Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Visitas ao Santissimo Sacramento e a Maria Santissima para todos os dias do mez
Author: Unknown
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Visitas ao Santissimo Sacramento e a Maria Santissima para todos os dias do mez" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



VISITAS AO SANTISSIMO SACRAMENTO E A MARIA SANTISSIMA PARA TODOS OS DIAS
DO MEZ.

ACTOS DE PREPARAÇÃO E DE ACÇÃO DE GRAÇAS PARA A SAGRADA COMUNHÃO. MODO
DE REZAR A COROA DAS DORES DE NOSSA SENHORA, E ACTOS QUE DEVE FAZER O
CHRISTÃO TODOS OS DIAS.

LINDA EDIÇÃO DE NOVAS ORAÇÕES, E A NOVENA AO SANTISSIMO, E DEVOÇÕES A
NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO DA ROCHA.


LISBOA

1858.



_Na Typographia de Luiz C. da Cunha, Costa do Castello n.^o 15_.

_Vende-se nas lojas do costume e na typographia dita do impressor_.



ADVERTENCIA AO LEITOR.


Devoto Leitor, eu não pretendo n'este Livrinho, persuadir-te a que
creias a existencia de Jesu Christo no Santissimo Sacramento; porque
isso seria fazer uma injuria á tua Fé: tambem julgo não ser preciso
dizer-te, que este Senhor está sobre os nossos altares, como em um
throno de amor, e de misericordia, para nos distribuir infinitas graças,
por que muitos são os livros pios que isto te ensinão: só te peço que
faças uma séria reflexão, e que vejas, se a tua correspondencia, e o teu
agradecimento para com este admiravel Mysterio são proporcionados á tua
Fé. E se achares que é tibio o teu amor, e frouxa a tua devoção para com
este Divino Sacramento, peço-te que te resolvas a gastar todos os dias
ao menos um quarto de hora na presença deste Senhor Sacramentado; e
quando não pudesses ir visital-o ás igrejas, onde está, bastará que em
tua propria casa, pondo-te de joelhos, voltado para o Templo, que te
ficar mais visinho, desde ahi o adores e o visites. Deves fazer sempre
estas visitas por tres fins: primeiro para o adorar com toda a
reverencia, e amor, dando-lhe graças pelo inexplicavel beneficio de
instituir aquelle Divino Sacramento, e deixar-se ficar no mundo pelo
excessivo amor que tinha ás suas creaturas: segundo, para desaggravar os
ultrajes e sacrilegios desacatos com que tem sido, e é tractado naquelle
Divino Sacramento pelos mesmos homens: terceiro, para lhe pedires
humildemente o perdão dos teus peccados, a graça da tua conversão, e a
da perseverança, o seu amor, a tua salvação, etc.

É verdade, que Deus ouve em toda a parte as orações dos Fieis; mas
tambem é certo que, Jesu Christo no SS. Sacramento distribue com mais
abundancia as suas graças a quem o visita. Que reforma de costumes
haveria, e quantas almas escaparião da eterna condemnação, se fosse
maior o numero dos catholicos, que empregassem todos os dias um
bocadinho de tempo na presença do SS. Sacramento pelos fins, que acima
disse? Certamente que entre as devoções, esta, de adorar a Jesus
Sacramentado, é a mais agradavel a Deus, e a mais util para nós. Que
favores maravilhosos alcançárão muitos Santos no exercicio desta
devoção! Quantos peccadores se tem convertido por meio destas visitas! E
quem sabe, se tambem tu, prostrado na presença do SS. Sacramento tomarás
um dia a firme resolução de te dares todo a elle? Rogo-te pois que
principies esta utilissima devoção; e se continuares, verás os preciosos
fructos que colhes della.

Para que te seja mais facil este exercicio, te exponho neste Livrinho as
seguintes visitas para todos os dias do mez. Não sou eu o author desta
obra; porque ainda que desejo empregar as minhas debeis forças no culto
do SS. Sacramento, com tudo o meu frouxo espirito não podia produzir
pensamentos tão devotos, nem termos tão penetrantes, e fervorosos. Um
Bispo de muita authoridade pela sua conhecida virtude, e particular
devoção, que tinha ao SS. Sacramento foi quem a escreveo, e eu só tive o
trabalho de a traduzir. Deus sabe que os unicos motivos que me obrigárão
a isto forão a sua gloria, e a tua utilidade: elle permitta que esta
devoção produza em Lisboa os effeitos que produzio na cidade de Napoles,
onde teve tanta acceitacão, que ainda sendo vivo o author que a
escreveo, se reimprimio quatorze vezes.

No fim de cada uma das visitas ao SS. Sacramento acharás uma Oração para
visitares tambem a Maria Santissima; devoção que agrada muito á Senhora,
e que ella tem remunerado com admiraveis favores a quem a tem praticado.
Rogo-te que nas visitas ao SS. Sacramento peças ao Senhor por mim, que
me perdoe os meus peccados, e que tenha misericordia da minha pobre
alma; e eu prometto rogar no Santo Sacrificio da Missa por todos
aquelles que me fizerem esta caridade.


_Da Communhão Espiritual_.

Como no fim de cada uma das seguintes visitas ao SS. Sacramento se
persuade a Communhão Espiritual, é justo explicar aqui em que ella
consiste, e o grande fructo que alcança quem pratica tão louvavel
exercicio.

A Communhão Espiritual, conforme Santo Thomaz, consiste em um desejo
ardente de receber a Jesus Sacramentado, e em um abraço amoroso, como se
já o houvessemos recebido.

Quanto estas Communhões Espirituaes sejão agradaveis a Deus, e quantas
graças por este meio elle communique ás almas fervorosas, o mesmo Senhor
o deo a entender a quella sua serva Soror Paula Maresca, Fundadora do
Mosteiro de Santa Catharina de Sena em Napoles, quando lhe fez ver (como
se refere na sua vida) dous vasos preciosos, um de ouro e outro de
prata, e lhe disse, que no de ouro conservava elle as suas Communhões
Sacramentaes, e no de prata as suas Communhões Espirituaes. Este
exercicio não só é authorisado pelo uso de todas as almas devotas, que o
praticão, senão que os Doutores Mysticos o louvão e inculcão muito, e
exhortão os Fieis ao seu uso. Sendo esta devoção tão util, não ha
nenhuma que menos custe: por isso dizia a Beata Joanna da Cruz, que a
Communhão Espiritual se póde fazer, sem que ninguem nos veja, sem ser
preciso estar em jejum, e que podemos fazel-a a qualquer hora, porque
não consiste mais que em um acto de amor: basta dizer de todo o coração:
_Meu Jesus, creio que vós estais no SS. Sacramento: amo-vos sobre todas
as cousas, e vos desejo receber agora dentro na minha alma: já que não
posso receber-vos sacramentalmente, vinde ao menos espiritualmente ao
meu coração; e como vos tivera já recebido, eu vos abraço, e me uno todo
a vós. Ah! Senhor, não permittais que eu jámais de vós me aparte_.

Ou mais breve: _Creio, meu Jesus, que estais no SS. Sacramento: amo-vos,
e desejo muito receber-vos, vinde ao meu coração: eu vos abraço; não vos
ausenteis de mim_.



[Figura]



ACTO QUE SE DEVE FAZER NO PRINCIPIO DE TODAS AS VISITAS AO SS.
SACRAMENTO.


Meu Senhor Jesu Christo, que pelo amor, que tendes aos homens, estais de
noite e de dia nesse Sacramento, todo cheio de piedade, e de amor,
esperando, chamando, e recebendo todos aquelles, que vem a visitar-vos:
eu creio firmemente que vós estais ahi presente nesse Sacramento do
altar: adoro-vos desde o abysmo do meu nada, e vos dou graças por todas
as mercês, que me tendes feito, especialmente por me haverdes dado a vós
mesmo neste Sacramento, por me haverdes concedido por minha advogada
vossa Santissima Mãe, a Virgem Maria, e por me terdes agora chamado a
visitar-vos neste lugar santo: eu adoro o vosso amantissimo coração, e
desejo agora adoral-o por tres fins: primeiro, era agradecimento desta
tão grande dadiva: segundo, por desaggravar-vos de todas as injurias,
que tendes recebido dos vossos inimigos nesse Sacramento: terceiro,
porque desejo nesta visita adorar vos em todos os lugares da terra, onde
vós Sacramentado estais com menos culto, e mais desprezo. Ah! meu Jesus,
eu vos amo com todo o meu coração: peza-me de haver tantas vezes
offendido a vossa infinita bondade: prometto ajudado com a vossa graça,
emendar-me para o futuro, e agora, assim miseravel como sou, eu me
consagro todo a vós, e vos entrego, e resigno nas vossas mãos a minha
vontade, e os meus affectos, os meus desgostos, e tudo quanto sou e
possuo. De hoje em diante fazei, Senhor, de mim tudo quanto vos agradar:
o que eu quero, e o que vos peço é o vosso santo amor, e perserverança
final, e a perfeita obediencia á vossa santissima vontade.
Recommendo-vos as almas do Purgatorio, especialmente as mais devotas do
SS. Sacramento, e de minha Senhora Maria Santissima. Rogo-vos tambem por
todos os peccadores. Em fim, meu amado Salvador, desejo unir todos os
meus affectos, e desejos com o vosso amorosissimo coração, e assim
unidos os offereço ao vosso Eterno Pae, e lhe peço em vosso nome, que
por vosso amor os acceite, e os despache.



VISITA I.


Queres saber, alma devota, qual é a fonte de todo bem? É Jesus no
Sacramento, o qual disse: _Quem tem sede venha a mim_. Oh! e quantas
enchentes de graças tem tirado sempre os Santos, desta fonte do SS.
Sacramento, onde o amoroso Jesus liberalmente concede todos os
merecimentos da sua Paixão, como predisse o Profeta! _Ireis com gosto
buscar a agua ás fontes do Salvador_. (_Isai. 12._) A Condessa da Feira,
aquella grande discipula do Veneravel P. M. Avila, feita Religiosa de
Santa Clara, chamada a Esposa do Sacramento, muitas vezes no dia, e por
largo espaço de tempo se demorava na presença do SS. Sacramento: e
perguntando-se lhe que fazia em todas as horas, quantas alli se
demorava, respondeo: De boa vontade estaria eu alli por toda a
eternidade. Acaso não está alli a essencia de Deus, que será por toda a
eternidade o alimento, e a gloria dos Bemaventurados? Ah! E que faremos
na presença daquelle Deus Sacramentado? Amal-o, louval-o, agradecer-lhe,
e pedir-lhe. Que faz um pobre na presença de um rico? Que faz um doente
diante do Medico? Que faz um sequioso á vista de uma fonte crystalina?

Oh meu Jesus amabilissimo, vida, e esperança, thesouro, e unico amor da
minha alma! Oh quanto vos custou o ficardes comnosco nesse Divino
Sacramento! Quando vós o instituistes já conhecieis as ingratidões, as
injurias, os desacatos com que vos havião de tratar os homens, mas ainda
maior que a nossa maldade, e que a nossa miseria, foi a vossa ardente
caridade para comnosco; sim, tudo venceo aquelle grande amor, que nos
tendes, e o excesivo desejo de ser de nós amado.

Vinde pois, Senhor, vinde e mettei-vos dentro do meu coração, e fechai
sobre vós a porta para sempre, para que não entre creatura alguma a
tomar parte daquelle amor, que eu quero empregar todo em vós somente. Ah
meu amado Redemptor! Fallai dentro do meu coração, que o vosso servo
ouve; mandai Senhor, que eu quero fielmente obedecer-vos; e se alguma
vez não vos obedecer perfeitamente, castigai-me, até que eu fique
advertido e resoluto a agradar-vos como vós quereis: fazei que eu não
deseje outra cousa, nem busque outro contentamento mais que o de
servir-vos, de visitar-vos muitas vezes sobre os sagrados altares, e de
receber-vos na Sagrada Communhão. Quem quizer, procure embora outros
bens: eu não amo, nem desejo outra cousa mais o thesouro do vosso amor:
isto é o que sempre heide buscar, isto é o que sempre heide pedir diante
dos santos altares. Fazei que eu me esqueça de mim, para que me lembre
só da vossa bondade infinita. Serafins bemaventurados, eu não vos tenho
inveja pela gloria, mas sim pelo amor que tendes ao vosso, e meu Deus;
ensinai-me o que hei de fazer, para servil-o, e amal-o.

Minha vontade está prompta
Para seguir-vos, Senhor,
Sejão firmes meus desejos,
Seja firme o meu amor.

Quem me déra estar seguro
De nunca mais offender-vos;
Meu Deus, quem me déra ser
O maior de vossos servos.

Meu coração vos pertence,
Meu adoravel Senhor,
Prendei-o bem preso ao vosso
Com prisões de puro amor.

Governai, meu bom Jesus,
Governai meu coração,
Não consintais que nelle entre
A menor imperfeição.

Que mais póde appetecer
Um verdadeiro Christão,
Do que amar sempre seu Deus
Com todo o seu coração?

Bemdito e louvado seja
O meu Jesus adorado,
Bemdito seja para sempre
O meu Deus Sacramentado

_Logo concluirá com a Communhão Espiritual, (que vai a pag. 11)[1] e
depois fará a visita a Maria Santissima, diante d'alguma Imagem sua_.



VISITA I.

_A Maria Santissima_.


Ó immaculada ou inteiramente pura. Virgem Maria, Mãe de Deus; vós sois
superior a todos os Santos, sois a unica esperança dos peccadores,
depois de vosso Filho Jesu Christo, e a alegria dos Justos. Por vós
somos reconciliados com Deus. Ó grande Princeza, Mãe de Deus! cobri-nos
com as azas da vossa misericórdia: tende de nós piedade, a vós somos
entregues, e consagrados ao vosso obsequio: temos o nome de vossos
servos: não permittais que Lucifer nos arraste ao Inferno. Ó Virgem
Immaculada! nós estamos debaixo da vossa protecção, e por isso a vós
recorremos, e vos rogamos, que embaraceis que vosso Filho, provocado dos
nossos peccados, nos desampare, e assim fiquemos em poder do demonio
nosso inimigo.

Virgem Soberana, eu vos rogo
Sejais minha valedora;
Se Deus me não tem ouvido,
Fallai-lhe por mim nest'hora.

Sois minha Mãe, a esses braços
Eu corro e me vou lançar;
Ainda que ingrato, sou filho,
E não me haveis de espancar.

De Deus tambem vós sois Mãe,
Pedi-lhe que me perdoe;
Dizei-lhe veja o meu peito,
Que já se arrepende, e doe.

Mettei no Divino Lado
A vossa poderosa mão;
Tirai enchentes de graças
Dentro do seu coração.

Na minha alma as entornai,
De impura fique innocente;
E da mais pura mancha
Fique limpa de repente.

De tibia e frouxa se torne
Extremosa e vigilante:
De ingrata e rebelde seja
Desde hoje terna e constante.

Para gloria do vosso nome,
Por tão subidos favores,
Mandarei do Ceo e terra,
Agradecidos clamores.



*SUPPLICAS*

_Que se devem fazer todos os dias a Maria Santissima no fim da visita_.


Immaculada Virgem, e minha Mãe Maria Santissima, a vós, que sois Mãe do
meu Senhor, a Rainha do mundo, a advogada, a esperança, e o refugio dos
peccadores, recorro eu hoje, eu que sou o mais miseravel de todos.
Adoro-vos, ó grande Rainha, e humildemente vos agradeço todas as graças
e mercês, que até agora me tendes feito, especialmente de me haverdes
livrado do Inferno tantas vezes merecido pelos meus peccados. Eu vos
amo, Senhora amabilissima; e pelo amor que vos tenho, vos prometto
querer sempre servir-vos, e fazer todo o possivel para que de todos
sejais servida. Era vós, ó Mãe de misericordia, depois do meu Senhor
Jesu Christo, é que eu estabeleço as minhas esperanças: acceitai-me por
vosso servo, e defendei-me com a vossa protecção; e já que sois tão
poderosa para com Deus, livrai-me de todas as tentações, ou alcançai-me
graça para as vencer até á morte: a vós peço o verdadeiro amor para com
o meu Senhor Jesu Christo: de vós espero alcançar uma boa morte. Oh
minha Mãe e Senhora, vos rogo que me ajudeis sempre, mas muito mais no
ultimo ponto da minha vida: não me desempareis, em quanto me não virdes
já salvo no Ceo, louvando-vos, e cantando as vossas misericordias por
toda a eternidade. Amen.

Minha Mãe, minha Senhora,
Sobre este filho lançai
Vossa benção carinhosa,
Do Ceo as graças me dai.



VISITA II.


Diz um devoto Padre, que sendo o pão uma comida que nos serve de
alimento, e se conserva, guardando-o, por isso Jesu Christo se quiz
deixar na terra debaixo das especies de pão: não só por servir de
alimento ás almas, que o recebem na Sagrada Communhão, senão tambem para
ser conservado no Sacrario, e fazer-se a nós presente, lembrando-nos por
esse efficacissimo meio o amor que nos tem. São Paulo diz: _Que Deus
tomando a forma de servo a si mesmo se abateo_. Mas que diremos nós,
vendo que elle por nosso amor está todos os dias sobre os nossos
altares, tomando a fórma de pão? Nenhuma lingua é bastante (diz S. Pedro
de Alcantara) a poder, declarar a grandeza do amor que Jesus tem a
qualquer alma que está na sua graça, e por isso querendo este dulcissimo
Esposo partir do mundo para seu Eterno Pae, para que esta sua ausencia
nos não fosse occasião de nos esquecermos d'elle, nos deixou por memoria
este SS. Sacramento, no qual elle mesmo ficava por penhor do seu amor, e
para incentivo da nossa lembrança.

Ah! meu Jesus! Já que vós estais ahi nessa custodia para ouvirdes as
supplicas dos miseraveis, ouvi hoje os rogos do peccador mais ingrato,
que vive entre todos os homens.

Eu venho arrependido aos vossos pés, conhecendo o grande mal, que tenho
feito em desgostar-vos. Primeiramente vos peço me perdoeis todos os meus
peccados. Ah! quem nunca vos tivera offendido! Agora aqui na vossa
presença, conhecendo a vossa grande vontade, me sinto vivamente excitado
a amar-vos, e a servir-vos. Mas que? se vós me não ajudais, não tenho
forças para assim o executar. Fazei, ó grande Deus, fazei conhecer a
toda a Côrte Celestial o vosso grande poder, e a vossa infinita
misericordia; fazei deste grande peccador, que tenho sido, um grande
amante vosso: vós o podeis assim fazer: fazei-o assim, meu Deus: suppri
da vossa parte tudo o que me falta, para que chegue a amar-vos muito,
muito, ao menos a amar-vos tanto quanto vos tenho offendido, amo-vos,
meu Jesus, amo-vos sobre todas as cousas: amo-vos mais que a minha
propria vida, meu Deus, meu amor, e meu bem todo.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]


_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA II.

_A Maria Santissima_.


Ó Rainha do Universo, e Senhora nossa, vós sois a unica advogada dos
peccadores, depois de Jesu Christo, que é o nosso principal advogado
para com o Pae: vós sois no mesmo Senhor o porto seguro dos que
naufragão: sois a consolação do mundo, o resgate dos captivos, a alegria
dos enfermos, a recreação dos afflictos, o refugio de toda a terra. Ó
cheia de graça, alumiai o meu entendimento, soltai a minha lingua para
cantar os vossos louvores, principalmente a Saudação Angelica, tão digna
de vós. Adoro-vos, ó paz, ó salvação, ó consolação de todo o mundo.
Adoro-vos, paraiso de delicias, fonte de graças, mediadora entre Deus, e
os homens.


Virgem Soberena, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA II.


Ali está o nosso Jesus, que não se satisfazendo com dar a vida por nosso
amor, quiz tambem depois da morte ficar comnosco no SS. Sacramento,
declarando que entre os homens achava elle as suas delicias. Oh homem!
(exclama Santa Thereza) como podeis offender a um Deus, o qual diz que
entre vós tem as suas delicias? Jesus tem as suas delicias em estar
comnosco, e nós não as teremos em estar com Jesus? Nós a quem é
concedida a honra de habitar no seu palacio? Ah! E como se tem por
honrados aquelles vassallos, a quem o Rei dá lugar em palacio! Pois
eis-aqui o palacio do Rei: esta é a casa onde habitamos com Jesu
Christo: saibamos ser-lhe agradecidos; e fallemos-lhe com amor e
confiança. Aqui me tendes, meu Deus, e meu Senhor, diante desse altar,
onde vós estais de dia, e de noite, por amor de mim: vós sois a fonte de
todo o bem; vós o Medico de todo o mal, vós o thesouro dos pobres: pois
aqui tendes hoje aos vossos pés um peccador, entre todos o mais pobre e
o mais enfermo, que vos pede misericordia: tende, Senhor, compaixão de
mim. Grande é a minha miseria; mas eu não quero desanimar, vendo que
nesse Sacramento desceis todos os dias do Ceo á terra, só para me
fazerdes bem. Eu vos adoro, eu vos louvo, eu vos amo; e se quereis que
vos peça alguma esmola, peço-vos esta: ouvi-me. Senhor: eu não desejo
offender-vos mais, e quero que me deis luz, e graça para amar-vos com
todas as minhas forças. Senhor, eu vos amo com toda a minha alma:
amo-vos com todos os affectos do meu coração: fazei vós que eu o diga
devéras, e o diga sempre nesta vida, e por toda a eternidade. Maria
Santissima, Santos meus advogados, Anjos, e Bemaventurados todos,
ajudai-me a amar a Deus amabilissimo.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]

_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA III.

_A Maria Santissima_.


Ó minha Senhora, que sois, a maior consolação, que recebo de Deus; vós,
que sois o celestial allivio, que dais refrigerio ás minhas penas; vós,
que sois a luz da minha alma, quando ella se vê rodeada de trevas; vós
que sois nas minhas viagens a minha guia, a minha fortaleza nos meus
desalentos, o meu thesouro na minha pobreza, a minha medicina nas minhas
enfermidades, nas minhas lagrimas a minha consolação: vós, que sois o
refugio das minhas miserias, e depois de Jesu Christo a esperança da
minha salvação, despachai as minhas súpplicas, tende piedade de mim,
como convem á Mãe de um Deus, que tanto amor tem aos homens: concedei-me
quanto vos peço, ó clemente, ó piedosa, ó doce Virgem Maria.

Virgem Soberana, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA IV.


Os amigos do mundo achão tanta consolação em se verem uns aos outros,
que perdem dias inteiros em suas conversações. Com Jesu Sacramentado não
empregamos o tempo, porque não o amamos. Os Santos achárão Paraiso na
terra, diante do SS. Sacramento. Santa Thereza, depois de morrer, disse
de lá do Céo a uma sua Religiosa: _Nós os que estamos no Céo, e vós os
que estais na terra deviamos ser uma mesma cousa na pureza, e no amor;
nós gozando, e vós padecendo; e aquillo mesmo, que nós fazemos no Ceo
com a Divina Essencia, deveis vós fazer na terra com o SS. Sacramento_.

Ó Cordeiro immaculado, e sacrificado por nós sobre a Cruz, lembrai-vos
que eu sou uma daquellas almas, que vós remistes com tantas dores, e com
a vossa morte. Fazei que eu vos não perca mais, já que vos tendes dado a
mim, e vos dais todos os dias, sacrificando-vos por meu amor sobre os
altares, e fazei que eu seja todo vosso: eu me entrego todo a vós, para
que façais de mim tudo quanto quizerdes. Eu vos entrego a minha vontade;
prendei-a com as doces prisões de vosso amor, para que seja sempre uma
fiel escrava da vossa santissima vontade: eu não quero viver mais para
satisfazer os desejos, mas só para contentar a vossa infinita bondade:
apartai, Senhor, apartai de mim tudo quanto vos não agrada: dai-me a
graça de não ter outro pensamento mais que o de obedecer-vos, nem outro
desejo mais que o de servir-vos. Amo-vos, ó meu amado Salvador, com todo
o meu coração: amo-vos, porque desejais que eu vos ame: amo-vos, porque
sois infinitamente digno de ser amado. Grande pena tenho de não amar-vos
quanto mereceis: quizera morrer por vosso amor: acceitai, Senhor, o meu
desejo, e dai-me o vosso amor.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]

_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA IV.

_A Maria Santissima_.


Ó minha Senhora! vós, que sois a nossa defensa, fazei-me digno de gozar
comvosco aquella grande felicidade, que gozais na Bemaventurança: sim,
minha Rainha, meu refugio, minha vida, meu soccorro, minha defensa,
minha alegria, minha fortaleza, minha esperança: fazei que eu vá
comvosco para o Céo. Eu sei que, sendo vós Mãe de Deus, bem podeis
alcançar-me uma graça efficaz, que me faça cooperar para a minha final
justificação. Ó Maria, vós sois poderosissima intercessora para salvar
os peccadores, nem vos é precisa outra recommendação, porque sois a Mãe
da verdadeira Vida.

Virgem Soberana, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA V.


Ah! meu Deus, meu Rei, meu Senhor! Quem me dera que todos os meus
membros se convertessem em linguas para louvar, e engrandecer as finezas
e os excessos de bondade nesse Divino Sacramento, onde continuamente
estais prompto para ouvir, e para consolar esta indigna creatura vossa:
eu me attrevo a dizer, Senhor, que sois excessivamente amante dos
homens, porque lhes déstes tudo quanto lhes podieis dar nesse
Sacramento, para que elles vos amassem. Ah! meu amabilissimo Jesus,
Dai-nos um amor grande, um amor forte, para vos amar, pois não é razão
que amemos com tibieza a um Deus, que nos ama com tanta efficacia.
Attrahi-nos a vós com os doces attractivos do vosso amor.

Ó Magestade, e Bondade infinita! Vós amais tanto os homens; vós tendes
obrado tantas finezas para serdes amado dos homens; e é possivel que
entre os homens haja tão poucos que vos amem! Eu já não quero, ser (como
tenho sido) do numero desses ingratos: eu estou resoluto a amar-vos
quanto posso, e a não amar outro objecto mais que a vós: vós assim o
mandais; vós assim o mereceis; quero contentar-vos. Fazei, ó Deus da
minha alma, que eu vos agrade: eu assim o espero, e vo-lo peço pelos
merecimentos da vossa Paixão Sagrada. Os bens da terra dai-os a quem os
deseja, se quereis, eu só o que quero e o que busco é o grande thesouro
do vosso amor: amo-vos, meu Jesus, Bondade infinita: vós sois toda a
minha riqueza, todo o meu contentamento, todo o meu amor.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]


_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA V.

_A Maria Santissima_.


Ó Rainha do mundo, nós havemos de apparecer diante do nosso Juiz, depois
de termos commettido tantos peccados; quem o aplacará? Não ha quem
melhor o possa fazer que vós, ó Soberana Senhora, que tanto o amastes, e
que fostes delle tanto amada. Abri pois ó Mãe de Misericordia, os
ouvidos de vosso coração aos nossos suspiros e aos nossos rogos. Nós nos
refugiamos debaixo da vossa protecção: applacai a cólera de vosso Filho,
e restitui-nos á sua graça. Vós não aborreceis o peccador, por maior que
elle seja: vós não o desprezais, se elle a vós suspira, e pede
arrependido a vossa intercessão. Vós com as vossas piedosas mãos o
livrais da desesperação: vós o confortais, e o animais a esperar: não o
desampareis, Senhora, até que elle fique reconciliado com o seu Juiz.

Virgem Soberana, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA VI.


Jesu Christo disse, que onde cada um tem o seu thesouro, ahi tem o seu
coração. Eis ahi por que os Santos que não estimão nem amão outro
thesouro mais que Jesu Christo, no SS. Sacramento tem todo o seu
coração, e todo o seu affecto. Meu amabilissimo Senhor Sacramentado, que
pelo amor, que me tendes, estais de dia, e de noite nesse Sacramento,
inflammai o meu coração, para que não ame senão a vós, não cuide senão
em vós, não busque, nem espere outro bem fóra de vós: fazei-o assim, ó
meu Senhor, pelos merecimentos da vossa Paixão.

Ah, meu Salvador Sacramentado! E quanto são admiraveis as industrias do
vosso amor, para fazer que as almas vos amem! Ó Verbo eterno, não bastou
á vossa ardente caridade o fazer-vos homem, e morrer por nós, senão que
para satisfação do vosso amor, quizesse tambem ficar nesse Sacramento,
para nos servirdes de companhia, de alimento, e penhor da eterna gloria?
Vós appareceis entre nós, já em figura de menino dentro de uma humilde
lapa; já de pobre tomando a figura de servo; umas vezes como réo,
crucificado em uma Cruz; outras sobre os nossos altares, debaixo das
especies de pão. Dizei-me, Senhor, que mais podeis inventar para vos
fazer amar? Oh Bem infinito, e quando começarei eu devéras a
corresponder ás finezas do vosso amor! Ah, Senhor! Eu não quero viver
senão para vos amar. E de que me serve a vida, senão a emprego toda em
amar o meu Redemptor, que empregou toda a sua vida em beneficio meu? E
que objecto devo eu amar, senão a vós, meu Senhor, que sois tão bello,
tão amavel, tão bom, tão digno de ser amado? Viva a minha alma só para
amar-vos: abraze-se de amor, quando se lembrar do vosso amor; e ao ouvir
nomear Presepio, Cruz Sacramento, accenda-se em desejos de executar
grandes cousas a vosso respeito. Ó Jesus meu, que grandes cousas tendes
feito, e padecido por amor de mim.


Minha vontade, etc. ( _Como a pag. 19._)[2]


_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA VI.

_A Maria Santissima_.


Vós, ó Maria, sois aquella unica Mulher, na qual o Salvador achou o seu
descanço, e a quem sem reserva entregou todos os seus thesouros. Por
esta razão todo o mundo, ó minha Grão Senhora, honra o vosso casto seio
como Templo de Deus, no qual se deo principio á salvação do mundo, e se
fez a reconciliação entre Deus, e o homem. Vós sois aquelle Horto
fechado, ó grande Mãe de Deus, no qual nunca jámais entrou a mão terrena
para manchar a flor da vossa pureza. Vós sois aquelle bello jardim, em
que Deus, poz todas as flores, que ornão a Santa Igreja e entre ellas a
viola da vossa humildade, o lirio da vossa pureza, e a roza da vossa
caridade. A quem vos comparamos, ó Mãe da graça, e da belleza? Vós sois
o Paraizo de Deus: de vós sahio a fonte de aguas vivas, que fertiliza
toda a terra. Oh! quantos beneficios tendes feito ao mundo, merecendo
ser quelle saudavel aqueducto por onde se nos communicão todos os bens,
e todas as graças.

Virgem Soberana, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA VII.


Este nosso amoroso Pastor, que deo a vida por nós suas ovelhas, não quiz
separar-se de nós na sua morte. Aqui estou (diz) ovelhas minhas; aqui
estou sempre comvosco: eu por vós me deixei ficar na terra neste
Sacramento: aqui me achareis sempre que quizerdes, para vos ajudar e
consolar com a minha presença; não vos deixarei, em quanto vós
estiverdes sobre a terra. Desejava o Esposo (diz São Pedro de Alcantara)
deixar á sua Esposa n'esta tão longa ausencia alguma companhia, para que
não ficasse só; e por isso instituio este Sacramento, no qual ficasse
elle mesmo, que era a melhor companhia, que lhe podia deixar.

Ah, meu Senhor, e meu Salvador amabilissimo! Eu venho agora a
visitar-vos neste altar; mas vós me pagais esta visita em outro amor
infinitamente maior, quando vindes á minha alma na santa Communhão;
então não só vos fazeis presente a mim, mas tambem minha comida: todo
vos unis, e entregais a mim, para que eu possa dizer-vos com verdade:
Agora, meu Jesus, sois todo meu. Pois, Senhor, já que vós vos entregais
todo a mim, é razão que eu tambem a vós me entregue todo. Ó Deus de
amor, ó amor da minha alma; e quando será que eu na realidade me veja
todo vosso, não só nas palavras senão tambem nas obras? Vós o podeis
fazer: augmentai, Senhor, em mim a confiança, e a esperança pelos
merecimentos do vosso Sangue, até que eu alcance a graça de me vêr todo
vosso antes de morrer. Vós ouvís, Senhor, as súpplicas de todos: ouvi
tambem agora os rogos de uma alma, que vos quer amar devéras: sim, eu
desejo amar-vos com todas as minhas forças, e a vós quero obedecer em
tudo aquillo, que vós me mandardes, sem interesse, sem consolação, sem
premio: quero-vos servir só por amor, só por vos dar gosto, só por
agradar ao vosso amantissimo coração, a quem eu devo as mais excessivas
finezas: o meu premio, Senhor, será amar-vos. Ó Filho dilecto do Eterno
Pae, acceitai a minha liberdade, a minha vontade, todas as minhas
cousas, a mim todo, e dai-vos a mim: eu vos amo, e a vós busco, por vós
suspiro, só a vós quero, só a vós quero.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]


_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA VIII.

_A Maria Santissima_.


Ó Rainha dos Céos, de vós se falla, quando se diz: _Quem é esta, que
apparece como a Aurora, que vem subindo, formosa como a Lua, escolhida
como o Sol_? Vós viestes ao mundo, ó Maria, como resplandecente Aurora,
prevenindo com a luz da vossa santidade a vinda do Sol de Justiça: o
dia, em que vós apparecestes no mundo bem póde chamar-se dia de
Salvação, dia de graça. Sois bella como a Lua; porque assim como não ha
Planeta mais semelhante ao Sol, assim tambem não ha creatura mais
semelhante a Deus, que vós: a Lua alumia a noite com a luz, que do Sol
recebe; e vós alumiais as nossas trévas com as luzes da vossa virtude:
vós porém sois mais bella que a Lua, porque em vós não se acha mancha,
nem sombra. Vós sois escolhida como o Sol, isto é, imitadora daquelle
Sol Divino, que creou o sol, que vemos: elle foi escolhido entre todos
os homens, e vós escolhida entre todas as mulheres.

Virgem soberana, etc. (_como a pag. 22._)[3]



VISITA VIII.


A qualquer alma, que visita a Jesus no Santissimo Sacramento, diz ella
as palavras, que disse a Sagrada Esposa: _Levanta-te, dá-te pressa, ó
minha querida e minha formosa, e vem_. (_Cant. 2._) Alma que me visitas:
_Levanta-te_ das tuas miserias, eu estou aqui para enriquecer de graças.
_Apressa-te_, chega-te a mim, não temas a minha Magestade, porque ella
está humilhada neste Sacramento, para tirar-te o temor, e dar-te toda a
confiança, _Amiga Minha_, não és já minha inimiga, mas sim amiga: e pois
tu me amas, eu te amo _Formosa Minha_, a minha graça te tem feito bella,
_Vinde cá_, abraça-te comigo, pede-me o que quizeres com grande
confiança.

Dizia Santa Thereza, que este grande Rei da Gloria se tinha revestido
das especies de pão no Sacramento, occultando a sua Magestade, para nos
animar a chegarmos com mais confiança ao seu Divino coração.

Cheguemo-nos pois a Jesus com grande confiança, e grande affecto
unamo-nos com elle, e peçamo-lhes muitas graças.

Qual deve ser agora a minha consolação, ó Verbo Eterno feito homem, e
sacramentado por amor de mim, sabendo que estou diante de vós, que sois
o meu Deus, que sois uma Magestade, e bondade infinita, que tanto amor
tendes á minha alma? Almas, que amais a Deus, lá onde estais, ou seja no
Céo, ou na terra, amai-o agora muito por mim Minha Mãe, e Senhora Maria
Santissima, ajudai-me a amal-o. E vós, amantissimo Senhor, fazei-vos o
objecto de todos os meus amores: tomai posse de toda a minha vontade: eu
vos consagro todo o meu entendimento, para que não discorra mais que a
respeito da vossa bondade: entrego-vos tambem o meu corpo, para que
tambem elle me ajude a agradar-vos: offereço-vos a minha alma, para que
seja toda vossa; quizera, ó meu amado Senhor, que todos os homens
conhecessem o efficaz amor que lhes tendes, para que vivessem todos só
para honrar-vos, e dar-vos gosto, como vós o desejais, e o mereceis.
Viva eu, ao menos, sempre inflammado no amor da vossa belleza infinita:
eu de hoje em diante quero fazer tudo quanto me for possivel por
agradar-vos: proponho de não deixar de executar qualquer cousa, que eu
entenda ser do vosso gosto, ainda que me custe uma grande pena o perder
todas as minhas cousas, ainda que me custe o perder a propria vida:
ditoso serei eu, se perder tudo, por possuir a vós, que sois meu Deus,
meu Thesouro, meu Amor.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]


_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA VIII.

_A Maria Santissima_.


Oh doce, oh grande, oh sobre tudo amavel Maria! Não póde pronunciar-se o
vosso nome, sem que o coração se sinta abrazado no vosso amor: nem pódem
aquelles, que vos amão, cuidar em vós, sem que se sintão movidos
efficazmente a amar-vos mais. Ó Santa Senhora, ajudai nossa fraqueza. E
quem está mais proxima a fallar a nosso Senhor Jesu Christo, do que vós
que gozais tão perto do seu trato suavissimo? Fallai, fallai ó Senhora,
porque o vosso Filho vos ouve, e alcançareis para nós tudo quanto lhe
pedirdes.


Virgem Soberena, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA IX.


O Veneravel Padre Alvares vio a Jesus, que estava no Sacramento com as
mãos cheias de graças, buscando a quem as dar, Santa Catharina de Sena,
quando se chegava ao SS. Sacramento, era com aquella pressa, e
deligencia amorosa, com que se chega um menino ao peito de sua mãe.

Ó dilectissimo Unigenito do Eterno Pae, conheço que vós sois o objecto
mais digno de ser amado: eu desejo amar-vos quanto vós mereceis: ao
menos quanto uma alma póde amar vos. Bem sei que eu traidor, e tão
rebelde ao vosso amor, não mereço amar-vos, não mereço estar visinho a
vós, como agora estou nesta igreja; mas sei que vós mesmo pedís o meu
amor. Ouço que vós me dizeis: _Filho meu, dá-me o teu coração; amarás a
teu Deus, e Senhor, de todo o teu coração_. Eis-aqui porque vós me
tendes conservado a vida, e não me tendes mandado para o Inferno, a fim
de que eu haja de converter-me todo ao vosso amor. Pois, Senhor, já que
vós quereis ser de mim amado, sim, aqui estou, Deus meu; a vós me rendo,
a vós me entrego, ó Deus todo bondade, todo amor. Eu vos elejo por unico
Rei, e Senhor do meu pobre coração: vós mo pedis, eu vol-o quero dar: é
frio, é endurecido; mas se vós o acceitais, vós o mudareis. Mudai-me,
meu Senhor, mudai-me; não quero viver mais ingrato, como tenho vivido, e
tão pouco amante para com a vossa bondade infinita, que tanto me ama, e
merece um infinito amor: fazei que de hoje em diante vos ame tanto, que
de alguma sorte suppra a falta de amor, que até agora para comvosco
tenho tido.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]


_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA IX.

_A Maria Santissima_.


Adoro-vos ó Maria, vós sois, depois de Jesu Christo, a esperança dos
Christãos; recebei a súpplica de um peccador, que affectuosamente vos
ama, particularmente vos honra, e tem em vós, depois de Deus, toda a
esperança da sua salvação; de vós recebo eu a vida depois de Deus. Por
vossa intercessão espero eu ser restabelecido na graça do vosso Filho.
Rogo-vos, que me ajudeis a livrar-me do peso dos meus peccados: destrui
comigo as trévas do meu entendimento: arrancai com a minha cooperação os
máos affectos do meu coração: reprimi comigo as tentações dos meus
inimigos; e regei de tal sorte a minha vida, que eu possa vir a
conseguir pelo meio da vossa protecção a eterna felicidade do Ceo.

Virgem Soberana, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA X.


