Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: As Farpas: Chronica Mensal da Politica, das Letras e dos Costumes (1873-03/04)
Author: Ortigão, José Duarte Ramalho, 1836-1915 [Editor], Queirós, José Maria Eça de, 1845-1900 [Editor]
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "As Farpas: Chronica Mensal da Politica, das Letras e dos Costumes (1873-03/04)" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



made available by the Biblioteca Nacional de Lisboa, Portugal.



[Illustration: AS FARPAS--R. ORTIGÃO--EÇA DE QUEIROZ]

RAMALHO ORTIGÃO--EÇA DE QUEIROZ

AS FARPAS

CHRONICA MENSAL DA POLITICA DAS LETRAS E DOS COSTUMES

2.º ANNO

Março a Abril de 1873



Ironia, verdadeira liberdade! És tu que me livras da ambição do poder,
da escravidão dos partidos, da veneração da rotina, do pedantismo das
sciencias, da admiração das grandes personagens, das mystificações da
politica, do fanatismo dos reformadores, da superstição d'este grande
universo, e da adoração de si mesmo.

P.J. PROUDHON.



SUMMARIO

O sr. _Alexandre Herculano_, opusculista. Os semi-deuses e os rapazes.
As armaduras e as flanellas. _A Voz do Propheta_, geremiada de salão. A
biblia-cacete. Deus cartista. Reincidencia do milagre de Ourique. Os
egressos e Pharaó. A censura dramatica. As conferencias democraticas. Os
fins da arte e a bisca sueca. Em que o sr. Herculano se parece com
Theodosio II. A tristeza chronica do grande homem e o pronto-alivio de
Radway. A velhice e a arte. Os martyrios de vinheta. Spinosa,
Campanella, Diderot e Proudhon. Victor Hugo, Michelet, Quinet, Raspail e
Carl Marx. O sr. Herculano Salomão e nós o bôbo Marcullo.--João Felix
Pereira, historiador. Os compendios da instrucção publica e as
equarissages.--O sr. D. Fernando em Coimbra. Os rouxinoes do Mondego e
seus principios politicos.--A casa de detenção nas Monicas. O edificio,
as camaratas, o refeitorio, as officinas, a escola. A instrucção, a
catechese, a hygiene, a moral. A direcção technica. A colonia
penitenciaria de Meltray. Contrastes. Se é dado aos vadios rehabilitarem
se fazendo-se dezembargadores ou coroneis--As curiosidades infantis da
Republica Portugueza--_Duas palavras aos leitores das Farpas_, folheto
brazileiro. O commercio, a instrucção e a industria no Brazil:
testemunho insuspeito e juizo final. O sr. Mathias de Carvalho e a
actriz Emilia Adelaide. A America e a rainha Fulvia, a lingua de Cicero
e a nossa.--O alto dandysmo. As ultimas corridas no Campo Grande. O
Sport e o Lagoia. Perfil do _high-life_. Os srs. De Lagrange, De Mouchy,
Rothschild, Dudley Stuart. João Russo e Chico Perfeito. Hurrah! pelas
tipoias vencedoras--Representação da comedia _Magdalena_. Os caracteres,
os costumes, a peça. Conselhos amigaveis ás burguezas honestas.--Um anjo
catholico e uma jovem deusa da Razão, typos da litteratura e da moda.--O
leilão do espolio de sua magestade imperial.

O sr. Alexandre Herculano acaba de publicar sob o titulo de _Opusculos_
um livro em que, além de uma refutação erudictamente argumentada e
inedita da portaria que suspendeu as conferencias democraticas do Casino
Lisbonense, se encontram apenas reedições de algumas antigas obras do
illustre escriptor.

Reapparecendo assim na publicidade, reentrando na lucta das idéas novas
com os velhos engenhos de guerra despendurados dos arsenaes de 1836 ou
1843, sua excellencia lembra-nos demasiadamente o antiquario que sáe a
combater forças vivas á frente das naturezas mortas do seu museu,
formando em batalha contra os entes animados da creação os jacarés
empalhados e os monstros em espirito de vinho da sua galeria curiosa.

       *       *       *       *       *

Os discursos d'estas paginas antigas, a que sobejam por um lado os
accessorios artificiaes da rhetorica e a que faltam por outro lado, com
as opportunidades do momento em que foram concebidas, as condições de
uma existencia necessaria e real, fazem-nos o effeito de armaduras
primorosamente cinzeladas, mas suspensas em ripes de pinho, finos
capacetes de viseiras caladas sobre caraças de papelão com verniz de
cera côr de rosa e olhos de vidro.

E causa-nos pena isto: que tantos apparatos de força e tão solidos
instrumentos de guerra se prestem a desabar, com o estampido ridiculo
dos louceiros que se quebram nas velhas farças, aos golpes de _stick_ do
primeiro irreverente que passe trazendo na cabeça as exaltações de dois
dedos de Proudhon e de um copo de Champagne!

Serão injustos depois os que bradarem contra a decadencia, contra a
corrupção, contra a irreligiosidade do seculo com o fundamento de que,
n'estes contactos das antigas armas consistentes e das novas modas
futeis, é o espesso arnez de Carlos Magno o que rende e a fina _veste
Bênoiton_ a que triumpha.

Ai! perdoae-nos ... Nós preferimos ás impenetraveis armaduras dos vossos
gigantes, que não servem hoje a ninguem e que não trazem ninguem dentro,
a simples flanella vulgar, talhada por Pool para as fórmas exiguas dos
macacos sabios da geração nova, dentro da qual flanella todavia se
abotoam homens, pequenos e frageis, mas emfim mais ou menos vivos,
graças ás capsulas ferruginosas e ao _Rob Lafecteur_, podendo
impunemente, perante os minotauros de cartão, n'um rasgo de cancan,
chegar-lhes com o bico do pé á ponta do nariz.

Ao passo que, sobre estes fracos mortaes, que ainda não estoiraram de
todo nos galopes da vida, as effigies dos antigos semi-deuses,
inoffensivos e inuteis como estatuas de louça branca--na attitude
classica dos Abrahões de jardim--suspendem os seus alphanges, como
poleiros aereos, cuja immobilidade tem convidado ao somno quarenta
gerações de pardaes!

       *       *       *       *       *

Aqui temos nós, por exemplo, _A voz do propheta_, cem paginas sybilinas,
em estylo emphatico, allegorico, confuso, tremendo.

É uma especie de _Dies irae_--de salão.

Cada periodo ronca lugubremente como um estertor de moribundo, imitado
n'um figle.

Em cada phrase ha um vacuo premeditado que lembra a orbita sem olho da
caveira de um cyclope.

A locução, pintada como uma actriz vestida do branco, com os cabellos
desgrenhados, que se predispoz ao espelho para uma scena de delírio, tem
tons cadavericos, produzidos por grossos riscos pretos sobre gesso
esverdinhado e branco: ella passa mysteriosa e terrivel; não se sabe do
onde vem nem para onde vae, nem quem busca, nem o que pretende--ella,
desvairada, tambem o não sabe!--mas pisa o tablado a largos compassos
tectricos, brandindo um punhal, olhos fixos e dedo descarnado e livido
apontando o espaço. A orchestra, a golpes taciturnos e tremidos de
rebeção, imita os rumores das tempestades. E os espectadores
angustiados, presentindo que alguma coisa pavorosamente tragica vae
occorrer, desdobram os seus lenços nas mãos abertas, aprontando-se para
acolher aquella porção de sensibilidade oppressa de que a imperfeita
natureza humana se desencarrega--ai de nós!--pelo nariz....

O monologo porém termina; está volvida a ultima pagina da prosa
melodramatica do sr. Herculano; elle, o propheta, principiou estas
palavras:

«O espirito de Deus passou pelo meu espirito, e disse-me: vae, e faze
resoar nos ouvidos das turbas palavras de terror e de verdade. E eu
obedecerei ao meu Deus no meio dos punhaes de assassinos ...»

E conclue assim:

«N'este momento a visão desappareceu, e achei-me banhado em suor frio e
repassado de amargura. E por impossivel tinha que tão negro futuro
houvesse nunca de verificar-se: mas subito ouvi muitas vozes que
diziam:--Guerra á religião do Christo! Então cri na visão que o Senhor
me enviava, e apagou-se-me na alma o ultimo clarão de esperança.»

Ao terminarem a leitura, as turbas obscuras e humildes a quem o auctor
se dirigira, e das quaes nós temos a honra de fazer parte, perguntam
contristadas e attonitas:

Mas, bom Deus, poder-se-ha saber por que altos motivos está s.ex.ª o
propheta _banhado em suor frio_ e _repassado de amargura_?!

Ser-nos-ha dado apreciar quaes as razões por que o digno socio de merito
de Jeremias e da Academia Real das Sciencias, apagou dentro da sua alma
o _ultimo clarão de esperança_?

Sim! N'esta recente edição do seu opusculo, s.ex.ª o anjo, incumbido
directamente por Deus de _fazer resoar palavras de terror_, explica
satisfatoriamente o phenomeno pathologico da desesperança em sua alma e
dos suores frios em seu corpo, por via de algumas laudas de introducção,
destinadas a prehencher cabalmente os votos d'aquelles que tinham
promettido aos deuses um propheta de cêra, se os deuses lhes
consentissem penetrar o sentido da _Voz do propheta_.

A explicação d'essa voz que diz ao povo «_que a sua hora extrema vae
soar, que elle é maldito, que elle é empestado, que é pustulento e
pôdre, vil e malvado, escoria, immundice e relé_»,--a explicação da voz
que diz e rediz isto em 118 paginas de uma prophecia de exterminio e de
morte para o povo e para o paiz, é que:

A revolução de setembro triumphava com a democracia, o sr. Alexandre
Herculano não acreditava na democracia, tinha-a pela «declamação
interessada de engenhos superficiaes que pretendem jungir ao carro das
proprias ambições _as turbas más, porque ignorantes, odientas, porque
invejosas, espoliadoras, porque miseraveis_;» e Elle, o propheta, Elle,
o anjo exterminador, Elle, o enviado de Deus ás gerações ... Elle
era--cartista!

       *       *       *       *       *

Se o sr. Herculano escreveu isto, que parece uma blasphemia pavorosa «_O
espirito de Deus passou pelo meu espirito e disse-me: vae, e faze,
resoar nos ouvidos das turbas palavras de terror_ ...»--é que
naturalmente Deus era tambem--cartista.

E assim rompe um livro, tendo por base a mancommunação de um Deus e de
um propheta, conchavados para espancarem patuleas a cacetadas de biblia
e de rhetorica!

       *       *       *       *       *

Permitta-se-nos dirigir uma pequena pergunta humilde ao grande
historiador:

Se s.ex.ª nos affirma que o espirito de Deus o tocou e lhe disse: _Vae_,
o que acreditamos sob a palavra de s.ex.ª, como ousa s.ex.ª negar que o
mesmo Deus tivesse egualmente apparecido a Affonso Henriques e lhe
tivesse dito--_Vence_? Porque, em fim, a verdade é que o milagre que
precedeu a victoria de Ourique é exactamente o mesmo que inspirou a _Voz
do propheta_. Ao grande escriptor assim como ao grande rei Deus
appareceu e fallou. Se um d'estes cavalheiros nega a visão de outro, não
poderá a critica julgal-os suspeitos como officiaes do mesmo officio?
Não será plausivel que cada um d'estes Joões Marias Farinas dos divinos
cheiros queira para si o privilegio de ser o unico João Maria Farina,
authentico e legitimo?

       *       *       *       *       *

Mais encerra o sobredito livro dos Opusculos:

Primeiro--Uma «consulta apresentada á Academia Real das Sciencias ácerca
do estado dos archivos ecclesiasticos do reino e do direito do governo
em relação aos documentos ainda n'elles existentes»--questão que se acha
resolvida desde 1857. Tem essa actualidade.

Segundo--«Os egressos, petição humilissima a favor de uma classe
desgraçada.» Mais: «As freiras de Lorvão», especie de petição em favor
da parte feminina da sobredita classe, acto philantropico que declarado
hoje, quarenta annos depois da extincção das ordens religiosas, nos
obriga a meditar nas razões por que o auctor não aproveitaria este
ensejo para peticionar egualmente em favor das familias dos companheiros
de Pharaó, victimas da terrivel catastrophe da passagem do Mar Vermelho.

Terceiro--«Theatro, moral, censura», discurso em que o auctor propõe que
a censura dramatica não seja eliminada mas sim substituida por «uma lei
para o theatro em harmonia com a lei politica da nação»--especie de
carta constitucional da monarchia da rua dos Condes e do Salitre. O sr.
Herculano quer _um jurado especial encarregado de defender a moralidade,
punindo com multas pecuniarias e com cadeia todo o delicto dramatico em
offensa da moral_,--o que nos parece ser, sem a minima duvida, o
restabelecimento puro da santissima inquisição, ou a renovação dos jogos
da eloquencia, de Caligula, em que o vencido era lançado no Rhodano,
sempre que não preferia apagar o seu discurso com a lingua.

