Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Noites de insomnia, offerecidas a quem não póde dormir. Nº5 (de 12)
Author: Castelo Branco, Camilo Ferreira Botelho, 1825-1890
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Noites de insomnia, offerecidas a quem não póde dormir. Nº5 (de 12)" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



of public domain material from Google Book Search)



BIBLIOTHECA DE ALGIBEIRA


NOITES DE INSOMNIA

OFFERECIDAS

A QUEM NÃO PÓDE DORMIR

POR

Camillo Castello Branco


PUBLICAÇÃO MENSAL


N.º 5--MAIO

LIVRARIA INTERNACIONAL
DE
ERNESTO CHARDRON
_96, Largo dos Clerigos, 98_

PORTO 	EUGENIO CHARDRON
_4, Largo de S. Francisco, 4_
BRAGA

1874


PORTO

TYPOGRAPHIA DE ANTONIO JOSÉ DA SILVA TEIXEIRA

62--Rua da Cancella Velha--62

1874


BIBLIOTHECA DE ALGIBEIRA


NOITES DE INSOMNIA


SUMMARIO

Petronilla, Gamarra, Zamperini--Entrada para os salões--Os salões,
introducção, pelo exc.mo snr. visconde de Ouguella--Ecce iterum
«Silva» Chrispinus--Santos-Silva--Doudo Illustre--A
catastrophe--Renan--Correcções--Mau exemplo de poetas casados--A casa de
Bragança «ab ovo»--Um inquisidor portuguez e o principe de
Gales--Trilogia da «Actualidade»



PETRONILLA, GAMARRA, ZAMPERINI


Assim se chamaram as tres actrizes que mais dinheiro vampirisaram aos
argentarios portuguezes no seculo XVIII.

Petronilla, cantora italiana, representou em Lisboa desde 1739 até 1745.
Não era bella, nem artista superior; enguiçava, porém, com philtros
diabolicos; fascinava, fulminava, cauterisava o cerebro das mais solidas
cabeças, sem respeitar as testas coroadas.

Um dos seus amantes foi D. João V, que orçava então pelos cincoenta.
Petronilla, ou Pellatroni (dava por ambos os nomes) não se parecia com
as «princezas de comedia e deusas da Opera», consoante Arsène Houssaye
denomina as actrizes e dançarinas francezas coevas da amante do nosso
Luiz XIV. Era absorvente como as suas parceiras; mas não esbanjava em
galanices, equipagens e banquetes o producto liquido das suas
transacções mercantis com o rei e os outros. Tão queridas se logravam as
actrizes dos fidalgos portuguezes quanto os actores eram desprezados. O
fidalgo, que não tivesse uma aventura de theatro, apenas poderia
hombrear em proezas de galã com algum frade bernardo de costumes
suspeitos. Os frades propriamente, n'aquelle tempo, frechavam do seu
camarote o collo despeitorado da Petronilla com settas de amor
platonico. Havia no theatro o _camarote dos frades_, collocado por baixo
do camarote das açafatas. Tinha rotulas de pau, por entre as quaes os
monges assopravam uns suspiros quentes como as lufadas da Arabia. Mas
não passavam d'estes resfolegos os frades.

A porção illicita d'aquelles espectaculos pertencia ao rei e aos
fidalgos. Estes gabavam-se de que as actrizes eram petisco, _morceau
friand_,--dizia o cavalheiro de Oliveira--que só aos grandes senhores
competia. Na actriz não amavam arte nem belleza: amavam a comediante.

D. João V, acirrado pelos ciumes dos seus camaristas, deixou-se
illaquear n'aquelles braços elasticos da Petronilla, e locupletou-a de
ouro e pedras.

Quando se passou a Castella, a garrida comica levou trinta cavalgaduras
carregadas de riquezas--diz Francisco Xavier de Oliveira--e acrescenta
que, no theatro de Madrid, a quantidade e valor da pedraria que ostentou
eram taes que as damas de primeira plana se morderam de inveja.
(_OEuvres mêlées..._ Londres, 1751, pag. 33). Em Hespanha continuou a
enthesourar as crystallisações do seu espirito, amoedando a ternura. A
final, quando viu que era tempo do cuidar da alma, visto que a parte
menos espiritual da sua pessoa andava em geral descuido, retirou-se
capitalista, beneficiou mosteiros, fez capellas de santas, do mesmo
passo que o seu real amante D. João V fazia capellas de santos. Ambos
comediantes, e ambos, a final, fizeram figas ao embaçado demonio.

      *      *      *      *      *

Isabel Gamarra, hespanhola estreme, floreceu em Lisboa dezesete annos
antes de Petronilia, escripturada pelo actor e emprezario castelhano
Annio Ruiz. Este homem era optimo poeta, philosopho, historiador e
cortezão--assevera Francisco Xavier de Oliveira.--D. João V dava-lhe uma
pensão annual de 120 moedas de ouro. Não foi estranho aos amores de fina
tempera velados pelos reposteiros heraldicos. Tinha espiritos levantados
como o seu contemporaneo Dufraisne. Em quanto engodava os fidalgos com
as suas actrizes, levava ás fidalgas consternadas a boa philosophia, a
boa poetica, e os casos historicos analogos á situação. E assim viveu e
medrou longos annos em Lisboa.

Isabel Gamarra floreceu entre nós quando em Paris arrebatava corações e
algibeiras outra hespanhola, chamada Marianna Camarro, a celebrada
dançarina; mas a nossa, que parecia, com pouca corrupção, a outra,
quanto ao appellido, deixou em Portugal memorias dignas de romance de
grande fôlego.

Um dos seus amantes foi o marquez de Gouvêa, pai do duque de Aveiro,
justiçado como regicida em 1758.

Era casada. O marido, a rogos do marquez, recebeu alguns mil cruzados;
e, deixando-lh'a, declarou que a sua alliança não tivera a seriedade
matrimonial. Isabel abundou no parecer do marido, e sahiu do theatro.

Amor, zelos, a gangrena que afistulava os costumes do tempo, e o
descredito das ordens religiosas femininas, compelliram o marquez a
instar com a Gamarra que professasse no mosteiro de Santa Monica, da
ordem de Santo Agostinho.

E professou.

O marquez não despegava das grades, senão para servir o rei como
mordomo-mór. Tinha esposa e filhos, já homens. Um foi o que fugiu com D.
Maria da Penha de França e não voltou; o outro, já tambem sabem que
tragico destino teve. Não tinham tido pai, senão para lhes dar o exemplo
da libertinagem, com cabellos brancos.

E, por isso, a freira monica o ralava com impertinencias,
instillando-lhe no peito bravos ciumes, que eram a vingança da moral.

O marquez recebeu um dia simultaneamente duas ordens: o rei chamára-o ao
paço, e Soror Isabel ao convento. O mordomo-mór oscillou alguns minutos
quando já ia caminho da côrte, e mandou retroceder o coche para Santa
Monica.

--Vês tu quanto te amo?--disse o marquez--dei-te a preferencia, entre ti
e o rei.

--Se fizesses outra cousa nunca mais me verias--replicou ella
abespinhando-se.

--Mas olha que me arrisco a muito, obedecendo-te!...

--O teu dever é esse... _Antes que todo es mi dama_, diz Calderon de la
Barca; e, se te não arriscares, e tudo sacrificares ao meu prazer, fraco
amor me tens.

_J'ai entendu moi-même tout ce petit dialogue, où il n'y a pas un seul
mot de ma façon_, diz o cavalheiro de Oliveira, (_OEuvres mêlées_, t.
3.º p. 34).

Isto é apenas irrisorio, mas desculpavel. Todos temos na vida a má
digestão de um pedaço de Gamarra. O que excede toda a piedade, que uns
merecem os consocios de infortunio, é que ella o trahia com um Valentim
da Costa Noronha, rapaz galante, valente, o unico por quem ella sentira
alguma cousa que a indemnisava da repugnancia do habito. O cavalheiro de
Oliveira conta-nos assim as miudezas d'aquelles amores, que levaram o
velho marquez á cova:


«Conheci Gamarra melhor que ninguem. A estreita amizade, que tive com o
Noronha, me occasionou durante dous annos ensejo de vêl-a, conversal-a,
e conhecer-lhe os merecimentos e defeitos. Noronha, apaixonado por ella
quanto cabe em peito de homem, sacrificou á intriga d'esta actriz
monastica tudo que mais caro lhe era no mundo. A estima devida á esposa,
o respeito paternal, o affecto dos melhores amigos, o porvir dos filhos,
socego, interesses, em fim, a propria vida que expoz em muitos lances á
vingança do marquez, cujo respeito benemerito soffreu muitos desfalques
de encontro á coragem intrepida de Noronha... Era elle, porém, o
possessor unico da ternura de Gamarra. O marquez traçou perdêl-o. Duas
vezes projectou matal-o. Estava eu com Noronha, uma noite, quando o
aggrediram: felizmente repulsamos os assassinos. A final, o marquez,
authorisado pelo rei, logrou encarcerar Noronha no Limoeiro, onde esteve
nove mezes; e com muita difficuldade obteve soltura depois da morte do
marquez. Fr. Gaspar, tio d'aquelle senhor, e valido do rei, fêz quanto
pôde por demorar tão injusta prisão, vingando d'est'arte os manes do
marquez, seu sobrinho.» (_Obra cit._, pag. 34 e 35).


O mordomo-mór estava na idade critica dos cincoenta em que as paixões
atabafam o coração como aos dezesete. Os velhos, quando amam, teem a
sensibilidade das meninas que principiam a amar. Se não se percatam e
escudam com o arnez da paciencia e da dignidade das cãs, _maus bichos os
comem_, como disse o Sá de Miranda.

Maus bichos começaram a desfazer o corpo, que tão regaladamente vivêra,
d'aquelle D. Martinho de Mascarenhas, terceiro marquez de Gouvêa, sexto
conde de Santa Cruz, assassinado pela perfida actriz de Santa Monica no
dia 9 de março de 1723.

O derradeiro golpe recebera-o com a noticia de que ella havia dado a
Valentim de Noronha o retrato que lhe elle dera engastado em moldura de
brilhantes... _Il me fit voir_ (diz o amigo de Noronha) _entre ses
propres mains ce même portrait du marquis, le même jour qu'il en avail
fait présent à son infidele Gamarra._

Se era formosa? Responde o cavalheiro que diz tel-a conhecido a
preceito, _mieux que personne_:


«Era com certeza a mais formosa actriz que vi no theatro de Lisboa: era
moça, azevieira, travessa, vivissima, espirituosissima, feiticeira em
todos os seus requebros. Tinha um só defeito: era ser treda. Atraiçoava
igualmente o marido e o amante. Por um tinha aversão, por outro sómente
estima. Se amou rasgadamente alguem, foi Noronha.» (_Obra cit._, pag.
35).


Assim que o finado marquez a dispensou do capricho do habito, quiz sahir
do convento, e naturalmente visitar Valentim no Limoeiro. A prelada
oppoz-se. Mandou chamar o marido, que ainda não era frade.
Communicou-lhe o proposito de se declarar casada e passar-se ao dominio
de seu homem, como era de justiça. O marido sondou a profundidade do seu
direito e a profundeza do peculio da mulher. Requereu, disputando-a ao
patriarcha Santo Agostinho. Sahiu-lhe a igreja com embargos á annullação
dos votos da freira. A religião permittia que ella os transgredisse com
o marquez e com o Valentim; mas que os annullasse para se tornar ao
marido, isso era feio. A final, Soror Isabel safou-se do mosteiro,
metteu-se em Castella, e voltou a representar com o marido no theatro de
Madrid. (_Obra cit._, pag. 33, nota _A_).

Quanto a Valentim, não lhe faltou medo que D. João V o mandasse enforcar
como fizera áquelle gentil rapaz que ousára disfarçado em carvoeiro
visitar-lhe, no convento da Rosa, a cigana Soror Margarida do Monte, a
quem o rei mandára vestir o habito. O desgraçado ficou na tradição com o
nome de _carvoeiro da Rosa_. Ao proposito d'esta perigosa cigana,
escreve o tantas vezes citado cavalheiro de Oliveira:


«Vi o proprio monarcha arrastar duros grilhões, e longo tempo captivo da
astucia ou do magismo de Margarida do Monte. Quantas desordens, quantos
desterros e mortes causados por intrigas d'aquella mulher! Morreu
enclausurada no mosteiro da Rosa, como freira da ordem de S. Domingos.
Este pai, que lhe foi imposto á força, não lhe incutiu mais juizo.
Induziu ella um galã a visital-a na cella. Fez-lhe a vontade o
desgraçado; foi preso lá dentro, e pouco depois enforcado.» (_Obra
cit._, pag. 66).

O encarregado da prisão foi o desembargador Marques Bacalhau, homem de
cruas entranhas, chamado sempre a funccionar nos dramas que terminaram
pela catastrophe da forca.

Correram então em Lisboa umas insipidas quadras de queixume de Margarida
do Monte contra o desembargador aguazil do _carvoeiro_. Diziam assim:

      Oh! descahido te vejam
      Estes olhos peccadores:
      Arrastado e perseguido
      Já que perco os meus amores.

      Todas nós, as freiras juntas
      Te havemos de praguejar
      Pois por caber com el-rei
      Nos vaes desacreditar!

      Justiça de Deus te cáia,
      E com todo o seu poder;
      Na bocca de um bacamarte
      Te vejamos padecer.

      Homem, deixa-nos viver,
      Não sejas tão turbulento;
      Deixa divertir as tristes
      Que não sahem do convento.

      Etc.

Um amigo, que me ouviu lêr estas noticias do theatro do seculo XVIII,
perguntou-me se eu as bebi nos livros do snr. Theophilo Braga.

--Que livros?

--A _Historia do theatro portuguez_, onde elle conta pouco mais ou menos
essa historia. A paginas 8 do 3.º tomo diz elle o que vossé diz do actor
hespanhol Antonio Ruiz.

Possuo com singular curiosidade os livros originaes d'aquelle sabio.
Abri a obra citada e li. Effectivamente copiei o doutor Theophilo, como
o leitor vai observar. Em expiação da minha fragilidade, confesso a
culpa, confrontando o original e o plagiato.

     ELLE

     (EM 1871)

     _Antonio Rodrigues hespanhol sustentou-se com felicidade muitos
     annos no theatro de Lisboa. Era bonissimo poeta, philosopho,
     historiador e palaciano._ Era homem de bem tanto ás direitas como
     actor de merito. _Do seu_ porte _honrado_ redundou-lhe _uma pensão
     annual de cento e vinte moedas de ouro que lhe dava o rei. Querido
     das mulheres, estimado da nobreza, e relacionado com muitos
     prelados do reino, até do povo se fez idolatrar._

     HIST. DO THEATRO PORT.

