Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: As Farpas: Chronica Mensal da Politica, das Letras e dos Costumes (1882-11/12)
Author: Queirós, José Maria Eça de, 1845-1900 [Editor], Ortigão, José Duarte Ramalho, 1836-1915 [Editor]
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "As Farpas: Chronica Mensal da Politica, das Letras e dos Costumes (1882-11/12)" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



made available by the Biblioteca Nacional de Lisboa, Portugal.



[Illustration: EÇA DE QUEIROZ--RAMALHO ORTIGÃO--AS FARPAS]

EÇA DE QUEIROZ--RAMALHO ORTIGÃO

AS FARPAS

_Chronica Mensal_

DA POLITICA, DAS LETRAS E DOS COSTUMES

QUARTA SERIE N.º 2

NOVEMBRO A DEZEMBRO 1882

Ironia, verdadeira liberdade! És tu que me livras da ambição do poder,
da escravidão dos partidos da veneração da rotina, do pedantismo das
sciencias, da admiração das grandes personagens, das mystificações da
politica, do fanatismo dos reformadores, da superstição d'este grande
universo, e da adoração de mim mesmo.

P.J. PROUDHON.



SUMMARIO


Congressos catholicos e ideias clericaes--Anjos e reprobos--As
influencias e eclesiasticas na sociedade portugueza--A egreja e as
mulheres--Os nossos padres, padre de missões, padre d'aldeia e padre de
sala--Os clubs e as sacristias--O jogo, a batota, o rei dos lusos e o
rei de copas, a rusga, a _vacca_--Doutor Jardim, sabio, e Rosalia, dama
illustre--Novas applicações da mobilia á critica litteraria--A moderna
arte portugueza e as escamas da corvina--O jornalismo em Braga--O
partido legitimista e a bandeira branca de Senna Freitas--Sampaio o
Saraiva de Carvalho--A augusta princeza anjo da caridade e do
bric-à-brac--Tragico fim de um gato d'esse anjo--Fausto e jocundo
desacato de s.ex.ª o ministro da justiça por s.em.ª o nuncio de sua
Santidade--A urna e a corveta Stephania--Os commendadores e os cães de
faiança---Milagrosa reapparição de Nossa Senhora Apparecida.

       *       *       *       *       *

«Se Deus approva, que tenha a bondade de se deixar ficar sentado....
Está approvado.»

Tal é, resumidamente exposta, a commoda maneira de votar por meio da
qual não só o congresso catholico, reunido recentemente em Lisboa, mas
muitos dos concilios ecclesiasticos que precederam este, se mettem de
gorra parlamentar com os legisladores do ceu e constatam a approvação da
divindade ás deliberações tomadas pelos clerigos. Para esses
cavalheiros,--papas, bispos, conegos, simples padres d'enterro ou
sacristães--Deus é absolutamente a mesma coisa que é para o snr Fontes a
sua maioria regeneradora, o que quer dizer: uma entidade encarregada de,
assistir á apresentação dos decretos e de dar o sim.

       *       *       *       *       *

Nos sermões de penitencia das nossas villas e aldeias o truque é o mesmo
que nos concilios, mas reforçado com um cordel.

O orador sacro, encarregado pela remuneração de 3$600 em dinheiro e um
prato de especiones com vinho fino, de refrescar para commodidade das
almas em cada uma das domingas da quaresma os ardores do purgatorio,
irrigando de eloquencia e de latinidade esse recinto de clarificação
espiritual, começa por pôr Deus no throno do altar mor, sob a figura do
Senhor dos Passos escondido atraz de uma cortina roxa, e dirige-se em
seguida para a cadeira da verdade, acompanhado de uma ponta do barbante
com que se ha de puxar a cortina. No final da predica, á peroração, o
ecclesiastico, depois de haver enxugado a um dos lenços estendidos sobre
o parapeito do pulpito os 3$600 de transpiração escorrida pela fronte e
pela região cervical, pega no cordel, volta-se para a cortina, faz uma
venia e diz:

«Senhor! se minha debil voz, eccoando n'este auditorio conspicuo, a cuja
frente diviso o veneravel vulto do illustre conselheiro d'estado
honorario, presidente d'esta benemerita irmandade,--se minha debil voz,
digo, conseguiu levar ao vosso coração amantissimo a convicção do
arrependimento em que se acham immersas as almas que ora vedes
prostradas a vossos pés, dignae-vos, Senhor, de apparecer para ouvirdes
nossos votos. Apparecei, Senhor! Porque não appareceis?!»

E por meio da bem conhecida e sempre efficaz figura de rhetorica
intitulada obsecração,--um dos mais arrojados e vehementes de todos os
tropos,--o orador, dirigindo-se sempre á cortina, com bola de mão para a
lacrimosidade dos fieis, faz sentir a estes por tabella que é mister que
elles solucem durante alguns minutos para que Deus lhes appareça, e lhes
perdoe. Os fieis então desatam em suspiros de corrente pranto, e o
ecclesiastico, acabando emfim por lhes dar Deus de presente, cae elle
mesmo prostrado de commoção e de espanto na borda do pulpito, como se
nunca em sua vida lhe houvesse apparecido um tão portentoso milagre como
esse de se correr a mesma cortina que occulta a imagem do Senhor dos
Passos, a que elle tem por officio puxar os cordeis em todas as
quaresmas, á razão de trinta e seis tostões por tarde, além do beberete.

       *       *       *       *       *

Nos congressos dispensam de ordinario o barbante corroborativo da
oratoria sacra.

Apenas nomeada a mesa que tem de presidir aos debates, os clerigos
persignam-se, abancam, põem deante de si os rapés, e passam desde logo a
redigir a acta, dando como presente, entre as pessoas do clero, a do
divino Espirito Santo, representado sob a fórma de volatil symbolico e
para este effeito invisivel.

Emquanto a fazer approvar pela divindade dada como presente na acta,
tudo aquillo que elles se lembram de resolver em commum, consideram os
clerigos--e mui judiciosamente segundo se nos affigura--que é inutil
estar a puxar-lhe por guitas, tendo com Deus a mesma massada que se tem
com as marionettes.

N'esse presupposto o que os padres decidiram foi o seguinte:

«Sempre que Deus houver de regeitar alguma das nossas resoluções, que se
manifeste n'esse sentido. Não se manifestando, entende-se que está de
accordo.»

Com o quê, dão a palavra aos snrs membros que tenham que propôr coisas
para approvar.

       *       *       *       *       *

Ora Deus, na sua qualidade de ser supremamente sabio, segue, como é
notorio, o systema habitual de não se manifestar nunca, quer seja para
approvar, quer seja para desapprovar aquillo que um maior ou menor
numero de padres, reunidos para esse effeito, determinem expor-lhe.

É claro que lhe não faltava agora mais nada, ao grande bom Deus, senão
sahir de toda a parte, onde dizem que está, para vir ali assim á capella
do Marquez de Castello Melhor, ou a qualquer outra, estabelecer dialogo
com o Padre Viegas ou com o Padre Garcia Diniz, para o fim de os
cumprimentar ou de os mandar á fava pelos seus discursos!

Succede por tanto que de todas as vezes que alguns sacerdotes, em folga
por falta de missas ou de enterramentos, se agregam a alguns seculares
mordidos pelo bicho carpinteiro do zêlo, e decidem juntos decretar mais
fervor á devoção das massas afim de que estas mandem dizer mais missas
ou se façam enterrar mais vezes, Deus, misericordioso e benigno, sorri
de indifferença ineffavel nas profundidades immaculadas do azul e deixa
o clero decretar, exactamente com a mesma longanimidade com que deixa a
herva crescer.

       *       *       *       *       *

Não affirmaremos porém em absoluto que esta enorme frescata de
chinquilho, esta sem-cerimonia de bisca emparceirada com o Eterno pelos
sacerdotes, não possa uma ou outra vez offerecer alguns ligeiros
perigos, apertando-se de mais com o fiado.

Toda a familiaridade tem limites. Deus de quando em quando se pronuncia,
posto que indirectamente, no sentido de recordar essa discreta maxima
áquelles religiosos que abusam, dando-se ares de privar ainda mais com o
ceu do que privam com o proprio botequim do Martinho.

Ainda ha pouco no parlamento hispanhol se deu um facto proprio para
provocar em nosso espirito amargas conjecturas sobre os inconvenientes
de nos tornarmos nojosos á força de sermos nimiamente prolixos em
nossas intimidades com o Divino.

É de saber que o augusto pretendente D. Carlos, depois de haver
consumido nas roletas do exilio, com o bello sexo extrangeiro e em
devoções castelhanas, os bens da sua corôa, se achou reduzido ao mais
invejavel estado de pureza christã, não tendo de seu senão facturas de
fornecedores que pagar, a benção apostolica de Sua Santidade e o direito
divino.

Para sustentar esse direilo nas còrtes da nação hispanhola havia um
deputado especialmente incumbido de narrar á Peninsula tudo aquillo que
Deus continuava a fazer pelo mui catholico principe D. Carlos, desde que
D. Carlos, com a sua força desarmada e posta em penhor n'um banco de
Londres, deixara de fazer por Deus coisa que se visse suspensa por corda
no espaço,

Pois bem, o que ultimamente succedeu foi que: o deputado alludido, ao
principiar a usar da palavra para mais uma vez introduzir a divindade
n'uma falla aos de Castella, cahiu subitamente morto.

Os anjos haviam-o chamado ás alturas estendendo-lhe do empyreo o
ascensor de Jacob a que na terra damos o nome vulgar mas expressivo de
apoplexia.

Acontecem d'estas ás vezes!

Os fieis, a poder de mandarem os philosophos ao diabo, arriscam-se um
pouco a acabar como o hispanhol, fulminados repentinamente pelo
Altissimo, ao reconhecer-se que efectivamente não estão satisfeitos com
a marcha que modernamente teem tomado as coisas sobre a esphera
terrestre.

       *       *       *       *       *

O mais vulgar porem, da parte de Deus, é a indifferença imperturbavel
pelo ardor, ainda o mais comichoso, d'aquelles que servem a sua egreja,
pondo-se de Deus á esquina para a gente e vibrando a religião como a
grande moca benzida com que atiram á testa de quantos andam a ganhar a
sua vida por este mundo, emquanto suas excellencias estão em folga
temporal nas sacristias, locupletando-se de bemaventurança futura e
d'hostias quotidianas.

Assim como nós outros fundamos camisarias ou estancos, fundam elles
agencias e sucursaes do ceu por sua conta, despachando os requerimentos
dos candidatos a anjos, designando em dias de juizo trimestraes, como os
exames de frequencia, os eleitos e os reprobos, e sentando desde logo
uns á mão direita e outros á mão esquerda do bem conhecido redactor
principal e leitor unico da _Nação,_ o snr Fernando Todo Pedroso.

       *       *       *       *       *

Garibaldi, por exemplo, escusa de pensar em entrar jamais no ceu com a
sua famosa camisola, cujo vermelho ardente poria ao longo da Via Lactea
um rubôr d'aurora. Garibaldi que se aguente como puder nas profundidades
do inferno, pequeno de mais talvez para conter toda a paixão de
liberdade que encheu na terra o seu coração maldito. Elle levou uma fava
preta do Todo Pedroso snr Fernando, e S. Pedro está prevenido.

Os doze pescadores, que, á voz de Jesus fallando-lhes na montanba,
abandonaram as redes para levar palavras de consolação a todos os
opprimidos atravez do universo, não quereriam ao pé de si lá em cima
esse official do mesmo officio que tantas vezes abandonou a barca
amarrada ao rochedo de Caprera para ir com uma espada na mão arriscar a
pelle, não já para consolar, por meio de sermonarios, da liberdade
perdida, como nos apologos da biblia, mas para pôr definitivamente a
liberdade onde estava a oppressão. S. Paulo, que procedia
litterariamente, por meio de epistolas, como Madame de Sévigné, não
consentiria de boa mente que se puzesse ao lado da sua penna platonica a
espada cheia de bòccas de um companheiro que procurou como pôde lazer
por obras n'esta vida o que elle apenas prometteu em doces palavras para
a outra.---Assim o decidiram, pitadeando-se de commum accordo sobre o
caso, o reverendo Viegas e o reverendo Garcia Diniz, em conselho de
sacristia, sob a presidencia do Todo Pedroso.

       *       *       *       *       *

O nobre conde de Santiago, pelo contrario, é recebido por aclamação, com
a sua chapeleira e o seu ripanso, no comboyo expresso, organisado por
estes senhores, do Passeio Publico para a Bemaventurança. Esse pieodoso
fidalgo está nomeado secretario do congresso catholico, o que lhe dá no
seio da christandade honras antecipadas de serafim. Com o privilegio de
redigir as actas do sagrado concilio o nobre conde acha-se
concomitantemente investido no direito de poder andar d'azas, desdo já,
por este mundo. Mais alguns mezes de fervor e de secretariado da parte
de s.ex.ª, e poderemos alimentar a esperança de o ver ainda atravessar
o Chiado como o atravessam os perus, isto é--em pennas. A natural
pudicicia de s.ex.ª lhe vedará porém talvez o circular entre os viventes
vestido unicamente com os espanadores dorsaes destinados ao convivio dos
cherubins no gallinheiro celeste.

