Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: As Farpas: Chronica Mensal da Politica, das Letras e dos Costumes (1887-08/09)
Author: Queirós, José Maria Eça de, 1845-1900 [Editor], Ortigão, José Duarte Ramalho, 1836-1915 [Editor]
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "As Farpas: Chronica Mensal da Politica, das Letras e dos Costumes (1887-08/09)" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



Ribeiro, Larry Bergey and the Online Distributed


[Illustration: EÇA DE QUEIROZ--RAMALHO ORTIGÃO--AS FARPAS]

RAMALHO ORTIGÃO--EÇA DE QUEIROZ

AS FARPAS

CHRONICA MENSAL DA POLITICA, DAS LETRAS E DOS COSTUMES

NOVA SERIE TOMO X

Agosto a Setembro 1877



Ironia, verdadeira liberdade! És tu que me livras da ambição do poder,
da escravidão dos partidos, da veneração da rotina, do pedantismo das
sciencias, da admiração das grandes personagens, das mystificações da
politica, do fanatismo dos reformadores, da superstição d'este grande
universo, e da adoração de mim mesmo.

P. J. Proudhon



SUMMARIO

Alexandre Herculano. O escriptor e o solitario de Valle de Lobos. A
critica dos vivos e a critica dos mortos. A benevolencia e a justiça. A
influencia que teve e a que podia ter o grande escriptor. A missão dos
mestres O monumento da imprensa.--A recente viagem de suas magestades e
altezas. No Bussaco, em Vidago, no Porto. Algumas notas aos annaes
d'essa excursão.--Os attentados do sr. Barros e Cunha e a historia
d'este personagem. O poeta lyrico, o deputado, o leitor do _Times_, o
cortesão, o ministro. Diagnostico e prognostico.--Algumas producções
musicaes: _As cutiladas do Passeio Publico_, polka; _A Roma! a Roma!_
valsa.--Algumas palavras aos srs. advogados.--Os exames das meninas no
Lyceu Nacional. Os fins da educação. Um programma de ensino para o sexo
feminino. Como se prepara a emancipação da mulher. Duas catastrophes: o
estado da litteratura feminina e o estado da cosinha nacional. Grito
afflictivo do paiz: Menos odes e mais caldo.

O homem que teve na terra o nome glorioso de Alexandre Herculano
pertence ao dominio da posteridade desde as 10 horas da noite de hontem,
14 de setembro de 1877.

Os que houverem de julgar na historia essa poderosa personalidade terão
de considerar que dois cidadãos, inteiramente diversos, existiram na
terra, succedendo-se um ao outro no individuo d'aquelle nome.

Um d'esses cidadãos é o historiador da nacionalidade portugueza e da
inquisição em Portugal, o romancista do _Monasticon_, o poeta da _Harpa
do Crente_, o profundo pensador, o sabio archeologo, o paciente erudito,
o critico penetrante, o valoroso trabalhador, o grande artista, o
inimitavel mestre.

O segundo dos cidadãos que passaram no mundo sob o nome de Alexandre
Herculano é simplesmente o illustre solitario de Valle de Lobos.

       *       *       *       *       *

Extranha evolução d'um mesmo ser! Aquelle que na primeira metade da
existencia representa todas as vivas energias por meio das quaes o
espirito póde actuar no impulso d'uma civilisação e no aperfeiçoamento
d'uma sociedade, não é no segundo periodo da sua vida senão o objecto
passivo e inerte d'uma designação ascetica, imposta pela banalidade
rhethorica dos noticiarios--o _solitario illustre!_

       *       *       *       *       *

Como philosopho, como investigador, como critico, como poeta, Alexandre
Herculano cria em Portugal os estudos historicos; funda a mais
importante collecção dos modernos trabalhos litterarios--o _Panorama_;
enobrece a lingua com o seu stylo nitido e cortante em que a phrase tem
o lampejo e o golpe dos passes de espada; honra o officio das letras com
o porte rigido, austero e elegante de sua figura litteraria, em que se
denuncia o contorno do guerrilheiro portuense envolto no capote branco
dos romanticos de 1830, que elle sabia traçar com o garbo marcial
d'Alfred de Vigny; cria escola; agrupa em volta de si uma mocidade que o
admira e que o idolatra; espede o grito de guerra, que põe em armas a
nova geração que vem despontando atraz d'elle; chama á peleja o partido
ultramontano e desfecha elle mesmo os primeiros tiros que rompem as
hostilidades da liberdade com o clericalismo; lança finalmente as bases
do moderno movimento intellectual, suggere novas idéas, novas
aspirações, novos interesses moraes, impulsionando vigorosamente a sua
época por meio das fecundas agitações do espirito que acceleram nas
sociedades vivas a elaboração do progresso.

       *       *       *       *       *

Como _illustre solitario de Valle de Lobos_, Herculano rescinde a
sacrosanta escriptura da responsabilidade universal, por via da qual o
genio do homem se obriga tacitamente com a natureza a servil-a, como
sendo elle mesmo a mais poderosa das forças de que dispõe o grande
universo; desdiz com o seu repentino silencio todas as affirmações da
sua grande voz; abjura da luz diffundida pelas suas palavras á sombra
projectada pelas suas oliveiras; nega o movimento que creou pela inacção
em que caiu; desdá finalmente todos os laços de solidariedade que o
prendiam aos seus compatriotas e aos seus similhantes, que vinculavam o
seu destino intellectual aos destinos da patria e da humanidade.

O dia do nosso grande lucto nacional não é aquelle em que expirou o
solitario illustre, mas sim aquelle em que deixou de existir para o
vertiginoso bulicio da vida publica o ardente escriptor, que no seio da
multidão fluctuante, estrepitosa, leviana, indifferente, perfida,
traiçoeira, ingrata, lançava ás praças e ás ruas publicas, lamacentas e
sordidas, as suas idéas de cada dia, nobres, castas, desinteressadas,
aladas pelo alphabeto typographico, adejando sobre as immundicias e
sobre as dejecções da cidade, como douradas abelhas impollutas, que vão
de alma em alma sacudindo das azas luminosas em pollen diamantino a
divina verdade.

       *       *       *       *       *

A isolação de Herculano no remanso esteril do dilettantismo bucolico,
comprometteu o destino mental d'uma geração inteira. Pelo intenso poder
das suas faculdades reflexivas, pela eminencia do seu talento, pela
auctoridade da sua palavra, pela popularidade do seu nome, pela
reputação nunca discutida da sua honestidade, elle era o homem
naturalmente indicado para assumir o pontificado intellectual do seu
tempo. A ausencia d'essa auctoridade do espirito sobre o espirito foi
uma catastrophe para a geração moderna.

Tudo se resentiu na sociedade portugueza, com o desapparecimento d'esse
alto poder moderador, destinado a ser o nucleo do seu governo moral.

Á tribuna parlamentar nunca mais tornou a subir um homem cuja voz
firme, sonora e vibrante levasse até os quatro cantos do paiz a
expressão viril das grandes convicções inflexiveis, dos altos e potentes
enthusiasmos ou dos profundos e implacaveis desdens. Essa pobre tribuna
deserta degradou-se successivamente até não ser hoje mais do que uma
prateleira mal engonçada com algum lixo e o respectivo copo d'agoa.

A imprensa decaiu como decaiu a tribuna. Assaltada pelas mediocridades
ambiciosas e pelas incompetencias audazes, a imprensa tornou-se um
tablado de saltimbancos de feira, convidando o publico a 10 réis por
cabeça, para assistir, entre assobios e arremessos de cenouras e de
batatas podres, á representação da desbocada comedia, declamada em giria
da matula por personagens sarapintados a vermelhão e a ocre, que mostram
o punho arregaçado e sapateiam as taboas, como em sarabanda de negros e
patifes, com os seus pés miseraveis.

A politica converteu-se em uma vasta associação de intriga, em que os
socios combinam dividir-se em diversos grupos, cuja missão é
impellirem-se e repellirem-se successivamente uns aos outros, até que a
cada um d'elles chegue o mais frequentemente que for possivel a vez
d'entrar e sair do governo. Nos pequenos periodos que decorrem entre a
chegada e a partida de cada ministerio o grupo respectivo renova-se,
depondo alguns dos seus membros nos cargos publicos que vagaram e
recrutando novos adeptos candidatos aos logares que vierem a vagar. É
este trabalho de assimilação e desassimilação dos partidos, que
constitue a vida organica do que se chama a politica portugueza.

A arte desnacionalisa-se e afasta-se cada vez mais do fio tradicional
que a devia prender estreitamente á grande alma popular.

A opinião publica, marasmada pela indifferença, deshabitua-se de pensar
e perde o justo criterio por que se julgam os homens e os factos.

Se um pensador da alta competencia e da grande auctoridade de Alexandre
Herculano tivesse persistido durante os ultimos vinte annos á frente do
movimento intellectual do seu tempo, essa influencia teria modificado
importantemente o nosso estado social.

Na politica ninguem como elle, com as suas opiniões extremas e radicaes,
poderia originar a creação dos dois grandes e fortes partidos--o
partido conservador e o partido revolucionario,--de cuja controversia
depende essencialmente não só o progresso politico da sociedade
portugueza, mas a propria conservação do seu regimen constitucional.

Na imprensa ninguem como elle poderia elevar a auctoridade da
instituição com a sua palavra tão scintillante, tão denodada, tão
propria para o debate, e com a sua experiencia tão esclarecida pela
convivencia e pela cultura da historia.

Na opinião e no espirito publico, ninguem teria uma acção tão segura e
tão decisiva, porque ninguem como elle gosou em Portugal d'um tão
inteiro prestigio e d'uma tão completa e absoluta auctoridade.

Na arte, ninguem ainda mais proprio para levar a creação esthetica á
fonte nativa da inspiração, á tradição historica, á raiz da paixão e do
sentimento nacional.

       *       *       *       *       *

Exercer essa alta direcção dos espiritos é nas sociedades modernas a
missão dos grandes homens. Dos eminentes escriptores europeus d'este
seculo Herculano foi o unico que espontaneamente abandonou na força da
intelligencia e da vida o posto de honra a que chegára pelo esforço do
seu trabalho e pela posse dos mais felizes dons com que a natureza o
dotára.

Guizot, Michelet, Buckle, Proudhon, Stuart Mill, todos os modernos,
todos os que vieram depois de definido pela Revolução o dogma do dever
social, viveram combatendo até á ultima hora e morreram com a penna na
mão.

Ha poucos dias ainda a França viu cair Thiers na estacada, em pleno
combate. Era um velho pequenino, valetudinario, quasi rachitico. Desde
muito tempo que elle era sufficientemente rico para gosar a
tranquilidade egoista, imperturbavel, do mais poderoso principe. A sua
longa vida fôra uma serie nunca interrompida de combates, de derrotas,
de triumphos, das mais violentas commoções que podem opprimir e
dilacerar uma alma. Ha dez annos que poucos teriam como elle o direito
de solicitar um pouco de tranquilidade e um pouco de sombra. Elle
todavia permanece no ponto mais temeroso da peleja, e é a essa
pertinacia d'um só homem, tão debil e tão caduco que qualquer mulher
poderia pegal-o ao collo e adormecel-o como um baby, que a França deve a
sua reconstituição politica e social, e a democracia a affirmação mais
poderosa e mais energica d'uma republica no coração da Europa.

Na Inglaterra, não já um homem mas uma simples mulher, que teve um papel
decisivo no movimento das idéas modernas, Miss Martineau, ferida por uma
lesão do coração, desenganada pela medicina de que não pode ter mais
d'um anno de vida, concentra durante esse anno todas as suas faculdades
na conclusão da sua ultima obra, conta a uma por uma em beneficio do seu
similhante as suas derradeiras pulsações, e sob uma condemnação mais
peremptoria e mais tremenda que a de Condorcet, arranca da sua
invencivel vontade a energia precisa para escrever com a lucidez mais
profunda, com a firmeza mais viril, com a coragem mais heroica, o
admiravel livro em que depõe com a ultima palavra o ultimo suspiro.

Uma celebridade subalterna, um simples poeta, um romancista, um talento
d'especialidade, tem o direito de fazer um livro e de se calar para
todo o sempre; mas o cidadão em quem concorrem as multiplas aptidões
cerebraes que constituem os espiritos superiores, as capacidades
dirigentes, não tem esse direito.

A benevolencia devida aos vivos póde levar-nos a respeitar nos actos de
cada homem um producto indiscutivel da sua liberdade; a verdade porém
devida aos mortos, a incorruptivel verdade, tem diante dos tumulos o
dever de considerar, em nome da justiça e em nome da sociedade, todas as
condições que encaminharam ou desencaminharam uma existencia n'essa
linha ideal a que convergem as mais altas aspirações da humanidade.

E é só assim que as gerações aprendem o que têem de agradecer e o que
têem de perdoar aos obreiros do passado, tirando d'esse juizo austero
sobre a missão dos que morreram, a regra moral a que têem de
submetter-se aquelles que estão vivos.

