Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Jaime de Magalhães Lima
Author: Agostinho, José, 1866-1938
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Jaime de Magalhães Lima" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



disponibilizada pela bibRIA.



OS NOSSOS ESCRITORES

VI

JAIME DE MAGALHÃES LIMA

POR

JOSÉ AGOSTINHO



CASA EDITORA
DE
ANTONIO FIGUEIRINHAS
1911

Deposito Geral:
LIVRARIA PORTUENSE, de Lopes & C.ª Suc.or
119, Rua do Almada, 123
PORTO



OS NOSSOS ESCRITORES

VI


Comp. e imp.--Typ. Universal
de Figueirinhas & C.ª
Rua das Oliveiras, 75--Porto



OS NOSSOS ESCRITORES

VI

JAIME DE MAGALHÃES LIMA

POR

JOSÉ AGOSTINHO



CASA EDITORA
DE
ANTONIO FIGUEIRINHAS
1911

Deposito Geral:
LIVRARIA PORTUENSE, de Lopes & C.ª Suc.or
119, Rua do Almada, 123
PORTO



SUMARIO


Uma monstruosidade do Passado--A Meza Censória--Torquemada e Escobar--A
critica com o constitucionalismo--Como a Meza Censoria persiste--A
hypocrisia--Que critica a Republica recebe das mãos da Monarquia--O que
ela é, em geral--Como ha de haver Arte livre?--Como ha de haver
escritores e editores?--Os unicos trabalhadores livres--O faciosiamo na
politica e nas letras--José Caldas e Joaquim Costa--Emilio Littré e
Augusto Comte--Madame Comte e Clotilde de Vaux--Uma liberdade que a
Republica tem de conquistar--O heroismo português--Trabalhadores
independentes--Verdades sobre Garrett--Verdadeiros
livres-pensadores--Camilo, Inacio Pizarro, Pedro de Lima, Jorge Artur,
Hamilton, J. A. Vieira, S. Dias, A. da Costa, A. T. da Silva Leitão e
Castro, P. da Cunha, J. de Lemos, A. da Conceição, Guilherme
d'Azevedo--Os Magalhães Lima--O dr. Sebastião de Magalhães Lima--Jaime
Lima e o seu refugio--A sua vida moral e mental--Ideias de Malebranche,
Pascal, Moutesquieu, Guyau, Amiel e Fouillée--Constant Martha e Lucrecio
e Epicuro--Jesus-Cristo e Tolstoi--A Terra--Impopularidade
voluntaria--Heroismo perfeito--Filósofo na poesia, sociólogo no romance,
pensador na crítica--_Apostolos da Terra_--Amostras de estilo--_Via
Redentora_--_Vozes do meu lar_--Um belo excerto--Eduardo
Schuré--Defeitos--Melchior de Vogüé--O que seria desejavel na obra de J.
de M. Lima--O romancista--Superioridade notavel--Julio Dinis e Camilo--A
unica lei duravel da estetica positivista--Uma animação de
Lessing--Lessing e Winchelmann--A influencia de Platão e do pintor
Oeser--J. de M. Lima e Balzac, Victor Hugo, Flaubert e Tolstoi--Eça de
Queiroz e Julio Dinis--O romance _Na paz do Senhor_--Qualidades
excelentes--Nem Pangloss nem Baudelaire--Tipos verdadeiros--Os romances
_No Reino da Saudade_ e _Sonho de Perfeição_--Verdadeiros modelos--O
critico--_Menor e servo S. Francisco d'Assis_--Esquecimento das obras de
Prudenzano e Pardo Bazan--Guerra Junqueiro--Leonardo
Coimbra--Superioridade de J. M. de Lima--_Alexandre Herculano_ e _José
Estevão_--Nem Planche nem Sainte-Beuve--Balzac e Werdet--Alfredo de
Vigny--José Estevão, Danton, Robespierre, Lamartine e
Mirabeau--Fernandes Tomás e A. José d'Almeida--A conclusão dum belo
livro--Serenidade nos processos criticos--Porque destacamos a figura de
J. de Magalhães Lima.



Uma das monstruosidades do passado, e ainda com predominio no presente,
é a escravidão da conciencia. Horror e vergonha da Humanidade, foi Meza
Censoria, depois de ser cátedra e pulpito, fogueira e pôtro, fôrca e
anátema.

Julgou sempre sem autoridade de juís, porque foi sempre verdugo. Nunca
pôde ser lei pura, porque foi sempre suplicio e ignominia, patibulo.

Para cometer o seu crime com prestigio, com absolvição plena dos seus
rancores, abrigou-se em todos os refugios sagrados e vestiu todas as
túnicas luminosas: a túnica de Jesus-Cristo, a pretexta de Catão, o
manto de Sócrates.

Tudo lhe serviu para armadura, escudo, auréola e máscara.

Entre nós, como em toda a Europa, esse monstro alapardou-se na rigidês
da ortodoxia intolerante que apedrejou Fénelon, e mordeu o calcanhar
branco de S. Francisco d'Assis. Deu a Torquemada o báculo do pescador
Pedro e a Escobar o principado de S. Francisco Xavier. Ululou, queimou,
deturpou, assolou, enxertando a alma negra de Atila na haste aromal do
Evangelho, voz e guia da Humanidade em jornada.

