Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: A gravura em Portugal - breves apontamentos para a sua história
Author: Viterbo, Francisco Marques Sousa, 1843-1910
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "A gravura em Portugal - breves apontamentos para a sua história" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



produced from images generously made available by National
Library of Portugal (Biblioteca Nacional de Portugal).)



SEPARATA DO BOLETIM
DA
Real Associação dos Architectos Civis e Archelogos Portuguezes


A GRAVURA EM PORTUGAL


Breves apontamentos para a sua historia

POR

F. M. de Sousa Viterbo


Proprietaria e editora, a Real Associação


LISBOA
Typ. da Casa da Moeda e Papel Sellado
1909



SEPARATA DO BOLETIM
DA
Real Associação dos Architectos Civis e Archelogos Portuguezes


A GRAVURA EM PORTUGAL


Breves apontamentos para a sua historia

POR

F. M. de Sousa Viterbo


Proprietaria e editora, a Real Associação


LISBOA
Typ. da Casa da Moeda e Papel Sellado
1909



A GRAVURA EM PORTUGAL

Breves apontamentos para a sua historia


A historia da gravura em Portugal encontra-se embryonaria na _Collecção
de memorias_ de Cyrillo Volkmar Machado e na _Lista de alguns artistas_
do patriarcha D. Fr. Francisco de S. Luiz (Cardeal Saraiva). Rodrigo
Vicente d'Almeida colheu, durante annos, numerosos subsidios, que andava
coordenando para dar ao prelo, quando a morte o surprehendeu. A
Bibliotheca Nacional do Rio de Janeiro trata de preencher a lacuna, e
muito grato lhe deve ser o nosso paiz, pela publicação do catalogo dos
retratos colligidos por Diogo Barbosa Machado, catalogo que abrange não
menos de 1.980 numeros. E, como se isto não bastasse, a mesma
Bibliotheca, por intermedio de alguns dos seus intelligentes
funccionarios, está dando a lista das producções dos gravadores,
iniciando a serie por Debrie.

A nossa Academia de Bellas Artes possue uma valiosissima collecção de
gravuras, as quaes, ascendendo a 4.000, estavam até ha pouco a monte,
sem que pudessem ser consultadas pelos estudiosos. O sr. Luciano Freire,
secretario da mesma corporação, deu-se ao improbo trabalho de as
catalogar, e quando esse catalogo se imprima, de certo se encontrará
nelle um inapreciavel thesouro de informações.

No _Jornal do Commercio_, n.^o 11.428 de quarta-feira, 6 de Janeiro de
1892, publiquei um artigo, que transcrevo agora aqui, com algumas
correções e additamentos, o qual fórma o 1.^o paragrapho ou capitulo
destes ligeiros estudos, que não têem outro merecimento senão o de serem
uma pequena contribuição para a historia da gravura em Portugal. As
minhas circumstancias não me deixam aprofundar nem proseguir, quanto
desejava, este modestissimo trabalho, que, oxalá, possa ainda assim
offerecer alguma novidade ou indicação curiosa.


I


Tanto em Portugal como em Hespanha, grande numero de livros do seculo
XVI apparecem ornamentados de gravuras, que julgo na maioria dos casos,
de procedencia estranha, tão estranha como a arte typographica. Os
primeiros typographos que exerceram a arte em Portugal foram
estrangeiros e entre elles torna-se notavel, pelo extenso periodo em que
manifestou a sua actividade, e pelo grande numero de obras que imprimiu,
Germão Galharde, francez. Muitos livros deste impressor são adornados de
estampas e outros têem tarjas em que se lê o seu nome. Estou persuadido
que quasi todas ellas vieram de fóra do reino, havendo todavia algumas
que seriam gravadas em Portugal. Assim neste caso parece-me estar o
frontespicio da _Ley que dispõ quanto t[-e]po e onde hão de estudar os
letrados_, impressa a 18 de janeiro de 1539. Numa das pilastras do
portico estão as iniciaes F. D. que indicam por certo o nome do
gravador, e na outra a data 1534. Este frontispicio, porém, já fôra
empregado anteriormente nas _Constituições do bispado Devora_, impressas
em 1534, para as quaes, sem duvida, fôra originariamente destinado.

Existe outro livro, impresso por Germão Galharde, que deve merecer toda
a attenção, não só pelo seu valor historico e linguistico, mas ainda
pelo seu valor bibliographico e artistico: é a _Coronica do Condestabre
de Portugal_, de que ha duas impressões do mesmo typographo, uma de
1526, outra de 1554. Tanto uma como outra tem no verso do frontispicio a
figura, de corpo inteiro, dum cavalleiro, que, Innocencio, não sei com
que fundamento, diz ser de Nuno Alvares Pereira. Parece-me comtudo de
phantasia. A segunda impressão contém, além d'aquella, outra gravura,
que se encontra no fim da obra, antes da _Tauoada_, que está nos quatro
ultimos folios innumerados. Bella estampa, que merecia ser reproduzida
integralmente, com todo o escrupulo e fidelidade, como um dos mais
importantes documentos da iconographia portugueza. Esta é que é muito
possivel que fôsse executada em Portugal. No alto lê-se o seguinte
distico:

_Esta he a figura do Conde estabre, ao natvral, qvando estava em
religiam, no Carmo de Lisboa, onde jaz_.

Pela parte inferior.