A elaboração psychologica das causas que levaram o espirito de Herculano
a quebrar as suas relações mentaes com a sociedade, é um importante
estudo a que se acham obrigados aquelles que viveram na intimidade e na
confidencia do grande escriptor. A sociedade precisa de saber que grau
de responsabilidade lhe cabe no emudecimento d'essa voz. Porque a
isolação d'Herculano não é um simples episodio biographico, é um facto
social, é um dos mais tristes phenomenos da decadencia portugueza.

O exemplo do _solitario de Valle de Lobos_ será profundamente nocivo, se
não for cabalmente explicado como uma fatalidade sociologica.

Todos aquelles que trabalham com dedicação e com honra, que se
consideram responsaveis diante dos seus similhantes pela conclusão do
trabalho que a si mesmos se impuzeram, que se dedicam á sua missão, que
vêem n'ella uma parte integrante da grande obra collectiva da
humanidade, todos aquelles que teem na vida um fito superior e
desinteressado, estão sujeitos em cada dia, em cada hora, em cada
instante, á grande lucta da consciencia com as suggestões do egoismo,
com a ingratidão dos homens, com a calumnia, com a traição, com o
desdem. É perigoso para os que teem ainda, no meio da dissolução geral
dos caracteres, esse vivo sentimento da solidariedade, essa corajosa
dedicação do martyrio, essa persistencia no lento suicidio que é a vida
de todos os que pensam e de todos os que luctam, o ver de repente
sossobrar e afundir-se na fria impassibilidade e na tenebrosa
indifferença o alto luminar destinado a indicar a uma geração inteira o
arduo e penoso rumo do dever.


       *       *       *       *       *


Lemos em um jornal que a imprensa de Lisboa, reunida em assembléa para o
fim de pagar á memoria de Alexandre Herculano o tributo da sua
admiração, resolvera abrir uma subscripção destinada a elevar um
monumento ao insigne escriptor. Parece, segundo o mesmo boato, que não
está ainda resolvido de que natureza será o monumento em projecto.

Se tivessemos a immerecida honra de sermos considerados pela imprensa
como um de seus membros, eis o que proporiamos.

       *       *       *       *       *

A obra monumental, posto que ainda incompleta do finado escriptor, a sua
_Historia de Portugal_, é possivel que houvesse já sido lida, mas, com
quanto escripta ha muitos annos, não foi por emquanto estudada.

Em todo o longo trabalho de investigação, de critica, d'analyse, de
deducção, que constitue a materia d'esses quatro volumes, o publico
portuguez não viu senão dois factos extremamente subalternos na obra do
philosopho e na obra do artista:--a negação do milagre d'Ourique e das
côrtes de Lamego.

O historiador da nossa nacionalidade não foi olhado se não debaixo d'um
aspecto,--o aspecto das nossas superstições.

As origens do direito, da arte, da propriedade, da religião, da familia,
da patria interessaram-nos d'um modo tão mediocre que nunca nos
suggeriram uma idéa clara sobre qualquer d'esses phenomenos.

De tão multiplos problemas suscitados ou resolvidos pelo historiador da
nossa vida civil, um unico nos commoveu até as mais intimas
profundidades do nosso organismo social: Se Jesus Christo tinha ou não
tinha vindo cavaquear com D. Affonso Henriques na vespera d'uma batalha,
e se a derrota dos mouros fora ou não o resultado d'uma operação
estrategica combinada de commum accordo entre os dois poderosos inimigos
do kalifado de Cordova, o filho do conde D. Henrique e o filho de Deus.

Todas as demais questões debatidas nos quatro volumes da _Historia de
Portugal_ passaram inteiramente despercebidas do jornalismo portuguez, o
qual não teve ainda, até hoje, occasião de publicar um artigo
scientificamente fundamentado ácerca do papel do nosso primeiro
historiador na direcção dos estudos historicos e na comprehensão das
leis fundamentaes da nossa evolução social.

A homenagem que a imprensa deve prestar a Alexandre Herculano é a
publicação d'esse estudo, porque o primeiro dever dos jornalistas
perante um grande escriptor é mostrar que o leram. Com relação a
Herculano essa divida está por saldar, e a imprensa tem que
desempenhar-se d'ella com tanta mais promptidão, quanto é certo que o
seu longo silencio podia ter sido uma das causas que levaram o iniciador
dos trabalhos historicos portuguezes a talhar para si mesmo a triste
mortalha em que desceu envolto para o tumulo--a mortalha do desprezo.
Não conseguiu merecer-lhe mais o espirito dos contemporaneos.


       *       *       *       *       *


Annaes da viagem de suas magestades e altezas pelos seus reinos segundo
os telagrammas publicados por toda a imprensa e da acção civilisadora da
mesma viagem sobre o espirito dos povos segundo os alludidos documentos.

CAPITULO I

Bussaco... d'agosto. Sua magestade Anjo da Caridade acaba, de chegar esta
secular floresta acompanhada suas altezas Preciosos Penhores. Anjo
passeou matta. Jantou 6 horas. Preciosos Penhores foram Cruz Alta
companhia um dos seus preceptores. Jubilo povo inexcedivel.

CAPITULO II

Bussaco... d'agosto. Sua magestade Anjo encontrou interessante menino na
serra e afagou. Commoção todos visitantes que presencearam acto Anjo
afagar menino chegou lagrimas. Preciosos Penhores foram pé Fonte Fria.
Jantar Anjo, Preciosos Penhores e Damas, 6 horas, 14 minutos, tempo
medio. Jubilo povo augmenta progressivamente.

CAPITULO III

Bussaco... agosto. Anjo apreciou mediocremente rouxinoes gorgeando
secular floresta. Chamados á pressa para gorgear na balseira bauda de
infanteria 14 e cysne Mondego D. Amelia Jenny. Jubilo povo excitado por
Quatorze e por Cysne innarravel.

CAPITULO IV

Bussaco... d'agosto. Sua magestade Anjo recusa licença a _touristes_
comerem saborosos peixes ria d'Aveiro em secular floresta. Preciosos
Penhores pequeno passeio durante 1 hora, 28 minutos, 14 segundos.
Jubilo povo augmenta.

CAPITULO V

Bussaco... d'agosto. Desmente-se noticia Anjo prohibir _touristes_
petisqueira saborosos peixes ria Aveiro secular floresta. N'este mesmo
momento secular floresta saborosos peixes estão sendo comidos
_touristes_ com approvação d'Anjo. Preciosos Penhores pequeno passeio
meia hora e 16 1/2 segundos. Jubilo povo toca raias.

CAPITULO VI

Bussaco... d'agosto. Sua magestade Anjo e suas altezas Preciosos
Penhores acabam de partir Porto, comboyo expresso. Anjo e Preciosos
Penhores não mais a secular floresta. Raias ultrapassadas por jubilo
povo.

CAPITULO VII

Vidago... d'agosto. Sua magestade Excelso Soberano, acompanhado duas
phylarmonicas e quarenta maiores contribuintes montados quarenta
maiores eguas, chegou sem novidade real saude. Indiscriptivel jubilo
povo.

CAPITULO VIII

Vidago... d'Agosto. Excelso Soberano foi tomar aguas 10 horas. Voltou
tomar aguas 4 horas. Jantou 6 horas. Centenares de pessoas presencearam
acto Excelso Soberano tomar aguas. Grande ardor geral pelas instituições
monarchicas e pela dynastia. Jubilo povo tende a augmentar, se possivel
fôr.

CAPITULO IX

Vidago... d'agosto. Excelso Soberano encontrou real passagem dois
rapazes de joelhos. Excelso Soberano afagou. Lagrimas punhos faces
pessoas viram Excelso Soberano afagar rapazes joelhos. Jubilo povo toca
zenith.

CAPITULO X

Vidago... d'agosto. Excelso soberano partiu tarde acompanhado
phylarmonicas, contribuintes e maiores egoas. Estes logares, ausencia
excelso soberano e real sequito, convertidos triste ermo. Jubilo povo
impossivel descrever palavras humanas.

CAPITULO XI

Porto... d'agosto. Hoje, fim da tarde, entrada triumphal n'este Baluarte
liberdade sua magestade Anjo da Caridade acompanhada de suas altezas
Louras Creanças. Jubilo povo de Baluarte e concelhos ruraes adjacentes
delirante.

CAPITULO XII

Porto... d'agosto. Presidente camara municipal disse a Anjo da Caridade
que Baluarte se gloriava ter Anjo no seio. Jubilo povo frenetico.

CAPITULO XIII

Porto... d'agosto. Louras creanças passear Palacio Crystal. Anjo não
passeiar Palacio Crystal. Jubilo povo febril.

CAPITULO XIV

Porto... d'agosto. Anjo e Louras Creanças foram photographar-se ao
atelier Fritz. Duas innocentes meninas entregaram ramos de flores a Anjo
da Caridade. Anjo afagou. Circumstantes lagrimas em fio pelas faces.
Anjo e Louras Creanças retrataram-se em cinco posições differentes, que
são todas as posições de que é susceptivel o corpo humano, a saber: em
pé, sentados, ajoelhados, acocorados e deitados. Jubilo povo
vertiginoso.

CAPITULO XV

Porto... d'agosto. A este Baluarte liberdades patrias acaba chegar
augusto Neto heroico Pedro IV. Presidente camara municipal disse
Baluarte se gloriava ter Neto heroico Pedro no seio. Colxas dos
defensores Baluarte ás janellas. Jubilo povo epileptico.

CAPITULO XVI

Porto... d'agosto (urgente) Rapazes achados Vidago por Neto heroico
Pedro IV entraram Baluarte liberdade em exposição triumphal. Rapazes
precediam coche real de joelhos em carruagem descoberta. Jubilo povo,
vendo rapazes exposição joelhos carruagem descoberta, inultrapassavel.

CAPITULO XVII

Porto... d'agosto. Neto heroico Pedro IV, Anjo Caridade e Louras
Creanças regressam hoje comboyo expresso a Lisboa. Governador civil,
bispo, senhoras, beijar mão Neto, Anjo, Louras Creanças. Derradeiro
adeus estação. Baluarte liberdade sem Louras Creanças, Anjo e Neto,
medonho ermo. Jubilo povo intradusivel linguagem humana.


NOTAS


AOS ANNAES DA VIAGEM DE SUAS MAGESTADES E ALTEZAS

A

_Desmente-se noticia Anjo prohibir touristes petisqueira etc._
Informações subsequentes ministradas aos jornaes pelo _Banhista de Luso_
explicam a materia do capitulo que principia pelas palavras acima
reproduzidas.

Os _touristes_ a quem foi denegada licença para celebrarem um _pic-nic_
dentro da floresta do Bussaco, requereram respeitosamente a sua
magestade que se dignasse conferir-lhes a permissão de comerem os peixes
que tinham pescado para o _pic-nic_, não já dentro, mas sim fóra da
matta.

Foi a este segundo requerimento, attendendo ás supplicas dos _touristes_
e ao estado em que começavam a achar-se os peixes, que sua magestade se
dignou de deferir de um modo inteiramente amavel e munificente.

O precedente estabelecido pelos touristes do Bussaco deixa-nos porém
immersos na mais acerba incerteza ácerca dos pontos da superficie solida
do reino em que nos é licito comermos peixe sem invadirmos as
residencias de suas magestades.

Porque, desde o momento em que não só as grandes serras mas tambem as
bacias dos valles adjacentes se consideram, pela jurisprudencia invocada
no Bussaco, como dependencias dos aposentos da real familia, ficamos
perplexos sobre se o safio que pescámos esta manhã no logar do Bico na
praia da Cruz Quebrada o poderemos comer em nossa casa sem por este
facto invadirmos, posto que inconscientemente, a sala de jantar dos
nossos reis. E pedimos ardentemente para sermos esclarecidos sobre a
solução d'este problema:

Dado um safio pescado á linha na ponta do Bico na praia da Cruz
Quebrada; achando-se a Cruz Quebrada na dependencia geologica do Paço de
Queluz pelo valle da ribeira do Jamor, e do Paço da Ajuda pelas
quebradas e pelas vertentes da serra de Monsanto; achando-se por outro
lado o safio ao lume dentro do seu respectivo tacho, entre duas camadas
de cebola e tomate, com o competente fio d'azeite e o devido pimentão;
tendo tido cinco minutos de fervura e havendo sido sacudido por duas
vezes sem se destapar o tacho;

Pergunta-se:

Se podemos passar a comer o safio, collocados na dita latitude da Cruz
Quebrada, entre os reaes paços de Queluz e da Ajuda, sem por esse acto
faltarmos ao respeito devido á inviolabilidade das montanhas, dos valles
e das ribeiras que suas magestades se dignaram eleger para residir.

Esperamos, com o safio ao lume e com o acatamento mais profundo pelas
reaes ordens, que o sr. Barros e Cunha, encarregado juntamente com o sr.
Alcobia de transformar as matas do reino em aposentos de sua magestade,
queira dizer-nos se o monte em que habitamos pertence ou não ao numero
d'aquelles que s. ex.ª se acha mobilando para recreio de suas magestades
em collaboração com o seu socio nas reformas do ministerio das obras
publicas o sr. estofador Alcobia.

