Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: O doido e a morte
Author: Pascoais, Teixeira de, 1877-1952
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O doido e a morte" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



TEIXEIRA DE PASCOAES


+O DOIDO+

+E A MORTE+


Edição da
Renascença Portuguesa
Pôrto--1913



+O DOIDO+

+E A MORTE+



OBRAS DO AUTOR


_Sempre_--1897
_Terra Prohibida_--1899
_Sempre_ (2.^a edição)--1902
_Jesus e Pan_--1903
_Para a Luz_--1904
_Vida Etherea_--1906
_As Sombras_--1907
_Senhora da Noite_--1908
_Marános_--1911
_Regresso ao Paraiso_--1912
_O Espírito Lusitano ou o Saudosismo_--1912



TEIXEIRA DE PASCOAES


+O DOIDO E A MORTE+


Edição da
_Renascença Portuguesa_
Pôrto--1913



Impresso em Fevereiro de 1913
na Tipografia Costa Carregal,
trav. Passos Manuel, 27--Pôrto.



A Philéas Lebesgue


Era uma fria noite de Natal.
Já no zenith a lua derramava
A sua palidez misteriosa,
Transfigurando as cousas que se mostram
Na sombra, com seus gestos de Phantasma
E atitudes de estranha Aparição...

Nos solitarios longes montanhosos
A nevoa e o luar, chimericos, deliam
A moribunda face da Paisagem...
E esta, por um milagre e encantamento,
Se espiritualisava, convertendo-se
Em Figuras de sonho, aéreos Corpos...
E eram perfis de Fadas espreitando,
Asas de Serafins que, no seu vôo,
Pareciam levar alguma Virgem...

A aragem fria e fina arripiava
As arvor's e os nocturnos viandantes,
E retocava o brilho das estrelas.

Os pinheiros gemiam surdamente;
E na face das pedras espelhada,
O luar abria n'um sorriso triste.

Vultos negros, opácos de penedos
Erguiam-se somnanbulos e mudos
No crepusculo, e olhavam como Esphinges...

O Silencio reinava: era o Senhor
Da noite e da paisagem, e o seu Reino
Para além das estrelas se estendia...

Por um longo caminho esbranquiçado,
Entre pinhaes sombrios e confusos,
A Morte cavalgava a largo trote.

As patas espectraes do seu Cavalo
Ouviam-se bater na terra dura
E sonora que o gêlo trespassava.

E aquele ruido sêco, difundindo-se
Na merencoria lividez do ceu,
O ensombrava de lagrimas e mêdos...

E figurava o ar a feia Morte,
Envolta n'uma tunica de sombra,
Segurando na mão, só feita de ossos,
A Fouce, em cuja lamina lusente
Se espelhava o luar...
                      Seus fundos olhos
Encovados, volvidos para dentro,
Eram poços de treva, onde os morcêgos,
As estrellas, as arvores, as nuvens,
Iam ver sua imagem reflectida.

Os passaros nocturnos, celebrando
A Noite nos seus cantos agoireiros,
Esvoaçavam de encontro áquelas orbitas
Vasias, descarnadas: dois buracos
Apagados de luz, sêcos de lagrimas,
Sobre um aberto riso empedernido.

E a Morte cavalgava a largo trote,
Por um ermo caminho esbranquiçado,
No arrepio da Noite e do Misterio...

O vento fino e frio maguava
As arvores, fazendo fluctuar
A tunica da Morte que envolvia
Seu corpo de esqueleto e as largas ancas
Do seu Cavalo, cuja sombra inquieta
E nervosa manchava a estrada clara.

E atravessava agora um indeciso
Planalto, em formas vagas, emergindo
Da cerração nocturna dos pinhaes.

As arvores fugiram... Simplesmente
Um rasteirinho tôjo agreste e bravo
Vestia de humildade aquela terra.
Nas suas hastes hirtas e espinhosas,
Aqui, além, por toda a parte, emfim,
Gôtas de orvalho, vivas, acordavam...
E em seus liquidos seios de esplendor,
Presentia-se a lua encarcerada
Mostrando a face animica e divina.

N'esta altitude o Vento, embrandecendo,
Era uma sombra alada... E a lua, a prumo,
Fulgia sobre a Morte que alongava
Os olhos pelo túrbido horisonte
Mais delido no céu e mais longinquo,
D'uma materia feita de chimera...

De vez em quando, ouvia-se um confuso,
Surdo rolar de rochas que desciam
Dos outeiros ás margens dos regatos;
Iam matar a sêde secular
Que lhes ficou dos tempos em que fôram
Raios de estrela florescendo a Lua.

