Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Clepsydra - Poêmas de Camillo Pessanha
Author: Pessanha, Camilo Almeida, 1867-1926
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Clepsydra - Poêmas de Camillo Pessanha" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



CLEPSYDRA

POÊMAS DE

CAMILLO PESSANHA



EDIÇÕES LUSITANIA



Clepsydra



Todos os direitos reservados

Composto e impresso: Tip. da T. da Espera, 26



CLEPSYDRA

POÊMAS DE

CAMILLO PESSANHA



EDIÇÕES LUSITANIA

LISBOA--1920



INSCRIPÇÃO



Eu vi a luz em um paiz perdido.
A minha alma é languida e inerme.
Oh! Quem podesse deslisar sem ruido!
No chão sumir-se, como faz um verme...



SONÊTOS



Tatuagens complicadas do meu peito:
--Trophéos, emblemas, dois leões aládos...
Mais, entre corações engrinaldados,
Um enorme, soberbo, amor-perfeito...

E o meu brazão... Tem de oiro n'um quartel
Vermelho, um lys; tem no outro uma donzella,
Em campo azul, de prata o corpo, aquella
Que é no meu braço como que um broquel.

Timbre: rompante, a megalomania...
Divisa: um ai,--que insiste noite e dia
Lembrando ruinas, sepulturas rasas...

Entre castelos serpes batalhantes,
E aguias de negro, desfraldando as azas,
Que realça de oiro um colar de besantes!



ESTATUA


Cancei-me de tentar o teu segrêdo:
No teu olhar sem côr,--frio escalpello,--
O meu olhar quebrei, a debate-lo,
Como a onda na crista d'um rochêdo.

Segrêdo d'essa alma e meu degrêdo
E minha obcessão! Para bebe-lo
Fui teu labio oscular, n'um pesadêlo,
Por noites de pavor, cheio de medo.

E o meu osculo ardente, allucinado,
Esfriou sobre o marmore correcto
D'esse entreaberto labio gelado...

D'esse labio de marmore, discreto,
Severo como um tumulo fechado,
Serêno como um pélago quieto.



PHONOGRAPHO


Vae declamando um comico defunto,
Uma platêa ri, perdidamente,
Do bom jarreta... E ha um odôr no ambiente
A crypta e a pó,--do anachronico assumpto.

Muda o registo, eis uma barcarola:
Lirios, lirios, aguas do rio, a lua...
Ante o Seu corpo o sonho meu fluctua
Sobre um paúl,--extática corolla.

Muda outra vez: gorgeios, estribilhos
D'um clarim de oiro--o cheiro de junquilhos,
Vivido e agro!--tocando a alvorada...

Cessou. E, amorosa, a alma das cornetas
Quebrou-se agora orvalhada e velada.
Primavera. Manhã. Que effluvio de violetas!



Desce em folhedos tenros a collina:
--Em glaucos, frouxos tons adormecidos,
Que saram, frescos, meus olhos ardidos,
Nos quaes a chamma do furor declina...

Oh vem, de branco,--do immo da folhagem!
Os ramos, leve, a tua mão aparte.
Oh vem! Meus olhos querem desposar-te
Reflectir-te virgem a serena imagem.

De silva doida uma haste esquíva
Quão delicada te osculou num dedo
Com um aljôfar côr de rosa viva!...

Ligeira a saia... Doce brisa impelle-a...
Oh vem! De branco! Do immo do arvoredo...
Alma de sylpho, carne de camelia...



Esvelta surge! Vem das aguas, nua,
Timonando uma concha alvinitente!
Os rins flexiveis e o seio fremente...
Morre-me a bocca por beijar a tua.

Sem vil pudôr! Do que ha que ter vergonha?
Eis-me formoso, môço e casto, forte.
Tão branco o peito!--para o expôr á Morte...
Mas que ora--a infame!--não se te anteponha.