O melhor talvez--permittam-nos os srs. Barros e Alcobia suggerirmos esta
ideia--seria, para não estafar muito o ministerio de suas excellencias
com o despacho de repetidas petições do caracter da nossa, que suas
excellencias assignalem com marcos geodesicos as regiões que vão ser
forradas de papel para aposentos reaes, e que n'esses postes se
especifique com os devidos letreiros: _Aqui se pode comer o saboroso
peixe_ ou _Aqui o saboroso peixe se não pode comer_.

E o paiz todo beijará reconhecido a mão energica dos srs. conselheiros
da coroa Alcobia e Barros e Cunha!

B

_Rapazes achados Vidago por Neto heroico Pedro IV entraram Baluarte
liberdade em exposição triumphal._ Correspondencias minuciosas explicam
detidamente o episodio narrado n'este capitulo.

El-rei encontrava todos os dias, em determinado ponto dos seus passeios,
dois rapazes que se ajoelhavam por occasião da passagem de sua
magestade. El-rei commovido com a precocidade de uma bajulação tão
vigorosa manifestada em annos tão verdes, indagou-se uma tal affirmação
de subserviencia procedia de preleções previas dadas por algum aulico
ou se representava um movimento instinctivo no caracter dos dois
adolescentes. Descobriu-se que os meninos ajoelhavam por effeito da mais
pura pusilanimidade organica. Sua magestade resolveu, em vista de tão
honrosas informações, levar comsigo os dois esperançosos jovens e
encarregar-se da sua educação. Foram esses dois rapazes os que entraram
em trinmpho na cidade do Porto, indo em carruagem descoberta e
precorrendo as ruas adiante da carruagem de sua magestade. Não sabemos
se durante todo o precurso do cortejo os rapazes se conservaram, como
deviam, sempre de joelhos. O que é certo é que o quadro a que nos
referimos commoveu muito as pessoas que o presencearam, segundo
asseveram todas as noticias do Porto e de Vidago.

Folgamos de poder completar as informações colhidas por el-rei ácerca
dos seus pupillos com o fructo das nossas proprias indagações, porque é
de saber que os rapazes de joelhos não apparecem unicamente a sua
magestade, apparecem a todos aquelles que viajam nas estradas do Minho e
de Traz-os-Montes. O que escreve estas linhas por mais de uma vez se
encontrou com o commovente quadro, não deixando nunca de o saudar com
um expressivo meneio do seu bordão, perante o qual os rapazes em joelhos
se punham em pé com uma velocidade cheia de convicção e de enthusiasmo.
E nós, então, diziamos-lhes com a mais pesada voz:

--Ah! poltrões! Ah! covardes! Ah! sapos! Que se torno a encontrar algum
de joelhos deante de mim, applico-lhe uma carga de pau, que lhe ponho o
lombo mais negro que o de um melro! Teem o atrevimento de pedir esmola,
seus sicarios?... E ainda por cima se me desculpam com o exemplo de
Jesus Christo?! _Nosso Senhor tambem pediu_!!... Em que escola
aprendeste tu a cartilha, meu grande camello?... O que tu merecias é que
eu te metesse uma zaragatoa de pimenta n'essa bocca para te ensinar a
blasphemar! Jesus pediu esmola, mas não foi para que tu a pedisses
tambem, grande vadio! Jesus pediu esmola para te honrar com a sua
confraternidade, para te mostrar que apesar de teres lendeas, de
trazeres as orelhas sujas e de andares descalço, tens, pelo facto de ser
homem, uma origem divina e que te deves respeitar tanto a ti proprio
como se fosses um imperador ou um rei. Para te tornares digno do grande
obsequio que te fez Jesus andando pelo mundo a pregar a igualdade e a
fraternidade de todos os homens, feitos, segundo o mesmo Jesus, á imagem
e similhança de Deus, a tua obrigação é lavar a cara e as orelhas,
conquistar pelo trabalho uns sapatos para esses pés e trazer-me essa
cabeça levantada e firme como quem tem a convicção de ser tanto como
qualquer outro. Foi para isso que te ensinaram que Deus andou pelo mundo
a pedir, percebeste, grande mariola? Deus pediu para se parecer comtigo,
dando-te por esse modo a aspiração de te pareceres egualmente com elle
fazendo-te uma pessoa limpa e honesta. Deus consentiu em pedir pela
mesma razão que consentiu em ser crucificado, não para dar o exemplo da
mendicidade e do homicidio, mas sim ao contrario para que a sociedade se
reconstituisse no sentido de não tornar a haver quem enforcasse nem quem
pedisse. O pão nosso de cada dia ganha-se com essas duas pernas que Deus
te deu para trabalhares e não para te pôres de joelhos nos caminhos a
pedir esmola a quem passa. Jesus nunca se ajoelhou senão debaixo do
trabalho representado pela sua cruz ou diante do amor representado por
sua mãe. De joelhos perante a minha força ou perante o meu dinheiro tu
és indigno da tua gerarchia d'homem e não passas de uma besta sordida e
immunda.

Depois de praticas da natureza d'esta, que nunca deixamos de fazer aos
rapazes que nos appareceram ajoelhados pelos caminhos, e as quaes
praticas sempre acompanhamos de temerosos gestos mostrando o punho
cerrado e os bicos dos nossos sapatos--de tres solas repregados de
terriveis tachas vingadoras, de duas azas, do tamanho de
moscardos--concluiamos por uma eloquente peroração perguntando aos
rapazes onde era a escola.

Temos a honra de informar sua magestade el-rei que os rapazes que
apparecem de joelhos pelas estradas não sabem nunca onde fica a escola.

Os paes não os ensinam a ler. Creados na abjecção da mendicidade,
habituados a fingir, a choramigar, a carpir, costumados desde pequenos a
serem maltratados, repellidos, injuriados, tornam-se homens servis,
rasteiros, malevolos, vingativos, mandriões e covardes.

São elles os que em maior numero contribuem para o consumo das facas de
ponta, para o exercicio das policias correccionaes, para o repovoamento
successivo das cadeias e dos hospitaes.

Sua magestade esqueceu que, em quanto esses rebentos da preguiça, esses
embriões do vicio e da miseria se ajoelhavam aos seus pés, outros
pequenos cidadãos uteis estavam na escola ou nos casaes circumvisinhos,
uns aprendendo a ler, outros ajudando as suas mães a metter o pão ao
forno, a deitar o feno ás vacas, a acarretar a lenha, a enfeichar as
medas ou a debulhar o milho.

Sua magestade, agasalhando os vadios e expondo-os em triumpho aos olhos
dos laboriosos, deu um exemplo que influirá nos costumes e a que podémos
chamar:--o premio Monthyon da malandrice.


       *       *       *       *       *


Um attentado unico sem precedentes nos fastos do arbitrio executivo
acaba de ser impunemente perpetrado contra a ordem moral por um ministro
da corôa, o sr. Barros e Cunha.

Quando os erros dos ministros versam sobre os negocios das suas
respectivas secretarias a critica pode consideral-os sem protesto, como
phenomenos normaes em um regimen em dissolução destinado a acabar um
pouco mais tarde ou um pouco mais cedo.

Quando porém a acção do poder exorbita da mancommunação ministerial, da
intriga parlamentar e da ficção administrativa, para invadir a esphera
do trabalho individual e para violar accintosamente os direitos
inalienaveis dos cidadãos, a critica deixa então de proceder pelo
desdem, e embora continue a sorrir, tem o dever de pegar no mesmo tição
com que Renaldo de Montauban chamusca no poema gaulez as barbas de
Carlos Magno, e de barbear s. ex.ª o alto funccionario delinquente.

       *       *       *       *       *

Precisamos de esboçar um pouco de mais alto a physionomia do personagem
antes de nos occuparmos da natureza dos seus ultimos actos.

Antigo poeta lyrico de inspiração canalisada pelos jornaes poeticos e
pelos albuns das meninas provincianas, o sr. Barros e Cunha, abandonando
a carreira poetica, foi enviado na idade madura á camara dos deputados
na qualidade de leitor do _Times_ por um circulo do reino em que se não
sabia inglez.

Classificado desde logo na familia zoologica dos mediocraceos, foi
declarado inoffensivo pela unanimidade dos votos de ambos os lados da
camara. O uso quotidiano de uma palavra irresponsavel, que elle debalde
tentava sublinhar malignamente sem conseguir que ninguem se occupasse em
a controverter, deu-lhe a facilidade de emittir intermitentemente um
determinado numero de sons articulados sem connexão logica, sem forma
litteraria, sem criterio philosophico, sem intuito politico, os quaes
sons reunidos constituem a collecção dos discursos parlamentares de s.
ex.ª.

Todos se lembram de o ter visto em cada uma das sessões das ultimas
legislaturas levantar-se do seu logar no meio da indifferença bocejante
da camara e da galeria, folhear os numeros do _Times_ collocados sobre a
sua carteira, e abrir o dique da incontinencia oratoria, despejando as
palavras n'um tom de melopêa com a sua voz ao mesmo tempo doce e nazal,
como a de quem falla por um nariz de assucar.

No discurso proferido viam-se desfilar processionalmente as diversas
partes da oração, cadenceadas, graves, acertando o passo, olhando para
acenar, esperando umas, correndo outras para alinhar o prestito, fazendo
roda entre parentheses para entoar um moteto, detendo-se para fazer
signaes orthograficos a um adjectivo retardatario, continuando em
seguida, para tornarem a parar d'ahi a pouco em torno de um verbo
irregular, e proseguirem outra vez atraz de uma interjeição de duvida ou
incerteza. Até que, sentindo-se cahir a tarde, principiando a esfalfar
os membros do discurso, começando os adjectivos a sentarem-se pelos
passeios, os substantivos a tirarem as botas a os adverbios a pedirem de
beber, via-se finalmente, ao longe, por entre as tochas, envolto no pó
do caminho, apontar o andôr com um simulacro de uma idéa velha,
carcomida, safada, sacudida á rua de todas as casas, impellida adeante
das vassouras por todos os varredores, apanhada successivamente por
todas as carroças, e por ultimo arrancada do monturo ou do esgoto,
lavada, grudada, repintada, retingida, posta em pé, especada entre duas
ripes e produzida em publico por s. ex.ª, n'uma exposição solemne, ao
fundo de seis columnas de prosa alambicada e caturra.

Estas fallas eram acompanhadas por s. ex.ª com variados gestos
carinhosos e piegas: já de quem amamenta as methaphoras que tem ao
colo, já de quem acaricia e afaga buliçosos tropos adjacentes, já de
quem com o bico do lapis seguro nas pontas dos dedos se compraz em picar
no ambiente argumentos hypotheticos voejantes entre o orador e a mesa
adormecida.

Elle no entanto sorria de quando em quando, ironico e triumphal,
circumgirando pela sala no fim de cada periodo um olhar destinado a
indicar ao auditorio que dentro do seu pequenino craneo a malicia de
Bertholdinho se achava alliada á finura de Polycarpo Banana.

Uma vez pelo menos em cada um d'esses discursos, quando o orador
parando, tirava da algibeira da sobrecasaca o seu lenço branco e batia
com os nós dos dedos na carteira para que lhe renovassem o copo d'agua,
vozes de deputados repentinamente extremunhados applaudiam-o. O que não
consta é que ninguem se lembrasse nunca de o contrariar.

       *       *       *       *       *

Cahido o dente do sr. Fontes e chamado o sr. marquez d'Avila para formar
novo ministerio, o sr. Barros e Cunha entrou no gabinete a titulo de
«caracter conciliador.» Deputado ás cortes em successivas legislaturas,
tendo a palavra em quasi todas as sessões, tão vigorosamente havia
servido a causa ecletica da banalidade que não conseguira crear um unico
adversario. Taes foram os titulos que levaram s. ex. aos conselhos da
corôa.

Repentinamente investido no cargo de ministro das obras publicas, do
commercio e da industria, s. ex.ª para quem a industria, o commercio, as
obras, eram outros tantos porticos inaccessiveis, envoltos nas trevas
mais augustas, resolveu seguir uma linha de proceder que o levasse á
popularidade sem o intrometter na gerencia e na direcção dos negocios.

Para esse fim s. ex.ª começou a passear as ruas de Lisboa montado na
imagem rhetorica em que Napoleão nos apparece nos discursos do sr.
Manuel da Assumpção. Aos sabbados s. ex.ª tomava o caminho de ferro e
dirigia-se em carruagem salão a todos os pontos da provincia em que
houvesse uma fabrica, uma officina, um monumento publico para que olhar,
e uma phylarmonica para o ir esperar á _gare_.