E vinham na asa múrmura da aragem
Bater de palmas, risos de cristal,
Rasgando agudas fendas no Silencio.
Eram Bruxas malditas, pobres Ninfas,
Amantes do Demonio em vez de Pan;
Amam a noite triste e os êrmos sitios...
Trocaram seu antigo amor divino
Pela ironia escura e demoniaca;
E as florestas sagradas e o sol claro
Pelos bócos profundos, pela noite,
Pelos silvaes espêssos e aguas êrmas
Que a sombra torna lividas e mortas,
E onde as cousas nocturnas se reflectem
Desmaterialisadas, redusidas
Ao seu simples e animico esqueleto...

E outras Bruxas, em bandos luarentos,
Passavam, no ar, dançando em turbilhão
Com alados Demonios coruscantes...

E o Mêdo, avô remoto de Phantasmas,
Sombra ancestral de Deus e da Piedade,
Condensava o luar em frias lagrimas,
Marmorisava os fluidos Longes vagos...

As Figuras da Noite, as Creaturas
Do nosso Pensamento, despertavam
Mal ouviam trotar a Morte... E a lámina
Da sua Fouce ia, em curva, pelo céu
De horisonte a horisonte; e a sua túnica
Parecia manchar toda a Paisagem...

Subito, a Morte soffreou as redeas
Do Cavalo-Phantasma em que montava,
Estacando no meio do planalto.
E a sua sombra morta se tornou
Imovel, negra sobre a terra branca
E sonora e marmorea do caminho.

Surgira, d'improviso, um vulto humano
Ante o vulto chimerico e fatidico
Da Amazona da Noite que escondêra,
Na tunica de outomno e de crepusculo,
O rôsto de caveira, onde o luar
Batia, como sobre um frio marmore.

E antes que ela falásse, aquele Vulto
Soltou no ar sombrio, uma risada;
E o Echo, estremunhando, repetiu-a,
E foi, de vale em vale, desfazer-se,
Cinza de som, na cinza da Distancia.

E ela, irada, agitando a relusente
Fouce cruel, gritou: "Quem és? Quem és?
Mas quem se atreve assim a rir da Morte?"

"--Eu--este doido espirito que ri...

"Gosto, ás vezes, de rir, nas horas mortas...
E de sentir o riso humedecido
Das lagrimas das cousas que murmuram
Escuros, demoniacos segrêdos...
Doido que sou, meu riso é de alegria...
Vae através da noite, em alvorôço;
E logo acorda as Almas, e revela
Vultos, Perfis, Figuras perpassando
Em turbilhão, nos ares... borborinhos
De invisiveis espiritos sem nome...
Os ventos que o meu rir desencadeia!

"Foi á luz do meu riso lampejante
Que teu vulto nocturno conquistou
Este rumor e sombra que é Presença..."

E a Amazona da Noite: "Pois é certo
Que o riso doido grava no silencio
Imagens que têm alma e vida propria?"

"--É certo que, ao beijar-me a tua sombra,
Ela se fez em riso nos meus labios...

"És a fonte sinistra do meu riso...

"E o meu riso te veste de apparencias..."

"--São escuras palavras... não entendo.
Eu quero conhecer-te. Quem és tu?"

"--Mas eu não sei quem sou. Nunca me vi.
O nosso olhar, mal nasce, bate as asas,
E não regressa mais ao lar paterno...
Leva comsigo a imagem verdadeira
Das cousas, viva imagem transcendente,
Que a lagrima final, já d'além-mundo,
Reflecte em sua esféra de agonia.

"Ah, se, ao menos, pudesse ver a imagem,
Phantastica de bruma, que projecto
Nos teus olhos que as lagrimas abriram
Em marmoreas angustias, pétreas dôres?

"Teus olhos são esphingicos: devoram!

"Não sei quem sou, não sei... Mas que m'importa?

"Meu gôsto é rir, de noite, no silencio..."

E outra vez, o nocturno Viandante
Encheu de riso o espaço e o luar extatico:
A debil luz anémica embebendo-se
Em sol de primavera e de loucura.

"--Não me conheces, não. Se tu soubesses
A quem falas, o riso dos teus labios
Caíria gelado n'uma lagrima.

"Não me conheces, não. Tu nunca viste,
De perto, a minha Fouce," acrescentou
A Morte, n'uma voz de irrealidade
E de halucinação e de chimera
Que os Echos, nem de leve, repetiram.

