Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Marilia de Dirceo
Author: Gonzaga, Tomás António, 1744-1810?
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Marilia de Dirceo" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



produced from images generously made available by National
Library of Portugal (Biblioteca Nacional de Portugal).)



MARILIA DE DIRCEO.



MARILIA DE DIRCEO.

POR T.A.G.


PRIMEIRA PARTE.


LISBOA:

Na Typ. de J.F.M. de Campos. 1824.



MARILIA DE DIRCEO.



LYRA I.


Eu, Marilia, não sou algum vaqueiro,
Que viva de guardar alheio gado,
De tosco trato, de expressões grosseiro,
Dos frios gelos, e dos sóes queimado.
Tenho proprio casal, e nelle assisto;
Dá-me vinho, legume, fruta, azeite,
Das brancas ovelhinas tiro o leite,
E mais as finas lãs, de que me visto.
    Graças, Marilia bella,
    Graças á minha Estrella!

  Eu vi o meu semblante n'uma fonte,
Dos annos inda não está cortado:
Os Pastores, que habitão este monte,
Respeitão o poder do meu cajado.
Com tal destreza toco a sanfoninha,
Que inveja até me tem o proprio Alceste:
Ao som della concerto a voz celeste;
Nem canto letra que não seja minha.
    Graças, Marilia bella,
    Graças á minha Estrella!

  Mas tendo tantos dotes da ventura,
Só aprêço lhes dou, gentil Pastora,
Depois que o teu affecto me segura,
Que queres do que tenho ser Senhora.
He bom, minha Marilia, he bom ser dono
De hum rebanho, que cubra monte, e prado
Porém, gentil Pastora, o teu agrado
Vale mais [~q] h[~u] rebanho, e mais [~q] h[~u] throno.
    Graças, Marilia bella,
    Graças á minha Estrella!

  Os teus olhos espalhão luz divina,
A quem a luz do Sol em vão se atreve:
Papoila, ou rosa delicada, e fina,
Te cobre as faces, que são côr da neve.
Os teus cabellos são huns fios d'ouro;
Teu lindo corpo balsamos vapora.
Ah! não, não fez o Ceo, gentil Pastora,
Para gloria de Amor igual Thesouro.
    Graças, Marilia bella,
    Graças á minha Estrella!

  Leve-me a sementeira muito embora
O rio sobre os campos levantado:
Acabe, acabe a peste matadora,
Sem deixar huma rez, o nedeo gado.
Já destes bens, Marilia, não preciso:
Nem me céga a paixão, que o mundo arrasta,
Para viver feliz, Marilia, basta
Que os olhos movas, e me dês hum riso.
    Graças, Marilia bella,
    Graças á minha Estrella!

  Hirás a divertir-te na floresta,
Sustentada, Marilia, no meu braço;
Aqui descançarei a quente sésta,
Dormindo num leve somno em teu regaço:
Era quanto a luta jogão os Pastores,
E emparelhados correm nas campinas,
Toucarei teus cabellos de boninas,
Nos troncos gravarei os teus louvores.
    Graças, Marilia bella,
    Graças á minha Estrella!

  Depois que nos ferir a mão da Morte
Ou seja neste monte, ou n'outra serra,
Nossos corpos terão, terão a sorte
De consumir os dous a mesma terra.
Na campa, rodeada de cyprestes,
Leráõ estas palavras os Pastores:
"Quem quizer ser feliz nos seus amores,
Siga os exemplos que nos derão estes"
    Graças, Marilia bella,
    Graças á minha Estrella!



LYRA II.


Pintão, Marilia, os Poetas
A hum menino vendado,
Com huma aljava de settas,
Arco empunhado na mão:
Ligeiras azas nos hombros,
O tenro corpo despido;
E de Amor, ou de Cupido
São os nomes que lhe dão.

  Porém eu, Marilia, nego,
Que assim seja Amor; pois elle
Nem he moço, nem he cégo,
Nem settas, nem azas tem,
Ora pois, eu vou formar-lhe
Hum retrato mais perfeito,
Que elle já ferio meu peito;
Por isso o conheço bem.

  Os seus compridos cabellos;
Que sobre as costas ondeão,
São que os de Apollo mais bellos;
Mas de loura côr não são.
Tem a côr da negra noite;
E com o branco do rosto
Fazem, Marilia, hum composto
Da mais formosa união.

  Tem redonda, e lisa testa;
Arqueadas sobrancelhas;
A voz meiga, a vista honesta,
E seus olhos são huns sóes,
Aqui vence Amor ao Ceo,
Que no dia luminoso
O Ceo tem hum Sol formoso,
E o travesso Amor tem dous.

  Na sua face mimosa,
Marilia, estão misturadas
Purpureas folhas de rosa,
Brancas folhas de jasmim.
Dos rubins mais preciosos
Os seus beiços são formados;
Os seus dentes delicados
São pedaços de marfim.

  Mal vi seu rosto perfeito
Dei logo hum suspiro, e elle
Conheceo haver-me feito
Estrago no coração.
Punha em mim os olhos, quando
Entendia eu não olhava:
Vendo que o via, baixava
A modesta vista ao chão.

  Chamei-lhe hum dia formoso;
Elle ouvindo os seus louvores
Com hum modo desdenhoso,
Se surrio, e não fallou.
Pintei-lhe outra vez o estado,
Em que estava esta alma posta;
Não me deo tambem resposta,
Constrangeo-se, e suspirou.

  Conheço os signaes, e logo
Animado da esperança,
Busco dar hum desaffogo
Ao cansado coração.
Pégo em seus dedos nevados,
E querendo dar-lhe hum beijo,
Cubrio-se todo de pejo,
E fugio-me com a mão.

  Tu, Marilia, agora vendo
De Amor o lindo retrato,
Comtigo estarás dizendo,
Que he este o retrato teu.
Sim, Marilia, a copia he tua,
Que Cupido he Deos supposto:
Se ha Cupido he só teu rosto,
Que elle foi quem me venceo.



LYRA III.


De amar, minha Marilia, a formosura
Não se podem livrar humanos peitos.
Adorão os Heróes, e os mesmos brutos
Aos grilhões de Cupido estão sujeitos.
Quem, Marilia, despreza huma belleza,
    A luz da razão precisa,
    E se tem discurso, pisa
A Lei, que lhe ditou a Natureza.

  Cupido entrou no Ceo. O grande Jove
Huma vez se mudou em chuva de ouro:
Outras vezes tomou as varias fórmas
De General de Thebas, velha, e touro,
O proprio Deos da Guerra deshumano
    Não viveo de amor illeso;
    Quiz a Venus, e foi prezo
Na rede, que lhe armou o Deos Vulcano.

  Se amar huma belleza se desculpa
Em quem ao proprio Ceo, e terra move;
Qual he a minha gloria, pois igualo,
Ou excedo no amor ao mesmo Jove?
Amou o Pai dos Deoses Soberano
    Hum semblante peregrino:
    Eu adoro o teu divino,
O teu divino rosto, e sou humano.



LYRA IV.


Marilia, teus olhos
São réos, e culpados,
Que soffra, e que beije
Os ferros pezados
De injusto Senhor.
    Marilia, escuta
    Hum triste Pastor.

Mal vi o teu rosto,
O sangue gelou-se,
A lingoa prendeo-se,
Tremi, e mudou-se
Das faces a côr.
    Marilia, escuta
    Hum triste Pastor.

A vista furtiva,
O risco imperfeito,
Fizerão a chaga,
Que abriste no peito
Mais funda, e maior.
    Marilia, escuta
    Hum triste Pastor.

Dispuz-me a servir-te;
Levava o teu gado
Á fonte mais clara,
Á vargem, e prado
De relva melhor.
    Marilia, escuta
    Hum triste Pastor.

Se vinha da herdade,
Trazia nos ninhos
As aves nascidas,
Abrindo os biquinhos
De fome ou temor.
    Marilia, escuta
    Hum triste Pastor.

Se alguem te louvava
De gosto me enchia;
Mas sempre o ciume
No rosto accendia
Hum vivo calor.
    Marilia, escuta
    Hum triste Pastor.

  Se estavas alegre,
Dirceo se alegrava;
Se estavas sentida,
Dirceo suspirava
Á força da dor.
    Marilia, escuta
    Hum triste Pastor.

  Fallando com Laura,
Marilia dizia;
Surria-se aquella,
E eu conhecia
O erro de amor.
    Marilia, escuta
    Hum triste Pastor.

  Movida, Marilia,
De tanta ternura,
Nos braços me déste,
Da tua fé pura
Hum doce penhor.
    Marilia, escuta
    Hum triste Pastor.

  Tu mesma disseste
Que tudo podia
Mudar de figura;
Mas nunca seria
Teu peito traidor.
    Marilia, escuta
    Hum triste Pastor.

  Tu já te mudaste;
E a Olaia frondoza,
Aonde escreveste
A jura horrorosa,
Tem todo o vigor.
    Marilia, escuta
    Hum triste Pastor.

  Mas eu te desculpo,
Que o fado tyranno
Te obriga a deixar-me;
Pois busca o meu damno
Da sorte, que for.
    Marilia, escuta
    Hum triste Pastor.



LYRA V.


A caso são estes
Os sitios formosos,
Aonde passava
Os annos gostosos?
São estes os prados,
Aonde brincava,
Em quanto pastava
O manso rebanho,
Que Alceo me deixou?
    São estes os sitios?
    São estes; mas eu
    O mesmo não sou.
    Marilia, tu chamas?
    Espera que eu vou.

  Daquelle penhasco
Hum rio cahia,
Ao som do sussurro
Que vezes dormia!
Agora não cobrem
Espumas nevadas
As pedras quebradas:
Parece que o rio
O curso voltou.
    São estes os sitios?
    São estes; mas eu
    O mesmo não sou.
    Marilia, tu chamas?
    Espera que eu vou.

  Meus versos alegre
Aqui repetia:
O Eco as palavras
Tres vezes dizia.
Se chamo por elle
Já não me responde;
Parece se esconde,
Cansado de dar-me
Os ais que lhe dou.
    São estes os sitios?
    São estes; mas eu
    O mesmo não sou.
    Marilia, tu chamas?
    Espera que eu vou.
  Aqui hum regato
Corria sereno,
Por marg[~e]s cobertas
De flores, e feno:
Á esquerda se erguia
Hum bosque fechado;
E o tempo apressado,
Que nada respeita,
Já tudo mudou.
    São estes os sitios?
    São estes; mas eu
    O mesmo não sou.
    Marilia, tu chamas?
    Espera que eu vou.

  Mas como discorro?
Acaso podia
Já tudo mudar-se
No espaço de hum dia?
Existem as fontes,
E os freixos copados;
Dão flores os prados,
E corre a cascata,
Que nunca seccou.
    São estes os sitios?
    São estes; mas eu
    O mesmo não sou.
    Marilia, tu chamas?
    Espera que eu vou.

  Minha alma, que tinha
Liberta a vontade,
Agora já sente
Amor, e saudade.
Os sitios formosos,
Que já me agradárão,
Ah! não se mudárão!
Mudárão-se os olhos,
De triste que estou.
    São estes os sitios?
    São estes; mas eu
    O mesmo não sou.
    Marilia, tu chamas?
    Espera que eu vou.



LYRA VI.


Oh! quanto póde em nós a varia Estrella!
Que diversos que são os genios nossos!
    Qual solta a branca vélla,
E affronta sobre o pinho os mares grossos.
Qual cinge com a malha o peito duro;
E marchando na frente das cohortes,
Faz a toare voar, cahir o muro.

  O sordido avarento em vão trabalha,
Que possa o filho entrar no seu Thesouro.
    Aqui fechado estende
Sobre a taboa, que verga, as barras de ouro.
Sacode o jogador da copo os dados;
E n'uma noite só, que ao somno rouba,
Perde o resto dos bens do pai herdados.

  O que da voráz gulla o vicio adora
Da lauta meza os prazeres fia.
    E o terno Alceste chora
Ao som dos versos a que o genio o guia.
O sabio Gallileo toma o compasso,
E sem voar ao Ceo, calcula, e mede
Das Estrellas, e Sol o immenso espaço.

  Em quanto pois, Marilia, a varia gente,
Se deixa conduzir do proprio gosto;
    Passo as horas contente
Notando as graças do teu lindo rosto.
Sem cansar-me a saber se o Sol se móve,
Ou se a terra voltea, assim conheço.
Aonde chega a mão do grande Jove.

  Noto, gentil Marilia, os teus cabellos;
E noto as faces de Jasmins, e rosas:
    Noto os teus olhos bellos;
Os brancos dentes, e as feições mimosas.
Quem fez huma obra tão perfeita, e linda,
Minha bella Marilia, tambem póde
Fazer os Ceos, e mais, se ha mais ainda.



LYRA VII.


Vou retratar a Marilia,
A Marilia meus amores;
Porém como, se eu não vejo
Quem me empreste as finas cores!
Dar-mas a terra não póde;
Não que a sua côr mimosa
Vence o lyrio, vence a rosa:
O jasmim, e as outras flores.
    Ah soccorre, Amor, soccorre
    Ao mais grato empenho meu!
    Vôa sobre os Astros, vôa,
    Traze-me as tintas do Ceo.

  Mas não se esmoreça logo;
Busquemos hum pouco mais;
Nos mares talvez se encontrem
Cores que sejão iguaes.
Porém não, que em parallelo
Da minha Ninfa adorada
Perolas não valem nada,
Não valem nada os coraes.
    Ah soccorre, Amor, soccorre
    Ao mais grato empenho meu!
    Vôa sobre os Astros, vôa,
    Traze-me as tintas do Ceo.

  Só no Ceo achar se podem
Taes bellezas, como aquellas,
Que Marilia tem nos olhos,
E que tem nas faces bellas.
Mas ás faces graciosas,
Aos negros olhos, que matão,
Não imitão, não retratão
Nem Auroras, nem Estrellas.
    Ah soccorre, Amor, soccorre
    Ao mais grato empenho meu!
    Vôa sobre os Astros, vôa,
    Traz-me as tintas do Ceo.

  Entremos, Amor, entremos,
Entremos na mesma Esfera.
Venha Pallas, Venha Juno,
Venha a Deosa de Cithera.
Porém não, que se Marilia
No certame antigo entrasse,
Bem que a Paris não peitasse,
A todas as tres vencera.
    Vai-te, Amor, em vão soccorres
    Ao mais grato empenho meu:
    Para formar-lhe o retrato
    Não bastão tintas do Ceo.



LYRA VIII.


Marilia, de que te queixas?
De que te roube Dirceo
O sincero coração?
Não te deo tambem o seu?
E tu, Marilia, primeiro
Não lhe lançaste o grilhão?
    Todos amão: só Marilia
    Desta Lei da Natureza
    Queria ter izenção?

  Em torno das castas pombas
Não rulão ternos pombinhos?
E rulão, Marilia, em vão?
Não se afagão c'os biquinhos?
E a provas de mais ternura
Não os arrasta a paixão?
    Todos amão: só Marilia
    Desta Lei da Natureza
    Queria, ter izenção?

  Já viste, minha Marilia,
Avezinhas, que não fação
Os seus ninhos no verão?
Aquellas com quem se enlação
Não vão cantar-lhe defronte
Do molle pouzo em que estão?
    Todos amão: só Marilia
    Desta Lei da Natureza
    Queria ter izenção?

  Se os peixes, Marilia, gerão
Nos bravos mares, e rios,
Tudo effeitos de Amor são.
Amão os brutos impios,
A serpente venenosa,
A Onça, o Tigre, o Leão.
    Todos amão: só Marilia
    Desta Lei da Natureza
    Queria ter izenção?

  As grandes Deosas do Ceo,
Sentem a setta tyranna
Da amorosa inclinação.
Diana, com ser Diana,
Não se abrasa, não suspira
Pelo amor de Endymão?
    Todos amão: só Marilia
    Desta Lei da Natureza
    Queria ter izençao?

  Desiste, Marilia bella,
De huma queixa sustentada
Só na altiva opinião.
Esta chamma he inspirada
Pelo Ceo; pois nella assenta
A nossa conservação.
    Todos amão: só Marilia
    Desta Lei da Natureza
    Não deve ter izenção.



LYRA IX.


Eu sou, gentil Marilia, eu sou captivo,
Porém não me venceo a mão armada
    De ferro, e de furor:
Huma alma sobre todas elevada
Não cede a outra força que não seja
    Á tenra mão de Amor.

  Arrastem pois os outros muito embora
Cadêas nas bigornas trabalhadas
    Com pezados martellos:
Eu tenho as minhas mãos ao carro atadas
Com duros ferros não, com fios d'ouro,
    Que são os teus cabellos.

  Occulto nos teus meigos vivos olhos
Cupido a tudo faz tyranna guerra:
    Sacode a setta ardente;
E sendo despedida cá da terra,
As nuvens rompe, chega ao alto Impirio,
    E chega ainda quente.

  As abelhas nas azas suspendidas
Tirão, Marilia, os succos saborosos
    Das orvalhadas flores:
Pendentes dos teus beiços graciosos
Ambrosias chupão, chupão mil feitiços
    Nunca fartos Amores.

  O vento quando parte em largas fitas
As folhas, que menêa com brandura;
    A fonte crystallina,
Que sobre as pedras cáe de immensa altura;
Não fórma hum som tão doce, como fórma
    A tua voz divina.

  Em torno dos teus peitos, que palpitão;
Exalão mil suspiros desvelados
    Enchames de desejos;
Se encontrão os teus olhos descuidados,
Por mais que se atropelem, voão, chegão,
    E dão furtivos beijos.

  O Cisne, quando corta o manso lago,
Erguendo as brancas azas, e o pescoço;
    A Náo que ao longe passa,
Quando o vento lhe infuna o panno grosso;
O teu garbo não tem, minha Marilia,
    Não tem a tua graça.

  Estimem pois os mais a liberdade:
Eu prézo o captiveiro: sim, nem chamo
    Á mão de Amor impia:
Honro a virtude, e os teus dotes amo:
Tambem o grande Achilles veste a saia
    Tambem Alcides fia.



LYRA X.


Se existe hum peito,
Que izento viva
Da chamma activa,
Que accende Amor.
    Ah! não habite
Neste montado;
Fuja apressado
Do vil traidor.

  Corra, que o Impio
Aqui se esconde:
Não sei aonde;
Mas sei o que vi.
    Traz novas settas,
Arco robusto;
Tremi de susto;
Em vão fugi.

  Eu vou mostrar-vos,
Tristes mortaes,
Quantos signaes
O Impio tem.
    Oh! como he justo,
Que todo o humano
Hum tal tyranno
Conheça bem!

  No corpo ainda
Menino existe:
Mas quem resiste
Ao braço seu?
    Ao negro Inferno
Levou a guerra:
Vencêo a terra,
Vencêo o Ceo.