       *       *       *       *       *

O aspecto do recente congresso catholico do Passeio Publico (lado
occidental) tal como os noticiarios nol-o descrevem parece-nos de uma
pompa particularmente modesta, destinada, a não excitar represalias da
parte do snr. França Neto.

Meia duzia de padrecas, com as suas sobrecasacas dominicaes e os seus
chapeus altos anediados de novo para decoro das corôas subjacentes, mais
outros tantos seculares vestidos de preto e puxados á substancia do
panno fino pela benzina expurgante, postos todos em volta de uma meza a
assoarem-se uns para os outros com emphase, dão-nos menos a ideia de um
ajuntamento triumphante de convicções victoriosas do que o painel de um
simples ciprestal sentado,--com defluxo.

Alem de solicitar a benção apostolica, o congresso catholico de Lisboa
resumiu os seus trabalhos em duas unicas resoluções: fundar uma
universidade catholica e requerer dos poderes publicos que por meio da
sua policia elles façam respeitar nas ruas as pessoas dos
ecclesiasticos, presentemente apupados pela multidão, segundo elles
mesmos dizem, sempre que apparecem em publico revestidos de habitos
sacerdotaes. O que, a ser exacto, é precisamente a mesma coisa que
succedia em Paris ao padre Lacordaire no tempo da Restauração.
Notando-se que a Restauração foi de todos os governos em França aquelle
que mais protegeu o clero, fica-se em duvida sobre se a intervenção do
governo será o meio efficaz de garantir aos ecclesiasticos a deferencia
e o respeito, que ninguem jamais lhes recusa nos paizes de liberdade
religiosa, em que o Estado é atheu, como na America do Norte.

       *       *       *       *       *

Se compararmos o espirito e o aspecto d'esta assembleia catholica com
algumas reuniões do mesmo genero celebradas na Europa durante o decurso
dos ultimos annos, somos obrigados a confessar que o prestigio do
sacerdocio decae de um modo sensibilisador.

No congresso belga, por exemplo, reunido em Malines no mez d'agosto de
1863, o numero dos adherentes era de 3:000. Na cathedral de
Saint-Rombaut, o cardeal-arcebispo Sterchx celebrou a missa solemne
d'abertura, depois da qual os membros do congresso seguiram em procissão
para a vasta sala das sessões, engrinaldada de festões de rosas e
empavesada de tropheus de todas as bandeiras da christandade como uma
enorme nau em triumpho. No topo do salão o estrado destinado á meza era
coberto por um docel de velludo carmesim franjado d'ouro sobre o qual se
destacava na doce pallidez do marfim uma imagem de Jesus cravado de
brilhantes na cruz d'ebano. Esveltos soldados da milicia papal, em
grande uniforme, de capacetes rutilantes e bigodes recurvos, fazem alas
lendo ao tiracollo as bandas symbolicas de seda branca e ouro. O alto
clero que vem tomar assento na assembleia passa em pompa, gravemente,
por cima do tapete de Smirna desenrolado ao longo da sala. Á frente, os
cardeaes com as suas purpuras roçagantes; depois os bispos inglezes, os
de Gand, de Tournay, de Namur, appoiados aos seus baculos, e os
sacerdotes do rito armenio, de grandes barbas, chapeus altos sem abas
com veus roxos, empunhando as suas longas bengalas de castão de ouro.

Foi no congresso de Malines que De Montalembert, o antigo collaborador
do abbade Lamennais, proferiu o seu monumental discurso sobre a egreja
livre no estado livre. De Montalembert acreditava ainda na possibilidade
de uma alliança entre o espirito ecclesiastico e o espirito scientifico
do mundo moderno, e o seu discurso é n'esse intuito um manifesto de uma
rara eloquencia apaixonada, profundamente convicta.

«Em toda a parte excepto na Belgica--disse elle--os catholicos são
inferiores aos seus adversarios na vida publica, porque os catholicos
não souberam ainda congrassar-se com a grande revolução que gerou a nova
sociedade, a moderna vida dos povos. Em presença da sociedade moderna os
catholicos sentem-se timidos e confusos; teem-lhe medo. Não aprenderam
por emquanto a conhecer, a amar a sociedade em que vivem. Muitos estão
ainda, pelo coração e pelo espirito, ligados ao antigo regimen, isto é,
a um systema que não admittia nem a egualdade civil, nem a liberdade
politica, nem a liberdade de consciencia. O antigo regimen tinha o seu
lado grande e bello; não pretendo julgal-o aqui, e muito menos pretendo
condemnal-o. Basta-me reconhecer-lhe um deffeito, mas esse capital: está
morto, e nunca mais resuscitará.»

Em seguida Montalembert demonstra que n'este seculo a egreja ou ha de
cessar de existir ou ha de viver na democracia e na liberdade. A egreja,
ou não tem mais que fazer no mundo, ou tem que contribuir ainda como nos
tempos que fizeram a gloria do seu passado, para a perfectibilidade do
espirito humano, intervindo no progresso pelo combate da livre razão
contra todas as usurpações, contra todos os privilegios, contra todas as
tyrannias exercidas sobre a inviolavel fraternidade humana.

A liberdade é uma só, unica, indivisivel e sagrada, expressa pelo
predominio dos poderes espirituaes sobre os poderes temporaes,
representada na parte dynamica pela sciencia, na parte statica pela
religião.

Na sciencia a liberdade consiste no direito de descobrir a verdade e de
a proclamar sem disfarce e sem restricção alguma como base das relações
do homem com o homem na independencia absoluta da revelação e da fé. Na
religião a liberdade consiste, como dizia Guizot, no direito que tem a
consciencia humana de não ser governada nas suas relações com Deus por
decretos ou por castigos humanos.

«Catholicos--disse Montalembert--se quereis a liberdade para vós,
entendei-o bem, é preciso que a queiraes egualmente para todos os homens
e debaixo de todos os ceus. Se a pedirdes para vós unicamente, não a
tereis nunca: dae-a em toda a parte onde fordes senhores para que vol-a
deem em toda a parte onde fordes escravos.»

Esta energica apologia da liberdade, enthusiasticamente applaudida,
levou o congresso de Malines a ridigir nos seguintes termos uma das
resoluções da assembleia: «É do interesse dos catholicos, assim como do
todos os cidadãos que sinceramente querem a liberdade, o substituir
quanto possivel a intervenção e a omnipotencia do estado pela energia
creadora e pelo principio expansivo do espirito de associação.»

       *       *       *       *       *

Vejamos agora quaes foram os resultados praticos d'esse grande impulso
de eloquencia destinada a fazer entrar o catholicismo no movimento
liberal da moderna civilisação. Os destinos da egreja n'este fim do
seculo XIX estão profundamente ligados a esse facto culminante na
historia das ideias clericaes.

O que succedeu no congresso de Malines foi que os cardeaes e os bispos
abandonaram a reunião no dia immediato áquelle em que Montalembert
fizera o elogio da alliança da egreja catholica com a sciencia e com a
liberdade.

Compareceram apenas nas sessões subsequentes os membros obscuros do
baixo clero, os quaes movidos de um generoso impulso democratico
continuavam a applaudir Montalembert, não sem perguntarem a si mesmos
com certa inquietação o que se pensaria em Roma dos discursos e das
resoluções do congresso belga. A resposta não se fez esperar. Tres ou
quatro mezes depois Pio IX escrevia ao arcebispo de Munich uma carta, em
que pelo maneira mais formal censurava a audacia dos catholicos que
ousavam reunir-se em congressos para proclamarem por sua conta a
_liberdade da sciencia_.

Esta missiva, pouco terna para com os congressistas de Malines, não
obstou a que elles se reunissem ainda uma vez em agosto de 1864.
Montalembert não compareceu. Fallaram o padre Hyacinthe e o arcebispo
Dupanloup n'um sentido que, apesar de moderado, não pareceu
sufficientemente retrogrado a Sua Santidade. O papa respondeu ás utopias
liberaes do congresso com a publicação do _Syllabus_ e da encyclica
_Quanta cura_, cortando assim pela raiz e de uma vez para sempre toda a
illusão de um accordo entre o espirito ecclesiastico e o espirito da
civilisação.

Em presença d'esses factos, os congressistas de Malines tinham duas
resoluções que tomar: submetter-se e acceitar a doutrina da encyclica e
do syllabus, ou reagir e protestar. O primeiro caso era a retractação
vergonhosa de todos os principios affirmados e de todas as aspirações
manifestas no congresso; o segundo caso era a revolta e o schisma no
gremio da egreja.

N'esta conjunctura escabrosa o congresso preferiu dissolver-se.

Desde esse dia o destino do catholicismo ficou fixado.

Entre os interesses do clero e os interesses da civilisação ha uma
barreira que os proprios padres, ainda os mais instruidos e os mais
liberaes, julgaram impossivel transpôr.

       *       *       *       *       *

Ora desde que não póde ser um alliado, o que está evidentemente
demonstrado, o padre é um inimigo. Para o combatermos a nossa primeira
obrigação é tomar conhecimento das forças de que elle dispõe para nos
prejudicar. Sobre este ponto a resolução tomada pelo congresso do
Passeio Publico de pedir a intervenção da policia civil para evitar que
o povo troce o clero, tranquilisa-nos satisfatoriamente.

Torquemada requerendo para a queima dos sacrilegos um lampejo
emprestado ao chifarote do habil Antunes é um symptoma doce. O
congresso propõe-se morder os impios com a condição de que os impios lhe
ponham as presas. É a S. Bartholomeu a troco de um dentista. Se os
querem ver cantar o côro dos punhaes, cedam-lhes o Vitry.

       *       *       *       *       *

A unica coisa grave e perigosa para a sociedade, no congresso catholico
de Lisboa, é que, segundo parece, esse congresso foi divertido. As
senhoras pelo menos assim o entenderam concorrendo em grande numero a
todas as sessões.

Que attractivos especiaes tem a classe ecclesiastica para captivar assim
as adhesões da mulher?

Investigando este phenomeno, vemos em primero logar que ha em Portugal
tres especies distinctas de padres:--o padre das missões, o padre
d'aldeia e o padre de sala.

       *       *       *       *       *

Os padres das missões subdividem-se em dois grupos differentes: os
aventureiros e os mysticos.

Os aventureiros viajam ordinariamente para a Africa por especulação
temporal, por amor á vida d'emigrante, á lavoura dos tropicos, ao lucro
mercantil, á intriga da politica colonial e á batota ultramarina. De
quando em quando, ao apparececrem-lhes á mão, arrebanhados, alguns
centos de pretos mansos e somnolentos, baptisam-os em massa,--cerimonia
tocante a que os pretos se submettem adormecidos como verdadeiros
justos, conscios por experiencias feitas de que essa operação, altamante
civilisadora posto que inoffensiva, os não torna nem mais nem menos
pretos do que elles são.

Os mysticos, mais raros, são pessoas doentes da hallucinação do
martyrio. A sua ambição suprema consiste em serem comidos ás fatias
fritas, com mandioca, pelas raças anthropophagas. Logo que se julgam
sufficientemente temperados com o latim preciso para excitar a gula
canibalesca e assaz tenros de carne pela vida de capoeira aos comedouros
dos seminarios, vestem-se com os trajes de D. Basilio no _Barbeiro de
Sevilha,_ mettem um breviario debaixo do braço e embarcam para regiões
inhospitas e selvagens.

Uma vez em communicação com os infieis, nunca mais cessam de lhes metter
o breviario em cruz entre a bocca e o prato, até conseguirem realisar a
sua aspiração suprema, que é não restar d'elles mais que uma batina e um
par de sapatos, deitados para debaixo da meza juntamente com as cascas
dos legumes, e dois canibaes a palitarem os dentes, e, a dizerem um para
o outro:

--Saboroso padre! benza-o Manipanso!

       *       *       *       *       *

O padre d'aldeia é d'ordinario o melhor dos homens.

A sua rudeza montesinha colloca-o ao abrigo de todas as subtilezas
enervantes da penitencia requintada e dos pequenos peccados elegantes e
estonteadores.

As suas intimidades com a sã natureza dão-lhe o instincto de uma boa
religião alegre e repicada, com arcos de murta no adro tapetado de
espadanas, de funcho e de rosmaninho, na festa do orago, com morteiros á
missa cantada, n'uma vasta satisfação de cajados reluzentes, de
sapatorros novos nos rapazes, de barbas feitas nos velhos, e de mangas
arregaçadas, de linho branco e fresco, nas queijadeiras postadas em fila
no arraial.

Na quaresma conduz de sobrepeliz uma grave e, simples via-sacra á roda
da egreja, de cruzeiro em cruzeiro, até á grade do cemiterio.

Pelo Natal, ao terminar a missa da festa, toma do altar a ingenua e
rosada imagem de um pequeno Jesus rechonchudo, de refeguinhos nos
artelhos e nos pulsos, e ao som da gaita de folle, passeia-o sob um
chuveiro de beijos humidos e repenicados por entre as broas de pão
podre, os cabazes d'ovos e os casaes de capões, que atravancam a
passagem por entre os fieis ajoelhados na nave.