"--Enganas-te. Conheço-te. De balde
Escondêste nas dobras do teu manto
O rôsto cadaverico e as falanges
Que seguram as redeas que dirigem
Teu Cavalo-Phantasma, irmão do Vento.

"Ignoras o relêvo e a nitidez
Espelhenta dos ossos ao luar...
E conheço-te mesmo pela Fouce
Que ceifa a seara humana e as outras searas...
É assim, com esse aspecto, que apareces,
Em publico, pintada nos paineis."

A Morte silenciosa desvendou
A descarnada e lúgubre Figura,
Emudecida e triste contemplando
Aquela vida humana que, a um seu gesto,
Subito, baixaria á eterna sombra.

E disse logo o Doido com espanto:

"Ah, sim, tu ris tambem... mas esse riso
É riso aberto em pedra... quem o ouve?...

"Um riso todo feito de silencio..."

"--Um dia, os teus ouvidos hão de ouvi-lo;
E verás a alegria que ele espalha
Nas almas, já libertas, a voar..."

"--Eu conheço o teu riso; nos meus labios
É apenas um sorriso; vem de longe;
Perde o vigor ardente no caminho...
O sorriso dos labios não é mais
Que um palido luar, um arremêdo
Do grande riso eterno da caveira.

"Mas eu amo outro riso,--o que desperta
As almas, os espiritos da Noite:
O que trespassa a treva de esplendor,
E se ouve no infinito e é luz de estrela."

E, de novo, o silencio se interpôz
Entre a Morte divina e o Sêr humano.

Vinham dos pinheiraes sussurros vagos,
Prêsos na asa da aragem... orações
Que as cousas êrmas rezam à Saudade:
Virgem do Novo Crédo amanhecente,
Em seu altar de lagrimas e risos,
Erigido no Templo da noss'Alma,
E no Templo mais vasto da Natura
De arboriformes naves verdejantes.

Apparições dos êrmos ao luar,
Perfis occultos de Almas já sem corpo,
Almas ainda sonhando a Forma viva;
As figuras da Noite rodeavam
A Morte e o seu Cavalo, egual áqueles
Que sentiram, outrora, as mãos de Apolo.

Tudo era sonho e vida em tôrno á Morte.

E eis que ela exclama então: "Dize o meu nome;
Dize o meu nome, vá, se me conheces..."

E responde o nocturno Viandante:

"Eu sei bem o teu nome. Quantas vezes,
Em igneas, vivas letras de oiro, fulge
Perante o meu espirito de amor.

"E quem te baptisou? Meu coração.
De agua lustral banhou-te a negra fronte...
E sua voz anciosa, nomeando-te,
Roubou assim a morte á propria morte.

"Eu sei tirar das cousas o seu intimo
Signal harmonioso, a sua forma
Transcendente e verbal, que é seu espirito...

"A harmoniosa imagem desprendida,
Já liberta das Cousas, vem morrer
Nos meus ouvidos de alma... e ali renasce...
E ei-la Canção. O Verbo é o meu Delirio:
Passo a vida a cantar por estes êrmos..."

E a Morte, surpreendida, assim lhe disse:

"Em ti, fala o delirio, a exaltação
Que só meu tenebroso olhar acalma.

"A Vida é o anormal, o excesso, a febre;
A Vida é uma doença, uma velhice
Dos mundos: o seu fim. Odeio a Vida;
Ela está fóra já das leis de Deus.

"Mas quem sou eu, quem sou, ao pé de ti?
--Sou a Razão ao lado da Loucura...
Vê que distancia imensa nos sepára..."

Sumiu-se a voz da Morte que ficou
Pensativa ao luar... Depois, n'um gesto
Esqueletico e duro, repousando
Nas ancas do Cavalo a mão direita
Acariciadôra e descarnada,
Novamente falou ao viandante:

"Mas, emfim, ha distancias que aproximam.
E não te oculto mais a simpatia
Que já por ti eu sinto, muito embora
Os Destinos e os Fados me proibam
Qualquer dôce fraquêsa ou sentimento
Que possam, por ventura, humanisar-me.

"Tua voz me persegue... e até parece
Amolecer, fundir a dura pedra
De que meus ossos gélidos são feitos...

"Embrandeceu-me de alma a tua voz...

"Apegaste-me a vida... o mal que soffres..."

A Morte, pronunciando estas palavras,
Conservára-se imovel: seu Cavalo
Era uma estatua, um marmore de sombra.

