Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Elogio Historico do Conde de Ficalho
Author: Burnay, Eduardo
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Elogio Historico do Conde de Ficalho" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



                             ELOGIO HISTORICO

                                    DO

                             CONDE DE FICALHO

                          LIDO NA SESSÃO SOLEMNE

                                    DA

                    ACADEMIA REAL DAS SCIENCIAS DE LISBOA

                           EM 25 DE MARÇO DE 1906

                            PELO SOCIO EFFECTIVO

                               EDUARDO BURNAY



                                   LISBOA
                   Por ordem e na Typographia da Academia
                                    1906



 EXTRACTO DA Historia e Memorias da Academia Real das Sciencias de Lisboa,
               nov. ser., Classe de Sciencias Moraes, etc.

                                    --

                             TOMO XI--PARTE I



                                SENHORA E EXCELSA RAINHA

                                ALTEZA REAL

                                ILLUSTRES CONFRADES

                                MINHAS SENHORAS E MEUS SENHORES:


A Academia em sessão solemne, e como que na presença de seu Regio
Presidente e Protector,--pois que impedido de comparecer, por motivo
felizmente destituido de gravidade, se acha para todos gratamente
representado por Vossa Magestade e por Vossa Alteza Real--a Academia
entende prestar hoje a homenagem em divida a um dos seus mais distinctos
e assignalados membros--o fallecido socio Francisco de Mello, 4.º Conde
de Ficalho.

Se attendermos a que tendo elle estado n'esta Academia inscripto na sua
1.ª Classe e incorporado na Secção de sciencias historico-naturaes, como
especial cultor do ramo botanico, que distinctamente professou na nossa
Escola Polytechnica,--a quem mais directamente caberia officiar n'esta
solemnisação seria ao nosso preclaro collega D. Antonio Xavier Pereira
Coutinho, que ao Conde de Ficalho succedeu na cadeira de Botanica.

Não tendo sido possivel arrancal-o ao seu conhecido retraimento, filho
de uma imperiosa e irresistivel modestia--na grandeza só comparavel á do
seu realissimo merito--na verdade, qualquer socio d'esta Academia, sem
distincção de classe, poderia assumir a tarefa, visto que o Conde de
Ficalho, á semelhança de Latino Coelho e de Corvo, illustradissimo em
quasi todos os ramos da sciencia, foi tambem, mais do que simples cultor
de boas lettras, escriptor consummado.

É assim que, como a qualquer outro poderia caber, sou n'este momento o
porta-voz da Academia na glorificação do seu fallecido socio, sem outro
especial motivo que não seja, para mim, a razão... academica, de que
tendo elle, botanico, feito um dia n'esta mesma sala o elogio do
chimico Antonio Augusto de Aguiar, a Chimica estaria de certa maneira em
divida para com a Botanica......

É artificiosa esta invocação de um _Deve_ e _Ha de Haver_ em materia de
panegyricos academicos?

Será. Mas amplamente corrigida fica pelo veridico, sincero, nada
artificioso sentimento, que tão grato me torna prestar aqui, em nome
collectivo, a um collega desapparecido, a homenagem do apreço e
admiração que em vida todos lhe consagravamos, e que para mim se radicou
em vinte annos de excellente camaradagem escolar.


O justo elogio do Conde de Ficalho surgiu, pode dizer-se immediato, por
occasião do seu fallecimento, em todos os orgãos da imprensa, pois com
elle desapparecera uma das personalidades de maior notoriedade da
sociedade portugueza na ultima metade do seculo passado.

A sua complexa e brilhante individualidade pôl-a, tambem brilhantemente,
em elegante relevo o elogio proferido em outro logar pelo Conde de
Arnoso[1], e na _Tradição_[2], interessante publicação, a que o nosso
consocio muito queria, e que viu a luz em Serpa, antiga villa-solar da
Casa de Ficalho, um numero especial de homenagem lhe foi consagrado, com
a collaboração de Ramalho Ortigão, D. Antonio Xavier Pereira Coutinho,
Theophilo Braga, Conde de Sabugosa, Sousa Viterbo, e outros distinctos
ornamentos da sciencia e das lettras portuguezas.

Chega mais tarde a Academia. Mas ainda não chega tarde, considerado o
nosso já conhecido e descançado apego ao proverbial conceito de que quem
tem pressa... vae devagar.

Mas quantos teem esperado mais... e continuarão a esperar?...

Da demora não terão, pois, _á priori_, de queixar-se os manes do nosso
defuncto collega, se é que nas empireas regiões, onde pairam os
espiritos evolados da Terra, os manes academicos ficam conservando
interesse e gosto pelas coisas do nosso instituto.

Mas se essa mysteriosa telepathia atravez do Infinito existe de facto,
e d'isso agora tremo, de receiar é então que, em vez do infundado
reparo de demasiada demora, se justifique antes, em concilio dos
academicos que nos precederam na grande e tenebrosa viagem, a conclusão
de que melhor fôra demorar muito mais, como para outros, a consagração a
que hoje nos propomos.

Se assim succeder, só minha será a culpa, pois que, aos olhos de todos,
bem patente é que no Conde de Ficalho não falta materia prima para
elogio, e não só para elogio, mas para bom elogio.

Largo poderia elle ser, tantos são os aspectos, todos elles
distinctissimos, da sua tão especial e superior individualidade, e
tantos são os trabalhos seus dignos de detido exame e louvor.

Mas a sessão de hoje não lhe pertence exclusivamente: tem de repartil-a
com o sabio Theodoro Mommsen, a quem o nosso eminente confrade Sousa
Monteiro logo erigirá em aureas palavras o condigno monumento. E assim
cumpre resumir-me, o que aliás faço tanto mais gostosamente quanto
sempre algum proveito poderei auferir de me acolher, embora por
necessidade, ao horaciano preceito, que promette maior agrado aos
discursadores que não abusem da attenção do auditorio.

      *      *      *      *      *

Posto isto, meus senhores, que hei de rapidamente referir da saudosa
figura do Conde de Ficalho, como que presente ainda aos nossos sentidos?