Nos dias ordinarios engrola a missa das almas ao romper do dia n'um
latim abreviado, mastigado á pressa, e vae podar as cepas, sachar o
cebolo, enxertar os limoeiros ou caçar as perdizes, palmilhando o monte,
saltando vallados, e regressando a casa ao toque das Ave-Marias, com os
perdigueiros adeante, a espingarda na bandoleira; dando as bôas noites
para a direita e para a esquerda ao atravessar a aldeia; batendo no
hombro aos homens, beliscando na cara as raparigas, com a boa
jovialidade carnal do seu velho confrade de Meudon o reverendo Rabelais.


       *       *       *       *       *

O padre de sala grassa principalmente na aristocracia das cidades, cujas
casas frequenta por um resto de tradição antiga nas familias nobres,
onde o capellão era de rigor nos accessorios da _mise-en-scene,_ como o
boleeiro, o creado de farda e a preta.

As meninas nobres, que hoje lêem o _Figaro_ e os romances de Daudel, não
tomam completamente a serio essa reliquia heraldica. O padre da casa é
para ellas um simples utensilio de caracter profano, recreativo e
caturra. Troçam-o como um grotesco inoffensivo, e utilisam-o como um
serviçal de sexo neutro, collocado na serie zoologica da herilidade
entre a creada de quarto e o homem. Encarregam-o de certas compras
raciocinadas, que não sabe fazer um simples moço de recados sem o curso
dos seminarios.

É o padre que vae ao Seíxas buscar as lãs para bordar, segundo os
matizes da amostra, que leva o bracelete a compor ao Leitão, e o
_chignon_ para frisar ao Godefroy. É elle que acompanha ás lojas de dia
e ás visitas sem cerimonia á noite. Leva os agasalhos; ajuda a vestir os
paletots, ata os sapatos cujas fitas se deslaçam no caminho, e paga os
bilhetes do americano com dinheiro que se lhe fornece para isso.

Não está persistente n'uma só casa, como nas antigas capellanias. Anda
aos dias. Aos domingos vae jantar a casa das F., onde serve ao croquet
ou ao lawn-tennis no jardim, e onde marca as carambolas no bilhar á
noite. Ás segundas feiras chaperona a lição de desenho das meninas S. Ás
terças acompanha a viscondessinha de X ás suas devoções a S. Luiz e a
outros logares. Ás quintas dão-lhe chá preto e pão torrado com manteiga
para ir fazer perna ao wihst da velha baroneza de P.

Aos serões, em torno do candieiro, depois de despejado o saco das
mexeriquices que traz das casas d'onde vem, vê as gravuras das
Illustrações, ou dorme. As meninas procuram ás vezes arrancal-o ao
torpôr da sua digestão ou da sua ignorancia, ambas egualmente crassas:

--Padre José, esperte! não se faça ainda mais mono do que é; scintille
para ahi um boccado; tenha faisca, ainda que seja em latim, ou em canto
chão!

E perante o olhar d'elle, esbugalhado, vermelho, attonito, ellas, em
inglez, umas para as outras, picando o _crochet:_

--Cada vez mais bruto! uma lastima! um cumulo!

Quem precisa de padre e o não tem á mão, pede-o emprestado, como se pede
emprestado ao visinho um alicate ou um martello. Sophia, que está em
Cintra, escreve para Lisboa a uma amiga:

«Resolvemos abrir duas portas na sala de jantar sobre o jardim. Preciso
d'olheiro para os operarios. Cede-me Padre Antonio por oito dias. Dá-lhe
dinheiro para o omnibus e manda-m'o ámanhã sem falta.»

Ás vezes o padre de sala dosapparece por algum tempo da circulação,
posto na escada com a respectiva bagagem,--uma camisa, um pente, dois
pares de piugas embrulhadas n'um jornal--, e uma pontuada de bengala nos
rins em estimulo de velocidade para a porta da rua.

Alguém á noite pergunta:

--Que é feito do padre João?

E o dono da casa, levantando os olhos do jornal que lê a um canto,
responde lentamente:

-Mandei-o rinchar para as lesirias. Começava a achar-se folgado de mais
para se continuar a ter á argola. É o que lhe fiz sentir esta manhã por
meio de uma ligeira admoestação corporea.

--Mas o physico do sacerdote é inviolavel é sagrado!

--Por isso tambem não foi pelo lado _cruzes_ que eu o admoestei, foi
pelo lado _cunhos_.

       *       *       *       *       *

De resto, entre as familias dislinctas de Lisboa, quando alguem quer
casar-se, confessar-se com decencia, ou receber soccorros espirituaes
para morrer com elegancia, vae aos Inglezinhos ou manda pedir a S. Luiz
dos Francezes a visita do reverendo Abbé Miel.

O padre extrangeiro tem sobre o padre indigena a vantagem de não se
haver abandalhado nas eleições, de não ir para a plateia de S. Carlos
applaudir a opera e dizer graçolas ás senhoras suas confessadas, que
estão nas bancadas ao pé d'elle, de não andar pelas casas particulares
com as piugas e com as fraquezas embrulhadas em papeis, e de não
misturar nunca--a não ser no sigillo do sanctuario--o bacalhau norueguez
do preceito abstinencial com o lombo de porco da carnalidade gentilica e
pecaminosa.

Alem do que como vêm feitos de fora, não consta na confidencia dos
lisboetas nem nas revelações mais desabotoadas das villegiaturas de
Cintra ou de Cascaes qual a especie de pau de larangeira com que elles
foram manufacturados.

       *       *       *       *       *

Apesar porém de todas as apreciaveis inferioridades que tão
vantajosamente recommendam os clerigos lusitanos á estima e á
tranquillidade dos partidos liberaes e dos chefes de familia, vemos que,
apenas quatro padres annunciam um dos seus _meetings_ ao eterno, logo
oitocentas senhoras, duzentas por padre, acodem a engrandecer essa
manifestação com o effeito scenico dos seus encantos.

Que os revolucionarios obtenham outro tanto, se são capazes!

Confronte-se, por exemplo, o Club Gomes Leal com a sacristia dos condes
de Castello Melhor. Que contraste!

Esse club reunirá facilmente nas suas sessões todas as gravatas
vermelhas do partido e todas as blusas do bairro. Emquanto aos logares
reservados ás damas, será mais difficil prehenchel-os. Logo que D.
Angelina Vidal haja tomado assento na assembleia, a commissão
encarregada de conduzir as senhoras ao sanctuario da poesia
revolucionaria poderá tirar as luvas, accender os cigarros e desabotoar
os colletes, que não terá mais ninguem para conduzir.

A razão d'este phenomeno significativo é que os padres e os padristas,
por menos espertos e menos habeis que sejam, têem por baixo de si a
levantal-os mais alto do que todos nós, oito seculos de talento, de
discussão e de controversia, que fizeram da theologia o maior dos
monumentos do espirito. Os seus doutores, os seus martyres, os seus
heresiarchas e os seus apostatas representam no dominio do pensamento o
triumpho mais maravilhoso d'essa grande força chamada o estudo.

A antiga tradição, a auctoridade consagrada, o respeito adquirido,
trespassado pela heriditariedade de geração em geração, torna hoje facil
o officio de continuar a manter nas consciencias os habitos do respeito
e a pratica da devoção.

O mal dos revolucionarios na propaganda moderna consiste no grave erro
de suppor que se pode ir para livre pensador assim como geralmente se
vae para padre, isto é, por simples estupidez.

Ora ser padre quando se não tem cabeça para ser qualquer outra coisa
mais util, é corrente, é commodo, faz arranjo ás familias com filhos
tapados para contas, e não tem perigo nenhum.

Na Egreja quem não sabe outra coisa diz missas. Na Revolução quem não
sabe mais nada diz asneiras. Essa é a differença.

As mulheres, que em geral não conhecem os chefes da Revolução, assim
como tambem não conhecem os da Egreja, que nunca leram Diderot nem
Proudhon nem Michelet, como egualmente não leram nunca S. Paulo nem
Santo Agostinho nem S. Thomaz, obrigadas a examinar pelos caracteres
inferiores e a escolher pelos elementos subalternos, preferem a missa, e
fazem bem. Na incapacidade, bem como na pornographia, o latim attenua.

O erro dos padres nas suas relações com o seculo--pedimos licença para
lh'o dizer--está unicamente em tentarem ainda algumas vezes exprimir-se
em vulgar. Para prestigio da classe e decoro d'elles, aconselhamos
ardentemente a suas excellencias o uso exclusivo das lingoas
mortas,--convindo porem exceptuar de tal numero o latim de Molière, pois
consta haver alguns velhos latinistas que ainda entendem esse.

       *       *       *       *       *

Saraiva de Carvalho era possuidor de uma cabeça distincta das de todos
os demais estadistas monarchicos do seu partido pela circunstancia
extra-conservadora e extra-parlamentar, pela circumstancia
verdadeiramente tumultuaria, excepcional e incommoda de ter algumas
ideias dentro, de as cultivar e de procurar algumas vezes, ainda que
debalde, transformal-as em obras.

Á dynastia brigantina prestara este pensador o mais relevante serviço,
lembrando um dia que as formas vigentes de governo se poderiam vir a
substituir pondo-se escriptos no palacio da Ajuda.

Era esse o meio mais engenhoso e ao mesmo tempo o mais seguro de
perpetuar para todo sempre a localisação da familia dos actuaes
inquilinos na desagradavel madrepora de principes a que serve de jazigo
aquelle notavel edificio. Pois é evidente que, posto esse casarão a
alugar, com escriptos, com annuncios; e ainda com premios animadores ás
agencias de casas baratas, ninguem absolutamente no mundo tomaria de
renda tal predio, assas desconceituado no publico pela falta de commodos
que offerece para habitação, de familia, pelos maus cheiros que n'elle
grassam, pela enorme melancolia mesenterica que d'elle transsuda e pela
aterradôra quantidade de carochas e de ratos de cano e de throno, que o
infestam, sevandijam e conspurcam.

Antonio Rodrigues Sampaio era um escriptor de primeira ordem no meio de
um jornalismo onde os escriptores cada vez se vão tornando mais raros.
Elle foi um dos artistas que mais gloriosamente serviu a sua patria
escrevendo bem a sua lingoa, e foi, além d'isso, entre os homens
politicos do seu tempo aquelle que mais altas e mais fortes qualidades
de espirito, de coração e de caracter sacrificou ás instituições
vigentes.

O chefe dessas instituições, no dia do enterro de Sampaio, ia mitigar a
sua dôr por essa morte, ouvindo a opera em S. Carlos.

No dia do enterro de Saraiva de Carvalho o mesmo augusto principe ia
para o Gymnasio ver o atirador Paine quebrar globos de cristal a balas
de pistola.

Comprehende-se a angustia profunda que assim impelliu o primeiro cidadão
portuguez a procurar nos interessantes phenomenos da balistica expostos
por um pellotiqueiro impavido, ou nos falsetes garganteados por um tenor
delambido, uma justa e equitativa compensação á perda dos mais illustres
dos seus compatriotas.

Referindo as circumstancias funebres d'estes obitos, a historia dirá:

_A familia dos mortos pediu desculpa de cumprimentos, e el-rei pediu
«bis» ao tenor Gayarre,--uma e outra coisa devida ao estado de
consternação em que todos se achavam_.

E os prosteros, ao lerem esta pagina commovedora, verterão lagrimas de
enternecimento sobre esse testemunho eloquentissimo da delicadeza
profunda de tão excelso quão sensivel principe.

       *       *       *       *       *

Se não receassemos profanar a dôr tão intima e tão sincera do soberano,
se não temessemos alancear, inopportunos, o seu extremoso coração, tão
manifestamente envolto em luctuosos crepes na occasião presente, nós
ousariamos formular humildemente uma debil pergunta:

Julga sua magestade que, assim como os principes têem coração, o não
têem os povos egualmente?

Quando, em vez das testas communs e opacas, são as fulgidas e rutilantes
testas coroadas, as que Deus, levantando-se respeitoso para esse effeito
do alto do throno celestial, resolve com a devida, consideração chamar
ás alturas, a fim de as fixar com a demais brilhanteria no interessante
museu da Via Lactea,--julga por acaso Sua Magestade que n'esses pomposos
lances, não choram tão dolorosamente os subditos pelos seus bons reis
como os reis choram pelos seus bons subditos?

Cuida Sua Magestade que não nos faz tão grande mossa o baque de um
grande principe que ha por bem fallecer, como a que em sua magestade faz
a queda de um honrado cidadão que morre?

Oh! mas que Sua Magestade se digne de nos fazer essa justiça:--é
perfeitamente a mesma coisa!

Que Sua Magestade o queira ponderar perante o afflictivo transe por que
acaba de passar o seu coração generoso e paternal!

