Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Noites de insomnia, offerecidas a quem não póde dormir. Nº8 (de 12)
Author: Castelo Branco, Camilo Ferreira Botelho, 1825-1890
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Noites de insomnia, offerecidas a quem não póde dormir. Nº8 (de 12)" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



of public domain material from Google Book Search)



BIBLIOTHECA DE ALGIBEIRA


NOITES DE INSOMNIA

OFFERECIDAS

A QUEM NÃO PÓDE DORMIR

POR

Camillo Castello Branco


PUBLICAÇÃO MENSAL


N.º 8--AGOSTO

LIVRARIA INTERNACIONAL
DE
ERNESTO CHARDRON
_96, Largo dos Clerigos, 98_

PORTO   EUGENIO CHARDRON
_4, Largo de S. Francisco, 4_
BRAGA

1874


PORTO

TYPOGRAPHIA DE ANTONIO JOSÉ DA SILVA TEIXEIRA

62--Rua da Cancella Velha--62

1874


BIBLIOTHECA DE ALGIBEIRA


NOITES DE INSOMNIA


SUMMARIO


_Os salões, pelo exc.mo visconde de Ouguella--Subsidios para a
historia da serenissima casa de Bragança--O paço real da
Ribeira--As Cruas entranhas de D. Maria 1.ª, a Piedosa--D. Maria
Caraca Bonaparte--Lixo--Bibliographia--Pobreza academica--Sobre
Anselmo--Ao Publico_



OS SALÕES


CAPITULO VI

UMA AURORA

    Opprimé par des déspotes, qui, á leur tour, étaient menés par les
    jésuites, et asservi sous le pouvoir sans frein des prêtres et des
    nobles, ce petit peuple menait ainsi, sans aucun doute, pendant la
    première moitié du dix-huitième siècle, l'existence la plus
    miserable parmi toutes les nations de l'Europe.

                                                              GERVINUS.

    L'histoire n'est jamais faite, on la refait sans cesse.

                                                              VOLTAIRE.

    Les hommes embrassent volontiers avec une ardeur violente les rêves
    qu'ils se font, mais ils ne veulent point qu'on les leur impose.

                                                       ARSÈNE HOUSSAYE.

    Ignota obscurae viderunt sidera noctes,
    Ardentemque polum flammis, coeloque volantes
    Obliquas per inane faces....

                                            LUCANO.

Nos confins do globo, nas regiões arcticas, ao tocarmos as ultimas zonas
habitadas, toma a existencia proporções fabulosas. Expiram, alli, todas
as ousadias, todos os commettimentos, todas as aspirações dos mais
intrepidos navegadores.

É longo o obituario dos homens illustres, que teem perecido,
abandonados, n'estas epopêas ignoradas. Seriam famosas as chronicas,
onde se compendiassem as façanhas, os esforços heroicos, as luctas
incessantes, e a coragem inexcedivel dos martyres, que vão perdendo a
vida em busca d'aquellas solidões polares.

Todas as proezas que a antiguidade nos narra: os doze trabalhos de
Hercules, a entrada no formoso jardim das Hesperides, as excursões em
demanda do vellocino de ouro, o ousado empenho de transpor o labyrintho
de Creta, o maravilhoso e demorado cerco de Troya, a viagem aventurosa
de Ulysses procurando a patria, a retirada heroica de dez mil gregos
pelo interior da Asia, as conquistas de Alexandre, as invasões de
Sesostris, a fundação de Sparta, de Athenas, de Roma, e de
Carthago--finalmente as narrações de Homero, Xenophonte, Herodoto,
Diodoro, Thucydides, Quinto Curcio, Tito Livio, Plutarcho, e Eutropio, e
ainda as creações grandiosas, que remontam aos tempos pre-historicos dos
vedas, do Maha-Bharata, do Ramayana, do Kalidasa, e do Boudha
Sakya-Mouni, todos estes mythos, todas estas epopêas, todas estas
lendas, todas estas luctas titanicas, todas estas épicas aventuras são
debeis esforços, limitadissimos exageros, vagas e triviaes descripções,
em presença dos arrojos de Vasco da Gama, de Pedro Alvares Cabral, de
Christovão Colombo, de Américo Vespucio, de Magalhães, de Franklin, de
Cooper, e de não sei quantos outros navegadores e descobridores
temerarios, que teem avassallado os dous oceanos, indo, alguns d'elles,
povoar, com os seus esqueletos, as regiões remotas dos gelos polares.

Ha um parallelo formidavel e tremendo entre a vida physica e moral da
humanidade. As leis, que regem o espirito e a materia caminham a par.

O alvorecer da liberdade, quando um povo desperta do lethargo da
escravidão, assemelha-se á luz vaga e indecisa, com que a natureza
previdente, e sempre mãi, acode á escuridão das immensas noites
arcticas.

Contemplemos.

Em phases astronomicamente determinadas, o facho de luz, que arrasta
este globo, acariciando-o, e alimentando-o carinhosamente--como em berço
de ouro, e em fachas de purpura--deixa, na solidão e nas trevas, por
longas e frigidissimas épocas, as regiões que se aproximam dos polos.

Esconde-se o astro do dia. Levantam-se tempestades inexcediveis, rangem
nas proprias raizes os arbustos, que uma temperatura, milagrosa para a
vida humana, permitte e consente que sobrevivam a uma lucta constante;
fogem espavoridos os ferozes animaes, que o Creador concedeu áquelles
climas, e o homem, ainda que afeito a esta existencia inexplicavel,
busca em cavernas, cavadas no proprio gelo, um refugio, um abrigo contra
estas tormentas, em que a terra parece agonisar.

E quando a noite vai longa,--longa a ponto que parece
interminavel,--quando a presença d'um ente organisado assusta e apavora,
porque os vultos dão visões d'espectros, n'aquelles cataclysmos e
inversões de todas as normas por que physicamente se governa a
humanidade--do seio d'este cahos, do vacuo de todos estes ruidos, da
solidão infinda de todas estas planuras assomam os lampejos d'uma luz
vaga, indecisa, e bruxuleante--robustecem-se, avivam-se, condensam-se,
animam-se, fulguram, e em duas columnas investem com o horisonte,
aproximam-se do zenith, e desdobram-se n'uma corôa de fogo, que
resplandece, offusca, e afaga na pallidez dos planos em que se desenha,
os montes, pyramides e arcarias de gelo com que as solidificações da
agua teem revestido a terra.

É uma aurora polar.

O phenomeno termina.

As trevas adensam-se, os ventos impetuosos enfurecem-se, o gelo augmenta
de volume, as plantas não receberam calorico que as aviventasse, e a
terra conserva-se fria, inerte e abandonada.

É porque o calor e a luz foram ephemeros, e a natureza continua envolta
no seu sudario de neve, até que o luzeiro vivificador, o centro de toda
a nossa existencia venha expandir os seus raios, as suas frechas de ouro
por sobre o nosso planeta.

A liberdade é como o sol.

Só ella vivifica, só ella alenta, só ella esparge os seus raios de luz
pelas escuridões da intelligencia humana. Só ella rasga os véos
densissimos, que entenebrecem o senso moral dos povos. Só ella exalta
Galileu, Copernico, Luthero, Leibnitz, Calvino, Voltaire, Rousseau,
Beccaria, Filangière, Darwin, Proudhon, Lamennais, Bentham, Comte,
Stuart Mill, Littré, Michelet, Quinet, e toda esta phalange de
apostolos, que evangelisam a palavra de Deus, e pregam a boa nova,
explicando as maravilhas da creação, d'envolta com os hymnos, que
offerecem ao Eterno.

As auroras polares são simulacros de vida--são phenomenos
meteorologicos, que fulgem e desapparecem, sem que a terra estremeça de
contentamento, sem que a natureza acorde do somno lethargico das noites
arcticas, sem que as regiões do gelo dispam o alvo manto, que as
envolve, exhaurindo a luxuriante vida, e os ricos thesouros da sua
vegetação por todos os poros dos seus ferteis e uberrimos torrões.

Quando os povos não estão ainda preparados para as grandes evoluções
sociaes, quando as nações jazem adormecidas, nos pesadelos d'uma lenta e
demorada tyrannia, as aspirações d'um grupo diminuto de homens, o credo
da nova crença, symbolisado n'uma obscura e limitada pleiade, as
esperanças do futuro, formuladas pelos videntes e vates d'uma nova era,
são como a semente perdida de que falla o evangelho--não brota, não
germina, não rebenta, não fecunda, não viceja: fica entalada nas pedras,
ou comem-na as aves do céo.

As evoluções sociaes, sonhadas nos improvisos e imprevidencias dos
homens, que anceiam por precipitar acontecimentos inopportunos ou
prematuros, e que tentam arrastar os tempos, na insensatez com que os
Titans ousaram escalar o Olympo--segundo a maravilhosa lenda da
mythologia grega--são auroras polares, que fulgem, brilham, e se
extinguem, deixando o frigidissimo gelo da descrença no coração dos
povos que imaginaram regenerar.

Assim foi a revolução de 1820.

Na noite de ignorancia, de fanatismo, de escravidão e de miseria, que ia
tão longa, e tão frigida, como nas trevas dos polos, ergueu-se um
luzeiro ephemero, passageiro, e rapido, que atravessou o horisonte
politico da patria, e esvaiu-se e dissipou-se, como um meteoro, deixando
submersa, nas trevas da mais feroz oppressão, a nobilissima Lusitania.

A aurora polar de 1820 dissipou-se.

As trevas de 1828 surgiram e adensaram-se com o nefasto nome de
usurpação.

O vaticinio da emancipação dos povos, o credo dos videntes da boa nova
foram afogados no completo desconhecimento da soberania popular. Ficou o
Lazaro amortalhado, no sepulchro, sem escutar nem entender o verbo
harmonioso da redempção.

Por vezes, no fundo d'um horisonte diaphano e transparente, recorta-se
um ponto imperceptivel, um atomo negro, que só vistas perspicazes
descortinam. Vai o baixel singrando em aguas remansadas, impellem-no
ventos prosperos e adequados a uma facil navegação; e subitamente o
atomo torna-se colosso, o ponto negro transforma-se em tempestade, e os
elementos desencadêam-se, enfurecidos, sobre o mareante, confiado e
seguro na tarde bonançosa e estival dos climas tropicaes.

Assim nasceu a revolução.

As colonias do norte da America, esmagadas pela soberba oppressão da
velha Albion, proclamaram-se independentes. A França educada já nas
luctas dos philosophos e encyclopedistas, affeiçoada ás theorias e
doutrinas de Descartes, Voltaire, Rousseau, D'Alembert, Hobbes e Diderot
auxiliou esta grande lucta de emancipação; e a Europa, viu, com
assombro, o Novo-mundo aceitar a republica como um systema de governo, e
sustentar a democracia como uma verdade inconcussa, que parecia o
complemento da missão do Nazareno.

É que o christianismo recuára diante da escravidão. «Dai a Cesar o que é
de Cesar», dissera o Messias; e a França, como n'um Sinay de luz e de
transformações sociaes, formulára os direitos do homem, e esmagára, sem
remorso, todas as oppressões, e todas as tyrannias.

A França é o capitolio da raça latina.

Nem uma só vez a nobre terra das Gallias deixou de regar com o proprio
sangue um grande principio. E ainda, quando arrastada pela louca ambição
d'um homem desvairado, percorria a Europa, na sofreguidão das
conquistas--ainda assim, cada patrona dos seus legionarios era um fóco
de propaganda, e uma ameaça tremenda para os despotas ungidos pelo
direito divino.

Os excessos da revolução franceza--se os houve--foram a consequencia
logica e fatalmente necessaria de tantos seculos de carnificinas,
d'escravidão, e de infamias. «Os grandes só são grandes, porque nós
estamos de joelhos: levantemo-nos», clamava Seyés ao raiar a aurora da
mais esplendida revolução, que narram os annaes de todos os povos. E o
morticinio dos albigenses, a destruição dos huguenotes, as fogueiras das
inquisições, os encerramentos nas torres, e nas bastilhas, o estupido
orgulho, e os ignobeis e torpes privilegios d'uma aristocracia banal e
dissipadora, os barbaros direitos feudaes, a miseria publica na sua
hediondez, e todas as vergonhas, todos os abusos e todos os vexames dos
governos absolutos foram anathematisados e pulverisados á face dos
grandes principios, que os vultos homericos da assembléa nacional e da
convenção ousaram proclamar.

É d'aqui, e só d'aqui, que data a emancipação da humanidade.

A fé religiosa podéra ser--e foi--um balsamo de consolação. Era um
esteio para as consciencias, era uma valvula de segurança, forjada pelo
clero, pelo sacerdocio, pela theocracia, para obstar ao desencadeamento
de todas as indignações, e apagar, com as adulteradas palavras de
misericordia e resignação, as justas represalias legadas por milhares de
gerações.

As palavras de Christo, no Golgotha: «Perdoai-lhes, meu Pai, porque
elles não sabem o que fazem», ficaram sendo, na amphibologia da sua
applicação, o pára-raios de dezoito seculos de abusos, de ultrajes e
torpezas.

Rebentou a revolução franceza. E os raios d'este Sinay da biblia da
humanidade encheram de luz a palavra justiça, em toda a severa e
inexoravel verdade do vocabulo romano: «_Jus sum cuique tribuendi._»

Os decemviros d'esta era famosa prestavam, pela primeira vez, homenagem
á dignidade de todos os entes racionaes: viam e consideravam todos os
homens irmãos e iguaes.

Como é triste e demorada a perfectibilidade humana! Quantos seculos de
trevas, para luzir no craneo do rei da creação esta simplicissima
verdade: todos os homens são iguaes!

E são.

O genio e o idiotismo formam os dous polos d'esta arca santa, d'este
tabernaculo do pensamento, da vastidão do cerebro, onde a consciencia
moral, quando culta e desenvolvida, desperta sofrega dos seus direitos,
e irrompe-lhe a intuição generosa e espontanea dos seus deveres e
obrigações.