  Já mais se cobrem
Seus membros bellos;
E os seus cabellos
Que lindos são!
    Vendados olhos,
Que tudo alcanção,
E já mais lanção
A setta em vão.

  As suas faces
São côr da neve;
E a bocca breve
Só rizos tem.
    Mas, ah! respira
Negros venenos,
Que nem ao menos
Os olhos vem.

  Aljava grande
Dependurada,
Sempre atacada
De bons farpões.
    Fere com estas
Agudas lanças,
Pombinhas mansas,
Bravos leões.

  Se a setta falta
Tem outra prompta,
Que a dura ponta
Já mais torcêo.
    Ninguem resiste
Aos golpes della:
Marilia bella
Foi quem lha dêo.

  Ah! não sustente
Dura peleija,
O que deseja
Ser vencedor.
    Fuja, e não olhe,
Que só fugindo
De hum rosto lindo,
Se vence Amor.



LYRA XI.


Naõ toques, minha Musa, não, não toques
    Na sonorosa Lyra,
Que ás almas, como a minha, namoradas
    Doces Canções inspira:
Assopra no clarim, que apenas sôa
    Enche de assombro a terra;
Naquelle, a cujo som cantou Homero,
    Cantou Virgilio a Guerra.

  Busquemos, ó Musa,
Empreza maior;
Deixemos as ternas
Fadigas de Amor.

Eu já não vejo as graças, de que fórma
    Cupido o seu thesouro:
Vivos olhos, e faces côr da neve,
    Com crespos fios de ouro;
Meus olhos só vem gramas, e loureiros;
    Vem carvalhos, e palmas;
Vem os ramos honrosos, que destinguem
    As vencedoras almas.

Busquemos, ó Musa,
Empreza maior;
Deixemos as ternas
Fadigas de Amor.

Cantemos o Heróe, que já no berço
    As Serpes despedaça;
Que fere os Cácos, que destronca as Hidras,
    Mais os leões que abraça.
Cantemos, se isto he pouco, a dura guerra
    Dos Tritães, e Tyféos,
Que arrancão as montanhas, e atrevidos
    Levão armas aos Ceos.

      Busquemos, ó Musa,
    Empreza maior;
    Deixemos as ternas
    Fadigas de amor.

Anima pois, ó Musa, o instrumento,
    Que a voz tambem levanto;
Porém tu déste muito assima o ponto,
    Dirceo não póde tanto:
Abaixa, minha Musa, o tom, que ergueste;
    Eu já, eu já te sigo.
Mas, ah! vou a dizer _Heróe_, e _Guerra_,
    E só _Marilia_ digo.

        Deixemos, ó Musa,
      Empreza maior,
      Só posso seguir-te
      Cantando de Amor.

  Feres as cordas d'ouro? Ah! sim, agora
    Meu canto já se afina;
E a huma voz, parece que ao som dellas
    Se faz tambem divina.
O mesmo que cercou de muro a Thebas
    Não canta assim tão terno;
Nem póde competir comigo aquelle,
    Que desce ao negro Inferno.

        Deixemos, ó Musa,
      Empreza maior,
      Só posso seguir-te
      Cantando de Amor.

  Mal repito _Marilia_, as doces aves
    Mostrão signaes de espanto,
Erguem os collos, voltão as cabeças,
    Parão o ledo canto;
Move-se o tronco, o vento se suspende
    Pasma o gado, e não come:
Quanto podem meus versos! Quanto póde
      Só de Marilia o nome!

        Deixemos, ó Musa,
      Empreza maior;
      Só posso seguir-te
      Cantando de Amor.



LYRA XII.


Topei hum dia
Ao Deos vendado,
Que descuidado
Não tinha as settas
Na impia mão.
    Mal o conheço,
Me sóbe logo
Ao rosto o fogo,
Que a raiva accende
No coração.

  _Morre, Tyranno,
Morre, inimigo_!
Mal isto digo,
Raivoso o apérto
Nos braços meus.
    Tanto que o moço
Sente apertar-se,
Para salvar-se
Tambem me aperta
Nos braços seus.

  O leve corpo
Ao ar levanto,
Ah! e com quanto
Impulso o trago
Do ar ao chão!
    Poude suster-se
A vez primeira;
Mas á terceira
Nos pés, que alarga,
Se firma em vão.

  Mal o derrubo,
Ferro aguçado
No já cançado
Peito, que arqueja,
Mil golpes deo.
    Suou seu corpo;
Tremêo gemendo;
E á côr perdendo,
Batêo as azas;
Em fim morreo.

  Qual bravo Alcides,
Que a hirsuta pelle
Vestio daquelle
Grenhoso bruto,
A quem matou.
    Para que próve
A empreza honrada,
C'o a mão manchada
Recolho as settas,
Que me deixou.

  Ouvio Marilia
Que Amor gritava,
E como estava
Vizinha ao sitio
Valer-lhe vem.
    Mas quando chega
Espavorida,
Nem já de vida
O féro monstro
Indicio tem.

  Então Marilia,
Que o vê de perto
De pó cuberto,
E todo involto
No sangue seu;
    As mãos aperta
No peito brando,
E afflicta dando
Hum ai, os olhos
Levanta ao Ceo.

  Chega-se a elle
Compadecida;
Lava a ferida
C'o pranto amargo,
Que deramou.
    Então o monstro
Dando hum suspiro,
Fazendo hum gyro
C'o a baça vista,
Resuscitou.

  Respira a Deosa;
E vem o gosto
Fazer no rosto
O mesmo effeito,
Que fez a dôr.
    Que louca idéa
Foi a que tive!
Em quanto vive
Marilia bella,
Não morre Amor.



LYRA XIII.


Oh! quantos riscos,
Marilia bella,
Não atropella
Quem cégo arrasta
Grilhões de Amor!
    Hum peito forte,
De acordo falto,
Zomba do assalto
Do vil traidor.

  O amante de Hero
Da luz guiado,
C'o peito ousado
Na escura noite
Rompia o mar,
    Se o Helesponto
Se encapellava,
Ah! não deixava
De lhe ir fallar.

  Do cantor Thracio
A heroicidade
Esta verdade,
Minha Marilia,
Prova tambem.
    Cheio de esfôrço
Vai ao Cocyto
Buscar afflito
Seu doce bem.

  Que acção tão grande
Nunca intentada!
Ao pé da entrada
Já tudo assusta
O coração!
    Pendentes rochas,
Campos adustos,
Que nem arbustos
Nem hervas dão.

  Na funda fralda
De calvo monte,
Corre Acheronte,
Rio de ardente
Mortal licor.
    Tem o barqueiro
Testa enrugada,
Vista inflammada,
Que mete horror.

  Que seguranças!
Que fechaduras!
As portas duras
Não são de lenhos;
De ferro são.
    Por tres gargantas,
Quando alguem bate,
Raivoso late
O negro cão.

  Dentro da cova
Soão lamentos;
E que tormentos
Não mostra aos olhos
A escassa luz!
    Minos a pena
Manda se intime
Igual ao crime,
Que alli conduz.

  Grande penedo
Este carrega;
E apenas chega
Do monte ao cume,
O faz rolar.
    A pedra sempre
Ao valle desce,
Sem que elle cesse
De a ir buscar.

  Nas limpas aguas
Habita aquelle:
Por cima delle
Verdejão ramos,
Que pomos dão.
    Debalde a bocca
Molhar pertende;
De balde estende
Faminta mão.

  Tem outro o peito
Despedaçado:
Monstro esfaimado
Já mais descança
De lho roêr.
    A rôxa carne,
Que o abutre come,
Não se consome,
Torna a crescer.

  Mas bem que tudo
Pavor inspira,
Tocando a lyra
Desce ao Averno
O bom Cantor.
    Não se entorpece
A lingua, e braço;
Não treme o passo,
Não perde a côr.

  Ah! tambem quanto
Dirceo obrára,
Se precisára,
Marilia bella,
Do esforço seu!
    Rompêra os mares
C'o peito terno,
Fôra ao Inferno,
Subíra ao Ceo.

  Aos dois amantes
De Thracia, e Abydo
Não deo Cupido
Do que aos mais todos
Maior valor.
    Por seus vassallos
Forças reparte,
Como lhes parte
Os gráos de Amor.



LYRA XIV.


Minha bella Marilia, tudo passa;
A sorte deste mundo he mal segura;
Se vem depois dos males a ventura,
Vem depois dos prazeres a desgraça.
    Estão os mesmos Deoses
Sujeitos ao poder do impio Fado:
Apollo já fugio do Ceo brilhante,
    Já foi Pastor de gado.

  A devorante mão da negra Morte
Acaba de roubar o bem, que temos;
Até na triste campa não podemos
Zombar do braço da inconstante sorte.
    Qual fica no sepulchro,
Que seus a vós erguêrão, descançando:
Qual no campo, e lhe arranca os frios casos
    Ferro do torto arado.

  Ah! em quanto os Destinos impiedosos
Não voltão contra nós a face irada,
Façamos, sim façamos, doce amada,
Os nossos breves dias mais ditosos.
    Hum coração que frouxo
A grata posse de seu bem difere,
A si, Marilia, a si proprio rouba,
    E a si proprio fere.

  Ornemos nossas testas com as flores,
E façamos de feno hum brando leito,
Prendamo-nos, Marilia, em laço estreito,
Gozemos do prazer de sãos Amores.
    Sobre as nossas cabeças,
Sem que o possão deter, o tempo corre;
E para nós o tempo, que se passa,
    Tambem, Marilia, morre.

  Com os annos, Marilia, o gôsto falta,
E se entorpece o corpo já cançado;
Triste o velho cordeiro está deitado,
E o leve filho sempre alegre salta.
    A mesma formosura
He dote, que só goza a mocidade:
Rugão-se as faces, o cabello alveja,
    Mal chega a longa idade.

  Que havemos d'esperar, Marilia bella?
Que vão passando os florecentes dias?
As glorias, que vem tarde, já vem frias;
E póde em fim mudar-se a nossa estrella.
    Ah! não, minha Marilia,
Aproveite-se o tempo, antes que faça
O estrago de roubar ao corpo as forças,
    E ao semblante a graça.



LYRA XV.


A minha bella Marilia
Tem de seu hum bom thesouro,
Não he, doce Alceo, formado
    Do buscado
    Metal louro.
He feito de huns alvos dentes,
He feito de huns olhos bellos,
De humas faces graciosas,
De crespos, finos cabellos;
E de outras graças maiores,
Que a natureza lhe dêo:
Bens, que valem sobre a terra,
E que tem valor no Ceo.

  Eu posso romper os montes,
Dar ás correntes desvios,
Pôr cercados espaçosos
    Nos caudosos
    Turvos rios.
Posso emendar a ventura
Ganhando astuto a riqueza;
Mas, ah! charo Alceo, quem póde
Ganhar huma só belleza
Das bellezas, que Marilia
No seu thesouro metêo?
Bens, que valem sobre a terra,
E que tem valor no Ceo.

  Da sorte, que vive o rico
Entre o fausto alegremente,
Vive o guardador de gado
    Apoucado,
    Mas contente.
Beije pois torpe avarento
As arcas de barras chêas:
Eu não beijo os vís thesouros;
Beijo as douradas cadêas,
Beijo as settas, beijo as armas
Com que o cego Amor vencêo:
Bens, que valem sobre a terra,
E que tem valor no Ceo.

  Ama Apollo o fero Marte,
Ama, Alceo, o mesmo Jove:
Não he, não, a vã riqueza,
    Sim belleza,
    Quem os move.
Posto ao lado de Marilia
Mais que mortal me contemplo:
Deixo os bens, que aos homens cegão,
Sigo dos Deoses o exemplo:
Amo virtudes, e dotes;
Amo em fim, prezado Alceo,
Bens, que valem sobre a terra,
E que tem valor no Ceo.



LYRA XVI.


Eu, Glauceste, não duvido
Ser a tua Eulina amada
    Pastora formosa,
    Pastora engraçada.
Vejo a sua côr de rosa,
Vejo o seu olhar divino,
Vejo os seus purpùreos beiços,
Vejo o peito crystallino;
Nem ha cousa, que assemelhe
Ao crespo cabello louro.
Ah! que a tua Eulina vale,
Vale hum immenso thesouro!

  Ella vence muito, e muito
Á laranjeira copada,
    Estando de flores,
    E frutos ornada.
He, Glauceste, os teus Amores;
E nem por outra Pastora,
Que menos dotes tivera,
Ou que menos bella fôra,
O meu Glauceste cançára
As divinas cordas de ouro.
Ah! que a tua Eulina vale,
Val hum immenso thesouro!

  Sim, Eulina he huma Deosa;
Mas anîma a formosura
    De huma alma de féra,
    Ou inda mais dura.
Ah! quando Alceo pondéra
Que o seu Glauceste suspira,
Perde, perde o soffrimento,
E qual enfermo delira!
Tenha embora brancas faces,
Meigos olhos, fios de ouro,
A tua Eulina não vale,
Não vale immenso thesouro.

  O fuzil, que imita a cobra,
Tambem aos olhos he bello;
    Mas quando alumêa,
    Tu tremes de velo.
Que importa se mostre chêa
De mil bellezas a ingrata?
Não se julga formosura
A formosura, que mata.
Evita, Glauceste, evita
O teu estrago, e desdouro;
A tua Eulina não vale,
Não vale immenso thesouro.

  A minha Marilia quanto
Á natureza não deve!
    Tem divino rosto,
    E tem mãos de neve.
Se mostro na face o gôsto,
Ri-se Marilia contente:
Se canto, canta comigo;
E apenas triste me sente,
Limpa os olhos com as tranças
Do fino cabello louro.
A minha Marilia vale,
Vale hum immenso thesouro.



LYRA XVII.


Minha Marilia,
Tu enfadada?
Que mão ousada
Perturbar póde
A paz sagrada
Do peito teu?

  Porém que muito
Que irado esteja
O teu semblante
Tambem troveja
O Claro Ceo.

  Eu sei, Marilia,
Que outra Pastora
A toda a hora,
Em toda a parte,
Céga namora
Ao teu Pastor.

  Ha sempre fumo
Aonde ha fogo;
Assim, Marilia,
Ha zelos, logo
Que existe amor.

  Olha, Marilia,
Na fonte pura
A tua alvura,
A tua bocca,
E a compostura
Das mais feições.
  Quem tem teu rosto,
Ah! não receia,
Que terno amante
Solte a cadeia,
Quebre os grilhões.

  Não anda Laura
Nestas campinas
Sem as boninas
No seu cabello,
Sem pelles finas
No seu jubão.

  Porém que importa?
O rico aceio
Não dá, Marilia,
Ao rosto feio
A perfeição.



LYRA XVIII.


Não ves aquelle velho respeitavel,
    Que á moleta encostado,
Apenas mal se move, e mal se arrasta?
Oh quanto estrago não lhe fez o tempo?
    O tempo arrebatado,
    Que o mesmo bronze gasta.

Enrugárão-se as faces, e perdêrão
    Seus olhos a viveza;
Voltou-se o seu cabello em branca neve:
Já lhe treme a cabeça, a mão, o queixo;
    Nem tem huma belleza
    Das bellezas que teve.

  Assim tambem serei, minha Marilia
    Daqui a poucos annos;
Que o impio tempo para todos corre.
Os dentes cahiráõ, e os meus cabellos.
    Ah! sentirei os damnos,
    Que evita só quem morre.

  Mas sempre passarei huma velhice
    Muito menos penoza.
Não trarei a moleta carregada:
Descançarei o já vergado corpo
    Na tua mão piedoza,
    Na tua mão nevada.

  As frias tardes em que negra nuvem
    Os chuveiros não lance,
Irei comtigo ao prado florescente:
Aqui me buscarás hum sitio ameno,
    Onde os membros descance,
    E ao brando Sol me aquente.

  Apenas me sentar, então movendo
    Os olhos por aquella
Vistoza parte, que ficar fronteira;
Apontando direi: _Alli fallámos,
    Alli, ó minha bella,
    Te vi a vez primeira_.

  Verteráõ os meus olhos duas fontes,
    Nascidas de alegria:
Farão teus olhos ternos outro tanto:
Então darei, Marilia, frios beijos,
    Na mão formosa, e pia,
    Que me limpar o pranto.

  Assim irá, Marilia, docemente
    Meu corpo supportando
Do tempo deshumano a dura guerra.
Contente morrerei, por ser Marilia
    Quem sentida chorando,
    Meus baços olhos cerra.



LYRA XIX.


Em quanto pasta alegre o manso gado,
Minha bella Marilia, nos sentemos
Á sombra deste cedro levantado.
    Hum pouco meditemos
    Na regular belleza,
Que em tudo quanto vive, nos descobre
    A sabia Natureza.

  Attende, como aquella vaca preta
O novilhino seu dos mais separa,
E o lambe, em quanto chupa a liza teta.
    Attende mais, ó chara,
    Como a ruiva cadella
Supporta que lhe morda o filho o corpo;
    E salte em cima della.

  Repara, como cheia de ternura
Entre as azas ao filho essa ave aquenta:
Como aquella esgravata a terra dura,
    E os seus assim sustenta;
    Como se encoleriza,
E salta sem receio a todo o vulto,
    Que junto delles piza.

  Que gosto não terá a esposa amante
Quando der ao filhinho o peito brando,
E reflectir então no seu semblante!
    Quando, Marilia, quando
    Disser comigo: _he esta
De teu querido pai a mesma barba,
    A mesma bocca, e testa_.

  Que gosto não terá a mãi, que toca,
Quando o tem nos seus braços, c'o dedinho
Nas faces graciosas, e na bocca
    Do innocente filhinho!
    Quando, Marilia bella,
O tenro infante já com risos mudos
    Começa a conhecê-la!

  Que prazer não terão os pais ao verem
Com as mãis hum dos filhos abraçados;
Jogar outros a luta, outros correrem
    Nos cordeiros montados!
    Que estado de ventura!
Que até naquillo, que de pezo serve,
    Inspira Amor doçura.



LYRA XX.


Em huma frondosa
Roseira se abria
Hum negro botão.
Marilia adorada
O pê lhe torcia
Com a branca mão.

  Nas folhas viçosas
Á abelha inraivada
O corpo escondêo.
Tocou-lhe Marilia,
Na mão descuidada
A fera mordêo.

  A penas lhe morde,
Marilia gritando,
C'o dedo fugio.
Amor, que nos bosques
Estava brincando,
Aos ais acudio.

  Mal vio a rotura,
E o sangue espargido,
Que a Deoza mostrou;
Rizonho beijando
O dedo offendido,
Assim lhe fallou.

  _Se tu for tão pouco
O pranto desatas,
Ah! dá-me attençaõ;
E como daquelle,
Que feres, e matas,
Naõ tens compaixaõ_?