Veio, entretanto, a Liberdade no constitucionalismo. Como vitoria?
Infelizmente mais como vingança do que como evolução. As verdadeiras
vitorias não se vingam: destróem, mas construindo. A liberdade do
constitucionalismo foi principalmente represalia e assim a velha
intolerancia não se extinguiu: deslocou-se, dissimulada, cavilosa.

Extinguiram a Meza Censoria? Decerto, mas não se extinguiu o espirito do
faciosismo, meza censoria latente e multipla que perpetra os mesmos
crimes contra a liberdade do pensamento e do sentimento.

O regimen constitucional opôs á intolerancia a intolerancia, ao odio o
odio, ao despotismo sanguinolento, odioso em suplicios fisicos, a
tirania da opinião preconceituosa sobre todo o trabalho mental.

E esta com um involucro repugnante: a hipocrisia. Todos são livres de
opinião! clamaram os caudilhos de Mousinho da Silveira. Entretanto, quem
ficáva deveras livre era só a opinião dos dirigentes do regimen.

Divergir corajosamente dela era o escandalo. Se a obra intelètual não
ficava suprimida de direito, ficava-o de facto, tão excomungada, tão
deprimida, que ninguem a lia.

Esta tirania mental e moral criou entre nós a critica, como da Monarquia
a acaba de receber a joven Republica.

Os atuais governantes já a devem ter lobrigado no seu antro, onde
esperamos que a hão de sanear. Diz-se liberal e é absolutista. Diz-se
justiceira e é pessoalista e sètaria. Apregôa independencia, e acarinha
apenas vaidades individuais. Guia-se pela influencia dos habilidosos e
audazes. Flagela os cabotinos e, afinal, para alcandorar muitos deles,
ou desdenha dos honestos, ou beneficia estes com epítetos de
misericordia, que são afrontas flagrantes, ignobeis.

Não tem, não póde ter, meios termos: ou turibulo ou chicote. Não arranca
das trevas um desconhecido de merito, mas arraza de lentejoilas muitos
nulos.

E, entretanto, todos se queixam de que a nossa literatura e a nossa arte
tombam em decadencia.

Mas, porque não, se Portugal se tem regido sempre pela peor tirania,
pela adulteração da Liberdade?

Como querem Arte livre sem critica livre? Como querem os escritores e os
editores que o publico leia, se os poucos não analfabetos do país, em
vez de lêrem _tudo para discutir tudo_, ainda têm diante dos olhos o seu
_Index_ conforme o partidarismo apaixonado que os domina?

Quem ha de trabalhar num _meio_ assim? O verdadeiro trabalhador? Mas
esse não procura nunca os criticos vulgares. Procurá-los é confessar
baixeza, é ter até de oferecer deprimidamente jantares ou ceias, ou
joias, a troco de elogios, é renegar implicitamente toda a ciencia e
filosofia moderna, toda a razão e toda a fé e sentimento; é aceitar um
qualquer partidarismo intolerante; é pôr a Arte debaixo da tutela de
qualquer efemero fetiche; é condenar-se a ser escravo do erro, se ele
domina, ou da paixão se ela triunfa.

Ficam, pois, só vitoriosos e livres os maus trabalhadores, os que não
têm sinceridade, os que não têm principios.

Em vão a Ciencia e a Razão lhes dizem que a Republica, por exemplo, em
todas as suas demolições é compativel com todos os grandes principios,
até com os dum elevado espiritualismo; que se póde ser cristão e ser
democrata, obrigando o Estado a separar-se da Egreja dentro da justiça
pura; clamando ao atual governo que não páre, que êrga o verdadeiro
edificio da liberdade, que vá, pouco a pouco, demolindo e construindo,
dando golpes energicos á Burguezia da agiotagem e erguendo os humildes,
o Povo, dentro da conciencia desoprimida.

Eles não ouvem, nem pódem ouvir, tanto na vida politica como na vida
artistica. Convém-lhes perturbar. Merece-lhes todo o apoio o Capitalismo
que exploram. O que os preocupa é vencer depressa. Nunca é um ideal,
porque este, quando sincero, é feito de toda a justiça, dentro de toda a
austera tolerancia. O que os atrai é a popularidade e ela, embora mais
tarde por vezes de nada sirva, lisongeia agora o amor-proprio de quem
nem possue talento nem caráter, de quem não é democrata se não para
poder ser plutocrata.

E estes séticos de hontem e acomodaticios de hoje é que fazem a Critica
contemporanea, raras vezes digna. Vemos que elogia ignobilmente, e
incondicionalmente, só o correligionario, ás vêses de ha minutos, ou só
o que é audaz no pedir, ou só o que é habil no grangeio de amizades
entre plumitivos, ou o que, algumas vezes, encontra a peso de oiro uma
trombeta passiva e estrepitosa a aturdir a opinião, os ingenuos, os
simples e, emfim, por contagio, os proprios cultos e inteligentes!

Onde está, pois, o lugar dos grandes e verdadeiros trabalhadores?