As colonias hespanholas responderam, com enthusiasmo, a este clamor
unisono da America do norte, e por sobre os dous oceanos voou a mensagem
de que o Novo-mundo estremecia de jubilo ao contemplar a liberdade. Foi
isto bastante para que o movimento revolucionario se propagasse na
metropole. E ao passo que os autocratas da Europa forjavam uma alliança
reaccionaria, com o intuito pueril de levantar um dique á torrente
caudal, que trasbordava nas planuras habitadas pela raça latina, a
revolução caminhava triumphante no meio dia do nosso continente, e
aceitava, como modêlo, a constituição hespanhola de 1812.

Era a democracia que levantava o collo, e arremessava o cartel aos
privilegios de dezoito seculos. As centelhas luminosas da liberdade, as
chispas d'este fogo sagrado irrompiam tão espontaneas, e tão vivazes,
que pareciam vulcões abertos pelas forças temerosas da electricidade,
fluidos magneticos, que em correntes subterraneas pretendiam surgir dos
seios da terra, em quanto esta se debatia, agonisante, nas convulsões
d'uma nova transformação.

Em 1820 estremeciam os dous mundos.

A Hespanha, o Brazil, o reino de Napoles, o Piemonte, e os proprios
christãos avassallados na Grecia despertavam ao clamor da emancipação
dos povos. Irradiava o sol da justiça. Dissipavam-se as trevas na
consciencia humana. Desde o Chili até Boukarest coroavam-se as montanhas
de fachos de luz, e como se uma só vontade, um só incentivo, um só
impulso dirigisse as nações, echoava em todos os pontos o sagrado nome
da liberdade. Ouvia-se o ruido das velhas instituições que desabavam. O
clero e a nobreza perdiam o prestigio, a força, o poderio; e a
humanidade, que ouvira absorta a palavra omnipotente da convenção
nacional, estremecia jubilosa e reverente, como a virgem de Nazareth ao
escutar a saudação celestial do anjo mensageiro.

Durou pouco a esperança. Detraz dos hymnos festivaes vinham os crepes
funerarios. Após esta radiante aurora seguiram-se as trevas da reacção,
os carceres, as galés, as deportações, os exilios e os morticinios. A
velha Europa estendeu os pulsos e deixou-se algemar.

O mais hediondo mal da escravidão é o habito torpemente adquirido de ser
escravo.

O maior crime da tyrannia é educar as gerações para a abjecção moral,
para a aniquilação da dignidade individual, e para a ignorancia dos
proprios deveres.

Todavia as evoluções sociaes não dependem da vontade dos homens.

As legitimas penalidades, na terra, imprimem-se implacaveis e cruentas
em quem pretende destruir o que de si é immutavel e eterno. O
desconhecimento completo das leis physicas e moraes da humanidade
arrasta, as mais das vezes, repetidos cataclysmos e sangrentas
catastrophes.

A arca santa do mosaismo é o symbolo immaculado da indestructibilidade
das normas, por que o universo se rege.

Todos os seculos teem uma feição propria, uma formula predominante, por
que se inscrevem na historia. Assim se exprime o seculo de Pericles, o
seculo de Augusto, o seculo dos Medicis, o seculo de Luiz XIV. Detraz de
cada um d'estes epithetos, que são como uma synthese, caracterisada
n'uma epigraphe, transparecem grandes commettimentos, estudos longos e
pacientes, como de benedictinos, luctas heroicas, trabalhos herculeos,
progressos infinitos, que formam a vereda, representada pelos marcos
milliarios da civilisação dos povos. Definem-se, pois, os seculos por um
grande pensamento, e gravam-se com uma nova idéa. E á medida que as
civilisações se multiplicam, as transformações são mais rapidas; e as
evoluções sociaes precipitam-se. É assim que os phenomenos da
electricidade e a força do vapor teem hoje, desde a Oceania até aos
confins do occidente europeu, a humanidade perplexa e surprehendida n'um
contacto constante, e as idéas transmittem-se com a velocidade da luz.

Mas as gerações que se teem ido succedendo, em seculos determinados para
a sua missão--egoistas e imprevidentes, foram legando ao seculo dezenove
a solução de todos os formidaveis problemas com que hoje nos achamos a
braços. Nós--entregues e devotados ás sciencias d'observação, aos
estudos analyticos, á razão critica, á severa e leal escolha da pureza
dos elementos que constituem o nosso credo, e a encyclopedia
fundamentada dos actuaes conhecimentos humanos, encontramo-nos face a
face com a futura solução de todos os problemas religiosos,
scientificos, litterarios e sociaes, que a machiavelica prudencia de
todos os defensores dos rigorosos principios authoritarios vai deixando
accumular.

Queixem-se de si, e só de si os zelosos apostolos da reacção--phariseus
de todas as épocas, e de todas as raças,--quando a democracia implacavel
e inexoravel na sua marcha, arrastada involuntariamente pela sua
velocidade adquirida, achar de subito a formula inteira de todas estas
temerosas soluções.

Mil oitocentos e vinte é apenas uma data.

Echo remoto da revolução franceza, grito agonisante d'uma nação
exhausta, indolente, ignorante, fanatisada e escrava, o povo balbuciou
sem consciencia nem fé a palavra liberdade, e adormeceu de novo, no seio
de theorias que não entendeu, de principios que não comprehendia, para
acordar d'este somno febril e agitado nas tristes e luctuosas
carnificinas do caes do Tojo.

A inviolabilidade da vida humana era uma utopia e um escarneo para uma
geração, que se estorcia convulsa, ainda, no medo e pavor com que a
feriam em face os sombrios e ferozes carceres da inquisição.

A democracia nem era apenas um sonho n'estes devaneios da classe media.
O proletariado, quando muito, seria uma casta de parias, que d'envolta
com o pauperismo merecia os ergastulos e gemonias da preconisada
republica romana.

As republicas gregas e latina não eram comprehendidas pela ausencia
total das sciencias modernas. E se os vocabulos se entendiam nos
lexicons da época, desconhecia-se, pelo menos, a essencia da organisação
e constituição de povos tão diversos. A philologia e a ethnographia eram
como hieroglyphicos para uma sociedade que apenas queria destruir. O
seculo dezoito vivera em parte dos discursos emphaticos de Raynal,
Volney e Rousseau, e das historias fabulosas, escriptas pelos aulicos e
cortezãos de todas as vaidades e pompas mundanas.

A democracia, na rasgada e imponente accepção do verbo supremo, havia de
irromper, mais tarde, n'este luzeiro immenso, que será a redempção da
humanidade.

                                                      VISCONDE D'OUGUELLA.



SUBSIDIOS PARA A HISTORIA DA SERENISSIMA CASA DE BRAGANÇA


II

A VENIAGA

Sem preambular com as repetidas accusações (veja Rebello da Silva,
Soriano, Pinheiro Chagas) escriptas contra a cobarde inercia de D. João,
duque de Bragança, que desatravancou ao usurpador castelhano o accesso a
Portugal, vou arrolar com miudas provas as verbas que representam o
valor da honra e do patriotismo do avô de D. João IV.

Possuo um codice que pertenceu ao archivo da casa de Bragança, escripto
em 1687, com estes dizeres na folha de rosto: _Doações do real estado e
casa de Bragança, conforme se vão desbrindo em papeis e documentos
authenticos de que em summa se dá noticia._

Convém saber que os successores do duque D. Fernando, degolado em tempo
de D. João II, nunca poderam obter de D. Manoel, de D. João III, da
rainha regente, de D. Sebastião e do cardeal, parte dos privilegios que
o filho de Affonso V lhes jarretára. A absoluta independencia da corôa,
e o absoluto dominio em Villa-Viçosa, nunca poderam os duques
extorquil-o á condescendencia dos soberanos.

Obteve-o, porém, o avô de D. João IV, em fevereiro de 1581, da velhaca
magnanimidade de Philippe II de Castella, quando foi comprimentar a
Elvas o usurpador, que vinha entrando triumphalmente em Portugal. O
primeiro passo era crear magistrados seus, instaurar tribunaes sem
appellação nem aggravo das sentenças dos seus juizes, e defender o
ingresso de viandantes em seus dominios, quando elles eram suspeitos de
procedencia de lugares impedidos, e até quando o não eram.

A seguinte _doação_ de Philippe II ao duque de Bragança, D. João,
primeiro de nome, está registada no livro V da camara de Villa-Viçosa,
fl. 31, pag. 2.

«Eu el-rei, faço saber aos que este alvará virem que havendo respeito
ao duque de Bragança, meu muito amado e presado sobrinho e a D.
Catharina minha muito presada prima residirem ora em Villa-Viçosa,
e por outros respeitos que a isso me movem; hei por bem e me praz
que a pessoa que o dito duque nomear por guarda-mór da saude da
dita villa tenha a alçada com o dito cargo adiante declarado. Que
entrando alguma pessoa na dita villa, sem licença do dito guarda-mór, e
constando que vem de lugar impedido, o possa _mandar prender, e sendo
peão será condemnado a um anno de degredo para o couto de Castro Marim
com pregão na audiencia e 2$000 reis para os captivos; e, sendo de maior
qualidade, a mesma pena de degredo e pregão e 4$000 reis. E o mesmo nos
que metterem fatos e mercadorias das terras impedidas; e os que vierem
de terras não impedidas, entrando sem licença, presos, e da cadêa
pagarão 2$000 reis._

«E todas estas penas sem appellação nem aggravo, e que as sentenças
sejam dadas em camara com os vereadores. E que não passe pela
chancellaria. Ambrosio de Aguillar o fez em Elvas a 23 de fevereiro de
1581. Roque Vieira o fez escrever. El-rei.»

Em 2 de julho de 1582 concede o mesmo monarcha ao mesmo duque _poder
despender as rendas dos concelhos das suas terras no que lhe aprouver._

Em 2 de maio de 1584 o mesmo Philippe II assigna o seguinte aviso:

«Eu el-rei. Faço saber a vós licenciado Lopo de Abreu Castello Branco
que ora o duque de Bragança (D. Theodosio) meu muito amado e presado
sobrinho, com minha authoridade, envia por juiz de fora da sua villa de
Villa-Viçosa, que eu hei por bem pela confiança que de vós tenho, que
além dos poderes que por minha ordenação são dados aos juizes
ordinarios, vos tenham mais o poder e alçada ao diante declarados:

«_Que nos casos crimes possa mandar açoutar peões de soldada que
estiverem assoldadados, e outros peões que ganharem dinheiro por
braçagem, e escravos, e que possa degredar os ditos peões para os
lugares d'além-mar por dous annos, e para os coutos do reino até tres
annos. Que possa degredar escudeiros e vassallos que não forem de
linhagem, e officiaes mecanicos para os lugares d'além-mar por dous
annos, e para os coutos do reino por tres annos... Que se alguns
fidalgos, cavalleiros e escudeiros de linhagem, e vassallos, fizessem
cousas por que mereçam ser processados, os empraze para que a certo
tempo appareçam._ João da Costa o fez em Lisboa a 2 de maio de 1584.
Rei.»

Seguem mandados confirmando e revalidando doações abolidas ácerca das
rendas das feiras, que os duques de Bragança continuaram a perceber,
como seus avós, antes das reformas de D. João II.

Em 1589, o duque de Bragança D. Theodosio decreta nos seus dominios
isentando os ferradores e mais officiaes mecanicos de sua casa _de todos
os serviços e encargos do concelho, de fintas, de talhas, montes,
pontes, fontes, caminhos, calçadas, etc.; nem vá com presos, nem seja
tutor, nem curador de nenhumas pessoas, nem pousem com elles, nem lhes
tomem suas casas de moradas, nem adegas, nem estrebarias, nem roupas,
nem palha, etc._

N'esta fórma de decreto assigna D. Catharina, por ser ainda menor o
duque.

D. João, segundo de nome, e que depois foi rei, ainda em 1635 impetrou
licença de Philippe IV de Castella para crear doze misteres, especies de
zeladores na cobrança das alcavalas que a serenissima casa exercia sobre
os vassallos.

D. Duarte concedêra que o duque de Bragança podesse nomear juiz, quando
o juiz de nomeação real lhe fosse suspeito. D. Affonso V confirmou. D.
João II aboliu. D. Philippe IV de Hespanha, a requerimento do duque de
Bragança, que depois foi rei, confirmou a lei de D. Duarte.

Por doação de 1587 é permittido ao duque de Bragança não cumprir as
cartas dos corregedores da côrte. No mesmo anno lhe é facultado avocar a
si as causas das suas terras e _sentenciar como lhe parecer_.

Em 1607 é permittido ao duque de Bragança formar chancellaria e _levar
direitos d'ella sobre cartas de seguro em caso de mortes negativas, ou
confessativas de morte, de resistencia a officiaes de justiça, ele, em
provimentos de officios e isenções de cargos_.

Esta concessão derivava do animo bizarro do castelhano que pagava ao
duque de Bragança com o dinheiro dos proprios portuguezes, e do animo
avarento do agraciado que se cevava na pobreza dos seus conterraneos.

Tal graça era tão pesada para os portuguezes quanto vaidosamente inepta
para o duque a do tratamento de _excellencia_ que obteve em 1597, por
lei extravagante de 6 de dezembro, que só aos duques de Bragança e aos
infantes a concedia[1].

Afóra a _excellencia_, «o duque de Bragança--escreve Rebello da
Silva--por ser o mais nobre e poderoso, foi tambem o primeiro que o
soberano exaltou, lançando-lhe elle proprio sobre o peito o collar do
tosão de ouro, e entregando-lhe o estoque de condestavel do reino,
dignidade por elle pedida em vão, como sabemos, ao cardeal-rei e aos
cinco governadores.» (_Hist. de Port. nos seculos XVII e XVIII_).

Na acclamação de Philippe I de Portugal, «o primeiro que jurou foi o
duque de Bragança, o qual depois veio beijar a mão d'el-rei.» (_Obra
cit._)

Esta preeminencia importava menos que a concessão então obtida de
transportar da India uma determinada porção de especiarias isentas de
direitos da alfandega.

