Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: As ratices da Rattazzi - O pello nacional
Author: Ramalho, Monteiro, 1862-1949
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "As ratices da Rattazzi - O pello nacional" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



of public domain material from Google Book Search)



AS RATICES DA RATTAZZI



Monteiro Ramalho

AS RATICES

DA

RATTAZZI


O PELLO NACIONAL

PORTO

TYP. DO JORNAL DA MANHÃ

215--RUA DE S. LAZARO--215

1880



AS RATICES DA RATTAZZI

O PELLO NACIONAL


I

Não pensem que eu vou descarregar algumas baterias de rhetorica, contra
uma audaciosa Maria que revestida de petulancia fidalga e
principesca--que é mais--divertiu-se em descalçar a luva elegante, para
nos atirar á guisa d'indomavel sympathia, uma bombasinha d'espalhafato,
a qual por felicidade sua ainda lhe arrebentou na mão gentil.

Não senhores, não vou, não foi para isso que ousadamente me saí do
casulo da minha nullidade.

Eu venho muito simplesmente manifestar a minha profundissima admiração,
em face do borburinho espantoso que para ahi se está fazendo, por causa
d'um livrinho tão precioso como o _Portugal à vol d'oiseau_.

Realmente é-me extremamente doloroso presenceiar os máos tratos que
todos os dias e por todos os modos, se estão applicando á pobre
princeza, sua auctora. Não posso ver isso, revolto-me, indigno-me,
porque os acho não só injustos, como violentos, covardes.

A despretenciosa mulhersinha andou um rôr de tempo a barafustar
atrapalhadamente, no bem honroso empenho de nos tornar conhecidos _lá
fora_, pois tinha tido innumeras occasiões d'avaliar o quanto essa gente
da Europa dá mostras de nunca ter enxergado nas cartas geographicas o
nosso delicioso torrão. Ella, a quem um amor genuinamente material
impellia para nós, que morria mesmo de desejos por nos cobrir
carinhosamente com as paginas amorosas d'um livro modesto:--ao vêr-nos
assim fórtes e robustos quaes somos, cheios de vigor, perfeitos e
bellos, sobretudo os do sexo forte--o que decerto mais lhe
interessava--, ella enthusiasmou-se grandemente, e dominada então de
certo despeito tambem, por se vêr litteralmente desmentida no seu
querido sonho intimo, foi talvez por isso levada a tratar-nos um pouco
mais rudemente.

Ora, a admittir-se esta hypothese, temos de confessar que é esta uma
razão perfeitamente innocente, e extraordinariamente natural.


II

É, comtudo, incontestavel que uma enorme sympathia concebeu por nós, e
tanto que não se poupou a prodigalisar aos seus mais affeiçoados, mais
escolhidos, mais protegidos, e mais amados, exhuberantes provas dos seus
principescos sentimentos.

Ninguem, aposto!, ainda se esqueceu d'esses mais que famosos banquetes,
a que concorreram quasi todas as notabilidades nacionaes, quasi todos os
genios que tanto abundam n'este paiz abençoado. E que festas não foram
aquellas, ruidosas, sumptuosas, magestosas, celebradas ao som festival
de atroadora algazarra d'etiqueta principesca; festas em que as
saudações ardentes se trocaram com as mais enthusiasticas convicções que
o Champagne benefico podia inspirar; em que os pacatos nomes portuguezes
foram profanamente assassinados, para cederem o logar muito
_resignadamente_, a outros d'origens incomparavelmente mais honorificas,
e significativas; finalmente, em que o delirio por vezes tomou atroadora
parte em manifestações febris!

Oh! não! não é possivel acreditar-se que tão amavel princeza, assim
prodiga, bemfaseja, protectora, obsequeiadora, galanteiadora, tudo
fizesse com intenções perfidas, com o estulto capricho de abusar de
todos os seus reconhecidos convivas, até ao ponto nefando de os
disfructar ignobilmente!...

A senhora Maria, convençam-se d'isso, não anda, de modo algum, de má fé
comnosco. Asseguro-o.

