Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: O Ensino da Historia da Arte nos Lyceus e as excursões escolares
Author: Vasconcellos, Joaquim de, 1849-1936
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O Ensino da Historia da Arte nos Lyceus e as excursões escolares" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



of public domain material from Google Book Search)



O ENSINO

DA

HISTORIA DA ARTE NOS LYCEUS

E

AS EXCURSÕES ESCOLARES

POR

Joaquim de Vasconcellos



PORTO

Typ. de A. J. da Silva Teixeira, Successora

Rua da Cancella Velha, 70

1908



O Ensino da Historia da Arte nos Lyceus

E

AS EXCURSÕES ESCOLARES


Os Documentos que vão lêr-se prendem-se com um problema que julgo de
immediato interesse e da maior influencia educativa. A circular de 25 de
outubro de 1906 é a que recommenda a organisação das _excursões
escolares_, como elemento pedagogico de capital importancia.

Não é de agora o empenho com que me occupo do assumpto. Ha mais de
trinta annos (1877) que em artigos avulsos da imprensa, conferencias
publicas, opusculos e volumes de critica e de pedagogia da Arte, ando
propondo a solução racional e mais economica, dentro dos nossos usos e
costumes, isto é: conforme as boas tradições da arte e da vida
portugueza.

O assumpto vae ser debatido muito brevemente pelo Conselho do Lyceu
El-Rei D. Manoel II. Os documentos são ineditos.

É necessario advertir que o elemento estampa, que as figuras (e portanto
a _Arte_) inundaram==é este o termo==os livros, destinados á instrucção
primaria e secundaria, porque o programma official dos concursos de
compendios exige as illustrações, que são applicadas, muitas vezes, sem
sombra de criterio, sem o menor respeito pelas leis da esthetica. Já não
fallarei do criterio pedagogico, revelado na escolha d'ellas[1]... Esta
questão é apreciada em outro logar[2].

Porto, 1 de novembro de 1908.

                                                 _Joaquim de Vasconcellos._



DOCUMENTO I


                                  Ill^mo Ex^mo Snr. Reitor do Lyceu Central
                                            do Porto _El-Rei D. Manuel II_.

Já em sessão do Conselho do Lyceu[3], agradeci a honra de me haverem
convidado para collaborar no programma que convém organisar, no intuito
de satisfazer os varios fins do problema educativo que a Circular de 25
de outubro de 1906 da Direcção Geral de Instrucção Publica recommenda á
attenção do corpo docente dos Lyceus.--Hoje renovo o meu agradecimento e
repito que apenas sobre um dos pontos do programma da circular me posso
pronunciar com conhecimento de causa; o que se refere á visita dos
alumnos aos nossos _monumentos nacionaes_.

Não pertenço ao grupo dos professores que leccionam sciencias physicas e
naturaes, nem ao grupo que ensina geographia e historia. A esses
especialmente compete responder. Como adjunto me considero pois,
sómente, como vogal supplementar a quem os seus estudos especiaes sobre
a historia da arte e das industrias portuguezas, feitos ha dezenas de
annos, dão voto no problema educativo. É unicamente como escriptor e
pedagogo, que tenho sido n'esses assumptos de educação artistica, que
posso prestar algum serviço; como professor do Lyceu não poderia ter
competencia n'uma materia que em nenhum Lyceu do reino é ensinada.

Devo dizer, a proposito, que semelhante materia--_estudo dos Monumentos
Nacionaes_--portanto estudo da Arte, em geral, e das suas varias
manifestações decorativas--é hoje ensinada unicamente na Escola de
Bellas-Artes de Lisboa, em tres cadeiras, segundo a ultima organisação
(Reforma de 14 de novembro de 1901)[4]. A Escola irmã do Porto não tem
esse ensino, nem sombra d'elle. Estão no mesmo caso as duas Escolas ou
Academias polytechnicas de Lisboa e Porto, os dois Institutos
industriaes das mesmas cidades e ainda todas as Escolas Industriaes do
Reino, apesar de serem de fundação recente (1883-84).

Comtudo, em todos esses estabelecimentos de ensino (e inclusive na
propria Universidade de Coimbra, cadeira de Desenho annexa á faculdade
de Philosophia), o ensino das formas da arte entra, com mais ou menos
desenvolvimento, como disciplina obrigada. Esqueceu-se porém o
legislador, esqueceram-se os pedagogos officiaes de nos dizer como é que
o ensino das formas, quer pelo desenho (lapis ou pincel), quer pela
esculptura (escopro ou cinzel), quer pelo esquadro em linhas
architectonicas--se pode realisar, quando alumnos e professores ignoram
por completo a genese historica d'essas formas e a esthetica que d'ellas
se deriva, em ultima instancia!

