Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Memória sobre a plantação dos algodões - e sua exportação sobre a decadencia da lavoura de mandiocas, no termo da villa de Camamú, Comarca dos Ilhéos, Governo da Bahia
Author: Bettencourt, José de Sá
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Memória sobre a plantação dos algodões - e sua exportação sobre a decadencia da lavoura de mandiocas, no termo da villa de Camamú, Comarca dos Ilhéos, Governo da Bahia" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



produced from images generously made available by National
Library of Portugal (Biblioteca Nacional de Portugal).)



     *Nota de editor:* Devido à quantidade de erros tipográficos
     existentes neste texto, foram tomadas várias decisões quanto à
     versão final. Em caso de dúvida, a grafia foi mantida de acordo com
     o original. No final deste livro encontrará a lista de erros
     corrigidos.

                                             Rita Farinha (Jan. 2010)



PLANTAÇÃO DOS

ALGODÕES

J. S. Bettencourt



MEMORIA
SOBRE A PLANTAÇÃO
DOS
ALGODÕES.



MEMORIA
SOBRE A PLANTAÇÃO
DOS
ALGODÕES,

E sua exportação; sobre a decadencia da Lavoura de
mandiocas, no Termo da Villa de Camamú,
Comarca dos Ilhéos, Governo da
Bahia,

APPRESENTADA, E OFFERECIDA

A SUA ALTEZA REAL
O
PRINCIPE DO BRAZIL
NOSSO SENHOR,
POR
JOSÉ DE SÁ BETENCOURT,

_Bacharel Formado pela Universidade de Coimbra: e
actualmente encarregado em exames de Historia
Natural na Capitania da Bahia; &c._

ANNO. M. DCC. XCVIII.

Na Officina de Simão Thaddeo Ferreira.



                                                             SENHOR.


_Eu tenho a honra de apresentar a V. A. R. o breve resumo das minhas
poucas observações sobre a plantação dos Algodões, sua exportação; e
tambem das causas da decadencia da lavoura de mandiocas no termo da
Villa de Camamú, que olhadas por V. A. R., Pai commum, será a dita
lavoura dos Algodões hum dos maiores ramos do nosso Commercio para
felicidade da Nação, e riqueza da Capitania da Bahia, onde a Natureza
tem depositado os Thesouros, de que só he capaz a sua liberalidade._

_Espero que V. A. R. haja de acolher com a grandeza do seu Real Coração
os bons desejos, que tenho, do serviço de V. A. R., da felicidade do
Paiz, e augmento da Nação, no breve discurso, que tenho a honra de
apresentar a V. A. R. de quem sou com o maior respeito, e veneração_


                                                     Vassalo obediente

                                              _José de Sá Betencourt_.



A Terra, mais rica na sua superficie, que nas suas entranhas, serve de
theatro á Sábia Natureza, que a renova todos os dias, com as suas
producções; fazendo succeder por meio das differentes, e multiplicadas
sementes outras tantas especies de vegetaes, que cobrem a superficie do
nosso Globo, e fazem a felicidade dos seus habitantes. Ella reparte com
grande sabedoria os seus dons, e faz que se propaguem sobre os
differentes terrenos, que lhes são proprios, já pela qualidade do seu
humus, já pela natureza do clima, sem que a destra mão do Agricultor os
possa fazer propagar á sua vontade: assim vemos, que as plantas da
Europa com difficuldade se propagão em beiramar do Brazil; e algumas que
á força de trabalho crescem, e propagão, a sua producção he debil, e sem
que os Lavradores possão tirar as vantagens, que se tirão na Europa,
como vemos, e se observa na vinha, que mal satisfaz a curiosidade do
cultivador, sem que a producção corresponda ao trabalho.

Outras, que vegetão, e não propagão, como a oliveira, &c. outras de tal
sorte amantes do seu paiz, que não vegetão, nem propagão.

O mesmo, que observamos nas plantas da Europa, cultivadas no Brazil, se
observa nas plantas deste levadas para a Europa, que só vivem em cazas
de vidraças, subministrando-se-lhes com estufas o calor, que lhes he
necessario para a sua vegetação.

O Agricultor póde modificar o terreno, fazendo-o mais ou menos gordo,
mais ou menos poroso, appropriando-o á natureza da sua lavoura, mas não
o clima em grande, que influe na maior parte da vegetação.

Eu não me canço em referir as differentes observações dos Filosofos,
para provar, que o clima influe mais na vegetação, do que a terra, por
ser esta materia huma, e muitas vezes discutida, e provada; porque sendo
a terra a mesma em toda a parte, e susceptivel de receber as
modificações do Agricultor, vemos que ha grande difficuldade em se fazer
propagar as plantas de differentes climas transplantadas; e ainda que
saibamos, confórme os verdadeiros princípios de Agricultura, e de
Chymica, que a terra he o meio, no qual se faz a germinação, e que não
serve só de laboratorio, confórme o Abbade Tessier aos succos, que lhes
são destinados; mas que entra tambem em grande parte na sua composição,
seja ella attenuada do modo, que for, o que ainda existe nos occultos
segredos da Natureza, que o homem não póde perceber, o que se conhece
pelo residuo dos vegetaes queimados; com tudo outras muitas experiencias
próvão, que o ar he muito necessario para a perfeita vegetação, e que
entra em grande parte na sua composição.

