Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Sá de Miranda e a sua Obra
Author: Carneiro, Décio, 1868-1939
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Sá de Miranda e a sua Obra" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



of public domain material from Google Book Search)



SÁ DE MIRANDA E A SUA OBRA



DECIO CARNEIRO

SÁ DE MIRANDA E A SUA OBRA


LISBOA
_Antiga Casa Bertrand--José Bastos_
73, Rua Garrett, 75
1895


_Tiragem especial de vinte e cinco exemplares em papel superior,
numerados e rubricados pelo auctor._


LISBOA
Barata & Sanches (antiga casa Adolpho, Modesto & C.ª)
_Rua Nova do Loureiro, 25 a 39_



AO DISTINCTO ADVOGADO

_Aureliano de Mattos_

_Como tributo de consideração e amizade_

O ESPIRITO D'ESTE TRABALHO.



                                Para o completo, universal triumpho:
                                                  _Almeida Garrett._
                                        (O retrato de Venus--c. 3.º)


São tres os principaes trabalhos publicados ácerca de Sá de Miranda.

Em ordem chronologica, o primeiro e indiscutivelmente o mais valioso é a
_Vida_, que acompanha a segunda edição das suas obras poeticas, datada
de 1614. A _Vida_, em puro estylo quinhentista, de auctor anonymo,
apresenta-se como _collegida de pessoas fidedignas que o conhecerão_--ao
poeta--_e tratarão e dos livros das gerações deste Reyno_.

Barbosa Machado attribuiu essa biographia-critica de Sá de Miranda a Dom
Gonçalo Coutinho mas não adduziu provas para fundamentar a sua
affirmativa. Todos os escriptores, porém, lh'a acceitaram como
demonstrada. Apenas o sr. Theophilo Braga, em sua _Historia dos
Quinhentistas_, lhe pesou o valor e reforçou a allegação do illustre
auctor da _Bibliotheca Luzitana_ com as relações havidas entre D.
Gonçalo Coutinho, poeta tambem da escola classico italiana, e os
individuos a quem elle recorreu para a sua biographia.

Seja ou não de D. Gonçalo Coutinho, e não obstante a sua lamentavel
pobreza de datas historicas, a _Vida_ é um documento preciosissimo. Tem
servido e servirá sempre de base a todos os trabalhos reconstruitivos da
biographia da poderosa individualidade a quem se deve o movimento que
tão alto levantou a litteratura portugueza e a fez attingir culminancias
nunca alcançadas posteriormente. E tanto mais apreciavel é a _Vida_ que
a sua veracidade se comprova facilmente pelas _Cartas_, verdadeira
autobiographia do poeta.

Foi a _Vida_ o fio porque se guiou o sr. Theophilo Braga, em sua
_Historia dos Quinhentistas_, em a parte particularmente referente á
_Vida de Sá de Miranda_. Este o segundo trabalho de mór valia que temos
sobre o grande poeta. Trabalho apreciavel e erudito, mas mais
propriamente parte do estudo de uma escola litteraria, como é, que
destinado a pôr em relevo, em toda a viveza de suas côres, a biographia
de Sá de Miranda e o seu valor como philosopho e poeta.

Obra por egual notavel em erudição e em critica, a da ex.ma sr.ª D.
Carolina Michaëlis de Vasconcellos. Tambem a sua edição das _Poesias de
Francisco de Sá de Miranda_, feita sobre cinco manuscriptos ineditos e
todas as edições impressas, é a mais valiosa de todas, a mais
importante.

Um dos manuscriptos de que a illustrada senhora, benemerita das lettras
portuguezas, se serviu habilitou-a a conhecer quaes foram as poesias, ou
melhor, quaes os grupos de poesias, os _mss._ separados, que Sá de
Miranda enviou, por tres vezes, ao principe D. João. Esse _ms._ é,
demais, preciosissimo porque representa uma redacção primitiva,
original, feita com cuidado e com o intuito da offerta. D'ahi,
indubitavelmente, uma coordenação subordinada a certos principios e que
denuncia a mão do proprio poeta. As edições, até então feitas, haviam-o
sido sobre manuscriptos distribuidos a amigos e discipulos.

A ex.ma sr.ª D. Carolina Michaëlis de Vasconcellos, corrigindo
rigorosamente aquelle _ms._ fundamental da sua edição, deu-lhe não o
caracter de diplomatica, sim de normal. Esse codice vem representado no
texto pelas tres primeiras partes, reproducção integral, livre de
restaurações e renovações arbitrarias, mas emendada onde havia erros
visiveis e inilludiveis e systematicamente orthographada, em harmonia
com os principios do escriba, com alguma, pouca, pontuação, pouquissimos
accentos e resolução de todas as abreviaturas. Acompanha a edição um
extenso corpo de variantes.

Esplendido trabalho de erudição, o da ex.ma sr.ª D. Carolina Michaëlis
de Vasconcellos, é ainda enriquecido com uma _vida_ e _commentario_
notabilissimos. Como estudo de profundo saber ficará considerado
monumento perduravel e guia indispensavel para obras futuras.

A ex.ma sr.ª D. Carolina Michaëlis de Vasconcellos e o sr. Theophilo
Braga, apoiando-se na _Vida_, investigaram e esgotaram, por assim dizer,
quanto a respeito de Sá de Miranda se pode escrever. Não que hajam
aclarado todos os pontos duvidosos da obscura biographia do nobilissimo
auctor das _Cartas_. Isso, todavia, é assumpto para futuras e demoradas
investigações.

Comprehende-se, pois, que o presente trabalho não é positivamente novo.
Tomando por base a _Vida_, aproveita todos os resultados adquiridos por
os anteriores, comparando opiniões desencontradas e procurando projectar
a mais intensa luz sobre a biographia e a obra do grande Sá de Miranda.
Tudo documentado, tanto quanto possa ser, por citações das cartas e
eclogas do poeta, pois que, das suas producções, as mais d'ellas
respeitam _sobre casos particulares que succederam na côrte em seu
tempo_.

O intuito primordial do presente estudo é tornar conhecida a vida d'esse
vulto sympathico da nossa historia litteraria, mostrar a estreita
relação que ha entre ella e a sua obra, e restituir, ante a geração
actual, o poeta ao logar a que tem direito pela independencia do seu
caracter, pela auctoridade indiscutivel que lhe dava esse mesmo
caracter, e pelo alto valor de sua poesia, toda conceituosa e
philosophica. Isto apenas desejava conseguir o auctor para poder
justificar a si proprio a audaz tentativa que emprehende.


Lisboa, agosto de 1895.



Escreveu o mallogrado Pinheiro Chagas, referindo-se ao director
espiritual e mestre dos lyricos do seculo XVI, ou da escola chamada
classico-italiana, que--se Camões, como os Jeronymos de Belem, significa
a resistencia do estylo nacional e da tradição nacional á Renascença
classica, Sá de Miranda representa o enxerto da litteratura classica em
um vigoroso rebento nacional. Nenhum outro juizo, como o do nosso grande
historiador contemporaneo, poderia assignalar melhor o logar de Sá de
Miranda no movimento litterario nacional portuguez. Cultor fervoroso da
tradição portugueza em seus primeiros tempos de poetisação, o illustre
solitario da Tapada, ao dedicar-se ao estudo e á imitativa dos classicos
da antiguidade grega e romana, não quebrou, talvez porque o não quizesse
fazer, os laços que o prendiam ao espirito que lhe guiara os primeiros
passos.

Sá de Miranda, como nota o sr. Theophilo Braga, fez uma revolução
profunda na poesia portugueza, foi a alma da boa litteratura e o poeta
que mais propagou a tradição classica entre nós, no seculo XVI. Comtudo,
o classicismo n'elle não passa de um enxerto, mera tentativa não sem
valor, mas destituida de vida. E a sua gloria está toda, exactamente, em
o que a sua obra tem de genuinamente portuguez. As suas _Cartas_,
satyras admiraveis, são em todos os sentidos verdadeiras perolas da
nossa litteratura.

É certo que o classicismo, a brilhante Renascença, auroreava já no
horisonte do Portugal litterario. Encontrára mesmo alguns adeptos
apaixonados, mas que, faltos de talento, lhe não tinham dado impulso. Se
algumas tentativas houve antes de Sá de Miranda, tão fracas foram que
não tiveram seguidores. Elle seu principal e verdadeiro propulsor.

Em sua educação primeira, Sá de Miranda recebeu necessariamente uns
laivos de classicismo pelo estudo das obras dos poetas gregos e latinos.
Nem de outro modo se poderia explicar a sua inclinação manifesta em esse
sentido. A _Vida_ dá conhecimento de que, em 1584, um fidalgo de Lamego,
Gonçalo da Fonseca de Crasto, possuia um _Homero_ com notas á margem
feitas em grego pelo douto Sá. Prova de que Sá de Miranda recebeu uma
educação classica.

Esclarecerá tudo, talvez, o saber-se que Sá de Miranda nasceu em
Coimbra, que vem sendo de seculos o mais importante centro intellectual
do paiz. Centro que tem inspirado a poesia desde Sá de Miranda até
Garrett e, posteriormente, até João de Deus, Guerra Junqueiro, Anthero e
Eugenio de Castro. Coimbra, a cidade das melancolicas margens do
Mondego, a que as lagrimas de Ignez tornaram lendario e querido dos
poetas, a Coimbra dos estudantes... Antiga e nobre cidade, como Sá de
Miranda lhe chamou em uma das suas _Cartas_, a dirigida a Pero de
Carvalho.

    Da antiga e nobre cidade
    Som natural, som amigo.

Cidade cuja belleza maravilhosa sempre amou e louvou com o carinho de
filho amantissimo.

      Cidade rica do santo
    Corpo do seu rei primeiro
    Que ainda vimos com espanto
    Ha tam pouco, todo inteiro,
    Dos annos que podem tanto.

A nobre e leal Coimbra.

      Outro rei, tanto sem mal
    Que lhe empeceu a bondade,
    O quarto de Portugal,
    Qual teve ele outra cidade
    Tam constante e tam leal?

Do nascimento de Sá de Miranda affirma a _Vida_ que o poeta viu a luz em
_o mesmo dia em que el Rey Dom Manoel tomou posse do governo destes
Reynos_. Sobre qual tenha sido esse dia levantou-se divergencia de
opiniões. Uns pretenderam que fosse fixado a 24 de outubro de 1495, como
o admittiu o sr. Theophilo Braga, em sua _Historia dos Quinhentistas_,
livre da supposição de, pela logica dos factos, ser levado a crer que o
poeta tivesse nascido muito antes d'esse anno. Outros escriptores
attribuiram-lhe a data de 27 de outubro, para a qual se inclinaram a
ex.ma sr.ª D. Carolina Michaëlis de Vasconcellos e Pinheiro Chagas.

A logica dos factos não mentiu ao sr. Theophilo Braga. Sá de Miranda viu
a luz necessariamente muito antes do anno admittido geralmente.
Demonstra-o, irrefutavelmente, um precioso documento recentemente
encontrado, em a Torre do Tombo, pelo incansavel investigador e erudito
escriptor, sr. dr. Sousa Viterbo:--nem mais nem menos do que a carta de
legitimação do grande poeta, datada de 1490, em que apenas se faz
referencia a Francisco, filho do conego Gonçalo Mendes, que, não resta
duvida, é o nosso poeta. Ha pelo menos, portanto, a recuar uns cinco ou
seis annos a data de seu nascimento, o que não deixa de ter importancia
para a comprehensão da sua vida.

Da filiação de Sá de Miranda apenas se conhece o nome do pae, o conego
Gonçalo Mendes de Sá, embora o sr. Theophilo Braga o diga filho de D.
Filippa de Sá. Errada interpretação, como o apontou Camillo Castello
Branco, da noticia-attribuida a D. Gonçalo Coutinho. A _Vida_ é bem
expressa dizendo que o poeta _foy filho de Gonçalo Mendes de Sá e neto
de João Gonçalves de Miranda, que viveo junto a Buarcos e de Dona
Phelippa de Sá sua molher_. Clarissimo, pois, que Sá de Miranda era
neto, e não filho, de _Dona Phelippa de Sá_. Quem fosse a mãe, se plebea
ou nobre, é mysterio que a alludida carta de legitimação vem desvendar.

Descendia, portanto, Sá de Miranda, da antiga geração dos Sás, geração
que deu a Portugal muitos filhos illustres, cavalleiros, prelados e
escriptores de renome e dos quaes um irmão do nosso poeta, Mem de Sá, é
um nobilissimo exemplo. Mas, essa geração tambem legou ao mundo alguns
scelerados de marca. Um dos proprios filhos de Sá de Miranda demonstrou
exuberantemente quanta bilis corria entre o sangue generoso d'essa
illustre familia.

A avó do nosso poeta. _Dona Phelippa de Sá, era filha de Rodrigues de
Sá, e neta de João Rodrigues de Sá, o primeiro que chamarão das Galés
assas conhecido em tempo del Rey Dom João de boa memoria._ Sá de Miranda
estava assim aparentado com as mais nobres familias do paiz e mesmo com
a illustre familia Colonna de Italia. Era-o, tambem, com a fidalguia de
Hespanha. A origem hespanhola dos Mirandas explica, como quer o sr.
Theophilo Braga, os versos em que o poeta se dá por parente do fidalgo
asturiano Garcilaso de la Vega.

Os primeiros annos de sua vida, parece, Sá de Miranda passou-os nas
poeticas margens do Mondego, em Buarcos, em casa de seu avô paterno João
Gonçalves de Miranda. Deve ter estudado as _primeiras letras de
humanidades_ em Coimbra. São, porém, completamente desconhecidas as
primeiras impressões de sua mocidade e nem se póde conjecturar ácerca
dos seus primeiros professores e estudos.

Desconhecem-se, egualmente, quaes as relações em que estava a familia de
Sá de Miranda para com o monarcha. Devem ter sido cordeaes, pois que a
_Vida_ affirma que o nosso poeta veiu para Lisboa estudar Leis em a
Universidade, não que _por inclinação que tivesse aquella maneira de
vida mas obedecendo a seu pay que lha escolhera_ e, tambem, _em obsequio
ao gosto del Rey Dom João o Terceiro_.

Em 1516 devia ter concluido a sua formatura. Isto se deprehende de, por
essa epoca, já ser tratado por doutor. No _Cancioneiro geral_, colligido
por Garcia de Resende, encontram-se varias glosas e cantigas de Sá de
Miranda com a rubrica--_Do Doutor Francisco de Saa, grosando esta
cantigua de Jorge Manrrique_.

Sá de Miranda seguiu os seus estudos com _felices porgressos e sahio
grande letrado_. D'ahi, decerto, tendo um curso distincto, o ser
escolhido para ficar em a Universidade, professando as disciplinas que
frequentara. Pelo menos, a _Vida_ affirma que o poeta _tomou o grao de
Doutor e leo varias cadeiras daquella faculdade_.

Então, os poetas eram geralmente jurisconsultos, phenomeno este que hoje
se dá como maravilha. Ferreira, que egualmente reunia as duas
qualidades, á primeira vista incompativeis, de doutor e poeta,
defendendo essa alliança, dizia:

    Não fazem damno ás musas os doutores,
    Antes ajuda a suas letras dão.

A passagem de Sá de Miranda pelo professorado da Universidade foi
rapida. A _Vida_ diz que o poeta, _conhecendo os perigos que o uso desta
sciencia tras consigo em materia de julgar, tanto que lhe faltou seu pay
não só deixou de todo as escollas, mas engeitou os lugares do
Desembargo, que por muitas vezes lhe forão offerecidos_.

O doutor Francisco de Sáa tinha, certamente, alguns bens que lhe
permittiam custear a vida embora modestamente, e, d'ahi, o desprezar os
empregos da côrte. Caracter altivo e independente não queria ceder da
sua liberdade. Assim, poude dedicar-se completamente ao _estudo da
Philosophia Moral e Estoyca a que sua natureza o inclinava_, e em que se
tornou consummado.

Pela familia illustre a que pertencia, pelas estreitas relações em que
ella estaria com o paço real e pelas recommendações especiaes que
traria, Sá de Miranda, ou, como era conhecido, _Francisco de Sáa_,
encontrou um cordealissimo acolhimento no palacio do faustoso monarcha
D. Manoel. No intervallo das lições, nos ocios que lhe deixava a sua
applicação ao estudo, frequentava os serões da côrte portugueza, em
pleno esplendor então que Portugal attingia as culminancias do poderio
moral e material. Era a bandeira portugueza desfraldada por todo o
mundo, os reinos caindo ao embate das armas do pequeno povo das costas
atlanticas da peninsula hispanica, o nome de Portugal acatado com
respeito, tanto que o Rei Venturoso sentiu os primeiros assomos da idêa
avassalladora da monarchia universal.

A realeza procurava reunir em seu torno, em o palacio real, os espiritos
mais cultos do paiz. Entoava-se como que um côro de louvôres, de
canticos de alegria, em volta do feliz monarcha de um povo que tão
extraordinarios paizes desvendára e dera á civilisaçao. E como poderia
deixar de o ser, se a epopêa era maravilhosa. Andava-se em ethereo
paraizo. Tudo era fausto, tudo gloria, tudo um sonho infindo como
infindo o horisonte que o nauta persegue.

Notabilissimos os serões d'essa côrte faustosa que começava a
effeminar-se na ociosidade da victoria e no goso das inexgotaveis
riquezas conquistadas, e que, assim, preparava proximos desastres. A sua
pompa e sumptuosidade excedia tudo quanto se poderia conceber. A
imaginação mais viva e ardente luctaria por os descrever em todo o
brilho. A sua fama foi em um crescendo continuo, passou as fronteiras e
repercutiu-se lá fóra, até se tornar universal. Os não menos famosos da
côrte pontificia de Leão X ficaram-lhe sempre áquem e muito.

O doutor Francisco de Sáa, elle proprio, tomou parte em os certamens
poeticos realisados n'essa côrte esplendida. Ahi se encontrou em
contacto com os homens notaveis da epoca, sobretudo poetas. Em a côrte
se relacionou Sá de Miranda com o bucolista Bernardim Ribeiro a quem
tomou amizade sincera e por quem sempre foi dedicado. De então datam,
egualmente, as estreitas relações que manteve em toda a vida com o
principe Dom João, filho de el rei D. Manuel, relações que se
sustentaram atravez de todos os acontecimentos, pois que o mesmo D.
João, quando já no throno, jámais deixou de patentear a sua estima ao
poeta, de o proteger e de lhe apreciar as producções.

A estrella de maior brilho da côrte de D. Manuel era ao tempo ainda a
tão formosa quanto esquiva D. Leonor de Mascarenhas, diz-se que dama da
rainha D. Maria. Senhora de dotes e qualidades pouco vulgares,
constituia ella o alvo das attenções dos mais galantes cavalleiros a par
de inspirados poetas, como D. João de Menezes, Fernam da Silveira e
outros. A espada que galhardamente lhes pendia do cinturão, emquanto
trovavam _á sua dama_, e que matava o audaz rival, era, tambem, a lusa
espada pelejadora pela patria e pela religião.

Em o _Cancioneiro de Resende_ encontram-se muitas referencias a essa
illustre senhora. A fidalguia porfiava em agradar-lhe, cercava-a de
galanteios para lhe merecer os sorrisos. Não consta que ella se tenha
rendido a qualquer d'elles. A tradição dá-a como um modelo de
esquivança.

Mais tarde, quando a fumarada das primeiras fogueiras do Santo Officio
ennegrecia o azul alegre e puro do nosso admiravel ceo, a suspeita e o
temor invadiam as consciencias, Sá de Miranda relanceava os olhos pela
estrada do seu passado, revia os tempos da sua mocidade e recordava-se
com profundissima saudade d'esses serões. Não que ao poeta seduzisse o
fausto, mas a fina e intelligente companhia que n'elles havia,
n'aquelles serões de subtis e delicados motes.