Quando o sino grande da Sé badala o dobre supremo dos obitos reaes,
quando as molas dos regios coches inclinam a orelha tetrica sob as
gualdrapas funerarias dos solemnes sahimentos, quando os escudos das
quinas se quebram no marmore dos monumentos ao som cavo de uma voz que
proclama--_Real, real, real, por el-rei de Portugal_,--a alma do povo
póde bem, como a do principe em lances correlativos, precisar, para o
fim de não succumbir á intensidade da dôr, de appelar então por seu
turno para os santos balsamos que escorrem das cavalletas das operas e
das proezas do tiro ao alvo.

       *       *       *       *       *

Ousamos por tanto esperar, submissos e confiados, que--tendo em vista,
os dolorosos e excruciantes paroxismos que póde attingir a saudade,
tanto no coração do povo, como no coração dos principes,--sua magestade
se digne de mandar sem demora revogar a lei dura e deshumana que por
occorrencia dos obitos de pessoas reaes manda vedar ao corrente pranto
das gentes o lacrimatorio dos divertimentos publicos.

       *       *       *       *       *

A policia, tomada de um d'esses accessos de zelo intermittente que ás
vezes acomette esta veneranda instituição, acaba, de assaltar varias
casas de batota em Lisboa, no Porto, na Povoa de Varzim e em Vizeu.

Todas essas diligencias se fizeram com grande exito.

A policia foi pé ante pé, como o côro dos carabineiros nos _Bandidos_ de
Offenbach, e deu em cheio nas maroscas, capturando os jogadores e
apprehendendo os baralhos, as roletas, a mobilia da casa, o dinheiro da
banca e o dos parceiros.

O _Diario do Governo_ d'ontem traz a este respeito uma portaria de
louvor, na qual o ministro do reino, em nome de sua magestade el-rei,
elogia a policia pelo bem que andou, não só capturando os jogadores,
mas--como muito bem acrescenta a portaria--apprehendendo outro sim
_algum dinheiro e mobilia._

Como bons subditos fieis e amantes, folgamos de veras com a satisfação
intima e cordial que sua magestade el-rei houve por bem experimentar e
redigir em prosa official, ao ver os reditos do Estado felizmente
acrescentados com algumas cadeiras e alguns cobres, agilmente
surripiados pelos representantes da lei a viciosos cidadãos, improvidos
e desapercebidos.

No Porto o zêlo policial n'esta diligencia chegou ao ponto de emboscar
nas ruas os esbirros para prender os jogadores no acto de entrarem para
as jogatinas.

Não pretendemos julgar o ponto de vista das auctoridades constituidas
sobre o assumpto _batotas_, porque estamos convencidos de que essas
auctoridades, morigeradas e pudibundas, não foram nunca ás casas de
jogo, o que as desarma de toda a habilitação precisa para se poder
discutir com ellas sobre esta questão.

       *       *       *       *       *

O que escreve estas linhas esteve pela derradeira vez n'uma batota, em
S. João da Foz, ha coisa de vinte annos.

A espelunca achava-se estabelecida no lindo _cottage_ do Mallen, na
Praia dos Inglezes, com um terraço sobre o mar e a entrada pela rua da
Senhora da Luz.

No meio do grande salão de baile estava armado o jogo sobre uma vasta
mesa de pano verde illuminada do tecto por um lustre. Em torno da mesa
achava-se reunida a parte masculina da melhor sociedade do Porto e da
provincia do Douro e do Minho a banhos na Foz, uns, junto da mesa,
sentados, outros em pé por traz d'esses, formando tres ou quatro
circulos concentricos.

A um topo da mesa um cavalheiro esqueletico, de faces macilentas,
adornado de uma longa pêra grisalha, puxava para junto de si por meio de
uma pequena rapadeira de mogno polido, em fórma de ensinho, o dinheiro
das paradas espalhado no panno verde, e pagava a importancia das
apostas.

Defronte d'este prestavel individuo, no outro topo da mesa, um
cavalheiro, mais gordo, ainda que não mais solicito, e de aspecto
egualmente veneravel, punha as cartas na mesa com mãos finas,
particularmente bem tratadas e realçadas por dois bellos cachuchos em
que scintillava um olho de gato e um rubi.

Informei-me da regra do jogo com as pessoas respeitaveis e fidedignas
que tinha mais proximo de mim.

Eis a regra: Tiravam-se do baralho duas cartas, que o homem das mãos
finas collocava na mesa ao lado uma da outra. Lá estava, por exemplo, o
trez de espadas a um lado, e o rei de copas ao outro. A gente escolhia,
para apostar por ella, a carta que queria, e collocava-lhe ao lado o
preço da aposta. Depois do que, ganhava o rei ou ganhava o terno,
segundo era um rei ou um terno d'outro naipe a primeira d'essas duas
cartas que em seguida sahia do baralho.

Devo dizer, á face de Deus e dos homens, que nunca em minha vida me
expuzeram negocio que se me figurasse mais intelligivel, mais recto e
mais claro! Algumas vezes tenho tido que pedir aos diversos poderes do
Estado alguns esclarecimentos á cerca do jogo do machinismo
administrativo, e cumpre-me dizer, sem com isto pretender desgostar
ninguem, que jamais das regiões officiaes recebi informações tão
lucidas e tão leaes como aquellas que sobre as leis do Monte me foram
cavalheirosamente ministradas na apreciavel batota a que me refiro.

De um só relance e em meio minuto comprehendi o problema todo com uma
profundidade maravilhosa, e, sem perda de mais um instante, tirei
100$000 réis que tinha n'uma algibeira e colloquei-os pressuroso sobre o
trez de espadas que se achava na mesa.

Telintaram libras, de parte a parte, postas pelos circumstantes para a
direita ou para a esquerda das cartas.

O homem da pá de mogno polido, erguendo para o meu lado o bico da sua
pêra grisalha, perguntou-me, indicando o meu dinheiro:

--Mata o rei?

Ao que eu respondi denodadamente e com voz firme:

--Mato-o, sim senhor!

Esta phrase pareceu fazer uma certa impressão no auditorio. Houve um
silencio. Um desembargador da relação do Porto, ancião de oculos d'ouro
e de grande calva sacerdotal, retirou com gesto adunco de cima das
cartas 3$000 que tinha posto.

O cavalheiro das lindas mãos tossiu ligeiramente, voltou o baralho, e
principiou a extrahir com lentidão as cartas, a uma por uma, do masso
que comprimia nos dedos.

A quarta ou quinta figura estrahida era o rei de espadas.

Eu tinha perdido os meus 100$000 réis. Ganhava-os precisamente um
illustre professor da Escola Polytechnica, que fizera contra o terno uma
parada egual á minha.

Esta decisão da sorte--eu o confesso--não me regosijou senão de um modo
bem caracteristicamente mediocre.

Resolvi porém interrogar mais algumas vezes o acaso, e perdi
consecutivamente quanto dinheiro tinha no bolso, ou fosse a importancia
de perto de meio anno de collaboração n'um jornal americano,--somma
recebida n'esse mesmo dia.

Fiquei na batota até pela manhã.

Por uma janella aberta sobre o terraço a luz côr de perola da madrugada
entrava humedecida e salgada pela viração maritima. As banheiras, filhas
e moças da Maria da Luz, armavam as barracas na praia, cantando ao longe
em terceiras, n'um côro argentino de sopranos, uma barcarolla local. Os
primeiros pregões matutinos dos vendilhões ambulantes penetravam do lado
da rua pelas fendas horisontaes das gelosias, que o clarão da manhã
pautava luminosamente d'azul.

Na sala esvasiada de gente oscillava ainda, esfarrapado, o ar quente da
noitada, impregnado do fumo do tabaco e dos cheiros acres do suor e da
cerveja asedada no fundo dos copos dispersos no balção do buffette.

O chão estava alastrado de lama secca, de pontas de cigarros que a
saliva enodoara de amarello, e de charutos mordidos e mastigados
raivosamente pelos pontos.

O homem das bellas mãos aristocraticas tinha as unhas orladas de preto e
o collarinho esverdinhado de transpiração.

O cavalheiro da pêra tivera com o romper do dia um accesso de tosse, e
depois de haver durante a noite cuspinhado tudo em torno da alta cadeira
de braços em que estivera sentado, procurava ainda, ao que parecia,
escarrar mais, com os olhos injectados de sangue, as faces escaveiradas,
as mãos febris, o dorso curvo, o peito concavo, sacudido pelas
convulsões da bronchite.

A um canto da casa, sentado n'uma cadeira e cahido de bruços para cima
de uma pequena mesa a que tres batoteiros, associados nos lucros da
banca, tinham passado a noite jogando o honesto e execravel voltarete,
ficara esquecido um janota de calças côr de flôr de alecrim, botinas de
polimento, luvas azues e fraque côr de pinhão feito no Pereira Baquet.
Julguei-o adormecido, e chamei-o, tocando-lhe no hombro, para me não ir
d'ali embora sosinho.

Era um rapaz que eu conhecia da praia e da Cantareira. Chamavam-lhe o
Chico ... não me lembra já de quê. Tinha dezesete ou dezoito annos, era
filho de um lavrador rico da Regoa, e estava a banhos na Foz, hospedado
no hotel do Romão, intitulado da Boavista.

Quando elle se ergueu da mesa e se poz em pé deante de mim, vi que o
misero não tinha estado a dormir, mas sim a chorar.

A sua physionomia loura, estupida, linda, ornada de um pequeno buço, de
um signal cabelludo na face e de dois bandós côr de ouro anediados pelo
melhor cabelleireiro da rua de Santo Antonio, exprimia uma consternação
tão profunda, tão ôcca, tão francamente imbecil, que desde logo me
atrahiu para elle com uma compaixão verdadeira. Agarrou-se ás primeiras
palavras que lhe disse, como um afogado se agarra á primeira cousa
fluctuante que passa por elle, e momentos depois o bem parecido e
elegante moço vertia no meu peito as suas doloridas confidencias.

Seu pae, homem austero e de pulso, cheio de severidade no caracter e de
cabellos crespos no interior das orelhas, tinha-o incumbido de cobrar de
um negociante de vinhos de Villa Nova de Gaya a importancia de uma letra
no valor de 1:600$000 réis. Era d'esta quantia, recebida tres dias
antes, que elle acabava de perder a ultima libra, alem de mais trinta
moedas, destinadas a custear o resto dos banhos de mar prescriptos pelo
doutor da Regoa para um tumor frio que lhe começara a inchar n'um
sovaco.

--Meu pae, para coisas d'estas, é uma fera!--explicou-me elle com voz
estrangulada.

E, tendo descalçado uma das luvas azues, comprimia com mão nervosa o
alto da sua pequena cabeça de gallo, apagando da testa n'um repellão o
bem feito A formado pelas duas curvas divergentes dos bandós.

--Como assim!--lhe respondi eu. Pois o meu amigo tem a fortuna
inapreciavel de possuir um pae fera, e ainda hesita um momento sobre o
que lhe cumpre fazer nas funestas condições em que se acha?... Saiamos
lá para fora! Saiamos com pé expedito e rapido d'esta caverna, que até
me está a affligir o ter de profanar o nome sagrado do seu veneravel
progenitor, proferindo-o perante a pêra cavilosa e obscena d'aquelle
tisico, malandro em terceiro grau, que além diviso envesgando para nós
os olhos torvos!

--Cão!--disse o Chico n'um bramido cavo, abrindo para essa palavra um
parenthese no assumpto principal da nossa conferencia, e estendendo da
porta da rua o punho cerrado e terrivel para o cerro em corcova do
cavalheiro da pêra, que continuava a tossir arrimado a uma padieira da
janella.

E, uma vez ambos na rua, eu prosegui, reatando o fio do discurso:

--Depois da camelice tremenda que fez, desviando dos interesses
agricolas das nossas regiões vinhateiras a quantia de réis 1:600$000,
para os entregar á nefanda tavolagem, que mais pode appetecer o meu bom
e desregrado amigo do que uma d'essas monumentaes sovas, com que os
rispidos anciãos, de ouvidos cerrados á misericordia pelo mau genio e
pelo muito cabello, costumam assignalar para o respeito dos vindouros os
diversos membros da sua prole? Qual coisa mais saudavelmente efficaz
para o restabelecimento normal do seu equilibrio nervoso, no momento
presente, do que a applicação lombar da bengala de um antepassado, ou a
justaposição da abençoada sola e vira de uns bons sapatos paternos ás
partes carnudas do seu organismo apostemado pelo estupido remorso da
mais colossal e irremediavel asneira?! Aqui estou eu, que matei esta
noite o rei.....Não sei se o snr m'o viu matar?... Matei-o como quem
mata um pôrco.....Craque! Pois bem; sabe por quanto me ficou esse
regicidio? Ficou-me por 176$000 réis. A recordação amarga d'este
luctuoso successo converte todo o meu ser n'uma insondavel cloaca de
semsaboria, e só uma felicidade invejo: a que se antolha ao meu amigo na
doce perspectiva de poder encontrar quem lhe ponha os ossos n'um feixe.

--Pois olhe--exclamou o Chico arregalando para mim os olhos illuminados
de um repentino jubilo--dou-lhe a minha palavra d'honra que tambem a
modo que me está a appetecer isso, a mim!

E trocadas entre nós estas profundas e memoraveis palavras,
remergulhamos em intimas e silenciosas cogitações, eu e o Chico.