Constituiu-se pois a serenissima casa de Bragança o primeiro armazem de
canella e pimenta n'estes reinos; e, como não pagava direitos, a sua
mercadoria era a mais procurada por duas considerações: a barateza do
genero e a qualidade do especieiro.

    [1] Por provisão particular de 12 de dezembro de 1605, passada em
    Valhadolid foi concedido o mesmo privilegio aos duques de Aveiro, em
    attenção ao grande luzimento de sua casa, pois D. Jorge de
    Alencastre, nascido em 1481, era filho do rei D. João II e de D.
    Anna de Mendonça, que,--por via de regra estatuida--acabou
    commendadeira de Santos. Aquelle mosteiro assignalou-se como harem
    de odaliscas desbotadas. O referido D. Jorge, mestre das ordens de
    S. Thiago e Avis, senhor de Aveiro e mais terras do infantado, foi
    creado segundo duque de Coimbra (o 1.º duque de Coimbra fôra seu
    bisavô D. Pedro, morto em Alfarrobeira), por D. Manoel em 1500, ou
    por seu proprio pai, como diz _Portugal, De Donat. reg._ n.º 410.



O PAÇO REAL DA RIBEIRA


De um manuscripto, que seria optimo livro da topographia de Lisboa, se o
terremoto de 1755 o não suspendesse, aniquilando talvez a mão laboriosa
que o escrevia, extrahimos o capitulo respectivo ao paço da Ribeira, e
edificios convisinhos. É a mais detida descripção que ainda vimos. Os
escriptores, que conheceram Lisboa antes da catastrophe, á semelhança de
João Baptista de Castro (_Mappa de Portugal_) poucos delineamentos
particularisaram dos grandes edificios da Lisboa de D. João V. Iremos
transcrevendo o que nos parecer mais grato aos antiquarios, e ainda aos
que, sem grande affecto a velharias, se comprazem em reconstruir na
imaginativa as feições da sempre formosa Lisboa.

«O palacio real da Ribeira, situado junto das margens do Tejo, em frente
de uma das maiores praças da Europa, chamada _Terreiro do Paço_, é um
soberbo e vastissimo edificio, commodo e magestoso. É obra d'el-rei D.
Manoel, para o qual se mudou dos antigos paços da Alcaçova, e onde,
desde então, ficaram assistindo os reis d'este reino. Fórma este real
edificio dentro em si tres grandes quadras, com dilatadas galerias em
roda, com admiraveis quartos, preciosamente guarnecidos, e muitos
salões, os maiores dos quaes são: a casa chamada de _gala_, a sala dos
_tudescos_, onde costuma estar a guarda allemã de sentinella. Esta sala
é uma das maiores de toda a Europa, porque tem 130 palmos de comprimento
e 76 de largura. A quadra que fica junto da igreja patriarchal, chamada
_pateo da capella_, é toda rodeada de galerias de arcos sobre columnas,
com janellas ao de cima bem rasgadas. Por baixo d'estas arcadas ou
galerias, em toda a circumferencia, ha muitas tendas e lojas onde se
acha tudo que mais precioso ha no mundo, ouro, diamantes e outras pedras
preciosas. Sahindo d'esta quadra por um vasto portico voltado ao sul, se
entra em outra quadra mais comprida que larga, tambem cercada de bellas
galerias, sobre a qual abrem as janellas do quarto das rainhas. Ahi ao
pé ergue-se uma altissima e bem fabricada torre de marmore, com um
magestoso sino de relogio, e dous mais pequenos dos quartos. É obra do
snr. rei D. João V, o _Magnifico_. Tambem ha n'esta segunda quadra
muitas lojas onde se vendem cousas preciosas. Para a parte da _Ribeira
das Naus_, forma este palacio outro grande quarto, feito á moderna, obra
do mesmo monarcha, chamado o _quarto dos infantes_; e, ao cabo d'elle,
abre-se uma formosissima varanda descoberta, gradeada de marmore á
volta, primorosamente lavrado, sobre cujos pilares assentam vasos de
jaspe cheios de murta e flôres.

«Aquella parte d'este soberbo edificio, que olha para o oriente, e
abrange a largura toda do _Terreiro do Paço_, é occupada por uma
espaçosissima galeria, que termina em um magnifico pavilhão chamado o
_Forte_. É obra de Philippe II de Hespanha, dirigida pelo famoso
architecto Philippe Terzo, podendo affirmar-se que não ha outra
semelhante em toda a Europa, como confessam todos os estrangeiros que
vem a Lisboa. D'aqui se descobre toda a barra, e o porto da cidade,
porque fica sobre a praia do rio. É tanta a magestade d'este edificio
que não vi em todo o reino de França, nem nos famosos palacios de Louvre
e Versailles tão justamente encarecidos obra tão sumptuosa; sendo para
sentir que não se chegasse a concluir o risco d'esta elegante fabrica,
pois estava delineado fechar toda a praça do _Terreiro do Paço_ em roda,
com outro pavilhão fronteiro no sitio onde hoje (1754) estão as casas da
alfandega: porém, é sestro já muito antigo ficarem imperfeitas todas as
obras que outros principes começaram.

«Contigua a este lanço, corre uma varanda de arcos que dá serventia para
a sala dos _tudescos_, e pela fachada do sul se communica para outro
quarto, não menos magestoso com suas galerias, eirados e torreões, onde
assistem os infantes, irmãos ou filhos dos reis, e hoje serve de
residencia á rainha-mãi, D. Marianna de Austria. Tem este quarto grandes
e preciosas ante-camaras com tapeçarias e moveis inestimaveis, e
pinturas dos mais insignes authores.

«Sua magestade costuma residir no quarto do _Forte_, que dá sobre o
_Terreiro do Paço_, e é o melhor do palacio, cujas ante-camaras, salas e
gabinetes encerram em si o mais precioso que póde a terra dar; porque as
tapeçarias de ouro, prata, velludo, damasco e outras sedas, quadros de
admiraveis pinturas, e toda a mobilia, dão a conhecer a soberania da
magestade que o occupa. A casa dos _embaixadores_ é a melhor da Europa.
Ha n'este palacio uma notavel bibliotheca, constante de muitas casas de
livros, com manuscriptos os mais raros; e, sem duvida, se estivesse em
ordem como as bibliothecas do vaticano, e de el-rei de França e da
Sorbona, não lhes seria inferior; para o que muito concorreu a curiosa
applicação (!) e magnifica despeza do snr. rei D. João V mandando
comprar fóra consideráveis collecções.

«Para o lado do rio tem este palacio um bello jardim com grande eirado,
com viveiro abundante de todo genero de aves raras, especialmente pombas
e rolas de varias castas. Não se póde dar mais aprazivel espectaculo no
mundo que a vista d'este jardim sobre o mar.

«O snr. rei D. João V acrescentou outro quarto a este palacio: é o que
fica no _largo da Patriarchal_ e corre até ao _theatro da opera_. Consta
este augusto edificio de varios corpos e muitas galerias todas de
apuradissima arte, obra do famoso architecto Frederico, em que os
marmores apostam duração com a eternidade. Dous lanços d'este quarto
abrem para o _largo da Patriarchal_, e em meio de cada um avulta um
portico grandioso, levantado em grossas columnas marmoreas, com capiteis
corinthios, excellentemente folheados. Todo o restante d'este primoroso
edificio é feito de polidissima cantaria, com formosos lavores e
remates, com oculos romanos na cimalha, que lhe dão graça e belleza. O
saguão que vai do _largo da Patriarchal_ e atravessa este quarto para a
_Campainha_, é a melhor peça d'arte d'esta cidade; porque as quatro
columnas de jaspe que tem na frente de duas escadas lateraes, são
perfeitissimas no trabalho dos lavôres.

«Para o lado do _theatro da opera_ fórma este quarto uma quadra pequena
com sumptuosas galerias, para a qual se entra por um grande vestibulo
fronteiro á _Patriarchal_; mas a serventia ou passagem para o _theatro_
é a mais arrogante e magestatica obra de Lisboa. Aqui, os marmores são
de maneira sinzelados, que nem a cêra seria capaz de mais tenues
arabescos. A natureza é vencida pela arte; porque os bustos, as
carrancas, os festões, os relevos, os capiteis, os frisos, as folhagens
são cousa tão prodigiosa, quanto é mais de assombrar a qualidade da
pedra tão rija para impressões tão delicadas. Por cima d'este vestibulo,
ergue-se uma capella magnificentissima feita para uso particular dos
patriarchas, tal e qual os pontifices a tem em Roma. E, posto que ainda
não esteja concluida, é soberbissima pela profusão de jaspes vermelhos,
negros, brancos e outras côres que lhe dão o esmalte.»

      *      *      *      *      *

Este pallido bosquejo das opulencias do paço da Ribeira era escripto em
1754. No 1.º de novembro do anno seguinte, quem procurasse estas
riquezas com o roteiro do incognito author por guia, encontraria um
entulho, coroado de linguas de fogo, e a espaços lambido pelas vagas do
Tejo. E escrevia o assombrado homem que aquelles marmores estavam alli a
_apostar duração com a eternidade_!



AS CRUAS ENTRANHAS DE D. MARIA I A PIEDOSA


D. Martinho de Mascarenhas, marquez de Gouvêa, e filho do duque de
Aveiro, justiçado em 1759, não tinha culpa no delicto de seu pai. Não
obstante, entrou muito moço nas trevas das masmorras, e lá o retranziram
frio, fomes, sêdes e terrores por espaço de dezoito annos.

Em 1777 sahiu do carcere com os outros presos. E, como não tinha de seu
uma taboa--pois que a opulenta casa de Aveiro havia sido confiscada,
salgada, arrazada, absorvida--foi enviado aos frades de Mafra para lá o
fartarem no seu refeitorio. Os historiadores coevos não houveram noticia
d'esta passagem do carcere para o mosteiro. Todos os outros fidalgos,
exhumados dos ergastulos á voz de D. Maria I, tinham familia que os
consolasse e restaurassem com as cariciosas lagrimas da alegria. D.
Martinho de Mascarenhas não tinha ninguem! ninguem que lhe désse uma
lagrima e um bocado de pão comido em liberdade! Fez como os ultimos
mendigos: foi ao convento de Mafra.

Alli o encontrou o bispo de Coimbra, D. Miguel da Annunciação, quando,
n'aquelle anno de 1777, sahiu tambem da masmorra de Pedrouços, e por lá
passou, caminho da sua diocese; mas tão cortado de oito annos de
escuridade e nudez que já em 30 de agosto de 1779 era sepultado.

Do itinerário do bispo, que tenho de letra de mão, em floreados
caracteres, como brinde feito áquelle prelado, vou extractar as linhas
respectivas ao marquez de Gouvêa:[2] «... Pelas 11 horas e um quarto da
noite chegou a Mafra, aonde passou o dia seguinte recebendo fraternaes
obsequios da sua amada communidade. Ahi se achava o exc.mo D. Martinho
Mascarenhas, marquez que é de Gouvêa, filho primogenito do infeliz duque
de Aveiro. Distinguiu-se muito nos obsequios do exc.mo bispo aquelle bem
instruido, amado e agradavel fidalgo, que soube tirar e trazer da sua
reclusão as mais bellas qualidades de um cavalheiro christão. Deve-se a
Deus a sua indole, e a um bom mestre que teve na sua prisão a educação,
que o faz merecedor de toda a estima e fortuna que conseguiria na boa
conservação de seu pai. Elle se chama desgraçado, e deve á sua desgraça
a occasião de se fazer ainda mais benemerito pelas suas virtudes.»

N'este tempo já era morta a duqueza de Aveiro, no convento do Rato, onde
servia as freiras para ganhar o seu alimento; e, por não poder comprar
sapatos, andava descalça. Este supplicio era assim benigno porque se
provou que ella e seu filho de todo em todo ignoravam os intuitos
regicidas do duque.

O marquez de Gouvêa tinha por si a compaixão dos proprios inimigos de
seu pai. Todos o animavam a pedir á rainha a restituição de alguns dos
bens confiscados; e o maior jurisconsulto d'aquelle tempo, Paschoal José
de Mello, encarregou-se de escrever a _Representação_ a D. Maria I.

Este requerimento é um dos poucos trabalhos ineditos do eminente
escriptor; e a meu vêr, como historia e como supplica eloquente,
benemerito de estampar-se.

A mim me cabe o prazer de o possuir e tiral-o da indigna obscuridade.

É como segue:


                                                               «SENHORA.

«A innocencia opprimida, digno objecto da piedade de um principe, a quem
o exemplo de Deus serve de regra, se prostra diante do real throno
implorando a clemencia de vossa magestade, e para mais facilmente a
conseguir offerece esta humilde representação, fundada nos principios da
humanidade e justiça, confirmados com uma longa serie de exemplos.

«O fim das leis consistindo em dar a cada um o que lhe toca, não alcança
o juizo humano livre de illusão. Como póde sem culpa ter lugar algum
castigo, nem como seria conveniente aos interesses de um monarcha justo,
o desvio da imitação de Deus, privando da sua graça os innocentes? O que
poderia haver para alguns de problematico n'este ponto, a lei divina o
decide. Ninguem deve pagar o crime alheio por maior que seja a sua
proximidade com os delinquentes, e esta verdade foi muitas vezes
descoberta sem mais soccorro do que as luzes naturaes: é dito de um
espirito famoso que uma cousa são leis, outra é a justiça verdadeira. E,
se tambem é certo que pouco faria qualquer homem em regular o seu
procedimento pelo que sómente as mesmas leis prescrevem--que pratica de
virtudes se não devera esperar de um soberano para corresponder á
elevação em que Deus o pôz tão distante do resto dos mortaes!? Os de
maior sabedoria dados pela Providencia para a felicidade dos povos: os
merecedores do nome de pai da patria, e em fim os mais felizes no
governo de vastos dominios, persuadidos de que lhes venha de Deus todo o
poder, e que de sua submissão ás leis divinas dependia mais que tudo a
respeitosa obediencia dos que mesmo Deus sujeitou á sua direcção, para
serem tratados como filhos, acharam sempre injurioso o direito rigoroso,
e o não poderam conciliar como dictames mais convenientes á magestade do
throno. Os pretores antigos já foram chamados os moderadores das leis,
pelas frequentes emendas do que n'ellas se permitte aos juizes,
prohibido pela honra e equidade, e entre estas as que geralmente se
acharam mais contrarias á recta razão e á humanidade foram aquellas em
que o castigo passava além do ultimo termo da existencia dos culpados, e
chegava a propagar-se até aos innocentes.