Raras vezes aparece. Para o corajoso e liberrimo cristianismo de José
Caldas lhe não negar a primasia de democrata, foi preciso que a
Republica tivesse dado o exemplo da sua gloriosa imparcialidade,
fazendo, do grande homem de letras, seu ministro em Roma. Assim, para
Joaquim Costa na Espanha, morrendo na velha fé, ter a apoteose admiravel
que foi o seu enterro, justiça triunfal a um lutador de sempre, foi
preciso que o partido republicano espanhol emudecesse os intolerantes
negros e escarlates com a luminosidade e generosidade da obra do
extinto, gloria peninsular e mundial.

Mas, que admira, se na França Emilio Littré deprimiu, não ha muitos
anos, a progressão moral de Augusto Comte, favorecendo com azedumes e
sofismas o odio estreito da Madama que nunca perdoou ao marido o
predominio espiritual e as graças angelicas de Clotilde de Vaux? Não se
esqueceu então Littré do valor mental de Comte só porque supôs apostasia
sétaria o que era progressão psicológica? Poderemos nós ser superiores
ao amado _figurino_?

Nada de estranhar é, pois, que tenhamos ainda, não já oficial, mas
sempre prepotente, uma perfeita e absurda Meza Censoria.

D'aí esta decadencia mental e moral, toda reflètida na pequenês da
Critica.


D'aí um dos grandes problemas da liberdade a conquistar. Talvês a
Republica o venha a resolver lentamente, com profundas angustias
intimas, tão crueis como as de tantos que, na melhor das intenções, para
não excitarem os ódios dos cégos e dos furiosos, aparentam crer que a
politica póde impôr a fé ou o ceticismo religioso, a velha ciencia, ora
dogmatica ora metafisica no seu materialismo, ou a moderna,
essencialmente positivista, sim, mas porque não abre só os olhos da
Razão, e dá emfim liberdade cientifica e pura aos do Coração.

      *      *      *      *      *

A boa alma portuguêsa, resplandesce de continuo em prodigios de
heroismo. E o heroismo em Portugal está em toda a parte. É condição
etnica. É atributo de povo celta, beijado de perto pelo mar profundo e
carinhoso.

Apezar de a nossa critica ter raras conciencias livres, houve sempre, e
ainda ha, trabalhadores intelètuais que sofrem pelo seu ideal sem
transigencia com o flagelo da impopularidade. Nem todos se bandeiam com
os favores da opinião desvairada. Nem todos procuram na politica, além
dum talher, um carimbo com esplendor de corôa. Ha ainda alguns que não
perdoam a Garrett elogiar-se a si proprio nas gazetas, e que, só porque
ele foi orador primoroso, homem do mundo, legislador feliz, não vão
negar que o _Arco de Santana_ é mediocre, que as suas poesias liricas
nunca excedem as de Soares de Passos, Simões Dias e João de Deus, e que,
se não fôra o seu destaque politico, a beleza lapidar do _Fr. Luis de
Sousa_, da _D. Branca_, das _Viagens_ e do _Camões_, não teria encantado
tanto aquêles mesmos que não viram no feroz Padre Macedo, caceteiro
torvo de D. Miguel, o primeiro poeta didático de Portugal e da
Peninsula.

Ha muitos ainda que não descem á construção astuta da sua imortalidade,
pondo-se á frente de todos os movimentos com probabilidades maiores de
vitoria, vestindo-se de apostolos e de leões, segundo o lance, ora
usando óculos de profeta, ora vestindo mantos de senadores com um
rochedo de Patmos á mão direita.

Por Deus, que ainda ha, e haverá sempre, em Portugal verdadeiros
livres-pensadores e por isso heroicos, sem reclamo na sua abnegação e
laboriosidade intrepida.

Anulam-nos? Respondem, trabalhando. Morrem ignorados na liça, ou
sistematicamente deslembrados? A sua agonia é um sorriso; a sua
resignação ilumina as gerações porvindoiras, e dessa luz vem a mais
tarde a justiça inteira.

Assim sucedeu ao próprio Shakespeare, esquecido durante dois seculos.
Assim, entre nós, sucedeu ao cronista Brandão que Alexandre Herculano
rehabilitou.

Assim foi visto, em plena gloria de Garrett, aquele alto poeta, que
Camilo festejou, Inacio Pizarro de Morais Sarmento, tão companheiro no
olvido--sempre temporario dentro da justiça dos povos--de Pedro de Lima,
de Jorge Artur, de Hamilton, de José Augusto Vieira, de Simões Dias, de
Antonio da Costa, de Antonio Tomaz da Silva Leitão e Castro, de Pereira
da Cunha, de João de Lemos, de Alexandre da Conceição, de Guilherme de
Azevedo, e de tantos, por vezes suplantados por homens muito menores.

E, atualmente, não sabemos doutro mais elevado de intelèto, mais
verdadeiramente pensador e artista, do que Jaime de Magalhães Lima.

Quem é?

Ninguem em Portugal desconhece os Magalhães Lima. Um velho austero e
popularissimo em Aveiro usou esse nome, legando-o a dois homens
singulares de meritos, a dois irmãos: Sebastião e Jaime.