_Epitaphius ad ipsius tvmvlum_.

Galharde publicou tambem em 1530 um livro classificado entre os de
cavallaria, e que foi traduzido do francez em hespanhol por um nosso
compatriota, rei d'armas de D. João III, Antonio Rodrigues Portugal.
Intitula-se _Cronica llamada: el triumpho de los nueve preciados de la
fama_, etc., e é adornado de gravuras representando os heroes
biographados no livro, entre os quaes Bertran du Guesclin, o celebre
aventureiro frances, que tão notavel papel desempenhou em Hespanha nas
guerras fratricidas de Pedro o Cruel e D. Henrique.

Um gravador de innegavel merecimento do seculo XVI é Jeronymo Luis, que
abriu o elegante frontispicio do _Sucesso do segundo cerco de Diu_,
poema de Jeronymo Côrte Real, e o da _Historia da provincia de Sãcta
Cruz_, em que deixou apenas as suas iniciaes. Ambos os livros são
impressos por Antonio Gonçalves, o typographo que teve a honra de
primeiro estampar os _Lusiadas_. Noutra obra d'este imprimidor, o _De
Rebus Emanuelis_, de Jeronymo Osorio, ha um escudo de armas, que tem
d'um lado a letra _A_ e do outro um _G_, iniciaes do typographo.

Citarei agora alguns livros, impressos em Portugal, de autores
hespanhoes, os quaes todos se acham adornados com retratos. Um delles, o
mais antigo, é a _Chronographia o reportorio de los tiempos_, de
Jeronymo de Chaves, considerado infundadamente por alguns bibliographos
como portugues. Imprimiu-a em 1576 Antonio Ribeiro, em Lisboa, e no
frontispicio acha-se, numa gravura oval de madeira, o retrato do autor,
similhante a outro que se encontra numa das edições hespanholas.

A volumosa obra poetica de Bartolomé Cayrasco de Figueroa, _Templo
militante Flos sanctorum...._, foi elegantemente reimpressa em Lisboa,
em folio, por Pedro Craesbeeck. A 1.^a e 2.^a partes comprehendendo 531
pag. tem o titulo enquadrado por 14 vinhetas representando scenas da
vida de Christo e os quatro evangelistas. A data nelle exarada é de
1613, ao passo que no fim se lê 1612. No verso da parte inferior da
ultima das 6 folhas preliminares innumeradas incluindo o frontispicio,
ha o retrato de Cayrasco de Figueroa em moldura circular muito
similhante ao da edição hespanhola, que Salvá reproduz. Tanto deste
retrato como do antecedente, ter-se-iam aproveitado as chapas originaes,
ou sómente os desenhos?

Na Bibliotheca Nacional de Lisboa encontrei o exemplar de uma obra, que
até hoje tem passado completamente desconhecida, intitulada: _Tratado
como se deven formar los quatro esquadrones, en que milita nuestra
nacion Espanola_. É seu autor o capitão de infantaria Juan de Carrion
Pardo, que a dedicou a D. João da Silva, conde de Portalegre. Foi
impressa em 1595, em Lisboa, por Antonio Alvares. Traz dois retratos em
busto (repetidos ambos) de militares, um dos quaes, o mais apparatoso,
talvez seja o do conde de Portalegre, e o outro do autor. Não trazem
indicações de quem os desenhasse e esculpisse.

O outro livro, finalmente, é de Francisco de Arce, intitulado _Fiestas
reales de Lisboa_, e foi impresso nesta cidade em 1619 por Jorge
Rodrigues. É um folheto em 4.^o de 26 paginas innumeradas, de que a
Bibliotheca Nacional de Lisboa possue um exemplar incompleto.
Acompanha-o um retrato em que se lê este distico: _En los cuarenta anos
de mi edad el famoso Enrique me fecit_. Este retrato falta tambem no
exemplar alludido e soube da sua existencia pela descripção que nos dá
Gallardo no _Ensayo de una biblioteca_ sob o n.^o 233. O mesmo
bibliographo nos descreve ainda outra obra de Francisco de Arce
intitulada _La perla en el nuevo mapa mundi hispanico_, etc., impressa
em Madrid por Juan Gonzalez em 1624, a qual traz igualmente o retrato do
autor com esta legenda: _Portugal me copió en bronce ano 1629 en los 40
de mi edad_. Deve haver erro de data, sendo 1619 e não 1629.

Combinando as legendas dos dois retratos, sou levado a crer que o
gravador pertenceria á nacionalidade portuguesa, ou era, pelo menos,
artista que residia em Portugal. Quem seria, portanto, esse _famoso
Henrique_, de cuja obra Francisco de Arce se mostrava orgulhoso? Eis ahi
mais um artista desconhecido como tantos outros, de que não se encontra
menção ou referencia nos tratadistas de arte portuguesa.

Não admira, porém, que assim aconteça, porque a mina apenas tem sido
explorada á superficie. Aqui temos outro artista, incontestavelmente
portugues, e que passou incognito aos seus compatriotas. É possivel que
elle exercesse a maior parte da sua actividade no estrangeiro, mas isso
não nos salva do labéo de ingratidão e esquecimento em que o temos
deixado jazer. Chama-se elle Luiz Palma e apenas no _Dictionary of
Painters_, de Michael Bryant, encontrei os seguintes traços, que bem
pouco esclarecem a sua biographia:

     --PALMA LUDOVICO, a portrait painter and engraver, of Volterra,
     noticed by Zany as living in 1650. There are eight etchings and a
     frontispiece to a work, in quarto, printed at Avignon in 1623, with
     the following title:

     «_La voye de Lait ou le chemin des Heros au palais de gloire à
     l'entrée triomphante de Louis XIII en la cité d'Avignon, 1622_.»