A necessidade, que os vegetaes tem de agua para a sua vegetação, he por
todos bem conhecida, não sendo demasiada, assim como o calor, que he o
princípio vivificante, o que tudo coopera, para que as plantas cresção,
e produzão, confórme a qualidade do clima; que lhes he analogo. Eu me
não demoro em relatar theorias sobre o princípio da vegetação; porque
isto sería exceder o plano, que me proponho; só me basta provar, que o
clima differente influe nesta, ou naquella lavoura, para que o
Agricultor perceba as utilidades com vantagem.

A mesma differença, que observamos nos Paizes da Europa em relação aos
de beira mar do Brazil, se observa nestes a respeito dos do Sertão, ou
terra dentro, onde são as estações mais regulares, e as chuvas vem em
tempos determinados, e constantes, o que faz, com que a lavoura seja
igual, e sempre certo o tempo da plantação.

O terreno da Villa do Camamú, que fica entre 14, e 15 gr., desviado da
Bahia ao Sul 24 legoas, he o Paiz mais irregular nas suas estações, que
tenho visto, porque, quer seja de verão, quer de inverno, sempre as
chuvas são continuadas; e o calor no verão, confórme o termometro de
Fahrenheit, não chega a mais de 80 gr. e meio[1], o que faz, com que as
plantações se conformem á irregularidade do clima, e se não possa nelle
cultivar com vantagem, senão Mandiocas, Cafés, Arroz, e Cacau, e não o
Algodão, que he o principal objecto; porque, ainda que cresça nas boas
terras de beira mar, a sua cultura se não póde fazer com proveito, visto
que o terreno lhe não he tão proprio, e a irregularidade do clima rouba
ao Lavrador as suas esperanças, vindo as chuvas no tempo da colheita, a
destruir, e apodrecer o Algodão, ainda nos seus capulhos.

Esta irregularidade se observa nos Paizes, que ficão ao Sul da Bahia
entre 13, e 20 gráos, onde se não conhece verão, nem inverno[2], senão
pelo mais, ou menos calor, confórme os ventos, que reinão nestas duas
estações; e nunca o frio excede de 60 até 55 gr. do mesmo termometro,
tempo, em que reina o vento Sul, que sempre he acompanhado de chuvas.

A 14 legoas da Villa de Camamú, fazendo caminho de Oest-Sudueste até
encontrar as margens do Rio das Contas, onde confinão as matas grossas,
com as Catingas altas[3], e vão confinar a 12 legoas com as Catingas
baixas[4], já a regularidade do clima se confórma com a fertilidade do
terreno, muito proprio para todas as plantações, particularmente, para a
lavoura do Algodão, onde se acha silvestre no meio das ditas Catingas.

Este terreno, que fica a 26 legoas de beira mar separado pela mata, a
qual vem a confinar, com as que os naturaes do Paiz chamão Catingas
grossas, he sem dúvida o mais proprio para a dita lavoura, porque o
Algodão domestico, huma vez plantado, se conserva por muitos annos,
ainda sem nenhum beneficio, como o encontrei na Fazenda do Rio das
Contas, onde tinha sido plantado havia dezoito annos, e se conservava no
meio das Capoeiras[5], com tanto vigor, como se fosse novamente
plantado.

Todo o Sertão da borda do Rio das Contas tem a mesma propriedade: toda a
mata, que fica entre o dito Rio das Contas da parte do Sul, e o Rio do
Gragongi, confórme a fé dos bandeiristas[6], possue as mesmas
qualidades.

Este vasto terreno, que principia a 13 legoas da beiramar, he cortado de
Sueste, a Noroeste pelo Rio das Contas, susceptivel de navegação de
grandes canoas, e outros muitos rios, que vem cruzar com elle, tanto da
parte do Norte, como do Sul, sem a mesma facilidade de navegação, os da
parte do Norte são o Ribeirão de Area; ou Montanha, Genipapo, Manageni,
Rio das Pedras, Rio Preto.

Todo o Sertão da Conquista desde a fazenda do Rio das Contas, fazendo
caminho de Sul, que será de 40 legoas, tem a mesma propriedade, não só
pela qualidade do terreno, como tambem pela regularidade do clima, que
he tanto mais regular, quanto mais se affasta da beiramar.

A margem do Rio Gavião, que vem fazer barra com o Rio das Contas,
seguindo o rio o caminho de Oeste, he igualmente propria para a
sobredita lavoura.

Os proprietarios das fazendas, que conhecem as vantagens desta lavoura,
a não fazem pela razão, que logo exporei, quando fallar da sua
exportação.

