Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Noites de insomnia, offerecidas a quem não póde dormir. Nº7 (de 12)
Author: Castelo Branco, Camilo Ferreira Botelho, 1825-1890
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Noites de insomnia, offerecidas a quem não póde dormir. Nº7 (de 12)" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



of public domain material from Google Book Search)



BIBLIOTHECA DE ALGIBEIRA


NOITES DE INSOMNIA

OFFERECIDAS

A QUEM NÃO PÓDE DORMIR

POR

Camillo Castello Branco


PUBLICAÇÃO MENSAL


N.º 7--JULHO

LIVRARIA INTERNACIONAL
DE
ERNESTO CHARDRON
_96, Largo dos Clerigos, 98_

PORTO   EUGENIO CHARDRON
_4, Largo de S. Francisco, 4_
BRAGA

1874


PORTO

TYPOGRAPHIA DE ANTONIO JOSÉ DA SILVA TEIXEIRA

62--Rua da Cancella Velha--62

1874


BIBLIOTHECA DE ALGIBEIRA


NOITES DE INSOMNIA


SUMMARIO


Os salões, pelo exc.mo snr. visconde de Ouguella--Uma viscondessa que
não era--Bibliographia--Para a historia de D. João 4.º--Inedito de
Manoel Severim de Faria--O Manoelinho poeta--Um baile dado a Junot, em
Lisboa--Que saudade!--Carta a respeito... d'aquella coisa--Nil admirati.



OS SALÕES


CAPITULO V

TENEBRAE ERANT

    Portugal ora olhado com desdem o sobrecenho pelas mais nações da
    Europa, como tendo, desde o ápice de sua grandeza e poderio, baixado
    rapidamente aos termos derradeiros da sua degradação. Quando lord
    Tyrawley foi mandado pelo gabinete inglez a Portugal, pouco antes da
    guerra de 1762, a descripção, que fizera d'este reino, desenhava-o
    incapaz de nenhuma resistencia, e pouco distante da barbarie.

                                                           LATINO COELHO.

    Nous sommes au seuil d'un monde nouveau.

                               L. JACOLLIOT.

    Dans l'histoire humaine, parfois c'est un homme qui est le
    chercheur, parfois c'est une nation. Quand c'est une nation, le
    travail, au lieu de durer des heures, dure des siècles, et il
    attaque l'obstacle éternel par le coup de pioche continu. Cette sape
    des profondeurs, c'est le fait vital et permanent de l'humanité. Les
    chercheurs, hommes et peuples, y descendent, y plongent, s'y
    enfoncent, parfois y disparaissent. Une lueur les attire. Il y a un
    engloutissement redoutable au fond duquel on aperçoit cette nudité
    divine, la Vérité.

                                                             VICTOR HUGO.

Foi em Alcacer-Quivir que rolou a corôa de Portugal pelos areaes
d'Africa. Deus sabe o que havia de grandioso, que sonhos esplendidos de
futuro iam na mente de Sebastião--_o Desejado!_

Os formosos palmares da India, a opulencia fascinante da Asia, as
sumptuosas magnificencias do berço da humanidade, as lendas fabulosas do
Preste João, os riquissimos e legendarios templos de Brahma, e dos
deuses mysteriosos da cosmogonia secular d'aquella raça, e todos os
sonhos e sedenta avidez d'uma nação pobre, habituada a lutas heroicas, e
obscuras com os musulmanos d'Africa--fascinaram, e enlouqueceram, por
tal fórma, os guerreiros e fronteiros de Ceuta, Tanger, e Arzila, que,
aos primeiros descobrimentos dos navegadores do seculo XV, os
portuguezes invadiram o Oriente, abandonando aquella escóla de valor e
de heroismo, onde expirou o infante santo, e onde a cruz do Redemptor
era o incentivo e estimulo das mais nobres façanhas, e dos feitos mais
esforçados.

Quiz D. Sebastião, com a mystica lenda do Golgotha, salvar Portugal do
ignobil desdouro, do scepticismo miseravel, da louca ambição de
riquezas, e da cobardia e enervação, que ia corroendo e gangrenando os
nobres na sordida mercancia das especiarias da Asia?

Sabe-o Deus.

Sabel-o-hia a historia--se os aios, e confessores de principes e de
reis, em vez de serem bonzos, fakires e derviches d'um credo intolerante
e sangrento, e que tem no seu proprio symbolo o germen da sua total
aniquilação, fossem chronistas severos e verdadeiros da corrente das
idéas, e das leis immutaveis do progresso, na marcha logica e fatal do
desenvolvimento da humanidade.

Havia, de certo, um profundo pensamento politico detraz d'este fervor
religioso, que arrastava a christandade para lutas e pelejas com
agarenos.

Uma geração enervada e corrupta, uma nobreza effeminada e devassa deixou
abater o pendão das quinas, em terras de berberes, quando as intrigas, a
sordida cobiça, e traições de Castella almejavam por esta derrota d'um
principe christão.

Os Philippes de Hespanha iam projectar a sua sombra sinistra n'este
estacionamento inexplicavel das gerações europêas.

A historia um dia dirá--a historia escripta pelo povo--se foi sómente o
fanatismo religioso que arrastou o moço rei aos campos de
Alcácer-Quivir, ou se o herdeiro do sceptro de D. João I quiz arrancar
ás devassidões e torpezas da India uma nação, que cobrára em Africa
pundonorosos alentos, esforços guerreiros, e energicos brios com que
escrevêra a mais esplendida e brilhante pagina dos feitos memoraveis nos
seculos XV e XVI.

Não foi a purpura real que rasgaram os leões africanos, não foi o throno
do Occidente que cahiu despedaçado e partido nas vastas planuras da
Lybia. O sôpro ardente das tempestades do deserto varreu mais do que um
throno, abrazou mais do que uma purpura; abateu, humilhou, e arrancou a
seiva a um povo cheio de pundonor, e coroado de gloria, arremessando-o
de abatimento em abatimento, de humilhação em humilhação, de desventura
em desventura até á invasão franceza, até á fuga do rei portuguez, até á
mais ignobil vassallagem prestada á soberba Albion, pela nação mais
cavalleirosa, emprehendedora e aguerrida dos extremos da Europa.

Dizia a Polonia, quando se debatia nas vascas da mais dolorosa agonia--a
agonia d'um povo que vai morrer: «Deus está muito alto, e a França muito
longe!»

E nós?--Tratados como os rajahs do Indostão, como os nababos, e como os
parias, tambem, da India ingleza, dobravamo'-nos, submissos e
obedientes, como colonia britannica, á fé punica, á avidez implacavel e
inexoravel politica da nossa fiel alliada.

A Veneza dos inquisidores e dos doges immergira-se nas lagoas do
Adriatico, quando nós invadimos o mar Vermelho, para deixar erguer este
colosso da Grã-Bretanha, a quem Cesar appellidára barbara nos seus
formosos Commentarios. O leão de S. Marcos escondeu as garras, ao
tremularem as nossas quinas no berço da nossa raça, na vastidão do
esplendido Oriente, para mais tarde os ferozes leopardos bretões serem a
taboleta do commercio da Asia.

Na immensa grandeza do nosso heroismo, nós, cavalheirosos,
desinteressados, e imprudentes avassallamos os reis de Calecut e Cochim,
escreviamos _Os Lusiadas_, empenhavamos as barbas de D. João de Castro,
deixavamos agonisar, cheio de affrontas, Affonso d'Albuquerque, na barra
de Gôa, algemavamos Duarte Pacheco, enchiamos de odio o nobre coração de
Fernando de Magalhães, e recusavamos, com desprezo e altivez, a
nobilissima dedicação de Christovão Colombo, a quem Americo Vespucio,
mais tarde, roubou o nome e parte da gloria.

De affronta em affronta, de vilipendio em vilipendio, de ingratidão em
ingratidão degeneramos tanto, que, em 1817, viviamos como parias e
ilotas da soberba Albion, sob o mando e dominio do marechal-general
Beresford.

Trasbordava o calix das humilhações.

Portugal era um paiz conquistado. Pouco importava que fossem as aguias
do imperio ou os leopardos britannicos que subjugassem este solo.

Haviamos tocado os extremos da ultima abjecção.

As industrias fabris jaziam completamente arruinadas, a agricultura
estava reduzida á maior miseria, o fanatismo religioso campeava
sobranceiro por sobre este ignorantissimo povo, as arcas das rendas
publicas e particulares iam caminho do Brazil, o paiz achava-se
recortado em bens vinculados, entregue aos morgados, aos possuidores de
bens da corôa e ordens, e aos opulentos mosteiros de todas as religiões,
que escravisavam o solo; o governo fomentava as intrigas politicas,
enganava a corôa, escondida n'outro hemispherio; e o exercito, governado
e dominado por officiaes inglezes ás ordens da Grã-Bretanha, curvava-se
aqui ao mando e poderio do muito alto e poderoso lord Beresford.

As citações, que vou dar em seguida, serão mais judiciosas do que todos
os meus commentarios.

Diz Gervinus, na sua _Historia do seculo dezenove_: «Esta ruina da
economia politica de Portugal caminhava parallela com a sua decadencia
moral e intellectual.»

Era assim.

O governo para sustentar uma dignidade ephemera, um simulacro de
authoridade, que não tinha, carecia d'um exemplo efficaz e energico,
embora o sangue das victimas espadanasse a jorros encharcando o solo da
patria.

Inventou a conspiração de 1817.

Presentiu o desgosto profundo que ia no povo, apoiou-se nos maus
instinctos, e na perfida politica do regulo da Grã-Bretanha, revolveu,
com a sua abjecta espionagem, as ultimas camadas da plebe, escutou e deu
vida a todas as invejas, a todos os odios, e a todas as ruins paixões,
que fermentam sempre no coração de todos os intrigantes, e de todos
estes reptis immundos e repugnantes, que se criam e desenvolvem n'este
torrão luxuriante e vivificador. Aqui, como nos juncaes e densas selvas
dos tropicos, existem, com face humana, o tigre real de Bengala, a
vibora dos pantanos do Indostão, a hyena das margens do Ganges, a mosca
venenosa dos tremedaes e terrenos paludosos da Zambezia, e os cascaveis
hediondos das florestas da America, ao lado das virgens mais puras das
creações do budhismo. Estas regiões, que vivem em maior contacto com o
nosso astro supremo, mais aquecidas pelo sol, não admittem, nem
consentem transições. Cortam bruscamente os crepusculos--não teem longos
esvaimentos de luz--não desenham penumbras. Quando o sol se immerge no
oceano adensam-se rapidamente as trevas.

Onde não ha a nobreza do sentimento, o estimulo das mais nobres
aspirações, e o exemplo tocante da mais completa abnegação--é porque as
sombras do cynismo se espalharam sobre a intelligencia do homem, é
porque a ignorancia e os maus instinctos sepultaram, e apagaram a luz
viva, o facho ardente, a idéa primordial, que vinha irrompendo na alma
humana; e a consciencia do individuo, o senso moral confundem-se nas
trevas, que escondem para todo o sempre estes arreboes divinos do ente
creado.

Assim foi, e assim será sempre.

O tenente-general Gomes Freire de Andrade era a synthese d'estes
soffrimentos, que minavam todos os membros corroidos da nação. Era o
alvo de todas as invejas. Era a voz da patria, n'este estertor em que se
debatia, e agonisava um povo inteiro. Por isso foi o martyr. Parecia,
talvez, que, ao torturarem aquella alma nobilissima e generosa, Portugal
ficaria sujeito e submisso como o ultimo ilota dos banquetes de Sparta.

Diz o author da _Memoria sobre a conspiração de 1817_ (livro que não foi
estranho ás solicitudes de Beresford): «O tenente-general, Gomes Freire
de Andrade, ha sido preso pelo desembargador ajudante do intendente,
João Gaudencio, acompanhado de um forte destacamento da guarda da
policia, commandado pelo tenente-coronel da mesma, Joaquim José Maria de
Sousa Tavares. Depois de cercarem a casa do tenente-general (que morava
no alto da calçada do Salitre) arrombaram a porta da rua, e foram
arrombando as de mais até chegarem ao gabinete onde elle se achava;
assim que foi arrombada esta, os soldados entraram no quarto, apontando
as armas contra o general, o qual não fez a menor resistencia, nem se
mostrou assustado, e por detraz dos soldados gritou o dito
tenente-coronel:--«V. exc.ª está preso»--ao que Gomes Freire respondeu:
«Assim se entra com tanta insolencia e desafôro em casa de um
tenente-general?--e vossemecê não me póde prender, porque não tem a
minha patente.» Então appareceu o desembargador, e mostrando-lhe a
ordem, o general se deu á prisão sem nada dizer ao desembargador; mas
voltando-se para o tenente-coronel, chamou-lhe um fraco, e insolente,
ajuntando, que o seu comportamento não era nem de um official, nem de um
cavalheiro, mas sim, de um esbirro, aguazil ou vil agarrador.»

O tenente-general foi conduzido logo para a torre de S. Julião,
acompanhado pela mesma escolta de cavallaria da policia, que o fôra
prender. As outras victimas d'esta perseguição foram conduzidas uma
parte para o Limoeiro, e a outra para o Castello. Começou immediatamente
o processo, diz o author da _Memoria_, «com aquellas tenebrosas
formalidades do costume.»

«Parece, que os governadores do reino, acrescenta o mesmo apologista de
Beresford, projectaram implicar, na conspiração, todos os maçons, para
com este pretexto se desfazerem d'algumas pessoas a quem não eram
affeiçoados.» Esta infernal lembrança era uma inspiração do secretario
D. Miguel Pereira Forjaz.

Vejamos os maçons.