_Ó loucos do mundo_, diz Santo Agostinho, _aonde ides para contentar o
vosso coração? Vinde a Jesus, que sò elle póde dar aquelle
contentamento, que buscais_. Alma minha, não sejas tu tambem agora do
número destes loucos: busca só a Deus: busca um bem, no qual estão todos
os bens, diz o mesmo Santo Agostinho, e se tu o queres achar depressa,
alli está visinho a ti: dize-lhe o que queres, que elle para este fim
está naquelle Sacrario, para le consolar, para te ouvir, e para te
despachar. Dizia Santa Thereza, que ao Rei da terra nem todos podião
fallar; e que algum o mais que podia conseguir, era váler-se para isso
de terceira pessoa; mas para fallar comvosco, Rei da Gloria, não é
preciso buscar terceira pessoa: vós sempre estais prompto nesse
Sacramento para nos ouvir: o Rei da terra dá audiencia poucas vezes no
anno; mas vós nesse Sacramento a todos dais audiencia de dia, e de
noite, sempre que nós queremos.

Ó Sacramento de amor, que ou vos dais a nós na Santa Communhão, ou
estais sempre sobre os nossos altares: attrahi com os amorosos
attractivos do vosso amor todos aquelles corações, que namorados de vós,
e pasmados da vossa infinita bondade, não tem outros desejos, nem cuidão
mais que em vós: attrahi tambem, Senhor, meu miseravel coração, que
deseja agora amar-vos, e viver só do vosso amor. Eu deposito de hoje em
diante todos os meus affectos, a minha alma, e o meu corpo, tudo nas
mãos da vossa infinita bondade: disponde, Senhor, de mim o que for do
vosso agrado. Não quero mais, não, lamentar-me; ó Amor meu, das vossas
santas disposições: sei que todas sahem do vosso amoroso coração para
meu bem: o que vós quizerdes é o que eu quero em todo o tempo, e por
toda a eternidade: fazei o que vos agradar em mim, e de mim; eu me uno
todo á vossa vontade, porque sei que ella é toda santa, toda boa, toda
formosa, toda perfeita, toda amavel. Oh vontade do meu Deus, quanto me
sois agradavel! Quero sempre viver, e morrer, unido, e abraçado
comvosco. O vosso gosto é o meu gosto; os vossos desejos quero que sejão
os meus desejos; Deus meu, Deus meu, ajudai-me; fazei que de hoje em
diante eu viva só para vós, só para amar a vossa infinita bondade. Morra
eu por vosso amor, já que vós morrestes por mim. Eu detesto aquelles
dias nos quaes fiz a minha vontade contra o vosso gosto. Eu vos amo ó
vontade Divina quanto amo a Deus, porque vós sois o mesmo Deus; amo-vos
com todo o meu coração, e a vós me entrego todo.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]


A _Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA X.

_A Maria Santissima_.


Adoro-vos, ó Cheia de graça; o Senhor é comvosco. Adoro-vos, ó
instrumento da nossa Alegria, pelo qual em vosso Filho a sentença da
nossa condemnação se revogou, e mudou em um juizo de benção. Adoro-vos,
ó Templo da Gloria de Deus, Casa Sagrada do Rei do Ceo. Vós sois em Jesu
Christo a reconciliação de Deus com os homens. Adoro-vos, ó Mãe da nossa
alegria; na verdade vós sois bemdita, porque só vós entre todas as
mulheres fostes digna de ser Mãe do vosso Creador; todas as Nações vos
chamão bemaventurada. Ó Maria, se eu ponho a minha confiança em vós,
alcançai-me os meios da minha salvação. Se eu estiver debaixo da vossa
protecção nada temerei, porque o ser vosso devoto verdadeiro é ter um
impenetravel escudo contra os assaltos dos meus inimigos.

_Virgem Soberana, etc._ (_Como a pag 22._)[3]



VISITA XI.


_Procuremos não nos apartar_, diz Santa Thereza, _nem perder de vista ao
nosso amado Pastor Jesus; que assim como aquellas ovelhas, que estão
mais visinhas ao seu Pastor, são sempre as mais bem reguladas, e as mais
amadas, assim nós recebemos tambem grandes favores, sempre que nos
avisinhamos a Jesus no SS. Sacramento_. Ah meu Redemptor Sacramentado!
Aqui estou visinho a vós: não quero outro regalo mais que o fervor, e
perseverança no vosso amor.

Eu te louvo, e te dou graças, ó Santa Fé: tu me fazes saber, e me
affirmas, que no Divino Sacramento do altar, naquelle Pão Celestial não
ha pão, mas está alli todo meu Senhor Jesu Christo, e está por meu amor.
Senhor meu, e todo meu, eu vos creio presente no SS. Sacramento; e bem
que desconhecido aos olhos da carne, eu vos reconheço com a Luz da Santa
Fé, na Hostia consagrada, por Monarcha do Ceo, e da terra, e por
Salvador do mundo. Ah, meu dulcissimo Jesus! assim como vós sois a minha
esperança, a minha salvação, a minha fortaleza, a minha consolação,
assim quero que sejais tambem agora todo o meu amor, e o unico objecto
de todos os meus pensamentos, dos meus desejos, e de todos os meus
affectos. Eu me alegro ainda mais daquella summa felicidade, que gosais
e gosareis eternamente, que de todo o bem que eu posso ter, assim neste,
como no outro mundo. O meu maior contentamento, ó meu amado Redemptor, é
saber que a vossa felicidade é infinita. Reinai, Senhor, reinai sobre a
minha alma, eu vol-a entrego toda; possui-a vós para sempre. A minha
vontade, os meus sentidos, as minhas potencias são todas servas do vosso
amor, e não quero que neste mundo se empreguem mais que em dar-vos
gosto, e gloria. Esta foi a vossa vida na terra, ó primeira amante e Mãe
de Jesus, Maria Santissima; ajudai-me vós, para que de hoje em diante
viva só para o meu Deus.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]


_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA XI.

_A Maria Santissima_.


Ó Mãe de Misericordia aplacai o vosso Filho: sim, a vós, que estais no
mais alto dos Ceos, todo o mundo considera como Propiciatorio commum de
todas as gentes. Nós vos rogamos ó Virgem Santa, que nos concedais o
soccorro das vossas súpplicas diante de Deus; súpplicas que são mais
estimaveis, e mais preciosas, que todos os thesouros da terra: supplicas
que obrigão a Deus a perdoar-nos os nossos peccados, e nos alcanção uma
grande abundancia de graças; súpplicas que afugentão os nossos inimigos,
confundem os seus designios, e triunfão dos seus ardís, e esforços.

Virgem Soberana, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA XII.


Quem ama a Jesus, está com Jesus, e Jesus está com elle S. Filippe Neri
commungando por Viatico, logo que vio entrar o SS. Sacramento exclamou:
_Eis aqui o meu Amor, eis-aqui o meu Amor_. Diga pois qualquer de nós na
presença de Jesus Sacramentado: Eis-alli o meu amor: eis-alli o objecto
de todos os meus pensamentos, e de todos os meus cuidados.

Ah, meu Senhor, e meu Deus! Vós dissestes no vosso Evangelho, que quem
vos amar, será amado de vós, e vireis habitar nelle; pois eu vos amo
mais que todos os bens: amai-me vós Senhor, agora, porque eu estimo mais
ser amado por vós, que de todos os Reis do mundo: vinde, Senhor, e
estabelecei a vossa habitação na pobre casa da minha alma, de tal sorte
que vos não separeis nunca de mim, ou para melhor dizer, que eu me não
separe nunca de vós. Vós Senhor, não vos ausentais da vossa creatura, se
ella vos não lança fóra pelo peccado: eu como tantas vezes vos tenho
lançado fóra da minha alma no tempo passado, temo, que me succeda esta
desgraça para o futuro. Ah! não permittais que succeda no mundo esta
enorme maldade, e esta horrenda ingratidão, que eu, favorecido tão
especialmente de vós, depois de receber tantos favores, venha outra vez
a lançar-vos fóra da minha alma. Mas póde succeder; e por isso, meu
Senhor, desejo antes a morte, se he do vosso agrado, para que morrendo
unido comvosco, comvosco unido haja de viver eternamente. Sim, meu
Jesus, assim o espero: eu vos abraço, e me quero unir ao vosso
Santissimo coração: fazei que eu sempre vos ame, e sempre seja amado de
vós. Ah, meu amabilissimo Redemptor! eu sempre vos amarei, vós sempre me
amareis; espero que sempre nos amaremos, ó Deus da minha alma, por toda
a eternidade.

Minha vontade,etc. (_Como a pag. 19._)[2]

_A Comnunhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA XII.

_A Maria Santissima_.


Ó minha soberana Senhora, e Mãe do meu Senhor, eu me prostro, e me
humilho na vossa presença: rogo-vos que me alcanceis o perdão dos meus
peccados, e que eu seja purificado de todas as culpas, que tenho
commetido em minha vida: supplico-vos a graça de me unir com hum puro
affecto a Deus, e a vós; de servir ao vosso Filho como meu Deus; a vós
como Mãe do meu Deus; ao vosso filho como meu Redemptor; a vós como meio
da minha redempção; porque se elle pagou o preço do meu resgate, pagou-o
com a carne que de vós recebeo.

Virgem Soberana,etc. (_como a pag. 22._)[3]



VISITA XIII.


_Ahi terei postos os meus olhos, e o meu coração todos os dias_. (3.
_Reg. 9._) Ouve, ó alma, esta bella promessa, que te faz Jesus no
Sacramento do altar, onde se deixou ficar comnosco de dia e de noite.
Ah, meu Senhor,! Não bastava que ficasseis nesse Sacramento só de dia,
em que podieis ter adoradores da vossa presença, que vos fizessem
companhia, mas também quizestes ficar de noite, em que os homens fechão
as Igrejas, e se retirão a suas casas, deixando-vos só? Já vos entendo;
o amor, que nos tinheis, não consentio que nos deixasseis um só
instante. Ah, meu amabilissimo Salvador! Só esta fineza do vosso amor
deveria obrigar a todos os homens a assistir-vos sempre nos sagrados
Templos, ate os constrangerem a retirar-se; e ausentando-se, devião
todos deixar ahi os seus corações, e os seus affectos; aquelles affectos
tão justamente merecidos de hum Deus humanado que fica fechado no
Tabernaculo, sempre prompto para vêr, e remediar as nossas necessidades,
esperando, para assim o dizer, que as almas suas amantes o vão visitar.

Sim, meu Jesus, eu vos quero contentar, eu vos consagro toda a minha
vontade, e todos os meus affectos. Ó Magestade infinita de hum Deus, vós
vos deixastes ficar nesse Divino Sacramento, não só para estardes
presente a nós, mas principalmente para vos communicardes ás almas
vossas escolhidas. Porém, Senhor quem se atreverá a avisinhar-se á vossa
Meza, e alimentar-se da vossa carne? Mas quem pelo contrario poderá
separar-se de vós! Vós a este fim vos escondeis debaixo das especies
sacramentaes, para entrardes dentro de nós, e para possuirdes os nossos
corações: vós desejaes que nós vos recebamos, e gostais de estardes
unido comnosco. Vinde pois, meu Jesus, vinde: eu desejo receber-vos
dentro de mim, para que sejais o Deus do meu coração, e da minha
vontade. Quanto é da minha parte, meu amado Redemptor, cedão ao vosso
amor satisfações, contentamentos, vontade, propria, tudo, tudo vos ceda.
Ó amor, ó Deus de amor, reinai, triumfai de mim todo; destruí, e
sacrificai em mim tudo aquillo, que é meu, e não é vosso: não
permittais, amor meu, que a minha alma, cheia da magestade de hum Deus,
depois de vos ter recebido na Sagrada Communhão, haja de prender-se ás
creaturas. Amo-vos, Deus meu, amo-vos, e sempre vos quero amar.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]


_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA XIII.

_A Maria Santissima_.


Ó Maria, eu bem sei que vós sois a creatura mais nobre, a mais sublime,
a mais pura, a mais bella, a mais benigna, a mais santa, a mais amavel
de todas as creaturas. Oh se todos vos conhecessem, e vos amassem, como
vós mereceis! Bem quizera eu amar-vos, mas conheço que vos não amo, como
devo: fazei ó minha Senhora, que de hoje em diante vos ame com hum amor
verdadeiro, e efficaz, e perseverante: se eu devéras vos amar, serei
salvo: porque este é um signal de predestinação, e huma graça, que Deus
não concede, senão áquelles, aquem quer salvar: rogai por mim, ó
Senhora, rogai, até que eu me veja no Ceo, livre do perigo de perder a
graça de meu Senhor, e seguro de o amar, e a vós por toda a eternidade.


Virgem Soberena, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA XIV.

_Este o meu descanço para sempre: aqui tenho de morar, pois o escolhi_.
(_Psalmo 131._) Amabilissimo Senhor, se vós escolhestes a vossa
habitação entre nós, deixando-vos ficar sobre os nossos altares no SS.
Sacramento, e ahi o amor, que nos tendes, vos faz achar o vosso repouso,
é razão tambem que os nossos corações habitem sempre comvosco por
affecto, e ahi achem toda a delicia e contentamento. Oh ditosas vós,
almas amantes, que não achais no mundo outro descanço mais que o de
estardes visinhas ao vosso Jesus Sacramentado! E ditoso, seria eu
tambem, meu Senhor, se não achasse de hoje em diante outro
contentamento, mais que estar sempre comvosco e sempre cuidando em vós,
em vós, Senhor, que estais no SS. Sacramento sempre cuidando em mim.

Ah, meu Senhor! e porque perdi tantos annos, em que vos não amei? Annos
infelises, e desgraçados, eu vos aborreço, e vos detesto. Ó paciencia
infinita do meu Deus, eu vos louvo, e vos adoro, pois que tantos annos
me tendes supportado tão ingrato ao vosso amor. Mas assim mesmo ingrato,
vós me tendes esperado. E porque, Deus meu, porque? Para que vencido em
um dia, das vossas misericordias, e do vosso amor, me renda todo a vós,
Senhor, eu não quero resistir mais; não quero ser-vos mais ingrato. He
razão que eu vos consagre ao menos este tempo, que ou pouco, ou muito me
resta de vida. Espero meu Jesus, que me haveis de ajudar para ser todo
vosso. Vós me tendes favorecido quando eu vos fugia, e desprezava o
vosso amor, e haveis-me de deixar agora? Agora, Senhor, que eu vos busco
e que desejo sinceramente amar-vos? Não, não o espero da vossa infinita
bondade. Dai-me pois a graça de amar-vos; ó Deus digno de infinito amor.
Eu vos amo com todo o meu coração; amo-vos sobre todas as cousas;
amo-vos mais que a mim mesmo, mais que a minha propria vida. Peza-me
muito, muito de vos ter offendido, Bondade infinita: perdoai-me, e junto
com o perdão concedei-me a graça de eu nesta vida vos amar efficazmente
até á morte, e por toda a eternidade na outra. Fazei ver com o vosso
poder, ó Deus omnipotente, este prodigio no mundo, que uma alma tão
ingrata, como a minha, se transforma em uma das mais vossas amantes.
Fazei-o assim, Senhor, pelos vossos merecimentos: eu assim o desejo, e
proponho de o fazer assim em toda a minha vida: vós que me inspirais o
desejo, dai-me as forças.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]


_A Commmnhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA XIV.

_A Maria Santissima_.


Nós vos rogamos, ó Santissima Senhora, por aquella graça, que Deus vos
communicou, de vos fazer tão poderosa no Céo, e na terra, que vos
compadeçais de nós; apressai-vos, ó misericordiosissima, Senhora, a
procurar-nos aquelle bem pelo qual Deus se contentou de fazer-se homem
nas vossas castissimas entranhas: não desprezeis os nossos rogos: se vós
pedirdes ao vosso Filho, elle logo vos despachará: basta que vós querais
que nós nos salvemos, que então, junto com os merecimentos do nosso
Redemptor, não poderemos deixar de fazer obras dignas de nossa salvação.
Ora Senhora, quem poderá restringir as entranhas da vossa misericordia?
Se não tendes compaixão de nós, Senhora, que sois a Mãe de misericordia,
que será de nós, quando vosso Filho vier a julgar-nos?

Virgem Soberana, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA XV.


Dizia o Veneravel Padre D. Francisco Olympio, Theatino, não haver cousa
na terra, que mais vivamente accenda o fogo do Divino amor no coração
dos homens, do que o Santissimo Sacramento do altar. Por isso o Senhor
se fez vêr a Santa Catharina de Sena no SS. Sacramento, como uma
fornalha de amor, da qual sahião torrentes de divinas chammas, que se
espalhavão por toda a terra, ficando a Santa pasmada, considerando como
era possivel que os homens pudessem viver no meio daquelle divino
incendio, sem se abrasarem de amor. Ah, meu Jesus! Fazei que eu arda no
vosso amor: fazei que eu não cuide, não suspire, não deseje, não busque
outro bem fóra de vós. Oh ditoso eu, se me deixasse possuir todo deste
divino fogo, e ao mesmo passo que se vão consumindo os meus annos, se
fossem tambem destruindo em mim todos os affectos terrenos.

Ó Verbo Divino, ó Jesus meu, eu vos vejo todo sacrificado, todo
aniquilado por amor de mim nesse altar: é razão que, assim como vós vos
sacrificastes, fazendo-vos victima de amor, tambem eu me consagro todo a
vós. Sim, meu Deus, e meu supremo Senhor: eu vos sacrifico hoje toda a
minha alma, toda a minha vontade, toda a minha vida, e a mim todo.
Desejo unir este meu pobre sacrificio com o sacrificio infinito. que vos
fez de si mesmo, ó Eterno Pae, Jesu Christo vosso Filho, e meu Salvador,
sobre a Cruz, e que vos faz todos os dias tantas vezes sobre os altares,
acceitai-o pois, Senhor, pelos merecimentos do meu Divino Redemptor; e
dai-me graça de repetir este sacrificio todos os dias da minha vida, e
de morrer, sacrificando-me todo ao vosso amor, e á vossa honra: desejo a
graça concedida a tantos Martyres, de morrer pelo vosso amor; mas se de
tanto favor não me achais digno, ao menos, meu Senhor, concedei-me que
vos sacrifique com toda a vontade a minha vida, abraçando com toda a
resignação aquella morte, que a vossa providencia me quizer dar. Senhor,
haveis de fazer-me esta graça: quero morrer com a vontade de honrar-vos
e de vos dar gosto; e desde agora vos sacrifico a minha vida, e vos
offereço a minha morte, qualquer que ella seja.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]


_A Communhão Espiritual_, (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA XV.

_A Maria Santissima_.


Soccorrei-nos, ó misericordiosissima Senhora, sem olhardes para a
multidão dos nossos peccados: lembrai-vos que o nosso Creador tomou
carne humana de vós, não para condemnar os peccadores, mas para
salvá-los. Se não fosseis feita Mãe de Deus mais que para Vossa honra, e
gloria, poder-se-hia dizer que não vos interessava tanto, que nós nos
salvassemos, ou nos perdessemos, mas Deus se vestio da vossa carne pela
nossa salvação, e pela salvação de todos os homens. De que nos servirá
que sejais toda poderosa, e gloriosa, se não nos fizerdes participantes
da vossa felicidade? Ajudai-nos, e protegei-nos; vós bem sabeis a
necessidade que temos da vossa assistencia; a vós nos recommendamos:
fazei que não nos condemnemos, mas que sirva-mos e amemos eternamente ao
vosso Filho Jesu Christo.

Virgem Soberana, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA XVI.


Oh se os homens recorressem sempre ao SS. Sacramento a buscar o remedio
dos seus males! Por certo que não serião tão miseraveis como são.
Chorava Jeremias, dizendo: _Acaso não ha resina (ou balsamo) em Galand,
ou não ha ahi já medico_? (_Jesem. 8._) Galand, monte da Arabia, rico de
unguentos aromaticos, como nota Beda, é a figura de Jesu Christo, que
tem apparelhados neste Sacramento todos os remedios para os nossos
males. Pois porque (parece que diz o Redemptor) vos queixaes, ó filhos
de Adão, dos vossos males, quando tendes neste Sacramento o Medico, e o
remedio de todas as vossas afflicções? _Vinde a mim todos, e eu vos
darei allivio_. Ah, Senhor, Permitti-me que eu vos diga com a Irmã de
Lazaro: _Eis aqui está enfermo aquelle a quem amais_. Senhor, eu sou
aquelle miseravel que vós amais: tenho a minha alma cheia de chagas, que
nella abrirão os meus enormes peccados; venho ter comvosco, ó meu Divino
Medico, para que me sareis: vós podeis, e quereis sarar-me: _Sarai a
minha alma, porque tenho peccado contra vós_.

Attrahi-me todo a vós, meu dulcissimo Jesus, com os amabilissimos
attractivos do vosso amor: eu estimo em mais estar unido comvosco, que
ser senhor de toda a terra. Eu não desejo outra cousa neste mundo mais
que amar-vos. Pouco, ou nada tenho que vos dar; mas se pudesse haver
todos os Reinos do mundo, sómente os quereria, para os renunciar todos
pelo vosso amor. Eu vos entrego tudo quanto posso e valho, tudo quanto
possuo, parentes, commodidades, gostos, e até as mesmas consolações
espirituaes: renuncio em vós a minha liberdade, e a minha vontade; a vós
quero entregar todos os meus amores. Amo-vos, Bondade infinita, amo-vos
mais que a mim mesmo, e espero amar-vos eternamente.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]


_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA XVI.

_A Maria Santissima_.


Ó Santissima Virgem, soccorrei aquelles, que implorão a vossa
assistencia voltai-vos a nós, ó Clementissima: por ventura
esquecer-vos-heis dos homens porque sois deificada? Ah, não certamente!
vós já sabeis em que perigos nós estamos, e o miseravel estado em que se
achão os vossos servos. Não, não convém a uma misericordia tão
excessiva, como é a vossa, esquecer-se de uma tão grande miseria, como a
nossa é. Olhai para nós com o vosso poder: porque aquelle Senhor, que é
o Omnipotente, vos fez prodigiosa no Céo e na terra. A vós nada é
impossivel: quanto mais poderosa sois, tanto mais deveis ser
misericordiosa.

Virgem Soberana, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA XVII.


As almas amantes não tem maior contentamento, que estarem na presença
das pessoas, a quem amão. Se amamos pois, e amamos devéras a Jesu
Christo, eis-aqui estamos na sua presença: Jesus no Sacramento nos vê, e
nos ouve, e nós não lhe dizemos nada! Ora consolemo-nos com a sua
companhia; gozemos da sua gloria, e daquelle fervoroso amor, com que
tantas almas o adorão no SS. Sacramento. Desejemos que todos amem a
Jesus Sacramentado, e lhe consagrem seus corações: ao menos
consagremos-lhe nós todos o nosso affecto; seja elle todo o nosso
desejo, todo o nosso amor. O Padre Selesio sentia-se transportado de
consolação só de ouvir fallar no SS. Sacramento: não se saciava jámais
de visital-o: se era chamado á portaria, se tornava para a cella, de
todas estas occasiões se servia para duplicar as visitas ao seu amado
Senhor; de tal sorte que apenas passava hora do dia, que não o
visitasse; e mereceo em fim morrer ás mãos dos Herejes, em quanto
defendia a verdade do Sacramento. Oh se eu tivesse a dita de morrer por
um tão bello motivo de sustentar a verdade deste Sacramento, pelo qual,
ó amabilissimo Jesus, vós nos tendes dado a entender a efficacia do
amor, que nos tendes! Mas, Senhor meu, já que fazeis tantos milagres
nesse Sacramento, fazei agora mais outro milagre: attrahi-me todo a vós;
dai-me as forças, que hei mister para amar-vos com todo o affecto. Os
bens deste mundo dai-os a quem vos agradar; eu os renuncio todos: o que
quero, e por que anciosamente suspiro, é só pelo vosso amor: isto é o
que eu vos peço, e sempre pedirei: amo-vos, meu Jesus, dai-me o vosso
amor, e nada mais vos peço.

Minha vontade,etc. (_Como a pag. 19._)[2]

_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA XVII.

_A Maria Santissima_.


Ó Mãe de Deus, eu sei que sois toda benigna, e que nos amais com um amor
summamente compassivo: quantas vezes vós aplacais a ira do nosso Juiz,
fazendo que elle suspenda os castigos, que nós merecemos! Todos os
Thesouros da misericordia de Deus estão nas vossas mãos. Ah, minha
Senhora! Vós, que não perdeis occasião de salvar todos os miseraveis,
que arrependidos a vós recorrem, e de os fazer participantes da vossa
gloria não deixeis nunca de nos favorecer: acudí-nos, para que possamos
algum dia vêr-vos no Céo; pois na verdade, a maior gloria, que podemos
ter, é de vos vêr, (depois de Deus) e de amar-vos, e estarmos debaixo da
vossa protecção. Ouvi Senhora, as nossas súpplicas já que o vosso Filho
quer honrar-vos, não vos negando cousa alguma do que lhe pedirdes.

Virgem Soberana, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA XVIII.


Um dia no Valle de Josaphat apparecerá Jesu Christo sentado em throno de
magestade; mas agora no SS. Sacramento está assentado em throno de amor.
Se um Rei para mostrar um grande amor que tivesse a um pobre pastor,
viera a habitar dentro da sua cabana; que ingratidão seria, se o tal
pastor não o visitasse muitas vezes, sabendo porque o Rei, por ter gosto
de o vêr, tinha vindo hospedar-se na sua habitação! Ah meu Jesus! por
meu amor sei que viestes estar no SS. Sacramento do altar; bem quizera
eu, se me fosse possivel estar aqui na vossa presença de dia, e de
noite. Se os Anjos, ó meu Senhor, estão ahi á roda de vós, pasmados do
amor que nos tendes, é razão que vendo-vos eu por amor de mim nesse
altar, vos contente ao menos com estar aqui louvando o amor, e bondade,
com que tratais esta vil criatura, _Diante dos Anjos vos louvarei; Irei
ao vosso Templo adorar-vos, e dar graças ao vosso Nome pela vossa
misericordia, e verdade_. (_Psalm. 137._) Ó Deus Sacramentado, ó Pão dos
Anjos, ó sustento Divino, eu vos amo; mas nem eu nem vós somos contentes
do meu amor: amo-vos sim, mas amo-vos mui pouco. Fazei vós, meu Jesus,
que conheça a beleza, e bondade imensa, que eu amo: fazei que o meu
coração separe de si todos os affectos terrenos, e dê todo o logar ao
vosso Divino amor. Vós, para me attrahirdes, e para vos unirdes todo a
mim, desceis todos os dias do Céo sobre os nossos altares; é razão que
eu não cuide em outra cousa mais que amar-vos, adorar-vos, e dar-vos
gosto. Amo-vos com toda a minha alma, e com todos os meus affectos; se
quereis pagar, Senhor, este amor, dai-me mais amor, mais chammas, que me
abrasem, que me façam sempre amar-vos, desejar sempre, sempre
servir-vos, e obedecer-vos.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]


_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA XVIII.

_A Maria Santissima_.


Ó nossa Princeza, a vós é que Deus concede toda a qualidade de graças.
Sois chamada cheia de graça, porque concebestes por obra do Espirito
Santo, que desceo sobre vós; ouví pois, ó Santissima Virgem, as nossas
supplicas, e lembrai-vos de nós. Participai-nos os dons das vossas
riquezas, e da abundancia das graças, de que sois cheia. O Archanjo vos
sauda, e vos chama cheia de graça. Todas as Nações vos acclamão por
bemaventurada: todas as Jerarquias do Ceo vos bem dizem, e nós, que
somos da Jerarquia terreste, tambem agora vos bem dizemos: Deus vos
salve, ó cheia de graça, o Senhor é convosco: rogai por nós, ó Mãe de
Deus, Senhora nossa, e nossa Rainha.

Virgem Soberana, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA XIX.


Não ha cousa mais suave, que achar-se cada um na companhia do seu maior
amigo: e não nos será summamente deleitavel estarmos nós n'este valle de
lagrimas em companhia do amigo mais fiel, que temos, que nos póde dar
todos os bens, que excessivamente nos ama e que por isso está comnosco
continuamente! Alli o temos no SS. Sacramento: alli lhe podemos a toda a
hora fallar á nossa vontade, abrindo-lhe o nosso coração, expor-lhe as
nossas necessidades, e pedir-lhe as suas graças: nós podemos tratar com
o Rei do Céo neste Sacramento com toda a amorosa confiança. Foi
bastantemente ditoso José, quando desceo Deus com a sua graça (como
attesta a Escriptura) ao carcere onde estava, a consolá-lo; mas muito
mais ditosos somos nós em ter sempre comnosco nesta terra de miserias o
nosso Deus feito homem, que com a sua Real presença está na nossa
companhia todos os dias da nossa vida, com tanto amor e compaixão de
nós. Que consolação não é para um pobre encarcerado ter um amigo, que vá
repetidas vezes manter-lhe a conversação, que o console, que o soccorra,
que lhe dê esperanças, que ponha todo o seu cuidado em livral-o da sua
desgraça! Pois eis ali o nosso bom amigo Jesu Christo, que naquelle
Sacramento nos fortalece, e nos anima, dizendo-nos: Aqui estou todo por
amor de vós vindo de proposito lá do Céo a esta vossa presença para vos
consolar, para vos ajudar, e para vos livrar: fallai comigo, uni-vos a
mim, que assim não sentireis as vossas miserias, e depois vireis comigo
ao meu Reino, onde vos farei summamente bemaventurados.

Oh Deus! Oh amor incomprehensivel! Já que vos dignais de ser tão affavel
comnosco, que, por estardes visinho a nós, desceis sebre os nossos
altares, eu proponho visitar-vos repetidas vezes: quero gozar, quanto me
fôr possivel, da vossa dulcissima presença; daquella presença, que
constitue a Bemaventurança do Paraiso. Oh! se eu pudesse estar sempre
aqui diante de vós para adorar-vos, e fazer repetidos actos de amor
vosso! Reprehendei-me, Senhor, quando por tibieza, ou pelos negocios do
mundo, deixar de visitar-vos. Excitai em mim um grande desejo de estar
sempre junto de vós nesse Sacramento. Ah, meu amoroso Jesus! Quem vos
tivera sempre amado! Mas a minha consolação agora é ver que ainda me
resta tempo de assim o fazer, não só na outra vida, mas ainda nesta. Eu
assim o quero executar: quero amar-vos devéras, meu summo bem, meu amor,
meu thesouro, meu tudo, quero amar-vos com todas as minhas forças.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]


_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA XIX.

_A Maria Santissima_.


Attrahi-me a vós, ó Virgem Maria, para que eu corra aos suaves cheiros
dos vossos perfumes. Attrahi-me porque o peso dos meus peccados, e
malicia dos meus inimigos me detem: vós sois aquella, que ensinais a
verdadeira sabedoria: vós sois a que impetrais a graça aos peccadores,
porque sois a sua advogada: vós aquella que prometteis a gloria a quem
vos honra, porque sois o thesouro de Deus, e a thesoureira das suas
graças.

Virgem Soberana, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA XX.


_Tempo virá em que ha de haver uma fonte patente á casa de David, e para
os moradores de Jerusalem, em a qual se lave o peccador_. (_Zacharias
13._) Jesus no Sacramento é esta fonte para todos aberta, onde podemos
(sempre que quizermos) lavar as nossas almas de todas as manchas dos
peccados, que cada dia commettemos. Quando qualquer de nós cahe em algum
defeito, ah? e que bello remedio é recorrer logo ao Santissimo
Sacramento! Sim, meu Jesus, assim proponho de o fazer sempre; muito mais
sabendo, que as aguas dessa fonte não só me lavão, mas tambem me dão
luz, e me dão forças para não cahir, e para soffrer alegremente as
contradicções da minha propria vontade, e do meu genio; e me inflammão,
e excitão a amar-vos. Eu sei que a este fim esperais vós que eu vos
visite e recompensais as visitas dos vossos amantes com superabundantes
graças. Ah, meu Jesus! Compadecei-vos deste grande peccador, lavai-me de
todos os defeitos, que tenho hoje commettido, dos quaes me peza muito,
por vos haver desgostado: dai-me forças para não tornar mais a cahir, e
excitai dentro em mim um vivo desejo de vos amar muito, muito. Oh quem
pudéra estar sempre vizinho a vós, como fazia aquella vossa serva fiel,
Maria Dias, que viveo no tempo de Santa Thereza, e alcançou licença do
Bispo de Avila para habitar sempre na tribuna de uma Igreja, onde
continuamente assistia diante do SS. Sacramento, a quem ella chamava o
seu vizinho; e não se retirava della, senão para ir a confessar-se, e
commungar. O Veneravel Fr. Francisco do Menino Jesus Carmelita Descalço,
passando pelas Igrejas, onde estava o SS. Sacramento, não podia deixar
de entrar a visitál-o, dizendo que era incivilidade passar um amigo pela
porta do seu amigo, e não entrar em sua casa, ao menos para o saudar, e
dizer-lhe uma palavra. Mas elle não se contentava com isso, e
demorava-se sempre, quanto lhe era permittido, na presença do seu amado
Senhor Sacramentado.

Ah, meu unico e infinito bem! Eu não ignoro, que vós instituistes esse
Divino Sacramento e estais nesse altar para serdes de mim amado: vós
para este fim me tendes dado um coração capaz de amar-vos. Mas eu
ingrato, porque vos não amo, ou porque vos amo tão pouco? Não, não é
justo que seja frouxamente amada uma bondade tão amavel, como vós. Sois
um Deus infinito, e eu um miseravel bichinho da terra. Na verdade,
Senhor, é pouco o morrer eu por vós; que morrestes por mim; por vós, que
vos deixastes nesse Sacramento por mim, e que todos os dias vos
sacrificais sobre os nossos altares por amor de mim. Vós mereceis ser
muito amado; eu vos quero amar muito: ajudai-me, meu Jesus, ajudai-me a
amar-vos, e a executar tudo aquillo, que é do vosso agrado, e que vós
quereis que eu faça.


Minha vontade, etc. (_como a pag. 19._)[2]


_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA XX.

_A Maria Santissima_.


Ó dulcissima Virgem, Vós achastes graça diante de Deus, porque fostes
preservada da mácula original, cheia do Espirito Santo, e por obra do
mesmo Espirito Santo concebestes o mesmo Filho de Deus. Vós recebestes
todas estas graças, não só para vós, mas tambem para nós a fim de nos
amparar em todas as nossas afflições. É verdade, Senhora, que vós assim
o fazeis; vós soccorreis os bons, conservando-os na graça, e os máos,
reduzindo-os a receber a Divina misericordia: vós ajudais os moribundos,
protegendo-os contra os enganos do demonio, e os ajudais ainda depois da
morte, recebendo as suas almas, e conduzindo-as á Bemaventurança: ó
Maria piedosa, bemaventurado o que vos serve, e em vós confia.


Virgem Soberana, etc. (_como a pag. 22._)[3]



VISITA XXI.


No principio do mundo creou Deus no meio do Paraiso terrestre um
caudaloso rio, ou fonte de agua pura, e crystallina para regar as
plantas, e hervas daquelle horto. (_Gen. 2._) Assim tambem no Paraiso da
Igreja Catholica (diz S. João Chrysostomo) pôz a fonte do Divinissimo
Sacramento para regar, e fertilizar as nossas almas, a fim de produzirem
flores de virtude, e fructo de Santidade. (_Hom. 54._) Por esta razão os
Santos, neste valle de lagrimas, corrêrão sempre como servos sequiosos a
esta fonte do Divino Sacramento, onde achavão toda a suavidade,
consolação, e doçura. O Padre Balthazar Alvares em qualquer emprego que
se achasse, não podia deixar de levantar os olhos, e olhar para aquella
parte, onde sabia que estava o SS. Sacramento: visitava-o muitas vezes,
e algumas noutes inteiras gastava nestas visitas: chorava de ver os
palacios dos Grandes cheios de gente a obsequiar um homem, do qual
apenas esperavão um misero bem, um bem terreno, e caduco, que era breves
dias acaba; ao mesmo tempo que as egrejas, onde habita o Rei dos Reis,
que está comnosco na terra em throno de amor, rico de bens immensos, e
eternos, se achavão despovoadas, e desertas; e dizia que era muito
grande a fortuna dos Religiosos, os quaes, sem sahirem fóra dos seus
Conventos, a toda a hora, que quizessem, de dia, e de noute, podião
visitar este grande Senhor no Santissimo Sacramento.

Ah, meu amantissimo Senhor! Já que vós com tanta bondade me chamais,
ainda quando me vêdes tão indigno, e tão ingrato ao vosso amor, eu não
quero desanimar agora com a consideração da minha fraqueza, e da
multidão dos peccados, que tenho commettido: aqui estou, Senhor, junto a
vós. Ah, Senhor! Vós podeis converter o maior peccador: convertei-me,
que sou o maior: arrancai de mim todo o amor, que não é dirigido a vós,
todo o desejo, que não é do vosso agrado, todo o pensamento, que era vós
se não emprega: meu Jesus, meu amor, meu thesouro, todo meu, só a vós
quero contentar: só vós é que mereceis o meu amor: a vós só quero amar
com todo o meu coração. Separai-me de tudo, que não sois vós, e uni-vos
a mim, mas de sorte, que eu não me possa mais separar de vós, nem nesta
nem na outra vida.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]


_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA XXI.

_A Maria Santissima_.


A vós recorro, ó Mãe de Deus a quem toda a Igreja chama Mãe de
misericordia. Podereis vós negar aos peccadores a vossa intercessão, a
qual é sempre agradavel a Deus, e nunca jámais teve, delle repulsa? Com
toda a verdade, disse S. Bernardo, que não se fallaria mais da vossa
misericordia, se se encontrasse alguem, que tendo-vos invocado nas suas
necessidades, e afllicções, vós lhe tivesseis faltado com a vossa
protecção. Logo não me negareis a vossa piedade. Eu confio que vós
rogareis por mim com mais efficacia, do que eu mesmo, e me alcançareis
maiores bens que aquelles, que eu não me atrevo a pedir-vos. Ó Mãe de
misericordia, aquella grande bondade, que todos em vós experimentão,
poderá ella negar-me a sua assistencia no perigo, em que me vejo, de ser
condemnado? Ó Maria, eu sou todo vosso: ajudai-me a salvar a minha pobre
alma.


Virgem Soberena, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA XXII.


Andava a Esposa dos Sagrados Canticos buscando ao seu amado; e não o
achando, perguntava saudosa a todos os que encontrava: Por ventura
vistes aquelle a quem a minha alma ama? (_Cant. 3._) Então não estava
Jesus em a terra: mas agora, se uma alma que ama a Jesus, o procura,
sempre o acha no SS. Sacramento. Dizia o Veneravel Padre Mestre Avila,
que entre todos os Santuarios não achava outro mais amavel, que uma
Igreja onde estava o Santissimo Sacramento.

Oh amor infinito do meu Deus, digno de infinito amor! E como chegastes a
abater-vos tanto, que para estardes com os homens, e para unir-vos aos
seus corações vos tendes humilhado até esconder-vos debaixo das especies
de Pão? Ó Verbo encarnado, vós fostes excessivo em humilhar-vos, porque
ereis extremoso em amar-nos. Como poderei eu deixar de vos amar com todo
o coração, e com toda a alma, sabendo os excessos, que tendes feito para
captivardes o meu amor! Eu vos amo com todas as véras, e por isso
anteponho o vosso agrado a todo o meu interesse, a toda a minha
satisfação. O meu gosto é dar-vos gosto, meu Jesus, meu Deus, meu amor,
meu tudo: Accendei em mim, Senhor, um grande desejo de estar
continuamente diante de vós sacramentado, de receber-vos muitas vezes, e
ter-vos na minha conpanhia. Vós, senhor, desde esse Sacrario me estais
convidando, e eu seria um ingrato abominavel, se não acceitasse um
convite tão doce, e suave. Ah, Senhor! Destruí em mim todo o affecto ás
couzas creadas. Eu bem sei que só vós, meu Creador, deveis ser o objecto
de todos os meus suspiros, e de todo o meu amor; pois eu os amo, bondade
amabilissima do meu Deus; fóra de vós nada quero. De hoje em diante
desprezarei todos os meus contentamentos, porque só quero fazer em tudo
a vossa santissima vontade. Acceitai, meu Jesus, este bom desejo de um
peccador, que vos quer amar. Ajudai-me com a vossa graça: fazei, Senhor,
que tendo eu sido tanto tempo (por minha desgraça) escravo do Inferno,
seja, de hoje em diante, um servo fiel do vosso amor.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]


_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA XXII.