No desempenho d'esta primeira parte do seu programma s. ex.ª foi de uma
actividade e de uma energia sem exemplo. Amanhecia a cavallo, anoitecia
a cavallo, e deitava-se na cama, altas horas, para dormir um
momento--tambem a cavallo. Estes exercicios de gineta amestraram o
cavallo de s. ex.ª até o ponto de poder elle proprio ser ministro--em
liberdade.

Nas suas digressões pelos centros fabris das redondezas da Extremadura o
zelo de s. ex.ª pelos principios do seu programma administrativo não
conhecia limites. Eis uma amostra do caracter d'essas viagens
hebdomadarias:

S. ex.ª chega a Thomar pelo trem do correio ás 12 horas 45 m. da tarde.
Uma phylarmonica espera-o na estação de Payalvo e acompanha-o ao som do
hymno da carta até casa do sr. conde de Thomar. Ás duas horas da
madrugada s. ex.ª ceia e levanta tres brindes a Thomar, á real familia e
á carta. A' 4 horas 25 minutos encerramento de s. ex.ª nos aposentos que
lhe estavam reservados e leitura do _Times_ até ás 5 horas 30 minutos.
A's 5 horas 31 minutos s. ex.ª descalça metade das botas e repousa um
momento deitando-se sobre uma orelha e escutando com a outra os eccos do
hymno da carta. A's 6 horas, convergencia das forças musculares de s.
ex.ª sobre os puchadores das suas botas e pedido d'agua morna para a
barba de s. ex.ª A's 7 horas, sabida de s. ex.ª dos aposentos que lhe
estavam reservados, presença de s. ex.ª no terraço da casa e aspersão
dos raios visuaes de s. ex.ª sobre a paisagem circumjacente. A's 8 horas
recepção da camara municipal e dos tres ou quatro maiores contribuintes.
A's 9 horas almoço com brindes de s. ex.ª á carta, a Thomar e á real
familia. A's 10 horas ida para a fabrica de fiação. As' 12 horas lunch
na fabrica e brindes de s. ex.ª á real familia, a Thomar e á carta. A' 1
hora da tarde volta para Thomar, jantar e brindes de s. ex.ª á carta, á
real familia e a Thomar. A's 3 horas 36 minutos partida, cortejo, hymno
pela phylarmonica na estação de Payalvo e regresso de s. ex.ª á capital.

       *       *       *       *       *

Uma vez por semana, ás quintas feiras, s. ex.ª acompanhava os seus
collegas ao Paço. Tendo mostrado sobre o chouto da allegoria do sr.
Manuel da Assumpção que possuia uns rins de bronze; tendo provado nas
digestões accumuladas das mayonaises do sr. conde de Thomar e dos
pudings da fabrica de fiação que era dotado de um estomago d'aço, s.
ex.ª aproveita os seus encontros com o soberano para convencer a côrte,
de que reune a esses dotes anathomicos a feliz particularidade de uma
espinha de cebo.

Submettido ao olhar de suas magestades constatou-se que a posição
vertical de s. ex.ª dobrava como uma vela ao sol, sob a temperatura de
35 graus Reaumur. Contemplado pela rainha s. ex.ª deprimia-se
progressivamente, acachapando-se. O seu uniforme fazia as pregas de uma
concertina que se fecha. A rainha, caridosa, olhava então para outra
parte a fim de que os tecidos democraticos do seu secretario de estado
não acabassem de derreter, deixando nos degraus do throno, como despojo
de quanto representara no Paço o departamento das obras publicas, um
fardamento, uma calva e uma nodoa.

Impedido de fundir, s. ex.ª procura manifestar por outros actos o ardor
do seu zelo como novo aulico.

Para esse fim atropela as disposições legislativas que regulavam o
arrendamento das casas do Bussaco entregues á administração geral das
mattas, rescinde os contractos legalmente feitos com os arrendatarios,
expulsa as familias que habitavam o convento, e offerece este a sua
magestade a rainha para ella passar a estação calmosa--nas casas dos
outros.

Desde o tempo dos antigos aposentadores móres, que precediam os reis
absolutos nas suas viagens e faziam despejar as casas occupadas por seus
donos para n'ellas se instalar a corte, nunca o servilismo ousara fazer
reviver para lisongear os reis um dos mais oppressivos privilegios
monarchicos, o privilegio das aposentadorias, abolido desde 1820. Os
mais atrevidos e insolentes mandões não ousaram jámais ultrajar por tal
modo o direito e a liberdade. Era preciso para isso ter como o sr.
Barros e Cunha a natureza chineza de um mandarim; pousar no paço tão
passivamente e tão irresponsavelmente como pousa um boneco de porcelana,
acocorado a um canto n'uma prostração burlesca, bolindo automaticamente
com a cabeça e deitando a lingua de fora ou mettendo-a para dentro,
segundo leva ou não leva da real mão um piparote na nuca.

Para bajular el-rei como bajulára a rainha o mandarim sr. João Gualberto
determina que obras extraordinarias se façam na estrada de Vidago e
manda abonar por conta do ministerio das obras publicas salarios na
importancia exorbitante de 1$200 réis por dia aos operarios empregados
em um dos lanços da estrada alludida.

       *       *       *       *       *

Estes factos porém, definindo cabalmente o mandarim pela sua face de
cortezão, não o definiam sufficientemente pelo seu lado de ministro. Os
conselheiros de s. ex.ª tangeram-o na nuca para o fazer deitar de fora
algumas portarias. Aproveitou-se o pretexto das obras da Penitenciaria,
e s. ex.ª principiou a verter portarias sobre essas obras. Foi então que
no _Diario do Governo_ appareceu o documento que nos propomos analysar e
começamos por transcrever:

«Sua magestade el-rei, a quem foi presente o processo relativo ao
contrato celebrado em 18 e 19 de setembro de 1876 pelo director das
obras da penitenciaria central de Lisboa com João Burnay, para
fornecimento de ferros para as obras d'aquelle estabelecimento,
considerando:

«1.° Que esse contrato se encontra viciado;

«2.° Que n'elle se não observou o que dispõe o artigo 10.° do
regulamento de 14 de abril de 1856 e circular de 15 de maio de 1862;

«3.° Que não se abriu praça nem se fez deposito algum, conforme dispõe
a circular de 15 de maio de 1857, e as clausulas e condições geraes de
empreitadas das obras publicas de 8 de março de 1861;

«4.° Que ao contrato, por conta do qual o empreiteiro recebeu
adiantadamente na importancia de 88.889$312 réis, falta a approvação do
governo, segundo o disposto no artigo 2.° das mesmas clausulas e
condições geraes e da circular de 15 de maio de 1862:

«Ha por bem ordenar que se dê por findo e terminado o dito contrato,
procedendo-se á liquidação dos artigos já fornecidos ou em deposito,
observando-se de futuro todas as prescripções em vigor n'este ministerio
para quaesquer contratos em que elle tenha de interferir.

«O que, pela secretaria de estado dos negocios das obras publicas,
commercio e industria, se communica ao director das obras publicas do
districto de Lisboa, para os devidos effeitos, em referencia ao seu
officio datado de 26 de junho ultimo.

«Paço, em 3 de julho de 1877.--_João Gualberto de Barros e Cunha._

«Para o director das obras publicas do districto de Lisboa».

       *       *       *       *       *

Por esta portaria rescinde-se sem mais appellação nem aggravo um
contrato bilateral feito entre um industrial, o sr. J. Burnay, e o
governo. Ora o governo não é um poder pessoal, de caracter intermitente
ou caduco, que acabe com o sr. Avelino e que recomece com o sr. Barros e
Cunha. O governo é uma entidade impessoal e constante.

O sr. Barros e Cunha é obrigado como ministro a manter todos os
contractos feitos pelo seu ministerio, porque em quanto ministro o sr.
Barros e Cunha não é um individuo, é o governo. O governo fez um
contracto com o sr. Burnay, esse contracto acha-se em execução, o
governo porem resolve por sua propria auctoridade rescindir o mesmo
contracto, e manda passear o sr. Burnay. Vejamos com que fundamentos
juridicos se annulla, sem mais formalidade que a publicação de uma
portaria, um contracto de similhante natureza:

O sr. Barros e Cunha allega em primeiro logar:

_Que o contracto se acha viciado_. A isto responde o engenheiro
constructor da Penitenciaria e signatario do contracto por parte do
governo que a viciação allegada consiste em se haver alterado a data em
que o sr. Burnay se compromette a concluir os seus trabalhos, mudando-se
os numeros 1877 em 1876. O resultado d'esta viciação era collocar o sr.
Burnay sob a acção de uma multa por não ter concluido a sua obra no
praso prefixo. É evidente que não podia ser o sr. Burnay que viciasse o
contracto raspando um algarismo que o interessa e substituindo-o por
outro que o prejudica.

A viciação do contracto é por tanto um facto necessariamente alheio á
intervenção do sr. Burnay.

A legislação invocada nos considerandos 2.° e 3.°, não tem cabimento,
porque todos os regulamentos das empreitadas das obras publicas previnem
os casos em que _a concorrencia possa prejudicar a rapidez ou a
perfeição do trabalho_ e em que o _deposito póde ser substituido por
fiança ou por outras garantias prestadas pelo empreiteiro_. E ambos
estes principios são reconhecidos pelo sr. Barros e Cunha, o qual
contractou elle mesmo novas obras com o sr. Burnay depois da publicação
d'esta portaria, sem abrir concurso e sem fazer deposito.

As affirmações contidas no considerando n.° 4, são puramente falsas,
como já declararam publicamente os engenheiros Ferraz e Burnay. A falta
da approvação do governo é uma mentira e o adiantamento de 88:886$312
réis é uma calumnia.

Suppondo porem que as obras devessem ser feitas por concurso e mediante
deposito, perguntamos: que responsabilidade pelo facto de não haverem
sido satisfeitas essas clausulas póde caber ao fabricante, ao fornecedor
ou ao empreiteiro com quem o governo contractou? Queriam por acaso que
fosse o sr. Burnay quem abrisse o concurso? que fosse elle quem a si
mesmo se obrigasse ao deposito? Se não se cumpriram as formalidades a
que a portaria se refere, a culpa é unicamente do governo. Como é pois
que o governo rescinde um contracto por um facto cuja culpa é d'elle e
não do individuo com quem elle contractou?

Podem aquelles que tem negocios com o governo ficar sujeitos a
similhante arbitrio?

Póde o governo annullar assim um contracto em que se acham envolvidos
interesses avultados d'aquelle com quem é feito unicamente porque o
governo diz reconhecer que não contractou nos termos em que devia ter
contractado?

Foi approximadamente isso mesmo o que fez a camara municipal com relação
ao contracto do Passeio Publico. A camara rescindiu o contracto, mas o
governo dissolveu a camara. Quem é que ha de dissolver o governo reu de
delicto egual ao da camara?

Em vista de um tão flagrante attentado contra os seus interesses
industriaes, contra o seu credito e contra a sua honra, porque a
portaria alludida é cheia de vagas insinuações insultantes e injuriosas
apesar de cobardemente rebuçadas, o sr. João Burnay representou ao
governo requerendo que se lhe dê vista do processo em que é ao mesmo
tempo accusado e punido, e que sobre o mesmo processo sejam ouvidos os
fiscaes da corôa e da fazenda. O sr. Barros e Cunha não despachou esta
petição e manteve os effeitos da sua portaria absurda, falsa,
calumniosa, e infamante.

É a isto que nós chamamos o mais violento dos attentados perpetrado pelo
arbitrio executivo contra a ordem moral e contra os direitos dos
cidadãos.

       *       *       *       *       *

O sr. Barros e Cunha é um criminoso diante do codigo e diante da carta.

A carta torna-o responsavel no artigo 103 por tres delictos que
commetteu publicando a portaria de 3 de julho de 1877: por abuso do
poder, por falta de observancia da lei, e pelo que obrou contra a
liberdade e contra a propriedade de um cidadão.

Perante o codigo attentou contra dois dos direitos que a lei civil
reconhece e protege como fonte e origem de todos os outros,--contra o
direito de apropriação e contra o direito de defesa (artigo 359).

A insinuação feita ao sr. Burnay de ter viciado um contracto que elle
não viciou e de haver recebido a titulo de adiantamento uma quantia que
elle não recebeu, colloca o signatario da portaria que encerra essa
calumnia sob a acção do artigo 2364 do codigo civil, que diz o seguinte:

«A responsabilidade criminal consiste na obrigação, em que se constitue
o auctor do facto ou da omissão (na portaria ha a omissão e o facto) de
submetter-se a certas penas decretadas na lei, as quaes são a reparação
do damno causado á sociedade na ordem moral. A responsabilidade civil
consiste na obrigação, em que se constitue o auctor do facto ou da
omissão, de restituir o lesado ao estado anterior á lesão, e de
satisfazer as perdas e damnos que lhe haja causado.»

Um só caso previsto no codigo pode relevar o sr. Barros e Cunha da
responsabilidade civil e da responsabilidade criminal da portaria que
perpetrou. Esse caso é o de completa embriaguez ou de provada demencia.