LYRA XXI.


Não sei, Marilia, que tenho,
Depois que vi o teu rosto;
Pois quanto não he Marilia,
Já não posso ver com gosto.
    Noutra idade me alegrava,
Até quando conversava
Com o mais rude vaqueiro:
Hoje, ó bella, me aborrece
Inda o trato lizongeiro
Do mais discreto pastor.
Que effeitos são os que sinto!
Serão effeitos de amor?

  Sáio da minha cabana
Sem reparar no que faço;
Busco o sitio aonde moras,
Suspendo defronte o passo.
    Fito os olhos na janella,
Aonde, Marilia bella,
Tu chegas ao fim do dia;
Se alguem passa, e te saúda,
Bem que seja cortezia,
Se accende na face a côr.
Que effeitos são os que sinto!
Serão effeitos de Amor?

  Se estou, Marilia, comtigo,
Não tenho hum leve cuidado;
Nem me lembra, se são horas
De levar á fonte o gado.

  Se vivo de ti distante,
Ao minuto, ao breve instante,
Finge hum dia o meu desgosto:
Já mais, Pastora, te vejo
Que em teu semblante composto
Não veja graça maior.
Que effeitos são os que sinto!
Serão effeitos de Amor?

  Aonde já com o juizo;
Marilia, tão perturbado,
Que no mesmo aberto sulco
Metto de novo o arado.
  Aqui no centêo pégo,
Noutra parte em vão o cégo:
Se alguem comigo conversa,
Ou não respondo, ou respondo
Noutra coiza tão diversa,
Que nexo tão tem menor.
Que effeitos são os que sinto!
Serão effeitos de Amor?

  Se geme o bufo agoureiro
Só Marilia me desvella:
Enche-se o peito de magoa,
E não sei a causa della.
    Mal durmo, Marilia, sonho,
Que féro leão medonho
Te devora nos meus braços:
Gella-se o sangue nas veias.
E sólto do somno os laços
Á força da immensa dor.
Ah! que os effeitos que sinto
Só são effeitos de Amor.



LYRA XXII.


Muito embora, Marilia, muito embora
Outra belleza, que não seja a tua,
Com a vermelha roda, a seis puxada,
    Faça tremer a rua.

  As paredes da salla aonde habita
Adorne a seda, e o tremó dourado;
Pendão largas cortinas, penda o lustre
    Do této apainelado.

  Tu não habitarás Palacios grandes,
Nem andarás nos coches voadores;
Porém terás hum Vate, que te preze,
    Que cance os teus louvores.

  O tempo não respeita a formosura;
E da palida morte a mão tyranna
Arraza os edificios dos Augustos,
    E arraza a vil choupana.

  Que bellezas, Marilia, florecerão
De quem nem se quer temos a memoria?
Só podem conservar hum nome eterno
    Os versos, ou a historia.

  Se não houvesse Tasso, nem Petrarcha,
Por mais que qualquer dellas fosse linda,
Já não sabia o mundo, se existirão
    Nem Laura, nem Clorinda.

  He melhor, minha bella, ser lembrada
Por quantos hão de vir sabios humanos,
Que ter urcos, ter coches, e thesouros,
    Que morrem com os annos.



LYRA XXIII.


N'um sitio ameno
Cheio de rosas,
De brancos lyrios,
Murtas viçosas;

  Dos seus amores
Na companhia
Dirceo passava
Alegre o dia.

  Em tom de graça,
Ao terno amante
Manda Marilia
Que toque, e cante.

  Péga na lyra,
Sem que a tempere,
A voz levanta,
E as cordas fere.

  C'os doces pontos
A mão atina,
E a voz iguala
A voz divina.

  Ella, que teve
De rir-se a idéa,
Nem move os olhos
De assombro chêa.

  Então Cupido
Apparecendo,
Á bella falla
Assim dizendo:

  _Do teu amado
A lyra fias,
Só porque delle
Zombando rias_?

  _Quando n'um peito
Assento faço,
Do peito subo
Á lingoa, e braço_.

  _Nem creias que outro
Estylo tome,
Sendo eu o mestre,
A acção teu nome_.



LYRA XXIV.


Encheo, minha Marilia, o grande Jove
De immensos animaes de toda a especie
    As terras, mais os ares,
O grande espaço dos salobros rios,
    Dos negros, fundos mares.
    Para sua defeza,
A todos dêo as armas, que convinha;
    Á sabia Natureza.

  Dêo as azas aos passaros ligeiros;
Dêo ao peixe escamoso as barbatanas:
    Dêo veneno á serpente,
Ao membrudo Elefante a enorme tromba,
    E ao Javali o dente.
    Coube ao leão a garra:
Com leve pé saltando o servo foge;
    E o bravo touro marra.

  Ao homem dêo as armas do discurso
Que valem muito mais que as outras armas:
    Dêo-lhe dedos ligeiros,
Que podem converter em seu serviço
    Os ferros, e os madeiros;
    Que tecem fortes laços,
E forjão raios com que aos brutos cortão
    Os vôos, mais os passos.

  Ás timidas donzellas pertencerão
Outras armas, que tem dobrada força:
    Dêo-lhes a Natureza
Além do entendimento, além dos braços
    As armas da belleza.
    Só ella ao Ceo se atreve,
Só ella mudar póde o gello em fogo,
    Mudar o fogo em neve.

  Eu vejo, eu vejo ser a formosura
Quem arrancou da mão de Coriolano
    A cortadora espada.
Vejo que foi de Helena o lindo rosto
    Quem pôz em campo armada
    Toda a força de Grecia.
E quem tirou o Sceptro aos Reis de Roma,
    Só foi, só foi Lucrecia.

  Se podem lindos rostos, mal suspirão,
O braço desarmar do mesmo Achilles;
    Se estes rostos irados
Podem soprar o fogo da descordia
    Em póvos alliados;
    Hes arbitra da terra;
Tu pódes dar, Marilia, a todo o mundo
    A paz, e a dura guerra.



LYRA XXV.


O cego Cupido hum dia
Com os seus Genios fallava,
Do modo que lhe restava
De captivar a Dirceo.
    Depois de larga disputa,
Hum dos Genios mais sagazes
Este conselho lhe dêo:

  As settas mais aguçadas,
Como se em roxa batessem,
Dão nos seus peitos, e descem
Todas quebradas ao chão.
    Só as graças de Marilia
Podem vencer hum tão duro,
Tão izento coração.

  A fortuna desta empreza
Consiste em armar-se o laço,
Sem que sinta ser o braço,
Que lho prepara, de Amor.
    Que elle vive como as aves,
Que já deixárão as pennas
No visco do Caçador.

  Na força deste conselho
O raivoso Deos socega,
E á tropa a honra entrega
De o fazer executar.
Todos pertendem ganhá-la,
Batem as azas ligeiros,
E vão as armas buscar.

  Os primeiros se occultárão
Da Deosa nos olhos bellos;
Qual se enlaçou nos cabellos;
Qual ás faces se prendêo.
    Hum amorinho cansado
Cahio dos labios ao seio,
E nos peitos se escondêo.

  Outro Genio mais astuto
Este novo ardil alcança,
Muda-se n'uma criança
De divino parecer.
    Esconde as azas, e a venda;
Esconde as settas, e quanto
Póde dá-lo a conhecer.

  Ella que vê hum menino
Todo de graças cuberto,
Tão risonho, e tão esperto
Alli sózinho brincar.
    A elle endireita os passos;
Finge Amor ter medo, e a Deosa
Mais se empenha em lhe pegar.

  Ella corria chamando;
Elle fugia, e chorava:
Assim forão onde estava
O descuidado Pastor.
    Este, mal vio a belleza,
E o gentil menino, entende
A malicia do traidor.

  Põe as mãos sobre os ouvidos,
Cerra os olhos, e constante
Não quer ver o seu semblante,
Não o quer ouvir fallar.
    Qual Ulysses n'outra idade
Para illudir as Serêas
Mandou tambores tocar.

  Cupido, que a empreza via,
Julga o intento frustrado,
E de raiva transportado
O corpo no chão lançou.
    Traçou a lingoa nos dentes;
Mettêo as unas no rosto,
E os cabellos arrancou.

  O Genio, que se escondia
Entre os peitos da Pastora,
Erguêo a cabeça fóra,
E o successo conhecêo.
    Deixa o socego em que estava,
E vai ligeiro metter-se
No peito do bom Dirceo.

  Apenas c'o brando peito
Lhe tocou a neve fria,
Com o calor que trazia
Lhe abrazou o coração.
    Dá o Pastor hum suspiro,
Abre os seus olhos, e sólta
Do apertado ouvido a mão.

  Logo que virão os Genios
Ao triste Pastor disposto
Para ver o lindo rosto,
Para as palavras ouvir.
    Cada hum as armas toma,
Cada hum com ellas busca
Seu terno peito ferir.

  Com os cabellos da Deosa
Lhe fórma hum Cupido laços,
Que lhe segurão os braços,
Como se fossem grilhões.
    O Pastor já não resiste;
Antes beija satisfeito
As suas doces prizões.



LYRA XXVI.


O destro Cupido hum dia
Extrahio mimosas cores
De frescos lyros, e rosas,
De jasmins, e de outras flores.

  Com as mais delgadas pennas
Usa de huma, e de outra tinta,
E nos angulos do cobre
A quatro bellezas pinta.

Por fazer pensar a todos
No seu lizo centro escreve
Hum letreiro, que pergunta:
_Este espaço a quem se deve_?

  Venus, que vio a pintura,
E lêo a letra engenhosa,
Pôz por baixo: _Eu delle cedo;
Dê-se a Marilia formosa_.



LYRA XXVII.


Alexandre, Marilia, qual o rio
Que engrossando no Inverno tudo arraza;
    Na frente das cohortes
    Cérca, vence, abraza
    As Cidades mais fortes.
Foi na gloria das armas o primeiro,
Morrêo na flor dos annos, e já tinha
    Vencido o mundo inteiro.

  Mas este bom Soldado, cujo nome
Não ha poder algum, que não abata,
    Foi, Marilia, sómente
    Hum ditozo pirata,
    Hum salteador valente.
Se não tem huma fama baixa, e escura;
Foi por se pôr ao lado da injustiça
    A insolente ventura.

  O grande Cesar, cujo nome vôa,
Á sua mesma Patria a fé quebranta;
    Na mão a espada toma,
    Opprime-lhe a garganta,
    Dá Senhores a Roma.
Consegue ser heróe por hum delicto;
Se acaso não vencesse então seria
    Hum vil traidor proscripto.

  O ser heróe, Marilia, não consiste
Em queimar os Imperios: move a guerra,
    Espalha o sangue humano,
    E despovoa a terra
    Tambem o máo tyranno.
Consiste o ser heróe em viver justo:
E tanto póde ser heróe o pobre,
    Como o maior Augusto.

  Eu he que sou heróe, Marilia bella,
Seguindo da virtude a honroza estrada.
    Ganhei, ganhei hum throno.
    Ah! não manchei a espada,
    Não a roubei ao dono.
Ergui-o no teu peito, e nos teus braços:
E valem muito mais que o mundo inteiro
    Huns tão ditosos laços.

  Aos barbaros, injustos vencedores
Atormentão remorsos, e cuidados;
    Nem descanção seguros
    Nos Palacios cercados
    De tropa, e de altos muros.
E a quantos nos não mostra a sabia historia
A quem mudou o fado em negro opprobrio
    A mal ganhada gloria?

  Eu vivo, minha bella, sim, eu vivo
Nos braços do descanço, e mais do gosto:
    Quando estou acordado,
    Contemplo no teu rosto
    De graças adornado;
Se durmo logo sonho, e alli te vejo.
Ah! nem desperto, nem dormindo sóbe
    A mais o meu desejo.



LYRA XXVIII.


Cupido tirando
Dos hombros a aljava,
N'um campo de flores
Contente brincava.

  E o corpo tenrinho
Depois enfadado,
Incauto reclina
Na relva do prado.

  Marilia formosa,
Que ao Deos conhecia,
Occulta espreitava
Quanto elle fazia.

  Mal julga que dorme
Se chega contente,
As armas lhe furta,
E o Deos a não sente.

  Os Faunos, mal virão
As armas roubadas,
Sahirão das grutas
Soltando rizadas.

  Acorda Cupido,
E a causa sabendo,
A quantos o insultão
Responde, dizendo:

  _Temieis as settas
Nas minhas mãos cruas?
Vereis o que podem
Agora nas suas_.



LYRA XXIX.


O tyranno Amor risonho
Me apparece, e me convida
Para que seu jugo acceite;
E quer que eu passe em deleite
O resto da triste vida.

  _O sonoro Anacreonte_
(Astuto  o moço dizia)
_Já perto da morte estava,
Inda de amores cantava;
Por isso alegre vivia_.

  _Aos negros, duros pezares
Não resiste hum peito fraco,
Se Amor o não fortalece:
O mesmo Jove carece
De Cupido, e mais de Baccho_.

  Eu lhe respondo: _Perjuro
Nada creio ao que dizes;
Porque já te fui sujeito,
Inda conservo no peito
Estas frescas cicatrizes_.

  Amor, vendo que da offerta
Algum apreço não faço,
Me diz affoito que trate
De ir com elle a combate
Peito a peito, braço a braço.

  Vou buscar as minhas armas;
Cinjo primeiro que tudo
O brilhante arnêz, e á pressa
Ponho hum elmo na cabeça,
Tomo a lança, e o grosso escudo.

  Mal no Campo me apresento,
Marilia (oh Ceos!) me apparece:
Logo os olhos me fita,
O meu coração palpita,
A minha mão desfallece.

  Então me diz o tyranno:
_Confessa louco o teu erro;
Contra as armas da belleza
Não vale a externa defeza.
Dessa armadura de ferro_.



LYRA XXX.


Junto a huma clara fonte
A mãi de Amor se sentou:
Encostou na mão o rosto,
No leve somno pegou.

  Cupido, que a vio de longe,
Contente ao lugar corrêo;
Cuidando que era Marilia
Na face hum beijo lhe dêo.

  Acorda Venus irada:
Amor a conhece; e então
Da ousadia, que teve,
Assim lhe pede o perdão:

  _Foi facil, ó Mãe formosa,
Foi facil o engano meu;
Que o semblante de Marilia
He todo o semblante teu_.



LYRA XXXI.


Minha Marilia,
Se tens belleza,
Da natureza
He hum favor.
Mas se aos vindouros
Teu nome passa,
He só por graça
Do Deos de amor,
Que terno inflamma
A mente, o peito
Do teu Pastor.

  Em vão se virão
Perlas mimosas,
Jasmins, e rosas
No rosto teu.
Em vão terias
Essas estrellas,
E as tranças bellas
Que o Ceo te dêo;
Se em doce verso
Não as cantasse
O bom Dirceo.

  O voraz tempo
Ligeiro corre:
Com elle morre
A perfeição.
Essa, que o Egypto
Sábia modera,
De Marco impera
No coração;
Mas já Octavio
Não sente a força
Do seu grilhão.

  Ah! vem, ó bella,
E o teu querido
Ao Deos Cupido
Louvores dar;
Pois faz que todos
Com igual sorte
Do tempo, e morte
Possão zombar:
Tu por formosa,
E elle, Marilia,
Por te cantar.

  Mas ai! Marilia,
Que de hum amante,
Por mais que cante,
Gloria não vem!
Amor se pinta
Menino, e cego:
No doce emprêgo
Do charo bem
Não vê defeitos,
E augmenta, quantas
Bellezas tem.

  Nenhum dos Vates,
Em teu conceito,
Nutrio no peito
Nescia paixão?
Todas aquellas,
Que vês cantadas,
Forão dotadas
De perfeição?
Forão queridas;
Porém formosas
Talvez que não.

  Porém que importa
Não valha nada
Seres cantada
Do teu Dirceo?
Tu tens, Marilia,
Cantor celeste;
O meu Glauceste
A voz ergueo;
Irá teu nome
Aos fins da Terra,
E ao mesmo Ceo.

  Quando nas azas
Do leve vento
Ao Firmamento
Teu nome for:
Mostrando Jove
Graça extremosa,
Mudando a Esposa
De inveja a côr;
De todos ha-de,
Voltando o rosto,
Sorrir-se Amor.

  Ah! não se manche
Teu brando peito
Do vil defeito
Da ingratidão:
Os versos beija,
Gentil Pastora,
A penna adora,
Respeita a mão,
A mão discreta,
Que te segura
A duração.



LYRA XXXII.


N'uma noite socegado
Velhos papeis revolvia,
E por ver de que tratavão
Hum por hum a todos lia.

  Erão copias emendadas
De quantos versos melhores
Eu compuz na tenra idade
A meus diversos amores.

  Aqui leio justas queixas
Contra a ventura formadas,
Leio excessos mal acceitos,
Doces promessas quebradas.

  Vendo sem razões tamanhas
Eu exclamo transportado:
_Que finezas tão mal feitas!
Que tempo tão mal passado_!

  Junto pois n'hum grande monte
Os soltos papeis, e logo,
Porque reliquias não fiquem,
Os intento pôr no fogo.

  Então vejo que o Deos cego
Com semblante carregado
Assim me falla, e crimina
O meu intento acertado.

  _Queres queimar esses versos?
Dize, Pastor attrevido,
Essas Lyras não te forão
Inspiradas por Cupido_?

  _Achas que de taes amores
Não deve existir memoria?
Sepultando esses triunfos,
Não roubas a minha gloria_?

  Disse Amor; e mal se calla,
Nos seus hombros a mão pondo,
Com hum semblante sereno
Assim á queixa respondo:

  _Depois, Amor, de me dares
A minha Marilia bella,
Devo guardar humas Lyras,
Que não são em honra della_?

  _E que importa, Amor, que importa
Que a estes papeis destrua;
Se he tua esta maõ; que os rasga,
Se a chamma, que os queima, he tua_?

  Apenas Amor me escuta
Manda que os lance nas brazas;
E ergue a chamma c'o vento,
Que formou batendo as azas.



LYRA XXXIII.


Péga na lyra sonora,
Péga meu charo Glauceste;
E ferindo as cordas de ouro,
Mostra aos rusticos Pastores
A formosura celeste
De Marilia, meus amores.
    Ah, pinta, pinta
    A minha bella!
    E em nada a cópia
    Se affaste della.

  Que concurso, meu Glauceste,
Que concurso tão ditoso!
Tu és digno de cantares
O seu semblante divino;
E o teu canto sonoroso
Tambem do seu rosto he dino.
    Ah, pinta, pinta
    A minha bella!
    E em nada a cópia
    Se affaste della.

  Para pintares ao vivo
As suas faces mimosas,
A discreta Natureza
Que providencia não teve!
Creou no jardim as rosas,
Fez o lyro, e fez a neve.
    Ah, pinta, pinta
    A minha bella!
    E em nada a cópia
    Se affaste della.