     The prints are inscribed: PALMA LUDOVICUS LUSITANUS  F.--

Esta inscripção parece que não deveria deixar a menor duvida a Bryant
sobre a naturalidade do nosso artista, que elle identificou com outro,
homonymo, de Volterra. Consultando Zani para poder resolver as duvidas
que se me offereciam e para averiguar se o pintor e gravador de Volterra
seria uma entidade absolutamente differente, vi que a indicação do
escriptor italiano é o mais secca possivel e deixou-me no mesmo estado
de incerteza. Trabalharia o nosso artista em Volterra, e seria por isso
considerado italiano? É uma simples hypothese, que póde muito bem ser
que venha a confirmar-se, e quando não se confirme, é curiosa a
coexistencia ou quasi coexistencia de dois artistas do mesmo nome, pois
não repugna que o gravador de 1622 vivesse ainda em 1650.

O meu amigo e distincto bibliographo sr. Annibal Fernandes Thomaz,
possue um exemplar da _Voye de Laict_, e a este proposito escreveu-me ha
tempos o seguinte:


«Tenho á vista _La Voye de Laict_, Avignon, 1623, 4.^o, em que as
estampas, incluindo um retrato de Luiz XIII, são assignadas:

    Ludovicus Palma Lusitanus fecit.
    Ludovicus palma Lusitanus f.

O livro tem dois frontispicios, um gravado a agua forte, com o titulo
impresso no centro e outro impresso. Nesse anno era Assessor em Avinhão
mr. Pierre Joseph do Salvador, que indica origem portugueza ou
hespanhola. É curioso debaixo do ponto de vista artistico, e bem merecia
uma noticia.»


A _Voie de Laict_ é bastante rara e não a vejo mencionada em Brunet. No
emtanto tenho-a encontrado descripta em diversos catalogos de vendas de
livrarias francesas e inglesas. A descripção em todos parece uniforme, e
só no da livraria de M. Martial Millet, Paris, 1872, é que, por lapso de
certo, se designa 1622 como o anno da impressão.

O sr. Damasceno Morgand, livreiro de Paris, no seu catalogo relativo a
junho de 1889, punha á venda um exemplar por 200 francos, annotando-o
d'este modo:

«Ce volume fort rare et orné d'un frontispice est de huit planches fort
remarquables gravées à l'eau forte par _Louis Palma_, artiste portugais.
Ces planches qui se déplient représentent les arcs de triomphe,
fontaine, palais, etc., élevés pour la cérémonie dans la ville
d'Avignon.

«Portraits de Louis XIII et de Ch. de l'Aubepine, par Moncornet.»

Num catalogo de livros de valor, propriedade d'um _gentleman_, postos á
venda em Londres, em dezembro de 1890, por intermedio de Sotheby,
Wilkinson & Hodge, vem descripto outro exemplar sob o n.^o 116 do
respectivo catalogo. A respeito das gravuras diz: _Portrait and large
plates etched by Louis Palma, an artist unknown to Nagleor_. Acrescenta
que a obra passou desconhecida a Brunet e Grasse, e que um exemplar da
livraria Beckford fôra vendido por 53 libras e 10 shellings.

No n.^o 237 do _Catalogue de livres rares el précieux composant la
Bibliothèque de M. Hippolyte Destailleur, architecte du gouvernement_,
Paris, Damasceno Morgand, 1891, vem descripto outro exemplar. Ahi se
annota:


«Ce volume fort rare est orné d'un frontispice, d'un portrait, et de
huit grandes planches fort remarquables gravées à l'eau forte par Louis
Palma, artiste portugais.»


Por todas estas citações se vê que o trabalho do nosso artista é geral e
altamente considerado, bem merecendo o seu autor que lhe ponham o nome
em relevo e o tirem do esquecimento em que até agora tem vivido.

Outro artista desconhecido, e que se nos afigura de grande merecimento,
é o autor de um bello retrato de Diogo do Couto, que ornamenta a edição
em folio das suas _Decadas_, publicada em 1736. Parece uma photogravura.

O exemplar onde vem este retrato pertence á selecta livraria que é hoje
dos filhos do venerando juiz do Supremo Tribunal, o dr. Aguilar,
bibliophilo apaixonado, como o seu parente conde de Azevedo, ambos
fallecidos. É em papel especial, e ainda não se me deparou outro que se
lhe possa comparar. Não sei tambem de nenhum que tenha aquella gravura.

O retrato parece-me de phantasia, muito differente do que vem na
primeira edição das _Decadas_, que foi reproduzido no Catalogo de Salvá
e ultimamente, em estampa separada, no _Circulo Camoneano_. O
historiador português é representado muito mais moço. O retrato não
valerá, pela similhança, como documento historico; mas, pelo primor da
execução, valerá como notavel documento artistico. Está assignado, numa
letra miudinha, quasi microscopica, e, a legenda diz o seguinte: _L. P.
Massilli Vlyssip. Sculp. 1722_.

