Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: O Descobrimento do Brazil - Prioridade dos Portugueses no Descobrimento da America
Author: Redondo, Manuel Ferreira Garcia, 1854-1916
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O Descobrimento do Brazil - Prioridade dos Portugueses no Descobrimento da America" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



Notas de transcrição:

Pg 26: aspas abertas antes de "a terra achada"; original não tinha
aspas.

Pg 28: em "carta regia de D. João I" trata-se, na verdade, do rei D.
João II (não corrigido).

Pg 37: substituido "em 1742, vinte annos antes de Colombo" por "em 1472,
..."; havia sido corrigido à mão na cópia digitalizada que serviu de
base a esta transcrição.



        GARCIA REDONDO

    (DA ACADEMIA BRASILEIRA)

        O DESCOBRIMENTO
              DO
            BRAZIL

PRIORIDADE DOS PORTUGUEZES NO DESCOBRIMENTO DA AMERICA


Primeira conferencia da serie organisada pelo Centro Republicano
Portuguez de São Paulo, realizada no Instituto Historico e Geographico
de S. Paulo, na noite de 3 de Junho de 1911


  SÃO PAULO
CASA VANORDEN
    1911



    GARCIA REDONDO

(DA ACADEMIA BRASILEIRA)

    O DESCOBRIMENTO
          DO
        BRAZIL

PRIORIDADE DOS PORTUGUEZES NO DESCOBRIMENTO DA AMERICA


Primeira conferencia da serie organisada pelo Centro Republicano
Portuguez de São Paulo, realizada no Instituto Historico e Geographico
de S. Paulo, na noite de 3 de Junho de 1911


  SÃO PAULO
CASA VANORDEN
    1911



Assistiram a esta conferencia, além do ministro de Portugal, Snr. Dr.
Antonio Luiz Gomes, e do seu secretario, Dr. Bartholomeu Ferreira, que
do Rio de Janeiro vieram especialmente para esse fim, o consul da
França, Snr. Jacques Dupas e sua familia, os consules de Portugal em S.
Paulo e Santos, os consules do Paraguay e da Guatemala, os
representantes do Governo do Estado e do Governo Federal, a directoria e
membros do Centro Republicano Portuguez de S. Paulo, o director e muitos
lentes da Escola Polytechnica, uma parte da directoria e muitos socios
do Instituto Historico e a fina flor da sociedade culta e da colonia
portugueza de S. Paulo.


     Esta conferencia é impressa no formato do livro _Conferencias_ do
     auctor para que possa ser annexada a esse livro.



O DESCOBRIMENTO DO BRAZIL

Prioridade dos portugueses no descobrimento da America


     _O orador, depois de agradecer a presença do numeroso e luzido
     auditorio, que affluiu ao salão do Instituto Historico para ouvir a
     sua palavra rude e, depois de varias explicações que deu sobre o
     grande mappa que organisou para illustrar e esclarecer a sua
     conferencia, diz:_

_Minhas senhoras, meus senhores:_

Na minha ultima viagem ao Velho Mundo, em 1906, achando-me na Suissa e
querendo visitar a exposição internacional de Milão, em vez de fazer a
viagem directa e curta, indo de Genebra, onde estava, a Montreux e de
Montreux a Milão, preferi fazer uma grande volta, indo de Genebra a Lyon
e a Marselha e percorrendo depois toda essa extensa e deliciosa costa do
Mediterraneo que se chama Côte d'Azur.

Para que? Para entrar na Italia por Genova e prestar, antes de tudo, a
minha homenagem de americano á memoria de Christovam Colombo, visitando
a casa onde elle nasceu.

Alli fui, pois, e alli estive no vetusto predio, onde, em 1450, viu a
luz do dia o audacioso genovez, conforme reza a placa commemorativa
collocada entre duas janellas antigas desastradamente vestidas á moderna
com venezianas verdes.

Até então, eu suppunha, pelo que sabia, pelo que havia lido, que
Christovam Colombo era o descobridor da America, assim como suppunha
tambem que Pedro Alvares Cabral era o descobridor do Brazil.

Mas, veio-me depois ás mãos um livro--_A descoberta do Brazil_--do sr.
Faustino da Fonseca, e esse livro precioso, feito com o nobilissimo
intuito de reivindicar para Portugal a gloria completa do descobrimento
do Novo Mundo, livro que, em abono da civilização portugueza, que, em
abono dos nossos maiores, deveria ser traduzido em todas as linguas
vivas para ser distribuido em todas as escolas do universo, veio
mostrar-me, á luz de documentos authenticos e irrefutaveis, que nem o
navegante genovez foi o primeiro a chegar ao Novo Mundo, nem Cabral o
primeiro a achar essa parte do Novo Mundo que se chama o Brazil.

Colombo e Cabral--o primeiro ao aportar, em 1492, ás Antilhas, e o
segundo, em 1500, á costa brazileira, não fizeram mais do que
_reconhecer e tomar posse_ officialmente de terras que muitos annos
antes já haviam sido descobertas por navegantes portuguezes.

Baseia-se o precioso livro do sr. Faustino da Fonseca em doações feitas
pelos reis portuguezes aos primeiros navegantes que sulcaram o
Atlantico, em tratados de limites, em correspondencias officiaes,
roteiros, mappas, relações, cartas de testemunhas dos acontecimentos e
outros documentos que o autor, no seu louvavel ardor patriotico, foi
descobrir e copiar com uma paciencia de benedictino nos archivos
hespanhóes e açorianos e na Torre do Tombo.

É com esse fanal em punho, que dá por terra com todas as lendas, todos
os erros e embustes dos historiadores que precederam o sr. Fonseca, que
eu venho, hoje, na medida das minhas fracas forças, ajudal-o a
reivindicar para Portugal, não a gloria de haver descoberto o Brazil
sómente, mas tambem a gloria de haver descoberto a America.

Oxalá seja esse meu auxilio efficaz, oxalá possa elle levar a convicção
ao animo dos que me ouvem e dos que me lerem, para que possamos dizer
todos, _una voce_, e fazendo a justiça tardia a que tem direito a velha
civilização portugueza: Gloria a Portugal, descobridor do Novo Mundo!

       *       *       *       *       *

Os conhecimentos geographicos dos antigos eram limitadissimos, não
conhecendo os europeus mais do que duas terças partes do seu continente,
o norte da Africa e o sudoeste da Asia, acreditando Ptolomeu que a
Africa se estendia até ao polo antarctico, reduzindo assim o Oceano
Indico a um simples lago ou pequeno mar interior. Nessa época, o que se
chama India comprehendia a Indo-China, o Indostão, as ilhas e regiões do
extremo Oriente. Era a India considerada como um paiz de fabulosas
riquezas e nella dizia-se que habitava o Prestes João, soberano
Christão, que reunia o poder temporal ao espiritual e era o summo
pontifice do Oriente.

O Oceano Atlantico era tratado por mar tenebroso e considerado
innavegavel, povoado por monstros, coalhado de escolhos, coberto de
nevoa densa. Era um mar onde, para uns, reinava a eterna calmaria podre,
para outros, era constantemente açoutado por violentos tufões, de sorte
que era uma barreira á communicação entre os dois hemispherios.

Não contentes de limitar a tão pouco os seus conhecimentos geographicos,
os antigos inventavam lendas, semeavam o oceano de ilhas imaginarias, de
estatuas e de columnas, que impediam os navegantes de marchar.

As columnas de Hercules fechavam o caminho do Atlantico, outras duas
columnas erguiam-se num estreito, impedindo a entrada do mar da India. A
phantasia não tinha diques e os mappas, principalmente o de Marco Polo,
marcavam milhares de ilhas em algumas das quaes se localizava o paraiso,
o purgatorio e o inferno! Na ilha de Salomão, onde se dizia estar o
cadaver desse rei mulherengo, num maravilhoso palacio, tres estatuas
faziam retroceder o navegante sob pena de morte. O cabo Bojador era um
ninho de serpentes e na ilha de Ceylão estava o tumulo de Adão!

Ainda em 1375 a costa africana só era conhecida de Ceuta até ao Cabo
Bojador, e ainda em 1436, já em pleno seculo XV, o mappa de André
Bianco, um mixto de christianismo e de paganismo, reproduz as lendas e
figuras da edade média, collocando Jerusalém no centro do mundo e
determinando o local do paraiso terrestre!... Toda a terra conhecida
resumia-se num unico continente. Tudo mais eram ilhas entre as quaes
estava a de Cypango, onde Colombo julgou ter chegado em 1492, quando
aportou ás Antilhas.

Lendas de origem portugueza só havia duas--a do gigante Adamastor, no
Cabo das Tormentas, que o grande épico dos Lusiadas tão lindamente
narrou em verso sonoroso, e a do cavalleiro de pedra, na ilha do
Corvo--mas este, ao contrario dos outros que intimavam o navegante a
retroceder, mandava-o avançar, apontava-lhe o caminho a seguir,
demandando novas regiões.

Taes eram os conhecimentos geographicos até ao primeiro terço do seculo
XV.

Foi então que appareceu o famoso projecto do infante d. Henrique,
projecto que revolucionou o systema do mundo.

Até ahi só se conheciam dois caminhos para chegar ao Oriente, ambos por
terra, ambos partindo do Mediterraneo. Conhecida a India como um paiz de
riquezas fabulosas e tendo cessado para os portuguezes, com a tomada de
Ceuta, o trafico dos generos do sertão pelo Mediterraneo, cogitou o
infante d. Henrique em chegar á India por um outro caminho--a via
maritima, pelo occidente. Mas, para isso, tinha de affrontar o Mar
Tenebroso, esse oceano inçado de escolhos e de monstros, impenetravel e
mysterioso. Como o seu intuito era explorar as riquezas indianas e levar
a fé aos musulmanos, com os quaes esperava combater, elle sentiu a
necessidade de um alliado e o alliado natural era o Prestes João, o
summo pontifice da christianidade indiana.

Era preciso, pois, procural-o, mas seguindo pela via maritima.

«Provêm desta origem, diz o sr. Faustino da Fonseca na sua obra
admiravel, as explorações para o sul e para o occidente; as grandes
viagens do occidente e do oriente; o encontro de duas passagens a leste
e a oéste,--o Cabo da Boa Esperança e o estreito de Magalhães; as
descobertas da costa da Africa e das ilhas do Atlantico, da America do
Norte e do Brazil.»

«Obedece tudo a este proposito, subordina-se tudo a este projecto, são
tudo soluções ao problema: os conselhos de Toscanelli e de Monetario, o
erro de Colombo, a audacia de Magalhães.»

       *       *       *       *       *

Não é difficil provar que Colombo não descobriu a America e que quando
chegou ás Antilhas, em 1492, já a America havia sido descoberta pelos
portuguezes, muitos annos antes. O difficil seria provar hoje, em face
dos documentos encontrados pelo sr. Faustino da Fonseca e dos quaes me
vou soccorrer nesta conferencia, que o ousado genovez fez tal
descoberta.

Esmiucemos o interessante assumpto.

Quando o infante d. Henrique fundou a escola de Sagres com observatorio
astronomico, para o qual fez vir cosmographos e mathematicos
estrangeiros, e mandou construir nos seus estaleiros as primeiras
caravelas e ordenou que ellas sahissem, para o mar tenebroso e pelo
occidente, dizendo aos capitães que avançassem sem receio, fazendo-se ao
largo, já Gonçalves Zarco havia descoberto a ilha da Madeira e já o
infante conhecia o livro de Marco Polo, que existia em Portugal desde
1418, trazido pelo infante d. Pedro, que o recebera como dadiva do
senado de Veneza, assim como conhecia tambem o mappa do mesmo Marco Polo
onde se veem as regiões do oriente muito proximas das do occidente. No
seu livro, Marco Polo assegurava que Catay estava no Atlantico (que elle
chama o mar de Cyn) a pequena distancia da Europa e que, no Atlantico,
estavam tambem Cypango e outras ilhas de especiarias.

As primeiras caravelas, construidas e equipadas pelo infante em 1431,
começam a perscrutar o mar vasto e, um dia, de uma dellas, Gonçalo Velho
Cabral descobre as _Formigas_. Um anno depois, em 1432, descobre ainda
_Santa Maria_. As expedições maritimas portuguezas, desde então,
succedem-se ininterruptamente e, annos depois, é descoberta grande parte
das ilhas do archipelago dos Açores pelo mesmo Gonçalo Velho e depois as
do Cabo Verde (1460) por Antonio Gomes e Diogo de Nola.

Em 1435, já o mappa-mundi de Bechario representa a Antilia e outras
ilhas, a oéste dos Açores, acompanhadas da seguinte legenda:--_Insule de
novo reperte_ (ilhas recentemente descobertas.)

Em 1436, um anno após, apparecem o mappa-mundi de André Bianco e o seu
portulano cujas cartas já representam o mar de Baga, o mar dos Sargaços,
as Antilhas e o Brazil, figurando este como se fosse uma grande ilha. Em
1447, uma nau parte do Porto e descobre a Groelandia aonde os
marinheiros desembarcaram.

No entretanto, do celebre promontorio de Sagres, o infante d. Henrique
vê sumirem-se no mar intermino as caravelas, que successivamente iam
partindo á descoberta, e já em 1448, numa carta do portulano de André
Bianco, tratando dos descobrimentos dos portuguezes, se regista o Brazil
de uma forma precisa, na parte oéste e sul do Cabo de S. Roque, ao sul
das ilhas do Fogo e Brava de Cabo Verde, na sua verdadeira posição, em
frente á costa africana, sendo designado por _ilha authentica_ e
assignalada a sua distancia exacta de 1500 milhas do archipelago de Cabo
Verde.

Esta carta do portulano de Bianco, bem como os anteriores de 1436
mostram, pois, meus senhores, que o Brazil foi descoberto em 1435, ou
antes, por navegantes portuguezes e que até das Antilhas já havia
noticia nessa época.

Mas, não fica nisto. As caravelas portuguezas continuam a singrar o mar
tenebroso e, em 1452, Diogo de Teive e seu filho João de Teive descobrem
as ilhas Corvo e das Flores e chegam á latitude da terra que se chamou
mais tarde «do Lavrador» (porque a descobriu um portuguez deste nome)
não desembarcando nella com receio do inverno.