Ella trata-nos mal, convenho. Mas, porque demonio ha de a gente ir logo
pensar que seja puramente ella, uma pessoa tão boa, tão galante?...

Bem sabem que em toda a parte ha máos... secretarios, enganadores
oraculos, perversos conselheiros, que podiam muito bem aproveitar o
ensejo de satisfazer odios pequeninos, ao prestar á inoffensiva senhora
as ajudas que ella confiadamente requisitasse dos seus estomagos
recompensados.

Antes de a criminarmos, é dever geral procurar perceber na sua proza
traquinas, o trilho lodoso d'algum machiavelico denunciador.


III

Não serei eu que, não obstante, a queira já absolver peremptoriamente.

É certo que a questão está perfeitamente ás escuras, e portanto o mais
racional é indubitavelmente inculpar a princeza signataria, deixando em
paz qualquer assoprador, que aliás tem a attenuante de ser convidado a
entrar na insidiosa collaboração.

Por isso tambem eu agora quero atal-a só a ella, desapiedadamente, ao
poste da critica.

Foi debaixo d'esta pesada impressão, que quando o indignado clamor
publico me atirou ás mãos o famigerado livro, eu senti-me dominar
prodigiosamente por uma explosiva raiva contra a trossista audaciosa, a
quem votei logo uma aversão replecta de patriotismo. Pois que! Era assim
que a generosa _escriptora_ se dignava atirar-nos para o foco
deslumbrante da civilisação moderna, para Paris!?... Era de mais; tive
ganas de ir ter com ella, para desaffrontar cavalheirescamente a
ultrajada dignidade nacional.

Mas passados os momentos d'arrebatamento intempestivo, aquella
retractação formal e cathegorica que já estava phantasiando exigir-lhe,
foi conscienciosamente substituida pela mais franca e sonora gargalhada,
que jamais eu dei!

Pois é lá razoavel que alguem dê importancia aos devaneios phantasiosos
da sr.ª Maria! Naturalmente aborrecida da sua vida aventureira, empregou
as pequeninas horas vagas a espandir sobre o papel,--indefeso por seu
mal, que bem envergonhado se havia de achar--as tiradas portentosas da
sua imaginação fertil, aproveitando de passagem alguns improvisos
humoristicos, com que habilmente quiz apimentar a sua já muito frisante
critica--isto concedendo que seja ella a verdadeira auctora. Foi
amontoando com abundancia tudo quanto lhe pareceu mais interessante,
mais pittoresco até; soccorreu-se de vez em quando a quaesquer
«documentos auctorisados», e afinal offereceu-nos innocentemente esse
mimo admiravel, que tanto tem irritado os animos indigenas.


IV

Em vista d'isto, é uma dôr d'alma dar sete tostões pelo engraçado livro,
que não se perdia nada em ser despoticamente condemnado a qualquer
emprego hygienicamente mais utilitario.

Eu já disse que a bomba temeraria que ella pretendeu arremessar-nos,
estalou-lhe extemporaneamente nas mãos, por felicidade sua. Assim é, com
effeito.

Porque se ella se não ferisse, toda queimada pela sua pólvora
_adocicada_, não attrairía de tal fórma as disveladas attenções
publicas, que se apressáram humanitariamente em ir a soccorrel-a,
cuidando-a com liberalidade extremosa--comprando-lhe descuidosamente a
perola do seu livro.

Um tal _acaso_ quiz que os nossos bonissimos corações fôssem
poderosamente captivados, pela infeliz victima d'uma leviandade
desculpavel. E de facto, estou em dizer desassombradamente que não ha de
ter a minima razão de queixa, da nossa sollicita caridade, e do nosso
arrebatado amor do proximo.

Tamanha parece ter sido a dôr pelo malaventurado acontecimento, que para
christãmente se prodigalisar consolador allivio á princeza inexperta,
tantos exemplares da sua obra foram avidamente comprados, que por pouco
ella não ficou esgotada!

Vejam quanto é sempre conveniente, appellar para os sentimentos
misericordiosos d'um povo de tradicções fagueiras, como a nossa!...