Quarto e ultimo--Uma _advertencia preliminar_, na qual o autor explica
que compoz a sua obra _com o fim de_--matar o tédio das longas noites
de inverno na solidão da sua granja. D'onde somos levados a deduzir que
os fins da arte para o illustre solitario de Valle de Lobos--no inverno
pelo menos--são simples parceiros de jogo, questão de passar tempo: para
s.ex.ª a antiga coisa sagrada de Platão substitue--a bisca sueca. O fim
moral retira-se, havendo uma perna para o _voltarete_.

E nada mais se contém no ultimo livro recentemente publicado por aquelle
que justamente se considera o primeiro dos escriptores portuguezes!

       *       *       *       *       *

Esse livro que se não baseia em nenhuma das necessidades da sciencia, da
razão ou do sentimento do mundo moderno, caminhando no ar como as
pinturas chinezas em que não ha solo, é uma pessima obra. Vem de alto,
firma-a um nome prestigioso, está escripta no estylo relimado a que
Michelet chama a _indigente correcção de Malherbe_: tem portanto as
condições da voga; é um exemplo funesto. Porque esse livro não instrue,
nem ensina, nem esclarece, nem consola ninguem.

Referindo-se ás conferencias do Casino repisa a velha questão catholica
e esquiva-se á apreciação da theoria artistica, economica e scientifica
da revolução, que essas conferencias propagavam.

Na politica é auctoritario, conservador intransigente. Impõe-nos a
carta, como Carlos IX impunha a missa a Henrique de Navarra e ao jovem
Condé, depois da Saint-Barthelemy. Nega a revolução democratica com um
desdem banal, como quem ignora ou finge ignorar que toda a revolução que
se oppõe á corrupção e á miseria, filhas das instituições, não é uma
theoria contingente mas sim uma lei fatal. Estava n'este ponto bem mais
adiantado, do que s.exª nos quer mostrar que se acha, aquelle velho
ministro francez que ha mais de cem annos exclamava: «_La légalité nous
tue_».

Na economia social, sem uma palavra para algum dos principios que
constituem o systema de credito e a organisação industrial, preconisa as
_caixas economicas_, escondendo que a questão de coarctar a miseria não
é de estabelecer o _mealheiro_ mas sim de crear o trabalho.

Na arte quer a manifestação do pensamento adstricta ás sentenças de um
jury tirado da academia das sciencias, da escola polytechnica e de não
sei que outros tribunaes regularisadores do direito da palavra,
justificando assim aquella definição do sublime dada por Galiani: «a
arte de dizer as coisas sem ir para a cadeia»; quando a verdade n'este
ponto é que nada ha que mais avilte a intelligencia e o caracter do que
o exercicio hypocrita, imposto pela legislação repressiva, de encobrir o
pensamento ou de disfarçar a verdade.

       *       *       *       *       *

No momento actual, quando a Europa inteira, grande martyr, se agita na
polemica e no sangue, procurando nobremente e santamente resolver para a
justiça o problema do destino dos povos, reconhecendo com Proudhon que a
negação da sociedade feita em 93 implíca uma affirmação subsequente que
ainda não está feita, e que, depois de desorganisados os privilegios,
nos é hoje preciso organisar sólidamente e firmemente o trabalho na paz,
no bem estar e na virtude,--n'este momento supremo, um dos mais graves
em que se tem achado a humanidade, quando mais do que nunca se precisa
para a verdade do concurso de todos os espiritos elevados e rectos--, um
philosopho, um pensador educado nos severos estudos historicos, o mais
auctorisado dos nossos escriptores, entretendo-se no seu gabinete a
reconstituir antigos opusculos banaes e extinctos para passar o inverno,
lembra um pouco o imperador Theodosio entregue ás especulações
theologicas, e compondo symbolos no gyneceu, quando Genserico estava em
Cartago e Attila nas margens do Danubio.

       *       *       *       *       *

Diz-nos o sr. Alexandre Herculano que está velho, desilludido,
desalentado ...

D'onde lhe veiu tanta amargura e tão singular abatimento, que nem os
annos nem os desgostos justificam?

Comprehende-se a tristeza d'aquelles que, consagrando a sua vida a uma
grande obra, absorvendo-se n'ella, pertencendo-lhe integralmente, se
acham repentinamente desacompanhados e sós ao verem a obra terminada.
Michelet consumiu quarenta annos a escrever a historia da sua patria.
«Pois bem, minha grande França, exclama elle, se foi preciso para achar
a tua vida que um homem se tivesse entregado e passasse e repassasse
tantas vezes o rio dos mortos, esse homem consola-se, agradece-te ainda,
e o seu maior pesar é ter emfim do deixar-te.» Gibbon, tão frio e tão
secco, não larga o seu livro sem uma commoção profundamente melancolica:
«Pensei que acabava de despedirme do antigo e agradavel companheiro da
minha vida.» Oh! sim, comprehende-se bem essa magoa profunda que absorve
o homem ao cabo da missão a que elle se dera no mundo! Comprehende-se
Alexandre morrendo de tristesa depois de conquistar a Asia, e Alarico
depois de tomar Roma; comprehende-se Godofredo de Bulhões, com a sua
herculea natureza que resistiu inalteravel ás fomes, ás sedes, ás
pestes, ás guerras, a todas as tragedias da cruzada, sossobrando
finalmente ao ter de embainhar a espada, e morrendo--por ter chegado!

Mas não se comprehende definhando de tristesa em Valle de Lobos o sr.
Herculano, porque elle não venceu, não conquistou, não concluiu a sua
obra: abandonou-a apenas, retirou-se, foi-se embora.

Como antigo litterato, historiador, romancista e poeta, s.ex.ª não se
póde contristar. Deve consolal-o a vida rural, que elegeu em
substituição da vida artistica.

Se o não satisfaz a solução que deu ao seu destino, se no remanso da sua
granja, na abundancia, no saudavel exercicio da lavoura, na familia, na
saude, na paz, na consideração e no respeito publico, s.ex.ª se sente
effectivamente velho, desalentado e triste, creia s.ex.ª então que não é
o litterato que ainda soffre, é o agricultor que já começa a padecer. A
padecer o que? Esta molestia:--a nostalgia da arte.

       *       *       *       *       *

A tristeza não é nunca um estado de espirito normal no organismo de um
homem são. A tristeza é um symptoma de enfermidade physica ou moral. A
tristeza habitual quando se não cura com as pílulas de Radway e com as
aguas mineraes, cura-se com uma acção boa. Se com isso não passa, é
então uma lesão profunda e mortal.

O homem que durante vinte annos viveu no trabalho intellectual, na
applicação, no estudo, na poderosa contensão da arte, escrevendo,
publicando, dilatando-se, repartindo-se pelos seus semelhantes,
amassando e forneando para elles o divino pão da verdade, nunca mais
póde sem perigo retirar-se d'esse meio.

Nos serios trabalhos do espirito consagrados a uma idéa elevada ha uma
luz vivificante e serena que não sómente allumia o operario, penetra-o
tambem, alimenta-o, conforta-o. A sua obra não é inteiramente d'elle,
elle pertence tambem á sua obra. Elle cria-a, torna-a viva, poderosa,
immortal á força de amor, de verdade e de justiça; ella, generosa e
grata, educa-o, aconselha-o, consola-o, fortifica-o. Os dias passam,
tenebrosos ou limpidos, serenos ou revoltos no mundo externo; na
immutavel região da arte ha a pacificação permanente. Embebido na doce
mocidade eterna da sua obra, o verdadeiro artista, perfeitamente fiel ao
trabalho, não sabe nunca se envelhece ou não.

Veja o sr. Herculano aquelles que deixou nas lettras, ha alguns annos,
muito mais edosos que elle! Como ainda hoje são novos!

Quem guia, quem governa, quem encaminha hoje no mundo a grande marcha
das idéas modernas a que o illustre agricultor de Santarem se oppõe, no
seu recente livro de torna-viagem, com epigrammas cacheticos e vetustos?
Veja-os s.ex.ª, escute-os, attenda-os: como teem os labios vermelhos, a
voz clara e metallica, os cabellos loiros, os musculos fortes, o sangue
vermelho, salgado e alegre! Reconhece-os?...

São Victor Hugo, Michelet, Quinet, Thiers, Raspail e Karl Marx.

Companheiros de infancia de s.ex.ª eil-os ahi ainda, na mais perfumada e
viçosa flor da edade, entre os setenta e os noventa annos!

       *       *       *       *       *

Quando uma vez se habitou o paiz luminoso da sciencia e da arte é
impossivel o expatriamento para os frigidos climas sombrios dos
interesses praticos e positivos. A mão que por vinte annos manejou uma
penna, não poderá jámais ageitar-se á rabiça de um arado. Sequestrar-se
á sciencia é roubar a sociedade. Para onde quer que te recolhas com a
porção de luz e de verdade que tinhas no teu cerebro e que subtrahiste
do thesouro commum da humanidade, para onde quer que te escondas, ó
triste foragido, irá sempre comtigo, pungindo-te na parte mais nobre do
teu ser não contaminada pelo egoismo, o remorso de uma acção má. Debalde
procurarás justificar o plano da tua deserção com os desgostos que
atravessaram a tua carreira. Desgostos, tu! o filho mimoso da tua
patria! a unica gloria official da litteratura do teu paiz! tu sempre
lido, sempre gloriado, sempre retribuido! Oh! como se rirão dos teus
pretendidos desgostos todos aquelles que tiveram no mundo uma idéa, que
se lhe consagraram, que viveram e que morreram por ella!

Pobre homem sem fé! que pensarão do teu martyriosinho de album, da tua
pequenina cruz de berloque, aquelles que realmente tiveram um martyrio e
uma cruz, onde padeceram e morreram, resignados e austeros?!... Spinoza,
que muitas vezes comeu hervas por não ter pão; Campanella preso vinte e
sete annos, sendo cinco vezes julgado e soffrendo sete vezes a tortura;
João Jacques dormindo n'um fosso por não ter outro asylo; Diderot
desmaiando de fome; Proudhon, vivendo com um tostão por dia, caminhando
oitenta leguas a pé para ir ver o seu amigo, só, odeado, perseguido,
caminhando sem meias, com os pés nús embrulhados em palha dentro dos
tamancos das suas montanhas do Jura!

       *       *       *       *       *

Se o sr. Herculano, agricultor, está triste, volte a ser litterato,
restitua-se á sua patria, á sua geração e ao seu tempo.

Se definitivamente não quer ser mais um escriptor, poupe então a nossa
sensibilidade ás repetições da historia dos seus desgostos. Como simples
proprietario rural os jubilos ou as melancolias do sr. Herculano são
absolutamente indifferentes á humanidade.

Quando Quinet publicou a «Historia» das suas idéas, procurando dar sob
uma fórma individual a historia moral da geração de que fez parte, á
similhança do que parece ser intentado agora pelo sr. Herculano com a
publicação dos seus opusculos, Quinet não obedecia ao desejo de servir
um editor ou de entreter um inverno; Quinet, colligindo as suas idéas e
recompondo o seu passado, arrancava da sua obra uma grande idéa, bella,
radiante e fecunda: a coherencia, illuminando um caracter, e fazendo
d'elle uma força moral.

Quinet não vinha entristecer-nos com a sua melancolia nem contaminar-nos
com o seu desalento.

Se elle reconstituia e publicava os dispersos fragmentos obscuros de
antigos trabalhos era exactamente porque d'esse agrupamento e d'essa
reunião de idéas espalhadas pelas differentes edades e pelas diversas
phases da sua vida sobresahia como um nobre exemplo o luminoso
contentamento de uma alma perseverante e forte.

Decepções, chimeras, enganos, o que vem a ser essas coisas? ignoro-o;
ahi está a minha vida, dizia cele. O que uma vez amei, em cada dia me
pareceu mais digno do amor; de dia para dia adiei a justiça mais santa,
a liberdade mais bella, a palavra mais sagrada, a arte mais real, a
realidade mais artista, a poesia mais verdadeira, a verdade mais
poetica, a natureza mais divina, o divino mais natural. E se me sobrasse
tempo para ir mais ao fundo d'aquillo que ignoro, sinto que as coisas
que ainda me espantam acabariam por desapparecer. Onde a inquietação se
apoderara de mim, o enygma se decifraria por si mesmo. Eu repousaria na
luz.

São os homens que podem extrahir do seu passado a lição que encerram
essas formosas palavras os que teem direito de vir fallar-nos do seu
passado. Os que não teem como lembrança dos seus dias decorridos senão o
cansaço, o desalento, a indifferença o o desdem, podem fazer um serviço
maior do que escrevel-o; é calal-o.