Todos recordam n'este momento a sua tão esbelta figura, o seu tão
donairoso porte, a sua esculptural cabeça e a fina linha do seu perfil,
o seu intelligente, avelludado e piscante olhar, a sua bocca amoravel e
espirituosa, a sua voz suave e clara, a expressão accentuadamente
intellectualisada da insinuante physionomia, a aristocratica
rescendencia de toda a sua pessoa.

Na lembrança de todos está tambem a sua singular, ou para melhor dizer
plural, aptidão para tudo, e que lhe permittia desempenhar-se sempre
distinctamente de quanto emprehendesse--litteraria, scientifica,
artistica e mundanamente: o que, accrescido do seu saber scientifico e
litterario e do peculio de noticias adquirido em visitas ás côrtes
extrangeiras com os reis e principes portuguezes, tornava o seu convivio
altamente interessante, sem embargo de, por vezes, com certa
desegualdade de humor, que era o _mas_ da sua normal affabilidade, se
dar por seccado e falto de pachorra.

Ninguem esquece tão pouco, tão caracteristico era, aquelle patente e
despreoccupado ar de satisfação, de si proprio e do seu exito na
vida--de que estava longe de ser um _vencido_!--ar que nada se parecia
com vaidade, e era apenas uma especie de _joie de vivre_, e de que
tão natural e temperadamente usava, que longe de ferir quem quer que
fosse, que em si proprio ainda mais gosto fizesse, a todos parecia
corrente, e antes mais inclinava para se sympathisar com esse agradavel
estado d'alma, embora alheio, do que para de elle murmurar.

E, finalmente, algum mais intimo d'entre vós poderá tambem recordar na
sua saudade o que n'elle havia--a despeito da sua sorridente mascara de
sceptico e de certo intencional egoismo, mais intencional do que real,
com o qual como que achara commodo simplificar a existencia--o que
n'elle havia, iamos dizendo, de fundamentalmente bom e carinhoso para os
seus amigos e de compassivo para o que de compaixão era digno.

Com um tal conjuncto de predicados physicos e psychicos, estheticos e
moraes, Ficalho--assim era uso fazer-lhe abreviada referencia--Ficalho
constituiu em todos os meios da sociedade portugueza, quer entre varões,
quer entre donas,--que não desestimava e de que não era tão pouco
desestimado--uma personalidade á parte, de especial relevo e distincção,
onde quer que apparecesse, e pelo quê bem se comprehende que tantas
vezes fosse utilisado para representar o Rei e a Nação em cerimonias
internacionaes da maior pompa e responsabilidade decorativa, no melhor e
mais alto sentido da expressão o dizemos.

Mas para nós, academicos, o que avulta no nosso preclaro confrade não
são todos esses dotes naturaes, de que era o feliz, mas irresponsavel
portador e usufructuario, por condição, não de acção e vontade propria,
mas de simples nascimento. O que principalmente nos cabe celebrar é o
que representa, na consideração e notoriedade a que chegou, a sua
iniciativa na ulilisação dos congenitos apanagios que da estirpe lhe
provinham, e que como que o embalaram no seu dourado berço de senhor de
Ficalho e de morgado de Serpa.

      *      *      *      *      *

Nas modernas sociedades, a maioria dos homens que hoje attingem
situações culminantes na consideração publica veem de nada, ou de pouco.
São _self-made-men_, na expressão ingleza. A necessidade é que os faz, é
ella o inicial estimulo e factor do seu engrandecimento. Tal é
approximadamente o caso de quasi todos nós.

Na lucta da concorrencia, ao contrario, os individuos das antigas
classes aristocraticas, carregadas de glorias passadas, seculares e
genuinas, mas constituidas em bases diversas das da illustração moderna,
como que nascem com a atrophia das faculdades necessarias para o
moderno combate e propendem a decahir.

No nosso consocio o caso é todavia differente: nasce aristocrata,
fidalgo de grande linhagem, illustre já no berço, mas a essa illustração
de herança accrescenta outra mais effectiva, que conquista com o seu
esforço, na mais democratica competencia, no concurso e na publicidade
das acções por que se affirmam o merito e o talento.

Não ha duvida que de boa linhagem vinha o Conde de Ficalho, boa não só
no sentido nobiliarchico do termo, mas ainda no do essencial valor.

Os Ficalhos, Mellos de appellido, proveem de Mem Soares de Merlo, um dos
esforçados cavalleiros das ordens de Santiago e de Aviz, que ajudaram
Affonso III á conquista final do Algarve, e de Martim Affonso de Mello,
guarda-mór de D. João I.

N'estes Mellos se enraizam as casas de Cadaval, Sabugosa, S. Lourenço,
Ficalho, Mello e Murça, dando á nação portugueza galhardos capitães,
viso-reis, governadores ultramarinos e distinctos homens de guerra e de
côrte, atravez todo o cyclo da velha monarchia.

Ao despontar, porém, das idéas liberaes, ao passo que a massa da nobreza
reage e se concentra na defeza das instituições seculares, os Ficalhos
vemol-os logo precocemente abraçados á nova causa, batendo-se e
padecendo por ella.

E pela causa não padeceram só os homens, os quatro filhos da condessa
viuva de Ficalho, D. Eugenia--Antonio, que depois foi o marquez de
Ficalho; Luiz, que foi conde de Sobral; José, que na armada se
distinguiu; e Francisco, que morreu conde de Mafra. Soffreu ella
propria, prisioneira do governo miguelino no convento do Grillo,
sequestrada de todo o conhecimento do destino dos valorosos filhos, pelo
unico crime... de ser sua mãe!

Assim, com Palmella, Terceira, Saldanha, Loulé, terminada a lucta, os
Ficalhos, como constitucionaes que eram da _vespera_, e não de simples
_adhesão_ ao triumpho liberal consummado, constituiram o nucleo da nova
côrte, onde sempre permaneceram nos mais altos cargos. A torturada mãe,
nomeada camareira-mór da infantil rainha, foi feita marqueza e depois
duqueza de Ficalho.

Distincta raça esta dos Mellos, que em tantas das suas vergonteas, sem
menosprezo de seus pergaminhos, antes de reforço a elles, mostrou
comprehender que os homens valem, acima de tudo, pelo seu merito proprio
e pelo de suas obras, que não pelo de seus antepassados, que apenas lhes
cumpre honrar, e se esforçou em affirmar e desenvolver o valor proprio,
em harmonia com o progressivo criterio dos tempos.