Em 1460 morre o infante d. Henrique, deixando reconhecida toda a costa
africana até Serra Leôa e legando ainda á sua patria os descobrimentos
dos archipelagos dos Açores, de Cabo Verde e do Brazil.

A morte do infante não faz, porém, arrefecer o enthusiasmo lusitano
pelos descobrimentos e já dois annos depois, em 1462, d. Affonso V, por
carta regia de 29 de outubro, faz doação a seu irmão o infante d.
Fernando, filho adoptivo de d. Henrique e seu herdeiro universal, de uma
terra achada no mar alto, a noroeste das ilhas Canarias e da Madeira,
que Gonçalo Fernandes havia descoberto. Essa terra não podia ser outra
senão a America.

Mezes antes, por carta régia de 19 de fevereiro, esse mesmo Affonso V
havia feito doação a João Vogado de duas ilhas por elle descobertas no
_mar oceano_, ás quaes dera os nomes de Lono e Capraria. Nos documentos
da época, a expressão _mar oceano_ era usada para designar o mar que
banhava a America, que então ainda não tinha esse nome. Esta doação a
João Vogado prova que as duas ilhas Lono e Capraria eram ilhas ou pontos
da costa americana.

Onze annos depois, em 1473, d. Affonso V, por carta régia de 12 de
janeiro, faz doação á sua sobrinha d. Beatriz, filha do infante d.
Fernando, de uma ilha que apparecera, em 1468, através da ilha de
Santiago, e que era uma das Antilhas, aonde só 24 annos depois aportou
Colombo. Convém notar que esta descoberta é feita por navegadores
portuguezes 5 annos antes da chegada de Colombo a Lisboa.

Do exposto se conclue que as proprias Antilhas já tinham sido
descobertas pelos portuguezes muitos annos antes de Colombo lá ir tomar
dellas posse para a corôa da Hespanha.

Todas estas consecutivas viagens para o occidente formam uma série que
já constitue uma brilhante e indiscutivel documentação da prioridade dos
portuguezes na descoberta da America.

Mas ha ainda outros e valiosos documentos que melhor provam esta
asserção áquelles a quem ella possa parecer um pouco vaga.

Vejamos quaes são.

Em 1472, tendo vagado a capitania da Ilha Terceira por fallecimento de
Jacome de Bruges, a infanta d. Beatriz fez doação a João Vaz Côrte Real
da capitania dessa ilha, na parte de Angra, doando a parte da Praia a
Alvaro Martins.

Na carta de doação, encontram-se as seguintes palavras: «havendo eu, por
informação, estar ora vaga a capitania da ilha Terceira de Jesus
Christo... por se affirmar ser morto Jacome de Bruges... houve por bem
de a partir entre o dito João Vaz e o dito Alvaro Martins, mandei ao
dito João Vaz que escolhesse e elle escolheu a parte de Angra... E
considerando eu, de outra parte, _os muitos e grandes serviços_ que o
dito João Vaz Côrte Real, fidalgo da casa do dito senhor meu filho, tem
feito ao infante meu senhor e seu padre que Deus haja (é o infante d.
Fernando), e depois a mim e a elle, _em galardão_ dos ditos serviços,
lhe fiz mercê da dita capitania da ilha Terceira.»

Annos após, em 1488, confirmando essa doação, o duque de Vizeu, filho de
d. Beatriz, alludiu aos _grandes serviços_ de João Vaz Côrte Real a seus
paes, dizendo: «querendo lhe fazer graça e mercê pelos _muitos serviços_
que tem feito ao infante meu senhor e padre, que Deus haja, e a mim,
espero que ao deante fará.»

Quem era esse João Vaz Côrte Real, que assim era galardoado e que
serviços relevantes eram esses que havia prestado para receber tal
galardão?

Era um homem que, nesse mesmo anno de 1472, vinha de chegar da _Terra
Nova_ ou _Terra dos Bacalhaus_, trazendo essa nova descoberta americana
para a corôa portugueza, vinte annos antes de Colombo aportar ás
Antilhas.

As provas desta descoberta de João Vaz não escasseiam e encontram-se:

1.º--Na carta relativa á America do Norte do Atlas de Fernão Vaz
Dourado, existente na Torre do Tombo, onde se lê, na parte referente á
Terra Nova, a seguinte designação: _B. de João, Terra de João Vaz_.

2.º--No mappa-mundi do Atlas de Jomard, feito em pergaminho por ordem de
Henrique II da França (1547-1559), onde a mesma designação para a Terra
Nova se encontra.

3.º--No mappa-mundi de Mercator, do mesmo Atlas de Jomard, onde vem por
extenso, designando a Terra Nova--_Terra de Joam Vaz_, _Rio de Joam
Vaz_.

4.º--Num manuscripto feito entre 1672 e 1711 nos Açores, onde melhor se
conheciam os descobrimentos de João Vaz, no qual é encontrada a seguinte
referencia á doação de d. Beatriz a João Vaz: «Estando as cousas nesta
forma, morreu o capitão Bruges, não deixando herdeiros. Chegaram então á
ilha dois fidalgos que vinham de descobrir a _Terra do Bacalhau_; estes
pediram a ilha a d. Beatriz, mulher do infante d. Fernando, por serviços
que lhe tinham feito, lhes fizesse mercê da capitania da ilha Terceira,
a qual ella lhe concedeu. A João Vaz Côrte Real, que era um destes
fidalgos, ficou a de Angra.»

5.º--Finalmente, nestes trechos das _Saudades da Terra_, de Gaspar
Fructuoso, nascido nos Açores em 1522: «João Vaz Côrte Real, primeiro
capitão da ilha Terceira da parte de Angra, por serviços que fez a
el-rei de Portugal nas guerras contra Castella, andando por _capitão de
grossa armada_; do qual dizem que foi _tão grande aventureiro no mar que
neste Reino não tem segundo_; e alguns querem dizer que descobriu a
mesma ilha Terceira e _algumas partes do ponente e do Brazil, Cabo
Verde_, onde foi o primeiro que houve vista da _ilha do Fogo_... e
vindo, como atrás tenho dito, João Vaz Côrte Real do _descobrimento da
Terra dos Bacalhaus que, por mandado de el-rei foi fazer_, lhe foi dada
a capitania de Angra, da Ilha Terceira e da ilha de S. Jorge... Dizem
alguns que Jacome de Bruges, primeiro capitão da ilha Terceira de Jesus
Christo, era flamengo... e, estando-a povoando veio ter ahi João Vaz
Côrte Real... e vinha do _descobrimento da Terra Nova do Bacalhau_ e o
Jacome de Bruges o recolheu e lhe disse que lhe largaria metade da ilha,
a qual acceitou, e depois Jacome de Bruges se foi para sua terra e
desappareceu, de maneira que não tornou mais, e a infanta d. Beatriz,
por vaga, deu a ilha ao dito João Vaz Côrte Real.»

Não ha nada de mais positivo, de mais claro e comprovante, do que estes
cinco documentos, que venho de citar, no ultimo dos quaes se allude,
nada menos de trez vezes, ao descobrimento feito por João Vaz Côrte Real
da _Terra Nova_ ou _Terra do Bacalhau_, na America do Norte, em 1472,
vinte annos antes de Colombo aportar ás Antilhas.

Mas, não foram sómente João Vaz e outros navegadores portuguezes, já
citados, os precursores de Colombo na descoberta da America.

João Vaz Côrte Real tinha tres filhos--Vasco Annes, Miguel e Gaspar
Côrte Real--os quaes, como o pae, foram ousados navegantes,
principalmente o ultimo, Gaspar, que ficou captivo dos indigenas numa
das suas viagens á America. A carta regia de 12 de maio de 1500, fazendo
doação a Gaspar Côrte Real de terras que vae descobrir (carta passada
poucos dias após a chegada de Cabral ao Brazil, chegada essa de que
ainda não havia noticia em Portugal) regista importantes trabalhos do
mesmo Gaspar, anteriores ás duas viagens suas de que ha noticia e
refere-se _ás suas explorações maritimas feitas com muito trabalho,
despeza e perigos, realizadas por Gaspar á sua custa com seus navios e
homens_. Diz ainda essa carta de doação que _elle vae continuar a
descobrir_ ou reconhecer _ilhas e terra firme_ das quaes lhe são
outorgadas as capitanias.

A expressão vae _continuar a descobrir_, empregada na carta regia,
significa que Gaspar já havia anteriormente feito descobertas.

Infelizmente, Gaspar Côrte Real, partindo de Lisboa em 1501 para uma
nova exploração na America, por lá ficou captivo dos naturaes, voltando
todavia ao reino os dois navios que o haviam acompanhado. Em 1502, seu
irmão Miguel sahiu com outros dois navios no intuito de o procurar e
remir, mas tambem não regressou. Vasco Annes quiz ainda ir em busca dos
dois irmãos, mas D. Manoel não lh'o consentiu.

Documentos posteriores ao desapparecimento dos dois irmãos, Gaspar e
Miguel Côrte Real, registam os seus feitos e os de seu pae João Vaz.
Taes são: a carta régia de 17 de setembro de 1506 e principalmente a 4
de maio de 1567, de doação a Manoel Côrte Real, filho de Vasco Annes e
neto de João Vaz, na qual se encontra a seguinte phrase: «seu pae e tios
mandaram descobrir a Terra Nova».

Mas, anteriormente, a carta régia de 4 de novembro de 1501, de d.
Manoel--o venturoso--filho do duque de Vizeu e de d. Beatriz, concedendo
a tença de 30.000 cruzados a Miguel Côrte Real por serviços feitos a d.
João II, que falleceu em 1495, fixa ás viagens maritimas dos Côrtes
Reaes uma data anterior a 1495.

Ora, a sete de junho de 1494, d. João II assignou com a Hespanha o
tratado de Tordesillas, abrangendo na demarcação portugueza não só a
costa do Brazil (aonde Pedro Alvares Cabral só aportou _6 annos depois_)
como a terra dos Côrtes Reaes, isto é, a _Terra Nova_ ou _dos
Bacalhaus_, o que prova que a descoberta dessa terra é anterior ainda a
1494. Por ultimo, Bartholomeu las Casas, amigo de Colombo e companheiro
do genovez numa das suas viagens ás Antilhas, na sua _Historia das
Indias_, apontando ingenua e sinceramente as indicações que Colombo teve
para ir ás Antilhas, indicações, aliás, confessadas pelo proprio
Colombo, cita, entre outras, as viagens dos Côrtes Reaes, empregando
estas expressões: «Os Côrte Reaes que foram em diversos tempos buscar
_aquella terra_.»

E isto prova ainda que o descobrimento da _Terra Nova_ ou _dos
Bacalhaus_ e, portanto, da America, é anterior á primeira viagem de
Colombo ás Antilhas, isto é, anterior a 1492 e mesmo anterior a 1484,
porque foi em 1484 que Colombo sahiu de Portugal, onde obteve taes
indicações e onde viu e conheceu Miguel e Gaspar Côrte Real, filhos de
João Vaz Côrte Real, e Affonso Sanches, que descobriu as Antilhas de
1473 a 1484. As expressões que Las Casas emprega, referindo-se ás
confissões feitas pelo seu amigo Colombo são as seguintes, que reproduzo
textualmente: «_Disse_, pois, Christovam Colombo entre outras cousas
_que poz em seus livros por escripto_... e accrescentou mais que tinha
visto dois filhos do capitão que descobriu a ilha Terceira, que se
chamavam Miguel e Gaspar Côrte Real, _ir em diversos tempos a buscar
aquella terra_.»

_Aquella terra_ era a _Terra Nova_ ou _Terra dos Bacalhaus_.

Ainda relatando Las Casas as indicações e informações que conduziram
Colombo ás Antilhas, cita a viagem de Vicente Dias e mais uma outra a
respeito da qual assim se exprime: «uma caravela ou navio que tinha
sahido de um porto de Hespanha (não me recordo ter ouvido indicar qual
fosse, ainda que creio que do reino de Portugal, se dizia)... veio...
parar a estas Antilhas e que esta caravela foi a primeira que as
descobriu. Que isto assim acontecesse alguns argumentos ha para
demonstral-o.»

E ajunta que o piloto dessa caravela, «que alguns escriptores hespanhóes
chamam Affonso Sanches e dão como natural de Cascaes, recolhido por
Colombo em sua residencia na ilha da Madeira, ao sentir perto a morte
lhe revelara o segredo e lhe dera por escripto os rumos e caminhos que
tinham levado e trazido por carta de marear e pelas alturas e paragem
aonde estava a ilha.»

Esta confissão de Las Casas, amigo e companheiro de viagem de Colombo, é
importantissima.

Diz ainda Las Casas que, quando foi com Colombo ao primeiro
descobrimento de Cuba, «os indios vizinhos daquella déram noticia de
terem chegado a esta ilha Hespanhola outros homens brancos e barbados,
como nós outros, _antes que nós outros não muitos annos_.»

Mas, não fica nisto.

Em 1501, Pietro Pasqualigo, referindo ao senado de Veneza a segunda
viagem de Gaspar Côrte Real á America, disse que Gaspar e seus
companheiros acreditavam que «a terra achada era firme e estava ligada
com a outra (Terra dos Papagaios ou Brazil) que o anno passado (1500)
foi descoberta por outras caravelas de S. Magestade, acreditando estar
ligada com as Antilhas.»

Humboldt confirma este conceito, quando diz «que antes mesmo das
viagens de Colombo a Honduras e Veragua, em outubro de 1501, já se sabia
em Portugal que as terras do norte eram cobertas de neve e gelo,
contiguas ás Antilhas e á terra dos Papagaios _novamente_ achada.»

E admiradissimo, Humboldt accrescenta: «esta _adivinhação_ que proclama,
apesar da ausencia de tantos élos intermediarios, uma ligação
continental entre o Brazil e as terras geladas do Lavrador _é muito
surprehendente_.»