  A pintar as negras tranças
Peço que mais te desvelles:
Pinta chusmas de amorinhos
Pelos seus fios trepando;
Huns tecendo cordas delles,
Outros com elles brincando.
    Ah, pinta, pinta
    A minha bella!
    E em nada a cópia
    Se affaste della.

  Para pintares, Glauceste,
Os seus beiços graciosos,
Entre as flores tens o cravo,
Entre as pedras a granada;
E para os olhos formosos,
A estrella da madrugada.
    Ah, pinta, pinta
    A minha bella!
    E em nada a cópia
    Se affaste della.

  Mal retratares do rosto
Quanto julgares preciso,
Não dês a cópia por feita;
Passa a outros dotes, passa,
Pinta da vista, e do riso
A modestia, mais a graça.
    Ah, pinta, pinta
    A minha bella!
    E em nada a cópia
    Se affaste della.

  Pinta o garbo de seu rosto
Com expressões delicadas;
Os seus pés, quando passeão,
Pizando ternos amores;
E as mesmas plantas calcadas
Brotando viçosas flores.
    Ah, pinta, pinta
    A minha bella!
    E em nada a cópia
    Se affaste della.

  Pinta mais, prezado amigo,
Hum terno amante beijando
Suas douradas cadeias;
E em doce pranto desfeito,
Ao monte, e valle ensinando
O nome, que tem no peito.
    Ah, pinta, pinta
    A minha bella!
    E em nada a cópia
    Se affaste della.

  Nem suspendas o teu canto,
Inda que, Pastor, se veja
Que a minha bocca suspira,
Que se banha em pranto o rosto;
Que os outros chorão de inveja,
E chora Dirceo de gosto.
    Ah, pinta, pinta
    A minha bella!
    E em nada a cópia
    Se affaste della.


FIM DA 1.^a PARTE.



MARILIA DE DIRCEO.

POR T.A.G.


SEGUNDA PARTE.


LISBOA: 1824.

Na Typ. de J.F.M. de Campos.



MARILIA DE DIRCEO



LYRA I.


Já não cínjo de loiro a minha testa,
Nem sonoras Canções o Deos me inspira:
    Ah! que nem me resta
    Huma já quebrada,
    Mal sonora Lyra!

Mas neste mesmo estado em que me vejo,
Pede, Marilia, Amor que vá cantar-te:
    Cumpro o seu desejo;
    E ao que resta supra
    A paixão, e a arte.

A fumaça, Marilia, da candêa,
Que a molhada parede ou çuja, ou pinta;
    Bem que tosca, e fêa,
    Agora me póde
    Ministrar a tinta.

Aos mais preparos o discurso apronta:
Elle me diz, que faça no pé de huma
    Má laranja ponta,
    E delle me sirva
    Em lugar de pluma.

Perder as uteis horas não, não devo
Verás, Marilia, huma idéa nova:
    Sim, eu já te escrevo,
    Do que esta alma dita
    Quanto amor approva.

Quem vive no regaço da ventura,
Nada obra em te adorar, que assombro faça:
    Mostra mais ternura
    Quem te estima, e morre
    Nas mãos da desgraça.

Nesta cruel masmorra tenebrosa
Ainda vendo estou teus olhos bellos,
    A testa formosa,
    Os dentes nevados,
    Os negros cabellos.

Vejo, Marilia, sim, e vejo ainda
A chusma dos Cupidos, que pendentes
    Dessa bôcca linda,
    Nos ares espalhão
    Suspiros ardentes.

Se alguem me perguntar onde eu te vejo,
Responderei--no peito--que huns Amores
    De casto desejo
    Aqui te pintárão,
    E são bons Pintores.

Mal meus olhos te virão, ah! nessa hora
Teu Retrato fizerão, e tão forte,
    Que entendo, que agora
    Só póde apagallo
    O pulso da Morte.

Isto escrevia, quando, ó Céos, que pejo!
Descubro a lêr-me os versos o Deos loiro.
    Ah! dá-lhes hum beijo,
    E diz-me que valem
    Mais que letras de oiro.



LYRA II.


Esprema a vil calumnia muito embora
Entre as mãos denegridas, e insolentes
    Os venenos das plantas,
    E das bravas serpentes.

Chovão raios e raios, no meu rosto
Não has-de ver, Marilia, o modo escrito;
    O medo perturbado,
    Que infunde o vil delicto.

Pódem muito conheço, pódem muito,
As Furias infernaes, que Pluto move;
    Mas póde mais que todas
    Hum dedo só de Jove.

Este Deos convertêo em flor mimosa;
A quem seu nome derão, a Narciso,
    Fêz d' muitos os Astros,
    Qu' inda no Ceo diviso.

Elle póde livrar-me das injurias
Do nescio, do atrevido ingrato povo;
    Em nova flor mudar me,
    Mudar-me em Astro novo.

Porém se os justos Céos por fins occultos
Em tão tyranno mal me não soccorrem,
    Verás então, que os sabios,
    Bem como vivem, morrem.

Eu tenho hum coração maior que o mundo.
Tu, formosa Marilia, bem o sabes:
    Hum coração, e basta,
    Onde tu mesma cabes.



LYRA III.


Succede, Marilia bella,
Á medonha noite o dia:
A estação chuvosa e fria,
Á quente secca estação.
    Muda-se a sorte dos tempos;
    Só a rainha sorte não?

Os troncos, nas Primaveras,
Brotão em flores viçosos;
Nos Invernos escabrosos
Largão as folhas no chão.
    Muda-se a sorte dos troncos;
    Só a minha sorte não?

Aos brutos, Marilia, cortão
Armadas redes os passos;
Rompem depois os seus laços,
Fogem da dura prisão.
    Muda-se a sorte dos brutos;
    Só a minha sorte não?

Nenhum dos homens conserva
Alegre sempre o seu rosto;
Depois das penas vem gosto,
Depois do gosto afflicção.
    Muda-se a sorte dos homens;
    Só a minha sorte não?

Aos altos Deoses movêrão
Soberbos Gigantes guerra;
No mais tempo o Ceo, e a Terra
Lhes tributa adoração.
    Muda-se a sorte dos Deoses;
    Só a minha sorte não?

Hade, Marilia, mudar-se
Do destino a inclemencia:
Tenho por mim a innocencia,
Tenho por mim a razão.
    Muda-se a sorte de tudo;
    Só a minha sorte não?

O tempo, ó bella, que gasta
Os troncos, pedras, e o cobre,
O véo rompe, com que encobre
Á verdade a vil traição.
    Muda-se a sorte de tudo;
    Só a minha sorte não?

Qual eu sou verá o mundo,
Mais me dará do que eu tinha,
Tornarei a ver-te minha.
Que feliz consolação!
    Não ha de tudo mudar-se,
    Só a minha sorte não.



LYRA IV.


Já, já me vai, Marilia, branquejando
Loiro cabello, que circúla a testa.
Este mesmo, que alveja, vai cahindo,
    E pouco já me resta.

As faces vão perdendo as vivas côres,
E vão-se sobre os ossos enrugando,
Vai fugindo a viveza dos meus olhos;
    Tudo se vai mudando.

Se quero levantar-me, as costas vergão;
As forças dos meus membros já se gastão,
Vou a dar pela casa huns curtos passos,
    Pesão-me os pés, e arrastão.

Se algum dia me vires desta sorte,
Vê que assim me não pôz a mão dos annos:
Os trabalhos, Marilia, os sentimentos,
    Fazem os meus danos.

Mal te vir me dará em poucos dias,
A minha mocidade o doce gosto;
Verás burnir-se a pelle, o corpo encher-se,
    Voltar a côr ao rosto.

No calmoso Verão as plantas seccão,
Na Primavera, que aos mortaes encanta,
Apenas cahe do Ceo o fresco orvalho,
    Verdeja logo a planta.

A doença deforma a quem padece;
Mas logo que a doença fez seu termo,
Torna, Marilia, a ser quem era d'antes,
    O definhado enfermo.

Suppo[~e]-me qual doente, ou qual a planta,
No meio da desgraça, que me altera:
Eu tambem te supponho qual saude,
    Ou qual a Primavera.

Se dão esses teus meigos, vivos olhos
Aos mesmos Astros luz, e vida ás flores;
Que effeitos não farão, em quem por elles
    Sempre morrêo de amores?



LYRA V.


Os mares, minha bella, não se movem;
O brando Norte assopra, nem diviso
Huma nuvem sequer na Esfera toda,
O destro Nauta aqui não he preciso;
Eu só conduzo a náo, eu só modéro
    Do seu governo a roda.

Mas ah! que o Sul carrega, o mar se empolla,
Rasga-se a véla, o mastaréo se parte!
Qualquer varão prudente aqui já teme
Não tenho a necessaria força, e arte.
Corra o sabio Piloto, corra, e venha
    Reger o duro leme.

Como succede á náo no mar, succede
Aos homens na ventura, e na desgraça:
Basta ao feliz não ter total demencia,
Mas quem de venturoso a triste passa,
Deve entregar o leme do discurso
    Nas mãos da sã prudencia.

Todo o Ceo se cubrio, os raios chovem;
E esta alma, em tanta pena consternada,
Nem sabe aonde possa achar conforto.
Ah, não, não tardes, vem, Marilia amada,
Toma o leme da náo, marêa o panno,
    Vai-a salvar no porto.

Mas ouço já de Amor as sabias vozes:
Elle me diz que soffra se não morro;
E perco então se morro huns doces laços.
Não quero já, Marilia, mais soccorro,
Oh ditoso soffrer, que lucrar póde
    A gloria dos teus braços.



LYRA VI.


De que te queixas,
Lingua importuna?
De que a Fortuna
Roubar-te queira,
O que te deu?
    Este foi sempre
    O genio seu.

Levou, Marilia,
A impia sorte
Catoens á morte;
Nem sepultura
Lhes concedeu.
    Este foi sempre
    O genio seu.

A outros muitos,
Que vís nascêrão,
Nem merecêrão,
A grandes thronos
A impia ergueu.
    Este foi sempre
    O genio seu.

Espalha a cega
Sobre os humanos
Os bens, e os damnos;
E a quem se devão
Nunca escolheu.
    Este foi sempre
    O genio seu.

A quanto he justo,
Já mais se dobra;
Nem igual obra
C'os mesmos Deoses
Do cáro Ceo.
    Este foi sempre
    O genio seu.

Sóbe ao Ceo Venus
N'hum carro ufano;
E cahe Vulcano
Da pura esfera,
Em que nasceu.
    Este foi sempre
    O genio seu.

Mas não me rouba,
Bem que se mude,
Honra, e virtude:
Que o mais he della,
Mas isto he meu.
    Este foi sempre
    O genio seu.



LYRA VII.


    Meu prezado Glauceste,
    Se fazes o conceito,
    Que bem que réo abrigo
A candida virtude no meu peito.
Se julgas, digo, que mereço ainda
    Da tua mão soccorro;
    Ah! vem dar-m'o agora,
    Agora sim que morro.

    Não quero, que montado
    No Pegaso fogoso,
    Venhas com dura lança
Ao monstro infame traspassar raivoso.
Deixa que viva a perfida calumnia,
    E forge o meu tormento:
    Com menos, meu Glauceste,
    Com menos me contento.

    Toma a lyra doirada,
    E toca hum pouco nella:
    Levanta a vóz celeste
Em parte que te escute a minha bella;
Enche todo o contorno de alegria;
    Não soffras, que o desgosto
    Affogue em pranto amargo
    O seu divino rosto.

    Eu sei, eu sei, Glauceste,
    Que hum bom Cantor havia,
    Que os brutos amansava;
Que os troncos, e os penedos attrahia.
De outro destro Cantor tambem affirma;
    A sábia Antiguidade,
    Que as muralhas erguêra
    De huma grande Cidade.

    Orfeo as cordas fere;
    O som delgado, e terno
    Ao Rei Plutão abranda,
E o deixa que penetre o fundo Averno.
Ah, tu a nenhum cedes, nem Glauceste;
    Na lyra, e mais no canto:
    Podes fazer prodigios;
    Obrar ou mais, ou tanto.

    Levanta pois as vozes:
    Que mais, que mais esperas?
    Consola hum peito afflito;
Que he menos inda, que domar as féras.
Com isto me darás no meu tormento
    Hum doce lenitivo,
    Que em quanto a bella vive,
    Tambem, Glauceste, vivo.



LYRA VIII.


Eu vejo, ó minha bella, aquelle Numen,
A quem o nome derão de Fortuna,
    Pega-me pelo braço,
    E com voz importuna
    Me diz que mova o passo;
Que entre no grande Templo, em [~q] se encerra,
    Quanto o destino manda,
    Que ella obre sobre a terra.

Que coizas portentosas nelle encontro!
Eu vejo a pobre fundação de Roma,
    Vejo-a queimar Carthago;
    Vejo que as gentes doma;
    E vejo o seu estrago.
Lá florece o poder do Assyrio Povo:
    Aqui os Medos crescem
    E os perde hum braço novo.

Então me diz a Deosa: _E que pertendes?
Todas estas Medalhas vêr agora?
    Ah! não, não sejas louco!
    Espaço de annos fôra
    Para isto ainda pouco.
Deixo estranhos successos; vem comigo,
    Verás quanto inda deve
    Acontecer comtigo_.

Levou-me aonde estava a minha historia,
Que toda me explicou com medo, e arte.
    _Tirei-te libras de oiro_
    Me diz, _e quero dar-te
    Todo aquelle thesoiro.
Não suspira por bens hum peito nobre_:
    Sevéro lhe respondo.
    _Vivo affeito a ser pobre_.

Aqui me enruga a Deosa irada a testa;
E fica sem fallar hum breve espaço.
    _Alegra, alegra o rosto_,
    Prosegue, _alli te faço
    Restituir o posto_.
Respondo com ar de mofa, e tom sereno.
    _Conheço-te, Fortuna,
    Posso morrer pequeno_.

_Aqui te dou_, me diz, _a tua amada_.
Então me banho todo de alegria
    _Cuidei_, me torna a cega,
    _Que essa alma não queria
    Nem esta mesma entrega.
He esse o bem_, respondo, _que me move;
    Mas este bem he santo,
    Vem só da mão de Jove_.

Queria mais fallar; eu insoffrido
Desta maneira rompo os seus accentos:
    _Basta, Fortuna, basta;
    Estes breves momentos
    Lá noutras coizas gasta;
Da minha sorte nada mais contemplo_.
    E chamando Marilia
    Suspiro, e deixo o Templo.



LYRA IX.


A estas horas
Eu procurava
Os meus Amores;
Tinhão-me inveja
Os mais Pastores.

A porta abria,
Inda esfregando
Os olhos bellos,
Sem flor, nem fitta
Nos seus cabellos:

Ah! que assim mesmo
Sem compostura,
He mais formosa,
Que a estrella d'alva;
Que a fresca rosa.

Mal eu a via,
Hum ar mais leve,
(Que doce effeito!)
Já respirava
Meu terno peito.

Do cerco apenas
Soltava o gado,
Eu lhe amimava
Aquella ovelha
Que mais amava.

Dava-lhe sempre
No rio, e fonte,
No prado, e selva,
Agua mais clara,
Mais branda relva.

No cóllo a punha,
Então brincando
A mim a unia;
Mil coizas ternas
Aqui dizia.

Marilia vendo
Que eu só com ella
He que fallava;
Ria-se a furto,
E disfarçava.

Desta maneira
Nos castos peitos,
De dia, em dia
A nossa chamma
Mais se accendia.

Ah! quantas vezes
No chão sentado,
Eu lhe lavrava
As finas rócas,
Em que fiava?

Da mesma sorte
Que á sua amada,
Que está no ninho,
Fronteiro canta
O passarinho.

Na quente sésta,
Della defronte,
Eu me entretinha
Movendo o ferro
Da sanfoninha.

Ella por dar-me
De ouvir o gosto,
Mais se chegava:
Então vaidoso
Assim cantava:

Não ha Pastora,
Que chegar possa
Á minha  bella;
Nem quem me iguale
Tambem na estrella:

Se Amor concede
Que eu me recline
No branco peito,
Eu não invejo
De Jove o leito:

Ornão seu peito
As sãs virtudes,
Que nos namorão;
No seu semblante
As Graças morão.

Assim vivia:
Hoje em suspiros
O canto mudo:
Assim, Marilia,
Se acaba tudo.



LYRA X.


Arde o velho barril, arde a cabeça,
Em honra de João na larga rua;
O credulo Mortal agora indaga,
    Qual seja a sorte sua?

Eu não tenho alcaxofra, que á luz chegue,
E nella orvalhe o Ceo de madrugada,
Para ver se rebentão novas folhas,
    Aonde foi queimada.

Tambem não tenho hum ovo, que despeje
Dentro de hum cópo d'agua, e possa nella
Fingir Palacios grandes, altas Torres,
    E huma Náo á véla.

Mas, ah! em bem me lembre: eu tenho ouvido
Que na boca hum bochecho d'agoa tome,
E atráz de qualquer porta attento esteja,
    Até ouvir hum nome.

Que o nome, que primeiro ouvir, he esse
O nome, que ha de ter a minha amada:
Pode verdade ser, se fôr mentira,
    Tambem não custa nada.

Vou tudo executar, e de repente
Ouvi dizer o nome de Filena:
Despejo logo a boca: ah! não sei como
    Não morro alli de pena!

Apparece Cupido: então soltando
Em ar de zombaria huma risada.
E que tal, me pergunta, esteve a peça?
    Não foi bem pregada?

Eu já te disse, que Marilia he tua:
Tu fazes do meu dito tanta conta,
Que vais acreditar, o que te ensina
    Velha mulher já tonta.

Humilde lhe respondo: quem debaixo
Do açoite da Fortuna afflito geme,
Nas mesmas coisas, que só são brinquedos,
    Se agoirão males, teme.



LYRA XI.


Se acaso não estou no fundo Averno
Padece, ó minha bella, sim padece
    O peito amante, e terno,
As afflições tyrannas, que os Preceitos
Arbîtra Rhadamantho em justa pena
    Dos barbaros delictos.

As Furias infernaes, rangendo os dentes
Com a mão descarnada não me applicão
    As raivosas serpentes.
Mas cercão-me outros monstros mais irados:
Mordem-me sem cessar as bravas serpes
    De mil, e mil cuidados.

Eu não gasto, Marilia, a vida toda
Em lançar o penedo da montanha;
    Ou em mover a roda.
Mas tenho ainda mais cruel tormento:
Por coisas que me affligem, roda, e gyra
    Cançado pensamento.