Para os quadros d'esta Academia deram os Mellos, em categorias varias, o
seu contigente, pois na lista de socios e associados se encontram, além
do Conde de Ficalho, os seguintes nomes: Domingos de Mello Breyner;
Pedro de Mello Breyner, regente que foi do Reino, constituinte de 1820 e
fallecido nas masmoras de S. Julião da Barra; D. Segismundo Caetano
Alvares Pereira de Mello, duque de Lafões; Antonio de Mello da Silva
Cesar e Menezes, conde de S. Lourenço; Antonio de Mello, marquez de
Ficalho. Aos quaes foi tão grato, quanto justo, associar recentemente a
titulo effectivo, e como que para que os Mellos aqui tivessem sempre
distincta representação, o nome de Antonio Vasco de Mello, conde de
Sabugosa.

Como se vê, Francisco de Mello, que nasceu aos 27 dias de julho de 1837,
filho do 2.º marquez e 3.º conde de Ficalho e da virtuosa marqueza D.
Luiza Braamcamp de Almeida Castello Branco, primaria educadora de seu
unico filho, e neto da duqueza de Ficalho, a prisioneira do convento do
Grillo, Francisco de Mello, iamos dizendo, veiu a este mundo n'uma
condição social, que, junta á independencia de fortuna e a seus
sympathicos e brilhantes dotes naturaes, lhe permittia fazer uma
agradavel, distincta e facil carreira na côrte e nos centros mundanos e
elegantes.

Não desprezou isto, que lhe vinha como patrimonio da natureza e da
familia. Mas não se contentou, e desde moço caprichou em ser tambem
alguma cousa, por si mesmo, em ser o que foi: «_par droit de naissance
et par droit de conquéte._»

      *      *      *      *      *

Tinha Francisco de Mello 18 annos, quando, concluidos os preparatorios
para entrar na Escola Polytechnica,--preparatorios que estudou em Serpa
com a unica lição da mãe, do capellão e de um emigrado hespanhol,--ahi
se matriculou em 1855. Cinco annos depois havia concluido com singular
distincção o seu curso. E com tanta distincção que, tendo-se dado, ainda
elle estudante, uma vaga de lente substituto na cadeira de Botanica,
pela morte de José Maria Grande, e contando apenas 23 annos, a sua
candidatura era acolhida com summo agrado, e, realisado o concurso em
1860, foi elle o preferido por unanimidade de votos, sendo nomeado lente
substituto em 3 de janeiro de 1861. A lente proprietario só passou
depois, em 27 de janeiro de 1890, pela morte de João de Andrade Corvo.

Conquistada a sua cadeira no alto professorado, podia tambem, como
tantos prematuramente fazem, descançar sobre os louros colhidos, e
limitar-se depois a arvorar o seu titulo de lente para vaidosa gloriola
na côrte.

O sincero culto das coisas intellectuaes manteve-o, porém, sempre, e não
só esforçando-se no cumprimento dos deveres escolares, mas preferindo a
todos os outros o convivio dos livros e dos homens cultos que honravam o
paiz. E foi assim, talvez, que succedeu escolher para esposa D.
Josepha de Menezes Brito do Rio, filha de D. Maria Krus Brito do Rio,
cujos salões, onde se não dançava, eram ao tempo o grande centro
intellectual de Lisboa.

Quem só conheceu o Conde de Ficalho nos ultimos dez ou quinze annos, com
mais aspecto de mundano que de estudioso, poderia pensar que elle sempre
assim fôra.

Puro engano. Assim se tornara como por uma especie de jubilação, que a
si proprio se concedera cerca dos 50 annos. Mas além de que nunca
desamparou os livros, e as suas ultimas publicações o demonstram, na sua
mocidade fôra muito mais retrahido das mundaneidades, que aliás não
estavam tambem tanto na moda como hoje, em que propendem a degenerar
n'um assaz generalisado culto de deliquiscente _snobismo_.

Todavia, ao ser nomeado lente, não deixou de parecer extranho, e talvez
espantoso, vêr-se um moço da côrte, filho de marquezes, neto de duques,
arvorado professor de uma escola superior, em logar a que só se dedicam
os que teem de por tal caminho fazer vida. E d'ahi maliciosos remoques e
ironicos sorrisos sobre o caso, tão proprios do nosso galhofeiro meio.

Nasceu assim um dia o ambiguo dito, referente ao novel professor de
botanica, segundo o qual dito elle era «_lente entre os condes, e conde
entre os lentes_»! Maneira de se dar a suppôr que não era nem grande
conde, nem famoso lente.

A formula na sua simplicidade aphoristica, e na sua contextura symetrica
e alternante, não deixa de ser engraçada, e foi durante algum tempo
bastante glosada, pelo seu sabor malicioso, ou simplesmente espirituoso.

Em si era absolutamente inexacta e injusta. Isto na parte de que podemos
dar testemunho, e quero crer que na outra tambem. E tanto que não fez
caminho.

Se entre os condes, o de Ficalho era ou não conde, não tenho qualidade
para o dizer, mas no que por alto é conjecturavel, e tanto quanto d'isso
é dado a simples academicos prever, é licito suppôr que se elle entre os
condes não era conde, era então certamente marquez, senão duque.

Quanto a lente era-o entre os mais distinctos lentes, e não desmerecendo
no confronto com elles.

Direi mais: tendo conhecido nas aulas publicas numerosos e abalisados
mestres, poucos encontrei tão bem dotados para tão especial mister como
o Conde de Ficalho.


Saber é uma cousa, ensinar é outra, embora o saber seja a base essencial
de todo o ensino.

Não se pode ensinar sem saber. Mas pode-se saber em absoluto e não se
saber ensinar. O ensino não se faz com excesso de erudição ou de
criticismo, sob pena de produzir inassimilavel e nocivo
enfartamento, ou irresistivel repugnancia, desattenção e tédio.

O melhor professor não é o que propina mais doutrina, é o que na dose,
qualidade e fórma a incute mais efficazmente. Saber do seu maior peculio
de sciencia extrahir o mais essencial, esse extracto conformal-o n'um
molde mais simples para que se torne mais adaptavel, condimental-o, se
tanto for necessario, com observações ou exemplificações de caracter tal
que tornem o assumpto mais insinuante e proprio a conquistar a attenção
e interesse do alumno--sem o quê tudo é perdido--tal é a regra
pedagogica fundamental.