Nem foi _adivinhação_ nem _cousa para surprehender_; os élos
intermediarios, estabelecendo a ligação continental entre o Brazil e as
terras geladas do Lavrador, existiam e eram conhecidos dos portuguezes
pelas viagens e descobrimentos que haviam feito na sua pertinancia de
procurar o caminho para a India, navegando constantemente para o
occidente e para o sul, desde 1431. Ora, todos os documentos que citamos
demonstram de um modo cabal e decisivo que os descobridores da Terra
Nova e portanto da America do Norte foram João Vaz Côrte Real e seus
filhos e que este descobrimento foi feito muitos annos antes que Colombo
aportasse ás Antilhas.

Mas o estudo dos documentos portuguezes e castelhanos que o sr. Faustino
da Fonseca exhumou da Torre do Tombo, dos archivos açorianos e
hespanhóes e a que deu publicidade no seu luminoso livro, referentes ás
viagens maritimas dos seus antepassados, provam de um modo
incontestavel que desde 1435, ou antes havia em Portugal conhecimento
perfeito de terras americanas (o Brazil ou terra dos Papagaios com a sua
posição determinada no mappa de Bianco e a sua distancia de 1500 milhas
entre as ilhas de Cabo Verde e o Cabo de S. Roque precisamente marcada
no mesmo mappa) e tambem que, desde 1475, as viagens dos portuguezes
para o occidente já se realizavam, não tanto no empenho de procurar por
ahi o caminho para chegar á India, como no de «colonizar, de aproveitar
as terras americanas e nellas commerciar, como se commerciava na costa
africana e nas ilhas dos seus mares.»

Era pelo sul da costa da Africa que os navios da corôa portugueza
procuravam o caminho do oriente e as viagens á Guiné eram então
privativas dos navios reaes, não podendo os particulares emprehendel-as.
Já para o occidente a navegação era francamente aberta ás naus dos
particulares, dando-lhes ensejo ás descobertas e explorações
commerciaes.

A carta de doação a Fernão Dulmo, em 1486 e a confirmação do seu
contracto com João Affonso Estreito, feita pela carta regia de D. João
I, vem demonstrar de um modo cabal, como muito bem diz o sr. Faustino da
Fonseca, «a existencia de trabalhos de mór importancia relativos á
America em que se não trata já da descoberta, mas da posse effectiva,
da conquista, da occupação.»

Nessa carta de doação diz o rei que Fernão Dulmo, capitão da ilha
Terceira, «lhe queria dar achada ao occidente uma grande ilha, ou ilhas,
ou terra firme por costa», ilha essa que se presumia ser a das Sete
Cidades, e isto prova «que não se julgava ser a India, como pensava
Colombo, nem Catay, nem Cypango, terras do oriente, que o genovez
procurava e que até morrer julgou ter descoberto.»

Era uma outra terra a que se dava o nome de Sete Cidades por causa de
uma velha lenda. Effectivamente, o que Fernão Dulmo queria dar ao rei
_achada_ era, não uma ilha, mas terra firme, isto é, um continente.

Dava-lhe a carta regia poder e autoridade para tomar posse real e autual
de todas ilhas e terra firme que descobrisse, «podendo enforcar, matar e
applicar toda outra pena criminal» e accrescentava que, «se as ilhas e
terra firme não quizessem sujeitar-se, elle rei mandaria com Fernão
Dulmo gentes e armadas de navios para as sujeitar.»

Tão amplas eram as autorizações e poderes conferidos a Fernão Dulmo,
contrastando com as restricções feitas nas doações anteriores, nas quaes
a corôa reservava para si «a alçada de morte ou talhamento de membro,»
que taes concessões levam a crer, com relativa segurança, que na terra,
que Dulmo queria dar _achada_ ao seu rei, já elle havia estado, havendo
encontrado resistencia á occupação por parte da população indigena.

Nessa terra do occidente, ou America, que Dulmo queria dar _achada_ á
corôa portugueza, já elle estivera, portanto, em 1486, ou antes. Que
tinha havido luctas na America entre os donatarios e os indigenas
prova-o ainda a carta de doação a Vasco Annes Côrte Real na qual se
refere que Miguel Côrte Real (irmão de Vasco Annes), ao partir, em busca
de seu irmão Gaspar, que ficara captivo das tribus americanas na terra
onde aportara, ia «buscar, achar e remir o dito seu irmão.» Que Fernão
Dulmo estivera na America em 1486, ou antes, prova-o ainda o contracto
por elle feito com João Affonso Estreito pelo qual este fazia todas as
despesas da expedição, e ainda o prazo marcado para irem e voltarem,
ficando Dulmo com o commando da frota durante os primeiros 40 dias e
assumindo-o João Affonso após esse tempo, o que significa que Fernão
Dulmo estava seguro de attingir a terra achada em 40 dias e que João
Affonso não receiava empregar o seu capital numa empresa temeraria,
seguindo com o seu socio para o desconhecido.

Estabelecia o contracto que as caravelas seriam abastecidas para 6 mezes
ou 180 dias approximadamente. E dahi se deduz que, sendo precisos 80
dias para a viagem de ida e de volta, ficavam 100 dias para a
permanencia na America, para a exploração, marcação e divisão das
capitanias de que eram donatarios os dois associados e, finalmente, para
a sujeição dos indigenas.

A confiança de João Affonso Estreito na expedição era tal que, além de
todas as despesas com o abastecimento das caravelas e sua equipagem,
ainda deu 6.000 reaes brancos a Fernão Dulmo.

Ora, o conhecimento que temos de Colombo ter gasto, posteriormente, 48
dias na sua primeira viagem de regresso das Antilhas, com atrasos
devidos a temporaes e a uma arribada á ilha de Santa Maria, e ainda o
facto de Pedro Alvares Cabral ter gasto 43 dias na sua viagem ao Brazil,
_apesar da calmaria que encontrou_, e ainda a circumstancia de ter gasto
Colombo, exactamente, 40 dias na sua viagem de Cadiz á Dominica, prova
que 40 dias era o tempo, em média, preciso para ir da Europa á America e
que, portanto, o facto de tal prazo ter sido fixado no contracto de
Dulmo com João Affonso Estreito mostra que Dulmo tinha perfeito
conhecimento do tempo que era preciso para chegar á terra _achada_ por
elle em 1486, ou antes, e que essa terra era positivamente a America.

Desta expedição de Dulmo fazia parte um allemão chamado Martim Behaim,
que o Dr. Monetario, ou Montaro, na sua carta a d. João II, chama
Martinho Bohemio. Ora, este allemão, que, de 1484 a 1486, acompanhou
Diogo Cão, como cosmographo, rezidindo nos Açores de 1486 até 1490,
seguia a opinião dos antigos de que o caminho para a India era pelo
occidente. Foi, pois, nesta viagem de Dulmo que Behaim obteve o
conhecimento da costa Americana, o qual registou depois no globo que
construiu ao regressar á Europa e que tambem representou no mappa, que
existia no erario do rei de Portugal e ao qual allude Pigaffeta. Nesse
globo terraqueo de Behaim foram representados a peninsula da Florida, o
golfo do Mexico e as Antilhas, embora sem estas denominações. Estes
trabalhos geographicos de Behaim confirmam que Dulmo estivera na America
do Norte e estabelecem de um modo preciso que as terras achadas por elle
eram a Florida, as Antilhas e o golfo do Mexico.

Em 1499 fez d. Manuel doação a João Fernandes Lavrador da capitania da
ilha ou ilhas que elle _descobrir ou achar novamente_. Não tendo meios
para custear a expedição, João Fernandes Lavrador associou-se a
Francisco Fernandes e João Gonçalves, escudeiros, naturaes dos Açores, e
com tres negociantes inglezes de Bristol, os quaes, provavelmente,
forneceram o capital preciso, e com elles obteve do rei Henrique VII da
Inglaterra nova carta de doação das terras que descobrisse.

A expedição seguiu a sua rota e conseguiu descobrir a terra avistada em
1452 por Diogo de Teive e seu filho João de Teive, á qual foi dada o
nome de Terra do Lavrador, que era o do seu novo descobridor e
donatario.

Ora, João Fernandes Lavrador, quando organizou a expedição, já sabia da
existencia da terra que _ia achar_ porque nella estivera com Pedro de
Barcellos de janeiro a abril de 1492, e o fim de sua expedição com os
negociantes de Bristol não era outro senão tomar posse da terra
anteriormente achada.

Portanto, ainda alguns mezes antes de Colombo, que só a 8 de agosto de
1492 partiu para as Antilhas, dois navegantes portuguezes, João
Fernandes Lavrador e Pedro de Barcellos haviam estado na America.

Assim, synthetizando esta série de provas de ida e estada de navegantes
portuguezes na America, anteriormente a Colombo, encontra-se o seguinte
quadro chronologico registador dessas viagens e descobrimentos:

1436--Regista André Bianco nas suas cartas e no seu portulano as
descobertas do Brazil ou Antilia, Mar de Baga e Mar de Sargaços.

1447--Um navio parte do Porto e vae á Groelandia onde os marinheiros
desembarcam.

1448--Regista André Bianco nas suas cartas a existencia do Brazil á
distancia precisa de 1500 milhas comprehendidas entre as ilhas do Cabo
Verde e o Cabo de S. Roque.

1452--Diogo de Teive e seu filho João descobrem a ilha das Flores e
chegam á latitude da terra do Lavrador.

1472--Descobre João Vaz Corte Real a Terra de João Vaz, ou Terra Nova,
ou Terra dos Bacalhaus, na America do Norte.

1473-1484--Affonso Sanches descobre as Antilhas.

1487--Viagem á America de Fernão Dulmo e João Affonso Estreito,
acompanhados de Martim Behaim, que registou, depois, no globo terraqueo
que construiu e no mappa do erario real portuguez, a existencia da
peninsula da Florida, das Antilhas e do golfo do Mexico.

1492--Descoberta, entre 30 de Janeiro e 14 de abril, da terra do
Lavrador, por João Fernandes Lavrador e Pedro de Barcellos.

Todas estas viagens, todos estes descobrimentos são anteriores á
primeira viagem de Colombo, realizada a 8 de Agosto de 1492 e
estabelecem a prioridade dos navegantes portuguezes no descobrimento da
America.

A carta do dr. Jeronymo Montaro, ou Monetario, de Nuremberg, a d. João
II, em 1493, quando ainda ignorava a primeira viagem de Colombo ás
Antilhas, aconselhando o monarcha lusitano a que demandasse a India pelo
caminho do occidente, confirma o conhecimento que tinham os portuguezes
das terras americanas.

Ignorando, como Colombo (que até morrer suppoz sempre que chegando ás
Antilhas havia chegado á India) que as terras do occidente constituiam
um novo continente, formando a parte quarta do universo até então
conhecido, o dr. Montaro elogia na sua carta o saber dos mareantes
portuguezes, usando das seguintes expressões: «sabios que navegaram a
_largura do mar_, que tomaram o caminho dos Açores por quadrantes
chilindricos e astrolabio e outros engenhos, onde _nem frio nem calma os
anojara_ e mais navegaram a _praia oriental_ sob uma temperança
(temperatura) muito temperada do ar e do mar.»

Nestas expressões--_navegaram a largura do mar, tomando o caminho dos
Açores_--(que era o ponto de partida dos navegantes que iam ao novo
continente) põe Montaro em evidencia as viagens dos portuguezes á
America, muito embora ignorasse que essa terra era o Novo Mundo.
Empregou a expressão _praia oriental_ suppondo sempre que era a India
cujo caminho pelo oriente já havia sido descoberto, cinco annos antes,
por Bartholomeu Dias, quando em 1487 dobrara o cabo da Boa Esperança,
indo em busca do reino do Prestes João.

Não admira que o dr. Montaro estivesse nessa ignorancia quando Colombo
permanecia nella e insistia em acreditar que a America era a Asia e que,
atravez della, havia um caminho por agua, que abreviava a viagem pelo
occidente para a India.

Esse caminho, que o audaz e astuto genovez embalde procurou até morrer,
existia de facto, mas, em vez de abreviar, alongava a viagem para a
India. Esse caminho, que elle nunca conseguiu achar, descobriu-o ainda
um portuguez, Fernão de Magalhães, quando, a soldo da Hespanha, mas com
marinheiros portuguezes e com o cosmographo portuguez Ruy Faleiro,
transpoz o estreito a que ligou o seu nome, no extremo sul da America, e
fez a primeira viagem de circumnavegação, dando a volta ao mundo e
confirmando a doutrina da espheroicidade da terra.

De tudo o que fica exposto resulta, meus senhores, de um modo
indiscutivel, com uma veracidade esmagadora, que não foi Colombo quem
teve a prioridade na descoberta da America e que essa grande gloria cabe
de direito e de facto aos destemidos e desinteressados navegantes
portuguezes do seculo XV, que á America foram e que na America estiveram
muito antes do genovez.

Qual delles, qual desses ousados lusos, precursores de Colombo, foi o
primeiro a pôr o pé no solo americano?

Evidentemente, aquelle que, em 1435, ou antes, segundo o registo de
André Bianco, descobriu o Brazil. Desse, infelizmente, a historia não
guardou o nome. Mas, daquelles que foram á parte norte da America e que
lá estiveram, dando-lhe o seu nome, ha noticia; e o que firmou o direito
á prioridade na descoberta foi evidentemente João Vaz Corte Real que, em
1472, vinte annos antes de Colombo, descobriu a _Terra Nova_, que os
mappas, portulanos e manuscriptos da época designaram por essa
denominação, pela de _Terra dos Bacalhaus_, pela de _Terra de João Vaz_
e ainda de _Terra dos Corte Reaes_, em homenagem ao grande navegante
luso e a seus filhos, que á mesma terra foram, no mesmo ardor empenhados
de engrandecerem a sua patria.

       *       *       *       *       *

Mas, vejamos agora quem era Colombo e o que fez elle, não para
_descobrir_, mas para _chegar_ á America e de uma parte della tomar
posse official para a corôa de Hespanha.

Por uma ironia da sorte, Colombo, nascido em Genova em 1450, veio ao
mundo dois annos depois daquelle (1448) em que André Bianco registou no
seu mappa a existencia do Brazil a 1.500 milhas das ilhas de Cabo Verde,
tres annos depois que um navio portuguez foi á Groenlandia, e apenas
dois annos antes daquelle em que o navegante portuguez Diogo de Teive
chegou á latitude da Terra do Lavrador, terra americana que João
Fernandes Lavrador e Pedro de Barcellos ainda descobriram e della
tomaram posse em 1492, mezes antes de Colombo chegar pela primeira vez
ás Antilhas.