Com retorcidas unhas agarrado
Ás tepidas entranhas não me come
    Hum abutre esfaimado.
Mas sinto de outro monstro a crueldade:
Devora o coração, que mal palpita,
    O abutre da saudade.

Não vejo os pomos, nem as aguas vejo,
Que de mim se retirão, quando busco
    Fartar o meu desejo;
Mas quer, Marilia, o meu destino ingrato,
Que lograr-te não possa, estando vendo
    Nesta alma o teu retrato.

Estou no Inferno, estou, Marilia bella;
E n'huma coisa só he mais humana
    A minha dura estrella:
Huns não podem mover do Inferno os passos;
Eu pertendo vôar, e vôar cedo
    Á gloria dos teus braços.



LYRA XII.


Ah, Marilia, que tormento
Não tens de sentir saudosa!
Não podem ver os teus olhos
A campina deleitosa,
Nem a tua mesma Aldêa,
Que tyrannos não proponhão
Á inda inquieta idéa
Huma imagem de afflição.
    Mandarás aos surdos Deoses
    Novos suspiros em vão.

Quando levares, Marilia,
Teu ledo rebanho ao prado
Tu dirás: aqui trazia
Dirceo tambem o seu gado.
Verás os sitios ditosos
Onde, Marilia, te dava,
Doces beijos amorosos
Nos dedos da branca mão.
    Mandarás aos surdos Deoses
    Novos suspiros em vão.

Quando á janella sahires
Sem quereres, descuidada,
Tu verás, Marilia, a minha
E minha pobre morada.
Tu dirás então comtigo:
Alli Dirceo esperava
Para me levar comsigo:
E alli soffreo a prisão.
    Mandarás aos surdos Deoses
    Novos suspiros em vão.

Quando vires igualmente
Do caro Glauceste a choça,
Onde alegre se juntavão
Os pouco da escolha nossa,
Pondo os olhos na varanda
Tu dirás, de mágoa chêa:
Todo o congresso alli anda,
Só o meu Amado não.
    Mandarás aos surdos Deoses
    Novos suspiros em vão.

Quando passar pela rua
O meu companheiro honrado,
Sem que me vejas com elle
Caminhar emparelhado,
Tu dirás: não foi tyranna
Sómente comigo a sorte;
Tambem cortou deshumana
A mais fiel união.
    Mandarás aos surdos Deoses
    Novos suspiros em vão.

N'uma masmorra mettido
Eu não vejo imagens destas,
Imagens, que são por certo
A quem adora funestas.
Mas se existem separadas
Dos inchados rôxos olhos,
Estão, que he mais, retratadas
No fundo do coração.
    Tambem mando aos surdos Deoses
    Tristes suspiros em vão.



LYRA XIII.


    Ves, Marilia, hum cordeiro
    De flores enramado,
    Como alegre caminha
    A ser sacrificado?
O Povo para o Templo já concorre:
A Pyra sacro-santa já se accende:
O Ministro o fere, elle bala, e morre.

    Vês agora o novilho,
    A quem segura o laço:
    No chão as mãos especa:
    Nem quer mover hum passo:
Não conhece que sahe de hum máo terreno;
Que o forte pulso, que a seguir o arrasta,
O conduz a viver n'um campo ameno.

    Ignora o bruto, como
    Lhe dispomos a sorte:
    Hum vai forçado á vida,
    Vai outro alegre á morte,
Nós temos, minha bella, igual demencia:
Não sabemos os fins, com que nos move
A sábia, occulta Mão da Providencia.

    De Jacob ao bom filho
    Os máos matar quizerão:
    De conselho mudárão,
    Como escravo o vendêrão:
José não corre a ser hum servo afflito:
Vai subindo os degráos, por onde chega
A ser hum quasi Rei no grande Egypto.

    Quem sabe se o Destino
    Hoje, ó bella, me prende,
    Só porque nisto de outros
    Mais damnos me defende?
Póde inda raiar hum claro dia.
Mas quer raie, quer não, ao Ceo adoro;
E beijo a santa mão, que assim me guia.



LYRA XIV.


Alma digna de mil Avós Augustos!
    Tu sentes, tu soluças
    Ao ver cahir os justos;
Honras as santas leis da Humanidade:
    E aos teus exemplos deve
Gravar com letras de oiro no seu Templo
    A candida Amizade.

Não he, não he de Heróe huma alma forte,
    Que vê com rosto enchuto
    No seu igual a morte.
Não he tambem de Heróe hum peito duro,
    Que a sua gloria firma,
Em que lhe não resiste ao ferro, e fogo,
    Nem legião, nem muro.

Oh! quanto ousado Chefe me namora,
    Quando vê a cabeça
    Do bom Pompeo, e chora!
He grande para mim, quem move os passos,
    E de Dario aos filhos,
Que como escravos seus tratar podéra,
    Recebe nos seus braços.

Se alcança Eneas, Capitão piedoso,
    Entre os Heróes do Mundo
    Hum nome glorioso,
Não he, porque levanta huma cidade;
    He sim, porque nos hombros
Salvou do incendio ao Pai a quem detinha
    A mão da branca idade.

Ah! se ao meu contrario entre as chãmas vira;
    Eu mesmo, sim, da morte
    Aos hombros o remira:
Inda por elle muito mais obrára:
    E se nada servisse,
Fizera então, Amigo, o que fizeste,
    Gemêra, e suspirára.

Oh! quanto são duraveis as cadêas
    De huma amizade, quando
    Se dão iguaes idéas!
Se a pezar dos estorvos se sustinha
    Nossa união sincera,
Foi por ser a minha alma igual á tua,
    E a tua igual á minha.

Se, ó caro Amigo, te merece tanto,
    Lá lhe fica a sua alma,
    Limpa-lhe o terno pranto.
De quem eu fallo, és tu, Marilia bella.
    Ah! sim, honrado Amigo,
Se enxugar não poderes os seus olhos;
    Prantêa então com ella.



LYRA XV.


Eu, Marilia, não fui nenhum Vaqueiro;
Fui honrado Pastor da tua Aldêa;
Vestia finas lãns, e tinha sempre
A minha chóça do preciso chêa.
Tirarão-me o casal, e o manso gado,
Nem tenho a que me encoste hum só cajado.

Para ter, que te dar, he que eu queria
De mór rebanho ainda ser o dono;
Prezava o teu semblante, os teus cabellos
Ainda muito mais que hum grande Throno.
Agora que te offerte já não vejo
Além de hum puro amor, de hum são desejo.

Se o rio levantado me causava
Levando a sementeira prejuiso,
Eu alegre ficava apenas via
Na tua breve boca hum ar de riso.
Tudo agora perdi; nem tenho o gosto
De ver-te ao menos compassivo o rosto.

Propunha-me dormir no teu regaço
As quentes horas da comprida sésta,
Escrever teus louvores nos olmeiros,
Toucar-te de papoilas na floresta.
Julgou o justo Ceo, que não covinha
Que a tanto gráo subisse a gloria minha.

Ah, minha bella, se a Fortuna volta,
Se o bem que já perdi alcanço, e provo;
Por essas brancas mãos, por essas faces
Te juro renascer hum homem novo;
Romper a nuvem que os meus olhos cerra,
Amar no Ceo a Jove, e ati na terra.

Fiadas comprarei as ovelhinhas,
Que pagarei dos poucos do meu ganho;
E dentro em pouco tempo nos veremos
Senhores outra vez de hum bom rebanho.
Para o contagio lhe não dar sobeja
Que as affague Marilia, ou só que as veja.

Se não  tivermos lans, e pelles finas,
Podem mui bem cobrir as carnes nossas
As pelles dos cordeiros mal cortidas,
E os pannos feitos com as lans mais grossas.
Mas ao menos será o teu vestido
Por mãos de Amor, por minhas mãos cozido.

Nós iremos pescar na quente sésta
Com canas, e com cêstos os peixinhos:
Nós iremos caçar nas manhãs frias
Com a vara envisgada os passarinhos;
Para nos divertir faremos quanto
Reputa o varão sabio, honesto, e santo.

Nas noites de serão nos sentaremos
C'os filhos se os tivermos á fogueira;
Entre as falsas historias, que contares,
Lhes contarás a minha verdadeira:
Pasmados te ouviráõ; eu entre tanto
Ainda o rosto banharei de pranto.

Quando passarmos juntos pela rua
Nos mostraráõ c'o dedo os mais Pastores,
Dizendo huns para os outros: olha os nossos
Exemplos da desgraça, e sãos amores.
Contentes viviremos desta sorte,
Até que chegue a hum dos dois a morte.



LYRA XVI.


Vejo, Marilia,
Que o nédeo gado
Anda disperso
No monte, e prado;
Que assim succede
Ao desgraçado,
Que a perder chega
O seu Pastor.
Mas inda soffro
A viva dôr.

Tambem conheço,
Que os Pegureiros,
Que apascentavão
Os meus cordeiros,
Darão suspiros
E verdadeiros;
Porque perdêrão
Hum pai no amor.
Mas inda soffro
A viva dôr.

Eu mais alcanço;
Que a minha herdade
Estando eu prezo,
Soffrer não ha-de
Nem a charrua,
E nem a grade;
Que a mão lhe falta
Do Lavrador.
Mas inda soffro
A viva dôr.

Mas quando sobe
Á minha idéa,
Que tu ficaste
Lá nessa Aldêa.
De mil cuidados
E mágoa cheia;
Das paixões minhas
Não sou senhor.
Eu já não soffro
A viva dôr.

A quanto chega
A pena forte!
Peza-me a vida,
Desejo a morte,
A Jove accuso,
Maldigo a sorte,
Trato a Cupido
Por hum traidor.
Eu já não soffro
A viva dôr.

Mas este excesso
Perdão merece,
E delle Jove
Se compadece;
Que Jove, ó bella,
Mui bem conhece,
Aonde chega
Paixão de amor.
Eu já não soffro
A viva dôr.



LYRA XVII.


    Dirceo te deixa, ó bella,
    De padecer cançado:
    Frio suor já banha
    Seu rosto descórado;
O sangue já não gyra pela vêa,
    Seus pulsos já não batem;
E a clara luz dos olhos se bacêa:
A lagrima sentida já lhe corre;
Já pára a convulsão, suspira, e morre.

    Seu espirito chega
    Onde se pune o erro:
    Late o cão, e se lhe abrem
    Grossos portões de ferro.
Aos severos Juizes se apresenta;
    E com sentidas vozes
Toda a sua tragedia representa:
Enche-se de ternura, e novo espanto
O mesmo inexoravel Rhadamantho.

    Abre hum pasmado a boca,
    E a pedra não despede;
    Outro já não se lembra
    Da fome, e mais da sede:
Descança o curvo bico, e a garra impia
    Negro abutre esfaimado:
Nem a roca medonha a Parca fia,
Até as mesmas Furias inclementes
Deixão cahir das unhas as serpentes.

    Já votão os Juizes;
    E o Rei Plutão lhe ordena
    Deixe o sitio, em que ficão
    Almas dignas de pena.
Já sahe do escuro Reino, e da memoria
    Lhe passa tudo quanto
Ou póde dar-lhe mágoa, ou dar-lhe gloria.
Só, bem que o gosto as turvas agoas tome,
Inda, Marilia, inda diz teu nome.

    Entra já nos Elysios
    Campinas venturosas,
    Que mansos rios cortão,
    Que cobrem sempre as rosas.
Escuta o canto das sonoras aves,
    E bebe as agoas puras,
Que o mel, e de que o leite mais suaves.
Aqui, diz elle, espero a minha bella,
Aqui contente viverei com ella.

    Aqui... porém aonde
    Me leva a dôr activa?
    He illusão desta alma.
    Jove inda quer que eu viva.
Eu devo sim gosar teus doces laços;
    E em paga dos meus males
Devo morrer, Marilia, nos teus braços.
Então eu passarei ao Reino amigo;
E tu irás despois lá ter comigo.



LYRA XVIII.


Não mólho, Marilia,
De pranto a masmorra
Que o terno Cupido
Não vôe, e não corra,
A hilo apanhar.
Estende-o nas azas
Sobre elle suspira,
Por fim se retira,
E vai-to levar.

Se o moço não mente,
Aos tristes gemidos,
Aos ais lastimosos
Não guardes unidos,
Marilia, c'os teus:
As lagrimas nossas
No seio amontôa
Fórma azas, e vôa,
Vai pô-las nos Ceos.

A Deosa formosa,
Que amava aos Troianos,
Livra-los querendo
De riscos, e damnos
A Jove buscou.
As aguas, que o rosto
Da Deosa banhárão,
A Jove abrandárão,
E assim os salvou.

Confia-te, ó bella,
Confia-te em Jove;
Ainda se abranda,
Ainda se move
Com ancias de amor.
O pranto de Venus,
Que obrou no Pai tanto,
Não tem que o teu pranto
Apreço maior.



LYRA XIX.


    Nesta triste masmorra,
De hum semivivo corpo sepultura,
    Inda, Marilia, adoro
    A tua formosura.
Amor na minha idéa te retrata,
Busca extremoso, que eu assim resista
Á dôr immensa, que me cerca, e mata.

    Quando em meu mal pondero,
Então mais vivamente te diviso:
    Vejo o teu rosto, e escuto
    A tua voz, e riso.
Movo ligeiro para o vulto os passos:
Eu beijo a tibia luz em vez de face;
E aperto sobre o peito em vão os braços.

    Conheço a illusão minha;
A violencia da mágoa não supporto;
    Foge-me a vista, e caio
    Não sei se vivo, ou morto.
Enternece-se Amor de estrago tanto;
Reclina-me no peito, e com mão terna
Me limpa os olhos do salgado pranto.

    Despois que represento
Por largo espaço a imagem de hum defunto,
    Movo os membros, suspiro,
    E onde estou pergunto.
Conheço então que Amor me tem comsigo;
Ergo a cabeça, que inda mal sustento,
E com doente voz assim lhe digo.

    Se queres ser piedoso,
Procura o sitio em que Marilia móra,
    Pinta-lhe o meu estrago,
    E vê, Amor, se chora.
Se as lagrimas verter a dôr a arrasta,
Huma dellas me traze sobre as pennas,
E para allivio meu só isto basta.



LYRA XX.


E me visses com teus olhos
Nesta masmorra mettido;
De mil idéas funestas,
E cuidados combatido:
Qual seria, ó minha bella,
Qual seria o teu pezar?

Á força da dôr cedêra;
E nem estaria vivo,
Se o menino Deos vendado,
Extremoso, e compassivo,
Com o nome de Marilia
Não me viesse animar.

Deixo a cama ao romper d'alva;
O meio dia tem dado,
E o cabello inda flutua
Pelas costas desgrenhado.
Não tenho valor, não tenho;
Nem para de mim cuidar.

Diz-me Cupido: E Marilia;
Não estima esse cabello?
Se o deixas perder de todo
Não se ha de enfadar ao vêllo?
Suspiro pego no pente,
Vou logo o cabello atar.

Vem hum taboleiro entrando
De varios manjares cheio,
Põe-se na meza a toalha,
E eu pensativo passeio:
De todo o comer esfria,
Sem nelle poder tocar.

Eu entendo que matar-te,
Diz Amor, te tens proposto;
Fazes bem: terá Marilia
Desgosto sobre desgosto.
Qual enfermo c'o remedio
Me afflijo, mas vou jantar.

Chegão as horas Marilia,
Em que o Sol já se tem posto,
Vem-me á memoria que nellas
Via á janella o teu rosto:
Reclino na mão a face
E entro de novo a chorar.

Diz-me Cupido: Já basta,
Já basta, Dirceo, de pranto;
Em obsequio de Marilia
Vai erguer teu doce canto.
Pendem as fontes dos olhos,
Mas eu sempre vou cantar.

Vem o Forçado accender-me
A velha çuja candêa;
Fica, Marilia, a masmorra
Inda mais triste, e mais fêa.
Nem mais canto, nem mais posso
Huma só palavra dar.

Diz-me Cupido: São horas
De escrever-se o que está feito;
Do azeite, e da fumaça
Huma nova tinta ageito,
Tomo o páo, que penna finge,
Vou as Lyras copiar.

Sem que chegue o leve sono
Canta o Gallo a vez terceira;
Eu digo ao Amor; que fico
Sem deitar-me a noite inteira:
Faço mimos, e promessas
Para elle me acompanhar.

Elle diz que em dormir cuide,
Que hei-de ver Marilia em sonho;
Não respondo huma palavra,
A dura cama componho,
Apago a triste candêa,
E vou-me logo deitar.

Como póde a taes cuidados
Risistir, ó minha Bella,
Quem não tem de Amor a graça?
Se eu que vivo á sombra della
Inda vivo desta sorte,
Sempre triste a suspirar?



LYRA XXI.


Que diversas que são, Marilia, as horas
Que passo na masmorra immunda, e fêa,
Dessas horas felizes, já passadas
    Na tua patria Aldêa.

Então eu me ajuntava com Glauceste;
E á sombra de alto Cédro na Campina
Eu versos te compunha, e elle os compunha
    Á sua cara Eulina.

Cada qual o seu canto aos Astros leva;
De exceder hum ao outro qualquer trata
O ecco agora diz: _Marilia terna_;
    E logo: _Eulina ingrata_.

Deixão os mesmos Sátyros as grutas:
Hum para nós ligeiro move os passos;
Ouve-nos de mais perto, e faz a flauta
    C'os pés em mil pedaços.

Dirceo (clama hum Pastor,) ah! bem merece
Da ternissima Marilia a formosura.
E aonde, clama o outro, quer Eulina
    Achar maior ventura?

Nenhum Pastor cuidava do rebanho,
Em quanto em nós durava esta porfia.
E ella, ó minha amada, só findava
    Depois de acabar-se o dia.

Á noite te escrevia na cabana
Os versos, que de tarde havia feito;
Mal tos dava, e os lias, os guardavas
    No casto, e branco peito.

Beijando os dedos dessa mão formosa,
Banhados com as lagrimas do gosto,
Jurava não cantar mais outras graças
    Que as graças do teu rosto.

Ainda não quebrei o juramento.
Eu agora, Marilia, não as canto;
Mas inda vale mais que os doces versos
    A voz do triste pranto.



LYRA XXII.


Por morto, Marilia,
Aqui me reputo:
Mil vezes escuto
O som do arrastado,
E duro grilhão.
Mas, ah! que não treme,
Não treme de susto
O meu coração.

A chave lá sôa
Na porta segura:
Abre-se a escura,
Infame masmorra
Da minha prizão.
Mas, ah! que não treme;
Não treme de susto
O meu coração.

Eu vejo, Marilia,
A mil innocentes
Nas Cruzes pendentes,
Por falsos delictos,
Que os homens lhes dão.
Mas, ah! que não treme,
Não treme de susto
O meu coração.