       *       *       *       *       *

Cumpre notar que o cidadão João Burnay sobre quem pesa uma tal offensa
não é um empreiteiro vulgar, um especulador de concursos ficticios
simulados para apadrinhar intrigantes. João Burnay é um engenheiro de
primeira classe, um mathematico distincto, uma intelligencia largamente
cultivada, um caracter de uma honestidade inviolavel. Como trabalhador
elle é o mais elevado exemplo que se pode propor á mocidade portugueza.
Nenhum outro homem da geração moderna espalhou como elle em volta de si
pelo puro exercicio das suas faculdades creadoras uma tão grande e tão
preciosa actividade. É o proprietario e o chefe de uma grande officina
modelo do seu genero. Pelo exforço do seu talento extrae da natureza os
elementos que fazem subsistir honradamente na sociedade de Lisboa alguns
centenares de familias. Todo o paiz em movimento de civilisação se
lisongearia de o poder contar entre os seus filhos mais prestanles e
mais benemeritos, porque é por meio da iniciativa de homens como elle
que os estados se moralisam e se enriquecem.

Na nossa sociedade estagnada pela indolencia e pela corrupção elle é
impunemente estorvado, calumniado, atraiçoado na mais legitima das suas
aspirações--a aspiração do trabalho, por um ministro filho da intriga
constitucional, sahido do parlamentarismo mais banal e mais chato, não
exercendo nunca o trabalho nem sendo capaz de o respeitar em quem o
exerce, tendo vivido sempre no parasitismo da politica, não produzindo
coisa alguma, não tendo finalmente servido aos seus similhantes para
outra cousa que não seja empobrocel-os quando come e corrompel-os quando
governa.

       *       *       *       *       *

Todavia não queremos mal ao sr. Barros e Cunha. Elle é simplesmente o
producto fatal do seu meio. Inspira-nos um interesse sympathico a triste
maneira de acabar que o está esperando. Os seus erros successivos
offerecerão á critica e ao ataque uma vasta superficie exploravel. As
suas faculdades não lhe permittirão defender-se.

D'aqui lhe fazemos uma prophecia: será medonhamente batido e
deploravelmente derrotado, não porque offendeu o direito na pessoa de um
trabalhador obscuro, o engenheiro João Burnay, não porque foi injusto,
mas sim porque é inhabil e porque é fraco. É isto, e não aquillo, o que
nunca lhe perdoarão os partidos politicos com os quaes irá dentro em
pouco achar-se em hostilidade. Será o alvo das retaliações mais
violentas, dos discursos mais acerbos na camara, dos artigos mais
explosivos na imprensa. Hão de cercal-o como cercam os cães um javardo
condemnado á morte. O improperio ha de se lhe aferrar ás espaduas e ha
de mordel-o na nuca. A ironia ha de rir-lhe no nariz com uma gargalhada
feroz, mostrando-lhe os dentes anavalhados e agudos,--de jacaré. A
logica ha de lançar-lhe ao pescoço a sua golilha forrada de puas de
ferro e hade leval-o de rastos por um grilhão atraz d'ella. A pilheria
ha-de pôr-lhe rabos. A chalaça ha-de pegal-o com breu á cadeira de
ministro. A chufa ha de coser-lhe as abas da casaca a um trambolho. A
pulha ha-de deitar-lhe pós de sapatos. A laracha ha-de esguichal-o com
tinta de campeche. A chacota ha-de fazer-lhe sair do nariz bandeirolas e
baralhos de cartas. A troça ha-de dar-lhe no ventre estrondosas palmadas
de zabumba em theatro de feira.

E nós apiedar-nos-hemos, por que nos magoam os espectaculos em que se
destroe para sempre a dignidade de um homem. É por isso que damos ao sr.
Barros e Cunha um conselho amigavel. S. ex.ª póde ser ainda um cidadão
util e respeitavel. O que não póde é alliar esses titulos com o de
ministro e secretario de estado dos negocios das obras publicas,
commercio e industria.

Ha uma cousa mil vezes mais meritoria do que ser um mau ministro, é ser
modestamente um bom homem. S. ex.ª póde ser bom homem. Seja-o. Seja-o
para honra sua e dos seus similhantes. Demitta-se. Vá para sua casa.

Ser um ministro do genero de s. ex.ª é facil. Não o ser, porém não é
mais difficil. Vá para casa. Dizem-nos que é rico. É além d'isso
anglomano. Vá para casa cultivar esmeradamente a sua anglomania, sem
desdouro para si nem para a especie de que faz parte. A exiguidade do
seu craneo, cuja circumferencia mede uma quantidade de centimetros
extremamente inferior á que a sciencia anthropologica exige para a
elaboração das grandes e fortes idéas, não o impede ainda assim de ser,
por exemplo, um cultivador modesto e prestante. Os chapeus do fallecido
sr. Thiers, do sr. Disraelli, do sr. de Bismark cahem até o pescoço de
s. ex.ª e deixam a sua pobre cabecinha tanto á larga dentro d'elles como
um ovo dentro d'um sino. Mas ninguem tem obrigação de possuir
precisamente o cerebro d'um reorganisador e d'um estadista.

A massa cephalica de que s. ex.ª dispõe habilita-o perfeitamente para
ser muito util, dirigindo a cultura da celebre batata-rim, tão rara, tão
preciosa, tão procurada no mercado de Londres. S. ex.ª poderia ainda
tentar nas suas vastas propriedades a creação em grande escala dos
coelhos, á moda ingleza, o fabrico da manteiga, a queijaria, a
piscicultura, o aperfeiçoamento das raças lanigeras, o estabelecimento
das pateiras e das capoeiras-modelos, etc. Se s. ex.ª applicasse as
forças do seu nervosismo a prestar á humanidade esses serviços modestos
mas valiosos, s. ex.ª teria as grandes alegrias, as profundas
satisfações tranquillas das naturezas harmonicas, e o seu nome seria
querido e abençoado como o d'um cidadão prestadio e d'um homem de bem.

Persistindo em ser um politico, s. ex.ª deixará apenas na terra o
desprezo com que a humanidade castiga aquelles que, imaginando servil-a,
não fizeram senão prejudical-a.

Assim como a ferocidade, a incompetencia tem tambem os seus Attilas. A
differença é, que uns requeimam a herva, os outros comem-a. O estrago é
o mesmo.


       *       *       *       *       *


O registo das producções musicaes portuguezas foi enriquecido durante o
periodo a que se refere este volume com tres novas obras, qual d'ellas
mais caracteristica e mais monumental. Passamos a consagrar a cada uma a
attenção que lhe é devida.

       *       *       *       *       *

_As Cutiladas do Passeio Publico_ é o titulo de uma polka refutativa dos
principios estheticos por onde os doutos costumavam até hoje determinar
as fontes da inspiração artística.

Aos elementos que concorrem para a gestação de uma obra d'arte, a
orientação ethnologica, a tradição nacional, o solo, o clima, os
aspectos da paizagem, temos de accrescentar uma nova força geradora:--a
força da pancadaria.

Na occasião em que os bons e pacificos burguezes de Lisboa tomavam o
fresco de uma noite de julho no Passeio Publico do Rocio, do qual elles
são os legitimos e directos senhores, a policia invade o alludido
passeio e a pretexto de não estar plenamente liquidada a questão
juridica de quem deve accender os candieiros e fechar as portas, a
policia expulsa violentamente do seu passeio os burguezes e as suas
respectivas mulheres, as suas mães, as suas irmãs e as suas filhas.

Á saida do passeio, uma força de soldados da guarda municipal que
acudira em reforço da policia, encontra-se de frente com os burguezes
que saem do jardim publico e procura recalcal-os para cima dos sabres
policiaes que do lado opposto lhes veem picando os rins. N'esta
conjunctura o publico, sentindo-se tanto á sua vontade como se o
quizessem atarrachar entre as duas laminas de uma prensa, pergunta, por
onde é que se lhe permitte que fuja. A municipal considera indiscreta
essa pergunta, e desembainhando os seus sabres acutila os burguezes e as
suas familias com o ardôr bellicoso de um exercito encarregado da
transformar o paiz n'uma almondega.

Os restos do picado feito pela guarda municipal para alimento da ordem
clamam vingança a altos brados. O acaso fornece-lhes armas, que elles
regeitam. As cadeiras em que estavam sentados no jardim poderiam com
vantagem desarticular alguns dos ossos mais importantes da força
publica. As bengalas a que se apoiavam os chefes de familia, brandidas
com intima convicção, chegariam talvez a introduzir alguma porção de
cana da India e de sentimentos piedosos nos cerebros da soldadesca.
Finalmente alguns bons socos applicados com arte não deixariam de fazer
render as costellas e o espirito das tropas a uma conciliação amigavel.

As sobras da chacina marcial da porta do Passeio acham porem
insufficientes para o seu despique todos esses recursos. Os briosos
canhos, vingadores da bordoada recebida á chucha calada, recolhem-se a
suas casas pedindo ás furias punição para os algozes e arnica para as
victimas.

Ao cabo de uma semana de recolhimento e de agua de vegeto, o desforço
popular rebentou finalmente, inexoravel e tremendo, sob a forma de
polka.

Expulso ás cutiladas e aos cachações de um jardim que é seu, cuja
propriedade e cuja posse elle pagou e repagou muitas vezes com impostos
e contribuições municipaes, o povo de Lisboa vinga-se da carnificina que
o estropia e da violação que o esbulha de uma propriedade que é tão
legitimamente sua como a mesa a que janta ou a cama em que dorme, pondo
o caso em musica e em dansa de roda!

Ó Lisboa! Lisboa! como tu estás demudada do que foste! Nos periodos
ainda os mais vergonhosos da tua velha historia, no tempo d'esse fraco
rei que fez fraca a forte gente, tu tinhas ainda um Fernão Vasques,
simples remendão, que á frente de alguns populares reptava o proprio
soberano a vir á igreja de S. Domingos dar-lhe satisfação dos seus
actos mais intimos, da propria solução de seus amores. Hoje levas
pontapés de um sargento na mesma parte do corpo que nobilitaste no
presente seculo sentando-te nas cadeiras da representação nacional; e
tendo feito um codigo dos teus inviolaveis direitos, tendo promulgado
uma constituição, possuindo uma carta, um parlamento, uma imprensa,
todas as garantias da liberdade, tu, que na idade gothica, chegavas com
o teu braço poderoso á corôa de um rei absoluto, não chegas hoje, na era
nova do direito, ás orelhas de um cabo de esquadra!

Ao pé da mesma igreja para onde ha quinhentos annos tu emprasavas o
chefe augusto do Estado, levas agora tapona do policia Antunes, e a nada
mais o emprasas senão a propinar-te uma segunda sova quando reajas á
primeira!

Misera Lisboa! lastima a tua sorte: os teus remendões acabaram. Chora,
cidade de marmore e de lixo, que os teus remendões morreram!

Aquelles que no vão de uma escada cosiam calças ou talhavam gibões, que
não queriam ser vereadores, nem deputados, nem funccionarios publicos,
que eram simplesmente o povo, bruto mas digno, não sabendo intrigar mas
sabendo bater, não tendo a imprensa nem a policia correccional, mas
tendo ao canto da porta um cacete ou um chuço, esses taes, que eram a
arraia miuda, umas vezes soffredora e mansa, outras vezes vingadora e
terrivel, esses desappareceram. Já não tens rudes filhos da plebe, tens
delicados filhos de Minerva e de Thalia. A cultura moderna fez-te
philarmonica. Substituiste a força da união pela _União e Capricho_.
Quando te não chegam ao pello tocas o hymno. A phrase _levar para o
tabaco_ ha de modificar-se para teu uso na nova fórmula--_levar para a
musica_.

Agora, como te abriram a cabeça um pouco mais profundamente que o
costume, despicaste-te com uma polka especial.

As trombetas das tuas quarenta philarmonicas populares, que trombeteiam
indistinctamente por tudo, que trombeteiam pelas instituições e pelos
santos, pela carta e pelo Senhor dos Passos da Graça, pela restauração
de 1640 e pelo enterro do bacalhau, pela real familia e pelo cyrio da
Atalaia, por Garibaldi e por Santo Antonio de Padua, essas trombetas
que expressavam alegremente o prurido dos teus jubilos principiam a
expressar de um modo egualmente alegre o prurido das tuas confusões.
Violam desaforadamente a tua propriedade e a tua pessoa e tu collocas
essa questão de direito e de dignidade no terreno patusco dos bailes
campestres! Expulsam-te do teu jardim adiante dos bicos das botas do
habil Antunes ou do habil Castello Branco; trincham-te a cabeça com a
semceremonia com que se trincham os melões; e tu danças a polka, a tua
polka brilhante, _As cutiladas do Passeio Publico!_

O que receamos por ti, ó querida Lisboa, é que na proxima tosa que te
appliquem, além de te quebrarem os ossos, te quebrem tambem os
instrumentos musicaes, privando-te assim dos meios de flauteares a
vingança monumental e tremenda. Occorre-nos lembrar aos grandes centros
democraticos da capital a conveniencia de fundar uma reserva de
clarinetes para que nunca se encontre desarmada perante a prepotencia da
tyrannia a vindicta dos povos.