Filho de uma familia de operarios, era Colombo um tecelão, que apenas
apprendera a ler e a escrever e que, até aos 23 annos de edade, se
conservara sem fazer estudos universitarios, sem seguir a carreira
maritima, sem nada saber de cosmographia nem de pilotagem. Indo para
Savone, em 1470, ahi estabeleceu uma taverna e ahi se conservou durante
dois annos. Não lhe sorrindo a fortuna como taverneiro, foi, em 1473,
para Portugal, e fixou-se na ilha da Madeira, onde abriu uma casa de
pasto, e onde casou com uma rapariga portugueza, filha de um tal
Bartholomeu Perestrello, mareante, já então fallecido. Na Madeira
nasceu-lhe o primeiro filho e na Madeira começou elle a apprender
nautica nos documentos, instrumentos e mappas de Perestrello, que a
sogra lhe forneceu. Mais tarde, ficou sabedor da exacta situação das
Antilhas pelos papeis de Affonso Sanches[1], que as descobriu, que em
sua casa de pasto se hospedou e que ahi falleceu. Creio que ainda existe
na Madeira essa casa que Colombo habitou. É Bartholomeu de las Casas, o
amigo e companheiro de Colombo numa das suas viagens, quem, na sua
_Historia das Indias_, nos dá conta desse episodio da vida do genovez em
Portugal. Referindo-se aos objectos de Perestrello, que a sogra dera a
Colombo, diz: «eram instrumentos e escriptos e pinturas (cartas e
mappas), convenientes á navegação, os quaes deu a sogra ao dito Colombo,
que com a vista delles muito se alegrou.» E accrescenta: «_com estes se
crê haver sido instigada a sua natural inclinação_.»

[Nota de rodapé 1: Affonso Sanches descobriu as Antilhas de 1473 a
1484.]

Quando Colombo chegou a Portugal já ahi eram conhecidas as cartas
hydrographicas planas inventadas pelo infante d. Henrique, e foi durante
a sua permanencia no reino que o portuguez Fernando construiu a primeira
bussola completa com a rosa dos ventos e que a junta dos cosmographos do
rei aperfeiçou o astrolabio, assim como as taboas astronomicas
applicadas á navegação.

Vivendo no meio de uma grande familia de navegadores, sabios, como o
testemunhou mais tarde o sabio dr. Montaro, de Nuremberg, conhecedor das
viagens e descobertas dos portuguezes, é natural que Colombo, instigado
pela mulher e pela sogra, fascinado pelos instrumentos e documentos que
recebeu e por outros que manuseou e consultou depois, estimulado pelas
audacias felizes dos mareantes lusos, quizesse tentar fortuna pelo mar e
procurasse obter a pratica da navegação que de todo lhe faltava. Para
isso conseguir, embarcou em navios portuguezes e com pilotos
portuguezes apprendeu a navegar.

É ainda Las Casas quem nol-o affirma, quando diz, na sua já citada
_Historia das Indias_: «resolveu ter por experiencia o que então do
mundo pela de Ethiopia se andava e praticava pelo mar e assim navegou
algumas vezes aquelle caminho em companhia de portuguezes, como pessoa
já residente e quasi natural de Portugal.»

Foi, portanto, em Portugal que Colombo apprendeu a navegar e foi ainda
em Portugal que teve conhecimento exacto de terras ao occidente, terras
que, obcecado pelas theorias de Toscanelli, Marco Polo e outros
geographos e cosmographos antigos, elle suppoz sempre que fossem
asiaticas.

Foi então, depois de adquirida esta instrucção theorica e pratica,
ministrada pelos portuguezes, que o genovez affagou a idéa de descobrir
o caminho da India pelo occidente, indo á terra onde já havia chegado
Affonso Sanches.

Para conseguir os seus fins, procurou desde logo fazer relações com d.
João II, rei de Portugal, o qual, longe de esconder delle as provas que
possuia da existencia de terras ao occidente e ao sul, lh'as mostrou,
como o proprio Colombo confessa, indicando-lhe nos mappas a situação da
Terra Nova ou de João Vaz e a do Brazil ou Terra dos Papagaios.

Ora, aconteceu, segundo informa Las Casas, que um dia, «soprando fortes
ventos do poente, o mar trouxe ás costas das ilhas do Fayal e da
Graciosa alguns troncos de pinheiros e ás da ilha das Flores dois
cadaveres de caras mui largas e de feições differentes das dos
christãos.»

Guiado por estes indicios, e tendo conhecimento, como ainda informa Las
Casas, da viagem do navio portuense que em 1447 tinha ido á Groelandia,
da ida de Diogo de Teive em 1452 á latitude da Terra do Lavrador, das
viagens de Vicente Dias, de Antonio Teive e de Affonso Sanches, de 1473
a 1484, da concessão a Fernão Domingues do Arco, em 1484, e das viagens
de João Vaz Côrte Real e seus filhos, começadas em 1472, resolveu
Colombo, certo da existencia de terras ao occidente, procurar um
principe christão que o ajudasse e protegesse na empresa do
descobrimento da India pelo poente.

Foi então a Castella offerecer os seus serviços á corôa hespanhola.

Diz Las Casas que, guiado pelas informações que possuia, «_Colombo tinha
a certeza que havia de descobrir terras e gentes nellas, como si nellas
pessoalmente tivesse estado_.»

E foi isso, provavelmente, o que Colombo, munido de copias dos mappas
que viu em Portugal, e conhecedor das viagens e das doações alli feitas,
affirmou aos reis de Castella, assegurando-lhes, não que ia achar ou
descobrir, mas tomar posse para a Hespanha de terras anteriormente
descobertas pelos portuguezes, dessas Antilhas que Affonso Sanches
descobrira, cuja situação os seus mappas e papeis lhe revelaram.

Tal offerta elle não podia fazel-a ao rei de Portugal, porque tinha a
certeza de que seria recusada. Que poderia elle offerecer á corôa
portugueza, que esta já não conhecesse?

Accresce que, achando-se individado e sendo perseguido pelos credores,
elle sentia necessidade urgente de sahir de Portugal e procurar no
estrangeiro os meios de solver os seus compromissos.

Eis ahi as razões pelas quaes deixou Portugal e foi á Hespanha, não no
nobre intuito de descobrir terras e de praticar feitos que lhe dessem
renome, mas no de ganhar dinheiro.

Os que, como Humbolt, affirmam que Colombo foi, _por inveja_, maltratado
em Portugal e, por isso, de lá sahiu, fugindo, faltam á verdade.

Inveja de que? Que feitos, que emprehendimentos, que descobertas havia
elle feito, quando deixou o reino portuguez, onde tudo foi apprender,
para que delle alli tivessem inveja? Inveja poderia elle ter, e
certamente tinha, daquelles que, arriscando a vida e a fortuna, já
haviam dilatado o mundo, quando elle nada tinha feito até então.

Mas, é elle proprio quem desmente os que affirmam que foi a inveja que o
fez sahir de Portugal, quando, em uma carta ao rei de Castella, diz:
«fui aportar a Portugal cujo rei entendia de descobrimentos mais do que
nenhum outro.» E, em outra carta, accrescenta: «o grande coração dos
principes de Portugal que ha tanto tempo proseguem na empresa de Guiné e
tambem na de Africa onde gastaram metade da gente do reino...»

Não teria elle feito taes elogios aos reis portuguezes se, _por inveja_,
tivesse sido maltratado em Portugal. Que a causa principal da sua
precipitada sahida de Portugal foram as dividas, deprehende-se
claramente dos seguintes trechos da amistosa e protectora carta que d.
João II, em 1488, lhe dirigiu: «E porque por ventura tereis algum receio
das nossas justiças _por razão de algumas cousas a que sejaes obrigado_,
nós por esta carta vos asseguramos pela vinda, estada e tornada, que não
sejaes preso, retido, accusado, citado nem demandado por nenhuma cousa
ou seja civil ou criminal de qualquer penalidade. E por ella mesmo
mandamos as nossas justiças que a cumpram assim.»

Eis ahi como cáe por terra a invencionice da inveja e como fica patente
que as dividas foram a causa principal da fuga do genovez.

Munido dessa generosa carta de D. João II, que é um salvo conducto,
Colombo volta a Portugal e vae então offerecer ao rei os seus serviços
na empresa dos descobrimentos e o rei os acceita, não para aproveitar-se
delles, mas para reter Colombo junto a si, evitando que, por meio delle,
Castella se apropriasse de terras que a Portugal já pertenciam.

Mas, o astuto genovez, nem pelo facto de ficar ao serviço do rei de
Portugal, deixa de conservar-se ao serviço da Hespanha de cujo thesouro
havia recebido 14.000 maravedis[2] em 1487, mais 3.000 pouco depois e
ainda 3.000 em junho de 1488, isto é, mezes depois de receber a carta de
d. João II que lhe dava o salvo conducto para voltar ao reino!!...

[Nota de rodapé 2: O maravedi valia cerca de 25 réis fortes.]

Eis ahi patente a dualidade ambiciosa de Colombo, que fica ao serviço de
Portugal e ao da Hespanha, simultaneamente, explorando a ambos sem
escrupulos!...

Essa dualidade elle a revelou ainda no proprio nome, pois assignava-se
_Colon_ na Hespanha e _Colombo_ na Italia e em Portugal!!!...

Ao fim de quatro annos dessa dupla exploração, consegue Colombo assignar
um tratado com a corôa de Hespanha, obtendo della as tres caravelas de
que carecia para ir á India pelo occidente e _achar_ terras que já
tinham sido achadas pelos navegantes portuguezes. Por esse tratado, elle
obteve as seguintes vantagens: «o grau de cavalleiro da espada dourada,
os cargos de almirante mór do mar oceano, de vice-rei e governador
perpetuo das terras que descobrisse, a decima de todas as rendas, e o
direito de poder concorrer com o oitavo das despesas de todas as
frotas, recebendo o oitavo dos lucros.»

Que contraste resalta do procedimento deste aventureiro com o dos
navegantes portuguezes que, antes delle, haviam ido á America,--como os
Corte Reaes, Fernão Dulmo e Lavrador--que armavam as caravelas á sua
custa, que, nisso consumiam as suas fortunas e se individavam, vindo, ao
depois, offerecer ao seu rei e ao seu paiz as terras achadas, sem pedir
favor nem retribuição alguma!

Havia no tratado entre Colombo e os reis de Castella uma clausula pela
qual fora estipulado que 10.000 maravedis seriam dados pela corôa e de
alviçaras ao marinheiro da frota columbina que primeiro avistasse e
annunciasse terra ao commandante. Esse marinheiro foi Rodrigo de Triana.
Mas quando elle, do cesto da gavea, enthusiasmado apontou para o
horizonte onde apparecia o relevo da terra desejada e, alegremente, a
annunciou a Colombo, este declarou logo que, na noite anterior, já havia
visto uma _luz_ e, estabelecendo com essa _luz_ a prioridade, apossou-se
da gratificação que ao seu subordinado competia!

Os que pela rama estudaram a vida deste aventureiro audaz exaltam a sua
caridade christã, esquecendo: que, na sua primeira viagem ás Antilhas,
nem padre elle levou na frota para chamar o gentio ao gremio da egreja;
que, ao chegar ao golfo de Samaná, fez logo correr sangue, atacando os
indigenas nús e quasi desarmados; que, não podendo enviar aos reis de
Castella as promettidas e almejadas riquezas em especiarias, pedras e
metaes preciosos, mandou navios carregados de escravos para serem
vendidos e com o preço obtido pagar-se a despesa da viagem; que, de 1493
a 1496, governando a Hespaniola, que é o Haiti de hoje, exterminou
barbaramente a terça parte da população; que, quando mandou Pedro
Margarite reconhecer a ilha de Cuba, deu-lhe ordem para mutilar os
indigenas que lá encontrasse; que, finalmente, quando ordenou a Hojeda
(um dos pretensos descobridores do Brazil) que fosse prender o cacique
Cahonaboa, deu-lhe instrucções para que o fizesse á traição,
attrahindo-o com presentes, illudindo-o com fingida amizade e
apoderando-se delle em seguida!!...

Eis ahi o quilate da caridade christã de Colombo.

Parece que a cavalheiresca Hespanha, a despeito de Colombo a ter
enriquecido, sempre suspeitou desse _descobridor_, que a seu soldo
trazia, pois, logo após a sua segunda viagem á America, perseguiu-o
tenazmente, submettendo-o a um tribunal e, quando elle regressou da
terceira, após dois mezes de prisão em calabouço, mandou que viesse a
bordo preso a uma grilheta, como se fosse um bandido!

Morto em 1506, ignorando sempre que a terra que alcançara para a
Hespanha era a America, pois viveu sempre convicto de que era a Asia,
nem depois de morto conseguiu descansar, pois os seus ossos andaram em
viagens continuas de Valladolid, onde primeiro foi sepultado, para
Sevilha, depois para o Haiti, depois para Cuba e, finalmente, de Cuba,
de novo, para a Hespanha, onde actualmente param.

E sendo genovez, a Italia, que aliás lhe ergueu uma estatua, não
reclamou jamais as suas atormentadas cinzas, talvez por desconfiar da
authenticidade desse pretenso filho cuja nacionalidade é ainda hoje
discutida.[3]

[Nota de rodapé 3: Vide _Nota A_ no fim da conferencia.]

Eis ahi senhores, quem foi Colombo, e como foi que elle deu á Hespanha
terras dessa America que os portuguezes haviam descoberto.

Conhecidos os factos que venho de narrar, posso dizer agora, sem receio
de contestação séria, que Colombo não descobriu a America, porque, 15
annos, pelo menos, antes delle nascer, já a America havia sido
descoberta pelos navegantes lusos do primeiro terço do seculo XV.