A paginas quarenta e uma dos _Annaes e codigo dos pedreiros livres_,
lê-se o seguinte:


«1814

«N'esta época foi iniciado _José d'Andrade Corvo_, sendo capitão
d'infanteria n.º 10, ás ordens do conde de Rezende, na loja _Virtude_ ao
oriente de Lisboa. Como então trabalhasse sómente a dita loja, e a
_Regeneração_, ás quaes se tinham reunido poucos membros, receosos de
que o governo renovasse as perseguições de 1809 e 1810, e houvesse falta
de irmãos para os differentes cargos da loja, conferiram-se a José
d'Andrade os graus de companheiro e mestre, e pouco depois elegeram-no
secretario. Incansavel nos trabalhos da maçonaria, Corvo recrutou muitas
pessoas, e encarregou-se de propôr á viscondessa de Juromenha, D. Maria
da Luz, o ser iniciada na maçonaria, o que se fez no fim do mesmo anno,
na quinta que antes era do marquez d'Angeja, no Lumiar, em sessão magna,
a que assistiram alguns personagens respeitaveis, e que n'aquelle tempo
occupavam postos e empregos eminentes na capital. Esta iniciação teve
por fim o saber-se pela viscondessa quaes os sentimentos do marechal
Beresford a respeito da liberdade; mas por fim ella, Corvo, e João de Sá
atraiçoaram todos os maçons, e só serviram Beresford. O refalsado Corvo
continuando a fazer muitos e valiosos serviços á maçonaria, e a
distinguir-se mesmo entre os mais diligentes, obteve alguns dos graus
superiores, e na installação da loja _Philanthropia_ ao oriente de
Santarem, foi elle um dos tres deputados mandados pela grande loja para
a installação. Esta loja nomeou-o depois seu representante, e em
consequencia d'isso lhe deram o grau de Rosa-Cruz. Entramos em todas
estas particularidades porque este homem de execranda memoria, pagando
tantos favores com a mais negra ingratidão, e perfidia, atraiçoou a
ordem, e denunciou o infeliz grão-mestre, Gomes Freire de Andrade, para
o levar ao patibulo.»


Digamos quem era Corvo. Depois veremos Gomes Freire.

Continua o author dos _Annaes_:


«1824

«Em 30 d'abril o infante D. Miguel prende el-rei D. João VI, no paço da
Bemposta, e assoalha _que os pedreiros livres o queriam matar_.

«Appareceram tambem duas cartas, que por serem pouco conhecidas, as
vamos transcrever:


«_Carta de José d'Andrade Corvo a seu irmão em Torres-Novas_


«_Meu Francisco._--Saberás que o bravo infante acaba de salvar a patria,
descobrindo uma facção que tentava assassinar el-rei e toda a familia
real: toda a tropa d'esta capital esteve hontem em armas, e o _dia 30
d'abril será um dia memoravel nos fastos da historia portugueza_. Já
estão presos os malvados, e entre elles os condes de _Villa-Flôr_,
_Paraty_, e da _Taipa_, etc.

«Eu appareci immediatamente a cavallo n'aquelle dia, e andei sempre ao
lado do infante, o mais bravo homem que tenho conhecido, e _portei-me
como Corvo_; porém, meu Francisco, qual foi o meu desgosto por tu aqui
não estares? Quando vi entrar o teu regimento, e te não vi, _correram-me
as lagrimas_. Vai logo ter com o juiz de fóra, e faz com que ahi se
acclame el-rei, e que se ponham luminarias, e se cante _Te-Deum_. Paiva
Raposo foi quem descobriu tudo ao infante, e agora _levará o diabo_ os
pedreiros livres, e triumpharão os homens de bem.--Teu mano, etc.»


Parece que o judas de Gomes Freire sentia lagrimas nas faces. É para
crer que o Rosa-Cruz da maçonaria desejava que o diabo levasse os
pedreiros livres. Aqui fica José d'Andrade Corvo.

A segunda carta que apontam os _Annaes_, diz assim:


«_Carta da rainha a el-rei, estando em Salvaterra._


«_Meu amor._--Agora me dizem, que os nossos inimigos teem espalhado em
Lisboa, que eu pretendia fazer esta manhã uma revolução para ficar
regente com o nosso filho Miguel, e mandar-te para Villa-Viçosa: isto é
uma aleivosia muito grande, e n'ella por certo entrará o dr. Abrantes; e
por isso te peço ordenes ao intendente, que proceda rigorosamente a este
respeito, pois tu bem sabes que eu não desejo senão viver socegada, e
que tu sejas feliz. D'esta tua--_C. J._»

«Esta carta escripta de Queluz--continua o author dos _Annaes_--e sem
data, confirmou mais el-rei na existencia da conspiração contra a sua
pessoa, por se recordar de que outra identica lhe tinha escripto a
rainha para o Alfeite em 1807, por occasião da conspiração tramada em
Mafra.»


O livro a que me refiro tem a seguinte nota:


«Estas cartas acham-se hoje impressas na _Policia secreta_, publicada
pelo intendente da mesma.»


Voltemos a Gomes Freire. Tinha nascido em Vienna d'Austria em 27 de
janeiro de 1727, filho de Ambrosio Freire d'Andrade e Castro, embaixador
de Portugal, e da condessa de Schafgoch. Descendia, por tanto, d'uma
familia entroncada na antiquissima casa dos condes da Trava, e na dos
Pereiras, Forjazes, e Bobadellas, e entre os seus antepassados contava
Jacintho Freire d'Andrade, o panegyrista de D. João de Castro. Reputado
o melhor general de infanteria portugueza, servira na Russia com um
valor inexcedivel, combatêra no Roussillon em honra da patria, e depois
de ter deixado o seu nome ligado ás glorias do imperio voltára para
Portugal em seguida á paz do continente.

Os odios e invejas accendiam-se, e abrazavam em torno d'esta illustre
victima.

Um dia o povo ha de narrar este prologo afflictivo da liberdade de
Portugal.

Na madrugada de 25 de maio de 1817 entrou preso, na torre de S. Julião,
o heroico martyr portuguez. Posto em um calabouço, sem meios de
subsistencia alli, sem providencias tomadas para a sua alimentação, sem
uma manta que o cobrisse ou lhe servisse de leito, arremessado para uma
masmorra lageada e humida viveu assim cinco mezes--nos primeiros dias da
caridade ingleza, mais tarde dos meios que pôde obter pelos seus
haveres. A generosidade do governo viera, no fim de seis dias
d'encerramento, em seu soccorro, arbitrando-lhe a sumptuosa somma de
doze vintens diarios, no caso que elle não possuisse dinheiro ou
qualquer outro meio para se sustentar á sua custa.

Desamparado, na carencia absoluta de todos os confortos, coberto de
pustulas ou lepra hedionda, que lhe alastrava pelas faces, abandonado de
tudo e de todos, offendido, injuriado, e calumniado até pelo proprio
clero, é para crêr, e affirmam-no alguns, que perdera a razão.

Continuemos as citações:


«Um desembargador e um escrivão foram repetidas vezes interrogar o réo
na sua masmorra sem outras testemunhas, senão os tormentos, e angustias
que o cercavam. Quem tolhia, que entre o desembargador, e o escrivão
houvesse intelligencia, para fazer constar o que o preso nunca disse,
nem imaginou dizer? Quem nos ha de garantir, que isto não aconteceu
assim? O seu amor pela justiça? A sua humanidade, e compaixão?... Mas
sabem todos que desde o momento da prisão até ao momento da morte, os
_officiaes_, e _ministros_ de justiça, que tiveram contacto com elle
deram publicamente bastantes provas de serem seus algozes. João
Gaudencio disse publicamente a alguem, que lhe representou a
_inhumanidade_, com que era tratado Gomes Freire: «Nós não conhecemos
essa palavra.» Acresce mais a difficuldade, que todos reconheciam em
Gomes Freire de se explicar bem em portuguez; este inconveniente, unido
ás dôres que soffria o desgraçado general, procedidas de uma inflammação
do rosto, por lhe não quererem permittir que se barbeasse (_o que o
tinha continuadamente em um estado de delirio_), é que deu causa a que o
marechal Beresford recommendasse ao marechal Archiball Campbell, que
vigiasse sobre o estado das suas faculdades mentaes; dava toda a
facilidade ao desembargador, que lhe fez as perguntas de o surprehender
á sua vontade, fazendo-lhe dizer o que elle desembargador quizesse, sem
que o réo d'isso se precatasse.»


Basta. Turva-se a intelligencia perante tantos horrores. Apressemos o
desenlace d'este medonho drama. Digamos rapidamente como terminou este
supplicio hediondo.

A execução de onze desgraçados fez-se no dia 18 de outubro no campo de
Santa Anna em presença da plebe fanatisada e escrava.

O tenente-general Gomes Freire foi enforcado sobre a esplanada da torre
de S. Julião ás nove horas da manhã do mesmo dia. Levaram-no d'alva
vestida, e descalço. Os odios dos seus algozes careciam d'estas ultimas
affrontas.

Ainda a 16 d'outubro escrevia elle a seu primo, Antonio de Sousa Falcão:
«No caso que se não attenda aos embargos, então, peço-te, que o letrado
faça um requerimento em meu nome, para que em vez de me enforcarem, me
fuzilem. Quero a morte do soldado. Peço-te que ponhas n'isto toda a
efficacia possivel, que é a ultima vontade, que te pede um amigo
verdadeiro com o ultimo adeus.--_Gomes Freire._»

Baldado pedido--derradeira illusão d'aquelle grande espirito! Quizeram
que a morte fosse affrontosa na forca, e assim terminou a existencia um
dos mais distinctos generaes portuguezes.

O illustre soldado subiu ao patibulo sereno e impassivel. Proferiu
algumas palavras. É para crêr que foram as ultimas aspirações d'aquella
nobilissima alma, pela independencia e liberdade da patria. Mas os
padres que o acompanhavam romperam em vozeria tão escandalosa, e
descomposta que não se poderam recolher as intenções solemnes e
derradeiras do martyr.

Descido da forca, foi o cadaver queimado em presença d'alguns dos seus
verdugos, e as cinzas lançadas ao mar na conformidade da sentença.

Todos os actores da cruenta tragedia receberam o premio do serviço.

Has a patria soube guardar-lhes os nomes execrandos para os transmittir
immorredouros ás gerações futuras.

Quizera e devêra, talvez, deixar, aqui, impressos os nomes dos ignobeis
judas d'este torpissimo martyrio. Mas a penna recusa-se-me a este
sacrificio.

Não é bom tocar em nomes de carrascos. Ennodôa e macúla remexer os
tremedaes do cynismo que se transmitte e contagía como o virus das
febres paludosas e epidemicas do Mexico e do Ganges.

A urna cineraria d'este grande vulto foi o oceano.

Aceitemos ainda o oceano, como o vasto salão da nossa fiel alliada--a
Inglaterra.

                                                   VISCONDE D'OUGUELLA.



UMA VISCONDESSA QUE NÃO ERA

(EPISODIO DAS PODRIDÕES MODERNAS)


Como quer que eu andasse jornadeando, ha cinco annos, por aldêas do
Minho, intransitadas e menos conhecidas, encontrei um sahimento, que, ao
principio, cuidei ser procissão.

Afóra a cleresia, que era numerosa, realçavam com as suas côres rubras,
amarellas e roxas os balandraus de tres irmandades. Seguiam-se as alas
dos visitantes da familia anojada mui bem postos e quasi serios com as
suas casacas de gola enroscada e canhões arregaçados para evitarem os
pingos de cêra. A espaços, palmilhava o chão juncado de rosmaninho,
espadanas e hortensias, um anjo que atirava as pernas compassadamente ao
rythmo da musica, bamboando as saias, as plumas e as azas relampejantes.
Seriam seis os anjos, de varios tamanhos e significações imaginosas,
parecendo-me todos tão pouco celestiaes, quanto alguns d'elles tinham
escanhoado as queixadas para se darem o imberbe rubor de quem fingiam
ser. Eram deveras funebres e apropriados ao cortejo. Na vanguarda do
prestito ia a banda musical trovejando marchas funebres de metal e
bombo; no remate negrejava o esquife, roçagando baeta-crepe, levado á
mão por quatro sujeitos de casaca e catadura adequadas.

Apeei, e desviei-me a um recanto da estrada, em quanto perpassava o
sahimento; depois, perguntei a um homem retardado da comitiva quem era o
defunto.

--Era a snr.ª viscondessa--disse elle.

--Viscondessa de quê?--volvi eu.

--De quê?!

--Sim; pois ella havia de ser viscondessa de alguma cousa.

--Isso não sei, nem me consta. Acho que era só viscondessa.

Não prosegui na ociosa averiguação; mas, d'ahi a pequena distancia,
encontrei uma casa grande com seu portal de ferro, e na cimalha da
padieira esta legenda em letras bronzeadas: _Viscondessa do Salgueiral_.

Eu não conhecia este titulo.

Parei defronte da vetusta capella, ornamentada de pedra de armas, por
onde inferi que o titulo, se era moderno, acrescentára uma corôa a
fidalgos antigos. Compunha-se o brazão das quinas de Portugal em campo
de prata, e um cordão de S. Francisco á volta do escudo; timbre uma
aguia de azul, de azas abertas, com cinco bezantes de prata no peito.
Eram as armas dos Eças.

Em quanto alli me quedei a esboçar o brazão, não ouvi chorar ninguem,
como é costume, em quanto dobram os sinos, e reboam gementes nas
quebradas dos montes. Acertou de passar então um pegureiro que vinha do
pasto com a _mundice_[1], e perguntei-lhe se a snr.ª viscondessa, que
morrêra, era nova.

--Era já velhota--respondeu o rapaz, tangendo um boi que se preparava
para escornar o meu Terra-Nova.

--Ella não tinha familia?--tornei eu.

--O quê?

--Se não tinha filhos...

--Filhos, acho que não; tinha o snr. doutor.

O pastorinho foi andando, e eu tambem, em sentido opposto.

Ao cahir da tarde, cheguei á aldêa onde havia de pernoitar em casa do
abbade, meu condiscipulo em latim.

Disseram-me que elle ainda não tinha recolhido do enterro; mas, tendo-me
visto no caminho, mandára por atalhos avisar que me hospedassem.

Não se demorou o abbade.

--Cá pela aldêa--disse-lhe eu--os cadaveres titulares levam tempo a
enterrar.

--Não foi isso. É que eu, na qualidade de testamenteiro da defunta,
fiquei presidindo á arrecadação do espolio miudo. Bem sabes que dez
contos e quinhentos mil reis em cruzados novos e peças levam tempo a
contar...