E o Louco, de cabelo desgrenhado
Que o luar, como o tempo, prateava,
Vestia com a aurora dos seus olhos
A Amazona da Noite. E, n'um delirio
Os braços lhe estendeu, e assim lhe disse:

"Tu és a Morte; és a Mulher, portanto.
Desce do teu Cavalo e vem comigo,
Porque o Desejo corre no meu sangue!

"Ó Morte, vem comigo! Sobre a terra
Vagueia o corpo em flôr do nosso Idilio...
Ah, sim, o nosso idilio é anterior
Ás nossas proprias almas. Desde a origem
Que ele anda pelo mundo e nos procura.

"Ó Morte, vem comigo! Eu sou a Vida!
Entrega-te aos meus braços! Quero amar
Esse corpo de Espectro. Que os meus beijos
Pousem, a arder, na tua bocca esparsa
Em nevoa e condensada em frio marmore!"

N'um movimento rápido e gentil,
Apeou-se a Morte; e, subito, entre as urzes,
A larga Fouce tragica escondêra.
E logo o seu Cavalo, em liberdade,
Começou a pastar as invisiveis
Ervinhas, transcendentes florescencias
Que à luz da lua crescem e germinam,
Onde é mais viva a terra e mais sensivel,
E a humidade é de lagrima chorada.

"Eis aqui tua Dama," murmurou
A Morte comovida, oferecendo-lhe,
A definhada mão gelada e branca,
E cravando nos olhos amorosos
Da creatura humana a escuridão
Das suas fundas orbitas vasias.

Era a Parca fitando Apolo; a Noite
Os braços estendendo com luxúria
Ao Sol formoso, ardente e juvenil.

E, n'um grande delirio voluptuoso,
O Doido vagabundo, em suas mãos
Tomou, beijando-a, a fria mão da Morte.

E, olhae! em vez do gélido contacto
D'uma ossada, sentiu tocar-lhe os labios
A carne viva, quente, apetecida!

Caiu aos pés da Morte a sua tunica:
E a repentina luz d'um corpo em flôr,
Beijou-lhe os olhos ávidos, acêsos,
Onde o Desejo ardia e fumegava.

E o Doido balbuciou: "Não és a Morte;
És a Mulher, a Vida, a Primavera,
Obra de encantamento e de milagre!

"Tua sombra é luar de formosura..."

Vinham agora nitidas no vento
As risadas maleficas das Bruxas
E o sussurro das aguas nos açudes.
Qual sonho já sonhado, branca nuvem
Entremostrava os falecidos seios,
E a bocca fria e morta, n'um sorriso...
E figurando o ar saudoso e triste,
Perfis misteriosos palpitavam
Através da penumbra alumiada.
E as aves agoireiras, na embriaguês
Da sombra que, em seus peitos, se embebia,
Voavam cantando sobre os dois Amantes.

E agora o Doido e a Morte apaixonados,
De mãos dadas, erravam, no planalto,
Entre o luar e a noite, o ceu e a terra...

E dizia-lhe o Doido: "És a Mulher
Disfarçada n'um lúgubre esqueleto,
Cavalgando através das noites claras...
Amedrontas os homens que te vêm;
Mas a mim, que sou Doido, revelaste
O teu misterio que, afinal, é a vida.

"Deante de mim, tiraste aquela máscara
Que ri perpetuamente; caiu-te aos pés
A tunica de nevoa e de crepusculo;
E os meus olhos então amanheceram
Sobre esse belo corpo resurgindo
Do seu nocturno tumulo brumoso."

E a Morte: "A faúla viva crepitou
Na cinza fria e morta que o Delirio
Espalha aos quatro ventos da Emoção.

"Eu amo os Doidos, sim, porque a Loucura
É o desencantamento do meu sêr,
Reduz-me ao meu sentido verdadeiro."

"--Adoro a Morte só porque é Donzela!
Na tua mão direita que, inda ha rouco,
Brandia a Fouce tragica de sombra,
Floresce um lirio branco; e a luz da lua,
Tocando-te na fronte, é virgindade:
Beijo... lagrima esparsa... veu de noiva...

"Tu és Venus, ó Morte. Os Amorzinhos
Em tôrno do teu Vulto, alegres, vôam...
Vejo, na terra, o abril sob os teus pés,
Embriagam o Azul perfumes misticos...
O luar, ao pousar, nas tuas mãos,
Dir-se-á que se converte em pombas brancas.