      Os momos, os seraos de Portugal,
    Tam falados no mundo, onde são idos?
    E as graças temperadas do seu sal?
      Dos motes o primor, e altos sentidos?
    Ums ditos delicados cortesãos,
    Que é d'eles? Quem lhes dá sómente ouvidos?

E com que energia fustigava a decadencia miseravel que levára a essa
desolação!

      Lançou-nos a perder engenhos mil
    E mil este interesse que haja mal,
    Que tudo o mais fez vil, sendo ele vil!

Os ultimos trovadores do _Cancioneiro de Resende_, Sá de Miranda ainda
os conheceu ou ouviu as suas poesias. Em começo de frequentar a côrte
repercutiam-se n'ella os ultimos echos dos cantares do mimoso D. João de
Menezes, um dos mais afamados d'aquelle tempo, e que devia a sua nomeada
ao chiste, á graça arrebatadora, á facilidade com que glosava os motes
apresentados pelas damas do paço. Cavalheiro amabilissimo, eximio na
arte do galanteio, D. João de Menezes fizera-se adorado. As suas
canções, foram ouvidas e estimadas ainda muito tempo após a sua morte,
revestindo a sua memoria lendaria uma aureola de consagração.

Particularmente bem acceito, amimado mesmo, o dr. Francisco de Sá de
Miranda, espirito engenhoso, talento a desabrochar, deixou-se
influenciar pela maneira e pela fórma das poesias dos ultimos trovadores
da côrte manuelina. Foi em sua corrente, poetando como elles, tomando-os
como modelos e seguindo-os na esteira. Sobretudo, as poesias de D. João
de Menezes mereceram-lhe especial consideração e estudo.

D'esse tempo a maior parte dos seus _vilancetes_ e _cantigas_.
Composições faceis, de estructura simples e superficiaes, algumas
d'ellas são, entretanto, como as aprecia a ex.ma sr.ª D. Carolina
Michaëlis de Vasconcellos, perolas de raro valor e flores de delicioso
perfume. Sá de Miranda cultivou, assim, n'esse primeiro periodo de seu
labor, a tradição da chamada _escola velha_. Pode-se affirmar, sem
receio de contradicta, que o fez com notoriedade. Muitas das suas
poesias de então apparecem no _Cancioneiro geral_.

Tem-se levantado grande celeuma sobre um pretendido sentimento de acerbo
desgosto, de profunda tristeza, manifestado n'essas primeiras
composições poeticas, desgosto a que se pretende ligar uns infelizes
amores por uma tal _Celia_. Que estes amores sejam ou não ficção, é
ponto hoje controverso e sel-o-ha, talvez, por muito tempo. A verdade é
que a taciturnidade do nosso poeta não era extemporanea. Vinha do
temperamento proprio de Sá de Miranda, um pouco do caracter ethnico da
região de sua naturalidade e a evidencial-o está a inclinação
philosophica de toda a sua vida.

É provavel que o moço dr. Francisco de Sá se não esquivasse a qualquer
intriga amorosa em palacio. No verdor dos annos, em uma côrte a
corromper-se, com as facilidades que de per si se proporcionavam, como
poderia deixar de se prender pelo donaire de qualquer gentil dama?
Envolver-se-hia em algum caso mais serio e escandaloso, e d'ahi o
dizer-se, posteriormente, que a sua viagem á Italia tivera por causas
primordiaes questões na côrte.

A _Vida_ sustenta que, levantando-lhe a philosophia _o pensamento ao
desprezo de todas as cousas de cá quis peregrinar pollo mundo, porque no
repouso a que determinava recolher-se o não inquietassem as novas do que
não vira_. Pode-se d'aqui deprehender que esse

    Homem de um só parecer,
    de um só rosto, e d'[~u]a fé,
    d'antes quebrar que torcer,

começava a profundar a base falsa da sociedade em que vivia? Será dado
inferir-se que era a decadencia que elle antevia imminente, que o levava
a despresar os folguedos e a aborrecer _as cousas de cá_? Talvez.



Sá de Miranda era um espirito observador e comparativo. De temperamento
taciturno, _grave na pessoa, melancolico na apparencia, mas facil e
humano na conversação, engraçado nella com bom tom de falla, e menos
parco em fallar que em rir_, fatigar-se-hia, por vezes, dos passatempos
frivolos da côrte estouvada e procuraria em o estudo um refugio para
retemperar a sua actividade. De mais, illustrado e laborioso, não
pensaria apenas em folgar e poetar. Applicava as suas faculdades
intellectuaes, analysava e produzia. Ninguem melhor do que elle
conheceria o trabalho espiritual de sua época.

O movimento litterario tornara-se essencialmente palaciano no reinado do
feliz D. Manoel. Natural attracção da realeza esplendorosa. Tambem, o
soberano venturoso iniciara a politica de unidade monarchica com as
celebradas _Ordenações Manuelinas_, cujo pensamento capital, traduzido
pela reforma dos foros, era a concentração, em o poder real, dos
privilegios locaes e a extincção das antigas tradições feudaes.

A poesia cessára, portanto, de ser puramente popular, nacional, de se
inspirar directamente nos actos da vida do povo, para se converter em
graciosa e cortezã. Não que aquella desapparecesse de todo, pois,
felizmente, não deixara de se manifestar a reação. As formas palacianas
tinham conquistado, porém, o predominio sobre as classes mais
illustradas.

Admiravel e prestadia manifestação poetica, o trovadorismo acabara por
se estagnar nas superficialidades da côrte, ao contacto dos costumes de
uma nobreza propensa á ociosidade e á fatuidade pelo saciamento do oiro.
Reduzira-se a um lyrismo artificioso e destituido de sentimento pela
carencia absoluta de motivos emotivos, de actos inspiradores. O seu fim
era, sobretudo, o bom dito, a impressão sobre os presentes, impressão,
está bem de ver, muito pessoal e passageira.

E decaira tanto o trovadorismo que se pozera servilmente a imitar os
hespanhoes e até a adoptar a lingua d'aquelles para as composições
poeticas. Precaria, então, a existencia da portugueza, nobre e bella
como nenhuma outra. O melhor testemunho d'essa decadencia encontra-se no
_Cancioneiro geral_ de Resende, archivo da fina flor da poesia palaciana
do tempo, como ironicamente lhe chamou um conhecido escriptor.

Essa poesia, falta de ideal, de um motivo emocionante, sem uma unica das
qualidades que constituem a obra d'arte, recorria aos artificios da
forma, a um exagerado abuso de allegorias metaphysicas para se fazer
valer. Carecendo de sentimento verdadeiro, pedia vida á casuistica
amorosa que apresentava ao mais elevado refinamento.

Privilegio das classes elevadas, como o aponta o sr. Theophilo Braga,
ella servia de passatempo nos ocios da guerra, era a expressão da
galanteria com as damas e o meio de dar celebridade aos casos
anedocticos que se passavam detraz dos pannos de Arras. Mero
entretenimento, como tal, descambava quasi sempre para a banalidade.
Futilissimos, assim, os themas de inspiração, umas _grandes barbas_, um
_pelote de peludo_, um _macho ruço_ e quejandas cousas.

Felizmente, a Renascença abrira novos horizontes e os seus fulgurantes
clarões vinham já alumiando até Portugal. Para isso concorria, sem
duvida, as estreitas relações em que se estava com a Italia e o
acolhimento que entre nós encontravam os que d'ahi chegavam. Ninguem
melhor do que Oliveira Martins, em sua _Historia de Portugal_, assignala
o ponto de partida d'esse movimento revivificador, dizendo que os filhos
de el-rei D. João I, abrindo as portas da nação á cultura da Renascença,
chamando sabios, viajando, fundando bibliothecas, tinham lançado á dura
terra do velho Portugal as sementes italianas.

A transformação, porém, não se operou de momento, em um convulsionismo
rapido. Seguiu lenta, infiltrando-se pouco a pouco, tanto que, como o
sustenta a ex.ma sr.ª D. Carolina Michaëlis de Vasconcellos, na
litteratura como nas artes e nas sciencias, os vestigios da influencia
italiana foram quasi insensiveis até 1520, vesperas da partida de Sá de
Miranda para o estrangeiro. Mas, nem o proprio creador do theatro
nacional, o talentoso, embora inculto, Gil Vicente, tão aferrado á
escola da tradição nacional, escapa á sua influencia. Manifesta-o a
ironia de suas farças, aquella mordacidade que nada poupava e ia até
desrespeitar as crenças religiosas, ironia que annunciava o proximo
advento da Reforma, o despertar da razão humana escravisada pela esteril
escolastica.

Lá fóra rompera já acirrada a lucta entre as duas escolas litterarias.
Uma procurava manter intransigentemente as tradições da edade media e da
poesia nacional e a outra ia inspirar-se em os monumentos da litteratura
classica, tendendo a imital-os, se não seguil-os servilmente. Havia-se
ferido os primeiros combates em forma entre os partidarios de uma e os
sectarios da outra, combates que tinham tido uma natural repercussão em
nosso paiz. São os eruditos conjurando-se contra Gil Vicente, cuja
originalidade contestam, e considerando as suas obras de rasteiras e
ordinarias. Com que fino tacto epigrammatico, porém, o auctor de _Ignez
Pereira_ os apodou de _homens de bom saber! De bom saber!..._

Sá de Miranda, de uma instrucção variadissima, innegavelmente conhecia
desde a infancia os livros dos escriptores gregos e latinos. A _Vida_
offerece a preciosissima noticia de que elle _soube tanto da lingoa
grega, que lia a Homero nella, e anotava de sua mão em grego tambem_.
Devia ter seguido com interesse a evolução da poesia italiana que a tão
grande altura se estava levantando.

Approximando as producções dos poetas italianos das dos seus
contemporaneos, Sá de Miranda media bem a inferioridade da nossa poesia.
Comprehendia e avaliava a necessidade de a vitalisar egualando-a com a
grandiosidade epica que estava attingindo o espirito guerreiro dos
portuguezes. Tomou-o o desejo de exaltar o pensamento revestindo-o de
novas e vigorosas formas. Em seu animo de patriota, concebeu a vontade
ardente de fazer vibrar a mentalidade nacional com scintillações
desusadas a par dos coriscantes raios despedidos pelas espadas vibradas
por braços energicos.

      Um vilancete brando, ou seja um chiste,
    Letras ás invençõis, motes ás damas,

    [~U]a pregunta escura, esparsa triste!
    Tudo bom! quem o nega? mas porque,
    Se alguem descobre mais, se lhe resiste?

A renovação litteraria e artistica, importante e fecunda de resultados
immediatos, que se operava em Italia, devia attrahir o sonhador poeta
como o luzir do dia chama a passarada chilreante. Sá de Miranda, votando
ao desprezo _as cousas de cà_, sentir-se hia tomado de um vehemente
desejo de ir verificar de perto, avaliar de _visu_, por assim dizer, a
intensidade d'esse grande movimento intellectual que começava a ter echo
em toda a Europa, visitar esse meio que a tuba da Fama dizia o mais
culto.

Estamos, assim, de accordo com a ex.ma sr.ª D. Carolina Michaëlis de
Vasconcellos em que a viagem de Sá de Miranda á Italia não teve origem
primordial em questões da côrte. Não. Tudo é porque o seu motor foi--a
anciedade espiritual do poeta, o desejo de estudar a arte, de pôr em
concordancia a elevação do pensamento com a heroicidade das acções
portuguezas que o expatriou. Altamente patriotico, pois, e proprio do
seu nobre caracter, o emprehendimento que se propozera o poeta.

Sá de Miranda demorou-se lá por fóra bastantes annos. Viagem larga e que
lhe permittiu, _visitando primeiro os mais celebres lugares de Espanha_,
percorrer com _vagar e curiosidade Roma, Veneza, Napoles, Milão,
Florença e o milhor de Cicilia_. Verdadeira missão de estudo a que não
escaparam as cidades então mais em evidencia e onde se encontravam os
homens mais illustres da Renascença.

    Vi Roma, vi Veneza, vi Milão
    Em tempo de Espanhoes e de Franceses,
      Os jardins de Valença de Aragão
    Em que o amor vive e reina, onde florece,
    Por onde tantas rebuçadas vão.

A saída do poeta para a Italia deve ter-se effectuado por 1521 e o
regresso ao reino por 1526. É o que se conclue do verso

    Em tempo de Espanhoes e de Franceses

Era a epoca em que o imperador Carlos V, de Hespanha, andava em guerra
com Francisco I, de França, por este haver, tambem, aspirado ao throno
da Allemanha. Exactamente n'esse anno de 1521 encetou Carlos V as
hostilidades contra o rei de França, abrindo o primeiro periodo de
guerra que teve por campo de batalha, sobretudo, a Italia, e que veiu a
terminar, depois da batalha de Pavia (1525), em que Francisco I caiu
prisioneiro dos hespanhoes, pelo tratado de Madrid que deixou a
peninsula italica em poder dos ultimos (1526).

A viagem de Sá de Miranda deve, portanto, ser collocada entre os annos
de 1521 e 1526. Esta data está completamente de accordo com a indicação
de seus proprios versos, além de que todos os factos a que elles se
referem a confirmam. Quando o poeta se tornou ao reino, _já avia muito
que reynava_ el-rei D. João III.

A peninsula italica encontrava-se, então, em plena febre de
renascimento. Seus povos, escravisados successivamente por allemães,
francezes e hespanhoes, sem forças para se libertarem dos dominadores,
procuravam em o engrandecimento do passado o esquecimento das desgraças
que soffriam, da decadencia do presente. A imagem de Virgilio, cantor
das glorias nacionaes, apparecia-lhes como um protesto patriotico e, o
que era mais, como um balsamo fortificante das energias abatidas.

As recordações dos tempos idos incutiam os estimulos para a lucta que a
Italia sustentava. Por isso principiou ali a Renascença bafejada pelas
lembranças sempre vivas de uma tradição patriotica jamais extincta, na
phrase elegante e justa do sr. Simões Dias. E foi assim que ella
conseguiu engrandecer-se como nunca, levantar-se á maior altura da arte,
em concepções grandiosas, com artistas que attingiram a um renome
perduravel.

Em meio de uma actividade assombrosa, a Italia caminhava para
conquistar, entre as nações neo-selticas, a posição intellectual
dominante que posteriormente gosou. Palmo a palmo, alcançava um triumpho
tão glorioso quanto indelevel. Aos genios de Dante, Petrarcha e
Boccacio, iniciadores d'esse movimento extraordinario e inegualavel, em
o periodo em que as trovas provençaes ainda eram o divertimento das
classes patricias, e de Leonardo de Vinci, succedera uma geração toda
illustre. Ao tempo de Sá de Miranda, a Italia era o campo de gloria de
Ariosto, Sanazarro, Bembo, Tasso, Machiavello, Vittoria Colonna,
Raphael, Miguel Angelo, etc.

Em seus versos, Sá de Miranda refere-se, por vezes, aos diversos homens
illustres dessa vicejante Italia. O conhecimento que d'elles mostra
auctorisa a affirmativa de que tratou pessoalmente com os mesmos. A
posição que occupava na côrte portugueza, o prestigio do nome da familia
a que pertencia, para mais ainda aparentada com a opulenta casa Colonna
por seu avô paterno João Rodrigues de Sá, pol-o em estreitas relações
com homens notaveis como Giovanni Ruccellai, Lattanzio Tolommei e
outros. Ao excellente lyrico e notavel bucolico da _Arcadia_ chama o bom
velho Sanazarro.

Floresciam, então, com o mais vivo esplendor, os talentos mais insignes.
De um a outro extremo da formosa peninsula, o genio irrompia audaz e
scintillante. A Italia foi, d'esta sorte, um verdadeiro deslumbramento
para Sá de Miranda. Affirma a _Vida_ que o poeta viu Roma, Veneza,
Napoles, Milão e Florença, os centros d'essa admiravel elaboração
intellectual, _com vagar e curiosidade_. Assim deve ter sido.

Não houve homem notavel que o nosso poeta não conhecesse ou de que não
indagasse o merito artistico. Em Roma, encontraria o celebre cardeal
Bembo, intimo do magnificente Leão X, imitador acerrimo de Cicero a
ponto de aconselhar os seus amigos a não lerem as epistolas de S. Paulo
para não macularem o estylo e que, ao celebrar o sacrificio da missa,
recitava odes de Anacreonte, em vez das orações do ritual. Ao visitar
Veneza, a bella rainha do Adriatico, ouviria fallar do implacavel poeta
satyrico Aretino, verdadeira lingua viperina, que vendia publicamente os
seus terriveis epigrammas a quem mais lhe dava.

Sá de Miranda cita, outrosim, Ariosto, em pleno florescimento na côrte
de Ferrara, e que introduzira em a poesia o sensualismo elegante e a
phantasia pura. Machiavello, o famoso secretario da republica de
Florença, preparava tres seculos de acerrima controversia com o seu não
menos celebre livro _Principe_, apologia emphatica do poder absoluto.
Era, ainda, Trissino, grammatico e lyrico, mais conhecido pela tragedia
_Sophonisba_, escripta á maneira grega; o cardeal Sadoleto, esse outro
secretario de Leão X, insigne latinista e poeta lyrico; Guicciardini,
jurisconsulto notavel e Julio Scaligero, hellenista de fama. Seria
necessario quasi um volume para enumerar todas as individualidades
d'essa geração illustre.

As relações de Sá de Miranda com os artistas e eruditos italianos
abriram novos horisontes ao seu espirito e este insensivelmente foi
recebendo a direcção que devia dar ao genio da Renascença em Portugal.
Mas não era apenas o contacto com esses homens de talento, sim, tambem,
a observação d'essas maravilhosas obras de arte disseminadas por toda a
Italia, em palacios, monumentos e templos grandiosos, as incomparaveis
telas de Raphael, espirito todo luz, harmonia e amor, a branca visão do
Thabor, como lhe chamou Henri Martin, e de Miguel Angelo, o austero e
solitario pintor, o anjo das trevas divinas. Era a acquisição dos mais
bellos trabalhos da brilhantissima litteratura italiana, que relia e
estudava com sofreguidão e cujas excellencias saboreava com dôce
embriaguez, mais tarde, em sua quinta da Tapada, longe do bulicio da
côrte.

      Liamos os Assolanos
    De Bembo, engenho tam raro
    Nestes derradeiros anos
    Os pastores italianos
    Do bom velho Sanazaro.

Sá de Miranda teve egualmente occasião de vêr em scena a comedia
classica em prosa, moldada pela da antiguidade. Observador como era, não
lhe escapou a importancia d'esse novo germen litterario e analysou-o
cuidadosamente para o introduzir e adaptar em sua patria. A par da
comedia manifestava-se uma outra especie nova, o dilettantismo musical.
Para mostrar o agrado com que o veria o poeta, bastará dizer que elle
_tangia violas darco e era dado á musica_.

Nos palacios, outros tantos fócos de Renascença, discutiam-se todas as
questões de arte e de litteratura. As festas n'elles celebradas não eram
puramente de distracção como as da côrte portugueza, mas essencialmente
productivas. Em casa do marquez de Pescara reuniam-se os talentos mais
em evidencia. Comprehende-se bem o que seriam os serãos ali realisados.

Sá de Miranda, de natural perscrutador, não deixaria, certamente, de se
interessar pelas questões politicas e religiosas, que tambem agitavam a
esse tempo a Italia e que constituiam os grandes factos da Reforma
attingindo o seu extremo, na Dieta de Spira, com a proclamação da
liberdade de consciencia. Provavelmente, como catholico devotado e
ardente, lhe não seria em principio sympathica a Reforma, mas nem por
isso escapou á influencia d'ella, nem deixou de votar a mais profunda
repugnancia ao excesso de intolerantismo da reacção.