Como nota elucidativa e de importancia historica, cumpre-me accrescentar
que, quando Colombo regressou da sua primeira viagem ás Antilhas e
communicou a sua descoberta ao rei de Portugal, d. João II, logo este
monarcha protestou energicamente, dizendo-lhe: «Que aquella conquista
lhe pertencia e que suas eram as terras aonde elle chegára.»

A este protesto do rei portuguez, respondeu Colombo hypocritamente, «que
o não sabia e que os reis de Castella apenas lhe haviam ordenado que não
fosse á Guiné nem á Mina.»

Ao que retrucou d. João II: «Que tinha a certeza que nisso não haveria
mistér de terceiros».

Este dialogo, extrahido do diario da primeira viagem de Colombo, por
elle proprio escripto, mostra que o usurpador da gloria alheia
esquivava-se á responsabilidade directa do delicto por elle commettido,
sciente e conscientemente, e que atirava essa responsabilidade para os
hombros dos reis de Castella, como se fossem estes que tivessem ido ás
Antilhas ou que o tivessem induzido a ir até lá!...

Mas, deixemos Colombo e vejamos agora como foi descoberta esta parte do
continente americano que se chama o Brazil.

Desde o começo desta conferencia, vos disse que não foi Pedro Alvares
Cabral quem descobriu o Brazil, pois o Brazil já estava designado e
marcado nos mappas que a corôa portugueza possuia desde 1436, fixando
André Bianco, desde 1448, a sua distancia das ilhas de Cabo Verde em
1500 milhas.

Nesse mappa de 1448, que André Bianco traçou em Londres, _depois de
haver passado por Portugal_, estava o Brazil representado ao sul das
ilhas dos Hermanos do archipelago de Cabo Verde, ilhas que têm hoje a
denominação de Brava e do Fogo. Na parte referente ao Brazil e
correspondente ao Cabo de S. Roque, havia no mappa esta legenda: _Ixola
otincticha xe longa a ponente 1500 mia_, cuja traducção é esta: «Ilha
authentica (ou Antilia) 1500 milhas ao poente.»

Ora, o cabo de S. Roque, como todos sabem, dista exactamente 1520 milhas
das ilhas de Cabo Verde.

Estes dois documentos bastam para deixar patente que, quando, em 1500,
Pedro Alvares Cabral aportou a Porto Seguro da costa brazileira, fazia,
no minimo, 65 annos que essa parte da America tinha sido descoberta.

Foram ainda navegantes portuguezes que a descobriram e até o testamento
de João Ramalho, escripto nas notas do tabellião Lourenço Vaz, na villa
de S. Paulo, em 3 de maio de 1580, segundo o testemunho do frei Gaspar
da Madre de Deus, que delle teve uma copia, o prova, pois, ahi, Ramalho,
na presença do dito tabellião, do juiz ordinario Pedro Dias e de quatro
testemunhas, declarou que estava no Brazil ha 90 annos, isto é, desde
1490, dois annos antes da ida de Colombo ás Antilhas e dez annos antes
da chegada de Cabral a Porto Seguro.

Prova-o ainda o tratado de Tordesillas, assignado em 1494 entre Portugal
e a Hespanha, o qual, marcando para limites entre os dois reinos uma
linha divisoria, do polo artico ao antarctico, distante 370 leguas das
ilhas de Cabo Verde, abrangia na parte portugueza o Brazil, cujos
limites foram traçados por esse meridiano.

O mappa de Cantino, de 1502, regista essa linha divisoria e inclue, de
accordo com o tratado, na parte portugueza, não só o Brazil como a Terra
Nova ou de João Vaz e a Groelandia, assignalando tudo o que ficava á
direita da linha divisoria com a bandeira portugueza e a parte á
esquerda com a de Castella, com a seguinte legenda:--«Este é o marco
dantre Castella e Portugal.»

O açoriano Fructuoso, tratando de João Vaz Côrte Real, diz que elle
«descobriu algumas partes do Poente e do Brazil», devendo, portanto,
esta ultima descoberta ser anterior a 1500, pois João Vaz falleceu em
1496.

Por um manuscripto de frei Diogo das Chagas, citado por Drumond nos seus
_Annaes da Ilha Terceira_, sabe-se que, antes de 1496, tambem o
navegante João Coelho veio ao Brazil.

Em 1514, Estevam Fróes confirma este asserto, numa carta ao rei de
Portugal, na qual lhe diz: «alegravamos que vossa alteza possuia esta
terra ha vinte annos e mais (portanto, desde antes de 1494), e que já
João Coelho... viera ter por onde nós outros vinhamos a descobrir e que
vossa alteza estava em posse destas terras por muitos tempos.»

O proprio Vasco da Gama, na sua primeira viagem á India, em 1497, passou
proximo do Brazil, tendo signaes de terra em 22 de agosto, isto é, 19
dias depois que sahiu de Cabo Verde, como se verifica no Roteiro dessa
sua viagem.

No seu _Esmeraldo de situ orbis_ refere Duarte Pacheco, o celebre
cosmographo, _que em 1498 estivera no Brazil_, provavelmente, como
suppõe plausivelmente o sr. Faustino da Fonseca, no intuito de
verificar, por ordem da corôa portugueza, os limites determinados pela
linha divisoria do tratado de Tordesillas.

Mestre João, physico mór de d. Manoel, e cosmographo da frota de Cabral,
que na sua interessante carta ao rei, escripta de Porto Seguro, regista
o Cruzeiro do Sul e marca para o Brazil a latitude de 17 graus, diz,
entre outras cousas interessantes, referindo-se á terra brazileira, que
a terra onde chegara, _já se achava traçada no mappa-mundi de Pedro Vaz
da Cunha Bisagudo_, affirmando-o categoricamente na seguinte passagem da
carta: «quanto, senhor, ao sitio desta terra, mande vossa alteza trazer
um mappa-mundi, que tem Pedro Vaz Bisagudo, e por ahi poderá ver vossa
alteza o sitio desta terra, ainda que aquelle mappa-mundi não certifica
si esta terra é habitada ou não: é mappa-mundi antigo e ahi achará vossa
alteza escripta tambem a Mina...»

Portanto, o proprio cosmographo da frota de Cabral sabia, desde antes
da viagem de 1500, que havia terra nesse rumo de sudoeste que a frota
cabralina seguiu, como o sabia tambem Duarte Pacheco, o qual já nessa
terra tinha estado em 1498.

Tudo isto vem provar que, se Cabral não descobriu o Brazil, tambem o não
descobriram os pretensos descobridores Vicente Yanez Pinzon, Diogo de
Lepe e Alonso Hojeda, aventureiros, que só chegaram á costa americana em
1499, não podendo tomar posse da terra brazileira porque o tratado de
Tordesillas de 1494 não consentia em tal. As proprias instrucções que o
rei de Castella lhes deu em 1499, determinavam «que não tocassem nas
terras de Portugal».

Elles estiveram, de facto, em terras do Brazil, antes de Cabral, mas a
descoberta dessas terras não lhes pertence.

Não foram, pois, Cabral, nem Pinzon, nem Lepe, nem Hojeda, os
descobridores do Brazil, podendo-se, porém, assegurar que essa gloria
cabe incontestavelmente a navegantes portuguezes do seculo XV, embora
seja difficil determinar qual foi desses intrepidos argonautas o
primeiro que pisou o solo brazileiro.

Á vista das cartas e portulanos de André Bianco, de 1436 e de 1448,
pode-se affirmar que essa descoberta foi feita, como já disse, em 1435,
ou antes.

Vejamos, agora, como Cabral aportou a esta terra e della tomou posse
official para a corôa de Portugal.

O fim ostensivo, o fim apparente da expedição de Cabral era ir á India.
O fim real, o fim verdadeiro era ir, primeiro, ao Brazil, delle tomar
posse official, e, em seguida, fazer rumo para o Cabo da Boa Esperança,
em demanda da India.

Como já referi, a corôa portugueza, anteriormente á viagem de Cabral,
havia enviado ao Brazil Duarte Pacheco, eminente cosmographo, que tambem
veio na frota cabralina. O autor do _Esmeraldo de situ orbis_ aqui
estivera, pois, em 1498, para verificar os limites da linha divisoria do
tratado de Tordesillas, que, na parte portugueza, abrangia as terras dos
Corte Reaes, a Groelandia e o Brazil, mas deste não havia tomado posse
official.

Tornava-se, pois, indispensavel a Portugal reconhecer e tomar posse, sem
demora, dessa terra e, assim, guiando-se pelas informações de Duarte
Pacheco e do proprio Vasco da Gama, bem como pelas de outros seus
navegantes, que haviam aportado á Terra dos Papagaios, aproveitava a
expedição á India para, de passagem, tomar posse official do Brazil. O
Brasil era, portanto, um ponto de escala da viagem de Cabral á India,
mas um ponto de escala forçado e já conhecido, pois sabia tambem a
corôa portugueza, pelos mappas e portulanos de Bianco, que essa «Ilha
authentica ou Antilia» ficava a 1500 milhas de distancia das ilhas Brava
e do Fogo, do archipelago de Cabo Verde.

Era a frota de Cabral composta de 13 naus, uma das quaes com
mantimentos, e nellas embarcaram 1.200 homens, entre os quaes o
capitão-mór Pedro Alvares Cabral, que commandava a nau capitanea, os
capitães das outras naus Sancho de Toar, Simão de Miranda de Azevedo,
Ayres Gomes da Silva, Nicolau Coelho, Bartholomeu Dias (o descobridor do
Cabo da Boa Esperança), Diogo Dias, Gaspar de Lemos, Luiz Pires, Simão
de Pina, Pedro de Atayde Inferno, Vasco de Atayde e Nuno Leitão da
Cunha.

Iam tambem na frota: Duarte Pacheco, autor do _Esmeraldo de situ orbis_,
Mestre João, physico mór do rei, que ia como cosmographo, o escrivão
Pero Vaz Caminha, diversos frades, entre os quaes frei Henrique de
Coimbra, os pilotos Affonso Lopes, Pedro Escolar e outros que Vasco da
Gama trouxera da India, diversos indios, um grumete negro da Guiné,
alguns interpretes e varios degredados.

Iam os navios de Cabral apparelhados e munidos do necessario para anno e
meio de viagem, bem providos de artilheria, de munições de bocca, de
armas brancas, como espadas e lanças, e, em cada nau, havia uma botica.
Para o commercio, levavam as caravelas, velludos, setins, damascos,
pannos de lã, coral, cobre, vermelhão, mercurio e ambar. Além disso,
levavam os padres comsigo um orgão e alfaias de prata.

Era, evidentemente, a maior, a melhor apparelhada e a mais garrida frota
que partia da Europa.

Em 15 de fevereiro de 1500 recebeu Cabral a carta de capitão mór e dos
poderes de que ia revestido. Com essa carta foi-lhe dado o regimento
pelo qual se devia guiar na viagem e, nesse regimento, que, na parte
relativa ao rumo, fôra organizado por Vasco da Gama, estava traçada a
rota que devia seguir.

Nesse documento minucioso, recommendava-se ao capitão mór que «se
afastasse da costa da Africa para encurtar a via e que, ao partir da
ilha de Santiago em Cabo Verde, deviam os navios fazer o seu caminho
pelo sul, _bordejando pelas bandas do sudoeste_... e, depois, na volta
do mar, até metterem o Cabo da Boa Esperança, em leste franco.»

O regimento não fala claramente em aportar á Terra dos Papagaios, mas
estipula que, ao deixar Cabo Verde, «fáça a frota caminho pelo sul,
bordejando pelas bandas de sudoeste» e sendo a missão secreta de Cabral
tomar posse official dessa terra e devendo elle de ter necessidade de
arribar a uma terra qualquer, antes da chegada ao Cabo ou á India, para
abastecer a frota de agua e lenha e dar descanso á marinhagem, a terra
do Brazil estava naturalmente indicada para tal fim. Accresce que, na
frota, ia Duarte Pacheco que, tendo já estado no Brazil, saberia guiar
Cabral com segurança a esse ponto de escala forçada da gran viagem, de
antemão indicada pelo Gama.

A rota traçada nas linhas e entrelinhas do regimento era, pois: seguir a
frota de Lisboa á ilha de Santiago, de Cabo Verde, dahi seguir pelo sul,
bordejando pelo sudoeste, até alcançar a costa da Terra dos Papagaios,
dahi zarpar para o Cabo, dobral-o e seguir para a India.

Esse rumo inda é o mesmo que hoje seguem os navios que vêm de Lisboa ao
Brazil. Prompta a frota de Cabral, partiu ella do Tejo aos 9 de março de
1500, acompanhando-a o rei d. Manuel até fora da barra. Cinco dias
depois, a 14 de março, passa a frota pelas Canarias onde encontra
calmaria e onde permanece um dia; a 22, chega a Cabo Verde e,
exactamente um mez depois, a 22 de abril, avista a terra brazileira,
gastando, de Lisboa a Porto Seguro, 43 dias.[4]

[Nota de rodapé 4: Vide _Nota C_ no fim da Conferencia]

Dos historiadores que consultei, e não poucos foram, sobre a viagem de
Cabral ao Brazil, attribuem uns ao _acaso_ esse feito, dizem outros que
a frota fôra impellida para a nossa costa por um _forte temporal_, que a
apanhou.

Nenhum delles porém, explica em que altura a frota foi apanhada pelo
temporal nem quanto tempo este durou.

Ora, contra esse _forte temporal_ protestam energicamente os dois
melhores documentos que possuimos da viagem de Cabral: as cartas que
Mestre João, o cosmographo da frota, e Vaz Caminha, o escrivão, enviaram
ao rei d. Manuel, de Porto Seguro, pela nau que dahi partiu a 1.º de
maio, de regresso a Lisboa, para dar conta do feito ao monarcha.

Nem o cosmographo nem Caminha falam de tal temporal, pelo contrario, o
que dizem é que, durante a viagem, houve calmaria e que por causa della
perdeu a frota um dia em frente ás Canarias. Temporal soffreu a frota,
mas depois que deixou o Brazil e se fez vella para o Cabo, onde falleceu
o seu descobridor Bartholomeu Dias.