A funcção do professor não reside por fórma alguma em ostentar erudição.
Ao contrario, ha quasi sempre que fazer o sacrificio de a occultar, para
não complicar o thema e o tornar incomprehensivel ou aborrecido, pois a
arte do ensino, longe de ser, como alguns inconscientemente praticam, a
complicação do simples, para o effeito de exhibir transcendencia, deve
ser a simplificação do complicado, por vezes até á substituição das
realidades naturaes pelos simples schemas ou formulas.

D'isto tem de compenetrar-se o professor. Mas não basta: importa que
tenha em si as qualidades para o pôr em acção, que tenha por natureza, e
n'uma palavra--faculdade e dote de insinuação.

Uma expressão nitida, rigorosa e apropriada, que permitia seguir-se com
a comprehensão a exposição professoral, é indispensavel, sendo tão
improprio e inconveniente o grande jogo da oratoria retumbante e
carregada de phrases, como a linguagem confusa, imprecisa e equivoca.

Mas ainda não é tudo. Se a voz é deficiente ou ingrata, se a articulação
é imperfeita, se o sobrio gesto que acompanha a palavra a não secunda,
se os olhos não fallam com a voz e pela sua scintillação não attraem
convergentemente sobre o professor o olhar e com elle o ouvido e a
attenção dos alumnos--em grande parte a lição vae perdida.

Ao contrario, por completo é aproveitada se, observadas as regras
enunciadas, aos dotes acima preconisados o professor reune condições de
sympathia esthetica, de espirituosidade, de correcção moral e de
cordialidade de trato, que lhe realcem o prestigio humano e a
agradabilidade do contacto.

Tudo isto, senhores, bem o reconheceis, são considerações e previsões
que se extraem da simples razão.

E, todavia, o facto é este: dir-se-ia que fomos como que photographar o
Conde de Ficalho na sua aula, para d'essa photographia deduzirmos os
ideaes preceitos e condições da distincção professoral.

Mas é que o Conde de Ficalho,--_o conde entre os lentes_,--foi sem
sombra de favor o que se pode chamar um professor modelo. Ainda que
assaz erudito, não puxava o ensino para transcendencias de erudição, e
antes procurava amoldal-o e amaneiral-o á condição dos neophytos da
sciencia que professava.

E que lindo quadro o de Ficalho, com a sua garbosa e insinuante figura,
na sua cadeira de mestre, deante de si a grande mesa recoberta de
matizados exemplares vegetaes, empunhando um na sua tão fina e
aristocratica mão, e commentando-o em palavras descançadas, harmoniosas
e suaves, tão simples quanto proprias e graciosas, perante o juvenil
auditorio!

Na atmosphera não havia só o perfume emanado da materia prima do ensino,
havia o do encanto derramado pela palavra elegante do mestre e pela sua
propria e communicativa elegancia de porte e de maneiras.

Estava-se n'uma aula, sem duvida, porque o professor não divagava para
fóra da lição. Mas irresistivelmente se recebia a impressão de que se
estava tambem n'uma sala, pois se preleccionasse perante as mais
formosas damas da côrte não disporia o Conde de Ficalho de mais primor,
de mais gentileza, de mais gosto de agradar e conquistar do que
amoravelmente usava para com os rapazes de toda a condição que vinham
frequentar o seu curso.

Amavam-no elles e respeitavam-no?

Sem duvida. Ainda que, não se prestando o feitio aristocratico, embora
affavel, de Ficalho á familiar permuta d'essas sentimentalidades, que
são a precaria base da popularidade, nem inclinando tão pouco na
disciplina escolastica ás praticas corregedoriaes, que, sob a fórma de
vago terror, accentuam o respeito, a impressão predominante que elle
determinava era antes a de uma peculiar distincção entre os demais
collegas seus, resultante de o olharem como um lente á parte--mixto
primoroso e raro de homem de estudo e de homem de côrte, consorcio
professoral imprevisto e maravilhoso de _magister scientiarum_ e de
_magister elegantiarum_.


Lisonjeiramente apreciado pelos estudantes, não o era menos pelos seus
collegas, cujos trabalhos de toda a ordem partilhava e com os quaes
mantinha as mais cordiaes e amenas relações. Não desamparava os
conselhos escolares, nem se desinteressava de coisa alguma que
importasse ao bem da Escola, e os seus pareceres eram sempre tão
judiciosos quanto despidos de pretenção. Não se pode imaginar
camaradagem academica, nem mais correcta, nem mais agradavel.

Isto, todos os lentes da Escola Polytechnica vol-o poderiam repetir, em
corroboração do meu testemunho.

Mas não é preciso, pois que, senhores academicos, por vós mesmos o
sabeis, do convivio de mais de 25 annos que aqui tivestes com aquelle
cujo desapparecimento hoje saudosamente registamos.

Em 7 de maio de 1877 foi elle eleito correspondente da Academia, em 19
de fevereiro de 1880 socio effectivo, e em 1897 tivemos a honra de o ter
como Vice-Presidente. E durante esse assaz longo periodo, e n'essas
diversas condições, o nosso instituto poude sempre apreciar, ao lado do
seu grande valor academico, o conjuncto de qualidades moraes, que nos
tornam hoje a sua memoria tão respeitada e querida.

Outras corporações a que pertenceu poderiam, aqui chamadas á auctoria,
trazer identicos testemunhos.

Mas, repetimos, não é preciso: o seu primor moral está em todas as
consciencias, e a sua valia academica demonstra-se nos seus trabalhos,
na sua bella e esmerada obra.

O tempo nos aperta, mas indispensavel é consagrar a esta algumas palavras.

      *      *      *      *      *

A obra do Conde de Ficalho é relativamente extensa e volumosa, mórmente
consideradas as prisões e distracções da côrte, em que mais ou menos
esteve sempre envolvido. E, dada esta circumstancia, mais admira ainda
que seja tambem, como realmente é, de tão bom e escrupuloso quilate e de
tão primoroso lavor.