Intelligencia altamente lucida, Sá de Miranda sentiu-se tomado de uma
intensa fascinação por esse extraordinario movimento intellectual que
tinha a felicidade de observar de perto, de apreciar pessoalmente,
tratando com os seus principaes corypheus. Como o seu coração de
patriota, ardente, não pulsaria actuado por uma forte vontade de tirar a
sua patria do profundo marasmo a que decaira para a levantar á maior
altura do culto da arte! Avalia-se e dá-se razão ao enthusiasmo com que
se tornou a Portugal.

      Aqueles cantares finos,
    A que _liricos_ disserão
    Os Gregos e os Latinos,
    Digão me donde os houverão
    Salvo dos livros divinos?
    Quantos que d'ahi ao seu
    Trouxerão auguas á mão.
    Regou Pindaro e Alceu,
    E em môres prados Platão!

      Mas é a que ora aprendo
    Ler por eles de giolhos.
    De que sei quam pouco entendo.
    Mas fossem dinos meus olhos,
    De cegar sobre eles lendo!
    Que, dos seus misterios altos
    Assi lubrigando vejo
    Que não são pêra tais saltos:
    Gemo sômente e desejo.

Em 1526, Sá de Miranda encontrava-se, sem duvida, de volta a Portugal.
Reinava, _avia muito_, o seu nunca desmentido amigo, el rei D. João III.
Passava dos trinta e cinco annos. A sua mentalidade achava-se
enriquecida com os preciosissimos conhecimentos adquiridos em sua
excursão por Italia.

Seu animo retemperado e energico casava perfeitamente com a firmeza de
seu caracter. Traçara os seus planos e estava resolvido a executal-os.
Como sustenta a ex.ma sr.ª D. Carolina Michaëlis de Vasconcellos,
tratava de dar novas sendas ás lettras patrias, de estimular os poetas
com o exemplo, de provar a possibilidade de um aperfeiçoamento ou antes
renovamento fundamental da poetica portugueza, de fazer, emfim, a
transplantação das formas e dos metros italianos.

Sá de Miranda lançou-se afoitamente á lucta, contando com uma facil
victoria. Enganou-se. A resistencia foi mais porfiada do que certamente
esperava e morreu mal tendo chegado a vêr os primeiros fructos de seus
esforços.

Desde a sua volta a Portugal, Sá de Miranda foi decididamente o chefe da
escola classica, da escola que, como disse Pinheiro Chagas, pautava as
suas obras comicas pelos modelos de Plauto e de Terencio, as suas
eclogas e cartas pelas de Horacio e de Ovidio, a que substituiu a
redondilha popular, até então quasi exclusivamente usada, pelo verso
hendecasyllabo jambico italiano e as pastoraes ainda trovadorescas de
Bernardim Ribeiro pelos idyllios virgilianos e pelas imitações de
Theocrito. Quebrou o grande poeta o encanto e as velhas fórmas gastas do
_Cancioneiro_ de Resende, com a futilidade da poesia palaciana, foram
completamente abandonadas.

O douto e grave poeta, porém, não foi apenas o propulsor da escola
classica em Portugal, mas tambem verdadeiramente o reformador da chamada
_escola velha_, a que deu novos dias de gloria. Os rhythmos nacionaes, o
grupo das singellas quintilhas e decimas, levantou-os elle á maior
perfeição em suas celebres _Cartas_ satyricas. Longe de romper
fundamentalmente com a tradição, continuou a empregar os antigos metros
nacionaes, voltando com frequencia ás graciosas redondilhas e até ás
esparsas, vilancetes e glosas, de uma ligeira improvisação. Em o ultimo
periodo de sua existencia deixou-se dominar mais absolutamente pelo
classicismo que, em todo o caso, apparece em suas producções atravez do
renovamento italiano.

Pena é não haver sido Sá de Miranda um poeta genial, inspirado como
Camões. Com as qualidades de estudo e de observação de que era dotado
ter-se-hia tornado uma poderosa individualidade.

Innegavelmente são relevantissimos os serviços por elle prestados á
litteratura portugueza. É o que a ex.ma sr.ª D. Carolina Michaëlis de
Vasconcellos põe em relevo ao affirmar que o illustre poeta provou que a
lingua portugueza era capaz de se elevar até ás concepções mais bellas
do lyrismo moderno com o soneto e a canção de Petrarcha, os tercetos de
Dante, enlaçados em elegias e capitulos segundo o estylo de Bembo, a
oitava rima de Policiano, Boccacio e Ariosto, e as ecloglas de Sanazarro
com os seus _versos encadeados_ e a variação melodica dos rhythmos e,
finalmente, introduzindo o _hendecasyllabo jambico italiano_.

Propriamente a Sá de Miranda nada se deve em o que respeita a fórmas
metricas. O poeta da Tapada, admirador enthusiasta dos modelos
estrangeiros que estudara, imitou, em geral escrupulosamente, a
estructura das estrophes, introduziu fórmas novas, reformou e
aperfeiçoou, mais nada. Podia ter ido muito longe, variar os typos por
meio de leves modificações no encandeamento da rima, e no agrupamento
dos septenarios na _Canção_, mas não ousou arcar com essas
responsabilidades. Unicamente quanto ao assumpto e á linguagem se
reservou uma completa e perfeita originalidade e d'esse modo concorreu
bastante para o aperfeiçoamento da lingua portugueza, ainda rude e pouco
melodiosa, além de que poude legar á posteridade as suas sempre
apreciadas _Cartas_. Isso o salvou, tambem, do fiasco de algumas mal
succedidas tentativas de innovação.

Tem-se pretendido negar a Sá de Miranda a iniciativa quanto ao emprego
de novas fórmas metricas. Faria e Sousa foi o primeiro que contestou a
actividade e influencia do illustre poeta como reformador,
ridicularisando-o e rindo-se de suas pretensões. O satyrico e faceto
Diogo Camacho de Sousa, que nem o grande epico, o immortal auctor dos
Lusiadas, poupou, chamava-lhe

    poeta até o embigo.

Tolera-se ou desculpa-se que Faria e Sousa e Camacho aquilatassem por
essa forma o merito de Sá de Miranda. Não se podia esperar outra cousa
de seu engenho satyrico.

De outra ordem é a affirmativa, feita por criticos respeitaveis, de que
os proprios versos que se dizem italianos e introduzidos por Sá de
Miranda já eram conhecidos na peninsula do uso dos provençaes que os
imitaram dos arabes. José Maria de Andrade Ferreira, em seu _Curso de
Litteratura Portugueza_, vae até declarar cathegoricamente que, no
tocante a artificio metrico e variedade rhythmica, nada se póde produzir
que não fosse adoptado por aquelles poetas.

Assim, na opinião de certos escriptores, e para mais auctorisados, foram
os portuguezes os inventores da medida grande, limitando-se os italianos
simplesmente a seguir o trilho dos poetas lusitanos. Querem esses que o
infante D. Pedro, o das _sette partidas_ e que desastradamente encontrou
a morte em Alfarrobeira, haja escripto os primeiros sonetos portuguezes.
Segundo esses, ha hendecassyllabos e septenarios italianos, como tambem
muitissimas oitavas rimas, não sómente em o _Cancioneiro_ de Resende, em
Bernardim Ribeiro e Christovão Falcão, mas até no poema do _Cid_ e no de
_Alexandre_ e em muitas coplas dos Cancioneiros da Vaticana, Collocci
Brancuti e de Ajuda. Portanto, como pretende Andrade Ferreira, pouco
deveria o parnaso portuguez aos chamados quinhentistas.

O erudito Dias Gomes foi mais commedido e mais sensato em sua
apreciação. Attribuindo a introducção do soneto, em Portugal, ao famoso
infante D. Pedro, concedeu, todavia, que Sá de Miranda o aperfeiçoou e
estabeleceu da maneira que ao presente o vemos. Admitte, egualmente, que
o poeta da Tapada nos ensinou a estructura da _canção_, da _oitava rima_
e do _terceto_. O sr. Theophilo Braga, em sua _Historia dos
Quinhentistas_, cita a opinião de Dias Gomes e accrescenta que foram
essas formas quasi exclusivas que abraçaram depois os poetas da escola
italiana, do que se deprehende que a partilha.

Mais recentemente, deve-se á ex.ma sr.ª D. Carolina Michaëlis de
Vasconcellos o relevante serviço ás lettras patrias de verificar até que
ponto eram fundadas as criticas dirigidas contra a obra de Sá de
Miranda. D'esse estudo resultou tomar aquella senhora a peito a defeza
de haver elle iniciado--a escola nova italiana, introduzindo o
_hendecasyllabo_, ensinando a estructura do _soneto_, dos _capitulos_
(ou elegias) em tercetos, as fórmas fundamentaes da _canção_ e a _oitava
rima_ italiana, e mostrando tambem como estas tres formas estrophicas se
podem combinar na _ecloga_. Não que tão conscienciosa escriptora queira
negar a filiação historica, a origem commum do _decassylabo_ limosino e
do _hendecasyllabo_ italiano, ou antes, a relação de dependencia do
segundo para com o primeiro, mas, em vista da pouca clareza com que os
dois metros têm sido classificados, em Portugal, accentuar a sua
differença.

Exactamente á confusão resultante da falta de methodo no contar e medir
das syllabas e á pouca clareza na terminologia dos versos portuguezes,
attribue a ex.ma sr.ª D. Carolina Michaëlis de Vasconcellos a
contestação de que fosse Sá de Miranda um innovador. Uns, attendendo
unicamente aos sons, aos agudos, contam por syllabas de um metro as que
se preferem até á ultima aguda, metrica, ou seja pausa, desprezando as
breves que se lhe sigam. Outros, pelo contrario, tomando por norma do
verso portuguez o _grave_ ou _inteiro_, contam as syllabas accentuadas,
grammaticaes realmente, além da pausa. D'ahi que uns chamaram ou chamam
_hendecasyllabo_, ou de onze syllabas, ao verso que outros denominam
_decasyllabo jambico limosino_, inventado pelos trovadores da Provença e
imitado em Italia, Catalunha, Castella e Galliza. Ainda segundo prova a
illustrada senhora, as oitavas rimas que os mesmos criticos descobriram
na antiga poesia portugueza são, em realidade, estrophes de oito linhas
ou oitavas, mas estas estrophes ou se compoêm de duas quadras
peninsulares ou são oitavas hespanholas em versos de arte maior.

A nosso vêr, a argumentação da ex.ma sr.ª D. Carolina de Vasconcellos
resolve satisfatoriamente a questão. Pode-se d'ella concluir a
affirmativa cathegorica de que, antes da viagem de Sá de Miranda á
Italia, não existiam, em Portugal, a _oitava rima_, o _soneto_, a
_elegia em tercetos_ e a _canção_ italiana. Tão pouco se compozera
qualquer poesia em _hendecasyllabos e septenarios, com accentos fixados
á maneira toscana_. Sá de Miranda bebeu na nascente, inspirou-se
pessoalmente em a propria Italia, com seus grandes e immorredoiros
artistas, e, quando de lá voltou á patria, poz-se a seguir as formas ali
em uso, o que, de resto, elle proprio confirma e confessa ingenuamente
nas rubricas de suas poesias.

Fizera-se, realmente, sentir o classicismo na peninsula hispanica, mas a
sua influencia poetica havia sido fraca e desapparecera quasi sem deixar
vestigios. E mesmo se limitara a um vago conhecimento da escola
dantesca, inaugurada por Imperial e em que se enfileiraram João de Mena,
o Marquez de Santilhana e D. Fradique de Vilhena. O Marquez de
Santilhana, antes de 1458, escrevêra já alguns sonetos. Outros poetas
metrificaram em tercetos. Imperial, em seu _Dezir a las siete virtudes_,
imitou o verso de onze syllabas.

Essas innovações foram, porém, prematuras. Não fructificaram por falta
de meio apropriado e em breve cairam em o mais completo abandono. Quanto
não custou a Sá de Miranda implantar as suas! Não ha provas, de resto,
de que aquellas tenham sido conhecidas em Portugal, ou, pelo menos, de
que se lhe haja ligado a minima importancia. Apenas em o _Cancioneiro
geral_ se nota uma tendencia accentuada para o symbolismo e allegoria e
uma forte inclinação para o didactismo, em um gosto de eruditismo
escolastico.

Sá de Miranda é, pois, incontestavelmente, senão o fundador, o propulsor
da escola classico-italiana em Portugal. Visitando a Italia, quando esta
peninsula attingia o maximo de sua elevação intellectual, preso de um
santo enthusiasmo, dedicou-se com alma a reformar a nossa poetica
segundo os modelos que lá fóra vira tão apreciados. Não quiz classisar a
litteratura patria exclusivamente, mas levantar a poesia de sua
decadencia por meio dos modelos italianos que estudara. Com justiça,
pois, o nome de Sá de Miranda abre um novo periodo na historia
litteraria portugueza, que com Ferreira e Camões se ergue ás maiores
alturas.

Para as imperfeições metricas e rhythmicas de Sá de Miranda, perdoaveis
em quem, como elle, tinha a luctar com as difficuldades da amoldação e
com as rudezas de uma lingua ainda não desbravada de todo, já a _Vida_,
verdadeiro espelho do pensamento dos seus contemporaneos, teve a
attenuante de que foi elle o primeiro _que compos versos grandes neste
Reyno, bastante desculpa das miudezas que se tachão em alguns seus desta
medida pera aquelles homens, ao menos que attendendo ao que se diz, não
curão muito do modo_. A _Vida_ considera os defeitos do poeta como
_accidentes de nenhuma importancia_, attendendo a que elle _não somente
foy inculpavel na gravidade das sentenças, na agudeza dos conceitos, na
propriedade dos termos, na moralidade das figuras, na imitação dos
Poetas, na observação das regras, senão inimitavel tambem na pureza com
que fallou em materias amorosas_.

É pouco de estranhar que Sá de Miranda não tivesse em suas obras a
inspiração de Camões, porque devia luctar com grandes difficuldades para
amoldar o portuguez duro e rude dos heróes da Africa e da India ao
espirito philosophico das suas idêas e á harmonia das novas formas
poeticas que pretendia introduzir em Portugal. D'ahi a sua inferioridade
manifesta e incontestavel na parte em que mais se inclina para os
modelos da escola classico-italiana, inferioridade que ainda mais põe em
relevo o brilhantismo das suas redondilhas tão nacionaes.

Innovador convicto, preoccupava-se com a imitação dos modelos
estrangeiros que o deslumbravam e aos quaes desejava egualar, senão
exceder. Estudava constantemente procurando seguir com o maior rigor as
regras da arte. Fel-o tão a contento dos partidarios de sua escola, que
a _Vida_ chega a sustentar que _os que attentamente o passarem não lhes
ficará necessidade de lêr em as Poeticas de Aristoteles e Horacio, que
elle, parece, não largaria da mão_.

O poeta, em sua sêde de perfeição, não se dava nunca por satisfeito com
a sua obra. Continuamente refundia os seus trabalhos, cortava aqui,
accrescentava além e, pode se dizer, morreu sem deixar uma forma
definitiva de sua enorme producção poetica. A grande quantidade de
variantes tem sido a maior difficuldade para as edições de suas obras.

Sá de Miranda desejava hombrear com os extraordinarios talentos que
admirara em Italia e cujos livros eram os seus ocios de todos os dias.
Sentia-se fraco de forças e não se cançava em procurar aperfeiçoar-se. O
proprio poeta o confessa lealmente em o soneto com que fez acompanhar a
remessa do seu terceiro manuscripto de versos ao principe D. João, filho
de D. João III, espirito culto prematuramente apagado.

    Tardei, e cuido que me julgão mal,
    Que emendo muito e que emendando, dano.
    Senhor, que hei grande medo ao desengano,
    D'este amor que a nos temos desigual.

      Todos a tudo o seu logo achão sal:
    Eu risco e risco, vou me de ano em ano.

E este mal contido suspiro pela sua impotencia:

      Ando cos meus papeis em diferenças!
    _São perceitos de Horacio_, me dirão.
    Não posso em al, sigo o em aparenças.

A sinceridade de Sá de Miranda é a melhor justificação das imperfeições
que se lhe possam notar.



Ao voltar a Portugal, Sá de Miranda observou com profundo desgosto a
completa transformação que se operava na côrte. Os symptomas da
decadencia moral da fidalguia tornavam-se evidentes, salientavam já como
manchas negras. Dominada pela febre do ouro que se fizera contagiosa, a
nobreza esquecia o proverbial cavalheirismo e atirava-se desatinamente á
mercancia para obter a todo o preço dinheiro e muito dinheiro.

A sede do ouro e dos prazeres, sede desenfreada e que nada saciava,
substituira a elevação culta dos serões do tempo de D. Manuel. Quão
mudados andavam os tempos! Da poesia já poucos queriam saber. E o mal
augmentava em um resvalar pavoroso que ia trazer a Inquisição e levar
até á infamissima cobardia que entregou Portugal a Castella.

Posteriormente, já em o retiro a que resolvera recolher-se, em carta
dirigida ao seu amigo Antonio Pereira, Sá de Miranda descreve
admiravelmente a situação deploravel em que caira o paiz. As causas são
bem apontadas e a comparação com as eras passadas não pode ser mais bem
feita.

      Não me temo de Castela
    Donde guerra inda não soa,
    Mas temo me de Lisboa,
    Que o cheiro d'esta canela
    O reino nos despovoa,
    E que algum embique ou caia!
    O longe va, mao agouro
    Falar por aquela praia
    Na riqueza de Cambaia,
    Narsinga das torres de ouro.

      Ouves, Viriato, o estrago
    Que ca vai dos teus custumes:
    Os leitos, mesas, os lumes,
    Tudo cheira: eu olios trago,
    Vêm outros, trazem perfumes.
    E aos bons trajos de pastores
    Em que saístes ás pelejas
    Vencendo tais vencedores,
    São trocados os louvores,
    São mudadas as envejas!

      É entrada polos portos
    No reino crara peçonha
    Sem que remedio se ponha.
    Ums doentes, outros mortos,
    Outro polas ruas sonha.
    Fez nos a ousada avareza
    Vencer o vento e o mar,
    Vencer caje a natureza.
    Medo hei de novo a riqueza
    Que nos torne a cativar,

Sá de Miranda, que já se sentira aturdido com a desenvoltura, a
dissolução dos costumes que presenciara em Italia, ficou apavorado ao
conhecer o avassalador mercantilismo da côrte portugueza. Com que
energia a invectiva depois:

      Escravos mais que os escravos,
    Por rezão e por justiça
    Deixai-vos dos vossos gabos,
    Que vos vendeu a cobiça
    A mar bravo e a ventos bravos!

Homem recto, consciencia impolluta, Sá de Miranda não se poude ter que
se não retirasse logo para Coimbra, a sua querida, a sua adorada terra
natal. Mas, quando fugia á côrte, esta, escorraçada pelos horrores da
peste, que fazia de Lisboa um horrivel cemiterio, seguia-o ahi, a
acolher-se temporariamente á hospitaleira cidade.

Sá de Miranda possuia em Coimbra, ou em seus arredores, alguma
propriedade situada junto ao Mondego e com a vista sobre a serra,
certamente deixa de seus paes. É o que se tira de seus proprios versos,

    No lugar onde me vistes
    De agua e do monte cercado

N'essa propriedade, pensaria o poeta encontrar um refugio contra as
tentações com que ainda o poderia seduzir a côrte. Ahi contaria, com
effeito, mais dias

    De ledos que não de tristes.

A ida de D. João III a Coimbra constituiu verdadeiramente uma simples
visita. De todas as supposiçoes que se tem feito ácerca da saída do
monarcha de Lisboa, por causa da peste, a mais verosimil é que essa
epidemia deu logar a pequenas excursões. A estada da côrte, em 1527, em
a Athenas portugueza foi tão rapida, que el-rei passou o Natal em
Lisboa, encontrava-se a 15 de fevereiro de 1528 em Almeirim e achava-se
de volta a Lisboa de fevereiro a junho de 1530.