A planta, que produz o Algodão, entra na Classe _Monadelphia_ Ordem
_Polyandria_, genero _Gossypium._ Lineu, se servio, para distinguir as
especies, das differenças das folhas, e das glandulas, que se achão em
algumas especies, e não em outras, cujo conhecimento só fica pertencendo
aos Filosofos, e não ao do vulgo; razão porque me servi da differença
das sementes, e do pêlo, que as cobre, confórme as suas cores, por ser
hum caracter constante no Paiz, e conhecido de todos, que fazem uso
desta cultura, ainda que em pequeno; e da união destas mesmas sementes,
ao que chamão caroço inteiro, ou dividido.

Para se cultivar o Algodão basta derribar as Catingas altas, ou Catingas
baixas, logo que o tempo secco convida para este trabalho, que he do mez
de Junho por diante, e se deixão seccar até o mez de Setembro. Os Soes,
que neste tempo são ardentissimos, seccão as madeiras de tal sorte, que
quando as chuvas avisão aos habitantes da sua chegada pelos grandes
trovões, que costumão haver muitos dias antes, lhes lanção fogo, que
reduz tudo a cinzas, deixando a superficie da terra limpa, para se fazer
a plantação, sem maior incómmodo, ficando a terra estrumada, e fertil
pelo alkali vegetal.

A lavoura se faz com enxadas, abrindo covas de oito em oito pés, onde se
lanção as sementes[7], e se cobrem com pouca terra; e porque o terreno
ficaria muito ocioso só com esta planta pela grande distancia, que se
lhe dá para a sua ramificação, em quanto não chega ao seu maior
crescimento, e por se não ver o Lavrador obrigado a alimpar a terra, que
fica neste espaço, das hervas, que nascem sem maior proveito, lhe planta
o milho, e feijão, que tudo cresce igualmente, sem que fação damno ao
Algodoal.

A estação, que começa a ser chuvosa, não céssa de regar a lavoura
regularmente todas as tardes, e muitas vezes á noite, vindo de manhã o
Sol até o meio dia animar a lavoura; algumas vezes acontece virem as
chuvas de oito em oito dias, por intervallos, no mez de Outubro, até
chegar a meiados de Novembro, tempo, em que ellas são constantes.

A fertilidade do terreno faz crescer com as plantas, outras muitas
hervas, que o Lavrador he obrigado a arrancallas, ou sachallas para
desaffogar a sua lavoura, que então cresce prodigiosamente; e quando se
dá a primeira limpa, se arrancão os pés de Algodão superfluos na
cova[8], deixando só dous, que se capão, quando a planta já tem altura
sufficiente para brotar novos galhos ao redor do tronco, e fazer com
esta operação maior lucro na colheita.

No mez de Fevereiro costumão os Lavradores dar a segunda monda á sua
lavoura, confórme as suas differentes occupações, e abundancia da herva,
que torna a renascer depois da primeira limpa.

No mez de Maio se faz a colheita do milho, e do feijão, deixando o
terreno desembaraçado, e limpo, para no mez de Julho se dar princípio á
colheita do Algodão, que continúa até o mez de Outubro, e Novembro,
tempo, em que se pódão os Algodoeiros, para no segundo anno darem huma
fertilissima colheita.

A necessidade, que não céssa de ameaçar o Lavrador, o disperta a
continuar o mesmo trabalho, para ter certa a sustentação de milho, e
feijão, que já não póde ser, senão em terreno novo, que serve para
augmentar a dita plantação com a mesma regularidade.

Deste modo veria o Lavrador crescer, com o seu trabalho, as suas
riquezas, não só pela felicidade da lavoura, seu rendimento, e duração
da planta, como pela diminuta despeza no seu fabrico, se hum obstaculo
lhe não embaraçasse a execução de hum plano tão util ao Commercio, e ao
Estado.

O Abbade Tessier no seu discurso preliminar sobre a Agricultura se
expressa da maneira seguinte.==O mais poderoso meio de dar á Agricultura
toda a actividade, de que póde ser susceptivel, he praticar caminhos de
communicação em os Paizes, onde os não ha, e canaes navegaveis para
transporte das mercadorias, &c. &c. _Encyclopedia Dictionario de Agric_,
pag. 20.

Não he a falta do caminho, que faz o embaraço da exportação, mas sim a
falta de segurança deste mesmo caminho para socego, e frequencia dos
viandantes, que, na travessa da mata, se vêm accommettidos do Barbaro
Gentio _Cotachós_, privando-os da facilidade de transportarem as suas
cargas pelo rio abaixo até o Ribeirão da Arêa, que fica a 13, até 14
legoas da Villa de Camamú, de donde se podem muito bem conduzir em
cavalgaduras, para deste porto serem enviadas para a Capital, se
houvesse naquelle lugar hum corpo de homens, que os fizessem conter nos
seus limites, repellindo a força das invasões.

Este caminho, em outro tempo aberto por Ordem do Excellentissimo Manoel
da Cunha Menezes, quando governou a Bahia, terminando na estrada, que
vai para os Maracazes, dirigida dos Sertões da Conquista, que ficão
abaixo das Contagens de Rio Pardo, e Tocajós, se fechou, não só pela
infestação do Gentio, mas pelo longe, máo passo, e falta de pastagens
para os animaes, o que conhecendo eu bem, obrigado da necessidade dos
animaes precisos para o costeamento dos meus Engenhos, pela miseria, e
lastimosa necessidade do povo, me resolvi a fazer outro, seguindo
differente rumo, onde gastei tres annos sem adjutorio do povo, nem da
Camara, nem doutrem, perdendo em todo este tempo o lucro das minhas
lavouras, e o fiz muito mais perto, e por hum terreno, que o acaso
subministrou com algumas pastagens.

