Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: O Melro - (Fragmento)
Author: Junqueiro, Abílio Manuel Guerra, 1850-1923
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O Melro - (Fragmento)" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



GUERRA JUNQUEIRO


O MELRO

(FRAGMENTO)



DAVID CORAZZI, EDITOR
EMPREZA HORAS ROMANTICAS
40, RUA DA ATALAYA, 52

LISBOA--1879



O MELRO



_Reservados todos os direitos de reproducção_



GUERRA JUNQUEIRO

O MELRO

(FRAGMENTO)


DAVID CORAZZI, EDITOR
EMPREZA HORAS ROMANTICAS
40, RUA DA ATALAYA, 52

LISBOA--1879



_Todos os direitos de propriedade d'esta obra no Imperio do Brazil
pertencem ao Ill.^mo e Ex.^mo Sr. Commendador Bibiano Antonio de Moraes
e Almeida, subdito brazileiro_.



Ao meu amigo

BERNARDO PINDELLA



O MELRO


       O melro, eu conheci-o:
Era negro, vibrante, luzidio,
       Madrugador, jovial;
       Logo de manhã cedo
Começava a soltar d'entre o arvoredo
Verdadeiras risadas de cristal.
E assim que o padre cura abria a porta
       Que dá para o passal,
Repicando umas finas ironias,
       O melro d'entre a horta
       Dizia-lhe: «Bons dias!»
       E o velho padre cura
Não gostava d'aquellas cortezias.


O cura era um velhote conservado
Malicioso, alegre, prasenteiro;
Não tinha pombas brancas no telhado,
       Nem rosas no canteiro:
Andava ás lebres pelo monte, a pé,
       Livre de rheumatismos,
Graças a Deos, e graças a Nóe.
O melro despresava os exorcismos
       Que o padre lhe dizia:
Cantava, assobiava alegremente;
       Até que ultimamente
       O velho disse um dia:


«Nada, já não tem geito! este ladrão
       Dá cabo dos trigaes!
       Qual seria a rasão
Porque Deos fez os melros e os pardaes?!»


       E o melro no entretanto,
       Honesto como um santo,
       Mal vinha no oriente
       A madrugada clara
Já elle andava jovial, inquieto,
Comendo alegremente, honradamente,
Todos os parasitas da seara
Desde a formiga ao mais pequeno insecto.
E apesar d'isto o rude proletario,
       O bom trabalhador,
Nunca exigiu augmento de salario.

Que grande tolo o padre confessor!

       Foi para a eira o trigo;
       E armando uns espantalhos
       Disse o abbade comsigo:
«Acabaram-se as penas e os trabalhos.»
Mas logo de manhã, maldito espanto!
       O abbade, inda na cama,
Ouviu do melro o costumado canto;
       Ficou ardendo em chamma;
       Pega na caçadeira
       Levanta-se d'um salto,
E vê o melro a assobiar na eira
Em cima do seu velho chapéu alto!
       Chegou a coisa a termo
Que o bom do padre cura andava enfermo,
       Não fallava nem ria,
Minado por tão intimo desgosto;
E o vermelho oleoso do seu rosto
Tornava-se amarello dia a dia.
E foi tal a paixão, a desventura,
(Muito embora o leitor não me acredite)
       Que o bom do padre cura
       Perdera... o appetite!

       *       *       *       *       *

Andando no quintal um certo dia
Lendo em voz alta o _Velho Testamento_
Enxergou por acaso (que alegria!
       Que ditoso momento!)
Um ninho com seis melros escondido
       Entre uma carvalheira.
E ao vel-os exclamou enfurecido:

«A mãe comeu o fructo prohibido;
Esse fructo era a minha sementeira:
       Era o pão, e era o milho;
       Transmittiu-se o peccado.
E, se a mãe não pagou, que pague o filho.
É doutrina da Egreja. Estou vingado!»

E engaiolando os pobres passaritos
       Soltava exclamações:
       «É uma praga. Maldictos!
Dão-me cabo de tudo estes ladrões!
Raios os partam! andae lá que emfim...»

E deixando a gaiola pendurada
Continuou a ler o seu latim
       Fungando uma pitada.