A popularisada Maria tambem n'outra qualquer parte podia assim ser
alcançada por lamentavel desastre, e comtudo arriscava-se a que ninguem
fizesse caso das suas commoventes lamurias, deixando-a placidamente
debater-se, ainda porventura para castigo da sua creancice pouco
conforme com a idade compromettedora, nas agonias crueis de queimaduras
terriveis. E então grande seria o seu desgosto ao vêr-se
desattendida--tendo de guardar os seus industriosos livros.

Mas nós fizemos enorme barulho caritativo, despojando-nos virtuosamente
em seu beneficio...


V

Ora isto póde ser tudo quanto quizerem, menos razoavel, coherente.

Pois se já se sabia que magoando-lhe ferozmente as mãos atrevidas, a
nossa caridade proverbial corria logo em seu auxilio com piedoso fervor,
para que demonio é que a maltratáram assim, á respeitavel Leetizia?
Vontade unica de lhe serem amavelmente uteis.

Demais, eu acredito, seja embora ingenuidade, que sua alteza
recem-casada não conseguiu mais com o seu livro, do que mostrar
pretenciosamente os dotes fecundos d'um humorismo banal, com que quiz
amortalhar por sarcasmo pungente, os nossos, habitos e os nossos
homens--e as nossas mulheres tambem. Mas isto foi impensadamente feito,
d'um feitio enojante, com umas idéas espirituosas que nos enchem de
compaixão pela sua obcecada productora!

Os disparates disformes succedem-se n'uma correria talmente vertiginosa,
que a gente chega a perdel'os de vista, sem mesmo lhes poder prestar as
devidas homenagens.

A sr.ª Solms achou-nos por cá escondidinhos no nosso impagavel cantinho;
achou-nos talvez originaes ou primitivos; admittiu á custa dos
succulentos jantares, muitos thuribuladores gratuitos, que a informáram,
decerto com minuciosa nudez, dos nossos costumes, encapados brutalmente
em exaggeros de ridiculo, e vae ella toma surrateiramente os seus
apontamentos, reune cuidadosamente as graçolas grosseiras e chatas dos
seus galanteadores, faz incondicional acquisição de tudo o que lhe
contáram de mesquinho, rebaixador, e infamante--o que está perfeitamente
no genio nacional--e presenteia finalmente a publicidade com o producto
curioso de todas as monstruosidades que lhe ensinaram.

Hoje poucos deixarão já de ser concordes n'isto, e por consequencia, bem
que fóra de tempo, lamenta-se á uma a prodigiosa popularidade que se
dispensou ao interessante livréco.


VI

Porém antes de chegar a este louvavel e conveniente apuro, já a sensivel
honra nacional havia calorosamente protestado contra as diffamantes
leviandades de Madame, com gestos de indignação soberana, enchendo o
espaço amedrontado de brados energicos e furiosos, de reclamações
ribombantes, uma violenta tempestade prodiga de trovões atroadores, e
gravida de raios vingativos.

Ainda mesmo sob o transparente disfarce das replicas cheias d'espirito,
d'aquelle espirito portuguez pesado e forte sem subtilidades, os jornaes
em que ellas se escreveram por dias successivos, bem faziam comprehender
que mais eram desaffrontas accintosas, hervadas de resentimentos futeis,
do que pura e simplesmente um recambio bem entendido de tósas frisantes,
com a vantagem excellentissima de serem escudadas pela justiça do
despique franco, mas jovial, ou melhor ainda--trossista, singelamente.

Assim, que diabo! satisfizemos talvez a nossa vaidade beliscada, mas não
fômos precisamente, verdadeiramente, gente d'espirito.!

E querendo absolutamente estatelar a sr.ª Maria Rattazzi nas lamas
salpicantes da gargalhada sarcasta, apenas lhe obtivemos á nossa custa,
um mais lisongeiro resultado para o successo imprevisto da sua obra, que
da mesma fórma se viu immediatamente rodeada d'importancia, com que a
sua afortunada auctora naturalmente nunca havia sonhado!...

É o caso de dar corda para se enforcar.