Sá de Miranda, que estava em suas terras nas margens do Mondego, ao
saber da viagem do seu excellente amigo o monarcha e da joven rainha,
que pela primeira vez ia a Coimbra, correu á cidade a recebel-os, a
promover festas em sua honra e elle proprio pronunciou o discurso de
recepção dos regios personagens. E, com vontade ou sem ella,
restabeleceu, então, as suas relações com a côrte. Consolou-se, talvez,
por ver que se lhe offerecia occasião de iniciar a propaganda a favor
das idêas e formas poeticas que trouxera de Italia, de as defender
calorosamente e de mostrar as bellezas dos seus grandes vultos
litterarios, Sanazarro, Dante, Petrarcha, Ariosto, Bembo e Dante, cujas
obras possuia.

Certamente, a conversação com Sá de Miranda devia ser procurada pelos
fidalgos mais illustrados que faziam parte do sequito do rei. A
consideração que gozava pelo respeito que infundia a sua rectidão de
caracter, a longa viagem feita pelo estrangeiro e de onde ainda ha pouco
regressara, o muito que devia ter visto e aprendido durante sua
excursão, tornavam-o, sem duvida, reclamado em a côrte. O poeta
aproveitou este seu predominio para pugnar pelo triumpho dos grandes
mestres de Italia, estimulando a curiosidade dos espiritos mais
illustrados e intelligentes, patenteando-lhes as perfeições litterarias
dos seus trabalhos, emfim, preparando-os para bem receber as suas
projectadas obras. Ao mesmo tempo, ia desassombradamente atacando com
vigor as producções dos escriptores nacionaes, apontando e condemnando
os defeitos que lhes encontrava.

Não foram baldados os esforços de Sá de Miranda. A côrte teve que se
render ante o seu talento e a sua erudição. Como diz a _Vida_, _co as
colidades de sua pessoa e boas partes que nelle concorrião, sem outra
alguma ajuda das que costumão levantar ainda os indignos, se fez
tamanho lugar, que foy sem controversia, senão o mayor hum dos mais
estimados cortesãos de seu tempo, concorrendo cos milhores que este
Reyno teve por ventura, e isto não só dos companheiros, mas del Rey e
dos Principes, e o que he mais dos vallidos com quem ordinariamente nam
adiantão os amigos de antes quebrar, que torcer (como elle diz) tomando
em desprezo proprio a estimaçam alhea e sentindo como injurias
particulares a detestaçam que os judiciosos e discursivos fazem dos
vicios em geral_. Com effeito, Sá de Miranda atou e sustentou relações
de estreita amizade com alguns dos mais nobres fidalgos, como D. Luiz da
Silveira, D. Manuel de Portugal, Pero Carvalho e outros.

Sá de Miranda não se limitou, porém, a propugnar pela divulgarisação dos
modelos classicos. Foi mais além e começou a atacar com energia os
vicios do tempo, a corrupção que alastrava sem dique. A renovação de seu
trato com a côrte permittiu-lhe estudar a fundo os novos costumes dos
principes e dos aulicos e analysal-os com olhos de ver para melhor lhes
applicar o ferro candente.

Em Coimbra, os cortezãos, e a cohorte de parasitas que os seguira até
ali, foram de uma insaciedade fora de commum. A nobreza da cidade
exhauriu-se até de recursos para proporcionar uma vida regalada aos
exigentes fidalgos, mas nada os contentou. Acostumados ás montarias
aventurosas da graciosa Almeirim e á vida regalada da farta Santarem,
não cessaram de clamar contra a existencia atribulada e parca que
levavam na soturna cidade. Sentiram-se bem quando a deixaram, voltando
para o sul do paiz.

Sá de Miranda, que fôra dos que promoveram a mór parte das festas em
honra dos famelicos cortezãos de seu amigo D. João III, conteve a custo
a indignação. Mas, quando a côrte d'ali retirou, a sua ira rompeu
caustica como um ferro em brasa. Dirigiu, então, a Pero Carvalho, guarda
roupa do rei, essa famosa carta, coriscante diatribe que foi ferir
certeiramente os alvejados.

N'essa carta, o poeta começa por exprobrar a maledicencia da fidalguia e
lançar-lhe em rosto a sua ingratidão para com uma cidade que toda se
esmerara em bem recebel-os. Fal-o, não por um exclusivo sentimento de
amor á terra natal, mas por um acto de justiça, homenagem á verdade.

      Que tenção todos tomastes
    Á terra que me criou
    De que tanto praguejastes?
    Por que? Que vos acoutou
    Da peste com que i chegastes.
    Fostes mal agasalhados?
    Não, certo, que té as fazendas,
    Vos davão parvos honrados.
    Pois, por que? Porque os privados
    Tinheis longe vossas rendas?

      O que eu por parcialidade
    Nem outros respeitos digo:
    Da antiga e nobre cidade
    Som natural, som amigo,
    Som porém mais da verdade.

Após a retirada dos famelicos, a cidade sente-se aliviada de um grande
peso. O proprio poeta viu-se desafrontado.

    Como vos partistes de i,
    Logo abrigados achei
    Em que me desencolhi.
    Seguramente dormi,
    Seguramente velei.

Para envergonhar os cortezãos ingratos que lhe preferiam a
insignificante Almeirim, põe em relevo a honra de Coimbra possuir o
corpo de D. Affonso Henriques.

      Cidade rica do santo
    Corpo do seu rei primeiro
    Que ainda vimos com espanto,
    Ha tam pouco, todo inteiro
    Dos anos que podem tanto.

E diz-lhe que aquella cidade é tradicionalmente a mais nobre e leal.

      Outro rei, tanto sem mal
    Que lhe empeceu a bondade,
    O quarto de Portugal,
    Qual teve ele outra cidade
    Tam constante e tam leal?

A nobreza ociosa e interesseira.

      Homens que sempre aos proveitos
    E a vosso interesse andais,
    Vestidos de falsos peitos,
    Quam pouco que nos lembrais
    Dos sãos, dos comuns respeitos.
      Pôr esta causa se ve
    Diferença nos conselhos
    E chega inda o mal até
    Desacreditar nos velhos
    A sã prudencia e a fe.

A côrte é magnificamente pintada.

      Essa Circes feiticeira
    Da corte tudo trasanda;
    Um faz [~u]a onça ligeira,
    Outro faz lobo que manda,
    Outro cão que a caça cheira.
    Cantão ó passar sereas
    Que fazem adormecer.
    Correndo todas as veas
    De sono e tal sabor cheas,
    Não se pode homem erguer.

A ociosidade nociva a que se entregava a fidalguia recebe uma
condemnação severa. Sá de Miranda, para revestir da maior auctoridade as
suas palavras, poe-a em confronto com a sua vida toda de trabalho e de
estudo.

      O nome da ociosidade
    Soa mal, mas se ela é sã,
    Bem empregada em vontade,
    Socrates da liberdade
    Sempre lhe chamou irmã!

      Dou vos Enio por autor:
    _Quem não sabe usar do ocio
    Cansa e anda d'arredor,
    Que vem a têr mais negocio
    Que um grande negociador._
    Que ó menos sabe apos que anda,
    Estoutro a si não se entende,
    Quanto anda, tanto desanda,
    Não se obedece nem manda,
    Ora se apaga, ora acende.

      Ve-lo ir, ve-lo tornar,
    Ve-lo cansar e gemer
    E em busca de si andar,
    Cobrar a cor e perder.
    Que se não pode topar!
    Mas eu, porque passa assi,
    Que seja muito, direi:
    Dias ha que me escondi,
    Co que li, co que escrevi,
    Inda me não enfadei.

Satyra directa e violenta, a carta a Pero Carvalho provocou uma surda
irritação de despeito, mal contida pelo temor do valimento do poeta
junto do monarcha. Os fidalgos attingidos não poderam tirar
immediatamente o desforço, tiveram que ouvir e calar, mas, d'ahi em
diante, poude Sá de Miranda contar com alguns inimigos que deviam
aguardar com anciedade o momento da vingança.

O unico passatempo da côrte era, então, as diversões scenicas, os autos
ou comedias representadas perante a nobreza. Gil Vicente, emquanto a
côrte esteve em Coimbra, ia ahi propositadamente, de Santarem, onde
habitualmente residia, segundo se infere de suas producções, divertil-a
com suas farças. Com esse fim compoz a _Comedia sobre a Divisa da Cidade
de Coimbra_, a _Tragicomedia Pastoril da Serra da Estrella_, a _Farça
dos Almocreves_ e o _Dialogo sobre a Resurreição_.

Talento dramatico genial mas inculto, viva encarnação do espirito
popular, satyrico e motejador, Gil Vicente arremettia audaciosamente com
todos e com tudo, não respeitando sequer as coisas divinas. Seus autos e
farças eram um tanto grotescas, por vezes excessivamente livres, algumas
extraordinariamente louvaminheiras dos cortezãos. O dialogo não era dos
mais apurados nem a acção muito cuidada.

Sá de Miranda, que assistira, em a scena italiana, a representações de
comedias classicas em prosa, originaes, com um fino dialogo, limadas de
allusões facêtas, acção escolhida, não poupava censuras nem criticas
aceradas ás producções de Gil Vicente. Sobretudo, condemnava asperamente
a liberdade com que o creador do theatro nacional tirava das sagradas
escripturas os elementos de todos os seus autos hieraticos. Catholico
fervente, não lhe perdoava que tratasse coisas serias em estylo
chocareiro, zombeteando escandalosamente de quanto lhe era respeitavel.

E, para mais pôr em evidencia a elevação da comedia classica em prosa,
para estabelecer o confronto de esta com o theatro nacional, compoz e
apresentou _Os Estrangeiros_, em a opinião da ex.ma sr.ª D. Carolina
Michaëlis de Vasconcellos a primeira comedia classica portugueza em
prosa, sendo-lhe posterior a _Eufrosina_ de Jorge Ferreira de
Vasconcellos. Foi acolhida com interesse.

Houve quem applaudisse enthusiasticamente _Os Estrangeiros_ por seu
estylo _sentencioso, muy limado e novo_, que _a tudo excedia em
brevidade, grandeza e decoro e que guardava as regras da arte com summa
perfeição_. Os partidarios do theatro nacional, envolvidos por Sá de
Miranda nos gracejos do Prologo, sentiram-se attingidos e receberam a
novidade com zombarias. A lucta contra a innovação, acirrada de certo
pelos inimigos de um e outro poeta, parece ter se tornado porfiada,
d'ahi em diante.

Das relações pessoaes entre Sá de Miranda e Gil Vicente, o mais fiel
representante da tradição nacional, não se pode, em verdade, mais fazer
que conjecturas. É provavel que Sá de Miranda não tivesse Gil Vicente em
grande consideração pela liberdade com que usava e abusava dos livros
sagrados, facto que o magoava a elle que, embora não fosse fanatico nem
exaltado, era, todavia, sincero e respeitador. Não se encontra, porém,
em suas composições poeticas, uma unica allusão directa, incisiva, sobre
o emerito auctor da _Ignez Pereira_.

Qual o proceder de Gil Vicente para com o acerrimo propugnador dos
modelos classicos? O sr. Theophilo Braga vê, no final da _Comedia sobre
a Divisa da Cidade de Coimbra_, em o elogio dos Menezes, um acto de
louvor a Sá de Miranda, descendente de aquella familia, por parte de seu
antepassado João Rodrigues de Sá de Menezes. Por seu lado, o grande
romancista Camillo Castello Branco viu em a farça _Clerigo da Beira_ uma
satyra a Sá de Miranda, pessoal de mais para se considerar mera
casualidade.

Em a alludida farça, Gil Vicente refere-se a um filho de clerigo, de
nome Francisco, de más manhas e peor lingua, com costella de lavrador e
pretensões de cortezão. O proprio pae, parece que com pleno conhecimento
de causa, lhe diz:

      Filho de clerigo és,
    Nunca bom feito farás.

Frei Mendo não anda muito de accordo com o filho, é um continuo
conflicto entre os dois. O clerigo, menoscabando as qualidades d'elle,
invectiva-o:

      Medraria este rapaz
    Na côrte mais que ninguem,
    Porque lá não fazem bem
    Senão a quem menos faz
    Outras manchas tem assaz,
    Cada uma muito bôa:
    Nunca diz bem de pessoa,
    Nem verdade nunca a traz.
    Mexerica que por nada
    Revolverá San Francisco
    Que para a côrte é um visco,
    Que caça toda a manada.

Realmente, esta allusão aos filhos de frei Mendo, sendo o pae de Sá de
Miranda o conego Gonçalo Mendes, parece tencional. A farça, porém, foi
representada em 1520, em Almeirim, e não se sabe como conciliar essa
data com a do regresso do poeta de sua viagem á Italia. Ou será
necessario admittir-se que, em fins d'esse anno, elle estaria de volta a
Portugal e já gosava o favor da côrte? Pode ser.

Em tal caso, comtudo, essa allusão viria mais da popularidade de Sá de
Miranda, de sua presumpção pelo muito que vira e ouvira no estrangeiro e
não seria resultante de suas tentativas de innovador, embora logo após o
seu regresso houvesse começado a atacar os defeitos que encontrava em as
obras portuguezas. Seria mesmo uma satyra impessoal, caracteristica de
uma entidade do tempo. Quantos conegos Mendes haveria então? como hoje
Marias e Manueis.

Indubitavelmente, as innovações de Sá de Miranda deviam encontrar
opposição e as suas obras detractores. Sim, que o poeta era um
severissimo censor, um caracter immaculado. Sá de Miranda não recuou e a
breve trecho lançou um novo desafio á escola do theatro tradicional
portuguez com a bella _Fabula do Mondego_, em forma de _canção_ e que,
ao que resulta de algumas de suas passagens, foi representada em a côrte
na estação calmosa, em um certo e determinado dia festivo, talvez o
anniversario de el-rei, 6 de junho. A seguir, appareceu a ecloga
_Aleixo_ e varios sonetos que mais vieram augmentar a reputação de Sá de
Miranda e, tambem, os seus rivaes.

A ecloga _Aleixo!_ Foi a melhor arma que Sá de Miranda poude collocar em
as mãos de seus inimigos.



De varias formas tem sido explicado o abandono definitivo da côrte por
Sá de Miranda, entre 1533 a 1534, para se retirar á Commenda das Duas
Egrejas. As causas d'esse exilio voluntario, a par de forçado, foram,
decerto, complexas e multiplas, ao que se pode ler em as entrelinhas de
suas poesias e nas do seu anonymo biographo, muito prudente para com uma
allusão directa fazer reviver rancores mal apagados.

A _Vida_ dá como motivo immediato da saida de Sá de Miranda da côrte o
odio de _hua pessoa muito poderosa d'aquella era em desprazer de quem se
interpretava mal polla mesma enveja hum lugar de sua Egloga de Aleyxo_.
Temos por tão auctorisada a _Vida_, que não ousamos duvidar da
veracidade de sua noticia, além de que a interpretação da ecloga Aleixo,
como perfeitamente o provou a ex.ma sr.ª D. Carolina Michaëlis de
Vasconcellos, explica cabalmente o obscuro successo. Porém, nem todos os
escriptores têm interpretado o caso como vem evidenciado em a _Vida_.

Indo de encontro á cathegorica affirmativa do desconhecido biographo, o
sr. Theophilo Braga quer que tenha sido a ecloga _Andrés_ e não
_Aleyxo_, a causadora immediata da intriga que provocou o exilio de Sá
de Miranda. Ora, exactamente essa ecloga foi escripta quando já o poeta
se encontrava em a Tapada, após o seu casamento e annos depois da morte
de todos os que se podiam offender com as allusões n'ella contidas,
allusões que Sá de Miranda dava, de resto, como uma simples recordação
de annos passados. Não podem, pois, as referencias ao caso escandaloso
do casamento do infante D. Fernando, que arrancára D. Guiomar Coutinho
ao marquez de Torres, com quem secretamente se desposara, para casar com
ella, ter concorrido em cousa alguma para que Sá de Miranda se visse
compellido a abandonar a côrte.

Tão pouco satisfaz o espirito ou resolve o problema, a hypothese
avançada por Camillo Castello Branco. O facto de seus primos e amigos, a
par de companheiros de infancia, Simão de Miranda Henriques e Gonçalo de
Miranda da Silva, haverem sido iniquamente esbulhados dos seus haveres,
devia, certamente, feril-o profundamente em seu coração, indispôr ainda
mais seu animo contra a torpe fidalguia, azedar o seu caracter, mas não
impôr a sua saida da côrte.

O erudito escriptor Manuel Pinheiro Chagas attribuiu exclusivamente o
rompimento definitivo de Sá de Miranda com a côrte ao seu amor ao
retiro, inclinação propria do temperamento melancolico e um pouco
misanthropo do poeta, aggravado pela morte de uma mulher que amara
profundamente e que apenas seria conhecida pelo pseudonymo pastoril de
Celia. Parece demasiado accesso de romanticismo quando este ainda não
estava em voga.

Não foi nenhuma d'estas circumstancias isolada, mas sim todas juntas a
causa do exilio de Sá de Miranda. Os successivos escandalos da côrte,
que se multiplicavam prodigiosamente, o constante accrescendo da
attitude aggressiva de seus inimigos, cujos desvarios não poupava, o
convencimento de que, por então, não podia levar por diante o seu ideal
de reforma litteraria e de engrandecimento da poesia portugueza, haviam
chocado muito o animo forte e persistente de Sá de Miranda. O espirito
do poeta, de si propenso para a solidão, foi-se aggravando.

Haviam terminado os bons tempos. Emquanto os chronistas, attentando
unicamente em o brilho das exterioridades, continuavam a entoar hymnos
ao engrandecimento do paiz, Sá de Miranda profundava em todo o seu
horror a enorme decadencia moral, analysava a corrupção que tão
intensamente lavrava e divisava em o sombrio horisonte os pavores de um
futuro de aniquilamento. Ninguém quiz ouvil-o. Desilludiu-se e pouco a
pouco foi radicando-se em sua mente a idêa de abandonar para sempre a
vida turbulenta e miseravel da côrte, tanto que começou a solicitar de
seu amigo D. João III a commenda das Duas Egrejas.

Deu-se, então, o successo da ecloga Aleixo. Veiu elle epilogar o
conflicto travado em a consciencia do poeta.

A antiga amizade de Sá de Miranda por Bernardim Ribeiro mantivera-se,
senão avigorara, atravez das vicissitudes de um e outro poeta. Em a
ecloga _Aleixo_, ao que parece composta e representada por 1530, Sá de
Miranda referiu-se ao desterro de seu amigo, defendendo-o com palavras
dedicadas.

        _Juan_

      No sé como no llorava.
    Sabes porque sospirava?
    Porque aqui canto Ribero,
    Aqui nuestro amo escuchava,
    Rodeavan lo pastores,
    Colgados de la su boca
    Cantando el los sus amores.
    Gente de firmeza poca
    Que le dió tantos loores,
    I aora ge los apoca!

        _Anton_

      Eso falta, Juan pastor!
    Soncas, porque sospirar?
    I a que se pueden alzar
    Ia los ojos sin dolor?
    Ni a que se pueden bajar
    Donde los pornás enjutos?
    Adelante, o cara atras?
    Las tierras niegan sus frutos:
    El sembrar es por demas,
    Los aires andan corrutos,
    Los hombres cada vez mas.

    De aquel gran pino a la sombra...
    Ia ves quanto que ensanchó!
    Que el prado i zarzas cobrió
    I los vezinos asombra.