_A Maria Santissima_.


Ó Mãi de Deus, a vossa benignidade nunca jámais despresou a algum
peccador, que a vós recorresse arrependido. E que? Acaso enganar-se-ha a
Santa Igreja, quando vos chama a sua Advogada, e o refugio dos
peccadores? Ah! não succeda jámais que os meus peccados possão embaraçar
a vossa piedade, pela qual vos tendes constituido o asylo segurissimo
dos miseraveis. Não succeda jámais que a Mãe de Deus, da qual nasceo, o
beneficio de todo o mundo, a fonte da misericordia, haja pois de negar a
sua piedade a algum peccador, que a ella recorra: o vosso officio é ser
mediadora entre Deus, e os homens: mova-vos pois a soccorrer-me a vossa
grande piedade, que é muito maior que todos os meus peccados.


Virgem Soberana, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA XXIII.


Por meio de grandes perigos, e fadigas emprehendem muitos Christãos
largas jornadas, só a fim de visitarem os lugares da Terra Santa, em que
o nosso Salvador nasceo, padeceo, e morreo. Ah! e como reprehendem estes
excessos os nossos descuidos, e a nossa ingratidão! pois deixamos muitas
vezes de visitar ao mesmo Senhor, que habita nas Igrejas, poucos passos
distante das nossas casas. Estimão com a maior veneração, diz S.
Paulino, os peregrinos o trazer daquelles santos lugares uma pouca de
terra do Presepio, ou do Sepulcro, onde foi sepultado o bom Jesus; e com
que ardor, com que desejos devemos nós ir visitar o SS. Sacramento, onde
está o mesmo Jesus em pessoa, sem que seja preciso passar por tantos
perigos, e fadigas para o achar? Uma pessoa Religiosa, a quem Deus deo
grande amor ao SS. Sacramento, escreve em uma sua Carta, entre outros,
estes sentimentos: "Eu tenho visto (dizia ella) que todo o meu bem me
vem do SS. Sacramento, eu me tenho dado, e consagrado todo a Jesus
Sacramentado. Vejo um numero innumeravel de graças, que não se dão,
porque deixão de ir buscal-as a este Divino Sacramento. Conheço o grande
desejo, que tem Nosso Senhor de distribuir as suas graças no Sacramento.
Oh Santo Mysterio! Oh Sagrada Hostia! Que cousa ha senão esta Hostia, em
que faça Deus conhecer mais o seu poder? Porque nesta Hostia está tudo
quanto Deus obrou por nós. Não invejemos os Bemaventurados, porque temos
na terra o mesmo Senhor com mais maravilhas do seu amor. Fazei vós todos
aquelles, a quem fallardes, se dediquem todos ao SS. Sacramento. Eu
fallo assim, porque este Sacramento me arrebata; nem posso deixar de
fallar do SS. Sacramento, que tanto merece ser amado. Eu não sei o que
hei de fazer por amor do meu Jesus Sacramentado."

Assim acaba a Carta.

Ó Serafins, vós estais docemente ardendo de amor á roda do vosso, e meu
Senhor comtudo não por vosso amor, mas por amor de mim este Rei do Ceo
se deixou ficar nesse Sacramento: deixai pois ó Anjos amantes, que eu me
abrase, ou inflammai-me vós no fogo, em que ardeis, para que juntamente
comvosco arda eu tambem.

Ó Jesus meu, fazei-me conhecer a grandeza do amor, que tendes aos
homens, para que á vista de tanto amor se augmente cada vez mais em mim
o desejo de amar-vos. Amo-vos, Senhor amabilissimo, e só por vos agradar
quero sempre amar-vos.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]


_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA XXIII.

_A Maria Santissima_.


Lembrai-vos, ó piedosissima Maria, que nunca jámais se ouvio no mundo,
que alguem recorresse á vossa protecçâo, e fosse de vós desprezado: ó
Maria, rogai por todos, rogai tambem por mim, que sendo maior peccador
que os outros, tenho maior necessidade da vossa intercessão.


Virgem Soberana, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA XXIV.


_Vós sois verdadeiramente Deus escondido_. (_Isai. 45_). Em nenhuma
outra obra do Divino amor se verificão tanto estas palavras, quanto
neste Mysterio adoravel do SS. Sacramento, onde o nosso Deus está
totalmente escondido. Encarnando o Eterno Verbo, escondeo a sua
Divindade, e appareceo feito homem sobre a terra; mas depois, ficando
comnosco no Sacramento, escondeu tambem a sua humanidade, e só (diz S.
Bernardo) vemos uma apparencia de pão, para nos mostrar deste modo o
excessivo amor que nos tem. Amado Redemptor meu, á vista de tanto amor
que tendes aos homens, eu fico fóra de mim, e não sei o que posso dizer.
Vós nesse Sacramento chegais, pelo amor que nos tendes, a esconder a
Vossa Magestade, e a encobrir a vossa gloria; e em quanto estais nos
nossos altares, parece que outro exercicio não tendes mais que amar aos
homens e patentear-lhes o vosso amor; e elles, ó grande Filho de Deus,
que recompensa vos dão?

Ó Jesus, ó amante (deixai-me dizer assim) excessivamente transportado
pelos homens, em quanto vos vejo antepôr o seu bem á vossa mesma honra;
e não sabieis vós a quantos desprezos vos expunheis nesse Divino
Sacramento? Eu vejo, e muito primeiro que eu, vós vieis que a maior
parte dos homens não vos adora, nem vos quer reconhecer pelo que sois
nesse Sacramento: eu sei que muitas vezes estes mesmos homens tem
chegado a pisar as Sagradas Hostias, e a lançal-as por terra, na agua, e
no fogo. Também vejo, ó Deus meu, que a maior parte dos mesmos
Christãos, em lugar de reparar tantos ultrages com as suas adorações, ou
vem as Igrejas para mais vos desgostarem com as suns irreverencias, ou
vos deixão desprezado nos altares desprovidos ás vezes até de luzes, e
dos preciosos ornamentos.

Ah! se eu podesse, meu dulcissimo Salvador, lavar com as minhas,
lagrimas, e ainda com o meu sangue, aquelles infelizes, lugares, nos
quaes foi nesse Sacramento tão ultrajado o vosso amor, e o vosso
amantissimo coração! Mas se tanto me não é concedido, eu desejo ao
menos, meu senhor, e proponho visitar-vos muitas vezes para adorar-vos
como hoje vos adoro, em contraposição dos desprezos, que recebeis dos
homens nesse Divino Mysterio. Acceitai, ó Padre Eterno, este pequeno
obsequio, que em desaggravo das injurias feitas a vosso Filho
Sacramentado, vos rende hoje o mais miseravel entre os homens, qual eu
sou: acceitai-o em união daquella honra infinita, que vos deo Jesu
Christo sobre a Cruz, e qne vos dá todos os dias no SS. Sacramento. Ah!
que se eu pudéra, Jesus meu, fazer que todas as creaturas vos amassem
muito, muito e muito, no SS. Sacramento, eu o fizera de boa vontade,
ainda que me custasse os maiores trabalhos.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]


_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA XXIV.

_A Maria Santissima_.


Ó minha Senhora amabilissima, vós desejais ajudar aos peccadores: pois
aqui tendes um grande peccador, que a vós recorre: ajudai-me com
efficacia, e a ajudai-me depressa: seja gloria da Vossa misericordia o
salvar, em Jesu Christo, a quem merece mil infernos. À vossa intercessão
é muito attendivel para com vosso Filho; pelo que bem podeis alcançar-me
aquellas virtudes, de que tanto necessito: pois fazei-o assim, pelo amor
que tendes a Jesus. Oh innocentissima Maria! Sempre confessarei com S.
Bernardo, que vós em Deus, e depois de Deus, sois a minha maxima
confiança; que sois em vosso Filho toda a razão da minha esperança.


Virgem Soberana, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA XXV.


São Paulo louva a obediencia de Jesu Christo, dizendo, que elle obedeceo
ao Eterno Pae até á morte. Mas no SS. Sacramento excedeo muito mais a
sua obediencia, porque alli não só obedece ao Eterno Pae, mas ao homem;
e não só até á morte, mas em quanto o mundo durar. Elle desceo do Ceo
por obediencia ao homem, e sobre os altares se deixa ficar, em quanto os
homens querem que fique. Alli está sem se mover por si mesmo: deixa-se
estar onde o poem, ou na Custodia exposto, ou no Sacrario fechado:
deixa-se conduzir por onde o levão, assim pelas ruas, como pelas casas;
consente que o commungue todo aquelle a quem o dão, ou seja justo, ou
peccador. Em quanto viveo neste mundo, diz S. Lucas, que elle obedecia a
Maria Santissima, e a S. José; mas neste Sacramento obedece a tantas
creaturas, quantos são no mundo os Sacerdotes.

Deixai que eu hoje falle comvosco, ó coração amantissimo do meu Jesus,
do qual sahirão todos os Sacramentos, e principalmente este Sacramento
de amor. Eu quizera dar-vos tanta gloria, e tanta honra, quanta vós dais
nesse Sacramento a vosso Eterno Pae. Eu bem sei que vós sobre esse altar
me estais amando com aquelle mesmo amor, com que me amastes, quando
consumastes a vossa vida sobre a Cruz. Alumiai, ó coração Divino, a
todos aquelles, que vos não conhecem. Livrai com os vossos merecimentos,
ou ao menos alliviai no Purgatorio aquellas almas afflictas, que são já
vossas eternas Esposas. Eu vos adoro, vos louvo, e vos amo com todas
aquellas almas, que a esta hora vos estão amando na terra, e no Ceo.
Purificai, ó coração purissimo, o meu coração de todo o affecto
desordenado ás creaturas, e enchei-o do vosso santo amor. Possui, ó
coração dulcissimo, todo o meu coração, de tal modo que elle de hoje em
diante seja todo vosso. Escrevei, ó coração santissimo, sobre o meu as
amarguras, que por tantos annos supportastes na terra com tanto amor por
mim, para que eu supporte com paciencia, por vosso amor, todas as penas
desta vida. Coração humildissimo de meu Jesus, fazei me humilde de
coração. Coração mansissimo, communicai-me a vossa mansidão, e separai
do meu coração tudo quanto vos não agrada; convertei-o todo a vós, de
modo que elle não queira, nem deseje senão aquillo, que vós quizerdes.
Fazei finalmente que eu viva só para obedecer-vos, só para amar-vos, só
para agradar-vos. Conheço que vos devo muito: muito me tendes obrigado.
Ah! e que pouco faria eu, Senhor, se me consumisse todo e morresse por
amor de vós!


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]


_A Communhão espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA XXV.

_A Maria Santissima_.


Ó minha amorisissima Rainha, vós sois o thesouro de Deus, e a
thesoureira de todas as misericordias, que elle nos quer dispensar. Vós
mesma me dizeis que comvosco estão as riquezas para enriquecerdes aos
que vos amão. Pois, Senhora, enriquecei de graças a todos aquelles, que
vos buscão. Minha amada Mãe, é certo, que eu sou um grande peccador; mas
tambem é verdade que vos desejo amar muito; tende pois de mim piedade,
não me desprezeis; socorrei-me em vida, e na morte, para que possa algum
dia hir ver-vos lá no Céo.


Virgem Soberena, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA XXVI.


_Alegrai-vos sobre modo, e louvai o Senhor, ó moradores de Sião, porque
no meio de vós está o Grande, o Santo de Israel_. (_Isai. 12._) Ó Deus,
e que consolação deveriamos nós ter; que esperanças, e que affectos,
sabendo que no meio da nossa terra, dentro das nossas Igrejas, vizinho
ás nossas casas habita, e vive no SS. Sacramento do altar o Santo dos
Santos; o verdadeiro Deus; aquelle que com a sua presença faz
bemaventurados os Santos no Paraiso; aquelle que é o mesmo amor! Este
Sacramento não só é Sacramento de amor, mas é o mesmo amor o mesmo Deus,
que pelo amor immenso, que tem ás suas creaturas, se chama Amor: _Deus
Charitas est._ Mas eu vos ouço queixar, ó meu Jesus Sacramentado:
_Hospes eram et non colligistis me:_ Que vós viestes ser o nosso hospede
no mundo para nosso bem, e que nós não vos recebemos. Tendes razão,
Senhor, tendes razão, e eu sou um destes ingratos, que vos tenho deixado
só, sem ao menos vir a visitar-vos. Castigai-me como quizerdes; mas não
com o castigo, que eu mereço, de ser privado da vossa amorosa presença.
Não, meu Senhor, que eu quero emendar a ingratidão, e descortezia, com
que vos tenho tratado. Quero de hoje em diante não só visitar-vos
repetidas vezes, mas deter-me, quando puder, comvosco. Ó piedosissimo
Salvador, fazei que eu vos seja fiel, e persuada aos outros com o meu
exemplo a fazer-vos companhia no SS. Sacramento. Eu ouço ao Eterno Pae,
que diz assim: _Este é o meu filho amado em quem tenho toda a
complacencia_. Pois se um Deus acha em vós toda a complacencia, não a
acharei eu em estar comvosco neste valle de lagrimas? Ó fogo consumidor,
destruí em mim todos os affectos ás cousas creadas, porque só estas me
podem fazer infiel, e separar-me de vós. Já que me tendes feito tantas
mercês, fazei-me mais esta, que agora vos peço: arrancai do meu coração
todos os amores, que não são dirigidos a vós. E eu me entrego todo a
vós, e consagro hoje toda a vida, que me resta, ao amor do SS.
Sacramento. Vós, meu Jesus Sacramentado, haveis de ser todo o meu
conforto, e o meu amor, assim na vida, como na morte; fazei-me a graça
de vos receber por Viatico nos ultimos instantes da minha vida, e depois
conduzi-me ao vosso bemaventurado Reino. Assim seja, assim o espero.


Minha vontade, etc. (_como a pag. 19._)[2]


_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA XXVI.

_A Maria Santissima_.


Ó Maria, agora dir-vos-hei com S. Bernardo: Vós sois a Rainha da
misericordia: e quem são os vassallos da misericordia senão os
miseraveis? Vós a Rainha da misericordia, e eu o mais miseravel dos
peccadores; dos vossos vassallos o maior. Pois, Senhora, se vós sois a
Rainha da misericordia, e eu sou o maior de todos os peccadores, logo
sou eu tambem o maior de todos os vossos vassallos, e vós deveis ter
mais cuidado em mim, que de todos os outros. Ó minha Soberana Advogada,
vós bem sabeis quanto é grande a minha necessidade; defendei-me, e tende
piedade de mim.

Virgem Soberana, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA XXVII.


A Santa Igreja canta no Officio do SS. Sacramento: _Não ha Nação alguma
tão grande que tenha os deoses tão junto de si, como está perto de nós o
nosso Deus_. Os Gentios, ouvindo fallar nas obras do amor do nosso Deus,
chegavão a dizer: Oh, quanto é bom o Deus dos Christãos, quanto é bom! E
na verdade, ainda que os Gentios fingião os Deoses conforme os seus
caprichos; com tudo, lendo as Historias, não achamos que inventassem um
deus a quem fingissem ser tão namorador dos homens como é o nosso
verdadeiro Deus; o qual, para mostrar o seu amor aos seus adoradores, e
para enriquecel-os de graças, obrou um tal prodigio de amor, fazendo-se
nosso perpetuo companheiro, escondido de dia, e de noute dentro de
nossos altares, como se não pudesse, nem por um só instante, separasse
de nós. Ah, dulcissimo Jesus meu bem, sei que obrastes o maior dos
vossos milagres para satisfazer ao excessivo desejo que tinheis de estar
sempre presente e junto a nós. Mas por que razão, Senhor, os homens
fogem da vossa presença? E como podem viver tanto tempo longe de vós,
visitando-vos tão poucas vezes? Oh paciencia do meu Jesus, quão grande
és! Mas já entendo, Senhor, é grande porque é muito grande o amor que
tendes aos homens; e este é o motivo que vos obriga a assistirdes
continuamente entre tantos ingratos.

Ah, meu Deus, que sendo infinito nas vossas perfeições, sois tambem
infinito em amar! Não permittais que daqui em diante seja eu mais do
numero destes ingratos, assim como tenho sido até agora. Concedei-me um
amor igual á minha obrigação. Houve um tempo, (infeliz tempo!) em que
tambem eu me enfastiava de estar na vossa presença, porque não vos
amava, ou vos amava muito pouco; mas se chego com a vossa graça a
amar-vos quanto devo, então, meu Senhor Sacramentado não me enfastiarei
de estar aos vossos pés dias e noutes. Ó Padre Eterno, eu vos offereço o
vosso mesmo Filho, e pelos seus merecimentos vos peço um amor tão
ardente ao SS Sacramento, que sempre que eu passar por qualquer Igreja,
onde elle estiver, me lembre, e deseje com ancia efficaz ir empregar o
tempo na sua amorosa presença.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]


_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA XXVII.

_A Maria Santissima_.


Deus vos salve, singular ornamento do Ceo, e amparo da terra. Deus vos
salve, Mãe mil vezes ditosa do Rei Eterno: vós, Senhora, depois do vosso
Unigenito Filho, tendes o imperio de todas as cousas. A vós todas as
idades, e todas as gerações inclinão a cabeça. A vossos pés se derriba
toda a redondeza da terra; porque depois da ineffavel, e summa Trindade,
não tem o Palacio do Ceo outra cousa mais formosa do que vós. Ouvindo o
vosso Nome, tremem os demonios. Descobrindo-se o vosso resplandor, fogem
as trevas, e ao vosso mando se abrem de par em par as portas do Ceo. Ó
esperança dos Christãos, depois de Christo vosso Filho; ó Rainha de
misericordia, doçura da vida, a vós suspiro desterrado neste valle de
lagrimas; ajudai-me, Senhora, nos meus trabalhos; defendei-me nos meus
perigos; esforçai-me nos meus desmaios; e depois deste desterro
mostrai-me o bem dito fructo do vosso ventre, Jesu Christo, o qual vive,
e reina por todos os seculos dos seculos. Amen.


Virgem Soberana, etc. (_como a pag. 22._)[3]



VISITA XXVIII.


Tendo-nos Deus dado o seu mesmo Filho, como diz S. Paulo, qual bem
poderemos temer, que elle nos haja de negar? Nós sabemos que o Eterno
Pae tudo quanto tinha o deo a Jesu Christo. Louvemos pois a bondade, a
misericordia, e a liberalidade do nosso amantissimo Deus, que nos quiz
fazer ricos de todos os bens e de todas as graças, dando-nos a Jesus no
Sacramento do altar.

Ó Salvador do mundo, ó Verbo humanado, eu posso dizer que vós sois meu,
e todo meu, se assim o quero. Mas posso igualmente affirmar que sou todo
vosso, que sou todo para vós quanto vós quereis que eu seja? Ah, meu
Senhor! fazei que não appareça mais no mundo este desconcerto, e esta
horrenda ingratidão. É possivel que sejais meu, sempre que eu quero, e
que não hei de eu ser vosso, sempre que vós quereis?

A! não seja assim daqui em diante, Senhor. Eu hoje resolutamente me
consagro todo a vós, Offereço-vos a minha vida, a minha vontade, os meus
pensamentos, e todas as minhas acções. Aqui estou todo vosso: eu me
despeço das creaturas, eu me offereço todo a vós. Abrasai-me nas chammas
do vosso Divino amor. Não quero que tenhão jámais parte no meu coração
as creaturas. Os signaes, que me tendes feito ver do amor que me
tinheis, ainda quando eu vos não amava, me fazem esperar que me
acceitareis agora que vos amo e que por amor me entrego todo a vós.

Eterno Pae, eu vos offereço hoje todas as virtudes, todos os actos, e
todos os affectos do santissimo coração do vosso amado Jesus. Acceitai-o
por mim, e pelos seus merecimentos, que todos são meus, em quanto elle a
mim os tem dado: concedei-me aquellas graças, que Jesus vos pede para
mim: com estes merecimentos eu vos dou graças de tantas misericordias,
que comigo tendes usado: com estas satisfaço o que vos devo pelos meus
peccados: por estes espero de vós todas as graças, o perdão, a
perseverança, o Ceo, e sobre tudo o summo dom do vosso puro amor. Eu bem
vejo que a tudo isto eu é que ponho impedimento; mas isto mesmo haveis
vós de remediar: eu vol-o peço por amor de Jesu Christo, o qual tem
promettido: Se pedirdes alguma cousa ao Pae em meu nome, elle vol-a
dará. Logo não mo podeis negar: eu não quero outra cousa mais que
amar-vos, que entregar-me a vós inteiramente, e não ser jámais ingrato,
como tenho sido até agora. Ouvi-me, Senhor, e despachai a minha
súpplica; fazei que hoje seja o dia, em que eu me converta todo a vós,
para nunca deixar de amar-vos. Amo-vos, meu Deus: amo-vos, Bondade
infinita: amo-vos, meu amor, meu Paraiso, meu bem, minha vida, meu tudo.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]


_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA XXVIII.

_A Maria Santissima_.


Oh Maria! Quanto me agrada, Senhora, aquelle bello nome, com que a Santa
Igreja, e os vossos amantes servos vos chamão: _Mater amabilis_! Na
verdade, Senhora, que vós sois a creatura mais nobre, mais sublime, mais
pura, mais bella, mais benigna, mais santa e mais amavel de todas as
creaturas. Oh se todos vos conhecessem, e vos amassem, como vós
mereceis! Eis-aqui, minha amabilissima Rainha, o que eu agora desejo;
sim desejo amar-vos muito, muito, mas este amor vós é quem mo podeis
alcançar de Deus; alcançai-mo, Senhora, que eu agora vol-o peço
humildemente, e desde hoje me dedico ao vosso serviço, e desejo ser um
dos mais fervorosos servos vossos.


Virgem Soberana, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA XXIX.


_Eu estou á porta e bato_. (_Apoc. 3._) Oh Pastor amantissimo, que por
amor de vossas ovelhas, não satisfeito de morrerdes uma vez sobre o
altar da Cruz, quizestes ficar nesse Divino Sacramento sobre os altares
nas nossas Igrejas até á consummação dos seculos, para estardes sempre
visinho a nós! Ah! se eu soubesse gozar da vossa amavel companhia, como
a vossa Esposa Santa, a qual dizia: _Eu me sentei á sombra daquelle, a
quem muito havia desejado_. (_Cant. 2._) Ah, se eu vos amasse devéras,
meu amabilissimo Sacramento; então sim, que eu desejaria efficazmente
estar dias e noutes inteiras ao pé de uma Custodia; e descançando ahi
visinho á vossa Divina Magestade, ainda que encoberta com a apparente
sombra da sagrada especie, eu encontraria aquellas delicias Divinas, e
aquelles contentamentos, que ahi achão essas almas, que verdadeiramente
vos amão. Ah, Senhor, attrahi-me vós com as suavidades da vossa
formosura, e com aquelle immenso amor, que me mostrais nesse Sacramento.
Sim, meu Salvador, que então deixarei as creaturas, e todos os prazeres
do mundo, e correrei apressadamente para vós Sacramentado. Oh que fructo
de santas virtudes dão a Deus aquellas almas felizes, que assistem com
amor ao meu Senhor Sacramentado! Mas eu me envergonho de apparecer assim
despido, e vazio de virtudes, diante de vós, meu Jesus. Vós tendes
ordenado que aquelles que vem ao altar a honrar-vos, e não venhão sem
vos offerecer algum donativo: _Não apparecerás na minha presença sem
offerta_. (_Ex. 23._) Pois que hei de fazer? Não vir mais a visitar-vos?
Ah, Senhor, eu sei que não é isto o que vos agrada. Virei pobre qual
sou, e vós me provereis daquelles mesmos dons, que de mim quereis. Eu
vejo que para este fim ficastes nesse Divino Sacramento, não só para
premiardes os vossos amantes, mas tambem para intercederdes ao vosso
Eterno Pae pelos peccadores, e para proverdes de bens os pobres.

Eia pois, Senhor, começai hoje comigo: ouvi, compadecei-vos, consolai.
esta pobre, e miseravel creatura. Eu vos adoro, ó Rei do meu coração, ó
verdadeiro amante dos homens, ó Pastor excessivamente namorado das
vossas ovelhas, a esse throno do vosso amor venho eu hoje; e não tendo
outra cousa que vos offereça, vos apresento o meu miseravel coração,
para que fique todo consagrado ao vosso amor, e ao vosso beneplacito.
Com este coração eu posso amar-vos, com este eu vos quero amar quanto
posso. Purificai-o, Senhor, e fique elle todo preso da vossa santissima
vontade: uni-me todo comvosco, e fazei-me esquecer até de mim mesmo, de
sorte que o meu maior cuidado ponha eu em servir-vos, e amar-vos.
Amo-vos, meu Senhor Sacramentado, com todo o meu coração, com toda a
minha vida, com toda a minha alma.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]


_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA XXIX.

_A Maria Santissima_.


Ó minha Rainha, vós sois chamada Advogada de todos os peccadores, que
buscão o vosso amparo: pois, Senhora, já que tendes o ministerio de
defender todos os peccadores, que a vós recorrem, aqui tendes hoje este,
ó grande Mãe de Deus, que vos diz com Santo Thomaz de Villa Nova: Eia
pois, Advogada nossa, fazei o vosso officio, tomai por vossa conta o
defender-me. É verdade que tenho sido por largo tempo grande peccador, e
réo para com o vosso Filho; mas, Senhora, o mal é já feito, vós é que
agora me podeis valer, vós é que me podeis ajudar, eu estou arrependido:
se vós disserdes a Jesus que me perdoe, elle me perdoará, e me salvará.

Virgem Soberana, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA XXX.


_Por que escondeis o vosso rosto_? (_Job. 14._) Dava grande temor a Job
vêr que Deus lhe escondia a sua Divina face; mas escondendo Jesu Christo
no SS. Sacramento a sua magestade, não nos deve causar temor, antes mais
confiança, e mais amor; porque se este Rei do Ceo fizesse apparecer
sobre os nossos altares os resplandores da sua gloria, quem se atreveria
a chegar-se a elle, e patentear-lhe os desejos, e os affectos?

Ah, meu Jesus! Vós vos escondeis nesse Sacramento debaixo das
apparencias de pão, para serdes mais amado dos homens e para que elles
vos achem a toda a hora que vos buscarem. Tinha razão o Profeta de
dizer: que fallassem os homens, e gritassem por todo o mundo, para fazer
saber a todos, os excessos de amor, e amorosos inventos, com que nos
trata o nosso bom Deus: _Notas facite in populis adinventiones ejus_.
(_Isai. 12._) Ó coração amantissimo do meu Jesus, digno de possuir todos
os corações das creaturas, coração todo cheio, e sempre cheio de chammas
de purissimo amor: ó fogo consumidor, abrasai-me, todo, e communicai-me
uma vida nova, uma vida de amor, e de graça; uni-me de tal sorte a vós,
que eu não possa mais separar-me de vós. Ó coração aberto, para serdes o
refugio das almas, recebei-me. Ó coração sobre a Cruz tão atormentado
pelos peccados do mundo, dai-me uma verdadeira dôr dos meus peccados. Eu
sei que vós nesse Divino Sacramento conservais os mesmos sentimentos de
amor, que tinheis por mim morrendo no Calvario; por isso tenho um grande
desejo de unir-me todo a vós. E será possivel que eu ainda resista, e
que não me renda todo ao vosso amor, e ao vosso desejo? Ah! pelos vossos
merecimentos, meu amado Jesus, ferí-me, prendei me, apertai-me, uni-me
todo ao vosso coração. Eu resolvo hoje, ajudado com a vossa graça, de
vos dar todo o gosto possivel: sim, eu quero metter debaixo dos pés
todos os respeitos, inclinações, e repugnancias, que me podem impedir o
contentar-vos. Fazei vós, Senhor, que eu assim o execute, e que de hoje
em diante todos os meus pensamentos, todas as minhas obras, todos os
meus affectos se conformem ao vosso beneplacito. Ó amor de Deus,
arrancai do meu coração todo o amor desordenado ás creaturas. Ó Maria,
esperança minha, vós tudo podeis para com Deus: alcançai-me a graça de
um puro amor para com o meu Jesus: fazei que eu o ame efficazmente até á
morte. Assim seja, e assim o espero.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19_.)[2]


_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA XXX.

_A Maria Santissima_.


Ó amantissima Senhora, vós sois, como diz S. Boaventura, Mãe dos orfãos.
Os orfãos são os miseraveis peccadores, que tem perdido a Deus seu Pae.
A vós pois recorro, ó Mãe de Misericordia. Eu tenho perdido o Pae,
perdendo a sua graça com o meu peccado; mas nesta minha tão grande
desgraça, vós que sois minha Mãe, vós é que me haveis de ajudar. Grande
consolação me causa Innocencio III dizendo: Quem jámais vos invocou, e
não foi por vós ouvido? Quem jámais se perdeo, que arrependido, e
humilhado recorresse a vós! Só se perde quem a vós não recorre. A vós
pois recorro eu hoje, ó minha Mãe; tende piedade de mim, ajudai-me, não
me desprezeis.

Virgem Soberana, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



VISITA XXXI.


Grande foi o amor, que Jesu Christo mostrou, quando junto da fonte de
Sichar se assentou, esperando que viesse a Samaritana para a converter e
para a salvar. Mas que excesso de amor não mostra elle aos homens,
descendo do Ceo todos os dias sobre os nossos altares, esperando, e
convidando as almas a fazer-lhe companhia, ao menos por algum espaço de
tempo, tudo isto a fim de attrahil-as ao seu perfeito amor? Em todos os
altares em que está Jesus Sacramentado, parece que falla, e a todos está
dizendo: Homens, porque fugis da minha presença? Porque não vindes, e
vos chegais a mim, que tanto vos amo, e por vosso bem estou aqui assim
humilhado! que temor é esse vosso? Eu não venho agora ao mundo para
julgar, mas estou aqui escondido neste Sacramento de amor só para vos
communicar muitos bens e salvar a todo aquelle, que a mim recorrer. _Non
veni, ut judicem mundum, sed ut salvem mundum_. (_Joan. 12._)

Almas devotas, entendei que assim como Jesu Christo está vivo no Ceo,
sempre rogando por nós, assim tambem no Sacramento do altar está fazendo
continuadamente de noute, e de dia, o piedoso officio de nosso advogado,
offerecendo-se como victima ao Eterno Pae, para nos alcançar as suas
misericordias, e graças innumeraveis. Por isso dizia um devoto, que
deviamos chegar a fallar a Jesus Sacramentado com confiança, e sem
temor, assim como um amigo falla com outro amigo.

Pois, Senhor, se é tanta, a vossa bondade, deixai que eu vos abra com
confiança o meu coração, e vos diga: Ó meu Jesus! ó namorado das almas,
eu bem conheço a ingratidão, com que vos tratão os homens. Vós os mais,
e não sois amado; fazeis-lhes todo o bem, e recebeis desprezos. Quereis
fazer-lhes sentir as vosssas amorosas vozes, e elles não vos querem
attender: offereceis-lhes as vossas graças, e elles as recusão. Ah, meu
Jesus! e é verdade que tambem eu algum tempo fui do numero destes
ingratos! Ah, Deus meu! É mais que verdade; mais eu quero emendar-me, e
quero compensar nos dias, que me restão de vida, os desgostos, que vos
tenho dado, fazendo quanto puder daqui era diante por vos agradar.
Dizei, Senhor, o que quereis que eu faça: tudo executarei sem reserva:
fazei-mo saber por meio da santa obediencia que eu não tarderei em o
cumprir. Deus meu; eu vos prometto resolutamente de não deixar mais
cousa alguma, que eu entenda de hoje em diante ser do vosso agrado,
ainda que para esse fim me fosse preciso perder os parentes, os amigos,
a estimação, a saude, e até a propria vida. Sim, perca-se tudo, e dê-se
gosto a vós. Feliz perda, quando se perde, e se sacrifica tudo, para
contentar o vosso coração, ó Deus da minha alma. Amo-vos, ó Bem
infinito, summamente mais amavel que todos os outros bens. Desejo unir o
meu pequeno coração a todos os corações, com que vos amão os Serafins:
só a vós amo, e só a vós quero amar sempre.


Minha vontade, etc. (_Como a pag. 19._)[2]


_A Communhão Espiritual_. (_que vai a pag. 11._)[1]



VISITA XXXI.

_A Maria Santissima_.


Ó Maria, Virgem dulcissima, Mãe de Deus, Advogada dos peccadores,
refugio dos atribulados: inclinai os ouvidos da vossa piedade aos rogos
deste vosso indigno servo, e concedei-me que seja eu do numero
daquelles, que vós amais, e conservais escriptos no vosso virginal
peito. Purificai, ó Virgem, immaculada, o meu coração de todo o peccado.
Separai de mim tudo quanto desagrada aos vossos olhos. Purificai esta
alma de todos os affectos vãos, e terrenos, introduzi-lhe um puro amor
aos bens celestiaes, e eternos. Rogai, ó Virgem Santa, ao vosso Filho
por mim agora, e sempre, e no ponto da minha morte, e naquelle dia
tremendo e espantoso do Juizo, quando eu houver de dar conta de todas as
minhas obras, para que por vossa intercessão seja livre das penas
eternas, e possa depois desta miseravel vida ir a gozar da vossa amavel
companhia lá no Ceo. Ó Virgem purissima, não tireis os olhos deste
miseravel peccador. Recommendo á vossa piedade a minha alma, e o meu
corpo: regei-me, governai-me, e defendei-me de todos os males, e
perigos, e inimigos deste mundo; e dignai-vos interceder por mim a vosso
Filho, para que me perdoe os meus peccados me dê verdadeira fé, firme
esperança, ardente caridade, e a graça do Espirito Santo, a qual sempre
me faça executar a sua santissima vontade, e se digne por infinita
piedade de preservar este Reino da peste, fome, e guerra, e livrai-me, e
a todos os meus parentes, amigos, e bemfeitores, e a todo o fiel
Christão de todo o mal. Amen.

Virgem Soberana, etc. (_Como a pag. 22._)[3]



JACULATORIAS PARA SE DIZEREM
DIANTE DO
SANTISSIMO SACRAMENTO.


1


  Ah! quem pudera
Aqui viver,
Nada do mundo
Tornar a ver.


2


  Com Deus vivendo,
Com Deus fallando,
A vida assim
Ir acabando.


3


  Unida sempre
Ao meu Senhor,
Morrer á força
Do seu amor.


4


  De Deus meu peito
Seja a morada,
Com elle eu viva
Extasiada.


5


  Faze, meu Deus,
Habitação,
N'esta minh'alma,
E coração.


6


  Os meus suspiros;
Minha anciedade,
Assás te mostrão
Minha saudade.


7


  Carne Divina,
Doce alimento,
Tu da minh'a alma
És o sustento.


8


  Qual Pelicano,
Rasgando o peito,
Prende-me até
Em laço estreito.


9


  Vivo Sacrario
Meu peito seja
De quem minh'alma,
Tanto deseja.


10


  Sacramentado,
Na Eucharistia,
Fica em meu peito
De noute, e dia.


11


  Ah! Não permittas
Que um só momento,
De ti se affaste
Meu pensamento.


12


  Doces prazeres
Só pode achar,
Quem de Jesus
Chega a gostar.


13


  Meus Deus appressa.
Aquelle dia,
De eterna paz,
Doce alegria,


14


  Então gozando,
Já sem temor,
De não perder
O teu amor.


15


  Eu cantarei,
Alegremente,
Jesus é meu
Eternamente.


16


  Heide amal-o sempre
Heide sempre vêl-o
Sempre adoral-o!
Nunca offendel-o!


17


  Ah! doce Jesus,
Tem de mim piedade
Acabe os meus dias
A tua saudade.



JACULATORIAS EM DESAGGRAVO AO SANTISSIMO SACRAMENTO.


  Misericordia, meu Deus,
Vimos todos implorar,
Vimos todos desejosos
De vos querer desaggravar.

  Quem me dera, ó meu Deu
Ter dos Serafins o amor,
Sentir das vossas offensas
A mais excessiva dôr.

  Mas ai de mim! infeliz!
Eu sou tambem, meu Senhor,
Quem por continuos peccados
Offende o vosso amor.

  Amor tão extremoso,
Que vos faz estar fechado
Nesses Sacrarios exposto
A seres tão ultrajado.

  Oh christão, será possível!!
Se tens fé, e Religião,
Que fique tão insensivel
Teu humano coração!!!

  Tu que sentes qualquer perda,
Ou pequeno dissabor,
Só não sentes as offensas
Do teu Pae, do teu Senhor!

  Pois que seria de nós!
Se aquelle Deus de bondade
Não tivesse paciencia
P'ra soffrer tanta maldade.

  Sim, meus irmãos, temamos,
Que aquelle Deus irritado,
Já cançado de soffrer,
E de ser tão aggravado;

  Manda sobre nós todos
Ainda maior castigo,
Dos que já experimentamos
Pelos termos bem merecido.

  Descarregue sobre nós
Sua justa indignação,
Castigando tantos crimes,
E tão grande ingratidão.

  Por tanto, vamos irmãos,
Prostrar-nos ante o Senhor,
Com o coração contricto,
E cheios de amarga dôr,

  Pedir, e muito pedir
Piedade e compaixão;
E de tão grandes offensas
O mais sincero perdão.

  Sim, ó meu Deus, ó meu Pae,
Piedade, e misericordia
Vos pedimos por quem está
Exposto nessa Custodia.

  Misericordia, meu Deus,
Misericordia, Senhor,
Misericordia, pedimos,
Por vosso amor.

  Misericordia, meu Jesus,
Vos pedimos humilhados,
Dai-nos, ó meu Senhor,
Perdão dos nossos pecados.

  Pela Vossa Mãe Santissima,
Pela sua protecção,
Salvai-nos as nossas almas
Tende de nós compaixão.



TERÇO AO SANTISSIMO SACRAMENTO.


_O Terço do Santissimo Sacramento consta de cinco Mysterios em honra das
cinco chagas de Nosso Senhor Jesus Christo, e cada Mysterio de dez
Bemditos_.

_Eis aqui como principia_

[/V.] Deus in adjutorium meum in tende; Domine ad adjuvandum me festina.
Gloria, etc. Alleluia.



I. MYSTERIO.


Neste primeiro Mysterio contemplamos como Nosso Senhor Jesu Christo
desceo do seio de seu eterno Pae, para vir ao mundo, e livrai-nos com a
sua morte santissima da escravidão do peccado, e abri-nos as portas do
Ceo.

_Segue-se o Bemdito repetido dez vezes_.



JACULATORIA.


Ó Jesus Deus de bondade;
Da paz, e da vida author,
Enchei nossos corações
Do vosso divino amor.


ORAÇÃO.


Santissimo Jesus, pela infinita caridade, com que quizestes soffrer a
fraqueza e necessidades da natureza humana para nosso bem, e nossa
felicidade, vos pedimos o perdão de nossas culpas, e um amor para
comvosco, que abraze o nosso coração de tal sorte, que só procuremos a
vossa honra, e a vossas gloria. Amen.



II. MYSTERIO.


Contemplamos neste Mysterio como Nosso Senhor Jesu Christo nasceo no
presepio de Belem despresado, pobre, e desconhecido, para nos merecer o
Ceo, e ensinar-nos com o seu exemplo a despresar as honras, e riquezas
da terra, e procurar só as do Ceo.

_Segue-se o Bemdito repetido dez vezes_.


JACULATORIA.


Ó Jesus, Jesus divino,
Nossa vida nosso amor,
Enchei o nosso espirito
De um verdadeiro fervor.


ORAÇÃO


Ó bondade infinita do meu Jesus, pela providencia, e sabedoria infinita,
com que quizestes nascer sobre a terra, experimentando logo as tyrannias
do cego mundo para assim ensinardes aos vossos escolhidos, e
conseguir-lhe a felicidade eterna; vos pedimos que purifiqueis os nossos
corações do vil interesse das honras e riquezas caducas, e os orneis dos
puros sentimentos, de que é dotado o vosso, para que assim desprezando
tudo o que é terreno, só a vós louvemos e amemos. Amen.