No campo restrictamente scientifico, como naturalista, occupou-se
inicialmente o Conde de Ficalho do estudo do herbario africano, colhido
em missão official do governo portuguez pelo Dr. Welwitsch, herbario
pertencente a esta Academia, subsequentemente confiado á Escola
Polytechnica, e de que em Londres existe duplicado.

Esse estudo fel-o conjunctamente com o Dr. Hiern, que ultimamente
publicou a conclusão dos trabalhos, na qual se encontra repetidas vezes
a nota collaborativa do botanico portuguez. E tambem com o mesmo Dr.
Hiern publicou em 1881, em inglez, nas _Transactions_ da _Sociedade
Linneana de Londres_ (de onde foi vertida para portuguez), a memoria
intitulada _On central Africa Plants collected by Major Serpa Pinto_.
Comprehende a nota de 60 especies, das quaes 20 foram descriptas como
novas.

Concernente ainda á Africa, produziu em 1884, nos _Boletim da Sociedade
de Geographia_, uma interessante memoria de cerca de 300 paginas,
intitulada _Plantas uteis da Africa Portugueza_, com uma nota
descriptiva e historica de 299 especies.

Da _Flora Portugueza_ se occupou tambem, publicando, de 1877 a 1879, no
_Jornal da Academia_, contribuições para a revisão de varias familias de
plantas portuguezas do continente, e em 1899, com a collaboração de
Pereira Coutinho, nos deu nos _Boletins da Sociedade Broteriana_,
de Coimbra, valioso trabalho sobre as _Rosaceas de Portugal_,
comprehendendo a diagnose de 76 especies, relativas a 26 generos.

Mas o Conde de Ficalho não tinha o temperamento de um simples e frio
naturalista. A sua tão completa e esmerada educação abrira-lhe
horizontes mais largos, e o seu fundo era irresistivelmente de artista.

Assim, a maior parte da sua obra scientifica assume, não só caracter
litterario e philosophico, mas uma perfeição e graça de fórma, que a
torna singularmente distincta.

A _Memoria sobre a malagueta_, apresentada em 1878 á nossa Academia, é
no genero um verdadeiro primor, onde se revela vasta leitura,
excellentemente exposta, e consideraveis recursos de conhecimentos
historicos, geographicos e philologicos. É modelar.

Em 1880 celebrava-se o Centenario de Camões. Ficalho consagrou-lhe
tambem uma pequena monographia, que pittorescamente intitulou--_Flora
dos Luziadas_.

É a identificação de todas as especies vegetaes referidas no immortal
poema, europêas e exoticas, em numero de 52.

Trabalho essencialmente de erudição e de technica botanica, mas
constituindo no conjuncto uma peça litteraria do mais gracioso lavor,
nos seus tres capitulos: _Flora Poetica--A Ilha dos Amores--Flora
Tropical._

A _Ilha dos Amores_! Existe? Onde? No Atlantico? No Mediterraneo? Nos
mares do Oriente?

Faria e Sousa localisou-a na ilha Anchediva. O morgado de Matheus, e
outros, na ilha de Santa Helena. Gomes Monteiro na ilha de Zanzibar.

Ficalho dilucida o ponto, tão simples, quanto admiravelmente: a flora da
ilha é a flora a um tempo da patria portugueza e a classica flora de
Homero, de Virgilio e de Ovidio. Portanto a verdadeira situação
geographica da ilha conclue elle... «é na phantasia do poeta; e não está
mal collocada».

Ponto interessante tambem, n'esta engenhosa monographia de 100 paginas,
é a observação dos abundantes conhecimentos que Camões tinha da flora,
como de tudo o mais que ao tempo se sabia, e da precisão, propriedade e
justeza com que, dentro do impeccavel metro e da perfeita rima,
caracterisava a especie natural a que queria fazer referencia.

Affirmado o seu gosto e competencia para os trabalhos de erudição
botanica, Ficalho estava naturalmente indicado para presidir á reedição
dos _Colloquios dos simples e drogas da India_, de Garcia da Orta,
deliberada em 1889 pela Academia.

Na India, em Gôa, onde era physico-mór, publicara Garcia da Orta, em
1563, os seus famosos _Colloquios_, repositorio importantissimo, embora
de contextura um pouco pueril na sua fórma dialogada, do
conhecimento das plantas e drogas indicas, e constituindo n'esse momento
o primeiro documento rigoroso, authentico e scientifico sobre a materia.

Logo em 1567, Carlos de l'Escluse--latinamente Clusius, tendo conhecido
em Portugal, onde viera, o tratado do abalisado medico e botanico
portuguez, o refundiu e simplificou em latim, e a esta edição se
seguiram mais quatro, nos annos de 1574, 1579, 1593 e 1605.

Em italiano foi depois vertida, por Annibal Briganti, a traducção de
Clusius, publicando-se, desde 1576 a 1605, oito edições.

Ha finalmente mais duas edições de uma traducção franceza de Clusius,
por Antonio Collin, com as datas de 1602 e 1619.

Total: 1 edição portugueza, e 15 edições extrangeiras de imperfeitas
traducções.

Em 1841 a _Sociedade de Sciencias Medicas_ chamava para o assumpto a
attenção dos poderes publicos, pedindo a reimpressão dos _Colloquios_,
de cuja primeira edição eram já preciosamente raros os subsistentes
exemplares, e recorria á intervenção de Fr. Francisco de S. Luiz e de
Garrett. Ambos fizeram á idéa o melhor acolhimento, e por portaria de 27
de maio de 1841, assignada por Rodrigo da Fonseca Magalhães, se
determinou a reimpressão dos _Colloquios_, sob a direcção do conselheiro
João Baptista d'Almeida Garrett.

Não teve andamento este tentamen, e é só em 1872 que Varnhagen, visconde
de Porto Seguro, nos dá uma 2.ª edição da obra de Garcia da Orta. Para
se occupar d'este trabalho era sem duvida competente Varnhagen, mas, ou
porque o não pudesse acompanhar, ou por qualquer outro motivo, a nova
edição sahiu com bastos erros, uns trazidos da primeira, outros novos, e
desacompanhada das necessarias elucidações.