Quem sabe a estas horas o que ella estará pensando de todo este
espalhafato jornalistico, que se tem agitado tempestuosamente em
_crescendos_ de protestos vigorosos contra as suas diatribes perfidas...

Não posso saber; mas talvez não fôsse totalmente despropositado o
presumir que se esteja rindo com a melhor vontade do mundo, de tantos
adjectivos instigadores, empregados com desperdicio.


VII

E, já que infelizmente não podemos fazer outra coisa, supponhamos que o
famigerado livro da celeberrima princeza se apresentava ahi um dia com o
seu risinho d'escandalo picante, a desafiar com descaramento canalha os
altaneiros brios patrioticos, inchados eternamente de
glorias--passadas...

Ninguem fazia caso. Os jornaes annunciariam no estylo proverbial
estafado, a sua obsequiosa recepção, limitando-se a imprimir-lhe
ligeiramente um qualquer dichote, simples de desprezo.

Consequencia inevitavel? Um silencio funebre:--a morte fulminante do
livro audaz; um bem entendido espancamento moral applicado
fleugmaticamente sobre a auctora pedante do dito, e sobretudo o mais
formal e esmagador desaggravo da dignidade lusitana.

Haveria com certeza muita gente que o lêsse em família:--sorria-se
desdenhosamente d'um tal montão d'inexactidões absurdas, mas com um
desdem frio, e ao cabo de algumas horas de leitura, talvez se enojasse
ao ponto de o pôr de lado; lamentando apenas aquelles tantos reis que
n'elle empregára irreflectidamente, por curiosidade.

Mas assim, com um tal barulho!... Era uma avidez pasmosa, da parte de
todos, em ler desde a primeira á ultima pagina, a maravilhosa obra da
principesca Maria--na asneira.

Fallava-se d'ella em toda a parte, no theatro, na rua, no club, no
gremio, em familia, de visita; em toda a sorte de conversações. A sua
deleitosa leitura suscitou frequentemente largas, acaloradas discussões:
uns apoiavam destemidamente as opiniões _desmascaradas_ da princeza,
talvez os informadores; outros protestavam energicamente, fazendo
rhetorica furibunda, com gestos traductores da incalculavel indignação,
que o seu limpido amor patrio lhes suggeria.

Em summa, por fim, ainda hoje, é do bom tom fallar _do livro da
Rattazi!..._


VIII

Continuemos a imaginar os resultados inestimaveis d'aquelle silencio
funestamente desattendido, por uma leviandade inqualificavel...

A sr.ª Maria Laetizia, Solms, Rattazzi e Rutte, e não sei que mais,
quando os innumeros exemplares do seu livro vieram para o explorado
Portugal, havia de forçosamente seguil-o passo a passo, com o seu terno
affecto maternal, a ver com inexcedivel cuidado o que lhe poderia
acontecer. Supponho bem ser este um ponto que não póde admittir duvida,
porque todos nós nos interessamos vivamente pelo que mais ou menos nos
diz respeito, tanto mais quando o objecto é, como o supracitado livro,
filho querido das nossas entranhas. (Não esquecer com isto que nunca
femeas pódem conceber, sem o respectivo auxilio productor dos _machos_).

De maneira que sua alteza--sua excellencia actualmente, e ainda aqui se
revela a sua nenhuma vaidade...--havia de portanto procurar logo nos
jornaes portuguezes, conhecer as impressões que elle inspirava.

Com o succedido, é mais que natural, como já tive occasião de presagiar
aqui mesmo, que _sua excellencia_ se risse expansivamente da nossa
ingenuidade quasi infantil, saboreando com as maiores doçuras os
recentes favos de mel da respectiva lua, que por pouco a não allumia
mais vezes do que a sua collega planeta o faz á terra.

Mas se ella se desse todos os dias á improba massada de consultar os
ditos jornaes, e os achasse sempre muito caladinhos, mudos e serios, sem
caírem na tolice inaudita de lhe popularisar o nome--oh! então é que
deveria ser bom vel-a, mesmo que fôsse _à vol d'oiseau_!...