Se penso que posso
Perder o gozar-te
A gloria de dar-te
Abraços honestos,
E beijos na mão.
Marilia, já treme,
Já treme de susto
O meu coração.

Repára, Marilia,
O quanto he mais forte
Ainda que a morte,
N'um peito esforçado
De amor a paixão.
Marilia, já treme,
Já treme de susto
O meu coração.



LYRA XXIII.


Não praguejes, Marilia, não praguejes
A justiceira mão que lança os ferros:
Não traz de balde a vingadora espada;
    Deve punir os erros.

Virtudes de Juiz, virtudes de homem
As mãos se derão, e em seu peito morão.
Mandão prender ao Réo austera a boca,
    Porém seus olhos chorão.

Se á innocencia denigre a vil calumnia
Que culpa aquelle tem que applica a penna.
Não he o Julgador, he o processo,
    E a lei quem nos condemna.

Só no Averno os Juizes não recebem
Accusação, nem prova de outro humano;
Aqui todos confessão suas culpas,
    Não póde haver engano.

Eu vejo as Furias affligindo aos tristes:
Huma o fogo chega, outra as serpes move;
Todos maldizem sim a sua estrella,
    Nenhum accusa a Jove.

Eu tambem inda adoro ao grande Chefe,
Bem que a prizão me dá que eu não mereço.
Qual eu sou, minha bella, não me trata,
    Trata-me qual pareço.

Quem suspira, Marilia, quando pune
Ao vassallo que julga delinquente;
Que gosto não terá podendo dar-lhe
    As honras de innocente?



LYRA XXIV.


Eu vou, Marilia, vou brigar co' as feras:
Huma soltárão, eu lhe sinto os passos,
    Aqui aqui a espero
    Nestes despidos braços.
He hum malhado tigre; a mim já corre,
Ao peito o aperto, estalão-lhe as costelas,
Desfallece, cahe, urra, treme, e morre.

Vem agora hum Leão: sacode a grenha,
Com faminta paixão a mim se lança;
    Venha embora, que o pulso
    Ainda não se cança.
Opprimo-lhe a garganta, a lingua estira,
O corpo lhe fraquêa, os olhos inchão,
Açoita o chão convulso, arqueja, e espira.

Mas que vejo, Marilia! tu te assustas?
Entendes que os destinos inhumanos
    Expoem a minha vida
    No cêrco dos Romanos?
Com ursos, e com onças eu não luto.
Luto c'o bravo monstro que me accusa;
Que os tigres, e leões mais féro, e bruto.

Embora contra mim raivoso esgrima
Da vil calumnia a cortadora espada;
    Huma alma, qual eu tenho,
    Não se recêa a nada.
Eu hei-de, sim, punir-lhe a insolencia,
Pizar-lhe o negro cóllo, abrir-lhe o peito
Co' as armas invenciveis da innocencia.

Ah, quando imaginar, que vingativo
Mando que desça ao Tartaro profundo
    Hei-de com mão honrada
    Erguer-lhe o corpo immundo.
Eu então lhe direi: Infame, indîno,
Obras como costuma o vil humano;
Faço o que faz hum coraçao divino.



LYRA XXV.


Minha Marilia,
O passarinho,
A quem roubárão
Ovos, e ninho,
Mil vezes pousa
No seu raminho,
Piando finge
Que anda a chorar.
    Mas logo vôa
Pela espessura,
Nem mais procura
Este lugar.

Se acaso a vacca
Perde a vitéla,
Tambem nos mostra,
Que se desvéla,
O pasto deixa,
Muge por ella,
Até na estrada
A vem buscar.
    Em poucos dias,
Ao que parece,
Della se esquece,
E vai pastar.

O voraz Tempo,
Que o ferro come,
Que aos mesmos Reinos
Devora o nome,
Tambem, Marilia,
Tambem consome
Dentro do peito
Qualquer pezar.
    Ah só não póde
Ao meu tormento
Por hum momento
Allivio dar.

Tambem, ó bella,
Não ha quem viva
Instantes breves
Na chamma activa;
Derrete ao bronze
Sendo excessiva
Ao mesmo seixo
Faz estalar.
    Mas do amianto
A fêbra dura
Na chamma atura
Sem se queimar.

Tambem, Marilia,
Não ha quem negue,
Que bem que o fogo
Nos oleos pegue,
Que bem que em lingoas
Ás nuvens chegue,
Á força d'agoa
Se ha de apagar.
    Se a negra pedra
Nós accendemos,
Com agoa a vemos
Mais s'inflammar.

O meu discurso,
Marilia, he resto:
A pena iguala
Ao meu affecto.
O amor que nutro
Ao teu aspecto,
E o teu semblante
He singular.
    Ah! nem o tempo,
Nem inda a morte
A dôr tão forte
Pode acabar.



LYRA XXVI.


Aquelle, a quem fêz cégo a Natureza,
C'o bordão apalpa, e aos que vem pergunta;
Ainda se despenha muitas vezes,
    E dois remedios junta.

De ser céga a Fortuna eu não me queixo;
Sim me queixo de que má céga seja
Céga que nem pergunta, nem apalpa,
    He porque errar deseja.

A quem gastar não sabe, nem se anima,
Entrega as grossas chaves de hum thesoiro;
E lança na miseria a quem conhece
Para que serve o oiro.

A quem fere, a quem rouba, a infame deixa
Que a traz do vicio em liberdade corra,
Eu honro as leis do Imperio, ella me opprime
    N'esta vil masmorra.

Mas ah! minha Marilia, que esta queixa
Co' a sólida razão se não coaduna,
Como me queixo da Fortuna tanto,
    Se sei não ha Fortuna?

Os Fados, os Destinos, essa Deosa
Que os Sábios fingem que huma roda move
He só a occulta mão da Providencia,
    A sábia mão de Jove.

Nós he que somos cegos, que não vemos;
A que fins nos conduz por estes modos;
Por torcidas estradas, ruins varedas
    Caminha ao bem de todos.

Alegre-se o perverso com as ditas;
C'o seu merecimento o virtuoso;
Parecer desgraçado, ó minha bella,
    He muito mais honroso.



LYRA XXVII.


A minha amada
He mais formosa
Que branco lyrio,
Dobrada rosa,
Que o cinnamomo,
Quando matiza
Co' a folha a flor.
Venus não chega
Ao meu Amor.

Vasta campina
De trigo chêa,
Quando na sésta
C'o vento ondêa,
Ao seu cabello
Quando flutua
Não he igual.
Tem a côr negra:
Mas quanto val!

Os astros, que andão
Na esfera pura,
Quando scintilão
Na noite escura,
Não são humanos,
Tão lindos, como
Seus olhos são.
Que ao Sol excedem
Na luz que dão.

Ás brancas faces,
Ah! não se atreve
Jasmis de Italia,
Nem inda a neve,
Quando a desata
O Sol brilhante
Com seu calôr.
São neve, e causão
No peito ardôr.

Na breve boca
Vejo enlaçadas
As finas per'las
Com as granadas;
A par dos beiços
Rubins da India
Tem preço vil.
Nelles se agarrão
Amores mil.

Se não lhe désse
Compadecido
Tanto soccorro
O Deos Cupido;
Se não vivêra
Huma esperança
No peito seu;
Já morto estava
O bom Dirceo.

Vê quanto póde
Teu bello rosto;
E de goza-lo
O vivo gosto!
Que sobmergido
Em hum tormento
Quasi infernal,
Porqu' inda espero
Resisto ao mal.



LYRA XXVIII.


    Deten-te, vil humano,
    Não espremas cicutas
    Para fazer-me damno.
O çumo que ellas dão he pouco forte,
    Procura outras bebidas,
    Que apressem mais a morte.

    Desce ao Reino profundo,
    Ajunta ahi venenos,
    Que nunca visse o mundo;
Traze o negro licôr, que tem nos dentes,
    Nos dentes retorcidos
    As raivosas serpentes.

    Cachopo levantado,
    Que pôz a Natureza,
    Dentro no Mar salgado,
Não se abala no meio da tormenta,
    Bem que huma onda, e outra onda
    Sobre elle em flor rebenta.

    Arvore, que na terra
    Ás robustas raizes,
    Buscando o centro, afferra,
Não teme ao furacão mais violento;
    E menos se se deixa
    Vergar do rijo vento.

    Sou tronco, e rócha, ó bella,
    Que açoita o Sul que brama,
    E o Mar, que se encapella:
Não temas que do rosto a côr se mude:
    Vence as róchas, e os troncos
    A sólida Virtude.

    A maior desventura
    He sempre a que nos lança
    No horror da sepultura:
O cobarde a morrer tambem caminha;
    Com que males não póde
    Huma alma como a minha?



LYRA XXIX.


Eu descubro procurar-me
Gentil mancebo, e loiro,
Trazia a testa adornada
Com folhas de verde loiro.
Vejo ser o Pai das Musas,
E me entrega a lyra d'oiro.

Já basta, me diz, ó filho,
Já basta de sentimento;
O cançado peixe exige
Hum breve contentamento.
Louva a formosa Marilia
Ao som do meu instrumento.

Firo as cordas; mas que importa?
A dôr não socega em tanto.
Ergo a voz, então reparo
Que quanto mais corre o pranto
He mais doce, e mais sonoro
Meu terno, e saudoso canto.

Apollo fitou os olhos
Na mão, que regía o braço;
E depois de estar suspenso,
De me houvir hum largo espaço;
Assim diz: _o Deos Cupido
Faz inda mais do que eu faço_.

_Eu te dou a minha lyra,
Louva, louva a tua Bella;
Porém vê que ta concedo
Com condição, e cautella_...
Eu lhe corto a voz, dizendo,
Que só canto em honra della.



LYRA XXX.


O pai das Musas,
O Pastor loiro
Deo-me, Marilia,
Para cantar-te
A lyra de oiro.

As cordas firo,
O brando vento
Teus dotes leva
Nas brancas azas
Ao firmamento.

O teu cabello
Vale hum thesoiro;
Hum só me adorna
A sabia frente
Melhor que o loiro.

Nesses teus olhos
Amor assiste;
Delles faz guerra;
Ninguem lhe foge;
Ninguem resiste.

Algumas vezes
Eu o diviso
Tão bem occulto
Nas lindas cóvas,
Que faz teu riso.

Nesses teus peitos
Tem os seus ninhos
Destros Amores,
Nelles se gerão
Os Cupidinhos.

Vences a Venus,
Quando com arte
As armas toma,
Porque mais prenda
Ao fero Marte.

Eu produzia
Estas idéas,
Quando, Marilia;
O som escuto
Das vis cadêas.

Dou hum suspiro.
Corre o meu pranto;
E inda bebendo
Lagrimas tristes,
De novo canto.

Sou da constancia
Hum vivo exemplo.
E vós, ó ferros,
Honrareis inda
De Amor o Templo.



LYRA XXXI.


Roubou-me, ó minha Amada, a sorte impía,
    Quanto de meu gosava
    N'um só funesto dia.

Honras de maioral, manada grossa,
    Fertil, extensa herdade,
    Bem reparada chóça.

Metteo-me nesta infame sepultura,
    Que he sepulcro sem honras,
    Breve masmorra, escura.

Aqui, ó minha Amada, nem consigo,
    Venha outro desgraçado
    Sentir tambem comigo.

Mas se esta companhia não mereço;
    Os Deoses me dão outra,
    Inda de mais apreço.

Não he, não, illusão o que te digo;
    Tu mesma me acompanhas;
    Peno, mas he comtigo.

Não vejo as tuas faces graciosas,
    Os teus soltos cabellos,
    As tuas mãos mimosas.

Se eu as visse, infeliz me não dissera,
    Bem que subira ao Porto,
    Bem que na Cruz pendêra.

Não ouço as tuas vozes magoadas,
    Com ardentes suspiros
    Ás vezes mal formadas.

Mas vejo, ó cara, as tuas letras bellas;
    Huma por hum beijo,
    E choro então sobre ellas.

Tu me dizes que siga o meu destino;
    Que o teu amor na ausencia
    Será leal, e fino.

De novo a carta ao coração aperto,
    De novo a molha o pranto
    Que de ternura verto.

Ah! leve muito embora o duro Fado;
    A tudo quanto tenho
    Com meu suor ganhado.

Eu juro, que do roubo nem me queixe,
    Com tanto, ó minha cara,
    Que este só bem me deixe.

Que males voluntarios não subírão,
    Os que te amão, sómente
    Porque menos te ouvírão?

Dê pois aos mais seus bens a Deosa céga;
    Que eu tenho aquella gloria,
    Que a mil felizes nega.



LYRA XXXII.


Se o vasto mar se encapella,
E na rócha em flor rebenta,
Grossa náo, q' não tem léme,
Em vão sustentar-se intenta;
Até que naufraga, e corre
Á discrição da tormenta.

Quem não tem huma Belleza,
Em que ponha o seu cuidado,
Se o Ceo se cobre de nuvens,
E se assopra o vento irado,
Não tem forças que resistão
Ao impulso do seu fado.

Nesta sombria masmorra,
Aonde, Marilia, vivo,
Encosto na mão o rosto,
Fico ás vezes pensativo.
Ah! que imagens tão funestas
Me finge o pezar activo.

Parece que vejo a honra,
Marilia, toda enlutada,
A face de hum pai rugosa,
N'um mar de pranto banhada,
Os amigos mascilentos,
E a familia consternada.

Quero voltar os meus olhos
Para outro diverso lado,
Vejo n'uã  grande Praça
Hum Theatro levantado.
Vejo as Cruzes, vejo os Potros,
Vejo o Alfanje afiado.

Hum frio suor me cobre,
Lação-se os membros, suspiro,
Busco allivio ás minhas ancias,
Não o descubro, deliro.
Já, meu Bem, já me parece,
Que nas mãos da morte espiro.

Vem-me então ao pensamento
A tua testa nevada,
Os teus meigos, vivos olhos,
A tua face rosada,
Os teus dentes crystallinos,
A tua boca engraçada.

Qual, Marilia, a estrella d'alva,
Que a negra noite affugenta,
Qual o Sol, que a nevoa espalha
Apenas a terra aquenta,
Ou qual Iris, que o Ceo limpa,
Quando se vê na tormenta.

Assim, Marilia, desterro
Triste illusão, e demencia;
Faz de novo o seu officio,
A razão, e a prudencia;
E firmo esperanças doces
Sobre a candida innocencia.

Restauro as forças perdidas,
Sóbe a viva côr ao rosto;
Gyra o sangue pela vêa,
E bate o pulso composto.
Vê, Marilia, o quanto póde
Contra os meus males teu rosto.

FIM.



MARILIA DE DIRCEO.

POR

F.A.G.


TERCEIRA PARTE.


LISBOA:

Na Impressão Regia. Anno 1812.

_Com licença_.

_Vende-se na loja da Gazeta_.



AO LEITOR.


A geral acceitação, que a primeira, e segunda parte da Marilia de Dirceo
tem devido ao Público, animou ao seu Editor a dar á luz huma terceira
parte da dita Obra, a que fez juntar outras diversas Rimas do mesmo
Author, que lhe fazem honra, e que abonão assás a distincta opinião que
tem adquirido naquelle genero de Poesia. Adverte o Editor, que huma
terceira parte da dita Marilia de Dirceo ha tempos publicada, he Obra de
outro engenho, o que facilmente conhecerá ainda o Leitor menos
intelligente.



MARILIA DE DIRCEO.



LYRA I.


Convidou-me a vêr seu Templo
  O cego Cupido hum dia;
  Encheo-se de gosto o peito,
  Fiz deste Deos hum conceito
  Como delle não fazia.

Aqui vejo descorados
  Os ternissimos amantes
  Entre as cadêas gemerem;
  Vejo nas piras arderem
  As entranhas palpitantes.

_A quem ama quanto avista_,
  (Diz Cupido) _não aterra:
  Quem quer cingir o loureiro,
  Tambem vai soffrer primeiro
  Todo o trabalho da guerra_.

_Com tudo que te dilates
  Neste sitio não convenho;
  Deixa a estancia lastimosa,
  Vem vêr a Salla formosa,
  Aonde o meu Solio tenho_.

Entro n'outro grande Templo:
  Que perspectiva tão grata!
  Tudo quanto nelle vejo
  Passa além do meu desejo,
  E o discurso me arrebata.

He de marmore, e de jaspe
  O soberbo frontespicio:
  He todo por dentro d'ouro,
  E a hum tão rico tesouro
  Inda excede o artificio.

As janellas não se adornão
  De sedas de finas côres:
  Em lugar de cortinados
  Estão prezos, e enlaçados
  Fastões de mimosas flores.

Em torno da Salla Augusta
  Ardem dourados brazeiros;
  Queimão rezinas, que estalão,
  E postas em fumo exalão
  Da Panchaya os gratos cheiros.

Ao pé do Throno os seus Genios
  Alegres hymnos entoão:
  Danção as Graças formosas;
  E aqui as horas gostosas
  Em vêz de correrem, vôão.

Estão sobre o pavimento,
  Igualmente reclinados
  Nos collos de seus amores,
  Os grandes Reis, e Pastores
  De frescas rosas coroados.

Mal o acôrdo restauro,
  (Me diz, o Moço risonho:)
  _Como ainda não reparas
  Em tantas cousas tão raras,
  De que este Templo componho_?

_Sabes a historia de Jove?
  Aqui tens o manso Touro;
  Tens o Cisne decantado;
  A Velha em que foi mudado,
  Com a grossa chuva d'ouro_.

_Applica, Dirceo, agora
  Os olhos para esta parte:
  Aqui tens o verde Louro,
  Que inda estima o Pastor louro,
  E a Rede, que enlaça a Marte_.

_Vês este Arco destramente
  De branco marfim ornado?
  Á Casta Deosa servia,
  E o perdêo quando dormia
  Do gentil Pastor ao lado_.

_Vês esta Lyra? com ella
  Tira Orpheo ao bem querido
  Dos infernos aonde estava.
  Vês este Faról? guiava
  Ao meu nadador de Abydo_.

_Vês estas duas Espadas
  Ainda de sangue cheias?
  A Thysbe, e a Dido matárão;
  E os fortes pulsos armárão
  De Pyramo, e mais de Eneas_.

_Sabes quem vai no Navio,
  Que nesse mar se levanta?
  He Theseo. Vês esse Pomo?
  He de Cydippe, assim como
  São aquelles de Atalanta_.

_Vê agora estes retratos,
  Que destros pinceis fizerão:
  Ah! que pinturas divinas!
  Todos são das Heroinas,
  Que mais victorias me dérão_.

_Repara nesse semblante,
  He o semblante de Helena:
  Lá se avista a Grega Armada,
  E aqui de Troya abrazada
  Se mostra a funesta scena_.

_Vês est'outra_ formosura?
  _He a bella Deidamía_;
  _Lá_ tem Achilles ao lado,
  _De huma saia disfarçado
  Como com ella vivia_.