       *       *       *       *       *

Concluindo não pediremos ao sr. Herculano que nos perdôe a ousada
franqueza com que lhe fallamos. S.ex.ª sabe que a unica irreverencia
criminosa diante de urna verdade que se possue consiste unicamente em
esconder essa verdade. Que ella provenha do mais obscuro dos miseraveis
ou da mais alta e mais competente das actividades, que importa? É
preciso abate-a ou deixal-a passar. S.ex.ª conhece o dialogo asiatico de
Salomão e de Marculf. Salomão é o grande rei, dotado de todos os dons,
bello, omnipotente e sabio; Marculf é um villão-ruim, um rustico
insolente e bestial. No emtanto as subtilezas populares do bobo
esfarrapado embaraçam e humilham no seu throno o poderoso e sabio rei.
Isto prova que a magnanima auctoridade e a sacrosanta lei escripta podem
não perder tudo em escutar um simples, roto e despresivel raciocinio
plebeu.

Bem sabemos que não somos nós que temos as finas subtilezas ironicas do
bobo Marculf. Mas egualmente é certo que por outro lado o sr. Herculano
tambem não é inteiramente o filho de David, rei de Israel, o que
escreveu o _Cantico dos canticos_ e edificou o templo.

       *       *       *       *       *

Ao passo que o sr. Alexandre Herculano, historiador, publica opusculos, o
sr. João Felix Pereira, opusculista, publica historia.--É a logica do
absurdo.

       *       *       *       *       *

A recente obra de Felix é um resumo de historia romana traduzido do
latim. As primeiras linhas d'esta versão bastam para dar aos leitores
uma, idéa da obra.

_O imperio romano, menor do que o qual em seo principio, ou maior por
seo augmento em todo o mundo, de quase nenhum a memoria humana pode
recordar-se, tem principio de Romulo; o qual filho de Rhea Silvia,
virgem vestal, e, quanto se julgou, de Marte, foi dado á luz com seo
ermão Remo, d'um só parto. Elle como andasse roubando entre pastores,
chegando á edade de dezoito annos, fundou uma pequena cidade no monte
Palatino_ ...

Tal é Eutropio--traduzido para Felix. Não faltaria agora senão uma
coisa: traduzil-o de Felix para Portuguez--se por ventura houvesse
alguem no mundo que fosse capaz de advinhar perante a lingua de Felix,
qual a grammatica com que se rege Felix, medico, engenheiro civil,
agronomo, e auctor de opusculos para instrucção da mocidade!

Não, francamente, ó Felix, vós, que tendes tantos officios--medico,
engenheiro civil e agronomo--vós, que sois na sciencia o mesmo que são
na musica os homens dos sete instrumentos, que fazem uma orchestra
batendo com todas as partes do corpo, vós que egualmente sois medico com
a bocca do estomago, engenheiro civil com os cotovellos, agronomo com o
nariz e escriptor publico com os calcanhares, porque não deixaes vós de
ser, pelo menos, um preceptor da infancia, um escriptor das escolas?!...

Em primeiro logar isso descançaria um pouco o vosso corpo, ó habilidoso
João, ó feliz Felix.

Em segundo logar pouparieis á infancia o desgosto de desaprender a sua
lingoa lendo nas aulas os vossos escriptos, os quaes a benemerita Junta
Consultiva da Instrucção Publica não deixa nunca de approvar, servindo
assim na primeira communhão dos que estudam, em vez das sagradas
particulas da sciencia, os estercos nauseabundos e venenosos das vossas
equarissages litterarias.

A verdade, encyclopedico Felix, é que vós escreveis muito peior do que
fallam os botucudos do rio Mucury e os Pelles Vermelhas, no interior dos
sertões.

A verdade é que ninguem vos entende.

Se nós houvessemos de ir estudar os rudimentos da historia romana
prefeririamos ao trabalho de interpretar o vosso compendio ir
directamente estudar a geographia antiga, a ethnologia, a geologia, a
linguistica, a archeologia, todas as primitivas fontes da historia;
ser-nos-ia mais facil, mais rudimentar, do que analysar e reduzir á
grammatica qualquer dos vossos periodos, ir á Asia Menor estudar as
epigraphes funerarias sobre as ruinas do templo de Herodes Atticus,
interpretar e comparar os textos da escripta hieroglyphica, hierotica e
demotica, os documentos originaes bysantinos e orientaes, e as
inscripções babylonicas e assyrias gravadas nas estatuas, nos
baixo-relevos, nos cylindros e nos amuletos ... Tudo isso, ó João, antes,
mil vezes antes, do que procurar entender-vos!

       *       *       *       *       *

Se porém o nosso conselho vos não apraz, se quereis absolutamente
continuar a escrever compendios, em vez de seguirdes outro officio, não
nos afflijaes pelo menos, continuando a declarar-nos em cada uma de
vossas obras que continuaes sempre a ser medico, agronomo e engenheiro
civil! Se tudo isso vos não serve para ganhardes honradamente a vossa
vida sem vergonhas da grammatica dos vossos paes e do senso commum dos
vossos avós, então ponde unicamente nos vossos livros:

POR JOÃO FELIX BIMANE DA ORDEM DOS PRIMATAS SEGUNDO DARWIN E LAMARCK

       *       *       *       *       *

O _Tribuno Popular_, folha democratica de Coimbra, referindo-se em um
notavel artigo á recente viagem áquella cidade do S.M. o sr. D.
Fernando, escreve estas linhas:

_«N'este intervallo a sr.ª condessa de Edlla, e o sr. infante duque de
Coimbra, acompanhados pelo sr. visconde do Seiçal e João José de Mello,
emprehendiam um passeio notavelmente pittoresco. Dirigiram-se ao caes,
entraram n'um pequeno barco, e seguiram rio acima, admirando estas
formosissimas margens, então realçadas pela luz do luar, e animadas pela
orchestra de mil rouxinoes que de ambas as margens pareciam advinharem
os espectadores nocturnos que os escutavam.»_

Poderosos ceos! Que teriam feito os rouxinoes para que se entendesse que
elles tinham advinhado «os espectadores nocturnos que os escutavam?!»

Cantaram o hymno da carta? Deram vivas á real familia? Perguntaram por
Melicio?...

Por Deus! que o _Tribuno Popular_ nol-o diga! Queremos pedir para o
peito d'esses passarinhos a commenda de S. Thiago.

Emquanto aos srs. viscondes do Seiçal e João José de Mello, estamos
certos de que não deixaram ficar a côrte endividada com a patriotica
manifestação dos rouxinoes do Choupal. Sim, ss.ex.'as seguramente
responderam aos rouxinoes, desentranhando-se por sua parte nos mais
ternos pios, nos mais vigorosos gorgeios ... Oh! nós conhecemos a fidalga
bizarria de ss.ex.'as, Pela parte que nos toca não podemos deixar tambem
de mandar um garganteado reconhecido ás avesinhas do Mondego. Ora pois:
_có, có ró, có!_ por Lisboa agradecida.

       *       *       *       *       *

Sempre que em cada anno se celebra na cadeia do Limoeiro a ceremonia da
communhão aos presos, o senhor procurador regio convida a imprensa a
assistir a essa solemnidade, e a imprensa publica no dia immediato que a
cadeia está no maior aceio e que o senhor procurador regio é digno dos
maiores elogios. Porque? Porque commungaram os presos.

       *       *       *       *       *

Ha dias lemos que a casa de detenção da comarca de Lisboa estabelecida
no antigo convento das Monicas estava no dito «maior aceio» e que o
mesmo procurador regio era digno dos referidos «maiores elogios.» Razão:
Tinham commungado os presos.

       *       *       *       *       *

Ora é bom que o publico saiba de quando em quando o que são as prisões
portuguezas--quando os presos não commungam.

Nós visitámos a casa de detenção--antes da oitava da Paschoa. Eis o que
vimos:

       *       *       *       *       *

Um predio frio, humido, abafado, sem ar e sem luz, espessas paredes e
pequenas janellas, a clausura mais estreita, mais escura, mais humilde.
Era no inverno. As paredes rebocadas de novo tinham grandes manchas
humidas, esverdeadas. O sol não penetrava em parte alguma do edificio.
Uma impressão de bolor e um ar em que se sentiam, resfriadas e fixas, as
exhalações peculiares da miseria, a atmosphera das enxovias
deshabitadas, as reminiscencias olphaticas dos cheiros emanados das
vasilhas de lata em que houve caldo e dos vestidos quentes dos mendigos
que apanharam chuva.

Era um domingo. Os rapazes detidos no estabelecimento, na promiscuidade
de todas as edades desde os seis annos até aos dezeseis, estavam juntos
em um estreito pateo interior, na sombra--porque tambem ali não chegava
o sol--frios, com as mãos nos bolsos, encostados aos muros, sentados ou
deitados no chão. Ninguem os vigiava. Elles porém estavam quietos--como
um rebanho no curral. Alguns tinham escrophulas. Outros tinham os olhos
doentes e os cantos da bocca feridos. Eram todos magros, pallidos,
anemicos, tristes.

Perguntamos-lhes por que esperavam. Não esperavam nada. Estavam ali. Que
faziam? Coisa nenhuma. Porque não cultivavam a quinta annexa ao
edificio, metade da qual estava cheia de hervas inuteis? Porque os não
deixavam: havia um hortelão. Porque não iam pelo menos passeiar na
quinta? Porque era prohibido. Não havia uma gymnastica? Não a havia. Não
havia de todos esses regimentos da guarnição de Lisboa um musico que aos
domingos lhes ensinasse rudimentos de musica para que tivessem uma
charanga? Não havia. Hão havia, pelo menos, um cabo de esquadra que os
fizesse marchar ao som de um tambor e lhes ensinasse o exercicio
militar? Não havia. Não havia, emfim, terra que remover, pedra que
acarretar, lenha que partir, um pau sequer espetado no chão para
treparem n'elle, uma escada de mão posta ali para subirem e descerem
por ella, uma occasião, um motivo, um pretexto, uma desculpa qualquer
para que esses infelizes pequenos se bolissem, se movessem, tivessem
alguma distracção, fizessem algum exercicio? Nada, absolutamente nada.
As lages do pateo interior da casa, pouco menos estreito que um saguão,
coberto de sombra e de frio e sobre as lages os pequenos. Era assim que
passavam os domingos.

       *       *       *       *       *

Nos dias de semana trabalham em officinas terreas, sem soalho,
extremamente humidas, no mesmo pateo em que jazem nos domingos. Uns são
alfaiates, outros sapateiros, outros esparteiros. Ha sobre isto uma
escola de instrucção primaria. Não aprendem mais nada. Nada mais se lhes
ensina.

Este instituto tem uma missão especialmente moralisadora. Não ensina
moral.

Tem por fim punir e evitar as contravenções da lei. Não ensina a lei.

Tem a obrigação restricta da catechese. Não ha na prisão um padre, um
capellão, um perceptor.

Aos domingos um sacerdote diz missa e retira-se. Por essa razão entre as
attribuições dos chaveiros lemos esta disposição: «Obrigará os presos a
benzerem-se.»

Teem duas refeições por dia. Ao almoço arroz e feijões. Ao jantar
feijões e arroz.

Carne fresca ou salgada, de boi, de carneiro ou de porco nunca comem.
Nunca bebem vinho.

O rancho é fornecido pela cosinha do Limoeiro. Isto precisa de ser dito
duas vezes. O rancho é fornecido pela cosinha do Limoeiro. É o _menu_ da
enxovia. Se é mau na cadeia, imagine-se o que poderá ser na casa de
correcção!

       *       *       *       *       *

Dormem, aos grupos de oito, em camaratas, onde ha, em cada uma, oito
camas e uma latrina.

Na camarata não ha luz. A porta é fechada por fora á chave.

Não ha vigilancia alguma durante todo o espaço de tempo que decorre
dentro d'aquellas podridões, desde que anoitece até que rompe o sol.
Apenas, fora do corredor que dá passagem para os dormitorios, dorme um
guarda no seu quarto. Este guarda teve a bondade de nos dizer que,
sempre que havia desordens nas camaratas, elle intervinha com o rigor da
sua auctoridade por isso que, concluiu elle, _quem dá o pão dá o
ensino_.

Cremos piamente que este guarda está convencido de que quem dá o pão em
Portugal á infancia criminosa é elle. O ensino pelo menos é exclusivo de
sua mercê.

       *       *       *       *       *

A direcção geral da prisão está confiada a um homem que não sabemos quem
é, nem quem foi, nem quem poderá vir a ser. O que sabemos, e isso nos
basta, é que esse director ganha--cinco tostões por dia!

       *       *       *       *       *

Eis a physionomia da casa de detenção da comarca de Lisboa, contornada a
traços mathematicos, sem commentarios, sem emphase, sem exclamações
doloridas ou sentimentaes, nenhum toque artificial de luz ou de sombra
que possa alterar a exacção rectilinea do quadro!