     EU

     (EM 1866)

     _Antonio Rodrigues, hespanhol, sustentou-se com felicidade muitos
     annos no theatro de Lisboa. Era bonissimo poeta, philosopho,
     historiador e palaciano._ Era tão homem de bem quanto actor de
     merecimento. _Do seu_ proceder _honrado_ resultou-lhe _uma pensão
     annual de cento e vinte moedas de ouro que lhe dava o rei. Querido
     das mulheres, estimado da nobreza, e relacionado com muitos
     prelados do reino, até do povo se fez idolatrar._

     O JUDEU (romance).

Quem, primeiro que elle e eu, dissera isto em francez foi Francisco
Xavier de Oliveira, em um livro que provavelmente o snr. Theophilo nunca
viu; mas adivinhou-o, e eu copiei d'elle. Porém, no acto da copia,
deslisei da versão do professor de litteratura em tres pontos. 1.º Elle
escreveu em 1871: _Era homem de bem tanto ás direitas como auctor de
merito_; e eu escrevi em 1866: _Era tão homem de bem quanto author de
merecimento._ E o cavalheiro de Oliveira tinha escripto: _Il étoit aussi
homme de bien qu'il etoit Acteur de mérite._ O _tanto ás direitas_ do
snr. Theophilo é uma perola de estylo de que eu não quiz defraudal-o nem
_ás tortas_. 2.º ponto: Elle disse: _do seu porte honrado_. E eu,
gafando a phrase de francezia, puz _proceder_ em lugar de _porte_. Foi
ignorancia que me pesa como _porte_ ou carreto; mas ainda me fica
_porte_ ou capacidade para mais toneladas de materia bruta com que me
quero dar _porte_ ou importancia. 3.º ponto da minha divergencia, quando
em 1866 eu copiava o que o doutor escrevia em 1871: Elle pôz
_redundou-lhe_, e eu _resultou-lhe_. Do feitio que elle escreveu a idéa
fica mais aceada. Na nova edição do _Judeu_ hei de apanhar-lhe o
_redundou-lhe_ que é bom.

No entanto, posto que eu plagiasse este erudito, não sei por que artes
lhe armei a sancadilha de chamar Antonio _Rodrigues_ ao actor hespanhol
que nunca foi _Rodrigues_; mas sim _Ruiz_. Faz-se mister sestro de muito
mentir para enganar um homem, de quem se copía o engano cinco annos
depois! Parece enguiço! O cavalheiro de Oliveira escreveu _Ruiz_. Cuidei
que era abreviatura de _Rodrigues_, e lá vai a peta de recochête lograr
o doutor que m'a encampou cinco annos antes, a mim, seu copista! Quem me
desenganou foi o poeta jocoso Thomaz Pinto Brandão; e contarei ao leitor
como e quando, se é que lhe não vou contar o que v. exc.ª já sabe do
doutor Theophilo.

Ahi por 1730 chegou a Lisboa a companhia hespanhola, que se hospedou em
casa de um clerigo seu patricio chamado D. Hieronimo Cancer. Ao assumpto
d'esta hospedagem de raparigas em casa do padre fez Brandão as seguintes
decimas:

      Victor! já chegou a gente
      de Madrid, tão esperada,
      e já foi agasalhada
      do seu superintendente.
      Este padre impertinente
      se intitula em Portugal
      Dom Hieronomio de tal,
      e _Cancer_ tambem seria,
      pois á sua enfermaria
      puxa as damas do hospital.
      Porém, viva o tal padrinho!
      só a taes afilhadas chega;
      que á Undarro, e á gallega
      abençôa o seu carinho.
      E baptisa de caminho
      com fé pia e fervorosa
      a dama em flôr magestosa,
      confirmada no primor;
      porém, se a Undarro é flôr
      tombem a gallega é Rosa.

      ..............................
      ..............................

      Com que já por uma vez,
      temos boa companhia,
      graças ao nosso Atouguia
      que tal companhia fez,
      Em fim, já chegou Garcez,[1]
      galan de primeira classe,
      que eu não cuidei que chegasse;
      e já muita gente diz
      que morreu Antonio Ruiz;
      mas _requiescat in pace_.

      _Amen._

Digo o mesmo, respectivamente ao sabio que desbalisei do seu trabalho de
traductor de um livro que nunca viu. E agora vem de molde penitenciar-me
d'um insolente repto que escrevi ha dous annos por occasião de
recommendar certo livro escripto portuguezmente:

.........................................................................

«Admiro como elle (o author) se manteve austeramente portuguez em meio
dos sycambros litteratiços que, áquelle tempo, coaxavam por esses paues!
Parece-me que já então por alli era (em Coimbra) contagiosa a sarna
letrada do insigne rhapsodista, snr. Theophilo. Este sujeito traduzia as
suas cousas originaes em vasconço azado para nos capacitarmos da sua
ignorancia dos idiomas neo-latinos. Vislumbrava-se d'aquillo muito lidar
com linguas teutonicas; uma construcção que cheirava ao grego, mas
fallava mouro. O seu forragear no francez era um justo despique dos
latrocinios que elles cá nos fizeram em 1808. Se os não citava, tambem
elles lá não disseram cujas eram as patenas e os calices de ouro que nos
arrebanharam nas igrejas. Retaliação justa.

«Ainda assim, as rhapsodias d'este philosopho, derrancadas pelo estylo,
não tinham cunho d'author escorreito. O polygrapho, chamado ha pouco a
ensinar a mocidade, sustenta creditos de original, affirmados e
cimentados na singularidade bordalenga com que transpõe idéas
peregrinamente formosas para as suas locuções de chouto, coxas,
esparavonadas, pragaes infindos, florilegios de absurdos, listrados
d'algumas raras clareiras de siso commum, apanhadas de outiva, mas
desordenadas no vascolejar d'aquelle craneo legendario onde o enxofre
sobrepuja o phosphoro.

«O homem, um dia, traduziu Balzac. Dizia elle que ia traduzir novellas
para que o publico soubesse onde os romancistas portuguezes ceifavam, a
furto, as suas messes. Era contra mim que o doutor desempolgava a
flecha. Ai do Balzac, se o avaliaram na injuriosa versão do meu malsim!

«Eu tinha então oitenta volumes com o meu nome, oitenta provocações
atiradas á cara juvenil do prodigio. Lá lh'as deixo estampadas. E
prometto lembrar-lh'as.

«Não me ha de ser acoimada como desvanecimento a presumpção de que umas
negaças litterarias, que vou tregeitando a este vidente vêsgo, hão de
viver tanto como os seus apocalypses, em que a besta é muito mais
intelligente e manhosa que a de S. João Evangelista. Eu, por mim, desejo
que, lá ao diante, se saiba quo morri na desconfiança de que o snr.
Theophilo Braga era um malabar de feira saloia enfatuado com os
applausos do gentio lôrpa.»


Desdigo-me de tudo que ahi fica para minha eterna vilta. Logo que fui
apanhado a copiar do snr. Joaquim Theophilo Fernandes Braga, julgo-me
capaz de copiar de toda a gente.

      *      *      *      *      *

Agora, direi da Zamperini.

Cantou no theatro dá rua dos Condes ha 104 annos. É a terceira das
forasteiras que mais ouro mineraram em Portugal e mais authenticos
documentos levaram da sensibilidade do peito lusitano.

Para o theatro lyrico da rua dos Condes fintaram-se os argentarios em
quatrocentos mil cruzados; e no anno seguinte, já não havia dinheiro
para pagar ao tenor Schiattini. Adoptaram então os emprezarios um
systema que não é hoje bastantemente seguido: como o tenor instasse pela
mensalidade, metteram-o na casa dos doudos; mas, em noite de
espectaculo, concediam-lhe a lucidez necessaria para cantar de graça.
Iam então dous quadrilheiros trazêl-o da enfermaria dos orates em
direitura ao camarim. O tenor vestia-se, e era escoltado até ao palco.
Ahi, desatava o canto, compondo de sua lavra a letra, que era um
desafogo de injurias rimadas aos emprezarios. O povo trovejava
gargalhadas, e o improvisador, aquecido pelos applausos, sarjava a
epiderme d'aquelles originaes patifes que, no fim da opera, o devolviam
ao seu cubiculo no hospital de S. José.

Assim andou baldeado entre o palco e a enfermaria, até que D. José I,
condoido do artista, o admittiu á sua real capella. Aos biltres
illustres que capitularam de sandeu o tenor, não irrogou censura o rei
nem o grande ministro: porque entre elles estava o conde de Oeiras,
filho do marquez de Pombal, e um dos varios amadores da cantarina.

Não foi, porém, o primogenito do marquez a mais generosa victima no
holocausto de Zamperini. O sagacissimo pai espiára-o até dar-se a crise
da logreira dama se manter a expensas d'elle, sem o concurso dos
capitalistas. Chegado o momento, Zamperini foi expulsa do paiz, por
ordem do ministro.

Em 1772 espalharam-se em Lisboa alguns exemplares de uma reles gravura,
figurando a camara de Zamperini. Está a cantora sentada ao pé de uma
banca; e, ao lado, estas duas linhas com feitio de versos:

      Prenez, belle et charmante coquette, prenes tout,
      puis que vous êtes dans un país de fous.

Defronte d'ella está Anselmo José Braancamp, dando-lhe 1:000 peças, que
ella recolhe com a mão direita, em quanto o monteiro-mór, ajoelhado, lhe
beija a mão esquerda. Da bocca d'este sujeito partem duas linhas em
inglez:

      The true property of an englishman
      T'is to pay and despise.........[2]

E mais abaixo:

      Mylord, dont kiss her hand,
      Because she has no face,
      But kiss her... her... her...
      Kiss her elsewhere[3]

Á direita, está Ignacio Pedro Quintella com a bolsa aberta, mas, ao que
figura, ainda não resolvido a esvazial-a. Correspondem-lhe estes versos:

      A quoi pensez, Monsieur? elle encore ne vouz aime;
      allons, prenez l'exemple, et vous serez de même.

Á esquerda, Antonio Soares de Mendonça mette a bolsa na algibeira, e dá
visos de safar-se, com estes versos:

      Lasciate agli altri, amico, la campagna,
      questa sol con quatrini si guadagna.

A um canto, está o padre Manoel de Macedo repelindo à sua celebrada ode
á cantora, e João da Silva Tello recita-lhe esta quadra:

      Macedo, não te cances,
      Pois os gostos são diversos;
      Zamperini estima o ouro,
      E nada entende de versos.

E assim termina a relamboria semsaboria.

Os casos relativos a esta cantora são vulgares e muito sabidos da ampla
nota de Verdier _Hyssope_. Os netos dos sujeitos que a opulentaram, hoje
em dia, são pessoas de muito juizo, de medianas posses, e sorveteiras
glaciaes em ternuras de camarins.

     [1] O snr. Theophilo a pag. 151 e 152 do tom. 3.º do seu _Theatro
     portuguez_ desmente o Pinto Brandão, dizendo que o _Garcez não
     veio_. O doutor, 141 annos depois, estava mais em dia que o poeta,
     redactor diario dos factos que vai poetisando a seu modo. Theophilo
     é unico!

     [2] O que bem caracterisa o inglês é pagar bizarramente e... andar.

     [3] Mylord, talvez vos désse maior jubilo, em vez de beijar-lhe a
     mão, etc.



ENTRADA PARA OS SALÕES


Eu não contava com a gloria e o contentamento de estampar nas _Noites de
insomnia_ o livro completo de physiologia social, intitulado--OS SALÕES.

Cuidei que o pensador severo e estylista primoroso me daria como brinde
tão sómente alguns fragmentos, radiados da idéa geral da obra.

Agora sei que todo o livro será meu, será d'estes opusculos que tão
benigna e agraciadamente são recebidos e indulgenciados pela bemquerença
de 1:000 subscriptores.

E, pois que a publicação dos SALÕES principiou aqui desacompanhada da
introducção indispensavel ao complexo dos capitulos, forçoso é que se
interponha o soberbo peristylo por onde o leitor mais de grado irá ao
entendimento dos trechos que já leu e dos outros que advierem.

Este livro dos SALÕES será a porção mais para durar e sobreviver ás
futilidades das _Noites de insomnia_. O visconde de Ouguella, ainda em
annos florentes e vigorosos, póde dizer com o velho e experimentado
Rousseau: _Je sens mon coeur et je connais les hommes_. O seu livro
esplende os lampejos sinistros do espirito por onde passaram as duvidas
e pungentes ironias de Proudhon--aquelle vidente que Deus mandou
apregoar a prophecia da destruição debaixo dos muros da segunda
Jerusalem derruida.

A Justiça, a inspiradora do livro que se intitulou graciosamente os
SALÕES, apparece-nos ahi sem a venda gentilica, vê pelos olhos da
historia--a Fatalidade inflexa--; e emerge á flôr d'estes parceis, que
nos atormentam, as evoluções da Providencia.

Não estamos afeitos a taes livros com assignalado sinete portuguez. O
melhor romance entre nós é um espairecimento, e o melhor poema uma
balbuciação em linguagem nova.

A Poesia ha de vir a ser apostolo, e a trajar insignias circumspectas de
Justiça, quando os bons espiritos como Guerra Junqueiro e Guilherme de
Azevedo a não descompozerem com a nudeza das tragedias, e as diatribes
em que o sarcasmo não suppre o ensinamento affectivo. A «alma nova» não
se compadece com uns corações que nasceram velhos.

Livros para este tempo faz-se mister que venham saturados das lições do
passado, e se ajustem a entendimentos rudimentares. Aos espiritos cultos
pouco ha que ensinar, logo que esses nos admoestam superciliosamente que
moralisemos as _massas_. Mas sejamos todos _massas_ em quanto o povo--a
arraia das hortas e das galerias parlamentares--desconfiar que lhe desce
do alto o exemplo que a dissolve e acanalha.

O livro do snr. visconde de Ouguella será a historia ideada um pouco á
feição do estylo e maneira de Lamennais quando a referia em _palavras de
crente_, e quando as turbas criam e estremeciam ao relampejar do Sinay.
Isso passou lá fóra, e estou em crêr que nunca se acclimou aqui. Se
alguma hora o fervor politico levantou cachão na consciencia publica, a
infamia assignalava as esplosões de civismo com o sangue de Agostinho
José Freire. Relampagos de Sinay entre nós são os que flammejam das
casernas e reverberam nos gladios dos Quichotes que constituem os reis
seus Pansas.