III. MYSTERIO.


Contemplamos neste Mysterio como nosso Senhor Jesu Christo na noute da
Cea instituio este Sacramento de amor, repartindo aos seus Discipulos
pelas suas proprias mãos o seu Santissimo Corpo, para os confortar, e
encher de seu amor, e santidade.

_Segue-se o Bemdito repetido dez vezes_.


JACULATORIA.


  Bom Jesus, nós vos louvamos
No Sacramento de amor,
Sede sempre para nós
Um compassivo Senhor.


ORAÇÃO.


Santissimo Jesus, e bom Senhor das nossas almas, pela infinita caridade,
com que vós vos quizestes deixar sacramentado para nosso soccorro,
amparo, e consolação, vos pedimos, que não consintais que nossos
corações tenhão outro amor além do vosso, e outro interesse mais do que
a vossa honra, e a vossa gloria. Amen.



IV. MYSTERIO.


Contemplamos neste Mysterio como Nosso Senhor Jesu Christo logo no dia,
em que instituo o Sacramento augusto do seu Corpo santissimo, foi
offendido pelo perfido Judas, que estando em peccado não temeo
recebel-o.

_Segue-se o Bemdito repetido dez vezes_.


JACULATORIA.


  Bom Jesus, sejais bemdito,
Pois sois nosso Redemptor,
Sois toda a nossa ventura,
Amparo, e consolador.


ORAÇÃO.


Ó Santissimo Jesus, mestre de paciencia e de bondade, pela mansidão e
soffrimento, com que consentistes, que o vosso indigno Discipulo vos
recebesse sacrilegamente, vos pedimos que não permittais, que nós
peccadores sem a candida estola da graça vos recebamos, mas antes
enchei-nos de uma grande pureza, e perfeita caridade, para termos o
prazer de muitas vezes commungar-vos, e louvar-vos. Amen.



V. MYSTERIO.


Contemplamos neste Mysterio como Nosso Senhor Jesu Christo depois da sua
Resurreição appareceo a seus Discipulos, confirmando-os na fé, e nas
verdades do Reino eterno, promettendo-lhes mandar sobre elles seu Santo
Espirito para os encher de todas as virtudes.

_Segue-se o Bemdito repetido dez vezes_.


JACULATORIA.


  Ó Jesus sempre bemdito,
Tende de nós compaixão,
Fazei-nos sempre constantes
Nesta terna devoção.


ORAÇÃO.


Ó Bom Jesus, pelo inefavel misterio da vinda do Santo Espirito sobre os
vossos Apostolos e Discipulos, vos pedimos, que sejão cheias as nossas
almas das vossas santissimas luzes, para acertarmos o caminho recto de
vos servir e amar, para termos a felicidade de sempre vos louvar sobre a
terra, e ir reinar comvosco lá no Ceo por todos os seculos dos seculos.
Amen.

_Segue-se a Salve, Rainha, e a seguinte Oração_.


OREMOS.

A vós, ó Santissima e immaculada Senhora, Mãe de piedade, e Mãe nossa
nós os peccadores vos pedimos que nos alcanceis de vosso Santissimo
Filho Sacramentado todos os dons e graças, de que necessitamos para
vivermos contantemente sustentados do seu Santissimo amor, para
adquirimos os merecimentos de seus fieis escravos, e para termos a
eterna felicidade de com elle e comvosco, viver por todos os seculos dos
seculos. Amen.

_O Bemdito cinco vezes, e as Jaculatorias que vão a pag. 149_[4], _pela
sua ordem_.


1.^a


  Bemdito, etc.
  Na Cruz por salvar os homens;
Jesus, huma vez morreo;
Na Eucharistia mil vezes
Mais amoroso se deo.


2.^a


  Bemdito, etc.
  Do Ceo as graças, e auxilios,
Estão na Eucharistia guardados;
Liberalisa estes thesouros
Quando alli são procurados.


3.^a


  Bemdito, etc.
  Da sua justiça os raios
Deixou sobre os Ceos ficar;
Quando está na Eucharistia
Vem só p'ra mimos nos dar.


4.^a


  Bemdito etc.
  Sobre as nuvens, contra os impios;
Troveja, ameaça irado,
Contra ingratos, na Eucharistia,
Dá sempre amoroso brado.


5.^a


  Bemdito, etc.
  Só depois da morte os justos
De Deus a face verão;
Na Eucharistia os mortaes
Já o gozão de ante-mão.



LADAINHA AO SS. SACRAMENTO.


Senhor, havei piedade de nós.
Jesus compadecei-vos de nós.
Senhor, havei misericordia de nós.
Jesus, ouvi-nos.
Jesus, ajudai-nos.
Pae do Ceo, e meu Deus, havei misericordia de nós.
Deus Filho Redemptor do Mundo, havei misericordia de nós.
Deus Espirito Santo, havei misericordia de nós.
Trindade Santissima, e um só Deus havei misericordia de nós.
Pão vivo, que descestes do Ceo, compadecei-vos de nós.
Vinho que gera virgens, compadecei-vos de nós.
Sacrificio perpetuo, compadecei-vos de nós.
Oblação purissima, compadecei-vos de nós.
Manná escondido, compadecei-vos de nós.
Memoria das maravilhas de Deus, compadecei-vos de nós.
Verbo feito carne, compadecei-vos de nós.
Hostia Santa, compadecei-vos de nós.
Calix de Benção, compadecei-vos de nós.
Mysterio da Fé, compadecei-vos de nós.
Sublime Sacramento, compadecei-vos de nós.
Da vida a mais preciosa, compadecei-vos de nós.
Testemunho do amor Divino, compadecei-vos de nós.
Excesso da liberalidade de Deus, compadecei-vos de nós.
Dulcissimo banquete, compadecei-vos de nós.
Vinculo de caridade, compadecei-vos de nós.
Doçura espiritual, compadecei-vos de nós.
Refeição das almas justas, compadecei-vos de nós.
Viatico dos que morrem na graça, compadecei-vos de nós.
Penhor da futura Gloria, compadecei-vos de nós.
Sede-nos propicio, onvi-nos Senhor.
De recebermos indignos o vosso Corpo Santissimo livrai-nos Senhor.
Da concupiscencia da carne, livrai-nos Senhor.
Da concupiscencia dos olhos, livrai-nos Senhor.
De toda a soberba, livrai-nos Senhor.
De todo o mal, livrai-nos Senhor.
Nós os peccadores, vos rogamos Senhor.
Que vos digneis augmentar a Fé o
respeito e devoção a tão alto Sacramento, vos rogamos Senhor.
Que vos digneis soccorrer-nos para bem receber-vos, por meio de uma confissão
  bem feita, vos rogamos Senhor.
Que vos digneis livrar-nos de toda a infelicidade, e cegueira do coração, vos
  rogamos Senhor.
Que vos digneis fazer-nos participantes dos celestes fructos deste Sacramento,
  vos rogamos Senhor.
Que vos digneis confortar-nos com este celeste Viatico na hora da morte, vos
  rogamos, Senhor.
Filho de Deus, ouvi-nos.
Cordeiro de Deus que tirais os peccados do Mundo, ouvi-nos.
Ouvi-nos Senhor.
Attendei-nos Senhor.
Ouvi-nos Senhor.
  Ouvi Senhor a minha oração, e chegue até vós o meu clamor.



[Figura: N.^o S.^r CRUCIFICADO.]



OREMOS.


Ó Deus, que neste admiravel Sacramento nos conservastes a memoria da
vossa paixão, concedei-nos como vos supplicamos, que de tal modo
veneremos os Sagrados Mysterios do vosso Corpo e Sangue, que
experimentemos em nossas almas os piedosos fructos da vossa Redempção.
Vós que viveis, e reinais com Deus Pae, em unidade do espirito Santo,
que tambem é Deus por todos os Seculos dos Seculos. Amen.


LADAINHA

_Da Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Christo_.


Jesus, meu Deus, Tende misericordia de nós.
Jesus, meu Creador, Tende misericordia de nós.
Jesus, meu Senhor, Tende misericordia de nós.
Jesus, Filho de Deus vivo, Tende misericordia de nós.
Jesus, Redemptor do Mundo, Tende misericordia de nós.
Jesus, segunda pessoa da Santissima Trindade, Tende misericordia de nós.
Jesus, feito homem por obra do Espirito Santo, Tende misericordia de nós.
Jesus, nascido de Santa Maria Virgem, Tende misericordia de nós.
Jesus, reclinado em um Presepio, Tende misericordia de nós.
Jesus, adorado pelos Pastores, Tende misericordia de nós.
Jesus, na Circumcisão ferido e atormentado, Tende misericordia de nós.
Jesus, pelos Magos adorado, Tende misericordia de nós.
Jesus, em o Templo apresentado, Tende misericordia de nós.
Jesus, pelo rei Herodes perseguido, Tende misericordia de nós.
Jesus, para o Egypto desterrado, Tende misericordia de nós.
Jesus, a Maria e José obediente, Tende misericordia de nós.
Jesus, em Jerusalem perdido, Tende misericordia de nós.
Jesus, no Templo entre os Doutores achado, Tende misericordia de nós.
Jesus, por S. João baptizado, Tende misericordia de nós.
Jesus, no deserto quarenta dias jejuando, Tende misericordia de nós.
Jesus, neste lugar pelo demonio tentado, Sêde bemdito e louvado.
Jesus, em toda a vida pobre e mortificado, Sêde bemdito e louvado.
Jesus, nosso caminho, vida, e verdade, Sêde bemdito e louvado.
Jesus, aos homens ensinando, Sêde bemdito e louvado.
Jesus, aos enfermos curando, Sêde bemdito e louvado.
Jesus, aos mortos resuscitando, Sêde bemdito e louvado.
Jesus, os peccadores convertendo, Sêde bemdito e louvado.
Jesus, os demonios affugentando, Sêde bemdito e louvado.
Jesus, os ventos e tempestades reprimindo, Sêde bemdito e louvado.
Jesus, os pés aos Discipulos lavando, Sêde bemdito e louvado.
Jesus, o Santissimo Sacramento instituindo, Sêde bemdito e louvado.
Jesus, que nos mandastes pedir, Eu vos peço perdão, e graça, e boa morte.
Jesus, por trinta dinheiros vendido, Eu vos peço perdão, e graça, e boa
  morte.
Jesus, no monte Olivete orando, Eu vos peço perdão, e graça, e boa morte.
Jesus, na Oração afflicto e angustiado, Eu vos peço perdão, e graça, e
  boa morte.
Jesus, prostrado em terra, e suando Sangue, Eu vos peço perdão, e graça,
  e boa morte.
Jesus, afflictissimo, e confortado pelo Anjo, Eu vos peço perdão, e graça,
  e boa morte.
Jesus, entregado aos Judeos por um Discipulo, Eu vos peço perdão, e
  graça, e boa morte.
Jesus, preso e atado com duras cordas, Eu vos peço perdão, e graça, e
  boa morte.
Jesus, accusado falsameste a Annás, Eu vos peço perdão, e graça, e boa
  morte.
Jesus, conduzido a casa de Caifàs, Eu vos peço perdão, e graça, e boa
  morte.
Jesus, na presença deste juiz confundido com salivas e bofetadas, Eu vos
  peço perdão, e graça, e boa morte.
Jesus, levado ao pretorio de Pilatos, Eu vos peço perdão, e graça, e boa
  morte.
Jesus, accusado por amotinador do povo, Eu vos peço perdão, e graça, e
  boa morte.
Jesus, mandado ir a presença da Herodes, Eu vos peço perdão, e graça, e
  boa morte.
Jesus, desprezado como loco pelo Rei, e pelos seus soldados, Eu vos
  peço perdão, e graça, e boa morte.
Jesus, segunda vez conduzido a Pilatos, Eu vos peço perdão, e graça, e
  boa morte.
Jesus, cruelmente açoutado, Eu vos peço perdão, e graça, e boa morte.
Jesus, com espinhos coroado, Eu vos peço perdão, e graça, e boa morte.
Jesus, como falso Rei escarnecido e injuriado, Eu vos peço perdão, e graça,
  e boa morte.
Jesus, requerido pelo povo a morrer crucificado, Eu vos peço perdão, e
  graça, e boa morte.
Jesus, á morte condemnado, Eu vos peço perdão, e graça, e boa morte.
Jesus, com a Cruz aos hombros atormentado, Eu vos peço perdão, e graça,
  e boa morte.
Jesus, em os vossos Passos pelo Cyrineo ajudado. Eu vos peço perdão, e
  graça, e boa morte.
Jesus, por vossa Mãe compadecido, Eu vos peço perdão, e graça, e boa
  morte.
Jesus, pela Veronica e pelas devotas lamentado, Eu vos peço perdão, e
  graça, e boa morte.
Jesus, no Calvario injuriosamente despido, Eu vos peço perdão, e graça, e
  boa morte.
Jesus, na Cruz pregado com os cravos, Eu vos peço perdão, e graça, e boa
  morte.
Jesus, ferido com os martellos e pizado, Eu vos peço perdão, e graça, e boa
  morte.
Jesus, no alto da Cruz pelo povo blasfemado, Eu vos peço perdão, e graça, e
  boa morte.
Jesus, afflicto com a sêde, e desamparado, Eu vos peço perdão, e graça, e boa
  morte.
Jesus, a vossa Mãe ao Discipulo João encommendado, Eu vos peço perdão, e
  graça, e boa morte.
Jesus, ao Eterno Pae encommendando vosso Espirito, Eu vos peço perdão, e
  graça, e boa morte.
Jesus, depois de morto, ferido no peito com uma lança, Eu vos peço perdão, e
  graça, e boa morte.
Jesus, nos braços de vossa Mãe depositado, Eu vos peço perdão, e graça, e boa
  morte.
Jesus, pobremente sepultado, Eu vos peço perdão, e graça, e boa morte.
Cordeiro de Deus, que viestes ao mundo satisfazer os nossos peccados:
  _Perdoae-nos_.
Cordeiro de Deus, que nos viestes merecer os dons da graça: _Ouvi e
  attendei-nos_.
Cordeiro de Deus, que nos viestes livrar da eterna condemnação: _Tende
  compaixão nós_.


ORAÇÃO.


Meu Senhor Jesu Christo, que, pelo excesso do vosso amor para com os
homens, sendo enviado ao Mundo por vosso Eterno Pae, quizestes padecer e
morrer pela salvação de todos: peço-vos, Senhor, que acceiteis a memoria
que tenho feito da vossa Santissima Vida, Paixão e Morte; e concedei-me
quando por tudo isto vos tenho pedido, e nos viestes merecer. Amen.



ORAÇÃO A N. S. JESU CHRISTO SACRAMENTADO.


Meu Deus e meu divino Redemptor que não satisfeito com o ter-me remido
das prizões da culpa á custa da vossa sacratissima Paixão e morte,
quizestes ainda dar-me o vosso Santissimo Corpo em comida e o vosso
preciosissimo sangue em bebida para assim ficardes unido á vossa
creatura, e assegural-a do excessivo amor, e da vossa poderosa
protecção; eu vos rogo que por tantas finezas me concedaes a de
permanecer sempre comvosco, vivendo d'aqui em diante com tanto cuidado
sobre mim quanto pode a honra da vossa divina assistencia dentro da
minha alma afim de que vá gosar-vos na immortal patria dos justos, onde
todos vos louvemos por seculos. Amen.

_No fim desta oração se rezará uma estação em desaggravo ao SS.
Sacramento, da maneira seguinte_.


I.


Pelos que negam a real presença do Corpo e Sangue de Nosso Senhor J. C.
no SS. Sacramento da Eucharistia.

P. N. A. M. G. P.


II.


Pelas irreverencias dos infelizes hereges e peccadores, feitas diante do
SS. Sacramento.

P. N. A. M. G. P.


III.


Pelos que recebem o SS. Sacramento em peccado mortal.

P. N. A. M. G. P.


IV.


Pelos que estão sem a devida reverencia diante do SS. Sacramento.

P. N. A. M. G. P.


V.


Pelos que se não dispõem como devem para receber o SS. Sacramento.

P. N. A. M. G. P.


VI.


Pelos Sacerdotes que Celebram sem pureza de consciencia. P. N. A. M. G.
P.


OFFERECIMENTO DA ESTAÇÃO.


Acceitae meu amorosissimo e divino Senhor Sacramentado, estes humildes
obsequios e desejos da minha alma; seja o vosso excessivo amor o que dê
a tudo aquella efficacia de que preciza para se conseguir o precioso fim
das minhas deprecações, e da vossa benefica vontade que é a salvação dos
homens, e o viver com elles em eterna gloria por toda a eternidade.

Rogo-vos, meu Deus e Senhor, por todos os peccadores para que venham ao
caminho da penitencia e nunca delle se affastem. Rogo-vos pelo augmento
e pela paz da vossa Santa Igreja Catholica Apostolica Romana, por todos
os seus Pastores que a governam pela união e fidelidade dos Principes da
terra pelo allivio das almas que estão no purgatorio, pela perseverança
dos justos, por todas as necessidades espirituaes e temporaes d'este
reino e de todos os seus habitantes. Rogo-vos Senhor emfim que do alto
do vosso Throno lanceis a vossa benção a todos os filhos da vossa
Igreja. Amen.



EXERCICIO PARA ANTES E DEPOIS DA CONFISSÃO E COMMUNHÃO.


ORAÇÃO

_Para antes da Confissão_.


Clementissimo Senhor meu Jesu Christo, aqui vem já contrito a vossos
Divinos pés este peccador ingrato, este filho prodigo, e arrependido.
Desejára, Senhor, confessar minhas culpas penetrado da mais perfeita
contrição, e lavar as manchas da minha alma com o vosso Sangue
preciosissimo; mas como de mim nada posso em ordem á minha salvação, a
quem heide recorrer, meu bom Jesus, senão a vós, que sois o meu singular
refugio, e a minha unica esperança? Quem me póde valer, senão vós, que
sois um Deus de infinita misericordia, e piedade para com os miseraveis
peccadores? Quem se hade compadecer de mim, senão vós, que sois Pae de
infinita bondade, e amor para com todos os vossos filhos? Concedei-me
pois efficazes auxilios da vossa graça, para conseguir os fructos do
Santo Sacramento da Penitencia, que eu vou receber. Dai-me, Senhor, uma
intima compunção, e humildade, como déstes ao Publicano: dai-me lagrimas
de verdadeiro arrependimento, como déstes a S. Pedro: dai-me um
ternissimo amor da vossa Divina Magestade, como déstes a Santa
Magdalena, para que, imitando eu estes grandes exemplares da penitencia,
seja minha alma justificada pela vossa graça cá na terra, e algum dia
glorificada pela vista da vossa Divina face lá no Ceo. Amen.

Eu vos rogo, que escutando
De crimes o pregão,
Se enterneça, e se condoa
Vosso meigo coração.

Que os golpes, que sobre mim
Descarregar doloroso,
Subão ao Ceo, fação ecco
No vosso peito amoroso.

Que os propositos amantes,
De nunca mais vos fugir,
Desse braço vingador
A espada fação cahir.

E que no feliz momento,
Em que me achar perdoado,
Solteis os braços da Cruz,
Eu fique nelles cerrado.

As negras vestes da culpa
Despi-me, Senhor, rasgai;
E as galas da virtude
Sobre minh'alma lançai.

Tendo a veste nupcial,
Possa... Que grande ventura!
Ter lugar, ter aposento
Comvosco, em gloria futura.


ORAÇÃO.

_Para depois da Confissão_.


Amantissimo Senhor Jesus, e Deus meu, tenho recebido o Santo Sacramento
da Penitencia, como meio, que vós ordenastes para remissão de todos os
nossos peccados. Por tanto vos rogo, meu amabilissimo Redemptor, pelos
vossos infinitos merecimentos, pelo preciosissimo Sangue, que por mim
derramastes, me concedais um geral perdão de todas as minhas culpas, e
imprimais na minha alma os maravilhosos effeitos deste Santo Sacramento.
Não sejão, Senhor, os meus peccados mais poderosos para condemnar-me, do
que os vossos Sacramentos, e vossa graça para salvar-me. Acceitai pois
benigno esta minha sincera, e dolorosa confissão; e se nella commetti
alguns defeitos por falta de dor, ou de inteireza, ou por qualquer outra
circunstancia, com que a devia fazer, eu vos rogo, que tudo suppra em
bem da minha alma a vossa infinita misericordia, e piedade. Amen.

Ah! meu Deus, e quem soubera
Devidas graças render
Por tão singulares dons,
Que acabo de receber!

Boca ingrata, que até agora
Blasfemaste o Senhor,
Manda ás nuvens os teus brados,
Publica seu grande amor.

Peito rebelde, e aleivoso,
Que dominou o peccado,
D'hoje em diante sómente
Serás a Deus consagrado.

Permittí, que a vossa graça
No meu coração lançada,
Delle não torne a sahir,
Fique dentro em mim fechada.

Que faça contínua guerra
Ás minhas crueis paixões,
Que sempre combata, e vença
Perversas inclinações.

Que os meus desvelos só queira
Em vós constante empregar,
E sobre as vossas pisadas,
Té á morte caminhar.



*ACTOS*

_Que se devem fazer antes da Communhão com muita pausa, e fervor_.


I.

ACTO DE FÉ.


Ah, meu amantissimo Salvador, que excesso de amor, que abatimentos da
vossa Divina Magestade praticastes, para vos unirdes a mim nesse
adoravel Sacramento! Sim, vós, sendo Deus, vos fizestes homem; sendo
immenso, vos fisestes menino; sendo Senhor, vos fizestes servo:
descestes do seio do Eterno Pae ao ventre de uma Virgem; do Ceo a um
Presepio; do Throno da Gloria a um patibulo de justiçados, e esta manhã
sahis desse Sacrario para virdes habitar dentro do meu peito.

Eis-alli, ó alma minha, o teu amante Jesus, que ardendo naquelle mesmo
amor, com o qual te amou na Cruz, morrendo por ti, está naquelle Divino
Sacramento esperando que tu o venhas a receber, e desde alli está
observando os teus pensamentos, o teu amor, os teus desejos, as tuas
pretenções, e as offertas, que vás a apresentar-lhe.

Eia pois, alma minha, aparelha-te para receberes a Jesus; e
primeiramente dize-lhe com fé: É possivel, meu amado Redemptor, que
daqui a poucos instantes haveis de vir a mim! Um Deus infinito a um
peccador tão máo, como eu sou! Ó Deus escondido, desconhecido da maior
parte dos homens, eu vos creio, vos confesso, e vos adoro no SS.
Sacramento por meu Senhor, e Salvador. E por confessar, e defender esta
verdade, voluntariamente daria a propria vida. Vós vindes para me
enriquecer das vossas graças, e para unir-vos todo a mim. Ah! e quanta
deve ser, Senhor, a minha confiança, sabendo que vindes por motivos tão
amorosos!


II.

ACTO DE CONFIANÇA.


Alma minha, dilata o teu coração. O teu Jesus póde fazer-te todo o bem:
elle te ama excessivamente, espera pois grandes favores deste teu amante
Senhor, que movido do seu grande amor, vem a consolar-te. Sim, meu amado
Jesus, eu confio na vossa bondade, que entrando vós hoje no meu peito,
accendereis no meu pobre coração a suave chamma do vosso amor puro, e um
efficaz desejo de executar em tudo a vossa santissima vontade.


III.

ACTO DE AMOR.


Ah, Deus meu, Deus meu, verdadeiro, e unico amante da minha alma! e que
mais podeis fazer, Senhor, para serdes de mim amado? Não vos bastou o
morrerdes por mim; quizestes instituir esse grande Sacramento, para vos
dardes todo a mim, e unirdes o vosso coração ao meu coração, ao coração
de uma creatura tão má, e tão ingrata, como eu sou. Oh amor immenso!
Amor incomprehensivel! Amor infinito! Um Deus quer dar-se a mim!

Alma minha, tu o crês? E que fazes? Que dizes? Ó Deus, ó Deus, ó amor
infinito, unico objecto digno de todos os amores: eu vos amo com todo
meu coração, amo-vos sobre todas as cousas, amo-vos mais que a mim
mesmo, mais que a minha propria vida. Oh! se eu pudesse fazer que todas
as creaturas vos amassem quanto vós mereceis! Ah! quem me dera amar-vos
com aquelle amor, com que vos amão os Serafins; com aquelle amor, com
que vos ama minha Mãe, e Senhora, Maria Santissima! Affectos terrenos,
sahi do meu coração. Mãe do amor formoso, Maria Santissima, ajudai-me a
amar aquelle Deus, que tanto desejais ver amado.


IV.

ACTO DE HUMILDADE.


És tu, alma minha, que vás a receber o sagrado Corpo de Jesu Christo? E
és tu digna de tão alto fervor? Ah! Deus meu! Quem sou eu, e quem sois
vós? Eu bem sei, e confesso, que vós sois um Deus de Magestade infinita,
e inconprehensivel, e quem eu sou, vós o sabeis, Senhor.

E é possivel, meu Jesus, que vós, pureza infinita, desejeis entrar em
uma alma tão impura como a minha, e que tantas vezes tem sido manchada
com o lodo vil dos meus enormes peccados! Ah! Senhor, á vista da vossa
infinita Magestade, e da minha grande miseria, eu me envergonho de
apparecer diante de vós. O temor, e o respeito me querem separar de vós,
mas, se me retiro de vós, aonde irei? A quem hei de recorrer? E que será
de mim? Não, Senhor, eu não quero ausentar-me de vós, antes desejo cada
vez mais avizinhar-me a vós. Venho pois, ó meu amavel Salvador, venho a
receber-vos esta manhã humilhado, e confuso pelos meus peccados; mas
todo confiado na vossa piedade, e no amor, que vós me tendes.


V.

ACTO DE CONTRIÇÃO.


Quanto me peza, ó Deus da minha alma, de vos não ter amado, todo o tempo
da minha vida! antes, em lugar de vos amar, por satisfazer os meus
depravados appetites, tantas vezes offendi, e desgostei a vossa infinita
bondade. Eu vos voltei muitas vezes as costas: eu desprezei a vossa
graça, e amizade. Ah! quanto me peza, Senhor! Quem me dera que se
partira o meu coração de dôr! Aborreço mais que tudo, as offensas, que
vos tenho feito, assim graves, como leves. Eu espero que vós já me
tenhais perdoado; mas, se ainda me não tendes perdoado, perdoai-me antes
que eu agora vos receba: lavai com o vosso Sangue esta alma, em que
quereis vir habitar daqui a poucos instantes.


VI.

ACTO DE DESEJO.


Eia pois, alma minha, é chegada a hora feliz, na qual o teu Jesus ha de
entrar no teu pobre coração. Eis aqui o Rei do Ceo, o teu Redemptor, e
Deus, que já vem a ti. Dispõe-te a recebê-lo com amor. Chama por elle
com efficaz desejo. Vinde, ó Jesus meu, vinde á minha alma, que muito
vos deseja. Primeiro que vos deis a mim, Senhor, quero eu dar-me todo a
vós. Eu vos entrego o meu miseravel coração; acceitai-o, e vinde
depressa tomar posse delle.

Vinde, meu Deus, depressa, e não tardeis, unico, e infinito bem meu, meu
thesouro, minha vida, meu paraiso, meu amor, meu tudo: eu quizera
receber-vos com aquelle amor, com que vos recebem as almas mais santas;
com aquelle amor, com que vos recebia Maria Santissima.

Virgem Soberana, e Mãe minha, eu me avizinho já a receber o vosso Filho.
Dai-me, Senhora, esta manhã o vosso Jesus, como o déstes ao Santo Velho
Simeão: eu das vossas purissimas mãos o quero receber: dizei-lhe que eu
sou vosso servo, e devoto, porque assim olhará elle para mim com olhos
mais amorosos. Assistí-me, valei-me.



ORAÇÃO.

_Para antes da Communhão_.

Dulcissimo, e amantissimo Senhor Jesus, a quem agora desejo receber, vós
sabeis minha enfermidade, as necessidades que padeço, em quantos males,
e vicios tenho cahido, e quantas vezes fui opprimido, tentado, e
enxovalhado: em vós tenho toda a consolação, allivio, e remedio. Fallo
com quem tudo sabe, e conhece todos os meus interiores, e só me póde
perfeitamente consolar, e ajudar. Vós sabeis o bem de que mais
necessito, e quanto sou falto de virtudes para dignamente vos receber.
Purificai pois minha alma das manchas de minhas culpas, fazei-a digna
morada vossa: communicai-lhe vossas graças especiaes, enchei-a de vossos
soberanos dons abrasai-a nos incendios do vosso Divino amor; para que
depois de vos receber dignamente cá na terra, chegue tambem a gozar-vos
eternamente la no Ceo. Amen.

Como o servo, que procura
As correntes sequioso,
Assim corro eu hoje a vós,
Meu Jesus, Pae amoroso.

A Fé me dirige, e guia
Ao Augusto Sacramento,
Aonde a minh'alma encontra
O conforto, e o alimento.

Se vos não vêem os meus olhos,
O meu coração vos vê,
E desmente os meus sentidos
A minh'alma, que em vós crê.

E sois vós, meu Deus, o mesmo
Que á terra humilde baixais?
E em certa circumferencia
Vossa grandeza acanhais?

Perdeis por amor de mim
O Poder, e a Magestade?
Onde está a vossa gloria?
Onde a vossa immensidade?

Tamanho amor, e clemencia?
Nem eu sei avaliar,
E menos ainda posso
Com meus excessos pagar.


ORAÇÃO.

_Para depois da Communhão_.


Ó Clementissimo Jesus da minha alma, com toda a humildade rogo á vossa
Divina Clemencia, que este SS. Sacramento de vosso Corpo, e Sangue, que
indignamente recebi, seja purgação de todos os meus peccados, esforço da
minha fraqueza, defensa contra todos os perigos do mundo, alvará de
perdão, firmeza de graça, memoria da vossa Paixão, alento da minha
fadiga, e viatico da minha peregrinação; que andando, me guie, errando,
me encaminhe; tornando, me receba, tropeçando, me sustente; cahindo, me
levante; e perseverando, me faça entrar na vossa Gloria. Amen.


ACÇÃO DE GRAÇAS.

_Para depois da Communhão_.


Eu espero, Senhor, que desse Santo Sacramento me haveis de deitar vossa
santa benção, que me haveis de encher de bens espirituaes, e corporaes,
que me haveis de remediar neste trabalho, e necessidade, que vos
apresento, que me haveis de fazer humilde, e conceder as mais virtudes,
que desejo. Amen.

Espero que de vós me hade vir todo o meu bem, que me haveis de cumprir
todos os meus desejos; e sendo encaminhado ao vosso santo serviço, como
não esperarei eu em quem tanto me amou, que morreu por mim, na Cruz, só
a fim de me salvar? Eu já desde agora firmemente protesto de todo o meu
coração, com vossa graça, e auxilios, Senhor, de emendar a minha vida, e
de perdê-la mil vezes antes do que offender-vos uma só. Dai firmeza a
este meu proposito, luz ao meu entendimento, lembrança á minha vontade,
para que me peze de tantos peccados, me castigue, me afflija, para que
faça penitencia delles, e soffra todas as injurias do meu proximo por
vosso amor santissimo. Em vós, senhor, confio de não ser confundido
eternamente, e assim o permita a vossa infinita misericordia. Amen.



ACTOS.

_Para depois da Communhão_.


I.

ACTO DE FÉ.


Já o meu Deus veio a visitar-me, o meu Salvador a habitar na minha alma.
Já o meu Jesus está dentro de mim. Oh bondade infinita! Oh misericordia
infinita! Oh amor infinito! Um Deus veio unir-se comigo, e a fazer-se
todo meu! Alma minha agora que estás tão unida com Jesus, que fazes? Que
lhe dizes? Não fallas com o teu Deus, que está dentro de ti? Eia pois,
aviva outra vez a tua fé, considera que os anjos estão á roda de ti
adorando o seu Deus, que está dentro do teu peito. Adora tu agora tambem
dentro de ti o teu Senhor, recolhe-te em ti mesma, e lança fóra de ti
todos os outros pensamentos: une todos os teus affectos ao teu Deus, e
dize-lhe:


II.

ACTO DE HUMILDADE.


Ah, meu Jesus, meu amado, meu bem infinito, meu tudo! Onde estais,
Senhor? Dentro do meu coração? De um coração tão ingrato, tão cheio de
amor proprio, e de appetites desordenados? Quizera dizer-vos com S.
Paulo: Sahi, Senhor, auzentai-vos de mim, porque sou muito indigno de
hospedar um Deus de infinita Magestade. Ide habitar naquellas almas
puras, que vos servem com tanto amor. Mas que digo, meu Redemptor? Não
vos separeis de mim; porque se vós me deixais, fico perdido. Eu me uno a
vós, vida minha: muito louco fui, Senhor, quando me apartei de vós por
amor das creaturas; porém protesto agora na vossa presença, que não
quero jámais separar-me de vós: o meu desejo é viver, e morrer unido a
vós.

Maria Santissima, Serafins, almas que amais a Deus com puro amor,
communicai-me os vossos affectos, para que eu faça a companhia, que devo
ao meu amado Senhor.


III.

ACTO DE AGRADECIMENTO.


Meu Deus, e Senhor, eu vos dou graças da mercê, que me haveis feito esta
manhã, de virdes habitar na minha alma, mas quizera dar-vos um
agradecimento digno de vós e do grande favor, que me tendes feito. Porem
que agradecimento póde dar-vos uma creatura tão miseravel, como eu sou?
Se o mancebo Tobias não achava em si possibilidade para agradecer
dignamente ao Anjo S. Rafael os beneficios temporaes, que lhe tinha
feito, como vos poderei eu, Senhor, agradecer, não os beneficios
temporaes, mas o do vosso Corpo, e Sangue Sacramentado, que agora me
déstes em alimento?

Ah, Senhor! Acceitai ao menos os ferverosos desejos, que tenho de vos
ser agradecido. E vós, Mãe, e Senhora, Maria Santissima, Santos meus
advogados, Anjo da minha guarda, almas, que viveis abrazadas no amor de
Deus, vinde ver, e admirar o excessivo favor, que o Senhor agora me fez;
e dai-lhe por mim as graças.

Mil graças vos dou, Senhor,
E vos rendo adorações
Por tão pasmosas finezas,
Por tantas consolações.

A vossa Mão liberal
Dei-me, meu Deus, a beijar;
Mas que arrojo!... aos vossos pés
Eu só me devo lançar.

A face, Senhor, por terra
Eu ponho com humildade,
Só assim devo adorar
A soberana Divindade.

Ao vosso Nome Bemdito,
Por tão distinctos favores,
Eu mando já, meu Jesus,
Agradecidos clamores.

Eu vos prometto, eu vos juro
De nunca mais vos deixar,
E que os meus ternos desvelos
Só em vós hei de empregar.

Embora prepare o mundo
Para me prender novos laços,
A todos, Senhor, a todos
Quero fazer em padaços.


IV.

ACTO DE OFFERECIMENTO.


Ah! Senhor, já que vós vos dignastes de visitardes hoje a pobre casa de
minha alma, eu vola offereço com toda a minha liberdade, e vontade. Vós
vos tendes dado todo a mim, e eu me quero dar todo a vós; sim, sejão
vossos os meus sentidos, para que me sirvão só para vos agradar: sejão
vossas as minhas potencias, de tal sorte que a memoria me não sirva mais
que para lembrar-me de vosso amor: o entendimento só me sirva para
cuidar de vós, e a vontade só se empregue em vos amar. Tambem vos
consagro, e sacrifico, meu dulcissimo Salvador, esta manhã tudo quanto
tenho; os meus pensamentos, os meus affectos, os meus desejos, os meus
gostos, as minhas inclinações, a minha liberdade; em fim nas vossas mãos
entrego o meu corpo, e a minha alma.

Acceitai, ó Magestade infinita, o sacrificio, que vos faz de si mesmo o
peccador mais ingrato, que tem havido sobre a terra, mas que agora se
offerece, e entrega todo a vós. Fazei, Senhor, de mim tudo quanto vos
agradar. Vinde, ó fogo consumidor, ó amor Divino, e destruí em mim tudo
que não agrada aos vossos purissimos olhos: fazer que de hoje em diante
eu seja todo vosso, e viva sómente para seguir, e obedecer, não só aos
vossos preceitos, e conselhos, mas ainda aos vossos santos desejos, e ao
vosso maior gosto.

Ó Maria Santissima, apresentai com as vossas purissimas mãos á SS.
Trindade esta minha offerta, e alcançai-me que a acceite, e me
communique a graça de ser-lhe fiel até á morte.


V.

ACTO DE PETIÇÃO.


Alma minha, que fazes? Não percas este tempo precioso, em que pódes
receber todas as graças que pedires. Não vês ao Eterno Pae, que está
amorosamente olhando, e vendo dentro de ti o seu amado Filho, o objecto
em que mais se compraz o seu amor? Ah! Lança fóra de ti todos os
pensamentos mundanos, aviva a tua fé, dilata o teu coração, pede quanto
quizeres.

Não sentes ao mesmo Juiz, que te diz: Alma, dize o que queres de mim. Eu
vim para te enriquecer, e para te contentar: pede com confiança, e
alcançarás quanto pedires.

Ah, meu dulcissimo Salvador! Já que viestes á minha alma para me
communicardes as vossas graças, e desejais que eu vo-las peça, eu não
busco, Senhor, os bens da terra, não as riquezas, não as honras, não os
contentamentos do mundo: o que humildemente vos peço agora é uma grande
dôr dos meus peccados; uma luz, que me faça conhecer á validade deste
mundo, e o merecimento, que vós tendes para ser infinitamente amado.
Trocai este meu coração em tudo conforme à vossa santissima vontade; um
coração, que não busque mais que o vosso agrado, que não aspire mais que
ao vosso santo amor. Eu não mereço isto, mas vós o mereceis, ó meu amado
Jesus. Eu vo-lo peço pelos vossos merecimentos, e da vossa purissima Mãe
e pelo amor que tendes a vosso Eterno Pae.

_Aqui poderá pedir qualquer outra graça particular para si, e para o
proximo_. _Não se esqueça dos peccadores, e das almas do Purgatorio, e
rogue tambem por mim_.



RELIGIOSOS PROTESTOS


I.


Eu o mais miseravel e maior de todos os peccadores, com o mais profundo
respeito e submissão, humildemente prostrado ante o Throno de vossa
Divina Magestade, e na vossa adoravel e respeitavel presença, protesto
que creio firmemente tudo quanto crê e ensina a Santa Madre Igreja
Catholica Apostolica Romana, unica e verdadeira Igreja, fóra da qual não
ha salvação, pois só esta foi instituida por Vós, verdadeiro Deus, e
verdadeiro Homem, Verbo Divino feito carne para redempção dos homens,
Redemptor e Salvador nosso, Supremo Juiz que nos haveis de julgar,
unigenito do Eterno Pae consubstancial com elle mesmo, e com Elle e com
o Espirito Santo o mesmo e Unico Deus. N'esta Fé, cujos mysterios todos
e cada um dos seus artigos aqui hei por explicitamente confessados, e na
qual por misericordia Vossa, Senhor, tenho vivido desde o meu baptismo,
protesto querer constante e inviolavelmente persistir, e apezar de tudo
permanecer até ao ultimo instante da minha vida. Protesto vencer e
desprezar, mediante a Vossa Graça todas as tentações com que o inimigo
commum do genero humano me possa accommetter contra qualquer dos Dogmas
ou verdades reveladas ensinadas pela Santa Madre Igreja, para o que
imploro a Vossa Divina Graça, só com a qual poderei triumphar do mesmo
inimigo; e se por desgraça minha, acontecer, que alienado dos sentidos,
eu diga, pense ou faça alguma cousa que seja, ou pareça ser contraria,
ou menos conforme a estes meus protestos, desde já para sempre tudo isso
retracto, desdigo, revogo, desprezo, e declaro que nada d'isso é minha
vontade, e que só é a renuncia, resistencia, combate, e vencimento de
tudo quanto for opposto ou menos conforme á Vossa Divina Fé.


II.