"E a nevoa sobe como insenso, e vem
Na tua direção: é um sacrificio
Á Deusa que tu és... A Naturêsa
Arde no fôgo eterno dos teus olhos:
As suas labarêdas são folhagens,
Faulas, soltas no ar, os passarinhos,
E o sonho humano é cinza derramada..."

E assim diz a Donzela: "Vês o Amôr
Onde outros vêm a Morte... Eis o Milagre!
Tu vês na Morte o Amôr... E quantas almas,
Embora eu fôsse o Amôr como tu dizes,
Veriam sempre em mim a negra Morte!"

E diz o Doido: "Eu sou a Creatura
Que vive, a sós, cantando pelos montes,
E subo aos altos pincaros cantando...
Canto os Beijos e os ultimos Suspiros;
Canto a Morte tambem, porque ela vive,
Deante dos meus olhos, e é Mulher.

"E sinto que em meus cantos se reflectem
As falecidas cousas que se animam,
E vão subindo ao céu na minha voz.

"Vive dentro de mim um rouxinol
Que espreita a luz do luar pelos meus olhos
E canta nos meus labios toda a noite.

"Vivo a cantar porque não caibo em mim;
Porque me excedo e subo muito acima
Da altitude a que fica o meu espirito.

"E vae a minha vida no meu canto...
E, fóra do meu corpo, se condensa
Em Figuras viventes que me falam.

"Meu canto diz aos mortos: Resurgi!
E eis que eles resuscitam. Diz ás cousas
Brutas; amae, chorae! E eis que elas choram.

"Sou doido... Só passeio em sitios êrmos,
Através dos pinhaes, á luz da lua
Que traz, no seu palôr, delidas manchas
De phantasticos montes e desertos,
Silencios de outro mundo, soledades
De paisagens defuntas que o Remoto,
Com suas mãos de sombra, amortalhou.

"Amo o Silencio, o Luar, a Solidão...
Sim, porque sei falar ao meu espirito
Que me fala e contempla... e é outro Sêr...

"O ruido e o sol o Espirito afugentam.

"O creador das almas foi aquele
Primeiro corpo erguido contra a luz...

"O espirito amoroso é irmão da Sombra...

"Eis porque adoro a Morte, sendo humano."

E a Donzela responde: "Este desejo
Que me incendeia os ossos revestidos
Da luz do teu olhar, a qual se fez
Rubôr de carne viva, anceio de alma,
--Este Desejo a arder que me aproxima
De ti, é a tua sombra... nada mais...
Pois que sou em mim propria? O teu amor."

E o Doido: "E em mim que sou? Esta Aparencia,
Vago Luar que vem de longe, errante
Figuração de sonho sobre a terra...
Só a tua Presença me define
E abrasa em claras formas de relêvo.
A luz do meu espirito, incidindo
Sobre o teu sêr-phantasma, é já visivel:
Em ti, é claridade que alumia...
E os meus olhos fizeram-se fecundos,
E eu vejo o Amor, a Vida... o meu delirio:
Esta sombra espectral que se interpõe
Entre o meu sêr e as outras creaturas,
Transfigurando imagens, formas, vultos,
Que se tornam cahoticos, genesicos,
Concebendo, na Sombra, um novo Ritmo..."

E a nocturna e phantastica Donzela,
Encantada, nevoenta de volupia,
Sentia-se animada pela estranha
Loucura, fogo animico e amoroso
Que dos olhos do Doido se exalava
Envolto em tôrva luz visionaria.

Era a terra queimada pelo incendio
Canicular, beijando o orvalho fresco:
A propria dôr da noite caida em lagrima...

"--Que mudanças soffri! Nem me conheço
Desde que te encontrei! Meu esqueleto
De viva carne em flôr se revestiu:
Assim o musgo cresce n'uma rocha,
Diluindo-lhe as nitidas arestas,
Sua bruta dureza enternecendo.

"Nos buracos horriveis dos meus olhos
Duas meninas, rindo, se debruçam:
Duas formosas noivas radiosas...
E no gélido vacuo do meu peito
Fez-se um calor de sol; a Primavera
Corre nas minhas veias, já floresce
Este barro de sombra que é meu corpo.

"Ah, sim, eu desconheço-me! Não sou
Quem fui! Não sou a Morte: sou o Amor.
Que é da morte que fui? Onde está ela?

"Ó Loucura magnifica! Delirio!
Ó Vida que as estrelas incendeias
E abres, falando, ouvidos nos rochedos!
Deus é o Doido suprêmo! Olhae a terra
Inda mostrando a sombra desvairada
Desse antigo e divino Pesadêlo:
Assim a pedra rustica dum lar
Mostra a amorosa mão que a trabalhou.