Emquanto á dignidade humana... lalarilolé... e emquanto á liberdade,
ao direito e á civilisação... lariléliló... que nos importa isso?...
Com as cabeças retalhadas pelos sabres policiaes o que nós queremos é
panno adesivado...lólaró... e fios... trolarilolé!

Como o philpsopho Diogenes a unica coisa que pedimos aos grandes da
terra, além de unguentos, é que nos não interceptem o _sol... e dó!_

       *       *       *       *       *

O sr. Padre Conceição Borges fez cantar no theatro da Trindade uma
operetta de que o dito clerigo compoz ao mesmo tempo o libretto e a
partitura. O publico, pateando enthusiasticamente ambas as coisas, poz a
peça fóra da scena á primeira recita, privando-nos do prazer de assistir
ao notavel espectaculo, de que hoje nos resta apenas o titulo--_Vamos a
ellas_!

Quem são _ellas? Ellas_, na bocca, no pensamento, na intenção do sr.
Padre Conceição Borges, cremos que não podem ser senão as missas.

Mergulhamos como Curcio até o fundo de todas as hypotheses que esse
perigoso problema nos suggere e não vemos que, sem offensa do grave
caracter sacerdotal do sr. Padre Borges, se possa admittir que _ellas_
não sejam as missas para serem qualquer outra coisa.

Ora sendo para as missas quo o sr. Padre Conceição quer ir e sendo para
as missas que nós somos convocados a acompanhal-o, segundo a unica
interpretação que pode ter o seu titulo, parece-nos que Sua
Reverendissima torceu bastante caminho e que iria muito mais direito ao
seu fito se, em vez de ter mettido pelo palco da Trindade com o seu
spartito em punho, fosse directamente com a sua batina--para a sacristia
das Mercês.

       *       *       *       *       *

_A Roma! a Roma!_ é o titulo de uma valsa annunciada ao publico pelo
periodico religioso _A Nação_, e destinada a servir os mesmos designios
piedosos que levaram o sr. Conceição Borges _a ellas! a ellas!_

Nada mais commodo do que esta intervenção da valsa nas praticas da
penitencia e no regimen depurativo das almas para a mais elevada
comprehensão dos interesses espirituaes e dos destinos eternos! Ir para
Deus não pelas escabrosidades do martyrio mas pelas cadencias do
cotillon é um dos mais notaveis serviços que a arte podia prestar á
alliança da religião e do _chic_.

Affirmar o dogma dansando é uma ideia que vae revolucionar
completamente os usos das salas. Nos bailes do proximo inverno
inclinar-nos-hemos deante das meninas religiosas e diremos:

--Quererá v. ex.ª, minha senhora, ajudar esta alma a sahir do abysmo da
impiedade conferindo-lhe a honra da proxima valsa?

E a menina a quem um homem se dirigir n'esses termos responderá erguendo
os olhos ao céu.

--Sim pelas sete dôres da Virgem Immaculada.

E iremos em seguida para a verdade sacrosanta e eterna, aos pares
deslisando em gyros ondulantes sobre os _parquets_ polidos, cingindo com
o braço direito os espartilhos palpitantes e electricos, segurando na
mão esquerda um pulso delicado e macio, calçado em luvas perfumadas que
chegam ao cotovello. Respiraremos o aroma penetrante do Iris de Florença
exhalado das rendas aquecidas no seio do nosso par, sentiremos nas
pontas agudas do bigode o contacto dos seus cabellos seccos e frisados,
e no hombro o leve peso tepido e carinhoso do seu corpo d'ave. E
conversaremos:

--Como a religião é boa! como é ineffavel!... Eu sinto a voz do meu
coração contricto e humilhado exclamar como esta valsa: a Roma! a Roma!

--E começa a ter crenças?

--Oh! sim!... com impaciência! com frenesi! com delirio!...
Esqueçamo-nos do mundo vil! Bem hajas tu que me chamaste para a fé!...
Tu, minha candida pomba da arca!... Tu, minha estrella dos Magos!... Tu,
meu anjo da guarda!...

--Bemdito e louvado seja Nosso Senhor, que me permittiu a mim, sua
indigna serva, o encaminhar para o gremio da nossa Santa Madre Igreja
uma alma que ia perder-se! Acredita na infallibilidade do nosso Summo
Pontifice, não acredita?

--Acredito com furia, com raiva, com epilepsia! Não sente como o meu
coração bate?... É pelos dogmas, é pelos concilios, que elle assim bate!
Oh! maldito seja o seculo com os seus erros! maldito seja o mundo com os
seus enganos! Amanhã precisamente tinha eu que fazer na secretaria dos
Extrangeiros: não vou! não estou para isso! Para onde eu vou é para o
mez de Maria. Que me demittam, se quizerem! que me ponham na
disponibilidade! Que me importam a mim os bens terrenos? Prefiro
perdel-os a encontrar-me no ministerio com o addido italiano que
blasfema, que bebe a sua agua de Nossa Senhora de Lourdes...

--Oh! se é um sacrilegio, cale-se por Deus! Podem ouvir-nos os pares que
nos seguem... Dariamos escandalo no meio da sacratissima valsa!

--Que eu lh'o diga ao ouvido, na sua pequenina orelha que parece uma
joia de marfim cinzelada por Benvenuto Cellini para ornamento da
cabecinha de uma Notre Dame de Lorette!... Elle bebe-a ao almoço...

--Deus do céu!

--Entre a costelleta e a omelette...

--Virgem Maria!

--Misturada com vinho de Pauillac...

--Santos e Santas da côrte celeste!

--Em partes eguaes, metade vinho, metade agua...

--Mas vae para o inferno essa alma!

--Está claro que sim. E é bem feito!

--Se não houvesse o inferno e o purgatorio elles ficavam-se a rir.

--Mas lá está o castigo, olá! O fogo eterno e o ranger dos dentes por
todos os seculos dos seculos sem fim não é uma chimera. Hão-de
amargal-as, que ha de ser um consolo--para nós!

--Amen! Amen, Jesus Maria José!

Assim conversarão elles e ellas durante a piedosa valsa _A Roma! a
Roma_! Pela escada de Jacob d'essa musica sagrada as almas alar-se-hão
ao empyreo, e irão pela via lactea fóra, sempre valsando, a demandarem a
entrada para os salões de baile de Jehovah, prolongação logica das
nossas soirées ao divino.


       *       *       *       *       *


Aos srs. advogados

Meus caros senhores.--Escrevo-lhes estas linhas de cima de um boi, para
onde resolvi vir habitar durante o mez corrente e o mez seguinte.
Separa-me do amavel e discreto ruminante um tenue sobrado. Eu oiço-o
mastigar pausadamente com a regularidade do tic-tac do meu cuco, elle
ouve-me o ranger da penna, e raramente batemos para cima ou para baixo a
pedir qualquer coisa um ao outro. A respiração d'elle é perfumada com o
aroma do feno. Nunca cheira a caçarola suja nem a cano, como os predios
da baixa. Não escreve obscenidades na parede da escada, e--coisa que lhe
perguntei antes de o vir habitar--não toca piano.

De quando em quando, pela sesta, calço os sapatos ferrados, pégo no
cajado que nos está ouvindo áquelle canto, accendo um charuto e saio de
cima do boi para percorrer as montanhas circumvisinhas.

Em alguns casaes amigos permittem-me a troco do preço de meio alqueire
de farinha o prazer de amassar eu mesmo o meu pão, de o enrolar, de o
metter ao forno e de o trazer ás costas para casa, d'ahi a dez minutos,
embrulhado n'um guardanapo, que ato pelas quatro pontas e que enfio no
meu varapau.

Nas eiras collaboro na debulha, tomando as redeas de esparto das duas
velhas eguas intonsas e ossudas e pondo-nos a trotar todos tres, ellas
adiante de mim e eu atraz d'ellas, por cima da palha.

Tenho tambem relações nos moinhos, e cultivo a convivencia de moleiros
obsequiosos que, quando lhes assobio, veem em mangas de camisa ao
postiguinho, e conversam para baixo comigo ácerca do vento provavel
para o outro dia.

É n'estas excursões em torno do boi sobre que resido que eu tenho ouvido
os casos que me levam a dirigir aos srs. advogados estas humildes
regras.

       *       *       *       *       *

Em toda a circumferencia rustica a que serve de centro o meu boi, no
mais extenso raio a que teem chegado os pregos dos meus sapatos, não ha
familia que não tenha contribuído com algumas libras para o cofre dos
srs. advogados. Sempre que algum dente das multiplas engrenagens do
machinismo administrativo roça pelo ser de um pobre homem do campo,
elle, aterrado com a ameaça da coisa odiosa que o obrigaram a reconhecer
como a prepotencia mais implacavel sob o nome de justiça, vae ao
advogado para que este o illucide.

Os principios geraes da organisação social que nenhum cidadão devia
ignorar n'um paiz representativo são para a maioria dos portuguezes o
mysterio mais profundo e mais insondavel. O homem do campo,
especialmenie, não tem idéa alguma das attribuições dos poderes a que
elle se acha subordinado como um dos membros do corpo collectivo que se
chama o paiz. Não sabe senão de um modo deploravelmente vago e ambiguo o
que é a camara municipal, a juiz de paz, o juiz de direito, o escrivão
da fazenda, o administrador do concelho, a junta de parochia, o conselho
do districto, a commissão do recenseamento, o delegado de saude, a
policia, etc. De sorte que, em cada acto da vida civil em que o
desgraçado se acha sob a acção de uma d'essas formas porque lhe apparece
o principio da auctoridade, recorre ao letrado.

--Cá está comnosco a justiça! diz elle á mulher ao receber qualquer
papel official.

--Seja pelas cinco chagas de Christo! suspira a mulher com as lagrimas
nos olhos, atando as mãos na cabeça.

--Má raios partam a justiça e mais aquelle que a inventou, que se o
apanhasse a geito, rachava-o de meio a meio com o sacho ceboleiro! e
tinha alma de lhe beber o sangue!

Que o aviso recebido seja uma intimação para limpar o poço, para remover
a estrumeira, para pagar um relaxe, para ser jurado, para mandar um
filho á inspecção, para comparecer na camara, no tribunal, na
administração ou na recebedoria, os lamentos são os mesmos, as mesmas
pragas, a mesma deliberação final de perder o trabalho de um dia, de
fazer a barba de vespera, de vestir o fato novo, de metter o pé de meia
com os fundos de reserva na algibeira da japona e de ir de manhã cedo
para a cidade a consultar um doutor. Como os mais pobres são tambem os
mais ignorantes, são os pobres os que mais consultam e os que mais
pagam. O procurador ou dá um simples conselho e custa isso cinco
tostões, ou faz um requerimento e custa mil réis, ou redige um recurso e
custa uma libra, ou toma conta da questão e pede dinheiro adiantado para
as primeiras despesas, e custa vinte mil réis.

Acontece muitas vezes que o consultante não tem dinheiro e pediu
emprestado o fundo do pé de meia. A necessidade porém de consultar o
letrado é para elle uma fatalidade como a necessidade de consultar o
medico. Com uma differença: Todos os medicos teem uma hora por dia em
que dão consultas gratuitas aos pobres doentes. Os advogados não teem
egual caridade com os ignorantes pobres. Além do soccorro
desinteressado de todos os medicos, os doentes têem ainda o banco dos
hospitaes. Para os ignorantes não ha recurso nenhum. A escola é
inteiramente inutil para lhes acudir, porque a escola portugueza não
ensina aos cidadãos quaes são os seus direitos nem quaes os meios de
defesa perante a violação d'elles. E no emtanto a sociedade tem muito
maior responsabilidade no facto da ignorancia do que no facto da doença.
O Estado, que tem consultorios gratuitos para a saude, deveria com
dobrada rasão ter consultorios egualmente gratuitos para a justiça. Os
advogados pela sua parte, não contribuindo como contribuem os medicos
para prestar á sociedade na maxima amplitude os serviço desinteressados
que a sciencia Ihe deve, dão-nos dos sentimenaltruistas da sua classe,
por tantos outros titulos respeitavel, uma idéa bem triste.

Os srs. advogadosa dizem-se os protectores do orphão e da viuva, o que
nãos os impede de protegerem pelo mesmo preço os que opprimem a viuva e
os que tyrannisam o orphão.

Os srs. advogados são com o ardor mais convicto e mais eloquente os
defensores da causa da justiça e do direito e bem assim da causa
contraria.

Os raptos de eloquencia por meio dos quaes os srs. advogados fulminam
com heroica imparcialidade tanto o crime como a innocencia, são
conscienciosamente tarifados para que o publico escolha segundo o preço
que deseja pagar.