A allusão, o _gran pino_, entendia-se com o valido de el-rei, o conde de
Castanheira D. Antonio de Athaide. Este, como todos os favoritos
poderosos, orgulhoso e despotico, abusava com frequencia de seu
prestigio e, no caso a que se referia a ecloga, elle não deixaria de
concorrer grandemente para o desenlace que se deplorava.

Embora franca e rude, a allusão era, comtudo, digna e não deprimente. Os
inimigos de Sá de Miranda aproveitaram-a para tecer uma habilissima teia
e afastarem para longe o atrevido poeta, implacavel para com os seus
desmandos. Intrigando na sombra, torceram a interpretação da ecloga e
deram ao trecho incriminado um sentido que, certamente, não tinha.
Apresentaram-o como um ataque directo. O conde de Castanheira, cioso de
seu valimento, comprehende-se bem, não poude levar á paciencia a
intervenção do poeta e muito menos tolerar o que considerou atrevidos
insultos.

Quaes as consequencias da torpissima intriga e do furor do valido, eis o
que não é precisamente conhecido. Dos versos de Sá de Miranda pode-se
inferir que foi cruelmente perseguido, correndo talvez mesmo grave risco
de, quem sabe, ser assassinado. Com effeito, mais tarde, quando já em
seu retiro, escrevia a seu irmão:

    Agora, por que vos conte
    O que vi, tudo é mudado:
    Quando me acolhi ó monte,
    Por meus imigos de fronte
    Vi lobos no povoado:

e tambem:

      Polo qual a este abrigo,
    Onde me acolhi cansado
    E ja com assaz perigo,
    A essas letras que sigo,
    Devo que nunca me enfado,
    Devo a minha muito amada
    E prezada liberdade
    Que tive aos dados jugada.
    Aqui sômente é mandada
    Da rezão boa e verdade.

A bella _Canção a Nossa Senhora_ parece ter sido escripta quando o poeta
soffria duro captiveiro. Pelo menos, se se tomar á lettra estes versos:

                         ao meu destroço,
    Assi tam perseguido como vedes,
    D'antres tam altas, tam grossas paredes,
    De ferro carregado,

Note-se que essa canção, como o proprio Sá de Miranda declara, foi
_feita por aquela de Petrarcha: «Virgine bella»_. Longe de constituir
uma vaga reminiscencia, é uma imitação positiva, embora livre, e que se
pode acompanhar com o modelo. Se não houvesse a confissão do
consciencioso poeta em seu _ms._, bastaria a simples confrontação para o
provar. Dias Gomes, que a analysou com uma minucia de grammatico
estrophe por estrophe, verificou que o poeta portuguez até lhe deu o
mesmo numero de estancias e versos, a mesma disposição metrica e
simulcadente, começando, como retrarcha, cada uma d'aquellas pela
palavra _Virgem_.

Não ha duvida em que a factura da _Canção_ seja posterior ao regresso do
poeta ao paiz. Mas seria composta por esta epoca? A ex.ma sr.ª D.
Carolina Michaëlis de Vasconcellos julga que sim.

A illustrada senhora, reconhecendo que o assumpto foi tratado
magistralmente e que a _Canção_ de Sá de Miranda excede em muito o seu
modelo, quanto á profunda expressão e intensidade do sentimento, não
concorda com Dias Gomes em que ella seja a producção mais sublime que se
encontra nas composições do illustre poeta da Tapada. A nosso ver, a
_Canção_, realmente admiravel pelo sentimento que a vivifica, tem o seu
tanto ou quanto de artificiosa.

Se não, veja-se:

    ...............................
      Virgem, seguro porto e emparo e abrigo
    Ás môres tempestades; ah que tinha
    Ós ventos esta vida encomendada
    Sem olhar a que parte ia ou vinha,
    Vãmente descuidado do perigo,
    Surdo aos conselhos, tudo tendo em nada,
    Não vos seja em despreço [~u]a coitada
    Alma que ante vos vem,
    Por rezõis que tem,
    De imigos grandes mal ameaçada.
    E que eu tam pecador e errado seja,
    Vença vossa piedade
    Minha maldade grande e assi sobeja.

      Virgem, do mar estrela, neste lago
    E nesta noite um faro que nos guia,
    Pera o porto seguro um certo norte;
    Quem sem vos atinar, quem poderia
    Abrir sômente os olhos vendo o estrago
    Que atras olhando deixa feito a morte?
    Quem proa me daria com que corte
    Por tam brava tormenta?
    De toda a parte venta,
    De toda espanta o tempo feo e forte.
    Mas tudo que será? coa vossa ajuda
    Névoa que foge ao vento
    Que num momento s'alevanta e muda.

    .....................................
      Virgem, nossa esperança, um alto poço
    De vivas aguas, donde a graça corre
    Em que se matão pera sempre as sedes;
    Não de Nembrot, mas de David a torre,
    Donde socorro espero ao meu destroço,
    Assi tam perseguido como vedes,
    D'antre tam altas, tam grossas paredes,
    De ferro carregado,
    Um coração coitado
    Chama por vos envolto em bastas redes.
    Esse que eu som, sinais inda algums tenho
    De ser do vosso bando,
    Que a vos bradando por piedade venho.

      Virgem do sol vestida, e dos seus raios
    Toda cuberta e ainda coroada
    De estrelas, e debaixo o sol, a lua,
    São vindas minhas culpas d'assuada
    Sobre mim tantas; valei-me ós meus desmaios!
    De tantas que possa ir chorando alg[~u]a!
    Não me deixárão desculpa nenh[~u]a
    Os meus erros sobejos;
    Levarão me os desejos
    O milhor das idades [~u]a e [~u]a.
    Quem tromenta passou por toda a praia
    Cos ventos contrastando,
    Saia nadando, ja coa vida, e saia.

      Virgem, horto cercado, alto e defeso,
    Rico ramo do tronco de Jessé
    Que milagrosamente enflorece,
    Custodia preciosissima da fe
    Que toda junta tivestes em peso
    Quando um e o outro sol sua luz perdeu;
    Rompão os meus sospiros o alto ceo,
    E a vos cheguem, senhora,
    Que assi voa de ora em ora
    Envolto n'este cego e basto veo;
    De dia em dia, vou me de ano em ano,
    A minha fim chegando
    Dessimulando a vergonha e o dano.

Não será exactamente a referencia á prisão artificio poetico? A _Vida_
assevera que Sá de Miranda viu com desgosto a errada e malevola
interpretação do _Aleyxo_, mas que, _nem querendo declarar-se milhor,
nem esperar á vista os effeitos da ira declarada, tendo-lhe el Rey dado
hua Comenda do Mestrado de Christo, que chamão as duas Igrejas_,
preferiu retirar-se voluntariamente da côrte. Isto afasta, portanto, a
idêa da perseguição.

Como se poderia explicar que o poeta soffresse duros tratos se contava
com a amizade provada do seu bom amigo D. João III e com a terna
affeição do herdeiro da corôa que lhe mandava pedir suas poesias! É
natural que se tenha manifestado acceso, a pretexto da _Aleyxo_, o odio
dos inimigos de Sá de Miranda, mas não parece provavel que o soberano
consentisse em o ver perseguido como um animal damninho a que fosse
necessario encurralar. Vamos mesmo porque se metteu de permeio
agraciando Sá de Miranda com a Commenda de Santa Maria das Duas Egrejas,
conhecedor de sua grande vontade de se recolher á solidão.

O facto é que Sá de Miranda abandonou a côrte para nunca mais voltar a
ella. Deixou _o mimo da Corte, a conversaçam dos amigos, a esperança de
mayores merces assegurada no favor do Principe Dom João, que em muito
tenra idade, começava a fazer lhe grande, e do Cardeal Dom Henrique, que
com mostras de particular affeição assistia a suas cousas_. Tudo pôz de
parte preferindo-lhe o socego corporal e espiritual.



O Minho, com a sua verdura de esmeralda, o seu azul purissimo, a
fertilidade de seu solo, a simplicidade encantadora de primitiva de seus
costumes, prendeu o philosophico poeta. A Commenda das Duas Egrejas, a
que se retirara, ficava perto do Pico de Regalados, na margem esquerda
do Rio Neiva, margens deliciosas como todas as do norte portuguez
accidentado e exuberante de vegetação.

Por lá se deixou ficar Sá de Miranda, no encanto e socego da paisagem, a
descançar das agitações da côrte e a inspirar-se em o doce decorrer de
uma tranquilla existencia. Ali, que até a natureza é tocante de candura,
que tudo encanta a alma e enleva o espirito, se fortaleceu o seu animo
abatido pelos desgostos experimentados na côrte e foram produzidas as
suas melhores composições poeticas.

Proximo da Commenda das Duas Egrejas vivia, em propriedades suas,
Antonio Pereira Marramaque, senhor de Basto, homem tido por mui douto e
versado em humanidades. Antonio Pereira entregava-se á vida placida dos
campos, não sem que votasse os seus maiores ocios ao estudo,
acompanhando com vivo interesse o movimento intellectual da Europa.
Seguia os resultados do conflicto provocado pela Reforma e defendia-a
com calor. Poetava tambem.

Entre Sá de Miranda e Antonio Pereira estabeleceram-se relações que
rapidamente se estreitaram e tornaram das mais intimas. Os dois poetas
foram mesmo quasi inseparaveis durante cerca de dois annos, sendo Sá de
Miranda hospede assiduo e considerado da casa de Basto, onde passava a
maior parte do anno.

Das mãos de Antonio Pereira recebeu Sá de Miranda o primeiro exemplar
das obras de Garcilaso e isto antes de 1536. Foi talvez esse
offerecimento o ponto de partida da amizade que os dois sustentaram.
Esse exemplar era, sem duvida, manuscripto, pois que a primeira edição
d'aquellas obras appareceu em 1543. É certo que para o primeiro
anniversario da morte de Garcilaso, em 1536, compôz Sá de Miranda a sua
ecloga _Nemoroso_ em que evidencia o mais intimo conhecimento não só das
poesias do grande lyrico hespanhol como de sua propria vida.

Apraziveis dias passaram os dois poetas. Gozaram a pulmões cheios o
encanto dos prazeres campezinos. Sá de Miranda, _era inclinado á caça
dos Lobos_. Não faltaram egualmente festas caseiras nem representações
de comedias improvisadas a que vinham assistir os mais nobres dos
arredores. Ás vezes, como era amigo de musica, Sá de Miranda tangia
viola de arco.

Assim foram os primeiros annos que Sá de Miranda passou em o campo. Tudo
tem fim n'este mundo e essa magnifica existencia da casa de Basto
terminou por haver Antonio Pereira _partido para a côrte com a sua casa
toda_, como o poeta diz em a carta que lhe dedicou.

Não é precisamente conhecida a causa nem a data da partida de Antonio
Pereira para Lisboa. Ha escriptores que affirmam ter-se ella realisado
depois de 1540, isto é, em epoca em que o senhor de Basto começava a
preoccupar-se com o futuro de seus filhos, nascidos por 1530, e entendia
dever apresental-os na côrte. Parece a outros que Pereira pensava em os
levar a frequentar a Universidade, o que não é possivel admittir-se pois
que aquella, reformada por iniciativa de D. João III, voltou para
Coimbra em 1537.

Seja qual fôr a causa que a determinou, a ida de Antonio Pereira para
Lisboa deve ter-se effectuado antes de 1536. Accusam-o diversos
indicios, entre outros os versos da carta que lhe dirigiu Sá de Miranda
e pelos quaes se conclue que, ao tempo em que era escripta, viviam ainda
Garcilaso e Gil Vicente. De resto, não se encontra n'ella a minima
allusão a seu casamento, o que era natural dar-se sendo, como eram, os
dois tão intimos amigos e constituindo aquella por assim dizer, um
precioso inventario da feliz temporada que elles haviam levado em sua
convivencia.

Sá de Miranda assistiu com immenso desgosto á partida de Antonio
Pereira. A proposito, escreveu a esplendida carta em que lhe faz
amarissimas reflexões e reprova as enormes despezas que a mudança
exigia. Depois, o perigo de seu bom amigo se perverter ao contacto com
essa côrte de que elle fugira!

      Como eu vi correr pardaos
    Por Cabeceiras de Basto,
    Crecer em cercas e em gasto,
    Vi por caminhos tam maos
    Tal trilha, tamanho rasto,
    Nesta ora os olhos ergui
    Á casa antiga e á torre
    Dizendo comigo assi:
    Se nos deus não val aqui.
    Perigoso imigo corre!

Sá de Miranda recorda saudosamente, em sua carta, o bello periodo de
convivio doce e sereno que tivera com Antonio Pereira, convivio simples
e puro em que a conversa attrahente e erudita do respeitavel poeta que
viajara por Italia era apreciada como o merecia. Confronta bellamente
esse viver de provincia, á antiga, com o dos cortezãos sempre famelicos.

      Os bons convites antigos,
    Antes de se tudo alçar,
    Erão pera conversar
    Os parentes e os amigos,
    Que não pera arrebentar.

Os mezes mais calmosos do anno, julho e agosto, passavam-o os dois em a
fonte da Barroca. A meza era frugal, a remir dias, placidamente, em
suave conversação.

      Á vossa fonte tam fria
    Da Barroca em julho e agosto
    (Inda me é presente o gosto)
    Quam bem que nos i sabia
    Quanto na mesa era posto!
    Ali não mordia a graça,
    Erão iguais os juizes,
    Não vinha nada da praça,
    Ali da vossa cachaça,
    Ali das vossas perdizes!

      Ali das fruitas da terra,
    (Que dá cada tempo a sua)
    Colhida á mão cada [~u]a!
    Nunca o sabor a vista erra,
    Cheirosa, formosa, e nua.
    Oh ceas do paraiso
    Que nunca o tempo vos vença,
    Sem fala da nossa ou riso,
    Nem carregadas do siso,
    Nem danadas da licença!

Os dois poetas liam, saboreavam e discutiam as melhores producções dos
poetas antigos e contemporaneos d'elles. Falavam de Ariosto, de Bembo,
de Sanazarro, de Laso e de Boscan, e Sá de Miranda apontava as bellezas
dos modelos que procurava introduzir, advogava colorosamente suas
innovações.

      Des i, o gosto chamando
    A outros môres sabores,
    Liamos pelos amores
    Do bravo e furioso Orlando,
    E da Arcadia os bons pastores.
    Se eu isto estimado agora
    Vira como d'antes era,
    Por meu conto avante fora,
    Mas não diz ora com ora:
    Vão se como ó fogo a cera!

Ou como se lê em uma outra variante de sua carta;

      Liamos os Assolanos
    De Bembo, engenho tam raro
    Nestes derradeiros anos,
    Os pastores italianos
    Do bom velho Sanazaro.
      Liamos ao brando Lasso
    Com seu amigo Boscão
    Que honrárão a sua nação
    Ia me meu passo a passo
    Aos nossos que aqui não vão,

Desejando pôr Antonio Pereira a coberto das tentações da côrte, Sá de
Miranda descreve-lhe o máo estar do paiz, aponta-lhe os perigos que
corre e condemna energicamente os desvarios de uma perdida nobreza. O
seu amigo, assim prevenido, decerto se acautelaria e prudentemente havia
de resistir ao refluxo da absorvente maré.

      É entrada polos portos
    No reino crara peçonha
    Sem que remedio se ponha.
    Ums doentes, outros mortos,
    Outro polas ruas sonha.
    Fez nos a ousada avareza
    Vencer o vento e o mar,
    Vencer caje a natureza.
    Medo hei de novo a riqueza
    Que nos torne a cativar.

Em torno de Sá de Miranda como que se fez um vacuo enorme após a partida
de seu inseparavel companheiro de estudos litterarios. Para bem avaliar
a grandeza daquella amizade bastará apontar o logar que o nome de
Antonio Pereira occupa em as poesias do cantor do Neiva. A elle
communicou as impressões de suas viagens em cartas infelizmente perdidas
e a elle dedicou as eclogas _Nemoroso_ e _Aleixo_. Ao irmão Nunalvarez
offereceu a sua esplendida _Basto_.

Então, tambem por 1536, parece ter Sá de Miranda passado a habitar a
Tapada, vasta e magnifica vivenda com quinta e bosque que demandava a
pequena distancia da Commenda. Esta transferencia de habitação tem sido
mal comprehendida por alguns escriptores, inclusivé pela ex.ma sr.ª D.
Carolina Michaëlis de Vasconcellos que acha de todos os casos muito
menos provavel que Sá de Miranda possuisse a Quinta da Tapada antes de
obter a mercê da Commenda e que D. João III escolhesse Duas Egrejas
exactamente como a mais proxima do retiro que o poeta havia preferido.

O anonymo biographo da _Vida_ affirma expressamente que Sá de Miranda,
_tendo-lhe el-Rey dado hua Comenda do Mestrado de Christo, que chamão as
duas Igrejas... recolheu-se a hua quinta que tambem tinha ahi perto
chamada a Tapada_. Indiscutivel, pois, que a quinta não fazia parte da
Commenda e ainda mais indiscutivel que o poeta a possuia antes e
independentemente de receber Duas Egrejas. Lá está o desconhecido
contemporaneo a attestal-o por uma forma cathegorica.

É, por isso, racional admittir-se que a quinta fosse propriedade do
poeta, talvez de familia, e tanto assim que continuou na posse dos seus
descendentes, ao passo que a Commenda já por 1607 havia passado a outras
mãos. Admissivel, tambem, que Sá de Miranda solicitasse a Commenda por
se encontrar situada proximo da Tapada que _já possuia_. Provavel,
finalmente, que a moradia em a Commenda tivesse em vista, apenas, dar
tempo a realisarem-se na casa da Tapada as adaptações necessarias para
receber o poeta. É de tudo o mais logico.

Sá de Miranda nem um unico momento afrouxou em sua actividade desde que
se retirou ao Minho. A ociosidade foi para elle sempre uma palavra vã.

    O nome da ociosidade
    Soa mal, mas se ela é sã,
    Bem empregada em vontade,
    Socrates da liberdade
    Sempre lhe chamou irmã!

As obras dos poetas contemporaneos andavam em constante leitura. Ellas o
estimulavam a proseguir.

      Co que li, co que escrevi,
    Inda me não enfadei.

Depois, com a auctoridade de seu nome e de seu caracter, principiava a
ganhar adeptos sinceros. A sua musa é, então, vigorosa como nunca. A
acuidade do poeta desenvolve-se extraordinariamente.

Sá de Miranda acompanhava do Minho, com o mais vivo interesse, os
menores acontecimentos politicos. Preoccupava-o o destino do paiz e não
lhe era indifferente nem as prosperidades nem as desgraças que gosava ou
soffria a existencia dos homens que dirigiam os destinos da patria. Esta
parecia agora renascer brilhante como em os tempos aureos do venturoso
D. Manuel. O movimento litterario renovava-se fazendo esperar novos dias
de radiosa gloria. Na côrte, as boas lettras, a poesia, os estudos
classicos, patrocinados pela familia reinante, prosperavam. A
Universidade, reformada em 1537, passava a Coimbra, para que o bulicio
da capital não fosse estorvo ao estudo, e para a dirigir vinham do
estrangeiro professores dos mais illustres.

Sempre coherente de pensamento com as acções, esperançado em melhores
epocas, Sá de Miranda escreve as suas Cartas a el-rei D. João III e ao
seu velho amigo e parente João Rodrigues de Sá e Menezes. O patriota
emerito mostra n'ellas o mais profundo conhecimento do que se passava na
côrte e ataca com o seu costumado vigor as ambições dos aulicos. Em seu
dizer sentencioso, severo mas commedido, tenta accordar as consciencias,
arrancar a nobreza aos deleites de uma vida capuana e trazel-a ao
estricto cumprimento do dever.

Infelizmente, os appellos do poeta foram completamente perdidos e o
cataclysmo, que havia de afogar as consciencias em ondas de sangue,
vinha annunciado já pelas nuvens negras que appareciam da banda de
Italia. A 20 de setembro de 1539 realisava-se o primeiro auto da fé. As
chammas das sinistras fogueiras, elevando-se para o ceo com esgares
satanicos, eram como maldições que arrastavam Portugal até ao
anniquilamento de 1580.