O primeiro entregou-se á onda do povo, dominando, arrastando por vezes
os espiritos com um verbo ora romantico, ora rigido, talvez intolerante,
mas talvez no intimo cortado de duvidas profundas. Expandiu-se
brilhantemente no jornal, no opusculo, algumas vezes no livro. Galgando
as fronteiras, bebeu no estranjeiro as sinteses mais sedutoras e novas,
propagou-as com valor, com fé, com tenacidade, deu-se com elas todo á
politica, fez-se combate e a seguir meditação para voltar a ser luta,
ora quebrantada de melancolia, ora amargurada de deceções.

É evidente que esse homem teve logicamente a popularidade que, afinal,
nunca mendigou. Não a evitou, embora não a suplicando. Não a desamou,
embora pedindo-lhe por vezes ou mais justiça ou mais cordura.

Jaime ficou no seu lar e no seu jardim, ao pé das suas flores e das suas
brumas. Como? Egoistamente? Fruindo a fortuna, o prestigio paterno, o
renome do irmão, o livre amor da Arte? Responde por nós Sebastião de
Magalhães Lima, numa tarde melancolica, nevoenta como uma utopia, dentro
do seu pequenino gabinete da _Vanguarda_:

--Quem me dera ter a elevação mental e moral de meu irmão Jaime!

Eis uma definição alta e independente, digna como a Justiça sem mácula.

Jaime de Magalhães Lima refugiava-se: não fugia da luta. Do refugio, fez
o estudo; fez a conciencia. Leu ali tudo, ouviu todos, e depois ouviu-se
a si mesmo dentro de toda a liberdade. Tutela mental não a aceitou a
ninguem; se a procurou mais tarde, foi porque a encontrou no caminho
como voz de conciencia alheia que concorda com a nossa.

Não se esqueceu da frase de Malebranche: Todos pretendem ter razão, ao
seguirem afinal as sugestões dos seus sentidos. Compreendeu cêdo aquêle
perigo que apontou Pascal no imperio do amor-proprio, imperio que
significa o maior ódio á verdade, e viu, com o mesmo grande homem, que o
principio da moral é esforçarmo-nos sempre por pensar bem.

Como literato, afês-se a ver a critica pelos canones suaves de
Montesquieu, mais tarde ampliados por Guyau e, entretanto, a sua alma
lavada avistava, e logo palpava, sem tortura, por livre intuição do
fundo da sua Arte, as verdades de Amiel quanto ao _ideal_ e ao _real_,
quanto ao cèticismo, pai seguro da tirania, por mais que êle prégue a
liberdade. Encontrou tão luminosos limites á teoria da _superioridade da
áção sobre o sonho_ do referido Guyau, valetudinario antes dos 30 ânos,
e morto aos 34, todo impelido sempre mentalmente pelo espirito de
Fouillée, como ensanchas generosas para a delicadeza de Constant Martha,
esse homem estranho que chegou a provar a religiosidade do poeta
Lucrecio e do proprio Epicuro.

Nesta liberdade sã viu Jesus-Cristo no libertarismo genial de Tolstoi.
Compreendeu que, assim como a arte da Grecia é um alento na mais larga
vida da civilização cristã, assim a arte devida ao cristianismo palpita
na sociedade futura, trazendo já a vitoria do espiritualismo nas
lucubrações livremente experimentais da Ciencia.

Entretanto, o seu refugio não lhe fês esquecer a Terra, _meio_
indestrutivel das manifestações da sua alma, e amou-a, e cantou-a, e não
lhe negou um culto sadio e amoravel.

Mas tudo isto não rogando favores do publico, nem os da bolsa nem os da
fama.

Resignando-se com a relativa impopularidade duma obra profunda,
independente de faciosismos, livre de conveniencias estreitas. Não
procurando o plumitivo hiperbólico, o correligionario maleavel, o
agitador apoteótico, o reclâmo do amigo, a furia do inimigo, o escandalo
do indiferente, nada do que atrái atenções, do que provoca discussões,
do que escalda temperamentos.

Tudo isto como um regato no ruido dos passos, embora como um grande rio
no poder de corrente. Tudo isto duma maneira silenciosa, ainda que
penetrante, como os bons arômas.

E, nisto, vindo as cãs, e com elas a pureza maior, a elevação da
filosofia esoterica, a radiosidade da arte, a paz perfeita do coração, a
santidade e maior verdade da palavra, não veio a popularidade.

Não admira. Ilogico seria o contrario. Tolstoi precisou de escandalizar
a Europa, embora involuntariamente, para se reconhecer como era um genio
moral e mental. Jaime de Magalhães Lima, avisado pelo exemplo do Mestre
do Caucaso, não póde ser precipitado na justiça pelo escandalo
involuntario sequer. A sua modestia, verdadeira a ponto de ser
excessiva, até desse destaque o afasta. Facilmente se vê quanto ha de
heroico na virtude perfeita, e o notavel escritor é dos poucos que ao
talento superior junta a virtude sincera.

      *      *      *      *      *

Jaime de Magalhães Lima, com aquelas barbas de neve, com o olhar plácido
e franco dum velho cristão, vegetariano, simples em todos os habitos, é
um poeta-filosofo, um romancista-sociologo e um critico-pensador.