«Devendo ser as penas commensuradas aos crimes, e não havendo nenhuma
proporção entre o delicto e a innocencia juntamente, pareceu estranho
que, onde a calumnia não póde inventar nada para denegrir reputações,
chegassem as armas da justiça. Contra isto parece não ter cabimento
nenhuma casta de pretexto. As qualidades da alma não se podem considerar
hereditarias na fé do livre arbitrio: a boa ordem e o bem publico não
dependem sempre da maior severidade, antes pelo contrario a experiencia
em todo o tempo tem mostrado que a fortuna acompanha a clemencia, e com
ella se mudaram os genios mais ferozes. É com tudo notorio, que em
algumas leis tiveram as paixões particulares maior introducção, do que
uma certa prudencia necessaria para as fazer validas no conceito de um
principe christão. A famosa lei dos imperadores Honorio, e Arcadio, que
impõe tão atrozes penas aos filhos dos criminosos de lesa-magestade, é
derogada pelo direito divino, pelo direito natural e das gentes. Por
este ultimo, porque desde que os homens principiaram a unir-se em
sociedades distinctas, todas as providencias se dirigiram a preservar a
innocencia das irrupções e violencias em que tinha degenerado a
liberdade humana. Pelo direito natural, porque destroe o principio da
rectidão que a natureza inspira a todo o ente racional, e priva a
innocencia do direito que tem a impunidade, e a todos os mais actos de
justiça. E pelo direito divino, porque em repetidos lugares das sagradas
letras é defendida a innocencia com pena eterna. Tambem foi abolida pelo
direito civil, porque os mesmos imperadores, a quem pertence, passados
annos, movidos da penitencia, como dizem graves authores, reduziram
todas as penas por uma nova constituição aos unicos réos dos delictos.

«D'esta lei foi deduzida a nossa ordenação, cujos termos ambiguos e a
necessaria conciliação dos capitulos seguintes mostram, com bastante
clareza, ser a intenção do legislador que se modere: com effeito
immediatamente a imposição das penas como perpetuas as faz transitorias,
declarando não deverem ter a execução se não em quanto os que a ella
sujeita não forem restituidos ao estado do seu antigo esplendor; e além
d'isto a jurisprudencia julga todas as penas exorbitantes em direito
simplesmente comminativas, e não executivas. Estas e outras semelhantes
reflexões, que por brevidade se não expressam, moveram a religião, a
justiça e piedade dos gloriosos reis que occuparam o throno portuguez a
deixar na historia tantos exemplos de rebeldes executados, como de
filhos impunidos; mas conservados, e restituidos á nobreza, honras,
dignidades e bens de substituição; d'estes exemplos se referem os
seguintes, e, por parte do innocente o infeliz marquez de Gouvêa, se
offerecem á real inspecção de vossa magestade:

EXEMPLOS

«João Lourenço da Cunha foi sentenciado por crime de lesa-magestade, e
confiscados os seus bens; porém o morgado de Pombeiro passou a seu filho
Alvaro da Cunha, a quem foi tambem feita a mercê do senhorio da mesma
villa, possuido antes por seu pai. D'este descendem não só os condes de
Pombeiro, mas a maior parte da nobreza da côrte actual; porque tres
filhas suas depois da referida sentença casaram nas mais illustres casas
d'este reino.

«D. Pedro de Castro, senhor do Cadaval, foi sentenciado pelo mesmo
crime, e os seus bens todos confiscados; mas os morgados, e os bens da
corôa passaram a seu filho primogenito D. João; cuja filha herdeira
casou com D. Fernando II, duque de Bragança, de que descendem
innumeraveis casas illustres, nas quaes com especialidade se inclue a de
Cadaval; além d'isto a D. Fernando, filho segundo do dito delinquente,
primogenito da casa de Cascaes, lhe fez depois mercê do Paul chamado do
Governador, de varios senhorios de terras, e da alcaidaria-mór da
Covilhã.

«O conde de Vianna, D. João Affonso Telles de Menezes, commetteu o mesmo
crime, foi morto tumultuariamente pelo povo de Palmella, e foram
confiscados os seus bens; mas el-rei D. João o 1.º deu depois a seu
filho D. Pedro de Menezes o condado de Villa Real e capitania da cidade
de Ceuta, e muitos senhorios de terras: a filha legitima d'este D. Pedro
succedeu na casa de Villa Real, e D. Duarte, seu filho illegitimo,
progenitor de uma casa das mais illustres, conseguiu, como se sabe,
depois de muitas mercês, ser conde de Vianna e alferes-mór do reino.

«D. Gonçalo Telles, conde de Neiva e Faria, alcaide-mór de Coimbra,
senhor de Cantanhede, e de outras muitas terras, foi sentenciado por
crime de lesa-magestade, e confiscados todos os seus bens; mas apesar
disso possuiu a casa seu filho D. Martinho com o senhorio de Cantanhede:
foi depois mordomo-mór da rainha D. Philippa, e é progenitor da illustre
descendencia que ainda se conserva.

«Diogo Lopes Pacheco de que descendem as mais illustres casas, foi
havido e reputado por traidor, sem que a seu filho João Fernandes
Pacheco servisse isso de obstaculo para a conservação da dignidade de
rico-homem, que lograva, a maior que então havia da nobreza.

«Alvaro Vaz de Almada foi sentenciado pelo mesmo crime, e confiscados os
seus bens. Mas os de morgado passaram a seu filho primogenito D. João
d'onde vieram a recahir na casa do conde de Valladares, e a D. Fernando,
filho segundo do dito criminoso, de que descendem por varonia os Almadas
do Rocio, foram dados os bens da corôa, que vagaram pelo delicto de seu
pai.

«Martim Coelho foi sentenciado por crime de lesa-magestade, e seu filho
succedeu nos morgados, e da mesma fórma nos senhorios de terras
possuidas por seu pai. Lopo de Azevedo foi sentenciado pelo mesmo crime;
não tinha morgados, mas os senhorios de terras por elle possuidos
passaram a seu filho.

«O infante D. Pedro foi julgado criminoso de lesa-magestade, porém
el-rei restabeleceu seu filho em todas as honras, e dignidades
antecedentes.

«O snr. D. Diogo, duque de Vizeu, foi morto, e sentenciado pelo mesmo
crime, e confiscados todos os seus bens: não deixou filhos legitimos,
mas um bastardo seu que por essa circumstancia de nascimento, não
succedeu nos morgados, tão longe esteve d'elle prejudicar o crime de seu
pai, que casou na casa de Villa Real, e lhe deram o emprego de
condestavel, occupado algumas vezes pelos senhores infantes. D. Alvaro
de Athayde, filho segundo da casa de Atouguia, e seu filho D. Pedro de
Athayde foram sentenciados por crime de lesa-magestade, cuja sentença
pela ausencia de D. Alvaro teve sómente a execução em D. Pedro que foi
morto, e esquartejado em Setubal: isto não obstante passou toda a casa
herdada por este ultimo de sua mãi a seu filho D. Fernando, o qual
fallecendo sem successão passaram os morgados a quem tocavam; mas os
bens da corôa foram dados a D. Antonio, filho do segundo matrimonio do
sobredito delinquente D. Alvaro, e este D. Antonio foi conde da
Castanheira, vedor da fazenda, e grande privado de el-rei D. João III, e
é por filhos e filhas avô da maior parte da nobreza d'esta côrte.

«Fernando da Silveira, escrivão da puridade de el-rei D. João II, filho
primogenito do barão de Alvito, foi culpado e sentenciado pelo mesmo
crime: fugiu para França aonde teve o atrevimento de escrever injuriosas
cartas a el-rei, foi morto n'este reino por ordem do mesmo soberano, a
quem tinha tão gravemente offendido, sendo o ministro da execução o
conde de Pallas, catalão; mas não obstante tudo isso, seu filho D. João
foi restabelecido, e como tal casou illustremente: foi commendador de
Montalvão, governador de Ceylão, trinchante d'el-rei D. João III, e seu
embaixador a França.

«D. Fernando de Menezes, terceiro filho do conde de Vianna, irmão do
conde de Loulé, foi culpado e justiçado pelo mesmo crime, e confiscados
os seus bens. Não consta que tivesse morgados; mas sabe-se que lhe
sobreviveram seus filhos dos quaes os dous primeiros casaram
illustremente e possuiram os bens da corôa que vagaram pelo delicto de
seu pai. D. Diogo, segundo filho d'este mesmo, deu principio á casa de
D. José de Menezes e o terceiro filho do dito criminoso seguia a vida
ecclesiastica; foi desembargador do paço, cujo emprego n'aquelle tempo
era occupado por fidalgos. O conde de Penamacor foi culpado no mesmo
crime, porém seu filho D. Garcia de Albuquerque foi restabelecido e teve
o lugar de copeiro-mór de el-rei D. João III.

«O conde de Faro, irmão do conde de Monte-Mór foi culpado do mesmo crime
de lesa-magestade, mas seu filho D. Sancho de Noronha foi restabelecido;
foi conde de Odemira, senhor de muitas terras e alcaide-mór de Extremoz.

«Martim de Castro do Rio foi culpado e esquartejado por crime de
lesa-magestade, porém seu filho Jorge Furtado de Mendonça foi
restabelecido, casou illustremente, teve maior estimação do que antes do
delicto tivera seu pai, e d'elle descenderam os viscondes de Barbacena.

«O marquez de Villa Real, seu filho o duque de Caminha, D. Agostinho
Manoel, o conde de Armamar, e Fernando Telles, foram sentenciados por
crime de lesa-magestade: os quatro primeiros foram degolados, e o quinto
queimado em estatua: a todos se confiscaram os bens, e como só Fernando
Telles tivesse filhos, a estes passaram os morgados, e os dos outros
delinquentes a quem de direito pertenciam.

«Francisco de Lucena foi julgado e justiçado por crime de
lesa-magestade, da mesma fórma o senhor de Regalados, um dos Soares de
Alarcão, os mascarenhas de Montalvão, D. Raymundo, quinto duque de
Aveiro, e outros foram reputados criminosos, sentenciados como taes,
confiscados seus bens; alguns d'estes tinham descendentes, a quem
passaram os morgados, e além d'isso conservaram a mesma estimação, e
lograram as mesmas honras, que teriam se seus ascendentes permanecessem
innocentes. Francisco Maldonado, e Francisco de Mendonça foram julgados
por traidores, e como taes justiçados, e confiscados os seus bens;
nenhum d'estes tinha filhos legitimos; mas Francisco de Mendonça deixou
uma filha bastarda, que conservou a mesma estimação que teria se seu pai
não commettesse o delicto; casou competentemente ao seu nascimento, com
descendencia nobre de quem tomou tambem o appellido. Muitos outros
factos semelhantes se omittem para não abusar da regia paciencia; só se
nota não haver nenhum em contrario de pessoa de certa ordem; e é tambem
de admirar que até quando por algum dos nossos monarchas foi
recommendado ao seu successor que se conservasse inexoravel com os que
deixava profundados na desgraça, nunca tiveram efficacia bastante as
razões politicas d'este conselho, e triumphou contra elles a clemencia e
justiça. D'ahi se seguia manifestar-se mais que nunca n'este reino a
verdade importante de ser a religião o mais solido fundamento das
felicidades e das glorias. Tudo n'este tempo pareceu por Deus abençoado,
e d'este modo se conservou, não sómente a raça respeitavel, com que
viemos a recuperar os nossos fóros nacionaes; mas concorreram tambem
para a sua exaltação muitos descendentes dos proscriptos antigos
tornados pelo mesmo rei afortunado ao estado venturoso.

«Estes exemplos constituem um perfeito costume, porque concorre n'elle a
multiplicidade dos actos, a diuturnidade do tempo e a sciencia de
principe. Se foram de justiça, não é o supplicante menos innocente, nem
menos fiel e obediente ao sceptro do que aquelles em quem se não
executou a lei, para que n'elle se interrompa uma tão dilatada serie nos
ditos exemplos; tanto mais não lhe tendo valido até agora a opinião de
muitos santos padres, de doutos juristas, canonistas e theologos, que
deu occasião ás leis estabelecidas nos reinos mais policiados da Europa,
dos quaes reputando-se os filhos nascidos antes dos crimes de seus paes,
livres de infecção, sómente a do peccado original são preservados de
toda a pena, antes pelo contrario, tendo estado o dito supplicante
expiando por excesso de rigor o crime alheio pelo tempo que se equipára
á morte, por ser já de uma duplicada vida civil, e que pelas violentas
circumstancias da rigorosa prisão em que padeceu, lhe teria acabado a
natural, se a Providencia divina lh'a não tivesse conservado apesar dos
esforços empregados para a brevidade da sua duração,--pena nunca
praticada, porque nem as leis dos imperadores, nem a nossa ordenação,
nem alguma outra impuzeram exorbitante castigo a semelhantes filhos
innocentes.

«Se os mesmos exemplos são de graça, o supplicante prostrado diante do
throno de V. M. a implora, tomando por protectores, a religião e a
piedade d'um principe, que preparado de muito longe pela Providencia,
com dotes proporcionados ao magestoso encargo que lhe destinava, se nos
mostra possuidor em grau sublime de tantas virtudes christãs, que fazem
o mais brilhante ornato da sua corôa.