Para isto não ha pedir reorganisação ou reforma. Não se trata de uma
velha instituição apodrecida pelos annos. É uma creação nova, que tem
apenas alguns mezes de existencia. Dá a medida exacta das forças de
sciencia, de civilisação e de moral que o paiz se acha officialmente
habilitado para dispender, no dia de hoje, em favor do progresso. Não se
póde por em quanto pedir mais nada ao paiz! Eis a sua mais recente prova
de capacidade! Eis tudo quanto elle sabe do direito criminal, da hygiene
physica e moral das prisões, das modernas colonias penitenciarias, da
educação intellectual, da educação moral, da educação religiosa, dos
deveres phylantropicos do Estado, da missão paternal do poder para com
os orphãos, da organisação do trabalho infantil, de todas as questões
finalmente ligadas á creação de um estabelecimento penal da ordem
d'aquelle a que nos referimos.

O povo, tranquillo e satisfeito, lê as folhas baratas cheias de elogios
estolidos ás mais viciadas e perniciosas instituições do paiz, e
julga-se fielmente levado para a mystica terra da promissão pelos homens
que o governam e pelos homens que o instruem. De todo o tempo esteve na
tendencia popular esta profunda fé na simplicidade ignorante. Os
primeiros cruzados que foram á Terra Santa queriam ter por guias uma
cabra e um pato; os Sabinos baixaram das suas montanhas conduzidos por
um picanço; Cadmus foi á Beotia levado por uma vacca. Em Portugal João
Felix, no livro; Melicio, no jornal; e o sr. procurador regio na casa
das Monicas, dirigem os espiritos e guiam as consciencias para o ideal.
A opinião obedece-lhes.

       *       *       *       *       *

Vemos em uma conta official que nas obras feitas no convento das Monicas
para adaptar o edificio ao fim a que elle hoje se destina, se gastaram
seis contos de réis. Junte-se esta quantia á de quinze contos, preço
minimo porque poderia ser vendido o convento e quinta annexa e ter-se-ha
mais que o sufficiente para fundar em qualquer baldio da Extremadura ou
do Alemtejo uma exemplar colonia agricola penitenciaria.

Seis contos de réis, só em obras n'um edificio torto, absolutamente
impossivel de adaptação ás necessidades do trabalho, da educação e da
hygiene!...

Mas é um desperdicio, que revela a ignorancia mais crassa em similhantes
assumptos. Na magnifica colonia agricola de Mettray, perto de Tours, em
França, as creanças presas estão divididas por edades e repartidas por
casas inteiramente separadas e independentes. Cada uma d'estas casas,
de 12 metros sobre 6,66, consta de um pavimento terreo e de dois
andares. Na sala do rez do chão está estabelecida a officina. Em cada um
dos dois andares ha uma sala, que serve successivamente de dormitorio,
de refeitorio, de sala de estudo, de sala de recreação nos dias de
chuva, e em caso de necessidade de escola. Dois travessões presos ao
muro por uma dobradiça em uma das suas extremidades estão levantados ao
longo da parede dos dois lados da porta de entrada. Quer-se preparar o
refeitorio, a classe, a sala de estudo? Descem-se estes dois travessões
e suspendem-se no muro fronteiro, ficando assim firmes, na altura de uma
mesa, aos dois lados da porta, e a todo o comprimento da sala; em
seguida descem-se das paredes lateraes pranchas de madeira fixadas
n'ellas por meio de dobradiças como os travessões; estas pranchas presas
ao muro por um lado prendem-se pelo lado opposto ao travessão por meio
de uma cavilha; e estão promptas as mesas. Os bancos levam-se da
officina. Se se quer armar o dormitorio, em vez das pranchas com que se
formam as mezas, descem-se dos muros as macas em que se fazem as camas.
Ao fundo de cada um d'estes dormitorios ha um quarto aberto para a sala
em que dorme o chefe da secção, secundado pelo contra-mestre. Os
contra-mestres estão alternadamente de quarto no dormitorio, de modo que
durante a noite passeia constantemente um guarda no espaço que medeia
entre os dois travessões de que fallámos.

Cada um d'estes pequenos predios contendo quarenta e tres pessoas,
custou, incluida toda a mobilia, um relogio, toda a roupa de camas, e
toda a loiça de lavatorio e limpeza, 8:300 francos, isto é: 1:494$000
réis.

Tres dos predios descriptos seriam muito mais que o sufficiente para
recolher todos os presos actualmente existentes na casa de detenção das
Monicas.

Temos portanto que em Lisboa se gastam seis contos unicamente em reparos
n'um velho edificio monstruoso, quando em Tours se funda para 120 presos
um estabelecimento completo, se construe um edificio modelo, provido
inteiramente de louça, de roupa e de mobilia, por menos de quatro contos
e quinhentos mil réis!

       *       *       *       *       *

Em quanto ao regime e á organisação interna do estabelecimento
portuguez quasi tudo o que existe é erro.

Os presos não cultivam a quinta. Deviam cultival-a. Formar-se-hiam assim
hortelões e jardineiros.

Não cosinham, não tecem o estofo dos seus vestidos, não cozem o pão das
suas rações, não fazem a mobilia das suas casas. Tudo isso deveriam
aprender. Era facil, era economico, era moralisador, dava aos presos
novas aptidões, ensinando-os a padeiros, a tec-lões e a cosinheiros,--as
noções mais essenciaes á vida.

Não aprendem musica. Deviam aprendel-a. Uma charanga á frente de cem
rapazes em marcha faz d'elles cem homens.

Não teem uma bomba de incendios. Deviam tel-a, deviam saber manobrar com
ella. Devia-se conceder como um premio aos de melhor procedimento,
levarem a bomba aos incendios, permittindo-se por este modo aos
condemnados a faculdade de se rehabilitarem sacrificando a sua vida
pelos seus similhantes.

Não ha uma mulher dentro da prisão. É uma enorme falta para as
desgraçadas creanças de oito a doze annos. A cozinha, a lavanderia, a
enfermaria, a rouparia, coisas que alli não existem senão nominalmente,
deveriam organisar-se de um modo effectivo com o trabalho dos presos e
sob a direcção das irmãs da caridade portuguezas, que encontrariam assim
um emprego elevado e digno do seu tempo.

Só as mulheres sabem aconselhar as creanças, convencel-as da virtude; e
cumprir esta missão é mais bello e é mais meritorio perante a sociedade
e perante Deus do que mendigar por entre velhas fidalgas devotas,
embiocadas e inuteis, o pão de cada dia.

Os presos isolados no carcere celular estão na mais absoluta ociosidade
fechados n'um quarto escuro. Não ha nada que mais desmoralise, que mais
definhe e que mais corrompa. N'estes casos os rapazes deveriam ser
obrigados a rachar lenha ou a britar pedra--os exercicios mais saudaveis
para os musculos de quem está parado.

Finalmente a casa de detenção das Monicas não é sómente a negação do que
devia ser, é mais do que isso, é a affirmação contradictoria de todos os
principios oppostos aos principios verdadeiros.

Tal qual está constituido este estabelecimento, temol-o por um foco de
apodrecimentos humanos, um seminario de vicios torpes e secretos, um
curso accelerado de preparatorios infalliveis para o Limoeiro, para o
hospital, ou para o cemiterio.

       *       *       *       *       *

Uma derradeira observação:

A maior parte dos presos detidos na prisão correcional das Monicas são
cumplices do crime de vadiagem.

Ora sendo aquelles presos todos menores, não tendo uma familia, não
tendo um officio, não sabendo ler nem escrever, com que direito os pune
por não trabalharem o Estado, que lhes não dá trabalho?

Que quer o estado que sejam esses pequenos para não serem vadios?

Quer que sejam medicos, tenentes coroneis, conselheiros do tribunal de
contas, escriptores publicos, capitalistas ou banqueiros?

Vamos! respondam-nos! Estamos interrogando sob o caracter mais digno de
attenção e de respeito de que se pode alguem revestir. Somos n'este
momento os interpretes inviolaveis e sagrados da infancia orphã,
desvalida e desamparada. Fallamos em nome de um pequeno que não quer ir
para a prisão das Monicas comer os feijões frios do Limoeiro, no que
está inteiramente no seu direito. É um innocente.

Todavia ninguem o chama para fazer artigos nos jornaes, ninguem o quer
para commandar a Municipal, ninguem o incumbe de tratar uma molestia, de
deffender uma causa, de montar uma fabrica ou de construir um navio.
Nenhuma viuva rica lhe offerece a sua mão de esposa. Os agiotas quando
elle passa levantam as bengalas e rangem os dentes. Não tem uma ponta de
trabalho nem um bocado de pão. Finalmente é um vadio. Agora o que elle
deseja saber é o seguinte:

O que é que o Estado lhe dá licença que seja desde o momento em que lhe
prohibe ser o que é.

Espera-se resposta.

       *       *       *       *       *

A _Republica Portugueza_, jornal de Coimbra, exproba-nos a indifferença
que temos pela questão politica e pela forma do governo em Portugal, e
dirige-nos as seguintes textuaes perguntas:

1.ª «A redacção das _Farpas_ quer a resolução do problema economico,
quer que se preoccupem os animos com a questão social; mas sempre
quereriamos saber como isso se podia realisar, quando a formula politica
é insufficiente para garantir o direito?»

2.ª «O problema social em sua maior amplitude é a realisação pratica da
justiça, e sendo a fórma do governo o meio adquado á sua realisação em
uma dada epoca, como poderá haver quem imagine a resolução dos
principios da justiça actual em uma fórma de governo de ha dois
seculos?»

       *       *       *       *       *

Temos a honra de responder á _Republica Portugueza_:

1.º Aquillo que a _Republica Portugueza_ chama a _formula politica_ não
é insufficiente em Portugal para garantir o direito que cada um tem de
estudar e resolver o problema social; essa questão póde-se tratar, com
todas as garantias da liberdade, nos livros, nos jornaes, nas camaras,
no governo; a unica razão que obsta a que isto se faça é apenas a
incapacidade intellectual ou moral dos que tinham obrigação de fazel-o.
Depois de estabelecida e firmada a liberdade politica aproximadamente
perfeita como ella existe em Portugal, a sociedade nada mais tem que
pedir ao principio politico; a sua obrigação é organisar as suas forças
industriaes e economicas e o seu systema moral para conseguir, dentro da
liberdade que tem, duas coisas de que carece: riqueza e virtude. Dada a
liberdade, a questão politica nada mais tem que dar ao povo; se elle
pede ainda á fórma de governo o remedio da sua corrupção e da sua
miseria, isso não prova senão uma triste coisa: é que o povo não está na
Revolução, está apenas na inepcia.

2.º A resolução dos principios da justiça cabe em todas as formas de
governo. Turgot, ministro de Luiz XVI, no tempo da monarchia feudal
queria exactamente isso: a resolução dos principios da justiça. Sabe a
_Republica Portugueza_ quem foi que impediu Turgot? Foi o povo. Não
somos nós que o dizemos. Proudhon, cuja auctoridade suppomos que a
_Republica Portugueza_ não terá por suspeita, exprime-se n'estes termos:

«Esse reformador rigorista, traido pelo povo, queria todavia a
_revolução_--tomada de alto, feita sem estrepito, consumada quasi sem
revolucionarios.»

Ora aqui tem a _Republica Portugueza_ como ha quem imagine, a solução
dos actuaes principios revolucionarios em uma forma de governo de ha
dois seculos. Quem teve a petulancia de imaginar isso, sem a previa
licença da _Republica Portugueza_, foi Proudhon.

       *       *       *       *       *

Depois de nos fazer as suas perguntas, a _Republica_ tem a bondade de
nos dar os seus conselhos. As perguntas satisfizemos-lh'as. Os conselhos
não lh'os acceitamos. A ingenuidade pueril das interrogativas que a
folha conimbricense nos dirige, annulla a competencia das admoestações
que nos faz.

       *       *       *       *       *

O folheto brazileiro intitulado _Duas palavras aos leitores das Farpas_,
ultimamente publicado e distribuido em Lisboa a milhares de exemplares,
tem por objecto contestar por meio dos processos aliás mais urbanos e
mais comedidos, a verdade dos factos que asseverámos ácerca da sociedade
e da civilisação do Brazil em um artigo consagrado á emigração
portugueza para aquelle imperio.

Se o escriptor brazileiro a quem temos a honra de responder tivesse
conseguido o poder alliar o alto espirito de amor patriotico, de que se
diz dominado, com a prudencia de discutir simplesmente o criterio das
nossas conclusões e não a verdade dos factos em que ellas se baseiam,
nós não teriamos duvida em estender affectuosamente o nosso silencio aos
pés triumphantes d'este sympathico patriota.