Ao longe o duro bronze, a que os espiritos despreoccupados e felizes dão
vulgarmente o nome galhofeiro de sino, tangia seis horas. Damas
encapuchadas em rendas de lã desciam de suas mansões á praia para se
entregarem aos exercicios balnearios, emquanto outras, mais madrugadoras
ainda, volviam da praia a suas mansões, com narizes arrebitados e
vermelhos, avidas de pão quente com manteiga e de café com leite.

Duas horas depois o meu amigo partia para a Regoa, onde seu extremoso
pae, prevenido pelo telegrapho, o esperava, no alto dos Padrões da
Teixeira, de braços abertos e um marmeleiro em cada braço. Eu voltava
taciturno a refazer com tardigrados e arrastados folhetins a somma que o
vil e mercenario ensinho do Pêra Tisica n'essa noite desviára de seu
natural destino para fins que a meus olhos tinham de ficar para todo o
sempre velados pelo mysterio.

       *       *       *       *       *

Tal é, em sua natureza e em seus effeitos, a simples coisa chamada
batota!

Temos visto do jogo muitas e mui variadas definições. A unica, porém,
que inteiramente nos satisfaz é a seguinte: O jogo é uma asneira.

Reduzida assim a questão aos seus verdadeiros termos, não podemos deixar
de perguntar ao governo com que direito elle intervem para o fim de
castigar as asneiras em que cada um incorre? Procurar evital-as ainda se
lhe poderia permitir, mas punil-as!? Se tivessem de ser presos todos
aqueles que fazem asneiras, o proprio governo seria uma coisa
impossivel, porque ha muito não haveria ministro nenhum que andasse
solto.

E, por cima de tudo, procuram ainda impingir-nos a explicação sophistica
de que é para o fim de salvar o povo da ruina que a policia maternal
assalta e sequéstra as batotas!

Ora sempre quero que me digam, no caso pessoal que acima narrei, se eu
teria perdido menos do que perdi, dado o facto accidental de terem ido
para o rei de Portugal os 176$000 réis que eu dei para o rei de copas? E
outrosim quereria saber, no caso que o rei de copas, por meio da sua
policia, fizesse ao principe reinante a bonita partida que o principe
lhe faz abotoando-se com o que elle ganha, se sua magestade gostaria da
chalaça!

       *       *       *       *       *

Noticiam de Braga que n'aquella cidade apparecerão brevemente dois novos
jornaes, um delles intitulado _Supplicantibus_, e intitulado o outro
_Frei Bandalho_.

Os dois appetitosos titulos d'esses periodicos bastam para caracterisar
bem, em duas unicas pennadas, a elevação intellectual que, não só em
Braga como em todo o reino, está presidindo n'este momento á
vulgarisação da litteratura jornalistica.

Guimarães, Barcellos e Vianna não quererão por certo deixar-se
ultrapassar pelos desenvolvimentos literarios do espirito bracarense, e
cremos mesmo não ser indiscretos revelando desde já que, estimulados
pela mais nobre emulação, os grandes centros intellectuaes do Minho
preparam, para concorrer vantajosamente com os novos periodicos
braguezes, a apparição proxima d'outros jornaes intitulados o _Reles_, o
_Bisborria_ e o _Pulha_.

A unica coisa que nos inquieta no meio desta opulentissima exuberancia
intellectual é o secreto receio de que, não obstante, os incansaveis
esforços empregados para esse fim pelos sabios estadistas gerentes da
educação nacional, venham por ventura a escacear um dia, para fazer face
com suas auctorisadas pennas a um tão vasto labor mental, os escriptores
borra-botas, os troca-tintas e os manécôcos indispensaveis para o caso.

       *       *       *       *       *

S.ex.ª o snr Luiz Jardim, professor de direito na Universidade de
Coimbra e genro do capitalista Lopes dos Anjos, acaba de dar o nome de
_Rosalia_ a uma creança de quem foi padrinho.

Um jornal, interprete dos altos sentimentos do snr Luiz Jardim, diz que
s.ex.ª escolhera este nome «por elle ser o de uma illustre dama
portugueza que floresceu em meiados do seculo XVII.»

Inclinemo-nos com reverencia!

Elle poz-lhe o nome de Rosalia....

Tornemos a inclinar-nos!

E poz-lh'o, porque esse foi o nome de uma illustre dama portugueza dos
meiados do decimo setimo seculo.....

Prostremo-nos por terra!

       *       *       *       *       *

D. Guiomar Torrezão, do _Diario Illustrado,_ dedilhando com mão d'anneis
n'aquella folha o cavaquinho da critica amena, diz-nos o seguinte:

«Já alguma vez experimentaram a impressão que se sente entrando-se em um
boudoir, em uma especie de _bonbonniere_ capitonada de setim azul,
impregnada de ixoria, mergulhado em uma meia luz mysteriosa, peneirada
por umas cortinas de renda suissa, com arabescos de flores caprichosas e
aves raras, de plumagens ondeantes, e ouvindo-se ahi, com as palpebras
semi-cerradas e a cabeça enterrada em uma almofada de setim macio e
luminoso, um nocturno de Chopin, que vem de longe em longe, evolando-se
das teclas de um piano ou das cordas gementes de um violoncello,
pousar-nos no ouvido um longo beijo feito de melancolias, vagamente
sonhadoras e de harmonias verdadeiramente divinas?...

«E' esta mesma impressão que se experimenta lendo-se os poemetos do
conde de Sabugosa.»

É talvez ligeiramente complicado, como mobilia, o processo critico de
D. Guiomar. Uma vez, porem, que elle dá a impressão perfeita da obra de
um tão sympatico poeta como o conde de Sabugosa, parece-nos que vale a
pena de experimentar....

De resto consta-nos que o armador Alcobia se encarrega do fornecer por
preço modico todos os trastes precisos para a comprehensão das
differentes obras poeticas, havendo peneiras de renda suissa para todos
os preços, já em flores caprichosas, já em plumagens ondulantes, a todos
os gostos d'horta ou de capoeira.

O mesmo Alcobia se incumbe egualmente de inculcar pianista idoneo para
massacrar ao longe os nucturnos de Chopin emquanto o freguez estiver com
a cabeça enterrada na almofada de setim phosphorecente.

Se, ainda depois de enterrado na almofada, e collocado o pianista ao
longe, o paciente se queixar de não desfructar sufficientemente a
musica, Alcobia, sem por isso exigir augmento de remuneração, facultará
duas buxas de algodão em rama para se lhe introduzirem nas orelhas.

Folgamos de veras ao ver assim tão harmonicamente alliadas em proveito
da poesia lyrica as duas importantes industrias de fazer critica nos
jornaes e de pôr cortinados da Suissa nas casas.

       *       *       *       *       *

Entre os mimosos e ricos brindes offerecidos a Leopoldo de Carvalho na
noite da sua festa artistica no theatro do Gymnasio, lêmos no _Diario de
Noticias_ que sobresahiam em primeira linha dois formosissimos quadros
devidos á pericia de uma joven menina da nossa melhor sociedade e feitos
de escamas de corvina.

Tambem folgamos muito com isto.

Em todas as exposições de quadros celebradas nos principaes centros
artisticos do mundo durante este derradeiro quarteirão do seculo, se
notava com lastima geral que o simples oleo, a tinta de aguarella, o
lapis e o esfuminho, eram elementos insufficientissimos para com elles
se constituir o quadro a toda a altura das enormes exigencias da
esthetica contemporanea. A joven admiradora de Leopoldo, lançando mão
genial das escamas da corvina e arrojando-as valorosamente á tela, vem
prehencher uma lacuna immensa nos recursos até hoje tão estreitos das
artes do desenho.

Gloria eterna a tão benefica e prestante menina, honra da patria e do
peixe fresco, alegria de seus carinhosos paes, e satisfação completa de
suas boas mestras!

Nada mais lisongeiro para um luso, em face dos tremendos esforços de
processo empregados pelos artistas modernos em lucta com a invencivel
perfeição, do que ver essa joven compatriota, inspirada do alto,
apartar-se repentinamente da grande legião dos atormentados, empunhar a
faca de amanhar o peixe, cahir sobre a corvina, empolgal-a pelo rabo, e
escamar em seguida duas obras primas sobre os laureis do festejado actor
Leopoldo!

Só nos resta agora, para inteira consagração d'este grande facto
artistico, que D. Guiomar, empunhando mais uma vez o luminoso facho da
critica, nos queira dizer de que côr é que devemos capitonar as casas e
que peça de musica temos de mandar tanger por Macario, para o fim de bem
nos compenetrarmos das impressões que são chamados a produzir nas
organisações accessiveis á comprehensão do bello os novos effeitos
estheticos introduzidos no sublime pelas escamas dos peixes.

       *       *       *       *       *

Antes d'hontem, 3, nova rusga ás casas de jogo. Em uma batota
assaltada, cincoenta jogadores presos, e cincoenta mil réis
aprehendidos.

O _Correio da Noite_ refere sobre este assumpto que na batota alludida
se não jogava depois de algum tempo a esta parte com receio de uma
visita policial. A policia porem, com a mais louvavel lisura, fez correr
no bairro o boato semi-official de que não havia mais rusgas ás batotas.
Os jogadores então, julgando-se ao abrigo carinhoso e paternal da lei,
reuniram-se outra vez, a policia vigilante cahiu-lhes em cima, e
batoteou-se a si mesma, em nome de el-rei, com todo o dinheiro que
empalmou do bolo.

A opinião mostra-se satisfeita com este exemplar procedimento da
policia, que anima sagazmente os mal intencionados á pratica do crime
para o fim politico de pechinchar com os resultados pecuniarios d'elle.

E os jornaes continuam a chamar _uma rusga_ a cada uma d'estas
diligencias destinadas a reprimir o vicio funesto da tavolagem.

Se os jornaes conhecessem melhor a technologia dos jogos de parar, não
chamariam a estes lances _uma rusga_; chamar-lhe-hiam--mais
propriamente--uma _vacca_.

       *       *       *       *       *

Os jogadores até hoje presos teem sido todos condemnados;--coisa que
naturalmente produz nas massas um saudavel terror, levando-as ou a não
mais jogarem senão nas batotas officiaes, como a Bolsa, a Loteria e as
Eleições, ou a jogarem mais reconditamente.

Para não desmamarem os povos, violentamente de mais, da saborosa pratica
dos crimes a que elles, coitadinhos, estão habituados, os tribunaes,
implacaveis com o jogo, mostram-se benignamente contemporisadores com
outros erros menos funestos á moral e ao proximo do que o manejo dos
baralhos.

Ha dias, por exemplo, foi carinhosamente absolvido um cavalheiro que
tinha arrancado um olho da cara a uma mulher.

O juri tomou em consideração as circumstancias attenuantes que revestiam
esse pretendido crime, ou, para que melhor o digamos, _innocente
gracejo_.

O juri attendeu principalmente a este facto, que não póde deixar de
inspirar a mais profunda piedade a todos os corações ternos:--aquelle a
quem por um momento pedimos venia para chamar _reu,_ se assim nos é
licito exprimir-nos, amava aquella a quem tirou o olho.

O movel do crime,--digo--o movel da pilheria, de que o innocente é
accusado, foi o amor que lhe inundava o peito.

Ai d'aquelle que nunca amou! esse é um bruto, que jamais deverá ser
chamado a resolver questões d'olhos.

Os que uma vez amaram esses comprehenderão bem todos os thesouros de
ternura que trasbordaram da alma do anjo supracitado, ao praticar o acto
que o levou, incomprehendido, á barra dos tribunaes humanos.

O cherubins do empireo! sacudi sobre o nosso tinteiro as asas candidas e
luminosas, para que com uma das vossas pennas possamos pintar a scena
que entre esses dois amantes se passou!

O cavalheiro principiou naturalmente por pedir á sua doce amada que ella
mesma lhe desse o ôlho, em prenda, ou em troca talvez, por um de vidro.

Ella responderia primeiro por uma timida recusa, entre reprehensiva e
ironica:

--Ora, para que queres tu o ôlho?... Importas-te tu bem com o meu ôlho!
se me amasses, sim, comprehendo que quizesses um ôlho meu, o ôlho da tua
Bébé, para o pôres n'um medalhão. Mas oh! tu não me amas....

--Ah! eu não te amo? Eu é que te não amo?! Eu é que te não quero um ôlho
para um berloque?!... Ora espera, que já te mostro se te adoro ou não!

E, em seguida, por um d'esses actos de paixão profunda que muitas vezes
transformam o homem n'um deus, o cavalheiro abriria um canivete e,
delicadamente, apoderar-se-hia do ôlho da creatura.

Oh! amor!... amor!

Um jornal pareceu não saborear competentemente toda a doçura d'este
breve e delicioso idyllio, opinando que deveria ser condenmado á cadeia
um malandro tão garantidamente bestial como mostrava ser para o dito
jornal o serafim a que nos reportamos.

Um dos membros do juri dirigiu á folha alludida uma bella carta
patenteando as altas razões juridicas que os levaram, elle e os seus
collegas, a absolver o colleccionador d'olhos, cujo amor se debatia em
juizo.