       *       *       *       *       *

Vinha tombando a noite silenciosa;
E caía por sobre a naturesa
Uma serena paz religiosa,
       Uma bella tristesa
Harmonica, viril, indefinida.
       A luz crepuscular
Infiltra-nos na alma dolorida
Um mysticismo heroico e salutar.
As arvores, de luz inda doiradas,
Sobre os montes longiquos, solitarios,
Tinham tomado as fórmas rendilhadas
       Das plantas dos herbarios.
Recolhiam-se a casa os lavradores.
Dormiam virginaes as coisas mansas:
       Os rebanhos e as flores,
       As aves e as creanças.
Ia subindo a escada o velho abbade;
A sua negra, athletica figura
Destacava na frouxa claridade,
       Como uma nodoa escura.
E introduzindo a chave no portal
       Murmurou entre dentes:

       «Tal e qual... tal e qual!...
Guisados com arroz são excellentes.»

       *       *       *       *       *

Nasceu a lua. As folhas dos arbustos
Tinham o brilho meigo, avelludado
Do sorriso dos martyres, dos justos.
Um effluvio dormente e perfumado
Embebedava as seivas luxuriantes.
Todas as forças vivas da materia
Murmuravam dialogos gigantes
       Pela amplidão etherea.
São precisos silencios virginaes,
Disposições sympathicas, nervosas,
Para ouvir estas fallas silenciosas
       Dos mudos vegetaes.
As orvalhadas, frescas espessuras
Presentiam-se quasi a germinar.
Desmaiavam-se as candidas verduras
Nos magnetismos brancos do luar.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

       *       *       *       *       *

E n'isto o melro foi direito ao ninho.
Para o agasalhar andou buscando
Umas pennugens doces como arminho,
Um feltrosito assetinado e brando.
       Chegou lá, e viu tudo.
Partiu como uma frecha; e louco e mudo
Correu por todo o matagal; em vão!
Mas eis que solta de repente um grito
Indo encontrar os filhos na prisão.

«Quem vos metteu aqui?!» O mais velhito
Todo tremente, murmurou então:

«Foi aquelle homem negro.--Quando veio
Chamei, chamei... Andavas tu na horta...
Ai que susto, que susto! Elle é tão feio!...
Tive-lhe tanto medo!... Abre esta porta,
E esconde-nos debaixo da tua aza!
Olha, já vão florindo as assucenas;
Vamos a construir a nossa casa
       N'um bonito logar...
Ai! quem me dera, minha mãe, ter pennas
       Para vôar, vôar!»

       E o melro hallucinado
       Clamou:

              «Senhor! Senhor!
É por ventura crime ou é peccado
       Que eu tenha muito amor
       A estes innocentes?!
Ó natureza, ó Deos, como consentes
Que me roubem assim os meus filhinhos,
       Os filhos que eu criei!
Quanta dor, quanto amor, quantos carinhos,
       Quanta noite perdida
          Nem eu sei...
       E tudo, tudo em vão!
       Filhos da minha vida!
       Filhos do coração!!...
Não bastaria a natureza inteira,
Não bastaria o ceo para voardes,
E prendem-vos assim d'esta maneira!...
       Covardes!
A luz, a luz, o movimento insano
Eis o aguilhão, a fé que nos abraza...
       Encarcerar a aza
É encarcerar o pensamento humano.
A culpa tive-a eu! quasi á noitinha
       Parti, deixei-os sós...
A culpa tive-a eu, a culpa é minha,
       De mais ninguem!... Que atroz!
       E eu devia sabel-o!
Eu tinha obrigação de adevinhar...
Remorso eterno! eterno pesadello!...

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Falta-me a luz e o ar!... Oh, quem me dera
       Ser abutre ou ser féra
Para partir o carcere maldicto!...
E como a noite é limpida e formosa!
       Nem um ai, nem um grito...
Que noite triste! oh noite silenciosa!...»

       *       *       *       *       *

E a natureza fresca, omnipotente,
       Sorria castamente
Com o sorriso alegre dos heroes.
       Nas sebes orvalhadas,
Entre folhas luzentas como espadas,
       Cantavam rouxinoes.

       Os vegetaes felizes
Mergulhavam as sofregas raizes
A procurar na terra as seivas boas,
Com a avidez e as raivas tenebrosas
Das pequeninas feras vigorosas
Sugando á noite os peitos das leoas.
A lua triste, a lua merencorea,
       Desdemona marmorea,
Rolava pelo azul da immensidade,
Immersa n'uma luz serena e fria,
       Branca como a harmonia,
       Pura como a verdade.
E entre a luz do luar e os sons e as flores,
Na atonia cruel das grandes dores,
       O melro solitario
Jazia inerte, exanime, sereno,
Bem como outr'ora a mãe do Nazareno
       Na noite do calvario!...





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O Melro - (Fragmento)" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home