Foi isto, sem duvida, que motivou a deliberação da Academia,
encarregando o Conde de Ficalho de levar a cabo uma nova edição dos
_Colloquios_, devidamente apurada e commentada.

A escolha não podia ter sido, a todas os respeitos, mais acertada, pois
os dois volumes eruditamente annotados dos _Colloquios dos simples e
drogas da India_, com o antecedente volume que lhes serve de
introducção--_Garcia da Orta e o seu tempo_, ficaram constituindo, no
total das suas 1200 paginas, um verdadeiro monumento classico, um
trabalho magistralissimo em toda a parte.

Foram as leituras feitas para a confecção do admiravel prefacio
historico dos _Colloquios_ que deram mais tarde ao Conde de Ficalho a
idéa e lhe propiciaram os fundamentaes elementos para o livro que a esse
trabalho se seguiu--as _Viagens de Pero da Covilham_. De Pedro da
Covilham, que á India foi dez annos antes de Vasco da Gama, de cuja
empresa foi como que preparante, e que mais de trinta annos passou
na mysteriosa Ethiopia, junto do quasi fabuloso Preste João.

«Este pero de covilham, escrevia o Pe. Francisco Alvares, é homem que
todas as cousas a que o mandaram soube e de todas dá conta».

Ficalho commenta eloquentemente, no fecho do seu bello
volume:--«Mandaram-no procurar a pimenta e a canella, quando ninguem nas
nossas terras occidentaes sabia d'onde aquellas especiarias vinham; e
elle foi, e encontrou o caminho, e chegou á India, e não se contentou em
ir á India, foi tambem a Sofála. Mandaram-no ao Preste João, quando
ninguem conhecia a sua morada, nem quasi em que parte do mundo tal
morada se encontrava; e elle foi, e achou o Preste João, e fez-se amigo
da avó do Preste João, e acabou pela convencer que devia mandar uma
embaixada a Portugal. Todas as cousas a que o mandaram soube, e de todas
deu conta».

É um minusculo specimen do estylo e maneira de Ficalho, mas que bem
retrata as suas qualidades de simplicidade, de relevo, de gosto e de alma.

A obra scientifica do Conde de Ficalho accrescenta-se finalmente com a
excellente introducção, admiravel quadro da economia rural portugueza,
como diz Pereira Coutinho, com que enriqueceu o grosso e compendioso
volume, que o governo portuguez enviou á Exposição internacional de
Paris, de 1900, com o titulo--_Le Portugal au point de vue agricole._

      *      *      *      *      *

Na pura litteratura, que nos deixou o Conde de Ficalho?

Escreveu o nosso consocio, o conde de Sabugosa, que elle distinctamente
versejava na inspiração acidula de Baudelaire e na dolente cadencia de
Musset. Para publico,--além das suas admiraveis _Notas ácerca de Serpa_
e do seu erudito estudo sobre _O elemento arabe na linguagem dos
pastores alemtejanos_, tudo constante de numerosos artigos na
_Tradição_, só veiu, em prosa, um volume de novellas e contos, em 1888.

Mas na sua mesma simplicidade, que primor de concepção, de observação,
de analyse, de execução, e que revelação de talento romantico, n'esse
delicioso volume, em que se encontram: _Uma eleição perdida.--A caçada
do malhadeiro.--A maluca d'A dos Corvos.--A pesca do savel.--Os
cravos.--Mais uma!_

Penitencio-me de só agora os ter lido, esses deliciosos contos a que se
não fez _reclamo_, e é doce penitencia, que a todos que se achem no
mesmo peccaminoso caso muito recommendo, para accrescerem de mais um
motivo a sua admiração e sympathia pelo Conde de Ficalho.

A leitura d'esses contos, episodios todos referentes á terra alemtejana,
com um profundo sabor regional, é um verdadeiro e saudavel goso.

O auctor revela-se, como de prever, _naturalista_, mas de temperamento e
sentimento seu, proprio, e não de _escola_. Inspira-se, como homem de
sciencia, na verdade, mas sem a conhecida predilecção dos corypheus do
realismo para os seus aspectos mais ou menos monstruosos e deprimentes,
e antes propendente ás conclusões sentimentaes, felizmente não extranhas
á natureza humana, e que moralmente a elevam e sublimam.

Na primeira e mais importante das novellas--_Uma eleição perdida_, no
fidalgo Julio d'Azevedo julga-se a principio vêr despontar uma especie
de parente de Carlos da Maia, o brilhante e amoral protogonista do
famoso romance lisboeta de Eça de Queiroz, mas o desengano vem com
commovido aprazimento do leitor. Julio d'Azevedo, coisa menos vulgar na
litteratura realista, não é neurasthenico, nem nevrotico, nem
degenerado, mesmo superior. A physiologia não se impõe n'elle acima das
exigencias da dignidade humana, que prevalecem. Tem sentimentos, tem
disciplina moral, e o episodio simples e casto do seu vago e doce enleio
com a tão timida e rendida Margarida, a filha do entrevado escrivão
Pascoal, o _passarinheiro_ da meninice de Julio, mais de uma vez, pelo
seu encanto tão singelo e irresistivelmente sentimental, nos humedece as
palpebras.

Que revelação esta, e tão inesperada: Ficalho, juntando a tantas outras
faculdades a de um enternecimento tão subtilmente communicativo...

Não ha duvida! Debaixo da sua mascara de impassivel homem do mundo
havia, como sempre o disseram os seus amigos, um coração, humanissimo
_malgré lui_, de honesta e bondosissima textura, e á piedade filial, dos
que dignamente lhe ficam representando o aureolado nome e conservando
sua resplendente memoria, será certamente grato observar n'este momento
que em seu elogio a Academia não esquece o registo d'esses dotes de
sensibilidade, que á saudade são sempre os mais caros.

Não posso alongar-me em considerações sobre a pequena, mas linda obra
litteraria de Ficalho, representada no volume de contos a que acabo de
fazer referencia, e que se poderia, de certa maneira, pelo seu caracter
regional, por, sob o titulo de _Novellas do Alemtejo_, em parallelo com
as _Novellas do Minho_ de Camillo. Mas peço licença aos meus collegas da
classe de Lettras d'esta Academia para, em fórma de fecho a este
capitulo, summariamente aventar que, a avaliar pelos fulgurantes rastos
e signaes que nos deixou, se o Conde de Ficalho se houvesse consagrado á
extreme litteratura, n'ella deixaria um nome singularmente assignalado
para a gloria das lettras portuguezas.