"Tua vida não vive em ti sómente;
Vive além do teu sêr; talvez alcance
Vagos mundos remotos e perdidos...
Quem sabe as creaturas que te vêm
De infinitas distancias e que choram
Se uma lagrima inunda o teu cantar?...

"Eu, que era a Morte, a fria Indiferença,
Insensibilisando as creaturas
Em que pousava a minha mão fatidica;
Eu que vivia, enfim, a minha morte
Assim como tu vives tua vida,
--Ouvindo-te falar, deixei de ser
O Esqueleto-Phantasma que apavora
Tudo quanto é sensivel e vivente,
Para ser a Mulher, o Encanto, a Flôr,
Venus, ébria de sol, fitando o Sol...

"Sou a tua Loucura feita Virgem;
Teu Sonho feito Corpo; a tua Sombra,
Até aqui negra e morta sobre a terra,
N'este instante, de pé, reanimada,
Cheia de luz, falando-te e sorrindo.

"Se és um doido cantando pelo mundo,
Sou a tua Canção..."

                      E o Doido errante:

"És a minha canção... por isso mesmo
Tu és _alguem_ que eu sinto ao pé de mim;
Vejo, ao luar, a sombra que tu fazes!..."

E acrescentou depois, olhando, ao longe,
Chimericos esbôços de montanhas,
Cêrros d'além do mundo, nevoas mortas,
A Saudade alongando-se em Paisagem:

"Todas as cousas êrmas que o crepusculo
Deixa entrevêr, são cantos que eu cantei;
Pousaram, por instantes, na minh'alma...

"Olha este ramo de urze rasteirinho,
E aquele scintilante orvalho vivo,
E aquela rocha de perfil esphingico...
Fôram cantos, outrora, nos meus labios,
Lagrimas nos meus olhos... E, depois,
Não sei porque terrivel maldição,
Ei-los cristalisadas, fulminadas
Apparencias de inercia e de brutêsa!

"Talvêz (quem sabe?) a maldião terrivel
Que a resurgida Eurìdice, de novo,
Em morta Sombra fria converteu!

"A maldição que vae na luz do olhar,
E mata, sem piedade, o nosso amôr:
A creatura amada que nós vêmos
Nascer viva das ondas da Harmonia,
Como Venus das ondas océanicas.

"Ai d'aqueles que, um dia, contemplaram
A creatura amada, face a face!

"Ai de ti, ai de ti, divino Orfeu!
Lira desencantada e redusida
A uma cruz de penumbra e de silencio..."

E o Doido continuou, mas brando e triste:

"Quando me deito á sombra d'um rochedo
Ou á sombra mais leve d'uma nuvem,
Eis que ela pousa logo em meus ouvidos
Harmoniosa da canção que foi...

"Sim: na imagem extatica das Cousas
Repercute-se ainda vagamente
O cantico gerado em meu espirito...

"Vejo Saudade e Eurìdice... Perpassam
Na neblina que a vista, enfraquecendo,
Ergue nos ensombrados, êrmos longes.

"E sempre que a Saudade se aproxima
De Eurìdice, alta Sombra de belêsa,
Esta quasi resurge; e, no seu rosto,
Vago, sanguineo alvôr, sorrindo, aflora.

"Ó silencio dos Êrmos! Ó meu canto,
Perdido e morto, em mim, revive! Aquece
Os troncos esqueléticos das arvores,
A noite fria n'um suor de estrelas!
Anima a luz do luar... Que a tua voz
Lhe afogueie o sorriso arrefecido."

E volvendo á Donzela o Doido errante
Os olhos, onde a imagem da Loucura
Tinha a trança revôlta e a face pálida:

"Quizera vêr teu busto á luz do sol;
A luz viva que sabe definir,
Beijando-as, com amor, as formas finas
Da Carne e do Desejo, e lhes insufla
A côr primaveril, o sangue, a rosa..."

E a Morte lhe dizia como em sonhos:

"Não chames pelo sol: é desencanto.
O sol apaga as Almas quando nasce;
Ele não ama o teu delirio... e odeia-me..
E o luar nos protege: é nosso amigo.
Seu mistico sorriso é encantamento
E resplendor de espirito que anima
Corpos mortos de nevoa... Apparições...

"Sou a tua Canção imorredoira,
Eternamente alada, fluida e viva!

"Sou a tua canção. Que o meu passado
Não me torne a empecer e a atormentar.