Não he preciso para segurança deste caminho mais, que huma Povoação de
Judios mansos chamados _Mongoiós_ no Ribeirão da Arêa. Não são os
particulares, que tem este poder; mas sim o Governo, onde existe a Régia
Authoridade.

Eu não conheço homens mais aptos para este fim, do que a domestica Nação
dos Indios _Mongoiós_, não só pelo seu grande valor, e intrepidez, como
por serem huns homens acostumados á vida silvestre, e que a maior parte
do tempo vivem da cassa, e da pesca, ainda que sejão Agricultores, e
amantes da lavoura, não soffrendo maior detrimento, em quanto crescem no
primeiro anno as suas lavouras, e desejão isto mesmo, confórme o que me
disserão, pelas razões, que vou dar.

Primeira, porque ha muito tempo não recebem as ferramentas, que
costumavão receber por Ordem do Governo. Segunda, porque na grande
distancia, em que morão, não tem, quem represente as suas necessidades
ao Governo para as remediar.

Terceira, porque se vêm opprimidos, sem poderem fazer as suas lavouras,
e as que fazem, serem destruidas pelos animaes domesticos dos
habitantes.

Quarta, pela oppressão, que soffrem, de quem os governa, sem que o longe
lhes permitta a facilidade, de se poderem queixar.

Quinta, porque o terreno da beira do Rio he mais abundante de cassa, e
peixe, e muito fertil; e sendo ahi animados de huma prudente
administração, de que são muito susceptiveis, podem fazer a sua
felicidade, de que resultão ao Estado as seguintes vantagens.

Primeira, confórme o que me disserão, quando aqui chegárão na expedição
da Bandeira contra os _Cotachós_, logo, que elles viessem para a beira
do Rio, as outras Aldêas da sua mesma Nação, que ainda não sahírão das
matas, se virião encorporar com elles, assim que lhes constasse da sua
felicidade, debaixo da doce administração, e protecção do Estado.

Segunda, estes homens conciliados, debaixo da direcção de hum Director
desinteressado, serão outros tantos valerosos soldados, que com
facilidade dalli melhor podem ser chamados, confórme as necessidades da
beiramar, do que do fundo dos Sertões, onde presentemente habitão.

Terceira, ficando a estrada livre da infestação dos _Cotachós_, o
Commercio será livre aos viandantes, para com segurança trazerem as suas
mercadorias, de cuja facilidade resulta a animação de huma lavoura tão
importante, servindo estes homens, para exportarem nas canoas as grandes
sommas de Algodão, que a emulação fará cultivar em todo o vasto terreno
do baixo Sertão da _Reraca_[9], _Conquista_[10], e _Borda da mata_, e
das margens de muitos rios navegaveis, que vem ter ao dito Rio das
Contas.

Quarta, o poder-se frequentar a dita Estrada da beira do Rio para a
Villa do Camamú, por ficarem os moradores livres do receio das invasões
dos _Cotachós_, que se entranharão pelas matas do Sul, logo que souberem
da residencia destes homens na beira do rio, tão valerosos, e destros
não só no manejo das suas armas, como das nossas.

Quinta, o grande Commercio de _Ipecúcuanha_, que elles podem fazer,
tirando-a nas margens do mesmo Rio das Contas, Ribeirão da _Arêa_, e
matas do _Gragongi_, onde ha com abundancia.

He experimentado na Agricultura, que a falta de animaes para o seu
fabrico faz a sua decadencia. Esta verdade, que tem sido provada em
muitos Paizes, confórme os Abbades _Rosier_, e _Tessier_, grandes
escritores, e Mestres desta Sciencia, não deixa de ser lastimosamente
comprovada neste Paiz, que sendo, em outro tempo, abundante de farinhas,
unico commercio, que fazia para a Capital, hoje se vê reduzido á ultima
miseria de sorte, que a exportação, que presentemente se faz para a
Bahia, deste genero tão necessario, he, para a que se fazia em outro
tempo, como de 1 para 1000.

A razão desta decadencia he bem conhecida. Em quanto havião matas
virgens á borda do mar, ou de muitos rios navegaveis, que entrão algumas
legoas terra dentro, a lavoura se fazia com facilidade, e com a mesma se
conduzião as farinhas ás costas dos escravos, e de poucos animaes para
os pórtos de embarque. Hoje porém que já as terras da borda d'agua estão
reduzidas a Capoeiras, huma, e muitas vezes plantadas, e minadas de
formigueiros, destruidores da mandioca, he o producto da lavoura nas
capoeiras, para o producto, que tiravão os Lavradores nas matas virgens,
como de 5 até 10, para 40, 50, 60, e para 100, o que se próva pela
tradição dos antigos Lavradores, e pelo preço das farinhas desse tempo,
que nunca excederão a 480, sendo o preço usual de 240, a 320 o
sacco[11], e o seu preço actual 1280, a 1600, sem esperanças de
melhoramento, porque sempre o preço he na razão inversa da abundancia do
genero.