--Tambem herdaste?

--Herdei tambem um relogio de algibeira de repetição com musica, uma
livraria padresca em latim que deve pesar vinte quintaes, e duas imagens
de martyres de pau preto, que parecem martyrisadas a machado; mas o
ditoso herdeiro d'esta senhora é... Olha lá, não te recordas dos nossos
condiscipulos na aula do padre Lixa ha vinte e cinco annos?

--De dous ou tres.

--Lembras-te d'um rapazinho louro, que entrou quando nós iamos sahir do
latim, chamado Cordeiro, que andava sempre a lagrimar e a babar-se de
saudades da mamã?

--Não me recordo d'esse rapaz que se babava de saudades...

--Chamavamos-lhe nós a _meiga-giboia_.

--Agora, sim!... Estou vendo-o debaixo do alpendre do padre Lixa a
scismar com a lingua de fóra. _Meiga-giboia_, sim, senhor; parece-me até
que fui eu quem lhe poz a imaginosa alcunha, porque nenhum de vossês, os
meus condiscipulos, tinha phantasia para tanto.

--Pois ahi tens o herdeiro da viscondessa... que não é.

--Que não é o quê?

--Viscondessa.

--Ora essa! Um lavrador disse-me que ella era viscondessa _tout-court_,
viscondessa de nada. Vens tu, e confirmas o lavrador, dizendo-me que não
era viscondessa a tal finada! Mas eu li o letreiro no portão de ferro...

--É verdade, o letreiro lá está. Depois de cêa, se o somno te não
apertar, ouvirás a historia d'este titulo.

--Se tem historia, é um bom titulo; que eu sei de centenares de titulos
sem historia. Cearemos de modo que o espirito se não comprometta na
digestão.

      *      *      *      *      *

Depois de cêa, o abbade, acautelando as portas á curiosidade das irmãs
que ainda eram moças e casquilhas, contou-me este conto:

--Havia em Braga um chapeleiro muito rico, pai de duas meninas. A sua
mania era casal-as com fidalgos; e depressa concorreram alguns
oppositores ás noivas. Um d'esses, que militava na qualidade de tenente
de milicias, era João Ferreira d'Eça, dono da casa onde viste o brazão.
O chapeleiro, que não dava a filha sem mandar examinar por pessoa
competente os pergaminhos do pretendente, convenceu-se de que o alferes
era primo em segundo grau dos condes de Cavalleiros. Deu-lhe, por tanto,
a filha e sessenta mil cruzados.

D. Antonia, poucos annos depois, viuvou, sem ter filhos. Era bonita e
muito rica. Outros fidalgos se lhe offereceram em segundas nupcias; mas
a inconsolavel viuva nem recebia visitas nem respondia ás cartas.

A outra filha do chapeleiro maridára-se tambem fidalgamente; porém, o
marido, que aceitára o desigual enlace para resgatar os bens
hypothecados, nem resgatára os bens, nem perdoára á esposa ter-lhe dado
o abundante ouro com que elle alargou a área dos vicios. Esta senhora
tinha tres filhos. D. Antonia d'Eça pediu-lhe o mais velho, e desde logo
o considerou seu principal herdeiro.

O pequeno tinha oito annos quando veio para o Salgueiral, e orçava pelos
dezeseis quando foi ser nosso condiscipulo em grammatica latina. Aquelle
choramigar e scismar com a lingua de fóra, como tu observaste, eram o
resultado do amor extremoso com que a tia o creára. Ella não queria
largal-o de si; mas as raras pessoas que a visitavam arguiam-na de ser
causa a que seu sobrinho, embora rico, ficasse para alli tão estupido
como os seus criados.

Alvaro Cordeiro não era incapaz de aprender; mas resistia ás maneiras
quer brandas quer violentas do professor. Não havia pagina de livro que
não tivesse para elle uma cabeça de Medusa a carranquear-lhe.

Quando chegou aos vinte e dous annos, induzido pelas descripções da vida
airada que os estudantes levavam em Coimbra, disse á tia que se queria
doutorar. D. Antonia exultou, encheu-o de caricias e dinheiro, e
mandou-o com a sua ama secca, com o seu escudeiro e com o seu cavallo
para Coimbra.

As estouvanices de Alvaro deram brado entre 1851 e 1858. O dinheiro que
a tia lhe enviára fôra tanto que, a final, nem o extremado amor que lhe
tinha a impediu de se espantar e doer do abuso.

Findos seis annos de Coimbra, apresentou-se á tia dizendo que era doutor
em philosophia e direito. Logo em duas faculdades tão desirmãs! Pasmei
do reviramento e actividade d'aquella preguiçosa intelligencia!

Todos lhe chamavamos doutor, sem offender-lhe a modestia nem a
consciencia. Por muito tempo o julguei mais ou menos conscio das duas
faculdades; mas, acaso, um dia soube em Braga que o doutor do Salgueiral
não fizera, sequer, exame de latim.

Nada revelei aos meus patricios, nem a elle o esbulhei do grau de
bacharel. Era-me penoso magoal-o sem precisão, crear um inimigo, e abrir
occasião a que a boa tia, arrependida de o beneficiar, o desherdasse.

Pouco tempo se deteve por aqui. Logo que o inverno assomou com as
primeiras nevoas ao espinhaço dos outeiros, Alvaro pediu licença a D.
Antonia para ir a Lisboa requerer um emprego na diplomacia. A senhora
contrariou-lhe o intento, allegando que seu sobrinho não carecia de ser
empregado; mas elle replicou razoavelmente que as suas duas faculdades
deviam ser utilisadas no serviço da patria, e que, por meio da
diplomacia, lhe adviriam os lugares de maior honra no estado. D. Antonia
quiz ouvir o meu parecer a respeito da diplomacia. Fui conforme ao
intento do doutor, e approvei que seguisse essa carreira, por ser a que
mais se dispensava das duas faculdades em hypothese.

Foi Alvaro para Lisboa; e, volvidos quinze dias, deu parte a sua tia que
fôra nomeado addido á embaixada portugueza em Paris, primeiro degrau
para subir a ministro, onde esperava chegar em menos de tres annos. Esta
jubilosa carta concluia por estipular a sua tia a remessa mensal de
cincoenta libras, que tanto era necessario á decencia e ao luzimento
d'um diplomata em França.

Fui chamado a votar sobre a clausula das cincoenta libras. Ora, como eu
de antemão sabia que a ternissima senhora lhe daria cem, se elle as
pedisse, accedi á necessidade das cincoenta. Ella fingiu-se afflicta,
lastimou o vacuo do seu peculio, prophetisou, sem fé, a ruina da sua
casa, e encarregou-me de ir ao Porto arranjar banqueiro por onde se
transmittissem as mezadas.

Foi Alvaro Cordeiro de Magalhães para Paris, como tu e eu poderiamos ir,
se tivessemos tias parvoas, ricas e extremosas. Quem não soube da sua
partida foi o governo, que nunca tivera minima idéa d'este addido.
Perguntando eu mezes depois, em Braga, a um secretario de embaixada se
conhecia em Paris o addido Cordeiro de Magalhães, disse-me que conhecera
lá um Cordeiro de Magalhães addido sim, mas a uma _cocotte_, e que, a
julgar do abysmo pelo cairel, o pobre rapaz dentro em pouco estaria de
volta para a sua aldêa sem dinheiro nem honra.

Agora, um episodio que prende com esta historia. Um tio materno de D.
Antonia era capitão de infanteria, quando os francezes invadiram o
reino. Dizia-se que este militar entrára nas fileiras de Napoleão,
seguira o grande exercito e nunca mais voltára a Portugal, nem dera
noticias suas á familia.

D. Antonia escrevera ao sobrinho recommendando-lhe que indagasse em
França se existiriam descendentes de seu tio Geraldo de Carvalho, que já
era coronel, quando se expatriou com o exercito francez.

Respondeu Alvaro que seu tio morrera general em Waterloo; e mais nada,
quanto a descendentes. Toma tu nota d'esta digressão que ha de vir a
ponto frizar na historia. Já dormes?

--Essa pergunta hei de eu fazer ao leitor quando lhe repetir o teu
conto.

      *      *      *      *      *

As cincoenta libras mensaes tinham subido a cem, quando D. Antonia, ao
cabo de dous annos, em apuro de paciencia, fez saber ao sobrinho que não
podia continuar a mezada.

O pseudo-addido, que já se dizia secretario de embaixada nas cartas á
tia, sahiu de Paris, trazendo comsigo a franceza, a quem amava com a
cegueira já descabida nos seus trinta e cinco annos, mas natural de um
coração mal compleicionado.

Chegou Alvaro ao Salgueiral, deixando a franceza no Porto.

A tia recebeu-o com a sua inalteravel ternura, e levemente o arguiu de
perdulario. Queixou-se elle de lhe ser cortada uma brilhante carreira.
D. Antonia consolou-o antepondo á vaidade de o vêr ministro o
contentamento de o ter comsigo. Alvaro contrafez o prazer de se sentir
tão querido, e nunca fôra tão amoravel para sua tia.

Esta senhora herdára da indole do pai a mania de se afidalgar. Muitas
vezes me pediu que lhe lêsse uns codices genealogicos, escriptos no
seculo XVII, relativos ás proezas dos avós de seu marido; e
coriscava-lhe então nos olhos o enthusiasmo, como se o inclito sangue
dos façanhosos Eças se lhe infiltrasse das arterias do chorado esposo.

Uma vez, contando-lhe eu que o filho de um socio de seu pai acabava de
ser agraciado com o baronato, D. Antonia, por entre gargalhadas de
sisudo espirito, revelou despeito, e talvez cubiça de ser ridicula como
o filho do socio de seu pai.

Não me espantei, pois, quando Alvaro Cordeiro me disse que ia a Lisboa
agenciar o titulo de viscondessa para sua tia. Dei os parabéns a D.
Antonia, persuadido de que o titulo seria negocio feito, desde que o
agente levava ordem franca para negociar a mercadoria.

Passadas algumas semanas, D. Antonia de Eça recebeu a participação de
que era agraciada por sua magestade, em attenção á illustre ascendencia
e serviços de seu marido, com o titulo de viscondessa do Salgueiral, em
uma vida.

Fui eu o encarregado de transmittir mil libras ao sobrinho para pagar os
direitos de mercê, luvas, etc.

Ora, seria uma offensa á tua critica dizer-te que Alvaro estava em
Cintra com a franceza, dissolvendo em prazeres as mil libras da
excellente creatura, e forjando cartas de aviso e alvarás de
viscondessa.

Fazia tristeza a pobre mulher! Só eu sabia que ella era enganada pelo
sobrinho, porque tive pessoa que procurasse informações na respectiva
secretaria. Todos a tratavam de viscondessa, e eu tambem. E o titulo
desconcertára-lhe por tal maneira o siso que, ás vezes, fallando-me do
marido defunto, chamava-lhe o _seu visconde_, tornando a graça
retroactiva uns bons vinte annos. O letreiro, que lêste na porta,
mandou-o ella gravar tambem no jazigo de familia, na baixella, nos
reposteiros da sala, que nunca os tivera; e então a corôa essa appareceu
mal pintada em tudo, desde os escabellos antigos do salão-de-espera até
aos portaes de todas as quintas.

Um dia, escreve-lhe o sobrinho de Lisboa, contando-lhe o seguinte: que,
ao sahir de Paris, encarregára o seu ministro de continuar indagações
ácerca dos descendentes de seu tio o general Geraldo de Carvalho, morto
na batalha de Waterloo; e acrescentava que a final o visconde de Paiva
descobrira em Saint-Nazaire uma neta do general, menina de muitas
prendas e virtudes, vivendo de uma prestação do estado, proposta ao
parlamento por Napoleão III. Continuava Alvaro pedindo licença á palerma
da velha para ir visitar sua prima, e offerecer-lhe em nome de sua tia
viscondessa passar um verão no bello Minho.

D. Antonia rejubilou com esta nova, e fez-me participante da sua
alegria. Que repugnancia eu senti em obtemperar a esta novissima
velhacaria de Alvaro! Mas eu sentia que o descobrir-lhe uma trapacice me
obrigava moralmente a descobrir-lhe as outras.

Entretanto--pensava eu--quem sabe? Póde ser que exista a neta do general
Geraldo. Porém, não seria acertado averiguar primeiro se existia
semelhante general?

Escrevi a um sabio de Braga perguntando-lhe se tinha noticia de tal nome
na historia militar de Napoleão I. Respondeu-me o sabio que consultára
miudamente a _Historia do consulado e do imperio_, e entre os generaes
vivos e mortos não se lhe deparára tal Geraldo, nem ainda entre os
officiaes subalternos; mas que, consultando homens de mais de oitenta
annos, de Braga, soubera que Geraldo, cunhado do chapeleiro, capitão de
infanteria, morrera na defeza de Badajoz em 1811.

Como quer que fosse, á volta de trinta dias, Alvaro Cordeiro estava no
Salgueiral com sua prima mademoiselle Cora de Carvalho, para quem D.
Antonia se mostrava infinitamente graciosa. Uma franceza velha
acompanhava a nova sob o titulo de aia, honestando assim a viagem do uma
menina solteira com seu primo.

Escuso talvez dizer-te que...

--A franceza era a _cocotte_--atalhei para acabar hesitações a respeito
da minha perspicacia.

--Mas uma rapariga diabolicamente bonita, com uns tregeitos sarcasticos,
que me pareceram a expressão de escarneo e zombaria d'aquella senhora
tão digna de menos ignobil sobrinho.

Era bonito ouvil-a fallar de seu pai, gentil-homem picardo, e de sua
mãi, que vinha a ser filha do general Geraldo de Carvalho. E o que mais
me espantava era a menina palavrear o portuguez menos mal, tendo
fallado, um mez antes, com o primeiro portuguez que encontrára em sua
vida!

D. Antonia brindou-a com parte de suas joias, foi com ella a Braga
mostral-a aos seus parentes; e tanto se lhe devotou que a mim me chegou
a dizer que não levaria a mal que seu sobrinho a desposasse.