Sublinho muito de proposito esta anomalia para que ninguem supponha que
é problema facil ensinar a alumnos de qualquer Lyceu, mesmo nas classes
superiores (6.ª e 7.ª) o methodo pelo qual se chega a uma apreciação,
embora muito summaria, mas sensata de qualquer monumento, quer sob o
aspecto esthetico, quer sobre o ponto de vista historico. Esses alumnos
têm comtudo, sempre noções sufficientes das outras disciplinas
(Sciencias physicas e naturaes--Geographia e Historia) que poderão
utilisar praticamente nas excursões escolares. Da arte, porém, e
mórmente da architectura, não possuem a minima noticia. E não se diga
que se trata de especialisar, de proceder a estudos technicos, dentro de
um programma que pertence só ás escolas especiaes. Mesmo reduzindo a
exposição ao mais elementar, dando á Arte apenas o papel de companheira
da Historia, ainda fica margem para serios estudos, ainda são graves as
difficuidades que encontro.

A inclusão do ensino da Historia da Arte no programma dos Lyceus
centraes seria evidentemente o meio mais efficaz de interessar o alumno
no estudo dos monumentos nacionaes e, por meio d'elles, no estudo de
todas as tradições patrias, no estudo do nosso solo, dos nossos
costumes, da historia intima da familia portugueza. Não é uma utopia.

O decreto de 14 de novembro de 1901 já diz no preambulo textualmente:
«Lá fóra, cadeiras de historia da arte estão appensas ao ensino
secundario, como explicação, ora causal, ora integrante dos successos da
historia social e politica.» (L. cit., pag. 70). Poderei, se fôr
preciso, apresentar a V. Ex.^a e ao Conselho do Lyceu numerosos volumes
nas linguas allemã e franceza que servem de compendios de Historia da
Arte nas varias classes do ensino lyceal da Allemanha e França, tanto
para o sexo masculino, como para o sexo feminino. Limito-me aqui a citar
apenas as obras magistraes do Prof. Wilhelm Lübke de Stuttgart, não as
grandes monographias sobre a historia da architectura, esculptura,
pintura, etc., mas sómente os resumos methodicos com o caracter de
vulgarisação e de propaganda em grande escala, para intelligencias
medianas, resumos que têm sido traduzidos em quasi todas as linguas
vivas europeias.

O estudo da historia da arte e o modo como ella é divulgada no ensino
secundario, influiu até no ensino da historia, propriamente dito,
transformando-o, ampliando-o. Vejamos:

Ha mais de 25 annos que o ensino da historia começou a ser facultado na
Allemanha aos dous sexos, de modo a ligar os factos politicos com as
tradições, as manifestações da arte, e com os costumes sociaes. O que
foi historia, segundo a idéa limitada do _chronista_, transformou-se na
pintura da civilisação de um paiz. Os allemães crearam o termo:
_Culturgeschichte_ para caracterisar esse novo processo de escrever e de
ensinar a historia. Assim vemos, por exemplo, já n'uma obra notavel de
E. Döring: _Lehrbuch der Geschichte der alten Welt für höhere Schulen_
(Manual da historia do Mundo antigo para escolas secundarias, Frankfurt
a/M. ed. M. Diesterweg, 1880) a historia politica dos povos orientaes,
dos gregos e dos romanos, ligada á mythologia, á historia da arte e ao
quadro da civilisação antiga. Illustram os volumes gravuras dos mais
famosos monumentos, reproducções das mais celebres estatuas e pinturas
muraes; são chamados a depôr os productos afamados da arte ceramica e da
glyptica, que tão fielmente nos descrevem as scenas da vida intima dos
antigos. Os trajes, os utensilios domesticos, a vida do palco e da
officina, nada falta n'esse compendio de historia. O estudo da
architectura vae, por exemplo, até á analyse das plantas dos edificios
(templos, theatros) e dos seus elementos constructivos (systema das tres
ordens). E comtudo esta obra nunca deixa de ser um compendio de
historia, com o caracter de texto para o ensino secundario (_für höhere
Schulen_).

Já em 1891 um auctor inglez (Morse Stephens) tentou n'uma _Historia de
Portugal_[5] um processo parecido, illustrando o texto com grande
abundancia de imagens, sem comtudo pretender imitar, nem de longe, o
methodo pedagogico, transcendente, do auctor allemão citado.