A ecloga _Basto_ e as _Cartas_ a El-rei, a João Rodrigues de Sá e
Menezes e a Antonio Pereira, este esplendido grupo de poesias pertence,
em o parecer da ex.ma sr.ª D. Carolina Michaëlis de Vasconcellos,
parecer com que nos conformamos, ao curto espaço de tempo que mediou
entre a retirada da côrte e o casamento do poeta com D. Briolanja, em
1536.

Scintilla n'essas composições a quintilha, admiravel de vivacidade,
sublime de causticidade sentenciosa. Como muito bem considera a
illustrada escriptora, sr.ª D. Carolina Michaëlis de Vasconcellos, a
ecloga _Basto_ e as _Cartas_ representam o que ha de mais original e de
mais valioso entre todas as composições poeticas de Sá de Miranda. São
essas as que ainda hoje mais captivam as attenções. Lêm-se com agrado,
prendem o espirito pela sua graça e dominam pela forte convicção que
respiram.

O sr. Theophilo Braga estima, egualmente, as _Cartas_ de Sá de Miranda
como o que ha de melhor na poesia dos quinhentistas. E diz com razão que
a quintilha, em o verso de sete syllabas, popular, torna-se facil e tão
engenhosa que se presta a todas as descripções, a todos os dizeres e
locuções particulares da lingua, aos apophtegmas já metrificados pela
tradição. Como _satyras_, as _Cartas_ em nada desmerecem ás de Horacio
ou de Tolentino. De resto, Sá de Miranda era, sobretudo, um moralista e
a poesia prestava-se, principalmente na redondilha, para os dizeres
conceituosos.

Das _Cartas_ destaca-se, pela energia, pela hombridade e rectidão de
caracter com que se affirma o poeta, a dirigida a el-rei. Como
bellamente assignala a ex.ma sr.ª D. Carolina de Vasconcellos, não se
sabe que admirar mais n'ella, se a nobreza da linguagem, se a alma do
patriota, se o grande caracter do fidalgo, se a ironia aguda do
moralista. Antes deve admirar-se, essa carta, por todo esse conjuncto de
predicados raramente reunidos.

A _Carta a El-rei_ foi, por assim dizer, a despedida do poeta a D. João
III, o seu adeus á côrte. Sá de Miranda dirige-se ao monarcha como
vassallo leal, cuja confiança lhe permitte fallar com desassombro, não
como cortezão lisongeiro. Tem em vista expor a verdade, não a intriga. E
fal-o empregando uma fórma aphoristica e sentenciosa que mais impõe a
severidade de seu caracter.

Sá de Miranda relata ao rei o estado de degradação a que o paiz chegara,
aponta-lhe o servilismo enganador dos fidalgos que o rodeiam, indica-lhe
os perigos de que precisa defender-se e incita-o a uma acção energica
para limpar e purificar a corrupta sociedade que o cerca. A consciencia
do poeta, a sua grande amizade ao monarcha, o convencimento que lhe dá o
conhecer intimamente os males de que enferma a côrte, a auctoridade do
seu caracter, emfim, o sentimento do dever e um sentimento rigoroso e
inabalavel que, de resto, se nota em todas as suas poesias, leva-o a
nada encobrir ao rei. A carta a D. João III é filha de uma convicção
profunda, clara e persuasiva.

Não ha duvida que a humanidade de si esconde vicios. Mas a falsidade é o
peior mal e que mais irreparaveis damnos póde causar.

    Onde ha homens, ha cobiça,
    Ca e la tudo ela empeça,
    Se a santa igual justiça
    Não corta ou não desempeça
    Quanto a malicia enliça.

Sá de Miranda experimentara os maiores desenganos n'essa côrte corrupta
e enganadora que repugnava ao seu caracter franco e leal e que o levara
a retirar-se para o Minho. Dando satisfação d'esse passo ou
antecipando-se a solicitações a que não desejava acceder, justifica-se
cabalmente de seu procedimento.

      Quem graça ante o rei alcança
    E i fala o que não deve,
    (Mal grande da mâ privança!)
    Peçonha na fonte lança
    De que toda a terra bebe!
    Quem joga onde engano vai,
    Em vão corre e torna atras,
    Em vão sobre a face cai.
    Mal hajão as manhas màs
    De que tanto dano sai!

      Homem d'um sô parecer,
    Dum sô rosto e d'[~u]a fe,
    D'antes quebrar que volver,
    Outra cousa pode ser,
    Mas de corte homem não é.
    Gracejar ouço de ca
    Dos que inteiros vêm e vão
    Nem se contrafazem la:
    _Como este vem aldeão!
    Que cortesão tornará._

A famelica côrte, astuciosa e matreira, ria-se da rudeza do _aldeão_.
Demais o sabia Sá de Miranda. Elle, porém, não se ri, mas com a sua
penna acerada fal-os sangrar e enraivecer. Anima-o a ser franco a
bondade com que, espera-o, el-rei se dignara acolhel-o.

      Senhor, hei vos de falar
    (Vossa mansidão me esforça)
    Craro o que posso alcançar:

El-rei estava rodeado de uma camarilha infame, mansos cordeiros
apparentemente, mas por dentro lobos robazes. Espinha de vime e falas de
assucar, lisongeiros emeritos, os cortezãos não curam de mais que dos
interesses proprios e, explorando torpemente a bondade do rei, pensam
unicamente em servir o seu vil egoismo.

    Andão pera vos tomar
    Por manhas, que não por força.
    Por minas trazem suas hazes,
    Os rostos de tintoreiros.
    Falsas guerras! falsas pazes!
    De fora mansos cordeiros,
    De dentro lobos robazes!

    Tudo seu remedio tem;
    Que é assi, bem o sabeis,
    E o remedio tambem.
    Querei-los conhecer bem:
    _No fruito os conhecereis._
    Obras que palavras não!
    Porem, senhor, somos muitos,
    E entre tanta obrigação
    Trasmalhamos nossos fruitos
    Que não saibais cujos são.

    Um que por outro se vende,
    Lança a pedra, a mão esconde,
    O dano longe, se estende.
    Aquele a quem doi, se entende,
    Com sôs sospiros responde.
    A vida desaparece;
    Entretanto geme e jaz
    O que caiu! e acontece
    Que d'um mal que se lhe faz,
    Môr despois se lhe recrece.

    Pena e galardão igual
    O mundo em peso sostem.
    É [~u]a regra geral
    Que a pena se deve ao mal,
    O galardão ao bem.
    Se alg[~u]a ora aconteceu
    Na paz, muito mais na guerra,
    Que d'esta lei se torceu,
    Faz se engano ás leis da terra,
    Nunca se faz ás do ceo.

São saccos sem fundo os miseraveis, exploradores ignaros dos fracos.
Nomes e rostos honrados encobrem bandidos consummados. Desgraçados dos
pequenos que nem sequer podem fazer chegar seus clamores até ao rei.
Esteja o monarcha vigilante e atalhe com firmeza o mal.

    Não têm fundo aqueles sacos.
    Inda mal com tantos meos
    Pera viver dos mais fracos
    E dos suores alheos.

      Que eu vejo nos povoados
    Muitos dos salteadores
    Com nome e rosto de honrados
    Andar quentes e forrados
    De pelos de lavradores.
    E senhor, não me creais
    Se não as achão mais finas
    Que as dos lobos cervais,
    Que arminhos nem zebelinas.
    Custão menos, valem mais.

      Ah senhor, que vos direi
    Que acode mais vento ás velas?
    Nunca se descuide o rei,
    Que inda não é feita a lei,
    Ja lhe são feitas cautelas.
    Então tristes das molheres,
    Tristes dos orfãos cuitados,
    E a pobreza dos mesteres!
    Que nem falar são ousados
    Diante os môres poderes.

Esplendido caracter o de esse homem de uma franqueza verdadeiramente sem
egual. Se os reis tivessem sempre conselheiros assim leaes, quantas
desgraças não evitariam aos seus subditos, quantas injustiças não lhes
poupariam! E, necessariamente, essa admiravel carta encerra allusões
directas a acontecimentos conhecidos de D. João III, mas que hoje são
difficeis de traduzir.

A ex.ma sr.ª D. Carolina de Vasconcellos, considerando particularmente
a _Carta a El-Rei_, aprecia-a como um desforço contra a injustiça com
que trataram o poeta, porque só ouviram seus inimigos e não lhe
concederam sequer o direito de pedir satisfação pelas armas ao poderoso
que o calumniou. Não iremos tão longe, mesmo porque não está ainda
averiguada a certeza da perseguição de que se diz ter sido victima Sá de
Miranda, mas, dado que a escrevesse com uma intenção de desforra, nem
por isso se deixará de avaliar em seu justo valor a famosa carta.

Em a dirigida a João Ruiz de Sá de Menezes, o poeta insiste em os
perigos que teme para o paiz. O bom patriota, lá do seu retiro do Minho,
nem um só momento esquece o que devia á patria.

      Estes mimos indianos
    Hei gram medo a Portugal
    Que venhão fazer os danos
    Que Capua fez a Anibal.

Sá de Miranda curava-se, agora, com a philosophia. Temia mais os
inimigos de casa que os de fóra. Eram aquelles que estavam promovendo a
ruina de Portugal.

      Cura me filosofia
    Que me promete saude;
    Dei lhe a mão, ela me guia,
    Ouço falar da virtude;
    Se a visse, sarar me hia.
    Diz Platão, que é dos milhores,
    _Quem posesse os olhos nela,
    Que verdadeiros amores
    Sempre traria com ela._

      Como digo, eu sô de ouvir
    Ando como homem pasmado,
    Desejoso de a seguir,
    Chorando todo o passado,
    Temendo todo o porvir.
    De fora ha muitos perigos
    A cuja lembrança temo,
    Em casa aqueles imigos
    Que eu mais que os de fora temo.

E, mais que nunca, votava a sua attenção para os grandes modelos da
litteratura classico italiana. Lia-os e relia os com admiração, não se
cançando de os estudar e de procurar desvendar os mysterios de sua
inspiração.

      Aqueles cantares finos,
    A que _liricos_ disserão
    Os Gregos e os Latinos,
    Digão me donde os houverão
    Salvo dos livros divinos?
    Quantos que d'ahi ao seu
    Trouxerão auguas á mão.
    Regou Pindaro e Alceu,
    E em môres prados Platão!

      Mas é o que ora aprendo
    Ler por eles de giolhos,
    De que sei quam pouco entendo.
    Mas fossem dinos meus olhos,
    De cegar sobre eles lendo!
    Que, dos seus misterios altos
    Assi lubrigando vejo
    Que não são pera tais saltos:
    Gemo sômente e desejo.

Indubitavelmente a carta a João Ruiz de Sá de Menezes foi, tambem,
escripta antes de Sá de Miranda se casar. Indica-o as allusões que faz
ao amor e as duvidas com que mostra luctar antes de se resolver a esse
passo decisivo.

      Fui posto em gram diferença
    Se casaria, se não?
    Houve de sair sentença
    Que a sô [~u]a desse a mão,
    Ás outras boa licença.

A composição que mais absorveu os cuidados de Sá de Miranda foi a ecloga
_Basto_, cheia de intimas confidencias. O poeta, parece, levou toda a
sua existencia a depural-a, chegando mesmo a refundil-a. Conhecem-se
d'ella umas quatorze variantes mais ou menos desiguaes, das quaes as
mais antigas são escriptas em decimas e as mais recentes foram reduzidas
a estrophes de oito versos.

Encantadora essa ecloga em que Sá de Miranda deixou correr a sua penna
livremente, sob o impulso da inspiração popular. É a _Basto_ um dos
monumentos mais bellos de nossa litteratura e um dos melhores quadros de
nosso viver intimo em o seculo XVI, frisando admiravelmente o contraste
entre a sociabilidade urbana e a insociabilidade rustica, ou melhor,
entre a vida palaciana, toda de prazeres, e a do campo, entre ares e
caracteres puros. Formosa descripção de costumes minhotos,
originalissima, os episodios simples e graciosos tocam pela ingenua
candura de um verdor e transparencia de agua corrente. O dialogo é
sereno, mas vivo.

A _Basto_ seduz tanto pela elegancia da phrase e pelo subtil do
descriptivo, que se é tentado a consideral-a como a melhor composição
poetica de Sá de Miranda. As suas bellezas, incontestaveis, passaram
indifferentes a muitas gerações que n'ella achariam um modelo digno de
estudo cuidado. O que prova quão transviados da tradição nacional, tão
rica de primores, têm andado quasi todos os nossos poetas.

Um dos episodios mais admiraveis pela sua simplicidade expressiva aqui o
reproduzimos, segundo o _ms._ enviado ao principe D. João.

      O moço que entra em terreiro
    E não toca o chão de leve,
    Polo ar voa o pandeiro,
    E a toda a festa se atreve
    Ele sô com seu parceiro,
    Este tal baile, este cante,
    Este seus jogos ordene,
    Corra, va, pase adiante,
    Este voltee, este espante,
    Este dê penas e pene!

      Mas quem já se vêm das pontas,
    Não acha o que soía em si,
    Começa entrar noutras contas:
    _Ouvi ja milhor e vi_,
    Suar e passar afrontas.
    Vai se o tempo, tudo foge,
    Corre o dia após o dia;
    Queres que homem não se anoje?
    Que me não conheci hoje
    N[~u]a fonte em que bebia.

Este interessante descriptivo ou episodio, como queiram chamar-lhe, foi
posteriormente aperfeiçoado pelo poeta. Em a variante que passa como a
melhor da ecloga, apparece elle posto na bocca de _Bleito_ assim:

      O moço que entra em terreiro
    E não toca o chão, de leve.
    Sô ele co seu parceiro
    A toda a festa se atreve,
    Este tal jogos ordene,
    Este nas aldeas more,
    Este balhe, este namore,
    Este dé penas e pene;

      Este os seus contentamentos
    Diga em cantares nas vodas,
    Este nos ajuntamentos
    Dê mil voltas, no ar todas,
    Este quando lhe aconteça
    Que em Filipa ou em Marta sonha,
    Ós domingos feitos ponha
    Ou das malvas na cabeça;

      Deixe o gado sô no monte
    Em perigo, e corra a terra
    Por saber quem vai á fonte
    Depois que a noite se cerra;
    Este tenha e perca arrufos,
    Este logre abril e maio,
    Este dé golpes no saio
    E todo se empole em tufos!

      Mas quem cuida e lança contas
    Que tanto e tanto relevão,
    Que fará? tu não te afrontas
    Coa pressa que as vidas levão?
    Passa pera sempre o dia,
    Passa o ano, tudo foge.
    Que me não conhecia hoje
    Vendo me quando bebia;

      Antes, quando ia beber
    Sequioso e mui cansado,
    Houvera d'esmorecer
    Vendo me assi tam mudado.

Responde Gil com uma esplendida apologia da vida simples do campo,
vivendo livre, entregue aos cuidados da previdente natureza. As
vantagens e os encantos d'essa existencia feliz são deliciosamente
expostos, salientando-se pela convicção que lhe imprime o poeta.

      Andando assi não me empecem
    Maos olhos nem mas palavras,
    Nem me temo se engafecem
    Entre nosoutros as cabras,
    Nem menos que o meu cabrito
    Me furte o vezinho e coma;
    Aqui, se paixão me toma,
    Posso cantar voz em grito,

      Com estas aves, que tais
    Duas aventagens têm
    D'esses outros animais,
    Voar e cantar tam bem,
    Ou ao som d'agua que cai
    Rompendo polos penedos,
    Eles que sempre estão quedos,
    Ela que a gram pressa vai.

      Dá me de que me mantenha
    Este meu gado com leite,
    Acho polo monte lenha,
    Acho abrigo onde me deite
    E faça quanto quiser.
    E a noite tras a fogueira
    Trago isca e pederneira,
    Vinho não-no hei mester.

      Ves tu a minha cabana?
    Como o tempo acode, assi
    A mudo. Nem Guiomar nem Ana
    Não dão voltas por aqui,
    Que me façam merecer
    Muitas d'estas varapaos
    Com seus olhos vaganaos
    Bons de dar, bons de tolher.

      Passado o frio e a neve,
    Quando ó gado é cousa sã
    Andar trosquiado e leve,
    Visto me da sua lã.
    Abasta me o seu sobejo
    Pera tudo que hei mister;
    Assi como o ano quer,
    Assim com ele me rejo.

      Para cousas que acontecem,
    Trago comigo rafeiros
    Que outras suas mãis parecem
    Das mãis dos seus cordeiros.
    Inda que se a ovelha esqueça
    A trasparida e maltreita,
    O cão cab' ela se deita
    Té que eu em busca apareça.

      Deixa me ver este ceo
    E o sol como vai fermoso.
    Que gram caminho correu
    Desd'hoje e quam espaçoso,
    Vai seguindo a outra párte,
    Irá ver gente estranha,
    Outra terra, outras montanhas
    Que de nos não sabem parte.

      Deixa me ver estas flóres
    Tantas que nacem de seu!
    Que este é o meu mal d'amores,
    Ou de fora, ou de sandeu,
    E mais, se inda mais quiseres,
    Sicais que será verdade.
    Porem tenha eu liberdade!
    Dé vos deus muitos prazeres!

      Aqui não sou com vezinhos
    Cada ora aos empuxõis,
    Nem sei sômente o caminho
    Da vila e seus são Juõis,
    Que, em vez de matar, avivão
    Outra vez as diferenças.
    Que te aproveita que venças
    Se vencendo te cativão?

Sá de Miranda, como moralista eximio que era, pois a sua poesia visava
sempre a instruir, a educar, não a simples distracção, servia-se
frequentemente da allegoria e da fabula. Na ecloga _Basto_ demonstra a
forma brilhante como sabia applicar as velhas fabulas classicas, ou
ainda as que corriam entre o povo, ao seu intuito conceituoso. A licção
dellas tirada é sempre a mais apropriada.

Ha em a _Basto_ duas bellas fabulas: a de _Gil Ratinho_ e a do _Bacoro
Ovelheiro_. Engraçadissima a primeira.

      Fui um dia a vila, Gil,
    E logo, ó sair da casa,
    Mais verde que um perrexil
    Cuidei que matava a brasa
    De galante e de gentil.
    Bem passei cos viandantes
    Mas despois la, quando cheas
    Vi ruas de outros galantes,
    Se eu viera ufano de antes,
    Não tornei tal ás aldeas.

      Dezia um vendo me assi:
    Bom vai o do barretinho!
    Outros dar os olhos vi,
    Outros chamar me ratinho,
    Tanto tê que me escondi.
    Finalmente por acerto
    Vi algums nossos de ca,
    Deixei os chegar mais perto,
    Meti me antre eles por certo.
    Que tarde me acolhem la!

Não menos conceituosa a do _Bacoro Ovelheiro_.

      Um bacorote orgulhoso
    Deu vista ó gado ovelhum,
    De quexiquer espantoso
    Trombejava ele um e um,
    Andava todo bravoso.
    Vem o lobo um dia e apanha
    Polo pescoço o doudete,
    Abrandou lhe aquela sanha,
    Brada _ai dos meus_; em tamanha
    Pressa ninguem arremete.

      Vinhão os porcos da aldea
    Mais atras, grunhir ouvirão;
    Cada um d'eles esbravea,
    Estes si que lhe acudirão:
    Perde o lobo a sua cea,
    Ele solto, viu que o gado,
    Da lã branca estava olhando
    De longe, ainda amedrontado.
    _Antes_, disse, _ser mandado,
    Que a tal perigo tal mando_.

Esta preciosa allegoria?