Eu não pude então conter-me, que não exclamasse: «Deus nos livre!»

Ella instou por saber o motivo da exclamação involuntaria. Contentei-a
dizendo-lhe que as francezas não podiam afazer-se á vida campestre; a
que, a final, a snr.ª viscondessa viria a ficar sem o sobrinho, por a
esposa lh'o arrebatar para França.

      *      *      *      *      *

Planeou-se uma visita ao Palacio de crystal, no Porto. A «viscondessa»
nunca tinha visto aquella bonita cousa. Eu tambem fui convidado.

Mandou-se fazer o jantar no restaurante do palacio.

Quando estavamos á mesa, e nas alturas da lingua grelhada, entrou um
grupo de francezes, rapazes esturdios, de cachimbo de espuma, e rosa de
Alexandria na lapella. Um d'elles, olhando a fito mademoiselle de
Carvalho, estacou; e ella, que de relance o vira, purpurejou-se até aos
lobulos das orelhas. Alvaro Cordeiro não foi estranho a esta scena muda,
por quanto, guinando entre os dous a vista inquieta, empallidecera.

Os francezes abancaram gargalhando e proferindo phrases que eu não
entendi. Apenas sentados, estralaram as rolhas do champagne, e a vozeria
gralheava em chascos faceis de perceber nos olhares esconsos que
dardejavam ao nosso grupo.

Alvaro, antes de concluido o jantar, pediu a conta. Observou-lhe a tia
que a sobremesa ainda não tinha chegado, e que ella queria pudim de
laranja e o seu chá.

N'este comenos, um dos francezes, galante rapaz, ergue-se da mesa, vem
defronte de nós com um copo de vinho, e solta uma trovoada de palavras,
com um ar mixto de zombaria e seriedade, as quaes eu, ignorante da
lingua franceza, quando francezes a fallam, não percebi; mas as ultimas
proferidas muito de espaço, entendi claramente: _A ta santé, Cora Pearl!
Je felicite le beau Portugal et le beau portugais! Voilà un bijou de la
corruption française que leur y manquait!_

--E Alvaro que fez?--atalhei eu.

--Alvaro que fez? o que eu fiz. Olhou para o francez como se elle
estivesse representando um monologo. Lá na mesa d'elles as gargalhadas
eram estridentes...

--E a franceza?

--Levantou-se com a soberania de rainha da sua especie, e fez um gesto
de retirada a Alvaro.

--E D. Antonia?

--Pasmou, abrindo a bocca tumida de feijão carrapato, e jogando com os
olhos pelas caras dos circumstantes.

--E tu?

--Eu estava a traduzir. Sahimos todos silenciosos, e entramos no hotel
Francfort. N'essa mesma noite, partimos para o Salgueiral. Alvaro
explicou a sua tia o incidente:--aquelle francez amára sua prima que o
desprezára; e o infame, que a perseguira desde Saint-Nazaire, vendo-a
alli, a insultára. Ouvi estas explicações, e achei-as plausiveis; mas as
que me deram depois no Porto foi que o francez havia sido uma das
ludibriadas victimas de Cora Pearl, a qual tambem era uma das mais
despejadas e absorventes devassas de Paris.

      *      *      *      *      *

D'ahi a poucos dias, a hospeda da «viscondessa» mostrou-se enojada da
aldêa, e fallou em retirar-se para França. A carinhosa _tia_ pediu-lhe
que ficasse até ao inverno; ella, porém, não pôde disfarçar o seu fastio
tanto da aldêa como do amante. A meu vêr, a cobardia de Alvaro, na scena
do Palacio, devia encher-lhe a medida do tedio. Chegou-lhe a nostalgia
dos cafés e dos bosques. Não havia demovel-a.

Era justo que o primo a acompanhasse a Saint-Nazaire. A tia forneceu-o
de dinheiro abundante para seis mezes de ausencia, recommendando-lhe
que, se encontrasse o francez, o mandasse ao diabo, e não tivesse
testilhas com tão malcreado homem. Bem se via que o sangue ardente dos
Eças não se transfundira no corpo burguezmente pacato d'esta senhora,
nem Alvaro Cordeiro desmentia os pacificos pundonores do avô chapeleiro.

Ha seis mezes que Alvaro foi para França, e por lá está.

D. Antonia adoeceu ha quinze dias, e morreu antes de hontem, legando
todos os seus haveres, que montam a cem contos de reis, a seu sobrinho,
e as preciosas joias a sua sobrinha Cora de Carvalho, neta de seu tio o
general Gonçalo de Carvalho.

Que conclues d'esta historia?

--Que ha infames felizes, e que é preciso acreditar no inferno de
além-mundo.

--Eu não tiro essa conclusão assim absoluta. Infames são aquelles que
convertem a sua perversidade em desgraça alheia. Alvaro Cordeiro logrou
sordidamente a sua honrada tia; mas, logo que ella morreu na ignorancia
do seu logro, a responsabilidade do sobrinho é menor do que seria, se
lhe tivesse feito chorar uma lagrima. Pelo contrario, fêl-a viscondessa,
e deu-lhe a consolação de ter um tio general que morreu bravamente em
Waterloo.


CONCLUSÃO

Alvaro Cordeiro de Magalhães está hoje na sua quinta do Salgueiral,
casado com uma senhora de casa muito illustre, e pai de algumas crianças
educadas religiosamente. Nos letreiros que diziam viscondessa, subtrahiu
as tres ultimas letras; mas é visconde a valer. Fez uma economia na
fundição dos caracteres. Ao meu amigo abbade, seu commensal e confidente
unico, diz elle que a sanguesuga que lhe defecára o sangue da podridão
original e dos vicios da educação, fôra Cora Pearl.

      *      *      *      *      *

Esta Circe de illustres cerdos ainda hoje exercita as mesmas funcções
depurantes em Paris. Houve, todavia, uns apopleticos de ouro que ella
vampirisou até os matar exangues. Se succede uma sanguesuga
introduzir-se na larynge, é mister recorrer á bronchotomia--á incisão da
parte anterior do pescoço; mas o mais ordinario nestes lances é morrer o
doente. As bichas da natureza de Cora Pearl, quando se mettem na alma de
um homem, deixam um só recurso: a operação do suicidio. Felizes aquelles
que, á imitação de Alvaro Cordeiro, apenas foram sangrados!

É a sorte que eu desejo aos meus leitores plethoricos.

     [1] O rebanho de ovelhas, fato de cabras, e manada de gado bovino
     chama-se em algumas partes do Minho _mundice_, talvez corrupção de
     _immundicia_.



BIBLIOGRAPHIA

(Pedro Ivo--Pedro de Amorim Vianna--Alberto Pimentel--Visconde de
Castilho--Pinho Leal).


PEDRO IVO. _Contos._ Porto, 1874.--Formoso livro! Dir-se-hia que Julio
Diniz, o viajor eterno das regiões luminosas, deixou na intelligencia e
no coração dos que mais de perto o conheceram e amaram, as serenas
imagens das suas visões, as maviosas figuras dos seus quadros, a suave
indulgencia e conformidade com que elle florejava de nenuphares os
pantanos da vida.

Quando eu li alguns d'estes contos no _Commercio do Porto_, e lhes não
conhecia author, nem acreditava na authenticidade de Pedro Ivo, disse
sempre commigo: «É a continuação do gentil espirito de Gomes Coelho. Ha
de haver muita gente que passe inadvertidamente por estes graciosos
romancinhos, reveladores de poderosa vocação; porém, quando o author
chegar á meridiana da sua gloria, estes contos--aurora d'um dia
esplendido--serão relidos com renovado prazer.»

Reli hoje os que já lêra, e os que vem de primeira mão no livro. No
correr aprazivel da leitura, quando senti o alvoroço das lagrimas, ao
passo que as paginas commoventes eram singelissimas, saudei o amavel
romancista, e dei-lhe o culto sincero e raro da minha admiração, como
daria um beijo na face de meu filho, se elle um dia legitimasse a minha
vaidade de pai com um livro d'este valor. Invejo estas santas alegrias
ao snr. José Carlos Lopes.

      *      *      *      *      *

_Memorias de M.me Lafarge, traducção de PEDRO DE AMORIM VIANNA, com um
estudo moral ácerca da authora, escripto pelo traductor._ Porto, 1874. 2
tom.--Ouço dizer que a sciencia do snr. Amorim Vianna se prolonga até ás
fronteiras do hebraico. O que elle desconhece em linguistica é os
idiomas francez e portuguez. Isto, porém, não impede que o digno
professor de mathematica saiba tudo mais. Eu duvidaria da anthenticidade
do traductor, se o estylo do _Estudo_ não apparelhasse tão consoante com
o da versão: tamanha é a disparidade de um nome celebrado nas letras com
esses dous volumes imperdoaveis a um alumno de lingua franceza.

Versão e _Estudo_ ajoujam-se frizantemente. Quanto á primeira, se algum
incredulo me quizer obrigar pela palavra, demonstrarei que rara é a
pagina em que os erros não orcem pelas linhas,--erros de interpretação
franceza e de grammatica portugueza.

M.me Lafarge escrevia com a sublimidade e correcção classica de Jules
Janin. Desfigurada pelo traductor, dir-se-ha que a franceza escrevia
francez como o snr. Amorim escreve portuguez.

Pelo que respeita ao presumido _Estudo moral_, o que d'ahi se deprehende
é que Lafarge foi ladra e envenenadora porque lia romances. O snr.
Amorim, no processo de seu estirado estudo, revela farta leitura de
romances; e todavia, os seus costumes são exemplares, penso eu. Verdade
é que o insigne professor declara que Méry lhe faz nauseas, e que a
reputação de Balzac se deve _á corrupção do seculo, ao rebaixamento dos
espiritos, e desfalecimento dos brios no publico_ (pag. 176). E que
_Balzac se fanatisou pelo crime desenhando-o com o nome de Vautrin,
etc._ Conta que Lafarge tivera _mil pretendentes á sua mão depois de
condemnada e presa_; e explica este fanatismo por ser ella o _producto
das más paixões da época_.

Se Méry faz nauseas ao snr. Pedro de Amorim, quer-me parece que o author
da _Guerra do Nizam_, não preferiria o perfume... litterario do snr.
Amorim aos aromas das florestas indianas. Balzac, posto em pedestal de
corrupção para ser admirado, é um deploravel paradoxo que eu teria pejo
de vêr na minha lingua, se o snr. Amorim Vianna escrevesse
lusitanamente. Que, ao menos, estes absurdos se não possam tirar a limpo
d'entre locuções mascavadas.

Que Lafarge tivesse _mil pretendentes á sua mão, porque era mau producto
das más paixões da época_, é phantasia do snr. Amorim. Um ou outro poeta
lhe fez versos, sem lhe pedir a mão; houve um enthusiasta que lhe propoz
a fuga do carcere; e presume-se que um dos seus advogados casaria com
ella, provada a sua innocencia, que esteve indecisa entre a ignorancia
de tres medicos e a sciencia de Orphila.

Isto sommado não dá mil pretendentes; não chegamos sequer a liquidar um.
A estas hyperboles são atreitos os sabios enfronhados na derramada
florecencia dos idiomas do Oriente.

Por concomitancia de crimes, o snr. Amorim lembra-se da virtuosa duqueza
de Praslin assassinada pelo marido. Espanta-se das nobilissimas cartas
da duqueza, em que brilham elevados sentimentos de amor conjugal, e
acrescenta: _Custa a crêr que em classe tão depravada se dê tão grande
virtude; que uma fidalga possa escrever com tanta alma._

O cheiro de inepcia, que recende d'este dizer, chega a despontar a
iniquidade da injuria. Uma fidalga a escrever honrados sentimentos de
esposa e mãi é cousa que não lhe entra na democracia do snr. Amorim.
Vamos vêr d'onde vem ao figado do professor estes extravasamentos de
succo bilioso contra a classe heraldica.

Derivando nas torrenciaes enchentes da corrupção de França, o snr.
Amorim poja nas praias portuenses, e acha isto cá peor; clama contra os
escandalos d'esta cidade, e nomeia-os para se não parecer com Jeremias e
com os outros que iam botar discursos vagos debaixo dos muros de
Jerusalem e Ninive.

Dá pregão de que um sujeito, acompanhado de outros de boas familias,
perpetrára um rapto; que o juiz indecentemente os não condemnou; que a
mãi da raptada, movida por sentimentos de christã, perdoára ao raptor,
cuja mãi afflicta lhe pedia a liberdade do filho. Assenta que estes dous
sentimentos santos, em tal caso, tinham alguma cousa impia; e, em summa,
que os réos deviam ser condemnados, a despeito das lagrimas de uma, e do
perdão da outra mãi.

Averiguado o rastilho d'este velho odio, apura-se que o snr. Amorim
ainda não pôde perdoar aos cumplices do raptor, porque um dia, na sua
aula, o desauthoraram.

Depois, descamba para a vida particular do raptor, e narra com a mais
rustica indelicadeza a miseranda catastrophe que abriu uma sepultura,
sobre a qual a caridade e a justiça estendem o seu manto misericordioso.

Os adros e cemiterios ruraes tem uma grade que defende o ingresso aos
esfossadores de sepulturas. Não se podem levar estes empeços a todos os
remexedores de cinzas, que são o residuo de enormes incendios, cinzas
sagradas pelas dôres que as reduziram a isso.

O snr. Amorim espanta-se que Vieira de Castro _ainda depois de morto
conserve o favor popular_.

Ás doridas paginas que se escreveram a favor d'esse grande infeliz,
chama o snr. Amorim, _lôas_. E cita ao proposito as jogralidades do
_Puff_ de Scribe, e diz que a _unica moeda corrente é a da peta_.

Impropera de consciencia larga o eminente orador, porque _elle elevou ao
pinaculo da virtude um homem rico, só porque se mostrou caridoso depois
de morto. Todos applaudiram o panegyrico e com tudo ninguem ignorava a
vida do elogiado_.