E é tudo, senhores?

Não. No seu espolio scientifico e litterario, affirma-o o conde de
Arnoso no seu bello Elogio, deixou o Conde de Ficalho estudos sobre
_Correia da Serra_, sobre a _Flora portugueza_, memorias ácerca do
_Clima de Portugal_, das _Feculas alimenticias_ e da _Flora fossil_,
numerosissimas notas historicas, anthropologicas e linguisticas, alguns
contos, entre os quaes _Cartas do Campo_, o _Jornal de Fulano_, poesias,
e até uma peça de theatro.

Mais. Além de escriptor, temos tambem Ficalho--orador, pronunciando o
elogio de Antonio Augusto de Aguiar, abrindo o Congresso portuguez de
medicina, por occasião do tricentenario do descobrimento do caminho
maritimo da India com uma conferencia intitulada _O descobrimento do
caminho para a India e a Materia medica_, dissertando na Sociedade de
Agricultura e em outras agremiações intellectuaes.

E temo-lo tambem orador politico, proferindo na Camara dos Pares os seus
memoraveis e exhaustivos discursos sobre a invasão do phylloxera e sobre
o regimen cerealifero.

Fallava como escrevia, com a mesma correnteza, propriedade e elegancia,
e na tribuna tambem o seu distincto porte physico soberanamente o realçava.

E já que á politica fiz referencia, cumpre registar que mais de uma vez
foi convidado para ministro. Fontes, Bocage e Hintze Ribeiro debalde
insistiram com elle. Recusou sempre, com premeditada e intencional
obstinação.

Chega hoje isto quasi a não acreditar-se: ter existido, vivo e palpavel,
sem defeito, um portuguez que não queria ser ministro!

Vê-se que o nosso consocio, quando se lhe proporcionava a occasião, não
se lhe dava de cultivar tambem... a excentricidade.

      *      *      *      *      *

O Conde de Ficalho, meus senhores, como heis visto, foi distinctamente
tudo quanto quiz ser, com muita gloria para si e muita honra para o seu
paiz.

Trouxe do berço opulentissimos dotes, pelo seu esforço admiravelmente os
multiplicou, mas em tudo tambem a sorte liberalmente o favoreceu na vida.

Foi tudo quanto mais eminentemente se pode ser.

Na côrte foi mordomo-mór; na ordem politica, par do reino, conselheiro
de estado, embaixador extraordinario; na sciencia e nas lettras, lente e
academico; na esphera mundana, um verdadeiro arbitro, cujos varonis e
encantadores predicados, mais de uma vez--estamos em conjectural-o, como
academicos, a quem nenhum interesse humano pode ser indifferente,--mais
de uma vez, iamos dizendo, teriam, na longa e brilhante carreira do
nosso consocio, posto em doce palpitação intimos anceios de frageis e
commovidos corações.

Mas fidalgo ficou sempre e homem de côrte, superior ás avidas
ambições da epocha, hostil aos equivocos e promiscuidades a que
taes ambições conduzem, considerando-as absolutamente incompativeis com
a sua condição no serviço real, e com o bom gosto com que sempre primou
em desempenhal-o, junto d'El-Rei D. Luiz, de saudosa memoria, e junto de
Sua Magestade El-Rei D. Carlos, que por esse e pelos seus demais meritos
tanto e tão justamente o apreciava.

Ninguem o invejava, estava como que--_hors concours_, e antes todos se
compraziam no convivio social, proximo ao longinquo, d'aquella especie
de compendio vivo de meritos e elegancias.

Na sociedade portugueza, mórmente na capital do reino, tinha uma
evidencia e notoriedade especiaes, em que prestigio, sympathia e
curiosidade se confundiam, e assim quando um dia, o da chegada da Real
Familia dos Açores, correu a noticia de que o Conde de Ficalho fôra
acommettido de um deliquio no Arsenal, houve um primeiro sobresalto.

Pouco depois o facto repetia-se, e logo a má nova se espalhou que a sua
saude estava gravemente compromettida, que o seu robusto organismo se
achava ferido de morte, na trama nobre e aristocratica por excellencia
da humana textura, no systema nervoso.

Começou-se a reparar n'elle. Retezava-se contra o adversario, mas a
tristeza invadira-o, e transparecia na fórma de uma maior
affectuosidade. O andar tornara-se incerto e mal equilibrado, da espinha
o mal subia ao cerebro, e na falla, no olhar, no pensamento, havia
preludios timidos e fugazes, mas irrecusaveis e fataes, de incipiente
inconsciencia e desvairamento, que a todos infundia a maior tristeza.

Ambulava, articulava, mas já não era o Conde de Ficalho. Estava vivo
ainda, mas era peor do que se estivera morto.

Não era elle. Era o seu phantasma, de dolorosa e arripiante visão!

Felizmente para elle, felizmente para todos, o angustioso espectaculo do
progressivo desmoronamento d'aquelle privilegiado e scintillante
exemplar humano não se prolongou muito. Retido finalmente pelos
progressos da doença no seu Palacio dos Caetanos, onde nascera, e onde a
filha unica que lhe restava o fôra carinhosamente acompanhar, arrebatado
por uma congestão, no dia 19 de abril de 1903 deixava de existir o nosso
consocio, e de tão perfeito ser, de tão meritorio homem e de tão
brilhante existencia--só restava um despojo material, a accordar mais
uma vez para as mundanas meditações os echos da sempre tremenda palavra
do _Ecclesiastes_:

_Vanitas, vanitatum et omnia vanitas!..._

      *      *      *      *      *

Mas será tudo vaidade, meus senhores, na existencia do homem, desde os
dons da Natureza, os felizes acasos da Fortuna, até á propria Virtude e
Sabedoria, como desoladamente o proclama o desabusado e penitente Salomão?

No ponto de vista individual, considerada a pequenez e fragilidade das
mais assignaladas acções terrenas perante a eternidade dos destinos
fataes, tudo é vaidade, que se desfaz em pó, cinza, nada, e ao termo da
aspera jornada o mais afortunado e glorioso viandante a si mesmo
pergunta--Para quê?