«D'um principe a quem com antecipadas luzes, sendo evidente que para
beneficio dos que deviam obedecer-lhe seria poderoso o seu exemplo mais
do que a sua real authoridade; que por não ter na terra tribunal que lhe
fosse superior, devia exceder muito em perfeição aos homens ordinarios;
e que em lugar tão eminente poderia o seu beneplacito ser a regra
soberana por onde tudo fosse decidido, passou os instantes da sua
preciosa vida, em um continuo exercicio do dominio das paixões e foi
sempre o juiz mais severo de si mesmo. D'um principe, em fim, que com
estes respeitaveis fundamentos certo de ter estabelecido o mais feliz
imperio nos corações dos seus vassallos, só fará sensivel o peso immenso
da sua real grandeza aos inimigos da igreja e da verdade. Não dará outro
uso ao seu poder, senão para que se execute o que Deus manda; e assim
como alguns, que foram a delicia dos seus povos, fará consistir a sua
maior gloria em livrar da oppressão os desgraçados.

«Debaixo d'estes ditosos auspicios, d'estes augustos intercessores,
espera o supplicante vêr o termo do seu abatimento, a restituição da sua
liberdade, da sua honra, do seu credito e dos bens que o direito do
sangue lhe conferiu pelas vocações de seus ascendentes. Esta graça
humildemente pedida, será para o supplicante um novo vinculo da sua
submissão. E para el-rei nosso senhor um eterno monumento da sua benigna
magnanimidade.»

Esta pungente invocação á caridade da rainha, que esvasiava os repletos
cofres do estado no mosteiro do Coração de Jesus, não valeu ao
desgraçado, sequer, uma esmola do real bolsinho. Braganças!... O marquez
de Gouvêa viveu longos annos da caridade do seu parente conde de Obidos,
e já no fim da vida recebia uma mezada que lhe dava D. João VI. D.
Martinho, se bem me recordo do que li, morreu em Lisboa, em uma humilde
casa, no bairro de Buenos-Ayres, por 1804.

    [2] É este o titulo do manuscripto: _Itinerario do ex.mo snr. bispo
    conde, restituido ao seu bispado, para o qual partiu de Lisboa no
    dia 11 de agosto de 1777._



D. MARIA CARACA BONAPARTE


Não conheci, em Lisboa, esta senhora D. Maria, bastantemente historica e
benemerita de immorredoura escriptura.

Conheceu-a aquelle esclarecido arcebispo, cujos sonhos, na noite da
demencia, o leitor ouviu no sublime desarranjo chamado _A catastrophe_.

Est'outro escripto, menos nevoento e cerrado das turvações do delirio,
tem especies em que o riso se trava com o compadecimento, e outras em
que a compaixão d'aquelle distincto homem nos redobra o pezar de se
haver perdido no vigor da idade tamanho espirito.


D. MARIA CARACA BONAPARTE, OU A BURRINHA PROTESTANTE

D. Maria Caraca teve tres estados: foi orphã, casada e viuva: seu pai
morreu na guerra da Italia combatendo contra os francezes pela
independencia da peninsula italiana; era natural de Milão, cantor da
opera e grande enthusiasta das novas idéas da republica, que haviam
volcanisado o seu cerebro até o delirio.

Quando este maestro da opera viu que a França proclamava a liberdade
para tyrannisar os povos, lançou-se no partido mais hostil aos francezes
da republica sanguinaria, e morreu deixando a sua morte bem vingada.

As suas idéas eram falsas e exageradas em religião e em politica; porque
seguia occultamente todos os erros e absurdos de Luthero e de Calvino: o
odio, que tinha ao summo pontifice era tão profundo, que o obrigava a
blasphemar e praguejar contra os cardeaes e contra a santa sé, contra os
bispos e contra as mitras e cadeiras.

Bonaparte venceu muitos ou todos os partidos que estiveram em campo
contra a França: o general da republica principiou a imperar, e a
exercer a sua tyrannia nas provincias muito antes de exaltar na
metropole o throno do seu fatal despotismo, como sempre acontece.

Verres na Sicilia era mais do que imperador; Cesar sempre imperou nas
provincias. Se D. Affonso d'Albuquerque fosse susceptivel de ambição
podia usurpar o titulo de imperador da Asia; porque o povo desejava
conferir-lhe todas as attribuições do imperio.

Bonaparte no Egypto era saudado como rei do fogo; Mahomet e todos os
impostores e usurpadores da sua escola recebem a mesma baixa e servil
adulação que as almas mais vis sempre se empenham em prodigalisar ao
vencedor. A sciencia, e a virtude de homem grande, consiste em desprezar
estas frivolas demonstrações e em saber reprimir todos os excessos do
enthusiasmo, que se esvaem e perdem como o fumo.

Bonaparte passou como um cometa; a sua descendencia extinguiu-se e toda
a sua parentela: existe na throno de França um homem que não tem pai nem
mãi, nem alliança, nem façanhas nem grandeza. É um homem que apenas
aspira a fazer com auxilio alheio uma memoria que mereça ser approvada
em uma academia.

Os protestantes urdem e tecem muitos generos de lisonja aos seus heroes;
são arcos e pompas de triumpho, grinaldas, festins, e poemas,
representações, e orchestras, lisonjas e desvanecimento.

Um deputado da convenção nacional disse a um seu amigo e collega, que ia
para Lião em commissão sanguinaria: tu verás em Lião a minha esposa,
abraça-a.

N'este tempo todos os revolucionarios levavam as suas mulheres aos
horrorosos estupros do templo profanado: a mulher que servia de modelo,
e o homem que a gozava, eram escolhidos entre todos os concorrentes sem
attenção ao estado nem á condição dos que eram designados.

Na Italia tributavam em quasi toda as cidades a Bonaparte a honra de o
desposar com a mulher mais formosa; Bonaparte aceitava este tributo da
infamia protestante, gozava e passava para outra cidade, aonde era
recebido com igual torpeza.

Em Milão cahiu a nefasta sorte em Maria Caraca Bonaparte; e como era
filha d'um homem morto pelo exercito francez recusou sujeitar-se á
estranha condição para que a designaram, apesar de ser tão protestante
como seu pai.

Os influentes de Milão que andavam empenhados n'esta impia e baixa
lisonja corromperam todos os parentes da burrinha; de sorte que cedeu de
seu odio politico, e principiou a ser do conquistador.

Se Maria Caraca fosse verdadeira catholica, jámais consentiria em tão
grande infamia e vileza, porque esta especie de tyrannia é mais impia e
mais cruel de que era o tributo das cem virgens para o serralho e para o
harem.

Uma amante ou manceba podem nutrir uma esperança honesta, e chegam ás
vezes a legitimar as suas uniões e prole; estas burrinhas são sempre a
negação da moral, o escarneo do affecto, e o epigramma do amor e da
sympathia. O protestantismo trata todas as mulheres como negras
escravas. Despreza-as para as fazer bem vis; porque a mulher deve ser
semelhante ao homem que a elege, e que a fórma e educa para sua
companheira.

Os milanezes deram a um tio de Maria Caraca a espectativa de um
canonicato, prometteram á sua victima dous mil cruzados de dote, e por
esposo o primeiro cantor da opera de Milão.

Maria Caraca e a sua familia realisaram todas as condições; os
protestantes de Milão cumpriram as suas fielmente: o casamento
verificou-se, o dote sahiu da renda da cidade, que pagou para Bonaparte
ter uma desgraçada por companheira dos seus vilissimos prazeres.

Os que dispunham tão impiamente dos beneficios ecclesiasticos não podiam
ter duvida em defraudar o thesouro do municipio.

Maria Caraca e seu marido seguiram o partido de Bonaparte, e na
restauração dos thronos viram-se na necessidade de emigrar para
Portugal: perderam patria, emprego, e até o sobrenome de Bonaparte de
que usaram por muito tempo.

O marido morreu e deixou um filho e uma filha em Lisboa; o filho exerceu
n'esta cidade por algum tempo com seu pai a profissão de musico: tambem
morreu: eu só conheci a viuva e a filha chamada D. Thereza, as quaes
moraram na rua dos Poyaes de S. Bento.

Quantas vilezas, quantas degradações, e quantas tyrannias envolve o
atroz procedimento de Milão! Não ha impiedade mais provocadora, não ha
infamia mais torpe, nem injuria maior feita ao mesmo tempo á igreja e ao
estado, á mulher e ao esposo, ao amor e ao estado e á santidade do
matrimonio.

Estas estrangeiras eram da escola da infame Bisardeli: conviviam com a
sua amante, que foi muito tempo em Lisboa uma mulher luxuriosa e
depravada, que vendia todo o fumo da perfida nunciatura d'aquelle tempo.

Eu foi conduzido em mil oitocentos e quarenta como deputado para a casa
das referidas Caracas: as lojas maçonicas dispunham do meu destino
traiçoeiramente para dispor de minha vida, e vivi por mais de um anno na
casa dos Poyaes de S. Bento com outros deputados, que serviam as lojas,
e que me vendiam, e entregavam aos seus caprichos: por esta razão ouvi e
aprendi o esboço d'esta negra historia; assim agora ouço e aprendo o seu
complemento e torpissimo enredo.

A inspiração é a minha sabedoria; se em outro tempo soube alguma cousa
agora declaro, que nada sei e que todas as minhas idéas são communicadas
e inspiradas, do alto céo, e no seu piissimo docel.

Eu tinha trinta annos de idade, e julgava que todos os homens eram de
boa fé, e amigos do seu semelhante. Bons e excellentes para a companhia
e convivencia, os traidores são os mais lisonjeiros: eu tive seis
companheiros de casa n'esta época: só um vive, cinco já falleceram.

Os meus inimigos, que são todos os vilissimos protestantes, fizeram as
maiores diligencias para me matar: não houve astucia, nem enredo, nem
traição que não empregassem para conseguir este malevolo fim: é bem de
presumir que um d'estes fosse o veneno.

A infanta e todos os usurpadores da casa de Bragança, o governo e todos
os seus clientes, a maçonaria e todos os seus agentes nacionaes e
estrangeiros, ora armavam contra mim o braço do cruel Mattos Lobo, ora
forjavam ou fingiam revoluções e acclamações nocturnas para me
surprehender no conflicto, ora lançavam sortes para me seguir de noite e
para me matar nos arroios da cidade ou nas encruzilhadas: ora engajavam
estrangeiros e carniceiros por grandes sommas para que me procurassem e
matassem na propria casa, aonde eram recebidos pelas infames Caracas.

Um d'estes era um lanceiro, e carniceiro, que esteve na guerra do Porto,
a quem deram o preço do regicidio, e o bilhete de passagem em um brigue
para sahir para França logo que consummasse o attentado.

Todas estas traições e maquinações eram cumulativas, horrorosas, e tão
desleaes e insidiosas, como as que se urdem ao innocente que não sabe ou
não póde defender-se. Eu estava no caso da mais perfeita ignorancia
porque nem sabia o que era: infelizmente a minha vida era n'este tempo
mui sujeita á fragilidade e a quedas que eu não procurava, antes tentava
e não sabia evitar.

Estes monstros da tyrannia do inferno pediam e repelliam a minha
eleição; porque o seu fim unico exclusivo era a minha morte; só
admittiam a meu favor algumas apparencias ou disfarces com que encobriam
as suas tramas e horrores: eram seducções, tyrannias, convites para
lugares de traição, venenos, e armas occultas. Se viam que eu vingava
como advogado em Villa Real, pediam para eu ser eleito deputado só para
me atraiçoarem em Lisboa; e logo se arrependiam, e punham todos os
embaraços da sua infame escola e odiosa seita á minha eleição e
elevação; se viam que eu não era morto em Lisboa desejavam que eu fosse
para Coimbra aonde punham como ultima mira a cruz de meu martyrio e
funeral.

Como podia livrar-me de tão infernal perseguição? Os monstros não
consentiram mais na minha eleição e ainda me propozeram pelo circulo de
Arganil, onde fui eleito deputado no anno de 1852, mas os infames logo
se arrependeram, e cassaram ou annullaram a eleição na camara, sem me
ouvir, e sem me mostrar o processo das suas infernaes tramoias.

Quem deixaria de eleger-me para todas as legislaturas depois de vêr e
saber que o meu nome era singular e unico, e que a minha representação
não tinha igual em todo o mundo e redondeza?

Quando concordaram na minha eleição para suffraganeo do patriarchado
entregaram a minha vida ao maldito e infernal nuncio, e ao abjecto e
tredo patriarcha e ás suas seitas e partidos para se desonerarem da
tarefa que os infames julgaram e declararam superior ás suas forças.

Estes monstros esgotaram toda a traição, todas as maquinações e os seus
enganos, e não conseguiram o que desejavam: o perfido e abominavel
ministro do anti-papa chegou a convidar todas as seitas para o
espectaculo do meu envenenamento, as quaes enviaram os seus deputados e
representantes para assistir a esta scena de horror que se representou
na presença da diplomacia cruenta das actuaes usurpações da vergonhosa
Europa e da America por duas vezes.

Só Deus omnipotente podia isentar-me de tão imminentes catastrophes. O
nosso fim actual é descrever a burrinha protestante e a sua bestial
condescendencia e venalidade.

Um deputado que vivia na mesma casa da viuva Caraca mandou um seu criado
ao meu quarto para me offerecer uma criada da casa em que ambos
viviamos; eu não sabia desviar estes golpes, que o Senhor deixava ao meu
alvedrio para o merecimento, e para que désse a devida preferencia á sua
santa luz e mandamento.

O inimigo occulto era d'uma seita de usurpadores de Deus: a sua traição
vingou por pouco tempo; quando me tentou com alguma pessoa da sua
familia não conseguiu o que desejava; o criado fez-lhe a traição, que
elle me urdiu a mim.

Os inimigos da nossa casa e dynastia recorreram a D. Thereza Caraca, e
fizeram-lhe o mesmo partido, que os milanezes tinham feito á sua mãi
para que me seduzisse e envenenasse.