Allude ao conde de Ferreira. Isto quando não seja indecencia, é
ingratidão. O snr. Amorim Vianna devia lembrar-se que, sem o legado do
conde de Ferreira, não se estaria a esta hora martellando no hospital de
alienados na Cruz da Regaleira. E eu, á vista do exposto, receio que o
author do _Estudo moral_ ácerca da Lafarge esteja no caso, como outros
mais sisudos, de aproveitar os favores d'aquelle estabelecimento.

      *      *      *      *      *

_O Livro das flôres_ (legendas da vida da rainha santa), _por ALBERTO
PIMENTEL_. Lisboa, 1874.--Não é livro para mysticos peculiarmente. É um
ramilhete de lendas mais formosas que authenticas enfeitando paginas de
historia vernaculamente escriptas. Guiou-se da mão dos chronistas o snr.
Pimentel; porém, quando as moutas das flôres lhe esmaltavam o caminho,
parava a colhel-as, e tecia com ellas nova corôa á memoria da dulcissima
rainha, mensageira do céo, entre inimigos descaroados. Lê-se muito a
sabôr este livro, e aproveitam-se na leitura, como estudo, os lances
capitaes do reinado de D. Diniz, e a selecta linguagem respigada entre
as rudezas das chronicas antigas.

O snr. Alberto Pimentel sabe a sua lingua como raros, e ha de escrevel-a
com primor dos que melhormente a sabem, e de quem vamos aprendendo todos
os que não viemos a este mundo com fadario de burros, não desfazendo em
ninguem.

      *      *      *      *      *

_Theatro de Molière. Quinta tentativa. O Misanthropo, comedia em 5
actos, versão liberrima, pelo snr. VISCONDE DE CASTILHO._ Lisboa,
1874.--Ainda não pude affazer-me á convenção de que estou lendo Molière
quando estudo estas chamadas versões _liberrimas_. Seria preciso que, a
intervallos, o torneio da dicção peregrina, a allusão ethnographica, o
particular relevo da nacionalidade franceza me trasladasse ao tempo de
Luiz XIV e ao meio das condições especiaes de vida em que Molière
photographou os seus grupos. Estas mui de siso chamadas
_nacionalisações_ renovam-se tão portuguezas do fecundante engenho do
nosso poeta, derivam tão affins da graça e donaire lusitanos de Gil
Vicente, Ferreira e Antonio Prestes, que não posso interpor aos antigos
mestres e ao mestre, em que todos os passados rebrilham, a inspiração
forasteira de Molière.

O _Misanthropo_ é outro livro que o snr. visconde enfileira na
bibliotheca das nossas riquezas litterarias. Estes cinco dramas hão de
crear maior numero de affectos e affeiçoados á lingua patria que toda a
grave e ponderosa communidade de classicos, inculcados nas
chrestomathias. Não havia meio de amaciar as asperezas do estudo da
lingua, senão este de offerecer á juventude negligente o fructo em cabaz
de flôres.

Depois de Molière, o valente pulso de Castilho vai medir-se com o
formidavel Shakspeare. O _Sonho d'uma noite de S. João_, editorado pela
activissima casa Chardron, já está no prelo. Seguir-se-ha _A
tempestade_. Seguir-se-hão as juvenis glorias de um talento que
reflorece cada anno afim de que o cantor da _Primavera_ não sinta na
quadra final que um anno lhe passou sem flôres. Abençoado sejas da
posteridade com o amor que te consagram os teus discipulos, mestre
generoso que tanto mais nos amas quanto nos liberalisas as riquezas do
teu espirito!

      *      *      *      *      *

_Portugal antigo e moderno, diccionario heraldico, geographico,
estatistico, chorographico, archeologico, historico, biographico e
etymologico, etc., por AUGUSTO SOARES DE AZEVEDO BARBOSA DE PINHO LEAL._
Lisboa, 1874.--Estão publicados dous tomos e algumas cadernetas,
abrangendo as letras A--F. As pessoas que estudam e avaliam a natureza
do trabalho arido e ingrato a que o snr. Pinho Leal dedicou o maior
numero dos seus annos, sabem aquilatar o merito d'aquella obra de
tamanho fôlego. Para essas pessoas as imperfeições de tal escripto não
lhe desluzem o merito nem esfriam o reconhecimento que se lhe deve. Quem
compulsou as obras do mesmo genero anteriormente publicadas e
apreciadissimas no mercado, agradece ao laborioso archeologo a grande
melhoria do seu trabalho, e ao benemerito editor o alento raro com que o
tirou a lume. Já vi arguido o snr. Leal de inexacto em miudezas
topographicas, sem lhe descontarem que elle aceitou as noticias
divulgadas em livros que os censores não haviam previamente corrigido
com a sua esclarecida censura. Com toda a certeza, o meu amigo Joaquim
Martins de Carvalho conhece as cousas antigas e hodiernas de Coimbra
mais de fundamento que o snr. Pinho Leal; mas seria impertinente
exigencia obrigar um chorographo a jornadear muito de espaço nas terras
que descreve para convencer-se de que as descripções que o precederam e
guiam eram menos exactas. O que é de todo o ponto certo é que eu tenho
consultado com aproveitamento o _Diccionario_ do snr. Pinho Leal em
variados pontos da sua ampla area. Não sei de outro armazem onde tão
variadas noticias se encelleirem, e tão de prompto se deparem ainda aos
mais versados. Com muita satisfação me glorio de ter cooperado com o meu
sincero voto para a editoração d'esta obra subsidaria de todos os
estudos respeitantes á historia, á geographia e ás antiguidades de
Portugal. Quem, depois, do infatigavel author d'estes livros, escrever
outros com mais primorosa penna, tem de constituir-se em divida e
gratidão immensa ao snr. Pinho Leal que está carreando as achêgas para o
futuro edificio. Duvido, porém, que n'este paiz em que um livro de 300
paginas representa o supremo esforço da nossa indole preguiçosa, haja
quem immole trinta annos de sua existencia, e os bens do seu patrimonio,
a um lavor que nas demasias do seu zelo, a critica desconceitua.
Deixam-se correr desafogadamente quantas parvoiçadas soltas e rimadas
por ahi coriscam de cerebros borrascosos; porém, se um escriptor de
indefessa lida concorre ao mercado das frandulagens com os seus suados e
tressuados livros, topa logo pela frente o vigilante piquete dos sabios,
que só n'estes lances sahem da tenda, como Achilles. Cumpre-me declarar
que tenho a maior consideração pelas correcções do snr. Martins de
Carvalho, quanto á topographia de Coimbra; mas não a tenho menor pelas
improbas fadigas do snr. Pinho Leal com cuja amizade me honro e
desvaneço.



PARA A HISTORIA DE D. JOÃO IV

(DOCUMENTO INEDITO)


É notorio que o infante D. Duarte de Bragança, que em 1640 militava no
exercito de Fernando III, imperador da Austria, foi traiçoeiramente
preso a instancias de Francisco de Mello, seu parente, portuguez, e
embaixador de Castella em Vienna.

Uns historiadores dizem que seu irmão D. João IV se inquietára quasi
nada com a prisão do infante; outros, mais exactos, asseveram que o rei
alguns esforços empregou para o libertar. Isto é verdade; mas os
esforços eram tão diplomaticamente frouxos que, vistos á luz da sã razão
e da boa politica, os historiadores que negam parece ganharem a partida
aos historiadores que affirmam a solicitude de D. João IV.

O infante estava preso na roqueta da torre de Milão, encadeado de modo
que nem sequer podia adormecer, quando o rei de Portugal, mediante o seu
embaixador em França, pedia, em 1643, á regente Anna d'Austria, na
menoridade de Luiz XIV, solicitando de sua magestade christianissima a
liberdade do infante D. Duarte em troca de alguns importantes
prisioneiros castelhanos que o governo francez tinha a bom recado.

Ahi está a arrojada tentativa que fazia o rei de Portugal no resgate de
seu irmão:--requer a uma nação alliada que arranjasse lá isso,
desfazendo-se dos seus prisioneiros, em escambo de um principe, que, ao
parecer de João IV, valeria tanto como dous ou tres hespanhoes
aprisionados em batalha!

E, ao mesmo tempo, pedia emprestado dinheiro á França, como se uma só
prova de pusillanimidade bastasse a enrilecel-o no conceito do cardeal
Mazarin, e solicitava ainda que o governo francez lhe protegesse o bispo
de Lamego, em Roma, e lhe restituisse integralmente o dominio da ilha de
S. Lourenço (_Madagascar_) onde os francezes, em 1642, se tinham
estabelecido com feitorias[2]. Eis a resposta dada por Chavigni, um dos
plenipotenciarios que trataram com o embaixador portuguez[3]:


RESPOSTA ÁS MEMORIAS DO EMBAIXADOR DE PORTUGAL (_versão_)

_El-rei se fará informar particularmente do negocio da ilha de S.
Lourenço para tomar tal resolução qual convenha á amizade e alliança que
ha entre sua magestade e el-rei de Portugal._

_Sua magestade seria contentissimo em poder contribuir segundo sua
affeição para com el-rei de Portugal, no livramento do infante D. Duarte
seu irmão, mas pelo que toca á troca que elle fez propor dos
prisioneiros dos inimigos para em lugar do dito infante, roga a vossa
magestade que considere que os inimigos tem tambem francezes entre suas
mãos, e que todos os dias a fortuna da guerra póde fazer cahir outros,
os quaes não podem sahir senão por uma tal troca; que sua magestade é
obrigado a os conservar e grangear a fim de que elles se empreguem mais
animosamente em o serviço de sua magestade e em adiantamentos de causa
commum; elle fará, com tudo, tudo aquillo que depender do seu poder pela
liberdade do infante D. Duarte, ao qual não tem elle menos affeição que
el-rei de Portugal mesmo[4]._

_El-rei fez despezas tão excessivas para o entretenimento de seus
exercitos, tanto de mar como de terra, e por assistir a seus alliados,
segundo os tratados que lhe havia parecido bem fazer com elles por lhes
dar tanto mais de meios para se esforçarem poderosamente pelo bem
publico e causa commum, que sua magestade teria antes necessidade de ser
alliviado de taes despezas que de se empenhar em outras novas, o que a
elle lhe é totalmente impossivel; de sorte que tem grande desprazer de
não poder ajudar de dinheiro ou mesmo de emprestimo a el-rei de
Portugal, como fizera de bonissimo coração, se o estado dos seus
negócios lh'o permittira._

_Sua magestade dá ordem á esquadra dos seus navios na Arrochela de tomar
ao snr. bispo de Lamego, embaixador de el-rei de Portugal, vindo de Roma
para o levar..._[5]

_Pelo que toca ás bandeiras dos navios reaes e mercadores em os portos
de França e de Portugal, este negocio se remetteu ao conselho de
marinha, e as Memorias se podem metter em mãos do snr. Habrgue (?) com o
qual se póde tambem conferir aquelle da ilha de S. Lourenço. Feita em
Paris a 21 de março de 1643.==Chavigni._

      *      *      *      *      *

O infante D. Duarte de Bragança morreu, ao cabo de oito annos de prisão,
algemado como facinoroso, em um antro destinado aos supremos criminosos.

Do mesmo passo que D. João IV pedia dinheiro para se arrostar com as
difficuldades da guerra, e conter o exercito hesitante, um insigne
historiador, Rebello da Silva, escreve que elle offerecêra 400:000
cruzados pela liberdade do irmão. N'este depoimento falta o testemunho
coevo, e critica mais desassombrada que a do conde da Ericeira, cuja
authoridade é medianamente veneravel.

As letras de cambio, que D. João IV firmou, ninguem as quiz descontar em
Amsterdam; e, quando iam ser protestadas, o judeu Jeronymo Dias da Costa
as pagou... em recompensa de lhe haverem queimado os parentes em
Portugal[6].

     [2] Madagascar, ou ilha de S. Lourenço primitivamente, foi
     descoberta em 1506 por Tristão da Cunha, e não por Lourenço de
     Almeida, como diz Ellis na _History of Madagascar, compiled chiefly
     from original documents_. (Londres, 1838).

     [3] Documento inedito, que falta na collecção dos publicados pelo
     visconde de Santarem, e não sei se faz parte dos ineditos do
     marquez de Nisa existentes na bibliotheca publica de Lisboa.

     [4] Parece ama ironia, se não é antes uma censura, dissimulada em
     fineza.

     [5] Palavras desfeitas e inintelligiveis.

     [6] Veja o _Testamento politico de D. Luiz da Cunha_, sujamente
     impresso com o nome de _Carta_, por A. Lourenço Caminha.



INEDITO DE MANOEL SEVERIM DE FARIA


O primeiro bibliophilo portuguez, o snr. Innocencio Francisco da Silva,
ácerca da livraria e dos manuscriptos ineditos do doutissimo chantre
Manoel Severim de Faria, escreve o seguinte:


«As (obras) que ficaram manuscriptas passaram, depois do seu
fallecimento (1655), juntamente com a sua copiosa e escolhida livraria a
enriquecer outra, ainda mais abundante e numerosa, qual era em Lisboa a
do conde de Vimieiro, riquissimo thesouro litterario que foi como tantos
outros reduzido a cinzas pelo incendio subsequente ao terremoto de
1755.» (_Dicc. bibliog._, tom. VI, pag. 106).


Alguns traslados de pouquissimos ineditos de Severim vieram á minha mão
com os manuscriptos do jurisconsulto Pereira e Sousa. Os caracteres são
coévos do sabio antiquario; mas a pessima orthographia accusa traslado
de mão imperita. Não obstante, como as idéas não padeceram com a
ignorancia do copista, dou afoutamente esta copia corrigida
orthographicamente. É documento historico, além de these engenhosamente
concertada; por onde se deprehende que o desbarato de D. Sebastião e da
flôr da fidalguia em Africa redundou em beneficio de Portugal.