Como, exactamente pelo contrario,

São as nossas illações o que no dito libello se não contesta, e é a
verdade dos factos citados o que se combate, denunciando-nos como
fabricadores de aleives historicos phantasiados com o fim expresso de
ridicularisar o grande imperio,--o que se parece demasiadamente a nossos
olhos com a denegação da nossa probidade e com a suspeita de que
mentimos,

Soffrerá o auctor do folheto citado que nos permittamos fazer-lhe
sentir, em algumas linhas rapidas, que as _Farpas_ não são inteiramente
uma creação poetica e phantasista.

Não, nós não temos o distincto prazer artistico de ser _As fabulas de
Florian_, nem tão pouco os _Contos de Perrault_.

       *       *       *       *       *

Examinemos a qualidade dos argumentos com que o opusculo a que nos
referimos tem a bonhomia de suppôr que nos desdiz. Tomemos tres dos
pontos mais importantes para a civilisação do Brazil: _A producção e o
commercio, a instrucção publica, o trabalho e a industria_.

       *       *       *       *       *

Emquanto á producção e ao commercio nega o auctor que o valor annual das
substancias alimenticias importadas pelo Brazil seja, como nós
affirmamos, equivalente ao da quarta parte da sua exportação. Para este
fim dá-nos a estatistica da importação das substancias alimenticias
durante os ultimos annos, attesta que ella é inferior e não equivalente
á quarta parte do valor exportado; com tal fundamento accusa-nos de
fabricarmos puras invenções; e depois de tres paginas de recriminações
acerbas, conclue assim:

«Não quererão decerto considerar como substancias alimenticias o vinho,
o chá, o café, o azeite, as bebidas espirituosas e fermentadas etc.,
porque essas sim talvez reunidas áquellas (peixes, carnes, farinhas,
manteiga e sal) dessem essa tal quarta parte da exportação.»

Quer isto dizer:

O Brazil não tem duvida em nos convencer de tudo o que se pretenda a
respeito do estado em que se acham as suas forças productivas, bem como
a proporção existente entre a exportação e a importação no seu
mercado--com uma simples condição--e é: que se lhe concedam alguns
pontos de partido na arithmetica do seu calculo. Trata-se, por exemplo,
da importação de substancias alimenticias no valor de trinta mil contos
annuaes; deseja o Brazil, afim de nos convencer de que illudimos a
verdade, que a dita importação seja apenas de dez mil contos ... Nada
mais simples! O Brazil vae juntando successivamente as suas parcellas de
substancias alimenticias importadas até chegar á prefixada somma dos dez
mil contos. D'essa quantia para cima o Brazil começa a considerar as
substancias alimenticias, como não sendo--substancias alimenticias.

Registrou a importação do sal, da manteiga, da farinha, dos peixes e
das carnes, e achou dez mil contos; faltava-lhe, é verdade, registrar
ainda o vinho, o chá, o azeite, as bebidas fermentadas, o vinagre, as
fructas, os legumes etc; o Brazil porém espera que nós consideremos
estas coisas como não sendo generos alimenticios. Elle pede-nos isto,
espera isto de nós, e, para nos convencer de que estamos no erro mais
vil e mais torpe, elle não quer outras armas! não precisa senão d'isto:
que se lhe admitta que o vinho não é senão, por exemplo, simples
_producto de gutta-percha!_ o chá, o azeite, o vinagre, a cerveja ...
puros _tecidos de algodão!_ os queijos, os alhos, as cebolas, os figos,
as passas ... mera _perfumaria!_

       *       *       *       *       *

Pelo que respeita á instrucção publica, diz-nos que o numero dos que
sabem ler não está, como nós dissemos, na proporção de 1 para 90
habitantes, mas sim na de 1 para 68. Sómente na estatistica official de
que se extráe esse dado, o governo brazileiro não conta, como homens que
habitam o Brazil, os escravos, cujo numero pode todavia ser calculado em
cerca de tres milhões, não diremos de habitantes, mas, emfim, de
cabeças. O auctor accrescenta ainda, para nos convencer dos progressos
da instrucção no Brazil que as escolas de instrucção primaria que ali
existem são na proporção de--1 para 3:021 habitantes _livres_; além do
que ha ainda no Rio de Janeiro varias corporações scientificas e
sociedades sabias, entre as quaes _As duas palavras aos leitores das
Farpas_ nos citam as seguintes: _associação commercial, sociedade
musical de beneficencia, sociedade auxiliadora da industria, associação
typographica, instituto pharmaceutico_, e finalmente a famosa
_associação dos guardas livros, sociedade jockey-club, tendo por fim
promover o melhoramento da raça cavallar_.

É realmente indigno, em vista de similhantes factos, que alguem se
tivesse lembrado, como nós, de deplorar a defficiencia da illustração no
Brazil, onde ha uma escola para cada 3:021 habitantes _livres_, e vinte
_sociedades sabias!_

Que nos perdoem os grandes propagadores da sciencia, que nós
desconheciamos antes da publicação d'este folheto! Que nos perdoem os
senhores musicos, os senhores typographos, os senhores pharmaceuticos, e
sobretudo suas senhorias os senhores guarda-livros do _jockey-club_,
encarregados do melhoramento da raça cavalar!

No tocante á industria, aos dados da estatistica official que nós
publicamos e dos quaes se deduz que tal ramo da actividade humana é
quasi nullo no Brazil, oppõe o nosso contendor as seguintes animadoras
palavras extrahidas de um _Retrospecto commercial de 1872_, publicado no
_Jornal do Commercio_:

«Em quanto a emigração nos não trouxer levas sobre levas de operarios e
de artistas, a industria manufactureira conservar-se ha como que
apertada em um circulo estreito.»

Logo: nós inventamos os factos para «achincalhar» o imperio. A
estatistica official da qual copiamos que em 1859 o numero dos
industriaes brazileiros era apenas o da quinta parte dos industriaes
extrangeiros residentes no Brazil, é falsa. A verdade suprema ácerca da
industria indigena na America brazileira é que: É enorme e poderosissima
a força expansiva do seu desenvolvimento. E tanto que, segundo os seus
mais enthusiastas apologistas, ella vive «como que apertada em um
circulo estreito.»

Do que tão clara e positivamente expuzemos ácerca da organisação
viciosissima das differentes colonias agricolas no Brazil, das
atrocidades pavorosas da feitoria do Mucury, dos textos tão expressivos
que sobre este ponto reproduzimos dos relatorios enviados aos governos
da Suissa e da Alemanha pelos seus delegados no Brazil os srs. Tschudi e
Avé-Lallemant, acha bem o auctor das _Duas palavras aos leitores das
Farpas_ não discutir nem contestar palavra nenhuma. Diz-nos apenas que
pediu sobre esse assumpto, o mais importante do nosso artigo,
informações officiaes, que publicará logo que lhe cheguem do Rio de
Janeiro.

Se espera esclarecimentos que desmintam os factos que nós referimos, não
os terá nunca. A verdade é unicamente o que dissemos. As _Farpas_ não
fizeram mais do que historiar realistamente, sem declamações e sem
objurgatorias, as causas que levaram a Suissa e a Baviera a prohibirem a
emigração para o Brazil, e a proclamarem officialmente como catastrophe
a colonisação agricola do solo brazileiro por trabalhadores europeus.

Em refutação do que affirmamos sobre a frequencia dos casos de alienação
mental no Rio de Janeiro, diz-nos a obra que analysamos e estamos
transcrevendo nas suas mais importantes partes, que apenas consta ao seu
auctor um facto isolado em abono da nossa affirmativa, sendo certo por
outro lado, segundo elle mesmo assevera, que no Rio de Janeiro existe um
hospital de doudos sumptuosissimo e talvez no seu genero o primeiro
estabelecimento do mundo.

Ora, para aniquilar inteiramente a opinião de que é grandissimo o numero
de alienados no Rio de Janeiro, não basta dizer-se-nos que um vastissimo
e monumental hospicio de doudos existe n'aquella côrte; importaria
certificar tambem que as pessoas que enchem esse edificio estão--em
pleno uso das suas faculdades.

O que no entanto se nos não põe em duvida é que esse hospital está
muitas vezes cheio. Pois bem, n'esses casos, um nosso compatriota
alienado,--como a colonia portugueza não possue estabelecimento especial
para o receber--é recolhido na cadeia.

Lembra-nos que, ha cêrca de um anno, lêmos em um jornal a noticia de um
d'estes casos; o portuguez doudo, recolhido na cadeia por falta de outro
asylo estava á disposição do nosso vice-consul na Praia Grande. Este
facto basta para nos indicar qual é a praxe seguida com os portuguezes
pobres atacados de alienação mental. É natural que existam mais casos da
natureza do que citamos; nós desconhecemol-os, porque nunca tivemos a
vantagem de visitar o Brazil, não recebemos informações nem suggestões
de ninguem que ali esteja ou tivesse estado: os nossos conhecimentos a
respeito do imperio americano são o resultado da leitura dos poucos
documentos officiaes publicados em Portugal e dos escriptos de alguns
viajantes suissos, allemães e francezes. Se não adoptamos, em vez do
testemunho d'estes viajantes o que nos podessem ministrar escriptores
brazileiros, a razão é unicamente que os publicistas do Brazil, tão
sonoros na poesia, são inteiramente mudos na critica que nos instrua do
estado da civilisação na sua patria.

       *       *       *       *       *

Tocaremos tambem o ponto em que o auctor do opusculo brazileiro
contraria a nossa opinião ácerca da inanidade diplomatica do sr. Mathias
de Carvalho, actual ministro portuguez junto de S.M. o imperador do
Brazil, com o fundamento de que este funccionario tem sabido sempre no
seu cargo captivar inteiramente os applausos da nossa colonia.

Se um diplomata deve ser julgado pelos seus actos em serviço do paiz que
representa e não pelos applausos que o seu publico lhe confere, o actual
ministro portuguez no Brazil é uma pessoa extremamente sympathica, mas
inutil. Conseguiu um tratado de extradicção, cuja historia se acha
resumida nas seguintes datas que extrahimos do _Livro Branco_: Em 7 de
junho de 1859--começa a negociação o encarregado de negocios interino no
Rio de Janeiro. No fim do mesmo anno--prosegue o sr. Mathias de
Carvalho. Em dezembro de 1871--principia negociações para um egual
tratado o encarregado de negocios do governo hispanhol. Em abril de
1872--terminam as negociações com a Hespanha. Em junho de 1872--é
assignado o tratado com Portugal. O diplomata hispanhol consegue em
quatro mezes o que o ministro de Portugal só pôde alcançar em tres
annos! E ainda se não fez nem o tratado de commercio nem a convenção
postal, nem a convenção litteraria!

Se, pelo contrario, não são os actos do funccionario, mas sim os
applausos do publico que determinam os merecimentos do diplomata, n'esse
caso achamos preferivel ao sr. Mathias de Carvalho--a sr.ª Emilia
Adelaide.

       *       *       *       *       *

Por ultimo declaramos ao auctor do folheto intitulado _Duas palavras aos
leitores das Farpas_, aos leitores das _Farpas_, e ao mundo, o seguinte:

1.º Nem um só, nem um unico facto asseveramos a respeito do Brazil, que
antes de nós não tivesse sido clara e positivamente affirmado na
imprensa da Alemanha, da Suissa e da França, por differentes viajantes,
entre os quaes citamos especialmente como fonte de todas as nossas
informações os srs. Adolphe Dacier, Waldemar Schultz, Elisée Reclus,
Tschudi e Avé-Lallemant. Os leitores decidirão quaes affirmações merecem
mais fé: se as que são feitas pelos viajantes citados, em livros
propriamente scientificos devidamente assignados, e em relatorios
especiaes apresentados pelos auctores aos governos dos seus respectivos
paizes; se as que nos são propinadas no libello intitulado _Duas
palavras aos leitores das Farpas_, por um patriota brazileiro ... e
anonymo!

2.º Não estamos resolvidos a subordinar a opinião de que nos acharmos
convencidos, nem á vontade, nem aos conselhos, nem ás ameaças de
ninguem. Se Deus não fosse a absoluta verdade, a verdade estaria acima
de Deus. Como querem então que a prostremos debaixo dos _syllabus_ do
Catete ou das _bulas_ da rua do Ouvidor?!

       *       *       *       *       *

Se porém, apezar de tudo isto, a joven America brazileira se parece
tanto com a rainha Fulvia que lhe seja absolutamente preciso para a sua
felicidade varar-nos a lingua com o seu prego de oiro, como fez a Cicero
a mulher de Marco Antonio, que a America se não incommode a escrever
para isso mais folhetos. Venha o prego. Aqui está a lingua.

       *       *       *       *       *

As «corridas» do Campo Grande--Extraordinario successo de dandysmo!

Não assistimos, mas lemos que esteve o _high-life_, o famoso
_high-life_, com o qual temos sempre o infortunio de nos desencontrar!