Será este Massilli português ou estrangeiro? Que significará aquelle
_Vlyssip_? Que elle era lisbonense ou que executára a sua obra em
Lisboa? Eis uma serie de perguntas, que surgiram, como era natural, no
meu espirito, e a que me não julgo por emquanto habilitado a responder
satisfatoriamente.

A proposito do _famoso Henrique_ que gravou o retrato de Francisco de
Arce, citei o testemunho de Gallardo; chamarei outra vez a terreiro o
autor do _Ensayo de una biblioteca hespanhola de libros raros y
curiosos_. Sob o n.^o 2881 descreve elle uma obra de fr. Pedro de
Maldonado, _Consuelo de justos_, impresso em Lisboa por Pedro Craesbeek,
em 1600.

Esta obra, de que existe um exemplar na Real Bibliotheca da Ajuda, é
muito interessante, ainda que não seja senão pela dedicatoria, em que se
trata amplamente da vida e feitos de Mathias de Albuquerque.

O frontispicio d'este livro é lindamente gravado, segundo affirma o
douto bibliographo hespanhol, que o descreve d'este modo:

«El frontis está letra y adornos dibujado y abierto com primor y
delicadeza. El nombre del artista aparece al pie en letra gallarda,
aunque casi microscopica: _Antonius Pintor Lusitanus exculp_.»

Aqui ha um ligeiro lapso. Em vez de Pintor deve lêr-se Pinto, e o
artista é indubitavelmente o mesmo que gravou em cobre o frontispicio da
Historia do insigne apparecimento de Nossa Senhora da Luz, de fr. Roque
do Soveral, impresso em 1610, em Lisboa, pelo mesmo typographo que
imprimiu o _Consuelo de Justos_. Esta estampa é assim rubricada:
_Antonio Pinto Lusitano exculp_.

Fr. Pedro Maldonado, natural de Sevilha, era da ordem de Santo
Agostinho, e residia no Convento da Graça em Lisboa. Nesta cidade
publicou mais alguns livros, entre os quaes um, _Traça e exercicios de
um oratorio_, impresso em 1609 por Jorge Rodrigues. O frontispicio todo
gravado em chapa inteiriça de cobre a talho doce, foi feito
expressamente para a obra, e traz ao centro um bonito medalhão com
emblemas religiosos. Não apresenta o nome do artista ou artistas que o
executaram.


II


A gravura é uma das artes em que mais abunda o elemento estranjeiro,
como facilmente se póde verificar, percorrendo o Indice de gravadores do
_Catalogo dos retratos collegidos por Diogo Barbosa Machado_, coordenado
pelo sr. dr. José Zephyrino de Meneses Brum e publicado primitivamente
nos Annaes da Bibliotheca Nacional do Rio de Janeiro, de que se fez uma
tiragem em separado, em oito tomos ou fasciculos, o primeiro dos quaes
impresso em 1893 e o ultimo em 1905.

No reinado de D. João V veiu para Portugal uma colonia de gravadores,
quasi todos franceses, cujos trabalhos se observam em grande numero de
obras publicadas naquella epoca, em que D. João V poz o sello da sua
magnificencia.

No reinado de D. João VI foi attrahido de Londres a Lisboa, por convite
do nosso governo, para dirigir a aula de gravura, annexa á Impressão
Regia, o celebrado artista italiano Francisco Bartolozzi, de quem foram
discipulos alguns gravadores de merecimento, como Gregorio Fernandes de
Queiroz.

Antigamente eram muito vulgares os livros com frontispicios gravados, os
quaes se pódem dividir em duas especies: uns formados por vinhetas
soltas, que se podiam adaptar a diversas obras; outros feitos
expressamente para uma só. A portada da primeira edição dos _Lusiadas_
repete-se em outros livros. Estas vinhetas eram geralmente de
procedencia italiana, como se deduz do confronto entre obras publicadas
nos dois paizes.

No seculo XVII, sobre tudo no dominio filippino, alguns gravadores, que
exerciam a sua actividade em Hespanha, apparecem a rubricar com seus
nomes, obras impressas em Portugal ou relativas ao nosso paiz, e o mais
curioso é que quasi todos são flamengos. É possivel que alguns delles
estivessem aqui de passagem, e até chegassem a estabelecer residencia
temporaria, mas o mais provavel é que elles executassem em Madrid as
encommendas que de cá lhe faziam os livreiros e autores.

Mencionarei agora alguns desses artistas, apontando os seus traços
biographicos, assim como os trabalhos por elles executados, de que até
agora obtive noticia.


a) _João Schorquens_.

Natural de Flandres e um dos melhores gravadores do seu tempo. Residiu
em Madrid, onde entre os annos de 1618 a 1630, executou diversos
trabalhos, de que Cean Bermudes faz uma resenha no tomo 4.^o do seu
_Diccionario historico de los mas ilustres professores de bellas artes
en Espana_, impresso em Madrid em seis volumes no anno de 1800.

Diz o autor hespanhol que onde o buril de Schorquens mais se esmerou,
foi nas estampas da obra de João Baptista Lavanha, _Viagem da Catholica
Real Majestade d'el-rei D. Filippe II... ao reino de Portugal_, impresso
em Madrid em 1622, em duas edições, sendo uma em português e outra em
hespanhol. Além das vistas dos arcos triumphaes, traz outra em maior
formato, desenhada pelo nosso compatriota, o pintor Domingos Vieira
Serrão, representando Lisboa e o Tejo.