E, como eu me sinta impellido a grandes forragens historicas em terras
da Mancha e Barataria, recolho-me ao vestibulo dos SALÕES, e peço ao
visconde de Ouguella que nos relate como foi que um providencial acerto
lhe deparou o manuscripto do desembargador.



OS SALÕES


INTRODUCÇÃO

     ... Elle eut pour lui cette reconnaissance que la perle doit avoir
     pour le plongeur, qui l'a decouverte dans son écaille grossière
     sous le ténébreux manteau de l'océan.

                                                     THEOPHILE GAUTIER.

Era um dia esplendido de inverno n'este ignoto canto do occidente. Abri
o Almanach da agencia primitiva de annuncios, e a paginas dez encontrei
o seguinte:


«20 Terça. S. Sebastião, martyr. Festa na sua freguezia, e na igreja do
hospital de S. José.»


Perdoem-me os devotos. Nenhuma d'estas festividades me impressionou o
espirito.

Resolvi ir á feira da Ladra.

Ás terças feiras, assemelha-se o campo de Sant'Anna a um bazar africano,
na selvagem e cynica disposição dos objectos que constituem o mercado.

Estas tristes e lugubres origens berberes demonstram-se sempre, e a cada
passo. As magnificencias orientaes, em todo o esplendor e opulencia das
inacreditaveis e sublimes raridades da Asia, nos seus soberbos e
sumptuosos caravanseraes, não existem aqui. Lêem-se nos livros,
aprendem-se nas _Mil e uma noites_, adivinham-se nas chronicas dos
nossos navegadores, estudam-se nos espolios atrozmente mutilados das
casas antiquissimas e esplendorosas dos vice-reis da India. Hoje são um
mytho. Para nós--pobre povo--empurrado para as vagas espumosas do
oceano, pelas civilisações que se apossaram da Europa, e que nos varrem
sem piedade nem dôr para a Africa carthagineza, como se nós foramos os
numidas das lendas romanas ou os ferozes kabylas das raizes do Atlas.

E o que somos nós? Deus o sabe.

Somos um povo essencialmente temente a Deus, essencialmente catholico,
devotado á virgem de Lourdes e á Senhora de la Salette, essencialmente
constitucional, e essencialmente ignorante n'estas lutas, que despedaçam
thronos e proclamam republicas.

«Tudo quanto Deus faz é por melhor», assevera esta familia lusitana,
n'um proloquio de origem celtica, que tem todo o fatalismo e sabor das
raças e linguas orientaes.

As lutas do catholicismo e do crescente mourisco crearam uma epopéa
grandiosa, que se traduz n'este eclectismo philosophico e religioso, que
afoga, em vastas dissertações aristotélicas, e em tristissimas lutas das
escólas de Alexandria, estas simples e ingenuas verdades christãs. A
_graça_, evangelisada pelos doutores da igreja, é, talvez, efficaz para
apagar estes torneios nas consciencias, e remir peccados de
reminiscencias tão pagãs.

E assim vamos vivendo. A phrase é chata e villã. Mas está officialmente
reconhecida e estampada nos muito veridicos e piedosos discursos da
corôa, tal qual resa e commemora o agiologio parlamentar.

Houve um dia, antes das ordenanças de Carlos X, em que um jornal
francez, tão lido que aterrava o throno, terminava o seu principal
artigo--esculpido hoje nos bronzes da historia--com esta phrase singela
e prophetica: _Pobre França, pobre rei!_...

Se eu dissera aqui: _pobre_ Portugal!--Não digo.

Entrei na feira da Ladra.

Na entrada do campo, a um dos angulos, em face do convento de Sant'Anna,
levanta-se a praça dos Touros. Edificações mais ou menos elegantes, mais
ou menos sumptuosas, enfileiram-se, em linha recta, por uma das faces.

Ao fundo está gizado um microscopico jardim que, na louca ambição da sua
tristissima Flora, cingindo-se no cinto fanado de um empoeiradissimo
buxo, caberia á vontade na mais limitada sala de qualquer nababo das
possessões indo-britannicas.

Pelo meio do campo, em deploravel estendal, havia pannos, pranchas de
pinho e taboleiros ignobeis, onde jaziam, na mais intima convivencia, os
residuos, o lixo e os detritos da geração presente e das que passaram.

Acudiu-me aqui a musa do poeta florentino:

      «Lasciate ogni speranza, voi che entrate.»

Achava-me em presença do inventario de uma capital.

Examinei:

Um pires secular de Sèvres, voluptuosamente contornado nas fórmas
elegantes do reinado de Luiz XV, escondia-se na penumbra d'uma terrina
de faiança, que fôra a ultima aspiração da fabrica de Sacavem. Havia um
sacrificio a Diana, em biscuit de Saxe, tombado sobre a espora de
prateleira, que fôra triste legado do ultimo marquez de Marialva. Mais
longe, espreguiçava-se com a boçal ironia de _parvenu_, um saleiro da
modesta porcelana da Vista-Alegre, sobre os fragmentos de um vaso
etrusco, humilhado e melancolico nas mutilações e concertos com que o
expunham á irrisão publica. Um espelho de crystal de Veneza, onde os
amores brincavam com frechas e carcazes, coloridos sobre o vidro, por
mãos de fadas, entre um rosal de perfeito esmalte, n'um berço de verdura
e de papoulas, encaixilhado em ebano, aberto a buril, nos cantos, em
prata dourada, repousava sobre uma farda de archeiro, coeva dos
devaneios da côrte de D. João V, e reliquia marcial, talvez, dos
delirios asceticos do mosteiro de Odivellas. A tampa de um assucareiro
do mais antigo Saxe, levantando, em relevo, uma deliciosa grinalda de
boninas e amores perfeitos, recordava, na suavidade das fórmas e no
primor das folhagens, as creações elegantissimas de Vanloo e Bucher. Um
prato esmaltado da mais diaphana e transparente porcelana do Japão
equilibrava-se sobre um fructeiro de louça das Caldas, onde se traduzia
a ridicula vaidade do oleiro, que quizera rastejar no colorido e nos
embautidos cambiantes das côres, e pela opulencia dos debuxos e ornatos,
com os preciosos trabalhos ceramicos de Bernardo de Palissy.

Mais adiante, por entre uma selva de martellos partidos, fechaduras
quebradas, correntes de ferro em completa oxydação, e chaves e cadeados
de varias dimensões, dei com o retrato de el-rei D. José, pintado a
óleo, em vestuario de côrte, com o globo de ouro e sceptro cinzelados,
no estylo classico das monarchias absolutas. Pendia o quadro sobre um
candieiro de latão, pharol de tres lumes, contemporaneo, talvez, da
lampada a cuja luz Paschoal José de Mello escrevera o seu livro de
direito criminal. Após estes primores archeologicos desenrolava-se uma
fileira incommensuravel de botinas, sapatos, babuches, chinelas,
tamancos, galochas e alpercatas, que se perdiam n'uma extensa linha,
talvez a ultima illusão dos seus possuidores. _Sic transit gloria
mundi_, clamavam os escravos, queimando estopa, detraz dos carros
dourados dos triumphadores romanos.

Desde o vestuario tragico, que acompanhava em scena os heroes do
atheniense Sophocles até ao sóco plebeu da comedia vulgar, onde se
expandia o riso de Aristophanes, havia tudo n'este bazar immenso das
gerações extinctas. Gigantes e lilliputianos, heroes, semi-deuses e
proletarios poderiam calçar-se, afoutos, n'aquelle cháos de todas as
civilisações.

Havia a bota de canhão, séria, grave e irreprehensivelmente
lustrosa--despojo venerando de algum desembargador da casa da
supplicação, de par com a chinela phantastica e imaginosa da cortezã
mais desenvolta e elegante. Por entre colchas da India, recamadas de
lentejoulas, esmaltadas em mosaicos de fios de ouro, entretecidos em
variados matizes, lençoes de Bretanha, finissimos, arrendados em
arabescos nas orlas das cabeceiras, columnas de carvalho do norte,
abertas a buril, em que pousavam passaros esculpidos sobre pampanos e
hastes de videira, no meio de fragmentos de apparatosos biombos de
charão escarlate da phantastica China, onde aves e dragões dourados
surgiam de vasos idealisados pela imaginosa creação do artista, através
de crystaes de Bohemia, partidos e mutilados, enunciando todas as côres
do prisma, e de envolta com vassouras de piassaba, modestas e
envergonhadas em toda a humildade da sua burguezia, avistei um contador
de Boule, moldado em tartaruga, envolto em festões de grinaldas de cobre
dourado, no mais correcto estylo Pompadour, e arremedando, na ousadia do
desenho e na elegancia e recortes das folhas de metal, as sublimes
inspirações de Benvenuto Cellini.

Por detraz d'este contador, que era a joia, o talisman, a maravilha, no
seio d'aquelle crapuloso e hediondo bazar, equilibrava-se de cocoras,
formando como novello, uma velha octogenaria, que se poderia descrever
por uma ruga inteira, que em zig-zag ou em grega lhe cortava as faces, e
ia perder-se, em espiral, n'uma garganta, que parecia a pelle abandonada
por uma serpente do deserto. Encarei-a a medo, e com um pavor
inexcedivel. Pareceu-me dar de rosto com uma das feiticeiras de Macbeth.
Envolvia-se n'um cafran ou burnus--uma especie de farrapo de panno, que
lhe cingia o tronco, deixando solta a cabeça, que apparecia envolta n'um
lenço asqueroso, injuriado pelo tempo, e que emmoldurava dous olhos
negros scintillantes e vivos, n'uma physionomia baça e livida, como um
pedaço de cera amollecido entre os dedos.

Dirigi-lhe a palavra em phrases breves. Cheguei a ter receio do
despertar d'aquella sphinge. Ouvi, depois, um ruido surdo, como de um
movel, que se arrasta, uns sons roucos e gutturaes, na melopéa arabe,
uma voz cavernosa, e sahida dos abysmos, como se fôra uma das
pythonissas da velha Escocia. Afigurou-se-me que lhe ouvira a saudação
feita ao heroe de Shakspeare: Salvè thane de Glamis, e de Candor!

A fascinação, que me produzira o cofre, explica, de certo, estas
allucinações e devaneios acusticos.

Enchi-me de animo, e perguntei-lhe de novo: quanto custa este contador?

A velha, a sibylla, a bruxa, o que quer que era, remexeu-se, por entre
os farrapos que a cobriam, rumorejou por duas ou tres vezes algumas
phrases, que não chegaram aos meus ouvidos. Alguma invocação infernal,
algum preito a Satanaz,--e depois accentuou em voz clara e cadenciada as
seguintes palavras:

--Dê-me dez libras, e leva-o de graça.

--E a chave?

--A chave não a tenho. Perdeu-se. Ha papeis dentro. Bem sei que os ha.
São comedias, entremezes ou seja lá o que fôr. Doudices do dono. O
desembargador João Aleixo de Castro Pimentel e Figueiredo escrevia muito
nos ultimos annos da sua vida.

--Conheceu-o?

A velha sorriu-se.

A ironia d'este sorriso tinha não sei que reflexo dos lampejos do fogo
infernal.

--Se o conheci! Fui sua criada. Tinha sido sua escrava. Comprou-me em
Tetuão. Morreu-me nos braços, no ultimo de dezembro á meia noite. Eu
vendo os moveis para comer.

Entreguei-lhe as dez libras sem regatear cinco reis. Esperava com esta
amabilidade que a antiga escrava do desembargador continuasse a sua
curta narração.

Mas a velha guardou o dinheiro n'um sacco que lhe pendia do cinto, velou
as faces com o farrapo ou capote que a cobria, e ficou muda e silenciosa
como um mysterio.

Não me dei ao trabalho de procurar uma chave. Quebrei a fechadura, achei
nas gavetas um manuscripto, e encontrei na primeira pagina o seguinte:


AO LEITOR

Vivi bastante para alcançar mais de metade do seculo dezenove.
Considerei, examinei, e estudei os acontecimentos, e os homens do meu
tempo. Vou debuxal-os e desenhal-os taes quaes os concebi, e taes quaes
elles se teem mostrado n'estas rotações constitucionaes de uma época,
que não é a minha. Onde bastar o esboço abandonarei a palheta, e usarei
do lapis de carvão. Onde o vulto carecer de mais luz, e de mais vasto
horisonte deixarei o pincel, e pegarei do cinzel e do escopro. Não tenho
pretenções a Phidias, nem a Miguel Angelo, nem a Rubens, nem a Hogarth,
nem a Van-Dick, nem a Aretino, nem a Delacroix. Faltam-me os traços de
Zubarran, as linhas de Corregio, as tintas de Ticiano, os perfis de
Murillo e o riso sardonico de Gavarni. Com tudo, as sombras d'estes
nossos Mirabeaus, Talleyrands, Barnaves, Berriers, Collards, Cavaignacs,
Favres e Marats hei de pôl-as de pé, hei de vestil-as, hei de
enroupal-as, nas vestiduras do nosso seculo, e hei de com ellas e só com
ellas povoar

OS SALÕES

Segue-se o livro.

Vou publical-o.

      VISCONDE DE OUGUELLA.



ECCE ITERUM «SILVA» CRÍSPINUS


Escreve elle no n.º 69 da _Actualidade_:


«Publicou-se o n.º 17 da _Tribuna_. Insere artigos e versos dos snrs.
Ferrer Farol, Guimarães Fonseca, e outros escriptores, e não desmerece
dos numeros _ulteriores_.»


_Ulterior_ quer dizer _que vem depois_, ou _que tem data posterior_.

Á vista do quê, o n.º 17 já publicado é posterior ou _ulterior_ ao n.º
18. Segundo este systema chronologico de Pinto, o _depois_ está primeiro
que _antes_, 6 é a continuação de 7, e os filhos nascem primeiro que os
seus paes. Se elle quizesse dizer que os n.^os 18, 19, etc., da
_Tribuna_ promettiam ser iguaes aos seus precedentes, escreveria: «Tudo
nos assegura que os numeros, que hão de sahir anteriormente, serão
dignos dos numeros que já sahiram posteriormente.»

Sem impedimento d'estes e d'outros anteriores e ulteriores furunculos de
aposthema intellectual, proponho á academia real das sciencias este snr.
Silva... para varredor.



SANTOS-SILVA


Bravo! almas generosas do meu brioso Portugal que amparastes a viuva e
os sete orphãos do egregio orador!