A hydra torpe!... Que a estrangulo... Esmago-a
De encontro á rocha onde a cabeça te ha-de,
Com os cabellos escorrendo agua,

Ir inclinar-se, desmaiar de amor,
Sob o fervor da minha virgindade
E o meu pulso de jovem gladiador.



Depois da lucta e depois da conquista
Fiquei só! Fôra um acto anthipatico!
Deserta a Ilha, e no lençol aquatico
Tudo verde, verde,--a perder de vista.

Porque vos fostes, minhas caravellas,
Carregadas de todo o meu thesoiro?
--Longas teias de luar de lhama de oiro,
Legendas a diamantes das estrellas!

Quem vos desfez, formas inconsistentes,
Por cujo amor escalei a muralha,
--Leão armado, uma espada nos dentes?

Felizes vós, ó mortos da batalha!
Sonhaes, de costas, nos olhos abertos
Reflectindo as estrellas, boquiabertos...



Quem polluiu, quem rasgou os meus lençoes de linho,
Onde esperei morrer,--meus tão castos lençoes?
Do meu jardim exiguo os altos girasoes
Quem foi que os arrancou e lançou no caminho?

Quem quebrou (que furor cruel e simiêsco!)
A mesa de eu cear,--tabua tôsca de pinho?
E me espalhou a lenha? E me entornou o vinho?
--Da minha vinha o vinho acidulado e fresco...

Ó minha pobre mãe!... Não te ergas mais da cova,
Olha a noite, olha o vento. Em ruina a casa nova...
Dos meus ossos o lume a extinguir-se breve.

Não venhas mais ao lar. Não vagabundes mais.
Alma da minha mãe... Não andes mais á neve,
De noite a mendigar ás portas dos casaes.



Ó meu coração torna para traz
D'onde vaes a correr, desatinado?
Meus olhos incendidos que o peccado
Queimou... Voltae horas de paz.

Vergam da neve os olmos dos caminhos,
A cinza arrefeceu sobre o brazido.
Noites da serra, o casebre transido...
--Scismae meus olhos como dois velhinhos...

Extìnctas primaveras evocae-as:
--Já vae florir o pomar das maceiras,
Hemos de enfeitar os chapeus de maias--

Socegae, esfriae, olhos febrís.
--E hemos de ir cantar nas derradeiras
Ladainhas... Doces vozes senís...--



Floriram por engano as rosas bravas
No inverno: veio o vento desfolhal-as...
Em que scismas, meu bem? Porque me callas
As vozes com que ha pouco me enganavas?

Castellos doidos! Tão cedo cahistes!...
Onde vamos, alheio o pensamento,
De mãos dadas? Teus olhos, que um momento
Prescrutaram nos meus, como vão tristes!

E sobre nós cahe nupcial a neve,
Surda, em triumpho, petalas, de leve
Juncando o chão, na acrópole de gelos...

Em redor do teu vulto é como um veo!
¿Quem as esparze--quanta flôr--, do ceo,
Sobre nós dois, sobre os nossos cabellos?



E eis quanto resta do idyllio acabado,
--Primavera que durou um momento...
Como vão longe as manhãs do convento!
--Do alegre conventinho abandonado...

Tudo acabou... Anemonas, hydrangeas.
Silindras,--flôres tão nossas amigas!
No claustro agora víçam as ortigas,
Rojam-se cobras pelas velhas lageas.

Sobre a inscripção do teu nome delìdo!
--Que os meus olhos mal podem solletrar,
Cançados... E o aroma fenecido

Que se evola do teu nome vulgar!
Ennobreceu-o a quietação do olvido.
Ó doce, ingenua, inscripção tumular.



Singra o navio. Sob a agua clara
Vê-se o fundo do mar, de areia fina...
--Impeccavel figura peregrina,
A distancia sem fim que nos sepára!