Cean Bermudes não teve noticia do retrato de D. Frei Bartholomeu dos
Martyres, arcebispo de Braga, que vem na sua _Vida_, escripta por frei
Luis de Sousa e impressa em Vianna em 1619.

No catalogo descriptivo da collecção de retratos de Barbosa Machado,
existente na Bibliotheca Nacional do Rio de Janeiro, ha tres numeros
referentes a Schorquens.

O n.^o 4 é uma arvore genealogica dos reis de Portugal, que se encontra
na obra de Lavanha.

O n.^o 621 é o frontispicio da primeira e terceira parte da _Historia da
Ordem de S. Domingos_ de Frei Luis de Sousa, o qual foi aproveitado por
Barbosa, por ter cinco figuras de santos da Ordem.

O n.^o 1609 é o retrato de Diogo Garcia de Paredes, extrahido da obra de
Thomaz Tamaio de Vargas, _Diogo Garcia de Paredes, y su tiempo_.


b) _João de Courbes_.

Francês e residente em Madrid, onde executou numerosos trabalhos, de
parte dos quaes Cean Bermudes faz menção no seu _Diccionario_. Além das
obras apontadas, pelo academico hespanhol possuo a seguinte:

_Vida de la bienaventurada Ritta de Casia religiosa del Ordem de S.^t
Aug.^n_ en el monasterio de S.^{ta} Magdalena de la Ciudad de Casia en
la Vmbria. A la Ex.^{ma} S. D. Ana Maria de Portugal y Borja Princesa de
Melito e Duquesa de Pastrana. Por Frey Alonso de Aragon y Borja su
sobrino Predicador y Colegial del Orden de S.^t Augustin en el que fundo
la Ill.^{ma} Senora D. Maria de Cordoua y Aragon. En Madrid. Por la
viuda de Luis Sanches Impressora del Reyno. Año. 1628.

Este titulo acha-se num frontispicio gravado, o qual representa um
portico, ricamente ornamentado, tendo em cada uma das columnas uma
figura de mulher, de corpo inteiro. A da direita representa _D. Maria de
la Cerda hija de la Cassa de Medina Celi_ etc., a da esquerda _D. Maria
de Aragon hija del Rey catolico Fernando_, etc. Depois das licenças e
censuras vem o retrato, em pagina inteira, da B. Ritta de Casia, etc.

No _Catalogo_ descriptivo da collecção Barbosa Machado ha tres numeros
referentes a Courbes.

O n.^o 880 é o retrato de D. Sebastião de Matos e Noronha, bispo de
Elvas, e de mais quatro seus antecessores no frontispicio das
_Constituições_ ordenadas por aquelle prelado, e impressas em Lisboa em
1635.

Os n.^os 1857 e 1862, são os retratos de Filipe Sidney e de sua mulher.

A actividade de Courbes exerceu-se, pelas notas que tenho, entre 1621 e
1635.


c) _Pedro Perret_.

Cean Bermudes diz que elle era natural dos Paizes Baixos, onde nascera
depois do meiado do seculo XVI; que estudára em Roma com Cornelio Córt e
que, restituindo-se á pátria em annos adeantados, fôra gravador do duque
de Baviera e do eleitor de Colonia, fixando a sua residencia em Anvers.
Nesta cidade gravou para Filippe II dez grandes laminas, representando o
Escurial e suas diversas partes. Agradaram tanto a el-rei que mandou vir
o artista a Madrid, nomeando-o, a 22 de dezembro de 1595, seu gravador
com o ordenado de cem ducados por anno, pagando-se-lhe á parte as obras
que fizesse em seu serviço. Falleceu em Madrid pouco depois do anno de
1637.

Bermudes cita muitas das obras, que elle executou em Hespanha, sendo a
primeira o retrato de Santo Ignacio de Loyola. Acrescenta que são muito
estimadas as estampas que fizera antes de vir para Madrid e de que cita
algumas. Não se refere, porém, a nenhuma de assumpto português. Destas
passarei a dar conta:

Por encommenda de Manuel de Sousa Coutinho, que, professando na religião
de S. Domingos, tomou o nome de Fr. Luis de Sousa, fez o retrato de Fr.
Luis de Sotto-Mayor, celebrado professor de theologia e commentador da
Biblia. A este facto se refere o proprio Fr. Luis de Sousa no capitulo
XVII, do livro 2.^o da _Vida de D. Fr. Bartholomeu dos Martyres_. No
retrato exarou-se um elogio latino, certamente composto pelo chronista
dominicano e que este transcreve na obra citada com a traducção
portuguesa, que é do theor seguinte:

«Este retrato em lugar de estatua fez esculpir em bronze Manuel de Sousa
Coutinho, em honra e memoria de Fr. Luis de Sotto-Mayor, da Ordem dos
Pregadores, lente jubilado das sagradas escripturas na Universidade de
Coimbra em idade de 76 anno e o mais celebre Doutor n'ellas de todos os
do seu tempo, que juntando com a nobresa do sangue, doutrina, piedade
religião e todos os mais arreyos de virtudes, faz duvidar em qual seja
mais insigne; e foy o fim assi pera que o amigo, a quem se acha obrigado
e que por meio dos seus divinos escriptos, como com asas vôa por todas
as terras da Europa e Asia, chegue por conhecimento do rosto aonde por
fama teem chegado; como tambem para alegrar a vista com o mesmo objecto
que traz dentro n'alma e desejoso de o faser competir com a eternidade.
Fez a obra Pedro Pereto, esculptor de El-rei no anno de 1602».