Como poeta, não escolhe o verso: maneja com fulgor e nitidez uma prosa
opulenta e, ao mesmo tempo, substancial. A sua poesia é a sua fé no
maior amor de todos. Combativa? Sempre, mas porque é inabalavelmente
tolerante. A combatividade raivosa denuncia ou doença da alma ou
enfermidade pessima do caráter. Jaime de Magalhães Lima tem a saude
perfeita e tranquila no corpo e na conciencia.

Quais os seus poêmas? Abramos um: _Apostolos da Terra_. É um rosario de
melodias doces e profundas á Natureza. Em cada melodia a emergencia duma
verdade, por vêses tão heroica que é a confissão duma culpa, só
insignificante aos olhos dos nulos. Mas isto numa enorme e solida
ciencia, como numa erudição rara. Isto, com um estilo original e
sincero, vernáculo e vivo, como o atestam as seguintes rápidas amostras.

Na _Sede de Brancura_: «Tem sêde de brancura a nossa alma, de brancura
que corra como o sangue e seja casta como a madrugada.

A neve, o diamante, aguas e nuvens são brancas, mas debalde lhes pedimos
que palpitem e ministrem comunhão na translucida essencia do seu brilho.

Desliga-as do bater dos corações uma calma frieza sem piedade, como se
fôssem estranhas ao seu ritmo, ou passassem de longe, ignorando a
constante agitação d'amor que os faz pulsar».

Na _Irmã do Mar_: «Misterio!... É bem salgado o mar e a seara é dôce.
Encerra o trigo a esperança de crescer, o latejar do sangue e do calor
que alimenta a beleza a mais gracil e a conciencia austera e redentora
na profunda expressão do seu poder. É corrosivo o mar e, destruindo, nem
ás pedras perdôa, desunindo a liga cristalina que se fês na pureza
sublimada d'altos fógos. E vivem ambos, a seára e o mar, na eterna
agitação do seu anceio!... Quem sabe?! Talvês sôfram ou se exaltem no
delirio do mesmo amor, sagrado por destino de quem sem êrro guia os sóes
e o mundo no triunfo divino da Harmonia».

E o mesmo alto ideal, puro sentimento, e por vêses estudo de árduos
problemas, nos outros poêmas em prosa, _Via Redentora_ e _Vozes do meu
Lar_. No primeiro dêstes, e tambem para exemplo do estilo do notavel
escritor, bastam estes periodos do belo canto que é _A Enxada_:

«O cavador ergueu-a novamente. Rompe o sol; sobre os carvalhos loirejou
fulgores; dissipa a treva na montanha; beija certamente a lamina polida;
e a enxada, em sagrada ancia de triunfo, inunda o arvorêdo e a seára de
clarões de estrêla. Batisou-a o fogo no rubor da forja, e deu-lhe a
pureza, diamantina voz, para entoar os cantos da luz celeste».

Não ha aqui tanta espiritualidade moderna e sã como no melhor trabalho
de Eduardo Schuré?

Não é aquêle estilo simples, limpido, espontaneo e, ao mesmo tempo,
magnifico de eufonia e graça?

Comtudo, será o escritor sem defeitos? Não, até porque, como é
logar-comum dizer, os tiveram Milton, Dante e Camões. Por vêses, ha na
sua prosa poetica raptos que se esquecem demais de quem os póde ver.
Fógem demasiadamente do espirito dos mediocres, o que contradiz
involuntariamente, mas de facto, todo o seu generoso e completo amor aos
humildes. Neste ponto ha bastante da pecha principal de Melchior de
Vogue: aristocracia involuntaria dentro da elevação ardente duma Arte
que só pretende, afinal, fecundar a alma do Povo, porque até, não sendo
assim, seria descabida.

D'aí, algumas obscuridades no estilo, raras, muito raras, dignas de
emenda, porém, e ainda o uso aqui e ali de epitetos eruditos, mas
gastos, crispados de sonoridade emfatica.

Ás vezes, um mal grave--a como que convição de que mais escreve para si
proprio do que para o seu tempo e para a sua geração.

E porisso, apezar de frequentemente cristalino, limpido, adoravel de
verdade, de sentimento de vida, nestes poêmas em prosa destôam a espaços
requintes preciosos, só acessiveis alguns aos espiritos altos e muito
cultos. Este defeito não aféta demais a obra no valor intrinseco:
priva-a de ser frutifera em toda a sua intensidade, o que é sempre
deploravel num _meio_ como o nosso, assim inculto, esteril, carecido de
verdadeiras obras.

A filosofia de Jaime de Magalhães Lima reclamaria trabalhos de muito
graduada perfeição plastica, a começarem quase sem estilo, como quem
palestra com crianças e simples. Só assim este povo, tão atrazado e
desorientado, mas tão inteligente e bom, poderia, pouco a pouco,
perlibar o mel precioso, colher todo o dôce impulso da verdade livre,
compreendendo e vivendo o que a má fé certa de invejosos ou de sètarios
aponta com facilidade como arte egoista ou impenetravel, se não como
devaneio lunático.

Já como romancista, o seu intento de dar o verdadeiro realismo lhe
inspira uma arte superior na comunicabilidade, uma fórma sempre
transparente e, comtudo, original.