Bravo! corações que avaliastes o talento do pai e o infortunio dos
filhos!

Formoso rastilho de luz foi esse que vos guiou desde a sepultura de
Santos-Silva até ao recinto em que uma viuva, entre a saudade e a
pobreza, ampliava o regaço para aconchegar do seio aquelles sete rostos
banhados das ultimas lagrimas de seu pai.

Entrou, a um tempo, n'aquelle lugar de angustias, a mortalha e o manto
da misericordia. Sahia um cadaver, e entrava o anjo da caridade.

João Antonio de Santos-Silva levava espelhadas na retina morta as oito
imagens queridas; e a Providencia rodeava de amigos aquelle sagrado
grupo de crianças que punham as mãos--expressão unica das agonias
inexprimiveis.

A fatalidade da morte justificava, não menoscabava os designios do
Altissimo.

      *      *      *      *      *

Eu conheci-o pouco: fallei com elle duas vezes; lia-lhe os seus
discursos como quem estudava a grande phrase lusitana no mais correcto e
energico orador parlamentar.

Tem lanços admiraveis de força e de atticismo as suas orações. Não sei
nem entendo o quilate politico dos seus discursos. Estudava-o
meditativamente, sem lhe graduar a justiça da aggressão ou da defeza. Os
seus adversarios, a julgal-os pelo tamanho do gladio que os feria,
pareciam-me grandes, como os de Isocrates e Demosthenes. Se o não eram,
o orador magnanimo deu-lhes a honra de o inspirarem.

Tambem eu lhe mereci a consideração de algumas cartas em que me vejo
honorificado com o titulo de amigo. Mal pensava eu, quando ha dous annos
lhe fallava da irreparavel perda da minha saude, que tão cedo o seu nome
iria ajuntar-se aos de tantos amigos mortos, a quem eu dissera o ultimo
adeus.

E, quando eu lhe fallava de meus filhos com o coração cheio das
presentidas lagrimas de dous orphãos, dizia-me elle que lhes seria
protector n'esta vida, se Deus lh'a não tirasse ás suas seis
criancinhas.

Como esta carta está revendo as lagrimas e a santidade de pai!...

Porque não hei de eu dar um quinhão d'esta melancolia aos que tem
filhos? E uns assomos de jubilo aos que abriram mão redemptora á familia
de Santos-Silva?

Esta carta foi datada em 24 de outubro de 1871.


«.....: Vou dar-lhe um conselho. Estudei e exerci a medicina por uma boa
duzia de annos. Estudei-a nos outros, com os escrupulos de uma sã
consciencia, e como quem tinha a sua missão por um sacerdocio. Tenho-a
tambem estudado em mim, porque a isso me obrigam os meus padecimentos.
Dos desenganos que colhi na sciencia e na pratica, resulta para mim uma
regra que, se não é uma verdade infallivel, é com certeza muito geral.
Nada ha mais falso ou pelo menos incerto do que o juizo que o paciente
faz do seu estado, pelo que diz respeito ao diagnostico e prognostico da
sua molestia. Os proprios medicos são os que, n'este ponto, mais se
enganam, por que são os que mais exageram.

«Não creia, pois, nas suas anemias, nem nas suas ethicas; mas não
descure restaurar as suas forças, e seguir tenazmente um tratamento
hygienico, analeptico e moral, que lhe reconstrua o sangue, lhe
regularise qualquer desarranjo de funcção, lhe tranquillise o espirito,
ou o levante de qualquer ligeira prostração. Creia tambem na sua idade,
e na força medicatriz da natureza, que, quando é bem dirigida e
auxiliada por um medico prudente e habil, faz milagres.

«Falla-me o meu amigo de dous filhos seus, e appellou para o coração de
um pai que tem seis. Feriu a minha corda sensivel; estremeceu-a com as
mais vivas vibrações. Não sei se todos os paes são como eu sou: devem
sel-o. De todas as desgraças humanas a que mais confrange a minha alma,
e mais me angustia o coração, é a que se desata em lagrimas e em
infortunios sobre a orphandade desprotegida e desamparada, a quem Deus
esqueceu na hora em que encerrou o livro da vida ao pai que só vivia do
santo amor de seus filhos.

«Se Deus me alongar a vida, e seus filhos precisarem de mão valedora que
os guie e ajude n'esta escabrosa peregrinação, irmanal-os-hei aos meus.
Repartirei com elles o meu prestimo, se então o tiver. Estas palavras
não são só de consolação: são compromissos solemnes, que espero não
desmentir.

.........................................................................

«A posteridade nem sempre se esquece de pagar as dividas sagradas de
seus antecessores.

.........................................................................

«Meu caro amigo, não pense em morrer. Pense no que necessita, e de que
Deus, que é justo, o não póde por ora privar. Pense na sua vida, que é a
vida de seus filhos.»


Elle morreu; e, na hora derradeira, reconhecia ainda a justiça divina,
posto que estivesse lendo nas lagrimas de sua familia e nas agonias
proprias que era chegada a morte. Abençoou-a como enviada de Deus,
quando sentiu na garganta a constricção da asphyxia.

O halito consolador da Providencia passára, como vaticinio, por aquella
alma, quando me escrevia as esperanças realisadas em seus filhos: _A
posteridade nem sempre se esquece de pagar as dividas sagradas de seus
antecessores_.

Pagou. O monumento do grande orador é o pão da sua viuva e dos seus sete
filhos.



DOUDO ILLUSTRE


O arcebispo de Mitylene, D. Domingos José de Sousa Magalhães, doutor em
canones, jurisconsulto eminente, orador esclarecido tanto no magisterio
universitario como no parlamento, ensandeceu em 1858, quando contava
quarenta e nove annos, e acabou de morrer em 1872, em Villa Pouca de
Aguiar, na casa onde havia nascido.

Motivou a demencia d'este douto prelado a suspensão das funcções de
provisor e vigario geral do patriarchado de Lisboa, dada pelo cardeal D.
Guilherme I. A causa da suspensão, pleiteada acerbamente por parte do
arcebispo e dos seus contendores, foi um opusculo d'aquelle prelado, que
denunciava irregularidades e delictos ecclesiasticos. Teve parte n'esta
pugna um dos nossos contemporaneos mais abalisados em jurisprudencia e
em variada litteratura, o snr. visconde de Paiva Manso, a favor do
arcebispo, e contestando o doutor Cicouro. Pleitearam com energia, por
parte do patriarcha, o conego João de Deus Antunes Pinto e o reverendo
academico Francisco Recreio, digno dos vigorosos impugnadores.

Como quer que fosse, o arcebispo de Mitylene perdeu na brava luta a
razão; e, ao parecer de illustrados juizes da sua justiça, foi a
iniquidade que matou o robusto athleta.

Transferido de Lisboa para o amparo de sua familia em Traz-os-montes, a
esperança de restaurar-lhe o juizo desvaneceu-a a progressiva
condensação da escuridade á volta d'aquella alma triste, lethargica,
absorta na contemplação estupida das lagrimas dos parentes e amigos.

Do torpor silencioso e abstrahido passou ás manifestações irrequietas do
delirio, do sonho, das miragens que lhe tumultuaram, durante quatorze
annos, nas suas escuridões interiores.

Escrevia muito; dormia poucas horas; palmilhava em vertiginoso regirar o
taboado do recinto, onde se refugiava dos olhares amargurados de sua
familia.

Possuo pequena parte dos seus manuscriptos autographos, com as datas de
anno, mez e dia.

Deprehende-se de alguns que o illustre alienado se considerava rei de
Portugal, umas vezes; pontifice outras; e não é raro enxertar-se em
jerarchias mais elevadas no reinado dos puros espiritos. De envolta com
os dislates d'aquelle sonhar incessante, ha, nos escriptos do homem que
fôra um dos mais alumiados da sua época, admiraveis lanços de linguagem,
de conceito e até de razão. Que espantoso contra-senso! É que tambem nos
delirios ha raptos de luminosas visões.

Os seus escriptos são tratados, theses, dissertações cada qual com seu
titulo, compostos desde o segundo até ao penultimo anno da demencia.
Conhece-se, apalpa-se o espessar progressivo das trevas, a vertigem da
desordem, o vasquejar das derradeiras scintillas.

Eis-aqui os titulos: _O gigante--Os privilegios da corôa dynastica--As
cinco questões de direito natural, ou o estudo da philosophia de direito
na universidade--A missão divina--A chronica real--Da santidade do
direito--Cemiterio protestante--A tyrannia impossivel--O mesmo Senhor
fez os seus martyres, epistola de S. Paulo aos fieis de Galacia--O
impassivel--O erro commum--Os tres fundadores--O cordeiro--A surpreza--O
burrinho e o menino dos protestantes--O templo--O penhor e a hypotheca,
ou o juro e a herdade--O titulo da realeza--O parocho--O demonio
tentador--A espada de S. Bruno--O enigma--Mascara de ferro--O sonho--D.
Maria Caraça Bonaparte ou a burrinha protestante--O viatico da
eternidade--A estrella do norte ou a misericordia dos mares--A
vacca--Apologo--A catastrophe_.

Estes manuscriptos comprehendem sessenta cadernos em folha. Em poder da
familia do finado arcebispo ainda ha rimas de papel escripto no trajecto
de doze annos. Tirando ao acaso um de entre os cadernos cosidos com
algodão verde e escarlate--para dar ao leitor a manifestação escripta de
uma alma que esvoaça á volta dos residuos ainda bruxuleantes da sua
razão---aqui vai a



CATASTROPHE


Affonso, por sobrenome o Sexto, filho do primeiro rei, que usurpou o
titulo de duque de Bragança chamado D. João IV, foi deposto de sua
primogenitura por seu irmão D. Pedro, e conservado em prisão e exilio de
toda a vida. D. Pedro não podia ser mais perverso. As circumstancias
atrocissimas d'este inaudito escandalo não estão bem explicadas nem eram
bem conhecidas dos contemporaneos. Os mais prudentes do reino, ou porque
não souberam, ou porque não poderam averiguar o intrincado drama, deram
ao successo o nome de «catastrophe». Os hespanhoes limitaram-se a negar
o que era patente e publico; e das verdadeiras causas e do seu fio e
enredo occulto, nada explicaram na sua «anti-catastrophe», documento
mediano e mal traçado para o fim, e para o grande empenho da causa e da
questão; tão inferior e pueril que a desvirtua e degrada apoucando o
assumpto para diminuir a impressão, ou para distrahir e desviar a
attenção do horror da catastrophe.

Os subsequentes historiadores pouco ou nada tem apurado d'esta
vergonhosa historia da usurpação; as suas monographias são como memorias
de encommenda que chegam ao seu fim por meios tortuosos para espalhar
algum erro ou para afugentar algum receio politico; e do verdadeiro fim
da historia não curam nem tratam: porque a prevenção da historia é o
erro, e com este rumo ninguem póde navegar nem progredir. Attribuem
geralmente os protestantes aquelle sinistro ao partido cardinalicio de
Roma, segundo o seu costume e petulante ousadia de calumniadores, que
commetteu o delicto para o assoalhar e publicar por um lado
attribuindo-o aos seus maiores inimigos, em quanto vão por outro lado
desfigurando sempre em vão alguma memoria de maior horror, ou alguma
imputação mais pronunciada, mais manifesta e visivel, e n'este falso
empenho confundem a historia e geram o erro dos seculos; mas a verdade é
como a luz mais forte, que penetra através dos maiores obstaculos em
toda a parte onde estiver encerrado o homem pela maior tyrannia para
alumiar o captivo, e até para esclarecer o cadaver, que geme debaixo da
lousa e do epitaphio, que lhe escreveu o maior crime, em quanto não
revela o enigma da sua escura sepultura.

A analogia dos factos é o melhor meio de descobrir os mysterios da
historia. Para escrever a dos crimes ainda até o presente não achou a
boa critica outro fio de mais severa logica, nem documento mais fiel e
verdadeiro, nem testemunha mais digna de credito e de authoridade. A
Divina Providencia dá causa á catastrophe para punir a atrocidade da
injuria; o demonio escreve a anti-catastrophe; mas o effeito subsiste, o
facto permanece, o som repercute e sôa em outro ponto e orgão, ás vezes
só no echo até á altura, que o Senhor fixa ao bramido para se reproduzir
no decurso dos seculos, se um unisono accorda igualmente terrivel e
medonho ou funesto e assustador até para o demonio que o gera e produz.
Sôa do orgão a tuba, e não é a mão do homem que fere a tecla, nem a
musica e pensamento do seu compositor que produz a melodia. Devia o
homem vêr no arcano a sciencia divina, que deu ao ar modulado pelo
instrumento a euphonica sympathia dos sons e o gentil devaneio do mais
accorde accento.

O orgão da historia não é um instrumento de imbecis, e mentecaptos que
julgam illudir as turbas attribuindo a causas falsas o effeito
verdadeiro da sua maravilhosa impressão: deixai o orgão ao templo
catholico; porque só n'elle avulta e brilha; aos viciosos e prostibulos
de maior vergonha apenas cabe a profana chula de tabernal comedia, e a
ironia da musica. A arpa é instrumento real, a lira só a tange a poesia
e a verdadeira inspiração que o Senhor concede ou nega ao cantor pelo
moto da trova e pelo pensamento da sua religião e virtude. A historia
verdadeira ou falsa, illustrada ou cega e pedinte--eis o dilemma unico
da sciencia, e o programma que o escriptor competente sempre encontra
diante e dentro do seu pensamento segundo o fim a que se propõe e
persuade: a maior parte dos eunuchos só presam o devaneio do canto pelo
sustento que recebem e pelo dinheiro que contam para satisfazer as suas
abominaveis e depravadas paixões. São homens, que se deixam mutilar sem
possuir a falsa virtude de Origenes, nem a verdadeira e santa da nossa
catholica virgindade; e como pactuam a sua deshonra não exaltam o tiple
do seu desenfado sem sonhar com opiparo e somnolento banquete; e por
isso todas as suas lôas acabam em comer.

O estigma d'este falso ministerio da historia recahe sobre todos os
homens do mesmo engenho e calibre, que adoptam os seus estados e
profissões só pelo benigno e precioso metal que auferem e adoram--e
d'estes é sempre o maior numero; o actual enche de eunuchos todos os
theatros e d'histriões a comedia d'aldêa, e a sua nobreza de tamanco.
Que mais diremos d'este reprobo e amphibio meteoro, senão que jámais
deixa de se converter contra o inventor e mais obstinado sectario? o
ennucho converte o sexo, e faz-se besta de carga, ou machina de pura
digestão, e morre a pedir, ou vai por conta d'estranho herdeiro dispor o
cemiterio da familia, que já se sabe é a familia dos eunuchos sempre a
mais torpe e immunda, que nem merece a honra do homem proletario.