"Vivas seáras sem fim de creaturas
Ceifei, cantando, só para entreter
Meu doloroso esfôrço e meu suor.
Mas escondi a Fouce: que a ferrugem,
Que o tempo lhe embrandeça o fino gume,
Sequioso de lagrimas e sangue.

"Ceifei; mas quero agora semear.
E já não murcha as flôres o meu beijo,
Nem põe nodoas nos olhos das estrelas.

"Meu beijo agora é o beijo nupcial:
Gota de orvalho comungando o Sol,
A lagrima que tem o Sol no peito.

"Meu beijo é o beijo ideal da Renascença,
Partindo, como um raio, os frios marmores
Dos tumulos de Pan e de Jesus!"

E a Morte e o Doido, extaticos, falaram
Durante muito tempo: Ele, embebido
Em seu profundo e vago pensamento
Que de infinito amôr lhe mascarava
A cousa contemplada, de maneira
Que tudo o que ele via sobre a terra
Tinha o perfil da sua comoção,
Tinha a propria figura da sua alma.

Era o signal divino da Loucura...

Ela, a Donzela Morte, embriagada
Por um calor de vida florescente,
Engrinaldando em rosas e desejos
Seus resequidos ossos insensiveis.

Falaram muito tempo... E bem se via
Que a voz humana os echos estremunha,
Que a voz da morte os echos adormece...

A Lua anoitecêra... No horisonte
Alvorava através de brancas nuvens
Frio sorriso de oiro e de tristêsa.
Dir-se-ia que a paisagem se firmava
Em seus aspectos nitidos, erguendo,
No ar, as formas quasi definidas.

E, súbito, a Donzela misteriosa,
Do seu profundo sonho despertando,
Beijou na face o Doido; e assim lhe disse:

"É o meu ultimo beijo; não o esqueças.
Lembra-te d'ele sempre até chegar
A hora da tua morte... o meu instante."

"--Que dizes tu? Vaes-me deixar, acaso?"

E o Doido estremeceu, sentiu pousar-lhe
Na fronte sonhadora, aquela neve
Que desgasta a belêsa, o sonho, a graça,
Roendo a flôr da carne, anoitecendo
A harmoniosa luz das linhas puras,
Desencantando as formas, redusindo-as
Á sêca, esteril cinza da Verdade.

E a Morte, ao afastar-se, respondeu:

"Que hei de fazer? Cumprir o meu fadario.
Antes de haver, no mundo, o teu delirio,
Eu existia já, tu compreendes?"

"--Tu és agora, o amôr, a vida, emfim!"

"Dizes _agora_, mas eu digo _outrora_.
Volto ao que fui, ouviste? Eis o Destino."

E o Doido n'um espanto: "D'onde vinhas
Quando chegaste ao pé de mim? Responde!
E agora aonde vaes tu? Qual o teu rumo?"

A Morte, já a cavalo, segurando
Na mão, a velha Fouce relusente,
Olhae! a propria aurora reflectindo...
Reintegrada, de novo, no seu funebre
Esqueleto que um manto de crepusculo
Em mortuarias dobras envolvia,
Na sua voz de Espectro, murmurou:

"Vim de fechar os olhos a uma Virgem;
Vou apagar os olhos d'uma estrêla."

E o Doido viu a Morte e o seu eterno
Riso rasgado em marmor de sarcasmo,
Ocultar-se na branca e fria nevoa
Que, ao receber, no seio, aquele Espectro,
Como que cheia de agua, escureceu.

E riu tambem na luz da madrugada...
E o seu riso, tocando as cousas mortas,
Não era luz que acorda, mas penumbra
De esquecimento, inercia, indiferença.

E o Doido então cantou aos quatro ventos:

"Tive nos braços a Morte.
Tu bem viste,
Noite triste!
Tu nos beijaste a ambos, vento norte!
Teu beijo nos casou.
Pôz-te o luar na fronte a branca flôr,
Ó meu amor,
Que a luz da aurora me roubou!

Tive a Morte nos braços, ó Loucura!
Que lindo corpo gentil!
Seu Phantasma era um abril,
Seus ossos eram feitos de ternura!

E ri, de noite; e o meu riso
Na sombra do ar chorava...
E tudo abria os olhos e falava...
A noite é como o _dia do juizo!_

Vi Mortos resurgidos,
Mostrando a carne em flôr sobre o esqueleto,
Quando o frio crepusculo se espalha,
E os môchos piam nos pinhaes tranzidos
De terror secreto,
E a dôr, suspensa no ar, a terra orvalha...