Os seus romances, depois dos de Julio Dinís e alguns de Camilo, são os
mais perfeitamente portuguêses da nossa literatura de ha 60 ânos. Não
são muito lidos. Nem por isso deixam de ser modelares.

Jaime de Magalhães Lima entendeu, como poucos, o romance moderno, sem as
taras do excessivo romantismo, ou do excessivo realismo, inversão
positiva do primeiro.

Espiritualista corajoso, muito superior, não desprezou a unica lei
duravel talvês da estetica positivista: «A Arte deriva do sentimento e
idealisa a realidade».

A rigor, não poderia êle dizer como Lessing: «Se Deus tivesse a verdade
na sua mão direita e na esquerda o amor sempre inquieto da verdade, e me
dissesse:--Escolhe!--eu, ainda que me condenasse a enganar-me
eternamente, optaria pela esquerda. Pai--dir-lhe-ia eu--a verdade é só
para ti». Não. Jaime de Magalhães Lima não tem a febre da verdade,
porque a encontrou plenamente, e disso está convencido. Outra febre
sagrada o empolga: é a de ensinar a verdade que professa, ensiná-la na
doutrina e no exemplo.

Falamos em Lessing, e o nome deste ingente torturado traz á memoria o do
critico Winckelmann, seu colaborador radioso na purificação e dignidade
maior da critica alemã.

É que um e outro foram dois excessos, dois exageros combatentes e por
certo Jaime de Magalhães Lima, que tanto preza Carlyle, se apaixonou,
conhecendo o primeiro, pela orientação alegorista do segundo, todo
embebido na alma angelica de Platão, mas tambem muito tolhido pela
estetica exangue do pintor Oeser. Porém,--di-lo a sua obra--soube achar
o meio termo, como, especialmente no romance, pôs no seu logar Balzac e
Vitor Hugo, e saudou a magnificencia de Flaubert sem deixar de amar a
concisão espiritual de Tolstoi.

Tendo esta pujança moral e mental, não se iludiu com o cinismo brilhante
de Eça, ora acrata ora aristocrata, nem se algemou na idealização, por
vêses excessiva, de Julio Dinís, embora este seja o nosso verdadeiro e
grande realista, o Maior dentro dos sentimentos nacionais.

A prova do que afirmamos assim está em qualquer dos romances de Jaime de
Magalhães Lima.

_Na Paz do Senhor._ A analise póde, a espaços, ter demasias, hoje
repelidas na morte plena do zolismo.

Não demasias de crueza moral, mas de pormenores que já o Eça detestava
no fim da vida.

Mas é rigorosa, metódica, pura. O _meio_ emerge inteiro e real, nosso.
Não é só o descritivo magistral e animado que o revela: são,
principalmente, os carateres e o enrêdo.

O que não ha é o predominio pascóvio dos òtimismos á Pangloss
(degeneração do romantismo), nem os pessimismos sádicos dos Gourmont
(realismo triunfante). O meio é _real_, tem aspétos bons e maus, e a
moralidade, deixando os sermões, aliás brilhantes, da _Cabana do Pai
Tomás_, resulta lógica, sem vergonha de existir, sem medo de cair no
ridiculo.

Tipos verdadeiros, excelentes: o Valadares, tão nosso, o Antonio
Carvalhaes--que a Republica vai ter pela prôa nas proximas
Constituintes--o Monteiro, o Mirandinha, o Frederico e o Prospero, este
mais vulgar do que os criticos imaginam. Realidades puras: a D. Rosa, o
Carlos de Macedo, o Duarte de Melo e a mulher, a Isabel e o seu
Basilio--nada parecido com o lustroso mandrião do Eça. A abnegação do
Frederico, principalmente, soberba de verdade. Não é um corruto, mas
tambem não é um santo. Não é um genio, mas tambem não é um espirito
mediocre. O seu sacrificio tem a nódoa dum egoismo, mas é humano dentro
duma conciencia iluminada.

E no _Reino da Saudade_ e no _Sonho de Perfeição_, a mesma larga vida
concècional, o mesmo espirito de religiosidade cristã, mas purissima,
caratéres nitidos, descrições primorosas, noção profunda da vida
agricola, da burguesia-esponja, do preconceito-pôlvo, da paixão-álcool.

Tudo assim, egual, perfeito, espontaneo, sem desmandos gritantes, sem
covardias morais, sem claudicancias do inteléto. E eis o que sobeja para
dar ao nosso romance um rumo seguro e radioso que na França, apezar dos
romances-poêmas e dos romances-sociais da escola hodierna,
espiritualista-positivista, ainda não foi traçado com gesto definitivo.
Mas esse rumo, se o não querem ver, ha de impôr-se. Se o árabe diz a
verdade, quando afirma _que os cães ladram, mas a caravana passa_, menos
se iludirá quem vaticinar caminho seguro á caravana, só porque coaxam
algumas rãs, chamando _desfastios_ aos _Contos do Natal_ de Candido de
Figueiredo, ou a qualquer deliciosa revelação da arte verdadeiramente
portuguêsa á qual Jaime de Magalhães Lima não dá só muito trabalho, como
muito talento e muita conciencia.