_Cleópatra he quem se segue:
  Alli tens lançando a linha
  Marco Antonio socegado,
  Ao tempo em que Augusto irado,
  Com armada mão caminha_.

_Aqui Hermes se figura:
  Vê hum Sabio dos maiores,
  Qual infame delinquente,
  Ir desterrado sómente
  Por contar os seus louvores_.

_Este he de Omphale o retrato:
  Aqui tens (quem o diria!)
  Ao grande Hercules sentado
  Com as mais damas no estrado,
  Onde em seu obsequio fia_.

_Anda agora a est'outra parte:
  Conheces, Dirceo, aquella_?
  Onde váes? (lhe digo:) explica,
  Que belleza aqui nos fica,
  Sem fazeres caso della?

Ergo os olhos ponho a vista
  Na imagem não explicada,
  Ó quanto he digna de appreço!
  Mal exclamo assim, conheço
  Ser a minha doce amada.

O coração pelos olhos
  Em terno pranto sahia,
  E no meu peito saltava:
  Disfarçado Amor, olhava
  Para mim a furto, e ria.

Depois de passado tempo,
  A mim se chega, e me aballa;
  Desperto de tanto assombro:
  Elle bate no meu hombro,
  E assim affavel me falla.

_Sim, caro Dirceo, he esta
  A divina formosura,
  Que te destina Cupido;
  Aqui tens o laço urdido
  Da tua immortal ventura_.

_O Numen, Dirceo, o Numen
  Que aos trabalhos de hum humano
  Desta sorte felicita,
  Não he, como se accredita,
  Não he hum Numen tyranno_.

_Olha se a cega Fortuna
  De tudo quanto se cria,
  Ou nos mares, ou na terra,
  Em o seu thesouro encerra
  Outro bem de mais valia_?

_Lizas faces côr de rosa,
  Brancos dentes, olhos bellos,
  Grossos beiços encarnados,
  Pescoço, e peitos nevados,
  Negros e finos cabellos_;

_Não vale mais, que cingires
  Co' braço de sangue immundo
  Na cabeça o verde louro?
  Do que teres montes d'ouro?
  Do que dares leis ao mundo_?

_Ah! ensina, sim ensina
  Ao vil mortal atrevido,
  E ao peito que adora terno,
  Que tem para hum Inferno,
  Para o outro hum Ceo, Cupido_.

Ao resto Amor me convida;
  Eu chorando a mão lhe beijo:
  E lhe digo, Amor, perdôa
  Não seguir-te; pois não vôa
  A vêr mais o meu dezejo.



LYRA II.


  Em vão do amado
Filho que foge,
Venus quer hoje
Noticias ter.

  Sagaz, e astuto
Elle se esconde
Em parte aonde
Ninguem o vê.

  Dos signaes dados
Bem se conhece,
Que elle aborrece
A Mãi que tem.

  Se os seus defeitos
Ella publíca,
Razão lhe fica
De se offender.

  Foge o Menino,
E disfarçado
Vive abrigado
N'uma cruel.

  Com mil caricias
A impia o trata;
Nem o desata
Do peito seu.

  Se a semelhança
Sempre amor gera,
Deve huma fera
Outra accolher.

  Ah! se o teu nome,
Marilia, calo,
Que de ti fallo
Bem pódes crer.



LYRA III.


Tu não verás, Marilia, cem captivos
Tirarem o cascalho, e a rica terra,
Ou dos cercos dos rios caudelosos,
    Ou da minada Serra.

Não verás separar ao habil negro
Do pezado esmeril a grossa arêa;
E já brilharem os granetes de ouro,
    No fundo da batêa.

Não verás derrubar os virgens matos,
Queimar as capoeiras inda novas,
Servir de adubo á terra a fertil cinza,
    Lançar os grãos nas cóvas.

Não verás enrolar negros pacotes
Das secas folhas do cheiroso fumo;
Nem espremer entre as dentadas rodas
    Da doce cana o sumo.

Verás em cima da espaçosa meza
Altos volumes de enredados feitos;
Ver-me-has folhear os grandes livros,
    E decidir os pleitos.

Em quanto revolver os meus Consultos,
Tu me farás gostosa companhia
Lendo os fastos da sabia, mestra Historia,
    Os Cantos da Poesia.

Lerás em alta Voz a imagem bella;
Eu vendo que lhe dás o justo appreço;
Gostoso tornarei a lêr de novo
    O cansado processo.

Se encontrares louvada huma belleza,
Marilia, não lhe envejes a ventura,
Que tens quem leve á mais remota idade
    A tua formosura.



LYRA IV.


  Amor por acaso
A hum pouso chegava,
Aonde accolhida
A Morte se achava.

  Risonhos, e alegres
Os braços se dérão,
E as armas unidas
N'um sitio pozerão.

  De emprezas tamanhas
Cansados já vinhão,
E em larga conversa
A noite entretinhão.

  Hum conta que ha pouco
A seta aguçada
Em huma belleza
Deixára empregada.

  Diz outro que as flexas
Cravára no peito
De hum grande, que teve
O Mundo sujeito.

  Em quanto das forças
Cada hum persumia,
Seus membros já laços
O somno rendia.

  Dormindo tranquillos
A noite passárão,
E inda antes da Aurora
Com ancia acordárão.

  _He tempo que o leito
Deixemos, ó Morte_;
Amor, já erguido
Fallou desta sorte.

  _He tempo_, em resposta
A morte repete,
_Que á nossa fadiga
Dormir não compete_.

  _As armas colhamos,
Voltemos ao giro:
Cada hum a seu gosto
Empregue o seu tiro_.

  Vão inda c'os olhos
Em somno turbados,
Ao sitio em que os ferros
Estão pendurados.

  Amor para as setas
Da morte se enclina:
De amor logo a Morte
C'o as flexas atina.

  Oh golpes tyrannos!
Oh mãos homicidas!
São tiros da Morte
De Amor as feridas.

  De hum sonho, que pinto,
Marilia conhece,
Se amor, ou se morte
Este alma padece.



LYRA V.


Eu não sou, minha Nize, pegureiro,
Que viva de guardar alhêo gado;
    Nem sou pastor grosseiro
Dos frios gêlos, e do Sol queimado,
Que veste as pardas lãs do seu cordeiro.
    Graças, ó Nize bella,
    Graças á minha Estrella!

A Cresso não igualo no thesouro:
Mas deo-me a Sorte com que honrado viva.
    Não cinjo corôa d'ouro;
Mas Póvos mando, e na testa altiva
Verdeja a Corôa do Sagrado Louro.
    Graças, ó Nize bella,
    Graças á minha Estrella!

Maldito seja aquelle, que só trata
De contar escondido a vil riqueza!
    Que cego se arrebata
    Em buscar nos Avós a vã nobreza,
Com que aos mais homens seus iguaes abata.
    Graças, ó Nize bella,
    Graças á minha Estrella!

As fortunas que em torno de mim vejo,
Por falsos bens que enganão não reputo;
    Mas antes mais desejo,
Não para me voltar soberbo em bruto
Por vêr-me grande quando a mão te beijo.
    Graças, ó Nize bella,
    Graças á minha Estrella!

Pela Ninfa que jaz vertida em Louro,
O grande Deos Apollo não delira?
    Jove mudado em Touro,
E já mudado em Velha não suspira?
Seguir aos Deoses nunca foi desdouro.
    Graças, ó Nize bella,
    Graças á minha Estrella.

Pertendão Hanibaes honrar a Historia,
E cinjão com a mão de sangue chêa
    Os louros da victoria.
Eu revolvo os teus dons na minha idéa:
Só dons que vem do Ceo são minha gloria.
    Graças, ó Nize bella,
    Graças á minha Estrella!



LYRA VI.

_Traducção_.


  Amor que seus passos
Ligeiro movia,
Por mil embaraços
Que hum bosque tecia.

  Nos hombros me acena
Com brando raminho;
E logo me ordena
Que siga o caminho.

  Por entre a espessura
Do bosque me avanço:
E a traz da ventura
Incauto me lanço.

  Já tinha calcado
Os montes mais duros:
C'o peito rasgado
Os rios escuros.

  Eis que huma serpente
A lingua vibrando,
Me crava o seu dente,
Me deixa espirando.

  Então surprendida
Da dôr que a traspassa,
Minha alma ferida
Aos beiços se passa.

  As iras detesta
Amor isto vendo,
E as azas na testa
Me bate dizendo:

  _Tu choras, tu gemes
Da Serpe tocado,
E o braço não temes
De hum Numen irado_?



LYRA VII.


Tu, formosa Marilia, já fizeste
Com teus olhos ditosas as campinas,
Do turvo Ribeirão em que nasceste:
    Deixa, Marilia, agora
    As já lavradas terras;
Anda affoita romper os grossos mares,
Anda encher de alegria estranhas terras.
    Ah! que por ti suspírão
    Os meus saudosos lares.

Não corres como Sapho sem ventura
Em seguimento de hum cruel ingrato,
Que não sede aos encantos da ternura:
    Segues a hum fino amante,
    Que a perder-te morria.
Quebra os grilhões do sangue, e vem, ó bella;
Tu já foste no Sul a minha guia.
    Ah! deves ser no Norte
    Também a minha Estrella.

Verás ao Deos Neptuno socegado
Aplainar co' tridente as crespas ondas;
Ficar como dormindo o mar salgado.
    Verás, verás d' alheta
    Soprar o brando vento,
Mover-se o léme, disrinzar-se o linho,
Seguirem os Delfins o movimento,
    Que leva na carreira
    O empavezado pinho.

Verás como o Leão na prôa arfando
Converte em branca espuma as negras ondas
E as talha, e corta com murmurio brando.
    Verás, verás Marilia
    Da janella dourada,
Que huma comprida estrada representa
A linfa cristalina, que pizada
    Pela poupa que foge
    Em borbotões rebenta.

Bruto peixe verás de corpo immenso,
Tornar ao torto anzol depois de o terem
Pela rasgada boca ao ar suspenso:
    Os pequenos peixinhos
    Quaes passaros voarem:
De toninhas verás o mar coalhado,
Ora surgirem, ora mergulharem,
    Fingindo ao longe as ondas
    Que fórma o vento irado.

Verás que o grande monstro se apresenta
Hum repuxo formando com as aguas,
Que ao ar espalha da robusta venta.
    Verás em fim, Marilia,
    As nuvens levantadas
Humas de côr azul, ou mais escuras,
Outras de côr de rosa, ou prateadas
    Fazerem no Orizonte
    Mil diversas figuras.

Mal chegares á foz do claro Téjo,
Apenas elle vir o teu semblante
Dará no léme do baixel hum beijo.
    Eu lhe direi vaidoso:
    Não trago, não comigo
Nem pedras de valor, nem montes d'ouro,
Roubei as aureas Minas, e consigo
    Trazer para os teus cofres
    Este maior Thesouro.



LYRA VIII.


Em cima dos viventes fatigados
As verdes dormideiras espremia,
Os mentirosos sonhos me cercavão.
    Na vaga fantasia
    Ao vivo me pintavão
    As glorias, que disperto
    Meu coração pedia.

Eu vou, eu vou subindo a Náo possante
Nos braços conduzindo a minha bella;
Voltêa a grande roda, e a grossa amarra
    Se enlêa em torno della:
    Já ponho a prôa á barra,
    Já cáhe ao som do apito
    Ora huma, ora outra véla.

Os arvoredos já se não distinguem:
A longa praia ao longe não branqueija;
E já se vão sumindo os altos montes.
    Já não ha que se veja
    Nos claros Orizontes,
    Que não sejão vapores,
    Que Ceo, e mar não seja.

Parece vão correndo as negras ondas,
E o pinho qual rochedo estar parado:
Ergue-se a onda, vem á Náo direita
    E quebra no costado:
    O Navio se deita,
    E ella finge a ladeira
    Sahindo do outro lado.

Vejo nadarem os brilhantes peixes;
Cahir do Láes a linha, que os engana:
Hum dourado no anzol está pendente,
    Soffre morte tyranna;
    Entre tanto que a sente
    Ao tombadilho açoita
    A cauda, e a barbatana.

Sobre as ondas descubro huma Carroça
De formosas conchinhas enfeitada;
Delfins a movem, e vem Thetis nella:
    Na popa está parada:
    Nem póde a Deosa bella
    Tirar os brandos olhos
    Da minha doce amada.

Nas costas dos Golfinhos vem montados
Os nûz Tritões, deixando a Esfera cheia
Co' rouco som dos buzios retorcidos.
    Recrêa, sim recrêa
    Meus attentos ouvidos
    O canto sonoroso
    Da musica Serêa.

Já sóbe ao grande mastro o bom gageiro;
Descobre arrumação, e grita terra:
Á murada caminha alegre a gente;
    Alguns entendem que erra:
    Pelo immovel sómente
    Conheço não ser nuvem,
    Sim o cume de alta serra.

De Mafra já descubro as grandes torres;
(E que nova alegria me arrebata!)
De Cascaes a muleta já vem perto,
    Já de abordar-nos trata:
    Já o piloro esperto
    Inda debaixo manda
    Soltar mezena, e gata.

Eu vou entrando na espaçosa barra:
A grossa artilheria já me atrôa.
Lá ficão Paço de Arcos, e a Junqueira.
    Já corre pela prôa
    Huma amarra ligeira;
    E a Náo já fica surta
    Diante da grã Lisboa.

Agora, agora sim, agora espero
Renovar da amizade antigos laços:
Eu vejo ao velho Pai, que lentamente
    Arrasta a mim os passos:
    Ah como vem contente!
    De longe mal me avista
    Já vem abrindo os braços.

Dóbro os joelhos pelos pés o aperto,
E manda que dos pés ao peito passe:
Marilia quanto eu fiz fazer intenta;
    Antes que os pés lhe abrace
    Nos braços a sustenta;
    Dá-lhe de filha o nome,
    Beija-lhe a branca face.

Vou a descer a escada (ó Ceos!) acórdo,
Conheço não estar no claro Tejo.
Abro os olhos, procuro a minha amada,
    E nem se quer a vejo.
    Venha a hora affortunada,
    Em que não fique em sonhos
    Tão ardente desejo.



_A huma despedida_.


Chegou-se o dia mais triste,
Que o dia da morte fêa:
Cahi do throno Dircéa,
Do throno dos braços teus.
    Ah! não posso, não, não posso
    Dizer-te meu bem adeos.

Impio Fado, que não pôde
Os doces laços quebrar-me,
Por vingança quer levar-me
Distante dos olhos teus.
    Ah! não posso, não, não posso
    Dizer-te meu bem adeos.

Parto em fim, e vou sem vêr-te,
Que neste fatal instante,
Ha de ser o teu semblante
Mui funesto aos olhos meus.
    Ah! não posso, não, não posso
    Dizer-te meu bem adeos.

E crês, Dircéa, que devem
Vêr meus olhos penduradas
Tristes lagrimas salgadas
Correrem dos olhos teus?
    Ah! não posso, não, não posso
    Dizer-te meu bem adeos.

De teus olhos engraçados,
Que podérão piedosos,
De tristes em venturosos
Converter os dias meus?
    Ah! não posso, não, não posso
    Dizer-te meu bem adeos.

Desses teus olhos divinos,
Que ternos, e socegados,
Enchem de flores os prados,
Enchem de luzes os Ceos?
    Ah! não posso, não, não posso
    Dizer-te meu bem adeos.

Desses teus olhos em fim,
Que domão Tigres valentes?
Que nem rigidas Serpentes
Resistem aos tiros seus?
    Ah! não posso, não, não posso
    Dizer-te meu bem adeos.

Da maneira que serião
Em não vêr-te criminosos
Em quanto forão ditosos,
Agora serião réos.
    Ah! não posso, não, não posso
    Dizer-te meu bem adeos.

Parto em fim, Dircéa bella,
Rasgando os ares cinzentos;
Virão nas azas dos ventos
Buscar-te os suspiros meus.
    Ah! não posso, não, não posso
    Dizer-te meu bem adeos.

Talvez, Dircéa adorada,
Que os duros Fados me neguem
A gloria de que elles cheguem
Aos ternos ouvidos teus.
    Ah! não posso, não, não posso
    Dizer-te meu bem adeos.

Mas se ditosos chegarem,
Pois os sólto a teu respeito;
Dá-lhes abrigo no peito,
Junta-os c'os suspiros teus.
    Ah! não posso, não, não posso
    Dizer-te meu bem adeos.

E quando tornar a vêr-te
Ajuntando rosto, a rosto,
Entre os que dérmos de gosto;
Restitue-me então os meus.
    Ah! não posso, não, não posso
    Dizer-te meu bem adeos.



CANÇÃO.


Dês que vi, formosa Elvira,
Os teus divinos cabellos,
Esses vivos olhos bellos,
Que invéja dos astros são,
Foi-se, Elvira, foi-se embora
Toda a paz do coração.
    E talvez, talvez que Elvira
    Nem se lembre de que Alceo,
    Se suspira,
    Se delira,
    He só por motivo seu.

Em quanto, Elvira, se occulta
A meus olhos teu semblante,
Hum minuto, hum breve instante
Parece que fim não tem.
Se alcanço de vêr-te a gloria,
Então vôa o tempo bem.
    E talvez, talvez que Elvira
    Nem se lembre de que Alceo,
    Se suspira,
    Se delira,
    He só por motivo seu.

Quando te ris por acaso
Para outro qualquer sugeito,
Estala dentro do peito
De ciume o coração:
Se me pões os olhos julgo
Que zombas de mim então.
    E talvez, talvez que Elvira
    Nem se lembre de que Alceo,
    Se suspira,
    Se delira,
    He só por motivo seu.

Quando ha brinco na floresta,
E a divina Olaia canta,
O mesmo gado levanta
A cabeça para ouvir.
Só por mais que Alceo forceje
Não póde o prazer fingir.
    E talvez, talvez que Elvira
    Nem se lembre de que Alceo,
    Se suspira,
    Se delira,
    He só por motivo seu.

Quando levo á clara fonte
O rebanho do meu gado,
Cáhe-me da mão o cajado,
E com ella á testa vou:
Fico pasmado, e ignoro
O lugar aonde estou.
    E talvez, talvez que Elvira
    Nem se lembre de que Alceo,
    Se suspira,
    Se delira,
    He só por motivo seu.

Quando vou segar o trigo,
(Olha bem como ando cego.)
N'uma parte nelle pego,
Metto n'outra a fouce em vão;
Dos que vem alguns se riem,
Outros mostrão compaixão.
    E talvez, talvez que Elvira
    Nem se lembre de que Alceo,
    Se suspira,
    Se delira,
    He só por motivo seu.