Queremos dizer, que todos estes hão-de sahir a campo com os vozeirões
para aturdir e desmemoriar a maioria dos nossos leitores; este opusculo
ha de rir do tremedal e produzir o seu effeito: acanhar os truculentos,
e fazer duvidoso o seu ocio e evitar o seu pestifero alento sem ter
necessidade de fugir da sua sanha, e sem accelerar o passo do seu
domestico e providente animal. Não estranhemos o som do orgão mais vil e
desentoado, que vai ás costas de erradio transfuga deslumbrar o calix da
sua melodia a todas as tabernas e lupanares; olhai para o rosto e
decifrai os signaes, que vos revelam a historia com mais fidelidade do
que as memorias que deviam retratar os seus pensamentos de historiador,
e apenas contém a sombra da sua ignominia e proterva hediondez e
peçonha.

Possuir ou não possuir a casa de senhorio de Bragança sempre foi
synonymo de ser ou de não ser rei; mas possuir a casa sem possuir o
direito é dar pasto á ambição oligarchica e á falsa platêa de comedia; é
o mesmo que entregar o supremo poder aos mais vis e ignobeis, ao mais
desleal e traiçoeiro corrilho e atroz sequella. Este é o unico partido
que póde formar-se e existir em Portugal, em quanto dura e vigora a
usurpação; os seus meios os maiores crimes, a sua politica a giria mais
desleal e machiavelica, e o perpetuo enredo do engano; o estribilho
protestante, o punhal do forasteiro mais atrevido e audaz, e a entrega
da patria perdida ao mais ambicioso estrangeiro, e ao maior renegado do
demonio. A sua authoridade sempre falsa não impera, pactua em toda a
parte com os maiores scelerados, e consegue fins mediocres e resultados
de dinheiro sempre ephemeros e fallazes: porque os juizes d'esta tontina
roubam-se uns aos outros.

Subiu o primeiro usurpador ao throno, e foi este D. João I: a sua mais
negra, e mais atroz usurpação foi a da casa de Bragança, mas
primeiramente o rei não pôde usurpar, nas provincias nem em
Traz-os-Montes, em segundo lugar a usurpação veio toda a pertencer aos
caudilhos, que o governaram e dominaram e á sua lei mental e miseravel
recurso; que só pôde communicar a seu filho com o mais tetrico e
deploravel exito, justo e bem merecido castigo do Senhor pela abominavel
traição de Coimbra. Por esta fórma D. João não reinava, e o cardeal
romano cujo nome o infame usurpador dava ao summo pontifice, tinha o
escravo sempre encerrado na sua possilga, que era o peor palacio da casa
de Bragança, sempre a sorver quartilhos de vinho tabernal, cuja despeza
faziam entre si os falsos possuidores dos bens para não soffrer a furia
real, que era indomavel e grotesca. Se estivesse bem abeberado
deixava-se vencer, e cahia ao chão, como Grão Lamma, depois de opiado
pelo melhor tabaco e café de Moca, e pelos prazeres reunidos do seu
abominavel harem.

A lei mental foi uma medida deficientissima para o seu fim, mas prova
até que ponto é verdadeiro o principio e evidente em nossa doutrina. O
padre santo durante o interdicto de vinte e sete dizia: entregai os bens
á casa de Bragança;--disse então a abominavel facção: entregar os bens é
o mesmo que entregar a corôa;--e logo faziam um processo com grande
numero de testemunhas para provar que não havia successor á corôa, e que
D. João I por esta falta de successor fôra justamente acclamado.
Escreviam ao mesmo tempo uma Memoria protestante, que aitribuiam a João
das Regras, e davam ao falso documento o cunho das côrtes de Coimbra,
aonde não foi nem podia ser apresentada sem grande irrisão e escarneo de
todo o povo. Alli ficava o corpo santo do duque de Bragança para
desmentir todas as memorias, mas tal é a audacia de todos os herejes e
fementidos, que nega a verdade conhecida, uma vez que possa fundar-se na
apparencia do erro. Este João das Regras não existiu; o nome é de um
anonymo; o effeito da Memoria foi contraproducente, o povo ria, zombou,
irritou-se e condemnou ao desprezo a falsa e torpe oligarchia que
usurpava os bens em nome do simulacro da realeza; e sustentava esta
figura só para desfrutar o rendimento da casa de Bragança. Todos os
histriões do torpe magnetismo das façanhas da estrada orçam pelo mesmo
vulto e dimensões; os seus meios são analogos, a sua cobardia
proverbial, a sua vangloria o mais vil commento e a mais ambiciosa
tyrannia. Em 1811 outros da mesma chita allegavam no Brazil os grandes
serviços que fizeram contra os francezes e obtinham os premios de lograr
obeliscos devidos ao valente Ajax: alguns d'estes, se viram os
francezes, foi para entregar e vender a patria e os penates, os templos
e a sua santidade, as mulheres e todo o verniz do rosto vil e infame do
idolo das suas abjectas heresias e traições: se algum militar brioso e
valente do exercito appareceu no Brazil foi vendido tres vezes,
ludibriado, atraiçoado e escarnecido, porque não assignava os mais
falsos documentos e os mais caluminosos e torpes enganos que preparavam
e reuniam para a historia de todas as façanhas e proezas do nosso
exercito peninsular.

Porque razão não se escreveu ainda este vergonhoso commento da
usurpação? porque de todo o modo ha de ser a historia mais catholica dos
seculos modernos, e o infame hereje e protestante não póde attribuir ao
Senhor a menor virtude nem hão de conceder ao povo a correspondente
sombra de galardão. Na época de D. João I o povo venceu as batalhas, o
rei gemeu na sua escravidão de toda a vida, os usurpadores conspiraram,
escreveram seus anachronismos, e falsa historia, e o principio Divino
triumphou, porque a luz da verdade é a luz da Providencia, e não ha
obstaculo na força humana, que possa occultar a verdade santa que calou
na consciencia do povo como queijo do melhor fermento do cordeiro e do
novilho.

A casa de Bragança venceu o que D. Duarte apenas sonhava como possivel,
e deixava entregue ao tristissimo evento das successões para se realisar
no decurso de muitos seculos: era um engano absoluto; o partido
usurpador é como a familia dos flamengos e dos ciganos--prova e reprova
todas gerações e partos suppostos como põe e dispõe os seus monarchas
pela ultima arma do veneno e do punhal. D. João I por fim da sua vida
estava como o condestavel atormentado pelos remorsos; este deixou os
bens usurpados aos outros aventureiros, e pediu esmola á porta do
convento com bastante industria e sagacidade; aquelle seria morto na
mesma possilga em que vivia, se tentasse restituir a corôa; porque a
verdadeira estava na cabeça dos ambiciosos ministros da sua historica
realeza.

A lei do remorso é a mais imperiosa que se conhece; ao pé da forca, no
banco dos réos, no ultimo transe de vida, ou no meio da mais funesta
desventura, chega a subjugar e a dominar, e rompe como o furacão através
dos maiores obstaculos, e derriba as torres, e arranca as arvores com a
sua tormenta e fracasso. D. João I fez uma confissão, e morreu;--quem
estrangulou o monarcha? o processo começado das provas evidentes de
testemunhas oculares contra os partidarios de Bragança. Quem são estes
em vista do opusculo do anonymo João das Regras? Já ia o algoz para
descarregar o ferro do cutelo sobre alguns infelizes, que choravam os
males da patria, quando chegou novo interdicto de Roma expedido em
virtude de uma queixa e de uma prevenção que o rei já se via obrigado a
dirigir ao cardinalicio de Roma; onde dizia, que a sua consciencia
vergava debaixo do peso de invenciveis remorsos, mas que não podia
entregar á casa de Bragança uma corôa sem entregar a vida aos seus
tyrannos e crueis usurpadores, e algozes, e d'estes tirava o seu seguro
e pedia desaggravo e redempção.

D. Duarte viu-se brevemente no mesmo apuro; a lei mental era uma ficção
e um engano; este documento prova que os usurpadores da casa de Bragança
não contam com successor, e que são muito sujeitos á maldição da
esterilidade. O que D. Duarte pedia para os falsos donatarios, e
verdadeiros usurpadores veio para a familia real em pena de aleive e da
calomnia do falso e fementido João das Regras: quasi todas as successões
são actualmente da casa de Bragança por bom e legitimo direito de
familia; mas a tyrannia e o roubo é o mesmo--o seu castigo providencial
vai sendo identico da mesma catastrophe e represalia.

Esta é a analogia dos factos: os que escrevem a historia não pintam a
sua verdade porque não são dignos de praticar as suas gentilezas nem tem
a virtude necessaria para desmerecer a hipocrisia do embuste, nem o
horror das suas traições, nem o abominio e esconjuro da sua aleivosa
mordacidade e peçonha. Camões commandou um reducto no cerco memoravel de
Diu, Barros e Couto foram dos mais valentes soldados da Asia; e o nobre
Cesar das suas façanhas o animo real do senhor D. Affonso d'Albuquerque
temia mais a calumnia da historia do que o feroz basilisco do turco, que
tomava pela frente como crocodilo do Egypto, sem tombar ao impeto e sem
estremecer do vulcão.

Chegado a este ponto, já entregava a descripção ou a lenda d'esta
memoravel catastrophe ao mais innocente mancebo e ao mais simples
academico, uma vez que fosse dotado de boa fé e acreditasse na Divina
Providencia, e désse a esta philosophia o peso que os herejes attribuem
ao dinheiro de todos os seus commettimentos e unicos recursos. Em regra,
moeda vale tudo pelo peso, e pouco ou nada pelo cunho, e pelo signal da
sua boa fé; o hereje só admitte da fé e do cunho o maior desprezo para
fazer seu o proveito, e para continuar o lucro da sua torpe veniaga.

D. João IV tambem usurpou a casa de Bragança e o nobre titulo de duque;
todos sabem com que falsidade e com que atroz engano e mais que feroz e
brutal ardil: teve da heresia o mesmo fim e o mesmo tragico feretro: os
dous primeiros usurpadores do mesmo nome escalaram os seus thronos pelos
mesmos meios e falsos degraus, no fim a mesma ruina, na vida a
excommunhão e o interdicto, na morte a corda e a traição, o mesmo
desenlace, e a mesma reprovação e condemnação divina. O conde da
Ericeira escreveu n'esta era a sua vergonhosa historia; o conde era
verdadeiro sandeu; o author de «Portugal Restaurado» recebeu a falsa
herança de uma casa; e trabalhoso no appetite fazendo do conde o fundo
da sua ambição pelo veneno que propinava, e pela astucia mais que
diabolica de que se servia no empenho. Apenas concluiu o seu trabalho,
disse: Dai-me o premio;--e apenas se viu senhor do falso titulo e casa,
disse: Dai-me o preço da obra;--e fez d'esta outra historia um thesouro
para se enriquecer e empavesar de fidalgo: este era o verdadeiro João
das Regras; porque a sua original possilga nunca se descobriu nem
annunciou, e dizia-se que tinha nascido aquelle oraculo da historia ao
pé da feira da Ladra de uma mulher, que vendia a chanfana do açougue
pelas portas de Lisboa, e que apregoava pelas ruas maior engano.

Dizia alguem que o grande erro de D. João IV fôra o acclamar-se duque de
Bragança: mas que faria o usurpador depois de matar como matou á traição
em Lisboa o legitimo successor de Bragança e do throno? quem havia de
sustentar a sua tyrannia, quem ousaria contemplar em frente sem desmaiar
e sem horror o monstro de tantas vidas, que bebia o sangue humano, e se
recreava com o vil officio de algoz e de executor da nobreza? D. João I
principiou a considerar como proprios da corôa todos os bens da casa
real de Bragança; D. João dispunha como duque e como senhor de todos os
bens para imitar ou produzir a realeza e invicta memoria do senhor D.
Manoel I. Esta questão tinha sido tratada e muito debatida na primeira
época; todos se acostumaram a considerar a usurpação da casa e dos seus
bens como prova heretica de infrene e perversa oligarchia, e D. João
professou o erro em Inglaterra, e tinha no seu palacio um ministro de
Calvino semelhante ao que foi expulso das Necessidades em nossos dias
pelo clamor do povo e pela justa queixa da parte sensata e catholica do
reino. Todos os herejes são monarchomacos, o seu rei é de taberna, o seu
preito o juramento da loja que o falso rei presta ao veneravel, e se o
rei tem o falso cargo jura como rei ao immediato sujeição e obediencia
ás decisões maçonicas, e como são muitas as lojas, a cada passo se vê
partida ou fraccionada a realeza, ou despedaçada a sua monarchia pelas
seitas mais fortes ou mais ousadas, que empolgam o vislumbre do poder.

Entre nós só tem havido um partido legitimo que é o catholico e
brigantino de todas as eras; só um partido usurpador e constante, que é
o dos bens da casa que desfruta pela via directa e occupa pelo mais
feroz engano. As seitas e os corrilhos, que se formam das fezes de todos
os partidos estrangeiros e execraveis contam como elemento uma vez que o
lisonjeie e afoute para maior roubo e façanha da contribuição e da
injuria que se haja da fazer á casa da Bragança, e com estas promessas
todas sobem, e todos descem, se as frustram ou illudem. Este facto é o
que nos resta a provar para complemento da catastrophe e para sua prova
real e exuberante.

Quando D. Affonso VI se sentia desprezado por todos os portuguezes
recorreu aos estrangeiros, e sabe-se, que trazia comsigo alguns
valentões, que o defendiam e faziam respeitar em Lisboa, e não podia ser
esta força angariada contra o povo, mas antes devemos acreditar, que o
rei se fazia forte contra o partido dos usurpadores da casa da Bragança
a cuja frente estava a rainha viuva; e por isso teve a regente tanta
difficuldade em conceder as redeas do governo ao presumido successor.
Este conflicto nasceu e cresceu da mesma antiga causa de todas as
discordias da usurpação, e pelo motivo da injuria que tinham feito á
casa de Bragança e ao seu popular e heroico senhorio. D'esta vez o
governo pontificio ainda não estava resolvido a ceder; não faria a menor
concessão de reconhecimento sem a absoluta e total entrega dos bens de
Bragança ou dos bens da corôa, e D. Affonso estava resolvido a todos os
sacrificios, uma vez que achasse uma collocação em Roma e um modo de
viver ou uma absolvição vantajosa para o seu arrumo e fim. Esta deve ser
a ambição do usurpador que nasce; o seu throno não offerece encantos,
nem póde servir de balisa para a gloria verdadeira e santa que se embebe
na felicidade do povo e no heroismo e façanha.