Prometteram-lhe dinheiro, um marido, e um emprego para este, e
realisaram todas estas promessas, mas eu só bebi meia taça de seu
perfido veneno; na primeira occasião que tive de lucido intervallo
repelli a seductora, e todas as suas seducções, e, como vi que se
obstinava, sahi da casa.

O que é a verdade? esta mulher disse que estava gravida e tentou
attribuir-me o seu ventre, ou isentar-se pelo aborto do seu nefando e
odioso mister de calumniadora; disse-me que ia queixar-se de mim ao
nuncio, ou agente occulto da junta apostolica que por este tempo estava
em Lisboa, em quanto estiveram interrompidas as relações com a côrte de
Roma. Eu zombei da perfidia e do sarcasmo d'esta mulher calumniadora e
embusteira; e procurei livral-a de sua tentativa de aborto, o que
felizmente consegui por dinheiro.

Esta odiosa creatura teve n'este tempo dous amantes: o primeiro era um
deputado, que a seduziu para que me envenenasse, o qual morreu pouco
tempo depois, e logo adoeceu tão gravemente que parecia um espectro, ou
um cadaver ambulante: era um agente dos pedreiros livres.

Havia n'esta casa só duas pessoas da familia, a mãi e a filha; eu tive
dous enlouquecimentos de falso amor; repelli duas tentativas da mesma
perfida natureza e nojenta cavillação.

D. Thereza tocava dous instrumentos e cantava, tinha um amante para
casar que a acompanhava no canto e com o violoncello: eu comprei em
quanto alli estive dous pintasilgos ensinados a tirar agua com o bico,
os quaes foram ambos mortos por um gato, que havia em casa.

A criada tambem teve dous amantes, um era sapateiro coxo, que a
procurava e requestava para casar: ambos realisaram os seus casamentos.

A filha da viuva Caraca tinha na mesma casa um estabelecimento de
capella, e inculcava-se ao respeitavel publico como modista: a mãi tinha
o seu estabelecimento de hospedaria.

Eram dous estabelecimentos: a casa tinha sahida para duas ruas e duas
portas para a rua dos Poyaes de S. Bento: viveram alli commigo cinco
deputados, dous delegados, dous juizes do districto, dous governadores
civis, dous juizes da antiga magistratura, dous Domingos dos quaes um
era o atraiçoado e o enganado por todos os outros: eramos ambos
deputados pelo circulo de Villa Real: os outros eram deputados por
outros circulos.

Os delegados foram Domingos Vieira, e José Manoel Botelho, os juizes
foram o José Maria da Chamusca e o Quesado, os governadores civis foram
o dr. José Maria e João Pedro Pessanha, os juizes antigos foram o mesmo
José Maria e Domingos Vieira, e não preciso dizer quem eram os Domingos,
senão que eu sou já tão diverso do que era, que não pareço o mesmo. Os
cinco e seis deputados formavam as cinco e seis qualidades já referidas.

Quem poderá calcular as lagrimas que tenho chorado para carpir os
peccados e os erros da minha mocidade, e para os emendar com divina
graça e misericordia? está-me parecendo que reunidas faziam o maior lago
dos nossos passeios e jardins.

Actualmente não como carne nem peixe não bebo vinho nem cerveja,
passam-se quinze dias e tres semanas sem que prove doçura, nem chá, nem
café, nem chocolate, como por medida e por peso, e não uso de carne nem
de genero algum de tabaco, não passeio, nem vou aos espectaculos;
prefiro andar a pé e só peço ao Senhor que se compadeça da minha alma.

A burra protestante é bem parecida com a vacca, e com o burro da seita:
eu não conversava com estas em pontos ou artigos da santa fé, o seu
veneno era a maior traição e os seus reconditos apenas me revelaram
parte da sua historia de Milão.

Eu sempre assisti á missa mais catholica de que tinha noticia, e não
suspeitava em ninguem cavillação ou perfidia tão negra e atroz, que
chegasse a ostentar fé falsa da diabolica e tenebrosa consciencia: agora
sei que ha muitas d'estas embrutecidas consciencias, e não duvido que as
duas Caracas fossem d'este hediondo esconjuro.

Os maçons são em geral d'esta sanhuda seita do inferno; os usurpadores
de Portugal pactuam com o demonio, e entregam as almas para poderem
possuir as leis das santas casas do divino Salvador.

Mas estes venenosos monstros apenas gozam a presa: o direito santo e
eterno foge d'elles como foge a cerração quando nasce a aurora que vem
remir o mundo.

Os mesmos inimigos recebem outro engano ou desengano semelhante quando
tentam usurpar o poder da santa igreja para legitimar a sua tyrannia.

A falsa communhão dos protestantes está no estado: não póde legitimar os
actos do poder usurpador e dominador.

O estado catholico está na igreja, e por isso legítima os seus poderes
todas as vezes que recorre para este fim ao poder espiritual do summo
pontifice. A era actual é a perfeição da disciplina.



LIXO


O snr. Joaquim Antonio de Sousa Telles de Mattos, critico erudito e
menos conhecido que merece, publicou, em Evora, um opusculo intitulado:
_A imparcialidade critica do snr. Joaquim de Vasconcellos._ Allude á
_Analyse critica da versão do FAUST_. A obra do critico do snr. visconde
de Castilho é um livro crasso que morreu de tabardões, e jaz no
_carneiro_ das livrarias esperando que o dente roaz da carcôma o
pulverise por modo que as letras portuguezas se desenfezem d'aquellas
escamas de ignorancia e odio.

O snr. Telles de Mattos colligiu algumas necedades graudas que denominou
_vasconcellismos_.

Abre a lista, com a novidade--_declinar_ verbos. Eis a passagem onde se
encontra o lerdo descôco do critico de Castilho: _Nenhum doutorando dos
ultimos cinco annos em Coimbra, estaria no caso de_ declinar _os verbos
auxiliares allemães, sem merecer palmatoada..._ (pag. 26). E acrescenta
o snr. Mattos: «Quando eu vi o _Sejai_ e _Estejai_ julguei que era erro
typographico dos _germanismos_ annunciados; vendo porém _declinar_
verbos, percebi que o snr. Vasconcellos saberá tanto de allemão como
qualquer analphabeto nascido debaixo do paternal carinho de Bismarck.»

Observa que a pag. 57 o snr. Vasconcellos inclue a Suissa na Allemanha;
e acrescenta: «A Suissa pertence á Allemanha na geographia do snr.
Vasconcellos; ella deve ser equiparada á sua grammatica.»

Nota que o snr. Vasconcellos escrevendo: _os manes do Olympo_ (pag. 128)
désse a perceber que os deuses olympicos tem manes. _Manes_ tanto
significam almas dos mortos como deuses infernaes. A mythologia do snr.
Vasconcellos é como a geographia, e não desdiz da grammatica.

Cita, na pag. 208, o imperativo do verbo _ser_, _apud_ Vasconcellos:
«_Sejai_ pois corajoso e apparecei como modêlo.» E a pag. 507: «_Sejai_
tão infames quanto quizerdes.» E a pag. 337: «_Estejai_ dentro ao golpe
da sineta.» _Coup de clochette_--golpe de sineta, segundo Vasconcellos.
Em portuguez, traduz-se _badalada_, ou _toque de sineta_. Desculpem esta
observação os alumnos de instrucção do 3.º anno dos lyceus.

«Desço eu (diz o snr. Vasconcellos a pag. 239) sem cessar de cima para
baixo.» O snr. Telles de Mattos ajunta: «Leitor, agradece a fineza: sem
o pleonasmo, ficavas percebendo com certeza que se desce de baixo para
cima.»

Os cães, _apud_ Vasconcellos, grunhem. A pag. 273: «Tu vês um cão...
elle _grunhe_.» A pag. 277: «Não grunhes, cão!» E torna: «Quer o cão...
_grunhir_.» Nunca se usurpou tantas vezes a linguagem ao cevado.

Se o snr. Vasconcellos estudasse portuguez pelo _Methodo_ de Monteverde,
teria aprendido nas _Vozes dos animaes_ do snr. Pedro Diniz como vozêam
cães e porcos.

    _Muge_ a vacca; _berra_ o touro;
    _Grasna_ a rã; _ruge_ o leão;
    O gato _mia_; uiva o lobo;
    Tambem _uiva_ e _ladra_ o cão.

    ..........................

    _Chia_ a lebre; _grasna_ o pato;
    Ouvem-se os porcos _grunhir_;
    Libando o succo das flôres,
    Costuma a abelha _zumbir_, etc.

Tambem Vasconcellos, traduzindo Goethe, descobriu no cão um _caroço_
(pag. 285). Diz-lhe o snr. Telles que _Kern_ significa _pevide_ ou
_caroço_, quand se trata de fructos; mas n'outras conjuncturas, é
_amago_, _substancia_, etc. O snr. Vasconcellos, quando tirava os
significados de _Kern_, achou _caroço_, e pespegou-o logo no cão; por
isso o cão encaroçado _grunhiu_ tres vezes. Podéra...

A pag. 474, escreve Vasconcellos: _ouvir por um oculo._ Eu esta phrase
não a estranho. Mais me espantára, se elle dissesse: _vêr por uma
corneta acustica._

Dá-nos Vasconcellos a pag. 503 Tantalo _enterrado até ao queixo na
agua._ Póde uma pessoa estar _enterrada_ na agua, e estar _submergida_
na terra. Tambem não estranho isto; mais me assombra a coragem da
ignorancia, se é que não ha um fado irresistivel e tolo que nasceu
comnosco, ou _com nós nasceu_, como diz Joaquim de Vasconcellos a pag.
339.



BIBLIOGRAPHIA


_Escriptos humoristicos em prosa e verso do fallecido JOSÉ DE SOUSA
BANDEIRA, precedidos da biographia e retrato do author. Porto, 1874._--O
berço da liberdade em Portugal foi embalado com as trovas politicas do
redactor do _Azemel_ e do _Artilheiro_. Bandeira é o patriarcha da
facecia jornalistica entre nós. A sua graça era da velha escóla de José
Daniel e de José Agostinho de Macedo. Não pespontava de delicadeza: ia
direita aos beiços do leitor e abria-lh'os forçosamente em casquinadas
de riso. Hoje em dia, o riso é mais preguiçoso, quando folheamos estas
paginas do livro escripto ha 38 annos. São cinzas, e cinzas esquecidas
os estadistas que José de Sousa Bandeira motejou no tumultuoso palco
politico de aquelle tempo; todavia, a historia não prescindirá de
consultar os _Annaes da imprensa da liberdade restaurada_, quando houver
de assentar de vez os vultos dos grandes obreiros do governo
representativo; e, entre todos os archivistas das luctas d'esses dias,
José de Sousa Bandeira foi o mais independente e afouto. Custodio José
Vieira, talento insigne e apreciador inflexivel dos homens e das cousas,
escreveu a biographia do jornalista com quem muitas vezes pleiteou na
sua juventude de publicista. É um lavor incompleto, dado que na vida de
Sousa Bandeira lhe não esquecessem os lances capitaes. É incompleto, por
que as 83 paginas escriptas deviam prolongar-se até completar a historia
e o proseguimento da restauração dos direitos civicos em Portugal.
Custodio Vieira revela-se, n'este eloquente escripto, historiador
severo. No estylo, usa as concisões de D. Francisco Manoel de Mello, e o
atticismo dos historiographos que melhormente exemplificaram a arte de
narrar. Se elle um dia poder furtar-se aos braços da sua amada e
amantissima jurisprudencia (que amores!) póde ser que a historia se
preze de brindar os portuguezes com os fastos da sua emancipação.

      *      *      *      *      *

_No Minho, por D. ANTONIO DA COSTA. Lisboa, 1874._--Apenas publicado,
divulgou-se o gracioso livro de D. Antonio da Costa, escriptor provado
em ramos de variada litteratura. Os _Tres mundos_ foi obra que affirmou
os distinctos dotes revelados nos livros anteriores. Este do _Minho_ é o
repousar suave de circumspectas canceiras, que asseveram meditação,
estudo, espirito reflexivo e capacidade para tentativas avessas do
indolente genio portuguez. Escrever 310 paginas ácerca d'estas moutas
verdejantes do Minho, sem enfastiar, é condão de quem sabe quebrar com
as diversões da arte a monotonia da natureza. E, depois, jornadear por
estradas reaes, pernoitar por estalagens urbanas--em que não ha
vislumbre de urbanidade, nem sequer misericordia--passar uma noite em
Braga, é sentir-se a mais robusta e inventiva alma encodear de uma
crusta de estupidez que nos faz pensar que temos no peito uma tartaruga
sôrna. Braga, a scintillante esmeralda d'esta manilha de pedras finas
que D. Affonso Henriques tirou do pujante braço de Hespanha, Braga seria
a querida dos forasteiros de todo o mundo, se as camas das suas
hospedarias não fossem alfobres de insectos _apteros_ com seis patas, e
_hemipteros_ com azas, segundo Cuvier. Sei que no Indostão ha hospicios
em que as pulgas são pensionadas e medicadas nas suas enfermidades. Sei
que os indostanicos respeitam o dogma da metempsychose, e se deixam
sugar devotamente por ellas; mas nem Braga é Aurengabad, nem eu sou da
raça mahratta, nem tenho razões bem assentes para desconfiar que o
espirito de minha avó se compraz em me morder no hotel Real de Braga.

Não encontro memoria d'este martyrio no livro do snr. D. Antonio da
Costa. Attribuo a omissão á delicadeza do martyr. Ha tormentos tão sujos
que o relatal-os em gemidos é indecencia consignada no _Compendio de
civilidade_ do snr. João Felix. Se bem me lembro, Boileau cantou a pulga
em magnificos alexandrinos; hoje em dia; nem á pedestre prosa se
consente rolar uma lagrima sobre a cutis sevandijada por estes e outros
carnivoros creados em um dos sete dias genesiacos... para satisfação e
proveito do homem.