Diz o jurado:

_Se o reu houvesse sido condemnado, teria isso por ventura restituido o
ôlho á queixosa?_

Nós já acima nos prostramos no chão junto ás plantas eruditas com que o
Dr. Luiz Jardim palmilha as veredas historicas percorridas no seculo
XVII pelas damas illustres.

Outra vez nos vemos agora forçados a estender-nos ao comprido. Sempre
que personagens d'este quilate apparecem ao critico, a restricta
obrigação d'este é por-se de rôjos.

       *       *       *       *       *

Na sessão inaugural do novo centro legitimista, ultimamente fundado na
cidade de Braga, o mui ardente ecclesiastico snr Senna Freitas,
terminando um enthusiastico discurso, tirou do seio uma bandeira branca,
e n'um rapto de eloquencia obrigou todos os assistentes a jurarem sobre
essa bandeira fidelidade eterna ao legitimo rei snr D. Miguel de
Bragança Junior.

Referindo este facto o _Diario de Noticias_ accresccnta, reprehensivo e
severo, que «não se devem fazer comedias partidarias com a independencia
da patria.»

Julgamos do nosso dever pacificar o justo melindre patriotico do _Diario
de Noticias_, affirmando-lhe que depois de haver desfraldado do seio a
bandeira branca sobre que se fez a jura, Senna--como consta por pessoas
fidedignas--se assoou commovido a essa mesma bandeira. Pelo que se veio
a descobrir que ella era unicamente um lenço.

Pela parte que nos toca não podemos deixar de applaudir absolutamente a
attitude firme e energica que o reverendo Senna assumiu no gremio do
venerando partido legitimista, levando pela persuasão oratoria os seus
correligionarios politicos a acceitarem como symbolo sacrosanto das suas
crenças o moderno lenço d'assoar, em vez de continuarem a seguir
servilmente as tradições partidarias da velha côrte toireira e
cavalhariçal de Queluz; onde, entre os amigos intimos do snr D. Miguel
I, taes como o picador João Sedvem e o caceteiro José da Policia, exigia
o uso que nem os juramentos nem os defluxos se depozessem jamais sobre
outro qualquer symbolo que não fosse unicamente a mão de cada um.

       *       *       *       *       *

Na casa Cordeiro, ao Chiado, leilão de louças, de antiguidades e do
moveis artisticos.

Tentámos adquirir n'essa venda um espelho com moldura de faiança
portugueza e dois bules francezes, stylo da China, em ramagens azues
sobre fundo branco. Estes dois lotes foram-nos arrebatados por um
licitante mais forte, o qual soubemos, mais larde ser um agente de sua
magestade a rainha, encarregado de comprar por conta d'aquella augusta
senhora.

O negro despeito pela privação dos referidos objectos obriga-nos ao
desafogo de alguns commentarios.

       *       *       *       *       *

A tendencia geral para o bric-à-brac é o grande escolho dos progressos
de algumas das artes industriaes n'este seculo. O gosto das mobilias
antigas acabou, assim se póde dizer, com a moderna marcenaria artistica.
Em Lisboa, por exemplo, todos os entalhadores de talento se fizeram
restauradores, atamancadores, renovadores de trastes antigos. Ninguém se
dá já ao trabalho de inventar o mais elegante leito, o mais decorativo
armario, o mais gracioso sofá. Contentamo-nos, como suprema realisação
das nossas aspirações no conforto e na graça da habitação, em metter a
roupa branca nas mesmas gavetas em que os antepassados dos outros
guardavam os seus calções curtos de veludo de Utrecht, e de fazermos
sentar as nossas mulheres nos mesmos canapés em que se entufaram outrora
as cabaias e os guarda-infantes das damas contemporoneas do snr rei D.
João v.

Pelos vestigios que na arte da mobilia deixa da originalidade do seu
gosto, o seculo XIX figurará na historia como o seculo--dos
ferros-velhos.

       *       *       *       *       *

É aos reis que compete attenuar este desdouro, imprimindo nas formas
artisticas do seu tempo o cunho esthetico do seu reinado. É isso de
resto o que sempre se vê na historia do movel. A cada uma das
modificações caracteristicas por que successivamente vae passando a
linha e a côr na alfaia dos tempos modernos corresponde invariavelmente
o nome de um soberano, desde Luiz XIII até Napoleão I, o qual, apesar de
não ter passado nunca em questões de gosto da sua primeira patente de
cabo de esquadra, conseguiu ainda assim dar ao mobiliario da sua epocha
o typo da mesma emphase cezarea que o imperial _parvenu_ aprendera na
convivencia e nas lições do comediante Talma, encarregado de lhe ensinar
a traçar a purpura, e do rhetorico Champagny incumbido de lhe fazer os
rascunhos dos «improvisos» para as proclamações de guerra.

Os trez grandes decoradores Boule, Gouthière e Riesner, cujas obras
obtiveram recentemente no leilão do duque de Hamilton os mais fabulosos
preços que podem attingir as materias preciosas, eram os fornecedores
dos Bourbons, e foi para as residencias reaes de França que elles
fabricaram as suas mais delicadas e primorosas obras.

O celebre Boule tinha, como se sabe, as suas officinas estabelecidas no
proprio palacio do Louvre, onde estava alojado na categoria de
fornecedor privilegiado de Luiz XIV.

Riesner era, ainda em 1791, um dos fornecedores de Marie Antoinette.

Os nomes d'esses principes, refractarios por outros titulos á
consideração e á estima do mundo moderno, viverão por muito tempo
immortalisados nas collecções democraticas das artes decorativas,
alliados á memoria da doce e benefica influencia que exerceram sobre os
progressos do gosto artistico, que são ao mesmo tempo os progressos da
elevação do espirito e da dignidade domestica do homem civilisado.

       *       *       *       *       *

Sua magestade a rainha senhora D. Maria Pia, comprando os seus moveis
nos leilões dos seus subditos, em vez de os mandar fazer pelos artistas
mais talentosos do seu reino, não se nos figura que esteja no caminho
mais directo para que o seu augusto nome chegue a ter um logar
proeminente nos futuros annaes do bom gosto. E nada nos punge mais
melancolicamente do que a perspectiva do futuro vacuo em torno da
influencia esthetica d'esta princeza de uma elegancia tão distincta
quanto talvez ephemera.

Ficando-nos os nossos dois lotes n'esse leilão e arrebatando-os pela
quantia de mais tres tostões e meio com que cobriu o nosso ultimo lance,
sua magestade a rainha vibrou, com fina mão ganhosa, o derradeiro golpe,
definitivo e mortal, no estremecido prestigio com que a artistica
sumptuosidade suprema dos antigos principes se impunha ainda hoje á
fascinação dos miseros burgueses enriquecidos.

Que os adelos se barbeassem deante das elegantes _psychés_ das Maintenon
e das Pompadour, e que almoçassem nas taças _pâte tendre_, das Dubarry
ou das Marie Antoinette, coisa era já bem desconsoladora, bem triste e
bem dissolvente!

Mas, depois do ultimo leilão, em que nós fomos batidos por sua magestade
a rainha, o facto é mil vezes mais grave. Porque--comprehendem bem esta
_nuance_--agora é a mais distincta, a mais elegante, a mais
aristocratica das princezas, que revê os candidos e impolutos arminhos
do seu real manto no mesmo espelho a que na vespera fez a barba o
Villas! e é a mesma augusta soberana que, descendo do seu throno com a
esvelta graça altiva e triumphante de uma Diana vencedora, vae ella
mesma tomar o chá no mesmo bule por cujo bico almoçou dois dias antes o
Agostinho, da rua do Alecrim!... Oh! minha senhora! minha senhora!

       *       *       *       *       *

Despeitados, como naturalmente sahimos do leilão Cordeiro, imaginem se
nos daria prazer ou não a noticia da morte violenta e affrontosa de que
foi victima o mais bello gato de sua magestade!

Escolhido em Paris, expressamente para a senhora D. Maria Pia, pela
competencia unica do grande especialista o pintor Lambert, esse gato
de, uma belleza e de uma magestade digna dos versos de Beaudelaire,
contrahira em palacio uma especie de tinha, que obrigou os physicos da
real camara a raparem-o á escovinha.

Foi n'esse estado de tonsura, desfigurando o aristocratico animal até o
ponto de o fazer confundir com um simples individuo de telhado, que um
dos vigilantes e zelozos camareiros de sua majestade, surprehendeu ha
dias o interessante enfermo no acto de tasquinhar na copa uma costelleta
destinada ao inviolavel almoço do monarcha. Ora todas as pessoas
versadas nas praticas da côrte, por mais perfunctoriamente que seja,
sabem muito bem que para todos os fins da etiqueta e da devoção ás reaes
pessoas, uma costelleta destinada á refeição do principe é absolutamente
a mesma coisa que seria o proprio principe, panado, e posto n'um prato
com uma rodella de limão em cima, tão real e perfeitamente como estaria
no solio com a sua corôa na cabeça e o seu sceptro em punho.

O camareiro pois, vendo seu augusto amo tão vil e perversamente
mordiscado por aquelle que Lambert escolhera para fins de certo mais
abstinentes e mais respeitosos, o camareiro--dizemos--acceso em zelo
pela inviolabilidade da real pessoa encarnada na especie eucharistica de
costelleta, foi pé ante pé, e, de surpreza, apoderando-se do inimigo
pela ponta da cauda, rejeitou-o por uma janella á distancia kilometrica
que em todas as monarchias solidamente constituidas deve sempre medear
entre o cheiro das saborosas costelletas dos principes e os appetites
caprichosos dos gatos das princezas. Bem feito!

       *       *       *       *       *

Aquelle que com amargo fel traça estas linhas colericas, movido
unicamente pelo baixo despeito de não haver pechinchado n'um leilão um
espelho e dois bules, incorre d'est'arte para com a pessoa da augusta
soberana em um reprehensivel excesso de ira plebeia. Elle porem se
promtifica desde já a ser mais tarde, elle proprio, o primeiro a
reconhecel-o e a lamental-o.

       *       *       *       *       *

Andámos tres dias sem poder entender bem qual a causa do conflicto entre
o governo de sua magestade e Monsenhor Masella, nuncio apostolico e
representante diplomatico de Sua Santidade em Lisboa.

O rancor de todo o jornalismo, empenhado na critica d'este incidente,
diluiu a historia d'elle n'uma tal quantidade de fel verboso que a
menção do facto perde-se inteiramente na onda biliosa dos commentarios.

Sahiram para este effeito do fundo do velho guardaroupa da rhetorica
liberal todos os atiributos empoeirados e carunchosos da indignação
classica, e mais uma vez vimos á luz do dia, expostas em andôr, como
n'uma procissão solemne, as reliquias venerandas de um stylo de guerra
que, desde o tempo ominoso dos Cabraes, suppunhamos definitivamente
morto, empalhado, camphorado e recolhido para sempre nas collecções
archeologicas.

       *       *       *       *       *

«Portuguezes! descendentes d'aquellcs heroicos e sublimes martyres que
com tanto sangue implantaram e regaram n'este abençoado torrão a virente
arvore da liberdade, ergamos-nos todos como um só homem!--dizem as
folhas. Ergamo-nos, sem distincção de campo nem de facção, para sacudir
o jugo a que pretende fazer-nos dobrar a cerviz um falso discipulo do
augusto martyr do Golgotha, esquecendo que seu mister é todo de paz e
d'amor, renegando escandalosamente a doutrina amantissima do
Crucificado, calcando a pés os preceitos evangelicos do Redemptor.
Cessem n'este momento solemnissimo todas as divergencias que por ventura
hajam desunido a grande familia liberal! Unamo-nos todos em amplexo
fraternal para quebrarmos as algemas do fanatismo com que anhelam
arroxear-nos os pulsos! Unamo-nos para expulsar do templo sacrosanto de
Jesus o vendilhão infamissimo, para desafrontarmos, alfim, a religião de
nossos paes, a religião de nossas mães, a religião de nossas filhas, a
religião de nossas sobrinhas, de nossas tias, de nossas sogras, de
nossas primas, senhores, e de nossas cunhadas!--a nossa sublime
religião, finalmente, tal como ella é em sua excelsa pureza, que ora
vemos torpemente desvirtuada pelo proprio representante d'aquelle mesmo
Redemptor, cujas cinco chagas são o mais augusto emblema da bandeira da
nação portuguesa!»

       *       *       *       *       *

Os jornaes d'hoje, os d'hontem e os d'antes de hontem veem cobertos
d'artigos do teor do pequeno extracto concentrado que temos a honra de
offerecer ao leitor como ligeira amostra do genero.

O periodico legitimista a _Nação_ foi o unico que ousou tomar a defesa
do odioso Nuncio, mas o _Diario da Manhã_ d'hoje agarra-se pelas orelhas
á _Nação_ e escaca-a com um d'estes artigos que inutilisam o adversario
por espaço de seis dias, porque é preciso andar a procurar-lhe os
bocados dispersos no raio de uma legoa em redondo para o tornar a pôr em
pé outra vez.