N'este estado, privado do seu natural apoio, D. Affonso VI ainda que
fosse tão corajoso e tão absoluto como foi o quinto do nome, devia fugir
ou sahir do reino para não soffrer a perda da liberdade; tentou o
impossivel, e quebrou pela reconhecida prevaricação e má fé da nova e
falsa casa de Bragança, que seu pai organisou em Lisboa como partido
protestante para sustentar a negra e atroz usurpação: estes factos são
innegaveis. O _Joannes à regulis_ da primeira usurpação era um hereje
estrangeiro semelhante a um Ditzi, e talvez ministro da seita: D. João
IV tinha na sua côrte um ministro protestante da convenção de Cromwell,
e todos os usurpadores dos bens da casa de Bragança deviam ser da mesma
seita e falso cunho: D. Affonso VI abraçava a doutrina catholica, e,
consoante os bons principios de direito, devia perder o titulo de rei;
e, se em vez de casar em França, fosse ao reino ceder da corôa,
lisonjearia o reino catholico, e podia obter a liberdade, que outro
Affonso achou no mesmo reino. D. Affonso conservou a corôa e por esta
razão o povo portuguez não podia ingerir-se na questão para defender o
preso; D. Pedro, seu irmão, era nimiamente cruel, mas não temia o
partido de seu irmão, porque não o tinha: D. Pedro tambem não tinha o
partido da nação, e por isso affectava grande humanidade para com seu
irmão, e grande respeito pelas côrtes, que sempre o repelliram e
despeitaram amargamente.

D. Pedro, depois do celebre processo que fez ao irmão para o privar de
todos os seus estados até o dar por demente e por impotente, aceitou a
mesma mulher, a celebre Saboya, e como esta tinha o tratamento de
rainha, D. Pedro julgou que o mesmo throno o fazia successor do titulo
de rei; e parecia logico que a deposição perpetua de Affonso o
investisse na authoridade real, e o coroasse rei em vez de regente; o
titulo de principe não lhe podia competir, nem o de infante, que pouco
tempo depois começaram a usar por inaudita usurpação e roubo, e pelo
mais atroz anachronismo os filhos segundos d'esta familia de D. João IV.

Dizem geralmente as suas historias que sendo duque de Bragança D. João
IV e senhor da casa, instituira a do infantado a favor de seu filho
segundo para prevenir a falta de successor pelo receio da morte do
principe, e uma supposição e um embuste indigno, ou um meio de que se
servia a atroz calumnia da usurpação dos bens para tirar a D. Affonso VI
o que lhe tinha ficado da casa de Bragança e para os dar ao seu
predilecto: e por esta razão veio a D. Affonso o desejo de restituir, e
occorreu á facção o pensamento de depôr o insensato. Assim manejou a
perfida intriga os seus aleives e falsidades e da mesma maneira em todas
as eras procura colher e alcançar o seu unico fim que é o roubo pela
pertinaz heresia e pelo mais atroz engano e enredo.

D. Pedro usou immediatamente do titulo de rei, mas o povo sempre lhe
negou o tratamento; as nações não cessavam de o responsabilisar pela
vida do infeliz e proscripto; e já se julgava que fazia guardar como rei
um homem estranho, quando o deixou sahir de proposito em Cintra e o fez
prender e reconhecer pelo povo como verdadeiro D. Affonso VI no meio do
tumulto dos seus agentes e confidentes, que fizeram grande alarido
d'aquella supposta revolução para declarar novamente como doudo o triste
que se deixou cahir no laço. D. Pedro a cada passo reunia as côrtes do
reino sempre na esperança de que o reconhecessem rei, mas jámais o
conseguiu pela grande desaffeição e justo odio que tinha merecido e
grangeado.

A casa do infantado foi uma falsidade d'este partido; mais tarde se
assenhorearam da falsidade para tomar posse nas provincias de todos os
bens de Bragança e de S. Bruno, e para os desfrutar e gozar por
almoxarifes que nomeavam do infante. A casa do infantado mandava para as
terras juizes, e assalariava por todo o genero de engano os cobradores
da falsa e aleivosa renda, e por esta fórma constituiu as suas
instituições e morgados: o povo reagia contra a usurpação, mas o rei e o
governo, o infante e os seus almoxarifes conspiravam, e apesar do odio
do povo que não podia ser mais justo nem mais bem merecido colhiam e
recolhiam do roubo grandes interesses e mortificavam o povo com exacções
de cruel engano e tyrannia, que desvirtuavam do seu fim primordial e
applicavam para outro de maior escandalo e torpeza.

O nuncio de Roma teve ordem de visitar a D. Affonso VI, que cumpriu, mas
jámais foi admittido a vêr o verdadeiro, e por esta razão ficou a
figurar por alguns annos como prisioneiro o que já era cadaver; a sua
mudança para a ilha é uma chimera, as suas cartas para Hespanha ficam
abaixo de toda a critica: D. Affonso VI não era admittido a escrever; o
mesmo governo de D. Pedro fingiu ou suppôz as cartas para dar ao preso a
laia de hespanhol e não o quiz dar por brigantino; porque d'este partido
se temiam muito; e porque o seu fim era desacreditar e dar como vivo e
como existente o homem que dormia debaixo da lousa o somno do sepulchro.
Com effeito, pouco depois d'esta falsidade, D. Affonso foi dado por
morto na ilha para que ninguem o visse nem examinasse, e appareceu D.
Pedro em côrtes a pedir o seu tratamento real. As côrtes disseram que
tomasse o titulo e o tratamento de seu pai, isto é, que fosse usurpador
hereje, e injusto possuidor dos bens de Bragança e de S. Bruno, e com
isto se houve por acclamado e por installado na sua falsa e apocrypha
realeza.

Veio então a questão romana do reconhecimento. A curia cedia em quanto
aos bispos, depois de não haver nenhum no reino pelo grande alarido do
povo, uma vez que os nomeados tivessem a apresentação real de Bragança.
O governo passou pelas forcas caudinas, e deu então o ultimo testemunho
e prova de sua torpe e nefanda ambição. O rei ficou de mero facto, e
póde dizer-se que o escravo d'alheias vontades vegetava na mais sordida
taberna, ou no ergastulo do seu captiveiro, ou na fetida jaula da mais
indomita fera; por que estes reis sempre andaram presos, e a que chamam
casa de Bragança de Lisboa governa o seu estado, como o domador ensina e
conduz o seu ganha-pão pelo mundo dos seus espectaculos. Havemos de
julgar que a familia não é livre, e que desde o seu nascimento cada
individuo é obrigado a beber o veneno da maior heresia a torpeza para
ficar doudo e bem sujeito á vontade imperiosa ou caprichosa dos seus
verdadeiros senhores e tyrannos.

Não admira que estes sejam sempre estrangeiros e revesados de origem ou
de má procedencia e de abstrusa memoria; por ahi pretendem alguns que a
lingua do paço seja a franceza, outros que seja a ingleza; em tempo
pretenderam fallar a italiana, jámais admittiram a portugueza vernacula,
nem suscitaram as questões da côrte d'aldêa; nem deram ao povo fiel o
ingresso e a influencia, que lhe cabe nas questões do estado para não
ouvir verdades amargas, e a sincera queixa de tanta tyrannia e de tão
inauditas usurpações e falsidades, e de tão grande subserviencia aos
estrangeiros e a todos os inimigos da nossa fé e da nossa gloria e
renome.

João das Regras, nome verdadeiro ou supposto, não era mais do que um
fementido estrangeiro, as suas doutrinas não se ensinavam, nem corriam
entre nós; os seus dogmas proprios da mais abjecta demagogia podiam
apenas applicar-se ao imperio dos Tiberios e dos Caligulas, dos Neros e
dos Heliogabalos; as nossas côrtes de Lamego ficavam semelhantes á lei
regia d'Augusto e o santo corpo de D. Affonso Henriques seria como os
Tusculanos de Cicero e de sua REPUBLICA, só para a posteridade; e
estaria em algum recondito n'aquelle tempo de D. João I para se revelar
e apparecer sómente nos seculos seguintes, e no grandioso, monumental e
eterno d'el-rei o snr. D. Manoel. É justo confessar que estas falsidades
causam tedio e nojo. D. João IV usava do titulo de Rei e do tratamento
de magestade, sem lhe competir e por heresia de infame e vil
protestante. Agora dizem os apologistas da mesma seita que Portugal
sempre foi protestante; mas não dizem como se retractou a viuva, nem diz
como precisou a ignobil memoria de D. João IV de ser absolvida como
contrita á hora da morte para ter sepultura de corpo.

Como hereje deu em receber o titulo de magestade á imitação de Cromwel
cuja seita seguia: entre os catholicos sempre se entendeu e teve por boa
e por firme doutrina, que só o summo pontifice é senhor de conceder o
titulo ao mais puro e santo monarcha legitimo. Antigamente se reservava
esta rosa d'ouro só para um rei ou imperador que acontecia ser o que
confirmava a eleição real, se ainda não tinham o titulo; e jámais o
pretenderam nem aceitaram os reis de Hespanha e de Portugal por terem o
mais nobre de catholicos e o mais santo e humilde de alteza e como
vigarios do Senhor. Na Hespanha não havia herejes nem raças impuras que
não estivessem separadas e bem extremadas para não eivar as familias,
nem cansar o escandalo de philisteus, e de immundos entre bons
catholicos e fieis. Durante a usurpação sempre procuraram os herejes
tomar lugar e assento, e á medida que fugia a fé da sua pureza invadiam
as raças, e vinha o armenio e o judeu, o cigano e o protestante invadir
as rendas e fazer monopolio das reaes para cultivar as massas e para dar
pasto á luxuria dos maiores desvarios e ameaças. E seria só pela
necessidade de fazer proselytos, e instrumentos de tyrannia? É certo que
o imperio de necessidade compelle até os tyrannos, mas o principio de
desmoralisação é um systema, que os actuaes herdaram dos seus
antecessores, e que estes tinham recebido de outros, e de muitas
successões estrangeiras, que o demonio communica a todos da mesma fonte
e pensamento do desprezo da santa lei e fé.

Outra sanha d'este abominavel systema foi o impio tratado de Methuen
cujos artigos secretos são da infame propaganda protestante que invadiu
o reino por consentimento do falso e perfido governo, e se obrigava este
com todos os usurpadores dos bens da santa casa de Bragança a seguir o
falso preito, e a prestar homenagem secreta ao demonio e ao mais infame
ministro de Calvino, que, segundo dizem, era monarchico, assim como
Luthero era republico, e sophistico orador de comicios; e já os
protestantes se dividiam n'este ponto essencial do governo: mas os seus
superiores e chefes sempre estavam accordes no ponto principal da
injuria que haviam de fazer ao Senhor verdadeiro e ao seu santo vigario,
e no odio á santa casa da Java por causa dos bens e da fé. D. João I fez
com Inglaterra o primeiro convenio secreto, mas era só de pirataria e de
heresia, cujos vicios já minavamos thronos de Hollanda e da França, da
Bretanha e de Londres, como é sabido e se estendia por meio de
ramificações secretas por toda a Europa, e bebia as falsas idéas da
santa acclamação de D. João I. Esta seita ou partido foi inaugurado pelo
mesmo demonio no tempo em que Juliano se fez truão e ridiculo para depôr
o papa de sua soberana cadeira e para o entregar, como então se dizia ao
mais desvanecido principe que havia de surgir para governar o mando e
para resuscitar os immortaes.

Estes abominaveis e impios reformadores do mundo começavam as suas
iniciações por um symbolo do demonio, e davam á sua falsa fé o caracter
verdadeiro de diabolica, e alcunhavam de divina, de tyrannica, e
protestavam fazer triumphar o inferno, e pelos seus meios da maior
astucia progrediam e illudiam sempre até o grau de maior engano, a este
como simples mação, áquelle como aprendiz, a outro como mestre, e aos
mais adiantados como convivas do mesmo demonio; e não sabia o menor os
maiores segredos dos outros graus, em quanto não obtinha os verdadeiros
da maior abominação de seu secreto esconjuro.

Em nossos dias os mesmos fados ostensivos, e a mesma historia secreta
revela todos os arcanos, e explica, o que parece inexplicavel, de atroz
calumnia, e de sarcastico pensamento. A morte do ambicioso meteóro, que
nasce sem o prestigio da duração, e que vem ao mundo para a conquistar
dos que só podem communicar a falsa e perfida, morre asphyxiado fóra do
seu elemento; porque as claridades da sua existencia não o habilitavam
para conviver no espaço dos ares com os astros opacos da sua natureza, e
por isso o precipitam mais depressa para que conheça o que é e o que
póde valer como energumeno. Alguem julga que o meteóro póde fazer-se
cometa, e que o cometa póde vir a ser planeta ou estrella sem que o
Senhor o faça; o atroz engano de falsa ascensão precipita mais cedo este
rustico presagio. Agora já dão ao timido o nome vil do seu catholico
reinado e se lhe põe o nome de _mechas_, ou de _põe mais_..., mais
adiante o fazem _José do nabo_, e o compellem a tomar novo Ditzy, ou a
subir os degraus da forca sem levantar o espectaculo do cadafalso: os
inimigos são sempre os mesmos e da mesma sorte unidos pela tyrannia do
crime e pelo estupor das suas façanhas. Se agora diverge o maior
attentado sempre triumpha e atrella ao carro de seu triumpho todos os
seus sectarios, e escravos; mal dos que não comprehendem a necessidade
de obedecer cegamente ao mais audaz partido e ao homem mais facinoroso.
O sophisma é a apparencia da virtude; os que queimam no inferno o
incenso podre ao demonio, são despojados da propria pelle, e victimas da
nova crueldade dos monstros.

Alguem julgaria que Simão comprava de boa fé a S. Pedro o poder dos
milagres: é um engano. O infame só aspirava a enganar o padre santo, se
a sua tentação inclinasse a S. Pedro para a torpe venda, o demonio que
fallava pela bocca do maldito teria conseguido o seu fim, ria do
desventurado e cantava a sua victoria. Por esta razão S. Pedro condemnou
o tentador com o triplice poder do seu divino amor e pareceu severo, mas
foi sómente justo, porque Simão, o demonio apparente e ostensivo, já era
escravo de outro mais negro e atroz, que persegue toda a humanidade para
a sua ruina e perdição.