Este retrato acha-se descripto sob o numero 922, no _Catalogo_ da
collecção Barbosa Machado. Ha de Perret mais os seguintes retratos:

«Diogo de Paiva d'Andrade.--É subscripto simplesmente com as iniciaes do
gravador, P. P., e vem no tomo 1.^o dos seus _Sermões_, impressos
porthumos em Lisboa por Pedro Craesbeack em 1603.»

«Dr. Ambrosio Nunes.--Tem a seguinte subscripção: _Petrus Perret. fc._
Encontra-se na obra impressa em Coimbra em 1603, sob o titulo de:
_Ennarrationes in priores tres libros Aphorismarum Hypocratis_». O
retrato foi feito em 1602, quando o retratado contava 73 annos de idade.

«Diogo do Couto--Tem a seguinte subscripção: _P. Perret fecit. 1602._
Conjectura o auctor do _Catalogo_ da Collecção Barbosa Machado que
talvez seja extrahido da _Decada quarta_, impressa em Lisboa em 1602.»

«Fr. Bernardo de Brito--Tem a seguinte inscripção: _Effigies ad vivum
Fr. Bernardi de Brito, aetatis suae anno 33 P. Perret scalptor (sic)
Regis fe:_»

Fr. Bernardo de Brito fez mais de uma viagem a Madrid e n'uma d'essas
occasiões se deixava retratar ao vivo por Perret, e a sua efigie
encontra-se na _Primeira Parte da Chronica de Cister_, impressas em
Lisboa por Pedro Craesbeack em 1602.

«D. Nuno Alvares Pereira--É rubricado simplesmente com estas iniciaes
_P. P. f._»

Na livraria da Torre do Tombo existe uma obra de Antonio Suarez de
Alarcon, intitulada: Comentarios de los hechos del señor Alarcon,
marqves de la Valle Siciliana y de Renda--por D. A. S. de A. hijo del
Marques de Torcifal. Madrid Diego Dias de la Carrera 1665. E nella vem
um excellente retrato de D. Hernando de Alarcon, assim subscripto: _Ex
Titiani Archetypo_--_Peret esculpsit_.


d) _João Noort ou Van Noort_.

Era natural de Flandres, e veiu para Madrid, onde gravou, com mais
delicadeza de buril que boas fórmas de desenho, varias portadas de
livros, retratos e santos. Estas são as palavras com que Cean Bermudes
inicia o artigo que lhe diz respeito, passando depois a enumerar algumas
obras executadas entre 1628 e 1652.

Não menciona, porém, as seguintes:

Dois retratos de D. Filippe III de Portugal, descriptos no Catalogo da
collecção Barbosa Machado sob os n.^os 425 e 426.

Retrato de D. Frei Bartholomeu dos Martyres, o qual tem na margem
inferior: 1.^o Don Fray Bartolome de los Martires _de la Orden de S.
Domingos Arçobispo y Señor de Braga insigne en dotrina y Santidad. Murio
a 16 de Julio de 1590 a los 76 años de su edad_. 2.^o Joan de Noort f.

Este retrato acompanha uma biographia em hespanhol do eminente prelado
bracarense, sacada de diversos autores por Luis Muños, e publicada em
Madrid em 1646. O que vem na sua _Vida_, escripta por Fr. Luis de Sousa,
foi gravado por Schorquens, como já fica dito.

Retrato de Manuel de Faria e Sousa, tendo na margem inferior os
seguintes dizeres: D. Fr. de la Reguera y Serna delin. I. de Noort f.

Este retrato acha-se descripto sob o numero 948 do _Catalogo_ da
collecção Barbosa Machado, onde se diz que é copia de outro descripto
sob o numero 952, o que é completo equivoco, pois o inverso é que é
verdade. O primeiro adorna a obra de D. Francisco Moreno Porcel,
intitulada _Retrato de Manuel de Faria y Sousa, relacion de su vida y
catalogo de sus escriptos_, impressa em Madrid em 1650. O descripto sob
o numero 952 acha-se na segunda edição desta mesma obra e é gravado por
Bernardo Fernandes Gayo, que floresceu um seculo depois de Noort.

Numa obra de Faria e Sousa, impressa em Madrid em 1650, sob o titulo de
_El gran justicia de Aragõ Don Martin Batista de Lanuza_, vem o retrato
deste, rubricado com o monogramma de Noort. Descripto sob o numero 1646
no _Catalogo_ da collecção Barbosa Machado.


e) _Pedro de Villa Franca de Malagon_.

Reproduso do Diccionario de Cean Bermudes os seguintes traços
biographicos que lhe consagra:

«Gravadôr de laminas e pintor. Nasceu na villa de Alcolêa, na Mancha,
perto de Calatrava e aprendeu a arte da pintura em Madrid com Vicencio
Carducho. Adeantado no desenho, dedicou-se a gravar a buril com grandes
progressos naquella epoca, em que esta arte não estava muito adeantada
em Hespanha. Tornou-se notavel a sua habilidade no anno de 1640 com a
portada do livro _Vida y hechos del gran condestable de Portugal D. Nuno
Alvares Pereyra_, de Rodrigo Mendes de Silva, que representa um
frontispicio com o escudo d'armas de Mendez de Haro: em 49, com o
retrato de José Casanova, mestre de primeiras letras, acompanhado de
creanças escrevendo, de anjos com escudos e de outras figuras; e em fim
com outras obras que o acreditaram a tal ponto, que Filippe IV o nomeou
seu gravador de camara por cedula de 8 de dezembro de 1654 com o mesmo
ordenado de cem ducados que tinha tido Pedro Perret».