Seixinhos da mais alva porcelana,
Conchinhas tenuemente côr de rosa,
Na fria transparencia luminosa
Repousam, fundos, sob a agua plana.

E a vista sonda, reconstrue, compára.
Tantos naufragios, perdições, destróços!
--Ó fulgida visão, linda mentira!

Roseas unhinhas que a maré partira...
Dentinhos que o vaivem desengastára...
Conchas, pedrinhas, pedacinhos de ossos...



Foi um dia de inuteis agonias.
Dia de sol, inundado de sol!...
Fulgiam nuas as espadas frias...
Dia de sol, inundado de sol!...

Foi um dia de falsas alegrias.
Dáhlia a esfolhar-se,--o seu molle sorriso...
Voltavam os ranchos das romarias.
Dáhlia a esfolhar-se,--o seu molle sorriso...

Dia impressivel mais que os outros dias.
Tão lúcído... Tão pallido... Tão lúcido!...
Diffuso de theoremas, de theorias...

O dia futil mais que os outros dias!
Minuete de discretas ironias...
Tão lúcido... Tão pallido... Tão lúcído!...



Passou o outono já, já torna o frio...
--Outono do seu riso maguado.
Algido inverno! Obliquo o sol, gelado...
--O sol, e as aguas limpidas do rio.

Aguas claras do rio! Aguas do rio,
Fugindo sob o meu olhar cançado,
Para onde me levaes meu vão cuidado?
Aonde vaes, meu coração vazío?

Ficae, cabellos d'ella, fluctuando,
E, debaixo das aguas fugidias,
Os seus olhos abertos e scismando...

Onde ides a correr, melancolias?
--E, refractadas, longamente ondeando,
As suas mãos translucidas e frias...



Quando voltei encontrei os meus passos
Ainda frescos sobre a humida areia,
A fugitiva hora, reevoqueia,
--Tão redíviva! nos meus olhos baços...

Olhos turvos de lagrimas contidas.
--Mesquinhos passos, porque doidejastes
Assim transviados, e depois tornastes
Ao ponto das primeiras despedidas?

Onde fostes sem tino, ao vento vario,
Em redor, como as aves n'um aviario,
Até que a azita fôfa lhe falleça...

Toda essa extensa pista--para quê?
Se ha-de vir apagar-vos a maré,
Como as do novo rasto que começa...



Imagens que passaes pela retina
Dos meus olhos, porque não vos fixaes?
Que passaes como a agua crystallina
Por uma fonte para nunca mais!...

Ou para o lago escuro onde termina
Vosso curso, silente de juncaes,
E o vago mêdo angustioso domina,
--Porque ides sem mim, não me levaes?

Sem vós o que são os meus olhos abertos?
--O espelho inutil, meus olhos pagãos!
Aridez de successivos desertos...

Fica sequer, sombra das minhas mãos,
Flexão casual de meus dedos incertos,
--Estranha sombra em movimentos vãos.



POESIAS



Quando se erguerão as setteiras,
Outra vez, do castello em ruina,
E haverá gritos e bandeiras
Na fria aragem matutina?

Se ouvírá tocar a rebate
Sobre a planicie abandonada?
E sahiremos ao combate
De cota e elmo e a longa espada?

Quando iremos, tristes e sérios,
Nas prolixas e vãs contendas,
Soltando juras, improperios,
Pelas divisas e legendas?

E voltaremos, os antigos
E purissimos lidadores,
(Quantos trabalhos e perigos!)
Quasi mortos e vencedores?

. . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . .

E quando, ó Dôce Infanta Real,
Nos sorrirás do belveder?
--Magra figura de vitral,
Por quem nós fomos combater...



Não sei se isto é amor. Procuro o teu olhar,
Se alguma dôr me fere, em busca de um abrigo;
E apesar d'isso, crê! nunca pensei num lar
Onde fosses feliz, e eu feliz comtigo.