Imaginem que o _Diario da Manhã_, desde que começou a questão até hoje,
se tinha conservado silencioso, a ver correr o marfim. Eis senão quando
a _Nação,_ imprudente, se sae com um artigo insolito a dizer que os
unicos prelados portuguezes verdadeiramente no espirito de Deus são os
tres prelados de Angra, do Funchal e de Gôa.

Nós tínhamos lido o artigo da _Nação_ e confessamos mesmo que no
primeiro repente gostamos d'elle.

Comprehende-se, de resto, a nossa ingenuidade. Como a _Nação_ é
geralmente considerada o periodico que mais entende d'esta coisa de
bispos--especialidade em que somos completamente leigos--desde que ella
affirmou que os unicos bispos bons eram os d'Angra, do Funchal e de Gôa,
nós, na boa fé, appressámo-nos logo a tomar nota do documento, e cá
ficamos com mais essa informação devidamente registrada para algum dia
em que por acaso viessemos a ter precisão de bispos maus para nosso uso.

Mas o _Diario da Manhã_, o qual, pelo que se vê agora, é doutorado
n'esta materia, e conhece tão bem todos os bispos como nós outros
conhecemos os nossos dedos, o _Diario da Manhã_, que, segundo parece,
estava calado e á coca, exactamente á espera de que lhe bolisscm com os
bispos, apenas a _Nação_ disse que os unicos tres bispos com geito eram
os do Funchal, d'Angra e de Gôa, ah! pae do ceu!

Nada menos de cinco columnas na primeira pagina do jornal ocupa a
desanda tremenda applicada á _Nação_ pelo _Diario da Manhã_ d'hoje! E é
preciso lêl-a toda, de principio a fim, essa tunda, para ahi aprendermos
a tristissima verdade de que não póde um homem hoje em dia fiar-se em
ninguem.

Ficamos sabendo agora que os taes tres excelentissimos prelados com que
a _Nação_ nos queria espigar como afiançados, são precisamente os
peiores de todos!

Prelados bons, segundo o _Diario da Manhã_, prelados desenganados,
prelados que se podem dar a contento seja para onde fôr, restituindo-se
o seu importe caso não agradem, são o bispo de Coimbra, o bispo de Evora
e o arcebispo de Bragança.

O bispo de Coimbra, sim scnhores! fallem-me no bispo de Coimbra! isso é
que é fazenda.

Bispo de Bragança, bom bispo tambem: as ovelhas que o levarem irão tão
bem servidas como levando o de Coimbra, ou melhor.

O arcebispo d'Evora egualmente se lhes garante a todos os respeitos: é
gallinha!

Emquanto aos outros tres sujeitinhos recommendados da _Nação_ diz o
_Diario da Manhã_ que elles não são outra coisa senão os _soldados do
exercito das trevas_.

Tomo nota, e cá dou ordem que não estou em casa para nenhum d'esses tres
melros. Rua, que é a sala dos cães!

Para _soldados do exercito das trevas_ bastam-nos os persevejos,
escusa-se de bispos.

Supponham porém que o benemerito _Diario da Manhã_ nos não prevenia e
que eu, por exemplo, ovelha innocente posto que velha e mesmo já um
pouco pellada no lombo--abria o meu seio incauto aos persevejos ... quero
dizer, aos bispos ... da, _Nação_!... Que tal estava a rascada, heim?

E vamos agora nós a outra coisa, que nos está a lembrar.... Vamos nós
agora que o proprio _Diario da Manhã_....--Não queremos melindrar
ninguem, e pedimos ao _Diario da Manhã_ que o não leve a mal pelo amor
de Deus.... Perguntamos apenas uma coisa: o homem é infallivel? Não é.
Infallivel é unicamente o papa, o homem não. _Humanum est errare_...--

Vamos pois, como iamos dizendo, que o mesmo _Diario da Manhã_ não seja
tão forte em escolher os bispos como a Vicencia o é em escolher os
melões. Ha certeza absoluta de que este amavel confrade não possa
incorrer no mesmo erro grosseiro e lastimabilissimo em que cahiu a
_Nação?..._

Decididamente pedimos licença para ampliar um tanto mais as instrucções
que ha pouco demos á nossa cosinheira:

--Gertrudes! não estou em casa para bispo nenhum.

       *       *       *       *       *

Todos os jornaes, exceptuada apenas a refalsada _Nação,_ pedem ao
governo que sem perda de tempo restitua as suas credenciaes ao nuncio.

O _Seculo_ vae mais longe e acreseenta ser preciso que ao nosso
representante junto ao Vaticano se enviem instrucções terminantes para
impedir que monsenhor Masella receba n'esta occasião o barrete
cardinalicio que lhe está promettido por Sua Santidade.

No _Seculo_, um jornal republicano e livre pensador, é talvez um pouco
estranhavel a pretensão de influir com o seu voto sobre o momento mais
propicio para cardinalisar Masella.

Se se tratasse simplesmente de cardinalisar um camarão--operação a que
se procede cosendo-o--o parecer do _Seculo_ junto da tia Pincha,
encarregada de lhe confeccionar uma salada de mariscos, seria até certo
ponto admissivel e opportuno. Mas quando é o papa Leão XIII e não a
propria tia Pincha que opera, cuida por ventura o _Seculo_ que a coisa é
a mesma, e que lhe basta bater na mesa com a ponteira da bengala para
que a Curia Romana lhe sirva um cardeal ou para que lh'o não sirva?...

Oh! não.

Para intervir na distribuição dos barretes cardinalicios o _Seculo_ tem
exactamente os mesmos direitos que assistem ao papa para influir na
distribuição dos barretes phrygios.

O partido republicano do Brazil impõe ás vezes solemnemente o barrete
symbolico da Republica aos seus membros mais illustres. Ainda ha pouco o
sympathico agitador Lopes Trovão recebeu no Rio de Janeiro, no momento
de partir para a Europa, essa honrosa investidura, sendo-lhe adjudicado
então um bello barrete, de luxo, bordado a ouro de lei, com galões e
borla de canotilho do mesmo vil e precioso metal.

Outro tanto--com algum ferro o dizemos mas sem canotilho algum--não
temos nós que agradecer á obzequiosidade da mocidade avançada e generosa
de Lisboa. O barrete phrygio do nosso uso pessoal, aquelle que nos cobre
a fronte invejosa nos dias em que embarcamos no Tejo para ir ao largo
pescar o pargo ou a abrotida, adquirimol-o na Ribeira Velha por oito
tostões e meio.

De lã e vermelho, do matiz radical denominado _rebenta-boi_, é com esse
barrete carregado á banda sobre um olho, com o monoculo expectante da
critica no outro olho, e com um nicker-bockar nas pernas, que o que
traça estas regras se presa de ter servido a causa, já sobre as aguas do
mar, já em terra firme, nas praias de banhos durante as estações
balnearias, fazendo ranger de despeito higlifico os dentes das
instuições caducas, representadas nas villegiaturas maritimas pela musa
do constitucionalismo D. Guimar Torresão, dama tão illustre em fins do
seculo XIX quanto o foi Rosalia por meiados do seculo XVII, segundo o
affirma o mui culto Doutor Jardim ... de S. Pedro d'Alcantara.

Se o _Seculo_ segue porém as boas praticas do republicanismo brazileiro,
presenteando alguma vez com barretes os personagens mais distinctos do
seu partido, que diria o _Seculo_ se, usando da reciprocidade de um
direito que elle proprio reconhece, Sua Santidade o Papa lhe viesse
dizer em tal conjuntura:

--Alto lá! não dêem isso a Trigueiros de Martel, que estou politico com
esse sujeito por uma partida que elle me fez. Colloquem antes o barrete
sobre a cabeça do martyr Gomes Leal, cabeça de genio e bem assim do
turco, cabeça até hoje inteiramente despremiada, não constando que até
agora tivesse ainda tido outra coisa, além da caspa propria, senão galos
e brechas feitas pelos socos monarchicos do inimigo.

       *       *       *       *       *

Foi só no momento preciso a que escrevemos esta pagina depois de varios
dias de estudo retroactivo atravez das declamações da imprensa, que
emfim conseguimos--por um acaso--descobrir os elementos do conflicto
entre o governo portuguez e o representante de sua santidade em Lisboa.

Eis o caso:

       *       *       *       *       *

Sua excellencia o nobre ministro da justiça, usando d'aquella apreciavel
franqueza que tanto agrada entre amigos verdadeiros e sinceros, mostrou
a Sua Eminencia o nuncio a lista dos novos bispos que o governo se
propunha nomear, pedindo ácerca d'elles a opinião do mesmo snr nuncio.

Sua Eminencia, usando por seu turno da mesma franqueza com que tão
benevolamente fora tratado pelo snr ministro, respondeu que achava
pessimos alguns dos bispos propostos.

--Como assim!?--volveu, acidulado e surpreso, o das justiças
humanas.--Como cavalheiro que me preso de ser, eu dirijo-me
amistosamente a Vossa Eminencia pedindo-lhe a sua opinião franca,
desassombrada e sincera, e Vossa Eminencia, em vez de me dar a opinião
que eu tão bisarramente lhe peço, dá-me pelo contrario a opinião
precisamente opposta á que eu tenho!?...

--Perdão...---interrompe o ecclesiastico--eu pensei que, desde que v.
ex.ª me consultava....

-Nada de sophismas, eminentissimo senhor!... Não me force Vossa
Eminencia a ser um pouco mais acre e a ter de accrescentar: nada de
cavilações! Não queira Vossa Eminencia levar-me ao desgosto acerbo de
ter de recordar-lhe, que Vossa Eminencia se acha, mercê de Deus, no
gremio de um paiz livre e constitucional, onde o governo se não exerce
por sophisticações capciosas, antes versa sobre formas parlamentares
baseadas nas ficções mais engenhosas e mais lucidas. Uma d'essas ficções
fundamentaes do systema que felizmente nos rege consiste no principio
sagrado da discussão, da consulta e do voto. Para bem se comprehender
toda a belleza d'este profundo principio cumpre observar--e para isto
chamo particularmente a attenção de Vossa Eminencia--que, toda a vez que
um estadista, chamado aos conselhos da corôa pela augusta confiança do
principe, pede ácerca dos seus actos a opinião de qualquer dos poderes
do Estado, a obrigação d'esses poderes, quaesquer que elles sejam,
_quaesguer que elles sejam_--repito-o--é abundarem approvativamente e
jubilosamente no sabio parecer do ministro preopinante. Assim o exigem
as sabias praxes de longo tempo estabelecidas e firmadas no feliz e
liberrimo governo da nação portugueza.

--Mas então,--obtemperou o sacerdote romano--o systema governativo, de
cujo elencho V. Ex.ª é tenor applaudido, vem a ser realmente a farça
mais divertida _(la piu piacevole)_ que se conhece! O pundonoroso luso
da pasta da justiça, apenas o roupeta lhe fallou em farça, meu amiguinho
e snr, agora, o vereis!

_--Farça!_ bradou s.ex.ª com o gesto nobre mais recommendado pela
rhetorica para os grandes lances da indignação suprema. _--Farça!_ O
forasteiro ousa chamar _farça_ ao sublime governo constitucional,
monarchico-representativo da patria do fallecido marquez de Pombal! do
chorado Santos e Silva! e do arrojado tribuno José Estevão Coelho de
Magalhães, cognominado por antonomasia o _Deus da Palavra_!!... Cuidará
então o snr, por acaso, que seja uma coisa séria a curia! mais o
pontificado! mais a infallibílidade do papa! mais as indulgencias para
ir para o ceu a trez vintens por cabeça! mais a bulla para misturar
carne com peixe a pataco por familia! mais as dispensas, a tanto por
incesto e a tanto por divorcio, para se casarem ou descasarem primos
carnaes com primos carnaes, genros com sogros e bisnetos com bisavós!...
Cuida o snr que ainda alguem toma a serio n'este mundo uma chirinola
d'essas?! Uma das coisas com que os snrs nos andam sempre a massar é a
sua famosa _vinha do senhor:--Vimos da vinha do senhor! Vamos para a
vinha do senhor! Trabalhamos na vinha do senhor!_ Suppoem os snrs
porventura que ainda ha no orbe taberneiro, baiuqueiro, tasqueiro, ou
bodegueiro convencido de que o senhor tem vinhas?! Os snrs intitulam-se
a si mesmos _sal da terra_; ora vamos a saber uma coisa: os snrs estão
efectivamente persuadidos de que são sal?... Vive o snr, por exemplo, na
convicção profunda e inabalavel de que é medido ás razas pelos almotacés
sempre que passa ás portas, e que paga 10 réis de direitos em alqueire
sempre que penetra nas zonas fiscaes das deoceses em que circula? Tem o
snr, na sua qualidade de sal, a intima certeza de que lhe baste
abraçar-se de arripio a uma pescada fresca para que essa pescada fique
pronta para se deitar á panella com cebola e batatas?! No dito estado de
sal, nutre o snr a austera e firme convicção profissional de que lhe
assiste o poder de resequir as hervas e de revivificar os espiritos?...
Está o snr bem certo de que não tenha senão a sentar-se no bucho verde
para que elle ganhe caruncho, ou a pôr a benta mão sobre os sermões de
Garcia Diniz ou sobre os artigos da _Nação_ para que essas producções
literarias cessem para logo de ser a mais ensosa e a mais dissaborida
coisa que Deus permitte a fazer aos seus ministros em toda a vastidão
da crusta terrachea?!... E, então, com tudo isto, os snrs é que são os
sérios, e nós é que havemos de ser os farçantes, heim?