Continua citando outras obras, deixando de referir mais por que, diz
elle, seria prolixo enumeral-as.

A _Vida y hechos del gran condestable_, além da portada, tem tambem dois
retratos, sendo um do condestavel e outro do autor da obra gravados pelo
mesmo Villa Franca, o qual se acha descripto sob o numero 955 do
_Catalogo_ da colecção Barbosa Machado, e ali se faz referencia a outro
estado da mesma estampa. Salvá ao descrever esta obra sob o n.^o 3475 do
seu catalogo, indica apenas o primeiro retrato.

Ha mais os seguintes gravados por Villa Franca, relativos a
individualidades portuguesas:

Retrato de S. João de Deus, tendo a seguinte subscripção: _Petrus de
Villafranca sculptor Regius sculp. Matriti 1658_.

Retrato de Luis de Camões gravado em 1639 e que se encontra na obra de
Faria e Sousa, _Lusiadas de Luis de Camoens... Commentados..._ impressos
em Madrid no mesmo anno.

Retrato de Faria e Sousa na mesma obra.

Retrato de Fr. Feliciano de Sousa Diniz, gravado em 1642. O retratado,
religioso de Santo Agostinho no real convento de S. Filippe de Madrid,
era sem duvida português, como o indica o nome, e por se achar na
collecção Barbosa Machado, em cujo _Catalogo_ vem descripto sob o numero
942.

D. Martim Soares de Alarcon, extrahido da _Corona sepvlcral, Elogios en
la muerte de D. M. S. de A.... escritos por diferentes plumas. Sacados a
luz por Don Alonso de Alarcon... Madrid 1652_.

O frontispicio desta obra é tambem gravado pelo mesmo artista que
subscreve da seguinte maneira:--_Petrus de Villa Franca inuent et sculp,
Matriti 1652_.


f) _Vorstermans (Lucas)_.

Fr. Francisco de S. Luis incluiu na sua lista, dando d'elle uns breves
apontamentos biographicos extrahidos do _Dictionnaire d'Architecture_
etc. de C. F. Roland de Virloys, Paris 1770.

Parece não ter conhecido senão um artista deste nome, quando houve pae e
filho. Do _Biographical and critical dictionary of painters and
engravers_, de Michael Bryant publicado em 1858, extrairei os seguintes
apontamentos biographicos relativos a um e outro:

_Lucas Vorstermans, senior_.--Este eminente gravador nasceu em Autuerpia
cerca de 1580 e estudou primeiro pintura na grande escola de Rubens; mas
depois, aconselhado pelo seu illustre preceptor, consagrou-se
inteiramente á gravura. Nenhum pintor teve a satisfação de ver tão
grande numero das suas melhores obras, tão perfeitamente gravadas como
Rubens. Rodeado de artistas de superior habilidade, que trabalharam
immediatamente sob as suas vistas e que tiveram a vantagem da sua
assistencia e dos seus conselhos, foi por este modo, que conseguiu
imprimir a belleza e excellencia nas suas gravuras. D'elles nenhum
gravou successivamente mais obras de Rubens do que Lucas Vorstermans. A
sua maneira de gravar é correcta, e as suas cabeças são dotadas de muita
expressão. As suas laminas são executadas inteiramente com o buril, que
manejava com grande facilidade, comquanto fosse muitas vezes mais
attento ao effeito geral do que á nitidez e regularidade da execução; e
nas suas melhores estampas transcreveu com uma fidelidade surprehendente
a vida e o espirito das pinturas originaes. A sua estampa da Adoração
dos Magos, de Rubens, é considerada uma das mais bellas producções da
arte. Visitou a Inglaterra no reinado de Carlos I, residindo alli «8
annos, de 1623 a 1631», tendo trabalhado para o monarcha e para o Conde
de Arundel. Vosterman assignava usualmente com o seu nome, e algumas
vezes usou a cifra seguinte [VL].


Lucas Vorstermans, junior--Foi filho do anterior e nasceu em Antuerpia
pelos annos de 1605. Comquanto tivesse a fortuna de ter tido as lições
de seu pae, as suas gravuras são realmente inferiores, a todos os
respeitos, ás do velho Vorstermans, e nunca passou da mediocridade.


S. Luis cita duas obras impressas em Lisboa, cujos assumptos foram
executados pelo buril de Vorstermans. Uma dellas é a _Harmonia
scripturae Divinae, emodulans actiones laudabiles, vel vituperabiles
virorum, ac faeminarum, Antiquo, aut Novo relatos Testamento..._, do
jesuita Diogo Lopes, natural de Beringel, doutor em theologia e
professor na Universidade de Evora.

O livro saiu dos prelos de Lourenço de Anvers, em Lisboa, no anno de
1646. O anterosto tem nos angulos inferior, á direita: _Lucas
Vorstermans inventor et sculpt._; e á esquerda: _Anno_ MDCXXXXVI.