Estamos todavia d'aqui a vêl-o, a imaginal-o, rico, elegante, bello, no
Campo Grande, em volta do lago--o _high-life_ ...

A aristocracia nos seus _landeaux_, com enormes cocheiros gordos, de
barrigas de pernas phenomenaes e bizarras.

A alta finança em carroagens de posta com os senhores na almofada, e os
creados, recamados de galões de ouro, dentro da berlinda, immoveis,
empoados, descobertos, com os tricornes na mão.

Os diplomatas, nedios, sorrindo na doce bestialidade espirituosa de quem
sente no paladar os succos perfumados de uma aza de codorniz _truffada,_
repimpados em _daumonts,_ com uma _carvajal_ nos beiços e uma marta
zibelina debaixo dos pés.

A galanteria, com as suas representantes de cabellos côr de manteiga e a
pelle especial dos estranhos climas do _cold-cream,_ da decocção indiana
aromatica e tonica, e da balneação mucilaginosa do leite de morangos e
de _ess-bouquet,_ dentro dos seus _broughams_ ou em pequeninos coupés de
flecha e oito molas, levando ao lado no logar devoluto da carroagem um
ramalhete de cem francos ou um microscopico _kings' charles,_
descendente, aperfeiçoado em pequenez, da cadellinha que Henrique III
trazia mettida na manga ...

Depois os picadores, de librés verdes, os batedores de encarnado, os
postilhões, as _victorias_, as _americanas_, os _poney-chaises_ ... os
_grooms_ em finos cavallos inglezes, nervosos, descarnados, de olhos
scintillantes e ventas altas, abertas, redondas, frementes. Os
_sportmen_ em _breaks_ ou em _dog-cart_....

Sente-se o fluxo e o refluxo do grande luxo, a maresia da elegancia.
Respira-se entre as arvores um ar empregnado de fina perfumaria, como
n'um salão. Vae-se a passo por causa da agglomeração das carroagens e
dos cavallos. De quando em quando succede mesmo que os cocheiros se
empinam de repente para traz, e que se é obrigado a parar.

Ouve-se então o respirar dos cavallos, o ranger dos arreios e os finos
ditos que partem do fundo dos _coupés_.

De carroagem para carroagem trocam-se as palavras que fazem estremecer,
e encontram-se os olhares que fazem scismar.

Por baixo dos guardas-soes de seda branca mostram-se as cabeças loiras
das mulheres, que estão de costas para nós, deixando vêr a nascença dos
seus cabellos penteados para a nuca, tocados de sol, luminosos como fios
de ambar. Cada mulher que passa traz comsigo a excitação particular do
seu genero de belleza. Umas reveem as finuras do amor moderno,
calculado, scientifico. Outras inclinadas para traz, dormentes,
languidas, obrigam a phantasiar as caricias orientaes.

As sedas, cingindo a curva do peito e caindo em pregas quebradas de
reflexos, as sedas da moda, de tons verdes aquaticos, dão ás mulheres
esveltas a côr das visões dos lagos, das heroinas das legendas druidicas
e dos cantos de Ossian.

Sob a palpitação dos leques sentem-se estremecer no espaço correntes
aerias de volupluosidade indefinida.

Pela estreitesa das testas, pela espessura dos beiços, pela carne
polpuda das pequenas orelhas, pelas frias expressões do olhar indagador
e critico, percebe-se porém que essas delicadas creaturas que passam,
ondulantes e harmoniosas como sereias, teem o bom gosto pratico de
preferirem aos suspiros de Fingal e de outros bardos os camarotes na
opera, os fofos _coupés_, os quentes _cachemires_, e os finos jantares.

Pela qual razão vae cada um pensando vagamente em se lançar nas
finanças, no jogo doa fundos, nas grandes companhias, nos emprestimos ao
governo, nos bancos, no dinheiro em fim, no vasto dinheiro, no profundo
dinheiro illimitado ...

E em quanto as carroagens esperam ou rodam em volta de nós, os
cavalleiros passam, e as _toilettes_ scintillam, a pobre natureza ao
longe, nas collinas, parece envergonhada na sombra das suas arvores, na
humildade dos seus limos e dos seus musgos, porque ella é verdade que
tem os altos montes e os fundos mares, tem o Niagara e o Etna, mas não
tem os braceletes de Sampere, as luvas de oito botões, e as rendas de
Malines!

Tal é o perfil das «corridas»; tal é o _high-life_.

Dizem as folhas que elle esteve no Campo Grande, e nós piamente o
crêmos.--Pelo que, d'aqui enviamos os nossos parabens ao _Collete
Encarnado_.

Não se inscreveram no Derby lisbonense os Hamilton, nem os Lagrange, nem
os Rothschild, nem os Mouchy, nem os Dudley Stuart. Inscreveram-se
apenas, com os seus trens, o João Russo e o Chico Perfeito, cocheiros da
praça.... _Alea jacta est!_

Elles partem nos seus fiacres, ao trote.--_Montjoie et Saint-Denis!_

O Russo venceu o Chico com a distancia do comprimento de uma pileca.
_Hurrah!_

       *       *       *       *       *

Muito devemos esperar, para a civilisação e para o dandysmo, da boa
estreia d'estes hyppicos torneios especialmente destinados a apurarem em
Portugal a famosa, a incomparavel, a unica raça ... das tipoias!

Parabéus a todo o _Sport_ europeu, e ao nosso defunto Lagoia!

       *       *       *       *       *

Hontem no theatro de D. Maria--primeira representação da _Magdalena_,
especie de _Dalila_, de Octave Feuillet, localisada entre o Arco do
Bandeira e o da Rua Augusta, como presente malicioso de Pinheiro Chagas
ás curiosidades do _chic_, na Baixa.

       *       *       *       *       *

N'este drama ha tres typos principaes:

_O amante_--Um Hamlet de aldeia, um Conrado, um cavalleiro negro--de
Figueiró dos Vinhos. Dandy melancholico, como um Satanaz em uso de
figados de bacalhau. Um Alcibiades quebrado. Um pallido cherubim
portador de uma paixão e de uma tenia. Typo lamartiniano, o anjo caturra
da velha ode, a personalisação do antigo amor lyrico--sob os symptomas
lancinantes e urgentissimos da colica.

_A noiva_--Menina educada no convento. Creada com doces de freiras e com
livros de versos. Organisação de ovos de fio e de romances baratos. Amor
e dispepsia. Pouco cerebro e muita cuia. Não faz saborosos coscorões,
não deita alvas teias de linho nem gordas ninhadas de perus como sua
mãe, casta e sabia Penelope. Ella corta a serena tradicção burgueza e
rural da familia. Despresa com ascos as conservas do lombo de porco em
vinho e alhos. Cultiva a orthographia e a arte poetica com mais
disvello, mas menos proveito que aquelle que sua mãe tira do cultivo
modesto das alfaces, das finas hervas, dos primores horticolas. Não ama
finalmente senão uma coisa--o talento!... Pobre rapariga! desditosa
burgueza! que esteril e que perigosa idolatria a tua! O _talento!... a
divina inspiração!... o supremo encanto!.._ Coitada! se acreditas
n'isso, estás perdida. A tua imaginação doente entregar-te-ha submissa,
humilhada, ridicula, ao primeiro noticiarista de _soirées_ que te
appareça, á primeira _bas-bleu_ que te escreva cartas, ou á primeira
actriz que te beije e abrace. O talento!... Mas não ha nada
verdadeiramente respeitavel senão o trabalho, a abnegação, a
perseverança, o sacrificio e a virtude. O talento é uma simples
fanfarronada. O talento é uma invenção dos bohemios para substituirem a
_toilette_ e a roupa branca. O talento é um falso titulo clandestino de
apresentação, fabricado por aquelles que não teem titulos legitimos para
que a sociedade os receba. Fazer-se passar como «tendo talento» é um
meio de cada um se eximir a que lhe perguntem se «tem caracter.» O
talento finalmente é o seguinte typo d'esta peça:

_A amante do noivo_--Uma actriz que foi educada no convento com a noiva
o que, passados annos, a noiva recebe em sua casa com reconhecimento,
com adoração, com enthusiasmo, apezar da actriz não ser senão uma
_lorette_; uma artista _aux camelias_; grande genio de _petit-lieu_;
celebridade baptisada com _Champagne_, entre rapazes, depois das ceias,
em gabinetes reservados. Um martyrio, se quizerem, mas um martyrio que
exige um bracelete e uma nota do banco para se estender na sua cruz. Uma
paixão, se isso lhes apraz, mas uma paixão Rigolboche, que se concilia
com o _cancan_, que adopta a arte para canalisar o vicio, que nunca
chega ao fel do seu calix por que o tem sempre cheio de Malaga ou de
_pale-ale;_ que pede uma mortalha, mas talhada por Worth, á Rabagas, com
rendas de vinte libras o metro. Uma Magdalena emfim, mas uma Magdalena
penetrada do peccado moderno, barato, para todo o mundo, cheirando aos
sitios publicos, ao tabaco de fumo, á cerveja azeda e ao gaz
extravasado.

_O drama_. O noivo acha que _Tant-de-charmes_ é mil vezes mais
interessante do que _La-vertu-même_. Por tanto o noivo abandona a noiva
virtuosa e corre atraz da amante impudente. A burgueza abandonada vae
então chorar aos pés da comica. Esta resolve devolver-lhe o noivo com
tanto mais vontade quanto é certo que o noivo é a semsaboria toda d'este
mundo na figura insignificante de um provinciano piegas, em primeira mão
de conquista, que desmaia de puro amor ao declarar a sua chamma,--de
sorte que é preciso gastar tanto com elle em sal ammoniaco para lhe
restituir os sentidos quanto elle gasta em rhetorica para os fazer
perder aos outros.

O noivo pois regressa para a noiva. A actriz faz uma phrase. E o panno
cáe.

       *       *       *       *       *

Ha n'esta peça uma personagem secundaria, sem acção nenhuma no enredo e
no desenlace, para a qual nos parece um bom serviço á moral o chamarmos
a attenção do publico. É uma burgueza que apparece no segundo acto em
casa da noiva, onde está hospedada a actriz. Essa pessoa, de notavel
juizo, que diz coisas justas a respeito das creadas e dos arranjos da
casa, apenas sabe que ha na reunião para que a convidaram uma mulher
cujos appelidos e cujos diamantes não se sabe d'onde procedem, toma sem
mais cogitações o braço de seu marido, deseja á dona da casa o juizo que
lhe falta, e retira-se em pleno escandalo.

O publico ri, e tanto na scena como na sala é um pouco apupada esta
_ménagére,_ que se declara abertamente incompativel, dentro do mesmo
recinto e debaixo dos mesmos tectos, com uma actriz _cocodette_.

Pois bem: é essa mulher que se vae embora--notae-o bem, minhas queridas
burguezas!--é essa mulher que se vae embora, a que ahi, deante de vós,
está dando o unico exemplo que deveis seguir. Todas as demais pessoas
d'esta peça teem o lyrismo, a eloquencia, a convenção litteraria; só
esta é que inteiramente possue a verdade e o juizo.

O que todas vós tendes que fazer perante a concorrencia e o cotejo a que
vos queiram sujeitar com as mulheres artistas, celebridades no mundo do
theatro ou no _demi-monde_, é tomardes o braço dos vossos maridos e
sairdes com elles.

Os maridos portuguezes estão pessimamente educados; foram creados com
as operas de Verdi, com os romances de Chateaubriand, com as poesias de
Lamartine e de Musset; teem o systema nervoso exaltado, a imaginação
plethorica, o temperamento irritado, e o juizo das coisas praticas
derrancado ou extincto.

As creaturas artificiaes, morbidas, irritantes pelos poderosos
contrastes do desvergonhamento da alma e das finas delicadezas da pelle,
serão sempre as que dominarão os homens corruptos e que os levarão
comsigo. Ellas teem um prestigio de vicios triumphantes, de elegantes
indolencias, de altos desdens, de serenas voluptuosidades perennes, com
que vós, mulheres honestas, dignas, impeccaveis, não podereis nunca
luctar.

Vós tendes o sentimento real que ri em grossas gargalhadas ou que incha
as palpebras e engrossa a pelle com o correr das lagrimas: ellas teem a
sentimentalidade correcta dos pasteis de Latour ou das porcelanas de
Saxe--inalteravel mimo de galeria ou de étagère.

Vós tendes a forma das vossas mãos um poueo affastada do ideal de
Praxiteles pelos habitos honestos da vida activa, do trabalho; algumas
vezes a ponta do vosso dedo está picada pelo bico da agulha: ellas teem
as mãos finas, afiladas, pallidas, transparentes, que obrigam a sonhar
estranhas caricias e que são o resultado de quinze annos de ociosidade
estupida de serralho, de chloroses e de massas de amendoas.