Não houve, pois, temporal na travessia até ao Brazil, nem o acaso
interveio na chegada da frota cabralina a esta terra. O rumo a seguir
tinha-lhe sido traçado; além disso, já nessa época tinham os portuguezes
perfeito conhecimento das correntes maritimas e dos ventos geraes e
sabiam aproveital-os de accôrdo com as rotas a seguir. O duplo fim de
Cabral, tomando o rumo seguido e aportando ao Brazil, éra, como já o
disse, abastecer-se de lenha e agua, dando descanso á marinhagem e tomar
posse official da Terra dos Papagaios para a corôa portugueza.

O _acaso_ e o _temporal_ têm, portanto, de ser banidos dos livros que
se occupam do descobrimento da terra de Vera Cruz.

O primeiro e grande historiador que o Brazil teve, ainda hoje o mais
sincero e veridico, é Pero Vaz Caminha, o modesto escrivão, que narrou
ao rei d. Manoel, numa commovente e encantadora carta, onde a minucia
corre parelhas com a simplicidade, a historia da travessia, da chegada e
da permanencia de Cabral na terra brazileira.

Nessa longa missiva, escripta de Porto Seguro e datada de 1.º de maio de
1500, o consciencioso historiador dá conta ao seu rei e senhor de todas
as peripecias da viagem, desde a partida de Lisboa até ao Brazil e ainda
de tudo o que se passou durante os 12 dias em que a frota ficou ancorada
em frente á costa brazileira. Persuadido de que o que mais interessaria
a D. Manuel era o conhecimento exacto da terra reconhecida, da gente que
a habitava, dos seus costumes e indole, das riquezas que possuia e da
facilidade que poderia offerecer á colonização, não poupou minucias para
pôr o rei ao corrente do que vira e do que lhe poderia ser proveitoso.

É assim que elle descreveu com enthusiasmo e cores vivas o esplendor da
natureza brazileira, a frescura, abundancia e potabilidade das nossas
aguas, a brandura do clima, a belleza do nosso céo, onde rutilava o
cruzeiro, referindo-se com interesse e insistencia á indole pacifica
dos nossos indigenas, aos seus habitos e costumes, á belleza das suas
formas, á sua completa innocencia, deprehendida da sua completa nudez, e
á facilidade com que acceitavam a cathechese, parecendo-lhe empresa de
pequeno esforço fazel-os christãos, chamando-os ao gremio da egreja.
Tratando dos productos naturaes, descreveu a fauna e a flora que
encontrou, accentuando que os incolas, haviam dado demonstrações
evidentes aos da frota de que em terra havia ouro, prata e papagaios.

Descrevendo o que fizeram os indigenas, que acudiram á praia, quando das
naus partiram as primeiras almadias para o transporte de agua, diz que
«os indios logo trouxeram cabaças e tomavam alguns barris que nós
levavamos, enchiam-os de agua e traziam-os aos bateis».

Este trecho da carta de Caminha prova que a frota cabralina começou logo
por fazer aguada e prova tambem que os indigenas vinham offerecer agua
aos homens brancos, como se já estivessem habituados a praticar esse
serviço, repetindo actos praticados anteriormente; o que demonstra que
não era a primeira vez que viam homens brancos e naus.

A facilidade com que alguns dos naturaes se deixaram capturar e levar a
bordo da nau capitanea, alli permanecendo e dormindo tranquilamente
durante uma noite, como narra Caminha, prova ainda que os nossos
indigenas já estavam familiarizados com os europeus, que já os
conheciam, que conheciam os seus habitos e costumes, que delles não
tinham receio.

E isso é ainda uma prova indirecta de que os portuguezes já haviam
estado no Brazil antes de Cabral aqui chegar. E, de facto, cá estiveram,
porque já aqui estava João Ramalho, que havia chegado 10 annos antes e
que tanto facilitou a missão de Martim Affonso, quando este aportou á
antiga capitania de S. Vicente.

Ao primeiro monte que avistou deu Cabral o nome de Monte Paschoal, á
terra o nome de Vera Cruz, porque no céo rutilava o cruzeiro, e ao
porto, onde definitivamente fundeou, o de Porto Seguro. Chegou o domingo
de paschoela, e, narra Caminha, que o capitão mór deliberou ouvir missa
e sermão em um ilhéo de Porto Seguro. Logo alli se armou o altar e frei
Henrique de Coimbra officiou, cercado de todos os padres da frota. Foi
essa a primeira missa, de que temos noticia exacta e circumstanciada,
dita no Brazil, que forneceu assumpto para um dos mais bellos e
suggestivos quadros de Victor Meirelles. Terminada a missa, frei
Henrique subiu a uma cadeira alta, que lhe serviu de pulpito e dahi
prégou, fazendo a historia do Evangelho, descrevendo a travessia e pondo
a terra reconhecida por Cabral sob a protecção da Cruz. Á missa e ao
sermão assistiram os naturaes que ao ilhéo acudiram e que ao depois,
folgaram, fraternizando com os tripulantes da frota. Na nau capitanea
discutiu-se depois se conviria tomar dois indigenas para envial-os ao
reino, ou se seria preferivel deixar entre elles alguns degredados,
sendo por grande maioria, adoptado de preferencia este ultimo alvitre,
pois os degredados, ficando alli, apprenderiam a lingua dos naturaes e
poderiam servir de interpretes, quando o rei mandasse nova frota ao
Brazil para o colonizar; accresce que era do plano de Cabral, como foi
mais tarde do de Martim Affonso, não hostilizar os indigenas, não lhes
incutir desconfiança alguma, tratando-os com carinho e brandura, sem os
violentar jámais, para assim não sahir dos preceitos da caridade christã
e tel-os sempre como alliados. Para os ir habituando á vida com os
brancos, que deviam ficar definitivamente com elles, foram logo enviados
á praia e ahi deixados dois degredados, que deviam passar a noite com os
naturaes; mas estes, sem os molestar, coagiram-nos a voltar ás naus.
Quando os da frota ergueram num ponto elevado da costa, dominando o mar,
a primeira cruz, que ficou em terra brazileira e que confirmou o nome de
Vera Cruz, que Cabral lhe havia dado, os indigenas auxiliaram depois á
abastecer as naus de lenha e de agua. E quando a maruja beijou a cruz
erguida, os indios tambem a beijaram, pondo-se de joelhos, gestos que
levaram Caminha a affirmar «que era gente de tal innocencia que, se os
intendessemos e elles a nós, seriam logo christãos, porque, segundo
parece, não têm nenhuma crença». E accrescenta, logo depois, na sua
luminosa carta ao rei: «se os degredados, que hão de ficar, aprenderem
bem a sua fala, não duvido, _segundo a santa tenção de vossa alteza_,
fazerem-se christãos e crerem a nossa santa fé á qual praza Nosso Senhor
que os traga, porque decerto esta gente é boa e imprimir-se-á
ligeiramente nelles qualquer cunho que lhe quizerem dar... e, portanto
v. alteza, pois tanto deseja accrescentar na santa fé catholica, deve
entender na sua salvação, e prazerá a Deus que com pouco trabalho será
assim.»

Prova este trecho de carta do escrivão da frota que elle conhecia a
tenção do rei, que sabia que o seu intento era chamar os naturaes das
terras, por onde passasse a frota, ao gremio da egreja e que, ao
contrario do que fizeram Colombo, Pinzon, Hojeda, Lepe e outros, era do
seu programma assegurar a posse da terra reconhecida, conquistando os
naturaes pela brandura e carinho, incutindo-lhes a fé christã.

No dia primeiro de maio de 1500, vespera da partida de Cabral para o
Cabo, nova missa foi dita por frei Henrique de Coimbra, não mais no
ilhéu em que disséra a primeira, mas junto á cruz erguida em terra e á
qual foi pregado o escudo das armas de Portugal.

Ainda a essa missa assistiram os indigenas, imitando todos os gestos que
viram fazer aos portuguezes e, depois do sermão, frei Henrique lançou ao
pescoço de todos os que alli estavam, pequenos crucifixos de metal, que
elles beijaram com satisfação e receberam com visivel empenho.

Em seguida, foram-se os mareantes para as naus, deixando em terra dois
degredados e no dia immediato, 2 de maio, a frota fez-se de véla para o
Cabo da Boa Esperança, tendo regressado ao reino uma das caravelas,
capitaneada por Gaspar de Lemos, para levar ao rei a noticia do
reconhecimento officialmente feito da terra do Brazil e da sua posse
para a corôa portugueza.

A essa terra, que era conhecida pelo nome de Terra dos Papagaios e que
Cabral denominou Vera Cruz, poz d. Manoel, em 1502, o nome de Santa
Cruz, que foi posteriormente substituido pelo de Brazil, devido ao
grande commercio do pau brazil que ella produzia.

Dando conta, em carta, ao rei da Hespanha do reconhecimento do Brazil
feito por Cabral, disse d. Manoel: «o capitão deixou alli dois
degredados á mercê de Deus.» Um dos pilotos da frota explicou depois que
esses degredados puzeram-se a chorar e que logo os naturaes os animaram,
mostrando ter piedade delles.

Vaz Caminha, na sua deliciosa carta, revela, que, além desses dois
degredados, que foram abandonados em terra, dois grumetes da frota para
ella fugiram e nella ficaram por sua livre vontade, o que significa que
a gente que a habitava era pacifica e hospitaleira.

Vem talvez dahi a herança dessa proverbial hospitalidade brazileira, que
tanto surprehende e encanta os estrangeiros que visitam o nosso paiz.

Eis, senhores, como foi descoberto o Brazil e como Cabral, 65 annos
depois do seu descobrimento, o reconheceu e delle officialmente tomou
posse para a corôa de Portugal, á qual aliás já pertencia pelo tratado
de Tordesillas.

Não coube, pois, a Cabral a grande gloria de descobrir o Brazil, mas
coube-lhe a não pequena gloria de fazer o seu reconhecimento e delle
tomar posse para o paiz que o descobrira, realizando o memoravel feito
sem hostilizar os filhos dessas regiões incultas, sem inflingir um
ligeiro castigo, sem despertar nelles o odio que Colombo e os
hespanhoes, que depois vieram á conquista da America, accenderam entre
os indigenas, dizimando-os, submettendo-os a ferro e fogo, caçando-os
barbara e deshumanamente _com cães amestrados na caça do homem_, como
quem caça hyenas e lobos!

Essa imperecivel gloria coube a Cabral e basta ella para que se
justifique o preito de admiração que lhe rendemos, sem olvidar os
serviços inestimaveis dos seus maiores na busca e descobrimento desta
terra abençoada.

Bastava a sua caridade christã para com os filhos deste paiz para que
lhe devessemos o monumento que no Rio de Janeiro se acha erguido em
frente ao mar glauco e luminoso, perpetuando a sua memoria immaculada e
a do seu feito incruento.

Com o reconhecimento do Brazil em 1500, fechou Portugal com élo de ouro
o ciclo grandioso das suas descobertas no seculo XV com as quaes dilatou
o mundo e fez avançar a civilização.

Nesse seculo de estupenda actividade maritima, em que os lusos
mareantes, guiados e instigados pela voz prophetica do infante d.
Henrique, avançaram sem pavor pelo mar immenso e tenebroso, que devia
estar cheio de escolhos, de bruma negra e povoado de monstros
assustadores, descobriram elles, caminhando para o desconhecido, a ilha
da Madeira, as Formigas, todas as ilhas do archipelago dos Açores, todas
as de Cabo Verde, o mar de Sargaços, uma grande parte do Brazil, uma
parte da America Central e da America do Norte e, caminhando de ousadia
em ousadia, dobraram o Cabo das Tormentas, descobriram e atravessaram o
estreito de Magalhães, fizeram a primeira viagem em redor do mundo,
apoderaram-se de uma parte da Asia e de uma parte da Africa, enchendo o
mappa com conquistas suas!...

E tudo isto foi feito do decurso de menos de um seculo por um punhado
de homens que partiram, affrontando a morte, de uma insignificante nesga
de terra erguida á beira mar, no occidente da vasta Europa!...

Olhae para o mappa que vos apresento e nelle vereis, em côr vermelha,
traçada a epopéa desses grandiosos feitos.

Podeis dizer agora commigo, senhores, sem hesitação e com
ufania:--Gloria aos portuguezes, mestres de Colombo, precursores de
Colombo, incontestaveis e unicos descobridores do Novo Mundo![5]

[Nota de rodapé 5: Vide _Nota B_ no fim da conferencia.]

       *       *       *       *       *

Portuguezes que me ouvis, meus amigos e meus irmãos; a monarchia
tradicional que, por tantos seculos, regeu os vossos destinos, começou a
dissolver-se na batalha de Alcacer Kibir, e, combalida, ruiu de todo com
a quéda e com a fuga do ultimo Bragança, em 5 de outubro de 1910.

Depois de tanta luz offuscante, que o seculo XV projectou da occidental
praia lusitana, veio a sombra e veio o marasmo, que vos não deixou
avançar mais.

Dir-se-ia que, desde 1500 até ha pouco, vivestes acorrentados,
manietados, sem poder dar expansão ao vosso genio irrequieto e
aventuroso, sem poder tirar partido das conquistas feitas com tanto
sacrificio e perigo.

Raiou para vós agora a aurora da liberdade com a proclamação da
Republica em vossa terra.

Uma nova era, promissora e fecunda, apresenta-se, durante a qual podeis
resgatar os erros de quatro seculos e achar as energias precisas para
conquistar o antigo esplendor.

Vejo-vos, com pesar, divididos nos campos maninhos da politica esteril,
da politica dissolvente dos partidos. Que quereis obter com a lucta
perturbadora neste momento em que a vossa patria mais precisa de paz, de
dedicações e de tino? A reconquista de um regimen que vos amesquinhou,
que vos empobreceu, que vos fez descer do alto da columna onde já
estivestes erguidos, dominando o universe? A reconquista de um regimen
que vos deu o jugo da Hespanha, por 60 annos, a vergonha da fuga da
vossa familia real e da sua côrte para o Brazil, e o abandono da vossa
patria á invasão estrangeira? a reconquista de um regimen que vos deu o
vergonhoso «ultimatum» de 1890? Sois ainda hoje os depositarios de dois
legados sagrados, que vos deixou o creador fecundo da Escola de Sagres e
o grande épico, que, em verso estridente, cantou as vossas glorias e
descortinou ao mundo o vosso saber e as vossas gloriosas jornadas.