Se bem que já não seja das mais notaveis _frescuras_, murchava
completamente, e repelliria furiosamente horrorisada, os supracitados
favos.

O editor parisiense, esse--desgraçado!--bradaria percorrendo agitado o
seu estabelecimento pacifico, á imitação de Henrique IV.

--_Ventre--gris!_

E maldiria nos seus justos furores do negocio mal afortunado, as
rabinices litterarias das princezas idiotas.


IX

Sim! hei de sempre maldizer todos os que desprezáram aquelle impagavel
silencio desprezado.

Porém o mal está feito, irremediavelmente feito; nós prestamo-nos
gostosamente duas vezes ás gargalhadas feminis d'uma frivola
colleccionadora d'apontamentos _producentes_, e agora caminhamos ahi por
essas ruas já impavidos, cheios de satisfação de nós mesmos, soberbos...

O que resta agora, para se sustentar uma tola questão eterna, é que sua
_excellencia_, já despida burguezmente das gallas de princeza, escreva
tambem um folheto em resposta aos nossos, e aos artigos verrinosos que a
nossa imprensa teve a generosidade de lhe conceder. Gostava de ver isso,
só para ter occasião de apreciar até onde podem chegar os furores dos
brios patrios... O que posso asseverar francamente é que o feliz editor
publicava-lh'o logo, com reconhecimento enorme, certo da boa _pechincha_
que lhe caía em casa, e mandando immediatamente para Lisboa metade da
edição--ou mais.

Ora, naturalmente quem se tiver entregue ao ingrato trabalho de me ter
lido, dirá--no caso de concordar commigo--, assim com uns ares de
censura.

--Mas porque demonio não vieram, vossê ou quaesquer outros mais
auctorisados, prevenir o máo passo errado que se estava dando.

Foram uns cynicos, uns perversos, que vendo como os animos em geral
ferviam ardentemente, não se apressárão em atirar-lhes um pouco d'agua
fria...

Eu por mim folgo sem duvida de não ouvir essas _recriminações_, porque
se o acaso quizesse que sim, teria que por minha vez imitar o bello typo
do Mephistopheles, perguntando-lhes com uma das suas boas gargalhadas,
sabem?--n'um sarcasmo d'effeito:

--Então os senhores decididamente não teem senso commum?...


X

Por conclusão, devo já agora prevenil-os de uma coisa, porque talvez
ainda não tivessem dado.

Se continuarem muito exaltados contra _sua excellencia_, não sabem quem
estimará muito isso, por lhe ser d'uma grandissima conveniencia?

É--que ella me perdoe!--a ex.^ma sr.ª D. Guiomar Torrezão, que terá
excellente ensejo de fazer tambem esgotar os exemplares da sua preciosa
traducção.

Bem sei que as letras patrias iam soffrer muito com essa perda, mas eu
apezar de tudo que ahi fica dito, ou antes d'accordo com isso, preferia
que ella nunca visse a luz da publicidade.

E não creia s. ex.ª que eu lhe queira mal, lá isso não. É... por causa
dos brios patrios, com quem se deve ter ainda mais consideração do que
com as letras supracitadas, suas irmãs de nome.

Porque o que nos valeu foi elles não saberem francez quasi geralmente.
Se soubessem arriscava-se a ousada princeza a já não existir a estas
horas, não chegando talvez a poder contrair as suas _recentes_ nupcias.

Ora dar-lhe agora a obra em portuguez é um perigo muito grande, porque
caso algum exforçado lusitano queira desaffrontar a sua patria
offendida, encontra na sua frente... um marido!

Nada, seja patriota, minha senhora, não queira desgraçar-nos.

      *      *      *      *      *

Em todo o caso eu appello para o lapis previlegiado de R. Bordallo
Pinheiro para que no caso de reincidencias, applique uma boa escovadella
ao pello nacional.

Desculpe-me elle o conselho, que só tem por fim leval-o a fazer uma boa
acção.

FIM


PREÇO 100 RS.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "As ratices da Rattazzi - O pello nacional" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home