Vós tendes uma passagem de miudos e pacientes pontos n'um dos vincos do
setim dos vossos sapatos: ellas teem uns sapatos por noite e umas luvas
por dia.

Finalmente vós sois a probidade e o decoro. Ellas são a dissipação e o
vicio.

Ora os homens educados pela sociedade, por si proprios, e em grande
parte por vós mesmas, minhas senhoras, nas corrupções litterarias e
poeticas, nos falsos ideaes epidemicos do sentimentalismo, da
melancolia, da paixão, dos amores fataes, os homens assim educados,
quando lhes acorda o temperamento e a imaginação, começam--por enjoar a
virtude.

Não queiraes reagir. Vede bem. A lucta humilha-vos e deshonra-vos.
Evitae-a. O espirituoso drama do nosso amigo Pinheiro Chagas é um grande
aviso, maior talvez do que o auctor suppunha: As _Magdalenas_ não sobem
as escadas das casas em que ha mulheres honestas.

E então os direitos do talento? E as rehabilitações pelo amor?...

Oh! meus senhores, mas desde 1830 que os romancistas e os dramaturgos
pouco mais teem feito do que procurar convencer a sociedade d'esses
direitos e d'essas rehabilitações, ao passo que a sociedade tem
constantemente e invariavelmente refutado sempre os romancistas e os
dramaturgos!

Não lhes parece que vae sendo tempo de darmos a velha questão por
discutida?...

       *       *       *       *       *

Não! não é para que nos tragam o premio da austeridade e da virtude! Não
somos nós os que fugimos para a Thebaida, a flagellar o nosso pobre
corpo, ao aspecto das peccadoras espirituosas a cujos pés passou a sua
vida, em extase, a geração litteraria que nos precedeu. Sómente para que
levemos a essas damas a visita da arte, achamos de bom gosto deixar
arejar um pouco os tapetes em que estiveram por tanto tempo prostrados
os nossos antecessores.

       *       *       *       *       *

Chegamos do palacio das Janellas Verdes. Vimos de assistir ao leilão do
espolio de sua magestade a imperatriz, ultimamente fallecida.

Grandes salões enormes, altos, quadrados, angulosos,--á marquez de
Pombal.

Nas salas de honra, estofos de damasco e moveis do primeiro imperio, no
estylo chato, _parvennu_, pretencioso, mas rico, do seculo de Bonaparte,
esse Luiz XIV de caserna.

Mesas, sophás, tremós, de fórmas rectangulares, riscados pela regoa,
guarnecidos de columnas parallelas, de capiteis de bronze.--O que quer
que seja de fortaleza, de baluarte, de ariete, de escudo, e de templo do
genio!

As guarnições de chaminé, as taças, os candelabros, os lustres--tudo
bronze, macisso, pesado.

As pendulas doiradas são rematadas pela aguia imperial ou por assumptos
de fria inspiração bucolica bebida com assucar e agua de flôr de laranja
na contrafeita natureza dos parques de Versailles delineados a cordel.

Uma multidão compacta, plebeia, suada, conservando os chapeus na cabeça
e os cigarros nos beiços, cuspindo nas alcatifas, limpando com o dedo
molhado em saliva o pó das tellas e das estatuetas, ou apoiando a sola
da bota nas almofadas das poltronas para tomar notas sobre o joelho,
enche os salões e vae deitando os lanços.

O pregoeiro--_Uma mesa offerecida pelo imperador Napoleão I, o grande!_

Um adelo--_Ponha lá uma libra por ter sido d'esse sujeito ... e, em fim,
porque é de mosaico!_

Os licitantes animavam-se, os preços subiam, os objectos em praça eram
rapidamente adjudicados ao maior lanço, e tudo quanto enchia aquellas
regias salas ia successivamente passando para o povo que as invadia.

Não era sómente um leilão aquillo, era uma liquidação pronta e solemne
dos ultimos restos de um imperio extincto, de um cesarismo arruinado e
fallido, de um mundo inteiramente acabado e desfeito.--Extranho
espectaculo, de tal modo significativo que era quasi doloroso!

       *       *       *       *       *

Passa-se aos aposentos particulares da imperatriz.

Lá fóra, nos salões, revelava-se uma epoca poderosa.

Aqui transparece apenas uma individualidade feminil, delicada e modesta.

N'estes quartos em que a viuva de D. Pedro IV se conservou por tantos
annos recolhida e occulta n'uma clausura inviolavel, sente-se
perfeitamente a sua personalidade em todos os detalhes da existencia.
Nenhum aspecto de luxo, de pretenção ou de apparato. O chão é coberto
com simples esteiras; todos os cortinados são de cassa branca, e todos
os estofos de chita em pequenos ramos de flôres sobre fundos pallidos.
Os aposentos estão cheios de étagères de todas as fórmas, com todas as
disposições. Pequenas bibliothecas e pequenos armarios, dispostos por
toda a parte. Uma infinidade de mezinhas de escripta, de leitura, de
costura ou de bordado. Cadeiras de todos os formatos e das mais diversas
proporções, sem nenhum estylo, sem genero artistico, sem época, sem o
minimo lavor, sem concessão alguma á elegancia ou á simetria--uma
visivel exigencia da vida sedentaria e doente, a necessidade physica de
mudar a todo o momento de posição, para deslocar a sua dôr, para
motivar o seu pequeno exercicio e povoar por si mesma, com as suas
diversas attitudes a sua solidão. Defronte das janellas ha pequenos
biombos de chita franzida para impedir as correntes de ar, formando uma
especie de kiosques, subdivisões minimas de abrigo e de recolhimento. Ha
muitas estantes de leitura, mezas de desenho ao crayon ou á aquarella, e
uma caixa cheia de lapis aparados, de diversas côres e de differentes
numeros. Uma grande secretária, larga pesada, lisa, e defronte d'ella
uma enorme poltrona ingleza, estofada de carneira escura, usada, tendo
aos pés uma almofada esfarpada e gasta. Era a cadeira em que a
imperatriz se sentava ordinariamente, e que se vê em todos os seus
ultimos retratos. Sobre uma mesa apparece um Christo, antigo,
marchetado, trazido de Jerusalem, deante do qual, por muitas vezes,
decerto, se ajoelhou a imperatriz. Ao lado d'esta sagrada imagem e como
diversão á gravidade do seu dolorido e pallido aspecto encontrámos
dentro de uma caixa aberta um instrumento de uso demasiadamente intimo
de Sua Magestade, o qual objecto suppunhamos que não era licito expôr em
publico senão como accessorio da scena triumphal do ultimo acto do
_Malade imaginaire_, ou como vinheta illustrativa nas obras de Avicena:
ao lado do aphorismo, _Medicamen clister nobile est_.

E aqui suscita-se-nos o meditar, diante d'esta caixa aberta, quaes serão
os principios politicos de suas excellencias os executores
testamentarios da fallecida soberana.

Porque, realmente, não nos occorre como os possamos classificar....

Se são republicanos, democratas, socialistas, suas excellencias deveriam
saber que nunca se abrem as caixas reservadas da _toilette_ de uma
senhora.

Se são monarchicos, deveriam comprehender que n'estes tempos de
discussão implacavel é perigoso para o prestigio das testas coroadas
denunciar aos povos, por via de uma imprudencia de suas excellencias,
que se os soberanos que os governam estão por um lado tanto acima
d'elles pelo direito divino, não são por outro lado mais que seus
simples eguaes pelo direito therapeutico, e que finalmente pode ser um
novo e terrivel argumento inesperado em favor da egualdade dos homens--a
constipação intestinal dos principes!

       *       *       *       *       *

O pregoeiro do leilão é acompanhado pelo sr. barão de S. George, consul
da Suecia e representante de Sua Magestade a rainha, irmã da imperatriz
fallecida.

O sr. consul faz a historia de alguns objectos postos em praça, garante
a sua authenticidade historica, e encarece com tocantes discursos o
valor de cada coisa.

S.ex.ª o sr. barão, delegado de sua magestade a rainha da Suecia, em
beneficio da qual se faz a venda em hasta publica do espolio de sua
irmã, attesta-nos que tal cama é a mesma em que dormia na sua tão breve
mocidade sua alteza serenisssima a princeza do Brazil; tal chavena
aquella por que Sua Magestade bebia os seus remedios; taes bonecos os
mesmos com que a infeliz infanta D. Amelia brincava em pequenina, e que
sua mãe conservava como um piedoso penhor de saudade!

       *       *       *       *       *

Graças a todos estes preciosos esclarecimentos, amavelmente dados por
s.ex.ª o consul á multidão dos licítantes, dos adelos, dos ferro-velhos
e dos cabeças de pau, Sua Magestade a rainha da Suecia terá a doce
consolação--tão sensivel ás almas sublimes--de receber duzentas libras a
maior da somma em que haviam sido avaliados os saudosos e queridos
despojos d'aquella que duas vezes fôra na terra sua irmã--como mulher e
como rainha!

       *       *       *       *       *

Oh! como deverá ser bom e suave, na ultima estação da vida, quando os
rheumatismos rangem nas frias articulações da nossa velha ossada,
embrulharmo-nos tremulos na purpura real, no alto do nosso
throno,--tendo aos nossos pés os nossos vassallos inclinados e a nossa
cova aberta,--fitar serenamente no espaço a branca apparição d'aquella
que amamos no mundo e que nos espera entre as estrellas nas esfumadas
sombras do crepusculo, e podermos então exclamar em nossa consciencia:

«Sim, ella morreu ... mas abençoado sejas tu, nas alturas infinitas, ó
Deus meu e dos meus exercitos, pois quizestes permittir que aquelle
objecto que lhe pertenceu e que ella tinha occulto por detraz de uma
cortina no seu quarto de lavatorio fosse venturosamente arrematado--por
trez mil e seiscentos!»

       *       *       *       *       *

SCENAS DE RELIGIÃO.--Lemos no _Diario Illustrado_ o seguinte:

«Em additamento á noticia que ontem démos da saida processional do
Senhor aos entrevados da freguezia de Santa Justa e Rufina, somos hoje
informados que a interessante filhinha do sr. Marcos Maria Fernandes e
D. Maria Cecilia da Conceição Almeida Fernandes, proprietarios do
acreditado estabelecimento de modista de chapeus e vestidos na travessa
de Santa Justa n.º 81, vae tambem n'essa procissão, distribuindo esmolas
aos enfermos pobres, que receberem o Viatico, sendo vestida a custa e
por generoso e espontaneo offerecimento de seu pae, que é irmão do
Santissimo d'aquella freguezia.

«Leva a gentil menina, symbolo de caridade, vestido de faille azul
claro, com outro de tulle branco aventalado adiante, com finas pedras, e
um manto branco preso na cabeça por um diadema do pedraria e semeado de
estrellas de oiro de lindo effeito.

«Esta devoção do sr. Fernandes, que ha quatro annos successivos tem
levado a sua filhinha vestida de anjo n'aquelle acto religioso, offerece
no presente anno uma novidade elegante, e que decerto será do mais
apurado bom gosto, se attendermos ao extremo paternal do sr. Fernandes,
e ao esmero e apuro de todos os trabalhos do seu estabelecimento, onde é
variadissimo e primoroso o sortimento de tudo quanto respeita a enfeites
de senhora.»

       *       *       *       *       *

Ó dôce Jesus, eterna bondade simples e infinita como o Céo! aqui tendes
como elles a comprehendem, na freguezia de Santa Justa e Rufina, a
caridade, a pobre e modesta caridade, que vós mandastes definir por S.
Paulo com aquella palavra tão inspirada e tão bella.--O amor dos
corações puros e das consciencias boas!

Elles entendem-a agora assim: vestida de faille azul claro, com segundo
vestido de tulle branco aventalado adiante, com finas pedras e um manto
branco preso na cabeça por um diadema de estrellas de oiro de lindo
effeito!

Comparae, ó Jesus, a descripção dos vossos antigos anjos feita por Santo
Ignacio--_incorporeas mentes_--com esta descripção que o _Diario
Illustrado_ nos apresenta dos vossos anjos modernos!

Que dirão os cherubins, os seraphins e os archanjos, que dirão Miguel,
Raphael e Gabriel, elles nus, sem mais _toilette_ que as suas longas
azas candidas, ao verem junto de si nas chorêas sidereas o novo
anjo--Almeida Fernandes?!

Como ficarão vexados e humilhados no Céo--os outros--quando o cherubim
Almeida lhes apparecer com as tranças torcidas a ferro, com vermelhão
nos beiços, e o seu _vestido aventalado adiante_, e contar que foi o
papá Fernandes quem o arranjou assim para elle representar diante dos
homem a imagem da caridade!

Oh! mas realmente, é um bom quinau dado pelo sr. Fernandes no Creador!
Lição terrivel de elegancia e de _chic_ ministrada a todo o reino dos
Céos pela Travessa de Santa Justa! Nem a Baixa calcula talvez a grande
importancia que isto vae dar ao estabelecimento do sr. Fernandes--no
Empireo!