Mas não nos elevemos a tão altas conjecturações, não fitemos o Infinito,
cogitemos, como academicos, singelamente dentro da esphera dos
interesses terrenos, na orbita das benemerencias sociaes.

É tudo vaidade, e do que foi o Conde de Ficalho, só resta realmente uma
imagem brilhante, que no seu mesmo brilho com vaidade se confunde?

Não quererieis, illustres collegas, que eu o dissesse, e não o digo.

Do Conde de Ficalho fica a sua obra, em muitos tomos valiosissima e
perduravel, e fica, n'um aspecto mais transcendente--um exemplo e uma
lição.

Não é licito apoucar em ninguem o merito de por seu esforço se elevar no
saber e na consideração, seja a necessidade ou a ambição que o
estimulem. O facto é todavia normal, physiologico, e constitue a banal e
natural condição do progresso social.

Mas um tal merito sobreleva indiscutivelmente em quem, nascido sem
necessidades materiaes, já do berço com logar marcado nas primeiras
bancadas da hierarchia social, usufruindo-o por condição de nascimento,
esse apanagio o corrobora como que pela conquista, affirmando esforçada
e democraticamente meritos proprios, sufficientes para lhe alcançarem,
fóra de todo o privilegio, eminente logar na consideração publica.

É bem caracterisadamente este o caso do nosso consocio, o Conde de Ficalho.

O terremoto constitucional de 1834, como terremoto que foi, destruiu
ainda mais, do que se edificou. A nobreza soffreu ahi um profundo e
talvez excessivo golpe, que a ulterior suppressão completa dos vinculos
veiu tambem excessivamente consummar, e d'ahi começou o desmoronamento
das grandes e tradicionaes familias, que eram como monumentos da
historia de Portugal, pelo esforço de cujo sangue a nação se
constituira, se mantivera e engrandecera, e que deviam ser
salvaguardadas, como elos preciosos entre o Passado e o Futuro, a
affirmarem a continuidade e indissolubilidade da gloria nacional.

Tomadas de surpreza, sem preparo para as competencias da nova ordem
social, as classes nobres esmoreceram, e entrincheiraram-se--os que
ainda o podiam, n'um altivo orgulho, os outros na desolada, inerte e
mortifera contemplação das suas tradições, preferindo depois ao
trabalho energico e á lucta porfiada, para que não haviam sido educados,
as magnanimas protecções, a que tantos se viram obrigados.

Não comprehenderam o novo mundo, que ante elles, de facto, se abria. Não
comprehenderam que as arvores de sua nobre linhagem, em cuja triste e
vaidosa contemplação puerilmente se quedavam, eram, na nova ordem de
cousas, apenas inefficazes diplomas de grandezas passadas, arvores
mortas, emquanto elles, pelo esforço e merito proprio, e no novo
criterio das supremacias sociaes, lhes não reverdecessem as folhas e
lhes não reinflorassem os ramos.

Alguns raros o attingiram, e o Conde de Ficalho, agora sagrado pela
morte e entrado já na posteridade, sem quebra da nobreza do seu nome,
antes com summo realce para elle, admiravelmente os symbolisa.

Não ha aqui, senhores, uma soberba lição, um experimental exemplo e um
irrecusavel estimulo para que os netos dos que galhardamente combateram
pela espada procurem manter a fama dos avós nas competencias modernas do
merito intellectual e scientifico, aquelle que hoje em dia todas as
portas abre, a todos os logares dá accesso, e em egual consideração
chega a confundir e irmanar, nos fastos gloriosos d'uma nação, testas
secularmente coroadas, como Luiz XIV, o _Rei-Sol_, e simples filhos do
povo, como Luiz Pasteur, de immortal e benemerita memoria?

A aristocracia moderna, ia quasi dizer a aristocracia democratica, é a
da sciencia e das lettras, a do talento. Só esta é universalmente
irrecusavel, no tempo e no espaço.

Monarchas e principes não só a veneram, mas n'ella se comprazem em
incorporar a magestade de sua alta condição, como tambem n'elles
proprios estimam fundar a consagração de meritos pessoaes, que perante o
mundo lhes realça a herdada primazia.

Não, a aristocracia intellectual não é incompativel com a do nascimento
e da tradição, de que é antes conservadora e engrandecedora. E bem o
demonstraram tambem, em exemplo ainda mais subido e frisante, que é da
historia, e que á cortezia, e á justiça, é grato aqui recordar, os
«altos infantes», que se chamaram--os principes d'Orléans.

      *      *      *      *      *

Tal é, senhores, a lição que se extrae da vida e obra do Conde de
Ficalho, que a Academia hoje glorifica entre os seus mais distinctos
ornamentos.

E não destoa ella certamente n'este instituto, fundado em 1780 por D.
João Carlos de Bragança, duque de Lafões--_qui mores hominem
multorum vidit et urbes_, e ao qual, com duplo e prestigioso titulo,
preside--Quem, por nativo direito investido em tal funcção, por direito
scientifico teria egualmente logar aqui, entre os academicos, que pela
unica affirmação de algum valor ou esforço proprio conquistaram o seu
ingresso n'esta casa.

Disse.


    [1] Conde de Arnoso.--_Elogio do Conde de Ficalho._ Lido
    na sessão especial da Sociedade de Geographia de Lisboa,
    em 19 de maio de 1903.

    [2] _A Tradição._--Revista mensal de ethnographia
    portugueza, illustrada. Vol. V, nos. 6, 7 e 8.--Artigos de:
    Ramalho Ortigão, D. Antonio Xavier Pereira Coutinho,
    A. R. Gonçalves Vianna, Conde de Sabugosa, Alberto Pimentel,
    Dr. Theophilo Braga, Dr. Sousa Viterbo, Dr. Candido de Figueiredo,
    Manuel Ramos, Conde de Arnoso, Dr. Graça Affreixo,
    Dr. Thomaz de Mello Breyner, D. João da Camara,
    Pedro A. de Azevedo, Julio de Lemos, Costa Caldas,
    José Orta Cano, D. Antonio de Mello Breyner,
    Dr. Ladislau Piçarra e M. Dias Nunes.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Elogio Historico do Conde de Ficalho" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home