Senão, vejam:


«_Observações dos males que Deus permittiu para bem de Portugal,
escriptos e expostos pelo chantre da cidade de Evora, Manoel Severim de
Faria. Em 20 de setembro de 1649._


«Permittiu Deus que se perdesse el-rei D. Sebastião, e ficasse toda a
fidalguia portugueza captiva de mouros, porque estando os portuguezes
muito soberbos com as victorias que houveram por todas as partes do
mundo, não as reconheciam já a Deus; mas cuidavam que eram alcançadas só
por seu valor. Castigou Deus esta soberba com aquelle miseravel
captiveiro, e depois com a entrada dos castelhanos, que conhecendo nós
pela experiencia que as victorias que alcançavamos, não era por nossa
fortaleza, senão pela misericordia de Deus, nos humilhassemos e fossemos
exemplo ao mundo d'este conhecimento, e ficassemos capazes de receber
outra vez o reino e a liberdade da sua divina mão.

«Permittiu Deus que o conde de Vimioso, D. Francisco, perdesse a vida e
a casa defendendo a liberdade de Portugal, e que o conde de Basto e o
marquez de Castello Rodrigo ganhassem estes titulos entregando o mesmo
reino; e ordenou depois, que as casas de Basto e Castello Rodrigo se
perdessem, e a de Vimioso se restaurasse pela mesma valia do conde de
Basto, que casou sua filha com D. Luiz, e pela fazenda de Castello
Rodrigo, que casou outra filha com o conde D. Affonso, para mostrar a
todos com tão raros exemplos, que os que fazem o que não devem, cuidando
ganhar para seus filhos, os deixam perdidos, e os que fazem o que devem
ainda que de presente padeçam, não deixam seus filhos desamparados,
antes acrescentados na opinião dos homens e na protecção divina.

«Permittiu a guerra dos hollandezes, no Brazil, para haver capitulações
e soldados praticos n'este reino, que soubessem pelejar contra a milicia
dos castelhanos.

«Permittia que obrigassem aos senhores portugueses a dar soldados para
Catalunha, para que tornassem a Portugal praticos depois da acclamação,
e isto em tanto numero que por conta tem entrado em Portugal, de
Castella e Flandres quasi seis mil homens de guerra.

«Permittiu o escrever das fazendas (cadarso), para que com essa occasião
se levantassem os de Evora, e entendessem os castelhanos que cá em
Evora, havia dez mil homens armados sem a nobreza do reino, e por isso
mandavam que sua milicia não passasse de Badajoz e tiveram por
felicidade a reducção.

«Permittiu que chamasse el-rei de Castella todos os grandes e fidalgos a
Madrid para com isso ficarem só em Portugal os que haviam de acclamar a
liberdade, estando ausentes os que lhe haviam de resistir,
principalmente todos os senhores, que por entregarem Portugal,
alcançavam titulos de el-rei de Castella.

«Permittiu a destruição da armada de Oquendo para que não houvesse
forças maritimas em Castella que excedessem a Portugal.

«Permittiu os desafôros que os castelhanos fizeram em Catalunha para se
atarantarem os catalães e se entregarem aos francezes, para que el-rei
de Castella ficasse opprimido com outra guerra mais perigosa, o que lhe
não deu lugar para acudir á de Portugal, estando principalmente com a
opinião das grandes forças d'este reino; porque, se de Evora sómente lhe
disseram que tinha dez mil homens contra elle, quando não tinha comsigo
a nobreza, quanto maior poder seria agora o do reino todo junto!...

«Permittiu Deus que el-rei de Castella com a inveja que tinha a sua
magestade, sendo duque o obrigasse a ir a Almada, com o titulo de
governar as armas, parecendo-lhe que d'este modo o desauthorisava. Para
que com esta occasião, o visse e tratasse toda a nobreza do reino e se
penhorasse com novos desejos de o reconhecer por seu principe.

«Permittiu que el-rei de Castella obrigasse a todos os nobres que fossem
militar a Catalunha, ou perdessem as honras e fazendas que possuiam. E
tendo-se no reino experiencia que os que partiam para este desterro, não
tornavam, entraram em desesperação e com ella se resolveram a acclamar o
verdadeiro rei, e deixarem o estranho.

«Permittiu Deus que este reino chegasse ao mais miseravel estado que
nunca esteve, sem armas, sem soldados, sem armadas, e sem fortificações
para que, dando-lhe n'esta miseria um rei, vissemos que esta obra não
era alcançada por nosso poder e forças, senão pela misericordia divina,
pois que estavamos sem gente de guerra nas quatorze praças que os
castelhanos tinham n'este reino e os navios armados que estavam em
Lisboa.

«E pelo contrario, que as empresas que acommettemos com maior poder,
como foi a de Andaluzia com tres armadas, não tivessem effeito: e as das
ilhas, que intentando libertal-as com duas armadas, nenhuma d'ellas
chegou a tempo; e os naturaes com suas pequenas forças rendessem os
castelhanos; com que ficou conhecida a victoria por divina, e os da ilha
recuperando a reputação, que no tempo da outra successão perderam.

«Permittiu que estando os castelhanos, os primeiros mezes quietos sem
Portugal romper contra elles; elles rompessem a guerra com Portugal, com
muito pouco poder, com que os portuguezes ficaram melhorando-se, com
alcançarem d'elles muitas victorias, e fazendo-se com ellas muito
praticos, o que sem esta occasião não podia ser.

«Permittiu que antigamente désse o snr. rei D. João, o primeiro, quasi a
terça parte do reino ao condestavel D. Nuno Alvares Pereira, para com
este grande patrimonio se poder conservar a descendencia real da casa de
Bragança com estado grandioso: e agora succedido na corôa, torna-se tão
grande parte do reino a unir a ella.

«Permittiu que muitos senhores e titulos cahissem no crime de
deslealdade, para que com suas rendas e fazendas se ajudar a sustentar a
guerra contra Castella.

«Permittiu que o marquez de Castello Rodrigo largasse a commenda-mór de
Alcantara, para se lhe dar em Portugal satisfação em muitas commendas da
ordem de Christo: e que o duque de Villa Hermosa se acommodasse só com a
de Alcantara.

«D'estes dous homens vagaram grande numero de commendas, com que poder
premiar aos leaes, que estavam servindo.

«Permittiu que vagassem quasi todos os bispados e arcebispados do reino:
e que em Roma os não quizessem prover, para com os fructos d'elles se
poder mais facilmente sustentar a defensa do reino, e serem pagos os
soldados.

«Permittiu que em Roma intentasse o embaixador de Castella affrontar o
de Portugal, para que sahisse o de Castella na fugida; e com a reputação
perdida desamparasse á vista de todo o mundo a mesma côrte de Roma,
acrescentando-se grandemente com isto a reputação do nosso embaixador e
do reino de Portugal.

«Permittiu que no tempo da acclamação ficasse Ceuta com Castella para
nos não dar n'aquella occasião maior gasto de dinheiro e gente.

«Permittiu que quasi a quarta parte de Castella fossem portuguezes, e
que depois da acclamação padecessem tantas vexações, que muitos d'elles
tornassem a Portugal, com que Castella perdeu muita gente, e Portugal a
ficou ganhando, assim em numero como em riqueza, com dinheiro que de lá
trouxeram.

«_Finis laus Deo._»

      *      *      *      *      *

Deus permittiu tudo isto. Uma nação que assim está debaixo da
fiscalisação divina, com as inscripções a 46 3/8 e o snr. barão de
Zezere na municipal, não póde cahir como Carthago ou Roma.



O MANOELINHO POETA


Cumprindo a promessa do numero antecedente, dou traslado da
_Representação_ metrica, enviada a Philippe IV de Castella pelos
conjurados de Evora. Onde o sentido das allusões rebuçadas me parecer
menos obvio, aventurarei algumas notas explicativas que o leitor versado
emendará, se as achar mal entendidas.


    A EL-REI NOSSO SENHOR

    Senhor, vosso Portugal,
    de vossos paes estimado,
    e sempre d'elles tratado
    como amigo tão leal,
    hoje, em miseria fatal,
    está pobre e lastimoso;
    e o governo rigoroso,
    que tanto o tem perseguido,
    lhe nega, sendo offendido,
    o allivio de ser queixoso.

    N'esta dos tempos mudança,
    n'esta da sorte dureza,
    na mantuana princeza
    tinha librada a esperança.
    Em fim, chegou; mas alcança
    que já esperar não convém;
    pois tão ruins lados tem
    n'este imperio desigual,
    que só póde fazer mal,
    e não sabe fazer bem.

    Algum que este povo unido
    desejára apedrejado,
    e em fim foi d'aqui lançado
    a todos aborrrecido[7],
    de novo agora admittido
    exerce imperio violento;
    que, para commum tormento,
    n'este governo acontece
    que o que castigo merece
    agora é merecimento.

    Este, agora, por fartar-se
    de tyrannias, é tal
    que governa Portugal
    como quem só quer vingar-se;
    pois não só quer odiar-se
    c'os naturaes; mas tambem,
    sem ser justiça, dotem
    aos estrangeiros no mar,
    até mandar-lhes queimar
    o proprio barco em que vem[8].

    De dous bachareis se informa
    mui diversos na nação[9],
    O Salazar e o Leitão[10]
    que só differem na fórma;
    só com estes se conforma:
    vêde o effeito qual será;
    porque um e outro está
    sinalado com deshonra[11];
    e quem não guarda sua honra
    como a vossa guardará!

    Este ministro cruel
    em tudo se intromette.
    Olhai que cousas promette
    junto co'o hollandez Sinel!
    N'estas almas de pichel
    tudo póde e tudo manda.
    Ai! do reino, pois tal anda
    o governo portugues
    que se vai de um hollandez
    contra os rebeldes de Hollanda[12].

    Este, pois, governo errado,
    para poder conservar-se,
    trata de perpetuar-se
    em dous polos estribado.
    Mas, ai! que está mal fundado
    em tão perversa doutrina;
    que onde a ambição domina
    é sempre o imperio violento,
    sendo aos filhos fundamento
    o que aos paes foi ruina!

    Porque aquelle pai que eu sei
    por infamia e por traição
    até quarta geração
    foi julgado pela lei;
    d'este um filho (ó alto rei!)
    sacrilego bispo é![13]
    Outro, digno de galé,
    excluso já por bargante
    da companhia triumphante
    assiste a julgar a fé[14].

    Vêde como a julgará
    quem sempre sua fé quebrou;
    e o que só vicios guardou
    como ovelhas guardará!
    Grandes simonias ha,
    senhor, n'estes provimentos!
    Examinai os augmentos
    dos que medram com ambição,
    por que eu sei bem que não são
    taes os vossos pensamentos.

    E, por não parar o extremo,
    d'estes o mais vil ladrão
    bebado, torpe e bufão
    é secretario supremo!
    Com que a vosso reino temo,
    senhor, grandes precipicios;
    pois não só vendem officios
    a inuteis, fracos judeus;
    mas vendem a honra de Deus
    e seus santos beneficios.

    Que muito! se, nos sagrados
    dormitorios de Enzobregas,
    provocou a acções bem cegas
    ao seu rancho e aos seus prelados!
    E, para os vêr profanados,
    certas gaitas ordenaram,
    com que todos celebraram
    a bacchanal, suja prole;
    e foram gaitas de folle
    porque os odres não faltaram[15].

    E quem isto faz, senhor,
    como é possivel que possa
    conservar em graça vossa
    do vosso reino o melhor!
    E não é damno menor
    affirmar-vos sem vergonha
    que é parente do Noronha
    por lhe roubar o que tem,
    e com malicia tambem,
    que está doudo vos proponha.

    Pois aquella rica prenda
    n'este reino sentenciada,
    por grande Caco lançada
    do tribunal da fazenda!
    Não me espantarei que venda
    por baixo preço a valia
    da patria e da monarchia,
    pois, nas mudanças que faz,
    falso traidor e sagaz
    toda a sua esperança fia[16].

    Senhor, estes inimigos
    são dos melhores sujeitos
    que não permittem seus peitos
    conservar sabios amigos.
    Crêde que em grandes perigos
    vos hão de precipitar;
    e sirva-vos de exemplar
    tantos reinos assolados
    porque foram governados
    de homens de baixo solar.

    É um em tudo guiado
    de um forneiro mecatrefe;
    de um pendolista bodefe
    é o outro governado.
    Serão suas razoes de estado
    sempre tisnadas e feias
    qual corre o sangue nas veias;
    fazei d'estes expulsão,
    que um é corrêa de cão,
    o outro cão para corrêa.[17]

    Com vossos poderes regios
    estes traidores astutos
    torcem vossos estatutos,
    quebram nossos privilegios.
    Não faltam homens egregios
    para governar melhor.
    Informai-vos, vós, senhor,
    que não falta quem mereça,
    quem fiel vos obedeça,
    quem sirva com mais amor.

    Assim, para commum damno,
    e para proprios proveitos
    convém que busquem sujeitos
    para o governo tyranno;
    de sorte, que n'este engano,
    viveis, senhor, offendido,
    e d'este reino esquecido;
    pela divina verdade,
    que não ha perpetuidade
    no reino que é dividido.

    Falta um justo conselheiro
    que por commum liberdade
    ante vossa magestade
    vá com zelo verdadeiro,
    qual o grande cavalleiro
    Egas Moniz em que igual
    foi valor e zelo tal,
    que, vendo a patria opprimida,
    arriscou a propria vida
    pelo bem universal.

    N'esta universal fadiga,
    quem manda, fallar não deixa;
    pois até do pobre a queixa
    como culpa se castiga.
    Pois como ha de haver quem diga
    que a tyrannia insolente
    inda fallar não consente!
    E nossa fortuna quiz
    que se sinta o que se diz;
    mas ninguem diga o que sente.

    Em fim de tanta crueldade
    vos avisa o reino junto,
    Portugal que, por defunto,
    se atreve a fallar verdade.
    Vossa altiva magestade
    mostre agora seus poderes;
    que, entre tantos pareceres,
    qual póde o governo ser,
    se, á conta d'uma mulher,
    governam tantas mulheres!

_Manoelinho o fez com approvação do senado todo junto._

      *      *      *      *      *

Comparando o torneio e estylo d'esta poesia com as que tenho impressas
dos poetas d'aquelle tempo, é muita a semelhança que corre entre ella e
os poemetos de Duarte Ribeiro de Macedo, que foi melhor prosador.

     [7] Diogo Soares, secretario dos negocios de estado, fazenda e
     justiça.