Que quereis fazer dessa herança, levando-a á labareda das vossas
disputas domesticas? Enfraquecer mais a patria, desprestigial-a, deixar
que, considerada ingovernavel, vá parar ás mãos do estrangeiro, ávido e
cobiçoso, que já pensa como repartir entre si o precioso legado do
previdente infante? Não, não! Deixae o velho regimen sepultado nas
trévas do passado, cessae as vossas luctas fratricidas, e, unidos todos,
em blóco, trabalhae pela rehabilitação do vosso formoso paiz, pela
consolidação das suas actuaes instituições, sendo sempre portuguezes,
mais portuguezes ainda no regimen da democracia e da liberdade, sendo
sempre os briosos descendentes de d. Henrique, que mandou a descobrir
esta formosa terra que, em vinte annos de Republica, tem avançado sempre
e tem sabido sempre impor-se ao respeito e á admiração das potencias.

Tenho dito.



Notas e Noticias



NOTAS


NOTA A

A revista hespanhola _España Moderna_, de Junho de 1910, consagrou um
longo artigo, á nacionalidade de Colombo e chegou á conclusão de que
elle era hespanhol, natural de Pontevedra e, portanto, gallego. Entre os
argumentos apresentados para firmar a sua asserção, cita o facto da
caravela _Santa Maria_, uma das trez da frota com que Colombo foi ás
Antilhas, ser appellidada vulgarmente _La Gallega_.

O historiador hespanhol D. Celso Garcia de la Riega, filho de
Pontevedra, sustentou a affirmação da _España Moderna_ em um longo
artigo que, posteriormente, em Janeiro de 1911, publicou no _Heraldo_,
de Madrid.

A Hespanha reclama, pois, para si, a gloria de ter dado nascimento a
Colombo, que ainda é lá conhecido por Colon.

Todavia, Las Casas, amigo intimo de Colombo, affirma que este era
genovez e Toscanelli, em uma das suas cartas ao proprio Colombo,
considera-o portuguez!...

Eis ahi porque dissemos que a nacionalidade de Colombo ainda hoje é
discutida.



NOTA B

Não se tractou nesta conferencia de Americo Vespucio porque, a despeito
de affirmarem que elle legou o seu nome á America, della ainda foi menos
descobridor do que Colombo. Quem se lembrou de baptisar com o nome de
America a terra, que João Vaz Corte Real e outros navegantes lusos
descobriram, foi o cosmographo francez Mathias Ringmann que, na sua
_Cosmographiae introductio in super quatuor Americi navigationes_,
publicada em 1507, em Saint-Dié, na Alsacia franceza, escreveu:[6]

[Nota de rodapé 6: A Cosmographia de Ringmann foi publicada em Saint-Dié
a 25 de Abril de 1507. Ringmann falleceu em Strasburgo em 1511. A
França, querendo perpetuar a leviandade de Ringmann, festejou este anno
o quarto anniversario da sua morte, sob o pretexto de ter sido elle o
baptizador do Novo Mundo! Eis ahi como se escreve e como se faz a
Historia!...]

«No mundo existe mais uma quarta parte que Americo Vespucio descobriu e
que, por essa razão, poderiamos chamar America, isto é, Terra de
Americo.»

O alvitre de Ringmann foi aceito e á nova terra descoberta deu-se o nome
desse usurpador da gloria alheia, que nunca passou de um cosmographo,
que veio ás terras americanas com Hojeda, muito depois que os Corte
Reaes, Lavrador, Dulmo, Affonso Sanches e outros navegantes lusos nellas
estiveram e ainda mesmo depois de Colombo, que já foi um retardatario.

Accresce que ha quem affirme (é o erudito Snr. H. Vart) que o nome
America, dado ao Novo Mundo, provêm, não do prenome de Vespucio, mas da
denominação que os indios de Nicaragua davam ás «terras altas» dessa
região americana de onde extrahiam o ouro que empregavam nos seus
utensilios e adornos, terras essas que elles chamavam America, expressão
equivalente a Eldorado ou Terra do Ouro, que, primeiro, os companheiros
de Colombo e, depois, todos os outros navegadores foram acceitando e que
serviu para designar, não só as terras altas de Nicaragua, mas todo o
novo continente.

A ser verdadeira a affirmação de H. Vart, o nome America é de origem
americana.



NOTA C

A 6 de Maio de 1895, quando eu ainda desconhecia o livro do Snr.
Faustino da Fonseca, que só veio a lume muitos annos depois, publiquei
no _O Paiz_ da Capital Federal o seguinte artigo sobre a commemoração
official da data do pretenso descobrimento do Brazil, feito por Pedro
Alvares Cabral, em 1500:

«O dia 3 de Maio é officialmente commemorado como data anniversaria do
descobrimento do Brazil. E todavia é um erro, é um anniversario falso,
porque a verdadeira data anniversaria desse descobrimento é 22 de Abril,
pois foi a 22 de Abril de 1500, que Pedro Alvares Cabral, em demanda das
terras da India, avistou na frente da sua frota um morro elevado da
terra brazileira para o qual mandou aproar fundeando a seis leguas de
distancia.

Celebrava então a igreja catholica as festas da Paschoa e d'ahi a razão
porque Cabral deu a esse morro o nome do Monte Paschoal.

Os historiadores dos seculos XVII e XVIII e notadamente a obra de Fr.
Gaspar da Madre de Deus é que, no dizer de Pereira da Silva, induziram
os estadistas fundadores do imperio brazileiro ao erro de estabelecerem
a data de 3 de Maio como a do descobrimento. Todavia a carta de Pero Vaz
Caminha, publicada pela Academia Real de Sciencias de Lisboa e escripta
a el-rei D. Manoel em 1.º de maio de 1500, annunciando-lhe a descoberta
e os documentos deixados pelo physico-mór da armada de Cabral e por um
piloto que fazia parte da frota, não deixam duvida sobre o dia exacto em
que o almirante viu e mandou aproar para a terra brazileira.

Basta a circumstancia de ser a carta de Pero Vaz Caminha, que ia n'uma
das treze náos da frota de Cabral como futuro escrivão do almoxarifado
que o almirante devia fundar nas Indias, datada de 1.º de maio, para
tornar patente a impossibilidade do descobrimento a 3 desse mez. Nessa
carta, onde Vaz Caminha dá conta do descobrimento, lê-se que elle foi
effectuado a 22 de abril. Nesse dia, que era uma quarta-feira, Cabral
limitou-se a approximar-se de terra, fundeando ás 4 horas da tarde, em
ponto em que havia 19 braças de profundidade. Só no dia seguinte, 23 de
abril, aproximou-se mais de terra com as precisas cautelas e, ao chegar
á desembocadura de um rio, mandou que Nicoláo Coelho fosse em uma
almadia explorar as plagas que se avistavam da frota. Partiu Coelho e
vendo homens nús na praia, sem comtudo desembarcar, atirou-lhes alguns
objectos que levara comsigo e delles recebeu outros em troca,
entabolando assim relações amistosas com os naturaes da terra.

Voltou a bordo e deu conta do succedido ao almirante. Nessa noite,
porém, levantou-se forte vento do sueste e Cabral, não se considerando
seguro no ponto em que estava, tratou de procurar um ancoradouro para
abrigo dos navios e, continuando a navegação em rumo de norte, mas
sempre á vista da costa, foi fundear de novo, dez leguas adiante, em
uma bella enseada á qual deu o nome de Porto Seguro. Isto passava-se
n'uma sexta-feira, 24 de abril de 1500. Essa enseada, mais tarde, passou
a denominar-se bahia Cabralia, sendo transferido o seu primitivo nome de
Porto Seguro para a povoação que se fundou nas suas proximidades.

Na enseada de Porto Seguro appareceu logo uma piroga com indigenas e,
aos poucos, a costa foi-se enchendo de gentios, manifestando intenções
pacificas. Só no dia 25 o almirante dirigiu-se a terra. No dia 26, que
era domingo de Paschoela, foi erguido um altar em terra e ahi celebrada
a primeira missa no Brazil, acontecimento este que Victor Meirelles
celebrisou e commemorou n'um magnifico quadro, o melhor e o mais
commovente que o seu pincel produziu.

A essa missa assistiu o gentio que dansou e cantou após a cerimonia,
fraternisando com os portuguezes.

Só no dia 1.º de maio é que o almirante resolveu dar conta a D. Manoel
do seu feito e nesse dia, depois de mandar dizer segunda missa, tomou
posse official da terra e despachou para Lisboa a nao que devia levar ao
rei a noticia da nova terra descoberta, a que elle deu o nome de Vera
Cruz, mais tarde substituido por Santa Cruz e ainda depois por Brazil.

Foi nessa nao, commandada por Gaspar Lemos, que seguiu para o reino a
carta de Pero Vaz Caminha escripta nesse mesmo dia 1.º de maio de 1500.

Tal é, em resumo, a narração contida nos tres documentos da época, aos
quaes allude com interesse e perfeito conhecimento do assumpto o
conselheiro Pereira da Silva na segunda serie dos interessantes
escriptos que denominou _A Historia e a Legenda_.

Ora, se isto é assim, se hoje não pode restar mais duvida a ninguem, em
presença desses documentos do seculo XVI, que determinam com perfeita
exactidão a data da chegada de Cabral ao Brazil, por que havemos de
conservar officialmente um anniversario falso, que, se ao tempo em que
foi decretado pelos estadistas fundadores do imperio, se justificava
pela ignorancia em que viviam desses documentos, não se justifica nem se
explica mais hoje, que estão publicados e ao alcance de toda a gente?

É que os estadistas da Republica, que conservaram o erro, fundam-se na
correcção que soffreu o calendario Juliano mandado executar pelo papa
Gregorio XIII, que, em 1582, mandou supprimir 10 dias a esse anno,
ordenando que o dia 5 de outubro fosse designado pelo numero 15, o
immediato 16 e assim por diante, encurtando esse anno de dez dias para
compensar a differença para mais desse mesmo espaço de tempo, que o
calendario Juliano já accusava no fim do seculo XVI.

E assim, em virtude dessa corrigenda, o dia 22 de abril de 1500 passou a
ser, em qualquer dos annos posteriores a 1582, correspondente ao dia 3
de maio.

Mas tal razão será sufficiente para manter na tradição popular uma
crença falsa? Pensamos que não. Officialmente, o dia consagrado como
data anniversaria do descobrimento do Brazil é o dia 3 de maio. E assim
o povo, que não sabe das correcções que soffreu o calendario Juliano,
nem dos motivos que as determinaram, fica persuadido que effectivamente
foi no dia 3 de maio de 1500 que se realizou o descobrimento, quando os
documentos do seculo XVI, que as historias populares do Brazil já
registram, não consignam tal data, mas sim a de 22 de abril.

Sou de parecer que, se ao tempo da descoberta ainda não existia no
calendario Juliano a correcção ordenada por Gregorio XIII, que só se
realizou 82 annos depois, se para Pedro Alvares Cabral o dia desse feliz
successo foi o de 22 de abril, essa é a data que deve ser officialmente
consagrada para assim manter-se na tradição popular.

De 1500 a 1582 acontecimentos houve que ficaram registrados na historia
da nossa terra e, todavia, ninguem se lembrou de applicar aos seus
respectivos anniversarios a correcção ordenada por Gregorio XIII,
limitando-se a corrigenda tão sómente ao successo, isto é, á data da
chegada de Cabral ao Brazil.

Ora, uma de duas, ou os estadistas da Republica têm de mandar fazer uma
revisão completa de todas as datas mais ou menos celebres da historia, e
principalmente da nossa, no periodo comprehendido entre 1500 e 1582, ou,
para serem coherentes, têm de mantel-as taes como ainda hoje a tradição
as conserva; mas, nesse caso, preciso se torna que a consagração do
feito de Cabral seja feita não mais a 3 de maio, mas sim a 22 de abril.

Tal é o meu modo de ver, salvo melhor juizo.»

GARCIA REDONDO



NOTICIAS


Conferencias portuguezas

Não podia ser mais auspiciosa a inauguração da primeira série das
conferencias portuguezas, promovidas pelo Centro Republicano Portuguez
desta capital.

A despeito da noite fria e chuvosa, o amplo salão do Instituto Historico
e Geographico encheu-se completamente, de uma assistencia distincta e
brilhante, quer pela quantidade, quer pela qualidade.

Além de muitas senhoras e senhoritas, compareceram tambem á primeira
conferencia do Centro Republicano Portuguez os srs. Jacques Dupas,
consul da França, Daniel Monteiro de Abreu, consul do Paraguay e
encarregado de negocios de Portugal, o representante do sr. general
Ferreira de Abreu, inspector da decima região militar, o dr. Paula
Souza, director da Escola Polytechnica, commendador Mondim Pestana,
official de gabinete do sr. dr. secretario do interior, dr. Bettencourt
Rodrigues, dr. Rodolpho de Santiago, dr. Ricardo Severo, dr. Eugenio
Egas, e muitas outras pessoas gradas.

O sr. Antonio Luiz Gomes, Ministro de Portugal, chegou ao Instituto
Historico ás 8 e meia da noite, em companhia do dr. Bartholomeu
Ferreira, secretario da Legação Portugueza, sendo recebido á porta pela
directoria do Centro.

Em seguida, s. exa. foi introduzido no salão pelos srs. drs. Bettencourt
Rodrigues e Ricardo Severo, tomando assento na mesa, ao lado da
directoria do Centro, e tendo á sua esquerda o dr. Bettencourt
Rodrigues.

Abrindo a sessão, o sr. Joaquim Dias da Cunha Barbosa, presidente do
Centro R. Portuguez, explicou o fim das conferencias portuguezas,
dizendo que, antes de apresentar á assistencia o conferencista sr. dr.
Garcia Redondo, cumpria lhe o dever de agradecer á directoria do
Instituto Historico, que promptamente poz á disposição do Centro o seu
salão, afim de ahi serem realisadas as conferencias. Agradece tambem a
honrosa visita do sr. ministro portuguez, que, com sua presença, veio
dar maior solennidade á primeira conferencia.