Por ti nunca chorei nenhum ideal desfeito.
E nunca te escrevi nenhuns versos romanticos.
Nem depois de acordar te procurei no leito
Como a esposa sensual do _Cantico dos canticos_.

Se é amar-te não sei. Não seí se te idealiso
A tua côr sadia, o teu sorriso terno,
Mas sinto-me sorrir de ver esse sorriso
Que me penetra bem, como este sol de inverno.

Passo comtigo a tarde e sempre sem receio
Da luz crepuscular, que enerva, que provoca.
Eu não demoro o olhar na curva do teu seio
Nem me lembrei jámais de te beijar na bôca.

Eu não sei se é amor. Será talvez começo...
Eu não sei que mudança a minha alma presente...
Amor não sei se o é, mas sei que te estremeço,
Que adoecia talvez de te saber doente.



Rufando apressado,
E bamboleado.
Bonet posto ao lado,

Garboso, o tambor
Avança em redor
Do campo de amor...

Com força, soldado!
A passo dobrado!
Bem bamboleado!

Amores te bafejem.
Que as moças te beijem.
Que os moços te invejem.

Mas ai, ó soldado!
Ó triste alienado!
Por mais exaltado

Que o toque reclame,
Ninguem que te chame...
Ninguem que te ame...



Ao meu coração um peso de ferro
Eu hei-de prender na volta do mar.
Ao meu coração um peso de ferro...
          Lançal-o ao mar.

Quem vae embarcar, que vae degredado...
As penas do amor não queira levar...
Marujos, erguei o cofre pesado,
          Lançae-o ao mar.

E hei-de mercar um fecho de prata.
O meu coração é o cofre sellado.
A sete chaves: tem dentro uma carta...
--A ultima, de antes do teu noivado.

A sete chaves,--a carta encantada!
E um lenço bordado... Esse hei-de-o levar,
Que é para o molhar na agua salgada
No dia em que emfim deixar de chorar...



CREPUSCULAR


Ha no ambiente um murmurio de queixume,
De desejos de amor, d'ais comprimidos...
Uma ternura esparsa de balidos,
Sente-se esmorecer como um perfume.

As madre-silvas murcham nos silvados
E o arôma que exhalam pelo espaço,
Tem delíquios de gôso e de cansaço
Nervosos, femininos, delìcados.

Sentem-se espasmos, agonias d'ave,
Inaprehensiveis, minimas, serênas...
--Tenho entre as mãos as tuas mãos pequenas.
O meu olhar no teu olhar suave.

As tuas mãos tão brancas d'anemia...
Os teus olhos tão meigos de tristeza...
--É este enlanguescer da natureza,
Este vago sofrer do fim do dia.



Se andava no jardim,
Que cheiro de jasmím!
Tão branca do luar!

. . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . .

Eis tenho-a junto a mim.
Vencida, é minha, emfim,
Após tanto a sonhar...

Porque entristeço assim?...
Não era ella, mas sim
(O que eu quiz abraçar),

A hora do jardim...
O aroma de jasmim...
A onda do luar...



Depois das bodas de oiro,
Da hora promettida,
Não seí que mau agoiro
Me ennoiteceu a vida...

Temo de regressar...
E mata-me a saudade...
--Mas de me recordar
Não sei que dôr me invade.

Nem quero prosseguir,
Trilhar novos caminhos,
Meus pobres pés, dorir,
Já roxos dos espinhos.

Nem ficar... e morrer...
Perder-te, imagem vaga...
Cessar... Não mais te vêr...
Como uma luz se apaga...



O meu coração desce,
Um balão apagado...
--Melhor fôra que ardesse,
Nas trevas, incendiado.

Na bruma fastidienta,
Como um caixão á cova...
--Porque antes não rebenta
De dôr violenta e nova?!

Que apêgo ainda o sustem?
Atomo miserando...
--Se o esmagasse o trem
D'um comboio arquejando!...