Entre os movimentos oratorios mais caros ha o grito estridente, a
punhada cava no peito, as lagrimas bailando nos olhos, a _commoção que
se apodera do proprio orador_, o desfallecimento, a syncope, etc.

O tempo preciso para expôr a questão e para levar a evidencia ao
espirito do auditorio depende tambem do accordo previo, segundo a
tabella dos preços. Como tempo é dinheiro, quem quer mais tempo paga
mais caro. Quando o réu é abastado ou opulento a questão não se
esclarece senão á noite, e o jury tem de jantar no tribunal. Quando o
réu é pobre bastam quinze ou vinte minutos para elle ir socegado para a
cadeia. O que escreve estas linhas já ouviu esta concisa oração de
defesa: «Srs. jurados eu não tenho que dizer senão duas palavras: Esse
selvagem (apontando para o réu) estava bebado.» Assim se justificava o
crime de um homem que não tinha pago as circumstancias attenuantes ao
defensor.

       *       *       *       *       *

Não será util que, assim como fazem os medicos, os srs. advogados
restrinjam o campo, que offereccem ás correrias do epigramma,
introduzindo alguma caridade nas suas relações com os pobres? Não
poderia cada um de s. ex.'as, destinar algumas horas d'um dia ou dois
por semana, para dar consellhos gratuitos? Eis o que se nos offerece
lembrar aos srs. advogados para que, no interesse da sua classe, s.
ex.'as se dignem de o considarar em algum dos seus momentos d'ocio.


       *       *       *       *       *


Os jornaes do mez passado trasbordaram de annuncios e de noticias pouco
mais ou menos do teor seguinte:

       *       *       *       *       *

«Mais um florão acaba de ser acrescentado á corôa da sr.ª D. Jeronyma,
directora do bem conhecido e acreditado collegio de _Nossa Senhora da
Santíssima Purificação,_ rua de tal, numero tal, quarto andar, lado
esquerdo. Foi hontem examinada em instrucção primaria e approvada com
dez valores, no lyceu nacional, a menina Elvira Fernandes, alumna do
referido collegio. O nosso amigo Polycarpo Fernandes, extremoso pae da
jovem examinanda, profundamente grato ao zelo da sr.ª D. Jeronyma e aos
carinhos dos examinadores de sua debil e tímida menina, a todos
consagra, por este meio, seus indeleveis agradecimentos.»

       *       *       *       *       *

A inundação dos artigos d'este genero prova que o exame publico no lyceu
nacional começa a tornar-se um fim na educação ministrada ás meninas nos
collegios de Lisboa.

A pedagoga sr.ª D. Jeronyma envida toda a honra da sua taboleta, todas
as idéas da sua cuia e toda a actividade dos seus chinelos de trazer nas
classes para dotar com o maior numero de exames as alumnas confiadas ás
_réclames_ das suas distribuições de premios.

Este anno a menina Fernandes foi approvada em instrucção primaria. Para
o anno proximo será approvada em francez. D'aqui a tres annos obterá
egual exito com relação á lingua ingleza.

O sr. Fernandes, cada vez mais reconhecido, terá publicado a esse tempo
dez ou doze agradecimentos ao esclarecido zelo da sr.ª D. Jeronyma, e
recobrará completamente educada a sua filha. A infatigavel e benemerita
professora _dá-a por prompta_ para entrar na sociedade mais escolhida.
Ella sabe as linguas, toca o piano e tem, segundo o programma da sr.ª D.
Jeronyma, _as prendas de mãos proprias do seu sexo_. Estas prendas
consistem em fabricar palmitos de papel e em bordar entes fabulosos, de
uma monstruosidade mythologica, feitos a lãs, a matis, ou a missanga,
com olhos de vidro, beiços de vidro, e lagrimas tambem de vidro, sobre
um retalho de panno que se encaixilha e que tem por baixo, a oiro, a
data da confecção do monstro feita em cruz, e em formosas letras de
bastardinho, egualmente a canotilho de ouro:

_Elvira Fernandez me fecit._

       *       *       *       *       *

Ao fim de um anno de vida domestica D. Elvira esqueceu as linguas, das
quaes aprendeu precisamente o indispensavel para _escapar_, caindo-lhe
um thema facil e um examinador _carinhoso_, como muito bem dizia
Polycarpo nos seus annuncios de agradecimento. Esqueceu as linguas
porque as não pratica na conversação ou no estudo, e não sabe uma
palavra das leis da linguistica, que fixam e systematisam os
conhecimentos theoricos da formação das palavras.

Resta-lhe a faculdade de patinhar no piano a _Prière d'une vierge_ ou
_Les cloches du village_, e de continuar a bordar em seda ou em casimira
os abortos que derramam compungidamente o seu choro de vidrilhos nas
almofadas do salão, aos cantos do sofá, e sobre os assentos das
poltronas.

Polycarpo reconhecerá então--demasiado tarde, ai de mim! ou antes «ai
d'elle!» ou melhor ainda «ai de nós todos!»--que D. Elvira possue, no
estado mais exemplarmente encyclopedico, a ignorancia cabal de tudo
quanto precisa de saber a mulher para ser na casa uma das rodas em que
versa a familia sensata e dignamente constituida, na qual Elvira tem a
sua difficil funcção que exercer como filha, como irmã, mais tarde como
esposa, e finalmente como mãe.

       *       *       *       *       *

De tal modo os exames das meninas no lyceu nacional, compromettem
absolutamente os fins da educação, desviam-a do verdadeiro ponto de
vista pedagogico, são uma ostentação ridicula, offendem o bom gosto,
desprimoram a delicadeza e a dignidade senhoril, assopram o pedantismo,
incham a frivolidade e incapacitam a mulher para a missão a que ella é
chamada na familia.

       *       *       *       *       *

Entendemos portanto que--desde o momento em que Fernandes é bastante
obtuso para não prever os perigos da falsa educação ministrada a sua
filha, e não só não protesta contra o programma absurdo de D. Jeronyma,
mas antes lhe enderessa applausos de um enthusiasmo inexcedivel,--ao
Estado cumpre intervir; não se tornar solidario das illusões de
Fernandes; e proteger Elvira. Como? Retirando a Fernandes e a D.
Jeronyma o direito de a levarem a exame.

       *       *       *       *       *

_Levar a exame_! Só a palavra é um ultrage
da dignidade feminil. Submetter pelo despotismo
do direito paterno tudo quanto ha mais delicado,
mais melindroso, mais susceptivel de corromper-se--o
espirito virginal de uma menina,--ao
interrogatorio official de um mestre que durante
vinte minutos vae exercer sobre aquella
alma a tyrannia espiritual de um confessor! Um
tal inquerito, um tal julgamento, póde ser desculpavel
na educação de um rapaz, para quem
o exame é uma habilitação legal para a sua carreira
civil; na educação de uma menina portugueza
similhante prova é inadmissivel e equivale
a uma amputação do decoro.

Ora se nenhuma mestra e se nenhum pae tem o direito de cortar as orelhas
a uma creança para a tornar mais bonita, assim nenhum pae e nenhuma
mestra podem ter a auctoridade de fazer examinar uma menina para a
tornar mais educada.

Pelo que, a obrigação do Estado seria prohibir os exames da instrucção
primaria e de instrucção secundaria para todas as pessoas do sexo
feminino que não juntem ao requerimento de matricula attestado de
maioridade e de emancipação legal.

       *       *       *       *       *

Em um exame de instrucção primaria n'um dos nossos lyceus deu-se este
dialogo:

_O examinador_--Que faz a menina quando se vae deitar?

_A examinanda_--Quando me vou deitar...

_O examinador_--Sim! Quando se vae deitar o que faz? Diga.

_A examinanda_(córando até á raiz do cabello e baixando os
olhos)--Quando me vou deitar... dispo-me.

_O examinador_--E depois de se despir?... Responda! Depois de se despir
o que faz?... A menina não ouve?... Ou finge que não ouve?... O que faz
depois de se despir?

_A examinanda_--Tenho vergonha...

_O examinador_--Não tenha vergonha. Responda para diante!

_A examinanda_--Depois de me despir o que eu faço é...

E n'este ponto a examinanda, com a face afogueada pelo rubor do pejo,
com os olhos cheios das lagrimas do terror, na lingua adoravel dos cinco
annos, n'essa lingua que os homens só fallam ás suas mães na pureza da
innocencia primitiva, n'esse dialecto infantil ainda mais casto do que
as linguas mortas, traduziu a locução de Plinio: _urinam ex se
emittere_.

O professor a que nos referimos foi intimado a não proseguir pelo
presidente da mesa, o sr. Augusto Soromenho, cujo testemunho invocamos.

É assim que nos exames de instrucção primaria se averigua se as alumnas
sabem ou não «civilidade».

       *       *       *       *       *

Se a sr.ª D. Jeronyma carece das noções precisas para dirigir a educação
de uma menina, é preciso dar-lhe essas noções, ou prohibil-a de educar,
restringindo-lhe o direito de corromper a intelligencia da infancia.

A reforma da instrucção das mulheres é em Portugal ainda mais urgente
que a da instrucção dos homens.

As linguas não constituem instrucção, porque não ministram
conhecimentos, são apenas meios de os adquirir.

Esses conhecimentos indispensaveis á mulher deveriam constar, na
educação elementar, dos seguintes ramos de ensino:

1.° Curso de aceio e de arranjo;

2.° Curso de cozinha (chimica culinaria).

3.° Contabilidade, escripturação e economia domestica.

       *       *       *       *       *

No curso do primeiro anno dos collegios toda a menina aprenderia,
juntamente com as necessarias habilitações litterarias para adquirir
idéas, as seguintes noções praticas:

Os processos scientificos mais perfeitos de lavar e de enxugar a roupa
branca, o fato, as rendas finas, os tulles, as sedas, os tapetes, as
esponjas, as escovas; de conservar e concertar todos os objectos do uso
domestico; de regular o uso do banho, de lavar o cabello, de fazer os
melhores pós de dentes, a melhor pomada, a melhor agua de _toilette_; de
arejar e de desinfectar os aposentos; de polir os metaes e as madeiras;
de encerar os soalhos; de limpar os vidros e as laminass dos espelhos;
de envernisar os quadros; de concertar os livros e as estampas.
Aprenderia ainda os methodos mais hygienicos ou mais racionais: de
escolher os aposentos de uma casa, segundo o fim a que cada um d'elles
se destina; de dispor os moveis; de pendurar os quadros; de collocar a
bateria das caçarolas; de montar a despensa e a garrafeira; de fazer os
inventarios e os roes; de dobrar e guardar a roupa branca e a roupa de
mesa em lotes numerados; de pôr a mesa para os grandes e para os
pequenos jantares.

Este curso completar-se-ia com algumas noções accessorias: dos
differentes generos de mobilia e do seu estylo caracteristico nas épocas
mais notaveis da historia da arte ornamental; das principaes louças,
vidros, crystaes, tecidos empregados nos estofos da mobilia e no
vestuario, e historia da fabricação d'esses estofos.

No curso de chimica culinaria, do segundo anno do collegio, a menina
aprenderia, primeiro que tudo, a fazer um caldo.

O caldo é a base do toda a alimentação sabiamente dirigida, não porque o
caldo de per si só constitua um alimento importante, mas porque é o
caldo bem feito que estimula o systema intestinal e o habilita para uma
boa digestão.

Toda a mulher que não sabe fazer um caldo, deveria ser prohibida de
dirigir uma casa. Sobre a ignorancia culinaria da maior parte das
senhoras portuguezas pesa a responsabilidade tremenda da dyspepsia
nacional.

Não temos estomagos sãos porque não temos mulheres instruidas. Esta
affirmação póde parecer uma phantasia do estylo; é uma pura verdade
physiologica e é um facto social. Em Lisboa ignora-se completamente o
que é um caldo, porque esse delicado producto chimico só o sabem
preparar os cozinheiros de 5:000 francos de ordenado. As familias que
não podem aggregar-se funccionarios d'esse preço e que não são dirigidas
por senhoras que saibam o seu officio, tomam, em vez de caldo, um
liquido gorduroso e opaco, mais ou menos condimentado e indigesto. A
condição essencial do caldo bem feito é que elle contenha a maxima
quantidade de materias odoriferas extraídas da carne, (vid. Liebig), que
não tenha o minimo vestigio de gordura, que seja aromatico e
perfeitamente transparente.

Se tivessemos alguma esperança de que a sr.ª D. Jeronyma o ensinasse ás
suas educandas, dir-lhe-iamos como um caldo se faz. Mas a sr.ª D.
Jeronyma acha mais util ensinar o que é o _substantivo_. Como se alguem
no mundo precisasse, para o que quer que fosse, de saber o que o
_substantivo_ é! Como se immensas pessoas (em cujo numero nos contamos),
não estivessem mesmo convencidas de que jámais existiu na natureza o
_substantivo_, e que elle é uma pura chimera menos interessante que o
papão!