      Do leite e sangue empolado
    O bezerrinho viçoso
    Corre e salta polo prado,
    Despois lavra perguiçoso,
    Tira o seu carro cansado.
    Cos dias e co trabalho
    O brincar d'antes lhe esquece,
    Não é ja o que era almalho,
    Venda se pera o talho
    Que este boi velho enfraquece!

Ainda nenhum escriptor portuguez tratou com tanto engenho o fabulario,
ainda nenhum o applicou tão bem e lhe deu tão bello relevo. Sá de
Miranda allia delicadamente a grandeza com a graça, a par de uma maneira
simples e primorosa de contar.

Em a carta que posteriormente dedicou a seu irmão Mem de Sá, o poeta
utilisa admiravelmente a fabula de _o rato do campo e o rato da cidade_.
Sá de Miranda conta-a em referencia á sua situação, convencido de sua
verdade que tanto ao vivo sentira. Realmente não valeria mais o pouco a
par das alternativas das grandezas? O poeta podia responder afoutamente.

Essa linda fabula, de origem grega diz-se, mas verdadeiramente anterior
aos hellenos, espalhada na antiguidade sob o nome de Esopo, tem tido
enumeras imitações. O Arcypreste de Hita tratou-a com grande relevo. La
Fontaine tambem lhe deu um certo brilho e a sua fórma é das mais
espalhadas entre nós. Pois, de todas as imitações modernas, a mais
valiosa é a de Sá de Miranda. Isto, como o reconhece a ex.ma sr.ª D.
Carolina de Vasconcellos, sob o ponto de vista da espontaneidade, da
graça natural e da travessura ingenua.

Quem as confrontar deve reconhecer a justeza da nossa apreciação. Para a
vulgarisar a reproduzimos, embora seja um pouco extensa.

      Um rato usado á cidade
    A noite o tomou por fora;
    (Quem foge á necessidade?)
    Lembrou lhe a velha amizade
    D'outro rato que ahi mora.
    O qual assi salteado
    De um tamanho cidadão
    Por lhe fazer gasalhado
    Dá mil voltas o coitado
    Que não põi os pés no chão.

      Faz homem a conta errada,
    (Que mil vezes acontece)
    Cresceu me muito a jornada,
    Diz, entrando na pousada
    O cidadão que aparece.
    Estoutro poendo lhe a mezinha,
    Põi lhe nela algum legume;
    Mesura quando ia e vinha,
    Deu lhe tudo quanto tinha,
    Pede perdão por custume.

      Cumpre muito aquela mesa
    Mais da fome que da gula;
    Faz claro a fogueira acesa;
    Mostra bom rosto á despesa.
    Vem o outro e dissimula.
    E está dizendo consigo:
    Este não foi pera mais!
    Que vai de Pedro a Rodrigo!
    Bem diz o enxempro antigo
    Que os dedos não são iguais!

      Ora despois de comer,
    Jazendo detras o lar,
    Começa o rico a dizer:
    Dous dias que has de viver
    Aqui os queres passar?
    Na secura de um deserto
    Que não sei quem o soporte,
    De urzes e tojos cuberto,
    Sendo tudo tam incerto
    E tam certa sô a morte?

      Vive, amigo, a teu sabor;
    Mais é que cousa perdida
    Quem por si escolhe o pior.
    Vai te comigo onde eu for,
    La verás que cousa é vida.
    Des que um e outro provares,
    (Que eu de outrem não adevinho)
    Quando te não contentares,
    Aqui tens os teus manjares
    I tambem tens o caminho.

      Assi disse! Eis o villão,
    Em alvoroço e balança,
    Ia e vinha o coração
    Ora si, e ora não.
    Venceu porem esperança!
    E que deve i al fazer?
    Vive de tanto suor!
    Inda não pode viver,
    Não pode o ano vencer,
    Sempre a saida é milhor

      E diz: Quem não se aventura,
    Não ganha! Rezõis contadas,
    Escolhem ora segura,
    Entrão por [~u]a abertura;
    O rico sabe as entradas.
    Vão se por paços dourados,
    Todos cheirosos da cea,
    Tristes dos casais coitados
    Do sol e vento torrados!
    Pobre e faminta da aldea!

      Vou me por meu conto avante:
    Amostra o cidadão tudo
    Que traz no bucho um infante;
    Vão os seus gabos diante.
    Pasmado o outro anda mudo,
    Que tam sômente em provar
    Das cousas que i mais lhe aprazem,
    Ja começão de engeitar;
    Fartos pera arrebentar
    Sobre bons tapetes jazem.

      Nisto o despenseiro chega
    (Que estes bens não durão tanto);
    Ve os ele, a pressa o cega,
    Um lanço e dous mal emprega,
    Corre os de canto em canto,
    Os cãis á volta se erguérão,
    Ladrão, (que é alto o serão)
    As casas estremecérão,
    Ums e outros i corrérão;
    Foi dita que os gatos não!

    Sabia o maior da manha,
    Sabia a casa, e fogiu;
    Ó ratinho da montanha.
    Ós pés em pressa tamanha
    Ó coração lhe caiu.
    Mas espaçado o perigo
    E a morte que ante si vira,
    O coitado assi consigo,
    Por seu asessego antigo
    Que mal deixara, sospira:

    Minha segura pobreza,
    Se chegarei a ver quando
    A vos torne? e esta riqueza,
    Mal que tanto o mundo preza,
    Fuja (se poder) voando?
    Ai baldias esperanças!
    Meu entendimento fraco!
    Que al temos das abastanças?
    La guardai vossas mostranças,
    Deus me torne ao meu buraco!

Das composições poeticas de Sá de Miranda pode-se destacar um fabulario
do mais alto e inapreciavel valor. Ainda ninguem soube fazer-lhe a
merecida justiça de uma edição condigna. Não devem os nossos editores
curar unicamente de propagar a litteratura de além Pyreneus, sendo para
desejar que as suas boas escolhas recaiam especialmente em o muito que
ha das boas lettras em Portugal.



Em 1536, Sá de Miranda casou com D. Briolanja de Azevedo, irmã de Manuel
Machado, opulentissimo senhor de Entre-Homem e Cavado, em o alto Minho,
e muito da amizade do poeta da Tapada. O enlace parece ter sido
resultado de amor mais do que de desejo de gosar o viver modesto e
socegado da familia.

A analyse de algumas das poesias de Sá de Miranda leva a inferir que D.
Briolanja era uma senhora formosa e que elle, por a ver, concebeu paixão
por ella. Seus cabellos brancos, mais causados pelos desgostos que pela
edade, ainda que o poeta andasse pelos cincoenta annos, far-lhe hiam
receiar ser repellido.

E o poeta não hesitaria tambem em perder a sua liberdade varonil ao
casar-se? Camillo Castello Branco, com o seu conhecido humorismo, diz
que o haver sido Sá de Miranda marido exemplar não fará deprehender que
fosse descaroavel para com as demais mulheres. Como homem bem morigerado
pelos annos déra á esposa o coração estreme, escreveu o grande
romancista, excluindo d'essa entranha arisca todas as mulheres a quem
apenas concedia licença--uma concessão assaz agradavel, qualquer que
fosse.

É o poeta que o declara na carta a João Ruiz de Sá de Menezes,
evidentemente escripta antes do casamento.

      Fui posto em gram diferença
    Se casaria, se não?
    Houve de sair sentença
    Que a sô [~u]a desse a mão,
    Ás outras boa licença.
    Isto assentado, Amor deu
    Claro sinal que era ali;
    Eu o som do coldre, eu
    O som das setas ouvi,

      Amor, que estás sempre avindo
    E junto á propria verdade,
    Sejas por sempre bem vindo
    Ao entregar da vontade,
    Que entrego em te aqui sentindo,
    Põi do teu fogo a esta casa!
    Arça sempre e nunca abrande,
    Que deus é fogo que abrasa:
    Sei o de um privado grande!

Da força do amor diz Sá de Miranda em o soneto seguinte:

      Mas que não pode Amor? Fez me engeitar
    Tam levemente a mim por quem me engeita.
    Castelos de esperança e de sospeita
    Faz, e não sei que faz! é tudo um ar.

      Fez me pedras colher, fez mas lançar.
    A alma, apertando as mãos, toda encolheita,
    Á força que fará e á lei estreita
    Que em fim, queira ou não queira, ha de passar?

      Como, e tão cego era eu que da vontade
    Fiei tudo, que tudo a traves guia,
    Tam gram contraira minha e da verdade?

      Que al se podia esperar d'[~u]a tal guia?
    Cai onde ora jaço; oh crueldade!
    Não sei quando é noite ou quando é dia.

A lenda, porém, pretende que a D. Briolanja era tão feia de rosto como
de nome e, para mais, velha e tropega. A _Vida_ refere até uma engraçada
historia a respeito d'esse consorcio. Conta que estando o poeta em a
Tapada, _logrando quietamente o fruto de seus estudos e peregrinações,
casou com Dona Briolanja Dazevedo filha de Francisco Machado senhor da
Lousãa de Crasto Darega, e das terras de entre Homem e Câvado e de Dona
Ioana Dazevedo sua molher, com a qual viveo annos em grande conformidade
sendo ella tão pouco fermosa exteriormente e de tanta idade que quando a
pedio a seus irmãos Manoel Machado e Bernaldim Machado, por ser seu pay
já morto, não quiserão elles differir-lhe ao casamento, sem que primeiro
visse bem a noyva, e sendo-lhe mostrada pollos irmãos, disse para ella,
castigay-me senhora com esse bordão, porque vim tam tarde_...

Camillo Castello Branco, achando, e com toda a razão, exquisito que a
noiva do dr. Francisco de Sá recebesse o noivo de aggressivo bengalão
alçado, viu um erro typographico n'aquelle adjectivo articular _esse_,
que deveria ser _este_. Quem levaria o bordão seria o poeta que, ao
cumprimentar graciosamente a linda noiva, diria:--Castigai-me, senhora,
com este bordão porque vim tão tarde.--Significava assim que entrara em
o declinar dos annos por haver passado os quarenta e cinco, ao passo que
D. Briolanja estava em pleno brilho da mocidade.

O sr. Theophilo Braga crê que da má comprehensão do dito a que allude a
_Vida_ e que ficou em proverbio se formou a tradição de ter Sá de
Miranda casado com uma senhora velha e feia. Em verdade, não se póde
acceitar semelhante lenda, visto que da leitura das composições do
poeta, dos parabéns com que se felicita, se deprehende tratar-se de uma
senhora, muito pelo contrario, nova e formosa. Que, ao mesmo tempo, o
poeta frisa bem a sua edade avançada. O dito do castigae-me deve antes
ser olhado como uma galanteria bem comprehensivel em um cavalheiro de
trato tão esmerado como era o poeta.

Foi em extremo venturoso esse enlace. D. Briolanja era senhora de
elevadas qualidades moraes, de preclaras virtudes e animo levantado. Sá
de Miranda, _estimando sobretudo os dotes dalma daquella matrona, que
foram excellentes... do descanço de seu marido, da criaçam de seus
filhos, da doutrina de seus criados e do provimento de sua casa_,
dedicou-lhe uma affeição tão sincera quanto intensa.

Vida santa, vida amantissima a d'aquella familia exemplar. _Sobrio e
austero comsigo_, Sá de Miranda era _largo com algum excesso cos
hospedes que indifferentemente agasalhava com gosto particular,
costumando a dizer que o livravam de si o tempo em que os conversava_.
As festas familiares eram distracções para o seu melancolismo, cujas
causas tem resistido a todas as investigações. Essas visitas
proporcionavam ao poeta horas agradabilissimas de um convivio doce e
terno. Vieram depois os filhos e com elles novos cuidados a Sá de
Miranda que sempre procurou dar-lhes uma educação primorosa, fazer
d'elles cavalleiros esforçados e honestos. Ao mais novo, Jeronymo, _com
nam ser muy rico_, mandou-o aprender musica tendo em sua casa _mestres
d'ella custosos_.

Após seu casamento com a irmã de Manoel Machado, Sá de Miranda voltou
novamente e com afinco á propagação dos metros italianos. Animou-o
talvez o exito alcançado em Hespanha por Garcilaso e Boscan que acabavam
de triumphar impondo-se. A grande reforma litteraria vencera ali
finalmente.

As poesias dos dois poetas hespanhoes exerceram sobre elle, n'este
ultimo periodo de sua actividade poetica, uma influencia decisiva,
influencia que foi até passar a escrever quasi todas as suas eclogas de
metro hendecasyllabico em hespanhol. É que a harmonia meiga e suave
d'aquellas poesias o seduziu a ponto de considerar a lingua castelhana
como mais melodiosa, mais euphonica que a portugueza, que difficilmente
se ia pulindo e abrandando.

A influencia do grande lyrico hespanhol, de Garcilaso, dominou esta nova
serie de producções do famoso poeta quinhentista. Falto de espirito de
originalidade, o unico e verdadeiro defeito que se lhe póde encontrar,
Sá de Miranda mais uma vez se acostou aos espiritos que se evidenciavam
pelo talento e serve-se quasi das mesmas formas metricas e dos mesmos
artificios. Comtudo, vae além do que Garcilaso e Boscan ousaram,
intercalando redondilhas, á laia de coplas cantadas, em meio dos versos
de onze syllabas.

Muitas passagens encantadoras, de uma vaga magia, se encontram nas
eclogas em hendecasyllabos hespanhoes. Rescendem ellas um sentimento
profundo e têm uma rara vivacidade. Mas, como o faz notar a ex.ma sr.ª
D. Carolina Michaëlis de Vasconcellos, não agradarão a todos por haver
n'ellas, por vezes, transicção abrupta de certos dialogos em estylo
simples, á moda de Theocrito, para canções de um idealismo, de um
platonismo indeciso. Fluctuação immotivada, embora rara, entre as formas
cultas italianas e os metros da velha escola peninsular, mistura de uma
philosophia ideal com uma serie de traços realisticos tirados da vida
dos pastores portuguezes e promulgados em um tom intencionalmente rude e
energico, esta desigualdade faz desmerecer muito a belleza d'essas
composições que a têm innegavelmente. O poeta, ainda pouco seguro dos
modelos que procurava egualar ou muito aferrado á tradição nacional para
romper completamente com ella, como que hesita, titubia em suas
innovações.

Por essa época e até 1538, escreveu as eclogas _Celia_, _Andrés_, o
_Epitalamio Pastoril_, o _Encantamento_ e, em o outomno de 1537, a
ecloga _Nemoroso_, destinada a commemorar o anniversario do fallecimento
de Laso. D'estas producções, em que uma critica desapaixonada e rigorosa
poderá encontrar meritos dignos de louvor, destacam-se a _Andrés_ e a
_Celia_.

A ecloga _Andrés_ é uma sentidissima referencia a tristes acontecimentos
passados, a que o poeta assistira certamente com a mais cruciante magoa.
Descreve as peripecias do casamento do infante D. Fernando, irmão de D.
João III, com D. Guiomar, conhecida na ecloga pelo nome de Pascuala. Ha
n'ella passagens vívidas de sentimento. A bella alma do poeta
manifesta-se com um suave e palido brilho de lua de maio.

Da frescura deliciosa, da admiravel simplicidade d'essa excellente
composição, dirá esta passagem, uma das capitaes n'ella:

      Aun las fieras salvajes quantas son
    Vencer se dejan de humanidad buena;
    El toro bravo, el mas bravo leon
    Con tiempo muestran que pierden la pena,
    El uno en iugo, el otro en la prision.
    Si la voz conocida al aire suena
    Del halconero, abaja desde el cielo
    A prender se el halcon mas que de vuelo.

      Todo lo vience el tiempo i la porfia:
    En marmol duro si el agua desciende,
    Ella tan blanda cava todavia;
    Es duro el hierro, gasta se por ende;
    Lo que no puede un dia, haze otro dia.
    A las sus fuerzas, quien se le defiende?
    Durisima Pascuala quanto en ti
    De amor, trabajo, fe, tiempo perdi!

      Vemos la golondrina vuelto el pecho
    Al viento como un raio ir se volando,
    Ora en cielo, ora en tierra, a trecho a trecho,
    Que la vista la va mal devisando.
    Contra la vena de agua por derecho
    Van truchas las azudas trespasando.
    Con quantas aves de entre dia vuelan,
    Otras la noche escura se desvelan.

      Ha i animales que a los nuestros fuegos
    Se acogen, constreñidos del mal frio,
    Otros no vence estonces, como juegos;
    Aves del cielo biven por el rio,
    Otros se esconden por la tierra ciegos;
    Biven del fuego, biven del rocio:
    No sé de condicion que eres Pascuala
    Pero no de mujer, no de zagala,

      Mas antes de zagala i de mujer!
    Que debajo de aquella vista hermosa,
    Tan llegada al divino parecer,
    Escondió la natura artificiosa
    El maior mal que pueden ojos ver,
    Engaño que haz la pena deleitosa,
    Ponzoña de gran fuerza! mata el vel-las,
    Mata el oil-as, mata el oir d'elas!

      Oh que haias mucho de mal grado, Amor
    Que ansi nos turbas el entendimiento?
    Al maior daño diste mas sabor,
    Errado el peso, la medida, el cuento,
    Donde se sigue que de tal error
    Se vengan recreciendo ciento a ciento,
    Qual fuente avelenada perenal
    Donde mana despues tanto de mal!

      Suerte mucho cruel que tal consiente?

Logo abaixo da _Basto_, embora em verdade muito inferior, pode ser
collocada a _Andrés_. A _Celia_, dedicada ao infante D. Luiz, não é tão
mimosa, porém quasi lhe eguala em sentimento. O poeta canta uma mulher
desapparecida, o amor querido do alludido principe.

      Ai Celia! quantas lagrimas devidas
    Te son! i quantas, si remedio diesen
    A cosa alguna de mas a las vidas
    Por quien costumbre quiso se vertiesen
    En vano tantos tiempos, si no havidas
    De los mas sabios por flaqueza fuesen.
    No digo mas de si ni mas de no
    Son que causa terná quien nos las dió.

      Aquel dolor que va turbando dentro
    De cuerpo i d'alma todos los sentidos,
    Pasando al corazon que es el su centro,
    Las lagrimas de alla manda i gemidos
    Que abran camiños a aquel duro encuentro;
    Sino, que es fuerza, siendo detenidos,
    Con el fuego encerrado i las centellas
    Ardan las casas i el señor con ellas.

    .........................................
      Estés por siempre, buena Celia, en gloria
    I siempre en fama qual dejaste aqui;
    Deve se tal corona a tal vitoria
    Del enemigo, del mundo, i de ti,
    Duros contrarios que en nuestra memoria
    No sé vencidos quien los haia ansi;
    Derechamente corriste a la palma,
    Dejaste el cuerpo atras, avante el alma.

Em 1538, apresentou o poeta a sua segunda comedia classica _Os
Vilhalpandos_, escripta em prosa como a primeira. Esta e os
_Estrangeiros_, o Cardeal D. Henrique que depois foi Rei, _tam pio, tam
zelador da Fé, e dos bons costumes, reformador das Religiões, Legado á
Lattere, Inquisidor-Môr, não só lhas mandou pedir pera as fazer (como
fez) representar diante de si por pessoas que depois foram grandissimos
ministros... senão pouco despois de Francisco de Sá morto, porque se
ellas nam perdessem as fez imprimir ambas em Coimbra na forma em que
andam e as tinha e lia muitas vezes_.

O visconde de Almeida Garrett, traçando um pequeno esboço da _Historia
da lingua e da poesia portuguesa_, mostrou-se da opinião que as comedias
de Sá de Miranda eram para admirar e constituiam um notavel monumento
para a historia das artes pela feliz imitação dos antigos e pelo que
excedem quanto até então se tinha escripto. Justo n'esta apreciação,
Garrett deixou-se, comtudo, levar pelo pessimismo de considerar funesto
o impulso dado por Sá de Miranda ao theatro portuguez, funesto e como
tendo-o destruido ao nascer. N'esta mesma direcção, Andrade Ferreira
acha que a influencia italiana não deu de si mais que a memoria de
varias tentativas eruditas.