A catastrophe de Affonso termina com a injuria que Simão fez a Pedro.
Quantos deslisaram da escola santa sem a comprehensão dos meios divinos
e sem o alcance dos fins do sublime culto, e se embrenharam na mais
damnada chorêa da usurpação que se fez ao Senhor! Esses hão de ter
n'este mundo e no outro a mesma sorte--a catastrophe--e o mesmo exito e
cruel engano.



RENAN


O snr. Antonio Augusto Teixeira de Vasconcellos tratou com exemplar
juizo e prudencia a questão da academia real das sciencias e Ernesto
Renan. Estas linhas do _Jornal da Noite_ compendiam todos os argumentos
do esclarecido publicista: _Merecem respeito as convicções. Mas a
consciencia dos outros é tão d'elles como a nossa, igualmente livre, de
todo o ponto respeitavel._

É aquillo que dizia eloquentemente Vieira de Castro, no opusculo da
Republica: _nós, que de tolerantes nos desvanecemos, somos
intolerantissimos como frades_.

O menospreço d'este canon de liberdade sem rebuço nem condições explica
as diatribes desfechadas contra os seis academicos adversos á admissão
do author da _Vida de Jesus_. Os adaís da liberdade forjam golilhas de
phrases para o alvedrio dos que votaram segundo sua consciencia.
Offendem e injuriam.

O author do romance intitulado _Vida de Jesus_ é malquisto dos seis
academicos que se dispensaram da sua camaradagem litteraria. Fruiram o
indisputavel fôro da sua consciencia, rejeitando-o, como romancista
indiscreto que enreda as suas novellas com o sacratissimo nome de Jesus
Christo. Se Renan escreveu sobre linguas orientaes um livro mui dilecto
do snr. Soromenho, tambem orientalista, isso não é motivo bastante a que
as almas profundamente christãs se devotem á apotheose do depreciador de
Jesus, descontando-lhe as falsificações historicas do romance nos
descobrimentos linguisticos que fez ácerca do syriaco e do chaldeu.

Por outro lado, os academicos vencidos na votação e revelados no
ulterior protesto, merecem igual inviolabilidade na sua consciencia,
mórmente quando, á imitação do snr. Antonio Augusto Teixeira de
Vasconcellos, declaram que estremam entre o author da _Vida de Jesus_, e
o author da _Historia geral das linguas semitas_.

Temos em conta de veneravel e honroso o proceder dos academicos que
afastaram do seu convivio o escriptor que atirou um livro corrosivo ao
coração ulcerado da Europa como quem arroja petroleo ás linguas de um
incendio. A França lá sabe o que deve aos discipulos de Salvador e de
Strauss, e nomeadamente a Renan, o compilador de Reville, de Reuss, de
Schérer e Colani. Se alguns homens illustrados pela experiencia e
receosos das fatalidades congeneres de certos livros, reprovaram que
Renan recebesse publicamente em Portugal a consideração que o snr.
Soromenho lhe faculta por sympathicas affinidades phoneticas, o que
temos a recear d'ahi é o espectaculo das vaias e satyras com que alguns
escriptores estão provando que entre nós é mais urgente um compendio de
civilidade que a convivencia academica do sabedor de linguas do Oriente.



CORRECÇÕES


Convém fazer algumas ao artigo _O Decepado_ (n.º 4, pag. 71).
Ministrou-m'as o snr. J. F. Torres; e eu, trasladando-as, ajunto á
gratidão o contentamento de encontrar quem ainda se entretem com cousas
tão remotas e alheias das _novissimas_ charadas, das _capitações_, do
_don-juanismo_ e dos bancos.

Transcrevo a carta do cavalheiro, que não tenho o prazer de conhecer; e,
se não illido as palavras que encarecem os meus estudos, é porque o
appellido que a subscreve ainda não exercita alçada litteraria que
levante turbilhões de gloriosa poeira á volta do meu carro triumphal.
Eis a carta do snr. J. F. Torres:

.........................................................................

«Deliciei-me com a leitura das veridicas noticias historicas do meu
conterraneo Duarte d'Almeida, _o Decepado_. Ora, v. incansavel em
revolver e pesquizar tudo quanto possa esclarecel-o em tão gloriosa e
ardua tarefa, não levará a mal, e relevará a um ignorante o arrojo de
lembrar a v. umas insignificantes correcções, que em nada alteram a
verdade do facto, nem desdizem do eminente grau litterario de seu
author.

«Não existe (se é que existia) casa nenhuma acastellada no lugar de
Villarigas (hoje por corrupção Vilharigues) no concelho de Vouzella[4];
mas sim um castello ou cubello quadrado e muito alto, em parte mandado
demolir pelo fallecido procurador da casa Penalva, Martinho do Banho,
para com a pedra mandar fazer escadas e outras toscas obras que conduzem
á capellinha de Santo Amaro, pertenças da mesma casa Penalva. Existe
outro igual monumento no lugar de Bandavizes, freguezia de Fataunços.

«A casa da cavallaria sita na villa de Vouzella, e que em tempo devia
ter sido uma vivenda ostentosa, como se vê do que ainda hoje existe,
pertence actualmente por emprazamento a João Corrêa d'Oliveira.

«A capella da casa é hoje adega, palheiro ou cousa semelhante; e nada
alli existe que faça lembrado o nosso celeberrimo S. fr. Gil[5]. Ha
porém na villa uma elegante capella do santo, onde se celebra missa
todas as segundas feiras; e onde se conserva a pia em que se baptisou o
santo; e bem assim o queixo inferior do mesmo, reliquia muito venerada
pelos habitantes da villa. O corpo, como v. sabe, jaz enterrado em S.
Francisco de Santarem.»


Outra correcção a respeito do prestidigitador Herrmann, mencionado como
fallecido, ha dous annos, no artigo intitulado: _A exc.^ma madrasta
d'el-rei D. Luiz I calumniada_.

O snr. Comparse Herrmann está vivo em Vienna d'Austria, e é banqueiro
opulento. Quando se retirou rico do theatro, declarou elle aos seus
admiradores que morrera na rampa e ia resuscitar na barra, a mais
eloquente de quantas conversaram com o genero humanal depois da outra
biblica.

João de Deus, o excellente poeta, cantava d'est'arte, ha 15 annos, em
Coimbra o dadivoso prestigiador:

      Herrmann! Herrmann! espantas-me! Não scismo
      Nos prodigios da milagrosa vara
              Que o Senhor Deus te deu:
      Teu coração, Moysés do christianismo,
      Tua alma é que eu admiro, e te invejára,
              Se o que é teu fosse teu.

Tanto era d'elle o que era d'elle que está banqueiro; e João de Deus,
que tem o condão prodigioso de abrir fontes de lagrimas, e não invejava
a varinha que tirava de uma manga da casaca trezentas jardas de fita,
ainda não é banqueiro, segundo me consta.

Pois tambem Herrmann era poeta, e, se é licito acredital-o, tinha
talento. Elle o disse aos academicos n'estas quadras que, entre outras,
sobrevivem ao prestigiador, na pag. 295 do tom. VIII do _Instituto_:

      Le coeur est ulcêré, quand pour prix d'un bienfait
      On s'apperçoit alors des ingrats qu'on a fait.
      Et pourtant chaque jour j'adresse à l'Eternel
      Une promesse sainte, dans un voex solennel!

      Si, par lui, mon talent me donne la richesse,
      J'ai ma mission aussi, soulager la détresse,
      Grâce à vous, tout s'eclaire, un instant a suffi,
      Pour ramener enfin le calme en mon esprit.

N'este poema queixava-se o gentil allemão das suas illusões perdidas, da
sua infinda tristeza, e das angustias de coração com que entrára
n'aquelle recinto da _charmante jeunesse_. Queixava-se outro sim, de
ingratidões que lhe ulceravam o peito. Era um romance de amores começado
no Porto, romance que bifurcou em dous fios de ouro: um foi prender-se á
orla de um throno não sei aonde, outro á carteira de uma casa bancaria
em Vienna d'Austria. Brilhantes desenlaces!

E foram os rapazes de Coimbra--aquelles viventissimos rapazes de 1859,
Corvo, Vieira de Castro, João de Deus, Northon, Victorino da Motta, e
dezenas de galhardos espiritos que lhe degelaram as Maldades do coração
retranzido. _Gloire à vous!_ exclamava Herrmann.

     [4] Existia no seculo XVII, segundo m'o affirma um escripto
     nobiliario de testemunha coeva e ocular.

     [5] Em 1780 ainda se via n'esta casa a capella, no local onde
     nascera S. fr. Gil.



MAU EXEMPLO DE POETAS CASADOS


     ... Une femme prudente y doit regarder à deux fois avant d'épouser
     un poete!

                                                  J. JANIN, _Le livre_.

Se o fino amor não é condão dos poetas, é escusado esgaravatar essa rara
perola em outra concha. O amor duradouro é incompativel com a creatura
sujeita á decomposição e á morte. As recomposições interiores são
incessantes, até ao momento em que o espirito vital se evóla, e a
podridão começa.

As reformações da alma operam-se mais de afogadilho que as do corpo.
Envelhecem almas em corpos novos. Muita gente sente o graváme e a
melancolia da idade de ferro nos annos dourados. Ha tambem o reverso
d'isto. Almas floridas em corpos devastados. Os primeiros tem auréola de
poesia lugubre. Os segundos são lastimaveis quando, em honra de suas
cãs, arrancam um a um os renovos da alma, ou os vão delindo com secretas
lagrimas; e são irrisorios, quando aviltam a magestade da velhice, dando
resplendor á calva com um nimbo de namorados.

Foi d'esta especie D. Thomaz de Noronha, cognominado, no seculo XVII,
_Marcial portuguez_. Amou numerosas primas, e casou com uma, de quem
ficou viuvo. Deus sabe como o coração de sua esposa Helena de Salazar
foi anavalhado de ciumes para a cova! O perfido, em quanto se andava
pela côrte diluindo em trovas a fé conjugal, deixava em Alemquer a
consorte, cuidando dos trigaes e dos parrécos.

Casou em segundas nupcias com D. Catharina da Veiga, tanto ou mais
desafortunada que a primeira. Pensava ella, porém, que o marido, ahi
pelos cincoenta, ganharia juizo, e se faria serio, acolhendo-se ao
santuario da familia com a lyra e com o rheumatismo.

Enganára-se D. Catharina, a infausta esposa, que, por lhe agradar, se
bezuntava de posturas, e arrebicava de inuteis artificios. Santa
senhora!

O dissoluto não só a trahia, senão que a zombeteava em verso, depois de
a ter mofado na prosa caseira--a prosa de marido enfastiado, que é o
vasconso mais barbaro da glottica humana.

Aqui está um dos cantares com que o sobredito _Marcial_
desprimorosamente chasqueava as caricias, os vernizes, as tranças
retintas, os algodões que lhe acolchoavam o seio, e arqueavam as ancas
da esposa, em fim, tudo aquillo que a paixão engenhosa inventára, á
custa de inexprimiveis magoas e dolorosos retrocessos nos vestigios da
belleza perdida. E observem que o cruel a denomina _Sara_, equiparando-a
á velha da Biblia. Lêde, senhoras, que hospedaes poetas no coração:

      Escuta, ó Sara! Pois te falta espelho
                         para vêr tuas faltas,
      não quero que te falte meu conselho
                         em presumpções tão altas.

      Lembre-te agora só que és terra e lôdo
      e terra te has-de vêr do mesmo modo;
      mas não te digo nem te lembro nada
      porque ha muito que em terra estás tornada.

      Que importa que, alguma hora, a prata pura
                         de tuas mãos nascesse,
      e que de teus cabellos a espessura
                         as minas de ouro désse!

      Se o tempo vil, que tudo troca e muda,
      sómente do ouro poz, por mais ajuda,
      em tuas mãos de prata o amarello,
      e a prata, de tuas mãos em teu cabello!
      se um tempo, foram de marfim brunido
                         no seculo dourado,
      não vês que o tempo as tem já consumido,
                         não vês que as tem gastado?

      Deixa, Sara, deixa esses vãos enredos;
      que eu, quando toco teus nodosos dedos,
      me parece que apalpo, e não me engano,
      cinco cordões de frade franciscano.
      Viciando a natureza com taes tintas,
                         com pinceis delicados,
      jasmins e rosas em teu rosto pintas.
                         Deixa esses vãos cuidados;
      pois quando tua cara me alvorota,
      mascara me parece de chacota;
      e, se é das tintas, digo n'este passo
      que a mascara está inda em calhamaço.

      Como pretendes, pois, com mil enganos,
                         vestir mil primaveras
      sem ter a primavera de teus annos!
                         Como não desesperas!
      que o tempo chegou já ao seu estio,
      aonde toda a fruta perde o brio;
      parecendo tua cara desmedrada
      fruta que se seccou, noz arrugada.

      Se feitura de Deus Eva não fôra,
                         dissera, sem porfias,
      que de Eva foste mãi, velha senhora,
                         pois te sobejam dias
      para esta presumpção que agora tenho;
      e, concluindo em fim, a alcançar venho,
      pois alcançar não posso tua idade,
      que deves ser a mãi da Eternidade.

      Teus olhos, por descargo da consciencia,
                         a idade os tem mettidos
      em duas lapas, fazendo penitencia;
                         e estão tão escondidos,
      que, quando os vou buscar porque me choram,
      não acerto co' bêco aonde moram;
      porque o tempo os mudou, seu passo a passo,
      da flor do rosto lá para o cachaço[6].

      ............................................
      ............................................

      Em fim, senhora, se te vejo em osso,
      com essa cara posta em tal pescoço,
      me parece, tirada a cabelleira,
      em cima de um bordão uma caveira.

      .............................................

      Sabe que sei, e d'isto me não gabo,
      que te alugou sem duvida o diabo,
      invejando teu corpo, cara e dedos
      para a Santo Antão fazer maiores medos[7]
      E deixa, em fim, tanto vão cuidado;
                         e ao sagrado te acolhe
      primeiro que te ponham em sagrado.
                         Este conselho colhe;
      admitte o que te digo sem desgosto;
      que eu, quando vejo teu funesto rosto,
      d'elle tambem o seu conselho tomo,
      pois cuido que me diz: _Memento, homo!_

Esta poesia ou outra peor tesourou os ligamentos da vida de D.
Catharina, abrindo-lhe as portas do paraiso. Elle, o viuvo consolavel e
impenitente, por aqui ficou até aos oitenta ou mais, deshonrando a idade
provecta com poemas sordidos, e taes que os prelos não os despejaram á
circulação dos enxurros. Sem embargo, Jacintho Cordeiro, no _Elogio de
poetas lusitanos_, conceitua n'esta altura o descaroado marido:

      D. Thomaz de Noronha em tanto augmento
      Confirma de sus versos la escellencia
      Que admirando sutil su entendimiento
      Puede hazerle a Quevedo conpetencia:
      Alma de tan ayroso movimiento,
      Luz parece de sol de su presencia
      Y sol a cuya luz crecen desmayos,
      Aguila no soy yo de tantos rayos...