Os póvos humildes por sua natureza, e pela creação mui grosseira, se não
animão a procurar melhoramento, não só pela pequenhez do seu animo, como
por lhes faltarem os animaes necessarios, para conduzirem de mais longe
as suas farinhas. A falta de açougue he outro obstaculo. Os Póvos, não
tendo huma certa sustentação, não se animão a apartarem-se dos mangues,
para lhes não faltar o sustento do Carangueijo[12].

Nas tres legoas, da borda dos rios para dentro, estão as boas terras de
lavoura de mandiocas, que pela sua grande producção, se os Lavradores se
animassem a entrar, tendo abundancia de animaes para transporte das suas
farinhas, como se vê na ribeira de Nazaré, farião renascer a abundancia
deste genero tão precioso neste paiz. Outros muitos estabelecimentos de
Engenhos de assucar se poderião fazer, de que resultarião ao Estado
grandes vantagens, se houvesse no Paiz abundancia de animaes, o que não
succede pela falta de abertura ou de estrada.

A Agricultura entretem de dous modos o commercio, tanto interior, como
exterior, fazendo propagar os generos de exportação para as
manufacturas, e os que se consomem na terra, e servem de sustentação.
Faz a base fundamental da felicidade dos Póvos, e da riqueza do Estado.

O Arraial do Caitité, que fica 30 legoas inda acima das Cabeceiras do
Rio das Contas, que dista 130 legoas, ou pouco menos do primeiro porto
de embarque, que he na Villa da Cachoeira, era á 25 annos pobre,
deserto, e só manejava o diminuto commercio de gados, mas de muito
pobres fazendas se vê hoje o mais rico daquelles Sertões, depois que
derão princípio á cultura do Algodão, havendo nelle grandes Lavradores,
pela facilidade, e segurança de fazerem descer por huma estrada
frequentada os seus generos.

Os Póvos de Minas Novas, a exemplo destes, não obstante o serem duas
vezes mais remotos do porto de embarque, fizerão o mesmo, a pezar do
grande dispendio na exportação: ora se estes Póvos, a pezar da grande
distancia, achão utilidade nesta lavoura tão recommendada pela nossa
Academia das Sciencias de Lisboa sobre o Algodão da Persia, em que logo
fallarei, que vantagens não terão os que cultivarem á borda da mata do
nosso Sertão, que está tão perto, ainda havendo a facilidade de se
conduzirem as cargas pelo rio abaixo em canoas, até o Ribeirão da
_Arêa_, sendo o terreno o mais proprio, que se conhece para a dita
lavoura.

As sementes do Algodão da Persia, que me forão entregues com a norma
impressa da sua cultura, eu fiz plantar em differentes tempos, e não
nascêrão, por já terem o germe destruido, e assento que se deverião
mandar vir frescas, mettidas em vasos de vidro tapados, se possivel for,
hermeticamente, e se poderem vir logo em direitura muito melhor será
para não padecerem as sementes alteração na parte oleosa, que contém a
polpa, que cobre o germe, ou plumula.

O Algodão da India, que cá temos, tem nas sementes alguma semelhança com
o Algodão da Persia, por serem alguma cousa cobertas de hum pêlo branco,
porém não tanto, como o da Persia; a sua flôr he de hum vermelho côr de
fogo, caracter distincto do Algodão de Macassar, o qual ainda
conservamos em muito pequena quantidade, por ser mais difficil no
colher, porém bastante para se poder augmentar a plantação; reliquias
que nos ficárão dos generos da India, que em outro tempo aqui forão
cultivados, como a Canella, a Pimenta, o Gengibre, e o mesmo Algodão, de
que remetto o exemplo na pequena caixa das amostras, onde vão seis
qualidades de Algodão; a saber.

Algodão de caroço inteiro, comprido, e preto, que he de muita vantagem
na sua cultura, porque he mais fertil em lãa, inda que de qualidade mais
áspera, como se póde ver na amostra, que remetto, e só póde servir para
as obras mais grossas. Chamão a este Algodão vulgarmente do Maranhão;
cuja arvore he de menos duração.

Algodão de caroço inteiro, e preto, porém não tão comprido, como o do
Maranhão, a que chamão Algodão vulgar; a sua lãa em tudo se assemelha á
do Maranhão, porém tem differença por ser o seu fio mais fraco, que o do
Maranhão, porém a sua arvore he de mais duração.

Algodão de caroço unido, coberto de hum pêlo pardo, a que chamão Algodão
de caroço pardo, fertil em lãa mais macia, e doce, que a do Maranhão, e
produz hum fio fortissimo: a sua arvore he de bastante duração.

Algodão de caroço unido, coberto de hum pêllo verde, a que chamão
Algodão de caroço verde, a sua lãa he abundante, doce, branda, e forte
no fiar: a sua arvore he de huma grande duração.

Estas duas qualidades podem servir para obras mais delicadas como cassas
vulgares.