Quando me deito no colmo,
Sempre sonho que te vejo,
Que te fallo, e que te beijo
A branca nevada mão.
Acórdo, Pastora, e foges:
Eu fico mais triste então.
    E talvez, talvez que Elvira
    Nem se lembre de que Alceo,
    Se suspira,
    Se delira,
    He só por motivo seu.

Quando alguem meu mal pergunta,
Bem que seja a vez primeira,
Rompo ainda que não queira
O segredo sem saber.
O teu nome, Elvira, digo,
Quando devo o seu dizer.
    E talvez, talvez que Elvira
    Nem se lembre de que Alceo,
    Se suspira,
    Se delira,
    He só por motivo seu.

Fujo ao trato dos pastores,
Para hum bosque me retiro;
Com desafogo suspiro,
E chamo por ti meu bem.
Os valles que se enternecem
Chamão-te ao longe tambem.
    E talvez, talvez que Elvira
    Nem se lembre de que Alceo,
    Se suspira,
    Se delira,
    He só por motivo seu.

Quando escuto o triste mocho
A gemer no meu telhado,
Qualquer mal excogitado
Não me deve algum temor:
Só receio que me agoure
Máo successo ao meu amor.
    E talvez, talvez que Elvira
    Nem se lembre de que Alceo
    Se suspira,
    Se delira,
    He só por motivo seu.

Os pastores que me avistão
Com o dedo já me apontão,
E á roda do fogo contão
Da maneira que me vem.
Sou o exemplo dos amantes
Que esta nossa Aldêa tem.
    E talvez, talvez que Elvira
    Nem se lembre de que Alceo,
    Se suspira,
    Se delira,
    He só por motivo seu.



SONETO I.


  He gentil, he prendada a minha Altéa;
As graças, a modestia do seu rosto
Inspírão no meu peito maior gosto,
Que vêr o proprio trigo quando ondêa.

  Mas vendo o lindo gesto de Dircéa
A nova sugeição me vejo exposto;
Ah! que he mais engraçado, mais composto,
Que a pura Esfera de mil astros chêa.

  Prender as duas com grilhões estreitos
He huma acção (ó Deoses!) inconstante,
Indigna de sinceros, nobres peitos.

  Cupido, se tens dó de hum triste amante,
Ou fórma de Lorino dous sugeitos,
Ou fórma desses dous hum só semblante.



SONETO II.


  N'um fertil campo do soberbo Douro,
Dormindo sobre a relva descançava,
Quando vi que a Fortuna me mostrava
Com alegre semblante o seu Thesouro.

  De huma parte h[~u] montão de prata, e ouro
Com pedras de valor o chão curvava;
Aqui hum sceptro, alli hum trono estava,
Pendião coroas mil de grama, e louro.

  _Acabou-se_ (diz-me então) _a desventura:
De quantos bens te exponho qual te agrada,
Pois benigna os concedo, vai, procura_.

  Escolhi, acordei, e não vi nada:
Commigo assentei logo que a ventura
Nunca chega a passar de ser sonhada.



SONETO III.


  Enganei-me, enganei-me, paciencia;
Accreditei as vozes, cri, Ormia,
Que a tua singeleza igualaria
Á tua mais que angelica apparencia.

  Enganei-me, enganei-me, paciencia;
Ao menos conheci que não devia,
Pôr nas mãos de huma externa galhardia
O prazer, o socego, e a innocencia.

  Enganei-me, Cruel, com teu semblante,
E nada me admiro de faltares,
Que esse teu sexo nunca foi constante.

  Mas tu perdestes mais em me enganares;
Que tu não acharás hum firme amante,
E eu posso de traidoras ter milhares.



SONETO IV.


  Ainda que de Laura esteja ausente,
Ha de a chama durar no peito amante;
Que existe retratado o seu semblante,
Se não nos olhos meus, na minha mente.

  Mil vezes finjo vêla, e eternamente
Abraço a sombra vã; só nesse instante
Conheço que ella está de mim distante,
Que tudo he illusão que esta alma sente.

  Talvez que ao bem de a vêr Amor resista;
Porque minha paixão, que aos Ceos he grata,
Por innocente assim melhor persista:

  Pois quando só na idéa ma retrata,
Debuxa os dotes com que prende vista,
Esconde as obras com que offende ingrata.



SONETO V.


  Ao Templo do Destino fui levado:
Sobre o Altar hum Cofre se firmava,
Em cujo seio cada qual buscava
Tremendo annuncio do futuro estado.

  Tiro hum papel, e leio: Ceo Sagrado!
Com quanta causa o coração pulsava:
Este duro Decreto escrito estava,
Com negra tinta pela mão do Fado.

  _Adore Polidoro a bella Ormia,
Sem della conseguir a recompensa,
Nem quebrar-lhe os grilhões a tyrannia_.

  Das mãos, Amor mo arranca, e sem detença
Tres vezes o levando á boca impía,
Jurou comprir á risca a tal sentença.



SONETO VI.


  Ergue-te, ó Pedra, e desde a margem fria,
Que os muros banha a Lusitana Athenas,
Mostra-me as desmaiadas assucenas
Do rosto que me occupa a fantasia.

  Deixa [~q] eu beije a mão, [~q] pôde hum dia
Ceder de amor ás lastimosas scenas;
Q'entre as ancias, a dôr, a mágoa, as penas
Renove a saudosa idolatria.

  Solto do véo mortal, oh Feliz Astro,
Une ao cadaver a truncada testa,
Levanta o bello cólo de alabastro:

  Huma alma grande junto a ti protesta
Fazer a gloria da defunta Castro;
A illustre Neta vez: Maria he esta.

_Á Illustrissima e Excellentissima Senhora Condessa de Cavalleiros, D.
Maria José de Eça e Bourbon_.



SONETO VII.


  Quantas vezes Lidora me dizia,
Ao terno peito minha mão levando,
Conjurem-se em meu mal os Astros, quando
Achares no meu peito aleivosia.

  Então que não chorasse lhe pedia,
Por firme seu amor acreditando;
Ah! que em movendo os olhos suspirando
Ao mais acautellado enganaria.

  Hum anno assim viveo: ó Ceos! agora
Mostrou que era mulher: a natureza
Só por não se mudar a fez traidora.

  Não, não darei mais cultos á belleza,
Que depois de faltar á fé, Lidora,
Nem creio que nas Deosas ha firmeza.



SONETO VIII.


  O Numen Tutelar da Monarquia,
Que fez do grande Henrique a invicta espada,
Procurou dos Destinos a morada,
Por consultar a idade que viria.

  A mil, e mil heróes descriptos via,
Que exaltão de Furtado a estirpe honrada,
E na serie, que adora dilatada,
O nome de Francisco descobria.

  Contempla huma por h[~u]a as letras d'ouro,
Este penhor, que o tempo não consome,
Promette ao Reino seu maior thesouro.

  Prosta-se o Genio: e sem [~q] a empreza tome
De lhe buscar sequer mais outro agoiro,
O sitio beija, e lhe mostra o nome.

_Ao Illustrissimo e Excellentissimo Senhor Visconde de Barbacena,
Francisco Furtado de Mendonça_.



SONETO IX.


  Nascer no berço da maior grandeza,
De palmas, e de louros rodeado,
Deve-se aos grandes Pais, ao Tronco honrado,
Que illusrra desde longe a natureza.

  Se porém muito mais se adora, e preza
O dom que o nobre sangue trás herdado
Pela propria virtude sustentado,
Feliz o objecto da presente empreza.

  De mil Heróes no Téjo vencedores
Hum ramo nasce, hum ramo que a memoria
Faz immortal de seus Progenitores.

  Eu leio em vaticinio a sua historia;
Une Francisco a par de seus maiores
Ao herdado explendor a propria gloria.

_Ao mesmo excellentissimo Visconde_.



SONETO X.


  Mudou-se em fim Lidora, essa Lidora
Por quem mil vezes fé me foi jurada;
Que vos detem (ó Ceos!) que castigada
Ainda não deixais tão vil traidora?

  Não haja piedade: sinta agora
A dita sem remedio em mal trocada;
Pois se assim não succede, fica ousada
Para ser outra vez enganadora.

  Vingai, ó justos Ceos..., mas ah! [~q] digo?
Que maltrateis Lidora? o sentimento
Privou-me do discurso, eu me desdigo.

  Não, não vibreis o raio violento;
Pois sei que a compaixão do seu castigo,
Hade augmentar depois o meu tormento.



SONETO XI.


  A Deos cabana, a Deos; a Deos, ó gado,
Albina ingrata, a Deos, em paz te deixo:
A Deos doce rabil, neste alto freixo
Te fica ao meu destino consagrado.

  Se te for meu successo perguntado,
Não declares rabil de quem me queixo;
Não quero que se saiba vive Aleixo
Por causa de huma infame desterrado.

  Se vires a Pastor desconhecido,
Lhe dize então piedoso: Ah! vaite embora,
Atalha os damnos, que outros tem sentido.

  Habita nesta Aldêa huma Pastora
De rosto bello, coração fingido,
Humas vezes cruel, e as mais traidora.



SONETO XII.


  Com pezadas cadeias maniatado,
Ás vozes da razão insurdecido,
Dos Ceos, de mim, dos homens esquecido
Me vi de amor nas trévas sepultado.

  Alli aliviava o meu cuidado
Cõ dar de quando em quando algum gemido:
Ah tempo! que sómente reflectido
Me fazes entre as ditas desgraçado.

  Assim vivia, quando a falsidade
De Laura me tornou n'um breve dia
Quanto a razão não pôde em longa idade.

  Quebrei o vil grilhão que me opprimia:
Ó feliz de quem gosa a liberdade!
Bem que venha por mãos da aleivosia.



SONETO XIII.


  Obrei quanto o discurso me guiava;
Ouvi os Sabios quando errar temia:
Aos bons no gabinete o peito abria;
Na rua a todos como iguaes honrava.

  Julgando os crimes nunca voto dava
Mais duro, ou pio do que a Lei pedia;
Mas podendo salvar o justo ria,
E devendo punir ao réo chorava.

  Nem forão, Villa Rica, os meus intentos
Metter em ferreo cofre copia d'ouro,
Que chegue aos filhos, e que passe aos netos.

  Outras são as venturas que me agouro:
Ganhei saudades, adquiri affectos,
Vou fazer destes bens melhor thesouro.

_Feito quando o Author acabou o Lugar de Ouvidor de Villa Rica, e foi
despaçhado para Desembargador da Bahia_.



SONETO XIV.


  Quando o torcido buço derramava
Terror no aspecto ao Portuguez sisudo,
Quando sem pó, nem oleo o pente agudo
Duro intonso o cabello em laço atava.

  Quando contra os Irmãos o braço armava
O forte Nuno oppondo escudo, a escudo;
Quando a palavra que perfere a tudo
Com a barba arrancada João firmava.

  Quando a mulher á sombra do marido
Tremer se via: quando a Lei prudente
Zelava o sexo do civil ruido;

  Feliz então, então só innocente
Era de Luso o Reino: oh bem perdido!
Ditosa condição, ditosa gente!



SONETO XV.


  Sombras illustres dos varões famosos,
Que á Grecia, e Roma destes Leis hum dia;
Vós que do Elysio na região sombria
Respiraes entre os Zefiros mimosos.

  Grande Licurgo, ó tu Solon, [~q] honrosos
Louros cingis, que egregia companhia
Fazeis aos Mazzarinos, eu queria
Adorar vossos vultos magestosos.

  Vós fizesteis da vossa Patria a gloria;
Por vós hoje he feliz a humanidade:
Que dignos sois de huma immortal historia!

  Cesce, cesse porém vossa vaidade;
Que basta a escurecer vossa memoria
Hum Carvalho, que adora a nossa idade.

_Ao Illustrissimo e Excellentissimo Senhor Marquez de Pombal reformando
a Universidade de Coimbra_.



SONETO XVI.


  As molles azas a bater começa
Entre as palhas o tenro passarinho,
E largos dias por deixar o ninho
Se cança, se fadiga, se arremeça.

  H[~u] impulso, outro impulso é vão se apresa,
Já se firma no pé, já no biquinho,
Nas folhas se tem, passa ao raminho
Té que a penna se esforce, e se endureça.

  Quando emfim he capaz de movimento
Deixa os arbustos vaga pelos ares,
E sobre as altas faias toma assento:

  Estes sejão, Salicio, os exemplares
Em que a vossa virtude anime o alento,
Porque hum dia da Fama honre os Altares.



_Ao Illustrissimo Senhor Luiz Beltrão de Gouvea_.

ODE.


    Se entre as louras arêas
Do meu Jaquitinhonha, hum Genio erguido
    Ás Regiões alheas
Manda que em doce metro reppetido
    Hoje o teu Nome leve,
Tanto á virtude, meu Beltrão, se deve.

    Vejo a sordida inveja
De ira morder-se, e as serpes sacudindo
    Por se tragar forceja:
De pejo, e de vergonha em vão cobrindo
    Co' as frias mãos o rosto,
Geme a calumnia no mortal desgosto.

    Vós, Genios fortunados,
Que do Templo da Gloria honrais a estancia,
    Os meritos sagrados
Cantai do bom Ministro: He a constancia,
    A sabia fortaleza
He quem o guia na maior empreza.

    Se os rigidos palmares
Da Idumeya consulto; o bravo Noto
    Os tormentosos ares
Não podem mais dobralos: zomba immoto,
    Nem ás ondas tem medo
Sobranceiro ao Egeo, firme penedo.

    Tal a constancia tua
Em meio foi dos perfidos rumores;
    A verdade, que nua
Derramava em teu rosto as vivas côres,
    Sobre as aras decentes
Vio por triunfo mil trofeos pendentes.

    A vigilancia, o zelo,
A rectidão do espirito; elevada
    Ao gráo mais rico, e bello,
Essa virtude, que nos traz provada
    Em meio dos Thesouros
A sã virtude, que enobrece os Louros:

    Tudo, tudo apparece
Sabio Ministro da victoria ao lado;
    Athenas, que me offerece
No seu público Erario accreditado
    Aristides, o Justo,
Em ti acena o seu modelo augusto.

    Mil vezes orgulhosa
Negra calumnia o seu desterro tenta;
    A virtude preciosa
Contra o fero Themistocles sustenta.
    Não ha força que baste,
Não ha poder que o peito lhe contraste.

    Feliz o Rei, o Povo,
Feliz tambem de Themis a ballança;
    De hum modo raro, e novo
Nas tuas mãos eu vejo, que descança:
    Aos premios, ao castigo
Se reparte sem queixa o braço amigo.

    Ah! sinta a nossa idade
De hum sangue illustre, de hum talento raro
    A próvida igualdade!
Melhor do que nos marmores de Pharo,
    Em memoria nos vindouros
T'ergue o Serro h[~u] Padrão nos seus Thesouros.



_Imitando o sonho de Scipião_.

ODE.


    Já vou tocando, ó Licio,
De Lustros dez o fatigado termo;
    E já meu corpo enfermo
Se avisinha da morte ao duro officio:
Que cedo o meu destino me promette
Calcar as sombras do medonho Lethe!

    Eu descerei contente
A ver os Manes dos Avós amados;
    Que bem aventurados,
Se outro mundo tratarão, se outra gente!
Não virão elles, como eu triste vejo,
O velho mando peiorar sem pejo.

    Passárão da innocencia
Pela candida estrada os pés levando;
    Inda a fera violencia
Não corrompia da Justiça o mando;
Praticava-se a próvida igualdade
Entre a Santa Virtude, e a vil maldade.

    A pura fé do Amigo,
Renovava de Orestes a memoria:
    Commum era o perigo,
Reciproca tambem a pena, a gloria:
Que traições, e que enganos tem disposto
Em nossos dias hum fingido rosto!

    Tudo se vê mudado
Nesta idade fatal em que de ferro
    O Idolo adorado
Torpemente protege o crime, o erro:
Como de susto, e de vergonha cheia
Se retira de nós a bella Astrea!

    Ah! E quem de teus laços
Deve ao pezo gemer, ó mundo cego?
    Rotos em mil pedaços
Os teus grilhões a pendurar já chego;
Não mais os teus encantos me deleitem,
Estes miseros restos se aproveitem.

    Que differentes climas
Já me finjo habitar! Os brandos ares,
    Que tu Zefiro, animas
Que prazeres me inspirão! Dos pezares,
Das magoas, do desgosto, e do tormento
Aqui não sôa o tragico lamento.

    Sôlto do mortal manto
Cuido que o centro dos Elysios piso!
    Oh quanto he bella, quanto
A margem deste Lago! Em fresco riso
Lirios, e rosas, quaes não colhe Flora,
Aqui saudão a perpetua Aurora.

    Adoravel sciencia,
Que encheste as noites, e esgotaste os dias,
    Da humana intelligencia,
Agora sei quam longe te desvias!
Este o seio da luz, aonde tudo
Sem fadiga se alcança, e sem estudo!

    O número, a distancia
Dos Orbes Celestiaes já sabio admiro:
    Noto a eterna constancia
Do Planeta da Luz; observo o giro
Da Terra, que regula a varia face
Com que a proxima Lua, ou morre, ou nasce.

    Certa, e firme a carreira
Já marco de Saturno, Marte, ou Jove,
    Da esfera derradeira
Contemplo a força, que os mais Orbes move;
A harmonia me encanta acorde, e rara,
Que de Samos o Sabio já notára.

    Aqui se patentêa
Dos errados systemas o conceito;
    E longe a minha idéa
De vacilar, já firma o mais perfeito.
Quem senão tu, ó Genio, sobre humano
Libertar me podéra deste engano!

    De Massinissa o Paço
De Carthago ao Heróe tal scena pinta:
    Ao soberbo ameaço
Da Fortuna, elle vê clara, e distincta,
Qual o meu Genio me retrata agora,
A bella Patria, onde o descanço mora.

    He este, ó Licio, he este
Sem dúvida, o Paiz bello, e sereno,
    Aonde em paz celeste
Não respira da inveja o atroz veneno:
E aonde livres da infeliz mudança
Descança o teu, e o meu bom Pai descança.

    Que doce companhia
Deveremos fazer-lhes? Ah se apresse
    O momento que hum dia
Tão gostosa união nos lavra, e tece!
Cheguemos a beijar as Mãos Sagradas,
Que enchem de gloria as immortais Moradas.

    Em praticas suaves
Alli as breves horas gastaremos;
    Nem já nos serão graves
Na lembrança os trabalhos que aqui temos;
Nem da pezada humanidade nossa
Pena haverá, que atormentar-nos possa.

    Mas tu, que dos humanos
Reges, ó Grande Deos, a dubia sorte;
    Tu, que a meta dos annos
Firmas, descendo de teu mando a morte,
Dilata os dias do meu Licio, em quanto,
Douto me instrue, e me entertem seu canto.

FIM





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Marilia de Dirceo" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home