Comprehende-se que o publico preferisse o theatro tal como o apresentava
a musa negligente e faceta de Gil Vicente e João Prestes, em que havia
sido creado e que o interessava porque o divertia. Natural que antes
quizesse as jocosidades por vezes grosseiras dos autos populares a
conservar a sua grave compostura ante as subtilezas da arte e correcção
das comedias ao gosto classico, a que não estava habituado e que o não
deixavam á vontade, acabando por o fazer bocejar. Parece-nos, exagero,
porém, inferir d'ahi a funesticidade da obra de Sá de Miranda.

Seriam as comedias de Sá de Miranda faltas de caracter nacional e
improprias para dar uma boa direcção ao theatro portuguez? Só um estudo
profundo e demorado o pode decidir. Foi, todavia, essa corrente de
reforma do theatro pela imitação da comedia classica que produziu essa
obra immortal de Ferreira, a _Castro_, a primeira composição dramatica
moderna, que reproduz o que existe de mais sublime e pathetico em um
quadro de historia nacional, como escreve Andrade Ferreira.

O final de este periodo de actividade litteraria de Sá de Miranda foi
assignalado por uma nova carta em redondilhas, dirigida a seu irmão Mem
de Sá. Esta carta deve datar-se de pouco depois de 1543 porque allude á
morte de D. Duarte e de Boscan.

Mem de Sá, ao contrario de seu irmão, procurava elevar-se pelas
honrarias da côrte e alcançava ascender aos mais altos cargos do estado.
Como governador geral do Brazil, o seu nome cobriu-se de uma gloria
immortal. Sá de Miranda, em sua carta, aconselha-o a evitar os escolhos
da ambição e da vaidade para não ver a sua carreira naufragar
inopinadamente. Para mostrar quanto mais valia a modestia do pouco em
socego ante as incertezas inherentes ás maiores grandezas utilisa
bellamente a celebre fabula do rato do campo e do rato da cidade.

Sá de Miranda confirma suas palavras com o exemplo de seu passado.
Explica-lhe porque abandonou a côrte e descreve-lhe a vida tumultuaria
que n'ella se passa e contra a qual se não podia já ir.

      Polo qual a este abrigo,
    Onde me acolhi cansado
    E ja com assaz perigo,
    A essas letras que sigo,
    Devo que nunca me enfado,
    Devo a minha muito amada
    E prezada liberdade
    Que tive aos dados jugada.
    Aqui sômente é mandada
    Da rezão boa e verdade.

      Nas cortes não pode ser!
    Vedes os tempos que correm!
    E assí vemos té morrer
    Irem muitos a correr
    Por fugirem d'onde morrem.
    Ora pôr peito á corrente,
    Que sejais forçoso e são,
    E de sangue inda fervente,
    Gram nadador, claramente
    É quebrar braços em vão.

Que valem as riquezas comparadas com a liberdade? Ambições que passam
com a edade!

      Buscar e sonhar privanças,
    Dar de entrada a liberdade
    Logo por vãs esperanças,
    Esses jogos, essas danças
    Passem coa mocidade.

Da fraqueza propria vem o medo á pobreza.

      Fracos de fe! e de fraqueza
    Vêm estes nossos suores,
    Estes medos á proveza.

E que desgraçada existencia a d'aquelles que só vivem da ambição e para
a ambição.

      Andando assi neste enlheo
    Em quantos erros caimos
    Sem conto, sem fim, sem meo;
    Dormimos o sono alheo
    O nosso não o durmimos;
    Queremos o que outrem quer,
    O que não quer engeitamos!
    Estamos sômente a ver,
    Rimos o alheo prazer,
    E ás vezes quando choramos.

A carta a Mem de Sá foi a ultima composição notavel do poeta da Tapada.
Sá de Miranda nada voltou a produzir que se possa destacar e os seus
trabalhos poeticos posteriores limitaram-se a moribundos clarões de um
sol no poente. Emmudeceria ante a decadencia que escancarava a sua
terrivel guella hiante com os primeiros horrores da Inquisição ou
preoccupava-o em extremo o futuro dos filhos já homens ou, ainda, seria
absorvido pela sua occupação mais constante de rever as obras antigas
para as polir e aperfeiçoar, sobretudo a famosa e esplendida _Basto_,
objecto dos seus mais dedicados cuidados e a que deu o maior realce?
Talvez todos esses motivos concorressem para afrouxar a actividade do
poeta.

Por 1551, o principe D. João, joven herdeiro do throno e que bem novo se
declarava um decidido protector das lettras, mandou pedir a Sá de
Miranda uma collecção de suas poesias. O poeta satisfez com empenho o
pedido, sentindo-se n'elle não só honrado, como apreciado. Era aquella
solicitação confirmativa de seu triumpho.



As composições poeticas de Sá de Miranda só em 1595, annos depois de sua
morte, é que foram pela primeira vez impressas. Nem por isso sua
influencia se exerceu menos accentuada, pois corriam manuscriptas de mão
para mão amiga. Aquelle cenaculo da Tapada cedo se tornou o foco de onde
irradiou a luz que trouxe a restauração da poesia portugueza, o centro
do movimento poetico do paiz. O nome de Sá de Miranda foi sempre
augmentando até se impôr aos outros quinhentistas com um predominio a
que lhe dava jus a sua vasta e solida erudição, a auctoridade de seu
caracter e a sua obra admiravel.

Em torno do venerando moralista e brilhante poeta começaram a
agrupar-se, quer pela communhão de idêas, quer pelas relações pessoaes,
os espiritos esclarecidos do tempo, como Ferreira, Diogo Bernardes, D.
Manuel de Portugal, Francisco de Sá e Menezes, Pero de Andrade Caminha e
outros. Soccorriam-se á sua experiencia, consultavam-o, ouviam-o e
submettiam-lhe as suas producções.

Diogo Bernardes, ao tempo em que ainda se conservava em sua terra natal,
Ponte de Lima, visitava a miudo a Tapada onde Sá de Miranda o recebia
com a mais carinhosa intimidade. Em sua primeira carta, escripta em
tercetos á maneira italiana, confessa que é a elle que toma por mestre.

      O dôce estylo teu tomo por guia,
    Escrevo, leio e risco; vejo quantas
    Vezes se engana quem de si se fia.

    ....................................
    Não te deram os céos graças tamanhas,
    Para só as lograres, mas por seres
    Bom mestre de artes boas, boas manhas.

Sá de Miranda recebeu com enthusiasmo essa estreia do novel poeta. Com a
sua benevolencia paternal, dirigiu lhe este mimoso soneto:

      Neste começo d'ano em tam bom dia,
    Tam claro, porque não faleça nada,
    Me foi da vossa parte apresentada
    Vossa composição boa a porfia.

      De que espanto me encheu quanto ali via!
    E mais em parte ca tam desviada
    Sempre até gora da direita estrada
    De Clio, de Caliope e Talia.

      Oh que enveja vos hei a esse correr
    Pola praia do Lima abaixo e arriva
    Que tem tanta virtude de esquecer,

      O que estes tristes coraçõis aliva,
    Do pesar igualmente e do prazer
    Passado, que não quer que inda homem viva.

Caminha teve tambem, muito cedo, amizade com Sá de Miranda. O sr.
Theophilo Braga attribue mesmo a essa circumstancia uma parte da
celebridade de que aquelle gosou.

A Ferreira nunca Sá de Miranda viu. Pois não era dos que menos o
adoravam pela sua vida integra e caracter austero e admiravam pela sua
grande obra de renovação litteraria. Mais tarde, Ferreira lamentou
acerbamente nunca se haver encontrado com o poeta da Tapada.

      Ah meu bom mestre, ah pastor meu amigo,
    Como minha alma e os olhos se estendiam
    Por ver-te, e o duro tempo foi-me imigo!

    Mas inda que os meus olhos te não viam
    Cá te tinha minha alma, e teus bons cantos
    Lá me levavam, e de ti todo enchiam.

A geração, que se vinha manifestando exuberante de talento, encarava com
a mais commovida veneração e respeito o grande poeta que tanto
trabalhara pelo florescimento das lettras patrias. Conhecia que muito e
muito se devia a esse homem verdadeiramente nobre e justo. Da forma como
o considerava, dá idêa o admiravel retrato que Ferreira d'elle traçou.

    Chamar-te-hei sempre bem aventurado.
    Que tanto ha que em bom porto co essas santas
    Musas te estás em santo ocio apartado.

    Não esperas, não temes, não te espantas;
    Sempre em bom ocio, sempre em sãos cuidados,
    A ti só vives lá, e a ti só cantas.

    Os olhos soltos pelos verdes prados,
    O pensamento livre, e nos céos posto,
    Seguros passos dás e bem contados.

    Trazes hua alma sempre n'um só rosto,
    Nem o anno te muda, nem o dia,
    Um te deixa Dezembro, um te acha Agosto.

    Quam alta, quam christã philosophia,
    De poucos entendida nos mostraste!
    Que caminho do céo, que certa guia!

    De ti fugiste, e lá de ti voaste,
    Lá longe, onde teu sprito alto subindo
    Achou esse alto bem que tanto amaste.

    Novo mundo, bom Sá, nos foste abrindo
    Com tua vida, e com teu doce canto,
    Nova agua e novo fogo descubrindo.

Particularidade digna de mencionar-se e que o sr. Theophilo Braga nota:
todos os poetas que se filiavam em a escola italiana e se dirigiam a Sá
de Miranda, começavam por contar-lhe a sua vida, como para mostrar que
era immaculada e que merecia a amizade delle. Tanta respeitabilidade
infundia esse homem de um caracter integro e puro.

Sá de Miranda sentia um vivo prazer ao observar o triumpho de seus
esforços. Quasi immediatamente surgiu uma serie de cataclysmos que veiu
matar o poeta _logo tambem pera todas as cousas de seu gosto e antigos
exercicios_.

A deploravel catastrophe de Ceuta, em 1553, em que pereceu a flôr da
cavallaria portugueza, custou-lhe a preciosa vida de seu filho
primogenito Gonçalo Mendes, ambição risonha de seu futuro, enlevo de sua
alma, carinho de seu coração amantissimo. O poeta sentiu-se ferido
rudemente por esse desabar de toda a sua esperança, de toda a sua
felicidade futura.

Os vates da nova escola procuraram consolar a dôr de Sá de Miranda com
sentidas elegias. Ferreira dirigiu-lhe uma suavemente melancolica,
vívida, procurando mitigar a dôr do attribulado pae pela idêa da morte
gloriosa do filho que caira combatendo pela patria.

      Oh alma bem nacida, que em tal guerra
    Ganhaste uma tal vida, honra e gloria
    Quem morte lhe chamar contra ti erra.

Sá de Miranda respondeu a Ferreira com outra elegia, vibrante da dôr
mais profunda que pode exacerbar o coração de um pae extremoso. A sua
magoa não lhe impede, porém, de admirar o talento do joven adepto da
nova escola e de o incitar a continuar na vereda encetada.

      Vem um dando á cabeza e conta ufano
    Cousas do seu bom tempo, ardendo em chamas
    Polas que fez: todo al lhe é claro engano.
      Andão se ás razõis frias polas ramas
    Um vilancete brando, ou seja um chiste,
    Letras ás invençõis, motes ás damas,
      Ua pregunta escura, esparsa triste!
    Tudo bom! quem o nega? mas porque,
    Se alguem descobre mais, se lhe resiste?
      E como, esta era a ajuda? esta a mercé?
    (Deixemos ja as mercés) este o bom rosto?
    De menos custa em fim que este tal é?
      E logo aqui tam perto, com que gosto
    De todos Boscão, Lasso, erguérão bando,
    Fizerão dia, ja quasi sol posto!
      Ah que não tornão mais! vão se cantando
    De vale em vale de ar mais lumioso
    E por outras ribeiras passeando.

A idêa de que a sua obra seria continuada por uma geração cheia de
talento mitiga o pezar de Sá de Miranda. Desejava, porém, não ter de
lamentar esse filho perdido em tão tenra edade: dezeseis annos. Como
invejava a sorte d'aquelle Mestre Dom Rodrigo, chorado por seu filho
Jorge Manrique!

    Nos sonhamos aqui, tu vas te ao ceu.
      Ditoso aquele mestre dom Rodrigo
    Manrique, a quem em seu tempo louvou
    O filho e deu ao corpo em morte abrigo.
      Era ela conta igual que quem entrou
    Antes á vida, saisse primeiro?
    Eu sou que devera ir! quem nos trocou?
    ......................................
      Vai te a boa ora; não tens de que devas
    Temer; la tudo é paz, tudo assossego!
    Quem leva um tal seguro qual tu levas?

Não se apagara ainda a saudade do filho querido e já uma nova desgraça
feria o coração do poeta. A esposa virtuosissima, D. Briolanja,
faltou-lhe em 1555. Sá de Miranda entregou-se a extremos de sentimento
_senam dignos do animo de hum tam grande Philosopho, devidos pollo menos
á estimaçam que com seu profundo juizo fez daquella perda_.

Sá de Miranda sobreviveu ainda tres annos ao desapparecimento d'esse
ente querido e, como affirma a _Vida_, por testemunho de pessoas que
conheceram o poeta, _nunca mais sahio de sua casa, senão pera ovir os
officios Divinos, nem apparou a barba, nem cortou as unhas, nem
respondeu a carta que lhe alguem escrevesse até que acabou de todo_.

Vivendo _ainda tres annos despois_ de sua mulher, _nam se acha que
composesse mais que hum Soneto que fez á sua morte_. Foi digna cupula
posta á sua obra poetica.

      Aquele esprito, já tam bem pagado
    Como ele merecia, claro e puro,
    Deixou de boa vontade o vale escuro,
    De tudo o que ca viu como anojado.

      Aquele esprito que, do mar irado
    D'esta vida mortal posto em seguro,
    Da gloria que la tem de herdade e juro
    Ca nos deixou o caminho abalisado.

      Alma aqui vinda nesta nossa idade.
    De ferro que tornaste a antiga de ouro
    Em quanto ca regeste a humanidade,

      Em chegando ajuntaste tal tesouro
    Que para sempre dura! Ah vaidade!
    Ricas areas d'este Tejo e Douro!

Como se não fossem poucos os desgostos a abrirem-lhe a cova, os ultimos
dias de Sá de Miranda ainda passaram amargurados com a noticia da morte
do principe D. João, uma promessa para o paiz, quasi a seguir a do
infante D. Luiz e, por ultimo, a de el-rei D. João III, o seu grande e
nobre amigo, em 1567. Sá de Miranda sobreviveu apenas oito mezes a esta
ultima e fulminante desgraça que vinha mergulhar o reino em as
dissenções de uma funesta regencia.

O poeta da Tapada, o grande auctor da ecloga _Basto_, falleceu a 15 de
março de 1558, com mais de sessenta e oito annos de edade. Recebeu
modesta, mas digna sepultura, ao lado de sua mulher em a capella de
Santa Margarida da egreja de S. Martinho de Carrezedo, em o arcebispado
de Braga.

Muito sentida a morte do grande poeta por todos os adeptos da nova
escola litteraria a que Sá de Miranda servia, por assim dizer, de elo.
Não fosse o espirito do respeitado mestre que se apagára. Tinha-se bem
presente aquelles versos de Ferreira em que tão bem se synthetisa a
grande obra de Sá de Miranda:

      Novo mundo, bom Sá, nos foste abrindo
    Com tua vida, e com teu doce canto,
    Nova agua e novo fogo descubrindo.



_Terminando_


A _Vida_, o precioso documento anonymo que acompanha a segunda edição,
de 1614, das obras poeticas de Sá de Miranda, serviu de guia e de base
ao nosso estudo biographico-critico. Como tivemos occasião de ver, no
que respeita a fixação de factos, ella nem sempre é veridica, deixando
muito a desejar. Erra assim na data que attribue ao nascimento do poeta
e em dizer que elle _estudou leys mais em obsequio ao gosto del Rey Dom
João o Terceiro... que por inclinação que tivesse áquella maneira de
vida_, phrases que reproduzimos atraz para accentuar as boas relações em
que estava a sua familia com a casa real, não por as tomarmos á lettra.

Essas faltas do anonymo biographo, a nosso ver, em nada desmerecem o
valor do documento que nos legou sobre a vida do glorioso solitario da
Tapada. Ha grandes lacunas na _Vida_, erros de vulto, mas ella é bem
realmente _collegida de pessoas fidedignas que o conhecerão_--ao
poeta--_e tratarão e dos livros das gerações deste Reyno_. Tivemos
occasião de o verificar notando a concordancia dos seus dados com os
offerecidos pelos diversos nobiliarios e genealogias manuscriptas a que
precisamos recorrer.

Uma d'essas genealogias, a _Nobresa de Portugal e Espanha_, de Manuel
Faria e Sousa, em seu titulo dos _Sãs de Francisco de Sá de Miranda,
senhores da quinta da Tapada_, teria poupado a muitos escriptores o
engano de dar ao poeta como mãe a avó, se fosse consultada. Ella diz
expressamente:--_Gonçalo Mendes de Sá, filho 2.º de Felipa de Sá e de
seu marido João_...

Como deixamos dito, a carta de legitimação do poeta dá o nome da mãe de
Sá de Miranda. Á obsequiosa amabilidade do erudito investigador sr.
Sousa Viterbo, devemos o saber que ella se chamava Ignez de Mello.
Pertenceria esta senhora á geração dos Mellos de Coimbra? Seria nobre?
Occuparia elevada posição social? São perguntas que suggere a particula
_de_ anteposta ao nome de familia e que resta averiguar. Que era _uma
mulher de bem_ affirmam-o os nobiliarios.

Não estão estes de accordo sobre se Sá de Miranda foi o filho
primogenito do conego Gonçalo Mendes. Haja sido ou não, é incontestavel
que o poeta possuia bens proprios. A familia dos Sás era das mais ricas
e importantes do paiz.

Como se sabe, Garcilaso falleceu em 1536. Sá de Miranda compôz para o
primeiro anniversario da morte do grande lyrico hespanhol a ecloga
_Nemoroso_ em que evidencia o mais intimo conhecimento não só de suas
poesias como de sua propria vida. Das poesias tomou conhecimento pelo
manuscripto com que o brindou o seu querido amigo Antonio Pereira. O
saber de sua vida devia-o decerto a relações pessoaes, achando o sr.
Theophilo Braga, natural que durante a sua viagem na Italia tivesse Sá
de Miranda encontrado Garcillaso.

Uma ultima nota.

Attribuimos o casamento de Sá de Miranda a resultado de amor mais do que
a desejo de gosar o viver modesto e socegado da familia e procuramos
proval-o. Ainda como demonstrativo do que dissemos ha um soneto do poeta
que vamos citar na forma porque o reproduziu o sr. Theophilo Braga, em
sua _Historia dos Quinhentistas_.

    Como? e serà tão cego e sem sentido
    Amor, que umas rasões claras, tão chãs
    Não ouça? _e que não veja tantas cans_,
    Tanto tempo baldado e não vivido?



DO MESMO AUCTOR


Em preparação:

Bernardim Ribeiro e Christovão Falcão.

Sobre os joelhos (_artigos e estudos_).

Povos e Civilisações (_Historia da Civilisação_)--Os Seltas.

O seculo XIX.



Notas de transcrição.

No texto original existem alguns caracteres que não têm representação no
sistema iso-8859-1 e que foram substituidos por marcadores especiais.
Os marcadores usados nesta versão electrónica foram os seguintes:

[~u] Resprenta um u com um til(~) por cima e que parece ser uma
abreviatura dos caracteres "um".





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Sá de Miranda e a sua Obra" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home