Emquanto o ministro, arrebatado e fluente, proseguia no seu discurso,
que não hesitamos um só momento em qualificar de sacrilego e de
perverso, o pastor da Egreja, o procurador de Pedro, havia chamado a si
o baculo que deixara atraz da porta do gabinete de s.ex.ª, e
experimentava-lhe a elasticidade da fibra, apoiando-se-lhe á cacheira e
drobando-o e redobrando-o de ferrão fixado ao solo.

       *       *       *       *       *

Até ahi chegam as nossas conjecturas formuladas sobre as informações
dispersas que podemos recolher ácerca d'este memoravel incidente. D'esse
ponto por deante ignoramos como é que os factos precisamente se
passaram. Lemos porem no _Diario de Portugal_ uma phrase reveladôra, que
se nos figura perfeitamente clara e definitiva. Diz aquella auctorisada
folha:

_O nuncio desacatou sua excellencia_.

Os boatos das secretarias esclarecem ainmais essa affirmativa de um dos
periodicos ministeriaes.

_Sua excelencia_--segredam as vozes familiares da burocracia--_apanhou
um calor_.

       *       *       *       *       *

Dilucidada assim a secreta verdade dos factos, entendemos que o snr
nuncio andou admiravelmente bem. E não podemos de modo algum attingir as
causas do geral descontentamento que invadiu os periodicos liberaes por
occasião d'este jubiloso successo.

       *       *       *       *       *

E' indespensavel que de uma vez e para todo o sempre a gente acabe de se
compenetrar bem de uma coisa. E vem a ser: Que os governos não entendem,
nem podem entender nada, pela palavra, acerca de bispos.

Os bispos--dizem-o todos os textos canonicos--são os pastores das almas,
incumbidos pelo Espirito Santo de governar a Egreja de Deus. E' n'elles
que reside a plenitude do sacerdocio, a posse inteira dos poderes
confiados por Jesus Christo aos apostolos. Elles não podem ser
considerados senão como puros e legitimos delegados do chefe supremo da
Egreja, por elle encarregados de manter a continuidade do sagrado
ministerio, de presidir, de governar e de julgar em seu nome e em nome
de Deus, de quem o papa é o representante visivel na terra.

Ora, se são effectivmnente as ideias, os sentimentos, as aspirações, os
interesses do Summo Pontifice e não os do snr Julio de Vilhena que os
bispos teem de representar, de deffender e de servir, como é que querem,
de boa fé e francamente, que seja o snr Julio de Vilhena e que não seja
o papa quem escolha os individuos encarregados de similhante missão?

       *       *       *       *       *

Que os bispos saiam melhores ou saiam peiores, escolhidos pelo nuncio de
Sua Santidade ou escolhidos pelo ministro de sua magestade fidelissima,
que é que teem com isso os jornalistas republicanos e livres
pensadores?...

Pergunta-se uma coisa a estes jornalistas:

Foi para intervir nos mais perfeitos methodos de fazer padres, de dar
ordens, ou, de ministrar sacramentos, que suas excelencias se fizeram
livres pensadores? Mas escusavam então de se incommodar para isso,
prejudicando-se consideravelmente nos meios de acção, de que para tal
fim disporiam continuando a ser mesarios da freguesia das Chagas ou
irmãos do Senhor dos Passos da parochia das Mercês!

Teem, por ventura, estes philosophos democratas e materialistas
pretenções secretas pendentes do governo das deoceses do reino?

Vejamos, sinceramente:

Os snrs querem chrismar-se? querem tomar prima-tonsura ou subdiacono?
querem parochiar? querem dizer missas? querem cantar responsos? querem
confessar mulheres?...

Se querem, digam-o! Desce-se um veu sobre a questão e não se torna mais
a fallar n'isso.

Se, pelo contrario, os snrs não pretendem coisa nenhuma dos bispados,
que diabo então lhes importam, aos snrs, os bispos?

Parece-nos ouvir uma voz replicar-nos, dizendo:

--Mas ha um facto extra-ecclesiastico e extra-religioso que obriga os
republicanos livres pensadores a tomarem interesse e fogo na questão dos
bispados, e esse facto vem a ser que é o governo da nação quem paga os
bispos.

Muito bem, voz! muitissimo bem! Quem paga os bispos é com effeito o
governo. E é por essa razão que nós applaudimos com enthusiasmo o snr
Nuncio, ao termos a grata noticia de que sua eminencia, _desacatou_ o
governo:--para ver se o governo aprende a não ser tolo!

       *       *       *       *       *

A corveta _Stephania_ acaba de dar da sua incapacidade como instrumento
beligerante o testemunho mais eloquente, mais triste e mais solemne.

Mandada á ilha da Madeira para o fim de resolver em favor do governo o
empate de uma eleição de deputado, a dita corveta de tal modo manobrou
que a eleição de desempate recahiu em massa sobre o candidato
republicano de opposição ao governo.

Considerada pelos poderes publicos como incapaz do real serviço, consta
que este vaso de guerra vae ser aposentado e recolhido debaixo do leito
do Arsenal na qualidade de vaso de paz.

Para substituir a _Stephania_ nas campanhas navaes das futuras eleições
pensa-se em mastrear em corveta o compadre Tavares. Para esse fim
estão-se já colligindo nas estações competentes os mexilhões precisos
para guarnecer a quilha d'este distincto cavalheiro.

Parabens a sua excellencia!

       *       *       *       *       *

Agora invocamos a protecção dos anjos para que, com sua assistencia,
passemos a narrar em resumido discurso e em florida linguagem, propria
da alteza do assumpto, como foi que o milagre se deu no povo do
Carnaxide.

Era por uma formosa tarde do cálido mez de agosto. O astro do dia se
inclinava ao occaso, onde o oceano parecia attrahil-o com as argentadas
presas de suas ondas. Sobre a verde alfombra alvos cordeiros, conduzidos
pelos zagaes, pasciam as tenras hervas, ao passo que no umbroso bosque o
bando alado entoava os louvores do Eterno em doces e bem concertados
gorgeios.

Debaixo de uma virente faia se achavam alguns camponezes dando alento ao
fatigado corpo e discreteando em ameno convivio ácerca de seus bucolicos
lavores e bem assim da vida e prendas de Santa Rosa de Lima por ser esse
o milagroso dia de tão prodigiosa santa.

Eis senão quando, volvendo os olhos, como que tocados por um
presentimento divino, para o lado em que se acha a egreja parochial de
Carnaxide, viram os ditos camponezes apropinquar-se um vulto em tudo
magestoso acima do narravel.

Com a mão direita se apoiava esse vulto a um bordão de peregrino, em
quanto que com a mão esquerda ora comprimia a fronte pensativa coroada
de um pastoril chapeu de palha, ora fazia um gesto cortez para o
horisonte como que convidando o mesmo vulto a proseguir na senda da
vida em direcção á faia virente.

Conjecturaram os camponezes que fosse S. Basilio Magno, S. Pedro Nolasco
ou S. Praxedes, e logo viram que não era Santo Antão--por não ter porco
ao lado.

Junto da faia, aquelle que os camponezes haviam tomado de longe por
Praxedes, collocou a mão sobre o coração e arremetendo com a fronte para
as nuvens, exclamou:

Eu nunca vi Lisboa, e tenho pena!

Era s.ex.ª o snr Thomaz Ribeiro, ministro da poesia lyrica e dos
negocios do reino.

Ao reconhecel-o, os camponezes cahiram em giolhos.

--Guarde-vos Deus, bons rusticos!--disse s.ex.ª acommodando o stylo á
rude e acanhada comprehensão do auditorio--E que a senhora Santa Rosa de
Lima, que é hoje seu dia, vos tenha de sua bemdita mão!

E em seguida, descriminando a um par um os individuos no grupo
campesino a que nos referimos, s.ex.ª proseguiu continuando a
exprimir-se em prosa:

--Que fizestes do vosso cordeiro favorito, ó Tityro?--Trazeis comvosco a
vossa avena, Melibeu?--Onde a vossa pastora Anarda, amigo Silvano?

Todos os camponeses se acercaram então de s.ex.ª, ficando suspensos da
facundia de seu labio, pois nunca jamais, nem na freguesia de Carnaxide
nem em duas legoas em redondo, se ouvira tanta gentilesa e amenidade de
lingoagem como a que sahia em jorras da bôcca d'esse portentoso homem de
penna e de governação.

Felizes e volozes devolviam as horas em pratica tão discreta quão
matizada de piericos primores, quando s.ex.ª, alongando a dextra n'um
brando meneio para o pendôr da collina, perguntou:

--Que vetustas ruinas são aquellas que alem descortino alvejando na
quebrada da serra?

E, como houvesse em resposta que essas ruinas eram a antiga egreja de
Nossa Senhora Apparecida,

--Corramos prestes ao templo!--bradou s.ex.ª--Dirijamo-nos pressurosos a
elevar nossas preces e a depor nossas modestas offerendas no altar
d'essa Virgem Senhora Nossa que tão galhardamente denominaes
_Apparecida!_ Vinde, Silvano! Vinde Melibeu! Tityro, Aleixo, Frondelio,
Belmiro e Castalio! Vinde todos, ó pastores! Eia!... Ao templo! ao
templo!...

Os pastores, então, plangentes e lacrimosos, explicaram voz em grita que
Nossa Senhora Apparecida de longo tempo desapparecera. Mão impia de
infames governos despoticos a arrebatara do seu templo de Carnaxide para
a transportar para a Sé no meio da indignação geral dos povos e das
patronas minazes da real melicia. De sorte que, já no tempo em que o
feroz usurpador do throno de Lysia se apegára com a Senhora Apparecida
para sarar da perna que quebrou ao ir a quatro sollas de Queluz para
Cacilhas, no logar do Moinho de Cavallinhos, cantavam os cegos na via
publica:

D. Miguel foi á Sé,
Sentou-se n'uma cadeira,
E disso para os malhados:
Esta perna está inteira!

Ao ouvir taes vozes, já soltas, já metreficadas, s.ex.ª extrahiu a lyra
que trazia ao tiracollo em um saco, juntamente com a pasta da publica
governação, e sobre o mavioso instrumento jurou que antes que a casta
Phebe voltasse por seis vezes a sorrir do ceu ao terno Endymion, ou--por
outra--que dentro, de seis mezes contados, a milagreira imagem de Nossa
Senhora Apparecida volveria da Sé a Carnaxide, reapparecendo pela
segunda vez aos povos em todo o esplendor do seu excelso vulto.

Vendo os camponezes que por meio de um tão manifesto e prodigioso
milagre assim lhes era restituida sua Senhora, outra vez cahiram
submissos em giolhos.

E foi só depois de s.ex.ª se haver retirado pela mesma vereda por onde
viera; foi depois de lhe terem ouvido ao longe e pela derradeira vez
repetir aos montes e ás hervinhas:

  Eu nunca vi Lisboa, e tenho pena!

que os camponezes, reunidos em honesto convivio sob a faia, regressaram
a suas pousadas, tangendo alegres tibias e entoando lôas festivaes em
honra d'aquelle que tão grande capricho punha em lhes restituir a
Senhora Apparecida quão grande era a pena que alimentava em seus carmes
de nunca ter visto Lisboa.

Gloria pois a s.ex.ª!

       *       *       *       *       *

Outrora o portuguez de volta do Brazil, com fortuna, com papagaios e com
pedras no peito da camisa e na bexiga, comprava invariavelmente, ao
desembarcar, um acommenda, dois cães de faiança e um bilhete da imperial
na malaposta de Braga. Depois do que, passava a usofruir n'uma quinta
minhota o producto do seu trabalho d'emigrante, representado em
molestias sedentarias, em graças regias e em quadrupedes de louça.

A patria explorava-o e ria-se d'elle.

Agora chega do Rio de Janeiro o snr Eduardo de Lemos, sem pedras e sem
papagaios, posto que com fortuna, e, segundo lemos no _Diario do
Governo_, elle não só não paga mas resigna uma commenda com que o
agraciou a regia munificencia.

Tomemos nota do phenomeno, porque elle é o symptoma de uma revolução
profunda: elle é o _Emfim Malherbe veio_ da historia dos commendadores e
dos cães,--vertebrados da olaria nacional e do grosso commercio
extrangeiro.

Que o nosso velho mundo decrepito e tremelicante se prepare para o
embate hostil e tremendo do novo poder revolucionario que se annuncia!
Atraz de Eduardo de Lemos ha no Brazil uma legião inteira, intelligente,
instruida e forte, que vae chegar--para se rir.

Lisboa 15 de dezembro de 1882.

_Ramalho Ortigão._





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "As Farpas: Chronica Mensal da Politica, das Letras e dos Costumes (1882-11/12)" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home