O meu amigo D. Antonio da Costa, convisinhando do snr. Manoel dos
Malhos, que roncava impenetravel ás harpias do hotel, chorou
copiosamente no capitulo intitulado: _Uma insomnia._ Quem sabe se,
n'aquella noite, as luras epidermicas da casca de Manoel dos Malhos
attrahiram as hordas a desenxovarem n'ellas as suas larvas e nymphas?
Eu, n'aquellas estalagens, encontro sempre dous Manoeis dos Malhos, um
de cada lado, e os outros bichos no meio.

Formal e substancialmente são admiraveis os capitulos d'este livro,
intitulados _O Bom Jesus do Monte_, _Um castello feudal em 1873_, _A
mulher do Minho_, e a _Ultima impressão_. N'estas paginas que fecham o
livro reluzem os entranhados desvelos com que o snr. D. Antonio da
Costa, ha tantos annos, afaga as criancinhas carecidas da segunda alma
da educação. Este capitulo é um obelisco de gratidão publica e amoravel
a perpetuar a memoria de D. Maria Francisca dos Santos Araujo, abastada
senhora de Leça que fez do seu ouro um quinto evangelho de propaganda
caritativa. «Ah, senhora!--escreve o eloquente enthusiasmo do obreiro da
instrucção--devem de ser formosos os vossos momentos, quando na escóla
que edificastes vos achardes rodeada das meninas que se estão educando
no vosso bafo, e não menos quando sahindo d'alli festejada por ellas, ao
passardes pelas ruas de Leça, chegarem ás portas todas aquellas mães com
as filhinhas mais pequenas ao collo, e fordes vendo todas essas mães
apontarem para vós, dizendo alvoroçadas para as crianças: _É aquella!_»

O livro _No Minho_ está julgado por 1:500 leitores que o já possuem; e,
todavia, annunciou-se a excellente obra nos primeiros dias de julho. Não
são triviaes estes triumphos em Portugal, repetidos com as mais notaveis
producções do benemerito escriptor. Aquelle grave e philosophico livro
dos _Tres mundos_, relido com intelligente ardor e creio que já
reimpresso, attesta que renasce n'este paiz o afan do estudo, e o gosto
da instrucção solida. Deviamos vir a isto, depois do cataclysmo de
palavrorio e marmanjarias com que uns sycambros andaram por ahi a querer
derrancar a mocidade. Não póde o illustre escriptor frizar de todo a sua
indole peculiar ao genero escoteiro--digamol-o assim--d'estas cousas
levissimas e quasi futeis que se escrevem em jornadas de fronteiras a
dentro. O modêlo, que Almeida Garrett imitou dos francezes, é um estorvo
que desanima. O romance, interposto na viagem, era em 1840 um dôce
engodo, e foi grande parte na prosperidade do livro. Estavamos ainda no
periodo romantico. A menina dos rouxinoes devia ser contemporanea dos
bardos que se inspiravam das proprias cabelleiras á Saint-Simon. Os
rapazes d'aquelle cyclo acreditavam em Garrett, e andavam saturados do
amor dos Espronceda e Musset.

Hoje, não. O livro do snr. D. Antonio da Costa é, a intervallos,
condimentado das grandes questões do dia, da vitalidade regeneratriz que
estúa no pulso de todas as forças. Se parte dos leitores o desejam mais
futil, ha de haver muito quem assim o estime em dobro. Eu, de mim, achei
n'estas trezentas paginas o sorriso alegre, a meditação melancolica, o
rebate saudoso de perdidos contentamentos, o estimulo a considerações de
porvindouros beneficios a filhos e netos--consolação unica, mas santa,
que a Providencia dá aos que não esperam nada da vida presente.

      *      *      *      *      *

_Phantasias e escriptores contemporaneos, pelo VISCONDE DE BENALCANFÔR.
Porto, 1874._--Ricardo Guimarães, com o camartello do folhetim, derruiu
o carroção, no Porto, ha vinte annos. O carroção tinha, por aquelle
tempo, dous seculos de moda. Fôra inventado na rua das Cangostas para
uso de uma familia obesa, formada de quinze pessoas adiposas. Esta
familia derreteu-se no estio de 1650; mas o carroção ficou.

No lapso de duzentos annos, o carroção, parado no largo da Batalha, com
a lança vermelha atravessada nas sôgas dos ramalhudos bois, viu passar e
desapparecer todos os vehiculos adelgaçados pelo cepilho do progresso. O
carroção escancarou as goelas, e riu da americana, da victoria, do
phaetont, do landeau, da caleche, do dog-cart, da tipoia, do coupé, do
tilburi, do daumont, do brougham, do mail-coach, do poncy-chaise, do
groom, do break. Ricardo Guimarães, fundibulario da hoste moderna,
carregou a funda de estylo, remessou-a ao Golias de couro; e o gigante,
arrastado pelos bois que mugiam saudosos da palha-milha que comiam á
porta do theatro lyrico, dispersou os membros por Barcellos, Famalicão e
regiões visinhas. O milagre não fôra obra de um homem nem de uma geração
de espiritos finos. Fôra o estylo de Ricardo Guimarães--o estylo que é a
dynamisação de todas as forças, desde a polvora até á dynamite, desde a
alçaprema de Archimedes até á machina de Papin. Era uma delicia o
escrever d'este rapaz, e outra delicia o modo como entornava no papel os
brilhantes paradoxos, as hyperboles ridentes, as metaphoras
originalissimas. Era meu companheiro de hotel (que hotel, ó Ricardo!) em
1855. Escrevia artigos politicos de madrugada, na calma, entre meio dia
e uma hora, do seguinte feitio: tinteiro e papel no sobrado; elle
adaptava-se horisontalmente ao colchão, na postura de quem espreita a
profundidade de uma cisterna, descia o braço direito até ao pavimento, e
escrevia lá em baixo. Assim tratava Ricardo Guimarães, de bôrco, a
politica do _Nacional_, no soalho, como quem deita migalhas a uma pêga.

Depois, um dia, enfardelou os fraques e os vernizes, os retratos de
algumas mulheres formosas e os economistas mais avançados, desdobrou as
azas da sua arrojada phantasia, deu um sorriso aos seus amigos, e...
adeus! D'ahi a pouco, deputado, esposo, pai. Fez-se um silencio de annos
na sua voga de escriptor. Os seus camaradas, que haviam afivelado com
elle a espora de cana em algaras litterarias, trajaram luto quando se
convenceram que o _visconde de Benalcanfôr_ era o epitaphio de _Ricardo
Guimarães_.

Eil-o que resurge com as feições mais accentuadas, o sorriso menos
expansivo e mais hervado de ironia, a graça mais palaciana, a satyra com
oculos verdes para que a não acoimem de estouvada, e as antigas imagens
de sua invenção com decote que não deixe vêr a curva da espadua.

D'esta reforma, salvou o visconde de Benalcanfôr as facetas
resplandecentes do estylo, deveras portuguez na palavra, francez no
boleio da phrase--ligação que é uma formosura, quando o escriptor tem a
consciencia d'essa difficultosa amalgama.

Tem o visconde publicado os melhores livros que possuimos ácerca de
viagens. Este das Phantasias seria aquelle que eu mais encarecesse em
quilates de graça e critica, se me não visse ahi tão amigavelmente
indulgenciado em onze paginas. Ponderei, gravemente, meu caro Ricardo,
n'este livro o teu capitulo, intitulado ELOGIO MUTUO. Tu, com certeza,
antes queres de mim uma reminiscencia da juventude, que os tardios e
quasi inuteis gabos feitos ao teu assignalado talento.

      *      *      *      *      *

BERNARDINO PINHEIRO. _Amores d'um visionario, romance historico original
do seculo XVI. 2 tom. Lisboa, 1874._--Se a linguagem das civilisações
adiantadas e os pensamentos de perfectibilidade humana podessem
pensar-se e exprimir-se no seculo XVI, este romance do snr. Bernardino
Pinheiro corresponderia, cabalmente, á qualificação de _historico_. A
illusão desfaz-se a cada pagina, sempre que os personagens entendem na
questão do progredir social. Que Antonio de Gouvêa, o heroe do livro,
depois de ouvir, na Europa litteraria e convulsa de reformas, as
theorias dos adversarios do papa e do dogma, propagasse idéas e palavras
novas em Portugal, é possivel; mas que a freira do Salvador, e D.
Margarida de Lencastre, e a escrava liberta discreteassem tão eloquentes
e progressistas ácerca dos direitos do homem, da emancipação do escravo,
da liberdade do pensamento, repugna aceital-o a razão, posto que de bom
animo nos affeiçoemos á vehemencia e esplendor d'essas phrases
intempestivas.

Mulheres illustradas, se as houve em Portugal no seculo XVI, são umas
que o snr. Pinheiro nos mostra em um dos admiraveis capitulos do seu
livro. As paginas descriptivas de _Uma academia feminina do seculo XVI_
quadrariam em livro da mais selecta historia do reinado de D. João III.
Alli estão as Sigéas, que não gozam fama de pudentissimas escriptoras,
se um poema erotico as não calumnía. Pois, n'esses completos moldes que
o snr. Pinheiro nos deu da sciencia feminil, está o maximo, o ultimo
estadio do alcance intellectual da mulher. Soror Maria, a monja que, de
escrupulosa, não ousava erguer o véo a sós com o amante, revelou
incapacidade para discorrer tão liberrima, na carta a Gouvêa, ácerca das
regalias do coração. Escrevendo ácerca de uma visionaria, diz a freira
ao seu amado: «Os espiritos convictos são logicos. O fanatismo tem as
suas leis fataes--e, por vezes, posto que raras, felizes...» E
acrescenta com intelligente ironia: «Que enormissimos criminosos que nós
somos:--amamo-nos, e acreditamos no evangelho puro!... Quando serão no
mundo livres o pensamento e o amor?!»

A freira em 1548, podia delinquir porque era mulher; mas não saberia
desculpar o seu delicto com argumentos d'aquella natureza. E soror
Maria, se tivesse no corpo o demonio incubo da philosophia, quando abriu
a porta da cerca monastica ao amante, sahiria por ella, em vez de,
colhida em flagrantes amorios, pedir misericordia á mestra de noviças.
Teria feito o que fez depois, independente de luzes que lhe mostrassem a
nullidade e tyrannia dos votos de reclusão, castidade e pobreza.

Esta macula é resgatada por nitidissimas paginas que manifestam o
historiador avantajando-se ao romancista. O capitulo XVIII
(_Illustrações em Coimbra_) é labor bastante a graduar um espirito culto
na convivencia dos varões insignes do seculo XVI. A disposição do grupo
é magnifica. Alli se admiram os luzeiros que chammejaram á volta da alma
negra de João III e não vingaram esclarecel-a.

O quadro do auto de fé em que Antonio de Gouvêa é salvo da fogueira pela
cohorte dos escravos, é tão vigorosamente desenhado quanto inverosimil.
Os frades de S. Domingos não se deixavam embair por tretas nem
sancadilhas á sua credulidade, quando queimavam herejes da laia de
Gouvêa. Não obstante, esse trance, pelas commoções que produz,
dispensa-se dos realces da naturalidade.

Em summa, _Os amores d'um visionario_ é um livro que merece graduar-se
entre os bons romances portugueses, tanto pelos predicamentos da
imaginação, como pelo subsidio de historia que presta ás pessoas
desaffectas a demorados estudos.



POBREZA ACADEMICA


O secretario da academia real das sciencias de Lisboa, José Bonifacio de
Andrade e Silva, escreveu a monsenhor Ferreira Gordo, pedindo-lhe um
donativo para ajuda de se pagar o busto do duque de Lafões, D. João
Carlos de Bragança, que a mesma academia desejava collocar em uma das
suas salas. O sabio monsenhor respondeu com circumspecção e graça por
meio da seguinte carta, que está inedita:


«Poderá v. s.ª certificar em meu nome á academia, que eu estou disposto
a concorrer com o contingente, que me couber, guardada a proporção
arithmetica, para o monumento, que pretende dedicar á memoria sempre
saudosa do seu illustre fundador, e que aproveitarei de bom grado todas
as occasiões, em que possa dar-lhe mostras do meu reconhecimento pelo
muito, de que lhe fui devedor. Mas não se achando todos os socios n'este
empenho, e fallecendo á maior parte d'elles meios, para fazer donativos
d'esta natureza, parece-me que a academia teria resolvido com mais
prudencia, e circumspecção decretando que a despeza do dito monumento
sahisse inteiramente dos seus fundos. Que póde doar sem detrimento seu
um religioso, não sendo commissario da Terra Santa, prior geral dos
conegos regrantes de Santo Agostinho, abbade geral do mosteiro de
Alcobaça, ou ministro provincial dos menores observantes de qualquer das
duas provincias de Portugal e Algarves? Que rendimento tem um professor
regio de humanidades, um lente da universidade, um ministro, e qualquer
outro funccionario publico, que na fallencia de bens patrimoniaes, lhe
não seja indispensavel para sua mantença? Dirá alguem que a academia
roga, e não manda, e isto é verdade; mas como ninguem quer o fóro de
pobre, nem ser marcado com a nota de pouco officioso, esta rogativa virá
a ser para a maior parte dos socios, o effeito de um rigoroso
mandamento. De mais se a academia é real, se todos os seus trabalhos se
dirigem a fazer prosperar, e florecer os estados de quem lhe deu este
titulo, e a subsistencia, e se até agora tem gozado a singular
prerogativa de ser presidida por uma personagem de sangue real, acho
muito improprio, que a despeito, de tudo isto, se lhe queiram dar os
attributos de uma irmandade religiosa, fazendo dependente da caridade de
seus irmãos, e não do seu patrimonio, qualquer despeza extraordinaria,
que emprehender. Perdôe v. s.ª como secretario a liberdade, que tomei,
que como meu amigo que é, tenho certeza me desculpará, se o que acabo de
escrever se encontrar com o seu parecer, que muito respeito.»


