostra-se que os jesuitas
não são a cholera-morbus, e que é preciso refazer o 'Judeu errante'--De
como o frade não intendeu o nosso seculo nem o nosso seculo ao
frade.--De como o barão ficou em logar do frade, e do muito que n'isso
perdémos.--Unica voz que se ouve no actual deserto da sociedade: os
barões a gritar contos de réis.--Como se contam e como se pagam os taes
contos.--Predilecção artistica do A. pelo frade: confessa-se e
explica-se ésta predilecção.      121

Capitulo XIV.--Emendado emfim de suas distracções e divagações, prosegue
o A. direitamente com a historia promettida.--De como Fr. Diniz deu a
manga a beijar a avó e á neta, e do mais que entre elles se
passou.--Ralha o frade com a velha, e começa a descubrir-se onde a
historia vai ter.      133

Capitulo XV.--Retrato de um frade franciscano que não foi para o
depósito da Terra-sancta, nem consta que esteja na Academia das
Bellas-Artes.--Ve-se que a logica de Fr. Diniz se não parecia nada com a
de Condillac.--Suas opiniões sôbre o liberalismo e os liberaes.--Que o
podêr vem de Deus, mas como e paraquê.--Que os liberaes não intendem o
que é liberdade e egualdade; e o para que eram os frades, se
fossem.--Próva-se, pelo texto, que o homem não vive so de pão, e
pergunta-se o de que vivia então Fr. Diniz.      147

Capitulo XVI.--Saibamos da vida do frade.--Era franciscano porquê?--Dos
antigos e dos novos martyres.--Alguns particulares de Fr. Diniz antes e
depois de ser frade.--Emigração.--Explicação incompleta.--De como a
velha tinha perdido a vista, e Joanninha o riso.--Sexta feira dia
aziago.      155

Capitulo XVII.--De como, chegando outra sexta-feira e estando a avó e a
neta á espera do frade, este lhe appareceu, contra o seu costume, da
banda de Lisboa.--Por que razão muitas vezes a mais animada conversação
é a que mais facilmente pára e quebra de repente.--Nova demonstração de
dois grandes axiomas dos nossos velhos, a saber: Que o hábito não faz o
monge; e que ralhando as comadres se descobrem as verdades.--No ralhar
da velha com o frade, levanta-se uma ponta do véo que cobre os mysterios
da nossa historia.      171

Capitulo XVIII.--Descobre-se que ha grandes e espantosos segredos entre
o frade e a velha--Piedosa fraude de Joanninha.---Lucta entre o hábito e
o monge.      181

Capitulo XIX.--Guerra de postos avançados, Joanninha no bivac.--De como
os rouxinoes do valle se disciplinaram a ponto de tocar a alvorada e a
retreta.--Quem era a 'menina dos rouxinoes,' e porque lhe poseram este
nome.--A sentinella perdida e achada.      191

Capitulo XX.--Joanninha adormecida--O demi-jour da coquette.--Poesia do
Flos-sanctorum.--De como os rouxinoes accompanhavam sempre a menina do
seu nome; e do bem que um d'elles cantava no bivac.--Retratto esquissado
á pressa para satisfazer ás amaveis leitoras.--Pondera-se o triste e
pessimo gôsto dos nossos governantes em tirarem as honras militares ao
mais elegante e mais nacional uniforme do exército portuguez.--Em que se
parece o auctor da presente obra com um pintor da edade-média.--De como
os abraços, por mais apertados que sejam, e os beijos, por mais
interminaveis que pareçam, sempre teem de acabar por fim.      203

Capitulo XXI.--Quem vem lá?--Como entre dous litigantes nem sempre gosa
o terceiro.--Carlos e Joanninha n'uma especie de situação _ordeira_, a
mais perigosa e falsa das situações.      215

Capitulo XXII.--Bilhete de manhan da prima ao primo. Inganam a pobre da
velha.--Noite mal dormida.--Da conversa que teve Carlos com os seus
botões.--A Joanninha que elle deixára e a Joanninha que
achou.--Obrigações d'amor, triste palavra.--A mulher que elle amava, e
se elle a amava ainda.--Quesitos do A. aos seus benevolos leitores.
Declara que com os hypocritas não falla.--Quem hade levantar a primeira
pedra?--Dous modos differentes de acudir uma coisa ao pensamento.      225.

Capitulo XXIII.--Continúa a accudir muita coisa vaga e incontrada ao
pensamento de Carlos.--Dança de fadas e duendes.--Fr. Diniz o fado-mau
da familia.--Veremos, é a grande resolução nas grandes
difficuldades.--Carlos poeta romantico.--Olhos verdes--Desafio a todos
os poetas moyen-ages do nosso tempo.      235.

Capitulo XXIV.--Novo Génesis.--O Adam social muito differente do Adam
natural.--Carlos sempre um por seus bons instinctos, sempre outro por
suas más reflexões.--De como Joanninha recebeu o primo com os braços
abertos, e do mais que entre elles se passou.--Dor meia dor, meia
prazer.      247.

Capitulo XXV.--O excesso da felicidade que aterra e confunde
tambem.--Pasmosa contradicção da nossa natureza.--De como os olhos
verdes de Joanninha se inturvaram e perderam todo o brilho.--Que o
coração da mulher que ama, sempre advinha certo.      261.

Notas.      275.



Notas:

[1] Chamavam assim por escarneo, em Portugal, ao general Loison a quem
faltava um braço.

[2] Célebre urso do Jardim das Plantas em París.

[3] Pag. 40, 41, 42.



Lista de erros corrigidos


Aqui encontram-se listados todos os erros encontrados e corrigidos:


  +----------+--------------------+--------------------+
  |          |     Original       |     Correcção      |
  +----------+--------------------+--------------------+
  |#pág.    3| venceder           | vencedor*          |
  |#pág.   15| Cervantos          | Cervantes          |
  |#pág.   18| morachão           | marachão*          |
  |#pág.   40| esperavava         | esperava           |
  |#pág.   41| maldadades         | maldades           |
  |#pág.   62| café               | harem*             |
  |#pág.   89| tinha-ânimo        | tinha ânimo        |
  |#pág.   95| esquerlo           | esquerda           |
  |#pág.   97| um historia        | uma historia       |
  |#pág.  106| toda o movimento   | todo o movimento   |
  |#pág.  118| trababalho         | trabalho           |
  |#pág.  126| conte              | conter*            |
  |#pág.  129| aeronantas         | aeronautas*        |
  |#pág.  134| paasos             | passos             |
  |#pág.  163| memoraval          | memoravel          |
  |#pág.  203| demij-our          | demi-jour*         |
  |#pág.  223| didireitas         | direitas           |
  |#pág.  228| as alagadiços      | os alagadiços      |
  |#pág.  240| infeitavam         | infeitiçavam*      |
  |#pág.  276| viagem             | visita             |
  |#pág.  286| em em logar frade  | em logar do frade  |
  |#pág.  288| d'ad'mor           | d'amor             |
  +----------+--------------------+--------------------+


* correcções feitas com base na errata do próprio livro.

Shakespeare e Rotschild surgem neste livro como Shakspeare e Rotchild
respectivamente. Dada a repetitividade constante, decidi manter de
acordo com o original.

Foram adicionados travessões onde a sua falta foi notada.

As indicações dos números de páginas que se mencionaram na secção de
"Notas do Primeiro Livro" e "Índice", foram corrigidas para corresponder
ao local correcto.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Viagens na Minha Terra - (Volume I)" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home