Diogo Lopes vem incluido no Diccionario Bibliographico, de Innocencio,
que todavia só cita delle um _Sermão_ em português, deixando de
enumerar, segundo o plano adoptado, as obras em latim.

A outra obra é a _Chronica da Companhia de Jesus_, de Balthasar Telles
impressa em Lisboa, por Paulo Craesbeeck em 1645-47. O anterosto do 1.^o
volume tem esta subscripção: _Lucas Vorstermans, inventou, et sculpio.
Ulyssipone, ex typograph. Pauli Craesbeeck, an. 1645._ O do 2.^o é de
buril differente e muito superior ao primeiro, tendo a seguinte
subscripção: _Gr. Huret f._

Daquella subscripção não se deve deduzir necessariamente que Vorstermans
trabalhasse em Lisboa. A sua collaboração nas obras impressas por Paulo
Craesbeeck e Lourenço de Anvers explica-se naturalmente por serem
patricios, os typographos e o artista.

As estampas de Lucas Vorstermans ora são assignadas com este nome
unicamente, ora com mais o appellido _senior_, o que serve para o
distinguir do filho. No _Catalogo_ da collecção dos retratos de Barbosa
Machado, vem attribuido um de André dos Santos a Lucas Vorstermans
Junior. Esta asserção não é todavia fundada em bases solidas, porquanto
a gravura tem as margens aparadas e apenas se lê por letra manuscripta
esta indicação: _Luc. Wostermas. f. de. L. Wort. o abrio em Lix.^a_

Eis um ponto, que julgo problematico e digno de ser esclarecido.
Consulte-se o n.^o 1980 do referido _Catalogo_.

Na supracitada collecção ha muitas gravuras de Vorstermans: o retrato de
D. Duarte (n.^o 479) e o do P.^e Antonio da Conceição, proveniente da
obra: _Extracto dos processos... sobre a vida e morte do veneravel P.^e
Antonio da Conceição... ordenado pelo P.^e Fr. Luis de Mertola. Lisboa.
1647. (n.^o 797)_.

Retrato de D. João de Castro, o qual ornamenta a vida deste heroe por
Jacintho Freire de Andrade, impressa em Lisboa em 1651. (n.^o 1222).

Os demais retratos são de estrangeiros: João Van Mildert (n.^o 1506);
Justo Lipsio (n.^o 1628); Thomaz Morus (n.^o 1825); Octavio Piccolomimi,
conde de Amalfi (n.^o 1826); conde de Fontaine (n.^o 1828); Claudio
Mangis (n.^o 1835); Carlos, duque de Bourbon (n.^o 1847); anonimo (n.^o
1858); Erasmo (n.^o 1921); Gerardo Leghen (n.^o 1962).

O Sr. Annibal Fernandes Thomaz communica-me ter conhecimento de mais
obras de Vorstermans, a saber: Ante-rosto de _Exhortação militar ou
lança de Achilles_, do Padre Timoteo de Ceabra Pimentel. Lisboa 1650.

Brasão Portuguez, ladeado por duas figuas de corpo inteiro tendo na
parte inferior de cada uma _Fides-Fortitudo, Lucas Vorstermans fecit_.

Ante-rosto allegorico do _El mayor pequeño_ de D. Francisco Manoel
Lisboa 1647, assim subscripto _[VL]orstermans f._


III

*Dudley (Thomaz)*


O nome deste gravador, passára até agora desconhecido aos que entre nós
se têem occupado de biographia artistica. Menciona-o pela primeira vez o
_Catalogo_ descriptivo da collecção de retratos de Diogo de Barbosa
Machado, onde vem apontados os seguintes:

453--Retrato em creança e allegorico de D. João IV;

454--Retrato do mesmo quando acclamado rei.

Estes dois retratos encontram-se a pag. 583 e 3 do _Cordel
triplicado..._ Lisboa, 1680. de D. Antonio Ardizone Spinola. Além disso
contem mais dois, sendo um o do principe regente depois D. Pedro II, e o
outro do autor da obra.

485--Retrato do principe D. Theodosio, duque de Bragança, filho de D.
João IV, mallogrado herdeiro do throno.

Vem na obra do Dr. Manuel Luis, jesuita, intitulada: _Theodosivs
Lvsitanvs sive principis perfecti vera effigies..._ Eborae 1680.

A subscripção do gravador diz: _Tho: Dudley Anglus fecit Vlyssipone
1679_. D'aqui se conclue que elle era inglês, e que trabalhava em Lisboa
em 1679.


IV

Massili (J. P.)


O retrato de Diogo do Couto de que tratei no 1.^o artigo, acha-se na
collecção Barbosa Machado, em cujo _Catalogo_ vem descripto sob o n.^o
926.

Ahi se apontam mais dois retratos sob os n.^{os} 1203 e 1212, sendo um
de Lopo Vaz de Sampaio e outro de D. Garcia de Noronha. Apezar de não se
acusar a procedencia de nenhum delles, estou convencido que os dois
ultimos seriam igualmente destinados á edição de 1736 das Decadas de
Couto.

O livreiro Maia tinha ha pouco um exemplar desta obra em que se via o
retrato de Couto.

Na livraria da Torre do Tombo existe um exemplar da Decada quarta da
edição de 1602, á qual juntaram o retrato de Couto, gravado por Massili
em 1722.


Sousa Viterbo.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "A gravura em Portugal - breves apontamentos para a sua história" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home