Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Apotheose Camoneana
Author: Carvalho, Xavier de, 1862-1919
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Apotheose Camoneana" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



of public domain material from Google Book Search)



EDIÇÃO FERREIRA DE BRITO

APOTHEOSE

CAMONEANA

por

Xavier de Carvalho

PORTO

Imprensa Ferreira de Brito

1886



APOTHEOSE

CAMONEANA

POR

XAVIER DE CARVALHO

PORTO

_EMPREZA FERREIRA DE BRITO_

1885



EDIÇÃO ESPECIAL CAMONEANISTA

N.º ___


A

Joaquim de Araujo


APOTHEOSE CAMONEANA



A RENASCENÇA

(_a Ramalho Ortigão_)


    A Renascença que foi obra toda humana,
    Chamando á vida nova a forte raça aryana,
    Co'a polvora, a imprensa, a bussola e a alchimia,
    A Arte a renascer na lyra dos poetas,
    Copernico que traça a orbita aos planetas
    E Martinho Luthero affirmando a herezia;

    Dante que tudo vê com seu olhar de lynce,
    A _Ceia do Senhor_ de Leonardo Vinci
    E Masaccio que tem _madonas_ ideaes,
    Colombo e Guttemberg e Magalhães e Gama,
    Bacon que ensina a vida e Erasmo que proclama
    O rubro alvorecer das sciencias naturaes;

    Gallileu que nos prova a rotação da terra
    E contra quem a egreja ergueu terrivel guerra,
    Aristoteles que, intransigente e altivo
    Foi quem traçou as leis novas da evolução,
    Cravou golpe profundo, em cheio, á religião
    E em bases affirmou o Credo Positivo;

    Magalhães que demonstra a terra como esphera,
    Giotto que nos pinta a tela mais sincera,
    O feudalismo á morte, as communas em lucta,
    A alma das nações erguendo-se fremente
    E pouco a pouco, a claro, as lendas do Oriente,
    Emquanto o santo officio as consciencias enluta;

    Bruno que a egreja queima, affirmando a Verdade,
    Miguel Angelo que achou os tons da realidade
    No _Juizo Final_ a luz das gerações:
    Todo esse renascer das Artes e Sciencias
    E o rebate febril de todas as consciencias,
    Resume-se afinal no livro de Camões.



NOS PAÇOS DA RIBEIRA

(_a Manoel Duarte de Almeida_)


    E Camões recitava! Em frente delle
    A Princeza Maria, em fundo pasmo
    Escutava vibrante de enthusiasmo
    Versos cheios de amor, ciume e fel.

    A côrte envolta recolhida e attenta
    Ouvia esses sonetos delicados,
    Onde a Paixão brilhava violenta
    E a alma se partia em mil bocados.

    E Camões recitava! Dos seus versos,
    Com payzagens e largos ceos diversos,
    Evolava-se o aroma da violeta...

    E entre o grupo dos pagens e das damas
    Sanguineamente como duas chammas,
    Dominavam os olhos do poeta.



NATHERCIA

(_a João de Deus_)


    Era em seus olhos duma luz magoada
    Que elle sentia palpitar a vida,
    Nathercia! a virgem branca e dolorida,
    A alma da sua alma, a bem-amada!

    Era em seus labios de escarlate vivo,
    Efflorescentes de caricia e lava,
    Que o coração do poeta se abysmava
    Como num banho de perfume activo.

    Foi assim que elle a amou lyricamente,
    Ora em sonetos de paixão fremente
    E eclogas cheias de saudade triste;

    E assim lhe disse o derradeiro adeus,
    Ao vel-a erguer-se aos luminosos céos:
    --_Alma minha gentil que te partiste._



O EPISODIO DE IGNEZ

(_a Ferreira de Brito_)


    Ha não sei que de mystico e suave
    Nesse vulto amantissimo de Ignez:
    Manhans de abril e symphonias de ave,
    O luar calmo e o verde céo inglez.

    Delicada! em instantes de socego
    Decorria-lhe a vida em tons dolentes,
    Entre arrulhos de amor! sonhos fulgentes!
    _Nos saudosos campos do Mondego._

    Ignez! ninguem melhor descreveria
    Como Camões, em ondas de harmonia.
    Esse poema de paixão querida,

    Em que passaste a efflorescente vida,
    _Aos montes ensinando e ás hervinhas_
    _O nome que no peito escripto tinhas..._



O ADAMASTOR

(_ao Conde de Sabugosa_)


    Á flor das ondas, tenebrosamente
    Entre o rugir dos fortes vendavaes
    Olhando os occeanos frente a frente,
    Como um monstro das lendas medievaes;

    O Adamastor erguia-se inclemente
    Invectivando em maldições fataes:
    Gama que busca um novo continente
    E ri das couzas sobrenaturaes.

    Entretanto quem era esse phantasma,
    Que ao vêr a frota portugueza pasma
    E diz phrases vibrantes de crueza?