E eu ri de noite. E fiz mais:
Bebi o riso na origem,
Nesses labios espectraes
Da Morte Virgem!
Vi o riso verdadeiro,
O riso desmascarado;
Não esse riso envolto em nevoeiro,
Amortalhado...
Mas o riso--relampago fendendo
A nossa magua,
E revolvendo,
Ó lagrimas de dôr, teus seios de agua!

Vi o riso que alumia
O nosso fim...
O cirio eterno a arder ao pé da cova,
A eterna flôr do edenico jardim:
A luz do dia,
Sempre nova.

E ri na cara da Morte,
Ó vento norte,
O riso que ela me deu!
E de traz d'um rochedo,
Ergueu-se o vulto pálido do Mêdo...
Que frio gesto e lugubre estatura
Ébria de ceu,
Somnambula de Altura...

E vi o fundo ao Riso. A minha dôr
Tocou-lhe o fundo. E vi de perto, então,
A sombra inicial da Creação,
A luz final do Amor!

E eu ri na noite triste! E á luz da aurora,
O meu sorriso empalidece e treme,
E geme
E chora:
Assim uma candeia
Brilha na sombra, e, triste, bruxuleia
Á luz do sol tão forte,
Que ás outras pobres luzes traz a morte.

E o dia vem nascendo... Que tristêsa!
Manhã cinzenta e baça!
Como perde a paisagem a belêsa:
A penumbra que a veste, e é sonho e graça...

Adeus, ó Morte, ó velha irmã
Da sombra, do silencio e do luar...
Ó frio desencanto da manhã!
Já vejo naufragar,
Na voragem da aurora, o meu cantar!
Ó claridade!
Ó sol! Ó sol! Aparições do Ruido!
Movimento desmedido!
Poeira humana... Actividade!

Levou-me a luz do dia o que me trouxe
A noite, a solidão, a luz do luar...
E a Morte, que em meus braços foi Donzela
E corpo de beijar,
Pegou da fria Fouce
Saltou ligeira, rindo, á dura séla
E foi ceifar, ceifar!

E emquanto o Doido ao vento assim cantava,
Trotava a Morte ao longo do planalto,
Na meia luz, na meia realidade...
E a sombra da sua Fouce, em negra curva,
Ia da aurora ao poente; e a do seu corpo,
Parecia manchar toda a Paisagem.

Ficára a sós o Doido e a sua vida;
E tres noites cantou aquela estranha,
Milagrosa aventura que, depois,
O Imaginar do Povo consagrou
N'esta Lenda, em que a noite e a luz do sol,
A vida e a morte, as lagrimas e os beijos,
São como a propria Sombra da Saudade.

E ele viu, através do seu delirio,
Pela primeira vez, sua figura
Enigmatica, occulta, transcendente...
Viu que existia n'ele um outro sêr:
O que domina as trevas e possue
Sempiterna Presença Espiritual...
Parte da sua vida inominada
Que não é propriamente a sua vida,
E constitue as vagas e remotas
Fronteiras da sua alma que se perde,
Em humildade e amor, na luz de Deus.

Sim: foi a Morte, foi, que lhe mostrou
O que havia de belo e de perfeito
Na sua escura e misera existencia,
Com esse gesto descarnado e gélido
Que os sorrisos apaga e que amortece
Todas as vãs palavras e ironias,
Derramando nas Cousas esta sombra
Infinita e profunda que se chama
Seriedade, Religião, Misterio...


Novembro de 1912.



Biblioteca da RENASCENÇA PORTUGUESA


A Águia--Revista mensal.
A Vida Portuguesa--Quinzenário.
A Evocação da Vida--_Augusto Casimiro_.
Regresso ao Paraiso--_Teixeira de Pascoaes_.
Esta História é para os Anjos--_Jaime Cortesão_.
O Espírito Lusitano ou o Saudosismo--_Teixeira de Pascoaes_.
A Sinfonia da Tarde--_Jaime Cortesão_.
O Criacionismo--_Leonardo Coimbra_.
A Educação dos povos peninsulares--_Ribera y Rovira_.
Romarias--_António Correia de Oliveira_.
A Primeira Nau--_Augusto Casimiro_.
Cintra--_Mário Beirão_.


NO PRELO:

Daquem e Dalem Morte (Contos)--_Jaime Cortesão_.
O Último Lusíada--_Mário Beirão_.
Camilo Inédito--(_Notações de Vila Moura_).
Só--_António Nobre_ (3.^a edição, com notas).



200 réis





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O doido e a morte" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home