Que te fulminem, Jacintho!--diria um leitor circumspecto. Achou-lhe
airoso movimento na alma, assim como nós, os filhos d'este seculo cortez
e cavalheiroso, lhe achariamos na arca do peito as vertigens ebrias d'um
trovista de tasca.

A poesia, que um sorriso meigo de mulher agradeceu, logrou a sua nobre
missão: divinisou-se. Essa outra cousa, que se chama poesia, porque
metrifica a injuria ou o chasco vil á mulher, é a hydrophobia do
talento, é enfermidade repugnante.

     [6] Segue uma estrophe cuja nudeza, posto que não envergonhe o
     realismo hodierno, nos pareceu propriedade dos livros escriptos
     para _homens_, cuja deshonestidade os authores lisonjeam com as
     dedicatorias dos seus romances.

     [7] _Metter medo aos medos de Santo Antão_, era adagio do tempo,
     que teve a seguinte origem: No terceiro domingo de agosto de 1577
     sahiu uma procissão da antiga parochia de S. Julião. Entre varias
     figuras e carros triumphaes ia um homem representando Santo Antão
     no deserto, e á volta d'elle varios demonios com feitio de monos o
     aterravam com caretas e tregeitos medonhos.



A CASA DE BRAGANÇA «AB OVO»


D. Gonçalo Pereira, trigesimo-quarto arcebispo de Braga, quando estudava
as santas theologias em Salamanca, achou compativel a sciencia de Deus
com as curiosidades philoginias, gregamente faltando.

D'esta compatibilidade, em que foi parte integrante e constituinte,
chimicamente fallando, D. Thereza Peres Villarinho, resultou nascer um
menino robusto, como os recem-nascidos do _high-life_, o qual se chamou
Antoninho.

Este D. Antonio Gonçalves Pereira ordenou-se, foi prior do Crato, e pai
de 32 filhos, compativeis com o priorado. Uma das mães d'este rapazio
todo chamou-se Eyria de Carvalhal, e das predestinadas entranhas d'esta
menina apojou D. Nuno Alvares Pereira, pai da primeira duqueza de
Bragança, casada com o bastardo de D. João I.

D'esta estirpe, bastantemente gafa de couto-damnado e bastardias, nos
veio a redempção em 1640.

Bemditos e louvados sejam aquelles padres arcebispos e priores! Se elles
fossem castos ou infecundos, não teriamos Braganças, e gemeriamos ainda
hoje captivos de Hespanha.

O arcebispo descança ha 526 annos, em uma capella contigua á porta
travessa da sé de Braga. La lhe vi, um d'estes dias, a figura esculpida
no mausoléo. Portuguez de lei era aquelle padre, posto que se
apaixonasse por hespanholas. O coração não tem _ubi_. O escolar de
Salamanca lêra talvez o philosopho grego que dissera serem todas as
mulheres uma. Se a natureza as não discriminára, como estremal-as por
fronteiras?

Mas tão portuguez era que articulou em seu testamento que, se um dia a
mitra primacial cingisse a fronte de prelado castelhano, fosse arrazada
sobre suas cinzas a capella em que ia esperar o clangor da trombeta!

Ainda não vi impressa a noticia do desastre extraordinario que motivou a
morte do D. Gonçalo. Nem D. Rodrigo da Cunha nem o padre José Corrêa,
biographos dos arcebispos bracharenses, a souberam ou quizeram divulgar.
Parece-me, todavia, que o primeiro, tanto por haver sido prelado como
por genio investigador de antiguidade, não ignoraria o que era constante
de um processo existente no archivo da mitra.

Eis o caso:

Em 1347 foi D. Gonçalo visitar a provincia transmontana. Chegando a
Villa-Flôr com grande sequito, travaram-se alli os seus criados com os
moradores da terra, e de ambas as partes belligerantes morreram quatro
homens e sahiram doze mal-feridos. Tangeram os sinos a rebate.
Levantou-se a povoação armada. Cercaram a residencia do arcebispo,
mataram-lhe seis homens, e matariam o proprio prelado, se não fugisse,
pendurando-se de uma corda, que lhe não evitou cahir de costas no
terreiro e contundir-se gravemente. Não contentes os de Villa-Flôr com a
fuga do seu arcebispo, tomaram-lhe as mulas, de envolta com parte dos
capellães e seis criados. Protegido por atalhos, o contuso prelado
chegou a Carrazeda de Anciães, povoação importante n'aquelle tempo,
fortificou-se no castello, fez lavrar instrumento publico, e enviou-o a
D. Affonso IV.

O rei, poucos dias depois, mandou a Villa-Flôr uma alçada com dois
algozes bem escoltados, e fez enforcar os sacrilegos que pôde colher na
devassa. Esta vingança nem por isso alliviou os incommodos do arcebispo
descadeirado na queda. Transferido a Braga, deitou-se para nunca mais se
erguer. Quatro mezes depois adormeceu no Senhor.

E assim morreu, por effeito de tão miserrimo lance, aquelle valente do
Salado, que deu o exemplo da bravura e legou a espada ao seu quarto
successor D. Lourenço, o raio de Aljubarrota. Fôra elle o defensor da
cidade do Porto, quando o enfurecido amante de Ignez levava na sua
vanguarda o incendio e a devastação. Fôra elle ainda quem acaudilhára a
hoste de portuguezes, quando uma invasão de hespanhoes, em desapoderada
fuga, deixou o sangue de trezentas vidas nas lanças dos alabardeiros do
arcebispo.

Santo Deus! um heroe d'esta polpa chega a Villa-Flôr, amotina-se a
arraia-miuda, foge de escorregão por uma corda, cahe de cangalhas,
amolga o osso sacro, e morre! Mas em fim, maior seria a desgraça de
Portugal se elle, antes de lesar as vertebras lombares e regiões
visinhas, nos não tivesse deixado os embryões da casa de Bragança na
pessoa de seu filho prior!



UM INQUISIDOR PORTUGUEZ E O PRINCIPE DE GALES


O filho de Jayme I de Inglaterra veio a Madrid, em 1610, para vêr de
perto a princeza Anna, filha de Philippe III, uma das mais formosas
mulheres d'aquella época. D. Fernão Martins Mascarenhas, inquisidor
geral de Portugal, e residente em Lisboa, assim que soube da chegada do
heretico neto de Maria Stuart, escreveu-lhe com a santa presumpção de o
reduzir á fé catholica. O principe, todo embebecido nas magias da filha
de Philippe III, guardou a carta para mais tarde resolver esse negocio
que se lhe figurou de importancia subalterna. A opinião de alguns
historiadores, porém, é que a Inglaterra voltaria ao redil da igreja
romana, não tanto pela influencia theologica da carta, como pelos
filtros amorosos da princeza Anna. O principe de Gales pediu-a para
esposa; e, quando em Londres se preparavam os festejos do noivado,
morreu o noivo em 1612.

A carta do inquisidor bispo do Algarve é inedita. A este prelado devemos
a impagavel fineza de expurgar das livrarias de nossos avós todos os
livros gafados de heresias. Se não fosse elle, é muito de recear que em
Portugal se lêssem então os livros que no seculo XVII propulsaram as
sciencias na França e Allemanha: o que seria uma calamidade. Eis a carta
do santo varão:


«A vinda de V. A. a esta côrte foi de tanta alegria para todos os que
nascemos em Hespanha, que ainda aquelles que estamos mais distantes da
sua presença, temos obrigação de fazer demonstração publica, assim em
dar graças a Deus por esta mercê, como em significar a V. A. o animo, e
a vontade com que festejamos a honra que todos alcançamos por esta
causa.

«O que todos agora desejamos, e pedimos a Deus com continuas orações,
para melhor servirmos a V. A. n'aquillo que mais lhe importa, é que
queira V. A. ouvir e entender a razão do que por cá acha, e é
professarmos a fé, e a religião que professa, e ensina a igreja
catholica romana, verdadeiramente apostolica; porque o animo com que
desejamos paz perpetua entre as corôas de Hespanha e Inglaterra, nos
obriga a procurar a conformidade na religião entre os principes dellas,
pois, como diz Santo Agostinho, não póde haver verdadeira concordia
aonde os entendimentos estão desunidos na terra.

«Muitas razões se podiam allegar para V. A. se dispôr a fazer este
serviço a Deus, e mercê a toda a Hespanha, porque os livros estão cheios
d'estas materias, mas tres são só as que lembro a V. A. para satisfazer
a obrigação que tenho n'este reino de Portugal.

«A primeira é considerar V. A. que isto que nós professamos em Hespanha,
acerca da obediencia á sé apostolica-romana, professaram, sem nenhuma
interrupção, os serenissimos reis de Inglaterra por mil annos, desde o
tempo de S. Gregorio Magno pontifice, e Mauricio imperador, até o de
Henrique VIII de Inglaterra, que por seus respeitos fez mudança na
religião; porque como nunca se havia preferir o parecer dos que querem
innovar cousas ao juizo d'aquelles que dellas perseveraram por tantos
annos, bem se vê, a prudencia natural está pedindo que se repare muito
n'esta variedade que se introduziu em Inglaterra nos derradeiros annos.
E é muito para vêr a fórma em que escreveu Eduardo, rei de Inglaterra,
ao papa Alexandre III, porque ambos estão condemnando o que agora se
segue no mesmo reino com palavras tão claras que não soffrem
interpretação alguma.

«A segunda razão é porque todos os reis de Inglaterra que antes de
Henrique VIII tiveram o sceptro d'aquelle illustre reino depois de
Alberto, fundaram a sua jurisdicção na obediencia á igreja romana, em
que presidem os verdadeiros successores de S. Pedro, principe dos
apostolos, e vigario universal de Christo na terra, até Ina e Ataulfo
fazerem o proprio reino tributario da sé apostolica, e este tributo
durou por novecentos annos. E ainda que alguns reis de Inglaterra houve
que em cousas e casos particulares guardaram menos respeito do que
deviam aos pontifices romanos, nunca lhes negaram o serem cabeças da
igreja catholica, e sempre depois vieram a fazer penitencia de seus
erros, como consta dos proprios annaes e chronicas de Inglaterra que
Polidoro Virgilio II seguiu, e tratou em sua historia.

«A terceira razão é porque o mesmo Henrique VIII que fez esta mudança,
quando morreu declarou que errára, e por esta causa expirou com summa
pena, e inquietação, como consta da relação que fizeram homens de muita
virtude, letras, e authoridade que assistiram á sua morte, e os aponta
Sandero, com outros muitos historiadores inglezes que trataram de suas
cousas; e se não remediou seus erros foi por occulto juizo de Deus que
permittiu lhe faltasse n'aquella hora quem o encaminhasse, e lhe
lembrasse o que o proprio escreveu tão doutamente contra Luthero, e
dirigiu ao papa Leão X.

«Por onde tornando V. A. a receber aquillo que os reis seus antecessores
tiveram e professaram por largos annos, sendo tão virtuosos, prudentes e
valorosos, como o mundo todo reconhece, não fará mais que restituir á fé
a casa d'onde contra razão e justiça anda desterrada; e com esta
restituição além da gloria immortal, que alcançará em todos os seculos
vindouros, obrigará a Deus Nosso Senhor abrir as mãos da sua
liberalidade para lhe acrescentar muitos reinos com novas prosperidades
temporaes.»



A TRILOGIA DA «ACTUALIDADE»


Quando o snr. Moutinho de Sousa, ha pouco tempo, negociava, em Lisboa,
actores que preenchessem e aperfeiçoassem a companhia dramatica do
theatro Baquet, o snr. Silva, roto saboyardo do escangalhado realejo
litterario da _Actualidade_, escreveu, com o desplante da sua ignorancia
impenitente, que a escripturação dos tres indicados actores formava uma
agradavel TRILOGIA.

Tres actores, tres pessoas--uma _trilogia_!

O leitor (se não é elle) sabe que os gregos denominavam _trilogia_ o
conjuncto de tres peças theatraes, quando o poeta pleiteava o premio da
tragedia. Uma compoz Eschylo, a mais commevedora que nos legou a antiga
scena. Shakspeare fez uma _trilogia_ com as tres tragedias que completam
Henrique VI. O _Walstein_ de Schiller é tambem uma _trilogia_. Querem os
francezes por igual ter a sua na concatenação do _Barbeiro de Sevilha_,
_Casamento de Figaro_ e _Mãi delinquente_ de Beaumarchais. Tambem nós,
em os nossos humildes fastos litterarios, temos uma _Trilogia
romantica_, em que se annunciavam collaboradores Antonio Pereira da
Cunha, D. João de Azevedo, e João Machado Pinheiro (visconde de
Pindella).

Por analogia, tres composições em um livro, tres tratados, tres
discursos, poderemos denominal-os _trilogia_; mas chamar _tratado_
(_logos_) ao snr. Pola, e _composição_ á snr.ª Virginia, e _discurso_ á
snr.ª Emilia das Neves, hellenisando-as pessimamente, seria uma fineza
grega, se não fosse uma asneira portugueza.

Este snr. Silva (aviso aos naturalistas) dizem-me que tem as orelhas de
tamanho regular. Elle e os 2 Joaquins são tres partes de uma só
cousa--_trilogia_. Aqui vão bem; cálham: são tres peças que arredondam
um tolo superlativo. Ainda, no dominio grego, podéramos chamar aos
tres--_triga_. (Veja um _Lexicon_ o snr. Pinto). E, quando apparecer um
quarto, por não sahirmos de Athenas e das analogias remotas, os quatro
serão _quadriga_. Ora ahi tem gregarias em barda. Divirta-se.

_P. S._ Eu dissera-lhe _adeusinho_, quando fui _banido_; mas elle,
mentindo e espremendo novamente o figado, espirrou um golfo de bilis
negra. Faz-se mister não levantar mão das ventosas. Ou elle estuda, ou
eu o esfolo.


FIM DO 5.º NUMERO





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Noites de insomnia, offerecidas a quem não póde dormir. Nº5 (de 12)" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home