     [8] Successos occorridos com embarcações francezas.

     [9] Nascimento.

     [10] João de Frias Salazar, desembargadar do paço, e o dr.
     Francisco Leitão, o _Guedêlha_ de alcunha, de quem dá larga noticia
     a romance intitulado _O Regicida_.

     [11] Dr. Leitão, era filho de uma notoria meretriz, e havia casado
     com outra, a celebrada Vicencia, filha de uma certa Barbara,
     alcaiota da rua dos Cabides.

     [12] A historia escripta não nos esclarece a obscuridade da
     allusão.

     [13] D. Sebastião de Mattos e Noronha, áquelle tempo, bispo de
     Elvas; hespanhol de nação, e um dos governadores do reino, em
     quanto o duque de Bragança, exaltado ao throno, não chegou de Villa
     Viçosa. Morreu, como conspirador, no carcere da torre de S. Gião.

     [14] O inquisidor D. Francisco de Castro, um dos conspiradores
     contra a revolução de 1640, perdoado e reposto no seu officio por
     D. João IV, em premio de delatar os seus cumplices.

     [15] Não posso rastrear a satyra, se ella entende com Miguel de
     Vasconcellos. Póde ser que n'esta copia falte a _decima_ que
     prendia com o caso picaresco de Enxobregas. Presumo, pelos versos
     seguintes, que o satyrisado seria o bispo de Elvas, D. Sebastião de
     Mattos.

     [16] Francisco de Lucena, apedrejado pelas regateiras do Porto, em
     1628, como executor do tributo das _maçarocas_; secretario das
     mercês de Filippe IV em 1638; secretario de estado de D. João IV em
     1641, e degolado, como traidor, em 1643. Da sua innocencia diz D.
     Luiz da Cunha na sua conhecida _Carta_ a D. José I: «... Conhecendo
     elle (D. João IV) a innocencia de Francisco de Lucena, seu
     secretario de estado, o deixou condemnar á morte, porque os
     fidalgos o fizeram passar por traidor, não podendo soffrer que elle
     lhe aconselhasse que lhes não devia alguma obrigação em lhe porem a
     corôa na cabeça, por que lhe era devida, a fim de que se não
     julgassem credores de grandes recompensas.» Veja o romance
     historico _O Regicida_, pag. 227, onde se imprimiram pela primeira
     vez os conselhos de Francisco de Lucena a D. João IV, que lh'os
     pagou briosamente.

     [17] Não pude attingir as referencias.



UM BAILE DADO A JUNOT, EM LISBOA


Os monographos da invasão franceza em Portugal não descrevem nem ao
menos citam o baile dado a Junot, no theatro de S. Carlos, na noite de 8
de junho de 1808.

Esta omissão, de nenhuma importancia ao primeiro aspecto, significa o
receio de ferir as pessoas que assistiram ao obsequio prestado ao
general de Napoleão. O resguardo era racional, quanto aos noticiaristas
coevos do baile; mas hoje em dia a deferencia é escusada, visto que os
filhos e netos dos jacobinos de 1808 se prezam de procederem dos homens
mais liberaes d'aquelle tempo.

Ao baile de S. Carlos concorreram familias da mais selecta sociedade da
capital, e muitas lá não entraram por falta de convite ou carta de
admissão, difficil de obter. Entre outras de menos porte, avultavam as
familias dos condes de Almada, de Sabugal, da Ega, de Peniche, e de
Castro Marim; de D. Francisco Xavier de Noronha, dos desembargadores
Lucas Seabra da Silva, Manoel Nicolau Esteves Negrão, e Abreu Girão; dos
marquezes de Abrantes, Marialva, Penalva e Valença; concorreram alguns
bispos e principaes da patriarchal.

A fim de avaliarmos as curvaturas abjectas por que passou o escol da
fina sociedade n'aquelle baile, vamos vêr que as cortezias foram de
antemão promulgadas como decreto, e rubricadas pelos generaes _Brenier_,
_Thiebault_, e _Margaron_.

O programma foi enviado na lingua do conquistador ás familias duas vezes
conquistadas, quando não eram tres, como certas condessas e viscondessas
respeitaveis por sua fragilidade e amor cosmopolita. Um curioso
contemporaneo, bem ou mal, traduziu, e acertadamente guardou o
programma, tal qual se offerece aqui aos espiritos de boa fé que nos
estão apregoando sempre o patriotismo de nossos avós:


«ANNUNCIO

     «A funcção, que o exercito francez de Portugal dá ao snr. duque de
     Abrantes, quarta feira 8 de junho, consistirá em um baile de
     ceremonia.

     «Esta funcção se fará na sala do theatro de S. Carlos.

     «As pessoas mais notaveis das differentes classes do reino serão
     convidadas por convites pessoaes, e que servirão de bilhetes para a
     entrada.

     «Entrar-se-ha pelo peristillo grande, e vir-se-ha alli dar pela rua
     de...

     «As senhoras convidadas serão recebidas pelos mestres das
     ceremonias, que lhes darão a mão até ao seu lugar.

     «M.mes Thomières, Trousset, et Foy, farão as honras do baile.

     «As pessoas convidadas para a funcção, como tambem as que tiverem
     alcançado camarote, virão das 7 horas até ás 10 da noite.

     «Chegando s. exc.ª ao theatro, será recebido pelos snrs. officiaes
     presentes á funcção, os quaes irão adiante d'elle até ao peristillo
     de baixo.

     «S. exc.ª ao entrar na sala, achará todas as senhoras convidadas
     sentadas nas frizas em bancos, ou cadeiras, o interior da sala
     estará vazio, e os homens encostados todos ao pano da bocca do
     theatro.

     «No instante em que elle apparecer, se ouvirá uma musica guerreira,
     e todas as senhoras se levantarão para lhe agradecer o seu
     comprimento.

     «Assentado que seja s. exc.ª, a orchestra executará a cantata
     composta em seu louvor; acabado este pedaço será s. exc.ª convidado
     a dar volta á sala, e depois tomar-se-hão as suas ordens para a
     primeira contradança, que se dançará só, e que estará composta
     d'antemão.

     «Esta contradança será só de quatro figuras. Immediatamente depois
     começará uma contradança franceza com tantas quadrilhas, quantas o
     lugar permittir.

     «Cada uma d'estas quadrilhas será de quatro pares e de seis
     figuras.

     «Seguir-se-hão as contradanças, as valsas, e as inglezas.

     «Quanto ás inglezas, para que todos os pares dancem sem as
     prolongar demasiado, ellas começarão ao mesmo tempo pela cabeceira
     e pelo centro das columnas, e durarão até ao ponto em que os
     ultimos pares da cabeceira e do centro tiverem dançado; o que
     observarão os snrs. mestres das ceremonias.

     «Se houver duas columnas, as senhoras estarão sempre dentro do
     circulo.

     «As inglezas e as valsas serão dançadas sem escolha de lugar; o que
     chegar ultimamente se porá depois do que lhe tiver precedido.

     «As contradanças francezas não se poderão dançar senão com
     bilhetes, o que torna impossivel ter-se feito antecedentemente
     algum ajuste.

     «Os mestres de ceremonias, que não dançam, serão encarregados
     d'esta distribuição, e terão o maior cuidado em fazer que
     successivamente dancem todos os cavalheiros e todas as senhoras; as
     quadrilhas terão além disto dous mestres do baile, para dirigir as
     figuras.

     «Depois da quadrilha, da valsa, da inglesa, que acabará ao rodar da
     meia noite e meia hora, os snrs. commissarios convidarão as
     senhoras a sentar-se, os cavalheiros as conduzirão para a porta da
     entrada, e o interior da sala ficará inteiramente vazio.

     «Feitas estas disposições, se levantará o pano, o mordomo passará
     por entre as abas da tenda, e dará parte, que a cêa de s. exc.ª
     está prompta; logo as abas da tenda se levantarão, s. exc.ª abrirá
     a marcha, precedido por um dos generaes commissarios que lhe
     mostrará o seu lugar.

     «Todas as senhoras serão conduzidas pelos cavalheiros; as que não
     poderem sentar-se á mesa serão servidas na sala. Á mesa não haverá
     homens, senão os que tiverem sido designados pelos commissarios, e
     a quem isto tiver sido participado pelos mestres das ceremonias.

     «Acabada a cêa, entrar-se-ha na sala do baile em uma ordem inversa
     da em que tiverem d'ella sahido, e a tenda se fechará.

     «Levantada a mesa da cêa, se porão no seu lugar mesas de jogo; a
     tenda se tornará a abrir, ficando assim maior a sala do baile.

     «Quando s. exc.ª se retirar será tornado a conduzir á sua carruagem
     pelos snrs. officiaes, que o receberam.

                                «Os generaes commissarios

                             «Brenier, Thiebault, Margaron.»


Este Junot foi tão desmedido ladrão em Portugal que nem propriamente os
francezes lhe disfarçam as manhas. A historia de França parece
envergonhada quando roça pelo nome infamado do duque de Abrantes.
Principiára valorosamente a sua carreira militar, como simples
granadeiro de voluntarios. De Lisboa sahiu locupletado e cobarde. Na
campanha da Russia, em 1812, contribuiu com o seu indolente sybaritismo
para a completa queda de Napoleão. Em 1813 ensandeceu, precipitou-se de
uma janella, e morreu da queda.

_Malè parta malè dilabuntur._ Esbanjou a opulencia roubada, e legou aos
filhos e á viuva o nome deshonrado, e uma quasi indigencia. A duqueza,
fallecida em 1838, vivia de escrever, e não escrevia sem graça. No lardo
das anecdotas nuamente contadas, consistia o merito das suas variadas
_Memorias_, _Scenas da vida hespanhola_, e _Salões de Paris_.

Do duque de Abrantes ficaram quatro filhos legitimos. O primogenito,
_Napoleon-Audoche_, duque de Abrantes, confirmado no titulo por Luiz
XVIII, seguiu a carreira diplomatica, que descontinuou em resultado de
vergonhosos processos. Fez-se litterato, abastardou-se na vida dos
camarins theatraes de baixa estôfa, e morreu pobremente em 1815.

Succedeu-lhe no titulo seu irmão _Alfred-Michel_, que havia nascido em
Hespanha, por 1810. Foi capitão de estado-maior, ás ordens do general
Mac-Mahon, em 1848. Militou na Africa, e ahi mereceu as divisas de
«chefe de esquadrão.» Em 1854, era ajudante de campo do principe
Jeronymo-Napoleão, e a 24 de junho de 1859 morreu de ferimentos na
batalha de Solferino.

_Josephina Junot d'Abrantes_ entrou em 1825 na congregação das irmãs de
caridade, voltou aos salões em 1827, casou em 1841 com um tal _Amet_,
empreiteiro de carroças, fez-se escriptora de obras moraes, e vivia
ainda em 1861.

A ultima filha d'este mal sorteado casal chamou-se _Constance_, casou
com _Louis-Aubert_, redactor do _National_ e prefeito da Corsega em
1848. Tambem foi escriptora de artigos de modas em diversos periodicos.
Fundou as _Abeilles parisiennes_ ha vinte e cinco annos; e, sem ter
grangeado colmêas de _louises_ com as suas abelhas, morreu pobre como
seu pai, como sua mãi, como seus irmãos.

O roubado não luz. Outros dizem que luz. Os ladrões é que sabem.



QUE SAUDADE!...


Folheando acaso a _Revista Universal Lisbonense_ de 1845, li pela
primeira vez a seguinte noticia:


UM DUELLO DIGNO DE LOUVOR

(CARTA)

                                          _Porto 10 de maio de 1845._

_Snr. redactor._--Peza-me o não ter sido testemunha ocular de um caso
acontecido aqui, a 5, pelas 4 horas da tarde, e em que se há de fallar
por muitos dias.

Tinha-se espalhado que dous estudantes da _arte amandi_, fortissimos no
capitulo dos ciumes e rivaes por uma triste fatalidade (porque segundo
os snrs. estatisticos ha mais mulheres do que homens, e por isso os
zelos masculinos quanto a mim deviam ser prohibidos); estes dous
meninos, digo, ambos com o sangue na guelra, tinha-se espalhado que a
essa hora combateriam em duello de morte (que sempre é obra mais
aceada), sendo o sitio da execução o campo da _Torre da Marca_,
padrinhos, outros academicos, e as armas, pistolas.

Concorreu toda a gente que pôde (eu só faltei por estar com um ataque de
gotta, nos pés se entende); e não só povo, mas dous regedores, cabos de
policia, um destacamento de tropa e muitas mulheres (não admira, a festa
era em nome e louvor do sexo, nada prova tanto os seus feitiços como
umas tripas ao sol); só faltava a tumba da misericordia, diz hoje com
muita graça o _Periodico dos pobres_. Sôa a hora; apparecem os dous
Quixotes montados como dous Sanchos em burros lazarentos de albarda rota
e freio de corda, mas muito arrogantes na catadura (não os burros porém
os campeões); um dos regedores, aliás bom homem, desapprovou com
destempero que duas figuras d'aquelle feitio, brigassem á pistola;
maudou-os apear e aos soldados que os prendessem; o povo, que não queria
perder as passadas, murmurava contra o regedor, muitos estudantes já
começavam a vociferar, um dos duellistas procurava convencel-o em
segredo; o magistrado via-se perplexo e creio que assustado.

Apressou-se em passar por mão o negocio para superior instancia:
acompanhou os zelosos á presença do administrador do bairro. Foi ahi que
se descobriu a chave do enigma:--os maganões declararam que o seu unico
intuito fôra fazer aos duellos a guerra do ridiculo: mostraram que as
suas pistolas levavam polvora mas não bala, e affirmaram, o que era
verdade, que entre os dous não havia nenhuma Dulcinéa. Afóra o regedor,
todos riram muito; e o administrador mostrou ter pena de que se não
tivesse chegado a representar uma farça que poderia ter, talvez,
prevenido algumas futuras tragedias.

                   _Um tripeiro velho que nunca brigou nem ha de brigar._

      *      *      *      *      *

Falla-se ahi em _dous meninos_.