      *      *      *      *      *

É lógico que mentalidade tão robusta e sentimento tão sincero dêm um
critico notavel. Tal o é Jaime de Magalhães Lima no livro e no jornal, e
com o esplendor dum eminente e livre sociólogo, dum democrata livre,
sincero, altissimo.

Neste ponto, a nosso ver, a sua obra-prima é aquêle livro, cheio de
modestia e luz, d'amor e verdade, chamado _Servo e Menor S. Francisco
d'Assis_. Bem sabemos que o critico se inculca como simples decalcador
de Sabatier, como, de passagem, sabemos com estranheza que, lendo
Macdonell, Howel, Lechwer, etc., se esqueceu de Prudenzano e da amoravel
Pardo Bazan, nada despiciendos na psicologia admiravel do Patriarca mais
republicano da Egreja.

Mas, em toda essa obra sadia e profunda, o seu espirito clarividente,
por mais que o oculte, surde com evidencia gloriosa. A narrativa de
honesto biógrafo denuncia a vida filosófica de quem a faz, e essa é por
vêses muito mais afim do espirito imaculado do Santo, modelo de
Democracia pura, do que o do proprio Sabatier, apezar de mentalidade
prodigiosa.

Admiradores conhecidos de S. Francisco d'Assis são Guerra Junqueiro e
todos os modernos poetas de alma. Um orador brilhante, coragem real no
nosso _meio_, Leonardo Coimbra, rasgada democracia numa conciencia
livre, terá dito, ou poderá dizer-nos ainda, muito da elevação
cientifica que vive na espiritualidade do imortal revolucionario de
Assis. Nenhum, porém como Jaime de Magalhães Lima fês, do espirito do
Santo, o seu proprio espirito.

Nenhum, pois, quanto a nós, póde exceder o valor modelar da sua critica
em assunto que é todo da sua alma, na crença convicta, no anceio intimo,
no aperfeiçoamento progressivo da bondade, vida livre e fecunda da sua
inteligencia e do seu coração.

Estudando Alexandre Herculano e José Estevão, Jaime de Magalhães Lima
não pretende fazer estudos integrais. Colhe alguns aspétos, para ele
predominantes, e, como _vê_ sem preconceitos e tem uma linguagem nobre,
pura, original, deixa dois livros primorosos, perfeitos, completos.

Não tem, não póde ter, a dureza rigida de Gustavo Planche. Este, como
dizia o justiçador de Balzac, Edmundo Werdet, era--egoista, de coração
de aço, de torso do Antinous, de pernas de argila, implacavel com tudo
que não fosse obra sua, de estilo corréto, mas seco e frio.

Jaime de M. Lima é forte, mas tolerante, magestoso mas simples como os
patriarcas biblicos.

Ninguem póde tambem esperar dele a venalidade de Sainte-Beuve, o seu
espirito de intriga, capaz de felonias como a que perpetrou com o enorme
poeta Alfredo de Vigny, o pessimista dolorido.

A grande bondade de Jaime de M. Lima, genializada por uma intensa
paciencia, afastam-no da cólera, e a sua desambição perfeita livra-o por
completo de transigencias com o logar-comum e com o estrondo sètario.

Assim, José Estevão é por êle rehabilitado contra os fanaticos de
qualquer campo.

Não, o fogoso tribuno não foi Danton, vulcão, impeto cégo, catapulta
muitas vezes salpicada de sangue.

Não foi, porém, Robespierre, razão fria, espiritualismo e egoismo,
astucia e fé em aliança assombrosa.

Com o vigor do primeiro, não teve a sua impudencia: com o bom-senso do
segundo, não teve a sua hipocrisia.

Foi muitas vezes Lamartine, até no pleno gosto artistico e no sonho, e
foi nos raptos bastante Mirabeau; um Mirabeau com a visão melhor da
moderna sociologia, e portanto sem a mascara disforme do
homem-tempestade.

No fundo, a sua eloquencia era toda de bondade, como a de Fernandes
Tomás em 1820, como a de Antonio José de Almeida no nosso tempo.

Se trovejava, os seus raios eram farois, não eram agentes de cega ruina.

Parece esta a conclusão sintetica do belo trabalho de J. de Magalhães
Lima sobre José Estevão.

A figura de Alexandre Herculano não a viu com a minucia, tantas vezes
arbitraria, de Taine; viu-a com a verdade ampla dum patriota e crente
que nunca esquece o que a patria e a fé representam na grandeza da
Humanidade.

Assim, a conclusão do seu trabalho sobre o maior e mais austero vulto do
nosso romantismo deriva sem esforço, luminosa na sua singeleza, das
belas paginas em que estudou o grande escritor e grande
cidadão--_Alexandre Herculano_, diz, _a todos honrou igualmente,
engrandecendo-se e legando-nos um exemplo unico e supremo na historia do
povo português_.

Dizer isto, depois de o provar sem estridor como sem desfalecimento de
fé, com vistas sempre originais e sinceras, num estilo belo, com
profundas noções cientificas em todos os aspétos encarados, significa
uma obra primacial, uma obra de eleição, e, na essencia, uma completa
obra de propaganda da Verdade Maior.

Não aparece o lenhador, e sim o semeador.