O inane, vil despojo
Da alma egoista e fraca!
Trouxesse-o o mar de rojo
Levasse-o na ressaca.



Chorae arcadas
Do víôloncello!
Convulsionadas,
Pontes aladas
De pesadelo...

De que esvoaçam,
Brancos, os arcos...
Por baixo passam,
Se despedaçam,
No rio, os barcos.

Fundas, soluçam
Caudaes de chôro...
Que ruinas, (ouçam)!
Se se debruçam,
Que sorvedouro!...

Trémulos astros...
Soidões lacustres...
--Lemes e mastros...
E os alabastros
Dos balaustres!

Urnas quebradas!
Blocos de gelo...
--Chorae arcadas,
Despedaçadas,
Do viôloncello.



AO LONGE OS BARCOS DE FLORES


Só, incessante, um som de flauta chora,
Viuva, gracil, na escuridão tranquilla,
--Perdida voz que de entre as maís se exila,
--Festões de som dissimulando a hora.

Na orgia, ao longe, que em clarões scintilla
E os labios, branca, do carmim desflora...
Só, incessante, um som de flauta chora,
Viuva, gracil, na escuridão tranquilla.

E a orchestra? E os beijos? Tudo a noite, fora,
Cauta, detem. Só modulada trila
A flauta flebil... Quem ha-de remil-a?
Quem sabe a dôr que sem razão deplora?

Só, incessante, um som de flauta chora...



EM UM RETRATO


De sob o cómoro quadrangular
Da terra fresca que me ha-de inhumar,

E depois de já muito ter chovido,
Quando a herva alastrar com o olvido,

Ainda, amigo, o mesmo meu olhar
Ha-de ir humilde, atravessando o mar,

Envolver-te de preito enternecido,
Como o de um pobre cão agradecido.



Voz debil que passas,
Que humilima gemes
Não sei que desgraças...

Dir-se-hia que pedes.
Dir-se-hia que tremes,
Unida ás paredes,

Se vens, ás escuras,
Confiar-me ao ouvido
Não sei que amarguras...

Suspiras ou fallas?
Porque é o gemido,
O sopro que exhalas?

Dir-se-hia que rezas.
Murmuras baixinho
Não sei que tristezas...

--Ser teu companheiro?
Não sei o caminho.
Eu sou estrangeiro.

--Passados amores?--
Animas-te, dizes
Não sei que terrores...

Fraquinha, deliras.
--Projectos felizes?--
Suspiras. Expiras.



Na cadeia os bandidos presos!
O seu ar de contemplativos!
Que é das feras de olhos acesos?!
Pobres dos seus olhos captivos.

Passeiam mudos entre as grades,
Parecem peixes n'um aquario.
--Campo florido das Saudades
Porque rebentas tumultuario?

Serenos... Serenos... Serenos...
Trouxe-os algemados a escolta.
--Extranha taça de venenos
Meu coração sempre em revolta.

Coração, quietinho... quietinho...
Porque te insurges e blasfemas?
Pschiu... Não batas... De vagarinho...
Olha os soldados, as algemas!



FINAL



Ó cores virtuaes que jazeis subterraneas,
--Fulgurações azues, vermelhos de hemoptyse,
Represados clarões, chromaticas vesanias--,
No limbo onde esperaes a luz que vos baptise,

As palpebras cerrae, anciosas não veleis.

Abôrtos que pendeis as frontes côr de cidra,
Tão graves de scismar, nos bocaes dos museus,
E escutando o correr da agua na clepsydra,
Vagamente sorris, resignados e atheus,

Cessae de cogitar, o abysmo não sondeis.

Gemebundo arrulhar dos sonhos não sonhados,
Que toda a noite erraes, doces almas penando,
E as azas laceraes na aresta dos telhados,
E no vento expiraes em um queixume brando,

Adormecei. Não suspireis. Não respireis.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Clepsydra - Poêmas de Camillo Pessanha" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home