Protesto na vossa adoravel presença, Senhor, que desejo render-vos
infinitas graças, por me haverdes tirado do nada, creado para Vós e á
Vossa imagem e semelhança, especialmente por me haverdes feito Christão,
chamando-me ao santo baptismo, e por elle ao seio da santa Igreja,
concedendo-me o preciosissimo dom da Fé com as mais virtudes infusas, e
adoptando-me por vosso filho e herdeiro do Ceu, isto só a impulsos do
vosso amor e Misericordia, dignando-vos escolher-me entre milhares e
preferir-me a um sem numero d'almas, que por vossa terrivel e adoravel
Justiça foram deixadas na massa da perdição. Ah! que graças podem ser
bastantes para tão especial e gratuita predilecção!

E que direi eu da particular providencia com a qual desde os meus
primeiros annos, desde o principio da minha existencia no mundo, tendes
vigiado sobre mim como o mais desvelado e amante Pae, fazendo sensivel
por modos tão notaveis, particulares, e até extraordinarios um cuidado
paternal o mais solicito e extremoso! Que direi da pasmosa paciencia com
que tendes soffrido minhas enormes ingratidões e offensas, com que me
tendes esperado, com que, como a porfia comigo, quanto mais vos tenho
offendido, com quanto mais profusão, vós me tendes accumulado de graças,
de dons e de beneficios! Bemdito sejais, Senhor, por toda a Eternidade.
Oh! se todos os meus membros se convertessem em lingoas, nem ainda
assim, bastariam para assaz vos louvar e engrandecer! Gloria, honra e
louvor vos deem por mim todas as creaturas. Fazei Senhor, por vossa
infinita Misericordia, que até ao ultimo instante da minha vida eu
permaneça n'estes sentimentos de gratidão, que os renove com maior
fervor na hora da minha morte, e que vá louvar-vos e bemdizer-vos por
toda a Eternidade.


III.


Posto que os meus peccados tenham sido sem numero e mui graves e
enormes, protesto que nem por isso ó meu Deus, desconfio da Vossa Divina
Misericordia a respeito do perdão d'elles e da minha salvação, antes
pelo contrario muito confio que toda a Trindade Santissima pelos
infinitos merecimentos da Vossa Paixão e Morte, se ha de compadecer de
mim, perdoar-me e salvar-me; mas para que esta esperança não seja da
minha parte temeraria, protesto e desejo de todo o coração animala com a
pratica das boas obras e exato cumprimento dos meus deveres, para o que
repito e renovo aqui, e proponho renovar e repetir na hora da minha
morte as promessas do meu baptismo, renunciar satanaz, ás suas pompas, e
obras, promettendo de conformar a minha vida com a minha fé, e de vos
amar, servir, obedecer em quanto viver, e vos rogo e supplico o mais
efficazmente possivel me concedaes a graça da preserverança e me
assistaes com o vosso poderoso auxilio agora e sempre, porem
especialmente na hora da minha morte.


IV.

Já que até aqui tenho sido tão ingrato duro, e rebelde para comvosco,
meu amorosissimo Redemptor, que não só vos não tenho amado como devo,
antes offendido, e negado o por tantos e tão rigorosos titulos, devido
tributo d'amor; já que sendo Vós o centro do meu coração, e devendo o
meu coração ser todo para Vós, eu desgraçadamente em logar de vos amar
com todo o meu coração, é talvez a Vós a quem menos tenho amado: agora
protesto, e desejo anciosamente d'aqui em diante, até ao ultimo momento
da minha existencia, amar-vos sobre todas as cousas, com todo o meu
entendimento, com todo o meu coração, com toda a minha alma, e com todas
as minhas forças e só a vós amar, e ser o vosso amor o unico dominante e
soberano do meu coração.

Por amor de Vós, ó meu Deus, eu protesto tambem d'aqui em diante amar ao
meu proximo como a mim mesmo. Por amor de Vós perdôo do coração a todos
os meus inimigos, a todos quantos me teem offendido, ou querem offender,
ou teem feito, ou desejam por qualquer modo ou maneira fazer mal:
perdoae-lhes Senhor, não os castigueis: retribui-lhes antes em bens e
graças, o mal que me houverem feito ou desejado fazer.

Por amor de Vós eu humildemente peço perdão a todos que eu tiver
offendido e escandalisado por palavras, obras, máus exemplos, ou por
simples descuidos e omissões: desejo dar todos, e a cada um, a devida
satisfação e reparação, e muito vos supplico. Vos digneis fazer-me
conhecer o que a este respeito devo praticar para allivio da minha
consciencia, promettendo eu tudo promptamente executar antes que chegue
a hora da minha morte.


V.


Não é possivel, ó meu Deus, bem amar-vos sem ter um grande pezar de vos
não ter amado, por isso, muito e muito me pêza de vos não ter amado, e
de vos haver tanto offendido: protesto nunca mais offender-vos; proponho
emendar-me. Abomino e detesto tudo quanto é peccado; declaro e protesto
que desde agora até ao ultimo instante da minha vida não quero mais
desagradar-vos, não quero consentir em pensamento algum contra a vossa
divina Lei: antes tormentos, antes infamia, antes total perda de bens e
de saude, antes morte do que um só peccado e offensa do meu Senhor. Quem
dera a meus olhos lagrimas perennes e inconsolaveis, para chorar de dia
e de noute os meus peccados! Oh! se o coração se me partira de dor e
contrição de os haver commetido! Se eu morresse de excesso de pezar e
arrependimento de ter peccado! Só Vós ó meu Jesus, me podeis conceder
tão especiaes graças; eu as desejo sinceramente no meu coração, eu
vol-as supplico humilde e anciosamente. Mas que! um tão grande peccador
ainda ousa pretender ser ouvido e attendido? Uma creatura tão ingrata e
rebelde, ainda se atreve a supplicar graças, e graças tão especiaes?
Sim, ouso e supplico porque a Vossa Bondade, Amor e Misericordia para
com os peccadores não tem limites. Oh! se tambem houvera remedio para
não ter peccado! Custasse elle o que custasse; custasse o sangue das
veias, custasse a propria vida, todo o Sangue, mil vidas eu dera de boa
vontade para Vos não ter offendido uma só vez. Senhor, Misericordia! Não
entreis em juizo de rigor com o Vosso servo. Quem ó meu Deus apparecerá
justificado na vossa presença! Continuae Senhor, a ostentar como até
agora tão liberalmente tendes ostentado n'este miseravel peccador, as
Vossas Misericordias Eterno Pae, fixae vossos amorosos olhos sobre a
face do vosso divino filho, meu Senhor Jesu Christo, compadecei-vos de
mim e perdoae-me. Esquecei-vos para sempre dos meus crimes, admitti-me á
vossa Graça e amizade, e não permittaes que eu torne a perder joia tão
preciosa e inestimavel. Não me deixeis jamais cahir em tentação. Fazei
com a vossa poderosa Graça, que sempre, mas especialmente no transe da
morte, eu possa vencer e sahir triumphante de todas as tentações e do
tentador. Graça e Misericordia Senhor, digo eu agora, Graça e
Misericordia desejo eu dizer na hora da minha morte.


VI.


Protesto, que eu desejo com a maior efficacia que me é possivel,
receber, na proximidade da minha morte todos os Santos Sacramentos
proprios dos enfermos que se acham n'aquelle perigo, e desde já, e com o
maior empenho os peço. Peço o Santo Sacramento da Penitencia, e a vós,
Senhor, todas as graças necessarias e convenientes para fazer então uma
boa e perfeita confissão. Peço a Santissima Eucharistia por viatico, e a
vós, Senhor, me concedaes os affectos mais devotos de que o meu coração
é capaz, ajudado com a vossa Graça, para receber com o devido fructo o
vosso Corpo, Sangue, Alma, e Divindade tão real e perfeitamente como
estaes no Ceu, bem que occulto aos nossos olhos debaixo das especies
sacramentaes. Peço-vos mui humildemente, ó meu amado Jesus, não
permittaes que eu então fique privado da consolação de receber este
preciosissimo penhor da futura immortalidade. Desejo que a devoção e
fervor d'esta minha ultima communhão repare a tibieza e indignidade de
todas quantas communhões tenho feito em todo o decurso da minha vida. E
se por qualquer incidente eu não poder conseguir esta felecidade, desde
já eu declaro e protesto, que em tal caso a minha vontade e os meus mais
vehementes desejos são, de, ao menos commungar espiritualmente, e
receber em desejos no meu coração o vosso Corpo Sacramentado, render-vos
todos os meus affectos como se effectivamente vos recebesse, e desde já
tambem rogo-vos digneis acceitar benignamente estes meus sinceros
desejos, e derramar em minha alma, então mais que nunca necessitada, os
vossos divinos dons e graças. Peço igualmente desde já o Santo
Sacramento da Extrema-Unção, e a vós, meu Senhor Jesu Christo, a
disposição necessaria para o receber, com fructo; e no caso de não o
poder receber que nem por isso fique privado dos seus effeitos
espirituaes e tão saudaveis, dignando-vos vós, Senhor,
misericordiosamente liberalisar-mos para conforto da minha alma em tão
arriscado transe, a fim de resistir corajosamente, e vencer o inimigo.
Peço em fim todas as orações, assistencias, e soccorros espirituaes da
Igreja, destinados para aquelle passo; a applicação da Indulgencia
plenaria; e benção Papal do Santo Padre Benedicto XIV, e toda e qualquer
benção e absolvição que possa ter logar então receber; a lição dos
psalmos penitenciaes, o officio d'agonia, e todas as mais orações
respectivas do ritual Romano, as quaes todas desejo, e me proponho
repetir e acompanhar conforme o estado da enfermidade m'o permittir, se
não poder com a bocca, com o coração, em espirito contrito, humilde e
religioso, e desejo exhalar o meu ultimo suspiro tendo invocado muitas
vezes antes com fé e devoção, e repetindo então eu mesmo com a maior
ternura e fervor o vosso Santissimo e dulcissimo nome, e o de vossa
querida Mãe minha Senhora, pois é assim que eu quero, proponho, e
ardentissimamente desejo finalisar a vida, e entregar a minha alma nas
vossas mãos.


VII.


Protesto que com toda a resignação, e com a melhor vontade, acceito da
vossa mão e da vossa adoravel e amorosa Providencia a molestia que deve
pôr fim a meus dias, as dores, as afflicções e angustias da morte, e a
mesma morte, e proponho tudo soffrer e levar com espirito penitente e
christão, beijando a vossa divina e paternal mão, já em justissimo
castigo e expiação das minhas culpas, já em testemunho do meu amor, e do
desejo de acompanhar-vos em vossa sacratissima paixão, morte e Cruz, e
de participar d'ella, pois que n'ella e por ella me remistes: por isso
desde ja vos offereço todos aquelles padecimentos e a minha morte em
satisfação dos meus peccados, e em sacrificio d'amor, gratidão,
humildade e submissão a vossa Suprema Magestade; e não só conformo e
resigno toda a minha vontade na vossa e renuncio toda a impaciencia, mas
em igual espirito e intenção me sujeito a todas as humilhantes mudanças,
corrupção e dissolução por que o meu corpo ha de passar, e a que a morte
o ha de reduzir em justissima pena das offensas, de que no decurso da
vida, foi causa, e instrumento contra o seu mesmo Senhor e Creador.
Convenho, e até mesmo estimo, que todos os meus membros, ossos, e carne
soffram os horrores e humiliações da sepultura, para assim ao menos
repararem por fim a enorme injustiça da sua rebellião contra o espirito,
e mais que tudo contra vós. E ainda que iste não fosse indispensavel
pensão de todo o ser humano, eu mesmo se me fosse permittido, a pagaria
por escolha minha, só para d'alguma maneira render á suprema Sabedoria
de vossa divina Magestade um sacrificio, e testemunho nada equivoco, e
incontestavel, do meu reconhecimento, submissão, e humildade.


VIII.


Protesto finalmente, que desejo de todo o coração, e me preponho
n'aquelle ultimo transe abraçar me intima e amorosamente com a vossa
sagrada Imagem, beijando a uma e muitas vezes nos pés, nas mãos e no
Lado sacrosanto, espirar repetindo o vosso nome santissimo, e
encommendando ao Eterno Pae a minha alma peccadora sim, mas banhada com
o vosso preciosissimo sangue. Egualmente desde já vos supplico, ó meu
amantissimo Salvador, vos digneis conceder me a graça efficaz de
executar então pontualmente tudo quanto agora aqui proponho e protesto.
Finalmente vos rogo, ó meu Jesus, tenhaes para com a minha alma piedade
e misericordia, e mui particularmente me concedaes a graça final, e o
fim ditoso para que vós me creastes e remistes, pelo qual unicamente
suspiro, e ardentemente desejo conseguir, que é a posse da
Bemaventurança no gozo e vizão beatifica de Deus, meu unico, sempiterno
e Summo Bem. Amen.



SUPPLICAS PARA PEDIR PERDÃO A DEUS.


Contra Vós Salvador do mundo, pequei como o filho prodigo, recebei-me
porem penitente, pae amoroso, e tende de mim compaixão.

Como o publicano, a Vós levanto minha voz, Christo Salvador: sêde-me
propicio como a elle fostes, e tende de mim compaixão.

Vossa protecção e prompto auxilio, ó Virgem pura, manifestae a vosso
servo; repremi n'esta hora a onda das vãs cogitações, e levantae
minh'alma cahida ó bemdita entre as mulheres; conhecido tenho quanto
podeis, sede minha intercessora e advogada.

Como quem cahiu em mãos de ladrões, e foi d'elles mal ferido, assim cahi
eu em feias culpas de que minha alma está chagada; a quem me soccorrerei
enfermo senão ao medico das almas? Derramae sobre mim, Deus meu, vossa
grande misericordia.

Venho como o filho prodigo ao pae compassivo; recebei-me Deus meu, como
um de vossos mercenarios, e tende de mim compaixão.

Cahi em poder de máos pensamentos que como ladrões despojaram minh'alma,
a feriram e maltrataram horrivelmente, e por isso jazo no caminho d'esta
vida despido de virtudes e merecimentos. Tão asquerosas são minhas
chagas que o Sacerdote apartou de mim os olhos, por julgal-as
incuraveis. Passou por mim o levita e não curou de mim por julgar-me de
forças desamparado. Vós porém, Senhor, que não sois de Samaria mas o
Filho de Maria, por vossa clemencia sarae minhas chagas com o balsamo de
vossa misericordia.

Na mente revolvo o dia tremendo em que com fogo haveis de julgar o
mundo: percorro meus pessimos feitos, e estremeço quando me lembro que
em vossa presença hei de comparecer reo! Que responderei ao rei eterno,
ao inexoravel Juiz de vivos e mortos? Com que cara heide comparecer
perante seu tribunal supremo? Pae piedoso, Filho unigenito, Espirito
paraelito, tende de mim compaixão.

No valle do pranto, quando vos assentardes n'um throno de nuvens para
pronunciar a terrivel sentença, não ponhaes patentes meus peccados, nem
em presença de vossos anjos me confudaes; porem perdoae-me, Deus meu, e
tende de mim compaixão.

Eu sou aquella arvore infructifera, Senhor, que nenhum fructo de
compuncção hei produzido, temo seja cortada, e ao fogo eterno lançada:
pelo que vos peço Salvador e Redemptor meu, que antes de tamanha
desgraça me convertaes e salveis.

Consoladora esperança do mundo, Virgem Mãe de Deus, peço a vossa unica
protecção, compadecei-vos de mim peccador, e supplicae ao Deus
misericordioso, para que no mundo me livre de todo o perigo de peccado e
na eternidade me dê a gloria dos escolhidos. Àmen.



ORAÇÃO PRODIGIOSA.

A NOSSA SENHORA.


     Que se lhe póde offerecer nos Domigos e dias festivos da Mãe de
     Deus, e em tempo de afflicção, por algum aperto espiritual ou
     temporal, em memoria da vida, paixão e morte de seu Santissimo
     Filho, a qual traduzio o Padre Sarmento das Horas do Eminentissimo
     cardeal de Noailles.


Ó Santa Maria, eterna Virgem das virgens, Mãe de misericordia, Mãe de
graça, esperança e refugio de todos os afflictos; por aquella espada de
dor, que atravessou a vossa purissima alma, quando o vosso unigenito
Filho Jesu Christo nosso Senhor padeceo o supplicio da morte de cruz, e
por aquelle amor filial, que o fez compadecer da vossa dôr materna, e
recommendar-vos a seu discipulo S. João, herdeiro do perfeito amor, que
elle vos tinha; rogo-vos, Senhora, que tenhais de mim compaixão, e me
deis remedio na afflicção, na enfermidade, na pobreza, na consternação,
e em qualquer outra necessidade que eu padeça.

[Figura : Annunciação]

Ó refugio poderoso dos miseraveis, Mãe benigna de misericordia,
promptissima libertadora dos degradados filhos de Eva, ouvi os meus
rogos, e vêde as lagrimas da minha afflicção e da minha dôr. Eu me vejo
opprimido de infelicidades e miserias, por causa das minhas culpas; e
não tenho a quem recorrer, senão a vós, minha amada Senhora, piissima
Virgem Maria, Mãe do meu Senhor Jesu Christo, e sollicita Advogada do
genero humano.

Rogo-vos pois pelas misericordiosas entranhas do vosso Santissimo Filho,
e pela gloria que elle teve no tempo da sua alliança com a natureza
humana, ao deliberar com o Padre e Espirito Santo de tomar a nossa carne
mortal para nossa salvação; pelo vosso inefavel gozo, ó bemaventurada
Virgem, quando, depois da Annunciação do Anjo e do vosso adoravel
consentimento, o divino Verbo se cubrio da nossa mortalidade no vosso
purissimo ventre; donde, passados nove mezes, sahio a visitar, instruir
e remediar o mundo.

Pela agonia, que o vosso mesmo Filho teve em seu coração, quando orou a
seu eterno Pae no monte Olivete; pela fiel companhia, que vós lhe
fizestes em todo o decurso da sua paixão e morte; pelas traições, pelos
opprobrios, pelas injurias, testemunhos falsos e barbara sentença contra
elle proferida; pelas duras cordas, com que o prendêrão, crueis
flagellos, com que o açoutarão, e rigorosos espinhos com que o coroarão;
pelas lagrimas e suor de sangue que elle derramou; pelo seu silencio e
soffrimento; pelo temor, pela tristeza e agonia de seu coração; pelo
summo pejo que padeceo, vendo-se despido no Calvario aos olhos de todo o
povo; pelo incomprehensivel tormento da sua sêde sem allivio; pela
ferida da lança, que lhe penetrou o seu lado amorosissimo; pelos grossos
cravos que traspassárão as suas mãos e pés sacrosantos; pela
recommendação, que elle fez da sua santissima alma a seu eterno Pae;
pela benigna misericordia, que elle usou com o bom ladrão.

Pela honra e gloria da sua triumphante Resurreição; pelas apparições,
que elle vos fez, e aos Apostolos e Discipulos no espaço de quarenta
dias; pela sua gloriosa Ascensão, em que á vossa vista, e dos mais fiéis
foi elevado ao Céo; pela graça do Espirito Santo, que elle derramou nos
corações dos Discipulos em fórma de linguas de fogo; pelo terrivel dia
do juizo, em que elle precedido d'um universal incendio, ha de vir a
julgar os vivos e os mortos.

Pela amorosa compaixão, e fidelissima sociedade, que neste mundo lhe
fizestes; pelo gozo ineffavel de vossa maravilhosa Assumpção, quando na
presença e companhia de vosso mesmo Filho, e de toda a côrte celeste
fostes sublimada ao Empyreo, e nelle coroada de gloria e delicias
sempiternas; por tudo isto, Senhora, e por tudo o mais que
representar-vos posso, vos peço, minha Mãe amabilissima, que ouçais os
meus rogos, me concedais e felicitais a supplica, que agora vos faço,
com toda a humildade e devoção que me é possivel. (_Aqui fará menção da
especial rogativa_.) E como eu creio, conheço e confesso que o vosso
Filho sacrosanto vos attende e vos honra de tal modo, que nada vos nega,
nem deixa frustradas as vossas supplicas: espero e confio, minha adorada
Senhora, que experimentarei fiel e promptamente, plena e efficazmente, o
desejado soccorro de vossa maternal consolação, segundo a doçura de
vosso coração misericordioso, todo conforme á benigna clemencia do vosso
Santissimo Filho.

E não só para o feliz despacho d'aquella especial rogativa, com que
agora invoco o vosso santo nome, e a poderosa virtude do vosso augusto
patrocinio; mas tambem para que vos digneis de impetrar-me uma viva fé,
uma esperança firme; uma ardente caridade, uma contricção verdadeira;
uma digna e sufficiente satisfação; uma diligente cautella para o
futuro, um total desprezo do mundo, um intenço amor de Deus e do meu
proximo, uma imitação das dores do vosso amabilissimo Filho; e ainda a
mesma morte, quando deva padecêla por seu respeito; um fiel cumprimento
nos meus votos, uma constante perseverança nas boas obras, uma continua
mortificação do meu amor proprio, um verdadeiro arrependimento de todos
os meus peccados no fim da minha vida; e por coroa de tudo, a perpétua
gloriosa bemaventurança na deliciosa companhia, que lá tambem quizera
ter com as almas de meus paes, de meus irmãos e de meus parentes,
bemfeitores e amigos, assim vivos como defuntos, por todos os seculos
dos seculos. Amen.



METHODO DE OUVIR MISSA PERFEITAMENTE.


_Começando o Sacerdote a Missa, se benze e começa o Psalmo_ Introibo ad
Altare Dei, etc.

_Ouvinte_. _Benze-se e diz_: Meu Deus, eu entro no vosso altar com o
mesmo sentimento de preces, que o vosso Ministro faz por si, e em nosso
nome: fazei que eu offerêça tambem a victima da nossa salvação com
espirito de fé, de adoração, de penitencia e confiança sendo
particularmente do seu fructo por uma Espiritual Communhão. (Continua o
Sacerdote).

_Sacerdote_. Confiteor Deo, etc.

_Ouvinte_. Deus Omnipotente se compadeça de nós, e perdoados os nossos
peccados, nos conduza á vida eterna. Amen. Eu peccador me confesso a
Deus todo Poderoso, etc.

_Sacerdote_. _Subindo para o Altar, diz_: Oremos. Aufer nobis, etc.

_Ouvinte_. Apagai, Senhor, os nossos peccados, para que possamos entrar
no vosso Sanctuario com um coração puro.

_Sacerdote_. _Quando beija o Altar, diz_: Oremus te, Domine, etc.

_Ouvinte_. Senhor, rogamos-vos pelos merecimentos dos vossos Santos,
cujas Reliquias estão no Altar, e de todos os Bemaventurados, que nos
perdoeis os nossos peccados. Amen.

_Sacerdote_. _No meio do Altar diz trez vezes_: Kirie eleison, etc.

_Ouvinte_. Senhor, tende compaixão de nós. _Tres vezes_.

_Sacerdote_. _Continua quando diz_: Gloria in excelsis Deo.

_Ouvinte_. Gloria a Deus no Céo, e aos homens paz na terra de boa
vontade: nós vos louvamos: nós vos bemdizemos: nós vos adoramos: nós vos
glorificamos: nós vos damos graças pela vossa gloria infinita. Ó Senhor
Rei do Céo, ó Deus Padre Omnipotente, ó Senhor filho unico de Deus, Jesu
Christo, ó Senhor Deus, cordeiro de Deus, filho do Padre, vós que tirais
os peccados do mundo, tende compaixão de nós; vós que tirais os peccados
do mundo, tende compaixão de nós: vós que tirais os peccados do mundo,
recebei a nossa deprecação: vós que estais assentado á direita do Pae,
tende compaixão de nós, porque só vós sois santo, só vós Senhor, só vós
Altissimo, e Jesu Christo com o Espirito Santo na gloria de Deus Padre.
Amen.

_Sacerdote_. _Vai para o lado da Epistola dizer as Orações proprias do
dia, etc._

_Ouvinte_. Meu Deus, eu regulo os rogos da minha oração por aquelles
louvores, que vos tributa a Igreja na solemnidade d'este dia, unindo-me
ao espirito da mesma Igreja, que vos offerece este Sacrificio em louvor
da solemnidade ou do santo deste dia, em memoria dos seus merecimentos,
e em acção de graças pela sua santificação.

_Sacerdote_. _Lê a Epistola e Gradual_.

_Ouvinte_. As sagradas Epistolas que escrevêrão os vossos Apostolos,
para instrucção dos fieis, estão cheias d'aquellas doutrinas, que me
ensinão a observancia da vossa Lei para salvação da minha alma; fazei
que eu ouça a vossa palavra, para vos obedecer, amar, e dar-vos
infinitas graças.

_Sacerdote_. _Passa para o outro lado, onde lê o Evangelho_.

_Ouvinte_. Firmemente creio e confesso as palavras, que com a luz do
Espirito Santo escrevêrão os Evangelistas nos Santos Evangelhos;
palavras de vida em que nos expressastes os Dictames da vossa santa
Doutrina, e a memoria da vossa prodigiosa Vida, preciosa Morte, e
Sagrada Paixão.

_Sacerdote_. _Beija o Missal e diz_: Pe^s Evangelica, etc.

_Ouvinte_. Creio em Deus Padre todo Poderoso, etc.

_Sacerdote_. _Descobre o Calix, toma a Hostia na patena, e diz_:
Suscipe, Sancte Pater, etc.

_Ouvinte_. Recebei, ó Pae Santo, Eterno Deus, e Omnipotente, esta Hostia
sem macula, que eu vosso indigno servo, espiritualmente vos offereço a
vós, que sois o meu Deus vivo e verdadeiro, por meus peccados, offensas,
e negligencias, que não tem numero, por todos os assistentes, e por
todos os fieis vivos e defuntos, para que a todos sirva de proveito para
alcançar a salvação e a vida eterna. Amen.

_Sacerdote_. _Depois de fazer o Calix, o offerece e diz_: Offerimus
tibi, Domine, etc.

_Ouvinte_. Senhor, nós vos offerecemos o Calix da nossa salvação,
supplicando á vossa clemencia, que o façais subir á presença da vossa
Divina Magestade, como um suave perfume, para a minha salvação, e de
todo o mundo. Amen.

_Sacerdote_. _Inclinado, diz_: In spiritu humilitatis, etc.

_Ouvinte_. Aqui estamos humilhados contrictos na vossa presença
recebei-nos, Senhor; e o nosso Sacrificio de tal sorte appareça diante
de vós, que em tudo vos seja agradavel. Amen.

_Sacerdote_. _Benze a Hostia e o Calix, depois de offerecidos, e diz_:
Veni, Sanctificator, etc.

_Ouvinte_. Vinde Sanctificador Deus Omnipotente abençoai este Sacrificio
preparado para gloria do vosso santo Nome. Amen.

_Sacerdote_. _Quando lava as mãos, diz_: Lavabo inter innocentes, etc.

_Ouvinte_. Lavai, Senhor, as minhas mãos, de toda a immundicie do
peccado, para que reduzido á innocencia da graça, só ande pelos caminhos
rectos da vossa Santa Lei.

_Sacerdote_. _Inclinado no meio do Altar, diz_: Suscipe, Santa Trinitas,
etc.

_Ouvinte_. Recebei, ó Trindade Santa, esta oblação, que vos offerecemos
em memoria da Paixão, Ressureição, e Ascenção de N. Senhor Jesu Christo,
e em honra da Bemaventurada sempre virgem Maria, de S. João Baptista,
dos Apostolos S. Pedro e S. Paulo, e de todos os Santos, para que sirva
de honra sua e salvação nossa; e para que aquelles, cujas memorias
celebramos na terra, se dignem interceder por nós lá nos Ceus, por Nosso
Senhor Jesu Christo. Amen.

_Sacerdote_. _Volta-se para o povo e diz_: Orate frates, etc.

_Ouvinte_. Queira o Senhor receber das vossas mãos este Sacrificio para
honra e gloria de seu nome, para nossa utilidade, e para o bem de toda a
Igreja.

_Sacerdote_. _Quando principia o Prefacto diz_: Vere dignum, et justum
est, etc.

_Ouvinte_. É justo, e de razão que em todo o tempo demos graças a vosso
Pae Omnipotente; e como não somos sufficientes por nós mesmos, permitti
que lhe tributemos comvosco as Adorações, que os Anjos lhe dão, e
digamos com elles:

_Sacerdote_. _Inclinado, diz_: Sanctus etc.

_Ouvinte_. Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus dos Exercitos: os Ceus e
a terra estão cheios da Magestade da vossa gloria: Bemdito seja aquelle,
que vem em nome do Senhor: louvores lhe sejam dados lá no Ceu.

_Sacerdote_. _Começa o Canon da Missa, e inclinado diz_: Te igitur,
clementissime Pater, etc.

_Ouvinte_. Pae Clementissimo, nós vos pedimos humildemente por Jesu
Christo vosso Filho, e Nosso Senhor, que acceiteis este santo sacrificio
sem macula, que vos offerecemos, em primeiro logar pela vossa Santa
Igreja Catholica, para que vos digneis dar-lhe paz, guarda-la, e
conserva-la em união, e governa-la em todo o mundo justamente com o
vosso servo nosso Papa N., o nosso Rei N., e com todos os Catholicos, e
propagadores da Fé Catholica e Apostolica.

_Sacerdote_ começa o Memento dos vivos, e diz_: Memento Domine etc.

_Ouvinte_. Lembrai-vos Senhor, de mim, e de todos os fieis, que na santa
união da Igreja vos reconhecem; principalmente d'aquelle por quem tenho
especial obrigação; (aqui póde especialisar a sua tenção para quem lhe
parecer) eu vos rogo tambem por todos os que assistem a este santo
Sacrificio, cuja fé, e devoção vos é patente, pelos quaes vos
offerecemos, ou vos offerecem este santo Sacrificio de louvor por si
mesmos, e por todos os que lhe pertencem, pela redempção das suas, e das
nossas almas, pela esperança da nossa salvação, e da sua conservação, e
que offerecemos os seus votos a vós Eterno Deus vivo, e verdadeiro.

_Sacerdote_. _Estendendo as mãos sobre o Calix, diz_: Hane igitur, etc.

_Ouvinte_. Recebei, Senhor, favoravel e benignamente esta offerta de
reconhecimento da vossa Divina Magestade; e por ella concedei paz em
nossos dias, e fazei que sendo preservados da condemnação eterna,
sejamos contados no numero de vossos escolhidos.

_Sacerdote_. _Inclinando para consagrar, diz_: Qui pridie, etc.

_Ouvinte_. Omnipotente Deus, creio quão poderosa é a vossa Divina
palavra pois proferida pelo Sacerdote, faz que vosso filho Jesu Christo
desça do Ceu á terra, e converta a substancia de pão e vinho no Corpo e
Sangue do mesmo Jesu Christo.

_Sacerdote consagra, e levanta a Hostia_.

_Ouvinte_. Adoro-vos, Corpo, Sangue, Alma e Divindade de meu Senhor Jesu
Christo elevado nas mãos do Sacerdote sacramentalmente, o mesmo que foi
na realidade levantado na arvore da Cruz, em que morrestes para remedio
de meus peccados: vós sois o Cordeiro, que sacrificado é digno de
receber toda a honra, gloria e divindade.

_Sacerdote_. _Consagra e levanta o Calix_.

_Ouvinte_. Adoro-vos Calix do Sangue, Corpo, Alma e Divindade de meu
Senhor Jesu Christo, elevado nas mãos do Sacerdote, o que foi derramado
na Cruz para redempção de meus peccados.

_Sacerdote_. _Cobre e adora o Calix, e diz_: Unde et memores, Domine,
etc.

_Ouvinte_. Senhor, nós que somos vossos servos, em memoria da Sagrada
Paixão de Jesu Christo, da sua Ressurreição dos mortos, e da sua Gloria,
Ascenção ao Ceu, offerecemos a vossa Divina Magestade a Hostia benta,
pura e immaculada; o Pão santo da vida eterna, e o Calix da salvação
perpetua. Acceitae, Senhor, este Sacrificio, assim como vos dignastes
receber as oblações do justo Abel, o sacrificio do Patriarcha Abrahão, e
a Hostia immaculada, que vos offereceu o vosso Santo Sacerdote
Melchisedech.

_Sacerdote_. _O Sacerdote se inclina profundamente, e diz_: Supplices te
rogamus, etc.

_Ouvinte_. Humildemente vos rogamos, Omnipotente Deus, que pelas mãos do
vosso Santo Anjo seja levada esta offerta ao supremo Altar na presença
de vossa Divina Magestade para que todos os que participamos d'este
sacrificio do vosso Corpo e Sangue, fiquemos cheios da vossa benção, e
graça celestial.

_Sacerdote_. _Começa o Memento dos defuntos, e diz_: Mementum etiam etc.

_Ouvinte_. Lembrae-vos tambem, Senhor, das almas dos vossos servos, que
nos precederam signalados pelo signal da fé, e descancem em paz. (aqui
especialisarão o que fôr mais de obrigação) estes, Senhor, e todos que
descançam em espirito, vós lhes concedeis o logar do refrigerio, da luz,
e da paz, pelo mesmo Jesu Christo. Amen.

_Sacerdote_. Nobis quoque peccatoribus, etc.

_Ouvinte_. E tambem a nós peccadores, que confiamos na multidão das
vossas misericordias, dae-nos parte e companhia com vossos Santos
Apostolos, Martyres, e Confessores, e Virgens, e todos os vossos Santos,
em cuja companhia vos pedimos nos admittaes, pelos merecimentos de vosso
Santissimo Filho Jesu Christo, porque por elle, com elle, e n'elle é que
a vós Deus, Padre Omnipotente pertence toda a honra e gloria na unidade
do Espirito Santo.

_Sacerdote_. _Levanta o Calix com a Hostia e depois diz_: Oremus, etc.
Pater noster, etc.

_Ouvinte_. Instruidos nós com o saudavel preceito, nos atrevemos a
dizer: Padre nosso que estaes no Ceu etc.

_Sacerdote_. _No fim do Pater noster, diz_: Libera-nos quaesumus, etc.

_Ouvinte_. Livrae-nos Senhor, de todos os males passados, presentes, e
futuros: concedei-nos por vossa bondade paz em nossos dias; e pela
intercessão da Virgem Maria, dos vossos Apostolos S. Pedro e S. Paulo, e
Santo André, e todos os Santos, pela vossa misericordia sejamos sempre
livres do peccado, e seguros de toda a perturbação.

_Sacerdote_. _Lançando a particula da Hostia no Calix diz_: Pax Domini
sit etc.

_Ouvinte_. Concedei-nos, Senhor, que a vossa paz seja sempre em nossos
corações; elles serão ricos com este dom, que excede o nosso
conhecimento, como penhor da vida eterna.

_Sacerdote_. _Inclinando, e batendo no peito, diz_: Agnus Dei, etc.

_Ouvinte_. Cordeiro de Deus, que tiraes os peccados do mundo, tende
compaixão de nós (duas vezes). Cordeiro de Deus que tiraes os peccados
do mundo, dae-nos a paz (uma vez).

_Sacerdote_. _Diz as orações, que precedem a Communhão da Hostia e do
Calix, e depois diz_: Domine non sum dignus, etc.

_Ouvinte_. _Deve preparar-se com affectos de humilhação e adoração para
commungar espiritualmente, dizendo_: Senhor, eu não sou digno da menor
das vossas graças, com que vós me tendes enriquecido, quanto mais d'este
maior beneficio, qual é a participação do Sacramento do vosso Corpo: que
indigna morada é o meu coração para n'elle entrar vossa Divina Pessoa!
Ah, Senhor, dae graça a este pequeno Zaqueo, para que a saude venha
curar as feridas, com que a culpa manchou o domicilio da minha alma;
basta só a vossa palavra para que a minha alma seja salva; já que vos
dignaes de que eu indigno peccador vos receba em espirito, fazei em mim
um espirito novo, um coração puro, para que a participação do vosso
Corpo me não sirva de condemnação, mas sim de salvação á minha alma, e
remedio de meu corpo. Amen.

_Sacerdote_. _Continúa com as oblações_: Quod ore, etc.

_Ouvinte_. Ó Sagrado banquete, ó Divino Manná, em que se gostam todas as
delicias, Pão dos Anjos, que desceu do Ceu para alimento das almas
puras, mystica meza, em que se encontram todas as doçuras espirituaes, e
se renova vivamente a memoria do amor infinito, que o mesmo Jesu Christo
nos fez presente, vindo ao mundo, padecendo e morrendo na Cruz: eu vos
adoro e glorifico, Divino Pastor, que assim procurastes o pasto
espiritual a esta perdida ovelha para a introduzir no rebanho dos vossos
escolhidos.

_Sacerdote_. _Quando diz as ultimas orações_: Postcom, etc.

_Ouvinte_. Dae-nos, Senhor, aquelle espirito de oração, sem o qual
ninguem póde bem orar; e como creio que a vossa Igreja é animada d'este
espirito, eu ajunto á sua intenção as minhas petições.

_Sacerdote_. _Lançando a benção sobre o povo diz_: Benedicat vos, etc.

_Ouvinte_. A benção de Deus Padre, Filho, e Espirito Santo santifique a
minha alma, e seja esta um signal da ultima benção, que ha de separar os
escolhidos para o reino do Ceu.

_Sacerdote_. _Vae dizer o Evangelho de S. João_: In principio erat
Verbum, etc.

_Ouvinte_. No principio era o Verbo, e o Verbo estava em Deus, e Deus
era o Verbo; todas as cousas foram feitas por elle, e nada do que se fez
foi feito sem elle; n'elle estava a vida e a vida era a luz dos homens:
a luz resplandece nas trevas, e as trevas não o comprehenderam: houve um
homem, mandado por Deus, que se chamava João: este veio ser testemunha,
para dar testemunho á luz, para que todos cressem por elle: elle não era
luz, mas veio para dar testemunho da luz. A luz verdadeira era aquelle,
que illustra todo o homem, que entra no mundo; estava no mundo, e o
mundo foi feito por elle, e o mundo não o conheceu. Veio para a sua
propria herança, e os seus não o conheceram: elle deu poder para se
poderem fazer filhos de Deus a todos aquelles que o receberam, e que
creram em seu nome, que não nasceram do sangue nem dos desejos da carne,
e habitou entre nós, e nós vimos a sua gloria, como a devia ter o Filho
unico do Pae; elle era cheio de graça, e de verdade. Demos a Deus as
graças.



OFFERECIMENTO DA MISSA.


Omnipotente Deus, agora que com a vossa graça acabo de assistir a este
Santo Sacrificio da Missa, novamente vos offereço a sacratissima,
infinita e adoravel Victima de vosso unigenito Filho Jesu Christo, com
todos os seus merecimentos, em união d'aquella mesma intenção com que a
Santa Madre Igreja vo-la offereceu no Sacrificio do altar; elle o está
offerecendo eternamente no Ceu. E finalmente applicando o fructo de
graças e indulgencias, que, como participante d'este Sacrificio, cheguei
a lucrar pela intercessão da sempre Virgem Maria, e de todos os Santos,
especialmente d'aquelle em cuja memoria se vos dedicou esta Missa, vos
peço:

_Primeiro_. Para mim graça para vos servir e não offender; perseverança
na virtude até o fim da vida; auxilio para vencer as tentações
d'aquelles vicios, que mais dominam as minhas paixões; e dos bens
temporaes aquelles, que vós, Senhor, sabeis que me convém, e podem
conduzir para maior gloria vossa, e minha salvação.

_Segundo_. Vos rogo pelo augmento e propagação da vossa Santa Fé
Catholica e extirpação das heresias.

_Terceiro_. Vos rogo pelo estado e conservação da Santa Madre Igreja
Catholica, e todos os seus respeitaveis Prelados, para que na união do
supremo Pastor doutrinem, e governem em paz o rebanho dos fieis.

_Quarto_. Pela paz entre os Principes Christãos, em particular pelo
estado e conservação do nosso Reino, e seus Fidelissimos Reis e mais
Familia Real.

_Quinto_. Pelos meus parentes, amigos e inimigos, por todos os
necessitados, pelos que estão em agonia de morte, pelos que estão em
peccado mortal, para que se reduzam á verdadeira penitencia; e pelos que
estão em vossa graça, para que os conserveis n'ella. E em particular,
Senhor, vos rogo por aquelles, que devo, e estou obrigado a rogar.

