Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Versos em honra do grande poeta Manoel Maria Barbosa du Bocage
Author: Sadão, Elisino
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Versos em honra do grande poeta Manoel Maria Barbosa du Bocage" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



+VERSOS+

em honra do GRANDE POETA

+Manoel Maria Barbosa du Bocage+

e em homenagem
á grande e illustre Commissão e mais festeiros
do seu estrondoso Centenario

PELO HUMILDE POETA

+ELYSINO SADÃO+



CUSTO 40 RÉIS

DEZEMBRO DE 1905



+VERSOS+

EM HONRA DO GRANDE POETA

+Manoel Maria Barbosa du Bocage+



+Imprecação a Bocage+


Fostes, Elmano, um lyrico famoso
Como poucos por cá têm apparecido,
Mas quando sois maior, e mais luzido,
É quando a satyra soltaes fogoso.

É latego que estala rancoroso,
Ou ri e brinca, com valor brandido,
E vibra e rasga, e que se impõe temido
Ao inimigo mais formidoloso.

Dae-me essa força, Elmano, o estro candente,
Dae-me tambem o guisalhar da troça
Com que soubeste castigar contente!...

Quero coisa feraz que faça móssa,
Que ha por hi muita cousa e muita gente
Que reclamam, ha muito, brava _coça_!



+A sua desgraça+


Não lhe bastava a crúa e acerba sorte
Que sempre o grande vate perseguiu,
Sempre a empurrá-lo a um fatal desvio
Da cova ao berço, do nascer á morte?

Esfarrapado rei em sua Côrte,
Quasi sem roupa muita vez se viu;
Depois de morto expõem-no á chuva e ao frio
Em estatua tosca e de medonho córte!

Como preito já velho, honroso, e ufano,
A um jornal pulha dão seu nome (_Elmano_).
Quebram-lhe a penna as pedras dos garotos...

Lavam-no (agora!) a bombeiral esguicho,
E o livro (que não leram!) cheio de lixo,
E o pedestal mijado por marotos...



+Depois da conferencia do dr. Manuel de Arriaga+


Conheciam-no só p'lo vão renome:
D'aquella esguia estatua (que é grotesca)!
Ou d'um antigo galeão de pesca
Que se condecorava com seu nome.

Outros d'um theatro que morreu de fome
Depois d'uma existencia principesca,
E muitos da anedocta picaresca...
Que ainda ha quem a sério não o tome...

Agora que é sabido o que elle foi...
Inda o _18_ (esperto e audaz heroe)
É capaz de o metter no _cagarrão_.

O que o livra do estranho desacato
É o Teixeira (que apanhou retrato...)
Sêr o _Macaco_ lá da commissão!



+A consultar os astros+


O Presidente que é um homem sério
E que é de letras gordas, mas facundo,
Vae deslumbrar a terra, a patria, o mundo,
Com um discurso pleno de _podério_.

Andam da inspiração no grave imperio
O Brandãosinho, lyrico profundo,
E o Leonardo, de _genio_ furibundo,
Que só de ouvir-lhe a voz treme o hemispherio.

O Jorge Gomes e outros luminares,
João Pinto, Luciano, andam nos ares
Como o Padilha interrogando estrellas...

Sonham foguetes, córos, _reinações_,
Mas tremem de pavor e em orações
Rogam ao Deus das chuvas e procellas...



+Pede-se um Bocage
para a associação dos caixeiros+


I

Zé Paulo, que é rapaz escrupuloso,
Diz que não quer apresentar retrato
Ou seja bom ou mau, caro ou barato,
Nas festas que prepara cuidadoso.

Cousa menos que um busto é desacato!...
«_Um busto em corpo inteiro!_» grita ancioso...
E vae, falla a um gallego talentoso
Para servir de Elmano com recato.

Para fazer de Poeta, outro Poeta!
Tem você alli um, no campo, _á Lage_...
Mas consta já, por fim, (ou será peta)?

Já estar o Augusto Mattos contractado
Para fazer de _busto_ de Bocage,
Em REPRISE de entrudo, enfarinhado.


II

Pobre Zé Agostinho! Infeliz sorte
A que Deus dá sempre aos que são _maiores_!
Olha para Bocage e outros cantôres...
Ao menos que esta ideia te conforte!

Ha destinos mais brutos que Mavorte,
Que o Deus Mavorte de crueis furores;
Nos calculos mais certos, sem favores,
O Fado surge e arruma cerce córte.

O _Augusto_ reclamou-o o _Tiro-Tauro_,
E com razão, porque o feroz centauro...
De _paparoca_, á festa tambem vem.

Tens outro, á certa, e bom, (já é quisilia!...)
Tens o Bocage Lima: é da familia,
E, embora gago, representa bem.



+Projecto d'um carro monumental+


Na azafama de carros allegoricos
É natural que falhe a fantazia,
Por isso eu vou dizer o que faria,
E vejo em meus ideaes fantasmagoricos.

Da commissão o carro comporia
Com elementos _proprios_, e _rhetoricos_,
De effeitos mais que certos e fosforicos!
Que o gosto mais audaz desbancaria.

N'uma _galera_, entre «_ondas salitrosas_»
Os secretarios, toda a Commissão,
Feitos _Nereydas_, _Tágides_ dengosas...

Tridente em riste na escamosa mão,
Barbudo e em pelo, olhando as _salerosas_,
O Fragoso faria de _Tritão_.



+A festeiros diversos+


Festejam-no vossês porque está morto...
Fosse Elle vivo, quanto o morderiam!
_Frades e hypocritas_ o que fariam
Ao seu magro canelo rijo e torto!

Gabam-lhe o nome com um ar absorto,
Mas quanto a lê-lo, adeus!... Olhem que o liam
Os ferozes maniques que o prendiam
Como suspeito e perigoso _aborto_.

Festejam-no vossês que nunca o lêram
(E se o lêram alfim não o entenderam!)
Festejam-no por _bródio_ e _funcçanatas_...

Gastem _dinheiro seu_: comprem-lhe a obra,
Que tão rica e tão vária se desdobra...
Não vale só _frigir_, oh _pataratas_!



+Consolação final+


Não choreis, terra minha, a desventura
Da perda do Bocage genial,
Já sem ossos, sem cinza, e sepultura,
Mais do que o vivos vive, é immortal!

Rir não deveis tambem pela ventura
De seres o seu berço casual;
Rires demais tambem será loucura.
Moderai-vos na furia festival.

Temos por cá ainda muito vate,
E o genio authentico do Calafate,
Que reclamem festejos e alegria...

Temos genios em barda, e (_sem biscate_)
Temos _tambem_, para maior remate,
Temos cá outro Manuel Maria.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Versos em honra do grande poeta Manoel Maria Barbosa du Bocage" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home