Os academicos de hoje são outra casta de gente, quanto a pelintraria. Se
não fazem bustos, é porque ainda estão vivos todos os sujeitos que hão
de resuscitar no marmore e no alabastro. Aquelles salões desertos hão de
ser povoados de estatuas, quando as cangas de sabios que hoje lavram os
baldios da sciencia, se foram a pascer nos almargens da immortalidade.
Medita a geração nova no modo de os entrajar, pois que a funeral casaca
destôa das arrojadas manias e sabenças de cada sujeito. Creio que
deveremos apparecer, nós, os academicos, cada qual com seu caranguejo
symbolico na mão operosa. O mocho, a ave de Minerva, apenas cabe de
direito ao snr. João Felix Pereira, o pervigil diurno e nocturno.



SOBRE ANSELMO


Usam dizer algumas pessoas assalteadas por bandidos da imprensa: «Não
respondo, porque o insultador é canalha.» Isto é um desacerto. Não ha
canalha irrespondivel. Todo o infame que calumnía representa uma
parcella da opinião publica. E essa parcella, malevola ou enganada, crê
esmagar o calumniado quando o interprete de seus odios ou preconceitos
tem no espinhaço a couraça repulsiva do escaravêlho, invulneravel aos
bicos da penna e aos loros do látego.

Anselmo é um como isso. E, todavia, eu respondo a um grupo de sujeitos
representados na imprensa por Anselmo. Separal-o individualmente, e
atagantal-o, isso é que de modo nenhum. O sapo esguicha um pus fetido
quando lhe verberam as pustulas do couro. Não se bate em homens d'esta
laia, desde que o pelourinho e o açoute foram expungidos da lei.

Convém saber que Anselmo não escreve: assigna. Theophilo Joaquim
Fernandes é o tubo intestinal por onde Anselmo estrava a alma
excrementicia; ao mesmo tempo que Anselmo é a testa polida (não é
tartaruga: finge) em que Joaquim escreve as suas protervias a carvão.
Theophilo, o ignorante que eu abafei com a critica risonha, sem lhe
impor alçada ás devassidões notorias, resfolga nas iras do outro. É a
vingança negra do mais safado caracter que ainda sahiu desembolado ao
curro das letras.

No impresso assignado por Anselmo de Moraes encontrei duas aleivosias
que me doeram por estar conspurcado n'ellas o nome serio do snr. José
Gomes Monteiro, invocado como authoridade no meu descredito. São as
seguintes:


«Da cadêa começou Camillo a abrir brecha para a rapina na casa Moré,
mandando ahi mostrar um romance de descompostura ao dignissimo
procurador regio, que não lhe tolerou certas obscenidades no carcere; o
amigo do procurador regio, gerente da dita casa, teve de pagar o romance
para poupar um desgosto ao magistrado respeitavel. Ainda não ha muito
tempo que o snr. José Gomes Monteiro se refugiou no nosso escriptorio
para evitar o encontro de Camillo na loja Moré, que ia alli armar uma
_escroquerie_, com o fim, dizia elle, de pagar uma decima...

«Ultimamente comprometteu a sorte de Vieira de Castro com a sua defeza;
explorou a desgraça do amigo com o drama o _Condemnado_, que vendeu a
dous individuos.»


Pedi ao snr. José Gomes Monteiro, antigo gerente da casa Moré, e editor
do _Condemnado_, que se dignasse ajudar-me a interpretar estas
deshonrosas referencias a um romance que s. exc.ª me pagára para não ser
publicado, a uma fuga de s. exc.ª no escriptorio de Anselmo para se
furtar a uma _escroquerie_; e finalmente á dupla venda do drama _O
Condemnado_ a s. exc.ª e a outro simultaneamente.

O snr. José Gomes Monteiro, na volta do correio, respondeu d'esta fórma:


                                          _Snr. Camillo Castello Branco._


Meu amigo.


Acabo de receber a carta de v. datada de hontem, incluindo o impresso
que Anselmo de Moraes fez aqui circular. Apresso-me em responder-lhe.

O primeiro periodo marcado por v. allude ás _Memorias do Carcere_ cuja
editação v. me veio propor em seguida á do _Amor de Perdição_. Ajustamos
a publicação d'essa obra antes de eu ter lido o original, que só no dia
seguinte me foi entregue. Li então o manuscripto aonde encontrei algumas
expressões que me pareceram offensivas da reconhecida probidade do
conselheiro Camillo Aureliano da Silva e Sousa, então procurador regio
junto á Relação do Porto. Por este motivo tive de devolver o original a
v. rogando-lhe houvesse por nulla a nossa convenção, por isso que eu
não podia ser editor de um livro em que de certo por erradas
informações, era maltratado um amigo meu, que eu tinha na conta de
magistrado integerrimo e de honradissimo cavalheiro. V. veio
immediatamente procurar-me e aceitando o meu testemunho como a expressão
da pura verdade, confessou ter sido mal informado ácerca da immaculada
probidade do meu amigo. Voltou o manuscripto devidamente reformado e v.
não se limitando a expungir as phrases que eu havia condemnado, fez
generosamente justiça ao honrado magistrado. Publicou-se o livro e elle
mesmo dará testemunho da inexactidão do que se affirma no citado
impresso, de que eu me vira obrigado a pagar um romance escripto por v.
contra o meu amigo para lhe poupar um desgosto.

Confesso não ter guardado rigorosa reserva sobre este incidente, do que
sinceramente me peza, visto que a minha indiscrição deu lugar a que os
factos fossem desfigurados em desabono de v.

V. não precisa de certo que eu o justifique, nem me justifique a mim de
me haver um dia refugiado no escriptorio do signatario do impresso para
me subtrahir a um pedido de v. Declaro com toda a ingenuidade não me
recordar d'esse grave capitulo de accusação dirigido não sei se a mim se
a v. O que afoutamente posso asseverar é que nas muitas transacções
commerciaes que temos tido encontrei sempre em v. a maior franqueza e
inexcedivel probidade. Não é por isso verdade que v. depois de me haver
vendido a propriedade do drama _O Condemnado_ o tivesse subrepticiamente
vendido tambem a outra casa editora. É verdade que d'este drama se veio
a fazer no Rio de Janeiro uma contrafacção, mas tenho completa certeza
de que v. fôra inteiramente alheio a esta fraude, que a falta de um
tratado com o Brazil infelizmente authorisa.

V. fica authorisado a fazer d'esta minha carta o uso que lhe convier.

Sou como sempre

                                                           De v. etc.

Porto, 25 de julho de 1874.

                                                _José Gomes Monteiro._


Apraz-me grandemente o publico testemunho d'esta carta, no momento em
que as minhas relações sociaes e commerciaes com o snr. José Gomes
Monteiro se desatam. Eu não poderia, sem impostôra inutilidade,
fingir-me amigo de s. exc.ª desde que do contexto da sua carta se
deprehende que o snr. Gomes Monteiro não se recorda bem se fugiu de mim
para o escriptorio de Anselmo. Figura-se-me mais consentaneo ao honesto
caracter do snr. Gomes Monteiro negar-se pela palavra a um favor pedido,
e não pelo escondrijo no escriptorio de Anselmo a quem, pelos modos, s.
exc.ª não disse _que nas muitas transacções commerciaes que tivera
commigo encontrára sempre a maior franqueza e inexcedivel probidade_.

Tirante esta feição mais attendivel do impresso, o remanescente é
indiscutivel nos prelos e nos tribunaes. Tenho vergonha das infamias
alheias, e respeito os nomes das pessoas que ahi se ultrajam.

No entanto, não me esquivo a tocar dous episodios da minha biographia,
que lá vem contados:

Que eu guardara cabras em Villa Real.

Quer o leitor saber onde Theophilo foi esquadrinhar este indecoroso
lance da minha vida? Em um livro meu, chamado DUAS HORAS DE LEITURA,
escripto ha 20 annos. Sou eu que, em uma carta ao meu fallecido amigo
José Barbosa e Silva, conto assim o caso das cabras:


«Aos meus dez annos, levantou-se uma tempestade no seio da minha
familia. Uma vaga levou meu pai á sepultura; outra atirou commigo de
Lisboa, minha patria, para um torrão agro e triste do norte; e a
outra... Não merece chronica a outra: arrebatou-me um esperançoso
patrimonio. Foi bem pregada a peça, para que eu não tivesse a impudencia
de nascer, a despeito da moral juridica, filho natural de não sei que
nobre. Disseram-me que uma lei da snr.ª D. Maria I me desherdava. A boa
da rainha, se tivesse amado mais cedo um certo bispo, não legislaria tão
cruamente para os filhos do peccado; Denominava-se a _piedosa_, pela
mesma razão que um rei nosso, soprando a fogueira de vinte mil hebreus,
se chamou o _piedoso_... Fui educado n'uma aldêa, onde tenho uma irmã
casada com um medico, irmão de um padre, que foi meu mestre. O mestre
podia ensinar-me muita cousa que me falta; mas eu era refractario á luz
da gorda sciencia do meu padre. Fugia de casa para a serra, dava muitos
tiros ás gallinholas e perdizes... O meu gosto era (_hic_, cabras)
pascer o rebanho de casa por aquelles saudosos valles. Todavia, minha
irmã oppunha-se a este humilde serviço. Dizia-me cousas que eu não
percebia ácerca da minha dignidade, reprehendia os meus baixos
instinctos, attrahia ao seu voto o marido e o padre, e cortava-me o
rasteiro vôo, escondendo de mim a clavina, o polvorinho, os salpicões, a
brôa, e a cabacinha da aguardente. Não obstante, eu pedia tudo de
emprestimo, e ia com as ovelhas para o monte. Passava lá o dia inteiro,
sentado nas espinhas d'aquelles alcantis fragosos, sempre sósinho,
scismando sem saber em quê, engolfada a vista nas gargantas dos
despenhadeiros.»

      *      *      *      *      *

A respeito de cabras, não ha mais nada nos archivos impressos, que eu
deva transmittir á posteridade.

Ai! meu saudoso rebanho! Provavelmente, d'este lidar com cabras é que me
ficou o sestro e coragem de aparar as marradas de cabrões, como Anselmo.

N'essa mesma carta a Barbosa e Silva, conto eu que ajudava diariamente á
missa a cinco sacerdotes. O sarrafaçal deixou escapar o ensejo de dizer
ao publico que eu tambem fui sacristão.

E a historia da filha do taberneiro, que me deu um fato novo e uma moeda
para eu lhe casar com a filha; e vai eu pego a fugir com o fato e a
moeda e deixo a rapariguinha perdida!

Desbragada porcaria!

Ó meus amigos de Villa Real, ou lá d'onde se passou o caso
infando! Procurai a miseranda menina; e, se a topardes n'alguma
gafaria--derradeira paragem da espiral das perdidas--trazei-a a casa
d'este Anselmo para lhe agradecer o pregão que a vinga, e para lá se
rehabilitar, vendo-se honesta em contacto com certo exemplo femeal de
podridão d'alma e corpo.

      *      *      *      *      *

Despedi-me, ha dias, de assignante da _Actualidade_. Estou arrependido.
Devemos todos contribuir com alguns cobres para que Anselmo de Moraes
não seja forçado pela necessidade a _picar-nos_ (giria d'elle) o paletó
no cunhal da viella da Neta. Em quanto aquelle archi-pulha tiver gazeta,
o seu pão, embora deshonrado, garante-nos do assalto nocturno. Não lhe
leio mais o jornal; mas dou-lhe a esmola dos 240 reis mensaes. Mande-os
receber em quanto a espinha em via de amollecimento me consentir
subscrever com seis patacos, a fim de que elle me não liquide a cadêa do
relogio.

É verdade: affirma o impudentissimo caloteiro que tem lá uns titulos do
saldo de nossas contas.

A fim de que esses documentos appareçam, offereço o seguinte e perpetuo
supplemento a todos os numeros da _Actualidade_:


ANSELMO DE MORAES É RADICALMENTE LADRÃO, COM UM CORTEJO DE TORPEZAS
ESPECIAES E RARAS NOS LADRÕES MAIS DESPEJADOS.



AO PUBLICO


AO PUBLICO

Distribuiu-se ahi ha dias com generosa profusão um libello famoso por
motivos a que sou completamente estranho, mas em que nem por isso
quizeram que eu deixasse de figurar.

Indignou por ahi a todos a alludida publicação, sem exceptuar os
proprios amigos ou parciaes do signatario d'ella, o snr. Anselmo de
Moraes. Dou-me com isso por bem vingado das malevolas intenções que me
apontaram ás iras atravessadas do insultador enraivecido. Não ha
desforço pessoal que valha tanto, e, ainda que o houvesse, não seria eu
que o tirasse. A dignidade nem sempre manda procurar o aggressor, antes
ás vezes exige que se evite.

O meu fim é, pois, sómente esclarecer o publico, a quem respeito, como
devo, e de quem quero continuar a merecer bom conceito, ácerca da
perfida insinuação com que se intentou manchar a minha probidade
commercial, que só d'isto posso aqui fallar sem offensa da moral
publica. Obrigou-me aquella insinuação a dirigir-me ao exc.mo snr. José
Gomes Monteiro, que, como homem de bem, se dignou dar-me o testemunho
que se segue:


                                                                 _Snr._

_Respondendo restrictamente á carta que de V. acabo de receber,
cumpre-me declarar, como o exige o meu caracter, que durante o tempo que
sob a minha direcção V. serviu a casa da snr.ª viuva Moré, nunca d'ella
subtrahiu cousa alguma ou quantia e prestou regularmente as suas
contas._

                                                                _De V._

_Porto 28, 7, 74._

                                                    _attento venerador_

                                                  _José Gomes Monteiro_


Depois d'isto seria de mais tudo quanto eu podesse dizer. Fica o publico
habilitado para fazer o seu juizo.

                                                      _Ernesto Chardron._



FIM DO 8.º NUMERO



EMENDAS AO N.º 7


Pag. 47, lin. 15: quer-me _parece_, emende: quer-me _parecer_.

Pag. 95, lin. 10: _king-charles_, emende: _king's-charles_.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Noites de insomnia, offerecidas a quem não póde dormir. Nº8 (de 12)" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home