Algodão de caroço inteiro, e preto, de lãa parda, ou côr de ganga; a sua
lãa he muito macia, e forte: a sua arvore he duravel, póde servir para
se fazerem as gangas, e outras obras de fustões, em que entrem listras
côr de gangas.

Algodão da India de caroço dividido, coberto de hum pêllo branco bem
semelhante aos caroços, ou sementes do Algodão da Persia, de que já
fallei: a sua lãa he de hum branco fino muito doce, que produz hum fio
forte, capaz para as obras mais delicadas, como cassas de sopro, &c.

Algodão da India de caroço preto sem ser coberto, e dividido; a sua lãa
he igual á do precedente com a differença de que o caroço não tem pêllo;
a maçãa he maior, e os casulos, ou capuchos mais abundantes de lãa:
tambem tem a differença nas arvores, porque a do caroço preto he mais
crescida, quando a do caroço coberto he muito rasteira, ainda que a sua
duração seja igual, pois, sendo cultivadas em terreno fertil, e
estrumado, aturão muitos annos.

As arvores, que produzem o Algodão de caroço pardo, verde, e preto,
vulgar, e de côr de ganga, são persistentes, e aturão muitos annos; a do
Maranhão não chega a aturar dous annos neste Paiz, ainda que não ha
exemplo da sua cultura no Sertão, onde o terreno he mais proprio para a
dita lavoura, e atura hum pé de Algodão entre o mato sem nenhum
beneficio 25 annos, e muito mais, porque ainda existem alguns, que já
tem esta idade.

Temos outras duas qualidades de Algodão silvestre, que se encontra em
abundancia nas Catingas á margem do Rio das Contas, tendo ambas as
mesmas propriedades do Algodão da India, tanto nas sementes, como nas
arvores só com a differença, de que huma destas especies tem a lãa
parda, e áspera por falta de cultura.

O Algodão domestico, cultivado nas Catingas, dá hum producto
consideravel, o qual se póde ver na taboa analitica do rendimento do
Algodão.

A execução destas vistas importantes, não póde pertencer a outrem, senão
ao Rei, porque ellas pedem despezas, que excedem á fortuna dos
particulares, e necessitão da animação das Ordens, e do poder do
Soberano, para transportar casaes de Ilheos, do mesmo modo, que se fez
para a Ilha de Santa Catharina, para dar maior avanço á cultura dos
Algodões, e cultivar-se hum terreno, que póde sustentar muitos milhões
de Vassallos de Sua Magestade, e descobrirem-se immensos thesouros, que
se achão sepultados debaixo das matas, que, por falta de cultura, se não
conhecem; e em quanto o Estado não dá sobre este importante objecto as
providencias precisas, basta que o Governo determine a residencia dos
Indios _Mongoiós_ na beira do Rio, para que ficando a estrada livre das
invasões dos _Catachós_, se dê princípio a huma tão importante lavoura,
como tambem para que possa por ella descer todo o Salitre, que se
fabricar não só nos Montes Altos, como em todo o terreno nitroso do
Ribeirão da Giboia, que fica a 40 legoas de beiramar, de muito facil
condução, fazendo-se primeiro conduzir em carros até o sitio chamado da
Passagem, e dahi em canoas até o Ribeirão da _Arêa_, como tenho já dito
a respeito da exportação do Algodão, e com muita facilidade conduzir-se
para o primeiro porto de embarque: no caso que seja o Salitre, o que
torna as aguas da dita Ribeira de hum gosto salgado frio, sendo as
terras das suas margens bastante salgadas; o que unicamente observei,
sem que podésse analysallas pela precipitação, com que por ahi passei, e
não ter vasos suficientes para o poder fazer: posto que tinha a noticia,
de que João Gonçalves da Costa fizera seccar huma porção deste Sal, que
dizia ser Salitre, e o tinha trazido a esta Cidade da Bahia no tempo do
Illustrissimo Governador Manoel da Cunha Menezes, que, lançado no fogo,
fazia a detonação, deixando pela sua impureza bastante terra; porque o
seu author não possuia os conhecimentos precisos, para fazer a perfeita
deputação, o que só póde decidir o exame filosofico, para então se poder
verificar, sem a menor dúvida, inda que me affirmão pessoas de toda a
fé, que a tal massa detonava bastante exposta ao fogo; e não só póde
servir o beneficio da dita estrada para a facilidade da exportação deste
genero, mas tambem de todos os ramos, de que se segue tão grandes
vantagens ao Commercio, e por consequencia ao Estado.


        _O fortunatos nimium, sua si bona norint,
        Agricolas!..._

                            Virgil. Georg. Liv. 2.



DESCRIPÇÃO
DAS DIFFERENTES ESPECIES
DE
ALGODÃO
QUE TEMOS NO BRAZIL.


_Algodão do Maranhão de Caroço inteiro, e comprido_.[13]


A sua maçã, ou pericarpio comprida bastante grossa, que contém nas suas
valvulas, ou cellulas tres capulhos, ou capuchos na frase do Paiz, da
huma abundante lãa, que cobre nove até dez sementes unidas em hum só
corpo, a que chamão caroço inteiro, o qual tem de comprimento pollegada
e meia.