Ai! um d'estes meninos era o snr. Freitas Barros, actual secretario da
administração do concelho de Coimbra.

E o outro menino era... eu!

Direi alguma cousa nos pontos em que o correspondente do Porto foi
omisso.

Eu vestia casaca preta de abas em triangulo isosceles com a gola em
promontorio, convexa, redonda e algum tanto sebacea. Na lapela
esfarpellada alvejava uma camelia, symbolisando tenção amorosa á mingoa
da charpa dos Amadis e Lancelotes, meus heroicos antecessores. Os
collarinhos de papel almasso embeiçavam com os arcos amarellos dos
oculos. A gravata era britannicamente branca, e absorvia-me o queixo de
baixo na circumspecta gravidade dos desembargadores d'aquelle tempo.
Recordo-me das luvas que eram de lã verde com um antebraço que lhes dava
uns longes de manoplas. Em uma das botas duvidosamente marialvas luzia o
espigão de uma espora sem roseta. O chapéo de castor, derribado por
gebadas _ad hoc_, desformára-se nas fórmas caprichosas de barretina de
lanceiro. Se bem me lembro, o meu adversario Freitas Barros vestia o
mesmo uniforme, tirante o chapéo que era de bicos, em arco, de alterosas
badanas, um pouco desengonçadas pelo attrito de meio seculo.

E, n'este feitio, depois de presos, atravessamos a cidade, desde a Torre
da Marca até á rua do Almada, bifurcados nos burros espavoridos pela
grita do gentio que exaltava n'aquelle intervallo de imprevisto
carnaval.

Claro é que a minha postura e a plastica do trajar eram bastantemenle
ingratas aos effeitos oratorios, posto que a rhetorica não fosse de todo
parvoa. Dei ao meu braço direito, durante o discurso, um movimento
pendular que depois vi perfeitamente arremedado no parlamento pelo snr.
Martens Ferrão. E, dado que, tanto nas posturas como nas expressões, eu
mantivesse a seriedade compativel, o magistrado que se chamava fulano
Mendanha, não sustentou a gravidade consentanea ao acto, porque me
interrompia com espirros de riso assás funestos aos golfos da eloquencia
de quem quer que seja.

Não obstante, a authoridade compôz sisudamente o aspeito n'este lanço do
meu discurso: «Snr. administrador! O ridiculo, na questão sujeita, póde
contribuir para defecar a humanidade de um crime que a lei não evita nem
pune. O duello, ill.mo snr., só deixa de ser ridiculo quando ha uma
victima, quando ha sangue e lagrimas; e, assim mesmo, ninguem sabe dizer
qual é o honrado, se o que morre, se o que mata, etc., etc., etc.»

Lembra-me que me fiz forte com Voltaire, como se o tivesse lido. Eu não
tinha ainda 19 annos; e, n'aquella idade, dou palavra de honra que era
estudante sem compendios, e o mais ignorante que podia ser um rapaz que
entranhadamente execrava livros, e amava o sol e tudo quanto elle
cobria, exceptuados os livros e os sabios.

Finalmente, o jovialissimo Mendanha mandou-nos embora; e nós d'alli
sahimos com a consciencia convicta de haver escripto um brilhante
capitulo na ethologia nacional, e com o estomago palpitante de sorrisos
para uma merenda condimentosa no _Rainha_ da Praça Nova.

Eu não me considerei então ridiculo a despeito da hilaridade das
multidões. Ridiculo me vi eu dez annos depois, quando sahia de um duello
com uma cutilada; e, olhando para ella, me acudia á memoria o meu
discurso ao administrador Mendanha.

..........................................................................

Mas... que saudades!...



CARTA A RESPEITO... D'AQUELLA COUSA


Agradeço-lhe, meu amigo, a remessa da Moleira que o lacrimavel Silva
Pinto distribuiu impressa no theatro da Trindade. Devo á solicitude de
v. o conhecimento d'este papel, e a occasião que me facilita de pedir ás
pessoas que leram o n.º 6 das _Noites de insomnia_ hajam de me desculpar
das expressões menos limpas com que offendi o decôro das letras. Ha
muitos annos que eu, forçando os impulsos da indole, algum tanto
caustica, á submisão imposta pela idade, tolerava allusões injuriosas
com a mais dolorosa conformidade. Quando, porém, vi que os admiradores
do snr. Theophilo Braga abusavam do silencio dos velhos como de
ignorantes vencidos e cobardemente resignados, fez-se mister de algum
modo avisar estes homens, dar-lhes um pequeno abalo ao seu orgulho,
fazer-lhes até sentir que as suas reputações litterarias estão assentes
em bases pouco solidas. Os termos desabridos que usei com o pobre Silva,
na verdade, sahiram-me immoderados. O homem era mais pequeno do que eu
cuidava. Enganou-me. Pensei que fosse mais mau que tolo; e, n'essa
allocução á opinião publica, vi com tristeza que elle é, no rigor do
vocabulo, um desgraçado que, estourando por dentro, todo o hydrogeneo
sulfurado lhe subiu aos miolos. É uma doença que, se espirrasse para
fóra, todo homem communicavel com Silva devia de andar ensopado em agua
de Labarraque.

N'este papel, que v. me envia, diz elle que me _escalpellisa com o
maximo socego_, e que eu estou _desesperado_. Podéra não estar! Tomára
eu que Silva se calasse, a vêr se me despeno d'estas afflicções em que
elle me traz. _Escalpellisa-me!_ Vê? Do escalpello á faca de ponta a
differença está em algumas pollegadas de aço. O instrumento das glorias
de Bichat, posto em mãos de Silva, assusta-me como se lampejasse nas de
Cartouche. Ó Pinto! ó carnifice! já sei que garotêas na rua de Santa
Catharina, e te alapardas no antro n.º 335. O chefe da esquadra vigia-te
a rogos do meu pavor!

Elle diz ao publico:

Que discute pelo desejo de _formular_ um protesto, etc.;

Que adiante _formúla_ observações, etc.;

Que tem testemunhos de sympathia publicamente _formulados_, etc.;

Que o disparate só um leitor assiduo, etc., ousaria _formulal-o_, etc.

Formúla tudo. Este abuso da _fórma_ denuncía costella de sapateiro. Quem
te reformulára os aleijões a tirapé, Pinto! Pinto falso!

Diz que não me ameaçára na minha vida privada. (O _privada_ é elle e
d'elle. Eu escrevi _vida particular_. Não lhe quero maior castigo que a
vergonha ante si mesmo de substituir cavillosamente palavras para
amanhar um gracejo sujo). Não ameaçou?! Annunciou na _Actualidade_ um
livro escripto por um collaborador, e prometteu dar extractos na folha.
Que queria dizer isso?

Diz que não escrevêra a local da _trilogia_, nem a outra ácerca do
Castellar, nem a da cacophonia.

Então havia outro sandeu de igual marca no jornal? Que parelha de
asneirões! Pelos modos aquelle escriptorio de redacção era uma
estrebaria! Se os dous coexistem, são os meninos-siamezes da estupidez;
mas o outro desconfio que é elle.

Falla de uns meus _contractos litterarios com o snr. Anselmo de Moraes_.

Ahi vai, com nojo e brevidade, a historia d'estes contractos já babujada
pelo dos _Musicos_, e não sei por quantos da quadrilha.

Este Anselmo de Moraes procurou-me, ha seis annos, para me propôr a
redacção de um periodico semanal, que se chamou a _Gazeta litteraria_.
Aceitei. O contracto estabelecido foi que elle me pagaria a redacção por
columna; e, imprimindo em livro os artigos do periodico, me compraria, á
parte, a propriedade do livro. Pagou-me oito numeros, e deixou de me
pagar os restantes. Neguei-me a escrever o n.º 17, quando a divida
montava a 70$000 reis, e eu já tinha pago de minha algibeira a um
collaborador, o talentoso Delfim Maria de Almeida. O periodico terminou.

Não lhe pedi o estipendio do meu trabalho, porque seria baldado
pedir-lh'o, como havia acontecido ao estimado escriptor lisbonense
Andrade Ferreira. Esperava eu, todavia, resarcir-me com a propriedade
dos meus escriptos, publicando-os em livro; mas o snr. Anselmo de
Moraes, esbulhando-me d'este recurso, editorou os artigos em volume, e
os pôz á venda com o titulo de _Mosaico e silva de curiosidades
historicas, litterarias e biographicas_, precedidos de um prefacio,
attribuido ao snr. Theophilo Braga, onde se diz, pouco mais ou menos,
que o author dos taes escriptos, sentindo a imaginação fatigada para o
romance, se soccorre d'aquelle genero. Era, ao mesmo tempo, espoliação e
descredito.

Assim que tive noticia d'esta... irregularidade (pacato synonymo de
_maroteira_), constitui procurador que impedisse a venda dos livros,
cuja propriedade me pertencia, e se apossasse da edição que se achava na
casa Moré, se bem me recordo. O snr. Moraes levou d'este acto judiciario
aggravo para a Relação, a qual decidiu que se entregassem os livros ao
editor, fundamentando o accordão em que eu permittira a publicação do
livro. Quem duvidára que eu permittira a publicação do livro? O que eu
não queria consentir era que o snr. Anselmo de Moraes m'o não pagasse.

A acção judicial foi erradamente posta. Eu devia, em vez de fazer
arresto por fraude, requerer arresto por _calote_.

Paguei as custas, e desisti de nova acção para não pagar outras; porque
o snr. Anselmo era insoluvel. Ahi está a historia.

Falta dizer o conceito em que tenho o proprietario da _Actualidade_.
Salvo melhor juizo, é um traficante na pessima accepção da palavra; mas
tão parvo que me açula os seus mastins, devendo açamal-os em tal
assumpto, se tivesse juizo, vergonha e consciencia.

Mas, tornando ao outro:

Pinto diz que eu o ameacei. Eu! Que me chamasse entidade _escura_,
_leproso_ e _ignorante_, perdôo-lhe porque é verdadeiro, menos no
diagnostico da lepra; mas escrever que eu lhe _dirigi ameaças_, é peta
que talvez me obrigue a matal-o uma d'estas bellas noites na rua de
Santa Catharina, n.º 335, 1.º Ando á cata da arma, da unica arma idonea
para tal burricidio: é um gato morto e putrido. Em quanto não topar o
gato, Pinto póde sacudir a juba aos quatro ventos do céo.

A proposito de juba, dizem-me que elle exhibe uma guedelha
_king-charles_ ou á Ferré, o petroleiro. Perguntaram-lhe ahi no Porto
porque não se tosquiava.--Já viu leão sem juba?--respondeu elle.--Nem
urso sem pello--redarguiu o outro.

Figados e bofes de petroleo tem elle. Foi a Hespanha offerecer aos
communaes o seu... estomago. As manhas que lá o sustentaram hei de pedir
authorisação a um cavalheiro de Madrid, muito querido dos portuguezes,
para as contar á Europa. Pinto percebe-me. Não são factos da privada,
são da vida publica, vida de vergonhas que nos a vexam lá fóra. Na volta
de Hespanha, repulso de Lisboa, despejou-se no Porto, e cavalgou
Anselmo, ou Anselmo a elle--é ponto controverso.

Era aprendiz de caixeiro, em casa do snr. Anjos, se me não engano, em
Lisboa. Um dia foi atacado da pestilencia das _piadas_. Entrou a arder
em febre de asneiras. Em seus rábidos delirios, espumava injurias. Houve
um innocente que o desafiou.--«Eu não me bato, insulto!»--respondeu o
alentado cobarde. Moeram-no. Podéra!...

Este homem, na sua miseria, é um exemplo salutar á mocidade. É como o
bebado nos festins da Laconia.

      *      *      *      *      *

Meu amigo, faz-me o favor de pedir novamente perdão á opinião publica?
Vá-se habituando a pedir perdão todos os mezes.

                                                              Sou, etc.



NIL ADMIRAM


O snr. _G._ escreve um folhetim no n.º 154 do _Primeiro de Janeiro_.
Louva as qualidades litterarias do snr. Pedro de Amorim Vianna,
manifestadas na traducção das _Memorias de Lafarge_, e no _Estudo_
correspondente. Observa que a celebre envenenadora grangeou sympathias
nos salões da França, e attribue o phenomeno á corrupção da moral.

Depois, derivando aos costumes contemporaneos, escreve:


«Troppmann que em nossos dias póde ser considerado um dos maiores
criminosos, chegaria a causar fanatismo, se se lembrasse de percorrer a
propria França, theatro das suas tristes façanhas, e não faltaria quem
se désse pressa em procurar estender-lhe a mão com intima effusão de
contentamento.»


Sentir semelhante dislate, mas não o escrever, revelaria, quando menos,
um eclipse de razão; mas divulgal-o, atiral-o ao rosto da sociedade, é
um insulto. Que conceito fórma da moralidade da França o snr. _G._!
Troppmann, o assassino de algumas crianças que a justiça levanta de ao
pé de sua mãi cortada de golpes, percorrendo a França, _causaria
fanatismo; e não faltaria quem se désse pressa em procurar estender-lhe
a mão com intima effusão de contentamento_!

Que dirá o seculo XXII, quando lêr isto! Dir-se-ha que o seculo de Jayme
José Ribeiro, de Belem, era um periodo de selvagismo, e que o snr. _G._,
á imitação de Boecio nas trevas da meia-idade, protestára contra os
vicios do tempo, e affirmára honradamente a sua repugnancia em apertar a
mão de Troppmann, com intima effusão de contentamento.

É justo que cada um exerça o direito de dizer o que pensa; mas os
disparates, que ultrajam a consciencia publica, deveria o escriptor,
embora anonymo, cohibir-se de alardeal-os.

Parvoiçadas d'esta laia, ditas em um botiquim, evolam-se como o fumo
agro de um mau charuto de vintem; mas, estampadas em gazeta
circumspecta, tornam-se immortaes como as gazetas, e arriscam perante a
posteridade os _GG_, os _BB_, e todas as mais letras do alphabeto, sem
excepção dos _TT_.


FIM DO 7.º NUMERO





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Noites de insomnia, offerecidas a quem não póde dormir. Nº7 (de 12)" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home