_Sexto_. Pelas almas do Purgatorio por modo de suffragio, para que sendo
acceitaveis para a sua satisfação os infinitos merecimentos de vosso
Filho Jesu Christo, lhes perdoeis as penas que padecem, e os leveis a
lograr a vossa vista eternamente ao Ceu. Amen.


ADVERTENCIA.


Advirtimos a todos, que lerem com attenção este devotissimo modo de
ouvir Missa, façam uma reflexão séria sobre a sua pratica, e acharão:
_Primeiro_, uma consolação interior, entrando no conhecimento do que é o
Sacrificio da Missa, e o methodo de assistir a ella com perfeição, pela
participação das suas orações, e santas ceremonias. _Segundo_, como se
lhe faz necessario o estarem sempre com attenção a este Santo
Sacrificio, para poderem acompanhar o Sacerdote nas acções, que elle
excita. _Terceiro_, que assim evitam as distracções do pensamento, da
vista, e das criminosas conversações, que costumam misturar, em quanto
ouvem Missa. _Quarto_, a decencia e devoção com que necessariamente
estarão no Templo, evitando a vã e peccaminosa curiosidade de verem, e
serem vistos, antes edificando-se mutuamente, pois só cuidam em
empregarem os olhos, e a attenção no que vêem exercitar no altar.



MODO DE REZAR

A COROA DAS DORES _DE MARIA SANTISSIMA_,


     _A qual consta de sete Mysterios, e cada um delles de um Padre
     Nosso, e sete Ave Marias, e no fim tres Ave Marias em memoria das
     lagrimas da Senhora_.


ACTO DE CONTRIÇÃO.


Na presença de vossa Soberana Magestade, meu Jesus, humildemente
prostrado, me confundo na consideração da vossa infinita bondade, e dos
meus gravissimos peccados. Havei piedade de mim, meu Deus, concedei-me o
perdão das minhas culpas, que de todo o coração vo-lo peço. Peza-me,
Senhor, de vos ter offendido por serdes quem sois, tão bom, tão santo, e
tão amavel: proponho nunca mais vos offender, nunca mais peccar. Ouví-me
pelas excessivas dores de vossa Santissima Mãe. E vós, piedosissima
Virgem Mãe, e Senhora, Maria Santissima, acceitai este obsequio, que
agora vos faço em memoria das vossas Dores; e por ellas vos peço,
Senhora, que me alcanceis a graça de uma verdadeira conversão, e
arrependimento dos meus peccados, e todos aquelles bens espirituaes, e
temporaes, que me são convenientes. Tambem faço tenção de lucrar todas
as indulgencias concedidas a esta Coroa, das quaes eu applico a mim as
que puder lucrar em satisfação dos meus peccados, e as outras pelas
almas do Purgatorio, conforme a ordem da justiça, e caridade. Amen.

_Deus in adjutorium meum intende.
Domine, ad adjuvandum me festina.
Gloria Patri, et Filio, et Spiritui Sancto, etc._


I. DOR.

_Na Profecia de Simeão_.


Nesta primeira Dor contemplemos, que tal seria a afflicção da Senhora,
ouvindo a profecia de Simeão, a qual lhe profetizava que aquelle Menino
havia de ser ruina para muitos, e que na sua morte uma espada de dor
traspassaria a sua purissima alma.

P. N. e sete A. M. e Gl. P. etc.


Santissima Virgem, pela cruel espada que traspassou vossa Alma na
profecia de Simeão, alcançai-nos de Deus que não sejamos daquelles, para
quem, conforme essa profecia, o Senhor ha de ser ruina; mas que antes
seja para nós eterna Resurreição. Amen.


II. DOR.

_Na fugida para o Egypto_.


Nesta segunda Dor contemplemos qual seria a afflicção da Senhora,
vendo-se obrigada a fugir para o Egypto pela perseguição de Herodes, que
impiamente buscava o seu amado Filho para o matar.

P. N. e sete A. M. e Gl. P. etc.


Santissima Virgem Maria, por aquelle susto e afflicção, com que hieis
fugindo de Herodes para o Egypto, vos pedimos nos alcanceis uma efficaz
resolução de fugir a todas as occasiões de peccar, e nos ampareis em
quanto andamos desterrados neste mundo. Amen.


III. DOR.

_Na perda do menino Deus no Templo_.


Nesta terceira Dor contemplemos qual seria a afflicção, que a Senhora
padeceo, quando perdeo a seu Santissimo Filho no Templo de Jerusalem, e
tres dias o chorou perdido, sem o achar.

P. N. e sete A. M. e Gl. P. etc.


Ó Virgem Santissima, pela inconsolavel mágoa e dor do vosso coração,
quando perdestes o vosso Filho saindo do Templo, alcançai-nos graça para
que não o percamos jámais por nossas culpas. Amen.


IV. DOR.

_No encontro com seu Filho caminhando para o Calvario_.


Nesta quarta Dor, que a Senhora padeceo, contemplemos qual seria a
afflicção, que penetrou a sua purissima alma, quando se encontrou com
seu amado Filho, que desfigurado, e oprimido caminhava para o monte
Calvario com a pesada Cruz ás costas.

P. N. e sete A. M. e Gl. P. etc.


Ó Virgem afflictissima, por aquella dor cruel, que sentio o vosso
coração, quando vistes o vosso Filho caminhando com a Cruz para o monte,
concedei-nos uma grande dor dos nossos peccados, e uma terna compaixão
dos seus tormentos. Amen.



V. DOR.

_Na morte do Innocentissimo Jesus_.


Nesta quinta Dor contemplemos qual seria a angustia, que a Senhora
padeceo ao pé da Cruz, quando vio expirar a seu amado Filho, crucificado
entre dous ladrões, derramando sangue por todas as partes do seu
Santissimo Corpo.

P. N. e sete A. M. e Gl. P. etc.


Ó Rainha dos Martyres, e afflictissima Senhora, por aquella inexplicavel
angustia da vossa Alma, quando vistes expirar na Cruz o vosso amado
Filho, fazei que se aproveite em nós o fructo de tão custosa morte.


VI. DOR.

_Ao receber nos braços o Corpo do Salvador_.


Nesta sexta Dor contemplemos, que afflicção teria a Senhora, quando
tirado o seu amado Filho da Cruz, tão deshumanamente morto, lho puzerão
nos seus santissimos braços.

P. N. e sete A. M. e Gl. P. etc.


Ó Mãe de piedade, pela mágoa da vossa Alma afflictissima, quando vieis
nos vossos braços o amado Filho ensanguentado, e morto, vos pedimos que
depositeis no nosso coração esse Cadaver sacrosanto, para que nunca
percamos da memoria a Paixão do vosso Filho. Amen.


VII. DOR.

_Na triste Soledade da Senhora_.


Nesta setima Dor contemplemos qual seria a pena que teve a Senhora,
quando, depois de sepultarem o SS. Corpo de seu Filho, ficou padecendo a
mais dolorosa soledade.

P. N. e sete A. M. e Gl. P. etc.


Ó Saudosissima Senhora, pela dor inexplicavel que padecestes no tempo da
vossa Soledade, vos pedimos que nos communiqueis uma viva saudade de
Deus e que nunca jámais percamos a sua amisade. Amen.


MEMORIA DAS LAGRIMAS DA SENHORA.


     _Seguem-se tres Ave Marias, e depois dir-se-ha a seguinte_


ORAÇÃO.


Sentidissima Senhora, pelas amargosas lagrimas, que chorastes no tempo
da vida, e morte do vosso amado Filho, nos concedei chorar tanto os
nossos peccados, que vos possa consolar a nossa contrição. Amen.

[/V.] Rogai por nós, Virgem afflictissima.

[/R.] Para que sejamos salvos pela Paixão de Christo.


ORAÇÃO.


Meu Senhor Jesu Christo, em cuja Paixão, e Morte, conforme a profecia de
Simeão, uma espada de dor traspassou a dulcissima Alma de vossa Mãe
innocentissima; pelas suas lagrimas, e merecimentos nos concedei gozar
do preciosissimo fructo de vossa Paixão, e Morte. Amen.



ACTOS DE FÉ ESPERANÇA E CARIDADE.


     _Que se devem fazer todas os dias_.


Meu Deus, eu creio firmemente tudo quanto a Santa Igreja me propõe para
crer. Creio que vós sois o meu Deus, Creador de tudo, que por uma
eternidade premiais os justos com o Céo, e castigais os peccadores com o
inferno. Creio que vós sois um na Essencia, e Trino nas Pessoas, Padre,
Filho, e Espirito Santo. Creio a Incarnação, Morte, e Resurreição de
Jesu Christo. Creio finalmente tudo quanto crê a Santa Igreja Catholica
Romana, porque vós Bondade, e Verdade o dissestes. Dou-vos graças por me
haverdes feito Christão, e protesto que nesta Santa Fé quero viver, e
morrer.


Meu Deus, fiado nas vossas promessas, porque vós sois poderoso, fiel, e
misericordioso, espero pelos merecimentos de Jesu Christo o perdão dos
meus peccados, a perseverança final, e a gloria do Ceo.


Meu Deus, eu vos amo com todo o meu coração, e com toda a minha alma,
porque sois um bem infinito, e digno de todo o amor; e amo tambem a
todos os meus proximos, e ainda áquelles, que me tem feito mal, porque
vós assim o mandais.


Misericordia, Senhor, para este peccador, que está aos vossos pés
arrependido: peza-me de vos ter aggravado, porque peccando offendi a um
Deus de infinita Magestade, e de infinita Bondade, como vós sois:
proponho ajudado com a vossa graça, de vos não offender mais; e tambem
prometto de receber os Santos Sacramentos, assim em vida, como na morte,
para gloria do vosso nome, e triunfo da vossa misericordia. Amen.



DEVOÇÃO AO SS. SACRAMENTO.

_Para a hora, e dia em que foi instituido_.


Queixando-se Christo Senhor nosso a alguns servos seus da grosseira
ingratidão, com que os mortaes se esquecem do extremoso amor, com que se
deixou ficar comnosco no Divino Sacramento, soffrendo em todos os
seculos tantos desacatos, e irreverencias, só por estar, e assistir
comnosco; porque a sua delicia foi sempre a companhia dos homens:
_Deliciae meoe esse cum filiis hominum_: costumão algumas almas devotas,
e amantes deste Senhor, desaggravá-lo no modo possivel, fazendo memoria
do dia, e hora, em que o Senhor instituio este admiravel Sacramento, e
deste modo tributão ao Senhor todos os obsequios, que lhes ministra a
sua devoção, se não os devidos áquella Suprema Magestade, ao menos os
que cabem na nossa humilde, e curta capacidade:

(Expõem-se aqui alguns para quem quizer seguir estes devotos corações, e
participar dos merecimentos, e orações de tantas almas, que fazem este
exercicio, e rogão por todos aquelles, que nelle ás acompanhão.)

(O dia da Instituição do Divino Sacramento foi (como referem os
Evangelistas[*]) na vespera da Morte do Senhor, e na sentença de muitos
Padres, foi a quinta feira 24 de Março. A hora, a das oito para as nove
da noite, conforme a commum opinião de muitos Authores.

Esta pois, se for possivel, ou outra qualquer que for mais commoda,
gastará o Fiel em orações vocaes, ou mentaes, prostrado com a mais
profunda humildade na presença d'este amante Senhor, e chegando á sua
presença, fará uma profunda adoração, convidando ao Anjo da sua guarda,
e aos mais, que alli assistem, para que adorem ao mesmo Senhor, e o
ajudem nesta Devoção.

_Depois de um fervoroso Acto de Contrição, dirá_:


I.


Oh clementissimo Senhor, e Deus omnipotente, todo brando, e amoroso,
todo suave, e doce, prostrado ante o Regio Throno da vossa Grandeza, vos
peço licença para nesta hora entrar na vossa presença, louvando vossa
Misericordia immensa, adorando vossa Magestade incomprehensivel, e
amando vossa Bondade infinita. Illustrai meu entendimento, inflammai
minha vontade, e ensinai-me, Senhor, como estarei com a devida
reverencia a vossos pês; com que modo vos agradecerei este favor; que
Hymnos cantarei em louvor d'esta mercê, e em obsequio deste beneficio.
Bem vedes, Senhor, a minha pobreza; dai-me o que devo offerecer-vos:
sendo vós a maior davida, a vós mesmo vos offereço em agradecimento
della.


II.


Oh Pae Eterno, recebei, Deus meu, em acção de graças, e dignissimos
louvores, pelo amor, que nos mostrastes, os que vosso Filho Unigenito
vos deo desde sua Incarnação, até sua Morte na Cruz; e particularmente
quando instituio este Divino Sacramento; porque, conhecendo quão
limitados eramos para agradecer este favor, levantando seus olhos a vós,
seu Omnipotente Pae, em nome de nós todos vos deo as graças.


III.


Recebei, ó Pae Santissimo, tambem os louvores, e graças, que minha Mãe,
e Senhora, a Virgem Purissima vos deo, quando este Senhor se
sacramentou, e quando ella o recebeo em suas entranhas purissimas.


IV.

Bemdigão-vos, Deus meu, nesta hora comigo, pelo que obrastes, todos os
Angelicos Espiritos, que no Throno de vossa Magestade vos assistem,
tremendo em vossa presença, cantando continuamente: _Sanctus, Sanctus,
Sanctus_.


V.

Louvem-vos, Sacramentado Senhor, nesta hora comigo, e sempre engrandeção
esta admiravel obra, este maravilhoso invento, esta prodigiosa dadiva, e
este incomprehensivel favor, todos os Cortezãos do Ceo; alegrem-se em
seus magestosos lugares; alternem suavissimos Canticos; lancem em vossa
presença suas coroas, e victoriosas insignias; dêem-vos milhares, e
milhares de adorações, e graças; porque estreitando-vos a uns limitados
accidentes, vos déstes por sustento a nossas almas.

Vinde, vinde, todas as almas amantes deste Senhor, e choremos na sua
presença com lagrimas de sangue da mais penetrante dor a ingratidão, com
que é correspondido seu excessivo amor, as irreverencias, com que é
tratado, e a frouxidão, com que é assistido.

Ó maravilhoso sacramento, eu vos adoro, eu vos bemdigo, louvo e
engrandeço. Vós sois o Pão do Ceo, sustento dos Anjos, manjar da vida!
Vós sois o esforço da nossa fraqueza, companhia da nossa peregrinação,
alegria do nosso desterro.

Como pois, conhecendo vós minha indignidade, me não excluistes deste
favor? Como me chamais para vos receber neste soberano convite? Aqui
venho Senhor, aqui estou, aqui chego a buscar em vós arrependimento,
graça, conhecimento, e mais e mais amor.

_Seguem-se vinte e quatro Adorações para reparar as injurias, que se
fazem ao Senhor nas vinte e quatro horas do dia. Estas Adorações se
devem fazer mais com o espirito, do que com as vozes_.


I.


Eu vos adoro, Divindade escondida, e vos conheço dignissima de toda a
honra; eu vos offereço em satisfação das injurias commettidas na vossa
mesma presença, as adorações que vos tributou a Santissima Virgem, vossa
Mãe, no primeiro instante da vossa Conceição em suas castissimas
entranhas; eu vos rogo me façais a graça de poder com a mesma purissima
Senhora eternamente dizer e cantar: Bemdito e louvado seja o Santissimo
Sacramento para sempre.


II.


Eu vos adoro, Humanidade Sagrada, e sempre unida ao Divino Verbo, e vos
reconheço infinitamente amavel; eu vos offereço, em satisfação das
irreverencias feitas na vossa Divina presença, os respeitos de todos os
Anjos e Archanjos, com os quaes espero eternamente dizer e cantar:
Bemdito e louvado, etc.


III.


Eu vos adoro, Jesus, meu doce Salvador, e vos reconheço sempre adoravel
e eterno: eu vos offereço em reparação das blasfemias, que se tem
proferido na vossa Divina presença, os louvores de todos os Córos dos
Principados, com os quaes espero eternamente cantar: Bemdito e louvado,
etc.


IV.


Eu vos adoro, Soberano Senhor do Universo, e vos reconheço sempre
adoravel e independente: eu vos offereço, em satisfação das minhas
indevoções, commettidas na vossa Divina presença, os piedosos affectos
das Dominações, com as quaes espero eternamente dizer e cantar: Bemdito
e louvado, etc.


V.


Eu vos adoro, verdadeiro Rei, e Senhor do meu coração, e vos reconheço
universal Rei de todos os seculos: eu vos offereço em satisfação das
iras commettidas na vossa Divina presença, o zelo de todos os Thronos,
com os quaes espero eternamente dizer, e cantar: Bemdito, e louvado,
etc.


VI.


Eu vos adoro, vigilante Pastor, e vos reconheço infinitamente bom e
agradavel: eu vos offereço, em satisfação das ignorancias culpaveis, que
são causa de vos offendermos todos os dias, os sublimes conhecimentos
dos Querubins, com os quaes espero eternamente dizer, e cantar: Bemdito,
e louvado, etc.


VII.


Eu vos adoro, meu amado, e meu unico Esposo, eu vos reconheço,
inviolavelmente fiel: eu vos offereço, em satisfação de todas as
tibiezas, e frouxidões, na vossa Divina presença commettidas, o fervor
de todos os Serafins, com os quaes espero eternamente dizer, e cantar:
Bemdito, e louvado, etc.


VIII.


Eu vos adoro na Sagrada Hostia, meu amigo cordialissimo, e sincero, e a
vós unicamente reconheço immortal, e immutavel: eu vos offereço, em
satisfação das desesperações, diante de vós commettidas, a esperança de
todos os Santos Patriarchas, com os quaes espero eternamente cantar:
Bemdito, e louvado, etc.


IX.


Eu vos adoro, meu amabilissimo Pae, e vos reconheço principio de todo o
meu ser: eu vos offereço, em satisfação dos erros contra vós concebidos,
á Fé de todos os Apostolos, com os quaes espero eternamente cantar:
Bemdito, e louvado, etc.


X.


Eu vos adoro, meu amabilissimo, e rectissimo Juiz, e vos reconheço
infinitamente misericordioso: eu vos offereço, em satisfação das
duvidas, que se tem concebido sobre vossa Real presença no Santissimo
Sacramento, a firmeza dos Evangelistas com os quaes espero eternamente
dizer, e cantar: Bemdito e louvado, etc.


XI.


Eu vos adoro, caritativo Pastor de minha alma, e vos reconheço
infinitamente sabio: eu vos offereço, em satisfação das vinganças
concebidas na vossa presença, a paciencia dos Martyres, com os quaes
espero eternamente dizir, e cantar: Bemdito, e louvado, etc.


XII.


Eu vos adoro, favoravel Advogado, e vos reconheço summamente poderoso:
eu vos offereço em reparação das negligencias, na vossa presença
commettidas, o cuidado das Almas, que tem tido os Santos Pontifices, com
os quaes espero eternamente dizer, e cantar: Bemdito, e louvado, etc.


XIII.


Eu vos adoro, Hostia Sagrada, e vos reconheço como fonte das graças, e
benções, que manão para nossas almas: eu vos offereço em reparação de
todos os latrocinios, que se tem commettido na vossa Divina presença, as
esmolas, que tem dado todos os Santos Prelados, com os quaes espero
eternamente dizer, e cantar: Bemdito, e louvado, etc.


XIV.


Eu vos adoro, meu sabio, e incomparavel Mestre, e vos reconheço
infinitamente bom, e sciente: eu vos offereço, em satisfação de todos os
escandalos commettidos na vossa presença, o zelo de todos os Prégadores
santos, com os quaes espero eternamente dizer, e cantar: Bemdito e
louvado, etc.


XV.


Eu vos adoro, verdadeiro Author, e conservador da minha vida, e vos
reconheço eternamente glorioso: eu vos offereço, em reparação dos
sacrilegios commettidos na vossa Divina presença, a devoção de todos os
Santos Confessores, com os quaes espero eternamente dizer, e cantar:
Bemdito, e louvado, etc.


XVI.


Eu vos adoro, verdadeiro Pão Eucharistico, e vos reconheço mais suave,
que todas as doçuras da terra; eu vos offereço, em satisfação dos
juramentos feitos na vossa presença, as palavras santas, que tem
proferido em vossa honra os Santos Doutores da Igreja, com os quaes
espero eternamente dizer, e cantar: Bemdito, e louvado, etc.


XVII.


Eu vos adoro, Alimento Celeste, e Divino e vos reconheço mais delicioso,
que todos os náctares do mundo: eu vos offereço em satisfação dos
excessos diante de vós commettidos, a sobriedade dos santos Anacoretas,
com os quaes espero eternamente dizer e cantar: Bemdito e louvado, etc.


XVIII.


Eu vos adoro, Divina Hostia de meu peito, e vos reconheço por magnifico
Bemfeitor de todos os homens: eu vos offereço, em reparação de todos os
escarneos, que se tem feito dos vossos Sacerdotes, as homenagens que vos
rendem os santos Religiosos, com os quaes espero eternamente dizer e
cantar: Bemdito e louvado, etc.


XIX.


Eu vos adoro, precioso e saudavel Antidoto, e vos reconheço
infinitamente poderoso para tirar os peccados do mundo: eu vos offereço,
em satisfação de todas as distracções, que se tem commettido na vossa
presença, os extasis, e elevação de todos os santos Eremitas, com os
quaes espero iternamente dizer, e cantar: Bemdito e louvado, etc.


XX.


Eu vos adoro, Sacratissimo, e Eterno Presbytero, e vos reconheço digno
de todos os obsequios dos homens; eu vos offereço em reparação de todas
as injurias feitas ás vossas Virgens, o amor das santas Virgens, com as
quaes espero eternamente dizer, e cantar: Bemdito, e louvado, etc.


XXI.


Eu vos adoro, incomparavel Sacrificador, e Sacrificio, e vos reconheço
mais incomparavelmente digno de respeito que todos os sacrificadores,
que vos tem precedido: eu vos offereço, em satisfação das indecentes
acções, executadas no tempo da Santa Missa, os tributos de amor e
reverencia, que vos tem as santas Viuvas, com as quaes espero
eternamente dizer, e cantar: Bemdito, e louvado, etc.


XXII.


Eu vos adoro, fogo inextinguivel, e vos reconheço capaz de abrasarem
vossas chammas os corações de todos os homens: eu vos offereço, em
satisfação de todas as impurezas commettidas na vossa Divina presença, a
pureza de todas as santas Mulheres, com as quaes espero eternamente
dizer e cantar: Bemdito e louvado, etc.


XXIII.


Eu vos adoro, meu Deus, e meu amado Redemptor, e vos reconheço por
Salvador de todos os homens; eu vos offereço, em satisfação de todos os
máos pensamentos, concebidos na vossa presença, a perpetua lembrança, e
pensamentos continuos, que em vós tem os Bemaventurados, com os quaes
espero eternamente dizer e cantar: Bemdito e louvado, etc.


XXIV.


Eu vos adoro, Divino Verbo, nessa Hostia escondido, e vos reconheço
digno de ser somente o objecto do meu amor: eu vos offereço, em
satisfação das ingratidões que se tem commettido na vossa presença, os
agradecimentos que vos tributa a gloriosa sempre Virgem Maria, com a
qual espero eternamente cantar: Bemdito e louvado, etc.

_Depois das vinte e quatro Adorações, se podem dizer estas cinco Orações
que se seguem_.

Bemdito e louvado seja o Santissimo Sacramento do Altar por todos os
Anjos e por todos os homens, sem fim. Amen.

_Gloria Patri, et Filio et Spiritui Sancto. Sicut erat in principio,
etc._

Adoro-vos, meu Senhor Jesus Christo, que no Horto fostes affligidissimo,
e no Sacrosanto Sacramento ainda agora sois desprezado pelos homens
ingratos: confesso, meu Deus, que só vós sois Senhor, só vós sois Santo,
só vós sois Altissimo.


ORAÇÃO.

Amantissimo Redemptor meu Jesus Christo, que dissestes: Vinde a mim
todos os que trabalhais e estais cançados, que vos esforçarei; aqui
chegamos á vossa presença opprimidos com o peso de nossas culpas, e más
inclinações; mas com grande dôr de vos haver offendido, e proposito de
vos não aggravar mais. Fazei, Senhor o que promettestes, dando-nos, por
virtude deste Sacramento Augusto, o esforço, alento e graça, com que
vencendo-nos a nós mesmos nesta vida, alcancemos o premio na eterna.

_Bemdito e louvado, etc. Gloria Patri, etc. Adoro-vos, etc._


ORAÇÃO.

Oh summo Sacerdote Christo Jesus, bom Pastor, que no altar da Cruz vos
offerecestes em sacrificio, dando a vida por vossas ovelhas, e agora as
alimentais com o vosso Sagrado Corpo, e Sangue: peço-vos, ó amantissimo
Jesus, pelo amor de vossa Santissima Mãe, não permittais que ande
errada, e como ovelha perdida, pelas maldades deste Mundo, mas com o
Manjar deste Divino Sacramento nos sustentai em vossa graça, e no gremio
da vossa Igreja. Amen.

_Bemdito, etc. Gloria, etc. Adoro-vos, etc._


ORAÇÃO

Oh Rei da Gloria, Christo Jesus, e meu Amor, que para repetidas vezes
vos unirdes com as almas, instituistes esse Divino Sacramento, e
celestial Convite, ao qual vimos pedindo pelas entranhas da Sagrada
Virgem Maria, vossa, e nossa Mae, em as quaes celebrastes os primeiros
desposorios, e união com a natureza humana, nos adorneis com a nupcial
veste da vossa graça para que, recebendo-vos dignamente, se unão
comvosco nossas Almas, e as façais dignas da eterna gloria. Amen.

_Bemdito, etc. Gloria, etc. Adoro-vos, etc._


ORAÇÃO.

Esposo celestial, Jesu Christo, meu amor, que estando para partir deste
mundo para o Eterno Pae, nos deixastes por prenda do vosso amor, e para
alivio da vossa ausencia a este Santissimo Sacramento, por essa mesma
infinita caridade vos pedimos graça para não admittir em nossos corações
outro alivio, affeição, e amor n'este desterro, e penosa ausencia, senão
este Divino penhor da vossa gloria, até que por sua virtude vamos gozar
da sua vista na Bemaventurança. Amen.

_Bemdito, etc. Gloria, etc. Adoro-vos, etc._


ORAÇÃO.

Dulcissimo Amor, Jesu Christo, que no Paraìso de vossa Igreja puzestes
esta arvore de vida, este veneravel Sacramento, cujo fructo sois vós
mesmo, para saude das enfermidades das almas. Aqui, Senhor, apresentamos
as nossas, e vos fazemos patentes estes corações. Sarai o que está
enfermo; confortai o que está debilitado; levantai o que está cahido; e
abrasai-nos no fogo do vosso amor, para que, consumindo em nós tudo o
que vos desagrada, mereçamos a união, que desejais ter comnosco neste
Divino Sacramento. Amen.



O TANTUM ERGO

_Em Portuguez_.


Este grande Sacramento
Humildemente adoremos:
Da antiga Lei as figuras
Cedão ao Novo Mysterio:
Á fraqueza dos sentidos
Sirva a fé de supplemento.
Ao Pae, ao Filho igualmente
Louvores mil tributemos:
Seus, altos dons ineffaveis
Por justo tributo honremos:
Ao que de ambos procede
Os mesmos louvores demos.

[/V.] Vós, Senhor, lhes concedestes o Pão Celestial.

[/R.] Que em si encerra toda a doçura.


OREMOS.

Deus, que nos deixastes debaixo do Sacramento admiravel a memoria de
vossa Paixão: nós vos pedimos que concedais, que nós veneremos os
Sagrados Mysterios do vosso Corpo, e Sangue, de modo que sintamos sempre
em nós o fructo da vossa Redempção: Vós que viveis, e reinais por todos
os Seculos dos Seculos. Amen.

_Uma Estação por todos os que exercitão esta santa Devoção_.


ORAÇÃO.

Eu vos rogo, amantissimo Esposo da Santa Igreja, que della vos lembreis.
Assisti-lhe, Senhor, incessantemente, e a regei com o vosso espirito.
Dai a seus Ministros o fervor santo; infundi em todos os Fieis a divina
reverencia aos altissimos mysterios, que ella nos propõe, e ensina.
Concedei-lhe, vos peço, aquella paz, que só vós podeis dar; e fazei, que
tranquilla vos sirva com todos os seus filhos em perfeito amor, e
caridade. Convertei, Senhor, os hereges, e pagãos, para que o número dos
Fieis perpetuamente se multiplique. Lembrai-vos tambem, e tocai
fortemente os corações de todos aquelles que tendo fé, e nome de
Christãos, com suas obras desprezão, e deshonrão esta santa Fé, que
professão. Em fim, amoroso Pae, e Pastor benigno, conservai aos justos
em vossa graça, defendei-nos dos furiosos lobos, que nos cercão, e
desejão tragar: e fazei que cada dia cresçamos todos em vosso amor, e
agrado. Amen.

Senhor meu Jesu Christo Deus homem, e filho do Deus vivo, eu vos adoro,
louvo, e bemdigo, glorifico, e engrandeço de todo o meu coração.
Confesso, e creio com inteira, e firme fé, que estais neste Divino
Sacramento, Deus e homem verdadeiro, encerrado por modo maravilhoso.

Adoro-vos, Omnipotente Deus todo poderoso, com aquella adoração de
Latria, que se deve á vossa immensa Magestade.

Adoro-vos, Pão vivo, e soberano, que descestes do Ceo para dardes vida
ao mundo.

Adoro-vos, veneravel Sacramento, que sois thesouro de todas as virtudes,
e graças.

Adoro-vos, Sacrificio entre todos santissimo, que aplacais a Deus, e
santificais as almas.

Adoro-vos com toda a minha alma, verdadeiro Corpo, e Sangue de meu
Senhor Jesu Christo, nascido das purissimas Entranhas da Virgem Maria.

Adoro-vos, Cordeiro de Deus que tirais os peccados do mundo.

Adoro-vos, maravilhoso Sacramento de amor, que sois vida dos Espiritos,
e novo manjar dos Anjos.

Adoro-vos, altissimo Mysterio da Fé Catholica.

Adoro-vos, Deus escondido, e Salvador do mundo.

Adoro-vos, Hostia santa, e Calis de Benção.

Adoro-vos, precioso preço da nossa Redempção.

Adoro-vos, Milagre estupendo sobre todos os milagres.

Adoro-vos, Divino Sacramento, que sois memorial, e compendio das obras
do amor, e maravilhas de Deus.

Adoro-vos, Divino Viatico dos enfermos, que sois remedio immortal, e
saudavel.

Adoro-vos, Jesus, resplandor da gloria do Pae.

Adoro-vos, Divino Verbo, Sabedoria eterna.

Adoro-vos, Legado precioso do Testamento de Christo.

Adoro-vos, suavissimo Banquete de Deus, no qual assistem os Anjos
ministrando.

Adoro-vos, Divino Mantimento, pelo qual os filhos dos homens se fazem
filhos de Deus.

Adoro-vos, Pão vivo, e sobresubstancial, por virtude do qual o Creador
se une á creatura, e o homem mortal se transforma em Deus.

Adoro-vos, meu Deus, aqui para a fé encoberto, e lá no Ceo descoberto em
clara visão aos Santos, e Anjos.

Adoro-vos, Fonte perenne de celestiaes deleites.

Adoro-vos, Refeição espiritual das almas castas, e devotas.

Adoro-vos, Sacramento de piedade e vinculo de amor entre Deus, e os
homens.

Adoro-vos, sagrado Maná, que esforçais os corações, e alegrais os
espiritos dos que vos comem.

Adoro-vos, Divino Sacramento, que sois vida de nossas almas, remedio de
nossas chagas, e consolação de nossos trabalhos, a quem os Anjos do Ceo
adorão.

Adoro-vos, Rei Eterno, que para mostrades as riquezas de vosso Imperio,
fizestes este grande convite, ao qual chamais todos os subditos da vossa
espiritual Monarquia. Ditosos os que se não escusão deste admiravel
favor, e para vos receber trazem a devida disposição!

Oh incomparavel Bondade! Oh salutifero Manjar, pelo qual os filhos dos
homens sobem á dignidade de filhos de Deus!

Oh Divino Pão, como és doce, e cheio de doçura!

Oh meu doce Jesus, e Senhor Sacramentado! Quem me dêra, amado meu o
amor, e a pureza dos Serafins para alternar aqui com elles em vossa
presença muitas vezes: _Santo, Santo, Santo_; e tambem _Santissimo,
Santisssimo, Santissimo Sacramento da minha alma; Santissimo Sacramento
do meu coração; e Santissimo Sacramento da minha vida_.

Santissimo, quando Sacrificio nos impetrais perdão dos peccados.

Santissimo, quando Sacramento, illustrais nossas almas com a Divina
graça.

Santissimo, quando Esposo, unís os corações com o Divino Ser.

Santissimo, quando Viatico, acompanhais as almas ao sahir desta vida.

Santissimo quando Suffragio, alliviais as almas, ou as livrais do
Purgatorio.

E Santissimo, quando Penhor da gloria metteis as almas pelas portas do
Ceo, e as fazeis gozar da eterna Bemaventurança.



ADORAÇÃO DE SANTO THOMAZ AO SS. SACRAMENTO.


Adoro-vos, Divindade escondida, que debaixo desses accidentes,
verdadeiramente estais occulta. O meu coração todo a vós se vos rende,
porque contemplando-vos nesse mysterio, o meu entendimento desfallece; a
vista, o tacto, o gosto em vós se engana; mas com a fé, que me entra
pelos ouvidos, seguramente creio, que estais ahi. Creio tudo o que disse
o Filho de Deus: não ha cousa mais certa, que o que elle affirma. Na
Cruz estava sómente occulta a Divindade; mas neste Sacramento está
tambem escondida a humanidade, e com tudo eu, crendo uma, e outra cousa,
peço o que pedio o ladrão penitente. Ainda que não vejo as sagradas
Chagas, como Thomé; sempre vos confesso por meu Deus, e meu Senhor.
Fazei, Senhor, que eu sempre creia, e mais creia em vós; fazei que eu em
vós espere; fazei que eu muito vos ame. Oh memorial da morte de meu
Senhor! Pão vivo, que dá vida ao homem! Concedei-me, que minha alma, e
meu entendimento sempre por vós viva; que sempre, e sobre tudo goste de
tão suave sustento. Oh Pelicano piedoso, Jesus meu, Santissimo
Sacramento, sarai minhas chagas com o vosso Sangue, do qual uma só gota
póde lavar todo o mundo de todas as suas torpezas, e maldades. Meu
Jesus, a quem agora vejo escondido, peço vos me concedais o que tanto
desejo: e é que manifestando-me a vossa Divina face, me façais
bemaventurado na vossa Gloria. Amen.



MODO DE ASSISTIR AO SAGRADO LAUSPERENNE


ORAÇÃO

_Para quando se desencerra o Santissimo_.


Meu Deus omnipotente, e meu Senhor soberano, apparecei já aos nossos
olhos, porque nossas almas desejão com ancia a vossa presença. Oh Sol
Divino, apparecei já, para que a desabrida terra do meu coração
fertilize. Oh Amor Divino, sahi já Sacramentado a publico; empregai em
nossos peitos as vossas settas, para que, docemente feridos, se vos
rendão.



_Descoberto o Senhor_.

ORAÇÃO.


Oh Deus Soberano, que tão docemente cativais, e prendeis! Captivai a
vosso amor os meus affectos, e prendei a vossos pés o meu amor, para que
assista enternecidamente a vossa Magestade Divina. Senhor, já que vos
dignais, que vos veja Sacramentado, haveis tambem soffrer que vos falle.
Amante Soberano, e desejado Deus escondido, mas sempre amarosa delicia
de minha alma, amor do meu coração, sêde muito bem apparecido, que ainda
que não estejais visivelmente descoberto, ahi vos creio tão omnipotente,
tão immenso, infinito, e incomprehensivel, que nem o discurso póde
conhecer-vos bem, nem o entendimento esquadrinhar cabalmente. Porém,
Senhor, reconheço que póde a minha vontade amar-vos, a minha alma
assistir-vos minha attenção não perder-vos, e minha memoria meditar-vos.
Oh Sol Divino! Desejo, e peço, que com vossa luz alumieis minhas trevas,
com vossos raios firais meu coração, e com vosso amor deis calor ao
regelo de meu peito, para que aqui vos assista com attenção, humildade,
e reverente affecto. Oh Senhor meu, se soffreis esta miseravel creatura,
quem não pasmara! Se attenderdes a esta indigna creatura, quem se não
suspenderá! Oh settas suavissimas, traspassai-me! oh vista soberana,
attendei-me, para remediar meu amor! dai-me graça para vos assistir;
affectos, para que vos attenda; e lançai-me a vossa benção, para que
tudo faça do vosso agrado, e para maior honra, e gloria vossa. Amen.

_Dir-se-ha cinco vezes_: Bemdito e louvado seja o Santissimo Sacramento
do altar etc.


OFFERECIMENTO.


Altissimo Senhor, e Deus meu eu vos offereço estes louvores em
satisfação das blasfemias, e injurias com que sois offendido; da tibieza
com que sois commungado; e da desattenção com que sois assistido, não só
dos infieis, que vos não crêm, mas dos fieis, que vos adorão; e vos,
peço, que de todos tenhais misericordia. Amen.

_Far-se-hão cinco actos de Contricção, dizendo_:

Senhor, pequei; tende misericordia de mim, que me quero emendar, e vós
sois infinitamente piedoso.


OFFERECIMENTO.


Meu Deus, offereço-vos estes Actos, em satisfação das muitas culpas, e
obstinações dos peccadores. Peço-vos que tenhais de todos misericordia,
particularmente dos filhos de vossa Igreja, e especialmente deste Reino,
para que todos se emendem e vos sirvão. Amen.

_Far-se-hão cinco Actos de Fé, dizendo_:

Creio, Senhor, tudo quanto cre, ensina, e tem de Fé a vossa Igreja; e
assim o creio, como ella o manda; especialmente que estais
verdadeiramente debaixo destes accidentes, como estais no Ceo.


OFFERECIMENTO.


Senhor, offereço-vos estes Actos, em satisfação da falta de Fê, com que
sois offendido, não so dos Hereges, mas de muitos Catholicos, na
desattenção com que vos tratão. A todos dai a vossa luz para que se
reduzão a vós, e vos conheção e creião. Amen.

_Far-se-hão cinco actos de Esperança, dizendo_:

Espero, meu Deus, em vós, que me haveis de salvar pelos vossos
merecimentos, e a todos os Fieis pelo amor desse amor, com que vos
sacramentastes.


OFFERECIMENTO.


Meu Amor, offereço-vos estes Actos, em satisfação da falta de esperança,
que em vossa bondade infinita tem muitos homens, especialmente os filhos
da vossa Igreja; pois para nós nesse Sacramento ficastes por penhor da
eterna Bemaventurança. Amen.

_Far-se-hão cinco actos de Amor, dizendo_:

Meu Deus, meu amor, e meu bem todo, amo-vos de todo o meu coração, e
sobre todas as cousas; e tomára amar-vos, como vos amão todos os Anjos,
e Santos, e vossa Mãe Santissima.


OFFERECIMENTO.


Senhor, offereço-vos estes Actos, em satisfação das infinitas
ingratidões com que o vosso amor é correspondido de tantos homens que
tanto amais; especialmente dos filhos da vossa Igreja, que vos não amão,
como devem, porque não querem por sua ignorancia, e cegueira. A todos
perdoai por vossa gloria, e vosso amor. Amen.

_Será muito agradavel ao Senhor, que em todas as quintas feiras do anno,
das oito para as nove horas da noite, se faça algum obsequio ao Senhor
Sacramentado; e em todos os dias, ouvindo dar oito; ou nove horas da
noite, levantar uma voz, nas conversações, ou concurso, em que estiver,
e dizer_: Bemdito e louvado seja o Santissimo Sacramento, _para com isso
despertar a memoria dos que ouvem louvar este amante Senhor, pelo
beneficio, que nos fez naquella hora_.