Ha todavia no mundo quem não seja inteiramente da opinião da sr.ª D.
Jeronyma. Um dos sabios mais eminentes do mundo actual, o sr. Wirchow,
demonstrava ha pouco tempo em Berlim que a intima correlação que existe
no seio de uma sociedade entre a condição das mulheres e o progresso da
civilisação depende de uma outra correlação não menos intima que existe
entre a mulher e a cozinha. O principal agente do temperamento de um
povo, do seu caracter, da formação das suas idéas, é a sua alimentação.
É principalmente pela sua inflencia na cozinha que a mulher civilisada
governa o mundo e determina o destino das sociedades.

Em Londres os mais importantes jornaes, como a _Quaterly Review_, teem
chamado para este assumpto a attenção dos poderes publicos e da
iniciativa particular por meio de muitos artigos successivos ácerca da
regeneração da cozinha, da arte de jantar, do estudo comparativo das
cozinhas dos differentes póvos, etc.

A Inglaterra comprehendeu finalmente que a circumstancia de não saberem
as suas mulheres fazer bom caldo constituia uma inferioridade nacional e
compromettia o destino do povo inglez. Para remediar este mal, que
obstava ao desenvolvimento e ao aperfeiçoamento physico e moral dos seus
habitantes, a Inglaterra fundou, em 1876, um notavel estabelecimento
publico de educação feminina intitulado _Escola nacional de cozinha_. O
numero das alumnas matriculadas na nova escola subiu rapidamente a cerca
de duas mil. Para satisfazer as necessidades do ensino foi preciso
estabelecer não menos de vinte e nove succursaes da escola de
cozinheiras. Entre as alumnas que frequentam essas escolas figuram
meninas das mais aristocraticas familias da Inglaterra. Algumas estão
inscriptas como simples ouvintes e assistem aos trabalhos tomando as
competentes notas nos seus cadernos; muitas outras atam o avental e
descem aos processos indo trabalhar alegremente á banca das operações,
ou junto do fogão, vigiando a cassarola e o espeto.

Um só facto basta para evidenciar a vantagem d'esta especie de ensino na
economia domestica: As classes de cosinha da instituição britanica estão
divididas em varias secções dependentes do orçamento a que as familias
teem de cingir as suas despezas; ha uma secção destinada a ensinar os
meios de alimentar do modo mais hygienico e mais agradavel uma familia
que não possa applicar á cozinha mais que uma verba de 1$600 réis por
semana! Em Portugal tão descurado está este importante assumpto que, não
obstante a fertilidade do nosso solo e a benignidade do nosso clima, é
inteiramente impossivel estabelecer com 1$600 réis por semana um
conveniente regimen alimenticio para uma familia de quatro pessoas.

O curso de cozinha nos collegios portuguezes deveria ser organisado
praticamente como na Inglaterra, ensinando-se ás alumnas o valor chimico
das principaes substancias empregadas na alimentação, o seu preço
ordinario no mercado, a sua acção physiologica sobre o nosso organismo,
o modo de variar os jantares segundo as occupações de cada dia, segundo
o temperamento de quem tem de os assimilar, e segundo as estações do
anno em que elles houverem de ser feitos.

       *       *       *       *       *

No curso de contabilidade do terceiro anno dos collegios, as alumnas
deveriam aprender a escripturar methodicamente a receita e a despeza da
familia, suppostos dados rendimentos, desde os mais estreitos até os
mais avultados, calculando desde o principio do anno o modo de manter o
balanço entre as posses e os gastos, lançando em conta de receita todos
os proventos e fixando-se nas verbas de despeza proporcional nos
differentes capitulos orçamentaes: a renda da casa, a acquisição e os
reparos da mobilia, o vestuario, o serviço, a illuminação, a lavagem, as
despezas imprevistas, e o _fundo de reserva_--verba essencial,
indispensavel em todo o orçamento, grande ou pequeno, de toda a casa
sabiamente dirigida.

       *       *       *       *       *

Fortalecida com a educação feita n'estas bases, esboçadamente expostas,
a mulher terá dado o primeiro passo, mas o passo definitivo para a sua
verdadeira emancipação. Porque emancipar-nos não é em ultimo resultado
mais do que isto: habilitamo-nos a prestar na sociedade serviços
equivalentes ou superiores áquelles que recebemos. Com a mulher
invencivelmente armada com as aptidões que requisitamos para que ella
seja a alma do governo domestico, o casamento deixa de ser a ruina com
que nos ameaça o proloquio vulgar: _uma casa é uma loba._ Não; a casa,
dirigida como a mulher deveria aprender a dirigil-a, é a ordem, é o
methodo, é a economia, é a estabilidade, é a fixação do destino, é o
baluarte do homem. A funcção da mulher bem educada é essencialmente
protectora. Na lucta da vida por meio da alliança conjugal e da ligação
domestica, o homem é a espada, a mulher é o escudo. O fim da educação
feminina é compenetrar a mulher da responsabilidade da sua missão e
fortificar-lhe o braço que tem de ser o nosso amparo querido, o nosso
doce refugio.

Se a mulher imagina que o casamento, seu natural destino, é um facto
dependente dos encantos da sua belleza e do seu agrado, a mulher
engana-se deploravalmente. Os modernos trabalhos estatisticos provam com
factos n'um periodo do cem annos que o numero dos casamentos está sempre
em relação constante com o preço dos trigos. Se o pão encarece os
casamentos diminuem. A' baixa no preço do pão corresponde pelo contrario
uma elevação proporcional no numero dos casamentos. O casamento,
portanto é um facto moral estreitamente ligado não a um phenomeno
esthetico mas a um phenomeno economico. A base do casamento é a
economia. A economia domestica é a primeira das aptidões com que deve
dotar-se a mulher.

       *       *       *       *       *

Em todos os paizes civilisados, por toda a parte do mundo, a educação da
mulher está passando por uma revolução profunda suscitada pelos esforços
de todos os pensadores. A educação vulgar da mulher moderna
reconheceu-se que constituia um elemento dissolvente da dignidade e da
aspiração das sociedades contemporaneas. Na antiga Roma a doçura, a
graça, a ternura, todos os attractivos sentimentaes que ainda hoje vemos
cultivados na educação das mulheres honestas eram attributos exclusivos
das cortezãs. Um critico notou como nas comedias de Plauto as matronas
não conhecem as effusões e os arrebatamentos da paixão; não são timidas
nem scismadoras; têem o ar decidido, fallam em tom firme e viril. As
meninas ricas eram educadas em casa com seus irmãos por escravos
instruidos e letrados; recebiam as mesmas lições e estudavam nos mesmos
livros. As pobres iam ás escolas publicas, no Forum, juntamente com os
rapazes, como actualmente acontece nos Estados Unidos.

Na idade média, quando os bomens, dedicando-se inteiramente ao officio
das armas, não tinham tempo de cultivar o espirito pelo estudo, as
senhoras da alta sociedade, como vemos nas condessas de Champagne, na
mãe de Godofredo de Bulhões, na amante de Abeilard, recebiam a mais
esmerada educação litteraria. Sabiam o latim, conheciam os antigos
poetas e os moralistas e estudavam os elementos da physiologia e da
meteorologia nas obras dos arabes.

Em todas as civilisações a mulher bem educada se habilita para
desempenhar o papel que lhe cabe na harmonia social.

Na nossa época de fria analyse, de implacavel utilitarismo, a primeira
das obrigações da mulher consiste em tornar-se util. Ser util é para
ella o grande segredo de ser querida, de ser forte, de ser dominadora.
Toda a educação feminina tem de partir d'este principio.

       *       *       *       *       *

A alta cultura do espirito, tão necessaria á mulher para que ella assuma
na sociedade a parte do poder a que tem direito, não se ministra nas
escolas, adquire-se pelo esforço e pela applicação individual dirigida
por um criterio, por um methodo, por uma disciplina, que a mulher só
póde adquirir na grande escola pratica da vida domestica. Todas as
noções que nos possa ministrar o estudo das sciencias mais superiores
estão subordinadas para a sua assimilação no nosso espirito a esta noção
previa: a noção da responsabilidade e do dever. Ora essa noção
primordial só a adquire a mulher nas praticas da vida domestica.

O aperfeiçoamento intellectual das mulheres não só não é incompativel,
como algumas julgam, com a perfeita direcção do _ménage_, mas antes
depende essencialmonte do grave estado de espirito que essa direcção
impõe.

Em Portugal, onde a sciencia do governo da casa é tão lastimosamente
ignorada, vejamos quaes são as producções do espirito feminino, quaes
são os fructos da educação litteraria desalliada da educação domestica.

Os almanachs da sr.ª D. Guiomar Torrezão têem o grande valor historico
de serem o repositorio d'esses fructos. É por esses almanachs que a
posteridade tem de julgar do valor intellectual das nossas
contemporaneas.

Acabamos de folhear do principio ao fim um numero do _Almanach das
Senhoras_, que temos presente. Temos tambem presente a _Gazeta das
Salas_, egualmente redigida por senhoras. Deus nos defenda de que
qualquer estrangeiro procure julgar sobre estas producções litterarias
do estado do espirito feminino na sociedade portugueza! Em todas estas
collecções dos trabalhos intellectuaes das nossas mulheres--sentimos
dizel-o--não ha um só artigo grave, serio, meditado, revelando
conhecimentos praticos, aspirações elevadas, pensamentos nobres. De
tantos problemas sociaes que affectam a condição da mulher na sociedade
contemporanea e que sollicitam a attenção d'ella, para serem resolvidos
pela parte mais interessada e mais compentente da humanidade, nem um só
foi julgado digno do estudo d'alguma das senhoras que fazem imprimir e
publicar os seus escriptos em Portugal! Estas senhoras produzem
versos--não como os de madame Hackerman, cujos poemas recentemente
publicados constituem uma revolução na poesia moderna e são o grito mais
profundo e mais lancinante que ainda expediu no mundo a alma mais
sedenta de verdade e de justiça,--mas sim trovas d'uma sentimentalidade
de segunda mão, sem ideal, sem paixão, d'uma pieguice grotesca.
Escrevem tambem pequenos contos ou novellas d'amores infelizes, cujos
personagens se tratam por excellencia e se requebram em artificios d'um
dandysmo, cuja legitimidade está longe de poder ser absolutamente
garantida, não dizemos já n'um congresso de _gentlemen_, mas n'um
simples tribunal de cabelleireiros. E é para nos dar estes lamentaveis
fructos da sua educação exclusivamente litteraria, que tanta menina
honesta sacrifica o tempo que devia consagrar aos nobres trabalhos do
_ménage_, tornando-se, em vez d'uma digna mulher util, apta para
acompanhar, para comprehender e para ajudar o homem, uma pobre e misera
creatura neutra, desorientada da vida real, incapaz de qualquer emprego
na vida pratica, cheia de falsas aspirações, de desenganos e de tedios
permanentes.

Compare-se o _Almanach das Senhoras_, com as collecções estrangeiras
collaboradas por mulheres. É esse o melhor modo de reconhecer como a
educação pratica da _ménagère_, eleva o espirito, como a educação
litteraria do collegio portuguez o deprime e avilta.

O _Jornal das donas de casa da Allemanha_, tem aperfeiçoado
profundamente os costumes e os habitos da vida domestica.

Na Inglaterra o texto da grande _Revista das mulheres inglezas_ consta
de artigos de critica litteraria ou de costumes, de philosophia, de
physiologia, de economia politica e de economia domestica, de narrativas
de viagens, relatorios, estatisticas, receitas culinarias, noções
praticas. Não ha um romance sentimental, nem uma poesia lyrica, nem uma
réclame de modas.

Taine cita no seu livro ácerca da Inglaterra varios artigos de mulheres
publicados nas _Transactions of international association for the
promotion of social sciences_. Os artigos intitulam-se:

_Escolas districtaes para os pobres na Inglaterra_, por Barbara Collett;

_Applicação dos principios de educação ás escolas das classes
inferiores_, por Mary Carpenter;

_Estado actual da colonia de Mettray_, por Florence Hill;

_Estatistica dos hospitaes_, por Florence Nightingale;

_A condição das mulheres operarias em Inglaterra e em França_, por
Bessie Parkes;

_A escravatura na America e sua influencia na Grã-Bretanha,_ por Sarah
Remand;

_Melhoramento das «nurses» nos districtos agricolas,_ por mistress
Wigins; _Relatorio da sociedade fundada para fornecer trabalho ás
mulheres,_ por Jone Crowe, etc..

Todas estas auctoras, de quem Taine obteve informações pelos muitos
amigos que tinha na sociedade ingleza, eram mulheres de casa, passando
uma vida extremamente simples e retirada.

Assim temos que na Inglaterra e na Allemanha a escola das _ménagères_
produz as mais graves e mais importantes escriptoras. Em Portugal a
educação literaria, segundo os programma dos lyceus, nem dá _ménagères_
nem dá literatas.

Se o ensino das mulheres se reformasse de modo que désse alguma coisa?...





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "As Farpas: Chronica Mensal da Politica, das Letras e dos Costumes (1887-08/09)" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home