O machado e o bisturi trocam-se pela charrua paciente e pela luz do sol
sem nuvens.

O critico não é a torrente cataduposa: é o rio poderoso, mas placido,
que nunca reflete nas aguas pedaço de céo que não seja amorosamente
azul.

Mas, se o supondes lago apático, enganais-vos: a sua serenidade é cheia
de vida, e tanto que as suas aguas, porque são perfeitamente puras, são
adoravelmente limpidas.

Ás vezes até, a profundidade da vida lhe dá murmurios de oceano: é o
salmo intenso das crenças perfeitas.

É a Conciencia livre, a qual, por mais serena que se eleve, tem sempre
muito de Mar e como que de abismo.

Compreende-se talvês agora como é que este crente é, afinal, um avançado
socialista, um ardente libertario.

Como seu irmão Sebastião, procura a Patria Nova. A diferença está apenas
nos caminhos.

Aquêle quis ver primeiro em terra o Trono que machadou durante 30 ânos.

Jaime nunca se preocupou com as velharias do Passado. Sem as ferir
diretamente, rasgou com coragem e fé a verêda do Futuro e, parecendo
conservador, é o mais avançado revolucionario.

Porisso a sua nobre tolerancia é o mais valente grito de guerra.

Quem assim é tolerante tem a certeza de que o Erro cái de per si á
simples aparição de toda a Verdade.

      *      *      *      *      *

Jaime de Magalhães Lima é talvês assim, visto como que num simples
instantaneo.

Fotografado em todos os seus aspétos, seria o mesmo que pedir para êle
em vida uma estatua, mais justa do que a de alguns, nunca tão livres de
conciencia e honestos de verdadeira arte como este escritor, que é
notavel por isso mesmo que muitos teimam em não o notar.

Nem o nosso caráter nem o dêle--e este muito menos--se comprazem com o
mais justificado fetichismo.

Para êle, como para nós, a obra é valor da ideia e não do homem.

O espirito hoje perfeito foi imperfeito, evolute, e, resplandescente
agora, tem ainda sêde de perfeição maior. Não ha grandes nem pequenos,
se não de momento. O verme de hoje ha de ser colosso ámanhã. O gigante
da atualidade foi anão nas trevas do passado.

Apontar Jaime de Magalhães Lima dentro da justiça perfeita, não é, pois,
elogiar o individuo: é apelar para um belo manancial de ideias e
sentimentos de amor e verdade.

Ha de um dia a literatura dar-lhe o lugar devido. Isso não nos preocupa.
O Futuro dignifica sempre o Passado. O que nos póde doer é que muitas
almas sequiosas desconheçam tão bela fonte de noções moraes e mentais e
se privem, por ingratidão mesquinha do _meio_, do pão artistico e
espiritual que uma obra tão superior, como a de Jaime de M. Lima, lhes
póde ministrar com grandes frutos para a Democracia e para a Verdade.

Esse prejuizo causa horror.

Estão secas as fontes verdadeiramente cristalinas da nossa Arte. Em vês
delas, superabundam chafarizes exóticos, canalisando e repuxando aguas
duvidosas.

Quem desconhece o intoxicamento moral que elas semeiam?

Quem não compreende que a nossa jóven Republica precisa de as vedar em
beneficio da boa saude da querida Patria Portuguesa?



Livraria Portuense, de Lopes & C.ª--Successor

119, Rua do Almada, 123-PORTO


JOSÉ AGOSTINHO

OS NOSSOS ESCRITORES:

      I--_Guerra Junqueiro_, 100
     II--_Teofilo Braga_, 100
    III--_José P. de Sampaio (Bruno)_, 100
     IV--_Jaime de Magalhães Lima_, 100

LUSIADAS, prefaciados, parafraseados, anotados, e com um vocabulario,
cada tomo ou canto, br. 150, enc. 250

LUSIADAS em 2 vol., br. 1$500, enc. 2$000

LUSIADAS em 1 grosso vol. os dez cantos, enc. 1$600

A MULHER EM PORTUGAL, br. 500, enc. 700

O HOMEM EM PORTUGAL, br. 600, enc. 800

O CAMINHO DAS LAGRIMAS (romance historico) br. 600, enc. 800

O PADRE ANTONIO (2.ª edição refundida) br. 400, enc. 600

POEMA DA PAZ, br. 400

MONSTRO, drama em verso, br. 400, enc. 600

DEFINIÇÕES--(verso), 200

As Noites do Avozinho--BELEZAS DA HISTORIA DE PORTUGAL, cada fasciculo,
broch. 100, enc. 250

FABULAS, (verso) br. 200, enc. 400

ALEXANDRE HERCULANO, br. 500, enc. 700

EÇA DE QUEIROZ (2.ª edição aumentada), br. 300, enc. 500


D. ANTONIO DA COSTA

HISTORIA DA INSTRUÇÃO POPULAR, 1 vol. br. 500 reis, e enc. 700

NO MINHO, 1 vol., br. 500 reis, enc. 700

TRES MUNDOS, br. 500 reis, enc. 700


ALVARO DE MAGALHÃES

O SECRETARIO, br. 500, enc. 700





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Jaime de Magalhães Lima" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home