Alludindo á pessoa do conferencista, o sr. presidente diz que o dr.
Garcia Redondo é por demais conhecido do auditorio que, sobejamente,
conhece a sua bagagem literaria, pelo que se dispensa de apresental-o.

Em seguida, é dada a palavra ao sr. dr. Garcia Redondo para proceder á
leitura de sua conferencia sobre «O descobrimento do Brasil--Prioridade
dos portuguezes no descobrimento da America.»

Por ser muito longo o trabalho do dr. Garcia Redondo, e não dispomos,
hoje, do necessario espaço, só amanhan poderemos dar na integra a sua
conferencia.

As ultimas palavras do conferencista foram abafadas com uma grande
salva de palmas, sendo s. s. abraçado e cumprimentado pela directoria do
Centro e pelo sr. ministro de Portugal.

Antes de ser encerrada a sessão, o sr. ministro de Portugal solicita a
palavra pronunciando um discurso do qual damos o resumo que se segue:

O sr. Antonio Luiz Gomes começa dizendo que não vinha com a intenção de
tomar a palavra nesta assembléa. Vinha apenas, na qualidade de
representante do seu paiz, trazer as saudações mais affectuosas ao
Gremio Republicano Portuguez de S. Paulo e aos iniciadores destas
magnificas conferencias.

«Quando vi o assumpto de que se ia tratar, diz o orador, despertou-se
logo no meu espirito e na minha alma a certeza absoluta de que estas
conferencias deviam ter uma influencia muitissimo grande na pacificação
dos espiritos dos portuguezes, um pouco revoltados, e que ellas teriam,
como conclusão final, approximar ainda mais a familia portugueza da
familia brazileira.

E, senão bastara isso, eu tambem não podia conservar-me calado depois de
ouvir a palavra brilhantissima do sr. dr. Garcia Redondo. Seria uma
crueldade, uma injustiça que eu, em publico, deixasse de attestar, não
só o meu reconhecimento, mas, o que é mais, o reconhecimento do meu
paiz, por este formosissimo e esplendido trabalho. (Muito bem).

Se por ventura o nome do dr. Garcia Redondo não fosse sufficientemente
conhecido, não só nas boas letras, como na sciencia, bastava esta
conferencia para justificar o elevadissimo conceito em que o seu nome é
tido entre portuguezes e brazileiros.

Trabalho magnifico, soberbo, onde se alliam, indiscutivelmente, altos
pensamentos com uma forma burilada e perfeita, e que vem coroar a sua já
larga obra na sciencia e nas letras.

E depois de prestar um enorme serviço, de vir levantar a minha patria á
altura a que indiscutivelmente ella tem direito, porque Portugal, embora
pequeno como disse s. exa., aquella mancha pequena, que se encontra no
ponto occidental da Europa, prestou serviços á humanidade, e á
civilisação humana, que, positivamente, não foram excedidos por povo
algum do mundo. (Muito bem.)

A civilisação do mundo, meus senhores, firma-se em tres peninsulas, nos
tres pontos que observaes naquelle mappa.

Se na Grecia nasce a civilisação, nascem as artes, a philosophia, a
sciencia; se naquella peninsula italica nasce o direito, porque o
direito romano, pode-se dizer, é a propria razão humana feita lei; foi
naquella pequenina peninsula iberica, naquelle extremo do occidente,
que, numa época em que os grandes povos de hoje viviam uma vida
inteiramente apagada, numa época em que a valorosa Inglaterra ainda não
tinha historia; em que a Allemanha apenas se preparava para esse
movimento augusto e sublime que proclamava perante o mundo inteiro a
liberdade de consciencia; em que a França fazia os ultimos retoques na
sua lingua e se preparava para escrever paginas brilhantissimas sobre a
historia da humanidade, é certo, entretanto, que nenhuma dellas, por
assim dizer, tinha ainda firmada a sua civilisação.

Por esse tempo, naquelle «pontinho» se levantava um povo pequenino de
lavradores e de guerreiros, que deixava a patria, para levar o pendão
das Quinas aos extremos mais remotos, aos confins do mundo.

Essa historia é assombrosa: é inacreditavel.

Custa a acreditar que esse povo, como disse um dos grandes philosophos
contemporaneos, Max Nordau, fosse o precursor em todos os grandes
acontecimentos.

Elle tinha dispersado os arabes sem que a Hespanha o conseguisse em
duzentos annos.

É que durante esse tempo a essa grande raça nada faltava: tinha força,
tinha talento, tinha sciencia.

Foi precisamente esse povo pequenino que deixou sementes por toda a
parte da grandesa do genio de sua raça.

Por isso, meus senhores, espero que a invocação do dr. Garcia Redondo
produza bem rapidamente seus frutos.

Estas lutas não podem continuar, e não podem continuar, sobretudo, no
campo em que infelizmente foram postas.

Eu, quando vim representar a Republica Portugueza, não vim com o desejo
de que todos os portuguezes se fizessem republicanos: não precisamos de
tanto. A unica coisa que desejamos, que eu desejo, como patriota, é que
todos sejamos bons portuguezes. (Muito bem, muito bem.)

Eu louvo até, com a franqueza que me caracteriza, que hajam convicções
monarchicas no meio de portuguezes. O que é necessario é que os
republicanos respeitem os monarchistas e que os monarchistas respeitem
os republicanos (Muito bem).

O que nós pedimos é muito pouco: é que nunca confundam as glorias da
patria, da terra onde nasceram com as pequeninas paixões que possam
viver no nosso espirito. (Muito bem, muito bem).

E, posta a luta nestes termos, como é facil todos nos entendermos! Basta
que cada um de nós se esforce para ser o melhor portuguez que possa ser;
trabalhe pelo engrandecimento do seu paiz; honre o nome portuguez por
toda a parte; defenda as suas convicções politicas, mas honradamente,
honestamente.» (Muito bem. Palmas).

Depois de varias considerações termina o sr. Antonio Luiz Gomes.

«Para realisar a nossa obra não queremos que todos sejam republicanos; o
que queremos apenas é que ninguem se esqueça que a patria está acima das
paixões de cada um. (Muito bem).

E eu estou convencido de que esse tempo vae chegar rapidamente.

A Republica vae, dentro de pouco tempo, ter a sua constituinte, a sua
constituição.

Nas ultimas eleições, que foram feitas em condições excepcionaes, depois
de uma revolução, depois de boatos aterradores, a Republica já teve a
sua consagração.

Nunca as urnas portuguezas foram tão concorridas como neste momento: 80
por cento do corpo eleitoral de Lisboa foi votar.

O Porto, considerado como reaccionario, não para nós republicanos,
porque foi precisamente lá que tiveram inicio todos os grandes
movimentos de Portugal, no proprio Porto, a votação foi maior do que em
qualquer outro ponto.

Portanto, todos vêm a situação definida e clara em que se encontra hoje
Portugal.

Vindo a S. Paulo, eu dirijo as minhas saudações mais affectuosas não só
ao povo de S. Paulo, mas tambem á auctoridades do Estado, que nos deram
a alta honra de se fazer representar nesta conferencia, e remato por
agradecer a todas as senhoras, a todos os cidadãos que aqui vieram e,
finalmente de novo, dirijo os meus agradecimentos mais sinceros e
profundos ao dr. Garcia Redondo, não só em meu nome, como no de
Portugal, que tenho a honra de representar.»

As ultimas palavras do dr. Antonio Luiz Gomes foram abafadas com uma
estrepitosa e prolongada salva de palmas da grande assistencia.

(_Noticia do_ ESTADO DE S. PAULO _de 4 de Junho de 1911_).


Conferencias portuguezas

Em carro reservado ligado ao nocturno de luxo, chegou hontem a esta
capital, conforme era esperado, o dr. Antonio Luiz Gomes, ministro de
Portugal junto ao nosso governo, acompanhado de seu secretario, sr. dr.
Bartholomeu Ferreira.

Á noite s. exc. assistiu á conferencia que o sr. dr. Garcia Redondo, com
grande successo e brilhantismo, realizou no salão nobre do Instituto
Historico e Geographico, tendo por thema: «O descobrimento do Brazil e a
prioridade dos portuguezes no descobrimento da America».

Publicaremos amanhã, na integra, esse importante trabalho do distincto
membro da Academia Brazileira de Letras, que foi, pelo successo que
alcançou, vivamente applaudido e felicitado.

Depois da conferencia do dr. Garcia Redondo, o dr. Antonio Luiz Gomes,
usou da palavra, produzindo bellissima allocução, durante a qual era
constantemente interrompido por estrepitosa salva de palmas.

(_Noticia do_ SÃO PAULO _de 4 de Junho de 1911_).


Conferencias portuguezas

No salão nobre do Instituto Historico e Geographico de S. Paulo,
realizou-se hontem á noite, conforme se annunciára, a primeira
conferencia da série promovida pelo Centro Republicano Portuguez, desta
capital.

Coube o inicio das conferencias ao dr. Garcia Redondo, que tomou por
thema de sua oração--«O descobrimento do Brazil» «Prioridade dos
portuguezes, no descobrimento da America».

Precisamente ás 8 horas e meia, constituida a mesa da presidencia pelo
sr. Joaquim Dias da Cunha Barbosa, tendo a seu lado o ministro
plenipotenciario de Portugal no Rio de Janeiro, sr. Dr. Antonio Luiz
Gomes, que para tal fim veio a esta capital; dr. Bitencourt Rodrigues, e
membros da directoria do Centro Republicano Portuguez, era o
conferencista introduzido no salão, que já regorgitava de numerosos
cavalheiros e gentilissimas senhoras e senhoritas.

Pudemos mesmo notar entre os assistentes, os seguintes:

Commendador Tiburtino Mondim Pestana, segundo-tenente Carlos Rocha,
representando o general Ferreira de Abreu, inspector da 10.ª região
militar, com séde nesta capital; major Arthur da Graça Martins,
secretario do commando geral, da Força Publica; Jacques Dupas, consul da
França, e sua familia; commendador Daniel Monteiro de Abreu, consul do
Paraguay e encarregado do consulado de Portugal; dr. Eugenio Egas,
Arthur Vautier, Nestor Rangel Pestana, Gelasio Pimenta, José Vicente
Sobrinho, dr. Antonio Francisco de Paula Sousa, director da Escola
Polytechnica; dr. Rodolpho S. Thiago, lente da mesma escola; dr. Ricardo
Severo, dr. Leopoldo de Freitas, consul de Guatemala, dr. Alfredo
Redondo, dr. Manoel Redondo, Jayme Redondo e sua familia.

Abriu a sessão o sr. Cunha Barbosa.

Referiu-se s. s. com palavras elogiosas ao dr. Bettencourt Rodrigues, de
quem partira a idéa das conferencias, cujo grande valor salientou, pois
ellas viriam cada vez mais estreitar os vinculos que unem os dois povos
portuguez e brazileiro.

Saudava a patria portugueza, alli directamente representada na pessoa do
seu ministro plenipotenciario, cuja presença, agradecia.

Á directoria do Instituto Historico e Geographico agradecia tambem,
penhorada, a gentileza de haver cedido o salão da sua séde, para a
realização da conferencia.

Isto dito, e como não desejava prender por mais tempo a attenção do
auditorio, naturalmente ancioso, dava a palavra ao dr. Garcia Redondo,
cuja apresentação julgava desnecessario fazer, pois tinha absoluta
certeza de que nem uma só pessoa alli presente, desconhecia, quer
através da imprensa ou da literatura, os altos meritos do conferencista.

Uma prolongada salva de palmas ecôa pela sala.

Levanta-se então o dr. Garcia Redondo que começa agradecendo aos
circumstantes a sua temeridade em affrontar os rigores daquella noite
humida e fria, não para ouvir a sua modesta palavra, pois não tinha
sobre isso illusão alguma, mas para corresponder ao appello que lhes
dirigiram os promotores daquella conferencia.

Sobretudo, era-lhe grato constatar alli a presença das representantes do
sexo gentil, que á festa emprestavam a nota brilhante.

Diz que o thema da sua conferencia havia sido para elle objecto de
longos e profundos estudos. Poderia por isso dissertar sobre elle sem
ter necessidade de ler, nem mesmo simples annotações.

Mas, importando o que tinha de dizer responsabilidades que queria
assumir e receiando que a memoria o trahisse, considerava mais prudente
ler a sua conferencia.

Em seguida, offerece alguns esclarecimentos sobre um grande mappa que
está ao seu lado, e que elle organizou para illustrar a conferencia, e
entra finalmente no assumpto.

Ás ultimas palavras da brilhante oração do dr. Garcia Redondo, uma
calorosa e prolongada salva de palmas se fez ouvir no salão.

S. s. foi distinguido com a offerta de um lindo «bouquet» de flôres
naturaes.

Levantou-se então o ministro plenipotenciario da Republica de Portugal,
sr. Antonio Luiz Gomes.

Recáe sobre a sala um profundo silencio.

O illustrado diplomata começa affirmando que não comparecera áquella
reunião com o intuito de falar.

Mas, cumpria-lhe o dever de agradecer em nome de Portugal, que tinha a
honra de representar, o bello trabalho do dr. Garcia Redondo.

Tratando da moderna phase da sua patria, fala sobre o Portugal antigo,
cujos feitos enchem as paginas da historia universal.

Refere-se á Monarchia, dizendo que ella teve tempo mais que sufficiente
para demonstrar a capacidade dos seus homens.

Por occasião do assassinato de d. Carlos, levaram os republicanos a sua
generosidade ao ponto de prestigiar--sem o sacrificio, porém, das suas
convicções politicas--as instituições então vigentes, desde que isso
concorresse para o bem do paiz.

Entretanto a Monarchia mostrou-se impotente; nada fez porque nada poude
fazer para manter o prestigio de Portugal.

As crises ministeriaes succediam-se de um modo assustador e a situação
chegou a tal ponto que só a Republica poderia salvar as gloriosas
tradições do paiz.

E a Republica veio, não a Republica do terror, das perseguições, como
apraz aos boateiros vulgares, mas a Republica que tem por lemma o
levantamento moral do tradicional paiz das quinas.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O Descobrimento do Brazil - Prioridade dos Portugueses no Descobrimento da America" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home