Pela nossa parte não nos maravilhará extraordinariamente que o sr.
Fernandes, proseguindo nas suas conquistas sobre o territorio divino,
acabe por ajuntar ao seu estabelecimento de modas uma succursal da
côrte celeste, e que depois de converter a sua familia em anjos de
tulle, elle mesmo acabe por apparecer aos seus freguezes transfigurado
em Deus ... de filó!

E então, para nos entendermos com s.s.ª sobre os objectos do seu
commercio, teremos, ao entrar na sua loja, de nos ajoelharmos, de
batermos no peito e de exclamarmos com attricção verdadeira:

Eu peccador me confesso a Fernandes todo poderoso de que preciso de um
par de ceroulas de linho de Irlanda, e por tanto lhe dirijo humildemente
minhas fervorosas preces para que desça das alturas e venha a nós--para
nos tomar medida. _Amen_!

       *       *       *       *       *

Acabamos de ver como os burguezes conservadores entendem a caridade no
catholicismo. Vamos ver agora como é que os operarios socialistas
entendem os principios do direito perante a revolução.

Ao passo que o _Diario Illustrado_, folha monarchica e catholica, nos
apresenta a religião na menina Almeida Fernandes, o _Pensamento Social_,
periodico revolucionario, expõe-nos, na menina Palmira da Conceição, os
direitos do povo.

O _Pensamento Social_ diz assim:

«Teve logar a annunciada sessão da propaganda na associação do trabalho
nacional. Estiveram presentes cêrca de 60 companheiras, frequentando a
sala durante a sessão proximamente 700 companheiros. Presidiu uma
companheira, mantendo-se uma assembléa tão numerosa na melhor ordem.
Deu-se n'esta sessão um facto que sensibilisou toda a assembléa; uma
companheira, que tem apenas nove annos de edade, como que sensibilisada
pelas aspirações da razão e da justiça, em plena assembléa pediu a
palavra e pronunciou a seguinte oração, que leu:

«Companheiros e companheiras.--Declaro-lhes que cada vez que tenho de
entrar em assumptos de tal natureza, arrasam-se-me os olhos de agua e
cobre-se-me o coração de uma nuvem negra; comtudo não posso deixar de
levantar a minha debil voz para dirigir duas palavras ás nossas
companheiras e companheiros da fabrica de fiação e tecidos lisbonenses.
Companheiros e companheiras: dirijo-vos os meus sinceros sentimentos,
porque tendo sido bem conhecedora das injustiças que se estão fazendo ás
nossas companheiras, e com especialidade ás menores, porque não só são
castigadas com o seu diminuto salario, como tambem as maltratam com
pancada.

«Ai companheiros e companheiras, não posso deixar de curvar o joelho e
pedir ao meu Deus, se estamos em peccado mortal: perdoae-nos. Mas não,
que já vou vendo raiar a aurora; continuemos sempre a empregar todos os
nossos esforços para que um dia breve estejam reunidos nas nossas dignas
associações todos os que vivem do trabalho. Conseguido isto, o que não é
muito difficil, e empregando todos a nossa vontade, poderemos dizer que
não estamos em peccado mortal, e tambem poderemos dizer que se acabaram
os castigos embrutecedores. Peço pois a todos os companheiros e
companheiras que empreguemos toda a nossa vontade, energia e dedicação
para podermos alcançar o nosso triumpho, que é a emancipação de todos os
trabalhadores, isto é, todos os direitos e deveres sociaes. Depois os
nossos vindouros nos cobrirão de bençãos por lhes termos creado tão bom
dote. Não querendo entreter-vos mais termino pedindo que vos não
esqueçaes dos nossos companheiros grevistas.--_Palmira da Conceição_.»

       *       *       *       *       *

Esta creança de nove annos de edade que nos declara _que os olhos se lhe
arrasam de agua e o coração se lhe cobre de uma nuvem negra sempre que
lhe tem succedido ter de entrar em assumptos de tal natureza_, é uma
verdadeira menina benta, um phenomeno! Diremos mesmo: é um milagre, é
uma pequena nossa senhora apparecida--da fabrica lisbonense de fiação e
tecidos!

Ella é a destinada pelo povo a substituir, como futura deusa da razão, o
actual anjo Almeida Fernandes--nas festividades populares.

       *       *       *       *       *

Ha pequenas differenças:

O anjo Almeida traz-nos a religião e a caridade. A deusa Palmira é a
portadora da _emancipação dos trabalhadores, dos direitos e deveres
sociaes._

O anjo adeja sobre as ruas pacatas da Baixa. A deusa surge no bairro
inquieto de Alcantara.

O anjo caminha gravemente--enfunado, crespo de folhos e de rendas, como
um peru armado--a passos cadenciados pelas harmonias da phylarmonica
_Alumnos de Minerva_, dando a mão a Fernandes, seu pae carinhoso,e
espargindo petalas de rosas, de dentro de um cesto de casquinha, sobre o
mundo velho.

A deusa vem ao collo de um _companheiro_ membro da _Fraternidade
Operaria_ e clarinete na mesma phylarmonica que bufou, talvez, o mais
convicto e consciencioso _hymno da carta_, atraz da angelica vergontea
de Fernandes. A deusa alliando em sua joven personalidade a innocencia
da edade que tem com a aspiração philosophica da classe a que pertence,
mette um dedo no nariz e aponta com o outro o destino do proletariado na
futura organisação social.

O anjo é a religião de barejes, de talagarças e de retalhos de bobinet.

A deusa é a justiça de figuras de rhetorica, de discursos de associação
e de erros de prosodia.

O burguez, contente com o seu meio de reacção, distribue ao anjo
confeitos e rebuçados de avenca. O operario, satisfeito com o seu plano
de resistencia e de revolução, solicito, assôa a deusa.

Ora, francamente, não nos parece que estes sejam os methodos mais
efficazes que possam escolher os srs. burguezes e os srs. operarios.

Não será com o seu anjo de vestido «ventalado», com veu branco e
pedrarias de lindo effeito, que a burguezia impedirá a passagem á
corrente das idéas novas que a assoberbam e intimidam.

Não será tambem com a sua oradora de nove annos, _inspirada pela razão e
pela justiça_, que o proletariado conseguirá convencer-nos da seriedade
dos seus direitos ao predominio das sociedades futuras.

O trabalho--bem o sabemos--é uma coisa augusta e sagrada. O
commercio--desculpem-nos os senhores proletarios--é tão sagrado como o
trabalho. O commerciante que compra a cada um dos que produzem as suas
obras, levando-lhes, em troca dos objectos que fabricam os objectos que
consomem, faz á sociedade, por meio do estabelecimento do mercado, um
serviço tão relevante e tão legitimo como o da producção da mercadoria.

O pae da menina Palmira que faz um chale quando ninguem quer chales e o
pae da menina Fernandes que lh'o compra logo, para o vender depois
quando lh'o pedirem, são dois cidadãos egualmente uteis e respeitaveis.
Se o pae do anjo é puramente ridiculo vestindo a sua filha como uma
boneca de _vitrine_ e encarregando o _Diario Illustrado_ de lh'a
apregoar como um symbolo de caridade, o pae da deusa é injusto, é
ignorante, é perigoso, e é egualmente ridiculo, ensinando á sua filha,
para que ella as leia em publico, palavras ôcas de falsa razão e de mal
entendida justiça, tão enthusiasticamente preconisadas pelo _Pensamento
Social_, orgão das classes operarias.

       *       *       *       *       *

Já que fallamos no _Pensamento Social_ notemos que nem sempre nos parece
perfeitamente logico este jornal.

Succede que elle guerreia o burguez, o _infame burguez_, e não cessa
nunca de glorificar o operario. É a sua missão. Tem o seu partido. Nada
temos que objectar.

Quando se deu, porém, a _grève_ dos surradores, succedeu o seguinte:

Os operarios tinham escolhido para apresentarem as suas propostas a
phase da curtição em que os coiros não poderiam ser abandonados sem que
apodrecessem nos seus tanques. Por este modo os patrões ou tinham de
ceder á _grève_ ou correr o risco eminente de um grande prejuizo. Que
fizeram os patrões? Não acceitaram as propostas dos grevistas,
associaram-se todos, despediram os operarios, e foram em seguida, elles
mesmos, acompanhados de suas mulheres e de seus filhos, de fabrica em
fabrica, levantar os cortumes.

Ora é singular que fosse exactamente este momento solemne da existencia
dos patrões curtidores o que o _Pensamento Social_ escolheu para os
flagellar com as suas ironias e os seus sarcasmos! A verdade é que
exactamente n'esse momento é que os burguezes curtidores deixavam de ser
burguezes para serem operarios. Parecia-nos que n'esta conjunctura o
_Pensamento Social_ não deveria fazer senão o que nós fariamos no seu
caso: tirar o chapeu e inclinar-se respeitosamente perante a coragem
trabalhadora e digna dos seus altivos e honrados inimigos.

       *       *       *       *       *

Os operarios na sua inquietação de candidatos á prosperidade baseada na
justiça e na virtude, vão mal encarreirados dirigindo o seu movimento de
revolução contra os pequenos burguezes que nunca lhes fizeram mal nenhum
e que os srs. operarios injustamente odeiam ou desprezam. Os pequenos
burguezes--deveriam lembrar-se d'isto os srs. operarios--são na actual
organisação social, os alliados naturaes de todos os que trabalham e
padecem. Os srs. operarios fariam bem se, em logar de encarregarem a
menina Palmira de discretear nos seus congressos, traduzissem n'elles em
voz alta esta pagina do seu amigo Proudhon:

«Vós, burguezes, fostes em todo o tempo os mais intrepidos, os mais
habeis dos revolucionarios. Sois vós que desde o terceiro seculo da era
christã, por meio das vossas federações municipaes, estendestes a
mortalha sobre o imperio dos romanos nas Gallias. Sem os barbaros que
vieram mudar a face das coisas, a republica, constituida por vós, teria
governado a edade media. Fostes vós que, mais tarde, oppondo a communa
ao castello, o rei aos grandes vassallos, vencestes o feudalismo. Sois
vós em fim que ha oitenta annos, tendes proclamado umas depois das
outras todas as idéas revolucionarias, liberdade de cultos, liberdade de
imprensa, liberdade de associação, liberdade de commercio e de
industria; vós que pelas vossas sabias constituições fizestes justiça ao
altar e ao throno; vós que estabelecestes sobre bases indestructiveis a
egualdade perante a lei, a garantia legislativa, a publicidade das
contas do estado, a subordinação do governo ao paiz, a soberania da
opinião. Fostes vós, sós, que fundastes os principios e lançastes os
fundamentos da revolução no seculo XIX. Nenhuma das coisas que se tentou
sem vós, viveu; nenhuma d'aquellas que vós emprehendestes falhou. Diante
da burguezia o despotismo tem curvado a cabeça: o soldado feliz, o
ungido legitimo, o rei cidadão, desde que teem tido o infortunio de vos
desagradar, teem desfilado diante de vós como phantasmas.»

       *       *       *       *       *

Lemos em alguns periodicos que o sr. prior da freguezia da Encarnação
acaba de furar as orelhas de uma santa que tinha na sua egreja para lhe
pôr brincos.

Parece-nos que este senhor ecclesiastico abusa das suas relações com as
santas a ponto de proceder com ellas de um modo como não desejaria
talvez que ellas procedessem com s.ex.ª ...

Como quer porém que seja, e admittindo-se mesmo que o sr. prior tenha o
maior prazer d'este mundo em que lhe façam furos no corpo, entendemos
que sua excellencia introduz no culto uma reforma arrojada, posto que
extremamente simplificativa, substituindo as antigas manifestações de
reverencia e de respeito devidas ás sagradas imagens--as genuflexões, o
incenso, a missa cantada, a novena e o panegyrico--pela verruma!

Isto infunde nos fieis um certo desalento, porque começa naturalmente a
lavrar entre elles o receio que o sr. prior, adoptando definitivamente o
seu novo systema liturgico, resolva de repente, um bello dia--em vez de
pregar-lhes sermões--principiar a pregar-lhes pregos!

Isto infunde nos fieis um certo desalento, porque começa naturalmente a
lavrar entre elles o receio de que o sr. prior, adoptando
definitivamente o seu novo systema liturgico, resolva de repente, um
bello dia--em vez de pregar-lhes sermões--principiar a pregar-lhes
pregos!

Pede-se aos srs. assignantes das provincias o obsequio do mandarem
satisfazer a importancia das suas assignaturas em divida, por meio de
estampilhas ou do vales do correio. Correspondencia á calçada doa
Caetanos, 30, Lisboa.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "As Farpas: Chronica Mensal da Politica, das Letras e dos Costumes (1873-03/04)" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home