    Elle era o Antigo Espirito que absorto
    Via o _maravilhoso_ extincto e morto,
    E o Homem dominando a Natureza.



ILHA DOS AMORES

(_a Fialho de Almeida_)


    Ha nesses versos ruivos e frementes
    Todos feitos de sol e de impureza
    A fulva côr nervosa das serpentes
    E um vago sonho de gentil duqueza.

    Em cada phrase de uma sereia ou deusa
    E em cada riso de tritões ardentes:
    Descubro ondas de carne omnipotentes
    E escuto o grito audaz da Natureza.

    Camões! Ha nos teus versos enseivados,
    Beijos que ferem, seios inflammados
    E a mulher toda nua, exposta ao sol.

    E ao lêr essas estrophes côr de lava,
    Sinto a minh'alma allucinada e brava,
    Entre um incendio enorme de arrebol.



LONGE DA PATRIA

(_a Camillo Castello Branco_)


    Rasgando as ondas cruas, braço a braço
    Com mil perigos e crueis tormentos;
    Ralado de desgosto e de cançaço
    Á chuva! á neve! aos vendavaes! e aos ventos!

    Em frente aos soes que estoiram violentos,
    Arremessando ondas de luz ao espaço;
    Horisontes em braza! céos cinzentos!
    --Nada receia aquelle peito d'aço!

    E do rio Me-Khong as fundas aguas,
    Ouvindo ao longe as soluçantes magoas
    D'um povo illustre na historia humana;

    A manso e manso, afrouxam a corrente,
    Para que elle podesse épicamente
    _Cantar a gente illustre luzitana!_



O JAU

(_a Xavier Pinheiro_)


    Emquanto o povo, em bando, escalavrado e roto,
    Cantava pela rua os psalmos da Agonia
    E a nação moribunda era um profundo esgoto,
    E a Historia se tornou em trecho d'elegia,

    A patria cruelmente arruinada e exangue,
    Sem familia, sem lar, sem amigos, sem pão,
    No horisonte sómente a lama, o luto e o sangue,
    Em toda a parte a raiva e a desesperação;

    O luminoso poeta, a alma aventureira,
    Que atravessou cantando uma existencia inteira,
    A luctar pelo bem e a destruir o mau:

    Achou na hora final, em vez de coroa etherea,
    Num leito de hospital a enxerga da miseria
    E por unico amigo um pobre negro:--o Jau.



OS LUZIADAS

(_a Queiroz Velloso_)


    Epopeia de luz! os seus versos vermelhos
    Como agudos punhaes, rubros ao sol da gloria,
    São as Taboas da Lei, os nossos Evangelhos
    E o poema triumphal de toda a nossa historia.

    Por isso hão-de passar as eras sobre as eras,
    Os seculos sem fim num desfillar escuro
    E esse livro será a luz das primaveras,
    Que nos indicará as praias do futuro.

    E num aureo fulgor de chispas diamantinas,
    Centos d'annos depois ainda essa epopeia
    Em nós acordará a mais vibrante ideia.

    E se o povo cahir exhausto entre ruinas,
    Ó Luziadas! ó Bíblia aberta par em par,
    Os nossos corações farás resuscitar.



NO TRICENTENARIO DE CAMÕES

(_a Theophilo Braga_)


    Se aqui podesse vir Camões, nestes instantes,
    Da campa onde repousa ha já tresentos annos,
    Se aquella rude mão que fulminou tyranos
    E sustentou crueis batalhas de gigantes,
    Podesse ainda agitar em crispações vibrantes
    O velho Portugal de heroicos puritanos;

    E visse como o altivo estandarte das quinas
    Tremula esfarrapado ao riso do estrangeiro,
    As terras de alem-mar vendidas a dinheiro,
    A patria toda em lama, em trevas, em ruinas,
    As grandes tradicções no fundo das sentinas
    E o soluço final d'um povo aventureiro;

    Elle, o immortal poeta, e velho combatente,
    Sonoro coração cheio de amor e gloria,
    Alma toda febril, vastissima, marmorea;
    O guerreiro fatal que, erguendo um bravo ardente,
    Escreveu co'a espada o livro auri-fulgente
    Onde em lettras de luz fulgura a nossa historia:

    Nesse instante talvez, espectro desolado!
    Chorando amargamente o seu velho paiz,
    E não vendo da gloria o fulgido matiz
    Engrinaldar emfim o nosso lar sagrado,
    Deixava-se outra vez morrer abandonado
    Batido de vergonha, extatico, infeliz!

    Mas contra toda essa atroz miseria hodierna,
    Vibrae sonoramente! ó almas de leões,
    E ergamos todos nós, em nossos corações,
    Ao clarão triumphal da religião moderna,
    Um sacrario febril de immensa luz eterna,
    Em que o Futuro adore o vulto de Camões.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Apotheose Camoneana" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home