A sua arvore em beiramar da Villa do Camamú só atura dous annos, e não
ramifica como as outras, porque da altura de tres palmos da terra, onde
o tronco he grosso bastante, brota muitas vergonteas, sem que faça maior
ramificação.

A sua lãa, não deixa de ser a mais áspera que cá temos, e póde servir
para muitos usos.


_Algodão de caroço pardo, e inteiro_.[14]


A sua maçãa mais grossa, que a precedente, porém não tão comprida,
contém de tres até quatro valvulas, que encerrão outros tantos capulhos,
ou capuchos de huma abundante lãa, muito clara, e doce, que cobre nove
sementes unidas em hum caroço, coberto de hum pêllo pardo, o seu
comprimento he pouco mais de pollegada; o fio, que produz este Algodão,
he forte, e por isso se póde fiar bem delicado.

A sua arvore he grossa bastante, e de huma grande ramificação, atura
muitos annos, e por isso de grande vantagem.


_Algodão de caroço verde, e inteiro_.[15]


A sua maçã em tudo semelhante á precedente, contém quatro capulhos; de
huma lãa clarissima, e muito fina, que cobre nove sementes unidas
cobertas de hum pêllo verde, caracter distinctivo desta especie; este
Algodão produz hum fio fortissimo, e por isso muito proprio para as
obras mais delicadas.

A sua arvore he em tudo semelhante á precedente, e quasi estas duas
especies são analogas, e só as differença a côr do pêllo, que cobre os
caroços.


_Algodão de caroço inteiro de lãa parda côr de ganga_.[16]

A sua maçãa he ordinaria, e produz tres ou quatro capulhos, ou capuchos
de huma lãa parda, que cobre hum caroço inteiro, e unido, que he
composto de sete e nove sementes.

A sua arvore he persistente, e de muita duração.


_Algodão vulgar_.[17]


Tem as mesmas propriedades que o Algodão de Maranhão, unicamente com a
differença do seu caroço ser menor, composto de sete ou nove sementes, e
raras vezes de dez.

A sua arvore he de grande duração.


_Algodão da India de caroço dividido, e cuberto de hum pêllo
branco_.[18]


A sua maçãa he pequena com tres quatro valvulas, contém outros tantos
capulhos de huma lãa finissima, muito alva, que cobre sete sementes
divididas, que faz o caracter do caroço dividido.

A sua arvore he rasteira, e muito duravel. Esta semente nos veio da
India, em companhia do Cravo, da Canella, e do Gengibre, e se tem
conservado até agora.

Tambem temos outra especie de Algodão da India de Caroço dividido, e
preto de lãa muito macia, e alva.

A sua arvore he mais alta, que a precedente.

Temos ainda duas especies de Algodão naturaes do Paiz, que se achão
silvestres nas margens do Rio das Contas, e bem semelhantes ao Algodão
da India, tanto nas suas sementes, como na sua arvore, tendo huma das
duas especies a lãa áspera, e parda.

Eu as fiz plantar em beiramar, mas no tempo da fructificação, as chuvas
deitárão abaixo as novidades, sem ficar huma só maçãa.

A sua arvore he de grande duração.



CALCULO ANALYTICO.


Hum escravo trabalhando em Algodão
dá de rendimento no Sertão               250$000

Prepára terra para                       500 pés

Que dão de lãa                           62 e 16 a razão de 4 lib. por pé

Tirada de 1364 maçãas, que produz
cada pé de colheita ordinaria.

Além disto planta o milho, e feijão
para o seu sustento, e para crear
porcos, gallinhas, &c.

O que melhor se conhece na Taboa
--Synthetica.

FIM.



CALCULO SYNTHETICO DO RENDIMENTO DO ALGODÃO DO CAROÇO PARDO, VERDE, E DO
MARANHÃO.