Os novos modelos estrangeiros não passaram desapercebidos em Portugal a
um ou outro amigo da instrucção. O benemerito escriptor Trindade Coelho
no seu volume intitulado _Pão Nosso_--Leituras elementares e
encyclopedicas para uso do povo (Lisboa, Aillaud, 1904) inclue um
capitulo _Arte_ (pag. 245-256), que abrange a _Architectura_,
_Esculptura_ e _Pintura_ e por fim _Monumentos de Portugal_, com 14
grav., entrando na ultima secção vistas do mosteiro dos Jeronymos e da
Batalha. O unico reparo que devemos fazer a esta tentativa corajosa e
benemerita, é a reducção extrema do assumpto a 15 pag., quando em tão
limitado espaço apenas caberia uma menção resumida dos edificios
notaveis portuguezes sómente e da sua significação historica.

É sob este ponto de vista, n'esta intima relação que deve ser
recommendado o estudo dos nossos principaes monumentos aos alumnos dos
Lyceus. O professor de historia deve entender-se sempre com o
especialista que houver de fazer a exposição propriamente technica e
esthetica. E quando digo _especialista_, sublinho o termo, porque
excluindo do terreno o erudito que pode cançar o alumno com uma tarefa
excessiva, ponho tambem de parte o curioso, que o enfastiará com
banalidades. Só quem conhece um assumpto a fundo é que póde gradual-o em
harmonia com o sentir e pensar de um auditorio, cuja capacidade no caso
sujeito--o dos Lyceus--deve variar muito.

Os Mosteiros de Belem e da Batalha, a collegiada de Nossa Senhora da
Oliveira, os templos de Alcobaça e Leça do Balio, as Sés de Lisboa,
Porto e Coimbra, as creações polymorphas de Thomar e Cintra e muitas
outras, estão tão intimamente ligadas á vida historica da nação
portugueza, que não é possivel ao moderno prelector separar o elemento
_arte_ da narrativa do chronista, tanto menos que os antigos escriptores
foram quasi sempre de um laconismo desesperador em materia d'arte, e
devem ser corrigidos e completados a cada passo, dentro da aula e fóra
d'ella, durante as excursões. Temos tido occasião de verificar centos de
vezes perante os monumentos, que estes e as suas pedras desmentem os
chronistas.

Deve exigir-se pois ao professor de historia dos nossos Lyceus o
conhecimento da historia da arte e da archeologia, tanto quanto fôr
necessario para a informação dos seus respectivos alumnos. Para elle se
habilitar com esse ensino, é forçoso crear cursos livres,
sufficientemente remunerados, junto dos Lyceus, para os quaes o Governo
deverá chamar os especialistas de merito comprovado.

Até então, terá o professor de historia de contentar-se com a sorte que
o poderá favorecer com o concurso de um collega ou de pessoa estranha ao
Lyceu, bastante habilitada e intelligente para comprehender o modesto
cargo de _commentador_ technico das excursões que revestirem um caracter
artistico; bastante enthusiasta e amante da sua terra para pôr em
relevo, n'uma demonstração de esthetica pratica, applicada, o que
constitue o sentimento do Bello na Arte e o seu reflexo sobre a alma
portugueza.

Esse commentario artistico não é, nem póde ser o que se faz no ensino
academico aos alumnos que se encaminham para o estudo das Bellas-Artes.
É uma _iniciação_ no estudo elementar das fórmas da arte, mórmente na
architectura e nas artes decorativas, que d'ella dependem, iniciação
para a qual se exige a collaboração assidua do alumno, que deverá levar
sempre debaixo do braço o seu album ou caderno de notas, para aprender a
tomar apontamentos e a fazer pequenos esbocetos _in loco_.

Em casa deverá ampliar e completar as notas tomadas segundo um
_Questionario_ adequado.

Resumo as minhas conclusões:

    1.º O estudo dos Monumentos Nacionaes é necessario no ensino
    secundario dos Lyceus centraes, pelo menos.

    2.º Este estudo não póde realisar-se proficuamente sem um estudo
    parallelo dos elementos essenciaes da historia da arte.

    3.º Este estudo póde e deve ser feito como Commentario ao Curso de
    Historia, pelos seguintes meios:

       a) Excursões escolares dos alumnos das classes mais adeantadas.

       b) Commentario technico e esthetico perante o monumento, á altura
       da capacidade dos alumnos.

       c) Notas, esboços e reproducções photographicas, tiradas nas
       respectivas localidades.