JACULATORIA PARA ADORAR AO SS. SACRAMENTO.

_Pelos Attributos de seu Amor e Grandeza_.


  Meu Deus, que alegria
Hoje nos causais
Assim manifesto,
Bemdito sejais.

  Bemdito sejais,
Nos Ceos, e na terra,
Bemdito sejais.

  De Anjos, e Luzes
Vos acompanhais
Nesse Altar sagrado,
Bemdito sejais.

  O Throno Supremo
Do Ceo, que occupais.
No mundo hoje o temos,
Bemdito sejais.

  Para estar comnosco
Vos Sacramentais
Nesse Pão Divino,
Bemdito sejais.

  Vosso Corpo, e Sangue
Por elle nos dais
Sem outra substancia.
Bemdito sejais.

  Só os accidentes
Nelle conservais
Por modo estupendo,
Bemdito sejais.

  Os Anjos se assombrão
De finezas tais,
E por ellas dizem
Bemdito sejais.

  Como Rei Soberano
Audiencia dais
Aos vossos vassallos,
Bemdito sejais.

  Nenhum excluîs,
Todos escutais,
Todos são felizes,
Bemdito sejais.

  As súpplicas justas
Logo despachais
Com mercês, e graças,
Bemdito sejais.

  Para nos ouvir
Sempre pronto estais,
Sempre favoravel.
Bemdito sejais.

  Do Pae os Thesouros
Com mãos liberais
Vós os despendeis,
Bemdito sejais,

  Nenhuma riqueza
Lá no Ceo deixais,
Em vós estão todas,
Bemdito sejais,

  Como vós sois tudo
Quanto a nós vos dais,
Tudo recebemos,
Bemdito sejais.

  Sendo Omnipotente
Não podeis dar mais,
Que dar-vos a Vós,
Bemdito sejais.

  Ao sacro banquete
Vós nos convidaes,
Melhor do que aos Anjos,
Bemdito sejais.

  Nelle por manjar
Ás almas vos dais,
Por amor, e graça,
Bemdito sejais.

  Quando as vêdes puras,
Nellas habitaes.
Como em vosso Throno.
Bemdito sejais.

  Sois tão fino Amante
Das almas que amais,
Que nellas viveis,
Bendito sejais.

  Quando vos recebem.
Vós as transformais
Em vos, meu Senhor,
Bemdito sejais.

  As vossas delicias
Nellas encontrais,
Que dirão os Anjos?
Bemdito sejais.

  Quem pode meu Deus,
A fineza tais
Ser agradecido?
Bemdito sejais.

  Sois tão generoso,
Que vos contentais
Com nosso affecto,
Bemdito sejais.

  Se vós para amar-vos
A vida nos dais,
Vivamos de amor,
Bemdido sejais.

  Nenhum outro bem,
Meu Deus, permittais,
Que nós desejamos,
Bemdito sejais.

  Só Vós, meu Senhor,
As almas saciais
De eternas riquezas,
Bemdito sejais.

  Ditosas aquellas,
Onde vós entrais
Por vontade, e graça,
Bemdito sejais.

  Depois do desterro,
A Patria as levais,
Como esposas vossas,
Bemdito sejais.

  No mesmo Palacio,
Em que Vós reinais,
Assento terão,
Bemdito sejais.

  Vossa formosura
Então lhes mostrais,
Sem véo, nem cortina,
Bemdito sejais.

  Da gloria infinita,
Meu Deus que gozais,
Ellas gozarão,
Bemdito sejais.

  Os Anjos, e as almas
Vós os alegrais
Com vossa presença,
Bemdito sejais.

  Oh, quem vos amára.
Como Vós amais,
Quem de amor morrêra,
Bemdito sejais.

  Como sabio Mestre
Vós nos ensinais
Do Ceo as doutrinas,
Bemdito sejais.

  Desse excelso Throno
Cadeira formais,
Em que estais sentado,
Bemdito sejais.

  Os vossos Discipulos,
Senhor, tanto honrais,
Que lhes dais assento,
Bemdito sejais.

  Fazei, meu Senhor,
Que as lições, que dais,
Nas almas se imprimão,
Bemdito sejais.

  Em quanto, meu Deus,
Manifesto estais,
Fazei nos felices,
Bemdito sejais.

  Inda quanto occulto
Não vos ausentais,
Sempre estais comnosco,
Bemdito sejais.

  Deitai-nos a benção,
Que nella nos dais,
Um penhor da Gloria,
Bemdito sejais.

  Bemdito e louvado seja
O nosso Deus Sacramentado,
Que ade ser das nossas almas
No Céo, no mundo adorado.

Gloria Patri, et Filio et Spiritui Sancto.

Sicut erat in principio et nunc, e semper, et in saecula saeculorum.
Amen.

_O Eminentissimo Senhor Cardeal Patriarca concede 40 dias de
Indulgencias, todas as vezes que devotamente se fizer a sobredita
devoção_.



JACULATORIAS PARA SE DIZEREM DIANTE DO SS. SACRAMENTO


  Meu Deus, e Senhor,
Que nos dominais,
Dos Anjos e homens
Bemdito sejais.

  Nesse Sacramento
Que amor nos mostrais!
Por todos os seculos
Bemdito sejais.

  Ahi nos dais provas,
Que bem nos amais;
Por isso meu Deus,
Bemdito sejais.

  Nessa Hostia Santa
Prodigios obrais,
Amavel Senhor,
Bemdito sejais.

  Vós Sacramentado
Poder ostentais;
No Céo e na terra,
Bemdito sejais.

  Como nosso Pae
Vós nos sustentais;
Destes vossos Filhos
Bemdito sejais.

  Como nosso Mestre
Vós nos ensinais;
Divino Senhor,
Bemdito sejais.

  Tambem como medico
Mesmo nos curais;
Ó amante Deus,
Bemdito sejais,

  Vós como pão vivo
Nos alimentais;
Para sempre sem fim
Bemdito sejais.

  Em nossas miserias,
Remedio nos dais;
Por vossa grandeza
Bemdito sejais.

  Em nossas fraquezas
Vós nos confortais;
Continuamente
Bemdito sejais.

  Em nossos trabalhos
Allivio nos dais;
Soberano Senhor,
Bemdito sejais,

  Em nossas tristezas
Vós nos alegrais;
Ó meu Salvador,
Bemdito sejais.

  Nesse Sacramento
Mil graças nos dais;
Divino amante,
Bemdito sejais,

  E vós realmente
Todo a nós vos dais;
Por tantas finezas
Bemdito sejais.

  A quem bem vos communga
Unido ficais;
Por tantos favores
Bemdito sejais.

  Vós esta fineza
Comnosco usais;
Por ella, meu Deus,
Bemdito sejais.

  Do vosso amor
São isto signais;
Com todas as veras
Bemdito sejais.

  Amo-vos, Senhor,
Quanto posso mais,
Por serdes quem sois,
Bemdito sejais.

  Oh quanto me peza
Das culpas mortaes!
Por me terdes soffrido,
Bemdito sejais.

  Tambem me arrependo
Já das veniaes,
Por vossa paciencia
Bemdito sejais.

  Protesto, meu Deus,
Não peccar jámais;
Dai-me vossa graça,
Bemdito sejais.

  Peço-vos perdão,
Ó Deus que reinais
No Ceo, e na terra
Bemdito sejais.

  Todos vos pedimos
Que nos soccorrais
Por vossa bondade
Bemdito sejais.

  Dai-nos vossa benção
Já que nos amais;
Com todo o affecto
Bemdito sejais.



PSALMOS

_Que se recitão acompanhando o Santissimo para casa do enfermo_.


PSALMOS 50,

Miserere mei, Deus, etc.

Tende compaixão de mim, Deus meu, segundo a vossa grande mesericordia.

E segundo a multidão de vossas commiserações apagai a minha iniquidade.

Lavai-me cada vez mais da minha iniquidade, e purificai-me do meu
peccado.

Porque eu conheço a minha iniquidade, e tenho sempre o meu peccado
diante dos olhos.

Contra vós só hei peccado, e em vossa presença cometti meu delicto; mas
o confesso publicamente para que justifiqueis em mim vossa promessa (de
perdoar ao pecador contrito, e confundes a quantos se atrevem a censurar
vossa fidelidade.

Bem sabeis que fui gerado na iniquidade, e minha mae me concebeo no
peccado.

(Porem Senhor, nem sempre esteve corrompido meu coração); em algum tempo
amastes sua singeleza e rectidão, e me revelastes os occultos mysterios
de vossa sabedoria.

(Para me fazerdes de novo agradavel a vossos olhos), me borrifareis com
o hysope e serei purificado; lavar-me-heis e ficarei mais branco que a
neve.

Fazei que ouça (no intimo do meu coração) palavras de consolação, e os
meus ossos humilhados saltarão de gosto.

Apartai a vista para não verdes minhas offensas; riscai-as de modo que
não appareçam mais a vossos olhos.

Criai em mim um coração puro, e restabelecei de novo um espirito recto
nas minhas entranhas.

Não me lanceis de vossa presença, e fazei que sempre resplandeça em mim
a luz de vosso espirito Santo.

Restitui-me a alegria de vossa saudavel assistencia, e inspirai-me um
espirito de fortaleza que me conffirme no bem.

Deste modo ensinarei vossos caminhos aos peccadores, e os impios se
converterão a vós. Livrae-me dos homicidios, ó Deus, ó Deus de minha
salvação; e a minha lingoa cantará com jubilo vossas mesericordias.

Vós abrireis, Deus meu, meus labios e minha boca annunciará vossos
louvores.

(Se para expiação de meu delicto) houvereis exigido sacrificios, gostozo
vos-los houvera offerecido; mas vós não tereis por agradaveis os
holocaustos.

O unico sacrificio que póde aplacar-vos é um espirito traspassado de
dôr, não desprezeis meu Deus, um coração contrito e humilhado.

Não detenhão, Senhor meus peccados o curso de vossa bondade sobre Sião:
fazei que possamos edificar os muros de Jerusalem.

Então acceitareis benigno minhas offerendas, e holocaustos como
sacrificios d'um homem justificado pela penitencia, e então tambem o
povo carregará de victimas vossos altares.

Dai-lhes, Senhor, o eterno descanço etc.

Antiph. Exultarão de Jubilo para com o Senhor os ossos humilhados.
Antiph. Ouvi, Senhor.


PSALMO 129.

Dos profundos abysmos clamei a vós, meu Senhor; Senhor, ouvi a minha
voz.

Porém eu, Senhor, esperei em Vós por causa da vossa lei, e porque em Vós
tudo é clemencia.

Dai ouvidos attentos á voz da minha súpplica.

Se vós, Senhor, attenderdes ás iniquidades: Senhor, quem podera
subsistir na vossa presença?

Esperou a minha alma no Senhor, susteve-se a minha alma na sua palavra.

Espere assim todo o Israel no Senhor, desde a Aurora até á noite.

Porque o Senhor é cheio de miserîcordia, e nelle se encontra uma
redempção copiosa.

E Elle mesmo ha de remir a Israel de todas as suas iniquidades.

Gloria ao Padre, etc.

_Voltando de casa do enfermo para a Igreja, manda o Ritual que se diga o
Psalmo_: Laudate Dominum de Coelis etc. _ainda que o uso ordinario é
dizer-se o Hymno de Santo Ambrosio, e Santo Agostinho_.


PSALMO 148.

Louvai ao Senhor, ó moradores dos Céos, louvai-o nas alturas.

Louvai-o todos os seus Anjos, louvai-o todas as suas virtudes.

Louvai-o Sol, e Luz: Estrellas, e Luz, louvai-o todas.

Louvai-o Céos dos Céos; e todas as aguas, que estão sobre os Céos,
louvem o Nome do Senhor.

Porque elle fallou, e forão feitas estas creaturas: elle mandou e forão
creadas.

Elle as estabeleceu para durarem eternamente por todos os seculos,
poz-lhes o preceito, e não será preterido.

Louvai ao Senhor, creaturas da terra, Dragões, e todos os abysmos.

Fogo, granizo, neve, geada, espiritos, ou ventos das tempestades, que
executão sua palavra.

Montes e todos os outeiros, arvores fructiferas e todos os cedros.

Louvem o seu nome no côro e acompanhem (mysticamente) os seus louvores
com tambor e psalterio.

Porque o Senhor se agradou do seu Povo, e exaltará e salvará os
Pacificos.

Os Santos na Gloria saltarão de prazer, e nos seus cubiculos terão a
maior alegria.

Os louvores, com que exaltarão a Deus, estarão sempre nas suas bocas: e
terão nas suas mãos uma espada de dous fios.

Para se vingarem das Nações, e castigarem os povos, que os houverem
opprimido.

E para ligarem os seus Reis, e os seus Nobres com cadêas e grilhões de
ferro, executando o juizo ou sentença contra elles proferida.

Féras do bosque, e todos os gados domesticos, serpentes, e aves de
penna.

Reis da terra, e todos os Povos, Principes, e todos os juizes da Terra.

Mancebos, e virgens, velhos, e moços louvem o Nome do Senhor; porque só
o seu nome é digno de ser louvado.

O seu louvor é sobre o Céo e a Terra assim o confessa: e Elle exaltou o
poder do seu Povo.

Elle seja louvado por todos os seus Santos, pelos Filhos de Israel e
pelo Povo que lhe é proximo e consagrado ao seu serviço.


PSALMO 149.

Cantai ao Senhor um cantico novo: o seu louvor é na Igreja ou
Congregação dos Santos.

Alegre-se Israel naquelle Deus que o creou e os Filhos de Sião
alegrem-se muito mais naquelle seu rei.

Este é o glorioso Poder, concedido por Deus a todos os seus Santos.


PSALMO 150.

Louvai ao Senhor, nos seus Santos: louvai-o no firmamento da sua
virtude.

Louvai-o nas suas virtudes: louvai-o segundo a multidão da sua grandeza.

Louvai-o ao som da trombeta: louvai-o com psalterio e cithara.

Louvai-o com tympano e côro de musica: louvai-o com instrumentos de
cordas e orgão.

Louvai-o com tymbales harmonicos: louvai-o com tymbales de som alegre.

Todo o espirito, ou tudo o que vive e respira, louve ao Senhor.

Gloria ao Padre, etc.



HYMNO

A Vós ó Deus, louvamos, e por Senhor nosso vos confessamos.

A Vós, ó Eterno Pae, adora toda a Terra.

A Vós todos os Anjos: a Vós os Céos, e todas as Potestades.

A Vós os Querubins e Serafins com incessantes vozes proclamão:

Santo, Santo Santo, Senhor dos exercitos.

Os Céos e a Terra estão cheios da Magestade da Vossa Gloria.

A Vós o glorioso côro dos Apostolos.

A Vós o louvavel numero dos Prophetas.

A Vós louva o brilhante exercito dos Martyres.

A Vós por toda a terra confessa a Santa Igreja.

A Vós, Eterno Pae, Deus de immensa Magestade.

Ao vosso veneravel, unico e verdadeiro Filho.

Vós, ó Jesu Christo, sois o Rei da Gloria.

Vós sois sempiterno filho do vosso Pae.

Vós para tomardes sobre Vós mesmo o livramento do Homem, não duvidastes
entrar no Ventre da Virgem.

Vós vencedor do estimulo da morte, abristes aos Fieis o Reino Celeste.

Vós estais sentado a mão direita no glorioso throno de vosso Pae.

Donde cremos, e confessamos que vireis, como juiz, no fim do mundo.

(_O seguinte verso se diz de joelhos_);

Por esta causa, Senhor, supplicamos o vosso auxilio, pois somos vossos
escravos, remidos com o vosso precioso sangue.

Fazei que entremos no glorioso numero dos vossos Santos.

Salvai, Senhor, o vosso Povo, e abençoai a vossa herança.

E regei-os, e exaltal-os eternamente para maior gloria vossa.

Attendei, Senhor, a que em todos os dias procuramos louvar-vos.

E esperamos glorificar o vosso Nome pelos seculos dos seculos.

Dignai-vos, Senhor, por quem sois, de nos conservar hoje e sempre sem
peccado.

Tende compaixão de nós, piedoso Senhor compadecei-vos de nós miseraveis.

Venha senhor, sobre nós todos a vossa grande misericordia, pois que em
vós collocamos toda a nossa esperança.

Eu, Senhor, esperei em Vós: não serei confundido eternamente.


PSALMO 109

Disse o Senhor a meu Senhor: Assenta-te á minha mão direita.

Até que eu ponha os meus inimigos a servirem como estrado dos teus pés.

O Senhor fará sahir de Sião o sceptro da sua força: Reina pois em o meio
dos teus inimigos.

O teu principado se conhecerá no dia do teu Poder entre os resplandores
dos Santos: Eu te gerei do meu seio antes da aurora.

Jurou o Senhor e não se arrependerá. Tu és o eterno Sacerdote, segundo a
ordem de Melquizedech.

Está o Senhor á tua parte direita: Elle despedaçou os Reis no dia da sua
ira.

Julgará as nações, encherá as ruinas, e quebrará na terra as cabeças de
muitos.

No caminho beberá da torrente: por isso exaltará a cabeça.

Gloria ao Padre, etc.


PSALMO 112.

Louvai, meninos, ao Senhor: louvai o nome do Senhor.

O Nome do Senhor seja bemdito, desde agora para todos os Seculos.

O Nome do Senhor é louvavel desde o nascimento do Sol até o seu occaso.

O Senhor é mais alto que todas as gentes e a sua gloria é superior aos
Céos.

Pois quem é similhante ao Senhor nosso Deus, que habita nas alturas, e
vê o que ha humilde no Céo e na Terra?

Elle levanta o fraco do pó da terra e tira o pobre da mais sordida
indigencia.

Para o collocar entre os Principes com os Principes do Povo.

Elle em summa, faz que se veja a Esteril na sua casa alegre Mãe de
muitos filhos.

Gloria ao Padre etc.



CANTICO A MARIA SANTISSIMA.


A Minha Alma magnifica, engrandece ao Senhor.

E o meu Espirito se alegrou em Deus meu Salvador.

Porque attendendo á humildade da sua Serva: por isso todas as Gerações
me chamarão Bemaventurada.

Porque o Omnipotente obrou para mim grandes cousas, e o seu Nome é
Santo.

E a sua Misericordia se extenderá de Geração em Geração, para os que o
temem.

Manifestou a propria Omnipotencia no seu Braço; destruio os soberbos com
o espirito do seu coração.

Derribou os Poderosos do seu assento, e exaltou os humildes.

Aos Pobres famintos encheo de bens, e aos Ricos ambiciosos deixou
vazios.

Recebeo a sua serva Israel, lembrado da sua Misericordia.

Como o prometteo aos nossos Paes, e á sua Geração por todos os seculos.



CANTICO DE ZACHARIAS.


Bemdito seja o Senhor Deus de Israel, porque visitou e fez a Redempção
do seu Povo.

E erigio na casa do seu Servo David um poderoso Mediador para a nossa
salvação.

Segundo o havia promettido nos Seculos passados pela boca dos seus
Santos Profetas.

Que nos salvaria dos nossos Inimigos, e do Poder de todos os nossos
adversarios.

Para usar de misericordia com os nossos Paes, e se lembrar de seu Santo
Testamento;

E para cumprir o Juramento, que fizera a nosso Pae Abrahão, de que Elle
nos daria o seu filho;

Para que livres do poder dos nossos inimigos, o sirvamos sem temor.

Em santidade e justiça na sua presença em todos os nossos dias.

E tu, o Menino, serás chamado Profeta do Altissimo; por que irás diante
da face do Senhor a preparar os seus caminhos.

Para dar ao seu Povo a sciencia da salvação em a remissão dos seus
peccados.

Pelas entranhas de Misericordia do nosso Deus, com que nos visitou,
vindo do alto Céo.

Para illuminar aos que estão sentados nas trevas e sombras da morte, e
dirigir os nossos pés para o caminho da eterna paz.

Gloria ao Padre, etc.



HYMNO


Este grande Sacramento
Humildemente adoremos:
Da antiga Lei as figuras
Cedão ao Novo Mysterio:
Á fraqueza dos sentidos
Sirva a fé de supplemento.
Ao Pae, ao Filho igualmente
Louvores mil tributemos:
Seus altos dons inefaveis
Por justo tributo honremos:
Ao que de ambos procede
Os mesmos louvores demos.
Amen.

_No tempo Paschal, e por toda a oitava do Corpo de Deus_: Alleluia.



NOVENA DAS ALMAS DO PORGATORIO

EM QUE SE GANHÃO MUITAS. INDULGENCIAS.


ORAÇÃO I.


Ó Senhor meu Jesu Christo, eu vos adoro suspendido nessa Cruz,
supportando a coroa de espinhos em vossa Sacrosanta Cabeça: eu vos rogo
que essa nobilissima Cruz seja o escudo, que me livre dos ministros de
vossa justiça. Amen.

_Padre nosso, Ave Maria_.


ORAÇÃO II.


Ó Senhor meu Jesu Christo, eu vos adoro nessa Cruz ferido e chagado,
onde vos derão a beber fel e vinagre sobre a maior amargura de meus
peccados: eu vos rogo que essas vossas preciosas Chagas sejão o remedio,
e cura de minha alma. Amen.

_Padre nosso, Ave Maria_.


ORAÇÃO III.


Ó Senhor meu Jesu Christo, por aquella amarga dor, que por mim miseravel
peccador soffrestes na Cruz principalmente naquella hora quando vossa
Alma nobilissima sahio de vosso bemdito Corpo: eu vos rogo que tenhais
misericordia de minha alma, quando sahir deste carcere mortal, e a
leveis a lograr a eterna vida. Amen.

_Padre nosso, Ave Maria_.


ORAÇÃO IV.


Ó Senhor meu Jesu Christo, eu vos adoro collocado no Sepulcro, ungido
com myrrha, e balsamos cheirosos: eu vos rogo que vossa preciosa morte
seja minha ditosa vida. Amen.

_Padre nosso, Ave Maria_.


ORAÇÃO V.


Ó Senhor meu Jesu Christo, eu vos adoro descendo ao Limbo para livrar as
almas, que nelle estavão esperando vossa suspirada vinda: eu vos rogo,
que não permittais que minha alma entre naquellas infernaes prisões e
escuros carceres. Amen.

_Padre nosso, Ave Maria_.


ORAÇÃO VI.


Ó Senhor meu Jesu Christo, eu vos adoro resuscitado de entre os mortos,
subindo ao Céo, e assentado à mão direita de vosso eterno Pae: eu vos
rogo que me façais merecedor de vos seguir a essa gloria, e ser
apresentado a vosso alegre acatamento. Amen.

_Padre nosso, Ave Maria_.


ORAÇÃO VII.


Ó Senhor meu Jesu Christo, Pastor benigno, conservai os justos em graça,
justificai os peccadores, e compadecei-vos de todos os Fieis; e
favorecei amoroso a este grande peccador. Amen.

_Padre nosso, Ave Maria_.


ORAÇÃO VIII.


Ó Senhor meu Jesu Christo, eu vos adoro vindo a juizo, chamando os
Justos ao Paraiso e condemnando aos peccadores: eu vos rogo que vossa
dolorosa Paixão nos livre daquellas penas, e por ella nos levai á eterna
vida. Amen.

_Padre nosso, Ave Maria_.


ORAÇÃO IX.


Ó amantissimo Pae, eu vos offereço a innocente Morte do vosso precioso
Filho, e o amor de seu Divino Coração, por toda a culpa e pena, que eu
miseravel peccador, e o mais depravado de todos os peccadores, por
minhas culpas mereci, por todos os meus conjunctos e amigos, vivos e
fallecidos; eu vos rogo que tenhais misericordia de nós. Amen.

_Padre nosso, Ave Maria_.



PARA A INTERCESSÃO DE S GREGORIO PAPA


Ó Senhor meu Jesu Christo, que admiravelmente revelaste o Mysterio de
vossa Santissima Paixão ao vosso Bemaventurado Servo S. Gregorio;
peço-vos que a este miseravel peccador concedais alcançar perfeitamente
aquella remissão de peccados, que o mesmo vosso Veneravel Pontifice com
abundante auctoridade Apostolica liberalmente concedeo a todos os que
verdadeiramente se arrependessem e meditassem o progresso da vossa
Paixão. Que viveis e reinais por todos os seculos dos seculos Amen.


OFFERECIMENTO.


Estas Orações de S. Gregorio, e de Padre nossos, e Ave Marias, que tenho
rezado, offereço aos sagrados merecimentos da Paixão e morte de meu
Senhor Jesu Christo, a quem peço mas receba em desconto, e satisfação
das minhas culpas, e peccados, confirmando o que S. Gregorio, e outros
Pontifices tem concedido a quem as rezar diante da Imagem do mesmo
Senhor; e de tudo quanto ganho, é minha vontade que Deus nosso Senhor
applique o que for servido para tirar do Purgatorio a alma que fôr mais
da minha obrigação, e de seu santo serviço, honra, e gloria. Amen.



DEVOÇÃO DAS ALMAS DO PURGATORIO.

A QUAL É UTILISSIMA TANTO ÀS BENDITAS ALMAS COMO AOS SEUS DEVOTOS QUE A
RECITAREM.


ORAÇÃO AO SANTO SUDARIO.


Senhor Deus, que nos deixastes os signaes da vossa Paixão no Santo
Sudario, em o qual foi envolto vosso Corpo Santissimo quando por José
foi descido da Cruz; concedei-me piedoso Senhor, que por vossa morte, e
sepultura sejamos levados á Gloria da Ressurreição, em que viveis e
reinas com Deus Padre em unidade do Espirito Santo, por todos os seculos
dos seculos. Amen.


ORAÇÃO.

Deus vos salve, Fieis Almas Christãs e vos de descanço aquelle que é
verdadeiro Filho de Deus, o qual nasceo da Immaculada Virgem Santa
Maria, para nossa salvação, e de todo o mundo, e vos remio com seu
preciosissimo Sangue: Elle nos livre e ressuscite em o dia Santo da
Resureição, e Juizo final, fazendo-nos da Companhia dos seus Santos
Anjos para sempre jamais. Amen.

_Padre nosso, Ave Maria_.

Padre Eterno, Soberano Deus, mandai os vossos Anjos a tirar esta alma do
Purgatorio, por quem é minha intenção rogar-vos, e vos peço que a
apresenteis em vossa Gloria: e vos rogo, Senhor, que a parte, que lhe
faltar para satisfazer suas culpas, lha perdoeis, pelas Indulgencias que
a estas Orações nos estão concedidas aos merecimentos da Paixão de vosso
Filho, meu Redemptor Jesu Christo, e vos rogo, meu Creador
misericordioso, não sejais rigoroso no Juizo, e não nos deixeis cahir em
tentação, livrando-nos de todo o mal. Amen. _Gloria Patri, etc._

Senhor Deus, que nos deixastes os signaes de vossa Paixão, etc. pag.
347.[5]


_Padre nosso, Ave Maria, Gloria Patri, etc._

Lembrai-vos Senhor, das almas de meus paes, irmãos, parentes, e amigos,
geralmente de todas as almas dos defunctos fieis, que por ellas faço
esta commemoração, e de todos os Christãos, que sendo Catholicos,
morrêrão confessando nossa Santa Fé, que estão padecendo por suas culpas
occasionadas de fragilidade humana, sejão-lhes saude eterna os
merecimentos de vosso precioso Filho, que por elles padeceo, gozem
refrigerio de seu precioso Sangue e da agua, que caîo de seu Lado, para
que consolados gozem vossa perpetua luz, e em acção de graças louvem
todos os Justos, que estão gloriosos em vosso Reino. Amen.

_Padre nosso, Ave Maria, Gloria Patri, etc._

Senhor Deus, que nos deixastes os signaes de vossa Paixão, etc. pag.
347.[5]


ORAÇÃO.


Padre Eterno, por Jesu Christo vosso Filho precioso, e pelo amor, com
que se fez homem para padecer por elles, e pelos merecimentos de sua
Santissima Paixão e morte, e pela immensa dor, com que padeceo, e
derramou seu precioso sangue por todo o genero humano, vos peço e rogo
tireis das penas do Purgatorio as almas de minha obrigação, e de meus
Confessores, que me ajudárão com bons conselhos, e de meus amigos, que
me fizerão bem, e inimigos, que me fizerão mal, aos quaes eu perdôo;
Senhor, porque a mim me perdoaes, e vos peço gozem da vida eterna para
honra e gloria vossa. Amen.

_Padre nosso, Ave Maria, Gloria Patri, etc._

Senhor Deus, que nos deixastes os signaes da vossa Paixão, etc. pag.
347.[5]


ORAÇÃO.


Jesus da minha alma, Filho verdadeiro do Eterno Pae, Jesus Salvador do
mundo, Filho verdadeiro da Virgem Maria, meu querido Jesus, unico
remedio de todos os peccadores, pois com o preço de vosso Sangue e
merecimentos da vossa Paixão, e Morte nos ganhastes a vida eterna, para
vos gozar em a gloria. Rogo-vos, bom Jesus, pela amargura, que na Santa
Arvore da Cruz padecestes por mim e por todos os peccadores maiormente
naquella hora, em que a vossa Alma sahio do vosso santissimo e lastimoso
Corpo, vos rogo, meu doce Jesus, tenhais misericordia da minha, quando
desta vida sahir, peza-me, Senhor, de vos ter offendido: em vossas mãos
encommendo a minha alma, como Creador, Redemptor, e Glorificador meu.

_Padre nosso, Ave Maria, Gloria Patri etc._

Senhor Deus, que nos deixastes os signaes da vossa Paixão, etc. pag.
347.[5]


SUPPLICA.


Peço-vos, Senhor, que no Juiso, que fizerdes com as almas dos vossos
servos já defunctos, os julgaeis com misericordia; e que as penas, que
merecerem por suas culpas, sejão perdoadas por vossos merecimentos, e em
particular as almas que vos encommendo nestas Orações, por quem é minha
intenção fazer estes exercicios, e supplicas, por Jesu Christo nosso
Senhor, que comvosco vive e reina por todos os seculos dos seculos.
Amen.


OFFERECIMENTO.

_Desta Devoção e Caridade_.


Senhor meu Jesu Christo, Creador e Redemptor meu, unico remedio das
almas do Purgatorio; pois o vosso amor vos obrigou a dar a vida por nos
remir para que gozassemos de essa Gloria, humildemente vos offereço
estas orações e supplicas, que estão enriquecidas com tão grandes
Indulgencias do Thesouro da Igreja, applicadas, e unidas com vossos
merecimentos por modo de suffragio, para que tenhais por bem de tirar do
Purgatorio as almas de N. N., e é minha vontade offerecêl-o tantas
vezes, quantas bastem para vos satisfazer, até ficarem livres do
Purgatorio; e se o não hoverem mister, offereço por aquellas, que ali
estiverem, que forem de mais honra e gloria de vossa Divina Magestade e
mais minha obrigação: e já que por seus peccados justamente estão
affligidas, sejão por vossa misericordia perdoadas; e pois vale mais o
vosso precioso Sangue, que suas culpas, possão mais vossos merecimentos,
que suas penas; e a vós sacratissima Mãe de Deus vos peço, como Mãe
advogada, e esperança nossa, intercedais por estas almas, e façais que
se logre vossa intercessão, para honra e gloria vossa, e a vós, bemditas
almas, vos encommendo rogueis a Deus me dê perseverança neste exercicio.
Amen.



ORAÇÃO E ROGATIVA A N. SENHORA DA CONCEIÇÃO


PARA TODAS AS NECESSIDADES GERAES, E PARTICULARES, E MUI PROPRIA PARA
IMPLORAR OS PODERES DE SEU PATROCINIO DIANTE DA SUA MILAGROSA IMAGEM
APPARECIDA.


Ó Immaculada, Santissima, e Purissima Senhora, Mãe de Misericordia, Mãe
da graça, esperança e refugio de todos os afflictos, por tudo quanto
representar-vos posso, e mais vos póde obrigar, vos supplico, e rogo
pelo nosso Summo Pontifice, e mais prelados da Igreja, pela paz entre os
Principes Christãos, exaltação da Santa Fé Catholica, e extirpação das
Heresias, conversão dos infieis, e de todos aquelles, que combatidos
pelo espirito da incredulidade hesitão ou duvidão dos vossos poderes, e
maravilhas; attrahi, Senhora, a todos para que venhão rendidos entoar
vossos louvores.

Ponde, ó amantissima Mãe, os olhos de vossa Piedade em o Nosso Amado
Rei, que tanto se desvela pelo bem geral desta Nação, e igualmente vos
supplico por toda a Real Familia. Destruí, ó Mãe poderosa, qualquer
principio de erro que entre nós possa haver, para que todos os
Portuguezes á imitação de nossos Maiores, sejão os baluartes da Fé
Catholica, seus defensores, e propugnadores. Verifique-se, Senhora,
sempre em nós a palavra, que o vosso Bemdito Filho disse ao nosso
primeiro Rei: que lhe seria este Povo sempre Fiel, puro na Fé, e amado
pela sua piedade.

Eu aqui venho, Senhora, com fé, reverencia, e humildade quanto cabe nas
minhas limitadas forças, render-vos cultos de affectuosa devoção;
dignai-vos pois de aceitar a minha boa vontade, e a de todos os que com
tanta efficacia vos procurão neste Templo, que é um Santuario de
maravilhas e prodigios vossos desde os principios deste Reino; pois aqui
apparecestes muitas vezes ao glorioso Santo Antonio animando-o ao
progresso das suas virtudes; depois neste mesmo Templo mostrastes a
vossa prodigiosa Grandeza, na Imagem que do porto de Betancourt foi
conduzida a esta capital por Martim Affonso de Sousa, o qual
collocando-a na Parochia de S. Paulo, vós mostrastes prodigiosamente que
elegestes esta Igreja para a vossa permanencia, desapparecendo naquella,
e vindo para este Altar, onde até ao presente sois venerada, e onde
tendes feito immensos beneficios a todos os que com devota fé vos tem
invocado. Aqui, mostrando que sois Mãe de infinita Piedade e
Misericordia, quizestes que no claustro desta Sé uma confraria de homens
bons desse principio á Irmandade da Misericordia, cujos exercicios todos
são de Caridade, fazendo que se diffundisse daqui este bem a todo o
Reino, estabelecendo-se em todo elle Confrarias do mesmo Instituto por
ordem do Senhor Rei D. Manoel. Emfim, Senhora, no seculo presente
mostrastes, que as vossas delicias erão estar comnosco, e neste vosso
prodigioso tabernaculo, fazendo com que pomposamente aqui vos
trasladassem desde a pequena gruta de Carnaxide, onde entre maravilhas
fostes apparecida; viestes, Senhora para serdes tambem aqui as nossas
delicias, o nosso refugio, o nosso amparo, e o remedio promptissimo de
todos os nossos males e enfermidades no feliz despacho de todas as
nossas petições; por tanto vos rogo, ó Mãe Purissima, vos digneis
consolar a quem vos invoca, remediando como podeis e sabeis todas as
minhas necessidades, não me negueis o vosso amor; porque depois de Deus,
em vós tenho posto toda a minha confiança, como em unica esperança de
minha Salvação, e remedio: concedei-me este favor, e com elle tambem o
que particularmente vos peço nesta visita (_ou novena se a fizer, e póde
aqui expôr a sua súpplica particular_) concedei-me um ardentissimo amor
vosso, um fervorozo zelo da vossa honra e gloria, uma viva fé, esperança
firme, e caridade perfeita, que na hora da minha morte vos digneis de me
assistir e confortar, alcançando-me a graça final para que pelos vossos
merecimentos e intercessão poderosa, e pelo mysterio da vossa Purissima
Conceição mereça ir ver-vos e gozar a vossa companhia no Céo á vista de
vosso Santissimo Filho que com o Padre, e Espirito santo vive e reina
por todos os seculos dos seculos. Amen.

[Figura: N. S. da Rocha]

_Poderá o devoto continuar as suas deprecações á Senhora com as cinco
Orações seguintes em Louvor do Santissimo Nome de Maria iniciadas pelas
suas cinco Letras_.


*M*

Mãe Soberana!... doce Amor!
A minha alma enternecida
Vos canta gloria e louvor
Por serdes apparecida
Com tanta graça e primor,
Quando a Fé amortecida
Corria o risco maior
Vendo-se quasi extinguida:
Louvada sejais, Senhora.
Em a vossa Conceição,
Pois sois Mãe e Protectora
Da Portugueza Nação.

_Ave Maria_.


*A*

A vós Virgem sempre pura,
Senhora da Conceição,
A minha alma com ternura,
E sincera devoção
Neste Templo vos procura,
Para ter consolação
De que vós, Mãe da doçura,
Despacheis a Petição,
Que humilde aqui rendida
Vos vem supplicar, e implora
A vós, Mãe apparecida,
De todo o mal a melhora.

_Ave Maria_.


*R*

Rainha e Mãe amorosa.
Que no vosso Altar estais
Ouvindo tão carinhosa
Os tristes miseros mortaes,
Ouvi, ó Mãe piedosa,
Meus rogos, e tristes ais:
livrai-me, ó Mãe portentosa,
De molestias tão fataes,
Pois minha Alma agradecida;
Sempre a vossos pés prostrada,
Vos será reconhecida
Pela mercê alcançada.

_Ave Maria_.


*I*

Immaculada Senhora,
Pela vossa Conceição
Ouvi a quem vos implora
Com vozes do coração,
Valei-me, ó Divina Aurora,
Nesta triste afflicção
Em que minha alma labora,
Sem ter outra protecção:
Mostrai que sois Mãe amante,
Os meus rogos attendei,
E eu humilde supplicante
Mil louvores vos darei.

_Ave Maria_.


*A*

Augustissima Soberana,
Virgem pura e Immaculada,
Mãe Divina e Mãe humana,
Em graça sempre exaltada,
Se a Nação Luzitana
Por vós é patrocinada,
Desta molestia tyranna,
Que me traz attenuada!
Livrai-me ó doce Maria
Livrai-me excelsa Senhora,
Hymnos de nova harmonia
Cantarei em toda a hora.

_Ave Maria_.


_Rezará agora a Salve Rainha, e querendo o devoto, ou devota rezal-a, em
maior extensão de metro, lha propomos na seguinte versificação_:


Salve, ó doce-amparo
Dos tristes mortaes,
Virgem sempre pura,
  Bemdita sejais.

_Salve Rainha_
Que Mãe vos chamais
_De Misericordia_,
  Bemdita sejais.

_Sois vida e doçura_
Dos filhos que amais,
_Esperança nossa_,
  Bemdita sejais.

_Salve, a vós bradamos_,
Ouvi nossos ais,
Que a vós se dirigem,
  Bemdita sejais.

Lembrai-vos de nós,
Pois em perigos taes
Somos _degradados_,
  Bemdita sejais.

Os _Filhos de Eva_,
Os afflictos mortaes
_Por vós suspiramos_,
  Bemdita sejais.

_Gemendo e chorando_
Vós nos consolais.
Em nosso desterro,
  Bemdita sejais.

_N'este valle de lagrimas_,
De penas fataes,
Sempre vos cantamos,
  Bemdita sejais.

Mas lá nessa gloria
Aonde nos chamais,
Alegres diremos,
  Bemdita sejais.

_Eia_, ó Mae Benigna,
Que nos illustrais,
Por tudo Senhora,
  Bemdita sejais.

_Advogada nossa_,
Tanto vos dignais
De rogar por todos,
  Bemdita sejais.

_Esses vossos olhos_,
Que não tem iguaes,
Ponde em nós Senhora,
  Bemdita sejais.

_Misericordiosos_,
Como costumais,
_A nós os volvei_,
  Bemdita sejais.

_E depoîs_ de acabar
Fadigas penaes
_De nosso desterro_,
  Bemdita sejais.

_Nos mostrais a Jesus_
Na gloria onde estais,
Para sempre o louvar,
  Bemdita sejais.

O _Bemdito Fructo_
Que nos o offertais
Para o possuirmos,
  Bemdita sejais.

Mostrai-nos os dons
Que vós nos guardaes,
Bens _do vosso ventre_,
  Bemdita sejais.

Que nunca os percamos
Não o permittais,
Ó Virgem _Clemente_,
  Bemdita sejais.