==============================================================================
Producção do Algodão em  |Maçã| Capul.|  Gr.  |Oit.|Lib.|Arrob.|Pés de| Preço
                         |    |       |       |    |    |      |Algod.|
-------------------------+----+-------+-------+----+----+------+------+---+---
Huma maçãa contém        |    |3 até 4|       |    |    |      |      |   |
-------------------------+----+-------+-------+----+----+------+------+---+---
Hum capulho dá de Lãa    |    |       |9 p. m.|    |    |      |      |   |
-------------------------+----+-------+-------+----+----+------+------+---+---
Oito ditos dão           |    |       |       |  1 |    |      |      |   |
-------------------------+----+-------+-------+----+----+------+------+---+---
1024 Capulhos dão        |    |       |       |    |  1 |      |      |   |
-------------------------+----+-------+-------+----+----+------+------+---+---
1024 Capulhos reduzidos  |    |       |       |    |    |      |      |   |
  a Maçãas dão           | 341|       |       |    |    |      |      |   |
-------------------------+----+-------+-------+----+----+------+------+---+---
Cada pé de colheita      |    |       |       |    |    |      |      |   |
  ordinaria dá           |1364|       |       |    |    |      |      |   |
-------------------------+----+-------+-------+----+----+------+------+---+---
1364 Maçãas dão de Lã    |    |       |       |    |  4 |      |      |   |
-------------------------+----+-------+-------+----+----+------+------+---+---
Cada trabalhador prepara |    |       |       |    |    |      |      |   |
  terra para             |    |       |       |    |    |      |  500 |   |
-------------------------+----+-------+-------+----+----+------+------+---+---
500 pés dão de Algodão   |    |       |       |    |    |62-1/2|      |   |
-------------------------+----+-------+-------+----+----+------+------+---+---
62 arrob. e 1/2          |    |       |       |    |    |      |      |   |
  vendido pelo preço     |    |       |       |    |    |      |      |   |
  corrente da Praça      |    |       |       |    |    |      |      |   |
  de 6:400               |    |       |       |    |    |      |      |400|000
                         |    |       |       |    |    |      |      |   |
             625         |    |       |       |    |    |      |      |   |
              6400       |    |       |       |    |    |      |      |   |
           -------       |    |       |       |    |    |      |      |   |
            250000       |    |       |       |    |    |      |      |   |
           3750          |    |       |       |    |    |      |      |   |
          --------       |    |       |       |    |    |      |      |   |
          400000(0       |    |       |       |    |    |      |      |   |
-------------------------+----+-------+-------+----+----+------+------+---+---
62 arrob. e 1/2 no       |    |       |       |    |    |      |      |   |
  Sertão vendida         |    |       |       |    |    |      |      |   |
  a 4:000 rende          |    |       |       |    |    |      |      |   |
                         |    |       |       |    |    |      |      |   |
            625          |    |       |       |    |    |      |      |   |
              4000       |    |       |       |    |    |      |      |   |
          --------       |    |       |       |    |    |      |      |   |
          250000(0       |    |       |       |    |    |      |      |250|000
==============================================================================



_Annuncio de huma máquina singéla de carmear o Algodão, vista na China_.

Por * * *

Com huma Estampa.


1. Hum banco donde se assenta o carmeador. 2. Huma verga flexivel. 3.
Hum cordão, donde suspende o arco. 4. Gancho de ferro que engata na
argola do arco. 5. Hum arco de páo. 6. Huma corda de rabecão bastante
grossa. 7. Hum maço pequeno com que bate na corda, e com o dente que
tem, pega na dita corda, e puxando para si, faz hum estremecimento
grande, o que faz sacudir, carmeando, dividindo todo o çujo. 8. Argola
de ferro, donde engata o gancho N.^o 4.



[Figura]



Notas:

[1] _No maior calor, que he do meiodia para tarde, e muitas vezes no
outro só chega a 60 na mesma estação_.

[2] _Porque tanto chove de verão como de inverno, e muitas vezes o verão
he mais chuvoso, e só a differença das horas nos dias he que os faz
distinguir_.

[3] _Coá tinga_ quer dizer mato branco, como são os de terras fracas.

[4] _Catingas baixas, são mais baixas duas vezes, que as Catingas
altas_.

[5] _Capoeiras_, palavra Europea substituida por corrupção a Brasiliana
_Có cuéra_, rossa antiga.

[6] _Bandeiristas, são os homens, que encorporados debaixo de hum Chefe
atravessão as matas para seguirem os Judios, que assaltão as
propriedades, e estradas, ou mesmo para os amansar, e cada hum delles
separado se chama Bandeirista_.

[7] _Ha huma observação, em que as sementes de Algodão de caroço inteiro
se devem plantar com os caroços unidos sem se dividirem, para sahir o
Algodão com os caroços unidos, que sendo divididas as sementes, assim
produz o Algodão com as sementes divididas_.

[8] _Porque se planta o caroço inteiro_.

[9] _Nome proprio do lugar_.

[10] _Nome proprio, com que ficou pela conquista dos Indios Mongoiós,
este lugar_.

[11] _Sacco, medida de dous alqueires do Brazil, que corresponde a
quatro alqueires de Portugal_.

[12] _Animal, que vive na lama, que he coberta de arvores, a que chamão
mangues, e são banhados da maré_. Genero cancer. Especie cancer
hirsutus.

[13] _Genero Gossypium de Lin_.

[14] _Gossypium hirsutum_.

[15] _Gossypium. Xilon Americanum praestantissimum semine virescente
Tournef_.

[16] _Gossypium. Barbadense de Lin. Algodão de Sião_.

[17] _Gossypium_.

[18] _Gossypium arboreum de Lin. Algodão de Macassar_.



Lista de erros corrigidos

Aqui encontram-se listados todos os erros encontrados e corrigidos:


  +----------+---------------------+----------------------+
  |          |      Original       |      Correcção       |
  +----------+---------------------+----------------------+
  |#pág.    9| su?                 | sua                  |
  +----------+---------------------+----------------------+

As variações de nomes próprios foram mantidas de acordo com o original.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Memória sobre a plantação dos algodões - e sua exportação sobre a decadencia da lavoura de mandiocas, no termo da villa de Camamú, Comarca dos Ilhéos, Governo da Bahia" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home