    4.º É necessario crear, desde já, os Cursos livres sobre historia da
    Arte, especialmente da _Arte nacional_, junto dos Lyceus centraes,
    emquanto não se incluir o ensino regular das fórmas da Arte no
    Quadro das disciplinas do Lyceu para ambos os sexos, conforme existe
    ha muito nos Lyceus de França e Allemanha.

    5.º É necessario ir juntando, desde já, o material de demonstração,
    colleccionando estampas, photographias e reproducções em gesso, que
    sirvam para o estudo, o que póde ser feito, aproveitando os
    trabalhos dos alumnos e quaesquer publicações nacionaes de valor,
    por exemplo, a excellente collecção da Casa Biel do Porto: _A Arte e
    a Natureza em Portugal_, que já apresenta um inventario artistico
    muito variado e muito valioso (73 fasc. a 4 est., total 292, com
    texto em portuguez e francez), publicação economica que está até ao
    alcance dos alumnos, porque os fasc. vendem-se separadamente a 500
    reis.


    P. S. A obra está agora concluida em 8 vol. a 12 fasc. cada um. Cada
    fasc. a 500 reis, com 4 est. e 8 pag. de texto (Nota accrescentada
    em Outubro de 1908).



DOCUMENTO II


                                                          Ill^mo Ex^mo Snr.

Alguns collegas meus do Lyceu, que V. Ex.^a dignamente dirige e ainda
outros do Lyceu da 1.ª zona, alguns dos quaes assistiram ás minhas
_Conferencias sobre Historia da Arte nacional_, realisadas no Museu da
Academia portuense de Bellas-Artes nos meses de junho e
julho--manifestaram-me o desejo de as ouvir novamente, seguidas.

Raros foram os que assistiram a todas as cinco; e aquelles que só
ouviram fragmentos transmittiram-me, com o desejo acima formulado, os
votos dos collegas que, por dever do officio, não lograram assistir a
nenhuma; estes ultimos, com mais razão ainda, pediam e pedem a
repetição.

Parece-me, Ex^mo Snr., que n'este caso devo ser grato a manifestações
tão honrosas e corresponder ao desejo com a offerta de serviço maior e
mais effectivo do que aquelle que tentei em julho proximo passado.

Em vez de um Curso de _historia da arte romanica archaica_, da historia
de _um_ periodo, embora de capital importancia--offereço-me para
organisar um Curso graduado e completo da _Historia da Arte comparada_,
especialmente da Arte Nacional, em lições semanaes, ás quintas-feiras, e
se fôr necessario e a Lei o permittir, poderei reforçar esse Curso com
uma prelecção ao domingo, em quanto durar o anno lectivo.

Os meus dignos collegas que em ambos os Lyceus regem proficientemente as
cadeiras de Historia geral e especial, foram os primeiros a applaudir a
ideia que, em embrião, exponho a V. Ex.^a, para que se digne submettel-a
á consideração, ao superior criterio do Conselho do Lyceu, que a poderá
corrigir e completar, pois sendo uma innovação poderia parecer excesso
de trabalho n'um programma de estudos, já carregado soffrivelmente.

Trata-se, porém, de uma materia que só pede ouvintes _voluntarios_ e não
obriga a nenhum exame nem despeza--pois todo o material illustrativo é
offerecido por mim, (sendo aliás consideravel, raro e dispendioso) sem
nenhum encargo para o Estado.

N'este caso parece-me que presto algum serviço no sentido de uma
_Proposta_ fundamentada sobre o modo de tornar proficuas, para o Estudo
da Arte, as excursões escolares, a qual durante o anno lectivo findo
apresentei por escripto a V. Ex.^a e mereceu o louvor do Conselho
escolar[6].

Solicito de V. Ex.^a e do Conselho a mesma benevolencia para a offerta,
que ora faço, do _Curso graduado_.

Se fôr acceite, apresentarei o programma, sem demora, que de certo modo
se ajusta e combina com o Programma official do Curso de Historia. Nào é
copia de nenhum programma estrangeiro[7]: é uma adaptação rigorosamente
nacional, _especialmente para estudo do que é nosso_, embora os
lineamentos geraes se baseiem no que traçou magistralmente Mr. de
Caumont no seu _Curso de archeologia e historia da arte_ (civil,
religiosa e militar) Caen, 1870, 5.ª ed., em 3 vol.--e Mr. Ch.
Blanc--para a Historia das Artes decorativas (_Grammaire des arts du
dessin_, 6.ª edição; e _Grammaire des arts décoratifs_).