Ó Mãe _piedosa_,
Que nos obrigais,
Ó _doce_ Maria,
  Bemdita sejais.

_Sempre_, Virgem bella,
Louvores geraes
Vos dêm Céos e terra,
  Bemdita sejais.

Bemdita e Bemdita,
Mil vezes e mais
Ó _Virgem Maria_,
  Bemdita sejais.

_Rogai_ vós por _nós_,
Não vos esqueçais,
_Santa Mae de Deos_,
  Bemdita sejais.

_Para sermos dignos_,
Em instantes finaes,
De cantarmos sempre,
  Bemdita sejais.

_Das promessas de Christo_,
Vós nos segurais,
Soberana Rainha,
  Bemdita sejais.

Assim seja sempre,
Sempre e muito mais,
_Amen Jesus_,
  Bemdita sejais.


ORAÇÃO

Ó amabilissima Senhora, Mãe de Deus e Mãe nossa, nós vos offerecemos
estas orações em obsequio da vossa Conceição Purissima, em honra e
gloria do vosso Santissimo Nome, e da singular Corôa de vossa Pureza
Immaculada; e vos pedimos que em virtude, da mesma Corôa, que é a das
vossas virtudes e excellencias nos alcanceis do vosso Santissimo Filho a
graça e favor, que vos pedimos, e mereçamos por vossa intercessão e
piedade alcançar a Corôa da eterna Gloria. Amen.



OFFICIO DA AGONIA

TANTO QUE O MURIBUNDO ENTRAR EM AGONIA, SE ACCENDERÁ UMA VELA, E SE LHE
PORÁ NA MÃO; E POSTOS TODOS DE JOELHOS, DIRÁ O SACERDOTE, E EM SUA
AUSENCIA QUALQUER PESSOA, AS SEGUINTES PRECES DETERMINADAS PELA IGREJA
PARA ESTA OCCASIÃO

Senhor tende compaixão de nós
Jesus Christo tende compaixão de nós
Senhor tende compaixão de nós
Santa Maria (Rogai por este ó por esta)
Todos os Santos Anjos e Archanjos
Santo Abel,
Todo o Choro dos Justos
Santo Abraham
S. João Baptista
S. José      (Rogai por este ó por esta)
Todos os Santos Patriarchas e Prophetas,
S. Pedro.
S. Paulo.
S.^{to} André.
S. João.
Todos os Santos Apostolos e Envangelistas.
Todos os Santos discipulos do Senhor.
Todos os Santos Innocentes.
Santo Estevão.
S. Lourenço.
Todos os Santos Martyres.
S. Silvestre.
S. Agostinho.
Todos os Santos Pontifices e Confessores.
S. Bento.
S. Domingos.
S. Francisco.
Todos os Santos Monges e Eremitas.
S.^{ta} Maria Magdalena
S.^{ta} Lucia
Todas as Santas Virgens e Viuvas
Todos os Santos e Santas de Deus
Sede propicio      Perdoai-lhe Senhor.
Sede propicio      Livrai-o ou livrai-a Senhor.
Da tua ira.
Do perigo da morte.
Da má morte.
Das penas do inferno.
De todo o mal.
Do poder do diabo.
Pelo vosso nascimento.
Pela vossa cruz e Paixão.
Pela vossa gloriosa ressurreição
Pela vossa admiravel Ascensão
Pela graça do espirito Santo Paracliio.
No dia de Juizo.
Peccadores--Ouvi nossas supplicas.
Que lhe perdoeis--Vos pedimos Senhor
Senhor tende compaixão de nós
Jesus Christo tende compaixão de nós.
Senhor tende compaixão de nós

_A seguinte oração se põe em Portuguez para maior consolação dos que não
sabem Latim, e para que a possa rezar qualquer pessoa_.


ORAÇÃO

Alma Christã, parte deste mundo em nome de Deus Padre [Símbolo: óbelo]
Todo poderoso que te creou; em nome de Jesu Christo, [Símbolo: óbelo]
Filho de Deus vivo, que por ti padeceo; em nome do Espirito Santo,
[Símbolo: óbelo] que copiosamente se te communicou. Aparta-te, e sahe
deste corpo mortal com o favor, e amparo dos Santos Anjos, e Archanjos,
dos Thronos, e Dominações, dos Querubins, e Serafins; dos Patriarcas, e
Profetas; dos Santos Apostolos, e Evangelistas; dos Santos Martyres,
Confessores, Monges, Religiosos, e Eremitas; das Santas Virgens, e
Esposas de Jesu Christo, e de todos os Santos, e Santas de Deus: hoje
seja teu lugar em paz, e tua habitação na Cidade de Sião. Pelo mesmo
Jesu Christo nosso Senhor Amen.



VIA-SACRA ABREVIAD. PARA SE VISITAR NA IGREJA, CAPELLA OU LOGAR.

ONDE QUER QUE CADA UM TIVER COLLOCADO


_Na primeira Estação se deve fazer hum Acto de Contrição, que he o
seguinte_:


Meu Deus, e Senhor Jesu Christo, peza-me de todo o meu coração de vos
ter offendido, por serdes vós quem sois; mas ajudado da vossa graça,
firmemente proponho de não tornar mais a peccar: espero me pordoeis pelo
vosso Sangue, pela vossa Paixão, e Morte de Cruz. Amen.

_Deve cada hum fazer logo tenção de ganhar as Indulgencias, que são
concedidas, offerecendo tudo, como he costume, conforme a capacidade de
cada hum_.


Soberano Deus, e Senhor, offereço á vossa Divina Magestade, em união dos
merecimentos da vossa Vida, e Paixão, tudo o que neste santo exercicio
fizer, meditar, e rezar, applicando as Indulgencias, que faço tenção de
ganhar, pelas bemditas Almas do Purgatorio, especialmente pelas que sou
obrigado de justiça, e caridade, não faltando a mim, e ás minhas maiores
obrigações; e vos rogo pelo vosso Vigario na terra, o Summo Pontifice,
estado da Santa Madre Igreja, conversão dos infieis, paz entre os
Principes Christãos, e por tudo quanto for vossa vontade, e quizerão os
vossos Vigarios, que eu vos pedisse. Amen.



_Adoramus te Christe, et benedicimus tibi, quia per Sanctam Crucem
redemisti mundum_.


I. ESTAÇÃO.


Considera, Alma Catholica, como por Sentença de Pilatos foi o senhor do
Ceo e da terra despido, e prezo a huma columna, açoutado rigorosamente,
e depois vestido de zombaria, e escarneo, e coroado de penetrantes
espinhos.

_Faça huma breve pausa, em que se detenha a meditar, e depois reze hum
Padre nosso huma Ave Maria, e huma Gloria Patri, e logo diga o que lêr_:

Arrepende-te, peccador, dos peccados que commettestes contra nosso
Senhor Jesu Christo: Bemdita, e louvada seja a Paixão, e Morte de nosso
Redemptor Jesu Christo, e a Immaculada Conceição da Virgem Maria Senhora
nossa, concebida sem peccado, original. Amen.

_Beija-se a terra, e vão proseguindo o caminho com toda a compostura, e
silencio: isto se observará nas mais Estações, que se seguem_.

       *       *       *       *       *

_Adoramus te, Christe, etc._


II. ESTAÇÃO.


Contempla, Alma Catholica, como puzerão ao Senhor a Cruz ás costas para
ir a ser nella crucificado, tirando-lhe para isso a corôa de espinhos, e
tornando-lha a pôr com grande crueldade em que padeceo nova, immensa
dôr. _Faça pausa_.

_Padre nosso, Ave Maria, Gloria Patri_.

Arrepende-te, peccador, etc.

       *       *       *       *       *

_Adoramus te, Christe, etc._


III. ESTAÇÃO.


Oh Alma remida com o Sangue de Jesu Christo, considera bem como
caminhando sua Divina Magestade com a Cruz ás costas, tão debilitado de
forças, pela grande pressa, com que o levava aquella vil canalha, cahio
debaixo da Santa Cruz, abrindo-se-lhe de novo suas feridas, e chagas, de
que rebentárão correntes de sangue. _Huma breve pausa_.

_Padre nosso, Ave Maria, Gloria Patri_.

Arrepende-te, peccador, etc.

       *       *       *       *       *

_Adoramus te, Christ, etc._


IV. ESTAÇÃO.


Pondera com attenção, Alma devota, como indo o amantissimo Jesus com a
Santa Cruz a seus hombros, encontrou sua Santissima Mãe triste,
affligida, e ficárão seus corações traspassados de dôr, e angustia, e
com esta pena se foi esta desconsolada Senhora seguindo seu amado Filho
até ao monte Calvario. _Huma breve pausa_.

_Padre nosso, Ave Maria, Gloria Patri_.

Arrepende-te, peccador, etc.

       *       *       *       *       *

_Adoramus te, Christ, etc._


V. ESTAÇÃO.


Considera, Alma Catholica, como alugarão a Simão Cyreneo para ajudar a
levar a Cruz a nosso Redemptor, não movidos de piedade que de sua
Magestade tivessem, mas sim temendo que no caminho morresse, porque o
vião caminhar com o corpo todo inilinado em terra, com os joelhos
tremendo, e os olhos quasi sem vista por afogados em sangue. _Huma breve
pausa_.

_Padre nosso, Ave Maria, Gloria Patri_.

Arrepende-te, peccador, etc.

       *       *       *       *       *

_Adoramus te, Christ, etc._


VI. ESTAÇÃO.


Alma minha, vê a resolução, com que sahio pelo meio dos soldados aquella
santa mulher chamada Veronica, vendo a sua Divina Magestade tão suado, e
fatigado, seu Rosto denegrido com o muito sangue dos innumeraveis
golpes; e movida de piedade o alimpou com huma limpissima toalha, em que
deixou debuxada a Imagem Santissima de seu sacratissimo Rosto. _Huma
breve pausa_.

_Padre nosso, Ave Maria, Gloria Patri_.

Arrepende-te, peccador, etc.

       *       *       *       *       *

_Adoramus te, Christ, etc._


VII. ESTAÇÃO.


Devota Alma, contempla como na porta judiciaria, levando o Senhor a Cruz
ás costas para maior affronta, e tormento, cahio segunda vez em terra
por lhe faltarem de todo as forças, e porque o grande pezo da Cruz lhe
tinha feito huma penosa chaga em o hombro. _Huma breve pausa_.

_Padre nosso, Ave Maria, Gloria Patri_.

Arrepende-te, peccador, etc.

       *       *       *       *       *

_Adoramus te, Christ, etc._


VIII. ESTAÇÃO.


Considera attentamente, Alma Christã, como humas piedosas mulheres
começarão a chorar de sentimento, por verem ao nosso innocentissimo
Jesus em tão lastimoso estado, quando pouco antes o tinhão visto
acclamado por seus milagres do mesmo povo, que agora o blasfemava, e o
Senhor as consolou, dizendo: Filhas de Jerusalem, não choreis sobre
minha morte, mas sim chorai por vossos filhos, e peccados. _Huma breve
pausa_.

_Padre nosso, Ave Maria, Gloria Patri_.

Arrepende-te, peccador, etc.

       *       *       *       *       *

_Aduramus te, Christ, etc._


IX. ESTAÇÃO.


Reflecte bem, Alma Catholica, como já o nosso Redemptor de todo sem
sangue, e forças, cahio terceira vez em terra até chegar a tocá-la com
sua santissima boca, (aqui se beija o chão) e querendo-se levantar não
pôde desfalecido, antes tornando a cahir, se ferio novamente em as
muitas pedras, que naquelle caminho havia. _Huma breve pausa_.

_Padre nosso, Ave Mlaria, Gloria Patri_.

Arrepende-te, peccador, etc.

       *       *       *       *       *

_Adoramus te, Christe. etc._


X. ESTAÇÃO.


Contempla, Alma minha, como neste lugar do monte Calvario despírão ao
piedoso Redemptor de suas pobres vestiduras com atrocidade, e fereza,
renovando suas chagas, e dores, e lhe dérão a beber vinho misturado com
fel. _Huma breve pausa_.

_Padre nosso, Ave Maria, Gloria Patri_.

Arrepende-te, peccador, etc.

       *       *       *       *       *

_Adoramus te, Christe, etc._


XI. ESTAÇÃO


Considera, como o Soberano Senhor foi estendido na Cruz, e nella pregado
de pés, e mãos, onde ouvindo sua Santissima Mãe o primeiro golpe de
martello, ficou quasi morta de dôr; e foi tanta a crueldade dos que o
crucificárão, que lhe tornárão a pôr a corôa de espinhos com tanta
força, que penetrada aquella sagrada cabeça, chegárão os espinhos até
aos olhos, enchendo-lhe de sangue todo o seu santissimo corpo; _Huma
breve pausa_.

_Padre nosso, Ave Maria, Gloria Patri_.

Arrepende-te, peccador, etc.

       *       *       *       *       *

_Adoramus te, Christe, etc._


XII. ESTAÇÃO.


Com rendido coração faze reflexão neste passo do Calvario, Alma
Catholica, e considera como já crucificado o dulcissimo Jesus em a Santa
Cruz, o levantárão ao alto, deixando-a cahir depancada em a cova, que
para ella tinhão feito, em que se desconjuntou seu sacratissimo corpo; e
vendo tudo isto sua Santissima Mãe, foi tal a dôr, e angustia, que ficou
desmaiada, e quasi sem vida. _Huma breve pausa_.

_Padre nosso, Ave Maria, Gloria Patri_.

Arrepende-te, peccador, etc.

       *       *       *       *       *

_Adoramus te, Christe, etc._


XIII. ESTAÇÃO.


Alma Catholica, considera com ternura, com que amor e caridade forão
José de Arimathéa, e Nicodemus ao monte Calvario, e descendo com toda a
reverencia o corpo de seu Divino Mestre, que estava na Cruz com duros
cravos pregado, o depositárão em os braços de Maria Santissima, onde
contemplarás a dôr, e sentimento, que a angustiada, e magoadissima
teria, vendo em seus braços o seu Santissimo Filho todo cheio de
vergões, e feridas, com afflicção tão grande de haver de dar aquelle
rico thesouro para se pôr no sepulcro. _Huma breve pausa_.

_Padre nosso, Ave Maria, Gloria Patri_.

Arrepende-te, peccador, etc.

       *       *       *       *       *

_Adoramus te, Christe, etc._


XIV. ESTAÇÃO.


Considera, Alma Catholica em como depois de ter estado o Sacratissimo
Corpo do Redemptor do mundo em os braços de Maria Santissima sua
sentidissima Mãe, e de ser ungido pelos Discipulos amantes, que da Cruz
o tinhão tirado com preciosos, e cheirosos unguentos, com hum lençol
muito limpo amortalhado, o depositárão com muita reverencia em o Santo
Sepulcro; e tapando a porta com huma grande pedra, se vio Maria
Santissima, mais que nunca angustiada sem a presença de Jesus seu
unigenito Filho, posta em huma soledade. _Faz-se huma breve pausa_.

_Padre nosso, Ave Maria, Gloria Patri_.

_E logo continuará o que lêr dizendo_:

Contempla agora, Alma devota, em summa todos os tormentos da Paixão do
Redemptor, para que vejas quanto deves ao teu Deus, e te empenhes daqui
em diante em o amar, e servir.

Sete forão as quédas, que deo o nosso amorosissimo Jesus desde o Horto
até a casa de Annaz.

_Respondão_: Louvado seja para sempre tão bom Senhor.

Os pontapés, que lhe derão, forão cento e quarenta e quatro. Louvado
seja, etc.

As punhadas forão cento e cincoenta. Louvado seja, etc.

As bofetadas cento e duas. Louvado seja, etc.

Os golpes no peito, e corpo duzentos e dous. Louvado seja, etc.

Setenta e oito vezes o arrastárão pela corda, que levava atada ao
pescoço. Louvado seja etc.

Trezentas e cincoenta vezes o arrepellárão pelos cabellos, e vinte e
sete vezes o arrastárão delles pella terra. Louvado seja, etc.

Os açoutes, que lhe derão, passárão de cinco mil, e tres vezes chegou ao
transito da morte, estando-o acoutando. Louvado seja, etc.

Quatro vezes lhe puzerão com violencia a corôa de espinhos, que
atravessou sua sagrada cabeça com mil feridas. Louvado seja, etc.

Tres vezes cahio em terra com a santa Cruz. Louvado seja, etc.

Foi seu coração afflicto com setenta e duas angustias. Louvado seja,
etc.

Setenta e duas vezes cuspirão em seu Divino Rosto. Louvado seja, etc.

Ao encravar as mãos, e pés na Cruz, derão setenta e dous golpes de
martello. Louvado seja, etc.

Deu no decurso de sua Paixão cento e nove suspiros. Louvado seja, etc.

Teve em seu Divino corpo seis mil e quatrocentas e setenta e cinco
feridas. Louvado seja, etc.

As gotas de sangue, que derramou, forão duzentas e trinta mil. Louvado
seja, etc.

As lagrimas que chorou pelos nossos peccados, forão seiscentas mil e
duzentas. Louvado seja, etc.

Louvado seja para sempre tão bom Senhor, que tanto quiz padecer pelos
homens, e pelos seus peccados, sendo estes a causa da sua dolorosa
morte, e dos seus tromentos: choremos a seus pés a nossa ingratidão, e
digamos-lhe com dor, e com pezar, o Acto de contrição seguinte:

Amabilissimo Jesus, Redemptor, e Salvador meu, unica felicidade da minha
alma, e Pae gloriosissimo de infinita misericordia, conheço, Senhor, e
confesso, que ainda que vos amara com todos os corações, e com todo o
amor, que vos tem os Justos, Santos, e Serafins, e com o que vos amou
vossa Santissima Mãe, não correspondia ao amor, com que por mim déstes a
vida; mas ai de mim, que a satisfação deste amor sempre forão culpas.
Peza-me, meu Jesus, de todas, que tenho commettido, por serdes quem
sois, summamente bom e dignissimo de ser amado. Proponho com vossa graça
a emenda da vida, e espero que me haveis de perdoar pelo vosso amor, e
pela vossa morte, pelo vosso sangue, pelas vossas chagas, pelos vossos
tormentos, e pela vossa infinita misericordia. Jesus meu, misericordia;
meu Jesus, misericordia; meu Redemptor, misericordia.



LADAINHA. DE NOSSA SENHORA.


Kyrie eleison.
Christe eleison,
Kyrie eleison.
Christe audi nos.
Christe exaudi nos.
Pater de Coelis Deus, Miserere nobis.
Fili Redemptor mundi Deus, Miserere nobis.
Spiritus Sancte Deus, Miserere nobis
Sancta Trinitas unus Deus, Miserere nobis.
Sancta Maria,
Sancta Dei Genitrix, Ora pro nobis
Sancta Virgo Virginum, Ora pro nobis
Mater Christi, Ora pro nobis
Mater Divinae gratiae, Ora pro nobis
Mater purissima, Ora pro nobis
Mater castissima, Ora pro nobis
Mater inviolata, Ora pro nobis
Mater intemerata, Ora pro nobis
Mater amabilis, Ora pro nobis
Mater admirabilis, Ora pro nobis
Mater Creatoris, Ora pro nobis
Mater Salvatoris, Ora pro nobis
Virgo prudentissima, Ora pro nobis
Virgo veneranda, Ora pro nobis
Virgo praedicanda, Ora pro nobis
Virgo potens, Ora pro nobis
Virgo clemens, Ora pro nobis
Virgo fidelis, Ora pro nobis
Speculum justitiae, Ora pro nobis
Sedes sapientiae, Ora pro nobis
Causa nostrae laetitiae, Ora pro nobis
Vas spirituale, Ora pro nobis
Vas honorabile, Ora pro nobis
Vas insigne devotionis, Ora pro nobis
Rosa Mystica, Ora pro nobis
Turris Davideca, Ora pro nobis
Turris eburnea, Ora pro nobis
Domus aurea, Ora pro nobis
Foederis arca, Ora pro nobis
Janua Coeli, Ora pro nobis
Stella matutina, Ora pro nobis
Salus infirmorum, Ora pro nobis
Refugium peccatorum, Ora pro nobis
Consolatrix afflictorum, Ora pro nobis
Auxilium Christianorum, Ora pro nobis
Regina Angelorum, Ora pro nobis
Regina Patriarcharum, Ora pro nobis
Regina Prophetarum, Ora pro nobis
Regina Apostolorum, Ora pro nobis
Regina Martyrum, Ora pro nobis
Regina Confessorum, Ora pro nobis
Regina Virginum, Ora pro nobis
Regina Sanctorum omnium, Ora pro nobis
Regina Immaculata, & Mater Fratrum Minorum, Ora pro nobis
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi, Parce nobis Domine.
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi, Exaudi nos, Domine.
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi, Miserere nobis.

[/V.] Ora pro nobis, Sancta Dei Genitrix.

[/R.] Ut digni efficiamur promissionibus Christi.


_Oremos_.

Gratiam tuam, quaesumus, Domine, mentibus nostris infunde, ut qui,
Angelo nuntiante, Christi Filii tui Incarnationem cognovimus, per
Passionem ejus, & Crucem, ad Resurrectionis gloriam perducamur. Per
eumdem Christum Dominum nostrum. Amen.



PRECES, E DEPRECAÇÕES DEVOTAS.

PARA CADA UM FAZER

A JESU CHRISTO

SALVADOR NOSSO,

_No decurso de trinta e tres dias_.


ESTAS SE DEVEM PRINCIPIAR EM QUALQUER SEXTA FEIRA DO ANNO, DIANTE DE UMA
IMAGEM DE CHRISTO CRUCIFICADO COM UMA VELA ACCESA. FEITA ESTA DEVOÇÃO
COM MUITA FE, ALCANÇARÁ CADA UM O QUE PERTENDE, E DESEJA, SENDO COUSA
LICITA, E JUSTA.


DIA PRIMEIRO.

_Sexta feira_.


Resará com devoção, e com os olhos cm Christo crucificado, cinco vezes o
Padre nosso, Ave Maria, e Credo; e depois contemplará a honra, que o
Senhor fez, a seus Discipulos, dando-lhes a comer o seu Sagrado Corpo, e
a beber o seu precioso Sangue.


_Offerecimento para todos os dias_.

Minha querida Senhora, Mãe de meu Senhor Jesu Christo. Misericordia.
Chagas de meu Senhor Jesu Christo. Misericordia.
Sangue precioso de meu Senhor Jesu Christo. Misericordia.
Corôa de espinhos de meu Senhor Jesu Christo. Misericordia.
Cruz de meu Senhor Jesu Christo. Misericordia.
Lagrimas de meu Senhor Jesu Christo. Misericordia.
Sepulcro de meu Senhor Jesu Christo. Misericordia.
Morte de meu Senhor Jesu Christo. Misericordia.
Lagrimas da Virgem Maria minha Senhora. Misericordia.
Resurreição de meu Senhor Jesu Christo. Misericordia.
Assenção admiravel de meu Senhor Jesu Christo. Misericordia.
Espirito Santo Consolador. Misericordia.
Santissimo Sacramento do Altar. Misericordia.
Santissimo Sacramento do Altar. Misericordia.
Santissimo Sacramento do Altar. Misericordia.
Virgem purissima admiravel. Misericordia.
Soberana Rainha dos Anjos. Misericordia.

Purissima Mãe de Deus, e Templo da Santissima Trindade, pela verdadeira
fé, que todos temos, de que em vós se encerrou o Verbo Divino, com essa
mesma vos pedimos, e pela Sagrada Paixão, e Morte de Nosso Senhor Jesu
Christo nos alcanceis o feliz despacho da mercê, que nestas Preces lhe
pedimos, tudo para honra, e gloria de vosso querido Filho, é vossa.
Amen.


DIA SEGUNDO.

_Sabbado_.


Rezará o mesmo como no primeiro dia, contemplando, e offerecendo á honra
da dôr, que o Senhor sentio, quando fez oração a seu Eterno Pae, suando
sangue, que correo pela terra.


DIA TERCEIRO.

_Domingo_.


Rezará o mesmo á honra da dôr, que o Senhor sentio, quando os filhos da
maldição o prenderão, contemplando os repelões, e empuxõees, que lhe
derão.


DIA QUARTO.

_Segunda feira_.


Rezará o mesmo á honra de quando levárão o Senhor a casa de Annaz,
contemplando a dôr, que sentio, quando lhe derão a bofetada.


DIA QUINTO.

_Terça feira_.


Rezará o mesmo á honra da dôr, que teve o Senhor, quando o leváram a
casa de Caifaz, e diante dele lhe derão os Judeos bofetadas, e
arrancárão seus Sagrados cabellos.


DIA SEXTO.

_Quarta feira_.


Rezará o mesmo á honra de quando mostrárão o Senhor ao Povo, e o
trouxerão ás voltas, e de rastos, e do sangue que então derramou.


DIA SETIMO.

_Quinta feira_.


Rezará o mesmo á honra da dôr, que o Senhor teve, quand lhe fizerão
perguntas, e o accusárão com testemunhas falsas; e Caifaz rasgou as
vestiduras, dizendo que blasfemára, e todos disserão, que merecia a
morte.


DIA OITAVO.

_Sexta feira_.


Rezará o mesmo á honra da dôr, que o Senhor sentio, quando o levárão a
casa de Pilatos.


DIA NONO.

_Sabbado_.


Rezará o mesmo á honra da dor, que o Senhor sentio, quando julgárão ser
Barrabaz mais digno de lhe darem vida.


DIA DECIMO.

_Domingo_.


Rezará o mesmo á honra da dôr que o Senhor sentio, quando Pilatos o
mandou a Herodes, o qual escarneceo delle com toda a Côrte, e o vestio
com uma vestidura branca.


DIA ONZE.

_Segunda feira_.


Rezará o mesmo á honra de quando levárão o Senhor segunda vez a casa de
Pilatos, puxando-lhe cruelmente pela corda, e dando-lhe empuxões.


DIA DOZE.

_Terça feira_.


Rezará o mesmo á honra da dôr, que o Senhor teve, quando defendendo-o
Pilatos da morte, não o pôde conseguir, e o mandou açoutar cruelmente.


DIA TREZE.

_Quarta feira_.


Rezará o mesmo á honra da dôr, que o Senhor teve quando lhe puzerão a
corôa de espinhos em sua Sacrosanta Cabeça, e do muito sangue, que
derramou.


DIA QUATORZE.

_Quinta feira_.


Rezará o mesmo á honra da dôr, que o Senhor teve, quando com uma canna
lhe derão sobre a corôa de espinhos, dizendo-lhe: Deus te salve, Rei dos
Judeos.


DIA QUINZE.

_Sexta feira_.


Rezará o mesmo á honra da dôr, que o Senhor teve quando com grande
crueldade o despirão de todos os seus vestidos, e lhe vestirão uma
vestidura vermelha com grande escarneo.


DIA DEZESEIS.

_Sabbado_.


Rezará o mesmo á honra da dôr, que o Senhor teve, quando Pilatos o
mostrou por uma janella aos Fariseos, e ao Povo, dizendo: Eis aqui o
Homem; e de, como o Senhor estava lastimoso, e chagado, que apenas tinha
semelhança de homem.


DIA DEZESETE.

_Domingo_.


Rezará o mesmo á honra da dôr, que o Senhor teve, quando ouvio dizer aos
Fariseos: Crucifica-o, crucifica-o.


DIA DEZOITO.

_Segunda feira_.


Rezará o mesmo á honra da dôr, que o Senhor teve, quando ouvio dizer aos
Fariseos, que o seu sangue cahisse sobre elles, e sobre seus filhos,
dizendo Pilatos, que lavava as mãos de seu sangue e de sua innocencia.


DIA DEZENOVE.

_Terça feira_.


Rezará o mesmo á honra da dôr, que o Senhor teve, quando Pilatos lhe deo
a sentença de morte de Cruz.


DIA VINTE.

_Quarta feira_.


Rezará o mesmo contemplando nas affrontas, com que o Senhor foi levado a
crucificar, pondo-lhe a Cruz aos hombros, com a qual cahio muitas vezes.


DIA VINTE E UM.

_Quinta feira_.


Rezará o mesmo á honra de quando a santa mulher lhe deo o lenço, com o
qual o Senhor alimpou seu Sagrado Rosto, e nelle ficou sua Santa
Effigie.


DIA VINTE E DOUS.

_Sexta feira_.


Rezará o mesmo á honra, da dôr que o Senhor teve e sua Mãe Santissima,
quando se virão entre a multidão de gente, e o buscou, desprezando-a os
Judeos.


DIA VINTE E TRES.

_Sabbado_.


Rezará o mesmo á honra da dôr que o Senhor teve, quando com impeto o
despirão, levando-lhe na tunica a pelle, que pelas suas Sacrosantas
Chagas estava pegada, sendo assim pregado na Cruz no alto do monte
Calvario.


DIA VINTE E QUATRO.

_Domingo_.


Rezará o mesmo á honra da grande dôr, que o Senhor teve, quando
levantarão seu sagrado corpo, já pregado na Cruz.


DIA VINTE E CINCO.

_Segunda feira_.


Rezará o mesmo á honra da dôr, que o Senhor sentio, vendo que os Judeos
jogavão, e repartião suas Sagradas vestiduras.


DIA VINTE E SEIS.

_Terça feira_.


Rezará o mesmo á honra das sete palavras, que o Senhor deo na Cruz.


DIA VINTE SETE.

_Quarta feira_.


Rezará o mesmo á honra de quando disse o Senhor ao bom ladrão, que
naquelle dia seria com elle no Paraiso.


DIA VINTE E OITO.

_Quinta feira_.


Rezará o mesmo á honra da dôr, que o Senhor teve, quando vio a sua
Santissima Mãe derramando muitas lagrimas, pedindo-lhe a não
desamparasse, ao que respondeo o Senhor: Mulher, ahi tens teu Filho; e
ao Discipulo: Ahi tens tua Mãe.


DIA VINTE E NOVE.

_Sexta feira_.


Rezará o mesmo á honra da hora, em que o Senhor espirou na Cruz por
nosso amor.


DIA TRINTA.

_Sabbado_.


Rezará o mesmo á honra de quando o Soldado abrio o lado ao Senhor, já
morto, e sahio delle sangue e agua.


DIA TRINTA E UM.

_Domingo_.


Rezará o mesmo á honra, e veneração de como o Senhor foi tirado da Cruz,
e o recebeo sua Mãe Maria Santissima em os braços, e da grande dôr da
purissima Senhora, que sentio neste passo.


DIA TRINTA E DOUS.

_Segunda feira_.


Rezará o mesmo á honra de como foi levado o corpo do Senhor á Sepultura,
sendo com muitas lagrimas sepultado.


DIA TRINTA E TRES.

_Terça feira_.


Rezará o mesmo á honra do sentimento, e saudades, que a Senhora teve de
seu Sagrado Filho deixando-o no sepulcro.



COLLOQUIO A JESU CHRISTO E A MARIA SANTISSIMA. AO PÉ DA CRUZ.

_Que se deve repetir, quando se fizerem estas preces_.


Oh amoroso Pae, e Senhor de minha alma, que bem cumpristes vossa
palavra, que não nos deixarieis orfãos, ausentando-vos desta vida; pois
na pessoa do discipulo, que tanto amaveis, nos déstes tal Mãe, e amparo,
a ella communicastes todos os poderes da graça, a ella as entranhas
amorosas de vossa miserícordia, que por isso está junto á Cruz, em que
morreis pelos peccadores, para que veja o mundo como se ha de compadecer
de seus trabalhos! Oh Virgem Sacratissima, lembrai-vos das dóres, que
vos custárão estes filhos ao pé da Cruz, fazei os filhos da mão direita,
como fizestes ao Discipulo amado, e já que somos filhos de vossas dôres,
não premittais o não sejamos de vossa graça: eu protesto. Senhora, de
vos servir, e amar, como servo fiel, e verdadeiro, acompanhando-vos em
vossos trabalhos: não me falteis com a vossa protecção, pois em vossa
mão está o remedio de minha alma para alcançar a eterna Bemaventurança.
Amen.



DEVOÇÃO Á SANTA CRUZ.

PARA O TEMPO DE QUALQUER ATTRIBULAÇÃO.


Da bemdita Cruz
Ao lenho sagrado,
Em que o bom Jesus
Foi por nós pregado,

  Todos tributemos
Respeito profundo,
Porque n'elle temos
Redempção do mundo.

  E se em Portugal
Algum cego peito
Por seu grande mal
e nega respeito,

  Serve de terceira,
Ó Cruz adorada,
Para tal cegueira
Ser alumiada.

  Padre, Filho e Amor,
A vós seja dado,
Rendido louvor
Por todo o creado.

  E pois que na Cruz
Nos destes victoria,
Dai-nos vêr Jesus
Na celeste gloria      Amen.

  [/V.] Este nobre signal
  Em que sempre venceu,

  [/R.] Protesta Portugal
  Que será sempre seu.


OREMOS.

Prostrados diante da vossa Cruz, humildemente vos rogamos, Divino
Redemptor, que mediante a vossa graça ponhamos sempre n'este bemdito
signal a nossa maior honra e por sua virtude logremos os fructos eternos
do vosso sacrificio. Que viveis e reinais por todos os seculos dos
seculos. Amen.


FIM.



COLLOCAÇAO DAS ESTAMPAS

Adoração ao SS.--(no frontispicio)
N. S. Crucificado--(em frente da pagina)
Annuncição--(em frente da pagina)
N. S. da Conceição da Rocha--(em frente da pagina)



INDICE DO QUE NESTE LIVRO SE CONTEM


Advertencia ao leitor

Acto que se deve fazer no principio de todas as visitas ao SS.
Sacramento

Visitas ao SS. Sacramento e Maria Santissima

Jaculatorias para se dizerem diante do Santissimo Sacramento

Jaculatorias em desagravo ao SS. Sacramento

Terço ao SS. Sacramento

Ladainha ao SS. Sacramento

Ladainha da Paixão e Morte de Jesu Christo

Oração a N. S. Jesu Christo Sacramentado

Exercicio para antes e depois da Confissão e Communhão

Religiosos Protestos

Supplicas para pedir perdão a Deus

Oração Prodigiosa a N. Senhora

Methodo de ouvir Missa perfeitamente

Modo de resar a Coroa das Dores de Maria SS

Devoção ao SS. Sacramento para a hora, e dia em que foi instituido

O Tantum Ergo "em portuguez"

Adoração de Santo Thomaz ao SS. Sacramento

Modo de assistir ao Sagrado Lausperenne

Jaculatorias para adorar ao SS. Sacramento pelos Attributos do seu Amor e
Grandesa

Jaculatorias para se dizerem diante do SS. Sacramento

Psalmos que se recitão acompanhando o SS. para casa do enfermo

Cantico a Maria SS. "ou a Magnifica"

Cantico de Zacharias

Novena das Almas do Purgatorio

Devoção das Almas do Purgatorio

Oração e rogativa a N. Senhora da Conceição para todas as necessidades
geraes e particulares, e mui propria para implorar os poderes de seu
patrocinio diante da sua milagrosa imagem apparecida

Officio d'agonia

Via-Sacra abreviada

Ladainha de Nossa Senhora

Preces e deprecações devotas para cada um fazer a Jesu Christo

Colloquio a Jesu Christo e a Maria Santissima ao pé da Cruz

Devoção á Santa Cruz



Notas:


[*] Joan. Cap. XIII. Luc. Cap. XXII. Marc. Cap. XIV. Matth. Cap. XXVI.



Notas acrescentadas em edição:


[1] Página 11:

     _Meu Jesus, creio que vós estais no SS. Sacramento: amo-vos sobre
     todas as cousas, e vos desejo receber agora dentro na minha alma:
     já que não posso receber-vos sacramentalmente, vinde ao menos
     espiritualmente ao meu coração; e como vos tivera já recebido, eu
     vos abraço, e me uno todo a vós. Ah! Senhor, não permittais que eu
     jámais de vós me aparte_.

     Ou mais breve: _Creio, meu Jesus, que estais no SS. Sacramento:
     amo-vos, e desejo muito receber-vos, vinde ao meu coração: eu vos
     abraço; não vos ausenteis de mim_.


[2] Página 19:

     Minha vontade está prompta
     Para seguir-vos, Senhor,
     Sejão firmes meus desejos,
     Seja firme o meu amor.

     Quem me déra estar seguro
     De nunca mais offender-vos;
     Meu Deus, quem me déra ser
     O maior de vossos servos.

     Meu coração vos pertence,
     Meu adoravel Senhor,
     Prendei-o bem preso ao vosso
     Com prisões de puro amor.

     Governai, meu bom Jesus,
     Governai meu coração,
     Não consintais que nelle entre
     A menor imperfeição.

     Que mais póde appetecer
     Um verdadeiro Christão,
     Do que amar sempre seu Deus
     Com todo o seu coração?

     Bemdito e louvado seja
     O meu Jesus adorado,
     Bemdito seja para sempre
     O meu Deus Sacramentado


[3] Página 22:

     Virgem Soberana, eu vos rogo
     Sejais minha valedora;
     Se Deus me não tem ouvido,
     Fallai-lhe por mim nest'hora.

     Sois minha Mãe, a esses braços
     Eu corro e me vou lançar;
     Ainda que ingrato, sou filho,
     E não me haveis de espancar.

     De Deus tambem vós sois Mãe,
     Pedi-lhe que me perdoe;
     Dizei-lhe veja o meu peito,
     Que já se arrepende, e doe.

     Mettei no Divino Lado
     A vossa poderosa mão;
     Tirai enchentes de graças
     Dentro do seu coração.

     Na minha alma as entornai,
     De impura fique innocente;
     E da mais pura mancha
     Fique limpa de repente.

     De tibia e frouxa se torne
     Extremosa e vigilante:
     De ingrata e rebelde seja
     Desde hoje terna e constante.

     Para gloria do vosso nome,
     Por tão subidos favores,
     Mandarei do Ceo e terra,
     Agradecidos clamores.


[4] Página 149:

     1


       Ah! quem pudera
     Aqui viver,
     Nada do mundo
     Tornar a ver.


     2


       Com Deus vivendo,
     Com Deus fallando,
     A vida assim
     Ir acabando.


     3


       Unida sempre
     Ao meu Senhor,
     Morrer á força
     Do seu amor.


     4


       De Deus meu peito
     Seja a morada,
     Com elle eu viva
     Extasiada.


     5


       Faze, meu Deus,
     Habitação,
     N'esta minh'alma,
     E coração.


     6


       Os meus suspiros;
     Minha anciedade,
     Assás te mostrão
     Minha saudade.


     7


       Carne Divina,
     Doce alimento,
     Tu da minh'a alma
     És o sustento.


     8


       Qual Pelicano,
     Rasgando o peito,
     Prende-me até
     Em laço estreito.


     9


       Vivo Sacrario
     Meu peito seja
     De quem minh'alma,
     Tanto deseja.


     10


       Sacramentado,
     Na Eucharistia,
     Fica em meu peito
     De noute, e dia.


     11


       Ah! Não permittas
     Que um só momento,
     De ti se affaste
     Meu pensamento.


     12


       Doces prazeres
     Só pode achar,
     Quem de Jesus
     Chega a gostar.


     13


       Meus Deus appressa.
     Aquelle dia,
     De eterna paz,
     Doce alegria,


     14

       Então gozando,
     Já sem temor,
     De não perder
     O teu amor.


     15


       Eu cantarei,
     Alegremente,
     Jesus é meu
     Eternamente.


     16


       Heide amal-o sempre
     Heide sempre vêl-o
     Sempre adoral-o!
     Nunca offendel-o!


     17


       Ah! doce Jesus,
     Tem de mim piedade
     Acabe os meus dias
     A tua saudade.


[5] Página 347:

    Senhor Deus, que nos deixastes os signaes da vossa Paixão no Santo
    Sudario, em o qual foi envolto vosso Corpo Santissimo quando por
    José foi descido da Cruz; concedei-me piedoso Senhor, que por vossa
    morte, e sepultura sejamos levados á Gloria da Ressurreição, em que
    viveis e reinas com Deus Padre em unidade do Espirito Santo, por
    todos os seculos dos seculos. Amen.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Visitas ao Santissimo Sacramento e a Maria Santissima para todos os dias do mez" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home