Como compensação--se a V. Ex.^a e ao Conselho parecer justo--peço apenas
que me sejam contadas as _horas de serviço_ d'esse Curso como serviço
normal do horario, e pelo preço da tabella official, sem nenhuma
gratificação a mais.

Algumas horas de menos no ensino das linguas, que professo, podem ser
preenchidas por outro collega, sem prejuizo algum, creio eu.

Em compensação, offereço um ensino novo, nos Lyceus, que está
introduzido nos principaes paizes cultos, para ambos os sexos, no quadro
do ensino secundário desde 1875.

Se a troca de certas lições de linguas, pelas lições de materia nova,
não parecer acceitavel, por qualquer motivo ponderoso, então offereço-me
para accumular o serviço novo com o antigo, mediante a remuneração da
tabella official. E se a peço, é porque a organisação do Curso importa
para mim, em todo o caso, a acquisição constante de novo material de
estudo, além do que tenho accumulado durante cerca de quarenta annos.

O material para o ensino da Historia propriamente dita e da Historia da
Civilisação--no sentido em que os allemães a classificam de:
_Culturgeschichte_, que vi e examinei demoradamente no Lyceu, ha meses,
é--a bem dizer--inintelligivel, sem uma Exposição parallela da Historia
da arte antiga comparada, sobretudo da arte egypcia e greco-romana.

Em face das descobertas capitaes no dominio da arte pre-historica e
proto-historica, feitas em Portugal durante os ultimos trinta a quarenta
annos, é inadmissivel querer separar as questões ethnologicas,
ethnographicas e archeologicas, n'uma especialisação esteril, que a
ninguem aproveita, salvo ao pedantismo de alguns raros eruditos
bisonhos.

O ensino da historia deve ser vivo, hoje, palpitante, em face do
monumento, da estatua, da tela, da gravura, da photographia, da planta
topographica, do desenho e do esboço. O livro illustrado pela Arte
invadiu tudo.

Todo o enorme material dos Museus europeus foi posto em movimento ha
meio seculo.

O que sabe o alumno dos Lyceus de tudo isso?

O que sabe elle do material accumulado nas collecções nacionaes?--quando
uma imagem, um retrato supre, ás vezes, uma lição?

Fui talvez prolixo n'esta justificação; mas, confessando o defeito, peço
a benevola attenção de V. Ex.^a e do Conselho para os motivos, que são
puros e sinceros.

                                                     Deus guarde a V. Ex.^a

Porto, 9 de agosto de 1908.



Ill^mo e Ex^mo Snr. Reitor do Lyceu Central
do Porto--2.ª zona.

                                                      O PROFESSOR EFFECTIVO

                                                 _Joaquim de Vasconcellos._


    [1] Por exemplo: o compendio de _Historia_ do snr. Marques Mano
    (Porto, 1908--Preço 2$000 reis) tem 96 estampas. O compendio de
    _Geographia_ do mesmo auctor, (Porto, 1908--Preço 1$200 reis) tem 66
    estampas; aqui, uma boa escolha e cuidadosa reprodução; acolá,
    confusão e falta de criterio esthetico e pedagogico.

    [2] Na Revista: _Educação Nacional._ 8 de nov. 908.==A arte nos
    livros do Ensino.

    [3] No mez de maio de 1907.

    [4] Vid. _Boletim da Dir. Geral de Inst. Publ._--Anno I, 1902, fasc.
    1-5, pag. 70-88.

    [5] Foi traduzida por Oliveira Martins; as gravuras do original
    inglez apparecem, porém, mal reproduzidas.

    [6] Está transcripta no Documento I.

    [7] A prova já a dei no _Elencho de Quatro Conferencias_ (aliás
    cinco) que fiz nos mezes de junho e julho d'este anno, na Academia
    Portuense de Bellas-Artes. O programma impresso--Porto, 1908, 8
    paginas, versa sobre o _Estylo romanico archaico_ e o _Romanico dos
    seculos XI e XII_. Este programma nada tem de commum com o
    espetaculoso prospecto da 13.ª cadeira da Escola de Bellas-Artes de
    Lisboa--que trata da Historia geral da arte na Edade Media e envolve
    Portugal, por incidente, em appendice.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O Ensino da Historia da Arte nos Lyceus e as excursões escolares" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home